Norma do Programa de Empréstimo Pessoal TECHNOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Norma do Programa de Empréstimo Pessoal TECHNOS"

Transcrição

1 Norma do Programa de Empréstimo Pessoal TECHNOS

2 SUMÁRIO CAPÍTULO I - DA FINALIDADE...3 CAPÍTULO II - DOS PARTICIPANTES E ASSISTIDOS...3 CAPÍTULO III - DOS CRITÉRIOS PARA CONCESSÕES...4 CAPÍTULO IV - DOS LIMITES INDIVIDUAIS...4 CAPÍTULO V - DOS ENCARGOS...4 CAPÍTULO VI - DO PAGAMENTO...6 CAPÍTULO VII - DA EXTINÇÃO DO EMPRÉSTIMO E GARANTIAS...7 CAPÍTULO VIII - DAS DISPOSIÇÕES GERAIS...8 2

3 CAPÍTULO I DA FINALIDADE Art. 1 - O Programa de Empréstimo Pessoal da TECHNOS, doravante denominado nesta Norma apenas Empréstimo TECHNOS, visa proporcionar linhas de crédito aos Participantes inscritos no Plano B de Contribuição Definida da Fundação Technos de Previdência Social. Parágrafo Único - O Empréstimo TECHNOS é considerado aplicação financeira, conforme determinado na legislação, e será concedido através de crédito em conta corrente bancária, de titularidade do próprio Participante. Art. 2 - O Empréstimo TECHNOS reger-se-á pela legislação competente, pelo Estatuto da TECHNOS, pelo Regulamento do Plano, pela Política de Investimentos do Plano e pela presente Norma. Art. 3 - O volume máximo da carteira de empréstimos será determinado através da Política de Investimento e está limitado pela Resolução do Conselho Monetário Nacional. CAPÍTULO II DOS PARTICIPANTES ELEGÍVEIS AO EMPRÉSTIMO TECHNOS Art. 4 - Será concedido o Empréstimo TECHNOS aos maiores de 18 (dezoito) anos vinculados ao Plano, que mantenham vinculo empregatício com Patrocinadora da TECHNOS e que tenham cumprido o período de carência mínimo de 12 (doze) meses de contribuição à TECHNOS. Parágrafo Primeiro - Aos Participantes que, por algum motivo, estiverem com a situação de afastado junto à Patrocinadora, não serão concedidos empréstimos enquanto permanecerem nessas condições. Parágrafo Segundo - O Participante que tiver o seu vínculo empregatício com a Patrocinadora extinto deverá quitar o seu Empréstimo TECHNOS e não poderá requerer novo Empréstimo, exceto se tiver novo vínculo empregatício com a Patrocinadora e com o Plano, observados os demais critérios estabelecidos nesta Norma. Art. 5 - O empréstimo será concedido por solicitação do Participante interessado e o seu deferimento é de exclusivo critério da TECHNOS. 3

4 CAPÍTULO III DOS CRITÉRIOS PARA CONCESSÃO Art. 6º - Para que seja solicitado o empréstimo é necessário que o Participante: (i) Preencha os critérios de elegibilidade ao Empréstimo TECHNOS no dispostos no Capítulo II desta Norma; (ii) Envie à TECHNOS o Contrato de Empréstimo TECHNOS corretamente preenchido, assinado e rubricado pelo Participante e duas testemunhas; (iii) Enviar à TECHNOS cartão proposta do Seguro de Vida e Declaração de Saúde de próprio punho juntamente com o contrato para a Fundação. Parágrafo Único - A concessão do empréstimo obedecerá, rigorosamente, à ordem de chegada dos pedidos à administração da TECHNOS em cada período de concessão. CAPÍTULO IV DOS LIMITES INDIVIDUAIS Art. 7 - O valor da concessão do Empréstimo TECHNOS não poderá ultrapassar 90% (noventa por cento) da reserva líquida do participante que lhe seria devida a título de resgate. Parágrafo Único - Os limites mencionados nesse item poderão ser modificados, a qualquer tempo pela Diretoria-Executiva da TECHNOS, obedecidas as disposições legais, estatutárias, regulamentares do Plano e a disponibilidade de recursos financeiros alocado para este programa. Art. 8º - O valor da prestação, não poderá ser superior a 30% do salário-base. Art. 9º - Será permitido ao Participante ter simultaneamente vigentes mais de um Contrato de Empréstimo TECHNOS, doravante denominado apenas Contrato. desde que sejam de modalidades diferentes. CAPÍTULO V DOS ENCARGOS Art O Empréstimo TECHNOS estará sujeito aos seguintes encargos: I. Para modalidade SAC 3, a taxa de juros, calculada por meio do Sistema de Amortização Constante, 150% (cento e cinquenta por cento) da Taxa SELIC do mês anterior, calculados diariamente sobre o saldo devedor somados a prestação paga mensalmente; 4

5 II. Para a modalidade PRICE 3, a taxa de juros, calculada pela Tabela Price de acordo com o prazo de amortização da dívida; -Taxa de juros de 2% ao mês para contratos de 1 a 15 prestações; -Taxa de juros de 2,5% ao mês para contratos de 16 a 24. III.Taxa de administração e a taxa de concessão, do Empréstimo TECHNOS, definida pela Diretoria-Executiva da TECHNOS e divulgada no site da TECHNOS, calculada sobre o montante concedido, descontada no ato da concessão, a qual se destina ao pagamento de despesas com administração e operação das carteiras de empréstimos; IV. Seguro para quitação do saldo devedor do empréstimo em caso de morte do Participante; V. tributos previstos em lei. VI. Definições: Juros Concessão: taxa de 2%, para os contratos de 1 a 15 parcelas ou de 2,5%, para os contratos de 16 a 24 parcelas, calculada sobre o valor solicitado e descontada no ato da concessão do empréstimo PRICE 3, com a finalidade de rentabilizar a reserva de poupança dos participantes; Correção Concessão: taxa de 150% da SELIC mensal, calculada sobre o valor solicitado e descontada no ato da concessão do empréstimo SAC 3, com a finalidade de rentabilizar a reserva de poupança dos participantes; Taxa Administrativa: taxa de 1%, cobrada sobre o valor solicitado e descontada no ato da concessão. Destina-se ao pagamento de despesas com administração e operações da carteira de empréstimos; Seguro Prestamista: taxa de 0,02% cobrada, sobre o valor solicitado, destinada a quitar o empréstimo, até o valor de R$ ,00 (cento e cinco mil reais), em caso de falecimento do participante-mutuário; IOF: imposto sobre operações de crédito, taxa determinada pelo governo. Parágrafo primeiro Após a concessão do empréstimo, as taxas de administração, seguro e taxa de concessão, não serão devolvidas em hipótese alguma, mesmo em caso de quitação antecipada. Parágrafo segundo - O seguro para quitação do empréstimo por falecimento do Participante está limitado ao valor de R$ ,00 (cento e cinco mil reais). Em caso de morte do (a) mutuário (a) o saldo devedor será quitado pelo seguro, o que exceder a este valor será descontado do saldo da reserva do Participante. 5

6 Parágrafo segundo - A opção pelo sistema de amortização das parcelas do Empréstimo TECHNOS, Tabela Price ou Sistema de Amortização Constante, deverá ser realizada no momento da contratação. CAPÍTULO VI DO PAGAMENTO Art. 11 O empréstimo será amortizado em prestações mensais, calculadas com base no valor contratado e no valor do último sálario-base recebido pelo Participante. Art O prazo para a quitação do Empréstimo TECHNOS, para efeito do cálculo inicial das prestações, será no prazo máximo de 24 (vinte e quatro), para aqueles que optarem pela modalidade PRICE 3 ou de 60 (sessenta) parcelas mensais, para aqueles que optarem pela modalidade SAC3. Parágrafo Primeiro - A renegociação da dívida será possível após pagas, no mínimo, 3 (três) parcelas das inicialmente pactuadas, ou nos casos de que trata o artigo 23 desta Norma. Art A liquidação do crédito será realizada por consignação em folha de pagamento da Patrocinadora ATP Tecnologia e Produtos S.A, mensalmente, iniciando-se no mês seguinte ao da sua concessão. Parágrafo Único - A concessão de empréstimo fica condicionada à expressa autorização de consignação em folha de pagamento, a qual será formalizada no Contrato de Empréstimo TECHNOS. Art Mesmo com as autorizações a que se refere o Parágrafo Único do artigo 13, o Participante permanece como único responsável pelo pagamento do débito e, caso a respectiva Patrocinadora ou a TECHNOS não proceda os descontos mensais, o Participante se obriga a efetuar os pagamentos das prestações mensais diretamente à TECHNOS, com vencimento até o 5º dia útil do mês subsequente ao que deveria ser realizado ao desconto na folha de pagamento da Patrocinadora da TECHNOS, conforme o caso, ou então através de outro meio de pagamento designado pela TECHNOS, com o mesmo prazo de vencimento. Art O saldo devedor do empréstimo poderá ser quitado ou amortizado antecipadamente, incidindo proporcionalmente juros, demais acréscimos e atualização monetária pro rata die sobre o saldo devedor até a data do respectivo pagamento. Art O Participante que por algum motivo atrasar o pagamento de qualquer parcela será considerado inadimplente, incidindo sobre o valor devido juros de mora 6

7 de 1% (um por cento) ao mês e multa de 2% (dois por cento), além de correção monetária pelo INPC, ou outro índice que o substitua. CAPÍTULO VII DA EXTINÇÃO DO EMPRÉSTIMO E GARANTIAS Art O Empréstimo TECHNOS será concedido mediante as seguintes garantias, as quais serão utilizadas caso configurada qualquer situação que represente o inadimplemento no cumprimento das obrigações do contrato de empréstimo: a reserva individual de poupança do Participante; e a parte da reserva patronal de poupança, que lhe seria devida, conforme art. 19, do Regulamento do Plano, quando do exercício da garantia. Art O atraso no pagamento de 3 (três) prestações, implicará na cobrança e devidas providências para o recebimento do valor do contrato, sendo considerado vencido, o que faculta a TECHNOS a utilização da garantia da operação, o cadastramento do nome do devedor em lista de proteção ao crédito, bem como o ajuizamento de ações judiciais. Art Também serão consideradas vencidas antecipadamente todas as parcelas vincendas e exigido o valor devido de forma integral, atingindo-se as garantias para a quitação da dívida, nos casos em que ocorrer, isolada ou cumulativamente: I. a cessação do vínculo empregatício do Participante Ativo com a respectiva Patrocinadora, caso em que fica ainda a TECHNOS autorizada a proceder à dedução de até 30% do valor das verbas rescisórias do Participante junto à sua Patrocinadora, sem prejuízo da utilização das garantias, conforme definida no artigo 17 desta Norma. II. o cancelamento da inscrição do Participante no Plano; III. o requerimento de aposentadoria pelo Participante; IV. a ocorrência de situação que implique em aposentadoria por invalidez; V. o falecimento do Participante. Art Após as deduções previstas nos artigos anteriores, havendo saldo devedor remanescente, deverá o Participante quitar a obrigação através da reserva de poupança. 7

8 Art Qualquer situação que importe em inadimplemento do Participante por período superior a 30 (trinta) dias facultará à TECHNOS adotar as medidas administrativas e/ou judiciais cabíveis, inclusive a da negativação do nome do Participante nos órgãos de proteção ao crédito. Art A simples transferência do Participante para outra Patrocinadora não implica em extinção do contrato de empréstimo, e as parcelas mensais do empréstimo continuarão sendo descontadas normalmente em sua folha de salário na nova Patrocinadora, cabendo à nova patrocinadora informar à TECHNOS, sobre sua transferência, no prazo máximo de 15 (quinze) dias anteriores ao recebimento de sua remuneração mensal. Contudo, caso a transferência do Participante ocorra para empresa não Patrocinadora do Plano, deverá ser adotado pela TECHNOS o procedimento equivalente ao da rescisão do contrato de trabalho do Participante com sua Patrocinadora. CAPÍTULO VIII DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art Se o Participante tiver se afastado junto à Patrocinadora, será também suspensa a cobrança das prestações do seu Contrato de Empréstimo TECHNOS até que retorne ao trabalho ou que tenha seu vínculo empregatício extinto. Parágrafo Primeiro - Durante a suspensão da cobrança das prestações do contrato de empréstimo a que se refere o caput, os valores contratados a título de empréstimos serão corrigidos monetariamente. Parágrafo Segundo Cessado o afastamento junto a patrocinadora e a suspensão da cobrança das prestações do contrato de empréstimo, o contrato será renovado automaticamente para que se adeque aos limetes de concessão e descontos dispostos na Norma do Empréstimo TECHNOS vigente à época, sendo resguardados direitos que beneficiem o participante e não contrariem a legislação. Parágrafo Terceiro - O Participante que tiver seu contrato de trabalho suspenso só poderá contratar novo empréstimo após cumprido período de carência que corresponda à quantidade de meses que ficou suspenso, ou a 12 (doze) meses, caso a suspensão tenha ocorrido por período superior a 1 (um) ano. Art As prestações dos empréstimos descontadas na folha de pagamento das Patrocinadoras serão recolhidas à TECHNOS nas mesmas datas definidas para os demais recolhimentos dos Participantes previstas no regulamento do Plano, isto é, até o último dia útil do mês. 8

9 Esta Norma entrará em vigor no dia 15 de abril de 2015, revogando-se as anteriores, com vigência por prazo indeterminado. Brasília-DF, 15 de abril de Juarez Lopes Cançado Diretor-Presidente Durais Vogado Barreto Diretor-Financeiro William Acácio Ayres Angola Diretor-Administrativo Wellington Ribeiro Guimarães Diretor de Seguridade 9

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO Art. 1º Este documento, doravante denominado Regulamento de Empréstimo, estabelece os direitos e as obrigações da Boticário Prev, dos Participantes e Assistidos, para a concessão

Leia mais

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO A PARTICIPANTE DO PLANO DE BENEFICIO CEBPREV.

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO A PARTICIPANTE DO PLANO DE BENEFICIO CEBPREV. REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO A PARTICIPANTE DO PLANO DE BENEFICIO CEBPREV. Sumário Capítulo I Da finalidade...1 Capítulo II - Dos contratantes...1 Capítulo III - Dos limites individuais...2 Capítulo IV -

Leia mais

Regulamento. do Programa de Empréstimo Pessoal

Regulamento. do Programa de Empréstimo Pessoal Regulamento do Programa de Empréstimo Pessoal 2 Regulamento do Programa de Empréstimo Pessoal Índice CAPÍTULO I DA FINALIDADE... 4 CAPÍTULO II DOS PARTICIPANTES ELEGÍVEIS... 4 CAPÍTULO III DOS LIMITES

Leia mais

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL GERDAU PREVIDÊNCIA

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL GERDAU PREVIDÊNCIA REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL GERDAU PREVIDÊNCIA Capítulo I Da Finalidade Artigo 1 - O presente Regulamento de Empréstimo Pessoal, doravante denominado Regulamento, tem por finalidade definir normas

Leia mais

REGULAMENTO A CONCESSÃO E MANUTENÇÃO DE EMPRÉSTIMO SIMPLES AOS PARTICIPANTES E ASSISTIDOS DO PLANO BENEFÍCIO PREV-RENDA.

REGULAMENTO A CONCESSÃO E MANUTENÇÃO DE EMPRÉSTIMO SIMPLES AOS PARTICIPANTES E ASSISTIDOS DO PLANO BENEFÍCIO PREV-RENDA. REGULAMENTO A CONCESSÃO E MANUTENÇÃO DE EMPRÉSTIMO SIMPLES AOS PARTICIPANTES E ASSISTIDOS DO PLANO BENEFÍCIO PREV-RENDA. Índice Capítulo I Da Carteira de Empréstimo Simples... 3 Capítulo II Dos Recursos

Leia mais

REGULAMENTO DA CARTEIRA DE EMPRÉSTIMO BÁSICO

REGULAMENTO DA CARTEIRA DE EMPRÉSTIMO BÁSICO Rev. 01 Data: 21/05/2014 Página 1 de 8 CAPÍTULO I DEFINIÇÕES Art. 1º - Para fins de aplicação deste Regulamento, o masculino incluirá o feminino e o singular incluirá o plural, a menos que o contexto indique

Leia mais

Regulamento de Empréstimo

Regulamento de Empréstimo Regulamento $ de Empréstimo Para participantes do Plano Complementar de Benefícios Previdenciais - Plano BD $ Fundação de Previdência dos Empregados da CEB Regulamento aprovado pelo Conselho Deliberativo

Leia mais

Regulamento do Plano de Empréstimo. Aprovado em 01 de Janeiro de 2015

Regulamento do Plano de Empréstimo. Aprovado em 01 de Janeiro de 2015 Regulamento do Plano de Empréstimo 2015 Aprovado em 01 de Janeiro de 2015 1. Dos Objetivos a) Estabelecer os direitos e obrigações da Previplan - Sociedade de Previdência Privada (aqui designada como Sociedade

Leia mais

REGIUS SOCIEDADE CIVIL DE PREVIDÊNCIA PRIVADA. Regulamento de Empréstimos Plano CV- 03

REGIUS SOCIEDADE CIVIL DE PREVIDÊNCIA PRIVADA. Regulamento de Empréstimos Plano CV- 03 1/6 TÍTULO: CLASSIFICAÇÃO: REFERENCIAL NORMATIVO: ASSUNTO: GESTOR: ELABORADOR: APROVAÇÃO: Documento Executivo Resolução CMN nº 3456/2007 PO-GEREL-002_Solicitação de Empréstimo Estabelece as regras para

Leia mais

REGULAMENTO EMPRÉSTIMO CASANPREV

REGULAMENTO EMPRÉSTIMO CASANPREV REGULAMENTO EMPRÉSTIMO CASANPREV 1/9 CAPÍTULO I Do Objeto Art. 1º Este documento, doravante denominado Regulamento de Empréstimo, estabelece os direitos e as obrigações da CASANPREV, dos Participantes,

Leia mais

REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMO SIMPLES - CV

REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMO SIMPLES - CV SUMÁRIO 1. DEFINIÇÕES... 2 2. FINALIDADE... 3 3. DESTINATÁRIOS... 3 4. DOCUMENTAÇÃO... 4 5. VALOR MÁXIMO... 4 6. PRAZOS... 4 7. ENCARGOS E ATUALIZAÇÃO MONETÁRIA... 5 8. GARANTIAS... 5 9. CONDIÇÕES GERAIS...

Leia mais

COOPERATIVA DE CRÉDITO MÚTUO DOS INTEGRANTES DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO.

COOPERATIVA DE CRÉDITO MÚTUO DOS INTEGRANTES DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. 1 COOPERATIVA DE CRÉDITO MÚTUO DOS INTEGRANTES DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. REGULAMENTO DA CARTEIRA DE EMPRÉSTIMO Art. 1º - Este Regulamento estabelece as modalidades de empréstimos,

Leia mais

REGIUS SOCIEDADE CIVIL DE PREVIDÊNCIA PRIVADA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE EMPRÉSTIMO PESSOAL PERMANENTE PLANO DE BENEFÍCIOS 03

REGIUS SOCIEDADE CIVIL DE PREVIDÊNCIA PRIVADA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE EMPRÉSTIMO PESSOAL PERMANENTE PLANO DE BENEFÍCIOS 03 1/6 TÍTULO: CLASSIFICAÇÃO: REFERENCIAL NORMATIVO: ASSUNTO: GESTOR: ELABORADOR: APROVAÇÃO: Regulamento do Programa de Empréstimo Pessoal Permanente Documento Executivo Resolução CMN nº 3456/2007 PO-GEREL-002_Solicitação

Leia mais

NORMA PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMO A PARTICIPANTES (Aprovada pela Deliberação n 005/2012, de 29 de março de 2012)

NORMA PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMO A PARTICIPANTES (Aprovada pela Deliberação n 005/2012, de 29 de março de 2012) NORMA PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMO A PARTICIPANTES (Aprovada pela Deliberação n 005/2012, de 29 de março de 2012) 1. DA FINALIDADE A presente Norma tem por finalidade regulamentar e definir condições para

Leia mais

REGULAMENTO EMPRÉSTIMO CASANPREV

REGULAMENTO EMPRÉSTIMO CASANPREV REGULAMENTO EMPRÉSTIMO CASANPREV 1 CAPÍTULO I Do Objeto Art. 1º Este documento, doravante denominado Regulamento de Empréstimo, estabelece os direitos e as obrigações da CASANPREV, dos Participantes, Assistidos

Leia mais

BB SEGURO CRÉDITO PROTEGIDO

BB SEGURO CRÉDITO PROTEGIDO BB SEGURO CRÉDITO PROTEGIDO Condições Particulares Processo SUSEP Nº 15414.003063/2009-70 0 ÍNDICES CONDIÇÕES PARTICULARES 1. OBJETO DO SEGURO 2 2. ESTIPULANTE 2 3. GRUPO SEGURÁVEL 2 4. GRUPO SEGURADO

Leia mais

O mútuo, objeto deste contrato, será concedido conforme condições que se seguem:

O mútuo, objeto deste contrato, será concedido conforme condições que se seguem: SÃO PARTES DESTE CONTRATO: CONTRATO DE EMPRÉSTIMO FUNCEF NA MODALIDADE DE CREDINÂMICO FUNCEF 13º SALÁRIO QUE ENTRE SI FAZEM AS PARTES ABAIXO IDENTIFICADAS, NAS CONDIÇÕES QUE SE SEGUEM: A FUNDAÇÃO DOS ECONOMIÁRIOS

Leia mais

REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS SIMPLES. 1.1 Estabelecer as diretrizes para a concessão de empréstimo simples.

REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS SIMPLES. 1.1 Estabelecer as diretrizes para a concessão de empréstimo simples. REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS SIMPLES 1 OBJETIVO 1.1 Estabelecer as diretrizes para a concessão de empréstimo simples. 2 CONCESSÃO 2.1 O empréstimo simples poderá ser concedido exclusivamente

Leia mais

Regulamento da Carteira de Empréstimo - Antecipação do Abono Anual

Regulamento da Carteira de Empréstimo - Antecipação do Abono Anual Regulamento da Carteira de Empréstimo - Antecipação do Abono Anual Art. 1º - O presente Regulamento tem por finalidade disciplinar o funcionamento da Carteira de Empréstimo - Antecipação do Abono Anual,

Leia mais

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL 1. OBJETIVO Estabelecer as condições, critérios e normas de concessão de Empréstimo Pessoal aos participantes da PREVICEL Previdência Privada da CELEPAR, obedecendo as disposições legais vigentes sobre

Leia mais

CONTRATO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL. Empresa: Matrícula: Telefone: ( ) Renegociação? ( ) NÃO ( ) SIM Novo Contrato:

CONTRATO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL. Empresa: Matrícula: Telefone: ( ) Renegociação? ( ) NÃO ( ) SIM Novo Contrato: CONTRATO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL Nome do Participante/Assistido: Empresa: Matrícula: Telefone: ( ) Valor do Empréstimo: Quantidade de Prestações: Renegociação? ( ) NÃO ( ) SIM Novo Contrato: Valor liquido

Leia mais

REGULAMENTO DOS EMPRÉSTIMOS FORLUZ

REGULAMENTO DOS EMPRÉSTIMOS FORLUZ Aprovado pelo Comitê de Investimentos da Forluz na 330ª reunião de 14/09/2011 e na 331ª reunião de 23/09/2011. Válido para empréstimos solicitados a partir de 01/10/2011. REGULAMENTO DOS EMPRÉSTIMOS FORLUZ

Leia mais

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL 1. FINALIDADE 1.1. Este Regulamento tem por finalidade disciplinar as concessões de empréstimos aos Participantes do Plano de Benefícios JMalucelli, administrado pelo

Leia mais

Cartilha de Empréstimo 1

Cartilha de Empréstimo 1 Cartilha de Empréstimo 1 Empréstimo Economus: Como é? Quem tem direito? Que tipo de empréstimos o Economus oferece? O Economus oferece apenas a modalidade de empréstimo pessoal. Quem poderá solicitar empréstimos?

Leia mais

REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMO SIMPLES

REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMO SIMPLES SUMÁRIO 1. DEFINIÇÕES... 2 2. FINALIDADE... 3 3. DESTINATÁRIOS... 3 4. DOCUMENTAÇÃO... 4 5. VALOR MÁXIMO E MÍNIMO... 5 6. PRAZOS... 5 7. ENCARGOS E ATUALIZAÇÃO MONETÁRIA... 6 8. GARANTIAS... 7 9. CONDIÇÕES

Leia mais

Norma de Empréstimos Financeiros

Norma de Empréstimos Financeiros Gestão de Atendimento AFAF D.GA.03 1/11 ÍNDICE 1. Objetivo... 2 2. Responsabilidades... 2 3. Conceitos... 2 4. Critérios... 3 4.1. Modalidades de Empréstimos Financeiros... 3 4.2. Limite de Contratos...

Leia mais

REGULAMENTO DOS EMPRÉSTIMOS FORLUZ

REGULAMENTO DOS EMPRÉSTIMOS FORLUZ Aprovado pelo Comitê de Investimentos da Forluz em 18 e 25/01/13 (Ata da 401ª e 403ª reunião). Válido para empréstimos solicitados a partir de 01/03/2013. REGULAMENTO DOS EMPRÉSTIMOS FORLUZ CAPÍTULO I

Leia mais

VIGÊNCIA: 19/11/2014. (Aprovado na 1550ª Reunião de Diretoria, realizada em outubro/2014)

VIGÊNCIA: 19/11/2014. (Aprovado na 1550ª Reunião de Diretoria, realizada em outubro/2014) VIGÊNCIA: 19/11/2014 (Aprovado na 1550ª Reunião de Diretoria, realizada em outubro/2014) SUMÁRIO 1 OBJETIVO... 3 2 DEFINIÇÕES... 3 3 - LIMITE DE CRÉDITO... 4 4 - ENCARGOS FINANCEIROS, ADMINISTRATIVO E

Leia mais

CAGEPREV - REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS

CAGEPREV - REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS 1 - OBJETIVO CAGEPREV - REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS 1.1 Estabelecer normas para concessão de empréstimos aos participantes ativos e assistidos. 2 - QUALIFICAÇÃO PARA O EMPRÉSTIMO 2.1 Ser

Leia mais

NORMA PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL MODALIDADE PRESTAÇÕES PÓS FIXADAS Nº. 02/2015

NORMA PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL MODALIDADE PRESTAÇÕES PÓS FIXADAS Nº. 02/2015 NORMA PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL MODALIDADE PRESTAÇÕES PÓS FIXADAS Nº. 02/2015 1. DA FINALIDADE Esta Norma dispõe sobre a concessão de Empréstimo Pessoal Modalidade Prestações Pós Fixadas pelo

Leia mais

Este Contrato contém 5 (cinco) páginas que deverão ser lidas e preenchidas nos itens abaixo relacionados.

Este Contrato contém 5 (cinco) páginas que deverão ser lidas e preenchidas nos itens abaixo relacionados. INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO E ENVIO DO CONTRATO DE ABERTURA DE CRÉDITO ELETRÔNICO Este Contrato contém 5 (cinco) páginas que deverão ser lidas e preenchidas nos itens abaixo relacionados. página 1/5 -

Leia mais

Norma do Empréstimo Pré-fixado Plano Prece III

Norma do Empréstimo Pré-fixado Plano Prece III Norma do Empréstimo Pré-fixado Plano Prece III Sumário - Objetivo -1/6 - Conceitos Básicos -1/6 - Competências - 2/6 - Condições para o Financiamento - 2/6 - Disposições Gerais - 6/6 - Vigência - 6/6 Objetivo.

Leia mais

R E G U L A M E N T O

R E G U L A M E N T O Empréstimo a Participantes e Assistidos dos Planos I, II e III Capítulo I Do Objetivo R E G U L A M E N T O Art. 1º Este Regulamento de Empréstimo, doravante denominado Regulamento, dispõe sobre as regras

Leia mais

INSTITUTO CONAB DE SEGURIDADE SOCIAL NR Nº 001/2013 NORMA PARA CONCESSÃO E COBRANÇA DE EMPRÉSTIMO PESSOAL SIMPLES

INSTITUTO CONAB DE SEGURIDADE SOCIAL NR Nº 001/2013 NORMA PARA CONCESSÃO E COBRANÇA DE EMPRÉSTIMO PESSOAL SIMPLES NR Nº 001/2013 NORMA PARA CONCESSÃO E COBRANÇA DE EMPRÉSTIMO PESSOAL SIMPLES 1. DO OBJETIVO 1.1. Esta norma dispõe sobre procedimentos a serem adotados no segmento da carteira de empréstimo pessoal na

Leia mais

REGULAMENTO DO PLANO DE EMPRÉSTIMO ESPECIAL PEE

REGULAMENTO DO PLANO DE EMPRÉSTIMO ESPECIAL PEE REGULAMENTO DO PLANO DE EMPRÉSTIMO ESPECIAL PEE 1. FINALIDADE Dispõe o presente Regulamento sobre o Empréstimo Especial a ser concedido pela PREVIG aos seus Participantes e Assistidos. 2. DEFINIÇÕES 2.1

Leia mais

PARCELAMENTO DE TRIBUTOS FEDERAIS REFIS DA COPA

PARCELAMENTO DE TRIBUTOS FEDERAIS REFIS DA COPA PARCELAMENTO DE TRIBUTOS FEDERAIS REFIS DA COPA INTRODUÇÃO Após a mobilização de vários setores da economia juntamente com as proposições formuladas pelo Congresso Nacional, foi publicada a Lei 12.996/2014,

Leia mais

CIRCULAR Nº 110 1. DA MODALIDADE E ENCARGOS FINANCEIROS DO EMPRÉSTIMO

CIRCULAR Nº 110 1. DA MODALIDADE E ENCARGOS FINANCEIROS DO EMPRÉSTIMO CIRCULAR Nº 110 Regulamenta a Concessão e Manutenção de Empréstimos a Participantes e Assistidos da Fundação Banestes de Seguridade Social BANESES. 1. DA MODALIDADE E ENCARGOS FINANCEIROS DO EMPRÉSTIMO

Leia mais

REGULAMENTO DO PLANO PREVIDENCIAL DOS PARTICIPANTES VINCULADOS AO INSTITUTO MINEIRO DE AGROPECUÁRIA - IMA REGULAMENTO ESPECÍFICO - RP6 CAPÍTULO I

REGULAMENTO DO PLANO PREVIDENCIAL DOS PARTICIPANTES VINCULADOS AO INSTITUTO MINEIRO DE AGROPECUÁRIA - IMA REGULAMENTO ESPECÍFICO - RP6 CAPÍTULO I DOS PARTICIPANTES VINCULADOS AO INSTITUTO MINEIRO DE AGROPECUÁRIA - REGULAMENTO ESPECÍFICO - RP6 CAPÍTULO I DAS PRESTAÇÕES PREVIDENCIAIS Art. 1º - O Regulamento Específico - RP6 disciplina a concessão

Leia mais

E, matrícula, inscrito no CPF sob o n.º doravante denominado MUTUÁRIO.

E, matrícula, inscrito no CPF sob o n.º doravante denominado MUTUÁRIO. CONTRATO DE MÚTUO, EMPRÉSTIMO FUNCEF NA MODALIDADE DE NOVO CREDINÂMICO FUNCEF VARIÁVEL QUE ENTRE SI FAZEM AS PARTES ABAIXO IDENTIFICADAS, NAS CONDIÇÕES QUE SE SEGUEM: SÃO PARTES DESTE CONTRATO: A FUNDAÇÃO

Leia mais

NORMA DE CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS AOS PARTICIPANTES

NORMA DE CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS AOS PARTICIPANTES 1. OBJETIVO Esta norma tem por objetivo estabelecer os critérios e procedimentos a serem adotados para concessão e liberação de empréstimos aos participantes. 2. CAMPO DE APLICAÇÃO As operações de empréstimos

Leia mais

CONTRATO DE EMPRÉSTIMO COM CRÉDITO PRÉ-APROVADO

CONTRATO DE EMPRÉSTIMO COM CRÉDITO PRÉ-APROVADO PÁGINA 1/7 CONTRATO DE EMPRÉSTIMO Dados do Contratante Nome: CPF: - Carteira de Identidade: Órgão: Matrícula: - Endereço: Bairro: Cidade: UF: CEP: - Estado Civil: Profissão: Empresa: Lotação: Banco: Agência:

Leia mais

POLÍTICA DE CRÉDITO E DE EMPRÉSTIMO OUTUBRO D E

POLÍTICA DE CRÉDITO E DE EMPRÉSTIMO OUTUBRO D E POLÍÍTIICA DE CRÉDIITO E DE EMPRÉSTIIMO OUTUBRO D E 2 0 0 9 COOPERATIVA DE ECONOMIA E CRÉDITO MÚTUO DOS FUNCIONÁRIOS DA FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE BARRETOS - COOPERFEB POLÍTICA DE CRÉDITO E DE EMPRÉSTIMO

Leia mais

PROGRAMA DE CRÉDITO EDUCATIVO - INVESTCREDE REGULAMENTO

PROGRAMA DE CRÉDITO EDUCATIVO - INVESTCREDE REGULAMENTO PROGRAMA DE CRÉDITO EDUCATIVO - INVESTCREDE 1. DAS INFORMAÇÕES GERAIS REGULAMENTO 1.1 - O presente regulamento objetiva a concessão de Crédito Educativo para estudantes devidamente Matriculados nos cursos

Leia mais

ESTADO DE SERGIPE PREFEITURA MUNICIPAL DE ARACAJU Secretaria Municipal de Governo LEI COMPLEMENTAR N.º 64/2003 DE 23 DE DEZEMBRO DE 2003

ESTADO DE SERGIPE PREFEITURA MUNICIPAL DE ARACAJU Secretaria Municipal de Governo LEI COMPLEMENTAR N.º 64/2003 DE 23 DE DEZEMBRO DE 2003 Institui a Segunda Etapa do Programa de Recuperação de Créditos Fiscais do Município REFIS II e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE ARACAJU. Faço saber que a Câmara Municipal de Aracaju aprovou

Leia mais

DECRETO Nº 2.525, DE 4 DE SETEMBRO DE 2014 - Institui o Programa de Recuperação de Créditos da Fazenda Estadual REFAZ e dá outras providências.

DECRETO Nº 2.525, DE 4 DE SETEMBRO DE 2014 - Institui o Programa de Recuperação de Créditos da Fazenda Estadual REFAZ e dá outras providências. DECRETO Nº 2.525, DE 4 DE SETEMBRO DE 2014 - Institui o Programa de Recuperação de Créditos da Fazenda Estadual REFAZ e dá outras providências. EMENTA: Concede parcelamento de débitos fiscais com anistia

Leia mais

CONTRATO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMO COM FINALIDADE ESPECÍFICA

CONTRATO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMO COM FINALIDADE ESPECÍFICA CONTRATO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMO COM FINALIDADE ESPECÍFICA CAIXA DE PREVIDÊNCIA DOS FUNCIONÁRIOS DO BANCO DO BRASIL, entidade fechada de previdência complementar, com sede na Praia de Botafogo, nº

Leia mais

SANTANDER CAP. Condições Gerais. I - Objetivo

SANTANDER CAP. Condições Gerais. I - Objetivo SANTANDER CAP Condições Gerais I - Objetivo Art. 1º - A SANTANDER CAPITALIZAÇÃO S.A., doravante denominada Sociedade de Capitalização, institui o Título de Capitalização ora descrito e devidamente aprovado

Leia mais

LEI Nº 13.979, DE 25 DE SETEMBRO DE 2007

LEI Nº 13.979, DE 25 DE SETEMBRO DE 2007 ESTADO DO CEARÁ LEI Nº 13.979, DE 25 DE SETEMBRO DE 2007 DISPÕE SOBRE A RENEGOCIAÇÃO DAS DÍVIDAS DECORRENTES DE EMPRÉSTIMOS CONCEDIDOS PELO EXTINTO BANCO DO ESTADO DO CEARÁ S/A BEC, POR PARTE DO ESTADO

Leia mais

RESOLUÇÃO N. 002/2015

RESOLUÇÃO N. 002/2015 RESOLUÇÃO N. 002/2015 Atualiza a Resolução 005/2014 em seu artigo 3º (Taxa de juros do Consignado Estadual e renovação garantias I e II) de acordo com as condições e garantias oferecidas pelo sócio, inalteradas

Leia mais

2. DAS DISPOSIÇÕES COMUNS Art. 2º A solicitação de empréstimo será efetuada mediante preenchimento de formulário fornecido pelo AGROS.

2. DAS DISPOSIÇÕES COMUNS Art. 2º A solicitação de empréstimo será efetuada mediante preenchimento de formulário fornecido pelo AGROS. NORMAS PARA HABILITAÇÃO, CONCESSÃO E ADMINISTRAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS 1. INTRODUÇÃO Art. 1º Estas Normas disciplinam as condições para concessão, manutenção e amortização de Empréstimos Simples, Saúde e Emergência

Leia mais

PROPOSTA DE EMPRÉSTIMO MODALIDADE PRÉ-FIXADO (Preenchimento Obrigatório) Nome. Matrícula Lotação Tel. Comercial. Email: Carteira de Identidade CPF

PROPOSTA DE EMPRÉSTIMO MODALIDADE PRÉ-FIXADO (Preenchimento Obrigatório) Nome. Matrícula Lotação Tel. Comercial. Email: Carteira de Identidade CPF ELETRA - FUNDAÇÃO CELG DE SEGUROS E PREVIDÊNCIA www.eletra.org.br - versão: 05/2015 12.08.2015 - pág.: 1 PROPOSTA DE EMPRÉSTIMO MODALIDADE PRÉ-FIXADO (Preenchimento Obrigatório) ( ) ATIVO ( ) APOSENTADO

Leia mais

DELPHOS INFORMA CONSELHO CURADOR DO FUNDO DE COMPENSAÇÃO DE VARIAÇÕES SALARIAIS RESOLUÇÃO Nº 133, DE 26 DE ABRIL DE 2002

DELPHOS INFORMA CONSELHO CURADOR DO FUNDO DE COMPENSAÇÃO DE VARIAÇÕES SALARIAIS RESOLUÇÃO Nº 133, DE 26 DE ABRIL DE 2002 DELPHOS INFORMA ANO 8 - Nº 35 ABRIL / 2002 CONSELHO CURADOR DO FUNDO DE COMPENSAÇÃO DE VARIAÇÕES SALARIAIS RESOLUÇÃO Nº 133, DE 26 DE ABRIL DE 2002 Ementa: Aprovar o Regulamento do Parcelamento de Débitos

Leia mais

PDF created with pdffactory trial version www.pdffactory.com

PDF created with pdffactory trial version www.pdffactory.com REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DOS PLANOS DE ASSISTÊNCIA MÉDICO-HOSPITALAR E DE ASSISTÊNCIA ODONTOLÓGICA CONTRATADOS PELA ASTCERJ A utilização dos Planos de Assistência Médico-Hospitalar e de Assistência Odontológica

Leia mais

matrícula, inscrito(a) no CPF sob o n.º

matrícula, inscrito(a) no CPF sob o n.º CONTRATO DE MÚTUO, EMPRÉSTIMO FUNCEF NA MODALIDADE DE CREDINÂMICO 13º SALÁRIO FEVEREIRO QUE ENTRE SI FAZEM AS PARTES ABAIXO IDENTIFICADAS, NAS CONDIÇÕES QUE SE SEGUEM: SÃO PARTES DESTE CONTRATO: A FUNDAÇÃO

Leia mais

DECRETO-LEI Nº 2.323, DE 26 DE FEVEREIRO DE 1987

DECRETO-LEI Nº 2.323, DE 26 DE FEVEREIRO DE 1987 CÂMARA DOS DEPUTADOS Centro de Documentação e Informação DECRETO-LEI Nº 2.323, DE 26 DE FEVEREIRO DE 1987 Dispõe sobre a atualização monetária de débitos fiscais e dá outras providências. O PRESIDENTE

Leia mais

REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS

REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS ÍNDICE 1.0 - DOS EMPRÉSTIMOS...Página 2 2.0 - DA MODALIDADE... 2 3.0 - DOS LIMITES... 2 4.0 - DA CONCESSÃO... 3 5.0 - DOS PRAZOS... 4 6.0 - DA AMORTIZAÇÃO... 4

Leia mais

CAIXA DE AUXÍLIO FINANCEIRO DOS EMPREGADOS DA CELG CACELG REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO 1 DA ADMISSÃO E DESLIGAMENTO DOS SÓCIOS

CAIXA DE AUXÍLIO FINANCEIRO DOS EMPREGADOS DA CELG CACELG REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO 1 DA ADMISSÃO E DESLIGAMENTO DOS SÓCIOS CAIXA DE AUXÍLIO FINANCEIRO DOS EMPREGADOS DA CELG CACELG REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO 1 DA ADMISSÃO E DESLIGAMENTO DOS SÓCIOS Art. 1 - Todo empregado ativo inclusive diretores e assessores que ocupem cargo

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO PRIME

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO PRIME CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO PRIME I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRADESCO CAPITALIZAÇÃO S/A CNPJ: 33.010.851/0001-74 PÉ QUENTE BRADESCO PRIME PLANO PM 48/48 P - MODALIDADE:

Leia mais

FACULDADE METODISTA GRANBERY GABINETE DA DIREÇÃO PORTARIA Nº 01/2015

FACULDADE METODISTA GRANBERY GABINETE DA DIREÇÃO PORTARIA Nº 01/2015 FACULDADE METODISTA GRANBERY GABINETE DA DIREÇÃO PORTARIA Nº 01/2015 Ementa: Altera e estabelece o Regulamento Financeiro para os cursos de graduação da Faculdade Metodista Granbery. O TESOUREIRO DO INSTITUTO

Leia mais

RealCap PM Sonhos - Sorteios Mensais CONDIÇÕES GERAIS GLOSSÁRIO

RealCap PM Sonhos - Sorteios Mensais CONDIÇÕES GERAIS GLOSSÁRIO RealCap PM Sonhos - Sorteios Mensais CONDIÇÕES GERAIS GLOSSÁRIO Subscritor é a pessoa que subscreve a proposta de aquisição do Título, assumindo o compromisso de efetuar o pagamento na forma convencionada

Leia mais

$ $ Guia de Empréstimos. Fachesf

$ $ Guia de Empréstimos. Fachesf Guia de Empréstimos Fachesf Sobre os empréstimos da Fachesf Quais as modalidades de empréstimos que a Fachesf oferece? Empréstimo Pós-Fixado (sem comprovação) Empréstimo Educação (com comprovação) Empréstimo

Leia mais

Rua Bernardo Guimarães, 63 Funcionários Belo Horizonte MG Cep 30140-080 Telefones (31) 3284-8407 3284-2625 Fax: 3284-8931 E-mail: casfam@fiemg.com.

Rua Bernardo Guimarães, 63 Funcionários Belo Horizonte MG Cep 30140-080 Telefones (31) 3284-8407 3284-2625 Fax: 3284-8931 E-mail: casfam@fiemg.com. MATERIAL EXPLICATIVO DO PLANO DE BENEFÍCIOS SISTEMA FIEMG Outubro / 2013 A CASFAM A CASFAM é uma Entidade Fechada de Previdência Complementar (EFPC), sociedade civil patrocinada pelo Sistema FIEMG, com

Leia mais

TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO APLUBCAP POPULAR 510 MODALIDADE POPULAR PAGAMENTO ÚNICO CONDIÇÕES GERAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: APLUB CAPITALIZAÇÃO S. A.

TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO APLUBCAP POPULAR 510 MODALIDADE POPULAR PAGAMENTO ÚNICO CONDIÇÕES GERAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: APLUB CAPITALIZAÇÃO S. A. I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: APLUB CAPITALIZAÇÃO S. A. CNPJ: 88.076.302/0001-94 APLUBCAP POPULAR 510 MODALIDADE: POPULAR PROCESSO SUSEP Nº: 15414.902145/2013-85 II - GLOSSÁRIO Subscritor

Leia mais

REGULAMENTO DE OPERAÇÕES

REGULAMENTO DE OPERAÇÕES 1 GENERALIDADES As operações de crédito da Cooperativa serão realizadas dentro das normas fixadas pelo Estatuto Social, pelas normas legais, as do Banco Central do Brasil e por este Regulamento. 2 OBJETIVO

Leia mais

Produto BNDES Exim Pós-embarque Normas Operacionais. Linha de Financiamento BNDES Exim Automático

Produto BNDES Exim Pós-embarque Normas Operacionais. Linha de Financiamento BNDES Exim Automático Produto BNDES Exim Pós-embarque Normas Operacionais Linha de Financiamento BNDES Exim Automático Capítulo I - REGULAMENTO 1. OBJETIVO Apoiar, na fase pós-embarque, a comercialização, no exterior, de bens

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS. Mês de Vigência Taxa de Juros 1º 0,65% a.m. 2º ao 12º 0,45% a.m.

CONDIÇÕES GERAIS. Mês de Vigência Taxa de Juros 1º 0,65% a.m. 2º ao 12º 0,45% a.m. PLIN FIDELIDADE MODALIDADE TRADICIONAL PROCESSO SUSEP Nº: 15414.003764/2008-28 CONDIÇÕES GERAIS GLOSSÁRIO Subscritor é a pessoa que subscreve a proposta de aquisição do Título, assumindo o compromisso

Leia mais

PARCELAMENTO ORDINÁRIO PORTO ALEGRE

PARCELAMENTO ORDINÁRIO PORTO ALEGRE PARCELAMENTO ORDINÁRIO PORTO ALEGRE 1 A - PARCELAMENTO ORDINÁRIO DE TRIBUTOS MUNICIPAIS 1 Em regra, os créditos tributários junto à Fazenda Municipal de Porto Alegre podem ser pagos em até 24 (vinte e

Leia mais

Abrangência: Esse programa abrange:

Abrangência: Esse programa abrange: Condições a serem observadas para adesão ao programa de recuperação fiscal que concede condições especiais para o pagamento à vista e o parcelamento de débitos de qualquer natureza (Portaria Conjunta PGFN/RFB

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO IBICAPITALIZAÇÃO MAIS

CONDIÇÕES GERAIS DO IBICAPITALIZAÇÃO MAIS CONDIÇÕES GERAIS DO IBICAPITALIZAÇÃO MAIS I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRADESCO CAPITALIZAÇÃO S.A. CNPJ: 33.010.851/0001-74 PLANO PM 60/60 A - MODALIDADE: TRADICIONAL PROCESSO SUSEP

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS APLICÁVEIS AO EMPRÉSTIMO CONSIGNADO DESTINADO À RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS

CONDIÇÕES GERAIS APLICÁVEIS AO EMPRÉSTIMO CONSIGNADO DESTINADO À RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS O BANCO SANTANDER (BRASIL) S.A., com sede na Avenida Presidente Juscelino Kubitschek, 2041 e 2235, Bloco A, Vila Olímpia, São Paulo/SP, CEP 04543-011, CNPJ/MF sob n.º 90.400.888/0001-42, disponibiliza

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO PESSOA JURÍDICA

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO PESSOA JURÍDICA CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO PESSOA JURÍDICA I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRADESCO CAPITALIZAÇÃO S/A. CNPJ: 33.010.851/0001-74 PÉ QUENTE BRADESCO PESSOA JURÍDICA PLANO PU

Leia mais

BB SEGURO VIDA PRESTAMISTA EXÉRCITO

BB SEGURO VIDA PRESTAMISTA EXÉRCITO BB SEGURO VIDA PRESTAMISTA EXÉRCITO Contrato de Seguro Processo SUSEP Nº 15414.003063/2009-70 COMPANHIA DE SEGUROS ALIANÇA DO BRASIL - CNPJ 28.196.889/0001-43 SERVIÇO DE ATENDIMENTO AO CLIENTE (SAC): 0800

Leia mais

Produto BNDES Exim Pós-embarque Normas Operacionais. Linha de Financiamento BNDES Exim Automático

Produto BNDES Exim Pós-embarque Normas Operacionais. Linha de Financiamento BNDES Exim Automático Produto BNDES Exim Pós-embarque Normas Operacionais Classificação: Ostensivo Linha de Financiamento BNDES Exim Automático Capítulo I - REGULAMENTO 1. OBJETIVO Apoiar, na fase pós-embarque, a comercialização,

Leia mais

5º REVOGADO. 6º REVOGADO. 7º REVOGADO. 8º REVOGADO. 9º REVOGADO.

5º REVOGADO. 6º REVOGADO. 7º REVOGADO. 8º REVOGADO. 9º REVOGADO. CAPÍTULO II DO PARCELAMENTO DE DÉBITO Art. 163. O débito decorrente da falta de recolhimento de tributos municipais poderá ser pago em até 96 (noventa e seis) parcelas mensais e sucessivas, observado o

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº. 80, DE 14 DE AGOSTO DE 2015

INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº. 80, DE 14 DE AGOSTO DE 2015 INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº. 80, DE 14 DE AGOSTO DE 2015 Altera a Instrução Normativa nº. 28/INSS/PRES, de 16 de maio de 2008. FUNDAMENTAÇÃO LEGAL: Lei nº 8.212, de 24 de

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO CFC N.º 1.406/12 Dispõe sobre o Regime de Parcelamento de Débitos de Anuidades e Multas (Redam III) para o Sistema CFC/CRCs. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições

Leia mais

TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO APLUBCAP POPULAR 636 MODALIDADE POPULAR PAGAMENTO ÚNICO CONDIÇÕES GERAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: APLUB CAPITALIZAÇÃO S. A.

TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO APLUBCAP POPULAR 636 MODALIDADE POPULAR PAGAMENTO ÚNICO CONDIÇÕES GERAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: APLUB CAPITALIZAÇÃO S. A. I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: APLUB CAPITALIZAÇÃO S. A. CNPJ: 88.076.302/0001-94 APLUBCAP POPULAR 636 MODALIDADE: POPULAR PROCESSO SUSEP Nº: 15414.901295/2014-52 II - GLOSSÁRIO Subscritor

Leia mais

IF 011 01 CRÉDITO AO PARTICIPANTE PARA INTEGRALIZAÇÃO DE RESERVA PREVIDENCIÁRIA

IF 011 01 CRÉDITO AO PARTICIPANTE PARA INTEGRALIZAÇÃO DE RESERVA PREVIDENCIÁRIA CRÉDITO AO PARTICIPANTE PARA INTEGRALIZAÇÃO DE RESERVA PREVIDENCIÁRIA SUMÁRIO DA NORMA 1 OBJETIVO,1 2 DEFINIÇÕES,1 2.1 SIGLAS E ABREVIATURAS,1 2.2 CONCEITOS,1 2.3 PALAVRAS-CHAVES,1 3 NORMAS,1 3.1 CAMPO

Leia mais

I INFORMAÇÕES INICIAIS II - GLOSSÁRIO

I INFORMAÇÕES INICIAIS II - GLOSSÁRIO I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: INVEST CAPITALIZAÇÃO S/A CNPJ: 93.202.448/0001-79 (NOME FANTASIA DO PRODUTO): INVESTCAP TRAD-PU 03 (12M) MODALIDADE: TRADICIONAL PROCESSO SUSEP Nº: 15414.900283/2013-20

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA DP N.º 002/2013

INSTRUÇÃO NORMATIVA DP N.º 002/2013 INSTRUÇÃO NORMATIVA DP N.º 002/2013 Estabelece normas para o pagamento de semestralidade, mensalidades, taxas e outros emolumentos estabelecidos em portaria pelos serviços prestados pela FACCREI/FACED.

Leia mais

CONTRATO DE MÚTUO. Assistido é o Participante ou seus beneficiários em gozo de Benefício de prestação continuada.

CONTRATO DE MÚTUO. Assistido é o Participante ou seus beneficiários em gozo de Benefício de prestação continuada. Página 1 de 7 CONTRATO DE MÚTUO Cláusulas e Condições Gerais do Contrato de Mútuo que entre si fazem a Fundação Vale do Rio Doce de Seguridade Social - VALIA e seus Participantes. Fundação Vale do Rio

Leia mais

HIPERPLIN www.plin.com.br MODALIDADE POPULAR PROCESSO SUSEP Nº: 15414.003762/2008-39 CONDIÇÕES GERAIS

HIPERPLIN www.plin.com.br MODALIDADE POPULAR PROCESSO SUSEP Nº: 15414.003762/2008-39 CONDIÇÕES GERAIS HIPERPLIN www.plin.com.br MODALIDADE POPULAR PROCESSO SUSEP Nº: 15414.003762/2008-39 CONDIÇÕES GERAIS GLOSSÁRIO Subscritor é a pessoa que subscreve a proposta de aquisição do Título, assumindo o compromisso

Leia mais

Condições Gerais do Contrato de Concessão de Empréstimo mediante Consignação em Benefícios de Aposentadoria e Pensão do INSS

Condições Gerais do Contrato de Concessão de Empréstimo mediante Consignação em Benefícios de Aposentadoria e Pensão do INSS Condições Gerais do Contrato de Concessão de Empréstimo mediante Consignação em Benefícios de Aposentadoria e Pensão do INSS ESTAS CONDIÇÕES GERAIS REGEM O CONTRATO DE CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMO MEDIANTE

Leia mais

Resolvem, na melhor forma de direito, celebrar o presente Contrato de Mútuo ( Contrato ), de acordo com os seguintes termos e condições:

Resolvem, na melhor forma de direito, celebrar o presente Contrato de Mútuo ( Contrato ), de acordo com os seguintes termos e condições: CONTRATO DE MÚTUO Prelo presente instrumento particular, [O Estudante, pessoa física proponente de empréstimo com determinadas características ( Proposta )], identificado e assinado no presente contrato

Leia mais

TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO - APLUBCAP TRADICIONAL 16 MODALIDADE TRADICIONAL - PAGAMENTO ÚNICO

TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO - APLUBCAP TRADICIONAL 16 MODALIDADE TRADICIONAL - PAGAMENTO ÚNICO TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO - APLUBCAP TRADICIONAL 16 MODALIDADE TRADICIONAL - PAGAMENTO ÚNICO CONDIÇÕES GERAIS I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: APLUB CAPITALIZAÇÃO S/A CNPJ: 88.076.302/0001-94

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO INSTITUTO AYRTON SENNA

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO INSTITUTO AYRTON SENNA CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO INSTITUTO AYRTON SENNA I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRADESCO CAPITALIZAÇÃO S/A CNPJ: 33.010.851/0001-74 PÉ QUENTE BRADESCO INSTITUTO AYRTON

Leia mais

Quadro Comparativo das Alterações Propostas Regulamento do Plano de Aposentadoria MSD Prev

Quadro Comparativo das Alterações Propostas Regulamento do Plano de Aposentadoria MSD Prev Quadro Comparativo das Alterações Propostas Regulamento do Plano de Aposentadoria MSD Prev MSD Prev Sociedade de Previdência Privada Anexo I Ata de Reunião Extraordinária do Conselho Deliberativo de 17/05/07

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO BRADESCO SOLUÇÃO DE ALUGUEL

CONDIÇÕES GERAIS DO BRADESCO SOLUÇÃO DE ALUGUEL I INFORMAÇÕES INICIAIS CONDIÇÕES GERAIS DO BRADESCO SOLUÇÃO DE ALUGUEL SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRADESCO CAPITALIZAÇÃO S.A. CNPJ: 33.010.851/0001-74 BRADESCO SOLUÇÃO DE ALUGUEL PLANO PU 15/15 A - MODALIDADE:

Leia mais

REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS

REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS Aprovado pela REDIR Nº. 257ª de 30/11/2010 e na 178ª Reunião do CD n 166ª de 03/12/2010. 1 REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS ÍNDICE 1.0 - DOS EMPRÉSTIMOS...Página

Leia mais

ORDEM DE SERVIÇO PRFN 3ª REGIÃO Nº 004 de 16 de dezembro de 2009.

ORDEM DE SERVIÇO PRFN 3ª REGIÃO Nº 004 de 16 de dezembro de 2009. ORDEM DE SERVIÇO PRFN 3ª REGIÃO Nº 004 de 16 de dezembro de 2009. Dispõe sobre o procedimento a ser adotado para a formalização e controle dos processos de parcelamentos de arrematação ocorrida nas hastas

Leia mais

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO SIMPLES

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO SIMPLES REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO SIMPLES Março/2013 ÍNDICE Capítulo I - Do Objeto... 2 Capítulo II - Das Definições... 3 Capítulo III - Das Condições para Requerimento de Empréstimo... 7 Capítulo IV - Dos Procedimentos

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA. Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional PORTARIA PGFN Nº 79, DE 03 FEVEREIRO DE 2014

MINISTÉRIO DA FAZENDA. Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional PORTARIA PGFN Nº 79, DE 03 FEVEREIRO DE 2014 MINISTÉRIO DA FAZENDA PUBLICADO NO DOU DE 06/02 SEÇÃO 1, PÁG. 53 Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional PORTARIA PGFN Nº 79, DE 03 FEVEREIRO DE 2014 Disciplina o parcelamento do valor correspondente à

Leia mais

DECRETO Nº 36.777 DE 15 DE FEVEREIRO DE 2013 (D.O. RIO DE 18/02/2013) O Prefeito da Cidade do Rio de Janeiro, no uso de suas atribuições legais,

DECRETO Nº 36.777 DE 15 DE FEVEREIRO DE 2013 (D.O. RIO DE 18/02/2013) O Prefeito da Cidade do Rio de Janeiro, no uso de suas atribuições legais, DECRETO Nº 36.777 DE 15 DE FEVEREIRO DE 2013 (D.O. RIO DE 18/02/2013) Regulamenta os arts. 5º a 9º e 23, da Lei nº 5.546, de 27 de dezembro de 2012, que instituem remissão, anistia e parcelamento estendido,

Leia mais

GLOSSÁRIO. Subscritor é a pessoa que adquire o Título, responsabilizando-se pelo seu pagamento.

GLOSSÁRIO. Subscritor é a pessoa que adquire o Título, responsabilizando-se pelo seu pagamento. GLOSSÁRIO Subscritor é a pessoa que adquire o Título, responsabilizando-se pelo seu pagamento. Titular é o próprio subscritor ou outra pessoa expressamente indicada pelo mesmo, sendo este o proprietário

Leia mais

REGULAMENTO DE BENEFÍCIOS do Montepio Geral Associação Mutualista Título II DISPOSIÇÕES PARTICULARES - MODALIDADES INDIVIDUAIS

REGULAMENTO DE BENEFÍCIOS do Montepio Geral Associação Mutualista Título II DISPOSIÇÕES PARTICULARES - MODALIDADES INDIVIDUAIS Artigo 1.º (Definições e Interpretação) 1. Nesta Secção, os termos e expressões iniciados por maiúsculas têm o significado que lhes é atribuído no Título VI (Glossário) do Regulamento. 2. Em caso de conflito

Leia mais

1 - A MUTUANTE concede ao MUTUÁRIO um empréstimo no valor, prazo e demais condições indicadas no Termo de Requerimento de Mútuo.

1 - A MUTUANTE concede ao MUTUÁRIO um empréstimo no valor, prazo e demais condições indicadas no Termo de Requerimento de Mútuo. Folha 1 DE 6 Cláusulas e Condições Gerais do Contrato de Mútuo que entre si fazem a Fundação Vale do Rio Doce de Seguridade Social - VALIA e seus participantes na forma do seu Regulamento Básico. Fundação

Leia mais

TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO APLUBCAP ECO 2.1 MODALIDADE DADE INCENTIVO PAGAMENTO ÚNICO CONDIÇÕES GERAIS

TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO APLUBCAP ECO 2.1 MODALIDADE DADE INCENTIVO PAGAMENTO ÚNICO CONDIÇÕES GERAIS TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO APLUBCAP ECO.1 I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: APLUB CAPITALIZAÇÃO S. A. CNPJ: 88.076.30/0001-94 APLUBCAP ECO.1 MODALIDADE: INCENTIVO PROCESSO SUSEP Nº: 15414.0055/011-47

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS Troca Premiável Bradesco Seguros

CONDIÇÕES GERAIS Troca Premiável Bradesco Seguros I INFORMAÇÕES INICIAIS CONDIÇÕES GERAIS Troca Premiável Bradesco Seguros SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRADESCO CAPITALIZAÇÃO S.A. CNPJ: 33.010.851/0001-74 PLANO PU 12/12 T MODALIDADE POPULAR PROCESSO SUSEP

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO SORTE DIA&NOITE

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO SORTE DIA&NOITE I INFORMAÇÕES INICIAIS CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO SORTE DIA&NOITE SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRADESCO CAPITALIZAÇÃO S/A CNPJ: 33.010.851/0001-74 PÉ QUENTE BRADESCO SORTE DIA&NOITE PLANO PM

Leia mais

matrícula, inscrito(a) no CPF sob o n.º

matrícula, inscrito(a) no CPF sob o n.º CONTRATO DE MÚTUO, EMPRÉSTIMO FUNCEF NA MODALIDADE DE NOVO CREDINÂMICO FUNCEF VARIÁVEL QUE ENTRE SI FAZEM AS PARTES ABAIXO IDENTIFICADAS, NAS CONDIÇÕES QUE SE SEGUEM: SÃO PARTES DESTE CONTRATO: A FUNDAÇÃO

Leia mais