FONTES DE ILUMINAÇÃO ELÉTRICA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FONTES DE ILUMINAÇÃO ELÉTRICA"

Transcrição

1 FONTES DE ILUMINAÇÃO ELÉTRICA Lâmpadas de vapor de sódio de alta pressão Características e ensaios Elaboração: DTI Homologação: conforme despacho do CA de Edição: 3ª. Substitui a edição de JUL 1996 Emissão: EDP Distribuição Energia, S.A. DTI Direção de Tecnologia e Inovação Rua Camilo Castelo Branco, LISBOA Tel.: Fax:

2 ÍNDICE 0 INTRODUÇÃO OBJETO CAMPO DE APLICAÇÃO NORMAS E DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA Documentos EDP Normas IEC Regulamento da Comissão Europeia TERMOS E DEFINIÇÕES ABREVIATURAS CARACTERÍSTICAS ELÉTRICAS MARCAÇÃO DIMENSÕES CASQUILHOS REQUISITOS DE SEGURANÇA Requisitos gerais Requisitos particulares ENSAIOS DE TIPO AVALIAÇÃO DOS REQUISITOS DE SEGURANÇA INFORMAÇÃO A APRESENTAR EM CONCURSOS E PROPOSTAS REGRAS PARA O TRANSPORTE, ARMAZENAMENTO, INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO... 8 ANEXO A AVALIAÇÃO DOS REQUISITOS DE SEGURANÇA... 9 ANEXO B ESQUEMAS ELÉTRICOS ANEXO C QUADROS A PREENCHER POR CANDIDATO DTI Direção de Tecnologia e Inovação Pág. 2/16

3 0 INTRODUÇÃO O presente documento anula e substitui a edição anterior do DMA-C de julho As principais alterações introduzidas relacionam-se com a necessidade de: adequar este DMA ao Regulamento nº 245/2009 da Comissão Europeia que dá execução à Diretiva 2005/32/CE do Parlamento Europeu, nomeadamente com a introdução de novos requisitos de eficácia luminosa, fator de manutenção e de sobrevivência; introduzir a lâmpada vapor de sódio alta pressão de 50W tubular. 1 OBJETO Este documento destina-se a definir as características e os ensaios de tipo a que devem obedecer as lâmpadas de vapor de sódio de alta pressão a adquirir pela EDP Distribuição e por terceiros. 2 CAMPO DE APLICAÇÃO O presente documento aplica-se às lâmpadas de vapor de sódio de alta pressão indicadas no quadro 1 abaixo, destinadas a serem aplicadas em luminárias de iluminação pública. N.º Ficha técnica (IEC 60662) Pn (W) Quadro 1 Lâmpadas de vapor de sódio de alta pressão normalizadas Refª EDP Código SAP Método de arranque Ampola IEC Na-Ap.Tubular E27-230V-50W Ignitor exterior Tubular - Clara E IEC Na-Ap.Tubular E27-230V-70W Ignitor exterior Tubular - Clara E IEC Na-Ap.Elítica E27-230V-70W/I-Opz Ignitor interior Elipsoidal - Não clara E IEC Na-Ap.Tubular E40-230V-100W Ignitor exterior Tubular - Clara E IEC Na-Ap.Tubular E40-230V-150W Ignitor exterior Tubular - Clara E IEC Na-Ap.Tubular E40-230V-250W Ignitor exterior Tubular - Clara E IEC Na-Ap.Tubular E40-230V400W Ignitor exterior Tubular - Clara E40 Casquilho 3 NORMAS E DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA Este DMA inclui disposições de outros documentos, referenciados nos locais apropriados do texto, os quais se encontram a seguir listados, com indicação das respetivas datas de edição. Quaisquer alterações das referidas edições só serão aplicáveis, no âmbito do presente documento, se forem objeto de inclusão específica, por modificação ou aditamento ao mesmo. 3.1 Documentos EDP Norma Edição Título DMA-C Aparelhos de iluminação elétrica e acessórios. Luminárias de iluminação pública. Características e ensaios DMA-C DMA-C DMA-C Aparelhos de iluminação elétrica e acessórios. Balastro eletrónico para lâmpadas de descarga. Características e ensaios Aparelhos de iluminação elétrica e acessórios. Balastros para lâmpadas de descarga (exceto fluorescentes tubulares). Características e ensaios Aparelhos de iluminação elétrica e acessórios. Ignitores para lâmpadas de descarga. Características e ensaios DTI Direção de Tecnologia e Inovação Pág. 3/16

4 3.2 Normas IEC Norma Edição Título IEC International Electrotechnical Vocabulary. Lighting IEC High-pressure sodium vapour lamps IEC Discharge lamps (excluding fluorescent lamps). Safety specifications IEC Sampling plans and procedures for inspection by attributes 3.3 Regulamento da Comissão Europeia Regulamento Edição Título Nº Regulamento(CE) Nº245/2009 da Comissão de 18 de março de TERMOS E DEFINIÇÕES Para efeitos do presente documento, são aplicáveis os seguintes termos e definições: 4.1 duração de vida da lâmpada (horas) tempo de funcionamento da lâmpada até ser retirada de serviço ou considerada como tal segundo critério especificado (VEI ). Nota: o critério normalmente especificado pelos fabricantes é considerar 80% do fluxo luminoso inicial. 4.2 duração de vida a X% de defeitos (fator de sobrevivência) tempo ao fim do qual X% das lâmpadas submetidas a ensaios de duração atingem o seu fim de vida, com as lâmpadas a funcionarem sob determinadas condições específicas e considerando o fim de vida segundo critérios específicos (VEI ). Nota: normalmente os fabricantes especificam B50, que significa que num dado lote de lâmpadas ensaiadas, avariou metade (50%) em x horas. 4.3 eficácia luminosa de uma lâmpada (lm/w) quociente entre o fluxo luminoso emitido e a potência consumida pela lâmpada (VEI ). 4.4 fator de conservação do fluxo luminoso de uma lâmpada quociente entre o fluxo luminoso de uma lâmpada num dado momento da sua vida e o seu fluxo inicial, com a lâmpada a funcionar em condições específicas (VEI ). 4.5 lâmpada de descarga de alta intensidade lâmpada de descarga elétrica em que o arco que produz a iluminação é estabilizado pela temperatura da parede da lâmpada e resulta numa carga superior a 3W/cm 2 na parede do tubo em que a descarga tem lugar (VEI ). 4.6 lâmpada de vapor de sódio de alta pressão lâmpada de descarga de alta intensidade em que a luz é produzida pelos raios de vapor de sódio e em que a pressão parcial durante o funcionamento é da ordem dos 10 KPa (VEI ). DTI Direção de Tecnologia e Inovação Pág. 4/16

5 4.7 lâmpada de alta tensão (HV) lâmpada que aos seus terminais suporta uma tensão estabilizada entre 70 V e 180 V (secção 4.3 da norma IEC 60662). 4.8 potência nominal da lâmpada potência marcada na lâmpada, que corresponde à potência declarada pelo fabricante (VEI ). 4.9 tempo de arranque da lâmpada tempo necessário até que o arco se estabeleça de forma estável numa lâmpada de descarga funcionando nas condições especificadas, sendo medido a partir do momento em que o circuito é energizado tensão de arranque da lâmpada de descarga valor da tensão elétrica que deve ser aplicada entre os elétrodos para se iniciar a descarga na lâmpada (VEI ) tensão da lâmpada tensão elétrica entre os elétrodos da lâmpada funcionando em regime estabilizado, expressa em valor eficaz (VEI ) vida média das lâmpadas (horas) valor médio da duração de vida das lâmpadas sujeitas a ensaio de duração, com as lâmpadas a funcionarem em determinadas condições específicas e de acordo com critérios especificados (VEI ). 5 ABREVIATURAS No presente documento são usadas as seguintes abreviaturas: AQL Nível de qualidade aceitável (Acceptable Quality Level); DMA Documento normativo de materiais e aparelhos. Características e/ou ensaios; IEC Comissão Eletrotécnica Internacional; ISO Organização Internacional de Normalização. CCT Temperatura de cor (Correlated Colour Temperature) 6 CARACTERÍSTICAS ELÉTRICAS As características elétricas das lâmpadas de vapor de sódio de alta pressão devem estar de acordo com o definido nas respetivas fichas técnicas anexas à norma IEC 60662, indicadas na primeira coluna do quadro 1 do presente documento. Os limites de funcionamento da lâmpada, para efeitos de informação dos fabricantes de balastros quer sejam indutivos ou eletrónicos, devem estar de acordo com o disposto na secção 9.3 da norma IEC As lâmpadas devem poder funcionar em qualquer posição. As lâmpadas de vapor de sódio de alta pressão devem ter como valores mínimos de eficácia os indicados no quadro 2 e os fatores de conservação do fluxo luminoso e de sobrevivência que constam no quadro 3, ambos apresentados abaixo. Trata-se de requisitos estabelecidos no anexo III do Regulamento nº 245 da Comunidade Europeia. DTI Direção de Tecnologia e Inovação Pág. 5/16

6 Quadro 2 Valores de eficácia mínima efetiva para as lâmpadas de sódio de alta pressão Potência nominal da lâmpada (W) Eficácia efetiva da lâmpada (lm/w) - Lâmpada clara Lâmpada não clara ( * ) ( * ) lâmpada de 70W com ignitor incorporado Quadro 3 Fatores de conservação do fluxo luminoso e de sobrevivência das lâmpadas de vapor sódio de alta pressão Lâmpada (W) Horas de funcionamento Fator de conservação do fluxo luminoso > 0,80 > 0,85 Fator de sobrevivência > 0,90 7 MARCAÇÃO A marcação das lâmpadas deve estar de acordo com o definido na cláusula 5 da norma IEC e permitir a sua rastreabilidade. 8 DIMENSÕES As dimensões das lâmpadas devem estar de acordo com o definido na cláusula 6 da norma IEC CASQUILHOS Os casquilhos das lâmpadas devem estar de acordo com o definido na cláusula 7 da norma IEC REQUISITOS DE SEGURANÇA 10.1 Requisitos gerais As lâmpadas de vapor de sódio de alta pressão devem satisfazer os requisitos gerais de segurança definidos na secção 4 da norma IEC e indicados no quadro 4 seguinte. DTI Direção de Tecnologia e Inovação Pág. 6/16

7 Quadro 4 Lista de requisitos gerais de segurança definidos na secção 4 da norma IEC IEC Requisito geral Marcação da lâmpada Informação complementar Dimensões do casquilho Linha de fuga Resistência à tração Resistência à torção Partes que possam acidentalmente estar em tensão Resistência de isolamento Rigidez dielétrica Ensaio de aquecimento Ensaio da ampola Ensaio de fio incandescente 10.2 Requisitos particulares A lâmpada de vapor de sódio de alta pressão com ignitor interior, deve satisfazer os requisitos de segurança definidos na secção 5 da norma IEC e indicados no quadro 5 seguinte. Quadro 5 Lista de requisitos particulares de segurança definidos na secção 5 da norma IEC IEC Requisito particular Amplitude do impulso para lâmpadas com ignitor interior 11 ENSAIOS DE TIPO As lâmpadas de vapor de sódio de alta pressão devem ser submetidas aos ensaios de tipo definidos na cláusula 8 da norma IEC e indicados no quadro 6 seguinte. Quadro 6 Ensaios de tipo definidos na norma IEC IEC Ensaio de tipo 8.1 Generalidades 8.2 Ensaio de arranque da lâmpada 8.3 Ensaio de aquecimento da lâmpada 8.4 Ensaio de envelhecimento 8.5 Ensaio de verificação das características elétricas da lâmpada 8.6 Ensaio de tensão de extinção 8.7 Características fotométricas 8.8 Características da cor 8.9 Ensaio de manutenção e vida da lâmpada DTI Direção de Tecnologia e Inovação Pág. 7/16

8 12 AVALIAÇÃO DOS REQUISITOS DE SEGURANÇA O fabricante deve apresentar toda a documentação relativa à avaliação dos requisitos de segurança das lâmpadas de vapor de sódio de alta pressão através dos ensaios e critérios de aceitação definidos na secção 7.2 da norma IEC 62035, indicados nos quadros A1, A2 e A3 do anexo A do presente documento. Ainda de acordo com a mesma secção 7.2, o número de não conformidades nos registos do fabricante não deve ultrapassar os limites que figuram na Tabela 2 ou 3, correspondendo aos valores do nível de qualidade aceitável dados na coluna 6 da Tabela INFORMAÇÃO A APRESENTAR EM CONCURSOS E PROPOSTAS O fornecedor/fabricante deve apresentar em concursos e propostas: certificado ou resultados dos ensaios tipo (quadro 6 acima), passado por Laboratório Acreditado; quadros do anexo C (C.1, C.2 e C.3), totalmente preenchidos; ficha técnica das lâmpadas, por potência; fatores de sobrevivência e de conservação do fluxo luminoso (quadros e/ou gráficos); outra informação relevante para avaliação da conformidade com o presente DMA. 14 REGRAS PARA O TRANSPORTE, ARMAZENAMENTO, INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO O fabricante deve fornecer juntamente com as lâmpadas, as regras a considerar para o transporte, armazenamento, instalação e manutenção. As embalagens para transporte das lâmpadas devem referir: nome do fabricante; código SAP: (conforme quadro 1, secção 2 do presente documento); referência EDP: (conforme quadro 1, secção 2 do presente documento). DTI Direção de Tecnologia e Inovação Pág. 8/16

9 ANEXO A AVALIAÇÃO DOS REQUISITOS DE SEGURANÇA (Normativo) Quadro A1 Agrupamento dos registos de controlo Amostragem e níveis de qualidade aceitáveis (AQL) IEC Ensaio Tipo de ensaio Marcação legibilidade Corrente Marcação durabilidade Periódico a) b) a) b) Marcação informação adicional Requisitos dimensionais para casquilhos Linha de fuga do casquilho Configuração do casquilho com chave Construção e montagem do casquilho/ampola (novo) ensaio de tração Construção e montagem do casquilho/ampola (após ensaio de aquecimento) ensaio de tração Construção e montagem do casquilho/ampola (novo) ensaio de torção Construção e montagem do casquilho/ampola (após ensaio de aquecimento) ensaio de torção Partes acidentalmente sob tensão Cumulação autorizada dos registos de controlo Todas as famílias com o mesmo método de marcação Todas as famílias com o mesmo método de marcação Amostra anual mínima acumulada AQL 1) Para lâmpadas Para lâmpadas produzidas produzidas com durante a maior pouca frequência parte do ano % , ,5 Corrente Por grupo ou tipo ,5 Periódico Por grupo ou tipo 32 2,5 Conceção casquilho G.3 do anexo G da norma IEC Periódico Por grupo ou tipo 125 0,65 Periódico Conceção Periódico Conceção Todos os ensaios Resistência de isolamento Conceção Rigidez dielétrica Conceção casquilho e método de fixação casquilho e método de fixação casquilho e método de fixação casquilho e método de fixação ,65 G.2 do anexo G da norma IEC ,65 G.2 do anexo G da norma IEC Por grupo ou tipo - casquilho e método de fixação casquilho e método de fixação G.1 do anexo G da norma IEC G.1 do anexo G da norma IEC Continua - DTI Direção de Tecnologia e Inovação Pág. 9/16

10 IEC Ensaio Tipo de ensaio Ensaio de aquecimento Conceção Ensaio da ampola Conceção Ensaio de fio incandescente Conceção Cumulação autorizada dos registos de controlo casquilho casquilho casquilho - Continuação anexo A, quadro A1 - Amostra anual mínima acumulada AQL 1) Para lâmpadas Para lâmpadas produzidas produzidas com durante a maior pouca frequência parte do ano % G.3 do anexo G da norma IEC G.3 do anexo G da norma IEC G.3 do anexo G da norma IEC Amplitude do impulso Conceção Por grupo ou tipo G.3 do anexo G da norma IEC Marcação (sem ecrã) Corrente Por grupo ou tipo , Radiação UV (sem ecrã) Conceção Por grupo ou tipo G.3 do anexo G da norma IEC Marcação (ecrã integrado) Corrente Por grupo ou tipo ,5 Radiação UV (ecrã Conceção Por grupo ou tipo G.3 do anexo G da norma IEC integrado) 1) Para emprego desta sigla, ver a norma IEC Número de lâmpadas registadas pelo fabricante Critério de aceitação Quadro A2 Critério de aceitação para AQL=0,65% Número de lâmpadas registadas pelo fabricante Limite de aceitação em percentagem do número de lâmpadas registadas pelo fabricante % ,03 81 a , a , a , a , a , a , a , a , a , a , a , a , a , a , a , a , a , a , a , a DTI Direção de Tecnologia e Inovação Pág. 10/16

11 Número de lâmpadas registadas pelo fabricante Critério de aceitação Quadro A3 Critério de aceitação para AQL=2,5% Número de lâmpadas registadas pelo fabricante Limite de aceitação em percentagem do número de lâmpadas registadas pelo fabricante % ,65 33 a ,60 51 a ,55 66 a ,50 81 a , a , a , a , a , a , a , a , a , a , a , a , a , a , a , a , a , a ,60 561a , a , a a a a a a a a a a a DTI Direção de Tecnologia e Inovação Pág. 11/16

12 IEC Ensaio Quadro A4 Tamanho da amostra e número de rejeições (amostras >500 lâmpadas) Número de lâmpadas ensaiadas Critério de rejeição Marcação legibilidade Marcação durabilidade Marcação informação adicional a) a) Construção e montagem do casquilho/ampola (novo) ensaio de tração Construção e montagem do casquilho/ampola (novo) ensaio de torção Requisitos dimensionais para casquilhos Linha de fuga do casquilho G.3 do anexo G da norma IEC Configuração do casquilho com chave Partes acidentalmente sob tensão Resistência de isolamento G.1 do anexo G da norma IEC Rigidez dielétrica G.1 do anexo G da norma IEC Amplitude do impulso G.3 do anexo G da norma IEC Marcação (sem ecrã) Radiação UV (sem ecrã) G.3 do anexo G da norma IEC Marcação (ecrã integrado) Radiação UV (ecrã integrado) G.3 do anexo G da norma IEC b) b) Construção e montagem do casquilho/ampola (após ensaio de aquecimento) ensaio de tração Construção e montagem do casquilho/ampola (após ensaio de aquecimento) ensaio de torção G.2 do anexo G da norma IEC G.2 do anexo G da norma IEC Ensaio de aquecimento G.3 do anexo G da norma IEC Ensaio da ampola G.3 do anexo G da norma IEC Ensaio de fio incandescente G.3 do anexo G da norma IEC Retenção DTI Direção de Tecnologia e Inovação Pág. 12/16

13 IEC Ensaio Quadro A5 Tamanho da amostra e número de rejeições (amostras 500 lâmpadas) Número de lâmpadas ensaiadas Critério de rejeição Marcação legibilidade Marcação durabilidade Marcação informação adicional a) a) Construção e montagem do casquilho/ampola (novo) ensaio de tração Construção e montagem do casquilho/ampola (novo) ensaio de torção Requisitos dimensionais para casquilhos Linha de fuga do casquilho Configuração do casquilho com chave Partes acidentalmente sob tensão (amostra <125) Partes acidentalmente sob tensão (amostra entre 125 e 500) 100% Resistência de isolamento Rigidez dielétrica Amplitude do impulso Marcação (sem ecrã) Radiação UV (sem ecrã) Marcação (ecrã integrado) Radiação UV (ecrã integrado) b) b) Construção e montagem do casquilho/ampola (após ensaio de aquecimento) ensaio de tração Construção e montagem do casquilho/ampola (após ensaio de aquecimento) ensaio de torção Ensaio de aquecimento Ensaio da ampola Ensaio de fio incandescente Retenção Em estudo Em estudo Nota: baseado sobre uma amostra simples reduzida (ver norma ISO ). DTI Direção de Tecnologia e Inovação Pág. 13/16

14 ANEXO B ESQUEMAS ELÉTRICOS (Informativo) Legenda: C Condensador B Balastro do tipo indutivo I Ignitor com limitação do tempo de operação L Lâmpada de descarga Figura A1 Luminária para lâmpada de vapor de sódio de alta pressão com ignitor exterior Figura A2 Luminária para lâmpada de vapor de sódio de alta pressão com balastro eletrónico DTI Direção de Tecnologia e Inovação Pág. 14/16

15 ANEXO C QUADROS A PREENCHER POR CANDIDATO C.1 Lâmpadas de Vapor de Sódio de Alta Pressão Pn (W) Refª EDP Código SAP Modelo Refª Eficácia luminosa (lm/w) Teor de mercúrio ( mg) Ra CCT (K) Fator de conservação (%) Fator de sobrevivência (%) Compatibilidade com 4000h 8000h h h 4000h 8000h h h Balastro eletrónico Balastro indutivo 50 Na-Ap.Tubular E27-230V-50W Na-Ap.Tubular E27-230V-70W Na-Ap.Elítica E27-230V-70W/I-Opz Incompatível 100 Na-Ap.Tubular E40-230V-100W Na-Ap.Tubular E40-230V-150W Na-Ap.Tubular E40-230V-250W Na-Ap.Tubular E40-230V400W Tensão de arranque Tensão da lâmpada Tensão mínima na alimentação para arranque Tempo de arranque Fluxo luminoso estipulado (lm) C2 Características por potência de lâmpada Tempo de funcionamento da lâmpada para uma depreciação do fluxo luminoso de 20% Vida média da lâmpada Fator de conservação do fluxo luminoso (para a vida média da lâmpada) % kv V V s lm horas horas DTI Direção de Tecnologia e Inovação Pág. 15/16

16 Referência da lâmpada: C.3 Ficha de avaliação dos requisitos de segurança Amostra anual mínima acumulada Para AQL 1) Resultado Observações IEC Ensaio Tipo de ensaio Cumulação autorizada dos registos de controlo Para lâmpadas produzidas lâmpadas durante a maior parte do produzidas % ano com pouca frequência Marcação legibilidade Corrente Todas as famílias com o mesmo método de marcação , Marcação durabilidade Periódico Todas as famílias com o mesmo método de marcação , Marcação informação Corrente Por grupo ou tipo ,5 adicional Requisitos dimensionais para Periódico Por grupo ou tipo 32 2,5 casquilhos Linha de fuga do casquilho Conceção casquilho G.3 do anexo G da norma IEC Configuração do casquilho com Periódico Por grupo ou tipo 125 0,65 chave Construção e a) montagem do casquilho e casquilho/ampola Periódico método de fixação (novo) ensaio de ,65 tracção b) a) b) Construção e montagem do casquilho/ampola (após ensaio de aquecimento) ensaio de tracção Construção e montagem do casquilho/ampola (novo) ensaio de torção Construção e montagem do casquilho/ampola (após ensaio de aquecimento) ensaio de torção Partes acidentalmente sob tensão Resistência de isolamento Conceção Periódico Conceção casquilho e método de fixação casquilho e método de fixação casquilho e método de fixação Todos os ensaios Por grupo ou tipo Conceção Rigidez dieléctrica Conceção casquilho e método de fixação casquilho e método de fixação G.2 do anexo G da norma IEC ,65 G.2 do anexo G da norma IEC G.1 do anexo G da norma IEC G.1 do anexo G da norma IEC Ensaio de aquecimento Conceção casquilho G.3 do anexo G da norma IEC Ensaio da ampola Conceção casquilho G.3 do anexo G da norma IEC Ensaio de fio incandescente Conceção casquilho G.3 do anexo G da norma IEC Amplitude do impulso Concepção Por grupo ou tipo G.3 do anexo G da norma IEC Marcação (sem ecrã) Corrente Por grupo ou tipo , Radiação UV (sem ecrã) Concepção Por grupo ou tipo G.3 do anexo G da norma IEC Marcação (ecrã integrado) Corrente Por grupo ou tipo , Radiação UV (ecrã integrado) Conceção Por grupo ou tipo G.3 do anexo G da norma IEC ) Para emprego desta sigla ver norma IEC DTI Direção de Tecnologia e Inovação Pág. 16/16

FONTES DE ILUMINAÇÃO ELÉTRICA

FONTES DE ILUMINAÇÃO ELÉTRICA FONTES DE ILUMINAÇÃO ELÉTRICA Lâmpadas de vapor de sódio de alta pressão Características e ensaios Elaboração: DTI Homologação: conforme despacho do CA de 2017 01 02 Edição: 5ª. Substitui a edição de JUN

Leia mais

APARELHOS DE ILUMINAÇÃO ELÉTRICA E ACESSÓRIOS

APARELHOS DE ILUMINAÇÃO ELÉTRICA E ACESSÓRIOS APARELHOS DE ILUMINAÇÃO ELÉTRICA E ACESSÓRIOS Balastros indutivos para lâmpadas de descarga Características e ensaios Elaboração: DTI Homologação: conforme despacho do CA de 2011-11-17 Edição: 3ª. Substitui

Leia mais

Avaliação da conformidade para luminárias LED para IP e lâmpadas LED Alexandre Paes Leme - Inmetro São Paulo 10/09/2014

Avaliação da conformidade para luminárias LED para IP e lâmpadas LED Alexandre Paes Leme - Inmetro São Paulo 10/09/2014 Avaliação da conformidade para luminárias LED para IP e lâmpadas LED Alexandre Paes Leme - Inmetro São Paulo 10/09/2014 Requisitos mínimos para luminárias LED Requisitos mínimos de segurança para a luminária

Leia mais

PEA - Eletrotécnica Geral 1 LÂMPADAS ELÉTRICAS ( FONTES LUMINOSAS )

PEA - Eletrotécnica Geral 1 LÂMPADAS ELÉTRICAS ( FONTES LUMINOSAS ) PEA - Eletrotécnica Geral 1 LÂMPADAS ELÉTRICAS ( FONTES LUMINOSAS ) PEA - Eletrotécnica Geral 2 - OBJETIVOS: 1) CONCEITOS BÁSICOS DE FOTOMETRIA E DA AÇÃO DA LUZ SOBRE O OLHO 2) TIPOS DE LÂMPADAS 2.1) LÂMPADAS

Leia mais

OUTRAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

OUTRAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS OUTRAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Documento complementar ao Guia de medição, leitura e disponibilização de dados Regras relativas à instalação, manutenção e verificação de equipamentos de medição, cabos e outros

Leia mais

Avaliação da conformidade para luminárias LED para IP e lâmpadas LED. Alexandre Paes Leme - Inmetro São Paulo 22/07/2014

Avaliação da conformidade para luminárias LED para IP e lâmpadas LED. Alexandre Paes Leme - Inmetro São Paulo 22/07/2014 Avaliação da conformidade para luminárias LED para IP e lâmpadas LED Alexandre Paes Leme - Inmetro São Paulo 22/07/2014 Breve histórico Requisitos mínimos para luminárias LED Requisitos mínimos de segurança

Leia mais

TRANSFORMADORES DE MEDIDA

TRANSFORMADORES DE MEDIDA TRANSFORMADORES DE MEDIDA Transformadores de tensão MT e de 60 kv Características e ensaios Elaboração: DNT Homologação: conforme despacho do CA de 2007-02-13 Edição: 2ª. Substitui a edição de Outubro

Leia mais

APARELHOS DE ILUMINAÇÃO ELÉTRICA E ACESSÓRIOS

APARELHOS DE ILUMINAÇÃO ELÉTRICA E ACESSÓRIOS APARELHOS DE ILUMINAÇÃO ELÉTRICA E ACESSÓRIOS Balastros eletrónicos com aplicação na iluminação pública para lâmpadas de descarga de sódio de alta pressão e iodetos metálicos Características e ensaios

Leia mais

INSTALAÇÕES AT E MT. Postos de transformação pré-fabricados (prontos a instalar) DMA-C13-912/N NOV 2011. Características e ensaios

INSTALAÇÕES AT E MT. Postos de transformação pré-fabricados (prontos a instalar) DMA-C13-912/N NOV 2011. Características e ensaios INSTALAÇÕES AT E MT Postos de transformação pré-fabricados (prontos a instalar) Características e ensaios Elaboração: DTI Homologação: conforme despacho do CA de 2011-11-02 Edição: 1ª Emissão: EDP Distribuição

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA AMPLA ETA-190/2015 R-01

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA AMPLA ETA-190/2015 R-01 DIRETORIA DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE REDE /25 ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA AMPLA /25 R- FOLHA DE CONTROLE I APRESENTAÇÃO Esta Especificação Técnica define os requisitos gerais

Leia mais

Eletrônicos. Convencionais. Manual do do Reator. Partida rápida. Fabricamos produtos com certificação: Descarga OCP 0018.

Eletrônicos. Convencionais. Manual do do Reator. Partida rápida. Fabricamos produtos com certificação: Descarga OCP 0018. Eletrônicos Convencionais Manual do do Partida rápida Fabricamos produtos com certificação: Descarga es BV OCP 0018 Índice Eletrônico de Descarga Índice PIS FPN 10 PIS AFP 10 PIS DICRÓICA 11 PID FPN 11

Leia mais

Portaria nº 144, de 13 de março de 2015.

Portaria nº 144, de 13 de março de 2015. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA - INMETRO Portaria nº 144, de 13 de março de 2015. O PRESIDENTE

Leia mais

Curso de Projetos de Iluminação Eficiente Professor Tomaz Nunes Cavalcante

Curso de Projetos de Iluminação Eficiente Professor Tomaz Nunes Cavalcante Curso de Projetos de Iluminação Eficiente Professor Tomaz Nunes Cavalcante Conteúdo do Curso Introdução. Conceito de Eficiência Energética. Conceitos de Iluminação. Luminotécnica. Avaliação financeira

Leia mais

Manual de instruções. Luminária LED série 6039 > 6039

Manual de instruções. Luminária LED série 6039 > 6039 Manual de instruções Luminária LED série > Informações Gerais Índice 1 Informações Gerais...2 2 Explicação dos símbolos...3 3 Instruções gerais de segurança...3 4 Utilização prevista...4 5 Dados técnicos...4

Leia mais

INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO

INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO Sistemas de iluminação, tomadas interiores, extracção de fumos, ar condicionado, centrais de intrusão e incêndio Regras de execução Elaboração: GTRPT Homologação:

Leia mais

SISTEMAS DE PROTEÇÃO PASSIVA PORTAS RESISTENTES AO FOGO

SISTEMAS DE PROTEÇÃO PASSIVA PORTAS RESISTENTES AO FOGO PORTAS RESISTENTES AO FOGO OBJECTIVO Definir as características e condições técnicas a que devem obedecer as portas resistentes ao fogo (portas corta-fogo), não só para cumprimento do RJ-SCIE mas, também,

Leia mais

SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA

SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA MANUAL ESPECIAL SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA E-313.0054 KIT REMOVÍVEL (REATOR, IGNITOR

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA LÂMPADAS A VAPOR DE METÁLICO DME SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJETIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 03 5. INSTRUÇÕES GERAIS 03 5.1. Condições

Leia mais

SUMÁRIO 1. HISTÓRICO DE MUDANÇAS...2 2. ESCOPO...3 3. MANUTENÇÃO...3 4. REFERÊNCIAS...3 5. SIGLAS E DEFINIÇÕES...4

SUMÁRIO 1. HISTÓRICO DE MUDANÇAS...2 2. ESCOPO...3 3. MANUTENÇÃO...3 4. REFERÊNCIAS...3 5. SIGLAS E DEFINIÇÕES...4 INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA AVALIAÇÃO DA DISPOSITIVO INTEGRADO A BASE Página 1 de 20 SUMÁRIO 1. HISTÓRICO DE MUDANÇAS...2 2. ESCOPO...3 3. MANUTENÇÃO...3 4. REFERÊNCIAS...3 5. SIGLAS E DEFINIÇÕES...4 6. QUALIFICAÇÃO

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO CONTEÚDO PG.. Instalações Elétricas Gerais 02.1. Geral 02.2. Normas 02.3. Escopo de Fornecimento 02.4. Características Elétricas para Iluminação de Uso Geral 02.4.1. Geral 02.4.2. Tensões de Alimentação

Leia mais

ENSAIOS DE EQUIPAMENTOS DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA. Juliana Iwashita

ENSAIOS DE EQUIPAMENTOS DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA. Juliana Iwashita ENSAIOS DE EQUIPAMENTOS DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA Juliana Iwashita 1 PROJETOS E CONSULTORIAS A EXPER desenvolve projetos e consultorias especializadas nas seguintes áreas: Certificações de produtos de iluminação

Leia mais

Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica

Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica PORTARIA INTERMINISTERIAL N o 1.007, DE 31 DE DEZEMBRO DE 2010. OS MINISTROS DE ESTADO DE MINAS E ENERGIA, DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA E DO DESENVOLVIMENTO,

Leia mais

REQUISITOS E CONSIDERAÇÕES GERAIS REF. NBR 10898 DA ABNT

REQUISITOS E CONSIDERAÇÕES GERAIS REF. NBR 10898 DA ABNT ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE ILUMINAÇÃO DE EMERGÊNCIA JUNTO A DGST REQUISITOS E CONSIDERAÇÕES GERAIS REF. NBR 10898 DA ABNT ANÁLISE E VISTORIA DOS SISTEMAS DE ILUMINAÇÃO DE EMERGÊNCIA Objetivo

Leia mais

TE067-Laboratório de Engenharia Elétrica V Lâmpadas

TE067-Laboratório de Engenharia Elétrica V Lâmpadas Lâmpadas Ewaldo Luiz de Mattos Mehl Universidade Federal do Paraná Departamento de Engenharia Elétrica mehl@eletrica.ufpr.br Lâmpadas Lâmpadas Incandescentes Lâmpadas para Iluminação Pública e para Grandes

Leia mais

REATORES ELETROMAGNÉTICOS

REATORES ELETROMAGNÉTICOS REATORES ELETROMAGNÉTICOS Os reatores eletromagnéticos ORION são fabricados com os mais rígidos controles de qualidade conforme normas ABNT - NBR, COPEL (homologados tecnicamente), além de possuírem os

Leia mais

Lâmpadas de Descarga (HID)

Lâmpadas de Descarga (HID) Lâmpadas de Descarga (HID) ARTCOLOUR (MH-T) HPLN (Mercúrio) Lâmpada de Multi-Vapor Metálico coloridas, tipo MH-T, consistem de um tubo de descarga em quartzo, contendo vapor de mercúrio em alta pressão

Leia mais

NOTA TÉCNICA nº 10 Complementar do Regime Jurídico de SCIE

NOTA TÉCNICA nº 10 Complementar do Regime Jurídico de SCIE NOTA TÉCNICA nº 10 Complementar do Regime Jurídico de SCIE OBJECTIVO Definir as características e condições técnicas a que devem obedecer as portas resistentes ao fogo (portas corta-fogo), não só para

Leia mais

PLANIFICAÇÃO MODULAR ANO LECTIVO 2012 / 2013

PLANIFICAÇÃO MODULAR ANO LECTIVO 2012 / 2013 CURSO/CICLO DE FORMAÇÃO: Técnico de Instalações Elétricas DISCIPLINA: Práticas Oficinais N.º TOTAL DE MÓDULOS: 5 PLANIFICAÇÃO MODULAR ANO LECTIVO 2012 / 2013 N.º 1 18 Higiene e Segurança no Trabalho Organização

Leia mais

APARELHOS DE ILUMINAÇÃO ELÉTRICA E ACESSÓRIOS

APARELHOS DE ILUMINAÇÃO ELÉTRICA E ACESSÓRIOS APARELHOS DE ILUMINAÇÃO ELÉTRICA E ACESSÓRIOS Ignitores para lâmpadas de descarga Características e ensaios Elaboração: DTI Homologação: conforme despacho do Ca de 2012-10-10 Edição: 3ª. Anula e substitui

Leia mais

APARELHOS DE ILUMINAÇÃO ELÉCTRICA E ACESSÓRIOS

APARELHOS DE ILUMINAÇÃO ELÉCTRICA E ACESSÓRIOS APARELHOS DE ILUMINAÇÃO ELÉCTRICA E ACESSÓRIOS Reguladores de fluxo luminoso Condições de instalação Elaboração: DTI Homologação: conforme despacho do CA de 2010-01-20 Edição: 1ª Emissão: EDP Distribuição

Leia mais

Tipos de linhas. Sumário Linhas Elétricas Dimensionamento. Aspectos Gerais Características Tipos de Linhas

Tipos de linhas. Sumário Linhas Elétricas Dimensionamento. Aspectos Gerais Características Tipos de Linhas Tipos de linhas Sumário Aspectos Gerais Características Tipos de Linhas Instalação dos condutores Aspectos Gerais Características Tipos de Linhas Os cabos multipolares só deve conter os condutores de um

Leia mais

NORMAS TÉCNICAS BRASILEIRAS SOBRE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

NORMAS TÉCNICAS BRASILEIRAS SOBRE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS NORMAS TÉCNICAS BRASILEIRAS SOBRE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Novas Normas NBR IEC 61643-1 - Dispositivos de proteção contra surtos em baixa tensão - Parte 1: Dispositivos de proteção conectados a sistemas de

Leia mais

Seminário de Gestão e Defesa Espectral: Interferências e Compatibilidade Eletromagnética Convenção Nacional de Radioamadores da LABRE

Seminário de Gestão e Defesa Espectral: Interferências e Compatibilidade Eletromagnética Convenção Nacional de Radioamadores da LABRE Seminário de Gestão e Defesa Espectral: Interferências e Compatibilidade Eletromagnética Convenção Nacional de Radioamadores da LABRE Marcelo Carlos Afonso Carvalho Inmetro/Diretoria de Avaliação da Conformidade

Leia mais

IECETEC. Acionamentos elétricos AULA 1 PROJETO ELÉTRICO

IECETEC. Acionamentos elétricos AULA 1 PROJETO ELÉTRICO AULA 1 PROJETO ELÉTRICO 1- Introdução 2- Normas técnicas Todo projeto deve ser concebido a luz de uma norma técnica. No Brasil, a normatização é de responsabilidade da Associação Brasileira de Normas Técnica

Leia mais

ITEN - INSTITUTO TECNOLÓGICO DE ENSAIOS LTDA.

ITEN - INSTITUTO TECNOLÓGICO DE ENSAIOS LTDA. ITEN - INSTITUTO TECNOLÓGICO DE ENSAIOS LTDA. Laboratório pertencente à RBLE. Relatório de Ensaios de Produtos (REP): n. 1403054-2/03 Emissão: 28.07.2014 Solicitante: Endereço: Fabricante: Eletrocal Indústria

Leia mais

PROJETOR 1 LED O Projetor1LED foi desenvolvido para substituir a iluminação tradicional de projetores em halogêneo e Iodetos metálicos. A redução dos consumos pode chegar a %. Liga diretamente à rede elétrica

Leia mais

LAVANDARIAS. Emissões quaisquer descargas de COV de uma instalação para o ambiente;

LAVANDARIAS. Emissões quaisquer descargas de COV de uma instalação para o ambiente; RLG Atualizado a: 18 de julho de 2012 1 O conteúdo informativo disponibilizado pela presente ficha não substitui a consulta dos diplomas legais referenciados e da entidade licenciadora. FUNCHAL LAVANDARIAS

Leia mais

INSTALAÇÕES DE GÁS EM EDIFÍCIOS

INSTALAÇÕES DE GÁS EM EDIFÍCIOS ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET 657 24 de outubro de 2012 ÍNDICE Página 2 de 8 Registo das revisões... 3 Preâmbulo... 4 1. Objectivo... 4 2. Âmbito... 4 3. Referências... 4 4. Definições / Siglas... 5 5. Equipamentos

Leia mais

Soluções de iluminação LED

Soluções de iluminação LED Soluções de iluminação LED SOLUÇÕES DE ILUMINAÇÃO LED 2 LED SOLUTIONS 3 anos Benefícios das lâmpadas : O que a oferece a você: Economia de energia de até 85% comparando-se com as lâmpadas incandescentes

Leia mais

SECTOR DA FABRICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS

SECTOR DA FABRICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS #2 SECTOR DA FABRICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS INTERVENÇÕES E CASOS DE SUCESSO Intervenções Durante o período de intervenção do projeto efinerg II, constatou-se que o sector da fabricação de equipamento

Leia mais

Módulo de Alimentação de Controlo do Motor LQSE-4M-D Controlador de Motor CA 4 saídas. Unidade do. Painel de parede seetouch QSR.

Módulo de Alimentação de Controlo do Motor LQSE-4M-D Controlador de Motor CA 4 saídas. Unidade do. Painel de parede seetouch QSR. LUTRON Módulo de de Controlo do Motor Controlador de Motor CA 4 saídas Módulo de de Controlo do Motor O módulo de alimentação de controlo do motor consiste numa interface que disponibiliza a integração

Leia mais

INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO

INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO Estruturas metálicas Características Elaboração: GTRPT Homologado: conforme despacho do CA de 2007-02-13 Edição: 1ª Emissão: EDP Distribuição Energia, S.A.

Leia mais

INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO

INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO Armários de comando e controlo Características Elaboração: GTRPT Homologação: conforme despacho do CA de 2007-02-13 Edição: 1ª Emissão: EDP Distribuição

Leia mais

UNIDADE DE TRANSMISSÃO DE DADOS DE CONTAGEM

UNIDADE DE TRANSMISSÃO DE DADOS DE CONTAGEM ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET 441 27 de abril de 2012 Página 2 de 13 ÍNDICE Registo das revisões... 4 1. Objectivo... 5 2. Âmbito... 5 3. Referências... 5 3.1. Externas... 5 3.2. Internas... 5 4. Definições

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 013/DAT/CBMSC) SINALIZAÇÃO PARA ABANDONO DE LOCAL

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 013/DAT/CBMSC) SINALIZAÇÃO PARA ABANDONO DE LOCAL ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS - DAT NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 013/DAT/CBMSC)

Leia mais

nano 1 2 a luz sustentável

nano 1 2 a luz sustentável nano 1 2 a luz sustentável 1 nano CARACTERISTicas LUMINária Design: A. Baré DESCRIção A Nano 1 é um bom exemplo de design inteligente. Baseada no conceito da miniaturização, esta luminária pode ser utilizada

Leia mais

INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO

INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO Circuitos BT Regras de execução Elaboração: GTRPT Homologado: conforme despacho do CA de 2007-02-13 Edição: 1ª Emissão: EDP Distribuição Energia, S.A. DNT

Leia mais

COMISSÃO TÉCNICA DE NORMALIZAÇÃO ELETROTÉCNICA CTE 64 Instalações Elétricas em Edifícios

COMISSÃO TÉCNICA DE NORMALIZAÇÃO ELETROTÉCNICA CTE 64 Instalações Elétricas em Edifícios COMISSÃO TÉCNICA DE NORMALIZAÇÃO ELETROTÉCNICA CTE 64 Instalações Elétricas em Edifícios ESQUEMAS TIPO DE UNIDADES DE PRODUÇÃO PARA AUTOCONSUMO (UPAC) março 2015 A secção 712: Instalações Solares Fotovoltaicas

Leia mais

Lista de Normas de janeiro a distribuir aos Correspondentes IPQ

Lista de Normas de janeiro a distribuir aos Correspondentes IPQ NP 3034:2012 Azeitonas de mesa Definição, classificação, características, acondicionamento e rotulagem NP EN 462-3:2012 Ensaios não destrutivos Qualidade da imagem radiográfica Parte 3: Classes de qualidade

Leia mais

ATA DE REGISTRO DE PREÇO Nº 051/2015

ATA DE REGISTRO DE PREÇO Nº 051/2015 Página 1 de 7 PREGÃO PRESENCIAL Nº 036/2015 OBJETO: REGISTRO DE PREÇOS PARA EVENTUAL E FUTURA AQUISIÇÃO DE MATERIAIS ELÉTRICOS DE ALTA TENSÃO para recomposição e manutenção do estoque do almoxarifado,

Leia mais

BATERIAS ESTACIONÁRIAS CHUMBO-ÁCIDAS REGULADAS POR VÁLVULA

BATERIAS ESTACIONÁRIAS CHUMBO-ÁCIDAS REGULADAS POR VÁLVULA COMPANHIA ENERGÉTICA DE MINAS GERAIS BATERIAS ESTACIONÁRIAS CHUMBO-ÁCIDAS REGULADAS POR VÁLVULA Especificação Técnica 02.112 - TI/SI 917a GERÊNCIA DE SUPORTE EM INFRA-ESTRUTURA DE TELECOMUNICAÇÕES E INFORMÁTICA

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGO EFETIVO PROFESSOR DE ENSINO BÁSICO, TÉCNICO E TECNOLÓGICO Edital 12/2015 Campus São João del-rei

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGO EFETIVO PROFESSOR DE ENSINO BÁSICO, TÉCNICO E TECNOLÓGICO Edital 12/2015 Campus São João del-rei CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGO EFETIVO Tema 01: ELETRICIDADE BÁSICA E CIRCUITOS EM CC Um fabricante de isoladores informa que seu produto, no formato de um cilindro, como mostrado na Figura

Leia mais

Contatos em AgNi, para comutação de cargas resistivas ou levemente indutivas, como cargas de motores. 2000 fluorescente compacta (CFL) W

Contatos em AgNi, para comutação de cargas resistivas ou levemente indutivas, como cargas de motores. 2000 fluorescente compacta (CFL) W Características 22.32.0.xxx.1xx0 Série 22 - Contator modular 25 A 22.32.0.xxx.4xx0 Contator modular de 25A - 2 contatos Largura do módulo, 17.5 mm Contatos NA com abertura 3mm com dupla abertura Energização

Leia mais

Contatos em AgNi, para comutação de cargas resistivas ou levemente indutivas, como cargas de motores. 2000 fluorescente compacta (CFL) W

Contatos em AgNi, para comutação de cargas resistivas ou levemente indutivas, como cargas de motores. 2000 fluorescente compacta (CFL) W Série - Contator modular 25-40 - 63 A SÉRIE Características.32.0.xxx.1xx0.32.0.xxx.4xx0 Contator modular de 25A - 2 contatos Largura do módulo, 17.5 mm Contatos NA com abertura 3mm com dupla abertura Energização

Leia mais

GE Iluminação. Lâmpadas Eletrônicas. Integradas e Não Integradas. imagination at work

GE Iluminação. Lâmpadas Eletrônicas. Integradas e Não Integradas. imagination at work GE Iluminação Lâmpadas Eletrônicas Integradas e Não Integradas imagination at work Economiza até % de energia* s e s Utilize as lâmpadas da GE para decorar seus ambientes. As lâmpadas Fluorescentes Compactas

Leia mais

22.32.0.xxx.1xx0 22.32.0.xxx.4xx0. Contatos em AgNi, para comutação de cargas resistivas ou levemente indutivas, como cargas de motores

22.32.0.xxx.1xx0 22.32.0.xxx.4xx0. Contatos em AgNi, para comutação de cargas resistivas ou levemente indutivas, como cargas de motores Série 22 - Contator modular 25-40 - 63 A SÉRIE 22 Características 22.32.0.xxx.1xx0 22.32.0.xxx.4xx0 Contator modular de 25A - 2 contatos argura do módulo, 17.5 mm Contatos NA com abertura 3mm com dupla

Leia mais

FONTE DE ALIMENTAÇÃO CHAVEADA CWF24-01

FONTE DE ALIMENTAÇÃO CHAVEADA CWF24-01 FONTE DE ALIMENTAÇÃO CHAVEADA (Input: 85 ~ 264 Vac / 120 ~ 370 Vdc) (Output: 24 Vdc / 1 A) CWF24-01 Fonte de Alimentação Chaveada Manual do usuário MAN-PT-DE-CWF24-01-01.00_14 Introdução Obrigado por

Leia mais

Novo Medidor Eletrônico

Novo Medidor Eletrônico Novo Medidor Eletrônico Neste material, você encontra todas as informações sobre o novo equipamento que vai medir o consumo de energia elétrica da sua instalação. bandeirante Instalação do medidor eletrônico

Leia mais

BHR5 - SECCIONADORAS "SOB CARGA" FUSÍVEIS NH

BHR5 - SECCIONADORAS SOB CARGA FUSÍVEIS NH BHR5 - SECCIONADORAS "SOB CARGA" FUSÍVEIS NH Página 1 BHR5 - SECCIONADORAS "SOB CARGA" - FUSÍVEIS NH -proteção e comando de instalações elétricas em Baixa Tensão (BT). -prevista para incorporar fusíveis

Leia mais

CONDUTORES ISOLADOS E SEUS ACESSÓRIOS PARA REDES

CONDUTORES ISOLADOS E SEUS ACESSÓRIOS PARA REDES CONDUTORES ISOLADOS E SEUS ACESSÓRIOS PARA REDES Cabos ignífugos de baixa tensão Características e ensaios Elaboração: DNT Homologação: conforme despacho do CA de 2007-01-11 Edição: 1ª Emissão: EDP Distribuição

Leia mais

INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO

INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO Função de automatismo: pesquisa de terras resistentes Especificação funcional Elaboração: INTS, ICTS, ISTS e DNT Homologação: conforme despacho CA de 2007-02-13

Leia mais

AV. Herminio Gimenez RC - RUC: 80061756-8 COR: CIUDAD DEL ESTE-PY TEL: +595 983 613802 contato@options-sa.net - www.options-sa.net

AV. Herminio Gimenez RC - RUC: 80061756-8 COR: CIUDAD DEL ESTE-PY TEL: +595 983 613802 contato@options-sa.net - www.options-sa.net COR: -Instalação rápida e fácil, fixação com resina, ondulação de 2 a 4 mm para passagem dos cabos de energia. - Pode ser instalada em piscinas ou hidromassagens onde não tenha sido previsto sistema de

Leia mais

M A N U A L DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO. Compressores de ar D 1 / D 2 / D 3

M A N U A L DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO. Compressores de ar D 1 / D 2 / D 3 Rev.03-06/23 M A N U A L DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO Compressores de ar D 1 / D 2 / D 3 Rua Major Carlos Del Prete, 19 - Bairro Cerâmica CEP 09530-0 - São Caetano do Sul - SP - Brasil Fone/Fax: (11) 4224-3080

Leia mais

Critérios CPE da UE para aquecedores a água

Critérios CPE da UE para aquecedores a água Critérios CPE da UE para aquecedores a água Os critérios CPE da UE têm como objetivo ajudar os organismos públicos na aquisição de produtos, serviços e obras com impacto ambiental reduzido. A utilização

Leia mais

Suporte situado na edificação do consumidor, com a finalidade de fixar e elevar o ramal de ligação.

Suporte situado na edificação do consumidor, com a finalidade de fixar e elevar o ramal de ligação. 25 / 10 / 2011 1 de 7 1 FINALIDADE Esta Norma especifica e padroniza as dimensões e as características mínimas exigíveis do pontalete de aço para utilização em padrões de entrada de unidades consumidoras

Leia mais

ANÁLISE DA VIABILIDADE DE ILUMINAÇÃO À LED S EM RESIDÊNCIAS. Rodrigo Evandro da Mota, Tiago Augusto da Silva, José Ricardo Abalde Guede

ANÁLISE DA VIABILIDADE DE ILUMINAÇÃO À LED S EM RESIDÊNCIAS. Rodrigo Evandro da Mota, Tiago Augusto da Silva, José Ricardo Abalde Guede ANÁLISE DA VIABILIDADE DE ILUMINAÇÃO À LED S EM RESIDÊNCIAS. Rodrigo Evandro da Mota, Tiago Augusto da Silva, José Ricardo Abalde Guede FEAU/UNIVAP, Avenida Shisima Hifumi 2911, São José dos Campos - SP

Leia mais

TRANSIÇÕES METAL/POLIETILENO

TRANSIÇÕES METAL/POLIETILENO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET 303 ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET 303 12 de Junho de 2007 Página 1 de 7 ÍNDICE Registo das revisões... 2 Preâmbulo... 3 1. Objectivo... 3 2. Âmbito... 3 3. Referências... 3 3.1. Externas...

Leia mais

Catalogo Técnico. Disjuntor Motor BDM-NG

Catalogo Técnico. Disjuntor Motor BDM-NG Catalogo Técnico Disjuntor Motor BDM-NG Disjuntores-Motor BDM-NG Generalidade: O disjuntor-motor BDM-NG,Tripolar, são termomagnéticos compactos e limitadores de corrente. Ideal para o comando e a proteção

Leia mais

67.22-4300 67.23-4300. 2 NA Distância entre contatos abertos 3 mm Montagem em circuito impresso. Vista do lado do cobre

67.22-4300 67.23-4300. 2 NA Distância entre contatos abertos 3 mm Montagem em circuito impresso. Vista do lado do cobre Série 67 - Relé de potência para PCI 50 SÉRIE 67 Características 67.22-4300 67.23-4300 Montagem em circuito (abertura 3 mm) 50 Relé de potência para PCI Versões com 2 e 3 contatos N, com dupla abertura

Leia mais

Exemplo de uma planta de distribuição elétrica utilizando parte da simbologia acima.

Exemplo de uma planta de distribuição elétrica utilizando parte da simbologia acima. TOMADA NO PISO PONTO DE FORÇA 2 3 3w 4w INTERRUPTOR DE 1 SEÇÃO INTERRUPTOR DE 2 SEÇÕES INTERRUPTOR DE 3 SEÇÕES INTERRUPTOR THREE-WAY PARALELO INTERRUPTOR FR-WAY INTERMEDIÁRIO ACIONADOR DE CIGARRA CIGARRA

Leia mais

Teoria Princípio do Capacitor

Teoria Princípio do Capacitor Teoria Princípio do Capacitor Um capacitor consiste de dois pratos eletrodos isolados de cada lado por um dielétrico médio. As características de um capacitor são dependentes da capacitância e da tensão.

Leia mais

gl2 plus DESCRIção VANTAGENS

gl2 plus DESCRIção VANTAGENS gl2 PLUS gl2 plus CARACTERÍSTICAS - PROJETOR Estanqueidade: IP 66 (*) Resistência ao impacto (vidro): IK 08 (**) Classe de isolamento elétrico: I (*) Tensão nominal: 127 a 277V, 50-60 Hz Peso: 13.6 kg

Leia mais

MANGAS DE PROTECÇÃO PARA REDES EM AÇO E POLIETILENO

MANGAS DE PROTECÇÃO PARA REDES EM AÇO E POLIETILENO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET 305 ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET 305 29 de Maio de 2007 Página 1 de 8 ÍNDICE Registo das revisões... 2 Preâmbulo... 3 1. Objectivo... 3 2. Âmbito... 3 3. Referências... 3 3.1. Externas...

Leia mais

IT - 16 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO

IT - 16 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO IT - 16 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências Normativas 4 Definições 5 Generalidades gerais 6- Procedimentos 7 Certificação e validade/garantia INSTRUÇÃO

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PROTETOR DE BUCHA PARA TRANSFORMADOR

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PROTETOR DE BUCHA PARA TRANSFORMADOR PROTOR DE BUCHA PARA TRANSFORMADOR SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 02 5. INSTRUÇÕES GERAIS 03 5.1. Características

Leia mais

INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO

INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO Ensaios de funcionamento e verificações gerais Protocolo de ensaios Elaboração: GTRPT Homologado: conforme despacho do CA de 2007-02-13 Edição: 1ª Emissão:

Leia mais

Proteção ao circuitos elétricos Baixo custo Conformidade IEC 60947-2

Proteção ao circuitos elétricos Baixo custo Conformidade IEC 60947-2 Proteção ao circuitos elétricos Baixo custo Conformidade IEC 60947-2 Disjuntores FM101 - Linha de Disjuntores em Caixa moldada Disjuntores FM101 - Linha de Disjuntores em Caixa moldada Os disjuntores FM

Leia mais

COMPANHIA DE ÁGUA E ESGOTOS DA PARAÍBA DIRETORIA DE EXPANSÃO GERÊNCIA EXECUTIVA DE PLANEJAMENTO E PROJETOS

COMPANHIA DE ÁGUA E ESGOTOS DA PARAÍBA DIRETORIA DE EXPANSÃO GERÊNCIA EXECUTIVA DE PLANEJAMENTO E PROJETOS 1 ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DO GRUPO GERADOR - 30 KVA ESTAÇÃO ELEVATÓRIA DE ESGOTO - EEE1 JARDIM CIDADE UNIVERSITÁRIA 1. OBJETIVO Esta especificação técnica apresenta as características técnicas e comerciais

Leia mais

PREENCHIMENTO DA PLANILHA DO PROJETO EXPRESSO V 2.0

PREENCHIMENTO DA PLANILHA DO PROJETO EXPRESSO V 2.0 1. OBJETIVO Este informativo técnico tem como objetivo orientar o envio dos documentos e o preenchimento correto da planilha do Projeto Expresso v 2.0 - Caixas Metálicas e planilha do Projeto Expresso

Leia mais

AÇÕES PARA MELHORIA DO DESEMPENHO DE EQUIPAMENTOS DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA. Palestrante: Luís Donizeti de Assis Elektro

AÇÕES PARA MELHORIA DO DESEMPENHO DE EQUIPAMENTOS DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA. Palestrante: Luís Donizeti de Assis Elektro AÇÕES PARA MELHORIA DO DESEMPENHO DE EQUIPAMENTOS DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA Palestrante: Luís Donizeti de Assis Elektro 2o SEMINÁRIO PROCEL RELUZ AÇÕES PARA MELHORIA DO DESEMPENHO DE EQUIPAMENTOS DE ILUMINAÇÃO

Leia mais

IECEx DOCUMENTO OPERACIONAL

IECEx DOCUMENTO OPERACIONAL IECEx OD 314-3 Edição 1.0 2013-07 IECEx DOCUMENTO OPERACIONAL Sistema de Certificação da IEC em relação às normas sobre atmosferas explosivas (Sistema IECEx) IEC System for Certification to Standards relating

Leia mais

2) Neste resistor consegue-se verificar diretamente a corrente, pois se tem: Como o resistor é linear, a forma de onda é idêntica a da corrente;

2) Neste resistor consegue-se verificar diretamente a corrente, pois se tem: Como o resistor é linear, a forma de onda é idêntica a da corrente; Objetivo do teste Verificar os picos de corrente gerados por circuitos de lâmpadas de vapor Metálico (Mercúrio, Sódio, etc.) de lâmpadas fluorescentes compactas e lâmpadas incandescentes. Procedimentos

Leia mais

CERTIFICAÇÃO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO

CERTIFICAÇÃO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO CERTIFICAÇÃO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO REQUISITOS DE AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE PROF. MARCOS FERGÜTZ ABRIL/14 INTRODUÇÃO - Legislação Portaria no. 51, de 28 de janeiro de 2014, do INMETRO,

Leia mais

INFORMATIVO DE PRODUTO

INFORMATIVO DE PRODUTO Central de Iluminação de Emergência 12 V(cc), 20 A, com Capacidade de 240 W. Código AFB240 A central de iluminação de emergência é alimentada pela rede elétrica predial (110 ou 220 volts) e também possui

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 16 2ª EDIÇÃO

INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 16 2ª EDIÇÃO INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 16 2ª EDIÇÃO SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências normativas 4 Definições 5 Generalidades 6 Características e critérios para

Leia mais

CATÁLOGO DE PRODUTOS

CATÁLOGO DE PRODUTOS CATÁLOGO DE PRODUTOS ILUMINAÇÃO EM LED: TENDÊNCIA MUNDIAL. A utilização da iluminação em LED, além de oferecer produtos com maior durabilidade e segurança, minimizam o custo e o consumo de energia elétrica,

Leia mais

Disjuntores-Motor BDM-G. Dados Técnicos Características Gerais. Posições das teclas

Disjuntores-Motor BDM-G. Dados Técnicos Características Gerais. Posições das teclas Disjuntores-Motor BDM-G Generalidade: O disjuntor-motor BDM-G,Tripolar, são termomagnéticos compactos e limitadores de corrente. Ideal para o comando e a proteção dos motores. Possuem alta capacidade de

Leia mais

limark caraterísticas - projetores vantagens

limark caraterísticas - projetores vantagens limark limark caraterísticas - projetores Estanquicidade: IP 67 (*) Resistência ao choque (PC): IK 09 (**) Resistência a uma carga estática: < 500 kg Tensão nominal (alimentador exterior): 24V DC Classe

Leia mais

0310 INF 01/10. Pág. 1 de 8

0310 INF 01/10. Pág. 1 de 8 Pág. 1 de 8 LABORÓRIO Laboratório de ensaios da TÜV RHEINLAND DO BRASIL Técnico responsável Gerente Técnico do Laboratório Laboratório...: TÜV Rheinland do Brasil Ltda. Endereço...: Rua dos Comerciários,

Leia mais

DET NORSKE VERITAS CERTIFICADO DE CONFORMIDADE

DET NORSKE VERITAS CERTIFICADO DE CONFORMIDADE Produto: Product/Producto Tipo / Modelo: Type Model/Tipo Modelo Solicitante: Applicant/Solicitante LUMINARIA FIXA PARA LAMPADAS FLUORESCENTES EXEL CORTEM S.p.A Via Aquileia 10, I-34070 Vilesse (Gorizia)

Leia mais

Calhas em cor cinzento RAL 7035

Calhas em cor cinzento RAL 7035 Descrição Utilização Calha de tampa exterior e de montagem saliente sobre parede ou tecto para a distribuição de cabos em instalações eléctricas e de telecomunicações. Compartimentação flexível para a

Leia mais

corus DESCRIÇÃO CARACTERÍSTICAS PROJECTOR VANTAGENS OPÇÕES MONTAGENS DIMENSÕES

corus DESCRIÇÃO CARACTERÍSTICAS PROJECTOR VANTAGENS OPÇÕES MONTAGENS DIMENSÕES CARACTERÍSTICAS PROJECTOR Estanquicidade: IP 66 (*) Resistência aos choques (vidro): IK 08 (**) Classe de isolamento eléctrico: I (*) Pesos (ex: 510 mm - vazio): 2,9 kg (*) segundo IEC - EN 598 (**) segundo

Leia mais

PROJETO DE PARECER. PT Unida na diversidade PT 2011(0197)(COD) 2.3.2012. da Comissão dos Transportes e do Turismo

PROJETO DE PARECER. PT Unida na diversidade PT 2011(0197)(COD) 2.3.2012. da Comissão dos Transportes e do Turismo PARLAMENTO EUROPEU 2009-2014 Comissão dos Transportes e do Turismo 2011(0197)(COD) 2.3.2012 PROJETO DE PARECER da Comissão dos Transportes e do Turismo dirigido à Comissão do Mercado Interno e da Proteção

Leia mais

PERÍCIAS DE ENGENHARIA ELÉTRICA

PERÍCIAS DE ENGENHARIA ELÉTRICA PERÍCIAS DE ENGENHARIA ELÉTRICA PERICIAS NAS DIVERSAS ÁREAS DA ENGENHARIA ELÉTRICA 1. PERICIAS EM TRANSFORMADORES Transformadores a óleo e transformadores a seco; Verificação de seus componentes; Ensaios

Leia mais

Memorial de Cálculo para Projetos de Instalações Elétricas

Memorial de Cálculo para Projetos de Instalações Elétricas ANEXO II Memórial de Cálculo Instalações Elétricas Rev.0 (11/02/2010) Pág. 1 Banco de Brasília Agência Cuiabá Novas Instalações Memorial de Cálculo para Projetos de Instalações Elétricas Brasília, 23 de

Leia mais

Serviço Público Federal Conselho Regional de Corretores de Imóveis Estado de São Paulo

Serviço Público Federal Conselho Regional de Corretores de Imóveis Estado de São Paulo ANEXO VII PREGÃO PRESENCIAL Nº. 021/2015 Termo de Referência 1. DO OBJETO 1.1. Este Termo de Referência tem por objetivo a aquisição, por intermédio de licitação na modalidade de Pregão Presencial, de

Leia mais

Vasos de Pressão. Ruy Alexandre Generoso

Vasos de Pressão. Ruy Alexandre Generoso Vasos de Pressão Ruy Alexandre Generoso VASOS DE PRESSÃO DEFINIÇÃO: São equipamentos que contêm fluidos sob pressão, cujo produto P x V seja superior a 8. Em que: Pressão (Kpa) Volume (m 3 ) VASOS DE PRESSÃO

Leia mais

Cursos Sistemas Vapor 2015

Cursos Sistemas Vapor 2015 Cursos Sistemas Vapor 2015 Acção de formação para: Directores de produção Desenhadores de instalações Gerentes de fábrica Engenheiros de processo Engenheiros de projecto Instaladores Gestores de energia

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO INSTITUTO DE ENERGIA E AMBIENTE RELATÓRIO DE ENSAIO Nº 77604

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO INSTITUTO DE ENERGIA E AMBIENTE RELATÓRIO DE ENSAIO Nº 77604 Ensaio Av. Prof. Luciano Gualberto, 1289 Cidade Universitária Butantã CEP 05508-010 São Paulo SP BRASIL www.iee.usp.br CNPJ: 63.025.530/0042-82 Inscrição Estadual: isento Laboratório de Ensaio acreditado

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA No- 3, DE 21 DE JUNHO DE 2011

INSTRUÇÃO NORMATIVA No- 3, DE 21 DE JUNHO DE 2011 INSTRUÇÃO NORMATIVA No- 3, DE 21 DE JUNHO DE 2011 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso das atribuições que lhe conferem o art. 11, inciso IV, do Regulamento da Anvisa,

Leia mais