MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA CAMPUS DE GUARABIRA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA CAMPUS DE GUARABIRA"

Transcrição

1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA CAMPUS DE GUARABIRA Umberto Gomes da Silva Júnior DIRETOR GERAL Responsabilidade técnica: Prof. Dr. Jimmy de Almeida Léllis Prof. Dr. Ridelson Farias de Sousa Raphaella de Araújo Lima - Estagiária Emanoela Moura Toscano - Estagiária João Pessoa, Janeiro de 2013

2 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA IFPB João Batista de Oliveira Silva Reitor Paulo de Tarso Costa Henriques Pró-Reitor de Ensino Responsabilidade técnica: Prof. Dr. Jimmy de Almeida Léllis Prof. Dr. Ridelson Farias de Sousa Raphaella de Araújo Lima - Estagiária Emanoela Moura Toscano - Estagiária

3 IFPB PRESENTE EM TODAS AS 12 REGIÕES GEOADMINISTRATIVAS DO ESTADO

4 ABRANGÊNCIA DE CADA CAMPUS RAIO DE 50km

5 IFPB Presente em todas as Regiões Geoadministrativas IFPB - Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba

6 IFPB INSTITUIÇÃO MULTICAMPI EM EXPANSÃO EXPANSÃO III SEIS NOVOS CAMPI

7 IFPB INSTITUIÇÃO MULTICAMPI EM EXPANSÃO Educação nunca foi despesa. Sempre foi investimento com retorno garantido (Arthur Lewis)

8 O que são os Institutos Federais? Federais LEI nº , de 29 de dezembro de Institui a Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica, cria os Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia e dá outras providências. Art. 2º Os Institutos Federais são instituições de educação superior, básica e profissional, pluricurriculares e multicampi, especializados na oferta de educação profissional e tecnológica nas diferentes modalidades de ensino, com base na conjugação de conhecimentos técnicos e tecnológicos às suas práticas pedagógicas, nos termos desta Lei. IFPB - Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba

9 O que fazem os Institutos Federais? Federais I ministra educação profissional técnica de nível médio, prioritariamente na forma de cursos integrados, para os concluintes do ensino fundamental e para o público da educação de jovens e adultos; II ministra cursos de formação inicial e continuada de trabalhadores, objetivando a capacitação, o aperfeiçoamento, a especialização e a atualização de profissionais, em todos os níveis de escolaridade, nas áreas da educação profissional e tecnológica; III realiza pesquisas aplicadas, estimulando o desenvolvimento de soluções técnicas e tecnológicas, estendendo seus benefícios à comunidade; IFPB - Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba

10 O que fazem os Institutos Federais? Federais IV desenvolve atividades de extensão de acordo com os princípios e finalidades da educação profissional e tecnológica, em articulação com o mundo do trabalho e os segmentos sociais e com ênfase na produção, desenvolvimento e difusão de conhecimentos científicos e tecnológicos; V estimula e apoia processos educativos que levem à geração de trabalho e renda, e à emancipação do cidadão na perspectiva do desenvolvimento socioeconômico local e regional; VI ministra em nível de educação superior: a) cursos superiores de tecnologia; b) cursos de licenciatura; c) cursos de bacharelado e engenharia; d) cursos de pós-graduação lato sensu de aperfeiçoamento e especialização; e e) cursos de pós-graduação stricto sensu de mestrado e doutorado. IFPB - Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba

11 Cursos Técnicos Integrado Curso destinado a quem terminou o ensino fundamental e deseja obter uma capacitação técnica profissional junto ao ensino médio, em uma única instituição. A duração média do curso técnico integrado é de 4 anos. Subsequente Curso destinado àqueles que já concluíram o ensino médio. Neste caso, o aluno cursará apenas as disciplinas referentes ao currículo profissional. A duração média do curso técnico subsequente é de 2 anos. Uma jornada de duzentos quilômetros começa com o primeiro passo. (Provérbio Chinês) IFPB - Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba

12 O que é Pesquisa e Extensão para os Institutos Federais? Pesquisa ESTATUTO DO IFPB Art. 32. As ações de pesquisa constituem um processo educativo para a investigação, formação e o empreendedorismo, visando à inovação e à solução de problemas científicos e tecnológicos, envolvendo todos os níveis e modalidades de ensino, com vistas ao desenvolvimento social. Art. 33. As atividades de pesquisa têm como objetivo formar recursos humanos para a investigação..., [...] sendo desenvolvidas em articulação como ensino e a extensão, ao longo de toda a formação profissional. IFPB - Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba

13 O que é Pesquisa e Extensão para os Institutos Federais? Extensão ESTATUTO DO IFPB Art. 30. A Extensão é um processo educativo, cultural e científico, articulado ao ensino e à pesquisa, de modo indissociável, que promove a relação transformadora entre o IFPB e a sociedade, por meio de ações acadêmicas, de natureza contínua, que visem tanto à qualificação prática e à formação cidadã do discente quanto à melhoria da qualidade de vida da comunidade envolvida. Art. 31. As Ações de Extensão serão desenvolvidas por meio de programas, projetos, cursos, eventos, prestação de serviços tecnológicos, difusão cultural, ação comunitária, com o objetivo de apoiar o desenvolvimento socioeconômico local e regional. IFPB - Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba

14 O que é Pesquisa e Extensão para os Institutos Federais? Pesquisa e ênfase na produção e desenvolvimento de conhecimentos científicos e tecnológicos. IFPB - Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba Extensão ênfase na difusão de conhecimentos científicos e tecnológicos;

15 Cursos Superiores CSTs Têm por objetivo formar profissionais voltados para o mercado de trabalho, aptos a desenvolver, de forma plena e inovadora, as atividades em determinado eixo tecnológico, ou seja, Curso Superior voltado para um mercado de trabalho específico, com duração aproximada de 3 anos. Bacharelados Oferecem uma formação mais ampla e habilita o egresso para o exercício profissional em uma determinada área. Duração de aproximadamente 4 anos. Licenciaturas Cursos Superiores que habilitam o profissional a exercer a docência em determinada área do conhecimento na educação básica. Duração aproximada de 3,5 a 4 anos. IFPB - Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba

16 Estrutura do Sistema de Ensino do IFPB IFPB - Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba

17 Estrutura do IFPB O IFPB possui um modelo de administração descentralizada em todos os seus campi, de acordo com o art.9 da Lei n /2008. A descentralização se dá através de delegação de competência conferida pelo Reitor, aos dirigentes dos Campi, mantidas as prerrogativas de coordenação e supervisão pelos Órgãos da Administração Superior. IFPB - Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba

18 Normas do IFPB Estatuto; Regimento Geral; Conselho Superior; Colégio de Dirigentes; Planos de Desenvolvimento Institucional; Relatórios Anuais de Gestão; Normas Disciplinares; Normas Didáticas; Dentre outras. IFPB - Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba

19 Qual a missão dos Institutos Federais? Preparar profissionais cidadãos com sólida formação humanística e tecnológica para atuarem no mundo do trabalho e na construção de uma sociedade sustentável, justa e solidária, integrando o ensino, a pesquisa e a extensão. Apoiar os Arranjos Produtivos Locais (APLs) da região geoadministrativa: Ofertar cursos relacionados ao desenvolvimento local e regional observando os APLs e as demandas educacionais, sociais e econômicos de cada região onde os campi estão instalados, em todos os níveis de ensino. IFPB - Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba

20 O que são APLs? São aglomerações de empresas, localizadas em um mesmo território, que apresentam especialização produtiva e mantêm vínculos de articulação, interação, cooperação e aprendizagem entre si e com outros atores locais, tais como: governo, associações empresariais, instituições de crédito, ensino e pesquisa (Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, 2011). IFPB - Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba

21 Escola de Aprendizes Artífices a IFPB <<< O IFPB foi criado em 1909 >>> Finalidade de ofertar ensino profissional, primário (hoje chamado ensino fundamental menor) e gratuito para pessoas desfavorecidas e indigentes. Ele se origina da Escola de Aprendizes Artífices da Parahyba (1909 a 1937) localizada em João Pessoa e da Escola de Economia Doméstica Rural (1955 a 1979) situada em Sousa. IFPB - Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba

22 Escola de Aprendizes Artífices a IFPB IFPB - Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba

23 Escola de Aprendizes Artífices a IFPB Plano de Expansão da Rede Federal de Educação Profissional e Tecnológica ª fase 1909 a 2002 foram construídas 140 unidades de ensino no âmbito federal. construção de 64 novas unidades, incluindo a Unidade Descentralizada de Campina Grande, vinculada ao CEFET-PB, que começou a operar em 2007, mas somente em 2008 em instalações próprias ª fase Lei Nº mais de novas unidades, perfazendo total de unidades, o final institui a Rede Federal de Educação, Científica e Tecnológica, criando os Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia. A Paraíba passa a dispor de um Instituto Federal (IFPB) mediante integração do CEFET-PB e da EAF Sousa. 150 um 354 até de O CEFET-PB foi contemplado com novas 5 unidades.

24 Escola de Aprendizes Artífices a IFPB Plano de Expansão da Rede Federal de Educação Profissional e Tecnológica Lei Nº ª fase A nova instituição, com reitoria sediada em João Pessoa, passa a contar com os campi de João Pessoa, Cajazeiras, Campina Grande, Sousa, Cabedelo, Monteiro, Patos, Picuí, Princesa Isabel. mais de 150 novas unidades, perfazendo um total de 354 unidades, até o final de O IFPB foi contemplado com novas 6 campi. Além dos nove Campi, O IFPB passa a contar com os campi de Catolé do Rocha, Itaporanga, Esperança, Guarabira, Itabaiana e Santa Rita. 15 CAMPI NO ESTADO DA PARAÍBA

25 IFPB INSTITUIÇÃO MULTICAMPI EM EXPANSÃO COM 10 CAMPI OPERANDO

26 IFPB CAMPI OPERANDO SITUAÇÃO ATUAL CURSO SUPERIOR CURSO TÉCNICO Tecnologia Bacharelado Licenciatura Integrado Subsequente Automação Industrial Administração Química Contabilidade Edificações Construção de Edifícios Engenharia Elétrica Controle Ambiental Eletrotécnica Design de Interiores Edificações Eletrônica Geoprocessamento Eletrotécnica Equipamentos Biomédicos Gestão Ambiental Eletrônica Instrumento Musical Negócios Imobiliários Mecânica Mecânica Redes de Computadores Telecomunicações Sistemas para Internet Total de Cursos no Campus 24

27 IFPB CAMPI OPERANDO SITUAÇÃO ATUAL Tecnologia Agroecologia Alimentos CURSO SUPERIOR Bacharelado Licenciatura Medicina Veterinária Química 2 1 CURSO TÉCNICO Integrado Subsequente Agroindústria Agroindústria Agropecuária Agropecuária Informática Informática Meio Ambiente 1 4 Total de Cursos no Campus 3 11

28 IFPB CAMPI OPERANDO SITUAÇÃO ATUAL CURSO SUPERIOR Tecnologia Licenciatura Construção de Edifícios Matemática Telemática 2 CURSO TÉCNICO Integrado Subsequente Informática Manutenção e Suporte em Informática Manutenção e Suporte em Informática Mineração Mineração Petróleo e Gás Total de Cursos no Campus 9

29 IFPB CAMPI OPERANDO SITUAÇÃO ATUAL CURSO SUPERIOR Tecnologia Análise e Desenvolvimento de Sistemas Automação Industrial 2 CURSO TÉCNICO Integrado Subsequente Edificações Edificações Eletromecânica Eletromecânica Manutenção e Suporte em Informática Licenciatura Matemática 1 3 Total de Cursos no Campus 2 8

30 IFPB CAMPI OPERANDO SITUAÇÃO ATUAL CURSO SUPERIOR Tecnologia Análise e Desenvolvimento de Sistemas Construção de Edifícios 2 CURSO TÉCNICO Integrado Subsequente Manutenção e Suporte em Informática Manutenção e Suporte em Informática Instrumento Musical 2 Total de Cursos no Campus 1 5

31 IFPB CAMPI OPERANDO SITUAÇÃO ATUAL CURSO SUPERIOR Tecnologia Agroecologia CURSO TÉCNICO Integrado Subsequente Manutenção e Suporte em Informática Manutenção e Suporte em Informática Edificações Mineração 1 2 Total de Cursos no Campus 2 5

32 IFPB CAMPI OPERANDO SITUAÇÃO ATUAL CURSO SUPERIOR Tecnologia Segurança no Trabalho CURSO TÉCNICO Integrado Subsequente Manutenção e Suporte em Informática Manutenção e Suporte em Informática Edificações Edificações Eletrotécnica 1 2 Total de Cursos no Campus 3 6

33 IFPB CAMPI OPERANDO SITUAÇÃO ATUAL CURSO SUPERIOR Tecnologia Design Gráfico Integrado Pesca Meio Ambiente 1 CURSO TÉCNICO Subsequente Pesca Meio Ambiente 2 Total de Cursos no Campus 2 5

34 IFPB CAMPI OPERANDO SITUAÇÃO ATUAL CURSO SUPERIOR Tecnologia Gestão Ambiental Integrado Controle Ambiental Edificações 1 CURSO TÉCNICO Subsequente Edificações Manutenção e Suporte em Informática 2 Total de Cursos no Campus 2 5

35 IFPB CAMPI OPERANDO SITUAÇÃO ATUAL OPERANDO EM ESTRUTURA PROVISÓRIA CURSO SUPERIOR Tecnologia Gestão Comercial Integrado Contabilidade 1 CURSO TÉCNICO Subsequente Informática 1 Total de Cursos no Campus 1 3

36 IFPB INFRAESTRUTURA ANEXA SITUAÇÃO ATUAL

37 IFPB - ENSINO SITUAÇÃO ATUAL FIC MULHERES MIL NÚMERO TOTAL DE ALUNOS MATRICULADOS NO IFPB TÉCNICO SUPERIOR DE TECNOLOGIA BACHARELADO LICENCIATURA ESPECIALIZAÇÃO TOTAL DE MATRICULADOS O IFPB também oferta vagas para: EAD PROEJA PRONATEC MESTRADO - Engenharia Elétrica IFPB - Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba

38 IFPB ENSINO NÚMERO TOTAL DE ALUNOS MATRICULADOS IFPB - Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba

39 IFPB ENSINO NÚMERO TOTAL DE ALUNOS MATRICULADOS Alunos matriculados Cursos Quantidade Técnico Superior de Tecnologia Bacharelado 969 FIC 914 Licenciatura 647 Mulheres Mil 301 Especialização Lato Sensu 38 Total PERCENTUAL DE ALUNOS MATRICULADOS NAS DIVERSAS FORMAÇÕES OFERTADAS PELO IFPB IFPB - Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba

40 IFPB ENSINO EAD Licenciatura em Letras com Habilitação em Língua Portuguesa POLO João Pessoa Campina Grande Picuí Sousa Total VAGAS OFERTADAS Curso Técnico em Segurança no Trabalho POLO VAGAS OFERTADAS Guarabira 50 Picuí 50 Cajazeiras 50 Sousa 50 Monteiro 50 Patos 50 Total 300

41 IFPB ENSINO EAD Bacharelado em Administração Pública POLO Alagoa Grande Araruna Lucena Mari Total VAGAS OFERTADAS Especialização em Gestão Pública POLO Araruna Itaporanga Lucena Mari Taperoá Total VAGAS OFERTADAS Sistema Universidade Aberta do Brasil (UAB)

42 IFPB - PESQUISA SITUAÇÃO ATUAL PIBICT/IFPB (Nível Técnico) PIBICT/IFPB (Nível Graduação) PROGRAMAS INSTITUCIONAIS DE BOLSAS Pesquisador/IFPB PIBIC/CNPq PIBIC-EM/CNPq PIBITI/CNPq TOTAL DE 228 BOLSAS IFPB - Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba

43 IFPB PESQUISA PROGRAMAS INSTITUCIONAIS DE BOLSAS

44 IFPB - PESQUISA GRUPOS DE PESQUISA GRUPOS DE PESQUISA INSCRITOS NO CNPQ E CERTIFICADOS PELO IFPB 26 Campus de João Pessoa 05 Campus de Sousa 02 Campus de Picuí 02 Campus de Campina Grande 01 Campus de Cajazeiras 02 Campus de Cabedelo TOTAL DE 38 GRUPOS

45 IFPB PESQUISA GRUPOS DE PESQUISA

46 IFPB - EXTENSÃO SITUAÇÃO ATUAL PROGRAMAS INSTITUCIONAIS DE BOLSAS PROBEXT/IFPB (Discente) PROBEXT/IFPB (Servidor) TOTAL DE 141 BOLSAS IFPB - Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba

47 IFPB EXTENSÃO PROGRAMAS INSTITUCIONAIS DE BOLSAS

48 IFPB EXTENSÃO PROGRAMAS INSTITUCIONAIS DE BOLSAS

49 IFPB QUADRO DE DOCENTES SITUAÇÃO ATUAL Professores efetivos DOCENTES POR CAMPI Professores substitutos TOTAL DE 812 DOCENTES IFPB - Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba

50 IFPB DOCENTES DOCENTES POR CAMPI

51 IFPB DOCENTES DOCENTES POR CAMPI /TITULAÇÃO

52 IFPB DOCENTES Docentes Efetivos Titulação Quantidade Doutorado 112 Mestrado 351 Especialização 178 Aperfeiçoamento 16 Graduação 103 Ensino Médio 4 Total 764 PERCENTUAL DE DOCENTES EFETIVOS DOCENTES POR TITULAÇÃO Docentes Substitutos Titulação Quantidade Doutorado 2 Mestrado 13 Especialização 5 Graduação 26 Total 46 PERCENTUAL DE DOCENTES SUBSTITUTOS

53 CAMPUS DE GUARABIRA Região Geoadministrativa de Guarabira 2ª REGIÃO GEOADMINISTRATIVA 25 municípios ÁREA 3.076km², km2 POPULAÇÃO habitantes DENSIDADE DEMOGRÁFICA 99,44 hab/km2

54 CAMPUS DE GUARABIRA Região Geoadministrativa de Guarabira MUNICÍPIO SEDE Guarabira ÁREA Km2 Km2 POPULAÇÃO habitantes DENSIDADE DEMOGRÁFICA 99,50 hab/km2

55 CAMPUS DE GUARABIRA Projeto Arquitetônico Fachada Guarita

56 CAMPUS DE GUARABIRA Projeto Arquitetônico Fachada Bloco Administrativo

57 CAMPUS DE GUARABIRA Projeto Arquitetônico Fachada Bloco Acadêmico

58 Indicadores sociais e econômicos da Região de Guarabira Indicadores sociais e econômicos CAGED Admissões (Jul/2010 a Jul/2011 População Percentual do PIB da região e do Estado Candidatos em Potencial Alunos matriculados administrativa por dependência IFPB - Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba

59 Quais os APLs encontrados na região de Guarabira? Guarabira ÁREAS DE ATUAÇÃO - INDÚSTRIA: Confeccões e Vestuário Cosntrução Civil Plásticos Indústria de Aves e Ovos - COMÉRCIO: Móveis residenciais e para escritório Farmácias Cama, Mesa e Banho Informática e Telefonia - SERVIÇOS: Vestuário Telefonia e Telecomunicações Bebidas Serviços Bancários Calçados Informática Eletrodomésticos Serviços Gráficos Supermercados e Mercearias -Bares e Restaurantes Jóias/bijuterias -Clínicas Médicas e Odontológicas Bazar e Papelaria -Hospital e Maternidade Perfumarias e Cosmética -Escritórios de Advocacia Polo Distribuidor -Serviços Contábeis IFPB - Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba

60 Por que estudar no Campus do IFPB de Guarabira? Guarabira Ensino gratuito e de qualidade; Cursos voltados para o mercado de trabalho local; Quadro de professores formado por mestres e doutores; Formação profissional de nível Técnico e Superior; Cursos Técnicos Integrados ao ensino médio e Subsequentes; Oportunidade de participar de pesquisas de iniciação cientifica; Participar de atividades de Extensão; Adquirir competências para a vida pessoal e profissional; Estar apto a desenvolver suas atribuições no mercado de trabalho. Aprender é a única coisa de que a mente nunca se cansa, nunca tem medo e nunca se arrepende. (Leonardo da Vinci) IFPB - Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba

61 CAMPUS DE GUARABIRA Assistência Estudantil Programas da Política de Assistência Estudantil: Moradia; Transporte; Alimentação.

62 IFPB CAMPUS DE GUARABIRA Cursos Ofertados Cursos Superiores Tecnólogo em Gestão Comercial (Eixo Temático Gestão e Negócios) Cursos Técnicos Integrados Técnico em Contabilidade (Eixo Temático Gestão e Negócios) Cursos Técnicos Subsequentes Técnico em Informática (Eixo Temático Informação e Comunicação) IFPB - Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba

63 IFPB CAMPUS DE GUARABIRA Comunidade Acadêmica Professores - 17 Técnicos administrativos - 9 Alunos IFPB - Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba

64 CAMPUS DE GUARABIRA Como ingressar nos Cursos? Cursos Cursos Superiores Sistema informatizado, gerenciado pelo MEC, no qual instituições públicas de ensino superior oferecem vagas para candidatos participantes do Enem. Cursos Técnicos PSCT - COMPEC

65 Obrigado!

CAMPUS DE ESPERANÇA IMPLANTAÇÃO

CAMPUS DE ESPERANÇA IMPLANTAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA CAMPUS DE ESPERANÇA IMPLANTAÇÃO X DIRETOR GERAL E-MAIL Responsabilidade técnica:

Leia mais

P A L N A O N O D E D E E X E P X A P N A S N Ã S O Ã O I II

P A L N A O N O D E D E E X E P X A P N A S N Ã S O Ã O I II PLANO DE EXPANSÃO III (2011 2014) ESTUDO DE VIABILIDADE Equipe Técnica Responsável: Prof. Dr. Jimmy de Almeida Léllis - Coordenador Prof. Dr. Ridelson Farias de Sousa - Coordenador Prof. M.Sc. Thiago José

Leia mais

P A L N A O N O D E D E E X E P X A P N A S N Ã S O Ã O I II

P A L N A O N O D E D E E X E P X A P N A S N Ã S O Ã O I II PLANO DE EXPANSÃO III (2011 2014) ESTUDO DE VIABILIDADE Equipe Técnica Responsável: Prof. Dr. Jimmy de Almeida Léllis - Coordenador Prof. Dr. Ridelson Farias de Sousa - Coordenador Prof. M.Sc. Thiago José

Leia mais

E T S UD U O D D E D E VI V A I B A I B L I ID I AD A E D E DE D

E T S UD U O D D E D E VI V A I B A I B L I ID I AD A E D E DE D ESTUDO DE VIABILIDADE DE CURSOS Equipe Técnica Responsável: Prof. Dr. Jimmy de Almeida Léllis - Coordenador Prof. Dr. Ridelson Farias de Sousa Coordenador Prof. M.Sc. José Elber Marques Barbosa Emmanuel

Leia mais

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 239, DE 2012

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 239, DE 2012 SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 239, DE 2012 O CONGRESSO NACIONAL decreta: Altera a Lei nº 11.892, de 29 de dezembro de 2008, que institui a Rede Federal de Educação Profissional, Científica

Leia mais

Presidência da República

Presidência da República Página 1 de 5 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 6.095, DE 24 DE ABRIL DE 2007. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84,

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE ENSINO COMUNICADO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE ENSINO COMUNICADO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE ENSINO João Pessoa, 19 de julho de 2014 COMUNICADO Divulgamos, em anexo, o

Leia mais

ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL

ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL Resumo Gabriel Mathias Carneiro Leão1 - IFPR, UFPR Rosane de Fátima Batista Teixeira2 - IFPR Grupo de Trabalho Cultura, Currículo e Saberes

Leia mais

CEFET-RJ para onde vamos? Fevereiro de 2013 Rio de Janeiro

CEFET-RJ para onde vamos? Fevereiro de 2013 Rio de Janeiro CEFET-RJ para onde vamos? Fevereiro de 2013 Rio de Janeiro Nenhum vento sopra a favor, de quem não sabe para onde ir. (Lucius A. Sêneca) Sumário O resultado do CPC Engenharia Estudantes e professores do

Leia mais

2 Oferta de cursos técnicos e superiores por eixo tecnológico, por Campus. Taxa de ingresso nos cursos técnicos na forma de oferta, por Campus

2 Oferta de cursos técnicos e superiores por eixo tecnológico, por Campus. Taxa de ingresso nos cursos técnicos na forma de oferta, por Campus PERSPECTIVA OBJETIVO INDICADOR META RESULTADOS INSTITUCIONAIS 1 Nº de cursos técnicos e superiores, articulados com os arranjos produtivos locais por Campus; 2 Oferta de cursos técnicos e superiores por

Leia mais

Resolução 001/2011 - Conselho Superior/02/05/2011. Órgão Emissor: Conselho Superior do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Catarinense

Resolução 001/2011 - Conselho Superior/02/05/2011. Órgão Emissor: Conselho Superior do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Catarinense Resolução 001/2011 - Conselho Superior/02/05/2011. Órgão Emissor: Conselho Superior do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Catarinense O Reitor do Instituto Federal de Educação, Ciência

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLOGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO NOME DO CURSO Curso Superior de Tecnologia

Leia mais

Contribuição dos Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia para as Organizações Produtivas e o Desenvolvimento Local

Contribuição dos Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia para as Organizações Produtivas e o Desenvolvimento Local Contribuição dos Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia para as Organizações Produtivas e o Desenvolvimento Local 4ª Conferência Brasileira de Arranjos Produtivos Locais Brasília, 29 de

Leia mais

Seleção Discente no IFRN

Seleção Discente no IFRN SEMINÁRIO DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR SAES 2015 Mesa Redonda 3 Processos seletivos próprios: Seriados e Exames de Seleção Seleção Discente no IFRN Prof. José Everaldo Pereira Coordenador de Acesso Discente

Leia mais

CAMPUS. Alcântara CAMPUS FORMA EIXO CONFORME CATÁLOGO NOME DO CURSO

CAMPUS. Alcântara CAMPUS FORMA EIXO CONFORME CATÁLOGO NOME DO CURSO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO MARANHÃO PRÓ-REITORIA DE ENSINO CURSOS TÉCNICOS E SUPERIORES DOS PELO IFMA 2012 CAMPUS FORMA EIXO Alcântara Técnico Subsequente Controle e Processos

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Brasília Edital nº 20/CGPE/PRDI/IFB, de 18 de Dezembro de 2009.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Brasília Edital nº 20/CGPE/PRDI/IFB, de 18 de Dezembro de 2009. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Brasília Edital nº 20/CGPE/PRDI/IFB, de 18 de Dezembro de 2009. PROCESSO DE REMOÇÃO INTERNA DE SERVIDORES DOCENTES. Considerando

Leia mais

DA ESCOLA DE APRENDIZES ARTÍFICES AO IFAM: UM BREVE HISTÓRICO SOBRE O PROCESSO DE IFETIZAÇÃO NO AMAZONAS.

DA ESCOLA DE APRENDIZES ARTÍFICES AO IFAM: UM BREVE HISTÓRICO SOBRE O PROCESSO DE IFETIZAÇÃO NO AMAZONAS. DA ESCOLA DE APRENDIZES ARTÍFICES AO IFAM: UM BREVE HISTÓRICO SOBRE O PROCESSO DE IFETIZAÇÃO NO AMAZONAS. Martinho Correia Barros Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas martinho.correia@ifam.edu.br

Leia mais

PARECER. Justificativa

PARECER. Justificativa Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás IFG - Campus Anápolis Departamento das Áreas Acadêmicas Parecer: Do:

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DA PARAÍBA COORDENAÇÃO PERMANENTE DE CONCURSOS PÚBLICOS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DA PARAÍBA COORDENAÇÃO PERMANENTE DE CONCURSOS PÚBLICOS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DA PARAÍBA COORDENAÇÃO PERMANENTE DE CONCURSOS PÚBLICOS PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PROFESSOR SUBSTITUTO DA CARREIRA

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO AMAZONAS

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO AMAZONAS INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO AMAZONAS Centro Federal de Educação Tecnológica do Amazonas CEFET-AM Lei Nº 11. 892, de 29 de dezembro de 2008, Art. 5º, inciso IV, criou o Instituto

Leia mais

Pró-Reitoria de Extensão, Pesquisa e Inovação Diretoria de Extensão e Políticas de Inclusão Programa de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego - PRONATEC

Pró-Reitoria de Extensão, Pesquisa e Inovação Diretoria de Extensão e Políticas de Inclusão Programa de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego - PRONATEC Pró-Reitoria de Extensão, Pesquisa e Inovação Diretoria de Extensão e Políticas de Inclusão Programa de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego - PRONATEC Retificação do EDITAL Nº 002/2012 PRONATEC/IFPR PROCESSO

Leia mais

Políticas para a Educação Superior

Políticas para a Educação Superior Políticas para a Educação Superior A experiência da UFERSA Prof. Augusto Carlos Pavão Pró-Reitor de Graduação A Universidade Políticas Públicas Expansão Acesso Interiorização SISU Lei das Cotas PIBID Bolsas

Leia mais

Projeto Pedagógico do Curso Licenciatura em Computação na modalidade a distância

Projeto Pedagógico do Curso Licenciatura em Computação na modalidade a distância Ministério da Educação Secretaria de Educação Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba Projeto Pedagógico do Curso Licenciatura em Computação na modalidade a distância

Leia mais

RESOLUÇÃO UnC-CONSUN 033/2012 (PARECER Nº 045/2012 CONSUN)

RESOLUÇÃO UnC-CONSUN 033/2012 (PARECER Nº 045/2012 CONSUN) RESOLUÇÃO UnC-CONSUN 033/2012 (PARECER Nº 045/2012 CONSUN) Dispõe sobre o quadro de cursos em funcionamento e respectivos números de vagas e da extinção dos cursos que não estão sendo ofertados. O Presidente

Leia mais

Edital de Retificação nº 357, de 21 de novembro de 2013

Edital de Retificação nº 357, de 21 de novembro de 2013 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA COMISSÃO PERMANENTE DE CONCURSOS PÚBLICOS PROFESSOR EFETIVO DE ENSINO BÁSICO, TÉCNICO E TECNOLÓGICO

Leia mais

Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES/INEP Coordenação-Geral de Avaliação de Cursos de Graduação e IES

Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES/INEP Coordenação-Geral de Avaliação de Cursos de Graduação e IES Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES/INEP Coordenação-Geral de Avaliação de Cursos de Graduação e IES EDUCAÇÃO SUPERIOR BRASILEIRA ALGUNS INDICADORES¹ 2.314 IES 245 públicas (10,6%) e 2.069

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Brasília. Planejamento 2010 Diretrizes e metas

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Brasília. Planejamento 2010 Diretrizes e metas Planejamento 2010 Diretrizes e metas Brasília (DF), março de 2010 Planejamento 2010 Diretrizes e metas Apresentação Este documento é fruto de um intenso e extenso processo de discussões envolvendo a Reitoria

Leia mais

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS Projeto de Lei nº 8.035, de 2010 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional O PNE é formado por: 10 diretrizes; 20 metas com estratégias

Leia mais

CEFET-RJ para onde vamos? Fevereiro de 2013 Rio de Janeiro

CEFET-RJ para onde vamos? Fevereiro de 2013 Rio de Janeiro CEFET-RJ para onde vamos? Fevereiro de 2013 Rio de Janeiro Nenhum vento sopra a favor, de quem não sabe para onde ir. (Lucius A. Sêneca) Sumário O resultado do CPC Engenharia Estudantes e professores do

Leia mais

PDI 2012-2016 Implementação da Instituição e Organização Acadêmica

PDI 2012-2016 Implementação da Instituição e Organização Acadêmica PDI 2012-2016 Implementação da Instituição e Organização Acadêmica Pró-Reitoria de Ensino do IFG Gilda Guimarães Dulcinéia de Castro Santana Goiânia_ 2012/1 1- PARÂMETROS LEGAIS LEI Nº 11.892, DE 29 DE

Leia mais

Lista de Quadros. Fundação Uniplac

Lista de Quadros. Fundação Uniplac Lista de Quadros Quadro 1 Dirigente dafundaçãouniplac... 22 Quadro 2 Matérias apreciadas no Conselho Curador... 23 Quadro 3 Nominata do Conselho Curador... 23 Quadro 4 Matérias apreciadas no Conselho de

Leia mais

Educação profissional

Educação profissional II Fórum de Ensino Técnico da Área Química Fórum +10 Educação profissional José Vitório Sacilotto Proposta Algumas conceituações As mudanças a partir de 2004 (Fórum + 10) Organização do sistema de ensino

Leia mais

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Baiano Reitoria

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Baiano Reitoria Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Baiano Reitoria INSCRIÇÃO PARA O PROCESSO DE RECONHECIMENTO DE SABERES PARA

Leia mais

Projeto de Reestruturação e Expansão REUNI - UFRN

Projeto de Reestruturação e Expansão REUNI - UFRN Projeto de Reestruturação e Expansão REUNI - UFRN Alguns indicadores I n d i c a d o r e s 2006 Acréscimo Número de Alunos Graduação (Regulares, Probásica e Educação a Distância) 23.924 Pós-Graduação (Mestrado

Leia mais

PESQUISA INSTITUCIONAL IFC

PESQUISA INSTITUCIONAL IFC APRESENTAÇÃO PESQUISA INSTITUCIONAL IFC CENSO INTERNO Data de referência: 30/11/2013 PESQUISADOR INSTITUCIONAL REITORIA Valter Luís Estevam Junior valter.estevam@ifc.edu.br(47) 3331-7844 CADASTRADORES

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS IFAL PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO PROEX 2016

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS IFAL PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO PROEX 2016 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS IFAL PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO PROEX 2016 EDITAL DE CHAMADA PARA OFERTA DE CURSOS DE EXTENSÃO A Pró-Reitoria de Extensão PROEX,

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU R E G I M E N T O G E R A L PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Regimento Geral PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Este texto foi elaborado com as contribuições de um colegiado de representantes da Unidades Técnico-científicas,

Leia mais

EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS

EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS EIXO III - CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO

Leia mais

Histórico da Oferta de Cursos do Câmpus Pato Branco

Histórico da Oferta de Cursos do Câmpus Pato Branco Histórico da Oferta de Cursos do Câmpus Pato Branco Inauguração da UNED - Pato Branco - Curso Nível Médio em Edificações - Curso Nível Médio em Eletrônica Incorporação da Fundação de Ensino Superior de

Leia mais

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Educação que valoriza o seu tempo: presente e futuro

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Educação que valoriza o seu tempo: presente e futuro EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Educação que valoriza o seu tempo: presente e futuro Educação a Distância Os mesmos professores. A mesma aula. O mesmo diploma. A única diferença é a sala de aula que fica em suas

Leia mais

O ordenamento da Pós- Graduação no Brasil: possibilidades para os IFET

O ordenamento da Pós- Graduação no Brasil: possibilidades para os IFET CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO Câmara de Educação Superior O ordenamento da Pós- Graduação no Brasil: possibilidades para os IFET IFET-RS Bento Gonçalves (RS), 15 de junho de 2009 Maria Beatriz Luce Conselheira

Leia mais

Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria Relações Empresariais e Comunitárias Agência de Inovação

Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria Relações Empresariais e Comunitárias Agência de Inovação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria Relações Empresariais e Comunitárias Agência de Inovação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria Relações Empresariais e Comunitárias

Leia mais

INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO MARANHÃO-IESMA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR DO SUL DO MARANHÃO-UNISULMA NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO

INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO MARANHÃO-IESMA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR DO SUL DO MARANHÃO-UNISULMA NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO MARANHÃO-IESMA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR DO SUL DO MARANHÃO-UNISULMA NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Especialização em Metodologia do Ensino Superior Imperatriz

Leia mais

EDUCAÇÃO BÁSICA E PROFISSIONAL SENAI SESI

EDUCAÇÃO BÁSICA E PROFISSIONAL SENAI SESI EDUCAÇÃO BÁSICA E PROFISSIONAL SENAI SESI SENADO FEDERAL COMISSÃO DE EDUCAÇÃO, CULTURA E ESPORTE AUDIÊNCIA PÚBLICA: IDÉIAS E PROPOSTAS PARA A EDUCAÇÃO BRASILEIRA PLANO DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO SESI

Leia mais

O PREFEITO MUNICIPAL DE SAPEAÇU, ESTADO DA BAHIA, no uso de suas atribuições legais,

O PREFEITO MUNICIPAL DE SAPEAÇU, ESTADO DA BAHIA, no uso de suas atribuições legais, LEI N.º542/ 2014 de 20 de maio de 2014. Dispõe sobre a criação do Pólo de Apoio Presencial da Universidade Aberta do Brasil em Sapeaçu, e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE SAPEAÇU, ESTADO

Leia mais

Regulação, supervisão e avaliação do Ensino Superior: Perguntas Frequentes. 1

Regulação, supervisão e avaliação do Ensino Superior: Perguntas Frequentes. 1 Regulação, supervisão e avaliação do Ensino Superior: Perguntas Frequentes. 1 1. Quais são os tipos de instituições de ensino superior? De acordo com sua organização acadêmica, as instituições de ensino

Leia mais

Pronatec EJA: o Proeja no Pronatec

Pronatec EJA: o Proeja no Pronatec Pronatec EJA: o Proeja no Pronatec MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Anna Catharina da Costa Dantas dpept.setec@mec.gov.br Brasília/DF, 02 de julho de 2013. PNE 2011-2020:

Leia mais

ESTATUTO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS TÍTULO I DA INSTITUIÇÃO CAPÍTULO I DA NATUREZA E DAS FINALIDADES

ESTATUTO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS TÍTULO I DA INSTITUIÇÃO CAPÍTULO I DA NATUREZA E DAS FINALIDADES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLÓGIA DE MINAS GERAIS GABINETE DO REITOR Avenida Professor Mário Werneck, nº. 2590,

Leia mais

PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006.

PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006. PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006. Aprova, em extrato, o Instrumento de Avaliação Externa de Instituições de Educação Superior do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES O MINISTRO

Leia mais

PRONATEC: múltiplos arranjos e ações para ampliar o acesso à educação profissional

PRONATEC: múltiplos arranjos e ações para ampliar o acesso à educação profissional PRONATEC: múltiplos arranjos e ações para ampliar o acesso à educação profissional Martha Cassiolato e Ronaldo Coutinho Garcia Diretoria de Estudos e Políticas do Estado, Instituições e Democracia - Diest/

Leia mais

ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL DE ILHA SOLTEIRA ILHA SOLTEIRA

ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL DE ILHA SOLTEIRA ILHA SOLTEIRA ILHA SOLTEIRA REQUISITOS PARA INSCRIÇÕES AO PROCESSO SELETIVO DE DOCENTES, OBJETIVANDO A FORMAÇÃO DE CADASTRO PARA CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA DE EXCEPCIONAL INTERESSE PÚBLICO, Nº 065/08/2015 de 19/10/2015.

Leia mais

Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes - ENADE. Coordenadoria de Avaliação Institucional Comissão Própria de Avaliação - CPA ENADE 2011

Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes - ENADE. Coordenadoria de Avaliação Institucional Comissão Própria de Avaliação - CPA ENADE 2011 Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes - ENADE Coordenadoria de Avaliação Institucional Comissão Própria de Avaliação - CPA ENADE 2011 SOBRE O ENADE O Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes -

Leia mais

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO PROVÍNCIA LA SALLE BRASIL - CHILE APRESENTAÇÃO O Setor de Educação Superior da Província

Leia mais

CATÁLOGO AUXILIAR DOCENTE

CATÁLOGO AUXILIAR DOCENTE CATÁLOGO DE AUXILIAR DOCENTE Atualizado em Novembro/2015 RELAÇÃO DE REQUISITOS MÍNIMOS PARA INGRESSO NO EMPREGO PÚBLICO PERMANENTE DE AUXILIAR DOCENTE I Este documento tem por finalidade apresentar os

Leia mais

Universidade Anhembi Morumbi On-line. Os mesmos professores. A mesma aula. O mesmo diploma. Tudo a um clique de você.

Universidade Anhembi Morumbi On-line. Os mesmos professores. A mesma aula. O mesmo diploma. Tudo a um clique de você. Universidade Anhembi Morumbi On-line. Os mesmos professores. A mesma aula. O mesmo diploma. Tudo a um clique de você. Educação a Distância Anhembi Morumbi Agora você pode estudar em uma universidade internacional

Leia mais

QUADRO DE TITULAÇÃO VERIFIQUE NO QUADRO OS COMPONENTES POSSÍVEIS COM BASE NA SUA TITULAÇÃO ENSINO MÉDIO

QUADRO DE TITULAÇÃO VERIFIQUE NO QUADRO OS COMPONENTES POSSÍVEIS COM BASE NA SUA TITULAÇÃO ENSINO MÉDIO 1 QUADRO DE TITULAÇÃO VERIFIQUE NO QUADRO OS COMPONENTES POSSÍVEIS COM BASE NA SUA TITULAÇÃO ENSINO MÉDIO DISCIPLINAS Artes (Base Nacional Comum) Biologia (Ensino Médio) Matemática (Base Nacional Comum)

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DO PROFESSOR

PLANO DE TRABALHO DO PROFESSOR EIXO TECNOLÓGICO: Infraestrutura CURSO/MODALIDADE: Curso Técnico em Edificações Subsequente DISCIPLINA: Desenho Técnico CÓDIGO: Currículo: 2010 /02 Ano / Semestre: 2011/02 Carga Horária total: 40 h/a Turno:

Leia mais

ESTUDO DE VIABILIDADE DE CURSOS

ESTUDO DE VIABILIDADE DE CURSOS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA ESTUDO DE VIABILIDADE DE CURSOS CAMPUS DE GUARABIRA LOCAL João Pessoa DATA Fevereiro/2012

Leia mais

PORTARIA INTERMINISTERIAL No-10, DE 11 DE JULHO DE 2013

PORTARIA INTERMINISTERIAL No-10, DE 11 DE JULHO DE 2013 PORTARIA INTERMINISTERIAL No-10, DE 11 DE JULHO DE 2013 Regulamenta o Decreto nº 7.385, de 8 de dezembro de 2010, que instituiu o Sistema Universidade Aberta do Sistema Único de Saúde (UNA-SUS). Os MINISTROS

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BAIANO ESTATUTO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BAIANO

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BAIANO ESTATUTO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BAIANO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BAIANO ESTATUTO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BAIANO

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ

INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ RETIFICAÇÃO Nº 08 DO EDITAL Nº 12/2015 DO IFPR CONCURSO DE DOCENTE O Reitor Substituto do INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ IFPR, no uso da competência que lhe confere a Portaria

Leia mais

PORTARIA Nº, DE FEVEREIRO DE 2013

PORTARIA Nº, DE FEVEREIRO DE 2013 PORTARIA Nº, DE FEVEREIRO DE 2013 Define as diretrizes gerais para o processo de avaliação de desempenho para fins de progressão e de promoção das Carreiras do Magistério Superior e do Ensino Básico, Técnico

Leia mais

Perspectivas da educação no Brasil Movimento Empresarial pela Inovação - MEI

Perspectivas da educação no Brasil Movimento Empresarial pela Inovação - MEI Perspectivas da educação no Brasil Movimento Empresarial pela Inovação - MEI Aloizio Mercadante Ministro de Estado da Educação Educação Básica Política de expansão das creches e pré-escolas (Brasil Carinhoso)

Leia mais

A EVOLUÇÃO E OS EDUCAÇÃO SUPERIOR DESAFIOS DA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL AO LONGO DO SINAES A AS MUDANÇAS NA REGULAÇÃO E SUPERVISÃO DA

A EVOLUÇÃO E OS EDUCAÇÃO SUPERIOR DESAFIOS DA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL AO LONGO DO SINAES A AS MUDANÇAS NA REGULAÇÃO E SUPERVISÃO DA Suzana Schwerz Funghetto Coordenadora-Geral de Avaliação de Cursos de Graduação e Instituições de Ensino Superior/DAES/INEP A EVOLUÇÃO E OS DESAFIOS DA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL AO LONGO DO SINAES A AS MUDANÇAS

Leia mais

DIRETRIZES PARA A GESTÃO DAS ATIVIDADES DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO DO IFPB

DIRETRIZES PARA A GESTÃO DAS ATIVIDADES DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO DO IFPB Ministério da Educação Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia da Paraíba Pró-Reitoria de Ensino Pró-Reitoria de Pesquisa, Inovação e Pós-Graduação Pró-Reitoria de Extensão DIRETRIZES PARA A

Leia mais

A EXO 2 - LISTA DE VAGAS - DOCE TES

A EXO 2 - LISTA DE VAGAS - DOCE TES A EXO 2 - LISTA DE VAGAS - DOCE TES Campus Graduação na área de Artes Ministrar aulas em disciplinas relacionadas à área de Artes em geral. Desenvolver projetos e atividades extra-curriculares nas Artes

Leia mais

REQUISITOS DE TITULAÇÃO

REQUISITOS DE TITULAÇÃO REQUISITOS DE TITULAÇÃO COMPONENTES CURRICULARES 1. Língua Estrangeira Moderna - Inglês (Parte Diversificada) Letras com Habilitação em Inglês (LP) Letras com Habilitação em Secretário Executivo Bilíngue/

Leia mais

Cadastro de denominações consolidadas para Cursos de Graduação (bacharelado e licenciatura) do Ministério da Educação

Cadastro de denominações consolidadas para Cursos de Graduação (bacharelado e licenciatura) do Ministério da Educação Cadastro de denominações consolidadas para Cursos de Graduação (bacharelado e licenciatura) do Ministério da Educação Justificativa Desde a edição da nova LDB (Lei nº 9.394/1996), promulgada em decorrência

Leia mais

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global Página Artigo: 6º Parágrafo: Único Inciso Alínea EMENDA MODIFICATIVA O parágrafo único do Artigo 6º do PL n 8035 de 2010, passa a ter a seguinte redação: Art. 6º... Parágrafo único. O Fórum Nacional de

Leia mais

Sistema UAB Informações Gerais

Sistema UAB Informações Gerais Sistema UAB Informações Gerais Oficina de Capacitação de Autores e Leitores - BibEad Jean Marc G. Mutzig Diretor DED/CAPES Rio de Janeiro, 21/08/2014 Para realizar grandes conquistas, devemos não apenas

Leia mais

TÍTULO DO PROJETO: I FORUM DA GRADUAÇÃO da UENF: Educação Contemporânea Desafios e Perspectivas

TÍTULO DO PROJETO: I FORUM DA GRADUAÇÃO da UENF: Educação Contemporânea Desafios e Perspectivas TÍTULO DO PROJETO: I FORUM DA GRADUAÇÃO da UENF: Educação Contemporânea Desafios e Perspectivas I-Introdução A Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro UENF é uma Instituição Estadual de

Leia mais

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Educação Superior

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Educação Superior Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará Eixo Temático Educação Superior Ceará, 2015 1 Socioeconômico Diagnóstico Para compreender a situação da educação no estado do Ceará é necessário também

Leia mais

ESTATUTO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL IFRS

ESTATUTO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL IFRS ESTATUTO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL IFRS Aprovado pela Resolução Nº 7, de 20/08/2009 Publicado no Diário Oficial da União Nº 161, de 24/08/2009 TÍTULO I

Leia mais

I SEMINÁRIO NACIONAL DO PROGRAMA NACIONAL DE REORIENTAÇÃO DA FORMAÇÃO PROFISIONAL EM SAÚDE PRÓ-SAÚDE II

I SEMINÁRIO NACIONAL DO PROGRAMA NACIONAL DE REORIENTAÇÃO DA FORMAÇÃO PROFISIONAL EM SAÚDE PRÓ-SAÚDE II Ministério da Educação Secretaria de Ensino Superior Diretoria de Hospitais Univ ersitários e Residências em Saúde A articulação da Graduação em Saúde, dos Hospitais de Ensino e das Residências em Saúde

Leia mais

Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE

Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE IV. CÂMARA TEMÁTICA DA EDUCACÃO, CULTURA E DESPORTOS Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE Meta 1 Toda criança e jovem de 4 a 17 anos na escola; Meta 2 Até 2010, 80% e,

Leia mais

MEC e MCTI. Programa Quero ser professor Quero ser cientista

MEC e MCTI. Programa Quero ser professor Quero ser cientista MEC e MCTI Programa Quero ser professor Quero ser cientista Contexto: Censo da Educação Superior 2012 Posição Nome OCDE Total % Matrícula % Acumulado 1 Administração 833.042 11,9 11,9 2 Direito 737.271

Leia mais

DIRETORIA DE GESTÃO DE PESSOAS EDITAL Nº 08/DGP-IFCE/2012 PROCESSO SELETIVO PARA REMOÇÃO DE SERVIDORES DOCENTES ENTRE OS CAMPI DO IFCE

DIRETORIA DE GESTÃO DE PESSOAS EDITAL Nº 08/DGP-IFCE/2012 PROCESSO SELETIVO PARA REMOÇÃO DE SERVIDORES DOCENTES ENTRE OS CAMPI DO IFCE DIRETORIA GESTÃO PESSOAS EDITAL Nº 08/DGP-IFCE/0 PROCESSO SELETIVO PARA REMOÇÃO SERVIDORES DOCENTES ENTRE OS CAMPI DO IFCE RETIFICAÇÃO Onde se lê: 4. A Comissão Organizadora examinará as informações do

Leia mais

DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização

DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização 2.1 - GRADUAÇÃO 2.1.1. Descrição do Ensino de Graduação na UESC Cursos: 26 cursos regulares

Leia mais

AUXILIAR DOCENTE Atualizado em maio/2011

AUXILIAR DOCENTE Atualizado em maio/2011 AUXILIAR DOCENTE Atualizado em maio/2011 RELAÇÃO DE REQUISITOS MÍNIMOS PARA INGRESSO NO EMPREGO PÚBLICO PERMANENTE DE AUXILIAR DOCENTE I Este documento tem por finalidade apresentar os requisitos de titulação

Leia mais

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL UNIDADE SANTO AMARO São Paulo, fevereiro de 2012 NOSSA MISSÃO Proporcionar acesso a um ensino de qualidade para diferentes segmentos da população, criando vínculos fortes e duradouros

Leia mais

Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB

Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB Salvador, 21 de setembro de 2015 Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB Nos dias 19, 20 e 21 de agosto de 2015 realizou-se no Hotel Vila Velha, em

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO CAIRU O QUE VOCÊ PRECISA SABER: Por que fazer uma pós-graduação?

PÓS-GRADUAÇÃO CAIRU O QUE VOCÊ PRECISA SABER: Por que fazer uma pós-graduação? PÓS-GRADUAÇÃO CAIRU O QUE VOCÊ PRECISA SABER: Por que fazer uma pós-graduação? O mercado do trabalho está cada vez mais exigente. Hoje em dia, um certificado de pós-graduação é imprescindível para garantia

Leia mais

Universidade do Estado do Rio Grande do Norte

Universidade do Estado do Rio Grande do Norte Universidade do Estado do Rio Grande do Norte Ensino Superior para Todos!!! Capilaridade Geográfica A UERN desenvolve atividades em todas as regiões geográficas do Rio Grande do Norte, a partir de 6 Campi,

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO Portaria nº 808, de 8 de junho de 00. Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior - SINAES. O MINISTRO DE

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL UNIVERSIDADES ESTADUAIS PARANAENSES

PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL UNIVERSIDADES ESTADUAIS PARANAENSES PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL UNIVERSIDADES ESTADUAIS PARANAENSES - 2012 a 2021 Instituição: ENSINO DE GRADUAÇÃO Programas/Projetos/Ações Ano Natureza Valores Fonte de Recursos Beneficiado Manutenção

Leia mais

PROCESSO SELETIVO DE HABILITAÇÃO PARA REMOÇÃO DE PROFESSORES. Edital DGEP nº 20/2015, de 10 de julho de 2015

PROCESSO SELETIVO DE HABILITAÇÃO PARA REMOÇÃO DE PROFESSORES. Edital DGEP nº 20/2015, de 10 de julho de 2015 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA DIRETORIA DE GESTÃO DE PESSOAS PROCESSO SELETIVO DE HABILITAÇÃO PARA REMOÇÃO DE PROFESSORES Edital DGEP nº 20/2015,

Leia mais

Educação no Brasil. Aloizio Mercadante. São Paulo, 30 de novembro de 2012

Educação no Brasil. Aloizio Mercadante. São Paulo, 30 de novembro de 2012 Educação no Brasil Aloizio Mercadante Ministro de Estado da Educação São Paulo, 30 de novembro de 2012 Educação Infantil Taxas de atendimento Creches 36,3 23,6 9,4 12,2 Brasil Carinhoso: 2,8 milhões de

Leia mais

EDUCAÇÃO SUPERIOR: AVANÇOS E PERSPECTIVAS

EDUCAÇÃO SUPERIOR: AVANÇOS E PERSPECTIVAS Ministério da Educação Secretaria de Educação Superior Diretoria de Políticas e Programas para a Graduação EDUCAÇÃO SUPERIOR: AVANÇOS E PERSPECTIVAS Brasil : ciclo virtuoso na educação Banco Mundial: Última

Leia mais

ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL DE ILHA SOLTEIRA ILHA SOLTEIRA

ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL DE ILHA SOLTEIRA ILHA SOLTEIRA ILHA SOLTEIRA REQUISITOS PARA INSCRIÇÕES AO PROCESSO SELETIVO DE DOCENTES, OBJETIVANDO A FORMAÇÃO DE CADASTRO PARA CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA DE EXCEPCIONAL INTERESSE PÚBLICO, Nº 065/09/2015 de 19/10/2015.

Leia mais

PROPOSTA DE ELEMENTOS NORTEADORES PARA A

PROPOSTA DE ELEMENTOS NORTEADORES PARA A PROPOSTA DE ELEMENTOS NORTEADORES PARA A ELABORAÇÃO DO PLANO DE AÇÃO 2011 DO IFRS Elementos norteadores para o Campus, baseados no Termo de Acordo de Metas e Compromissos 1. Índice de eficiência da Instituição

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA ANEXO I CARGOS/ÁREAS, REQUISITOS E VAGAS CARGO DE PROFESSOR DA CARREIRA DE MAGISTÉRIO DO ENSINO BÁSICO, TÉCNICO E TECNOLÓGICO Tabela retificada pelos Editais 43, 44 e 45 de 014. VAGAS Áreas Requisitos

Leia mais

PLANO DE AÇÃO-DIREÇÃO DO CAMPUS TERESINA ZONA SUL GESTÃO 2013-2017

PLANO DE AÇÃO-DIREÇÃO DO CAMPUS TERESINA ZONA SUL GESTÃO 2013-2017 PLANO DE AÇÃO-DIREÇÃO DO CAMPUS TERESINA ZONA SUL GESTÃO 2013-2017 O ensino, como a justiça, como a administração, prospera e vive muito mais realmente da verdade e da moralidade, com que se pratica do

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DE INFRA-ESTRUTURA E LOGÍSTICA DEPARTAMENTO AUTÔNOMO DE ESTRADAS DE RODAGEM EDITAL N 001/2009

GOVERNO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DE INFRA-ESTRUTURA E LOGÍSTICA DEPARTAMENTO AUTÔNOMO DE ESTRADAS DE RODAGEM EDITAL N 001/2009 Anexo IV Da classificação e da tabela de pontuação A) Para os cargos de Técnico em Assuntos Rodoviários e Técnico em Assuntos Administrativos: TEMPO DE FORMAÇÃO NA PROFISSÃO: Comprovação através de Diploma

Leia mais

EDITAL Nº 001.1/2013 CCP IFMS

EDITAL Nº 001.1/2013 CCP IFMS EDITAL Nº 0.1/23 CCP IFMS CONCURSO PÚBLICO DE PROVAS PARA O PROVIMENTO DE CARGOS TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS PARA O INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MATO GROSSO DO SUL (IFMS) O REITOR

Leia mais

Universidade: Universidade Federal de Uberlândia(UFU) Conceito no MEC: CI - Conceito Institucional: 4 _2009 IGC - Índice Geral de Cursos: 4_ 2010 IGC

Universidade: Universidade Federal de Uberlândia(UFU) Conceito no MEC: CI - Conceito Institucional: 4 _2009 IGC - Índice Geral de Cursos: 4_ 2010 IGC Universidade: Universidade Federal de Uberlândia(UFU) Conceito no MEC: CI - Conceito Institucional: 4 _2009 IGC - Índice Geral de Cursos: 4_ 2010 IGC Contínuo: 3.7500 _2010 Cursos oferecidos pela faculdade:

Leia mais

ASSUNTO: Convocação 6ª Reunião Extraordinária do Conselho Superior

ASSUNTO: Convocação 6ª Reunião Extraordinária do Conselho Superior Aos/Às Conselheiros(as) do Conselho Superior do IFPB ASSUNTO: Convocação 6ª Reunião Extraordinária do Conselho Superior Senhores(as) Conselheiro(as) Titulares, 1. Ao cumprimentá-los(as) cordialmente, convocamos

Leia mais

ROTEIRO PARA SUPERVISÃO I INTRODUÇÃO

ROTEIRO PARA SUPERVISÃO I INTRODUÇÃO ROTEIRO PARA SUPERVISÃO I INTRODUÇÃO Este documento tem a finalidade de estabelecer um referencial para o exercício da função de supervisão dos Cursos das Instituições do Ensino Superior, do Sistema Estadual

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 010/2006

RESOLUÇÃO Nº 010/2006 Confere com o original RESOLUÇÃO Nº 010/2006 CRIA o Curso de Pós-Graduação Lato Sensu de Educação Ambiental, em nível de Especialização. O REITOR DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS e PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

REQUERIMENTO. (Do Sr. JORGE SILVA) Senhor Presidente:

REQUERIMENTO. (Do Sr. JORGE SILVA) Senhor Presidente: REQUERIMENTO (Do Sr. JORGE SILVA) Requer o envio de Indicação ao Poder Executivo, relativa à criação de um curso de medicina no Centro Universitário Norte do Espírito Santo Ceunes, no âmbito do Programa

Leia mais

Sistema de Educação a Distância Publica no Brasil UAB- Universidade Aberta do Brasil. Fernando Jose Spanhol, Dr

Sistema de Educação a Distância Publica no Brasil UAB- Universidade Aberta do Brasil. Fernando Jose Spanhol, Dr Sistema de Educação a Distância Publica no Brasil UAB- Universidade Aberta do Brasil Fernando Jose Spanhol, Dr www.egc.ufsc.br www.led.ufsc.br O Sistema UAB Denominação representativa genérica para a rede

Leia mais