NORMA TÉCNICA CELG D Ferramentas Manuais Especificação NTS-07 Revisão 1

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "NORMA TÉCNICA CELG D Ferramentas Manuais Especificação NTS-07 Revisão 1"

Transcrição

1 NORMA TÉCNICA CELG D Ferramentas Manuais Especificação NTS-07 Revisão 1

2

3 ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA 1. OBJETIVO 1 2. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 2 3. TERMINOLOGIA E DEFINIÇÕES 4 4. CONDIÇÕES GERAIS Condições de Fornecimento Identificação Acondicionamento e Embalagem Garantia Aprovação de Protótipos Apresentação de Propostas 7 5. CONDIÇÕES ESPECÍFICAS Generalidades Alicates Chave de Fenda Simples e Cruzada Martelo Tipo Bola/Marreta Chave de Boca Ajustável INSPEÇÃO E ENSAIOS Generalidades Ensaios de Rotina/Recebimento Ensaios de Tipo Definição da Amostragem para os Ensaios de Tipo ACEITAÇÃO E REJEIÇÃO Inspeção Geral Ensaios de Recebimento Recuperação de Lotes para Inspeção INSTRUÇÕES DE USO E SEGURANÇA 17 ANEXO A DESENHOS 18 DESENHO 1 ALICATE DE CORTE DIAGONAL PARA ARAME DURO 18 DESENHO 2 ALICATE DE BICO REDONDO PARA PRENDER E MANIPULAR 19 DESENHO 3 ALICATE DE BICO CHATO PARA PRENDER E MANIPULAR 20 DESENHO 4 ALICATE DE BICO MEIA-CANA PARA PRENDER E MANIPULAR 21 DESENHO 5 DESENHO 6 ALICATE DE BICO CHATO COM CORTE PARA ARAME DE MÉDIA DUREZA ALICATE DE BICO MEIA-CANA COM CORTE PARA ARAME DE MÉDIA DUREZA NTS-07 / DT - SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA

4 SEÇÃO TÍTULO PÁGINA DESENHO 7 ALICATE BOMBA D ÁGUA 24 DESENHO 8 ALICATE UNIVERSAL 25 DESENHO 9 CHAVE DE FENDA SIMPLES CABO E HASTE 26 DESENHO 10 CHAVE DE FENDA CRUZADA CABO E HASTE 27 DESENHO 11 MARTELO TIPO BOLA DIMENSÕES DA CABEÇA 28 DESENHO 11-A MARTELO TIPO BOLA DIMENSÕES DO CABO 29 DESENHO 12 MARRETAS ATÉ 10 kg FORMAS DA CABEÇA E OLHAL 30 DESENHO 12-A MARRETAS ATÉ 10 kg FORMAS DO CABO 31 DESENHO 13 CHAVE DE BOCA AJUSTÁVEL 32 DESENHO 14 MARTELO PONTA E PÁ 33 ANEXO B QUADRO DE DADOS TÉCNICOS E CARACTERÍSTICAS GARANTIDAS ANEXO C QUADRO DE DESVIOS TÉCNICOS E EXCEÇÕES NTS-07 / DT - SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA

5 1. OBJETIVO Esta norma estabelece os requisitos mínimos exigíveis para a padronização, fabricação, fornecimento e recebimento de ferramentas manuais utilizadas pela CELG D. Fazem parte desta norma as seguintes ferramentas: alicate bomba d água, alicate de corte diagonal, alicate de bico, alicate universal, chave de boca ajustável, chave de fenda simples, chave de fenda cruzada, marreta, martelo tipo bola e martelo ponta e pá. NTS-07 / DT SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 1

6 2. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES Para fabricação e ensaios das ferramentas manuais, bem como para toda terminologia adotada, deverão ser seguidas as prescrições das seguintes leis e normas, em suas últimas revisões. Lei nº 8.078/1990 Lei nº 9.933/1999 Dispõe sobre a proteção do consumidor e dá outras providências. Dispõe sobre as competências do CONMETRO e do INMETRO, institui a Taxa de Serviços Metrológicos, e dá outras providências. NR 6 Equipamento de Proteção Individual - EPI. ABNT NBR 5426 Plano de amostragem e procedimentos na inspeção por atributos. ABNT NBR 9701 Ferramentas manuais - Alicate universal - Requisitos gerais. ABNT NBR 9699 Isolação - Ferramentas manuais até 1000 V. ABNT NBR Ferramentas manuais - Martelo tipo bola. ABNT NBR Ferramentas manuais - Chave de fenda simples. ABNT NBR Ferramentas manuais - Chave de fenda cruzada. ABNT NBR Ferramentas manuais - Marretas até 10 kg. ABNT NBR ISO 5742 Alicates - Nomenclatura. ABNT NBR ISO 5743 Alicates - Requisitos técnicos gerais. ABNT NBR ISO 5744 Alicates - Métodos de ensaio. ABNT NBR ISO 5745 Alicates - Alicates para prender e manipular - Bicos: chato, meia-cana, redondo e longo - Dimensões e valores de ensaio. ABNT NBR ISO 5749 Alicates - Alicate de corte diagonal - Dimensões e valores de ensaio. ABNT NBR ISO 8976 Alicates - Alicate multiposição com articulação deslizante (bomba d água) - Dimensões e valores de ensaio. ABNT NBR ISO 9001 Sistema de gestão da qualidade - Requisitos. ABNT NBR ISO/ IEC ABNT NBR NM ISO Requisitos gerais para competência de laboratórios de ensaio e calibração. Materiais metálicos - Ensaio de dureza Rockwell - Parte 1: Método de ensaio (escalas A, B, C, D, E, F, G, H, K, N, T). IEC Live Working - Hand Tools for Use up to 1000 V a.c. and 1500 V d.c. Notas: 1) Poderão ser aceitas propostas para ferramentas fabricadas através de normas diferentes das listadas, desde que essas assegurem qualidade igual ou superior às das mencionadas anteriormente. Neste caso, o proponente deverá citá-las em sua proposta e submeter uma cópia de cada uma à CELG D, indicando claramente os pontos onde as mesmas divergem das correspondentes da ABNT. 2) Tendo em vista o item acima, deve ficar claro que, após apreciação por parte da CELG D, não havendo concordância em relação às normas divergentes apresentadas, o posicionamento final será sempre pela prevalência das normas ABNT. 3) Todas as normas ABNT mencionadas acima devem estar à disposição do inspetor da CELG D no local da inspeção. NTS-07 / DT SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 2

7 4) Deverá ser usado o Sistema Internacional de Unidades (Sistema Métrico) para todo e qualquer fornecimento a ser realizado. 5) Esta norma foi baseada nos seguintes documentos: ABNT NBR 9699 Isolação Ferramentas manuais até 1000 V. ABNT NBR 9701 Ferramentas manuais Alicate universal Requisitos gerais. ABNT NBR Ferramentas manuais Martelo tipo bola. ABNT NBR Ferramentas manuais Chave de fenda simples. ABNT NBR Ferramentas manuais Chave de fenda cruzada. ABNT NBR Ferramentas manuais Marretas até 10 kg. ABNT NBR ISO 5745 Alicates Alicates para prender e manipular Bicos: chato, meia-cana, redondo e longo Dimensões e valores de ensaio. ABNT NBR ISO 5749 Alicates Alicate de corte diagonal Dimensões e valores de ensaio. ABNT NBR ISO 8976 Alicates Alicate multiposição com articulação deslizante (bomba d água) Dimensões e valores de ensaio. NTS-07 / DT SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 3

8 3. TERMINOLOGIA E DEFINIÇÕES Os termos técnicos aqui utilizados estão de acordo com as normas da ABNT aplicáveis. Alicate Bomba D água Ferramenta manual constituída basicamente de um par de alavancas que se movem em torno de um eixo comum, com abertura regulável através de canaletas ou furos e que, acionado seu par de cabos por uma força manual, aproxima ou afasta, através da articulação, as duas alavancas e, exercendo uma pressão, esta ferramenta pode prender, agarrar, separar, ou deformar uma peça. Alicate de Bico Ferramenta manual constituída basicamente de um par de alavancas que se movem em torno de um eixo comum e que, acionado seu par de cabos por uma força manual, aproxima ou afasta uma mandíbula em forma de bico, através da articulação, permitindo prender e manipular uma peça. Alicate de Corte Diagonal Ferramenta manual constituída basicamente de um par de alavancas que se movem em torno de um eixo comum e duas mandíbulas em forma de lâmina e que, acionado seu par de cabos por uma força manual, aproxima ou afasta, através da articulação, as duas alavancas e exercendo uma pressão esta ferramenta pode cortar cabos, fios e arames de pequenas bitolas. Alicate Universal Ferramenta manual constituída basicamente de um par de alavancas que se movem em torno de um eixo comum e que, acionado seu par de cabos por uma força manual, aproxima ou afasta, através da articulação, as duas alavancas e, exercendo uma pressão, esta ferramenta pode prender, agarrar, separar, ou deformar uma peça. Articulação Parte da cabeça pela qual é ligado o par de cabos e mandíbulas, as quais deslizam entre si quando acionadas. Cabeça Parte do alicate que é constituída por mandíbulas e articulação. Nas mandíbulas distinguem-se as partes atuantes, o bico, flanco, gumes cortantes e dimensões básicas. Cabo da Chave de Fenda Parte da chave de fenda que aloja a haste metálica, destinada a garantir uma boa empunhadura. NTS-07 / DT SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 4

9 Cabo do Alicate Parte do alicate que é constituída de um par de alavancas no lado de atuação das mãos. Os cabos podem ser retos, curvados ou ondulados. Chave de Fenda Simples Ferramenta projetada para aperto e desaperto de parafusos de fenda simples. Fabricante Pessoa jurídica que desenvolve atividade de fabricação do produto regulamentado. Haste Parte metálica de uma chave de fenda, acoplada a um cabo. Laboratório Acreditado Entidade pública, privada ou mista, de terceira parte, acreditada pelo INMETRO, de acordo com os critérios por ele estabelecidos, com base nos princípios adotados no âmbito do SBAC. Lote de Fabricação Conjunto de ferramentas de um mesmo modelo, identificado pelo fabricante, fabricados segundo o mesmo processo e mesma matéria prima e dentro de um mesmo período. Lote de Fornecimento Conjunto de ferramentas, de mesmo modelo, apresentados pelo fabricante ou importador, para o processo de avaliação de conformidade. Marreta Ferramenta projetada para uso específico em serviços pesados e de alta resistência. Martelo Tipo Bola Ferramenta projetada para uso específico em mecânica. Ponta Parte atuante da chave de fenda. NTS-07 / DT SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 5

10 4. CONDIÇÕES GERAIS 4.1 Condições de Fornecimento Serão de responsabilidade do fornecedor nacional ou importador as atribuições a seguir relacionadas: a) comunicar à CELG D quando houver alteração das especificações da ferramenta aprovada; b) responsabilizar-se pela manutenção da qualidade da ferramenta aprovada; c) comercializar a ferramenta com instruções técnicas no idioma nacional, orientando sua utilização, manutenção, restrição e demais referências inerentes ao seu uso; d) fornecer as informações referentes aos processos de conservação da ferramenta, quando é necessária a revisão ou a substituição destas, a fim de garantir que mantenham as características originais. 4.2 Identificação Toda ferramenta manual deve ser identificada, de modo legível e indelével, e de fácil leitura, com os seguintes dados: - nome, marca do fabricante; - data de fabricação, mês e ano; - martelos e marretas: massa ou tamanho referencial; - chaves de fenda: tipo, tamanho nominal da ponta e comprimento da haste. Nota: As marcações devem estar de acordo com as regulamentações constantes das normas da ABNT aplicáveis. 4.3 Acondicionamento e Embalagem As ferramentas manuais devem ser embaladas individualmente em saco de polietileno transparente ou caixa de papelão, acompanhadas de instrução de utilização e de orientações sobre limitações de uso, conservação, limpeza e manutenção periódica. O acondicionamento das ferramentas manuais deve ser em caixas padronizadas de papelão contendo no máximo 20 unidades, de modo a ficarem protegidas durante o manuseio, transporte e armazenagem. A identificação das caixas deverá ser através de etiqueta nas duas faces externas e conter: a) nome do fabricante; b) a sigla CELG D; c) quantidade na embalagem; d) data de fabricação; e) número da nota fiscal; f) número do Contrato de Fornecimento de Material CELG D - CFM; g) massa bruta. NTS-07 / DT SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 6

11 4.4 Garantia Nota: A massa bruta da embalagem não poderá ser superior a 35 kg. A aceitação do pedido de compra implica na aceitação incondicional de todos os requisitos desta norma. O período de garantia deve ser de doze meses de operação satisfatória, a contar da data de entrada em uso pelo empregado ou 18 meses a partir da data de entrega, prevalecendo o prazo que primeiro ocorrer, contra defeitos de fabricação e/ou projeto. As despesas decorrentes da substituição de ferramentas com defeito de fabricação, bem como o transporte destas entre almoxarifado CELG D e fabricante, correrão por conta do último. 4.5 Aprovação de Protótipos O fabricante nacional ou importador deverá submeter à CELG D, quando solicitado, a documentação do protótipo de ferramenta que pretende comercializar nos seguintes casos: a) fabricante ou importador que estejam se cadastrando ou recadastrando na CELG D; b) fabricante ou importador que já tenham protótipo aprovado na CELG D e cujo projeto tenha sido alterado. Para cada protótipo a ser encaminhado à CELD D o fabricante deverá apresentar o Quadro de Dados Técnicos e Características Garantidas, clara e totalmente preenchido, acompanhado de seus documentos complementares. Nota: O prazo para avaliação do produto será de 15 dias a partir da entrega de toda documentação. 4.6 Apresentação de Propostas O fornecedor deve apresentar juntamente com a proposta, os documentos técnicos relacionados a seguir, atendendo aos requisitos especificados na ET-CG.CELG, relativos a prazos e demais condições de apresentação de documentos: a) apresentar o quadro de Dados Técnicos e Características Garantidas preenchido; b) fornecer as instruções técnicas em idioma nacional, orientando sua utilização, manutenção, restrição e demais referências inerentes ao uso. Notas: 1) No caso de licitações nas modalidades de pregão, os documentos técnicos relacionados neste item, são dispensados de apresentação juntamente com a proposta, mas, deverão ser entregues pelo primeiro colocado imediatamente após a licitação, para análise técnica por parte da CELG D. Caso haja desclassificação técnica deste, os demais participantes deverão apresentar a referida documentação de acordo com a solicitação da CELG D. NTS-07 / DT SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 7

12 2) Os ensaios de tipo devem ter seus resultados devidamente comprovados através de cópias autenticadas dos certificados de ensaios emitidos por órgão oficial ou instituição internacionalmente reconhecida, reservando-se a CELG D, o direito de desconsiderar documentos que não cumprirem este requisito. 3) Quando solicitado pela CELG D, o vencedor da licitação deve apresentar amostras do produto para avaliação. NTS-07 / DT SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 8

13 5. CONDIÇÕES ESPECÍFICAS 5.1 Generalidades 5.2 Alicates As superfícies metálicas devem ser lisas e livres de cascas, rebarbas, trincas e fissuras e receber uma camada de proteção contra corrosão. As ferramentas devem ser fabricadas em aço cromo-vanádio, dureza conforme especificado para cada uma delas. Os cabos devem ser livres de rebarbas, estrias de escoamento, bolhas, poros e ter as extremidades arredondadas. Os cabos devem ser fabricados de forma a proporcionar uma empunhadura confortável e impedir acidentes com as mãos. As superfícies devem ser protegidas contra corrosão, podendo ser lixadas, polidas, e, em seguida receber a aplicação de banho químico ou eletrodeposição. As ferramentas podem ter os seguintes tipos de acabamento: oxidado preto, niquelado ou cromado. Nos martelos e marretas a cabeça e o cabo devem estar livres de rebarbas, farpas, trincas, rachaduras e outras imperfeições que comprometam o desempenho e a segurança da ferramenta. Os materiais isolantes devem satisfazer às solicitações elétricas, mecânicas e térmicas que ocorram em serviço e ser resistentes à propagação de chama. Os cabos devem ser isolados para 1000 V e a isolação atender ao prescrito na ABNT NBR A espessura mínima da camada isolante, dependendo do tipo de ferramenta, não deve ser inferior a 1 mm. A isolação deve ser firmemente aderente à ferramenta à qual for aplicada. O valor da tensão de isolamento deve ser indelevelmente gravado sobre o material isolante, com letras de, no mínimo, 2 mm. As superfícies isolantes devem ser lisas, isentas de rebarbas, trincas e fissuras. A articulação deve ser construída de modo a permitir a livre movimentação da posição fechada para a posição aberta e ser isenta de folga excessiva em qualquer posição que possa prejudicar a função da ferramenta. As mandíbulas devem se encontrar na ponta. NTS-07 / DT SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 9

14 Devem ser fabricados em aço cromo-vanádio de forma que a composição química e o tratamento térmico dispensados satisfaçam as exigências de ensaios previstas na ABNT NBR A dureza mínima dos gumes de corte deve ser 55 HRC e a das superfícies de agarre 42 HRC. A articulação e os rebites devem ter dureza mínima de 28 e 25 HRC, respectivamente. O comprimento mínimo dos cabos isolados é 85 mm. A isolação deve possuir um limitador contra o deslizamento de mão no sentido da parte não isolada do alicate, com as seguintes alturas mínimas: 10 mm nos lados dorsais e 5 mm nos demais lados. A isolação deve chegar o mais próximo possível da articulação e ter um prolongamento mínimo de 8 mm além do limitador do cabo Alicate de Corte Diagonal As principais dimensões do alicate de corte diagonal para arame duro estão apresentadas no Desenho Alicate de Bico As principais dimensões e características para este tipo de alicate estão definidas nos Desenhos 2, 3, 4, 5 e Alicate Multiposição com Articulação Deslizante (Bomba D água) As principais dimensões do alicate bomba d água estão apresentadas no Desenho Alicate Universal As formas e dimensões estão mostradas no Desenho Chaves de Fenda Simples e Cruzada A haste deve: - ser fabricada em aço cromo-vanádio, temperada e revenida, de forma a atender aos requisitos de dureza e torção; - ter a superfície protegida contra corrosão; - ser rigidamente fixada ao cabo; - apresentar valor mínimo de dureza de 48 HRC. O material do cabo fica a critério do fabricante, desde que suporte o ensaio de torção, devendo o isolamento do cabo e da haste atender ao disposto na ABNT NBR As dimensões das hastes, cabos e pontas devem estar em conformidade com os Desenhos 9 e 10. NTS-07 / DT SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 10

15 O comprimento do cabo não deve ser inferior a 85 mm e o da parte não isolada superior a 10 mm. A isolação das hastes deve ser firmemente ligada cabo. 5.4 Martelo Tipo Bola/Marreta As dimensões, massas e forma construtiva da cabeça e do cabo do martelo e da marreta, bem como as respectivas tolerâncias, devem estar em conformidade com os Desenhos 11 e 12, respectivamente. A cabeça deve ser temperada e revenida de modo a atender aos requisitos de dureza especificados. A face de impacto e a bola devem ser usinados. A fixação do cabo à cabeça pode ser feita por prensagem simples e reforçada com cunhas, cola ou outro método, de forma que resista aos ensaios previstos no item O teor de umidade do cabo de madeira não pode ultrapassar 18%. A dureza na superfície da base e da bola deve estar na faixa de 45 a 58 HRC e no mínimo a 40 HRC a 3 mm de profundidade. A dureza em torno do olhal não pode ultrapassar 35 HRC. 5.5 Chave de Boca Ajustável Devem ser fabricadas em aço cromo-vanádio e os mordentes devem possuir dureza de no mínimo 35 HRC. As dimensões, massas e forma construtiva da chave são apresentadas no Desenho 13. A identificação deve ser de forma legível e indelével, conforme IEC NTS-07 / DT SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 11

16 6. INSPEÇÃO E ENSAIOS 6.1 Generalidades a) As ferramentas manuais devem ser submetidas a inspeção e ensaios na fábrica, de acordo com esta norma e com as normas da ABNT pertinentes, na presença de inspetores credenciados pela CELG D. b) A CELG D reserva o direito de inspecionar as ferramentas durante o período de sua fabricação, antes do embarque ou a qualquer tempo em que julgar necessário. O fabricante deve proporcionar livre acesso do inspetor aos laboratórios e às instalações onde o material em questão estiver sendo fabricado, fornecendo as informações desejadas e realizando os ensaios necessários. O inspetor poderá exigir certificados de procedência de matérias primas e componentes, além de fichas e relatórios internos de controle. c) O fornecedor deve apresentar, para aprovação da CELG D, o seu Plano de Inspeção e Testes, onde devem ser indicados os requisitos de controle de qualidade para utilização de matérias primas, componentes e fornecimento de terceiros, assim como as normas técnicas empregadas na fabricação e inspeção do material. d) Certificados de ensaio podem ser aceitos desde que a CELG D considere que tais ensaios comprovem que o material atende ao solicitado. Os dados de ensaio devem ser completos, com todas as informações necessárias tais como métodos, instrumentos e constantes usadas e indicar claramente as datas nas quais os mesmos foram executados. A decisão final quanto a aceitação dos dados de ensaios de tipo existente, será tomada posteriormente pela CELG D, em função da análise dos respectivos relatórios. A eventual dispensa destes ensaios somente terá validade por escrito. e) Antes de serem fornecidas as ferramentas, um protótipo de cada tipo deve ser avaliado conforme item 4.5. f) Os ensaios para aprovação do protótipo podem ser dispensados parcial ou totalmente, a critério da CELG D, se já houver um protótipo idêntico aprovado. Se os ensaios forem dispensados, o fabricante deve apresentar um relatório completo dos ensaios indicados no item 6.3, com todas as informações necessárias, tais como métodos, instrumentos e constantes usadas, referentes ao ensaio do protótipo já aprovado. A eventual dispensa destes ensaios pela CELG D somente terá validade por escrito. g) O fabricante deve dispor de pessoal e de aparelhagem próprios ou contratados, necessários à execução dos ensaios (em caso de contratação deve haver aprovação prévia do laboratório onde serão realizados os ensaios, pela CELG D). h) O fabricante deve assegurar ao inspetor da CELG D o direito de se familiarizar, em detalhes, com as instalações e os equipamentos a serem utilizados, estudar todas as instruções e desenhos, verificar calibrações, presenciar ensaios, conferir resultados e, em caso de dúvida, efetuar novas inspeções e exigir a repetição de qualquer ensaio. NTS-07 / DT SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 12

17 i) Todos os instrumentos e aparelhos de medição, máquinas de ensaios, etc., devem ter certificado de aferição emitido por instituições acreditadas pelo INMETRO e válidos por um período de, no máximo, 1 ano e por ocasião da inspeção, estar ainda dentro do período de validade, podendo acarretar desqualificação do laboratório o não cumprimento dessa exigência. j) A aceitação do lote e/ou a dispensa de execução de qualquer ensaio: - não exime o fabricante da responsabilidade de fornecer ferramentas de acordo com os requisitos desta norma; - não invalida qualquer reclamação posterior da CELG D a respeito da qualidade do material e/ou da fabricação. Em tais casos, mesmo após haver saído da fábrica, o lote pode ser inspecionado e submetido a ensaios, com prévia notificação ao fabricante e, eventualmente, em sua presença. Em caso de qualquer discrepância em relação às exigências desta norma, o lote pode ser rejeitado e sua reposição será por conta do fabricante. k) Após a inspeção o fabricante deve encaminhar à CELG D, por lote ensaiado, um relatório completo dos testes efetuados, em 1 via, devidamente assinado por ele e pelo inspetor credenciado pela CELG D. Este relatório deve conter todas as informações necessárias para o seu completo entendimento, tais como: métodos, instrumentos, constantes e valores utilizados nos testes e os resultados. l) Todas as unidades de produto rejeitadas, pertencentes a um lote aceito, devem ser substituídas por unidades novas e perfeitas, por conta do fabricante, sem ônus para a CELG D. m) Nenhuma modificação nas ferramentas deve ser feita "a posteriori" pelo fabricante sem a aprovação da CELG D. No caso de alguma alteração, o fabricante deve realizar todos os ensaios de tipo, na presença do inspetor da CELG D, sem qualquer custo adicional. n) A CELG D poderá, a seu critério, em qualquer ocasião, solicitar a execução dos ensaios para verificar se as ferramentas estão mantendo as características de projeto preestabelecidas por ocasião da aprovação dos protótipos. o) Para efeito de inspeção, as ferramentas devem ser divididas em lotes, devendo os ensaios ser feitos na presença do inspetor credenciado pela CELG D. p) O custo dos ensaios deve ser por conta do fabricante. q) A CELG D reserva o direito de exigir a repetição de ensaios em lotes já aprovados. Nesse caso, as despesas serão de responsabilidade da CELG D se as unidades ensaiadas forem aprovadas na segunda inspeção, caso contrário, correrão por conta do fabricante. r) Os custos da visita do inspetor da CELG D (locomoção, hospedagem, alimentação, homem-hora e administrativos) correrão por conta do fabricante nos seguintes casos: - se na data indicada na solicitação de inspeção o material não estiver pronto; - se o laboratório de ensaio não atender às exigências dos itens 6.1.g até 6.1.i; NTS-07 / DT SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 13

18 - se o material fornecido necessitar de acompanhamento de fabricação ou inspeção final em subfornecedor, contratado pelo fornecedor, em localidade diferente da sua sede; - se o material necessitar de reinspeção por motivo de recusa; - se os ensaios de recebimento e/ou tipo forem realizados fora do território brasileiro. 6.2 Ensaios de Rotina/Recebimento Os ensaios previstos por esta norma são classificados em ensaios de rotina/recebimento e tipo, os primeiros são aqueles executados em fábrica durante o processo produtivo ou durante o recebimento, cabendo à CELG D o direito de designar um inspetor para acompanhá-los Ensaios em Alicates a) Inspeção geral: neste ensaio devem ser verificados acabamento, proteção contra corrosão, identificação, dimensões e tolerâncias, acondicionamento. b) Ensaio de carga. c) Arame do ensaio de corte (verificação do arame de ensaio/força de corte). d) Ensaio de corte. e) Ensaio de torção. f) Ensaio de corte com arame macio. g) Dureza das superfícies prendedoras das mandíbulas. h) Espessura da camada isolante. Os critérios de execução, aprovação, amostragem e a descrição dos ensaios são os previstos na ABNT NBR Ensaios em Chaves de Fenda a) Inspeção geral: neste ensaio devem ser verificados acabamento, proteção contra corrosão, identificação, dimensões e tolerâncias. b) Ensaio de torção (conforme ABNT NBR ou ABNT NBR 14986). c) Ensaio de dureza (conforme ABNT NBR NM ISO ) Ensaios em Martelo/Marreta a) Inspeção geral: neste ensaio devem ser verificados acabamento, proteção contra corrosão, identificação, dimensões e tolerâncias. b) Ensaio de impacto. c) Ensaio de tração d) Ensaio de empunhadura. e) Determinação do teor de umidade do cabo de madeira. Os ensaios deverão ser executados conforme ABNT NBR para martelo tipo bola e ABNT NBR para marretas Ensaios na Chave de Boca Ajustável a) Inspeção geral: neste ensaio devem ser verificados acabamento, proteção contra corrosão, identificação, dimensões e tolerâncias. NTS-07 / DT SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 14

19 b) Dureza dos mordentes, conforme ABNT NBR NM ISO Ensaios de Tipo Os ensaios de tipo devem ser realizados com a finalidade de demonstrar o satisfatório comportamento do projeto das ferramentas manuais, para atender à aplicação prevista, por isso mesmo, são de natureza tal que não precisam ser repetidos, a menos que haja modificação do projeto da ferramenta, que possa alterar o seu desempenho. Os ensaios de tipo são os seguintes: a) resistência ao impacto; b) resistência ao impacto a frio; c) tensão aplicada; d) resistência do isolamento; e) pressão à quente sob tensão elétrica; f) inflamabilidade; g) aderência do revestimento isolante. Os ensaios dos itens "a" até "g" são aplicáveis a alicates e os de "b" até "g" a chaves de fenda. O procedimento de execução e os resultados dos ensaios devem estar em conformidade com o prescrito na ABNT NBR Definição da Amostragem para os Ensaios de Tipo As amostras de cada modelo de ferramenta devem ser representativas da linha de produção, coletadas na expedição da fábrica, identificadas e fabricadas conforme o processo normal que a empresa adota para o produto e retiradas de um mesmo lote de fabricação. Cada ensaio de tipo deve ser realizado em 2 amostras de ferramenta em fornecimento, não podendo ocorrer falhas em nenhuma delas. NTS-07 / DT SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 15

20 7. ACEITAÇÃO E REJEIÇÃO Os critérios de aceitação ou rejeição devem estar de acordo com esta norma e ABNT: NBR 9699 e NBR A aceitação de um lote não invalida qualquer posterior reclamação que a CELG D possa fazer devido a uma eventual ferramenta defeituosa, nem isenta o fabricante da responsabilidade de fornecê-las de acordo com o CFM e com esta norma. 7.1 Inspeção Geral Deve ser realizada uma inspeção geral, antes de qualquer ensaio, em 100% do lote. Somente as unidades que atendam aos requisitos desta norma devem ser aceitas, podendo ser rejeitadas de forma individual, a critério da CELG D, as unidades de expedição que não cumpram as condições aqui estabelecidas. 7.2 Ensaios de Recebimento Os ensaios de rotina/recebimento descritos no item 6.2 devem ser aplicados sobre uma amostragem em unidades do lote que tenham cumprido o estabelecido em 7.1. Para estes ensaios a amostra deverá ser de 1% do lote, com no mínimo 3 peças e no máximo 8. As unidades de expedição que não cumprirem os requisitos especificados podem ser rejeitadas, de forma individual, a critério da CELG D. 7.3 Recuperação de Lotes para Inspeção O fabricante pode recompor um novo lote, por uma única vez, após terem sido eliminadas as unidades de expedição defeituosas, devendo o novo lote ser submetido a nova inspeção. Em caso de nova rejeição, são aplicáveis as cláusulas contratuais pertinentes. NTS-07 / DT SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 16

21 8. INSTRUÇÕES DE USO E SEGURANÇA 1) Utilizar equipamentos de proteção individual durante o manuseio da ferramenta. 2) Utilizar ferramenta de tamanho adequado à tarefa a ser realizada. 3) Verificar a integridade da ferramenta antes do uso, a qualquer sinal de rebarba, trinca, cabo danificado/ frouxo ou desgaste excessivo seu uso deve ser descontinuado. 4) Nunca utilizar um alicate para outros fins a não ser para os quais foi projetado. 5) Não utilizar martelos e marretas em superfícies com dureza acima de 45 HRC, pois este procedimento pode causar estilhaçamento, comprometendo a segurança do usuário. 6) Não utilizar a lateral do martelo/marreta, pois este procedimento pode danificar a fixação e criar rebarbas cortantes no corpo da ferramenta. 7) No caso do martelo/marreta estar com o cabo danificado ou indevidamente fixado providenciar imediatamente a substituição deste, de forma adequada. 8) Nunca alterar as características originais da ferramenta (troca de cabos, esmerilhagem da cabeça, soldagem, troca de rebites, etc.). 9) Nunca utilizar o martelo/marreta para golpear superfícies em forma de ponta ou cantos. 10) Utilizar chave de fenda somente para apertar e desapertar parafusos. 11) Não desbastar a ponta da chave de fenda. 12) Não martelar o cabo da chave de fenda. NTS-07 / DT SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 17

22

23

24

25

26

27

28

29

30

31

32

33

34

35

36

37

38 ANEXO B QUADRO DE DADOS TÉCNICOS E CARACTERÍSTICAS GARANTIDAS Nome do fabricante: Número da licitação: Número da proposta: Tipo de ferramenta: ITEM DESCRIÇÃO 1. Dados gerais da ferramenta 1.1 Nome do fabricante e/ou importador 1.2 Norma ABNT aplicável 1.3 Tipo ou modelo 2. Material 2.1 Dureza Rockwel C 2.2 Tipo de acabamento 3. Isolação Material 3.1 Espessura 3.2 Tensão de isolamento 4. Carga: Trabalho Ruptura Capacidade máxima de corte (especificar material, dureza e diâmetro) UNIDADE CARACTERÍSTICA 5. Acondicionamento Individual Caixa 5. Massa da embalagem kg 6. O fabricante deve anexar à sua proposta, sob pena de desclassificação, cópias de todos os ensaios de tipo, conforme item 6.3, efetuados em ferramentas idênticas às ofertadas. Ensaios ainda não certificados devem ser realizados em laboratório oficial acreditado pelo INMETRO e acompanhados por inspetor da CELG D. HRC mm V dan dan Notas: 1) O fabricante deve fornecer em sua proposta todas as informações requeridas no Quadro de Dados Técnicos e Características Garantidas. 2) A proposta comercial deverá ser preenchida com valores unitário e total para cada item. 3) Erros de preenchimento no quadro poderão ser motivo para desclassificação. 4) Todas as informações requeridas no quadro devem ser compatíveis com as informações descritas em outras partes da proposta de fornecimento. Em caso de dúvidas, as informações prestadas no quadro prevalecerão sobre as descritas em outras partes da proposta. NTS-07 / DT SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 34

39 5) O fabricante deve garantir que a performance e as características dos ferramentas a serem fornecidas estejam em conformidade com as informações aqui prestadas. 6) As informações prestadas pelo fabricante são de sua total responsabilidade. 7) Nenhuma ferramenta pode ser aceita com dimensões e características que não atendam esta norma, sem prévia autorização, por escrito, da CELG D. NTS-07 / DT SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 35

40 ANEXO C QUADRO DE DESVIOS TÉCNICOS E EXCEÇÕES Nome do fabricante: Número da licitação: Número da Proposta: Tipo de ferramenta: A documentação técnica de licitação será integralmente aceita pelo proponente, à exceção dos desvios indicados neste item. REFERÊNCIA DESCRIÇÃO SUCINTA DOS DESVIOS E EXCEÇÕES NTS-07 / DT SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 36

41 ALTERAÇÕES NA NTS-07 Item Data Item da norma Revisão Título Aprovação de Protótipo Apresentação de Propostas 03 DESENHO 2 Inserido o número do item 04 DESENHO 3 Inserido o número do item 05 DESENHO 4 Inserido o número do item 06 DESENHO 5 Inserido o número do item 07 AGO/14 DESENHO 6 1 Inserido o número do item 08 DESENHO 7 Inserido o número do item 09 DESENHO 8 Inserido o número do item 10 DESENHO 9 Inserido o número do item 11 DESENHO 10 Inserido o número do item 12 DESENHO 11 Inserido o número do item 13 DESENHO 12 Inserido o número do item NTS-07 / DT SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 37

NORMA TÉCNICA CELG D

NORMA TÉCNICA CELG D NORMA TÉCNICA CELG D Capacete de Segurança Especificação NTS-01 Revisão 3 ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA 1. OBJETIVO 1 2. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 2 3. TERMINOLOGIA E DEFINIÇÕES 3 4. CONDIÇÕES GERAIS

Leia mais

NORMA TÉCNICA CELG D Luvas Isolantes de Borracha Especificação NTS-04 Revisão 1

NORMA TÉCNICA CELG D Luvas Isolantes de Borracha Especificação NTS-04 Revisão 1 NORMA TÉCNICA CELG D Luvas Isolantes de Borracha Especificação NTS-04 Revisão 1 ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA 1. OBJETIVO 1 2. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 2 3. TERMINOLOGIA E DEFINIÇÕES 4 4. CONSIDERAÇÕES

Leia mais

NBR 7480/1996. Barras e fios de aço destinados a armaduras para concreto armado

NBR 7480/1996. Barras e fios de aço destinados a armaduras para concreto armado NBR 7480/1996 Barras e fios de aço destinados a armaduras para concreto armado OBJETIVO Fixar as condições exigíveis na encomenda, fabricação e fornecimento de barras e fios de aço destinados a armaduras

Leia mais

Instruções de Uso e Segurança

Instruções de Uso e Segurança Instruções de Uso e Segurança Alicates Nunca utilize os alicates como martelo para não criar folga. Não martele os isolamentos, pois eles se danificarão; Utilizar alicates para apertar ou desapertar porcas

Leia mais

SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA

SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA MANUAL ESPECIAL SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA E-313.0022 CRUZETAS DE CONCRETO ARMADO

Leia mais

Suporte situado na edificação do consumidor, com a finalidade de fixar e elevar o ramal de ligação.

Suporte situado na edificação do consumidor, com a finalidade de fixar e elevar o ramal de ligação. 25 / 10 / 2011 1 de 7 1 FINALIDADE Esta Norma especifica e padroniza as dimensões e as características mínimas exigíveis do pontalete de aço para utilização em padrões de entrada de unidades consumidoras

Leia mais

NORMA TÉCNICA CELG D Calçados Especificação NTS-02 Revisão 2

NORMA TÉCNICA CELG D Calçados Especificação NTS-02 Revisão 2 NORMA TÉCNICA CELG D Calçados Especificação NTS-02 Revisão 2 ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA 1. OBJETIVO 1 2. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 2 3. TERMINOLOGIA E DEFINIÇÕES 4 4. CONSIDERAÇÕES GERAIS 10

Leia mais

SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA PADRONIZAÇÃO APROVAÇÃO ELABORAÇÃO VISTO

SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA PADRONIZAÇÃO APROVAÇÃO ELABORAÇÃO VISTO MA NU AL E SP EC IA L SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA E-313.0032 ESPECIFICAÇÃO DE CONDUTORES

Leia mais

Ferramentas isoladas Vde. Rua do Manifesto, 2216 - Ipiranga - São Paulo Fone: +55 (11) 2271-3211 www.internacionalferramentas.com.

Ferramentas isoladas Vde. Rua do Manifesto, 2216 - Ipiranga - São Paulo Fone: +55 (11) 2271-3211 www.internacionalferramentas.com. Ferramentas isoladas Vde Rua do Manifesto, 2216 - Ipiranga - São Paulo Dupla camada de isolação nas ferramentas VDE A dupla camada de proteção plástica das ferramentas VDE oferece mais segurança ao usuário

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO ES.DT.PDN.01.01.025 POSTE DE CONCRETO ARMADO PARA REDES DE DISTRIBUIÇÃO 01

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO ES.DT.PDN.01.01.025 POSTE DE CONCRETO ARMADO PARA REDES DE DISTRIBUIÇÃO 01 SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO ESPECIFICAÇÃO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO ES.DT.PDN.01.01.025 01 APROVADO POR PAULO JORGE TAVARES DE LIMA ENGENHARIA E CADASTRO SP MARCELO POLTRONIERI ENGENHARIA E CADASTRO - ES

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título CONDUTOR DE ALUMÍNIO MULTIPLEXADO

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título CONDUTOR DE ALUMÍNIO MULTIPLEXADO ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título CONDUTOR DE ALUMÍNIO MULTIPLEXADO Código ETD-00.023 Data da emissão 28.12.1993 Data da última revisão 09.09.2009 Folha 1 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Normas Complementares

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título: TRANSFORMADORES DE POTENCIAL PARA EQUIPAMENTOS ESPECIAIS Código ETD-00.062 Data da emissão 28.09.2012 Data da última revisão Folha 1 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Normas Complementares

Leia mais

MANUAL ESPECIAL 1. FINALIDADE

MANUAL ESPECIAL 1. FINALIDADE MANUAL ESPECIAL SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA E-313.0041 CRUZETAS DE AÇO TUBULAR 1/14

Leia mais

Portaria n.º 260, de 05 de junho de 2014.

Portaria n.º 260, de 05 de junho de 2014. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 260, de 05 de junho de 2014. O PRESIDENTE

Leia mais

PIM - PROCEDIMENTO DE INSPEÇÃO DE MATERIAL RETENSOR PARA VIA FÉRREA

PIM - PROCEDIMENTO DE INSPEÇÃO DE MATERIAL RETENSOR PARA VIA FÉRREA PIM - PROCEDIMENTO DE INSPEÇÃO DE MATERIAL RETENSOR PARA VIA FÉRREA SUMÁRIO 1. OBJETIVO 2. DEFINIÇÃO - CARACTERÍSTICAS - FABRICAÇÃO 3. FORMA DIMENSÃO 4. CALIBRES PARA INSPEÇÃO 5. TOLERÂNCIAS 6. INSPEÇÃO

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA 29 / 07 / 2011 1 de 5 1 FINALIDADE Esta Norma especifica e padroniza as dimensões e as características mínimas exigíveis para parafuso U 16x270mm utilizado nas Linhas de Distribuição da CEMAR. 2 CAMPO

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PROTETOR DE BUCHA PARA TRANSFORMADOR

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PROTETOR DE BUCHA PARA TRANSFORMADOR PROTOR DE BUCHA PARA TRANSFORMADOR SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 02 5. INSTRUÇÕES GERAIS 03 5.1. Características

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título ELO FUSÍVEL DE DISTRIBUIÇÃO

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título ELO FUSÍVEL DE DISTRIBUIÇÃO ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título ELO FUSÍVEL DE DISTRIBUIÇÃO Código ETD-00.016 Data da emissão 30.04.1987 Data da última revisão 29.06.2006 Folha 1 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Normas Complementares 3 Definições

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria n.º 86, de 26 de maio de 2003. O PRESIDENTE

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO ETD - 07 CRUZETA DE CONCRETO ARMADO PARA REDES DE DISTRIBUIÇÃO ESPECIFICAÇÃO E PADRONIZAÇÃO EMISSÃO: julho/2003 REVISÃO: setembro/08 FOLHA : 1 / 6 FURAÇÃO DA CRUZETA

Leia mais

PIM - PROCEDIMENTO DE INSPEÇÃO DE MATERIAL ARRUELA DE PRESSÃO DUPLA

PIM - PROCEDIMENTO DE INSPEÇÃO DE MATERIAL ARRUELA DE PRESSÃO DUPLA PIM - PROCEDIMENTO DE INSPEÇÃO DE MATERIAL ARRUELA DE PRESSÃO DUPLA SUMÁRIO 1. OBJETIVO 2. DEFINIÇÃO - CARACTERÍSTICAS - FABRICAÇÃO 3. FORMA DIMENSÕES TOLERÂNCIAS 4. CALIBRES PARA INSPEÇÃO 5. INSPEÇÃO

Leia mais

1. Objetivo 1. 2. Referências 1. 3. Condições gerais 1. 4. Condições específicas 1. 5. Inspeção 2. Tabela 1 - Características elétricas e mecânicas 4

1. Objetivo 1. 2. Referências 1. 3. Condições gerais 1. 4. Condições específicas 1. 5. Inspeção 2. Tabela 1 - Características elétricas e mecânicas 4 SUMÁRIO Pág. 1. Objetivo 1 2. Referências 1 3. Condições gerais 1 4. Condições específicas 1 DISTRIBUIÇÃO AUTOMÁTICA DE CÓPIAS 02.118-CONEM-0003 5. Inspeção 2 Tabela 1 - Características elétricas e mecânicas

Leia mais

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S/A MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA ANEXO XIV ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ELOS FUSÍVEIS TIPO EXPULSÃO PARA CIRCUITO DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA COM EXTINÇÃO DE ARCO E ELOS FUSIVEIS

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJETIVO 03 2. ÂMBITO 03 3. CONCEITOS 03 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS 03 5. INSTRUÇÕES GERAIS 04 5.1. Condições de Serviços 04 5.2. Identificação dos transformadores 04 5.3.

Leia mais

NBR 7483/2005. Cordoalhas de aço para concreto protendido Requisitos

NBR 7483/2005. Cordoalhas de aço para concreto protendido Requisitos NBR 7483/2005 Cordoalhas de aço para concreto protendido Requisitos OBJETIVO Fixar os requisitos para fabricação, encomenda, fornecimento e recebimento de cordoalhas de aço de alta resistência de três

Leia mais

SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA CÓDIGO TÍTULO VERSÃO ES.DT.PDN.01.10.001 POSTE DE AÇO QUADRADO PARA ENTRADA DE CLIENTES 01

SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA CÓDIGO TÍTULO VERSÃO ES.DT.PDN.01.10.001 POSTE DE AÇO QUADRADO PARA ENTRADA DE CLIENTES 01 SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO ES.DT.PDN.01.10.001 01 APROVADO POR PAULO J. TAVARES LIMA ENGENHARIA E CADASTRO-SP SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES... 3 3. APLICAÇÃO...

Leia mais

DUPLA CAMADA DE ISOLAÇÃO NAS FERRAMENTAS VDE

DUPLA CAMADA DE ISOLAÇÃO NAS FERRAMENTAS VDE 66 DUPLA CAMADA DE ISOLAÇÃO NAS FERRAMENTAS VDE A dupla camada de proteção plástica das ferramentas VDE oferece mais segurança ao usuário e permite que o desgaste da ferramenta seja identificado com segurança.

Leia mais

Portaria n.º 347, de 11 de julho de 2013. CONSULTA PÚBLICA

Portaria n.º 347, de 11 de julho de 2013. CONSULTA PÚBLICA Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 347, de 11 de julho de 2013. CONSULTA

Leia mais

DIRETORIA TÉCNICA PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DE AT E MT ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET-301/2010 R-00

DIRETORIA TÉCNICA PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DE AT E MT ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET-301/2010 R-00 DIRETORIA TÉCNICA PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DE AT E MT ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA /2010 R- FOLHA DE CONTROLE I APRESENTAÇÃO A presente Especificação Técnica define os requisitos gerais aplicados ao projeto,

Leia mais

CONTROLE DIMENSIONAL - CALDEIRARIA CALIBRAÇÃO DE TRENA E ESCALA COM ESCALA PADRÃO E TRENA PADRÃO

CONTROLE DIMENSIONAL - CALDEIRARIA CALIBRAÇÃO DE TRENA E ESCALA COM ESCALA PADRÃO E TRENA PADRÃO Página: 1 de 5 1. OBJETIVO Este procedimento tem como objetivo descrever o processo de calibração de trenas de fita de aço e escalas metálicas, utilizando como padrões trenas padrão ou escalas padrão.

Leia mais

PIM - PROCEDIMENTO PARA INSPEÇÃO DE MATERIAL PARAFUSO E PORCA PARA TALA DE JUNÇÃO ABNT SUMÁRIO

PIM - PROCEDIMENTO PARA INSPEÇÃO DE MATERIAL PARAFUSO E PORCA PARA TALA DE JUNÇÃO ABNT SUMÁRIO PIM - PROCEDIMENTO PARA INSPEÇÃO DE MATERIAL PARAFUSO E PORCA PARA TALA DE JUNÇÃO ABNT SUMÁRIO 1. OBJETIVO 2. DEFINIÇÃO - CARACTERÍSTICAS - FABRICAÇÃO 3. FORMA - DIMENSÃO 3.1 - PARAFUSO 3.2 - PORCA 4.

Leia mais

QUALIDADE - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO

QUALIDADE - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO PLUG TERMINAL COM CAPA (PTC) 600 A 8,7 / 15 KV OPERAÇÃO SEM CARGA SUMÁRIO ITEM CONTEÚDO PG. 1. OBJIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS 02 5. INSTRUÇÕES GERAIS 03 5.1. Condições

Leia mais

PROCEDIMENTO ESPECÍFICO PARA CERTIFICAÇÃO DE ESCADA DOMÉSTICA METÁLICA

PROCEDIMENTO ESPECÍFICO PARA CERTIFICAÇÃO DE ESCADA DOMÉSTICA METÁLICA PROCEDIMENTO ESPECÍFICO PARA CERTIFICAÇÃO DE ESCADA DOMÉSTICA METÁLICA 1 OBJETIVO Este procedimento estabelece as condições necessárias para a concessão da Autorização para Uso do Selo de Identificação

Leia mais

REQUISITOS MÍNIMOS DE EMBALAGEM E PRESERVAÇÃO DE EQUIPAMENTOS E MATERIAIS ADQUIRIDOS NO MERCADO NACIONAL OU INTERNACIONAL

REQUISITOS MÍNIMOS DE EMBALAGEM E PRESERVAÇÃO DE EQUIPAMENTOS E MATERIAIS ADQUIRIDOS NO MERCADO NACIONAL OU INTERNACIONAL REQUISITOS MÍNIMOS DE EMBALAGEM E PRESERVAÇÃO DE EQUIPAMENTOS E MATERIAIS ADQUIRIDOS NO MERCADO 1. OBJETIVO Estabelecer requisitos mínimos para a preservação e a embalagem de equipamentos e materiais adquiridos

Leia mais

Portaria n.º 342, de 22 de julho de 2014.

Portaria n.º 342, de 22 de julho de 2014. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 342, de 22 de julho de 2014. O PRESIDENTE

Leia mais

MANUAL DE ENGENHARIA

MANUAL DE ENGENHARIA 02.04.2007 1/6 1. OBJETIVO Esta especificação padroniza as dimensões e estabelece as condições gerais e específicas mínimas exigíveis para o fornecimento das cruzetas de concreto armado destinadas ao suporte

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS 02 5. INSTRUÇÕES GERAIS 02 5.1. Local da Realização dos Serviços 02 5.2. Responsabilidade a cargo da DMED

Leia mais

NORMA TÉCNICA CELG D. Caixas Metálicas para Medição, Proteção e Derivação. NTC-03 Revisão 3

NORMA TÉCNICA CELG D. Caixas Metálicas para Medição, Proteção e Derivação. NTC-03 Revisão 3 NORMA TÉCNICA CELG D Caixas Metálicas para Medição, Proteção e Derivação NTC-03 Revisão 3 NTC-03 / DT-SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA 1. OBJETIVO 1 2. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES

Leia mais

BATERIAS ESTACIONÁRIAS CHUMBO-ÁCIDAS REGULADAS POR VÁLVULA

BATERIAS ESTACIONÁRIAS CHUMBO-ÁCIDAS REGULADAS POR VÁLVULA COMPANHIA ENERGÉTICA DE MINAS GERAIS BATERIAS ESTACIONÁRIAS CHUMBO-ÁCIDAS REGULADAS POR VÁLVULA Especificação Técnica 02.112 - TI/SI 917a GERÊNCIA DE SUPORTE EM INFRA-ESTRUTURA DE TELECOMUNICAÇÕES E INFORMÁTICA

Leia mais

Aspectos de Segurança - Discos de Corte e Desbaste

Aspectos de Segurança - Discos de Corte e Desbaste Aspectos de Segurança - Discos de Corte e Desbaste Os discos de corte e desbaste são produzidos e controlados com rigor, sendo submetidos a testes internos que objetivam a reprodução da qualidade lote

Leia mais

PRODUTO: ARMÁRIO DE AÇO COM DUAS PORTAS DE CORRER Portaria nº 69/SMG- G/2009 de 03/07/2009

PRODUTO: ARMÁRIO DE AÇO COM DUAS PORTAS DE CORRER Portaria nº 69/SMG- G/2009 de 03/07/2009 1 G/2009 de 03/07/2009 1. DESTINAÇÃO Para guarda de material de escritório em geral. 2. REQUISITOS GERAIS (VER DESENHO Nº 9w1 e/ou 11w1 ) 2.1. DESCRIÇÃO O móvel será todo de aço compondo-se de uma caixa

Leia mais

MEMORIAL DE INSTALAÇÕES HIDROSANITÁRIAS

MEMORIAL DE INSTALAÇÕES HIDROSANITÁRIAS 1 MEMORIAL DE INSTALAÇÕES HIDROSANITÁRIAS A presente especificação destina-se a estabelecer as diretrizes básicas e definir características técnicas a serem observadas para execução das instalações da

Leia mais

NORMA TÉCNICA CRUZETA DE CONCRETO ARMADO DEPARTAMENTO DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DPE

NORMA TÉCNICA CRUZETA DE CONCRETO ARMADO DEPARTAMENTO DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DPE NORMA TÉCNICA DEPARTAMENTO DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DPE 1. OBJETIVO Esta norma padroniza as dimensões e estabelece as condições gerais e específicas mínimas exigíveis para o fornecimento das cruzetas

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 33,de 22 de janeiro de 2004. O PRESIDENTE

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS 02 5. INSTRUÇÕES GERAIS 03 5.1. Condições de Operação 03 5.2. Materiais e Construção 04 6. PROCEDIMENTOS

Leia mais

BANQUETA EM ABS MANUAL DE INSTRUÇÕES. Modelo ABS 801 e ABS 802. Leia com atenção e guarde este manual para consultas futuras.

BANQUETA EM ABS MANUAL DE INSTRUÇÕES. Modelo ABS 801 e ABS 802. Leia com atenção e guarde este manual para consultas futuras. BANQUETA EM ABS MANUAL DE INSTRUÇÕES Leia com atenção e guarde este manual para consultas futuras. Modelo ABS 801 e ABS 802 BANQUETA EM ABS LEIA COM ATENÇÃO ESTAS INSTRUÇÕES E GUARDE ESTE MANUAL PARA

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título: CRUZETAS POLIMÉRICAS PARA REDES AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Código ETD-00.059 Data da emissão 04.07.2012 Data da última revisão Folha 1 SUMÁRIO 1 Objetivo

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE REALIZAÇÃO DO PROCESSO DE HOMOLOGAÇÃO DE MATERIAIS DE FORNECEDORES NA COPASA

PROCEDIMENTOS DE REALIZAÇÃO DO PROCESSO DE HOMOLOGAÇÃO DE MATERIAIS DE FORNECEDORES NA COPASA PROCEDIMENTOS DE REALIZAÇÃO DO PROCESSO DE HOMOLOGAÇÃO DE MATERIAIS DE FORNECEDORES NA COPASA 1 Solicitação de Abertura do Processo de Homologação 1.1 Os fornecedores interessados em ter seus materiais

Leia mais

NTU AES 003-1. Condutores Elétricos Distr. Subterrânea NORMA TÉCNICA UNIFICADA AES ELETROPAULO / AES SUL

NTU AES 003-1. Condutores Elétricos Distr. Subterrânea NORMA TÉCNICA UNIFICADA AES ELETROPAULO / AES SUL NTU AES 003-1 Condutores Elétricos Distr. Subterrânea NORMA TÉCNICA UNIFICADA AES ELETROPAULO / AES SUL Elaborado: Aprovado: DATA: 30/09/2010 João Carlos Nacas AES Eletropaulo Fernanda Pedron AES Sul Sergio

Leia mais

O trabalho a seguir trata-se de um modelo da parte técnica de um edital de licitação para uma

O trabalho a seguir trata-se de um modelo da parte técnica de um edital de licitação para uma O trabalho a seguir trata-se de um modelo da parte técnica de um edital de licitação para uma concorrência, tomada de preços ou carta convite para fornecimento de tubos de concreto simples ou armados,

Leia mais

I CONFERÊNCIA LATINO-AMERICANA DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL X ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO

I CONFERÊNCIA LATINO-AMERICANA DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL X ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO I CONFERÊNCIA LATINO-AMERICANA DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL X ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO 18-21 julho 2004, São Paulo. ISBN 85-89478-08-4. DESENVONVIMENTO DE EQUIPAMENTOS E PROCEDIMENTOS

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PARA AQUISIÇÃO DE ESTRUTURAS DE BARRAMENTOS SE... ETAPA...

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PARA AQUISIÇÃO DE ESTRUTURAS DE BARRAMENTOS SE... ETAPA... 4.3.3 Estruturas DIRETORIA TÉCNICA DEPARTAMENTO DE PROJETO E CONSTRUÇÃO DIVISÃO DE SUBESTAÇÃO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PARA AQUISIÇÃO DE ESTRUTURAS DE BARRAMENTOS SE... ETAPA... 1 Í N D I C E SEÇÃO I OBJETO

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR-MDIC

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR-MDIC MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR-MDIC Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial - INMETRO Portaria n.º, de 0 de setembro de 00. O PRESIDENTE DO INSTITUTO

Leia mais

Instalação Concluida. IMPORTANTE: Não solte o conjunto Base-Projetor até que ele esteja. perfeitamente fixado ao suporte.

Instalação Concluida. IMPORTANTE: Não solte o conjunto Base-Projetor até que ele esteja. perfeitamente fixado ao suporte. IMPORTANTE: Não solte o conjunto Base-Projetor até que ele esteja perfeitamente fixado ao suporte. Após ter girado o conjunto inferior alinhando os furos como indicado abaixo, insira o parafuso allen no

Leia mais

Portaria Inmetro nº 528, de 03 de dezembro de 2014.

Portaria Inmetro nº 528, de 03 de dezembro de 2014. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA INMETRO Portaria Inmetro nº 528, de 03 de dezembro de 2014. O PRESIDENTE DO INSTITUTO

Leia mais

QUALITY FIX DO BRASIL INDÚSTRIA, COMÉRCIO, IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO LTDA. MANUAL DO USUÁRIO CONECTORES QUALITY FIX

QUALITY FIX DO BRASIL INDÚSTRIA, COMÉRCIO, IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO LTDA. MANUAL DO USUÁRIO CONECTORES QUALITY FIX MANUAL DO USUÁRIO CONECTORES QUALITY FIX 1 Sumário Treinamento específico e essencial.... 3 Manutenção, serviço e armazenamento.... 3 Inspeção... 3 Uso... 4 Tempo de vida do Produto.... 4 Garantia... 4

Leia mais

SUMÁRIO. 1. Objetivo 1. 2. Referências 1. 3. Definições 2. 4. Condições gerais 2. 5. Condições específicas 2

SUMÁRIO. 1. Objetivo 1. 2. Referências 1. 3. Definições 2. 4. Condições gerais 2. 5. Condições específicas 2 SUMÁRIO Pág. 1. Objetivo 1 2. Referências 1 3. Definições 2 4. Condições gerais 2 5. Condições específicas 2 6. Apresentação de propostas e aprovação de documentos 4 DISTRIBUIÇÃO AUTOMÁTICA DE CÓPIAS 02.118-CONEM-0003

Leia mais

Soldagem de manutenção II

Soldagem de manutenção II A UU L AL A Soldagem de manutenção II A recuperação de falhas por soldagem inclui o conhecimento dos materiais a serem recuperados e o conhecimento dos materiais e equipamentos de soldagem, bem como o

Leia mais

NT MATERIAIS PARA REDES E LINHAS AEREAS URBANAS E RURAIS DE DISTRIBUÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA.

NT MATERIAIS PARA REDES E LINHAS AEREAS URBANAS E RURAIS DE DISTRIBUÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA. REV. Página 1 de 1. OBJETIVO 2. ÂMBO DE APLICAÇÃO 3. REQUISOS GERAIS 3.1. Projeto Geral 3.2. Normas Recomendadas 3.3. Unidade de Medida e Idiomas 3.4. Desenhos 3.5. Garantia 4. DEFINIÇÕES 3.6. Valor Nominal

Leia mais

MÓDULO 2 2.3 - CONEXÕES

MÓDULO 2 2.3 - CONEXÕES MÓDULO 2 2.3 - CONEXÕES Os fabricantes e as conexões devem ser pré-qualificados através de certificados de qualificação emitidos por organismos/laboratórios reconhecidos, ou pelo próprio sistema de qualificação

Leia mais

Memorial Técnico para Aquisição de Solução modular escalável e móvel de Contêiner para Data Center

Memorial Técnico para Aquisição de Solução modular escalável e móvel de Contêiner para Data Center MUNICÍPIO DE SANTO ÂNGELO Memorial Técnico para Aquisição de Solução modular escalável e móvel de Contêiner para Data Center Projeto DATA CENTER José Fioravante Schneider 01/06/2015 Página 1 de 9 ÍNDICE

Leia mais

CONDIÇÕES DE FORNECIMENTO

CONDIÇÕES DE FORNECIMENTO CONDIÇÕES DE FORNECIMENTO I - Formalização e Aceitação do Pedido 1.1 - O Aceite será automático caso o fornecedor não faça uma recusa parcial ou total, Por escrito no prazo de 2(dois) após o recebimento

Leia mais

PRODUTO: ARMÁRIO DE MADEIRA Portaria nº 69/SMG-G/2009 de 03/07/2009. 2.2.1. Painéis da caixa, inclusive o vertical interno, portas e prateleiras.

PRODUTO: ARMÁRIO DE MADEIRA Portaria nº 69/SMG-G/2009 de 03/07/2009. 2.2.1. Painéis da caixa, inclusive o vertical interno, portas e prateleiras. 1 CÓDIGO SUPRI: 71.654.002.001.0029-1 PRODUTO: ARMÁRIO DE MADEIRA Portaria nº 69/SMG-G/2009 de 03/07/2009 1. DESTINAÇÃO Para guarda de materiais de escritório em geral. 2. REQUISITOS GERAIS (VER DESENHOS

Leia mais

Inspeção Visual e Dimensional de Eletrodos e Estufas Duração: 60 minutos

Inspeção Visual e Dimensional de Eletrodos e Estufas Duração: 60 minutos Inspeção Visual e Dimensional de Eletrodos e Estufas Duração: 60 minutos Este texto é dividido em duas partes: a primeira descreve os procedimentos para a realização da Inspeção visual e dimensional de

Leia mais

PROCESSOS DE FABRICAÇÃO PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO MECÂNICA

PROCESSOS DE FABRICAÇÃO PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO MECÂNICA PROCESSOS DE FABRICAÇÃO PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO MECÂNICA 1 Forjamento Ferreiro - Uma das profissões mais antigas do mundo. Hoje em dia, o martelo e a bigorna foram substituídos por máquinas e matrizes

Leia mais

Serviço Público Federal Conselho Regional de Corretores de Imóveis Estado de São Paulo

Serviço Público Federal Conselho Regional de Corretores de Imóveis Estado de São Paulo ANEXO VII PREGÃO PRESENCIAL Nº. 021/2015 Termo de Referência 1. DO OBJETO 1.1. Este Termo de Referência tem por objetivo a aquisição, por intermédio de licitação na modalidade de Pregão Presencial, de

Leia mais

Tobogã com Escalada Mega. Manual de instruções

Tobogã com Escalada Mega. Manual de instruções Tobogã com Escalada Mega Manual de instruções Código do produto: MT.10812 Recomendado para crianças de 03 a 15 anos Parabéns! Você acaba de adquirir um brinquedo da Mundi Toys. Prezando pela sua segurança

Leia mais

As embalagens em blister são práticas, tem forte apelo visual e facilitam a exposição do produto no ponto de venda.

As embalagens em blister são práticas, tem forte apelo visual e facilitam a exposição do produto no ponto de venda. Ferramentas manuais de nível profissional indicadas para aperto e desaperto de porcas e parafusos de fenda simples, tipo Phillips, de encaixe Torx ou encaixe sextavado (canhão). Todas as chaves são fabricadas

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE GARANTIA

POLÍTICA NACIONAL DE GARANTIA POLÍTICA NACIONAL DE GARANTIA 1 Conteúdo Introdução... 3 Objetivo... 3 Esclarecimentos... 3 O que é considerado garantia... 4 O que são considerados itens de manutenção... 4 O que são considerados materiais

Leia mais

Ministério da Indústria e do Comércio. Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial - INMETRO

Ministério da Indústria e do Comércio. Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial - INMETRO Ministério da Indústria e do Comércio Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial - INMETRO Portaria nº 023 de 25 de fevereiro de 1985 O Presidente do Instituto Nacional de Metrologia,

Leia mais

Câmara Municipal de Cosmópolis

Câmara Municipal de Cosmópolis ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA 01 INTRODUÇÃO A Câmara Municipal de Cosmópolis pretende contratar, com base na Lei nº 8.666/93, na Lei nº 10.520/02, no Decreto Municipal nº 3.769/2007, no Decreto Legislativo

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO POSTES DE CONCRETO ARMADO PARA REDES DEDISTRIBUIÇÃO EMISSÃO: REVISÃO: PAGINA: 1/33 A P R E S E N T A Ç Ã O Esta Norma fixa as características básicas de poste de concreto

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE FERRAGENS E ACESSÓRIOS. LT 138kV ENTRONCAMENTO (INDAIAL RIO DO SUL II) RIO DO SUL RB LT 25522

ESPECIFICAÇÃO DE FERRAGENS E ACESSÓRIOS. LT 138kV ENTRONCAMENTO (INDAIAL RIO DO SUL II) RIO DO SUL RB LT 25522 DIRETORIA TECNICA DEPARTAMENTO DE PROJETO E CONSTRUÇÃO DO SISTEMA ELÉTRICO DIVISÃO DE LINHAS ESPECIFICAÇÃO DE FERRAGENS E ACESSÓRIOS LT 138kV ENTRONCAMENTO (INDAIAL RIO DO SUL II) RIO DO SUL RB LT 25522

Leia mais

PREGÃO ELETRÔNICO Nº 05/14 ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO I

PREGÃO ELETRÔNICO Nº 05/14 ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO I MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO I TUBOS DE PEAD 1 - OBJETIVO 1.1 A presente licitação tem por objeto o fornecimento e entrega, pela empresa a ser CONTRATADA, de tubos de POLIETILENO DE ALTA DENSIDADE PE 100

Leia mais

Fundição em Moldes Metálicos Permanentes por Gravidade.

Fundição em Moldes Metálicos Permanentes por Gravidade. Aula 10: Processos de Fundição em Moldes Metálicos por Gravidade (Coquilhas) 01: Introdução - Características do processo - Etapas envolvidas. - Fatores econômicos e tecnológicos - Ligas emprwegadas 02:

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA LÂMPADAS A VAPOR DE METÁLICO DME SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJETIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 03 5. INSTRUÇÕES GERAIS 03 5.1. Condições

Leia mais

Portaria n.º 558, de 19 de novembro de 2013.

Portaria n.º 558, de 19 de novembro de 2013. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 558, de 19 de novembro de 2013. O PRESIDENTE

Leia mais

Portaria n.º 622, de 22 de novembro de 2012.

Portaria n.º 622, de 22 de novembro de 2012. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 622, de 22 de novembro de 2012. O PRESIDENTE

Leia mais

Número: TERMO DE REFERÊNCIA PRL 001/2012. Data: PRL Gerência do Programa Luz para Todos 26/01/2012 1.0 - OBJETO/FINALIDADE:

Número: TERMO DE REFERÊNCIA PRL 001/2012. Data: PRL Gerência do Programa Luz para Todos 26/01/2012 1.0 - OBJETO/FINALIDADE: 1.0 - OBJETO/FINALIDADE: Aquisição de 7.812 Unidades de Medição Eletrônica de Energia Elétrica, 1 elemento, 1 fase, 3 fios, 240V e 15(100)A para implantação em padrões de entrada de unidades consumidoras

Leia mais

BICICLETAS DE USO INFANTIL

BICICLETAS DE USO INFANTIL Página: 1/12 Elaborado por: Maria Lucia Hayashi Verificado por: João Gustavo L. Junqueira Aprovado por: Regina Toscano Data Aprovação: 10/12/2013 1 OBJETIVO Este documento apresenta os critérios complementares

Leia mais

NORMA TÉCNICA CELG D. Elos Fusíveis de Distribuição Especificação. NTC-66 Revisão 1

NORMA TÉCNICA CELG D. Elos Fusíveis de Distribuição Especificação. NTC-66 Revisão 1 NORMA TÉCNICA CELG D Elos Fusíveis de Distribuição Especificação NTC-66 Revisão 1 ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA 1. OBJETIVO 1 2. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 2 3. TERMINOLOGIA E DEFINIÇÕES 4 4. CONDIÇÕES

Leia mais

CAPÍTULO 6.6 EXIGÊNCIAS PARA A CONSTRUÇÃO E ENSAIO DE EMBALAGENS GRANDES

CAPÍTULO 6.6 EXIGÊNCIAS PARA A CONSTRUÇÃO E ENSAIO DE EMBALAGENS GRANDES CAPÍTULO 6.6 EXIGÊNCIAS PARA A CONSTRUÇÃO E ENSAIO DE EMBALAGENS GRANDES 6.6.1 Disposições Gerais 6.6.1.1 As exigências deste capítulo não se aplicam: - à classe 2 exceto artigos incluindo aerossóis; -

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL INMETRO

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL INMETRO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL INMETRO Portaria n.º 186, de 04 de dezembro de 2003. O PRESIDENTE

Leia mais

ANEXO 01 ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ARMÁRIOS PARA CRMS

ANEXO 01 ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ARMÁRIOS PARA CRMS Página 1 de 5 ÍNDICE DE REVISÕES REV. DESCRIÇÃO E/OU FOLHAS ATINGIDAS 0 PARA LICITAÇÃO ORIGINAL REV. A REV. B REV. C REV. D REV. E REV. F DATA 01.08.11 25.04.14 EXECUÇÃO JADR AF VERIFICAÇÃO JADR JADR APROVAÇÃO

Leia mais

Portaria n.º 660, de 17 de dezembro de 2012.

Portaria n.º 660, de 17 de dezembro de 2012. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 660, de 17 de dezembro de 2012. O PRESIDENTE

Leia mais

MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA, DO COMÉRCIO E DO TURISMO

MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA, DO COMÉRCIO E DO TURISMO MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA, DO COMÉRCIO E DO TURISMO INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria n.º 114, de 29 de junho de 1998. O PRESIDENTE DO INSTITUTO NACIONAL

Leia mais

Portaria n.º 11, de 10 de janeiro de 2014. CONSULTA PÚBLICA

Portaria n.º 11, de 10 de janeiro de 2014. CONSULTA PÚBLICA Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 11, de 10 de janeiro de 2014. CONSULTA

Leia mais

INSTRUÇÕES DE USO UMIDIFICADOR DE POLIPROPILENO MORIYA

INSTRUÇÕES DE USO UMIDIFICADOR DE POLIPROPILENO MORIYA INSTRUÇÕES DE USO UMIDIFICADOR DE POLIPROPILENO MORIYA APRESENTAÇÃO Os Umidificadores - Moriya foram concebidos e fabricados sob conceitos internacionais de qualidade e tecnologia. E estão disponíveis

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA 30/06/2005 1 de 1 1 FINALIDADE Esta Norma especifica e padroniza as dimensões e as características mínimas exigíveis do eletroduto de aço para utilização em padrões de entrada de unidades consumidoras

Leia mais

C A P Í T U L O I 1 FERRAMENTAS 1.1 FINALIDADE

C A P Í T U L O I 1 FERRAMENTAS 1.1 FINALIDADE Curso Técnico em Eletrotécnica Professor: Ronimack Trajano C A P Í T U L O I 1 FERRAMENTAS 1.1 FINALIDADE Os trabalhos com eletricidade exigem procedimentos e técnicas específicas para que os mesmos possam

Leia mais

Caixa para medidor polifásico com trava na tampa e visor

Caixa para medidor polifásico com trava na tampa e visor FIRUGA 1: CAIXA COM TAMPA 227 VISTA SUPERIOR 114 57 A 14 209 345 45 LENTE 46 171 PRÉ-FURO Ø5 53 VISTA LATERAL ESQUERDA Ø2 FURO PARA LACRE A VISTA FRONTAL MÍN. 10,5 15 LUVA W1/4 VISTA LATERAL DIREITA 48

Leia mais

PROCEDIMENTO DE FISCALIZAÇÃO PARA TELHAS CERÃMICAS E TELHAS DE CONCRETO Portaria Inmetro nº 005/2013

PROCEDIMENTO DE FISCALIZAÇÃO PARA TELHAS CERÃMICAS E TELHAS DE CONCRETO Portaria Inmetro nº 005/2013 MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA- INMETRO Diretoria de Avaliação da Conformidade- Dconf Divisão de Fiscalização

Leia mais

RTQ 32 - PÁRA-CHOQUE TRASEIRO DE VEÍCULOS RODOVIÁRIOS PARA O TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS - CONSTRUÇÃO, ENSAIO E INSTALAÇÃO

RTQ 32 - PÁRA-CHOQUE TRASEIRO DE VEÍCULOS RODOVIÁRIOS PARA O TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS - CONSTRUÇÃO, ENSAIO E INSTALAÇÃO RTQ 32 - PÁRA-CHOQUE TRASEIRO DE VEÍCULOS RODOVIÁRIOS PARA O TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS - CONSTRUÇÃO, ENSAIO E INSTALAÇÃO SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Campo de Aplicação 3 Responsabilidade 4 Siglas e Abreviaturas

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Processos de Fabricação

Curso de Engenharia de Produção. Processos de Fabricação Curso de Engenharia de Produção Processos de Fabricação Forjamento: O forjamento, um processo de conformação mecânica em que o material é deformado por martelamentoou prensagem, é empregado para a fabricação

Leia mais

Considerando que é dever do Estado instaurar condições para a existência de concorrência justa no País, resolve baixar as seguintes disposições:

Considerando que é dever do Estado instaurar condições para a existência de concorrência justa no País, resolve baixar as seguintes disposições: MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria nº 109, de 13 de junho de 2005. O PRESIDENTE DO

Leia mais

REGISTRO DE PREÇOS 003/2013 Página 1 de 10 Termo de Adesão TERMO DE ADESÃO

REGISTRO DE PREÇOS 003/2013 Página 1 de 10 Termo de Adesão TERMO DE ADESÃO REGISTRO DE PREÇOS 003/2013 Página 1 de 10 TERMO DE ADESÃO que entre si celebram a MINAS GERAIS ADMINSTRAÇÃO E SERVIÇO S/A, na qualidade de Órgão Gestor e o (a), como Órgão Participante, para fins de participação

Leia mais

Introdução... 2. Identificação do aparelho...3. Fixação do aparelho no box...3. Instalação elétrica...4. Acionamento do aparelho...

Introdução... 2. Identificação do aparelho...3. Fixação do aparelho no box...3. Instalação elétrica...4. Acionamento do aparelho... Introdução... 2 Identificação do aparelho...3 Fixação do aparelho no box...3 Instalação elétrica...4 Acionamento do aparelho...4 Dados técnicos...5 Certificado de garantia...6 ÍNDICE INTRODUÇÃO O gerador

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO Conteúdo PG 1. OBJIVO 02 2. AMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS E LEGISLAÇÕES APLICÁVEIS 02 5. INSTRUÇÕES GERAIS 02 5.1. Condições de Serviço 02 5.2. Acabamento 03 5.3. Identificação

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO. Título. Medidor Eletrônico de Energia Elétrica Quatro Quadrantes de Múltiplas Funções Medição Indireta

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO. Título. Medidor Eletrônico de Energia Elétrica Quatro Quadrantes de Múltiplas Funções Medição Indireta 1 Usuários: Divisão de Medição e Proteção da Receita, Gerências e Centros Regionais. SUMÁRIO 1. OBJETIVO 2. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 3. DEFINIÇÕES 4. CONDIÇÕES GERAIS 5. CONDIÇÕES ESPECÍFICAS

Leia mais

Planejamento Avançado da Qualidade Elementos APQP

Planejamento Avançado da Qualidade Elementos APQP Planejamento Avançado da Qualidade Elementos APQP São descritos a seguir objetivos, expectativas e requisitos relativos à documentação dos elementos individuais do APQP Status Report (ver QSV / S 296001

Leia mais