Exame de Suficiência Setembro 2011 Bacharel

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Exame de Suficiência Setembro 2011 Bacharel"

Transcrição

1 Exame de Suficiência Setembro 2011 Bacharel 01 - Acerca das demonstrações contábeis, julgue os itens abaixo e, em seguida, assinale a opção CORRETA. I - O recebimento de caixa resultante da venda de Ativo Imobilizado e Intangível é apresentado na Demonstração dos Fluxos de Caixa como atividade operacional. II - No Balanço Patrimonial, os ativos mantidos com o propósito de serem negociados classificam-se no grupo do Ativo Circulante. III - Uma empresa que realize uma operação de venda do seu estoque por R$21.000,00, que foi adquirido por R$11.000,00 e que, ainda, tenha incorrido em comissões sobre venda no valor total de R$2.000,00 apresentará na Demonstração do Resultado um Lucro Bruto de R$8.000,00. Está(ão) certo(s) apenas o(s) item(ns): a) I e II. b) II e III. c) II. d) III. Vamos analisar cada um dos itens para depois encontrarmos a resposta. Item I - O Pronunciamento CPC 03, que trata da DFC, nos mostra que: Exemplos de fluxos de caixa decorrentes das atividades de investimento são: (a)... (b) recebimentos de caixa resultantes da venda de ativo imobilizado, intangível e outros ativos de longo prazo; Portanto, ele não está apresentado na DFC como atividade operacional e sim, como atividade de investimento. Incorreto. Item II Exatamente, no Ativo circulante classificam-se os ativos que estão sendo mantidos com a intenção de serem logo negociados, como estoques, por exemplo. Correto Item III Vejamos como ficaria essa pequena DRE: Vendas: ,00 ( - ) CMV (11.000,00) = Lucro Bruto: ,00 ( - ) Despesas: (2.000,00) Lucro Líquido: 8.000,00 O item fala que o Lucro Bruto é de 8.000,00. Percebam que o Lucro Líquido que é de 8.000,00. Incorreta. Gabarito: Letra C 02 - Uma indústria de alimentos pagou em 1º de dezembro de 2010 o valor de R$4.800,00 pela contratação de prêmio de seguro dos veículos utilizados para entrega dos produtos vendidos, vigente de dezembro de 2010 a novembro de

2 Em janeiro de 2011, o registro contábil correspondente ao gasto com seguros gerou um aumento de: a) R$400,00 em Despesa. b) R$400,00 em Custo de Produção. c) R$4.400,00 em Despesa. d) R$4.400,00 em Custo de Produção. Percebam que o valor do seguro cobrirá um período de 12 meses (dezembro/2010 até novembro/2011, portanto, 12 meses). Assim, se são 12 meses, teremos: 4.800,00/12 = 400,00 por mês. Então para qualquer dos meses teremos uma contabilização de 400, 00 por mês. Portanto, em janeiro teremos um valor de 400,00 para os seguros. E, se o seguro é para os veículos que entregarão as mercadorias, então, trata-se de despesas, pois está fora do setor de produção. O lançamento será da contratação do seguro: D Premio de seguros a apropriar C Caixa/Bancos/Duplicatas a pagar 4.800,00 Lançamento da despesa mensal: D Despesas com seguros C Premio de seguros a Apropriar 400,00 Gabarito: Letra A 03 - Uma sociedade empresária que tem como atividade operacional a prestação de serviços registrou as seguintes transações no mês de agosto de Aquisição de peças para reposição no valor de R$10.000,00 para serem utilizadas na prestação de serviços do mês de setembro de Prestação de serviços no valor total de R$80.000,00 para diversos clientes. Para a execução desses serviços, a sociedade utilizou-se de peças que haviam custado R$5.000,00 e o custo total com pessoal totalizou R$25.000,00. Pagamento do valor de R$100,00 referente à comissão sobre as vendas do mês de julho de Obtenção de empréstimo bancário no início do mês de agosto de 2011, no valor de R$40.000,00, a ser pago no fim do mês de agosto de 2011 acrescidos de juros de 3% para o período. Despesa com o pessoal administrativo no valor de R$1.000,00 a ser pago em setembro de Recebimento do valor de R$60.000,00 referente aos serviços prestados no mês de maio de

3 Pagamento de salários referente à folha do mês de julho de 2011 no valor de R$20.000,00. Considerando as transações do mês de agosto de 2011, o Resultado do Período apurado é: a) R$78.900,00. b) R$49.000,00. c) R$47.800,00. d) R$37.800,00. Vamos fazer os lançamentos contábeis dos fatos ocorridos: Aquisição de peças para reposição no valor de R$10.000,00 para serem utilizadas na prestação de serviços do mês de setembro de D Estoques de peças para reposição C Caixa/Bancos ou Fornecedores ,00 Prestação de serviços no valor total de R$80.000,00 para diversos clientes. Para a execução desses serviços, a sociedade utilizou-se de peças que haviam custado R$5.000,00 e o custo total com pessoal totalizou R$25.000,00. Reconhecimento da receita: D Caixa/Bancos/Clientes (AC) C Receita Bruta de Serviços ,00 Apropriação do custo com as peças utilizadas D Custo Serviço Prestado C - Estoques de peças para reposição 5.000,00 Apropriação do custo com Mão de Obra D Custo Serviço Prestado C - Caixa, Bancos ou Salários a pagar ,00 Pagamento do valor de R$ 100,00 referente à comissão sobre as vendas do mês de julho de 2011 Como a comissão é relativa a Julho/11, quer dizer que a apropriação da despesa e a contabilização no Passivo (Comissões a pagar) foi feito em Julho/11. Agora contabiliza-se somente o pagamento. D Comissões a pagar C - Caixa/Bancos 100,00 Obtenção de empréstimo bancário no início do mês de agosto de 2011, no valor de R$40.000,00, a ser pago no fim do mês de agosto de 2011 acrescidos de juros de 3% para o período. Obtenção do empréstimo D Bancos C - Empréstimos a Pagar ,00 Pagamento do empréstimo com juros D Despesas com juros (40.000,00 x 3%) 1.200,00 3

4 D - Empréstimos a Pagar ,00 C Bancos ,00 Despesa com o pessoal administrativo no valor de R$1.000,00 a ser pago em setembro de D Despesas com salários C - Salários a Pagar 1.000,00 Recebimento do valor de R$60.000,00 referente aos serviços prestados no mês de maio de D Caixa ou Bancos C - Clientes ,00 Pagamento de salários referente à folha do mês de julho de 2011 no valor de R$20.000,00. Como os salários referem-se a folha de julho/2011, significa dizer que a despesa com salários já foi contabilizada em Julho/2011, cuja contra partida foi Salários a Pagar, sendo assim no mês de Agosto cabe apenas a contabilização do pagamento, a débito de Salários a Pagar D Salários a Pagar C - Caixa ou Bancos ,00 Apurando o Lucro agora: Receita Vendas ,00 ( - ) CMV( ) ( ,00) = Lucro Bruto ,00 ( - ) Despesas com juros: ( 1.200,00) ( - ) Despesas com salários: (1.000,00) Lucro Operacional: ,00 Gabarito: Letra C 04- Uma sociedade empresária apresenta no seu Ativo Não Circulante investimento em uma Subsidiária Integral. Em 31 de dezembro de 2010, foi apresentado o seguinte papel de trabalho para que fossem identificados os registros de eliminações e os saldos consolidados. Não existem lucros não realizados decorrentes de transações entre as companhias. Contas Controladora Subsidiária Eliminação de Consolidação Saldos Consolidados Débito Crédito ATIVO CIRCULANTE Caixa Clientes Terceiros Clientes Subsidiária Estoques ATIVO NÃO CIRCULANTE Investimentos em Subsidiária , , , , , , , , , , ,00 0,00-4

5 Imobilizado TOTAL DO ATIVO , , ,00 PASSIVO Fornecedores Terceiros Fornecedores Controladora PASSIVO NÃO CIRCULAN PATRIMÔNIO LÍQUIDO Capital Social Reserva de Lucro TOTAL DO PASSIVO E PATRIMÔNIO LÍQUIDO , ,00-0, , , , , , ,00 0, , , ,00 A partir da elaboração do Balanço Patrimonial Consolidado, assinale a opção INCORRETA. a) O Ativo Circulante consolidado é de R$ ,00. b) O Ativo Não Circulante consolidado é de R$ ,00. c) O Patrimônio Líquido consolidado é de R$ ,00. d) O Ativo consolidado é de R$ ,00. O objetivo da consolidação é apresentar aos usuários da informação contábil, principalmente acionistas e credores, os resultados das operações e a posição financeira da sociedade controladora e de suas controladas, como se o grupo econômico fosse uma única entidade. Isso permite uma visão mais geral e abrangente e melhor compreensão do que inúmeros balanços isolados de cada empresa do grupo Consolidação é matéria complexa e com regras próprias. Para entendermos com profundidade o tema, é necessária a leitura do CPC 36, porém para que possamos apenas resolver esta questão podemos simplificar dizendo que consolidação é o somatório de saldos das contas patrimoniais dos balanços da controladora e das controladas, porém o balanço consolidado deve representar a situação financeira e patrimonial do grupo econômico considerando apenas transações realizadas com terceiros, dessa forma ao somar os saldos contábeis das contas patrimoniais deveremos fazer ajustes (eliminações) entre as contas que representam transações entre controladora e controlada. Pela questão apresentada, temos uma apresentação dos balanços da controladora e da controlada, que apresentam saldos representando transações entre elas, e que pela regra da consolidação devem ser eliminados. Dessa forma identificamos primeiro na controladora a conta Clientes Subsidiária, ou seja, uma conta que representa o direito de receber valores de sua controlada. Por outro lado temos o saldo da conta Fornecedores Controladora, no balanço da controlada que representa a contra partida da primeira, ou seja, representa o quanto a controlada deve para a controladora. Identificadas as contas, devemos fazer a eliminação, como segue: 5

6 Contas Controladora Subsidiária Eliminação de Consolidação Débito Crédito ATIVO CIRCULANTE Caixa Clientes Terceiros Clientes Subsidiária Estoques ATIVO NÃO CIRCULANTE Investimentos em Subsidiária Imobilizado TOTAL DO ATIVO Saldos Consolidados PASSIVO Fornecedores Terceiros Fornecedores Controladora PASSIVO NÃO CIRCULAN 0 0 PATRIMÔNIO LÍQUIDO Capital Social Reserva de Lucro TOTAL DO PASSIVO E PATRIMÔNIO LÍQUIDO Além de contas a receber e contas a pagar entre as empresas do mesmo grupo, temos também a conta de Investimentos. Ao adquirir a participação societária de outra empresa, contabilizamos a mesma na conta de Investimentos, e seu valor será o desembolso efetuado, que normalmente é o percentual de participação multiplicado pelo patrimônio líquido da investida, dessa forma se a Investidora adquiriu 100% da investida (como é o caso da questão apresentada), seu investimento será exatamente igual ao valor do Patrimônio Líquido da Investida (neste caso, controlada), sendo assim, deveremos fazer a eliminação como segue: Contas Controladora Subsidiária Eliminação de Consolidação Saldos Consolidados Débito Crédito ATIVO CIRCULANTE Caixa Clientes Terceiros Clientes Subsidiária Estoques ATIVO NÃO CIRCULANTE Investimentos em Subsidiária Imobilizado TOTAL DO ATIVO

7 PASSIVO Fornecedores Terceiros Fornecedores Controladora PASSIVO NÃO CIRCULAN 0 0 PATRIMÔNIO LÍQUIDO Capital Social Reserva de Lucro TOTAL DO PASSIVO E PATRIMÔNIO LÍQUIDO Eliminações realizadas, não geram lançamentos contábeis em diário em nenhuma das empresas, pois é apenas um papel de trabalho que serve apenas para a apuração extra contábil do balanço consolidado. Após os ajustes de eliminação, teremos o seguinte papel de trabalho com os saldos consolidados. Contas Controladora Subsidiária Eliminação de Consolidação Débito Crédito ATIVO CIRCULANTE Caixa Clientes Terceiros Clientes Subsidiária Estoques ATIVO NÃO CIRCULANTE Investimentos em Subsidiária Imobilizado TOTAL DO ATIVO Saldos Consolidados PASSIVO Fornecedores Terceiros Fornecedores Controladora PASSIVO NÃO CIRCULAN PATRIMÔNIO LÍQUIDO Capital Social Reserva de Lucro TOTAL DO PASSIVO E PATRIMÔNIO LÍQUIDO Se analisarmos vemos que: O Ativo Circulante consolidado é de R$ ,00. Correto. O Ativo Não Circulante consolidado é de R$ ,00. Correto. O Patrimônio Líquido consolidado é de R$ ,00. Correto. O Ativo consolidado é de R$ ,00. Incorreto. O valor é de ,00 7

8 Gabarito: Letra D 05 - Uma empresa industrial possui um Ativo Imobilizado cujo custo histórico é igual a R$50.000,00 e cuja depreciação acumulada equivale a R$12.000,00. A empresa apurou, para esse ativo, um valor justo líquido de despesas de venda de R$10.000,00 e um valor em uso de R$20.000,00. Com base nos dados informados, considerando a NBC TG 01 Redução ao Valor Recuperável de Ativos, o valor a ser registrado como perda por desvalorização do Ativo Imobilizado será de: a) R$18.000,00. b) R$28.000,00. c) R$30.000,00. d) R$40.000,00. A base para responder a esta questão está no PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 01 Redução ao Valor Recuperável de Ativos. Tal pronunciamento menciona: Mensuração do valor recuperável 18. Este Pronunciamento define valor recuperável como o maior valor entre o valor justo líquido de despesas de venda de um ativo ou de unidade geradora de caixa e o seu valor em uso. Os itens 19 a 57 estabelecem as exigências para mensuração do valor recuperável. Essas exigências usam o termo um ativo, muito embora se apliquem igualmente a um ativo individual ou a uma unidade geradora de caixa. 19. Nem sempre é necessário determinar o valor justo líquido de despesas de venda de um ativo e seu valor em uso. Se qualquer um desses montantes exceder o valor contábil do ativo, este não tem desvalorização e, portanto, não é necessário estimar o outro valor. Valor recuperável e valor contábil de unidade geradora de caixa 74. O valor recuperável de uma unidade geradora de caixa é o maior valor entre o valor justo líquido de despesas de venda e o valor em uso. Para o propósito de determinar o montante recuperável de uma unidade geradora de caixa, qualquer referência a um ativo, constante dos itens 19 a 57 deve ser lida como referência a uma unidade geradora de caixa. Então, como vimos no texto do Pronunciamento, haverá desvalorização quando na comparação do Valor Contábil do Ativo com seu Valor Recuperável, o Valor Contábil for maior. Primeiro devemos saber qual é o Valor Recuperável que utilizaremos para comparar com o Valor Contábil. Muito bem, deveremos utilizar sempre o maior valor entre o Valor justo líquido das despesas com vendas, com o valor em uso. Segundo o enunciado os valores respectivos são: Valor justo líquido das despesas com vendas = ,00 Valor em uso = ,00 Valor Recuperável = ,00 8

9 Neste caso, para sabermos o valor da desvalorização, vamos comparar o Valor Contábil com o Valor Recuperável. Calculando o valor contábil: Valor Contábil = Custo histórico de compra - depreciação acumulada Valor Contábil = , ,00 = ,00 Calculando a perda por desvalorização Valor contábil menos Valor em uso (neste caso) , ,00 = ,00 Gabarito: Letra A 06 - Uma sociedade empresária apresentou o seguinte quadro, construído a partir da identificação de diversas obrigações presentes decorrentes de eventos passados, cujas probabilidades de saída de recurso foram classificadas como prováveis ou possíveis. Natureza da Obrigação Saída de Recurso Mensuração Estimativa Garantias Provável Estimativas confiáveis ,00 Danos ambientais Provável Inexistência de estimativas ,00 confiáveis Riscos fiscais, Provável Estimativas confiáveis ,00 trabalhistas e cíveis Riscos fiscais, trabalhistas e cíveis Possível Estimativas confiáveis ,00 Danos ambientais Possível Estimativas confiáveis ,00 De acordo com a NBC TG 25 Provisões, Passivos Contingentes e Ativos Contingentes, o valor de provisões a ser constituído e apresentado no Balanço Patrimonial será de: a) R$ ,00. b) R$ ,00. c) R$ ,00. d) R$ ,00. Devemos utilizar para responder a esta questão, como o próprio enunciado nos diz, a NBC TG 25. Seguem os itens que devemos comentar: 13. Este Pronunciamento Técnico distingue entre: (a) provisões que são reconhecidas como passivo (presumindo-se que possa ser feita uma estimativa confiável) porque são obrigações presentes e é provável que uma saída de recursos que incorporam benefícios econômicos seja necessária para liquidar a obrigação; e (b) passivos contingentes que não são reconhecidos como passivo porque são: (i) obrigações possíveis, visto que ainda há de ser confirmado se a entidade tem ou não uma obrigação presente que possa conduzir a uma saída de recursos que incorporam benefícios econômicos, ou 9

10 (ii) obrigações presentes que não satisfazem os critérios de reconhecimento deste Pronunciamento Técnico (porque não é provável que seja necessária uma saída de recursos que incorporem benefícios econômicos para liquidar a obrigação, ou não pode ser feita uma estimativa suficientemente confiável do valor da obrigação). Reconhecimento Provisão 14. Uma provisão deve ser reconhecida quando: (a) a entidade tem uma obrigação presente (legal ou não formalizada) como resultado de evento passado; (b) seja provável que será necessária uma saída de recursos que incorporam benefícios econômicos para liquidar a obrigação; e (c) possa ser feita uma estimativa confiável do valor da obrigação. Se essas condições não forem satisfeitas, nenhuma provisão deve ser reconhecida. Percebemos então que: Como podemos ver, a Provisão será contabilizada apenas quando a saída de recursos for Provável e baseada em Estimativas confiáveis. Na questão apresentada, apenas duas situações atendem essas condições, pois as demais situações referem-se a saída possível, ou provável com inexistência de estimativa confiável Natureza da Obrigação Saída de Recurso Mensuração Estimativa Garantias Provável Estimativas confiáveis ,00 Riscos fiscais, Provável Estimativas confiáveis ,00 trabalhistas e cíveis Sendo assim o valor das provisões a serem constituídas será de R$ ,00 Gabarito: Letra B 07 - Uma sociedade empresária mantém no seu estoque de mercadorias para revenda três tipos de mercadorias: I, II e III. O valor total do custo de aquisição, preço de vendas e gastos com vendas, em , estão detalhados a seguir: Tipo de Estoque Custo Preço de Venda Gastos com vendas I R$660,00 R$820,00 R$100,00 II R$385,00 R$366,00 R$38,00 III R$800,00 R$750,00 R$45,00 No Balanço Patrimonial em , o saldo de Estoque de acordo com a NBC TG 16 é de: a) R$1.693,00. b) R$1.753,00. c) R$1.845,00. d) R$1.936,00. O Pronunciamento CPC 16 trata dos Estoques. Ele diz: 9. Os estoques objeto deste Pronunciamento devem ser mensurados pelo valor de custo ou pelo valor realizável líquido, dos dois o menor. 10

11 10. O valor de custo do estoque deve incluir todos os custos de aquisição e de transformação, bem como outros custos incorridos para trazer os estoques à sua condição e localização atuais. Sobre o Valor Realizável Líquido, o tratamento é dado nos itens 28 a 33 do referido CPC 16, porém em resumo, o valor realizável líquido significa o valor de mercado subtraído de todas as despesas comerciais inerentes a venda do produto em análise, como por exemplo: comissões, fretes etc. Para a solução desta questão teremos que fazer um confronto entre o valor de custo e o valor realizável líquido de cada item, e, considerar para efeito de saldo de estoque o menor valor entre os dois. Produto I Preço de venda líquido = 820,00 100,00 = 720,00 Custo = 660,00 Valor a ser contabilizado nos estoques: 660,00( que é o menor valor entre os dois, valor de custo e valor de mercado líquido) Produto II Preço de venda líquido = 366,00 38,00 = 328,00 Custo = 385,00 Valor a ser considerado para estoque = R$328,00 (o menor valor entre o custo e o valor de mercado líquido) Produto III Preço de venda líquido = R$750,00 - R$45,00 = R$705,00 Custo = 800,00 Valor a ser considerado para estoque = R$705,00 (o menor valor entre o custo e o valor de mercado líquido) Valor total dos estoques: Produto I: 660,00 Produto II : 328,00 Produto III : 705,00 Total: 1.693,00 Gabarito: Letra A 08 - Uma entidade apresentou, em , os seguintes saldos de contas: Contas Saldos Ações de Outras Empresas para negociação R$ 2.300,00 Ações em Tesouraria R$500,00 Bancos Conta Movimento R$7.500,00 Caixa R$1.000,00 Capital Social R$26.500,00 Depreciação Acumulada R$11.000,00 Estoque de Mercadoria para Revenda R$6.200,00 11

12 Fornecedores Vencimento em setembro de 2011 R$24.000,00 Imóveis de Uso R$32.500,00 Impostos a Pagar Vencimento em janeiro de 2011 R$8.000,00 Propriedades para Investimento R$5.000,00 Participação Societária em Empresas Controladas R$17.500,00 Participações Permanentes no Capital de Outras Empresas R$1.500,00 Reserva Legal R$4.500,00 No Balanço Patrimonial, o saldo do grupo Investimentos do Ativo Não Circulante é igual a: a) R$ ,00 b) R$ ,00 c) R$ ,00 d) R$ ,00 Relacionando as contas que fazem parte do subgrupo investimentos temos: Propriedades para Investimento R$5.000,00 Participação Societária em Empresas Controladas R$17.500,00 Participações Permanentes no Capital de Outras Empresas R$1.500,00 Total : R$ ,00 Observações: - As ações de outras empresas, as quais já se têm intenção de serem vendidas, com o intuito de negociação e não tendo caráter permanente, devem sempre ser contabilizadas no Ativo Circulante. - A conta propriedades para investimentos são investimentos que a empresa faz em imóveis com a intenção de alugá-los a terceiros. São os chamados imóveis para renda. Gabarito: Letra C 09 - Em relação às Notas Explicativas e às Demonstrações Contábeis, assinale a opção INCORRETA. a) A entidade deve divulgar nas notas explicativas as fontes principais da incerteza das estimativas à data do balanço que tenham risco significativo de provocar modificação material nos valores contábeis de ativos e passivos durante o próximo. b) A entidade deve divulgar no resumo de políticas contábeis significativas as bases de mensuração utilizadas na elaboração das demonstrações contábeis e outras políticas contábeis utilizadas que sejam relevantes para a compreensão das demonstrações contábeis. c) Informação adicional que não tenha sido apresentada nas demonstrações contábeis, mas que seja relevante para sua compreensão, deve ser apresentada nas notas explicativas. d) Políticas contábeis inadequadas podem ser retificadas por meio da divulgação das políticas contábeis utilizadas ou por notas ou qualquer outra divulgação explicativa. 12

13 Vejamos o que nos traz a NBC TG 26 Apresentação das Demonstrações Contábeis e analisemos cada uma das alternativas. Alternativa a a) A entidade deve divulgar nas notas explicativas as fontes principais da incerteza das estimativas à data do balanço que tenham risco significativo de provocar modificação material nos valores contábeis de ativos e passivos durante o próximo. Fontes de incerteza na estimativa 125. A entidade deve divulgar nas notas explicativas informação acerca dos principais pressupostos relativos ao futuro, e outras fontes principais da incerteza das estimativas à data do balanço, que tenham risco significativo de provocar modificação material nos valores contábeis de ativos e passivos durante o próximo. Com respeito a esses ativos e passivos, as notas explicativas devem incluir detalhes informativos acerca: (a) da sua natureza; e (b) do seu valor contábil à data do balanço. A alternativa a reproduz exatamente o início do item 125. Portanto, a assertiva está correta. Alternativa b : b) A entidade deve divulgar no resumo de políticas contábeis significativas as bases de mensuração utilizadas na elaboração das demonstrações contábeis e outras políticas contábeis utilizadas que sejam relevantes para a compreensão das demonstrações contábeis. Divulgação de políticas contábeis 117. A entidade deve divulgar no resumo de políticas contábeis significativas: (a) a base (ou bases) de mensuração utilizada(s) na elaboração das demonstrações contábeis; (b) outras políticas contábeis utilizadas que sejam relevantes para a compreensão das demonstrações contábeis. Percebemos que a alternativa está correta. Alternativa c : c) Informação adicional que não tenha sido apresentada nas demonstrações contábeis, mas que seja relevante para sua compreensão, deve ser apresentada nas notas explicativas. Estrutura 112. As notas explicativas devem: (a) apresentar informação acerca da base para a elaboração das demonstrações contábeis e das políticas contábeis específicas utilizadas de acordo com os itens 117 a 124; (b) divulgar a informação requerida pelas normas, interpretações e comunicados técnicos que não tenha sido apresentada nas demonstrações contábeis; e (c) prover informação adicional que não tenha sido apresentada nas demonstrações contábeis, mas que seja relevante para sua compreensão. A alternativa também, pelo que vimos, está correta. Alternativa d : 13

14 d) Políticas contábeis inadequadas podem ser retificadas por meio da divulgação das políticas contábeis utilizadas ou por notas ou qualquer outra divulgação explicativa. Não há, na NBC TG 26 Apresentação das Demonstrações Contábeis menção sobre esta afirmativa, portanto é uma afirmativa incorreta. Gabarito: Letra D 10 - Exame de Suficiência 12 Setembro 2011 Bacharel Uma sociedade empresária A apresentou em seu Balanço Patrimonial, no grupo de Passivo Circulante, a quantia de R$ ,00 a titulo de Dividendos Propostos e, na Demonstração de Resultado, um Lucro do Período no valor de R$ ,00. Considerando que uma determinada sociedade investidora B participa do Capital dessa empresa com um percentual de 10% e que apresenta no Ativo Não Circulante a participação na sociedade A, classificada como Investimento avaliado pelo método de custo, por ser a forma adequada de classificação, o registro contábil desta mutação patrimonial na investidora B, será: a) Débito : Dividendos Propostos a Receber R$ ,00 Crédito : Receitas de Dividendos R$ ,00 b) Débito : Dividendos Propostos a Receber R$ ,00 Débito : Investimentos R$ ,00 Crédito : Ganho por Equivalência Patrimonial R$ ,00 c) Débito : Dividendos Propostos a Receber R$ ,00 Crédito : Investimentos R$ ,00 d) Débito : Dividendos Propostos a Receber R$ ,00 Débito : Investimentos R$ ,00 Crédito : Ganho por Equivalência Patrimonial R$ ,00 Na questão é importante a forma pela qual os investimentos são contabilizados. Eles podem ser pelo método de equivalência patrimonial ou pelo método de custo. Se determinado investimento é feito em coligada, controlada ou empresa de mesmo grupo econômico, estes investimentos devem ser contabilizados pelo método de equivalência patrimonial. Quando aplicamos o MEP, estamos fazendo uma exceção ao Princípio do Registro pelo Valor Original, já que o valor original da participação está sendo atualizado. Digamos que uma empresa tenha adquirido 40% das ações de outra companhia pelo valor de ,00. Digamos ainda que o Patrimônio Líquido da investida seja de ,00. Suponhamos que a investida tenha apurado um lucro de ,00. Portanto, o PL da investida passou a ser de ,00. Devemos então reconhecer o aumento do PL da investida na conta investimentos da investidora. Se o novo PL é de ,00, teremos: ,00 x 40% = ,00 14

15 Só que já é o valor que está contabilizado no Ativo da Cia Investidora é de ,00. Então, temos que reconhecer os outros 8.000,00. Esse outro valor é o ganho que a empresa investidora teve pelo lucro obtido pela investida. D Investimentos em Participações Permanentes C Receita de Equivalência Patrimonial 8.000,00 Agora o investimento está com seu saldo atualizado, correspondente a 40% do PL da coligada. Digamos agora que ocorreu uma distribuição de dividendos aos acionistas no volume de 50% do lucro. Se o lucro foi de ,00, então ,00 foram distribuídos. Como a empresa investidora tem direito a 40% do lucro distribuído, então temos: ,00 x 50% = ,00 x 40% = 4.000,00 (Dividendos da investidora) D - Dividendos a Receber C - Investimentos em Participações Permanentes 4.000,00 Toda esta explicação foi para mostrar um exemplo de lançamentos contábeis pelo MEP. Nesta questão, pede-se que se contabilize pelo método de custo. Por este método, as receitas dos investimentos são reconhecidas pelos dividendos, sendo assim o recebimento ou reconhecimento dos dividendos a receber serão contabilizados em contra partida a uma conta de Receita Operacional nos termos da legislação, porém será feito em grupo de contas em separado das demais receitas operacionais, ou seja, em Outras Receitas e Despesas Operacionais. A investida, ao obter a informação do reconhecimento dos Dividendos Propostos pela Investidora, deverá providenciar o reconhecimento deste direito, em seu balanço, contabilizando o mesmo em Receita de Dividendos, no Subgrupo Outras Receitas e Despesas Operacionais, a saber: D Dividendos Propostos a Receber C Receitas de Dividendos ,00 O correto seria: a) Débito : Dividendos Propostos a Receber R$ ,00 Crédito : Receitas de Dividendos R$ ,00 Gabarito: Letra A 11 - Uma sociedade empresária foi constituída em com capital de R$ ,00, dos quais R$10.000,00 foram integralizados em dinheiro naquela data. Em janeiro de 2011, os sócios entregaram mais R$30.000,00 em dinheiro e R$40.000,00 em terrenos. Ainda em janeiro, a sociedade empresária adquiriu mercadorias para revenda por R$32.000,00, metade à vista e metade para pagamento em 30 dias. 15

16 Desconsiderando a incidência de tributos e com base nos dados informados, é CORRETO afirmar que, na Demonstração dos Fluxos de Caixa relativa ao mês de janeiro de 2011: a) as atividades de financiamento geraram caixa no valor de R$70.000,00. b) as atividades de financiamento geraram caixa no valor de R$80.000,00. c) as atividades de investimento consumiram caixa no valor de R$40.000,00. d) as atividades operacionais consumiram caixa no valor de R$16.000,00. Façamos os lançamentos contábeis: Pela constituição e integralização do capital: 31/12/2010 D Caixa ,00 D Capital a Integralizar ,00 C Capital Social ,00 Pela 2ª. parte da integralização: Janeiro de 2011 D Caixa ,00 D Terrenos ,00 C Capital a Integralizar ,00 Aquisição de mercadorias para revenda: Janeiro de 2011 D Estoque de Mercadorias C Caixa ,00 C Fornecedores ,00 Para responder a questão é necessário entender quais tipos de atividades foram movimentadas nos lançamentos realizados em Janeiro de 2011, considerando que para a Demonstração dos Fluxos de Caixa, as atividades são separadas em três tipos: Operacionais, Investimentos e Financeiras, a saber: Operacionais: Normalmente referem-se as atividades relacionadas diretamente com o objeto social da empresa, ou seja, atividades de produção, venda, e administração. Investimentos: Normalmente estas atividades estão relacionadas a aumentos e ou diminuições de Ativos não circulantes que não estejam diretamente relacionados com a atividade fim da empresa, como por exemplo investimentos em outras empresas, ou Ativos que estejam relacionados com a atividade fima, mas cujo objetivo e a produção de bens e serviços, como por exemplo o imobilizado. Financiamentos: Nesta atividade são comuns as transações relacionadas a obtenção de créditos para suprir necessidade de financiamentos complementares, e podem estar relacionadas a empréstimos de credores ou investidores. 16

17 Depois de definidos os conceitos de cada atividade, vamos elaborar a DFC de janeiro de DFC Atividades Operacionais ( ,00) Pagamento a fornecedores ( ,00) Atividades de Investimento 0,00 Atividades de Financiamento ,00 Integralização de Capital ,00 d) as atividades operacionais consumiram caixa no valor de R$16.000,00. Gabarito: Letra D 12 - Uma sociedade empresária iniciou suas atividades em 1º de agosto de 2011, tendo realizado as seguintes operações durante o mês: Data Operação Integralização do capital inicial de R$ ,00 em dinheiro, depositado em conta corrente Compra à vista, com cheque, de terreno para uso próprio por R$80.000, Compra de computadores para revenda à vista por R$ , Compra, a prazo, de computadores para revenda pelo valor de R$80.000, Devolução de 25% da compra do dia 8 por defeito na mercadoria Venda do estoque de computadores à vista por R$ ,00. Em relação ao Balanço Patrimonial elaborado, a partir do registro das transações, é CORRETO afirmar que o: a) Patrimônio Líquido totaliza R$ ,00. b) Patrimônio Líquido totaliza R$ ,00. c) Passivo totaliza R$ ,00. d) Ativo Circulante totaliza R$ ,00. Vamos fazer cada um dos lançamentos: Integralização do capital inicial de R$ ,00 em dinheiro, depositado em conta corrente. D - Bancos conta Movimento C Capital Social Compra à vista, com cheque, de terreno para uso próprio por R$80.000,00. D Terrenos C Bancos conta Movimento

18 Compra de computadores para revenda à vista por R$ ,00. D Estoques C Bancos conta Movimento Compra, a prazo, de computadores para revenda pelo valor de R$80.000,00. D Estoques C Fornecedores Devolução de 25% da compra do dia 8 por defeito na mercadoria. D Fornecedores C Estoques Venda do estoque de computadores à vista por R$ ,00. D Caixa C Receita de vendas D CVM C Estoques PL Gabarito: Letra A 13 - Com base em um contrato continuado de serviço de manutenção de aparelhos com o fornecimento de peças incluso no mesmo contrato, sem distinção dos objetos de gasto no Setor Público, julgue os itens abaixo como Verdadeiros (V) ou Falsos (F) e, em seguida, assinale a opção CORRETA. I - O elemento de despesa tem por finalidade identificar os objetos de gasto, tais como vencimentos e vantagens fixas, juros, diárias, material de consumo, serviços de terceiros prestados sob qualquer forma e outros de que a administração pública se serve para a consecução de seus fins. II - Para a emissão do empenho, deve-se identificar o objeto do gasto, que, no caso, é a prestação de serviços com base no contrato de manutenção de aparelhos, já que não é possível no contrato fazer a distinção entre os objetos de gasto. III - É desnecessária a emissão de dois empenhos, sendo emitido apenas um na Natureza da Despesa, pois o fornecimento de peças está incluso e não altera o valor do contrato. A sequência CORRETA é: a) F, F, F. 18

19 b) F, F, V. c) V, F, F. d) V, V, V. Item I - Segundo o Manual de Contabilidade Aplicada ao Setor Público Parte VI (4ª edição pagina 12): Conforme definição constante deste Manual, o elemento de despesa tem por finalidade identificar os objetos de gasto, tais como vencimentos e vantagens fixas, juros, diárias, material de consumo, serviços de terceiros prestados sob qualquer forma e outros de que a administração pública se serve para a consecução de seus fins. Vemos então que o item está correto. Item II - - Segundo o Manual de Contabilidade Aplicada ao Setor Público Parte VI (4ª edição pagina 13): Portanto, para emissão do empenho deve-se identificar o objeto do gasto que, no caso, é a prestação de serviços com base no contrato de manutenção de aparelhos, já que não é possível no contrato fazer a distinção entre os objetos de gasto. Item correto Item III - - Segundo o Manual de Contabilidade Aplicada ao Setor Público Parte VI (4ª edição pagina 13): Assim, torna-se desnecessária a emissão de dois empenhos, sendo emitido apenas um na natureza de despesa - ND , pois o fornecimento de peças está incluso e não altera o valor do contrato. Item correto Gabarito: Letra D 14 - Relacione a classe descrita na primeira coluna com exemplos de grupo de contas na segunda coluna e, em seguida, assinale a opção CORRETA. ( 1 ) Variação Patrimonial Diminutiva ( ) Tributos e Contribuições, Venda de Mercadorias, Valorização e Ganhos de Ativos, Planejamento Aprovado, Orçamento Aprovado, Inscrição de Restos a Pagar. ( 2 ) Variação Patrimonial Aumentativa ( 3 ) Controles da Execução do Planejamento e Orçamento ( ) Execução dos Atos Potenciais, Execução da Administração Financeira, Execução da Dívida Ativa, Execução dos Riscos Fiscais, Apuração de Custos. ( ) Pessoal e Encargos, Benefícios Previdenciários, Tributos e Contribuições, Uso de Bens, Serviços e Consumo de Capital Fixo. 19

20 ( 4 ) Controles Devedores ( ) Atos Potenciais, Administração Financeira, Dívida Ativa, Riscos Fiscais, Custos. ( 5 ) Controles Credores ( ) Execução do Planejamento, Execução do Orçamento, Execução de Restos a Pagar. A sequência CORRETA é: a) 2, 5, 3, 4, 1. b) 2, 5, 1, 4, 3. c) 2, 4, 1, 5, 3. d) 2, 3, 1, 4, 5. Vamos ver os exemplos de cada um dos conceitos acima elencados: As variações patrimoniais aumentativas e variações patrimoniais diminutivas decorrem de transações que aumentem ou diminuam o patrimônio líquido. Variação Patrimonial Diminutiva: Pessoal e Encargos trata da remuneração e encargos de pessoal do governo; Benefícios Previdenciários compreendem os benefícios previdenciários de caráter contributivo do Regime Próprio da Previdência Social - RPPS e do Regime Geral da Previdência Social RGPS ; Benefícios Assistenciais compreendem as ações de Assistência Social, que são Políticas de Seguridade Social não contributiva, visando ao enfrentamento da pobreza, à garantia dos mínimos sociais, ao provimento de condições para atender contingências sociais e à universalização dos direitos sociais. Financeiras compreendem as variações patrimoniais diminutivas com operações financeiras, tais como: juros incorridos, descontos concedidos, comissões, despesas bancárias e correções monetárias; Transferências compreendem o somatório das variações patrimoniais diminutivas com transferências intergovernamentais, transferências intragovernamentais, transferências a instituições multigovernamentais, transferências a instituições privadas com ou sem fins lucrativos, transferências a convênios e transferências ao exterior.; Tributárias e Contributivas compreendem as variações patrimoniais diminutivas relativas aos impostos, taxas, contribuições de melhoria, contribuições sociais, contribuições econômicas e contribuições especiais. Uso de Bens, Serviços e Consumo de Capital Fixo - Representa o somatório das variações patrimoniais diminutivas com manutenção e operação da máquina pública, exceto despesas com pessoal e encargos que serão registradas em grupo específico (Despesas de Pessoal e Encargos). Compreende: diárias, material de consumo, 20

21 material de distribuição gratuita, passagens e despesas com locomoção, serviços de terceiros, arrendamento mercantil operacional, aluguel, depreciação, amortização, exaustão, entre outras. Desvalorização e Perda de Ativos - Compreende a variação patrimonial diminutiva com desvalorização e perdas de ativos, com redução a valor recuperável, perdas com alienação e perdas involuntárias. Outras Variações Patrimoniais Diminutivas outras variações patrimoniais diminutivas não classificadas nos grupos anteriores. Variação Patrimonial Aumentativa Tributárias e Contribuições compreendem tributos e contribuições; Venda de Mercadorias, Produtos e Serviços abrangem a venda de bens e serviços; Financeiras dizem respeito ao somatório das variações patrimoniais aumentativas com operações financeiras. Incluem-se aí as receitas de juros, dividendos, descontos obtidos etc.; Transferências incluem doações, subvenções, subsídios, transferências intergovernamentais e intragovernamentais recebidas, entre outras; e Outras Variações Aumentativas outras variações patrimoniais aumentativas não classificadas nos grupos anteriores. Controles da Execução do Planejamento e Orçamento Execução do Planejamento Execução do Orçamento Execução de Restos a Pagar Controles Devedores Atos Potenciais Administração Financeira Dívida Ativa Riscos Fiscais Custos Outros Controles Controles Credores Execução dos Atos Potenciais Execução da Administração Financeira Execução da Dívida Ativa Execução dos Riscos Fiscais Apuração de Custos Outros Controles Vamos analisar os parênteses. 21

22 (2) Tributos e Contribuições, Venda de Mercadorias, Valorização e Ganhos de Ativos, Planejamento Aprovado, Orçamento Aprovado, Inscrição de Restos a Pagar.: Variação Patrimonial Aumentativa (5) Execução dos Atos Potenciais, Execução da Administração Financeira, Execução da Dívida Ativa, Execução dos Riscos Fiscais, Apuração de Custos. Controles Credores (1) Pessoal e Encargos, Benefícios Previdenciários, Tributos e Contribuições, Uso de Bens, Serviços e Consumo de Capital Fixo. Variação Patrimonial Diminutiva ( 4 ) Atos Potenciais, Administração Financeira, Dívida Ativa, Riscos Fiscais, Custos. Controles Devedores (3) Execução do Planejamento, Execução do Orçamento, Execução de Restos a Pagar. Controles da Execução do Planejamento e Orçamento Gabarito: Letra B 15 - Uma empresa realizou seu inventário físico em 1º , identificando em seu estoque de mercadorias unidades, avaliadas ao custo médio unitário de R$180,00. Em vendeu unidades, à vista, por R$ ,00, numa operação isenta de tributos de qualquer natureza. O comprador, no dia , devolveu 20% da compra e ainda conseguiu obter um abatimento de 20% no preço. Considerando essas transações as únicas do mês de agosto, a empresa apresentou um estoque em de: a) unidades a R$144,00, totalizando R$ ,00. b) unidades a R$166,50, totalizando R$ ,00. c) unidades a R$180,00, totalizando R$ ,00. d) unidades a R$193,50, totalizando R$ ,00. Devemos utilizar o custo médio ponderado móvel para a solução desta questão: 01/08/11: Estoque inicial: x R$180,00 = ,00 05/08/11: Venda de mercadorias: ( 6.000) x 180,00 = ( ,00) 10/08/11: Devolução Vendas: x 20% = x 180,00 = ,00 31/08/11: Estoque final: em unidades = Estoque final em valor: , , ,00 = ,00 Valor unitário: ,00/3.200 = 180,00 Gabarito: Letra C 16 - Em 31 de dezembro de 2010, um determinado órgão público publicou a seguinte Demonstração de Resultado Econômico: DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO ECONÔMICO Receita Econômica dos Serviços Prestados: R$ ,00 ( - ) Custos de Execução Diretos (R$ ,00) 22

23 = Margem Bruta R$14.000,00 ( - ) Custos de Execução Indiretos (R$ ,00) = Resultado Econômico Apurado (R$ ,00) Acerca da análise da Demonstração do Resultado Econômico, em conformidade com a NBC T SP 16.6 e o Manual de Contabilidade Aplicada ao Setor Público, assinale a opção CORRETA. a) A apresentação desta demonstração permite a este órgão público avaliar os custos dos serviços prestados, a transparência sobre aspectos qualitativos, quantitativos e ampliar mecanismos de controle da sociedade sobre a atuação governamental no campo orçamentário, financeiro e patrimonial. b) A avaliação da gestão deste órgão público não pode ser verificada pela avaliação dos custos de serviços prestados e da receita econômica apresentada nesta demonstração, pois a não obrigatoriedade da demonstração financeira e patrimonial deixa a execução orçamentária fora dos parâmetros diante da falta do sistema de controle interno. c) A Constituição Federal de 1988 afirma que a apresentação da aplicação de recursos públicos nos órgãos federais é fator de comprovação da eficácia e eficiência da gestão orçamentária, portanto, dispensando a apresentação do financeiro e patrimonial. d) Este órgão público está apresentando um controle financeiro e patrimonial que deve ser apenas analisado pela gestão interna, pois a Lei de Responsabilidade Fiscal determina que a Administração Pública mantenha sistema de custos que permita a avaliação e o acompanhamento da gestão orçamentária e, não, do financeiro e patrimonial. Vamos analisar cada uma das alternativas. Alternativa a : A apresentação desta demonstração permite a este órgão público avaliar os custos dos serviços prestados, a transparência sobre aspectos qualitativos, quantitativos e ampliar mecanismos de controle da sociedade sobre a atuação governamental no campo orçamentário, financeiro e patrimonial. Diz a norma que é importante a avaliação da gestão, na qual a avaliação do custo dos serviços prestados e da receita econômica são fundamentais. A implementação de um sistema de informação de custos representa grande avanço para propiciar essa avaliação, pois representa uma importante ferramenta de auxílio à gestão, permitindo a transparência sobre os aspectos qualitativos e quantitativos dos programas de governo. Podemos então inferir que a alternativa a está correta, mesmo não sendo dito literalmente pela norma. Assertiva correta. Alternativa b : A avaliação da gestão deste órgão público não pode ser verificada pela avaliação dos custos de serviços prestados e da receita econômica apresentada nesta demonstração, pois a não obrigatoriedade da demonstração financeira e patrimonial deixa a execução orçamentária fora dos parâmetros diante da falta do sistema de controle interno. Olha o que diz a norma: A análise do custo dos serviços prestados, da receita econômica e do resultado econômico permite analisar a eficiência da gestão pública. 23

24 O texto da norma não diz exatamente o que diz a alternativa, mas podemos inferir isto. Alternativa incorreta. c) A Constituição Federal de 1988 afirma que a apresentação da aplicação de recursos públicos nos órgãos federais é fator de comprovação da eficácia e eficiência da gestão orçamentária, portanto, dispensando a apresentação do financeiro e patrimonial. Diz o artigo 74 da Constituição Federal/88: Art. 74. Os Poderes Legislativo, Executivo e Judiciário manterão, de forma integrada, sistema de controle interno com a finalidade de: II - comprovar a legalidade e avaliar os resultados, quanto à eficácia e eficiência, da gestão orçamentária, financeira e patrimonial nos órgãos e entidades da administração federal, bem como da aplicação de recursos públicos por entidades de direito privado. Percebam que não é só a eficácia e eficiência na gestão orçamentária, e sim, também, as áreas financeira e patrimonial. Alternativa incorreta. d) Este órgão público está apresentando um controle financeiro e patrimonial que deve ser apenas analisado pela gestão interna, pois a Lei de Responsabilidade Fiscal determina que a Administração Pública mantenha sistema de custos que permita a avaliação e o acompanhamento da gestão orçamentária e, não, do financeiro e patrimonial. A Lei de Responsabilidade Fiscal (Lei Complementar 101, de 04 de maio de 2000), estabelece que no parágrafo 3º do seu art. 50 estabelece que a Administração Pública manterá sistema de custos que permita a avaliação e o acompanhamento da gestão orçamentária, financeira e patrimonial. Como vimos pelas partes em negrito, a assertiva está incorreta. Gabarito: Letra A 17 - No primeiro semestre de 2011, uma determinada indústria tem os seguintes custos indiretos em seu departamento de colocação de tampas em garrafas. Mão de Obra Indireta : R$11.200,00 Lubrificantes : R$2.450,00 Energia Elétrica : R$3.325,00 Depreciação: R$1.750,00 Custos Indiretos Diversos: R$4.200,00 Neste primeiro semestre, foram produzidas dúzias de garrafas de 0,5 litro, dúzias de garrafas de 1,0 litro e dúzias de garrafas de 1,5 litro. Com base na quantidade produzida, assinale a opção que apresenta o rateio dos custos indiretos das garrafas. a) A garrafa de 1,0 litro totalizou custos indiretos na ordem de R$9.651,43. b) A garrafa de 1,5 litro totalizou custos indiretos na ordem de R$9.050,79. c) As garrafas de 0,5 e 1,0 litro totalizaram custos indiretos na ordem de R$17.193,75. d) As garrafas de 1,0 e 1,5 litro totalizaram custos indiretos na ordem de R$18.702,22. 24

25 Os custos indiretos podem ser rateados aos diversos produtos por várias formas. Normalmente, usa-se o critério de se distribuir os custos indiretos baseados no tempo de produção (gastos com mão de obra) de cada produto. A lógica é que os que gastam maior tempo tendem a gastar mais custos indiretos também. Vamos então somar os custos indiretos: Mão de Obra Indireta : R$11.200,00 Lubrificantes : R$2.450,00 Energia Elétrica : R$3.325,00 Depreciação: R$1.750,00 Custos Indiretos Diversos: R$4.200,00 Total: ,00 Neste caso consideramos que o trabalho de colocação de tampas independe do tamanho das garrafas, pois o trabalho é o mesmo independentemente se colocarmos tampa em uma garrafa de 0,5 litro ou 1,5 litro Garrafas Produzidas garrafas de 0,5 litro; garrafas de 1,0 litro; garrafas de 1,5 litro garrafas produzidas no total. Cálculo do custo unitário R$22.925,00 (custo indireto total) / (total de garrafas produzidas) = R$ 0,3275, de custo indireto por garrafa Custo por tipo de garrafa 0,5 litro = unidades x R$0,3275 = 8,023,75 1,0 litro = unidades x R$0,3275 = 9.170,00 1,5 litro = unidades x R$0,3275 = 5.731,25 Vamos agora analisar cada uma das respostas: Alternativa a : A garrafa de 1,0 litro totalizou custos indiretos na ordem de R$9.651,43.. O correto seria 9.170,00. Resposta incorreta Alternativa b : A garrafa de 1,5 litro totalizou custos indiretos na ordem de R$9.050,79. O correto seria 5.731,25.. Resposta incorreta Alternativa c : As garrafas de 0,5 e 1,0 litro totalizaram custos indiretos na ordem de R$17.193,75. 0,5 litro = 8,023,75 1,0 litro = 9.170,00 Total: ,75 Alternativa correta 25

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN PROCESSO SELETIVO PARA ESTÁGIO REMUNERADO EM CIÊNCIAS

Leia mais

Anexo 12 - Balanço Orçamentário

Anexo 12 - Balanço Orçamentário Anexo 12 - Balanço Orçamentário BALANÇO ORÇAMENTÁRIO EXERCÍCIO: PERÍODO (MÊS) : DATA DE EMISSÃO: PÁGINA: PREVISÃO PREVISÃO RECEITAS SALDO RECEITAS ORÇAMENTÁRIAS INICIAL ATUALIZADA REALIZADAS (a) (b) c

Leia mais

Plano de Contas Aplicado ao Setor Público

Plano de Contas Aplicado ao Setor Público Plano de Contas Aplicado ao Setor Público Fonte: Apresentação da Coordenação Geral de Contabilidade STN/CCONT do Tesouro Nacional Última Atualização: 14/09/2009 1 Manual de Contabilidade Aplicada ao Setor

Leia mais

Correção da Prova. Questões: 7, 8, 12, 20, 21, 22, 24, 34, 45 e 46

Correção da Prova. Questões: 7, 8, 12, 20, 21, 22, 24, 34, 45 e 46 Correção da Prova Questões: 7, 8, 12, 20, 21, 22, 24, 34, 45 e 46 Questão 7 Uma sociedade empresária mantém no seu estoque de mercadorias para revenda três tipos de mercadorias: I, II e III. O valor total

Leia mais

Contabilidade Avançada Fluxos de Caixa DFC

Contabilidade Avançada Fluxos de Caixa DFC Contabilidade Avançada Demonstração dos Fluxos de Caixa DFC Prof. Dr. Adriano Rodrigues Normas Contábeis: No IASB: IAS 7 Cash Flow Statements No CPC: CPC 03 (R2) Demonstração dos Fluxos de Caixa Fundamentação

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.418/12 -MODELO CONTÁBIL SIMPLIFICADO PARA MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE ITG 1000

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.418/12 -MODELO CONTÁBIL SIMPLIFICADO PARA MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE ITG 1000 RESOLUÇÃO CFC Nº 1.418/12 -MODELO CONTÁBIL SIMPLIFICADO PARA MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE ALCANCE 1.... estabelece critérios e procedimentos específicos a serem observados pelas entidades

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS APLICADAS AO SETOR PÚBLICO - DCASP

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS APLICADAS AO SETOR PÚBLICO - DCASP DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS APLICADAS AO SETOR PÚBLICO - DCASP Novas Demonstrações Contábeis do Setor Público DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO SETOR PÚBLICO Englobam todos os fatos contábeis e atos que interessam

Leia mais

TCE-TCE Auditoria Governamental

TCE-TCE Auditoria Governamental TCE-TCE Auditoria Governamental Pessoal, vou comentar as questões da prova. 61. Considere as informações extraídas do Balanço Orçamentário, referentes ao exercício financeiro de 2014, de uma entidade pública:

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS De acordo com o comando a que cada um dos itens de 51 a 120 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

e) 50.000.000,00. a) 66.000.000,00. c) 0,00 (zero).

e) 50.000.000,00. a) 66.000.000,00. c) 0,00 (zero). 1. (SEFAZ-PI-2015) Uma empresa, sociedade de capital aberto, apurou lucro líquido de R$ 80.000.000,00 referente ao ano de 2013 e a seguinte distribuição foi realizada no final daquele ano: valor correspondente

Leia mais

Notas Explicativas. Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com

Notas Explicativas. Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Home page: www.crc.org.br - E-mail: cursos@crcrj.org.br Notas Explicativas Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com (Rio de Janeiro)

Leia mais

Contabilidade Geral e de Custos Correção da Prova Fiscal de Rendas do Estado do Rio de Janeiro Prof. Moraes Junior. CONTABILIDADE GERAL e DE CUSTOS

Contabilidade Geral e de Custos Correção da Prova Fiscal de Rendas do Estado do Rio de Janeiro Prof. Moraes Junior. CONTABILIDADE GERAL e DE CUSTOS CONTABILIDADE GERAL e DE CUSTOS 81 Assinale a alternativa que apresente a circunstância em que o Sistema de Custeio por Ordem de Produção é indicado. (A) O montante dos custos fixos é superior ao valor

Leia mais

Tabela de Fatos - DCA 2014

Tabela de Fatos - DCA 2014 Tabela de Fatos - DCA 2014 Element siconfi-cor:p1.0.0.0.0.00.00 siconfi-cor:p1.1.0.0.0.00.00 siconfi-cor:p1.1.1.0.0.00.00 siconfi-cor:p1.1.1.1.0.00.00 siconfi-cor:p1.1.1.1.1.00.00 siconfi-cor:p1.1.1.1.2.00.00

Leia mais

4 Fatos Contábeis que Afetam a Situação Líquida: Receitas, Custos, Despesas, Encargos, Perdas e Provisões, 66

4 Fatos Contábeis que Afetam a Situação Líquida: Receitas, Custos, Despesas, Encargos, Perdas e Provisões, 66 Apresentação Parte I - CONCEITOS FUNDAMENTAIS DE CONTABILIDADE, 1 1 Introdução ao Estudo da Ciência Contábil, 3 1 Conceito, 3 2 Objeto, 3 3 Finalidade, 4 4 Técnicas contábeis, 4 5 Campo de aplicação, 5

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis 12.1. Introdução O artigo 176 da Lei nº 6.404/1976 estabelece que, ao fim de cada exercício social, a diretoria da empresa deve elaborar, com base na escrituração mercantil, as

Leia mais

Correção da Prova. Questões: 1, 2, 3, 4, 5 Contabilidade Geral

Correção da Prova. Questões: 1, 2, 3, 4, 5 Contabilidade Geral Correção da Prova Questões: 1, 2, 3, 4, 5 Contabilidade Geral Questão 1 - Acerca das demonstrações contábeis, julgue os itens abaixo e, em seguida, assinale a opção CORRETA. I. O recebimento de caixa resultante

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC)

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC) 1 de 5 31/01/2015 14:52 DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC) A Demonstração do Fluxo de Caixa (DFC) passou a ser um relatório obrigatório pela contabilidade para todas as sociedades de capital aberto

Leia mais

Prezado(a) Concurseiro(a),

Prezado(a) Concurseiro(a), Prezado(a) Concurseiro(a), A prova do TCM/RJ foi realizada no último final de semana e vou aproveitar para resolver as questões de Contabilidade Geral de forma simplificada e objetiva (nos cursos online,

Leia mais

DEFENSORIA PÚBLICA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL 2012. Resolução comentada da prova de Contabilidade Prof. Milton M. Ueta. Analista-Contabilidade

DEFENSORIA PÚBLICA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL 2012. Resolução comentada da prova de Contabilidade Prof. Milton M. Ueta. Analista-Contabilidade DEFENSORIA PÚBLICA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL 2012 Resolução comentada da prova de Contabilidade Prof. Milton M. Ueta Analista-Contabilidade 1 Primeiramente, é necessário Apurar o Resultado pois, como

Leia mais

[Anexo I-AB] Balanço Patrimonial - Ativo e Passivo. 1.1.1.1.2.00.00 - Caixa e Equivalentes de Caixa em Moeda Nacional - Intra OFSS

[Anexo I-AB] Balanço Patrimonial - Ativo e Passivo. 1.1.1.1.2.00.00 - Caixa e Equivalentes de Caixa em Moeda Nacional - Intra OFSS [Anexo I-AB] Balanço Patrimonial - Ativo e Passivo Qname siconfi-dca-anexo1abhi : BalancoPatrimonialAbstract siconfi-dca-anexo1abhi : AtivoAbstract siconfi-dca-anexo1abhi : AtivoLineItems siconfi-cor :

Leia mais

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS.

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. I. BALANÇO ATIVO 111 Clientes: duplicatas a receber provenientes das vendas a prazo da empresa no curso de suas operações

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADO DO EXERCÍCIO

DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADO DO EXERCÍCIO DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADO DO EXERCÍCIO DEMONSTRATIVO DE RESULTADOS Mostra o fluxo de eventos ocorridos em um determinado período de tempo. Quanto a empresa lucrou no ano passado? BALANÇO PATRIMONIAL Fotografia

Leia mais

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 10 Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 10 Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos 2ª edição Ampliada e Revisada Capítulo Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos Tópicos do Estudo Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos (Doar). Uma primeira tentativa de estruturar

Leia mais

10.936.971,00 3.2.4.3.1.00.00 - Benefícios Eventuais por Situações de Vulnerabilidade Temporária - Consolidação

10.936.971,00 3.2.4.3.1.00.00 - Benefícios Eventuais por Situações de Vulnerabilidade Temporária - Consolidação PREFEITURA DO RECIFE SECRETARIA DE FINANÇAS GERÊNCIA GERAL DA CONTABILIDADE DO MUNICÍPIO DEMONSTRAÇÃO DAS VARIAÇÕES PATRIMONIAIS - CONSOLIDADO - 2013 Demonstrativo das Variações Patrimoniais e Resultado

Leia mais

Durante o mês de dezembro a Companhia efetuou as seguintes transações:

Durante o mês de dezembro a Companhia efetuou as seguintes transações: Durante o mês de dezembro a Companhia efetuou as seguintes transações: 1) Antecipação do pagamento de uma duplicata de $ 140.000 a um de seus fornecedores, com 2% de desconto. i 2) Efetuou os seguintes

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA CAPÍTULO 33 Este Capítulo é parte integrante do Livro Contabilidade Básica - Finalmente Você Vai Entender a Contabilidade. 33.1 CONCEITOS A demonstração dos fluxos de caixa evidencia as modificações ocorridas

Leia mais

CURSO DE CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA

CURSO DE CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA www.editoraferreira.com.br CURSO DE CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA Professor Humberto Fernandes de Lucena 6.1. Balanço Patrimonial Desde o início de nosso curso, vimos tratando sobre Balanço Patrimonial apenas

Leia mais

AGENTE E ESCRIVÃO DA POLÍCIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Data: 07/12/2008

AGENTE E ESCRIVÃO DA POLÍCIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Data: 07/12/2008 Alterações da Lei 6404/76 Lei 11638 de 28 de dezembro de 2007 Lei 11638/07 que altera a Lei 6404/76 Art. 1o Os arts. 176 a 179, 181 a 184, 187, 188, 197, 199, 226 e 248 da Lei no 6.404, de 15 de dezembro

Leia mais

Graficamente, o Balanço Patrimonial se apresenta assim: ATIVO. - Realizável a Longo prazo - Investimento - Imobilizado - Intangível

Graficamente, o Balanço Patrimonial se apresenta assim: ATIVO. - Realizável a Longo prazo - Investimento - Imobilizado - Intangível CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL AULA 03: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS TÓPICO 02: BALANÇO PATRIMONIAL. É a apresentação padronizada dos saldos de todas as contas patrimoniais, ou seja, as que representam

Leia mais

2. Acerca do conteúdo das Demonstrações Contábeis, julgue os itens abaixo e, em seguida, assinale a opção CORRETA.

2. Acerca do conteúdo das Demonstrações Contábeis, julgue os itens abaixo e, em seguida, assinale a opção CORRETA. 1. Considerando os conceitos de passivos e provisões, julgue os itens abaixo como Verdadeiros (V) ou Falsos (F) e, em seguida, assinale a opção CORRETA. I. Provisões são passivos com prazo ou valor incertos.

Leia mais

Balanço Patrimonial e DRE

Balanço Patrimonial e DRE Balanço Patrimonial e DRE Administração financeira e orçamentária Professor: Me. Claudio Kapp Junior Email: juniorkapp@hotmail.com 2 Demonstrações Financeiras (Contábeis) Dados Dados Coletados Coletados

Leia mais

2 Questão 31 Classificação de Contas e Grupos Patrimoniais

2 Questão 31 Classificação de Contas e Grupos Patrimoniais Conteúdo 1 Introdução... 1 2 Questão 31 Classificação de Contas e Grupos Patrimoniais... 1 3 Questão 32 Natureza das contas... 3 4 Questão 33 Lançamentos - Operações de captação de recursos... 4 5 Questão

Leia mais

Pessoal, ACE-TCU-2007 Auditoria Governamental - CESPE Resolução da Prova de Contabilidade Geral, Análise e Custos

Pessoal, ACE-TCU-2007 Auditoria Governamental - CESPE Resolução da Prova de Contabilidade Geral, Análise e Custos Pessoal, Hoje, disponibilizo a resolução da prova de Contabilidade Geral, de Análise das Demonstrações Contábeis e de Contabilidade de Custos do Concurso para o TCU realizado no último final de semana.

Leia mais

Os valores totais do Ativo e do Patrimônio Líquido são, respectivamente,

Os valores totais do Ativo e do Patrimônio Líquido são, respectivamente, Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás Exercícios de Contabilidade Professora Niuza Adriane da Silva 1º A empresa XYZ adquire mercadorias para revenda, com promessa de pagamento em 3 parcelas iguais, sendo

Leia mais

Curso Extensivo de Contabilidade Geral

Curso Extensivo de Contabilidade Geral Curso Extensivo de Contabilidade Geral Adelino Correia 4ª Edição Enfoque claro, didático e objetivo Atualizado de acordo com a Lei 11638/07 Inúmeros exercícios de concursos anteriores com gabarito Inclui

Leia mais

CAU - MT Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Estado do Mato Grosso CNPJ: 14.820.959/0001-88

CAU - MT Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Estado do Mato Grosso CNPJ: 14.820.959/0001-88 CAU - MT Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Estado do Mato Grosso CNPJ: 14.820.959/0001-88 Balanço Financeiro Período: 01/01/2012 a 31/12/2012 INGRESSOS DISPÊNDIOS ESPECIFICAÇÃO Exercício Anterior

Leia mais

NOVAS DIRETRIZES PARA A CONTABILIDADE MUNICIPAL ISAAC DE OLIVEIRA SEABRA TCE-PE

NOVAS DIRETRIZES PARA A CONTABILIDADE MUNICIPAL ISAAC DE OLIVEIRA SEABRA TCE-PE NOVAS DIRETRIZES PARA A CONTABILIDADE MUNICIPAL ISAAC DE OLIVEIRA SEABRA TCE-PE CENÁRIO ANTERIOR Gestão Dívida Financeira Pública ORÇAMENTO PUBLICO Contabilidade Receita e Despesa Demonstrativos Contábeis:

Leia mais

Comentários às Mudanças Contábeis na Lei nº 6.404/76 MP nº 449/08

Comentários às Mudanças Contábeis na Lei nº 6.404/76 MP nº 449/08 Comentários às Mudanças Contábeis na Lei nº 6.404/76 MP nº 449/08 Comentários às Mudanças Contábeis na Lei nº 6.404/76 MP nº 449/08 No dia 3 de dezembro de 2008, foi editada a Medida Provisória nº 449,

Leia mais

Brito Amoedo Imobiliária S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes

Brito Amoedo Imobiliária S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Brito Amoedo Imobiliária S/A Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Em 30 de Junho de 2007 e em 31 de Dezembro de 2006, 2005 e 2004 Parecer dos auditores independentes

Leia mais

Tributos sobre o Lucro Seção 29

Tributos sobre o Lucro Seção 29 Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

Contabilidade Financeira

Contabilidade Financeira Contabilidade Prof. Dr. Alvaro Ricardino Módulo: Contabilidade Básica aula 04 Balanço Patrimonial: Grupo de Contas II Aula 4 Ao final desta aula você : - Conhecerá os grupos de contas do Ativo e Passivo.

Leia mais

BACEN Técnico 2010 Fundamentos de Contabilidade Resolução Comentada da Prova

BACEN Técnico 2010 Fundamentos de Contabilidade Resolução Comentada da Prova Conteúdo 1 Questões Propostas... 1 2 Comentários e Gabarito... 1 2.1 Questão 41 Depreciação/Amortização/Exaustão/Impairment... 1 2.2 Questão 42 fatos contábeis e regime de competência x caixa... 2 2.3

Leia mais

Instituto Lina Galvani

Instituto Lina Galvani Balanços patrimoniais Em milhares de reais Ativo 31 de dezembro de 2011 31 de dezembro de 2010 Passivo e patrimônio social 31 de dezembro de 2011 31 de dezembro de 2010 Circulante Circulante Caixa e equivalentes

Leia mais

Unidade II ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

Unidade II ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Unidade II DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC) 3 INTRODUÇÃO 1 2 A demonstração dos fluxos de caixa (DFC), a partir de 01/01/08, passou a ser uma demonstração obrigatória, conforme estabeleceu a lei

Leia mais

Contabilidade Pública. Aula 6. Apresentação. Demonstração do Balanço Patrimonial. Demonstração dos Fluxos de Caixa. Necessidade e Função

Contabilidade Pública. Aula 6. Apresentação. Demonstração do Balanço Patrimonial. Demonstração dos Fluxos de Caixa. Necessidade e Função Contabilidade Pública Aula 6 Apresentação Prof. Me. Adilson Lombardo Demonstração do Balanço Patrimonial Necessidade e Função Demonstração dos Fluxos de Caixa Demonstração do Resultado Econômico Contextualização

Leia mais

Maratona Fiscal ISS Contabilidade geral

Maratona Fiscal ISS Contabilidade geral Maratona Fiscal ISS Contabilidade geral 1. Em relação ao princípio contábil da Competência, é correto afirmar que (A) o reconhecimento de despesas deve ser efetuado quando houver o efetivo desembolso financeiro

Leia mais

CONTABILIDADE SOCIETÁRIA AVANÇADA Revisão Geral BR-GAAP. PROF. Ms. EDUARDO RAMOS. Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ SUMÁRIO

CONTABILIDADE SOCIETÁRIA AVANÇADA Revisão Geral BR-GAAP. PROF. Ms. EDUARDO RAMOS. Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ SUMÁRIO CONTABILIDADE SOCIETÁRIA AVANÇADA Revisão Geral BR-GAAP PROF. Ms. EDUARDO RAMOS Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 2. PRINCÍPIOS CONTÁBEIS E ESTRUTURA CONCEITUAL 3. O CICLO CONTÁBIL

Leia mais

Curso: Ciências Contábeis. Disciplina: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Entrega dia 30 de Novembro

Curso: Ciências Contábeis. Disciplina: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Entrega dia 30 de Novembro Faculdade Atenas Maranhense - FAMA Professor: Esp. CLEIDIANA SACCHETTO Curso: Ciências Contábeis. Disciplina: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Entrega dia 30 de Novembro DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU

Leia mais

Análise das Demonstrações Financeiras

Análise das Demonstrações Financeiras UNIPAC UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS, LETRAS E SAÚDE DE UBERLÂNDIA. Rua: Barão de Camargo, nº. 695 Centro Uberlândia/MG. Telefax: (34) 3223-2100 Análise das Demonstrações

Leia mais

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE ITG 2002 ENTIDADE SEM FINALIDADE DE LUCROS

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE ITG 2002 ENTIDADE SEM FINALIDADE DE LUCROS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE ITG 2002 ENTIDADE SEM FINALIDADE DE LUCROS Índice Item CONTETO 1 6 ALCANCE 7 8 RECONHECIMENTO 9 10 REGISTROS CONTÁBEIS 11 22 DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS 23 25 CONTAS DE

Leia mais

Contabilidade Geral Correção da Prova APO 2010 Prof. Moraes Junior CONTABILIDADE GERAL

Contabilidade Geral Correção da Prova APO 2010 Prof. Moraes Junior CONTABILIDADE GERAL CONTABILIDADE GERAL 61- De acordo com a 750/93, do Conselho Federal de Contabilidade, foram aprovados os seguintes Princípios Fundamentais de Contabilidade: da Competência; da Prudência; do Denominador

Leia mais

Contabilidade Básica Prof. Jackson Luis Oshiro joshiro@ibest.com.br Conceito Conta Nome dado aos componentes patrimoniais (bens, direitos, obrigações e Patrimônio Líquido) e aos elementos de resultado

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Nas questões de 31 a 60, marque, para cada uma, a única opção correta, de acordo com o respectivo comando. Para as devidas marcações, use a folha de respostas, único documento válido para a correção das

Leia mais

Etapas para a elaboração do Balanço Patrimonial e consequentemente, das Demonstrações Financeiras.

Etapas para a elaboração do Balanço Patrimonial e consequentemente, das Demonstrações Financeiras. Etapas para a elaboração do Balanço Patrimonial e consequentemente, das Demonstrações Financeiras. Prof. MSc. Wilson Alberto Zappa Hoog Resumo: Apresenta-se uma breve análise sobre as vinte etapas para

Leia mais

NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA 2010 CONTINUAÇÃO DE PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL CONTÁBIL

NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA 2010 CONTINUAÇÃO DE PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL CONTÁBIL NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA 2010 CONTINUAÇÃO DE PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL CONTÁBIL Ana Beatriz Nunes Barbosa Em 31.07.2009, a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) aprovou mais cinco normas contábeis

Leia mais

Comentários da prova SEFAZ-PI Disciplina: Contabilidade Geral Professor: Feliphe Araújo

Comentários da prova SEFAZ-PI Disciplina: Contabilidade Geral Professor: Feliphe Araújo Disciplina: Professor: Feliphe Araújo Olá amigos, Comentários da prova SEFAZ-PI ANÁLISE DA PROVA DE CONTABILIDADE GERAL - SEFAZ-PI Trago para vocês os comentários da prova da SEFAZ-PI realizado no último

Leia mais

2. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E INFORMAÇÕES

2. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E INFORMAÇÕES 1. INTRODUÇÃO Referente à elaboração e divulgação de informações pelas instituições administradoras dos Fundos de Investimento Imobiliário, para o mercado de valores mobiliários e encaminhamento à Comissão

Leia mais

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA.

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. 1. CONTEXTO OPERACIONAL A Patacão Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. ( Distribuidora ) tem como objetivo atuar no mercado de títulos e valores mobiliários em seu nome ou em nome de terceiros.

Leia mais

CONTABILIDADE: DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS (DLPA) PROCEDIMENTOS

CONTABILIDADE: DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS (DLPA) PROCEDIMENTOS CONTABILIDADE: DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS (DLPA) PROCEDIMENTOS SUMÁRIO 1. Considerações Iniciais 2. Demonstração de Lucros ou Prejuízos Acumulados (DLPA) na Lei das S.A. 3. Demonstração

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE «21. A respeito das funções da Contabilidade, tem-se a administrativa e a econômica. Qual das alternativas abaixo apresenta uma função econômica? a) Evitar erros

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS - ESCOLA DE ATIVISMO. 31 de dezembro de 2012 SUMÁRIO

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS - ESCOLA DE ATIVISMO. 31 de dezembro de 2012 SUMÁRIO DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS - ESCOLA DE ATIVISMO 31 de dezembro de 2012 SUMÁRIO BALANÇO PATRIMONIAL 02 DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO PERÍODO 03 DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO 04 DEMONSTRAÇÕES

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE

CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE RESOLUÇÃO CFC N.º 1.418/12 Aprova a ITG 1000 Modelo Contábil para Microempresa e Empresa de Pequeno Porte. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais e com

Leia mais

NBC TSP 10 - Contabilidade e Evidenciação em Economia Altamente Inflacionária

NBC TSP 10 - Contabilidade e Evidenciação em Economia Altamente Inflacionária NBC TSP 10 - Contabilidade e Evidenciação em Economia Altamente Inflacionária Alcance 1. Uma entidade que prepara e apresenta Demonstrações Contábeis sob o regime de competência deve aplicar esta Norma

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2012 - COMPANHIA DE BEBIDAS DAS AMÉRICAS-AMBEV Versão : 1. Composição do Capital 1

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2012 - COMPANHIA DE BEBIDAS DAS AMÉRICAS-AMBEV Versão : 1. Composição do Capital 1 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 4 Balanço Patrimonial Passivo 6 Demonstração do Resultado 9 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

1.1.2.07.001 Empréstimos a empregados 1.1.2.07.002 Empréstimos a terceiros 1.1.2.08 Tributos a Compensar 1.1.2.08.001 IR Retido na Fonte a Compensar

1.1.2.07.001 Empréstimos a empregados 1.1.2.07.002 Empréstimos a terceiros 1.1.2.08 Tributos a Compensar 1.1.2.08.001 IR Retido na Fonte a Compensar A seguir um modelo de Plano de Contas que poderá ser utilizado por empresas comerciais, industriais e prestadoras de serviços, com as devidas adaptações: 1 Ativo 1.1 Ativo Circulante 1.1.1 Disponível 1.1.1.01

Leia mais

1) Elabore os lançamentos contábeis em razonetes e em seguida elabore a DRE e o BP:

1) Elabore os lançamentos contábeis em razonetes e em seguida elabore a DRE e o BP: 1) Elabore os lançamentos contábeis em razonetes e em seguida elabore a DRE e o BP: a) Constituição de uma sociedade com capital totalmente integralizado de R$ 30.000 b) Compra à vista de mercadorias para

Leia mais

ATIVO Explicativa 2012 2011 PASSIVO Explicativa 2012 2011

ATIVO Explicativa 2012 2011 PASSIVO Explicativa 2012 2011 ASSOCIAÇÃO DIREITOS HUMANOS EM REDE QUADRO I - BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO (Em reais) Nota Nota ATIVO Explicativa PASSIVO Explicativa CIRCULANTE CIRCULANTE Caixa e equivalentes de caixa 4 3.363.799

Leia mais

DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE SERGIPE - CIÊNCIAS CONTÁBEIS QUESTÕES

DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE SERGIPE - CIÊNCIAS CONTÁBEIS QUESTÕES QUESTÕES 01) Fazem parte do grupo de contas do : A) Duplicatas a Receber Caixa Duplicatas a Pagar. B) Terrenos Banco Conta Movimento Credores Diversos. C) Duplicatas a Pagar Caixa Adiantamentos de Clientes.

Leia mais

Vamos, então, à nossa aula de hoje! Demonstração de Fluxo de Caixa (2.ª parte) Método Indireto

Vamos, então, à nossa aula de hoje! Demonstração de Fluxo de Caixa (2.ª parte) Método Indireto Olá, pessoal! Aqui estou eu de novo, para continuar o assunto da aula passada: Fluxo de Caixa e Demonstração do Fluxo de Caixa. Assunto da maior importância, que está sendo cobrado nos atuais concursos

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.265/09. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.265/09. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, NOTA - A Resolução CFC n.º 1.329/11 alterou a sigla e a numeração desta Interpretação de IT 12 para ITG 12 e de outras normas citadas: de NBC T 19.1 para NBC TG 27; de NBC T 19.7 para NBC TG 25; de NBC

Leia mais

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR Aula n 04 online MATERIAL DE APOIO PROFESSOR Balanço Patrimonial Plano de Contas É um elemento sistematizado e metódico de todas as contas movimentadas por uma empresa. Cada empresa deverá ter seu próprio

Leia mais

DOAR DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS UMA REVISÃO DOS CONCEITOS MAIO / 2007. Autor - Manoel Moraes Jr

DOAR DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS UMA REVISÃO DOS CONCEITOS MAIO / 2007. Autor - Manoel Moraes Jr DOAR DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS UMA REVISÃO DOS CONCEITOS MAIO / 2007 Autor - Manoel Moraes Jr OBJETIVOS DA DOAR Apresentar de forma ordenada e sumariada as informações relativas

Leia mais

4º E 5º PERIODOS CIENCIAS CONTABEIS PROF NEUSA. 1- A empresa Brasil S/A apresenta inicialmente os seguintes saldos contábeis:

4º E 5º PERIODOS CIENCIAS CONTABEIS PROF NEUSA. 1- A empresa Brasil S/A apresenta inicialmente os seguintes saldos contábeis: 4º E 5º PERIODOS CIENCIAS CONTABEIS PROF NEUSA Exercícios: 1- A empresa Brasil S/A apresenta inicialmente os seguintes saldos contábeis: Banco 100.000 Duplicatas a receber 80.000 Financiamentos 80.000

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2013 - BANCO BRADESCO SA Versão : 2. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2013 - BANCO BRADESCO SA Versão : 2. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 5 Balanço Patrimonial Passivo 9 Demonstração do Resultado 12 Demonstração do Resultado

Leia mais

6 Balanço Patrimonial - Passivo - Classificações das Contas, 25 Exercícios, 26

6 Balanço Patrimonial - Passivo - Classificações das Contas, 25 Exercícios, 26 Prefácio 1 Exercício Social, 1 Exercícios, 2 2 Disposições Gerais, 3 2.1 Demonstrações financeiras exigidas, 3 2.2 Demonstrações financeiras comparativas, 4 2.3 Contas semelhantes e contas de pequenos,

Leia mais

Análise de Balanços. Flávia Moura

Análise de Balanços. Flávia Moura Análise de Balanços Flávia Moura 1 Tópicos para Reflexão O que é análise de balanços? A análise de balanços consiste em proceder a investigações dos fatos com base nos dados Para que serve a análise de

Leia mais

ASSOCIAÇÃO FRATERNAL PELICANO CNPJ Nº 05.439.594/0001-55 BALANÇO PATRIMONIAL ENCERRADO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012/2011 (EM R$)

ASSOCIAÇÃO FRATERNAL PELICANO CNPJ Nº 05.439.594/0001-55 BALANÇO PATRIMONIAL ENCERRADO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012/2011 (EM R$) BALANÇO PATRIMONIAL ENCERRADO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012/2011 (EM R$) ATIVO 2012 2011 PASSIVO E PATRIMONIO SOCIAL 2012 2011 CIRCULANTE 41.213,54 37.485,00 CIRCULANTE 12.247,91 11.914,91 EQUIVALENCIA DE

Leia mais

http://www.econeteditora.com.br/boletim_imposto_renda/ir-11/boletim-19/cont_demonstracoes_...

http://www.econeteditora.com.br/boletim_imposto_renda/ir-11/boletim-19/cont_demonstracoes_... http://www.econeteditora.com.br/boletim_imposto_renda/ir-11/boletim-19/cont_demonstracoes_... Página 1 de 14 CONTABILIDADE DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Considerações ROTEIRO 1. INTRODUÇÃO 1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVO

Leia mais

PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 26 APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 26 APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 26 APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 1 Objetivos e considerações gerais sobre as Demonstrações Financeiras Conteúdo

Leia mais

DICAS PARA EXAME DE SUFICIÊNCIA CUSTOS

DICAS PARA EXAME DE SUFICIÊNCIA CUSTOS 1 DICAS PARA EXAME DE SUFICIÊNCIA CUSTOS CUSTODIO ROCHA Você bem preparado para o futuro da 2profissão. 1 OBJETIVOS Identificação do Conteúdo de Custos Aplicado nas Provas de Suficiência Breve Revisão

Leia mais

Equipe de Professores da FECAP

Equipe de Professores da FECAP São Paulo, 28 de fevereiro de 2014. Exame de Suficiência CFC 02/2013 Setembro/2013 Prezados professores, alunos, ex-alunos da Fecap e demais interessados, Apresentamos a seguir nosso trabalho de apresentação,

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos MP627 Alterações Fiscais sobre o Ajuste a Valor Presente

Parecer Consultoria Tributária Segmentos MP627 Alterações Fiscais sobre o Ajuste a Valor Presente 11/03/2014 Título do documento Sumário Sumário... 2 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas Pelo Cliente... 4 3. Análise da Legislação... 5 a. Ajuste a Valor Presente no Contas a Receber... 5 b. Ajuste

Leia mais

CONTABILIDADE AVANÇADA CAPÍTULO 1: DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS

CONTABILIDADE AVANÇADA CAPÍTULO 1: DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS CONTABILIDADE AVANÇADA CAPÍTULO 1: DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS 1.1 - CONCEITO A Demonstração das Origens e Aplicações de recursos (DOAR) deixou de ser obrigatória por força da lei

Leia mais

Niterói Administradora de Imóveis S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes

Niterói Administradora de Imóveis S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Niterói Administradora de Imóveis S/A Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Em 30 de Junho de 2007 e em 31 de Dezembro de 2006, 2005 e 2004 Parecer dos auditores independentes

Leia mais

ENCONTRO TÉCNICO MCASP - Manual de Contabilidade Aplicado ao Setor Público

ENCONTRO TÉCNICO MCASP - Manual de Contabilidade Aplicado ao Setor Público SISTEMA INTEGRADO DE CONTROLE E AUDITORIA PÚBLICA - SICAP/CONTÁBIL ENCONTRO TÉCNICO MCASP - Manual de Contabilidade Aplicado ao Setor Público Portaria Conjunta STN/SOF nº 02/2012 Portaria STN nº 437/2012

Leia mais

Administração Financeira: princípios,

Administração Financeira: princípios, Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Ana Paula Mussi Szabo Cherobim Antônio Barbosa Lemes Jr. Claudio Miessa Rigo Material de apoio para aulas Administração Financeira:

Leia mais

Comentários da prova ISS-SJC/SP Disciplina: Contabilidade Professor: Feliphe Araújo

Comentários da prova ISS-SJC/SP Disciplina: Contabilidade Professor: Feliphe Araújo Disciplina: Professor: Feliphe Araújo Olá amigos, Comentários da prova ISS-SJC/SP ANÁLISE DA PROVA DE CONTABILIDADE - ISS-SJC/SP Trago para vocês os comentários da prova do concurso de Auditor Tributário

Leia mais

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL - DEPARTAMENTO NACIONAL BALANÇO PATRIMONIAL ESPECIFICAÇÃO 2014 2013 ESPECIFICAÇÃO 2014 2013

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL - DEPARTAMENTO NACIONAL BALANÇO PATRIMONIAL ESPECIFICAÇÃO 2014 2013 ESPECIFICAÇÃO 2014 2013 BALANÇO PATRIMONIAL ATIVO PASSIVO Ativo Circulante 1.149.479.180,77 989.839.743,43 Passivo Circulante 317.274.300,38 283.051.918,44 Caixa e Equiv. Caixa Moeda Nacional 800.954.874,69 676.326.925,34 Obrig.

Leia mais

CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL

CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL AULA 03: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS TÓPICO 03: ORIGEM E EVOLUÇÃO HISTÓRICA DA QUALIDADE A DRE tem por objetivo evidenciar a situação econômica de uma empresa,

Leia mais

Bacharelado CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Parte 6

Bacharelado CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Parte 6 Bacharelado em CIÊNCIAS CONTÁBEIS Parte 6 1 NBC TG 16 - ESTOQUES 6.1 Objetivo da NBC TG 16 (Estoques) O objetivo da NBC TG 16 é estabelecer o tratamento contábil para os estoques, tendo como questão fundamental

Leia mais

Contabilidade Geral Correção da Prova 2 Analista Técnico Controle e Fiscalização - Susep 2010 Prof. Moraes Junior CONTABILIDADE GERAL

Contabilidade Geral Correção da Prova 2 Analista Técnico Controle e Fiscalização - Susep 2010 Prof. Moraes Junior CONTABILIDADE GERAL CONTABILIDADE GERAL 1 - A legislação vigente sobre as sociedades anônimas estabelece o que deve ser computado na determinação do resultado do exercício. Diz a lei que devem ser incluídas as receitas e

Leia mais

PÓS GRADUAÇÃO DIRETO EMPRESARIAL FUNDAMENTOS DE CONTABILIDADE E LIVROS EMPRESARIAS PROF. SIMONE TAFFAREL FERREIRA

PÓS GRADUAÇÃO DIRETO EMPRESARIAL FUNDAMENTOS DE CONTABILIDADE E LIVROS EMPRESARIAS PROF. SIMONE TAFFAREL FERREIRA PÓS GRADUAÇÃO DIRETO EMPRESARIAL FUNDAMENTOS DE CONTABILIDADE E LIVROS EMPRESARIAS PROF. SIMONE TAFFAREL FERREIRA DISTRIBUIÇÃO DA APRESENTAÇÃO - Aspectos Conceituais - Definições Teóricas e Acadêmicas

Leia mais

perspectiva da Nova Contabilidade Aplicada ao Setor Público Demonstrações Contábeis sob a perspectiva da Nova Contabilidade Aplicada ao Setor Público

perspectiva da Nova Contabilidade Aplicada ao Setor Público Demonstrações Contábeis sob a perspectiva da Nova Contabilidade Aplicada ao Setor Público Demonstrações Contábeis sob a perspectiva da Nova Contabilidade Aplicada ao Setor Público Demonstrações Contábeis sob a perspectiva da Nova Contabilidade Aplicada ao Setor Público QUEM ATUALIZOU AS DEMONSTRAÇÕES?

Leia mais

MÓDULO 2 PASSIVO EXIGÍVEL (PE) E RECEITAS DIFERIDAS (ANTIGO RESULTADO DE EXERCÍCIOS FUTUROS (REF))

MÓDULO 2 PASSIVO EXIGÍVEL (PE) E RECEITAS DIFERIDAS (ANTIGO RESULTADO DE EXERCÍCIOS FUTUROS (REF)) CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA CAPÍTULO 2: PASSIVO EXIGÍVEL E RECEITAS DIFERIDAS MATERIAL DE ACOMPANHAMENTO MÓDULO 2 PASSIVO EXIGÍVEL (PE) E RECEITAS DIFERIDAS (ANTIGO RESULTADO DE EXERCÍCIOS FUTUROS (REF))

Leia mais

1.1 Demonstração dos Fluxos de Caixa

1.1 Demonstração dos Fluxos de Caixa 1 Exercícios de Fixação (Questões de concurso) 1.1 Demonstração dos Fluxos de Caixa 1.1.1 Concurso para AFRF 2000 prova de contabilidade avançada - Questão 15 ENUNCIADO 15- Aplicações em Investimentos

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.638, DE 28 DEZEMBRO DE 2007. Mensagem de veto Altera e revoga dispositivos da Lei n o 6.404, de 15 de dezembro de 1976, e

Leia mais

Basicamente, o relatório de fluxo de caixa deve ser segmentado em três grandes áreas:

Basicamente, o relatório de fluxo de caixa deve ser segmentado em três grandes áreas: CASHFLOW OU FLUXO DE CAIXA 1. CONCEITO É um demonstrativo que reflete dinamicamente o fluxo do disponível da empresa, em um determinado período de tempo. 2. FINALIDADES 2.1. Evidenciar a movimentação dos

Leia mais

Demonstrações Financeiras UPCON SPE 17 Empreendimentos Imobiliários S.A.

Demonstrações Financeiras UPCON SPE 17 Empreendimentos Imobiliários S.A. Demonstrações Financeiras UPCON SPE 17 Empreendimentos Imobiliários S.A. 31 de dezembro de 2014 com o relatório dos auditores independentes Demonstrações financeiras Índice Relatório dos auditores independentes

Leia mais

A Geradora Aluguel de Máquinas S.A.

A Geradora Aluguel de Máquinas S.A. Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo Passivo e patrimônio líquido Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa 17.488 25.888 Fornecedores e outras obrigações 17.561 5.153 Contas a receber

Leia mais

Logística Prof. Kleber dos Santos Ribeiro. Contabilidade. História. Contabilidade e Balanço Patrimonial

Logística Prof. Kleber dos Santos Ribeiro. Contabilidade. História. Contabilidade e Balanço Patrimonial Logística Prof. Kleber dos Santos Ribeiro Contabilidade e Balanço Patrimonial Contabilidade É a ciência teórica e prática que estuda os métodos de cálculo e registro da movimentação financeira e patrimônio

Leia mais