PROPRIEDADES MECÂNICAS V

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROPRIEDADES MECÂNICAS V"

Transcrição

1 INSTITUTO MILITAR DE ENGENHARIA PROGRAMA DE CIÊNCIA DOS MATERIAIS PROPRIEDADES MECÂNICAS V Propriedades dos Materiais Ten Cel Sousa Lima, D. C. SUMÁRIO Dureza Fatores de projeto/segurança Durômetro Rockwell Propriedades dos Materiais Ten Cel Sousa Lima de 33 Ten Cel Sousa Lima de 17

2 Definição A dureza é a propriedade mecânica de medida da resistência de um material ao risco ou à uma deformação permanente É o ensaio mais utilizado principalmente pela simplicidade, baixo custo e possibilidade de determinação de outras propriedades Pode ser dividido em: Ensaio por risco Ensaio por penetração Ensaio por choque Propriedades dos Materiais Ten Cel Sousa Lima de 33 Definição É o mais largamente usado e citado em normas técnicas e consiste em forçar um penetrador contra uma superfície sob condições controladas de tempo, carga e taxa A medida da profundidade de penetração ou da área impressa são relacionadas com um número índice de dureza e pela escala e/ou tipo de dureza Durômetro Rockwell Propriedades dos Materiais Ten Cel Sousa Lima de 33 Ten Cel Sousa Lima de 17

3 Classificação São 4 os principais ensaios dureza por penetração: Rockwell Brinell Vickers Knoop Propriedades dos Materiais Ten Cel Sousa Lima de 33 Dureza Rockwell Foi proposta pelas indústrias Rockwell, dos EUA, em 1922 e também é de ampla utilização Este ensaio é baseado na profundidade de penetração Esta medida é correlacionada pela máquina a um número de dureza, cuja leitura é realizada diretamente em um mostrador Indentação Rockwell Propriedades dos Materiais Ten Cel Sousa Lima de 33 Ten Cel Sousa Lima de 17

4 Dureza Rockwell É um ensaio rápido e assim pode ser utilizado em linhas de produção Por utilizar penetradores pequenos, pode ser empregado em peças de dimensões reduzidas ou tratadas termicamente Também é possível a medição de durezas superficiais Os indentadores pedem ser cônicos, com cone de diamante ou esféricos, de aço endurecido Indentador cônico Propriedades dos Materiais Ten Cel Sousa Lima de 33 Dureza Rockwell Este ensaio emprega diversas escalas, que dependem do penetrador e da carga aplicada, abrangendo uma ampla faixa de valores É simbolizado por HR seguido pela letra da escala empregada Normalmente, a pré-carga é de 10 kgf nos ensaios de dureza como cargas principais de 60, 100 e 150 kgf Durômetro de bancada Propriedades dos Materiais Ten Cel Sousa Lima de 33 Ten Cel Sousa Lima de 17

5 Dureza Rockwell Nos ensaios de dureza superficial, a précarga é de 3 kgf e as cargas principais são de 15, 30 e 45 kgf A superfície da amostra deve ser lixada para eliminar irregularidades Durômetro de bancada Propriedades dos Materiais Ten Cel Sousa Lima de 33 Rockwell e Rockwell superficial INDENTADOR Cone de diamante ou esfera de aço IMPRESSÃO FÓRMULA HR = Lida diretamente na máquina de ensaio Rápido; linhas de produção; superfície limpa e plana Cargas de 3 a 45 kg e 10 a 150 kgf Uso de escalas pela combinação de penetradores e cargas Propriedades dos Materiais Ten Cel Sousa Lima de 33 Ten Cel Sousa Lima de 17

6 Dureza Brinell Criado em 1900 por J. A. Brinell, foi o primeiro ensaio de penetração padronizado e reconhecido industrialmente e é um dos mais utilizados na Engenharia Consiste em comprimir uma esfera de aço endurecido, de diâmetro D, sobre uma superfície plana, limpa e polida por meio de uma carga Q durante um tempo t Johan August Brinell Propriedades dos Materiais Ten Cel Sousa Lima de 33 Dureza Brinell Esta compressão provoca uma impressão no formato de uma calota esférica, com diâmetro d, medida por um microscópio óptico após a remoção da carga A medida d é tomada pela média de duas leituras a 90º uma da outra A dureza HB é definida pelo quociente entre Q e a área da calota esférica S HB = Q S = πd D 2Q 2 2 ( D d ) Indentação Brinell Propriedades dos Materiais Ten Cel Sousa Lima de 33 Ten Cel Sousa Lima de 17

7 Dureza Brinell Na prática utilizam-se tabelas que fornecem o valor de dureza a partir do diâmetro medido para cada par de Q e D utilizados A maioria das tabelas utiliza os valores de Q e D inicialmente propostos por Brinell, de 3000 kgf e 10 mm para metais dureza até 500 HB Embora teoricamente qualquer carga possa ser utilizada, as cargas padrão variam de 500 a 3000 kgf, com incrementos de 500 kgf Metais dúcteis (Al, Cu) utilizam cargas menores e os menos dúcteis (aços e ferros fundidos), cargas maiores Durômetro Brinell Propriedades dos Materiais Ten Cel Sousa Lima de 33 Dureza Brinell Metais com dureza superior a 500 HB utilizam esferas de WC e possuem a denominação HBw (contra HBs da tradicional) O tempo de aplicação da carga varia de 10 a 60 s Outros valores de Q e D podem ser utilizados, desde que satisfeita a condição: Q 2 = D cte Durômetro Brinell hidráulico portátil Propriedades dos Materiais Ten Cel Sousa Lima de 33 Ten Cel Sousa Lima de 17

8 Dureza Brinell Esta relação é determinada empiricamente para cada tipo de material Assim, esferas entre 1 e 7 mm também podem ser utilizadas Este ensaio não é adequado para peças pequenas ou tratadas superficialmente É indicado para materiais com estrutura interna não uniforme Sistema de análise de imagens para medida Brinell Propriedades dos Materiais Ten Cel Sousa Lima de 33 Brinell INDENTADOR IMPRESSÃO FÓRMULA Esfera de aço ou WC D d d 2P HB = πd D D 2 d 2 Superfície lisa e plana HB (N/mm 2 ou kgf/mm 2 ) Inadequada para materiais muito duros Cargas (P) de 500 a 3000 kgf Propriedades dos Materiais Ten Cel Sousa Lima de 33 Ten Cel Sousa Lima de 17

9 Dureza Vickers Desenvolvido em 1925 por R. Smith e G. Sandland, este ensaio tornou-se conhecido pelo nome do fabricante das primeiras máquinas produzidas É similar ao princípio da dureza Brinell, no qual um indentador é comprimido contra o material e a indentação resultante é medida É simbolizada por HV Fábrica da Vickers- Armstrong, Inglaterra Propriedades dos Materiais Ten Cel Sousa Lima de 33 Dureza Vickers O indentador é uma pirâmide de diamante de base quadrada que possui um ângulo de 136º entre as faces opostas A impressão é um losango de formato regular, cujas diagonais são medidas por meio de um microscópio acoplado à máquina de teste devido às suas dimensões reduzidas, muitas vezes abaixo de 1mm Indentador Vickers Propriedades dos Materiais Ten Cel Sousa Lima de 33 Ten Cel Sousa Lima de 17

10 Dureza Vickers A média de ambas as medidas são utilizadas para o cálculo de dureza pelas seguintes fórmulas: - Dureza Vickers, em GPa (P em N e d em mm): 2Psen(136 / 2) P HV = = 0, d d - Número de Dureza Vickers, adimensional (P em kgf e d em mm): P HV = 1, d A carga varia de 1 a 120 kgf e tempo de aplicação da carga, normalmente, de 10 a 15s Propriedades dos Materiais Ten Cel Sousa Lima de 33 Dureza Vickers Existem tabelas que fornecem os valores de dureza para a diagonal medida e a carga utilizada Além disto, diversos equipamentos fornecem a dureza calculada a partir da entrada dos valores medidos Este ensaio fornece uma escala contínua e pode ser empregado numa larga faixa A medida é de grande precisão e as impressões não inutilizam os materiais dúcteis Tela de projeção óptica para medida de diagonal Propriedades dos Materiais Ten Cel Sousa Lima de 33 Ten Cel Sousa Lima de 17

11 Dureza Vickers É muito utilizado para a medição de durezas superficiais e para a confecção de curvas de profundidade de têmpera e de cementação Como o penetrador é indeformável, a dureza obtida independe da carga, para as cargas acima de 5 kgf Contudo, este ensaio é relativamente demorado e exige uma preparação superficial mais cuidadosa Sistema de processamento digital de imagem Propriedades dos Materiais Ten Cel Sousa Lima de 33 Dureza Knoop Desenvolvida por Frederick Knoop nos EUA, em 1939, nos laboratórios da NIST (National Institute of Standards and Technology), utiliza um penetrador de base piramidal alongada Possui uma relação de 7:1 entre as diagonais de impressão Indentador Knoop Propriedades dos Materiais Ten Cel Sousa Lima de 33 Ten Cel Sousa Lima de 17

12 Dureza Knoop A medida da diagonal maior é utilizada para o cálculo de dureza pelas seguintes fórmulas: - Dureza Knoop, em GPa (P em N e d em mm): 0,014229P HK = 2 d - Número de Dureza Knoop, adimensional (P em kgf e d em mm): 14,229P HK = 2 d A carga varia de 1 a 120 kgf e tempo de aplicação da carga, normalmente, de 10 a 15s Propriedades dos Materiais Ten Cel Sousa Lima de 33 Dureza por microindentação Este ensaio produz uma impressão microscópica e utiliza cargas de aplicação abaixo de 1000 gf (até 1 gf) A denominação microdureza, apesar de extensivamente utilizada, não é a correta, pois sugere medidas de baixos valores de dureza ou invés de indentações micrométricas São dois os tipos de penetradores utilizados, que podem ser empregados no mesmo equipamento: - Vickers - Knoop Propriedades dos Materiais Ten Cel Sousa Lima de 33 Ten Cel Sousa Lima de 17

13 Dureza por microindentação - Vickers Foi realizada inicialmente no Laboratório Nacional de Física da Inglaterra, em 1932 e utiliza o mesmo penetrador da dureza Vickers, com a mesma técnica descrita anteriormente Microdurômetro Propriedades dos Materiais Ten Cel Sousa Lima de 33 Dureza por microindentação - Vickers Apropriado para a determinação de dureza de microconstituintes, de materiais frágeis, de peças diminutas ou extremamente finas Liga de Cu-Be Propriedades dos Materiais Ten Cel Sousa Lima de 33 Ten Cel Sousa Lima de 17

14 Dureza por microindentação - Knoop Com uma área 15% menor, mais rasa (cerca de 50%) e estreita do que a Vickers com a mesma carga, oferece algumas possibilidades adicionais: - Medida de altos gradientes de dureza - Indentações menos espaçadas - Medidas em materiais muito frágeis - Ensaios em recobrimentos Indentação Knoop em aço alto C (500 a 10 gf) Propriedades dos Materiais Ten Cel Sousa Lima de 33 Dureza por microindentação - Knoop Ambas as durezas podem variar com a carga O seu resultado possui maior dificuldade de conversão para outras escalas Indentação Knoop em bronze Propriedades dos Materiais Ten Cel Sousa Lima de 33 Ten Cel Sousa Lima de 17

15 Dureza por indentação instrumentada Emprega equipamentos de alta resolução e pode utilizar cargas de 1 nn e medir dimensões de 0,1 nm Pode ser usado também para medir E e limite de escoamento Pode avaliar filmes finos, microcircuitos e recobrimentos Nanoindentação em microcircuito eletrônico Propriedades dos Materiais Ten Cel Sousa Lima de 33 Conversão de dureza Deve ser realizada com critério, com o uso de normas e é válida somente para alguns materiais específicos, tais como aços e algumas ligas ferrosas Propriedades dos Materiais Ten Cel Sousa Lima de 33 Ten Cel Sousa Lima de 17

16 Correlação com σ u Ambos são indicadores da resistência à deformação plástica; desta forma, são praticamente proporcionais Para a maioria dos aços: LRT (MPa) = 3,45HB Limite de Resistência à Tração Ferro fundido Aços Número de dureza Brinell Propriedades dos Materiais Ten Cel Sousa Lima de 33 FATORES DE PROJETO/SEGURANÇA Incertezas nos níveis de tensão em condições de serviço Variabilidade das medidas Fator de projeto Folgas de projeto Carga máxima estimada Tensão de projeto σ p = N' σ c σ e σ p Tensão de trabalho Fator de segurança σ e σ t = N 1,2 < N ou N < 5,0 Propriedades dos Materiais Ten Cel Sousa Lima de 33 Ten Cel Sousa Lima de 17

17 Estudo principal REFERÊNCIAS - Livro texto (7ª Edição) Capítulo 6 Propriedades mecânicas dos metais Itens 6.10 e 6.12 Estudo complementar - Livro texto Itens restantes do Capítulo 6 - A. Garcia, J.A. Spim & C.A. dos Santos, Ensaios dos Materiais, LTC Livros Técnicos e Científicos Editora S.A., Rio de Janeiro, RJ, S.A. de Souza, Ensaios Mecânicos de Materiais Metálicos, Ed. Edgard Blucher Ltda, São Paulo, SP, 1982 Propriedades dos Materiais Ten Cel Sousa Lima de 33 Ten Cel Sousa Lima de 17

Notas de Aula - Ensaio de Dureza

Notas de Aula - Ensaio de Dureza Notas de Aula - Ensaio de Dureza Disciplina: Ensaios de Materiais // Engenharia Mecânica - UEM 1 de abril de 2008 1 Introdução A dureza é a propriedade mecânica de um material apresentar resistência ao

Leia mais

ENSAIO DE DUREZA EM-641

ENSAIO DE DUREZA EM-641 ENSAIO DE DUREZA DEFINIÇÃO: O ensaio de dureza consiste na aplicação de uma carga na superfície do material empregando um penetrador padronizado, produzindo uma marca superficial ou impressão. É amplamente

Leia mais

ENSAIOS MECÂNICOS Permitem perceber como os materiais se comportam quando lhes são aplicados esforços

ENSAIOS MECÂNICOS Permitem perceber como os materiais se comportam quando lhes são aplicados esforços ENSAIOS MECÂNICOS Permitem perceber como os materiais se comportam quando lhes são aplicados esforços Tipos Ensaios Destrutivos provocam a inutilização do material ensaiado Ensaios Não Destrutivos Ensaio

Leia mais

TM229 Introdução aos Materiais ENSAIOS MECÂNICOS Prof. Adriano Scheid Capítulos 6 e 8 - Callister

TM229 Introdução aos Materiais ENSAIOS MECÂNICOS Prof. Adriano Scheid Capítulos 6 e 8 - Callister TM229 Introdução aos Materiais ENSAIOS MECÂNICOS Prof. Adriano Scheid Capítulos 6 e 8 - Callister Introdução: Propriedades mecânicas indicam o comportamento dos materiais quando sujeitos a esforços de

Leia mais

UERJ CRR FAT Disciplina ENSAIOS DE MATERIAIS A. Marinho Jr

UERJ CRR FAT Disciplina ENSAIOS DE MATERIAIS A. Marinho Jr Tópico 05 ENSAIOS MECÂNICOS - DUREZA Parte A - Dureza Brinell Introdução A dureza de um material é uma propriedade difícil de definir, que tem diversos significados dependendo da experiência da pessoa

Leia mais

Dureza de materiais metálicos

Dureza de materiais metálicos Dureza de materiais metálicos Podemos considerar a dureza de um material de engenharia como sendo a propriedade mecânica de resistir à penetração ou riscamento na sua superfície. No caso dos materiais

Leia mais

Processos de Fabrico. Ensaios de Dureza. A. M. Vasconcelos Lima

Processos de Fabrico. Ensaios de Dureza. A. M. Vasconcelos Lima Processos de Fabrico 1 É um dos ensaios mais comuns para avaliar e controlar as propriedades mecânicas dos materiais e dos processos tecnológicos. As aplicações destes ensaios incluem: Determinação da

Leia mais

ENSAIO DE DUREZA EM-641

ENSAIO DE DUREZA EM-641 ENSAIO DE DUREZA DEFINIÇÃO: Dureza é a resistência à deformação permanente Aplicação de uma carga na superfície da peça com um penetrador padronizado Características da marca de impressão (área ou profundidade)

Leia mais

Aula 7 - Ensaios de Materiais

Aula 7 - Ensaios de Materiais Aula 7 - Ensaios de Materiais Tecnologia dos Materiais II Prof. Lincoln B. L. G. Pinheiro 23 de setembro de 2010 1 Ensaios de Dureza A dureza é uma propriedade mecânica que mede a resistência do material

Leia mais

DUREZA DE CORPOS SINTERIZADOS Por Domingos T. A. Figueira Filho

DUREZA DE CORPOS SINTERIZADOS Por Domingos T. A. Figueira Filho DUREZA DE CORPOS SINTERIZADOS Por Domingos T. A. Figueira Filho 1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS. Como os corpos sinterizados são compostos de regiões sólidas e poros, os valores de macrodureza determinados pelos

Leia mais

Ensaios Mecânicos de Materiais. Aula 3 Ensaio de Dureza. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues

Ensaios Mecânicos de Materiais. Aula 3 Ensaio de Dureza. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues Ensaios Mecânicos de Materiais Aula 3 Ensaio de Dureza Tópicos Abordados Nesta Aula Ensaio de Dureza. Dureza Brinell. Dureza Rockwell. Dureza Vickers. Definições de Dureza Dureza - propriedade mecânica

Leia mais

Eliton Suldário da Silva Sousa Helton da Paixão Silva Joaquim Eliano Dutra Bezerra. Ensaios de dureza e microdureza do vergalhão GG50

Eliton Suldário da Silva Sousa Helton da Paixão Silva Joaquim Eliano Dutra Bezerra. Ensaios de dureza e microdureza do vergalhão GG50 Eliton Suldário da Silva Sousa Helton da Paixão Silva Joaquim Eliano Dutra Bezerra Ensaios de dureza e microdureza do vergalhão GG50 Teresina PI, Brasil 29 de Abril de 2015 Eliton Suldário da Silva Sousa

Leia mais

Material para Produção Industrial Ensaio de Dureza

Material para Produção Industrial Ensaio de Dureza Material para Produção Industrial Ensaio de Dureza Prof.: Sidney Melo 8 Período 1 O que é Dureza Dureza é a propriedade de um material que permite a ele resistir à deformação plástica, usualmente por penetração.

Leia mais

Certificado de Qualificação Metrológica para Laboratórios de Ensaio e Calibração da Cadeia Automotiva

Certificado de Qualificação Metrológica para Laboratórios de Ensaio e Calibração da Cadeia Automotiva Certificado de Qualificação Metrológica para Laboratórios de Ensaio e Calibração da Cadeia Automotiva CERTIFICADO: Nº 014/2012 A Rede Metrológica do Estado de São Paulo qualifica o Laboratório de Calibração

Leia mais

Materiais em Engenharia. Aula Teórica 6. Ensaios mecânicos (continuação dos ensaios de tracção, ensaios de compressão e de dureza)

Materiais em Engenharia. Aula Teórica 6. Ensaios mecânicos (continuação dos ensaios de tracção, ensaios de compressão e de dureza) Aula Teórica 6 Ensaios mecânicos (continuação dos ensaios de tracção, ensaios de compressão e de dureza) 1 ENSAIO DE TRACÇÃO A partir dos valores da força (F) e do alongamento ( I) do provete obtêm-se

Leia mais

PROPRIEDADES MECÂNICAS DOS METAIS

PROPRIEDADES MECÂNICAS DOS METAIS UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA PROPRIEDADES MECÂNICAS DOS METAIS CMA CIÊNCIA DOS MATERIAIS 2º Semestre de 2014 Prof. Júlio

Leia mais

PROPOSTA DE ESCOPO PARA CALIBRAÇÃO ANEXO A. Norma de Origem: NIT-DICLA-005 Folha: 1 / 2 CALIBRAÇÕES

PROPOSTA DE ESCOPO PARA CALIBRAÇÃO ANEXO A. Norma de Origem: NIT-DICLA-005 Folha: 1 / 2 CALIBRAÇÕES Norma de Origem: NIT-DICLA-005 Folha: 1 / 2 Escala de Máquinas de Ensaio 2075 - Escalas de Máquina de Ensaios em Tração 2076 - Escalas de máquina de ensaios de impacto 2074 - Escalas de Máquina de Ensaios

Leia mais

MATERIAIS METÁLICOS AULA 5

MATERIAIS METÁLICOS AULA 5 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO I E (TEC 156) MATERIAIS METÁLICOS AULA 5 Profª. Cintia Maria Ariani Fontes 1 Ensaio

Leia mais

QUESTÃO 24 PETROBRÁS / 2008

QUESTÃO 24 PETROBRÁS / 2008 QUESTÃO 24 PETROBRÁS / 2008 Um esforço axial de tração gera os valores máximos de tensão (A) normal na seção transversal e de cisalhamento em um plano a 45 o. (B) normal na seção transversal e de cisalhamento

Leia mais

Ensaio de Dureza. Propriedade utilizada na especificação de materiais

Ensaio de Dureza. Propriedade utilizada na especificação de materiais Ensaio de Dureza Propriedade utilizada na especificação de materiais Base de medida para: Resistência mecânica e ao desgaste Resistência ao corte em usinagem Tratamento térmico e tratamento mecânico Conceitos

Leia mais

MATERIAIS EM ENGENHARIA 2º Exame Ano lectivo 2013/2014 31 de Janeiro 11:30 horas

MATERIAIS EM ENGENHARIA 2º Exame Ano lectivo 2013/2014 31 de Janeiro 11:30 horas MATERIAIS EM ENGENHARIA º Exame Ano lectivo 013/014 31 de Janeiro 11:30 horas - Esta folha pode ser entregue juntamente com o exame. Aluno nº: Nome: - O EXAME É SEM CONSULTA. - NÃO É PERMITIDA A UTILIZAÇÃO

Leia mais

Tratamentos Térmicos 032905

Tratamentos Térmicos 032905 Tratamentos Térmicos 032905 Prof. José Eduardo Spinelli Técnico: Rover Belo Instável Transformação Normal + Fe 3 C TÊMPERA Transição REVENIDO Programa Analítico 1) Fornos e atmosferas, medidas e controle

Leia mais

EME405 Resistência dos Materiais I Laboratório Prof. José Célio

EME405 Resistência dos Materiais I Laboratório Prof. José Célio Universidade Federal de Itajubá Instituto de Engenharia Mecânica EME405 Resistência dos Materiais I Laboratório Prof. José Célio Ensaio 01 Impacto Matrícula: 14551 Nome: Cid Henrique Otoni de Carvalho

Leia mais

COMPORTAMENTO DOS MATERIAIS SOB TENSÃO. Prof. Rubens Caram

COMPORTAMENTO DOS MATERIAIS SOB TENSÃO. Prof. Rubens Caram COMPORTAMENTO DOS MATERIAIS SOB TENSÃO Prof. Rubens Caram 1 TENSÃO X DEFORMAÇÃO O EFEITO DE TENSÕES NA ESTRUTURA DE METAIS PODE SER OBSERVADO NA FORMA DE DEFORMAÇÕES: EM ESTRUTURAS DE ENGENHARIA, ONDE

Leia mais

METROLOGIA E ENSAIOS CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

METROLOGIA E ENSAIOS CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO 164 METROLOGIA E ENSAIOS CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO 1. Identificação Código 1.1. Disciplina: Metrologia e Ensaios 0980012 1.2. Unidade: Centro de Engenharias 458 1.3 Responsável*: Engenharia de Produção

Leia mais

Tecnologia a favor da qualidade

Tecnologia a favor da qualidade Tecnologia a favor da qualidade Sediada em Joinville, Santa Catarina, a Metalab atua na área de controle de qualidade industrial, prestando serviços de análise e inspeção de materiais em metais, polímeros,

Leia mais

DURÔMETRO DE BANCADA ROCKWELL CÓDIGO ISH-R150

DURÔMETRO DE BANCADA ROCKWELL CÓDIGO ISH-R150 DURÔMETRO DE BANCADA ROCKWELL CÓDIGO ISH-R150 penetrador Mesa plana Ø60mm uso da mesa Seletor da força de ensaio Mesa plana Ø15Omm Aplicação da força Mesa prismática Escalas de ensaio Rockwell Força de

Leia mais

ME-38 MÉTODOS DE ENSAIO ENSAIO DE COMPRESSÃO DE CORPOS-DE-PROVA CILÍNDRICOS DE CONCRETO

ME-38 MÉTODOS DE ENSAIO ENSAIO DE COMPRESSÃO DE CORPOS-DE-PROVA CILÍNDRICOS DE CONCRETO ME-38 MÉTODOS DE ENSAIO ENSAIO DE COMPRESSÃO DE CORPOS-DE-PROVA CILÍNDRICOS DE CONCRETO DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA 1 ÍNDICE PÁG. 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 3 3. S E NORMAS COMPLEMENTARES...

Leia mais

Com a introdução da automatização, os calibradores no entanto, vão perdendo a sua importância dentro do processo de fabricação.

Com a introdução da automatização, os calibradores no entanto, vão perdendo a sua importância dentro do processo de fabricação. Capítulo 7 CALIBRADORES 7.1 INTRODUÇÃO Calibradores são padrões geométricos corporificados largamente empregadas na indústria metal-mecânica. Na fabricação de peças sujeitas a ajuste, as respectivas dimensões

Leia mais

Caderno Técnico: DUREZA

Caderno Técnico: DUREZA tubo & cia artigo Caderno Técnico: DUREZA ENSAIOS DE DUREZA SÃO DE EXECUÇÃO SIMPLES E RÁPIDA, PORÉM REQUEREM UMA ANÁLISE CRITERIOSA DE SEUS RESULTADOS. ( * ) WILLY ANK DE MORAIS e ( ** ) ANTONIO SERGIO

Leia mais

Ensaios dos Materiais

Ensaios dos Materiais MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA CAMPUS JOINVILLE CURSO DE TÉCNICO EM MECÂNICA CONCOMITANTE

Leia mais

Ensaio de impacto. Os veículos brasileiros têm, em geral, suspensão

Ensaio de impacto. Os veículos brasileiros têm, em geral, suspensão A UU L AL A Ensaio de impacto Os veículos brasileiros têm, em geral, suspensão mais reforçada do que a dos similares europeus. Não é à toa. As condições de nossas estradas e ruas requerem esse reforço,

Leia mais

ENSAIO DE DUREZA. F. Jorge Lino (Prof. Associado da FEUP/DEMEGI) Investigador do INEGI

ENSAIO DE DUREZA. F. Jorge Lino (Prof. Associado da FEUP/DEMEGI) Investigador do INEGI ENSAIO DE DUREZA F. Jorge Lino (Prof. Associado da FEUP/DEMEGI) Investigador do INEGI 1 INTRODUÇÃO A dureza define-se como sendo a resistência que um material oferece a sofrer uma deformação plástica na

Leia mais

AÇOS ESTRUTURAIS. Fabio Domingos Pannoni, M.Sc., Ph.D. 1

AÇOS ESTRUTURAIS. Fabio Domingos Pannoni, M.Sc., Ph.D. 1 ESTRUTURAIS Fabio Domingos Pannoni, M.Sc., Ph.D. 1 INTRODUÇÃO Dentre os materiais encontrados no nosso dia-a-dia, muitos são reconhecidos como sendo metais, embora, em quase sua totalidade, eles sejam,

Leia mais

Os métodos de teste podem ser divididos grosseiramente em dois grupos:

Os métodos de teste podem ser divididos grosseiramente em dois grupos: Informativo Técnico Medição de Dureza soluções portáteis Em períodos de pressão por redução de custos e aumento da qualidade, os equipamentos portáteis de medição de dureza resultam não apenas em uma resposta

Leia mais

PROPOSTA EXPERIMENTAL PARA SEPARAÇÃO MECÂNICA E ANÁLISE GRANULOMÉTRICA DE MATERIAIS PARTICULADOS

PROPOSTA EXPERIMENTAL PARA SEPARAÇÃO MECÂNICA E ANÁLISE GRANULOMÉTRICA DE MATERIAIS PARTICULADOS PROPOSTA EXPERIMENTAL PARA SEPARAÇÃO MECÂNICA E ANÁLISE GRANULOMÉTRICA DE MATERIAIS PARTICULADOS Giovani Renato Zonta 1 Cristian Bernardi 2 Centro Universitário Leonardo da Vinci-UNIASSELVI RESUMO Diversos

Leia mais

Pré-Requisito: MECN0039 MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO MECÂNICA. Co-Requisito: MECN0055 RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS 2

Pré-Requisito: MECN0039 MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO MECÂNICA. Co-Requisito: MECN0055 RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS 2 PROGRAMA Disciplina: ENSAIOS MECÂNICOS Código: MECN0015 Carga Horária Semestral: 60 HORAS Obrigatória: sim Eletiva: Número de Créditos: TEÓRICOS: 04; PRÁTICOS: 00; TOTAL: 04 Pré-Requisito: MECN0039 MATERIAIS

Leia mais

Propriedades Mecânicas. Prof. Hamilton M. Viana

Propriedades Mecânicas. Prof. Hamilton M. Viana Propriedades Mecânicas Prof. Hamilton M. Viana Propriedades Mecânicas Propriedades Mecânicas Definem a resposta do material à aplicação de forças (solicitação mecânica). Força (tensão) Deformação Principais

Leia mais

USO DA INDUÇÃO ELETROMAGNÉTICA NO TRATAMENTO TÉRMICO DE FERRAMENTAS DE PENETRAÇÃO DE SOLOS: AUMENTO DO DESEMPENHO OPERACIONAL E DA DE DURABILIDADE

USO DA INDUÇÃO ELETROMAGNÉTICA NO TRATAMENTO TÉRMICO DE FERRAMENTAS DE PENETRAÇÃO DE SOLOS: AUMENTO DO DESEMPENHO OPERACIONAL E DA DE DURABILIDADE USO DA INDUÇÃO ELETROMAGNÉTICA NO TRATAMENTO TÉRMICO DE FERRAMENTAS DE PENETRAÇÃO DE SOLOS: AUMENTO DO DESEMPENHO OPERACIONAL E DA DE DURABILIDADE Ramos, Daniela Magalhães 1 Ferreira, Carlos Roberto 2

Leia mais

Janeiro / 2009. Catálogo de Produtos

Janeiro / 2009. Catálogo de Produtos Janeiro / 009 Catálogo de Produtos Co ndução Troca térmi ca Instalações elétricas Estruturais Julho 008 Introdução A Apolo é a primeira empresa industrial do Grupo Peixoto de Castro e pioneira na fabricação

Leia mais

PETG DATASHEET. www.vick.com.br

PETG DATASHEET. www.vick.com.br Pág. 1 / 5 Um plástico que pode ser parafusado, estampado à quente, cortado, facilmente termoformado, ou mesmo dobrado a frio sem lascar, esbranquiçar, rachar ou ficar irregular. É um plástico econômico

Leia mais

PROPRIEDADES MECÂNICAS DOS MATERIAIS PROPRIEDADES MECÂNICAS DOS MATERIAIS

PROPRIEDADES MECÂNICAS DOS MATERIAIS PROPRIEDADES MECÂNICAS DOS MATERIAIS PROPRIEDADES MECÂNICAS DOS MATERIAIS Professor: Anael Krelling 1 2 3 ENSAIO DE TRAÇÃO PROPRIEDADES MECÂNICAS DOS MATERIAIS 4 5 σ σ max σ rup σ esc ε 6 Força Área inicial da seção transversal Kgf/mm 2 N/mm

Leia mais

TESTES DE VIDA EM FRESAMENTO COM REDUÇÃO DO NÚMERO DE FERRAMENTAS

TESTES DE VIDA EM FRESAMENTO COM REDUÇÃO DO NÚMERO DE FERRAMENTAS TESTES DE VIDA EM FRESAMENTO COM REDUÇÃO DO NÚMERO DE FERRAMENTAS André Richetti Jovani Panato Márcio Bacci da Silva Álisson Rocha Machado Universidade Federal de Uberlândia, Faculdade de Engenharia Mecânica,

Leia mais

TM229 - Introdução aos Materiais

TM229 - Introdução aos Materiais TM229 - Introdução aos Materiais Propriedades mecânicas 2009.1 Ana Sofia C. M. D Oliveira Propriedades mecânicas Resistência - Tração - Escoamento - Compressão - Flexão - Cisalhamento - Fluência - Tensão

Leia mais

NOVOS PRODUTOS Durómetros Rockwell / Super Rockwell / Brinell Modelo Durotwin Plus

NOVOS PRODUTOS Durómetros Rockwell / Super Rockwell / Brinell Modelo Durotwin Plus NOVOS PRODUTOS Durómetros Rockwell / Super Rockwell / Brinell Modelo Durotwin Plus Informação detalhada na página 407. Medição Härteprüfgeräte da Dureza Durómetros Rockwell / Super Rockwell / Brinell Páginas

Leia mais

Discussão sobre os processos de goivagem e a utilização de suporte de solda

Discussão sobre os processos de goivagem e a utilização de suporte de solda Discussão sobre os processos de goivagem e a utilização de suporte de solda Liz F Castro Neto lfcastroneto@gmail.com Dênis de Almeida Costa denis.costa@fatec.sp.gov.br 1. Resumo Na soldagem de união, a

Leia mais

Tubos mecânicos Vallourec. facilitam o seu trabalho e aumentam o seu retorno. www.vallourec.com/br

Tubos mecânicos Vallourec. facilitam o seu trabalho e aumentam o seu retorno. www.vallourec.com/br Tubos mecânicos Vallourec. facilitam o seu trabalho e aumentam o seu retorno. www.vallourec.com/br Tubos mecânicos: Aço VMec134AP Diferencial nas Condições de Fornecimento do VMec134AP. Análise Química

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO Nº 03 PVC

BOLETIM TÉCNICO Nº 03 PVC A tabela a seguir lista valores típicos de algumas propriedades físicas, mecânicas, térmicas e elétricas de compostos de PVC rígidos e flexíveis. Os valores são simplesmente de caráter informativo e são

Leia mais

Dureza Vickers. Vários pesquisadores tentaram encontrar uma solução para superar essas dificuldades.

Dureza Vickers. Vários pesquisadores tentaram encontrar uma solução para superar essas dificuldades. A UU L AL A Dureza Vickers Na aula anterior, você ficou sabendo que o ensaio de dureza Rockwell representou um avanço em relação ao ensaio Brinell, já que possibilitou avaliar a dureza de vários metais,

Leia mais

1. Difusão. A difusão só ocorre quando houver gradiente de: Concentração; Potencial; Pressão.

1. Difusão. A difusão só ocorre quando houver gradiente de: Concentração; Potencial; Pressão. 1. Difusão Com frequência, materiais de todos os tipos são tratados termicamente para melhorar as suas propriedades. Os fenômenos que ocorrem durante um tratamento térmico envolvem quase sempre difusão

Leia mais

Capítulo 4 ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS EM CONCRETO ARMADO

Capítulo 4 ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS EM CONCRETO ARMADO Capítulo 4 ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS EM CONCRETO ARMADO Ensaios destrutivos que danificam ou comprometem o desempenho estrutural. Inspeção e diagnóstico do desempenho de estruturas existentes de concreto

Leia mais

Concreto - ensaio de compressão de corpos-de-prova cilíndricos RESUMO 0 PREFÁCIO ABSTRACT 1 OBJETIVO SUMÁRIO 2 REFERÊNCIAS

Concreto - ensaio de compressão de corpos-de-prova cilíndricos RESUMO 0 PREFÁCIO ABSTRACT 1 OBJETIVO SUMÁRIO 2 REFERÊNCIAS MT - DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO - IPR DIVISÃO DE CAPACITAÇÃO TECNOLÓGICA Rodovia Presidente Dutra km 163 - Centro Rodoviário, Parada de Lucas

Leia mais

EXPRESSÃO DA INCERTEZA NA MEDIÇÃO DA DUREZA BRINELL

EXPRESSÃO DA INCERTEZA NA MEDIÇÃO DA DUREZA BRINELL EXPRESSÃO A INCERTEZA NA MEIÇÃO A UREZA BRINELL Sueli Fischer Beckert Instituto Superior de Tecnologia IST, Centro de Mecânica de Precisão de Joinville CMPJ sueli@sociesc.com.br Joinville, SC, Brasil Luciana

Leia mais

AULA 34 PROCESSO DE RETIFICAÇÃO: SELEÇÃO E CUIDADOS

AULA 34 PROCESSO DE RETIFICAÇÃO: SELEÇÃO E CUIDADOS AULA 34 PROCESSO DE RETIFICAÇÃO: SELEÇÃO E CUIDADOS 265 34. PROCESSO DE RETIFICAÇÃO: SELEÇÃO E CUIDADOS 34.1. Introdução Para obter uma boa operação de usinagem em retificação, alguns cuidados devem ser

Leia mais

PROJETO DE RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS I:

PROJETO DE RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS I: IFES INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO ANDRÉ VANDER PERINI CARLOS EDUARDO POLATSCHEK KOPPERSCHMIDT WILLIAM SFALSIN MANHÃES PROJETO DE RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS I: CADEIRA DE RODAS SÃO MATEUS ES 2013

Leia mais

Conformação dos Metais Prof.: Marcelo Lucas P. Machado

Conformação dos Metais Prof.: Marcelo Lucas P. Machado Conformação dos Metais Prof.: Marcelo Lucas P. Machado INTRODUÇÃO Extrusão - processo no qual um tarugo de metal é reduzido em sua seção transversal quando forçado a fluir através do orifício de uma matriz,

Leia mais

IMETEX - SISTEMAS DE FIXAÇÃO - Anel de Fixação Série RFN 8006

IMETEX - SISTEMAS DE FIXAÇÃO - Anel de Fixação Série RFN 8006 Para conexões eixo-cubo extremamente tensionadas a união por encolhimento é insuperável. Nenhum outro tipo de fixação pode oferecer qualidades semelhantes, no que diz respeito à resistência à fadiga sob

Leia mais

Estudo Da Potencialidade De Redução Do Teor De Cromo Em Moinhos Do Tipo Rolo Sobre Pista Da Termoelétrica Jorge Lacerda

Estudo Da Potencialidade De Redução Do Teor De Cromo Em Moinhos Do Tipo Rolo Sobre Pista Da Termoelétrica Jorge Lacerda 1 Estudo Da Potencialidade De Redução Do Teor De Cromo Em Moinhos Do Tipo Rolo Sobre Pista Da Termoelétrica Jorge Lacerda P. Ortega, UFSC; P. Bernardini, UFSC e L.A, Torres, TRACTEBEL Resumo- O presente

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA ADAPTAÇÃO DE UM SISTEMA AUTOMATIZADO PARA MEDIÇÃO DE MICRODUREZA Por JOÃO MORENO VILAS BOAS DE SOUZA SILVA DISSERTAÇÃO

Leia mais

Aquisição por Visão Artificial e Medição Automática de Micro Dureza Vickers

Aquisição por Visão Artificial e Medição Automática de Micro Dureza Vickers Aquisição por Visão Artificial e Medição Automática de Micro Dureza Vickers BRUNO FILIPE BRONZE DA SILVA Novembro de 2015 Aquisiçã o por Visã o Artificiãl e Mediçã o Automã ticã de Micro Durezã Vickers

Leia mais

Portaria n.º 45, de 27 de janeiro de 2014.

Portaria n.º 45, de 27 de janeiro de 2014. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 45, de 27 de janeiro de 2014. O PRESIDENTE

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DE TUBOS DE AÇO UTILIZADO EM PERFURATRIZES DE CIRCULAÇÃO REVERSA

CARACTERIZAÇÃO DE TUBOS DE AÇO UTILIZADO EM PERFURATRIZES DE CIRCULAÇÃO REVERSA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITARIO DE MARABÁ FACULDADE DE ENGENHARIA DE MATERIAIS MARCELA DIAS CHAVES CARACTERIZAÇÃO DE TUBOS DE AÇO UTILIZADO EM PERFURATRIZES DE CIRCULAÇÃO REVERSA MARABÁ-PA

Leia mais

ELABORADO POR: Antônio Carlos ICAI APROVADO POR: João Carlos Diretor Comercial

ELABORADO POR: Antônio Carlos ICAI APROVADO POR: João Carlos Diretor Comercial ELABORADO POR: Antônio Carlos ICAI APROVADO POR: João Carlos Diretor Comercial ASME B16.10M Tubos de Aço Carbono Com e Sem Costura METALLIC FÓRMULAS PARA CÁLCULOS DE PESOS POR METRO (BARRAS E TUBOS DE

Leia mais

Roda CP Scotch-Brite Industrial Dados Técnicos Janeiro / 2002

Roda CP Scotch-Brite Industrial Dados Técnicos Janeiro / 2002 3 Roda CP Scotch-Brite Industrial Dados Técnicos Janeiro / 2002 Substitui: Dezembro/2000 Página 1 de 14 Introdução: As Rodas Scotch-Brite C&P (Cutting & Polishing) são um eficiente e econômico produto

Leia mais

Informações Técnicas. Uso Orientativo. Parafusos X Buchas de Nylon. Tabela de Roscas. Conversão de Medidas

Informações Técnicas. Uso Orientativo. Parafusos X Buchas de Nylon. Tabela de Roscas. Conversão de Medidas Parafusos X Buchas de ylon Buchas º Bitolas aplicáveis Auto-atarraxante Madeira Sextavado soberba Parafusos mais utilizados 4 2,2 2,2 a 2,8 2,8 x 25-2,8 x 30 5 2,9 a 3,5 2,2 a 3,8 2,8 x 30-3,2 x 40-3,5

Leia mais

Propriedades Mecânicas dos Aços DEMEC TM175 Prof Adriano Scheid

Propriedades Mecânicas dos Aços DEMEC TM175 Prof Adriano Scheid Propriedades Mecânicas dos Aços DEMEC TM175 Prof Adriano Scheid Tensão Propriedades Mecânicas: Tensão e Deformação Deformação Elástica Comportamento tensão-deformação O grau com o qual a estrutura cristalina

Leia mais

Portaria n.º 116, de 14 de março de 2014. CONSULTA PÚBLICA

Portaria n.º 116, de 14 de março de 2014. CONSULTA PÚBLICA Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 116, de 14 de março de 2014. CONSULTA

Leia mais

Comparação entre Tratamentos Térmicos e Método Vibracional em Alívio de Tensões após Soldagem

Comparação entre Tratamentos Térmicos e Método Vibracional em Alívio de Tensões após Soldagem Universidade Presbiteriana Mackenzie Comparação entre Tratamentos Térmicos e Método Vibracional em Alívio de Tensões após Soldagem Danila Pedrogan Mendonça Orientador: Profº Giovanni S. Crisi Objetivo

Leia mais

Rodas Laminadas EXL e Discos Roloc EXL Scotch-Brite Industrial

Rodas Laminadas EXL e Discos Roloc EXL Scotch-Brite Industrial 3 Rodas Laminadas EXL e Discos Roloc EXL Scotch-Brite Industrial Dados Técnicos Fevereiro/2004 Substitui: Janeiro/2002 Página 1 de 8 Introdução: As Rodas Laminadas EXL e EXL Roloc Scotch-Brite para rebarbação

Leia mais

Materiais / Materiais I. Guia para Trabalho Laboratorial

Materiais / Materiais I. Guia para Trabalho Laboratorial Materiais / Materiais I Guia para Trabalho Laboratorial ENSAIO DE DUREZA 1. Introdução A dureza de um material é uma propriedade mecânica que mede a resistência à deformação plástica (permanente). A dureza

Leia mais

Lubrificantes TECNOLOGIAS DE LUBRIFICAÇÃO PRODUTOS E PROGRAMAS. Correntes de Galle

Lubrificantes TECNOLOGIAS DE LUBRIFICAÇÃO PRODUTOS E PROGRAMAS. Correntes de Galle Lubrificantes TECNOLOGIAS DE LUBRIFICAÇÃO PRODUTOS E PROGRAMAS Correntes de Galle Objectivo Aumentar a vida útil das correntes de Galle O estiramento das correntes é resultante do desgaste do pino e da

Leia mais

01/31/2012. Daniel Silva Rodrigues Denis de Mello Luciano de Rezende Silva Wilson Henrique Moraes Freire

01/31/2012. Daniel Silva Rodrigues Denis de Mello Luciano de Rezende Silva Wilson Henrique Moraes Freire Daniel Silva Rodrigues Denis de Mello Luciano de Rezende Silva Wilson Henrique Moraes Freire O Brasil tende a se tornar o maior explorador de petróleo e gás no mercado. Descobertas recentes de novas reservas

Leia mais

Business Unit Road Voith Turbo Componentes de ferro fundido Especificações técnicas de fornecimento

Business Unit Road Voith Turbo Componentes de ferro fundido Especificações técnicas de fornecimento Norma Business Unit Road Voith Turbo Componentes de ferro fundido Especificações técnicas de fornecimento Confidencial, todos os direitos reservados. Proteção de dados conforme ISO 16016. Outubro 2014

Leia mais

Tratamento de Superfície de Pisos de Concreto. Públio Penna Firme Rodrigues

Tratamento de Superfície de Pisos de Concreto. Públio Penna Firme Rodrigues Tratamento de Superfície de Pisos de Concreto Públio Penna Firme Rodrigues Públio Penna Firme Rodrigues Graduado em Engenharia Civil pela Escola de Engenharia Mauá, Mestre em Engenharia pela EPUSP (Escola

Leia mais

CAPÍTULO 10 PROPRIEDADES MECÂNICAS DE MATERIAIS

CAPÍTULO 10 PROPRIEDADES MECÂNICAS DE MATERIAIS 231 CAPÍTULO 10 PROPRIEDADES MECÂNICAS DE MATERIAIS Sumário Objetivos deste capítulo...232 10.1 Introdução...232 10.2 Conceitos de tensão e deformação...233 10.3 Discordâncias e sistemas de escorregamento...233

Leia mais

1. Introdução. Ligações Aparafusadas Parte I

1. Introdução. Ligações Aparafusadas Parte I Ligações Aparafusadas Parte I Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil PGECIV - Mestrado Acadêmico Faculdade de Engenharia FEN/UERJ Disciplina: Ligações em Estruturas de Aço e Mistas Professor: Luciano

Leia mais

Licença de uso exclusiva para Petrobrás S.A. Licença de uso exclusiva para Petrobrás S.A.

Licença de uso exclusiva para Petrobrás S.A. Licença de uso exclusiva para Petrobrás S.A. ABNT-Associação Brasileira de Normas Técnicas Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13-28º andar CEP 20003-900 - Caixa Postal 1680 Rio de Janeiro - RJ Tel.: PABX (021) 210-3122 Fax: (021) 240-8249/532-2143

Leia mais

Verificadores. O supervisor treinou o pessoal para medição. Um problema. Régua de controle

Verificadores. O supervisor treinou o pessoal para medição. Um problema. Régua de controle A U A UL LA Verificadores Um problema O supervisor treinou o pessoal para medição indireta com calibradores. Falta treiná-lo no uso de verificadores. Os verificadores também são usados para medição indireta.

Leia mais

ESTUDO DOS FATORES INFLUENTES NAS MÚLTIPLAS RESPOSTAS MECÂNICAS EM ARAMES SAE 9254.

ESTUDO DOS FATORES INFLUENTES NAS MÚLTIPLAS RESPOSTAS MECÂNICAS EM ARAMES SAE 9254. ESTUDO DOS FATORES INFLUENTES NAS MÚLTIPLAS RESPOSTAS MECÂNICAS EM ARAMES SAE 9254. cristie diego pimenta (feg unesp ) pimentadiego@yahoo.com.br Messias Borges Silva (feg unesp ) messias@dequi.eel.usp.br

Leia mais

endurecíveis por precipitação.

endurecíveis por precipitação. Introdução Tipos de Aços Inoxidáveis Aço inoxidável é o nome dado à família de aços resistentes à corrosão e ao calor contendo no mínimo 10,5% de cromo. Enquanto há uma variedade de aços carbono estrutural

Leia mais

ENSAIO TECNOLÓGICOS DE MATERIAIS

ENSAIO TECNOLÓGICOS DE MATERIAIS Prof. Engº Marcos A. Gasparin dos Santos Email: m.gasparin@globo.com Departamento de Mecânica/Mecatrônica Centro Estadual de Educação Tecnológica Paula Souza ETEC JORGE STREET 1 ÍTENS BASE TECNOLÓGICAS

Leia mais

ENSAIO DE MATERIAIS. Profº Diógenes Bitencourt

ENSAIO DE MATERIAIS. Profº Diógenes Bitencourt ENSAIO DE MATERIAIS Profº Diógenes Bitencourt BASES TECNOLÓGICAS Diagrama Tensão-Deformação; Ensaio de Tração; Ensaio de Compressão; Ensaio de Cisalhamento; Ensaio de dureza Brinell; Ensaio de dureza Rockwell;

Leia mais

Ensaios Mecânicos de Materiais. Aula 12 Ensaio de Impacto. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues

Ensaios Mecânicos de Materiais. Aula 12 Ensaio de Impacto. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues Ensaios Mecânicos de Materiais Aula 12 Ensaio de Impacto Tópicos Abordados Nesta Aula Ensaio de Impacto. Propriedades Avaliadas do Ensaio. Tipos de Corpos de Prova. Definições O ensaio de impacto se caracteriza

Leia mais

Manual de Instalação e Operação

Manual de Instalação e Operação Manual de Instalação e Operação Suporte para amostras de pequeno porte e engastadas modelo SB-AP ATCP Engenharia Física Rua Lêda Vassimon, n 735-A - Ribeirão Preto - SP / Brasil CEP 14026-567 Telefone:

Leia mais

Disciplina : Desenho Técnico Professora: Mariza Andrade. Mariza Andrade

Disciplina : Desenho Técnico Professora: Mariza Andrade. Mariza Andrade Disciplina : Desenho Técnico Professora: Mariza Andrade Nossas Aulas Ementa 1ª Parte: - Introdução ao Desenho Técnico; - Padronização do Desenho ; - Normas ABNT; - Instrumentos de Desenho e sua utilização;

Leia mais

Serviços. Assistência técnica: Maior facilidade e agilidade das informações:

Serviços. Assistência técnica: Maior facilidade e agilidade das informações: Aços para Fixadores Laboratório para ensaios mecânicos Serviços Assistência técnica: Dispomos de engenheiros de aplicação exclusivos para assistir o mercado na assistência técnica tanto corretiva como

Leia mais

O FORNO A VÁCUO TIPOS E TENDÊNCIA 1

O FORNO A VÁCUO TIPOS E TENDÊNCIA 1 O FORNO A VÁCUO TIPOS E TENDÊNCIA 1 João Carmo Vendramim 2 Marco Antonio Manz 3 Thomas Heiliger 4 RESUMO O tratamento térmico de ligas ferrosas de média e alta liga já utiliza há muitos anos a tecnologia

Leia mais

Variação de velocidade

Variação de velocidade Variação de velocidade Variação de velocidade A indústria é responsável pelo consumo de cerca de 50% da electricidade produzida a nível mundial, sendo que cerca de 2/3 é consumida por motores eléctricos.

Leia mais

Portaria n.º 17, de 11 de janeiro de 2013.

Portaria n.º 17, de 11 de janeiro de 2013. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA - INMETRO Portaria n.º 17, de 11 de janeiro de 2013. O PRESIDENTE

Leia mais

140 Nm 140 Nm 25. Linha Neutra

140 Nm 140 Nm 25. Linha Neutra Engenharia ecânica LISTA 2 1)Uma barra de aço tem seção retangular de x60 mm e fica submetida à ação de dois conjugados iguais e de sentido contrário que agem em um plano vertical de simetria da barra,

Leia mais

EXPERIÊNCIA Nº 4 ESTUDO DE UM TROCADOR DE CALOR DE FLUXO CRUZADO

EXPERIÊNCIA Nº 4 ESTUDO DE UM TROCADOR DE CALOR DE FLUXO CRUZADO EXPERIÊNCIA Nº 4 ESTUDO DE UM TROCADOR DE CALOR DE FLUXO CRUZADO 1. CONCEITOS ENVOLVIDOS Convecção de calor em escoamento externo; Transferência de calor em escoamento cruzado; Camada limite térmica; Escoamento

Leia mais

Soldagem de manutenção II

Soldagem de manutenção II A UU L AL A Soldagem de manutenção II A recuperação de falhas por soldagem inclui o conhecimento dos materiais a serem recuperados e o conhecimento dos materiais e equipamentos de soldagem, bem como o

Leia mais

Usinagem com Altíssima Velocidade de Corte

Usinagem com Altíssima Velocidade de Corte Capítulo 2 Revisão da Literatura Usinagem com Altíssima Velocidade de Corte 2.1. Aspecto Histórico A primeira sugestão de um trabalho com HSM foi feita por Salomon, em 1931, que propôs que existiria uma

Leia mais

Uso de software CAD 3D no desenvolvimento de ferramenta de dobra

Uso de software CAD 3D no desenvolvimento de ferramenta de dobra 52 Corte & Conformação de Metais Março 2013 Uso de software CAD 3D no desenvolvimento de ferramenta de dobra Desenvolver ferramentas de dobra não é uma tarefa fácil, principalmente quando a peça final

Leia mais

Fitas Sandvik para fornos Assando com alta qualidade

Fitas Sandvik para fornos Assando com alta qualidade Fitas Sandvik para fornos Assando com alta qualidade Fitas Sandvik o ingrediente principal para sistemas de fornos de assar boas razões A Sandvik tem uma reputação bem estabelecida e consagrada como fornecedor

Leia mais

LIMAGEM. Introdução Noções de limagem Tipos de Lima

LIMAGEM. Introdução Noções de limagem Tipos de Lima LIMAGEM Introdução Noções de limagem Tipos de Lima Temas a abordar Limagem manual; Classificação de limas; Métodos e regras de trabalho; Materiais industriais; Outros tipos de limagem; Exercícios simples

Leia mais

Facear Concreto Estrutural I

Facear Concreto Estrutural I 1. ASSUNTOS DA AULA a) Concreto: Definição e requisitos de norma b) Concreto: Massa específica, resistência a compressão, resistência a tração e módulo de elasticidade c) Coeficiente de Poisson d) Diagrama

Leia mais

UNIÕES DE ACOPLAMENTO

UNIÕES DE ACOPLAMENTO UNIÕES DE ACOPLAMENTO Cat 012 - Out 2015 1 / 11 "GIFLEX" GE-T A aplicação industrial de acoplamentos elásticos tem por objectivo absorver ou atenuar eventuais irregularidades de rotação originadas pelo

Leia mais

MPX - Meio Pesado Axial

MPX - Meio Pesado Axial NM - NYLON MACIÇO Capacidade até 0kg NM - Nylon Maciço Usinado. Dureza: 70 Shore D. ( 40ºc a +110ºC) Produzidas a partir de tarugos de nylon 6.0. São leves, possuem ótima resistência mecânica, rodam com

Leia mais