SEGURANÇA NO TRABALHO PARA ATIVIDADES DE PROCESSAMENTO MECÂNICO DA MADEIRA ALEXANDRE PETUSK FILIPE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SEGURANÇA NO TRABALHO PARA ATIVIDADES DE PROCESSAMENTO MECÂNICO DA MADEIRA ALEXANDRE PETUSK FILIPE"

Transcrição

1 SEGURANÇA NO TRABALHO PARA ATIVIDADES DE PROCESSAMENTO MECÂNICO DA MADEIRA ALEXANDRE PETUSK FILIPE 2010 i

2 ALEXANDRE PETUSK FILIPE SEGURANÇA NO TRABALHO PARA ATIVIDADES DE PROCESSAMENTO MECÂNICO DA MADEIRA Dissertação apresentada à Universidade Federal de Lavras, como parte das exigências do Programa de Pós- Graduação em Ciência e Tecnologia da Madeira, área de concentração processamento da madeira, para obtenção do título de Mestre. Orientador Prof. Dr. José Reinaldo Moreira da Silva LAVRAS MINAS GERAIS - BRASIL 2010

3 Ficha Catalográfica Preparada pela Divisão de Processos Técnicos da Biblioteca Central da UFLA 1

4 ALEXANDRE PETUSK FILIPE SEGURANÇA NO TRABALHO PARA ATIVIDADES DE PROCESSAMENTO MECÂNICO DA MADEIRA Dissertação apresentada à Universidade Federal de Lavras, como parte das exigências do Programa de Pós- Graduação em Ciência e Tecnologia da Madeira, área de concentração processamento da madeira, para obtenção do título de Mestre. APROVADA em 28/05/2010. Prof. Dr. José Reinaldo Moreira da Silva Prof. Dr. Giovanni Francisco Rabelo Prof. Dr. Nilton César Fiedler UFLA UFLA UFES Prof. Dr. José Reinaldo Moreira da Silva UFLA (Orientador) LAVRAS MG BRASIL 2010

5 AGRADECIMENTOS Agradeço, primeiramente ao Arquiteto Universal por nos criar e proporcionar as oportunidades para que cresçamos e busquemos a nossa evolução, tanto no campo da intelectualidade quanto no campo espiritual. Também a todos que contribuíram direta e indiretamente para realização deste trabalho. A minha Família que me apoiou nos momentos mais necessários. O apoio dos amigos que são a Família que podemos escolher e que sem o auxílio deles não temos forças para vencer as batalhas da vida. À Fundação de Amparo a Pesquisa do Estado de Minas gerais pela concessão da bolsa e pelo apoio financeiro para execução do projeto.

6 SUMÁRIO RESUMO... 2 ABSTRACT INTRODUÇÃO OBJETIVOS REFERENCIAL TEÓRICO Setor moveleiro Ergonomia Ambiente e legislação trabalhista Ambiência sonora Ambiência luminosa Ambiência térmica MATERIAL E MÉTODOS Descrição do local de coleta Coleta de dados RESULTADOS E DISCUSSÕES Ambiente de trabalho Ruído Dosimetria Ruído instantâneo Iluminância Conforto térmico IBUTG CONCLUSÕES CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ANEXOS... 42

7 RESUMO FILIPE, Alexandre Petusk. Segurança no trabalho para atividades de processamento mecânico da madeira p. Dissertação (Mestrado em Ciência e Tecnologia da Madeira) Universidade Federal de Lavras MG. A segurança do trabalho é de grande importância em todas as atividades. A ausência de ações que visem diminuir os acidentes do trabalho faz com que o funcionário seja afastado de suas atividades, aumentando o custo de produção. A legislação brasileira por meio de regulamentação específica como a Norma Regulamentadora Nº15 NR 15, Anexo 1, Atividades e Operações Insalubres Portaria do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) determina que o ambiente de trabalho esteja adaptado aos funcionários minimizando os riscos físicos, químicos e ergonômicos. O objetivo deste trabalho foi avaliar a estrutura organizacional dos ambientes e os parâmetros físicos ruído, iluminância e temperaturas dos postos de trabalho em fábricas de móveis. O ambiente de trabalho nas fábricas de móveis consistiu de uma estrutura complexa composta por máquinas, bancadas e equipamentos, necessários para execução das tarefas. Também observou a utilização de produtos químicos como seladoras, vernizes, solventes para limpezas, adesivos. Para o parâmetro físico ruído ficou constatado que algumas máquinas emitiram valores acima do que estabelece a NR 15 que é de 85 db. Os valores de ruído permaneceram no intervalo de 66,00 a 117,40 db. Já para iluminância, foram coletados valores em lux (unidade de medição da intensidade luminosa) tanto abaixo, quanto acima dos valores especificados pela norma brasileira NBR 5413 (ABNT, 1992). Valores abaixo podem incorrer em fadiga visual, vermelhidão da conjuntiva entre outros sintomas. As temperaturas permaneceram abaixo do limite estipulado pela norma de 26,7 ºC, situação desejável para conforto dos operários na execução de atividades considerada moderada que é o caso de fábrica de móveis. Palavras-chave: Ergonomia, segurança no trabalho, processamento mecânico. 2

8 ABSTRACT FILIPE, Alexandre Petusk. Segurança no trabalho para atividades de processamento mecânico da madeira p. Dissertação (Mestrado em Ciência e Tecnologia da Madeira) Universidade Federal de Lavras MG. Key words 3

9 1. INTRODUÇÃO À medida que a sociedade evolui, seus hábitos e o acesso aos conhecimentos também evoluem. Assim, cada vez mais os trabalhadores reclamam das condições de vida e, principalmente, das condições laborais. Tanto por razões econômicas como sociais, os cidadãos estão exigindo melhores condições de trabalho. Essa atitude é observada nos diversos países. As tarefas industriais principalmente aquelas de chão-de-fábrica se desenvolvem com exposição do operador aos ruídos e as vibrações e sobre efeitos do micro clima e da iluminação dos ambientes de trabalho. Toda essa caracterização é denominada ambiência física (Millanvoye, 2007). Nas fábricas de móveis as operações de processamento mecânico da madeira oferecem situações de riscos aos operários. A falta ou até mesmo a retirada dos equipamentos de proteção coletiva (EPC) das máquinas causa acidentes. Já os equipamentos de proteção individual (EPI) são pouco usados pelo incômodo gerado ao trabalhador. Os casos de acidentes de trabalho, com ou sem afastamento que depende de sua gravidade, são comuns em marcenarias. Este fato é devido as máquinas exigidas para o processo de fabricação de móveis. O afastamento provoca atraso na entrega de produtos, além de prejuízo aos cofres públicos. Segundo MTE 2009, é sabido que tal prejuízo atinge cifras de 5 bilhões de reais por ano pois, a partir do 16º dia de afastamento o pagamento do salário fica a cargo do INSS. Também, acontecem aposentadorias precoces de funcionários. No Sul de minas gerais, as fábricas de móveis são consideradas familiares, cuja estrutura fabril é simples, composta por numero reduzido de máquinas equipamentos e funcionários. Este maquinário, na maioria das vezes, é considerado obsoleto. O conhecimento da real situação do setor no que tange os parâmetros estabelecidos pela norma brasileira é de grande valia na predição e prevenção de acidentes. 4

10 2. OBJETIVOS Avaliar a estrutura organizacional do ambiente de trabalho em fábricas de móveis. Avaliar parâmetros físicos dos postos de trabalho em fábricas de móveis. 5

11 3. REFERENCIAL TEÓRICO 3.1 Setor moveleiro O setor moveleiro de Cruzília/MG possui 08 fábricas de móveis sindicalizadas. Na cidade de Lavras/MG, o setor apresenta uma situação ainda pior, pois não há um sindicato forte e atuante, uma vez que as marcenarias não são organizadas politicamente. Um fator que dificultou realizar o trabalho em um número maior de fábricas foi justamente a desunião dos proprietários. As indústrias brasileiras produtoras de móveis de madeira maciça e painéis são predominantemente micro e pequenas empresas. Sua capacidade para investimentos em máquinas e em tecnologia é limitada. Suas cadeias produtivas estão fundamentadas na utilização de espécies provenientes da região amazônica, de madeira de reflorestamento ou de painéis (Jankowsky, 2004). Segundo Fiedler (2001), o risco de acidentes é consideravelmente alto, pois existem máquinas de cortes, como serras circulares, que além de propiciar possibilidade de amputação de membros superiores, emitem ruídos que dependendo do tempo de exposição levam a perda auditiva dos trabalhadores. SILVA (2007), afirmou que no setor madeireiro brasileiro é comum verificar a resistência à aplicação de recursos financeiros na produção, visando melhorias. Contudo, a maioria dos problemas encontrados no setor produtivo não requer aplicação de grandes montantes de recursos, sendo apenas necessário estudar situações isoladas (Chão de fabrica). Com implementações de melhorias, observa-se maior agregação de valor ao produto, principalmente por meio de aplicação de técnicas corretas de processamento da madeira e acabamento dos produtos, visando a redução de perdas de material e melhoria da qualidade. As fábricas de móveis, marcenarias e carpintarias apresentam riscos para a saúde do trabalhador. Esses riscos são comuns à industria em geral, devido a realização de operações e a utilização de equipamentos que oferecem perigo 6

12 elevado. Para garantir o trabalho em condições seguras, há necessidade de proteções diversificadas e adequadas à cada máquina utilizada no processo produtivo e de trabalhadores orientados para utilizá-las corretamente a cada operação a ser executada (SOUZA, 2004). Segundo GORINI (1998), no segmento de móveis sob encomenda, existe multiplicidade de micro e pequenas empresas, em geral marcenarias, cuja matéria-prima básica é a madeira compensada conjugada com madeiras nativas. Seus equipamentos e suas instalações são quase sempre deficientes e ultrapassados, o que gera muitas imprecisões nas medidas, e o trabalho ainda é bastante artesanal. Seu produto final destina-se predominantemente ao mercado doméstico. Segundo CAÇADOR (1996), o setor madeireiro possui várias deficiências e necessita de mudanças e que parcerias entre as indústrias deste setor com as instituições afins de ensino, pesquisa e extensão, devem ser buscadas pelos empresários.já AMBRÓSIO (1996), enumerou vários pontos para reverter essa situação: a) reestruturação industrial - especialização por meio de pólos industriais; aumento de cooperação entre as empresas; estudo de viabilidade de novos mercados; b) modernização produtiva - processos produtivos em si, com modernização de máquinas e equipamentos; redução do custo da madeira aglomerada visando o aumento da competitividade no mercado externo e redução de custos no interno; c) qualificação da mão-de-obra - formação de técnicos com conhecimento em controle numérico e computadorizado; formação em desenho industrial por meio de design por computação gráfica; formação de centros integrados com a industria, entre outros. 7

13 3.2 Ergonomia A ergonomia pode ser definida como um conjunto de ciências e tecnologias que procura a adaptação confortável e produtiva entre o ser humano e o trabalho, procurando adaptar as condições de trabalho às características do homem. A palavra ergonomia é originada dos termos gregos ergo (trabalho) e nomos (regras), que significa: regras para organizar o trabalho (COUTO, 1995, v.1). Apesar do termo ergonomia ter surgido no século XIX, a ergonomia aplicada ao trabalho é relativamente recente. O conceito moderno de Ergonomia surgiu logo após a II Guerra Mundial, no projeto da cápsula espacial norteamericana. Foi assim que pela antropometria surgiu o conceito de não adaptar o homem ao trabalho, mas sim procurar adaptar as condições de trabalho ao homem (COUTO, 1995). Os conceitos ergonômicos podem e devem ser aplicados em todos os tipos de postos de trabalho, incluindo fábricas de móveis e serrarias. São necessários estudos do ambiente de trabalho, e do trabalhador. Segundo Silva et al. (2007) diversos trabalhos têm enfocado os procedimentos necessários para levantamento do perfil da ergonomia e segurança no trabalho em atividades madeireiras. Contudo, não são encontradas informações técnicas para solucionar os problemas, de forma imediata e com baixos investimentos desestimulando o empresariado a aplicar tais conceitos. 3.3 Ambiente e legislação trabalhista As tarefas industriais principalmente aquelas de chão-de-fábrica se desenvolvem com exposição do operador aos ruídos e as vibrações e sobre efeitos do micro clima e da iluminação dos ambientes de trabalho. Toda essa caracterização é denominada ambiência física (Millanvoye, 2007). O Ministério do Trabalho e Emprego no Brasil, baseado em estudos específicos, normatiza índices que possibilitam executar o trabalho com maior conforto e segurança propiciando maior saúde, satisfação, qualidade e eficiência 8

14 ao trabalhador. As penalidades para as empresas que não se adequarem a essas normas vão desde a interdição ao fechamento da empresa, além do pagamento de multas (Brasil, 1998). A segurança, o conforto ambiental e os espaços para convivência social, são pontos essenciais no interior de uma empresa. Das modificações que venham a ser realizadas devem-se levar em consideração as opiniões e demandas dos trabalhadores, uma vez que são as pessoas mais afetadas pelo ambiente de trabalho (Ministério da Saúde, 2001). No Brasil, a avaliação da condição de trabalho nos ambientes é determinada pela Norma Regulamentadora nº 9 da Portaria nº 3.214/78-MTE que é parte da legislação trabalhista. Ela obriga a preparação do Programa de Prevenção de Riscos Ambientais (PPRA) e determinação dos limites de tolerância conforme NR-15 Brasil, (1978) e ACGIH (2005). Nota-se que a legislação estabelece diferenças entre doenças profissionais e do trabalho. As doenças profissionais são adquiridas no exercício do trabalho, como a LER (Lesão por Esforço Repetitivo) e DORT (Distúrbios Osteo-musculares Relacionados ao Trabalho) em um digitador. A doença do trabalho é decorrente das condições em que o trabalho é realizado. Ambas doenças são consideradas acidentes do trabalho, quando decorrerem em incapacidade para o trabalho. Segundo Alvarez (1996) as características de um ambiente de trabalho refletem, de maneira expressiva, na qualidade oferecida pelo trabalhador. Um local de trabalho deve ser sadio e agradável. Assim ele proporcionará máxima proteção, como resultado de fatores materiais ou subjetivos. Também, devem prevenir acidentes, doenças ocupacionais, além de proporcionar melhor relacionamento entre a empresa e o empregado. Quando se compara o ambiente de trabalho nas fábricas de móveis com as Normas Regulamentadoras do Ministério do Trabalho e Emprego, verifica-se 9

15 que, em muitos casos, existem diversas inadequações que podem afetar a saúde e a segurança do trabalhador. A falta de informação, as necessidades constantes de aumento de produtividade, redução de custos, as rápidas são as principais causas da falta de adequação às normas (Silva, 1999). A legislação nacional na portaria 3214/78 da NR 15, anexo 01, define como ruído contínuo ou intermitente aqueles que não são ruídos de impacto que apresentam picos de energia acústica. Um ambiente de trabalho agressivo é um somatório de situações desconfortáveis ao homem, como o elevado nível de ruído, o excesso de calor, dentre outros. Isso é prejudicial, implicando em perda de produtividade e qualidade de vida do trabalhador (Fernandes e Morata, 2000). Saliba (2002) conceitua riscos ambientais como agentes físicos, químicos e biológicos, presentes nos ambientes de trabalho, capazes de produzir danos à saúde quando superados os limites de tolerância. Gosling e Araújo (2008) relacionaram a melhoria da qualidade de vida no trabalho à segurança, higiene, conforto térmico, vibrações entre outros fatores. 3.4 Ambiência sonora Podemos entender por ambiência sonora a exposição a ruídos no local de trabalho. A nocividade do ruído para a audição está ligada a três parâmetros: o nível sonoro, a freqüência e a duração da exposição. Segundo Millanvoye (2007), admite-se que acima de uma exposição média cotidiana a audição corre risco de degradar sofrendo perda auditiva parcial ou total podendo ser irreversível. Na comunidade européia esse nível sonoro é de 80 db(a). Já no Brasil esse valor chega a valor de 85 db(a) segundo a NR15 (MTE, 2009). Venturoli et al, (2003) trabalhando com empresas fabricantes de móveis a partir de madeiras, avaliando os níveis de ruído emitido pelas máquinas na fabricação de móveis em marcenarias na cidade de Brasília no Distrito Federal encontrou os valores de pressão apresentados na Tabela 1 10

16 Tabela 1. Valores de pressão sonora para marcenaria do Distrito Federal Máquina Valores pressão sonora - db(a) Mínimo Máximo Desengrossadeira 92,43 98,77 Desempenadeira 93,55 96,28 Furadeira horizontal 80,32 84,53 Lixadeira de cinta 84,57 89,55 Serra circular de tampo móvel 94,88 101,34 Tupia 92,55 96,24 Fonte: Adaptação de Venturoli et al., (2003). Os valores foram considerados altos exceto pela furadeira horizontal que apresentou níveis de ruído abaixo de 85 db. É sabido que os valores de ruído podem sofrer alterações variadas em função do material processado, podendo ser madeira maciça ou painéis reconstituídos. Fiedler et al 2009, afirmou que a densidade básica influencia no valor de ruído emitido por máquinas de processamento mecânico. Ainda, o tipo de corte realizado na peça que pode ser perpendicular ou paralelo as fibras. Segundo Vilela (2000), a manutenção das máquinas, modelo também podem influenciar nos riscos apresentados nas operações, os valores de ruído podem aumentar em função do desgaste de peças como rolamento. Os trabalhadores das fábricas de móveis estão expostos a diversos riscos à sua integridade física e psicológica. Existe risco de acidentes que podem levar afastamento do trabalhador por períodos consideráveis de tempo, que implica em prejuízos para as empresas (Fiedler et al., 2001). Os valores de ruídos são normatizados pelo MTE pela NR 15 que trata das atividades e operações insalubres. Para ruído ocupacional os valores que os trabalhadores são submetidos durante a jornada de trabalho influenciam diretamente na quantidade de horas permitidas de trabalho. A Tabela 2 apresenta os valores de ruído e de horas de trabalho permitidos. 11

17 Tabela 2 valores de nível de ruído db (a) e de máxima exposição diária permissível Nível de ruído db(a) Máxima exposição diária permissível horas 86 7 horas 87 6 horas 88 5 horas 89 4 horas e 30 minutos 90 4 horas 91 3 horas e 30 minutos 92 3 horas 93 2 horas e 45 minutos 94 2 horas e 15 minutos 95 2 horas 96 1 hora e 45 minutos 98 1 hora e 15 minutos hora minutos minutos minutos minutos minutos minutos minutos minutos minutos Fonte: NR 15 MTE (1978) O procedimento para coleta e análise do ruído ocupacional é realizado conforme determina o anexo 1 da NR-15 (MTE 2008). O aparelho que mede o nível de pressão sonora pode ser o dosímetro de ruído ou o decibelímetro para medição de dose de ruído e ruído instantâneo respectivamente. Os ruídos devem ser coletados durante a jornada de trabalho do operário. Após a coleta calcula-se a dose que é o acúmulo da concentração do ruído em relação ao tempo máximo permitido, conforme Equação 1. Caso ultrapasse 100% significa que o valor qual 12

18 o trabalhador foi submetido durante o tempo de trabalho, não atendeu as especificações da norma. C1 C Dose = + T 1 T 2 2 C + T 3 3 C n (1) T n Em que: Dose = dose diária quando ocorrem dois ou mais períodos de exposição de diferentes níveis (%); C n = tempo total diário em que o trabalhador fica exposto a um nível de ruído específico; T n = tempo máximo diário permissível a este nível, segundo Tabela Ambiência luminosa A quantidade de luz natural ou artificial presente no ambiente de uma determinada situação de trabalho é entendida como a ambiência luminosa que deve estar de acordo com o que estabelece as normas brasileiras. A iluminância é expressa geralmente em LUX. Millanvoye (2007) afirmou que diferentemente das outras ambiências físicas, uma iluminação incorreta induz não provoca, a priori, nenhuma doença profissional, mas, pode incorrer em fadiga e desconforto. Fiedler et al (2006), constatou não haver um padrão das empresas com relação à iluminância nos postos de trabalho. Também que a iluminância no ambiente de trabalho é facilmente influenciada pela arquitetura da indústria, que é influenciada pela quantidade de aberturas naturais e tipo de iluminação do local. A iluminância por sua vez pode ser geral ou localizada e depende do tipo de lâmpadas utilizadas. Couto (2002), afirmou que as más condições de iluminação podem resultar em queda do rendimento e fadiga visual do trabalhador. A queda de 13

19 rendimento pode ser considerada uma das principais conseqüências, sendo comum nas tarefas em que a visão é muito exigida, como na atividade de costura. Já a fadiga visual, é caracterizada por ardor e dolorimento nos olhos, vermelhidão da conjuntiva, modificação na frequência de piscar, lacrimejamento, intolerância a claridade (fotofobia), visão dupla (diplopia), sensação de visão velada, entre outros sintomas. Os valores de iluminância padronizados pela norma brasileira NBR 5413 Iluminação de interiores da Associação Brasileira de Normas Técnicas ABNT,1992 indicam quais valores devem ser utilizados nos postos de trabalho. Existem três valores referenciais para uma mesma operação sendo mínimo, médio e máximo, (Tabela 3). Os parâmetros para escolha dos valores de referência são idade, doenças oculares preexistentes e uso de sistema corretivo visual como óculos. A utilização destes valores garante uma boa iluminação que facilita a execução das operações e diminui erros. Tabela 3. Valores dos limites máximos, médio e mínimo de iluminância para ambientes produtivos do setor madeireiro, tipo marcenaria e carpintaria Valores referenciais de iluminância (Lux) Operações Mínimo Médio Máximo Corte e aparelhamento grosso Aplainamento, lixamento grosso, colagem, folheamento. Aparelhamento de precisão, lixamento fino e acabamento. Fonte: NBR 5413 (ABNT, 1992) Ambiência térmica Millanvoye (2007) mencionou que ambiência térmica trata-se do micro clima do posto de trabalho. Numa edificação, ele pode variar de uma zona a 14

20 outra do local, conforme o processo utilizado. Ele também pode sofrer influencia do clima exterior e de suas variações sazonais. Os componentes da ambiência térmica são: a temperatura, a velocidade de deslocamento do ar, a umidade relativa e a radiação infravermelha. A ambiência térmica no trabalho é um parâmetro significativo, que interage com as possibilidades de trabalho físico do operador. Uma grande fonte de tensão no trabalho são as condições ambientais desfavoráveis, é o calor assim como outros fatores baixa iluminação e excesso de e ruído. Esses fatores causam desconforto, aumentam o risco de acidentes e pode provocar danos consideráveis a saúde dos trabalhadores (Iida, 2002). A temperatura tem grande influência na configuração no rendimento do trabalho humano podendo causar desgaste físico pois acelera o metabolismo (Pereira et al, 2007). Conforme Couto (1995), quanto mais quente for o ambiente de trabalho, tanto menor será a tolerância do trabalhador a atividade física e mental. A norma indica o índice de bulbo úmido e termômetro de globo (IBUTG) como parâmetro para verificação da adequação do ambiente de trabalho (NR15, 2009). A exposição ao calor deve ser avaliada pelo "Índice de bulbo úmido termômetro de globo" - IBUTG. Esse índice é definido pelas Equações 2 e 3 para ambientes sem carga e com carga solar, respectivamente. IBUTG = 0,7tbn + 0, 3tg (2) IBUTG = 0,7tbn + 01tbs + 0, 2tg (3) Em que: IBUTG = Índice de bulbo úmido termômetro de globo, em o C. tbn = temperatura de bulbo natural (úmido), em o C. tg = temperatura de globo, em o C. tbs = temperatura de bulbo seco, em o C. 15

21 Para ser considerado confortável, o clima de trabalho deve satisfazer a diversas condições. Quatro fatores contribuem para atingir essa condição: temperatura do ar, calor radiante, velocidade do ar e umidade relativa. Além desses fatores, devemos considerar o tipo da atividade desenvolvida, pois o funcionamento fisiológico de cada ser humano é diferenciado pela situação (Dul, 2004) Araújo 2008, afirmou que a temperatura do ambiente afeta o metabolismo do funcionário em serviço. Sabemos que a exposição, não controlada, ao calor induz erros de percepção e raciocínio, o que pode desencadear acidentes. É sabido que o corpo humano exibe mecanismos de defesa de seu organismo quando submetido e calor intenso, vaso dilatação periférica, sudorese para efetuar a troca de calor e esfriar o corpo. Silva et al 2003, pesquisando fábricas de móveis na cidade de Ubá Minas Gerais encontrou os valores mínimos e máximos de IBUTG variando entre 21,0 a 27,0º C nos postos de trabalho como demonstrados na Tabela 4. Tabela 4. Valores mínimos e máximos de IBUTG encontrados nos postos de trabalho em fábricas de móveis na cidade de Ubá MG Setor IBUTG mínimo IBUTG máximo Corte 22,6 24,2 Usinagem 21,2 25,9 Acabamento 22,4 24,2 Pintura 22,1 27,0 Prensa 23,4 25,2 Fonte: Silva (2003). Silva (2003) encontrou nos setores de pintura valores de IBUTG de 25,9ºC a 27,0ºC no período de 14 às 16 horas. Esses valores encontrados são superiores ao valor permitido pela legislação brasileira. Assim durante este período, o trabalhador deverá trabalhar por 45 minutos e executar 15 minutos de descanso, conforme prescrito na (NR-15,MTE 1978). 16

22 A NR 15 no anexo n 3, da Portaria 3.214/78-MTE, trás como definição dos tipos de atividade a classificação como leve, moderada e pesada em função do esforço realizado no cumprimento das tarefas. A classificação das atividades estão apresentadas na Tabela 5. Tabela 5. Classificação das atividades executados por operários em indústrias e consumo de calorias por hora de trabalho Tipos de atividade kcal/h Trabalho leve Sentado, movimentos moderados com braços e troncos Sentado, movimentos moderados com pernas e braços 125 a 150 De pé, em máquina ou bancada principalmente com braços Trabalho moderado Sentado, movimentos vigorosos com braços e pernas De pé em máquina ou bancada com alguma movimentação 180 a 300 Em movimento, levantar ou empurrar Trabalho pesado Trabalho intermitente de levantar e sentar Empurrar ou arrastar pesos 440 a 550 Trabalho fatigante Fonte: Adaptação NR-15 (MTE,1978) A Norma regulamentadora (MTE,1978) implica que após a definição das atividades desenvolvidas, deve-se proceder o cálculo dos valores de IBUTG, por meio da obtenção dos valores de temperatura de Bulbo úmido (BU), Bulbo Seco (BS) e Termômetro de Globo (TG). Posteriormente comparam-se os valores obtidos com os limites da Tabela 6, que apresenta os regimes de trabalho em função das atividades desenvolvidas e os valores de IBUTG. 17

23 Tabela 6. Regime de trabalho em função do IBUTG definido pela NR 15 Tempo para Atividade desenvolvida Leve Moderada Pesada Trabalho contínuo Até 30 Até 26,7 Até 25 45min trabalho/ 15 min descanso 30,1 a 30,6 26,8 a 28,0 25,1 a 25,9 30min trabalho/ 30 min descanso 30,7 a 31,4 28,1 a 29,4 26,0 a 27,9 15min trabalho/ 45 min descanso 31,5 a 32,2 29,5 a 31,1 28,0 a 30,0 Proibido trabalho sem medidas controle Acima 32,2 Acima 31,1 Acima 30,0 Fonte: Adaptação NR-15 (MTE,1978). 18

24 4. MATERIAL E MÉTODOS 4.1 Descrição do local de coleta As medições foram realizadas em 14 fábricas de móveis sendo 08 no pólo moveleiro de Cruzília e 06 no pólo moveleiro de Lavras ambos situados no Sul de Minas Gerais. O município de Cruzília é localizado no sul de Minas Gerais, situado a 384 km de Belo horizonte. Apresenta uma latitude de S, longitude 44.8 W, Figura 1. A altitude média é de 1060m. Figura 1. Mapa ilustrativo da posição da cidade de Cruzília-MG. 19

25 Lavras é um município brasileiro da região do Campo das Vertentes, no sul do estado de Minas Gerais. Localiza-se a uma latitude 21 14' 30 sul e a uma longitude 44 00' 10 oeste, Figura 2 estando a uma altitude de 919 metros Figura 2. Mapa ilustrativo da posição da cidade de Lavras-MG. 4.2 Coleta de dados Foram medidos os parâmetros físicos ruído, iluminância e calor, nas fábricas de móveis. As medições foram realizadas diretamente nos postos de trabalho. O levantamento geral da produção e da organização do local foi realizado utilizando filmagens e fotografias digitais de todas as etapas de produção dando ênfase à segurança, a ergonomia e a qualidade dos produtos. O dosímetro de ruído foi ajustados de forma a atender os seguintes parâmetros: Circuito de ponderação A ; Circuito resposta lenta (Slow); 20

26 Nível limiar de integração de 85 db(a), que corresponde a uma dose de 100% para uma exposição de 8 horas; Faixa de medição entre 85 e 115 db(a), que significa que níveis abaixo de 85 db(a) não serão considerados, bem como proibida qualquer ocorrência acima de 115 db(a); Incremento de dose igual a 5. O dosímetro foi utilizado colocado preso ao cinto do trabalhador e o microfone de captação ajustado para coletar os ruídos, (Figura 3). Figura 3. Medição do nível de pressão sonora, por meio de dosímetro. 21

27 Para medições de ruído instantâneo foi utilizado decibelímetro MSL 1325 realizando a coleta próximo a máquina emissora de ruído (Figura 4). Figura 4. Metodologia de medição do nível de pressão sonora, por meio de decibelímetro. As medições de iluminância foram realizadas por meio de luxímetro digital da marca Instrutemp modelo LD-200 diretamente nos postos de trabalho de corte, lixamento, pintura, montagem entre outros. As medições ocorreram em meia jornada de trabalho de 8 h. Em algumas fábricas as medições foram realizadas no período da manhã e outras no período da tarde. No total foram efetuadas medições em 330 postos de trabalho. Foram realizadas no mínimo três medições de 2 em 2 horas em cada um dos 330 postos de trabalho totalizando 990 medições utilizando uma adaptação da NBR 5382 (ABNT,1985) verificação de iluminância de interiores. A Figura 5 apresenta uma medição de iluminância em um posto de trabalho. 22

28 Figura 5. Metodologia empregada na medição de iluminância, no setor madeireiro de Lavras/MG. Para efeito de comparação foi considerado fora do valor normativo o posto de trabalho que apresentou pelo menos uma medição abaixo do limite estipulado pela NBR 5413 (ABNT,1992). Os valores de temperatura de bulbo úmido, bulbo seco e termômetro de globo utilizadas para calcular o IBUTG foram coletados utilizando o termômetro de globo marca Instrutherm modelo 5235 Figura 6 Figura 6. Medição de temperaturas, para calculo de IBUTG nas fábricas de móveis. As medições foram realizadas em intervalo de 2 horas em meia jornada de 8 h trabalho, em seqüência o cálculo do índice IBUTG foi efetuado utilizando a Equação (2). O termômetro de globo foi instalado no ambiente mais utilizado pelos funcionários. 23

ALEXANDRE PETUSK FILIPE ANÁLISE DO AMBIENTE DE TRABALHO EM ATIVIDADE DE PROCESSAMENTO MECÂNICO DA MADEIRA

ALEXANDRE PETUSK FILIPE ANÁLISE DO AMBIENTE DE TRABALHO EM ATIVIDADE DE PROCESSAMENTO MECÂNICO DA MADEIRA ALEXANDRE PETUSK FILIPE ANÁLISE DO AMBIENTE DE TRABALHO EM ATIVIDADE DE PROCESSAMENTO MECÂNICO DA MADEIRA LAVRAS - MG 2010 ALEXANDRE PETUSK FILIPE ANÁLISE DO AMBIENTE DE TRABALHO EM ATIVIDADE DE PROCESSAMENTO

Leia mais

CERNE ISSN: 0104-7760 cerne@dcf.ufla.br Universidade Federal de Lavras Brasil

CERNE ISSN: 0104-7760 cerne@dcf.ufla.br Universidade Federal de Lavras Brasil CERNE ISSN: 0104-7760 cerne@dcf.ufla.br Universidade Federal de Lavras Brasil Petusk Filipe, Alexandre; Moreira da Silva, José Reinaldo; Trugilho, Paulo Fernando; Fiedler, Nilton César; Rabelo, Giovanni

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Trata-se de proposta de texto para revisão do Anexo 3 (Limites de Tolerância para Exposição

Leia mais

NR 15 - ATIVIDADES E OPERAÇÕES INSALUBRES ANEXO N.º 3 - CALOR PROPOSTA DE TEXTO NORMATIVO

NR 15 - ATIVIDADES E OPERAÇÕES INSALUBRES ANEXO N.º 3 - CALOR PROPOSTA DE TEXTO NORMATIVO NR 15 - ATIVIDADES E OPERAÇÕES INSALUBRES ANEXO N.º 3 - CALOR PROPOSTA DE TEXTO NORMATIVO 1. Objetivos 1.1 Definir critérios para a caracterização e controle dos riscos à saúde dos trabalhadores decorrentes

Leia mais

Análise do ambiente de trabalho em indústrias de processamento de madeira na região Centro-Sul do Estado do Paraná

Análise do ambiente de trabalho em indústrias de processamento de madeira na região Centro-Sul do Estado do Paraná SCIENTIA FORESTALIS n. 66, p.183-190, dez. 2004 Análise do ambiente de trabalho em indústrias de processamento de madeira na região Centro-Sul do Estado do Paraná Analysis of workplaces in timber process

Leia mais

Engenheiro de Segurança do Trabalho

Engenheiro de Segurança do Trabalho SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Pró-Reitoria de Graduação Diretoria de Processos Seletivos Concurso Público para Técnico-Administrativo em Educação 02

Leia mais

PROPOSTA DE UM MODELO DE MAPA DE RISCO PARA AS CENTRAIS DE CONCRETO E ARGAMASSA EM CANTEIROS DE OBRAS DE EDIFICAÇÕES DA CIDADE DE JUAZEIRO DO NORTE-CE

PROPOSTA DE UM MODELO DE MAPA DE RISCO PARA AS CENTRAIS DE CONCRETO E ARGAMASSA EM CANTEIROS DE OBRAS DE EDIFICAÇÕES DA CIDADE DE JUAZEIRO DO NORTE-CE PROPOSTA DE UM MODELO DE MAPA DE RISCO PARA AS CENTRAIS DE CONCRETO E ARGAMASSA EM CANTEIROS DE OBRAS DE EDIFICAÇÕES DA CIDADE DE JUAZEIRO DO NORTE-CE Maria Regilene Gonçalves de Alcântara (1) Tecnóloga

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS NÍVEIS DE CALOR DE FORNOS DE QUEIMA DE PORCELANAS EM UMA EMPRESA NA CIDADE DE CAMPO LARGO - PR

AVALIAÇÃO DOS NÍVEIS DE CALOR DE FORNOS DE QUEIMA DE PORCELANAS EM UMA EMPRESA NA CIDADE DE CAMPO LARGO - PR AVALIAÇÃO DOS NÍVEIS DE CALOR DE FORNOS DE QUEIMA DE PORCELANAS EM UMA EMPRESA NA CIDADE DE CAMPO LARGO - PR Odair Jose Bonato Schervinski (UTFPR ) odair@germer.com.br Rodrigo Eduardo Catai (UTFPR ) catai@utfpr.edu.br

Leia mais

DRAFT. Higiene Ocupacional CONCURSO PETROBRAS. Questões Resolvidas ENGENHEIRO(A) DE SEGURANÇA JÚNIOR

DRAFT. Higiene Ocupacional CONCURSO PETROBRAS. Questões Resolvidas ENGENHEIRO(A) DE SEGURANÇA JÚNIOR CONCURSO PETROBRAS ENGENHEIRO(A) DE SEGURANÇA JÚNIOR ENGENHEIRO(A) JÚNIOR - ÁREA: SEGURANÇA PROFISSIONAL JÚNIOR - ENG. SEGURANÇA DO TRABALHO Higiene Ocupacional Questões Resolvidas QUESTÕES RETIRADAS DE

Leia mais

Anand Subramanian Universidade Federal da Paraíba (UFPB). E-mail: anandsubraman@hotmail.com

Anand Subramanian Universidade Federal da Paraíba (UFPB). E-mail: anandsubraman@hotmail.com AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES TERMOAMBIENTAIS EM UMA FÁBRICA DE CERÂMICAS Anand Subramanian Universidade Federal da Paraíba (UFPB). E-mail: anandsubraman@hotmail.com Antonio Souto Coutinho Universidade Federal

Leia mais

INSTITUTO DE ENGENHARIA DE SÃO PAULO SOLUÇÕES PARA RUÍDO OCUPACIONAL

INSTITUTO DE ENGENHARIA DE SÃO PAULO SOLUÇÕES PARA RUÍDO OCUPACIONAL INSTITUTO DE ENGENHARIA DE SÃO PAULO SOLUÇÕES PARA RUÍDO OCUPACIONAL HISTÓRIA DE CASOS DIVISÃO TÉCNICA SEGURANÇA NO TRABALHO e DIVISÃO TÉCNICA DE ACÚSTICA 22/05/2012 MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO ALGUNS

Leia mais

PROPAGAÇÃO DO RUÍDO DE UM TRATOR AGRÍCOLA DE PNEUS

PROPAGAÇÃO DO RUÍDO DE UM TRATOR AGRÍCOLA DE PNEUS PROPAGAÇÃO DO RUÍDO DE UM TRATOR AGRÍCOLA DE PNEUS Camilla Missio 1 ; Jorge Wilson Cortez 3 ; Wellytton Darci Quequeto 2 ; Leonardo Maldaner 2 ; Anamari Viegas de Araujo Motomiya 3 UFGD/FCA Caixa Postal

Leia mais

AVALIAÇÃO DE EXPOSIÇÃO AO CALOR EM AMBIENTE DE TRABALHO

AVALIAÇÃO DE EXPOSIÇÃO AO CALOR EM AMBIENTE DE TRABALHO LAUDO TÉCNICO AVALIAÇÃO DE EXPOSIÇÃO AO CALOR EM AMBIENTE DE TRABALHO 1 - OBJETIVO Tem por objetivo o presente laudo técnico, avaliar a exposição ocupacional ao calor conforme NR 15 anexo n o 3 da Portortaria

Leia mais

MESTRE MARCENEIRO. Saúde e segurança do marceneiro

MESTRE MARCENEIRO. Saúde e segurança do marceneiro Saúde e segurança marceneiro. A preocupação com o bem-estar, a saúde e a segurança do marceneiro no trabalho, vem crescendo no decorrer dos últimos anos, pois, quando o trabalho representa apenas uma obrigação

Leia mais

Atividades Impactantes e Impactos Ambientais Oriundos da Indústria de Móveis Pólo Moveleiro de Ubá MG. Celso Coelho de Souza 1, Elias Silva 2

Atividades Impactantes e Impactos Ambientais Oriundos da Indústria de Móveis Pólo Moveleiro de Ubá MG. Celso Coelho de Souza 1, Elias Silva 2 1 Atividades Impactantes e Impactos Ambientais Oriundos da Indústria de Móveis Pólo Moveleiro de Ubá MG Celso Coelho de Souza 1, Elias Silva 2 A partir da década de 90, alguns segmentos da indústria brasileira

Leia mais

AVALIAÇÃO DA CARGA FÍSICA DE TRABALHO EXIGIDA EM ATIVIDADES DE FABRICAÇÃO DE MÓVEIS NO DISTRITO FEDERAL

AVALIAÇÃO DA CARGA FÍSICA DE TRABALHO EXIGIDA EM ATIVIDADES DE FABRICAÇÃO DE MÓVEIS NO DISTRITO FEDERAL Avaliação da carga física de trabalho exigida em atividades de fabricação de... 117 AVALIAÇÃO DA CARGA FÍSICA DE TRABALHO EXIGIDA EM ATIVIDADES DE FABRICAÇÃO DE MÓVEIS NO DISTRITO FEDERAL Nilton Cesar

Leia mais

PPRA / NR 9 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS

PPRA / NR 9 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS PPRA / NR 9 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS SETEMBRO / 2005 SANTA MARIA - RS Avenida. Medianeira 1900, Centro Santa Maria/ RS, CEP 97060-002- Fone (55) 3027 8911 Sumário 1 INTRODUÇÃO... 3 2

Leia mais

CONFORTO TÉRMICO: UMA AVALIAÇÃO EM TRATORES AGRÍCOLAS SEM CABINES

CONFORTO TÉRMICO: UMA AVALIAÇÃO EM TRATORES AGRÍCOLAS SEM CABINES CONFORTO TÉRMICO: UMA AVALIAÇÃO EM TRATORES AGRÍCOLAS SEM CABINES João Eduardo Guarnetti dos Santos (UNESP) guarneti@feb.unesp.br Abílio Garcia dos Santos Filho (UNESP) abilio@feb.unesp.br Mariana Falcão

Leia mais

Análise Ergonômica do Trabalho em uma Serraria do Estado do Espírito Santo

Análise Ergonômica do Trabalho em uma Serraria do Estado do Espírito Santo Floresta e Ambiente 2011 jul./set.; 18(3):243-247 doi 10.4322/floram.2011.044 ISSN 1415-0980 (impresso) ISSN 2179-8087 (online) Artigo de Pesquisa Análise Ergonômica do Trabalho em uma Serraria do Estado

Leia mais

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DO RUÍDO

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DO RUÍDO LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DO RUÍDO Contratante: Sistema Ribrane de Ensino Ltda ME Praça Padre Tavares, 46 - Centro Avaré - SP. Responsável Técnico: Engenheiro Eletricista e de Segurança do Trabalho CREA:

Leia mais

XX Encontro de Iniciação à Pesquisa Universidade de Fortaleza 20 à 24 de Outubro de 2014

XX Encontro de Iniciação à Pesquisa Universidade de Fortaleza 20 à 24 de Outubro de 2014 XX Encontro de Iniciação à Pesquisa Universidade de Fortaleza 20 à 24 de Outubro de 2014 AVALIAÇÃO DO OPERADOR NO POSTO DE TRABALHO DO TRATOR AGRÍCOLA DURANTE O PREPARO DO SOLO Mara Alice Maciel dos Santos

Leia mais

NR 15 - ATIVIDADES E OPERAÇÕES INSALUBRES

NR 15 - ATIVIDADES E OPERAÇÕES INSALUBRES NR 15 - ATIVIDADES E OPERAÇÕES INSALUBRES 15.1 São consideradas atividades ou operações insalubres as que se desenvolvem: 15.1.1 Acima dos limites de tolerância previstos nos Anexos n.º 1, 2, 3, 5, 11

Leia mais

Unidade II SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO / BENEFÍCIOS E ASSISTÊNCIA SOCIAL. Prof. Joaquim Ribeiro

Unidade II SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO / BENEFÍCIOS E ASSISTÊNCIA SOCIAL. Prof. Joaquim Ribeiro Unidade II SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO / BENEFÍCIOS E ASSISTÊNCIA SOCIAL Prof. Joaquim Ribeiro 6. Conceito e importância da Ergonomia Origem nas palavras gregas: ergon (trabalho) e nomos (regras). 6.

Leia mais

O RUÍDO LABORAL E A SUA PREVENÇÃO

O RUÍDO LABORAL E A SUA PREVENÇÃO O RUÍDO LABORAL E A SUA PREVENÇÃO Humberto J. P. Guerreiro Engenheiro de Minas INTRODUÇÃO O ruído é um dos agentes físicos que gera mais incomodidade. É responsável por conflitos entre pessoas, entre pessoas

Leia mais

PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCO AMBIENTAL - PPRA NR 09

PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCO AMBIENTAL - PPRA NR 09 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCO AMBIENTAL - PPRA NR 09 Prof. Me. Vítor Hugo Magalhães Vono Engenheiro de Segurança do Trabalho Lei 6514 de 12/77 Capítulo V da CLT da Segurança e Medicina do Trabalho (art.

Leia mais

Prefeitura Municipal de Passo Fundo

Prefeitura Municipal de Passo Fundo ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA/ESPECIFICAÇÕES BÁSICAS 1. OBJETO 2. OBJETIVO 1.1 Prestação de serviços técnicos especializados em Engenharia de segurança do Trabalho, de modo a elaborar e emitir os Laudos

Leia mais

LEVANTAMENTO DOS ÍNDICES DE ACIDENTES COM AMPUTAÇÕES EM INDÚSTRIAS DE PROCESSAMENTO DA MADEIRA NA REGIÃO DO ENTORNO DE JERÔNIMO MONTEIRO-ES

LEVANTAMENTO DOS ÍNDICES DE ACIDENTES COM AMPUTAÇÕES EM INDÚSTRIAS DE PROCESSAMENTO DA MADEIRA NA REGIÃO DO ENTORNO DE JERÔNIMO MONTEIRO-ES LEVANTAMENTO DOS ÍNDICES DE ACIDENTES COM AMPUTAÇÕES EM INDÚSTRIAS DE PROCESSAMENTO DA MADEIRA NA REGIÃO DO ENTORNO DE JERÔNIMO MONTEIRO-ES Vinicius Peixoto Tinti, Rômulo Maziero 2, Wendel Pianca Demuner

Leia mais

RISCOS OCUPACIONAIS NA ÁREA CONTAMINADA DE UMA LAVANDERIA HOSPITALAR

RISCOS OCUPACIONAIS NA ÁREA CONTAMINADA DE UMA LAVANDERIA HOSPITALAR RISCOS OCUPACIONAIS NA ÁREA CONTAMINADA DE UMA LAVANDERIA HOSPITALAR Josiane Arsego (UNISUL) josiane@floripa.com.br Ângela Regina Poletto (CEFET/UFSC) arpoletto@hotmail.com Eliete Medeiros (UNISUL) elietemedeiros@yahoo.com.br

Leia mais

PPRA E PCMSO EXIGÊNCIAS E COMPATIBILIDADES. Elizabeth Sadeck Burlamaqui 09.01.2015

PPRA E PCMSO EXIGÊNCIAS E COMPATIBILIDADES. Elizabeth Sadeck Burlamaqui 09.01.2015 EXIGÊNCIAS E COMPATIBILIDADES PCMSO (NR-7) estabelece que o programa deverá ser desenvolvido sob a responsabilidade de um médico coordenador (OBRIGATORIAMENTE MT, podendo este repassar responsabilidades

Leia mais

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental VI-079 - POLUIÇÃO SONORA: UMA ANÁLISE DO NÍVEL DE RUÍDO EM 03 SHOPPINGS DE NATAL/RN

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental VI-079 - POLUIÇÃO SONORA: UMA ANÁLISE DO NÍVEL DE RUÍDO EM 03 SHOPPINGS DE NATAL/RN 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina VI-079 - POLUIÇÃO SONORA: UMA ANÁLISE DO NÍVEL DE RUÍDO EM 03 SHOPPINGS DE NATAL/RN Carmem

Leia mais

MANUAL PRÁTICO DE AVALIAÇÃO E CONTROLE DE VIBRAÇÃO PPRA

MANUAL PRÁTICO DE AVALIAÇÃO E CONTROLE DE VIBRAÇÃO PPRA MANUAL PRÁTICO DE AVALIAÇÃO E CONTROLE DE VIBRAÇÃO PPRA 1ª edição 2009 2ª edição 2013 3ª edição 2014 TUFFI MESSIAS SALIBA Engenheiro Mecânico. Engenheiro de Segurança do Trabalho. Advogado. Mestre em meio

Leia mais

DISCUSSÕES SOBRE ERGONOMIA E CONFORTO TÉRMICO EM RELAÇÃO AO VESTUÁRIO. Maristela Gomes de Camargo

DISCUSSÕES SOBRE ERGONOMIA E CONFORTO TÉRMICO EM RELAÇÃO AO VESTUÁRIO. Maristela Gomes de Camargo DISCUSSÕES SOBRE ERGONOMIA E CONFORTO TÉRMICO EM RELAÇÃO AO VESTUÁRIO Maristela Gomes de Camargo Resumo: Este estudo discute os aspectos de usabilidade e ergonomia relacionados ao conforto térmico; e o

Leia mais

ERGONOMIA Notas de Aula-Graduação

ERGONOMIA Notas de Aula-Graduação ERGONOMIA Notas de Aula-Graduação Ponto 8 Ambientes de Trabalho Prof. Mario S. Ferreira, Maio, 2012 Fatores Ambientais Intervenientes na Relação Tarefa-Atividade Elementos ativos: pessoas e equipamentos

Leia mais

PPRA Programa de Prevenção de Riscos Ambientais ECOMAX SERVICOS AMBIENTAIS LTDA.

PPRA Programa de Prevenção de Riscos Ambientais ECOMAX SERVICOS AMBIENTAIS LTDA. PPRA Programa de Prevenção de Riscos Ambientais ECOMAX SERVICOS AMBIENTAIS LTDA. 15/10/2012 Vigência do PPRA Identificação Empresa ECOMAX SERVICOS AMBIENTAIS LTDA. Endereço Rua dos Ciclames, 802 Cep Cidade

Leia mais

Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho

Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho Josevan Ursine Fudoli ENGº CIVIL E DE SEGURANÇA DO TRABALHO HIGIENE OCUPACIONAL RUÍDO Aula

Leia mais

Avaliação do ambiente de trabalho na propagação de Eucalyptus spp. 1

Avaliação do ambiente de trabalho na propagação de Eucalyptus spp. 1 481 Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, v.6, n.3, p.481-486, 2002 Campina Grande, PB, DEAg/UFCG - http://www.agriambi.com.br Avaliação do ambiente de trabalho na propagação de Eucalyptus

Leia mais

Audição e Trabalho. Marcelo Madureira

Audição e Trabalho. Marcelo Madureira Audição e Trabalho Marcelo Madureira Som Qualquer perturbação vibratória em meio elástico, a qual produz uma sensação auditiva Energia transmitida por vibrações no ar (ou outros materiais) e que causa

Leia mais

PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO N.º 1.358, DE 2013 (Do Sr. Domingos Sávio)

PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO N.º 1.358, DE 2013 (Do Sr. Domingos Sávio) CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO N.º 1.358, DE 2013 (Do Sr. Domingos Sávio) Susta a aplicação do Anexo 3, da Norma Regulamentadora nº 15 (NR 15), do Ministério do Trabalho e Emprego

Leia mais

PPRA EMPRESA MODELO LTDA. Programa de Prevenção de Riscos Ambientais. Atualização 2008

PPRA EMPRESA MODELO LTDA. Programa de Prevenção de Riscos Ambientais. Atualização 2008 EMPRESA MODELO LTDA. PPRA Atualização 2008 De acordo com NR-9 Redação dada pelas Portarias SSST nº 25, de 29/12/94 - DOU de 30/12/94. Programa de Prevenção de Riscos Ambientais Avaliação de Riscos Avaliação

Leia mais

do Ceará - Fortaleza - CE; Engenharia Agrícola - Universidade Federal do Ceará - Fortaleza CE. 1. INTRODUÇÃO

do Ceará - Fortaleza - CE; Engenharia Agrícola - Universidade Federal do Ceará - Fortaleza CE. 1. INTRODUÇÃO NÍVEL DE PRESSÃO SONORA EMITIDO POR UM CONJUNTO TRATOR- PULVERIZADOR HIDROPNEUMÁTICO Francisco Rodrigo de Freitas Lima a ; Carlos Alberto Viliotti b ; Karla Lúcia Batista Araújo c ; Ricardo Rodrigues Andrade

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 ERGONOMIA E SEGURANÇA DO TRABALHO: ANÁLISE COMPARATIVA DOS RUÍDOS EM UMA OFICINA MECÂNICA E RECAPAGEM EM FORMIGA-MG MARCELO CARVALHO RAMOS 1, FERNANDA MOREIRA LOPES ASSUMPÇÃO 2, JUSSARA MARIA SILVA RODRIGUES

Leia mais

Análise dos níveis de ruído em máquinas florestais no estado Paraná

Análise dos níveis de ruído em máquinas florestais no estado Paraná Análise dos níveis de ruído em máquinas florestais no estado Paraná David Yuri Stocco (UTFPR) angimedi@terra.com.br Rodrigo Eduardo Catai (UTFPR) catai@utfpr.edu.br Jayme Passos Rachadel (UTFPR) jaymerachadel@terra.com.br

Leia mais

Newsletter do Grupo 4Work Nº 60 Setembro de 2014

Newsletter do Grupo 4Work Nº 60 Setembro de 2014 A 4 Work - Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho, Lda., vai realizar a partir do início do mês de Outubro, uma campanha de vacinação antigripal, desenvolvida e dirigida às empresas, independentemente

Leia mais

ANÁLISE ERGONÔMICA DO POSTO DE TRABALHO DE OPERADORES DE CAIXA NO SUPERMERCADO BC, EM ALEGRE ES

ANÁLISE ERGONÔMICA DO POSTO DE TRABALHO DE OPERADORES DE CAIXA NO SUPERMERCADO BC, EM ALEGRE ES ANÁLISE ERGONÔMICA DO POSTO DE TRABALHO DE OPERADORES DE CAIXA NO SUPERMERCADO BC, EM ALEGRE ES Daniele Rodrigues Gomes 1, Huezer Viganô Sperandio², Pompeu Paes Guimarães 3, Nilton Cesar Fiedler 4 1,2

Leia mais

PROCEDIMENTO GERAL. Identificação e Avaliação de Perigos e Riscos de SST

PROCEDIMENTO GERAL. Identificação e Avaliação de Perigos e Riscos de SST PÁG. 1/8 1. OBJETIVO Definir a sistemática para identificação contínua de perigos, avaliação de riscos de e determinação de medidas de controle para redução dos riscos de, seguindo a hierarquia: eliminação,

Leia mais

Material do curso PPRA EXPERT Apostila do aluno

Material do curso PPRA EXPERT Apostila do aluno PPRA MANUAL PRÁTICO PARA ELABORAÇÃO FORMULÁRIO PARA RECONHECIMENTO DOS RISCOS AMBIENTAIS Material do curso PPRA EXPERT Apostila do aluno RECONHECIMENTO DOS RISCOS AMBIENTAIS Esse Formulário deve ser aplicado

Leia mais

Normas Técnicas Regulamentadoras - VClipping UCRH

Normas Técnicas Regulamentadoras - VClipping UCRH Page 1 of 11 Normas Técnicas Regulamentadoras De VClipping UCRH Tabela de conteúdo 1 NTR-1: DISPOSIÇÕES GERAIS 2 NTR-2: DOS AGENTES FÍSICOS 3 NTR-3: DOS AGENTES QUÍMICOS 4 NTR 4: DOS AGENTES BIOLÓGICOS

Leia mais

NÍVEIS DE RUÍDO DENTRO DE CANTEIROS DE OBRAS NA CIDADE DE CURITIBA

NÍVEIS DE RUÍDO DENTRO DE CANTEIROS DE OBRAS NA CIDADE DE CURITIBA NÍVEIS DE RUÍDO DENTRO DE CANTEIROS DE OBRAS NA CIDADE DE CURITIBA Patrícia Perretto Rodrigues (UTFPR) arq_patyrodrigues@yahoo.com.br Rodrigo Eduardo Catai (UTFPR) catai@utfpr.edu.br Marcos Roberto da

Leia mais

Curso Técnico em Segurança do Trabalho Subsequente

Curso Técnico em Segurança do Trabalho Subsequente Curso Técnico em Segurança do Trabalho Subsequente PERFIL PROFISSIONAL Profissional capaz de orientar e intervir na realidade do processo produtivo, promovendo mudanças em relação às aplicações tecnológicas

Leia mais

AVALIAÇÃO ERGONÔMICA DO NÍVEL DE RUÍDO EM MÁQUINAS DE MARCENARIA

AVALIAÇÃO ERGONÔMICA DO NÍVEL DE RUÍDO EM MÁQUINAS DE MARCENARIA XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Maturidade e desafios da Engenharia de Produção: competitividade das empresas, condições de trabalho, meio ambiente. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de outubro

Leia mais

CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO ERGONOMIA ASPECTOS FÍSICOS AMBIENTAIS ERGONÔMICOS

CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO ERGONOMIA ASPECTOS FÍSICOS AMBIENTAIS ERGONÔMICOS CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO ERGONOMIA ASPECTOS FÍSICOS AMBIENTAIS ERGONÔMICOS Profª. MSc. Marta Cristina Wachowicz Especialista em Psicologia do Trabalho Mestre em Engenharia

Leia mais

ESTUDO DIRIGIDO Projeto de Trabalho - Ergonomia CST Gestão da Produção Industrial Módulo C2012

ESTUDO DIRIGIDO Projeto de Trabalho - Ergonomia CST Gestão da Produção Industrial Módulo C2012 ESTUDO DIRIGIDO Projeto de Trabalho - Ergonomia CST Gestão da Produção Industrial Módulo C2012 Olá pessoal! Ao longo das aulas neste módulo Planejamento da Produção C 2012 do CST Gestão da Produção Industrial,

Leia mais

Poluição sonora no município de São Paulo: avaliação do ruído e o impacto da exposição na saúde da população

Poluição sonora no município de São Paulo: avaliação do ruído e o impacto da exposição na saúde da população Poluição sonora no município de São Paulo: avaliação do ruído e o impacto da exposição na saúde da população Introdução O ruído pode ser definido como um som desagradável e indesejável que pode afetar

Leia mais

- PPRA NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS. Portaria 3.214/78 do M.T.E. MOVELLARE INDÚSTRIA E COMÉRCIO DE MÓVEIS LTDA - MATRIZ -

- PPRA NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS. Portaria 3.214/78 do M.T.E. MOVELLARE INDÚSTRIA E COMÉRCIO DE MÓVEIS LTDA - MATRIZ - - PPRA NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS Portaria 3.214/78 do M.T.E. MOVELLARE INDÚSTRIA E COMÉRCIO DE MÓVEIS LTDA - MATRIZ - MAIO/2013 RESTINGA SECA - RS )* 2 1 Aspectos Gerais 1.1 Aspecto

Leia mais

P Ú B L I C O I N T E R N O

P Ú B L I C O I N T E R N O Apresentação O Banrisul valoriza seus colaboradores por entender que estes são a essência do negócio. A promoção da qualidade de vida e da segurança dos funcionários é uma prática constante que comprova

Leia mais

ENTECA 2003 IV ENCONTRO TECNOLÓGICO DA ENGENHARIA CIVIL E ARQUITETURA

ENTECA 2003 IV ENCONTRO TECNOLÓGICO DA ENGENHARIA CIVIL E ARQUITETURA 431 DETERMINAÇÃO DO REGIME DE TRABALHO EM OBRAS DE PAVIMENTAÇÃO, ATRAVÉS DA PROGRAMAÇÃO LINEAR. Miguel Munemori J 1 ; Faculdade Assis Gurgacz. Cascavel - PR Reinaldo P. Ricieri 2 ; Universidade Estadual

Leia mais

AVALIAÇÃO DA ROTATIVIDADE PESSOAL EM INDÚSTRIA DE PROCESSAMENTO DE CARNES COM INTERVENÇÃO ERGONÔMICA NO PROCESSO

AVALIAÇÃO DA ROTATIVIDADE PESSOAL EM INDÚSTRIA DE PROCESSAMENTO DE CARNES COM INTERVENÇÃO ERGONÔMICA NO PROCESSO 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 AVALIAÇÃO DA ROTATIVIDADE PESSOAL EM INDÚSTRIA DE PROCESSAMENTO DE CARNES COM INTERVENÇÃO ERGONÔMICA NO PROCESSO José Maximiano Candido Neto 1, Rafael

Leia mais

PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA ARMANDO CAMPOS

PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA ARMANDO CAMPOS PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA LEGISLAÇÃO E NORMAS: RUÍDO CONSOLIDAÇÃO DAS LEIS DO TRABALHO - CAPÍTULO V NORMA REGULAMENTADORA 15 - NR 15, ANEXOS 1 E 2 (LIMITES DE TOLERÂNCIA) DECRETO 3048/1999 - INSS

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS GARÇONS À EXPOSIÇÃO DA PRESSÃO SONORA EM AMBIENTES FECHADOS COM MÚSICA AO VIVO

AVALIAÇÃO DOS GARÇONS À EXPOSIÇÃO DA PRESSÃO SONORA EM AMBIENTES FECHADOS COM MÚSICA AO VIVO AVALIAÇÃO DOS GARÇONS À EXPOSIÇÃO DA PRESSÃO SONORA EM AMBIENTES FECHADOS COM MÚSICA AO VIVO Felyppe Blum Goncalves (UTFPR) felyppeblumg5@hotmail.com Rodrigo Eduardo Catai (UTFPR) catai@utfpr.edu.br LUISA

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS NÍVEIS DE RUÍDO AOS QUAIS OS OPERADORES DE MÁQUINAS AGRÍCOLAS ESTÃO EXPOSTOS

AVALIAÇÃO DOS NÍVEIS DE RUÍDO AOS QUAIS OS OPERADORES DE MÁQUINAS AGRÍCOLAS ESTÃO EXPOSTOS AVALIAÇÃO DOS NÍVEIS DE RUÍDO AOS QUAIS OS OPERADORES DE MÁQUINAS AGRÍCOLAS ESTÃO EXPOSTOS Elivânia Maria Sousa Nascimento 1, Carlos Alberto Viliotti 2 ; Karla Lúcia Batista Araújo 3 ; Silvia Ferreira

Leia mais

P Ú B L I C O I N T E R N O

P Ú B L I C O I N T E R N O Apresentação O Banrisul valoriza seus colaboradores por entender que estes são a essência do negócio. A promoção da qualidade de vida e da segurança dos funcionários é uma prática constante que comprova

Leia mais

Qualificação dos Profissionais da Administração Pública Local RISCOS FÍSICOS RUÍDO. Formadora - Magda Sousa

Qualificação dos Profissionais da Administração Pública Local RISCOS FÍSICOS RUÍDO. Formadora - Magda Sousa Qualificação dos Profissionais da Administração Pública Local RISCOS FÍSICOS RUÍDO Formadora - Magda Sousa O Ruído no Meio Ambiente O problema do Ruído no meio ambiente tem-se tornado, cada vez mais, numa

Leia mais

3º PROTEGE Mesa Redonda Qual a abordagem para avaliação de calor em trabalho a céu aberto? Cuiabá - 15/10/2015

3º PROTEGE Mesa Redonda Qual a abordagem para avaliação de calor em trabalho a céu aberto? Cuiabá - 15/10/2015 3º PROTEGE Mesa Redonda Qual a abordagem para avaliação de calor em trabalho a céu aberto? Cuiabá - 15/10/2015 Auditor do Trabalho Claudio Cezar Peres SRTE/RS MTPS Avaliar calor é avaliar risco. 1 - Qual

Leia mais

CIPA GESTÃO 2013/2014

CIPA GESTÃO 2013/2014 HOSPITAL SÃO PAULO-SPDM Mapa de Risco da Empresa: Questionário auxiliar para elaboração do Mapa de Riscos Mapa de Risco é uma representação gráfica de um conjunto de fatores presentes nos locais de trabalho,

Leia mais

ESTUDO SOBRE OS SINTOMAS DAS LER/DORT EM OPERADORES DE COMPUTADORES NA CIDADE DE SANTA MARIA (RS).

ESTUDO SOBRE OS SINTOMAS DAS LER/DORT EM OPERADORES DE COMPUTADORES NA CIDADE DE SANTA MARIA (RS). ESTUDO SOBRE OS SINTOMAS DAS LER/DORT EM OPERADORES DE COMPUTADORES NA CIDADE DE SANTA MARIA (RS). Daniel Donida Schlottfeldt Graduando de Engenharia de Produção e Tecnologia de Segurança no Trabalho UNISA

Leia mais

Experimento de medição da intensidade sonora em campo ON/OFF para ligar ou desligar o aparelho. DECIBELÍMETRO Microfone Escala: 35 a 130 db em 3 faixas Precisão: ± 5 db Resolução: 0.1 db C/A Seleciona

Leia mais

NORMAS REGULAMENTADORAS - NR ABAIXO ESTÃO AS NORMAS REGULAMENTADORAS VIGENTES DO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO

NORMAS REGULAMENTADORAS - NR ABAIXO ESTÃO AS NORMAS REGULAMENTADORAS VIGENTES DO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO NORMAS REGULAMENTADORAS - NR ABAIXO ESTÃO AS NORMAS REGULAMENTADORAS VIGENTES DO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO NR 1 - Disposições Gerais As Normas Regulamentadoras são de observância obrigatória por

Leia mais

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA/ESPECIFICAÇÕES BÁSICAS

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA/ESPECIFICAÇÕES BÁSICAS ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA/ESPECIFICAÇÕES BÁSICAS 1. OBJETO 1.1 Prestação de serviços técnicos especializados em Engenharia de segurança do Trabalho, de modo a elaborar o Programa de Prevenção de Riscos

Leia mais

PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (PPRA) PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL (PCMSO)

PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (PPRA) PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL (PCMSO) Portaria 3.214/78 do M.T.E. PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS PPRA) E PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL PCMSO) MOVELLARE INDÚSTRIA E COMÉRCIO DE MÓVEIS LTDA - MATRIZ - MAIO/2013

Leia mais

SIMULADOS - Professor Flávio Nunes Segurança e Saúde no Trabalho

SIMULADOS - Professor Flávio Nunes Segurança e Saúde no Trabalho 1. Com base na CLT e com a Norma Regulamentadora 07 (PCMSO), julgue os itens a seguir. I. Quando na fase de reconhecimento dos riscos ambientais não for detectado risco específico, o controle médico poderá

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO EDITAL PRGDP Nº 02/2013 TÉCNICO EM MÓVEIS E ESQUADRIAS

CONCURSO PÚBLICO EDITAL PRGDP Nº 02/2013 TÉCNICO EM MÓVEIS E ESQUADRIAS CONCURSO PÚBLICO EDITAL PRGDP Nº 02/2013 TÉCNICO EM MÓVEIS E ESQUADRIAS CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DAS PROVAS DE LÍNGUA PORTUGUESA, MATEMÁTICA E LEGISLAÇÃO Será avaliada a capacidade de: LÍNGUA PORTUGUESA Ler,

Leia mais

RUÍDO E SEUS EFEITOS NO HOMEM DA CONSTRUÇÃO CIVIL

RUÍDO E SEUS EFEITOS NO HOMEM DA CONSTRUÇÃO CIVIL VII ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO QUALIDADE NO PROCESSO CONSTRUTIVO 27 A 30 DE ABRIL DE 1998 FLORIANÓPOLIS - SC ANTAC NÚCLEO DE PESQUISA EM CONSTRUÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA

Leia mais

Fatores humanos na identificação de perigos e avaliação de riscos

Fatores humanos na identificação de perigos e avaliação de riscos Fatores humanos na identificação de perigos e avaliação de riscos Marcello Guimarães Couto, M.Sc. HGB Consultoria e Gestão Ltda. marcello@hgb.com.br mgcouto@gmail.com Resumo Este artigo aborda os novos

Leia mais

NÍVEL DE RUÍDO - UMA MEDIDA DE QUALIDADE NAS BIBLIOTECAS

NÍVEL DE RUÍDO - UMA MEDIDA DE QUALIDADE NAS BIBLIOTECAS NÍVEL DE RUÍDO - UMA MEDIDA DE QUALIDADE NAS BIBLIOTECAS José Yvan Pereira Leite (1) Eng. de Minas - UFPB, Mestre em Engenharia Química - UFRN, prof. da Escola Técnica Federal do Rio Grande do Norte. Sócio

Leia mais

Análise de fatores ergonômicos em um salão de beleza da cidade de Horizontina.

Análise de fatores ergonômicos em um salão de beleza da cidade de Horizontina. Análise de fatores ergonômicos em um salão de beleza da cidade de Horizontina. Diana Michele Pilz (FAHOR) dp000682@fahor.com.br Ricardo Muller (FAHOR) rm000820@fahor.com.br Luciéli Della Flora (FAHOR)

Leia mais

LTCAT LAUDO TÉCNICO DAS CONDIÇÕES AMBIENTAIS DE TRABALHO AVALIAÇÃO DE INSALUBRIDADE E DE PERICULOSIDADE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DEE

LTCAT LAUDO TÉCNICO DAS CONDIÇÕES AMBIENTAIS DE TRABALHO AVALIAÇÃO DE INSALUBRIDADE E DE PERICULOSIDADE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DEE LTCAT LAUDO TÉCNICO DAS CONDIÇÕES AMBIENTAIS DE TRABALHO AVALIAÇÃO DE INSALUBRIDADE E DE PERICULOSIDADE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DEE CCET - CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA CAMPUS DE

Leia mais

Conceitos básicos em Medicina e Segurança do Trabalho

Conceitos básicos em Medicina e Segurança do Trabalho Conceitos básicos em Medicina e Segurança do Trabalho A Consolidação das Leis do Trabalho foi aprovada pelo decreto-lei nº 5.452, de 1º de maio de l.943. Em seu art. 1º a Consolidação estatui as normas

Leia mais

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Introdução a Segurança do Trabalho Módulo Único

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Introdução a Segurança do Trabalho Módulo Único Curso Técnico Segurança do Trabalho Introdução a Segurança do Trabalho Módulo Único SeÄÅo IX Das InstalaÄÉes ElÑtricas Art. 179 - O Ministério do Trabalho disporá sobre as condições de segurança e as medidas

Leia mais

FACULDADE CENECISTA DE OSÓRIO CURSO DE EXTENSÃO PROJETO NOSSA ESCOLA PESQUISA SUA OPINIÃO - PÓLO RS CURSO ESCOLA E PESQUISA: UM ENCONTRO POSSÍVEL

FACULDADE CENECISTA DE OSÓRIO CURSO DE EXTENSÃO PROJETO NOSSA ESCOLA PESQUISA SUA OPINIÃO - PÓLO RS CURSO ESCOLA E PESQUISA: UM ENCONTRO POSSÍVEL FACULDADE CENECISTA DE OSÓRIO CURSO DE EXTENSÃO PROJETO NOSSA ESCOLA PESQUISA SUA OPINIÃO - PÓLO RS CURSO ESCOLA E PESQUISA: UM ENCONTRO POSSÍVEL ESCOLA MUNICIPAL DE ENSINO FUNDAMENTAL ILDO MENEGHETTI

Leia mais

ANÁLISE DO AMBIENTE LABORAL EM UMA EMPRESA DE RECICLAGEM NA CIDADE DE CARUARU

ANÁLISE DO AMBIENTE LABORAL EM UMA EMPRESA DE RECICLAGEM NA CIDADE DE CARUARU ANÁLISE DO AMBIENTE LABORAL EM UMA EMPRESA DE RECICLAGEM NA CIDADE DE CARUARU Anderson Bezerra da Silva (UFPE) andersoonbs@gmail.com Jose Eduardo Silva Marinho Batista (UFPE) eduardo_batista_marinho@hotmail.com

Leia mais

ERGONOMIA Notas de Aula - Graduação

ERGONOMIA Notas de Aula - Graduação ERGONOMIA Notas de Aula - Graduação Análise Ergonômica do Trabalho - AET Ponto 02 Mario S. Ferreira Março, 2010 CONCEITUAÇÃO Análise Ergonômica do Trabalho Intervenção, no ambiente de trabalho, para estudo

Leia mais

DETERMINAÇÃO E ANÁLISE DOS NÍVEIS SONOROS NOS HABITÁCULOS DE COLHEDORAS AGRÍCOLAS

DETERMINAÇÃO E ANÁLISE DOS NÍVEIS SONOROS NOS HABITÁCULOS DE COLHEDORAS AGRÍCOLAS DETERMINAÇÃO E ANÁLISE DOS NÍVEIS SONOROS NOS HABITÁCULOS DE COLHEDORAS AGRÍCOLAS Daniel dos Santos Almeida Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões URI Graduando em Engenharia Industrial

Leia mais

MEDIDAS ERGONÔMICAS PARA A MELHORIA DAS CONDIÇÕES DE TRABALHO DE MARCENARIAS EM VITÓRIA DA CONQUISTA BA

MEDIDAS ERGONÔMICAS PARA A MELHORIA DAS CONDIÇÕES DE TRABALHO DE MARCENARIAS EM VITÓRIA DA CONQUISTA BA MEDIDAS ERGONÔMICAS PARA A MELHORIA DAS CONDIÇÕES DE TRABALHO DE MARCENARIAS EM VITÓRIA DA CONQUISTA BA Adilson Almeida dos Santos¹ ; ²; Gabriel Souto Pinheiro¹; Alan Oliveira dos Santos¹ ; Luis Carlos

Leia mais

Perturbação funcional - entende-se que não só um acidente típico, mas também uma doença pode se enquadrar na definição de acidente do trabalho.

Perturbação funcional - entende-se que não só um acidente típico, mas também uma doença pode se enquadrar na definição de acidente do trabalho. ACIDENTE DO TRABALHO Conceito Legal: Lei 8.213/9 Acidente do trabalho é o que ocorre pelo exercício do trabalho a serviço da empresa, ou pelo exercício do trabalho do segurado especial (autônomos, qual

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO do piso maciço estruturado de madeira

MANUAL DE INSTALAÇÃO do piso maciço estruturado de madeira MANUAL DE INSTALAÇÃO do piso maciço estruturado de madeira Produto O piso maciço estruturado de madeira SCANDIAN WOOD FLOORS é produzido com a mais moderna tecnologia, fabricado para atender os mais altos

Leia mais

Avaliação do nível de ruído em marcenarias no Distrito Federal, Brasil 1

Avaliação do nível de ruído em marcenarias no Distrito Federal, Brasil 1 547 Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, v.7, n.3, p.547-551, 2003 Campina Grande, PB, DEAg/UFCG - http://www.agriambi.com.br Avaliação do nível de ruído em marcenarias no Distrito Federal,

Leia mais

ANÁLISE DE ACIDENTES DE TRABALHO NA CONSTRUÇÃO CIVIL DE CRICIÚMA/SC NO PERÍODO DE 2012 E 2013 ESTUDO DE CASO

ANÁLISE DE ACIDENTES DE TRABALHO NA CONSTRUÇÃO CIVIL DE CRICIÚMA/SC NO PERÍODO DE 2012 E 2013 ESTUDO DE CASO ANÁLISE DE ACIDENTES DE TRABALHO NA CONSTRUÇÃO CIVIL DE CRICIÚMA/SC NO PERÍODO DE 2012 E 2013 ESTUDO DE CASO RESUMO Cindi Niero Mazon (1), Clóvis Norberto Savi (2); UNESC Universidade do Extremo Sul Catarinense

Leia mais

ANEXO X - ESPECIFICAÇÕES

ANEXO X - ESPECIFICAÇÕES ANEXO X - ESPECIFICAÇÕES 1. JUSTIFICATIVA 1.1. Motivação para a Contratação: A contratação constante do objeto em questão é justificada em virtude do término do atual contrato; da impreterível necessidade

Leia mais

Autor(es) ROSIMARY COUTO PAIXÃO. Orientador(es) ADRIANA PETITO DE ALMEIDA SILVA CASTRO. Apoio Financeiro FAPIC/UNIMEP. 1.

Autor(es) ROSIMARY COUTO PAIXÃO. Orientador(es) ADRIANA PETITO DE ALMEIDA SILVA CASTRO. Apoio Financeiro FAPIC/UNIMEP. 1. 19 Congresso de Iniciação Científica AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO TÉRMICO DE COBERTURAS DE POLICARBONATO E ACRÍLICO: ESTUDO DE CASO NO CAMPUS DA UNIMEP EM SANTA BÁRBARA DOESTE Autor(es) ROSIMARY COUTO PAIXÃO

Leia mais

AVALIAÇÃO DA SEGURANÇA NO TRABALHO DE UMA INDÚSTRIA MADEIREIRA: ESTUDO DE CASO DE UMA SERRARIA NO SUL DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO.

AVALIAÇÃO DA SEGURANÇA NO TRABALHO DE UMA INDÚSTRIA MADEIREIRA: ESTUDO DE CASO DE UMA SERRARIA NO SUL DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO. AVALIAÇÃO DA SEGURANÇA NO TRABALHO DE UMA INDÚSTRIA MADEIREIRA: ESTUDO DE CASO DE UMA SERRARIA NO SUL DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO. Ana Carolina Boa, Elizabeth Neire da Silva, Pedro Lício Loiola, Nilton

Leia mais

CARTILHA DE ERGONOMIA NA CONSTRUÇÃO CIVIL NR-17

CARTILHA DE ERGONOMIA NA CONSTRUÇÃO CIVIL NR-17 CARTILHA DE ERGONOMIA NA CONSTRUÇÃO CIVIL NR-17 Comissão: Alynne Obermüller Carolina Amaral Gabriela Silva Mariana Ribeiro Colaboração: Teresa Mate Ergonomia na prática: CARPINTEIRO 4 SUMÁRIO Apresentação...

Leia mais

Prova Discursiva de SST Professor Flávio Nunes

Prova Discursiva de SST Professor Flávio Nunes QUESTÃO 13: A empresa Cabeça de Prego Metalúrgica Ltda. possui, no setor de produção de pregos metálicos de duas cabeças, diferentes máquinas e equipamentos, que são operadas por trabalhadores capacitados.

Leia mais

ANÁLISE DE PARÂMETROS DE ILUMINAÇÃO E EFICIÊNCIA ENERGÉTICA APLICADA A UM CONJUNTO HABITACIONAL DE CASAS POPULARES EM CACOAL-RONDONIA.

ANÁLISE DE PARÂMETROS DE ILUMINAÇÃO E EFICIÊNCIA ENERGÉTICA APLICADA A UM CONJUNTO HABITACIONAL DE CASAS POPULARES EM CACOAL-RONDONIA. ISSN 1984-9354 ANÁLISE DE PARÂMETROS DE ILUMINAÇÃO E EFICIÊNCIA ENERGÉTICA APLICADA A UM CONJUNTO HABITACIONAL DE CASAS POPULARES EM CACOAL-RONDONIA. Sérgio Luiz Sousa Nazario, Paulo Renda Anderson, Rodrigo

Leia mais

EFEITOS DO RUÍDO EM AMBIENTES DE APRENDIZAGEM. Wislanildo Oliveira Franco 1

EFEITOS DO RUÍDO EM AMBIENTES DE APRENDIZAGEM. Wislanildo Oliveira Franco 1 1 EFEITOS DO RUÍDO EM AMBIENTES DE APRENDIZAGEM. Wislanildo Oliveira Franco 1 RESUMO. Os efeitos do ruído decorrentes do desenvolvimento tecnológico alcançado pela Sociedade atual, não podem mais ser relegados

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico ETEC Monsenhor Antônio Magliano Código: 88 Município: Garça Eixo Tecnológico: Segurança Habilitação Profissional: Técnico em Segurança do Trabalho Qualificação:

Leia mais

Gestão Ergonômica e Programas de Ergonomia na Empresa

Gestão Ergonômica e Programas de Ergonomia na Empresa Gestão Ergonômica e Programas de Ergonomia na Empresa Ms. João Eduardo de Azevedo Vieira Fisioterapeuta (PUC-PR / 2000) Esp. Fisiologia do Exercício e do Desporto (IBPEX / 2001) Esp. Fisioterapia do Trabalho

Leia mais

LTCAT Laudo Técnico de Condições do Ambiente de Trabalho

LTCAT Laudo Técnico de Condições do Ambiente de Trabalho LTCAT Laudo Técnico de Condições do Ambiente de Trabalho VIGÊNCIA: MAIO DE 2015 à MAIO DE 2016. Empresa: LOIO SORVETES LTDA (MATRIZ) Responsável Técnico: REGINALDO BESERRA ALVES Eng de Segurança no Trabalho

Leia mais

12 - GERENCIAMENTO DE RISCOS

12 - GERENCIAMENTO DE RISCOS Módulo II STH - SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO 12 - GERENCIAMENTO DE RISCOS BASES TÉCNICAS PARA O CONTROLE DOS FATORES DE RISCO E A MELHORIA DOS AMBIENTES E CONDIÇÕES DE TRABALHO A eliminação ou a redução

Leia mais

PROGRAMA DE PREVENÇÃO

PROGRAMA DE PREVENÇÃO - PPRA - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS Portaria MTE nº 3214/78 Portaria SSST nº 25, de 29/12/94 Norma Regulamentadora NR 09 - DOCUMENTO BASE - VIDUTY Indústria de Artigos Decorativos FEVEREIRO

Leia mais

CERNE ISSN: 0104-7760 cerne@dcf.ufla.br Universidade Federal de Lavras Brasil

CERNE ISSN: 0104-7760 cerne@dcf.ufla.br Universidade Federal de Lavras Brasil CERNE ISSN: 0104-7760 cerne@dcf.ufla.br Universidade Federal de Lavras Brasil da Silva Lopes, Eduardo; Domingos, Danilo Martin; Perrelli Jarbas, Edésio Avaliação de fatores do ambiente de trabalho em uma

Leia mais