O que o esporte realmente faz? Desenvolvimento pelo esporte: pensando criticamente e positivamente. 1

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O que o esporte realmente faz? Desenvolvimento pelo esporte: pensando criticamente e positivamente. 1"

Transcrição

1 O que o esporte realmente faz? Desenvolvimento pelo esporte: pensando criticamente e positivamente. 1 Andrew M. Guest (PhD) Universidade de Portland (EUA) A idéia de utilizar o esporte como ferramenta para a melhoria geral de indivíduos e comunidades parece ter apelo em todo o mundo, se levarmos em conta o número crescente de programas e organizações que promovem o desenvolvimento pelo esporte. Entendo que este fato tanto é intelectualmente fascinante como pleno de potencial prático. Assim, tenho devotado os últimos dez anos da minha vida ao trabalho com o esporte e ao estudo de uma variedade de formas de desenvolvimento que acontecem por meio de iniciativas com esporte. Depois de obter o meu diploma de mestrado em estudos esportivos, passei dois anos na República do Malawi, trabalhando pelo US Peace Corps 2, como especialista em educação física e esporte escolar no Instituto de Educação do Malawi; nos Estados Unidos trabalhei com futebol e programas de esportes, com foco em jovens em situação de risco, em projetos de moradia popular em Detroit e Chicago, duas cidades americanas famosas por suas áreas centrais decadentes, pobres e urbanisticamente degradadas; em Angola coordenei um projeto que utilizava o esporte para facilitar o desenvolvimento de crianças refugiadas e, mais recentemente, obtive o título de PhD em desenvolvimento humano pela Universidade de Chicago, quando estudei e refleti, com todo o instrumental das Ciências Humanas, sobre o desenvolvimento por meio de Programas de Esportes. Entretanto, e de uma forma talvez irônica, minhas experiências e minha crença no potencial do desenvolvimento pelo esporte me levaram a uma perspectiva mais crítica sobre o tema: encontro-me, hoje, resistindo aos grandes apelos entusiasmados e às boas intenções das pessoas que promovem a idéia do desenvolvimento pelo esporte. Se olhar de relance para a retórica promocional do desenvolvimento por meio de Programas de Esporte, identifico organizações ambiciosas argumentando que o esporte ensina as pessoas como viver uma vida positiva ; que o esporte coloca as crianças no estágio de desenvolvimento saudável ; que o esporte ensina habilidades de vida 3 ; que o esporte melhora a saúde, a educação, as economias; que o esporte cria valores como justiça, paz, honestidade e muito mais. O esporte é apresentado como uma panacéia; a mais moderna ferramenta para melhorar vidas. Neste artigo gostaria de sugerir que estas pretensões 1 NT.: Artigo originalmente publicado em Tradução livre: Marta Litwinczik Sinoti. 2 NT.: Agência do governo norte-americana que incentiva o trabalho voluntário em países em desenvolvimento.http://www.peacecorps.gov/ 3 NT.: Em inglês life-skills - O Compromisso Mundial Educação para todos estabelece que a Educação deve desenvolver, entre crianças, jovens e adultos, as habilidades necessárias à vida. Essas habilidades incluem tanto a aquisição de conhecimento, quanto o desenvolvimento de habilidades inatas (psicossociais). Uma abordagem aproximada seria com a proposta dos cinco pilares da educação, delineados por Jacques Dellors. (ver URL_ID=47066&URL_DO=DO_TOPIC&URL_SECTION=201.html_) 1

2 foram longe demais. Eu sou um fã de esportes e acredito no substantivo esforço de desenvolvimento pelo esporte, mas não existe panacéia para o desenvolvimento. Apresentar o esporte como tal, pode, de fato, ser contra-produtivo. Apresentar o esporte como a ferramenta perfeita para o desenvolvimento implica, potencialmente, tanto em estabelecer expectativas irreais, quanto cegar as pessoas para o intenso desafio de realmente utilizar bem o esporte. O que o esporte realmente faz? No imaginário popular o esporte é um tema que polariza as discussões. Em um dos pólos estão as pessoas que amam o esporte, que o vêem como a típica panacéia mencionada anteriormente; pessoas como o professor da escola de barro e lata na escola para refugiados, em Angola, que acredita tão profunda e inspiradamente no esporte, que gasta suas preciosas horas-livres voluntariando-se para organizar programas esportivos para as crianças no campo de refugiados; pessoas como os entusiasmados administradores das cidades americanas, que treinam, recrutam e encorajam outras pessoas a envolverem-se com o seu desenvolvimento pelo esporte. No outro pólo, entretanto, estão as pessoas que compreendem o esporte como algo absolutamente frívolo; pessoas como a mãe do bairro decadente que não vê com bons olhos o tempo que sua filha mata no basquete, pois acredita que isto a impede de empenhar-se em atividades que são realmente interessantes para o seu futuro (como a escola); pessoas como os criadores do site Clube Internacional Eu Odeio Esportes (http://www.sportssuck.org/), que entre outras coisas, dizem que fãs de esporte devem ter mingau no lugar do cérebro. Confrontando-se estes pólos opostos, chegamos a uma questão interessante: como pode existir uma dicotomia tão grande sobre a compreensão de uma coisa que é, fundamentalmente, a mesma? A resposta que mais me parece fazer sentido - emprestada do antropólogo Olímpico John MacAloon - é compreender o esporte como uma forma cultural vazia. Enquanto as representações populares sobre o esporte quase sempre, e implicitamente, assumem que ele tenha uma natureza intrínseca (seja ela boa ou má), o esporte é, na verdade e em si mesmo, uma prática neutra ou vazia que é preenchida com significados, valores e idéias da cultura onde ocorre e pelos indivíduos que o praticam (crianças, professores, escolas, organizações, atletas, treinadores, torcedores, patrocinadores, fãs etc). Esta idéia tem duas implicações para os programas de desenvolvimento que utilizam o esporte. Uma delas é a de que a utilidade do esporte para o desenvolvimento depende inteiramente da maneira pela qual o esporte é empregado. A outra é que a compreensão sobre o esporte, empregada por aqueles que o utilizam para fins de desenvolvimento, pode ser bastante diferenciada da compreensão e dos significados que o esporte tem para as pessoas-alvo dos mesmos programas de desenvolvimento. Estas questões tornam-se essenciais se o desenvolvimento pelo esporte realmente acontecer e criticamente avaliar as formas específicas por meio das quais os programas de esporte entendem seus esforços. Em minhas experiências e meus estudos, tenho, muito freqüentemente, deparado com quatro interpretações importantes: a noção de que o esporte constrói o caráter (em outras palavras: o esporte desenvolve características psicossociais particulares como confiança, trabalho em equipe, liderança etc); a noção de que o esporte provê distração instrumental de atividades tidas como desviantes e 2

3 perigosas; a promessa do esporte como gancho para as pessoas envolverem-se em atividades produtivas de desenvolvimento e a visão do esporte como capaz de construir relações comunitárias e positivas que favorecerão o desenvolvimento 4. Estou certo que existem outras interpretações (inclusive a idéia de que o esporte produz saúde física). Mas, parece-me que essas quatro interpretações são as mais relevantes no contexto do desenvolvimento pelo esporte. Partindo-se do pressuposto que este é o caso, algumas considerações sobre cada uma delas fazem sentido. O esporte constrói o caráter? Recentemente as Nações Unidas classificaram estatisticamente Angola como o pior lugar do mundo para ser uma criança. Trabalhando em um programa de desenvolvimento pelo esporte em campos de refugiados desse país, e assumindo que não fica muito pior ter que ser um refugiado no pior lugar do mundo para ser uma criança, uma conclusão simples é que as crianças deveriam estar nas mais terríveis condições psicológicas. Entretanto, pessoas surpreenderam-se quando contei a elas que as crianças com quem trabalhei, em sua maioria na faixa-etária dos cinco aos doze anos de idade, demonstraram ter, em sua maioria, perspectivas psicológicas notadamente positivas. Nunca esquecerei o entusiasmo, o vigor e a força com as quais crianças que viviam em barracas de lona e casas de gravetos, num campo sujo e duro, entre a escola rural e uma pequena estação elétrica, empenhavam-se em apreender frisbee 5 uma atividade que eu inicialmente me sentia constrangido em lhes ensinar em função de parecer incongruente com a sua realidade. De uma forma geral, tanto nas pesquisas formais quanto nas observações informais que realizei, as crianças refugiadas com as quais trabalhei demonstraram níveis razoáveis de competência psicossocial no meio em que viviam. As crianças, em todas as comunidades, têm uma incrível capacidade em se adaptar. Admito que as crianças com as quais trabalhei não tinham tido a experiência direta do trauma do combate (a maioria das famílias tinha simplesmente morado numa área perigosa e tinham sido forçados a se mudar) e as pessoas estavam justificadamente infelizes com as circunstâncias em que suas vidas se encontravam. Não há questionamento de que a desigualdade é um problema que urge e que vivências temporárias em situação de pobreza geram sérios desafios psicológicos. Porém, minhas experiências sugerem que partir do princípio de que a pobreza estrutural automaticamente equivale à disfunções é, no mínimo, desleal, e, na pior das hipóteses, injusto. Quando programas de desenvolvimento pelo esporte partem do princípio que eles têm um conjunto de características psicossociais - como auto-estima, trabalho em equipe, resiliência e liderança - que precisam garantir às crianças, estes programas implicitamente negam uma série de fatos importantes. Eles negam, por exemplo, que as crianças, até mesmo sem praticar esporte, envolvem-se em sua vida cotidiana, de maneira que forjam características psicossociais adaptativas a partir dos contextos onde vivem suas vidas. E, também negam que o esporte, como uma forma cultural vazia, não tem uma habilidade especial ou única de forjar o caráter psicossocial. 4 As primeiras três interpretações foram emprestadas das análises sociológicas de Douglas Hartman sobre os programas americanos de basquete à meia-noite e o que ele denomina esporte como indústria do serviço social. 5 NT.: Popular jogo americano praticado especialmente na praia, conhecido, no Brasil, como disco. 3

4 A noção de que o esporte cumpre a função de socialização direta de características particulares - o que historicamente é discutido como o esporte constrói o caráter e vem sendo correntemente discutido como o esporte promove o desenvolvimento de habilidades de vida, tanto é bastante popular quanto é bastante difícil de provar com dados empíricos. Um grande corpo de pesquisas deixa claro que a participação no esporte, por ela mesma, não conduz à formação de nenhuma personalidade específica ou estabelece características psicossociais. Até mesmo a observação de atletas de alto-desempenho deixa claro que o seu caráter é tão diverso quanto o caráter da população em geral. Para cada atleta com auto-estima em alta, boas habilidades de cooperação e o caráter de um líder, há outro atleta que tem depressão, é arrogante, está envolvido com drogas ou que trapaceia para levar vantagem. Assumir que o esporte automaticamente constrói caráter, sem levar em conta a experiência pessoal de cada criança, cria um risco de atividades esportivas que, na verdade, não oferecem direcionamento nenhum às crianças. Qualquer uma das características que são desenvolvidas pelo esporte acontecem por meio do processo de interatividade com treinadores, lideranças, colegas de time, pais, amigos e organizações. Todos eles podem ser influências positivas ou negativas e todos eles estão presentes durante a vida das crianças. Para que o desenvolvimento pelo esporte aconteça, todos estes sujeitos e organizações precisam estar conscientes de que eles, e não o esporte, em si mesmo, estão sempre construindo o caráter e as habilidades de vida, na interação com as crianças, ao permitirem que elas se expressem e interajam com a realidade da sua experiência diária. O esporte promove o lazer positivo? A idéia de que o esporte garante a oportunidade das pessoas fazerem algo positivo com o tempo-livre que dispõem e que poderia ser empregado em coisas negativas é facilmente compreensível e está incrivelmente popularizada. Particularmente nas minhas pesquisas com as comunidades de bairros pobres das cidades americanas, os coordenadores dos programas e a população em geral identificam a ameaça das drogas e da violência como algo muito presente e que, então, qualquer atividade que promova ocupação das crianças é considerada saudável e útil. Identifiquei que esta interpretação também está extremamente popularizada entre os próprios habitantes das comunidades dos bairros pobres. No meu trabalho em Chicago e Detroit inúmeros pais e jovens diziam-me que o esporte os mantinha ocupados. Até mesmo fora dos Estados Unidos, numa entrevista memorável que realizei com um jogador de futebol bem sucedido da República do Malawi, fui informado por ele que o esporte garantiu que ele ficasse afastado de muitas coisas ruins. Esta concepção já esteve mais evidente, até mesmo, em políticas públicas que embasaram programas de basquetebol à meia-noite como uma forma de tirar as crianças e jovens das ruas em horários de pico de crimes. Estatisticamente alguns dados sugerem que este tipo de programa funciona: o crime realmente parece ter diminuído quando os indivíduos se engajam nas atividades esportivas. Mas, no mínimo duas críticas importantes devem ser consideradas: que distrair as pessoas desta forma simplesmente garante um remendo temporário que não leva ao desenvolvimento real; e que, a promoção da necessidade da distração para jovens em situação de risco gera a criação de uma identidade para estes jovens como 4

5 perigosos e impulsivos ela leva ao pressuposto implícito de que as pessoas alvo da ajuda não teriam, por sua vez, a capacidade para evitar, por si mesmas, as situações desviantes. Enfatizar a utilidade do esporte como distração, novamente exige assumir que o esporte tem um efeito diretamente socializante. Como mencionei anteriormente, esse pressuposto parece injustificado. Em minha experiência, quando o esporte é pensado como distração as pessoas tendem a estarem mais aptas a cometer o erro de reconhecer que ele, automaticamente, promove ganhos. Quando meu amigo do Malawi apresentou o esporte como meio que garantiu que ele ficasse afastado de coisas erradas, ele não entendeu o esporte como capaz de produzir resultados positivos de desenvolvimento. É como se alguém pensasse o esporte como responsável por produzir cinco unidades de produtos de desenvolvimento, as quais, dependendo de como foram pensadas, podem tanto levar uma pessoa da escala de zero a mais cinco (como na noção de que o esporte constrói o caráter), ou do cinco negativo ao zero (como na noção do esporte como uma distração instrumental). Entretanto, como anteriormente falei, o esporte intrinsecamente não cria alguma coisa positiva. Nós todos conhecemos casos de pessoas que se desenvolveram na direção errada trapaceando, usando drogas, sendo violentos e arrogantes, e, até mesmo coisa pior. Enfatizando-se a utilidade do esporte como uma distração implica o pressuposto de que as pessoas que são alvo de desenvolvimento por meio de programas de esporte precisam de ajuda externa para serem dissuadidas de se envolver em problemas. Em outras palavras, isso reforça os estereótipos e as identidades de que as pessoas que vivem em comunidades marginalizadas são perigosas e amaldiçoadas. Os pesquisadores da área de Psicologia regularmente problematizam estas identidades como produtoras de profecias auto-indutivas e de estereótipos ameaçadores, de tal forma que estas pessoas nunca conseguirão superar esses estereótipos negativos a elas associados. Quando as crianças de conjuntos habitacionais populares, que já se identificam detrativamente como crianças de gueto, aprendem que eles precisam ser distraídos para não cometerem crimes, estas crianças desenvolvem um conceito sobre si mesmas em que se vêem como uma ameaça. O desenvolvimento por meio do conceito do esporte quase sempre, não intencionalmente e desnecessariamente, reforça esse auto-conceito. O esporte é um gancho atraente? Nenhuma análise sobre o esporte pode negar que ele é imensamente popular em todos os lugares do planeta. Mover-nos do fato para a concepção de que o esporte é uma isca atraente para que outras oportunidades e mensagens possam ser veiculadas é uma conexão lógica fácil. Desde grupos missionários religiosos até partidos políticos regularmente utilizam o esporte com um veículo para suas mensagens, programas e construção de sua popularidade. Da mesma forma, muitas iniciativas de desenvolvimento pelo esporte o identificam, meramente, como uma oportunidade de chamar a atenção para objetivos de desenvolvimento não relacionados ao esporte. Conheci muitas crianças bastante conscientes desse processo de fisgamento. Tanto nos Estados Unidos quanto na África a popularidade das iniciativas que usam o esporte como uma isca regularmente tem criado atitudes de expectativa em relação ao esporte. Quando trabalhei nos bairros pobres de Chicago, tive um bate-papo inocente com 5

6 uma menina de onze anos que participava de um programa com futebol e perguntava a ela se ela iria participar da programação final de semana esportivo. Cansada do número de atividades em que estava participando pelo programa, ela me respondeu: eu faço muito para este programa de futebol, quando é que vocês farão alguma coisa por mim?. Em Angola, jovens jogadores de futebol, que pareciam passar a maior parte de seu tempo livre jogando com uniformes sujos e esfarrapados em peladas de basquete, abandonaram uma liga organizada por uma instituição de fora simplesmente porque não foi permitido a eles manter esses uniformes. Em Detroit uma angelical menina de seis anos de idade, que fez uma cesta, virou-se imediatamente para mim com um imenso sorriso para perguntar quanta grana eu levo nisto?. Não importa quão honestas forem as intenções de desenvolvimento, dispor do esporte para veicular mensagens, plataformas e recompensas, regularmente cria a expectativa de que o esporte é alguma coisa para ser realizada em função de motivações extrínsecas e despropositadas. Ironicamente, é claro, o apelo inicial e intuitivo do esporte é que ele deve ser divertido por ele mesmo. E ele pode ser. Em minha experiência, quando as crianças se envolvem em atividades esportivas e temporariamente esquecem as iscas que vêm agregadas às atividades de desenvolvimento pelo esporte, não importa qual agenda esteja sendo promovida, elas regularmente experimentam a imensa alegria que muitos de nós valorizamos no esporte. E, esta alegria quase sempre as leva para outras coisas. Mas, o esforço para fisgar as crianças pelo esporte igualmente produz um produto de desenvolvimento não intencional: a expectativa de que o esporte deve apenas ser praticado quando existe um retorno tangível imediato. O esporte cria laços comunitários? Do tempo em que trabalhei na República do Malawi tenho a lembrança clara de dirigir um ônibus na desorganizada capital do país, Lilongwe, de onde podia ver uma bandeira tremulando sobre a estrada empoeirada e de ficar chocado com a mensagem de um torneio escolar nacional de futebol que era reduzindo a delinqüência juvenil pelo esporte. O choque aconteceu porque eu havia passado um mês inteiro lendo e debatendo sobre os vários conflitos e brigas entre as escolas e as comunidades que estavam disputando aquele torneio. Muito longe de estar reduzindo a delinqüência juvenil, muitos malauianos que conheci discutiam se o torneio poderia continuar em meio à animosidade criada pelo próprio torneio. A intensa competição, em todas as partes do mundo, parece produzir um resultado similar. Quando as emoções estão altas e a competição é apaixonada, a agressão e o conflito raramente ficam para trás. Se considerarmos estes ingredientes, este resultado não pode ser uma surpresa. Neste quadro a única surpresa viria da freqüência com que o esporte é citado como promotor da paz. Existe um admirável ideal Olímpico sobre as pessoas colocando suas divergências de lado em nome do respeito pela competição. Mas também existe a realidade do esporte, da competição e da violência. O número de guerras que se iniciaram com o esporte é o mesmo que número de guerras que foram finalizadas com ele. Entretanto, quando figuras com a inteligência e dignidade de Kofi Annan e Nelson Mandela defendem que o esporte congrega as pessoas, eles não podem estar completamente errados. O esporte pode claramente servir para criar um objetivo comum 6

7 que permita a indivíduos que pertencem a uma comunidade unirem-se, como no caso da África do Sul depois do final do apartheid. Mas o esporte pode, simultaneamente, servir para criar uma inimizade fácil entre comunidades, como é o caso das recorrentes notícias de brigas que vemos entre torcedores de clubes rivais do futebol europeu. O ponto essencial em relação ao desenvolvimento pelo esporte é reconhecer que a habilidade que o esporte tem de agregar as pessoas e forjar experiências positivas de desenvolvimento está longe de ser uma coisa automática. As experiências com o esporte têm o potencial para antagonismo ou afeição; esta escolha sempre depende da natureza da competição e do cuidado com que cada programa é desenhado. Então, o que há de positivo sobre o desenvolvimento pelo esporte? Uma das minhas grandes motivações para meu interesse pelo desenvolvimento por meio de programas de esporte é a memória de sentar nos bancos escolares da universidade e ler e debater pontos de vista extraordinariamente críticos sobre o papel do esporte na nossa sociedade. Eu sentia que a visão crítica sobre o esporte sobre a qual líamos e debatíamos, uma visão do esporte como uma prática social impregnada de desigualdade e injustiças, não tinha nada a ver com minhas experiências pessoais e extremamente positivas no esporte. Assim, eu me sentia compelido a modificar esta visão para redimir o esporte perante os olhos de acadêmicos e cientistas sociais, estudando, então, como o desenvolvimento pelo esporte poderia acontecer. Agora que sou um cientista social, olho para esta minha resistência juvenil como algo tolo, mas não completamente equivocado. Se, por um lado, eu permaneço um fã de esportes, por outro lado eu me tornei uma espécie de intelectual pragmático. A popularidade do esporte faz com que ele seja alguma coisa que inevitavelmente será utilizada para objetivos de desenvolvimento. A forma como o esporte é utilizado o transforma em uma coisa que será inevitavelmente criticada pelos objetivos acadêmicos. E, a combinação dessas duas coisas faz do esporte uma coisa mais útil quando criticamente respeitado pela complexidade que ele traz em si como uma forma cultural vazia. Enfim, a má notícia sobre a compreensão do esporte como uma forma cultural vazia é que ele pode não ser a panacéia do desenvolvimento que algumas organizações e indivíduos gostariam de acreditar que ele fosse. Mas, a boa notícia é que assumir uma perspectiva crítica sobre a idéia do desenvolvimento pelo esporte pode permitir que a popularidade do esporte não seja uma coisa garantida. Enquanto o esporte não for uma panacéia, eu permanecerei convicto de que quando empregado de forma inteligente ele pode servir como influência de desenvolvimento positiva. Os milhares de sorrisos que eu tenho visto nos rostos das crianças que jogam e praticam o esporte, nas diversas e diferentes comunidades, não importa o quão complicadas sejam, dizem isto. 7

QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA!

QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA! QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA! NOSSA VISÃO Um mundo mais justo, onde todas as crianças e todos os adolescentes brincam, praticam esportes e se divertem de forma segura e inclusiva. NOSSO

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

Redação do Site Inovação Tecnológica - 28/08/2009. Humanos aprimorados versus humanos comuns

Redação do Site Inovação Tecnológica - 28/08/2009. Humanos aprimorados versus humanos comuns VOCÊ ESTÁ PREPARADO PARA CONVIVER COM OS HUMANOS APRIMORADOS? http://www.inovacaotecnologica.com.br/noticias/noticia.php?artigo=voce-esta-preparado-conviver-humanosaprimorados&id=010850090828 Redação do

Leia mais

2. REDUZINDO A VULNERABILIDADE AO HIV

2. REDUZINDO A VULNERABILIDADE AO HIV 2. REDUZINDO A VULNERABILIDADE AO HIV 2.1 A Avaliação de risco e possibilidades de mudança de comportamento A vulnerabilidade ao HIV depende do estilo de vida, género e das condições socioeconómicas. Isso

Leia mais

A alma da liderança Por Paulo Alvarenga

A alma da liderança Por Paulo Alvarenga A alma da liderança Por Paulo Alvarenga A palavra liderança é uma palavra grávida, tem vários significados. Desde os primórdios dos tempos a humanidade vivenciou exemplos de grandes líderes. Verdadeiros

Leia mais

Os sindicatos de professores habituaram-se a batalhar por melhores salários e condições de ensino. Também são caminhos trilhados pelas lideranças.

Os sindicatos de professores habituaram-se a batalhar por melhores salários e condições de ensino. Também são caminhos trilhados pelas lideranças. TEXTOS PARA O PROGRAMA EDUCAR SOBRE A APRESENTAÇÃO DA PEADS A IMPORTÂNCIA SOBRE O PAPEL DA ESCOLA Texto escrito para o primeiro caderno de formação do Programa Educar em 2004. Trata do papel exercido pela

Leia mais

Superando Seus Limites

Superando Seus Limites Superando Seus Limites Como Explorar seu Potencial para ter mais Resultados Minicurso Parte VI A fonte do sucesso ou fracasso: Valores e Crenças (continuação) Página 2 de 16 PARTE 5.2 Crenças e regras!

Leia mais

Dinâmicas para Jovens - Brincadeiras para Jovens Atividades para grupos. Quem sou eu? Dinâmica de Apresentação para Grupo de Jovens

Dinâmicas para Jovens - Brincadeiras para Jovens Atividades para grupos. Quem sou eu? Dinâmica de Apresentação para Grupo de Jovens Disponível no site Esoterikha.com: http://bit.ly/dinamicas-para-jovens Dinâmicas para Jovens - Brincadeiras para Jovens Atividades para grupos As dinâmicas de grupo já fazem parte do cotidiano empresarial,

Leia mais

ABCEducatio entrevista Sílvio Bock

ABCEducatio entrevista Sílvio Bock ABCEducatio entrevista Sílvio Bock Escolher uma profissão é fazer um projeto de futuro A entrada do segundo semestre sempre é marcada por uma grande preocupação para todos os alunos que estão terminando

Leia mais

Região. Mais um exemplo de determinação

Região. Mais um exemplo de determinação O site Psicologia Nova publica a entrevista com Úrsula Gomes, aprovada em primeiro lugar no concurso do TRT 8 0 Região. Mais um exemplo de determinação nos estudos e muita disciplina. Esse é apenas o começo

Leia mais

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Rene Baltazar Introdução Serão abordados, neste trabalho, significados e características de Professor Pesquisador e as conseqüências,

Leia mais

1. Você escolhe a pessoa errada porque você espera que ela mude após o casamento.

1. Você escolhe a pessoa errada porque você espera que ela mude após o casamento. 10 Maneiras de se Casar com a Pessoa Errada O amor cego não é uma forma de escolher um parceiro. Veja algumas ferramentas práticas para manter os seus olhos bem abertos. por Rabino Dov Heller, Mestre em

Leia mais

MOTIVAÇÃO E DESMOTIVAÇÃO NO APRENDIZADO DE LÍNGUAS

MOTIVAÇÃO E DESMOTIVAÇÃO NO APRENDIZADO DE LÍNGUAS MOTIVAÇÃO E DESMOTIVAÇÃO NO APRENDIZADO DE LÍNGUAS Prof. Dr. Richard Schütz www.sk.com.br Referência: SCHÜTZ, Ricardo. "Motivação e Desmotivação no Aprendizado de Línguas" English Made in Brazil .

Leia mais

3º Bimestre Pátria amada AULA: 127 Conteúdos:

3º Bimestre Pátria amada AULA: 127 Conteúdos: CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA I 3º Bimestre Pátria amada AULA: 127 Conteúdos: Elaboração de cenas e improvisação teatral de textos jornalísticos.

Leia mais

O Paradigma da nova liderança

O Paradigma da nova liderança O Paradigma da nova liderança Robert B. Dilts Um dos mais importantes conjuntos de habilidades Um dos mais importantes conjuntos de habilidades necessárias num mundo em transformação são as habilidades

Leia mais

Diversidade e Inclusão na Escola: Necessidades Especiais

Diversidade e Inclusão na Escola: Necessidades Especiais Diversidade e Inclusão na Escola: Necessidades Especiais Ex ore parvulorum veritas A A verdade sai da boca das crianças as. Ditado Latino Inclusão a qualquer custo? Má Inclusão Inferiorização + Aprendizado

Leia mais

Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo

Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo Brasília, 02 de janeiro de 2015. Ministra Miriam Belchior, demais autoridades, parentes e amigos aqui presentes.

Leia mais

Proteção Infanto-Juvenil no campo: uma Colheita para o Futuro

Proteção Infanto-Juvenil no campo: uma Colheita para o Futuro Proteção Infanto-Juvenil no campo: uma Colheita para o Futuro A Campanha Nacional pela Proteção Infanto-Juvenil no campo: uma colheita para o futuro, é uma ação estratégica do Movimento Sindical de Trabalhadores

Leia mais

FALANDO ABERTAMENTE SOBRE SUICÍDIO

FALANDO ABERTAMENTE SOBRE SUICÍDIO FALANDO ABERTAMENTE SOBRE SUICÍDIO MOMENTO DE DERRUBAR TABUS As razões podem ser bem diferentes, porém muito mais gente do que se imagina já teve uma intenção em comum. Segundo estudo realizado pela Unicamp,

Leia mais

5 Dicas Testadas para Você Produzir Mais na Era da Internet

5 Dicas Testadas para Você Produzir Mais na Era da Internet 5 Dicas Testadas para Você Produzir Mais na Era da Internet Uma das verdades absolutas sobre Produtividade que você precisa saber antes de seguir é entender que se ocupar não é produzir. Não sei se é o

Leia mais

Como fazer seu blog se destacar dos outros

Como fazer seu blog se destacar dos outros Como fazer seu blog se destacar dos outros Fama. Tráfego. Reconhecimento. Muito dinheiro no bolso. Esses itens certamente estão presentes na lista de desejos de quase todos os blogueiros. Afinal, ninguém

Leia mais

OS 4 PASSOS ALTA PERFORMANCE A PARTIR DE AGORA PARA VOCÊ COMEÇAR A VIVER EM HIGHSTAKESLIFESTYLE.

OS 4 PASSOS ALTA PERFORMANCE A PARTIR DE AGORA PARA VOCÊ COMEÇAR A VIVER EM HIGHSTAKESLIFESTYLE. OS 4 PASSOS PARA VOCÊ COMEÇAR A VIVER EM ALTA PERFORMANCE A PARTIR DE AGORA HIGHSTAKESLIFESTYLE. Hey :) Gabriel Goffi aqui. Criei esse PDF para você que assistiu e gostou do vídeo ter sempre por perto

Leia mais

Situação Financeira Saúde Física

Situação Financeira Saúde Física Um dia um amigo me fez uma séria de perguntas, que me fez refletir muito, e a partir daquele dia minha vida vem melhorando a cada dia, mês e ano. Acreditando que todos temos um poder interno de vitória,

Leia mais

Como a comunicação e a educação podem andar de mãos dadas 1

Como a comunicação e a educação podem andar de mãos dadas 1 Como a comunicação e a educação podem andar de mãos dadas 1 Entrevista com Ricardo de Paiva e Souza. Por Flávia Gomes. 2 Flávia Gomes Você acha importante o uso de meios de comunicação na escola? RICARDO

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

?- Período em que participavam das aulas.

?- Período em que participavam das aulas. Iniciativa Apoio como foi a campanha HISTÓRIAS EX ALUNOS 1997 2013 as perguntas eram relacionadas ao:?- Período em que participavam das aulas. - Impacto que o esporte teve na vida deles. - Que têm feito

Leia mais

Descrição e regras e dinâmica do jogo Unidos para produzir um lugar saudável - PDTSP TEIAS

Descrição e regras e dinâmica do jogo Unidos para produzir um lugar saudável - PDTSP TEIAS Descrição e regras e dinâmica do jogo Unidos para produzir um lugar saudável - PDTSP TEIAS Peças do jogo O jogo Unidos para produzir um lugar saudável PDTSP TEIAS Escola Manguinhos Versão inicial é composto

Leia mais

O papel da gerência em um ambiente de manufatura lean. Gary Convis, Presidente, Toyota Motor Manufacturing de Kentucky

O papel da gerência em um ambiente de manufatura lean. Gary Convis, Presidente, Toyota Motor Manufacturing de Kentucky O papel da gerência em um ambiente de manufatura lean Gary Convis, Presidente, Toyota Motor Manufacturing de Kentucky Tradução: Diogo Kosaka Gostaria de compartilhar minha experiência pessoal como engenheiro

Leia mais

CAPÍTULO 10. Enfoque Comportamental na Administração

CAPÍTULO 10. Enfoque Comportamental na Administração CAPÍTULO 10 Enfoque Comportamental na Administração MAXIMIANO /TGA Fig. 9.1 A produção robotizada, que ilustra o sistema técnico das organizações, contrasta com o sistema social, formado pelas pessoas

Leia mais

Manter se limpo na rua

Manter se limpo na rua Manter se limpo na rua Tradução de literatura aprovada pela Irmandade de NA. Copyright 1993 by Narcotics Anonymous World Services, Inc. Todos os direitos reservados Muitos de nós tiveram o primeiro contato

Leia mais

Philippe Perrenoud Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação Universidade de Genebra 2009

Philippe Perrenoud Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação Universidade de Genebra 2009 EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA: Passar do Discurso para a Ação Philippe Perrenoud Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação Universidade de Genebra 2009 1º Fórum de Ideias - Cambridge University Press

Leia mais

Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Cultura Contemporâneas. Grupo de Pesquisa em Interação, Tecnologias Digitais e Sociedade - GITS

Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Cultura Contemporâneas. Grupo de Pesquisa em Interação, Tecnologias Digitais e Sociedade - GITS Universidade Federal da Bahia Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Cultura Contemporâneas Grupo de Pesquisa em Interação, Tecnologias Digitais e Sociedade - GITS Reunião de 18 de junho de 2010 Resumo

Leia mais

5 Conversas à volta da Motivação

5 Conversas à volta da Motivação 5 Conversas à volta da Motivação SOFRE DA SÍNDROME DO CACHORRINHO? 2 Que limites impõe a si próprio? 1 Um#dos#problemas#que#mais#encontro#nas#vendas#de#hoje#em#dia#quando#trabalho#com# as#equipas#em#termos#de#formação#e#coaching#comercial#tem#a#ver#com#a#síndrome#do#

Leia mais

Gtp+ PROGRAMAS E PROJETOS Grupo de Trabalhos em Prevenção Posithivo (GTP+) Fundação em 2000, Recife-PE O Grupo de Trabalhos em Prevenção Posithivo é a única ONG da Região Nordeste do Brasil coordenada

Leia mais

ações de cidadania Atendimento direto ECE-SP recebe a comunidade com equipe qualificada e atividades orientadas Revista Linha Direta

ações de cidadania Atendimento direto ECE-SP recebe a comunidade com equipe qualificada e atividades orientadas Revista Linha Direta ações de cidadania Atendimento direto ECE-SP recebe a comunidade com equipe qualificada e atividades orientadas Valéria Araújo Quando crianças, adolescentes, jovens e familiares do distrito da Brasilândia

Leia mais

MÓDULO 5 O SENSO COMUM

MÓDULO 5 O SENSO COMUM MÓDULO 5 O SENSO COMUM Uma das principais metas de alguém que quer escrever boas redações é fugir do senso comum. Basicamente, o senso comum é um julgamento feito com base em ideias simples, ingênuas e,

Leia mais

Transcrição de Entrevista n º 22

Transcrição de Entrevista n º 22 Transcrição de Entrevista n º 22 E Entrevistador E22 Entrevistado 22 Sexo Masculino Idade 50 anos Área de Formação Engenharia Electrotécnica E - Acredita que a educação de uma criança é diferente perante

Leia mais

Teste sua empregabilidade

Teste sua empregabilidade Teste sua empregabilidade 1) Você tem noção absoluta do seu diferencial de competência para facilitar sua contratação por uma empresa? a) Não, definitivamente me vejo como um título de cargo (contador,

Leia mais

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias dezembro/2006 página 1 FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Bernardete Gatti: o país enfrenta uma grande crise na formação de seus professores em especial, de alfabetizadores.

Leia mais

ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos!

ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos! ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos! Documento final aprovado por adolescentes dos Estados do Amazonas, da Bahia, do Ceará, do Mato Grosso,

Leia mais

As fontes da nossa auto-imagem

As fontes da nossa auto-imagem AUTO IMAGEM O QUE EU ACHO DE MIM MESMO QUEM SOU EU E QUAL E O MEU VALOR? NARCISISMO (deus da mitologia grega que se apaixonou por si mesmo ao ver sua imagem refletida na água) AS FONTES DA NOSSA AUTO -

Leia mais

Inspirados pelo Autismo

Inspirados pelo Autismo INSPIRADOS PELO AUTISMO Inspirados pelo Autismo Folheto Informativo Recrutando Voluntários no Programa Son-Rise As seguintes informações foram retiradas de um resumo do manual do Start-Up, o curso de introdução

Leia mais

A PRÁTICA DA ATIVIDADE FÍSICA: SERÁ QUE EU CONSIGO? UM ENFOQUE PSICOLÓGICO 1

A PRÁTICA DA ATIVIDADE FÍSICA: SERÁ QUE EU CONSIGO? UM ENFOQUE PSICOLÓGICO 1 A PRÁTICA DA ATIVIDADE FÍSICA: SERÁ QUE EU CONSIGO? UM ENFOQUE PSICOLÓGICO 1 Márcia Pilla do Valle 2 Todos sabemos que a prática de uma atividade física é fundamental para a saúde do indivíduo. Cada vez

Leia mais

O bê-á-bá das finanças

O bê-á-bá das finanças 14/10/2014 às 05h00 O bê-á-bá das finanças Por Luciana Seabra De São Paulo Annamaria Lusardi: "É bom lembrar que o analfabetismo financeiro é regressivo. É um imposto sobre o pobre" A decepção das pessoas

Leia mais

A ideia inicial é tornar o conteúdo mais dinâmico, menos descritivo e valorizar mais as pesquisas, as atividades lúdicas, artísticas, investigativas

A ideia inicial é tornar o conteúdo mais dinâmico, menos descritivo e valorizar mais as pesquisas, as atividades lúdicas, artísticas, investigativas A ideia inicial é tornar o conteúdo mais dinâmico, menos descritivo e valorizar mais as pesquisas, as atividades lúdicas, artísticas, investigativas e as representações subjetivas sobre os conceitos estudados.

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 38 Discurso na cerimónia do V Encontro

Leia mais

Problemas, todos temos. Os chefes PONTO. direto ao

Problemas, todos temos. Os chefes PONTO. direto ao Se você usa alguma delas, entre imediatamente em estado de alerta; você pode não ser um líder tão capaz quanto imagina Problemas, todos temos. Os chefes então, nem se fale. Mas, se aqueles que são terríveis

Leia mais

Quem mais torce, incentiva, acompanha e

Quem mais torce, incentiva, acompanha e Capa esporte de pai para filho Edgard Rondina, o filho Felipe e uma paixão em comum: velejar no Lago Paranoá Por Leane Ribeiro Quem mais torce, incentiva, acompanha e muitas vezes até sofre com a carreira

Leia mais

11 Segredos para a Construção de Riqueza Capítulo II

11 Segredos para a Construção de Riqueza Capítulo II Capítulo II Mark Ford 11 Segredos para a Construção de Riqueza Capítulo Dois Como uma nota de $10 me deixou mais rico do que todos os meus amigos Das centenas de estratégias de construção de riqueza que

Leia mais

5Etapas Para Conseguir Clientes de Coaching,

5Etapas Para Conseguir Clientes de Coaching, 5Etapas Para Conseguir Clientes de Coaching, Consultoria, Terapias Holísticas e Para Encher Seus Cursos e Workshops. Parte 01 Como Se Posicionar e Escolher os Clientes dos Seus Sonhos 1 Cinco Etapas Para

Leia mais

Revisitando os Desafios da Web: Como Avaliar Alunos Online

Revisitando os Desafios da Web: Como Avaliar Alunos Online Revisitando os Desafios da Web: Como Avaliar Alunos Online Neide Santos neide@ime.uerj.br 2º Seminário de Pesquisa em EAD Experiências e reflexões sobre as relações entre o ensino presencial e a distância

Leia mais

difusão de idéias EDUCAÇÃO INFANTIL SEGMENTO QUE DEVE SER VALORIZADO

difusão de idéias EDUCAÇÃO INFANTIL SEGMENTO QUE DEVE SER VALORIZADO Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias outubro/2007 página 1 EDUCAÇÃO INFANTIL SEGMENTO QUE DEVE SER VALORIZADO Moysés Kuhlmann :A educação da criança pequena também deve ser pensada na perspectiva de

Leia mais

Entrevista A2. 2. Que idade tinhas quando começaste a pertencer a esta associação? R.: 13, 14 anos.

Entrevista A2. 2. Que idade tinhas quando começaste a pertencer a esta associação? R.: 13, 14 anos. Entrevista A2 1. Onde iniciaste o teu percurso na vida associativa? R.: Em Viana, convidaram-me para fazer parte do grupo de teatro, faltava uma pessoa para integrar o elenco. Mas em que associação? Na

Leia mais

Introdução. O que é um survey? Projeto de Surveys. Tópicos Especiais em E.S.: Surveys. Cleidson de Souza. representatividade de amostras;

Introdução. O que é um survey? Projeto de Surveys. Tópicos Especiais em E.S.: Surveys. Cleidson de Souza. representatividade de amostras; Introdução Tópicos Especiais em E.S.: Surveys Cleidson de Souza LABES - DI - UFPA cdesouza@ufpa.br! Um dos principais exemplos de pesquisa empírica:! Pesquisas de votos;! Pesquisas de opinião pública;!

Leia mais

PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária

PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária Apoio: Secretária municipal de educação de santo Afonso PROJETO INTERAÇÃO FAMÍLIA X ESCOLA: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA. É imperioso que dois dos principais

Leia mais

PESSOAS RESILIENTES: suas características e seu funcionamento

PESSOAS RESILIENTES: suas características e seu funcionamento CONNER, Daryl. Gerenciando na velocidade da mudança: como gerentes resilientes são bem sucedidos e prosperam onde os outros fracassam. Rio de Janeiro: Infobook, 1995. PESSOAS RESILIENTES: suas características

Leia mais

CENTRO DE MEMÓRIA DO ESPORTE ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROJETO GARIMPANDO MEMÓRIAS.

CENTRO DE MEMÓRIA DO ESPORTE ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROJETO GARIMPANDO MEMÓRIAS. CENTRO DE MEMÓRIA DO ESPORTE ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROJETO GARIMPANDO MEMÓRIAS DAURIMAR PINHEIRO LEÃO (depoimento) 2014 CEME-ESEF-UFRGS FICHA TÉCNICA Projeto:

Leia mais

Manifeste Seus Sonhos

Manifeste Seus Sonhos Manifeste Seus Sonhos Índice Introdução... 2 Isso Funciona?... 3 A Força do Pensamento Positivo... 4 A Lei da Atração... 7 Elimine a Negatividade... 11 Afirmações... 13 Manifeste Seus Sonhos Pág. 1 Introdução

Leia mais

Manual de Aplicação do Jogo da Escolha. Um jogo terapêutico para jovens usuários de drogas

Manual de Aplicação do Jogo da Escolha. Um jogo terapêutico para jovens usuários de drogas Manual de Aplicação do Jogo da Escolha Um jogo terapêutico para jovens usuários de drogas 1 1. Como o jogo foi elaborado O Jogo da Escolha foi elaborado em 1999 pelo Centro de Pesquisa em Álcool e Drogas

Leia mais

A DIVERSIDADE NA ESCOLA

A DIVERSIDADE NA ESCOLA Tema: A ESCOLA APRENDENDO COM AS DIFERENÇAS. A DIVERSIDADE NA ESCOLA Quando entrei numa escola, na 1ª série, aos 6 anos, tinha uma alegria verdadeira com a visão perfeita, não sabia ler nem escrever, mas

Leia mais

Trabalho apresentado no III Congresso Ibero-americano de Psicogerontologia, sendo de total responsabilidade de seu(s) autor(es).

Trabalho apresentado no III Congresso Ibero-americano de Psicogerontologia, sendo de total responsabilidade de seu(s) autor(es). O TRABALHO NA TERCEIRA IDADE: A CONTINUAÇÃO DE UMA IDENTIDADE SOCIAL? Rosimeire de Oliveira Sueli Galego de carvalho Universidade Presbiteriana Mackenzie São Paulo, Brasil Resumo O número de idosos tem

Leia mais

CARTA DE OTTAWA. PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986

CARTA DE OTTAWA. PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986 CARTA DE OTTAWA PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986 A Primeira Conferência Internacional sobre Promoção da Saúde, realizada em Ottawa, Canadá, em novembro

Leia mais

LEITURA DA ENTREVISTA 2. E Boa tarde. Desde já quero agradecer-lhe a sua disponibilidade para colaborar neste

LEITURA DA ENTREVISTA 2. E Boa tarde. Desde já quero agradecer-lhe a sua disponibilidade para colaborar neste LEITURA DA ENTREVISTA 2 E Boa tarde. Desde já quero agradecer-lhe a sua disponibilidade para colaborar neste trabalho que estou a desenvolver. Como lhe foi explicado inicialmente, esta entrevista está

Leia mais

Trabalho Finanças Estudos Lazeres Amigos Romance Família Espiritual Saúde

Trabalho Finanças Estudos Lazeres Amigos Romance Família Espiritual Saúde 1) A nossa Vida é composta por diversas vivências, nas quais avaliamos a nossa percepção de Felicidade. De zero a dez, que nota você dá para a sua SATISFAÇÃO ATUAL em cada uma das vivências da tabela abaixo?

Leia mais

COLTON BURPO. para criancas. com Sonja e Todd Burpo. A história real de um menino que esteve no céu e trouxe de lá uma mensagem

COLTON BURPO. para criancas. com Sonja e Todd Burpo. A história real de um menino que esteve no céu e trouxe de lá uma mensagem # # BASEADO NO LIVRO QUE MAIS VENDE EM PORTUGAL para criancas A história real de um menino que esteve no céu e trouxe de lá uma mensagem COLTON BURPO com Sonja e Todd Burpo Ilustrado por WILSON ONG O

Leia mais

Valores educacionais do Olimpismo

Valores educacionais do Olimpismo Valores educacionais do Olimpismo Aula 3 Busca pela excelência e equilíbrio entre corpo, vontade e mente Rio 2016 Versão 1.0 Objetivos 1 Detalhar o valor busca pela excelência 2 Apresentar estratégias

Leia mais

INTRODUÇÃO. Sobre o Sou da Paz: Sobre os Festivais Esportivos:

INTRODUÇÃO. Sobre o Sou da Paz: Sobre os Festivais Esportivos: 1 INTRODUÇÃO Sobre o Sou da Paz: O Sou da Paz é uma organização que há mais de 10 anos trabalha para a prevenção da violência e promoção da cultura de paz no Brasil, atuando nas seguintes áreas complementares:

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS Daniel Silveira 1 Resumo: O objetivo desse trabalho é apresentar alguns aspectos considerados fundamentais para a formação docente, ou

Leia mais

Judith H. Katz e Frederick A. Miller. seja. grande

Judith H. Katz e Frederick A. Miller. seja. grande Judith H. Katz e Frederick A. Miller seja grande Com amor, para David, meu parceiro de vida, que mantém sua fé em meu desejo de ser GRANDE; para Fred, que me ensinou o que realmente significa ousar dar

Leia mais

O QUE É PRECISO PARA SER UM GRANDE LÍDER

O QUE É PRECISO PARA SER UM GRANDE LÍDER LIDERANÇA O QUE É PRECISO PARA SER UM GRANDE LÍDER Roselinde Torres foco na pessoa 6 Por Roselinde Torres O que é preciso para ser um grande líder hoje? Muitos de nós temos a imagem de um líder como um

Leia mais

Estudo de Caso. Cliente: Rafael Marques. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses

Estudo de Caso. Cliente: Rafael Marques. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses Estudo de Caso Cliente: Rafael Marques Duração do processo: 12 meses Coach: Rodrigo Santiago Minha idéia inicial de coaching era a de uma pessoa que me ajudaria a me organizar e me trazer idéias novas,

Leia mais

Contexto. Rosana Jorge Monteiro Magni

Contexto. Rosana Jorge Monteiro Magni Título MUDANÇAS DE CONCEPÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE GEOMETRIA EM UM CURSO DE ATUALIZAÇÃO PARA PROFESSORES DE MATEMÁTICA DA EDUCAÇÃO BÁSICA Doutoranda da Universidade Anhangura/ Uniban

Leia mais

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense Projeto de Extensão Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense 1.0 - JUSTIFICATIVA Considerando que a Extensão Universitária tem entre as suas

Leia mais

Estruturas das Sessões em TCC

Estruturas das Sessões em TCC Estruturas das Sessões em TCC Eliana Melcher Martins - Mestre em Ciências pelo Depto. de Psicobiologia da UNIFESP - Especialista em Medicina Comportamental pela UNIFESP - Psicóloga Clínica Cognitivo Comportamental

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

A Tua Frase Poderosa. Coaches Com Clientes: Carisma. Joana Areias e José Fonseca WWW.COACHESCOMCLIENTES.COM

A Tua Frase Poderosa. Coaches Com Clientes: Carisma. Joana Areias e José Fonseca WWW.COACHESCOMCLIENTES.COM A Tua Frase Poderosa Coaches Com Clientes: Carisma Joana Areias e José Fonseca WWW.COACHESCOMCLIENTES.COM Introdução Neste pequeno texto pretendo partilhar contigo onde os coaches falham ao apresentarem-se

Leia mais

Transcrição de Entrevista n º 24

Transcrição de Entrevista n º 24 Transcrição de Entrevista n º 24 E Entrevistador E24 Entrevistado 24 Sexo Feminino Idade 47 anos Área de Formação Engenharia Sistemas Decisionais E - Acredita que a educação de uma criança é diferente

Leia mais

Estímulo Experimental: Texto para filmagem dos discursos políticos (Brasil Thad Dunning)

Estímulo Experimental: Texto para filmagem dos discursos políticos (Brasil Thad Dunning) Estímulo Experimental: Texto para filmagem dos discursos políticos (Brasil Thad Dunning) DISCURSOS 1, 2, 3 e 4 sem mensagem de raça ou classe (o texto do discurso é para ser lido duas vezes por cada ator,

Leia mais

Enquete para Pais ou Responsáveis

Enquete para Pais ou Responsáveis MEXT Ministério da Educação, Cultura, Esportes, Ciência e Tecnologia do Japão Avaliação Nacional do Desempenho Escolar e Condições do Aprendizado em 2013 Pesquisa detalhada Enquete para Pais ou Responsáveis

Leia mais

Este caderno é parte integrante da Revista APM Edição n 561 -Outubro de 2005

Este caderno é parte integrante da Revista APM Edição n 561 -Outubro de 2005 Este caderno é parte integrante da Revista APM Edição n 561 -Outubro de 2005 Cartilha Informativa sobre Drogas (Publicação em fascículos nas edições 557, 558, 559, 560, 561, 562, 563 e 564 da Revista A

Leia mais

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA RESUMO Os educadores têm se utilizado de uma metodologia Linear, que traz uma característica conteudista; É possível notar que o Lúdico não se limita

Leia mais

Estimados colegas representantes dos países membros do Fórum das Federações, Embaixadores e delegados

Estimados colegas representantes dos países membros do Fórum das Federações, Embaixadores e delegados PRESIDENCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS SUBCHEFIA DE ASSUNTOS FEDERATIVOS Assunto: DISCURSO DO EXMO. SUBCHEFE DE ASSUNTOS FEDERATIVOS DA SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS DA

Leia mais

AS MELHORES HISTÓRIAS E JOGOS PARA CRIANÇAS

AS MELHORES HISTÓRIAS E JOGOS PARA CRIANÇAS AS MELHORES HISTÓRIAS E JOGOS PARA CRIANÇAS em seu sm t e e tablet P fólio de H tóri Impressão de livros sob demanda para a sua empresa Escolha a sua! TIMOLICO E AMIGOS Público alvo: crianças de até 6

Leia mais

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA JURUMENHA, Lindelma Taveira Ribeiro. 1 Universidade Regional do Cariri URCA lindelmafisica@gmail.com FERNANDES, Manuel José Pina 2 Universidade Regional do Cariri

Leia mais

8 Passos para o Recrutamento Eficaz. Por Tiago Simões

8 Passos para o Recrutamento Eficaz. Por Tiago Simões 8 Passos para o Recrutamento Eficaz Por Tiago Simões Uma das coisas que aprendi na indústria de marketing de rede é que se você não tem um sistema de trabalho que comprovadamente funcione, muito provavelmente

Leia mais

Roteiro VcPodMais#005

Roteiro VcPodMais#005 Roteiro VcPodMais#005 Conseguiram colocar a concentração total no momento presente, ou naquilo que estava fazendo no momento? Para quem não ouviu o programa anterior, sugiro que o faça. Hoje vamos continuar

Leia mais

Fui, não: fui e sou. Não mudei a esse respeito. Sou anarquista.

Fui, não: fui e sou. Não mudei a esse respeito. Sou anarquista. Tínhamos acabado de jantar. Defronte de mim o meu amigo, o banqueiro, grande comerciante e açambarcador notável, fumava como quem não pensa. A conversa, que fora amortecendo, jazia morta entre nós. Procurei

Leia mais

A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram

A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram Esquema de Palestra I. Por Que As Pessoas Compram A Abordagem da Caixa Preta A. Caixa preta os processos mentais internos que atravessamos ao tomar uma

Leia mais

Dedico este livro a todas as MMM S* da minha vida. Eu ainda tenho a minha, e é a MMM. Amo-te Mãe!

Dedico este livro a todas as MMM S* da minha vida. Eu ainda tenho a minha, e é a MMM. Amo-te Mãe! Dedico este livro a todas as MMM S* da minha vida. Eu ainda tenho a minha, e é a MMM. Amo-te Mãe! *MELHOR MÃE DO MUNDO Coaching para Mães Disponíveis, www.emotionalcoaching.pt 1 Nota da Autora Olá, Coaching

Leia mais

Introdução. Introdução

Introdução. Introdução Prof. Dr. ANDERSON SONCINI PELISSARI Introdução O propósito do marketing e satisfazer as necessidades e desejos dos clientes-alvo. Dessa forma, a análise do comportamento do consumidor visa identificar

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

USP/EACH Gestão Ambiental ACH 113 Princípios de Administração. 2/2012. Profa. Dra. Sylmara Gonçalves Dias

USP/EACH Gestão Ambiental ACH 113 Princípios de Administração. 2/2012. Profa. Dra. Sylmara Gonçalves Dias USP/EACH Gestão Ambiental ACH 113 Princípios de Administração 2/2012. Profa. Dra. Sylmara Gonçalves Dias Evolução da Administração e as Escolas Clássicas Anteriormente XVIII XIX 1895-1911 1916 1930 Tempo

Leia mais

Este manual dirige-se aos jovens que, vendo o futebol como muito mais do que um mero jogo, se voluntariam para ajudar a treinar os seus colegas.

Este manual dirige-se aos jovens que, vendo o futebol como muito mais do que um mero jogo, se voluntariam para ajudar a treinar os seus colegas. Este manual dirige-se aos jovens que, vendo o futebol como muito mais do que um mero jogo, se voluntariam para ajudar a treinar os seus colegas. Manual elaborado pela equipa técnica do projeto MAIS JOVEM.

Leia mais

FACULDADE DE EDUCACAO DE COSTA RICA

FACULDADE DE EDUCACAO DE COSTA RICA FACULDADE DE EDUCACAO DE COSTA RICA DISCIPLINA: MOTIVACAO E ETICA LIDERAR PESSOAS ATRAVÉS DA MOTIVAÇÃO Por que as pessoas se comportam de certos modos? Liderar - é o processo de dirigir e influenciar as

Leia mais

! Pesquisas de votos; ! Serviços de qualidade; ! Pesquisas de opinião pública; ! Em quem você vai votar em Outubro?

! Pesquisas de votos; ! Serviços de qualidade; ! Pesquisas de opinião pública; ! Em quem você vai votar em Outubro? Introdução Tópicos Especiais em E.S.: Surveys Cleidson de Souza LABES - DI - UFPA cdesouza@ufpa.br! Um dos principais exemplos de pesquisa empírica:! Pesquisas de votos;! Serviços de qualidade;! Pesquisas

Leia mais

coleção Conversas #7 - ABRIL 2014 - f o? Respostas que podem estar passando para algumas perguntas pela sua cabeça.

coleção Conversas #7 - ABRIL 2014 - f o? Respostas que podem estar passando para algumas perguntas pela sua cabeça. Eu quero não parar coleção Conversas #7 - ABRIL 2014 - de consigo.o usar que eu drogas f o? aç e Respostas para algumas perguntas que podem estar passando pela sua cabeça. A Coleção CONVERSAS da Editora

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

O que fazer em meio às turbulências

O que fazer em meio às turbulências O que fazer em meio às turbulências VERSÍCULO BÍBLICO Façam todo o possível para viver em paz com todos. Romanos 12:18 OBJETIVOS O QUÊ? (GG): As crianças assistirão a um programa de auditório chamado Geração

Leia mais

LIDERANÇA. "Um exército de ovelhas liderado por um leão derrotaria um exército de leões liderado por uma ovelha." (Provérbio Árabe)

LIDERANÇA. Um exército de ovelhas liderado por um leão derrotaria um exército de leões liderado por uma ovelha. (Provérbio Árabe) LIDERANÇA "O grande líder é aquele que está disposto a desenvolver as pessoas até o ponto em que elas eventualmente o ultrapassem em seu conhecimento e habilidade." Fred A. Manske "Um exército de ovelhas

Leia mais

O ABC da gestão do desempenho

O ABC da gestão do desempenho Por Peter Barth O ABC da gestão do desempenho Uma ferramenta útil e prática para aprimorar o desempenho de pessoas e organizações 32 T&D INTELIGÊNCIA CORPORATIVA ED. 170 / 2011 Peter Barth é psicólogo

Leia mais