ENG D04 Métodos matemáticos e computacionais

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ENG D04 Métodos matemáticos e computacionais"

Transcrição

1 Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Programa de Pós-Graduação em Engenharia Industrial Laboratório de Processos e Tecnologia ENG D04 Métodos matemáticos e computacionais Professores: Ricardo, Dr. / Robson Magalhães, Dr. / Reiner Requião, Mestrando. / Salvador, Bahia, Brasil, terça-feira, 13 de março de 2012.

2 2 de 28 Métodos matemáticos e computacionais PROTEC PEI EP - UFBA Sumário Sumário Programa da disciplina Problemas, ou melhor, oportunidades Oportunidade Enunciado Solução Oportunidade Enunciado Aneos Aneo A: Sugestões para apresentações públicas Aneo B: Sugestões para apresentação oral Aneo C: Alfabeto grego Aneo D: Eficiente, eficaz e efetivo Apêndices Apêndice A: Erros comuns e sugestões de estilo para epressões escritas Apêndice B: Ordem e numeração dos itens, e dimensão de um artigo Apêndice C: Boas práticas de programação... 22

3 Ricardo Capítulo 1 - Programa da disciplina 3 de 28 1 PROGRAMA DA DISCIPLINA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA SUPERINTENDÊNCIA ACADÊMICA SECRETARIA GERAL DOS CURSOS PROGRAMA DE DISCIPLINAS DISCIPLINAS CÓDIGO ENG-D04 N O M E MÉTODOS MATEMÁTICOS E COMPUTACIONAIS NA ENGENHARIA CARGA HORÁRIA CRÉDITOS ASSINATURA DO CHEFE DO DEPARTAMENTO/ COLEGIADO ANO T P E TOTAL DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA / ESCOLA POLITÉCNICA MÓDULO MODALIDADE FUNÇÃO NATUREZA T 45 Disciplina X Básico Obrigatória X P Atividade Profissional X Optativa E - Módulo Interdisciplinar Complementar CURSOS ATENDIDOS Engenharia Química (106) EQUIVALÊNCIAS NO CCEQ MAT-174 PRÉ-REQUISITOS OBRIGATÓRIOS ENG-D01 (Métodos Computacionais na Engenharia), MAT-A04 (Cálculo C) CO-REQUISITOS Nenhum PRÉ-REQUISITOS SUGERIDOS CO-REQUISITOS CONDICIONAIS Nenhum. MAT-A04 (Cálculo C)

4 4 de 28 Métodos matemáticos e computacionais PROTEC PEI EP - UFBA EMENTA / OBJETIVOS EMENTA Integração numérica. Resolução numérica de sistemas de equações diferenciais ordinárias e parciais. Funções vetoriais de várias variáveis reais. Campos escalares e vetoriais. Aplicações na engenharia. OBJETIVOS O estudante deve estar capacitado a resolver equações diferenciais através dos principais métodos numéricos para integração, seja manualmente, seja através de programação e implementação computacional assim com a sua implementação computacional, proporcionando ao estudante prática em métodos computacionais. O estudante deve também ser capaz de resolver problemas de cálculo diferencial e integral para funções vetoriais, especialmente para problemas de fenômenos de transporte. O estudante deve ainda ser capaz de perceber a utilidade e aplicar os conhecimentos de matemática e computação adquiridos para a correta resolução de problemas da engenharia. METODOLOGIA / CRITÉRIOS DE AVALIAÇÂO METODOLOGIA Aulas epositivas e aplicações em computador. CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO (OPCIONAL) A avaliação será baseada na realização de dois eames parciais e um eame final, englobando toda a matéria do curso. Eventualmente podem ser feitas avaliações baseadas em trabalhos e estudos dirigidos para a resolução de problemas em computador. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 1. Integração numérica 1.1. Fórmulas de Newton-Cotes 1.2. Quadratura Gaussiana 1.3. Implementação computacional 2. Resolução Numérica de sistemas de equações diferenciais ordinárias 2.1. Métodos de passo simples Método de Euler Método de Runge Kutta 2.2. Métodos de passo múltiplo Método de Adams Métodos de predição-correção 2.3. Implementação computacional 3. Funções vetoriais de várias variáveis reais: definição, limite, continuidade, derivada. Funções reais de variáveis vetoriais. Funções vetoriais de variáveis vetoriais. 4. Campos escalares: derivada direcional, gradiente, conjunto de nível, teorema do valor médio. 5. Campos vetoriais: divergente e rotacional, fórmulas de Green no plano e suas aplicações 6. Resolução de sistemas de equações diferenciais parciais 6.1. Resolução Analítica Transformada de Laplace Separação de Variáveis 6.2. Resolução Numérica Diferenças Finitas Outros Métodos Implementação computacional 7. Transformada rápida de Fourier 8. Elementos de Otimização: métodos de etremização. Programação linear e programação quadrática. 9. Aplicações na Engenharia.

5 Ricardo Capítulo 1 - Programa da disciplina 5 de 28 BIBLIOGRAFIA BIBLIOGRAFIA PRINCIPAL 1. Pinto, J. C. e Lage, P., Métodos Numéricos em Problemas de Engenharia Química", E-papers Serviços Editoriais, Rio de Janeiro; 2. Pinto, J. C. e Schwaab. M., Análise de Dados Eperimentais I", E-papers Serviços Editoriais, Rio de Janeiro; 3. Piskunov, N., Cálculo Diferencial e Integral, vols. 1 e 2, 4ª ed.porto, Ed.lopes da silva, (1978); 4. Gilat, Amos. Numerical Methods with Matlab. ISBN: BIBLIOGRAFIA SUPLEMENTAR 1. ALBERTAZZI, Armando; Sousa, André. METROLOGIA: Científica e industrial. Manole: Bard, Y., Nonlinear Parameter Estimation and Programming, IBM Scientific Center 3. Barroso, L. C., Barroso, M., Campos, F., Carvalho, M., Lourenço, M., Cálculo Numérico, Ed. Harper & Row do Brasil, (1983); 4. Campos, F. F., Algoritmos Numéricos, LTC Editora; 5. Chapra, S. C., Canale, R., Numerical Methods for Engineers, With Personal Computer Applications, Mc Graw- Hill Book Company, (1985); 6. Cláudio, D. M., Marins, J. M. Cálculo Numérico Computacional, Atlas, São Paulo, (1988); 7. Constantinides, A., Mostoufi, N., Numerical Methods for Chemical Engineers with Matlab Applications, Prentice- Hall, (1999); 8. Cunha, M. C. C., Métodos Numéricos para Engenharia e Ciências Aplicadas, Ed. Unicamp, (2001); 9. Cutlip, M. B., Shacham, M., Problem Solving in Chemical Engineering with Numerical Methods, Prentice-Hall International Series, (1999); 10. Delmo, Southworuth, Digital Computation and Numerical Methods. 11. Dias, D., Programação FORTRAN ; 12. Hsu, H., Análise Vetorial, Teoria e Resolução de 760 Problemas, Rio de janeiro, Livros técnicos e científicos. 13. Kaplan, W., Cálculo Avançado, São Paulo, Edgard Blucher, (1972); 14. Kuo, S., Numerical Methods and Computers ; 15. Lang, S., Cálculo com Álgebra Linear, vols. 1 e 2, Livro Técnico, (1969); 16. Matlab, Versão do Estudante, The Math Works Inc., Makron Books; 17. Penny, J., Lindfield, G., Numerical Methods Using Matlab, Ellis Horwood; 18. Pres, W. H., Flannery, B. P., Teukolsky, S. A., Vetterling, W. T., Numerical Recipes, The Art of Scientific Computing, Cambridge University Press, (1986). 19. Roque, W. L., Introdução ao Cálculo Numérico, um Teto Integrado com o Derive, Ed. Atlas, (2000); 20. Ruggiero, M. A. G., Lopes, V. L. R., Cálculo Numérico, Aspectos Teóricos e Computacionais, Editora Mc Graw- Hill do Brasil, (1988); 21. Spiegel, M. Análise Vetorial, Rio de janeiro, Livro Técnico, (1961); 22. Williamson, Crowell, Troter, Cálculo de funções vetoriais, vols. I e II, Ao livro Técnico, (1975); 23. Wirth, N., Programming Development by Stepwize Refinement ; 24. Young, D. M., Gregory, R., A Survey of Numerical Mathematics, vols.i e II; APLICATIVOS COMPUTACIONAIS 1. FORTRAN; 2. OCTAVE; 3. SCILAB; 4. MATLAB, The Mathworks, Inc.; 5. MATEMATICA; 6. MAPPLE; 7. MATHCAD, MathSoft, Inc.; 8. EXCEL, Microsoft.

6 6 de 28 Métodos matemáticos e computacionais PROTEC PEI EP - UFBA SÍTIOS NA REDE MUNDIAL DE COMPUTADORES (Internet) PLANO DE AULAS Aulas nas quartas e setas, das 13h às 15h, na sala Avaliação: 2 provas sem consulta e um trabalho, a menor nota é eliminada e a nota final é a média harmônica das 2 (duas) maiores notas. Datas: 1ª avaliação: 4 de maio 2ª avaliação: 6 de julho Apresentação oral e por escrito dos trabalhos: 27 e 29 de junho UFBA - Universidade Federal da Bahia - Sistema Acadêmico (Registro Aluno) RLRGA028 - Registro de Assuntos Disciplina: ENG D04 - MÉTODOS MATEMÁTICOS E COMPUTACIONAIS NA ENGENHARIA Turma: 01 Departamento: ENGENHARIA QUÍMICA Per. Letivo: Carga Hor Aula Data Dia Conteúdo Programático Tipo de aula Professores 1 07/03/2012 4a 1. Integração Numérica: Motivação; Fundamentos matemáticos; Orientação Aula epositiva 2 09/03/2012 6a 1.1. Algoritmos de Newton-Cotes para Equações Aula epositiva 3 14/03/2012 4a 1.2. Quadratura Gaussiana Aula epositiva 4 16/03/2012 6a 1.3. Implementação computacional Prática computacional Reiner 5 21/03/2012 4a 2. Resolução Numérica de sistemas de equações diferenciais ordinárias: Motivação; Fundamentos matemáticos; Orientação Aula epositiva 6 23/03/2012 6a 2.1. Métodos de passo simples: Método de Euler Aula epositiva 7 28/03/2012 4a Método de Runge Kutta Aula epositiva 8 30/03/2012 6a Implementação computacional. Prática computacional Reiner 9 04/04/ Métodos de passo múltiplo: Método de Adams: Adams-Bashforth Método de Adams: Adams-Moulton 4a Métodos de predição-correção Aula epositiva 06/04/2012 6a Feriado Não se aplica 10 11/04/2012 4a Implementação computacional. Prática computacional Reiner 11 13/04/2012 6a Implementação computacional. Prática computacional Reiner 12 18/04/ Funções vetoriais de várias variáveis reais: definição, limite, continuidade, derivada, teorema de função implícita, máimos e 4a mínimos, teorema de função implícita, máimos e mínimos, integrais múltiplas, mudança de variáveis, Integrais de linha e de Aula epositiva Reiner superfície nos espaços euclidianos: teoremas de Green, de Gauss e de Stokes /04/2012 6a 3. Funções reais de variáveis vetoriais. Aula epositiva Reiner 14 25/04/2012 4a 3. Funções vetoriais de variáveis vetoriais. Aula epositiva Reiner 15 27/04/2012 6a 3. Implementação computacional. Prática computacional Reiner 16 02/05/2012 4a Aula de eercícios Eercícios, tirar dúvidas Reiner 17 04/05/2012 6a PRIMEIRA AVALIAÇÃO Avaliação 18 09/05/2012 4a 4. Campos escalares: derivada direcional, gradiente, conjunto de nível, teorema do valor médio Aula epositiva Reiner 19 11/05/2012 6a 5. Campos vetoriais: divergente e rotacional, fórmulas de Green no plano e suas aplicações Aula epositiva Reiner 20 16/05/2012 4a 5. Implementação computacional. Prática computacional Reiner 21 18/05/2012 6a 6. Resolução de sistemas de equações diferenciais parciais: 6.1. Resolução Analítica: Transformada de Laplace Aula epositiva 22 23/05/ Separação de 4a Variáveis Aula epositiva 23 25/05/2012 6a 6. Resolução de sistemas de equações diferenciais parciais: 6.2. Resolução Numérica: Diferenças Finitas Aula epositiva 24 30/05/2012 4a Outros Métodos Aula epositiva 25 01/06/2012 6a 6. Implementação computacional. Prática computacional Reiner 26 06/06/2012 4a 6. Implementação computacional. Prática computacional Reiner 08/06/2012 6a Feriado Não se aplica 27 13/06/2012 4a 7. Transformada rápida de Fourier e 8. Elementos de Otimização: Motivação; Fundamentos matemáticos; Orientação Aula epositiva 28 15/06/2012 6a métodos de otimização (Unidimencional e Multidimensional sem restrições), Aula epositiva 29 20/06/2012 4a métodos de otimização (Restrições), Aula epositiva 22/06/2012 6a Feriado Não se aplica 30 27/06/2012 4a Apresentação dos trabalhos (aula de 3 horas) Prática computacional 31 29/06/2012 6a Apresentação dos trabalhos (aula de 3 horas) Eercícios, tirar dúvidas 32 04/07/2012 4a Aula de eercícios Apresentação dos alunos Reiner Reiner Reiner 33 06/07/2012 6a SEGUNDA AVALIAÇÃO Avaliação Aulas práticas: Turma T01 P01, prof. : LIACI Turma T01 P02, prof. Reiner: no LABGRAD 2, eceto no dia 13/4 que ocorrerá no LIDEQ 2.

7 Ricardo Capítulo 1 - Programa da disciplina 7 de 28 Trabalho proposto: a) Escrever um artigo sobre métodos numéricos de integração multivariável. O trabalho escrito sobre os artigos devem seguir as normas da respectiva Brazilian Journal of Chemical Engeneering. Cada equipe deve escolher um método numérico, que não pode ser repetido entre as equipes, e aplicar nos problemas propostos e em mais um problema de engenharia química. A escolha do método é por ordem de informação ao professor. O trabalho deve ter a demonstração teórica do método numérico e a aplicação do mesmo, mostrando vantagens, desvantagens, erro do método, e outras características. Equipe com no máimo 4 componentes. Tempo para cada apresentação: 10 minutos + 5 de discussão. Sugestão de métodos numéricos de integração multivariável, mas outros podem ser propostos pelas equipes: 1. Métodos por Quadraturas: 1.1. Fórmulas de Newton-Cotes Regra do trapézio (ordem 1) Regra de Simpson (ordem de 2 a 5) 1.2. Gaussiana; Eiste uma variação: Gauss Kronrod - muda a forma que o peso é calculado 1.3. Clenshaw Curtis; bem parecido com Gauss, mas o polinômio usado é o Chebychev. 2. Riemann integral - baseado no somatório de Riemann. Tem algumas falhas que foram corrigidas e viraram novos métodos, que são: 2.1. Riemann Stieltjes integral 2.2. Lebesgue integral 3. Métodos que usam a ideia de Monte-Carlo: 3.1. Monte Carlo 3.2. Quasi-Monte Carlo 3.3. Monte Carlo com Cadeias de Markov (MCMC) Amostrador de Gibbs Metropolis-Hastings Reversible-jump Markov chain Monte Carlo 4. Método de Integração por filtro de Kalman: (Cubature-based Kalman Filters), esse aqui é avançado. Material 1 (Artigo original) Material 2 (Artigo que aplica (eu acho)) Material 3 (Apresentação)

8 8 de 28 Métodos matemáticos e computacionais PROTEC PEI EP - UFBA 2 PROBLEMAS, OU MELHOR, OPORTUNIDADES. 2.1 OPORTUNIDADE Enunciado. Em um trocador de calor de casco e tubo, vapor saturado é alimentado ao casco visando aquecer uma corrente de um fluido que escoa no tubo, de acordo com a Figura 2-1. T c,a T t,a T t,d T c,d onde: Figura 2-1: Trocado de calor tipo casco e tubo. T c,a : Temperatura da alimentação do fluido do lado do casco T c,a : Temperatura da descarga do fluido do lado do casco T t,a : Temperatura da alimentação do fluido do lado do tubo T t,a : Temperatura da descarga do fluido do lado do tubo Estimar o comprimento do trocador para cada um dos casos apresentado na Tabela 2-1: Dados para projeto do trocador de calor.

9 Ricardo Capítulo 2 - Problemas, ou melhor, oportunidades. 9 de 28 Tabela 2-1: Dados para projeto do trocador de calor. Item CASO A CASO B Fluido do casco Vapor d água saturado Vapor d água saturado Fluido do tubo CO 2 em fase gasosa Etileno glicol líquido W/(kg.h -1 ) fluido tubo 1, , T t,a / o C 1, , T t,d / o C 2, , T c,a / o C 2, , D/mm 1, , c P /(J.kg -1.K -1 ) fluido tubo k/(j.s -1.m -1.K -1 ) fluido casco??? O aluno deve pesquisar essa informação, ou seja encontrar c P (T) 1, (0 o C) 2, (100 o C) 3, (200 o C) 3, (300 o C)??? O aluno deve pesquisar essa informação, ou seja encontrar c P (T) 2, µ/(kg.m -1.s -1 ) fluido casco 1, (T( o C) 1,8+492) 0,935 1, (-17,8 o C) 3, (10 o C) 1, (37,8 o C) 5, (65,6 o C) 2, (93,3 o C) Fonte: Apostila dos professores Evaristo Biscaia e Argimiro Secchi da COPPE-UFRJ para a disciplina ENG-358 MÉTODOS NUMÉRIOS EM ENGENHARIA QUÍMICA Solução. Se a calor trocado com o meio ambiente for desprezível, o calor cedido (absorvido) pelo lado do tubo deve ser igual ao calor absorvido (cedido), e em estado estacionário pode-se escrever a Equação 2-1.

10 10 de 28 Métodos matemáticos e computacionais PROTEC PEI EP - UFBA Q t c Calor absorvido cedido Calor cedido absorvido pelo fluido do lado do tubo pelo fluido do lado do casco Q Equação 2-1 Se a alimentação do lado do tubo for vapor saturado e sua descarga for condensado saturado a Equação 2-1pode ser reescrita conforme a Equação 2-2. W L Dt ht T T i T t,d cp T dt T t,a t,a Equação 2-2 onde T t /K : temperatura da alimentação do lado do tubo; L/m : comprimento do trocador; W/(kg.h -1 ) : vazão mássica do fluido do tubo; D t i /m : diâmetro interno do tubo, diâmetro hidráulico; C p /(J.kg -1.K -1 ) : calor específico do fluido do tubo; h/(j.h -1.m -1.K -1 ) : coeficiente de transferência de calor entre o tubo e o casco. O coeficiente h(t) é dado através do modelo empírico mostrado na Equação 2-3: P 0,8 0,4 k 0,8 n 0,023k T w 4W T c T ht Nu Pr DH D t π D T k T i onde k/(j/h -1.m -1.K -1 ) : condutividade térmica do fluido do casco; µ/(kg.m -1.h -1 ) : viscosidade do fluido do casco. Equação OPORTUNIDADE Enunciado. A maioria dos problemas em engenharia são multivariáveis, e muito desses são estocásticos, ou seja, dependem de muitas variáveis e não são determinísticos, nesses casos os fenômenos podem ser descritos através de funções de densidade de probabilidade (PDF) multivariadas.

11 Ricardo Capítulo 2 - Problemas, ou melhor, oportunidades. 11 de 28 Se f,,, n é uma PDF multivariada então tem as propriedades 1 2 apresentadas na Equação 2-4 e na Equação 2-5 são válidas. 1 2 f,,, 0 Equação 2-4 n f 1, 2,, n 1 2 n 1 Equação 2-5 E definem-se para a variável i de uma PDF multivariada a média i, Equação 2 2-6; a variância i, Equação 2-7; e a covariância entre a variável i e j, Equação 2-8.,,, f d d d f d Equação 2-6 i i 1 2 n 1 2 n i 2 2 i i i i f d i Equação 2-7 f d i j Equação 2-8 i j i j Para compactar a nomenclatura as integrais múltiplas são simbolizadas pelo operador esperança covariância E, Equação 2-9; variância Cov, Equação 2-11.,,, i i i 1 2 n 1 2 n i i 2 2 i i i i i i i Var, Equação 2-10; e E f dd d f d Equação 2-9 Var E f d Equação 2-10 Cov i, j E i i j j i i j f d Equação 2-11 j Pode-se compactar ainda mais a nomenclatura utilizando vetores e matrizes e escrever o vetor das médias Equação μ, Equação 2-12; e a matriz de variância-covariância, A matriz de variância-covariância é também denominada de matriz de variância, ou matriz de covariância.

12 12 de 28 Métodos matemáticos e computacionais PROTEC PEI EP - UFBA μ Var f d f d E E n n f d E μ μ Equação 2-12 f d f d f d f d f d f d f d n n n f d n n n n n T n 1 n f d 1 n n 2 2 Equação 2-13 Utilizando um método numérico de integração multivariável calcule o vetor das médias e a matriz de variância para as PDF conjuntas f vσ ;, e pvσ ;, descritas pela Equação 2-14 e Equação 2-15, respectivamente. f onde 1/2 1/2 t ;,, 2π 1 1 /21 vσ Σ -v Σ -v Equação ,3 0,3 0, 4 v 2 7,1 Σ 0,4 1,0 é denominado de graus de liberdade do sistema. n /2 1/2 1 t p ;, 2π ep 1 vσ Σ -v Σ -v 2 Equação ,5 0,2 0,1 onde , 2 0, 7 0,3 v Σ 3 0 0,1 0,3 1,1 n é o número de variáveis, no caso n = 3 Σ é o determinante da matriz de variância Σ

13 Ricardo Capítulo 2 - Problemas, ou melhor, oportunidades. 13 de 28 Aneos Material complementar de autoria de terceiros. No Quadro 2-1 encontra-se a lista dos aneos deste documento. Aneo A: Sugestões para apresentações públicas Aneo B: Sugestões para realizar uma apresentação oral Aneo C: Alfabeto grego Aneo D: Eficaz, eficiente e efetivo Quadro 2-1: Lista dos aneos desse documento

14 14 de 28 Métodos matemáticos e computacionais PROTEC PEI EP - UFBA Aneo A: Sugestões para apresentações públicas. Adaptado de Metodologia e Organização do projeto de pesquisa (guia prático) por Cassandra Ribeiro de O. e Silva, Dra. Centro Federal de Educação Tecnológica do Ceará. Av. 13 de Maio, 2081 Benfica Fortaleza CE. Preparação do material (transparências, lâminas ( slides ), cartazes): Toda lâmina deve ter um título conciso, mas esclarecedor do mesmo. Usar gráficos, esquemas, figuras, preferencialmente aos tetos. Tentar manter a uniformidade do material. Não colocar muitos dados em uma mesma transparência, não usar teto normal. Eplorar a possibilidade das cores. É aconselhável fundo claro e letras escuras (nas cores preta, vermelha ou azul). Observe a regra dos sete: utilize no máimo sete palavras por linha e sete linhas por slide. Evite embaralhar teto e imagens. Seja breve. Dê espaço entre as linhas para maior legibilidade. Equilibre tetos e imagens. Seja consistente. Verifique a ortografia e a gramática. Dê vida ao material. Fundo branco, letras ARIAL em preto, vermelho e azul. Use pouca animação, pouco som, poucos efeitos especiais.

15 Ricardo Capítulo 2 - Problemas, ou melhor, oportunidades. 15 de 28 Aneo B: Sugestões para apresentação oral. Verificar antecipadamente a ordem dos slides ou transparências, o estado do retroprojetor e do microfone. Ser polido. Não complicar e não se fiar nos detalhes. Concentrar-se no que fala e não nos detalhes. Falar devagar, cuidado com os vícios de linguagem. Checar o nível de compreensão da platéia. Não ler simplesmente o que está escrito e, sim, falar sobre o material. Dar um tempo para as pessoas lerem antes de começar a falar. Falar primeiro sobre a mensagem e, após, sobre o conteúdo. Nunca eceder o tempo. Título curto e interessante. Apelar para a visão e a audição. Abusar dos recursos disponíveis. Permanecer tranquilo, não ter medo de usar a criatividade, não imitar, não forçar. Ser natural. Ao responder as questões, repeti-las e agradecer. Ensaiar a apresentação. Dimensione a apresentação para 1 (uma) lâmina ( slide ) por minuto. Adapte a linguagem ao público. Terminar com clíma para ser lembrado ( gran finale ).

16 16 de 28 Métodos matemáticos e computacionais PROTEC PEI EP - UFBA Aneo C: Alfabeto grego Frequentemente se utilizam letras do alfabeto grego para designar parâmetros ou variáveis de modelos matemáticos, nomes de procedimentos (seis sigma, método lambda). Contudo é também comum não saber grifar ou pronunciar alguns dessas letras, mas o Quadro 2-2 auilia na superação dessas dificuldades. Alfa Beta Gama Delta Épsilon Dzeta Eta Teta Iota capa Lambda Mi Ni csi Ômicron Pi Rô Sigma Tau Ípsilon Fi Qui Psi Ômega Quadro 2-2: Grafia e pronuncia das letras do alfabeto grego Fonte: Outra dificuldade aparece quando é necessário apresentar letras gregas no meio de frases. Uma saída é utilizar o gerador de símbolos do WORD, outro caminho é ativar a opção de Correção Automática de Matemática do WORD. Essa ferramenta pode ser ativada através da seguinte sequência de botões: Botão Office Opções do Word Revisão de Teto Opções de Autocorreção Uma vez ativada a Correção Automática de Matemática os símbolos e letras gregas configuradas na base de dados é consultada e o Word substitui uma sequência de letras que inicia com barra inversa (\) pelo respectivo símbolo ou letra. No Quadro 2-3 são observados alguns eemplos dessa substituição automática. \alpha α \beta β \gamma γ \delta δ \epsilon ϵ \zeta ζ \Alpha Α \Beta Β \Gamma Γ \Delta Δ \Epsilon Ε \Zeta Ζ Quadro 2-3: Símbolos e letras gregas da ferramenta de Opções de Auto-correção do Word

17 Ricardo Capítulo 2 - Problemas, ou melhor, oportunidades. 17 de 28 Aneo D: Eficiente, eficaz e efetivo Há muita dúvida sobre o uso das palavras eficaz, eficiente e efetivo, e algumas pessoas as utiliza como sinônimos, embora não o sejam, sob meu ponto de vista. Veja o teto de Maria Tereza de Queiroz Piacentini, disponível em acessado em 15 de abril de 2010, às 10h 46mim, que é reproduzido abaio: Eficiente, Eficaz e Efetivo Os três termos podem ser tratados como sinônimos. Mas como não eistem sinônimos perfeitos, há uma pequena diferença entre eles, especialmente no campo da Administração. Falemos também nos substantivos, para ficar mais fácil: - EFICÁCIA é atingir o objetivo proposto, cumprir, eecutar, operar, levar a cabo; é o poder de causar determinado efeito. EFICAZ então é o que realiza perfeitamente determinada tarefa ou função, que produz o resultado pretendido. Dicionários em inglês destacam o uso do termo especialmente quando se trata de doença ou problema: remédio eficaz, método de tratamento eficaz; fez uma limpeza eficaz; constatou a eficácia das armas e da estratégia usada. - EFICIÊNCIA é a qualidade de fazer com ecelência, sem perdas ou desperdícios (de tempo, dinheiro ou energia). EFICIENTE é aquilo ou aquele que chega ao resultado, que produz o seu efeito específico mas com qualidade, com competência, com nenhum ou com o mínimo de erros. O eficiente vai além do eficaz. A eficiência tem uma gradação: uma pessoa, máquina ou organização pode ser mais ou menos eficiente que outra. Uma secretária pode ser mais eficiente amanhã do que hoje. Um sistema de refrigeração pode ser mais eficiente que outro. Já a eficácia implica sim ou não: uma medicação, por eemplo, ou é eficaz ou não é. - EFETIVIDADE, por sua vez, é também a qualidade do que atinge seu objetivo; é a capacidade de funcionar normalmente, satisfatoriamente, porém tem mais a ver com a realidade, com o que é real e verdadeiro. O EFETIVO está realmente disponível, é incontestável, verificável, eecutável. Eemplos: Tal propaganda é simples, mas efetiva. A duração efetiva da prova será de uma hora. O diretor efetivo (de fato, de verdade) é o filho e não o pai. Efetivo tem igualmente o sentido de positivo, eficaz: Foi bastante efetivo o encontro realizado em São Paulo. Então, para completar a resposta à Maria Salete, é possível que uma ação seja ao mesmo tempo efetiva, eficiente e eficaz. E também pode ser eficaz sem ser eficiente. É o caso, por eemplo, de certos ataques dos Estados Unidos no Afeganistão, em que os americanos foram eficazes no sentido de que atingiram seu objetivo de destruir o alvo, mas não foram eficientes porque eles tiveram perdas humanas e prejuízos materiais além da conta. Maria Tereza de Queiroz Piacentini

18 18 de 28 Métodos matemáticos e computacionais PROTEC PEI EP - UFBA Apêndices Material complementar de autoria do próprio autor. No Quadro 2-4 são apresentados os apêndices deste documento. Apêndice A: Erros comuns e sugestões de estilo para epressões escritas Apêndice B: Ordem e numeração dos itens, e dimensão de um artigo Apêndice C: Boas práticas de programação Quadro 2-4: Relação de apêndices

19 Ricardo Capítulo 2 - Problemas, ou melhor, oportunidades. 19 de 28 Apêndice A: Erros comuns e sugestões de estilo para epressões escritas. O espaço é depois da pontuação e não antes. Sempre passe o corretor ortográfico e gramatical do WORD. Este falha às vezes, mas acerta na maioria. Antes do parêntesis de abertura e depois do parêntesis de fechamento (tem espaço), eceto quanto este último é sucedido de pontuação. Já depois do parêntesis de abertura e antes do parêntesis de fechamento (não tem espaço). Palavras e epressões em língua estrangeira devem vir SEMPRE entre aspas. Não use o gerundismo. Evite usar o QUE e o SE. Escreva frases curtas, com no máimo 50 palavras. Escreva no modo impessoal: eemplos: o... neste trabalho foi realizado... o... avaliou-se a influência... o... este artigo versa sobre o uso de... A partir de 2008 a língua portuguesa (adaptado de Scritta, 2008) tem nova escrita, por eemplo: o o TREMA NÃO eistirá, eceto em nomes próprios e seus derivados: consequentemente, consequência não terá mais trema; o o HÍFEN NÃO será utilizado quando: o segundo elemento começar com s ou r, neste caso as letras serão duplicadas: antissemita, contrarregra;

20 20 de 28 Métodos matemáticos e computacionais PROTEC PEI EP - UFBA ecessão: quando o primeiro elemento termina com r: hiper-requintado, inter-resistente, superrevista; o primeiro elemento termina com vogal e o segundo começa com vogal diferente: etraescolar, infraestrutura, autoestrada; o o ACENTO CIRCUNFLEXO NÃO será mais utilizado: nas terceiras pessoas do plural do presente do indicativo ou do subjuntivo dos verbos crer, dar, ler, ver e seus derivados: creem, veem, deem, leem; em palavras terminadas no hiato oo: enjoo, voo; o o acento agudo não será mais utilizado: em palavras terminadas em eia e oia: assembleia, ideia, jiboia, heroica; nas palavras paroítonas, com i e u tônicos, quando precedidos de ditongo: feiura, viuva; nos verbos em que há u tônico depois de g ou q e antes de e ou i: averigue, arguem, apazigue; o o alfabeto passará a ter 26 letras:... j k l... v w y z. No site são apresentadas várias regras gramaticais e frases para esclarecedoras.

21 Ricardo Capítulo 2 - Problemas, ou melhor, oportunidades. 21 de 28 Apêndice B: Ordem e numeração dos itens, e dimensão de um artigo. Uma boa referência sobre o que é e como deve ser apresentado um artigo técnicocientífico é o teto de Alves e Arruda (2004). Contudo um artigo deve obedecer às normas da revista ou evento no qual o mesmo será submetido. N Itens Artigo técnico ou científico 1 Capa NDC 2 Folha-de-rosto NDC 3 Ficha catalográfica NDC 4 Errata NDC 5 Termo de aprovação NDC 6 Dedicatória NDC 7 Agradecimentos opc 8 Epígrafe opc 9 Título OBR 10 Resumo eecutivo NDC 11 Resumo em língua vernácula OBR 12 Palavras-chave OBR 13 Abstract OBR 14 Keywords OBR 15 Lista de figuras NDC 16 Lista de quadros NDC 17 Lista de tabelas NDC 18 Lista de abreviaturas e siglas OBR 19 Lista de símbolos matemáticos OBR 20 Sumário NDC 21 Introdução (motivação, contetualização, e/ou justificativa) OBR 21.1 Objetivo geral OBR 21.2 Objetivos específicos OBR 21.3 Hipóteses opc 22 Revisão da literatura, fundamentação teórica ou estado-da-arte OBR 23 Metas, produtos e impactos NDC 24 Metodologia (materiais, métodos e modelos) OBR 24.1 Limitações do projeto, riscos e planos de mitigação NDC 24.3 Mecanismos de transferência de resultados NDC 24.2 Planejamento dos eperimentos opc 25 Recursos necessários NDC 26.1 Cronograma físico NDC 26.2 Cronograma financeiro NDC 27 Análise e discussão de resultados OBR 27.1 Tratamento das incertezas OBR 27.2 Avaliação econômica OBR 28 Conclusões e recomendações de trabalhos futuros OBR 29 Sugestões de trabalhos futuros OBR 30 Referências OBR 31 Bibliografia NDC 32 Glossário opc 32.1 Glossário de variáveis OBR 33 Apêndices NDC 34 Aneos NDC 35 Breve currículo dos autores com foto opc 36 Compromisso de sigilo Opc Quadro 2-5: Itens de documentos técnico-científicos: artigo Legenda: OBR item obrigatório; opc item opcional; NDC item que não deve constar no documento.

PÓS-GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA COMPUTACIONAL INFORMÁTICA INSTRUMENTAL

PÓS-GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA COMPUTACIONAL INFORMÁTICA INSTRUMENTAL PÓS-GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA COMPUTACIONAL INFORMÁTICA INSTRUMENTAL Introdução Aula 03: Pacote Microsoft Office 2007 O Pacote Microsoft Office é um conjunto de aplicativos composto, principalmente, pelos

Leia mais

Clique na célula sobre a qual você deseja comentar.

Clique na célula sobre a qual você deseja comentar. , *+!!!!& Um comentário é uma anotação que você anexa a uma célula, separado do restante do conteúdo da célula. Os comentários são úteis como lembretes para você mesmo, como anotar como funciona uma fórmula,

Leia mais

NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE MONOGRAFIA

NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE MONOGRAFIA ANEXO da Norma 004/2008 CCQ Rev 1, 28/09/2009 UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE QUÍMICA CURSO DE GRADUAÇÃO EM QUÍMICA Salvador 2009 2 1 Objetivo Estabelecer parâmetros para a apresentação gráfica

Leia mais

- TCC A/B - ORIENTAÇÕES PARA ESTRUTURAÇÃO E FORMATAÇÃO (Versão 1.3 Agosto de 2008)

- TCC A/B - ORIENTAÇÕES PARA ESTRUTURAÇÃO E FORMATAÇÃO (Versão 1.3 Agosto de 2008) Faculdade Dom Bosco de Porto Alegre Curso de Sistemas de Informação Trabalho de Conclusão de Curso Prof. Dr. Luís Fernando Garcia - TCC A/B - ORIENTAÇÕES PARA ESTRUTURAÇÃO E FORMATAÇÃO (Versão 1.3 Agosto

Leia mais

CONSTRUINDO MINHA MONOGRAFIA

CONSTRUINDO MINHA MONOGRAFIA CONSTRUINDO MINHA MONOGRAFIA 1 Prezado(a) aluno(a), Este roteiro foi preparado para auxiliá-lo na elaboração de sua monografia (TCC). Ele o apoiará na estruturação das etapas do seu trabalho de maneira

Leia mais

universia.com.br/materia/img/tutoriais/ /01.jsp 1/1

universia.com.br/materia/img/tutoriais/ /01.jsp 1/1 5/12/2008 Monografias - Apresentação Fazer um trabalho acadêmico exige muito de qualquer pesquisador ou estudante. Além de todo esforço em torno do tema do trabalho, é fundamental ainda, adequá-lo às normas

Leia mais

Microsoft Excel 2003

Microsoft Excel 2003 Associação Educacional Dom Bosco Faculdades de Engenharia de Resende Microsoft Excel 2003 Professores: Eduardo Arbex Mônica Mara Tathiana da Silva Resende 2010 INICIANDO O EXCEL Para abrir o programa Excel,

Leia mais

Sua interface é semelhante a de um processador de textos do tipo WYSIWYG, ou seja, What you see is what you get (o que você vê é o que você faz).

Sua interface é semelhante a de um processador de textos do tipo WYSIWYG, ou seja, What you see is what you get (o que você vê é o que você faz). Mathcad COMANDOS BÁSICOS O software Mathcad é um ambiente de trabalho baseado em Álgebra Computacional, dirigido a profissionais técnicos, educadores e estudantes. Permite a escrita de epressões matemáticas

Leia mais

NORMALIZAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS ABNT TRABALHOS ACADÊMICOS:

NORMALIZAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS ABNT TRABALHOS ACADÊMICOS: MANUAL PARA TCC www.etecmonteaprazivel.com.br Estrada do Bacuri s/n Caixa Postal 145 Monte Aprazível SP CEP 15150-000 Tel.: (17) 3275.1522 Fax: (17) 3275.1841 NORMALIZAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS ABNT

Leia mais

Padrões para Elaboração da Documentação do Produto Sistema de Gestão da Qualidade

Padrões para Elaboração da Documentação do Produto Sistema de Gestão da Qualidade Página 1 de 15 Sumário 1. INSTRUÇÕES GERAIS... 2 2. BOLETIM DE EVOLUÇÃO... 5 3. TUTORIAL... 8 4. AJUDA... 11 5. GUIA DE ATUALIZAÇÃO DA VERSÃO... Erro! Indicador não definido. 6. CONFIGURAÇÕES ESSENCIAIS...

Leia mais

Mozart de Melo Alves Júnior

Mozart de Melo Alves Júnior Mozart de Melo Alves Júnior WORD 2000 INTRODUÇÃO: O Word é um processador de texto com recursos de acentuação, formatação de parágrafo, estilo de letras diferentes, criação de tabelas, corretor ortográfico,

Leia mais

Excel 2010 Modulo II

Excel 2010 Modulo II Excel 2010 Modulo II Sumário Nomeando intervalos de células... 1 Classificação e filtro de dados... 3 Subtotais... 6 Validação e auditoria de dados... 8 Validação e auditoria de dados... 9 Cenários...

Leia mais

Introdução ao Scilab

Introdução ao Scilab Programação de Computadores 1 Capítulo 1 Introdução ao Scilab José Romildo Malaquias Departamento de Computação Universidade Federal de Ouro Preto 2014.2 1/35 1 MATLAB e Scilab 2 O ambiente Scilab 2/35

Leia mais

Capítulo 1. Introdução. 1.1 Sistemas numéricos

Capítulo 1. Introdução. 1.1 Sistemas numéricos EQE-358 MÉTODOS NUMÉRICOS EM ENGENHARIA QUÍMICA PROFS. EVARISTO E ARGIMIRO Capítulo 1 Introdução O objetivo desta disciplina é discutir e aplicar técnicas e métodos numéricos para a resolução de problemas

Leia mais

NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS

NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA APRESENTAÇÃO NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS O trabalho deve ser digitado e impresso em papel

Leia mais

EMENTÁRIO E BIBLIOGRAFIA BÁSICA

EMENTÁRIO E BIBLIOGRAFIA BÁSICA EMENTÁRIO E BIBLIOGRAFIA BÁSICA 2º ANO Nome da disciplina: Física Geral II Carga horária: 90h Acústica e Ondas. Óptica Física e Geométrica. Lei de Coulomb; Campo Elétrico. Lei de Gauss. Potencial. Capacitância.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA BIOMÉDICA Regulamento do TCC

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA BIOMÉDICA Regulamento do TCC ANEXO A TERMO DE COMPROMISSO DE ORIENTAÇÃO DO TRABALHO DE Nome do Aluno: Matricula: Título do TCC CONCLUSAO DE CURSO (TCC) Solicito que seja designado como meu Orientador do Trabalho de Conclusão de Curso

Leia mais

LIÇÃO 1 - USANDO O GRAVADOR DE MACROS

LIÇÃO 1 - USANDO O GRAVADOR DE MACROS 1_15 - ADS - PRO MICRO (ILM 001) - Estudo dirigido Macros Gravadas Word 1/35 LIÇÃO 1 - USANDO O GRAVADOR DE MACROS No Microsoft Office Word 2007 é possível automatizar tarefas usadas frequentemente criando

Leia mais

UNIVERSIDADE GAMA FILHO Laboratório de Controle I - MATLAB

UNIVERSIDADE GAMA FILHO Laboratório de Controle I - MATLAB NOME: UNIVERSIDADE GAMA FILHO Laboratório de Controle I - MATLAB O que é o Matlab? O Matlab é um sistema para cálculo científico que proporciona um ambiente de fácil utilização com uma notação intuitiva,

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA - SC. MICROSOFT OFFICE - EXCEL 2007 Pág.: 1

TRIBUNAL DE JUSTIÇA - SC. MICROSOFT OFFICE - EXCEL 2007 Pág.: 1 EXCEL 2007 O Excel 2007 faz parte do pacote de produtividade Microsoft Office System de 2007, que sucede ao Office 2003. Relativamente à versão anterior (Excel 2003), o novo programa introduz inúmeras

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 002/2009/PEQ-UFS ANEXO I NORMAS PARA A ELABORAÇÃO DA DISSERTAÇÃO

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 002/2009/PEQ-UFS ANEXO I NORMAS PARA A ELABORAÇÃO DA DISSERTAÇÃO INSTRUÇÃO NORMATIVA N 002/2009/PEQ-UFS ANEXO I NORMAS PARA A ELABORAÇÃO DA DISSERTAÇÃO 1. INTRODUÇÃO A Dissertação é a apresentação escrita do trabalho de pesquisa desenvolvido no âmbito do Programa de

Leia mais

Manual do Usuário. Sistema Financeiro e Caixa

Manual do Usuário. Sistema Financeiro e Caixa Manual do Usuário Sistema Financeiro e Caixa - Lançamento de receitas, despesas, gastos, depósitos. - Contas a pagar e receber. - Emissão de cheque e Autorização de pagamentos/recibos. - Controla um ou

Leia mais

Word e Excel. Marque Certo ou Errado

Word e Excel. Marque Certo ou Errado A figura acima mostra uma janela do Word 2002, com um texto em processo de edição. Nesse texto, a expressão União Européia é o único trecho formatado como negrito e a palavra continente está selecionada.

Leia mais

CÓDIGO DA VAGA: TP05 QUESTÕES DE MÚLTIPLAS ESCOLHAS

CÓDIGO DA VAGA: TP05 QUESTÕES DE MÚLTIPLAS ESCOLHAS QUESTÕES DE MÚLTIPLAS ESCOLHAS 1. Sistemas de gerenciamento de rede tem sua arquitetura baseada em três componentes principais. São eles: a) Protocolo de gerenciamento, protocolo de monitoramento, segurança.

Leia mais

Associação Educacional Dom Bosco Curso de Engenharia 1º ano

Associação Educacional Dom Bosco Curso de Engenharia 1º ano Formatação condicional utilizando o valor da célula O que é? Algumas vezes é preciso destacar os valores, ou seja, como colocar em vermelho ou entre parênteses, os negativos, e de outra cor os positivos,

Leia mais

Centro de Computação - Unicamp Gerência de Atendimento ao Cliente (e-mail:apoio@turing.unicamp.br) Sumário

Centro de Computação - Unicamp Gerência de Atendimento ao Cliente (e-mail:apoio@turing.unicamp.br) Sumário Sumário Conceitos Microsoft Access 97... 01 Inicialização do Access... 02 Convertendo um Banco de Dados... 03 Criando uma Tabela... 06 Estrutura da Tabela... 07 Propriedades do Campo... 08 Chave Primária...

Leia mais

BIBLIOTECA DE CIÊNCIAS JURÍDICAS. NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE DOCUMENTOS CIENTÍFICOS: TRABALHOS ACADÊMICOS Aula 1

BIBLIOTECA DE CIÊNCIAS JURÍDICAS. NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE DOCUMENTOS CIENTÍFICOS: TRABALHOS ACADÊMICOS Aula 1 BIBLIOTECA DE CIÊNCIAS JURÍDICAS NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE DOCUMENTOS CIENTÍFICOS: TRABALHOS ACADÊMICOS Aula 1 Paula Carina de Araújo paulacarina@ufpr.br 2014 Pesquisa Pesquisa Atividade básica da ciência

Leia mais

NORMAS DE FORMATAÇÃO DO TRABALHO FINAL (PIL) Apresentação Gráfica

NORMAS DE FORMATAÇÃO DO TRABALHO FINAL (PIL) Apresentação Gráfica UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA Faculdade de Educação UAB/UnB Curso de Especialização em Educação na Diversidade e Cidadania, com Ênfase em EJA Parceria MEC/SECAD NORMAS DE FORMATAÇÃO DO TRABALHO FINAL (PIL)

Leia mais

Centro Federal de Educação Tecnológica da Bahia Curso Excel Avançado Índice

Centro Federal de Educação Tecnológica da Bahia Curso Excel Avançado Índice Índice Apresentação...2 Barra de Título...2 Barra de Menus...2 Barra de Ferramentas Padrão...2 Barra de Ferramentas de Formatação...3 Barra de Fórmulas e Caixa de Nomes...3 Criando um atalho de teclado

Leia mais

GUIA PRÁTICO DA NOVA ORTOGRAFIA

GUIA PRÁTICO DA NOVA ORTOGRAFIA 1 - Acento agudo O acento agudo desaparece das palavras da língua portuguesa em três casos, como se pode ver a seguir: Nos ditongos (encontro de duas vogais proferidas em uma só sílaba) abertos ei e oi

Leia mais

Curso de Comunicação Social - Publicidade e Propaganda NORMAS PARA ELABORAÇÃO / APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS

Curso de Comunicação Social - Publicidade e Propaganda NORMAS PARA ELABORAÇÃO / APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS Curso de Comunicação Social - Publicidade e Propaganda NORMAS PARA ELABORAÇÃO / APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS 1 ESTRUTURA A estrutura e a disposição dos elementos de um trabalho acadêmico são as

Leia mais

EXCEL 2003. Excel 2003 SUMÁRIO

EXCEL 2003. Excel 2003 SUMÁRIO EXCEL 2003 SUMÁRIO INICIANDO O EXCEL... 2 CONHECENDO AS BARRAS DO EXCEL... 4 OS COMPONETES DO EXCEL 2003... 7 ENTENDENDO FUNÇÕES... 8 BOLETIM ESCOLAR... 16 QUADRO DE RENDIMENTO DO ALUNO... 17 CHAMADA ESCOLAR...

Leia mais

INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR SANT ANA LUCIO MAURO BRAGA MACHADO MANUAL PARA A ELABORAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS

INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR SANT ANA LUCIO MAURO BRAGA MACHADO MANUAL PARA A ELABORAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR SANT ANA LUCIO MAURO BRAGA MACHADO MANUAL PARA A ELABORAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS PONTA GROSSA 2011 LUCIO MAURO BRAGA MACHADO MANUAL PARA A ELABORAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS

Leia mais

GUIA PARA CONFECÇÃO DE PROJETO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC)

GUIA PARA CONFECÇÃO DE PROJETO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) GUIA PARA CONFECÇÃO DE PROJETO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) Mestrado Profissional em Metrologia e Qualidade Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial 2010 APRESENTAÇÃO

Leia mais

Título do trabalho: subtítulo do trabalho

Título do trabalho: subtítulo do trabalho Título do trabalho: subtítulo do trabalho Resumo Este documento apresenta um modelo de formatação a ser utilizado em artigos e tem como objetivo esclarecer aos autores o formato a ser utilizado. Este documento

Leia mais

Os trabalhos acadêmicos devem ser divididos em: elementos pré-textuais, textuais e

Os trabalhos acadêmicos devem ser divididos em: elementos pré-textuais, textuais e NORMAS PARA A REDAÇÃO DE TESES E DISSERTAÇÕES DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA O projeto gráfico é de responsabilidade do autor

Leia mais

Instituto de Matemática Departamento de Matemática Pura e Aplicada

Instituto de Matemática Departamento de Matemática Pura e Aplicada Instituto de Matemática Departamento de Matemática Pura e Aplicada Dados de identificação Disciplina: MATEMÁTICA APLICADA II Período Letivo: 2015/1 Período de Início de Validade : 2015/1 Professor Responsável

Leia mais

Alfabeto com 26 letras

Alfabeto com 26 letras 1 Reforma Ortográfica As novas regras do Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa entram em vigor a partir de 1º de janeiro de 2009. Oito países, onde o português é língua oficial, vão precisar ajustar

Leia mais

1. Objectivo Durante uma experiência, medem-se certas variáveis, ex.: concentrações, pressões, temperaturas,

1. Objectivo Durante uma experiência, medem-se certas variáveis, ex.: concentrações, pressões, temperaturas, MODELAÇÃO E DETERMINAÇÃO DE PARÂMETROS CINÉTICOS FILIPE GAMA FREIRE 1. Objectivo Durante uma experiência, medem-se certas variáveis, ex.: concentrações, pressões, temperaturas, etc. a que chamaremos y

Leia mais

RECOMENDAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DA MONOGRAFIA DO TRABALHO DE GRADUAÇÃO (TG)

RECOMENDAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DA MONOGRAFIA DO TRABALHO DE GRADUAÇÃO (TG) RECOMENDAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DA MONOGRAFIA DO TRABALHO DE GRADUAÇÃO (TG) 1. FORMATAÇÃO O documento deve ser formatado em papel A4, margens espelho: 3 cm margens interna e superior; 2 cm margens externa

Leia mais

Tela Inicial: O Banco de Dados e seus objetos:

Tela Inicial: O Banco de Dados e seus objetos: Access 1 Tela Inicial: 2 ÁREA DE TRABALHO. Nosso primeiro passo consiste em criar o arquivo do Access (Banco de Dados), para isto utilizaremos o painel de tarefas clicando na opção Banco de Dados em Branco.

Leia mais

MÓDULO - I Manual Prático Microsoft Excel 2007

MÓDULO - I Manual Prático Microsoft Excel 2007 MÓDULO - I Manual Prático Microsoft Excel 2007 MÓDULO - I APRESENTAÇÃO... 1 AMBIENTE DE TRABALHO... 2 A folha de cálculo... 2 O ambiente de trabalho do Excel... 3 Faixas de Opções do Excel... 4 - Guia

Leia mais

Normas para Apresentação de Monografias

Normas para Apresentação de Monografias UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE DEPARTAMENTO DE SISTEMAS E COMPUTAÇÃO COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Normas para Apresentação de Monografias Campina Grande, dezembro 2010

Leia mais

Guia para Apresentação de Trabalho Acadêmico: de acordo com NBR 14724/2011. São Carlos

Guia para Apresentação de Trabalho Acadêmico: de acordo com NBR 14724/2011. São Carlos Guia para Apresentação de Trabalho Acadêmico: de acordo com NBR 14724/2011 São Carlos Guia para Apresentação de Trabalho Acadêmico As orientações abaixo estão de acordo com NBR 14724/2011 da Associação

Leia mais

Neste capítulo veremos como se trabalha com fórmulas e funções que são as ferramentas que mais nos ajudam nos cálculos repetitivos.

Neste capítulo veremos como se trabalha com fórmulas e funções que são as ferramentas que mais nos ajudam nos cálculos repetitivos. Fórmulas e Funções Neste capítulo veremos como se trabalha com fórmulas e funções que são as ferramentas que mais nos ajudam nos cálculos repetitivos. Operadores matemáticos O Excel usa algumas convenções

Leia mais

Manual de Pedido de Matrícula em Disciplinas pelo Q-Acadêmico WEB

Manual de Pedido de Matrícula em Disciplinas pelo Q-Acadêmico WEB Manual de Pedido de Matrícula em Disciplinas pelo Q-Acadêmico WEB Área Responsável Implantação Preparado por: Leonardo Moulin Franco 27 de maio de 2009 Revisão 00 TABELA DE REVISÃO DESTE MANUAL REVISÃO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE CIÊNCIAS BÁSICAS DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MICROBIOLOGIA AGRÍCOLA E DO AMBIENTE

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE CIÊNCIAS BÁSICAS DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MICROBIOLOGIA AGRÍCOLA E DO AMBIENTE UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE CIÊNCIAS BÁSICAS DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MICROBIOLOGIA AGRÍCOLA E DO AMBIENTE Comissão Coordenadora do Programa de Pós-Graduação em

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Federal do Amapá Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação Programa de Pós-graduação em Ciências Farmacêuticas

Ministério da Educação Universidade Federal do Amapá Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação Programa de Pós-graduação em Ciências Farmacêuticas Ministério da Educação Universidade Federal do Amapá Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação Programa de Pós-graduação em Ciências Farmacêuticas MANUAL PARA ELABORAÇÃO DO TRABALHO DE DISSERTAÇÃO (FORMATO

Leia mais

PROGRAMA COMPUTACIONAL PARA INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA BASEADO NO AtHENS

PROGRAMA COMPUTACIONAL PARA INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA BASEADO NO AtHENS PROGRAMA COMPUTACIONAL PARA INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA BASEADO NO Rafael T. C. S. Ribeiro¹, Reinaldo C. Mirre 2, Eduardo M. Queiroz 3 e Fernando L. P. Pessoa 3 1 Bolsista de iniciação Científica CNPq/UFRJ,

Leia mais

Apostila de Word 2013

Apostila de Word 2013 Iniciando o word 2013...01 Regras Básicas para digitação de um texto...02 Salvando um arquivo com senha...02 Salvando um arquivo nas nuvens (OneDrive).... 02 Verificando a ortografia e a gramática do texto...

Leia mais

Checklist da Estrutura de Monografia, Tese ou Dissertação na MDT UFSM 2010

Checklist da Estrutura de Monografia, Tese ou Dissertação na MDT UFSM 2010 1 Checklist da Estrutura de Monografia, Tese ou Dissertação na MDT UFSM 2010 Pré-textuais Textuais Pós-textuais Estrutura Elemento OK Capa (obrigatório) Anexo A (2.1.1) Lombada (obrigatório) Anexo H Folha

Leia mais

Algoritmos com VisuAlg

Algoritmos com VisuAlg Algoritmos com VisuAlg Prof Gerson Volney Lagemann Depto Eng de Produção e Sistemas UDESC - CCT Algoritmos com VisuAlg Introdução A linguagem VisuAlg é simples, seu objetivo é disponibilizar um ambiente

Leia mais

NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS

NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS APRESENTAÇÃO O trabalho deve ser digitado e impresso em papel formato A4. O texto deve ser digitado, no anverso das folhas, em espaço 1,5, letra do tipo

Leia mais

Utilização de Software Livre no Controle Estatístico de Processo

Utilização de Software Livre no Controle Estatístico de Processo Utilização de Software Livre no Controle Estatístico de Processo Wagner André dos Santos Conceição (UEM) wasconceicao@bol.com.br Paulo Roberto Paraíso (UEM) paulo@deq.uem.br Mônica Ronobo Coutinho (UNICENTRO)

Leia mais

GUIA DE AUXÍLIO PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS METODOLOGIA IFES

GUIA DE AUXÍLIO PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS METODOLOGIA IFES GUIA DE AUXÍLIO PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS METODOLOGIA IFES SUMÁRIO 1. PREENCHIMENTO DA PLANILHA DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS...3 1.1 Menu...3 1.2 Termo de Abertura...4 1.3 Plano do Projeto...5 1.4

Leia mais

O que é o Microsoft Office?

O que é o Microsoft Office? Aula 1 O que é o Microsoft Office? O Microsoft Office é um pacote de programas para escritório que faz parte de um único DVD. Você aprenderá neste curso a trabalhar com os programas mais famosos do pacote

Leia mais

CURSO TÉCNICO EM PROCESSAMENTO DE DADOS

CURSO TÉCNICO EM PROCESSAMENTO DE DADOS CURSO TÉCNICO EM PROCESSAMENTO DE DADOS APOSTILA DE LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO CAP Criação de Algoritmos e Programas PROFESSOR RENATO DA COSTA Não estamos aqui para sobreviver e sim para explorar a oportunidade

Leia mais

UNIDADE II Conhecendo o Ambiente Virtual de Aprendizagem

UNIDADE II Conhecendo o Ambiente Virtual de Aprendizagem UNIDADE II Conhecendo o Ambiente Virtual de Aprendizagem 2.1 Introdução Caro Pós-Graduando, Nesta unidade, abordaremos o Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) que será utilizado no curso: o Moodle. Serão

Leia mais

O novo acordo ortográfico da língua portuguesa e questões notacionais da língua

O novo acordo ortográfico da língua portuguesa e questões notacionais da língua O novo acordo ortográfico da língua portuguesa e questões notacionais da língua FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA EM MARKETING E PROCESSOS GERENCIAIS UC: COMUNICAÇÃO

Leia mais

Algoritmo e Programação

Algoritmo e Programação Algoritmo e Programação Professor: José Valentim dos Santos Filho Colegiado: Engenharia da Computação Prof.: José Valentim dos Santos Filho 1 Ementa Noções básicas de algoritmo; Construções básicas: operadores,

Leia mais

Apresentação e formatação de artigo em publicação periódica científica:

Apresentação e formatação de artigo em publicação periódica científica: Apresentação e formatação de artigo em publicação periódica científica: Conforme NBR 6022:2003 Seção de atendimento ao usuário - SISBI Outubro 2013 Normas técnicas Norma técnica é um documento estabelecido

Leia mais

Pré-texto. Texto. Pós-texto. Estrutura do Trabalho Final de Curso. A estrutura do Trabalho Final de Curso compreende: pré-texto, texto e pós-texto.

Pré-texto. Texto. Pós-texto. Estrutura do Trabalho Final de Curso. A estrutura do Trabalho Final de Curso compreende: pré-texto, texto e pós-texto. Estrutura do Trabalho Final de Curso A estrutura do Trabalho Final de Curso compreende: pré-texto, texto e pós-texto. Pré-texto Capa Folha de Rosto Dedicatória Agradecimentos Epígrafe Resumo Sumário Texto

Leia mais

NORMAS DE REDAÇÃO PARA QUALIFICAÇÃO E APRESENTAÇÃO DE DISSERTAÇÕES E TESES

NORMAS DE REDAÇÃO PARA QUALIFICAÇÃO E APRESENTAÇÃO DE DISSERTAÇÕES E TESES 1 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001/ DE 30 DE MAIO DE 2011/ PRODEMA-UFS DE Estas normas de redação foram definidas como diretrizes básicas pelo Colegiado do Núcleo de Pós-Graduação em Desenvolvimento e Meio Ambiente

Leia mais

Licenciamento de Uso

Licenciamento de Uso Licenciamento de Uso Este documento é propriedade intelectual 2002 do Centro de Computação da Unicamp e distribuído sob os seguintes termos: 1. As apostilas publicadas pelo Centro de Computação da Unicamp

Leia mais

Plano de Aula - Word 2010 Avançado - cód.5546 24 Horas/Aula

Plano de Aula - Word 2010 Avançado - cód.5546 24 Horas/Aula Plano de Aula - Word 2010 Avançado - cód.5546 24 Horas/Aula Aula 1 Capítulo 1 - Introdução aos Recursos Avançados do Word Aula 2 Capítulo 2 - Salvar e Proteger Documentos Aula 3 Capítulo 3 - Formatar Textos

Leia mais

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS. FAIBI Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ibitinga

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS. FAIBI Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ibitinga DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS FAIBI Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ibitinga Ibitinga/ SP 2010 SUMÁRIO 1 OBJETIVO... 3 2 REGRAS GERAIS... 3 2.1 DAS FINALIDADES... 3 2.2

Leia mais

AULA 3: BrOffice Writer Numeração de páginas e outros comandos. Ao final dessa aula, você deverá ser capaz de:

AULA 3: BrOffice Writer Numeração de páginas e outros comandos. Ao final dessa aula, você deverá ser capaz de: AULA 3: BrOffice Writer Numeração de páginas e outros comandos Objetivo Ao final dessa aula, você deverá ser capaz de: Conhecer o controle de exibição do documento; Fazer a correção ortográfica do documento

Leia mais

Apresentação de Trabalhos Acadêmicos ABNT

Apresentação de Trabalhos Acadêmicos ABNT Apresentação de Trabalhos Acadêmicos ABNT Editoração do Trabalho Acadêmico 1 Formato 1.1. Os trabalhos devem ser digitados em papel A-4 (210 X297 mm) apenas no anverso (frente) da folha. 2 Tipo e tamanho

Leia mais

ACORDO ORTOGRÁFICO: TRANSIÇÃO DA IMPLANTAÇÃO VIDEOCONFERÊNCIA DO PROFESSOR RUY BERGER RESUMO

ACORDO ORTOGRÁFICO: TRANSIÇÃO DA IMPLANTAÇÃO VIDEOCONFERÊNCIA DO PROFESSOR RUY BERGER RESUMO ACORDO ORTOGRÁFICO: TRANSIÇÃO DA IMPLANTAÇÃO VIDEOCONFERÊNCIA DO PROFESSOR RUY BERGER RESUMO (*) A revisão deste texto já considera as novas normas do Acordo Ortográfico. O Acordo Ortográfico da Língua

Leia mais

4 Criação de macros e introdução à linguagem VBA

4 Criação de macros e introdução à linguagem VBA 4 Criação de macros e introdução à linguagem VBA Vinicius A. de Souza va.vinicius@gmail.com São José dos Campos, 2011. 1 Sumário Tópicos em Microsoft Excel 2007 Introdução à criação de macros...3 Gravação

Leia mais

Procedimentos para apresentação e normalização de trabalhos acadêmicos

Procedimentos para apresentação e normalização de trabalhos acadêmicos Procedimentos para apresentação e normalização de trabalhos acadêmicos Maria Bernardete Martins Alves Marili I. Lopes Procedimentos para apresentação e normalização de trabalhos acadêmicos Módulo 3 Apresentação

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO UNIRIO Centro de Ciências Humanas e Sociais CCHS Programa de Pós-Graduação em Educação Mestrado

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO UNIRIO Centro de Ciências Humanas e Sociais CCHS Programa de Pós-Graduação em Educação Mestrado UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO UNIRIO Centro de Ciências Humanas e Sociais CCHS Programa de Pós-Graduação em Educação Mestrado MANUAL DE DEFESA Exame de Qualificação: banca examinadora

Leia mais

As fases na resolução de um problema real podem, de modo geral, ser colocadas na seguinte ordem:

As fases na resolução de um problema real podem, de modo geral, ser colocadas na seguinte ordem: 1 As notas de aula que se seguem são uma compilação dos textos relacionados na bibliografia e não têm a intenção de substituir o livro-texto, nem qualquer outra bibliografia. Introdução O Cálculo Numérico

Leia mais

DIRETRIZES PARA A REDAÇÃO DE TESES E DISSERTAÇÕES DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOENGENHARIA

DIRETRIZES PARA A REDAÇÃO DE TESES E DISSERTAÇÕES DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOENGENHARIA 1 DIRETRIZES PARA A REDAÇÃO DE TESES E DISSERTAÇÕES DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOENGENHARIA O projeto gráfico é de responsabilidade do autor do trabalho, ou seja, o que não consta no texto destas

Leia mais

Linguagens de programação

Linguagens de programação Prof. André Backes Linguagens de programação Linguagem de Máquina Computador entende apenas pulsos elétricos Presença ou não de pulso 1 ou 0 Tudo no computador deve ser descrito em termos de 1 s ou 0 s

Leia mais

Trabalhando com banco de dados

Trabalhando com banco de dados Avançado Trabalhando com Aprenda a manipular dados no Excel com a ajuda de outros aplicativos da suíte Office Armazenar e organizar informações são tarefas executadas diariamente por todos nós. Desde o

Leia mais

1998-2015 Domínio Sistemas Ltda. Todos os direitos reservados.

1998-2015 Domínio Sistemas Ltda. Todos os direitos reservados. Versão 8.1A-13 Saiba que este documento não poderá ser reproduzido, seja por meio eletrônico ou mecânico, sem a permissão expressa por escrito da Domínio Sistemas Ltda. Nesse caso, somente a Domínio Sistemas

Leia mais

Iniciando o Word 2010. Criar um novo documento. Salvando um Documento. Microsoft Office Word

Iniciando o Word 2010. Criar um novo documento. Salvando um Documento. Microsoft Office Word 1 Iniciando o Word 2010 O Word é um editor de texto que utilizado para criar, formatar e imprimir texto utilizado para criar, formatar e imprimir textos. Devido a grande quantidade de recursos disponíveis

Leia mais

MC102 Algoritmos e Programação de Computadores 2ª Aula Programa, entrada e saída de dados

MC102 Algoritmos e Programação de Computadores 2ª Aula Programa, entrada e saída de dados MC102 Algoritmos e Programação de Computadores 2ª Aula Programa, entrada e saída de dados 1. Objetivos Falar sobre programa de computador, diferenciando programa em linguagem de máquina, de programa em

Leia mais

StarOffice Módulo StarWriter

StarOffice Módulo StarWriter Gerência de Transferência Tecnológica - GTTEC StarOffice Módulo StarWriter Autora Daniela Cristina Maestro Fevereiro/2000 Gerência de Transferência Tecnológica - GTTEC Índice Requisitos para Instalação...

Leia mais

Programa. Linguagem MATLAB Métodos Computacionais para EDO Métodos Computacionais para EDP. Critérios

Programa. Linguagem MATLAB Métodos Computacionais para EDO Métodos Computacionais para EDP. Critérios Programa Linguagem MATLAB Métodos Computacionais para EDO Métodos Computacionais para EDP Critérios P1: 5a Aula - Peso 1 P2: 10a Aula - Peso 1.5 P3: 15a Aula- Peso 2.0 Presença e Participação: Peso 2.0

Leia mais

Impressão e Fotolito Oficina Gráfica da EDITORA VIENA. Todos os direitos reservados pela EDITORA VIENA LTDA

Impressão e Fotolito Oficina Gráfica da EDITORA VIENA. Todos os direitos reservados pela EDITORA VIENA LTDA Autores Karina de Oliveira Wellington da Silva Rehder Consultores em Informática Editora Viena Rua Regente Feijó, 621 - Centro - Santa Cruz do Rio Pardo - SP CEP 18.900-000 Central de Atendimento (0XX14)

Leia mais

SISTEMA DE COMUNICAÇÃO DO SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO DE SERVIÇOS GERAIS - COMUNICA. Manual do Usuário

SISTEMA DE COMUNICAÇÃO DO SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO DE SERVIÇOS GERAIS - COMUNICA. Manual do Usuário SISTEMA DE COMUNICAÇÃO DO SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO DE SERVIÇOS GERAIS - COMUNICA Manual do Usuário Título SISTEMA DE COMUNICAÇÃO DO SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO DE SERVIÇOS GERAIS - COMUNICA

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PUC-SP. FACULDADE (do aluno) CURSO. TÍTULO DO PROJETO Subtítulo do Projeto AUTOR DO PROJETO

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PUC-SP. FACULDADE (do aluno) CURSO. TÍTULO DO PROJETO Subtítulo do Projeto AUTOR DO PROJETO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PUC-SP FACULDADE (do aluno) CURSO TÍTULO DO PROJETO Subtítulo do Projeto AUTOR DO PROJETO TÍTULO DO RELATÓRIO AUTOR(ES) DO RELATÓRIO SÃO PAULO 200_ NOTA PRÉVIA

Leia mais

CAPA elemento obrigatório.

CAPA elemento obrigatório. CAPA elemento obrigatório. UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA NOME DO SETOR DO CURSO NOME DO DEPARTAMENTO OU COORDENAÇÃO NOME DO CURSO Nome da Instituição, do Setor, do Departamento e do Curso. Fonte

Leia mais

O que você deverá saber. Ao final do estudo do Tópico 3 você deverá:

O que você deverá saber. Ao final do estudo do Tópico 3 você deverá: Tópico 3 Relatórios Técnico-científicos n. O que você deverá saber Ao final do estudo do Tópico 3 você deverá: - saber identificar os elementos que compõem a estrutura de um relatório técnico-científico;

Leia mais

Professora: Yandra Mello

Professora: Yandra Mello Professora: Yandra Mello Se você precisa realizar um trabalho, de qual matéria for, lembre-se que você não deve realizá-lo de qualquer maneira, entrar em qualquer site, colocar o texto no Word, e sem ler

Leia mais

PROGRAMA ANALÍTICO DE DISCIPLINA CURSOS TÉCNICOS DE NÍVEL MÉDIO INTEGRADOS, CONCOMITANTES E SUBSEQUENTES CÓDIGO:

PROGRAMA ANALÍTICO DE DISCIPLINA CURSOS TÉCNICOS DE NÍVEL MÉDIO INTEGRADOS, CONCOMITANTES E SUBSEQUENTES CÓDIGO: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS PROGRAMA ANALÍTICO DE DISCIPLINA CURSOS TÉCNICOS

Leia mais

Software Matemático para aplicação da Teoria dos Conjuntos

Software Matemático para aplicação da Teoria dos Conjuntos Software Matemático para aplicação da Teoria dos Conjuntos Ana Paula Cavalheiro Oliveira (man05103@feg.unesp.br) Diego Teixeira de Souza (man05109@feg.unesp.br) Rodrigo Alexandre Ribeiro (man04023@feg.unesp.br)

Leia mais

Especificação do Trabalho Prático

Especificação do Trabalho Prático Especificação do Trabalho Prático O trabalho prático da disciplina consiste em desenvolver um programa utilizando a linguagem de programação C. A seguir, encontram-se a descrição do problema, a forma de

Leia mais

1. NOÇÕES BÁSICAS... 1.1. Iniciando o Excel... 1.1.1. Abrindo o Excel... 1.1.2. Encerrando o Excel... 1.2. A tela do Excel 7.0... 1.2.1.

1. NOÇÕES BÁSICAS... 1.1. Iniciando o Excel... 1.1.1. Abrindo o Excel... 1.1.2. Encerrando o Excel... 1.2. A tela do Excel 7.0... 1.2.1. 1. NOÇÕES BÁSICAS... 1.1. Iniciando o Excel... 1.1.1. Abrindo o Excel... 1.1.2. Encerrando o Excel... 1.2. A tela do Excel 7.0... 1.2.1. Partes da tela do Excel... Barra de fórmulas... Barra de status...

Leia mais

MANUAL DO PROJETO INTEGRADOR PI

MANUAL DO PROJETO INTEGRADOR PI FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI CIMATEC MANUAL DO PROJETO INTEGRADOR PI Curso de Graduação SALVADOR 2014 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1 OBJETIVO DO PI... 3 2 DIRETRIZES GERAIS... 3 3 FLUXO DOS PROCESSOS DE

Leia mais

ENSINO DE CIÊNCIA DOS MATERIAIS, COM AUXÍLIO DA PLATAFORMA MOODLE, A EXPERIÊNCIA DA ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO

ENSINO DE CIÊNCIA DOS MATERIAIS, COM AUXÍLIO DA PLATAFORMA MOODLE, A EXPERIÊNCIA DA ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO 1 ENSINO DE CIÊNCIA DOS MATERIAIS, COM AUXÍLIO DA PLATAFORMA MOODLE, A EXPERIÊNCIA DA ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO MAIO 2008 Ericksson Rocha e Almendra - Escola Politécnica

Leia mais

5 ESTRUTURA E APRESENTAÇÃO DE MONOGRAFIAS OU TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC)... 478 5.1 Ordenamento dos elementos da monografia ou TCC... 48 5.

5 ESTRUTURA E APRESENTAÇÃO DE MONOGRAFIAS OU TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC)... 478 5.1 Ordenamento dos elementos da monografia ou TCC... 48 5. 5 ESTRUTURA E APRESENTAÇÃO DE MONOGRAFIAS OU TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC)... 478 5.1 Ordenamento dos elementos da monografia ou TCC... 48 5.2 Capa... 48 5.3 Folha de rosto... 51 5.4 Errata... 53

Leia mais

Enviar Para (Destinatário do Email - Para Revisão) > Botão Office Opções do Word Personalizar Todos os Comandos Enviar para Revisão

Enviar Para (Destinatário do Email - Para Revisão) > Botão Office Opções do Word Personalizar Todos os Comandos Enviar para Revisão Word 2003: Arquivo Novo > Botão Office Novo Abrir... > Botão Office Abrir Fechar > Botão Office Fechar Salvar > Barra de Ferramentas de Acesso Rápido Salvar Salvar > Botão Office Salvar Salvar como > Botão

Leia mais

LICENCIATURA EM COMPUTAÇÃO

LICENCIATURA EM COMPUTAÇÃO Coordenador: Duração: Carga Horária: LICENCIATURA EM COMPUTAÇÃO Victor Emanuel Corrêa Lima 6 semestres 2800 horas Situação Legal: Reconhecido pela Portaria MEC nº 503 de 15/02/2006 MATRIZ CURRICULAR Primeiro

Leia mais

SISTEMA DE BIBLIOTECAS FMU/FIAM-FAAM/FISP NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE PESQUISA

SISTEMA DE BIBLIOTECAS FMU/FIAM-FAAM/FISP NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE PESQUISA SISTEMA DE BIBLIOTECAS FMU/FIAM-FAAM/FISP NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE PESQUISA São Paulo 2014 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO 1 ELEMENTOS EXTERNOS 1.1 CAPA 1.2 LOMBADA 2 ELEMENTOS INTERNOS PRÉ-TEXTUAIS

Leia mais

MÓDULO - III Manual Prático Microsoft Excel 2007

MÓDULO - III Manual Prático Microsoft Excel 2007 MÓDULO - III Manual Prático Microsoft Excel 2007 1 MÓDULO - III CÁLCULOS... 3 Fazer contas... 3 Fórmulas com operadores básicos... 3 Fórmulas com funções... 4 Funções mais usadas... 8 Soma... 8 Media...

Leia mais

GDQ. Gerador Dinâmico De Questionário. Página 1 de 91. Logus Tecnologia. Todos os direitos reservados.

GDQ. Gerador Dinâmico De Questionário. Página 1 de 91. Logus Tecnologia. Todos os direitos reservados. GDQ Gerador Dinâmico De Questionário Página 1 de 91 ÍNDICE I. CONCEITO... 3 A. O CONTEÚDO DAS QUESTÕES... 3 B. ESCOLHA DAS QUESTÕES... 5 C. FORMULAÇÃO DAS QUESTÕES... 5 D. VANTAGENS DOS QUESTIONÁRIOS...

Leia mais

Power Point. Autor: Paula Pedone

Power Point. Autor: Paula Pedone Power Point Autor: Paula Pedone INTRODUÇÃO O POWER POINT é um editor de apresentações, pertencente ao Pacote Office da Microsoft. Suas principais características são: criação de apresentações através da

Leia mais