Fatores que influenciam a opção pelo curso de Ciências Contábeis

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Fatores que influenciam a opção pelo curso de Ciências Contábeis"

Transcrição

1 1 Fatores que influenciam a opção pelo curso de Ciências Contábeis Anderson Giovane Sontag (UNIOESTE) Rua Donato Schwab, 1902, Jd. Líder -Mal. Cdo Rondon PR CEP Fone: Giovane Huff (UNIOESTE) R. Cabral, 2436 Jd Luciana II, Mal. Cdo Rondon - PR CEP Fone Elza Hofer (UNIOESTE) Rua Colombo, 1720 Centro, Mal Cdo. Rondon PR CEP Fone Jerri Antonio Langaro (FALURB) Rua XV de Novembro, Centro Mal. Cdo. Rondon PR Fone (45) Resumo: A presente pesquisa tem por objetivo elaborar um estudo para identificar os fatores que levam os acadêmicos a cursar Ciências Contábeis na UNIOESTE, campus de Marechal Cândido Rondon. A pesquisa foi realizada por meio de estudo descritivo e exploratório. O trabalho de campo foi realizado junto aos acadêmicos do curso de Ciências Contábeis, por meio da aplicação de questionários contendo 10 questões, a fim de identificar o porquê da escolha do curso de Ciências Contábeis. O total da população objeto desta pesquisa foi de 212 alunos que estavam cursando Ciências Contábeis na UNIOESTE no ano de 2006, sendo que deste total, 50 alunos efetivamente participaram, respondendo as questões, perfazendo um percentual de 23,58% da população. Concluiu-se que fatores que levam a cursar Ciências Contábeis na UNIOESTE são oportunidades profissionais, uma profissão para o futuro, influência dos familiares, amigos e experiências de trabalho, entre outros. 1 INTRODUÇÃO Assustados, confusos, indecisos. É assim que muitos jovens se sentem na hora de escolher sua profissão, às vésperas das inscrições para os vestibulares. Aquela certeza que se tinha desde criança, acerca do que se será quando crescer não é mais tão certa. Surge o medo e a angústia aperta mais diante do variado leque de alternativas de cursos superiores. Novos caminhos vão surgir durante a faculdade, o mercado de trabalho pode exigir adaptações ou uma grande guinada na carreira. É comum encontrar engenheiros trabalhando na área de finanças, arquitetos se dedicando à área comercial, economistas cuidando de marketing. A mudança não significa fracasso nem frustração, mas sim a aceitação de desafios que a vida vai trazendo. Escolher uma profissão representa esboçar um projeto de vida, questionar valores, as habilidades, o que se gosta de fazer e a qualidade de vida que se pretende ter. A escolha profissional é uma temática complexa, porque não é determinada apenas por um ou dois fatores. Na verdade, a escolha profissional é influenciada tanto pelo mundo que a pessoa vive como pelo modo como a pessoa compreende o mundo. Há fatores subjetivos, emocionais e pessoais, que estão envolvidos na escolha da futura profissão. Considera-se que a relação entre o homem e o mundo é o que determina muitas das escolhas e, dentre elas, a da profissão. Uma boa escolha profissional leva em consideração vários aspectos: o desejo que se possui, o que é possível escolher em função da condição social, o que se espera do futuro, quais as competências e habilidades do sujeito, etc. O fato de o acadêmico estar cursando Ciências Contábeis não significa necessariamente que ela será um contador quando se formar. Pelo contrário, contador é apenas mais uma opção que o curso proporciona entre uma infinita gama de possibilidades, podendo o bacharel em ciências Contábeis atuar, desde a área de consultoria, análise

2 2 financeira, gerencial, recursos humanos, auditoria, perícia, pesquisador e professor de contabilidade. Ele poderá exercer sua profissão independentemente nas empresas ou no ensino e até em órgãos públicos. Os fatores que levam as pessoas a cursarem Ciências Contábeis podem ser inúmeros. Ao se identificar estes, pode-se melhor adaptar o ensino superior às necessidades do mercado. E em mencionando adaptar o ensino superior, incluem-se os docentes, peças-chave na aprendizagem, servindo de guia no decorrer do curso por meio de pesquisas e coleta de material. A pesquisa auxilia na melhoria do Ensino Superior, além de contribuir para a produção e disseminação do conhecimento, o ideal de uma universidade. Diante do exposto, a presente pesquisa objetiva elaborar um estudo para identificar os fatores que levam os acadêmicos a cursar Ciências Contábeis na UNIOESTE, campus de Marechal Cândido Rondon. Além da introdução, o artigo apresenta mais quatro tópicos. No segundo tópico fez-se o referencial teórico, em seguida apresenta-se a metodologia do trabalho. No quarto tópico, tem,-se a descrição e análise de resultados. Por fim, é apresentada a conclusão da pesquisa. 2 REFERENCIAL TEÓRICO 2.1 Um breve histórico da Contabilidade O Bacharel em Ciências Contábeis é o profissional habilitado a identificar e apresentar soluções para os diversos problemas contábeis e gerenciais pertinentes às entidades, consciente da necessidade de busca permanente de atualização e aperfeiçoamento profissional e pessoal, conhecedor das práticas contábeis, societárias, fiscais e tributárias aplicadas às entidades, tendo compromisso com a sociedade, visando aplicar seus conhecimentos em prol do engrandecimento da mesma. Para Sá (1997), a contabilidade nasceu com a civilização e jamais deixará de existir em decorrência dela; talvez, por isso, seus progressos quase sempre tenham coincidido com aqueles que caracterizam os da própria evolução do ser humano. Das formas primitivas utilizadas para quantificar o patrimônio, percorrendo o caminho do método por partidas dobradas na época do comércio medieval, os sistemas de custos na Revolução Industrial e a criação da Contabilidade Gerencial após o surgimento das sociedades por ações, verifica-se que a contabilidade sempre procurou adaptar-se às mudanças ao longo da história da humanidade, para que pudesse cumprir seu papel de fomentadora de informações sobre o patrimônio de seus usuários. Com o aparecimento de uma escola de pensamento denominada Lombarda, a contabilidade adquiriu de forma modesta a função gerencial, deixando de ser apenas um modelo de escrituração, para ser um instrumento de acompanhamento e controle, ou seja, a informação gerada pela contabilidade passou a dar apoio na administração dos negócios. Para esta escola, os registros eram apenas dados, ou seja, subsídios para estudos, devendo ser interpretados, não se admitindo que a contabilidade se limitasse apenas aos registros. Segundo Iudícibus (1998), a Contabilidade Gerencial pode ser caracterizada como um enfoque especial conferido a técnicas e procedimentos contábeis tratados na Contabilidade Financeira e na Contabilidade de Custos, colocados numa perspectiva diferente, num grau de detalhe mais analítico ou numa forma de apresentação e classificação diferenciada, de maneira a auxiliar os gerentes das entidades em seu processo decisório. A partir da utilização de algumas ferramentas gerenciais mais relevantes, o contador poderá ajudar significativamente a equipe na tomada de decisões. Conhecendo bem as técnicas contábeis, dedicando-se em explorar e explicar variações nos resultados e envolvendo-se nas decisões executivas, o contador poderá apresentar propostas consistentes, participando de todas as ações importantes da empresa.

3 3 O desenvolvimento da Contabilidade foi notório nos Estados Unidos, no século XX, principalmente após a Depressão de 1929, com a acentuação de pesquisas nessa área para melhor informar o usuário da contabilidade. A ascensão cultural e econômica dos EUA, o crescimento do mercado de capitais e, conseqüentemente, da Auditoria, a preocupação em tornar a contabilidade útil para a tomada de decisão, a atuação acentuada do Instituto dos Contadores Públicos americanos, a clareza didática da exposição dos autores em Contabilidade foram, entre outros, os fatores que contribuíram para a formação da Escola Contábil americana, que domina nosso cenário contábil atual. 2.2 Contabilidade no Brasil Segundo Iudícibus (2000), a contabilidade no Brasil iniciou-se em 1902, com a criação da Escola de Comércio Álvares Penteado, em São Paulo, onde se pode observar a adoção da Escola Européia de Contabilidade, basicamente a alemã e a italiana. Com a inauguração da Faculdade de Economia e Administração da USP (1946) e com o advento das multinacionais anglo-americanas (e, conseqüentemente, da Auditoria originaria dos países-sede), a Escola Contábil Americana começou a infiltrar-se em nosso país. Esta escola, todavia, começou a exercer uma influência mais significativa no ensino da Contabilidade no Brasil a partir do lançamento do livro Contabilidade Introdutória, no inicio da década de 70, por uma equipe de professores da FEA/USP. O domínio da Escola Contábil Americana, iniciado com a circular nº. 179/72 do Banco Central, tornou-se evidente com o advento da Lei nº /76, Lei das Sociedades por Ações, que passa a adotar uma filosofia nitidamente norte-americana (MARION, 2003). 2.3 O ensino superior de Ciências Contábeis Em 1945, foi instituído o curso de Ciências Contábeis e Atuariais pela Lei nº Em 26 de janeiro de 1946, por meio do Decreto nº , foi autorizada a funcionar na Universidade de São Paulo, a Faculdade de Ciências Econômicas e Administrativas FCEA, surgindo também o primeiro núcleo de pesquisa em contabilidade no país, que contribuiu, significativamente, para o desenvolvimento do ensino contábil no Brasil. Para Iudícibus (2000, p. 36), este núcleo surgiu com professores dedicando-se em tempo integral ao ensino e à pesquisa, produzindo artigos de maior conteúdo científico e escrevendo teses acadêmicas de alto valor. Conforme Marion e Robles Jr. (1998, p. 38), em 1951, a Lei nº desmembrou os cursos de Ciências Contábeis e Atuarias, criando de maneira independente, o curso de Ciências Contábeis, possibilitando aos concluintes receberem o título de Bacharel em Contabilidade. Ficou definido o prazo de quatro anos para a conclusão do curso. De acordo com Costa (2003, p. 85), na década de sessenta ocorreram profundas mudanças no ensino superior brasileiro, que refletiram nos cursos de Ciências Contábeis. Essas mudanças ocorreram em função da Lei nº 4.024, de 20 de dezembro de 1961, que fixou as Diretrizes e Bases da Educação Nacional e criou o Conselho Federal de Educação (CFE), com a finalidade de fixar os currículos mínimos e a duração dos cursos superiores destinados à formação de profissões regulamentadas em Lei. Em 1962, ocorreu outra reforma significativa em nível curricular, conforme Parecer nº 397/62, que dividiu os cursos de Ciências Contábeis em ciclo de formação básica e ciclo de formação profissional. O ciclo de formação básica consistia no ensino das disciplinas de Matemática, Estatística, Direito e Economia e, o ciclo de formação profissional no ensino das disciplinas de Contabilidade Geral, Contabilidade Comercial, Contabilidade de Custos, Auditoria, Análise de Balanços, Técnica Comercial, Administração e Direito Tributário. A Resolução nº 03/92 do extinto Conselho Federal de Educação fixava os conteúdos mínimos e a duração dos cursos de graduação. Esta duração era de horas/aula, para o caso de Ciências Contábeis, integralizadas em um máximo de sete, e em um mínimo de

4 4 quatro anos no curso diurno ou cinco anos no curso noturno. A Resolução fixou também normas para todas as instituições de ensino superior elaborarem os currículos para os Cursos de Ciências Contábeis, definindo o perfil do profissional a ser formado. Para Marion e Robles Jr. (1998, p ), a Resolução nº 03/92 trouxe significativas contribuições para o aprimoramento do ensino contábil no Brasil, visto que diversas novidades foram introduzidas. Os currículos plenos foram elaborados para estimular o conhecimento teórico e prático, permitindo o competente exercício da profissão, com vistas às atribuições específicas que serão conferidas através do diploma em âmbito nacional, assegurando, ao mesmo tempo, condições para o exercício com competência e ética perante a sociedade. Em 20 de dezembro de 1996, foi publicada a Lei nº 9.394, Lei de Diretrizes e Bases, que estabelece alicerces da Educação Nacional, a qual, novamente, introduz alterações no Ensino Superior. Entre outras, destacam-se: a qualificação docente, produção intelectual, docentes com regime de tempo integral e perfil profissional ligado à formação da cultura regional e nacional. Em 03 de abril de 2002, foi editado o Parecer CES/CNE 0146/2002, que define as Diretrizes Curriculares Nacionais para cursos de graduação em Ciências Contábeis. Já, em 11 de março de 2003, foi aprovado o Parecer nº CNE/CES 67/2003, que teve por finalidade reunir, em parecer específico, todas as referências normativas existentes na Câmara de Educação Superior relacionadas com a concepção e conceituação dos Currículos Mínimos profissionalizantes fixados pelo então Conselho Federal de Educação e das Diretrizes Curriculares Nacionais estabelecidas pelo Conselho Nacional de Educação. Em 7 de maio de 2003, foi aprovado o Parecer n CNE/CES 108/2003, que teve por objetivo promover audiências com a sociedade, durante seis meses, ensejando a discussão e avaliação da duração e integralização dos cursos de bacharelado. Em 6 de novembro, foi aprovado o Parecer CNE/CES 0289/2003, que teve por objetivo elaborar e aprovar as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Ciências Contábeis a serem observadas pelas IES em sua organização curricular. Em 16 de dezembro de 2004, foi aprovada a Resolução CNE/CES 10/2004 que instituiu as Diretrizes curriculares Nacionais para o Curso de Graduação em Ciências Contábeis, bacharelado a serem observadas pelas Instituições de Educação Superior. O Quadro 1, a seguir, apresenta a evolução cronológica da legislação, inerente ao ensino superior de Contabilidade no Brasil e o diploma legal correspondente a cada ocorrência. ANO DIPLOMA LEGAL OCORRÊNCIA 1945 Lei nº 7.988; Instituído o curso superior de Ciências Contábeis e Atuariais 1946 Decreto Autoriza a funcionar na FCEA o curso de Ciências Contábeis e Atuariais 1951 Lei nº Desmembra os cursos de Ciências Contábeis e Atuariais, criando de forma independente o curso de Ciências Contábeis, com duração de quatro anos para formar os bacharéis em Contabilidade; 1961 Lei nº Fixa as Diretrizes e Bases da Educação Nacional, bem como cria o Conselho Federal de Educação; 1962 Parecer 397/62 Divide os cursos de Ciências Contábeis, em ciclo de formação básica e formação profissional; 1992 Resolução 3/92 Institui o currículo pleno, que fixa a duração mínima de 4 anos para os cursos diurnos e 5 anos para os curso noturnos; 1996 Lei nº Lei de Diretrizes e Bases, que, novamente, introduz mudanças para o ensino Superior Brasileiro; 1997 Edital 04/97 Da Secretaria de Educação Superior que tem por finalidade discutir as novas Diretrizes Curriculares dos cursos superiores, adaptando-os a Lei; 2002 Parecer do CES/CNE Define as Diretrizes Nacionais para os cursos de Ciências Contábeis.

5 5 0146/ Parecer n CNE/CES 67/ Parecer nº CNE/CES 108/ Parecer nº CNE/CES 0289/ Resolução CNE/CES 10 de 16 de dezembro de 2004 Referencial para as Diretrizes Curriculares Nacionais DCN dos Cursos de Graduação Parecer que promove, audiências com a sociedade, ensejando discussão e avaliação da duração e integralização dos cursos de bacharelado. Aprova as diretrizes curriculares dos cursos de graduação em Ciências Contábeis, bacharelado a serem observadas pelas Instituições de Ensino Superior em sua organização curricular. Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para o Curso de Graduação em Ciências Contábeis, bacharelado, a serem observadas pelas Instituições de Educação Superior Quadro 1 Cronologia da legislação que trata do ensino superior de Contabilidade Portanto, verifica-se que a preocupação com a formação de profissionais começou a mudar a partir da década de sessenta, em virtude da maior complexidade das operações requeridas pelas empresas, bem como as diversas alterações na legislação. Quando se trata de ensino superior de contabilidade, entende-se que este seja um curso para uma futura profissão, esquecendo-se que o ideal clássico de universidade diz respeito à produção e disseminação do conhecimento. Então, além do ensino de uma profissão, caberia também à universidade a transmissão de cultura, a investigação científica e educação como ciência. 2.4 Uma análise crítica sobre o ensino de contabilidade Várias pesquisas desenvolvidas a respeito do ensino superior de contabilidade demonstram que são muitos os problemas enfrentados nesta área. E quando se fala em ensino inclui-se acadêmico, professor, metodologia, a instituição em si, que formam a conjuntura responsável pela atual situação, entretanto capaz de mudar a mesma. Segundo Silva (2004), são dez os mandamentos do ensino da contabilidade: exaltar permanentemente a profissão; conduzir ao respeito e a ética profissional; alertar para os desafios da Contabilidade; Respeitar o aluno; Estimular o aluno a participar de exposições, seminários, palestras e encontros das entidades de classe (CRC s, CFC, etc.); enfatizar prática x teoria ; praticar estudos de caso; incentivar a educação continuada do aluno; inovar as aulas expositivas de maneira auditiva e visual; revolucionar a sala de aula. Analisando o aspecto do professor, Nossa (1999, p. 74), em uma análise crítica ao ensino da contabilidade, salienta que uma das principais deficiências no ensino da Contabilidade é a falta de preparo do corpo docente. Ele ainda ressalta que os professores não têm uma experiência anterior com o magistério, geralmente possuem a graduação ou, no máximo, especialização. Nas faculdades públicas, surgem também os professores substitutos. que não tem tempo suficiente para realizar um bom trabalho. Segundo Rollo e Perreira (2002, p.13), a qualificação do professor de contabilidade assume papel de vital importância na formação do futuro profissional contábil. Por outro lado, conforme Richter (2005), o professor assume um papel de destaque e de responsabilidade no processo de ensino/aprendizagem, que será a base fundamental na formação dos futuros profissionais. Um dos fatores que fundamentam esta assertiva são os dados do INEP Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais, que comprovaram que os cursos que obtiveram conceito A ou B no Provão também receberam conceito A e B na titulação docente. Diante dos vários problemas que o ensino superior da contabilidade enfrenta, Franco (1997) afirma que os bons professores que restam, acabam se desiludindo com o magistério visto que o desprestígio é muito grande no que diz respeito ao apoio e incentivo financeiro para a qualificação e aperfeiçoamento.

6 6 Além disso, a partir da década de 80, ocorreu um significativo crescimento quantitativo dos cursos de Ciências Contábeis no Brasil. Conforme relatório divulgado pelo Ministério de Educação (MEC), existem, atualmente, no Brasil, 751 cursos de Ciências Contábeis. Deste total, 41,4% estão localizados nas Universidades, sendo 49% nas públicas e 51% nas privadas. O Quadro 2, a seguir, apresenta as informações sobre o número, percentual e total de cursos de ciências contábeis por Região. Região Quantidade Sudeste ,48% Sul ,30% Nordeste ,98% Centro-Oeste 90 11,98% Norte 47 6,26% Total % Quadro 2 Cursos de Ciências Contábeis por Região e total Fonte: (MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO 2004) No entanto, observa-se que os programas de pós-graduação, mestrado e doutorado, não apresentam a mesma evolução quantitativa em relação ao crescimento ocorrido nos cursos de graduação em Ciências Contábeis. O pequeno número de cursos de mestrado e doutorado pode afetar a qualidade do Ensino Contábil, tendo em vista que a finalidade dos cursos de mestrado e doutorado é formar professores e pesquisadores. Nº IES UF M. PROFISSIONALIZANTE M. ACADÊMICO DOUTORADO 01 USP SP X X 02 UNIFECAP SP X 03 PUC SP X 04 UERJ RJ X 05 UFRJ RJ X 06 FVC BA X 07 UNB DF/ RN/PA/PE X X 08 UNISINOS RS X 09 UFMG MG X 10 UFSC SC X 11 UFC CE X 12 FUCAPE ES X 13 FURB SC X 14 UFPR PR X 15 PUC-RJ X 16 USP- RP X Quadro 3 - Instituições que oferecem programas de pós-graduação e respectiva UF

7 7 Fonte: (SITE CAPES, 2007) Atualmente, em se tratando de cursos de pós-graduação em contabilidade, pode-se afirmar que, no Brasil, quatorze cursos de mestrados acadêmicos, dois cursos de mestrado profissionalizante e apenas dois cursos de doutorado estão reconhecidos e aprovados pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES). Além disso, vários cursos foram autorizados recentemente e que ainda não formaram mestres e doutores. 3. METODOLOGIA Esta pesquisa pode ser considerada descritiva e exploratória. Segundo Gil (1989, p. 44), a pesquisa exploratória tem como objetivo proporcionar maior familiaridade com o problema, com vistas a torná-lo mais explicito ou a constituir hipóteses. Para Gil (1989, p. 45), a pesquisa descritiva tem como principal objetivo descrever características de determinada população ou estabelecimento de relações entre as variáveis. Ela também é classificada como pesquisa bibliográfica e de levantamento, pois foram coletados dados através de pesquisa em acervo e por meio de questionários, pesquisando-se o comportamento dos indivíduos que se deseja conhecer. A pesquisa foi realizada junto aos acadêmicos do curso de Ciências Contábeis da Universidade Estadual do Oeste do Paraná - UNIOESTE, campus de Marechal Cândido Rondon - PR, por meio da aplicação de questionário, contendo 10 questões, com o intuito de se identificar o porquê da escolha do curso de Ciências Contábeis. O total da população objeto desta pesquisa foi de 212 alunos, os quais estavam cursando Ciências Contábeis na UNIOESTE no ano de Deste total, 50 alunos participaram, perfazendo um percentual de 23,58% da população. 4. DESCRIÇÃO E ANÁLISE DOS RESULTADOS 4.1 Curso de ciências contábeis na UNIOESTE Campus de Marechal Cândido Rondon A criação do curso em Marechal Cândido Rondon se deu juntamente com a criação da FACIMAR Faculdade de Ciências Humanas de Marechal Cândido Rondon, mantida pela FUNDEMAR Fundação Educacional de Marechal Cândido Rondon, cujos recursos eram oriundos de mensalidades pagas pelos acadêmicos e de subvenções da Prefeitura Municipal de Marechal Cândido Rondon. As atividades acadêmicas tiveram inicio em 29 de setembro de 1980, data que se constituiu como marco de início da trajetória e história do Curso de Ciências Contábeis da UNIOESTE campus de Marechal Cândido Rondon, autorizado a funcionar em 1980 pelo Decreto Federal nº /80, e reconhecido em 1983 pela Portaria Ministerial nº. 73/83. Atualmente, o Curso de Ciências Contábeis funciona no período noturno, ofertando 40 vagas anuais. O tempo mínimo para integralização é de 5 anos e o máximo de 7 anos, com uma carga horária total de horas-aula, das quais 170 são de atividades acadêmicas complementares, 68 de disciplina independente e 204 horas de disciplinas optativas. O grau obtido é de Bacharel em Ciências Contábeis. O Quadro 4, a seguir, apresenta a composição atual do corpo docente, a qualificação e o Regime de trabalho, evidenciando que houve uma capacitação significativa, principalmente levando-se em conta a carência de cursos de mestrado e do Doutorado no Brasil. Mesmo assim, o curso conta, atualmente, com 19 professores efetivos e 03 professores em regime temporário. Regime de Graduado Especialista Mestre Doutor Totais trabalho RT

8 8 RT Sub Total Temporários 3 3 Totais Quadro 4 Corpo docente do curso de ciências contábeis campus de Marechal Cândido Rondon Em síntese, a definição e a caracterização dos princípios norteadores dos Cursos de Ciências Contábeis devem ter como parâmetro o desenvolvimento de conteúdos que atendam, contribuam e potencializam, de forma direta e objetiva, a análise ambiental das organizações e da identidade da Ciência Contábil ampliando a compreensão, análise e critica do processo sócio econômico nacional e internacional. 4.2 Análise dos resultados A seguir, são demonstrados os resultados da pesquisa, descrevendo-se cada questão. Na primeira questão, procura-se saber quantas vezes o acadêmico prestou vestibular para o Curso de Ciências Contábeis, como mostra a Tabela abaixo. Uma vez 78% Duas vezes 10% Três vezes 8% Mais que quatro vezes 2% Transferido de outra instituição. 2% Tabela 1 Número de vezes que prestou vestibular para ingressar no curso de ciências contábeis Conforme pode ser observado, a grande maioria dos acadêmicos, 78%, tiveram sucesso logo em seu primeiro vestibular, sendo seguidos pelos que o realizaram durante duas ocasiões, com 10%, seguidos por aqueles que realizaram-no três vezes (8 %). Apenas 2% da população analisada prestaram vestibular por mais de quatro vezes e também 2% veio para o Curso de Ciências Contábeis transferidos de outras instituições. Na Tabela 2, a população foi questionada sobre o tipo de escola em que cursou o ensino médio. Escola Pública 92% Escola Privada 4% Ambos 4% Tabela 2- Cursou ensino médio em escola pública ou particular Verifica-se que apenas 8% dos acadêmicos estudaram em escola particular ou em ambas, e que 92 % deles vieram de escolas públicas. A seguir, na Tabela 3, a população foi questionada a respeito da realização de curso pré-vestibular, onde as respostas foram as seguintes. Sim 24%

9 9 Não 76% Tabela 3 Realizou curso preparatório para o vestibular Constatou-se que a maioria não freqüentou curso preparatório para o vestibular. 76% dos entrevistados não realizaram qualquer espécie de cursinho, enquanto que 24% freqüentou curso pré-vestibular. Na Tabela 4, são levantados os motivos para a escolha do curso de Ciências Contábeis. Oportunidades profissionais 28% Área de interesse 17% Garantias Futuras 8% Profissão desejada 8% Oportunidades salariais 8% Desenvolvimento pessoal 5% Falta de opção 5% Complemento da formação 5% Inclinação e talento 4% Contribuição na mudança social 2% Profissão Seguro 2% Ser a menos ruim 2% Sempre pensou em fazer o Curso 1% Influência dos amigos 1% Reconhecimento Social 1% Idéias Concretas 1% Por acaso 1% Tabela 4 - Motivos da Escolha do Curso de Ciências Contábeis Pode-se notar a vasta lista de opções que levaram os acadêmicos a escolher o curso de Ciências Contábeis. Entre os motivos que se destacaram, estão as oportunidades profissionais com 28% das respostas. Seguem a área de interesse, com 17%, e garantias futuras, profissão desejada e oportunidades salariais. Estas últimas, todas com 8%. Observa-se que os acadêmicos estão buscando, por meio da profissão contábil, certa estabilidade, tanto profissional quanto financeira. A Tabela 5 demonstra as razões para a realização do curso de Ciências Contábeis. Formação para uma futura profissão. 84% Educação Completa 16% Tabela 5 Razões para realizar o curso de ciências contábeis Assim como na Tabela 4, nota-se o interesse em seguir a profissão, pois 84% dos entrevistados julgaram como razão para a realização do curso de Ciências Contábeis a formação para uma futura profissão, enquanto que 16% responderam que buscam uma educação completa. Na Tabela 6, os entrevistados foram questionados sobre as fontes de informação que lhes levaram a escolher o curso de Ciências Contábeis.

10 10 Pais, parentes 19% Amigos 15% Experiência de Trabalho. 15% Guia de Cursos 13% Formados 11% Imprensa Escrita 10% Orientação 10% Professores 3% Imprensa Eletrônica 2% Revistas, livros (Contabilidade). 2% Esposo/esposa 2% Tabela 6 Fontes de informações que levaram os acadêmicos a escolher o curso de Ciências Contábeis Observa-se que 19% dos entrevistados buscaram informações com seus pais e parentes, 15% com amigos, e, ainda, 15 % na experiência de trabalho, seguidos por 13 % que se alicerçaram nos guias de cursos, 11% com egressos do curso, 10 % com a imprensa escrita, outros 10 % com orientação e 9% valeram-se de outras fontes. Verificou-se uma pequena diferença no percentual das respostas, o que pode ser atribuído às inúmeras fontes de informação disponíveis. A Tabela 7 apresenta respostas sobre a possibilidade de o acadêmico seguir a carreira desejada, ao optar pelo curso de Ciências Contábeis. Alternativa Sim 72% Indiferente. 16% Não 12% Tabela 7 Possibilidade de seguir a carreira desejada Neste caso, 72% dos entrevistados responderam que o curso de Ciências Contábeis possibilita seguir a profissão desejada e 16% disseram que estão indiferentes quanto a isto. 12% responderam que o curso não abre essa possibilidade, provavelmente por não trabalharem na área, conforme pode ser constatado na Tabela 6. Os acadêmicos foram questionados, também, sobre as áreas de interesse na contabilidade, sendo que as respostas podem ser observadas na Tabela 8 abaixo. Contabilidade Gerencial/Finanças 29% Área Tributaria e Fiscal 17% Auditoria 14% Recursos Humanos 13% Pública 12% Custos e Controle de Estoques 7% Sistemas de Informação 5% Hospitalar 3% Tabela 8 Áreas de interesse

11 11 Verifica-se grande interesse dos acadêmicos pela área Gerencial/Finanças com 29% da preferência, seguida pela área Tributária e Fiscal, com 17%; Auditoria, com 14%; Recursos Humanos, com 13%; Contabilidade Pública, com 12% e, somando-se as demais, 15%. É interessante notar a vasta gama de opções que os acadêmicos dispõem para seguirem a carreira e que não há uma área em individual que todos procuram, mas sim, várias áreas em que os acadêmicos se distribuem de modo quase que uniforme. A Tabela 9, a seguir, evidencia o percentual de acadêmicos que já trabalham na área contábil. Alternativa Sim 58% Não 32% Não trabalham 10% Tabela 9 Acadêmicos que já trabalham na área contábil Nota-se que mais da metade dos entrevistados, 58%, já trabalham na área contábil, o que demonstra a busca pela junção da teoria contábil com a prática, tornando mais fácil o aprendizado. 32% não trabalham na área e 12% não estão empregados. Na Tabela 10, os entrevistados são questionados se gostam ou não do Curso de Ciências Contábeis. Sim 94% Não 6% Tabela 10 Gostam do curso que estão cursando Conforme demonstram os dados, a grande maioria, 94%, está gostando do curso e apenas 6% não estão. Questionados sobre o porquê de não estarem gostando do curso, os acadêmicos responderam que gostariam de estar cursando outra graduação, ou então não souberam o porquê de não estarem gostando, afirmando apenas: não gosto e pronto. CONCLUSÃO Concluiu-se que as respostas obtidas por meio dos questionários atingem o objetivo inicialmente proposto: analisar os fatores que levam os alunos a cursar Ciências Contábeis, fazendo-se uma pesquisa de campo na UNIOESTE campus de Marechal Cândido Rondon. Concluiu-se, também, que a grande maioria dos acadêmicos é oriunda de escolas públicas e foram aprovados na primeira vez em que prestaram o concurso vestibular, já que apenas 24% deles fizeram cursinho preparatório. Isto vem ao encontro do perfil dos alunos dos cursos de Ciências Contábeis que, normalmente, estudam à noite e trabalham durante o dia. Além disso, os cursos de Ciências Contábeis também surgem nas regiões que apresentam um crescimento comercial e industrial, em função da mão-de-obra qualificada que os cursos geram. Constatou-se que o principal fator que leva os acadêmicos a cursar Ciências Contábeis é a busca de melhores oportunidades profissionais, esperando, assim, ter uma formação para uma futura profissão, o que possibilita, para muitos, seguir a carreira desejada. Verificou-se que o leque de oportunidades que o curso oferece, certamente influencia na escolha, visto que várias alternativas foram citadas. Observa-se a expressiva participação da família, amigos e experiência de trabalho como fonte de informações para a escolha do curso.

RAIANA SIMÕES DA SILVA Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas do Sul de Minas FACESM raiana_silva26@hotmail.com

RAIANA SIMÕES DA SILVA Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas do Sul de Minas FACESM raiana_silva26@hotmail.com O ENSINO DA CONTABILIDADE NO BRASIL CARACTERÍSTICAS E TENDÊNCIAS RAIANA SIMÕES DA SILVA Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas do Sul de Minas FACESM raiana_silva26@hotmail.com JOSÉ CARLOS RODRIGUES Faculdade

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS. (Resumido)

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS. (Resumido) FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS E ADMINISTRATIVAS DE CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM ES Curso de Administração reconhecido pelo Decreto Federal nº 78.951, publicado no D.O.U. de 16-12-1976 Curso de Ciências Contábeis

Leia mais

GRADUAÇÃO CIÊNCIAS CONTÁBEIS DENOMINAÇÃO: CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS

GRADUAÇÃO CIÊNCIAS CONTÁBEIS DENOMINAÇÃO: CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS GRADUAÇÃO CIÊNCIAS CONTÁBEIS CARACTERIZAÇÃO DO CURSO DENOMINAÇÃO: CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS DIPLOMA CONFERIDO: BACHAREL NÚMERO DE VAGAS: 100 VAGAS ANUAIS NÚMERO DE ALUNOS POR TURMA: 50 alunos

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIO CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Profa. LUCIANE ALVES FERNANDES. Coordenação de Estágio e Trabalho de Conclusão.

MANUAL DE ESTÁGIO CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Profa. LUCIANE ALVES FERNANDES. Coordenação de Estágio e Trabalho de Conclusão. MANUAL DE ESTÁGIO CIÊNCIAS CONTÁBEIS Profa. LUCIANE ALVES FERNANDES Porto Alegre/RS 2014 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. O ESTÁGIO... 3 3. FUNDAMENTAÇÃO LEGAL DO ESTÁGIO... 3 4. OBJETIVOS DO ESTÁGIO... 3

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão. Objetivo Geral. Objetivos Específicos

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão. Objetivo Geral. Objetivos Específicos SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Curso: CIÊNCIAS CONTÁBEIS Missão A missão do curso é formar profissionais em Ciências Contábeis com elevada competência técnica, crítica, ética e social, capazes de conceber

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 6, DE 10 DE MARÇO DE 2004 (*)

RESOLUÇÃO Nº 6, DE 10 DE MARÇO DE 2004 (*) RESOLUÇÃO Nº 6, DE 10 DE MARÇO DE 2004 (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Ciências Contábeis, bacharelado, e dá outras providências. O Presidente da Câmara de Educação

Leia mais

PROPOSTA CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS 2012.2. Noturno

PROPOSTA CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS 2012.2. Noturno PROPOSTA CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS 2012.2 DENOMINAÇÃO: PORTARIA DE AUTORIZAÇÃO: PORTARIA DE RECONHECIMENTO: REGIME ESCOLAR: NÚMERO DE VAGAS ANUAIS: TURNOS DE FUNCIONAMENTO: NÚMERO DE ALUNOS POR TURMA:

Leia mais

DURAÇÃO DO CURSO O Curso de Ciências Contábeis, bacharelado poderá ser integralizado em um período de no mínimo 8 (oito) semestres e no máximo 16

DURAÇÃO DO CURSO O Curso de Ciências Contábeis, bacharelado poderá ser integralizado em um período de no mínimo 8 (oito) semestres e no máximo 16 DURAÇÃO DO CURSO O Curso de Ciências Contábeis, bacharelado poderá ser integralizado em um período de no mínimo 8 (oito) semestres e no máximo 16 (dezesseis) semestres. PERFIL DO EGRESSO O perfil desejado

Leia mais

ENSINO SUPERIOR DE CONTABILIDADE NO BRASIL E A PRÁTICA DOCENTE

ENSINO SUPERIOR DE CONTABILIDADE NO BRASIL E A PRÁTICA DOCENTE ENSINO SUPERIOR DE CONTABILIDADE NO BRASIL E A PRÁTICA DOCENTE Resumo GASPARIN, João Luiz 1 - UEM GONÇALVES, Rosilene Nogueira 2 - UEM Grupo de Trabalho - Didática: Teorias, Metodologias e Práticas Agência

Leia mais

CIÊNCIAS CONTÁBEIS. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos

CIÊNCIAS CONTÁBEIS. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos CIÊNCIAS CONTÁBEIS 1. TURNOS: Matutino ou Noturno Campus de Maringá Noturno Campus de Cianorte HABILITAÇÃO: Bacharelado em Ciências Contábeis GRAU ACADÊMICO: Bacharel em Ciências Contábeis PRAZO PARA CONCLUSÃO:

Leia mais

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira RESUMO TÉCNICO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2008

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira RESUMO TÉCNICO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2008 Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira RESUMO TÉCNICO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2008 Brasília DF 2009 SUMÁRIO LISTA DE TABELAS... 3 APRESENTAÇÃO...

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Concepção do Curso de Administração A organização curricular do curso oferece respostas às exigências impostas pela profissão do administrador, exigindo daqueles que integram a instituição

Leia mais

ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados. PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com.

ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados. PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com. ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com.br CPC Conceito Preliminar de Curso 1 - Nota dos Concluintes no ENADE

Leia mais

CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 10/09/2012 1

CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 10/09/2012 1 CIÊNCIAS CONTÁBEIS Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 10/09/2012 1 CURSO: CIÊNCIAS CONTÁBEIS Dados de identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente da Mantenedora Presidente: Ed. Rodrigo

Leia mais

A profissão contábil e o mercado de trabalho para os Contadores. Contabilidade: uma carreira apaixonante

A profissão contábil e o mercado de trabalho para os Contadores. Contabilidade: uma carreira apaixonante CIÊNCIAS A profissão contábil e o mercado de trabalho para os Contadores Contabilidade: uma carreira apaixonante Prof. João Matias Loch E-mail: jmperito@gmail.com CIÊNCIAS O que é a Contabilidade? CIÊNCIAS

Leia mais

Um estudo sobre as características dos acadêmicos do curso de Ciências Contábeis da UNIOESTE

Um estudo sobre as características dos acadêmicos do curso de Ciências Contábeis da UNIOESTE Um estudo sobre as características dos acadêmicos do curso de Ciências Contábeis da UNIOESTE Udo Strassburg (Docente da UNIOESTE), udo@udostrassburg.com.br, rua Rodrigues Alves, 1197, Jardim Maria Luiza,

Leia mais

Pós - Graduação Lato Sensu CONTROLADORIA E FINANÇAS. Projeto desenvolvido pela Prof.a. Msc. Cristina Santos Titular do Curso de C.

Pós - Graduação Lato Sensu CONTROLADORIA E FINANÇAS. Projeto desenvolvido pela Prof.a. Msc. Cristina Santos Titular do Curso de C. Pós - Graduação Lato Sensu CONTROLADORIA E FINANÇAS Projeto desenvolvido pela Prof.a. Msc. Cristina Santos Titular do Curso de C. Contábei da FAP Piracanjuba-GO 2014 1 1. APRESENTAÇÃO: Formato: presencial

Leia mais

O ensino de administração no curso de ciências contábeis da Universidade estadual do centro-oeste/unicentro campus universitário de Irati/PR

O ensino de administração no curso de ciências contábeis da Universidade estadual do centro-oeste/unicentro campus universitário de Irati/PR O ensino de administração no curso de ciências contábeis da Universidade estadual do centro-oeste/unicentro campus universitário de Irati/PR Edson Roberto Macohon (FURB) edson_macohon@al.furb.br Maria

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N 72/2009 Aprova o Projeto Político-Pedagógico do Curso de Sistemas de Informação, modalidade

Leia mais

AS PERSPECTIVAS DA PROFISSÃO CONTÁBIL PARA OS FORMANDOS EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS DO INSTITUTO DE ESTUDOS SUPERIORES DA AMAZÔNIA IESAM

AS PERSPECTIVAS DA PROFISSÃO CONTÁBIL PARA OS FORMANDOS EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS DO INSTITUTO DE ESTUDOS SUPERIORES DA AMAZÔNIA IESAM AS PERSPECTIVAS DA PROFISSÃO CONTÁBIL PARA OS FORMANDOS EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS DO INSTITUTO DE ESTUDOS SUPERIORES DA AMAZÔNIA IESAM Lidiane Nazaré da Silva Dias Instituto de Estudos Superiores da Amazônia

Leia mais

CURSOS DIURNO E NOTURNO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS INFORMAÇÕES SOBRE O PROJETO PEDAGÓGICO

CURSOS DIURNO E NOTURNO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS INFORMAÇÕES SOBRE O PROJETO PEDAGÓGICO CURSOS DIURNO E NOTURNO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS INFORMAÇÕES SOBRE O PROJETO PEDAGÓGICO a) Perfil do curso (máximo: ½ página) Em 1954 foi criado na UFMG

Leia mais

Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006

Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006 Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006 Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para o curso de graduação em Engenharia Agrícola e dá outras providências.

Leia mais

RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO. GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional

RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO. GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional Maria Madalena Dullius, madalena@univates.br Daniela Cristina Schossler,

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DAS DISCIPLINAS DE CONTABILIDADE NA FORMAÇÃO DO GRADUANDO EM ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS

CONTRIBUIÇÕES DAS DISCIPLINAS DE CONTABILIDADE NA FORMAÇÃO DO GRADUANDO EM ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS 6.00.00.00-7 CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS 6.02.00.00-6 ADMINISTRAÇÃO CONTRIBUIÇÕES DAS DISCIPLINAS DE CONTABILIDADE NA FORMAÇÃO DO GRADUANDO EM ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS ADONILTON ALMEIDA DE SOUZA Curso

Leia mais

Graduação, a escolha entre licenciatura e bacharelado.

Graduação, a escolha entre licenciatura e bacharelado. Graduação, a escolha entre licenciatura e bacharelado. Vanessa Ferreira da Silveira Professora Orientadora Ileizi Fiorelli Silva Resumo: Neste texto pretendo discutir a separação entre Bacharelado e Licenciatura

Leia mais

RESOLUÇÃO CA Nº 006/2006

RESOLUÇÃO CA Nº 006/2006 RESOLUÇÃO CA Nº 006/2006 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Bacharelado em Ciências Contábeis, da Faculdade Independente do Nordeste, com alteração curricular adequada às Diretrizes Curriculares Nacionais.

Leia mais

CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO

CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO Com a finalidade de otimizar o processo de elaboração e avaliação dos Projetos Pedagógicos do Cursos (PPC), sugere-se que os itens a seguir sejam

Leia mais

FACULDADE PASCHOAL DANTAS

FACULDADE PASCHOAL DANTAS FACULDADE PASCHOAL DANTAS PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO ÊNFASE GESTÃO DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SÃO PAULO - SP NOVEMBRO DE 2008 ÍNDICE 1. Visão e Missão da FPD...3 2. ORGANIZAÇÃO

Leia mais

O MBA CONTROLLER foi lançado em 1994 e é o mais tradicional MBA do mercado brasileiro

O MBA CONTROLLER foi lançado em 1994 e é o mais tradicional MBA do mercado brasileiro MBA Controller Ao cursar o MBA CONTROLLER FIPECAFI/ANEFAC, o aluno convive com pessoas de diferentes perfis entre os mais diversos segmentos de mercado e com a experiência profissional exigida para que

Leia mais

O CURSO DE PEDAGOGIA NO BRASIL E A SUA NORMATIZAÇÃO

O CURSO DE PEDAGOGIA NO BRASIL E A SUA NORMATIZAÇÃO O CURSO DE PEDAGOGIA NO BRASIL E A SUA NORMATIZAÇÃO Elisa Machado Matheussi elisa@rla01.pucpr.br Sirley Terezinha Filipak sirley@rla01.pucpr.br Pontifícia Universidade Católica do Paraná RESUMO Este estudo

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA DA UTFPR Resolução

Leia mais

CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2010

CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2010 1 CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2010 O Censo da Educação Superior, realizado anualmente pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), constitui se em importante instrumento

Leia mais

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira RESUMO TÉCNICO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2007

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira RESUMO TÉCNICO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2007 Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira RESUMO TÉCNICO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2007 Brasília DF 2009 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO.... 3 PROCESSO DE COLETA

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO O Curso de Secretariado Executivo das Faculdades Integradas de Ciências Exatas Administrativas e Sociais da UPIS, reconhecido pelo MEC desde 1993, pela Portaria 905, de 24.06,1993,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 6, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 6, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 6, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1 Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de graduação em Arquitetura

Leia mais

Projeto Pedagógico do Curso

Projeto Pedagógico do Curso Projeto Pedagógico do Curso Fundamentação Diretrizes curriculares do MEC Diretrizes curriculares da SBC Carta de Princípios da UNICAP Projeto Pedagógico Institucional da UNICAP Diretrizes Curriculares

Leia mais

Faculdade Figueiredo Costa 16/73

Faculdade Figueiredo Costa 16/73 16/73 CAPITULO IV GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO PERFIL PROFISSIONAL O Curso de Graduação em Administração deve ensejar como perfil desejado do formando, capacitação e aptidão para compreender as questões

Leia mais

EDITAL PARA PROCESSO DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE DOCENTES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO E GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA DA FACULDADE ESTÁCIO DA AMAZÔNIA

EDITAL PARA PROCESSO DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE DOCENTES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO E GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA DA FACULDADE ESTÁCIO DA AMAZÔNIA EDITAL PARA PROCESSO DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE DOCENTES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO E GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA DA FACULDADE ESTÁCIO DA AMAZÔNIA A Faculdade Estácio da Amazônia/Atual FEA divulga processo

Leia mais

O ENSINO JURÍDICO E OS MEIOS NÃO CONTENCIOSOS DE SOLUÇÃO DE CONFLITOS

O ENSINO JURÍDICO E OS MEIOS NÃO CONTENCIOSOS DE SOLUÇÃO DE CONFLITOS Antônio Gaio Júnior e Wesllay Carlos Ribeiro 13 O ENSINO JURÍDICO E OS MEIOS NÃO CONTENCIOSOS DE SOLUÇÃO DE CONFLITOS ANTÔNIO PEREIRA GAIO JÚNIOR WESLLAY CARLOS RIBEIRO Antônio Pereira Gaio Júnior Pós-doutor

Leia mais

X SEMINÁRIO NACIONAL. Programa ABC na Educação Científica. 08 a 10 de outubro de 2014. Ilhéus - Bahia

X SEMINÁRIO NACIONAL. Programa ABC na Educação Científica. 08 a 10 de outubro de 2014. Ilhéus - Bahia X SEMINÁRIO NACIONAL Programa ABC na Educação Científica 08 a 10 de outubro de 2014 Ilhéus - Bahia O Ensino de Ciências na Bahia I (Sessão 5) Prof. Dr. José Fernando Moura Rocha Instituto de Física - UFBA

Leia mais

SÚMULA DA 53ª REUNIÃO DA CÂMARA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO, REALIZADA EM 09.11.2006 INÍCIO: 08:30 hs. - ENCERRAMENTO: 12:00 hs.

SÚMULA DA 53ª REUNIÃO DA CÂMARA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO, REALIZADA EM 09.11.2006 INÍCIO: 08:30 hs. - ENCERRAMENTO: 12:00 hs. SÚMULA DA 53ª REUNIÃO DA CÂMARA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO, REALIZADA EM 09.11.2006 INÍCIO: 08:30 hs. - ENCERRAMENTO: 12:00 hs. CÂMARA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO: 01 - Processo nº 25/2006 Unidade Universitária:

Leia mais

MANUAL DO CANDIDATO. Pós-graduação

MANUAL DO CANDIDATO. Pós-graduação MANUAL DO CANDIDATO Pós-graduação Prezado(a) Candidato(a), Agradecemos o interesse pelos nossos cursos. Este manual contém informações básicas pertinentes ao curso, tais como: objetivos do curso e das

Leia mais

Área de Ciências Humanas

Área de Ciências Humanas Área de Ciências Humanas Ciências Sociais Unidade: Faculdade de Ciências Humanas e Filosofia (FCHF) www.fchf.ufg.br Em Ciências Sociais estudam-se as relações sociais entre indivíduos, grupos e instituições,

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DA CONTABILIDADE GERENCIAL NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DE PRESIDENTE PRUDENTE SP

A UTILIZAÇÃO DA CONTABILIDADE GERENCIAL NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DE PRESIDENTE PRUDENTE SP Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 392 A UTILIZAÇÃO DA CONTABILIDADE GERENCIAL NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DE PRESIDENTE PRUDENTE SP Débora Regina

Leia mais

31956 Monografia II 31926

31956 Monografia II 31926 Currículo Novo 2006/01 Duração: 182 créditos 2.730h, acrescidas de 270h de atividades complementares, totalizando 3.000h 31544 Teoria das Organizações I - 31554 Matemática I - 31564 Teoria das Organizações

Leia mais

MBA TECNOLOGIA, INOVAÇÃO E GERENCIAMENTO TURMAS JUNDIAÍ

MBA TECNOLOGIA, INOVAÇÃO E GERENCIAMENTO TURMAS JUNDIAÍ MBA TECNOLOGIA, INOVAÇÃO E GERENCIAMENTO TURMAS JUNDIAÍ Apresentação FIPECAFI A Faculdade FIPECAFI é mantida pela Fundação Instituto de Pesquisa Contábeis, Atuariais e Financeiras, criada em 1974. Seus

Leia mais

PESQUISA COMO RECURSO DE SUSTENTABILIDADE PARA A PROFISSÃO DE SECRETARIADO. Principais conquistas do Secretariado brasileiro

PESQUISA COMO RECURSO DE SUSTENTABILIDADE PARA A PROFISSÃO DE SECRETARIADO. Principais conquistas do Secretariado brasileiro PESQUISA COMO RECURSO DE SUSTENTABILIDADE PARA A PROFISSÃO DE SECRETARIADO Principais conquistas do Secretariado brasileiro 1931 Decreto Lei 20.158, organiza o ensino comercial, regulamenta a contador

Leia mais

Manual do Candidato PROCESSO SELETIVO DE INVERNO 2013 CURSOS:

Manual do Candidato PROCESSO SELETIVO DE INVERNO 2013 CURSOS: Manual do Candidato PROCESSO SELETIVO DE INVERNO 2013 CURSOS: Bacharelado em Sistemas de Informação (Reconhecido pela Portaria MEC nº 315 D.O.U. 31/12/2012) Bacharelado em Administração de Empresas (Reconhecido

Leia mais

A Gestão do Ensino da Contabilidade Trajetória

A Gestão do Ensino da Contabilidade Trajetória A Gestão do Ensino da Contabilidade Trajetória Profª Drª Elizabeth Castro Maurenza de Oliveira 1 elizabeth.oliveira@metodista.br Resumo Pretende-se nesse artigo apresentar diversos enfoques sobre o ensino

Leia mais

UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO

UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO TÍTULO I - APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA... 1 TÍTULO II - DOS OBJETIVOS...

Leia mais

CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO: A ADOÇÃO DE UM NOVO MODELO NO BRASIL.

CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO: A ADOÇÃO DE UM NOVO MODELO NO BRASIL. CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO: A ADOÇÃO DE UM NOVO MODELO NO BRASIL. Autores: Marcus Vinicius Passos de Oliveira Elisangela Fernandes dos Santos Esaú Fagundes Simões Resumo Esta pesquisa tem

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA Faculdade Anísio Teixeira de Feira de Santana Autorizada pela Portaria Ministerial nº 552 de 22 de março de 2001 e publicada no Diário Oficial da União de 26 de março de 2001. Endereço: Rua Juracy Magalhães,

Leia mais

A Efetivação do Perfil do Egresso das Diretrizes Curriculares Nacionais para o Curso de Ciências Contábeis na Percepção dos Acadêmicos

A Efetivação do Perfil do Egresso das Diretrizes Curriculares Nacionais para o Curso de Ciências Contábeis na Percepção dos Acadêmicos A Efetivação do Perfil do Egresso das Diretrizes Curriculares Nacionais para o Curso de Ciências Contábeis na Percepção dos Acadêmicos Larissa Degenhart Fundação Universidade Regional de Blumenau (FURB)

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO SUL E SUDESTE DO PARÁ CONCURSO PÚBLICO PARA A CARREIRA DE TÉCNICO-ADMINISTRATIVO EM EDUCAÇÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO SUL E SUDESTE DO PARÁ CONCURSO PÚBLICO PARA A CARREIRA DE TÉCNICO-ADMINISTRATIVO EM EDUCAÇÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO SUL E SUDESTE DO PARÁ CONCURSO PÚBLICO PARA A CARREIRA DE TÉCNICO-ADMINISTRATIVO EM EDUCAÇÃO EDITAL N.º 51/2014 UNIFESSPA, DE 21 DE JULHO DE 2014 ANEXO I

Leia mais

Professora Ana Paula Gonçalves Siqueira. SLIDE 01 Contador e Profissão Contábil

Professora Ana Paula Gonçalves Siqueira. SLIDE 01 Contador e Profissão Contábil Professora Ana Paula Gonçalves Siqueira SLIDE 01 Contador e Profissão Contábil Professora Especialista Ana Paula Gonçalves de Siqueira Formada em Ciências Contábeis UFMT (2002) Pós Graduação em Auditoria

Leia mais

I Seminário Integrador do Curso de Administração

I Seminário Integrador do Curso de Administração I Seminário Integrador do Curso de Administração! Coordenador: Prof.,MSc.,Mário,Mendonça mariomacneto@gmail.com, Vice9Coordenador: Prof.,MSc.,Robson,Materko robsonmaterko@yahoo.com.br, Telefone:,(96),331291763

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO. 1. TURNOS: Matutino HABILITAÇÃO: Bacharelado em Administração Noturno. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 5 anos

ADMINISTRAÇÃO. 1. TURNOS: Matutino HABILITAÇÃO: Bacharelado em Administração Noturno. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 5 anos ADMINISTRAÇÃO 1. TURNOS: Matutino HABILITAÇÃO: Bacharelado em Administração Noturno GRAU ACADÊMICO: Bacharel em Administração PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 5 anos Máximo = 8 anos 2. HISTÓRICO DO CURSO

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO CAIRU O QUE VOCÊ PRECISA SABER: Por que fazer uma pós-graduação?

PÓS-GRADUAÇÃO CAIRU O QUE VOCÊ PRECISA SABER: Por que fazer uma pós-graduação? PÓS-GRADUAÇÃO CAIRU O QUE VOCÊ PRECISA SABER: Por que fazer uma pós-graduação? O mercado do trabalho está cada vez mais exigente. Hoje em dia, um certificado de pós-graduação é imprescindível para garantia

Leia mais

MBA EXECUTIVO EM FINANÇAS

MBA EXECUTIVO EM FINANÇAS MBA EXECUTIVO EM FINANÇAS Apresentação FIPECAFI A Faculdade FIPECAFI é mantida pela Fundação Instituto de Pesquisa Contábeis, Atuariais e Financeiras, criada em 1974. Seus projetos modificaram o cenário

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SERRA DOS ÓRGÃOS CENTRO UNIVERSITÁRIO SERRA DOS ÓRGÃOS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PROGRAMA DE DISCIPLINA

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SERRA DOS ÓRGÃOS CENTRO UNIVERSITÁRIO SERRA DOS ÓRGÃOS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PROGRAMA DE DISCIPLINA FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SERRA DOS ÓRGÃOS CENTRO UNIVERSITÁRIO SERRA DOS ÓRGÃOS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PROGRAMA DE DISCIPLINA 1. Identificação Disciplina: CONTABILIDADE COMERCIAL E INDUSTRIAL Corpo Docente:

Leia mais

O Ensino de Métodos Quantitativos nos Cursos de Mestrado em Ciências Contábeis no Brasil

O Ensino de Métodos Quantitativos nos Cursos de Mestrado em Ciências Contábeis no Brasil O Ensino de Métodos Quantitativos nos Cursos de Mestrado em Ciências Contábeis no Brasil Autoria: Marcelo Alvaro da Silva Macedo, Helida Delgado Ribeiro Macedo Apesar do avanço relativamente recente, a

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO RESOLUÇÃO Nº09/2011 Aprova a estrutura curricular do Curso de Administração do Centro de

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA DIRETORIA DE ESTATÍSTICAS EDUCACIONAIS NOTA TÉCNICA 020/2014 Indicador de adequação da formação do docente

Leia mais

Profissões Regulamentadas no Brasil

Profissões Regulamentadas no Brasil Profissões Regulamentadas no Brasil 68 2,8% 2.422 1) Panorama do Ensino das Ciências Contábeis no Brasil 2) Ingresso na Profissão - Exame de Suficiência 3) Mercado de Trabalho - Oportunidades e Exigências

Leia mais

A FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO ENSINO SUPERIOR A DISTÂNCIA: LIMITES E POSSIBILIDADES DE INSERÇÃO NO MERCADO DE TRABALHO E ASCENSÃO PROFISSIONAL

A FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO ENSINO SUPERIOR A DISTÂNCIA: LIMITES E POSSIBILIDADES DE INSERÇÃO NO MERCADO DE TRABALHO E ASCENSÃO PROFISSIONAL A FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO ENSINO SUPERIOR A DISTÂNCIA: LIMITES E POSSIBILIDADES DE INSERÇÃO NO MERCADO DE TRABALHO E ASCENSÃO PROFISSIONAL OLIVEIRA, Silvana Aparecida Guietti de (UEM) COSTA, Maria Luisa

Leia mais

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira RESUMO TÉCNICO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR DE 2009

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira RESUMO TÉCNICO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR DE 2009 Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira RESUMO TÉCNICO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR DE 2009 Brasília DF 2010 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 5 PROCESSO DE COLETA

Leia mais

ENADE NO EaD: CST GESTÃO DA PODUÇÃO INDUSTRIAL INADEQUAÇÕES DOS CRITÉRIOS

ENADE NO EaD: CST GESTÃO DA PODUÇÃO INDUSTRIAL INADEQUAÇÕES DOS CRITÉRIOS 1 ENADE NO EaD: CST GESTÃO DA PODUÇÃO INDUSTRIAL INADEQUAÇÕES DOS CRITÉRIOS Curitiba, maio/2010 ROBSON SELEME - Universidade Federal do Paraná - robsonseleme@hotmail.com ALESSANDRA DE PAULA - Faculdade

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: MEC / Secretaria de Educação Superior UF: DF ASSUNTO: Encaminha ao CNE algumas considerações a respeito do curso de Teologia, bacharelado

Leia mais

AVALIAÇÃO E CREDENCIAMENT DA EDUCAÇÃO SUPERIOR NO BRASIL

AVALIAÇÃO E CREDENCIAMENT DA EDUCAÇÃO SUPERIOR NO BRASIL AVALIAÇÃO E CREDENCIAMENT DA EDUCAÇÃO SUPERIOR NO BRASIL LUCE, Maria-Beatriz (UFRGS, Porto Alegre, BR) MOROSINI, Marília (PUCRS, Porto Alegre, BR) Projeto ALFA-ACRO ACRO Introdução BRASIL território e

Leia mais

RESUMO. Palavras-chave: Contabilidade. Administração. Economia. Profissão. 1 INTRODUÇÃO

RESUMO. Palavras-chave: Contabilidade. Administração. Economia. Profissão. 1 INTRODUÇÃO ANÁLISE DA UTILIDADE DA CONTABILIDADE NO EXERCÍCIO DA PROFISSÃO DO ADMINISTRADOR E DO ECONOMISTA: PERCEPÇÃO DOS DISCENTES DOS CURSOS DE ADMINISTRAÇÃO E ECONOMIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA RESUMO

Leia mais

RELATÓRIO AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL FACULDADE POLITÉCNICA DE UBERLÃNDIA 2009-2010

RELATÓRIO AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL FACULDADE POLITÉCNICA DE UBERLÃNDIA 2009-2010 RELATÓRIO AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL FACULDADE POLITÉCNICA DE UBERLÃNDIA 2009-2010 UBERLÂNDIA, MG JANEIRO, 2011 1 Este relatório aqui apresentado foi elaborado pela Comissão Própria de Avaliação da Faculdade

Leia mais

PERFIL DE EGRESSOS DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DA FEA.FUMEC

PERFIL DE EGRESSOS DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DA FEA.FUMEC PERFIL DE EGRESSOS DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DA FEA.FUMEC Lúcio Flávio Nunes Moreira luciof@fumec.br Faculdade de Engenharia e Arquitetura da Universidade FUMEC Rua Cobre, 200 Cruzeiro 30.310-190 -

Leia mais

POLÍTICAS DE FORMAÇÃO DO PROFESSOR E QUALIDADE DA EDUCAÇÃO BÁSICA: CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROJETO PEDAGÓGICO

POLÍTICAS DE FORMAÇÃO DO PROFESSOR E QUALIDADE DA EDUCAÇÃO BÁSICA: CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROJETO PEDAGÓGICO POLÍTICAS DE FORMAÇÃO DO PROFESSOR E QUALIDADE DA Resumo EDUCAÇÃO BÁSICA: CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROJETO PEDAGÓGICO LIMA, Michelle Fernandes UFPR 1 mfernandeslima@yahoo.com.br Eixo Temático: Políticas Públicas,

Leia mais

MBA EM CONSULTORIA E GESTÃO DE NEGÓCIOS 2014.1

MBA EM CONSULTORIA E GESTÃO DE NEGÓCIOS 2014.1 NÚMERO DE VAGAS: 45 (Quarenta e cinco) vagas. PREVISÃO DE INÍCIO DAS AULAS Abril de 2014 APRESENTAÇÃO / JUSTIFICATIVA MBA EM CONSULTORIA E GESTÃO DE NEGÓCIOS 2014.1 O MBA EM CONSULTORIA & GESTÃO DE NEGÓCIOS,

Leia mais

EDITAL 04/2014 CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO FINANCEIRA DE INSTITUIÇÕES FILANTRÓPICAS E ORGANIZAÇÕES SOCIAIS

EDITAL 04/2014 CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO FINANCEIRA DE INSTITUIÇÕES FILANTRÓPICAS E ORGANIZAÇÕES SOCIAIS EDITAL 04/2014 CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO FINANCEIRA DE INSTITUIÇÕES FILANTRÓPICAS E ORGANIZAÇÕES SOCIAIS A Faculdade Católica Dom Orione, Araguaína TO, torna pública a abertura das inscrições para

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 ALUNOS DA LICENCIATURA QUE NÃO QUEREM SER PROFESSORES TRAÇOS DO PERFIL DOS ESTUDANTES DO CURSO DE MATEMÁTICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI Marcilia Bruna dos Reis Teixeira Universidade Federal

Leia mais

Recorte de um estudo dos cursos de formação inicial de professores de Matemática do Estado de São Paulo Brasil

Recorte de um estudo dos cursos de formação inicial de professores de Matemática do Estado de São Paulo Brasil Recorte de um estudo dos cursos de formação inicial de professores de Matemática do Estado de São Paulo Brasil Marcelo Dias Pereira Universidade Municipal de São Caetano do Sul, Faculdades Integradas de

Leia mais

Cursos Sequenciais no Brasil: Uma nota técnica Nota Técnica nº. 83 David Morais (Versão preliminar) Maio de 2009

Cursos Sequenciais no Brasil: Uma nota técnica Nota Técnica nº. 83 David Morais (Versão preliminar) Maio de 2009 Cursos Sequenciais no Brasil: Uma nota técnica Nota Técnica nº. 83 David Morais (Versão preliminar) Maio de 2009 O Observatório Universitário dedica-se ao desenvolvimento de estudos e projetos sobre a

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO ELABORAÇÃO DO PPC INTRODUÇÃO O Projeto Pedagógico de Curso (PPC) deve orientar a ação educativa, filosófica e epistemológica do mesmo, explicitando fundamentos políticos,

Leia mais

Os indicadores sobre a qualidade dos cursos de Ciências Contábeis: um estudo acerca dos resultados do ENC e do Exame de Suficiência

Os indicadores sobre a qualidade dos cursos de Ciências Contábeis: um estudo acerca dos resultados do ENC e do Exame de Suficiência Os indicadores sobre a qualidade dos cursos de Ciências Contábeis: um estudo acerca dos resultados do ENC e do Exame de Suficiência Claudinei de Lima Nascimento (Faculdade Metropolitana de Maringá) claudiolima911@hotmail.com

Leia mais

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM ECOTURISMO Objetivo: O Curso tem por objetivo capacitar profissionais, tendo em vista a carência de pessoas qualificadas na área do ecoturismo, para atender,

Leia mais

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS SALVADOR 2012 1 CONTEXTUALIZAÇÃO Em 1999, a UNIJORGE iniciou suas atividades na cidade de Salvador, com a denominação de Faculdades Diplomata. O contexto

Leia mais

CENÁRIO DA FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM

CENÁRIO DA FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM CENÁRIO DA FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM Nível Superior Profª Drª Márcia Barbieri Docente Depto Enfermagem/UNIFESP Membro da Comissão Assessora de Avaliação da área de Enfermagem INEP/MEC Quem

Leia mais

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014.

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep),

Leia mais

MBA CONTROLLER (Parceria ANEFAC)

MBA CONTROLLER (Parceria ANEFAC) MBA CONTROLLER (Parceria ANEFAC) Apresentação FIPECAFI A Faculdade FIPECAFI é mantida pela Fundação Instituto de Pesquisa Contábeis, Atuariais e Financeiras, criada em 1974. Seus projetos modificaram o

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO / BACHARELADO

ADMINISTRAÇÃO / BACHARELADO ADMINISTRAÇÃO / BACHARELADO Dos cursos mais procurados pelos estudantes, o de Administração é um dos mais novos. Enquanto Medicina e Direito formam profissionais desde o século 19, foi apenas em 1946 que

Leia mais

Diretrizes Curriculares ENADE 2012. Curso de: Ciências Contábeis

Diretrizes Curriculares ENADE 2012. Curso de: Ciências Contábeis Diretrizes Curriculares ENADE 2012 Curso de: Ciências Contábeis MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA MEC Nº207 DE 22 DE JUNHO DE 2012 O

Leia mais

Também organizamos eventos, seminários, palestras e encontros, de acordo com as possibilidades e necessidades dos nossos associados.

Também organizamos eventos, seminários, palestras e encontros, de acordo com as possibilidades e necessidades dos nossos associados. APRESENTAÇÃO O FDJUR - Fórum de Departamentos Jurídicos tem como objetivo disseminar modelos e ferramentas de gestão para o mercado jurídico empresarial e incentivar os associados ao estudo, desenvolvimento,

Leia mais

MBA EXECUTIVO EM GESTÃO CONTÁBIL COM ÊNFASE EM AUDITORIA E PERÍCIA

MBA EXECUTIVO EM GESTÃO CONTÁBIL COM ÊNFASE EM AUDITORIA E PERÍCIA MBA EXECUTIVO EM GESTÃO CONTÁBIL COM ÊNFASE EM AUDITORIA E PERÍCIA O programa através de conhecimentos teóricos e práticos irá prepara-lo para a compreensão dos processos de contabilidade nas organizações,

Leia mais

Histórico dos cursos de Administração no Brasil

Histórico dos cursos de Administração no Brasil Histórico dos cursos de Administração no Brasil 1941 O ensino de Administração ganha identidade com a criação do primeiro curso, na Escola Superior de Administração de Negócios ESAN/SP, inspirado no modelo

Leia mais

Políticas de Educação a Distância

Políticas de Educação a Distância Políticas de Educação a Distância Prof. Fernando Jose Spanhol Prof. Fernando Jose Spanhol LED/UFSC/ABED- Avaliador SESU-INEP-CEE/SC A Evolução da Legislação 1930 - Criação do Ministério dos Negócios e

Leia mais

Características gerais

Características gerais Características gerais 9 O curso de Ciências Contábeis prepara o profissional para a gestão da informação empresarial, inserido no contexto das novas tecnologias. A grande ênfase na formação profissional

Leia mais

ENSINO SUPERIOR FORTE EM NEGÓCIOS E EDUCAÇÃO

ENSINO SUPERIOR FORTE EM NEGÓCIOS E EDUCAÇÃO ENSINO SUPERIOR FORTE EM NEGÓCIOS E EDUCAÇÃO MANUAL AL DO ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS TECNOLOGIA OGIA EM GESTÃO COMERCIAL TECNOLOGIA OGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO INTRODUÇÃO: Estão abertas

Leia mais

XIX SEMINÁRIO NACIONAL ANGRAD/MEC/INEP/CFA/CNE Enade: Dúvidas e Soluções. Foz do Iguaçú, PR, 27 de Outubro 2015

XIX SEMINÁRIO NACIONAL ANGRAD/MEC/INEP/CFA/CNE Enade: Dúvidas e Soluções. Foz do Iguaçú, PR, 27 de Outubro 2015 XIX SEMINÁRIO NACIONAL ANGRAD/MEC/INEP/CFA/CNE Enade: Dúvidas e Soluções Foz do Iguaçú, PR, 27 de Outubro 2015 Número de IES e de Matrículas de Graduação, por Organização Acadêmica Brasil - 2013 Organização

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ CÂMPUS CURITIBA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ CÂMPUS CURITIBA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ CÂMPUS CURITIBA Pró-Reitoria de Extensão, Pesquisa e Inovação Diretoria de Extensão e Políticas de Inclusão

Leia mais

CIÊNCIAS CONTÁBEIS. COORDENADORA Nálbia de Araújo Santos nalbia@ufv.br

CIÊNCIAS CONTÁBEIS. COORDENADORA Nálbia de Araújo Santos nalbia@ufv.br CIÊNCIAS CONTÁBEIS COORDENADORA Nálbia de Araújo Santos nalbia@ufv.br UFV Catálogo de Graduação 2009 277 Bacharelado ATUAÇÃO O Contador, dotado de uma visão sistêmica, holística e interdisciplinar da atividade

Leia mais

APRESENTAÇÃO FGV APRESENTAÇÃO TRECSSON BUSINESS

APRESENTAÇÃO FGV APRESENTAÇÃO TRECSSON BUSINESS APRESENTAÇÃO FGV Criado em 1999, o FGV Management é o Programa de Educação Executiva Presencial da Fundação Getulio Vargas, desenvolvido para atender a demanda do mercado por cursos de qualidade, com tradição

Leia mais