MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA"

Transcrição

1 CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S/A MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA ANEXO XIV ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ELOS FUSÍVEIS TIPO EXPULSÃO PARA CIRCUITO DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA COM EXTINÇÃO DE ARCO E ELOS FUSIVEIS TIPO SUBESTAÇÃO EM CORDOALHA SIMPLES. Eletrobrás Anexo XIV_Especificação Técnica Elos Fisíveis Tipos Expulsão e Subestação_PE/058/2009 Pág. 1 de 14

2 CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S/A Í N D I C E G E R A L 1.0 OBJETIVO Pág. 03/ ESPECIFICAÇÃO DO LOTE Pág. 03/ CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS Pág. 03/ CARACTERÍSTICAS NOMINAIS Pág. 04/ CARACTERÍSTICAS CONSTRUTIVAS Pág. 04/ QUANTIDADES Pág. 06/ CONDIÇÕES GERAIS Pág. 13/ IDENTIFICAÇÃO Pág. 13/ ACONDICIONAMENTO Pág. 13/ INSPEÇÃO NA FÁBRICA Pág. 13/ DA ENTREGA Pág. 14/ PRAZO DE ENTREGA Pág. 15/ APROVAÇÃO Pág. 16/16 ANEXO 1 Pág. 16/16 Anexo XIV_Especificação Técnica Elos Fisíveis Tipos Expulsão e Subestação_PE/058/2009 Pág. 2 de 14

3 CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S/A 1.0 OBJETIVO Esta Especificação estabelece os critérios e as exigências técnicas mínimas aplicáveis à fabricação e ao recebimento de elos fusíveis tipo expulsão para circuito de distribuição de energia, 500mm,com extinção de arco, para instalação em chaves fusíveis destinadas a proteger sistemas de distribuição até 36,2 kv e elos fusiveis tipo subestação em cordoalha simples, para uso das seguintes empresas de distribuição associadas às Centrais Elétricas Brasileiras S/A ELETROBRÁS: Centrais Elétricas de Rondônia S.A. Companhia Energética de Alagoas - Amazonas Energia Companhia Energética do Piauí S/A - Boa Vista Energia S/A Nessa Especificação o termo Contratante se refere à ELETROBRÁS, às empresas a ela associadas, ou por ela representadas, ou por ela indicadas. 2.0 ESPECIFICAÇÃO DO LOTE 2.1 CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS O equipamento, seus acessórios e materiais deverão ser projetados, fabricados e ensaiados de acordo com as principais Normas Técnicas brasileiras e/ou internacionais aplicáveis em suas últimas revisões. São elas: ANSI C37.40 Service conditions and definitions for high-voltage fuses, distribution enclosed single-pole air switches, fuse desconnecting switches, and accessories; ANSI C37.41 Design tests for high-voltage fuses, distribution enclosed single-pole air switches, fuse desconnecting switches, and accessories; ANSI C37.42 Specifications for distributions cutouts and fuse links ; ABNT-NBR 5359 Elos fusíveis de distribuição - Especificação; ABNT-NBR 5426 Planos de amostragem e procedimentos de inspeção por atributos - Procedimento; ABNT-NBR 5456 Eletricidade Geral Terminologia; ABNT-NBR 5459 Manobra e proteção de circuitos Terminologia; ABNT-NBR 5460 Sistemas Elétricos de Potência Terminologia; ABNT-NBR 7282 Dispositivos fusíveis tipo expulsão Especificação; ABNT-NBR 8124 Chaves fusíveis de distribuição (classe 2) Padronização. 2.2 CARACTERÍSTICAS NOMINAIS CONDIÇÕES NORMAIS DE SERVIÇO Os elos fusíveis de distribuição devem ser previstos para instalação em bases e portafusíveis de acordo com as padronizações da ABNT e nas condições normais de serviço, conforme ABNT-NBR TIPOS DE ELOS FUSÍVEIS Os elos fusíveis são designados como tipos H, K e T, conforme indicado a seguir: a) tipo H, elos fusíveis de alto surto, com alta temporização para correntes elevadas; Anexo XIV_Especificação Técnica Elos Fisíveis Tipos Expulsão e Subestação_PE/058/2009 Pág. 3 de 14

4 CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S/A b) tipo K, elos fusíveis rápidos com relação de rapidez variando entre 6 (para elo fusível de corrente nominal 6 A) e 8,1 (para elo fusível de corrente nominal 200 A); c) tipo T, elos fusíveis lentos com relação de rapidez variando entre 10 (para elo fusível de corrente nominal 6 A) e 13 (para elo fusível de corrente nominal 200 A). Os termos rápido e lento são usados apenas para indicar a rapidez relativa entre os elos fusíveis K e T CORRENTES NOMINAIS Os valores padronizados para as correntes nominais dos elos fusíveis de distribuição são apresentados no anexo MATERIAIS E REVESTIMENTO a) a cordoalha e o botão do elo fusível devem ser de cobre eletrolítico com condutividade mínima de 97% IACS a 20 C, admitindo-se, para qual quer amostra, uma redução de até 2% IACS, a 20 C, naquele valor; b) é vedada a utilização de materiais ferrosos nas demais partes sujeitas à condução de correntes.(arruelas,...); c) o botão e a arruela devem ser estanhados ou prateados e a cordoalha deve ser estanhada, não sendo admitido o uso de outros processos de revestimento tais como : cromagem, niquelagem e cadmiagem. 2.3 CARCTERÍSTICAS CONSTRUTIVAS A cordoalha deve atender às seguintes exigências: a) não ter falhas na estanhagem; b) não ter fios soltos ou quebrados; c) não estar desfiada ou mal torcida; d) ter a extremidade soldada ou dispor de sistema de fixação que evite o seu desfiamento; e) ser torcida sempre no mesmo sentido; f) ser flexível para não interferir no funcionamento da chave fusível O elo fusível deve atender às seguintes exigências: a) ter o elemento fusível bem fixado no corpo do botão e na luva que prende a cordoalha; b) o tubo protetor deve estar preso de forma a evitar o deslocamento, vindo a expor o elemento fusível; c) a arruela deve ser provida de meios para manter-se presa ao botão para evitar sua perda durante a instalação O elemento fusível deve ser protegido por um tubo de material isolante e com características que auxiliem na extição do arco elétrico Os elos fusíveis e, especialmente, o elemento fusível, não devem ter as suas características elétricas e mecânicas alteradas permanentemente, de maneira a não atender a presente especificação, pela passagem de corrente de valor e duração inferiores a minima de fusão, pelo ambiente ou pelo decorrer do tempo Os elos fusíveis devem apresentar dimensões em conformidade com os requisitos padronizados pela ABNT, de modo a permitir a intercambialidade mecânica A resistência elétrica do elo fusível não deve variar mais de 7,5% para mais ou para menos em relação à resisitência média do lote sob inspeção. Além disto, nenhum elo deve apresentar resistência elétrica fora dos limites de ±10% em relação a resitência de um resistor padrão de comparação a ser preparado pelo fabricante para cada valor de corrente nominal e tipo de elo fusível. Anexo XIV_Especificação Técnica Elos Fisíveis Tipos Expulsão e Subestação_PE/058/2009 Pág. 4 de 14

5 CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S/A Os elos fusíveis devem ser capazes de conduzir continuamente sua corrente nominal nas condições de ensaio da ABNT-NBR-7282, sem que a elevação de temperatura de suas diversas partes exceda os valores especificados na referida Norma Os elos fusíveis quando ensaiados conforme padrão ABNT, à temperatura ambiente entre 10 C e 40 C devem resisitir a um esforço mínimo de tração de 10 dan, sem prejuízo das propriedades mecânicas e elétricas de suas partes. Em especial os elos do tipo H devem suportar um esforço de tração de 6 dan, durante 24 horas com corrente nominal Os elos fusíveis, quando instalados nas chaves fusíveis para as quais foram projetados e ensaiados conforme normas da ABNT, devem suportar 20 operações sucessivas de abertura e fechamento, sem apresentar danos visíveis (ruptura, alongamento de componentes, escorregamento nas conexões, etc...) As características máximas e mínimas de fusão tempo x corrente fornecidas pelo fabricante não devem ser inferiores aos valores mínimos e nem superiores aos valores máximos padronizados pela ABNT. Devem ser representadas como apresentado na ABNT-NBR A característica mínima de fusão tempo x corrente fornecida pelo fabricante, adicionada da tolerância total de fabricação deve corresponder à carcterística máxima de fusão tempo x corrente fornecida pelo fabricante. A tolerância total de fabricação deve ser menor ou igual a 20% As carcterísticas de fusão tempo x corrente dos elos fusíveis não devem variar com o esforço mecânico a que são submetidos quando instalados na chave fusível Os elos fusíveis quando ensaiados conforme padrão ABNT: a) não devem apresentar alteração de suas características de fusão tempo x corrente, estabelecidas nas curvas do fabricante; b) devem atender aos requisitos da ABNT-NBR-7282 quanto à capacidade de interrupção. 3.0 QUANTIDADES LOTE ELO FUSIVEL DE DISTRIBUICAO, 0,5H,CLASSE 15KV, 500MM ELO FUSIVEL DE DISTRIBUICAO, 1H,CLASSE 15KV, 500MM Anexo XIV_Especificação Técnica Elos Fisíveis Tipos Expulsão e Subestação_PE/058/2009 Pág. 5 de 14

6 CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S/A ELO FUSIVEL DE DISTRIBUICAO, 2H,CLASSE 15KV, MM ELO FUSIVEL DE DISTRIBUICAO, 3H,CLASSE 15KV, MM ELO FUSIVEL DE DISTRIBUICAO, 5H,CLASSE 15KV, MM ELO FUSIVEL DE DISTRIBUICAO, 6K,CLASSE 15KV, MM ELO FUSIVEL DE DISTRIBUICAO, 8K,CLASSE 15KV, MM ELO FUSIVEL DE DISTRIBUICAO, 10K,CLASSE KV, 500MM ELO FUSIVEL DE DISTRIBUICAO, 12K,CLASSE Anexo XIV_Especificação Técnica Elos Fisíveis Tipos Expulsão e Subestação_PE/058/2009 Pág. 6 de 14

7 CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S/A KV, 500MM ELO FUSIVEL DE DISTRIBUICAO, 15K,CLASSE KV, 500MM ELO FUSIVEL DE DISTRIBUICAO, 20K,CLASSE KV, 500MM ELO FUSIVEL DE DISTRIBUICAO, 25K,CLASSE KV, 500MM ELO FUSIVEL DE DISTRIBUICAO, 30K,CLASSE KV, 500MM ELO FUSIVEL DE DISTRIBUICAO, 35K,CLASSE 15KV, 500MM 900 ELO FUSIVEL DE DISTRIBUICAO, 40K,CLASSE 15KV, 500MM Anexo XIV_Especificação Técnica Elos Fisíveis Tipos Expulsão e Subestação_PE/058/2009 Pág. 7 de 14

8 CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S/A ELO FUSIVEL DE DISTRIBUICAO, 45K,CLASSE 15KV, 500MM ELO FUSIVEL DE DISTRIBUICAO, 50K,CLASSE KV, 500MM ELO FUSIVEL DE DISTRIBUICAO, 65K,CLASSE KV, 500MM ELO FUSIVEL DE DISTRIBUICAO, 80K,CLASSE KV, 500MM 100 ELO FUSIVEL DE DISTRIBUICAO, 100K,CLASSE 15KV, 500MM ELO FUSIVEL DE DISTRIBUICAO, 120K,CLASSE 15KV, 500MM Anexo XIV_Especificação Técnica Elos Fisíveis Tipos Expulsão e Subestação_PE/058/2009 Pág. 8 de 14

9 CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S/A ELO FUSIVEL DE DISTRIBUICAO, 180K,CLASSE 15KV, 500MM LOTE 2 ELO FUSIVEL TIPO EXPULSÃO PARA SUBESTAÇÃO,EM CORDOALHA SIMPLES EF;40A;690MM;CODROALHA SIMPLES 250 EF;50A;690MM;CORDOALHA SIMPLES 350 EF;65A;690MM;CORDOALHA SIMPLES 400 EF;80A;690MM;CORDOALHA SIMPLES EF;100A;690MM;CORDOALHA SIMPLES Anexo XIV_Especificação Técnica Elos Fisíveis Tipos Expulsão e Subestação_PE/058/2009 Pág. 9 de 14

10 CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S/A EF;125A;690MM;CORDOALHA SIMPLES 200 EF;150A;690MM;CORDOALHA SIMPLES 200 EF;25A;1200MM;CORDOALHA SIMPLES 100 EF;30A;1200MM;CORDOALHA SIMPLES 100 EF;40A;1200MM;CORDOALHA SIMPLES 200 EF;50A;1200MM;CORDOALHA SIMPLES 150 Anexo XIV_Especificação Técnica Elos Fisíveis Tipos Expulsão e Subestação_PE/058/2009 Pág. 10 de 14

11 CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S/A EF;65A;1200MM;CORDOALHA SIMPLES 150 EF;125A;1200MM;CORDOALHA SIMPLES 50 EF;25A;1270MM;CORDOALHA SIMPLES 100 EF;30A;1270MM;CORDOALHA SIMPLES 300 EF;50A;1270MM;CORDOALHA SIMPLES 300 EF;65A;1270MM;CORDOALHA SIMPLES EF;80A;1270MM;CORDOALHA SIMPLES Anexo XIV_Especificação Técnica Elos Fisíveis Tipos Expulsão e Subestação_PE/058/2009 Pág. 11 de 14

12 CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S/A EF;100A;1270MM;CORDOALHA SIMPLES CONDIÇÕES GERAIS 4.1 IDENTIFICAÇÃO Cada elo fusível deve ser marcado de forma legível e indelével no botão com, no mínimo, as seguintes informações: a) nome e/ou marca do fabricante; b) corrente nominal, em àmperes, seguida de uma das letras H,K e T. 4.2 ACONDICIONAMENTO Os elos fusíveis devem ser acondicionados individualmente em sacos plásticos identificados com as seguintes informações mínimas: a) nome e/ou marca do fabricante; b) número de catálogo do fabricante; c) corrente nominal, em àmperes, seguida de uma das letras H,K e T; d) comprimento do elo fusível em milimetro (mm) Os sacos plásticos contendo os elos fusíveis devem ser acondicionados de modo adequado ao transporte previsto, às condições de armazenagem e ao manuseio As embalagens finais para o transporte dos elos devem ser adequadas ao transporte rodoviário, aéreo ou marítimo, às operações normais de carga e descarga, e ao armazenamento abrigado, e devem trazer externamente as seguintes informações: a) nome e/ou marca do fabricante; b) a sigla da Concessionária solicitante e o local de entrega; c) identificação completa do conteúdo; d) número de peças; e) massa bruta e líquida em kg; f) número do pedido de compra; g) número da Nota Fiscal; h) outras informações que o pedido de compra exigir. 5.0 INSPEÇÕES NA FÁBRICA Anexo XIV_Especificação Técnica Elos Fisíveis Tipos Expulsão e Subestação_PE/058/2009 Pág. 12 de 14

13 CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S/A As concessionárias credenciarão dois representantes cada, para inspeção dos equipamentos dos lotes supracitados, sendo esta baseada nas normas NBR e Normas Internacionais para inspeção de elos fusíveis. A inspeção compreende a execução dos ensaios de rotina e os de tipo, e no caso dos ensaios de tipo as empresas contratantes se reservam o direito, em qualquer dos lotes disponibilizados para inspeção e ensaios de recebimento, retirar uma amostra e realizar todos os ensaios de tipo, às suas expensas, e caso o material não tenha sucesso será recusado todo o lote e o material entregue, sendo aplicada ainda as sanções legais cabíveis á empresa reprovada. No caso especificado no parágrafo acima, deve-se atender aos seguintes requisitos: a) ser realizado em laboratório de instituição oficial ou no laboratório do fornecedor desde que, nesse último caso, tenha sido previamente homologado pela Contratante; b) ser aplicado, em qualquer hipótese, em amostras escolhidas aleatoriamente e retiradas do lote a ser fornecido, pelos inspetores da Contratante; c) ser acompanhado, em qualquer hipótese, pelos inspetores da Contratante. O fornecedor deve possibilitar aos inspetores da Contratante livre acesso a laboratórios e a locais de fabricação e de acondicionamento. O fornecedor deve assegurar aos inspetores da Contratante o direito de se familiarizar, em detalhe, com as instalações e os equipamentos a serem utilizados, estudar as instruções e desenhos, verificar calibrações, presenciar os ensaios, conferir resultados e, em caso de dúvida, efetuar nova inspeção e exigir a repetição de qualquer ensaio. O fornecedor deve informar a Contratante, com antecedência mínima de 15 (quinze) dias, a data em que o material estará pronto para inspeção. O fornecedor deve apresentar, aos inspetores da Contratante, certificados de calibração dos instrumentos de seu laboratório ou do laboratório contratado, a serem utilizados na inspeção, medições e ensaios do material ofertado, emitidos por órgão homologado pelo INMETRO ou por órgão similar em outros países. A periodicidade máxima dessa calibração deve ser de 1 (um) ano e o não cumprimento dessa exigência pode acarretar a desqualificação do laboratório. Todas as normas, especificações e desenhos citados como referência devem estar à disposição do inspetor da Contratante no local da inspeção. A aceitação do lote e/ou a dispensa de execução de qualquer ensaio: a) não eximem o fornecedor da responsabilidade de fornecer o material de acordo com os requisitos desta Especificação; b) não invalidam qualquer reclamação posterior da Contratante a respeito da qualidade do material e/ou da fabricação. Em tais casos, mesmo após haver saído da fábrica, o lote pode ser inspecionado e submetido a ensaios, com prévia notificação e, eventualmente, em sua presença. Em caso de qualquer disvrepância em relação às exigências desta Especificação, o lote pode ser rejeitado e sua reposição deve ser feita por conta do fornecedor. A rejeição do lote, em virtude de falhas constatadas nos ensaios, não dispensa o fornecedor de cumprir as datas de entrega prometidas. Se, na opinião da Contratante, a rejeição tornar impraticável a entrega do material nas datas previstas, ou se tornarnevidente que o fornecedor não será capaz de satisfazer as exigências estabelecidas nestas Especificação, a Contratante se reserva o direito de rescindir todas as suas obrigações e de obter o material de Anexo XIV_Especificação Técnica Elos Fisíveis Tipos Expulsão e Subestação_PE/058/2009 Pág. 13 de 14

14 CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S/A outro fornecedor. Em tais casos, o fornecedor será considerado infrator do Contrato e estará sujeito às penalidades aplicáveis. Todas as unidades do produto, rejeitadas e pertencentes a um lote aceito, devem ser substituidas por unidades novas e perfeitas, por conta do fornecedor, sem ônus para a Contratante. O custo dos ensaios de rotina deve ser por conta do fornecedor. A Contratante se reserva o direito de exigir a repetição de ensaios em lotes já aprovados. Nesse caso, as despesas serão de responsabilidade: a) da Contratante, se as unidades ensaiadas forem aprovadas na segunda inspeção; b) do Fornecedor, em caso contrário. Os custos da visita dos inspetores da Contratante (locomoção, hospedagem e alimentação), ou seja o valor da diária, correrão por conta do fornecedor nos seguintes casos: a) se o material estiver incompleto na data indicada na solicitação de inspeção; b) se o laboratório de ensaio não atender às exigências desta especificação; c) devido à reinspeção do material por motivo de recusa nos ensaios. PLANO DE AMOSTRAGEM POR LOTE Conforme definido nas Normas da ABNT. 6.0 DA ENTREGA O fornecedor deverá entregar os materiais, objeto desta especificação, de acordo com o especificado, marca modelo, novo, em bom estado de conservação, e de uso, até o prazo limite estabelecido no instrumento contratual. O fornecedor deverá transportar o material até o almoxarifado da concessionária solicitante e descarregar o material no almoxarifado, para o que a contratada deverá dispor de pessoal e equipamentos necessários para efetuar a descarga do objeto da contratação. 7.0 PRAZO DE ENTREGA A entrega dos equipamentos deverá ser efetuada em até 45 (quarenta e cinco) dias a partir da data de assinatura do contrato pelo fornecedor. 8.0 APROVAÇÃO ANEXO 1 Tipos de elos fusíveis Correntes nominais (A) H 0,5 ; 1 ; 2 ; 3 ; 5 K e T Grupo A 6; 10; 15; 25; 40; 65; 100; 140 e 200 Grupo B 8; 12; 20; 30; 50 e 80 Anexo XIV_Especificação Técnica Elos Fisíveis Tipos Expulsão e Subestação_PE/058/2009 Pág. 14 de 14

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título ELO FUSÍVEL DE DISTRIBUIÇÃO

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título ELO FUSÍVEL DE DISTRIBUIÇÃO ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título ELO FUSÍVEL DE DISTRIBUIÇÃO Código ETD-00.016 Data da emissão 30.04.1987 Data da última revisão 29.06.2006 Folha 1 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Normas Complementares 3 Definições

Leia mais

4.3 Códigos Padronizados Conforme ANEXO II - ESPECIFICAÇÃO SUCINTA E DETALHADA.

4.3 Códigos Padronizados Conforme ANEXO II - ESPECIFICAÇÃO SUCINTA E DETALHADA. Elaborador: Mário Sérgio de Medeiros Damascena ET - 05.126.00 1 de 20 1 FINALIDADE Esta Norma especifica e padroniza as dimensões e as características mínimas exigíveis de elo fusível para utilização nas

Leia mais

SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA

SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA MANUAL ESPECIAL SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA E-313.0015 ELOS FUSÍVEIS DE DISTRIBUIÇÃO

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título: TRANSFORMADORES DE POTENCIAL PARA EQUIPAMENTOS ESPECIAIS Código ETD-00.062 Data da emissão 28.09.2012 Data da última revisão Folha 1 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Normas Complementares

Leia mais

NORMA TÉCNICA CELG D. Elos Fusíveis de Distribuição Especificação. NTC-66 Revisão 1

NORMA TÉCNICA CELG D. Elos Fusíveis de Distribuição Especificação. NTC-66 Revisão 1 NORMA TÉCNICA CELG D Elos Fusíveis de Distribuição Especificação NTC-66 Revisão 1 ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA 1. OBJETIVO 1 2. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 2 3. TERMINOLOGIA E DEFINIÇÕES 4 4. CONDIÇÕES

Leia mais

ETD 007.01.43 ELO FUSÍVEL

ETD 007.01.43 ELO FUSÍVEL Projeto: agosto de 2008 Palavras Chave: Elo; Rede de Distribuição Cooperativas Filiadas a FECOERGS: CELETRO Cachoeira do Sul CERFOX Fontoura Xavier CERILUZ Ijuí CERMISSÕES Caibaté CERTAJA Taquari CERTEL

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJETIVO 03 2. ÂMBITO 03 3. CONCEITOS 03 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS 03 5. INSTRUÇÕES GERAIS 04 5.1. Condições de Serviços 04 5.2. Identificação dos transformadores 04 5.3.

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS 02 5. INSTRUÇÕES GERAIS 03 5.1. Condições de Operação 03 5.2. Materiais e Construção 04 6. PROCEDIMENTOS

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título CONDUTOR DE ALUMÍNIO MULTIPLEXADO

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título CONDUTOR DE ALUMÍNIO MULTIPLEXADO ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título CONDUTOR DE ALUMÍNIO MULTIPLEXADO Código ETD-00.023 Data da emissão 28.12.1993 Data da última revisão 09.09.2009 Folha 1 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Normas Complementares

Leia mais

SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA PADRONIZAÇÃO APROVAÇÃO ELABORAÇÃO VISTO

SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA PADRONIZAÇÃO APROVAÇÃO ELABORAÇÃO VISTO MA NU AL E SP EC IA L SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA E-313.0032 ESPECIFICAÇÃO DE CONDUTORES

Leia mais

Usuários: Divisão de Medição e Proteção da Receita, Gerências e Centros Regionais.

Usuários: Divisão de Medição e Proteção da Receita, Gerências e Centros Regionais. 1 Usuários: Divisão de Medição e Proteção da Receita, Gerências e Centros Regionais. SUMÁRIO 1. OBJETIVO 2. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 3. DEFINIÇÕES 4. CONDIÇÕES GERAIS 5. CONDIÇÕES ESPECÍFICAS

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO E-62.014

ESPECIFICAÇÃO E-62.014 ESPECIFICAÇÃO E-62.014 Transformador de Corrente com Tensão Igual ou Superior a 69 kv Processo: Medição e Perdas Versão: 0.0 Início de Vigência: 30-01-2014 Órgão de Origem: Divisão de Medição e Proteção

Leia mais

Portaria n.º 260, de 05 de junho de 2014.

Portaria n.º 260, de 05 de junho de 2014. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 260, de 05 de junho de 2014. O PRESIDENTE

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PROTETOR DE BUCHA PARA TRANSFORMADOR

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PROTETOR DE BUCHA PARA TRANSFORMADOR PROTOR DE BUCHA PARA TRANSFORMADOR SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 02 5. INSTRUÇÕES GERAIS 03 5.1. Características

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA 30/06/2005 1 de 1 1 FINALIDADE Esta Norma especifica e padroniza as dimensões e as características mínimas exigíveis do eletroduto de aço para utilização em padrões de entrada de unidades consumidoras

Leia mais

QUALIDADE - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO

QUALIDADE - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO PLUG TERMINAL COM CAPA (PTC) 600 A 8,7 / 15 KV OPERAÇÃO SEM CARGA SUMÁRIO ITEM CONTEÚDO PG. 1. OBJIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS 02 5. INSTRUÇÕES GERAIS 03 5.1. Condições

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO Conteúdo PG 1. OBJIVO 02 2. AMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS E LEGISLAÇÕES APLICÁVEIS 02 5. INSTRUÇÕES GERAIS 02 5.1. Condições de Serviço 02 5.2. Acabamento 03 5.3. Identificação

Leia mais

Art. 5º Esta Portaria revoga a Portaria Inmetro n.º 24/1996.

Art. 5º Esta Portaria revoga a Portaria Inmetro n.º 24/1996. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria Inmetro n.º 153, de 12 de agosto de 2005 O PRESIDENTE

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO CONTEÚDO 1. OBJETIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 3.1. Siglas 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS 02 5. INSTRUÇÕES GERAIS 02 5.1. Características Gerais 03 5.2. Características Específicas e Exclusivas

Leia mais

NORMA TÉCNICA CELG D

NORMA TÉCNICA CELG D NORMA TÉCNICA CELG D Capacete de Segurança Especificação NTS-01 Revisão 3 ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA 1. OBJETIVO 1 2. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 2 3. TERMINOLOGIA E DEFINIÇÕES 3 4. CONDIÇÕES GERAIS

Leia mais

Portaria n.º 656, de 17 de dezembro de 2012.

Portaria n.º 656, de 17 de dezembro de 2012. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 656, de 17 de dezembro de 2012. O PRESIDENTE

Leia mais

NTU AES 003-1. Condutores Elétricos Distr. Subterrânea NORMA TÉCNICA UNIFICADA AES ELETROPAULO / AES SUL

NTU AES 003-1. Condutores Elétricos Distr. Subterrânea NORMA TÉCNICA UNIFICADA AES ELETROPAULO / AES SUL NTU AES 003-1 Condutores Elétricos Distr. Subterrânea NORMA TÉCNICA UNIFICADA AES ELETROPAULO / AES SUL Elaborado: Aprovado: DATA: 30/09/2010 João Carlos Nacas AES Eletropaulo Fernanda Pedron AES Sul Sergio

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Coordenação:Celso Nogueira da Mota

FICHA TÉCNICA. Coordenação:Celso Nogueira da Mota NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO 3ª EDIÇÃO DEZEMBRO 2014 DIRETORIA DE ENGENHARIA SUPERINTENDÊNCIA DE PLANEJAMENTO E PROJETOS GERÊNCIA DE NORMATIZAÇÃO E TECNOLOGIA FICHA TÉCNICA Coordenação:Celso Nogueira

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA D SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJETIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 02 5. INSTRUÇÕES GERAIS 04 5.1. Condições Gerais 04 5.2. Condições Especificas

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA TRAFO 145kV - ENERGIZADO SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS 02 5. INSTRUÇÕES GERAIS 03 5.1. Local da Realização dos Serviços 03 5.2. Condição

Leia mais

DIRETORIA TÉCNICA GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DE AT E MT ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET-300/2009 R-04

DIRETORIA TÉCNICA GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DE AT E MT ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET-300/2009 R-04 DIRETORIA TÉCNICA GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DE AT E MT ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET-300/2009 R-04 POSTES DE CONCRETO ARMADO FOLHA DE CONTROLE ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA POSTES DE CONCRETO ARMADO Código

Leia mais

VÁLIDO SOMENTE PARA VISUALIZAÇÃO EM TELA

VÁLIDO SOMENTE PARA VISUALIZAÇÃO EM TELA ESPECIFICAÇÃO E-62.018 Especificação Técnica Chave de Bloqueio e Aferição Processo: Medição e Perdas Versão: 1.0 Início de Vigência: 08-12-2014 Órgão de Origem: Divisão de Gestão de Medição e Perdas (DGMP).

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CHAVES DE AFERIÇÃO

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CHAVES DE AFERIÇÃO TERMO DE REFERÊNCIA PARA CHAVES DE AFERIÇÃO 1. OBJETIVO Este Termo de Referência define requisitos que devem ser observados pelos interessados, para o fornecimento de chave de aferição à CEEE-D, em complementação

Leia mais

Suporte situado na edificação do consumidor, com a finalidade de fixar e elevar o ramal de ligação.

Suporte situado na edificação do consumidor, com a finalidade de fixar e elevar o ramal de ligação. 25 / 10 / 2011 1 de 7 1 FINALIDADE Esta Norma especifica e padroniza as dimensões e as características mínimas exigíveis do pontalete de aço para utilização em padrões de entrada de unidades consumidoras

Leia mais

COMPANHIA MUNICIPAL DE ENERGIA E ILUMINAÇÃO-RIOLUZ DIRETORIA TECNOLÓGICA E DE PROJETO DTP GERÊNCIA TECNOLÓGICA E DE DESENVOLVIMENTO GTD EM-RIOLUZ-14

COMPANHIA MUNICIPAL DE ENERGIA E ILUMINAÇÃO-RIOLUZ DIRETORIA TECNOLÓGICA E DE PROJETO DTP GERÊNCIA TECNOLÓGICA E DE DESENVOLVIMENTO GTD EM-RIOLUZ-14 DIRETORIA TECNOLÓGICA E DE PROJETO DTP GERÊNCIA TECNOLÓGICA E DE DESENVOLVIMENTO GTD EM-RIOLUZ-14 POSTES DE CONCRETO EMISSÃO 17 08-01-15 Página 1 de 20 1 OBJETIVO. SUMARIO 2 DEFINIÇÕES E CONVENÇÕES. 2.1

Leia mais

NBR 7483/2005. Cordoalhas de aço para concreto protendido Requisitos

NBR 7483/2005. Cordoalhas de aço para concreto protendido Requisitos NBR 7483/2005 Cordoalhas de aço para concreto protendido Requisitos OBJETIVO Fixar os requisitos para fabricação, encomenda, fornecimento e recebimento de cordoalhas de aço de alta resistência de três

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO ES.DT.PDN.01.01.025 POSTE DE CONCRETO ARMADO PARA REDES DE DISTRIBUIÇÃO 01

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO ES.DT.PDN.01.01.025 POSTE DE CONCRETO ARMADO PARA REDES DE DISTRIBUIÇÃO 01 SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO ESPECIFICAÇÃO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO ES.DT.PDN.01.01.025 01 APROVADO POR PAULO JORGE TAVARES DE LIMA ENGENHARIA E CADASTRO SP MARCELO POLTRONIERI ENGENHARIA E CADASTRO - ES

Leia mais

Portaria n.º 5, de 8 de janeiro de 2013.

Portaria n.º 5, de 8 de janeiro de 2013. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 5, de 8 de janeiro de 2013. O PRESIDENTE

Leia mais

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA COORDENAÇÃO DE COMPRAS COSCOM (GESUS) 1 de 9 OBJETIVO: Este Termo de Referência tem por objetivo definir o escopo do processo licitatório de constituição de Registro de Preço para eventual contratação

Leia mais

A entrada de energia elétrica será executada através de:

A entrada de energia elétrica será executada através de: Florianópolis, 25 de março de 2013. 1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS O presente memorial tem como principal objetivo complementar as instalações apresentadas nos desenhos/plantas, descrevendo-os nas suas partes

Leia mais

ETD 007.01.50 TRANSFORMADORES DE POTENCIAL INDUTIVOS. Projeto: novembro de 2009 Palavras Chave: Transformador; Medição

ETD 007.01.50 TRANSFORMADORES DE POTENCIAL INDUTIVOS. Projeto: novembro de 2009 Palavras Chave: Transformador; Medição ETD : novembro de 2009 Palavras Chave: Transformador; Medição ii Cooperativas Filiadas a FECOERGS: CELETRO Cachoeira do Sul CERFOX Fontoura Xavier CERILUZ Ijuí CERMISSÕES Caibaté CERTAJA Taquari CERTEL

Leia mais

NT MATERIAIS PARA REDES E LINHAS AEREAS URBANAS E RURAIS DE DISTRIBUÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA.

NT MATERIAIS PARA REDES E LINHAS AEREAS URBANAS E RURAIS DE DISTRIBUÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA. REV. Página 1 de 21 1. GENERALIDADES 2. REQUISOS GERAIS 3. CARACTERISTICAS CONSTRUTIVAS 4. CARACTERFSTICAS TÉCNICAS 5. INSPEÇÃO E ENSAIOS 6. ACONDICIONAMENTO 7. INFORMAÇOES A SEREM PRESTADAS NA PROPOSTA

Leia mais

ABNT NBR 9191:2008. Mara L. S. Dantas. Sacos com lixo infectante necessidade de controle na disposição

ABNT NBR 9191:2008. Mara L. S. Dantas. Sacos com lixo infectante necessidade de controle na disposição Sacos com lixo infectante necessidade de controle na disposição Linha do Tempo da participação do IPT na normalização e controle 1991/ jan - IPT emite avaliação dos sacos para a Secretaria de Defesa do

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA 13 / 03 / 2014 1 de 6 1 FINALIDADE Esta Norma especifica e padroniza as dimensões e as características mínimas exigíveis de Suporte de Transformador Tipo Cantoneira para utilização nas Redes de Distribuição

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA Código: ET: 07-02-202 SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJETIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 02 5. INSTRUÇÕES GERAIS 04 5.1. Características Gerais

Leia mais

Cód. Manual MSE. Sistema Subsistema Vigência MANUTENÇÃO SUBESTAÇÃO 07.10.2011 Í N D I C E - QUALIDADE DOS MATERIAIS...2

Cód. Manual MSE. Sistema Subsistema Vigência MANUTENÇÃO SUBESTAÇÃO 07.10.2011 Í N D I C E - QUALIDADE DOS MATERIAIS...2 Sistema Subsistema Vigência MANUTENÇÃO SUBESTAÇÃO 07.10.2011 Inst./Equipamento TC 500kV OSKF-1800 FABRICAÇÃO TRENCH Assunto CORREÇÃO DE VAZAMENTO EM TRANSFORMADOR DE CORRENTE 500KV TIPO OSKF-1800, FABRICAÇÃO

Leia mais

Compartilhamento de Infraestrutura de Rede de Distribuição Aérea com Redes de Telecomunicações

Compartilhamento de Infraestrutura de Rede de Distribuição Aérea com Redes de Telecomunicações ID-4.044 Compartilhamento de Infraestrutura de Rede de Distribuição Aérea com Redes de Telecomunicações Diretoria de Engenharia Gerência de Serviços Técnicos ELABORADO: Luiz Eduardo R. Magalhães Gerência

Leia mais

SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA CÓDIGO TÍTULO VERSÃO ES.DT.PDN.01.10.001 POSTE DE AÇO QUADRADO PARA ENTRADA DE CLIENTES 01

SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA CÓDIGO TÍTULO VERSÃO ES.DT.PDN.01.10.001 POSTE DE AÇO QUADRADO PARA ENTRADA DE CLIENTES 01 SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO ES.DT.PDN.01.10.001 01 APROVADO POR PAULO J. TAVARES LIMA ENGENHARIA E CADASTRO-SP SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES... 3 3. APLICAÇÃO...

Leia mais

DIVISÃO DE GESTÃO COMERCIAL - DEPARTAMENTO DE MEDIÇÃO ETEM 21. ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE MEDIDORES ELETROMECÂNICOS Revisão, 18 de julho de 2007

DIVISÃO DE GESTÃO COMERCIAL - DEPARTAMENTO DE MEDIÇÃO ETEM 21. ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE MEDIDORES ELETROMECÂNICOS Revisão, 18 de julho de 2007 ETEM 21 ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE MEDIDORES ELETROMECÂNICOS Revisão, 18 de julho de 2007 SUMÁRIO 1 DISPOSIÇÕES GERAIS...5 1.1 OBJETIVO...5 1.2 REQUISITOS GERAIS...5 1.2.1 Condições gerais...5 1.2.2 Características

Leia mais

Portaria n.º 535, de 21 de outubro de 2015. CONSULTA PÚBLICA

Portaria n.º 535, de 21 de outubro de 2015. CONSULTA PÚBLICA Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 535, de 21 de outubro de 2015. CONSULTA

Leia mais

Manual de Operação e Instalação

Manual de Operação e Instalação Manual de Operação e Instalação Transmissor de nível Cod: 073AA-005-122M Rev. A Série LT-200 Fevereiro / 2004 S/A. Rua João Serrano, 250 Bairro do Limão São Paulo SP CEP 02551-060 Fone: (11) 3488-8999

Leia mais

Portaria n.º 466, de 16 de outubro de 2014.

Portaria n.º 466, de 16 de outubro de 2014. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 466, de 16 de outubro de 2014. O PRESIDENTE

Leia mais

NORMA TÉCNICA NTC 011

NORMA TÉCNICA NTC 011 COMPANHIA CAMPOLARGUENSE DE ENERGIA COCEL NORMA TÉCNICA 011 CAIXAS PARA EQUIPAMENTOS DE MEDIÇÃO - MATERIAL POLIMÉRICO Divisão de Medição e Fiscalização Emissão: 2015 Versão: 01/2015 1 2 SUMÁRIO: 1. OBJETIVO...

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA. Art. 5º - Publicar esta Portaria de Consulta Pública no Diário Oficial da União, quando iniciará a sua vigência.

CONSULTA PÚBLICA. Art. 5º - Publicar esta Portaria de Consulta Pública no Diário Oficial da União, quando iniciará a sua vigência. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria n º 105, de 02 de junho de 2005 CONSULTA PÚBLICA

Leia mais

PIM - PROCEDIMENTO PARA INSPEÇÃO DE MATERIAL PARAFUSO E PORCA PARA TALA DE JUNÇÃO ABNT SUMÁRIO

PIM - PROCEDIMENTO PARA INSPEÇÃO DE MATERIAL PARAFUSO E PORCA PARA TALA DE JUNÇÃO ABNT SUMÁRIO PIM - PROCEDIMENTO PARA INSPEÇÃO DE MATERIAL PARAFUSO E PORCA PARA TALA DE JUNÇÃO ABNT SUMÁRIO 1. OBJETIVO 2. DEFINIÇÃO - CARACTERÍSTICAS - FABRICAÇÃO 3. FORMA - DIMENSÃO 3.1 - PARAFUSO 3.2 - PORCA 4.

Leia mais

Defensas metálicas de perfis zincados

Defensas metálicas de perfis zincados MT - DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO - IPR DIVISÃO DE CAPACITAÇÃO TECNOLÓGICA Rodovia Presidente Dutra km 163 - Centro Rodoviário, Parada de Lucas

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA LÂMPADAS A VAPOR DE METÁLICO DME SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJETIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 03 5. INSTRUÇÕES GERAIS 03 5.1. Condições

Leia mais

Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica

Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica PORTARIA INTERMINISTERIAL N o 104, DE 22 DE MARÇO DE 2013. OS MINISTROS DE ESTADO DE MINAS E ENERGIA, DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO, E DO DESENVOLVIMENTO,

Leia mais

MÓDULO 4 4.1 - PROCEDIMENTOS DE ESTOCAGEM E MANUSEIO

MÓDULO 4 4.1 - PROCEDIMENTOS DE ESTOCAGEM E MANUSEIO MÓDULO 4 4.1 - PROCEDIMENTOS DE ESTOCAGEM E MANUSEIO A estocagem e o manuseio de tubos e conexões devem obedecer a preceitos mínimos que assegurem a integridade dos materiais, bem como o desempenho esperado.

Leia mais

2.1. CONDIÇÕES DO LOCAL DE INSTALAÇÃO 2.2. NORMAS TÉCNICAS 2.3. DOCUMENTOS TÉCNICOS A SEREM APRESENTADOS PARA APROVAÇÃO APÓS ASSINATURA DO CONTRATO

2.1. CONDIÇÕES DO LOCAL DE INSTALAÇÃO 2.2. NORMAS TÉCNICAS 2.3. DOCUMENTOS TÉCNICOS A SEREM APRESENTADOS PARA APROVAÇÃO APÓS ASSINATURA DO CONTRATO ÍNDICE 1.0 OBJETIVO 2.0 REQUISITOS GERAIS 2.1. CONDIÇÕES DO LOCAL DE INSTALAÇÃO 2.2. NORMAS TÉCNICAS 2.3. DOCUMENTOS TÉCNICOS A SEREM APRESENTADOS PARA APROVAÇÃO APÓS ASSINATURA DO CONTRATO 2.4. EXTENSÃO

Leia mais

9. MANUTENÇÃO DE TRANSFORMADORES:

9. MANUTENÇÃO DE TRANSFORMADORES: 9. MANUTENÇÃO DE TRANSFORMADORES: 9.1 OTIMIZAÇÃO E MONITORAMENTO DA OPERAÇÃO DOS TRANSFORMADORES Os transformadores são máquinas estáticas que transferem energia elétrica de um circuito para outro, mantendo

Leia mais

NORMA TÉCNICA CELG D. Caixas Metálicas para Medição, Proteção e Derivação. NTC-03 Revisão 3

NORMA TÉCNICA CELG D. Caixas Metálicas para Medição, Proteção e Derivação. NTC-03 Revisão 3 NORMA TÉCNICA CELG D Caixas Metálicas para Medição, Proteção e Derivação NTC-03 Revisão 3 NTC-03 / DT-SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA 1. OBJETIVO 1 2. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES

Leia mais

Portaria Inmetro nº 89, de 06 de abril de 2006.

Portaria Inmetro nº 89, de 06 de abril de 2006. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria Inmetro nº 89, de 06 de abril de 2006. O PRESIDENTE

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA MEDIDOR DE ENERGIA ELRICA ELRÔNICO SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS 02 5. INSTRUÇÕES GERAIS 03 5.1. Condições de Serviço 03 5.2. Características

Leia mais

Andraplan Serviços Ltda. A essência da consultoria.

Andraplan Serviços Ltda. A essência da consultoria. Andraplan Serviços Ltda. A essência da consultoria. Publicação de domínio público reproduzida na íntegra por Andraplan Serviços Ltda. Caso tenha necessidade de orientações sobre o assunto contido nesta

Leia mais

INCENTIVO AO ATERRAMENTO ELÉTRICO RESIDENCIAL RESUMO

INCENTIVO AO ATERRAMENTO ELÉTRICO RESIDENCIAL RESUMO INCENTIVO AO ATERRAMENTO ELÉTRICO RESIDENCIAL Fernando Nascimento 1-21370122 Gabriela Sampaio Rêma 2-21370051 Marcos Vinícius Lemos da Silva 3-21270116 Paula da Silva Nogueira 4-21370049 RESUMO Poucas

Leia mais

Caixa para medidores com ou sem leitura por vídeo câmeras

Caixa para medidores com ou sem leitura por vídeo câmeras Dobradiça Furação para passagem de cabo de Ø21 mm ( 12x ) Vista Inferior Item 1 e 2 Adaptador para parafuso A.A. Fixação dos trilhos através de parafuso e porca ( possibilitando regulagem ) Trilho de fixação

Leia mais

INFORMAÇÃO TÉCNICA DDE Nº 006/2014 DE 10/12/2014

INFORMAÇÃO TÉCNICA DDE Nº 006/2014 DE 10/12/2014 INFORMAÇÃO TÉCNICA DDE Nº 006/2014 DE 10/12/2014 Procedimentos para validação de Subestações Blindadas Classes 15 kv e 36,2 kv Este procedimento se encontra na sua Revisão 2 cancelando e substituindo o

Leia mais

ETEM 41. ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE TRANSFORMADORES DE POTENCIAL COM TENSÃO MÁXIMA IGUAL OU SUPERIOR A 69 kv Revisão, 2 de setembro de 2011

ETEM 41. ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE TRANSFORMADORES DE POTENCIAL COM TENSÃO MÁXIMA IGUAL OU SUPERIOR A 69 kv Revisão, 2 de setembro de 2011 ETEM 41 ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE TRANSFORMADORES DE POTENCIAL COM TENSÃO MÁXIMA IGUAL OU SUPERIOR A 69 kv Revisão, 2 de setembro de 2011 SUMÁRIO 1 OBJETIVO...4 1.1 TABELAS DE CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS GARANTIDAS...4

Leia mais

ILUMINADOR A LED PARA SEMÁFORO DE PEDESTRE COM CONTADOR REGRESSIVO. Sumário

ILUMINADOR A LED PARA SEMÁFORO DE PEDESTRE COM CONTADOR REGRESSIVO. Sumário Código: Un pç ILUMINADOR A LED PARA SEMÁFORO DE PEDESTRE COM CONTADOR REGRESSIVO 1 Objetivo 2 Referências Normativas 3 Definições 4 Requisitos Gerais 5 Requisitos Específicos 6 Funcionamento 7 Características

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS 02 5. INSTRUÇÕES GERAIS 02 5.1. Local da Realização dos Serviços 02 5.2. Responsabilidade a cargo da DMED

Leia mais

1. Objetivo 1. 2. Referências 1. 3. Condições gerais 1. 4. Condições específicas 1. 5. Inspeção 2. Tabela 1 - Características elétricas e mecânicas 4

1. Objetivo 1. 2. Referências 1. 3. Condições gerais 1. 4. Condições específicas 1. 5. Inspeção 2. Tabela 1 - Características elétricas e mecânicas 4 SUMÁRIO Pág. 1. Objetivo 1 2. Referências 1 3. Condições gerais 1 4. Condições específicas 1 DISTRIBUIÇÃO AUTOMÁTICA DE CÓPIAS 02.118-CONEM-0003 5. Inspeção 2 Tabela 1 - Características elétricas e mecânicas

Leia mais

Em qualquer processo produtivo, deve-se garantir que as

Em qualquer processo produtivo, deve-se garantir que as Confiabilidade, calibração e definições importantes para os instrumentos de medir Os instrumentos de medição são os dispositivos utilizados para realizar uma medição e no âmbito da metrologia legal são

Leia mais

Portaria nº 220,de 19 de maio de 2011. CONSULTA PÚBLICA

Portaria nº 220,de 19 de maio de 2011. CONSULTA PÚBLICA MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria nº 220,de 19 de maio de 2011. CONSULTA PÚBLICA OBJETO:

Leia mais

NORMA TÉCNICA CELG Cabos de Potência com Isolação em XLPE para Tensões de 1 a 35 kv Especificação NTC-34

NORMA TÉCNICA CELG Cabos de Potência com Isolação em XLPE para Tensões de 1 a 35 kv Especificação NTC-34 NORMA TÉCNICA CELG Cabos de Potência com Isolação em XLPE para Tensões de 1 a 35 kv Especificação NTC-34 ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA 1. OBJETIVO 1 2. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 2 3. TERMINOLOGIA

Leia mais

Ministério da Indústria e do Comércio

Ministério da Indústria e do Comércio Ministério da Indústria e do Comércio Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial - INMETRO Portaria nº 111 de 20 de setembro de 1983 O Presidente do Instituto Nacional de Metrologia,

Leia mais

AQUISIÇÃO DE PLACAS DE SINALIZAÇÃO E EXTINTORES DE INCÊNDIO (PB-SBRH-002-2014)

AQUISIÇÃO DE PLACAS DE SINALIZAÇÃO E EXTINTORES DE INCÊNDIO (PB-SBRH-002-2014) ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA AQUISIÇÃO DE PLACAS DE SINALIZAÇÃO E EXTINTORES DE INCÊNDIO (PB-SBRH-002-2014) Maio 2014 Caderno de Especificações Técnicas Segurança do Trabalho de Sobradinho 1/19 ESPECIFICAÇÃO

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO 7. CONTEÚDO Transformadores para Instrumentos 145 kv 7.1. Geral PG. 7.2. Normas 7.3. Escopo de Fornecimento 7.4. Características Elétricas 7.4.1. Gerais 7.4.2. Transformadores de Corrente 03 7.4.3.

Leia mais

1. Objetivo 1. 2. Referências 1. 3. Definições 5. 4. Condições gerais 5. 5. Condições específicas 8. 6. Inspeção 10. 7. Planos de amostragem 16

1. Objetivo 1. 2. Referências 1. 3. Definições 5. 4. Condições gerais 5. 5. Condições específicas 8. 6. Inspeção 10. 7. Planos de amostragem 16 SUMÁRIO Pág. 1. Objetivo 1 2. Referências 1 3. Definições 5 ( 2 ) 4. Condições gerais 5 5. Condições específicas 8 6. Inspeção 10 DISTRIBUIÇÃO ND-2.6 7. Planos de amostragem 16 Tabela 1 - Características

Leia mais

CÓDIGO TÍTULO VERSÃO POSTES DE CONCRETO COM CAIXA INCORPORADA PARA ENTRADA DE UNIDADE CONSUMIDORA

CÓDIGO TÍTULO VERSÃO POSTES DE CONCRETO COM CAIXA INCORPORADA PARA ENTRADA DE UNIDADE CONSUMIDORA SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO ESPECIFICAÇÃO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO ES.DT.PDN.0.0.005 ENTRADA DE UNIDADE CONSUMIDORA 0 APROVADO POR MARCELO POLTRONIERI ENGENHARIA-ES SUMÁRIO. OBJETIVO... 3 2. HISTÓRICO DAS

Leia mais

Licença de uso exclusiva para Petrobrás S.A. Licença de uso exclusiva para Petrobrás S.A.

Licença de uso exclusiva para Petrobrás S.A. Licença de uso exclusiva para Petrobrás S.A. ABNT-Associação Brasileira de Normas Técnicas Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13-28º andar CEP 20003-900 - Caixa Postal 1680 Rio de Janeiro - RJ Tel.: PABX (021) 210-3122 Fax: (021) 240-8249/532-2143

Leia mais

Portaria n.º 262, de 12 de Julho de 2007.

Portaria n.º 262, de 12 de Julho de 2007. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 262, de 12 de Julho de 2007.

Leia mais

Portaria n.º 412, de 24 de outubro de 2011.

Portaria n.º 412, de 24 de outubro de 2011. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 412, de 24 de outubro de 2011. O PRESIDENTE

Leia mais

Medidor monofásico eletrônico LUMEN MC

Medidor monofásico eletrônico LUMEN MC Medidor monofásico eletrônico LUMEN MC kwh MEDIDOR ELETRÔNICO LUMEN MC 120V 15(100)A 60Hz 2Fios 1EL 1Fase REVERSO Ke 0,625 Wh/Pulso Kh 0,625 Wh/Pulso Classe B 2008 Y K Portaria INMETRO/Dimel nº 00000000

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA I - DO OBJETO

TERMO DE REFERÊNCIA I - DO OBJETO I - DO OBJETO TERMO DE REFERÊNCIA 1. Contratação de empresa para a prestação de serviço de fretamento de veículos, caminhões do tipo BAÚ, por horas de utilização, com motoristas e ajudantes, para atender

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA COTAÇÃO ELETRÔNICA 150/2015. (Inciso II do Art. 24 da Lei nº 8.666/93 c/c Portaria nº 306, de 13 de dezembro de 2001).

INSTRUÇÕES PARA COTAÇÃO ELETRÔNICA 150/2015. (Inciso II do Art. 24 da Lei nº 8.666/93 c/c Portaria nº 306, de 13 de dezembro de 2001). Fl. Rub. INSTRUÇÕES PARA COTAÇÃO ELETRÔNICA 150/2015 (Inciso II do Art. 24 da Lei nº 8.666/93 c/c Portaria nº 306, de 13 de dezembro de 2001). A União, por intermédio do Instituto Nacional de Câncer José

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA ASSISTÊNCIA À CONTAGEM EM PT S E SISTEMAS DE ALIMENTAÇÃO E COMANDO IP (ILUMINAÇÃO PÚBLICA)

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA ASSISTÊNCIA À CONTAGEM EM PT S E SISTEMAS DE ALIMENTAÇÃO E COMANDO IP (ILUMINAÇÃO PÚBLICA) PP. 1/9 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA ASSISTÊNCIA À CONTAGEM EM PT S E SISTEMAS DE ALIMENTAÇÃO E COMANDO IP (ILUMINAÇÃO PÚBLICA) 2 DESCRIÇÃO Trabalhos diversos relacionados com a

Leia mais

PREGÃO ELETRÔNICO Nº 05/14 ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO I

PREGÃO ELETRÔNICO Nº 05/14 ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO I MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO I TUBOS DE PEAD 1 - OBJETIVO 1.1 A presente licitação tem por objeto o fornecimento e entrega, pela empresa a ser CONTRATADA, de tubos de POLIETILENO DE ALTA DENSIDADE PE 100

Leia mais

MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA, DO COMÉRCIO E DO TURISMO

MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA, DO COMÉRCIO E DO TURISMO MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA, DO COMÉRCIO E DO TURISMO INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria n.º 115, de 29 de junho de 1998 O Presidente do Instituto Nacional

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA AMPLA ETA-190/2015 R-01

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA AMPLA ETA-190/2015 R-01 DIRETORIA DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE REDE /25 ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA AMPLA /25 R- FOLHA DE CONTROLE I APRESENTAÇÃO Esta Especificação Técnica define os requisitos gerais

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA PROTEÇÃO DE SISTEMA AÉREO DE DISTRIBUIÇÃO 2B CONSIDERAÇÕES GERAIS SOBRE EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO

DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA PROTEÇÃO DE SISTEMA AÉREO DE DISTRIBUIÇÃO 2B CONSIDERAÇÕES GERAIS SOBRE EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO 1 DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA PROTEÇÃO DE SISTEMA AÉREO DE DISTRIBUIÇÃO 2B CONSIDERAÇÕES GERAIS SOBRE EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO Durante um curto-circuito, surge uma corrente de elevada intensidade

Leia mais

Número: TERMO DE REFERÊNCIA PRL 001/2012. Data: PRL Gerência do Programa Luz para Todos 26/01/2012 1.0 - OBJETO/FINALIDADE:

Número: TERMO DE REFERÊNCIA PRL 001/2012. Data: PRL Gerência do Programa Luz para Todos 26/01/2012 1.0 - OBJETO/FINALIDADE: 1.0 - OBJETO/FINALIDADE: Aquisição de 7.812 Unidades de Medição Eletrônica de Energia Elétrica, 1 elemento, 1 fase, 3 fios, 240V e 15(100)A para implantação em padrões de entrada de unidades consumidoras

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior- MDIC

Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior- MDIC Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior- MDIC Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial - INMETRO Portaria nº 145, de 30 de dezembro de 1999 O PRESIDENTE

Leia mais

Andraplan Administração Empresarial Ltda. A essência da consultoria.

Andraplan Administração Empresarial Ltda. A essência da consultoria. Andraplan Administração Empresarial Ltda. A essência da consultoria. Publicação de domínio público reproduzida na íntegra por Andraplan Administração Empresarial Ltda. Caso tenha necessidade de orientações

Leia mais

CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES

CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES CONTRATAÇÃO DE EMPRESA ESPECIALIZADA NA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE INSPEÇÃO, MANUTENÇÃO, RECARGA E TESTE HIDROSTÁTICO EM EXTITORES DE INCÊNDIO DO SESC/AR/DF CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES 1. INTRODUÇÃO Este documento

Leia mais

ITEM ESPECIFICAÇÃO UNIDADE QUANTIDADE

ITEM ESPECIFICAÇÃO UNIDADE QUANTIDADE Código de Classificação: 13.02.01.15 TERMO DE REFERÊNCIA 1. DO OBJETO Aquisição de cordões para crachás e porta crachás comum e retrátil, conforme quantidades e especificações estabelecidas neste Termo

Leia mais

Transformador de Distribuição Monofásico, Bifásico e Trifásico

Transformador de Distribuição Monofásico, Bifásico e Trifásico Transformador Monofásico e Bifásico BI. MONO. H x H 2 H 2 T N O Data Revisões Aprovado. Vanderlei Robadey Pág. 1 de 5 Transformador Trifásico Potência (kva) DIMENSÕES (mm) A B C D (máx) E (máx) F (máx)

Leia mais

Portaria n.º 116, de 14 de março de 2014. CONSULTA PÚBLICA

Portaria n.º 116, de 14 de março de 2014. CONSULTA PÚBLICA Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 116, de 14 de março de 2014. CONSULTA

Leia mais

BLOCOS DE CONCRETO PARA ALVENARIA Portaria Inmetro nº 220/2013 CÓDIGO: 3842

BLOCOS DE CONCRETO PARA ALVENARIA Portaria Inmetro nº 220/2013 CÓDIGO: 3842 MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA- INMETRO Diretoria de Avaliação da Conformidade- Dconf Divisão de Fiscalização

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS MANUTENÇÃO COM CUSTO REGRESSIVO E EFICIENTIZAÇÃO DO SISTEMA DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE ITAÚNA - MG

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS MANUTENÇÃO COM CUSTO REGRESSIVO E EFICIENTIZAÇÃO DO SISTEMA DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE ITAÚNA - MG ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS MANUTENÇÃO COM CUSTO REGRESSIVO E EFICIENTIZAÇÃO DO SISTEMA DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE - MG OUTUBRO DE 2.014 1 OBJETIVO: Especificar os materiais a serem empregados na

Leia mais

PROCEDIMENTO ESPECÍFICO PARA CERTIFICAÇÃO SELO ECOLÓGICO FALCÃO BAUER

PROCEDIMENTO ESPECÍFICO PARA CERTIFICAÇÃO SELO ECOLÓGICO FALCÃO BAUER 1. Introdução A Certificação do Selo Ecológico Falcão Bauer possui caráter voluntário e visa demonstrar o desempenho ambiental de produtos e serviços através da avaliação do diferencial ecológico apresentado

Leia mais

Termos e Condições Gerais de Vendas

Termos e Condições Gerais de Vendas Termos e Condições Gerais de Vendas 1º Escopo da aplicação (1) As condições a seguir são aplicáveis a todos os fornecimentos e serviços (por exemplo, instalações, projetos) da BrasALPLA. Estas condições

Leia mais

SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA

SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA MANUAL ESPECIAL SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA E-313.0022 CRUZETAS DE CONCRETO ARMADO

Leia mais

ELO FINAL Elo B Elo final para lingas Conforme norma DIN -:00 Atenção: Observe redução de capacidade de carga do elo quando montado com correntes T B D Descrição B - B - B - B - B - B - 9 B - B - B - Carga

Leia mais

ANEXO II CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS ARQUIVOS DESLIZANTES

ANEXO II CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS ARQUIVOS DESLIZANTES ANEXO II CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS ARQUIVOS DESLIZANTES ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE ARQUIVOS DESLIZANTES DESTINADOS À EDIFICAÇÃO DA AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES ANATEL RIO GRANDE DO SUL,

Leia mais