CENTRO UNIVERSITÁRIO RITTER DOS REIS FACULDADE DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO JOÃO CARLOS ZIMMERMANN

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CENTRO UNIVERSITÁRIO RITTER DOS REIS FACULDADE DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO JOÃO CARLOS ZIMMERMANN"

Transcrição

1 CENTRO UNIVERSITÁRIO RITTER DOS REIS FACULDADE DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO JOÃO CARLOS ZIMMERMANN DESENVOLVIMENTO DE JOGOS PARA CELULARES PROJETO DE CONCLUSÃO DE CURSO PORTO ALEGRE 2006

2 CENTRO UNIVERSITÁRIO RITTER DOS REIS FACULDADE DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO JOÃO CARLOS ZIMMERMANN DESENVOLVIMENTO DE JOGOS PARA CELULARES Projeto Final de Curso, como requisito para obtenção do grau em Sistemas de Informação, no Centro Universitário Ritter dos Reis, sob a orientação da professora Silvia de Castro Bertagnolli. PORTO ALEGRE

3 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO MOTIVAÇÃO OBJETIVOS Objetivo Geral Objetivos Específicos ORGANIZAÇÃO DO TEXTO DESENVOLVIMENTO ÁGIL SCRUM FEATURE DRIVEN DEVELOPMENT CRYSTAL DYNAMIC SYSTEM DEVELOPMENT METHOD EXTREME PROGRAMMING RUP (RATIONAL UNIFIED PROCESS) TECNOLOGIAS PARA DESENVOLVIMENTO DE JOGOS BREW FLASH LITE J2ME DISPOSITIVOS MÓVEIS Comunicação de celulares DESENVOLVIMENTO DE JOGOS CLASSIFICAÇÕES DE JOGOS ELEMENTOS DE UM JOGO SOLUÇÃO ELABORADA CONTEXTUALIZAÇÃO DO JOGO ANÁLISE E ESPECIFICAÇÃO DOS REQUISITOS ANÁLISE E PROJETO DO JOGO Classe Aqua Classe Engine Floor Historia Mapas Menu Toxicman UIFont Warrior IMPLEMENTAÇÃO RESULTADOS ELEMENTOS PRINCIPAIS DO JOGO PERSONAGENS DO JOGO FASES E CENÁRIOS OS PROBLEMAS JOGOS - TESTES REALIZADOS Jogo Singleplayer 2D de Tipo Arcade Jogo de Corrida 2D Multiplayer Utilizando Bluetooth Jogo 2D Tipo RPG Estilo Livro-jogo CONCLUSÕES REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

4 LISTA DE SIGLAS E ABREVIAÇÕES API BREW CDC CLDC DSDM FDD HTTP J2ME JCP JVM MIDP MMS PDA PNG RUP SMS XML XP Aplication Programing Interface Binary Runtime Environment for Wireless Conected Device Configuration Conected Limited Device Configuration Dynamic System Development Method Feature Driven Development Hyper Text Transfer Protocol Java 2 Micro Edition Java Comunity Process Java Virtual Machine Mobile Information Device Profile Multimedia Messaging Service Personal Digital Assistents Portable Network Graphics Rational Unified Process Short Message Service Extensible Markup Language extreme Programming 4

5 LISTA DE FIGURAS E QUADROS FIGURA 1 DIAGRAMAS DA UML USADOS PARA MODELAGEM VISUAL FIGURA 2 ITERAÇÕES NO RUP FIGURA 3 ORGANIZAÇÃO DO RUP FIGURA 4 EXEMPLOS DE INTERFACES GRÁFICAS COM FLASH LITE FIGURA 5 MÁQUINAS VIRTUAIS JAVA FIGURA 6 GAME API FIGURA 7 CÉLULAS E RÁDIO BASES FIGURA 8 MODELOS DE CELULARES FIGURA 9 JOGO 3D: PRIMEIRA PESSOA FIGURA 10 JOGO 3D: TERCEIRA PESSOA FIGURA 11 JOGO 2D FIGURA 12 IMAGEM SIMPLES FIGURA 13 - IMAGEM COMPOSTA FIGURA 14 CASO DE USO DO JOGADOR QUADRO 1 CASO DE USO ESSENCIAL CRIAR NOVO JOGO QUADRO 2 CASO DE USO ESSENCIAL PAUSAR JOGO QUADRO 3 CASO DE USO ESSENCIAL CONTINUAR JOGO QUADRO 4 CASO DE USO ESSENCIAL SAIR DO JOGO FIGURA 15 DIAGRAMA DE CASO DE USO DO AVATAR QUADRO 5 CASO DE USO ESSENCIAL PULAR QUADRO 6 CASO DE USO ESSENCIAL PULAR QUADRO 7 CASO DE USO ESSENCIAL PULAR FIGURA 16 DIAGRAMA DE CLASSES FIGURA 17 JOGO EXECUTANDO FIGURA 18 MARCADOR DE ÁGUA FIGURA 19 PERSONAGEM PRINCIPAL ATACANDO INIMIGOS FIGURA 20 INIMIGOS E RESÍDUOS TÓXICOS FIGURA 21 MENSAGEM DE FINALIZAÇÃO FIGURA 22 FONTE DE ÁGUA FIGURA 23 PERSONAGEM PRINCIPAL FIGURA 24 PERSONAGEM ONDINA FIGURA 25 HOMEM TÓXICO FIGURA 26 GOLEM DE LAVA FIGURA 27 FASE FIGURA 28 FASE FIGURA 29 MARCANDO TÉRMINO DE FASE FIGURA 30 FASE

6 1 INTRODUÇÃO 1.1 Motivação Este trabalho tem como motivação principal estabelecer um conjunto de regras exemplificando e mostrando os passos para a criação de jogos para celulares. Isso é necessário porque, após uma breve análise da literatura, foi encontrado um número reduzido de trabalhos, tanto na área de dispositivos móveis (celulares, PDA s Personal Digital Assistant ) como para o desenvolvimento de jogos. Outra motivação compreende a dificuldade de criação de aplicativos genéricos, ou seja, que funcionem em todos os tipos de celulares disponíveis no mercado. Isso se deve a alguns fatores, tais como com um conjunto em comum de características, como tamanho de tela e cores. Para escrever um aplicativo genérico ainda existe um problema a ser resolvido, pois os celulares não possuem um padrão que aborde todos os aspectos da KVM (K Virtual Machine, a sigla utiliza o K, pois, esta implementação da máquina virtual do Java utiliza apenas alguns kilobytes para executar), tais como: implementação de imagens executadas de formas diferentes, alguns dispositivos fazem por hardware e outros por software. Existe também a implementação das teclas de softkeys e joysticks, as quais não possuem padronização, pois cada companhia de celular coloca para cada tecla um código da KVM diferente. Encontram-se ainda outras dificuldades a serem vencidas, tais como processamento reduzido, espaço de armazenamento extremamente limitado em muitos aparelhos. Alguns aparelhos têm a limitação estendida, pois utilizam cartões 6

7 de memória, ainda assim eles só podem utilizar um cartão de memória por vez o que resulta em no máximo 1 GB de espaço em disco. A próxima seção apresenta o objetivo geral e os específicos utilizados para o desenvolvimento deste trabalho. 1.2 Objetivos Objetivo Geral O objetivo geral do projeto é o desenvolvimento de um jogo para celular onde o processo resulte em algumas regras para a criação de jogos. O jogo desenvolvido irá demonstrar como estas regras podem ser aplicadas explorando alguns caminhos possíveis Objetivos Específicos Como objetivos específicos para este trabalho, propõem-se: 1. estudo de plataformas móveis (hardware e software); 2. estudo de notações para modelagem de software; 3. estudo de processos para desenvolvimento de software; 4. estudo de uma linguagem de programação para celular; 5. modelagem do jogo proposto; 6. construção do jogo; 7. estabelecimento de um conjunto de regras de desenvolvimento. 7

8 1.3 Organização do Texto O texto do trabalho encontra-se organizado como segue: Capítulo 2 apresenta os conceitos (processos ágeis) relacionados com o desenvolvimento ágil e introduz conceitos chave relacionados com o método de desenvolvimento XP (extreme Programming); Capítulo 3 aborda o processo de desenvolvimento RUP (Rational Unified Process), o qual descreve os principais conceitos e fases; Capítulo 4 apresenta as principais tecnologias para o desenvolvimento de jogos, uma abordagem geral sobre esse tema, além de realizar uma introdução às principais classificações e características de alguns dispositivos móveis; Capítulo 5 descreve, brevemente, aspectos e classificações fundamentais relacionadas ao desenvolvimento de jogos; Capítulo 6 descreve a solução elaborada, em detalhes, bem como alguns elementos considerados pertinentes ao trabalho; Capítulo 7 apresenta os resultados obtidos com a aplicação do trabalho; Capítulo 8 descreve algumas das conclusões obtidas com o desenvolvimento do trabalho. 8

9 2 DESENVOLVIMENTO ÁGIL Estamos descobrindo maneiras melhores de se desenvolver software, aplicando-as e ajudado outros a aplicá-las. Deste trabalho, nós valorizamos: 1. Indivíduos e interações mais que processos e ferramentas; 2. Software em funcionamento mais que documentação abrangente; 3. Colaboração do cliente mais que negociação contratual; 4. Responder as mudanças mais que seguir um plano. Isto é, embora tenham valor os itens da direita nós valorizamos mais os itens da esquerda. (Beck, 2001) No início da década de 80, os processos de desenvolvimento de software começaram a ser muito utilizados, pois, havia uma necessidade de organização do processo criação e descrição para futuras mudanças ou manutenabilidade do software. Essa foi uma tentativa de tornar a criação de software mais previsível e eficiente. Nessa época, existia pouco planejamento e organização, o que acarretava um trabalho extremamente repetitivo e desnecessário, sendo que até mesmo os erros eram repetidos. Os programas possuíam um número excessivo de erros e a manutentabilidade praticamente inexistia, porque era mais fácil começar o projeto do zero em alguns casos do que dar manutenção no código (Santos, 2006). Estes primeiros processos de desenvolvimento de software focalizavam-se no planejamento e em como seguí-lo. As pessoas envolvidas no projeto não eram relevantes, além disso, eles não ofereciam espaço para mudanças fazendo com que o processo ficasse muito burocrático e lento. Isso ocorria porque eles exigiam a criação de muitos documentos, desde antes do início do projeto, e a documentação 9

10 exigida para mudanças (trocas de funcionalidades ou a inclusão das mesmas) era também demasiadamente abusiva (Santos, 2006). Neste contexto, mais político do que produtivo, surgiu como resposta o desenvolvimento ágil, o qual determinou uma nova forma de criação, mais flexível e fácil de utilizar, pois ele induz respostas rápidas às mudanças de contexto e funcionalidades ao contrário dos métodos antigos (Santos, 2006). No desenvolvimento ágil, novas soluções começaram a serem criadas e testadas baseadas em processos mais ágeis, leves e menos rígidos e que produzissem uma documentação mais concisa, direcionada para a qualidade do código, ciclos de iteração e intensa colaboração entre cliente e equipe de desenvolvimento (Santos, 2006). Uma das características fundamentais deste tipo de processo é o comprometimento com as mudanças (rápida adaptação a novos requisitos ou a mudanças dos mesmos), tornando o processo ágil altamente adaptativo. Para garantir isto ele foi fundamentado em um ciclo de vida iterativo e incremental (Santos, 2006). Outra das suas características seria o foco nas pessoas, onde as pessoas são extremamente valorizadas e reconhecidas por fazerem à diferença em um projeto, pois são elas que dizem se o software foi um total sucesso ou um completo fracasso. Nos processos tradicionais, as pessoas utilizam as ferramentas definidas no início do projeto e ficam presas a elas utilizando-as com pouco ou nenhum benefício. Já nos métodos ágeis, existe a tentativa de se criar um ambiente de colaboração e de troca de informações, onde as ferramentas podem ser alteradas dependendo das pessoas e da forma com a qual elas irão ter uma produção muito superior (Santos, 2006). 10

11 O foco nas pessoas contém outro ponto importante que é o envolvimento do cliente no projeto, pois o projeto é para o cliente e ele vai determinar o sucesso do resultado final, ou o seu fracasso. Os processos ágeis visam estimular a participação das pessoas no projeto durante o processo de criação, momento em que sempre estarão sendo adicionadas informações, benefícios ou mudanças como a troca de funcionalidades prioritárias e correção de código (Santos, 2006). Os métodos ágeis por sua vez questionam a criação excessiva de documentação e apóiam a utilização apenas dos artefatos necessários. Dentre os processos ágeis mais difundidos, hoje, têm-se (Santos, 2006): o Scrum, o Feature Driven Development (FDD), o Crystal, Dynamic System Development Method (DSDM) e o extreme Programming (XP), conforme apresentam as próximas seções. 2.1 Scrum Segundo Krebs (2005), o Scrum é um conjunto de técnicas para gerenciar qualquer tipo de projeto baseado em modelos iterativos de desenvolvimento, além de definir um conjunto de práticas para planejar o acompanhamento e a medição desse tipo de projeto. No Scrum, as funcionalidades a serem implementadas ficam em um repositório chamado de product blacklog, este é criado com um conjunto de funcionalidades, as quais podem sofrer alterações durante o projeto (atualizações ou incorporar novas funcionalidades). Nele, cada iteração possui trinta dias e é chamado de sprint, onde no início de cada ciclo há uma reunião chamada sprint planning meeting, onde serão definidas 11

12 as funcionalidades que serão implementas naquele ciclo de acordo com a prioridade atribuída pelo cliente (product owner). A cada fim de iteração existe uma nova reunião (review sprint meeting), para que as funcionalidades, já implementadas, sejam apresentadas e revisadas. Outra característica do Scrum é que todo dia há uma reunião rápida, de mais ou menos quinze minutos, para atualizar a equipe sobre o andamento do projeto. 2.2 Feature Driven Development O FDD é um processo iterativo voltado a features (outro nome para as funcionalidades e as características do sistema), que utiliza iterações de duas semanas, código proprietário e modelagem antes do início de cada ciclo (FDD, 2006, Santos,2006). Este processo encontra-se dividido em cinco atividades: (i) desenvolvimento de um modelo geral, (ii) construção de uma lista de features, (iii) planejamento por feature, (iv) projetar por feature, (v) construção por feature. A equipe de trabalho produz um modelo geral do domínio utilizando diagramas de classes da UML. Após a finalização dos mesmos, eles são integrados em um único diagrama. Após, é criada a lista de features a partir dos modelos de domínio e novas features podem vir a ser adicionadas, conforme as necessidades do cliente. A feature é projetada usando-se o modelo de classes do domínio e criando-se um diagrama de seqüência UML detalhado (FDD, 2006, Santos, 2006). A feature, então, é construída e testada pelos desenvolvedores para serem entregues. Por fim, é feita a priorização e a estimação de tempo para a implementação de cada feature, e elas são agrupadas nos features sets conforme suas finalidades. 12

13 No FDD, existem os Chief Programmers (CP) que coordenam a implementação das features e os Class Owners (CO) que são responsáveis por um conjunto de classes e criam os métodos necessários para a implementação das features. 2.3 Crystal O Crystal (Crystal, 2006, Santos, 2006) é um conjunto de processos, onde o idealizador pensa que cada projeto precisa de um processo específico. Assim, foram definidos conjuntos de processos para funcionarem como ponto de partida, os quais devem ser escolhidos e adaptados conforme a necessidade da equipe. A escolha do processo depende do número de pessoas envolvidas no projeto e a probabilidade de ocorrerem riscos no projeto. A família de métodos Crystal é formada pelos processos Crystal Clear, Crystal Amarelo, Crystal Laranja, Crystal Vermelho, Crystal Marrom, Crystal Azul e Crystal Violeta, onde o Crystal clear é o mais ágil de todos e define um número mínimo de elementos para o processo funcionar. Para cada outro processo são adicionados alguns elementos para suportar equipes maiores. Apesar das diferenças existentes eles compartilham um conjunto de princípios, tais como entregas freqüentes, melhoria por reflexão e comunicação. 13

14 2.4 Dynamic System Development Method Um projeto para ser desenvolvido utilizando DSDM (DSDM, 2006, Santos, 2006) deve iniciar fazendo um estudo de viabilidade para verificar se o processo é adequado para o projeto. Após, é realizado um estudo de negócio para a definição do escopo, da visão geral da arquitetura e do plano de projeto. O processo possui, ainda, três fases iterativas: (i) iteração de modelagem funcional (levantamento dos requisitos, funcionais e não funcionais, e criação dos protótipos para o melhor entendimento); (ii) iteração de projeto e construção (os protótipos são refinados e evoluídos para se tornarem o produto em si) e (iii) implementação (passagem do produto para o ambiente de produção, treinamento dos usuários e preparação da infra-estrutura). Além das fases iterativas ele possui alguns princípios dentre os quais os mais importantes são: envolvimento ativo dos usuários, equipe de desenvolvimento com poder de decisão, entregas freqüentes, adequações aos propósitos de negócio, desenvolvimento iterativo e incremental, colaboração e cooperação entre todos os envolvidos. Outro modelo ágil muito utilizado é o extreme Programming (XP) foi criado por Kent Beck durante o desenvolvimento de um sistema de folha de pagamento. Este processo é constituído por valores e práticas que devem guiar o desenvolvedor. Dentre os processos ágeis enumerados anteriormente, pretende-se utilizar alguns aspectos deste último, o XP, ele será descrito com mais detalhes na próxima seção. 14

15 2.5 Extreme Programming O objetivo do extreme Programming (XP) é a criação de um software com qualidade, produzido através de um processo de desenvolvimento simples e ágil. O XP é fundamentado em práticas e valores (XP, 2006). As práticas adotadas pelo XP compreendem: cliente sempre disponível, utilização de metáforas, jogo do planejamento, pequenas versões, testes de aceitação, testes em primeiro lugar (Test First Design), integração contínua (Continuous Integration), simplicidade de projeto, refatoração, programação em pares (Pair Programming), rodízio de pessoas (Move People Around), padronização do código, otimização das jornadas de trabalho (40 Hour Week) (XP, 2006). Dentre as práticas do XP, acima citadas, apenas algumas serão utilizadas neste trabalho. Isso se deve ao fato de que somente essas se enquadram no escopo e nas necessidades do mesmo, são elas (XP, 2006): 1. cliente sempre disponível (Customer is Always Available) - o cliente sempre está disponível para esclarecer dúvidas, colaborar com eventuais alterações e prioridades do projeto. Isso permite um alto dinamismo e uma troca de informações muito acentuada entre a equipe de desenvolvimento e o cliente; 2. jogo do planejamento são realizadas reuniões constantes entre o cliente e os desenvolvedores, que visam o entendimento das "user stories", ou seja, as estórias do usuário no uso do sistema. Essas estórias têm o objetivo de explicar e exemplificar as regras de negócio do sistema, bem como as suas funcionalidades; 15

16 3. liberação de pequenas versões (Small Releases) - conforme são concluídos algumas versões do software solicitado, o cliente recebe versões do sistema com partes funcionais, tanto para que ele acompanhe o andamento do projeto, como para que auxilie na sua validação; 4. teste de aceitação (Acceptance Tests) - são definidos pelo cliente na fase inicial do projeto e são os critérios de aceitação do software. Esses testes de aceitação são utilizados para verificar se o sistema desenvolvido atingiu os resultados esperados; 5. refatoração (refactoring) - toda nova funcionalidade adicionada ao códigofonte é revisada em busca de melhorias, ou apenas da sua simplificação; 6. padronização de código (Coding Standards) - o código deve ser desenvolvido seguindo um padrão definido pela equipe. Isso serve para evitar confusões e possíveis erros no CVS (Concurrent Versions System) da equipe. Além das práticas, esta técnica de desenvolvimento costuma fundamentar-se em alguns valores, os quais compreendem: comunicação: alguém que já conhece o problema e sabe como resolvê-lo guia a comunicação, que é a melhor forma de se difundir o conhecimento; simplicidade: manter o sistema simples apenas com as funcionalidades e os problemas prioritários; feedback: a resposta do cliente é melhor forma de saber se o sistema está tomando a direção correta. Informar o cliente sobre como está o andamento do projeto é melhor forma dele tomar conhecimento do andamento do projeto. Assim, o cliente torna-se mais confiante, pois está participando efetivamente da criação do mesmo; 16

17 coragem: o cliente, conforme o andamento do projeto, descobre e aprende coisas novas na interação com a equipe de desenvolvimento. Logo, mudanças irão surgir e novas prioridades também. Desse modo, é necessária coragem para mudar o que já estava funcionando, ou seja, para que o sistema fique melhor deve-se correr o risco de que o sistema pare de funcionar. Além do XP, alguns desenvolvedores costumam utilizar o processo de desenvolvimento unificado, denominado RUP, conforme apresenta o próximo capítulo. 17

18 3 RUP (RATIONAL UNIFIED PROCESS) O RUP é um processo de desenvolvimento de software iterativo e incremental, dirigido por casos de uso que utiliza a UML (Unified Modeling Language) para gerar seus artefatos e é centrado na arquitetura (Booch, 2000). Esse processo possui algumas práticas de desenvolvimento que o tornam um dos mais utilizados. Essas práticas, denominadas as melhores práticas, compreendem (Fernandes, 2006): desenvolvimento iterativo várias iterações são realizadas para desenvolver todo o software. Isso facilita a identificação/gerenciamento de riscos para o projeto. Também, permite estimar prazos e custos, além de possibilitar um melhor entendimento do escopo; gerenciamento de requisitos - recomenda a utilização de casos de uso e cenários para determinar as funcionalidades do software; arquitetura baseada em componentes o projeto utiliza uma arquitetura flexível (que pode sofrer mudanças), compreensível, promovendo a reutilização de unidades de software os componentes; 18

19 modelagem visual adota elementos gráficos, modelos e diagramas que possibilitam uma melhor compreensão da modelagem do software, a exemplo temos os diagramas mostrados na Figura abaixo (Figura 1); Figura 1 Diagramas da UML usados para Modelagem Visual Fonte NERI, verificação da qualidade de software realizada por atividades de validação que garantem a qualidade do produto. Elas devem ser realizadas durante todo o processo de desenvolvimento; controle de mudanças do software controle sobre mudanças dos requisitos do software, visando manter a qualidade do sistema. 19

20 Além dessas práticas, o RUP é fundamentado em três características que o definem como processo de desenvolvimento de software (Fernandes, 2006): 1. guiado por casos de uso os casos de uso orientam todo o desenvolvimento, pois servem para mapear os requisitos, determinar o modelo conceitual, definir as classes, o código e são, também, utilizados para fornecer os casos de teste; 2. iterativo e incremental - aspecto no qual o projeto é subdividido em miniprojetos ou iterações, que serão integrados em um único software ao término do projeto. A Figura 2 apresenta as disciplinas do RUP que serão divididas posteriormente em iterações; Figura 2 Iterações no RUP Fonte NERI, centrado na arquitetura a arquitetura de sistema é utilizada pelo RUP para determinar como serão os relacionamentos entre as camadas e entre os componentes das diversas versões liberadas. 20

21 Conforme mencionado anteriormente, o RUP é um processo iterativo e incremental, para tanto ele foi organizado em quatro fases (Jacobson, 1999) (Booch, 2000): 1. iniciação as atividades desta fase resumem-se em definir os critérios de sucesso de projeto, os riscos e os recursos necessários, a data de realização das principais etapas a delimitação do escopo do projeto, identificação dos atores que interagem com o sistema, identificação das interações dos atores com o sistema e as funcionalidades principais (casos de uso). Nesta fase, ainda, é construído o modelo inicial de casos de uso, o glossário do projeto e a definição de objetivos e viabilidade do projeto; 2. elaboração - a finalidade desta fase é eliminar os elementos de maior risco do projeto através da criação de uma arquitetura coerente e consistente da solução, contando com a construção de protótipos executáveis, em uma ou mais interações, e dar prioridade aos casos de uso críticos, criando protótipos para demonstrar para clientes e usuários. Nesta fase os casos de uso estão praticamente completos (mais de 80% concluídos); 3. construção desenvolvimento de todos os componentes e características não resolvidas nas fases anteriores, testando-as e integrando-as na forma de um produto, um release estável; 4. transição realização de testes e validação, release final, com a entrega do produto final e treinamento de usuários a mantenedores, distribuição e vendas. 21

22 A Figura 3 mostra as fases do RUP, bem como as disciplinas descritas anteriormente. Figura 3 Organização do RUP Fonte Fernandes, Podem ocorrer diversas iterações em cada fase, sendo que cada iteração é desenvolvida em um conjunto de fluxos de trabalho: análise e especificação de requisitos, análise e projeto, implementação, integração e testes. Um processo de desenvolvimento pode ser utilizado nos mais diversos contextos, por exemplo, na área de jogos, conforme aborda a próxima seção. 22

23 4 TECNOLOGIAS PARA DESENVOLVIMENTO DE JOGOS 4.1 Brew Uma das tecnologias as quais podem ser utilizadas para o desenvolvimento de jogos para celular é o BREW (Binary Runtime Environment for Wireless), lançado pela Qualcomm em 2001, não é apenas uma plataforma de desenvolvimento, mas também um ambiente de execução (Qualcomm, 2004). A plataforma BREW possui como linguagem nativa o C/C++, levando isto em consideração a curva de aprendizado do Brew para desenvolvedores C/C++ é mínima, fator que para programadores de outras linguagens é bem diferente. O desempenho da execução de aplicativos Brew é bem superior aos dos outros aplicativos escritos em outras linguagens, pois essa plataforma não utiliza máquinas virtuais (Qualcomm, 2004). Uma vantagem, e ao mesmo tempo uma desvantagem, no Brew é o acesso irrestrito do dispositivo, onde a aplicação Brew não é segura, nem confiável, pois ela tem acesso a todos os recursos do celular. Para balancear e proteger os celulares, a Qualcomm possui um modelo de negócios, onde apenas ela pode distribuir os aplicativos (ela ou as operadoras, por exemplo, a vivo). Assim, antes do aplicativo ser disponibilizado para download (com assinatura digital) ele é testado e validado por uma equipe Qualcomm. Por não haver possibilidade de download por outros meios que não pela operadora com assinatura digital não existem ainda jogos piratas de Brew. 23

24 4.2 Flash Lite O Flash Lite é uma versão do Macromedia Flash, a qual foi criada para dispositivos móveis, com baixo poder de processamento e com pouca memória, para que os usuários possam executar em seus celulares aplicativos flash (animações interativas) (Andrade,2005). Os aplicativos para o Flash Lite são desenvolvidos com o Macromedia Flash 8 ou com o Macromedia Flash MX O Flash Lite possui algumas vantagens sobre outras linguagens dentre as quais está a programação visual, pois criar uma animação em flash é muito mais rápido do que em C++. A criação de interfaces gráficas é bem mais rápida, e, além disso, como o flash é interpretado os aplicativos são multi-plaforma. Porém, isto torna o desempenho de aplicativos flash um pouco mais lentos do que nas outras linguagens. Um outro ponto negativo do flash é que as aplicações não têm um nível de complexidade elevado para a criação de aplicativos mais requintados (Andrade, 2005). Algumas das características do Flash Lite são (Andrade, 2005): 1. possibilidade de armazenamento de informações no celular; 2. acesso via protocolo HTTP (Hyper Text Transfer Protocol); 3. envio de mensagens SMS (Short Message Service) e MMS (Multimedia Messaging Service); 4. possibilita utilizar a tecnologia de XML (Extensible Markup Language); 5. oferece suporte à multimídia (arquivos de som e vídeo). Destaca-se que o Flash Lite é ótimo para desenvolver aplicativos rápidos ou protótipos, sem grande complexidade de negócio. 24

25 A Figura 4 ilustra alguns exemplos de interfaces desenvolvidas utilizando-se o Flash Lite. Figura 4 Exemplos de Interfaces Gráficas com Flash Lite Fonte Fernandes, Outra tecnologia muito utilizada para desenvolvimento de jogos é a plataforma Java para dispositivos móveis, conforme descreve a próxima seção. 4.3 J2ME A linguagem de programação Java oferece uma plataforma de programação chamada J2ME (Java 2 Micro Edition) utilizada para programação de dispositivos móveis como celulares e PDA s (MUCHOW, 2004). A plataforma J2ME possui uma máquina virtual Java um pouco diferente. A JVM (Java Virtual Machine) para dispositivos móveis é chamada de KVM, definiram um nome diferente para ela porque ela executa apenas programas que necessitem de alguns kilobytes. A KVM é necessariamente pequena pelas restrições que os dispositivos móveis possuem, não permitindo o desenvolvimento de aplicativos muito grandes ou que consumam muito processamento devido ao pouco poder de processamento (não paralelo e multi-processado) e por não possuir muita memória disponível (MUCHOW, 2004). 25

26 A plataforma J2ME não possui todas as classes e pacotes da plataforma Java tradicional por causa das restrições físicas do dispositivo, como já mencionado (Figura 5). Figura 5 Máquinas Virtuais Java Fonte Muchow, A programação de dispositivos móveis pode utilizar duas configurações (MUCHOW, 2004): CDC (Connected Device Configuration) que utiliza a JVM tradicional e é utilizada em dispositivos com mais memória e mais poder de processamento. Algumas características do CDC são: 512 Kb memória para Java e 256 Kb de memória para uso em tempo de execução; CLDC (Connected Limited Device Configuration) utiliza especificamente a KVM a qual serve apenas para dispositivos com pouca memória e pouco processamento. Algumas características do CLDC compreendem: 128 KB memória para Java, 32 KB de memória para uso em tempo de execução e interface restrita. 26

27 Acima da configuração, em um nível mais alto, existem ainda os perfis com API s (Application Programming Interfaces) para determinados tipos de dispositivos (como por exemplo, extensões das configurações). O perfil utilizado para celulares é o MIDP (Mobile Information Device Profile), que define bibliotecas e/ou componentes para entrada de dados, tratamento de eventos de interface com o usuário, persistência de dados, interligação de redes e cronômetros levando em consideração limitações de tela processamento e memória dos dispositivos (MUCHOW, 2004). O J2ME possui algumas especificações (API s) as quais podem ser agregadas aos programas de acordo com a necessidade do aplicativo. Hoje, devido à JCP (Java Community Process) é possível encontrar na literatura algumas especificações a mais, os chamados JSR s. Por exemplo, o JSR- 82 é uma API para utilização do dispositivo bluetooth do celular. Pois, embora um celular possua bluetooth sua KVM pode não estar habilitada para esse dispositivo físico, assim o aplicativo não rodará no celular, o mesmo acontece com algumas outras especificações existentes (MUCHOW, 2004). Existem alguns problemas na implementação das KVM s dos celulares, que por não haver uma convenção (padronização de botões) existem os botões chamados proprietários, os quais a plataforma Java não permite o acesso, como por exemplo, os botões de volume, liga e desliga (MUCHOW, 2004). Outros problemas são os softbuttons e os joysticks, pois, embora, praticamente todos os celulares de hoje os possuam, as KVM s dos fabricantes de celulares não padronizaram os códigos dos mesmos. Por exemplo, o softbutton 1 de um celular Nokia possui o código de KVM igual a menos cinco (-5), já em celulares Motorola este código varia de vinte e dois e menos vinte e dois (22 e -22). 27

Tópicos. Métodos Ágeis. Histórico; Valores; Métodos Ágeis x Modelos Tradicionais; Exemplo: Referências Bibliográficas.

Tópicos. Métodos Ágeis. Histórico; Valores; Métodos Ágeis x Modelos Tradicionais; Exemplo: Referências Bibliográficas. Métodos Ágeis Edes Garcia da Costa Filho edes_filho@dc.ufscar.br 1 Tópicos Histórico; Valores; Métodos Ágeis x Modelos Tradicionais; Exemplo: Extreme Programming (XP). Referências Bibliográficas. 2 Histórico

Leia mais

DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Processo Unificado e Desenvolvimento Ágil. Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga

DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Processo Unificado e Desenvolvimento Ágil. Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Processo Unificado e Desenvolvimento Ágil Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga 2º Semestre / 2011 O Processo Unificado dos autores Ivar Jacobson, Grady Booch e James

Leia mais

! Introdução. " Motivação para Processos de Software. ! Processo Unificado (USDP) " Definições " RUP x USDP " Características do Processo Unificado

! Introdução.  Motivação para Processos de Software. ! Processo Unificado (USDP)  Definições  RUP x USDP  Características do Processo Unificado Agenda! Introdução " Motivação para Processos de Software! (USDP) " Definições " RUP x USDP " Características do! Descrição detalhada do! Processos Derivados! Templates simplificados! Conclusões 2 Processo

Leia mais

Manual de Operação Aplicativo ClickIt

Manual de Operação Aplicativo ClickIt Manual de Operação Aplicativo ClickIt Rev. 1.1 Agosto/2010 GSControl Automação Ltda. Rua Washington Luiz, 675 ITC Conjunto 1101 Centro Porto Alegre RS CEP 90010-460 Telefone: (51)3026-0945 / (51)3287-2167

Leia mais

UM FRAMEWORK PARA DESENVOLVIMENTO DE

UM FRAMEWORK PARA DESENVOLVIMENTO DE UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CENTRO DE INFORMÁTICA UM FRAMEWORK PARA DESENVOLVIMENTO DE APLICATIVOS EM WINDOWS MOBILE. PROPOSTA DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO Aluno:

Leia mais

Desenvolvimento de um Framework de Jogos 3D para Celulares

Desenvolvimento de um Framework de Jogos 3D para Celulares Desenvolvimento de um Framework de Jogos 3D para Celulares Fabrício Brasiliense Departamento de Informática e Estatística(INE) Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) Campus Universitário Trindade-

Leia mais

Ideal para que tipo de empresa (equipe): pequena, média, grande? Em software onde os requisitos não são conhecidos é recomendado o uso do XP? Por quê?

Ideal para que tipo de empresa (equipe): pequena, média, grande? Em software onde os requisitos não são conhecidos é recomendado o uso do XP? Por quê? Significado de XP? Extreme Programming (Programação Extrema). Ideal para que tipo de empresa (equipe): pequena, média, grande? Pequenas e Médias. Em software onde os requisitos não são conhecidos é recomendado

Leia mais

Metodologias Ágeis. Aécio Costa

Metodologias Ágeis. Aécio Costa Metodologias Ágeis Aécio Costa Metodologias Ágeis Problema: Processo de desenvolvimento de Software Imprevisível e complicado. Empírico: Aceita imprevisibilidade, porém tem mecanismos de ação corretiva.

Leia mais

Capítulo 1. Extreme Programming: visão geral

Capítulo 1. Extreme Programming: visão geral Capítulo 1 Extreme Programming: visão geral Extreme Programming, ou XP, é um processo de desenvolvimento de software voltado para: Projetos cujos requisitos são vagos e mudam com freqüência; Desenvolvimento

Leia mais

J2ME PLATAFORMA DE DESENVOLVIMENTO JAVA PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS

J2ME PLATAFORMA DE DESENVOLVIMENTO JAVA PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS J2ME PLATAFORMA DE DESENVOLVIMENTO JAVA PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS Ana Paula Carrion 1, Késsia Rita da Costa Marchi 1, Jaime Willian Dias 1 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil anapaulacarrion@hotmail.com,

Leia mais

Micro Mídia Informática Fevereiro/2009

Micro Mídia Informática Fevereiro/2009 Micro Mídia Informática Fevereiro/2009 1 UML Introdução Fases de Desenvolvimento Notação Visões Análise de Requisitos Casos de Uso StarUML Criando Casos de Uso Orientação a Objetos Diagrama de Classes

Leia mais

Processo de Desenvolvimento Unificado

Processo de Desenvolvimento Unificado Processo de Desenvolvimento Unificado Processo de Desenvolvimento de Software? Conjunto de atividades bem definidas; com responsáveis; com artefatos de entrada e saída; com dependências entre as mesmas

Leia mais

Capítulo 2 Introdução à ferramenta Flash

Capítulo 2 Introdução à ferramenta Flash Capítulo 2 Introdução à ferramenta Flash Índice 1. O uso da ferramenta Flash no projeto RIVED.... 1 2. História do Flash... 4 1. O uso da ferramenta Flash no projeto RIVED. É importante, antes de iniciarmos

Leia mais

Engenharia de Software I

Engenharia de Software I Engenharia de Software I Rogério Eduardo Garcia (rogerio@fct.unesp.br) Bacharelado em Ciência da Computação Aula 05 Material preparado por Fernanda Madeiral Delfim Tópicos Aula 5 Contextualização UML Astah

Leia mais

Programa do Módulo 2. Processo Unificado: Visão Geral

Programa do Módulo 2. Processo Unificado: Visão Geral 9.1 Programa do Módulo 2 Orientação a Objetos Conceitos Básicos Análise Orientada a Objetos (UML) O Processo Unificado (RUP) Processo Unificado: Visão Geral 9.2 Encaixa-se na definição geral de processo:

Leia mais

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS PDS - DATASUS Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS Coordenação Geral de Arquitetura e Engenharia Tecnológica Coordenação de Padronização e Qualidade de Software Gerência de Padrões e Software

Leia mais

Capítulo 1 - Introdução 14

Capítulo 1 - Introdução 14 1 Introdução Em seu livro Pressman [22] define processo de software como um arcabouço para as tarefas que são necessárias para construir software de alta qualidade. Assim, é-se levado a inferir que o sucesso

Leia mais

Pós Graduação Engenharia de Software

Pós Graduação Engenharia de Software Pós Graduação Engenharia de Software Ana Candida Natali COPPE/UFRJ Programa de Engenharia de Sistemas e Computação FAPEC / FAT Estrutura do Módulo Parte 1 QUALIDADE DE SOFTWARE PROCESSO Introdução: desenvolvimento

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 06 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 06 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 06 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 27 de Setembro de 2013. Revisão aula anterior Desenvolvimento Ágil de Software Desenvolvimento e entrega

Leia mais

O modelo unificado de processo. O Rational Unified Process, RUP.

O modelo unificado de processo. O Rational Unified Process, RUP. Cursos: Sistemas de Informação Disciplina: Administração ADM Prof. Jarbas Avaliação: Prova B1, 5º/6º semestres Data: 27/09/2010 Nome: Gabarito RA: Assinatura: Turma: 1) Segundo as afirmações a seguir,

Leia mais

UML 2. Guia Prático. Gilleanes T.A. Guedes. Novatec. Obra revisada e ampliada a partir do título Guia de Consulta Rápida UML 2

UML 2. Guia Prático. Gilleanes T.A. Guedes. Novatec. Obra revisada e ampliada a partir do título Guia de Consulta Rápida UML 2 UML 2 Guia Prático Gilleanes T.A. Guedes Obra revisada e ampliada a partir do título Guia de Consulta Rápida UML 2 Novatec capítulo 1 Introdução à UML A UML (Unified Modeling Language ou Linguagem de Modelagem

Leia mais

Desenvolvimento Ágil de Software

Desenvolvimento Ágil de Software Desenvolvimento Ágil de Software Métodos ágeis (Sommerville) As empresas operam em um ambiente global, com mudanças rápidas. Softwares fazem parte de quase todas as operações de negócios. O desenvolvimento

Leia mais

Ágil. Rápido. Métodos Ágeis em Engenharia de Software. Introdução. Thiago do Nascimento Ferreira. Introdução. Introdução. Introdução.

Ágil. Rápido. Métodos Ágeis em Engenharia de Software. Introdução. Thiago do Nascimento Ferreira. Introdução. Introdução. Introdução. Introdução Métodos Ágeis em Engenharia de Software Thiago do Nascimento Ferreira Desenvolvimento de software é imprevisível e complicado; Empresas operam em ambiente global com mudanças rápidas; Reconhecer

Leia mais

O Rational Unified Process (RUP) é um processo de desenvolvimento de software inspirado no

O Rational Unified Process (RUP) é um processo de desenvolvimento de software inspirado no 1.1 RATIONAL UNIFIED PROCESS (RUP) O Rational Unified Process (RUP) é um processo de desenvolvimento de software inspirado no processo que atende pelo nome de Processo Unificado (ou UP do inglês Unified

Leia mais

DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Desenvolvimento Ágil Modelos Ágeis. Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga

DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Desenvolvimento Ágil Modelos Ágeis. Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Desenvolvimento Ágil Modelos Ágeis Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga 2º Semestre / 2011 Extreme Programming (XP); DAS (Desenvolvimento Adaptativo de Software)

Leia mais

ARCO - Associação Recreativa dos Correios. Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Plano de Desenvolvimento de Software Versão <1.

ARCO - Associação Recreativa dos Correios. Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Plano de Desenvolvimento de Software Versão <1. ARCO - Associação Recreativa dos Correios Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Versão Histórico da Revisão Data Versão Descrição Autor Página

Leia mais

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP)

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP) Hardware (Nível 0) Organização O AS/400 isola os usuários das características do hardware através de uma arquitetura de camadas. Vários modelos da família AS/400 de computadores de médio porte estão disponíveis,

Leia mais

Manual do Usuário Android Neocontrol

Manual do Usuário Android Neocontrol Manual do Usuário Android Neocontrol Sumário 1.Licença e Direitos Autorais...3 2.Sobre o produto...4 3. Instalando, Atualizando e executando o Android Neocontrol em seu aparelho...5 3.1. Instalando o aplicativo...5

Leia mais

Feature-Driven Development

Feature-Driven Development FDD Feature-Driven Development Descrição dos Processos Requisitos Concepção e Planejamento Mais forma que conteúdo Desenvolver um Modelo Abrangente Construir a Lista de Features Planejar por

Leia mais

I N T R O D U Ç Ã O W A P desbloqueio,

I N T R O D U Ç Ã O W A P desbloqueio, INTRODUÇÃO Para que o Guia Médico de seu Plano de Saúde esteja disponível em seu celular, antes de mais nada, sua OPERADORA DE SAÚDE terá de aderir ao projeto. Após a adesão, você será autorizado a instalar

Leia mais

Marcus Vinicius Cruz Xavier. Rascunho do trabalho de conclusão de curso

Marcus Vinicius Cruz Xavier. Rascunho do trabalho de conclusão de curso Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Informática e Estatística Curso de Bacharelado em Ciências da Computação Marcus Vinicius Cruz Xavier Rascunho do trabalho de conclusão de curso Título

Leia mais

Manifesto Ágil e as Metodologias Ágeis (XP e SCRUM)

Manifesto Ágil e as Metodologias Ágeis (XP e SCRUM) Programação Extrema Manifesto Ágil e as Metodologias Ágeis (XP e SCRUM) Prof. Mauro Lopes Programação Extrema Prof. Mauro Lopes 1-31 45 Manifesto Ágil Formação da Aliança Ágil Manifesto Ágil: Propósito

Leia mais

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMMI E METODOLOGIAS Á G EIS

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMMI E METODOLOGIAS Á G EIS PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMMI E METODOLOGIAS Á G EIS CMMI E METODOLOGIAS ÁGEIS Os métodos de desenvolvimento Ágeis e

Leia mais

Desenvolvendo um Ambiente de Aprendizagem a Distância Utilizando Software Livre

Desenvolvendo um Ambiente de Aprendizagem a Distância Utilizando Software Livre Desenvolvendo um Ambiente de Aprendizagem a Distância Utilizando Software Livre Fabrício Viero de Araújo, Gilse A. Morgental Falkembach Programa de Pós-graduação em Engenharia de Produção - PPGEP Universidade

Leia mais

Processos de Software. 2007 by Pearson Education Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 4 Slide 1

Processos de Software. 2007 by Pearson Education Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 4 Slide 1 Processos de Software Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 4 Slide 1 Objetivos Apresentar modelos de processos de software Descrever três modelos genéricos de processo e quando

Leia mais

Engenharia de Software II

Engenharia de Software II Engenharia de Software II Aula 5 http://www.ic.uff.br/~bianca/engsoft2/ Aula 5-05/05/2006 1 Dúvidas da aula passada RUP (Rational Unified Process) é uma ferramenta ou um processo? Resposta: os dois. O

Leia mais

Histórico da Revisão. Versão Descrição Autor. 1.0 Versão Inicial

Histórico da Revisão. Versão Descrição Autor. 1.0 Versão Inicial 1 of 14 27/01/2014 17:33 Sistema de Paginação de Esportes Universitários Documento de Arquitetura de Software Versão 1.0 Histórico da Revisão Data 30 de novembro de 1999 Versão Descrição Autor 1.0 Versão

Leia mais

Metodologias de Desenvolvimento de Sistemas. Analise de Sistemas I UNIPAC Rodrigo Videschi

Metodologias de Desenvolvimento de Sistemas. Analise de Sistemas I UNIPAC Rodrigo Videschi Metodologias de Desenvolvimento de Sistemas Analise de Sistemas I UNIPAC Rodrigo Videschi Histórico Uso de Metodologias Histórico Uso de Metodologias Era da Pré-Metodologia 1960-1970 Era da Metodologia

Leia mais

Java. para Dispositivos Móveis. Thienne M. Johnson. Novatec. Desenvolvendo Aplicações com J2ME

Java. para Dispositivos Móveis. Thienne M. Johnson. Novatec. Desenvolvendo Aplicações com J2ME Java para Dispositivos Móveis Desenvolvendo Aplicações com J2ME Thienne M. Johnson Novatec Capítulo 1 Introdução à computação móvel 1.1 Computação móvel definições Computação móvel está na moda. Operadoras

Leia mais

Processo de Desenvolvimento de Software. Unidade V Modelagem de PDS. Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com

Processo de Desenvolvimento de Software. Unidade V Modelagem de PDS. Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Processo de Desenvolvimento de Software Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Conteúdo Programático desta aula Modelo Cascata (Waterfall) ou TOP DOWN. Modelo Iterativo. Metodologia Ágil.

Leia mais

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Introdução Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software Os modelos de processos de desenvolvimento de software surgiram pela necessidade de dar resposta às

Leia mais

5 Mecanismo de seleção de componentes

5 Mecanismo de seleção de componentes Mecanismo de seleção de componentes 50 5 Mecanismo de seleção de componentes O Kaluana Original, apresentado em detalhes no capítulo 3 deste trabalho, é um middleware que facilita a construção de aplicações

Leia mais

LEVANTAMENTO DE REQUISITOS SEGUNDO O MÉTODO VOLERE

LEVANTAMENTO DE REQUISITOS SEGUNDO O MÉTODO VOLERE LEVANTAMENTO DE REQUISITOS SEGUNDO O MÉTODO VOLERE RESUMO Fazer um bom levantamento e especificação de requisitos é algo primordial para quem trabalha com desenvolvimento de sistemas. Esse levantamento

Leia mais

XP extreme Programming, uma metodologia ágil para desenvolvimento de software. Equipe WEB Cercomp web@cercomp.ufg.br

XP extreme Programming, uma metodologia ágil para desenvolvimento de software. Equipe WEB Cercomp web@cercomp.ufg.br XP extreme Programming, uma metodologia ágil para desenvolvimento de software. Equipe WEB Cercomp web@cercomp.ufg.br Introdução Criada por Kent Baeck em 1996 durante o projeto Daimler Chrysler. O sucesso

Leia mais

MAGREGISTER 1.0: GERADOR DE INTERFACES DE COLETAS DE DADOS PARA PDA S. Acadêmico: Gilson Chequeto Orientador: Adilson Vahldick

MAGREGISTER 1.0: GERADOR DE INTERFACES DE COLETAS DE DADOS PARA PDA S. Acadêmico: Gilson Chequeto Orientador: Adilson Vahldick MAGREGISTER 1.0: GERADOR DE INTERFACES DE COLETAS DE DADOS PARA PDA S Acadêmico: Gilson Chequeto Orientador: Adilson Vahldick Roteiro Introdução Objetivos do trabalho Fundamentação teórica Desenvolvimento

Leia mais

MANIFESTO ÁGIL. Esses conceitos aproximam-se melhor com a forma que pequenas e médias organizações trabalham e respondem à mudanças.

MANIFESTO ÁGIL. Esses conceitos aproximam-se melhor com a forma que pequenas e médias organizações trabalham e respondem à mudanças. METODOLOGIAS ÁGEIS SURGIMENTO As metodologias ágeis surgiram em resposta ao problema dos atrasos no desenvolvimento de software e aos cancelamentos, devido ao fato dos sistemas demorarem muito tempo para

Leia mais

INTEGRANDO A TECNOLOGIA J2ME NO ÂMBITO ACADÊMICO

INTEGRANDO A TECNOLOGIA J2ME NO ÂMBITO ACADÊMICO INTEGRANDO A TECNOLOGIA J2ME NO ÂMBITO ACADÊMICO Ramon R. Rabello, Pedro J. Treccani, Thienne M Johnson Universidade da Amazônia, Av Alcindo Cacela, 287, Belém, PA CEP 66092-010 ramon.rabello@gmail.com,

Leia mais

Java ME e suas principais tecnologias de conectividade. Gracieli Begia Mateus

Java ME e suas principais tecnologias de conectividade. Gracieli Begia Mateus Java ME e suas principais tecnologias de conectividade Gracieli Begia Mateus Telefones Celulares no Mundo Fonte: UIT e Wireless Intelligence (Ovum/GSM Association) Posição do Brasil no Mundo Principais

Leia mais

AULA 2. Aspectos Técnicos. Luciano Roberto Rocha. www.lrocha.com. MBA em Marketing Digital SOCIAL GAMES

AULA 2. Aspectos Técnicos. Luciano Roberto Rocha. www.lrocha.com. MBA em Marketing Digital SOCIAL GAMES MBA em Marketing Digital SOCIAL GAMES AULA 2 Luciano Roberto Rocha Aspectos Técnicos Ponta Grossa, 31 de agosto de 2013 ROTEIRO Papéis Processos Plataformas Ferramentas 2 PAPÉIS O desenvolvimento de um

Leia mais

Aula 2: RIA - Aplicações Ricas para Internet Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina

Aula 2: RIA - Aplicações Ricas para Internet Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Programação para Internet Rica 1 Aula 2: RIA - Aplicações Ricas para Internet Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Objetivo: Identificar as principais características de uma Aplicação Internet Rica.

Leia mais

Desvendando Jogos 2D. Por Marcos Romero Setembro / 2008. Cyborg Arena - RHGames

Desvendando Jogos 2D. Por Marcos Romero Setembro / 2008. Cyborg Arena - RHGames Desvendando Jogos 2D Por Marcos Romero Setembro / 2008 Cyborg Arena - RHGames Jogos Casuais Paciência Windows XP Paciência deve ser o jogo mais usado no PC. O mercado de jogos casuais tem um grande potencial,

Leia mais

Módulo I - Introdução. Faculdade Christus Sistemas de Informação 17/09/2010. Carlos Eugênio Torres Engenheiro de Informática http://cetorres.

Módulo I - Introdução. Faculdade Christus Sistemas de Informação 17/09/2010. Carlos Eugênio Torres Engenheiro de Informática http://cetorres. Módulo I - Introdução Aula 2 Carlos Eugênio Torres Engenheiro de Informática http://cetorres.com Faculdade Christus Sistemas de Informação 17/09/2010 Graduado em Ciência da Computação pela UFC, Brasil

Leia mais

Figura 1 - Arquitetura multi-camadas do SIE

Figura 1 - Arquitetura multi-camadas do SIE Um estudo sobre os aspectos de desenvolvimento e distribuição do SIE Fernando Pires Barbosa¹, Equipe Técnica do SIE¹ ¹Centro de Processamento de Dados, Universidade Federal de Santa Maria fernando.barbosa@cpd.ufsm.br

Leia mais

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador.

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador. INTRODUÇÃO O Programa pode ser instalado em qualquer equipamento que utilize o sistema operacional Windows 95 ou superior, e seu banco de dados foi desenvolvido em MySQL, sendo necessário sua pré-instalação

Leia mais

SyncEasy Aplicativo para sincronização de arquivos entre dispositivos móveis e computadores utilizando metadados

SyncEasy Aplicativo para sincronização de arquivos entre dispositivos móveis e computadores utilizando metadados SyncEasy Aplicativo para sincronização de arquivos entre dispositivos móveis e computadores utilizando metadados Acadêmico: Bernardo Marquardt Müller Orientador: Prof. Dr. Mauro Marcelo Mattos Roteiro

Leia mais

O Processo Unificado

O Processo Unificado UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS, LETRAS E CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DE COMPUTAÇÃO E ESTATÍSTICA O Processo Unificado 879SCC Projeto e Desenvolvimento de Sistemas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 05 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 05 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 05 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 24 de Setembro de 2013. Revisão aula anterior Processos de Software Engenharia de Requisitos, Projeto,

Leia mais

Eduardo Bezerra. Editora Campus/Elsevier

Eduardo Bezerra. Editora Campus/Elsevier Princípios de Análise e Projeto de Sistemas com UML 2ª edição Eduardo Bezerra Editora Campus/Elsevier Capítulo 11 Arquitetura do sistema Nada que é visto, é visto de uma vez e por completo. --EUCLIDES

Leia mais

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Aula 3 Virtualização de Sistemas 1. Conceito Virtualização pode ser definida

Leia mais

PROJETO Pró-INFRA/CAMPUS

PROJETO Pró-INFRA/CAMPUS INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS AVANÇADO DE ARACATI PROJETO Pró-INFRA/CAMPUS IMPLEMENTAÇÃO DE SOLUÇÃO PARA AUTOMATIZAR O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE UTILIZANDO A LINGUAGEM C#.NET

Leia mais

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE)

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) 1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) Segundo Tonsig (2003), para conseguir desenvolver um software capaz de satisfazer as necessidades de seus usuários, com qualidade, por intermédio de uma arquitetura sólida

Leia mais

Guia. PDA e SmartPhones. Windows Mobile, Pocket PC e CE.

Guia. PDA e SmartPhones. Windows Mobile, Pocket PC e CE. Guia PDA e SmartPhones Windows Mobile, Pocket PC e CE. Referência completa para o integrador do sistema Module. Aborda os recursos necessários para a itulização, instalação do software e importação das

Leia mais

Algumas propriedades dos objetos:

Algumas propriedades dos objetos: Orientação a Objetos Vivemos num mundo de objetos. Esses objetos existem na natureza, nas entidades feitas pelo homem, nos negócios e nos produtos que usamos. Eles podem ser categorizados, descritos, organizados,

Leia mais

Uma Introdução ao. Computação Móvel (MAC5743/MAC330) Prof. Alfredo Goldman Monitores: Rodrigo Barbosa Daniel Cordeiro

Uma Introdução ao. Computação Móvel (MAC5743/MAC330) Prof. Alfredo Goldman Monitores: Rodrigo Barbosa Daniel Cordeiro Uma Introdução ao J2ME Computação Móvel (MAC5743/MAC330) DCC-IME-USP Prof. Alfredo Goldman Monitores: Rodrigo Barbosa Daniel Cordeiro Visão Geral do Java 2 (1) A plataforma Java 2 engloba três elementos:

Leia mais

A Linguagem de Modelagem Unificada (UML)

A Linguagem de Modelagem Unificada (UML) Aécio Costa A Linguagem de Modelagem Unificada (UML) Percebeu-se a necessidade de um padrão para a modelagem de sistemas, que fosse aceito e utilizado amplamente. Surge a UML (Unified Modeling Language)

Leia mais

Software Web para: Empresas, Governo, Organizações, Entidades de Classe, Sindicatos, ONG's e Profissionais Liberais

Software Web para: Empresas, Governo, Organizações, Entidades de Classe, Sindicatos, ONG's e Profissionais Liberais MANUAL DO USUÁRIO BITÁVEL GERENCIADOR ONLINE DE NEWSLETTERS (GOLNEWS) Software Web para: Empresas, Governo, Organizações, Entidades de Classe, Sindicatos, ONG's e Profissionais Liberais Versão 1.0 1 Índice

Leia mais

Uma Proposta de Tecnologia Embarcada na Internação Domiciliar Capítulo 3 Implementação do SMD 93

Uma Proposta de Tecnologia Embarcada na Internação Domiciliar Capítulo 3 Implementação do SMD 93 Capítulo 3 Implementação do SMD 93 CAPÍTULO 3 IMPLEMENTAÇÃO DO SMD Este capítulo reserva-se à apresentação da implementação do SMD tomando como partida o desenvolvimento do Projeto Preliminar que consta

Leia mais

Tecnologia de redes celular GSM X CDMA

Tecnologia de redes celular GSM X CDMA Tecnologia de redes celular GSM X CDMA GSM (Global Standard Mobile) GSM (Global Standard Mobile) Também baseado na divisão de tempo do TDMA, o GSM foi adotado como único sistema europeu em 1992, e se espalhou

Leia mais

2 Diagrama de Caso de Uso

2 Diagrama de Caso de Uso Unified Modeling Language (UML) Universidade Federal do Maranhão UFMA Pós Graduação de Engenharia de Eletricidade Grupo de Computação Assunto: Diagrama de Caso de Uso (Use Case) Autoria:Aristófanes Corrêa

Leia mais

Concepção e Elaboração

Concepção e Elaboração UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS, LETRAS E CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DE COMPUTAÇÃO E ESTATÍSTICA Análise e Projeto Orientado a Objetos Concepção e Elaboração Estudo

Leia mais

5 Sistema Experimental

5 Sistema Experimental 5 Sistema Experimental Este capitulo apresenta o sistema experimental utilizado e é composto das seguintes seções: - 5.1 Robô ER1: Descreve o robô utilizado. É dividida nas seguintes subseções: - 5.1.1

Leia mais

GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC

GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC RESUMO EXECUTIVO O PowerVault DL2000, baseado na tecnologia Symantec Backup Exec, oferece a única solução de backup em

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais UNIVERSIDADE BANDEIRANTE DE SÃO PAULO INSTITUTO POLITÉCNICO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Sistemas Operacionais Notas de Aulas: Tópicos 7 e 8 Estrutura do Sistema Operacional São Paulo 2009 1 Sumário

Leia mais

Um Processo para Desenvolvimento de Aplicações Web Baseado em Serviços. Autores: Fábio Zaupa, Itana Gimenes, Don Cowan, Paulo Alencar e Carlos Lucena

Um Processo para Desenvolvimento de Aplicações Web Baseado em Serviços. Autores: Fábio Zaupa, Itana Gimenes, Don Cowan, Paulo Alencar e Carlos Lucena Um Processo para Desenvolvimento de Aplicações Web Baseado em Serviços Autores: Fábio Zaupa, Itana Gimenes, Don Cowan, Paulo Alencar e Carlos Lucena Tópicos Motivação e Objetivos LP e SOA Processo ADESE

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas CMP1141 Processo e qualidade de software I Prof. Me. Elias Ferreira Sala: 210 F Quarta-Feira:

Leia mais

Curso: Engenharia de Software com Ênfase em Padrões de Software (UECE Universidade Estadual do Ceará) RUP

Curso: Engenharia de Software com Ênfase em Padrões de Software (UECE Universidade Estadual do Ceará) RUP Conceitos RUP RUP, abreviação de Rational Unified Process (ou Processo Unificado da Rational), é um processo de Engenharia de software criado pela Rational Software Corporation(a qual foi incorporada pela

Leia mais

Introdução a Computação Móvel

Introdução a Computação Móvel Introdução a Computação Móvel Computação Móvel Prof. Me. Adauto Mendes adauto.inatel@gmail.com Histórico Em 1947 alguns engenheiros resolveram mudar o rumo da história da telefonia. Pensando em uma maneira

Leia mais

Tópicos em Engenharia de Software (Optativa III) AULA 2. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com (81 )9801-6619

Tópicos em Engenharia de Software (Optativa III) AULA 2. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com (81 )9801-6619 Tópicos em Engenharia de Software (Optativa III) AULA 2 Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com (81 )9801-6619 Engenharia de Software Objetivo da aula Depois desta aula você terá uma revisão sobre o

Leia mais

Análise e Projeto Orientados por Objetos

Análise e Projeto Orientados por Objetos Análise e Projeto Orientados por Objetos Aula 02 Análise e Projeto OO Edirlei Soares de Lima Análise A análise modela o problema e consiste das atividades necessárias para entender

Leia mais

Manual de Utilização do Sistema GRServer Cam on-line (Gerenciamento de Câmeras On-line)

Manual de Utilização do Sistema GRServer Cam on-line (Gerenciamento de Câmeras On-line) Manual de Utilização do Sistema GRServer Cam on-line (Gerenciamento de Câmeras On-line) Criamos, desenvolvemos e aperfeiçoamos ferramentas que tragam a nossos parceiros e clientes grandes oportunidades

Leia mais

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código)

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Roteiro Processos Threads Virtualização Migração de Código O que é um processo?! Processos são programas em execução. Processo Processo Processo tem

Leia mais

Scalable Vector Graphics. Kadu Neves Rafael Rocha

Scalable Vector Graphics. Kadu Neves Rafael Rocha Scalable Vector Graphics Kadu Neves Rafael Rocha Roteiro Introdução Vantagens do Uso do SVG Perfis SVG A especificaçào JSR-226 Exemplos Introdução Scalable Vector Graphics é um padrão aberto para descrever

Leia mais

Uma Abordagem usando PU

Uma Abordagem usando PU Uma Abordagem usando PU Curso de Especialização DEINF - UFMA Desenvolvimento Orientado a Objetos Prof. Geraldo Braz Junior Referências: Baseada em: Rational Software Corpotation G. Booch, Ivar Jacobson,

Leia mais

extreme Digital Television (XDTv): um método Ágil para o Desenvolvimento de Aplicações para TV Digital.

extreme Digital Television (XDTv): um método Ágil para o Desenvolvimento de Aplicações para TV Digital. APÊNDICES A seguir são exibidos os documentos, formulários e questionários que contribuíram para a elaboração da tese, denominada: XDTv: um método Ágil para o Desenvolvimento de Aplicações para TV Digital.

Leia mais

Requisitos de Software. Teresa Maciel DEINFO/UFRPE

Requisitos de Software. Teresa Maciel DEINFO/UFRPE Requisitos de Software Teresa Maciel DEINFO/UFRPE 1 Requisito de Software Características que o produto de software deverá apresentar para atender às necessidades e expectativas do cliente. 2 Requisito

Leia mais

Palavras-Chaves: engenharia de requisitos, modelagem, UML.

Palavras-Chaves: engenharia de requisitos, modelagem, UML. APLICAÇÃO DA ENGENHARIA DE REQUISITOS PARA COMPREENSÃO DE DOMÍNIO DO PROBLEMA PARA SISTEMA DE CONTROLE COMERCIAL LEONARDO DE PAULA SANCHES Discente da AEMS Faculdades Integradas de Três Lagoas RENAN HENRIQUE

Leia mais

1 Como seu Cérebro Funciona?

1 Como seu Cérebro Funciona? 1 Como seu Cérebro Funciona? UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC (UFABC) O cérebro humano é capaz de processar as informações recebidas pelos cinco sentidos, analisá-las com base em uma vida inteira de experiências,

Leia mais

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE A proposta para o ambiente apresentada neste trabalho é baseada no conjunto de requisitos levantados no capítulo anterior. Este levantamento, sugere uma

Leia mais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Software de Entrada e Saída: Visão Geral Uma das tarefas do Sistema Operacional é simplificar o acesso aos dispositivos de hardware pelos processos

Leia mais

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE Curso Técnico em Informática ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Clayton Maciel Costa

Leia mais

NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO

NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO Profª. Kelly Hannel Novas tecnologias de informação 2 HDTV WiMAX Wi-Fi GPS 3G VoIP Bluetooth 1 HDTV 3 High-definition television (também conhecido por sua abreviação HDTV):

Leia mais

Modelagemde Software Orientadaa Objetos com UML

Modelagemde Software Orientadaa Objetos com UML Modelagemde Software Orientadaa Objetos com UML André Maués Brabo Pereira Departamento de Engenharia Civil Universidade Federal Fluminense Colaborando para a disciplina CIV 2802 Sistemas Gráficos para

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 10 de Outubro de 2013. Revisão aula anterior Documento de Requisitos Estrutura Padrões Template Descoberta

Leia mais

O CONCEITO DE TDD NO DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

O CONCEITO DE TDD NO DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE O CONCEITO DE TDD NO DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Renan Leme Nazário, Ricardo Rufino Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR - Brasil renazariorln@gmail.com, ricardo@unipar.br Resumo. Este artigo

Leia mais

OpenGL. Uma Abordagem Prática e Objetiva. Marcelo Cohen Isabel Harb Manssour. Novatec Editora

OpenGL. Uma Abordagem Prática e Objetiva. Marcelo Cohen Isabel Harb Manssour. Novatec Editora OpenGL Uma Abordagem Prática e Objetiva Marcelo Cohen Isabel Harb Manssour Novatec Editora Capítulo 1 Introdução A Computação Gráfica é uma área da Ciência da Computação que se dedica ao estudo e ao desenvolvimento

Leia mais

Manual de Instalação, Administração e Uso do Sistema Elétric

Manual de Instalação, Administração e Uso do Sistema Elétric Manual de Instalação, Administração e Uso do Sistema Elétric Versão 1.0 Autores Bruna Cirqueira Mariane Dantas Milton Alves Robson Prioli Nova Odessa, 10 de Setembro de 2013 Sumário Apoio 1. Licença deste

Leia mais

UTILIZANDO ICONIX NO DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES DELPHI

UTILIZANDO ICONIX NO DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES DELPHI UTILIZANDO ICONIX NO DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES DELPHI Dr. George SILVA; Dr. Gilbert SILVA; Gabriel GUIMARÃES; Rodrigo MEDEIROS; Tiago ROSSINI; Centro Federal de Educação Tecnológica do Rio Grande do

Leia mais

Guia de Modelagem de Casos de Uso

Guia de Modelagem de Casos de Uso Guia de Modelagem de Casos de Uso Sistema de e-commerce de Ações Versão 1.1 1 Histórico da Revisão. Data Versão Descrição Autor 13 de Setembro de 2008 1.0 Criação do documento Antonio Marques 28 de Setembro

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE I

ENGENHARIA DE SOFTWARE I ENGENHARIA DE SOFTWARE I Prof. Cássio Huggentobler de Costa [cassio.costa@ulbra.br] Twitter: www.twitter.com/cassiocosta_ Agenda da Aula (002) Metodologias de Desenvolvimento de Softwares Métodos Ágeis

Leia mais

Diretrizes para criação de um padrão de desenvolvimento de sistemas de informação baseados em cots

Diretrizes para criação de um padrão de desenvolvimento de sistemas de informação baseados em cots Diretrizes para criação de um padrão de desenvolvimento de sistemas de informação baseados em cots Roosewelt Sanie Da Silva¹ 1 Ciência da Computação Universidade Presidente Antônio Carlos (UNIPAC) Rodovia

Leia mais