História Fascículo 03 Cinília Tadeu Gisondi Omaki Maria Odette Simão Brancatelli

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "História Fascículo 03 Cinília Tadeu Gisondi Omaki Maria Odette Simão Brancatelli"

Transcrição

1 História Fascículo 03 Cinília Tadeu Gisondi Omaki Maria Odette Simão Brancatelli

2 Índice História do Brasil Política trabalhista na República Velha e na Era Vargas... 1 Exercícios...2 Gabarito...5

3 História do Brasil Política trabalhista na República Velha e na Era Vargas No Brasil, desde o final do século XIX, a imigração e a abolição da escravatura dinamizaram a formação de um mercado de trabalho assalariado nas cidades, onde as indústrias começavam a desenvolver-se. No início do século XX, o operariado, em especial o paulista, era constituído de estrangeiros, principalmente italianos e espanhóis, e de poucos brasileiros pobres e migrantes internos. Viviam nos bairros fabris, em precárias habitações coletivas (cortiços) ou em vilas controladas pelos patrões. Longas jornadas sob condições insalubres, a utilização de mulheres e crianças com salários mais baixos do que os dos homens, disciplina rígida, ameaças, multas, dispensas e ausência de disposições legais caracterizavam as relações de trabalho. Apesar de sua composição heterogênea, os operários organizaram jornais, associações de ajuda mútua e poucos sindicatos. Realizaram também paralisações para reivindicar melhores condições de trabalho. Entre 1917 e 1920 houve um ciclo de greves, provocadas pela carestia gerada pela Primeira Guerra e influenciadas pela Revolução de Outubro na Rússia. A maior, a Greve Geral de 1917 em São Paulo, atingiu cerca de 50 mil trabalhadores. Ideologicamente, o anarcossindicalismo foi predominante até 1920, além do anarquismo e do socialismo, em defesa de reivindicações econômicas e até de transformações radicais, com a implantação de uma sociedade igualitária. Em 1922, foi fundado o Partido Comunista, logo colocado na ilegalidade. Destaca-se, no entanto, que a industrialização ainda era reduzida e o operariado tinha pouca expressão política. Na década de 1920, o Congresso aprovou uma nova lei que previa a expulsão de estrangeiros cuja conduta fosse considerada nociva, outra que regulou o combate ao anarquismo e a Lei Celerada, que autorizava o governo a fechar organizações. O Estado reprimiu o movimento operário com a força policial e meios legais, daí a frase: questão social é caso de polícia. A política trabalhista da Era Vargas ( ), inspirada na Carta del Lavoro da Itália fascista, distinguiu-se da República Velha ( ). A carência de leis e direitos e a frágil organização operária permitiram que o Estado passasse à condição de árbitro, mediando as relações entre capital e trabalho. Dessa forma, o governo atraiu o apoio dos trabalhadores, controlou o movimento operário para evitar a expansão das idéias de esquerda e criou condições para o desenvolvimento industrial sob a égide do nacionalismo. Getúlio Vargas criou o Ministério do Trabalho, Indústria e Comércio e a Justiça do Trabalho para arbitrar conflitos entre patrões e empregados. Instituiu uma extensa legislação de caráter assistencialista para o proletariado urbano, apresentando-se como doador dessas leis, incorporadas à Constituição de 1934 e, posteriormente, organizadas na CLT (Consolidação das Leis do Trabalho ). Durante o Estado Novo (a ditadura varguista), as greves foram proibidas e criado o salário mínimo. Os sindicatos ficaram subordinados ao governo (peleguismo), devido à exigência de filiação ao Ministério do Trabalho, à obrigatoriedade de sindicatos únicos por categoria e ao imposto sindical. Tratando a questão social como questão política, Getúlio estabeleceu uma política governamental específica e uma relação paternalista com as massas operárias urbanas. Usando os meios de comunicação, difundiu a imagem de pai dos pobres, fundamental à consolidação de seu poder pessoal. Nascia a base do populismo varguista. Prof.a Maria Odette Simão Brancatelli 1

4 Exercícios 01. (Cesgranrio-86) Sobre o movimento operário no Brasil, durante a República Velha ( ), pode-se afirmar que: I. o anarcossindicalismo foi a tendência predominante nas duas primeiras décadas do século XX, perdendo importância nos anos seguintes. II. as principais reivindicações eram os aumentos salariais, a regulamentação do trabalho e a liberdade de organização. III. os anarquistas, ao contrário dos demais agrupamentos, eram constituídos apenas por imigrantes europeus e seus descendentes. IV. as maiores greves ocorreram na segunda década do século atual, em razão, principalmente, da acentuação das diferenças entre os aumentos dos preços e dos salários. Estão corretas somente as afirmativas a. I, II e IV. b. I e III. c. II, III e IV. d. I e IV. e. II e III. 02. (PUCMG-97) Todas as opções a seguir têm relação com o movimento operário na República Velha no Brasil, exceto: a. inexistência de regulamentação das relações trabalhistas e grande número de desempregados. b. reduzido poder de pressão, originado pelo pequeno grau de sindicalização. c. ausência de organizações autônomas de trabalhadores e de movimentos grevistas. d. grande número de imigrantes em alguns centros urbanos, especialmente São Paulo. e. presença considerável de mulheres e crianças, submetidos a baixos salários. 03. (UERJ-98) (...) Estão em greve presentemente, nesta capital, cerca de 15 mil operários, e à hora em que escrevemos, nada faz prever que esse número decresça tão cedo. Ao contrário, há justificados receios de que o movimento aumente ainda, caso não se encaminhem as desinteligências para um acordo satisfatório e eqüitativo. O Estado de São Paulo, 12/07/1917. Citado por TREVISAN, Leonardo. A República Velha. São Paulo: Global, O movimento operário, durante as primeiras décadas do regime republicano no Brasil, caracterizou-se pela existência de: a. apoio de trabalhadores rurais, que participaram de várias greves organizadas. b. partidos de tendência anarquista, que foram responsáveis pela Greve Geral de c. reivindicações políticas, que foram atendidas por legislação implantada na década de 20. d. lideranças de imigrantes europeus, que traziam a experiência de organização de seus países de origem. 2

5 04. (Fuvest-85) No movimento operário brasileiro da Primeira República, a Greve Geral de 1917: a. localizou-se em São Paulo, reivindicando a adoção da jornada de oito horas de trabalho e a proibição do trabalho feminino noturno. b. atingiu os principais núcleos urbanos e industriais do Brasil, prolongando-se devido à recusa de negociações pelos grevistas. c. restringiu-se ao Rio de Janeiro, articulando-se com movimentos militares de oposição ao governo Wenceslau Brás. d. atingiu somente o Rio de Janeiro e São Paulo, sofrendo dura repressão conjunta do Exército e da Marinha. e. paralisou a produção cafeeira, reivindicando equiparação com os trabalhadores urbanos na jornada de oito horas de trabalho. 05. (Mack-99) Entre 1917 e 1920, um ciclo de greves de grandes proporções surgiu nas principais cidades do país, especialmente em São Paulo e Rio de Janeiro. As causas imediatas destes movimentos foram: a. a estratégia do sindicalismo de resultados, utilizada pelas lideranças operárias que fracassam nas negociações, radicalizando a luta. b. o agravamento da carestia, a questão da jornada de trabalho, a especulação com alimentos em virtude da Primeira Guerra e a influência ideológica do bolchevismo. c. o fato da classe operária em São Paulo ser composta em sua maioria por trabalhadores nacionais, muito politizados. d. o predomínio no Rio de Janeiro de uma classe operária constituída por imigrantes, adeptos do anarquismo. e. a liderança comunista do movimento operário que liderou a greve e arregimentou mulheres e crianças para o movimento, já que constituíam a maioria da força de trabalho. 06. (Mack-97) A questão social na Era Vargas assumiu um perfil totalmente diferente do existente na República Velha, na medida em que: a. o conflito de classes continuava sendo visto pelo governo como um caso de polícia. b. a questão social deveria ser racionalizada, controlada pelo Estado, para permitir o desenvolvimento seguro do capitalismo brasileiro. c. o Estado permitiu total liberdade sindical, não interferindo mesmo nos sindicatos combativos. d. a legislação trabalhista criada na época não tinha características paternalistas. e. o avanço de direitos trabalhistas estendeu-se igualmente aos trabalhadores urbanos e rurais. 07. (FGV-junho-96) Acerca da política trabalhista de Vargas é incorreto afirmar que: a. as medidas referentes às relações capital-trabalho, tomadas durante a Era Vargas, foram, em grande parte, inspiradas na Carta del Lavoro do regime fascista de Mussolini. b. se consubstanciaram no período algumas conquistas históricas dos trabalhadores, tais como salário mínimo, jornada de oito horas de trabalho, férias e descanso semanal remunerado e indenização por demissão sem justa causa. c. foi criado o imposto sindical, instrumento básico de financiamento do sindicato, correspondente a um dia de trabalho e pago por todo empregado, sindicalizado ou não. d. os sindicatos tornaram-se completamente independentes do Estado, a partir de decreto-lei que estabeleceu as linhas gerais dessa independência. e. para decidir questões envolvendo conflitos trabalhistas foi organizada a Justiça do Trabalho. 3

6 08. (FGV-99) Sobre a intervenção nas questões do trabalho durante o Estado Novo é correto afirmar que: I. apresenta uma clara inspiração na Carta del Lavoro (1927). II. instituiu-se a obrigatoriedade do sindicato único por categoria profissional. III. a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) não é resultado direto dessa intervenção. IV. as negociações entre empregados e empregadores passam a ser tuteladas pelo Estado através da chamada Justiça do Trabalho. V. as medidas são favoráveis principalmente para os sindicatos de orientação anarcossindicalista. a. apenas I, II e III são corretas. b. apenas II, III e V são corretas. por demissão sem justa causa. c. apenas I, II e IV são corretas. d. apenas III, IV e V são corretas. e. apenas I, III e IV são corretas. 09. (PUCSP-95) No Brasil, a CLT - Consolidação das Leis do Trabalho - foi criada pelo Decreto 5452, de 1943, em meio ao governo de Getúlio Vargas, para reunir e sistematizar as leis trabalhistas existentes no país. Tais leis representaram a: a. conquista evidente do movimento operário sindical e partidariamente organizado desde 1917, defensor de projetos socialistas e responsável pela ascensão de Vargas ao poder. b. participação do Estado como árbitro na mediação das relações entre patrões e trabalhadores de 1930 em diante, permitindo a Vargas propor a racionalização e a despolitização das reivindicações trabalhistas. c. inspiração notadamente fascista, que orientou o Estado Novo desde sua implantação em 1937, desviando Vargas das intenções nacionalistas presentes no início de seu governo. d. atuação controladora do Estado brasileiro sobre os sindicatos e associações de trabalhadores, permitindo a Vargas criar, a partir de 1934, o primeiro partido político de massas da história brasileira. e. pressão norte-americana, que se tornou mais clara após 1945, para que Vargas controlasse os grupos anárquicos e socialistas presentes nos movimentos operário e camponês. 10. (Mack-98) A Era Vargas foi responsável por mudanças significativas na área socioeconômica, dentre elas: a. a extensão dos direitos trabalhistas à zona rural, fruto da bem sucedida negociação do governo com as oligarquias. b. a criação de imposto sindical, fator de crescimento e independência dos sindicatos frente ao governo. c. a legislação do trabalho, embora com conotações paternalistas e atendendo também às necessidades do capital. d. a defesa intransigente do capital estrangeiro e a ausência de direitos para o trabalhador. e. o retorno à política que via a questão social como caso de polícia. 4

7 Gabarito 01. Alternativa a. De fato, o anarcossindicalismo predominou até 1920, quando o socialismo marxista ganhou destaque (o PCB foi fundado em 1922). A carestia acentuou-se na Primeira Guerra, motivando um ciclo de greves com reivindicações econômicas. Embora muitos anarquistas fossem imigrantes, havia também brasileiros. 02. Alternativa c. No início do século XX, surgiram formas de organização do movimento operário, tais como associações mutualistas, jornais e poucos sindicatos. A greve constituiu a mais importante forma de expressão, principalmente quando atingia os setores essenciais: ferroviários, marítimos e trabalhadores das docas. 03. Alternativa d. Em São Paulo havia a maior presença de operários estrangeiros, mais ligados ao anarquismo contrários a partidos e a toda forma de poder e ao anarcossindicalismo. Os operários queriam aumentos salariais e outras reivindicações econômicas. Destaca-se que não houve apoio dos trabalhadores rurais nem organização de legislação trabalhista na República Velha. 04. Alternativa a. Paralisando cerca de 50 mil trabalhadores da cidade de São Paulo, a Greve Geral de 1917 teve grande impacto, levando o governo a mobilizar tropas. No final, chegou-se a um acordo com os industriais, mas os aumentos de salários pouco adiantaram diante da inflação. Quanto às outras reivindicações, tornaram-se vagas promessas. 05. Alternativa b. As precárias condições de trabalho e a superexploração da mão-de-obra foram as causas das manifestações que culminaram na Greve de 1917, em meio à alta de preços gerada pela Primeira Guerra. Convém mencionar que a Revolução de Outubro na Rússia ainda não começara, mas houve influências do socialismo (bolchevismo) depois. Destacaram-se em São Paulo os anarcossindicalistas, principalmente imigrantes, predominando as reivindicações imediatas e não a idéia de transformação radical da sociedade. 06. Alternativa b. Responsável por uma legislação assistencialista e paternalista para o operariado urbano, Getúlio Vargas tratou a questão social como questão política e controlou o movimento operário, interferindo nos sindicatos. Criou assim condições para a industrialização e assegurou o capitalismo, intermediando as relações entre capital e trabalho. 07. Alternativa d. Os sindicatos foram subordinados ao governo, devido à exigência de filiação ao Ministério do Trabalho, à organização de sindicatos únicos por categoria e ao imposto sindical. Esse, arrecadado pelo governo, tornava o sindicato dependente financeiramente. Desenvolveu-se o peleguismo. 5

8 08. Alternativa c. A CLT (Consolidação das Leis do Trabalho) implicou a ordenação sistemática de todas as leis trabalhistas até então criadas, uniformizando as relações entre patrões e empregados. Permitiu o controle do movimento operário, despolitizando-o e afastando as ideologias de esquerda. 09. Alternativa b. A sistematização das leis trabalhistas então em vigor reforçou o papel de árbitro e mediador do Estado na relação entre capital e trabalho. Vargas pôde melhor controlar o operariado e afastar as ideologias de esquerda. A inspiração fascista da legislação não se opunha ao nacionalismo. Destaca-se que a criação da CLT (1943) ocorreu no Estado Novo, a ditadura varguista, quando não havia partidos políticos. 10. Alternativa c. Criador de uma legislação assistencialista e paternalista para os trabalhadores urbanos, Getúlio Vargas tratou a questão social como questão política e controlou os sindicatos com o imposto sindical. Assegurou condições para a industrialização sob o nacionalismo e manteve o capitalismo, intermediando as relações entre patrões e operários. 6

COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE. Programa de Recuperação Paralela. 2ª Etapa 2012

COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE. Programa de Recuperação Paralela. 2ª Etapa 2012 COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE Programa de Recuperação Paralela 2ª Etapa 2012 Disciplina: HISTÓRIA Professora: ALESSANDRA PRADA Ano: 2012 Turma: 3º FG/TI Caro aluno, você está recebendo o conteúdo de

Leia mais

LEGISLAÇÃO GREVISTA NO BRASIL DE 1930 A 1937

LEGISLAÇÃO GREVISTA NO BRASIL DE 1930 A 1937 LEGISLAÇÃO GREVISTA NO BRASIL DE 1930 A 1937 Lucimar Avelino da Silva 1 RESUMO Esta pesquisa tem como objetivo discutir algumas questões a respeito da legislação grevista no Brasil a partir da Revolução

Leia mais

Revolução de 1930. Fatores: Crise de 1929. Movimento Tenentista. Resultado das eleições.

Revolução de 1930. Fatores: Crise de 1929. Movimento Tenentista. Resultado das eleições. Revolução de 1930 Revolução de 1930 Fatores: Crise de 1929. Movimento Tenentista. Resultado das eleições. Revolução de 1930 Responsável pelo fim da chamada Política café com leite Política café com leite

Leia mais

EXERCÍCIOS DE REVISÃO DE HISTÓRIA A ERA VARGAS-1930-1945

EXERCÍCIOS DE REVISÃO DE HISTÓRIA A ERA VARGAS-1930-1945 EXERCÍCIOS DE REVISÃO DE HISTÓRIA A ERA VARGAS-1930-1945 01) Sobre o Estado Novo (1937-1945), é incorreto afirmar que: a) Foi caracterizado por um forte intervencionismo estatal. b) Criou órgãos de censura

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA ENSINO MÉDIO ÁREA CURRICULAR: CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS DISCIPLINA: HISTÓRIA SÉRIE 1.ª CH 68 ANO 2012 COMPETÊNCIAS:. Compreender

Leia mais

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS CURSO DE DIREITO VESTIBULAR 2009 PROVA DE HISTÓRIA. Fase 1

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS CURSO DE DIREITO VESTIBULAR 2009 PROVA DE HISTÓRIA. Fase 1 FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS CURSO DE DIREITO VESTIBULAR 2009 PROVA DE HISTÓRIA Fase 1 Novembro 2008 INTRODUÇÃO Na prova de História de 2009 foi possível concretizar vários dos objetivos do programa do Vestibular.

Leia mais

DE VARGAS A LULA: CAMINHOS E DESCAMINHOS DA LEGISLAÇÃO TRABALHISTA NO BRASIL

DE VARGAS A LULA: CAMINHOS E DESCAMINHOS DA LEGISLAÇÃO TRABALHISTA NO BRASIL DE VARGAS A LULA: CAMINHOS E DESCAMINHOS DA LEGISLAÇÃO TRABALHISTA NO BRASIL Ricardo Antunes 1 Resumo: A maior obra da engenharia política do presidente Getulio Vargas foi trazer as classes trabalhadoras

Leia mais

HISTÓRIA-2009 2ª FASE 2009

HISTÓRIA-2009 2ª FASE 2009 Questão 01 UFBA - -2009 2ª FASE 2009 Na Época Medieval, tanto no Oriente Médio, quanto no norte da África e na Península Ibérica, muçulmanos e judeus conviviam em relativa paz, fazendo comércio e expressando,

Leia mais

Contratos de Trabalho e Formas de Contratação. História do Direito do Trabalho. Direito do Trabalho

Contratos de Trabalho e Formas de Contratação. História do Direito do Trabalho. Direito do Trabalho Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos Profa. Barbara Mourão Contratos de Trabalho e Formas de Contratação História do Direito do Trabalho Origem do trabalho: desde o início da humanidade.

Leia mais

CADERNO DE EXERCÍCIOS 2F

CADERNO DE EXERCÍCIOS 2F CADERNO DE EXERCÍCIOS 2F Ensino Fundamental Ciências Humanas Questão Conteúdo Habilidade da Matriz da EJA/FB 1 Movimento operário e sindicalismo no Brasil H43 2 Urbanização nas regiões brasileiras H8,

Leia mais

HISTÓRIA DO DIREITO DO TRABALHO

HISTÓRIA DO DIREITO DO TRABALHO HISTÓRIA DO DIREITO DO TRABALHO CÊGA, Anderson associação cultural e educacional de garça andersoncega@yahoo.com.br GUILHERME, Tavares Associação Cultural e Educacional de Garça ACEG - Garça RESUMO: HISTÓRIA

Leia mais

Mapa Mental Sobre a Metodologia no Curso da ENFOC REAPROPRIAÇÃO TEMÁTICA E METODOLÓGICA DO PRIMEIRO MÓDULO

Mapa Mental Sobre a Metodologia no Curso da ENFOC REAPROPRIAÇÃO TEMÁTICA E METODOLÓGICA DO PRIMEIRO MÓDULO Mapa Mental Mapa Mental Sobre a Metodologia no Curso da ENFOC REAPROPRIAÇÃO TEMÁTICA E METODOLÓGICA DO PRIMEIRO MÓDULO Dois Focos Temáticos Sistema Capitalista História Contradições Desafios para a classe

Leia mais

DIREITO DO TRABALHO. Apostila 1 Introdução ao Estudo do Direito INTRODUÇÃO AO DIREITO DO TRABALHO

DIREITO DO TRABALHO. Apostila 1 Introdução ao Estudo do Direito INTRODUÇÃO AO DIREITO DO TRABALHO INTRODUÇÃO AO DIREITO DO TRABALHO 1. EVOLUÇÃO HISTÓRICA Trabalho vem do latim tripalium, que era uma espécie de instrumento de tortura ou uma canga que pesava sobre os animais. A primeira forma de trabalho

Leia mais

O PROFISSIONAL CONTÁBIL NA FUNÇÃO DE DEPARTAMENTO DE PESSOAL: diminuindo as possibilidades de conflitos trabalhistas

O PROFISSIONAL CONTÁBIL NA FUNÇÃO DE DEPARTAMENTO DE PESSOAL: diminuindo as possibilidades de conflitos trabalhistas O PROFISSIONAL CONTÁBIL NA FUNÇÃO DE DEPARTAMENTO DE PESSOAL: diminuindo as possibilidades de conflitos trabalhistas RESUMO Fabrício Oliveira Silva* A necessidade das empresas de contratar pessoas, as

Leia mais

Palavras-Chave: Análise documental, trabalhadores, construção civil.

Palavras-Chave: Análise documental, trabalhadores, construção civil. A POLÍTICA NACIONAL E O DESENVOLVIMENTO DA CONSTRUÇÃO CIVIL E DO MOVIMENTO OPERÁRIO EM MATO GROSSO DO SUL NO SÉCULO XX Thais Lopes Correia 1 Cleonice Alexandre Le Bourlegat 2 Resumo - Este artigo analisa

Leia mais

TEMA 3 UMA EXPERIÊNCIA

TEMA 3 UMA EXPERIÊNCIA TEMA 3 UMA EXPERIÊNCIA DOLOROSA: O NAZISMO ALEMÃO A ascensão dos nazistas ao poder na Alemanha colocou em ação a política de expansão territorial do país e o preparou para a Segunda Guerra Mundial. O saldo

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DO MODELO SOVIÉTICO E O SEU IMPACTO NO MUNDO

A CONSTRUÇÃO DO MODELO SOVIÉTICO E O SEU IMPACTO NO MUNDO A CONSTRUÇÃO DO MODELO SOVIÉTICO E O SEU IMPACTO NO MUNDO Império russo (início do século a 1917) Território * Governo Maior império da Europa, estendendo-se da Ásia ao pacífico * Monarquia absoluta e

Leia mais

Tarefa Net 9º ano História. 2º Bimestre

Tarefa Net 9º ano História. 2º Bimestre Tarefa Net 9º ano História 2º Bimestre 1. Há 70 anos o mundo assistiu ao começo da Guerra Civil Espanhola, cujo saldo de 600 mil mortos provocou comoção internacional, mas não evitou a instalação de uma

Leia mais

Parte I - Direito do trabalho - parte geral, 1. 1 Evolução histórica, 3 1 Evolução mundial, 3 2 Evolução no Brasil, 4.

Parte I - Direito do trabalho - parte geral, 1. 1 Evolução histórica, 3 1 Evolução mundial, 3 2 Evolução no Brasil, 4. Parte I - Direito do trabalho - parte geral, 1 1 Evolução histórica, 3 1 Evolução mundial, 3 2 Evolução no Brasil, 4 2 Denominação, 6 3 Conceito e divisão da matéria, 8 4 Posição enciclopédica, 9 5 Fontes,

Leia mais

UFRN / COMPERVE PS 2006 - EXPECTATIVA DE RESPOSTAS HISTÓRIA

UFRN / COMPERVE PS 2006 - EXPECTATIVA DE RESPOSTAS HISTÓRIA UFRN / COMPERVE PS 2006 - EXPECTATIVA DE RESPOSTAS HISTÓRIA Questão 1 A) Objetivos e práticas do sistema corporativo objetivo: garantir o monopólio da produção local para seus membros, impedindo a concorrência

Leia mais

Cuida das relações coletivas de trabalho, onde os interesses cuidados são os de um grupo social. São instituições do direito coletivo do trabalho:

Cuida das relações coletivas de trabalho, onde os interesses cuidados são os de um grupo social. São instituições do direito coletivo do trabalho: Legislação Social Profª Mestre Ideli Raimundo Di Tizio p 38 DIREITO COLETIVO DO TRABALHO Cuida das relações coletivas de trabalho, onde os interesses cuidados são os de um grupo social. São instituições

Leia mais

TEXTO 1. 1.Texto de problematização:

TEXTO 1. 1.Texto de problematização: TEXTO 1 1.Texto de problematização: A partir de 1922, o quadro começa a se modificar. Apesar dos presidentes Arthur Bernardes e Washington Luís pertencerem ainda ao esquema do café com leite, a nova situação

Leia mais

A industrialização no Brasil teve início a partir de. A vinda da Família Real propiciou a quebra do pacto colonial;

A industrialização no Brasil teve início a partir de. A vinda da Família Real propiciou a quebra do pacto colonial; PROCESSO DE INDUSTRIALIZAÇÃO BRASILEIRA 1 Histórico de nossa industrialização A industrialização no Brasil teve início a partir de meados do século XIX; A vinda da Família Real propiciou a quebra do pacto

Leia mais

Proteção ao Trabalhador Menor

Proteção ao Trabalhador Menor Proteção ao Trabalhador Menor O trabalhador menor ganhou proteção legal para o desempenho de suas atividades, razão que lhe assiste por se encontrar num processo de amadurecimento físico, mental, moral,

Leia mais

Governo Provisório ( 1930/1934 ).

Governo Provisório ( 1930/1934 ). Aula 20 Era Vargas (1930/45) A chamada Era Vargas está dividida em três momentos: Governo Provisório, Governo Constitucional e Estado Novo. O período inaugurou um novo tipo de Estado, denominado Estado

Leia mais

História Fascículo 01 Cinília Tadeu Gisondi Omaki Maria Odette Simão Brancatelli

História Fascículo 01 Cinília Tadeu Gisondi Omaki Maria Odette Simão Brancatelli História Fascículo 01 Cinília Tadeu Gisondi Omaki Maria Odette Simão Brancatelli Índice História do Brasil Eleições e voto no Brasil Império e República...1 Exercícios...2 Gabarito...4 História do Brasil

Leia mais

EXERCÍCIOS SOBRE REPÚBLICA VELHA

EXERCÍCIOS SOBRE REPÚBLICA VELHA EXERCÍCIOS SOBRE REPÚBLICA VELHA 1. Com o fim da escravidão no Brasil como as fazendas continuaram tendo mão de obra? A) Os ex-escravos foram contratados para continuarem trabalhando na plantação e colheita.

Leia mais

HISTÓRIA COMENTÁRIO DA PROVA

HISTÓRIA COMENTÁRIO DA PROVA COMENTÁRIO DA PROVA De uma forma geral, a prova foi boa com questões claras e bem articuladas. Louvável a intenção de cobrar reflexões sobre a históriografia, bem como a de revisitar o passado a partir

Leia mais

Nome: N.º: Série: 3º Turma: Professor(a): Data: / / 2010

Nome: N.º: Série: 3º Turma: Professor(a): Data: / / 2010 AVALIAÇÃO TRIMESTRAL HISTÓRIA Nota: Nome: N.º: Série: 3º Turma: Professor(a): Data: / / 2010 O GABARITO NÃO PODE CONTER RASURAS CADA QUESTÃO VALE 0,42 01 - A prosperidade alcançada pelos Estados Unidos

Leia mais

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude.

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude. A MULHER NA ATIVIDADE AGRÍCOLA A Constituição Federal brasileira estabelece no caput do art. 5º, I, que homens e mulheres são iguais em direitos e obrigações e reconhece no dispositivo 7º a igualdade de

Leia mais

RELAÇÕES DE TRABALHO DICIONÁRIO

RELAÇÕES DE TRABALHO DICIONÁRIO RELAÇÕES DE TRABALHO Conjunto de normas e princípios que regem a relação entre aquele que detém o poder de contratar outro para desenvolver determinada atividade e aquele que mobilizado para tal executa

Leia mais

A greve geral e a insurreição anarquista de 1918 no Rio de Janeiro: um resgate da atuação das associações de trabalhadores

A greve geral e a insurreição anarquista de 1918 no Rio de Janeiro: um resgate da atuação das associações de trabalhadores Universidade Federal do Rio de Janeiro Instituto de Filosofia e Ciências Sociais Programa de Pós-Graduação em História Comparada Wellington Barbosa Nébias A greve geral e a insurreição anarquista de 1918

Leia mais

Aula 10.1. Avaliação da Unidade II Pontuação: 7,5 pontos

Aula 10.1. Avaliação da Unidade II Pontuação: 7,5 pontos Aula 10.1 Avaliação da Unidade II Pontuação: 7,5 pontos 1ª QUESTÃO (1,0) Em seu discurso de despedida do Senado, em dezembro de 1994, o presidente Fernando Henrique Cardoso anunciou o fim da Era Vargas,

Leia mais

Populismo e nacional-desenvolvimentismo

Populismo e nacional-desenvolvimentismo CAPÍTULO 11 Populismo e nacional-desenvolvimentismo Entre os anos de 1900 e 1973 o Brasil foi o país de maior crescimento absoluto do PIB: nem Estados Unidos, nem Japão, nem Coréia do Sul, mas o Brasil.

Leia mais

A MULHER COMO CONSTRUTORA E OPERADORA DO DIREITO DO TRABALHO

A MULHER COMO CONSTRUTORA E OPERADORA DO DIREITO DO TRABALHO A MULHER COMO CONSTRUTORA E OPERADORA DO DIREITO DO TRABALHO José Carlos Batista - Auditor Fiscal do Trabalho da SRTE-ES RESUMO: a mulher teve e tem uma grande participação na construção do direito do

Leia mais

ENEM 2014 - Caderno Rosa. Resolução da Prova de História

ENEM 2014 - Caderno Rosa. Resolução da Prova de História ENEM 2014 - Caderno Rosa Resolução da Prova de História 5. Alternativa (E) Uma das características basilares do contato entre jesuítas e os povos nativos na América, entre os séculos XVI e XVIII, foi o

Leia mais

O nascimento da sociologia. Prof. Railton Souza

O nascimento da sociologia. Prof. Railton Souza O nascimento da sociologia Prof. Railton Souza Áreas do Saber MITO RELIGIÃO ARTES FILOSOFIA CIÊNCIA SENSO COMUM CIÊNCIAS NATURAIS OU POSITIVAS ASTRONOMIA FÍSICA QUÍMICA BIOLOGIA MATEMÁTICA (FERRAMENTA

Leia mais

História B Aula 21. Os Agitados Anos da

História B Aula 21. Os Agitados Anos da História B Aula 21 Os Agitados Anos da Década de 1930 Salazarismo Português Monarquia portuguesa foi derrubada em 1910 por grupos liberais e republicanos. 1ª Guerra - participação modesta ao lado da ING

Leia mais

(Disponível em: http://www.nomismatike.hpg.ig.com.br/grecia/etruria.htm. Acesso em: 3 jun. 2005.)

(Disponível em: http://www.nomismatike.hpg.ig.com.br/grecia/etruria.htm. Acesso em: 3 jun. 2005.) 2 o PROCESSO SELETIVO/2005 1 O DIA GABARITO 1 33 HISTÓRIA QUESTÕES DE 51 A 60 51. Analise o mapa e o texto a seguir: (Disponível em: http://www.nomismatike.hpg.ig.com.br/grecia/etruria.htm. Acesso em:

Leia mais

Atualidades Fascículo 10 Cinília Tadeu Gisondi Omaki Maria Odette Simão Brancatelli

Atualidades Fascículo 10 Cinília Tadeu Gisondi Omaki Maria Odette Simão Brancatelli Atualidades Fascículo 10 Cinília Tadeu Gisondi Omaki Maria Odette Simão Brancatelli Índice Coréia: o fim da última fronteira quente da Guerra Fria...1 Exercícios...2 Gabarito...2 A desmonopolização da

Leia mais

13º SALARIO Posteriormente, a Constituição Federal de 1988, em seu art. 7º,

13º SALARIO Posteriormente, a Constituição Federal de 1988, em seu art. 7º, 13º SALARIO Trabalhadores beneficiados Farão jus ao recebimento do 13º salário os seguintes trabalhadores: a) empregado - a pessoa física que presta serviços de natureza urbana ou rural à empresa, em caráter

Leia mais

Getúlio Vargas e a Era Vargas

Getúlio Vargas e a Era Vargas Getúlio Vargas e a Era Vargas http://www.suapesquisa.com/vargas/ AGOSTO RUBEM FONSECA Getúlio Vargas e a Era Vargas: ASPECTOS A RESSALTAR Vida de Getúlio Vargas; Revolução

Leia mais

país. Ele quer educação, saúde e lazer. Surge então o sindicato cidadão que pensa o trabalhador como um ser integrado à sociedade.

país. Ele quer educação, saúde e lazer. Surge então o sindicato cidadão que pensa o trabalhador como um ser integrado à sociedade. Olá, sou Rita Berlofa dirigente do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Brasil, filiado à Contraf e à CUT. Quero saudar a todos os trabalhadores presentes e também àqueles que, por algum motivo, não puderam

Leia mais

DO ESTADO CORPORATIVO E SUA ORGANIZAÇÃO

DO ESTADO CORPORATIVO E SUA ORGANIZAÇÃO CARTA DEL LAVORO (Aprovada no Grande Conselho Fascista, de 21 de abril de 1927) DO ESTADO CORPORATIVO E SUA ORGANIZAÇÃO I - A Nação italiana é um organismo com finalidades, vida, meios, de ação superior,

Leia mais

EUROPA NO SÉCULO XIX. http://historiaonline.com.br

EUROPA NO SÉCULO XIX. http://historiaonline.com.br EUROPA NO SÉCULO XIX A INGLATERRA NO SÉCULO XIX: Era Vitoriana (1837-1901): Hegemonia marítima inglesa. Fortalecimento do poder político da burguesia. Expansão da economia industrial 2ª Revolução Industrial.

Leia mais

AS CARACTERÍSTICAS DO TRABALHO DOMÉSTICO REMUNERADO NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS

AS CARACTERÍSTICAS DO TRABALHO DOMÉSTICO REMUNERADO NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS A MULHER NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS MARÇO 2008 Especial - Abril 2011 AS CARACTERÍSTICAS DO TRABALHO DOMÉSTICO REMUNERADO NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS Em homenagem ao Dia Nacional

Leia mais

MIGRAÇÃO E RELAÇÃO CAMPO-CIDADE 1

MIGRAÇÃO E RELAÇÃO CAMPO-CIDADE 1 MIGRAÇÃO E RELAÇÃO CAMPO-CIDADE 1 Débora Aparecida Tombini* Marcos Aurélio Saquet** INTRODUÇÃO Desde o surgimento da vida humana na Terra até o início do século XIX, a população cresceu em ritmo lento

Leia mais

FORMAÇÃO DO TERRITORIO BRASILEIRO. Prof. Israel Frois

FORMAÇÃO DO TERRITORIO BRASILEIRO. Prof. Israel Frois FORMAÇÃO DO TERRITORIO BRASILEIRO Prof. Israel Frois SÉCULO XV Território desconhecido; Era habitado por ameríndios ; Natureza praticamente intocada Riqueza imediata: Pau-Brasil (Mata Atlântica) Seus limites

Leia mais

A experiência brasileira em matéria de liberdade sindical à luz do pensamento de Maritain.

A experiência brasileira em matéria de liberdade sindical à luz do pensamento de Maritain. 1 A liberdade sindical como direito humano pela Declaração Universal dos Direitos do Homem da ONU e direito fundamental pela OIT a partir da visão de Jacques Maritain em suas obras Os direitos do homem

Leia mais

O SINDICALISMO RURAL NO BRASIL

O SINDICALISMO RURAL NO BRASIL O SINDICALISMO RURAL NO BRASIL (...) Colocamos-nos, nesse momento, diante do desafio de trazer ao debate questões que se inserem nas reflexões em torno do enraizamento histórico do sindicalismo rural no

Leia mais

SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO

SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO 1 - INTRODUÇÃO Séc. XIX consolidação da burguesia: ascensão do proletariado urbano (classe operária) avanço do liberalismo.

Leia mais

Os Desafios da Erradicação do Trabalho Infantil

Os Desafios da Erradicação do Trabalho Infantil Os Desafios da Erradicação do Trabalho Infantil A origem do trabalho infantil remonta ao princípio do trabalho humano. Contudo, salienta Adalberto Martins,... que na antiguidade, o trabalho do menor se

Leia mais

DAMINI, Gigi * jornalista; mov. anarquista.

DAMINI, Gigi * jornalista; mov. anarquista. DAMINI, Gigi * jornalista; mov. anarquista. Luigi Damiani, conhecido como Gigi, usual diminutivo de Luigi na Itália, nasceu em Roma em 18 maio 1876. Seu pai, migrante do Abruzzo, era proprietário de uma

Leia mais

FLEXIBILIZAÇÃO DA JORNADA DE TRABALHO: UMA ANÁLISE COM BASE EM GÊNERO E SETOR DE ATIVIDADE

FLEXIBILIZAÇÃO DA JORNADA DE TRABALHO: UMA ANÁLISE COM BASE EM GÊNERO E SETOR DE ATIVIDADE FLEXIBILIZAÇÃO DA JORNADA DE TRABALHO: UMA ANÁLISE COM BASE EM GÊNERO E SETOR DE ATIVIDADE RESUMO O presente trabalho se propõe a fazer uma análise da evolução recente da flexibilização da jornada de trabalho

Leia mais

A proposta de reforma agrária do Partido Comunista Brasileiro (PCB) desenvolvida nas décadas de 1950 e 1960 Maria José Castelano INTRODUÇÃO

A proposta de reforma agrária do Partido Comunista Brasileiro (PCB) desenvolvida nas décadas de 1950 e 1960 Maria José Castelano INTRODUÇÃO A proposta de reforma agrária do Partido Comunista Brasileiro (PCB) desenvolvida nas décadas de 1950 e 1960 Maria José Castelano INTRODUÇÃO Esta comunicação tem como objetivo apresentar o resultado de

Leia mais

CAPÍTULO 2 CONTRATO DE TRABALHO 23 I. Noções """"'''' 23 2. Classificaçãodos contratos de trabalho """""""""""""""'''''' 24

CAPÍTULO 2 CONTRATO DE TRABALHO 23 I. Noções '''' 23 2. Classificaçãodos contratos de trabalho '''''' 24 CAPÍTULO 1 NOÇÕES DE DIREITO DO TRABALHO 1 I. Conceito................. I 2. Natureza e autonomia I Competência para legislar sobre Direito do Trabalho 2 Normas de Direito do Trabalho 3 1. Normas Trabalhistas

Leia mais

Avaliação da unidade II Pontuação: 7,5 pontos

Avaliação da unidade II Pontuação: 7,5 pontos Avaliação da unidade II Pontuação: 7,5 pontos QUESTÃO 01 (1,0 ponto) A Segunda Grande Guerra (1939-1945), a partir de 7 de dezembro de 1941, adquire um caráter mundial quando os a) ( ) russos tomam a iniciativa

Leia mais

EXERCITANDO A VÍDEO AULA (GABARITO NA AULA)

EXERCITANDO A VÍDEO AULA (GABARITO NA AULA) EXERCITANDO A VÍDEO AULA (GABARITO NA AULA) 1- (ENEM 2010) - A serraria construía ramais ferroviários que adentravam as grandes matas, onde grandes locomotivas com guindastes e correntes gigantescas de

Leia mais

ORGANIZAÇÕES SINDICAIS, ESTADO E SOCIEDADE CIVIL NO BRASIL

ORGANIZAÇÕES SINDICAIS, ESTADO E SOCIEDADE CIVIL NO BRASIL ORGANIZAÇÕES SINDICAIS, ESTADO E SOCIEDADE CIVIL NO BRASIL José Antonio SEGATTO 1 RESUMO: No decorrer de um largo processo histórico, de mais de um século, o movimento sindical acumulou um importante patrimônio

Leia mais

A Negociação Sindical em Tempos de Pleno Emprego

A Negociação Sindical em Tempos de Pleno Emprego A Negociação Sindical em Tempos de Pleno Emprego Flávio Obino Filho www.obinoadvogados.com.br fof@obinoadvogados.com.br Papel do Facilitador Contextualizar a discussão, coordenar e incentivar o debate

Leia mais

DEPARTAMENTO NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA (DNSP)

DEPARTAMENTO NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA (DNSP) DEPARTAMENTO NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA (DNSP) Departamento criado em 2 de janeiro de 1920, pelo Decreto nº 3.987, para ser o principal órgão federal da área de saúde, subordinado ao Ministério da Justiça

Leia mais

O SESI, o Trabalhador e a Indústria: Um Resgate Histórico

O SESI, o Trabalhador e a Indústria: Um Resgate Histórico O SESI, o Trabalhador e a Indústria: Um Resgate Histórico ESTUDOS DE TENDÊNCIAS SOCIAIS OBSERVATÓRIO SESI Vol. 1 Brasília 2008 O SESI, o Trabalhador e a Indústria: Um Resgate Histórico CONFEDERAÇÃO NACIONAL

Leia mais

5. JORNADA DE TRABALHO

5. JORNADA DE TRABALHO 5. JORNADA DE TRABALHO 5.1 DURAÇÃO DA JORNADA A duração normal do trabalho não pode ser superior a oito horas diárias e 44 semanais, sendo facultada a compensação de horários e a redução da jornada, mediante

Leia mais

A expansão dos EUA (séc. XVIII-XX)

A expansão dos EUA (séc. XVIII-XX) 1803 Os Estados Unidos compram a Louisiana da França. Cronologia 1846 a 1848 Guerra do México. Os Estados Unidos conquistam e anexam os territórios da Califórnia, Novo México, Nevada, Arizona e Utah. 1810

Leia mais

Lista de exercícios para pra final de História. 7ª série

Lista de exercícios para pra final de História. 7ª série Lista de exer PROVÍNCIA BRASILEIRA DA CONGREGAÇÃO DAS IRMÃS FILHAS DA CARIDADE DE SÃO VICENTE DE PAULO COLÉGIO VICENTINO SÃO JOSÉ Rua Pe. José Joaquim Goral, 182 Abranches Curitiba Fone (041) 3355-2200

Leia mais

Um Nordeste em São Paulo: Trabalhadores migrantes em São Miguel Paulista (1945-1966)

Um Nordeste em São Paulo: Trabalhadores migrantes em São Miguel Paulista (1945-1966) Um Nordeste em São Paulo: Trabalhadores migrantes em São Miguel Paulista (1945-1966) Rio de Janeiro: FGV, 2008. (346 p.) Paulo Fontes Larissa Rosa Corrêa 1 Distante cerca de 25 quilômetros do centro da

Leia mais

A REVOLUÇÃO RUSSA DE 1917

A REVOLUÇÃO RUSSA DE 1917 A REVOLUÇÃO RUSSA DE 1917 Escola Secundária de Cascais Disciplina : Sociologia -12º H Guilherme Alves, nº 13 Fevereiro de 2014 Mafalda Borges, nº 18 Introdução 1. A Rússia dos Czares 2. A Revolução - 2.1

Leia mais

O Mundo industrializado no século XIX

O Mundo industrializado no século XIX O Mundo industrializado no século XIX Novas fontes de energia; novos inventos técnicos: Por volta de 1870, deram-se, em alguns países, mudanças importantes na indústria. Na 2ª Revolução Industrial as indústrias

Leia mais

Roteiro de Estudos. 3 trimestre - 2015

Roteiro de Estudos. 3 trimestre - 2015 Roteiro de Estudos 3 trimestre - 2015 Disciplina: Geografia Professor: Eduardo 3ª série O que devo saber: Crescimento populacional no Brasil e no mundo. Sociedade e economia. Povos em movimento e migrações

Leia mais

Professor André Vieira. Direitos Sociais. Curso de Oficial de Justiça de 1º Instância 1

Professor André Vieira. Direitos Sociais. Curso de Oficial de Justiça de 1º Instância 1 Direitos Sociais 01. NÃO é considerado um direito social, expressamente previsto na Constituição Federal Brasileira de 1988, a: a) Segurança; b) Educação; c) Livre concorrência; d) Saúde. 02. Os que percebem

Leia mais

1 a Questão: (2,0 pontos) APRESENTAÇÃO

1 a Questão: (2,0 pontos) APRESENTAÇÃO APRESENTAÇÃO Para dar uma definição compreensível de revolução, diremos que ela é uma tentativa de substituir o poder estabelecido por outro poder, usando meios ilegais. Esses meios, geralmente, implicam

Leia mais

Concurso CEF/2012. Prof: Fernando Aprato

Concurso CEF/2012. Prof: Fernando Aprato Concurso CEF/2012 CETEC POA Prof: Fernando Aprato Programa Seguro- Desemprego Introdução O Seguro-Desemprego é um benefício integrante da seguridade social, garantido pelo art.7º dos Direitos Sociais da

Leia mais

DIREITOS E DEVERES:TRABALHADOR E EMPREGADOR

DIREITOS E DEVERES:TRABALHADOR E EMPREGADOR DIREITOS E DEVERES:TRABALHADOR E EMPREGADOR Por intermédio destas informações, o SITRIVESCH tem por finalidade informar o trabalhador de seus direitos/deveres. Importante destacar que o não cumprimento

Leia mais

Crescimento urbano e industrial dos anos 20 ao Estado Novo

Crescimento urbano e industrial dos anos 20 ao Estado Novo A UA UL LA MÓDULO 7 Crescimento urbano e industrial dos anos 20 ao Estado Novo Nesta aula O café foi o principal produto de exportação durante a República Velha. Os cafeicultores detinham o controle da

Leia mais

Unidade II. Unidade II

Unidade II. Unidade II Unidade II 3 DIREITO DO TRABALHO 3.1 Conceito de empregador e empregado De acordo com o que estabelece a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), considera-se empregador a empresa, individual ou coletiva

Leia mais

Proposta de Recomendações. GT dos Trabalhadores da CNV

Proposta de Recomendações. GT dos Trabalhadores da CNV Proposta de Recomendações GT dos Trabalhadores da CNV DOS CRIMES CONTRA A HUMANIDADE 1. Reconhecer e acatar as normas do direito internacional sobre crimes contra a humanidade. Ratificação da Convenção

Leia mais

REVOLUÇÃO FRANCESA. Por: Rodrigo A. Gaspar

REVOLUÇÃO FRANCESA. Por: Rodrigo A. Gaspar REVOLUÇÃO FRANCESA Por: Rodrigo A. Gaspar REVOLUÇÃO FRANCESA Influência dos valores iluministas Superação do Absolutismo monárquico e da sociedade estratificada Serviu de inspiração para outras revoluções,

Leia mais

REVOLTAS DURANTE A REPÚBLICA VELHA

REVOLTAS DURANTE A REPÚBLICA VELHA REVOLTAS DURANTE A REPÚBLICA VELHA Unidade 2, Tema 2 e 3. Págs. 50 53 Personagem. Pág. 55 e 64 Ampliando Conhecimentos. Págs. 60-61 Conceitos Históricos. Pág. 65 Em foco. Págs. 66-71 GUERRA DE CANUDOS

Leia mais

Surgimento e Evolução do Direito do Trabalho

Surgimento e Evolução do Direito do Trabalho 1 Surgimento e Evolução do Direito do Trabalho 1 - Surgimento e Evolução do Direito do Trabalho 1.1 Introdução 1.2 - Os Escravos 1.3 - Os Servos 1.4 - As corporações de ofício 1.5 - A revolução industrial

Leia mais

Jornada Pedagógica Pastoral 2011. Divane Nery

Jornada Pedagógica Pastoral 2011. Divane Nery Jornada Pedagógica Pastoral 2011 Divane Nery Uma Breve História dos Direitos da Criança e do Adolescente no Brasil Por Gisella Werneck Lorenzi* Até 1900 Final do Império e início da Republica Não se tem

Leia mais

que se viver com dignidade, o que requer a satisfação das necessidades fundamentais. O trabalho é um direito e um dever de todo cidadão.

que se viver com dignidade, o que requer a satisfação das necessidades fundamentais. O trabalho é um direito e um dever de todo cidadão. Osdireitosdohomemedocidadãonocotidiano (OscarNiemeyer,1990) "Suor, sangue e pobreza marcaram a história desta América Latina tão desarticulada e oprimida. Agora urge reajustá-la num monobloco intocável,

Leia mais

A FORMAÇÃO IDEOPOLÍTICA DOS MILITANTES DO MOVIMENTO DOS ATINGIDOS POR BARRAGENS (MAB): EMANCIPAÇÃO POLÍTICA OU EMANCIPAÇÃO HUMANA?

A FORMAÇÃO IDEOPOLÍTICA DOS MILITANTES DO MOVIMENTO DOS ATINGIDOS POR BARRAGENS (MAB): EMANCIPAÇÃO POLÍTICA OU EMANCIPAÇÃO HUMANA? A FORMAÇÃO IDEOPOLÍTICA DOS MILITANTES DO MOVIMENTO DOS ATINGIDOS POR BARRAGENS (MAB): EMANCIPAÇÃO POLÍTICA OU EMANCIPAÇÃO HUMANA? Carmen Gomes Macedo 1 Ednéia Alves de Oliveira 2 Resumo Este projeto objetiva

Leia mais

OBJETIVOS E ORGANIZAÇÃO

OBJETIVOS E ORGANIZAÇÃO CONSELHO NACIONAL DO TRABALHO (CNT) Órgão criado pelo Decreto nº 16.027, de 30 de abril de 1923, vinculado ao Ministério da Agricultura, Indústria e Comércio e destinado à consulta dos poderes públicos

Leia mais

PROVA BIMESTRAL História

PROVA BIMESTRAL História 9 o ano 2 o bimestre PROVA BIMESTRAL História Escola: Nome: Turma: n o : Sobre a Revolução Russa de 1917, leia o texto a seguir e responda às questões 1 e 2. A reivindicação básica dos pobres da cidade

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»SOCIOLOGIA«21. Max Weber percebe a sociedade através do conceito de ação social, a qual se materializa através da interação entre os homens em prol de uma dominação social. Que

Leia mais

INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA LATINA (1808-1826) Profª Adriana Moraes

INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA LATINA (1808-1826) Profª Adriana Moraes INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA LATINA (1808-1826) Profª Adriana Moraes A independência foi o processo político e militar que afetou todas as regiões situadas entre os vicereinados da Nova Espanha e do Rio da

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA REGIONAL DO TRABALHO DA 9ª REGIÃO

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA REGIONAL DO TRABALHO DA 9ª REGIÃO A NOVA LEI DO COOPERATIVISMO E AS COOPERATIVAS POPULARES, COM DESTAQUE PARA AS COOPERATIVAS DE CATADORES DE MATERIAIS RECICLÁVEIS. Margaret Matos de Carvalho, Procuradora do Trabalho na PRT 9ª Região.

Leia mais

Políticas públicas e a assistência a saúde

Políticas públicas e a assistência a saúde Universidade de Cuiabá UNIC Núcleo de Disciplinas Integradas Disciplina: Formação Integral em Saúde História da Saúde no Brasil: Políticas públicas e a assistência a saúde Profª Ma. Kaline A. S. Fávero,

Leia mais

Geografia Por Tabata

Geografia Por Tabata Geografia Por Tabata População População Absoluta: total de habitantes de um dado lugar Ex.: China = maior população cerca 1 bilhão e 300 milhões de habitantes China = país populoso Populoso é o país que

Leia mais

15 - BASES DE INCIDÊNCIA E NÃO INCIDÊNCIA

15 - BASES DE INCIDÊNCIA E NÃO INCIDÊNCIA 15 - BASES DE INCIDÊNCIA E NÃO INCIDÊNCIA 15.1 - Integram a remuneração para fins de cálculos dos valores devidos à Previdência Social e a serem recolhidos para o FGTS, dentre outras, as seguintes parcelas:

Leia mais

SOCIOLOGIA - 3 o ANO MÓDULO 06 DESIGUALDADE SOCIAL

SOCIOLOGIA - 3 o ANO MÓDULO 06 DESIGUALDADE SOCIAL SOCIOLOGIA - 3 o ANO MÓDULO 06 DESIGUALDADE SOCIAL y (-) Vulnerabilidade Desvinculação x (+) (-) 0 Inserção Vulnerabilidade (+) Como pode cair no enem A violência de cada dia A violência normalmente é

Leia mais

TUTORIAL 13R. Data: Aluno (a): Equipe de História HISTÓRIA. Colégio A. LIESSIN Scholem Aleichem - 1 - NANDA/SET/2014 1195

TUTORIAL 13R. Data: Aluno (a): Equipe de História HISTÓRIA. Colégio A. LIESSIN Scholem Aleichem - 1 - NANDA/SET/2014 1195 Aluno (a): Série: 3ª Turma: TUTORIAL 13R Ensino Médio Equipe de História Data: HISTÓRIA Colégio A. LIESSIN Scholem Aleichem - 1 - NANDA/SET/2014 1195 EXERCÍCIOS: 1. Desde a metade do século XVIII, os primeiros

Leia mais

A estrutura social e as desigualdades

A estrutura social e as desigualdades 3 A estrutura social e as desigualdades Unidade As desigualdades sociais instalaram se no Brasil com a chegada dos portugueses. Os povos indígenas foram vistos pelos europeus como seres exóticos e ainda

Leia mais

PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO DOCENTE NA UNIVERSIDADE PÚBLICA BRASILEIRA

PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO DOCENTE NA UNIVERSIDADE PÚBLICA BRASILEIRA PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO DOCENTE NA UNIVERSIDADE PÚBLICA BRASILEIRA Carlos Eduardo Queiroz Pessoa Bacharel em Filosofia e Direito; Mestrando em Ciências Sociais pela Universidade Federal de Campina Grande

Leia mais

COMPENSAÇÃO DE JORNADA DE TRABALHO

COMPENSAÇÃO DE JORNADA DE TRABALHO COMPENSAÇÃO DE JORNADA DE TRABALHO Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil - São Paulo, Brasil - 31 de janeiro de 2013 CONCEITO A compensação da jornada de trabalho ocorre quando o empregado

Leia mais

Direito Social: Essa nomenclatura é pouco utilizada, pois se entende que ela é muito abrangente e alcançaria outros ramos do direito.

Direito Social: Essa nomenclatura é pouco utilizada, pois se entende que ela é muito abrangente e alcançaria outros ramos do direito. 1. NOMENCLATURA DIREITO COLETIVO DO TRABALHO X DIREITO SINDICAL. Direito Coletivo do Trabalho: Utiliza-se esse termo, por vezes, por ser considerado de maior amplitude, ora por ser mais adequado (uma vez

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº., DE 2011. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

PROJETO DE LEI Nº., DE 2011. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: PROJETO DE LEI Nº., DE 2011. Dispõe sobre a organização sindical no setor público, afastamento de dirigentes sindicais, negociação coletiva, aplicação do direito de greve e sobre o custeio da organização

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 2.799, DE 2015 (Do Sr. Davidson Magalhães)

PROJETO DE LEI N.º 2.799, DE 2015 (Do Sr. Davidson Magalhães) *C0055690A* C0055690A CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 2.799, DE 2015 (Do Sr. Davidson Magalhães) Dispõe sobre a proibição de entidades, empresas brasileiras ou sediadas em território nacional com

Leia mais

A nova centralização: o Estado Novo - II

A nova centralização: o Estado Novo - II A nova centralização: o Estado Novo - II A UU L AL A Na aula anterior, você viu como Getúlio Vargas organizou o regime do Estado Novo, em sua face política, cultural e social. Nesta aula, você verá em

Leia mais

HISTÓRIA - 1 o ANO MÓDULO 55 O CONGRESSO DE VIENA E A SANTA ALIANÇA

HISTÓRIA - 1 o ANO MÓDULO 55 O CONGRESSO DE VIENA E A SANTA ALIANÇA HISTÓRIA - 1 o ANO MÓDULO 55 O CONGRESSO DE VIENA E A SANTA ALIANÇA Fixação 1) Em perfeita sintonia com o espírito restaurador do Congresso de Viena, a criação da Santa Aliança tinha por objetivo: a)

Leia mais