Ensaio de Dureza Brinell Portátil Duração: 60 minutos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ensaio de Dureza Brinell Portátil Duração: 60 minutos"

Transcrição

1 Ensaio de Dureza Brinell Portátil Duração: 60 minutos Introdução Na prova prática de ensaio de dureza brinell portátil, o aluno deverá determinar o valor da dureza de uma chapa em, no mínimo, dois pontos ensaiados. O ensaio se dá após a execução de um impacto com um martelo de 1.000g sobre um dispositivo portátil, denominado durômetro, posicionado perpendicularmente à superfície de uma chapa. Este impacto deverá ser realizado após a preparação da superfície, dentro de uma área demarcada. Ao durômetro, será encaixada uma barra-padrão (aço) com dureza conhecida. Esta barra que também receberá o impacto servirá de padrão de comparação entre as impressões causadas nesta e na chapa testada. O impacto deverá ser feito em no mínimo dois e em no máximo três pontos. Após a execução das impressões, devem-se medir os diâmetros destas, tanto na chapa quanto na barra, com uso de uma lupa graduada. Após as medições, o valor da dureza nos pontos ensaiados poderá ser encontrado através de fórmula específica ou tabelas. Serão utilizados durômetros do tipo Poldi ou Brinellito. A seguir, as etapas do ensaio serão descritas de forma detalhada: Página 1

2 1ª Parte - Preparação da superfície Dentro da área demarcada, deve-se trabalhar a superfície da chapa com lixas de ferro (lixadela manual) de modo a se obter uma característica brilhante. A área preparada deverá ser o suficiente para a realização de possíveis três impressões. Ver figura 1. Figura 1: Preparação da superfície para realização do ensaio. ª Parte - Execução das impressões Com a barra-padrão encaixada ao durômetro, posiciona-se firmemente o mesmo sobre a área preparada, e aplica-se, com um martelo, uma força sobre o dispositivo de impacto a fim de executar a impressão. Devem ser realizadas duas impressões na área preparada, que devem ser numeradas. Caso alguma delas não esteja satisfatória, é necessária a realização de uma terceira e última impressão. Ver figuras e 3. Página

3 Nota Preparação para as Aulas Práticas A7 Ensaio de Dureza Brinell Portátil Quando se faz uma terceira impressão, esta, obrigatoriamente, deverá ser considerada para cálculo final de dureza. Deverá haver no mínimo duas impressões aprovadas. Figura : 1ª e ª Impressões realizadas na superfície preparada. Figura 3: 1ª e ª impressões realizadas na barra padrão. Página 3

4 3ª Parte - Medição das impressões Com o auxílio de uma lupa graduada, com escala de 0,1mm de sensibilidade (precisão), mede-se o diâmetro de cada impressão na barrapadrão e na chapa a ser testada, em direções aproximadamente perpendiculares, conforme a figura 4: Figura 4: Medição de uma impressão em direções perpendiculares. Para se verificar se a impressão está satisfatória, procede-se conforme mostrado abaixo: Calcula-se a diferença entre os diâmetros de uma mesma impressão. Se a diferença entre os diâmetros (d1-d) for maior que 0,mm, a impressão é considerada ovalizada (não-satisfatória). Após a verificação dos diâmetros de cada impressão realizada, calcula-se o diâmetro médio em cada uma delas (barra- padrão e chapa). Página 4

5 A fórmula para se calcular o diâmetro médio (Dm) é a seguinte: Dm = + d1 d Nota O valor encontrado no Diâmetro médio não deverá exceder 4,0mm. 4ª Parte - Determinação do valor de dureza Após calcular-se o diâmetro médio de cada impressão, determina-se o valor da dureza em cada ponto ensaiado (HB). Este valor poderá ser determinado através da tabela ou de cálculo, conforme fórmula abaixo: d1 + d HB peça = Dm = HB barra Em caso de escolha da tabela, é necessário que se verifique a qual tipo de durômetro e qual o material referido na tabela. Os valores de diâmetros encontrados deverão constar no Relatório de Ensaio de Dureza Brinell Portátil contido no Anexo A, utilizando-se fórmula ou tabela para se encontrar a dureza da peça. Página 5

6 5ª Parte - Preenchimento do Relatório O Relatório de Ensaio de Dureza Brinell Portátil deverá ser preenchido observando-se a ordem e organização dos valores encontrados, separandoos por impressão realizada. Segue abaixo o modelo de preenchimento do relatório: Página 6

7 Nota O valor de dureza da barra-padrão já é conhecido e virá indicado na mesma ou será informado. Neste exemplo trabalharemos com dureza da barra de 17 HB. Página 7

8 ANEXO A RELATÓRIO DE ENSAIO DE DUREZA BRINELL PORTÁTIL NOME: N.º REG. DATA: / / IMPACTO 1 CÁLCULOS IMPACTO 3 barra d1=,0mm d=,0mm Dm=,0+,0 =,0mm peça d1=,4mm d=,5mm Dm=,4+,5 =,45mm,0 HB peça = x 17 = 144,61,45 barra d1=,0mm d=,0mm Dm=,0+,0 =,0mm peça d1=,3mm d=,5mm Dm=,3+,5 =,4mm HB peça,0 = x 17 = 150,69,4 DUREZA ENCONTRADA: 144,61 HB (ponto1) DUREZA ENCONTRADA: 150,69 HB (ponto 3) OBS.: Não calcular a média entre durezas encontradas Página 8

9 Uso das tabelas Trabalhando-se ainda com os valores encontrados no exemplo acima, verificam-se abaixo os métodos para utilização das tabelas relativas aos durômetros portáteis dos tipos POLDI e BRINELLITO. Técnica do Impacto Poldi 1 Tomam-se em princípio os valores dos diâmetros médios encontrados nas impressões da barra-padrão e da peça, num mesmo ponto, conforme orientação da tabela. Faz-se o encontro dos valores como em um jogo de batalha naval e verifica-se o valor em comum. 3 Multiplica-se o valor em comum encontrado pelo *Fator de correção da barra-padrão e tem-se assim a Dureza Brinell corrigida do material testado. *este valor vem indicado na barra-padrão junto ao seu valor de dureza. Técnica do Microtest Brinellito 1 Toma-se em princípio o valor de Dureza da barra-padrão informada, verificando-a na primeira coluna à esquerda da tabela. Desloca-se então a partir do valor encontrado da esquerda para a direita, na mesma linha, até que se encontre o valor do diâmetro médio da impressão no ponto verificado da barra-padrão. Página 9

10 3 Em seguida, na mesma coluna do último valor encontrado, localiza-se o valor do diâmetro médio da impressão no ponto verificado da peça. 4 Por fim, desloca-se a partir do último valor encontrado, da esquerda para a direita, na mesma linha, até a última coluna da tabela. Tem-se assim, o valor da dureza no ponto ensaiado. Nota Nunca se devem comparar os valores encontrados por um método com o outro, pois sempre haverá diferença, uma vez que este tipo de ensaio nos fornece valores aproximados de dureza em dois pontos ensaiados no material. Os exemplos seguem abaixo: Página 10

11 Página 1 Preparação para as Aulas Práticas A7 Ensaio de Dureza Brinell Portátil

12 Página Preparação para as Aulas Práticas A7 Ensaio de Dureza Brinell Portátil

13 Você estudou neste texto que no ensaio de dureza brinell portátil deve-se realizar um impacto sobre um durômetro para determinar o valor da dureza de uma chapa nos pontos ensaiados. Aprendeu também que o impacto exercido deve ser feito em no mínimo dois e em no máximo três pontos, para que assim se possa medir o diâmetro destas. Teste agora o seu nível de compreensão do texto respondendo às questões de revisão. Caso seja necessário releia o texto e/ou recorra aos tutores para resolver suas dúvidas. Questões de Revisão 1 Descreva o processo do ensaio de dureza brinell portátil. Explique o que são as Técnicas do Impacto Poldi e do Microtest Brinellito. Página 1

ENSAIOS MECÂNICOS Permitem perceber como os materiais se comportam quando lhes são aplicados esforços

ENSAIOS MECÂNICOS Permitem perceber como os materiais se comportam quando lhes são aplicados esforços ENSAIOS MECÂNICOS Permitem perceber como os materiais se comportam quando lhes são aplicados esforços Tipos Ensaios Destrutivos provocam a inutilização do material ensaiado Ensaios Não Destrutivos Ensaio

Leia mais

DUREZA DE CORPOS SINTERIZADOS Por Domingos T. A. Figueira Filho

DUREZA DE CORPOS SINTERIZADOS Por Domingos T. A. Figueira Filho DUREZA DE CORPOS SINTERIZADOS Por Domingos T. A. Figueira Filho 1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS. Como os corpos sinterizados são compostos de regiões sólidas e poros, os valores de macrodureza determinados pelos

Leia mais

Os procedimentos para determinar a resistência do condutor são:

Os procedimentos para determinar a resistência do condutor são: 1 Data realização da Laboratório: / / Data da entrega do Relatório: / / Objetivos RELATÓRIO: N o 5 ENSAIO DE FIOS CONDUTORES Verificar o estado da isolação do condutor. 1. Introdução: Esta aula tem como

Leia mais

Indicação de Ensaios Não-Destrutivos

Indicação de Ensaios Não-Destrutivos Indicação de Ensaios Não-Destrutivos Este texto apresenta regras para indicação de ensaios não destrutivos (END) e exemplos de indicações de alguns ensaios. Regras para especificação de ensaios não destrutivos

Leia mais

Ensaios Mecânicos de Materiais. Aula 3 Ensaio de Dureza. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues

Ensaios Mecânicos de Materiais. Aula 3 Ensaio de Dureza. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues Ensaios Mecânicos de Materiais Aula 3 Ensaio de Dureza Tópicos Abordados Nesta Aula Ensaio de Dureza. Dureza Brinell. Dureza Rockwell. Dureza Vickers. Definições de Dureza Dureza - propriedade mecânica

Leia mais

Aula 7 - Ensaios de Materiais

Aula 7 - Ensaios de Materiais Aula 7 - Ensaios de Materiais Tecnologia dos Materiais II Prof. Lincoln B. L. G. Pinheiro 23 de setembro de 2010 1 Ensaios de Dureza A dureza é uma propriedade mecânica que mede a resistência do material

Leia mais

Inspeção Visual e Dimensional de Eletrodos e Estufas Duração: 60 minutos

Inspeção Visual e Dimensional de Eletrodos e Estufas Duração: 60 minutos Inspeção Visual e Dimensional de Eletrodos e Estufas Duração: 60 minutos Este texto é dividido em duas partes: a primeira descreve os procedimentos para a realização da Inspeção visual e dimensional de

Leia mais

Dureza de materiais metálicos

Dureza de materiais metálicos Dureza de materiais metálicos Podemos considerar a dureza de um material de engenharia como sendo a propriedade mecânica de resistir à penetração ou riscamento na sua superfície. No caso dos materiais

Leia mais

RELÓGIO COMPARADOR RESUMO

RELÓGIO COMPARADOR RESUMO RELÓGIO COMPARADOR Leonardo Vidal 1 - Orientador Gustavo Bueno 2-21170078 Lincoln Ferreira 3-20870070 Samira Ponce 4-21170078 RESUMO Este artigo tem como objetivo apresentar o instrumento de medição chamado

Leia mais

EXPRESSÃO DA INCERTEZA NA MEDIÇÃO DA DUREZA BRINELL

EXPRESSÃO DA INCERTEZA NA MEDIÇÃO DA DUREZA BRINELL EXPRESSÃO A INCERTEZA NA MEIÇÃO A UREZA BRINELL Sueli Fischer Beckert Instituto Superior de Tecnologia IST, Centro de Mecânica de Precisão de Joinville CMPJ sueli@sociesc.com.br Joinville, SC, Brasil Luciana

Leia mais

Tel.: 55 (11) 2814-0790 Fax 55 (11) 4647-6782 E-mail: triak@triak.com.br CNPJ: 08.747.866/0001-72 Inc. Estadual: 147.257.444.110 www.triak.com.

Tel.: 55 (11) 2814-0790 Fax 55 (11) 4647-6782 E-mail: triak@triak.com.br CNPJ: 08.747.866/0001-72 Inc. Estadual: 147.257.444.110 www.triak.com. Promoção Válida /janeiro 2011 /fevereiro 2011 das normas internacionais, Garantia de 1 ano Assistência Técnica Própria Tel.: 55 (11) 2814-0790 Fax 55 (11) 4647-6782 E-mail: triak@triak.com.br CNPJ: 08.747.866/0001-72

Leia mais

Dimensão da peça = Dimensão do padrão ± diferença

Dimensão da peça = Dimensão do padrão ± diferença Relógio comparador Um problema Como vocês podem perceber, o programa de qualidade da empresa envolve todo o pessoal. Na busca constante de melhoria, são necessários instrumentos de controle mais sofisticados

Leia mais

UERJ CRR FAT Disciplina ENSAIOS DE MATERIAIS A. Marinho Jr

UERJ CRR FAT Disciplina ENSAIOS DE MATERIAIS A. Marinho Jr Tópico 05 ENSAIOS MECÂNICOS - DUREZA Parte A - Dureza Brinell Introdução A dureza de um material é uma propriedade difícil de definir, que tem diversos significados dependendo da experiência da pessoa

Leia mais

Relógio comparador. Como vocês podem perceber, o programa de. Um problema. O relógio comparador

Relógio comparador. Como vocês podem perceber, o programa de. Um problema. O relógio comparador A U A UL LA Relógio comparador Um problema Como vocês podem perceber, o programa de qualidade da empresa envolve todo o pessoal. Na busca constante de melhoria, são necessários instrumentos de controle

Leia mais

Eliton Suldário da Silva Sousa Helton da Paixão Silva Joaquim Eliano Dutra Bezerra. Ensaios de dureza e microdureza do vergalhão GG50

Eliton Suldário da Silva Sousa Helton da Paixão Silva Joaquim Eliano Dutra Bezerra. Ensaios de dureza e microdureza do vergalhão GG50 Eliton Suldário da Silva Sousa Helton da Paixão Silva Joaquim Eliano Dutra Bezerra Ensaios de dureza e microdureza do vergalhão GG50 Teresina PI, Brasil 29 de Abril de 2015 Eliton Suldário da Silva Sousa

Leia mais

Material para Produção Industrial Ensaio de Dureza

Material para Produção Industrial Ensaio de Dureza Material para Produção Industrial Ensaio de Dureza Prof.: Sidney Melo 8 Período 1 O que é Dureza Dureza é a propriedade de um material que permite a ele resistir à deformação plástica, usualmente por penetração.

Leia mais

Algarismos Significativos

Algarismos Significativos Algarismos Significativos Neste texto você conhecerá melhor os algarismos significativos, bem como as Regras gerais para realização de operações com algarismos significativos e as regras para Conversão

Leia mais

Norma Técnica Interna SABESP NTS 051

Norma Técnica Interna SABESP NTS 051 Norma Técnica Interna SABESP NTS 051 Tubos de Polietileno - Determinação das Dimensões Método de Ensaio São Paulo Fevereiro - 1999 NTS 051 : 1999 Norma Técnica Interna SABESP S U M Á R I O 1 OBJETIVO...1

Leia mais

DURÔMETRO DE BANCADA ROCKWELL CÓDIGO ISH-R150

DURÔMETRO DE BANCADA ROCKWELL CÓDIGO ISH-R150 DURÔMETRO DE BANCADA ROCKWELL CÓDIGO ISH-R150 penetrador Mesa plana Ø60mm uso da mesa Seletor da força de ensaio Mesa plana Ø15Omm Aplicação da força Mesa prismática Escalas de ensaio Rockwell Força de

Leia mais

Qualificação de Procedimentos

Qualificação de Procedimentos Qualificação de Procedimentos Os equipamentos em geral são fabricados por meio de uniões de partes metálicas entre si empregando-se soldas. Há, portanto a necessidade de se garantir, nestas uniões soldadas,

Leia mais

RELÓGIOS COMPARADORES

RELÓGIOS COMPARADORES RELÓGIOS COMPARADORES Os Relógios comparadores, também chamados de Comparador de quadrante ou Amplificador, são instrumentos largamente utilizados com a finalidade de se fazer medidas lineares por meio

Leia mais

Processos de Fabrico. Ensaios de Dureza. A. M. Vasconcelos Lima

Processos de Fabrico. Ensaios de Dureza. A. M. Vasconcelos Lima Processos de Fabrico 1 É um dos ensaios mais comuns para avaliar e controlar as propriedades mecânicas dos materiais e dos processos tecnológicos. As aplicações destes ensaios incluem: Determinação da

Leia mais

Materiais em Engenharia. Aula Teórica 6. Ensaios mecânicos (continuação dos ensaios de tracção, ensaios de compressão e de dureza)

Materiais em Engenharia. Aula Teórica 6. Ensaios mecânicos (continuação dos ensaios de tracção, ensaios de compressão e de dureza) Aula Teórica 6 Ensaios mecânicos (continuação dos ensaios de tracção, ensaios de compressão e de dureza) 1 ENSAIO DE TRACÇÃO A partir dos valores da força (F) e do alongamento ( I) do provete obtêm-se

Leia mais

Apresentação Institucional MIPS Sistemas Ltda.

Apresentação Institucional MIPS Sistemas Ltda. Apresentação Institucional MIPS Sistemas Ltda. Rua Ricardo Landmann, 385 Joinville SC - Brasil Quem somos? A MIPS Sistemas Ltda. Iniciou suas atividades no dia 01/03/2014, porém já atua no mercado a 9

Leia mais

REVISÃO E CONTROLE DO FUNCIONAMENTO DOS FORNOS DE CURA TÊXTIL

REVISÃO E CONTROLE DO FUNCIONAMENTO DOS FORNOS DE CURA TÊXTIL REVISÃO E CONTROLE DO FUNCIONAMENTO DOS FORNOS DE CURA TÊXTIL As tintas de plastisol curam somente a uma temperatura e tempo determinados; falando em termos analíticos, podemos então dizer que a cura do

Leia mais

Removendo o cavaco. Na aula passada, tratamos das noções gerais. Nossa aula. Como calcular a rpm, o avanço e a profundidade de corte em fresagem

Removendo o cavaco. Na aula passada, tratamos das noções gerais. Nossa aula. Como calcular a rpm, o avanço e a profundidade de corte em fresagem A U A UL LA Removendo o cavaco Na aula passada, tratamos das noções gerais sobre a operação de usinagem feita com máquinas fresadoras. Vimos, de modo geral, como se dá a fresagem e aprendemos um pouco

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 549, DE 19 DE AGOSTO DE 2015.

RESOLUÇÃO Nº 549, DE 19 DE AGOSTO DE 2015. RESOLUÇÃO Nº 549, DE 19 DE AGOSTO DE 2015. Dispõe sobre os requisitos técnicos dos espelhos retrovisores destinados para motocicletas, motonetas, ciclomotores, triciclos e quadriciclos. O CONSELHO NACIONAL

Leia mais

Medidas de Grandezas Fundamentais - Teoria do Erro

Medidas de Grandezas Fundamentais - Teoria do Erro UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL Medidas de Grandezas Fundamentais - Teoria do Erro Objetivo As práticas que serão trabalhadas nesta aula têm os objetivos de

Leia mais

PROPRIEDADES MECÂNICAS DOS METAIS

PROPRIEDADES MECÂNICAS DOS METAIS UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA PROPRIEDADES MECÂNICAS DOS METAIS CMA CIÊNCIA DOS MATERIAIS 2º Semestre de 2014 Prof. Júlio

Leia mais

Mandrilamento. determinado pela operação a ser realizada. A figura a seguir mostra um exemplo de barra de mandrilar, também chamada de mandril.

Mandrilamento. determinado pela operação a ser realizada. A figura a seguir mostra um exemplo de barra de mandrilar, também chamada de mandril. A UU L AL A Mandrilamento Nesta aula, você vai tomar contato com o processo de mandrilamento. Conhecerá os tipos de mandrilamento, as ferramentas de mandrilar e as características e funções das mandriladoras.

Leia mais

Os métodos de teste podem ser divididos grosseiramente em dois grupos:

Os métodos de teste podem ser divididos grosseiramente em dois grupos: Informativo Técnico Medição de Dureza soluções portáteis Em períodos de pressão por redução de custos e aumento da qualidade, os equipamentos portáteis de medição de dureza resultam não apenas em uma resposta

Leia mais

MODELOS POLIAS DE FERRO EM V

MODELOS POLIAS DE FERRO EM V MODELOS POLIAS DE FERRO EM V Tabela 1 Dimensões dos canais das polias NORMAS E PADRÕES UTILIZADOS: Perfil dos Canais Os perfis das polias atendem as seguintes normas: ISO 4183: Perfis Z, A, B, C, D, SPZ,

Leia mais

Estruturas Metálicas. Módulo II. Coberturas

Estruturas Metálicas. Módulo II. Coberturas Estruturas Metálicas Módulo II Coberturas 1 COBERTURAS Uma das grandes aplicações das estruturas metálicas se dá no campo das coberturas de grande vão, especialmente as de caráter industrial. Também devido

Leia mais

27 Tolerância geométrica

27 Tolerância geométrica A U A UL LA Tolerância geométrica de posição Um problema Como se determina a tolerância de posição de peças conjugadas para que a montagem possa ser feita sem a necessidade de ajustes? Essa questão é abordada

Leia mais

Plano de Aula Estruturada

Plano de Aula Estruturada Plano de Aula Estruturada Curso: Engenharia Mecânica Disciplina: Ensaios e Conformação Mecânica Semestre: 8º semestre Corpo Docente: Hélder Alves de Almeida Júnior Coordenador(a): Edmar Aderson Mendes

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior- MDIC

Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior- MDIC Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior- MDIC Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial - INMETRO Portaria nº 145, de 30 de dezembro de 1999 O PRESIDENTE

Leia mais

RUGOSÍMETRO DE SUPERFÍCIE ITRPSD-100

RUGOSÍMETRO DE SUPERFÍCIE ITRPSD-100 RUGOSÍMETRO DE SUPERFÍCIE ITRPSD-100 1. Introdução Geral O rugosímetro de superfície TIME TR100/TR101 é uma nova geração de produto desenvolvido por TIME Group Inc. Tem como características uma maior

Leia mais

Instrumentos portáteis e não destrutivos para ensaio em bobinas

Instrumentos portáteis e não destrutivos para ensaio em bobinas Instrumentos portáteis e não destrutivos para ensaio em bobinas Made in Switzerland Ensaios de dureza de bobinas de papel, película e de filme metalizado Método de ensaio Aplicações Display e interface

Leia mais

PROPOSTA DE ESCOPO PARA CALIBRAÇÃO ANEXO A. Norma de Origem: NIT-DICLA-005 Folha: 1 / 2 CALIBRAÇÕES

PROPOSTA DE ESCOPO PARA CALIBRAÇÃO ANEXO A. Norma de Origem: NIT-DICLA-005 Folha: 1 / 2 CALIBRAÇÕES Norma de Origem: NIT-DICLA-005 Folha: 1 / 2 Escala de Máquinas de Ensaio 2075 - Escalas de Máquina de Ensaios em Tração 2076 - Escalas de máquina de ensaios de impacto 2074 - Escalas de Máquina de Ensaios

Leia mais

ORGANIZACIONAL E DO TRABALHO

ORGANIZACIONAL E DO TRABALHO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL E RECURSOS HUMANOS CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DOS CARGOS DO QUADRO DE PESSOAL TÉCNICOADMINISTRATIVO

Leia mais

Tópico 5. Aula Prática: Paquímetro e Micrômetro: Propagação de Incertezas - Determinação Experimental do Volume de um Objeto

Tópico 5. Aula Prática: Paquímetro e Micrômetro: Propagação de Incertezas - Determinação Experimental do Volume de um Objeto Tópico 5. Aula Prática: Paquímetro e Micrômetro: Propagação de Incertezas - Determinação Experimental do Volume de um Objeto 1. INTRODUÇÃO Será calculado o volume de objetos como esferas, cilindros e cubos

Leia mais

Os paquímetros distinguem-se pela faixa de indicação, pelo nônio, pelas dimensões e forma dos bicos.

Os paquímetros distinguem-se pela faixa de indicação, pelo nônio, pelas dimensões e forma dos bicos. Capítulo 3 PAQUÍMETRO 3.1 ASPECTOS GERAIS 3.1.1 Definição O Paquímetro (figura 3.1) é o resultado da associação de: uma escala, como padrão de comprimento; dois bicos de medição, como meios de transporte

Leia mais

ULTRA-SOM MEDIÇÃO DE ESPESSURA PROCEDIMENTO DE END PR 036

ULTRA-SOM MEDIÇÃO DE ESPESSURA PROCEDIMENTO DE END PR 036 Página: 1 de 5 1. OBJETIVO Este procedimento fixa as condições mínimas do ensaio não destrutivo por meio de ultra-som para medição de espessura em materiais metálicos, em exames de qualificação do Sistema

Leia mais

2. CARACTERÍSTICAS 1. INTRODUÇÃO

2. CARACTERÍSTICAS 1. INTRODUÇÃO 1. INTRODUÇÃO O estabilizador portátil de câmera Tedi Cam é um equipamento de avançada tecnologia utilizado para filmagens de cenas onde há a necessidade de se obter imagens perfeitas em situações de movimento

Leia mais

NOVAS MÁQUINAS DE ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS DA MWL BRASIL RODAS & EIXOS LTDA. Domingos José Minicucci MWL BRASIL RODAS & EIXOS LTDA

NOVAS MÁQUINAS DE ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS DA MWL BRASIL RODAS & EIXOS LTDA. Domingos José Minicucci MWL BRASIL RODAS & EIXOS LTDA NOVAS MÁQUINAS DE ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS DA MWL BRASIL RODAS & EIXOS LTDA Domingos José Minicucci MWL BRASIL RODAS & EIXOS LTDA Trabalho apresentado no XXI Congresso Nacional de Ensaios Não Destrutivos,

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA CAD/CAM. Profº Emerson Oliveira Matéria: CAD/CAM emerson.oliveira@ifsc.edu.br Câmpus Joinville

INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA CAD/CAM. Profº Emerson Oliveira Matéria: CAD/CAM emerson.oliveira@ifsc.edu.br Câmpus Joinville INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA CAD/CAM Profº Emerson Oliveira Matéria: CAD/CAM emerson.oliveira@ifsc.edu.br Câmpus Joinville Etapas CAD/CAM Quando o sistema tem comunicação direta. CAD/CAM Quando

Leia mais

Fundap. Programa de Estágio. Manual de Utilização do Sistema de Administração de Bolsas de Estágio. Plano de Estágio

Fundap. Programa de Estágio. Manual de Utilização do Sistema de Administração de Bolsas de Estágio. Plano de Estágio Fundap Fundação do Desenvolvimento Administrativo Programa de Estágio Programa de Estágio Manual de Utilização do Sistema de Administração de Bolsas de Estágio Plano de Estágio Julho de 2008 SABE - Sistema

Leia mais

2013 年 度 通 訊 博 物 館 電 子 裝 置 製 作 比 賽

2013 年 度 通 訊 博 物 館 電 子 裝 置 製 作 比 賽 Regras Suplementares Grupos de Ensino Básico e Secundário Função operacional do dispositivo: Ser capaz de parar em posição pré-definida. Materiais: Não existe limitação a materiais excepto dispositivos

Leia mais

Ferramenta de corte progressiva

Ferramenta de corte progressiva Estampagem Conformação de chapas é definida como a transição de uma dada forma de um semi-acabado plano em uma outra forma. Os processos de conformação de chapas têm uma importância especial na fabricação

Leia mais

Art. 5º Esta Portaria revoga a Portaria Inmetro n.º 24/1996.

Art. 5º Esta Portaria revoga a Portaria Inmetro n.º 24/1996. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria Inmetro n.º 153, de 12 de agosto de 2005 O PRESIDENTE

Leia mais

CONSTRUÇÃO DE UM DURÔMETRO POR REBOTE

CONSTRUÇÃO DE UM DURÔMETRO POR REBOTE CONSTRUÇÃO DE UM DURÔMETRO POR REBOTE Danilo Venturi - danventuri@catolicasc.org.br Centro Universitário Católica de Santa Catarina em Jaraguá do Sul Rua dos Imigrantes, número 500 - Bairro Rau CEP 89.254-430

Leia mais

Acesse: http://fuvestibular.com.br/

Acesse: http://fuvestibular.com.br/ Esse torno só dá furo! Na aula sobre furação, você aprendeu que os materiais são furados com o uso de furadeiras e brocas. Isso é produtivo e se aplica a peças planas. Quando é preciso furar peças cilíndricas,

Leia mais

Converte para todas as escalas as durezas mais comuns (HV, HB, HRC, HRB, HS, Rm)

Converte para todas as escalas as durezas mais comuns (HV, HB, HRC, HRB, HS, Rm) Teste portátil de dureza Visor Grande e com luz facilitando a leitura Alta precisão ± 4 HL Correção automática para direção de impacto Converte para todas as escalas as durezas mais comuns (,,,, HS, Rm)

Leia mais

DETERMINAÇÃO DA INCERTEZA DE MEDIÇÃO EM DURÔMETROS PARA PESQUISA METROLÓGICA

DETERMINAÇÃO DA INCERTEZA DE MEDIÇÃO EM DURÔMETROS PARA PESQUISA METROLÓGICA DETERMINAÇÃO DA INCERTEZA DE MEDIÇÃO EM DURÔMETROS PARA PESQUISA METROLÓGICA Pires, Fábio de Souza Nascimento, Jôneo Lopes do Cardoso, Tito Lívio Medeiros* INSTITUTO NACIONAL DE TECNOLOGIA INT 1. Introdução

Leia mais

ULTRA-SOM - SOLDA PROCEDIMENTO DE END PR 011

ULTRA-SOM - SOLDA PROCEDIMENTO DE END PR 011 Página: 1 de 29 1. OBJETIVO Este procedimento fixa as condições para a execução do ensaio por ultra-som para detecção e avaliação de descontinuidades em juntas soldadas de acordo com o Sistema Nacional

Leia mais

LASERTECK ALINHADOR PORTÁTIL DIGITAL MODELO LTA 550 MANUAL DE USO

LASERTECK ALINHADOR PORTÁTIL DIGITAL MODELO LTA 550 MANUAL DE USO LASERTECK ALINHADOR PORTÁTIL DIGITAL MODELO LTA 550 MANUAL DE USO 2014 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 CARACTERÍSTICAS GERAIS DO EQUIPAMENTO... 3 3 CARACTERÍSTICAS DOS ÂNGULOS DE MEDIÇÕES... 4 3.1 CAMBER /

Leia mais

SOLUÇÃO DE DIGITALIZ AÇÃO 3D PAR A AVALIAÇÃO DA INTEGRIDADE DA TUBUL AÇÃO!

SOLUÇÃO DE DIGITALIZ AÇÃO 3D PAR A AVALIAÇÃO DA INTEGRIDADE DA TUBUL AÇÃO! SOLUÇÕES NDT SOLUÇÃO DE DIGITALIZ AÇÃO 3D PAR A AVALIAÇÃO DA INTEGRIDADE DA TUBUL AÇÃO! CONFORMIDADE COM OS CÓDIGO S Os operadores da tubulação e as empresas que prestam serviços de testes não destrutivos

Leia mais

EXPERIMENTO 1 INSTRUMENTOS DE MEDIDA E MEDIDAS FÍSICAS

EXPERIMENTO 1 INSTRUMENTOS DE MEDIDA E MEDIDAS FÍSICAS EXPERIMENTO 1 INSTRUMENTOS DE MEDIDA E MEDIDAS FÍSICAS I - OBJETIVO Operar com algarismos significativos, definir o limite do erro instrumental para instrumentos de medição, definir o desvio avaliado para

Leia mais

E-QP-ECD-077 REV. C 01/Abr/2008 - PROCEDIMENTO DE CONTROLE DIMENSIONAL - TUBULAÇÕES

E-QP-ECD-077 REV. C 01/Abr/2008 - PROCEDIMENTO DE CONTROLE DIMENSIONAL - TUBULAÇÕES ENGENHARIA - PROCEDIMENTO DE CONTROLE DIMENSIONAL - TUBULAÇÕES Os comentários e sugestões referentes a este documento devem ser encaminhados ao SEQUI, indicando o item a ser revisado, a proposta e a justificativa.

Leia mais

EXPERIMENTO 1: PROPAGAÇÃO DE INCERTEZAS ( Determinaçãoda massa específica )

EXPERIMENTO 1: PROPAGAÇÃO DE INCERTEZAS ( Determinaçãoda massa específica ) EXPERIMENTO 1: PROPAGAÇÃO DE INCERTEZAS ( Determinaçãoda massa específica ) 1- INTRODUÇÃO Este experimento tem como objetivo o aprendizado no manuseio de instrumentos de medição bem como suas respectivas

Leia mais

QUESTÃO 24 PETROBRÁS / 2008

QUESTÃO 24 PETROBRÁS / 2008 QUESTÃO 24 PETROBRÁS / 2008 Um esforço axial de tração gera os valores máximos de tensão (A) normal na seção transversal e de cisalhamento em um plano a 45 o. (B) normal na seção transversal e de cisalhamento

Leia mais

Usando unidades de medida

Usando unidades de medida Usando unidades de medida O problema Q uando alguém vai à loja de autopeças para comprar alguma peça de reposição, tudo que precisa é dizer o nome da peça, a marca do carro, o modelo e o ano de fabricação.

Leia mais

Raiz Quadrada de um Número Racional Objectivos de aprendizagem:

Raiz Quadrada de um Número Racional Objectivos de aprendizagem: 3 Raiz Quadrada de um Número Racional Objectivos de aprendizagem: No final desta lição, você será capaz de: Determinar a raiz quadrada de quadrados perfeitos. Determinar quadrados de raizes quadradas.

Leia mais

Ensaios dos Materiais

Ensaios dos Materiais MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA CAMPUS JOINVILLE CURSO DE TÉCNICO EM MECÂNICA CONCOMITANTE

Leia mais

Ministério do Trabalho, Indústria e Comércio

Ministério do Trabalho, Indústria e Comércio Ministério do Trabalho, Indústria e Comércio Portaria MTIC n.º 48, de 13 de maio de 1946. O Ministro de Estado, usando da atribuição que lhe confere o art. 34 do Decreto n.º 4.257, de 16 de junho de 1939,

Leia mais

PREZADO CLIENTE SOBRE OS CARROS FECHADOS INSTRUÇÕES DE MONTAGEM. Encaixe a divisória como mostram as figuras abaixo.

PREZADO CLIENTE SOBRE OS CARROS FECHADOS INSTRUÇÕES DE MONTAGEM. Encaixe a divisória como mostram as figuras abaixo. CHECK-LIST ( X ) QTDE DESCRIÇÃO SUPORTE DE RODA PUXADOR SUPORTE PARA O TUBO DE PAPEL TUBO PARA PAPEL ROLO DE PAPEL PONTEIRA BANDEJA CAIXA LATERAL SUPORTE PARA MORSA TRAVA DO SUPORTE PARA MORSA BASE DE

Leia mais

Comparação entre Tratamentos Térmicos e Método Vibracional em Alívio de Tensões após Soldagem

Comparação entre Tratamentos Térmicos e Método Vibracional em Alívio de Tensões após Soldagem Universidade Presbiteriana Mackenzie Comparação entre Tratamentos Térmicos e Método Vibracional em Alívio de Tensões após Soldagem Danila Pedrogan Mendonça Orientador: Profº Giovanni S. Crisi Objetivo

Leia mais

METROLOGIA Escala e Paquímetro. Prof. João Paulo Barbosa, M.Sc.

METROLOGIA Escala e Paquímetro. Prof. João Paulo Barbosa, M.Sc. METROLOGIA Escala e Paquímetro Prof. João Paulo Barbosa, M.Sc. Regras de Arredondamento Quando o algarismo seguinte ao último algarismo a ser conservado for inferior a 5, o último algarismo a ser conservado

Leia mais

Manual EasyGas. Bosch. www.bosch.com.br

Manual EasyGas. Bosch. www.bosch.com.br Manual EasyGas www.bosch.com.br Revisado em Março/2008 Página 1/15 Índice 1. EasyGas...3 2. Tela de Principal...3 2.1 Configurar ou F12...3 3. Cadastro de Clientes...4 3.1. Adicionar um Novo Cliente ou

Leia mais

Tópico 2. Conversão de Unidades e Notação Científica

Tópico 2. Conversão de Unidades e Notação Científica Tópico 2. Conversão de Unidades e Notação Científica Toda vez que você se refere a um valor ligado a uma unidade de medir, significa que, de algum modo, você realizou uma medição. O que você expressa é,

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO FREQÜENCÍMETRO DIGITAL FC-2500

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO FREQÜENCÍMETRO DIGITAL FC-2500 MANUAL DE INSTRUÇÕES DO FREQÜENCÍMETRO DIGITAL FC-2500 Leia atentamente as instruções contidas neste manual antes de iniciar o uso do instrumento ÍNDICE 1. Introdução...01 2. Regras de segurança...01 3.

Leia mais

TM229 Introdução aos Materiais ENSAIOS MECÂNICOS Prof. Adriano Scheid Capítulos 6 e 8 - Callister

TM229 Introdução aos Materiais ENSAIOS MECÂNICOS Prof. Adriano Scheid Capítulos 6 e 8 - Callister TM229 Introdução aos Materiais ENSAIOS MECÂNICOS Prof. Adriano Scheid Capítulos 6 e 8 - Callister Introdução: Propriedades mecânicas indicam o comportamento dos materiais quando sujeitos a esforços de

Leia mais

Cadastro NOVO Bilhete Único - SPTRANS

Cadastro NOVO Bilhete Único - SPTRANS ÍNDICE 1. Objetivo...02 2. Cadastramento para emissão do NOVO Bilhete Único...3/10 3. Sessão Expirada...11/13 4. Etapas do Cadastro...14/16 5. Finalização do Cadastro...17/18 6. Pesquisa de Satisfação...19/19

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES Instructions Manual Manual de Instrucciones

MANUAL DE INSTRUÇÕES Instructions Manual Manual de Instrucciones º 18 0 MEDIDOR ANGULAR LASER Laser Liner Meter Medidor Angular Laser MLL-102 *Imagem meramente ilustrativa. Only illustrative image. Imagen meramente ilustrativa. MANUAL DE INSTRUÇÕES Instructions Manual

Leia mais

Prezado Aluno. Cordialmente, Concessão de Créditos, Bolsas e Financiamentos - PUCPR

Prezado Aluno. Cordialmente, Concessão de Créditos, Bolsas e Financiamentos - PUCPR Prezado Aluno A abertura de demanda é um processo de protocolo e acompanhamento da solicitação de seu financiamento diretamente com o agente operador do FIES, o FNDE - Fundo Nacional de Desenvolvimento

Leia mais

Tolerância dimensional

Tolerância dimensional Tolerância dimensional Introdução É muito difícil executar peças com as medidas rigorosamente exatas porque todo processo de fabricação está sujeito a imprecisões. Sempre acontecem variações ou desvios

Leia mais

Certificado de Qualificação Metrológica para Laboratórios de Ensaio e Calibração da Cadeia Automotiva

Certificado de Qualificação Metrológica para Laboratórios de Ensaio e Calibração da Cadeia Automotiva Certificado de Qualificação Metrológica para Laboratórios de Ensaio e Calibração da Cadeia Automotiva CERTIFICADO: Nº 004/2012 A Rede Metrológica do Estado de São Paulo qualifica o Laboratório de Calibração

Leia mais

HB System - Sistema TRP

HB System - Sistema TRP HB System - Sistema TRP O sistema TRP é um sistema que tem por finalidade o lançamento e controle de despesas de viagens, feitos através de solicitações e reembolsos. Pode ser utilizado por todos os colaboradores

Leia mais

Realizando o ensaio de ultra-som

Realizando o ensaio de ultra-som Realizando o ensaio de ultra-som A UU L AL A Na aula anterior, você ficou sabendo que o ultra-som é uma onda mecânica que se propaga de uma fonte emissora até uma fonte receptora, através de um meio físico.

Leia mais

Critérios de falha. - determinam a segurança do componente; - coeficientes de segurança arbitrários não garantem um projeto seguro;

Critérios de falha. - determinam a segurança do componente; - coeficientes de segurança arbitrários não garantem um projeto seguro; Critérios de falha - determinam a segurança do componente; - coeficientes de segurança arbitrários não garantem um projeto seguro; - compreensão clara do(s) mecanismo(s) de falha (modos de falha); -aspectos

Leia mais

AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO DO CONCRETO ATRAVÉS DA VELOCIDADE DE PROPAGAÇÃO DA ONDA ULTRA-SÔNICA

AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO DO CONCRETO ATRAVÉS DA VELOCIDADE DE PROPAGAÇÃO DA ONDA ULTRA-SÔNICA AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO DO CONCRETO ATRAVÉS DA VELOCIDADE DE PROPAGAÇÃO DA ONDA ULTRA-SÔNICA Ricardo Oliveira Mota 1,4 ; Paulo Francinete Jr. 2,4 ; Rodrigo Augusto Souza 3,4 (1) Bolsista

Leia mais

Furação e Alargamento

Furação e Alargamento UDESC Universidade do Estado de Santa Catarina FEJ Faculdade de Engenharia de Joinville Furação e Alargamento DEPS Departamento de Engenharia de Produção e Sistemas Visão sistêmica de um processo de usinagem

Leia mais

GUIA DE LABORATÓRIO LABORATÓRIO 2 LEI DE OHM

GUIA DE LABORATÓRIO LABORATÓRIO 2 LEI DE OHM 1. RESUMO GUIA DE LABORATÓRIO LABORATÓRIO 2 LEI DE OHM Validação, por parte dos alunos, da expressão R = ρ RLApara o cálculo da resistência de um condutor cilíndrico. Determinação da resistência total

Leia mais

Notas de Aula - Ensaio de Dureza

Notas de Aula - Ensaio de Dureza Notas de Aula - Ensaio de Dureza Disciplina: Ensaios de Materiais // Engenharia Mecânica - UEM 1 de abril de 2008 1 Introdução A dureza é a propriedade mecânica de um material apresentar resistência ao

Leia mais

Cotagens especiais. Você já aprendeu a interpretar cotas básicas

Cotagens especiais. Você já aprendeu a interpretar cotas básicas A UU L AL A Cotagens especiais Você já aprendeu a interpretar cotas básicas e cotas de alguns tipos de elementos em desenhos técnicos de modelos variados. Mas, há alguns casos especiais de cotagem que

Leia mais

Manual de Usuário da Impressora Sethi3D AiP A3

Manual de Usuário da Impressora Sethi3D AiP A3 Manual de Usuário da Impressora Sethi3D AiP A3 Versão 1.00 Sumário Geral... 3 Características da Impressora:... 3 Características técnicas:... 3 Suporte do rolo de filamento... 4 Colocando o filamento

Leia mais

Topografia Aplicada a Terraplenagem

Topografia Aplicada a Terraplenagem Topografia Aplicada a Terraplenagem ALTIMETRIA Nivelamento Geométrico Método das Visadas Extremas PLANIMETRIA Malha Regular PLANIMETRIA IMPLANTAÇÃO DA MALHA REGULAR Equipamentos: 1 Teodolito (Utilizado

Leia mais

CAPÍTULO II COLETANDO DADOS EXPERIMENTAIS

CAPÍTULO II COLETANDO DADOS EXPERIMENTAIS CAPÍTULO II COLETANDO DADOS EXPERIMENTAIS II.1 A Comunicação em Ciência e Tecnologia A comunicação torna-se ainda mais perfeita, mais objetiva, se a questão envolver a definição da igualdade ou não de

Leia mais

PREFE ITURA MUNICIPAL DE GUAJ ARÁ MIRIM

PREFE ITURA MUNICIPAL DE GUAJ ARÁ MIRIM Caderno de Questões PREFE ITURA MUNICIPAL DE GUAJ ARÁ MIRIM realização S25 - Médico Veterinário AT E N Ç Ã O 1. O caderno de questões contém 40 questões de múltipla-escolha, conforme distribuição abaixo,

Leia mais

UCS. Universidade de Caxias do Sul. Centro de Ciências Exatas e Tecnologia. Departamento de Engenharia Mecânica

UCS. Universidade de Caxias do Sul. Centro de Ciências Exatas e Tecnologia. Departamento de Engenharia Mecânica 1 Universidade de Caxias do Sul UCS Centro de Ciências Exatas e Tecnologia Departamento de Engenharia Mecânica Programação CNC Utilizando o Comando Mitsubishi Meldas-M3 Gerson Luiz Nicola Eng. Mec. Prof.

Leia mais

DOM SEG TER QUA QUI SEX SAB DATAFIT

DOM SEG TER QUA QUI SEX SAB DATAFIT DOM SEG TER QUA QUI SEX SAB PM ENT SAI ENT SAI Manual do usuário DATAFIT Nenhuma parte desta publicação pode ser reproduzida sem permissão da Diponto Ltda. As informações e especificações técnicas podem

Leia mais

ME-9 MÉTODOS DE ENSAIO ÍNDICE DE SUPORTE CALIFÓRNIA DE SOLOS

ME-9 MÉTODOS DE ENSAIO ÍNDICE DE SUPORTE CALIFÓRNIA DE SOLOS ME-9 MÉTODOS DE ENSAIO DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA 1 ÍNDICE PÁG. 1. INTRODUÇÃO...3 2. OBJETIVO...3 3. S E NORMAS COMPLEMENTARES...3 4. APARELHAGEM...4 5. ENERGIAS DE COMPACTAÇÃO...7 6. EXECUÇÃO DO

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES. Multímetro Digital MM013

MANUAL DE INSTRUÇÕES. Multímetro Digital MM013 MANUAL DE INSTRUÇÕES Multímetro Digital MM013 Obrigado por adquirir um produto ALLECO O GRUPO ALLECO garante a você um produto confiável, produzido com a mais alta tecnologia por uma empresa moderna e

Leia mais

CT 3.1. PRODIM STAIRS Prodim Escadas / Manual versão 1.0

CT 3.1. PRODIM STAIRS Prodim Escadas / Manual versão 1.0 CT 3.1 PRODIM STAIRS Prodim Escadas / Manual versão 1.0 Informações Gerais Index 1 Prodim Escadas 1.1 A solução para escadas 3 3 2 Protocolo de medição de escadas 2.1 Começando 2.2 Configurando 2.3 Começando

Leia mais

Classes de proteção B e C

Classes de proteção B e C Projeto modular de fácil instalação Proteção efetiva, com fabricação conforme requisitos CE (comunidade européia) Adaptáveis a todos os tamanhos de máquinas, mesmo às máquinas de balancear mais antigas

Leia mais