IV Encontro Nacional da Anppas 4, 5 e 6 de junho de 2008 Brasília - DF Brasil

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "IV Encontro Nacional da Anppas 4, 5 e 6 de junho de 2008 Brasília - DF Brasil"

Transcrição

1 IV Encontro Nacional da Anppas 4, 5 e 6 de junho de 2008 Brasília - DF Brasil Vulnerabilidade às Mudanças Climáticas nas Áreas Urbanas do Estado de São Paulo: Mudança no Regime de Chuvas e Características Socioeconômicas e Demográficas da População Humberto Prates da Fonseca Alves ( UNIVAP ) Economista, Msc Sociologia, Doutor em Ciências Sociais Ricardo Ojima ( NEPO/UNICAMP ) Sociólogo, Msc Sociologia, Doutor em Demografia Resumo: Segundo estimativas da ONU, o ano de 2008 marca a transição para um mundo com população predominantemente urbana. Portanto, cada vez mais torna-se evidente que as principais causas e conseqüências das mudanças ambientais estarão relacionadas à população que vive em áreas urbanas, tornando urgente a adaptação e mitigação relacionada a grupos populacionais vulneráveis. Assim, é importante considerar as dimensões políticas, econômicas, institucionais e sociais que conferem maior ou menor vulnerabilidade à esses grupos. Neste sentido, o presente trabalho mapeou uma série histórica com os dados de precipitação pluviométrica (chuvas) no Estado de São Paulo, relacionando-a com as características sociodemográficas dos municípios paulistas. Dessa forma, foi possível identificar os municípios onde as mudanças climáticas se associam a situações de maior vulnerabilidade socioambiental. Palavras-Chave: Vulnerabilidade Social; Mudança Climática; Urbanização.

2 Introdução Cada vez mais torna-se evidente que as principais causas e conseqüências das mudanças ambientais estarão relacionadas à população que vive em áreas urbanas, tornando urgente que se criem mecanismos institucionais que sejam capazes de dar conta de formas de adaptação e mitigação dos impactos ambientais, sobretudo quando se consideram os grupos populacionais mais vulneráveis às mudanças climáticas (MARTINE, 2001). Segundo os estudos divulgados pelo Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas (IPCC), as emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE) podem provocar mudanças praticamente irreversíveis no clima e na paisagem, engendrando mudanças nos padrões de vento, temperatura, chuva e circulação dos oceanos (IPCC, 2007). No caso das áreas urbanizadas, a criação de ilhas de calor - assim como a alteração nos regimes de ventos e outras variáveis do meio biofísico - exerce uma significativa alteração nos volumes e distribuição das chuvas, concentrando as precipitações atmosféricas em algumas regiões e tornando-as escassas em outras. Assim, uma redistribuição nos regimes pluviométricos pode trazer conseqüências sérias para a vida da população, principalmente, sobre a população urbana. Entre estes impactos, podemos citar o racionamento de água e ao mesmo tempo uma maior ocorrência de alagamentos e deslizamentos de terra. Embora seja extremamente importante entender as causas, os processos físico-químicos e os impactos das mudanças climáticas sobre o meio biofísico, tão importante quanto é entendê-la a partir da perspectiva das suas dimensões sociais. Afinal, não se trata apenas de uma questão ecológica, pois grande parte das conseqüências terá impactos diretos nos modos de vida e nos padrões de consumo da sociedade moderna. Diversos países e regiões sofrerão com as mudanças ambientais, as quais poderão causar gradativamente processos que condicionarão mudanças sociais, políticas e econômicas de extrema importância para o futuro sustentável das cidades no século 21. Assim, é importante considerar as dimensões políticas, econômicas, institucionais e sociais que conferem maior ou menor vulnerabilidade a determinados grupos populacionais frente a algumas ameaças ambientais e, mesmo que estas não sejam tão bruscas ou perceptíveis em curto prazo, trarão conseqüências lentas que, se não forem enfrentadas em seu devido momento poderão ampliar os desafios futuros. Frente a este debate, as ciências sociais têm ao mesmo tempo um desafio e um papel de destaque. O desafio é romper com uma tradição de negação às ciências naturais, incorporando abordagens teóricas e, principalmente, metodológicas e empíricas, que possam dar conta de um novo contexto global. Assim, superado este desafio, as ciências sociais podem trazer ao debate científico os caminhos para grande parte dos problemas ambientais. Afinal, não se trata de 2

3 limitações tecnológicas, mas de desafios sociais, institucionais e políticos para resolver grande parte dos problemas ambientais. Políticas de regulação, mobilização da sociedade civil, fortalecimento das instituições sociais são algumas das questões que fazem parte do arcabouço teórico e metodológico das ciências sociais e que podem contribuir para enfrentar e alterar os resultados dos modelos matemáticos que projetam os cenários futuros de agravamento dos problemas ambientais. Destaca-se, portanto, o potencial de transformação que as ciências sociais possuem dentro do contexto de pesquisa científica sobre mudanças ambientais globais. Segundo Sanchez-Rodrigues et al (2005: 8), os estudos sobre as áreas urbanas pouco têm se aprofundado em perspectivas nas quais se entendam as mudanças ambientais como causa e efeito de processos humanos (econômico, político, cultural e social) e físicos (estruturação urbana, expansão e uso do solo). Em relação aos países em desenvolvimento - onde a situação de vulnerabilidade social tende a potencializar os impactos dessas mudanças - os estudos não têm se concentrado em abordagens que integrem as dimensões físicas do espaço intra-urbano e as tensões sociais que as permeiam. O caso brasileiro assume uma posição de destaque no que se refere a tais relações, pois se encontra em um momento diferenciado do processo de transição urbana. A população brasileira é eminentemente urbana já há algumas décadas, estando no mesmo patamar de urbanização de países desenvolvidos do mundo. No entanto, ainda enfrenta graves problemas de desigualdade e pobreza que serão importantes agravantes no que se refere aos possíveis impactos das mudanças climáticas, por exemplo. De forma semelhante, a análise destes processos dentro de contextos urbanizados se torna complexa, pois os condicionantes sociais, econômicos e políticos desenham papel preponderante, tanto nos estudos sobre o espaço urbano no Brasil, como nos processos que desembocam nas mudanças ambientais. De certa forma, entender as mudanças de uso e ocupação do solo nos espaços urbanos, a partir da perspectiva da redistribuição espacial da população e da sua mobilidade, pode ser um caminho promissor para apreender as mudanças nos padrões de produção e consumo, tanto em termos físicos como em termos dos processos sociais, particularmente no que se refere aos contextos metropolitanos. Ou seja, a importância dos fluxos de mobilidade, dentro das aglomerações urbanas brasileiras, altera as relações dialéticas entre espaço e sociedade. Assim, conforme mudam as racionalidades que orientam a ação social, mudariam também as formas de produção e consumo do espaço urbano (OJIMA, 2007). Enfim, cabe entender com maior clareza quais os processos sociais que se desenham dentro deste cenário e quais serão os desafios para um futuro sustentável; pois se as estimativas apontam para um mundo cada vez mais urbano, quais os caminhos mais prováveis e quais as necessidades para o planejamento urbano e ambiental nos contextos metropolitanos. 3

4 Como parte dessa contribuição, o presente trabalho tem como objetivo mapear uma série histórica com os dados de precipitação pluviométrica (chuvas) no Estado de São Paulo, relacionando-a com as características sociodemográficas dos municípios paulistas. Dessa forma será possível caracterizar áreas onde as mudanças ambientais se associam a áreas de potencial vulnerabilidade social e ambiental. Os dados de chuvas são provenientes do Departamento de Águas e Energia Elétrica de São Paulo (DAEE-SP) e consistem em um banco de dados de cerca de 500 estações de medição, com uma série histórica de valores de precipitação atmosférica (valores médios e máximos de chuvas), desde 1930, até o ano de Para o presente estudo, decidimos agregar os dados por município, para possibilitar o cruzamento com os dados sociodemográficos. Assim, foram mapeadas as mudanças nos regimes de chuvas ao longo dos últimos 30 anos do século 20, de forma a identificar os municípios e/ou regiões que apresentaram as maiores e menores variações neste período. Paralelamente, serão avaliados os componentes sociodemográficos associados a essas transformações, tentando identificar fatores que permitam estabelecer relações entre a dinâmica sociodemográfica e as mudanças climáticas. Por se tratar de um estudo em andamento, o presente artigo traz os resultados preliminares das relações encontradas entre mudanças climáticas e dinâmica sociodemográfica no Estado de São Paulo. Embora, diversas pesquisas apontem que as causas das mudanças ambientais tendem a se relacionar mais com padrões de consumo e estilos de vida do que propriamente com a pressão demográfica, a avaliação da dinâmica demográfica contribui para a identificação de áreas nas quais há maior vulnerabilidade e risco social e ambiental. Além disso, se a urbanização é uma tendência inexorável, é inevitável pensar que os principais impactos ambientais serão percebidos e sentidos pela parcela da população que vive nas cidades. Nesse sentido, o caso paulista é um importante termômetro para medir estas relações, pois possui uma rede urbana articulada e complexa trazendo, portanto, mais desafios às tendências de mudanças ambientais. Assim, como podemos identificar as dimensões humanas dessas mudanças, tanto no que se refere às causas, mas, sobretudo, em relação, às conseqüências? Embora este não seja um trabalho que busque fazer projeções de cenários futuros, considera-se importante transpor os obstáculos que, de certa forma, limitam as análises dentro do campo das ciências sociais brasileiras, de modo a apontar caminhos que levem a respostas satisfatórias a algumas destas perguntas. Em primeiro lugar, porque as abordagens inter/trans-disciplinares demandam a incorporação das variáveis sociais (nem sempre passíveis de mensuração quantitativa) para a compreensão dos fenômenos ambientais. E ainda, porque é importante destacar o papel das ciências sociais dentro do debate das mudanças climáticas, uma vez que existe uma demanda cada vez maior dentro do ambiente científico para o desafio contemporâneo de entender o sistema terra em sua totalidade. Neste sentido, este trabalho busca preencher uma 4

5 lacuna existente no meio acadêmico brasileiro de estudos sobre as dimensões humanas das mudanças climáticas. O Conceito de Vulnerabilidade A noção de vulnerabilidade geralmente é definida como uma situação em que estão presentes três elementos (ou componentes): exposição ao risco; incapacidade de reação; e dificuldade de adaptação diante da materialização do risco (MOSER, 1998). Nos últimos anos, o termo vulnerabilidade social tem sido utilizado com certa freqüência por grupos acadêmicos e entidades governamentais da América Latina 1. A noção de vulnerabilidade social, ao considerar a insegurança e a exposição a riscos e perturbações provocadas por eventos ou mudanças econômicas, daria uma visão mais ampla sobre as condições de vida dos grupos sociais mais pobres e, ao mesmo tempo, consideraria a disponibilidade de recursos e estratégias das próprias famílias para enfrentarem os impactos que as afetam (CEPAL, 2002; KAZTMAN et al., 1999). Uma outra linha de análise sobre vulnerabilidade tem origem nos estudos sobre desastres naturais (natural hazards) e avaliação de risco (risk assessment). Nesta perspectiva, a vulnerabilidade pode ser vista como a interação entre o risco existente em um determinado lugar (hazard of place) e as características e o grau de exposição da população lá residente (CUTTER, 1994; 1996). A noção de vulnerabilidade também tem se tornado, nos últimos anos, um foco central para as comunidades científicas de mudanças ambientais globais (IHDP, IGBP, IPCC 2 ) e uma categoria analítica importante para instituições internacionais, como algumas agências das Nações Unidas (Pnud, Pnuma, FAO 3 ) e o Banco Mundial (KASPERSON e KASPERSON, 2001). Existem muitas definições e acepções de vulnerabilidade, utilizadas em áreas tão diversas quanto o direito, segurança alimentar, macroeconomia, psiquiatria e prevenção de desastres naturais. Cutter (1996), por exemplo, identifica dezoito diferentes definições para o termo. Dentre esta gama de definições, selecionamos uma, que consideramos mais próxima da temática deste artigo, e que talvez seja uma das definições que melhor sintetizem o conceito de vulnerabilidade: [Vulnerability is] the exposure to contingencies and stress, and the difficulty of coping with them. Vulnerability has thus two sides: an external side of risks, shocks and stress to which an individual or household is exposed; and an internal side which 1 Esta incorporação da noção de vulnerabilidade teve forte influência de organismos internacionais, como as Nações Unidas, o Banco Mundial e o Bird. Parte da visibilidade dos estudos sobre vulnerabilidade social deve-se a uma certa insatisfação com os enfoques tradicionais sobre pobreza e com seus métodos de mensuração, baseados exclusivamente no nível de renda monetária e em medidas fixas, como a linha de pobreza. 2 IHDP (International Human Dimensions Programme on Global Environmental Change); IGBP (International Geosphere-Biosphere Programme); IPCC (Intergovernmental Panel on Climate Change). 5

6 represents the lack of ability and means to adequately respond and recover from external shocks and stresses (Chambers,1989). Como bem mostra esta definição acima, é importante destacar que o conceito de vulnerabilidade não trata simplesmente da exposição aos riscos e perturbações, mas também da capacidade das pessoas de lidar com estes riscos e de se adaptar às novas circunstancias. Nisto reside a importância e a inseparabilidade das dimensões social e espacial da vulnerabilidade (PANTELIC et al., 2005). Assim, numa perspectiva das ciências sociais, a vulnerabilidade pode ser pensada em termos de três elementos: grau de exposição ao risco, susceptibilidade ao risco e capacidade de adaptação (ou resiliência) diante da materialização do risco. Nesta perspectiva, as pessoas ou grupos sociais (ou lugares) mais vulneráveis seriam aqueles mais expostos a situações de risco ou stress, mais sensíveis a estas situações e com menor capacidade de se recuperar (MOSER, 1998; SHERBININ et al., 2007). Com relação à literatura brasileira sobre o tema, alguns autores desenvolvem uma discussão sistemática sobre o conceito de vulnerabilidade, procurando analisar a utilização deste conceito em diferentes disciplinas, principalmente na geografia e na demografia. Segundo esses autores, a demografia, à semelhança da geografia, tem trazido a vulnerabilidade como conceito complementar ao de risco. (MARANDOLA e HOGAN, 2005; HOGAN e MARANDOLA, 2005). Neste sentido, o Grupo de Trabalho População, Espaço e Ambiente, da Associação Brasileira de Estudos Populacionais (ABEP), tem tido papel fundamental no avanço conceitual e metodológico, no contexto da demografia, nos estudos sobre risco e vulnerabilidade. Um dos conceitos centrais abordados pelos pesquisadores deste grupo foi o de populações em situação de risco (TORRES; COSTA, 2000). Mudança Climática e Vulnerabilidade Socioambiental nos Contextos Urbanos Com o lançamento dos três relatórios do Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas (IPCC), neste ano de 2007, a questão das mudanças climáticas entrou definitivamente nas agendas da comunidade científica, dos governos e da sociedade civil em quase todos os países do mundo. No entanto, nem todos os aspectos das mudanças climáticas têm sido percebidos com a mesma atenção. Assim, por um lado, a consciência da necessidade de ações para redução das emissões de gases de efeito estufa já está relativamente consolidada entre os governos, comunidade cientifica e sociedade civil, ainda que haja um vasto conjunto de dificuldades, 3 Pnud (Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento); Pnuma (Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente); FAO (Food and Agriculture Organization). 6

7 incertezas e conflitos econômicos e políticos para efetiva implementação destas ações. Porém, por outro lado, a premente necessidade de redução da vulnerabilidade às mudanças climáticas ainda é pouco percebida pelos governantes e mesmo pela sociedade civil. Em parte, isto decorre do fato de que a maior parte da presente e futura vulnerabilidade às mudanças climáticas irá se dar nos países pobres e em desenvolvimento, e principalmente nas populações de baixa renda (IPCC, 2007; HUQ et al., 2007). Como provável conseqüência das mudanças climáticas, os desastres naturais relacionados ao clima estão aumentando em freqüência e magnitude nas últimas décadas. O Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) relata que, entre 1980 e 2000, 75% da população total do mundo vivia em áreas afetadas por algum desastre natural. Em 1999, houve mais de 700 grandes desastres naturais, causando mais de US$ 100 bilhões em perdas econômicas e milhares de vítimas. Mais de 90% dos óbitos decorrentes de desastres naturais em todo o mundo ocorreram em países pobres Além disso, os impactos das mudanças ambientais globais, particularmente os riscos relacionados ao clima, afetam desproporcionalmente as populações pobres e vulneráveis, moradores de favelas e de invasões nas encostas de morros, fundos de vale ou baixadas litorâneas (UNFPA, 2007). Para as áreas urbanas, o principal aumento do risco que irá advir das mudanças climáticas será o aumento no número e intensidade de eventos extremos, tais como tempestades, ciclones e furacões. As cidades são altamente vulneráveis a desastres naturais, como, por exemplo, no caso dos grandes sistemas de abastecimento de água e geração/distribuição de energia, que podem sofrer desabastecimentos repentinos e levar a grandes incidentes e até catástrofes (HUQ et al., 2007). As conseqüências das mudanças climáticas para as áreas urbanas dependerão de diversos fatores, incluindo a resiliência e a vulnerabilidade das populações. Em particular, a saúde humana nas áreas urbanas pode sofrer bastante em conseqüência da mudança climática, especialmente nas áreas urbanas pobres, cujos habitantes têm menos possibilidade de se adaptar. Eles já sofrem com uma variedade de problemas, associados à pobreza e à desigualdade, e as mudanças nos padrões de temperatura e precipitação, advindas das mudanças climáticas, provavelmente irão agravá-los. Por exemplo, nas áreas pobres e periféricas, a ausência de serviços de saúde e outros serviços, combinada a elevadas densidades populacionais, abastecimento insuficiente de água e saneamento inadequado geram condições ideais para a proliferação de doenças respiratórias e intestinais, e para a multiplicação de mosquitos e outros vetores de doenças tropicais, como malária, dengue e febre amarela (UNFPA, 2007). As mudanças climáticas e nos ciclos da água poderão afetar o abastecimento, a distribuição e a qualidade da água em áreas urbanas, com conseqüências significativas para a propagação de doenças transmitidas através da água. Os impactos da mudança climática no abastecimento urbano de água serão provavelmente dramáticos. Muitos países pobres já enfrentam deficiências 7

8 acumuladas de abastecimento, distribuição e qualidade da água, mas a mudança climática provavelmente agravará essas dificuldades. Assim, uma questão bastante importante é a vulnerabilidade das cidades em relação aos recursos hídricos: escassez de água potável; falta de saneamento; e contato com doenças de veiculação hídrica. 4 Em particular, a população pobre nas cidades geralmente não tem acesso a saneamento adequado (água e esgoto) e, muitas vezes, é forçada a residir em áreas expostas a altos níveis de poluição hídrica (UNFPA, 2007). Existem muitos outros riscos, advindos das mudanças climáticas, que são menos dramáticos do que aqueles causados pelos eventos climáticos extremos, mas ainda assim muito graves, especialmente para grupos sociais de baixa renda. Por exemplo, as mudanças climáticas trarão grandes mudanças nos padrões de precipitação ao nível local e mesmo regional, em termos de quantidade e de distribuição anual. Algumas regiões vão se tornar mais úmidas e outras mais secas. Assim, em algumas áreas urbanas, as mudanças climáticas devem aumentar os riscos de enchentes, principalmente devido ao aumento da intensidade e freqüência das chuvas. Por outro lado, as cidades que tiverem menos chuvas terão problemas com suas fontes de água para abastecimento. Estas mudanças vão requerer ações para adaptar os sistemas de abastecimento de água, assim como os sistemas de drenagem (no caso de aumento de intensidade e freqüência de enchentes) (HUQ et al., 2007). Por fim, as mudanças nas temperaturas médias e extremas, na intensidade e na duração das estações, têm sido uma das questões mais estudadas pela comunidade científica a respeito das mudanças climáticas, e terão influência significativa sobre as atividades econômicas (por exemplo, o turismo), a produtividade dos trabalhadores, o conforto térmico, a demanda de energia, e mesmo sobre os níveis de abastecimento e qualidade da água (UNFPA, 2007). Mudança Climática, Dinâmica Sociodemográfica e Vulnerabilidade Social no Estado de São Paulo Dentro do contexto teórico discutido acima, o objetivo do presente estudo é identificar e analisar associações entre mudanças climáticas, dinâmica sociodemográfica e vulnerabilidade social, nos municípios paulistas. Com isso, pretende-se indenticar e caracterizar aqueles municípios onde estão presentes situações de vulnerabilidade às mudanças climáticas, no caso das mudanças nos padrões de chuva, principalmente da população residente em áreas urbanas. 4 Estima-se que 20% da população mundial não tenham acesso a água potável e 50% não dispõe de saneamento adequado. Doenças de veiculação hídrica representam séria ameaça à saúde humana, principalmente para as crianças, que são as mais vulneráveis a estas doenças (IHDP, 2001). 8

9 Para isso, fazemos inicialmente uma avaliação das mudanças nos regimes de precipitação atmosférica 5 no Estado de São Paulo, no período entre 1970 e Em termos gerais, estas mudanças podem ser observadas e medidas através da série histórica dos volumes de chuva, registrados no Banco de Dados Pluviométricos do Estado de São Paulo, organizado e disponibilizado pelo Departamento de Águas e Energia Elétrica do Estado de São Paulo (DAEE- SP). Este banco de dados pode ser acessado a partir da internet 6 e permite observar uma série histórica, com dados desde o início do século 20 até os anos mais recentes. São cerca de 500 pontos de medição espalhados pelo Estado de São Paulo, sendo possível observar os volumes de chuva diários e mensais, além do registro de chuvas máximas diárias. Desta forma, além de ser possível avaliar as mudanças médias na distribuição espacial das chuvas, é possível observar a ocorrência de eventos extremos a partir desta informação de chuvas máximas. A unidade de medida utilizada para estes registros é o de milímetro (mm) de chuva por dia (no caso das máximas) e por mês (no caso das médias). Para se ter uma idéia mais clara, podemos dizer que esta unidade de medida é equivalente ao volume de um litro de água distribuído em um metro quadrado de área. Assim, para o caso da análise das máximas, considerou-se o volume máximo de chuva registrado em um dia para cada período. Já no caso das médias, foram considerados os volumes médios registrados no ano. Para analisar as mudanças nos regimes de precipitação atmosférica, a partir desses dados, foram calculadas as variações percentuais por década para cada município do estado. Assim, foram considerados apenas os municípios para os quais havia dados disponíveis, uma vez que nem todos os municípios possuem estações de coleta destas informações. Essa variação representa, portanto, a magnitude da mudança de precipitação (positiva ou negativa) entre um período (década) e outro em termos percentuais. Com isso, podemos dizer em quais municípios (ou regiões) houve um aumento nas médias (e nas máximas) de chuvas e ainda onde houve uma redução nas médias e nas máximas, no período Particularmente, para este trabalho, foi dada mais ênfase para aqueles municípios/regiões com variação positiva, pois optou-se por avaliar em que medida a maior exposição ao risco de chuvas pode potencializar a vulnerabilidade social e ambiental da população. Como podemos ver na Figura 1, a maior parte dos municípios que apresentaram uma variação percentual positiva (em azul) no volume de precipitação, considerando a variação das chuvas médias entre as décadas de 1970 e de 1990, está concentrada na porção centro-sul do estado. Assim, enquanto a região norte do estado parece ter apresentado uma tendência de redução nas 5 Fenômenos meteorológicos que consistem em queda de água, gelo (granizo) ou neve. 6 O Banco de Dados Pluviométricos disponibilizado pelo DAEE-SP pode ser acessado através do endereço eletrônico <http://www.sigrh.sp.gov.br/cgi-bin/bdhm.exe/plu>. 9

10 médias de chuvas anuais, a porção centro-sul apresentou um aumento (variação positiva) nestas médias. 7 Figura 1 Distribuição da Variação Percentual das Chuvas Médias entre as Décadas de 1970 e 1990 Fonte: DAEE-SP, Banco de Dados Pluviométricos do Estado de São Paulo Assim, no que diz respeito à vulnerabilidade relacionada ao risco de eventos extremos, como enchentes, alagamentos, deslizamentos etc., esta tendência de elevação nas médias de chuvas pode ser considerada um agravante, principalmente quando observamos que essa tendência não afeta todas as regiões do estado de maneira uniforme. Entre as regiões onde essa situação de elevação nas médias de chuvas parece ocorrer, estão o Vale do Ribeira e a Região de Itapeva, nas porções sul e sudoeste do estado, que são as regiões mais pobres do Estado de São Paulo (ver Figura 1). A Figura 2 mostra a distribuição espacial do Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), para o ano de Comparando as Figuras 1 e 2, pode-se observar que existe uma certa coincidência espacial entre os municípios com piores condições socioeconômicas (medidas em termos do IDH) e os municípios com elevação das médias de precipitação atmosférica. Pode-se observar que, além da porção sul e sudoeste do estado, esta associação entre piores condições 7 É importante destacar que a amplitude das variações negativas é menor do que aquelas que variaram positivamente, o que significa dizer que os municípios que tiveram uma variação positiva das médias de chuvas entre uma década e outra, tiveram uma variação maior (em termos proporcionais) que aqueles que tiveram uma variação negativa. 10

11 socioeconômicas (baixo IDH) e aumento nas médias de chuvas também se repete em muitos outros municípios do estado. Figura 2 Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), 2000 Fonte: PNUD/IPEA/FJP, Índice de Desenvolvimento Humano 2000 Além da comparação entre os dois mapas (Figuras 1 e 2), pode-se observar, na Figura 3, a associação negativa que existe entre o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) e variação percentual das médias de precipitação Esta associação negativa revela que a vulnerabilidade social, presente em muitos municípios do estado, é agravada por uma maior exposição ao risco ambiental. Ou seja, estes resultados apontam para uma maior vulnerabilidade sociambiental desses municípios em relação à capacidade da população enfrentar os potenciais riscos derivados do aumento da intensidade e frequência deste tipo de fenômeno atmosférico. 11

12 Figura 3 Associação entre o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) e a variação percentual das médias de precipitação Fonte: DAEE-SP, Banco de Dados Pluviométricos do Estado de São Paulo; PNUD/IPEA/FJP, Índice de Desenvolvimento Humano 2000 Figura 4 Número total de raios registrados entre 2005 e 2006 Fonte: ELAT/INPE, Ranking de Incidência de Descargas Atmosféricas por municípios do Brasil 12

13 Da mesma maneira, outra base de dados que pode ser útil para a análise da exposição a riscos é o Ranking de Incidência de Descargas Atmosféricas por municípios do Brasil. Este estudo desenvolvido pelo Grupo de Eletricidade Atmosférica (ELAT) do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), registrou a incidência de descargas atmosféricas (raios) ao longo dos anos de 2005 e Analisando a distribuição espacial do número total de raios registrados entre 2005 e 2006, podemos perceber que há uma padrão espacial similar à tendência de elevação das chuvas médias, com concentração na porção sul-sudoeste do estado (ver Figura 4). Novamente, há uma relação com os municípios com IDH mais baixo, permitindo avaliar que existem determinadas regiões onde a vulnerabilidade social relacionada à exposição de riscos ambientais é mais urgente. Além disso, neste caso, pode-se observar uma forte associação negativa entre o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) e a variável densidade de raios por habitante por km2, com correlação negativa e significativa (coeficiente de correlação de Pearson de -0,552). Esta associação pode ser vista na Figura 5, que mostra a relação entre o IDH e a densidade de raios por habitante por km2. Esta associação negativa revela, como foi dito, que a vulnerabilidade social, presente em muitos municípios do estado, é agravada por uma maior exposição ao risco ambiental. Figura 5 Associação entre o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) e a densidade de raios por habitante por km2. Fonte: ELAT/INPE, Ranking de Incidência de Descargas Atmosféricas por municípios do Brasil; PNUD/IPEA/FJP, Índice de Desenvolvimento Humano

14 Portanto, estes resultados mostram que em muitos municípios do Estado de São Paulo (e provavelmente do Brasil), que possuem baixos índices de desenvolvimento humano (IDH), além da maior susceptibilidade, há também uma maior exposição ao risco ambiental, o que revela a existência de regiões críticas, onde ocorre uma forte concentração de problemas e riscos sociais e ambientais. Entre estes municípios com alta vulnerabilidade (exposição e susceptibilidade) às mudanças climáticas, relacionadas a maiores médias de precipitação e maior intensidade de raios, destacamos os municípios de Barra do Turvo, Ribeira, Iporanga e Apiaí no Vale do Ribeira; Ribeirão Branco e Capão Bonito na Região de Itapeva; além de Areias, São José do Barreiro e São Luís do Paraitinga, no Vale do Paraíba. Todos esses municípios estão entre os mais pobres do estado, segundo indicadores como o referido IDH e outros como o Índice Paulista de Responsabilidade Social (IPRS), da Fundação Seade. Para todos esses municípios, coloca-se um duplo desafio. Além do desafio do desenvolvimento humano e da redução da pobreza, que sempre foi uma aspiração legítima das populações destes municípios, coloca-se a partir de agora o desafio da mitigação e adaptação às mudanças climáticas. Considerando que estes municipios estão entre os mais pobres do estado, e possuem baixa arrecadação e baixa capacidade de gasto público, o enfretamento das questões relacionadas às mudanças climáticas deve fazer parte de um conjunto amplo de políticas integradas para redução da pobreza e da vulnerabilidade socioambiental. Nesse sentido, seria muito importante que as diversas políticas públicas municipais que lidam com as situações de vulnerabilidade socioambiental (políticas de habitação, saneamento e meio ambiente) fossem formuladas (e implementadas) conjuntamente e de maneira integrada, levando em conta as outras políticas públicas e a distribuição desigual das situações de vulnerabilidade socioambiental no espaço urbano. Outro fator importante que contribui para a vulnerabilidade social em relação ao risco de elevação das chuvas médias é o grau de urbanização, medida que representa a proporção da população urbana em relação à população total. A urbanização é apontada como um fator importante, pois tem duas características que potencializam os riscos relacionados à maior incidência de chuva. A primeira delas é o fato de estar associado a densidades demográficas mais elevadas, expondo ao risco de ser afetado pelas conseqüências dessas chuvas uma parcela maior da população. E, em segundo lugar, pela característica construtiva dessas áreas urbanas, ocorre uma maior impermeabilização do solo, o que proporciona uma menor capacidade de escoamento da água das chuvas. Neste caso, as chuvas máximas registradas em um dia, podem ser o risco mais relevante, pois é nessas situações que se criam condições mais favoráveis a alagamentos e deslizamentos e que, 14

15 quando associados à uma maior densidade populacional em áreas urbanas, podem trazer inúmeras conseqüências sociais e ambientais. No caso das chuvas máximas não há uma concentração de variações positivas em uma determinada região do estado. Mas por outro lado, existe um conjunto relativamente significativo de áreas onde houve elevação do volume de chuvas máximas em áreas mais densamente urbanizadas. Através da Figura 6, pode-se observar os municípios que apresentam alto grau de urbanização e onde houve elevação do volume de chuvas máximas. Assim, podemos encontrar áreas com alto grau de urbanização e com maiores densidades demográficas, onde a população está tendo uma maior exposição a riscos, devido às chuvas que atingem maior intensidade em um único dia, agravando o potencial de impactos sociais. Figura 6 Associação entre Grau de urbanização e variação percentual das máximas de precipitação atmosférica Fonte: DAEE-SP, Banco de Dados Pluviométricos do Estado de São Paulo; IBGE, Censo Demográfico 2000 Assim, por um lado o elevado grau de urbanização pode ser considerado como uma oportunidade de redução ou minimização da vulnerabilidade social, pela maior potencialidade de acionamento das instituições políticas e sociais (como, por exemplo, a Defesa Civil). Por outro, há uma 15

16 potencialização da exposição aos riscos, uma vez que fatores relacionados à morfologia urbana tendem a expor uma maior parcela da população, particularmente a mais pobre, a um conjunto maior de riscos 8, sobretudo quando a mudança climática aponta para o agravamento das mudanças já ocorridas ao longo das últimas décadas. Enfim, dado que o processo de transição urbana já foi superado há algum tempo no Brasil, com forte predomínio da população urbana sobre a população rural, a atenção deve se concentrar na forma urbana dispersa e fragmentada que vem se configurando nos últimos anos, a qual tende a agravar os riscos de alagamentos e enchentes, pela maior impermeabilização dos solos nas áreas urbanizadas, e ainda pela ocupação de áreas ambientalmente impróprias (e não apenas pelos grupos populacionais de baixa renda) (OJIMA, 2007). Considerações Finais: uma agenda para investigação na relação ambiente e sociedade Acreditamos que o desenvolvimento de estudos empíricos sobre a questão da vulnerabilidade socioambiental às mudanças climáticas deve ser parte importante da agenda de pesquisa em torno da temática das mudanças ambientais globais e das mudanças climáticas, no meio acadêmico e científico brasileiro, notadamente nas ciências sociais. Como foi dito, ao nível internacional, o International Human Dimensions Programme on Global Environmental Change (IHDP) constitui-se num fórum interdisciplinar de incentivo e debate sobre pesquisas que abordam o tema das mudanças ambientais globais, a partir de uma perspectiva das ciências humanas. As ciências sociais no Brasil têm muito a contribuir com este fórum, particularmente nas questões que envolvem as relações entre urbanização e as mudanças ambientais globais, em suas diversas escalas de análise (local, regional e global). Para isso os cientistas sociais brasileiros devem participar mais intensamente dos assuntos que cercam fóruns como este. Um outro campo de estudos em torno das mudanças climáticas, extremamente rico e relevante, e que deve ser explorado pelas ciências sociais no Brasil, é a questão das dimensões institucionais das mudanças ambientais globais. Esta temática também está bastante desenvolvida no âmbito do IHDP, através de um Programa denominado Institutional Dimensions of Global Environmental Change (IDGEC) 9. Afinal, grande parte da capacidade de resposta frente às mudanças ambientais se dá através dos mecanismos institucionais. 8 Esta maior exposição da população a riscos está diretamente relacionada à expansão urbana, principalmente dos bairros pobres e periféricos para áreas com maior potencial de risco ambiental, tais como altas declividades e fundos de vale, sujeitas a enchentes e deslizamentos. 9 O Relatório Científico do IDGEC destaca que: 16

17 Com relação aos resultados do presente trabalho, vimos que em muitos municípios do Estado de São Paulo, que possuem baixos índices de desenvolvimento humano (IDH) e, portanto, maior susceptibilidade a situações de risco ambiental, está ocorrendo um aumento dos níveis médios de precipitação pluviométrica (chuvas), nas últimas décadas, aumentando assim os níveis de exposição a situações de risco ambiental, tais como enchentes, deslizamentos e contato com doenças de veiculação hídrica. Assim, a vulnerabilidade social, presente em muitos municípios do estado, está sendo agravada por uma maior exposição ao risco ambiental, o que revela a existência de regiões críticas, onde ocorre uma forte concentração de problemas e riscos sociais e ambientais. Além disso, os resultados também revelam que existe um conjunto significativo de municípios onde está havendo uma elevação do volume de chuvas máximas em regiões mais densamente urbanizadas. Assim, podemos encontrar muitas áreas com alto grau de urbanização e com maiores densidades demográficas, onde a população está tendo uma maior exposição a riscos, devido às chuvas que atingem maior intensidade em um único dia, o que também agrava a vulnerabilidade social, principalmente nas áreas mais pobres. Cabe destacar que as populações residentes nestes municípios com alta vulnerabilidade socioambiental sofrerão mais intensamente com as conseqüências das mudanças ambientais. Assim, as mudanças climáticas trarão graves conseqüências para a qualidade de vida e para a saúde das populações residentes nestas áreas urbanas, especialmente nas áreas pobres, cujos habitantes têm menos recursos e possibilidade de se adaptar. Eles já sofrem com uma variedade de problemas associados à pobreza e à desigualdade e as mudanças climáticas poderão agraválos. Além disso, as mudanças na precipitação e nos ciclos da água poderão afetar o abastecimento, a distribuição e a qualidade da água em áreas urbanas, com conseqüências significativas para a qualidade de vida destas populações. Sem falar nos impactos que existem, e não puderam ser explorados neste breve panorama das mudanças climáticas, como aqueles relacionados à redução do regime de chuvas. Nesse caso, o aumento dos períodos de estiagem também podem provocar sérios impactos negativos na saúde (doenças respiratórias), no abastecimento de água e na geração de energia (redução dos reservatórios), entre outros. Institutions figure prominently as determinants of the course of human/environment relations. Faulty institutional arrangements frequently cause largescale environmental problems, such as severe depletion of living resources resulting from unrestricted access to common pool resources or air and water pollution occurring as externalities of the use of privately owned resources. Conversely, institutional arrangements often play a role in solving environmental problems, as in cases featuring the creation of limited-entry regimes to avoid the ravages of unsustainable harvesting of living resources or international regimes intended to prevent environmental problems such as the destruction of stratospheric ozone resulting from emissions of chlorofluorocarbons (CFCs) and related chemicals. In both cases, the fundamental premise is the same: the operation of institutions accounts for a sizable proportion of the variance in human behavior affecting biogeophysical systems. The project on the Institutional Dimensions of Global Environmental Change (IDGEC) directs attention to these institutional matters and seeks to answer a set of specific questions pertaining both to anthropogenic sources of global environmental changes and to human responses to these largescale environmental changes. In the process, the project aims to produce insights that are directly relevant to the work of those charged with creating, implementing, and evaluating a variety of institutional arrangements (IHDP Report No. 16). 17

18 Portanto, no contexto de uma agenda brasileira de estudos sobre situações de vulnerabilidade socioambiental às mudanças climáticas, uma contribuição do nosso presente trabalho é dar visibilidade às regiões do Estado de São Paulo que concentram maiores níveis de exposição e susceptibilidade aos riscos ambientais, decorrentes ou intensificados pelas mudanças climáticas, tais como enchentes, deslizamentos e proliferação de doenças transmissíveis, originados por eventos extremos ou mudanças de padrões de precipitação atmosférica. Estas regiões podem ser consideradas como de alta vulnerabilidade socioambiental às mudanças climáticas e devem ser alvo prioritário de políticas públicas sociais e ambientais em busca de formas de mitigação e de potencialização da resiliência. Referências Bibliográficas CEPAL - COMISIÓN ECONÓMICA PARA AMÉRICA LATINA Y EL CARIBE. Socio-demographic vulnerability: old and new risks for communities, households and individuals. Summary and conclusions. Brasilia: UNA, CHAMBERS, R. Vulnerability, coping and policy. IDS Bulletin, v. 20, n. 2, CUTTER S.L. Vulnerability to environmental hazards. Progress in Human Geography, v.20, n. 4, p , Dec CUTTER S.L. (Org.) Environmental risks and hazards. London: Prentice-Hall, DAEE-SP. SIGRH Sistema de Informações para o Gerenciamento de Recursos Hídricos do Estado de São Paulo. Banco de Dados Pluviométricos do Estado de São Paulo. HOGAN, D.J.; MARANDOLA JR., E. Towards an interdisciplinary conceptualization of vulnerability. Population, Space and Place, n. 11, p , HUQ S.; KOVATS S.; REID H.; SATTERTHWAITE D. Editorial: Reducing risks to cities from disasters and climate change. Environment & Urbanization, London, Vol. 19, No. 1, April IHDP. Institutional Dimensions on Global Environmental Change - IDGEC Science Plan. IHDP Report Series No. 16, July IHDP. Newsletter of the International Human Dimensions Programme on Global Environmental Change, Bonn, n. 2, IPCC Intergovernmental Panel on Climate Change. Working Group II Climate Change Impacts, Adaptation and Vulnerability. Crown: United Kingdom, KASPERSON, J.; KASPERSON, R. International workshop on vulnerability and global environmental change. Stockholm: SEI, KAZTMAN, R.; BECCARIA, L.; FILGUEIRA, F.; GOLBERT, L.; KESSLER, G. Vulnerabilidad, activos y exclusión social en Argentina y Uruguay. Santiago de Chile: OIT, MARANDOLA JR.; E.; HOGAN, D.J. Vulnerabilidade e riscos: entre geografia e demografia. Revista Brasileira de Estudos de População, São Paulo, v. 22, n. 1, p , jan./jun

19 MARTINE, G. The sustainable use of space: advancing the population/ environment agenda. Paper presented at the Cyber Seminars of the Population-Environment Research Network, 2001 MOSER, C. The asset vulnerability framework: reassessing urban poverty reduction strategies. World Development, New York, v.26, n. 1, OJIMA, R. Análise comparativa da dispersão urbana nas aglomerações urbanas brasileiras: elementos teóricos e metodológicos para o planejamento urbano e ambiental. Tese (Doutorado em Demografia) - Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, PANTELIC, J.; SRDANOVIC, B.; GREENE, M. Postmodern urbanization and the vulnerability of the poor. Third Urban Research Symposium: Land Development, Urban Policy and Poverty Reduction, The World Bank and IPEA. Brasília, DF, Brazil. April 4-6, SANCHEZ-RODRIGUEZ, R.; SETO, K.C.; SIMON, D.; SOLECKI, W.D.; KRAAS, F.; LAUMANN, G. (2005). Science Plan: Urbanization and Global Environmental Change. IHDP Report no15, Bonn-Germany, March/2005. SHERBININ A.; SCHILLER A.; PULSIPHER A. The vulnerability of global cities to climate hazards. Environment & Urbanization, London, Vol. 19, No. 1, April TORRES, H.; COSTA, H. (Orgs.). População e meio ambiente: debates e desafios. São Paulo: Editora Senac, 2000, p UNFPA. Situação da População Mundial 2007: Desencadeando o Potencial do Crescimento Urbano. Fundo de População das Nações Unidas. Nova York: UNFPA,

Humberto Prates da Fonseca Alves Centro de Estudos da Metrópole - CEM/CEBRAP

Humberto Prates da Fonseca Alves Centro de Estudos da Metrópole - CEM/CEBRAP 1 Vulnerabilidade sócio-ambiental na metrópole paulistana: uma análise das situações de sobreposição espacial de problemas e riscos sociais e ambientais * Humberto Prates da Fonseca Alves Centro de Estudos

Leia mais

Vulnerabilidade socioambiental nos municípios do litoral paulista no contexto das mudanças climáticas

Vulnerabilidade socioambiental nos municípios do litoral paulista no contexto das mudanças climáticas Vulnerabilidade socioambiental nos municípios do litoral paulista no contexto das mudanças climáticas Humberto Prates da Fonseca Alves Allan Yu Iwama de Mello Álvaro de Oliveira D Antona Roberto Luiz do

Leia mais

Risco e vulnerabilidade socioambiental nas cidades do litoral do estado de São Paulo, Brasil, no contexto das mudanças climáticas.

Risco e vulnerabilidade socioambiental nas cidades do litoral do estado de São Paulo, Brasil, no contexto das mudanças climáticas. Risco e vulnerabilidade socioambiental nas cidades do litoral do estado de São Paulo, Brasil, no contexto das mudanças climáticas. Álvaro de Oliveira D'Antona Humberto P. F. Alves Allan Yu Iwama de Mello

Leia mais

Mudanças climáticas globais e recursos hídricos com enfoque para as bacias hidrográficas

Mudanças climáticas globais e recursos hídricos com enfoque para as bacias hidrográficas Mudanças climáticas globais e recursos hídricos com enfoque para as bacias hidrográficas Emília Hamada Pesquisador, Embrapa Meio Ambiente, Jaguariúna - SP A mudança climática global começou a ser discutida

Leia mais

População e mudança climática: Dimensões humanas das mudanças ambientais globais*

População e mudança climática: Dimensões humanas das mudanças ambientais globais* RESENHA/BOOK REVIEW População e mudança climática: Dimensões humanas das mudanças ambientais globais* Rafael D Almeida Martins 1 As mudanças climáticas passaram em curto espaço de tempo para o centro do

Leia mais

Água, risco e vulnerabilidade: os conceitos de Risco Hídrico e de Vulnerabilidade Hidrossocial

Água, risco e vulnerabilidade: os conceitos de Risco Hídrico e de Vulnerabilidade Hidrossocial Água, risco e vulnerabilidade: os conceitos de Risco Hídrico e de Vulnerabilidade Hidrossocial Alexander Josef Sá Tobias da Costa UERJ / Instituto de Geografia - ajcostageo@gmail.com Estágio da pesquisa:

Leia mais

Humberto Prates da Fonseca Alves **

Humberto Prates da Fonseca Alves ** Vulnerabilidade socioambiental na metrópole paulistana: uma análise sociodemográfica das situações de sobreposição espacial de problemas e riscos sociais e ambientais * Humberto Prates da Fonseca Alves

Leia mais

A WaterAid e as mudanças climáticas

A WaterAid e as mudanças climáticas A WaterAid e as mudanças climáticas Kajal Gautam, 16 anos, e a prima, Khushboo Gautam, 16 anos, regressando a casa depois de irem buscar água em Nihura Basti, Kanpur, na Índia. WaterAid/ Poulomi Basu Louise

Leia mais

Fenômenos e mudanças climáticos

Fenômenos e mudanças climáticos Fenômenos e mudanças climáticos A maioria dos fenômenos climáticos acontecem na TROPOSFERA. Camada inferior da atmosfera que vai do nível do mar até cerca de 10 a 15 quilômetros de altitude. Nuvens, poluição,

Leia mais

NOTA DE IMPRENSA. Embargado até 27/11/2007, às 10h (horário de Brasília) Aquecimento global vai ampliar as desigualdades na América Latina

NOTA DE IMPRENSA. Embargado até 27/11/2007, às 10h (horário de Brasília) Aquecimento global vai ampliar as desigualdades na América Latina NOTA DE IMPRENSA Embargado até 27/11/2007, às 10h (horário de Brasília) Aquecimento global vai ampliar as desigualdades na América Latina Relatório de desenvolvimento humano 2007/2008 estabelece o caminho

Leia mais

PADRÕES DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO E VULNERABILIDADE SOCIOAMBIENTAL A EVENTOS EXTREMOS CLIMÁTICOS NO LITORAL NORTE DE SÃO PAULO

PADRÕES DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO E VULNERABILIDADE SOCIOAMBIENTAL A EVENTOS EXTREMOS CLIMÁTICOS NO LITORAL NORTE DE SÃO PAULO PADRÕES DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO E VULNERABILIDADE SOCIOAMBIENTAL A EVENTOS EXTREMOS CLIMÁTICOS NO LITORAL NORTE DE SÃO PAULO IV Workshop REDELITORAL Carlos Eduardo Nakao Inouye São Sebastião, 24 de novembro

Leia mais

UMA ANÁLISE DO ESTADO DA ARTE RESULTANTE DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS: O ENVELHECIMENTO DA POPULAÇÃO MUNDIAL

UMA ANÁLISE DO ESTADO DA ARTE RESULTANTE DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS: O ENVELHECIMENTO DA POPULAÇÃO MUNDIAL UMA ANÁLISE DO ESTADO DA ARTE RESULTANTE DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS: O ENVELHECIMENTO DA POPULAÇÃO MUNDIAL INTRODUCÃO O início do Século XXI tem sido marcado por uma discussão crescente a respeito das mudanças

Leia mais

2 - MATERIAIS E MÉTODOS

2 - MATERIAIS E MÉTODOS Reflexões sobre as mudanças climáticas e a dinâmica da malária na Amazônia Marly Satimi Shimada 1,Angela Imakawa 2 1 Aluna do curso de Especialização em Saúde Ambiental Centro de Pesquisa Leônidas e Maria

Leia mais

OPINIÃO Aquecimento Global: evidências e preocupações

OPINIÃO Aquecimento Global: evidências e preocupações OPINIÃO Aquecimento Global: evidências e preocupações Maurício Serra Pode-se dizer que a relação entre o homem e a natureza é historicamente uma relação de conflitos na medida em que o homem tem contribuído

Leia mais

População, riscos, vulnerabilidades e desastres: conceitos básicos

População, riscos, vulnerabilidades e desastres: conceitos básicos População, riscos, vulnerabilidades e desastres: conceitos básicos Roberto Luiz do Carmo O objeto de estudos da Demografia são as populações humanas, e os componentes básicos da dinâmica demográfica são

Leia mais

Política metropolitana integrada de gestão dos riscos ambientais e de mudanças climáticas

Política metropolitana integrada de gestão dos riscos ambientais e de mudanças climáticas Política metropolitana integrada de gestão dos riscos ambientais e de mudanças climáticas Justificativas Riscos associados ao aumento da freqüência e magnitude das catástrofes meteorológicas, econômicas

Leia mais

Como as alterações climáticas podem afetar as cidades, as organizações e as empresas

Como as alterações climáticas podem afetar as cidades, as organizações e as empresas Como as alterações climáticas podem afetar as cidades, as organizações e as empresas Thelma Krug Pesquisadora, INPE Membro do Conselho do IPCC Congresso Internacional de Sustentabilidade São José dos Campos,

Leia mais

EFEITO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NA DISPONIBILIDADE HÍDRICA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PARACATU

EFEITO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NA DISPONIBILIDADE HÍDRICA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PARACATU EFEITO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NA DISPONIBILIDADE HÍDRICA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PARACATU RÔMULA F. DA SILVA 1 ; ELOY L. DE MELLO 2 ; FLÁVIO B. JUSTINO 3 ; FERNANDO F. PRUSKI 4; FÁBIO MARCELINO DE

Leia mais

VULNERABILIDADE SÓCIO-CLIMÁTICA: CASOS BRASILEIROS EMBLEMÁTICOS DE ÁREAS SUJEITAS A ALAGAMENTO

VULNERABILIDADE SÓCIO-CLIMÁTICA: CASOS BRASILEIROS EMBLEMÁTICOS DE ÁREAS SUJEITAS A ALAGAMENTO VULNERABILIDADE SÓCIO-CLIMÁTICA: CASOS BRASILEIROS EMBLEMÁTICOS DE ÁREAS SUJEITAS A ALAGAMENTO Aluno: Camila Romano de Paula Antunes Orientador: Maria Fernanda Rodrigues Campos Lemos Introdução A pesquisa

Leia mais

MUDANÇAS DO CLIMA E OS RECURSOS HÍDRICOS. São Carlos, 25 de fevereiro de 2010

MUDANÇAS DO CLIMA E OS RECURSOS HÍDRICOS. São Carlos, 25 de fevereiro de 2010 MUDANÇAS DO CLIMA E OS RECURSOS HÍDRICOS São Carlos, 25 de fevereiro de 2010 A BACIA HIDROGRÁFICA COMO UNIDADE DE PLANEJAMENTO OCUPAÇÃO DA BACIA HIDROGRÁFICA O DESMATAMENTO DAS BACIAS OCUPAÇÃO DA BACIA

Leia mais

Trabalho, Mudanças Climáticas e as Conferências do Clima: subsídios para as negociações da UGT na COP-21 Resumo Executivo

Trabalho, Mudanças Climáticas e as Conferências do Clima: subsídios para as negociações da UGT na COP-21 Resumo Executivo Trabalho, Mudanças Climáticas e as Conferências do Clima: subsídios para as negociações da UGT na COP-21 Resumo Executivo I Informações Gerais Impactos das Mudanças Climáticas As mudanças climáticas impõem

Leia mais

Extremos da variabilidade do clima e impactos na sociedade : A seca e crise hídrica de 2014-15 no Sudeste do Brasil

Extremos da variabilidade do clima e impactos na sociedade : A seca e crise hídrica de 2014-15 no Sudeste do Brasil Extremos da variabilidade do clima e impactos na sociedade : A seca e crise hídrica de 2014-15 no Sudeste do Brasil J. Marengo, C. Nobre, M Seluchi, A. Cuartas, L. Alves, E. Mendiondo CEMADEN, Brasil jose.marengo@cemaden.gov.br

Leia mais

reverse speed, results that it showed an increase of precipitations in the rainy

reverse speed, results that it showed an increase of precipitations in the rainy ANÁLISE HISTÓRICA DA SÉRIE DE PRECIPITAÇÃO (1931-2010) E O BALANÇO HÍDRICO DE MACEIÓ AL: CICLO HIDROLÓGICO E MUDANÇAS CLIMÁTICAS. Expedito R. G. Rebello¹; Nadir Dantas de Sales². RESUMO Este trabalho tem

Leia mais

Mudança do clima: Principais conclusões do 5º Relatório do IPCC

Mudança do clima: Principais conclusões do 5º Relatório do IPCC Mudança do clima: Principais conclusões do 5º Relatório do IPCC ILIDIA DA ASCENÇÃO GARRIDO MARTINS JURAS Consultora Legislativa da Área XI Meio Ambiente e Direito Ambiental, Organização Territorial, Desenvolvimento

Leia mais

Elaboração de um Banco de Dados para Eventos Severos

Elaboração de um Banco de Dados para Eventos Severos Elaboração de um Banco de Dados para Eventos Severos G. J. Pellegrina 1, M. A. Oliveira 1 e A. S. Peixoto 2 1 Instituto de Pesquisas Meteorológicas (UNESP), Bauru S.P., Brasil 2 Departamento de Engenharia

Leia mais

VARIABILIDADE DE ÍNDICES DE PRECIPITAÇÃO E TEMPERATURA NA AMAZÔNIA OCIDENTAL

VARIABILIDADE DE ÍNDICES DE PRECIPITAÇÃO E TEMPERATURA NA AMAZÔNIA OCIDENTAL VARIABILIDADE DE ÍNDICES DE PRECIPITAÇÃO E TEMPERATURA NA AMAZÔNIA OCIDENTAL Santos, D.C. (1) ; Medeiros, R.M. (1) ; Correia, D. S. () ; Oliveira, V.G. (3) ; Brito, J.I.B. () dariscorreia@gmail.com (1)

Leia mais

Consumo de água na cidade de São Paulo. Cláudia Cristina dos Santos 1 Augusto José Pereira Filho 2

Consumo de água na cidade de São Paulo. Cláudia Cristina dos Santos 1 Augusto José Pereira Filho 2 Consumo de água na cidade de São Paulo Cláudia Cristina dos Santos 1 Augusto José Pereira Filho 2 1 Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais INPE Caixa Postal 515 - CEP 12245-970 São José dos Campos SP,

Leia mais

O que é a adaptação às mudanças climáticas?

O que é a adaptação às mudanças climáticas? Síntese da CARE Internacional sobre Mudanças Climáticas O que é a adaptação às mudanças climáticas? As mudanças climáticas colocam uma ameaça sem precedentes a pessoas vivendo nos países em desenvolvimento

Leia mais

SITUAÇÃO DOS ODM NOS MUNICÍPIOS

SITUAÇÃO DOS ODM NOS MUNICÍPIOS SITUAÇÃO DOS ODM NOS MUNICÍPIOS O presente levantamento mostra a situação dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM) nos municípios brasileiros. Para realizar a comparação de forma mais precisa,

Leia mais

Mudanças Socioambientais Globais, Clima e Desastres Naturais

Mudanças Socioambientais Globais, Clima e Desastres Naturais Mudanças Socioambientais Globais, Clima e Desastres Naturais (ENSP/FIOCRUZ) Centro de Estudos e Pesquisas em Emergências e Desastres (CEPEDES) Fundação Oswaldo Cruz (FIOCRUZ) AS MUDANÇAS SOCIOAMBIENTAIS

Leia mais

Allan Yu Iwama de Mello 1 Lívia Rodrigues Tomás 2 Álvaro de Oliveira D Antona 3

Allan Yu Iwama de Mello 1 Lívia Rodrigues Tomás 2 Álvaro de Oliveira D Antona 3 Anais XV Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto - SBSR, Curitiba, PR, Brasil, 30 de abril a 05 de maio de 2011, INPE p.5584 Análise de vulnerabilidades às mudanças climáticas: proposta de abordagens

Leia mais

MUDANÇAS CLIMÁTICAS E CIDADES

MUDANÇAS CLIMÁTICAS E CIDADES MUDANÇAS CLIMÁTICAS E CIDADES Instituição Coordenadora: NEPO/UNICAMP, Campinas, SP Co-coordenador: Roberto Luiz do Carmo (NEPO/IFCH/UNICAMP) Co-coordenador: Heloisa Soares de Moura Costa (UFMG) Mudanças

Leia mais

VIGILÂNCIA AMBIENTAL

VIGILÂNCIA AMBIENTAL VIGILÂNCIA AMBIENTAL VIGILÂNCIA AMBIENTAL Introdução Considera-se a vigilância ambiental como o processo contínuo de coleta de dados e análise de informação sobre saúde e ambiente, com o intuito de orientar

Leia mais

DETERMINANTES DA POBREZA E DESIGUALDADE DE RENDA NO BRASIL: ANÁLISE DA ECONOMIA BRASILEIRA ENTRE 1994 E 2014. RESUMO

DETERMINANTES DA POBREZA E DESIGUALDADE DE RENDA NO BRASIL: ANÁLISE DA ECONOMIA BRASILEIRA ENTRE 1994 E 2014. RESUMO DETERMINANTES DA POBREZA E DESIGUALDADE DE RENDA NO BRASIL: ANÁLISE DA ECONOMIA BRASILEIRA ENTRE 1994 E 2014. Cleber Yutaka Osaku 1 ; Alexandre de Souza Correa 2. UFGD/FACE - Caixa Postal - 364 - Dourados/MS,

Leia mais

INFORMATIVO CLIMÁTICO

INFORMATIVO CLIMÁTICO GOVERNO DO MARANHÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO NÚCLEO GEOAMBIENTAL LABORATÓRIO DE METEOROLOGIA INFORMATIVO CLIMÁTICO MARANHÃO O estabelecimento do fenômeno El Niño - Oscilação Sul (ENOS) e os poucos

Leia mais

ASPECTOS DA REDE URBANA DO ESTADO DE SÃO PAULO

ASPECTOS DA REDE URBANA DO ESTADO DE SÃO PAULO ASPECTOS DA REDE URBANA DO ESTADO DE SÃO PAULO SIMÃO, Rosycler Cristina Santos Palavras chave: rede urbana; São Paulo; disparidades regionais; Censo Demográfico 2000. Resumo O objetivo do trabalho é mostrar

Leia mais

OS LIMITES DO DESENVOLVIMENTO LOCAL: ESTUDOS SOBRE PEQUENOS MUNICÍPIOS DO INTERIOR DE SÃO PAULO

OS LIMITES DO DESENVOLVIMENTO LOCAL: ESTUDOS SOBRE PEQUENOS MUNICÍPIOS DO INTERIOR DE SÃO PAULO OS LIMITES DO DESENVOLVIMENTO LOCAL: ESTUDOS SOBRE PEQUENOS MUNICÍPIOS DO INTERIOR DE SÃO PAULO Tayla Nayara Barbosa 1 RESUMO: O presente estudo científico teve como objetivo estudar mais detalhadamente

Leia mais

GIRH como Instrumento de Adaptação às Mudanças Climáticas. Instrumentos e Medidas de Adaptação

GIRH como Instrumento de Adaptação às Mudanças Climáticas. Instrumentos e Medidas de Adaptação GIRH como Instrumento de Adaptação às Mudanças Climáticas Instrumentos e Medidas de Adaptação Objetivos desta sessão Ao fim desta sessão, os participantes poderão: Compreender o conceito de adaptação às

Leia mais

INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE PARA O ENFRENTAMENTO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS EM ÁREAS URBANAS: UM ESTUDO DE CASO NO MUNICÍPIO DE BELÉM, PARÁ, BRASIL

INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE PARA O ENFRENTAMENTO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS EM ÁREAS URBANAS: UM ESTUDO DE CASO NO MUNICÍPIO DE BELÉM, PARÁ, BRASIL INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE PARA O ENFRENTAMENTO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS EM ÁREAS URBANAS: UM ESTUDO DE CASO NO MUNICÍPIO DE BELÉM, PARÁ, BRASIL Priscila da Silva Batista Instituto Tecnológico, Universidade

Leia mais

Gestão Integrada de Águas Urbanas

Gestão Integrada de Águas Urbanas Gestão Integrada de Águas Urbanas Prof. Carlos E. M. Tucci Consultor do Banco Mundial São Paulo 4 a 6 de dezembro de 2012 1 Impactos Aumento da magnitude das vazões e da frequência de inundações; Aumento

Leia mais

Mudanças climáticas devem forçar a migração de milhões de pessoas.

Mudanças climáticas devem forçar a migração de milhões de pessoas. Mudanças climáticas devem forçar a migração de milhões de pessoas. Natureza já está dando o troco para o consumo descontrolado de recursos. Artigo da 'Science' alerta para necessidade de criar políticas

Leia mais

COMPREENSÕES E AÇÕES FRENTE AOS PADRÕES ESPACIAS E TEMPORAIS DE RISCOS E DESASTRES

COMPREENSÕES E AÇÕES FRENTE AOS PADRÕES ESPACIAS E TEMPORAIS DE RISCOS E DESASTRES COMPREENSÕES E AÇÕES FRENTE AOS PADRÕES ESPACIAS E TEMPORAIS DE RISCOS E DESASTRES Lucí Hidalgo Nunes luci@ige.unicamp.br Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) Instituto de Geociências Departamento

Leia mais

Desenvolvimento regional

Desenvolvimento regional Desenvolvimento regional Água e terra irrigada para o Nordeste No Nordeste, onde a seca representa o grande obstáculo para o desenvolvimento, o Governo Federal está realizando o maior programa de construção

Leia mais

Reflexões sobre o Quinto relatório de avaliação do IPCC constatações e complexidades Natal outubro 2015. CAROLINA DUBEUX carolina@ppe.ufrj.

Reflexões sobre o Quinto relatório de avaliação do IPCC constatações e complexidades Natal outubro 2015. CAROLINA DUBEUX carolina@ppe.ufrj. Reflexões sobre o Quinto relatório de avaliação do IPCC constatações e complexidades Natal outubro 2015 CAROLINA DUBEUX carolina@ppe.ufrj.br A mudança do clima e a economia Fonte: Adaptado de Margulis

Leia mais

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos POPULAÇÃO BRASILEIRA Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos Desde a colonização do Brasil o povoamento se concentrou no litoral do país. No início do século XXI, a população brasileira ainda

Leia mais

CAPÍTULO 4 DESASTRES NATURAIS

CAPÍTULO 4 DESASTRES NATURAIS CAPÍTULO 4 DESASTRES NATURAIS Quando vimos na TV o acontecimento do Tsunami, em 2004, pensamos: O mundo está acabando! Mas por que esses desastres naturais estão, cada vez mais, assolando nosso planeta?

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DA GESTÃO DE RISCO PARA O PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA DEFESA CIVIL DE RIO CLARO - SÃO PAULO - BRASIL

CONTRIBUIÇÕES DA GESTÃO DE RISCO PARA O PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA DEFESA CIVIL DE RIO CLARO - SÃO PAULO - BRASIL CONTRIBUIÇÕES DA GESTÃO DE RISCO PARA O PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA DEFESA CIVIL DE RIO CLARO - SÃO PAULO - BRASIL Vanessa da Silva Brum Bastos vsbrumb@gmail.com Graduanda do 4º ano do bacharelado em Geografia-

Leia mais

Plataforma IPEA de Pesquisa em Rede PROJETO: MAPEAMENTO DA VULNERABILIDADE SOCIAL NAS REGIÕES METROPOLITANAS BRASILEIRAS TERMO DE REFERÊNCIA

Plataforma IPEA de Pesquisa em Rede PROJETO: MAPEAMENTO DA VULNERABILIDADE SOCIAL NAS REGIÕES METROPOLITANAS BRASILEIRAS TERMO DE REFERÊNCIA Plataforma IPEA de Pesquisa em Rede PROJETO: MAPEAMENTO DA VULNERABILIDADE SOCIAL NAS REGIÕES METROPOLITANAS BRASILEIRAS TERMO DE REFERÊNCIA 1. Título da Pesquisa/Projeto: Mapeamento da Vulnerabilidade

Leia mais

RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 *

RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 * RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 * Os resultados aqui apresentados foram extraídos do Atlas da Vulnerabilidade Social nos Municípios Brasileiros, elaborado pelo Instituto

Leia mais

Capítulo 21 Meio Ambiente Global. Geografia - 1ª Série. O Tratado de Kyoto

Capítulo 21 Meio Ambiente Global. Geografia - 1ª Série. O Tratado de Kyoto Capítulo 21 Meio Ambiente Global Geografia - 1ª Série O Tratado de Kyoto Acordo na Cidade de Kyoto - Japão (Dezembro 1997): Redução global de emissões de 6 Gases do Efeito Estufa em 5,2% no período de

Leia mais

WWDR4 Resumo histórico

WWDR4 Resumo histórico WWDR4 Resumo histórico Os recursos hídricos do planeta estão sob pressão do crescimento rápido das demandas por água e das mudanças climáticas, diz novo Relatório Mundial das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento

Leia mais

Francis Lacerda MUDANÇAS CLIMÁTICAS E IMPACTOS NO ARARIPE

Francis Lacerda MUDANÇAS CLIMÁTICAS E IMPACTOS NO ARARIPE Francis Lacerda MUDANÇAS CLIMÁTICAS E IMPACTOS NO ARARIPE Introdução O recém divulgado relatório do IPCC AR5 sobre a base científica das mudanças climáticas conclui, com acima de 90% de confiança, que

Leia mais

INFORME SOBRE O VERÃO 2014-2015

INFORME SOBRE O VERÃO 2014-2015 INFORME SOBRE O VERÃO 2014-2015 1. INTRODUÇÃO A estação do verão inicia-se no dia 21 de dezembro de 2014 às 20h03 e vai até as 19h45 do dia 20 de março de 2015. No Paraná, historicamente, ela é bastante

Leia mais

Cidades Verdes. Cidades e Mudanças Climáticas no Brasil: Resultados Preliminares

Cidades Verdes. Cidades e Mudanças Climáticas no Brasil: Resultados Preliminares Cidades Verdes Cidades e Mudanças Climáticas no Brasil: Resultados Preliminares Cidades Brasileiras e Mudanças Climáticas Emissões de GEE Vulnerabilidade Ações das cidades brasileiras Oportunidades de

Leia mais

A Importância de Inventários de Emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE) em Governos Locais

A Importância de Inventários de Emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE) em Governos Locais VIII Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí I Seminário dos Estudantes de Pós Graduação A Importância de Inventários de Emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE) em Governos Locais (1) Leonardo

Leia mais

AVALIAÇÃO DA VULNERABILIDADE ÀS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NO SECTOR DE RECURSOS HÍDRICOS

AVALIAÇÃO DA VULNERABILIDADE ÀS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NO SECTOR DE RECURSOS HÍDRICOS 032135.0407xx.MOZ.CON-01.Output9-5.v1 AVALIAÇÃO DA VULNERABILIDADE ÀS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NO SECTOR DE RECURSOS HÍDRICOS 1. Introdução O relatório do "Intergovernmental Panel on Climate Change" (IPCC,

Leia mais

Restabelecer a Confiança Global

Restabelecer a Confiança Global Restabelecer a Confiança Global Os dois principais desafios à justiça global, as alterações climáticas e a pobreza, estão interligados. Temos que combatê-los simultaneamente; não podemos cuidar de um sem

Leia mais

PROJETO DE LEI. III - emissões: liberação de gases de efeito estufa ou seus precursores na atmosfera numa área específica e num período determinado;

PROJETO DE LEI. III - emissões: liberação de gases de efeito estufa ou seus precursores na atmosfera numa área específica e num período determinado; PROJETO DE LEI Institui a Política Nacional sobre Mudança do Clima e dá outras providências. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1 o Esta Lei institui a Política Nacional sobre Mudança do Clima, fixa seus

Leia mais

Metas Curriculares Ensino Básico Geografia

Metas Curriculares Ensino Básico Geografia Metas Curriculares Ensino Básico Geografia 9.º ano Versão para discussão pública Novembro de 2013 Autores Adelaide Nunes António Campar de Almeida Cristina Nolasco Geografia 9.º ano CONTRASTES DE DESENVOLVIMENTO

Leia mais

ODS 1 - Acabar com a pobreza em todas as suas formas, em todos os lugares.

ODS 1 - Acabar com a pobreza em todas as suas formas, em todos os lugares. ODS 1 - Acabar com a pobreza em todas as suas formas, em todos os lugares. 1.1 Até 2030, erradicar a pobreza extrema para todas as pessoas em todos os lugares, atualmente medida como pessoas vivendo com

Leia mais

Queda da capacidade de geração de. energia elétrica no Brasil

Queda da capacidade de geração de. energia elétrica no Brasil Queda da capacidade de geração de energia elétrica no Brasil Luan Maximiano de Oliveira da Costa 1,2 Resumo: Energias renováveis representam em média 18% da energia consumida no mundo. Devido à necessidade

Leia mais

ANÁLISE MULTITEMPORAL DO PADRÃO DE CHUVAS NA ZONA OESTE DO RIO DE JANEIRO NO ÂMBITO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS

ANÁLISE MULTITEMPORAL DO PADRÃO DE CHUVAS NA ZONA OESTE DO RIO DE JANEIRO NO ÂMBITO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS ANÁLISE MULTITEMPORAL DO PADRÃO DE CHUVAS NA ZONA OESTE DO RIO DE JANEIRO NO ÂMBITO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS ALMEIDA, Paula Maria Moura de (Orientadora) 1 KOVAC, Marcel da Silva 2 Palavras-chave: Precipitação.

Leia mais

Tema Vulnerabilidade das Áreas Urbanas Painel: Heloisa Soares de Moura Costa, UFMG

Tema Vulnerabilidade das Áreas Urbanas Painel: Heloisa Soares de Moura Costa, UFMG Tema Vulnerabilidade das Áreas Urbanas Painel: Heloisa Soares de Moura Costa, UFMG 4a. Conferência Regional de Mudanças Globais São Paulo, 07 de abril de 2011 Vulnerabilidade das Áreas Urbanas Heloisa

Leia mais

Climatologia. humanos, visto que diversas de suas atividades

Climatologia. humanos, visto que diversas de suas atividades Climatologia É uma parte da que estuda o tempo e o clima cientificamente, utilizando principalmente técnicas estatísticas na obtenção de padrões. É uma ciência de grande importância para os seres humanos,

Leia mais

BOLETIM. Taxa de desemprego anual na RMSP é a menor em 20 anos

BOLETIM. Taxa de desemprego anual na RMSP é a menor em 20 anos A taxa média anual de desemprego, na Região Metropolitana de São Paulo RMSP, diminuiu de 11,9% para 10,5%, entre 2010 e 2011, atingindo seu menor valor nos últimos 20 anos. Essa é uma das informações divulgadas

Leia mais

URBANIZAÇÃO LUGAR É A BASE

URBANIZAÇÃO LUGAR É A BASE URBANIZAÇÃO LUGAR É A BASE. DA REPRODUÇÃO DA VIDA E PODE SER ANALISADO PELA TRÍADE HABITANTE- IDENTIDADE-LUGAR. OBJETIVOS ESPECÍFICOS A. Caracterizar o fenômeno da urbanização como maior intervenção humana

Leia mais

climáticas? Como a África pode adaptar-se às mudanças GREEN WORLD RECYCLING - SÉRIE DE INFO GAIA - No. 1

climáticas? Como a África pode adaptar-se às mudanças GREEN WORLD RECYCLING - SÉRIE DE INFO GAIA - No. 1 Como a África pode adaptar-se às mudanças climáticas? Os Clubes de Agricultores de HPP alcançam dezenas de milhares ensinando sobre práticas agrícolas sustentáveis e rentáveis e de como se adaptar a uma

Leia mais

A Economia dos Ecossistemas e da Biodiversidade (TEEB)

A Economia dos Ecossistemas e da Biodiversidade (TEEB) A Economia dos Ecossistemas e da Biodiversidade (TEEB) Helena Boniatti Pavese Coordenadora Regional, América Latina e Caribe UNEP - World Conservation Monitoring Centre 10 de Novembro de 2010 Panorama

Leia mais

Novas Fontes de Dados sobre Risco Ambiental e Vulnerabilidade Social

Novas Fontes de Dados sobre Risco Ambiental e Vulnerabilidade Social Novas Fontes de Dados sobre Risco Ambiental e Vulnerabilidade Social Frederico Cavadas Barcellos (Fundação IBGE) Geógrafo, Mestre em Sistemas de Gestão do Meio Ambiente; pesquisador; professor da rede

Leia mais

ÍNDICE PAULISTA DE VULNERABILIDADE SOCIAL

ÍNDICE PAULISTA DE VULNERABILIDADE SOCIAL ÍNDICE PAULISTA DE VULNERABILIDADE SOCIAL O Estado de São Paulo, especialmente nos grandes centros urbanos, apresenta enormes desigualdades sociais, com áreas de alto padrão de qualidade de vida e outras

Leia mais

São Paulo - SP PERFIL MUNICIPAL. Data de instalação Ano de 1554. Crescimento anual da população - 2000-2010 0,75% Urbanização 2010 98,94%

São Paulo - SP PERFIL MUNICIPAL. Data de instalação Ano de 1554. Crescimento anual da população - 2000-2010 0,75% Urbanização 2010 98,94% PERFIL MUNICIPAL São Paulo - SP Data de instalação Ano de 1554 População - Censo 2010 11.376.685 habitantes Crescimento anual da população - 2000-2010 0,75% Natalidade 2010 174.265 nascidos vivos Urbanização

Leia mais

VULNERABILIDADE CLIMÁTICA DO NORDESTE BRASILEIRO: UMA ANÁLISE DE EVENTOS EXTREMOS NA ZONA SEMI-ÁRIDA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO SÃO FRANCISCO

VULNERABILIDADE CLIMÁTICA DO NORDESTE BRASILEIRO: UMA ANÁLISE DE EVENTOS EXTREMOS NA ZONA SEMI-ÁRIDA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO SÃO FRANCISCO VULNERABILIDADE CLIMÁTICA DO NORDESTE BRASILEIRO: UMA ANÁLISE DE EVENTOS EXTREMOS NA ZONA SEMI-ÁRIDA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO SÃO FRANCISCO 1 Weber Andrade Gonçalves; Magaly de Fatima Correia 2 ; Lincoln

Leia mais

Aluno(a): Nº. Professor: Anderson José Soares Série: 1º. Pré Universitário Uni-Anhanguera 01 - (UNIVAG MT) (www.movimentodasartes.com.

Aluno(a): Nº. Professor: Anderson José Soares Série: 1º. Pré Universitário Uni-Anhanguera 01 - (UNIVAG MT) (www.movimentodasartes.com. Lista de Exercícios-02-Bimestre II Pré Universitário Uni-Anhanguera Aluno(a): Nº. Professor: Anderson José Soares Série: 1º Disciplina: Geografia Data da prova: 01 - (UNIVAG MT) (www.movimentodasartes.com.br)

Leia mais

ABSTRACT: This work performs a rescue of concepts related to climate variability and

ABSTRACT: This work performs a rescue of concepts related to climate variability and VARIABILIDADE CLIMÁTICA E EVENTOS EXTREMOS NO BRASIL: UMA BREVE ANÁLISE João Paulo Assis Gobo¹, Eduardo Samuel Riffel² ¹Geógrafo e Mestrando em Geografia Física da Universidade de São Paulo jpgobo@usp.br

Leia mais

BOLETIM. Fundação Seade participa de evento para disseminar conceitos e esclarecer dúvidas sobre o Catálogo de

BOLETIM. Fundação Seade participa de evento para disseminar conceitos e esclarecer dúvidas sobre o Catálogo de disseminar conceitos O desenvolvimento do aplicativo de coleta de informações, a manutenção e a atualização permanente do CSBD estão sob a responsabilidade da Fundação Seade. Aos órgãos e entidades da

Leia mais

II Simpósio Gestão Empresarial e Sustentabilidade 16, 17 e 18 de outubro de 2012, Campo Grande MS

II Simpósio Gestão Empresarial e Sustentabilidade 16, 17 e 18 de outubro de 2012, Campo Grande MS Mensurando a sustentabilidade ambiental: uma proposta de índice para o Mato Grosso do Sul Marlos da Silva Pereira; Leandro Sauer Área temática: Estratégias sustentáveis Tema: Gestão socioambiental 1. Introdução

Leia mais

Estatísticas de Gênero Uma análise dos resultados do Censo Demográfico 2010. Sistema Nacional de Informações de Gênero SNIG

Estatísticas de Gênero Uma análise dos resultados do Censo Demográfico 2010. Sistema Nacional de Informações de Gênero SNIG Diretoria de Pesquisas - Coordenação de População e Indicadores Sociais Gerência de Indicadores Sociais Estatísticas de Gênero Uma análise dos resultados do Censo Demográfico 2010 Sistema Nacional de Informações

Leia mais

Estratégia Urbano-Ambiental para a América Latina e o Caribe PNUMA/UN-HABITAT (Versão 12-02-04)

Estratégia Urbano-Ambiental para a América Latina e o Caribe PNUMA/UN-HABITAT (Versão 12-02-04) Urbanização na região Estratégia Urbano-Ambiental para a América Latina e o Caribe PNUMA/UN-HABITAT (Versão 12-02-04) Contexto Regional A concentração da população da América Latina e do Caribe em áreas

Leia mais

Amazônia Legal e infância

Amazônia Legal e infância Amazônia Legal e infância Área de Abrangência 750 Municípios distribuídos em 09 Unidades Federativas: Amazonas (62), Amapá (16), Acre (22), Roraima (15), Rondônia (52), Pará (143), Tocantins (139), Maranhão

Leia mais

Comparação entre Variáveis Meteorológicas das Cidades de Fortaleza (CE) e Patos (PB)

Comparação entre Variáveis Meteorológicas das Cidades de Fortaleza (CE) e Patos (PB) Comparação entre Variáveis Meteorológicas das Cidades de Fortaleza (CE) e Patos (PB) F. D. A. Lima 1, C. H. C. da Silva 2, J. R. Bezerra³, I. J. M. Moura 4, D. F. dos Santos 4, F. G. M. Pinheiro 5, C.

Leia mais

6o. Fórum Global de Parlamentares para o Habitat Rio de Janeiro - RJ, Brasil - 18 a 20 de março de 2010

6o. Fórum Global de Parlamentares para o Habitat Rio de Janeiro - RJ, Brasil - 18 a 20 de março de 2010 6o. Fórum Global de Parlamentares para o Habitat Rio de Janeiro - RJ, Brasil - 18 a 20 de março de 2010 Tema: Mudanças Climáticas Palestrante: Érika Pires Ramos Resumo. O presente ensaio pretende ser uma

Leia mais

Clima e Formação Vegetal. O clima e seus fatores interferentes

Clima e Formação Vegetal. O clima e seus fatores interferentes Clima e Formação Vegetal O clima e seus fatores interferentes O aquecimento desigual da Terra A Circulação atmosférica global (transferência de calor, por ventos, entre as diferentes zonas térmicas do

Leia mais

Tackling the challenge of feeding the World: A Family farming perspective

Tackling the challenge of feeding the World: A Family farming perspective Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura YEAR OF FAMILY FARMING Economic and Social Development Department Science for Poverty Erradication and Sustainable Development Tackling

Leia mais

A Importância da Elaboração dos Inventários de Emissões de Gases de Efeito Estufa nas Capitais Brasileiras

A Importância da Elaboração dos Inventários de Emissões de Gases de Efeito Estufa nas Capitais Brasileiras A Importância da Elaboração dos Inventários de Emissões de Gases de Efeito Estufa nas Capitais Brasileiras Emilio Lèbre La Rovere Coordenador, CentroClima/LIMA/PPE/COPPE/UFRJ 2º Encontro dos Secretários

Leia mais

Taxa de ocupação e. no consumo per capita. As cidades representam demandas. Conexão

Taxa de ocupação e. no consumo per capita. As cidades representam demandas. Conexão 46 Hydro Janeiro 2013 Conexão Taxa de ocupação e o consumo per capita O crescimento da população urbana, o aumento do consumo per capita e a perspectiva de redução da oferta de água impõem a necessidade

Leia mais

Situação do Domicílio Abs. % Abs. % Total 16.938 100 10.444.526 100 Urbano 4.808 28,39 8.912.692 85,33 Rural 12.130 71,61 1.531.

Situação do Domicílio Abs. % Abs. % Total 16.938 100 10.444.526 100 Urbano 4.808 28,39 8.912.692 85,33 Rural 12.130 71,61 1.531. População segundo a Distribuição de Domicílios 2010 Situação do Domicílio Abs. % Abs. % Total 16.938 100 10.444.526 100 Urbano 4.808 28,39 8.912.692 85,33 Rural 12.130 71,61 1.531.834 14,66 FONTE: IPARDES/IBGE

Leia mais

Guia da Adaptação à Mudança Climática nas Cidades. Sumário Executivo

Guia da Adaptação à Mudança Climática nas Cidades. Sumário Executivo Guia da Adaptação à Mudança Climática nas Cidades Sumário Executivo Guia da Adaptação à Mudança Climática nas Cidades As cidades estão diante de impactos significativos em decorrência das mudanças climáticas,

Leia mais

Secas Extremas e Mudanças Climáticas: Mudanças Climáticas e os Impactos na Região Sudeste do Brasil

Secas Extremas e Mudanças Climáticas: Mudanças Climáticas e os Impactos na Região Sudeste do Brasil Secas Extremas e Mudanças Climáticas: Mudanças Climáticas e os Impactos na Região Sudeste do Brasil Jose A. Marengo CEMADEN jose.marengo@cemaden.gov.br IPCC WG1, Chapter 3 (2013) Mudancas observadas na

Leia mais

Um Problema Urbano - Gerenciamento de Resíduos Sólidos e as Mudanças Ambientais Globais

Um Problema Urbano - Gerenciamento de Resíduos Sólidos e as Mudanças Ambientais Globais Um Problema Urbano - Gerenciamento de Resíduos Sólidos e as Mudanças Ambientais Globais Juliana Matos Seidel (Unicamp) Engenheira Química, Doutoranda do Programa de Ambiente e Sociedade / NEPAM juseidel@hotmail.com

Leia mais

Junho, 2015. Proposta do Observatório do Clima para a Contribuição Nacionalmente Determinada (NDC) Brasileira

Junho, 2015. Proposta do Observatório do Clima para a Contribuição Nacionalmente Determinada (NDC) Brasileira Proposta do Observatório do Clima para a Contribuição Nacionalmente Determinada Pretendida do Brasil Junho, 2015 Proposta do Observatório do Clima para a Contribuição Nacionalmente Determinada (NDC) Brasileira

Leia mais

O Protocolo de Kyoto e o Mandato de Bali:

O Protocolo de Kyoto e o Mandato de Bali: Briefing A Caminho de Bali Brasília, 21 de Novembro 2007 O Protocolo de Kyoto e o Mandato de Bali: O que o mundo precisa fazer para combater as mudanças climáticas As mudanças climáticas são, sem dúvida,

Leia mais

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS Resumo da Agenda 21 CAPÍTULO 1 - Preâmbulo Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS CAPÍTULO 2 - Cooperação internacional para acelerar o desenvolvimento sustentável dos países em desenvolvimento e políticas

Leia mais

Curso de Gestão de Águas Pluviais

Curso de Gestão de Águas Pluviais Curso de Gestão de Águas Pluviais Capítulo 4 Prof. Carlos E. M. Tucci Prof. Dr. Carlos E. M. Tucci Ministério das Cidades 1 Capítulo 4 Gestão Integrada Conceito Marcos Mundiais, Tendência e Estágio Institucional

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Atlas de saneamento Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão Guido Mantega INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Presidente Eduardo

Leia mais

BOLETIM. Produto Interno Bruto paulista continua no patamar de um trilhão de reais

BOLETIM. Produto Interno Bruto paulista continua no patamar de um trilhão de reais patamar de um trilhão Em ano atípico, o PIB do Estado de São apresentou redução real em 2009, mas ampliou sua participação no PIB brasileiro. Em 2009, o PIB, calculado pela Fundação Seade em parceria com

Leia mais

MUDANÇAS CLIMÁTICAS E SUAS CONSEQUÊNCIAS NA AGRICULTURA ANALISE DA CULTURA DO ALGODOEIRO

MUDANÇAS CLIMÁTICAS E SUAS CONSEQUÊNCIAS NA AGRICULTURA ANALISE DA CULTURA DO ALGODOEIRO MUDANÇAS CLIMÁTICAS E SUAS CONSEQUÊNCIAS NA AGRICULTURA ANALISE DA CULTURA DO ALGODOEIRO ORIVALDO BRUNINI- JOÃO PAULO DE CARVALHO VANESSA BANCHIERI CIARELLI ANDREW PATRICK C,BRUNINI INSTITUTO AGRONÔMICO

Leia mais

Mapa 1 Proporção da população que reside em domicílios urbanos com irregularidade fundiária, por UF - 2003 (em %)

Mapa 1 Proporção da população que reside em domicílios urbanos com irregularidade fundiária, por UF - 2003 (em %) amoradia é um dos principais determinantes da qualidade de vida da população de um país. Todas as pessoas necessitam de uma habitação que lhes assegure um isolamento do meio natural, protegendo do frio,

Leia mais

CLIMATOLOGIA. Profª Margarida Barros. Geografia - 2013

CLIMATOLOGIA. Profª Margarida Barros. Geografia - 2013 CLIMATOLOGIA Profª Margarida Barros Geografia - 2013 CLIMATOLOGIA RAMO DA GEOGRAFIA QUE ESTUDA O CLIMA Sucessão habitual de TEMPOS Ação momentânea da troposfera em um determinado lugar e período. ELEMENTOS

Leia mais

Ao dormir, todos somos vulneráveis. William Shakespeare NOTA TÉCNICA. Adma Figueiredo. Eloisa Domingues. Ivete Rodrigues

Ao dormir, todos somos vulneráveis. William Shakespeare NOTA TÉCNICA. Adma Figueiredo. Eloisa Domingues. Ivete Rodrigues Ao dormir, todos somos vulneráveis. William Shakespeare NOTA TÉCNICA Tipologia da Vulnerabilidade Social na Bacia Hidrográfica do São Francisco, Brasil Adma Figueiredo Geógrafa IBGE Eloisa Domingues Geógrafa

Leia mais

SERVIÇOS DE HIDROMETEOROLOGIA E EMERGENCIAIS APLICADOS A GESTÃO E REDUÇÃO DE DESASTRES NO BRASIL: O SISTEMA EUMETCAST

SERVIÇOS DE HIDROMETEOROLOGIA E EMERGENCIAIS APLICADOS A GESTÃO E REDUÇÃO DE DESASTRES NO BRASIL: O SISTEMA EUMETCAST SERVIÇOS DE HIDROMETEOROLOGIA E EMERGENCIAIS APLICADOS A GESTÃO E REDUÇÃO DE DESASTRES NO BRASIL: O SISTEMA EUMETCAST Humberto Alves Barbosa 1 1 Introdução Desastres ocasionados por extremos de tempo e

Leia mais