O PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO EM UM POSTO DE COMBUSTÍVEIS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO EM UM POSTO DE COMBUSTÍVEIS"

Transcrição

1 O PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO EM UM POSTO DE COMBUSTÍVEIS Rodolfo Gener da Silva, Rodrigo Gener da Silva, Renato Luan, Felipe Clayton da Silva Costa, Roger Pereira, Tomaz Augusto Castrisana Ciências Contábeis/Faculdade Bilac, São José dos Campos. Resumo: Um bom planejamento tributário é essencial para qualquer organização, seja de pequeno ou grande porte, a fim de atingir o objetivo esperado pela maioria das empresas, o lucro, evitar custos tributários desnecessários e obter baixa carga tributária. Este trabalho tem como objetivo principal analisar o planejamento tributário em um posto de combustíveis localizado em São José dos Campos, São Paulo, o Auto Posto Fragata, enquadrada atualmente no regime Lucro Real. Como objetivos específicos, analisou-se a modalidade tributária atual da empresa; verificou-se o melhor regime tributário com a menor carga tributária; demonstrou-se que existem meios de reduzir a carga tributária de maneira lícita e foi proposto o regime tributário mais adequado. Para tanto, a investigação adotou Pesquisa Documental, realizada por meio de consulta a documentos internos da Empresa. Palavras-chave: Planejamento Tributário, Elisão Fiscal, Tributos, Lucro Real. 1

2 1. INTRODUÇÃO Nos dias atuais, a carga tributária no Brasil vem aumentando cada vez mais, e com isso as empresas buscam caminhos com objetivo de reduzir custos e despesas. Um dos principais erros cometidos por empresas que acabam de nascer e até mesmo as que estão no mercado há algum tempo é o mau planejamento tributário. A mortalidade de micro e pequenas empresas brasileiras que estão nos primeiros anos de existência atingem 70%, devido ao mau planejamento ou à falta dele (DORNELLAS, 2008). O objetivo geral deste trabalho é realizar o planejamento tributário de um posto de combustíveis e propor um regime tributário adequado, tendo em vista minimização do pagamento de tributos. Entre os objetivos específicos desta investigação estão: 1) Descrever e explicar os regimes tributários vigentes; 2) identificar o regime atual do Auto Posto Fragata; 3) verificar qual o melhor regime tributário para que a empresa tenha uma menor carga tributária dentro da elisão fiscal; 4) Demonstrar que existe maneira lícita de redução de impostos, sem cometer sonegação (Evasão Fiscal); 5) Propor ajuste ou a troca. Justifica-se a realização deste trabalho no fato de o assunto ser um problema que atinge milhares de empresa no Brasil. Um dos maiores problemas para os empresários nos dias atuais é a elevada carga tributária vigente no Brasil, diante disso as empresas pretendem reduzir a carga tributária, por isso é necessário realizar um planejamento tributário conhecido como elisão fiscal. Esta investigação adota a Pesquisa Documental como instrumento de coleta de dados, por meio de consulta a documentos internos do Auto Posto Fragata, como Sped Fiscal e Demonstrações Contábeis. O Auto Posto Fragata é uma empresa de pequeno porte do segmento de revenda de combustíveis. Localizada em SJC, SP, possui 9 funcionários e adota o regime tributário do Lucro Trimestral. Com este estudo, pôde-se concluir que um bom planejamento tributário, feito de acordo com a legislação tributária vigente, tem se tornado cada vez mais essencial, 2

3 independente do porte da empresa. Por meio dele, a organização se enquadra no regime tributário correto e sobrevive no mundo dos negócios. Este artigo aborda, no capítulo 2, a definição de planejamento tributário e a relação de tributos brasileiros, porém o estudo é realizado sobre apenas quatro deles (os principais no Brasil). O capítulo 3 apresenta breve descrição do método de pesquisa utilizado e a caracterização da empresa investigada. O capítulo 4 analisa e realiza um planejamento tributário na empresa investigada, abordando vantagens e desvantagens Lucro Real e Lucro Presumido, seguido das considerações finais. 2. DESENVOLVIMENTO 2.1. Planejamento Tributário Costuma-se denominar de Planejamento Tributário a atividade empresarial que, desenvolvendo-se de forma estritamente preventiva, projeta os atos e fatos administrativos com o objetivo de informar quais os ônus tributários em cada uma das opções legais disponíveis. O objeto do planejamento tributário é, em última análise, a economia tributária. Cotejando as várias opções legais, o administrador obviamente procura orientar os seus passos de forma a evitar, sempre que possível, o procedimento mais oneroso do ponto de vista fiscal. (LATORRACA, 2000, p.37). A legislação tributária brasileira é complexa, para um planejamento tributário correto, se exige muito conhecimento dos regimes tributário existentes, regras e modos de funcionamento. Os principais serão descritos e explicados neste capítulo Regimes Tributários Vigentes O enquadramento de um regime tributário em uma empresa interfere plenamente no resultado econômico, pois através dele é definida sua incidência e base de cálculo de impostos (REVISTA CEPPG, 2011). Atualmente, no Brasil, existem quatro regimes tributários, utilizados para o enquadramento de uma empresa: 1) Simples Nacional; 2) Lucro Presumido; 3) Lucro Real; 4) Lucro Arbitrado. 3

4 O Simples Nacional é aplicável a Microempresas (ME) e Empresas de Pequeno Porte (EPP). Criado pela Lei Complementar nº 123 de 2006, é um Regime Especial Unificado de Arrecadação de Tributos e Contribuições. O enquadramento de uma empresa no Simples Nacional pode ocorrer desde que a mesma aufira receita bruta no ano-calendário no valor total de R$ ,00 (três milhões e seiscentos mil reais). Para efeitos da Lei Complementar citada, considerase uma ME a empresa que aufira, em cada ano-calendário, receita bruta igual ou inferior a R$ ,00(trezentos e sessenta mil reais). Já a EPP deve auferir em cada ano-calendário receita bruta superior a R$ ,00 e igual ou inferior a R$ ,00 (três milhões e seiscentos mil reais) (BRASIL, 2006). O Lucro Presumido é a forma de tributação simplificada para a determinação da base de cálculo do Imposto de Renda e da Contribuição Social das pessoas jurídicas que não estejam obrigadas à opção do Lucro Real no ano-calendário. Para determinação da base de cálculo do IRPJ e da CSLL, o Fisco determina os percentuais de presunção de acordo com a atividade geradora da receita. Nesse regime são quatro os impostos no âmbito federal: o PIS e a COFINS, calculados mensalmente, e o IRPJ e a CSLL, cuja apuração é trimestral (BRASIL, 2002). De acordo com o Artigo 516 do Regulamento do Imposto de Renda (RIR) de 1999 alterado pela Lei nº , de Maio de 2013, podem optar pelo Lucro Presumido as empresas cuja receita bruta total, no ano-calendário anterior, tenha sido igual ou inferior a R$ ,00 ou a R$ ,00 multiplicados pelo número de meses de atividade. Quando inferior a 12 meses, poderá optar pelo regime de tributação com base no Lucro Presumido. De acordo com o Artigo 247, do RIR/1999, o Lucro Real é o lucro líquido do período de apuração ajustado pelas adições, exclusões ou compensações prescritas ou autorizadas pelo Decreto Lei nº 1.598, de 1977, artigo 6º. Os impostos federais incidentes pelas empresas optantes pelo Lucro Real são o IRPJ e a CSLL, que podem ser apurados trimestral ou mensalmente. O PIS e a COFINS, assim como o Lucro Presumido, são apurados mensalmente. Conforme Artigo 246 do RIR/1999 estão obrigadas ao Lucro Real as empresas: 4

5 [...] I - cuja receita total no ano-calendário anterior seja superior a R$ ,00 (setenta e oito milhões de reais) ou proporcional ao número de meses do período, quando inferior a 12 meses; II - cujas atividades sejam de instituição financeira; III - que tiverem lucros, rendimentos ou ganhos de capital oriundos do exterior; IV - que, autorizadas pela legislação tributária, usufruam de benefícios fiscais relativos à isenção ou redução do imposto; V - que, no decorrer do ano-calendário, tenham efetuado pagamento mensal pelo regime de estimativa; VI - que explorem as atividades de factoring. O regime do Lucro Real requer mais atenção por parte do profissional contábil, devido à complexidade na execução das rotinas contábil e fiscal, pois é por meio do Lucro contábil apurado conforme a legislação societária Lei 6404/76 alterado pelas leis 11638/2007 e 11941/2009, ajustado pelas adições, exclusões e compensações conforme dispõe o RIR/99 que será determinada a base de cálculo do IRPJ e da CSLL. Para que o resultado do exercício seja apurado devidamente, devem ser utilizados os seguintes procedimentos em relação aos princípios contábeis: corretos lançamentos contábil e fiscal; elaboração de demonstrações contábeis (Balanço Patrimonial, Demonstração do Resultado do Exercício -DRE, Balancetes) e livros Fiscais (Livro de Apuração do Lucro Real LALUR, Livro de Entrada e Saída e Livro de Registro de Inventário). O Lucro Arbitrado é a apuração da base de cálculo do IR utilizada pela autoridade tributária ou pelo contribuinte. Esse regime é aplicado pela autoridade à pessoa jurídica quando essa deixa de cumprir com suas obrigações acessórias relativas à determinação do Lucro Real ou do Lucro Presumido (BRASIL, 1995) VANTAGENS E DESVANTAGENS DO LUCRO REAL Conforme mencionado anteriormente, o Lucro Real é o lucro líquido do período de apuração ajustado por adições, exclusões ou compensações prescritas ou autorizadas por Lei. Uma de suas vantagens é que a apuração, como o próprio nome diz, ocorre de acordo com o Lucro Real obtido pela organização em dado período, significando o lucro realmente existente. Em outras palavras: se a empresa apresentar prejuízo em determinado período não serão recolhidos o IRPJ e a CSLL. 5

6 Quando apresentar lucro, poderá compensar parcialmente 30% do prejuízo obtido em períodos anteriores (JUSBRASIL, 2013). Sua desvantagem é que as alíquotas do PIS e da COFINS são mais altas do que no Lucro Presumido. No Lucro Real, porém, conforme determina a Lei, pode-se aproveitar o crédito dos mesmos em aquisições como bens para revenda e insumos. Outra desvantagem é que a contabilidade deve sempre estar em dia, bem como efetuar os devidos ajustes no lucro líquido após a apuração de resultados. Já no regime do Lucro Presumido, obtendo lucro ou prejuízo, haverá incidência de IRPJ e CSLL sobre a empresa, visto serem calculados sobre o faturamento trimestral dessa (JUSBRASIL, 2013). 2.3 Tributos Brasileiros De acordo com o Artigo 3º do Código Tributário Nacional CTN: [...] Art. 3º Tributo é toda prestação pecuniária compulsória, em moeda ou cujo valor nela se possa exprimir, que não constitua sanção de ato ilícito, instituída em lei e cobrada mediante atividade administrativa plenamente vinculada [...] De forma clara, tributo é todo pagamento obrigatório expresso em moeda, imposto aos indivíduos e à pessoa jurídica com a finalidade de recolhimento ao órgão público (União, Estados e Municípios). Os tributos existentes no Brasil são: impostos, taxas e contribuições (FABRETTI, 2012). Na realização do planejamento tributário da organização pesquisada, somente serão abordados apenas os impostos. A taxa tem como fato gerador a prestação de serviço público para a sociedade, onde seu recolhimento feito em dinheiro pelos contribuintes é obrigatório. A taxa é definida pelos artigos 77 e 78 do Código Tributário Nacional (CTN). A contribuição de melhoria tem como fato gerador um tipo beneficio auferido pelo contribuinte, tendo como base custos de obras públicas realizadas visando melhoria do espaço público. São cobradas pela União, por Estados, Distrito Federal ou Municípios (artigos 81 e 82 do Código Tributário Nacional - CTN). 6

7 O Imposto é de origem compulsória de competência da União, de Estados, de Municípios ou do Distrito Federal. Diferentemente da taxa e da contribuição de melhoria, é um tributo não vinculado, ou seja, é devido pelo contribuinte independente da contraprestação por parte do Estado. Os impostos são divididos em diretos, que são taxados diretamente ao contribuinte; e os indiretos que são repassados ao contribuinte por mark-up, onde o os mesmos são adicionados ao custo do produto. Os impostos no Brasil a nível federal existem: Imposto sobre a Renda da Pessoa Jurídica (IRPJ); Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL); Programa de Integração Social (PIS/Pasep); Contribuição para Financiamento da Seguridade Social (COFINS) e Imposto sobre Produto Industrializado (IPI). Em nível estadual, há o Imposto sobre Operações Relativas à Circulação de Mercadorias e sobre Prestações de Serviços (ICMS) e em âmbito municipal, o Imposto sobre Serviços (ISS), entre outros. Neste trabalho apenas os impostos de âmbito federal IRPJ e CSLL serão abordados mais detalhadamente. Não serão abordados os impostos PIS e COFINS, pois no comércio de combustíveis em sua revenda tem incidência monofásica revenda alíquota zero, conforme inciso I, Art. 42, Medida Provisória (MP) nº /2001. A incidência monofásica, quer dizer que a responsabilidade de pagamento do imposto foi atribuída a um determinado contribuinte, a responsabilidade de pagamento do imposto devido em sua própria operação e para os demais da cadeia comercial. O IRPJ e CSLL são pagos por pessoas jurídicas sobre seu Lucro Real, após adições e exclusões efetuadas sobre os lançamentos constantes do LALUR ou sobre o faturamento, caso a empresa opte pelo Lucro Presumido, cujo percentual de presunção varia de acordo com o tipo de atividade da empresa. Ambos possuem a alíquota de 15% de IRPJ e 9% para a CSLL. 3. MÉTODO DE PESQUISA E CARACTERIZAÇÃO DA EMPRESA Esta pesquisa utiliza a Abordagem Qualitativa e a Pesquisa Documental como instrumento de coleta de dados. A Pesquisa Qualitativa não tem o objetivo de medir 7

8 nem numerar categorias, mas realizar um estudo aprofundado de dada temática. A Pesquisa Documental ocorre por meio de documentos considerados cientificamente autênticos (não fraudados), a fim de descrever e comparar fatos (SOUZA, 2003). A Pesquisa Documental foi realizada por meio de consulta a documentos internos do Auto Posto Fragata, como: Livro de Registro de Entrada e Saída (que relaciona toda a operação fiscal da Empresa); demonstrações contábeis, como Sped Contábil, Balanço Patrimonial, Demonstração do Resultado do Exercício (DRE), Balancetes (em que são demonstradas despesas como pagamento de fornecedores, folha de pagamento, entre outros.); relatórios e livros referentes ao ano base O Auto Posto Fragata é uma empresa de pequeno porte do segmento de revenda de combustíveis. Localizada em SJC, SP, possui 9 funcionários e adota o regime tributário do Lucro Trimestral. 4. PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO DO AUTO POSTO FRAGATA. A tabela 1 demonstra o pagamento (em Reais - R$) dos impostos IRPJ e da CSLL com base nos regimes do Lucro Real e do Lucro Presumido. Tabela 01: Cálculo do IRPJ e da CSLL referente ao ano base 2013 (Lucro Presumido e Lucro Real Trimestral). COMPARATIVO DO IRPJ E DA CSLL - LUCRO REAL TRIMESTRAL x LUCRO PRESUMIDO ANO BASE 2013 LUCRO PRESUMIDO LUCRO REAL IRPJ CSLL IRPJ CSLL RECOLHIMENTO ANUAL , ,74 409,69 245,81 Fonte: Autores. Os impostos IRPJ e CSLL, no Lucro Presumido, são apurados trimestralmente. Para isso, utiliza-se como base um percentual de presunção atribuído pelo Fisco de acordo com a atividade da empresa, para que possa ser determinada a base de cálculo do imposto. O percentual de presunção utilizado para o cálculo é de 1,6% para o IRPJ e de 12% para a CSLL. Determinada a base de cálculo, aplica-se a alíquota de 15% para o IRPJ e de 9% para a CSLL. Caso a base de cálculo presumida ultrapasse R$ ,00 (sessenta mil reais) no trimestre, deverá ser pago o adicional de 10% de IRPJ. Sendo assim, a determinação para a base de cálculo do adicional é a diferença da base de cálculo presumida menos R$ 8

9 60.000,00 (sessenta mil reais). Aplicando 10% sobre esse valor, será obtido o valor do IRPJ adicional a pagar. Assim, o valor total do IRPJ será o adicional mais o valor a ser recolhido. O cálculo do IRPJ e da CSLL com base no Lucro Real se dá, como base o lucro contábil apurado de acordo com a legislação societária, ajustado pelas adições, exclusões e compensações permitidas em lei. Se ela obtiver lucro no período, será aplicada a alíquota de 15% para o IRPJ e alíquota de 9% para a CSLL. Caso tenha prejuízo fiscal no período, o pagamento do imposto é dispensado, diferente do que ocorre no regime do Lucro Presumido. Conforme dito, o Auto Posto Fragata opta pelo pagamento do IRPJ com base no Lucro Real Trimestral sendo assim a cada fechamento de trimestre apura-se o lucro real e calcula-se o IRPJ e a CSLL, essa modalidade difere do modo anual em alguns pontos importantes: Lucro Real Trimestral, os prejuízos fiscais que foram apurados em períodos anteriores ao do fechamento em questão poderão ser compensados somente a 30% do lucro fiscal ajustado pelas adições, exclusões. Supondo que uma empresa tenha oscilações de lucro e prejuízo dentro de um trimestre ela somente irá pagar IRPJ e CSLL se der lucro no fechamento do trimestre, a empresa tem mais tempo para organizar a documentação, pode programar melhor suas despesas de modo a buscar menor custo tributário. Pode-se observar na figura 1, portanto, que o Lucro Real Trimestral, para o Auto Posto Fragata, obteve menor custo tributário quando comparado ao Lucro Presumido. 9

10 Figura 1: Comparativo Lucro Real Trimestral versus Lucro Presumido Fonte: Autores CONSIDERAÇÕES FINAIS Os estudos realizados para a conclusão deste artigo têm como objetivo principal investigar e desenvolver proposta de planejamento tributário para o Auto Posto Fragata, empresa de pequeno porte no segmento de revendedora de combustíveis, que atualmente opta pelo Lucro Real Trimestral. Comparando os regimes de tributação existentes no Brasil, verificou-se que o Simples Nacional lhe é inadequado, pois ela atinge o limite de faturamento determinado por legislação. Salientamos que no desenvolvimento do nosso artigo, foi constatado que o regime tributário lucro real trimestral, é viável para o Auto Posto Fragata devido ao fato de possuir menor carga tributária, quando comparado ao lucro presumido, no que se refere ao pagamento de impostos no âmbito federal (IRPJ e CSLL), se tratando de revenda de combustíveis, os impostos PIS e COFINS, não foram levados em consideração pelo fato de possuir a tributação monofásica e revenda á alíquota zero. As vantagens do Lucro real além da menor carga tributária conforme as analises do artigo, seria a possibilidade de compensar prejuízos fiscais anteriores (ou do mesmo exercício) e as possibilidades mais amplas de planejamento tributário, por outro lado o Lucro Real possui maior rigor contábil pelas regras tributárias (ajustes fiscais) e 10

11 maior burocracia, pela necessidade de controles e acompanhamentos fiscais e contábeis especiais. Podemos analisar que quando uma empresa opta pelo regime tributário correto (elisão fiscal), a redução da carga tributária é significativa. O ramo de revenda de combustíveis, possuí uma baixa lucratividade devido aos impostos recolhidos antecipadamente pela tributação monofásica (PIS e COFINS) e a substituição tributaria (ICMS), se o empresário deseja aumentar suas vendas, ele teria que aplicar margens muito baixas, o que não seria possível, pois os encargos são altos, no qual torna o planejamento tributário, fundamental para saúde financeira da empresa, tornando competitiva e sólida no mercado de revenda de combustíveis. A carga tributária anual do Lucro Presumido corresponde á 1,34% do faturamento do Posto Fragata, enquanto Lucro Real Trimestral corresponde somente á 0,02% do faturamento. 11

12 REFERÊNCIAS BRASIL. Lei de 30 de Dezembro de Dispõe sobre a nãocumulatividade na cobrança da contribuição para os Programas de Integração Social (PIS) e da Formação do Patrimônio do Servidor Público (Pasep). Disponível em <http://www.receita.fazenda.gov.br/legislacao/leis/2002/lei10637.htm>. Acesso em: 22 ago BRASIL. Lei de 29 de Dezembro de Altera a Legislação Tributária e dá outras providências. Disponível em < Acesso em: 22 ago BRASIL. Lei Complementar 123, 14 dez Institui o Estatuto Nacional da Microempresa e da Empresa de Pequeno Porte. Disponível em <http://www.receita.fazenda.gov.br/legislacao/leiscomplementares/2006/leicp123.h tm>. Acesso em: 22 ago BRASIL. Lei 9.718, de 27 de Novembro de Altera a Legislação Tributária Federal. Disponível em <http://www.receita.fazenda.gov.br/legislacao/leis/ant2001/lei9718.htm>. Acesso em: 22 ago BRASIL. Regulamento do Imposto de Renda RIR/99 (Decreto nº 3.000, de 26 de Março de 1999). Regulamenta a tributação, fiscalização, arrecadação e administração do Imposto sobre a Renda e Proventos de Qualquer Natureza. Disponível em <http://www.receita.fazenda.gov.br/legislacao/rir/default.htm>. Acesso 19 ago DORNELAS, J. C. A. Empreendedorismo: Transformando Idéias em Negócios. 3.ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2008, 232 p. LATORRACA, Nilton. Direito Tributário: imposto de renda das empresas. 15 ed. São Paulo: Atlas,

13 FABRETTI, L. C. Contabilidade Tributária. 12 ed. São Paula: Atlas, 2012, 360 p. JUSBRASIL. Lucro Real Vantagens e Desvantagens. JusBrasil. Disponível em: <http://crc-se.jusbrasil.com.br/noticias/ /lucro-real-vantagens-edesvantagens>. Acesso em: 30 set REVISTA CEPPG. Goiás: Centro de Ensino Superior de Catalão, Semestral. ISSN: Disponível em: <http://www.portalcatalao.com/painel_clientes/cesuc/painel/arquivos/upload/temp/51 c23e8670bb3aeef7da564aa767d33b.pdf>. Acesso em: 01 out SANTOS, A. R. Planejamento Tributário com Ênfase em Empresas Optantes pelo Lucro Real. 18º Congresso Brasileiro de Contabilidade, Gramado/RS, p Anais eletrônicos... SOUZA, A. R. A Assessoria de Imprensa e Novas Tecnologias: A Comunicação Integrada como Ferramenta de Gestão da Imagem Organizacional. Florianópolis, 2003, p

Principais Formas de Tributação no Brasil Reginaldo Gonçalves

Principais Formas de Tributação no Brasil Reginaldo Gonçalves Principais Formas de Tributação no Brasil Reginaldo Gonçalves 2.1 A Tributação no Brasil 2.2 Opção pela Tributação - Lucro Real 2.3 Opção pela Tributação - Lucro Presumido 2.4 Opção pela Tributação - Lucro

Leia mais

Contmatic - Escrita Fiscal

Contmatic - Escrita Fiscal Lucro Presumido: É uma forma simplificada de tributação onde os impostos são calculados com base num percentual estabelecido sobre o valor das vendas realizadas, independentemente da apuração do lucro,

Leia mais

FORMAÇÃO DE PREÇO DE VENDA MÓDULO 9

FORMAÇÃO DE PREÇO DE VENDA MÓDULO 9 FORMAÇÃO DE PREÇO DE VENDA MÓDULO 9 Índice 1. Lucro presumido...3 2. Lucro real...4 2 Dentre os regimes tributários, os mais adotados são os seguintes: 1. LUCRO PRESUMIDO Regime de tributação colocado

Leia mais

O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA

O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA TRIBUTOS CARGA TRIBUTÁRIA FLS. Nº 1 O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA 1. - INTRODUÇÃO A fixação do preço de venda das mercadorias ou produtos é uma tarefa complexa, onde diversos fatores

Leia mais

IRPJ. Lucro Presumido

IRPJ. Lucro Presumido IRPJ Lucro Presumido 1 Características Forma simplificada; Antecipação de Receita; PJ não está obrigada ao lucro real; Opção: pagamento da primeira cota ou cota única trimestral; Trimestral; Nada impede

Leia mais

SIEEESP - SEMINÁRIO JURIDICO EDUCACIONAL. Tributação das Instituições de Ensino Particulares Perspectivas e Medidas. Wagner Eduardo Bigardi 27/05/2014

SIEEESP - SEMINÁRIO JURIDICO EDUCACIONAL. Tributação das Instituições de Ensino Particulares Perspectivas e Medidas. Wagner Eduardo Bigardi 27/05/2014 SIEEESP - SEMINÁRIO JURIDICO EDUCACIONAL Tributação das Instituições de Ensino Particulares Perspectivas e Medidas Wagner Eduardo Bigardi 27/05/2014 Sistema Tributário Nacional Conjunto de regras jurídicas

Leia mais

CONTABILIDADE E PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO

CONTABILIDADE E PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO Prof. Cássio Marques da Silva 2015 SIMPLES NACIONAL LC 123, 14 de Dezembro de 2006 Alterada pela LC 127, 14 de Agosto de 2007 Alterada pela LC 128, 19 de Dezembro de 2008 Alterada pela LC 133, 28 de Dezembro

Leia mais

DA CONTRIBUIÇÃO PARA O PIS/PASEP E COFINS

DA CONTRIBUIÇÃO PARA O PIS/PASEP E COFINS O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, LEI Nº 9.718, DE 27 DE NOVEMBRO DE 1998. Altera a Legislação Tributária Federal. Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Art. 1º Esta Lei aplica-se

Leia mais

DIREITO TRIBUTÁRIO Parte II. Manaus, abril de 2013 Jorge de Souza Bispo, Dr. 1

DIREITO TRIBUTÁRIO Parte II. Manaus, abril de 2013 Jorge de Souza Bispo, Dr. 1 DIREITO TRIBUTÁRIO Parte II Manaus, abril de 2013 Jorge de Souza Bispo, Dr. 1 TRIBUTO Definido no artigo 3º do CTN como sendo toda prestação pecuniária compulsória (obrigatória), em moeda ou cujo valor

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DO TRABALHO O IMPACTO DA MODALIDADE DE TRIBUTAÇÃO NO FLUXO DE CAIXA DAS EMPRESAS

IDENTIFICAÇÃO DO TRABALHO O IMPACTO DA MODALIDADE DE TRIBUTAÇÃO NO FLUXO DE CAIXA DAS EMPRESAS IDENTIFICAÇÃO DO TRABALHO TÍTULO: O IMPACTO DA MODALIDADE DE TRIBUTAÇÃO NO FLUXO DE CAIXA DAS EMPRESAS AUTOR: JOSÉ ANTONIO DE FRANÇA CATEGORIA PROFISSIONAL: CONTADOR NR DO CRC: CRC-DF Nº 2.864 ENDEREÇO

Leia mais

Lucro Real, Lucro Presumido e Simples Nacional

Lucro Real, Lucro Presumido e Simples Nacional Lucro Real, Lucro Presumido e Simples Nacional 24 de Janeiro de 2014 LÚCIO DA CUNHA FERNANDES Presidente QUAL A IMPORTÂNCIA DE CONHECER AS FORMAS DE TRIBUTAÇÃO? Reconhecer a opção que mais se adeque a

Leia mais

PIS e COFINS. Um Estudo Comparativo entre as Sistemáticas de Apuração das Empresas Optantes pela Tributação do Lucro Real e Lucro Presumido

PIS e COFINS. Um Estudo Comparativo entre as Sistemáticas de Apuração das Empresas Optantes pela Tributação do Lucro Real e Lucro Presumido Um Estudo Comparativo entre as Sistemáticas de Apuração das Empresas Optantes pela Tributação do Lucro Real e Lucro Presumido Objetivo: Realizar um estudo comparativo entre as Sistemáticas de Apuração

Leia mais

Palavras-chaves: Planejamento tributário, Tributos, Regimes de Tributação.

Palavras-chaves: Planejamento tributário, Tributos, Regimes de Tributação. Planejamento Tributário: Estudo em uma Empresa do Ramo de Transporte Intermunicipal e Interestadual do Município de Mondaí SC Andréia Marisa Gemmer Faculdade De Itapiranga (SEI/FAI) andreia.marisa@live.com

Leia mais

Planejamento Tributário com Ênfase em uma Empresa Revendedora de Combustíveis: um Estudo de Caso da Empresa K

Planejamento Tributário com Ênfase em uma Empresa Revendedora de Combustíveis: um Estudo de Caso da Empresa K Planejamento Tributário com Ênfase em uma Empresa Revendedora de Combustíveis: um Estudo de Caso da Empresa K Kairo William de Carvalho UFSJ Pablo Luiz Martins pablo@ufsj.edu.br UFSJ Resumo:A arrecadação

Leia mais

Planejamento Tributário Simples Nacional. Fabricio Oenning Pensamento Contábil

Planejamento Tributário Simples Nacional. Fabricio Oenning Pensamento Contábil Planejamento Tributário Simples Nacional Fabricio Oenning Composição: Este treinamento está composto pelas seguintes aulas: Aula 1 Simples Nacional Aula 2 Lucro Real Aula 3 Lucro Presumido Nossa Agenda

Leia mais

PLANO DA DISCIPLINA 2014. Disciplina: Orçamento e Planejamento Tributário. Carga Horária: 60 Série: 4ª Turno : Noturno

PLANO DA DISCIPLINA 2014. Disciplina: Orçamento e Planejamento Tributário. Carga Horária: 60 Série: 4ª Turno : Noturno PLANO DA DISCIPLINA 2014 Disciplina: Orçamento e Planejamento Tributário Curso : Ciências Contábeis Formação : Profissional Carga Horária: 60 Série: 4ª Turno : Noturno Professor Responsável: Carlos Otávio

Leia mais

Palavras chaves: Tributos. Planejamento tributário. Lucro real.

Palavras chaves: Tributos. Planejamento tributário. Lucro real. PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO COM ÊNFASE EM EMPRESAS OPTANTES PELO LUCRO REAL Adiléia Ribeiro Santos Faculdade de Telêmaco Borba (FATEB-PR) adileia@pop.com.br Rúbia Carla Mendes de Oliveira Faculdade de Telêmaco

Leia mais

SIMPLES NACIONAL 1. NOÇÕES GERAIS

SIMPLES NACIONAL 1. NOÇÕES GERAIS SIMPLES NACIONAL 1. NOÇÕES GERAIS SIMPLES NACIONAL 1.1. O que é O Simples Nacional é um regime tributário diferenciado, simplificado e favorecido previsto na Lei Complementar nº 123, de 2006, aplicável

Leia mais

Cadeia tributária nacional Exemplo prático. Autor: Ader Fernando Alves de Pádua

Cadeia tributária nacional Exemplo prático. Autor: Ader Fernando Alves de Pádua Cadeia tributária nacional Exemplo prático Autor: Ader Fernando Alves de Pádua RESUMO O presente artigo demonstra de forma clara e objetiva as varias fases da cadeia tributária nacional, criando um exemplo

Leia mais

Módulo Contábil e Fiscal

Módulo Contábil e Fiscal Módulo Contábil e Fiscal Escrita Fiscal Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Contábil e Fiscal Escrita Fiscal. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas no

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: As relações com as grandes empresas e com o Estado e as relações com a contabilidade e com os empregados.

Resumo Aula-tema 01: As relações com as grandes empresas e com o Estado e as relações com a contabilidade e com os empregados. Resumo Aula-tema 01: As relações com as grandes empresas e com o Estado e as relações com a contabilidade e com os empregados. Todos nós já vivenciamos casos de empreendedores, na família ou no grupo de

Leia mais

SISTEMA SIMPLES NACIONAL: ATENDIMENTO JUNTO AO ESCRITÓRIO REAL 1

SISTEMA SIMPLES NACIONAL: ATENDIMENTO JUNTO AO ESCRITÓRIO REAL 1 SISTEMA SIMPLES NACIONAL: ATENDIMENTO JUNTO AO ESCRITÓRIO REAL 1 LETÍCIA SANTINON CARVALHO 2 RODRIGO BENETTI DA SILVA 3 PROFESSOR ORIENTADOR: JOAQUIM M. DE PAULA PINTO JUNIOR 4 RESUMO: Este trabalho apresenta

Leia mais

PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO

PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO FÁBIO BARBOSA DA SILVA Pós-graduando em Direito e Processo Tributário na PUC-GO fabiobcontabilidade@yahoo.com.br Orientador Ms. Alexandre Limiro RESUMO O objetivo deste trabalho

Leia mais

Cape contabilidade LUCRO REAL

Cape contabilidade LUCRO REAL 1. CONCEITO LUCRO REAL No regime do lucro real o Imposto de Renda devido pela pessoa jurídica é calculado sobre o valor do lucro líquido contábil ajustado pelas adições, exclusões e compensações prescritas

Leia mais

Simples Nacional: Saiba mais sobre os benefícios para a advocacia OABRJ

Simples Nacional: Saiba mais sobre os benefícios para a advocacia OABRJ Simples Nacional: Saiba mais sobre os benefícios para a advocacia OABRJ Simples Nacional: Saiba mais sobre os benefícios para a advocacia A advocacia foi inserida no Simples Nacional por meio da Lei Complementar

Leia mais

IMPOSTO DE RENDA E PROVENTOS DE QUALQUER NATUREZA

IMPOSTO DE RENDA E PROVENTOS DE QUALQUER NATUREZA IMPOSTO DE RENDA E PROVENTOS DE QUALQUER NATUREZA Nasceu em 1799 na Inglaterra, sendo recebido em 1913 nos EUA. No Brasil, em 1867, o visconde de Jequitinhonha propôs a cobrança do imposto, e encontrou

Leia mais

Super Simples Indícios da Reforma Tributária Brasileira

Super Simples Indícios da Reforma Tributária Brasileira Super Simples Indícios da Reforma Tributária Brasileira 1. Introdução O dia 7 de agosto do corrente ano entrou para a história como uma das mais importantes datas para a possível concretização da reforma

Leia mais

http://www.receita.fazenda.gov.br/prepararimpressao/imprimepagina.asp

http://www.receita.fazenda.gov.br/prepararimpressao/imprimepagina.asp Page 1 of 7 Instrução Normativa SRF nº 213, de 7 de outubro de 2002 DOU de 8.10.2002 Dispõe sobre a tributação de lucros, rendimentos e ganhos de capital auferidos no exterior pelas pessoas jurídicas domiciliadas

Leia mais

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2013

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2013 CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2013 INFORMAÇÕES GERAIS Pessoa Jurídica Lucro Real Tributação com base no lucro efetivo demonstrado através do livro diário de contabilidade (obrigatório) 1. Empresas obrigadas à apuração

Leia mais

IMPOSTOS SOBRE O LUCRO! Imposto de Renda e Contribuição Social! As alterações mais recentes da legislação da Contribuição Social

IMPOSTOS SOBRE O LUCRO! Imposto de Renda e Contribuição Social! As alterações mais recentes da legislação da Contribuição Social UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 43 IMPOSTOS SOBRE O LUCRO! Imposto de Renda e Contribuição Social! As alterações mais recentes da legislação da Contribuição Social João Inácio Correia (advcor@mandic.com.br)

Leia mais

RESENHA TRIBUTÁRIA ATUALIZADA

RESENHA TRIBUTÁRIA ATUALIZADA RESENHA TRIBUTÁRIA ATUALIZADA! As mudanças no PIS e no Cofins! Lucro real e presumido! IR e CSLL! Simples Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br) Sócio-Diretor da Cavalcante & Associados, empresa

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº, DE 2012

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº, DE 2012 PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº, DE 2012 (Do Sr. Vaz de Lima) Altera os Anexos da Lei Complementar nº 123, de 14 de dezembro de 2006, para permitir o abatimento de parcela dedutível do valor devido mensalmente

Leia mais

Controladoria MANUAL DO Estratégica

Controladoria MANUAL DO Estratégica Controladoria MANUAL DO Estratégica ALUNO 2010 Universidade Cruzeiro do Sul www.cruzeirodosul.edu.br Unidade: Planejamento Tributário (Parte I) MATERIAL TEÓRICO Responsável pelo Conteúdo: Prof. Esp. Daniel

Leia mais

Simples Nacional e o Planejamento Tributário RESUMO

Simples Nacional e o Planejamento Tributário RESUMO 1 Simples Nacional e o Planejamento Tributário Marcos A. Nazário De Oliveira marcosadinavi@gmail.com Egresso do curso de Ciências Contábeis Rafael Antônio Andrade rfaandrade@msn.com Egresso do curso de

Leia mais

Aspectos Tributários

Aspectos Tributários Aspectos Tributários Principais Tributos IMPOSTOS Imposto sobre a Renda de Pessoas Jurídicas (IRPJ); Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS); Imposto sobre serviços de qualquer natureza

Leia mais

1. Qual o significado da sigla MEI? 2. Qual é a definição de MEI? 3. Quem pode se enquadrar como MEI?

1. Qual o significado da sigla MEI? 2. Qual é a definição de MEI? 3. Quem pode se enquadrar como MEI? FAQ -MEI 1. Qual o significado da sigla MEI? R: MEI é a sigla utilizada para Micro Empreendedor Individual 2. Qual é a definição de MEI? R: O MEI é o empresário individual a que se refere o art. 966 do

Leia mais

A RELEVÂNCIA DA EVIDENCIAÇÃO DO CRÉDITO TRIBUTÁRIO DECORRENTE DE ADIÇÕES INTERTEMPORAIS E DE PREJUÍZO FISCAL NAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

A RELEVÂNCIA DA EVIDENCIAÇÃO DO CRÉDITO TRIBUTÁRIO DECORRENTE DE ADIÇÕES INTERTEMPORAIS E DE PREJUÍZO FISCAL NAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS IDENTIFICAÇÃO DO TRABALHO TÍTULO: A RELEVÂNCIA DA EVIDENCIAÇÃO DO CRÉDITO TRIBUTÁRIO DECORRENTE DE ADIÇÕES INTERTEMPORAIS E DE PREJUÍZO FISCAL NAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS AUTOR: JOSÉ ANTONIO DE FRANÇA

Leia mais

O que é Substituição Tributária de ICMS e sua contabilização

O que é Substituição Tributária de ICMS e sua contabilização O que é Substituição Tributária de ICMS e sua contabilização Prof. Francisco F da Cunha 1 A substituição tributária do ICMS está atualmente prevista no Artigo 150, da Constituição Federal de 1988, que

Leia mais

Tributos em orçamentos

Tributos em orçamentos Tributos em orçamentos Autores: Camila de Carvalho Roldão Natália Garcia Figueiredo Resumo O orçamento é um dos serviços mais importantes a serem realizados antes de se iniciar um projeto. É através dele

Leia mais

IR: Fato Gerador CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA

IR: Fato Gerador CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA IR: Fato Gerador CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA TÓPICO: LEGISLAÇÃO FISCAL CONCEITOS GERAIS LUCRO REAL CTN [art. 43]: Aquisição da Disponibilidade Econômica ou Jurídica de Renda* ou Proventos de qualquer natureza**.

Leia mais

FACULDADE CIDADE VERDE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CONTABILIDADE E CONTROLADORIA TURMA 2009

FACULDADE CIDADE VERDE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CONTABILIDADE E CONTROLADORIA TURMA 2009 FACULDADE CIDADE VERDE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CONTABILIDADE E CONTROLADORIA TURMA 2009 RELATÓRIO DE PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO: UM ESTUDO DE CASO EM EMPRESA QUE ATUA NO RAMO DE SITUADA NO MUNICÍPIO DE

Leia mais

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Autorizado pela Portaria nº 1.393 de 04/07/01 DOU de 09/07/01

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Autorizado pela Portaria nº 1.393 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Autorizado pela Portaria nº 1.393 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 Componente Curricular: PLANEJAMENTO E CONTABILIDADE TRIBUTARIA Código: CTB-364 CH Total: 60h Pré-Requisito: ------

Leia mais

OBRIGAÇÕES FISCAIS FEDERAIS JULHO/12

OBRIGAÇÕES FISCAIS FEDERAIS JULHO/12 CIRCULAR 37/12 Novo Hamburgo, 02 de julho de 2012. OBRIGAÇÕES FISCAIS FEDERAIS JULHO/12 DIA 04 IR-FONTE Pessoas obrigadas: pessoas jurídicas que efetuaram retenção na fonte nos pagamentos ou créditos decorrentes

Leia mais

empresas constantes de seus anexos, de acordo com o Estado da Federação em que estava localizado o contribuinte.

empresas constantes de seus anexos, de acordo com o Estado da Federação em que estava localizado o contribuinte. SPED O Sistema Público de Escrituração Digital, mais conhecido como Sped, trata de um projeto/obrigação acessória instituído no ano de 2007, através do Decreto nº 6.022, de 22 de janeiro de 2007. É um

Leia mais

Tipos de Empresas, Requisitos e Passos para Abertura, Abertura Empresas Virtuais, Tributação.

Tipos de Empresas, Requisitos e Passos para Abertura, Abertura Empresas Virtuais, Tributação. Tipos de Empresas, Requisitos e Passos para Abertura, Abertura Empresas Virtuais, Tributação. 1) Tipos de Empresas Apresenta-se a seguir, as formas jurídicas mais comuns na constituição de uma Micro ou

Leia mais

XII Seminário Internacional de Países Latinos Europa América.

XII Seminário Internacional de Países Latinos Europa América. XII Seminário Internacional de Países Latinos Europa América. La Gestión Contable, Administrativa y Tributaria en las PYMES e Integración Europa-América 23 24 de junio 2006 Santa Cruz de la Sierra (Bolívia)

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br O Simples nacional e o regime de estimativa do ISSQN Francisco José Gomes * Introdução A Lei Complementar nº 123, de 14 de dezembro de 2006, que instituiu o Estatuto Nacional da

Leia mais

SAD Gestor ERP. Módulo Estoque. Cadastro de Produto Escrita Fiscal. Seja Bem Vindo!

SAD Gestor ERP. Módulo Estoque. Cadastro de Produto Escrita Fiscal. Seja Bem Vindo! SAD Gestor ERP Módulo Estoque Cadastro de Produto Escrita Fiscal Seja Bem Vindo! Introdução O planejamento tributário deve fazer parte do cotidiano da empresa. É uma decisão estratégica que pode determinar

Leia mais

O PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO COMO FERRAMENTA NA REDUÇÃO DA CARGA TRIBUTÁRIA

O PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO COMO FERRAMENTA NA REDUÇÃO DA CARGA TRIBUTÁRIA O PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO COMO FERRAMENTA NA REDUÇÃO DA CARGA TRIBUTÁRIA Juliana Bomfim da Silva Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Rodrigo Barbosa

Leia mais

CONTABILIDADE E PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO

CONTABILIDADE E PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO Prof. Cássio Marques da Silva 2015 IRPJ LUCRO ARBITRADO 1 Oarbitramentodolucroéumaformadeapuração dabasedecálculodoimpostoderendautilizadapela autoridade tributária ou pelo contribuinte. É aplicável pela

Leia mais

CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA LUCRO REAL POR ESCRITURAÇÃO

CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA LUCRO REAL POR ESCRITURAÇÃO CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA LUCRO REAL POR ESCRITURAÇÃO Prof. Emanoel Truta CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA Conceito Ramo da contabilidade responsável pelo gerenciamento dos tributos incidentes

Leia mais

Informações gerais sobre a EFD-PIS/COFINS

Informações gerais sobre a EFD-PIS/COFINS Informações gerais sobre a EFD-PIS/COFINS Legislação Conforme instituído pela Instrução Normativa RFB nº 1.052, de 5 de julho de 2010, sujeitam à obrigatoriedade de geração de arquivo da Escrituração Fiscal

Leia mais

1.1 CONTEXTUALIZAÇÃO DO TEMA E PROBLEMA DE PESQUISA

1.1 CONTEXTUALIZAÇÃO DO TEMA E PROBLEMA DE PESQUISA PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO: ESTUDO REALIZADO EM UMA EMPRESA QUE ATUA NO RAMO DE COMÉRCIO VAREJISTA DE COMBUSTÍVEIS 1 HEBER TIAGO MEIRA COLUCCI 2 JOAQUIM MARIO DE PAULA PINTO JUNIOR 3 RESUMO Este trabalho

Leia mais

Regime Tributário Unificado e Simplificado

Regime Tributário Unificado e Simplificado SUPER SIMPLES, uma abordagem para escolas de idiomas A partir de 1/7/07, estará em funcionamento o regime único de tributação, instituído pela Lei Complementar nº123, conhecida também como Super Simples

Leia mais

IOB Setorial JURÍDICO. Sociedade de advogados - Aspectos tributários 6. EMPRESAS EM LIQUIDAÇÃO 7. EMPRESAS EM RECUPERAÇÃO JUDICIAL 1.

IOB Setorial JURÍDICO. Sociedade de advogados - Aspectos tributários 6. EMPRESAS EM LIQUIDAÇÃO 7. EMPRESAS EM RECUPERAÇÃO JUDICIAL 1. 6. EMPRESAS EM LIQUIDAÇÃO Segundo o art. 16 da Instrução Normativa DNRC em tela, ao final dos nomes dos empresários e das sociedades empresárias que estiverem em processo de liquidação, após a anotação

Leia mais

Este Procedimento Operacional Padrão define as etapas necessárias de como fazer o Cadastro de Tributos no Sistema TOTVS RM. Índice

Este Procedimento Operacional Padrão define as etapas necessárias de como fazer o Cadastro de Tributos no Sistema TOTVS RM. Índice Este Procedimento Operacional Padrão define as etapas necessárias de como fazer o Cadastro de Tributos no Sistema TOTVS RM. Índice I. Acesso ao Cadastro... 2 II. Seleção de Filtros... 3 III. Cadastro...

Leia mais

Simples Nacional. Seminário de Direito Tributário. Assunto: PGDAS. Palestrante: Adalgisa G. M. Sabino

Simples Nacional. Seminário de Direito Tributário. Assunto: PGDAS. Palestrante: Adalgisa G. M. Sabino Simples Nacional Seminário de Direito Tributário Assunto: PGDAS Palestrante: Adalgisa G. M. Sabino 1 CÁLCULO E PGDAS Conceitos Básicos para Cálculo Regime de Tributação: Competência e Caixa Segregação

Leia mais

PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO: Simples nacional versus lucro presumido

PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO: Simples nacional versus lucro presumido PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO: Simples nacional versus lucro presumido Aline de Melo Silva Discente do 4 ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Karen Cássia de Souza Discente

Leia mais

Principais Aspectos da Regulação da Lei 12.973/14

Principais Aspectos da Regulação da Lei 12.973/14 Principais Aspectos da Regulação da Lei 12.973/14 pela IN 1.515/14 Julio Chamarelli Sócio de Consultoria Tributária da KPMG jcepeda@kpmg.com.br Sergio André Rocha Professor Adjunto de Direito Financeiro

Leia mais

Planejamento Tributário Aplicado Ao Supermercado Alpha Ltda Situado em Iúna-es

Planejamento Tributário Aplicado Ao Supermercado Alpha Ltda Situado em Iúna-es Planejamento Tributário Aplicado Ao Supermercado Alpha Ltda Situado em Iúna-es Gibson Lima gibsonlima@hotmail.com Doctum Fernando Sabino fernandosabinocont@gmail.com Doctum Rafael Matos de Moura rafaelmour@yahoo.com.br

Leia mais

Pedro@ananadvogados.com.br

Pedro@ananadvogados.com.br Pedro@ananadvogados.com.br Sócio de Anan Advogados Especialista em Direito Empresarial pela PUC-SP MBA Controller pela FEA-USP Membro da Diretoria Jurídica da ANEFAC Diretor do Conselho Consultivo da APET

Leia mais

Soluções de Consulta TAX

Soluções de Consulta TAX SOLUÇÃO DE CONSULTA Nº 174 de 04 de Dezembro de 2012 ASSUNTO: Contribuições Sociais Previdenciárias EMENTA: CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA SOBRE A RECEITA BRUTA (ART. 8º DA LEI Nº 12.546, DE 2011). BASE DE

Leia mais

AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA AGOSTO DE 2014. c) multa ou qualquer vantagem por rescisão de contratos.

AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA AGOSTO DE 2014. c) multa ou qualquer vantagem por rescisão de contratos. Até dia Obrigação AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA AGOSTO DE 2014 Histórico ocorridos no período de 21 a 31.07.2014, incidente sobre rendimentos de (art. 70, I, letra "b", da Lei nº 11.196/2005 ): 5

Leia mais

Projetos da Receita Federal

Projetos da Receita Federal Escrituração Fiscal Digital - EFD Projetos da Receita Federal A Escrituração Fiscal Digital - EFD é um arquivo digital, que se constitui de um conjunto de escriturações de documentos fiscais e de outras

Leia mais

PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO DE UMA EMPRESA PRESTADORA DE SERVIÇOS NA ÁREA DE ENSINO

PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO DE UMA EMPRESA PRESTADORA DE SERVIÇOS NA ÁREA DE ENSINO PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO DE UMA EMPRESA PRESTADORA DE SERVIÇOS NA ÁREA DE ENSINO Linha de pesquisa: Contabilidade Tributária. Joel de Paula Almeida Acadêmico do Curso Ciências Contábeis Orientador: Prof.º

Leia mais

UNIVERSIDADE DO OESTE DE SANTA CATARINA CAMPUS DE SÃO MIGUEL DO OESTE CAMPUS APROXIMADO DE PINHALZINHO CURSO DE BACHAREL EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS

UNIVERSIDADE DO OESTE DE SANTA CATARINA CAMPUS DE SÃO MIGUEL DO OESTE CAMPUS APROXIMADO DE PINHALZINHO CURSO DE BACHAREL EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS UNIVERSIDADE DO OESTE DE SANTA CATARINA CAMPUS DE SÃO MIGUEL DO OESTE CAMPUS APROXIMADO DE PINHALZINHO CURSO DE BACHAREL EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS CRISTIAN MICHEL GIURADELLI ELEMAR ILDEMAR WACHHOLZ ANÁLISE

Leia mais

Imposto sobre operações relativas à circulação de mercadorias e sobre a prestação de serviços de transportes interestadual e intermunicipal e de

Imposto sobre operações relativas à circulação de mercadorias e sobre a prestação de serviços de transportes interestadual e intermunicipal e de Imposto sobre operações relativas à circulação de mercadorias e sobre a prestação de serviços de transportes interestadual e intermunicipal e de comunicação - ICMS BASE CONSTITUCIONAL E LEGAL Artigo 155,

Leia mais

Planejamento Tributário Para 2011 Ubá MG 09/02/2011 Marcelo Malagoli da Silva

Planejamento Tributário Para 2011 Ubá MG 09/02/2011 Marcelo Malagoli da Silva Planejamento Tributário Para 2011 Ubá MG 09/02/2011 Marcelo Malagoli da Silva PLANEJAR É ADIVINHAR? Superintendência de Desenvolvimento Empresarial O PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO COMO UM DOS ELEMENTOS DA ORGANIZAÇÃO

Leia mais

PONTO DE EQUILÍBRIO FISCAL EM EMPRESAS OPTANTES PELO LUCRO REAL OU PRESUMIDO, CONSIDERANDO O TRATAMENTO DIFERENCIADO PARA O PIS E A COFINS TEMA LIVRE

PONTO DE EQUILÍBRIO FISCAL EM EMPRESAS OPTANTES PELO LUCRO REAL OU PRESUMIDO, CONSIDERANDO O TRATAMENTO DIFERENCIADO PARA O PIS E A COFINS TEMA LIVRE PONTO DE EQUILÍBRIO FISCAL EM EMPRESAS OPTANTES PELO LUCRO REAL OU PRESUMIDO, CONSIDERANDO O TRATAMENTO DIFERENCIADO PARA O PIS E A COFINS TEMA LIVRE RESUMO A carga tributaria no Brasil aproxima-se de

Leia mais

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 29/11/2011

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 29/11/2011 ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 29/11/2011 Recolhimento Espontâneo 001 Quais os acréscimos legais que incidirão no caso de pagamento espontâneo de imposto ou contribuição administrado pela Secretaria da Receita

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Crédito diferencial de alíquota no Ativo Imobilizado - SP

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Crédito diferencial de alíquota no Ativo Imobilizado - SP Crédito 17/09/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 4 3.1 Crédito do ICMS próprio adquirido do Simples Nacional com destino

Leia mais

SIMPLES - Sistema Integrado de Pagamento de Impostos e Contribuições das Micro e EPP Alíquotas e sua Destinação

SIMPLES - Sistema Integrado de Pagamento de Impostos e Contribuições das Micro e EPP Alíquotas e sua Destinação SIMPLES - Sistema Integrado de Pagamento de Impostos e Contribuições das Micro e EPP Alíquotas e sua Destinação Constituição Federal do Brasil art. 179; Decreto 3.000/99 arts. 185 a 206 (RIR/99); IN SRF

Leia mais

Elaborado e apresentado por:

Elaborado e apresentado por: A CONSTRUÇÃO CIVIL E AS REGRAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE - ALTERAÇÕES CONTÁBEIS E TRIBUTÁRIAS: LEIS 11.638/2007, 11.941/2009 e 12.973/2014 UMA VISÃO CONTÁBIL E TRIBUTÁRIA Elaborado e apresentado

Leia mais

EFD PIS COFINS ESCRITURAÇÃO FISCAL DIGITAL

EFD PIS COFINS ESCRITURAÇÃO FISCAL DIGITAL EFD PIS COFINS ESCRITURAÇÃO FISCAL DIGITAL 1. INTRODUÇÃO Este artigo tem por objetivo trazer considerações relevantes quanto a dados inerentes à Escrituração Fiscal Digital da Contribuição para o PIS/Pasep

Leia mais

IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA

IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA FORMAS DE TRIBUTAÇÃO DAS PESSOAS JURÍDICAS - Lucro Real - Lucro Presumido - Lucro Arbitrado - Simples Nacional 1 LUCRO REAL É o resultado (lucro ou prejuízo) do período

Leia mais

PAULO HENRIQUE PÊGAS Contador. Mestre em Ciências Contábeis pela UERJ - Professor de Contabilidade Tributária cursos de graduação e pós-graduação.

PAULO HENRIQUE PÊGAS Contador. Mestre em Ciências Contábeis pela UERJ - Professor de Contabilidade Tributária cursos de graduação e pós-graduação. PAULO HENRIQUE PÊGAS Contador. Mestre em Ciências Contábeis pela UERJ - Professor de Contabilidade Tributária cursos de graduação e pós-graduação. MANUAL DE CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA Freitas Bastos Editora

Leia mais

Tributação. Cartilha

Tributação. Cartilha Tributação Cartilha Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas SEBRAE Unidade de Capacitação Empresarial CARTILHA TRIBUTAÇÃO Brasília DF 2012 2012. Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e

Leia mais

PROJETO DE LEI N o 4.970, DE 2013.

PROJETO DE LEI N o 4.970, DE 2013. COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR PROJETO DE LEI N o 4.970, DE 2013. Adota medidas para informar os consumidores acerca dos tributos indiretos que incidem sobre bens e serviços, conforme o disposto no 5º,

Leia mais

Incentivo fiscal MP do Bem permite compensar débitos previdenciários

Incentivo fiscal MP do Bem permite compensar débitos previdenciários Notíci as Artigo s Página 1 de 5 @estadao.com.br :;):: ''(**. e-mail: senha: Esqueceu sua senha? Cadastre-se Artigos > Empresarial ÍNDICE IMPRIMIR ENVIAR COMENTAR aaa Incentivo fiscal MP do Bem permite

Leia mais

CAPÍTULO V COFINS CONTRIBUIÇÃO PARA FINANCIAMENTO DA SEGURIDADE SOCIAL

CAPÍTULO V COFINS CONTRIBUIÇÃO PARA FINANCIAMENTO DA SEGURIDADE SOCIAL CAPÍTULO V COFINS CONTRIBUIÇÃO PARA FINANCIAMENTO DA SEGURIDADE SOCIAL Criada pela Lei Complementar nº 70/91, esta contribuição sofreu importantes alterações a partir da competência fevereiro de 1999,

Leia mais

UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS, ADMINISTRATIVAS E CONTÁBEIS

UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS, ADMINISTRATIVAS E CONTÁBEIS 1 UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS, ADMINISTRATIVAS E CONTÁBEIS CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS CAMPUS PASSO FUNDO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO LIDIANE BASSO PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO:

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Demonstrações Contábeis por Tipo e Tamanho de Empresa e Reflexos na Escrituração Contábil Digital (ECD)

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Demonstrações Contábeis por Tipo e Tamanho de Empresa e Reflexos na Escrituração Contábil Digital (ECD) 1 Parecer Consultoria Tributária Segmentos Demonstrações Contábeis por Tipo e Tamanho de Empresa e Reflexos na Escrituração Contábil Digital (ECD) 04/06/2014. Contábeis por Tipo e Tamanho de Empresa 1

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO NAS PEQUENAS EMPRESAS NÃO OPTANTES PELO SIMPLES NACIONAL

A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO NAS PEQUENAS EMPRESAS NÃO OPTANTES PELO SIMPLES NACIONAL A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO NAS PEQUENAS EMPRESAS NÃO OPTANTES PELO SIMPLES NACIONAL João Bosco Santana Univás -Pouso Alegre/MG e-mail: santana.jb@uol.com.br Gabriela Cristina Pereira Domingues

Leia mais

MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL

MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL Conheça as condições para recolhimento do Simples Nacional em valores fixos mensais Visando retirar da informalidade os trabalhadores autônomos caracterizados como pequenos

Leia mais

CAPÍTULO II TRATAMENTO TRIBUTÁRIO APLICÁVEL

CAPÍTULO II TRATAMENTO TRIBUTÁRIO APLICÁVEL CAPÍTULO II TRATAMENTO TRIBUTÁRIO APLICÁVEL 1) Contratos de Curto Prazo 1.1) Definição Contratos de curto prazo são aqueles cuja construção total ou cada unidade da construção deva ser produzida em prazo

Leia mais

Professor José Sérgio Fernandes de Mattos

Professor José Sérgio Fernandes de Mattos Professor Apresentação: 1. Instituído pelo Decreto nº 6.022, de 22 de janeiro de 2007, o Sistema Público de Escrituração Digital (Sped) faz parte do Programa de Aceleração do Crescimento do Governo Federal

Leia mais

Instrução Normativa RFB nº 1.397, de 16 de setembro de 2013

Instrução Normativa RFB nº 1.397, de 16 de setembro de 2013 Instrução Normativa RFB nº 1.397, de 16 de setembro de 2013 DOU de 17.9.2013 Dispõe sobre o Regime Tributário de Transição (RTT) instituído pelo art. 15 da Lei nº 11.941, de 27 de maio de 2009. O SECRETÁRIO

Leia mais

PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO APLICADO A EMPRESA DE COMÉRCIO VAREJISTA DE PRODUTOS FARMACÊUTICOS

PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO APLICADO A EMPRESA DE COMÉRCIO VAREJISTA DE PRODUTOS FARMACÊUTICOS CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO APLICADO A EMPRESA DE COMÉRCIO VAREJISTA DE PRODUTOS FARMACÊUTICOS Patrícia Hofstaetter Lajeado, Julho de 2014 Patrícia

Leia mais

Lei nº 12741/2012. DISCRIMINAÇÃO DE IMPOSTOS NAS NOTAS FISCAIS AO CONSUMIDOR vs4. Vigência : Junho/2013

Lei nº 12741/2012. DISCRIMINAÇÃO DE IMPOSTOS NAS NOTAS FISCAIS AO CONSUMIDOR vs4. Vigência : Junho/2013 Lei nº 12741/2012 DISCRIMINAÇÃO DE IMPOSTOS NAS NOTAS FISCAIS AO CONSUMIDOR vs4 Vigência : Junho/2013 SUGESTÕES INICIAIS ABRAS PARA O GRUPO DE TRABALHO IMPORTÂNCIA DA LEI Conscientização do Consumidor

Leia mais

Palestrante: Anderson Aleandro Paviotti

Palestrante: Anderson Aleandro Paviotti Palestrante: Anderson Aleandro Paviotti Perfil do Palestrante: Contador, Consultor e Professor Universitário Colaborador do Escritório Santa Rita desde 1991 Tributação das Médias e Pequenas Empresas Como

Leia mais

BREVE ANÁLISE SOBRE AS ALTERAÇÕES DA LEI COMPLEMENTAR Nº 123 DE 2006 (LEI DO SIMPLES NACIONAL) PELO PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 60 DE 2014

BREVE ANÁLISE SOBRE AS ALTERAÇÕES DA LEI COMPLEMENTAR Nº 123 DE 2006 (LEI DO SIMPLES NACIONAL) PELO PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 60 DE 2014 BREVE ANÁLISE SOBRE AS ALTERAÇÕES DA LEI COMPLEMENTAR Nº 123 DE 2006 (LEI DO SIMPLES NACIONAL) PELO PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 60 DE 2014 (com ênfase nas sociedades prestadoras de serviços médicos)

Leia mais

Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado Domingo 1 2 3 4 5 6 Clique e veja o compromisso do dia aqui

Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado Domingo 1 2 3 4 5 6 Clique e veja o compromisso do dia aqui Atenção 01 Aqueles contribuintes obrigados ao envio mensal do arquivo SINTEGRA ao SEFAZ, devem observar a data de entrega, conforme definido pelo fisco. Atenção 02 Essas informações não substituem aquelas

Leia mais

ECF DIPJ INCLUÍDA NO SPED

ECF DIPJ INCLUÍDA NO SPED ECF DIPJ INCLUÍDA NO SPED O que é ECF Escrituração Contábil Fiscal? Demonstra o cálculo do IRPJ e da CSLL Sucessora da DIPJ Faz parte do projeto SPED Instituída pela Instrução Normativa RFB 1.422/2013

Leia mais

Imunidade O PIS e a Cofins não incidem sobre as receitas decorrentes de exportação (CF, art. 149, 2º, I).

Imunidade O PIS e a Cofins não incidem sobre as receitas decorrentes de exportação (CF, art. 149, 2º, I). Comentários à nova legislação do P IS/ Cofins Ricardo J. Ferreira w w w.editoraferreira.com.br O PIS e a Cofins talvez tenham sido os tributos que mais sofreram modificações legislativas nos últimos 5

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Transferência de Crédito de ICMS de Fornecedor Optante do Simples Nacional

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Transferência de Crédito de ICMS de Fornecedor Optante do Simples Nacional 09/01/2015 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 4 3.1 Transferência de Crédito do ICMS pelos Optantes do... 4 3.2 Do Ressarcimento

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Retenção na fonte sobre adiantamento pago por PJ a outra Pessoa Jurídica

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Retenção na fonte sobre adiantamento pago por PJ a outra Pessoa Jurídica Retenção na fonte sobre adiantamento pago por PJ a outra Pessoa Jurídica 19/10/2015 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 3 3.1.

Leia mais

E-LOCUÇÃO REVISTA CIENTÍFICA DA FAEX Edição 05 Ano 3 2014 PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO DE UMA EMPRESA PRESTADORA DE SERVIÇOS NA ÁREA DE ENSINO

E-LOCUÇÃO REVISTA CIENTÍFICA DA FAEX Edição 05 Ano 3 2014 PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO DE UMA EMPRESA PRESTADORA DE SERVIÇOS NA ÁREA DE ENSINO PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO DE UMA EMPRESA PRESTADORA DE SERVIÇOS NA ÁREA DE ENSINO Rodrigo Rios Faria de Oliveira 45 Joel de Paula Almeida 46 RESUMO A redução de forma legal dos impostos e contribuições é

Leia mais

CONSELHO REGIONAL CONTABILIDADE RIO GRANDE DO SUL PALESTRA

CONSELHO REGIONAL CONTABILIDADE RIO GRANDE DO SUL PALESTRA CONSELHO REGIONAL CONTABILIDADE RIO GRANDE DO SUL PALESTRA ATIVIDADE IMOBILIÁRIA Compra e Venda, Incorporação, Loteamento e Construção para Venda de Imóveis Aspectos Contábeis e Tributários Sergio Renato

Leia mais

ASPECTOS FISCAIS NAS EXPORTAÇÕES

ASPECTOS FISCAIS NAS EXPORTAÇÕES ASPECTOS FISCAIS NAS EXPORTAÇÕES 1 INCIDÊNCIAS TRIBUTÁRIAS NAS EXPORTAÇÕES Optantes do SIMPLES Os transformadores plásticos exportadores optantes do SIMPLES devem analisar a conveniência da continuidade

Leia mais