NORMA TÉCNICA CELG D. Caixas Metálicas para Medição, Proteção e Derivação. NTC-03 Revisão 3

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "NORMA TÉCNICA CELG D. Caixas Metálicas para Medição, Proteção e Derivação. NTC-03 Revisão 3"

Transcrição

1 NORMA TÉCNICA CELG D Caixas Metálicas para Medição, Proteção e Derivação NTC-03 Revisão 3

2

3 NTC-03 / DT-SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA 1. OBJETIVO 1 2. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 2 3. CONDIÇÕES GERAIS Aprovação de Protótipos Acabamento Garantia Desvios e Exceções Acondicionamento 4 4. CONDIÇÕES ESPECÍFICAS Identificação Material Estanqueidade Montagem da Caixa Proteção Contra Corrosão Dispositivo de Selagem Parafuso para Aterramento Visor Dispositivo para Fixação do Disjuntor Abertura de Acesso à Alavanca do Disjuntor Furos para Fixação em Poste Furos para Instalação de Eletrodutos INSPEÇÃO E ENSAIOS Generalidades Ensaios Relatórios de Ensaios 14 ANEXO A TABELA TABELA 1 CRITÉRIOS DE AMOSTRAGEM, ACEITAÇÃO E REJEIÇÃO 15 ANEXO B DESENHOS 16 DESENHO 1 CAIXA PARA MEDIDOR MONOFÁSICO (CORPO) 16 DESENHO 1-A CAIXA PARA MEDIDOR MONOFÁSICO (TAMPA) 17 DESENHO 1-B CAIXA PARA MEDIDOR MONOFÁSICO (PEÇAS) 18 DESENHO 1-C CAIXA PARA MEDIDOR MONOFÁSICO (RELAÇÃO DE MATERIAL) 19 DESENHO 2 CAIXA PARA MEDIDOR POLIFÁSICO (CORPO) 20 DESENHO 2-A CAIXA PARA MEDIDOR POLIFÁSICO (TAMPA) 21 DESENHO 2-B CAIXA PARA MEDIDOR POLIFÁSICO (PEÇAS) 22 DESENHO 2-C CAIXA PARA MEDIDOR POLIFÁSICO (PEÇAS) 23 DESENHO 2-D CAIXA PARA MEDIDOR POLIFÁSICO (RELAÇÃO DE MATERIAL) 24 DESENHO 3 CAIXA PARA MEDIDOR HOROSSAZONAL (CORPO) 25 DESENHO 3-A CAIXA PARA MEDIDOR HOROSSAZONAL (TAMPA) 26 DESENHO 3-B CAIXA PARA MEDIDOR HOROSSAZONAL (JANELA PARA COLETA DE DADOS) 27 DESENHO 3-C CAIXA PARA MEDIDOR HOROSSAZONAL (RELAÇÃO DE MATERIAL) 28

4 NTC-03 / DT-SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA DESENHO 4 CAIXA PARA TRANSFORMADORES DE CORRENTE ATÉ 200:5 A (CORPO) 29 DESENHO 4-A CAIXA PARA TRANSFORMADORES DE CORRENTE ATÉ 200:5 A (TAMPA) 30 DESENHO 4-B CAIXA PARA TRANSFORMADORES DE CORRENTE ATÉ 200:5 A (PEÇAS PARA FIXAÇÃO DOS TCs) 31 DESENHO 5 CAIXA PARA TRANSFORMADORES DE CORRENTE 400:5 A (CORPO) 32 DESENHO 5-A CAIXA PARA TRANSFORMADORES DE CORRENTE 400:5 A (TAMPA) 33 DESENHO 5-B CAIXA PARA TRANSFORMADORES DE CORRENTE 400:5 A (PEÇAS PARA FIXAÇÃO DOS TCs) 34 DESENHO 6 CAIXA PARA TRANSFORMADORES DE CORRENTE DE 600:5 ATÉ 800:5 A (CORPO) 35 DESENHO 6-A CAIXA PARA TRANSFORMADORES DE CORRENTE DE 600:5 ATÉ 800:5 A (TAMPA) 36 DESENHO 6-B CAIXA PARA TRANSFORMADORES DE CORRENTE DE 600:5 ATÉ 800:5 A (PEÇAS PARA FIXAÇÃO DOS TCs) 37 DESENHO 7 CAIXA PROTEÇÃO GERAL ATÉ 175 A PARA MEDIÇÃO AGRUPADA "GRUPO B" (CORPO) 38 DESENHO 7-A CAIXA PROTEÇÃO GERAL ATÉ 175 A PARA MEDIÇÃO AGRUPADA "GRUPO B" (TAMPA) 39 DESENHO 7-B CAIXA PROTEÇÃO GERAL ATÉ 175 A PARA MEDIÇÃO AGRUPADA "GRUPO B" (PEÇAS) 40 DESENHO 8 CAIXA PARA PROTEÇÃO GERAL DISJUNTOR ATÉ 175 A (CORPO) 41 DESENHO 8-A CAIXA PARA PROTEÇÃO GERAL DISJUNTOR ATÉ 175 A (TAMPA) 42 DESENHO 8-B CAIXA PARA PROTEÇÃO GERAL DISJUNTOR ATÉ 175 A (PEÇAS) 43 DESENHO 9 CAIXA PARA PROTEÇÃO GERAL DISJUNTOR DE 250 ATÉ 350 A (CORPO) 44 DESENHO 9-A CAIXA PARA PROTEÇÃO GERAL DISJUNTOR DE 250 ATÉ 350 A (TAMPA) 45 DESENHO 9-B CAIXA PARA PROTEÇÃO GERAL DISJUNTOR DE 250 ATÉ 350 (PEÇAS) 46 DESENHO 10 CAIXA PARA PROTEÇÃO GERAL DISJUNTOR DE 500 ATÉ 800 A (CORPO) 47 CAIXA PARA PROTEÇÃO GERAL DISJUNTOR DE 500 DESENHO 10-A ATÉ 800 A (TAMPA) 48 CAIXA PARA PROTEÇÃO GERAL DISJUNTOR DE 500 DESENHO 10-B ATÉ 800 A (PEÇAS) 49 CAIXA PARA PROTEÇÃO GERAL DISJUNTOR DE 500 DESENHO 10-C ATÉ 800 A (PEÇAS) 50 DESENHO 11 QUADRO GERAL DE DISTRIBUIÇÃO - QGD (CORPO) 51 DESENHO 11-A QUADRO GERAL DE DISTRIBUIÇÃO - QGD (TAMPA) 52

5 ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA QUADRO GERAL DE DISTRIBUIÇÃO - QGD (SUBTAMPA DESENHO 11-B INTERNA LACRÁVEL) 53 QUADRO GERAL DE DISTRIBUIÇÃO - QGD (BASE DESENHO 11-C REGULÁVEL PARA FIXAÇÃO DO DISJUNTOR) 54 DESENHO 12 CAIXA PARA DERIVAÇÃO - MT - 2/1 (CORPO) 55 DESENHO 12-A CAIXA PARA DERIVAÇÃO - MT - 2/1 (TAMPA) 56 DESENHO 13 CAIXA PARA DERIVAÇÃO - MT - 3/2 (CORPO E TAMPA) 57 DESENHO 14 CAIXA PARA DERIVAÇÃO - MT - 5/3 (CORPO E TAMPA) 58 DESENHO 15 CAIXA PARA DERIVAÇÃO - TM - 2/3 (CORPO) 59 DESENHO 15-A CAIXA PARA DERIVAÇÃO - TM - 2/3 (TAMPA) 60 DESENHO 16 CAIXA PARA DERIVAÇÃO - TM - 3/5 (CORPO E TAMPA) 61 DESENHO 17 CAIXA PARA DERIVAÇÃO - M-1 (CORPO) 62 DESENHO 17-A CAIXA PARA DERIVAÇÃO M-1 (TAMPA) 63 ANEXO C TERMO DE RESPONSABILIDADE 64 ANEXO D QUADRO DE DADOS TÉCNICOS E CARACTERÍSTICAS 65 GARANTIDAS ANEXO E QUADRO DE DESVIOS TÉCNICOS E EXCEÇÕES 67 NTC-03 / DT-SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA

6 1. OBJETIVO Esta norma estabelece os critérios e as exigências técnicas mínimas relativas à fabricação, recebimento e aprovação de protótipos de caixas para medição, proteção e derivação, confeccionadas em chapa de aço, para aplicação na área de concessão da CELG D. NTC-03 / DT SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 1

7 2. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES Para fins de fabricação, inspeção e ensaios, os materiais componentes das caixas deverão satisfazer as exigências desta norma e às seguintes normas técnicas da ABNT e da CELG D: NBR 5426 Planos de amostragem e procedimentos na inspeção por atributos - Procedimento. NBR 5996 Zinco primário - Especificação. NBR 6323 Galvanização de produtos de aço ou ferro fundido - Especificação. NBR 7397 Produto de aço ou ferro fundido revestido de zinco por imersão a quente - Determinação da massa do revestimento por unidade de área - Método de ensaio. NBR 7398 Produto de aço ou ferro fundido revestido de zinco por imersão a quente - Verificação da aderência do revestimento. NBR 7399 Produto de aço ou ferro fundido revestido de zinco por imersão a quente - Verificação da espessura do revestimento por processo nãodestrutivo. NBR 7400 Produto de aço ou ferro fundido - Revestimento de zinco por imersão a quente - Verificação da uniformidade do revestimento. NBR 9209 Preparação de superfícies para pintura - Processo de fosfatização - Procedimento. NBR Tintas - Determinação da espessura da película seca - Método de ensaio. NBR Tintas - Determinação da aderência - Método de ensaio. NBR Sistemas de pintura para equipamentos e instalações de subestações elétricas. NBR IEC Graus de proteção para invólucros de equipamentos elétricos. NTC-04 NTC-05 Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Secundária de Distribuição. Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Primária de Distribuição. Notas: 1) Poderão ser utilizadas normas de outras organizações normalizadoras, desde que sejam oficialmente reconhecidas pelos governos dos países de origem, assegurem qualidade igual ou superior às mencionadas neste item, não contrariem esta especificação e sejam submetidas a uma avaliação prévia por parte da CELG D. 2) Caso haja opção por outras normas, que não as anteriormente mencionadas essas devem figurar, obrigatoriamente, na documentação de licitação. Todavia, caso a CELG D considere conveniente, o proponente deve enviar uma cópia de cada norma para fins de análise. 3) O fornecedor deve disponibilizar, para o inspetor da CELG D, no local da inspeção, todas as normas acima mencionadas, em suas últimas revisões. NTC-03 / DT SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 2

8 3. CONDIÇÕES GERAIS 3.1 Aprovação de Protótipos 3.2 Acabamento Deve ser enviado pelo fabricante um protótipo de cada tipo de caixa que pretenda fabricar, juntamente com os respectivos desenhos, memorial descritivo e correspondência solicitando a aprovação. Fabricantes que fornecerem caixas com matéria-prima de má qualidade, características ou modelos diferentes do protótipo aprovado, em desacordo com esta norma ou que apresentarem defeitos de fabricação, poderão ter a sua homologação suspensa, temporária ou definitivamente, sem aviso prévio. A aprovação das caixas não tem caráter definitivo, podendo a CELG D realizar inspeção em periodicidade que julgar conveniente, sem aviso prévio, tanto nas instalações do fabricante quanto por ocasião da ligação das unidades consumidoras, onde as amostras serão colhidas aleatoriamente pelo inspetor da concessionária. Todas as despesas decorrentes da visita do inspetor e da execução dos ensaios correrão por conta do fabricante. Após a aprovação dos protótipos não serão aceitas quaisquer modificações em relação a eles, tanto para venda à CELG D quanto a consumidores. Qualquer modificação no modelo de caixa aprovado pela CELG D, deverá ser solicitada por escrito e dependerá de aprovação prévia. A divulgação da aprovação aos setores competentes da CELG D somente será feita após aceitação pelo fabricante das condições impostas nesta norma. A utilização de materiais diferentes dos especificados somente será possível com aprovação prévia da CELG D. O fabricante deverá indicar claramente em sua proposta ou na solicitação de aprovação de protótipos os possíveis desvios e exceções à presente norma. A constatação durante a fabricação, comercialização e/ou inspeção de desvios e exceções, não indicados nos desenhos aprovados, implicará na rejeição automática do material ou protótipo, sem quaisquer ônus ou obrigações para a CELG D. Quaisquer exigências adicionais ou dispensa aos requisitos constantes desta norma, só terão validade por escrito e deverão ser claramente mencionados nos documentos de licitação ou de solicitação de aprovação de protótipos. O corpo e a tampa devem ter acabamento liso e uniforme, sem cantos vivos, reentrâncias, arestas cortantes ou rebarbas, principalmente nos pontos onde forem efetuadas soldas e nos dispositivos para lacre e de fixação do disjuntor. As caixas de um mesmo modelo, não devem ter discrepâncias em suas características físicas de acabamento, devendo ser idênticas, e ter todas as suas peças intercambiáveis, mesmo sendo de fabricantes distintos. NTC-03 / DT SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 3

9 3.3 Garantia Os materiais empregados na fabricação devem ser de boa qualidade, resistentes a impactos mecânicos e à ação de agentes corrosivos. Devem ser observadas as dimensões e detalhes construtivos constantes dos desenhos de cada tipo de caixa. Na fabricação deverá ser empregado ferramental apropriado de modo a permitir perfeito acabamento. A garantia mínima deve ser de trinta e seis meses, a partir da data de entrega, ou vinte e quatro meses, a partir da data de instalação, prevalecendo o que ocorrer primeiro, contra qualquer defeito de projeto, material ou fabricação. Caso o lote fornecido apresente defeito ou deixe de atender aos requisitos apresentados nesta norma, um novo período de garantia de doze meses deverá entrar em vigor. Se necessário devem ser substituídas as caixas ou apenas partes com defeito, sem ônus para o consumidor ou para a CELG D. As despesas com mão-de-obra decorrentes de consertos, retiradas e instalações de caixas comprovadamente com defeito de fabricação, bem como o transporte destas peças entre almoxarifado CELG D, consumidor e fabricante, correrão por conta do último. Cada caixa deve vir acompanhada do respectivo Certificado de Garantia emitido pelo fabricante. 3.4 Desvios e Exceções O fabricante deverá indicar claramente em sua proposta os possíveis desvios e exceções à presente norma. Quaisquer exigências adicionais ou dispensa aos requisitos constantes desta norma só terão validade por escrito e deverão ser claramente mencionados nos documentos de licitação. 3.5 Acondicionamento As caixas devem ser acondicionadas de modo a garantir proteção adequada durante o transporte, manuseio nas operações de carga e descarga e armazenamento abrigado. Devem ser embaladas em caixas de papelão, obedecendo aos limites de massa e dimensões fixados pela CELG D, em volumes apoiados em paletes de madeira, de maneira a garantir que não tenham contato direto com o solo. NTC-03 / DT SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 4

10 Cada volume deve ter legivelmente marcado: - nome ou marca do fabricante; - identificação completa do conteúdo; - tipo e quantidade; - massas bruta e líquida (kg); - dimensões do volume; - nome da CELG D; - numero do Contrato de Fornecimento de Material (CFM) e da nota fiscal. Nota: O fornecedor deve enumerar os diversos volumes e anexar à nota fiscal uma relação descritiva do conteúdo individual de cada um. NTC-03 / DT SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 5

11 4. CONDIÇÕES ESPECÍFICAS 4.1 Identificação 4.2 Material O corpo e a tampa das caixas deverão ser clara e indelevelmente marcados nos locais indicados nos respectivos desenhos, com as seguintes informações: - nome e/ou marca comercial do fabricante; - mês e ano de fabricação. As caixas deverão ser confeccionadas em chapa de aço, com espessura mínima 1,2 mm (18 USG), exceto para a caixa do quadro geral de distribuição, a qual deve ter espessura mínima de 1,52 mm (16 USG) e o dispositivo para lacre com chapa de 1,9 mm (14 USG). As chapas de aço utilizadas na confecção das caixas devem ser isentas de ferrugem e defeitos superficiais que requeiram trabalho de recondicionamento para sua utilização. As chapas devem ser fornecidas oleadas, de modo a evitar a ação da ferrugem durante o processo de fabricação. 4.3 Estanqueidade Todas as caixas deverão ser estanques à penetração de água, com grau de proteção mínimo IP54, conforme NBR IEC Montagem da Caixa As peças componentes e as junções do corpo da caixa deverão ser soldadas entre si, por solda a ponto. Devem ser observadas as dimensões e detalhes construtivos, indicados nos respectivos desenhos. As caixas devem ser confeccionadas com ferramental apropriado de modo a permitir um perfeito acabamento. A tampa deve se fixar firmemente ao corpo por encaixe, exceto na caixa para medidor horossazonal onde a tampa deve ser presa ao corpo da caixa por dobradiças, formando um conjunto rígido e resistente. Para tal podem ser usados reforços internos. 4.5 Proteção Contra Corrosão As caixas deverão ser protegidas contra a corrosão utilizando qualquer um dos seguintes processos: - pintura alquídica ou a pó (epoxi); - zincagem por imersão a quente. NTC-03 / DT SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 6

12 4.5.1 Pintura a) Preparação da Superfície Deverá ser realizada, interna e externamente, da seguinte forma: - as caixas devem sofrer desengraxamento e decapagem química ou jateamento abrasivo ao metal quase branco, padrão visual Sa 2 1/2 da norma SIS , visando a remoção do óleo e graxa nelas existentes; - após a decapagem, e verificada a ausência total de umidade, as caixas deverão ser encaminhadas para receber a fosfatização e/ou pintura de base; - a pintura de acabamento, interna e externa, deverá ser compatível com a tinta de fundo utilizada, na cor cinza claro, notação Munsell N6.5. d) pintura alquídica base: uma demão de cromato de zinco com espessura mínima de 35 µm; acabamento: uma demão de tinta com espessura mínima de 45 µm; A espessura final da proteção, com a película seca, deve apresentar espessura média com pelo menos 80 µm e mínima individual de 75 µm. e) pintura a pó (epóxi) base: fosfatização; acabamento: tinta em pó, à base de epóxi, aplicada por sistema eletrostático, com espessura média de 80 e mínima individual de 75 µm Zincagem por Imersão a Quente Quando zincadas por imersão a quente, as caixas devem atender às seguintes condições: a) o zinco deverá ser do tipo comum, conforme especificado na NBR 5996, e o teor de alumínio não deve exceder 0,01%; b) a zincagem deve ser executada de acordo com a NBR 6323; c) o peso e a espessura da camada de zinco deverão estar de acordo com os valores mínimos estabelecidos no item j; d) a zincagem somente deverá ser aplicada às peças após sua fabricação, perfuração e marcação; e) a camada de zinco deve estar rigidamente aderida à superfície das caixas; f) a remoção do excesso de zinco após a retirada das peças do banho, se fará preferencialmente por centrifugação ou batimento indireto; g) as saliências formadas por excesso de zinco deverão ser esmerilhadas ou limadas sem atingir a peça; este procedimento não deverá ser aplicado nos furos das peças zincadas; NTC-03 / DT SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 7

13 h) as peças zincadas não deverão apresentar irregularidades no revestimento tais como inclusão de fluxo, borras, áreas não revestidas ou outras, incompatíveis com o emprego previsto para elas; i) eventuais diferenças de brilho, cor ou cristalização não serão consideradas como defeito; j) A espessura do revestimento de zinco deverá ter, no mínimo, individualmente, 50 µm e média de 57 µm, sendo a massa mínima individual 350 g/m 2 e média de 400 g/m Dispositivo de Selagem Todas as caixas devem possuir dispositivo para selagem da tampa ao corpo, com dimensões, forma de instalação e localização conforme indicado nos respectivos desenhos. O suporte de sustentação do parafuso de lacre deve ser em chapa 16 USG fixado à base da caixa por quatro pontos de solda, no mínimo. O parafuso de lacre deve ser de aço inoxidável, cabeça abaulada (francês), M6 x 25 mm, com furo 2 mm, na extremidade, para fixação do arame do lacre, equipado com uma porca e uma arruela, conforme detalhes nos desenhos. A confecção desse dispositivo na tampa da caixa deve ser conforme previsto nos respectivos desenhos, com orifício para entrada do parafuso de lacre, provida de tampa tipo lingüeta corrediça, em chapa com espessura mínima de 1,2 mm (18 USG). 4.7 Parafuso para Aterramento 4.8 Visor Todas as caixas devem possuir um parafuso passante cabeça sextavada, de latão ou cobre, M8 x 45 mm, com três porcas e quatro arruelas lisas do mesmo material. Em todos os casos os parafusos devem localizar-se na parte inferior das caixas, conforme mostrado nos desenhos de cada uma delas. O furo para passagem do parafuso não deverá ter repuxo. As caixas, dependendo do modelo, devem dispor, em sua tampa, de visor confeccionado em policarbonato transparente, aditivado para suportar intempéries e raios ultravioleta, com espessura mínima de 3 mm. Suas dimensões e localização estão indicadas nos desenhos de cada tipo de caixa. Todo o contorno do visor deve ser protegido por uma gaxeta em "U" de borracha sintética, com a finalidade de evitar infiltração de água no interior da caixa. O dispositivo de fixação do visor à tampa deve estar de acordo com o indicado em cada desenho de forma a permitir a substituição do mesmo. NTC-03 / DT SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 8

14 4.9 Dispositivo para Fixação do Disjuntor As caixas para medidor e as para disjuntor devem possuir internamente, um dispositivo ajustável de fácil operação, para fixação segura de um disjuntor termomagnético. Este dispositivo está padronizado para cada modelo de caixa, podendo ser aceitas variações, desde que cumpram adequadamente a função e sejam previamente aprovados pela CELG D. Deve apresentar espessura adequada, que lhe dê rigidez, e possuir quinas arredondadas. Nas caixas para medidor monofásico o dispositivo deve permitir a instalação de disjuntor unipolar com corrente nominal até 60 A e, nas para medidor polifásico, disjuntor tripolar com corrente nominal até 100 A. Este dispositivo deve ser provido de furos e garras (trilho DIN) e/ou parafusos e porcas para fixação de qualquer modelo de disjuntor aprovado pela CELG D e permitir o ajuste da base do disjuntor na faixa de 50 a 110 mm, medido a partir do fundo da caixa. Deve ser protegido contra corrosão por intermédio de galvanização a fogo, eletrolítica ou bicromatização Abertura de Acesso à Alavanca do Disjuntor As caixas onde deverão ser instalados disjuntores devem possuir nas tampas uma abertura de acesso à alavanca do mesmo, provida de lingüeta corrediça, com localização conforme indicado nos respectivos desenhos. A alavanca do disjuntor não deve encostar na superfície da lingüeta. A abertura de acesso à alavanca do disjuntor deve ser fabricada de modo a impedir a entrada de insetos no interior da caixa, mesmo quando a lingüeta estiver aberta Furos para Fixação em Poste As caixas para medidor monofásico e polifásico devem possuir na sua parte posterior, furos de 7 mm, que possibilitem a fixação em postes de aço seção quadrada. As caixas para medidor monofásico e polifásico destinadas à instalação em poste de aço seção circular devem possuir, na parte posterior, quatro furos 5 mm, para permitir, através de suporte apropriado, a fixação nos referidos postes. O posicionamento desses furos está indicado nos desenhos correspondentes a cada tipo de caixa. NTC-03 / DT SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 9

15 4.12 Furos para Instalação de Eletrodutos Conforme previsto nos respectivos desenhos, as caixas devem ser providas de furos semi-cortados ou com duas tampas removíveis. Nos furos onde são previstas tampas removíveis estas deverão possibilitar reinstalação e não serem violáveis pelo lado externo. NTC-03 / DT SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 10

16 5. INSPEÇÃO E ENSAIOS 5.1 Generalidades a) As caixas deverão ser submetidas à inspeção e ensaios na fábrica, na presença de inspetores credenciados pela CELG D. b) A CELG D reserva-se o direito de inspecionar e testar as caixas e o material utilizado durante o período de fabricação, antes do embarque ou a qualquer tempo em que julgar necessário. O fabricante deverá proporcionar livre acesso do inspetor aos laboratórios e às instalações onde o material em questão estiver sendo fabricado, fornecendo-lhe as informações solicitadas e realizando os ensaios necessários. O inspetor poderá exigir certificados de procedências de matérias-primas e componentes, além de fichas e relatórios internos de controle. c) Antes de serem fornecidas as caixas, um protótipo de cada modelo abordado por esta norma deve ser aprovado, através da realização dos ensaios de tipo previstos no item 5.2. d) Os ensaios para aprovação do protótipo podem ser dispensados parcial ou totalmente, a critério da concessionária, caso já exista um protótipo idêntico aprovado. Se os ensaios de tipo forem dispensados, o fabricante deve emitir um relatório completo destes ensaios, com todas as informações necessárias, tais como, métodos, instrumentos e constantes usadas. A eventual dispensa destes ensaios pela concessionária somente terá validade por escrito. e) O fabricante deve dispor de pessoal e aparelhagem, próprios ou contratados, necessários à execução dos ensaios. Em caso de contratação, deve haver aprovação prévia por parte da CELG D. f) O fabricante deve assegurar ao inspetor da CELG D o direito de familiarizar-se, em detalhes, com as instalações e equipamentos a serem utilizados, estudar todas as instruções e desenhos, verificar calibrações, presenciar ensaios, conferir resultados e, em caso de dúvida, efetuar novas inspeções e exigir a repetição de qualquer ensaio. g) Todos os instrumentos e aparelhos de medição, máquinas de ensaios, etc, devem ter certificado de aferição emitido por instituições acreditadas pelo INMETRO, válidos por um período máximo de um ano. Por ocasião da inspeção, devem estar ainda dentro deste período, podendo acarretar desqualificação do laboratório o não cumprimento dessa exigência. h) A aceitação do lote e/ou a dispensa de execução de qualquer ensaio: - não exime o fabricante da responsabilidade em fornecer os materiais de acordo com os requisitos desta norma; - não invalida qualquer reclamação posterior da CELG D a respeito da qualidade do material e/ou fabricação. Em tais casos, mesmo após haver saído da fábrica, o lote pode ser inspecionado e submetido a ensaios, com prévia notificação ao fabricante e, eventualmente, em NTC-03 / DT SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 11

17 sua presença. Havendo qualquer discrepância em relação às exigências desta norma, o lote pode ser rejeitado e sua reposição será por conta do fabricante. i) Após a inspeção das caixas, o fabricante deverá encaminhar à CELG D, por lote ensaiado, um relatório completo dos testes efetuados, em uma via, devidamente assinado por ele e pelo inspetor credenciado pela concessionária. Esse relatório deverá conter todas as informações necessárias para o seu completo entendimento, tais como, métodos, instrumentos, constantes e valores utilizados nos ensaios, além dos resultados obtidos. j) Todas as unidades de produto rejeitadas, pertencentes a um lote aceito, devem ser substituídas por outras novas e perfeitas, por conta do fabricante, sem ônus para a CELG D. Tais unidades correspondem aos valores apresentados na coluna Ac da Tabela 1. k) Nenhuma modificação nas caixas deve ser feita "a posteriori" pelo fabricante, sem a aprovação da CELG D. No caso de alguma alteração, o fabricante deve realizar todos os ensaios, na presença do inspetor da concessionária, sem qualquer custo adicional. l) A CELG D poderá, a seu critério, em qualquer ocasião, solicitar a execução dos ensaios para verificar se as caixas estão mantendo as características de projeto preestabelecidas por ocasião da aprovação dos protótipos. m) Para efeito de inspeção, as caixas deverão ser divididos em lotes, por tipo. n) A rejeição do lote, em virtude de falhas constatadas nos ensaios, não dispensa o fabricante de cumprir as datas de entrega prometidas. Se, na conclusão da CELG D, a rejeição tornar impraticável a entrega do material nas datas previstas, ou tornar evidente que o fabricante não será capaz de satisfazer às exigências estabelecidas nesta especificação, a mesma reserva-se ao direito de rescindir todas as obrigações e obter o material de outro fornecedor. Em tais casos, o fabricante será considerado infrator do contrato e estará sujeito às penalidades aplicáveis. o) O custo dos ensaios deve ser por conta do fabricante. p) A CELG D reserva-se o direito de exigir a repetição de ensaios em lotes já aprovados. Nesse aspecto, as despesas serão de responsabilidade desta, caso as unidades ensaiadas forem aprovadas na segunda inspeção; em hipótese contrária, incidirão sobre o fabricante. q) Os custos da visita do inspetor da CELG D, tais como, locomoção, hospedagem, alimentação, homem-hora e administrativos, correrão por conta do fabricante se: - na data indicada na solicitação de inspeção o material não estiver pronto; - o laboratório de ensaio não atender às exigências citadas nas alíneas e até g; - o material fornecido necessitar de acompanhamento de fabricação ou inspeção final em subfornecedor, contratado pelo fornecedor, em localidade diferente da sua sede; - for necessário reinspecionar o material por motivo de recusa. NTC-03 / DT SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 12

18 5.2. Ensaios A CELG D enviará periodicamente inspetores credenciados às indústrias e procederá ao controle de qualidade das caixas, verificando se as mesmas estão dentro dos padrões especificados nesta norma e aplicando todos os ensaios previstos no item 5.2. O fabricante deverá regulamentar e executar o controle de qualidade de fabricação, que consistirá basicamente de ensaios de qualidade, análise química e metalográfica. Para efeito de aprovação de protótipos, quando do recebimento das caixas e periodicamente após a aprovação, serão realizados os ensaios a seguir especificados Inspeção Geral Antes de serem efetuados os demais ensaios o inspetor fará uma inspeção geral, verificando os seguintes itens: - existência de todos os componentes e acessórios requeridos, bem como, suas características e qualidade do acabamento; - fixação dos dispositivos de proteção, medição e encaixe da tampa; - identificação, conforme item 4.1; - acondicionamento, conforme item 3.5; - dimensional, será verificado se as caixas estão de acordo com os respectivos desenhos e compreenderá a análise dos seguintes aspectos: Estanqueidade Pintura - dimensões; - tolerâncias; - intercambiabilidade. As caixas devem ser ensaiadas conforme NBR IEC para verificação da vedação contra entrada de poeira e água. O grau de proteção mínimo deve ser IP Aderência da Camada As caixas, quando pintadas, devem ser ensaiadas conforme NBR O grau de aderência deve ser GR Espessura da Camada A espessura da camada de tinta deverá estar de acordo com o item (base e acabamento) e será determinada conforme método prescrito na NBR Revestimento de Zinco Devem ser verificadas as seguintes características da camada de zinco, conforme as normas indicadas. NTC-03 / DT SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 13

19 Massa Espessura Operação O ensaio deve ser realizado em conformidade com a NBR As amostras serão consideradas aprovadas se a massa por unidade de área estiver de acordo com o prescrito no item j. As caixas devem ser ensaiadas conforme NBR Constitui falha se a espessura da camada de zinco estiver em desacordo com os valores estabelecidos no item j. Instalados os disjuntores e colocadas as tampas nas caixas, a alavanca será acionada 100 vezes, após estas operações o disjuntor deverá continuar rigidamente fixado à sua base. 5.3 Relatórios de Ensaios Logo após a inspeção do lote devem ser encaminhados à CELG D os laudos dos ensaios. Caso a presença do inspetor seja dispensada o fornecedor deve apresentar, além dos relatórios, a garantia de autenticidade dos resultados. Esta garantia pode ser dada no próprio relatório ou através de um certificado à parte. Devem constar dos relatórios, no mínimo, as seguintes informações: a) nome e/ou marca comercial do fabricante; b) identificação do laboratório onde foram efetuados os ensaios; c) tipo e quantidade de material do lote; d) tipo e quantidade ensaiada; e) identificação completa do material ensaiado; f) relação, descrição e resultado dos ensaios executados e respectivas normas utilizadas; g) referência a esta norma; h) número do Contrato de Fornecimento de Material (CFM); i) data de início e de término; j) nomes legíveis e assinaturas dos respectivos representantes do fabricante e inspetor da CELG D; k) data de emissão. NTC-03 / DT SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 14

20 ANEXO A TABELA 1 CRITÉRIOS DE AMOSTRAGEM, ACEITAÇÃO E REJEIÇÃO TAMANHO DO LOTE AMOSTRA SEQ INSPEÇÃO GERAL VISUAL DIMENSIONAL ESTANQUEIDADE OPERAÇÃO ESPESSURA E ADERÊNCIA DA CAMADA NÍVEL II, NQA 2,5% NÍVEL S3, NQA 6,5% QUANT. Ac Re AMOSTRA SEQ. QUANT. Ac Re Até a a a 500 1ª 2ª 1ª 2ª 1ª 2ª ª 2ª a ª 2ª ª a ª 2ª ª a ª 2ª ª 2ª Notas: 1) Ac - número de unidades defeituosas que ainda permite aceitar o lote. Re - número de unidades defeituosas que implica na rejeição do lote. 2) Para a amostragem dupla adotar o seguinte procedimento: ensaia-se um número inicial de unidades igual ao da primeira amostra obtida na tabela. Se o número de unidades defeituosas encontradas estiver compreendido entre Ac e Re (excluindo estes valores), deve-se ensaiar a segunda amostra. O total de unidades defeituosas encontradas, após ensaiadas as duas amostras, deve ser igual ou inferior ao maior Ac especificado. 3) Planos de amostragem conforme NBR ) Na amostragem para ensaio de aprovação de protótipo deverão ser retiradas aleatoriamente quatro amostras de cada tipo de caixa, para os ensaios. 5) O material só será considerado aprovado se todos os resultados, de cada uma das amostras, forem considerados satisfatórios. 6) A não conformidade das caixas com qualquer uma das características que possa comprometer a qualidade determinará a rejeição do lote. NTC-03 / DT SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 15

21

22

23

24

25

26

27

28

29

30

31

32

33

34

35

36

37

38

39

40

41

42

43

44

45

46

47

48

49

50

51

52

53

54

55

56

57

58

59

60

61

62

63

64

65

66

67

68

69 ANEXO C TERMO DE RESPONSABILIDADE A empresa Endereço: (Rua, Av, estrada) Nº, Cidade: Estado:, CEP: - Fone: ( ) ; Fax: ( ) ; CNPJ, declara por meio de seus representantes legais abaixo assinados, ter cumprido na íntegra, todas as determinações técnicas de acordo com o previsto na norma NTC-03 da CELG D, visando a apresentação de protótipos de caixas para homologação, as quais serão utilizadas em entradas de serviço de unidades consumidoras. Declara ainda assumir a responsabilidade pela colocação do produto no mercado em condições adequadas, pela eventual responsabilidade civil e criminal, além do ressarcimento de eventuais prejuízos decorrentes de danos materiais causados à CELG D, a seus consumidores e a terceiros, bem como todas e quaisquer despesas necessárias para visita de inspeção e avaliação industrial. Fica a empresa fornecedora ciente de que esta homologação não tem caráter definitivo, podendo ser revogada a qualquer tempo, sem prévio aviso, caso o material em referência esteja em desacordo com a respectiva norma. Na hipótese de se apurar a colocação do produto no mercado em desacordo com a norma supracitada, estará a CELG D autorizada, mediante simples aviso, a promover a exclusão da empresa do Cadastro de Fornecedores de Materiais para Entrada de Serviço de Unidades Consumidoras. Produtos homologados: Local/Data: Proprietário (Nome e Assinatura): RG: CPF: Engº Responsável (Nome e Assinatura): RG: CPF: CREA: Modalidade: Obs: as assinaturas deverão ter firma reconhecida em cartório. NTC-03 / DT SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 64

70 ANEXO D QUADRO DE DADOS TÉCNICOS E CARACTERÍSTICAS GARANTIDAS CAIXA PARA MEDIDOR EM CHAPA DE AÇO Nome do fornecedor: Nº da licitação: Nº da proposta: ITEM DESCRIÇÃO CARACTERÍSTICA UNIDADE 1. Tipo de caixa Tipo de aço utilizado na fabricação - espessura da chapa mm Dimensional - altura - largura - profundidade mm mm mm Pintura Base: - tipo de tratamento anticorrosivo - espessura da camada Acabamento - tipo de tinta utilizado - espessura da camada Espessura total da película seca Zincagem - espessura da camada - massa da camada µm µm µm µm g/cm 2 6. Grau de proteção 7. Expectativa de vida útil anos 8. Anexar à proposta cópias dos certificados dos ensaios constantes do item 5.2, realizados em caixas idênticas às ofertadas e em laboratório de entidades, conforme Nota 6 (1). (1) Se o fabricante tiver protótipo aprovado pela CELG D, não será necessário anexar os relatórios constantes do item 8, caso contrário, é obrigatório a apresentação de relatórios de ensaios efetuados em laboratório conforme Nota 6, em caixas idênticas às ofertadas, sob pena de desclassificação. Notas: 1) O fabricante deve fornecer em sua proposta todas as informações requeridas no Quadro de Dados Técnicos e Características Garantidas. 2) Se o fabricante apresentar propostas alternativas, cada uma delas deve ser submetida com o Quadro de Dados Técnicos e NTC-03 / DT SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 65

71 Características Garantidas, específico, claramente preenchido, sendo que cada quadro deve ser devidamente marcado para indicar a qual proposta pertence. Deverá ser feita também uma descrição sucinta dos desvios principais com relação à proposta básica, caso existam. 3) Erro no preenchimento do quadro poderá ser motivo para desclassificação. 4) Todas as informações requeridas no quadro devem ser compatíveis com as descritas em outras partes da proposta de fornecimento. Em caso de dúvidas, as informações prestadas no referido quadro prevalecerão sobre as descritas em outras partes da proposta. 5) O fabricante deve garantir que a performance e as características dos materiais a serem fornecidos estejam em conformidade com as informações aqui prestadas. 6) Todos os ensaios referidos no item 5.2 devem ser realizados por um dos seguintes órgãos laboratoriais: - governamentais; - credenciados pelo governo do país de origem; - de entidades reconhecidas internacionalmente; - do fornecedor, na presença do inspetor da CELG D. NTC-03 / DT SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 66

72 ANEXO E QUADRO DE DESVIOS TÉCNICOS E EXCEÇÕES Nome do Fabricante: N da Licitação: N da Proposta: REFERÊNCIA DESCRIÇÃO SUCINTA DOS DESVIOS E EXCEÇÕES NTC-03 / DT SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 67

73 ALTERAÇÕES NA NTC-03 Item Data Item da norma Revisão Título Dispositivo de selagem 2 Ago/ Visor (Policarbonato) 3 Desenho 3 Caixa para medidor horossazonal (Janela para leitura) 4 Desenho 1 Caixa para medidor monofásico (Furação superior e inferior) 5 Desenho 2 Caixa para medidor polifásico (Furação superior e inferior) 6 Desenho 7 Caixa para proteção geral até 175 A para medição agrupada "Grupo B" (Furação e janela de visualização dos DPSs) 7 Desenho 8 Caixa para proteção geral disjuntor até 175 A (Nova caixa) 8 Desenho 9 Caixa para proteção geral disjuntor de 250 até 350 A (Furação e janela de visualização dos DPSs) 9 Jul/09 3 Caixa para proteção geral disjuntor de 500 até 800 A (Furação e Desenho 10 janela de visualização dos DPs) 10 Desenho 12 Caixa para derivação - MT 2/1 (Furação superior e inferior) 11 Desenho 13 Caixa para derivação - MT 3/2 (Furação superior e inferior) 12 Desenho 14 Caixa para derivação - MT 5/3 (Furação superior e inferior) 13 Desenho 15 Caixa para derivação - TM 2/3 (Furação superior e inferior) 14 Desenho 16 Caixa para derivação - TM 3/5 (Furação superior e inferior) 15 Desenho 17 Caixa para derivação - M1 (Furação superior e inferior) NTC-03 / DT SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 68

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título ELO FUSÍVEL DE DISTRIBUIÇÃO

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título ELO FUSÍVEL DE DISTRIBUIÇÃO ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título ELO FUSÍVEL DE DISTRIBUIÇÃO Código ETD-00.016 Data da emissão 30.04.1987 Data da última revisão 29.06.2006 Folha 1 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Normas Complementares 3 Definições

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título: TRANSFORMADORES DE POTENCIAL PARA EQUIPAMENTOS ESPECIAIS Código ETD-00.062 Data da emissão 28.09.2012 Data da última revisão Folha 1 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Normas Complementares

Leia mais

QUADRO DE MEDIDORES PARA PRÉDIO DE MÚLTIPLAS UNIDADES CONSUMIDORAS NTD-23

QUADRO DE MEDIDORES PARA PRÉDIO DE MÚLTIPLAS UNIDADES CONSUMIDORAS NTD-23 QUADRO DE MEDIDORES PARA PRÉDIO DE MÚLTIPLAS UNIDADES CONSUMIDORAS NTD-23 INDICE 1- OBJETIVO... 03 2- CONDIÇÕES GERAIS... 03 2.1- GENERALIDADES... 03 2.2- IDENTIFICAÇÃO... 03 3- CONDIÇÕES ESPECÍFICAS...

Leia mais

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S/A MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA ANEXO XIV ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ELOS FUSÍVEIS TIPO EXPULSÃO PARA CIRCUITO DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA COM EXTINÇÃO DE ARCO E ELOS FUSIVEIS

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJETIVO 03 2. ÂMBITO 03 3. CONCEITOS 03 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS 03 5. INSTRUÇÕES GERAIS 04 5.1. Condições de Serviços 04 5.2. Identificação dos transformadores 04 5.3.

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO E-62.014

ESPECIFICAÇÃO E-62.014 ESPECIFICAÇÃO E-62.014 Transformador de Corrente com Tensão Igual ou Superior a 69 kv Processo: Medição e Perdas Versão: 0.0 Início de Vigência: 30-01-2014 Órgão de Origem: Divisão de Medição e Proteção

Leia mais

NORMA TÉCNICA CELG D

NORMA TÉCNICA CELG D NORMA TÉCNICA CELG D Capacete de Segurança Especificação NTS-01 Revisão 3 ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA 1. OBJETIVO 1 2. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 2 3. TERMINOLOGIA E DEFINIÇÕES 3 4. CONDIÇÕES GERAIS

Leia mais

Defensas metálicas de perfis zincados

Defensas metálicas de perfis zincados MT - DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO - IPR DIVISÃO DE CAPACITAÇÃO TECNOLÓGICA Rodovia Presidente Dutra km 163 - Centro Rodoviário, Parada de Lucas

Leia mais

SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA CÓDIGO TÍTULO VERSÃO ES.DT.PDN.01.10.001 POSTE DE AÇO QUADRADO PARA ENTRADA DE CLIENTES 01

SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA CÓDIGO TÍTULO VERSÃO ES.DT.PDN.01.10.001 POSTE DE AÇO QUADRADO PARA ENTRADA DE CLIENTES 01 SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO ES.DT.PDN.01.10.001 01 APROVADO POR PAULO J. TAVARES LIMA ENGENHARIA E CADASTRO-SP SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES... 3 3. APLICAÇÃO...

Leia mais

NORMA TÉCNICA NTC 011

NORMA TÉCNICA NTC 011 COMPANHIA CAMPOLARGUENSE DE ENERGIA COCEL NORMA TÉCNICA 011 CAIXAS PARA EQUIPAMENTOS DE MEDIÇÃO - MATERIAL POLIMÉRICO Divisão de Medição e Fiscalização Emissão: 2015 Versão: 01/2015 1 2 SUMÁRIO: 1. OBJETIVO...

Leia mais

Usuários: Divisão de Medição e Proteção da Receita, Gerências e Centros Regionais.

Usuários: Divisão de Medição e Proteção da Receita, Gerências e Centros Regionais. 1 Usuários: Divisão de Medição e Proteção da Receita, Gerências e Centros Regionais. SUMÁRIO 1. OBJETIVO 2. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 3. DEFINIÇÕES 4. CONDIÇÕES GERAIS 5. CONDIÇÕES ESPECÍFICAS

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA 30/06/2005 1 de 1 1 FINALIDADE Esta Norma especifica e padroniza as dimensões e as características mínimas exigíveis do eletroduto de aço para utilização em padrões de entrada de unidades consumidoras

Leia mais

MOBILIÁRIO DE INFORMÁTICA ARQUIVO DESLIZANTE

MOBILIÁRIO DE INFORMÁTICA ARQUIVO DESLIZANTE ANEXO I ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS MOBILIÁRIO DE INFORMÁTICA ARQUIVO DESLIZANTE ESPECIFICAÇÕES DE MOBILIÁRIO DE INFORMÁTICA E ARQUIVOS DESLIZANTES DESTINADOS À AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES ANATEL,

Leia mais

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Nome dos grupos

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Nome dos grupos Processo Planejamento, Ampliação e Melhoria da Rede Elétrica Atividade Planeja o Desenvolvimento da Rede Código Edição Data VR.-00.199 Folha 2ª 1 DE 6 08/07/09 HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título CONDUTOR DE ALUMÍNIO MULTIPLEXADO

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título CONDUTOR DE ALUMÍNIO MULTIPLEXADO ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título CONDUTOR DE ALUMÍNIO MULTIPLEXADO Código ETD-00.023 Data da emissão 28.12.1993 Data da última revisão 09.09.2009 Folha 1 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Normas Complementares

Leia mais

Portaria n.º 65, de 28 de janeiro de 2015.

Portaria n.º 65, de 28 de janeiro de 2015. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA - INMETRO Portaria n.º 65, de 28 de janeiro de 2015. O PRESIDENTE DO INSTITUTO NACIONAL

Leia mais

. Caixa para medidor polifásico, chave de aferição, transformadores de corrente e disjuntor (CM-3) Desenho 7

. Caixa para medidor polifásico, chave de aferição, transformadores de corrente e disjuntor (CM-3) Desenho 7 2 1 - OBJETIVO 1.1 - Esta Especificação fixa os critérios e as exigências técnicas mínimas relativos à aprovação de modelo, fabricação e ao recebimen;o de Caixas para instalação de medidores de energia

Leia mais

VÁLIDO SOMENTE PARA VISUALIZAÇÃO EM TELA

VÁLIDO SOMENTE PARA VISUALIZAÇÃO EM TELA ESPECIFICAÇÃO E-62.018 Especificação Técnica Chave de Bloqueio e Aferição Processo: Medição e Perdas Versão: 1.0 Início de Vigência: 08-12-2014 Órgão de Origem: Divisão de Gestão de Medição e Perdas (DGMP).

Leia mais

Produto. Modelo Tipo de Literatura Arquivo Número de Ordem. Normas de Procedimentos para GARANTIA

Produto. Modelo Tipo de Literatura Arquivo Número de Ordem. Normas de Procedimentos para GARANTIA Norma de Garantia Produto Modelo Tipo de Literatura Arquivo Número de Ordem NG 1.0 Aquecedores de passagem Bombas de Calor Todos Informe de Procedimento Garantia Modelo: Todos Normas de Procedimentos para

Leia mais

Portaria n.º 466, de 16 de outubro de 2014.

Portaria n.º 466, de 16 de outubro de 2014. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 466, de 16 de outubro de 2014. O PRESIDENTE

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CHAVES DE AFERIÇÃO

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CHAVES DE AFERIÇÃO TERMO DE REFERÊNCIA PARA CHAVES DE AFERIÇÃO 1. OBJETIVO Este Termo de Referência define requisitos que devem ser observados pelos interessados, para o fornecimento de chave de aferição à CEEE-D, em complementação

Leia mais

ETD 007.01.50 TRANSFORMADORES DE POTENCIAL INDUTIVOS. Projeto: novembro de 2009 Palavras Chave: Transformador; Medição

ETD 007.01.50 TRANSFORMADORES DE POTENCIAL INDUTIVOS. Projeto: novembro de 2009 Palavras Chave: Transformador; Medição ETD : novembro de 2009 Palavras Chave: Transformador; Medição ii Cooperativas Filiadas a FECOERGS: CELETRO Cachoeira do Sul CERFOX Fontoura Xavier CERILUZ Ijuí CERMISSÕES Caibaté CERTAJA Taquari CERTEL

Leia mais

Portaria n.º 260, de 05 de junho de 2014.

Portaria n.º 260, de 05 de junho de 2014. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 260, de 05 de junho de 2014. O PRESIDENTE

Leia mais

NORMA TÉCNICA CELG D. Elos Fusíveis de Distribuição Especificação. NTC-66 Revisão 1

NORMA TÉCNICA CELG D. Elos Fusíveis de Distribuição Especificação. NTC-66 Revisão 1 NORMA TÉCNICA CELG D Elos Fusíveis de Distribuição Especificação NTC-66 Revisão 1 ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA 1. OBJETIVO 1 2. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 2 3. TERMINOLOGIA E DEFINIÇÕES 4 4. CONDIÇÕES

Leia mais

Regulamento geral para a certificação dos Sistemas de Gestão

Regulamento geral para a certificação dos Sistemas de Gestão Regulamento geral para a certificação dos Sistemas de Gestão Em vigor a partir de 01/04/2016 RINA Via Corsica 12 16128 Genova - Itália tel. +39 010 53851 fax +39 010 5351000 website : www.rina.org Normas

Leia mais

Art. 5º Esta Portaria revoga a Portaria Inmetro n.º 24/1996.

Art. 5º Esta Portaria revoga a Portaria Inmetro n.º 24/1996. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria Inmetro n.º 153, de 12 de agosto de 2005 O PRESIDENTE

Leia mais

Caixa para medidores com ou sem leitura por vídeo câmeras

Caixa para medidores com ou sem leitura por vídeo câmeras Dobradiça Furação para passagem de cabo de Ø21 mm ( 12x ) Vista Inferior Item 1 e 2 Adaptador para parafuso A.A. Fixação dos trilhos através de parafuso e porca ( possibilitando regulagem ) Trilho de fixação

Leia mais

ANEXO IV ESPECIFICAÇÃO DE PINTURA PARA TRANSFORMADORES DE POTÊNCIA

ANEXO IV ESPECIFICAÇÃO DE PINTURA PARA TRANSFORMADORES DE POTÊNCIA Celesc Di Celesc Distribuição S.A. ANEXO IV ESPECIFICAÇÃO DE PINTURA PARA TRANSFORMADORES DE POTÊNCIA ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PARA PINTURA SISTEMAS DE PROTEÇÃO ANTICORROSIVA PARA APLICAÇÃO EM : TRANSFORMADORES

Leia mais

TERMO DE DISPENSA DE LICITAÇÃO 769/CIENTEC/2013

TERMO DE DISPENSA DE LICITAÇÃO 769/CIENTEC/2013 TERMO DE DISPENSA DE LICITAÇÃO 769/CIENTEC/2013 1. DO TERMO DE DISPENSA DE LICITAÇÃO 1.1 A Fundação de Ciência e Tecnologia, torna público o presente Termo de Dispensa de Licitação, autorizada no expediente

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE FIO 4BWG. LT 138kV ENTRONCAMENTO (INDAIAL RIO DO SUL II) RIO DO SUL RB LT 25519

ESPECIFICAÇÃO DE FIO 4BWG. LT 138kV ENTRONCAMENTO (INDAIAL RIO DO SUL II) RIO DO SUL RB LT 25519 DIRETORIA TECNICA DEPARTAMENTO DE PROJETO E CONSTRUÇÃO DO SISTEMA ELÉTRICO DIVISÃO DE LINHAS ESPECIFICAÇÃO DE FIO 4BWG LT 138kV ENTRONCAMENTO (INDAIAL RIO DO SUL II) RIO DO SUL RB LT 25519 SET/06 SUMÁRIO

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO Conteúdo PG 1. OBJIVO 02 2. AMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS E LEGISLAÇÕES APLICÁVEIS 02 5. INSTRUÇÕES GERAIS 02 5.1. Condições de Serviço 02 5.2. Acabamento 03 5.3. Identificação

Leia mais

2.1. CONDIÇÕES DO LOCAL DE INSTALAÇÃO 2.2. NORMAS TÉCNICAS 2.3. DOCUMENTOS TÉCNICOS A SEREM APRESENTADOS PARA APROVAÇÃO APÓS ASSINATURA DO CONTRATO

2.1. CONDIÇÕES DO LOCAL DE INSTALAÇÃO 2.2. NORMAS TÉCNICAS 2.3. DOCUMENTOS TÉCNICOS A SEREM APRESENTADOS PARA APROVAÇÃO APÓS ASSINATURA DO CONTRATO ÍNDICE 1.0 OBJETIVO 2.0 REQUISITOS GERAIS 2.1. CONDIÇÕES DO LOCAL DE INSTALAÇÃO 2.2. NORMAS TÉCNICAS 2.3. DOCUMENTOS TÉCNICOS A SEREM APRESENTADOS PARA APROVAÇÃO APÓS ASSINATURA DO CONTRATO 2.4. EXTENSÃO

Leia mais

NORMA TÉCNICA CELG. Padrões de Entrada Pré-Fabricados em Poste de Aço ou Concreto. Especificação e Padronização. NTC-16 Revisão 1

NORMA TÉCNICA CELG. Padrões de Entrada Pré-Fabricados em Poste de Aço ou Concreto. Especificação e Padronização. NTC-16 Revisão 1 NORMA TÉCNICA CELG Padrões de Entrada Pré-Fabricados em Poste de Aço ou Concreto Especificação e Padronização NTC-16 Revisão 1 ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA 1. OBJETIVO 1 2. CAMPO DE APLICAÇÃO 2 3. NORMAS

Leia mais

ES-01. Estante simples. Mobiliário. Atenção. Revisão Data Página 1/6 5 08/03/13 VISTA LATERAL VISTA FRONTAL ESC. 1:20 VISTA SUPERIOR

ES-01. Estante simples. Mobiliário. Atenção. Revisão Data Página 1/6 5 08/03/13 VISTA LATERAL VISTA FRONTAL ESC. 1:20 VISTA SUPERIOR 2000 1/6 VISTA LATERAL ESC. 1:20 VISTA FRONTAL ESC. 1:20 900 0 VISTA SUPERIOR ESC. 1:20 900 PAINEL DE FUNDO CHAPA 24 (0,6mm) PAINEL LATERAL CHAPA 24 (0,6mm) 0 2/6 2000 13 400 400 1 13 0 0 40 VISTA SUPERIOR

Leia mais

AQUISIÇÃO DE PLACAS DE SINALIZAÇÃO E EXTINTORES DE INCÊNDIO (PB-SBRH-002-2014)

AQUISIÇÃO DE PLACAS DE SINALIZAÇÃO E EXTINTORES DE INCÊNDIO (PB-SBRH-002-2014) ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA AQUISIÇÃO DE PLACAS DE SINALIZAÇÃO E EXTINTORES DE INCÊNDIO (PB-SBRH-002-2014) Maio 2014 Caderno de Especificações Técnicas Segurança do Trabalho de Sobradinho 1/19 ESPECIFICAÇÃO

Leia mais

MÓDULO DE ACESSIBILIDADE

MÓDULO DE ACESSIBILIDADE MÓDULO DE ACESSIBILIDADE ESPECIFICAÇÃO: GPRO/DEINF 082104 EMISSÃO: NOVEMBRO/2008 DESENHO: DT 494/6 CAPÍTULO I - INTRODUÇÃO 1.1. FINALIDADE: A presente especificação estabelece dados para fornecimento à

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS ANEXO A TERMO DE REFERÊNCIA GEMAP Nº 02/2008

MINISTÉRIO DA FAZENDA SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS ANEXO A TERMO DE REFERÊNCIA GEMAP Nº 02/2008 MINISTÉRIO DA FAZENDA SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS ANEXO A TERMO DE REFERÊNCIA GEMAP Nº 02/2008 1 DO OBJETO Visa à contratação de empresa especializada nos serviços de fornecimento, entrega e instalação

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA. Art. 5º - Publicar esta Portaria de Consulta Pública no Diário Oficial da União, quando iniciará a sua vigência.

CONSULTA PÚBLICA. Art. 5º - Publicar esta Portaria de Consulta Pública no Diário Oficial da União, quando iniciará a sua vigência. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria n º 105, de 02 de junho de 2005 CONSULTA PÚBLICA

Leia mais

Ministério da Fazenda SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS

Ministério da Fazenda SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS PROJETO BÁSICO GESER Nº 04/07 FISCALIZAÇÃO DA OBRA DE IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO 1. OBJETO Contratação de empresa especializada para prestação de serviços de fiscalização

Leia mais

ES-05. Estante para exposição. Mobiliário. Atenção 3 08/03/13. Revisão Data Página 1/6 VISTA FRONTAL ESC. 1:20 VISTA LATERAL ESC.

ES-05. Estante para exposição. Mobiliário. Atenção 3 08/03/13. Revisão Data Página 1/6 VISTA FRONTAL ESC. 1:20 VISTA LATERAL ESC. Mobiliário 2000 1/6 VISTA LATERAL 0 VISTA FRONTAL 0 900 0 VISTA SUPERIOR 0 A A Mobiliário 900 PAINEL DE FUNDO CHAPA 24 (0,6mm) PAINEL LATERAL CHAPA 24 (0,6mm) 0 40 COLUNA CHAPA 1 (2,25mm) VISTA SUPERIOR

Leia mais

Manual do Montadora. Edmundo Doubrawa Joinville SC. www.expogestao.com.br

Manual do Montadora. Edmundo Doubrawa Joinville SC. www.expogestao.com.br Manual do Montadora Edmundo Doubrawa Joinville SC www.expogestao.com.br 5 NORMAS DE MONTAGEM CHECK LIST MONTAGEM 1- Entregar Termo de Responsabilidade ORIGINAL assinado pelo expositor e pelo responsável

Leia mais

SUMÁRIO 1. HISTÓRICO DE MUDANÇAS...2 2. ESCOPO...3 3. MANUTENÇÃO...3 4. REFERÊNCIAS NORMATIVAS...3 5. DEFINIÇÕES...3

SUMÁRIO 1. HISTÓRICO DE MUDANÇAS...2 2. ESCOPO...3 3. MANUTENÇÃO...3 4. REFERÊNCIAS NORMATIVAS...3 5. DEFINIÇÕES...3 Página 1 de 21 SUMÁRIO 1. HISTÓRICO DE MUDANÇAS...2 2. ESCOPO...3 3. MANUTENÇÃO...3 4. REFERÊNCIAS NORMATIVAS...3 5. DEFINIÇÕES...3 6. QUALIFICAÇÃO DA EQUIPE DE AUDITORES...4 7. CONDIÇÕES GERAIS...4 8.

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO CAIXAS PARA EQUIPAMENTOS DE MEDIÇÃO E PROTEÇÃO DE UNIDADES CONSUMIDORAS INDIVIDUAIS OU AGRUPADAS EMISSÃO: JANEIRO /02 REVISÃO: MARÇO /06 FOLHA : 1 / 23 A P R E S E N

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA Página: 1/19 1. OBJETIVO Estabelecer critérios e exigências técnicas mínimas relativas à aprovação e fabricação de caixas individuais em policabornato para medidor e disjuntor, a serem utilizados nas áreas

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS MANUTENÇÃO COM CUSTO REGRESSIVO E EFICIENTIZAÇÃO DO SISTEMA DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE ITAÚNA - MG

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS MANUTENÇÃO COM CUSTO REGRESSIVO E EFICIENTIZAÇÃO DO SISTEMA DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE ITAÚNA - MG ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS MANUTENÇÃO COM CUSTO REGRESSIVO E EFICIENTIZAÇÃO DO SISTEMA DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE - MG OUTUBRO DE 2.014 1 OBJETIVO: Especificar os materiais a serem empregados na

Leia mais

Guia de instalação AC 2014 AC 2017

Guia de instalação AC 2014 AC 2017 Guia de instalação AC 2014 AC 2017 Antena Yagi Dual Band AC 2014 AC 2017 Parabéns, você acaba de adquirir um produto com a qualidade e segurança Intelbras. Este guia foi desenvolvido para ser utilizado

Leia mais

Ministério da Indústria e do Comércio

Ministério da Indústria e do Comércio Ministério da Indústria e do Comércio Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial - INMETRO Portaria nº 111 de 20 de setembro de 1983 O Presidente do Instituto Nacional de Metrologia,

Leia mais

Suporte situado na edificação do consumidor, com a finalidade de fixar e elevar o ramal de ligação.

Suporte situado na edificação do consumidor, com a finalidade de fixar e elevar o ramal de ligação. 25 / 10 / 2011 1 de 7 1 FINALIDADE Esta Norma especifica e padroniza as dimensões e as características mínimas exigíveis do pontalete de aço para utilização em padrões de entrada de unidades consumidoras

Leia mais

Portaria n.º 656, de 17 de dezembro de 2012.

Portaria n.º 656, de 17 de dezembro de 2012. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 656, de 17 de dezembro de 2012. O PRESIDENTE

Leia mais

ES-01. Estante simples. Mobiliário. Atenção

ES-01. Estante simples. Mobiliário. Atenção Mobiliário Esta imagem tem caráter apenas ilustrativo. As informações relativas às especificações devem ser obtidas nas fichas técnicas correspodentes 2000 1/5 VISTA LATERAL ESC. 1:20 VISTA FRONTAL ESC.

Leia mais

SUMÁRIO. 1. Histórico de mudanças... 2. 2. Escopo... 3. 3. Manutenção... 3. 4. Referências... 3. 5. Definições... 3

SUMÁRIO. 1. Histórico de mudanças... 2. 2. Escopo... 3. 3. Manutenção... 3. 4. Referências... 3. 5. Definições... 3 Página 1 de 28 SUMÁRIO 1. Histórico de mudanças... 2 2. Escopo... 3 3. Manutenção... 3 4. Referências... 3 5. Definições... 3 6. Qualificação da equipe de auditores... 5 7. Condições gerais... 5 7.1 Autorização

Leia mais

Certificação Profissional FEBRABAN REGULAMENTO

Certificação Profissional FEBRABAN REGULAMENTO Certificação Profissional FEBRABAN REGULAMENTO Janeiro de 2014 Versão 1.3 1. INTRODUÇÃO O presente Regulamento é fundamental para reger as operações-chave do programa de Certificação Profissional FEBRABAN.

Leia mais

Portaria n.º 658, de 17 de dezembro de 2012.

Portaria n.º 658, de 17 de dezembro de 2012. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 658, de 17 de dezembro de 2012. O PRESIDENTE

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA TRAFO 145kV - ENERGIZADO SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS 02 5. INSTRUÇÕES GERAIS 03 5.1. Local da Realização dos Serviços 03 5.2. Condição

Leia mais

Certificação de sacolas plásticas impressas tipo camiseta

Certificação de sacolas plásticas impressas tipo camiseta Pág. Nº 1/13 SUMÁRIO Histórico das revisões 1 Objetivo 2 Referências normativas 3 Definições 4 Siglas 5 Descrição do processo de certificação 6 Manutenção da certificação 7 Marcação dos produtos certificados

Leia mais

INFORMAÇÃO TÉCNICA DDE Nº 006/2014 DE 10/12/2014

INFORMAÇÃO TÉCNICA DDE Nº 006/2014 DE 10/12/2014 INFORMAÇÃO TÉCNICA DDE Nº 006/2014 DE 10/12/2014 Procedimentos para validação de Subestações Blindadas Classes 15 kv e 36,2 kv Este procedimento se encontra na sua Revisão 2 cancelando e substituindo o

Leia mais

DIRETORIA TÉCNICA GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DE AT E MT ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET-300/2009 R-04

DIRETORIA TÉCNICA GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DE AT E MT ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET-300/2009 R-04 DIRETORIA TÉCNICA GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DE AT E MT ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET-300/2009 R-04 POSTES DE CONCRETO ARMADO FOLHA DE CONTROLE ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA POSTES DE CONCRETO ARMADO Código

Leia mais

CAPÍTULO 6.6 EXIGÊNCIAS PARA A CONSTRUÇÃO E ENSAIO DE EMBALAGENS GRANDES

CAPÍTULO 6.6 EXIGÊNCIAS PARA A CONSTRUÇÃO E ENSAIO DE EMBALAGENS GRANDES CAPÍTULO 6.6 EXIGÊNCIAS PARA A CONSTRUÇÃO E ENSAIO DE EMBALAGENS GRANDES 6.6.1 Disposições Gerais 6.6.1.1 As exigências deste capítulo não se aplicam: - à classe 2 exceto artigos incluindo aerossóis; -

Leia mais

PIM - PROCEDIMENTO PARA INSPEÇÃO DE MATERIAL PARAFUSO E PORCA PARA TALA DE JUNÇÃO ABNT SUMÁRIO

PIM - PROCEDIMENTO PARA INSPEÇÃO DE MATERIAL PARAFUSO E PORCA PARA TALA DE JUNÇÃO ABNT SUMÁRIO PIM - PROCEDIMENTO PARA INSPEÇÃO DE MATERIAL PARAFUSO E PORCA PARA TALA DE JUNÇÃO ABNT SUMÁRIO 1. OBJETIVO 2. DEFINIÇÃO - CARACTERÍSTICAS - FABRICAÇÃO 3. FORMA - DIMENSÃO 3.1 - PARAFUSO 3.2 - PORCA 4.

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DO PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EMPREENDIMENTO COMERCIAL AC GOIANÉSIA/DR/GO

MEMORIAL DESCRITIVO DO PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EMPREENDIMENTO COMERCIAL AC GOIANÉSIA/DR/GO MEMORIAL DESCRITIVO DO PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EMPREENDIMENTO COMERCIAL AC GOIANÉSIA/DR/GO 1. GENERALIDADES 1.1 O projeto refere-se às instalações elétricas do empreendimento comercial localizado

Leia mais

APRESENTAÇÃO RELAÇÃO DE COMPONENTES

APRESENTAÇÃO RELAÇÃO DE COMPONENTES Manual de Instalação Linha Máximo Fotos ilustrativas. Ventiladores de Teto Nesta marca você pode confiar APRESENTAÇÃO Os ventiladores de teto da LINHA MÁXIMO são desenvolvidos para oferecer ao usuário

Leia mais

5 CONDIÇÕES ESPECÍFICAS 5.1 Material: A armação da caixa deve ser feita com cantoneiras de aço-carbono, ABNT 1010 a 1020, laminado.

5 CONDIÇÕES ESPECÍFICAS 5.1 Material: A armação da caixa deve ser feita com cantoneiras de aço-carbono, ABNT 1010 a 1020, laminado. CAIXA DE MEDIÇÃO EM 34, kv 1 OBJETIVO Esta Norma padroniza as dimensões e estabelece as condições gerais e específicas da caixa de medição a ser utilizada para alojar TCs e TPs empregados na medição de

Leia mais

ESTRUTURAS METÁLICAS CANOAS - RS

ESTRUTURAS METÁLICAS CANOAS - RS ESTRUTURAS METÁLICAS CANOAS - RS 2 INDICE 1. ESTRUTURAS METÁLICAS... 3 1.1. Estruturas Metálicas Diversas... 3 1.1.1. Qualidade do Material a Ser Empregado... 4 1.1.2. Critérios Gerais para Aceitação do

Leia mais

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE PLANEJAMENTO E PROGRAMAÇÃO

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE PLANEJAMENTO E PROGRAMAÇÃO OBRA: C.E.P. EM ARTES BASILEU FRANÇA E ESCOLA DE ARTES VEIGA VALLE LOCAL: GOIÂNIA - GO ASSUNTO: REFORMA NA COBERTURA, FORRO, ESQUADRIAS, INSTALAÇÕES ELÉTRICAS, PINTURA E PISO. DATA: 15/04/2005. MEMORIAL

Leia mais

DEPARTAMENTO DE TRANSITO DE GOIAS PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS.

DEPARTAMENTO DE TRANSITO DE GOIAS PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS. MEMORIAL DESCRITIVO DEPARTAMENTO DE TRANSITO DE GOIAS PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS. 1 I INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DEPARTAMENTO ESTADUAL DE TRÂNSITO DE GOIÁS. 1.0 - DADOS BÁSICOS: 1.1 - Edifício: Prédio

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Coordenação:Celso Nogueira da Mota

FICHA TÉCNICA. Coordenação:Celso Nogueira da Mota NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO 3ª EDIÇÃO DEZEMBRO 2014 DIRETORIA DE ENGENHARIA SUPERINTENDÊNCIA DE PLANEJAMENTO E PROJETOS GERÊNCIA DE NORMATIZAÇÃO E TECNOLOGIA FICHA TÉCNICA Coordenação:Celso Nogueira

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO 7. CONTEÚDO Transformadores para Instrumentos 145 kv 7.1. Geral PG. 7.2. Normas 7.3. Escopo de Fornecimento 7.4. Características Elétricas 7.4.1. Gerais 7.4.2. Transformadores de Corrente 03 7.4.3.

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal PREGÃO ELETRÔNICO 153/2009 PROCESSO 336.637 Trata-se de pedidos de esclarecimentos encaminhados pelas empresas AURUS Comercial e Distribuidora Ltda., HUFFIX do Brasil Ambientes Empresariais e TELOS S/A

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS 02 5. INSTRUÇÕES GERAIS 03 5.1. Condições de Operação 03 5.2. Materiais e Construção 04 6. PROCEDIMENTOS

Leia mais

SESI - SERVIÇO SOCIAL DA INDÚSTRIA SESI DE SIMÕES FILHO QUADRA POLIESPORTIVA. Sistema de Proteção Contra Descargas Atmosféricas

SESI - SERVIÇO SOCIAL DA INDÚSTRIA SESI DE SIMÕES FILHO QUADRA POLIESPORTIVA. Sistema de Proteção Contra Descargas Atmosféricas SESI - SERVIÇO SOCIAL DA INDÚSTRIA SESI DE SIMÕES FILHO QUADRA POLIESPORTIVA Sistema de Proteção Contra Descargas Atmosféricas Memorial Descritivo Revisão - 1 Outubro / 2010 página 1 S U M Á R I O : 1

Leia mais

ÍNDICE. Introdução. Definições. Contatos. Roteiro para Atendimento em Garantia. 1. Produtos. 2. Prazos de Garantia. 3.

ÍNDICE. Introdução. Definições. Contatos. Roteiro para Atendimento em Garantia. 1. Produtos. 2. Prazos de Garantia. 3. 1 ÍNDICE Introdução Definições Contatos Roteiro para Atendimento em Garantia 1. Produtos 2. Prazos de Garantia 3. Análise Técnica 4. Remessa para Análise 5. Concessão da Garantia 6. Rejeição da Garantia

Leia mais

MANUAL ESPECIAL 1. FINALIDADE

MANUAL ESPECIAL 1. FINALIDADE MANUAL ESPECIAL SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA E-313.0041 CRUZETAS DE AÇO TUBULAR 1/14

Leia mais

Portaria n.º 347, de 11 de julho de 2013. CONSULTA PÚBLICA

Portaria n.º 347, de 11 de julho de 2013. CONSULTA PÚBLICA Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 347, de 11 de julho de 2013. CONSULTA

Leia mais

Certificação de Serviço de Inspeção de Recipientes de GLP realizado por Empresas Distribuidoras de GLP

Certificação de Serviço de Inspeção de Recipientes de GLP realizado por Empresas Distribuidoras de GLP Página: 1/7 Elaborado por: Eduardo Augusto Di Marzo Verificado por: Karen Martins Aprovado por: Igor Moreno Data Aprovação: 27/04/2015 1 OBJETIVO Este documento apresenta os critérios complementares da

Leia mais

SUBSTITUIÇÃO DE QUADRA ESPORTIVA CAMPUS RIO DO SUL

SUBSTITUIÇÃO DE QUADRA ESPORTIVA CAMPUS RIO DO SUL SUBSTITUIÇÃO DE QUADRA ESPORTIVA CAMPUS RIO DO SUL MEMORIAL DESCRITIVO 1 INTRUDOUÇÃO 1.1. OBJETO O presente memorial descritivo faz parte do processo para a manutenção da quadra esportiva do ginásio do

Leia mais

MINUTA-PARÂMETRO DE CONTRATO PARA AQUISIÇÃO DE BENS DE INFORMÁTICA E AUTOMAÇÃO, DECORRENTE DE PREGÃO ELETRÔNICO. Anexo nº...

MINUTA-PARÂMETRO DE CONTRATO PARA AQUISIÇÃO DE BENS DE INFORMÁTICA E AUTOMAÇÃO, DECORRENTE DE PREGÃO ELETRÔNICO. Anexo nº... MINUTA-PARÂMETRO DE CONTRATO PARA AQUISIÇÃO DE BENS DE INFORMÁTICA E AUTOMAÇÃO, DECORRENTE DE PREGÃO ELETRÔNICO. Anexo nº... Minuta Contratual CONTRATO Nº.../... QUE FIRMAM A UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA D SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJETIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 02 5. INSTRUÇÕES GERAIS 04 5.1. Condições Gerais 04 5.2. Condições Especificas

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA REGIONAL DO TRABALHO DA 6ª REGIÃO TERMO DE REFERÊNCIA

MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA REGIONAL DO TRABALHO DA 6ª REGIÃO TERMO DE REFERÊNCIA 1. DO OBJETO TERMO DE REFERÊNCIA 1.1. O presente Termo de Referência tem por objeto o fornecimento de bens, especificados no Anexo I- A, para a Sede Procuradoria Regional do Trabalho da 6ª Região, a Procuradoria

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria n.º 075, de 15 de maio de 2003. O PRESIDENTE DO

Leia mais

Instrução de Trabalho TRATAMENTO ANTI-CORROSIVO E

Instrução de Trabalho TRATAMENTO ANTI-CORROSIVO E PINTURA ELETROSTÁTICA PADRÃO Página: 1/7 Ed. Descrição Data Elaborado Verif. / Aprovado 0 Esta edição cancela e substitui a versão anterior 22/11/2011 Josias Salvador 1. OBJETIVO Instrução de Trabalho

Leia mais

CALANDRA FLATWORK LC-16-1 E/V/G LC-20-1 E/V/G

CALANDRA FLATWORK LC-16-1 E/V/G LC-20-1 E/V/G CALANDRA FLATWORK LC-16-1 E/V/G LC-20-1 E/V/G M A N U A L D E I N S T A L A Ç Ã O Código Modelo Fabricado em Núm. Série Software Versão CASTANHO Lavanderia Hospitalar, Industrial e Hoteleira Responsável

Leia mais

CÓDIGO TÍTULO VERSÃO POSTES DE CONCRETO COM CAIXA INCORPORADA PARA ENTRADA DE UNIDADE CONSUMIDORA

CÓDIGO TÍTULO VERSÃO POSTES DE CONCRETO COM CAIXA INCORPORADA PARA ENTRADA DE UNIDADE CONSUMIDORA SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO ESPECIFICAÇÃO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO ES.DT.PDN.0.0.005 ENTRADA DE UNIDADE CONSUMIDORA 0 APROVADO POR MARCELO POLTRONIERI ENGENHARIA-ES SUMÁRIO. OBJETIVO... 3 2. HISTÓRICO DAS

Leia mais

REGISTRO DO PRODUTO, SELO DE IDENTIFICAÇÃO,

REGISTRO DO PRODUTO, SELO DE IDENTIFICAÇÃO, INTERFACE PROCESSO NÚMERO REVISÃO 02 TÍTULO : CERTIFICAÇÃO E USO DE LICENÇA, CERTIFICAÇÃO/MARCAS DE CONFORMIDADE. DATA DE APROVAÇÃO INICIAL 08/04/2013 REVISÃO ATUAL 09/12/2013 APROVAÇÃO FÁBIO CAMPOS FATALLA

Leia mais

Introdução...2. Acessórios para instalação...2. Vedação elétrica...2. Instalação em piscinas de vinil...3. Instalação em piscinas de alvenaria...

Introdução...2. Acessórios para instalação...2. Vedação elétrica...2. Instalação em piscinas de vinil...3. Instalação em piscinas de alvenaria... Introdução...2 Acessórios para instalação...2 Vedação elétrica...2 Instalação em piscinas de vinil...3 Instalação em piscinas de alvenaria...4 Instalação em piscinas de fibra...5 Encaixe do conjunto refletor...6

Leia mais

ANEXO C Ato Declaratório Executivo Cofis n o 20, de 1 o de outubro de 2003, Ministério da Fazenda, Secretaria da Receita Federal, sem o anexo único

ANEXO C Ato Declaratório Executivo Cofis n o 20, de 1 o de outubro de 2003, Ministério da Fazenda, Secretaria da Receita Federal, sem o anexo único ANEXOS ANEXO A Medida Provisória n o 2.158-35, de 24 de agosto de 2001 ANEXO B Instrução Normativa n o 265, de 20 de dezembro de 2002 ANEXO C Ato Declaratório Executivo Cofis n o 20, de 1 o de outubro

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA 29 / 07 / 2011 1 de 7 1 FINALIDADE Esta Norma especifica e padroniza as dimensões e as características mínimas exigíveis de chapa de aterramento para utilização nas Linhas de Distribuição da CEMAR. 2 CAMPO

Leia mais

REGRA DE CERTIFICAÇÃO TELECOMUNICAÇÕES

REGRA DE CERTIFICAÇÃO TELECOMUNICAÇÕES Página: 1/08 Elaborado por: Claudio Francisco Verificado por: Karen Martins Aprovado por: Arnaldo Barbulio Filho Data Aprovação: 22/07/13 OBJETIVO Esta Regra de Certificação estabelece os critérios utilizados

Leia mais

POLÍTICA DE FORNECIMENTO DE BENS E SERVIÇOS DA DURATEX S.A.

POLÍTICA DE FORNECIMENTO DE BENS E SERVIÇOS DA DURATEX S.A. ÍNDICE DURATEX S/A POLÍTICA DE FORNECIMENTO DE BENS E SERVIÇOS DA DURATEX S.A. 1. OBJETIVO 2. PRINCÍPIOS GERAIS 3. REFERÊNCIAS 4. DEFINIÇÕES 4.1. DURATEX 4.2. UNIDADE REQUISITANTE 4.3. UNIDADE DESTINATÁRIA

Leia mais

Edital FPTI-BR N 029/2013 PROCESSO FPTI-BR N 0003/2013 SELEÇÃO DE PROPOSTAS PARA CONCESSÃO DE APOIO A ORGANIZAÇÃO E REALIZAÇÃO DE EVENTOS

Edital FPTI-BR N 029/2013 PROCESSO FPTI-BR N 0003/2013 SELEÇÃO DE PROPOSTAS PARA CONCESSÃO DE APOIO A ORGANIZAÇÃO E REALIZAÇÃO DE EVENTOS Edital FPTI-BR N 029/2013 PROCESSO FPTI-BR N 0003/2013 SELEÇÃO DE PROPOSTAS PARA CONCESSÃO DE APOIO A ORGANIZAÇÃO E REALIZAÇÃO DE EVENTOS A Fundação Parque Tecnológico Itaipu Brasil, em parceria com a

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE CONTAGEM SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO ANEXO 09 DIRETRIZES AMBIENTAIS MÍNIMAS

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE CONTAGEM SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO ANEXO 09 DIRETRIZES AMBIENTAIS MÍNIMAS ANEXO 09 DIRETRIZES AMBIENTAIS MÍNIMAS 1 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 3 2. Adequação às Normas e Legislações Vigentes... 3 3. Definições de Obrigações e Responsabilidades... 3 4. Diretrizes Mínimas Exigidas...

Leia mais

COMPLEMENTO DE REGRA DE CERTIFICAÇÃO CADEIRAS DE ALIMENTAÇÃO PARA CRIANÇAS

COMPLEMENTO DE REGRA DE CERTIFICAÇÃO CADEIRAS DE ALIMENTAÇÃO PARA CRIANÇAS Página 1 de 16 Elaborado por: Diego Alves de Oliveira Verificado por: Karen C. Martins Aprovado por: Maria Lucia Hayashi Data Aprovação: 02/06/2015 1 - OBJETIVO Estabelecer os requisitos para o Programa

Leia mais

ESCORAMENTO ESPECIFICAÇÕES OBJETIVO... 2 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 CONSIDERAÇÕES ESPECÍFICAS... 3

ESCORAMENTO ESPECIFICAÇÕES OBJETIVO... 2 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 CONSIDERAÇÕES ESPECÍFICAS... 3 ESCORAMENTO PÁGINA 1/16 MOS 4ª Edição ESPECIFICAÇÕES MÓDULO 05 VERSÃO 00 DATA jun/2012 SUMÁRIO OBJETIVO... 2 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 CONSIDERAÇÕES ESPECÍFICAS... 3 0501 ESCORAMENTO DE MADEIRA... 3 0502

Leia mais

PROPOSTA DE EMPRÉSTIMO MODALIDADE PRÉ-FIXADO (Preenchimento Obrigatório) Nome. Matrícula Lotação Tel. Comercial. Email: Carteira de Identidade CPF

PROPOSTA DE EMPRÉSTIMO MODALIDADE PRÉ-FIXADO (Preenchimento Obrigatório) Nome. Matrícula Lotação Tel. Comercial. Email: Carteira de Identidade CPF ELETRA - FUNDAÇÃO CELG DE SEGUROS E PREVIDÊNCIA www.eletra.org.br - versão: 05/2015 12.08.2015 - pág.: 1 PROPOSTA DE EMPRÉSTIMO MODALIDADE PRÉ-FIXADO (Preenchimento Obrigatório) ( ) ATIVO ( ) APOSENTADO

Leia mais

ETEM 41. ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE TRANSFORMADORES DE POTENCIAL COM TENSÃO MÁXIMA IGUAL OU SUPERIOR A 69 kv Revisão, 2 de setembro de 2011

ETEM 41. ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE TRANSFORMADORES DE POTENCIAL COM TENSÃO MÁXIMA IGUAL OU SUPERIOR A 69 kv Revisão, 2 de setembro de 2011 ETEM 41 ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE TRANSFORMADORES DE POTENCIAL COM TENSÃO MÁXIMA IGUAL OU SUPERIOR A 69 kv Revisão, 2 de setembro de 2011 SUMÁRIO 1 OBJETIVO...4 1.1 TABELAS DE CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS GARANTIDAS...4

Leia mais

BICICLETAS DE USO INFANTIL

BICICLETAS DE USO INFANTIL Página: 1/12 Elaborado por: Maria Lucia Hayashi Verificado por: João Gustavo L. Junqueira Aprovado por: Regina Toscano Data Aprovação: 10/12/2013 1 OBJETIVO Este documento apresenta os critérios complementares

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DE FORNECIMENTO

CONDIÇÕES GERAIS DE FORNECIMENTO CONDIÇÕES GERAIS DE FORNECIMENTO 1. PRINCÍPIOS BÁSICOS Foco no cliente interno e parceria com o fornecedor para garantir a satisfação dos clientes, aliado à filosofia de colocar no mercado produtos de

Leia mais

Serviço Municipal De Saneamento Ambiental De Santo André

Serviço Municipal De Saneamento Ambiental De Santo André Serviço Municipal De Saneamento Ambiental De Santo André GESTÃO DE MATERIAIS UTILIZADOS NO ABASTECIMENTO DE ÁGUA, ESGOTAMENTO SANITÁRIO E DRENAGEM URBANA. Autores: Márcia Cristina Monteiro Plínio Alves

Leia mais

LEIA AS INFORMAÇÕES E O TERMO DE USO ABAIXO COM ATENÇÃO. AO CLICAR NO BOTÃO "CONCORDO" VOCÊ, ESTARÁ ADERINDO INTEGRALMENTE AOS SEUS TERMOS.

LEIA AS INFORMAÇÕES E O TERMO DE USO ABAIXO COM ATENÇÃO. AO CLICAR NO BOTÃO CONCORDO VOCÊ, ESTARÁ ADERINDO INTEGRALMENTE AOS SEUS TERMOS. TERMOS E CONDIÇÕES DE USO APLICATIVO OMNI CARTÕES LEIA AS INFORMAÇÕES E O TERMO DE USO ABAIXO COM ATENÇÃO. AO CLICAR NO BOTÃO "CONCORDO" VOCÊ, ESTARÁ ADERINDO INTEGRALMENTE AOS SEUS TERMOS. A OMNI CARTÕES

Leia mais

SUMÁRIO. Elaboração Revisão Aprovado (ou Aprovação) Data aprovação Maturino Rabello Jr Marco Antônio W. Rocha Carmen T. Fantinel

SUMÁRIO. Elaboração Revisão Aprovado (ou Aprovação) Data aprovação Maturino Rabello Jr Marco Antônio W. Rocha Carmen T. Fantinel SUMÁRIO 1. Objetivo e campo de aplicação...2 2. Referências...2 3. Definições...2 3.1 Hidrômetro...2 3.2 A.R.T...2 3.3 Ramal predial de água...2 4. Procedimentos e Responsabilidades...3 4.1 Generalidades...3

Leia mais