NORMA TÉCNICA CELG. Padrões de Entrada Pré-Fabricados em Poste de Aço ou Concreto. Especificação e Padronização. NTC-16 Revisão 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "NORMA TÉCNICA CELG. Padrões de Entrada Pré-Fabricados em Poste de Aço ou Concreto. Especificação e Padronização. NTC-16 Revisão 1"

Transcrição

1 NORMA TÉCNICA CELG Padrões de Entrada Pré-Fabricados em Poste de Aço ou Concreto Especificação e Padronização NTC-16 Revisão 1

2

3 ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA 1. OBJETIVO 1 2. CAMPO DE APLICAÇÃO 2 3. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 3 4. CONDIÇÕES GERAIS Aterramento Dimensões Engastamento Fixação da Caixa ao Poste Identificação Resistência Mecânica Garantia Acondicionamento 7 5. CONDIÇÕES ESPECÍFICAS Generalidades Materiais e Acabamento 8 6. APROVAÇÃO DE PROTÓTIPOS INSPEÇÃO E ENSAIOS Generalidades Ensaios DESVIOS E EXCEÇÕES 18 ANEXO A TABELAS 19 TABELA 1 DIMENSIONAMENTO DOS POSTES DE AÇO 19 TABELA 2 DIMENSIONAMENTO DO POSTE DE CONCRETO SEÇÃO DUPLO T 19 TABELA 3 DIMENSIONAMENTO DOS CONDUTORES E PROTEÇÃO 20 COMPRIMENTO DOS CONDUTORES PARA TABELA 4 CONEXÕES AO MEDIDOR, RAMAL DE LIGAÇÃO E 20 RAMAL DE CONSUMIDOR TABELA 5 PLANO DE AMOSTRAGEM PARA OS ENSAIOS DE RECEBIMENTO 21 ANEXO B DESENHOS 22 DESENHO 1 PADRÃO MONOFÁSICO EM POSTE DE AÇO SEÇÃO CIRCULAR (UMA UNIDADE CONSUMIDORA) 22 DESENHO 2 PADRÃO MONOFÁSICO EM POSTE DE AÇO SEÇÃO QUADRADA (UMA UNIDADE CONSUMIDORA) 23 DESENHO 3 PADRÃO MONOFÁSICO EM POSTE DE AÇO SEÇÃO CIRCULAR (DUAS UNIDADES CONSUMIDORAS) 24 DESENHO 4 PADRÃO MONOFÁSICO EM POSTE DE AÇO SEÇÃO QUADRADA (DUAS UNIDADES CONSUMIDORAS) 25 DESENHO 5 PADRÃO POLIFÁSICO EM POSTE DE AÇO SEÇÃO CIRCULAR (UMA UNIDADE CONSUMIDORA) 26 DESENHO 6 PADRÃO POLIFÁSICO EM POSTE DE AÇO SEÇÃO QUADRADA (UMA UNIDADE CONSUMIDORA) 27 DESENHO 7 PADRÃO MONOFÁSICO EM POSTE DE CONCRETO SEÇÃO DUPLO T (UMA UNIDADE CONSUMIDORA) 28 NTC-16 / DT - SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA

4 SEÇÃO TÍTULO PÁGINA DESENHO 8 PADRÃO MONOFÁSICO EM POSTE DE CONCRETO SEÇÃO DUPLO T (DUAS UNIDADES 29 CONSUMIDORAS) DESENHO 9 PADRÃO POLIFÁSICO EM POSTE DE CONCRETO SEÇÃO DUPLO T (UMA UNIDADE CONSUMIDORA) 30 DESENHO 10 ARMAÇÃO SECUNDÁRIA 31 DESENHO 10-A ARMAÇÃO SECUNDÁRIA 32 DESENHO 11 CABEÇOTE PARA ELETRODUTO 33 DESENHO 12 CALOTA PARA POSTE DE AÇO SEÇÃO CIRCULAR 34 DESENHO 13 CALOTA PARA POSTE DE AÇO SEÇÃO QUADRADA 35 DESENHO 14 CINTA PARA POSTE DE AÇO SEÇÃO CIRCULAR 36 DESENHO 15 CINTA PARA POSTE DE AÇO SEÇÃO QUADRADA 37 DESENHO 16 HASTE PARA ATERRAMENTO (TIPO CANTONEIRA) 38 DESENHO 17 POSTE DE AÇO SEÇÃO CIRCULAR 39 DESENHO 18 POSTE DE AÇO SEÇÃO QUADRADA 40 DESENHO 19 POSTE DE CONCRETO ARMADO SEÇÃO DUPLO T 41 DESENHO 20 SUPORTE PARA UMA CAIXA PARA MEDIDOR MONOFÁSICO EM POSTE DE CONCRETO SEÇÃO 42 DUPLO T SUPORTE DE CAIXA PARA MEDIDOR EM POSTE DE DESENHO 21 AÇO SEÇÃO CIRCULAR (CAIXA 43 MONOFÁSICA/POLIFÁSICA) SUPORTE DE CAIXA PARA MEDIDOR EM POSTE DE DESENHO 22 AÇO SEÇÃO QUADRADA (CAIXA 44 MONOFÁSICA/POLIFÁSICA) DESENHO 23 SUPORTE PARA UMA CAIXA PARA MEDIDOR POLIFÁSICO EM POSTE DE CONCRETO SEÇÃO 45 DUPLO T DESENHO 24 SUPORTE PARA DUAS CAIXAS PARA MEDIDOR MONOFÁSICO EM POSTE DE CONCRETO SEÇÃO 46 DUPLO T SUPORTE PARA DUAS CAIXAS PARA MEDIDOR DESENHO 25 MONOFÁSICO EM POSTE DE AÇO SEÇÃO 47 CIRCULAR SUPORTE PARA DUAS CAIXAS PARA MEDIDOR DESENHO 26 MONOFÁSICO EM POSTE DE AÇO SEÇÃO 48 QUADRADA DESENHO 27 SUPORTE AFASTADOR PARA CAIXA DE DERIVAÇÃO EM POLICARBONATO 49 DESENHO 28 PLACA DE IDENTIFICAÇÃO DO PADRÃO DE ENTRADA 50 DESENHO 29 RELAÇÃO DE MATERIAL 51 ANEXO C TERMO DE RESPONSABILIDADE 52 ANEXO D QUADRO DE DADOS TÉCNICOS E CARACTERÍSTICAS GARANTIDAS 53 ANEXO E QUADRO DE DESVIOS E EXCEÇÕES 55 NTC-16 / DT - SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA

5 1. OBJETIVO Esta norma estabelece os critérios e exigências técnicas mínimas, relativas à fabricação e recebimento de padrões de entrada pré-fabricados, em postes de aço ou concreto, a serem aplicados nas entradas de serviço das unidades consumidoras atendidas em tensão secundária de distribuição. NTC-16 / DT - SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 1

6 2. CAMPO DE APLICAÇÃO Esta norma aplica-se aos seguintes tipos de padrões pré-fabricados, em poste de aço ou concreto: uma unidade monofásica; duas unidades monofásicas; uma unidade bifásica ou trifásica. NTC-16 / DT - SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 2

7 3. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES Para fins de fabricação, inspeção e ensaios, os materiais componentes dos padrões devem satisfazer às exigências da presente norma técnica, assim como das abaixo mencionadas: NTC-01 Postes de Concreto Armado para Redes de Distribuição - Especificação e Padronização. NTC-02 Ferragens para Redes Aéreas de Distribuição de Energia Elétrica - Especificação e Padronização. NTC-03 Caixas para Medição, Proteção e Derivação. NTC-04 Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Secundária de Distribuição. NTC-32 Caixas em Policarbonato para Equipamentos de Medição e Proteção - Especificação e Padronização. NTC-63 Eletroduto de Aço - Especificação. NBR 5426 Planos de amostragem e procedimentos na inspeção por atributos. NBR 5597 Eletroduto de aço-carbono e acessórios, com revestimento protetor e rosca NPT - Requisitos. NBR 5598 Eletroduto de aço-carbono e acessórios, com revestimento protetor e rosca BSP - Requisitos. NBR 5624 Eletroduto rígido de aço-carbono, com costura, com revestimento protetor e rosca NBR NBR 5915 Chapas finas a frio de aço-carbono para estampagem - Especificação. NBR 6249 Isolador roldana de porcelana ou de vidro - Dimensões, características e procedimentos de ensaio. NBR 6323 Galvanização de produtos de aço ou ferro fundido - Especificação. NBR 6591 Tubos de aço-carbono com solda longitudinal de seção circular, quadrada, retangular e especial para fins industriais - Especificação. NBR 6658 Chapas finas de aço-carbono para uso geral - Especificação. NBR 7397 Produto de aço ou ferro fundido revestido de zinco por imersão a quente - Determinação da massa do revestimento por unidade de área - Método de ensaio. NBR 7398 Produto de aço ou ferro fundido revestido de zinco por imersão a quente - Verificação da aderência do revestimento. NBR 7399 Produto de aço ou ferro fundido revestido de zinco por imersão a quente - Verificação da espessura do revestimento por processo não-destrutivo. NBR 7400 Produto de aço ou ferro fundido - Revestimento de zinco por imersão a quente - Verificação da uniformidade do revestimento. NBR 8451 Postes de concreto armado para rede de distribuição de energia elétrica - Especificação. NBR 8452 Postes de concreto armado para rede de distribuição de energia elétrica - Dimensões - Padronização. NBR Tintas - Determinação da espessura da película seca. NBR Tintas - Determinação da aderência. NBR Sistemas de pintura para equipamentos e instalações de subestações elétricas. NBR IEC Graus de proteção para invólucros de equipamentos elétricos (código IP) - Especificação. NTC-16 / DT - SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 3

8 NBR IEC Dispositivos de manobra e comando de baixa tensão - Parte 2: Disjuntores. NBR NM Cabos isolados com policloreto de vinila (PVC) para tensões nominais até 450/750V, inclusive - Parte 3: Condutores isolados (sem cobertura) para instalações fixas. NBR NM Disjuntores para proteção de sobrecorrentes para instalações domésticas e similares. Notas: 1) Poderão ser utilizadas normas de outras organizações normalizadoras, desde que sejam oficialmente reconhecidas pelos governos dos países de origem, assegurem qualidade igual ou superior às mencionadas neste item, não contrariem esta norma e sejam submetidas a uma avaliação prévia por parte da CELG D. 2) Caso haja opção por outras normas, que não as anteriormente mencionadas, essas devem figurar, obrigatoriamente, na documentação de licitação. Todavia, caso a CELG D considere conveniente, o proponente deve enviar uma cópia de cada norma para fins de análise. 3) O fornecedor deve disponibilizar, para o inspetor da CELG D, no local da inspeção, todas as normas acima mencionadas, em suas últimas revisões. 4) Deverá ser usado o Sistema Internacional de Unidades. NTC-16 / DT - SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 4

9 4. CONDIÇÕES GERAIS 4.1 Aterramento 4.2 Dimensões Todos os padrões devem vir acompanhados com haste de aterramento tipo cantoneira, zincada a fogo, dimensões mínimas 3 x 22 x 22 x 2000 mm, conforme mostrado no Desenho 16. O condutor de aterramento deverá ser em cobre nu, seção 10 mm², exceto nos padrões para atendimento às categorias T2 a T4, para as quais a referida seção passa a ser 16 mm². Para postes em aço-carbono, o referido condutor deve passar por dentro do poste, através dos dois furos, diâmetro 10 mm, mostrados nos Desenhos 17 e 18; enquanto que, para os fabricados em concreto, deve ser protegido por eletroduto de açocarbono, galvanizado a fogo, diâmetro interno nominal 16 mm. As caixas deverão ser fornecidas com parafuso de aterramento confeccionado em latão, bronze ou aço inox, M8 x 45 mm, rosca total, com quatro porcas e quatro arruelas lisas ou parafuso cabeça sextavada, com três porcas e quatro arruelas lisas, todos do mesmo material. As dimensões de cada padrão são mostradas nos respectivos desenhos. Pequenas variações no formato das partes não cotadas são admissíveis, desde que mantidas as características mecânicas e funcionais do padrão. 4.3 Engastamento As profundidades de engastamento para postes de aço são: 900 e 1000 mm para comprimentos 5000 e 7000 mm, respectivamente, devendo para tanto possuir traço demarcatório, visível e indelével, em pelo menos uma das faces ou em todo o diâmetro, conforme o formato destes; o qual indique a referida medida e oriente a implantação do padrão. Para os padrões montados em poste de concreto, comprimento 7000 mm, a referida profundidade será 1000 mm. 4.4 Fixação da Caixa ao Poste As caixas para medidor monofásico e polifásico, assim como as de derivação, utilizadas em agrupamento com até duas unidades consumidoras monofásicas, independente do material com que forem confeccionadas, devem ser fixadas ao poste por intermédio de suportes apropriados, cada qual conforme padrão estabelecido nos Desenhos 20 a 27. Quando forem empregadas caixas em policarbonato, a fixação das mesmas ao poste de concreto ou aço-carbono deve ser feita mediante aplicação dos respectivos suportes, aos quais as mesmas devem ser aparafusadas. NTC-16 / DT - SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 5

10 4.5 Identificação Postes de Aço-carbono Deve ser realizada de forma legível e indelével, antes do processo de galvanização, mediante estampagem em baixo relevo, diretamente na superfície externa e paralelamente ao eixo longitudinal do poste, utilizando caracteres com altura e largura mínimas 10 e 5 mm, respectivamente, iniciando a 200 mm do topo, com as seguintes informações: - nome e/ou marca comercial do fabricante; - mês e ano de fabricação; - espessura da parede (mm); - resistência mecânica nominal (dan). Notas: 1) Os montadores de padrão devem ainda fazer marcação adicional por meio de placa em aço inoxidável ou alumínio anodizado, cujo modelo e os dados que nela devem constar estão estabelecidos no Desenho 28. 2) Esta placa deve ser fixada a 200 mm do topo do padrão, por meio de dois rebites, posicionada no lado oposto ao que foram estampados os dados citados no item ) A marcação relativa aos dados do fabricante do poste não necessita ser repetida em todo o comprimento deste, apenas uma única vez; bem como, após a montagem, os mesmos não podem ficar encobertos pela armação secundária Poste de Concreto Deve ser feita de forma legível e indelével, por intermédio de placa confeccionada em alumínio ou gravação em baixo relevo diretamente no concreto, conforme prescrito na NTC-01, contendo no mínimo as seguintes informações: 4.6 Resistência Mecânica Postes de Aço-carbono - nome e/ou marca comercial do fabricante do poste; - nome e/ou marca comercial do montador do padrão; - dia, mês e ano de fabricação; - modelo ou tipo do fabricante; - resistência mecânica nominal (dan); - comprimento nominal (m). O poste deve suportar, a 100 mm do topo, no plano horizontal, em qualquer direção, um esforço nominal conforme estabelecido na Tabela 1, aplicado progressivamente até atingir seu valor nominal, não devendo apresentar flecha superior a 3,5% do seu comprimento total, medida a 50 mm do topo. A resistência à ruptura não deverá ser inferior a duas vezes a nominal do poste. NTC-16 / DT - SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 6

11 4.6.2 Poste de Concreto 4.7 Garantia Deve satisfazer às exigências de resistência mecânica previstas na NTC-01 e Tabela 2. Para os padrões em poste de concreto, a garantia deve estar de acordo com a NTC-01. Para os padrões em postes de aço, o fabricante deve proporcionar garantia mínima de trinta e seis meses, a partir da data de entrega ou vinte e quatro meses, a partir da data de instalação, prevalecendo o prazo referente ao que ocorrer primeiro, contra qualquer defeito de projeto, material ou fabricação. Caso os padrões apresentem qualquer tipo de defeito ou deixem de atender os requisitos apresentados nesta norma, um novo período de garantia de doze meses, a partir da solução do defeito, deverá entrar em vigor, para o lote em questão. Se necessário, devem ser substituídos os padrões como um todo ou apenas as partes com defeito, sem quaisquer ônus para o consumidor ou concessionária. As despesas com mão-de-obra decorrente de consertos, retiradas e instalações de padrões comprovadamente com defeito de fabricação, bem como o transporte destas peças entre almoxarifado CELG D, consumidor e fabricante, correrão por conta do último. 4.8 Acondicionamento O acondicionamento deve ser realizado de modo adequado, como forma de proteger os padrões contra possíveis danos que possam ocorrer durante o manuseio, transporte ou armazenagem, os quais venham a comprometer tanto o acabamento quanto o desempenho destes; independente das condições e limitações em que estes processos sejam efetuados. Tendo em vista o padrão de entrada montado, as caixas para medição e derivação, confeccionadas em aço carbono ou policarbonato, juntamente com os isoladores roldana em porcelana, devem ser embalados mediante utilização correta e suficiente de plástico bolha. NTC-16 / DT - SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 7

12 5. CONDIÇÕES ESPECÍFICAS 5.1 Generalidades Independente do tipo de poste empregado na montagem, o padrão como um todo deve estar isento de quaisquer tipos de imperfeições, tais como, rebarbas, empenos, rugosidades, arestas cortantes e cantos vivos. Na região da junção dos eletrodutos com as caixas de medição e derivação, fabricadas em aço-carbono ou policarbonato, deve ser aplicado em quantidade adequada, silicone ou massa para calafetar. Na montagem dos padrões somente poderão ser empregados postes cujos fabricantes sejam homologados pela CELG D. 5.2 Materiais e Acabamento Postes de Aço-carbono Os padrões, quando montados em postes de aço-carbono, seção quadrada ou circular, devem ser dimensionados conforme Tabela 1. Os postes e pontaletes devem ser totalmente zincados por imersão à quente, apresentando os seguintes valores mínimos de espessura de camada: individual 54 µm e média das amostras 66 µm. As massas mínimas do revestimento de zinco são: - individual: 380 g/m²; - média: 460 g/m². Os postes devem ter seção fechada, não sendo admitida emenda na seção transversal. O fechamento do poste seção circular deve ser realizado por intermédio de cordão contínuo de solda, enquanto que, para o de seção quadrada, permite-se como opções solda de topo. Quando empregado o último método, o espaçamento máximo entre pontos de solda deve ser 150 mm, sendo as quantidades mínimas de pontos as seguintes: 33 para poste de 5000 mm e 46 para 7000 mm. Em hipótese alguma serão aceitos os processos de galvanização eletrolítica e/ou pintura como métodos de proteção anticorrosiva ou acabamento. Após aplicada a proteção contra corrosão, esta não deve ser afetada por processo posterior de fabricação, montagem ou transporte Poste de Concreto Quando utilizado para montagem de padrões, deve estar em conformidade com as normas NTC-01, NBR 8451 e NBR Deve apresentar superfícies externas suficientemente lisas, sem fendas, fraturas (exceto pequenas trincas capilares, não orientadas segundo o comprimento do poste, NTC-16 / DT - SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 8

13 5.2.3 Cabeçote inerentes ao próprio material) ou armadura aparente; assim como, não será permitido qualquer tipo de pintura. O acabamento dos padrões montados com este tipo de poste deve ser isento de falhas que comprometam sua estabilidade ou resultem em quinas vivas. Deve ser confeccionado em alumínio fundido, de acordo com o padrão estabelecido no Desenho 11. A instalação deve ser realizada conforme indicado nos Desenhos 1 a 9. Desde que previamente aprovado pela CELG D, poderão ser admitidas outras soluções, sendo que, com os condutores instalados e formados os pingadouros, não poderá haver penetração de água de chuva no interior dos eletrodutos. Em todos os casos, o acabamento interno deve ser livre de rugosidades e rebarbas, de maneira a não danificar a isolação dos condutores Caixas para Medição e Derivação Condutores Na montagem dos padrões, podem ser utilizadas caixas confeccionadas em açocarbono ou policarbonato, desde que estejam em conformidade com o previsto nas normas NTC-03 e NTC-32, respectivamente. Devem ser estanques à penetração de água, grau de proteção mínimo IP54, de acordo com a NBR IEC 60529, para tanto, devem ser ensaiadas conforme as normas NTC-03 ou NTC-32, dependendo do material adotado. Devem possuir base para fixação de disjuntor, conforme especificado nas respectivas normas, o qual deve permitir adequada acomodação de qualquer tipo de disjuntor aprovado pela CELG D; além de permitir ajuste de altura na faixa de 50 a 110 mm, medidos a partir do fundo da caixa. Nota: O montador de padrão deve adquirir as caixas de fabricantes homologados pela CELG D, ficando sob sua responsabilidade a qualidade das mesmas. Neste caso, a caixa será submetida à inspeção juntamente com o padrão, devendo possuir a identificação do respectivo fabricante. O condutor neutro deverá ser identificado pela cor azul clara e possuir mesma seção que o(s) condutor(es) fase; sendo que, não serão admitidas emenda(s) em nenhum deles. Os condutores devem ser confeccionados em cobre, podendo ser isolados em PVC, EPR ou XLPE; cujas respectivas seções estão estabelecidas na Tabela 3. Todos os condutores devem, obrigatoriamente, possuir marca de conformidade expedida pelo INMETRO. NTC-16 / DT - SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 9

14 5.2.6 Disjuntor Eletrodutos Ferragens Generalidades Os comprimentos dos condutores para as conexões ao ramal de ligação, bem como ao ramal de consumidor e ao medidor, estão indicados na Tabela 4. Deve ser termomagnético, em caixa moldada, conforme NBR IEC ou NBR NM 60898, dimensionado conforme Tabela 3; modelo/fabricante aprovados pela CELG D e, obrigatoriamente, possuir marca de conformidade expedida pelo INMETRO. Devem apresentar capacidade de interrupção simétrica mínima 5 ka. Nota: O disjuntor deverá ser entregue montado na respectiva base regulável da caixa, juntamente com as conexões elétricas possíveis de serem executadas em fábrica. Os eletrodutos devem ser de aço-carbono, zincados pelo processo de imersão a quente, assim como, estarem em conformidade com as normas NBR 5597 ou NBR 5598 ou NBR 5624, conforme o caso. Podem ser fixados aos postes de aço e concreto por intermédio de arame 12 BWG ou cinta em aço-carbono, largura mínima 20 mm, espessura 1,2 mm, com dois parafusos tipo fenda, M6 x 20 mm, acompanhados por duas porcas sextavadas. Em ambos os casos, o processo de proteção anticorrosiva deve ser por meio de galvanização a fogo, podendo os referidos parafusos e porcas serem submetidos ao mesmo método de galvanização ou bicromatizados. Opcionalmente, pode ainda ser empregada fita em aço inox com espessura 0,6 mm e largura 9,5 mm. Quando a fixação ocorrer mediante arame de aço, devem ser feitas duas amarrações para o poste de aço 5000 mm e três para os de aço e concreto 7000 mm, cada qual contendo seis voltas firmes e sem espaçamento. As espessuras mínimas da camada de zinco deverão ser as seguintes: individual 25 e média da amostra 30 µm. Os diâmetros nominais internos estão mostrados na Tabela 1. Nota: Em todos os tipos de padrão, mostrados nos Desenhos 1 a 9, permite-se a saída subterrânea para o ramal de consumidor, neste caso, deve-se eliminar o(s) eletroduto(s) e armação secundária presentes no lado da carga. Todas as ferragens apresentadas nesta norma devem estar de acordo com os respectivos desenhos e serem zincadas pelo processo de imersão a quente, conforme NBR NTC-16 / DT - SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 10

15 A espessura mínima da camada de zinco para armações secundárias, olhal, calotas, cintas, hastes para aterramento e suportes para caixas de medição e derivação deve ser: 54 µm para amostra individual, com média 66 µm para o total de amostras ensaiadas Armação Secundária Calotas Cintas Deve ser confeccionada em chapa de aço-carbono, espessura 2,28 mm (13 USG); bem como, ser fixada ao poste de aço por intermédio de cintas apropriadas. No caso do poste de concreto, a fixação deve ocorrer mediante a utilização de parafusos cabeça quadrada. Os detalhes dos padrões construtivos devem estar em conformidade com os Desenhos 10 e 10-A. Devem ser fabricadas em chapa de aço-carbono, espessura 1,2 mm (18 USG), conforme apresentado nos Desenhos 12 e 13. Após a correta instalação, não deve permitir a penetração de água no interior do poste. Devem também ser produzidas através de chapa em aço-carbono, espessura 1,9 mm (14 USG), mantendo a conformidade com os Desenhos 14 e Haste para Aterramento Suportes Isoladores Deve ser produzida com a utilização de chapa em aço-carbono, laminado e perfilado, espessura 3 mm, conforme mostrado no Desenho 16. Independente do tipo de poste no qual serão fixados, devem ser confeccionados em chapa de aço-carbono; cuja espessura deve ser 2,28 ou 4 mm, para postes de aço ou concreto, respectivamente. Os detalhes para os padrões construtivos estão apresentados nos Desenhos 20 a 27. Devem ser do tipo roldana, confeccionados em porcelana, 72 x 72 ou 76 x 80 mm e estarem em concordância com a NBR NTC-16 / DT - SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 11

16 6. APROVAÇÃO DE PROTÓTIPOS Caso não seja do interesse do fabricante do padrão produzir a(s) caixa(s), este poderá adquirí-las de outros fabricantes homologados pela CELG D, ficando sob sua responsabilidade a qualidade do(s) referido(s) produto(s). Nesta situação, a caixa sofrerá inspeção juntamente com o padrão, devendo ter ainda identificação do respectivo fabricante, conforme NTC-03 ou NTC-32. O fabricante deve apresentar para aprovação um protótipo de cada padrão que pretenda produzir, com os respectivos desenhos e memorial descritivo. Os referidos protótipos devem estar acompanhados de correspondência solicitando a sua aprovação. Somente serão aceitos padrões aprovados, oriundos de fabricantes cadastrados pela CELG D. A aprovação não tem caráter definitivo e dependerá de inspeção periódica que poderá ser realizada a qualquer tempo, sem prévia comunicação, de modo a manter o controle de qualidade do produto. Neste caso, o inspetor verificará se os padrões estão de acordo com esta norma e aplicará todos os ensaios previstos no item 6.2. Após a aprovação dos protótipos não serão aceitas quaisquer modificações em relação a eles, tanto para venda à CELG D quanto diretamente aos consumidores. Qualquer modificação no modelo do padrão anteriormente aprovado pela CELG D, deverá ser solicitada por escrito e dependerá de aprovação prévia. A divulgação da aprovação aos setores competentes da concessionária somente será feita após aceitação pelo fabricante das condições aqui impostas e reproduzidas no Termo de Responsabilidade. Indústrias que, porventura, fabricarem padrões em desacordo com quaisquer especificações técnicas contidas nesta norma ou apresentarem defeitos de fabricação, poderão ser descredenciadas temporária ou definitivamente. NTC-16 / DT - SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 12

17 7. INSPEÇÃO E ENSAIOS 7.1 Generalidades a) Os padrões deverão ser submetidos a inspeção e ensaios na fábrica, na presença de inspetores credenciados pela CELG D. b) A CELG D reserva-se o direito de inspecionar e testar os padrões e o material utilizado durante o período de fabricação, antes do embarque ou a qualquer tempo em que julgar necessário. O fabricante deverá proporcionar livre acesso do inspetor aos laboratórios e às instalações onde o material em questão estiver sendo fabricado, fornecendo-lhe as informações solicitadas e realizando os ensaios necessários. O inspetor poderá exigir certificados de procedências de matérias-primas e componentes, além de fichas e relatórios internos de controle. c) Os ensaios para aprovação do protótipo podem ser dispensados parcial ou totalmente, a critério da CELG D, caso já exista um protótipo idêntico aprovado. Se os ensaios forem dispensados, o fabricante deve emitir um relatório completo destes ensaios, com todas as informações necessárias, tais como, métodos, instrumentos e constantes usadas. A eventual dispensa destes ensaios pela concessionária somente terá validade por escrito. Entretanto, fica reservado à CELG D o direito de rejeitar esses relatórios, parcialmente ou totalmente, caso não estejam em conformidade com as prescrições contidas nas normas aplicáveis ou não correspondam aos materiais especificados. d) O fabricante deve dispor de pessoal e aparelhagem, próprios ou contratados, necessários à execução dos ensaios. Em caso de contratação, deve haver aprovação prévia por parte da CELG D. e) O fabricante deve assegurar ao inspetor da CELG D o direito de familiarizar-se, em detalhes, com as instalações e equipamentos a serem utilizados, estudar todas as instruções e desenhos, verificar calibrações, presenciar ensaios, conferir resultados e, em caso de dúvida, efetuar novas inspeções e exigir a repetição de qualquer ensaio. f) Todos os instrumentos e aparelhos de medição, máquinas de ensaios, etc, devem ter certificado de aferição emitido por instituições acreditadas pelo INMETRO, válidos por um período máximo de um ano. Por ocasião da inspeção, devem estar ainda dentro deste período, podendo acarretar desqualificação do laboratório o não cumprimento dessa exigência. g) A aceitação do lote e/ou a dispensa de execução de qualquer ensaio: - não exime o fabricante da responsabilidade em fornecer os padrões de acordo com os requisitos desta norma; - não invalida qualquer reclamação posterior da CELG D a respeito da qualidade do material e/ou fabricação. Em tais casos, mesmo após haver saído da fábrica, o lote pode ser inspecionado e submetido a ensaios, com prévia notificação ao fabricante e, eventualmente, em sua presença. Havendo qualquer discrepância em relação às exigências desta norma, o lote pode ser rejeitado e sua reposição será por conta do fabricante. NTC-16 / DT - SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 13

18 h) Após a inspeção dos padrões, o fabricante deverá encaminhar à CELG D, por lote ensaiado, um relatório completo dos ensaios efetuados, em uma via, devidamente assinado por ele e pelo inspetor credenciado pela concessionária. Esse relatório deverá conter todas as informações necessárias para o seu completo entendimento, tais como, métodos, instrumentos, constantes e valores utilizados nos ensaios, além dos resultados obtidos. i) Todas as unidades do produto rejeitadas, pertencentes a um lote aceito, devem ser substituídas por outras novas e perfeitas, por conta do fabricante, sem ônus para a CELG D. j) Nenhuma modificação nos padrões deve ser feita "a posteriori" pelo fabricante sem a aprovação prévia da CELG D. No caso de alguma necessidade de alteração, o mesmo deve realizar todos os ensaios pertinentes, na presença do inspetor da concessionária, sem qualquer custo adicional. k) A CELG D poderá, a seu critério, em qualquer ocasião, solicitar a execução dos ensaios prescritos nesta norma, de modo a verificar se os padrões estão mantendo as características de projeto preestabelecidas por ocasião da aprovação dos protótipos. l) Para efeito de inspeção, os padrões deverão ser divididos em lotes, por tipo. m) A rejeição do lote, em virtude de falhas constatadas nos ensaios, não dispensa o fabricante de cumprir as datas de entrega prometidas. Se, na conclusão da CELG D, a rejeição tornar impraticável a entrega do material nas datas previstas, ou tornar evidente que o fabricante não será capaz de satisfazer às exigências estabelecidas nesta especificação, a mesma reserva-se ao direito de rescindir todas as obrigações e obter o material de outro fornecedor. Em tais casos, o fabricante será considerado infrator do contrato e estará sujeito às penalidades aplicáveis. n) O custo dos ensaios deve ser por conta do fabricante. o) A CELG D reserva-se ao direito de exigir a repetição de ensaios em lotes anteriormente aprovados. Nesse aspecto, as despesas serão de responsabilidade da mesma, caso as unidades ensaiadas forem aprovadas na segunda inspeção, caso contrário, incidirão sobre o fabricante. p) Os custos da visita do inspetor da CELG D, tais como, locomoção, hospedagem, alimentação, homem-hora e administrativos, correrão por conta do fabricante se: - na data indicada na solicitação de inspeção o material não estiver pronto; - o laboratório de ensaio não atender às exigências citadas nas alíneas 7.1.d até 7.1.f; - o material fornecido necessitar de acompanhamento de fabricação ou inspeção final em subfornecedor, contratado pelo fornecedor, em localidade diferente da sua sede; - for necessário reinspecionar o material por motivo de recusa. NTC-16 / DT - SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 14

19 7.2 Ensaios Antes da apresentação dos padrões para inspeção, o fabricante deverá regulamentar e executar o controle de qualidade do processo de fabricação, fato este que consistirá, basicamente, na realização dos ensaios mecânicos, de qualidade do material, incluindo análise química e metalográfica. Para efeito de aprovação de protótipo, recebimentos de material e mesmo, periodicamente, após aprovação, devem ser realizados os ensaios relacionados a seguir Inspeção Visual Antes da realização dos demais ensaios, o inspetor da CELG D deve fazer uma inspeção geral, na qual devem ser verificados os detalhes de construção, conforme a seguir descrito: - acabamento; - indentificação; - fixação da caixa; - marca de engastamento; - características construtivas e partes componentes; - furação (posição e desobstrução, para poste de concreto); - acondicionamento. Constituirá motivo para reprovação, qualquer tipo de não conformidade observada em qualquer uma das características acima citadas Verificação Dimensional Serão verificadas as dimensões das caixas e postes, assim como as espessuras das chapas utilizadas, as furações e o posicionamento das ferragens e caixas para medição e derivação, conforme indicado nos respectivos desenhos e normas pertinentes. Ocorrendo alguma divergência em relação ao padronizado nesta norma, os padrões serão considerados reprovados no ensaio Revestimento de Zinco Como forma de verificar as características físicas do revestimento de zinco das peças confeccionadas em aço, devem ser realizadas análises da massa por unidade de área e espessura da camada, em conformidade com as normas da ABNT respectivamente citadas, NBR 7397 e NBR Substituição dos Condutores de Entrada e Saída Durante este ensaio deverá ser verificada a facilidade na substituição dos condutores, retirando-os e observando se não houve danos à sua isolação, provocados por arestas cortantes ou qualquer outro tipo de imperfeição. Após a retirada os mesmos devem ser reinstalados. A verificação da facilidade de substituição deverá ser feita com o padrão na posição normal de serviço. NTC-16 / DT - SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 15

20 Após a retirada dos condutores e antes de reinstalá-los, deverá ser feito o ensaio descrito no item Ensaio da Isolação dos Condutores Deve ser executado de acordo com as prescrições da NBR NM Resistência Mecânica Postes de Aço-carbono Deve ser realizado nas instalações do fabricante, tanto para aprovação de protótipo como para recebimento, aplicando-se ao padrão o esforço previsto na Tabela 1, conforme o tipo deste. Estes esforços deverão ser aplicados a 100 mm do topo, no plano horizontal, na direção a ser indicada pelo inspetor. Devem ser obedecidas as condições para os esforços e flechas, previstas no item Para a execução do ensaio, o fabricante deverá providenciar um dispositivo apropriado de fixação, o qual não poderá ceder quando da aplicação dos referidos esforços. Todos os materiais necessários à realização deste ensaio deverão ser providenciados pelo fabricante Poste de Concreto O ensaio deve ser realizado em conformidade com as exigências da NTC-01, sendo que os postes devem suportar os valores de resistência mecânica estabelecidos na Tabela Estanqueidade Operação As caixas para medição e derivação, confeccionadas em aço ou policarbonato, devem apresentar grau de proteção mínimo IP54, conforme NBR IEC Instalado o disjuntor e colocada a tampa na caixa, a alavanca do mesmo deverá ser acionada 100 vezes. Após estas, operações o disjuntor deverá continuar rigidamente fixado à sua base Regulagem do Dispositivo de Fixação do Disjuntor O dispositivo de fixação do disjuntor deverá ser ensaiado para verificação de sua rigidez mecânica e se permite as corretas regulagens de distância e fixação do disjuntor. NTC-16 / DT - SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 16

21 Pintura Aderência da Camada As caixas em aço carbono, quando pintadas, devem ser submetidas ao ensaio de aderência, conforme prescrito na NBR Espessura da Camada As espessuras mínimas das camadas de tinta para a base e o acabamento, nas caixas metálicas, não poderão ser inferiores aos valores estabelecidos na NTC-03 e serão determinadas conforme método prescrito na NBR Ensaios Aplicáveis Apenas a Poste de Concreto Elasticidade Este ensaio deverá ser realizado conforme metodologia prevista na NBR 8451 e NTC Verificação de Armadura Aparente Deve ser verificada a ocorrência de ferragens expostas na superfície do poste Cobrimento e Afastamento da Armadura Devem estar em conformidade com o prescrito na NTC-01. NTC-16 / DT - SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 17

22 8. DESVIOS E EXCEÇÕES O fabricante deverá indicar claramente em sua proposta, os possíveis desvios e exceções à presente norma. A constatação durante a fabricação, comercialização e/ou inspeção de desvios e exceções, não indicados nos desenhos aprovados, implicará na rejeição automática do padrão ou protótipo, sem quaisquer ônus ou responsabilidades para a CELG D. Quaisquer exigências adicionais ou dispensa aos requisitos constantes desta norma, somente terão validade por escrito, devendo ser claramente mencionados nos documentos de licitação. NTC-16 / DT - SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 18

23 ANEXO A - TABELAS TABELA 1 DIMENSIONAMENTO DOS POSTES DE AÇO Tipo de Padrão Tração Aplicada a 100 mm do Topo do Poste (dan) Quadrado Seção Mínima do Poste (mm) Circular Diâmetro Nominal Interno dos Eletrodutos de Aço (mm) M1 M2 25 M3 B1 B2 T x 60 x 1,9 70 x 70 x 2, x 1,9 100 x 2,28 32 T2 40 T3 T x 60 x 2,65 70 x 70 x 2,65 76 x 2, x 2,65 50 Comprimento L ± 50 mm (mm) TABELA 2 DIMENSIONAMENTO DO POSTE DE CONCRETO SEÇÃO DT Resistência Mecânica Nominal (dan) Engastamento e (± 20 mm) Dimensões (mm) Face A Face B Face A Face B Topo Base Topo Base Nota: Conforme mostrado nos Desenhos 7 a 9, o diâmetro interno mínimo do eletroduto destinado ao condutor de aterramento deve ser 16 mm. NTC-16 / DT - SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 19

24 TABELA 3 DIMENSIONAMENTO DOS CONDUTORES E PROTEÇÃO Tipo de fornecimento Carga Instalada Máxima (kw) Demanda Máxima (kva) Número de Fases Ramal de Entrada Embutido Número de condutores Condutor de Cobre PVC 70 (mm²) EPR/XLPE (mm²) Disjuntor Termomagnético Número de pólos Ampères M1 Até 4, M2 4,6 a Condutor de Aterramento (mm 2 ) 10 M3 9,1 a B1 12,1 a B2 20,1 a T1 - Até T2-26,1 a T3-39,1 a T4-46,1 a Nota: Não será permitida a substituição de disjuntores bipolares e tripolares por unipolares, mesmo com as alavancas acopladas externamente. TABELA 4 COMPRIMENTO DOS CONDUTORES PARA CONEXÕES AO MEDIDOR, RAMAL DE LIGAÇÃO E RAMAL DE CONSUMIDOR COMPRIMENTO DOS CONDUTORES (mm) CAIXA PINGADOUROS Monofásica Polifásica Monofásico Polifásico Entrada Entrada Fases Saída Saída Fase Neutro Fase Neutro Fase Neutro A B C Neutro NTC-16 / DT - SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 20

25 TABELA 5 PLANO DE AMOSTRAGEM PARA OS ENSAIOS DE RECEBIMENTO Tamanho do Lote Até a a a a a a a a Inspeção Visual Nível II NQA 10% Substituição de condutores/ Verificação Dimensional Nível 1 NQA 4% Resistência Mecânica/Operação/ Espessura e Massa da Camada de Zinco/Espessura e Aderência da camada de Tinta Nìvel S4 NQA 2.5% Amostra Amostra Amostra Ac Re Ac Re Seq. Tam. Seq. Tam. Seq. Tam. Ac Re 1ª ª ª ª ª ª ª ª ª ª ª ª ª ª ª ª 1ª 2ª 1ª 2ª ª 1ª 2ª 1ª 2ª 1ª 2ª ª 1ª 2ª Notas: 1) Ac: numero de padrões defeituosos que ainda permite a aceitação do lote. Re: numero de padrões defeituosos que implica na rejeição do lote. 2) Se a amostra requerida for igual ou superior ao número de unidades de produto constituinte do lote, efetuar inspeção em 100% do lote. 3) Para amostragem dupla, o procedimento é o seguinte: ensaiar um número inicial de unidades igual ao da primeira amostra obtida nesta tabela. Se o número de unidades defeituosas encontradas estiver compreendido entre Ac e Re (excluindo estes valores), deve ser ensaiada a segunda amostra. O total de unidades defeituosas encontradas depois de ensaiadas as duas amostras deve ser igual ou inferior ao maior Ac especificado. 4) Para os ensaios aplicáveis a poste de concreto utilizar os planos de amostragem previstos na NTC-01. NTC-16 / DT - SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 21

26

27

28

29

30

31

32

33

34

35

36

37

38

39

40

41

42

43

44

45

46

47

48

49

50

51

52

53

54

55

56 ANEXO C TERMO DE RESPONSABILIDADE A empresa Endereço: (Rua, Av, Estrada) Qd Lt Nº, Cidade: Estado:, CEP: - Fone: ( ) ; Fax: ( ) ; CNPJ, declara por meio de seus representantes legais abaixo assinados, ter cumprido na íntegra, todas as determinações técnicas de acordo com o previsto nas normas NTC-03, NTC-16 e NTC-32, para a apresentação de protótipos de padrão de entrada, visando homologação junto à CELG D, para utilização em entradas de serviço de unidades consumidoras localizadas em sua área de concessão. Declara, ainda, assumir a responsabilidade pela colocação do produto no mercado em condições técnicas adequadas, pela eventual responsabilidade civil e criminal, além do ressarcimento de possíveis prejuízos decorrentes de danos materiais causados à CELG D, suas unidades consumidoras e a terceiros, bem como, todas e quaisquer despesas necessárias para visita de inspeção e avaliação industrial. Fica a empresa fornecedora ciente de que esta homologação não tem caráter definitivo, podendo ser revogada a qualquer momento, sem prévio aviso, caso o material em referência esteja em desacordo com a presente norma. Na hipótese de se apurar a colocação do produto no mercado em desacordo com as normas supra citadas, estará a CELG D autorizada, mediante simples aviso, a promover a exclusão da empresa do Cadastro de Fornecedores de Materiais para Entrada de Serviço de Unidades Consumidoras. Produtos homologados: 1) 2) 3) 4) 5) Local/Data: Proprietário (Nome e Assinatura): RG: CPF: Engº Responsável (Nome e Assinatura): RG: CPF: CREA: Modalidade: Obs: todas as assinaturas deverão ter firma reconhecida em cartório. NTC-16 / DT - SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 52

57 ANEXO D QUADRO DE DADOS TÉCNICOS E CARACTERÍSTICAS GARANTIDAS PADRÃO DE ENTRADA EM POSTE DE AÇO OU CONCRETO Nome do Fornecedor: Nº da Licitação: Nº da Proposta: ITEM DESCRIÇÃO CARACTERÍSTICA UNIDADE 1. Tipo e/ou modelo 2. Protótipo aprovado pela CELG D? SIM ( ) NÃO ( ) 3. Número de fases 4. Aço tipo processo de soldagem utilizado no fechamento Proteção anticorrosiva - espessura mínima da camada: - individual - média das amostras - massa mínima da camada - individual - médias das amostras Eletrodutos - diâmetro nominal - espessura da parede - tipo de proteção anticorrosiva - espessura da camada Caixa para medidor/derivação - protótipo aprovado pela CELG D? - fabricante - material Disjuntor - fabricante - tipo e/ou modelo do fabricante - possui marca de conformidade do INMETRO? - tensão nominal - corrente nominal - capacidade de interrupção simétrica nominal Poste - fabricante - comprimento total - diâmetro ou seção transversal - espessura da parede - resistência mecânica nominal - carga mínima de ruptura NTC-16 / DT-SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 53 µm µm g/cm 2 g/cm 2 mm mm µm SIM ( ) NÃO ( ) SIM ( ) NÃO ( ) V A ka mm mm mm dan dan

58 ITEM DESCRIÇÃO Condutores - material da isolação - tensão de isolamento - seção transversal - classe de encordoamento - seção do condutor de aterramento CARACTERÍSTICA UNIDADE V mm 2 mm Expectativa de vida útil anos 12. Anexar à proposta cópias dos certificados dos ensaios constantes do item 7.2, realizados em padrões idênticos aos ofertados e em laboratório de entidades reconhecidas, conforme Nota 6 (1). (1) Caso o fabricante tenha protótipo aprovado pela CELG D, não será necessário anexar os relatórios constantes do item 12, caso contrário, é obrigatória a apresentação de relatórios de ensaios efetuados em laboratório conforme Nota 6, em padrões idênticos aos ofertados, sob pena de desclassificação. Notas: 1) O fabricante deve fornecer, em sua proposta, todas as informações requeridas no Quadro de Dados Técnicos e Características Garantidas. 2) Se o fabricante apresentar propostas alternativas, cada uma delas deve ser submetida com o Quadro de Dados Técnicos e Características Garantidas, específico, claramente preenchido; sendo que cada quadro deve ser devidamente marcado para indicar a qual proposta pertence. Além dos documentos mencionados, deverá ser feita ainda uma descrição sucinta dos desvios principais com relação à proposta básica, caso existam. 3) Erro de preenchimento do quadro poderá ser motivo para desclassificação. 4) Todas as informações requeridas no quadro devem ser compatíveis com as descritas em outras partes da proposta de fornecimento. Em caso de dúvidas, as informações prestadas no referido quadro prevalecerão sobre as descritas em outras partes da proposta. 5) O fabricante deve garantir que o desempenho e as características dos padrões a serem fornecidos estejam em conformidade com as informações aqui prestadas. 6) Todos os ensaios mencionados no item 12, da tabela acima, devem ser realizados por um dos seguintes órgãos laboratoriais: - governamentais; - credenciados pelo governo do país de origem; - de entidades reconhecidas internacionalmente; - do fornecedor, na presença do inspetor da CELG D. NTC-16 / DT-SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 54

59 ANEXO E QUADRO DE DESVIOS TÉCNICOS E EXCEÇÕES Nome do Fabricante: N da Licitação: N da Proposta: REFERÊNCIA DESCRIÇÃO SUCINTA DOS DESVIOS E EXCEÇÕES NTC-16 / DT-SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 55

60 ALTERAÇÕES NA NTC-16 Item Data Revisão Alteração 1 JAN/09 1 Atualização das normas CELG D e ABNT, pertinentes. 2 JAN/09 1 Placa de identificação do montador. 3 JAN/09 1 Introdução da identificação do poste de aço carbono por meio de estampagem. 4 JAN/09 1 Seção dos condutores. 5 JAN/09 1 Diâmetro dos eletrodutos de aço. 6 JAN/09 1 Padrão em poste de aço seção quadrada - fixação da caixa ao poste. 7 JAN/09 1 Capacidade de interrupção dos disjuntores termomagnéticos. 8 JAN/09 1 Processo de homologação de protótipos. 9 JAN/09 1 Inspeção e ensaios. 10 JAN/09 1 Garantia. 11 JAN/09 1 Resistência mecânica e dimensões do poste de concreto. 12 JAN/09 1 Desenhos de montagem. 13 JAN/09 1 Suportes para fixação das caixas ao poste. 14 JAN/09 1 Eliminação da haste de aterramento do tipo aço cobreado. 15 JAN/09 1 Introdução do Anexo C - Termo de Responsabilidade. 16 JAN/09 1 Introdução do Anexo D - Quadro de dados Técnicos e Características Garantidas. 17 JAN/09 1 Introdução do Anexo E - Quadro de Desvios Técnicos e Exceções. NTC-16 / DT-SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 56

NORMA TÉCNICA CELG D. Caixas Metálicas para Medição, Proteção e Derivação. NTC-03 Revisão 3

NORMA TÉCNICA CELG D. Caixas Metálicas para Medição, Proteção e Derivação. NTC-03 Revisão 3 NORMA TÉCNICA CELG D Caixas Metálicas para Medição, Proteção e Derivação NTC-03 Revisão 3 NTC-03 / DT-SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA 1. OBJETIVO 1 2. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES

Leia mais

NTE - 011 PADRÕES PRÉ-FABRICADOS

NTE - 011 PADRÕES PRÉ-FABRICADOS NORMA TÉCNICA NTE - 011 PADRÕES PRÉ-FABRICADOS 1. OBJETIVO Esta norma tem por objetivo padronizar, especificar e fixar os critérios e as exigências técnicas mínimas relativas à fabricação e o recebimento

Leia mais

SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA

SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA MANUAL ESPECIAL SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA E-313.0022 CRUZETAS DE CONCRETO ARMADO

Leia mais

PADRÃO TÉCNICO PADRÃO ECONÔMICO PARA ENTRADA DE CLIENTE 18/10/2011

PADRÃO TÉCNICO PADRÃO ECONÔMICO PARA ENTRADA DE CLIENTE 18/10/2011 Sistema Normativo Corporativo PADRÃO TÉCNICO VERSÃO Nº ATA Nº DATA DATA DA VIGÊNCIA 01-18/10/2011 18/10/2011 ELABORAÇÃO Marcelo Poltronieri SUMÁRIO 1. RESUMO... 3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES... 3 3. OBJETIVO...

Leia mais

Suporte situado na edificação do consumidor, com a finalidade de fixar e elevar o ramal de ligação.

Suporte situado na edificação do consumidor, com a finalidade de fixar e elevar o ramal de ligação. 25 / 10 / 2011 1 de 7 1 FINALIDADE Esta Norma especifica e padroniza as dimensões e as características mínimas exigíveis do pontalete de aço para utilização em padrões de entrada de unidades consumidoras

Leia mais

Sistema Normativo Corporativo

Sistema Normativo Corporativo Sistema Normativo Corporativo PADRÃO TÉCNICO VERSÃO Nº ATA Nº DATA DATA DA VIGÊNCIA 01 20/10/2012/2012 20/10/2012 APROVADO POR Edson Hideki Takauti SUMÁRIO 1. RESUMO... 3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES... 3

Leia mais

MANUAL ESPECIAL 1. FINALIDADE

MANUAL ESPECIAL 1. FINALIDADE MANUAL ESPECIAL SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA E-313.0041 CRUZETAS DE AÇO TUBULAR 1/14

Leia mais

SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA CÓDIGO TÍTULO VERSÃO ES.DT.PDN.01.10.001 POSTE DE AÇO QUADRADO PARA ENTRADA DE CLIENTES 01

SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA CÓDIGO TÍTULO VERSÃO ES.DT.PDN.01.10.001 POSTE DE AÇO QUADRADO PARA ENTRADA DE CLIENTES 01 SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO ES.DT.PDN.01.10.001 01 APROVADO POR PAULO J. TAVARES LIMA ENGENHARIA E CADASTRO-SP SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES... 3 3. APLICAÇÃO...

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO ES.DT.PDN.01.01.025 POSTE DE CONCRETO ARMADO PARA REDES DE DISTRIBUIÇÃO 01

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO ES.DT.PDN.01.01.025 POSTE DE CONCRETO ARMADO PARA REDES DE DISTRIBUIÇÃO 01 SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO ESPECIFICAÇÃO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO ES.DT.PDN.01.01.025 01 APROVADO POR PAULO JORGE TAVARES DE LIMA ENGENHARIA E CADASTRO SP MARCELO POLTRONIERI ENGENHARIA E CADASTRO - ES

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título ELO FUSÍVEL DE DISTRIBUIÇÃO

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título ELO FUSÍVEL DE DISTRIBUIÇÃO ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título ELO FUSÍVEL DE DISTRIBUIÇÃO Código ETD-00.016 Data da emissão 30.04.1987 Data da última revisão 29.06.2006 Folha 1 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Normas Complementares 3 Definições

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO POSTES DE CONCRETO ARMADO PARA REDES DEDISTRIBUIÇÃO EMISSÃO: REVISÃO: PAGINA: 1/33 A P R E S E N T A Ç Ã O Esta Norma fixa as características básicas de poste de concreto

Leia mais

POSTE DE CONCRETO PARA APLICAÇÃO EM ENTRADAS DE SERVIÇO

POSTE DE CONCRETO PARA APLICAÇÃO EM ENTRADAS DE SERVIÇO Exigências Mínimas 1 Objetivo Estabelecer as condições mínimas para construção de postes de concreto armado ou concreto protendido, destinados à utilização em entradas de serviço de unidades consumidoras,

Leia mais

MANUAL DE ENGENHARIA

MANUAL DE ENGENHARIA 02.04.2007 1/6 1. OBJETIVO Esta especificação padroniza as dimensões e estabelece as condições gerais e específicas mínimas exigíveis para o fornecimento das cruzetas de concreto armado destinadas ao suporte

Leia mais

QUALIDADE - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO

QUALIDADE - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO PLUG TERMINAL COM CAPA (PTC) 600 A 8,7 / 15 KV OPERAÇÃO SEM CARGA SUMÁRIO ITEM CONTEÚDO PG. 1. OBJIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS 02 5. INSTRUÇÕES GERAIS 03 5.1. Condições

Leia mais

. Caixa para medidor polifásico, chave de aferição, transformadores de corrente e disjuntor (CM-3) Desenho 7

. Caixa para medidor polifásico, chave de aferição, transformadores de corrente e disjuntor (CM-3) Desenho 7 2 1 - OBJETIVO 1.1 - Esta Especificação fixa os critérios e as exigências técnicas mínimas relativos à aprovação de modelo, fabricação e ao recebimen;o de Caixas para instalação de medidores de energia

Leia mais

NT MATERIAIS PARA REDES E LINHAS AEREAS URBANAS E RURAIS DE DISTRIBUÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA.

NT MATERIAIS PARA REDES E LINHAS AEREAS URBANAS E RURAIS DE DISTRIBUÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA. REV. Página 1 de 1. OBJETIVO 2. ÂMBO DE APLICAÇÃO 3. REQUISOS GERAIS 3.1. Projeto Geral 3.2. Normas Recomendadas 3.3. Unidade de Medida e Idiomas 3.4. Desenhos 3.5. Garantia 4. DEFINIÇÕES 3.6. Valor Nominal

Leia mais

NORMA TÉCNICA CRUZETA DE CONCRETO ARMADO DEPARTAMENTO DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DPE

NORMA TÉCNICA CRUZETA DE CONCRETO ARMADO DEPARTAMENTO DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DPE NORMA TÉCNICA DEPARTAMENTO DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DPE 1. OBJETIVO Esta norma padroniza as dimensões e estabelece as condições gerais e específicas mínimas exigíveis para o fornecimento das cruzetas

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÕES ELÉTRICAS SITE: www.amm.org.br- E-mail: engenharia@amm.org.br AV. RUBENS DE MENDONÇA, N 3.920 CEP 78000-070 CUIABÁ MT FONE: (65) 2123-1200 FAX: (65) 2123-1251 MEMORIAL DESCRITIVO ELÉTRICO MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÕES

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA 30/06/2005 1 de 1 1 FINALIDADE Esta Norma especifica e padroniza as dimensões e as características mínimas exigíveis do eletroduto de aço para utilização em padrões de entrada de unidades consumidoras

Leia mais

5 CONDIÇÕES ESPECÍFICAS 5.1 Material: A armação da caixa deve ser feita com cantoneiras de aço-carbono, ABNT 1010 a 1020, laminado.

5 CONDIÇÕES ESPECÍFICAS 5.1 Material: A armação da caixa deve ser feita com cantoneiras de aço-carbono, ABNT 1010 a 1020, laminado. CAIXA DE MEDIÇÃO EM 34, kv 1 OBJETIVO Esta Norma padroniza as dimensões e estabelece as condições gerais e específicas da caixa de medição a ser utilizada para alojar TCs e TPs empregados na medição de

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO ETD - 07 CRUZETA DE CONCRETO ARMADO PARA REDES DE DISTRIBUIÇÃO ESPECIFICAÇÃO E PADRONIZAÇÃO EMISSÃO: julho/2003 REVISÃO: setembro/08 FOLHA : 1 / 6 FURAÇÃO DA CRUZETA

Leia mais

SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA PADRONIZAÇÃO APROVAÇÃO ELABORAÇÃO VISTO

SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA PADRONIZAÇÃO APROVAÇÃO ELABORAÇÃO VISTO MA NU AL E SP EC IA L SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA E-313.0032 ESPECIFICAÇÃO DE CONDUTORES

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PROTETOR DE BUCHA PARA TRANSFORMADOR

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PROTETOR DE BUCHA PARA TRANSFORMADOR PROTOR DE BUCHA PARA TRANSFORMADOR SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 02 5. INSTRUÇÕES GERAIS 03 5.1. Características

Leia mais

NORMA TÉCNICA CELG D Ferramentas Manuais Especificação NTS-07 Revisão 1

NORMA TÉCNICA CELG D Ferramentas Manuais Especificação NTS-07 Revisão 1 NORMA TÉCNICA CELG D Ferramentas Manuais Especificação NTS-07 Revisão 1 ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA 1. OBJETIVO 1 2. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 2 3. TERMINOLOGIA E DEFINIÇÕES 4 4. CONDIÇÕES GERAIS

Leia mais

NORMA TÉCNICA CELG. Postes de Concreto Armado para Redes de Distribuição Especificação e Padronização. NTC-01 Revisão 3

NORMA TÉCNICA CELG. Postes de Concreto Armado para Redes de Distribuição Especificação e Padronização. NTC-01 Revisão 3 NORMA TÉCNICA CELG Postes de Concreto Armado para Redes de Distribuição Especificação e Padronização NTC-01 Revisão 3 ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA 1. OBJETIVO 1 2. NORMAS COMPLEMENTARES 2 3. TERMINOLOGIA

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título: TRANSFORMADORES DE POTENCIAL PARA EQUIPAMENTOS ESPECIAIS Código ETD-00.062 Data da emissão 28.09.2012 Data da última revisão Folha 1 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Normas Complementares

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO Nº 49

COMUNICADO TÉCNICO Nº 49 Página 1 de 13 COMUNICADO TÉCNICO Nº 49 PADRÃO DE ENTRADA INDIVIDUAL ECONÔMICO COM POSTE DE AÇO E CAIXA DE POLICARBONATO TIPO PP Diretoria de Engenharia e Serviços Gerência de Engenharia da Distribuição

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJETIVO 03 2. ÂMBITO 03 3. CONCEITOS 03 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS 03 5. INSTRUÇÕES GERAIS 04 5.1. Condições de Serviços 04 5.2. Identificação dos transformadores 04 5.3.

Leia mais

Padrão de Entrada COELBA. Padrão de Entrada Monofásico

Padrão de Entrada COELBA. Padrão de Entrada Monofásico Padrão de Entrada COELBA Informações do site www.coelba.com.br Padrão de Entrada é o conjunto de instalações composto de caixa de medição, sistema de aterramento, condutores e outros acessórios indispensáveis

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PARA AQUISIÇÃO DE ESTRUTURAS DE BARRAMENTOS SE... ETAPA...

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PARA AQUISIÇÃO DE ESTRUTURAS DE BARRAMENTOS SE... ETAPA... 4.3.3 Estruturas DIRETORIA TÉCNICA DEPARTAMENTO DE PROJETO E CONSTRUÇÃO DIVISÃO DE SUBESTAÇÃO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PARA AQUISIÇÃO DE ESTRUTURAS DE BARRAMENTOS SE... ETAPA... 1 Í N D I C E SEÇÃO I OBJETO

Leia mais

NORMA TÉCNICA CELG D

NORMA TÉCNICA CELG D NORMA TÉCNICA CELG D Capacete de Segurança Especificação NTS-01 Revisão 3 ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA 1. OBJETIVO 1 2. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 2 3. TERMINOLOGIA E DEFINIÇÕES 3 4. CONDIÇÕES GERAIS

Leia mais

CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA

CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA MEMORIAL DESCRITIVO E JUSTIFICATIVO DE CÁLCULO PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EM MÉDIA TENSÃO 13.8KV CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA RUA OSVALDO PRIMO CAXILÉ, S/N ITAPIPOCA - CE 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

Manual Técnico de Distribuição

Manual Técnico de Distribuição ESP ESPECIFICAÇÃO ESP - 205 POSTES DE CONCRETO PARA REDES AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO ESP - 205 edição vigência aprovação Revisão 02 Agosto/98 DDPP Página 1 1. FINALIDADE Esta Especificação tem por finalidade

Leia mais

PADRÃO DE ENTRADA DE INSTALAÇÕES CONSUMIDORAS MANUAL SIMPLIFICADO

PADRÃO DE ENTRADA DE INSTALAÇÕES CONSUMIDORAS MANUAL SIMPLIFICADO PADRÃO DE ENTRADA DE E N E R G I A E L É T R I C A E M INSTALAÇÕES CONSUMIDORAS MANUAL SIMPLIFICADO www.celesc.com.br PADRÃO DE ENTRADA DE E N E R G I A E L É T R I C A E M INSTALAÇÕES CONSUMIDORAS MANUAL

Leia mais

CADASTRO TÉCNICO DE FORNECEDORES SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO MATERIAIS PADRONIZADOS APLICADOS EM CÂMARA DE TRANSFORMAÇÃO 15KV - ATENDIMENTO COLETIVO

CADASTRO TÉCNICO DE FORNECEDORES SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO MATERIAIS PADRONIZADOS APLICADOS EM CÂMARA DE TRANSFORMAÇÃO 15KV - ATENDIMENTO COLETIVO SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO CADASTRO TÉCNICO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO CD.DT.PDN.03.14.001 03 APROVADO POR MARCELO POLTRONIERI ENGENHARIA E CADASTRO (DEEE) SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES...

Leia mais

PADRONIZAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título ESTRUTURAS PARA MONTAGEM DE REDES AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO URBANA SECUNDÁRIA COM CABOS MULTIPLEXADOS APRESENTAÇÃO

PADRONIZAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título ESTRUTURAS PARA MONTAGEM DE REDES AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO URBANA SECUNDÁRIA COM CABOS MULTIPLEXADOS APRESENTAÇÃO APRESENTAÇÃO 1-1 SUMÁRIO SEÇÃO 1 Apresentação SEÇÃO 2 Engastamento de postes SEÇÃO 3 Afastamentos mínimos SEÇÃO 4 Instalações básicas SEÇÃO 5 Cruzamentos SEÇÃO 6 Rabichos SEÇÃO 7 Aterramento 1 OBJETIVO

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA 29 / 07 / 2011 1 de 5 1 FINALIDADE Esta Norma especifica e padroniza as dimensões e as características mínimas exigíveis para parafuso U 16x270mm utilizado nas Linhas de Distribuição da CEMAR. 2 CAMPO

Leia mais

NORMA TÉCNICA NTC 010

NORMA TÉCNICA NTC 010 COMPANHIA CAMPOLARGUENSE DE ENERGIA COCEL NORMA TÉCNICA 010 CAIXA PARA EQUIPAMENTOS DE MEDIÇÃO E DE DISTRIBUIÇÃO CENTRO DE MEDIÇÃO MODULADO Divisão de Medição e Fiscalização Emissão: 2015 Versão: 01/2015

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título CONDUTOR DE ALUMÍNIO MULTIPLEXADO

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título CONDUTOR DE ALUMÍNIO MULTIPLEXADO ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título CONDUTOR DE ALUMÍNIO MULTIPLEXADO Código ETD-00.023 Data da emissão 28.12.1993 Data da última revisão 09.09.2009 Folha 1 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Normas Complementares

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO Nº 02

COMUNICADO TÉCNICO Nº 02 COMUNICADO TÉCNICO Nº 02 Página 1 de 1 ALTERAÇÕES NAS TABELAS PARA DIMENSIONAMENTO DOS PADRÕES DE ENTRADA DE BAIXA TENSÃO DE USO INDIVIDUAL 1.OBJETIVO Visando a redução de custos de expansão do sistema

Leia mais

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-005 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO RURAL

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-005 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO RURAL NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-005 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO RURAL SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 2 2. ASPECTOS GERAIS... 2 3. EXCEÇÕES... 2 4. TENSÕES DE FORNECIMENTO...

Leia mais

Defensas metálicas de perfis zincados

Defensas metálicas de perfis zincados MT - DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO - IPR DIVISÃO DE CAPACITAÇÃO TECNOLÓGICA Rodovia Presidente Dutra km 163 - Centro Rodoviário, Parada de Lucas

Leia mais

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S/A MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA ANEXO XIV ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ELOS FUSÍVEIS TIPO EXPULSÃO PARA CIRCUITO DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA COM EXTINÇÃO DE ARCO E ELOS FUSIVEIS

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO E-62.014

ESPECIFICAÇÃO E-62.014 ESPECIFICAÇÃO E-62.014 Transformador de Corrente com Tensão Igual ou Superior a 69 kv Processo: Medição e Perdas Versão: 0.0 Início de Vigência: 30-01-2014 Órgão de Origem: Divisão de Medição e Proteção

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO CAIXAS PARA EQUIPAMENTOS DE MEDIÇÃO E PROTEÇÃO DE UNIDADES CONSUMIDORAS INDIVIDUAIS OU AGRUPADAS EMISSÃO: JANEIRO /02 REVISÃO: MARÇO /06 FOLHA : 1 / 23 A P R E S E N

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA D SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJETIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 02 5. INSTRUÇÕES GERAIS 04 5.1. Condições Gerais 04 5.2. Condições Especificas

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria n.º 86, de 26 de maio de 2003. O PRESIDENTE

Leia mais

Padrão Técnico Distribuição Caixa de Medição Tipo V

Padrão Técnico Distribuição Caixa de Medição Tipo V 1- ÂMBITO DE APLICAÇÃO: Esta padronização se aplica a entradas de consumidores polifásicos onde o padrão de entrada tem medição voltada para a calçada atendidos em tensão secundária de distribuição das

Leia mais

DIRETORIA TÉCNICA PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DE AT E MT ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET-301/2010 R-00

DIRETORIA TÉCNICA PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DE AT E MT ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET-301/2010 R-00 DIRETORIA TÉCNICA PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DE AT E MT ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA /2010 R- FOLHA DE CONTROLE I APRESENTAÇÃO A presente Especificação Técnica define os requisitos gerais aplicados ao projeto,

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS MANUTENÇÃO COM CUSTO REGRESSIVO E EFICIENTIZAÇÃO DO SISTEMA DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE ITAÚNA - MG

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS MANUTENÇÃO COM CUSTO REGRESSIVO E EFICIENTIZAÇÃO DO SISTEMA DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE ITAÚNA - MG ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS MANUTENÇÃO COM CUSTO REGRESSIVO E EFICIENTIZAÇÃO DO SISTEMA DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE - MG OUTUBRO DE 2.014 1 OBJETIVO: Especificar os materiais a serem empregados na

Leia mais

Número: TERMO DE REFERÊNCIA PRL 001/2012. Data: PRL Gerência do Programa Luz para Todos 26/01/2012 1.0 - OBJETO/FINALIDADE:

Número: TERMO DE REFERÊNCIA PRL 001/2012. Data: PRL Gerência do Programa Luz para Todos 26/01/2012 1.0 - OBJETO/FINALIDADE: 1.0 - OBJETO/FINALIDADE: Aquisição de 7.812 Unidades de Medição Eletrônica de Energia Elétrica, 1 elemento, 1 fase, 3 fios, 240V e 15(100)A para implantação em padrões de entrada de unidades consumidoras

Leia mais

CÓDIGO TÍTULO VERSÃO POSTES DE CONCRETO COM CAIXA INCORPORADA PARA ENTRADA DE UNIDADE CONSUMIDORA

CÓDIGO TÍTULO VERSÃO POSTES DE CONCRETO COM CAIXA INCORPORADA PARA ENTRADA DE UNIDADE CONSUMIDORA SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO ESPECIFICAÇÃO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO ES.DT.PDN.0.0.005 ENTRADA DE UNIDADE CONSUMIDORA 0 APROVADO POR MARCELO POLTRONIERI ENGENHARIA-ES SUMÁRIO. OBJETIVO... 3 2. HISTÓRICO DAS

Leia mais

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-010 PADRÕES E ESPECIFICAÇÕES DE MATERIAIS DA DISTRIBUIÇÃO

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-010 PADRÕES E ESPECIFICAÇÕES DE MATERIAIS DA DISTRIBUIÇÃO NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-010 PADRÕES E ESPECIFICAÇÕES DE MATERIAIS DA DISTRIBUIÇÃO NDU-010 VERSÃO 3.1 JUNHO/2013 SUMÁRIO Item Descrição Classe Desenho 1. Haste de Aço-Cobre para Aterramento...

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA POSTES DE CONCRETO ARMADO CIRCULAR E DUPLO T E SUMÁRIO CONTEÚDO 1. OBJETIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS 02 5. INSTRUÇÕES GERAIS 03 5.1. Condições de Serviço 03 5.2.

Leia mais

MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS IFSC- JOINVILLE SANTA CATARINA DISCIPLINA DESENHO TÉCNICO CURSO ELETRO-ELETRÔNICA MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS 2011.2 Prof. Roberto Sales. MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS A

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA AMPLA ETA-190/2015 R-01

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA AMPLA ETA-190/2015 R-01 DIRETORIA DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE REDE /25 ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA AMPLA /25 R- FOLHA DE CONTROLE I APRESENTAÇÃO Esta Especificação Técnica define os requisitos gerais

Leia mais

NBR 7483/2005. Cordoalhas de aço para concreto protendido Requisitos

NBR 7483/2005. Cordoalhas de aço para concreto protendido Requisitos NBR 7483/2005 Cordoalhas de aço para concreto protendido Requisitos OBJETIVO Fixar os requisitos para fabricação, encomenda, fornecimento e recebimento de cordoalhas de aço de alta resistência de três

Leia mais

CIE - CENTRO DE INICIAÇÃO AO ESPORTE (QUADRAS REVERSÍVEIS) MINISTÉRIO DO ESPORTE

CIE - CENTRO DE INICIAÇÃO AO ESPORTE (QUADRAS REVERSÍVEIS) MINISTÉRIO DO ESPORTE PROJETO EXECUTIVO DE ESTRUTURAS METÁLICAS CIE - CENTRO DE INICIAÇÃO AO ESPORTE (QUADRAS REVERSÍVEIS) MINISTÉRIO DO ESPORTE MEMORIAL DESCRITIVO DE ESTRUTURAS METÁLICAS - CIE - R40-45 - R01 ESTRUTURA METÁLICA

Leia mais

A entrada de energia elétrica será executada através de:

A entrada de energia elétrica será executada através de: Florianópolis, 25 de março de 2013. 1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS O presente memorial tem como principal objetivo complementar as instalações apresentadas nos desenhos/plantas, descrevendo-os nas suas partes

Leia mais

A N E X O V I I I M Ó D U L O S C O N S T R U T I V O S D E L I N H A S E R E D E S D E D I S T R I B U I Ç Ã O S U B M E R S A S

A N E X O V I I I M Ó D U L O S C O N S T R U T I V O S D E L I N H A S E R E D E S D E D I S T R I B U I Ç Ã O S U B M E R S A S A N E X O V I I I M Ó D U L O S C O N S T R U T I V O S D E L I N H A S E R E D E S D E D I S T R I B U I Ç Ã O S U B M E R S A S C A T Á L O G O R E F E R E N C I A L DE M Ó D U L O S P A D R Õ E S D

Leia mais

RTQ 32 - PÁRA-CHOQUE TRASEIRO DE VEÍCULOS RODOVIÁRIOS PARA O TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS - CONSTRUÇÃO, ENSAIO E INSTALAÇÃO

RTQ 32 - PÁRA-CHOQUE TRASEIRO DE VEÍCULOS RODOVIÁRIOS PARA O TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS - CONSTRUÇÃO, ENSAIO E INSTALAÇÃO RTQ 32 - PÁRA-CHOQUE TRASEIRO DE VEÍCULOS RODOVIÁRIOS PARA O TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS - CONSTRUÇÃO, ENSAIO E INSTALAÇÃO SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Campo de Aplicação 3 Responsabilidade 4 Siglas e Abreviaturas

Leia mais

DIRETORIA TÉCNICA GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DE AT E MT ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET-300/2009 R-04

DIRETORIA TÉCNICA GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DE AT E MT ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET-300/2009 R-04 DIRETORIA TÉCNICA GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DE AT E MT ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET-300/2009 R-04 POSTES DE CONCRETO ARMADO FOLHA DE CONTROLE ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA POSTES DE CONCRETO ARMADO Código

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 33,de 22 de janeiro de 2004. O PRESIDENTE

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA LÂMPADAS A VAPOR DE METÁLICO DME SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJETIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 03 5. INSTRUÇÕES GERAIS 03 5.1. Condições

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA Página: 1/15 RES nº 179/2014, 1. OBJETIVO Estabelecer critérios e exigências técnicas mínimas relativas à aprovação e fabricação de caixas metálicas para atendimento aos clientes do Grupo A e Clientes

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Capítulo 4 Parte 2 Condutores elétricos: 1. semestre de 2011 Abraham Ortega Número de condutores isolados no interior de um eletroduto Eletroduto é um elemento de linha elétrica fechada,

Leia mais

SUMÁRIO. 1. Objetivo 1. 2. Referências 1. 3. Definições 2. 4. Condições gerais 2. 5. Condições específicas 2

SUMÁRIO. 1. Objetivo 1. 2. Referências 1. 3. Definições 2. 4. Condições gerais 2. 5. Condições específicas 2 SUMÁRIO Pág. 1. Objetivo 1 2. Referências 1 3. Definições 2 4. Condições gerais 2 5. Condições específicas 2 6. Apresentação de propostas e aprovação de documentos 4 DISTRIBUIÇÃO AUTOMÁTICA DE CÓPIAS 02.118-CONEM-0003

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR-MDIC

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR-MDIC MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR-MDIC Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial - INMETRO Portaria n.º, de 0 de setembro de 00. O PRESIDENTE DO INSTITUTO

Leia mais

PROCEDIMENTO DE FISCALIZAÇÃO PARA TELHAS CERÃMICAS E TELHAS DE CONCRETO Portaria Inmetro nº 005/2013

PROCEDIMENTO DE FISCALIZAÇÃO PARA TELHAS CERÃMICAS E TELHAS DE CONCRETO Portaria Inmetro nº 005/2013 MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA- INMETRO Diretoria de Avaliação da Conformidade- Dconf Divisão de Fiscalização

Leia mais

I CONFERÊNCIA LATINO-AMERICANA DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL X ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO

I CONFERÊNCIA LATINO-AMERICANA DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL X ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO I CONFERÊNCIA LATINO-AMERICANA DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL X ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO 18-21 julho 2004, São Paulo. ISBN 85-89478-08-4. DESENVONVIMENTO DE EQUIPAMENTOS E PROCEDIMENTOS

Leia mais

Comprimento nominal (L) menos o comprimento de engastamento (e).

Comprimento nominal (L) menos o comprimento de engastamento (e). MANUAL ESPECIAL SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DA DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA E-313.0066 POSTES POLIMÉRICOS DE POLIÉSTER

Leia mais

RECOMENDAÇÕES PARA REFORMA DE INSTALAÇÕES ELETRICAS TEATRO SERRADOR

RECOMENDAÇÕES PARA REFORMA DE INSTALAÇÕES ELETRICAS TEATRO SERRADOR RECOMENDAÇÕES PARA REFORMA DE INSTALAÇÕES ELETRICAS TEATRO SERRADOR Tel.: (021) 2583 6737 Fax.: (021) 2583 6737 Cel.: (021) 9159 4057 dsp@dsp-rj.com.br 1 / 9 Sumário 1 OBJETIVO... 3 2- NORMAS APLICÁVEIS...

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DO PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EMPREENDIMENTO COMERCIAL AC GOIANÉSIA/DR/GO

MEMORIAL DESCRITIVO DO PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EMPREENDIMENTO COMERCIAL AC GOIANÉSIA/DR/GO MEMORIAL DESCRITIVO DO PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EMPREENDIMENTO COMERCIAL AC GOIANÉSIA/DR/GO 1. GENERALIDADES 1.1 O projeto refere-se às instalações elétricas do empreendimento comercial localizado

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE FERRAGENS E ACESSÓRIOS. LT 138kV ENTRONCAMENTO (INDAIAL RIO DO SUL II) RIO DO SUL RB LT 25522

ESPECIFICAÇÃO DE FERRAGENS E ACESSÓRIOS. LT 138kV ENTRONCAMENTO (INDAIAL RIO DO SUL II) RIO DO SUL RB LT 25522 DIRETORIA TECNICA DEPARTAMENTO DE PROJETO E CONSTRUÇÃO DO SISTEMA ELÉTRICO DIVISÃO DE LINHAS ESPECIFICAÇÃO DE FERRAGENS E ACESSÓRIOS LT 138kV ENTRONCAMENTO (INDAIAL RIO DO SUL II) RIO DO SUL RB LT 25522

Leia mais

COMPANHIA MUNICIPAL DE ENERGIA E ILUMINAÇÃO-RIOLUZ DIRETORIA TECNOLÓGICA E DE PROJETO DTP GERÊNCIA TECNOLÓGICA E DE DESENVOLVIMENTO GTD EM-RIOLUZ-14

COMPANHIA MUNICIPAL DE ENERGIA E ILUMINAÇÃO-RIOLUZ DIRETORIA TECNOLÓGICA E DE PROJETO DTP GERÊNCIA TECNOLÓGICA E DE DESENVOLVIMENTO GTD EM-RIOLUZ-14 DIRETORIA TECNOLÓGICA E DE PROJETO DTP GERÊNCIA TECNOLÓGICA E DE DESENVOLVIMENTO GTD EM-RIOLUZ-14 POSTES DE CONCRETO EMISSÃO 17 08-01-15 Página 1 de 20 1 OBJETIVO. SUMARIO 2 DEFINIÇÕES E CONVENÇÕES. 2.1

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS 02 5. INSTRUÇÕES GERAIS 03 5.1. Condições de Operação 03 5.2. Materiais e Construção 04 6. PROCEDIMENTOS

Leia mais

PADRONIZAÇÃO DE ENTRADA DE ENERGIA ELÉTRICA DE UNIDADES CONSUMIDORAS DE BAIXA TENSÃO E-321.0001

PADRONIZAÇÃO DE ENTRADA DE ENERGIA ELÉTRICA DE UNIDADES CONSUMIDORAS DE BAIXA TENSÃO E-321.0001 PADRONIZAÇÃO DE ENTRADA DE ENERGIA ELÉTRICA DE UNIDADES CONSUMIDORAS DE BAIXA TENSÃO E - 3 2 1. 0 0 0 1 N O V E M B R O 2 0 0 7 PADRONIZAÇÃO DE ENTRADA DE ENERGIA ELÉTRICA DE UNIDADES CONSUMIDORAS DE BAIXA

Leia mais

Usuários: Divisão de Medição e Proteção da Receita, Gerências e Centros Regionais.

Usuários: Divisão de Medição e Proteção da Receita, Gerências e Centros Regionais. 1 Usuários: Divisão de Medição e Proteção da Receita, Gerências e Centros Regionais. SUMÁRIO 1. OBJETIVO 2. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 3. DEFINIÇÕES 4. CONDIÇÕES GERAIS 5. CONDIÇÕES ESPECÍFICAS

Leia mais

Portaria Inmetro nº 528, de 03 de dezembro de 2014.

Portaria Inmetro nº 528, de 03 de dezembro de 2014. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA INMETRO Portaria Inmetro nº 528, de 03 de dezembro de 2014. O PRESIDENTE DO INSTITUTO

Leia mais

Portaria n.º 347, de 11 de julho de 2013. CONSULTA PÚBLICA

Portaria n.º 347, de 11 de julho de 2013. CONSULTA PÚBLICA Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 347, de 11 de julho de 2013. CONSULTA

Leia mais

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.02.04 REDE CONVENCIONAL TRANSFORMADORES

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.02.04 REDE CONVENCIONAL TRANSFORMADORES Sumário 1. Objetivo 2. Âmbito de Aplicação 3. Documentos de Referência 4. Requisitos Ambientais 5. Condições Gerais 6. Estruturas Trifásicas com Transformadores 6.1. Estrutura M1 com Transformador 6.2.

Leia mais

TRANSFORMADORES DE MEDIDA

TRANSFORMADORES DE MEDIDA TRANSFORMADORES DE MEDIDA Transformadores de tensão MT e de 60 kv Características e ensaios Elaboração: DNT Homologação: conforme despacho do CA de 2007-02-13 Edição: 2ª. Substitui a edição de Outubro

Leia mais

REV. Página 1 de 14 DOC. IT CERON NORMA TÉCNICA DIRETORIA TÉCNICA GERÊNCIA DE SISTEMAS N.º 002.11

REV. Página 1 de 14 DOC. IT CERON NORMA TÉCNICA DIRETORIA TÉCNICA GERÊNCIA DE SISTEMAS N.º 002.11 . REV. Página de 4. OBJETIVO. NORMAS E/OU DOCUMENTOS COMPLEMENTARES. DEFINIÇÕES 4. CONDIÇÕES GERAIS 5. CONDIÇÕES ESPECÍFICAS 6. INSPEÇÃO 7. VIGÊNCIA. APROVAÇÃO . REV. Página de 4. OBJETIVO.. Esta norma

Leia mais

NORMA TÉCNICA CELG D Luvas Isolantes de Borracha Especificação NTS-04 Revisão 1

NORMA TÉCNICA CELG D Luvas Isolantes de Borracha Especificação NTS-04 Revisão 1 NORMA TÉCNICA CELG D Luvas Isolantes de Borracha Especificação NTS-04 Revisão 1 ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA 1. OBJETIVO 1 2. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 2 3. TERMINOLOGIA E DEFINIÇÕES 4 4. CONSIDERAÇÕES

Leia mais

PEDIDO DE COTAÇÃO - ANEXO I

PEDIDO DE COTAÇÃO - ANEXO I Folha: 0001 Objeto: Aquisição de Material de e Permanente (Equipamentos e Suprimentos de Informática), para 001 081266-9 CABO UTP CAT5E FLEXíVEL, CAIXA COM 300MT Lote 1- Destino: Uinfor CX 30 002 113294-5

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título: CRUZETAS POLIMÉRICAS PARA REDES AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Código ETD-00.059 Data da emissão 04.07.2012 Data da última revisão Folha 1 SUMÁRIO 1 Objetivo

Leia mais

Sistema Normativo Corporativo

Sistema Normativo Corporativo Sistema Normativo Corporativo ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA VERSÃO Nº ATA Nº DATA DATA DA VIGÊNCIA 01-21/09/2012 21/09/2012 APROVADO POR Edson Hideki Takauti DTES-BD SUMÁRIO 1. RESUMO... 3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES...

Leia mais

NORMA TÉCNICA CELG D. Quadro de Distribuição em Pedestal - QDP Especificação e Padronização. NTC-54 Revisão 1

NORMA TÉCNICA CELG D. Quadro de Distribuição em Pedestal - QDP Especificação e Padronização. NTC-54 Revisão 1 NORMA TÉCNICA CELG D Quadro de Distribuição em Pedestal - QDP Especificação e Padronização NTC-54 Revisão 1 ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA 1. OBJETIVO 1 2. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 2 3. TERMINOLOGIA

Leia mais

NORMA TÉCNICA CELG D Chaves Fusíveis de Distribuição Classes 15 e 36,2 kv Padronização e Especificação NTC-12 Revisão 3

NORMA TÉCNICA CELG D Chaves Fusíveis de Distribuição Classes 15 e 36,2 kv Padronização e Especificação NTC-12 Revisão 3 NORMA TÉCNICA CELG D Chaves Fusíveis de Distribuição Classes 15 e 36,2 kv Padronização e Especificação NTC-12 Revisão 3 ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA 1. OBJETIVO 1 2. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 2

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA MANUTENÇÃO CORRIVA EM TRANSFORMADORES DE SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS 02 5. INSTRUÇÕES GERAIS 02 5.1. Local da Realização dos Serviços

Leia mais

Portaria n.º 5, de 8 de janeiro de 2013.

Portaria n.º 5, de 8 de janeiro de 2013. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 5, de 8 de janeiro de 2013. O PRESIDENTE

Leia mais

DOC. NT NT MONTAGEM DE REDES E LINHAS ÁREAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA. INDICE 1. OBJETIVO... 02 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO...

DOC. NT NT MONTAGEM DE REDES E LINHAS ÁREAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA. INDICE 1. OBJETIVO... 02 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO... REV. Página 1 de 149 INDICE Página 1. OBJETIVO... 02 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO... 02 3. NORMAS E/OU DOCUMEOS COMPLEMEARES... 03 4. CONDICÕES GERAIS... 05 5. CONDIÇÕES ESPECÍFICAS... 06 SEÇÃO 5.1 POSTES E

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO. Título. Medidor Eletrônico de Energia Elétrica Quatro Quadrantes de Múltiplas Funções Medição Indireta

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO. Título. Medidor Eletrônico de Energia Elétrica Quatro Quadrantes de Múltiplas Funções Medição Indireta 1 Usuários: Divisão de Medição e Proteção da Receita, Gerências e Centros Regionais. SUMÁRIO 1. OBJETIVO 2. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 3. DEFINIÇÕES 4. CONDIÇÕES GERAIS 5. CONDIÇÕES ESPECÍFICAS

Leia mais

MISTURADOR SUBMERSO RÁPIDO MSR

MISTURADOR SUBMERSO RÁPIDO MSR Indústria e Comércio de Bombas D Água Beto Ltda Manual de Instruções MISTURADOR SUBMERSO RÁPIDO MSR Parabéns! Nossos produtos são desenvolvidos com a mais alta tecnologia Bombas Beto. Este manual traz

Leia mais

SISTEMA DE MEDIÇÃO E LEITURA CENTRALIZADA SMLC

SISTEMA DE MEDIÇÃO E LEITURA CENTRALIZADA SMLC SISTEMA DE MEDIÇÃO E LEITURA CENTRALIZADA SMLC Especificação para implantação de infra-estrutura Diretoria de Redes Gerência de Engenharia da Distribuição Coordenação de Engenharia SISTEMA DE MEDIÇÃO E

Leia mais

Portaria n.º 260, de 05 de junho de 2014.

Portaria n.º 260, de 05 de junho de 2014. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 260, de 05 de junho de 2014. O PRESIDENTE

Leia mais

VÁLIDO SOMENTE PARA VISUALIZAÇÃO EM TELA

VÁLIDO SOMENTE PARA VISUALIZAÇÃO EM TELA ESPECIFICAÇÃO E-62.018 Especificação Técnica Chave de Bloqueio e Aferição Processo: Medição e Perdas Versão: 1.0 Início de Vigência: 08-12-2014 Órgão de Origem: Divisão de Gestão de Medição e Perdas (DGMP).

Leia mais

Sistema Normativo Corporativo

Sistema Normativo Corporativo Sistema Normativo Corporativo PADRÃO TÉCNICO VERSÃO Nº ATA Nº DATA DATA DA VIGÊNCIA 00-13/07/2009 13/07/2009 APROVADO POR José Rubens Macedo Junior SUMÁRIO 1. RESUMO...3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES...3 3.

Leia mais

PADRÃO DE ENTRADA DA UNIDADE CONSUMIDORA COM CAIXA MODULAR DE POLICARBONATO INDIVIDUAL E COLETIVO

PADRÃO DE ENTRADA DA UNIDADE CONSUMIDORA COM CAIXA MODULAR DE POLICARBONATO INDIVIDUAL E COLETIVO CSUMIDORA COM CAIXA MODULAR DE POLICARBATO INDIVIDUAL E COLETIVO 1. OBJETIVO Padronizar entrada da unidade consumidora com a caixa tipo modular, fabricado em policarbonato e tampa transparente, para medição

Leia mais

1. DESCRIÇÃO: - Renovação do ar; - Movimentação do ar. 1.1 SISTEMA ADOTADO:

1. DESCRIÇÃO: - Renovação do ar; - Movimentação do ar. 1.1 SISTEMA ADOTADO: 1. DESCRIÇÃO: OBJETO: O sistema de ventilação mecânica visa propiciar as condições de qualidade do ar interior nos vestiários do mercado público de Porto Alegre. Para a manutenção das condições serão controlados

Leia mais