Eliton Suldário da Silva Sousa Helton da Paixão Silva Joaquim Eliano Dutra Bezerra. Ensaios de dureza e microdureza do vergalhão GG50

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Eliton Suldário da Silva Sousa Helton da Paixão Silva Joaquim Eliano Dutra Bezerra. Ensaios de dureza e microdureza do vergalhão GG50"

Transcrição

1 Eliton Suldário da Silva Sousa Helton da Paixão Silva Joaquim Eliano Dutra Bezerra Ensaios de dureza e microdureza do vergalhão GG50 Teresina PI, Brasil 29 de Abril de 2015

2 Eliton Suldário da Silva Sousa Helton da Paixão Silva Joaquim Eliano Dutra Bezerra Ensaios de dureza e microdureza do vergalhão GG50 Trabalho apresentado para obtençao de nota na disciplina Comportamento Mecânico dos Materiais. Orientador: Clesio Cruz Melo Departamento de Engenharia Mecânica Centro Tecnológico Universidade Federal do Piauí Teresina PI, Brasil 29 de Abril de 2015

3 Resumo A dureza é a propriedade que os materiais tem de resistir a uma deformação plástica localizada e diversos métodos foram criados para poder mensurar essa característica, o primeiro método foi criado por Mohs, em seguida foram criados outros, por exemplo: Brinell, Vickers, Rockewll. Esses ensaios foram realizado, juntamente com a microdureza Vickers, a m de determinar a dureza do vergalhão GG50, avaliando, também, satisfatoriamente a correlação entre os valores obtidos nos ensaios.

4 Sumário 1 Introdução p Dureza Brinell p Dureza Rockwell p Dureza Vickers p Microdureza Vickers p. 5 2 Objetivos p. 6 3 Materiais e métodos p. 7 4 Procedimento p Dureza Brinell p Dureza Vickers p Dureza Rockwell p Microdureza Vickers p Resultados p Conclusão p Referências p. 14

5 4 1 Introdução Desde o século XVII, o homem vem tentando mensurar a dureza dos materiais, sendo dureza: uma medida da resistência de um material a uma deformação plástica localizada (por exemplo, uma pequena impressão ou um risco), e esse estudo começou quando o homem quis avaliar os minerais, principalmente as pedras preciosas. O primeiro método padronizado foi o de Mohs, desenvolvido em 1822, porém a escala de Mohs variava de 1 a 10 e isso a tornava muito imprecisa. Pra isso foram desenvolvidos outros métodos de estudo da dureza (CALLISTER, 2012). 1.1 Dureza Brinell Em 1900,J.A. Brinell, criou o método Brinell que passou a ser amplamente utilizado. Esse método consiste em comprimir uma esfera de aço temperado contra o material a ser estudado e a partir da profundidade avaliar o quão duro é esse material através da fórmula. HB = F, Ac Onde Ac é área da calota impressa pela esfera, que é dada por Ac = πdp, onde D é o diâmetro e p é a profundidade, como o valor da profundidade é muito difícil de ser analisada usamos a seguinte equação (TELECURSO, 1995). HB = 2F πd(d (D 2 d 2 )) 1.2 Dureza Rockwell No século XX houve muitos progressos no campo da determinação da dureza. Em 1922, Rockwell desenvolveu um método que utilizava o sistema de pré-carga, para garantir o contato rme do penetrador com o material a ser analisado. A dureza é mostrada diretamente na tela do durômetro, e os penetradores podem ser esféricos de aço ou cônicos de diamante com 120 de conicidade (TELECURSO, 1995).

6 1.3 Dureza Vickers Dureza Vickers Em 1925, Smith e Sandland desenvolveram um método de ensaio de dureza que cou conhecido como dureza Vickers, que recebeu esse nome, devido a empresa que fabricava as máquinas mais difundidas para realizar esse método. O penetrador utilizado é uma pirâmide de base quadrada e ângulo entre faces de 136 e o valor da dureza é dado pela fórmula. HV = 1,8544F d 2,onde d é a média das diagonais da pirâmide(telecurso, 1995). 1.4 Microdureza Vickers Para o ensaio de microdureza Vickers usa-se uma pirâmide, também com 136 entre as faces, porém a carga aplicada é muito menor, de 0 a 1000g e o valor da dureza é dado direto na máquina, microdurômetro HV 1000b(CALLISTER, 2012).

7 6 2 Objetivos Esse trabalho visa, avaliar a dureza do material constituinte do vergalhão GG50, utilizando diferentes ensaios de dureza e comparando esses valores com a tabela de conversão de durezas.

8 7 3 Materiais e métodos Materiais usados no ensaios de dureza. 1. Pedaços de corpo de prova do tipo vergalhão GG50; 2. Durômetro universal; 3. Microdurômetro HV 1000b; 4. Lixas d'água de:80, 120, 400, 600 e 1500;

9 8 4 Procedimento Para a realização destes ensaios, primeiramente foi pego um vergalhão GG50, e em seguida, foram cortados 4 pedaços cilíndricos pequenos, como pode ser visto na Figura 1. Após o corte, foi feito o lixamento para melhorar a qualidade das superfícies. Figura 1: Corpos de prova 4.1 Dureza Brinell Para o ensaio de dureza Brinell foi utilizado o endentador esférico de 2,5mm e uma carga de 1839N. O corpo de prova foi posicionado no local apropriado, então a carga foi aplicada por 15 segundos, levou-se o corpo de prova para o microscópio (Figura 2), onde pode-se olhar a impressão feita na peça pelo endentador e tirar a medida.

10 4.2 Dureza Vickers 9 Figura 2: Corpo de prova no microscopio, dureza: Brinell. 4.2 Dureza Vickers Para o ensaio de dureza Vickers foi utilizado o endentador piramidal com 136 entre as faces e com carga de 980N. O corpo de prova foi posicionado e a carga foi aplicada por 15 segundos, e então o mesmo foi levado para o microscópio (Figura 3) para ser tirado o tamanho das diagonais. Figura 3: Corpo de prova no microscopio, dureza: Vickers.

11 4.3 Dureza Rockwell Dureza Rockwell Para o ensaio de dureza Rockwell foi utilizado o endentador Cônico e uma carga de 1471N e a escala C. O corpo de prova foi posicionado, porém para esse teste o corpo de prova não precisou ser analisado no microscópio (Figura 4) pois o valor é mostrado na tela do durômetro (Figura 5). Figura 4: Corpo de prova no microscopio, dureza: Rockwell. Figura 5: Valor da dureza Rockwell (escala C), mostrada diretamente no durômetro.

12 4.4 Microdureza Vickers Microdureza Vickers Para o ensaio de microdureza Vickers foi utilizado, também, igual ao ensaio de dureza Vickers, um endentador piramidal com 136 entre as faces, porém a carga foi de apenas 1000g, e o resultado do ensaio também é dado na tela do microdurômetro, semelhante ao ensaio Rockwell. Figura 6: Corpo de prova no microscopio, microdureza Vickers. Figura 7: Valor da microdureza Vickers, mostrada diretamente no microdurômetro.

13 12 5 Resultados Os resultados dos valores de dureza encontrados em cada ensaio, podem ser visualizados na tabela abaixo. Nome do ensaio Valor obtido Brinell 185 Rockwell 8,5 Vickers 180 Microdureza Vickers 174,4 Tabela 1: Resultados obtidos nos ensaios.

14 13 6 Conclusão Comparando as dados obtidos da tabela de conversão de durezas. e utilizando com base o valor da dureza Brinell, escolido pelo grupo arbitrariamente. Pode-se observar, na tabela 2, que os valores obtidos estão bem próximos dos valores tabelados, assegurando que os ensaios de dureza foram compatíveis entre sí, para um mesmo material. Tabela 2: Comparação dos resultados. Nome do ensaio Valor obtido Valor tabelado Brinell Rockwell 8,5 10 Vickers Microdureza Vickers 174,4 - - (1) Nota 1: Valor indisponível na tabela.

15 14 7 Referências Callister, J.; William, D. Ciência e Engenharia de Materiais - Uma introdução, 2 ed, METALÚRGICA VERA. Tabela de conversão de durezas, Disponível em:<http://metalurgicave DE-CONVERSAO-DE-DUREZAS.php>. 7 de maio de Terecurso 2000, Apostila. Mecânica, Ensaios. Editora Globo. 1995

Aula 7 - Ensaios de Materiais

Aula 7 - Ensaios de Materiais Aula 7 - Ensaios de Materiais Tecnologia dos Materiais II Prof. Lincoln B. L. G. Pinheiro 23 de setembro de 2010 1 Ensaios de Dureza A dureza é uma propriedade mecânica que mede a resistência do material

Leia mais

Dureza de materiais metálicos

Dureza de materiais metálicos Dureza de materiais metálicos Podemos considerar a dureza de um material de engenharia como sendo a propriedade mecânica de resistir à penetração ou riscamento na sua superfície. No caso dos materiais

Leia mais

Ensaios Mecânicos de Materiais. Aula 3 Ensaio de Dureza. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues

Ensaios Mecânicos de Materiais. Aula 3 Ensaio de Dureza. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues Ensaios Mecânicos de Materiais Aula 3 Ensaio de Dureza Tópicos Abordados Nesta Aula Ensaio de Dureza. Dureza Brinell. Dureza Rockwell. Dureza Vickers. Definições de Dureza Dureza - propriedade mecânica

Leia mais

Material para Produção Industrial Ensaio de Dureza

Material para Produção Industrial Ensaio de Dureza Material para Produção Industrial Ensaio de Dureza Prof.: Sidney Melo 8 Período 1 O que é Dureza Dureza é a propriedade de um material que permite a ele resistir à deformação plástica, usualmente por penetração.

Leia mais

DUREZA DE CORPOS SINTERIZADOS Por Domingos T. A. Figueira Filho

DUREZA DE CORPOS SINTERIZADOS Por Domingos T. A. Figueira Filho DUREZA DE CORPOS SINTERIZADOS Por Domingos T. A. Figueira Filho 1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS. Como os corpos sinterizados são compostos de regiões sólidas e poros, os valores de macrodureza determinados pelos

Leia mais

ENSAIOS MECÂNICOS Permitem perceber como os materiais se comportam quando lhes são aplicados esforços

ENSAIOS MECÂNICOS Permitem perceber como os materiais se comportam quando lhes são aplicados esforços ENSAIOS MECÂNICOS Permitem perceber como os materiais se comportam quando lhes são aplicados esforços Tipos Ensaios Destrutivos provocam a inutilização do material ensaiado Ensaios Não Destrutivos Ensaio

Leia mais

UERJ CRR FAT Disciplina ENSAIOS DE MATERIAIS A. Marinho Jr

UERJ CRR FAT Disciplina ENSAIOS DE MATERIAIS A. Marinho Jr Tópico 05 ENSAIOS MECÂNICOS - DUREZA Parte A - Dureza Brinell Introdução A dureza de um material é uma propriedade difícil de definir, que tem diversos significados dependendo da experiência da pessoa

Leia mais

Processos de Fabrico. Ensaios de Dureza. A. M. Vasconcelos Lima

Processos de Fabrico. Ensaios de Dureza. A. M. Vasconcelos Lima Processos de Fabrico 1 É um dos ensaios mais comuns para avaliar e controlar as propriedades mecânicas dos materiais e dos processos tecnológicos. As aplicações destes ensaios incluem: Determinação da

Leia mais

Notas de Aula - Ensaio de Dureza

Notas de Aula - Ensaio de Dureza Notas de Aula - Ensaio de Dureza Disciplina: Ensaios de Materiais // Engenharia Mecânica - UEM 1 de abril de 2008 1 Introdução A dureza é a propriedade mecânica de um material apresentar resistência ao

Leia mais

PROPRIEDADES MECÂNICAS V

PROPRIEDADES MECÂNICAS V INSTITUTO MILITAR DE ENGENHARIA PROGRAMA DE CIÊNCIA DOS MATERIAIS PROPRIEDADES MECÂNICAS V Propriedades dos Materiais Ten Cel Sousa Lima, D. C. SUMÁRIO Dureza Fatores de projeto/segurança Durômetro Rockwell

Leia mais

ENSAIO DE DUREZA EM-641

ENSAIO DE DUREZA EM-641 ENSAIO DE DUREZA DEFINIÇÃO: Dureza é a resistência à deformação permanente Aplicação de uma carga na superfície da peça com um penetrador padronizado Características da marca de impressão (área ou profundidade)

Leia mais

Materiais em Engenharia. Aula Teórica 6. Ensaios mecânicos (continuação dos ensaios de tracção, ensaios de compressão e de dureza)

Materiais em Engenharia. Aula Teórica 6. Ensaios mecânicos (continuação dos ensaios de tracção, ensaios de compressão e de dureza) Aula Teórica 6 Ensaios mecânicos (continuação dos ensaios de tracção, ensaios de compressão e de dureza) 1 ENSAIO DE TRACÇÃO A partir dos valores da força (F) e do alongamento ( I) do provete obtêm-se

Leia mais

QUESTÃO 24 PETROBRÁS / 2008

QUESTÃO 24 PETROBRÁS / 2008 QUESTÃO 24 PETROBRÁS / 2008 Um esforço axial de tração gera os valores máximos de tensão (A) normal na seção transversal e de cisalhamento em um plano a 45 o. (B) normal na seção transversal e de cisalhamento

Leia mais

PROPOSTA DE ESCOPO PARA CALIBRAÇÃO ANEXO A. Norma de Origem: NIT-DICLA-005 Folha: 1 / 2 CALIBRAÇÕES

PROPOSTA DE ESCOPO PARA CALIBRAÇÃO ANEXO A. Norma de Origem: NIT-DICLA-005 Folha: 1 / 2 CALIBRAÇÕES Norma de Origem: NIT-DICLA-005 Folha: 1 / 2 Escala de Máquinas de Ensaio 2075 - Escalas de Máquina de Ensaios em Tração 2076 - Escalas de máquina de ensaios de impacto 2074 - Escalas de Máquina de Ensaios

Leia mais

Caderno Técnico: DUREZA

Caderno Técnico: DUREZA tubo & cia artigo Caderno Técnico: DUREZA ENSAIOS DE DUREZA SÃO DE EXECUÇÃO SIMPLES E RÁPIDA, PORÉM REQUEREM UMA ANÁLISE CRITERIOSA DE SEUS RESULTADOS. ( * ) WILLY ANK DE MORAIS e ( ** ) ANTONIO SERGIO

Leia mais

Os métodos de teste podem ser divididos grosseiramente em dois grupos:

Os métodos de teste podem ser divididos grosseiramente em dois grupos: Informativo Técnico Medição de Dureza soluções portáteis Em períodos de pressão por redução de custos e aumento da qualidade, os equipamentos portáteis de medição de dureza resultam não apenas em uma resposta

Leia mais

ENSAIO DE DUREZA EM-641

ENSAIO DE DUREZA EM-641 ENSAIO DE DUREZA DEFINIÇÃO: O ensaio de dureza consiste na aplicação de uma carga na superfície do material empregando um penetrador padronizado, produzindo uma marca superficial ou impressão. É amplamente

Leia mais

TM229 - Introdução aos Materiais

TM229 - Introdução aos Materiais TM229 - Introdução aos Materiais Propriedades mecânicas 2009.1 Ana Sofia C. M. D Oliveira Propriedades mecânicas Resistência - Tração - Escoamento - Compressão - Flexão - Cisalhamento - Fluência - Tensão

Leia mais

PROPRIEDADES MECÂNICAS DOS METAIS

PROPRIEDADES MECÂNICAS DOS METAIS UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA PROPRIEDADES MECÂNICAS DOS METAIS CMA CIÊNCIA DOS MATERIAIS 2º Semestre de 2014 Prof. Júlio

Leia mais

TM229 Introdução aos Materiais ENSAIOS MECÂNICOS Prof. Adriano Scheid Capítulos 6 e 8 - Callister

TM229 Introdução aos Materiais ENSAIOS MECÂNICOS Prof. Adriano Scheid Capítulos 6 e 8 - Callister TM229 Introdução aos Materiais ENSAIOS MECÂNICOS Prof. Adriano Scheid Capítulos 6 e 8 - Callister Introdução: Propriedades mecânicas indicam o comportamento dos materiais quando sujeitos a esforços de

Leia mais

DURÔMETRO DE BANCADA ROCKWELL CÓDIGO ISH-R150

DURÔMETRO DE BANCADA ROCKWELL CÓDIGO ISH-R150 DURÔMETRO DE BANCADA ROCKWELL CÓDIGO ISH-R150 penetrador Mesa plana Ø60mm uso da mesa Seletor da força de ensaio Mesa plana Ø15Omm Aplicação da força Mesa prismática Escalas de ensaio Rockwell Força de

Leia mais

Apresentação Institucional MIPS Sistemas Ltda.

Apresentação Institucional MIPS Sistemas Ltda. Apresentação Institucional MIPS Sistemas Ltda. Rua Ricardo Landmann, 385 Joinville SC - Brasil Quem somos? A MIPS Sistemas Ltda. Iniciou suas atividades no dia 01/03/2014, porém já atua no mercado a 9

Leia mais

EFEITO DA ESTRUTURA BAINÍTICA EM AÇOS PARA ESTAMPAGEM

EFEITO DA ESTRUTURA BAINÍTICA EM AÇOS PARA ESTAMPAGEM 1 FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI NADIR DIAS DE FIGUEIREDO MARCOS HUSEK COELHO RUBENS DA SILVA FREIRE EFEITO DA ESTRUTURA BAINÍTICA EM AÇOS PARA ESTAMPAGEM OSASCO 2011 2 MARCOS HUSEK COELHO RUBENS DA SILVA

Leia mais

Ensaios dos Materiais

Ensaios dos Materiais MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA CAMPUS JOINVILLE CURSO DE TÉCNICO EM MECÂNICA CONCOMITANTE

Leia mais

ESTUDO DOS FATORES INFLUENTES NAS MÚLTIPLAS RESPOSTAS MECÂNICAS EM ARAMES SAE 9254.

ESTUDO DOS FATORES INFLUENTES NAS MÚLTIPLAS RESPOSTAS MECÂNICAS EM ARAMES SAE 9254. ESTUDO DOS FATORES INFLUENTES NAS MÚLTIPLAS RESPOSTAS MECÂNICAS EM ARAMES SAE 9254. cristie diego pimenta (feg unesp ) pimentadiego@yahoo.com.br Messias Borges Silva (feg unesp ) messias@dequi.eel.usp.br

Leia mais

MATERIAIS METÁLICOS AULA 5

MATERIAIS METÁLICOS AULA 5 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO I E (TEC 156) MATERIAIS METÁLICOS AULA 5 Profª. Cintia Maria Ariani Fontes 1 Ensaio

Leia mais

COMPORTAMENTO DOS MATERIAIS SOB TENSÃO. Prof. Rubens Caram

COMPORTAMENTO DOS MATERIAIS SOB TENSÃO. Prof. Rubens Caram COMPORTAMENTO DOS MATERIAIS SOB TENSÃO Prof. Rubens Caram 1 TENSÃO X DEFORMAÇÃO O EFEITO DE TENSÕES NA ESTRUTURA DE METAIS PODE SER OBSERVADO NA FORMA DE DEFORMAÇÕES: EM ESTRUTURAS DE ENGENHARIA, ONDE

Leia mais

ANÁLISE DE ENSAIOS DE DUREZA BRINEL E ROCKWELL EM CORPO DE PROVA

ANÁLISE DE ENSAIOS DE DUREZA BRINEL E ROCKWELL EM CORPO DE PROVA ANÁLISE DE ENSAIOS DE DUREZA BRINEL E ROCKWELL EM CORPO DE PROVA Evandro Bertoldi, evandro.bertoldi@unijui.edu.br 1 1 UNIJUÍ, Av. Gomercindo Saraiva, 1066, Centro, Saldanha Marinho, CEP 98250-000, RS,

Leia mais

Uma aplicação de ajuste de curvas a um problema de nanodureza

Uma aplicação de ajuste de curvas a um problema de nanodureza Uma aplicação de ajuste de curvas a um problema de nanodureza Com o desenvolvimento das técnicas de medição e os aprimoramentos nos equipamentos utilizados para caracterização de materiais em escalas nanométricas,

Leia mais

Ensaio de Dureza Brinell Portátil Duração: 60 minutos

Ensaio de Dureza Brinell Portátil Duração: 60 minutos Ensaio de Dureza Brinell Portátil Duração: 60 minutos Introdução Na prova prática de ensaio de dureza brinell portátil, o aluno deverá determinar o valor da dureza de uma chapa em, no mínimo, dois pontos

Leia mais

TM703 Ciência dos Materiais PIPE Pós - Graduação em Engenharia e Ciências de Materiais

TM703 Ciência dos Materiais PIPE Pós - Graduação em Engenharia e Ciências de Materiais TM703 Ciência dos Materiais PIPE Pós - Graduação em Engenharia e Ciências de Materiais Carlos Mauricio Lepienski Laboratório de Propriedades Nanomecânicas Universidade Federal do Paraná Aula 5 1º sem.

Leia mais

1. Objetivo 1. 2. Referências 1. 3. Condições gerais 1. 4. Condições específicas 1. 5. Inspeção 2. Tabela 1 - Características elétricas e mecânicas 4

1. Objetivo 1. 2. Referências 1. 3. Condições gerais 1. 4. Condições específicas 1. 5. Inspeção 2. Tabela 1 - Características elétricas e mecânicas 4 SUMÁRIO Pág. 1. Objetivo 1 2. Referências 1 3. Condições gerais 1 4. Condições específicas 1 DISTRIBUIÇÃO AUTOMÁTICA DE CÓPIAS 02.118-CONEM-0003 5. Inspeção 2 Tabela 1 - Características elétricas e mecânicas

Leia mais

CAPÍTULO 10 PROPRIEDADES MECÂNICAS DE MATERIAIS

CAPÍTULO 10 PROPRIEDADES MECÂNICAS DE MATERIAIS 231 CAPÍTULO 10 PROPRIEDADES MECÂNICAS DE MATERIAIS Sumário Objetivos deste capítulo...232 10.1 Introdução...232 10.2 Conceitos de tensão e deformação...233 10.3 Discordâncias e sistemas de escorregamento...233

Leia mais

Plano de Aula Estruturada

Plano de Aula Estruturada Plano de Aula Estruturada Curso: Engenharia Mecânica Disciplina: Ensaios e Conformação Mecânica Semestre: 8º semestre Corpo Docente: Hélder Alves de Almeida Júnior Coordenador(a): Edmar Aderson Mendes

Leia mais

Certificado de Qualificação Metrológica para Laboratórios de Ensaio e Calibração da Cadeia Automotiva

Certificado de Qualificação Metrológica para Laboratórios de Ensaio e Calibração da Cadeia Automotiva Certificado de Qualificação Metrológica para Laboratórios de Ensaio e Calibração da Cadeia Automotiva CERTIFICADO: Nº 014/2012 A Rede Metrológica do Estado de São Paulo qualifica o Laboratório de Calibração

Leia mais

DETERMINAÇÃO DA INCERTEZA DE MEDIÇÃO EM DURÔMETROS PARA PESQUISA METROLÓGICA

DETERMINAÇÃO DA INCERTEZA DE MEDIÇÃO EM DURÔMETROS PARA PESQUISA METROLÓGICA DETERMINAÇÃO DA INCERTEZA DE MEDIÇÃO EM DURÔMETROS PARA PESQUISA METROLÓGICA Pires, Fábio de Souza Nascimento, Jôneo Lopes do Cardoso, Tito Lívio Medeiros* INSTITUTO NACIONAL DE TECNOLOGIA INT 1. Introdução

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA ADAPTAÇÃO DE UM SISTEMA AUTOMATIZADO PARA MEDIÇÃO DE MICRODUREZA Por JOÃO MORENO VILAS BOAS DE SOUZA SILVA DISSERTAÇÃO

Leia mais

Laboratório rio de Polímeros e Materiais

Laboratório rio de Polímeros e Materiais Laboratório rio de Polímeros e Materiais 26 Novembro Novembro 2003 de Mecânica Panorâmica Geral Introdução Este laboratório, criado no ano lectivo de 1989/90, possui vários equipamentos de ensaio de materiais.

Leia mais

Tel.: 55 (11) 2814-0790 Fax 55 (11) 4647-6782 E-mail: triak@triak.com.br CNPJ: 08.747.866/0001-72 Inc. Estadual: 147.257.444.110 www.triak.com.

Tel.: 55 (11) 2814-0790 Fax 55 (11) 4647-6782 E-mail: triak@triak.com.br CNPJ: 08.747.866/0001-72 Inc. Estadual: 147.257.444.110 www.triak.com. Promoção Válida /janeiro 2011 /fevereiro 2011 das normas internacionais, Garantia de 1 ano Assistência Técnica Própria Tel.: 55 (11) 2814-0790 Fax 55 (11) 4647-6782 E-mail: triak@triak.com.br CNPJ: 08.747.866/0001-72

Leia mais

NOVOS PRODUTOS Durómetros Rockwell / Super Rockwell / Brinell Modelo Durotwin Plus

NOVOS PRODUTOS Durómetros Rockwell / Super Rockwell / Brinell Modelo Durotwin Plus NOVOS PRODUTOS Durómetros Rockwell / Super Rockwell / Brinell Modelo Durotwin Plus Informação detalhada na página 407. Medição Härteprüfgeräte da Dureza Durómetros Rockwell / Super Rockwell / Brinell Páginas

Leia mais

EXPRESSÃO DA INCERTEZA NA MEDIÇÃO DA DUREZA BRINELL

EXPRESSÃO DA INCERTEZA NA MEDIÇÃO DA DUREZA BRINELL EXPRESSÃO A INCERTEZA NA MEIÇÃO A UREZA BRINELL Sueli Fischer Beckert Instituto Superior de Tecnologia IST, Centro de Mecânica de Precisão de Joinville CMPJ sueli@sociesc.com.br Joinville, SC, Brasil Luciana

Leia mais

CONSTRUÇÃO DE UM DURÔMETRO POR REBOTE

CONSTRUÇÃO DE UM DURÔMETRO POR REBOTE CONSTRUÇÃO DE UM DURÔMETRO POR REBOTE Danilo Venturi - danventuri@catolicasc.org.br Centro Universitário Católica de Santa Catarina em Jaraguá do Sul Rua dos Imigrantes, número 500 - Bairro Rau CEP 89.254-430

Leia mais

4 Medidas de propriedades mecânicas

4 Medidas de propriedades mecânicas 4 Medidas de propriedades mecânicas Conceitos básicos sobre as medidas das propriedades mecânicas dos materiais serão apresentados neste capítulo. Os modelos utilizados para mensurar as grandezas relacionadas

Leia mais

MECÂNICA (SUBÁREA: PROCESSOS DE FABRICAÇÃO, MECÂNICA, TRATAMENTO TÉRMICO DE MATERIAIS, ENSAIOS DESTRUTIVOS E NÃO DESTRUTIVOS) GABARITO

MECÂNICA (SUBÁREA: PROCESSOS DE FABRICAÇÃO, MECÂNICA, TRATAMENTO TÉRMICO DE MATERIAIS, ENSAIOS DESTRUTIVOS E NÃO DESTRUTIVOS) GABARITO CONCURSO PÚBLICO DOCENTE IFMS EDITAL Nº 002/2013 CCP IFMS MECÂNICA (SUBÁREA: PROCESSOS DE FABRICAÇÃO, MECÂNICA, TRATAMENTO TÉRMICO DE MATERIAIS, ENSAIOS DESTRUTIVOS E NÃO DESTRUTIVOS) Uso exclusivo do

Leia mais

ESTUDO DE PARÂMETROS PARA ENSAIOS DE MICRODUREZA EM AMÁLGAMA DE PRATA, RESINA COMPOSTA, DENTINA E ESMALTE BOVINOS

ESTUDO DE PARÂMETROS PARA ENSAIOS DE MICRODUREZA EM AMÁLGAMA DE PRATA, RESINA COMPOSTA, DENTINA E ESMALTE BOVINOS VALÉRIA SOPRANO ESTUDO DE PARÂMETROS PARA ENSAIOS DE MICRODUREZA EM AMÁLGAMA DE PRATA, RESINA COMPOSTA, DENTINA E ESMALTE BOVINOS São Paulo 2007 Valéria Soprano Estudo de parâmetros para ensaios de microdureza

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL Escola de Engenharia

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL Escola de Engenharia MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL Escola de Engenharia Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Minas, Metalúrgica e de Materiais PPGEM DETERMINAÇÃO DE CRITÉRIOS PARA ACEITAÇÃO

Leia mais

Andraplan Serviços Ltda. A essência da consultoria.

Andraplan Serviços Ltda. A essência da consultoria. Andraplan Serviços Ltda. A essência da consultoria. Publicação de domínio público reproduzida na íntegra por Andraplan Serviços Ltda. Caso tenha necessidade de orientações sobre o assunto contido nesta

Leia mais

Corte e dobra. Nesta aula, você vai ter uma visão geral. Nossa aula. Princípios do corte e da dobra

Corte e dobra. Nesta aula, você vai ter uma visão geral. Nossa aula. Princípios do corte e da dobra A U A UL LA Corte e dobra Introdução Nesta aula, você vai ter uma visão geral de como são os processos de fabricação por conformação, por meio de estampos de corte e dobra. Inicialmente, veremos os princípios

Leia mais

CATÁLOGO DE PRODUTOS ASSISPAR - IND. E COM. DE PARAFUSOS LTDA PARAFUSOS PORCAS ARRUELAS MAT. FIXAÇÃO

CATÁLOGO DE PRODUTOS ASSISPAR - IND. E COM. DE PARAFUSOS LTDA PARAFUSOS PORCAS ARRUELAS MAT. FIXAÇÃO CATÁLOGO DE PRODUTOS - IND. E COM. DE PARAFUSOS LTDA PARAFUSOS PORCAS ARRUELAS MAT. FIXAÇÃO A Assispar Indústria e Comércio de Parafusos Ltda., é uma empresa especializada na fabricação e comercialização

Leia mais

Ensaio de torção. Diz o ditado popular: É de pequenino que

Ensaio de torção. Diz o ditado popular: É de pequenino que A UU L AL A Ensaio de torção Diz o ditado popular: É de pequenino que se torce o pepino! E quanto aos metais e outros materiais tão usados no nosso dia-a-dia: o que dizer sobre seu comportamento quando

Leia mais

4.Materiais e métodos

4.Materiais e métodos 4.Materiais e métodos 4.1. Material em estudo O material em estudo, de procedência sueca (Sandvik), foi adquirido como chapa laminada a quente de 3mm de espessura, recebendo posteriormente tratamento térmico

Leia mais

INFLUÊNCIA DA TEMPERATURA FINAL DE TÊMPERA DO AÇO SAE 52100 TEMPERADO EM BANHO DE SAL NA FORMAÇÃO DE AUSTENITA RETIDA

INFLUÊNCIA DA TEMPERATURA FINAL DE TÊMPERA DO AÇO SAE 52100 TEMPERADO EM BANHO DE SAL NA FORMAÇÃO DE AUSTENITA RETIDA 1 FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI NADIR DIAS DE FIGUEIREDO ALEXANDRE PASCHOALIN ANDERSON LUÍS JACINTHO INFLUÊNCIA DA TEMPERATURA FINAL DE TÊMPERA DO AÇO SAE 52100 TEMPERADO EM BANHO DE SAL NA FORMAÇÃO DE

Leia mais

Nesta aula, você vai estudar exatamente isso. E para acabar com o suspense, vamos a ela.

Nesta aula, você vai estudar exatamente isso. E para acabar com o suspense, vamos a ela. Mete broca! Nesta aula, vamos estudar uma operação muito antiga. Os arqueólogos garantem que ela era usada há mais de 4000 anos no antigo Egito, para recortar blocos de pedra. Ela é tão comum que você

Leia mais

Capítulo 4 ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS EM CONCRETO ARMADO

Capítulo 4 ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS EM CONCRETO ARMADO Capítulo 4 ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS EM CONCRETO ARMADO Ensaios destrutivos que danificam ou comprometem o desempenho estrutural. Inspeção e diagnóstico do desempenho de estruturas existentes de concreto

Leia mais

Relatório Final. Estudo das Condições de Tempera e Revenido nas Propriedades Mecânicas de Aço VND. Aluno: Luciano Antonio de Morais

Relatório Final. Estudo das Condições de Tempera e Revenido nas Propriedades Mecânicas de Aço VND. Aluno: Luciano Antonio de Morais Relatório Final Estudo das Condições de Tempera e Revenido nas Propriedades Mecânicas de Aço VND Aluno: Luciano Antonio de Morais Orientadora: Profª. Dra. Luciana Sgarbi Rossino Co Orientador: Profº. Msc.

Leia mais

NOVAS MÁQUINAS DE ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS DA MWL BRASIL RODAS & EIXOS LTDA. Domingos José Minicucci MWL BRASIL RODAS & EIXOS LTDA

NOVAS MÁQUINAS DE ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS DA MWL BRASIL RODAS & EIXOS LTDA. Domingos José Minicucci MWL BRASIL RODAS & EIXOS LTDA NOVAS MÁQUINAS DE ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS DA MWL BRASIL RODAS & EIXOS LTDA Domingos José Minicucci MWL BRASIL RODAS & EIXOS LTDA Trabalho apresentado no XXI Congresso Nacional de Ensaios Não Destrutivos,

Leia mais

Processos de Fabricação - Furação

Processos de Fabricação - Furação 1 Introdução Formas de obtenção de furos Definição de furação (usinagem): A furação é um processo de usinagem que tem por objetivo a geração de furos, na maioria das vezes cilíndricos, em uma peça, através

Leia mais

CASA DA MOEDA DO BRASIL

CASA DA MOEDA DO BRASIL CASA DA MOEDA DO BRASIL SETEMBRO 5 - Você recebeu do fiscal o seguinte material: LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO. a) este caderno, com o enunciado das questões das Provas Objetivas, sem repetição

Leia mais

Elementos de Máquinas

Elementos de Máquinas Professor: Leonardo Leódido Sumário Buchas Guias Mancais de Deslizamento e Rolamento Buchas Redução de Atrito Anel metálico entre eixos e rodas Eixo desliza dentro da bucha, deve-se utilizar lubrificação.

Leia mais

01/31/2012. Daniel Silva Rodrigues Denis de Mello Luciano de Rezende Silva Wilson Henrique Moraes Freire

01/31/2012. Daniel Silva Rodrigues Denis de Mello Luciano de Rezende Silva Wilson Henrique Moraes Freire Daniel Silva Rodrigues Denis de Mello Luciano de Rezende Silva Wilson Henrique Moraes Freire O Brasil tende a se tornar o maior explorador de petróleo e gás no mercado. Descobertas recentes de novas reservas

Leia mais

Laboratório de Materiais

Laboratório de Materiais Laboratório de Materiais Responsável: Eng. Paulo Novo pnovo@estg.ipleiria.pt 26 Novembro 2003 Panorâmica Geral Introdução Este laboratório, criado no ano lectivo de 1989/90, possui vários equipamentos

Leia mais

Retificação: conceitos e equipamentos

Retificação: conceitos e equipamentos Retificação: conceitos e equipamentos A UU L AL A Até a aula anterior, você estudou várias operações de usinagem executadas em fresadora, furadeira, torno, entre outras. A partir desta aula, vamos estudar

Leia mais

PROPRIEDADES DO CONCRETO FRESCO

PROPRIEDADES DO CONCRETO FRESCO PROPRIEDADES DO CONCRETO FRESCO Consistência Textura Trabalhabilidade Integridade da massa Segregação Poder de retenção de água Exsudação Massa específica TRABALHABILIDADE É a propriedade do concreto fresco

Leia mais

Critérios de falha. - determinam a segurança do componente; - coeficientes de segurança arbitrários não garantem um projeto seguro;

Critérios de falha. - determinam a segurança do componente; - coeficientes de segurança arbitrários não garantem um projeto seguro; Critérios de falha - determinam a segurança do componente; - coeficientes de segurança arbitrários não garantem um projeto seguro; - compreensão clara do(s) mecanismo(s) de falha (modos de falha); -aspectos

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 02

PROVA ESPECÍFICA Cargo 02 18 PROVA ESPECÍFICA Cargo 02 QUESTÃO 41 As afirmativas a seguir tratam das características de alguns dos tratamentos térmicos aplicados aos aços. Verifique quais são verdadeiras (V) ou falsas (F) e marque

Leia mais

ESCOPO DO LABORATORIO

ESCOPO DO LABORATORIO Haste Padrão parã Micrômetro Externo âté 500 mm Paquímetro Micrômetro Externo Relógio Apalpador Milesimal / Centesimal até 25 mm Paquímetro Medidor de Altura Bloco Padrão Calibrador Anel de Rosca Paralela

Leia mais

E MACROGRÁFICOS. Módulo 9. Prof.: M.Sc. Antonio Fernando de Carvalho Mota Engenheiro Mecânico e Metalúrgico

E MACROGRÁFICOS. Módulo 9. Prof.: M.Sc. Antonio Fernando de Carvalho Mota Engenheiro Mecânico e Metalúrgico Ensaios ENSAIOS Mecânicos MECÂNICOS e Macrográficos E MACROGRÁFICOS Módulo 9 Prof.: M.Sc. Antonio Fernando de Carvalho Mota Engenheiro Mecânico e Metalúrgico Propriedades Mecânicas Estudadas: RESISTÊNCIA

Leia mais

ENSAIO DE MATERIAIS. Profº Diógenes Bitencourt

ENSAIO DE MATERIAIS. Profº Diógenes Bitencourt ENSAIO DE MATERIAIS Profº Diógenes Bitencourt BASES TECNOLÓGICAS Diagrama Tensão-Deformação; Ensaio de Tração; Ensaio de Compressão; Ensaio de Cisalhamento; Ensaio de dureza Brinell; Ensaio de dureza Rockwell;

Leia mais

Soldagem de manutenção II

Soldagem de manutenção II A UU L AL A Soldagem de manutenção II A recuperação de falhas por soldagem inclui o conhecimento dos materiais a serem recuperados e o conhecimento dos materiais e equipamentos de soldagem, bem como o

Leia mais

DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA MECÂNICA E MATERIAIS CURSO TECNICO DE MECÂNICA

DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA MECÂNICA E MATERIAIS CURSO TECNICO DE MECÂNICA Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA MECÂNICA E MATERIAIS CURSO TECNICO DE MECÂNICA 2009 Aço superduplex SAF 2507 Laboratório de Metalografia

Leia mais

PROPRIEDADES BÁSICAS DOS MATERIAIS

PROPRIEDADES BÁSICAS DOS MATERIAIS PROPRIEDADES BÁSICAS DOS MATERIAIS Propriedades Mecânicas resistência à tração e compressão; resistência a flexão transversal; resistência ao impacto; resistência à fadiga, à fluência; dureza; plasticidade/ductilidade

Leia mais

CRONOGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA DA REDE - PREVISÃO DE INSCRIÇÕES

CRONOGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA DA REDE - PREVISÃO DE INSCRIÇÕES BENEFÍCIOS AOS PARTICIPANTES: Sistema de gestão que opera seguindo os requisitos da norma técnica ISO/IEC 17043; Programas concluídos cadastrados na base de dados internacional EPTIS European Proficiency

Leia mais

DESENHO TÉCNICO E SUAS APLICAÇÕES

DESENHO TÉCNICO E SUAS APLICAÇÕES DESENHO TÉCNICO E SUAS APLICAÇÕES CURSO: ENGENHARIA DE PRODUÇÃO NOME: FELIPE VESCOVI ORIENTADOR: FABIO REDIN DO NASCIMENTO CARAZINHO, DEZEMBRO DE 2011. DESENHO TÉCNICO E SUAS APLICAÇÕES PALAVRA CHAVES:

Leia mais

Comparação entre Tratamentos Térmicos e Método Vibracional em Alívio de Tensões após Soldagem

Comparação entre Tratamentos Térmicos e Método Vibracional em Alívio de Tensões após Soldagem Universidade Presbiteriana Mackenzie Comparação entre Tratamentos Térmicos e Método Vibracional em Alívio de Tensões após Soldagem Danila Pedrogan Mendonça Orientador: Profº Giovanni S. Crisi Objetivo

Leia mais

Aeroespacial e especial M-1

Aeroespacial e especial M-1 M-1 Rolamentos aeroespaciais, especiais e específicos por setor Os rolamentos aeroespaciais e especiais foram desenvolvidos para atender aos requisitos industriais exclusivos do setor aeroespacial. Com

Leia mais

Figuras geométricas. Se olhar ao seu redor, você verá que os objetos. Nossa aula. Figuras geométricas elementares

Figuras geométricas. Se olhar ao seu redor, você verá que os objetos. Nossa aula. Figuras geométricas elementares A UU L AL A Figuras geométricas Se olhar ao seu redor, você verá que os objetos têm forma, tamanho e outras características próprias. As figuras geométricas foram criadas a partir da observação das formas

Leia mais

Darlan Dallacosta, M. Eng. Diretor

Darlan Dallacosta, M. Eng. Diretor Escopo de Serviços I- Sumário Executivo (Laboratório de Ensaios Mecânicos) A SCiTec aparece como uma empresa de base tecnológica apta para prestar serviços de forma integrada com o setor empresarial. Constituída

Leia mais

Dobramento. e curvamento

Dobramento. e curvamento Dobramento e curvamento A UU L AL A Nesta aula você vai conhecer um pouco do processo pelo qual são produzidos objetos dobrados de aspecto cilíndrico, cônico ou em forma prismática a partir de chapas de

Leia mais

METROLOGIA E ENSAIOS CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

METROLOGIA E ENSAIOS CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO 164 METROLOGIA E ENSAIOS CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO 1. Identificação Código 1.1. Disciplina: Metrologia e Ensaios 0980012 1.2. Unidade: Centro de Engenharias 458 1.3 Responsável*: Engenharia de Produção

Leia mais

Aparelhos www.internacionalferramentas.com.br

Aparelhos www.internacionalferramentas.com.br Aparelhos Durômetro de Bancada Rockwell Construção robusta em ferro fundido garantindo leituras exatas e alta repetiblidade. Ensaios conforme norma e ABNT NBR NM ISO6508-2 Rockwell A, B, C, D, E, F, G,

Leia mais

LABORATÓRIO DE FUNDIÇÃO. 1. Descrição Física

LABORATÓRIO DE FUNDIÇÃO. 1. Descrição Física LABORATÓRIO DE FUNDIÇÃO 1. Descrição Física O espaço físico deste laboratório deve ser de 100 m 2, com piso em cimento queimado e uma área de aproximadamente 3 m 2 em terra batida para vazamento de metal,

Leia mais

- PLACA DE CHOQUE: É construída com material Aço 1045, podendo levar um tratamento térmico para alcançar uma dureza de 45-48 HRC, se necessário.

- PLACA DE CHOQUE: É construída com material Aço 1045, podendo levar um tratamento térmico para alcançar uma dureza de 45-48 HRC, se necessário. Estampagem A estampagem é o processo de fabricação de peças, através do corte ou deformação de chapas em operação de prensagem geralmente a frio. A conformação de chapas é definida como a transição de

Leia mais

Ensaio de tração: cálculo da tensão

Ensaio de tração: cálculo da tensão Ensaio de tração: cálculo da tensão A UU L AL A Você com certeza já andou de elevador, já observou uma carga sendo elevada por um guindaste ou viu, na sua empresa, uma ponte rolante transportando grandes

Leia mais

COMPÊNDIO MATERIAIS E ÓRGÃOS DE MÁQUINAS

COMPÊNDIO MATERIAIS E ÓRGÃOS DE MÁQUINAS S. R. MINISTÉRIO DA DEFESA NACIONAL FORÇA AÉREA PORTUGUESA CENTRO DE FORMAÇÃO MILITAR E TÉCNICA Curso de Formação de Praças RC COMPÊNDIO MATERIAIS E ÓRGÃOS DE MÁQUINAS EPR: TEN José Vareta CCF 332-6 Junho

Leia mais

CADERNO DE PROVA 15 DE SETEMBRO DE 2012 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA

CADERNO DE PROVA 15 DE SETEMBRO DE 2012 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA 1 Cada candidato receberá: CADERNO DE PROVA 15 DE SETEMBRO DE 2012 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA - 01 (um) Caderno de Prova de 10 (dez) páginas, contendo 25 (vinte e cinco) questões de múltipla

Leia mais

Essa ferramenta pode ser fixada em máquinas como torno, fresadora, furadeira, mandriladora.

Essa ferramenta pode ser fixada em máquinas como torno, fresadora, furadeira, mandriladora. Brocas A broca é uma ferramenta de corte geralmente de forma cilíndrica, fabricada com aço rápido, aço carbono, ou com aço carbono com ponta de metal duro soldada ou fixada mecanicamente, destinada à execução

Leia mais

Furação e Alargamento

Furação e Alargamento UDESC Universidade do Estado de Santa Catarina FEJ Faculdade de Engenharia de Joinville Furação e Alargamento DEPS Departamento de Engenharia de Produção e Sistemas Visão sistêmica de um processo de usinagem

Leia mais

ur b) F cos ur c) Fsen d) Zero. ur 2

ur b) F cos ur c) Fsen d) Zero. ur 2 CONHECIMENTO ESPECÍFICO 21. Um corpo de prova de aço foi submetido a um ensaio de tração em uma máquina de ensaios universal, a fim de avaliar suas propriedades mecânicas. Porém, dante a execução do ensaio,

Leia mais

Tratamento de Superfície de Pisos de Concreto. Públio Penna Firme Rodrigues

Tratamento de Superfície de Pisos de Concreto. Públio Penna Firme Rodrigues Tratamento de Superfície de Pisos de Concreto Públio Penna Firme Rodrigues Públio Penna Firme Rodrigues Graduado em Engenharia Civil pela Escola de Engenharia Mauá, Mestre em Engenharia pela EPUSP (Escola

Leia mais

Krautkramer MIC 10. GE Tecnologias de Inspeção. Manual de Operação 084-028-547. . GEInspectionTechnologies.com

Krautkramer MIC 10. GE Tecnologias de Inspeção. Manual de Operação 084-028-547. . GEInspectionTechnologies.com GE Tecnologias de Inspeção Ultra som Krautkramer MIC 10 Manual de Operação 084-028-547. GEInspectionTechnologies.com 2005 General Electric Empresa. Todos os direitos reservados. Nós nos reservamos o direito

Leia mais

Buchas. Não se sabe quem inventou a roda. Supõe-se. Bucha

Buchas. Não se sabe quem inventou a roda. Supõe-se. Bucha A U A UL LA Buchas Introdução Não se sabe quem inventou a roda. Supõe-se que a primeira roda tenha sido um tronco cortado em sentido transversal. Com a invenção da roda, surgiu, logo depois, o eixo. O

Leia mais

Calculando o desalinhamento da contraponta

Calculando o desalinhamento da contraponta Calculando o desalinhamento da contraponta A UU L AL A Tornear peças cônicas é uma atividade bastante comum na área da Mecânica. Para fazer isso, o torneiro tem duas técnicas a sua disposição: ele pode

Leia mais

LUZ E SOMBRA NA ARTE

LUZ E SOMBRA NA ARTE LUZ E SOMBRA NA ARTE A luz e a sombra são elementos fundamentais da linguagem visual. Com elas podemos criar no desenho, na pintura e escultura belíssimos efeitos como o de dilatação do espaço, o de profundidade

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO Nº 03 PVC

BOLETIM TÉCNICO Nº 03 PVC A tabela a seguir lista valores típicos de algumas propriedades físicas, mecânicas, térmicas e elétricas de compostos de PVC rígidos e flexíveis. Os valores são simplesmente de caráter informativo e são

Leia mais

UNIVERSIDADE SANTA. Objetivo Metodologia Introdução. Método Experimental Resultados Experimentais Conclusão Grupo de Trabalho

UNIVERSIDADE SANTA. Objetivo Metodologia Introdução. Método Experimental Resultados Experimentais Conclusão Grupo de Trabalho UNIVERSIDADE SANTA CECÍLIA ENGENHARIA MECÂNICA INDUSTRIAL Análise dos Parâmetros que Influenciaram a Falha dos Parafusos Calibrados Aço1045 A do Acoplamento de Engrenagem da Mesa Giratória ria do Laminador

Leia mais

TORNEIRO MECÂNICO TECNOLOGIA

TORNEIRO MECÂNICO TECNOLOGIA DEFINIÇÃO: TORNEIRO MECÂNICO TECNOLOGIA BROCAS (NOMENCLATURA,CARAC. TIPOS) São ferramentas de corte, de forma cilíndrica, com canais retos ou helicoidais, temperadas, terminam em ponta cônica e são afiadas

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DE TUBOS DE AÇO UTILIZADO EM PERFURATRIZES DE CIRCULAÇÃO REVERSA

CARACTERIZAÇÃO DE TUBOS DE AÇO UTILIZADO EM PERFURATRIZES DE CIRCULAÇÃO REVERSA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITARIO DE MARABÁ FACULDADE DE ENGENHARIA DE MATERIAIS MARCELA DIAS CHAVES CARACTERIZAÇÃO DE TUBOS DE AÇO UTILIZADO EM PERFURATRIZES DE CIRCULAÇÃO REVERSA MARABÁ-PA

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 01 Ensino Técnico ETEC Monsenhor Antônio Magliano Código: 088 Município: Garça Eixo Tecnológico: Indústria Habilitação Profissional: Técnico em Mecatrônica Qualificação: Assistente

Leia mais