INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO PROGRAMA AFERIÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO PROGRAMA AFERIÇÃO"

Transcrição

1 INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO PROGRAMA AFERIÇÃO EFECTIVIDADE DA AUTO-AVALIAÇÃO DAS ESCOLAS PROJECTO ESSE Indicadores de qualidade

2 I Introdução Baseado em investigação anterior e na recolha de informação empreendida na fase 1 do projecto ESSE, a partir de discussões que decorreram no seminário de Amsterdão, em 14 e 15 de Junho de 2001, produziu-se um conjunto de indicadores de qualidade para aplicar na fase 2 do projecto. O objectivo principal deste conjunto de Indicadores de Qualidade (IQ) é proporcionar um enquadramento comum para a recolha de evidências e para a formação de juízos. Através da aplicação de um conjunto de indicadores comuns em duas escolas em cada país ou região, pretendemos criar um conjunto de avaliações da auto-avaliação da escola que nos permitirá comparar as características e eficácia da auto-avaliação da escola através da observação feita em países ou em regiões. Este conjunto de IQ é ainda uma versão inicial. O uso de indicadores nas visitas conjuntas às escolas na fase 2, constituirá uma fonte rica para o trabalho prático de campo. Esta experiência será utilizada como informação para futuros desenvolvimentos e para o aperfeiçoamento dos indicadores, de modo a que estes constituam uma base mais consistente para as visitas às escolas em fases futuras do projecto ESSE e, em última análise, estejam disponíveis para aplicação para além do próprio projecto. II Enquadramento do indicador de qualidade do projecto ESSE A estrutura dos IQ desenvolvidos assenta numa variedade de modelos já existentes, muitos dos quais estão descritos num artigo sobre os seus fundamentos teóricos, preparado para o projecto por Bart Maes e pelos seus colegas no DVO (Dienst voor Onderwijsontwikkeling), em Bruxelas. A questão fundamental a que este modelo procura responder é: Qual a eficácia da escola em conseguir um aperfeiçoamento contínuo através da avaliação da qualidade dos serviços que presta e através do desenvolvimento de acções

3 4 INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO que reforcem os seus pontos fortes e que superem os seus pontos fracos? Ao procurar resposta para esta questão, o conjunto de indicadores tenciona ajudar os inspectores a elaborar uma imagem sistemática de uma série de aspectos-chave para validar a qualidade e as estratégias de aperfeiçoamento das escolas e o alcance do seu impacto na prática. É importante reconhecer que este conjunto de indicadores incide num nível diferente de muitos dos conjuntos de indicadores actualmente utilizados pelos inspectores e pelas próprias escolas. Enquanto os conjuntos de indicadores são elaborados, tradicionalmente, para ser aplicados directamente na avaliação de uma variedade de aspectos-chave da oferta escolar a ser posta em prática, este conjunto de indicadores ESSE está concebido para ser utilizado ao nível da meta-avaliação, isto é, está focalizado na avaliação da eficácia do próprio processo de avaliação. Este conjunto ESSE não substitui conjuntos de indicadores mais tradicionais. Antes, complementa-os a diferentes níveis. O conjunto de IQ do projecto ESSE adopta uma distinção entre inputs, processos e outputs que é cada vez mais dominante e que está a ser utilizada em modelos de aperfeiçoamento da qualidade. Isto reflecte-se, por exemplo, no Modelo de Excelência que actualmente está a ser amplamente promovido na gestão do serviço público pela European Foundation for Quality Management (EFQM). De uma maneira geral, este tipo de modelo estabelece que, para alcançar com eficácia a excelência através do aperfeiçoamento contínuo, se pede às escolas que considerem um número de aspectos chave, como os que se seguem: Necessitam de maximizar a eficácia dos seus inputs, inicialmente através da produção de um forte input de liderança e direcção, que estabelece um claro sentido de objectivos comuns e finalidades entre o pessoal. Tal necessita de ser construído a partir de um compromisso partilhado de aperfeiçoamento contínuo e de ser apoiado por uma estratégia sistemática que avalia aspectos de desenvolvimento do trabalho e planeamento da escola (área chave 1). Em segundo lugar, as escolas necessitam de maximizar a eficácia dos recursos que lhe estão disponíveis particularmente no que se refere ao seu pessoal, através da avaliação e do aperfeiçoamento, de um modo contínuo, adequando-os às necessidades da escola e sobre a eficácia da sua gestão e utilização (área-chave 2). Olhando para além dos inputs, as escolas têm de pôr em prática dispositivos eficazes para monitorizar e melhorar a qualidade dos processos-chave através dos quais prestam os seus serviços aos jovens, pais e comunidade, incluindo, obviamente, o processo mais crucial de todos, a qualidade do ensino e da aprendizagem na sala de aula (área-chave 3). Finalmente, se a escola avalia e melhora a sua gestão de inputs e os processos chave de um modo eficaz, podemos, então, esperar ver isto reflectido em termos de melhores níveis de desempenho com uma tendência para melhores resultados-chave na escola. Essenciais para a avaliação dos outputs são os pontos de vista e opiniões de parceiroschave tais como os alunos, pais e funcionários, bem como as medições estatísticas dos resultados alcançados relativamente aos níveis de sucesso escolar, às qualificações e aos objectivos atingidos e até atitudes, valores que os alunos terão adquirido quando chegar a altura de saírem da escola (área-chave 4).

4 AUTO-AVALIAÇÃO DAS ESCOLAS. INDICADORES DE QUALIDADE 5 Utilizando este enquadramento geral, definiu-se um total de oito indicadores de qualidade, que se encontram organizados em quatro áreas-chave. As duas primeiras estão relacionadas com diferentes inputs enquanto a terceira-área chave está relacionada com os processos e a quarta com os resultados. 2.1 Inputs área-chave 1 A área-chave 1 intitula-se visão estratégica. Contém dois indicadores de qualidade com veremos de seguida. IQ 1.1 Objectivos e valores Este indicador coloca a questão: Em que medida existem evidencias de uma forte liderança que gerou um sentido claro e partilhado de objectivos e propósitos comuns entre os funcionários da escola e o compromisso para um aperfeiçoamento continuo? Contém dois temas que focalizam a adequação e clareza dos objectivos e valores e o ponto até ao qual estão explicitamente ligados à auto-avaliação da escola e aos procedimentos de aperfeiçoamento. IQ 1.2 Estratégia e política para a auto-avaliação e aperfeiçoamento Este indicador coloca a questão: A escola tem uma estratégia clara e apropriada para sistematicamente avaliar a qualidade do seu trabalho e pôr em prática as melhorias necessários? Contém três temas que focalizam a adequação da globalidade das estratégias de escola planeadas para assegurar que: 1) a auto-avaliação; 2) os processos de planeamento do desenvolvimento sejam eficazes e abrangentes; 3) em que medida a escola consulta os pais, alunos, funcionários e outros na tentativa de definir prioridades de desenvolvimento e um rumo para o progresso. 2.1 Inputs - área-chave 2 A área-chave 2 é denominada Avaliação e aperfeiçoamento dos inputs-chave. Focaliza a gestão dos diferentes recursos disponíveis na escola. Também contém dois indicadores de qualidade. IQ 2.1 Funcionários/recursos humanos Este indicador coloca a questão: Como é que a escola avalia e melhora a eficácia do seu pessoal e o modo como são geridos e utilizados os recursos humanos?

5 6 INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO Contém três temas que focalizam os dispositivos para a avaliação do pessoal, a gestão do desenvolvimento do pessoal e a medida em que ambos os aspectos de gestão de recursos humanos estão intimamente ligados com a auto-avaliação global da escola e com os sistemas de aperfeiçoamento. IQ 2.2 Recursos financeiros e físicos Este indicador coloca a questão: A escola avalia bem e melhora a utilização dos recursos físicos e financeiros? Contém dois temas. Um focaliza os dispositivos gerais para monitorizar e avaliar a utilização do orçamento e dos recursos da escola, enquanto que o outro considera a alocação de rubricas flexíveis do orçamento para o apoio ao desenvolvimento, como parte integrante das estratégias de auto-avaliação e de aperfeiçoamento. 2.3 Processos área-chave 3 A terceira área-chave focaliza a gestão dos processos. Denomina-se avaliação e aperfeiçoamento dos processos-chave e contém três indicadores de qualidade. Enquanto os processos-chave na educação escolar podem ser conceptualizados de diferentes modos, o estudo desenvolvido por Maes e outros, em 2001, no âmbito deste projecto, revela que é do conhecimento geral a variedade de tipologias que tendem a emergir. Para os objectivos actuais, os processos-chave incluem pelo menos os seguintes: Manutenção e desenvolvimento da cultura de escola, clima e relacionamentos; Gestão das ligações com os pais e com a comunidade em geral; Estruturação do currículo e dos programas de ensino; Aprendizagem e ensino incluindo o planeamento e a avaliação; Orientação e aconselhamento; Proporcionar apoio para a necessidade de aprendizagem individual, incluindo as necessidades de educação especial. Os três indicadores de qualidade são genéricos em si, podendo ser aplicados a qualquer um destes processos-chave (ou a outros que possam ser identificados). O principio é que, qualquer que seja o processo-chave a considerar no caso que está sendo estudado, o seguinte conjunto de indicadores de qualidade articulados deve cobrir os elementos nucleares da auto-avaliação e dos processos de aperfeiçoamento próprios das melhores práticas. IQ 3.1 Políticas, orientações e padrões O primeiro dos três indicadores nesta área-chave começa por colocar a questão:

6 AUTO-AVALIAÇÃO DAS ESCOLAS. INDICADORES DE QUALIDADE 7 Como comunica a escola, efectivamente, uma visão clara da prática eficaz e dos padrões que devem ser alcançados ao implementar os seus processos-chave? Sem uma visão clara das expectativas não existe uma base sólida para o pessoal monitorizar e melhorar a sua própria prática, como um ponto de partida para uma efectiva cultura de auto-avaliação, e sem bases visíveis para ser monitorizado e avaliado pelos outros. O indicador tem dois temas. Um incide sobre a adequação da orientação e das políticas em curso, enquanto o outro dá enfoque ao modo como estes são utilizados como pontos de referência-chave para a auto-avaliação da escola. IQ 3.2 Planeamento e implementação das actividades de auto-avaliação Este indicador focaliza directamente o modo sistemático e global como a escola utiliza evidências para fazer julgamentos fundamentados sobre a qualidade dos seus próprios processos. Coloca a questão: Como avalia a escola, de facto, a eficácia sobre o modo como são postos em prática os seus processos-chave? No conjunto existem cinco temas: utilização de informação estatística e valores de referência (benchmarking); uso sistemático de um conjunto de indicadores de qualidade ou padrões de qualidade; utilização de informação de retorno sobre os pontos de vista dos parceiros-chave; monitorização directa e observação da prática; utilização de uma personalidade externa para apoiar o processo de auto-avaliação. Os primeiros quatro temas referem-se a diferentes tipos de evidências que poderão ser recolhidas para informar a avaliação de um aspecto particular da provisão. Dependendo do aspecto particular a ser considerado nesse momento, um equilíbrio diferente desta variedade de tipos de evidência pode ser apropriado em qualquer caso particular. No entanto, olhando através da variedade de actividades de auto-avaliação em curso, ano após ano, na escola como um todo, todas elas deviam produzir regularmente evidências das melhores práticas. As visitas conjuntas realizadas no âmbito do projecto ESSE irão testar esta situação através da análise de auditorias focalizadas as quais implicam olhar em detalhe sobre o modo como a escola avaliou uma selecção de diferentes aspectos deste trabalho. O quinto tema permite analisar os benefícios da escola ao construir uma verificação externa da qualidade dentro do seu próprio processo de auto-avaliação, através do envolvimento de um indivíduo exterior à escola, fornecendo feedback como parte do procedimento normal para iniciar o processo. Este indivíduo tem sido frequentemente referido como amigo crítico e pode, nalguns casos, ser outro director de escola, embora noutros possa ser um funcionário de uma autoridade local ou um conselheiro que tenha uma ligação regular com a escola na área da sua responsabilidade. IQ 3.3 Planeamento e implementação de acções que visem o aperfeiçoamento. Tendo observado como a auto-avaliação é desenvolvida em relação a certos tópicos, o

7 8 INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO terceiro indicador nesta área-chave considera o modo como a escola se organiza em função das necessidades de desenvolvimento identificadas. Coloca a questão: Como é que a escola aplica os resultados da auto-avaliação em programas de acção planeados que têm um impacto claro no aperfeiçoamento dos processos a que dizem respeito? Aqui o enfoque está no aperfeiçoamento da qualidade dos processos o indicador da áreachave 4 irá considerar que a auto-avaliação é posta ao serviço do desenvolvimento dos pontos de vista dos parceiros, avaliando os resultados. Existem três temas. O primeiro permite observar se a escola seleccionou ou não prioridades adequadas, uma vez apresentados os resultados do seu próprio processo de auto-avaliação. O segundo tema observa como decorre o planeamento detalhado da acção e o terceiro considera até que ponto a escola tem sucesso em levar a cabo planos de acção para conseguir a implementação de progressos significativos nos processos-chave. 1.4 Resultados área-chave 4 Tendo considerado a eficácia da auto-avaliação dos inputs e dos processos da escola, a quarta área-chave concentra-se na procura de provas mensuráveis do impacto destes processos na melhoria dos resultados. A área-chave quatro intitula-se Impacto nos resultados. Aqui existe um indicador de qualidade particularmente significativo. IQ 4.1 Impacto da auto-avaliação e melhoria dos resultados-chave Até que ponto existem evidências de que a auto-avaliação e as actividades de aperfeiçoamento conduziram a progressos mensuráveis? O indicador tem dois temas. Um observa os resultados que certamente incluem medições do sucesso escolar e das qualificações dos alunos, mas que também pode considerar outras informações como, por exemplo, estatísticas sobre o percurso após a escola e sobre outros aspectos das competências dos alunos, capacidades e atitudes para além das experiências académicas básicas. O segundo tema considera evidências retiradas de inquéritos às percepções dos parceiros chave, incluindo alunos, pais e funcionários, procurando padrões e tendências nos seus níveis de satisfação com vários aspectos da oferta de escola. Para termos a convicção de que a auto-avaliação da escola e os procedimentos de aperfeiçoamento são totalmente eficazes, esperamos, naturalmente, encontrar uma forte evidência de que a mesma está a alcançar resultados muito bons para os seus alunos, quando comparados com escolas similares. Alternativamente, se o desempenho actual da escola está num nível inferior ao que esperávamos, aguarda-se que melhore gradualmente fazendo face aos principais pontos fracos.

8 AUTO-AVALIAÇÃO DAS ESCOLAS. INDICADORES DE QUALIDADE 9 III O contexto no qual a auto-avaliação da escola se desenvolveu suporte externo 1 A relação entre a prática escolar e o suporte externo O enquadramento dos indicadores de qualidade do projecto ESSE proporciona uma base para os inspectores atribuírem graus de qualidade relacionados com os dispositivos de autoavaliação que encontram nas escolas de um modo objectivo, sem aumentar ou diminuir a suas expectativas ou padrões em função do país onde se encontram. Certamente este é o caso em que a fase de desenvolvimento da auto-avaliação das escolas pode ser fortemente influenciada pela natureza e alcance do apoio externo dado no país ou região onde estão localizados. Tanto as autoridades regionais ou nacionais como as próprias escolas influenciam fortemente a determinação da eficácia da auto-avaliação nas escolas singulares. No entanto, com vista a permitir que a equipa do projecto possa avaliar objectivamente estes efeitos numa série de países onde as visitas conjuntas decorrerão, é crucial que os inspectores não aumentem nem diminuam as suas expectativas face ao que esperam das escolas, de acordo com o grau de apoio externo que sabem estar disponível (por exemplo, classificando as escolas mais generosamente porque operam num contexto onde existe pouco apoio). A aplicação dos indicadores de qualidade deve visar um campo de acção uniforme. Subsequentemente, será possível analisar a articulação entre o apoio externo e a eficácia da prática observada nas escolas singulares, após avaliar objectivamente a natureza de cada uma. Antes de se realizar esta análise, o conhecimento de uma não deverá distorcer os juízos sobre a outra. É certo que o relacionamento entre o apoio externo e a eficácia da prática na escola não será simples. A eficácia da auto-avaliação e dos processos de aperfeiçoamento nas escolas serão sem dúvida influenciados pela natureza do apoio externo. Contudo, está igualmente claro que a eficácia não será inteiramente determinada por este apoio. Podem existir escolas singulares que utilizem pouco apoio externo e, por outro lado, é possível encontrar boas práticas de auto-avaliação, desenvolvendo-se em áreas onde há um reduzido suporte externo ou orientação. Um objectivo-chave do projecto ESSE passa pela exploração da relação entre o suporte externo e a eficácia da auto-avaliação da escola, no sentido de aconselhar sobre o modo como alcançar um equilíbrio mais produtivo. 2 Um enquadramento para analisar o suporte externo Tendo como base o inquérito inicial aos países ou regiões participantes, levada a cabo para o projecto ESSE por Bart Maes e pelos seus colegas no DVO, foram identificados quatro tipos principais de apoio, através dos quais instituições externas, tais como inspecções ou departamentos de educação, facultam apoio às escolas no processo de auto-avaliação. A disponibilidade deste apoio é claramente um factor que não está sob o controlo directo da escola, mas antes sob o controlo de instituições nacionais ou regionais que gerem o sistema de educação na área. Define o contexto dentro do qual a auto-avaliação opera a nível da escola singular, tornando mais ou menos difícil desenvolver teorias sobre as melhores práticas.

9 10 INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO Os quatro aspectos-chave do suporte externo (ES) são: ES 1 Provisão de dados estatísticos para comparação e referenciação Este aspecto relaciona as vias pelas quais as instituições nacionais ou regionais tornam possível às escolas comparar o seu desempenho com o de outras escolas, pela análise de dados de todo o país ou região e apresentando as análises de novo às escolas, o que torna mais fácil efectuar comparações apropriadas. A obtenção de dados sobre o sucesso escolar, tais como os resultados de exames, têm destaque aqui, mas também se pode analisar outros tipos de dados deste modo. ES 2 Provisão de um conjunto de padrões de qualidade Sabemos que alguns países desenvolveram conjuntos nacionais de indicadores de qualidade para as escolas, por vezes recorrendo aos indicadores utilizados pelas inspecções nas suas visitas às escolas e reutilizando-os como orientações para as suas auto-avaliações. Este aspecto revela até que ponto a matriz dos indicadores foi disponibilizada, em cada país ou região, para as escolas a utilizarem. ES 3 Provisão da formação em métodos de auto-avaliação Este aspecto considera até que ponto as instituições nacionais ou regionais disponibilizaram formação às escolas sobre o processo e a metodologia de auto-avaliação. ES 4 Provisão de inspecções externas independentes regulares ou de papel de moderador na auto-avaliação Alguns países desenvolvem programas de inspecções externas regulares às escolas e outros podem levar a cabo inspecções a instituições individuais de um modo menos amplo ou regular. Tal proporciona uma visão externa da eficácia da escola, que a escola pode comparar face à sua própria auto-avaliação e pode, ou não, dar origem a uma avaliação directa do dispositivo da auto-avaliação da escola. Este aspecto distingue-se do conceito de amigo crítico, em que uma escola envolve um indivíduo externo no seu próprio programa de auto-avaliação de uma forma rotineira (tal é abordado no IQ 3.2, pelo que não o desenvolveremos aqui). Mais propriamente, está relacionado com visitas externas independentes ocasionais, de instituições nacionais ou regionais, para formar uma visão independente da escola e dos seus dispositivos de gestão. 3 Registo e análise de evidências resultantes da visita conjunta Temos conhecimento de que nos países ou nas regiões a visitar se registarão variações significativas no que diz respeito à natureza e ao âmbito do apoio externo disponível. Para o objectivo das visitas conjuntas da fase 2, o nível de qualidade da escola não será atribuído a estes itens, mas serão retiradas evidências de cada visita em cada um dos quatro pontos para que o contexto, em cada país, possa ser comparado e o contexto relevante para

10 AUTO-AVALIAÇÃO DAS ESCOLAS. INDICADORES DE QUALIDADE 11 qualquer escola em particular possa ser tomado em consideração quando se interpretam os níveis atribuídos a essa escola. Os níveis baixos atribuídos a uma escola podem estar relacionados, em grande ou pequena escala, com as limitações na natureza e extensão do apoio externo disponível. É difícil imaginar uma escola obtendo bons níveis em todas as áreas de auto-avaliação num contexto onde muitos aspectos de apoio nacional estão em falta. Em cada um dos aspectos acima mencionados, colocam-se três questões interligadas (e que deviam estar em destaque): Qual a natureza do apoio externo que tem vindo a ser dado? No caso desta escola em particular, o apoio externo parece ter tido um impacto positivo na qualidade da auto-avaliação a decorrer na escola? Como pode o apoio externo ser aperfeiçoado para melhor apoiar a auto-avaliação? À medida que o projecto evolui para a terceira fase, as provas recolhidas na fase 2 sobre o apoio externo e a sua relação com a eficácia da auto-avaliação da escola serão utilizadas para desenvolver indicadores mais específicos sobre a qualidade do apoio externo, que posteriormente serão testados e desenvolvidos.

INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO PROGRAMA AFERIÇÃO

INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO PROGRAMA AFERIÇÃO INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO PROGRAMA AFERIÇÃO EFECTIVIDADE DA AUTO-AVALIAÇÃO DAS ESCOLAS PROJECTO ESSE Orientações para as visitas às escolas 1 Introdução As visitas às escolas realizadas segundo o modelo

Leia mais

Indicadores Gerais para a Avaliação Inclusiva

Indicadores Gerais para a Avaliação Inclusiva Preâmbulo A avaliação inclusiva é uma abordagem à avaliação em ambientes inclusivos em que as políticas e as práticas são concebidas para promover, tanto quanto possível, a aprendizagem de todos os alunos.

Leia mais

PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE. PROGRAMA DE TRABALHO PARA 2000 (Nº 2, alínea b), do artigo 5º da Decisão nº 1400/97/CE)

PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE. PROGRAMA DE TRABALHO PARA 2000 (Nº 2, alínea b), do artigo 5º da Decisão nº 1400/97/CE) PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE VERSION FINALE PROGRAMA DE TRABALHO PARA 2000 (Nº 2, alínea b), do artigo 5º da Decisão nº 1400/97/CE) 1. INTRODUÇÃO As actividades da União

Leia mais

Documento SGS. PLANO DE TRANSIÇÃO da SGS ICS ISO 9001:2008. PTD3065 - v010-2008-11 Pág 1 de 6

Documento SGS. PLANO DE TRANSIÇÃO da SGS ICS ISO 9001:2008. PTD3065 - v010-2008-11 Pág 1 de 6 PLANO DE TRANSIÇÃO da SGS ICS ISO 9001:2008 PTD3065 - v010-2008-11 Pág 1 de 6 1 Introdução A ISO 9001:2008 e o Processo de Transição da SGS ICS A International Organization for Standardization (ISO) publicou,

Leia mais

Análise comparativa dos sistemas de avaliação do desempenho docente a nível europeu

Análise comparativa dos sistemas de avaliação do desempenho docente a nível europeu 1 Análise comparativa dos sistemas de avaliação do desempenho docente a nível europeu Jorge Lima (*) Eurydice é a rede de informação sobre a educação na Europa, criada por iniciativa da Comissão Europeia

Leia mais

ANO LETIVO 2013/2014 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO

ANO LETIVO 2013/2014 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO ANO LETIVO 2013/2014 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO Ensino Básico Os conhecimentos e capacidades a adquirir e a desenvolver pelos alunos de cada nível e de cada ciclo de ensino têm como referência os programas

Leia mais

Proposta para a construção de um Projecto Curricular de Turma*

Proposta para a construção de um Projecto Curricular de Turma* Proposta para a construção de um Projecto Curricular de Turma* Glória Macedo, PQND do 4º Grupo do 2º Ciclo do EB e Formadora do CFAE Calvet de Magalhães, Lisboa A Reorganização Curricular do Ensino Básico

Leia mais

Agrupamento de Escolas Professor Noronha Feio

Agrupamento de Escolas Professor Noronha Feio Avaliação efectuada pelo Coordenador e Departamento de ducação special Grelha de Avaliação da Observação da Aula Avaliado: Avaliador: Disciplina/Área Data / / A Preparação e organização das actividades

Leia mais

sistema de gestão do desempenho e potencial Directório de Competências e de Perfis Profissionais

sistema de gestão do desempenho e potencial Directório de Competências e de Perfis Profissionais SGDP sistema de gestão do desempenho e potencial :: Directório de Competências e de Perfis Profissionais :: Directório de Competências e de Perfis Profissionais ÍNDICE Competências Inovação e Criatividade

Leia mais

FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE

FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE PARTE A (a preencher pelo coordenador do departamento curricular ou pelo conselho executivo se o avaliado for coordenador de um departamento curricular)

Leia mais

ESTRUTURA COMUM DE AVALIAÇÃO CAF 2006 DGAEP 2007

ESTRUTURA COMUM DE AVALIAÇÃO CAF 2006 DGAEP 2007 ESTRUTURA COMUM DE AVALIAÇÃO CAF 2006 DGAEP 2007 Conteúdo da apresentação Enquadramento da CAF Características gerais da CAF Estrutura da CAF Processo de aplicação da CAF (10 Passos) Enquadramento da CAF

Leia mais

POC 13 - NORMAS DE CONSOLIDAÇÃO DE CONTAS

POC 13 - NORMAS DE CONSOLIDAÇÃO DE CONTAS POC 13 - NORMAS DE CONSOLIDAÇÃO DE CONTAS 13.1 - Aspectos preliminares As demonstrações financeiras consolidadas constituem um complemento e não um substituto das demonstrações financeiras individuais

Leia mais

Avaliação De Desempenho de Educadores e de Professores Princípios orientadores

Avaliação De Desempenho de Educadores e de Professores Princípios orientadores Avaliação De Desempenho de Educadores e de Professores Princípios orientadores O Estatuto da Carreira dos Educadores de Infância e dos Professores dos Ensinos Básico e Secundário, recentemente aprovado,

Leia mais

AVALIAÇÃO TEMÁTICA SOBRE A COOPERAÇÃO PORTUGUESA NA ÁREA DA ESTATÍSTICA (1998-2008) Sumário Executivo

AVALIAÇÃO TEMÁTICA SOBRE A COOPERAÇÃO PORTUGUESA NA ÁREA DA ESTATÍSTICA (1998-2008) Sumário Executivo AVALIAÇÃO TEMÁTICA SOBRE A COOPERAÇÃO PORTUGUESA NA ÁREA DA ESTATÍSTICA (1998-2008) Sumário Executivo Dezembro de 2009 SUMÁRIO EXECUTIVO A presente avaliação tem por objecto a Cooperação Portuguesa com

Leia mais

Critérios Gerais de Avaliação

Critérios Gerais de Avaliação Agrupamento de Escolas Serra da Gardunha - Fundão Ano Lectivo 2010/2011 Ensino Básico A avaliação escolar tem como finalidade essencial informar o aluno, o encarregado de educação e o próprio professor,

Leia mais

GESTÃO CURRICULAR LOCAL: FUNDAMENTO PARA A PROMOÇÃO DA LITERACIA CIENTÍFICA. José Luís L. d`orey 1 José Carlos Bravo Nico 2 RESUMO

GESTÃO CURRICULAR LOCAL: FUNDAMENTO PARA A PROMOÇÃO DA LITERACIA CIENTÍFICA. José Luís L. d`orey 1 José Carlos Bravo Nico 2 RESUMO GESTÃO CURRICULAR LOCAL: FUNDAMENTO PARA A PROMOÇÃO DA LITERACIA CIENTÍFICA José Luís L. d`orey 1 José Carlos Bravo Nico 2 RESUMO Resumo A Reorganização Curricular formalmente estabelecida pelo Decreto-lei

Leia mais

4. PRINCÍPIOS DE PLANEAMENTO DE RECURSOS HÍDRICOS

4. PRINCÍPIOS DE PLANEAMENTO DE RECURSOS HÍDRICOS 4. PRINCÍPIOS DE PLANEAMENTO DE RECURSOS HÍDRICOS A abordagem estratégica que se pretende implementar com o Plano Regional da Água deverá ser baseada num conjunto de princípios nucleares que, sendo unanimemente

Leia mais

Sistemas de Gestão da Qualidade

Sistemas de Gestão da Qualidade Sistemas de estão da Qualidade Transparências de apoio à disciplina de estão da Qualidade rupo de ontrolo e estão Normas de arantia da Qualidade Historicamente Imposição dos grandes compradores e detentores

Leia mais

A troca consiste no acto de obtermos qualquer coisa que desejamos, oferecendo algo desejado pela outra parte, em compensação. A necessidade de trocar

A troca consiste no acto de obtermos qualquer coisa que desejamos, oferecendo algo desejado pela outra parte, em compensação. A necessidade de trocar O Departamento Comercial desempenha um papel importante no apoio a promotores e vendedores, emitindo regularmente relatórios informativos e estimativas de vendas, de modo a que estes acompanhem o curso

Leia mais

ÍNDICE PATRONATO DE SANTO ANTÓNIO INTRODUÇÃO... 2 I - OPÇÕES E PRIORIDADES... 3

ÍNDICE PATRONATO DE SANTO ANTÓNIO INTRODUÇÃO... 2 I - OPÇÕES E PRIORIDADES... 3 ÍNDICE INTRODUÇÃO... 2 I - OPÇÕES E PRIORIDADES... 3 1.1. PRIORIDADES A NÍVEL DA ACTUAÇÃO EDUCATIVA... 4 1.2. PRIORIDADES A NÍVEL DO AMBIENTE EDUCATIVO... 4 II APRENDIZAGENS ESPECÍFICAS... 5 2.1. SENSIBILIZAÇÃO

Leia mais

PROGRAMA DO INTERNATO MÉDICO DE SAÚDE PÚBLICA

PROGRAMA DO INTERNATO MÉDICO DE SAÚDE PÚBLICA Coordenação do Internato Médico de Saúde Pública PROGRAMA DO INTERNATO MÉDICO DE SAÚDE PÚBLICA (Aprovado pela Portaria 47/2011, de 26 de Janeiro) Internato 2012/2016 ÍNDICE GERAL INTRODUÇÃO 1 1. DURAÇÃO

Leia mais

Manual de Avaliação dos alunos do pré-escolar ao 9º ano de escolaridade

Manual de Avaliação dos alunos do pré-escolar ao 9º ano de escolaridade Manual de Avaliação dos alunos do pré-escolar ao 9º ano de escolaridade Índice Nota Introdutória Legislação Conceitos/Glossário de termos Princípios Orientadores e finalidades Documentos Nota Introdutória:

Leia mais

Gestão da Qualidade NP EN ISO 9001:2008

Gestão da Qualidade NP EN ISO 9001:2008 Gestão da Qualidade A norma NP EN ISO 9001:2008 O que é a norma? É um conjunto de requisitos que uma organização tem de respeitar para implementar e manter eficazmente um Sistema de Gestão da Qualidade.

Leia mais

ANEXO III REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

ANEXO III REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO ANEXO III REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO Artigo 1.º Âmbito 1 - O presente regulamento de avaliação de desempenho aplica-se a todos os docentes que se encontrem integrados na carreira. 2 - A avaliação

Leia mais

DIMENSÃO DE CONSTRUÍDO

DIMENSÃO DE CONSTRUÍDO Ano letivo 2013-2014 Programa de Apoio à Avaliação do Sucesso Académico DIMENSÃO DE CONSTRUÍDO (Avaliação Formativa) REFERENCIAL IDENTIFICAÇÃO DA INSTITUIÇÃO ESCOLAR Agrupamento de Escolas D. Sancho I

Leia mais

PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE EDUCAÇÃO MORAL E CÍVICA

PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE EDUCAÇÃO MORAL E CÍVICA PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE EDUCAÇÃO MORAL E CÍVICA 11ª, 12ª e 13ª classes Formação de Professores do 1º Ciclo do Ensino Secundário Ficha Técnica TÍTULO: Programa de Metodologia do Ensino de Educação

Leia mais

Critérios de Avaliação Educação. Grupo Disciplinar de Educação Física 2014/2015

Critérios de Avaliação Educação. Grupo Disciplinar de Educação Física 2014/2015 Critérios de Avaliação Educação Física Cursos Regulares Grupo Disciplinar de Educação Física 2014/2015 1. Introdução Na procura da qualidade, torna-se evidente o papel essencial desempenhado pelas estruturas

Leia mais

Área de Intervenção IV: Qualidade de vida do idoso

Área de Intervenção IV: Qualidade de vida do idoso Área de Intervenção IV: Qualidade de vida do idoso 64 ÁREA DE INTERVENÇÃO IV: QUALIDADE DE VIDA DO IDOSO 1 Síntese do Problemas Prioritários Antes de serem apresentadas as estratégias e objectivos para

Leia mais

Características do texto Académico-Científico

Características do texto Académico-Científico Características do texto Académico-Científico Algumas noções breves Ana Leitão Mestre em Língua e Cultura Portuguesa Essencial para uma adequada indexação posterior em bases de dados; Nem muito abrangentes

Leia mais

Indicadores Gerais para a Avaliação Inclusiva

Indicadores Gerais para a Avaliação Inclusiva PROCESSO DE AVALIAÇÃO EM CONTEXTOS INCLUSIVOS PT Preâmbulo Indicadores Gerais para a Avaliação Inclusiva A avaliação inclusiva é uma abordagem à avaliação em ambientes inclusivos em que as políticas e

Leia mais

Relatório de Investigação da Escola julho 2015

Relatório de Investigação da Escola julho 2015 Microsoft Partners in Learning Relatório de Investigação da Escola julho 2015 Elaborado para julho 2015 Relatório do Estudo de Este relatório apresenta os resultados dos inquéritos à equipa diretiva e

Leia mais

Gestão da inovação A avaliação e a medição das actividades de IDI

Gestão da inovação A avaliação e a medição das actividades de IDI Gestão da inovação A avaliação e a medição das actividades de IDI Projecto GAPI 2.0 Universidade de Aveiro, 19 de Fevereiro de 2010 João M. Alves da Cunha Introdução Modelo de Interacções em cadeia Innovation

Leia mais

ECONTEXTO. Auditoria Ambiental e de Regularidade

ECONTEXTO. Auditoria Ambiental e de Regularidade Auditoria Ambiental e de Regularidade Organização Internacional das Entidades Fiscalizadoras Superiores - INTOSAI Grupo de Trabalho sobre Auditoria Ambiental - WGEA ECONTEXTO Este artigo é um resumo do

Leia mais

Observações. Referência Título / Campo de Aplicação Emissor Data de adoção

Observações. Referência Título / Campo de Aplicação Emissor Data de adoção NP 4239:1994 Bases para a quantificação dos custos da qualidade CT 80 1995-01-01 NP 4397:2008 Sistemas de gestão da segurança e saúde do trabalho. Requisitos CT 42 2008-12-31 NP 4410:2004 Sistemas de gestão

Leia mais

Observação das aulas Algumas indicações para observar as aulas

Observação das aulas Algumas indicações para observar as aulas Observação das aulas Algumas indicações para observar as aulas OBJECTVOS: Avaliar a capacidade do/a professor(a) de integrar esta abordagem nas actividades quotidianas. sso implicará igualmente uma descrição

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS Cód. 161007 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA MEALHADA DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO CENTRO Ano lectivo 2010-2011 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS A avaliação das crianças e dos alunos (de diagnóstico,

Leia mais

Gestão do Risco e da Qualidade no Desenvolvimento de Software

Gestão do Risco e da Qualidade no Desenvolvimento de Software Gestão do Risco e da Qualidade no Desenvolvimento de Software Questionário Taxinómico do Software Engineering Institute António Miguel 1. Constrangimentos do Projecto Os Constrangimentos ao Projecto referem-se

Leia mais

O que esperar do SVE KIT INFORMATIVO PARTE 1 O QUE ESPERAR DO SVE. Programa Juventude em Acção

O que esperar do SVE KIT INFORMATIVO PARTE 1 O QUE ESPERAR DO SVE. Programa Juventude em Acção O QUE ESPERAR DO SVE Programa Juventude em Acção KIT INFORMATIVO Parte 1 Maio de 2011 Introdução Este documento destina-se a voluntários e promotores envolvidos no SVE. Fornece informações claras a voluntários

Leia mais

ISO 9001:2000 - Gestão da Qualidade

ISO 9001:2000 - Gestão da Qualidade Publicação Nº 4-13 Janeiro 2010 ISO 9001:2000 - Gestão da Qualidade PONTOS DE INTERESSE: Estrutura Metodologia de Implementação São notórias as crescentes exigências do mercado no que toca a questões de

Leia mais

INOVAÇÃO PORTUGAL PROPOSTA DE PROGRAMA

INOVAÇÃO PORTUGAL PROPOSTA DE PROGRAMA INOVAÇÃO PORTUGAL PROPOSTA DE PROGRAMA FACTORES CRÍTICOS DE SUCESSO DE UMA POLÍTICA DE INTENSIFICAÇÃO DO PROCESSO DE INOVAÇÃO EMPRESARIAL EM PORTUGAL E POTENCIAÇÃO DOS SEUS RESULTADOS 0. EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIACÃO

CRITÉRIOS DE AVALIACÃO CRITÉRIOS DE AVALIACÃO Educação Visual 5º Ano Educação Visual 6º Ano Educação Tecnológica 5º Ano Educação Tecnológica 6º Ano ANO ESCOLAR 2015 / 2016 Ano letivo de 2015 / 2016 INTRODUÇÃO Sendo a avaliação

Leia mais

Observações. Referência Título / Campo de Aplicação Emissor Data de adoção

Observações. Referência Título / Campo de Aplicação Emissor Data de adoção NP 4239:1994 Bases para a quantificação dos custos da qualidade CT 80 1995-01-01 NP 4397:2008 Sistemas de gestão da segurança e saúde do trabalho. Requisitos CT 42 2008-12-31 NP 4410:2004 Sistemas de gestão

Leia mais

Os Conceitos Fundamentais da Excelência

Os Conceitos Fundamentais da Excelência Os Conceitos Fundamentais da Excelência Os Conceitos Fundamentais são princípios que estão subjacentes ao Modelo de Excelência e esboçam o alicerce da excelência organizacional. Alcançar Resultados Equilibrados

Leia mais

Planeamento Serviços Saúde

Planeamento Serviços Saúde Planeamento Serviços Saúde Estrutura Organizacional João Couto Departamento de Economia e Gestão Universidade dos Açores Objectivos Definição de estrutura organizacional. Descrever a configuração e as

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N 1 DE MARCO DE CANAVESES (150745) Plano de Ação de Melhoria

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N 1 DE MARCO DE CANAVESES (150745) Plano de Ação de Melhoria AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N 1 DE MARCO DE CANAVESES (150745) Plano de Ação de Melhoria 2015l2017 ÍNDICE ÍNDICE: INTRODUÇÃO... 3 ÁREAS DE AÇÃO DE MELHORIA.... 4 PLANOS DE AÇÃO DE MELHORIA.. 5 CONCLUSÃO...

Leia mais

Parte 1: Mainstreaming do HIV: O que é que isso significa?

Parte 1: Mainstreaming do HIV: O que é que isso significa? Parte 1: Mainstreaming do HIV: O que é que isso significa? 1 1.1 UMA RESPOSTA BI-DIMENSIONAL PARA O HIV O programa da CAFOD e as respostas para o HIV no local de trabalho se enquadram em dois tipos, que

Leia mais

Projecto de Lei n.º 54/X

Projecto de Lei n.º 54/X Projecto de Lei n.º 54/X Regula a organização de atribuição de graus académicos no Ensino Superior, em conformidade com o Processo de Bolonha, incluindo o Sistema Europeu de Créditos. Exposição de motivos

Leia mais

COMMON ASSESSMENT FRAMEWORK. Modelo de auto-avaliação para a melhoria da qualidade dos serviços públicos

COMMON ASSESSMENT FRAMEWORK. Modelo de auto-avaliação para a melhoria da qualidade dos serviços públicos CAF COMMON ASSESSMENT FRAMEWORK ESTRUTURA COMUM DE AVALIAÇÃO Modelo de auto-avaliação para a melhoria da qualidade dos serviços públicos Agenda OModeloCAF o que é; para que serve; vantagens; como surgiu;

Leia mais

Norma Interpretativa 2 Uso de Técnicas de Valor Presente para mensurar o Valor de Uso

Norma Interpretativa 2 Uso de Técnicas de Valor Presente para mensurar o Valor de Uso Norma Interpretativa 2 Uso de Técnicas de Valor Presente para mensurar o Valor de Uso Esta Norma Interpretativa decorre da NCRF 12 - Imparidade de Activos. Sempre que na presente norma existam remissões

Leia mais

Bilinguismo, aprendizagem do Português L2 e sucesso educativo na Escola Portuguesa

Bilinguismo, aprendizagem do Português L2 e sucesso educativo na Escola Portuguesa Bilinguismo, aprendizagem do Português L2 e sucesso educativo na Escola Portuguesa Projecto-piloto em desenvolvimento no ILTEC (Instituto de Linguística Teórica e Computacional) com financiamento e apoio

Leia mais

ISO 9001:2008. A International Organization for Standardization (ISO) publicou em 2008-11- 14 a nova edição da Norma ISO 9000:

ISO 9001:2008. A International Organization for Standardization (ISO) publicou em 2008-11- 14 a nova edição da Norma ISO 9000: A International Organization for Standardization (ISO) publicou em 2008-11- 14 a nova edição da Norma ISO 9000: ISO 9001:2008 Esta nova edição decorre do compromisso da ISO em rever e actualizar as Normas,

Leia mais

Referenciais da Qualidade

Referenciais da Qualidade 2008 Universidade da Madeira Grupo de Trabalho nº 4 Controlo da Qualidade Referenciais da Qualidade Raquel Sousa Vânia Joaquim Daniel Teixeira António Pedro Nunes 1 Índice 2 Introdução... 3 3 Referenciais

Leia mais

Escolher um programa de cuidados infantis

Escolher um programa de cuidados infantis Escolher um programa de cuidados infantis A escolha de um programa de cuidados infantis é uma opção muito pessoal para cada família. O melhor programa é aquele que mais tem a ver com a personalidade, gostos,

Leia mais

Gabinete de Apoio à Família

Gabinete de Apoio à Família Gabinete de Apoio à Família 1- Enquadramento do Projecto A freguesia de São Julião do Tojal, no concelho de Loures, é caracterizada por uma complexidade de problemas inerentes ao funcionamento da família.

Leia mais

X CONGRESSO DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS. 1.ª Sessão Supervisão do sistema financeiro

X CONGRESSO DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS. 1.ª Sessão Supervisão do sistema financeiro X CONGRESSO DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS 1.ª Sessão Supervisão do sistema financeiro Permitam-me uma primeira palavra para agradecer à Ordem dos Revisores Oficiais de Contas pelo amável convite que

Leia mais

NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO

NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO NIP: Nº DO RELATÓRIO: DENOMINAÇÃO DA EMPRESA: EQUIPA AUDITORA (EA): DATA DA VISITA PRÉVIA: DATA DA AUDITORIA: AUDITORIA DE: CONCESSÃO SEGUIMENTO ACOMPANHAMENTO

Leia mais

2.3.3.1 Diagnóstico Simples e exemplo prático: Passo 2: Teste prático sobre as Forças e Fraquezas de uma empresa 1 Exemplo Prático 2 :

2.3.3.1 Diagnóstico Simples e exemplo prático: Passo 2: Teste prático sobre as Forças e Fraquezas de uma empresa 1 Exemplo Prático 2 : 2.3.3.1 Diagnóstico Simples e exemplo prático: Passo 2: Teste prático sobre as Forças e Fraquezas de uma empresa 1 Exemplo Prático 2 : 1. Consciência Refere-se à capacidade dos gestores da empresa em reconhecer

Leia mais

Resolução da Assembleia da República n.º 64/98 Convenção n.º 162 da Organização Internacional do Trabalho, sobre a segurança na utilização do amianto.

Resolução da Assembleia da República n.º 64/98 Convenção n.º 162 da Organização Internacional do Trabalho, sobre a segurança na utilização do amianto. Resolução da Assembleia da República n.º 64/98 Convenção n.º 162 da Organização Internacional do Trabalho, sobre a segurança na utilização do amianto. Aprova, para ratificação, a Convenção n.º 162 da Organização

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEISDA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEISDA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEISDA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA 2013/01 a 2013/02 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. Diagnóstico

Leia mais

formativa e das atividades de ensino e de aprendizagem nela desenvolvidas;

formativa e das atividades de ensino e de aprendizagem nela desenvolvidas; Índice 1- ENQUADRAMENTO... 2 2- METODOLOGIA... 3 3- INSTRUMENTOS... 4 3.1. Ficha da unidade curricular... 4 3.2. Inquéritos de apreciação ensino/aprendizagem... 4 3.3. Formulários... 4 3.4. Dossiers...

Leia mais

MESTRADO EM PSICOLOGIA SOCIAL E DAS ORGANIZAÇÕES GUIA DE ORGANIZAÇÃO E DE FUNCIONAMENTO DOS ESTÁGIOS

MESTRADO EM PSICOLOGIA SOCIAL E DAS ORGANIZAÇÕES GUIA DE ORGANIZAÇÃO E DE FUNCIONAMENTO DOS ESTÁGIOS INSTI INSTUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS DO TRABALHO E DA EMPRESA DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA SOCIAL E DAS ORGANIZAÇÕES MESTRADO EM PSICOLOGIA SOCIAL E DAS ORGANIZAÇÕES GUIA DE ORGANIZAÇÃO E DE FUNCIONAMENTO

Leia mais

CURSO DE GESTÃO BANCÁRIA

CURSO DE GESTÃO BANCÁRIA CURSO DE GESTÃO BANCÁRIA PLANO CURRICULAR A análise referente ao Programa de Ensino e, em particular ao conteúdo do actual Plano de Estudos (ponto 3.3. do Relatório), merece-nos os seguintes comentários:

Leia mais

Curso de Especialização Tecnológica em Aplicações Informáticas de Gestão (CET-AIG)

Curso de Especialização Tecnológica em Aplicações Informáticas de Gestão (CET-AIG) Curso de Especialização Tecnológica em Aplicações Informáticas de Gestão (CET-AIG) 1. Plano Curricular do curso O curso de especialização tecnológica em Aplicações Informáticas de Gestão integra as componentes

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA RCTS

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA RCTS POLÍTICA DE SEGURANÇA DA RCTS ACTA DA REUNIÃO Nº 1 Data: 27/01/2011 10:00 Ordem de trabalhos: Ponto um: Enquadramento do trabalho a desenvolver neste grupo Ponto dois: Definição do âmbito da política de

Leia mais

OGFI 2015 Group Project BAI07 Primeiro Relatório

OGFI 2015 Group Project BAI07 Primeiro Relatório Primeiro Relatório 62473 Pedro Vasconcelos 63563 Francisco Ferreira 73440 Filipe Correia 74211 Carolina Ferreirinha 82665 Nkusu Quivuna Sumário Este documento é o primeiro relatório de um projeto de análise

Leia mais

DESENVOLVER E GERIR COMPETÊNCIAS EM CONTEXTO DE MUDANÇA (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Julho/Agosto 2004)

DESENVOLVER E GERIR COMPETÊNCIAS EM CONTEXTO DE MUDANÇA (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Julho/Agosto 2004) DESENVOLVER E GERIR COMPETÊNCIAS EM CONTEXTO DE MUDANÇA (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Julho/Agosto 2004) por Mónica Montenegro, Coordenadora da área de Recursos Humanos do MBA em Hotelaria e

Leia mais

Jornal Oficial da União Europeia

Jornal Oficial da União Europeia 6.2.2003 L 31/3 REGULAMENTO (CE) N. o 223/2003 DA COMISSÃO de 5 de Fevereiro de 2003 que diz respeito aos requisitos em matéria de rotulagem relacionados com o modo de produção biológico aplicáveis aos

Leia mais

FORMULÁRIO E RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE

FORMULÁRIO E RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO FORMULÁRIO E RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE IDENTIFICAÇÃO Unidade Orgânica: Docente avaliado: Departamento

Leia mais

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000 ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário Gestão da Qualidade 2005 1 As Normas da família ISO 9000 ISO 9000 descreve os fundamentos de sistemas de gestão da qualidade e especifica

Leia mais

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio Página 1 NORMA ISO 14004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio (votação 10/02/96. Rev.1) 0. INTRODUÇÃO 0.1 Resumo geral 0.2 Benefícios de se ter um Sistema

Leia mais

CAPÍTULO 25 COERÊNCIA REGULATÓRIA

CAPÍTULO 25 COERÊNCIA REGULATÓRIA CAPÍTULO 25 COERÊNCIA REGULATÓRIA Artigo 25.1: Definições Para efeito deste Capítulo: medida regulatória coberta significa a medida regulatória determinada por cada Parte a ser objeto deste Capítulo nos

Leia mais

XI Mestrado em Gestão do Desporto

XI Mestrado em Gestão do Desporto 2 7 Recursos Humanos XI Mestrado em Gestão do Desporto Gestão das Organizações Desportivas Módulo de Gestão de Recursos Rui Claudino FEVEREIRO, 28 2 8 INDÍCE DOCUMENTO ORIENTADOR Âmbito Objectivos Organização

Leia mais

SISTEMA DE ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO DE ESTÁGIO (Art.º 22.º do Regulamento de Estágio, publicado no Diário da República de 9 de Fevereiro de 2010)

SISTEMA DE ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO DE ESTÁGIO (Art.º 22.º do Regulamento de Estágio, publicado no Diário da República de 9 de Fevereiro de 2010) SISTEMA DE ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO DE ESTÁGIO (Art.º 22.º do Regulamento de Estágio, publicado no Diário da República de 9 de Fevereiro de 2010) 1 SISTEMA DE ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO DE ESTÁGIO (Artigo

Leia mais

Revisão da ISO 9001:2015. Fernanda Spinassi

Revisão da ISO 9001:2015. Fernanda Spinassi Revisão da ISO 9001:2015 Fernanda Spinassi Requisito 4 Contexto da Organização Está mais claramente definida a obrigação de monitorar e analisar criticamente as questões externas e internas da organização

Leia mais

Apresentação do Manual de Gestão de IDI

Apresentação do Manual de Gestão de IDI Seminário Final do Projeto IDI&DNP Coimbra 31 de março Miguel Carnide - SPI Conteúdos. 1. O CONCEITO DE IDI (INVESTIGAÇÃO, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO) 2. OVERVIEW DO MANUAL 3. A NORMA NP 4457:2007 4. A

Leia mais

INDAGAR E REFLECTIR PARA MELHORAR. Elisabete Paula Coelho Cardoso Escola de Engenharia - Universidade do Minho elisabete@dsi.uminho.

INDAGAR E REFLECTIR PARA MELHORAR. Elisabete Paula Coelho Cardoso Escola de Engenharia - Universidade do Minho elisabete@dsi.uminho. INDAGAR E REFLECTIR PARA MELHORAR Elisabete Paula Coelho Cardoso Escola de Engenharia - Universidade do Minho elisabete@dsi.uminho.pt Este trabalho tem como objectivo descrever uma experiência pedagógica

Leia mais

AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: instrumento norteador efetivo de investimentos da IES

AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: instrumento norteador efetivo de investimentos da IES 152 AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: instrumento norteador efetivo de investimentos da IES Silvana Alves Macedo 1 Reginaldo de Oliveira Nunes 2 RESUMO O processo da Auto-Avaliação Institucional ainda é um

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO DAS FICHAS DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOS GRUPOS PROFISSIONAIS: TÉCNICO SUPERIOR E TÉCNICO, TÉCNICO PROFISSIONAL E ADMINISTRATIVO, OPERÁRIO E AUXILIAR ELEMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO:

Leia mais

COMPETÊNCIAS A DESENVOLVER

COMPETÊNCIAS A DESENVOLVER DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS GRUPO DE DOCÊNCIA 330 INGLÊS E ALEMÃO 2008/2009 Na aprendizagem de uma língua é fundamental dar ênfase ao desenvolvimento equilibrado das capacidades Ouvir-Falar-Ler-Escrever e

Leia mais

REACH A legislação mais ambiciosa do mundo em matéria de produtos químicos

REACH A legislação mais ambiciosa do mundo em matéria de produtos químicos Ref.: ECHA-09-L-14-PT Data: Outubro de 2009 Idioma: Português REACH A legislação mais ambiciosa do mundo em matéria de produtos químicos O ambicioso projecto de introduzir na Europa a gestão de substâncias

Leia mais

PARECER CE N.º 256 / 2010

PARECER CE N.º 256 / 2010 PARECER CE N.º 256 / 2010 ASSUNTO: Formação de Supervisores Clínicos em Prática Tutelada em Enfermagem O CE ADOPTA NA ÍNTEGRA O PARECER Nº 79 / 2010 / COMISSÃO DE FORMAÇÃO 1. Enquadramento O Modelo de

Leia mais

3 Qualidade de Software

3 Qualidade de Software 3 Qualidade de Software Este capítulo tem como objetivo esclarecer conceitos relacionados à qualidade de software; conceitos estes muito importantes para o entendimento do presente trabalho, cujo objetivo

Leia mais

NCE/14/01786 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/14/01786 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/14/01786 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade De Évora A.1.a. Outra(s)

Leia mais

LISTA DE VERIFICAÇAO DO SISTEMA DE GESTAO DA QUALIDADE

LISTA DE VERIFICAÇAO DO SISTEMA DE GESTAO DA QUALIDADE Questionamento a alta direção: 1. Quais os objetivos e metas da organização? 2. quais os principais Produtos e/ou serviços da organização? 3. Qual o escopo da certificação? 4. qual é a Visão e Missão?

Leia mais

3. ORIENTAÇÃO OPERACIONAL. 3.1 Organização e equipa

3. ORIENTAÇÃO OPERACIONAL. 3.1 Organização e equipa transferência comuns. No que toca à rede regional, a cooperação já foi iniciada há algum tempo com o projecto do Sistema Regional de Transferência e Tecnologia que está em curso. No âmbito da rede este

Leia mais

UNIÃO EDUCACIONAL DO NORTE UNINORTE AUTOR (ES) AUTOR (ES) TÍTULO DO PROJETO

UNIÃO EDUCACIONAL DO NORTE UNINORTE AUTOR (ES) AUTOR (ES) TÍTULO DO PROJETO UNIÃO EDUCACIONAL DO NORTE UNINORTE AUTOR (ES) AUTOR (ES) TÍTULO DO PROJETO RIO BRANCO Ano AUTOR (ES) AUTOR (ES) TÍTULO DO PROJETO Pré-Projeto de Pesquisa apresentado como exigência no processo de seleção

Leia mais

Módulo 9 A Avaliação de Desempenho faz parte do subsistema de aplicação de recursos humanos.

Módulo 9 A Avaliação de Desempenho faz parte do subsistema de aplicação de recursos humanos. Módulo 9 A Avaliação de Desempenho faz parte do subsistema de aplicação de recursos humanos. 9.1 Explicações iniciais A avaliação é algo que faz parte de nossas vidas, mesmo antes de nascermos, se não

Leia mais

Conclusão. OS ESTUDANTES E OS SEUS TRAJECTOS NO ENSINO SUPERIOR: Sucesso e Insucesso, Factores e Processos, Promoção de Boas Práticas RELATÓRIO FINAL

Conclusão. OS ESTUDANTES E OS SEUS TRAJECTOS NO ENSINO SUPERIOR: Sucesso e Insucesso, Factores e Processos, Promoção de Boas Práticas RELATÓRIO FINAL Conclusão OS ESTUDANTES E OS SEUS TRAJECTOS NO ENSINO SUPERIOR: Sucesso e Insucesso, Factores e Processos, Promoção de Boas Práticas RELATÓRIO FINAL António Firmino da Costa João Teixeira Lopes (coordenadores)

Leia mais

Resolução de Vilnius: melhores escolas, escolas mais saudáveis - 17 de Junho de 2009

Resolução de Vilnius: melhores escolas, escolas mais saudáveis - 17 de Junho de 2009 Resolução de Vilnius: melhores escolas, escolas mais saudáveis - 17 de Junho de 2009 Introdução Educação e Saúde partilham os mesmos objectivos. Objectivos comuns permitem que as escolas se transformem

Leia mais

ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO

ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO E DOS EDUCADORES DE INFÂNCIA Considerando a vontade comum do

Leia mais

Correntes de Participação e Critérios da Aliança Global Wycliffe [Versão de 9 de maio de 2015]

Correntes de Participação e Critérios da Aliança Global Wycliffe [Versão de 9 de maio de 2015] Correntes de Participação e Critérios da Aliança Global Wycliffe [Versão de 9 de maio de 2015] Introdução As Organizações da Aliança Global Wycliffe desejam expressar a unidade e a diversidade do Corpo

Leia mais

ASSUNTO: Processo de Auto-avaliação da Adequação do Capital Interno (ICAAP)

ASSUNTO: Processo de Auto-avaliação da Adequação do Capital Interno (ICAAP) Manual de Instruções do Banco de Portugal Instrução nº 15/2007 ASSUNTO: Processo de Auto-avaliação da Adequação do Capital Interno (ICAAP) A avaliação e a determinação com rigor do nível de capital interno

Leia mais

THEKA Gestão das Colecções

THEKA Gestão das Colecções THEKA Gestão das Colecções Manuela Silva Fevereiro 2007 THEKA Plano da sessão 1 A biblioteca Escolar e a sociedade da informação 1.1. Questões prévias - reflexão 2 A colecção na biblioteca escolar 2.1.

Leia mais

31.5.2008 Jornal Oficial da União Europeia L 141/5

31.5.2008 Jornal Oficial da União Europeia L 141/5 31.5.2008 Jornal Oficial da União Europeia L 141/5 REGULAMENTO (CE) N. o 482/2008 DA COMISSÃO de 30 de Maio de 2008 que estabelece um sistema de garantia de segurança do software, a aplicar pelos prestadores

Leia mais