2. NÍVEL DE SISTEMA OPERACIONAL (Cont.) 2.6. Exemplos de Sistemas Operacionais

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "2. NÍVEL DE SISTEMA OPERACIONAL (Cont.) 2.6. Exemplos de Sistemas Operacionais"

Transcrição

1 2. NÍVEL DE SISTEMA OPERACIONAL (Cont.) 2.6. Exemplos de Sistemas Operacionais Aqui estudaremos 3 características que muitos sistemas operacionais oferecem: Memória virtual; E/S virtual, e; Processamento paralelo. Em quase nenhum sistema real as coisas são tão limpas e simples como descrevemos. Portanto, vale a pena dar uma olhada mais detalhada nos sistemas operacionais reais utilizados pelas nossas máquinas exemplo para ver como estas ideias são aplicadas na prática. As linhas tanto Intel quanta Motorola possuem uma variedade de sistemas operacionais disponíveis a nossa escolha podemos escolher (Ex. MS Windows, LINUX, etc.). A escolha para as CPUs 680x0 é relativamente fácil: o mundo usa Microsoft. Embora alguns sistemas 68000, como o Macintosh e o antigo Atari, executem sistemas operacionais proprietários, a maioria dos computadores baseados em e executam UNIX. Assim, usaremos UNIX como nosso exemplo diverso aqui. Vamos tratar do UNIX porque ele é o sistema escolhido para o 680x0. Embora ele não seja, nem de perto, tão popular quanto o Windows, ele é muito mais interessante e possui algumas ideias somente encontradas no UNIX. Como o UNIX apareceu primeiro, e o OS/2 (DOS, posteriormente o Windows) foram claramente influenciados pelo UNIX, o estudo deste sistema operacional se torna ainda mais interessante. Entretanto, antes de entrar nos aspectos técnicos, vale a pena dizer algumas palavras a respeito de seus respectivos históricos. No meio da década de 1960, o MIT, a Bell Labs e a General Electric decidiram desenvolver em conjunto um sistema avançado de tempo compartilhado, o MULTICS. Para encurtar a história, o MULTICS estava 20 anos a frente do seu tempo em diversos aspectos, e o projeto não foi tão bem quanto os projetistas tinham esperado. Para começar, o hardware era muito pequeno, mas também muito lento, e o compilador para a Iinguagem na qual o MULTICS estava escrito (PL/I) realmente nunca funcionou. Eventualmente, a Bell Labs caiu fora, e a GE saiu junto do mercado de computadores. Uma das pessoas da Bell Labs que trabalhou no MULTICS, Ken Thompson, de repente se viu sem fazer nada. Entretanto, ele notou um PDP-7 velho que ninguém estava utilizando e decidiu escrever sozinho uma versão reduzida e monousuária, do MULTICS para o PDP-7. Apesar do pequeno tamanho do PDP-7, o sistema (apelidado de UNIX) prometeu muito, e assim Thompson, mais tarde junto com seu colega Dennis Ritchie, o transportou para um hardware melhor, reescrevendo-o várias vezes no processo de transferência. Em certo momento, eles tinham uma versão deles rodando num PDP-11/45. Por sorte, o PDP-11/45 era a máquina preferida dos departamentos de computação da maioria das universidades; e muitos usuários achavam os sistemas operacionais da DEC terríveis. Quando a Bell Labs concordou em licenciar o UNIX para universidades por 300 dólares (incluindo todo o código fonte), centenas delas agarraram a chance e o UNIX de repente tornou-se um objeto de Disciplina: Projeto Lógico de Computadores (5º/6º Sem ). Livro: Andrew S. Tanenbaum Página 1 de 5

2 culto. Passaram a ocorrer encontros em todo o mundo, onde oradores famosos discutiam como eles haviam corrigido um erro obscuro do núcleo, mostrando o próprio código do núcleo em projetores (na época eram retroprojetores... ). A palavra se espalhou e, em poucos anos, o UNIX tinha sido transportado para dúzias de computadores, grandes e pequenos. No principio da década de 80, ele estava disponível em mais máquinas que qualquer outro sistema operacional da história passada. Sua popularidade aumentava constantemente, e apesar de menos utilizado ele certamente continua a ser o sistema mais utilizado para grandes programas (ex. SAP). No lado ITEL da história, o MS-DOS liderava o mercado dos PCs, mas continha limitações claras para a família Intel Aí, de repente, eles redescobriram o MULTICS. 20 anos mais tarde os computadores pessoais movidos a eram capazes de fazer o que um grande mainframe dos anos 60 não conseguia. O projeto do OS/2 voltado aos era completamente novo, mas em muitos pontos chave era claramente reconhecida a influência do MULTICS, e seu descendente UNIX. A Fig mostra alguns dos pontos críticos onde o OS/2 era superior ao MS-DOS. Em quase todos eles, a influencia do MULTICS era claramente visível. Fig Comparação entre MS-DOS e OS/2. Os projetistas do OS/2 provavelmente gostariam muito de simplesmente tratar o MS-DOS como um sonho ruim e começar tudo de novo, mas isso não era permitido. Haviam dito que o OS/2 precisaria suportar a execução de antigos programas em binário do MS-DOS. Notem que até hoje rodamos emuladores de MS-DOS em nossos computadores Exemplos de Memória Virtual O UNIX e o OS/2 adotaram abordagens diametralmente opostas no que tange a gerencia de memória. O UNIX tenta esconder inteiramente a questão, provendo um modelo de memória muito simples, de modo que o sistema poderia ser portado para um grande número de máquinas muito diferentes. O UNIX tem-se tornado altamente popular para computação pesada, precisamente porque ele foi portado para muitas máquinas, desde computadores pessoais a supercomputadores. A ampla disponibilidade do UNIX significa que um programa de aplicação pode ser escrito uma vez e então recompilado para uma dúzia de máquinas diferentes sem ser modificado. Disciplina: Projeto Lógico de Computadores (5º/6º Sem ). Livro: Andrew S. Tanenbaum Página 2 de 5

3 Este porte somente tem sido possível porque o UNIX faz pouquíssimas suposições a respeito do hardware e pouquíssimas exigências dele. A consequência desta forma de fazer as coisas é que o UNIX nem sempre faz um uso ótimo do hardware. O Windows não tem este problema. Ele espreme até a última gota de poder dos PCs. Entretanto, programas escritos para o Windows são pesados, e muito difíceis de se transportar para outros computadores e sistemas operacionais, especialmente se fizerem uso intenso das características avançadas. Em contraste, muitos programas UNIX têm sobrevivido a dúzias de mudanças radicais de hardware e arquitetura, com nada além de uma recopilação, e muitos outros programas tem sido transportados para outros sistemas operacionais com somente um pouco esforço Exemplos de E/S Virtual O âmago de qualquer sistema operacional e prover serviços para os programas de usuários, sendo a maioria serviços de E/S tais como leitura ou escrita em vários dispositivos de E/S. Tanto o UNIX quanto o Windows oferecem uma ampla variedade de serviços de E/S aos programas de usuários. Alguns deles, como leitura e escrita em arquivos, são similares, mas outros, não. Além destas semelhanças gerais, a forma como os serviços são invocados é radicalmente diferente nos dois sistemas. Muito da popularidade do sistema UNIX pode ser diretamente devida a sua simplicidade, que, por sua vez, é o resultado direto da organização do sistema de arquivos. Um arquivo comum é uma sequencia linear de bytes de 8 bits começando em 0 e indo até muito além de 1000 megabytes. O próprio sistema operacional não impõe estrutura de registros aos arquivos, embora muitos programas de usuários considerem arquivos de texto ASCII como sequências de linhas, cada linha terminada por um caractere de fim de linha (line feed). Associado a cada arquivo em uso (isto é, todo arquivo aberto) existe um apontador que aponta para o próximo byte a ser lido ou escrito. As chamadas READ e WRITE leem e escrevem dados começando na posição do arquivo indicada pelo apontador. Ambas as chamadas avançam o apontador após a operação de uma quantidade igual ao número de bytes transferidos. A chamada LSEEK move o apontador para um número de byte arbitrário, que pode ser absoluto, relativo a posição corrente ou relativo ao final do arquivo. Qualquer byte no arquivo pode ser acessado randomicamente, movendo primeiro o apontador e então chamando READ ou WRITE. A Fig é um trecho de um programa Pascal que ilustra como as principais chamadas de E/S de arquivos funcionam. Fig Comparação entre MS-DOS e OS/2. Disciplina: Projeto Lógico de Computadores (5º/6º Sem ). Livro: Andrew S. Tanenbaum Página 3 de 5

4 Antes de entrar no loop, o programa abre um arquivo existente, dados, e cria um novo arquivo, novoarq. O segundo parâmetro para as duas chamadas especificam que os arquivos são para leitura ou escrita, respectivamente. Ambas as chamadas retornam um pequeno inteiro positivo chamado de descritor de arquivo, que é utilizado para identificar o arquivo em chamadas subsequentes. Se OPEN ou CREAT falharem, um descritor de arquivo negativo será retornado, dizendo que a chamada falhou. A chamada READ possui três parâmetros: um descritor de arquivo, um buffer e um contador de byte. A chamada tenta ler o número desejado de bytes do arquivo indicado para o buffer. O número de bytes realmente lidos é retornado em contador, que será menor que bytes se o arquivo for muito curto. A chamada WRITE coloca os bytes recentemente lidos no arquivo de saída. O loop continua até que o arquivo de entrada tenha sido completamente lido, hora em que o loop termina e ambos os arquivos são fechados. Além dos arquivos comuns, o sistema UNIX possui também arquivos especiais, que são usados para acessar dispositivos de E/S. Cada dispositivo de E/S tipicamente possui um ou mais arquivos especiais associados a ele. Lendo ou escrevendo no arquivo especial associado, um programa pode ler ou escrever no dispositivo de E/S. Fitas magnéticas, fitas de papel, terminais e muitos outros dispositivos são tratados desta maneira. As principais chamadas de arquivo e diretório no sistema UNIX são listadas na Fig Fig Algumas das chamadas de sistema do UNIX para arquivos e diretórios. ACCESS determina se é permitida uma leitura, escrita ou execução potencial em um arquivo. CHDIR muda para um novo diretório de trabalho, cujo nome pode ser especificado tanto absolutamente como relativo ao corrente. CHMOO permite que o proprietário de um arquivo troque os bits de proteção RWX. Disciplina: Projeto Lógico de Computadores (5º/6º Sem ). Livro: Andrew S. Tanenbaum Página 4 de 5

5 STAT coloca informações sobre um arquivo em um buffer, para que o programa possa inspeciona-las. LINK cria uma nova entrada de diretório, com a entrada apontando para um arquivo existente. Por exemplo, a entrada /usr/jim/jotto pode ter sido criada pela chamada LINK( /usr/ast/bin/jogo3, /usr/jim/jotto ) UNLINK remove um arquivo. Se o arquivo tiver apenas um link, o arquivo é deletado. A chamada UNLINK( /usr/ast/bin/jog03 ) torna jogo3 acessível somente através do path /usr/jim/jotto daf para a frente. LINK e UNLINK podem ser utilizados desta maneira para "mover" arquivos de um diretório para outro Exemplos de Gerência de Processos Tanto o UNIX quanto o Windows permitem que uma tarefa seja dividida em múltiplos processos que podem ser executados em (pseudo) paralelismo e se comunicarem, no estilo do exemplo produtor-consumidor. Em qualquer instante, um processo UNIX pode criar um subprocesso, que é uma replica exata de si mesmo, executando a chamada de sistema FORK. O processo original é chamado de pai e o processo novo e chamado de filho. Exatamente após o FORK, os dois processos são idênticos, e também compartilham os mesmos descritores de arquivos. Daí para frente, cada um segue o seu próprio caminho e faz o que ele quer, independente do outro. Em muitos casos, o processo filho manipula os descritores de alguma forma, e então executa a chamada de sistema EXEC, que substitui seu programa e seus dados pelo programa e dados encontrados em um arquivo executável especificado como parâmetro da chamada EXEC. Por exemplo, quando um usuário tecla um comando xyz em um terminal, o interpretador de comandos, chamado shell, executa FORK para criar um processo filho. O processo filho então chama EXEC para executar o programa xyz. Os dois processos executam em paralelo (com ou sem EXEC), a menos que o pai deseje esperar que o filho termine antes de continuar. Se o pai deseja esperar, ele executa a chamada de sistema WAIT, que faz com que ele seja suspenso até que o filho termine executando EXIT. Após o término do filho, o pai continua. Processos podem executar FORK quantas vezes quiserem, gerando uma árvore de processos. Na Fig. 2.15, por exemplo, o processo A executou FORK duas vezes, criando dois filhos, B e C. Então B executou FORK também duas vezes, e C, uma vez, resultando em uma árvore final de seis processos. Fig Uma árvore de processos no UNIX. Disciplina: Projeto Lógico de Computadores (5º/6º Sem ). Livro: Andrew S. Tanenbaum Página 5 de 5

2. NÍVEL DE SISTEMA OPERACIONAL

2. NÍVEL DE SISTEMA OPERACIONAL 2. NÍVEL DE SISTEMA OPERACIONAL Nos períodos anteriores foram mostrados os níveis iniciais da organização de um computador, quando vimos em Circuitos Digitais os detalhes do Nível 0 (zero) de Lógica Digital.

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais O que é um sistema operacional? Sistema operacional (do inglês OS - operating system) é um programa ou conjunto de programas, que tem a função de gerencias o sistema. O sistema é o todo o hardware (computador),

Leia mais

História dos SOs. Tópicos

História dos SOs. Tópicos História dos SOs Cap. 1 - Tanenbaum Prof. Alexandre Beletti Ferreira 1ª Geração 2ª Geração 3ª Geração 4ª Geração Tópicos 1 1ª Geração 1ª Geração: 1945 a 1955 Computadores: em meados da década de 40 Máquinas

Leia mais

Informática I. Aula 19. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 19-20/11/06 1

Informática I. Aula 19. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 19-20/11/06 1 Informática I Aula 19 http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 19-20/11/06 1 Ementa Histórico dos Computadores Noções de Hardware e Software Microprocessadores Sistemas Numéricos e Representação

Leia mais

Conceitos Básicos sobre Sistemas Operacionais

Conceitos Básicos sobre Sistemas Operacionais Conceitos Básicos sobre Sistemas Operacionais Ivanovitch Medeiros Dantas da Silva Universidade Federal do Rio Grande do Norte Departamento de Engenharia de Computação e Automação DCA0800 - Algoritmos e

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS ABERTOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

SISTEMAS OPERACIONAIS ABERTOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula 2-1. PRINCÍPIOS DE SOFTWARE DE ENTRADA E SAÍDA (E/S) As metas gerais do software de entrada e saída é organizar o software como uma série de camadas, com as mais baixas preocupadas em esconder as

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Conceitos Edson Moreno edson.moreno@pucrs.br http://www.inf.pucrs.br/~emoreno Sumário Introdução Arquitetura de Sistema Operacional Chamadas de sistema. Processos Basicamente, um

Leia mais

Prof. Luis Nícolas de Amorim Trigo nicolas.trigo@ifsertao-pe.edu.br

Prof. Luis Nícolas de Amorim Trigo nicolas.trigo@ifsertao-pe.edu.br Programação Estruturada Linguagem C Introdução Prof. Luis Nícolas de Amorim Trigo nicolas.trigo@ifsertao-pe.edu.br Sumário Um pouco da história Por que aprender a programar em C Ambiente de Desenvolvimento

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Aula 01 - Introdução Edirlei Soares de Lima O que é um sistema operacional? Um computador moderno consiste em: Um ou mais processadores; Memória principal;

Leia mais

ESTUDO DE CASO WINDOWS VISTA

ESTUDO DE CASO WINDOWS VISTA ESTUDO DE CASO WINDOWS VISTA História Os sistemas operacionais da Microsoft para PCs desktop e portáteis e para servidores podem ser divididos em 3 famílias: MS-DOS Windows baseado em MS-DOS Windows baseado

Leia mais

UFRJ IM - DCC. Sistemas Operacionais I. Unidade I Introdução. 11/02/2014 Prof. Valeria M. Bastos

UFRJ IM - DCC. Sistemas Operacionais I. Unidade I Introdução. 11/02/2014 Prof. Valeria M. Bastos UFRJ IM - DCC Sistemas Operacionais I Unidade I Introdução 11/02/2014 Prof. Valeria M. Bastos 1 ORGANIZAÇÃO DA UNIDADE Introdução Conceituação de SO Funções Básicas Breve Histórico Tipos de SO Fundamentos

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais SISTEMAS DE ARQUIVOS MACHADO/MAIA: CAPÍTULO 11 Prof. Pedro Luís Antonelli Anhanguera Educacional SISTEMAS DE ARQUIVOS - INTRODUÇÃO O armazenamento e a recuperação de informações é

Leia mais

Sistemas de Arquivos. Sistemas Operacionais - Professor Machado

Sistemas de Arquivos. Sistemas Operacionais - Professor Machado Sistemas de Arquivos Sistemas Operacionais - Professor Machado 1 Armazenamento da Informação a Longo Prazo 1. Deve ser possível armazenar uma quantidade muito grande de informação 2. A informação deve

Leia mais

1. NÍVEL CONVENCIONAL DE MÁQUINA

1. NÍVEL CONVENCIONAL DE MÁQUINA 1. NÍVEL CONVENCIONAL DE MÁQUINA Relembrando a nossa matéria de Arquitetura de Computadores, a arquitetura de Computadores se divide em vários níveis como já estudamos anteriormente. Ou seja: o Nível 0

Leia mais

Sistemas Operacionais Aula 03: Estruturas dos SOs. Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com

Sistemas Operacionais Aula 03: Estruturas dos SOs. Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com Sistemas Operacionais Aula 03: Estruturas dos SOs Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com OBJETIVOS Descrever os serviços que um sistema operacional oferece aos usuários e outros sistemas

Leia mais

FAT32 ou NTFS, qual o melhor?

FAT32 ou NTFS, qual o melhor? FAT32 ou NTFS, qual o melhor? Entenda quais as principais diferenças entre eles e qual a melhor escolha O que é um sistema de arquivos? O conceito mais importante sobre este assunto, sem sombra de dúvidas,

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais UNIVERSIDADE BANDEIRANTE DE SÃO PAULO INSTITUTO POLITÉCNICO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Sistemas Operacionais Notas de Aulas: Tópicos 7 e 8 Estrutura do Sistema Operacional São Paulo 2009 1 Sumário

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Sistemas de Entrada/Saída Princípios de Hardware Sistema de Entrada/Saída Visão Geral Princípios de Hardware Dispositivos de E/S Estrutura Típica do Barramento de um PC Interrupções

Leia mais

6 - Gerência de Dispositivos

6 - Gerência de Dispositivos 1 6 - Gerência de Dispositivos 6.1 Introdução A gerência de dispositivos de entrada/saída é uma das principais e mais complexas funções do sistema operacional. Sua implementação é estruturada através de

Leia mais

SOP - TADS Sistemas de Arquivos Cap 4 Tanenmbaum

SOP - TADS Sistemas de Arquivos Cap 4 Tanenmbaum SOP - TADS Sistemas de Arquivos Cap 4 Tanenmbaum Prof. Ricardo José Pfitscher dcc2rjp@joinville.udesc.br Material cedido por: Prof. Rafael Rodrigues Obelheiro Prof. Maurício Aronne Pillon Cronograma Introdução

Leia mais

Capítulo 6 Sistemas de Arquivos

Capítulo 6 Sistemas de Arquivos Capítulo 6 Sistemas de Arquivos 6.1 Arquivos 6.2 Diretórios 6.3 Implementação do sistema de arquivos 6.4 Exemplos de sistemas de arquivos 1 Armazenamento da Informação a Longo Prazo 1. Deve ser possível

Leia mais

UFRJ IM - DCC. Sistemas Operacionais I

UFRJ IM - DCC. Sistemas Operacionais I UFRJ IM - DCC Sistemas Operacionais I Unidade I 18/9/2009 Prof. Antonio Carlos Gay Thomé Prof. Aux. Simone Markenson Pech 1 ORGANIZAÇÃO DA UNIDADE Conceituação de SO Funções Básicas Breve Histórico Tipos

Leia mais

Informática, Internet e Multimídia

Informática, Internet e Multimídia Informática, Internet e Multimídia 1 TIPOS DE COMPUTADOR Netbook Notebook Computador Pessoal 2 Palmtop / Handheld Mainframe TIPOS DE COMPUTADOR Computador Pessoal O Computador Pessoal (PC Personal Computer),

Leia mais

Prof. Antonio Torres antonioctorres@gmail.com @_antonioctorres. Fundamentos de Sistemas Operacionais UNIP/2015

Prof. Antonio Torres antonioctorres@gmail.com @_antonioctorres. Fundamentos de Sistemas Operacionais UNIP/2015 Prof. Antonio Torres antonioctorres@gmail.com @_antonioctorres Fundamentos de Sistemas Operacionais UNIP/2015 Disciplinas FUNDAMENTOS DE SISTEMAS OPERACIONAIS Horários Quarta-feira Fundamentos de Sistemas

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Aula 01 - Introdução Prof. Maxwell Anderson www.maxwellanderson.com.br Capítulo 1: Introdução O que é um sistema operacional? Componentes de um sistema operacional O que faz parte

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS. Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN

SISTEMAS OPERACIONAIS. Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN SISTEMAS OPERACIONAIS Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN 1.0 O Sistema Operacional como uma Máquina Virtual A arquitetura (conjunto de instruções, organização de memória, E/S e estrutura

Leia mais

Programação Concorrente Processos e Threads

Programação Concorrente Processos e Threads Programação Concorrente Processos e Threads Prof. Eduardo Alchieri Processos O conceito mais central em qualquer sistema operacional é o processo Uma abstração de um programa em execução Um programa por

Leia mais

Fundamentos de Sistemas Operacionais. Sistema de Arquivos. Prof. Edwar Saliba Júnior Março de 2007. Unidade 03-002 Sistemas de Arquivos

Fundamentos de Sistemas Operacionais. Sistema de Arquivos. Prof. Edwar Saliba Júnior Março de 2007. Unidade 03-002 Sistemas de Arquivos Sistema de Arquivos Prof. Edwar Saliba Júnior Março de 2007 1 Objetivos Facilitar o acesso dos usuários ao conteúdo dos arquivos; Prover uma forma uniforme de manipulação de arquivos, independente dos

Leia mais

INTRODUÇÃO À LINGUAGEM C/C++

INTRODUÇÃO À LINGUAGEM C/C++ INTRODUÇÃO À LINGUAGEM C/C++ História da Linguagem C/C++ Dennis Ritchie, funcionário do Bell Telephone Laboratories, iniciou em 1972 o desenvolvimento da linguagem C. Ele elaborou grande parte de seu trabalho

Leia mais

IFPE. Disciplina: Sistemas Operacionais. Prof. Anderson Luiz Moreira

IFPE. Disciplina: Sistemas Operacionais. Prof. Anderson Luiz Moreira IFPE Disciplina: Sistemas Operacionais Prof. Anderson Luiz Moreira SERVIÇOS OFERECIDOS PELOS SOS 1 Introdução O SO é formado por um conjunto de rotinas (procedimentos) que oferecem serviços aos usuários

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS

SISTEMAS OPERACIONAIS 1 SISTEMAS OPERACIONAIS Profª Josiane T. Ferri Licenciada em Computação prof.jositf@yahoo.com.br facebook.com/josiferri AVALIAÇÕES A avaliação se dará mediante a observação dos seguintes pontos: Organização

Leia mais

Prof. Marcos Ribeiro Quinet de Andrade Universidade Federal Fluminense - UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO

Prof. Marcos Ribeiro Quinet de Andrade Universidade Federal Fluminense - UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO Conceitos básicos e serviços do Sistema Operacional Prof. Marcos Ribeiro Quinet de Andrade Universidade Federal Fluminense - UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO Tipos de serviço do S.O. O S.O.

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Sistemas de Entrada/Saída Princípios de Software Sistema de Entrada/Saída Princípios de Software Tratadores (Manipuladores) de Interrupções Acionadores de Dispositivos (Device Drivers)

Leia mais

Introdução à Programação de Computadores

Introdução à Programação de Computadores 1. Objetivos Introdução à Programação de Computadores Nesta seção, vamos discutir os componentes básicos de um computador, tanto em relação a hardware como a software. Também veremos uma pequena introdução

Leia mais

Sistemas Operacionais. Introdução

Sistemas Operacionais. Introdução Sistemas Operacionais Prof. Fernando Freitas Introdução O que é um sistema operacional História dos sistemas operacionais Tipos de sistemas operacionais Conceitos sobre sistemas operacionais Chamadas de

Leia mais

Unix: Sistema de Arquivos. Geraldo Braz Junior

Unix: Sistema de Arquivos. Geraldo Braz Junior Unix: Sistema de Arquivos Geraldo Braz Junior 2 Arquivos Um arquivo é visto pelo SO apenas como uma seqüência de bytes: nenhuma distinção é feita entre arquivos ASCII, binários, etc.; Muitos programas

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS ABERTOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

SISTEMAS OPERACIONAIS ABERTOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula 7-1. Sistema de Arquivos Sistema de arquivo nada mais é do que a maneira de como o sistema operacional organiza e administra os dados em um disco. Os arquivos são gerenciados pelo sistema operacional

Leia mais

UNIX: Uma Breve Apresentação

UNIX: Uma Breve Apresentação Material Complementar EA869 (Prof. Von Zuben DCA/FEEC/Unicamp) 1 1. Introdução Este documento procura explorar os aspectos históricos envolvidos no desenvolvimento do sistema operacional UNIX com o objetivo

Leia mais

Figura 01 Kernel de um Sistema Operacional

Figura 01 Kernel de um Sistema Operacional 01 INTRODUÇÃO 1.5 ESTRUTURA DOS SISTEMAS OPERACIONAIS O Sistema Operacional é formado por um Conjunto de rotinas (denominado de núcleo do sistema ou kernel) que oferece serviços aos usuários e suas aplicações

Leia mais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Software de Entrada e Saída: Visão Geral Uma das tarefas do Sistema Operacional é simplificar o acesso aos dispositivos de hardware pelos processos

Leia mais

Arquitetura dos Sistemas Operacionais

Arquitetura dos Sistemas Operacionais Arquitetura dos Sistemas Operacionais Arquitetura de um Sistema Operacional Basicamente dividido em shell é a interface entre o usuário e o sistema operacional é um interpretador de comandos possui embutido

Leia mais

PLANO DE AULA. Ambiente Operacional Unix Profa. Morganna

PLANO DE AULA. Ambiente Operacional Unix Profa. Morganna PLANO DE AULA 1. Sistema operacional Unix 2. Sistema operacional Linux 3. Utilização dos sistemas operacionais 1 - Sistema Operacional UNIX História 1964 sistema operacional MULTICS (Multiplexed Information

Leia mais

Introdução à Linguagem C/C++ Parte I

Introdução à Linguagem C/C++ Parte I Linguagem de Programação I Introdução à Linguagem C/C++ Parte I Professor Mestre Ricardo Alexandre Carmona SÃO PAULO - 2014 Introdução à Linguagem C/C++ - Parte I 1 - HISTÓRICO A Linguagem de Programação

Leia mais

Funções de um SO. Gerência de processos Gerência de memória Gerência de Arquivos Gerência de I/O Sistema de Proteção

Funções de um SO. Gerência de processos Gerência de memória Gerência de Arquivos Gerência de I/O Sistema de Proteção Sistemas de Arquivos Funções de um SO Gerência de processos Gerência de memória Gerência de Arquivos Gerência de I/O Sistema de Proteção 2 Sistemas Operacionais Necessidade de Armazenamento Grandes quantidades

Leia mais

Prof.: Roberto Franciscatto. Capítulo 1 Introdução

Prof.: Roberto Franciscatto. Capítulo 1 Introdução Sistemas Operacionais Prof.: Roberto Franciscatto Capítulo 1 Introdução Conceituação Um Sistema Operacional tem como função principal gerenciar os componentes de hardware (processadores, memória principal,

Leia mais

A história dos sistemas operacionais

A história dos sistemas operacionais A história dos sistemas operacionais Atualmente, os sistemas operacionais (SO) estão cada vez mais fáceis de usar, possuindo interfaces muito simples e bonitas. Contudo, todas estas funcionalidades não

Leia mais

Introdução ao Sistema UNIX

Introdução ao Sistema UNIX Volnys & Midorikawa (c) 1 Introdução ao Sistema UNIX Volnys Borges Bernal volnys@lsi.usp.br http://www.lsi.usp.br/~volnys Edson Toshimi Midorikawa emidorik@lsi.usp.br http://www.lsi.usp.br/~emidorik Laboratório

Leia mais

TECNÓLOGO EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I Aula 01: Conceitos Iniciais / Sistema Operacional

TECNÓLOGO EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I Aula 01: Conceitos Iniciais / Sistema Operacional TECNÓLOGO EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I Aula 01: Conceitos Iniciais / Sistema Operacional O conteúdo deste documento tem por objetivo apresentar uma visão geral

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais 7 Sistemas Operacionais 7.1 Fundamentos da ciência da computação Cengage Learning Objetivos 7.2 Compreender o papel do sistema operacional. Compreender o processo de inicialização para carregar o sistema

Leia mais

Introdução aos Computadores

Introdução aos Computadores Os Computadores revolucionaram as formas de processamento de Informação pela sua capacidade de tratar grandes quantidades de dados em curto espaço de tempo. Nos anos 60-80 os computadores eram máquinas

Leia mais

Sistemas Operacionais I. Introdução

Sistemas Operacionais I. Introdução Sistemas Operacionais I Prof. Fernando Freitas Introdução 1.1 O que é um sistema operacional 1.2 História dos sistemas operacionais 1.4 O zoológico de sistemas operacionais 1.5 Conceitos sobre sistemas

Leia mais

Sistemas Operacionais e Introdução à Programação. Módulo 1 Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais e Introdução à Programação. Módulo 1 Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais e Introdução à Programação Módulo 1 Sistemas Operacionais 1 Sistema computacional Sistemas feitos para resolver problemas Problema: como obter determinado resultado, com base em dados

Leia mais

Aula 26: Arquiteturas RISC vs. CISC

Aula 26: Arquiteturas RISC vs. CISC Aula 26: Arquiteturas RISC vs CISC Diego Passos Universidade Federal Fluminense Fundamentos de Arquiteturas de Computadores Diego Passos (UFF) Arquiteturas RISC vs CISC FAC 1 / 33 Revisão Diego Passos

Leia mais

Introdução aos Sistemas da InformaçãoAula 4 p. 1

Introdução aos Sistemas da InformaçãoAula 4 p. 1 Introdução aos Sistemas da Informação Aula 4 Ivan da Silva Sendin ivansendin@yahoo.com FACOM - Universidade Federal de Uberlândia Introdução aos Sistemas da InformaçãoAula 4 p. 1 Software O que é software?

Leia mais

Fundamentos da Informática. História dos Computadores Prof. Hélder Almeida www.helderalmeida.com.br

Fundamentos da Informática. História dos Computadores Prof. Hélder Almeida www.helderalmeida.com.br Fundamentos da Informática História dos Computadores Prof. Hélder Almeida www.helderalmeida.com.br História da Computação Hoje em dia, os computadores estão presentes em nossa vida de uma forma nunca vista

Leia mais

Sistemas Operacionais. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Sistemas Operacionais. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Sistemas Operacionais Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Estruturas de Sistemas Operacionais Um sistema operacional fornece o ambiente no qual os programas são executados. Internamente,

Leia mais

1. NÍVEL CONVENCIONAL DE MÁQUINA (Cont.) 1.3. INSTRUÇÕES Conceitos Básicos

1. NÍVEL CONVENCIONAL DE MÁQUINA (Cont.) 1.3. INSTRUÇÕES Conceitos Básicos 1. NÍVEL CONVENCIONAL DE MÁQUINA (Cont.) 1.3. INSTRUÇÕES Conceitos Básicos Já estudamos anteriormente que os processadores funcionam (ou melhor, o seu hardware funciona) através de ordens simples e básicas,

Leia mais

3. O NIVEL DA LINGUAGEM DE MONTAGEM

3. O NIVEL DA LINGUAGEM DE MONTAGEM 3. O NIVEL DA LINGUAGEM DE MONTAGEM Nas aulas anteriores tivemos a oportunidade de discutir dois diferentes níveis presentes na maioria dos computadores atuais. Nesta aula dedica-se a outro nível que também

Leia mais

Introdução a Computação

Introdução a Computação Sistemas Operacionais: Software Oculto Introdução a Computação Sistemas Operacionais Serve como um intermediário entre o hardware e os softwares aplicativos. Sistema Operacional Software de sistemas Kernel

Leia mais

Sistemas de Informação. Sistemas Operacionais 4º Período

Sistemas de Informação. Sistemas Operacionais 4º Período Sistemas de Informação Sistemas Operacionais 4º Período SISTEMA DE ARQUIVOS SUMÁRIO 7. SISTEMA DE ARQUIVOS: 7.1 Introdução; 7.2 s; 7.3 Diretórios; 7.4 Gerência de Espaço Livre em Disco; 7.5 Gerência de

Leia mais

Capítulo 6. Gerenciamento de Arquivos. 6.1 Arquivos 6.2 Diretórios 6.3 Implementação (6.3.1 a 6.3.6) 6.4 Exemplos

Capítulo 6. Gerenciamento de Arquivos. 6.1 Arquivos 6.2 Diretórios 6.3 Implementação (6.3.1 a 6.3.6) 6.4 Exemplos Capítulo 6 Gerenciamento de Arquivos 6.1 Arquivos 6.2 Diretórios 6.3 Implementação (6.3.1 a 6.3.6) 6.4 Exemplos 1 Armazenamento de longo prazo 1. Deve guardar grandes volumes de dados. 2. Informação armazenada

Leia mais

4. Conceitos Básicos de Computação: Sistemas Operacionais

4. Conceitos Básicos de Computação: Sistemas Operacionais Introdução à Computação 5910157 4. Conceitos Básicos de Computação: Sistemas Operacionais Prof. Renato Tinós Local: Depto. de Física e Matemática (FFCLRP/USP) 1 Principais Tópicos 4.1. Introdução aos Sistemas

Leia mais

Escola Adalgisa de Barros

Escola Adalgisa de Barros Escola Adalgisa de Barros Sistemas Operacionais Ensino Médio Técnico 1º Ano 1 Software Hardware O Sistema Operacional (SO) é um software que gerencia os recursos do computador, controla o fluxo de informações

Leia mais

Arquitetura de Sistemas Operacionais Machado/Maia. Arquitetura de Sistemas

Arquitetura de Sistemas Operacionais Machado/Maia. Arquitetura de Sistemas Arquitetura de Sistemas Operacionais Capítulo 4 Estrutura do Sistema Operacional Cap. 4 Estrutura do Sistema 1 Sistemas Operacionais Pitágoras Fadom Divinópolis Material Utilizado na disciplina Sistemas

Leia mais

Estrutura de Dados. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br ricardo.souza@ifpa.edu.br. Parte 1

Estrutura de Dados. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br ricardo.souza@ifpa.edu.br. Parte 1 Estrutura de Dados Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br Parte 1 MODELO DE UM COMPUTADOR CPU Central Processing Unit MODELO DE UM COMPUTADOR O canal de comunicação (conhecido como BUS)

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS

SISTEMAS OPERACIONAIS SISTEMAS OPERACIONAIS Tópico 4 Estrutura do Sistema Operacional Prof. Rafael Gross prof.rafaelgross@fatec.sp.gov.br FUNÇÕES DO NUCLEO As principais funções do núcleo encontradas na maioria dos sistemas

Leia mais

Everson Scherrer Borges João Paulo de Brito Gonçalves

Everson Scherrer Borges João Paulo de Brito Gonçalves Everson Scherrer Borges João Paulo de Brito Gonçalves 1 Tipos de Sistemas Operacionais Os tipos de sistemas operacionais e sua evolução estão relacionados diretamente com a evolução do hardware e das

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Aula 6 Estrutura de Sistemas Operacionais Prof.: Edilberto M. Silva http://www.edilms.eti.br Baseado no material disponibilizado por: SO - Prof. Edilberto Silva Prof. José Juan Espantoso

Leia mais

Sistemas Operacionais 3º bimestre. Dierone C.Foltran Jr. dcfoltran@yahoo.com

Sistemas Operacionais 3º bimestre. Dierone C.Foltran Jr. dcfoltran@yahoo.com Sistemas Operacionais 3º bimestre Dierone C.Foltran Jr. dcfoltran@yahoo.com Sistema de Arquivos (1) Todas as aplicações precisam armazenar e recuperar informações. Considerações sobre os processos: Espaço

Leia mais

Introdução às Linguagens de Programação

Introdução às Linguagens de Programação Introdução às Linguagens de Programação Histórico de Linguagens de Programação O computador não faz nada sozinho Precisamos informar, de forma clara, como ele deve executar as tarefas Ou seja, o computador

Leia mais

Fundamentos de Sistemas Operacionais

Fundamentos de Sistemas Operacionais Fundamentos de Sistemas Operacionais Professor: João Fábio de Oliveira jfabio@amprnet.org.br (41) 9911-3030 Objetivo: Apresentar o que são os Sistemas Operacionais, seu funcionamento, o que eles fazem,

Leia mais

2 Um Primeiro Programa em C

2 Um Primeiro Programa em C 2 Um Primeiro Programa em C Ronaldo F. Hashimoto, Carlos H. Morimoto e José A. R. Soares OobjetivodessaaulaéintroduzirvocêàlinguagemCemambienteLinux,primeiramentemostrandoasua estrutura, e a seguir com

Leia mais

Gerenciamento de Entrada e Saída Hélio Crestana Guardia e Hermes Senger

Gerenciamento de Entrada e Saída Hélio Crestana Guardia e Hermes Senger Gerenciamento de Entrada e Saída Hélio Crestana Guardia e Hermes Senger O controle da entrada e saída (E/S ou I/O, input/output) de dados dos dispositivos é uma das funções principais de um sistema operacional.

Leia mais

Professor: Roberto Franciscatto. Curso: Engenharia de Alimentos 01/2010 Aula 3 Sistemas Operacionais

Professor: Roberto Franciscatto. Curso: Engenharia de Alimentos 01/2010 Aula 3 Sistemas Operacionais Professor: Roberto Franciscatto Curso: Engenharia de Alimentos 01/2010 Aula 3 Sistemas Operacionais Um conjunto de programas que se situa entre os softwares aplicativos e o hardware: Gerencia os recursos

Leia mais

Linux, Windows, Antivírus, Teclado e Email.

Linux, Windows, Antivírus, Teclado e Email. Linux, Windows, Antivírus, Teclado e Email. Criador do Linux Linux foi, originalmente, escrito por Linus Torvalds do Departamento de Ciência da Computação da Universidade de Helsinki, Finlândia, com a

Leia mais

Sistema Operacional. Processo e Threads. Prof. Dr. Márcio Andrey Teixeira Sistemas Operacionais

Sistema Operacional. Processo e Threads. Prof. Dr. Márcio Andrey Teixeira Sistemas Operacionais Sistema Operacional Processo e Threads Introdução a Processos Todos os computadores modernos são capazes de fazer várias coisas ao mesmo tempo. Enquanto executa um programa do usuário, um computador pode

Leia mais

Introdução à Informática

Introdução à Informática Introdução à Informática Aula 6 http://www.ic.uff.br/~bianca/introinfo/ Aula 6-21/09/2007 1 Ementa Conceitos Básicos de Computação (Hardware, Software e Internet) Softwares Aplicativos Tutorial: Word Tutorial:

Leia mais

Introdução ao Linux. Professor Breno Leonardo G. de M. Araújo

Introdução ao Linux. Professor Breno Leonardo G. de M. Araújo Introdução ao Linux Professor Breno Leonardo G. de M. Araújo Sistema Operacional Linux Embora o Sistema Operacional Microsoft Windows ainda seja predominante no mercado de desktops e Notebooks,já é, bastante

Leia mais

A Evolução dos Sistemas Operacionais

A Evolução dos Sistemas Operacionais Capítulo 3 A Evolução dos Sistemas Operacionais Neste capítulo, continuaremos a tratar dos conceitos básicos com a intensão de construirmos, agora em um nível mais elevado de abstração, o entendimento

Leia mais

LP II Estrutura de Dados. Introdução e Linguagem C. Prof. José Honorato F. Nunes honorato.nunes@ifbaiano.bonfim.edu.br

LP II Estrutura de Dados. Introdução e Linguagem C. Prof. José Honorato F. Nunes honorato.nunes@ifbaiano.bonfim.edu.br LP II Estrutura de Dados Introdução e Linguagem C Prof. José Honorato F. Nunes honorato.nunes@ifbaiano.bonfim.edu.br Resumo da aula Considerações Gerais Introdução a Linguagem C Variáveis e C Tipos de

Leia mais

FUNDAMENTOS DE HARDWARE COMO FUNCIONA UM PC? Professor Carlos Muniz

FUNDAMENTOS DE HARDWARE COMO FUNCIONA UM PC? Professor Carlos Muniz FUNDAMENTOS DE HARDWARE COMO FUNCIONA UM PC? A arquitetura básica de qualquer computador completo, seja um PC, um Machintosh ou um computador de grande porte, é formada por apenas 5 componentes básicos:

Leia mais

Apresentação da disciplina. Sistemas Operacionais I N. A disciplina. O Professor. Áreas de atuação na pesquisa. Referências bibliográficas básicas

Apresentação da disciplina. Sistemas Operacionais I N. A disciplina. O Professor. Áreas de atuação na pesquisa. Referências bibliográficas básicas 1 Apresentação da disciplina Sistemas Operacionais I N Prof. Marcelo Johann 2009/2 O professor A disciplina Bibliografia Cronograma Avaliação Trabalhos Regras do jogo Introdução: Sistemas Operacionais

Leia mais

Aula 2. Objetivo: Saber qual a funcionalidade de um sistema operacional de rede.

Aula 2. Objetivo: Saber qual a funcionalidade de um sistema operacional de rede. Aula 2 Objetivo: Saber qual a funcionalidade de um sistema operacional de rede. Sistema Operacional de Rede Definição: Conjunto de módulos que ampliam as tarefas dos sistemas operacionais locais, complementando-os

Leia mais

Everson Scherrer Borges João Paulo de Brito Gonçalves

Everson Scherrer Borges João Paulo de Brito Gonçalves Everson Scherrer Borges João Paulo de Brito Gonçalves 1 Introdução ao Linux e Instalação do Ubuntu Linux História Em 1973, um pesquisador da Bell Labs, Dennis Ritchie, reescreveu todo o sistema Unix numa

Leia mais

Sistema Operacional. História Sistema Operacional 1. QI Escolas e Faculdades Apostila de Linux

Sistema Operacional. História Sistema Operacional 1. QI Escolas e Faculdades Apostila de Linux 4 Capítulo 1 Sistema Operacional É uma coleção de programas que inicializa hardwares, fornece rotinas básicas para controle de dispositivos, mantém a integridade de um sistema. Um sistema operacional de

Leia mais

1.5. Computador Digital --Software. INFormática. 1.5.1. Tipos de Software. Software. Hardware. Software do Sistema. Software de Aplicação.

1.5. Computador Digital --Software. INFormática. 1.5.1. Tipos de Software. Software. Hardware. Software do Sistema. Software de Aplicação. 1.5. Computador Digital --Software 1.5.1. Tipos de Software Utilizador Aplicações Linguagens Programação Software Sistema Operativo Hardware Software de Aplicação Processadores de Texto Folhas de Cálculo

Leia mais

Estudo de Caso 2: Windows Vista

Estudo de Caso 2: Windows Vista Faculdades Integradas de Mineiros Curso de Sistemas de Informação Sistemas Operacionais II Estudo de Caso 2: Windows Vista Grupo 4 Helder / Wagner / Frantyeis Junho/2010 O Windows usa uma estratégia Just-In-Time

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Introdução aos Sistemas Operacionais

Arquitetura de Computadores. Introdução aos Sistemas Operacionais Arquitetura de Computadores Introdução aos Sistemas Operacionais O que é um Sistema Operacional? Programa que atua como um intermediário entre um usuário do computador ou um programa e o hardware. Os 4

Leia mais

Fundamentos de Sistemas Computacionais Introdução

Fundamentos de Sistemas Computacionais Introdução Fundamentos de Sistemas Computacionais Introdução Prof. Eduardo Alchieri Sistema Computacional Hardware Software Usuários Um ou mais processadores, memória, discos, impressoras, teclado, mouse, monitor,

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS 2007

SISTEMAS OPERACIONAIS 2007 SISTEMAS OPERACIONAIS 2007 VISÃO GERAL Sumário Conceito Máquina de Níveis Conceituação de SO Componentes do SO Visões do SO Conceito de Sistemas O que se espera de um sistema de computação? Execução de

Leia mais

Visão geral do sistema de armazenamento e hierarquia de memória

Visão geral do sistema de armazenamento e hierarquia de memória Visão geral do sistema de armazenamento e hierarquia de memória Conhecer os dispositivos de armazenamento por meio do conceito e dos tipos de memórias utilizadas no computador. Subsistemas de memória Memória

Leia mais

Introdução à Computação: Sistemas de Computação

Introdução à Computação: Sistemas de Computação Introdução à Computação: Sistemas de Computação Beatriz F. M. Souza (bfmartins@inf.ufes.br) http://inf.ufes.br/~bfmartins/ Computer Science Department Federal University of Espírito Santo (Ufes), Vitória,

Leia mais

Introdução à Sistemas Operacionais. Glauber Magalhães Pires

Introdução à Sistemas Operacionais. Glauber Magalhães Pires Introdução à Sistemas Operacionais Glauber Magalhães Pires Agenda O que são sistemas operacionais? Histórico Primeira geração (1945-1955) Segunda geração (1955-1965) Terceira geração (1965-1980) Quarta

Leia mais

ROM-BIOS Inicialização Sistemas de Arquivos Formatação

ROM-BIOS Inicialização Sistemas de Arquivos Formatação ROM-BIOS Inicialização Sistemas de Arquivos Formatação 1 ROM-BIOS ROM-BIOS Basic Input/Output System (Sistema Básico de Entrada/Saída). O termo é incorretamente conhecido como: Basic Integrated Operating

Leia mais

BC 1518 - Sistemas Operacionais Sistema de Arquivos (aula 10 Parte 2) Prof. Marcelo Z. do Nascimento

BC 1518 - Sistemas Operacionais Sistema de Arquivos (aula 10 Parte 2) Prof. Marcelo Z. do Nascimento BC 1518 - Sistemas Operacionais Sistema de Arquivos (aula 10 Parte 2) Prof. Marcelo Z. do Nascimento 1 Gerência de espaço em disco Cópia de segurança do sistema de arquivo Roteiro Confiabilidade Desempenho

Leia mais

Fundamentos de Arquivos e Armazenamento Secundário

Fundamentos de Arquivos e Armazenamento Secundário Fundamentos de Arquivos e Armazenamento Secundário Cristina D. A. Ciferri Thiago A. S. Pardo Leandro C. Cintra M.C.F. de Oliveira Moacir Ponti Jr. Armazenamento de Dados Armazenamento primário memória

Leia mais

Comparativo de desempenho do Pervasive PSQL v11

Comparativo de desempenho do Pervasive PSQL v11 Comparativo de desempenho do Pervasive PSQL v11 Um artigo Pervasive PSQL Setembro de 2010 Conteúdo Resumo executivo... 3 O impacto das novas arquiteturas de hardware nos aplicativos... 3 O projeto do Pervasive

Leia mais