PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO"

Transcrição

1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLOGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO NOME DO CURSO Curso Superior de Tecnologia em Construção de Edifícios TIPO: BACHARELADO LICENCIATURA X TECNOLOGIA - 1 -

2 SUMÁRIO I. CONTEXTUALIZAÇÃO DA IES E DO CURSO CONTEXTO DA INSTITUIÇÃO Dados da mantenedora Dados da mantida Breve histórico da instituição Cenário socioeconômico da região Identidade Estratégica da IES Missão Princípios institucionais Finalidades Objetivos CONTEXTO DO CURSO Dados Gerais Breve histórico do curso II. ORGANIZAÇÃO DIDÁTICO-PEDAGÓGICA CONCEPÇÃO DO CURSO Justificativas do curso Objetivos do curso Geral Específicos Perfil do egresso do curso Atribuições no mercado de trabalho Diferenciais competitivos do curso POLÍTICAS INSTITUCIONAIS E SUA CORRELAÇÃO COM O CURSO ORGANIZAÇÃO CURRICULAR Estrutura Curricular Ementário e Bibliografia PROPOSTA PEDAGÓGICA Metodologia de Ensino Flexibilidade Curricular ATIVIDADES ARTICULADAS AO ENSINO Estágio Curricular Atividades Complementares Relevância das atividades complementares Programas ou projetos de pesquisa (iniciação científica) Tecnologias de informação e comunicação TIC s SISTEMA DE AVALIAÇÃO Processos de avaliação do curso Procedimentos de avaliação dos processos de ensino-aprendizagem APOIO AO DISCENTE III.CORPO SOCIAL DO CURSO

3 1. CORPO DISCENTE Forma de acesso ao curso Atenção aos discentes Apoio psicopedagógico ao discente Apoio às atividades acadêmicas Ouvidoria Acompanhamento aos Egressos Registros acadêmicos ADMINISTRAÇÃO DO CURSO Coordenação do curso Formação Acadêmica e Experiência Profissional Atuação da Coordenação Composição e Funcionamento dos Órgãos Colegiados Núcleo Docente Estruturante CORPO DOCENTE Relação nominal do corpo docente Distribuição da carga horária dos docentes Titulação e experiência do corpo docente e efetiva dedicação ao curso Titulação Regime de trabalho do corpo docente Experiência (acadêmica e profissional) Produção de material didático ou científico do corpo docente Publicações Produções técnicas, artísticas e culturais Plano de Carreira e Incentivos ao Corpo Docente e Técnico Administrativo Docentes x número de vagas autorizadas Docentes por disciplinas CORPO TÉCNICO-ADMINISTRATIVO Formação e experiência profissional do corpo técnico e administrativo Adequação da quantidade de profissionais às necessidades do curso IV.INFRAESTRUTURA ESPAÇO FÍSICO GERAL Quadro de Áreas do Campus João Pessoa Infraestrutura de segurança Manutenção e conservação das instalações físicas e equipamentos Condições de acesso para portadores de necessidades especiais ESPAÇOS FÍSICOS UTILIZADOS NO DESENVOLVIMENTO DO CURSO Espaço de trabalho para coordenção do curso e serviços acadêmicos Sala de professores e sala de reuniões Sala de pesquisa e atendimento ao aluno Ambientes e laboratórios especializados RECURSOS HUMANOS Apoio para as atividades da coordenação do curso

4 4. BIBLIOTECA Apresentação Espaço físico Instalações para o acervo Instalações para estudos individuais Instalações para estudos em grupos Acervo geral Horário de funcionamento Acervo Específico para o Curso Bibliografia Básica Bibliografia Complementar Periódicos e bases de dados específicas Serviço de acesso ao acervo Filiação institucional à entidade de natureza científica Apoio na elaboração de trabalhos acadêmicos Pessoal técnico-administrativo Política de aquisição, expansão e atualização V. REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA V. ANEXOS

5 I. CONTEXTUALIZAÇÃO DA IES E DO CURSO 1.1. Dados da mantenedora 1. Contexto da Instituição Instituto Federação de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba IFPB Mantenedora: Pessoa Jurídica de Direito Público Federal, CNPJ / End.: Avenida Primeiro de Maio n.: 720 Bairro: Jaguaribe Cidade: João Pessoa CEP: UF: PB Fone: (83) , Fax: (83) Site: Dados da mantida Instituto Federação de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba IFPB Mantida: Pessoa Jurídica de Direito Público Federal, CNPJ / End.: Avenida Primeiro de Maio nº: 720 Bairro: Jaguaribe Cidade: João Pessoa CEP: UF: PB Fone: (83) , Fax: (83) Site: Breve histórico da instituição O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba IFPB tem mais de cem anos de existência. Ao longo de todo esse tempo, recebeu diferentes denominações: Escola de Aprendizes Artífices da Paraíba de 1909 a 1937; Liceu Industrial de João Pessoa de 1937 a 1961; Escola Industrial Coriolano de Medeiros ou Escola Industrial Federal da Paraíba de 1961 a 1967; Escola Técnica Federal da Paraíba de 1967 a 1999; Centro Federal de Educação Tecnológica da Paraíba de 1999 a 2008, e, finalmente, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia com a edição da Lei de 29 de dezembro de O Instituto Federal da Paraíba, no início de sua história, assemelhava-se a um centro correcional, pelo rigor de sua ordem e disciplina. O decreto do Presidente Nilo Peçanha criou uma Escola de Aprendizes Artífices em cada capital dos estados da federação, mais como uma solução reparadora da conjuntura socioeconômica que marcava o país, para conter conflitos sociais e qualificar mão-de-obra barata, suprindo o processo de industrialização incipiente que, experimentando uma fase de implantação, viria a se intensificar a partir de A Escola de Artífices, que oferecia os cursos de Alfaiataria, Marcenaria, Serralheria, Encadernação e Sapataria, funcionou inicialmente no Quartel do Batalhão da Polícia Militar do Estado, transferindo-se depois para o edifício construído na Avenida João da Mata, onde funcionou até os primeiros anos da década de Finalmente, já como Escola Industrial, instalou-se no atual prédio localizado na Avenida Primeiro de Maio, bairro de Jaguaribe. Nesta fase, o domicílio tinha como único endereço a capital do Estado da Paraíba. Ao final da década de 60, ocorreu a transformação para Escola Técnica Federal da Paraíba e, no ano de 1995, a Instituição interiorizou suas atividades, com a instalação da Unidade de Ensino Descentralizada de Cajazeiras UNED-CJ. Transformado em 1999 no Centro Federal de Educação Tecnológica da Paraíba, a Instituição experimentou um fértil processo de crescimento e expansão de suas atividades, passando a contar, além de sua Unidade Sede, com o Núcleo de Extensão e - 5 -

6 Educação Profissional NEEP, na Rua das Trincheiras, e com o Núcleo de Arte, Cultura e Eventos NACE, no antigo prédio da Escola de Aprendizes Artífices. Foi nesta fase, a partir do ano de 1999, que o atual Instituto Federal da Paraíba começou o processo de diversificação de suas atividades, oferecendo à sociedade todos os níveis de educação, desde a educação básica, incluindo ensino médio, ensino técnico integrado e pós-médio, à educação superior (cursos de graduação na área tecnológica), intensificando também as atividades de pesquisa e extensão. A partir de então, foram implantados cursos de graduação na Área de Telemática, Design de Interiores, Telecomunicações, Construção de Edifícios, Desenvolvimento de Softwares, Redes de Computadores, Automação Industrial, Geoprocessamento, Gestão Ambiental, Negócios Imobiliários e Licenciatura em Química. Este processo experimentou grande desenvolvimento com a criação dos Cursos de Bacharelado na área de Administração e em Engenharia Elétrica e a realização de cursos de pós-graduação em parceria com Faculdades e Universidades locais e regionais, a partir de modelos pedagógicos construídos atendendo às disposições da Constituição Federal e Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional LDB e normas delas decorrentes. Ainda como Centro Federal de Educação Tecnológica da Paraíba, ocorreu em 2007, a implantação da Unidade de Ensino Descentralizada de Campina Grande UNED- CG e a criação do Núcleo de Ensino de Pesca, no município de Cabedelo. Com o advento da Lei /2008, o Instituto se consolida como uma Instituição de referência da Educação Profissional na Paraíba e, além dos cursos usualmente chamados de regulares, desenvolve também um amplo trabalho de oferta de cursos de formação inicial e continuada e cursos de extensão, de curta e média duração, atendendo a uma expressiva parcela da população, a quem são destinados também cursos técnicos básicos, programas e treinamentos de qualificação, profissionalização e reprofissionalização, para melhoria das habilidades de competência técnica no exercício da profissão. O Instituto, em consonância com seus objetivos e finalidades previstos na nova Lei, desenvolve estudos com vistas a oferecer programas de treinamento para formação, habilitação e aperfeiçoamento de docentes da rede pública. Também atua fortemente na educação de jovens e adultos, tendo no Programa Nacional de Integração da Educação Profissional com a Educação Básica na Modalidade de Educação de Jovens e Adultos PROEJA, Programa Nacional de Inclusão de Jovens PROJOVEM e Projetos Mulheres Mil, Certificação Profissional e Formação Inicial e Continuada Rede CERTIFIC, além do Projeto Rede Viva, reconhecido nacionalmente, ampliando, assim, o cumprimento da sua responsabilidade social. Visando à ampliação de suas fronteiras de atuação, o Instituto desenvolve ações para atuar com competência na modalidade de Educação a Distância EAD e tem investido fortemente na capacitação dos seus professores e técnicos administrativos, no desenvolvimento de atividades de pós-graduação lato sensu, stricto sensu e de pesquisa aplicada, preparando as bases para a oferta de pós-graduação nestes níveis, horizonte aberto com a nova Lei. Contemplado com o Plano de Expansão da Educação Profissional, Fase II, do Governo Federal, o Instituto conta, no estado da Paraíba, com 09 (nove) Campi e a Reitoria, quais sejam: Cabedelo, Cajazeiras, Campina Grande, João Pessoa, Monteiro, Patos, Picuí, Princesa Isabel e Sousa (Escola Agrotécnica, que se incorporou ao antigo CEFET, proporcionando a criação do Instituto). Atendendo, ainda, ao Plano de Expansão da Educação Profissional, a Fase III contempla cidades consideradas polos de desenvolvimento regional, quais sejam: Catolé do Rocha, Esperança, Guarabira, Itabaiana, Itaporanga e Santa Rita. Nessa perspectiva, o IFPB atua nas áreas das Ciências Agrárias, Ciências Biológicas, Ciências da Saúde, Ciências Exatas e da Terra, Ciências Humanas, Ciências Sociais Aplicadas, Engenharias, Linguística, Letras e Artes. São ofertados cursos nos eixos tecnológicos de Ambiente, Saúde e Segurança, Controle e Processos Industriais, Gestão e Negócios, Hospitalidade e - 6 -

7 Lazer, Informação e Comunicação, Infraestrutura, Produção Alimentícia, Produção Cultural e Design, Produção Industrial e Recursos Naturais. As novas unidades educacionais levarão Educação Profissional a estas cidades, na modalidade básica, técnica e tecnológica, em todos os níveis, oportunizando o desenvolvimento econômico e social e a consequente melhoria na qualidade de vida destas regiões. A organização do ensino no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba oferece oportunidades em todos os níveis da aprendizagem, permitindo o processo de verticalização do ensino. São ofertados desde Programas de Formação Continuada FIC, PROEJA, Mulheres Mil, propiciando também o prosseguimento de estudos através do Programa CERTIFIC, além do Ensino Técnico de Nível Médio, Ensino Tecnológico de Nível Superior, as Licenciaturas, os Bacharelados e os estudos de Pós- Graduação Lato Sensu e Stricto Sensu. Educação Profissional de nível Técnico A Educação Profissional de nível técnico no IFPB é ofertada nas modalidades integrado e subsequente, nas áreas profissionais da construção civil, da indústria, da informática, do meio ambiente, do turismo e hospitalidade, da saúde, da cultura, considerando a carga horária mínima e as competências exigidas para cada área, de acordo com o Decreto n /2004 e Resoluções CNE/CEB n. 04/1999 e n. 01/2005 do Conselho Nacional de Educação CNE. O IFPB oferece Cursos Técnicos em diversos segmentos da economia e áreas profissionais, em todos os seus Campi. Tabela I Cursos Técnicos ofertados pelo Instituto CAMPUS Cabedelo Cajazeiras Campina Grande João Pessoa EIXOS TECNOLÓGICOS RECURSOS NATURAIS AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA INFRAESTRUTURA CONTROLE E PROCESSOS INDUSTRIAIS INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO RECURSOS NATURAIS PRODUÇÃO INDUSTRIAL CONTROLE E PROCESSOS INDUSTRIAIS CURSOS Técnico Subsequente em Pesca Técnico em Pesca Técnico Subsequente Técnico Subsequente em Edificações Técnico em Edificações Técnico Subsequente em Eletromecânica Técnico em Eletromecânica Técnico em Manutenção e Suporte de Informática Técnico Subsequente em Manutenção e Suporte de Informática Técnico em Manutenção e Suporte em Informática Técnico em Informática Técnico Subsequente em Mineração Técnico em Mineração Técnico em Petróleo e Gás Técnico Subsequente em Eletrotécnica Técnico em Eletrotécnica Técnico Subsequente em Mecânica Técnico em Mecânica Técnico Subsequente em Eletrônica Técnico em Eletrônica - 7 -

8 Monteiro Patos Picuí Princesa Isabel Sousa INFRAESTRUTURA PRODUÇÃO CULTURAL E DESIGN AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO PRODUÇÃO CULTURAL E DESIGN INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO INFRAESTRUTURA Técnico Subsequente em Edificações Técnico em Edificações Técnico Subsequente em Instrumento Musical Técnico em Instrumento Musical Técnico Subsequente em Equipamentos Biomédicos Técnico em Controle Ambiental Técnico Subsequente em Manutenção e Suporte em Informática Técnico em Manutenção e Suporte em Informática Técnico em Instrumento Musical Técnico Subsequente em Manutenção e Suporte em Informática Técnico em Manutenção e Suporte em Informática Técnico Subsequente em Edificações Técnico em Edificações Técnico Subsequente em Manutenção INFORMAÇÃO E e Suporte em Informática COMUNICAÇÃO Técnico em Manutenção e Suporte em Informática RECURSOS NATURAIS Técnico Subsequente em Mineração INFRAESTRUTURA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA INFRAESTRUTURA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO RECURSOS NATURAIS PRODUÇÃO ALIMENTÍCIA AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA Técnico em Edificações Técnico Subsequente em Manutenção e Suporte em Informática Técnico em Controle Ambiental Técnico Subsequente em Edificações Técnico em Edificações Técnico Subsequente em Informática Técnico Subsequente em Agropecuária Técnico em Agropecuária Técnico em Agroindústria Técnico em Meio Ambiente RECURSOS NATURAIS Técnico Subsequente em Agropecuária A Educação Profissional Técnica Integrada ao Ensino Médio, cuja organização do curso conduz o aluno a uma habilitação profissional técnica de nível médio que também lhe dará o direito à continuidade de estudos na educação superior, será oferecida para estudantes que tenham concluído o ensino fundamental. A educação profissional de nível técnico no IFPB corresponde à oferta de cursos técnicos, considerando a carga horária mínima e o perfil profissional exigidos para cada eixo tecnológico, de acordo com o Catálogo Nacional dos Cursos Técnicos Resolução do CNE/CEB nº 03 de 09 de julho de

9 O currículo dos Cursos Técnicos Integrados ao Ensino Médio está estruturado em regime anual com duração de 04 (quatro) anos, integrando a formação geral com uma carga horária mínima de horas e a formação técnica, conforme a carga horária mínima exigida no Catálogo Nacional dos Cursos Técnicos CNCT para a respectiva habilitação profissional, acrescida da carga horária destinada ao estágio curricular e/ou Trabalho de Conclusão de Curso TCC. Ainda sobre o currículo dos Cursos Técnicos Integrados ao Ensino Médio, este está definido por disciplinas orientadas pelos perfis de conclusão e distribuídas na matriz curricular com as respectivas cargas horárias, propiciando a visualização do curso como um todo. EJA Educação de Jovens e Adultos A Educação Profissional ofertada para a Educação de Jovens e Adultos, respeitando suas especificidades definidas na legislação, é apresentada com as mesmas características do Ensino Técnico Integrado. Nesse sentido, o atendimento a essa clientela pressupõe ações voltadas para o seu projeto de vida e para as necessidades urgentes de (re)inserção e de (re)qualificação, visando à complementação da renda familiar ou para o provimento de seu sustento. Desta forma, o ensino aponta para um projeto capaz de vislumbrar o trabalho como princípio educativo. Dessa forma, estaremos, enquanto Instituição de ensino, resgatando a nossa função social e promovendo dignidade e cidadania. Atualmente, o IFPB oferta esta modalidade de ensino contemplando os cursos: Técnico Integrado em Eventos, em João Pessoa; Operação de Microcomputadores, em Campina Grande; Desenho e Construção Civil, em Cajazeiras, e Agroindústria, em Sousa. Educação Superior Cursos Superiores de Tecnologia, Licenciatura, Bacharelados e Engenharias. Os Cursos Superiores de Tecnologia integram as diferentes formas de educação ao trabalho, à ciência e à tecnologia e visam, segundo suas diretrizes curriculares, garantir aos cidadãos o direito à aquisição de competências profissionais que os tornem aptos para a inserção em setores profissionais nos quais haja a utilização de tecnologias. Com a Educação Profissional Tecnológica de Graduação, a Instituição tem galgado seu espaço, construindo uma educação gratuita e de qualidade, assentada nos mais modernos fundamentos científicos e tecnológicos, potencializando-se em opção de qualidade para as diversas gerações. CAMPUS Cabedelo Cajazeiras Campina Grande Tabela II Cursos Superiores ofertados pelo Instituto EIXOS TECNOLÓGICOS PRODUÇÃO CULTURAL E DESIGN INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO CONTROLE E PROCESSOS INDUSTRIAIS LICENCIATURA INFRAESTRUTURA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO LICENCIATURA CURSOS CST em Design Gráfico CST em Análise e Desenvolvimento de Sistemas CST em Automação Industrial Licenciatura em Matemática CST em Construção Civil CST em Telemática Licenciatura em Matemática Monteiro INFRAESTRUTURA CST em Construção de Edifícios João Pessoa BACHARELADO BACHARELADO Bacharelado em Administração Bacharelado em Engenharia Elétrica - 9 -

10 CONTROLE E PROCESSOS INDUSTRIAIS INFRAESTRUTURA PRODUÇÃO CULTURAL E DESIGN INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO AMBIENTE E SAÚDE GESTÃO E NEGÓCIOS INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO LICENCIATURA CST em Automação Industrial CST em Construção de Edifícios CST em Design de Interiores CST em Geoprocessamento CST em Gestão Ambiental CST em Negócios Imobiliários CST em Redes de Computadores CST em Sistemas de Telecomunicações CST em Sistemas para Internet Licenciatura em Química Patos SEGURANÇA CST em Segurança do Trabalho Picuí RECURSOS NATURAIS CST em Agroecologia Princesa Isabel Sousa AMBIENTE E SAÚDE RECURSOS NATURAIS PRODUÇÃO ALIMENTÍCIA LICENCIATURA BACHARELADO CST em Gestão Ambiental CST em Agroecologia CST em Alimentos Licenciatura em Química Bacharelado em Medicina Veterinária A oferta dos Cursos de Licenciatura visa ao atendimento à Lei /2008 e foi criada com o objetivo de minimizar a falta de profissionais de educação para exercer a docência nas Escolas de Educação Básica. As Licenciaturas, cujo objetivo é a habilitação do profissional de diversas áreas do conhecimento para atuar no magistério, são ofertadas a portadores de diplomas de Ensino médio. Os programas de formação pedagógica foram regulamentados pela Resolução nº 2, de 07 de julho de 1997, alterando a Portaria 432, de 19 de julho de 1971, que regulamentava a formação de docentes para as disciplinas do currículo da educação profissional. Mesmo antes da edição da referida Lei, atuando com uma visão de futuro, O IFPB já ofertava o Curso de Licenciatura em Química. O IFPB oferece atualmente o Bacharelado em Administração e Engenharia Elétrica. A duração, carga horária e tempo de integralização dos cursos de Bacharelado presenciais no âmbito do IFPB atendem ao Parecer CNE/CES nº 08/2007 e Resolução CNE/CES Nº 02/2007. Os estágios e atividades complementares dos cursos de graduação, bacharelados, na modalidade presencial, não deverão exceder a 20% (vinte por cento) da carga horária total do curso, salvo nos casos de determinações legais em contrário, tomando por base as seguintes orientações (Resolução CNE/CES Nº 02/2007). Em relação aos Cursos de Engenharia, o IFPB adota como referencial o Parecer nº 1.362/2001 que estabelece Diretrizes Curriculares Nacionais dos Cursos de Engenharia. Após a consolidação do ensino superior em nível de graduação, o IFPB iniciou a oferta de cursos de pós-graduação, nas suas diversas áreas, com a finalidade de atender à demanda social por especialistas. Os cursos de especialização lato sensu em Segurança da Informação, Educação Profissional e Gestão Pública iniciaram uma série de cursos de pós-graduação ofertados pelo IFPB

11 Para uma Instituição de ensino profissionalizante que prima pela qualidade e busca a todo tempo incrementá-la, é estratégico para o seu dinamismo ter um programa de incentivo e difusão da cultura da pesquisa científica e tecnológica. Nesse sentido, o IFPB tem buscado construir e difundir conhecimentos, apoiar tecnologicamente o setor produtivo, propiciar a iniciação científica aos discentes, fazer a realimentação curricular dos cursos, obter recursos para a Instituição e incentivar a formação em pós-graduação dos servidores são algumas das razões que justificam tal importância. Assim, a Pró-reitoria de Pesquisa, Inovação e Pós-graduação, setor tático responsável pelas ações para o desenvolvimento da pesquisa científica e tecnológica, pela inovação tecnológica e pela pós-graduação no IFPB, apresenta uma proposta de Política de Pesquisa, Inovação e Pós-graduação, tendo como diretriz primeira uma política, cujo instrumento norteador sejam as ações nesses campos. Os grupos ou núcleos de pesquisa constituem-se células mater do desenvolvimento da pesquisa científica e tecnológica e da inovação na Instituição. Buscar formas de incentivar a sua criação/consolidação e apoiar o seu desenvolvimento torna-se crucial para o sucesso de qualquer plano institucional de pesquisa científica e tecnológica, inovação e pós-graduação. Naturalmente, associa-se pesquisa aos cursos superiores ou aos programas de pós-graduação. A pesquisa científica e tecnológica, desenvolvida no IFPB, porém, já vem sendo realizada em todas as modalidades de ensino do IFPB: Ensino Médio, Ensino Técnico, Ensino de Graduação (Tecnológico, Bacharelado e Licenciatura) e Ensino de Pósgraduação (Lato Sensu). Assim, o IFPB há muito tem demonstrado o seu potencial no campo da pesquisa científica e tecnológica. Possui uma Infraestrutura física de laboratórios de razoável a boa e um quadro efetivo de recursos humanos bem qualificados. Atualmente, o IFPB possui 28 grupos de pesquisa cadastrados no CNPq e certificados pela Instituição, nas seguintes áreas: Ciências Agrárias 1; Ciências Exatas e da Terra 10; Ciências Humanas 4; Ciências Sociais Aplicadas 2; Engenharias 7; Linguística, Letras e Artes 4. Esses grupos têm apresentado produção acadêmica constante e consistente, inclusive proporcionando aos discentes a iniciação científica e servindo de incentivo para a formação de novos grupos. A Instituição conta, ainda, com um veículo impresso para divulgação de trabalhos científicos e tecnológicos, que é a Revista Principia. É sobre esta base de ciência e tecnologia, construída nos últimos anos, que o IFPB trabalha para reforçar a sua capacidade de produção de pesquisas científicas e tecnológicas e de inovação tecnológica, voltadas ao desenvolvimento educacional, econômico e social da nossa região de abrangência. Além das atividades pertinentes à Pesquisa, o IFPB tem atuado, também, junto à Extensão, desenvolvendo, de acordo com as Dimensões da Extensão estabelecidas pelo Fórum de Dirigentes de Extensão da Rede de Educação Profissional e Tecnológica FORPROEXT os seguintes projetos: Projetos Tecnológicos: desenvolvimento de atividades de investigação científica, técnica e tecnológica, em parceria com instituições públicas ou privadas que tenham interface de aplicação

12 Serviços Tecnológicos: oferta de serviços de consultoria, assessoria, e outros serviços de cunho técnico e tecnológico, para o mundo produtivo. Eventos: realização de ações de interesse técnico, social, científico, esportivo, artístico e cultural, favorecendo a participação da comunidade externa e/ou interna. Projetos Sociais: projetos que agregam um conjunto de ações, técnicas e metodologias transformadoras, desenvolvidas e/ou aplicadas na interação com a população e apropriadas por ela, que representam soluções para inclusão social, geração de oportunidades e melhoria das condições de vida. Cursos de Extensão: ação pedagógica de caráter teórico e prático de oferta não regular, que objetiva a capacitação de cidadãos. Projetos Culturais Artísticos e Esportivos: compreende ações de apoio e promoção de eventos de caráter cultural, cívico, artístico e desportivo. Visitas Técnicas e Gerenciais: interação das áreas educacionais da Instituição com o mundo do trabalho. Empreendedorismo: compreende o apoio técnico educacional com vistas à formação empreendedora, bem como o desenvolvimento de serviços e produtos tecnológicos. Acompanhamento de egressos: constitui-se no conjunto de ações implementadas que visam acompanhar o desenvolvimento profissional do egresso, na perspectiva de identificar cenários junto ao mundo do trabalho e retroalimentar o processo de ensino, pesquisa e extensão. Para o ano de 2012, o IFPB lança curso de pós-graduação stricto sensu, em nível de mestrado, na área de Engenharia Elétrica Cenário socioeconômico da região Criado em 2008 (Lei ), o IFPB é uma Instituição de Educação Superior, básica e profissional especializada na oferta de educação profissional e tecnológica nas diversas modalidades de ensino. O Curso Superior de Tecnologia em Construção de Edifícios, criado em 1999, vem atender uma demanda do mercado local e regional por profissionais habilitados para atuar no gerenciamento, planejamento e execução de obras de edifícios. O IFPB tem como uma das componentes da sua função social o desenvolvimento pleno dos seus alunos, seu preparo para o exercício da cidadania e sua qualificação para o trabalho dentro do contexto da Educação Profissional e Tecnológica, ofertada com qualidade, preparando-o para ser um agente transformador da realidade do município, do estado, país e do mundo, visando a eliminação das desigualdades regionais e locais, dentro de um contexto de desenvolvimento sustentável, promovendo a igualdade social (PDI, 2012). Foram implementadas ações de inclusão social, com o ingresso de alunos portadores de necessidades especiais no CSTCE. Dados do cenário econômico local apresentam uma expansão no setor da construção civil, reforçando a importância da existência do Curso Superior de Tecnologia em Construção de Edifícios do IFPB. Entre 1995 e 1998, houve um aumento de 135,50% na quantidade de habite-se concedidos em João Pessoa, revelando o crescimento dos investimentos na construção civil no setor habitacional, sendo este setor o principal contratante dos serviços de tecnólogos em construção de edifícios. Pesquisa da Fundação Getúlio Vargas FGV, apresentada durante o Nordeste Invest 2008, revelou que um total de 646 mil dólares foram aplicados no país, na compra de imóveis por estrangeiros não residentes no Brasil. Dados fornecidos pela consultoria de mercado que presta serviços para o Sinduscon-JP, mostram que o mercado imobiliário referente à venda de apartamentos

13 em construção ou finalizados movimentou, entre janeiro e julho de 2010, R$ 311,407 milhões, o equivalente a mais 1,5 mil unidades vendidas. Desse montante, R$ 31,000 milhões, é relativo a vendas para consumidores estrangeiros. Em 2005, foram movimentados R$ 185,000 milhões e em 2007 o volume evoluiu para R$ 420,000 milhões. O cenário econômico brasileiro para os próximos anos prevê um crescimento do setor da construção civil. Este fato relaciona-se, principalmente, ao setor habitacional, em virtude do Programa de Aceleração do Crescimento PAC implantado pelo Governo Federal. A realização da Copa do Mundo em 2014, bem como dos Jogos Olímpicos em 2016, no Brasil, também tem impulsionado esse crescimento. Em virtude da proximidade com duas cidades-sedes da Copa (Recife-PE e Natal-RN), João Pessoa torna-se, potencialmente um mercado em expansão, propício à atuação dos tecnólogos em construção de edifícios. Quanto à formação profissional, o Estado da Paraíba possui cursos de Tecnologia em Construção de Edifícios, sendo que, em João Pessoa, é o único curso ofertado por instituição pública. Além desse aspecto, é importante salientar o aumento da procura pelo ingresso no CSTCE-IFPB nos últimos anos. Desta forma, é constatado que o CSTCE- IFPB atende às necessidades do mercado e demandas do setor produtivo, formando profissionais específicos para contribuir com o desenvolvimento socioeconômico local e regional Missão 1.5. Identidade Estratégica da IES De acordo com o PDI-Plano de Desenvolvimento Institucional ( ), o Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Educação da Paraíba, tem como missão Preparar profissionais cidadãos com sólida formação humanística e tecnológica para atuarem no mundo do trabalho e na construção de uma sociedade sustentável, justa e solidária, integrando o ensino, a pesquisa e a extensão Princípios institucionais O PDI do IFPB apresenta para o exercício da gestão do instituto os seguintes princípios: Ética Requisito básico orientador das ações institucionais; Desenvolvimento Humano Desenvolver o ser humano, buscando sua integração à sociedade através do exercício da cidadania, promovendo o seu bem estar social; Inovação Buscar soluções às demandas apresentadas; Qualidade e Excelência Promover a melhoria continua dos serviços prestados; Autonomia dos Campi Administrar preservando e respeitando a singularidade de cada campus; Transparência Disponibilizar mecanismos de acompanhamento e de conhecimento das ações da gestão, aproximando a administração da comunidade; Respeito Atenção com alunos, servidores e público em geral; Compromisso Social Participação efetiva nas ações sociais, cumprindo seu papel social de agente transformador da sociedade Finalidades Segundo a Lei /08, o IFPB é uma Instituição de educação superior, básica e profissional, pluricurricular e multicampi, especializada na oferta de educação profissional e tecnológica, contemplando os aspectos humanísticos, nas diferentes modalidades de ensino, com base na conjugação de conhecimentos técnicos e tecnológicos com sua prática pedagógica. O IFPB atuará em observância com a legislação vigente com as seguintes finalidades:

14 ofertar educação profissional e tecnológica, em todos os seus níveis e modalidades, formando e qualificando cidadãos com vistas na atuação profissional nos diversos setores da economia, com ênfase no desenvolvimento socioeconômico local, regional e nacional; desenvolver a educação profissional e tecnológica como processo educativo e investigativo de geração e adaptação de soluções técnicas e tecnológicas às demandas sociais e peculiaridades regionais; promover a integração e a verticalização da educação básica à educação profissional e educação superior, otimizando a Infraestrutura física, os quadros de pessoal e os recursos de gestão; orientar sua oferta formativa em benefício da consolidação e fortalecimento dos arranjos produtivos, sociais e culturais locais, identificados com base no mapeamento das potencialidades de desenvolvimento socioeconômico e cultural no âmbito de atuação do IFPB; constituir-se em centro de excelência na oferta do ensino de ciências, em geral, e de ciências aplicadas, em particular, estimulando o desenvolvimento de espírito crítico e criativo. qualificar-se como centro de referência no apoio à oferta do ensino de ciências nas instituições públicas de ensino, oferecendo capacitação técnica e atualização pedagógica aos docentes das redes públicas de ensino; desenvolver programas de extensão e de divulgação científica e tecnológica; realizar e estimular a pesquisa aplicada, a produção cultural, o empreendedorismo, o cooperativismo e o desenvolvimento científico e tecnológico promover a produção, o desenvolvimento e a transferência de tecnologias sociais, notadamente as voltadas à preservação do meio ambiente e a melhoria da qualidade de vida. promover a integração e correlação com instituições congêneres, nacionais e internacionais, com vista ao desenvolvimento e aperfeiçoamento dos processos de ensino e aprendizagem, pesquisa e extensão Objetivos São objetivos do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Educação da Paraíba: I. ministrar educação profissional técnica de nível médio, prioritariamente na forma de cursos integrados, para os concluintes do ensino fundamental e para o público da educação de jovens e adultos; II. III. IV. ministrar cursos de formação inicial e continuada de trabalhadores, objetivando a capacitação, o aperfeiçoamento, a especialização e a atualização de profissionais, em todos os níveis de escolaridade, nas áreas da educação profissional e tecnológica; realizar pesquisas, estimulando o desenvolvimento de soluções técnicas e tecnológicas, estendendo seus benefícios à comunidade; desenvolver atividades de extensão de acordo com os princípios e finalidades da educação profissional e tecnológica, em articulação com o mundo do trabalho e os segmentos sociais, e com ênfase na produção, desenvolvimento e difusão de conhecimentos científicos, e tecnológicos, culturais e ambientais; V. estimular e apoiar processos educativos que levem à geração de trabalho e renda e à emancipação do cidadão na perspectiva do desenvolvimento socioeconômico local e regional; VI. ministrar em nível de educação superior:

15 cursos superiores de tecnologia visando à formação de profissionais para os diferentes setores da economia; cursos de licenciatura, bem como programas especiais de formação pedagógica, com vistas na formação de professores para a educação básica, sobretudo nas áreas de ciências e matemática, e para a educação profissional; cursos de bacharelado e engenharia, visando à formação de profissionais para os diferentes setores da economia e áreas do conhecimento; cursos de pós-graduação lato sensu de aperfeiçoamento e especialização, visando à formação de especialistas nas diferentes áreas do conhecimento; cursos de pós-graduação stricto sensu de mestrado e doutorado, que contribuam para promover o estabelecimento de bases sólidas em educação, ciência e tecnologia, com vistas no processo de geração e inovação tecnológica. 2.Contexto do Curso 2.1. Dados Gerais Denominação do Curso: Curso Superior de Tecnologia em Construção de Edifícios Modalidade: Tecnólogo Endereço de Oferta: Avenida Primeiro de Maio, 720, Jaguaribe, João Pessoa-PB, CEP: , Fone: (83) e , Fax: (83) , endereço eletrônico: SITUAÇÃO LEGAL DO CURSO Autorização: Documento Resolução CEFET-PB Portaria MEC Reconhecimento: N. Documento GD/CEFET-PB 456 Portaria MEC nº Data Documento 01/12/ /05/2004 Data da Publicação 01/12/ /05/2004 N. Parecer/Despacho nº 203/2004 Conceito MEC Turno de Funcionamento: Integral Matutino Vespertino Noturno Totais Vagas anuais: Turmas Teóricas Regime de Matrícula: Semestral Carga Horária: Na Instituição Atividades Complementares Estágio Total Horas Integralização: Mínimo Máximo 2.2. Breve histórico do curso 06 semestres 09 semestres O Curso Superior de Tecnologia em Construção de Edifícios foi criado em 1999 (Portaria nº. 456/99-GD, de 01/12/1999) com o nome de Curso Superior de Tecnologia em Produção Civil. Além da sua denominação inicial, o referido curso teve uma outra denominação até chegar à denominação atual. Em 2004, através da Portaria MEC nº , de 11/05/2004, que reconhecia o Curso Superior de Tecnologia em Produção Civil, o curso passava a ser denominado, a partir daquela data, de Curso Superior de Tecnologia em Gerenciamento de Obras de Edificações. A terceira e atual denominação do curso veio a partir da Portaria nº. 24/2006-CD, de 26/10/2006, em consonância com a determinação do MEC para que os cursos de tecnologia se adequassem ao Catálogo Nacional de Cursos de Tecnologia

16 O curso em tela surgiu a partir da inquietação de professores da área de Construção Civil da instituição (na época denominada CEFET-PB) no sentido de buscar novos caminhos, possibilitando uma formação superior em uma área até então inédita na região Nordeste e ainda de pouca visibilidade, naquele momento, no país. Foi formada uma comissão de seis professores da área de Construção Civil, os quais ainda permanecem na instituição até os dias atuais, para elaborar um projeto de curso que atendesse às demandas do mercado. A partir de uma pesquisa de mercado elaborada por pesquisadores da UFPB, onde era evidenciada a necessidade cada vez maior de profissionais na área de construção civil com habilidades e competências voltadas para às necessidades das empresas construtoras e dos órgãos públicos afins, e da infraestrutura física e corpo docente disponível na instituição, foi elaborada a Proposta do Curso Superior de Tecnologia em Produção Civil, a qual foi apresentada à instituição, sendo a mesma aprovada pela Direção Geral. A partir da aprovação do Projeto de Curso pela Direção Geral da Instituição, o Curso Superior de Tecnologia em Produção Civil foi ofertado à comunidade já no primeiro semestre de 2000, resultando na implantação efetiva do curso no período O sonho se tornava realidade. Desde a sua criação, a estrutura curricular do curso passou por alterações, as quais foram fruto das avaliações e discussões dos docentes que faziam parte da Comissão de Acompanhamento do Curso com as comunidades interna (docentes e discentes do curso) e externa (a exemplo do Sinduscon-JP e de algumas empresas construtoras), sempre buscando atender às demandas apresentadas pelo mercado da indústria da Construção Civil. Ressaltando que a estrutura curricular atual é resultado dessas discussões e das recomendações formuladas pela Comissão de Avaliação da SETEC (na época responsável pelas avaliações dos Cursos Superiores de Tecnologia) no momento de reconhecimento do curso em Hoje, o curso passa por mais uma discussão, coordenada pelo NDE, no sentido de adequá-lo às novas exigências do mercado, que deverá resultar em mudanças na matriz curricular

17 II. ORGANIZAÇÃO DIDÁTICO-PEDAGÓGICA 1.Concepção do curso O Curso Superior de Tecnologia em Construção de Edifícios foi criado com o objetivo de atender às demandas de mercado da cidade de João Pessoa, a partir da percepção da necessidade de se formar um profissional com habilidades e competências específicas para gerenciar obras de edificações. Sua metodologia foi definida para contribuir para a formação de um egresso criativo, apto a ocupar os diversos postos de trabalho do segmento da Indústria da Construção Civil. O conjunto de disciplinas que integralizam os seis períodos de formação são apresentadas aos alunos utilizando-se de práticas pedagógicas teórico-práticas que procuram proporcionar ao aluno um aprendizado significativo, interativo e uma educação problematizadora, com o intuito de fomentar no aluno uma visão crítica sobre as diversas situações que ele irá encontrar na prática profissional. Assim, seus componentes curriculares são distribuídos na matriz de forma a permitir ao aluno a instrumentação técnica inicial necessária, com o aporte de disciplinas teóricas, até chegar às disciplinas de gestão de obras, que são o cerne de sua formação Justificativas do curso Em uma economia globalizada, o Brasil precisa alcançar patamares cada vez maiores de produtividade. Para atingir tal objetivo, necessita de um sistema de educação preparado e devidamente aparelhado para responder com eficiência e eficácia à capacitação de recursos humanos especializados, indispensáveis à modernização dos meios de produção. As consecutivas gestões do MEC/SEMTEC e IFETs para a ampliação do raio de atendimento do ensino profissionalizante, bem demonstram a consciência de que as perspectivas do mundo moderno tendem, cada vez mais, a alterar valores científicos e tecnológicos exigindo, por conseguinte, que a educação esteja em constante sintonia com a evolução. Recentemente, CASTRO ( Por que quatro anos?, Cláudio de Moura Castro, Veja, pág. 18, 21 de agosto de 2002) destaca a relevância dos cursos de tecnólogo, salientando a sua importância para a preparação para muitas ocupações novas ou que se transformaram. A indústria da construção difere das demais em muitos aspectos, apresentando peculiaridades que refletem uma estrutura dinâmica e complexa. Dentre essas peculiaridades, destacam-se as relativas ao tamanho das empresas, a curta duração das obras, à sua diversidade e à rotatividade da mão-de-obra. No aspecto econômico, ocupa papel de destaque no cenário nacional por gerar um grande número de empregos diretos e indiretos, absorvendo um terço dos trabalhadores envolvidos em atividades industriais. Além disso, representa, segundo Mawakdiye (1997), 13,5% do Produto Interno Bruto PIB, perdendo apenas para a indústria de transformação, que participa com 19%. Em visita à João Pessoa (maio/2000), o Presidente da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC), Luís Roberto Ponte, afirmou que cerca de 70% dos investimentos feitos pelas empresas no país têm como fim a construção, enfatizando, ainda, esperar índices promissores de crescimento para os próximos anos. Com relação ao subsetor de edificações, a Tabela 1 mostra uma participação da ordem de 28,4% na construção civil brasileira, o que demonstra a relevante importância deste segmento industrial na economia nacional. Na Paraíba, segundo Souto & Taigy (1991), do universo de empresas do ramo da construção civil, uma parcela considerável (cerca de 65%) corresponde ao subsetor de edificações

18 Tabela 1 Valor bruto da população, segundo grandes grupos da construção (em R$) GRANDES GRUPOS E GRUPOS DA CONSTRUÇÃO Obras Edificações Obras viárias Grandes estruturas e obras de arte Montagens industriais Obras de urbanização Obras de outro tipo Serviços da construção Construções de etapas especif. de obras Serviços diversos Outros serviços TOTAL Part. de edificações na construção (%) Quantidade , ,4 Fonte IBGE (Anuário Estatístico do Brasil 1996) Notas As diferenças entre somas de parcelas e respectivos totais são provenientes do critério de arredondamento. No período houve mudança de moeda devido à implantação de Plano Econômico, o que provoca uma diferença acentuada nos valores As figuras 1 e 2 mostram o crescimento do sub-setor setor na cidade de João Pessoa e nas principais cidades do estado (João Pessoa, Campina Grande, Patos e Sousa), respectivamente. Figura 1 Total de Habite-se concedidos na cidade de João Pessoa no período Fonte IDEME (Anuário Estatístico da Paraíba 1999) Figura 2 Total de Habite-se concedidos nas principais cidades do estado da Paraíba (João Pessoa, Campina Grande, Patos e Sousa) no período

19 Fonte IDEME (Anuário Estatístico da Paraíba 1999) Consoante o cadastro industrial do estado da Paraíba, editado pela Federação das Indústrias do Estado da Paraíba (FIEP) em 1997, das empresas situadas em João Pessoa, a construção civil representa 58% das indústrias ativas, como conseqüência, este ramo industrial oferece o maior número de empregos. Diante da necessidade do mercado, associada à vocação natural da área de Construção Civil do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba (IFPB), que já oferece à comunidade o curso técnico de nível médio em Edificações há mais de 30 anos, e subsidiado no estudo de Demandas de Informações Tecnológicas da Construção Civil (estudo realizado pela UFPB, em 1998, sobre a demanda de informações tecnológicas no setor da Construção Civil da Paraíba, no qual foram pesquisadas 45 empresas de construção civil, de pequeno e médio portes, que atuam no Estado), que constatou uma lacuna referente à habilitação para a gerência de obras, mais especificamente conhecimentos profissionais nas áreas de recursos humanos, logística, planejamento, controle, execução e manutenção de obras, o CEFET-PB apresentou, na ocasião, o Curso Superior de Tecnologia em Gerência de Obras de Edificações Objetivos do curso O Curso Superior de Tecnologia em Construção de Edifícios tem seus objetivos estabelecidos em conformidade com as competências e habilidades estabelecidas no seu perfil de egresso, atendendo às políticas institucionais de desenvolvimento de pesquisas e soluções tecnológicas para esse segmento da construção civil. Dessa forma, seus objetivos são: Geral O Curso Superior de Tecnologia em Construção de Edificações tem como objetivo geral proporcionar aos tecnólogos conhecimentos e formação integral, com base nas tendências da competitividade contemporânea, tornando-os os capazes de intervir no desenvolvimento econômico e social da região Específicos De maneira específica o Curso Superior de Tecnologia em Construção de Edifícios do IFPB, procura: Capacitar acitar os alunos para planejar e controlar obras de construção o civil (execução de edifícios). Habilitar os alunos a administrar recursos humanos disponíveis nos canteiros de obras, de acordo com a legislação vigente no país. Formar profissionais aptos a elaborar especificações técnicas de insumos pertinentes às obras e seus respectivos controles. Preparar os alunos para diagnosticar e solucionar problemas inerentes às obras de construção civil

20 Capacitar os alunos para aplicar técnicas de avaliação pós-ocupação e técnicas de manutenção predial. Instruir os alunos a resolver problemas típicos de serviços da construção civil de acordo com o contexto vigente. Desenvolver pesquisa e extensão na área de Construção Civil, buscando soluções tecnológicas e formais para as necessidades cotidianas Perfil do egresso do curso O Tecnólogo em Construção de Edifícios atua no gerenciamento, planejamento e execução de obras de edifícios. Ele é o profissional que orienta, fiscaliza e acompanha o desenvolvimento de todas as etapas desse processo, incluindo desde o planejamento e acompanhamento de cronogramas físico-financeiros até o gerenciamento de resíduos das obras, objetivando, em todas estas etapas, segurança, otimização de recursos e respeito ao meio ambiente. Atua também na restauração e manutenção de edificações, comercialização e logística de materiais de construção Atribuições no mercado de trabalho O Tecnólogo de Nível Superior em Construção de Edifícios tem as seguintes atribuições: Realizar o planejamento e os controles executivo e financeiro de obras de edificações. Fazer apropriação de material, mão-de-obra e insumos e elaborar seus respectivos orçamentos. Fiscalizar a execução de obras de edificações. Dimensionar, especificar, gerenciar e avaliar produtividade (mão-de-obra e equipamentos). Gerenciar empresas de construção e manutenção de edificações. Interpretar e documentar projetos, esquemas gráficos, memoriais descritivos e especificações. Realizar o controle de qualidade de produtos e serviços. Gerenciar os suprimentos necessários à execução de obras de edificações. Identificar patologias, identificar e selecionar equipamentos, ensaios e métodos de diagnósticos de patologias de construção. Aplicar novas tecnologias, materiais e sistemas construtivos. Interpretar legislações trabalhistas, previdenciárias, de resíduos sólidos, de licitações, incorporações e o Código de Defesa do Consumidor, bem como efetuar a legalização de obras de edificações. Identificar materiais de construção, identificar ensaios e compreender normas técnicas pertinentes. Acompanhar locação e nivelamento de obras de edificações. Utilizar recursos de informática para dar suporte às atividades de planejamento e elaboração de documentação técnica pertinente. Conhecer e entender as instalações prediais, bem como os seus principais elementos constituintes. Aplicar ferramentas e técnicas de avaliação do comportamento pós-uso da edificação. Caracterizar e gerenciar os resíduos sólidos oriundos de obras de edificações

21 Conhecer e organizar planos de trabalho nas obras de edificações. Fazer lay-out e implantar canteiros de obras de edificações Diferenciais competitivos do curso O Curso Superior de Tecnologia em Construção de Edifícios do IFPB oferece uma formação específica no segmento da construção, através de uma matriz curricular que oportuniza uma formação que contemple assuntos como planejamento de obras, gerenciamento de suprimentos, gestão de resíduos, patologia construtiva, manutenção das edificações, entre outros. É um curso que tem suas práticas pedagógicas focadas no desenvolvimento de habilidades e competências que permitem ao aluno atuar no gerenciamento, planejamento e execução de obras de edifícios, utilizando-se de conhecimentos específicos relativos a esses assuntos, adquiridos através das disciplinas ministradas no curso. O curso supracitado é o único disponível na cidade de João Pessoa, sendo acessível a pessoas de diversas camadas sociais, atendendo aos objetivos da instituição, de oferecer um ensino público tecnológico de qualidade para a sociedade. Além disso, o curso é ofertado unicamente no turno noturno, configurando-se, assim, como mais um diferencial, pela possibilidade de ser cursado, também, por pessoas que trabalham na área durante o dia e só dispõem desse turno para dedicar-se a um curso superior. 2. Políticas Institucionais e sua correlação com o Curso De acordo com o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI (2012), o Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba tem como missão Preparar profissionais cidadãos com sólida formação humanística e tecnológica para atuarem no mundo do trabalho e na construção de uma sociedade sustentável, justa e solidária, integrando o ensino, a pesquisa e a extensão. As políticas de ensino do IFPB, para o quinquênio , pautam-se pela busca da excelência do ensino, qualificação do corpo docente, melhoria das condições do processo de ensino e de aprendizagem e garantia do ensino público e gratuito, numa gestão democrática. Para a implementação destas políticas, algumas ações tem sido desenvolvidas, a exemplo da capacitação de professores nos níveis de doutorado (Dinter) e mestrado (Minter); atualização pedagógica continuada; incentivo à participação de alunos e docentes em congressos e eventos acadêmicos e profissionais da área; ampliação da infra-estrutura física e do acervo da biblioteca, entre outros. Especificamente no âmbito do Curso Superior de Tecnologia em Construção de Edifícios tem-se: a instituição do Núcleo Docente Estruturante NDE, órgão consultivo dos cursos superiores do IFPB, responsável pela concepção, acompanhamento e revisão do Projeto Pedagógico do CSTCE, composto por professores e presidido pelo coordenador; a instituição do Colegiado de Curso, órgão de administração acadêmica dos cursos de graduação do IFPB, constituído por professores efetivos e representação discente indicado pelos alunos. As políticas do IFPB, voltadas para pesquisa e extensão visam construir e difundir conhecimentos; apoiar tecnologicamente o setor produtivo; estimular a pesquisa científica e tecnológica; fazer a realimentação curricular dos cursos; obter recursos para a instituição e incentivar a formação em pós-graduação dos servidores. Em termos práticos, a instituição tem buscado parcerias com órgãos de fomento, a exemplo do CNPq, viabilizando programas como o PIBITI/CNPq e o PIBIC/CNPq, destinados a discentes de graduação, orientados por servidores pesquisadores doutores. Nesse sentido, a própria instituição também tem destinado recursos financeiros do seu próprio orçamento para viabilizar um programa de iniciação científica semelhante, denominado PIBICT, reservado para o público de alunos de graduação orientados por professores pesquisadores doutores, mestres e especialistas. Além disso, o IFPB dispõe de bolsas de pesquisador, criadas pela instituição com vistas a incentivar a formação de pesquisadores. Também foram implantadas recentemente as taxas de bancada para os

22 Grupos de Pesquisa cadastrados no CNPq e certificados pela instituição, como forma de incentivar a criação e/ou o fortalecimento de grupos de pesquisa do IFPB. No âmbito do CSTCE, são realizados eventos e palestras que visam fornecer ao aluno subsídios para uma formação tecnológica mais próxima da realidade do mercado local; a contribuição do curso para o desenvolvimento do setor produtivo e de serviços se dá pelo fornecimento de mão-de-obra especializada. A pesquisa científica se concretiza também através de diversos projetos de iniciação científica desenvolvidos junto aos alunos do curso, através da criação dos Grupos de Pesquisa Planejamento e Gerenciamento da Construção Civil (formado em 2000) e Materiais e Resíduos da Construção Civil (formado em 2004), entre outros. Não se pode deixar de mencionar a organização de um grande evento de âmbito nacional na área de construção civil, encampada pelo IFPB no ano de Trata-se do SIBRAGEC Simpósio Brasileiro de Gestão e Economia da Construção, coordenado pelos integrantes do Grupo se Pesquisa Planejamento e Gerenciamento da Construção Civil. Nessa mesma linha, no ano de 2013 o IFPB estará à frente da organização do CIPAR - Congresso Internacional sobre Patologia e Recuperação de Estruturas, que será coordenado pelos membros do Grupo de Pesquisa Materiais e Resíduos da Construção Civil vinculados ao IFPB. O IFPB junto com a coordenação do CSTCE também apoiou aos alunos do Centro Acadêmico para a realização da I Semana da Construção Civil, evento local que aconteceu nas instalações do Instituto, campus João Pessoa, no período de 11 a 15 de junho de O evento teve como tema: O Futuro começa agora! Construção como nunca Civil, abordando as novas tecnologias na área da construção civil, visando atualização e conhecimentos na prática. Em termos de projetos de pesquisa, pode-se citar o apoio do IFPB no desenvolvimento de alguns deles na área, dentre os quais destaca-se o projeto INOVATEC, financiado pela FINEP, intitulado Desenvolvimento de métodos e metodologias para avaliação de desempenho de tecnologias inovadoras no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação Técnica. Esse projeto, coordenado pelo professor Gibson Rocha Meira, está sendo desenvolvido desde 2011, em parceria com 11 instituições do país. O diálogo entre os saberes acadêmicos e os saberes populares acontece com a implantação da política de extensão, sociabilizando e democratizando o conhecimento produzido. Como prática acadêmica, interliga as atividades de ensino e de pesquisa com as demandas dos diversos segmentos da sociedade, possibilitando a formação de um profissional cidadão. Assim, em termos de extensão, nesse ano, na área de construção civil, estão sendo desenvolvidos dois projetos vinculados ao PROBEXT Programa Institucional de Bolsas de Extensão, denominados Importância da qualificação na construção civil e Leitura e interpretação de plantas arquitetônicas, ambos coordenados pela professora Roberta Paiva. 3. Organização curricular Os conteúdos curriculares do curso de Tecnologia em Construção de Edifícios do IFPB estão distribuídos em seis módulos semestrais de disciplinas. O curso apresenta, no seu início, um maior percentual de conhecimentos voltados para a formação básica. A medida em que o curso avança, ampliam-se os conhecimentos relacionados ao gerenciamento, planejamento e execução de obras, refletindo, assim, os objetivos do curso Estrutura Curricular

23 1º Período Disciplinas Teórica Prática Total Fundamentos da Química * * 50 Desenho Técnico * * 67 Desenho Auxiliado por Computador CAD * * 50 Cálculo Diferencial e Integral * 83 Topografia * * 50 Português Instrumental * 50 Gestão da Saúde e Segurança do Trabalho * * 67 Subtotal 417 2º Período Disciplinas Teórica Prática Total Materiais de Construção * * 67 Desenho Arquitetônico * * 83 Fundamentos da Metodologia da Pesquisa Científica * 33 Mecânica e Termodinâmica * 67 Matemática Financeira * 33 Estatística * 50 Psicologia do Trabalho * 50 Subtotal 383 3º Período Disciplinas Teórica Prática Total Mateirias de Construção II * * 67 Estabilidade das Construções * * 67 Eletricidade e Eletromagnetismo * 50 Instalações Hidraúlicas Prediais * * 83 Sistemas Construtivos * * 67 Inglês Instrumental * 50 Subtotal 384 4º Período Disciplinas Teórica Prática Total Mecânica dos Solos e Fundações * * 67 Construções de Concreto Armado * * 67 Implantação do Canteiro de Obras * 50 Instalações Elétricas Prediais * * 100 Especificações e Orçamentos * 67 Vedações e Revestimentos * * 50 Subtotal 401 5º Período Disciplinas Teórica Prática Total Estruturas Metálicas e de Madeiras * 50 Legislação Social * 67 Gerência de Suprimentos * * 50 Planejamento e Constrole de Obras * 83 Qualidade na Construção Civil * * 50 Patologia nas Construções * * 67 Metodologia e Técnicas de Pesquisa * 50 Subtotal 417 Disciplinas 6º Período Teórica Prática Total

24 Construções Insdustrializadas * 50 Impermemabilização e Proteção de Edifícios * 50 Empreendedorismo * * 67 Avaliação Pós Ocupação * * 50 Gerenciamento de Resíduos Sólidos de Construção * 67 Administração de Marketing * 67 Ergonomia * 50 Gestão de Pessoas * 67 Subtotal 468 *CONTEÚDO PREDOMINANTE QUADRO RESUMO Demonstrativo CHT (%) Disciplinas (obrigatórias) ,16 Estágio Supervisionado ,46 Atividades Complementares 100 3,37 Prática Pedagógica (se for o caso) - - Projeto de Graduação (TCC) - - Carga Horária Total do Curso Disciplina Optativa Disciplina Teórica Prática Total Libras I (optativa) * * 33 Subtotal 33 QUADRO RESUMO DISCIPLINA Demonstrativo CHTD (%) Disciplinas (obrigatórias) Disciplina Optativa 33 2 Carga Horária Total de Disciplinas

25 - 25 -

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO PROVÍNCIA LA SALLE BRASIL - CHILE APRESENTAÇÃO O Setor de Educação Superior da Província

Leia mais

MU»». / 01 j 20j&. _QQ_ ÿqfas .REITORIA 00 IFPB RECEBI. TRAfVSfTAÇÂO. Em,. -js. Protocolo n 23326.006411.2015-26

MU»». / 01 j 20j&. _QQ_ ÿqfas .REITORIA 00 IFPB RECEBI. TRAfVSfTAÇÂO. Em,. -js. Protocolo n 23326.006411.2015-26 MU»». EDtKftÇ&aCIÉHCIA ETECNOLOGIA MMlM.REITORIA 00 IFPB RECEBI Em,. -js Às / 01 j 20j&. _QQ_ ÿqfas "sinaturao ÿrspoosávc Protocolo n 23326.006411.2015-26 ê Data: 16/06/2015 Campus: CAMPUS-JP Interessado:

Leia mais

PARECER. Justificativa

PARECER. Justificativa Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás IFG - Campus Anápolis Departamento das Áreas Acadêmicas Parecer: Do:

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA CAMPUS DE GUARABIRA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA CAMPUS DE GUARABIRA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA CAMPUS DE GUARABIRA Umberto Gomes da Silva Júnior DIRETOR GERAL umbertojunior@ifpb.edu.br

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO Portaria nº 808, de 8 de junho de 00. Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior - SINAES. O MINISTRO DE

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO INTRODUÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO (PPC) Articulação com o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Projeto Político Pedagógico Indissociabilidade entre ensino, pesquisa

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR APROVADO PELA RESOLUÇÃO

Leia mais

Art. 16.O plano de desenvolvimento institucional deverá conter, pelo menos, os seguintes elementos:

Art. 16.O plano de desenvolvimento institucional deverá conter, pelo menos, os seguintes elementos: Referência atual: Decreto 5.773, 9 de maio de 2006. Art. 16.O plano de desenvolvimento institucional deverá conter, pelo menos, os seguintes elementos: I-missão, objetivos e metas da instituição, em sua

Leia mais

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do Dimensão 2 As políticas para o ensino, a pesquisa, a pós-graduação, a extensão e as respectivas normas de operacionalização, incluídos os procedimentos para estímulo à produção acadêmica, as bolsas de

Leia mais

PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006.

PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006. PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006. Aprova, em extrato, o Instrumento de Avaliação Externa de Instituições de Educação Superior do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES O MINISTRO

Leia mais

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação

Leia mais

ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL

ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL Resumo Gabriel Mathias Carneiro Leão1 - IFPR, UFPR Rosane de Fátima Batista Teixeira2 - IFPR Grupo de Trabalho Cultura, Currículo e Saberes

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação Bacharelados, Licenciaturas e Cursos Superiores de Tecnologia (presencial e a distância)

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação Bacharelados, Licenciaturas e Cursos Superiores de Tecnologia (presencial e a distância) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

Contribuição dos Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia para as Organizações Produtivas e o Desenvolvimento Local

Contribuição dos Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia para as Organizações Produtivas e o Desenvolvimento Local Contribuição dos Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia para as Organizações Produtivas e o Desenvolvimento Local 4ª Conferência Brasileira de Arranjos Produtivos Locais Brasília, 29 de

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 Candidato Gilmar Ribeiro de Mello SLOGAN: AÇÃO COLETIVA Página 1 INTRODUÇÃO Considerando as discussões realizadas com a comunidade interna

Leia mais

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI A implementação do Plano de Desenvolvimento Institucional, envolve além dos objetivos e metas já descritos, o estabelecimento de indicadores, como forma de se fazer o

Leia mais

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS Projeto de Lei nº 8.035, de 2010 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional O PNE é formado por: 10 diretrizes; 20 metas com estratégias

Leia mais

Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE

Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE IV. CÂMARA TEMÁTICA DA EDUCACÃO, CULTURA E DESPORTOS Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE Meta 1 Toda criança e jovem de 4 a 17 anos na escola; Meta 2 Até 2010, 80% e,

Leia mais

PDI 2012-2016 Implementação da Instituição e Organização Acadêmica

PDI 2012-2016 Implementação da Instituição e Organização Acadêmica PDI 2012-2016 Implementação da Instituição e Organização Acadêmica Pró-Reitoria de Ensino do IFG Gilda Guimarães Dulcinéia de Castro Santana Goiânia_ 2012/1 1- PARÂMETROS LEGAIS LEI Nº 11.892, DE 29 DE

Leia mais

EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS

EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS EIXO III - CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO

Leia mais

DA ESCOLA DE APRENDIZES ARTÍFICES AO IFAM: UM BREVE HISTÓRICO SOBRE O PROCESSO DE IFETIZAÇÃO NO AMAZONAS.

DA ESCOLA DE APRENDIZES ARTÍFICES AO IFAM: UM BREVE HISTÓRICO SOBRE O PROCESSO DE IFETIZAÇÃO NO AMAZONAS. DA ESCOLA DE APRENDIZES ARTÍFICES AO IFAM: UM BREVE HISTÓRICO SOBRE O PROCESSO DE IFETIZAÇÃO NO AMAZONAS. Martinho Correia Barros Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas martinho.correia@ifam.edu.br

Leia mais

D I R E I T O SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES AUTORIZAÇÃO

D I R E I T O SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES AUTORIZAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Superior Sesu Departamento de Supervisão da Educação Superior - Desup Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria

Leia mais

ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

ENGENHARIA DE PRODUÇÃO ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Universidade de Cuiabá CURSO: ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Dados de identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente da Mantenedora Presidente: Ed. Rodrigo Calvo Galindo Base legal

Leia mais

Documento orientador de um curso que traduz as políticas acadêmicas institucionais

Documento orientador de um curso que traduz as políticas acadêmicas institucionais Documento orientador de um curso que traduz as políticas acadêmicas institucionais Construção coletiva a partir das experiências, coordenada pelo Colegiado do Curso de Graduação (art. 34 do Regimento Geral

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2012 PRÓ-REITORIA DE ENSINO/IFMG/SETEC/MEC, DE 05 DE JUNHO DE 2012.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2012 PRÓ-REITORIA DE ENSINO/IFMG/SETEC/MEC, DE 05 DE JUNHO DE 2012. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS PRÓ-REITORIA DE ENSINO Av. Professor Mario Werneck, nº 2590,

Leia mais

CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO

CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO Com a finalidade de otimizar o processo de elaboração e avaliação dos Projetos Pedagógicos do Cursos (PPC), sugere-se que os itens a seguir sejam

Leia mais

Presidência da República

Presidência da República Página 1 de 5 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 6.095, DE 24 DE ABRIL DE 2007. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84,

Leia mais

CETEC EDUCACIONAL S.A. Mantenedora FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - ETEP. Mantida

CETEC EDUCACIONAL S.A. Mantenedora FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - ETEP. Mantida CETEC EDUCACIONAL S.A Mantenedora FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - ETEP Mantida PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SÃO JOSÉ DOS CAMPOS 1 SUMÁRIO

Leia mais

DIRETRIZES PARA A GESTÃO DAS ATIVIDADES DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO DO IFPB

DIRETRIZES PARA A GESTÃO DAS ATIVIDADES DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO DO IFPB Ministério da Educação Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia da Paraíba Pró-Reitoria de Ensino Pró-Reitoria de Pesquisa, Inovação e Pós-Graduação Pró-Reitoria de Extensão DIRETRIZES PARA A

Leia mais

Informativo Comissão Própria de Avaliação URI Erechim

Informativo Comissão Própria de Avaliação URI Erechim Informativo Comissão Própria de Avaliação URI Erechim 7ª edição março 2015 Avaliação Institucional: um ato de consolidação para as universidades! Segundo o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais

Leia mais

2 Oferta de cursos técnicos e superiores por eixo tecnológico, por Campus. Taxa de ingresso nos cursos técnicos na forma de oferta, por Campus

2 Oferta de cursos técnicos e superiores por eixo tecnológico, por Campus. Taxa de ingresso nos cursos técnicos na forma de oferta, por Campus PERSPECTIVA OBJETIVO INDICADOR META RESULTADOS INSTITUCIONAIS 1 Nº de cursos técnicos e superiores, articulados com os arranjos produtivos locais por Campus; 2 Oferta de cursos técnicos e superiores por

Leia mais

SIC 56/07. Belo Horizonte, 8 de novembro de 2007.

SIC 56/07. Belo Horizonte, 8 de novembro de 2007. SIC 56/07 Belo Horizonte, 8 de novembro de 2007. 1. DIRETRIZES PARA A ELABORAÇÃO, PELO INEP, DOS INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO PARA O CREDENCIAMENTO DE INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR E SEUS PÓLOS DE APOIO

Leia mais

A. Critérios para Avaliação e Aprovação de Cursos Novos de História

A. Critérios para Avaliação e Aprovação de Cursos Novos de História A. Critérios para Avaliação e Aprovação de Cursos Novos de História 1. Apoio institucional. Clara manifestação de apoio por parte da IES proponente, expressa tanto no provimento da infraestrutura necessária,

Leia mais

CONSELHO UNIVERSITÁRIO

CONSELHO UNIVERSITÁRIO P R O P O S T A D E P A R E C E R CONSELHO UNIVERSITÁRIO PROCESS0 Nº: 007/2014 ASSUNTO: Proposta de texto Construção de Políticas e Práticas de Educação a Distância a ser incluído no Plano de Desenvolvimento

Leia mais

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014 A CPA (Comissão Própria De Avaliação) apresentou ao MEC, em março de 2015, o relatório da avaliação realizada no ano de 2014. A avaliação institucional, realizada anualmente, aborda as dimensões definidas

Leia mais

Esfera: 10 Função: 12 - Educação Subfunção: 367 - Educação Especial UO: 26298 - Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação

Esfera: 10 Função: 12 - Educação Subfunção: 367 - Educação Especial UO: 26298 - Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação Programa 1374 Desenvolvimento da Educação Especial Numero de Ações 16 Ações Orçamentárias 0511 Apoio ao Desenvolvimento da Educação Especial Produto: Projeto apoiado UO: 26298 - Fundo Nacional de Desenvolvimento

Leia mais

DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização

DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização 2.1 - GRADUAÇÃO 2.1.1. Descrição do Ensino de Graduação na UESC Cursos: 26 cursos regulares

Leia mais

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME Os desafios da Educação Infantil nos Planos de Educação Porto de Galinhas/PE Outubro/2015 Secretaria de Educação Básica CONCEPÇÃO DE EDUCAÇÃO INFANTIL É direito dos trabalhadores

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO CAIRU O QUE VOCÊ PRECISA SABER: Por que fazer uma pós-graduação?

PÓS-GRADUAÇÃO CAIRU O QUE VOCÊ PRECISA SABER: Por que fazer uma pós-graduação? PÓS-GRADUAÇÃO CAIRU O QUE VOCÊ PRECISA SABER: Por que fazer uma pós-graduação? O mercado do trabalho está cada vez mais exigente. Hoje em dia, um certificado de pós-graduação é imprescindível para garantia

Leia mais

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS INTRODUÇÃO Com base no Programa Nacional de Reestruturação dos Hospitais Universitários Federais - REHUF, destinado à reestruturação e revitalização dos hospitais das universidades federais, integrados

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1 CURSO: BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Dados de Identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente da Mantenedora Presidente: Ed. Rodrigo

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação em Direito (presencial e a distância)

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação em Direito (presencial e a distância) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 6, DE 10 DE MARÇO DE 2004 (*)

RESOLUÇÃO Nº 6, DE 10 DE MARÇO DE 2004 (*) RESOLUÇÃO Nº 6, DE 10 DE MARÇO DE 2004 (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Ciências Contábeis, bacharelado, e dá outras providências. O Presidente da Câmara de Educação

Leia mais

ANEXO III. Cronograma detalhado do PROAVI

ANEXO III. Cronograma detalhado do PROAVI ANEXO III Cronograma detalhado do PROAVI 65 PROGRAMA DE AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA PUC-CAMPINAS CRONOGRAMA COMPLEMENTAR DETALHANDO AS ATIVIDADES E AS AÇÕES DE DIVULGAÇÃO COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO

Leia mais

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL Faculdade Educacional da Lapa 1 FAEL RESULTADOS - AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012 O referido informativo apresenta uma súmula dos resultados da autoavaliação institucional, realizada no ano de 2012, seguindo

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Conselho Nacional de Educação/Câmara de Educação UF: DF Superior. ASSUNTO: Diretrizes para a elaboração, pelo INEP,

Leia mais

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS Art. 1. A Política de Assistência Estudantil da Pós-Graduação da UFGD é um arcabouço de princípios e diretrizes

Leia mais

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Educação que valoriza o seu tempo: presente e futuro

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Educação que valoriza o seu tempo: presente e futuro EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Educação que valoriza o seu tempo: presente e futuro Educação a Distância Os mesmos professores. A mesma aula. O mesmo diploma. A única diferença é a sala de aula que fica em suas

Leia mais

Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais

Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação

Leia mais

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS Estabelece a política de pesquisa, desenvolvimento, inovação e extensão da Universidade Positivo (UP). O CONSELHO ACADÊMICO SUPERIOR (CAS), órgão da administração superior

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 190/00-CEE/MT.

RESOLUÇÃO Nº 190/00-CEE/MT. RESOLUÇÃO Nº 190/00-CEE/MT. Fixa normas complementares, para o Sistema Estadual de Ensino, à lmplementação das Diretrizes Curriculares para a Formação de Professores da Educação Infantil e dos anos iniciais

Leia mais

PLANO DE GESTÃO 2015-2017

PLANO DE GESTÃO 2015-2017 UNIFAL-MG FACULDADE DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS PLANO DE GESTÃO 2015-2017 Profa. Fernanda Borges de Araújo Paula Candidata a Diretora Profa. Cássia Carneiro Avelino Candidata a Vice Diretora Índice Apresentação...

Leia mais

Resolução 001/2011 - Conselho Superior/02/05/2011. Órgão Emissor: Conselho Superior do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Catarinense

Resolução 001/2011 - Conselho Superior/02/05/2011. Órgão Emissor: Conselho Superior do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Catarinense Resolução 001/2011 - Conselho Superior/02/05/2011. Órgão Emissor: Conselho Superior do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Catarinense O Reitor do Instituto Federal de Educação, Ciência

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - NEAD

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - NEAD REGULAMENTO DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - NEAD A política de Educação a Distância EAD está claramente expressa em diversos documentos e regulamentos internos da instituição Regulamento do NEAD Os

Leia mais

PROPOSTA DE METODOLOGIA E PLANO DE TRABALHO PARA A ELABORAÇÃO DO PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PDI DO IFB (2014-2018)

PROPOSTA DE METODOLOGIA E PLANO DE TRABALHO PARA A ELABORAÇÃO DO PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PDI DO IFB (2014-2018) PROPOSTA DE METODOLOGIA E PLANO DE TRABALHO PARA A ELABORAÇÃO DO PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PDI DO IFB (2014-2018) 1. Introdução O Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI) busca nortear

Leia mais

CAPES DAV REGULAMENTO DA AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE MESTRADO INTERINSTITUCIONAL MINTER

CAPES DAV REGULAMENTO DA AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE MESTRADO INTERINSTITUCIONAL MINTER (Anexo à Portaria nº 067, de 14 de setembro de 2005) CAPES DAV REGULAMENTO DA AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE MESTRADO INTERINSTITUCIONAL MINTER 1. Caracterização do Projeto Minter 1.1. Caracteriza-se como Projeto

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação Superior - DAES SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DIREÇÃO DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE. UNIOESTE - Campus de Francisco Beltrão. Quadriênio 2016-2019. Candidata

PLANO DE TRABALHO DIREÇÃO DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE. UNIOESTE - Campus de Francisco Beltrão. Quadriênio 2016-2019. Candidata PLANO DE TRABALHO DIREÇÃO DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE UNIOESTE - Campus de Francisco Beltrão Quadriênio 2016-2019 Candidata Franciele Ani Caovilla Follador Slogan: CCS em ação! 1 INTRODUÇÃO Em 1991,

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA DA UTFPR Resolução

Leia mais

2. Cursos de Extensão

2. Cursos de Extensão 2. Cursos de Extensão Instituto Internacional de Cromatografia (IIC) APRESENTAÇÃO DOS CURSOS DE EXTENSÃO DO IIC O Instituto Internacional de Cromatografia (IIC) oferecerá no ano de 2011 as seguintes atividades

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004.

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004. 1 CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004. (*) (**) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de graduação em Educação Física,

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Curso: Gestão Ambiental campus Angra Missão O Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental da Universidade Estácio de Sá tem por missão a formação de Gestores Ambientais

Leia mais

Concepções e qualidade da Educação Superior a Distância : a experiência da Universidade Aberta do Brasil- UAB.

Concepções e qualidade da Educação Superior a Distância : a experiência da Universidade Aberta do Brasil- UAB. Concepções e qualidade da Educação Superior a Distância : a experiência da Universidade Aberta do Brasil- UAB. Profa. Dra. Nara Maria Pimentel Diretora de Ensino de Graduação da UnB Presidente do Fórum

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE

PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE - MT 2011 Apresentação Articulado com o novo Plano de Desenvolvimento Institucional (2011-2015)

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIRETORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO - NADEP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL SÃO

Leia mais

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 239, DE 2012

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 239, DE 2012 SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 239, DE 2012 O CONGRESSO NACIONAL decreta: Altera a Lei nº 11.892, de 29 de dezembro de 2008, que institui a Rede Federal de Educação Profissional, Científica

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 13, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2006 (*)

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 13, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2006 (*) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 13, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2006 (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Turismo

Leia mais

O ordenamento da Pós- Graduação no Brasil: possibilidades para os IFET

O ordenamento da Pós- Graduação no Brasil: possibilidades para os IFET CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO Câmara de Educação Superior O ordenamento da Pós- Graduação no Brasil: possibilidades para os IFET IFET-RS Bento Gonçalves (RS), 15 de junho de 2009 Maria Beatriz Luce Conselheira

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

O Ensino a Distância nas diferentes Modalidades da Educação Básica

O Ensino a Distância nas diferentes Modalidades da Educação Básica O Ensino a Distância nas diferentes Modalidades da Educação Básica Francisco Aparecido Cordão Conselheiro da Câmara de Educação Básica do CNE facordao@uol.com.br 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16

Leia mais

CARGO: PROFESSOR Síntese de Deveres: Exemplo de Atribuições: Condições de Trabalho: Requisitos para preenchimento do cargo: b.1) -

CARGO: PROFESSOR Síntese de Deveres: Exemplo de Atribuições: Condições de Trabalho: Requisitos para preenchimento do cargo: b.1) - CARGO: PROFESSOR Síntese de Deveres: Participar do processo de planejamento e elaboração da proposta pedagógica da escola; orientar a aprendizagem dos alunos; organizar as atividades inerentes ao processo

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

CURSO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS CURSO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Identificação do Curso Nome do Curso: Sistemas de Informação Titulação: Bacharelado Modalidade de ensino: Presencial

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO As ações de pesquisa do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas constituem um processo educativo

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação a Distância SEED Departamento de Regulação e Supervisão da Educação a Distância Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO CURSO: TURISMO ( bacharelado) Missão Formar profissionais humanistas, críticos, reflexivos, capacitados para planejar, empreender e gerir empresas turísticas, adaptando-se ao

Leia mais

Projeto Pedagógico do Curso Licenciatura em Computação na modalidade a distância

Projeto Pedagógico do Curso Licenciatura em Computação na modalidade a distância Ministério da Educação Secretaria de Educação Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba Projeto Pedagógico do Curso Licenciatura em Computação na modalidade a distância

Leia mais

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES O Parecer do CNE/CES nº 492/2001, assim define as atividades complementares:

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC 1 PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC O PPC, Projeto Pedagógico de Curso, é o instrumento de concepção de ensino e aprendizagem de um curso e apresenta características de um projeto, no qual devem ser definidos

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online DOCÊNCIA NO ENSINO SUPERIOR Regulamentação de Pós-Graduação Lato Sensu e Ato de Credenciamento Institucional para Oferta de Curso de Pós-Graduação

Leia mais

Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes

Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes Elaborada pela Diretoria de Assuntos Estudantis 1 1 Esta minuta será apreciada pelo Colegiado de Ensino, Pesquisa e Extensão nos dias

Leia mais

Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação

Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação Curso de Atualização Pedagógica Julho de 2010 Mediador: Adelardo Adelino Dantas de Medeiros (DCA/UFRN) Diretrizes Curriculares

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU R E G I M E N T O G E R A L PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Regimento Geral PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Este texto foi elaborado com as contribuições de um colegiado de representantes da Unidades Técnico-científicas,

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.465, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2013

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.465, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2013 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.465, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2013 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Bacharelado em

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação presencial e a distância

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação presencial e a distância MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

Coordenação de Pós-Graduação e Extensão. Legislação sobre cursos de Pós-graduação Lato Sensu e Credenciamento da FACEC

Coordenação de Pós-Graduação e Extensão. Legislação sobre cursos de Pós-graduação Lato Sensu e Credenciamento da FACEC Coordenação de Pós-Graduação e Extensão Legislação sobre cursos de Pós-graduação Lato Sensu e Credenciamento da FACEC Os cursos de especialização em nível de pós-graduação lato sensu presenciais (nos quais

Leia mais

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global Página Artigo: 6º Parágrafo: Único Inciso Alínea EMENDA MODIFICATIVA O parágrafo único do Artigo 6º do PL n 8035 de 2010, passa a ter a seguinte redação: Art. 6º... Parágrafo único. O Fórum Nacional de

Leia mais

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social O Projeto pedagógico do Curso de Serviço Social do Pólo Universitário de Rio das Ostras sua direção social, seus objetivos, suas diretrizes, princípios,

Leia mais

Pronatec EJA: o Proeja no Pronatec

Pronatec EJA: o Proeja no Pronatec Pronatec EJA: o Proeja no Pronatec MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Anna Catharina da Costa Dantas dpept.setec@mec.gov.br Brasília/DF, 02 de julho de 2013. PNE 2011-2020:

Leia mais

Plano de Ação do Centro de Educação e Letras 2012-2015

Plano de Ação do Centro de Educação e Letras 2012-2015 Plano de Ação do Centro de Educação e Letras 2012-2015 Apresentação: O presente plano de trabalho incorpora, na totalidade, o debate e indicativo do coletivo docente e discente do Centro de Educação e

Leia mais

MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO EM SAÚDE

MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO EM SAÚDE 1 MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO EM SAÚDE Olinda PE Agosto / 2014 2 Introdução As atividades complementares representam um conjunto de atividades extracurriculares que

Leia mais

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME)

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) Palmas 2010 1. Apresentação O Núcleo de Apoio Didático e Metodológico NADIME é o órgão da Faculdade Católica do Tocantins responsável pela efetivação da

Leia mais

Ednei Nunes de Oliveira - Candidato a Diretor. Por uma EaD focada no aluno e na qualidade com inovação: crescer com justiça e humanização.

Ednei Nunes de Oliveira - Candidato a Diretor. Por uma EaD focada no aluno e na qualidade com inovação: crescer com justiça e humanização. PROGRAMA DE TRABALHO PARA O QUADRIÊNIO 2015-2019 DOS CANDIDATOS À DIREÇÃO DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (EAD) DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS Ednei Nunes de Oliveira - Candidato a Diretor

Leia mais

Minuta do Capítulo 10 do PDI: Relações Externas

Minuta do Capítulo 10 do PDI: Relações Externas Minuta do Capítulo 10 do PDI: Relações Externas Elaborada pela Diretoria de Extensão e pela Pró-Reitoria de Pesquisa, Pós-Graduação e Inovação 1 1 Esta minuta será apreciada pelo Colegiado de Ensino, Pesquisa

Leia mais

NORMAS PARA CRIAÇÃO DE CURSOS TÉCNICOS DE NÍVEL MÉDIO E DE GRADUAÇÃO NO ÂMBITO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO

NORMAS PARA CRIAÇÃO DE CURSOS TÉCNICOS DE NÍVEL MÉDIO E DE GRADUAÇÃO NO ÂMBITO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO NORMAS PARA CRIAÇÃO DE CURSOS TÉCNICOS DE NÍVEL MÉDIO E DE GRADUAÇÃO NO ÂMBITO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO Dispõe sobre Normas para criação de cursos Técnicos de Nível

Leia mais

POR DENTRO DO ENADE CURSO DE CAPACITAÇÃO 2014. Procuradoria Educacional Institucional Pró-Reitoria de Ensino IFG

POR DENTRO DO ENADE CURSO DE CAPACITAÇÃO 2014. Procuradoria Educacional Institucional Pró-Reitoria de Ensino IFG POR DENTRO DO ENADE CURSO DE CAPACITAÇÃO 2014 Procuradoria Educacional Institucional Pró-Reitoria de Ensino IFG Avaliação Institucional Processos de avaliação institucional Interna Relatórios da CPA Externa

Leia mais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais Especialização em Gestão Estratégica de Apresentação CAMPUS COMÉRCIO Inscrições Abertas Turma 02 --> Início Confirmado: 07/06/2013 últimas vagas até o dia: 05/07/2013 O curso de Especialização em Gestão

Leia mais

Salvador, Bahia Quarta-feira 16 de Abril de 2014 Ano XCVIII N o 21.405 EDITAL Nº 034/2014

Salvador, Bahia Quarta-feira 16 de Abril de 2014 Ano XCVIII N o 21.405 EDITAL Nº 034/2014 Salvador, Bahia Quarta-feira 16 de Abril de 2014 Ano XCVIII N o 21.405 EDITAL Nº 034/2014 O REITOR DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA (UNEB), no uso de suas atribuições legais e regimentais, RESOLVE tornar

Leia mais

Plano de Gestão 2013-2016 IFSP Campus Caraguatatuba

Plano de Gestão 2013-2016 IFSP Campus Caraguatatuba Visão Institucional O Campus Caraguatatuba do IFSP desenvolveu-se nos últimos anos, ampliando os cursos oferecidos, desde a Formação Inicial e Continuada, passando pelos Cursos Técnicos, de Tecnologia,

Leia mais

RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão. Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus

RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão. Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus 2013-2016 0 1 Sumário Apresentação... 2 Análise Situacional... 2 Programas Estruturantes...

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES

SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação a Distância SEED Departamento de Regulação e Supervisão da Educação a Distância Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep

Leia mais