Disponibilizado pela Urece Esporte e Cultura. Regras de Futsal B1 e B2/B3 da IBSA 2005/2009 1

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Disponibilizado pela Urece Esporte e Cultura. www.urece.org.br. Regras de Futsal B1 e B2/B3 da IBSA 2005/2009 1"

Transcrição

1 Disponibilizado pela Urece Esporte e Cultura Regras de Futsal B1 e B2/B3 da IBSA 2005/2009 1

2 FEDERAÇÃO INTERNACIONAL DE ESPORTES PARA CEGOS REGRAS DE FUTSAL CATEGORIAS B1 e B2/B3 Traduzido e revisado por: Vanessa Cristine Rodrigues Regras de Futsal B1 e B2/B3 da IBSA 2005/2009 2

3 Atualizadas: Out 2005 Traduzidas: Jan 2006 ÍNDICE CATEGORIA B1 REGRAS DO JOGO Regra Página 1 A quadra de jogo 5 2 A bolas 9 3 O número dos jogadores 10 4 O equipamento dos jogadores 13 5 O árbitro 15 6 O segundo árbitro 16 7 O cronometrista, o terceiro árbitro e o locutor 17 8 A duração da partida 19 9 O início e reinício do jogo A bola em jogo ou fora do jogo A forma de pontuação As faltas e a conduta antidesportiva Os tiros livres As faltas acumulativas O penalti O arremesso lateral O tiro de meta O tiro de canto 36 Regras de Futsal B1 e B2/B3 da IBSA 2005/2009 3

4 Procedimento para determinar o vencedor de uma partida 38 Considerações da IBSA e adaptações das regras de Futsal da FIFA 40 Características Gerais das vendas 42 Perguntas e respostas oficiais da IBSA 45 CATEGORIA B2/B3 REGRAS DO JOGO 50 Regras de Futsal B1 e B2/B3 da IBSA 2005/2009 4

5 1 A quadra do jogo A quadra e suas características estarão determinadas na figura abaixo: LARGURA: MÁXIMO 22 METROS MÍNIMO 18 METROS COMPRIMENTO : MÁXIMO: 42 METROS MÍNIMO: 38 METROS LINHA MÉDIA ÁREA DO PÊNALTI 6 METROS AREA DO GOLEIRO 5 METROS SEGUNDA MARCA DO PÊNALTI 8 METROS A quadra de jogo deve ser sempre descoberta para melhor acústica dos jogadores. 2 METROS CÍRCULO CENTRAL MARCA DO PÊNALTI 6 METROS BANDAS LATERAIS Regras de Futsal B1 e B2/B3 da IBSA 2005/2009 5

6 Em situações climatológicas fora do controle do comitê organizador, (chuvas persistentes, ventos fortes, e outros) deve-se contar em segunda instância com uma quadra de jogo coberta com as características similares, a qual também poderá ser de madeira, borracha sintética ou similar, com o objetivo de assegurar a continuação da competição. Esta segunda opção de quadra deverá ser vistoriada e aprovada pelo Delegado Técnico da IBSA e o Comitê organizador antes do início da competição. O Delegado Técnico da IBSA e o Comitê Organizador se certificarão que a iluminação artificial da quadra seja adequada para a disputa de partidas noturnas. DIMENSÕES: A quadra deverá ser retangular e seu comprimento deve ser sempre maior que sua largura. PARTIDAS INTERNACIONAIS COMPRIMENTO 42 metros (máxima) 38 metros (mínima) LARGURA 22 metros (máxima) 18 metros (mínima) MARCAÇÃO A quadra deverá ser marcada com linhas. Tais linhas pertencem às áreas que elas demarcam. As duas linhas laterais do jogo serão chamadas de bandas laterais e serão marcadas com barreiras ao longo de toda sua extensão e 1 metro além de ambas linhas de meta nos dois lados da quadra, as bandas deverão ter entre 1 m e 1,20 m de altura e deverão ter uma angulação máxima de 10º pra fora da quadra. As duas linhas mais curtas se chamarão linhas de meta. Todas as linhas deverão ter 8 cm de largura. A superfície estará dividida em duas metades por uma linha média, denominada linha do meio campo. O centro da superfície deverá estar indicado com um ponto, situado no centro da linha de meio campo, ao redor da qual se traçará um círculo com um raio de 3 m. Regras de Futsal B1 e B2/B3 da IBSA 2005/2009 6

7 MARCAÇÃO DAS ÁREAS DE ORIENTAÇÃO Nas bandas laterais, a 10 m aproximadamente das linhas de meta, serão marcadas na parte superior, linhas de 8 cm de largura, de forma que a quadra fique dividida em três áreas de orientação (ver anexos). ÁREA PENAL A área penal, situada em ambos extremos da quadra, será demarcada da seguinte forma: Serão traçadas duas linhas imaginárias de 6 metros de comprimento, desde o exterior de cada trave e perpendiculares à linha de meta; ao final destas linhas será traçado um quarto de círculo em direção a banda lateral mais próxima, que terá, cada um, um raio de 6 m a partir da parte exterior da trave. A parte superior de cada quarto de círculo se unirá mediante uma linha de 3,16 m de comprimento, paralela a linha de meta entre as traves. ÁREA DO GOLEIRO Serão traçadas duas linhas imaginárias de 1 m de comprimento, desde o exterior de cada trave e paralela à linha de meta, estas linhas estarão unidas com duas linhas paralelas de 2 m de comprimento até o interior da quadra de jogo e unida a esta estará uma linha reta de 5,16 m de comprimento e paralela à linha de meta. MARCA DO PÊNALTI Será desenhada uma marca a 6 m de distância do ponto médio da linha entre as traves e eqüidistantes destas. MARCA DO DUPLO PÊNALTI Será desenhada uma segunda marca a 8 m de distância do ponto médio da linha entre as traves e eqüidistantes destas. ÁREA DO CHAMADOR: Atrás do gol haverá uma área livre de obstáculos para o deslocamento dos chamadores. MARCA DO TIRO DE CANTO Regras de Futsal B1 e B2/B3 da IBSA 2005/2009 7

8 Na junção da banda lateral com a linha de meta em direção ao gol será marcada uma linha de 8 cm de largura e 20 cm de comprimento, saindo da linha de meta ao exterior da quadra de jogo. (Ver pág. 5) ÁREA DE SUBSTITUIÇÃO As substituições poderão se realizar por uma porta central situada em frente à mesa do cronometrista ou pela linha de meta de seu gol, no caso de não existir a porta central. AS TRAVES DE GOL As traves serão de cor branca e ficarão localizadas no centro de cada linha de meta. Consistirão em duas traves verticais, eqüidistantes dos cantos e unidos na parte superior por um travessão horizontal. A distância (medida interior) entre as traves será de 3 m e a distância da borda inferior do travessão do solo será de 2 m. As traves e o travessão terão a mesma largura e espessura, 8 cm. As redes, que deverão ser de fibra, juta ou nylon, se engancharão na parte posterior das traves e no travessão, e na parte inferior deverá estar apoiada a alguma barra ou a qualquer suporte adequado. A profundidade das traves, sendo o lado interno de ambas traves até o exterior da quadra, deverá ser de ao menos 80 cm na parte superior e de 1 m ao nível do solo. SEGURANÇA Poderão ser utilizadas traves portáteis, mas elas deverão estar seguramente fixadas no solo durante o jogo. A SUPERFÍCIE DE JOGO A quadra poderá ser de cimento, grama natural ou ainda grama sintética e deverá ser plana, lisa e não abrasiva. Deve-se evitar o uso de concreto ou asfalto. DECISÕES Decisão 1 Regras de Futsal B1 e B2/B3 da IBSA 2005/2009 8

9 Caso as linhas de meta medirem de 15 a 16 metros, o raio do quarto de círculo da área penal será de 4 m. Dado esta situação, a marca do pênalti não se situará no arco da área penal, mas sim igualmente a 6 m do ponto entre as duas traves. 2 A BOLA PROPRIEDADES E MEDIDAS A bola: Deverá ser esférica; Deverá ser de couro ou outro material adequado; Terá circunferência mínima de 60 cm e máxima de 62 cm; Terá um peso superior a 510 g e inferior a 540 g no início da partida; Terá uma pressão equivalente a 0,4 0,6 atmosferas ( g/cm2) ao nível do mar; O sistema de som deverá ser interno para permitir uma trajetória regular da bola de maneira que quando este gire sobre si mesmo ou em forma centrífuga, mantenha o som e a segurança dos jogadores. SUBSTITUIÇÃO DE UMA BOLA DEFEITUOSA Se a bola é rompida ou danificada durante uma partida: O jogo deverá ser interrompido; Será reiniciado o jogo mediante um bola ao chão, executado com uma nova bola e no lugar onde ocorreu o dano da primeira bola. Se a bola perde o som durante uma partida: Não será necessário parar o jogo; O árbitro deverá pegar a bola e rapidamente balançá-la para que ela emita o som novamente. Se a bola se rompe, se danifica ou perde o som em um momento que não está em jogo (início e reinício de partida, tiro de meta, tiro de canto, tiro livre, pênalti, arremesso lateral ou duplo pênalti). Regras de Futsal B1 e B2/B3 da IBSA 2005/2009 9

10 A partida será reiniciada conforme a regra. A bola não poderá ser substituída durante a partida sem a autorização do árbitro. DECISÕES Decisão 1: Em partidas de competições da IBSA e/ou em partidas amparadas pelas organizações filiadas a IBSA, as bolas utilizadas deverão ser oficiais da IBSA. 3 O NÚMERO DE JOGADORES JOGADORES A partida deverá ser disputada por duas equipes formadas por no máximo 5 jogadores cada uma (4 serão cegos totais (B-1) e 1 goleiro que poderá ser vidente ou deficiente visual (B-2 ou B-3)), que também atuará como um guia (ver anexo II). A inscrição de cada equipe deverá estar composta por 13 representantes com as seguintes funções: 8 jogadores (B1), 2 goleiros, 1 técnico, 1 assistente técnico, 1 médico ou fisioterapeuta. PROCEDIMENTO DE SUBSTITUIÇÃO Regras de Futsal B1 e B2/B3 da IBSA 2005/

11 Em qualquer competição oficial da IBSA, ou ainda de alguma federação ou associação nacional filiada a essa, serão permitidas a utilização de jogadores reservas. O número máximo permitido de jogadores reservas é de 4 jogadores e 1 goleiro. É permitido um número ilimitado de substituições. Um jogador que foi substituído poderá reingressar na quadra no lugar de outro jogador. Uma substituição pode ser realizada sempre que a bola não estiver em jogo e devem ser observadas as seguintes condições: O cronômetro deverá estar parado; A substituição deverá ser anunciada pelo sistema de som (locução), expressando o numero do jogador que sai e o número do jogador que entra; O jogador sairá da quadra pela área de substituição de sua própria equipe; O jogador entrará na quadra pela área de substituição somente quando o jogador que sair já tiver ultrapassado completamente a área de substituição, além de ter sido autorizado pelo árbitro a entrar; O jogador substituto está sujeito à autoridade e jurisdição dos árbitros estando ele jogando ou não; A substituição foi completamente realizada quando o jogador reserva entrar em quadra, momento em que ele se converte a jogador de quadra, assim como o jogador a quem o substituiu deixa de ser. INFRAÇÕES / SANÇÕES Caso um jogador reserva entra em quadra antes que o jogador que ele está substituindo tenha saído completamente: O jogo será interrompido; O jogador reserva receberá o cartão amarelo e será ordenado para que saia da quadra; O jogo será recomeçado com um tiro livre a favor da equipe contrária no lugar de onde estava a bola quando o jogo foi interrompido. Caso a bola esteja dentro da área penal, o tiro livre deverá ser cobrado na linha da área penal, no ponto mais próximo ao lugar de onde estava a bola no momento em que o jogo parou. Regras de Futsal B1 e B2/B3 da IBSA 2005/

12 DECISÕES Decisão 1: O goleiro não poderá ser substituído no momento de um pênalti ou duplo pênalti, exceto quando há uma lesão ou contusão comprovada pelo árbitro e confirmada pelo médico da organização ou, em sua ausência, o médico ou massagista da equipe. Decisão 2: O jogador que tenha acumulado 5 (cinco) faltas pessoais durante uma partida deverá ser substituído imediatamente, não podendo voltar para a partida, porém o jogador pode permanecer no banco de reserva. Decisão 3: O jogador que foi expulso com cartão vermelho durante a partida poderá ser substituído (conforme a regra) não podendo permanecer no banco de reserva. Decisão 4: São necessários cinco jogadores (4 jogadores e 1 goleiro) para iniciar a partida. Decisão 5: Em caso de expulsão ou lesão de vários jogadores, a partida será suspensa quando permanecerem em quadra menos de 3 jogadores em uma ou ambas equipes (incluindo o goleiro). Decisão 6: Atribuições do capitão: Representar sua equipe durante a partida, ser o responsável em dirigir-se ao árbitro e demais oficiais, além de manter a boa conduta desportiva de seus companheiros. O capitão deverá se diferenciar do restante de seus companheiros através de um bracelete em um de seus braços. Se o capitão abandonar a quadra, ele deverá nomear um novo capitão que assumirá suas funções. Regras de Futsal B1 e B2/B3 da IBSA 2005/

13 4 O EQUIPAMENTO DOS JOGADORES SEGURANÇA Os jogadores não devem utilizar nenhum equipamento ou vestir nada que traga perigo tanto para eles mesmos quanto para os demais jogadores (incluindo qualquer tipo de jóia) EQUIPAMENTO BÁSICO O equipamento básico obrigatório de um jogador será: Camiseta; Calção Curto caso utilizem bermudas térmicas, estas deverão ter a mesma cor do calção; Meias; Caneleiras; Calçado o único tipo de calçado permitido são os tênis de lona ou couro branco, assim como tênis de treinamento com sola de borracha ou outro material similar. O uso de calçados é obrigatório. EQUIPAMENTO PARA JOGADORES B1 Além dos equipamentos básicos, os jogadores B1 deverão usar: Tampão oftalmológico em ambos olhos (optativo para os jogadores que tenham prótese); Vendas de material absorvente com proteção acolchoada na área frontal e parietal. A venda oficial será entregue pelo Comitê Organizador e supervisionado pelo Delegado Técnico da IBSA; Testeira (opcional). CAMISETA Utilizarão obrigatoriamente camisetas com números nas costas, devendo ter cada jogador da mesma equipe números diferentes; Regras de Futsal B1 e B2/B3 da IBSA 2005/

14 Também será obrigatório o contraste das cores entre o número e a camiseta. Em partidas internacionais o número das costas também deve estar presente na parte frontal da camiseta ou calção, porém poderá ser em um tamanho menor. CANELEIRAS Deverão estar cobertas completamente pelas meias; Deverão ser de um material apropriado (borracha, plástico ou um material similar); Deverão proporcionar um grau razoável de proteção. GOLEIROS Os goleiros poderão utilizar calças compridas; Cada goleiro vestirá cores que o diferenciem dos demais jogadores e árbitros. INFRAÇÕES / SANÇÕES Em caso de qualquer infração na presente regra: O árbitro ordenará ao jogador infrator que abandone a quadra para que coloque em ordem seu equipamento ou obter o item que falta. O jogador poderá voltar a quadra somente depois de ter se apresentado antes a um dos árbitros, que terá que certificar que o equipamento do jogador está em ordem. O jogador poderá retornar em quadra somente quando a bola não estiver em jogo. DECISÕES Decisão 1: Não será autorizado o uso de venda que possa colocar em risco, segundo critérios da arbitragem, a integridade física do jogador ou do restante dos atletas. 5 O ÁRBITRO Regras de Futsal B1 e B2/B3 da IBSA 2005/

15 A AUTORIDADE DO ÁRBITRO Cada partida será controlada por um árbitro, o qual terá a autoridade total para cumprir as regras do jogo naquela partida em que foi nomeado, desde o momento em que ele entra no recinto onde se encontra a quadra até o momento em que o abandona. DIREITOS E OBRIGAÇÕES O árbitro: Fará cumprir as regras do jogo; Permitirá que o jogo continue quando a equipe que sofreu algum tipo de infração esteja sendo beneficiada por alguma situação de vantagem, e deverá punir a equipe infratora quando essa situação de vantagem não se efetivar; Tomará nota e informará às autoridades competentes de todos os incidentes ocorridos antes, durante e depois da partida, e das medidas disciplinares tomadas contra jogadores, chamadores ou membros oficiais das equipes; Atuará como cronometrista caso este oficial não esteja presente; Interromperá, suspenderá ou finalizará a partida em caso de infração às regras de jogo ou por qualquer tipo de interferência externa; Tomará medidas disciplinares contra jogadores, chamadores ou oficiais das equipes que cometam faltas merecedoras de repreensão ou expulsão; Não permitirá que pessoas não autorizadas entrem na quadra; Interromperá o jogo se julgar que algum jogador tenha sofrido uma lesão grave e permitirá que o retirem da quadra; Caso julgue que o jogador está levemente lesionado, permitirá que o jogo continue até que a bola esteja fora de jogo; Assegurará que a bola utilizada corresponda às exigências da regra II Deverá reiniciar a partida depois de cada infração; Assegurará o silêncio na quadra, através do sistema de som (locução). Verbalizará ou sinalizará de forma clara à mesa do cronometrista às ações que acontecerem durante o desenvolvimento do jogo (ver anexos); Controlará o equipamento dos jogadores antes do início da partida, nas substituições, no início do segundo tempo, nos tempos extras ou quando julgar conveniente; Deverá estar atento quanto a colocação correta das vendas e tampões oftalmológicos durante todo o desenvolvimento do jogo, podendo deter a partida uma vez que a bola não esteja em jogo, para corrigir a Regras de Futsal B1 e B2/B3 da IBSA 2005/

16 posição da bandagem e vendas do jogador que considerar oportuno, solicitando ao médico da competição a colocação de novos tampões e vendas, caso entenda ser necessário; Aplicará as regras nos terços de orientação: 1º. Terço defensivo (goleiro) 2º. Terço médio (Técnico) 3º. Terço ofensivo (chamador) DECISÕES DO ÁRBITRO As decisões do árbitro sobre as situações relacionadas com o jogo são definitivas. DECISÕES Decisão 1: Se o árbitro principal e o segundo árbitro apitarem simultaneamente uma falta e houver um desacordo em qual equipe receberá a infração, prevalecerá a decisão do árbitro principal. Decisão 2: O árbitro principal e o segundo árbitro têm direitos de impor uma advertência ou uma expulsão, mas caso exista um desacordo entre eles, prevalecerá a decisão do árbitro principal. 6 O SEGUNDO ÁRBITRO OBRIGAÇÕES Será designado um segundo árbitro, que se situará do lado oposto ao que controla o árbitro principal e estará equipado também com um apito. O segundo árbitro ajudará o árbitro a dirigir o jogo conforme suas regras. ALÉM DISSO, O SEGUNDO ÁRBITRO: Regras de Futsal B1 e B2/B3 da IBSA 2005/

17 Controlará os 5 minutos das expulsões de jogadores, caso o cronometrista não esteja presente. Controlará os minutos solicitados nos tempos técnicos, caso não contarem com a presença do cronometrista. Caso uma intervenção indevida ou conduta incorreta do segundo árbitro, o árbitro principal realizará suas funções, tomará as disposições necessárias para que seja substituído e notificará o acontecido aos organismos competentes, nas formas e prazos determinados pelos regulamentos de competição autorizados por IBSA. DECISÕES Decisão 1: Em partidas internacionais é obrigatória a presença de um segundo árbitro. 7 O CRONOMETRISTA, O TERCEIRO ÁRBITRO E O LOCUTOR OBRIGAÇÕES Serão necessários em uma partida um cronometrista, um locutor e um terceiro árbitro. Estarão localizados no exterior da quadra, na altura da linha do meio campo, no mesmo lado dos bancos de reserva. O cronometrista receberá um cronômetro adequado e equipamentos necessários para controlar o acúmulo de faltas, que será fornecido pela associação ou clube sede da partida. O CRONOMETRISTA Controlará que a partida tenha a duração estipulada na regra 8 para isso: - Acionará o relógio (cronômetro) quando iniciar a partida; - Deterá o relógio (cronômetro) somente em casos de tempos técnicos, tempos do árbitro, assistência médica, substituições, pênaltis ou duplos pênaltis. Regras de Futsal B1 e B2/B3 da IBSA 2005/

18 DOIS MINUTOS FINAIS: Nos últimos dois minutos de cada tempo, o cronometrista deterá o cronômetro também em casos de: - Tiro livre - Arremesso lateral - Tiro de meta - Tiro de canto Voltará a acioná-lo uma vez que a bola se colocar em movimento. Marcará o minuto de tempo técnico; Marcará os 5 minutos de punição da expulsão do jogador; Anunciará com um apito ou algum sinal acústico diferente do árbitro, o final do primeiro tempo, da partida, da prorrogação e do minuto do tempo técnico; Registrar todos os tempos técnicos que solicitarem cada equipe e informará aos árbitros e às equipes; indicará a autorização de um tempo técnico quando for solicitado pelo técnico de uma das equipes (Regra 8); Registrar as primeiras 3 (três) faltas acumulativas cometidas por cada equipe assinaladas pelos árbitros em cada tempo e colocará um sinal visível sobre a mesa do cronometrista para informar tal circunstância; Registrar as 5 (cinco) faltas pessoais cometidas pelos jogadores durante o transcurso da partida; Anotará os números dos jogadores que marcam os gols; Tomará nota dos números e nomes dos jogadores, chamadores ou oficiais das equipes que tenham sido advertidos ou expulsos; Assegurará o silêncio do público através do sistema de som (locução). Em caso de intervenção indevida do cronometrista, o árbitro dispensará seus serviços, tomará as disposições necessárias para que seja substituído, e notificará o acontecido aos organismos competentes, nas formas e prazos determinados pelos regulamentos da competição autorizados pela IBSA. TERCEIRO ÁRBITRO O terceiro árbitro terá por missão: Substituir qualquer um dos dois árbitros caso um destes não estiver em condições de continuar a partida; Regras de Futsal B1 e B2/B3 da IBSA 2005/

19 Ser o responsável em ajudar nos procedimentos de substituições durante uma partida; Ter a autoridade de controlar o equipamento dos jogadores reservas antes que entrem na quadra. Caso tal equipamento não corresponda às regras do jogo, não permitirá que se efetue tal substituição; Estar autorizado a informar ao árbitro principal ou segundo árbitro se observar alguma conduta imprópria de alguma pessoa do banco de reserva. Em caso de intervenção indevida do terceiro árbitro, o árbitro dispensará seus serviços, tomará as disposições necessárias para que seja substituído, e notificará o acontecido aos organismos competentes, nas formas e prazos determinados pelos regulamentos da competição autorizados pela IBSA. O LOCUTOR Estará situado na mesa do cronometrista; Informará sempre que o jogo tiver parado, todas as incidências: faltas, substituições, tempos técnicos e demais situações que se darão durante o desenvolvimento da partida, inclusive se existem substituições durante o transcurso de tempos técnicos ou desde a finalização do primeiro tempo até o início do segundo tempo, anunciará tais substituições; Será o meio para solicitar silêncio ao público segundo indicação do corpo de arbitragem. DECISÕES Decisão 1: Em partidas internacionais é obrigatória a presença de um cronometrista, de um terceiro árbitro e do sistema de som (locução). 8 A DURAÇÃO DA PARTIDA TEMPO DE JOGO A partida durará dois tempos iguais de 25 minutos cada um. A cronometragem será feita por um cronometrista, cujas funções estão especificadas na regra 7. Regras de Futsal B1 e B2/B3 da IBSA 2005/

20 A duração de cada período deverá se prolongar para permitir a execução de um pênalti ou duplo pênalti. TEMPO TÉCNICO As equipes terão direito a solicitar um minuto de tempo técnico em cada um dos períodos. Deverá respeitar as seguintes condições: Os técnicos das equipes estão autorizados a solicitar um minuto de tempo técnico ao cronometrista; O minuto de tempo técnico será concedido unicamente quando as equipes solicitantes estiverem com posse de bola; O cronometrista concederá o tempo técnico quando a bola estiver fora de jogo, utilizando o apito ou sinal acústico diferente do utilizado pelos árbitros; Durante o tempo técnico, os jogadores deverão permanecer no interior da quadra. Em caso de querer receber instruções de um oficial da equipe, só poderão fazer através da borda da banda lateral na altura do banco de reservas. Mas não poderão abandonar a quadra. Também não será permitido que um oficial da equipe transmita informações dentro da quadra; Caso uma equipe não solicite o tempo técnico que a corresponda no primeiro período, ela continuará a desfrutar de apenas um minuto de tempo no segundo período. INTERVALO DO MEIO TEMPO O intervalo entre os dois tempos não durará mais do que 10 (dez) minutos DECISÕES Decisão 1: Em caso de não contar com a ajuda de um cronometrista, o técnico poderá solicitar o tempo técnico ao árbitro. Decisão 2: Caso o regulamento da competição estipular que se deve jogar prorrogação ao final do tempo regulamentado, não haverá tempo técnico na prorrogação, salvo por uma equipe que ainda não tenha pedido tempo no segundo período, nesse caso se deverá conceder o tempo técnico. 9 O INÍCIO E REINÍCIO DO JOGO Regras de Futsal B1 e B2/B3 da IBSA 2005/

21 INTRODUÇÃO Será lançada uma moeda e a equipe que ganhar o sorteio decidirá em qual direção irá atacar durante o primeiro tempo da partida. A outra equipe efetuará o tiro de saída para iniciar a partida. A equipe vencedora do sorteio executará o chute de saída para iniciar o segundo tempo. No segundo tempo da partida, as equipes trocarão de lado e atacarão em direção oposta. Os reservas e oficiais das equipes se situarão do lado da quadra onde sua equipe atua como defensora. CHUTE DE SAÍDA O chute de saída é uma forma de iniciar e reiniciar o jogo: No começo da partida; Após ter marcado um gol; Ao começar o segundo tempo da partida; Ao começo de cada tempo da prorrogação, quando for o caso. Um gol pode ser marcado diretamente do chute de saída. PROCEDIMENTO Todos os jogadores devem encontrar-se em seu próprio campo; Os jogadores da equipe contrária a aquela que efetua o chute de saída deverão encontrar-se ao menos a 3 metros da bola até que ela esteja em jogo; A bola estará imóvel na marca central da quadra; O árbitro dará o sinal; A bola entrará em jogo no momento em que ela for chutada e se mover a frente; O jogador que efetuar o chute de saída não poderá tocar na bola pela segunda vez antes que ela seja tocada por outro jogador. Após a marcação de um gol, a equipe contrária efetuará o chute de saída. Regras de Futsal B1 e B2/B3 da IBSA 2005/

22 INFRAÇÕES / SANÇÕES Caso o cobrador do chute de saída tocar a bola pela segunda vez antes que ela tenha sido tocada por outro jogador: Será concedido um tiro livre indireto a equipe contrária, que será lançado do lugar onde se cometeu a falta. Porém, se esta falta for cometida dentro da área penal da equipe contrária, o tiro livre indireto deverá ser executado na linha da área penal, no ponto mais próximo do lugar onde se cometeu a falta. Para qualquer outra infração do procedimento do chute de saída, ele deverá ser repetido. BOLA AO CHÃO O bola ao chão é uma forma de reiniciar o jogo depois de uma interrupção temporária necessária, enquanto a bola estiver em jogo e não tenha ultrapassado nem as bandas laterais nem as linhas de meta por qualquer incidente não mencionado nas regras do jogo. PROCEDIMENTOS O árbitro deixará a bola cair no lugar onde estava quando o jogo foi interrompido, exceto se a bola se encontrava no interior da área penal, cujo caso se deixará cair a bola na linha da área penal, no ponto mais próximo de onde ocorreu a parada da partida. O jogo se reiniciará quando a bola tocar no solo. INFRAÇÕES / SANÇÕES A bola deverá ser jogada ao chão novamente se: Se for tocada por um jogador antes de tocar o chão; Se a bola sai da quadra depois de ter sido tocada no solo, porém sem haver sido tocada por um outro jogador. 10 A BOLA EM JOGO OU FORA DE JOGO Regras de Futsal B1 e B2/B3 da IBSA 2005/

23 A BOLA FORA DE JOGO A bola estará fora do jogo se: Se ultrapassar completamente por uma linha de meta, tanto pelo ar ou pelo solo, ou ainda por uma das bandas laterais, pelo ar; O jogo foi parado pelo árbitro; Tocar ou encostar o teto. A BOLA EM JOGO A bola estará em jogo em todos os outros momentos, inclusive se: Rebater nas traves ou travessão e se manter dentro da quadra; Rebater nos árbitros enquanto estes estiverem dentro de quadra; Rebater nas bandas laterais e permanecer na quadra. DECISÕES Decisão 1: Caso se jogue em superfícies cobertas e a bola golpeia acidentalmente o teto, se reiniciará o jogo com um arremesso lateral a favor do adversário do último que tocou a bola. O arremesso lateral será efetuado no ponto mais próximo da banda lateral do lugar de onde se tocou no teto. 11 FORMA DE PONTUAÇÃO GOL MARCADO Um gol será marcado caso a bola ultrapasse totalmente a linha de meta entre as traves e por baixo do travessão, sem que tenha sido levada, lançada ou golpeada intencionalmente com a mão ou braço por qualquer jogador da equipe atacante, incluindo o goleiro, e sempre que a equipe marcadora do gol não tenha contrariado previamente as regras do jogo. EQUIPE VENCEDORA Regras de Futsal B1 e B2/B3 da IBSA 2005/

24 A equipe que marcou o maior número de gols durante a partida é a equipe vencedora. Se ambas equipes marcarem o mesmo número de gols ou não marcarem nenhum, a partida terminará empatada. REGULAMENTO DA COMPETIÇÃO O regulamento de uma competição poderá estipular uma prorrogação ou outro procedimento para determinar o vencedor da partida em caso de empate. 12 AS FALTAS E CONDUTA ANTIDESPORTIVA Um jogador que durante uma partida cometer 5 (cinco) faltas pessoais, deverá abandonar a quadra e poderá ser substituído imediatamente por outro jogador, não podendo voltar a entrar na mesma partida. As faltas e a conduta antidesportiva se sancionarão da seguinte maneira: FALTA ACUMULATIVA E PESSOAL TIRO LIVRE DIRETO Será concedido um tiro livre direto à equipe adversária se um jogador cometer uma das 8 (oito) faltas seguintes, de uma maneira que o árbitro julgue imprudente, arriscado ou com o uso de uma força desproporcional: Dar ou tentar dar um chute no adversário; Derrubar um adversário ou tentar usando ambas pernas, de frente ou por trás dele; Empurrar um adversário; Obstruir o adversário de maneira intencionada, perigosa ou violenta. Disputar a bola com os dois pés à frente do corpo; Golpear ou tentar golpear um adversário; Não dizer de forma clara e audível a palavra voy ou go, ou outra palavra similar, no momento de buscar ou disputar a bola; Jogar, disputar ou buscar a bola com a cabeça baixa. Será concedido assim mesmo um tiro livre direto à equipe adversária se um jogador cometer uma das 6 (seis) faltas seguintes: Regras de Futsal B1 e B2/B3 da IBSA 2005/

25 Segurar o adversário; Deslizar-se para buscar a bola quando está sendo jogada ou vai ser jogada por um adversário (entrada deslizante com os pés). Com exceção do goleiro dentro de sua própria área, quando não por em perigo a integridade física do adversário; Jogar a bola, levá-la, golpeá-la ou lançá-la com a mão ou braço (esta disposição não é aplicável ao goleiro dentro de sua própria área); Usar expressões verbais ou fazer com o objetivo de desorientar ou enganar o adversário; Perturbar intencionalmente o silêncio durante o desenvolvimento da partida; Cometer qualquer outra falta que não tenha sido previamente mencionada na regra 12 onde o jogo seja interrompido para advertir ou expulsar o jogador. O tiro livre direto será cobrado do lugar onde se cometeu a falta. Pênalti Será concedido um pênalti caso um jogador cometer uma das faltas mencionadas anteriormente dentro de sua área penal, independentemente da posição da bola e sempre que esta última esteja em jogo. Assim mesmo, será aplicado o tiro penal caso o goleiro jogar ou interferir no jogo fora de sua área. FALTA PESSOAL Será aplicado o tiro livre indireto à equipe adversária se o goleiro cometer uma das seguintes faltas: Após lançar a bola, ele a recebe novamente de um companheiro de sua equipe sem que ela tenha atravessado primeiro a linha média ou tenha sido tocada ou jogada por um adversário; Tocar ou controlar a bola com as mãos depois que ela tenha sido passada deliberadamente para ele por um jogador de sua equipe; Tocar ou controlar com as mãos a bola que um jogador de sua equipe tenha passado deliberadamente a ele de um arremesso lateral; Tocar ou controlar, com as mãos ou os pés, a bola durante mais de 4 (quatro) segundos. Regras de Futsal B1 e B2/B3 da IBSA 2005/

26 Será concedido assim mesmo um tiro livre indireto à equipe adversária, que será cobrado do lugar onde se cometeu a falta, se o árbitro julgar que um jogador: Joga de uma forma perigosa; Impeça que o goleiro lance a bola com as mãos; Apóia-se nas bandas laterais durante a disputa de uma bola; Imobiliza totalmente a bola com um ou ambos pés, estando a mesma em condições de ser jogada, durante mais de 4 segundos. O tiro livre indireto será cobrado do lugar onde se cometeu a falta, exceto se a bola se encontrava no interior da área penal, nesse caso, a bola será colocada na linha da área penal, no ponto mais próximo ao lugar de onde se encontrava a bola quando o jogo parou. Caso o goleiro, ao lançar a bola com os pés ou com a mão sem que ela toque ou rebata primeiro em sua metade da quadra: Será aplicado um tiro livre indireto em favor da equipe contrária, de qualquer ponto da linha do meio campo. SANÇÕES DISCIPLINARES Faltas que se aplicam advertência Um jogador será advertido e será apresentado o cartão amarelo caso cometa uma das seguintes faltas: 1. É culpado por atitude antidesportiva; 2. Desaprova com palavras ou ações as falhas dos árbitros; 3. Infringe persistentemente as regras do jogo; 4. Atrasa deliberadamente o reinício do jogo; 5. Não respeita a distância regulamentar em um tiro de canto, arremesso lateral, tiro livre ou tiro de meta; 6. Entra ou volta a entrar na quadra sem a permissão do árbitro ou infringe o procedimento de substituição; 7. Abandona deliberadamente a quadra sem a permissão do árbitro. Caso cometa uma destas faltas, o árbitro concederá um tiro livre indireto a favor da equipe adversária, que será cobrado do lugar onde se cometeu a falta (salvo quando se tenha cometido dentro da área penal, nesse caso se executará na linha da área penal no ponto mais próximo do lugar onde se cometeu a falta) e advertirá o jogador, sempre que não tenha cometido uma infração mais grave às regras do jogo. Regras de Futsal B1 e B2/B3 da IBSA 2005/

27 Expulsões Um jogador será expulso e receberá o cartão vermelho quando cometer uma das seguintes faltas: 1. É culpado por um jogo brusco grave; 2. É culpado por uma conduta violenta; 3. Cuspir em um adversário ou em qualquer outra pessoa; 4. Impedir com a mão, intencionalmente, um gol ou uma oportunidade clara de gol (isto não vale para o goleiro dentro de sua própria área); 5. Impedir um adversário de se mover em direção ao gol em uma oportunidade clara de gol mediante uma falta sancionável com tiro livre ou pênalti; 6. Emprega uma linguagem ofensiva grosseira ou obscena; 7. Recebe uma segunda advertência na mesma partida. Caso o jogo se interrompa por causa de um jogador que cometeu uma das faltas indicadas, o árbitro concederá um tiro livre indireto a favor da equipe adversária, que será lançado no mesmo lugar onde ocorreu a falta (salvo no caso da falta ter sido cometida dentro da área penal, que assim será executado na linha da área penal no ponto mais próximo de onde ocorreu a falta) e expulsará o jogador infrator, sempre que não tenha cometido uma infração mais grave às regras do jogo. FALTAS DOS OFICIAIS DA EQUIPE, CHAMADORES E ATLETAS RESERVAS Será cobrado um tiro livre indireto e será sancionada uma falta acumulativa à equipe adversária se um oficial da equipe, chamador ou atleta reserva cometer uma das seguintes faltas: Não respeitar os terços de orientação do chamador e do técnico; Desaprovar com palavras ou ações as falhas dos árbitros; Perturbar o silêncio; Não se comportar de forma responsável. Caso o jogo se interrompa por causa das infrações indicadas, o árbitro concederá um tiro livre indireto a favor da equipe adversária, que será lançado no mesmo lugar onde ocorreu a falta (salvo no caso da falta ter sido cometida dentro da área penal, que assim será executado na linha da área penal no ponto mais próximo de onde ocorreu a falta). DECISÕES Regras de Futsal B1 e B2/B3 da IBSA 2005/

28 Decisão 1: Um jogador expulso não poderá voltar a jogar nem poderá sentar-se no banco de reservas. Um jogador expulso em conseqüência de uma dupla advertência ou por cartão vermelho direto, não poderá ser substituído imediatamente. Um atleta reserva poderá substituir o jogador expulso e entrar na quadra passados 5 minutos efetivos após a expulsão, salvo se marca um gol antes que transcorram os 5 minutos, nesse caso, serão aplicadas as seguintes condições: Se há 5 (cinco) jogadores contra 4 (quatro) e a equipe em superioridade numérica marca um gol, poderá completar a equipe de 4 jogadores; Se as duas equipes se enfrentam com 4 (quatro) jogadores e se marca um gol, ambas equipes manterão o mesmo número de jogadores; Se há 5 (cinco) jogadores contra 3 (três), e a equipe com superioridade numérica marcar um gol, poderá acrescentar um jogador à equipe com 3 (três) membros; Se as duas equipes jogam com 3 (três) jogadores e se marca um gol, ambas equipes manterão o mesmo número de jogadores; Se a equipe com inferioridade numérica marcar um gol, continuará o jogo se alterar o número de jogadores. 13 OS TIROS LIVRES TIPOS DE TIROS LIVRES Os tiros livres podem ser diretos ou indiretos. Tanto para os tiros livres diretos ou indiretos, a bola deverá estar imóvel e o cobrador não poderá voltar a tocar a bola antes que ela tenha sido tocada por outro jogador. O tiro livre direto Será concedido o gol se a bola introduzir diretamente ao gol. O tiro livre indireto Regras de Futsal B1 e B2/B3 da IBSA 2005/

29 Será concedido o gol se a bola tocar em outro jogador antes de entrar ao gol. Posição nos tiros livres Todos os adversários deverão encontrar-se em no mínimo 5 metros da bola; A bola estará em jogo depois que ela for tocada ou chutada. INFRAÇÕES / SANÇÕES Se ao cobrar um tiro livre, o adversário não observa a distância regulamentar: O tiro deverá ser repetido. Se a bola está em jogo e o cobrador do tiro toca pela segunda vez a bola: Será concedido um tiro livre indireto à equipe contrária, que será cobrado de onde cometeu a falta, salvo que a falta tenha sido cometida dentro da área penal, nesse caso será executado na linha da área penal, o ponto mais próximo do lugar onde cometeu a falta. Se a equipe executora do tiro livre demorar mais de 4 segundos para bater: Sinais: O árbitro aplicará um tiro livre indireto a favor da equipe contrária. Tiro livre indireto: o O árbitro assinalará o tiro livre indireto levantando um braço por cima da sua cabeça e mantendo nesta posição até que o tiro tenha sido executado e a bola tenha sido jogada ou tocada por outro jogador ou tenha saído da quadra. 14 FALTAS ACUMULATIVAS FALTAS ACUMULATIVAS Regras de Futsal B1 e B2/B3 da IBSA 2005/

30 São aquelas punidas com um tiro livre direto, conforme mencionadas na Regra 12; As 3 (três) primeiras faltas acumulativas cometidas por cada time em cada tempo serão registradas na súmula oficial da partida. POSIÇÃO NO TIRO LIVRE Nas primeiras 3 (três) faltas acumuladas por cada equipe em cada período: Uma barreira de jogadores da equipe contrária poderá defender os tiros livres; Os adversários deverão encontrar-se ao menos a 5 metros da bola; O gol pode ser marcado diretamente de um tiro livre. A partir da quarta falta acumulada por cada equipe em cada tempo, sem levar em consideração o tipo de falta cometida (pessoal ou acumulativa) será seguido o tal procedimento: Os jogadores da equipe defensora não poderão formar uma barreira para defender os tiros livres; O executor do tiro estará devidamente identificado; O goleiro permanecerá em sua área e a uma distância de no mínimo 5 metros da bola; Os jogadores permanecerão na quadra, atrás de uma linha imaginária, alinhada com a bola, paralela à linha de meta e fora da área penal, a uma distância de 5 metros da bola e não poderão dificultar o jogador que cobra o tiro livre. Nenhum jogador poderá cruzar tal linha imaginária até que a bola seja chutada e entre em movimento. PROCEDIMENTOS (A PARTIR DA 4ª FALTA ACUMULATIVA) O executor do tiro livre deverá lançar a bola com a intenção de marcar um gol e não poderá passar a bola a outro companheiro; Depois de executar o tiro, nenhum jogador poderá tocar a bola até que ela tenha sido tocada no goleiro ou rebatido em uma das traves ou no travessão, ou abandonado a quadra; Se um jogador de uma equipe comete uma quarta falta na metade da quadra do adversário ou em sua própria metade de dentro de uma área delimitada pela linha média e uma linha imaginária paralela a esta última e que atravessa o segundo ponto penal a 8 metros da linha de meta, o tiro livre se lançará no segundo ponto penal. A localização do segundo ponto penal está indicada na Regra 1. O tiro livre deverá ser Regras de Futsal B1 e B2/B3 da IBSA 2005/

31 executado de acordo com o estabelecido no item anterior posição no tiro livre ; Se um jogador de uma equipe cometer uma quarta falta na sua própria metade da quadra, entre a linha de 8 metros e a sua linha de meta, a equipe atacante decidirá se bate o tiro no segundo ponto penal ou no local de onde se cometeu a infração; Se houver prorrogação da partida, todas as faltas acumulativas durante o segundo tempo da partida continuarão se acumulando. Será concedido tempo adicional para poder executar um tiro depois da quarta falta acumulada, ao final de cada tempo ou ao final dos tempos da prorrogação. INFRAÇÕES / SANÇÕES Se um jogador da equipe defensora infringir esta regra do jogo: Caso o gol não tenha sido marcado, o tiro livre deverá ser novamente cobrado; Caso o gol tenha sido marcado, não se repetirá a cobrança. Se um jogador da equipe que está cobrando o tiro livre infringir esta regra do jogo: Caso o gol tenha sido marcado, o tiro livre deverá ser novamente cobrado; Caso o gol não tenha sido marcado, não se repetirá a cobrança. Se o cobrador do tiro livre infringir esta regra do jogo depois que a bola estiver em jogo: Será concedido um tiro livre indireto à equipe contrária, que será lançado do lugar onde cometeu a falta, salvo no caso de que ela tenha sido cometida dentro da área penal, quando deverá ser cobrado na linha da área penal, no ponto mais próximo do lugar onde cometeu a falta. 15 O PÊNALTI Regras de Futsal B1 e B2/B3 da IBSA 2005/

32 Será concedido um pênalti contra a equipe que cometer uma das faltas sancionáveis com tiro livre direto, seja acumulativa ou pessoal, e que seja cometida dentro de sua própria área penal enquanto a bola estiver em jogo. Poderá marcar um gol diretamente de um pênalti. Será concedido tempo adicional para poder cobrar um pênalti no final de cada tempo ou ao final dos tempos da prorrogação. POSIÇÃO DAS BOLAS E DOS JOGADORES A bola: É colocada no ponto penal. O jogador que cobrará o pênalti: Deverá ser devidamente identificado. O goleiro defensor: Deverá permanecer sobre sua própria linha de meta, frente ao cobrador do tiro e entre as traves do gol até que a bola estiver em jogo. Os jogadores, exceto o cobrador do tiro, estarão posicionados: Na quadra de jogo; Fora da área penal; Atrás ou nos dois lados do ponto penal; No mínimo há 5 m do ponto penal. Procedimento O cobrador chutará a bola à frente; Não voltará a jogar a bola até que a ela tenha sido tocado em outro jogador; A bola estará em jogo no momento em que ela é chutada e se coloca em movimento à frente. Quando se cobra um pênalti durante o curso normal da partida ou durante uma prolongação do primeiro ou segundo tempo, será concedido um gol se a bola, antes de passar entre as traves e abaixo do travessão: Regras de Futsal B1 e B2/B3 da IBSA 2005/

33 Toca uma ou ambas traves, o travessão ou ainda o goleiro. INFRAÇÕES / SANÇÕES Se um jogador da equipe defensora infringir esta regra do jogo: Caso o gol não tenha sido marcado, o pênalti deverá ser novamente cobrado; Caso o gol tenha sido marcado, não se repetirá a cobrança. Se um jogador da equipe que está cobrando o pênalti infringir esta regra do jogo: Caso o gol tenha sido marcado, o pênalti deverá ser novamente cobrado; Caso o gol não tenha sido marcado, não se repetirá a cobrança. Se o cobrador do pênalti infringir esta regra do jogo depois que a bola estiver em jogo: Será concedido um tiro livre indireto à equipe contrária, que será lançado do lugar onde cometeu a falta, salvo no caso de que ela tenha sido cometida dentro da área penal, quando deverá ser cobrado na linha da área penal, no ponto mais próximo do lugar onde cometeu a falta. 16 O ARREMESSO LATERAL O arremesso lateral é uma forma de reiniciar o jogo. Não pode marcar um gol diretamente de um arremesso lateral. SERÁ CONCEDIDO UM ARREMESSO LATERAL: Se a bola ultrapassou em sua totalidade as bandas laterais ou tocar o teto da quadra; No ponto por onde a bola saiu das bandas laterais; A favor dos adversários do jogador que tocou por último a bola. POSIÇÃO DA BOLA E DOS JOGADORES A bola: Regras de Futsal B1 e B2/B3 da IBSA 2005/

34 Deverá permanecer imóvel e a menos de um metro da banda lateral; A bola será lançada com o pé em qualquer direção da quadra. Os jogadores defensores: Serão colocados a uma distância mínima de 5 m do ponto de onde efetuou o arremesso lateral. PROCEDIMENTO O jogador que efetuar o arremesso lateral deverá fazer em até 4 segundos após o apito do árbitro; O jogador que efetuar o arremesso não voltará a jogar a bola até que ela tenha sido tocada em outro jogador; A bola estará em jogo no momento em que é chutada e se coloca em movimento. INFRAÇÕES / SANÇÕES Será concedido um tiro livre indireto à equipe contrária se: O jogador que efetuar o arremesso lateral tocar a bola pela segunda vez antes que ela tenha sido tocada por outro jogador. O tiro livre indireto será lançado do lugar onde foi cometida a infração, salvo caso tenha sido cometida dentro da área penal, nesse caso será cobrado na linha da área penal, no ponto mais próximo do lugar onde cometeu a falta. Um jogador da equipe contrária efetuará o arremesso lateral se: O arremesso lateral for efetuado incorretamente; O arremesso lateral for efetuado em uma posição que não corresponda ao lugar de onde a bola saiu da quadra; O arremesso lateral não for efetuado em até 4 segundos após o apito do árbitro; Infringir qualquer outra regra de jogo. 17 O TIRO DE META Regras de Futsal B1 e B2/B3 da IBSA 2005/

35 O tiro de meta é uma forma de reiniciar o jogo, o goleiro sempre deverá efetuar a cobrança dentro de sua área. Não se poderá marcar um gol diretamente de um tiro de meta. Será concedido um tiro de meta: Se a bola ultrapassar em sua totalidade a linha de meta, seja por terra ou por ar, depois de ter tocado por último em um jogador adversário, e não tenha marcado gol, conforme a regra 11. PROCEDIMENTO A bola será lançada com a mão pelo goleiro da equipe defensora, de qualquer ponto de sua área; Os adversários deverão permanecer fora da área penal até que a bola esteja em jogo; O goleiro não poderá voltar a tocar na bola até que ela tenha sido tocada por outro jogador; A bola estará em jogo quando tenha sido lançada diretamente para fora da área penal. INFRAÇÕES / SANÇÕES Se a bola não for lançada diretamente para fora da área penal: Deverá repetir a cobrança. Se o tiro de meta não se executar em até 4 segundos depois que a bola estiver sob posse do goleiro: Será concedido um tiro livre indireto à equipe contrária, que se lançará na linha da área penal, no ponto mais próximo do lugar de onde se cometeu a falta. Se o goleiro lançar a bola mais à frente que sua própria metade da quadra sem que ela tenha sido tocada ou chutada antes: Será aplicado um tiro livre indireto a favor da equipe contrária, em qualquer ponto da linha do meio campo. 18 TIRO DE CANTO Regras de Futsal B1 e B2/B3 da IBSA 2005/

36 O tiro de canto é uma forma de reiniciar o jogo. Pode-se marcar um gol diretamente de um tiro de canto, porém somente contra a equipe adversária. SERÁ CONCEDIDO UM TIRO DE CANTO Se a bola tiver ultrapassado em sua totalidade a linha de meta, seja por terra ou por ar, depois de ter tocado por ultimo em um jogador defensor, e não tenha marcado um gol conforme a regra 11. PROCEDIMENTO A bola será colocada no interior da marca do tiro de canto mais próximo; Os adversários deverão permanecer no mínimo de 5 m até que ela esteja em jogo; A bola será lançada por um jogador da equipe atacante; A bola estará em jogo no momento em que ela seja tocada e se coloque em movimento; O cobrador do tiro não poderá jogar a bola pela segunda vez até que ela não tenha sido tocada por outro jogador. INFRAÇÕES / SANÇÕES Será concedido um tiro livre indireto à equipe contrária se: O jogador que efetuar o tiro de canto e tocar a bola pela segunda vez, antes que tenha sido tocado em outro jogador. O tiro livre indireto será lançado do ponto de onde se cometeu a infração; O tiro de canto não for executado em até 4 segundos depois que o árbitro tenha dado o sinal. O tiro livre indireto será lançado cobrado de dentro da marca do tiro de canto. Para qualquer outra infração à regra: Deverá repetir o tiro. Regras de Futsal B1 e B2/B3 da IBSA 2005/

37 PÊNALTIS PROCEDIMENTOS PARA DETERMINAR O VENCEDOR DE UMA PARTIDA A cobrança de pênaltis é um método para determinar a equipe vencedora em caso de empate, sempre que o regulamento da competição assim o exija. PROCEDIMENTO O árbitro escolherá o gol onde serão cobrados os pênaltis; O árbitro lançará uma moeda e a equipe cujo capitão ganhar o sorteio cobrará o primeiro tiro; O árbitro anotará os tiros cobrados; Em princípio serão cobrados 3 (três) tiros por equipe, sujeito às condições que se estipulam a continuação; Os tiros deverão ser cobrados alternadamente; Os capitães ou Diretores Técnicos informarão ao árbitro os números e os nomes dos 3 (três) jogadores que cobrarão os pênaltis, cujos nomes deverão figurar na lista de 8 (oito) jogadores entregue antes de iniciar a partida; Se ao finalizar a partida uma equipe tiver mais jogadores elegíveis que seu adversário, esta deverá reduzir seu número para igualar-se ao de seu adversário e informar ao árbitro o número e nome de cada jogador excluído; Se antes que ambas equipes tenham executado seus 3 (três) tiros, uma tenha marcado mais gols dos que a outra pudesse marcar, mesmo completando seus 3 (três) tiros, a cobrança de tiros se dará por terminada; Se ambas equipes marcam o mesmo número de gols ou não marcam nenhum, se prosseguirá a execução de pênaltis da mesma maneira até que uma equipe tenha marcado mais gols que o outro com o mesmo número de tiros; Os tiros adicionais serão executados por jogadores que não cobraram os primeiros 3 (três) tiros. Depois que todos os jogadores tenham cobrado um pênalti, os primeiros jogadores em cobrar os tiros prosseguirão com as cobranças, na mesma ordem; Um jogador que tenha sido expulso ou desqualificado por acúmulo de faltas pessoais não poderá cobrar pênaltis; O goleiro não poderá ser substituído, exceto em caso de lesão ou contusão, comprovada pelo árbitro e confirmada pelo médico da organização, ou em sua ausência, pelo médico ou fisioterapeuta de sua própria equipe; Regras de Futsal B1 e B2/B3 da IBSA 2005/

Regras de Futebol de Campo

Regras de Futebol de Campo Curso de Educação Física Futebol - Fundamentos Regras de Futebol de Campo Leandro Tibiriçá Burgos Regra 1: Campo de jogo Partidas Nacionais Comprimento: de 90m a 120 metros; Largura: de 45m a 90 metros.

Leia mais

REGRAS DE FUTSAL (Principais Regras)

REGRAS DE FUTSAL (Principais Regras) REGRAS DE FUTSAL (Principais Regras) Tempo de jogo: 30 minutos (15 min. + 15 min.); Período de desconto de tempo: Cada equipa tem direito a 2 (um em cada parte) Duração: 1 minuto; Número de jogadores:

Leia mais

Reis do Drible. Realização: 20 de Dezembro de 2015 Local: Rio de Janeiro

Reis do Drible. Realização: 20 de Dezembro de 2015 Local: Rio de Janeiro Reis do Drible Realização: 20 de Dezembro de 2015 Local: Rio de Janeiro As Regras para o evento Reis do Drible, foram formatadas e adaptadas a partir das regras originais do Futsal Brasileiro. ÍNDICE 01

Leia mais

COMUNICADO OFICIAL N.: 15 DATA: 2012.07.17 ALTERAÇÕES, EMENDAS E CORREÇÕES LEIS DO JOGO DE FUTSAL 2012/13 + DECISÕES IFAB A TODOS OS MEMBROS DA FIFA

COMUNICADO OFICIAL N.: 15 DATA: 2012.07.17 ALTERAÇÕES, EMENDAS E CORREÇÕES LEIS DO JOGO DE FUTSAL 2012/13 + DECISÕES IFAB A TODOS OS MEMBROS DA FIFA ALTERAÇÕES, EMENDAS E CORREÇÕES LEIS DO JOGO DE FUTSAL 2012/13 + DECISÕES IFAB A TODOS OS MEMBROS DA FIFA Zurique, 2 de julho de 2012 Em colaboração com a subcomissão do International Football Association

Leia mais

Prof. Mst. Sandro de Souza. Disciplinas: Futebol e Futsal e Aprofundamento em Futebol

Prof. Mst. Sandro de Souza. Disciplinas: Futebol e Futsal e Aprofundamento em Futebol Prof. Mst. Sandro de Souza Disciplinas: Futebol e Futsal e Aprofundamento em Futebol Desenhe um campo de Futebol com as suas dimensões e marcações. Qual o número mínimo de jogadores, em um time, para iniciar

Leia mais

Confederação Brasileira de Futsal

Confederação Brasileira de Futsal Emendas e correções às Regras do Futsal para os jogos a partir de 01/01/2015 Prezados Desportistas, Em colaboração com a International Football Association Board ( IFAB) e o Departamento de Arbitragem

Leia mais

Novas regras do futsal

Novas regras do futsal Novas regras do futsal 2011 Confederação Brasileira de Futebol de Salão - Futsal Futsal do Brasil passa a adotar novidades na regra em 2011 A temporada de 2011 ainda nem começou, mas o futsal brasileiro

Leia mais

FIFA Trívia Perguntas e Respostas das Regras de jogo

FIFA Trívia Perguntas e Respostas das Regras de jogo FIFA Trívia Perguntas e Respostas das Regras de jogo Regra 1 O Campo de jogo 1 Qual a distância mínima da publicidade em relação à linha lateral? 1. 2m. 2. 3m. 3. 1m. 4. 5m. 2 O que pode medir 90m do no

Leia mais

APOSTILA DE FUTSAL. 6º, 7º, 8º e 9º ANO. HISTÓRICO No Brasil

APOSTILA DE FUTSAL. 6º, 7º, 8º e 9º ANO. HISTÓRICO No Brasil APOSTILA DE FUTSAL 6º, 7º, 8º e 9º ANO HISTÓRICO No Brasil O Futebol de Salão tem duas versões sobre o seu surgimento, como em outros esportes, há divergências quanto a sua invenção. Há uma versão que

Leia mais

Regras do Jogo. Perguntas e Respostas 91

Regras do Jogo. Perguntas e Respostas 91 Regras do Jogo Perguntas e Respostas 2006 91 Perguntas e Respostas 91 5/30/06 11:17:38 PM Índice Regra 1 O Campo de Jogo Perguntas e Respostas 2006 Assunto Página O Campo de Jogo...93 A Bola...94 O Número

Leia mais

EMENDAS ÀS REGRAS DO JOGO 2016/2017

EMENDAS ÀS REGRAS DO JOGO 2016/2017 EMENDAS ÀS REGRAS DO JOGO 2016/2017 EMENDAS ÀS REGRAS DO JOGO 2016/2017 INTRODUÇÃO OBSERVAÇÕES SOBRE AS REGRAS DO JOGO AS REGRAS DO JOGO EXPLICADAS AS MUDANÇAS ÀS REGRAS PARA 2016/17 - TEXTO ANTIGO -

Leia mais

REGULAMENTO FUTEBOL SOCIETY

REGULAMENTO FUTEBOL SOCIETY XIII JOGOS AFFEMG Associação dos Funcionários Fiscais de Minas Gerais 1- DO LOCAL REGULAMENTO FUTEBOL SOCIETY 1.1 - Os jogos acontecerão em campos de futebol society de grama sintética ou natural, aprovados

Leia mais

CURSO DE APERFEIÇOAMENTO, ACTUALIZAÇÃO E AVALIAÇÃO ÁRBITROS ASSISTENTES DE 2.ª CATEGORIA Futebol de 11 TESTE ESCRITO PERGUNTAS

CURSO DE APERFEIÇOAMENTO, ACTUALIZAÇÃO E AVALIAÇÃO ÁRBITROS ASSISTENTES DE 2.ª CATEGORIA Futebol de 11 TESTE ESCRITO PERGUNTAS FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE FUTEBOL CONSELHO DE ARBITRAGEM CURSO DE APERFEIÇOAMENTO, ACTUALIZAÇÃO E AVALIAÇÃO ÁRBITROS ASSISTENTES DE 2.ª CATEGORIA Futebol de 11 Tomar, 5 de Agosto de 2007 ÉPOCA 2007/2008

Leia mais

Copyright Fédération Internationale de Football Association - FIFA. Tradução Confederação Brasileira de Futebol - CBF

Copyright Fédération Internationale de Football Association - FIFA. Tradução Confederação Brasileira de Futebol - CBF Copyright Fédération Internationale de Football Association - FIFA Tradução Confederação Brasileira de Futebol - CBF Ilustração Fédération Internationale de Football Association - FIFA 2 Julho de 2007

Leia mais

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA de FUTEBOL 7 SOCIETY

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA de FUTEBOL 7 SOCIETY CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA de FUTEBOL 7 SOCIETY FILIADA À FIFO7S Reconhecida pela Secretaria Nacional de Esporte Órgão do Ministério do Esporte e Turismo Filiada a UFEESP - União das Federações Esportivas

Leia mais

Índice. Preâmbulo. Configuração da competição. Prémios. Critérios de desempate. Eliminação das equipas. Tolerância. Alterações à data do jogo

Índice. Preâmbulo. Configuração da competição. Prémios. Critérios de desempate. Eliminação das equipas. Tolerância. Alterações à data do jogo Índice Preâmbulo Configuração da competição Prémios Critérios de desempate Eliminação das equipas Tolerância Alterações à data do jogo Inscrições Regras do jogo Preâmbulo Vimos por este meio propor a realização

Leia mais

Índice NOTAS RELATIVAS ÀS LEIS DO JOGO DE FUTEBOL DE SALÃO... 5. Modificações... 5 LEI 1- A SUPERFÍCIE DE JOGO... 5

Índice NOTAS RELATIVAS ÀS LEIS DO JOGO DE FUTEBOL DE SALÃO... 5. Modificações... 5 LEI 1- A SUPERFÍCIE DE JOGO... 5 LEIS DO JOGO Índice NOTAS RELATIVAS ÀS LEIS DO JOGO DE FUTEBOL DE SALÃO... 5 Modificações... 5 LEI 1- A SUPERFÍCIE DE JOGO... 5 Superfície de jogo... 5 Marcação da superfície de jogo... 5 Dimensões...

Leia mais

AS LEIS DO TÊNIS DE MESA Capítulo 2

AS LEIS DO TÊNIS DE MESA Capítulo 2 AS LEIS DO TÊNIS DE MESA Capítulo 2 2.1 A MESA 2.1.1 A parte superior da mesa, chamada superfície de jogo, deve ser retangular, com 2,74 m de comprimento por 1,525 m de largura, e situar-se em um plano

Leia mais

Regras de Futebol de Praia

Regras de Futebol de Praia Regras de Futebol de Praia OBJETIVO DO JOGO...2 REGRAS DE JOGO...2 1 O campo...2 1.1 Dimensões...2 1.2 Marcações do campo...2 1.3 A área de pênalti...2 1.4 A marca de pênalti...2 1.5 Bandeiras...2 1.6

Leia mais

Troféu Guarulhos de futsal Municipal 2015 Menores 1º Semestre.

Troféu Guarulhos de futsal Municipal 2015 Menores 1º Semestre. Troféu Guarulhos de futsal Municipal 2015 Menores 1º Semestre. Título I Das Disposições Gerais A) Será obrigatório, de acordo com as Regras do Futsal, o uso de caneleiras para todos os atletas. B) Não

Leia mais

Anexo I REGRA 01 - NÚMERO DE ATLETAS

Anexo I REGRA 01 - NÚMERO DE ATLETAS Anexo I REGRA 01 - NÚMERO DE ATLETAS 01 - A partida será disputada por duas equipes, cada uma composta por sete atletas, onde um dos quais, obrigatoriamente, será o goleiro. É obrigatório para se iniciar

Leia mais

CONSELHO DE ARBITRAGEM

CONSELHO DE ARBITRAGEM CONSELHO DE ARBITRAGEM Avaliação Época 2014/2015 Setúbal, 20 de Setembro de 2014 Observadores Distritais TESTE ESCRITO (a) 1. Identifique o comportamento e sinalética que estão estabelecidos numa situação

Leia mais

ACÇÃO INTERMÉDIA DE AVALIAÇÃO E REFLEXÃO ÁRBITROS ASSISTENTES DE 2.ª CATEGORIA Futebol de 11 TESTE ESCRITO PERGUNTAS

ACÇÃO INTERMÉDIA DE AVALIAÇÃO E REFLEXÃO ÁRBITROS ASSISTENTES DE 2.ª CATEGORIA Futebol de 11 TESTE ESCRITO PERGUNTAS FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE FUTEBOL CONSELHO DE ARBITRAGEM ACÇÃO INTERMÉDIA DE AVALIAÇÃO E REFLEXÃO ÁRBITROS ASSISTENTES DE 2.ª CATEGORIA Futebol de 11 Leiria, 20 de Janeiro de 2007 ÉPOCA 2006/2007 TESTE ESCRITO

Leia mais

3x3 Regras do Jogo. quadra se alguma for utilizada podem ser adaptadas ao espaço disponível

3x3 Regras do Jogo. quadra se alguma for utilizada podem ser adaptadas ao espaço disponível 3x3 Regras do Jogo As Regras do Jogo de Basquete Oficiais da FIBA são válidas para todas as situações de jogo não especificamente mencionadas nestas Regras do Jogo 3x3. Art. 1 Quadra e Bola O jogo será

Leia mais

REGULAMENTO ESPECÍFICO DE FUTSAL

REGULAMENTO ESPECÍFICO DE FUTSAL REGULAMENTO ESPECÍFICO DE FUTSAL 2007 2008 e 2008-2009 ÍNDICE INTRODUÇÃO.. 3 1. CONSTITUIÇÃO / IDENTIFICAÇÃO DAS EQUIPAS... 4 2. DURAÇÃO DOS JOGOS... 5 3. A BOLA.. 6 4. CLASSIFICAÇÃO / PONTUAÇÃO.... 6

Leia mais

E Nas extremidades da rede existem duas antenas que delimitam o espaço aéreo de jogo.

E Nas extremidades da rede existem duas antenas que delimitam o espaço aéreo de jogo. V O L E I B O L A quadra de jogo A quadra de voleibol mede 18 x 9 metros e é demarcada por linhas de 5 centímetros de espessura. Possui uma linha central que divide a quadra em duas áreas com 9 x 9 metros.

Leia mais

REGULAMENTO GERAL CAPÍTULO I

REGULAMENTO GERAL CAPÍTULO I I MACEIÓ-AL, 2015 REGULAMENTO GERAL CAPÍTULO I DA FINALIDADE DO EVENTO Art. 1º - O esporte é considerado um fenômeno cultural da humanidade capaz de propiciar inúmeros benefícios aos seus praticantes.

Leia mais

Regra Ofical 1 Toque Confederação Brasileira de Futebol de Mesa / CBFM Versão: 2.1.2 11/maio/2010 ÍNDICE GERAL

Regra Ofical 1 Toque Confederação Brasileira de Futebol de Mesa / CBFM Versão: 2.1.2 11/maio/2010 ÍNDICE GERAL ÍNDICE GERAL LISTA DE FIGURAS... 2 REGRA I... 3 DO CAMPO E SEU EQUIPAMENTO... 3 CAMPO... 3 REGRA II... 4 DOS TÉCNICOS, JOGADORES, BOLA E EQUIPES... 4 REGRA III... 6 DESENROLAR DO JOGO... 9 DURAÇÃO DE JOGO...

Leia mais

XV JOGOS ARI DE SÁ. Ensino Fundamental I 2015 REGULAMENTO

XV JOGOS ARI DE SÁ. Ensino Fundamental I 2015 REGULAMENTO XV JOGOS ARI DE SÁ Ensino Fundamental I 2015 REGULAMENTO ABERTURA 1. DIA: 26/09/2015 ( Sábado ) 9h 2. LOCAL: Manhã Ginásio 2.1 - Concentração Manhã: galeria do Ensino Fundamental I 2.2 - Desfile de abertura

Leia mais

AS REGRAS DO VOLEIBOL

AS REGRAS DO VOLEIBOL AS REGRAS DO VOLEIBOL NÚMERO DE JOGADORES Cada equipa é composta, no máximo, por 12 jogadores inscritos no boletim de jogo. Apenas 6 jogadores ocupam o terreno de jogo ( 6 efectivos e 6 suplentes ). O

Leia mais

JOGOS UNIVERSITÁRIOS CAMILIANOS - JUCAM 2013

JOGOS UNIVERSITÁRIOS CAMILIANOS - JUCAM 2013 REGULAMENTO PARA O VOLEIBOL EQUIPES Uma equipe é formada por 10 jogadores. E somente 6 jogadores podem participar do jogo tendo como obrigatoriedade 3 homens e 3 mulheres em quadra para condições de jogo.

Leia mais

Direção de Serviços do Desporto Escolar. Regulamento Específico Futsal

Direção de Serviços do Desporto Escolar. Regulamento Específico Futsal Direção de Serviços do Desporto Escolar Regulamento Específico Futsal Ano Lectivo 2012-2013 LEI I A SUPERFÍCIE DE JOGO ARTº 1º Os jogos de Futsal serão realizados preferencialmente nos recintos de Andebol

Leia mais

REGULAMENTO ESPECÍFICO FUTSAL. (Revisto em setembro 2015)

REGULAMENTO ESPECÍFICO FUTSAL. (Revisto em setembro 2015) REGULAMENTO ESPECÍFICO FUTSAL 2013 2017 (Revisto em setembro 2015) Índice 1. Introdução 2 2. Escalões Etários, tempo de jogo e variantes da modalidade 3 2.1. Escalões Etários 3 2.2. Tempo de Jogo e variantes

Leia mais

CURSO DE APERFEIÇOAMENTO, ACTUALIZAÇÃO E AVALIAÇÃO ÁRBITROS ASSISTENTES DE 2.ª CATEGORIA Futebol de 11 TESTE ESCRITO PERGUNTAS

CURSO DE APERFEIÇOAMENTO, ACTUALIZAÇÃO E AVALIAÇÃO ÁRBITROS ASSISTENTES DE 2.ª CATEGORIA Futebol de 11 TESTE ESCRITO PERGUNTAS FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE FUTEBOL CONSELHO DE ARBITRAGEM CURSO DE APERFEIÇOAMENTO, ACTUALIZAÇÃO E AVALIAÇÃO ÁRBITROS ASSISTENTES DE 2.ª CATEGORIA Futebol de 11 Fátima, 6 de Agosto de 2006 ÉPOCA 2006/2007

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DO I TORNEIO DE FUTEBOL SOCIETY FACULDADE ESFA

REGULAMENTO GERAL DO I TORNEIO DE FUTEBOL SOCIETY FACULDADE ESFA REGULAMENTO GERAL DO I TORNEIO DE FUTEBOL SOCIETY FACULDADE ESFA Art. 1º O Torneio de Futebol Society tem por finalidade: A congregação dos graduandos, o fortalecimento dos laços de amizade e a camaradagem

Leia mais

REGRAS OFICIAIS. 1.3. De cada lado deste quadrado será demarcada, à 7 metros da rede e paralela a esta, uma linha denominada linha da área de saque.

REGRAS OFICIAIS. 1.3. De cada lado deste quadrado será demarcada, à 7 metros da rede e paralela a esta, uma linha denominada linha da área de saque. REGRAS OFICIAIS 1. A QUADRA 1.1. A área de jogo trata-se de um retângulo de 10 metros de largura por 20 metros de comprimento. 1.2. Este retângulo será dividido na sua metade por uma rede, formando em

Leia mais

REGULAMENTO DO FUTSAL MASCULINO E FEMININO

REGULAMENTO DO FUTSAL MASCULINO E FEMININO REGULAMENTO DO FUTSAL MASCULINO E FEMININO I - DOS LOCAIS DOS JOGOS Art. 1º - Os jogos serão realizados nos seguintes locais: Quadras 01,02 e 03 - térreo do Prédio 80 Quadras 01,02 e 03-4º andar do Prédio

Leia mais

REGULAMENTO ESPECÍFICO FUTSAL 2013-2017

REGULAMENTO ESPECÍFICO FUTSAL 2013-2017 REGULAMENTO ESPECÍFICO FUTSAL 2013-2017 Índice 1. Introdução 2 2. Escalões Etários, tempo de jogo e variantes da modalidade 2 2.1. Escalões Etários 3 2.2. Tempo de Jogo e variantes da modalidade 3 2.3.

Leia mais

1ºTorneio Bancário Society de Clubes Paulista REGULAMENTO 2015

1ºTorneio Bancário Society de Clubes Paulista REGULAMENTO 2015 REGULAMENTO 2015 1º Torneio Bancário Society de Clubes Paulista 2015, é uma promoção da Secretaria de Esporte do Sindicato dos Bancários, e tem por finalidade efetuar o congraçamento entre os bancários

Leia mais

FEDERAÇÃO INTERNACIONAL DE FOOTBALL 7 SOCIETY

FEDERAÇÃO INTERNACIONAL DE FOOTBALL 7 SOCIETY FEDERAÇÃO INTERNACIONAL DE FOOTBALL 7 SOCIETY Filiada a FIFO7S Adm. Marcello C. Sangiovanni Filiada a CBF7S Adm. Lauro Henrique Andrade For the sport, For the world, For the life REGRAS OFICIAIS NACIONAIS

Leia mais

Condução do jogo. Associação de Ténis de Mesa do Distrito de Viseu Filipe Manuel Lima

Condução do jogo. Associação de Ténis de Mesa do Distrito de Viseu Filipe Manuel Lima Condução do jogo Menu Condução do Jogo Intervalos Serviço Bola Nula Um Ponto Contagem Sistema de aceleração Adaptação à mesa Os jogadores estão autorizados a uma adaptação à mesa de jogo até a um máximo

Leia mais

2.3 Tacada legal 2. 3. 1. Manutenção da mão; 2. 3. 2. Não anúncio de bola e bolsa; 2.4 Bolas embolsadas 2.5 Bolas fora da mesa 2. 5. 1.

2.3 Tacada legal 2. 3. 1. Manutenção da mão; 2. 3. 2. Não anúncio de bola e bolsa; 2.4 Bolas embolsadas 2.5 Bolas fora da mesa 2. 5. 1. Índice 1.1 Mesas Bolas Equipamento 1.2 Saída Posicionamento das bolas 1.3 Tacada 1.4 Bola não embolsada Turno 1.5 Ordem de saída 1.6 Abertura Saída 1.7 Jogo Começo 1.8 Abertura Desvio da bola branca 1.9

Leia mais

Handebol REGRAS DO JOGO

Handebol REGRAS DO JOGO Handebol REGRAS DO JOGO R e g r a 1 A Q u a d r a d e J o g o 1:1 A quadra de jogo (ver fig. 1) É um retângulo com 40 metros de comprimento e 20 metros de largura e consiste de duas áreas de gol (ver Regra

Leia mais

REGRAS DE JOGO POOL (8) e (9)

REGRAS DE JOGO POOL (8) e (9) REGRAS DE JOGO POOL (8) e (9) Introdução 1. Elementos intervenientes 1. 1. Um delegado 1. 2. Um árbitro 1. 3. Dois Jogadores (Conforme a competição), equipados de acordo com o estipulado pelo Bilhar Clube

Leia mais

Basquete 3x3 Tour Nacional Etapas Regionais/FINAL 2013

Basquete 3x3 Tour Nacional Etapas Regionais/FINAL 2013 Basquete 3x3 Tour Nacional Etapas Regionais/FINAL 2013 REGRAS As Regras do Jogo de Basquete Oficiais da FIBA são válidas para todas as situações de jogo não especificamente mencionadas nestas Regras do

Leia mais

REGRA 01 - QUADRA DE JOGO

REGRA 01 - QUADRA DE JOGO REGRA 01 - QUADRA DE JOGO 1. DIMENSÕES A quadra de jogo será um retângulo tendo um comprimento mínimo de 25 metros e máximo de 42 metros e a largura mínima de 15 metros e máxima de 25 metros. a) Para a

Leia mais

REGULAMENTO ESPECÍFICO DE FUTSAL XIRA 2016

REGULAMENTO ESPECÍFICO DE FUTSAL XIRA 2016 REGULAMENTO ESPECÍFICO DE FUTSAL XIRA 2016 ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 ESCALÕES ETÁRIOS, TEMPO DE JOGO E BOLA... 4 2.1. ESCALÕES ETÁRIOS... 4 2.2. DURAÇÃO DOS JOGOS... 4 2.3. A BOLA... 4 REGULAMENTO DO ESCALÃO

Leia mais

MATERIAL DE APOIO ED. FÍSICA PROFª. THAÍS LUCENA ALUNO(A): Nº RECIFE, DE DE 2012.

MATERIAL DE APOIO ED. FÍSICA PROFª. THAÍS LUCENA ALUNO(A): Nº RECIFE, DE DE 2012. DO INFANTIL ENSINO AO COMPLETO VESTIBULAR MATERIAL DE APOIO ED. FÍSICA PROFª. THAÍS LUCENA ALUNO(A): Nº RECIFE, DE DE 2012. 1. O sorteio do jogo - O sorteio é efetuado na presença dos dois capitães de

Leia mais

Art. 02 Este Regulamento Geral é o conjunto das disposições que regem as modalidades que integram a COPA SENAI 2010.

Art. 02 Este Regulamento Geral é o conjunto das disposições que regem as modalidades que integram a COPA SENAI 2010. COPA SENAI 2010 REGULAMENTO GERAL SESI SENAI - SP 2010 REGULAMENTO GERAL FASE INTERCLASSES I DOS OBJETIVOS Art. 01 A COPA SENAI 2010, tem por finalidade o bem estar e a integração do aluno perante a sociedade

Leia mais

III TORNEIO DE BASQUETE 3 x 3 MASCULINO E FEMININO CEFER - USP RIBEIRÃO PRETO - 2015

III TORNEIO DE BASQUETE 3 x 3 MASCULINO E FEMININO CEFER - USP RIBEIRÃO PRETO - 2015 III TORNEIO DE BASQUETE 3 x 3 MASCULINO E FEMININO CEFER - USP RIBEIRÃO PRETO - 2015 I - OBJETIVOS: Incentivar a integração de todos como também valorizar e estimular a prática esportiva, como fator de

Leia mais

IV JOGOS MUNICIPAIS DA TERCEIRA IDADE DE PORTO ALEGRE 1, 2 e 3 de julho de 2005 - Ginásio Tesourinha REGULAMENTO ESPECÍFICO. Módulo Competitivo

IV JOGOS MUNICIPAIS DA TERCEIRA IDADE DE PORTO ALEGRE 1, 2 e 3 de julho de 2005 - Ginásio Tesourinha REGULAMENTO ESPECÍFICO. Módulo Competitivo PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DE ESPORTES, RECREAÇÃO E LAZER IV JOGOS MUNICIPAIS DA TERCEIRA IDADE DE PORTO ALEGRE 1, 2 e 3 de julho de 2005 - Ginásio Tesourinha REGULAMENTO

Leia mais

REGULAMENTO GERAL GEACSB 2015

REGULAMENTO GERAL GEACSB 2015 REGULAMENTO GERAL GEACSB 2015 PARTE GERAL Art. 1º - Denomina-se Grêmio de Ex-Alunos do Colégio de São Bento ( GEACSB ) o campeonato de futebol society organizado pela ALUMNI CSB-RJ e realizado anualmente

Leia mais

Catálogo de Perguntas e Repostas (IHF)

Catálogo de Perguntas e Repostas (IHF) Catálogo de Perguntas e Repostas (IHF) IHF CATÁLOGO DE PERGUNTAS SOBRE AS REGRAS DE JOGO BASEADO NO LIVRO DE REGRAS EDIÇÃO: 1º DE JULHO DE 2010 Muitas perguntas têm mais de uma resposta correta! 1. Que

Leia mais

AS REGRAS DO BASQUETEBOL

AS REGRAS DO BASQUETEBOL AS REGRAS DO BASQUETEBOL A BOLA A bola é esférica, de cabedal, borracha ou material sintéctico. O peso situa-se entre 600 g e 650g e a circunferência deve estar compreendida entre 75 cm e 78 cm. CESTOS

Leia mais

Associação de Futebol de Lisboa CONSELHO DE ARBITRAGEM

Associação de Futebol de Lisboa CONSELHO DE ARBITRAGEM ssociação de Futebol de Lisboa ONSELHO DE RITRGEM PROV TEORI REGULMENTR PR ÁRITROS DISTRITIS 2012 / 2013 22 / Setembro / 2012 Futebol 3a + 3c Esc. Sec. Miguel Torga TESTE 03 Leia atentamente as instruções

Leia mais

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE FUTEBOL

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE FUTEBOL CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE FUTEBOL Administração Ricardo Teixeira REGRAS DE FUTEBOL 2011/2012 Administração: Ricardo Teixeira Julho 2011 Autorizadas pelo International Football Association Board Todos

Leia mais

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE FUTEBOL 7

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE FUTEBOL 7 CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE FUTEBOL 7 REGRAS OFICIAIS RECONHECIDA PELA SECRETARIA NACIONAL DE ESPORTE ÓRGÃO DO MINISTÉRIO DO ESPORTE E TURISMO *** EM VIGOR DESDE 14 de Fevereiro de 2013 *** 1 CONFEDERAÇÃO

Leia mais

XII TORNEIO 24 HORAS FUTSAL INTER-BOMBEIROS

XII TORNEIO 24 HORAS FUTSAL INTER-BOMBEIROS XII TORNEIO 24 HORAS FUTSAL INTER-BOMBEIROS Regulamento Base 1. FINALIDADE É do interesse deste Corpo de Bombeiros fomentar a prática desportiva por parte dos bombeiros e outros agentes de proteção civil,

Leia mais

FAZ UM SMASH À ROTINA! REGRAS OFICIAIS WWW.AROUNDTHEFUTURE.PT

FAZ UM SMASH À ROTINA! REGRAS OFICIAIS WWW.AROUNDTHEFUTURE.PT FAZ UM SMASH À ROTINA! REGRAS OFICIAIS WWW.AROUNDTHEFUTURE.PT REGRAS OFICIAIS 1. O CAMPO 1.1. A área de jogo é um rectângulo de 10 metros de largura por 20 metros de comprimento. 1.2. Este rectângulo será

Leia mais

VII TORNEIO DE FUTSAL MENORES 2015 REGULAMENTO GERAL. OBJETIVO Proporcionar à criança a integração social através do futsal.

VII TORNEIO DE FUTSAL MENORES 2015 REGULAMENTO GERAL. OBJETIVO Proporcionar à criança a integração social através do futsal. VII TORNEIO DE FUTSAL MENORES 2015 REGULAMENTO GERAL OBJETIVO Proporcionar à criança a integração social através do futsal. ORGANIZAÇÃO O torneio será organizado e dirigido por uma Comissão Organizadora

Leia mais

CÂMARA MUNICPAL DO NORDESTE GABINETE DO DESPORTO TORNEIO DE FUTSAL INTER-FREGUESIAS DO NORDESTE 2015

CÂMARA MUNICPAL DO NORDESTE GABINETE DO DESPORTO TORNEIO DE FUTSAL INTER-FREGUESIAS DO NORDESTE 2015 CÂMARA MUNICPAL DO NORDESTE I.INTRODUÇÃO Com a organização do Torneio de Futsal Inter-Freguesias do Nordeste 2015, o gabinete do Desporto pretende proporcionar à população concelhia um espaço privilegiado

Leia mais

REGULAMENTO ESPECÍFICO DO BASQUETE

REGULAMENTO ESPECÍFICO DO BASQUETE REGULAMENTO ESPECÍFICO DO BASQUETE 1. As competições de basquete serão realizadas de acordo com as regras internacionais da FIBA e os regulamentos e normas do Novo Desporto Universitário 2012 NDU. 2. Cada

Leia mais

ÍNDICE Perguntas e respostas 2005 Leis do Jogo

ÍNDICE Perguntas e respostas 2005 Leis do Jogo ÍNDICE Perguntas e respostas 2005 Leis do Jogo Lei Respostas Página 1 O terreno de jogo 1. 7. 4 2 A bola 1. 3. 6 3 Número de jogadores 1. 29. 7 4 Equipamento dos jogadores 1. 11. 15 5 O árbitro 1. 15.

Leia mais

www.ndu.net.br Sede Social Rua Luís Góis, 2.187 Mirandópolis São Paulo SP Cep: 04043-400 Fone: (11) 7708-7429

www.ndu.net.br Sede Social Rua Luís Góis, 2.187 Mirandópolis São Paulo SP Cep: 04043-400 Fone: (11) 7708-7429 Organização, compromisso e qualidade em prol do esporte universitário paulista www.ndu.net.br Sede Social Rua Luís Góis, 2.187 Mirandópolis São Paulo SP Cep: 04043-400 Fone: (11) 7708-7429 REGULAMENTO

Leia mais

REGULAMENTO. Os representantes das equipes ficarão responsáveis pela disciplina de seus atletas.

REGULAMENTO. Os representantes das equipes ficarão responsáveis pela disciplina de seus atletas. DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES: REGULAMENTO Artigo 1 Artigo 2 Artigo 3 Artigo 4 Artigo 5 Fica instituído pela Delegacia Sindical de Brasília o IV Campeonato de Futebol Soçaite. Este regulamento é o conjunto

Leia mais

APOSTILA DE RUGBY O RUGBY BRASILEIRO

APOSTILA DE RUGBY O RUGBY BRASILEIRO APOSTILA DE RUGBY O RUGBY BRASILEIRO História do Rugby no Brasil -O RUGBY chegou ao BRASIL no século retrasado. -Charles Miller teria organizado em 1895 o primeiro time de rugby brasileiro, em São Paulo.

Leia mais

VOLEIBOL. 11. O Jogador que executa o saque, deve estar em qual posição? 1) Em que ano foi criado o voleibol? a) 1997. a) posição número 6.

VOLEIBOL. 11. O Jogador que executa o saque, deve estar em qual posição? 1) Em que ano foi criado o voleibol? a) 1997. a) posição número 6. VOLEIBOL 1) Em que ano foi criado o voleibol? a) 1997 b) 2007 c) 1996 d) 1975 e)1895 2. Quem inventou o voleibol? a) William G. Morgan b) Pelé c) Roberto Carlos d) Ronaldinho Gaúcho e) Michael Jackson

Leia mais

Associação de Futebol de Lisboa CONSELHO DE ARBITRAGEM

Associação de Futebol de Lisboa CONSELHO DE ARBITRAGEM ssociação de Futebol de Lisboa ONSELHO DE ITGEM 1ª OV VLIÇÃO TEOI EGULMENT OSEVDOES DISTITIS 2012 / 2013 02 / Outubro / 2012 Futebol OS 2 ua Fanqueiros TESTE 05 Leia atentamente as instruções seguintes:

Leia mais

COMPETIÇÕES DE VOLEIBOL ETAPA ESCOLAR

COMPETIÇÕES DE VOLEIBOL ETAPA ESCOLAR COMPETIÇÕES DE VOLEIBOL ETAPA ESCOLAR INTRODUÇÃO O Atleta na Escola tem como premissas a democratização do acesso ao esporte e o incentivo da prática esportiva na escola. Neste ano, o Programa de Formação

Leia mais

O que é o Bitoque-rugby

O que é o Bitoque-rugby O que é o Bitoque-rugby O rugby é uma modalidade desportiva que envolve contacto físico entre os seus praticantes, sendo assim é de primordial importância que os praticantes joguem de acordo com as regras

Leia mais

REGULAMENTO DO 1º TORNEIO DE FUTSAL MOSAICO DE PAISAGENS 2013

REGULAMENTO DO 1º TORNEIO DE FUTSAL MOSAICO DE PAISAGENS 2013 REGULAMENTO DO 1º TORNEIO DE FUTSAL MOSAICO DE PAISAGENS 2013 1. INTRODUÇÃO O 1º Torneio de Futsal Mosaico de Paisagens 2013, organizado pelo Município de Caminha, será disputado por um total máximo de

Leia mais

1 Regras dos Esportes de Verao da Special Olympics Basketball BASQUETEBOL

1 Regras dos Esportes de Verao da Special Olympics Basketball BASQUETEBOL 1 BASQUETEBOL As Regras Oficiais da Special Olympics devem governar todas as competições de Basquete da Special Olympics. Como um programa de esportes internacional, a Special Olympics criou estas regras

Leia mais

Quadras Esportivas do CIUNI

Quadras Esportivas do CIUNI Universidade Federal de Lavras Pró- Reitoria de Assuntos Estudantis e Comunitários Associação Acadêmica de Esportes AAE/LEUFLA Quadras Esportivas do CIUNI 2009 1 Sumário 1 Quadra de salão (construir) 2

Leia mais

REGULAMENTO DE FUTSAL

REGULAMENTO DE FUTSAL REGULAMENTO DE FUTSAL Capítulo I DAS FINALIDADES Art. 1º O campeonato de futsal masculino, é promovido como uma das modalidades dos VI JOGOS NACIONAIS DA MAGISTRATURA, promovido e organizado pela AMB Associação

Leia mais

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE FUTEBOL 7 SOCIETY

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE FUTEBOL 7 SOCIETY CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE FUTEBOL 7 SOCIETY FILIADA À FIFO7S RECONHECIDA PELA SECRETARIA NACIONAL DE ESPORTE ÓRGÃO DO MINISTÉRIO DO ESPORTE E TURISMO Filiada a UFEESP - União das Federações Esportivas

Leia mais

Regras oficiais de basquetebol em cadeiras de rodas 2008

Regras oficiais de basquetebol em cadeiras de rodas 2008 REGRAS OFICIAIS DE BASQUETEBOL EM Outubro 2008 Pág. 1 de 86 Regras oficiais de basquetebol em cadeiras de rodas 2008 Como aprovado pelo Conselho Executivo da IWBF Outubro 2008 Pág. 2 de 86 REGRAS OFICIAIS

Leia mais

Caracterização. Objetivo

Caracterização. Objetivo VOLEIBOL Caracterização O voleibol é um jogo desportivo coletivo praticado por duas equipas, cada uma composta por seis jogadores efetivos e, no máximo, seis suplentes, podendo um ou dois destes jogadores

Leia mais

Modificação Experimental das Leis

Modificação Experimental das Leis Modificação Experimental das Leis Lei 3: Número de Jogadores - O Time 3.4 Jogadores relacionados como substitutos Equipes internacionais permitidas a realizar até oito substituições 3.4 Jogadores relacionados

Leia mais

ANHEMBI TÊNIS CLUBE REGULAMENTO DO FUTEBOL SOCIETY

ANHEMBI TÊNIS CLUBE REGULAMENTO DO FUTEBOL SOCIETY REGULAMENTO 1- OBJETIVO: Regulamentar, padronizar, unificar e disciplinar as atividades do FUTEBOL SOCIETY do Anhembi Tênis Clube. 2- FINALIDADE: Aprimorar o aspecto de Lazer, o companheirismo, o respeito

Leia mais

Núcleo de Árbitros Sequeira Teles - Peso da Régua

Núcleo de Árbitros Sequeira Teles - Peso da Régua 2013 / 2014 ESOLH MÚLTIPL - TESTE 1 NOME: ESOLH MULTIPL - TESTE 1 Leia atenta mente as instruções seguintes. Para cada questão, escolha uma (e só uma) resposta, fazendo uma cruz no quadrado pretendido.

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO FUTSAL

REGULAMENTO TÉCNICO FUTSAL FUTSAL Art. 1º - O campeonato de Futebol de Salão será regido pelas regras oficiais da CBFS - Confederação Brasileira de Futsal, por este Regulamento e conforme o disposto no Regulamento Geral. Art. 2º

Leia mais

17/02/2016. Mestrando Dagnou Pessoa de Moura - Dog. A partida é supervisionada por três árbitros

17/02/2016. Mestrando Dagnou Pessoa de Moura - Dog. A partida é supervisionada por três árbitros Mestrando Dagnou Pessoa de Moura - Dog Formado em Educação Física Unisalesiano Lins Especialista em Fisiologia do Exercício UFSCar Especialista em Biomecânica, Avaliação Física e Prescrição de Exercícios

Leia mais

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE VOLEIBOL - COBRAV -

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE VOLEIBOL - COBRAV - CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE VOLEIBOL - COBRAV - REGRAS OFICIAIS DE VOLEIBOL DE PRAIA CONSELHO DE ARBITRAGEM DE VOLEIBOL DE PRAIA 1 ÍNDICE CARACTERÍSTICAS DO JOGO Capítulo I EQUIPAMENTOS E INSTALAÇÕES 1.

Leia mais

FUNPEEL Troféu Luiz Carlos Heidrich (LULI)

FUNPEEL Troféu Luiz Carlos Heidrich (LULI) 8 o CAMPEONATO MUNICIPAL DE FUTSAL MASCULINO/ FUNPEEL Troféu Luiz Carlos Heidrich (LULI) 1. DISPOSIÇÕES INICIAIS REGULAMENTO TÉCNICO 1.1. O 8º Campeonato Municipal de Futsal Masculino será promovido e

Leia mais

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE FUTEBOL DE SALÃO - CBFS FUNDADA EM 15 DE JUNHO DE 1979

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE FUTEBOL DE SALÃO - CBFS FUNDADA EM 15 DE JUNHO DE 1979 CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE FUTEBOL DE SALÃO - CBFS FUNDADA EM 15 DE JUNHO DE 1979 Rua Coronel Ferraz, n o. 52 - Conjuntos 301/302 - CEP: 60.060.150 Fortaleza - Ceará - Brasil Fone: + 55 (85) 3533-8300

Leia mais

COMUNICADO OFICIAL N.: 5 DATA: 2012.07. 07.10 ALTERAÇÕES ÀS LEIS DO JOGO DE FUTEBOL ONZE 2012/13

COMUNICADO OFICIAL N.: 5 DATA: 2012.07. 07.10 ALTERAÇÕES ÀS LEIS DO JOGO DE FUTEBOL ONZE 2012/13 ALTERAÇÕES ÀS LEIS DO JOGO DE FUTEBOL ONZE 2012/13 Para conhecimento geral, informa-se que a FIFA, através da sua Circular Nº 1302 de 31.05.2012, divulgou as alterações às leis do jogo 2012/13, que se

Leia mais

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE FUTEBOL DE SALÃO - CBFS FUNDADA EM 15 DE JUNHO DE 1979

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE FUTEBOL DE SALÃO - CBFS FUNDADA EM 15 DE JUNHO DE 1979 CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE FUTEBOL DE SALÃO - CBFS FUNDADA EM 15 DE JUNHO DE 1979 Rua Coronel Ferraz, n o. 52 - Conjuntos 301/302 - CEP: 60.060.150 Fortaleza - Ceará - Brasil Fone: + 55 (85) 3533-8300

Leia mais

Regulamento Interno Liga Futsal AEISCSN 2010/2011

Regulamento Interno Liga Futsal AEISCSN 2010/2011 1 ÍNDICE I. DISPOSIÇÕES INICIAIS Artigo 1º - Organização e direcção do torneio II. ORGANIZAÇÃO DA PROVA Artigo 2º - Modelo Competitivo Artigo 3º - Pontuação de Jogo Artigo 4º - Critérios de Desempate Artigo

Leia mais

FUTSAL - Livro Nacional de Regras - Aprovado pela FIFA

FUTSAL - Livro Nacional de Regras - Aprovado pela FIFA CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE FUTEBOL DE SALÃO - FUTSAL FUNDADA EM 15 DE JUNHO DE 1979 BRASIL, HEXACAMPEÃO MUNDIAL 1982/1985/1989/1992/1996/2008 Sede: Rua Coronel Ferraz n o 52 - Conjuntos 301/302 - CEP:

Leia mais

REGULAMENTO DE VOLEIBOL

REGULAMENTO DE VOLEIBOL REGULAMENTO DE VOLEIBOL - ÍNDICE Características do Jogo Capítulo 1 INSTALAÇÕES E EQUIPAMENTOS 1. ÁREA DE JOGO 1.1. - Dimensões 1.2. Superfície da área de jogo 1.3. - Linhas da quadra de jogo 1.4. - Zonas

Leia mais

ASSOCIAÇÃO REGIONAL DE DESPORTOS PARA DEFICIENTES INTELECTUAIS DO ESTADO DE SÃO PAULO REGULAMENTO ESPECÍFICO DA TAÇA SÃO PAULO DE FUTSAL-2015

ASSOCIAÇÃO REGIONAL DE DESPORTOS PARA DEFICIENTES INTELECTUAIS DO ESTADO DE SÃO PAULO REGULAMENTO ESPECÍFICO DA TAÇA SÃO PAULO DE FUTSAL-2015 REGULAMENTO ESPECÍFICO DA TAÇA SÃO PAULO DE FUTSAL-2015 DA DENOMINAÇÃO E PARTICIPAÇÃO Art. 1º - A Taça São Paulo de Futsal - 2015 será disputado por equipes com atletas com deficiência intelectual. Art.

Leia mais

Regulamento Específico. Futsal

Regulamento Específico. Futsal Regulamento Específico Futsal 2015 Art. 1º - A competição de futsal dos Jogos Escolares de Minas Gerais JEMG/2015 obedecerá às Regras Oficiais da FIFA para a modalidade, adotadas pela Confederação Brasileira

Leia mais

* Regulamento Técnico 2016 * FUTSAL

* Regulamento Técnico 2016 * FUTSAL * Regulamento Técnico 2016 * FUTSAL 1. DOS JOGOS: Os jogos de Futsal serão regidos pelas Regras Oficiais vigentes da Confederação Brasileira de Futsal, observadas as exceções previstas neste Regulamento

Leia mais

REGULAMENTO DELEGACIA SINDICAL DE BRASÍLIA - DF IV CAMPEONATO DE FUTEBOL SOÇAITE DOS AUDITORES FISCAIS DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL / 2011

REGULAMENTO DELEGACIA SINDICAL DE BRASÍLIA - DF IV CAMPEONATO DE FUTEBOL SOÇAITE DOS AUDITORES FISCAIS DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL / 2011 REGULAMENTO DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES: Artigo 1 Artigo 2 Artigo 3 Artigo 4 Artigo 5 Fica instituído pela Delegacia Sindical de Brasília o IV Campeonato de Futebol Soçaite. Este regulamento é o conjunto

Leia mais

Leis do Jogo de Futsal 2013/2014

Leis do Jogo de Futsal 2013/2014 Leis do Jogo de FutsaL 2013/2014 Leis do Jogo de Futsal 2013/2014 Edição autorizada pela Sub-Comissão do International Football Association Board. A reprodução ou tradução, integral ou parcial, carece

Leia mais

PARCERIA APEA/SP E APCEF/SP

PARCERIA APEA/SP E APCEF/SP PARCERIA APEA/SP E APCEF/SP DATA / LOCAL: 26 e 27/09/2015 / CECOM - APCEF/SP REGULAMENTO TÉCNICO TRUCO Art. 1º. O torneio de Truco do V JOGOS DOS APOSENTADOS, será realizado de acordo com as regras estabelecidas

Leia mais

ASSOCIAÇÃO ATLÉTICA BANCO DO BRASIL SALVADOR CAMPEONATO INTERNO DE FUTEBOL SOCIETY - 2009 REGULAMENTO GERAL - CÓDIGO ESPORTIVO

ASSOCIAÇÃO ATLÉTICA BANCO DO BRASIL SALVADOR CAMPEONATO INTERNO DE FUTEBOL SOCIETY - 2009 REGULAMENTO GERAL - CÓDIGO ESPORTIVO CAPÍTULO I - DAS COMPETIÇÕES ARTIGO 01 - A finalidade principal da realização dos Campeonatos Internos de Futebol é desenvolver a prática esportiva, fomentando em caráter recreativo e, absolutamente amadorista,

Leia mais

Leis do Jogo de Futsal 2006

Leis do Jogo de Futsal 2006 Leis do Jogo de Futsal 2006 Janeiro 2007 A versão revista das Leis do Jogo de Futsal foi elaborada em colaboração com a Sub-Comissão do International Football Association Board (IFAB), em conformidade

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO CAPÍTULO 1 DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS

REGULAMENTO TÉCNICO CAPÍTULO 1 DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS REGULAMENTO TÉCNICO CAPÍTULO 1 DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS Artigo 1º. Este regulamento é o documento composto conjunto das disposições que regem a Campeonato Brasileiro de Handebol dos Surdos 2015, nas categorias

Leia mais

COMENTÁRIOS E INTERPRETAÇÕES

COMENTÁRIOS E INTERPRETAÇÕES COMENTÁRIOS E INTERPRETAÇÕES das Regras Oficiais de Basquetebol em Cadeiras de Rodas 2004 INTRODUÇÃO E CHAVE Pág. 1 de 39 INTRODUÇÃO As figuras antes de cada caso referem-se ao artigo equivalente das Regras

Leia mais