FACULDADE SANT ANA FERNANDA PIMENTEL SANTOS LORENA FIUZA FERREIRA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FACULDADE SANT ANA FERNANDA PIMENTEL SANTOS LORENA FIUZA FERREIRA"

Transcrição

1 FACULDADE SANT ANA FERNANDA PIMENTEL SANTOS LORENA FIUZA FERREIRA ECONOMIA SOLIDÁRIA: Uma Experiência Coletiva em uma Sociedade Individualista - A Construção de uma Narrativa PONTA GROSSA 2014

2 FERNANDA PIMENTEL SANTOS LORENA FIUZA FERREIRA ECONOMIA SOLIDÁRIA: Uma Experiência Coletiva em uma Sociedade Individualista - A Construção de uma Narrativa Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à Faculdade Sant Ana, como requisito parcial para obtenção do título de bacharel em Psicologia. Orientadora: Profª. Ms. Glaucia Mayara Niedermeyer Orth. PONTA GROSSA 2014

3 Dedicamos este trabalho a todas as pessoas que acreditam em um modelo econômico solidário, que possa por suas ações lutar pelos excluídos.

4 AGRADECIMENTOS A vida passa a ter um sentido especial, quando nos debruçamos nos nossos sonhos e lutamos pelo nosso ideal. É claro que quando encontramos alguém que simbolize a amizade este caminho acaba ficando cada vez mais apaixonante e agradável, por isso não tem como começar os agradecimentos se não recordar a nossa amizade que se construiu no decorrer da graduação. Nosso percurso acadêmico foi permeado pelo apoio, incentivo e carinho dos nossos familiares, que apostaram nas nossas potencialidades e estiveram ao nosso lado nas maiores dificuldades. Agradecemos a oportunidade que tivemos de conhecer e vivenciar a Economia Solidária que nos foi apresentada com muito amor e sabedoria pela Dra. Manuela Salau Brasil, a qual inspirou a nossa trajetória e escolha do tema para este trabalho. Agradecemos também à equipe da Incubadora de Empreendimentos Solidários (IESol) que nos acolheram e contribuíram para a realização desta pesquisa, construindo e fortalecendo os laços de solidariedade. Em especial agradecemos aos trabalhadores/as do empreendimento investigado por depositarem confiança em nosso trabalho ao compartilharem suas histórias de vida, pois a partir das suas narrações tivemos oportunidade de visualizar a prática da Economia Solidária. À nossa querida orientadora Glaucia Orth que soube nos guiar durante a estruturação deste trabalho, fomentando o nosso interesse em buscar formas de ressignificar e empoderar os marginalizados da sociedade. Para finalizar agradecemos de forma particular duas pessoas que tiveram um papel muito significativo na nossa história, não apenas acadêmica, mas que contribuíram motivando o nosso caminhar com as suas reflexões e capacidades de ouvir até mesmo o nosso silêncio. E a todos aqueles que de algum modo colaboraram para a realização deste trabalho, deixamos nosso muito obrigado!

5 A pobreza não é um acidente. Assim como a escravização e o Apartheid, a pobreza foi criada pelo homem e pode ser removida pelas ações dos seres humanos. (Nelson Mandela)

6 RESUMO O presente trabalho visa compreender a vivência pessoal das integrantes de um grupo que faz parte da Incubadora de Empreendimentos Solidários da Universidade Estadual de Ponta Grossa IESol, buscando perceber suas motivações para integrar uma experiência coletiva. Esta incubadora tem como metas promover em grupos de economia solidária a possibilidade de autogestão, a geração de trabalho e renda, a organização baseada no associativismo e cooperativismo, a sustentabilidade e autonomia nos empreendimentos. Dessa forma, a economia solidária enfatiza a importância de se criar caminhos de autonomia coletiva, sendo o oposto da visão tradicional do sistema capitalista. Utilizando como método a História Oral foi possível compreender como os princípios da Economia Solidária interferem na subjetividade dos sujeitos envolvidos nesta dinâmica, evidenciando por meio de entrevistas e discursos a subjetividade de cada entrevistada. Foram entrevistadas três mulheres integrantes de um empreendimento de Economia Solidária da cidade de Ponta Grossa. Após a realização das entrevistas, as mesmas foram transcritas e categorizadas conforme a sua pertinência ao objetivo da pesquisa. Com isso, foram construídas três categorias: A experiência de trabalho no capitalismo; Individual x Coletivo: motivações para integrar uma experiência de Economia Solidária; Significado do trabalho na Economia Solidária. Observou-se, ainda, que os valores narrados pelas participantes, construídos ao longo da sua vida, assemelham-se aos princípios da Economia Solidária, o que fortalece a sua participação nesse empreendimento. Palavras-chave: psicologia do trabalho, economia solidária, história oral.

7 ABSTRACT This study aims to understand the personal experience of the members of a group that is part of the Cooperative Business Incubator of the State University of Ponta Grossa - IESol, trying to notice their motivations to join a collective experience. The incubator s goals are to promote, in groups of Solidarity Economy, the possibility of selfmanagement, the generation of employment and income, as well as organization based on association and cooperation, sustainability and autonomy in the businesses. Thus, Solidarity Economy emphasizes the importance of creating paths of collective autonomy, opposing the traditional view of the capitalist system. Using oral history as a method, it was possible to understand how the principles of Solidarity Economy interfere with the subjectivity of the subjects involved in this dynamic, showing through interviews and speeches the subjectivity of each interviewee. Three members from a Solidarity Economy business in the city of Ponta Grossa were interviewed. These interviews were transcribed and categorized according to their relevance to the research's objective. From that, three categories were divided: Work experience in capitalism; Individual vs. Collective: the motivations to integrate the experience of Solidarity Economy; The meaning of work in the Solidarity Economy. It was also observed that the values narrated by the participants, built throughout life, resemble the principles of Solidarity Economy, which strengthens their participation in this project. Keywords: labour psychology, solidarity economy, oral history.

8 SUMÁRIO 1 CONSIDERAÇÕES INICIAIS A ECONOMIA SOLIDÁRIA COMO UMA ALTERNATIVA ECONÔMICA O capitalismo e suas contradições Capitalismo e realidade nacional: Conjuntura Política A Economia Solidária como enfrentamento da desigualdade social produzida pelo Capitalismo O TRABALHO COMO CONSTRUÇÃO DE SI Trabalho como categoria fundante do ser humano e produtor de consciência Quando o trabalho resulta em alienação Trabalho e Saúde Mental PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS Caracterização da pesquisa Procedimentos da pesquisa e caracterização das participantes RESULTADOS E DISCUSSÃO A experiência de trabalho no capitalismo Individual X Coletivo: motivações para integrar uma experiência de Economia Solidária O significado do trabalho na Economia Solidária CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS APÊNDICE A AS NARRATIVAS DE VIDA DAS PARTICIPANTES DA PESQUISA APÊNDICE B - ROTEIRO DE QUESTÕES PARA A HISTÓRIA ORAL... 60

9 8 1 CONSIDERAÇÕES INICIAIS A economia solidária é um tema que vem sendo discutido constantemente no meio acadêmico e social, por realizar uma forte crítica ao sistema econômico dominante e por propor um estilo de economia que luta contra as desigualdades sociais presentes no capitalismo. Segundo o Fórum Brasileiro de Economia Solidária (2014), o documento da I Conferência Nacional de Economia Solidária que aconteceu em 2005 alega a necessidade de trabalhadores solidários atuarem na superação das contradições próprias do capitalismo, encontradas como dificuldade para o desenvolvimento do homem. A Economia Solidária na cidade de Ponta Grossa tem apoio de diversas entidades, sendo uma delas a Incubadora de Empreendimentos Solidários (IESol), que faz parte de um programa de extensão da Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG) que surgiu para articular, organizar e consolidar empreendimentos solidários, promovendo nos grupos de trabalhadores incubados os princípios da Economia Solidária. Singer (2002) comenta que a economia solidária compreende diferentes tipos de associações voluntárias com o fim de proporcionar a seus associados benefícios econômicos, e surgem como reações a carências, como a pobreza que o sistema econômico dominante se nega a resolver. De acordo com Singer (2002) a economia solidaria permite que todos os trabalhadores possam tomar as decisões do empreendimento, possuindo os mesmos direitos, afirmando que cada um [...] tem a mesma parte do capital, e portanto os mesmos direitos de decisão. Pratica-se a autogestão, que é administração da empresa por todos que trabalham nela democraticamente ( p. 11). Assim, o autor define a economia solidária como um modo de produção que se caracteriza pela igualdade de direitos, onde os meios de produção são de posse coletiva dos que trabalham com eles, favorecendo e incentivando a autonomia e autogestão. Por outro lado, a Economia Solidária inserida no capitalismo tem como resultado um sujeito que encontra mensagens contraditórias, pois os princípios da Economia Solidária, como autogestão e cooperação encontram dificuldades em uma cultura individualista e competitiva. Diante dessas considerações, o presente trabalho tem como objetivo principal compreender, por meio da história oral, a vivência pessoal das integrantes de um grupo

10 9 incubado pela IESol e suas motivações para integrar uma experiência coletiva. Para atingir esta finalidade, este trabalho contou com um levantamento da bibliografia que trata do assunto trabalho, capitalismo e economia solidária, além de pesquisa de campo, operacionalizada por meio das entrevistas de história oral, após a aprovação do conselho de ética e pesquisa da Faculdade Santana, conforme protocolo Este trabalho está organizado em quatro sessões, que serão a seguir apresentadas. Na primeira sessão é abordada a Economia Solidária como uma alternativa econômica, apontando a estrutura do capitalismo, suas contradições e crises e a realidade nacional dentro desse modelo econômico. Na segunda sessão é teorizado o trabalho como construção do homem, sendo uma categoria fundante do ser humano, capaz de produzir consciência ou alienar o homem frente à realidade do seu trabalho. Dessa forma, essa sessão apresenta que o trabalho pode ser tanto causador de sofrimento psíquico quanto gerador de saúde mental. Na próxima sessão apresentamos a metodologia na qual foi realizado este trabalho que surgiu por vinculação ao campo de estágio, o que facilitou a construção desse trabalho pelo vínculo estabelecido com aequipe da incubadora e com os sujeitos que compõem o empreendimento pesquisado. A construção metodológica dessa pesquisa foi realizada por meio de três etapas. Onde primeiramente foi dado início à pesquisa bibliográfica, em um segundo momento realizou-se o convite para os seis trabalhadores do empreendimento solidário, onde três feirantes concordaram em participar da História Oral, e em seguida as entrevistas foram transcritas e analisadas. Por fim, apresentamos na quarta sessão os resultados da pesquisa, com a finalidade de compreender como os princípios da Economia Solidária interferem na subjetividade dos sujeitos envolvidos nesta dinâmica, e qual a influência da estrutura capitalista imposta socialmente. Contemplamos, ainda, a motivação de trabalhadores no ingresso a um empreendimento coletivo através das narrativas construídas durante a história oral.

11 10 2 A ECONOMIA SOLIDÁRIA COMO UMA ALTERNATIVA ECONÔMICA 2.1 O capitalismo e suas contradições O capitalismo passou por um processo evolutivo que teve seu início no século XVI com as grandes navegações que buscavam a interligação marítima, domínio e exploração de territórios (SINGER, 1991). Singer (1991) realça que a estratégia de expansão deste período estava baseada na unificação do mercado nacional e dominação por meio do monopólio político, sendo organizado o modo de produção que fundamenta a era do mercantilismo. Paul Singer (1991) ainda destaca que o modo de produção capitalista acontece pela propriedade privada, desigualdade e competição entre as classes sociais, que teve sua origem com a economia de mercado existente na Idade Média. Dobb (1976 apud ROIZ, 2009) demarca o surgimento e desenvolvimento do capitalismo, a partir da crise estrutural do sistema feudal que deu origem à circulação de mercadorias. Posteriormente, no século XVIII com a Revolução Industrial que inicia na Grã Bretanha, os mercados locais e nacionais passaram a estabelecer competições livres. Paul Singer (1991) comenta que: No século XVIII sucessivas guerras resultam no triunfo da Grã- Bretanha sobre seu maior rival, a França. Em consequência, o capitalismo manufatureiro alcançou maior desenvolvimento na Grã-Bretanha, criando as condições para a Revolução Industrial que aconteceu logo a seguir (p. 12). Assim, o capitalismo desenvolveu-se como modelo econômico no século XIX, o qual representou a derrocada do feudalismo, estabelecendo a divisão de trabalho e a especialização da produção em diferentes cidades (MARX, 1985). Marx (1985) ainda destaca que essas transformações na produção foram fortalecidas à medida que as propriedades existentes foram modificadas em capital industrial ou comercial, resultando no desenvolvimento do capitalismo. Com as revoluções e invenções das máquinas, o capitalismo passou a prover parte das atividades econômicas da época. Dessa forma, Singer (1991) define que o avanço do capitalismo foi lento e gradual, se fazendo presente a partir do momento em que as máquinas industriais passaram a sobrepor o homem. Segundo Scholz (2009), a Revolução Industrial na Grã-Bretanha ocorreu junto com a expulsão em massa de camponeses dos domínios senhoriais na Europa, que se

12 11 transformaram no proletariado moderno, ocasionando o êxodo rural e a exploração do trabalho nas fábricas pelo contingente de demanda de mão-de-obra. Essa excessiva exploração que os trabalhadores sofriam afetava diretamente sua saúde fisíca e psíquica, resultado das péssimas condições de trabalho e jornadas extensas que ocasionaram grande morbidade e mortalidade, impedindo que a produtividade do trabalho pudesse se elevar (SINGER, 2002). Frigotto (2000) cita que Marx em sua obra O Capital explora este modelo econômico como um modo social de organização que tem como objetivo central a maximização do acúmulo do capital, tendo como prioridade a concentração e centralização ampliada do capital da renda. Deste modo, Roiz (2009) aponta que a economia política do capitalismo produz desigualdades sociais que são apresentadas como circunstâncias constantes da luta de classes e intensificadas pelo modo de produção capitalista. O Donnell (1981) confirma: O capitalismo tem que engendrar o sujeito livre e igual ante o direito, o contrato e a moeda, sem que não poderiam existir sua ação seminal: compra e venda de força de trabalho e apropriação de valor. Essa liberdade implica como paralelo seu a igualdade própria da cidadania (p.74). Dessa forma, o autor pontua que o sujeito é livre e desamparado para vender a sua força de trabalho, pois a relação entre o trabalho e o poder do capital exercido sobre o trabalhador é estruturalmente desigual. Marx, em seus estudos sobre o capitalismo, demostra que esse sistema sobrevive da exploração do trabalho como forma de obter a dominação do capital. Assim, esta acumulação de capital deriva de relações desiguais. Marx (2011) traz como principal característica do capitalismo a circulação de mercadorias, tendo como ponto de partida o capital, que resulta no dinheiro. Logo, Marx (2011) diferencia o capital de dinheiro pela sua forma de circulação dentro da sociedade, sustentando como principal objetivo do capitalismo a apropriação crescente da riqueza, ou seja, do dinheiro. Dessa forma, o próprio trabalho é considerado mercadoria, cujo valor é estabelecido pelo mercado. Marx (2011) corrobora essa afirmação: Por força de trabalho ou capacidade de trabalho compreendemos como o conjunto das faculdades físicas e mentais existentes no corpo e na personalidade viva de um ser humano, as quais ele põe em ação toda vez que produz valores-de-uso de qualquer espécie (p.197). Portanto, a força que o trabalhador exerce na empresa capitalista é considerada como parte do processo, ou seja, uma mercadoria necessária para exceder a mais-valia,

13 12 seguindo a dinâmica de compra e venda. Na perspectiva de Marx (2011), o dinheiro é a forma necessária de se manifestar a medida do valor das mercadorias e do tempo de trabalho. O autor critica o sistema capitalista, no qual ocorre, constantemente, a transformação de mercadoria em dinheiro (venda) e dinheiro em mercadoria (compra). Assim, o produto excedente é vendido para gerar dinheiro e poder adquirir novas mercadorias (m1 d1 m2), passando a converter dinheiro em mercadoria e mercadorias em dinheiro (d1 m1 d2), esse processo de desenvolvimento tem como objetivo gerar e acumular riquezas sustentando a competição no mercado de trabalho, aumentando a desigualdade social (MARX, 2011). De acordo com Needleman (s/d apud KORTEN, 1996), no capitalismo o dinheiro passou a ser um determinante social: Em outros tempos e lugares, nem todos queriam o dinheiro acima de qualquer coisa; as pessoas desejavam a salvação, a beleza, o poder, o prazer, a propriedade, explicações, alimento, aventura, conquistas, conforto. Mas aqui e agora, o dinheiro não necessariamente as coisas que o dinheiro pode comprar, mas o dinheiro é o que todos querem. O gasto da energia da humanidade agora acontece no e através do dinheiro (p. 303). Para Marx (2011) o homem dentro da perspectiva do capitalismo é visto como personificação da força do trabalho, um objeto natural ou uma coisa, embora seja uma coisa viva e consciente, e o próprio trabalho é a manifestação externa, objetiva dessa força (p.238). Neste pensamento, o homem é apenas considerado um fator de produção, desconsiderando a sua subjetividade, não sendo visto como um indivíduo vivo, criativo, com metas, sonhos e potencialidades. O homem é um meio que serve para um fim maior, que é ganhar dinheiro. Ocorre uma espécie de alienação do trabalho e da vida do homem em decorrência dos princípios da valorização do capital. Altvater (2010) afirma que Marx compreende por capital uma relação social específica entre capitalistas, e aqueles que trabalham para eles são explorados nesta relação, cuja finalidade é gerar mais-valia, ou seja, lucro. Altvater (2010) ainda ressalta que o modo de produção capitalista é um sistema flexível, dinâmico, mas extremamente instável e contraditório, que provoca crises econômicas e políticas recorrentes. Assim a continuação do sistema capitalista no mundo, como afirma Altvater (2010), não apenas trará uma euforia impensada, que constrói o universo simbólico de que é uma sociedade democrática, que possui liberdade de escolha, economia de mercado e o bem-estar social, mas carregará a destruição do ser. O autor critica que o

14 13 capitalismo está tão enraizado na vida do homem contemporâneo tornando-se difícil refletir ou encontrar outra possibilidade de economia. A visão de outro mundo torna-se utopia, pois o fim do capitalismo é pensado como uma era apocalíptica, sendo reforçada a ideia de um sistema permanente (ALTVATER, 2010). 2.2 Capitalismo e realidade nacional: Conjuntura Política Há dois lados na divisão internacional do trabalho: um em que alguns países especializaram em ganhar, e outro em que se especializaram em perder. Nossa comarca do mundo, que hoje chamamos de América Latina, foi precoce: especializou-se em perder (Eduardo Galeano). O jornalista crítico Eduardo Galeano inicia sua obra As veias abertas da América Latina, destacando o quanto os países desse continente são marcados pela exploração, o que os levou à categoria de oprimidos especialistas. O autor ainda enfatiza que estes países possuem uma gama de recursos naturais, mas se limitam a sustentar as necessidades dos países desenvolvidos. Assim, Galeano (2010) entende que a América Latina é composta por países que foram explorados desde sua descoberta, tendo como resultado o trabalho excessivo da população para suprir outras necessidades que não são as suas, conforme cita: É a América Latina, a região das veias abertas. Desde o descobrimento até nossos dias, tudo se transformou em capital europeu ou, mais tarde, norte americano, e como tal tem-se acumulado e se acumula até hoje nos distantes centros de poder (GALEANO, 2010, p.5). O autor ainda localiza esta exploração contínua com o desenvolvimento do capitalismo, que funciona a partir de ganhadores e perdedores, enfatizando que a miséria encontrada atualmente é resultado das vitórias de outros países. O Brasil, durante três séculos, foi colônia de exploração dos portugueses, colaborando para a constituição do capitalismo manufatureiro europeu. Apenas na metade do século XIX iniciou-se o processo de substituição industrial através das importações, estando subordinada aos interesses da agricultura (SINGER, 2002). A produção brasileira exportada em 1930 era predominantemente agrária, porém com a industrialização do país foram criadas condições para a acumulação capitalista, com interferência direta do Estado (SCHOLZ, 2009). Com a industrialização do Brasil na década de 1950 e 60, segundo Freitas (1979

15 14 apud FREIRE, 1996) o desemprego atingiu números assustadores, a inflação e o custo de vida tornaram-se insuportáveis para a classe trabalhadora e para a população em geral. De acordo com Beatriz (2012), neste período ocorreu a migração abundante da população rural para as cidades, acarretando o excesso de pessoas para uma infraestrutura pouco adequada às necessidades básicas da população. A população pobre do país, expulsa ontem do campo e hoje excluída do emprego urbano, gera a situação explosiva que constatamos na cidade e no campo neste início do século (DOWBOR, 2002 apud BEATRIZ, 2012, p. 37). A crise econômica da década de 30, recorrente nas décadas de 70 a 90, é explanada por Frigotto (2000) como uma problemática de ordem político-econômica que foi marcada pelos altos índices de desemprego e desigualdade social. De acordo com este autor a acumulação capitalista financiada pelo fundo público para manter o padrão de acumulação do capital solucionou a crise da década de 30, entretanto deu origem às crises econômicas das próximas décadas, tornando-se, portanto uma crise estrutural e não uma crise decorrente das intensas intervenções do Estado. Se na década de 30, período marcado pelo Estado Novo, o Brasil construiu as bases para o desenvolvimento do capitalismo, foi a partir da década de 60 que o Brasil firmou-se como um país capitalista. Numa conjuntura internacional configurada pela Guerra Fria, estabelecida entre Estados Unidos e União Soviética, mais precisamente marcada por uma guerra entre modelos econômicos distintos, a elite conservadora do país escolheu o rumo que o país adotaria (ORTH, 2013). Em decorrência dessa conjuntura, os Estados Unidos na tentativa de efetivar seu modelo econômico, realizou inúmeros investimentos na América Latina, contemplando o Brasil. Dessa forma, a autora afirma que a ditadura brasileira teve como base a efetivação do capitalismo como modelo econômico vigente, conforme segue: Em troca da extração das riquezas brasileiras, os estadunidenses deixaram aqui sua ideologia capitalista, sua supremacia econômica, a desvalorização da cultura nacional e a manutenção do país no submundo do desenvolvimento. A presença dos valores, da ideologia e da influência dos Estados Unidos no país é indiscutível, e a ditadura militar representou, apenas, mais uma etapa da intervenção daquele país no Brasil (ORTH, 2013, p. 62). Assim, o capitalismo ganha destaque no Brasil, apoiado pela ditadura militar com a propaganda de efetivar a democracia no país. De acordo com Freitas (1998), a repressão política, cultural, o aumento da pauperização e o acirramento das desigualdades sociais caracterizaram este período ditatorial. O governo ditador, a fim de garantir a hegemonia nas decisões tomadas, afastou

16 15 a população dos assuntos políticos, acarretando [...] uma despolitização em massa de grandes setores da sociedade que simplesmente diziam amém aos arbítrios políticos (ORTH, 2013, p 62). No início do Regime Militar, o Brasil vivenciou uma sensação de pleno desenvolvimento econômico, o que propiciou a urbanização do país. Vale lembrar, entretanto, que essa situação foi impulsionada pelo baixo preço do petróleo em âmbito internacional, matéria-prima que contribuiu para o desenvolvimento da infraestrutura do país, mas que seria, também, a responsável pela derrocada do Regime e pela imersão do país na grande crise econômica que viria na década de 1980 (GASPARI, 2003). Até a década de 1970, o Brasil não se preocupou em investir na exploração dos combustíveis fósseis no país, por conta da abundância dessa matéria-prima no mundo e pelo baixo preço de importação. Porém, com o aumento do preço do petróleo importado a economia brasileira não resistiu, provocando escassez de matéria-prima e aumento do preço dos produtos derivados do petróleo. O Regime, a fim de manter a sensação de pleno desenvolvimento e sustentar sua posição de poder, passou a subsidiar o petróleo importado, o que gerava um gasto de 150 milhões de dólares por mês (GASPARI, 2003). Dessa forma, o brasileiro passou a consumir mais, levando a um déficit na produção e inflação de preços (GASPARI, 2003). Não conseguindo mais dar conta desse prejuízo, principiando a crise dos anos 80, os militares iniciaram o longo processo de abertura democrática. Assim, a instabilidade econômica atingiu o regime político e toda a população, pois a crise econômica dos anos 1980 resultou no aumento da desigualdade social e na pobreza (GASPARI, 2003). Costa e Souza (2005) enfatizam que a pobreza é gerada por ações humanas, responsabilizando o Estado por toda a desigualdade social visualizada atualmente. As autoras, ainda, apontam que no Brasil a falta de políticas públicas para distribuição de renda e riquezas gerou uma sociedade desigual, decorrente de decisões humanas que seguem a lógica capitalista, ou seja, a incapacidade de inclusão no mercado de trabalho. A pobreza ainda é analisada pelas autoras como um fenômeno global, pois está vinculada a fatores que dificultam o desenvolvimento do ser humano, afetando o convívio social, padrão cultural, acesso a serviços básicos, à justiça, enfim interferindo integralmente na vida social do sujeito. Singer (1991) aponta que nas décadas de 1980 e 1990, as grandes empresas eram responsáveis por fornecer a maior parte do emprego e os custos trabalhistas eram repassados aos preços dos produtos, assim, quem pagava o salário eram os

17 16 consumidores. Neste momento, de acordo com Beatriz (2012), a abertura do mercado brasileiro a produtos importados e a modernização da tecnologia e indústrias acarretaram o aumento da competição e prejuízo das empresas do país, sendo obrigadas a cortar custos. Singer (2004) exemplifica este período comentando: [...] comunidades pobres podem ser classificadas pelo seu grau de integração ao mercado global. Há as excluídas desde há muito tempo e que vivem em economia de subsistência, de forma quase auto-suficiente. E há as recém excluídas, como o cinturão da ferrugem cujos moradores foram empregados de indústrias, que encolheram ou desapareceram em função da abertura do mercado interno e do progresso tecnológico (p.3). Segundo Serafim (2012), a década de 1980 foi marcada por altas taxas inflacionárias e baixas taxas de crescimento econômico, levando ao aumento do desemprego em massa e à precarização do mercado de trabalho. Nesse cenário econômico e político, Fernandes (2007) ressalta: A abertura nada tem de democrática : os governantes que assaltaram o Estado brasileiro e o amoldaram a seus fins políticos engendraram uma forma policial-militar de ditadura burguesa que pode oscilar, endurecendo ou liberalizando-se de acordo com a conjuntura econômica, social e política e com o volume de pressões contra a ordem ilegal estabelecida como institucional e revolucionária (p. 208). Galeano (2010) enfatiza o quanto as formas autoritárias construídas através das ditaduras são disseminadas como ordem e paz social (p.8), sustentando a proibição de greves, extinguindo sindicatos trabalhistas, com o objetivo de impossibilitar qualquer ato de liberdade do sujeito. No Brasil, a industrialização, acompanhada da Guerra Fria e depois da ditadura implantada a partir da ideologia política, trouxe o capitalismo como opção democrática de modelo econômico (GALEANO, 2010). Assim, frente à alienação da mídia que fortalece o sistema capitalista e aos problemas da conjuntura socioeconômica do Brasil, começa-se a valorizar e consolidar o embasamento para se pensar em alternativas de solidarismo popular (SINGER, 2002). 2.3 A Economia Solidária como enfrentamento da desigualdade social produzida pelo Capitalismo A economia solidária nasce pelo resultado das desigualdades sociais produzidas pelo capitalismo, em decorrência da Revolução industrial nos séculos XVII e XIX (RANGEL e MANOLESCU, 2012), conjuntura trabalhista preenchida pelos baixos

18 17 salários, esgotamento físico, inúmeros acidentes, jornadas de trabalho exorbitantes e uma classe de produção industrial que inclui crianças, sustentando um modelo de produção dominante com condições precárias (DEJOURS, 1992). Diante deste cenário, nasce o movimento nomeado como cooperativismo, explanado por Santos (2005 apud RANGEL e MANOLESCU, 2012) como um movimento que inicia novas práticas, baseadas em princípios solidários. Rangel e Manolescu (2012) descrevem que este movimento cooperativista é apreciado por alguns pensadores, entre eles o britânico Robert Owen denominado como socialista utópico. Singer (1998) explica que este pensador participou das primeiras experiências no cooperativismo, construindo colônias cooperativas perto das fábricas com o objetivo de tornar esses trabalhadores autônomos. De acordo com Singer (2002), no capitalismo é produzida desigualdade crescente e constante competição, tendo como princípios o direito à propriedade individual aplicado ao capital que acaba dividindo a sociedade em proprietários e a classe que vende sua força de trabalho. Durante as décadas de 40 e 50 o Brasil passou por mudanças no seu modelo de produção, Freitas (1988) destaca que a mudança do sistema agropecuário para o agroindustrial produz consequências intensas, como a rápida necessidade de mão-deobra qualificada, com jornadas de trabalhos desgastantes e baixos salários. Assim, a Economia Solidária surge em vários países como um movimento amplo e profundo, que tem como origem a luta dos trabalhadores marginalizados desse novo modelo econômico (BRASIL, 2007). Na década de 1960, segundo Freitas (1996), o Brasil passou por fortes confrontos entre o Estado, as forças capitalistas e as necessidades básicas da população, a qual sofria com o desemprego e reivindicava direito à saúde e à educação. Freire (1979) ressalta que este período foi marcado pelos cinturões de pobreza e miséria que íam crescendo ao redor dos pólos industriais e centros de riqueza. Em decorrência da crise da década de 1980 e 1990 o Brasil enfrenta altos índices de desemprego. Durão (2003) caracteriza essas décadas pelo alto grau de desigualdade de renda, resultando em uma exacerbada desigualdade social. Dessa forma, reivindicações por melhoria nas condições de trabalho, direito à saúde e educação foram ganhando destaque, dando abertura aos movimentos sociais que ascenderam durante a ditadura militar, enfrentando repressão, mas que promoveu a maior participação da população dando lugar à democracia.

19 18 Os trabalhadores passaram a buscar outros meios de renda, os empregos informais, como cooperativas, associações, ressurgindo 1 a Economia Solidária no Brasil que traz como base o ser humano e o trabalho coletivo, sobrepondo o individualismo e a competitividade, fomentando a horizontalidade (SINGER, 2002). Dentro deste contexto a psicologia demarcou a sua participação na atuação com os marginalizados, sendo desenvolvida na década de 1980 a Psicologia Social Comunitária, caracterizada pela construção de uma psicologia social crítica, histórica e comprometida com a realidade concreta da população brasileira (FREITAS, 1996). De acordo com Veronese (2008), esta psicologia passa a ser uma ciência transformadora por visar o empoderamento social das comunidades. Segundo Freitas (1996), a psicologia passa a atuar junto de diversos setores da população enfatizando práticas emancipatórias, autogestão e empoderamento dos sujeitos. A economia solidária e a psicologia comunitária passam a desenvolver suas teorias baseadas nas desigualdades sociais, realizando uma forte crítica à economia dominante que produz desemprego, destruição do meio ambiente e a possibilidade de crescimento para poucos, colocando o lucro em primeiro lugar. Singer (2002) comenta que a Economia Solidária reage à crise do desemprego em massa, caminhando na direção oposta ao capitalismo e priorizando os trabalhadores com princípios e valores que promovem a autogestão, democracia, cooperação, emancipação, reivindicando melhorias e autonomia da população brasileira. Segundo Veronese (2004): Com a crise social das duas décadas perdidas (80 e 90), a economia solidária renasce no Brasil; após algumas experiências isoladas nos anos 80, em 1991 a empresa calçadista Makerli, em Franca (SP) ressuscitou como cooperativa, inaugurando uma série de eventos semelhantes nos anos 90. Ainda nos anos 80, a Cáritas, entidade ligada à CNBB (Confederação Nacional dos Bispos do Brasil), financiou milhares de pequenos projetos, os PACs (Projetos Alternativos Comunitários), a princípio para gerar renda para as populações de periferia. Alguns deram origem a empreendimentos autogestionários, outros dependem mais de ajuda externa (p. 121). Assim, a Economia Solidária, através do trabalho coletivo, envolve as demandas econômicas e sociais dos sujeitos marginalizados, possibilitanto consolidar um movimento social, afirmação que é corroborada por Paul Singer (2002): [...] a economia solidária hoje é uma opção adotada por movimentos sociais e importantes entidades da sociedade civil, como Igreja, sindicatos, universidades e partidos políticos. Na passagem do século, políticas públicas 1 Não existe uma data específica para o surgimento da Economia Solidária no Brasil, porém considera-se que o movimento ganhou destaque significamente na década de 1980.

20 19 de fomento e apoio à economia solidária foram adotadas por muitas municipalidades e alguns governos estaduais (p. 3). Dessa forma, a Economia Solidária cria a possibilidade de dar voz aos marginalizados, consolidar a luta pela desigualdade social e fortalecer alguns movimentos sociais. De acordo com Scholz (2009), a economia solidária é uma resposta ao capitalismo, ao desemprego e à exclusão social, sendo uma alternativa de inclusão do marginalizado no mercado de trabalho. Singer (2002) afirma que o desemprego é um dos principais fatores para a exclusão social e econômica, necessitando dar oportunidades e espaços de trabalhos que se organizem coletivamente. A economia solidária busca enfrentar as desigualdades sociais, como sustenta Icaza (2004, p. 22), visto que a economia solidária é um campo de construção de alternativas econômicas ao modelo dominante, alicerçado em um discurso crítico transformador e em práticas solidárias e autogestionárias muito próximas dos movimentos sociais. Tornando-se uma nova economia que tem como princípios: autogestão, democracia, cooperação, centralidade do ser humano, valorização da diversidade (igualitarismo), emancipação, reconhecer o saber local (cultura e tecnologia popular) e responsabilidade social (BRASIL, 2007). Singer (2002) destaca que a autogestão é a principal característica dos empreendimentos de economia solidária, exigindo um esforço adicional desses trabalhadores, pois além de terem sua ocupação dentro do empreendimento, devem preocupar-se com os problemas gerais da mesma, envolvendo decisões democráticas e informações que procedem dos próprios trabalhadores. Dessa forma, os princípios da Economia Solidária vão contra o modelo vigente, apresentando dificuldades em sua efetiva prática. Segundo Veronese (2008), a Economia Solidária nega a base do capitalismo que separa o trabalho da posse dos meios de produção. A autora enfatiza que as formas de trabalhar nesta economia não estão ligadas apenas à produção e distribuição de produtos e serviços, mas contribuem na criação e recriação da vida em sociedade. A economia solidária reconhece o papel ativo da mulher dentro dos empreendimentos, promoção da cidadania, valorizando a criatividade tecnológica e o respeito ao meio ambiente, conforme o Fórum Brasileiro de Economia Solidária (2014): A Economia Solidária constitui o fundamento de uma globalização humanizadora, de um desenvolvimento sustentável, socialmente justo e voltado para a satisfação racional das necessidades de cada um e de todos os cidadãos da Terra seguindo um caminho intergeracional de desenvolvimento sustentável na qualidade de sua vida (p.4).

PALAVRAS-CHAVE Liderança. Economia Solidária. Psicologia.

PALAVRAS-CHAVE Liderança. Economia Solidária. Psicologia. ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( X ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA PSICOLOGIA E A ECONOMIA SOLIDÁRIA: AUTONOMIA COLETIVA X

Leia mais

Psicologia e a Economia Solidária: Autonomia Coletiva x Liderança Capitalista

Psicologia e a Economia Solidária: Autonomia Coletiva x Liderança Capitalista Psicologia e a Economia Solidária: Autonomia Coletiva x Liderança Capitalista FERREIRA, Lorena Fiuza (Aluna do curso de psicologia da Faculdade Sant Ana)- lorena.fferreira@gmail.com SANTOS, Fernanda Pimentel

Leia mais

TRABALHO COMO DIREITO

TRABALHO COMO DIREITO Av. Dr. Enéas de Carvalho Aguiar, 419 CEP: 05403-000 São Paulo SP Brasil TRABALHO COMO DIREITO () 04/12/2013 1 O direito ao trabalho no campo da Saúde Mental: desafio para a Reforma Psiquiátrica brasileira

Leia mais

Informativo Fundos Solidários nº 13

Informativo Fundos Solidários nº 13 Informativo Fundos Solidários nº 13 Em dezembro de 2014, em Recife, Pernambuco, foi realizado o 2º seminário de Educação Popular e Economia Solidária. Na ocasião, discutiu-se sobre temas relevantes para

Leia mais

Incubadora Tecnológica de Cooperativas Populares Universidade Estadual de Campinas

Incubadora Tecnológica de Cooperativas Populares Universidade Estadual de Campinas Incubadora Tecnológica de Cooperativas Populares Universidade Estadual de Campinas Incubadora Tecnológica de Cooperativas Populares (ITCP) Programa de extensão universitária vinculada à Pró Reitoria de

Leia mais

Contribuição sobre Economia solidária para o Grupo de Alternativas econômicas Latino-Americano da Marcha Mundial das Mulheres Isolda Dantas 1

Contribuição sobre Economia solidária para o Grupo de Alternativas econômicas Latino-Americano da Marcha Mundial das Mulheres Isolda Dantas 1 Contribuição sobre Economia solidária para o Grupo de Alternativas econômicas Latino-Americano da Marcha Mundial das Mulheres Isolda Dantas 1 Economia solidária: Uma ferramenta para construção do feminismo

Leia mais

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude.

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude. A MULHER NA ATIVIDADE AGRÍCOLA A Constituição Federal brasileira estabelece no caput do art. 5º, I, que homens e mulheres são iguais em direitos e obrigações e reconhece no dispositivo 7º a igualdade de

Leia mais

SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO

SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO 1 - INTRODUÇÃO Séc. XIX consolidação da burguesia: ascensão do proletariado urbano (classe operária) avanço do liberalismo.

Leia mais

ZENUN, Katsue Hamada e; MARKUNAS, Mônica. Tudo que é sólido se desmancha no ar. In:. Cadernos de Sociologia 1: trabalho. Brasília: Cisbrasil-CIB,

ZENUN, Katsue Hamada e; MARKUNAS, Mônica. Tudo que é sólido se desmancha no ar. In:. Cadernos de Sociologia 1: trabalho. Brasília: Cisbrasil-CIB, ZENUN, Katsue Hamada e; MARKUNAS, Mônica. Tudo que é sólido se desmancha no ar. In:. Cadernos de Sociologia 1: trabalho. Brasília: Cisbrasil-CIB, 2009. p. 24-29. CAPITALISMO Sistema econômico e social

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A QUESTÃO SOCIAL

REFLEXÕES SOBRE A QUESTÃO SOCIAL TEORIA MARXISTA NA COMPREENSÃO DA SOCIEDADE CAPITALISTA Disciplina: QUESTÃO E SERVIÇO Professora: Maria da Graça Maurer Gomes Türck Fonte: AS Maria da Graça Türck 1 Que elementos são constitutivos importantes

Leia mais

COOPERAÇÃO E SOLIDARIEDADE: o programa COOPERJOVEM em turmas da EJA na Escola Municipal Maria Minervina de Figueiredo em Campina Grande-PB

COOPERAÇÃO E SOLIDARIEDADE: o programa COOPERJOVEM em turmas da EJA na Escola Municipal Maria Minervina de Figueiredo em Campina Grande-PB COOPERAÇÃO E SOLIDARIEDADE: o programa COOPERJOVEM em turmas da EJA na Escola Municipal Maria Minervina de Figueiredo em Campina Grande-PB Monaliza Silva Professora de ciências e biologia da rede estadual

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do sumário Introdução 9 Educação e sustentabilidade 12 Afinal, o que é sustentabilidade? 13 Práticas educativas 28 Conexões culturais e saberes populares 36 Almanaque 39 Diálogos com o território 42 Conhecimentos

Leia mais

Voluntariado nas Organizações de Terceiro Setor Marisa Seoane Rio Resende *

Voluntariado nas Organizações de Terceiro Setor Marisa Seoane Rio Resende * Voluntariado nas Organizações de Terceiro Setor Marisa Seoane Rio Resende * Voluntariado é a expressão da participação da sociedade na vida pública mais significativa da atualidade. Os movimentos de participação

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA REGIONAL DO TRABALHO DA 9ª REGIÃO

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA REGIONAL DO TRABALHO DA 9ª REGIÃO A NOVA LEI DO COOPERATIVISMO E AS COOPERATIVAS POPULARES, COM DESTAQUE PARA AS COOPERATIVAS DE CATADORES DE MATERIAIS RECICLÁVEIS. Margaret Matos de Carvalho, Procuradora do Trabalho na PRT 9ª Região.

Leia mais

Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho. Direitos Autorais: Faculdades Signorelli

Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho. Direitos Autorais: Faculdades Signorelli Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho Direitos Autorais: Faculdades Signorelli "O caminho da vida pode ser o da liberdade e da beleza, porém, desviamo-nos dele. A cobiça envenenou a alma dos homens,

Leia mais

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global (texto extraído da publicação IRVING, M.A.; BOTELHO, E.S.; SANCHO, A.; MORAES, E &

Leia mais

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues.

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Ao longo da historia da Administração, desde seus primórdios, a partir dos trabalhos de Taylor e Fayol, muito se pensou em termos

Leia mais

Karl Marx e o materialismo histórico e dialético (1818-1883)

Karl Marx e o materialismo histórico e dialético (1818-1883) Karl Marx e o materialismo histórico e dialético (1818-1883) O pensamento de Marx: Proposta: entender o sistema capitalista e modificá-lo [...] (COSTA, 2008, p.100). Obra sobre o capitalismo: O capital.

Leia mais

Quando começou a pensar na alfabetização, em 1962, Paulo Freire trazia mais de 15 anos de

Quando começou a pensar na alfabetização, em 1962, Paulo Freire trazia mais de 15 anos de PAULO FREIRE E A ALFABETIZAÇÃO Vera Lúcia Queiroga Barreto 1 Uma visão de alfabetização que vai além do ba,be,bi,bo,bu. Porque implica uma compreensão crítica da realidade social, política e econômica

Leia mais

A economia solidária como estratégia de inclusão produtiva no Programa Bolsa Família

A economia solidária como estratégia de inclusão produtiva no Programa Bolsa Família A economia solidária como estratégia de inclusão produtiva no Programa Bolsa Família Adriane Vieira Ferrarini Docente e pesquisadora do Programa de Pós graduação em Ciências Sociais da Unisinos Estelamaris

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo

Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo Brasília, 02 de janeiro de 2015. Ministra Miriam Belchior, demais autoridades, parentes e amigos aqui presentes.

Leia mais

A participação social em programas e projetos governamentais de regularização urbana e ambiental 1

A participação social em programas e projetos governamentais de regularização urbana e ambiental 1 A participação social em programas e projetos governamentais de regularização urbana e ambiental 1 Juliano Varela de Oliveira 2 Cada cidade possui suas peculiaridades referentes às condições de sobrevivência

Leia mais

ECONOMIA SOLIDÁRIA Embrião de uma nova sociedade

ECONOMIA SOLIDÁRIA Embrião de uma nova sociedade ECONOMIA SOLIDÁRIA Embrião de uma nova sociedade Economia Lenita Gripa - ICF O termo ECONOMIA vem do grego OIKOS = CASA e NOMOS = NORMAS ou LEI. Economia é a arte de cuidar da casa; normas, jeito, maneira

Leia mais

GRUPO DE PESQUISA EM TRABALHO, EDUCAÇÃO E HISTÓRIA - GETEH

GRUPO DE PESQUISA EM TRABALHO, EDUCAÇÃO E HISTÓRIA - GETEH GRUPO DE PESQUISA EM TRABALHO, EDUCAÇÃO E HISTÓRIA - GETEH MELO, Alessandro de (Orientador/UNICENTRO) BATISTA, Viviane Silveira (UNICENTRO) SIGNORI, Zenira Maria Malacarne (UNICENTRO) Trabalhos realizados

Leia mais

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO A presente pesquisa aborda os conceitos de cultura e clima organizacional com o objetivo de destacar a relevância

Leia mais

INESUL / FAEC FACULDADE EDUCACIONAL DE COLOMBO. Programa de Responsabilidade Social

INESUL / FAEC FACULDADE EDUCACIONAL DE COLOMBO. Programa de Responsabilidade Social INESUL / FAEC FACULDADE EDUCACIONAL DE COLOMBO Programa de Responsabilidade Social APRESENTAÇÃO 2 O equilíbrio de uma sociedade em última instância, é formada pelo tripé: governo, família e empresa. Esperar

Leia mais

Crescimento urbano e industrial dos anos 20 ao Estado Novo

Crescimento urbano e industrial dos anos 20 ao Estado Novo A UA UL LA MÓDULO 7 Crescimento urbano e industrial dos anos 20 ao Estado Novo Nesta aula O café foi o principal produto de exportação durante a República Velha. Os cafeicultores detinham o controle da

Leia mais

Katia Luciana Sales Ribeiro Keila de Souza Almeida José Nailton Silveira de Pinho. Resenha: Marx (Um Toque de Clássicos)

Katia Luciana Sales Ribeiro Keila de Souza Almeida José Nailton Silveira de Pinho. Resenha: Marx (Um Toque de Clássicos) Katia Luciana Sales Ribeiro José Nailton Silveira de Pinho Resenha: Marx (Um Toque de Clássicos) Universidade Estadual de Montes Claros / UNIMONTES abril / 2003 Katia Luciana Sales Ribeiro José Nailton

Leia mais

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) na atualidade: luta, organização e educação

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) na atualidade: luta, organização e educação O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) na atualidade: luta, organização e educação Entrevista concedida por Álvaro Santin*, da coordenação nacional do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem

Leia mais

FÓRUM SOBRE CONHECIMENTO E APRENDIZADO PARA DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL E A REDUÇÃO DA POBREZA NO NORDESTE DO BRASIL.

FÓRUM SOBRE CONHECIMENTO E APRENDIZADO PARA DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL E A REDUÇÃO DA POBREZA NO NORDESTE DO BRASIL. FÓRUM SOBRE CONHECIMENTO E APRENDIZADO PARA DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL E A REDUÇÃO DA POBREZA NO NORDESTE DO BRASIL. Tema 4: A participação e o empoderamento das comunidades locais conduzem a uma

Leia mais

CARTA DE OTTAWA. PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986

CARTA DE OTTAWA. PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986 CARTA DE OTTAWA PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986 A Primeira Conferência Internacional sobre Promoção da Saúde, realizada em Ottawa, Canadá, em novembro

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE INDIVÍDUO, NATUREZA E CULTURA: ELEMENTOS PARA PENSAR A RELAÇÃO INSTRUMENTAL COM O MEIO AMBIENTE.

A RELAÇÃO ENTRE INDIVÍDUO, NATUREZA E CULTURA: ELEMENTOS PARA PENSAR A RELAÇÃO INSTRUMENTAL COM O MEIO AMBIENTE. A RELAÇÃO ENTRE INDIVÍDUO, NATUREZA E CULTURA: ELEMENTOS PARA PENSAR A RELAÇÃO INSTRUMENTAL COM O MEIO AMBIENTE. Juliana de Castro Chaves 1 ; Zuzy dos Reis Pereira 2 1 Professora Doutora da UnUCSEH-UEG

Leia mais

Documento base sobre Sistema Nacional de Comércio Justo e Solidário. O que é e para quem é o Comércio Justo e Solidário?

Documento base sobre Sistema Nacional de Comércio Justo e Solidário. O que é e para quem é o Comércio Justo e Solidário? Documento base sobre Sistema Nacional de Comércio Justo e Solidário Este é um documento que objetiva apresentar a proposta do Sistema Nacional de Comércio Justo e Solidário, sua importância, benefícios

Leia mais

Revista Especial de Educação Física Edição Digital v. 3, n. 1, novembro 2006.

Revista Especial de Educação Física Edição Digital v. 3, n. 1, novembro 2006. UM ENSAIO SOBRE A DEMOCRATIZAÇÃO DA GESTÃO NO COTIDIANO ESCOLAR: A CONEXÃO QUE FALTA. Noádia Munhoz Pereira Discente do Programa de Mestrado em Educação PPGE/FACED/UFU - noadia1@yahoo.com.br Resumo O presente

Leia mais

DADOS. Histórico de lutas

DADOS. Histórico de lutas MULHERES O partido Solidariedade estabeleceu políticas participativas da mulher. Isso se traduz pela criação da Secretaria Nacional da Mulher e por oferecer a esta Secretaria completa autonomia. Acreditamos

Leia mais

A EDUCAÇÃO E SUA DIMENSÃO POLÍTICA A PARTIR DE ALGUNS ESCRITOS DE ANTONIO GRAMSCI

A EDUCAÇÃO E SUA DIMENSÃO POLÍTICA A PARTIR DE ALGUNS ESCRITOS DE ANTONIO GRAMSCI A EDUCAÇÃO E SUA DIMENSÃO POLÍTICA A PARTIR DE ALGUNS ESCRITOS DE ANTONIO GRAMSCI Resumo AREND, Catia Alire Rodrigues UTP catiarend@yahoo.com.br Eixo Temático: Políticas Públicas, Avaliação e Gestão da

Leia mais

Relatório da Plenária Estadual de Economia Solidária

Relatório da Plenária Estadual de Economia Solidária Relatório da Plenária Estadual de Economia Solidária Nome da Atividade V Plenária Estadual de Economia Solidária de Goiás Data 28 a 30 de agosto de 2012 Local Rua 70, 661- Setor Central -Sede da CUT Goiás

Leia mais

II - O DEBATE TEÓRICO E CONCEITUAL DA COOPERAÇÃO E A CONCEPÇÃO DO MST

II - O DEBATE TEÓRICO E CONCEITUAL DA COOPERAÇÃO E A CONCEPÇÃO DO MST TÍTULO: Elementos para um debate histórico e conceitual da cooperação no contexto das relações de produção capitalistas e a concepção do MST. NOME DO AUTOR: Michelly Ferreira Monteiro Elias. CONDIÇÃO:

Leia mais

Análise Sociológica do Filme -Notícias de Uma Guerra Particular [1999], (de Katia Lund e João Moreira Salles)

Análise Sociológica do Filme -Notícias de Uma Guerra Particular [1999], (de Katia Lund e João Moreira Salles) FACULDADE CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE Curso de Bacharel em Direito Turma A Unidade: Tatuapé Ana Maria Geraldo Paz Santana Johnson Pontes de Moura Análise Sociológica do Filme -Notícias de Uma Guerra Particular

Leia mais

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense Projeto de Extensão Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense 1.0 - JUSTIFICATIVA Considerando que a Extensão Universitária tem entre as suas

Leia mais

GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA

GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA SPINELLI, Mônica dos Santos IE/PPGE/UFMT RESUMO O texto apresenta resultados parciais da pesquisa teórica sobre categorias conceituais em

Leia mais

Natália Silva Colen 1

Natália Silva Colen 1 Novas formas de organização do trabalho e oportunidade de emprego: a economia solidária como dispositivo para inclusão das mulheres no mercado de trabalho GT: Economia Solidária e Cooperativismo Natália

Leia mais

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda www.especifico.com.br DISCIPLINA : Sociologia PROF: Waldenir do Prado DATA:06/02/2012 O que é Sociologia? Estudo objetivo das relações que surgem e se reproduzem, especificamente,

Leia mais

A INDÚSTRIA CULTURAL E SEU DOMINIO SOBRE A CLASSE TRABALHADORA. Aurius Reginaldo de Freitas Gonçalves

A INDÚSTRIA CULTURAL E SEU DOMINIO SOBRE A CLASSE TRABALHADORA. Aurius Reginaldo de Freitas Gonçalves A INDÚSTRIA CULTURAL E SEU DOMINIO SOBRE A CLASSE TRABALHADORA Aurius Reginaldo de Freitas Gonçalves Estamos vivendo um período extremamente difícil, onde as relações sociais encontram em plena estagnação.

Leia mais

Aprofundar mudanças rumo a um modelo de desenvolvimento sustentável

Aprofundar mudanças rumo a um modelo de desenvolvimento sustentável Este artigo é cópia fiel do publicado na revista Nu e va So c i e d a d especial em português, junho de 2012, ISSN: 0251-3552, . Aprofundar mudanças rumo a um modelo de desenvolvimento sustentável

Leia mais

Contextualizando a Economia Solidária 1

Contextualizando a Economia Solidária 1 Contextualizando a Economia Solidária 1 O nascimento da Economia Solidária Caracterizado pela propriedade privada dos meios de produção e pela acumulação de riquezas por meio do lucro, que proporciona

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável: idéias sobre a perspectiva da integração 1

Desenvolvimento Sustentável: idéias sobre a perspectiva da integração 1 Desenvolvimento Sustentável: idéias sobre a perspectiva da integração 1 Juliano Varela de Oliveira 2 O Desenvolvimento Sustentável é uma proposta alternativa ao modelo de desenvolvimento com viés puramente

Leia mais

A Sustentabilidade nos Sistemas Associativistas de Produção

A Sustentabilidade nos Sistemas Associativistas de Produção IV SIMPÓSIO BRASILEIRO DE AGROPECUÁRIA SUSTENTÁVEL IV SIMBRAS I CONGRESSO INTERNACIONAL DE AGROPECUÁRIA SUSTENTÁVEL A Sustentabilidade nos Sistemas Associativistas de Produção Prof. José Horta Valadares,

Leia mais

Economia popular solidária: Uma perspectiva anticapitalista

Economia popular solidária: Uma perspectiva anticapitalista Economia popular solidária: Uma perspectiva anticapitalista Sérgio Kapron A Economia Popular Solidária, e todo universo ainda não muito preciso que ela envolva, tem ocupado um espaço crescente entre militantes

Leia mais

O Mundo industrializado no século XIX

O Mundo industrializado no século XIX O Mundo industrializado no século XIX Novas fontes de energia; novos inventos técnicos: Por volta de 1870, deram-se, em alguns países, mudanças importantes na indústria. Na 2ª Revolução Industrial as indústrias

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Economia Solidária. Alfabetização. Associação de Recicladores.

PALAVRAS-CHAVE Economia Solidária. Alfabetização. Associação de Recicladores. ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA ESCREVENDO SUA PRÓPRIA HISTÓRIA: UM RELATO DA EXPERIÊNCIA

Leia mais

Exercícios de Revisão - 1

Exercícios de Revisão - 1 Exercícios de Revisão - 1 1. Sobre a relação entre a revolução industrial e o surgimento da sociologia como ciência, assinale o que for incorreto. a) A consolidação do modelo econômico baseado na indústria

Leia mais

1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO

1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO 1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO A análise da evolução temporal (ou dinâmica) da economia constitui o objeto de atenção fundamental do desenvolvimento econômico,

Leia mais

Colégio Ser! Sorocaba Sociologia Ensino Médio Profª. Marilia Coltri

Colégio Ser! Sorocaba Sociologia Ensino Médio Profª. Marilia Coltri Marx, Durkheim e Weber Colégio Ser! Sorocaba Sociologia Ensino Médio Profª. Marilia Coltri Problemas sociais no século XIX Problemas sociais injustiças do capitalismo; O capitalismo nasceu da decadência

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL

Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL ÍNDICE Pensamento Social...2 Movimentos Sociais e Serviço Social...2 Fundamentos do Serviço Social I...2 Leitura e Interpretação de Textos...3 Metodologia Científica...3

Leia mais

A QUESTÃO DA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA NO BAIRRO SANGA FUNDA, PELOTAS, RS.

A QUESTÃO DA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA NO BAIRRO SANGA FUNDA, PELOTAS, RS. A QUESTÃO DA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA NO BAIRRO SANGA FUNDA, PELOTAS, RS. Carina da Silva UFPel, carinasg2013@gmail.com INTRODUÇÃO A atual sociedade capitalista tem como alicerce, que fundamenta sua manutenção,

Leia mais

Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena

Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena Curso: Especialização em Psicopedagogia Módulo: Noções Fundamentais de Direito

Leia mais

O capitalismo e o Advento de uma sociedade de consumo

O capitalismo e o Advento de uma sociedade de consumo O capitalismo e o Advento de uma sociedade de consumo Camila Fernandes Colégio Mãe de Deus T. 301 Resumo: A condição da redução do cidadão em consumidor, e a criação de tal cultura global, deu-se através

Leia mais

Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento)

Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento) Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento) Nos dois últimos anos, vimos construindo as bases de um crescimento sustentável e socialmente benéfico para a grande maioria dos brasileiros.

Leia mais

Roteiro de Estudos. 3 trimestre - 2015

Roteiro de Estudos. 3 trimestre - 2015 Roteiro de Estudos 3 trimestre - 2015 Disciplina: Geografia Professor: Eduardo 3ª série O que devo saber: Crescimento populacional no Brasil e no mundo. Sociedade e economia. Povos em movimento e migrações

Leia mais

Projeto de Ações para o Serviço Psicológico do Setor Socioeducacional da Faculdade ASCES

Projeto de Ações para o Serviço Psicológico do Setor Socioeducacional da Faculdade ASCES Projeto de Ações para o Serviço Psicológico do Setor Socioeducacional da Faculdade ASCES Jovanka de Freitas S. Limeira Psicóloga Setor Socioeducacional Caruaru 2014 APRESENTAÇÃO O presente projeto sugere

Leia mais

Golpe Militar: A Psicologia e o Movimento Estudantil do Rio Grande do Sul

Golpe Militar: A Psicologia e o Movimento Estudantil do Rio Grande do Sul 1919 X Salão de Iniciação Científica PUCRS Golpe Militar: A Psicologia e o Movimento Estudantil do Rio Grande do Sul Pâmela de Freitas Machado 1, Helena B.K.Scarparo 1 (orientadora) 1 Faculdade Psicologia,

Leia mais

O "poder de compra" sob a ótica solidária - entrevista com Euclides André Mance *

O poder de compra sob a ótica solidária - entrevista com Euclides André Mance * O "poder de compra" sob a ótica solidária - entrevista com Euclides André Mance * A tese de uma sociedade mais justa, onde a distância entre os extremos da pirâmide social seja reduzida a padrões mínimos,

Leia mais

Atuação do psicólogo na Assistência Social. Iolete Ribeiro da Silva Conselho Federal de Psicologia

Atuação do psicólogo na Assistência Social. Iolete Ribeiro da Silva Conselho Federal de Psicologia Atuação do psicólogo na Assistência Social Iolete Ribeiro da Silva Conselho Federal de Psicologia Concepção de Assistência Social Assistência social direito social e dever estatal Marco legal: Constituição

Leia mais

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA Clodoaldo Meneguello Cardoso Nesta "I Conferência dos lideres de Grêmio das Escolas Públicas Estaduais da Região Bauru" vamos conversar muito sobre política.

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE Universidade Estadual De Maringá gasparin01@brturbo.com.br INTRODUÇÃO Ao pensarmos em nosso trabalho profissional, muitas vezes,

Leia mais

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT Myrian Lucia Ruiz Castilho André Luiz Castilho ** A educação é um direito

Leia mais

INTRODUÇÃO À SOCIOLOGIA

INTRODUÇÃO À SOCIOLOGIA INTRODUÇÃO À SOCIOLOGIA Prof. Adeildo Oliveira E-mail: ad.historiatotal@gmail.com INTRODUÇÃO À SOCIOLOGIA Ciências Naturais Física Química Biologia Ciências Sociais Economia Antropologia Sociologia 1 Socius

Leia mais

Secretaria de Saúde e Segurança no Trabalho

Secretaria de Saúde e Segurança no Trabalho PLANO DE DESENVOLVIMENTO DO PROGRAMA NACIONAL DE SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHADOR DA FORÇA SINDICAL Projeto FORTALECIMENTO DA POLÍTICA DE SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHADOR DA FORÇA SINDICAL PROTOCOLO DE

Leia mais

3.4 DELINEAMENTO ÉTICO JURÍDICO DA NOVA ORGANIZAÇÃO SOCIAL

3.4 DELINEAMENTO ÉTICO JURÍDICO DA NOVA ORGANIZAÇÃO SOCIAL 3.4 DELINEAMENTO ÉTICO JURÍDICO DA NOVA ORGANIZAÇÃO SOCIAL Os fundamentos propostos para a nova organização social, a desconcentração e a cooperação, devem inspirar mecanismos e instrumentos que conduzam

Leia mais

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO Karen Ramos Camargo 1 Resumo O presente artigo visa suscitar a discussão acerca dos processos de trabalho do Serviço Social, relacionados

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

Autores: RG 3062164367; RG 73302005000400015; RG 73302005000400015

Autores: RG 3062164367; RG 73302005000400015; RG 73302005000400015 Autores: RG 3062164367; RG 73302005000400015; RG 73302005000400015 Instituição: Universidade Feevale - Novo Hamburgo-RS Titulação: Doutorando; Doutoranda; Doutora Título do trabalho: Uma experiência interdisciplinar

Leia mais

Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre

Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre 01-O homo sapiens moderno espécie que pertencemos se constitui por meio do grupo, ou seja, sociedade. Qual das características abaixo é essencial para

Leia mais

O IMPACTO DAS MUDANÇAS NO MUNDO DO TRABALHO E OS TRABALHADORES DE ENFERMAGEM

O IMPACTO DAS MUDANÇAS NO MUNDO DO TRABALHO E OS TRABALHADORES DE ENFERMAGEM O IMPACTO DAS MUDANÇAS NO MUNDO DO TRABALHO E OS TRABALHADORES DE ENFERMAGEM Salete Beatriz Scheid 1 Neide Tiemi Murofuse 2 INTRODUÇÃO: Vivemos atualmente numa sociedade marcada pelas intensas e rápidas

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Erika Cristina Pereira Guimarães (Pibid-UFT- Tocantinópolis) Anna Thércia José Carvalho de Amorim (UFT- Tocantinópolis) O presente artigo discute a realidade das

Leia mais

O papel educativo do gestor de comunicação no ambiente das organizações

O papel educativo do gestor de comunicação no ambiente das organizações O papel educativo do gestor de comunicação no ambiente das organizações Mariane Frascareli Lelis Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho UNESP, Bauru/SP e-mail: mariane_lelis@yahoo.com.br;

Leia mais

A Revolução Industrial, iniciada na Grà-Bretanha, mudou a maneira de trabalhar e de pensar das pessoas

A Revolução Industrial, iniciada na Grà-Bretanha, mudou a maneira de trabalhar e de pensar das pessoas A Revolução Industrial, iniciada na Grà-Bretanha, mudou a maneira de trabalhar e de pensar das pessoas A industrialização mudou a história do homem. O momento decisivo ocorreu no século XVIII com a proliferação

Leia mais

o pensar e fazer educação em saúde 12

o pensar e fazer educação em saúde 12 SUMÁRIO l' Carta às educadoras e aos educadores.................5 Que história é essa de saúde na escola................ 6 Uma outra realidade é possível....... 7 Uma escola comprometida com a realidade...

Leia mais

VIII JORNADA DE ESTÁGIO DE SERVIÇO SOCIAL

VIII JORNADA DE ESTÁGIO DE SERVIÇO SOCIAL VIII JORNADA DE ESTÁGIO DE SERVIÇO SOCIAL CONSIDERAÇÕES SOBRE O TRABALHO REALIZADO PELO SERVIÇO SOCIAL NO CENTRO PONTAGROSSENSE DE REABILITAÇÃO AUDITIVA E DA FALA (CEPRAF) TRENTINI, Fabiana Vosgerau 1

Leia mais

Título: O EMPREENDEDORISMO: GERAÇÃO DE EMPREGO, RENDA E EXERCÍCIO DE CIDADANIA PARA MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA EM COMUNIDADES CARENTES NO SERTÃO

Título: O EMPREENDEDORISMO: GERAÇÃO DE EMPREGO, RENDA E EXERCÍCIO DE CIDADANIA PARA MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA EM COMUNIDADES CARENTES NO SERTÃO Título: O EMPREENDEDORISMO: GERAÇÃO DE EMPREGO, RENDA E EXERCÍCIO DE CIDADANIA PARA MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA EM COMUNIDADES CARENTES NO SERTÃO PARAIBANO Silva, Hellosman de Oliveira, Rodrigues, Tárcio

Leia mais

Incubadoras Sociais: O Assistente Social contribuído na viabilização de uma nova economia.

Incubadoras Sociais: O Assistente Social contribuído na viabilização de uma nova economia. Incubadoras Sociais: O Assistente Social contribuído na viabilização de uma nova economia. Autores: Ana Claudia Carlos 1 Raquel Aparecida Celso 1 Autores e Orientadores: Caroline Goerck 2 Fabio Jardel

Leia mais

EDUCAÇÃO MUDANÇAS O QUE ESTÁ REFLETINDO NA ESCOLA?

EDUCAÇÃO MUDANÇAS O QUE ESTÁ REFLETINDO NA ESCOLA? EDUCAÇÃO MUDANÇAS O QUE ESTÁ REFLETINDO NA ESCOLA? Elisane Scapin Cargnin 1 Simone Arenhardt 2 Márcia Lenir Gerhardt 3 Eliandra S. C. Pegoraro 4 Edileine S. Cargnin 5 Resumo: Diante das inúmeras modificações

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

ESPAÇO E TEMPO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: ALTERNATIVAS DIDÁTICO- PEDAGÓGICAS.

ESPAÇO E TEMPO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: ALTERNATIVAS DIDÁTICO- PEDAGÓGICAS. ESPAÇO E TEMPO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: ALTERNATIVAS DIDÁTICO- PEDAGÓGICAS. Introdução: O presente artigo tem a pretensão de fazer uma sucinta exposição a respeito das noções de espaço e tempo trabalhados

Leia mais

Metade da humanidade não come...

Metade da humanidade não come... Metade da humanidade não come... ...e a outra metade não dorme com medo da que não come. Josué de Castro DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DO HOMEM Art. 1º Todos os homens nascem livres e iguais em dignidade

Leia mais

O compromisso social da Psicologia: contribuições da perspectiva Sócio-Histórica 1

O compromisso social da Psicologia: contribuições da perspectiva Sócio-Histórica 1 O compromisso social da Psicologia: contribuições da perspectiva Sócio-Histórica 1 Ana Mercês Bahia Bock 2 Pontifícia Universidade Católica de São Paulo São Paulo/Brasil O tema proposto para a reflexão

Leia mais

À Contradição inclusão/exclusão a luz das reivindicações

À Contradição inclusão/exclusão a luz das reivindicações 1 À Contradição inclusão/exclusão a luz das reivindicações Christiane Bellorio Gennari de A. Stevão Maria Aparecida Muccilo Resumo Pautaremos à contradição inclusão/exclusão, considerando a realidade atual

Leia mais

RELATÓRIO SÍNTESE DO IV SIMPÓSIO NACIONAL DO CEBES

RELATÓRIO SÍNTESE DO IV SIMPÓSIO NACIONAL DO CEBES RELATÓRIO SÍNTESE DO IV SIMPÓSIO NACIONAL DO CEBES O IV Simpósio Nacional do (Cebes), realizado no dia 31 de outubro de 2015, no Instituto de Arquitetos do Brasil (IAB), no Rio de Janeiro, teve como objetivo

Leia mais

SOCIOLOGIA GERAL E DA EDUCAÇÃO

SOCIOLOGIA GERAL E DA EDUCAÇÃO SOCIOLOGIA GERAL E DA EDUCAÇÃO Universidade de Franca Graduação em Pedagogia-EAD Profa.Ms.Lucimary Bernabé Pedrosa de Andrade 1 Objetivos da disciplina Fornecer elementos teórico-conceituais da Sociologia,

Leia mais

abrangendo atividades econômicas, de produção, comercialização, consumo, poupança e crédito.

abrangendo atividades econômicas, de produção, comercialização, consumo, poupança e crédito. TESE- Grupo IV Desenvolvimento Sustentável por meio da Economia Solidária. Constituição de Cooperativas de Produção de Bens e Cooperativas de Prestação de Serviços. Economia solidária é uma forma de produção,

Leia mais

A importância da Educação para competitividade da Indústria

A importância da Educação para competitividade da Indústria A importância da Educação para competitividade da Indústria Educação para o trabalho não tem sido tradicionalmente colocado na pauta da sociedade brasileira, mas hoje é essencial; Ênfase no Direito à Educação

Leia mais

THOMAS HOBBES LEVIATÃ MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL

THOMAS HOBBES LEVIATÃ MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL THOMAS HOBBES LEVIATÃ ou MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL Thomas Hobbes é um contratualista teoria do contrato social; O homem natural / em estado de natureza para Hobbes não é

Leia mais

45ª Semana de Serviço Social. OS MEGA EVENTOS E MOVIMENTOS SOCIAIS: discutindo o direito à cidade. 14 a 16 de maio de 2014

45ª Semana de Serviço Social. OS MEGA EVENTOS E MOVIMENTOS SOCIAIS: discutindo o direito à cidade. 14 a 16 de maio de 2014 45ª Semana de Serviço Social OS MEGA EVENTOS E MOVIMENTOS SOCIAIS: discutindo o direito à cidade 14 a 16 de maio de 2014 Na Copa, comemorar o quê?. É com este mote criativo e provocativo que o Conjunto

Leia mais

A POLÍTICA NACIONAL DE HUMANIZAÇÃO E AS IMPLICAÇÕES DE UM

A POLÍTICA NACIONAL DE HUMANIZAÇÃO E AS IMPLICAÇÕES DE UM A POLÍTICA NACIONAL DE HUMANIZAÇÃO E AS IMPLICAÇÕES DE UM NASCIMENTO PREMATURO Francisca Daniela de Morais Roberto moraisfrancisca@bol.com.br Regina Célia Pinheiro da Silva Orientadora UNITAU regcps@yahoo.com.br

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais