obras de arte A produção de aço em larga

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "obras de arte A produção de aço em larga"

Transcrição

1

2 responsabilidade ambiental obras de arte A produção de aço em larga escala ampliou as possibilidades de investimentos na modernização do Brasil. Na década de 1970, monumentais obras de engenharia, especialmente soluções viárias e geração de energia, se tornaram símbolo das aspirações de grandeza nacional. A Ponte Rio-Niterói, por exemplo, possui o maior vão em viga reta contínua de aço no mundo, com 300 metros de extensão. Ponte de South Grand Island, em Nova York: aço empregado em grandes obras de infra-estrutura por todo o mundo, ao longo do século XX

3 82 83 Relatório Anual 2006 CSN responsabilidade ambiental A preocupação com o meio ambiente e a qualidade de vida das comunidades em que atua é uma das marcas registradas da CSN, que desembolsou R$ 224 milhões em projetos ambientais só no ano passado Promover uma gestão ambiental socialmente responsável faz parte do dia-a-dia da CSN. Além de priorizar equipamentos que oferecem o que há de mais moderno em monitoramento e gerenciamento de riscos ambientais, a Empresa conta com um Comitê Interno de Gestão Ambiental, formado por profissionais de todas as áreas da sua principal usina. Esse grupo se reúne semanalmente para discutir eventuais problemas e, ao mesmo tempo, detectar situações em que possa agir de modo proativo no processo produtivo, de maneira a reduzir possíveis danos ambientais. O grande destaque no campo dos investimentos em meio ambiente no ano de 2006 foi a conclusão do Termo de Compromisso Ambiental (TCA) do Terminal de Granéis Sólidos (Tecar) do Porto de Itaguaí, concomitantemente às obras de expansão desse Terminal. O TCA assinado com o Governo do Estado do Rio de Janeiro em 30 de novembro de 2001 e aditado em 28 de maio de 2004 previa a instalação de todos os sistemas de controle ambiental necessários. Entre outras ações, foram construídas três estações de tratamento de efluentes líquidos; instalados sistemas de aspersão de água em todas as pilhas de materiais e equipamentos com potencial geração de poeira, contando com recirculação total de água; instaladas bandejas coletoras nos descarregadores de navios, que impedem a queda de material no mar; construídos canaletas e filtros para o controle de efluentes do píer; adequadas as áreas de oficinas e postos de abastecimento, com pavimentação, coleta e tratamento de efluentes e resíduos. Desde o início das obras do TCA, foram investidos R$ 52,1 milhões, sendo R$ 13,2 milhões em 2006.

4 Além disso, 2006 foi marcado por vários pedidos, emissões e renovações de licenças ambientais, junto aos órgãos competentes, para as operações atuais ou para a realização de novos empreendimentos nas áreas de siderurgia, mineração, logística e cimento. Entre esses novos projetos, destacam-se a nova Usina de Placas de Itaguaí, o Terminal de Exportação de Minério de Ferro (associado ao Tecar), obras e estruturas necessárias à expansão da mina de Casa de Pedra, a Fábrica de Clínquer Cimenteiro em Arcos, a Moagem de Cimento de Volta Redonda e o primeiro trecho da Ferrovia Transnordestina. Investimentos Em 2006, a CSN investiu, entre capex e despesas de custeio, R$ R$ 237,3 milhões em projetos ambientais. Hoje, a necessidade de investimentos de capital na área ambiental é relativamente baixa e refere-se basicamente a dois tipos de ações: projetos de melhoria e projetos de expansão. Por outro lado, as despesas com custeio vêm crescendo anualmente, pois as atividades de operação e de manutenção de equipamentos de controle ambiental instalados no último ciclo de investimentos são contabilizadas nessa rubrica no balanço da Empresa. Sistema de Gestão Ambiental A CSN conta com o Sistema de Gestão Ambiental (SGA) nas suas unidades de operação, possibilitando a melhoria contínua de sua performance ambiental. O sistema atua de forma integrada nas diversas cadeias produtivas da Companhia, além de ser baseado na Norma ISO Dispêndios em meio ambiente em 2006 investimento de capital (R$) Controle de Poluição Atmosférica Controle de Poluição de Recursos Hídricos Controle de Poluição de Solo/Gerenciamento de Resíduos Administração de Meio Ambiente Total de Investimentos Custeio em meio ambiente Controle de Poluição Atmosférica Controle de Poluição de Recursos Hídricos Controle de Poluição de Solo/ Gerenciamento de Resíduos Administração de Meio Ambiente Total de Custeio Total CSN

5 84 85 Relatório Anual 2006 CSN 14001:2004. A Empresa está certificada sob essa norma internacional e é auditada anualmente por empresas de renome no mercado, tanto para as operações industriais de Volta Redonda e Porto Real (RJ) quanto para as operações minerais de Congonhas e Arcos (MG). Trata-se de um sistema descentralizado, que possui um conjunto de normas e regras gerais de cunho corporativo, com aplicação e desdobramento de acordo com as especificidades das unidades de produção da Companhia. O SGA reflete a política ambiental da CSN, que é apoiada em seis pilares: Suporte ao negócio; Empresa transparente; Melhoria contínua; Prevenção de poluição; Respeito à legislação ambiental; e Equacionamento de não-conformidades. Esses princípios que formam o acróstico SEMPRE norteiam os objetivos e as metas de cada unidade, seus programas e planos de ações preventivas e corretivas, além dos monitoramentos, das verificações e das auditorias que garantem a eficiência e a melhoria contínua do sistema. Rumo à privatização A vulnerabilidade do Estado brasileiro, que se mostrava incapaz de continuar a exercer o papel de promotor do crescimento nacional, sobretudo nos setores estratégicos da economia, refletia-se na indústria do aço. Em 1990, após discussões acaloradas, o Presidente Fernando Collor de Mello criou o Programa Nacional de Desestatização. No setor siderúrgico, entre os anos de 1991 e 1992, foram privatizadas a Aços Finos Piratini S/A, a Companhia Siderúrgica do Nordeste, a Companhia Siderúrgica de Tubarão e a Usiminas. A CSN foi a última a ser incluída no programa, pois além do caráter fortemente simbólico da Empresa, suas dívidas eram altas. Estudos realizados no fim do governo de José Sarney apontavam que seriam necessários cerca de 600 milhões de dólares para reerguer a Empresa. Alguns integrantes da equipe do governo Collor chegaram a sugerir sua insolvência. Diante do impasse, o engenheiro Roberto Procópio Lima Netto foi indicado para assumir a Presidência da CSN com a incumbência de sanear suas contas e preparar a Empresa para o leilão de privatização (na foto abaixo, no dia de sua conclusão, em 2 de abril de 1993). Qualidade do ar As operações da CSN que podem gerar impactos atmosféricos contam com sistemas de controle de poluição, seja por abatimento de poeira a úmido, pelo emprego de sistemas de lavagem de gases, ou pela ação de sistemas complexos de filtragem. A Empresa dispõe também de uma sofisticada rede de monitoramento da qualidade do ar em Volta Redonda, formada por nove estações, sendo:

6 Três estações automáticas de monitoramento, que registram 24 horas por dia as concentrações de 12 tipos de poluentes atmosféricos (partículas totais e inaláveis, óxidos de nitrogênio, óxidos de enxofre, hidrocarbonetos totais, metano, benzeno, tolueno, xileno, ozônio), e enviam a informação, de hora em hora e por meio de sistemas informatizados, para a Empresa e para os órgãos de controle ambiental do Estado do Rio de Janeiro (FEEMA) e da Prefeitura Municipal (COORDEMA). Os dados englobam também informações meteorológicas sobre ventos, medidas nessas estações; Cinco estações semi-automáticas, compostas por medidores de partículas totais em suspensão e partículas inaláveis; uma estação meteorológica completa (medindo direção e velocidade dos ventos, temperatura, insolação e precipitação) que transmite os dados, também online, para a Empresa e para o órgão ambiental. No município de Araucária, onde está situada a CSN Paraná, a Companhia mantém uma estação automática de monitoramento da qualidade do ar, interligada ao Instituto Ambiental do Paraná (IAP). Já nas minas e nos terminais portuários, os materiais particulados são medidos através de redes de estações semi-automáticas, cujos resultados são integrados a partir de campanhas a cada seis dias. O resultado do monitoramento realizado pelas estações automáticas é expresso pelo Índice de Qualidade do Ar (IQA), medido pela FEEMA e divulgado diariamente no site e através de um painel digital, instalado em uma praça movimentada da cidade. Durante todo o ano de 2006, não houve violações dos padrões de qualidade do ar na cidade, tendo o IQA variado entre os níveis BOM e REGULAR, ambos adequados aos padrões legais e aos números de referência da Organização Mundial de Saúde. O Sistema de Gestão Ambiental (SGA) permite contínuo aprimoramento da performance da Companhia, minimizando impactos ao meio ambiente

7 86 87 Relatório Anual 2006 CSN Recursos hídricos Utilizar os recursos hídricos de maneira racional é prioridade para a Usina Presidente Vargas. A unidade é um dos maiores consumidores individuais de água do Estado do Rio de Janeiro, com uma captação de mais de 6 mil litros por segundo, o equivalente a cerca de 1/6 de tudo que é captado na Cidade do Rio de Janeiro. Em 2006, para cada tonelada de aço produzida, a CSN captou 39,07 metros cúbicos de água. A despeito da redução da produção de aço bruto causada pelo acidente que paralisou, por quase seis meses, o principal alto-forno da usina, permaneceu a tendência de redução nominal da captação dos últimos anos. A Empresa opera, mantém e desenvolve projetos de melhoria e ações que possibilitam incrementar o volume de água recirculada. Ao todo, são utilizados cerca de USINA PRESIDENTE VARGAS CONSUMO ESPECÍFICO DE ÁGUA (M 3 /TON AÇO) 42 mil litros de água por segundo, dos quais mais de 36 mil litros provêm do líquido reaproveitado. Um completo e moderno sistema de captação e tratamento de água permite, no caso de uma emergência, atender até mesmo a parte da população de Volta Re donda. São quilômetros de rede de abastecimento de água e controle de efluentes para todas as áreas da Usina Presidente Vargas. No total, a operação da CSN em Volta Redonda possui nove casas de bombas para a recirculação de água; 15 estações de tratamento de efluentes, nove em circuito fechado, responsáveis pelo retorno total de água tratada ao processo industrial; e outras seis para posterior descarte no Rio Paraíba do Sul, dentro dos padrões exigidos pela legislação. Esse conjunto de investimentos possibilitou à Empresa, nos últimos 10 anos, reduzir para menos da metade o volume de captação de água bruta ,12 52,29 Em 2006, a CSN encomendou um estudo ao Centro ,54 41,83 39,07 Internacional de Referência em Reuso de Água (Cirra), da Universidade de São Paulo (USP), visando a ações que possam aumentar a taxa de reutilização da água na Usina, atualmente em cerca de 85%. Um dos grandes 20 destaques de 2006 foi o fechamento completo do circuito de efluentes tratados pela Estação de Tratamento Biológico da Usina (100% de recirculação, com retorno do efluente tratado para o anel de água bruta da UPV).

8 Resíduos do processo produtivo Os resíduos gerados pela CSN são, em sua maioria, reaproveitados, sendo que uma parte é reutilizada como matéria-prima no processo produtivo siderúrgico e a outra é transformada em co-produtos, aplicáveis em processos distintos de outras indústrias ou na construção civil. Em 2006, a Usina Presidente Vargas gerou 2,94 milhões de toneladas de resíduos, ou 660 kg por tonelada de aço bruto produzido. Deste total, 72,37% foram vendidos; 26,07% reciclados internamente; 0,15% reciclado externamente (vendas externas); 0,133% co-processado em fornos de cimento; 0,007% incinerados; e 1,26% dispostos em aterros licenciados, específicos para receber resíduos. Além disso, em 2006, a CSN faturou R$ 190 milhões, transformando seus resíduos industriais em negócio. Uma das principais fontes de receita é o agregado siderúrgico, co-produto formado a partir da granulação da escória de alto-forno, que é moída e utilizada na produção de cimento. Em 2008, a escória de alto-forno passará a ser utilizada pela própria CSN, quando começar a produzir cimento diretamente. DESTINAÇÃO DE RESÍDUOS EM 2004 VENDAS ESPECIAIS (MILHARES) , ,7 196,9 189, , ,3% 26,7% 1,26% Vendidos Reciclado Interno Aterrados ,28 Coprocessados (0,13%) Incinerados (0,0066%) Reciclagem Externa (0,15%)

9 88 89 Relatório Anual 2006 CSN Reciclagem de produtos pós-consumo O projeto Reciclaço da Metalic, única fabricante brasileira de latas de aço para bebidas carbonatadas, visa promover a reciclagem das latas, devolvendo-as ao processo produtivo como sucata. Atualmente, cerca de 85% das embalagens são recicladas, gerando renda para catadores da Região Nordeste. Os índices de reciclagem são auditados por empresa externa (ERM). Compromisso com o meio ambiente A CSN preserva suas tradições e resgata sempre seu papel na história do País, mas estrategicamente tem o olhar voltado para o futuro. Nos últimos anos, a Empresa investiu fortemente em projetos de preservação do meio ambiente. Em Volta Redonda, o Programa Ambiental Compensatório visa ressarcir o município dos danos ambientais causados pela usina desde a sua fundação. Na Mina de Casa de Pedra (na imagem ao lado, em foto aérea), assim com em suas demais unidades de produção, a CSN aplica o Sistema de Gestão Ambiental (SGA). A Empresa também produz campanhas a favor do uso de embalagens de aço, que, além de 100% recicláveis, levam em média cinco anos para se decomporem e voltarem à forma original de óxido de ferro sem poluírem, portanto, o meio ambiente. Os alimentos enlatados também são mais saudáveis. A lata é higiênica, dispensa conservantes químicos, além de preservar todas as propriedades nutritivas e o sabor. É com projetos como esses que a CSN hoje tem reivindicado sua importância na sociedade brasileira, preservando os ideais de uma Empresa que foi criada há 60 anos para ser símbolo da nossa grandeza econômica. Para aumentar o volume de latas recicladas, o projeto faz o credenciamento de sucateiros, além de promover eventos, implantar postos próprios de coleta em barracas de praia, bares, hotéis e restaurantes e parcerias promocionais com fabricantes de refrigerantes e cervejas. Obrigações ambientais Em 2006, a CSN deu continuidade ao trabalho de investigação, análise, tratamento e recuperação de passivos ambientais em todas as suas unidades. No balanço contábil da Companhia de 2006, foram lançadas provisões para passivos ambientais da ordem de R$ 53 milhões. O critério para o provisionamento foi definido de forma a incorporar todas as obrigações formalmente estabelecidas através de instrumento administrativo ou judicial, bem como riscos considerados prováveis, para os quais é possível realizar uma estimativa razoável de custos com remediação, indenizações, sanções ou compensações pecuniárias. A seguir apresentamos uma relação das principais licenças ambientais solicitadas e obtidas no período, necessárias para a instalação e operação de atividades atuais e futuras. Principais Licenças Concedidas: li FE Licença de Instalação para Ampliação do Terminal de Granéis Sólidos Tecar (Projeto Exportação de Minério de Ferro), do Porto de Itaguaí, em Itaguaí (RJ). Concedida pela FEEMA em 07/02/2006. li FE Licença de Instalação para Moagem

10 de Cimento no interior da Usina Presidente Vargas, em Volta Redonda (RJ). Concedida pela FEEMA em 07/02/2006. ibama 367/2006 Licença de Instalação para Implantação da Ferrovia Transnordestina, Trecho Missão Velha (CE) - Salgueiro (PE), com extensão total de 100,14km. Concedida pelo IBAMA em 28/03/2006. lp055/2006 Licença Prévia para Fábrica de Clínquer Cimenteiro, em Arcos (MG). Concedida pelo COPAM em 26/09/2006. lp FE Licença Prévia para Usina de Produção de 6 milhões de toneladas/ano de Placas de Aço em Itaguaí (RJ). Concedida pela FEEMA em 22/12/2006. No intuito de estreitar seu relacionamento com as partes interessadas, a Empresa mantém ainda a Linha Verde CSN ( , ligação gratuita) e o para atendimento ao público no caso de eventuais reclamações, dúvidas e sugestões de caráter ambiental. Principais Licenças Solicitadas: lo Licença de Operação para Terminal de Granéis Sólidos Tecar, do Porto de Itaguaí (RJ), incluindo todas as operações de importação de granéis e exportação de minério de ferro. Solicitada à FEEMA em 11/12/2006 li Licença de Instalação para Plantas de Pelotização (6 milhões de toneladas/ano) em Minas Gerais. Solicitada à FEAM em 20/11/2006. lo Licença de Operação para unidade de corte da Inal na Usina Presidente Vargas, em Volta Redonda (RJ). Solicitada à FEEMA em 28/07/2006.

AFIRMAÇÕES SOBRE O FUTURO

AFIRMAÇÕES SOBRE O FUTURO AFIRMAÇÕES SOBRE O FUTURO COMPANHIA SIDERÚRGICA NACIONAL A TRAJETÓRIA 2003 Aquisição da Lusosider em Portugal 2002 2005 Início da expansão da Mina Casa de Pedra e do terminal de carvão em Itaguaí Usina

Leia mais

Textos de apoio. Ciências. Ensino Fundamental I

Textos de apoio. Ciências. Ensino Fundamental I Textos de apoio Ciências Ensino Fundamental I 1 Latas de aço O mercado para reciclagem No Brasil, assim como no resto do mundo, o mercado de sucata de aço é bastante sólido, pois as indústrias siderúrgicas

Leia mais

Projeto de Conservação e Reuso de Água ELECTROLUX

Projeto de Conservação e Reuso de Água ELECTROLUX Projeto de Conservação e Reuso de Água ELECTROLUX São Carlos, 31 de Janeiro de 2011. PROJETO REUSO DE ÁGUA - ELECTROLUX 1. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA Razão Social: Electrolux do Brasil S/A Unidade: São Carlos

Leia mais

Reuso de Água na ArcelorMittal Tubarão. Maio /2015

Reuso de Água na ArcelorMittal Tubarão. Maio /2015 Reuso de Água na ArcelorMittal Tubarão Maio /2015 A empresa produtora de aço Número um no mundo PERFIL Líder nos principais mercados, entre eles o de automóveis, construção, eletrodomésticos e embalagens.

Leia mais

Os sistemas de despoeiramento, presentes em todas as usinas do Grupo Gerdau, captam e filtram gases e partículas sólidas gerados na produção

Os sistemas de despoeiramento, presentes em todas as usinas do Grupo Gerdau, captam e filtram gases e partículas sólidas gerados na produção Os sistemas de despoeiramento, presentes em todas as usinas do Grupo Gerdau, captam e filtram gases e partículas sólidas gerados na produção siderúrgica. Ontário Canadá GESTÃO AMBIENTAL Sistema de gestão

Leia mais

SISEMA. Sistema Estadual de Meio Ambiente. POLÍCIA MILITAR D E M I N A S G E R A I S Nossa profissão, sua vida.

SISEMA. Sistema Estadual de Meio Ambiente. POLÍCIA MILITAR D E M I N A S G E R A I S Nossa profissão, sua vida. SISEMA Sistema Estadual de Meio Ambiente POLÍCIA Panorama da geração de resíduos em Minas Gerais Zuleika S. Chiacchio Torquetti Diretora de Qualidade e Gestão Ambiental FEAM Outubro 2008 POLÍCIA Projeto

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER

LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER Conceito LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER É uma área da logística que atua de forma a gerenciar e operacionalizar o retorno de bens e materiais, após sua venda e consumo, às suas origens, agregando

Leia mais

Gestão Ambiental. para Empresas de Pequeno Porte

Gestão Ambiental. para Empresas de Pequeno Porte Gestão Ambiental para Empresas de Pequeno Porte Setor de Alimentos Junho de 2014 Izabela Simões Analista em Gestão Ambiental A Evolução da Gestão Ambiental 1960 2009 Controle da poluição Poluidor pagador

Leia mais

Tratamento de Efluentes

Tratamento de Efluentes Tratamento de Efluentes A IMPORTÂNCIA DO TRATAMENTO DE EFLUENTES E A REGULAMENTAÇÃO DO SETOR INTRODUÇÃO Conservar a qualidade da água é fundamental, uma vez que apenas 4% de toda água disponível no mundo

Leia mais

Programa Gerdau Germinar (MG) é uma das mais importantes iniciativas de educação ambiental da Empresa. Relatório Anual Gerdau 2014

Programa Gerdau Germinar (MG) é uma das mais importantes iniciativas de educação ambiental da Empresa. Relatório Anual Gerdau 2014 40 41 Programa Gerdau Germinar (MG) é uma das mais importantes iniciativas de educação ambiental da Empresa. MEIO AMBIENTE 42 Gerdau é reconhecida pela eficiência de suas práticas de proteção ao meio ambiente

Leia mais

COMPLEXO AMBIENTAL DIRETORIA INDUSTRIAL AMÉRICA LATINA ENGENHARIA AMBIENTAL E ENERGIA

COMPLEXO AMBIENTAL DIRETORIA INDUSTRIAL AMÉRICA LATINA ENGENHARIA AMBIENTAL E ENERGIA COMPLEXO AMBIENTAL FIAT DIRETORIA INDUSTRIAL AMÉRICA LATINA ENGENHARIA AMBIENTAL E ENERGIA VALORES EQUIPE DA GESTÃO AMBIENTAL ALTA ADMINISTRAÇÃO ENGENHARIA AMBIENTAL e ENERGIA U. OP. PRENSAS U. OP. FUNILARIA

Leia mais

Implantando o SISCOSERV na CSN

Implantando o SISCOSERV na CSN Implantando o SISCOSERV na CSN Competitividade mundial A CSN cresce e prospera graças a um modelo de produção totalmente integrado e à diversificação de suas atividades. A presença em em toda a cadeia

Leia mais

FUNDAMENTOS DA GESTÃO

FUNDAMENTOS DA GESTÃO A Ultrapar realizou em 2011 um programa de comunicação e disseminação do tema sustentabilidade entre seus colaboradores, com uma série de iniciativas voltadas para o engajamento e treinamento das pessoas.

Leia mais

AUDITORIA AMBIENTAL PARA DESENVOLVIMENTO DE FORNECEDORES

AUDITORIA AMBIENTAL PARA DESENVOLVIMENTO DE FORNECEDORES Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014 AUDITORIA AMBIENTAL PARA DESENVOLVIMENTO DE FORNECEDORES M. H. M. Nunes(*), L. M. Castro * Mineração de Alumínio da Votorantim Metais, maura.nunes@vmetais.com.br. RESUMO

Leia mais

Empresarial: uma nova visão. Abril de 2010

Empresarial: uma nova visão. Abril de 2010 A Novelis e a Sustentabilidade t d Empresarial: uma nova visão Abril de 2010 2 Grupo Aditya Birla International Operations 13 Countries JV Sunlife Financial inc. Receita de US$ 28 bilhões Mais de 100.000

Leia mais

Banco de Práticas Sustentáveis da Indústria Baiana

Banco de Práticas Sustentáveis da Indústria Baiana Banco de Práticas Sustentáveis da Indústria Baiana Modalidade 1: Tecnologias Limpas 1. SINDICATO DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO DO ESTADO DA BAHIA (SINDUSCON-BA) - Vencedora do Prêmio FIEB de Desempenho Socioambiental

Leia mais

Tecnologia e Sustentabilidade

Tecnologia e Sustentabilidade Painel 2 Tecnologia e Sustentabilidade Robério Fernandes Alves de Oliveira 1 Painel 2 Tecnologia e Sustentabilidade As dimensões da sustentabilidade Econômica Social AMBIENTAL 2 Painel 2 Tecnologia e Sustentabilidade

Leia mais

feam FUNDAÇÃO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE PARECER TÉCNICO Empreendedor: RECITEC RECICLAGEM TÉCNICA DO BRASIL LTDA.

feam FUNDAÇÃO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE PARECER TÉCNICO Empreendedor: RECITEC RECICLAGEM TÉCNICA DO BRASIL LTDA. FUNDAÇÃO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE PARECER TÉCNICO RESUMO Parecer Técnico GEDIN 078 / 2008 A RECITEC Reciclagem Técnica do Brasil Ltda., detentora da Licença Prévia 107/2004, da Licença de Instalação 273/2005

Leia mais

COPROCESSAMENTO SOLUÇÃO SEGURA E DEFINITIVA PARA A DESTINAÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS

COPROCESSAMENTO SOLUÇÃO SEGURA E DEFINITIVA PARA A DESTINAÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS COPROCESSAMENTO SOLUÇÃO SEGURA E DEFINITIVA PARA A DESTINAÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS COPROCESSAMENTO: PROCESSO DE RECICLAGEM Processo de valorização de resíduos, que consiste no reaproveitamento/reciclagem

Leia mais

Gestão Ambiental Resíduo Hospitalar. Gizelma de A. Simões Rodrigues

Gestão Ambiental Resíduo Hospitalar. Gizelma de A. Simões Rodrigues Gestão Ambiental Resíduo Hospitalar Gizelma de A. Simões Rodrigues SBS Hospital Sírio Libanês Instituição Filantrópica de saúde, ensino e pesquisa. Hospital de alta complexidade Matriz 172.000 m² 5.900

Leia mais

Investimentos e Controles Ambientais da ArcelorMittal Tubarão

Investimentos e Controles Ambientais da ArcelorMittal Tubarão Investimentos e Controles Ambientais da ArcelorMittal Tubarão Desde a inauguração, em 1983, a ArcelorMittal Tubarão segue uma gestão orientada pela busca contínua da inovação e da qualidade em processos

Leia mais

Análise de indústrias cimenteiras e seus impactos socioambientais

Análise de indústrias cimenteiras e seus impactos socioambientais VII Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí VII Jornada Científica 21 a 23 de outubro de 2014 Análise de indústrias cimenteiras e seus impactos socioambientais Warley Alves Coutinho CHAVES

Leia mais

FISICO-QUÍMICA DOS MATERIAIS GERAÇÃO DE RESÍDUOS. Prof. Dr. José Roberto de Oliveira

FISICO-QUÍMICA DOS MATERIAIS GERAÇÃO DE RESÍDUOS. Prof. Dr. José Roberto de Oliveira FISICO-QUÍMICA DOS MATERIAIS GERAÇÃO DE RESÍDUOS 1 Brasil e Estado de São Paulo Valor desconhecido Cerca de 75,4 milhões toneladas por ano Estima-se a geração de 2,9 milhões de toneladas por ano de resíduos

Leia mais

Seminário Sustentabilidade Os Desafios do Desenvolvimento

Seminário Sustentabilidade Os Desafios do Desenvolvimento Seminário Sustentabilidade Os Desafios do Desenvolvimento Quem somos Ambev 4ª maior cervejaria no mundo 3ª marca mais consumida no mundo (Skol) Líder absoluto no segmento guaraná (Guaraná Antarctica) Maior

Leia mais

Resíduos Sólidos. Diagnóstico Regional Resíduos Sólidos Urbanos

Resíduos Sólidos. Diagnóstico Regional Resíduos Sólidos Urbanos Diagnóstico Regional Resíduos Sólidos Urbanos 1 Diagnóstico regional Geração média resíduos na região: 1,0 kg/hab/dia Média nacional: 1,1 kg/hab/dia Alta temporada: acréscimo estimado em 54% do total gerado

Leia mais

VII Recicle CEMPRE. Ricardo Rolim. Diretor de Relações Sociambientais 08/Nov/2011

VII Recicle CEMPRE. Ricardo Rolim. Diretor de Relações Sociambientais 08/Nov/2011 VII Recicle CEMPRE Ricardo Rolim Diretor de Relações Sociambientais 08/Nov/2011 Quem somos Ambev 4ª maior cervejaria no mundo 3ª marca mais consumida no mundo (Skol) Líder absoluto no segmento guaraná

Leia mais

Resíduo Zero e alternativas à incineração. TATIANA BARRETO SERRA Promotora de Justiça

Resíduo Zero e alternativas à incineração. TATIANA BARRETO SERRA Promotora de Justiça Resíduo Zero e alternativas à incineração TATIANA BARRETO SERRA Promotora de Justiça SÃO PAULO 28/05/2015 Desequilíbrio: padrões de produção e consumo dos séculos XX e XXI Necessidades do consumidor Melhorias

Leia mais

ALTERNATIVAS DE DESTINAÇÃO DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS. Apresentação: Ana Rosa Freneda Data: 17/10/2014

ALTERNATIVAS DE DESTINAÇÃO DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS. Apresentação: Ana Rosa Freneda Data: 17/10/2014 ALTERNATIVAS DE DESTINAÇÃO DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS Apresentação: Ana Rosa Freneda Data: 17/10/2014 3 Elos Soluções Ambientais Alternativa para otimizar a destinação de resíduos: Crescente necessidade das

Leia mais

Ampliação da capacidade de movimentação de minério de ferro do Terminal de Granéis Sólidos (TECAR) no Porto de Itaguaí - RJ

Ampliação da capacidade de movimentação de minério de ferro do Terminal de Granéis Sólidos (TECAR) no Porto de Itaguaí - RJ Ampliação da capacidade de movimentação de minério de ferro do Terminal de Granéis Sólidos (TECAR) no Porto de Itaguaí - RJ 1 Mensagem à Comunidade A Audiência Pública Conforme Resolução CONEMA nº 35/2011,

Leia mais

Relatório de Análise. CSN: Boas perspectivas operacionais, mas duas incertezas. 4T12 Preços melhores e maior volume de minério

Relatório de Análise. CSN: Boas perspectivas operacionais, mas duas incertezas. 4T12 Preços melhores e maior volume de minério CSN: Boas perspectivas operacionais, mas duas incertezas A CSN teve um ano difícil em 2012, com perdas contábeis elevadas em seu investimento na Usiminas, expressiva redução na geração de caixa, aumento

Leia mais

AGENDA. A Vale. O Maior Projeto de Logística da America Latina. - Exportação de Minério. - Logística da Vale de Carga Geral

AGENDA. A Vale. O Maior Projeto de Logística da America Latina. - Exportação de Minério. - Logística da Vale de Carga Geral Vale no Maranhão AGENDA A Vale O Maior Projeto de Logística da America Latina - Exportação de Minério - Logística da Vale de Carga Geral A Vale no Mundo A Vale tem operações mineradoras, laboratórios de

Leia mais

1) Considerando os organismos de certificação acreditados pelo INMETRO defina:

1) Considerando os organismos de certificação acreditados pelo INMETRO defina: 1) Considerando os organismos de certificação acreditados pelo INMETRO defina: OCA OCS OCF 2- Considerando a sistemática de uma certificação de sistemas enumere de 1 à 6 a seqüência correta das etapas

Leia mais

Fundos, Programas e Linhas de Crédito do BNDES para investimentos ambientais. Janeiro / 2010

Fundos, Programas e Linhas de Crédito do BNDES para investimentos ambientais. Janeiro / 2010 Fundos, Programas e Linhas de Crédito do BNDES para investimentos ambientais Janeiro / 2010 BNDES e o Meio Ambiente Década de 70 A variável ambiental é incorporada, formalmente, ao processo de análise

Leia mais

"PANORAMA DA COLETA SELETIVA DE LIXO NO BRASIL"

PANORAMA DA COLETA SELETIVA DE LIXO NO BRASIL Reciclagem e Valorizaçã ção o de Resíduos Sólidos S - Meio Ambiente UNIVERSIDADE DE SÃO S O PAULO "PANORAMA DA COLETA SELETIVA DE LIXO NO BRASIL" Associação sem fins lucrativos, o CEMPRE se dedica à promoção

Leia mais

Projeto de Sustentabilidade Recicla Mundo

Projeto de Sustentabilidade Recicla Mundo Projeto de Sustentabilidade Recicla Mundo Shopping Eldorado A) Dados da Empresa Em um terreno de 74 mil m², o Shopping Eldorado, inaugurado em 10 de setembro de 1981, consumiu investimentos na ordem de

Leia mais

YK Risk Consultoria em Gestão Empresarial Ltda. Apresentação Institucional v.3 (2014)

YK Risk Consultoria em Gestão Empresarial Ltda. Apresentação Institucional v.3 (2014) YK Risk Consultoria em Gestão Empresarial Ltda. Apresentação Institucional v.3 (2014) Quem somos? Uma empresa com foco na geração de valor com serviços em Gestão de Riscos associados à Sustentabilidade.

Leia mais

Se Ligue na Rede: um Caminho para a Sustentabilidade

Se Ligue na Rede: um Caminho para a Sustentabilidade SANEPAR Curitiba (PR) Se Ligue na Rede: um Caminho para a Sustentabilidade Categoria Controle da Poluição 1. Sobre a organização participante: Razão social: - 76484013000145 Nome fantasia: - SANEPAR Setor

Leia mais

Certificação e Auditoria Ambiental

Certificação e Auditoria Ambiental Certificação e Auditoria Ambiental Auditoria Ambiental - 1 Prof. Gustavo Rodrigo Schiavon Eng. Ambiental A auditoria ambiental consiste em processo sistemático de inspeção, análise e avaliação das condições

Leia mais

Seminário Aproveitamento Energético dos Resíduos Sólidos Urbanos. Eng.º Pedro Penteado de Castro Neto 20/07/11

Seminário Aproveitamento Energético dos Resíduos Sólidos Urbanos. Eng.º Pedro Penteado de Castro Neto 20/07/11 Seminário Aproveitamento Energético dos Resíduos Sólidos Urbanos Eng.º Pedro Penteado de Castro Neto 20/07/11 Sumário Situação Atual de Resíduos Sólidos Urbanos (RSU) Definição de URE Instrumentos Legais

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA GERACÃO, TRATAMENTO E DESTINO FINAL DOS RESÍDUOS GERADOS NAS INDÚSTRIAS DO MUNICÍPIO DE PATO BRANCO PARANÁ BRASIL.

DIAGNÓSTICO DA GERACÃO, TRATAMENTO E DESTINO FINAL DOS RESÍDUOS GERADOS NAS INDÚSTRIAS DO MUNICÍPIO DE PATO BRANCO PARANÁ BRASIL. DIAGNÓSTICO DA GERACÃO, TRATAMENTO E DESTINO FINAL DOS RESÍDUOS GERADOS NAS INDÚSTRIAS DO MUNICÍPIO DE PATO BRANCO PARANÁ BRASIL. Silvia de Veras Néri Rosilea França Garcia UNOCHAPECÓ-CHAPECÓ-SC-BRASIL

Leia mais

ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST)

ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST) ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST) CÓDIGO 03.00 GRUPO/ATIVIDADES RESÍDUOS SÓLIDOS E PPD Armazenamento Temporário de Resíduos A 03.01 das Classes I Perigoso ou A Serviço de Saúde 03.02 Armazenamento Temporário

Leia mais

AULA 9 RECEITAS E DEPESAS AMBIENTAIS. Professor: ALAN Coordenador: Prof. MARYWILSON

AULA 9 RECEITAS E DEPESAS AMBIENTAIS. Professor: ALAN Coordenador: Prof. MARYWILSON 1 Professor: ALAN Coordenador: Prof. MARYWILSON 2 "Elogie em público, critique em particular". H. Jackson Brown Jr. 1. CONCEITUAR DESPESAS AMBIENTAIS; 2. CITAR EXEMPLOS DE GASTOS COM DESPESAS AMBIENTAIS

Leia mais

e Gestão de Riscos Alicerces firmes para o crescimento sustentável Compromissos internacionais assumidos Sustentabilidade Ambiental

e Gestão de Riscos Alicerces firmes para o crescimento sustentável Compromissos internacionais assumidos Sustentabilidade Ambiental 8 Sustentabilidade resultado 31 e Gestão de Riscos A Companhia reconhece que suas atividades influenciam as comunidades nas quais opera e se compromete a atuar de forma proativa para monitorar e mitigar

Leia mais

DESTINAÇÃO E DISPOSIÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS

DESTINAÇÃO E DISPOSIÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS DESTINAÇÃO E DISPOSIÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS Alternativas tecnológicas disponíveis. Variações de custo e de segurança das operações. Copyright Ecovalor Consultoria

Leia mais

Consumo Consciente e Criação de Valor Compartilhado

Consumo Consciente e Criação de Valor Compartilhado Nestlé Brasil Ltda. Consumo Consciente e Criação de Valor Compartilhado ALAS Agosto, 2010 CSV - Responsabilidade Social Corporativa na Nestlé Além da sustentabilidade: criar valor CRIAR VALOR COMPARTILHADO

Leia mais

SMAMA LICENÇA DE OPERAÇÃO DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL LO N : 0019/2013.

SMAMA LICENÇA DE OPERAÇÃO DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL LO N : 0019/2013. LO N : 0019/2013. A Secretaria Municipal de Agricultura e Meio Ambiente, criada pela Lei Municipal n 368 de 20/05/77, no uso das atribuições que lhe confere a Lei n 6.938, de 31/08/81, que dispõe sobre

Leia mais

Vendas especiais placas, químicos, Co-produtos

Vendas especiais placas, químicos, Co-produtos Vendas especiais placas, químicos, Co-produtos índice 2 6 19 19 Perfil Fluxo de produção Vendas especiais Produtos Carboquímicos Amônia anidra Antrafen BTX (Benzeno, Tolueno e Xileno) Enxofre Naftaleno

Leia mais

Dimensão Ambiental. Critério I - Responsabilidade e Compromisso. Indicador 1 - Abrangência. Indicador 2 - Responsabilidade Ambiental

Dimensão Ambiental. Critério I - Responsabilidade e Compromisso. Indicador 1 - Abrangência. Indicador 2 - Responsabilidade Ambiental Os trechos em destaque encontram-se no Glossário. Dimensão Ambiental Critério I - Responsabilidade e Compromisso Indicador 1 - Abrangência 1. A empresa possui uma política ambiental? Caso "" para a pergunta

Leia mais

EXPOMONEY 2007. São Paulo, 28 de setembro de 2007

EXPOMONEY 2007. São Paulo, 28 de setembro de 2007 EXPOMONEY 2007 São Paulo, 28 de setembro de 2007 Afirmações sobre o Futuro Algumas das afirmações aqui contidas se baseiam nas hipóteses e perspectivas atuais da administração da Companhia que poderiam

Leia mais

CO-PROCESSAMENTO VOTORANTIM CIMENTOS Case: UNIDADE RIO BRANCO DO SUL - Paraná

CO-PROCESSAMENTO VOTORANTIM CIMENTOS Case: UNIDADE RIO BRANCO DO SUL - Paraná CO-PROCESSAMENTO VOTORANTIM CIMENTOS Case: UNIDADE RIO BRANCO DO SUL - Paraná Rejane Afonso Coordenação de Co-processamento e meioambiente fábrica Rio Branco Co -processamento Dados técnicos: Co-processamento

Leia mais

Papel com Reflorestamento. e Reciclagem

Papel com Reflorestamento. e Reciclagem Papel com Reflorestamento e Reciclagem 49 O setor brasileiro de celulose e papel prima pela utilização de madeiras florestais plantadas exclusivamente para fins industriais. O emprego de técnicas de manejo

Leia mais

Yushiro Kihara. Prof Dep. Geociëncia USP Gerente de Tecnologia ABCP. O grande desafio:

Yushiro Kihara. Prof Dep. Geociëncia USP Gerente de Tecnologia ABCP. O grande desafio: Concreteshow 2012 1 Mudanças Climáticas e Sustentabilidade Cenário e Desafios da Indústria Brasileira de Cimento Yushiro Kihara Prof Dep. Geociëncia USP Gerente de Tecnologia ABCP DESAFIOS DA INDÚSTRIA

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SEMINÁRIO DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE DESTINAÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SEMINÁRIO DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE DESTINAÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SEMINÁRIO DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE DESTINAÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS Gestão Contemporânea da Limpeza Urbana: A busca da sustentabilidade ambiental e econômica com responsabilidade

Leia mais

MERCADO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES INDUSTRIAIS NO BRASIL

MERCADO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES INDUSTRIAIS NO BRASIL MERCADO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES INDUSTRIAIS NO BRASIL Palavras-chave: Efluentes industriais, tecnologia ambiental, controle de poluição. 1 Introdução O mercado de tecnologias ambientais no Brasil, principalmente

Leia mais

Opersan Resíduos Industriais Sociedade Ltda. 3º Prêmio FIESP de Conservação e Reuso de Água

Opersan Resíduos Industriais Sociedade Ltda. 3º Prêmio FIESP de Conservação e Reuso de Água Opersan Resíduos Industriais Sociedade Ltda. 3º Prêmio FIESP de Conservação e Reuso de Água Projeto de Reuso de Água Eng. Juliano Saltorato Fevereiro 2008 1) Identificação da Empresa: Endereço completo

Leia mais

Resoluções RESOLUÇÃO Nº 9, DE 31 DE AGOSTO DE 1993

Resoluções RESOLUÇÃO Nº 9, DE 31 DE AGOSTO DE 1993 Resoluções RESOLUÇÃO Nº 9, DE 31 DE AGOSTO DE 1993 Resolução CONAMA Nº 009/1993 - "Estabelece definições e torna obrigatório o recolhimento e destinação adequada de todo o óleo lubrificante usado ou contaminado".

Leia mais

Projeto Piloto Gerenciamento de Resíduos Sólidos ( Sairé)

Projeto Piloto Gerenciamento de Resíduos Sólidos ( Sairé) Projeto Piloto Gerenciamento de Resíduos Sólidos ( Sairé) Objetivo do Projeto: Promover o correto gerenciamento integrado dos resíduos sólidos urbanos nas Cidades de pequeno e médio porte. ( população

Leia mais

LICENCIAMENTO MATADOUROS

LICENCIAMENTO MATADOUROS LICENÇA PRÉVIA (LP): LICENCIAMENTO MATADOUROS 1. Requerimento; 2. Publicações no diário oficial e jornal de grande circulação; 3. Comprovante de pagamento da taxa de licenciamento; 4. Cadastro do empreendimento

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL GUILHERME SCHETINGER

GESTÃO AMBIENTAL GUILHERME SCHETINGER GESTÃO AMBIENTAL A atividade portuária gera um impacto significativo onde se instala, tanto em relação ao meio ambiente quanto em relação à comunidade. Na Portonave a gente percebe que apesar de haver

Leia mais

AÇÕES IMPLEMENTADAS PARA O REUSO DE ÁGUA NA FÁBRICA PALESTRANTE: JOÃO HENRIQUE TEIXEIRA CAMACHO

AÇÕES IMPLEMENTADAS PARA O REUSO DE ÁGUA NA FÁBRICA PALESTRANTE: JOÃO HENRIQUE TEIXEIRA CAMACHO AÇÕES IMPLEMENTADAS PARA O REUSO DE ÁGUA NA FÁBRICA PALESTRANTE: JOÃO HENRIQUE TEIXEIRA CAMACHO . . A SITUAÇÃO DA ÁGUA NO BRASIL. O Brasil detém 11,6% da água doce superficial do mundo. Os 70 % da água

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 SGA & ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL

APRESENTAÇÃO. Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 SGA & ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL APRESENTAÇÃO Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL Introdução SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL - SGA Definição: Conjunto de ações sistematizadas que visam o atendimento

Leia mais

ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST) COLETA, TRANSPORTE, ARMAZENAMENTO E TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E PRODUTOS

ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST) COLETA, TRANSPORTE, ARMAZENAMENTO E TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E PRODUTOS ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST) CÓDIGO 03.00 GRUPO/ATIVIDADES RESÍDUOS SÓLIDOS E PPD Armazenamento Temporário de Resíduos A 03.01 das Classes I Perigoso ou A Serviço de Saúde 03.02 Armazenamento Temporário

Leia mais

Política Estadual de Resíduos Sólidos: Ações em Logística Reversa

Política Estadual de Resíduos Sólidos: Ações em Logística Reversa Conselho Regional de Química IV Região~- São Paulo, 23/09/2014 Política Estadual de Resíduos Sólidos: Ações em Logística Reversa Eng Flávio de Miranda Ribeiro Assistente Executivo da Vice-Presidência da

Leia mais

Trasix Soluções Ambientais

Trasix Soluções Ambientais A Empresa A Empresa A Trasix Soluções Ambientais surge da união de grandes expertises das empresas Trimap Business Management, especializada em representação de marcas estrangeiras para a comercialização

Leia mais

Fundos para Área Contaminada no Brasil: Visão Empresarial

Fundos para Área Contaminada no Brasil: Visão Empresarial Fundos para Área Contaminada no Brasil: Visão Empresarial Marcelo Kós Silveira Campos Diretor Técnico de Assuntos Industriais e Regulatórios Abiquim I CIMAS/ABAS São Paulo,18/09/2009 A Abiquim Fundada

Leia mais

Seminário Regional 2010. São Paulo, Brasil

Seminário Regional 2010. São Paulo, Brasil Seminário Regional 2010 São Paulo, Brasil Date : 27 e 28/10/2010 Presentation Title : O Cenário Industrial de Negócios da CSN em expansão, utilizando ferramentas da OSIsoft Speaker Name : Resilene Mansur,

Leia mais

Associação Brasileira da Indústria Química INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL

Associação Brasileira da Indústria Química INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL Associação Brasileira da Indústria Química INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL Sumário da apresentação Desenvolvimento do ISA Indicadores de Sustentabilidade Ambiental Indicadores Sustentabilidade

Leia mais

O quadro abaixo mostra que a disposição dos resíduos em aterros é aquela que traz menos benefícios ambientais

O quadro abaixo mostra que a disposição dos resíduos em aterros é aquela que traz menos benefícios ambientais VANTAGES PROJETO PEGASUS E RECICLAGEM ENERGÉTICA O problema do lixo é extremamente grave em nosso país. Estimativas baseadas nos dados do IBGE mostram que no País são geradas diariamente cerca de 140 mil

Leia mais

Logística e Infra-estrutura

Logística e Infra-estrutura Siderurgia Mineração Cimento Logística e Infra-estrutura CSN apresenta Plataforma Logística CSN em Itaguaí Plataforma Logística CSN em Itaguaí Um projeto alinhado às necessidades do Brasil Plataforma Logística

Leia mais

Relatório de Avaliação de Fornecedores

Relatório de Avaliação de Fornecedores Relatório de Avaliação de Fornecedores 1. Dados da organização Razão Social: Techfive Comércio e Gestão de Equipamentos de Telec LTDA CNPJ nº 09203925/0001 04 Endereço Rua Wilton Reis Costa, 165 - Condomínio

Leia mais

Pneus inservíveis: análise das leis ambientais vigentes e processos de destinação final adequados

Pneus inservíveis: análise das leis ambientais vigentes e processos de destinação final adequados Pneus inservíveis: análise das leis ambientais vigentes e processos de destinação final adequados Felipe Costa Araújo (UNIFEI) f.araújo@pop.com.br Rogério José da Silva (UNIFEI) rogeriojs@unifei.edu.br

Leia mais

Como a ferrovia pode contribuir com as operações no Porto de Santos

Como a ferrovia pode contribuir com as operações no Porto de Santos Como a ferrovia pode contribuir com as operações no Porto de Santos Câmara de Comércio Brasil-Argentina Julho de 2015 Guilherme Alvisi Gerente Geral de Negócios Carga Geral GUILHERME ALVISI Gerente Geral

Leia mais

ec balbo RECICLAGEM DE PNEUS

ec balbo RECICLAGEM DE PNEUS RECICLAGEM DE PNEUS ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO AO PNEU 2. O MERCADO DE PNEUS 3. O PROBLEMA 4. AS SOLUÇÕES 5. A RECICLAGEM DE PNEUS 6. A ECOBALBO 7. OPORTUNIDADES FUTURAS A HISTÓRIA DO PNEU UMA HISTÓRIA DE MAIS

Leia mais

itabira diagnóstico e propostas

itabira diagnóstico e propostas itabira diagnóstico e propostas A CVRD foi constituída, em 1942, a partir de ativos minerários existentes, sobretudo as minas de Itabira. Cauê foi a maior mina de minério de ferro do Brasil As operações

Leia mais

América Latina Logística Malha Sul ALL

América Latina Logística Malha Sul ALL América Latina Logística Malha Sul ALL Capítulo 06 Programa de Gestão Ambiental Rio Grande do Sul Junho/2010 Revisão 0 6.1 INTRODUÇÃO Segundo Souza (2000), a Gestão Ambiental pressupõe uma ação planejadora

Leia mais

ULTRAVIOLETA DESINFECÇÃO DE ÁGUA E EFLUENTES COM RAIOS. Sistema de decantação. Fenasan 2013. tratamento de água e efluentes

ULTRAVIOLETA DESINFECÇÃO DE ÁGUA E EFLUENTES COM RAIOS. Sistema de decantação. Fenasan 2013. tratamento de água e efluentes revista especializada em tratamento de DESINFECÇÃO DE ÁGUA E EFLUENTES COM RAIOS ULTRAVIOLETA Sistema de decantação Ação dos decantadores em tratamento de água Fenasan 2013 9 772236 261064 junho/julho-2013

Leia mais

Garrafas PET: Um lixo que Virou Moda nas Coleções Malwee

Garrafas PET: Um lixo que Virou Moda nas Coleções Malwee Malwee Malhas LTDA. Jaraguá do Sul (SC) Garrafas PET: Um lixo que Virou Moda nas Coleções Malwee Categoria Tecnologias Socioambientais 1. Sobre a organização participante: Razão social: - Malwee Malhas

Leia mais

Ministério do Meio Ambiente CICLO DE VIDA DOS PNEUS

Ministério do Meio Ambiente CICLO DE VIDA DOS PNEUS Ministério do Meio Ambiente CICLO DE VIDA DOS PNEUS Zilda Maria Faria Veloso Gerente de Resíduos Perigosos Departamento de Qualidade Ambiental na Indústria Secretaria de Mudanças Climáticas e Qualidade

Leia mais

Sustentabilidade Corporativa: do conceito à prática

Sustentabilidade Corporativa: do conceito à prática Sustentabilidade Corporativa: do conceito à prática Clarissa Lins F U N D A Ç Ã O B R A S I L E I R A P A R A O D E S E N V O L V I M E N T O S U S T E N T Á V E L Índice Paradigmas do Desenvolvimento

Leia mais

1.1 Poluentes atmosféricos. 1.2 Principais Poluentes Atmosféricos

1.1 Poluentes atmosféricos. 1.2 Principais Poluentes Atmosféricos 18 1. Introdução Nos últimos anos, o crescimento econômico dos países desenvolvidos provocou o aumento da demanda mundial por energia. Com esta também veio um forte aumento da dependência do petróleo e

Leia mais

Índice 1 INTRODUÇÂO 2 A INDÚSTRIA DO CIMENTO NO CENÁRIO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS 3 REFERÊNCIAS INTERNACIONAIS

Índice 1 INTRODUÇÂO 2 A INDÚSTRIA DO CIMENTO NO CENÁRIO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS 3 REFERÊNCIAS INTERNACIONAIS Índice 1 INTRODUÇÂO 2 A INDÚSTRIA DO CIMENTO NO CENÁRIO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS 3 REFERÊNCIAS INTERNACIONAIS 4 2º INVENTÁRIO BRASILEIRO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA 5 PERSPECTIVAS E DESAFIOS 6

Leia mais

Ambiental (ADA) NBR ISO 14031:2004

Ambiental (ADA) NBR ISO 14031:2004 Avaliação de Desempenho Ambiental (ADA) NBR ISO 14031:2004 A série de normas NBR ISO 14000 SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL AVALIAÇÃO DESEMPENHO AMBIENTAL 14001:2004 e 14004:2005 14031:2004 (Versão corrigida

Leia mais

Política Nacional de Resíduos Sólidos e Logística Reversa

Política Nacional de Resíduos Sólidos e Logística Reversa Política Nacional de Resíduos Sólidos e Logística Reversa Cristina R. Wolter Sabino de Freitas Departamento Ambiental O mundo será obrigado a se desenvolver de forma sustentável, ou seja, que preserve

Leia mais

APIMEC São Paulo Rômel Erwin de Souza CEO. Apresentação Usiminas 2T11 - APIMEC. 12 de novembro de 2015 Classificação da Informação: Pública

APIMEC São Paulo Rômel Erwin de Souza CEO. Apresentação Usiminas 2T11 - APIMEC. 12 de novembro de 2015 Classificação da Informação: Pública APIMEC São Paulo Rômel Erwin de Souza CEO Apresentação Usiminas 2T11 - APIMEC 12 de novembro de 2015 Classificação da Informação: Pública Agenda Usiminas em linhas gerais Informações de Mercado Usiminas

Leia mais

Inovação Tecnológica Ambiental Workshop Inovações e Meio Ambiente. Belo Horizonte, 04 de outrubro de 2012

Inovação Tecnológica Ambiental Workshop Inovações e Meio Ambiente. Belo Horizonte, 04 de outrubro de 2012 Inovação Tecnológica Ambiental Workshop Inovações e Meio Ambiente Belo Horizonte, 04 de outrubro de 2012 Estrutura do Grupo Promon Engenharia Promon Logicalis Trópico Promon Novos Negócios Promon Meio

Leia mais

20o. Prêmio Expressão de Ecologia

20o. Prêmio Expressão de Ecologia 20o. Prêmio Expressão de Ecologia 2012-2013 Separação dos resíduos recicláveis Coleta seletiva no pátio Separação dos resíduos no laboratório Central de resíduos e estação de tratamento de esgoto Capacitação

Leia mais

Carbon Disclosure Project Supply Chain CDP na cadeia de suprimentos

Carbon Disclosure Project Supply Chain CDP na cadeia de suprimentos w Gestão Ambiental na Sabesp Workshop Carbon Disclosure Project Supply Chain CDP na cadeia de suprimentos Sup. Wanderley da Silva Paganini São Paulo, 05 de maio de 2011. Lei Federal 11.445/07 Lei do Saneamento

Leia mais

Qualidade e Sustentabilidade na Construção Civil

Qualidade e Sustentabilidade na Construção Civil Qualidade e Sustentabilidade na Construção Civil Série ISO 9000: Modelo de certificação de sistemas de gestão da qualidade mais difundido ao redor do mundo: Baseada na norma ISO 9000 No Brasil: a ABNT

Leia mais

PROGRAMA DE COLETA SELETIVA

PROGRAMA DE COLETA SELETIVA PROGRAMA DE COLETA SELETIVA PROGRAMA DE COLETA SELETIVA Usando Bem Ninguém Fica Sem. PROGRAMA DE COLETA SELETIVA 1. O QUE É COLETA SELETIVA 2. DESTINO FINAL DO LIXO DE SÃO PAULO 3. COMPOSIÇÃO DO LIXO SELETIVO

Leia mais

R$ 489milhões. > Responsabilidade Social

R$ 489milhões. > Responsabilidade Social > 42 > Responsabilidade Social R$ 489milhões 43 < O conceito de responsabilidade social corporativa integra a estratégia da CSN. Com a missão de ser uma empresa comprometida com os seus empregados e as

Leia mais

Palestrante: Alessandra Panizi Evento: Resíduos Sólidos: O que fazer?

Palestrante: Alessandra Panizi Evento: Resíduos Sólidos: O que fazer? Palestrante: Alessandra Panizi Evento: Resíduos Sólidos: O que fazer? Marco Histórico sobre Resíduos Sólidos Lei 12.305/2010 Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS) Decreto 7.404/2012 regulamento

Leia mais

Importações de aço acima do previsto em 2013

Importações de aço acima do previsto em 2013 Aço AÇO BRASIL DEZEMBRO 5 anos 0 I N F O R M A 23ª 23EDIÇÃO DEZEMBRO 2013 Importações de aço acima do previsto em 2013 As importações de produtos siderúrgicos deverão ser de 3,8 milhões de toneladas em

Leia mais

QUÍMICA SUSTENTÁVEL Carlos Fadigas 24/08/2011

QUÍMICA SUSTENTÁVEL Carlos Fadigas 24/08/2011 QUÍMICA SUSTENTÁVEL Carlos Fadigas 24/08/2011 AGENDA BRASKEM DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL QUÍMICA SUSTENTÁVEL PILARES BRASKEM FUTURO VISÃO E ESTRATÉGIA AGENDA BRASKEM DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL QUÍMICA

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA DE SUCATAS

LOGÍSTICA REVERSA DE SUCATAS E S C O L A P O L I T É C N I C A DA U N I V E R S I D A D E DE S ÃO P A U L O - D E P A R T A M E N T O DE E N G E N H A R I A M E T A L Ú R G I C A E DE M A T E R I A I S - - L A B O R A T Ó R I O DE

Leia mais

Inventário de Emissões das Fontes Estacionárias do Estado de São Paulo Dados Preliminares

Inventário de Emissões das Fontes Estacionárias do Estado de São Paulo Dados Preliminares Inventário de Emissões das Fontes Estacionárias do Estado de São Paulo Dados Preliminares Apresentado por Engº Eduardo Luís Serpa eduardols@cetesbnet.sp.gov.br Baseada em apresentação elaborada por Engªs.

Leia mais

INTRODUÇÃO AO CONTROLE DA POLUIÇÃO ATMOSFÉRICA Fonte: CETESB

INTRODUÇÃO AO CONTROLE DA POLUIÇÃO ATMOSFÉRICA Fonte: CETESB INTRODUÇÃO AO CONTROLE DA POLUIÇÃO ATMOSFÉRICA Fonte: CETESB 1 INTRODUÇÃO A poluição do ar é um fenômeno recorrente principalmente da atividade humana em vários aspectos. Dentre os quais podemos destacar:

Leia mais

Dossiê de Apresentação PLAORC

Dossiê de Apresentação PLAORC 2010 Dossiê de Apresentação PLAORC Portfolio de Serviços de Planejamento e Orçamento PLAORC Consultoria e Planejamento +55 (0XX24) 33407664 plaorc@plaorc.com.br PLAORC Serviço de Consultoria e Planejamento

Leia mais

Soluções em Gestão Ambiental

Soluções em Gestão Ambiental Soluções em Gestão Ambiental QUEM SOMOS A Silcon Ambiental Empresa de engenharia ambiental, especializada em serviços e soluções para o gerenciamento, tratamento e destinação final de resíduos e na produção

Leia mais