E.E.E.P. Dr. Solon Tavares Sistemas Operacionais Prof. Henrique Cordeiro. Programação Concorrente em Linux

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "E.E.E.P. Dr. Solon Tavares Sistemas Operacionais Prof. Henrique Cordeiro. Programação Concorrente em Linux"

Transcrição

1 E.E.E.P. Dr. Solon Tavares Sistemas Operacionais Prof. Henrique Cordeiro Programação Concorrente em Linux O Conceito de Processo no Linux O conceito de processo é fundamental para qualquer sistema operacional multiprogramado. Essencialmente, como visto anteriormente, um processo é uma abstração que representa uma instância de um programa em execução. Os processos podem representar tanto a execução de tarefas do próprio sistema operacional como tarefas de usuários. É através desse conceito que o sistema operacional organiza suas tarefas de gerenciamento. Durante o ciclo de vida de um processo, ele utiliza vários recursos do sistema: o processador para sua execução; espaço em memória física para o armazenamento de dados e do programa em execução; descritores de arquivos; o emprego direta ou indiretamente de dispositivos de entrada e saída; etc. Para que seja possível gerenciar os recursos do sistema de forma justa, repartindo-os equitativamente entre os processos, o Linux deve ter uma idéia clara de o que cada um dos processos existentes no sistema está realizando, ou seja, qual o seu estado de execução. Essa informação é mantida em uma estrutura de dados especial: o descritor de processo. O descritor de processo é uma estrutura bastante complexa, possuindo uma série de campos tais como ponteiros para outros descritores de processos, ponteiros para descritores de arquivos abertos, ponteiros para áreas de memória em uso, informações para escalonamento, temporizadores, contexto do processo, etc. O contexto de um processo é inacessível a outros processos, do mesmo modo um processo pode apenas atuar sobre o seu contexto. Um processo se comunica com o mundo exterior sob vigilância do sistema operacional, assim assegura-se um funcionamento estável, sem interferências entre processos. Fazem parte do contexto de um processo diversos tipos de informação de controle, dentre os quais é interessante destacar o Identificador de Processo (PID). PID (Process Identifier) número inteiro positivo que identifica um dado processo. É atribuído pelo sistema operacional no momento da criação do processo.

2 Criação de um processo A criação de um processo, em ambientes UNIX, realiza-se da seguinte forma: um processo já existente invoca a chamada de sistema fork. Quando um processo invoca esta chamada, o sistema operacional cria uma cópia do contexto do processo corrente e atribui-lhe um novo PID, a partir desse momento existem dois processos exatamente iguais. Ao processo original (que fez a chamada fork) chamamos processo pai, ao novo processo (com o novo PID) chamamos processo filho. int fork(void); Certamente que o código que se pretende executar depois do fork é diferente para o pai e para o filho, para que o código em execução saiba qual o processo em que está basta analisar o valor de retorno do fork: Ao processo pai a chamada fork retorna o PID do filho (inteiro positivo). Em caso de erro, retorna o valor -1. Ao processo filho a chamada fork retorna o valor zero. Exemplo: pid = fork(); if(pid < 0) printf("erro no fork\n"); if(pid > 0) /* continuação do processo pai */ /* continuação do processo filho */

3 Qualquer processo pode obter facilmente o seu próprio PID e também o PID do seu pai. A chamada int getpid(void) devolve ao processo invocador o seu próprio PID. A chamada int getppid(void) devolve ao processo invocador o PID do seu pai. O exemplo seguinte ilustra a utilização do fork e destas duas chamadas de sistema: #include <stdio.h> #include <unistd.h> #include <sys/types.h> int main() int child_pid; printf("ainda existe apenas um processo (%d)\n",getpid()); child_pid = fork(); printf("agora somos dois (%d)\n",getpid()); if(child_pid > 0) printf("eu sou o pai(%d), meu filho é: %d\n",getpid(),child_pid); sleep(1); printf("eu sou o filho(%d), meu pai é: %d\n",getpid(),getppid()); A chamada sleep é usada para adormecer o processo pai durante um segundo, assegurando que o pai não termina antes do filho. Sincronização entre processo pai e filhos No exemplo anterior o processo pai foi suspenso durante um segundo para ter certas garantias de que o filho acabe primeiro. A consequência de isso não acontecer é que se a chamada getppid() fosse invocada depois de o pai ter terminado, devolveria um valor inesperado. Na realidade devolveria o PID do "pai do pai" já que este adotaria o "filho órfão". Existem mecanismos muitos mais eficientes para assegurar o sincronismo entre pai e filhos. A chamada wait suspende o processo pai até que um filho termine: int wait(int *); O valor de retorno desta chamada é o PID do filho que terminou. Se já não existe mais nenhum filho a chamada wait devolve o valor -1. A chamada wait tem como parâmetro um ponteiro para um inteiro que será usado para guardar o "exit-status" do filho. Este mecanismo permite ao filho, no momento em que termina, enviar ao pai um valor numérico, na prática está limitado aos 8 bits menos significativos que terão de ser obtidos utilizando a "macro": int WEXITSTATUS(int);

4 Os filhos transmitem ao pai o seu código de saída utilizando a chamada _exit que termina o processo: void _exit(int); Enquanto a invocação da chamada _exit não for correspondida pela chamada wait no processo pai, o processo filho fica num estado conhecido por Zombie em que não ocupa recursos. O exemplo seguinte ilustra a utilização deste tipo de mecanismo: #include <stdio.h> #include <unistd.h> #include <sys/types.h> #include <sys/wait.h> int main() int child_pid, ret; child_pid = fork(); if(child_pid == 0) printf("sou o filho %d\n", getpid()); _exit(0); printf("pai: lancei o filho com o PID %d\n", child_pid); child_pid = wait(&ret); ret = WEXITSTATUS(ret); printf("o filho com PID %d devolveu-me %d\n", child_pid, ret); A transferência de dados do processo pai para o filho no momento da sua criação é simples porque todos os dados definidos pelo pai são copiados para o filho. A transferência de dados do processo filho, quando este termina, para o processo pai é limitada a 8 bits. Este fato torna-se irrelevante porque existem mecanismos apropriados para a comunicação entre processos (IPC).

5 Funções exec Após a criação de um processo filho através de uma chamada fork, este pode ter sua área de código substituída por outro código que deve ser executado. Para tal, é utilizada a chamada exec. É esta chamada que permite ao processo filho substituir a imagem do código do pai por uma imagem própria. Por isso, encontra-se como uma referência bastante comum, no mundo UNIX, a expressão fork-exec. Todos os processos UNIX são criados desta forma. Na realidade, durante a inicialização de uma máquina, um primeiro processo é criado manualmente pelo sistema operacional. Esse processo é denominado init e recebe um identificador de processo (PID) igual a 1. O processo init cria uma série de processos todos através de fork-exec os quais serão responsáveis pela gerência do sistema. Cada processo criado recebe um PID diferente que será empregado pelo sistema operacional para referências futuras. Entre os processos criados pelo init, estão os processos associados ao programa getty. Cada instância do getty espera que sejam introduzidos o nome de um usuário e uma senha. Quando essas informações são fornecidas, o processo getty substitui seu código, através da chamada exec, pelo código do programa login. O login é responsável por autenticar um usuário, e assim permitir que o mesmo conecte-se ao sistema. O usuário sendo válido no sistema, o login é considerado com sucesso e executa novamente uma chamada exec para substituir seu código por um outro programa: o interpretador de comandos (shell). A partir do shell, o usuário pode realizar comandos. Qualquer comando executado no shell dará origem a uma sequência fork-exec, permitindo assim a criação de novos processos. Os comandos executados a partir de um shell são normalmente programas utilitários do sistema como, por exemplo, ls para listar o conteúdo de um diretório, grep para procurar ocorrências de strings em um arquivo, etc. Nesse caso, o shell cria um processo filho que executa o código associado a esse comando e faz com que o processo pai (shell, nesse caso) espere pelo término do filho. Quando o filho termina, o controle retorna ao shell (processo pai) e o usuário pode executar um novo comando. Nesse ponto, cabe um comentário: os processos executados em background. Um processo em background nada mais é que a criação de um processo filho sem que o pai espere por seu término. Dessa forma, podemos ter o processo filho executando ao mesmo tempo que o processo pai. As funções exec utilizam outra primitiva básica, embora sejam variadas na forma dos seus parâmetros, todas realizam a mesma tarefa: carregam de um arquivo binário que substitui o código e dados do contexto do processo corrente e inicia a sua execução. A menos que ocorra um erro, a execução do código no processo invocador termina. Quando se pretende executar um comando paralelamente ao processo principal basta criar um filho que invoca uma função exec. A função exec é na verdade uma família de funções, com variantes. Usaremos a seguinte função: int execlp(char *arquivo, char *argumento0,..., NULL);

6 Esta função recebe como parâmetros o nome do arquivo executável (também podemos utilizar o caminho completo para executar o arquivo) e possíveis argumentos. Se a variável arquivo não contém um caminho, o arquivo executável vai ser procurado nos diretórios especificados na variável ambiente PATH. A forma de indicar os argumentos varia, mas em qualquer dos casos termina com o argumento NULL. Exemplo: #include <unistd.h> #include <stdio.h> #include <sys/types.h> #include <sys/wait.h> void main() int child_pid, ret; child_pid = fork(); if(child_pid == 0) execlp("codigo_filho", "parametro1", "parametro2", NULL); printf("erro no comando exec\n"); _exit(1); child_pid = wait(&ret); ret = WEXITSTATUS(ret);

7 Fontes R. Oliveira, A. Carissimi, S. Toscani. Sistemas Operacionais. 3ª Edição. Editora Sagra-Luzzato, Cláudio Geyer, Rômulo Rosinha. fork/join no UNIX, INF Sistemas Operacionais II, 2006.

Processos em Unix. Conteúdo: Definição de Processos em Unix Estrutura, tipo e escalonamento de processos em Unix Processos, Pai, Filho e Zumbi.

Processos em Unix. Conteúdo: Definição de Processos em Unix Estrutura, tipo e escalonamento de processos em Unix Processos, Pai, Filho e Zumbi. Processos em Unix Conteúdo: Definição de Processos em Unix Estrutura, tipo e escalonamento de processos em Unix Processos, Pai, Filho e Zumbi. O que é um Processo em Unix? É um espaço de endereçamento

Leia mais

Um processo sob UNIX ocupa uma área de memória formada basicamente por 3 partes:

Um processo sob UNIX ocupa uma área de memória formada basicamente por 3 partes: Processos O UNIX é um sistema operacional multitarefa (suporta multiprogramação). Isso significa que ele é capaz de gerenciar a execução simultânea de vários programas. O termo processo é usado para caracterizar

Leia mais

Manipulação de processos

Manipulação de processos Manipulação de processos Luiz Affonso Guedes 1 Ivanovitch Silva 1 affonso@dca.ufrn.br ivan@dca.ufrn.br 1 Universidade Federal do Rio Grande do Norte 17 de setembro de 2009 Processos DCA0109 1 / 18 Sumário

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Prof. Jó Ueyama Apresentação baseada nos slides da Profa. Kalinka Castelo Branco, do Prof. Dr. Antônio Carlos Sementille e da Profa. Dra. Luciana A. F. Martimiano e nas transparências

Leia mais

SVCs para Controle de Processos no Unix (cont.) Sistemas Operacionais

SVCs para Controle de Processos no Unix (cont.) Sistemas Operacionais SVCs para Controle de Processos no Unix (cont.) Primitivas exec..() As primitivas exec constituem, na verdade, uma família de funções que permitem a um processo executar o código de outro programa. Não

Leia mais

http://www.csl.mtu.edu/cs4411/www/notes/process/fork/create.html

http://www.csl.mtu.edu/cs4411/www/notes/process/fork/create.html http://www.csl.mtu.edu/cs4411/www/notes/process/fork/create.html FORK() SYSTEM CALL * UTILIZADO PARA CRIAR SUBPROCESSO * PROCESSO QUE CRIA É PAI * PROCESSO CRIADO É O FILHO * APÓS A CRIAÇÃO AMBOS OS PROCESSO

Leia mais

Processos. Programas e Processos. Aula 1 - Chamadas ao sistema. José Pedro Oliveira fork exit getpid, getppid wait, waitpid

Processos. Programas e Processos. Aula 1 - Chamadas ao sistema. José Pedro Oliveira fork exit getpid, getppid wait, waitpid Conteúdo Programas e Aula 1-1 Programas e (jpo@di.uminho.pt) Grupo de Sistemas Distribuídos Departamento de Informática Escola de Engenharia Universidade do Minho Sistemas Operativos I 006-007 3 Referências

Leia mais

Processos. Estados principais de um Processo: Contexto de um Processo. Nível de um Processo. http://www.dei.isep.ipp.pt/~orlando/so2/processos.

Processos. Estados principais de um Processo: Contexto de um Processo. Nível de um Processo. http://www.dei.isep.ipp.pt/~orlando/so2/processos. Página 1 de 5 Processos Consiste num método de descrição das actividades de um sistema operativo; Todo o software incluído no sistema operativo é organizado num grupo de programas executáveis. Cada um

Leia mais

Sistema Operacional Ex: Complexo Computador multiusuário com vários terminais Tem que administrar todos os pedidos de usuários e assegurar que eles

Sistema Operacional Ex: Complexo Computador multiusuário com vários terminais Tem que administrar todos os pedidos de usuários e assegurar que eles Sistema Operacional Conjunto de programas que inicializam o hardware do computador; Fornece rotinas básicas para o controle de dispositivos; Fornece gerência, escalonamento e interação de tarefas; Mantém

Leia mais

SVCs para Controle de Processos no Unix. Sistemas Operacionais

SVCs para Controle de Processos no Unix. Sistemas Operacionais SVCs para Controle de Processos no Unix Criação de Processos A maioria dos sistemas operacionais usa um mecanismo de spawn para criar um novo processo a partir de um outro executável. LPRM/DI/UFES 2 Criação

Leia mais

Conceitos de Sistemas Operacionais: Chamadas de Sistema. Prof Rafael J. Sandim

Conceitos de Sistemas Operacionais: Chamadas de Sistema. Prof Rafael J. Sandim Conceitos de Sistemas Operacionais: Chamadas de Sistema Prof Rafael J. Sandim Conceitos de Sistema Operacional Interface entre o SO e os Programas de usuário é definida pelo conjunto de instruções estendidas

Leia mais

Ciclo de Vida de um Processo

Ciclo de Vida de um Processo Nas aulas anteriores Ciclo de Vida de um Processo Marcelo Johann Conceito de Processo Mecanismo de Programação em C/UNIX Continuando Interrupções TRAP Chaveamento de Contexto Chamadas de Sistema INF01142

Leia mais

Sistemas Operacionais e Introdução à Programação. Programação com linguagem C

Sistemas Operacionais e Introdução à Programação. Programação com linguagem C Sistemas Operacionais e Introdução à Programação Programação com linguagem C 1 Variáveis na linguagem C: tipo char O tipo char representa um caractere ASCII (ocupa só 1 byte) int main(int argc, char **

Leia mais

Comunicação entre Processos Canal de comunicação Arquitetura da comunicação Modelos de comunicação

Comunicação entre Processos Canal de comunicação Arquitetura da comunicação Modelos de comunicação Comunicação entre Processos Canal de comunicação Arquitetura da comunicação Modelos de comunicação Sistemas Operativos 2015-2016 O que construímos até agora... A abstração de processo 2 A possibilidade

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS II ESPECIFICAÇÃO CAMADA INDEPENDENTE

SISTEMAS OPERACIONAIS II ESPECIFICAÇÃO CAMADA INDEPENDENTE ANDRÉ LUCHESI CESAR HENRIQUE KÁLLAS SISTEMAS OPERACIONAIS II ESPECIFICAÇÃO CAMADA INDEPENDENTE Pontifícia Universidade Católica de Campinas Faculdade de Engenharia de Computação Turma III Grupo 9 Agosto

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS CAPÍTULO 3 CONCORRÊNCIA

SISTEMAS OPERACIONAIS CAPÍTULO 3 CONCORRÊNCIA SISTEMAS OPERACIONAIS CAPÍTULO 3 CONCORRÊNCIA 1. INTRODUÇÃO O conceito de concorrência é o princípio básico para o projeto e a implementação dos sistemas operacionais multiprogramáveis. O sistemas multiprogramáveis

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS 2007

SISTEMAS OPERACIONAIS 2007 SISTEMAS OPERACIONAIS 2007 VISÃO GERAL Sumário Conceito Máquina de Níveis Conceituação de SO Componentes do SO Visões do SO Conceito de Sistemas O que se espera de um sistema de computação? Execução de

Leia mais

14. Arquivos. W. Celes e J. L. Rangel. Estruturas de Dados PUC-Rio 13-1

14. Arquivos. W. Celes e J. L. Rangel. Estruturas de Dados PUC-Rio 13-1 14. Arquivos W. Celes e J. L. Rangel Neste capítulo, apresentaremos alguns conceitos básicos sobre arquivos, e alguns detalhes da forma de tratamento de arquivos em disco na linguagem C. A finalidade desta

Leia mais

Programação de Sistemas

Programação de Sistemas Programação de Sistemas Arquitectura dos Sistemas Operativos Programação de Sistemas Arquitectura : 1/25 Introdução (1) Um sistema operativo de uso geral é formado por diversas componentes: Gestor de processos

Leia mais

Construa a função insere_lista para inserir um elemento na lista ordenada, duplamente encadeada, descrita acima.

Construa a função insere_lista para inserir um elemento na lista ordenada, duplamente encadeada, descrita acima. DEPARTAMENTO DE SISTEMAS E COMPUTAÇÃO Disciplina: Sistemas Operacionais Teste de verificação de pré-requisitos Considere as definições de tipos abaixo: type Aponta_Nodo = ^Nodo; NODO Nodo = record Info

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Introdução aos Sistemas Operacionais

Arquitetura de Computadores. Introdução aos Sistemas Operacionais Arquitetura de Computadores Introdução aos Sistemas Operacionais O que é um Sistema Operacional? Programa que atua como um intermediário entre um usuário do computador ou um programa e o hardware. Os 4

Leia mais

SVCs para Controle de Processos no Unix (cont.) Sistemas Operacionais

SVCs para Controle de Processos no Unix (cont.) Sistemas Operacionais SVCs para Controle de Processos no Unix (cont.) Término de Processos no Unix Um processo pode terminar normalmente ou anormalmente nas seguintes condições: Normal: Executa return na função main(), o que

Leia mais

Comunicação entre pai e filho

Comunicação entre pai e filho Comunicação entre pai e filho Ao chamar um fork(), processos pai e filho deixam de compartilhar memória Como fazer então para que o resultado de um processo possa ser recebido pelo outro? Exemplos: Processo

Leia mais

INF 1005 Programação I

INF 1005 Programação I INF 1005 Programação I Aula 12 Cadeia de Caracteres (Strings) Edirlei Soares de Lima Caracteres Até o momento nós somente utilizamos variáveis que armazenam números (int, float ou

Leia mais

LP II Estrutura de Dados. Introdução e Linguagem C. Prof. José Honorato F. Nunes honorato.nunes@ifbaiano.bonfim.edu.br

LP II Estrutura de Dados. Introdução e Linguagem C. Prof. José Honorato F. Nunes honorato.nunes@ifbaiano.bonfim.edu.br LP II Estrutura de Dados Introdução e Linguagem C Prof. José Honorato F. Nunes honorato.nunes@ifbaiano.bonfim.edu.br Resumo da aula Considerações Gerais Introdução a Linguagem C Variáveis e C Tipos de

Leia mais

Máquina de estados UNIX O

Máquina de estados UNIX O Estruturas Processos de Controle (Aula 5) Aula Interrupções Profa. Patricia Gerência fluxo, execução D. O Abstração passada Criação podendo de gerar hw e transição sw (mudança de CostaLPRM/DI/UFES que

Leia mais

Máquina de estados UNIX O. Sistemas Operacionais 2008/1Profa. Patricia S.O. computação: recursos D. S.O S.O. controla eventos no sistema de

Máquina de estados UNIX O. Sistemas Operacionais 2008/1Profa. Patricia S.O. computação: recursos D. S.O S.O. controla eventos no sistema de Estruturas Processos de Controle (Aula 5) Aula Interrupções Profa. Patricia Gerência fluxo, execução D. O Abstração passada Criação podendo de gerar hw e transição sw (mudança de CostaLPRM/DI/UFES que

Leia mais

Estrutura da linguagem de programação C Prof. Tiago Eugenio de Melo tiago@comunidadesol.org

Estrutura da linguagem de programação C Prof. Tiago Eugenio de Melo tiago@comunidadesol.org Estrutura da linguagem de programação C Prof. Tiago Eugenio de Melo tiago@comunidadesol.org Breve Histórico A linguagem de programação C foi criada na década de 70, por Dennis Ritchie, que a implementou,

Leia mais

Exemplos. char c; int i=67;... c= A ; c=c+1; if (c== B )... c=i; i=c; i++; if (i>= C )...

Exemplos. char c; int i=67;... c= A ; c=c+1; if (c== B )... c=i; i=c; i++; if (i>= C )... Caracteres Conceitos Tipo de dados simples (char), cujo valor é a codificação numérica de um caracter; Caracteres literais são representados por aspas simples, como em A e a ; Variáveis do tipo char podem

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE INFORMÁTICA INFORMÁTICA APLICADA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE INFORMÁTICA INFORMÁTICA APLICADA Responda 1) Quem desenvolveu a linguagem C? Quando? 2) Existe alguma norma sobre a sintaxe da linguagem C? 3) Quais são os tipos básicos de dados disponíveis na linguagem C? 4) Quais são as principais

Leia mais

SVCs para Controle de Processos no Unix (cont.) Sistemas Operacionais

SVCs para Controle de Processos no Unix (cont.) Sistemas Operacionais SVCs para Controle de Processos no Unix (cont.) A Família de SVC's exec() As primitivas exec() constituem, na verdade, uma famılia de funções que permitem a um processo executar o código de outro programa.

Leia mais

Exercício 1. Tabela 1: Cadastro de usuários, senhas e privilégios (exemplo). Login Senha Privilégio Armamento

Exercício 1. Tabela 1: Cadastro de usuários, senhas e privilégios (exemplo). Login Senha Privilégio Armamento 1/5 Exercício 1 Um sistema de segurança militar, usado num submarino nuclear, controla o acesso de usuários a três subsistemas (armamento, navegação e comunicações) através da digitação do login do usuário

Leia mais

EXEMPLO: Processo para atualização da hora Processo para monitoramento da necessidade de proteção de tela. Figura 4-1 - Exemplo

EXEMPLO: Processo para atualização da hora Processo para monitoramento da necessidade de proteção de tela. Figura 4-1 - Exemplo 4 PROCESSOS Os primeiros sistemas operacionais permitiam que apenas um processo fosse executado por vez. Dessa maneira, este processo tinha todo o sistema computacional a sua disposição. Os atuais sistemas

Leia mais

Sistemas Operacionais. Andrique Amorim www.andrix.com.br professor@andrix.com.br. Gerência de Arquivos

Sistemas Operacionais. Andrique Amorim www.andrix.com.br professor@andrix.com.br. Gerência de Arquivos Andrique Amorim www.andrix.com.br professor@andrix.com.br Gerência de Arquivos Gerência de Arquivos Um sistema operacional tem por finalidade permitir que o usuários do computador executem aplicações,

Leia mais

2. OPERADORES... 6 3. ALGORITMOS, FLUXOGRAMAS E PROGRAMAS... 8 4. FUNÇÕES... 10

2. OPERADORES... 6 3. ALGORITMOS, FLUXOGRAMAS E PROGRAMAS... 8 4. FUNÇÕES... 10 1. TIPOS DE DADOS... 3 1.1 DEFINIÇÃO DE DADOS... 3 1.2 - DEFINIÇÃO DE VARIÁVEIS... 3 1.3 - VARIÁVEIS EM C... 3 1.3.1. NOME DAS VARIÁVEIS... 3 1.3.2 - TIPOS BÁSICOS... 3 1.3.3 DECLARAÇÃO DE VARIÁVEIS...

Leia mais

ESTRUTURA DE UM SISTEMA OPERACIONAL

ESTRUTURA DE UM SISTEMA OPERACIONAL ESTRUTURA DE UM SISTEMA OPERACIONAL Prof. Me. Hélio Esperidião VISÃO DO USUÁRIO DE UM SO Imagem que o usuário tem do sistema Interface para acesso aos recursos. EXECUTAR PROGRAMAS Todo sistema operacional

Leia mais

MÓDULO 02 PROCESSOS E THREADS PROCESSOS e THREADS

MÓDULO 02 PROCESSOS E THREADS PROCESSOS e THREADS MÓDULO 02 PROCESSOS E THREADS PROCESSOS e THREADS 1. ATIVIDADE 01 Verificar a criação de um processo filho (que imprime de 51 a 100) que rodará concorrentemente com o processo pai (que imprime de 1 a 50)

Leia mais

Sistemas Operacionais INF 09344 Prof. José Gonçalves

Sistemas Operacionais INF 09344 Prof. José Gonçalves Sistemas Operacionais INF 09344 Prof. José Gonçalves 1 o Trabalho de Programação Período: 2014/1 Data de Entrega: 2/6/2014 Parte I. Usando Fork e Wait Você deve criar um programa C partei.c. Durante a

Leia mais

Controlo de processos e sinais

Controlo de processos e sinais Controlo de processos e sinais 8 Este capítulo aborda os processos e os sinais O controlo de processos com os comandos do sistema operativo disponíveis e em particular o bash shell. Os comandos ps, kill,

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Unix: Processos e o Kernel O Kernel É um programa especial, uma parte privilegiada do sistema operacional, que roda diretamente sobre o hardware. É ele quem implementa o modelo de processos do sistema.

Leia mais

Programação de Sistemas

Programação de Sistemas Programação de Sistemas FIFOs Programação de Sistemas FIFOs : 1/13 Introdução APUE 15.5 Os tubos só podem ser usados por processos que tenham um antecessor comum. Para resolver a limitação dos tubos, o

Leia mais

Projeto: Camada Independente de Dispositivo

Projeto: Camada Independente de Dispositivo Projeto: Camada Independente de Dispositivo Introdução Esse documento tem como finalidade demonstrar como será implementada a Camada Independente de Software. Estrutura A camada independente de software

Leia mais

Arquiteturas de Computadores Paralelos

Arquiteturas de Computadores Paralelos Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET Tecnologia de Análise e Desenvolvimento de Sistemas Organização de Computadores Prof. André Luiz 1 Paralelismo O estudo de paralelismo

Leia mais

Figura 01 Kernel de um Sistema Operacional

Figura 01 Kernel de um Sistema Operacional 01 INTRODUÇÃO 1.5 ESTRUTURA DOS SISTEMAS OPERACIONAIS O Sistema Operacional é formado por um Conjunto de rotinas (denominado de núcleo do sistema ou kernel) que oferece serviços aos usuários e suas aplicações

Leia mais

Programação Concorrente Processos e Threads

Programação Concorrente Processos e Threads Programação Concorrente Processos e Threads Prof. Eduardo Alchieri Processos O conceito mais central em qualquer sistema operacional é o processo Uma abstração de um programa em execução Um programa por

Leia mais

Unix: Sistema de Arquivos. Geraldo Braz Junior

Unix: Sistema de Arquivos. Geraldo Braz Junior Unix: Sistema de Arquivos Geraldo Braz Junior 2 Arquivos Um arquivo é visto pelo SO apenas como uma seqüência de bytes: nenhuma distinção é feita entre arquivos ASCII, binários, etc.; Muitos programas

Leia mais

Trabalhando com Processos e Threads em Ambiente LINUX

Trabalhando com Processos e Threads em Ambiente LINUX Objetivo Universidade Federal do ABC Disciplina: BC 1518 Sistemas Operacionais (SO) Prática: Processo/Threads Atividade 3 Trabalhando com Processos e Threads em Ambiente LINUX 1.Trabalhar com comandos

Leia mais

Linguagem e Técnicas de Programação I Programação estruturada e fundamentos da linguagem C

Linguagem e Técnicas de Programação I Programação estruturada e fundamentos da linguagem C Linguagem e Técnicas de Programação I Programação estruturada e fundamentos da linguagem C Prof. MSc. Hugo Souza Material desenvolvido por: Profa. Ameliara Freire Continuando as aulas sobre os fundamentos

Leia mais

Análise de vulnerabilidades de um código fonte escrito em linguagem C

Análise de vulnerabilidades de um código fonte escrito em linguagem C Análise de vulnerabilidades de um código fonte escrito em linguagem C Fausto Levandoski 1 1 Universidade do Vale do Rios dos Sinos (UNISINOS) Curso Tecnólogo em Segurança da Informação Av. Unisinos, 950

Leia mais

SISTEMAS OPERATIVOS I

SISTEMAS OPERATIVOS I Instituto Superior de Engenharia do Porto Departamento de Engenharia Informática SISTEMAS OPERATIVOS I Programação Concorrente em Linux: Gestão de Processos Versão 2.02 Maio de 2006 Luís Lino Ferreira

Leia mais

Linguagem C: variáveis, operadores, entrada/saída. Prof. Críston Algoritmos e Programação

Linguagem C: variáveis, operadores, entrada/saída. Prof. Críston Algoritmos e Programação Linguagem C: variáveis, operadores, entrada/saída Prof. Críston Algoritmos e Programação Linguagem C Linguagem de uso geral (qualquer tipo de aplicação) Uma das linguagens mais utilizadas Foi utilizada

Leia mais

Fundamentos de Sistemas Operacionais. Processos. Prof. Edwar Saliba Júnior Março de 2007. Unidade 02-002 Processos

Fundamentos de Sistemas Operacionais. Processos. Prof. Edwar Saliba Júnior Março de 2007. Unidade 02-002 Processos Processos Prof. Edwar Saliba Júnior Março de 2007 1 Processos Programa em execução: processos do próprio sistema (SYSTEM no gerenciador de tarefas); processos do usuário; Sistemas multiprogramáveis: muitos

Leia mais

Sistemas Operacionais. Introdução

Sistemas Operacionais. Introdução Sistemas Operacionais Prof. Fernando Freitas Introdução O que é um sistema operacional História dos sistemas operacionais Tipos de sistemas operacionais Conceitos sobre sistemas operacionais Chamadas de

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Gerência de processos Controle e descrição de processos Edson Moreno edson.moreno@pucrs.br http://www.inf.pucrs.br/~emoreno Sumário Representação e controle de processos pelo SO Estrutura

Leia mais

Disciplina: Sistemas Operacionais Professor: Cristiano Mariotti procrismar@globo.com

Disciplina: Sistemas Operacionais Professor: Cristiano Mariotti procrismar@globo.com Disciplina: Sistemas Operacionais Professor: Cristiano Mariotti procrismar@globo.com Equivalente a inicializar um computador ; Durante o bootstrapping, o kernel é carregado na memória principal e começa

Leia mais

Funções de um SO. Gerência de processos Gerência de memória Gerência de Arquivos Gerência de I/O Sistema de Proteção

Funções de um SO. Gerência de processos Gerência de memória Gerência de Arquivos Gerência de I/O Sistema de Proteção Sistemas de Arquivos Funções de um SO Gerência de processos Gerência de memória Gerência de Arquivos Gerência de I/O Sistema de Proteção 2 Sistemas Operacionais Necessidade de Armazenamento Grandes quantidades

Leia mais

7 Processos. 7.1 Introdução

7 Processos. 7.1 Introdução 1 7 Processos 7.1 Introdução O conceito de processo é a base para a implementação de um sistema multiprogramável. O processador é projetado apenas para executar instruções, não se importando com qual programa

Leia mais

Sistema Operacional. Processo e Threads. Prof. Dr. Márcio Andrey Teixeira Sistemas Operacionais

Sistema Operacional. Processo e Threads. Prof. Dr. Márcio Andrey Teixeira Sistemas Operacionais Sistema Operacional Processo e Threads Introdução a Processos Todos os computadores modernos são capazes de fazer várias coisas ao mesmo tempo. Enquanto executa um programa do usuário, um computador pode

Leia mais

INTRODUÇÃO AO C++ SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DR. EDNALDO B. PIZZOLATO

INTRODUÇÃO AO C++ SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DR. EDNALDO B. PIZZOLATO INTRODUÇÃO AO C++ SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DR. EDNALDO B. PIZZOLATO Tópicos Estrutura Básica B de Programas C e C++ Tipos de Dados Variáveis Strings Entrada e Saída de Dados no C e C++ INTRODUÇÃO O C++ aceita

Leia mais

Concorrência e Paralelismo

Concorrência e Paralelismo Concorrência e Paralelismo mleal@inf.puc-rio.br 1 Programação Concorrente e Paralela Na programação sequencial todas as instruções de um programa são executadas através de uma única linha de execução Na

Leia mais

Experimentos com a memória cache do CPU

Experimentos com a memória cache do CPU Experimentos com a memória cache do CPU Alberto Bueno Júnior & Andre Henrique Serafim Casimiro Setembro de 2010 1 Contents 1 Introdução 3 2 Desvendando o cache 3 2.1 Para que serve o cache?.....................

Leia mais

Introdução. Sistemas Operacionais

Introdução. Sistemas Operacionais FATEC SENAC Introdução à Sistemas Operacionais Rodrigo W. Fonseca Sumário Definição de um S.O. Características de um S.O. História (evolução dos S.O.s) Estruturas de S.O.s Tipos de Sistemas Operacionais

Leia mais

GABARITO COMENTADO SISTEMAS OPERACIONAIS. PROF. Cláudio de C. Monteiro, Evanderson S. de Almeida, Vinícius de M. Rios

GABARITO COMENTADO SISTEMAS OPERACIONAIS. PROF. Cláudio de C. Monteiro, Evanderson S. de Almeida, Vinícius de M. Rios CURSO - TADS TURMA 2008.1 2 PERÍODO 3 MÓDULO AVALIAÇÃO MP2 DATA 02/10/2008 SISTEMAS OPERACIONAIS 2008/2 GABARITO COMENTADO SISTEMAS OPERACIONAIS PROF. Cláudio de C. Monteiro, Evanderson S. de Almeida,

Leia mais

Processamento com SPOOL. Utilização do CPU e periféricos. Perfis dos programas. Exemplo IBM 1460 (1963) Problemas no escalonamento.

Processamento com SPOOL. Utilização do CPU e periféricos. Perfis dos programas. Exemplo IBM 1460 (1963) Problemas no escalonamento. Processamento com SPOOL Utilização do e periféricos disco Spool de entrada Spool de saída Computador Puramente sequencial Leitor de cartões operador utilizador impressora resultados 28-02-2007 ASC II -

Leia mais

PROCESSOS. Prof. Maicon A. Sartin mapsartin@gmail.com

PROCESSOS. Prof. Maicon A. Sartin mapsartin@gmail.com PROCESSOS Prof. Maicon A. Sartin mapsartin@gmail.com Cenários em Sistemas Multitarefas Um usuário pode executar diversas atividades simultâneas Música Editoração de texto Navegar na Internet Servidor pode

Leia mais

17 - Funções e Procedimentos em C Programação Modular

17 - Funções e Procedimentos em C Programação Modular 17 - Funções e Procedimentos em C Programação Modular Unesp Campus de Guaratinguetá Curso de Programação Computadores Prof. Aníbal Tavares Profa. Cassilda Ribeiro Ministrado por: Prof. André Amarante 17

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Programação Concorrente Introdução Edson Moreno edson.moreno@pucrs.br http://www.inf.pucrs.br/~emoreno Introdução Programa Seqüencial Representado por apenas um processo Existe apenas

Leia mais

Apresentação. Ementa da Disciplina. Objetivo da Disciplina. DCA-108 Sistemas Operacionais

Apresentação. Ementa da Disciplina. Objetivo da Disciplina. DCA-108 Sistemas Operacionais DCA-108 Sistemas Operacionais Luiz Affonso Guedes www.dca.ufrn.br/~affonso affonso@dca.ufrn.br Apresentação Disciplina básica do curso de Engenharia de Computação Carga-horária: 60h teóricas Associadas

Leia mais

Orientação a Objetos

Orientação a Objetos 1. Domínio e Aplicação Orientação a Objetos Um domínio é composto pelas entidades, informações e processos relacionados a um determinado contexto. Uma aplicação pode ser desenvolvida para automatizar ou

Leia mais

Introdução a POO. Introdução a Linguagem C++ e POO

Introdução a POO. Introdução a Linguagem C++ e POO Introdução a POO Marcio Santi Linguagem C++ Introdução a Linguagem C++ e POO Programação Orientada a Objetos (POO) e C++ Recursos C++ não relacionados às classes Incompatibilidades entre C e C++ Classes

Leia mais

Aula 3 Alocação Dinâmica

Aula 3 Alocação Dinâmica Aula 3 Alocação Dinâmica Universidade Federal de Santa Maria Colégio Agrícola de Frederico Westphalen Curso Superior de Tecnologia em Sistemas de Internet Prof. Bruno B. Boniati www.cafw.ufsm.br/~bruno

Leia mais

Sistemas Operacionais Aula 03: Estruturas dos SOs. Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com

Sistemas Operacionais Aula 03: Estruturas dos SOs. Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com Sistemas Operacionais Aula 03: Estruturas dos SOs Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com OBJETIVOS Descrever os serviços que um sistema operacional oferece aos usuários e outros sistemas

Leia mais

Introdução à Computação: Sistemas Operacionais II

Introdução à Computação: Sistemas Operacionais II Introdução à Computação: Sistemas Operacionais II Ricardo de Sousa Bri.o rbri.o@ufpi.edu.br DIE- UFPI Objetivos Descrever os métodos de alocação de recursos ublizados pelos sistemas operacionais. Descrever

Leia mais

Sistemas Operacionais Aula 06: Threads. Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com

Sistemas Operacionais Aula 06: Threads. Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com Sistemas Operacionais Aula 06: Threads Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com Objetivos Introduzir o conceito de thread Discutir as APIs das bibliotecas de threads Pthreads, Win32

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS Gestão da Tecnologia da Informação. Daniel Augusto, Rodrigo Damasceno, Andrey Castro LINUX CENTOS

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS Gestão da Tecnologia da Informação. Daniel Augusto, Rodrigo Damasceno, Andrey Castro LINUX CENTOS FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS Gestão da Tecnologia da Informação Daniel Augusto, Rodrigo Damasceno, Andrey Castro LINUX CENTOS Lucília Gomes Ribeiro GOIÂNIA, 2015 Daniel Augusto, Rodrigo Damasceno,

Leia mais

Linguagens de. Aula 02. Profa Cristiane Koehler cristiane.koehler@canoas.ifrs.edu.br

Linguagens de. Aula 02. Profa Cristiane Koehler cristiane.koehler@canoas.ifrs.edu.br Linguagens de Programação III Aula 02 Profa Cristiane Koehler cristiane.koehler@canoas.ifrs.edu.br Linguagens de Programação Técnica de comunicação padronizada para enviar instruções a um computador. Assim

Leia mais

Introdução à Computação: Sistemas de Computação

Introdução à Computação: Sistemas de Computação Introdução à Computação: Sistemas de Computação Beatriz F. M. Souza (bfmartins@inf.ufes.br) http://inf.ufes.br/~bfmartins/ Computer Science Department Federal University of Espírito Santo (Ufes), Vitória,

Leia mais

Aula 3. Sistemas Operacionais. Prof: Carlos Eduardo de Carvalho Dantas (carloseduardoxpto@gmail.com) http://carloseduardoxp.wordpress.

Aula 3. Sistemas Operacionais. Prof: Carlos Eduardo de Carvalho Dantas (carloseduardoxpto@gmail.com) http://carloseduardoxp.wordpress. Sistemas Operacionais Aula 3 Prof: Carlos Eduardo de Carvalho Dantas (carloseduardoxpto@gmail.com) http://carloseduardoxp.wordpress.com Nunca cone em um computador que você não pode jogar pela janela.

Leia mais

Alocação dinâmica de memória

Alocação dinâmica de memória Alocação dinâmica de memória Jander Moreira 1 Primeiras palavras Na solução de problemas por meio algoritmos ou programas, é comum surgir a necessidade de manter todo o conjunto de dados a ser processado

Leia mais

IFPE. Disciplina: Sistemas Operacionais. Prof. Anderson Luiz Moreira

IFPE. Disciplina: Sistemas Operacionais. Prof. Anderson Luiz Moreira IFPE Disciplina: Sistemas Operacionais Prof. Anderson Luiz Moreira SERVIÇOS OFERECIDOS PELOS SOS 1 Introdução O SO é formado por um conjunto de rotinas (procedimentos) que oferecem serviços aos usuários

Leia mais

LABORATÓRIO SISTEMAS OPERACIONAIS

LABORATÓRIO SISTEMAS OPERACIONAIS FACULDADE: CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BRASÍLIA UniCEUB CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO DISCIPLINA: SISTEMAS OPERACIONAIS CARGA HORÁRIA: 75 H. A. ANO/SEMESTRE: 2016/02 PROFESSOR: EDUARDO FERREIRA DOS SANTOS HORÁRIOS:

Leia mais

Processos. Adão de Melo Neto

Processos. Adão de Melo Neto Processos Adão de Melo Neto 1 EXECUTE O SEGUINTE Baixa a aula dos dias 20 MAR 15 e 08 MAI 15 e salve no computador. Feche o browser Inicialize o vmware player e inicialize a máquina virtual ubuntu Inicialize

Leia mais

Sistemas Operacionais. Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira. Aula 04 - Concorrência. Cursos de Computação

Sistemas Operacionais. Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira. Aula 04 - Concorrência. Cursos de Computação Cursos de Computação Sistemas Operacionais Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira Aula 04 - Concorrência Referência: MACHADO, F.B. ; MAIA, L.P. Arquitetura de Sistemas Operacionais. 4.ed. LTC, 2007. Mono x Multiprogramação

Leia mais

Tratamento de Sinais

Tratamento de Sinais Tratamento de Sinais Luiz Affonso Guedes 1 Ivanovitch Silva 1 affonso@dca.ufrn.br ivan@dca.ufrn.br 1 Universidade Federal do Rio Grande do Norte 25 de setembro de 2009 Sinais DCA0109 - Prática de programação

Leia mais

Conceitos de Linguagens de Programação

Conceitos de Linguagens de Programação Conceitos de Linguagens de Programação Aula 07 Nomes, Vinculações, Escopos e Tipos de Dados Edirlei Soares de Lima Introdução Linguagens de programação imperativas são abstrações

Leia mais

Exercício de Revisão Linguagem C

Exercício de Revisão Linguagem C Exercício de Revisão Linguagem C * Baseado no material do curso: PET Engenharia de Computação - UFES Responda às questões a seguir, selecionando a alternativa mais apropriada dentre aquelas existentes.

Leia mais

Algoritmos e Programação _ Departamento de Informática

Algoritmos e Programação _ Departamento de Informática 16 ARQUIVOS Um arquivo corresponde a um conjunto de informações (exemplo: uma estrutura de dados-registro), que pode ser armazenado em um dispositivo de memória permanente, exemplo disco rígido. As operações

Leia mais

Processos em UNIX. pid_t getpid() /* retorna o ID do processo */ /* retorna o ID do grupo de processos

Processos em UNIX. pid_t getpid() /* retorna o ID do processo */ /* retorna o ID do grupo de processos Processos em UNIX 1. Introdução A norma POSIX fornece dois mecanismos para a criação de atividades concorrentes. O primeiro, abordado neste capítulo, corresponde ao tradicional mecanismo fork do UNIX e

Leia mais

Arquitetura de Sistemas Operacionais

Arquitetura de Sistemas Operacionais Arquitetura de Sistemas Operacionais Francis Berenger Machado / Luiz Paulo Maia Processo Profº Antonio Carlos dos S. Souza Estrutura do Processo Contexto de Software Contexto de Hardware Programa Espaço

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Conceitos Edson Moreno edson.moreno@pucrs.br http://www.inf.pucrs.br/~emoreno Sumário Introdução Arquitetura de Sistema Operacional Chamadas de sistema. Processos Basicamente, um

Leia mais

Algoritmos e Programação Estruturada

Algoritmos e Programação Estruturada Algoritmos e Programação Estruturada Virgínia M. Cardoso Linguagem C Criada por Dennis M. Ritchie e Ken Thompson no Laboratório Bell em 1972. A Linguagem C foi baseada na Linguagem B criada por Thompson.

Leia mais