2. NÍVEL DE SISTEMA OPERACIONAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "2. NÍVEL DE SISTEMA OPERACIONAL"

Transcrição

1 2. NÍVEL DE SISTEMA OPERACIONAL Nos períodos anteriores foram mostrados os níveis iniciais da organização de um computador, quando vimos em Circuitos Digitais os detalhes do Nível 0 (zero) de Lógica Digital. Logo após mostramos como um interpretador é executado no Nível de Microprogramação (Nível 1) e foi introduzido o conceito dos diversos níveis de linguagem existentes. No próximo Nível, mostramos como poderíamos executar programas escritos para o Nível de Máquina Convencional (Nível 2) através das dezenas de instruções extremamente simples existentes neste Nível 2. Em um computador microprogramável, portanto, as instruções do Nível de Máquina Convencional (Nível 2), tais como chamadas de procedimento, multiplicação e loop, não são executadas diretamente pelo Hardware, como sabemos. Em vez disso, elas são buscadas, analisadas e executadas como uma série de pequenos passos pelo microprograma. A máquina de Nível 2 pode ser programada por pessoas que não sabem absolutamente nada sobre a máquina de Nível 1 ou de seu interpretador. Até onde lhes interessa, a máquina de Nível 2 pode ser usada como se fosse o verdadeiro hardware. Tal como um interpretador executado pela máquina de Nível 1 pode interpretar programas escritos na linguagem de máquina de Nível 2, um interpretador executado pela máquina de Nível 2 pode interpretar programas escritos na linguagem de máquina de Nível 3. Devido a razões históricas, o interpretador executado pela máquina de Nível 2 que suporta a máquina de Nível 3 é chamado de Sistema Operacional, como mostrado na Fig Assim, o Nível 3 é chamado de "Nível de Máquina do Sistema Operacional". Fig. 2.1 Os níveis 2 e 3 já são suportados por software. Disciplina: Projeto Lógico de Computadores (5º/6º Sem ). Livro: Andrew S. Tanenbaum Página 1 de 9

2 Existe uma diferença significativa entre o modo em que o Nível de Máquina do Sistema Operacional é suportado e o modo em que o Nível de Máquina Convencional é suportado. Esta diferença se deve ao fato de que o Nível de máquina do sistema operacional evoluiu gradualmente a partir do Nível de Máquina Convencional. Muitas das instruções do Nível de Máquina do Sistema Operacional estão também presentes no Nível de Máquina Convencional. Chamaremos estas instruções de instruções "comuns" de Nível 3, porque elas incluem operações comuns, tais como operações aritméticas, booleanas, deslocamento, entre outras. Chamaremos as outras instruções de Nível 3 (aquelas que não estão presentes no Nível 2) de instruções NMSO, para enfatizar sua existência somente no Nível de Máquina do Sistema Operacional. Embora seja possível que o sistema operacional interprete todas as instruções de Nível 3, isto não seria eficiente nem necessário. As instruções comuns de Nível 3 podem ser interpretadas diretamente pelo microprograma. Esta situação e ilustrada pela Fig. 2.2(a) para o caso de um computador com uma única memória para armazenar todos os programas. Desde que somente instruções comuns estejam sendo executadas, o microprograma busca as instruções diretamente do programa do usuário, as examina e as executa. Fig. 2.2 (a) Instruções comuns são interpretadas diretamente pelo microprograrna. (b) Instruções NMSO são interpretadas pelo sistema operacional, o qual e interpretado pelo rnicroprograrna. Porém, assim que uma instrução NMSO e encontrada, a situação muda. O microprograma para de interpretar o programa do usuário e começa a interpretar o sistema operacional. O sistema operacional examina então a instrução NMSO e a executa. Quando a instrução NMSO tiver sido executada, o sistema operacional executa certa instrução que faz com que o microprograma continue buscando e executando as instruções do programa do usuário. Naturalmente, se a próxima instrução do programa do usuário e também uma NMSO, o sistema operacional será novamente ativado. Este método de executar programas de Nível 3 significa que o computador esta funcionando parte do tempo como uma maquina de Nível 3 e parte como uma de Nível 2. Durante a execução de uma instrução NMSO, três programas estão sendo executados, um em cada maquina (virtual). Cada um tem seu próprio estado, incluindo seu próprio contador de programa. Conceitualmente, o contador de programa de Nível 3 aponta para a instrução NMSO (ou sua sucessora, dependendo de quando o contador de programa e avançado), o contador de programa Disciplina: Projeto Lógico de Computadores (5º/6º Sem ). Livro: Andrew S. Tanenbaum Página 2 de 9

3 de Nível 2 aponta para aquela instrução do sistema operacional que esta sendo correntemente executada, e o contador de programa de Nível 1 diz ao hardware real que microinstrução deve ser executada. O sistema operacional será tratado como um único nível, para simplicidade - o que não significa que todos os sistemas operacionais sejam organizados como um único nível. Pelo contrario, alguns sistemas operacionais avançados são construídos como uma serie de varies níveis. Entretanto, o assunto de como projetar um sistema operacional esta além do escopo deste livro. Para maiores informações sobre sistemas operacionais, veja Tanenbaum (1987). Deve ser mencionado que muitos sistemas operacionais para grandes computadores são sistemas de multlprogramação, o que significa que, em vez de suportar uma única máquina virtual de Nível 3, o sistema operacional suporta varias máquinas virtuais de Nível 3 em paralelo. Se cada uma destas maquinas virtuais estiver Iigada a um terminal remoto, ele e chamado de sistema de tempo compartilhado (time-sharing). Formas híbridas, nas quais algumas maquinas virtuais são usadas em Iinha e outras não, são comuns. Uma parte substancial do sistema operacional e dedicada a gerencia de todas as máquinas virtuais, em vez de interpretar instruções NMSO. Podemos apenas prover a mais breve das introduções ao assunto de sistemas operacionais. Vamos focalizar três tópicos de importância. O primeiro e memória virtual, uma técnica provida por muitos sistemas operacionais para fazer parecer que a maquina tem mais memória do que realmente possui. O segundo e BrS de arquivos, um conceito de mais alto nível que as instruções de E/S que estudamos no semestre anterior. O terceiro e ultimo tópico e processamento paralelo - como múltiplos processos podem ser executados simultaneamente no Nível 3. O conceito de processo e importante, e o descreveremos em detalhe mais tarde, nesta aula. Por enquanto, um processo pode ser imaginado como um programa em execução e todas as suas informações de estado (memória, registradores, contador de programa, status de E/S e assim por diante) Memória virtual Nos primórdios da era dos computadores, memórias eram caras e pequenas. O IBM 650, o melhor computador científico da época (final da década de 1950), tinha apenas 2000 palavras de memória. Um dos primeiros compiladores de ALGOL 60 foi escrito para um computador com apenas 1024 palavras de memória. Um sistema antigo de tempo compartilhado executava razoavelmente bem em um PDP-l, com uma memória total de apenas 4096 palavras de 18 bits para o sistema operacional e os programas de usuários. Naqueles dias, o programador gastava muito tempo tentando espremer os programas na minúscula memória. Frequentemente, era necessário usar um algoritmo que executava muito mais lentamente que outro, sendo este algoritmo melhor simplesmente porque o melhor algoritmo era muito grande - isto e, um programa usando o melhor algoritmo não cabia na memória do computador. A solução tradicional para este problema foi o uso de memória secundaria, tal como um disco. O programador dividia o programa em uma serie de pedaços, chamados overlays, cada um dos quais caberia na memória. Para executar o programa, o primeiro overlay era trazido para a memória e executado por algum tempo. Quando ele acabava, ele lia o próximo overlay e o chamava, e assim por diante. O programador era responsável por quebrar o programa em overlays, decidindo onde cada overlay seria mantido na memória secundaria, providenciando o Disciplina: Projeto Lógico de Computadores (5º/6º Sem ). Livro: Andrew S. Tanenbaum Página 3 de 9

4 transporte de overlays entre a memória principal e a secundaria, e geralmente gerenciando todo o processo de overlay sem qualquer ajuda do computador. Embora largamente utilizada por varies anos, esta técnica envolveu muito trabalho relacionado a gerencia de overlays. Em 1961, um grupo de pessoas em Manchester, Inglaterra, propôs um método para realizar o processo de overlay automaticamente, sem que o programador sequer soubesse o que estava acontecendo (Fotheringham, 1961). Este método, agora chamado memória virtual, tinha a vantagem obvia de liberar o programador de um monte de gerencia chata. Ele foi primeiro utilizado em uma serie de computadores durante os anos 60, a maioria associados a projetos de pesquisa de sistemas de computadores. Por volta do início da década de 1970, memória virtual se tornou disponível na maioria dos computadores. Agora, ate os microprocessadores, incluindo o e o 68030, possuem sistemas de memória virtual altamente sofisticados Paginação A ideia sugerida pelo grupo de Manchester era separar os conceitos de espaço de endereçamento e posições de memória. Considere um exemplo de um computador com um campo de endereço de 16 bits nas suas instruções e 4096 palavras de memória. Um programa, neste computador, pode endereçar palavras de memória. A razão e que existem (216) endereços de 16 bits. O número de palavras endereçáveis depende somente do número de bits em um endereço e, de forma alguma, esta relacionado com o número de palavras de memória realmente disponíveis. O espaço de endereçamento para este computador consiste nos números 0, 1, 2,..., 65535, porque este e o conjunto de endereços possíveis. Antes que a memória virtual fosse inventada, as pessoas faziam uma distinção entre os endereços abaixo de 4096 e aqueles iguais ou superiores a Embora raramente colocada em tantas palavras, estas duas partes eram consideradas como o espaço de endereçamento útil e o espaço de endereçamento útil, respectivamente (os endereços acima de 4095 eram úteis porque eles não correspondiam a endereços de memória real). As pessoas não faziam muita distinção entre espaço de endereçamento e endereços de memória real, porque o hardware reforçava a correspondência um-para-um entre eles. A ideia de separar o espaço de endereçamento dos endereços de memória e como se segue. A qualquer instante, 4096 palavras de memória podem ser acessadas diretamente, mas elas não precisam corresponder aos endereços o a Poderíamos, por exemplo, "dizer" ao computador que, de agora em diante, sempre que o endereço 4096 for referenciado, a palavra de memória o será utilizada. Sempre que o endereço 4097 for referenciado, a palavra de memória 1 será utilizada; sempre que o endereço 8191 for referenciado, a palavra de memória 4095 será utilizada; e assim por diante. Em outras palavras, definimos um mapeamento do espaço de endereçamento nos endereços de memória real, como mostrado na Fig Nos termos desta figura de mapeamento de endereços a partir do espaço de endereçamento para posições de memória real, uma maquina de 4K sem memória virtual simplesmente possui um mapeamento fixo entre os endereços o a 4095 e as 4096 palavras de memória. Uma questão interessante e: o que acontece se um programa desvia para um endereço entre 8192 e 12287? Disciplina: Projeto Lógico de Computadores (5º/6º Sem ). Livro: Andrew S. Tanenbaum Página 4 de 9

5 Fig. 2.3 Mapeamento no qual os endereços de 4096 a 8191 são mapeados em endereços na memória principal de 0 a Em uma maquina sem memória virtual, o programa causaria uma interrupção de erro que imprimiria uma mensagem apropriadamente rude, tal como "Memória não-existente foi referenciada", e terminaria o programa. Em uma maquina com memória virtual, a seguinte sequencia de passos ocorreria: 1. 0 conteúdo da memória principal seria salvo na memória secundaria. 2. As palavras de 8192 a seriam localizadas na memória secundaria. 3. As palavras de 8192 a seriam carregadas para a memória principal mapa de endereços seria mudado para mapear os endereços 8192 a nas posições de memória 0 a A execução continuaria como se nada incomum tivesse acontecido. Esta técnica para overlay automático e chamada paginação, e as porções de programa lidos da memória secundaria são chamadas páginas. Uma forma mais sofisticada de mapear endereços a partir do espaço de endereçamento nos endereços de memória real também e possível. Para ênfase, vamos chamar os endereços que o programa pode referenciar de espaço de endereçamento virtual, e os endereços de memória real, ligados por fios, de espaço de endereçamento físico. Um mapa de memória relaciona endereços virtuais a endereços físicos, Presumimos que existe espaço suficiente na memória secundaria (disco) para armazenar todo o programa e seus dados. Programas são escritos como se houvesse memória principal suficiente para todo o espaço de endereçamento virtual, apesar de não ser este o caso. Programas podem carregar de, ou armazenar em, qualquer palavra no espaço de endereçamento virtual, sem considerar o fato de que não existe realmente memória física suficiente. De fato, o programador pode escrever programas sem nem ao menos saber que existe memória virtual. 0computador parece simplesmente possuir uma memória grande. Este ponto e crucial e será contrastado mais tarde com a segmentação, na qual o programador deve estar ciente da existência dos segmentos. Para enfatizar isto mais uma vez, a paginação da ao programador a ilusão de uma memória principal grande, continua e linear, com o mesmo tamanho do espaço de endereçamento, quando, na verdade, a memória principal disponível pode ser menor (ou maior) que o espaço de endereçamento. A simulação desta memória principal grande através de paginação não pode ser detectada pelo programa (exceto através de execução de testes de temporização): quando quer que um endereço seja Disciplina: Projeto Lógico de Computadores (5º/6º Sem ). Livro: Andrew S. Tanenbaum Página 5 de 9

6 referenciado, a instrução ou dado apropriado parece estar presente. Como o programador pode programar como se não existisse paginação, o mecanismo de paginação e dito transparente. A ideia de que um programador pode usar uma característica não-existente sem se dar conta de como ela funciona não e nova para nós, afinal de contas. O conjunto de instruções de um computador de Nível 2 e não-existente no sentido de que nenhuma das instruções são primitivas de hardware, mas todas elas são, de fato, tratadas pelo software do Nível 1. Similarmente, o programador de Nível 3 pode usar a memória virtual sem se preocupar como ela funciona. Somente os escritores de sistemas operacionais precisam saber como ela funciona Implementação de paginação Um requisito essencial para uma memória virtual e uma memória secundaria para armazenar o programa completo. E conceitualmente mais simples pensar na copia do programa na memória secundaria como o original, e os pedaços trazidos para a memória principal a toda hora, como copias, em vez da maneira oposta. Naturalmente, e importante manter o original atualizado. Quando mudanças são feitas na copia da memória principal, elas devem também ser refletidas no original (eventualmente). o espaço de endereçamento virtual e dividido em uma serie de páginas de tamanhos iguais. Tamanhos de páginas variando de 512 a 4096 endereços por página são comuns atualmente. o tamanho da página e sempre uma potencia de 2. O espaço de endereçamento físico e dividido em pedaços de forma similar, cada pedaço sendo do mesmo tamanho que uma página, de modo que cada pedaço da memória principal e capaz de conter exatamente uma página. Estes pedaços de memória principal para onde as páginas não são chamados páginas físicas (page frames). Na Fig. 2.3, a memória principal contém apenas uma página física. Nos projetos práticos, ela conterá dezenas, centenas ou mesmo milhares em uma grande maquina. A Fig. 2.4 ilustra uma maneira possível de dividir um espaço de endereçamento de 64K. Fig. 2.4 (a) Um espaço de endereçamento de 64K dividido em 16 páginas de 4K cada. (b) Urna rnernória principal de 32K dividida em oito páginas físicas de 4K cada Disciplina: Projeto Lógico de Computadores (5º/6º Sem ). Livro: Andrew S. Tanenbaum Página 6 de 9

7 A memória virtual da Fig. 2.4 seria implementada no Nível 2 através de uma tabela de páginas de 16 palavras. Quando o programa tentasse referenciar sua memória, fosse para buscar dados, armazenar dados, buscar instruções ou desviar, ele primeiro geraria um endereço de 16 bits correspondente a um endereço virtual entre 0 e Indexação, endereçamento indireto e todas as técnicas usuais podem ser usadas para gerar este endereço. Neste exemplo, um endereço de 16 bits e tornado como um número de página virtual de 4 bits e um endereço de 12 bits dentro da página selecionada, como mostrado na Fig. 2.5(a). Fig. 2.5 (a) Um endereço virtual que consiste em um número de 4 bits para página virtual e um offset de 12 bits. Nesta figura, o endereço de 16 bits e 12310, que e considerado como o endereço 22 da página 3. A relação entre páginas e endereços virtuais para este exemplo e mostrada na Fig. 2.5(b). Fig. 2.5 (b) Números de páginas e seus endereços virtuais. Se o endereço virtual 0 da página 3 esta no endereço físico 12288, o endereço virtual 22 deve estar no endereço físico Tendo descoberto que a página virtual 3 e necessária, o sistema operacional deve procurar onde a página virtual 3 esta localizada. Existem nove possibilidades: oito páginas físicas na memória principal, ou algum lugar na memória secundaria, porque nem todas as páginas virtuais podem estar na memória principal ao mesmo tempo. Para verificar qual destas nove possibilidades e verdade, o sistema operacional procura na tabela de páginas, que tem uma entrada para cada uma das 16 páginas virtuais. Disciplina: Projeto Lógico de Computadores (5º/6º Sem ). Livro: Andrew S. Tanenbaum Página 7 de 9

8 Um uso típico deste mecanismo e sugerido na Fig No Nível 0, encontramos o núcleo do sistema operacional, que manipula E/S, gerencia de memória e outros assuntos críticos. No Nível 1 está presente o manipulador de chamadas de sistema. Programas de usuários podem chamar procedimentos deste nível para ter as chamadas de sistema tratadas, mas somente uma lista específica e protegida de procedimentos pode ser chamada. O Nível 2 contém procedimentos de biblioteca, possivelmente compartilhados entre os varies programas em execução. Programas de usuários podem chamar estes procedimentos e ler seus dados, mas não podem modifica-los. Finalmente, os programas de usuários são executados no Nível 3, que tem a menor proteção. Fig. 2.6 Proteção no SO Memória virtual no Pentium III. O Pentium II foi o primeiro a permitir o multiprocessamento de dois processadores. Sua conexão na placa-mãe era feita através do seu conector próprio, chamado de slot 1. O processador Pentium II combinava avanços tecnológicos com capacidade para melhorar o desempenho no ponto flutuante, em multimídia e em integração. Melhorava o desempenho dos aplicativos de áudio, vídeo e gráficos, bem como aumentar a velocidade de decodificação e compressão de dados. Os Clock's dos processadores Pentium II variavam de 233 a 400 MHz, sua frequência de barramento externo podia chegar a 66Mhz. Já o Pentium III, projetado para a Internet, tinha o clock variando de 500 MHz a 933 MHz, sua frequência de barramento externo poderia chegar a 133Mhz, ou seja, 1,06 GB/s, podendo acessar até 4GB de memória usando cachê. O processador Pentium III integrava a micro-arquitetura Execução Dinâmica P6. Além disso, o processador Intel Pentium III já oferecia extensões de Internet Streaming SIMD, 70 novas instruções possibilitando um avanço significativo em imagens, 3D, streaming de áudio e vídeo e reconhecimento de voz para uma melhor experiência na Internet. O cerne da memória virtual do Pentium III consiste em duas tabelas, a LDT (Local Descriptor Table, ou tabela de descritores locais) e a GDT (Global Descriptor Table, ou tabela de descritores globais). Cada programa possui sua própria LDT, mas existe uma única GDT, compartilhada por todos os programas no computador. A LDT descreve segmentos locais a cada programa, incluindo seu código, dados, pilha etc., enquanto a GOT descreve os segmentos do sistema, incluindo o próprio sistema operacional. Disciplina: Projeto Lógico de Computadores (5º/6º Sem ). Livro: Andrew S. Tanenbaum Página 8 de 9

9 Para acessar um segmento, um programa primeiro carrega um seletor para aquele segmento em um dos seis registradores de segmento. Durante a execução, CS contém o seletor para o segmento de código, OS contém o seletor para o segmento de dados, e assim por diante. Cada seletor e um número de 16 bits, como mostrado na Fig Fig. 2.7 Um seletor do Pentium III. Um dos bits do seletor diz se o segmento e local ou global (isto e, se ele esta na LDT ou na GDT). Treze outros bits especificam o número da entrada na LDT ou GDT, de modo que estas tabelas estão restritas, cada uma, a 8K (2 13 ) descritores de segmentos. Os outros 2 bits se relacionam a Página como índice da tabela para encontrar a direção física Marco de Página. Cada programa em execução possui um diretório de páginas consistindo em 1024 entradas de 32 bits. Ele esta localizado em um endereço apontado por um registrador global. Cada entrada neste diretório aponta para uma tabela de páginas que também contém 1024 entradas de 32 bits. As entradas da tabela de páginas apontam para as páginas físicas. O esquema e mostrado na Fig Fig. 2.8 Mapeamento de um endereço linear em um endereço físico. Disciplina: Projeto Lógico de Computadores (5º/6º Sem ). Livro: Andrew S. Tanenbaum Página 9 de 9

Todos os microprocessadores hoje disponíveis em micros compatíveis com PC utilizam o funcionamento do 80386 como ponto de partida.

Todos os microprocessadores hoje disponíveis em micros compatíveis com PC utilizam o funcionamento do 80386 como ponto de partida. 8 0 Introdução Todos os microprocessadores hoje disponíveis em micros compatíveis com PC utilizam o funcionamento do 80386 como ponto de partida. Isso acontece por pelo menos três motivos técnicos: 0 80386

Leia mais

Introdução à Sistemas Operacionais. Glauber Magalhães Pires

Introdução à Sistemas Operacionais. Glauber Magalhães Pires Introdução à Sistemas Operacionais Glauber Magalhães Pires Agenda O que são sistemas operacionais? Histórico Primeira geração (1945-1955) Segunda geração (1955-1965) Terceira geração (1965-1980) Quarta

Leia mais

Computador Digital Circuitos de um computador (Hardware)

Computador Digital Circuitos de um computador (Hardware) Computador Digital SIS17 - Arquitetura de Computadores (Parte I) Máquina que pode resolver problemas executando uma série de instruções que lhe são fornecidas. Executa Programas conjunto de instruções

Leia mais

Conceitos básicos. Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET Tecnologia de Análise e Desenvolvimento de Sistemas

Conceitos básicos. Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET Tecnologia de Análise e Desenvolvimento de Sistemas Conceitos básicos Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET Tecnologia de Análise e Desenvolvimento de Sistemas Organização de Computadores Prof. André Luiz 1 Um computador

Leia mais

UNIP - UNIVERSIDADE PAULISTA. Arquitetura de computadores

UNIP - UNIVERSIDADE PAULISTA. Arquitetura de computadores UNIP - UNIVERSIDADE PAULISTA Arquitetura de computadores ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES Bibliografia: MONTEIRO, M. A. Introdução à organização de computadores. 4 ed. RJ. LTC 2001. TANEMBAUM, A. S. Organização

Leia mais

Organização de Computadores 1. Prof. Luiz Gustavo A. Martins

Organização de Computadores 1. Prof. Luiz Gustavo A. Martins Organização de Computadores 1 1 - INTRODUÇÃO Prof. Luiz Gustavo A. Martins Arquitetura Define os elementos que impactuam diretamente na execução lógica do programa. Corresponde aos atributos visíveis veis

Leia mais

Unidade 11: A Unidade de Controle Prof. Daniel Caetano

Unidade 11: A Unidade de Controle Prof. Daniel Caetano Arquitetura e Organização de Computadores 1 Unidade 11: A Unidade de Controle Prof. Daniel Caetano Objetivo: Apresentar as funções o mecanismo de atuação da Unidade de Controle. Bibliografia: - STALLINGS,

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Aula 01 - Introdução Edirlei Soares de Lima O que é um sistema operacional? Um computador moderno consiste em: Um ou mais processadores; Memória principal;

Leia mais

Capítulo 4 Gerenciamento de Memória

Capítulo 4 Gerenciamento de Memória Capítulo 4 Gerenciamento de Memória 4.1 Gerenciamento básico de memória 4.2 Troca de processos 4.3 Memória virtual 4.4 Algoritmos de substituição de páginas 4.5 Modelagem de algoritmos de substituição

Leia mais

BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EaD UAB/UFSCar Sistemas de Informação - prof. Dr. Hélio Crestana Guardia

BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EaD UAB/UFSCar Sistemas de Informação - prof. Dr. Hélio Crestana Guardia O Sistema Operacional que você usa é multitasking? Por multitasking, entende-se a capacidade do SO de ter mais de um processos em execução ao mesmo tempo. É claro que, num dado instante, o número de processos

Leia mais

Sistemas Operacionais. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Sistemas Operacionais. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Sistemas Operacionais Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Estruturas de Sistemas Operacionais Um sistema operacional fornece o ambiente no qual os programas são executados. Internamente,

Leia mais

Sistemas Operacionais Arquitetura e organização de sistemas operacionais: Uma visão estrutural hardware & software. Prof. MSc.

Sistemas Operacionais Arquitetura e organização de sistemas operacionais: Uma visão estrutural hardware & software. Prof. MSc. Sistemas Operacionais Arquitetura e organização de sistemas operacionais: Uma visão estrutural hardware & software Prof. MSc. Hugo Souza Continuando nossas aulas relativas ao Módulo 1, veremos a seguir

Leia mais

Nível da Arquitetura do Conjunto das Instruções

Nível da Arquitetura do Conjunto das Instruções Nível da Arquitetura do Conjunto das Instruções (Aula 13) Fluxo de Controle Fluxo Seqüencial de Controle e Desvios (1) Fluxo de Controle: É a seqüência na qual instruções são dinamicamente executadas Isto

Leia mais

Conceitos Básicos sobre Sistemas Operacionais

Conceitos Básicos sobre Sistemas Operacionais Conceitos Básicos sobre Sistemas Operacionais Ivanovitch Medeiros Dantas da Silva Universidade Federal do Rio Grande do Norte Departamento de Engenharia de Computação e Automação DCA0800 - Algoritmos e

Leia mais

Sistema Operacional. Processo e Threads. Prof. Dr. Márcio Andrey Teixeira Sistemas Operacionais

Sistema Operacional. Processo e Threads. Prof. Dr. Márcio Andrey Teixeira Sistemas Operacionais Sistema Operacional Processo e Threads Introdução a Processos Todos os computadores modernos são capazes de fazer várias coisas ao mesmo tempo. Enquanto executa um programa do usuário, um computador pode

Leia mais

Programação de. Programa. Bibliografia. Páginas electrónicas de PM. Regras das aulas de laboratório. Métodos de Ensino - Aulas

Programação de. Programa. Bibliografia. Páginas electrónicas de PM. Regras das aulas de laboratório. Métodos de Ensino - Aulas Programa Programação de Microprocessadores 1º Ano 2º Semestre A arquitectura dos computadores A linguagem C 1 aula 7 aulas Talvez haja mais algum assunto a abordar nas aulas seguintes Mestrado Integrado

Leia mais

Computador E/S, Memória, Barramento do sistema e CPU Onde a CPU Registradores, ULA, Interconexão interna da CPU e Unidade de controle.

Computador E/S, Memória, Barramento do sistema e CPU Onde a CPU Registradores, ULA, Interconexão interna da CPU e Unidade de controle. Introdução Os principais elementos de um sistema de computação são a unidade central de processamento (central processing unit CPU), a memória principal, o subsistema de E/S (entrada e saída) e os mecanismos

Leia mais

Software Básico. Conceito de Linguagem de Máquina e Montagem: introdução ao Assembly. Prof. MSc. Hugo Vieira L. Souza

Software Básico. Conceito de Linguagem de Máquina e Montagem: introdução ao Assembly. Prof. MSc. Hugo Vieira L. Souza Software Básico Conceito de Linguagem de Máquina e Montagem: introdução ao Assembly Prof. MSc. Hugo Vieira L. Souza Este documento está sujeito a copyright. Todos os direitos estão reservados para o todo

Leia mais

1. NÍVEL CONVENCIONAL DE MÁQUINA (Cont.) 1.3. INSTRUÇÕES Conceitos Básicos

1. NÍVEL CONVENCIONAL DE MÁQUINA (Cont.) 1.3. INSTRUÇÕES Conceitos Básicos 1. NÍVEL CONVENCIONAL DE MÁQUINA (Cont.) 1.3. INSTRUÇÕES Conceitos Básicos Já estudamos anteriormente que os processadores funcionam (ou melhor, o seu hardware funciona) através de ordens simples e básicas,

Leia mais

Sistema Operacional. História Sistema Operacional 1. QI Escolas e Faculdades Apostila de Linux

Sistema Operacional. História Sistema Operacional 1. QI Escolas e Faculdades Apostila de Linux 4 Capítulo 1 Sistema Operacional É uma coleção de programas que inicializa hardwares, fornece rotinas básicas para controle de dispositivos, mantém a integridade de um sistema. Um sistema operacional de

Leia mais

Arquiteturas RISC. (Reduced Instructions Set Computers)

Arquiteturas RISC. (Reduced Instructions Set Computers) Arquiteturas RISC (Reduced Instructions Set Computers) 1 INOVAÇÕES DESDE O SURGIMENTO DO COMPU- TADOR DE PROGRAMA ARMAZENADO (1950)! O conceito de família: desacoplamento da arquitetura de uma máquina

Leia mais

PROCESSADOR. Montagem e Manutenção de Microcomputadores (MMM).

PROCESSADOR. Montagem e Manutenção de Microcomputadores (MMM). PROCESSADOR Montagem e Manutenção de Microcomputadores (MMM). INTRODUÇÃO O processador é o C.I. mais importante do computador. Ele é considerado o cérebro do computador, também conhecido como uma UCP -

Leia mais

Introdução a Computação

Introdução a Computação O que é um SO? Introdução a Computação Sistemas Operacionais PII Consiste em: Hardware Programas de Sistema Programas de Aplicativos 1 2 O que é um SO? Hardware não proporciona controle de alto nível disponível

Leia mais

Introdução à Engenharia de Computação

Introdução à Engenharia de Computação Introdução à Engenharia de Computação Tópico: O Computador como uma Multinível José Gonçalves - Introdução à Engenharia de Computação Visão Tradicional Monitor Placa-Mãe Processador Memória RAM Placas

Leia mais

Capítulo 4 Gerenciamento de Memória

Capítulo 4 Gerenciamento de Memória Capítulo 4 Gerenciamento de Memória 4.1 Gerenciamento básico de memória 4.2 Troca de processos 4.3 Memória virtual 4.4 Algoritmos de substituição de páginas 4.5 Modelagem de algoritmos de substituição

Leia mais

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP)

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP) Hardware (Nível 0) Organização O AS/400 isola os usuários das características do hardware através de uma arquitetura de camadas. Vários modelos da família AS/400 de computadores de médio porte estão disponíveis,

Leia mais

Organização de Computadores 1

Organização de Computadores 1 Organização de Computadores 1 5 CONJUNTO DE INSTRUÇÕES Prof. Luiz Gustavo A. Martins Introdução O que é um conjunto de instruções? Coleção completa das instruções que a CPU é capaz de executar (entende).

Leia mais

Introdução à Arquitetura de Computadores. Renan Manola Introdução ao Computador 2010/01

Introdução à Arquitetura de Computadores. Renan Manola Introdução ao Computador 2010/01 Introdução à Arquitetura de Computadores Renan Manola Introdução ao Computador 2010/01 Introdução Conceitos (1) Computador Digital É uma máquina que pode resolver problemas executando uma série de instruções

Leia mais

Gerenciamento Básico B de Memória Aula 07

Gerenciamento Básico B de Memória Aula 07 BC1518-Sistemas Operacionais Gerenciamento Básico B de Memória Aula 07 Prof. Marcelo Z. do Nascimento marcelo.nascimento@ufabc.edu.br Roteiro Introdução Espaço de Endereçamento Lógico vs. Físico Estratégias

Leia mais

Gerência de Memória. Paginação

Gerência de Memória. Paginação Gerência de Memória Paginação Endereçamento Virtual (1) O programa usa endereços virtuais É necessário HW para traduzir cada endereço virtual em endereço físico MMU: Memory Management Unit Normalmente

Leia mais

Arquitetura de Von Neumann e os Computadores Modernos

Arquitetura de Von Neumann e os Computadores Modernos Arquitetura de Von Neumann e os Computadores Modernos Arquitetura de Computadores e Software Básico Aula 5 Flávia Maristela (flaviamsn@ifba.edu.br) Arquitetura de Von Neumann e as máquinas modernas Onde

Leia mais

Memória - Gerenciamento. Sistemas Operacionais - Professor Machado

Memória - Gerenciamento. Sistemas Operacionais - Professor Machado Memória - Gerenciamento Sistemas Operacionais - Professor Machado 1 Partes físicas associadas à memória Memória RAM Memória ROM Cache MMU (Memory Management Unit) Processador Tabela de Páginas TLB 2 Conceitos

Leia mais

1. NÍVEL CONVENCIONAL DE MÁQUINA

1. NÍVEL CONVENCIONAL DE MÁQUINA 1. NÍVEL CONVENCIONAL DE MÁQUINA Relembrando a nossa matéria de Arquitetura de Computadores, a arquitetura de Computadores se divide em vários níveis como já estudamos anteriormente. Ou seja: o Nível 0

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS ABERTOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

SISTEMAS OPERACIONAIS ABERTOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula 2-1. PRINCÍPIOS DE SOFTWARE DE ENTRADA E SAÍDA (E/S) As metas gerais do software de entrada e saída é organizar o software como uma série de camadas, com as mais baixas preocupadas em esconder as

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Gerenciamento de Memória Norton Trevisan Roman Marcelo Morandini Jó Ueyama Apostila baseada nos trabalhos de Kalinka Castelo Branco, Antônio Carlos Sementille, Paula Prata e nas transparências

Leia mais

Introdução à Arquitetura de Computadores

Introdução à Arquitetura de Computadores Introdução à Arquitetura de Computadores Um programa pode ser definido como uma seqüência de instruções que descrevem como executar uma determinada tarefa. Uma instrução pode ser definida como um comando

Leia mais

Arquitetura dos Sistemas Operacionais

Arquitetura dos Sistemas Operacionais Arquitetura dos Sistemas Operacionais Arquitetura de um Sistema Operacional Basicamente dividido em shell é a interface entre o usuário e o sistema operacional é um interpretador de comandos possui embutido

Leia mais

FAT32 ou NTFS, qual o melhor?

FAT32 ou NTFS, qual o melhor? FAT32 ou NTFS, qual o melhor? Entenda quais as principais diferenças entre eles e qual a melhor escolha O que é um sistema de arquivos? O conceito mais importante sobre este assunto, sem sombra de dúvidas,

Leia mais

Notas da Aula 17 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 17 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 17 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Gerenciamento de Memória: Introdução O gerenciamento de memória é provavelmente a tarefa mais complexa de um sistema operacional multiprogramado.

Leia mais

Linguagem de Montagem

Linguagem de Montagem Linguagem de Montagem Organização do PC Slides baseados em material associado ao livro Introduction to Assembly Language Programming, Sivarama Dandamudi 1 Processador Pentium Lançado em 1993 Versão melhorada

Leia mais

4) Abaixo está representado o nó_i do arquivo SO.txt em um sistema UNIX.

4) Abaixo está representado o nó_i do arquivo SO.txt em um sistema UNIX. 1) Dadas as seguintes tabelas, de Páginas e de Molduras de Páginas, dar os endereços físicos para os seguintes endereços virtuais: Tabela de Molduras Páginas 0 4k 7 0 0 4k 4k 8k X 1 4k 8k 8k 12k X 2 8k

Leia mais

- Aula 1 - ARQUITETURA DE COMPUTADORES

- Aula 1 - ARQUITETURA DE COMPUTADORES - Aula 1 - ARQUITETURA DE COMPUTADORES Em arquitetura de computadores serão estudados aspectos da estrutura e do funcionamento dos computadores. O objetivo é apresentar de forma clara e abrangente a natureza

Leia mais

Introdução aos Sistemas

Introdução aos Sistemas Introdução Introdução aos Sistemas Operacionais 1 2 3... n Ambientes Operacionais Prof. Simão Sirineo Toscani stoscani@inf.pucrs.br www.inf.pucrs.br/~stoscani Compilador Editor de texto Browser Programas

Leia mais

História dos SOs. Tópicos

História dos SOs. Tópicos História dos SOs Cap. 1 - Tanenbaum Prof. Alexandre Beletti Ferreira 1ª Geração 2ª Geração 3ª Geração 4ª Geração Tópicos 1 1ª Geração 1ª Geração: 1945 a 1955 Computadores: em meados da década de 40 Máquinas

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS SOBRE PROGRAMAÇÃO Programação Orientada a Objetos (POO)

CONCEITOS BÁSICOS SOBRE PROGRAMAÇÃO Programação Orientada a Objetos (POO) CONCEITOS BÁSICOS SOBRE PROGRAMAÇÃO Programação Orientada a Objetos (POO) Profa. Vania V. Estrela, Profa. Albany E. Herrmann 1. Programação Programação requer o uso de uma linguagem, cuja sintaxe geralmente

Leia mais

Nível do Sistema Operacional

Nível do Sistema Operacional Nível do Sistema Operacional (Aula 14) Introdução a Sistemas Operacionais Roberta Lima Gomes - LPRM/DI/UFES Sistemas de Programação I Eng. Elétrica 2007/1 Introdução Hardware Provê os recursos básicos

Leia mais

Gerenciamento de Entrada e Saída Hélio Crestana Guardia e Hermes Senger

Gerenciamento de Entrada e Saída Hélio Crestana Guardia e Hermes Senger Gerenciamento de Entrada e Saída Hélio Crestana Guardia e Hermes Senger O controle da entrada e saída (E/S ou I/O, input/output) de dados dos dispositivos é uma das funções principais de um sistema operacional.

Leia mais

Infraestrutura de Hardware. Memória Virtual

Infraestrutura de Hardware. Memória Virtual Infraestrutura de Hardware Memória Virtual Perguntas que Devem ser Respondidas ao Final do Curso Como um programa escrito em uma linguagem de alto nível é entendido e executado pelo HW? Qual é a interface

Leia mais

Projeto 1 - Bootloader

Projeto 1 - Bootloader Projeto 1 - Bootloader IF677 - Infra-Estrutura de Software Centro de Informática - UFPE Autor: Thyago Porpino (tnp) Objetivos Desmistificar o processo de inicialização de um computador. Entender como um

Leia mais

Aula 26: Arquiteturas RISC vs. CISC

Aula 26: Arquiteturas RISC vs. CISC Aula 26: Arquiteturas RISC vs CISC Diego Passos Universidade Federal Fluminense Fundamentos de Arquiteturas de Computadores Diego Passos (UFF) Arquiteturas RISC vs CISC FAC 1 / 33 Revisão Diego Passos

Leia mais

Processadores. Prof. Alexandre Beletti Ferreira

Processadores. Prof. Alexandre Beletti Ferreira Processadores Prof. Alexandre Beletti Ferreira Introdução O processador é um circuito integrado de controle das funções de cálculos e tomadas de decisão de um computador. Também é chamado de cérebro do

Leia mais

Conceitos e Evolução Capítulos 1 e 2

Conceitos e Evolução Capítulos 1 e 2 Aula 2 ARQUITETURA DE COMPUTADORES Conceitos e Evolução Capítulos 1 e 2 Prof. Osvaldo Mesquita E-mail: oswaldo.mesquita@gmail.com 1/48 CONTEÚDO DA AULA Conceitos Importantes O que é arquitetura de computadores?

Leia mais

Visão Geral da Arquitetura de Computadores. Prof. Elthon Scariel Dias

Visão Geral da Arquitetura de Computadores. Prof. Elthon Scariel Dias Visão Geral da Arquitetura de Computadores Prof. Elthon Scariel Dias O que é Arquitetura de Computadores? Há várias definições para o termo arquitetura de computadores : É a estrutura e comportamento de

Leia mais

Memória cache. Prof. Francisco Adelton

Memória cache. Prof. Francisco Adelton Memória cache Prof. Francisco Adelton Memória Cache Seu uso visa obter uma velocidade de acesso à memória próxima da velocidade das memórias mais rápidas e, ao mesmo tempo, disponibilizar no sistema uma

Leia mais

Apresentação. Rio de Janeiro, 19 de fevereiro de 2002 Waldemar Celes

Apresentação. Rio de Janeiro, 19 de fevereiro de 2002 Waldemar Celes Apresentação A disciplina de Estruturas de Dados (ED) está sendo ministrada em sua nova versão desde o segundo semestre de 1998. Trata-se da segunda disciplina de informática oferecida no curso de Engenharia

Leia mais

Capítulo 11: Implementação de Sistemas de Arquivos. Operating System Concepts 8 th Edition

Capítulo 11: Implementação de Sistemas de Arquivos. Operating System Concepts 8 th Edition Capítulo 11: Implementação de Sistemas de Arquivos Silberschatz, Galvin and Gagne 2009 Sobre a apresentação (About the slides) Os slides e figuras dessa apresentação foram criados por Silberschatz, Galvin

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES

ARQUITETURA DE COMPUTADORES 1 ARQUITETURA DE COMPUTADORES U C P Prof. Leandro Coelho Plano de Aula 2 Aula Passada Definição Evolução dos Computadores Histórico Modelo de Von-Neumann Básico CPU Mémoria E/S Barramentos Plano de Aula

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Questões Em uma rede de sobreposição (overlay), mensagens são roteadas de acordo com a topologia da sobreposição. Qual uma importante desvantagem

Leia mais

Gerenciamento de memória

Gerenciamento de memória Sistemas Operacionais Gerenciamento de memória Capítulos 7 Operating Systems: Internals and Design Principles W. Stallings O problema Em um ambiente multiprogramado, é necessário: subdividir a memória

Leia mais

1. INTRODUÇÃO. Computador Digital: É uma máquina capaz de solucionar problemas através da execução de instruções que lhe são fornecidas.

1. INTRODUÇÃO. Computador Digital: É uma máquina capaz de solucionar problemas através da execução de instruções que lhe são fornecidas. 1. INTRODUÇÃO Computador Digital: É uma máquina capaz de solucionar problemas através da execução de instruções que lhe são fornecidas. Programa: É uma seqüência de instruções que descrevem como executar

Leia mais

Arquitetura de Computadores II

Arquitetura de Computadores II Universidade Federal do Rio de Janeiro Bacharelado em Ciência da Computação - DCC/IM Arquitetura de Computadores II Multithreading Prof. Gabriel P. Silva Introdução Muitos dos sistemas operacionais modernos

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Bibliografia Base Capítulo I Sistemas Operacionais Modernos Andrew S. Tanenbaum Gabriel Pitágoras Silva e Brenner gabrielbrenner@gmail.com Um computador sem seu software nada mais

Leia mais

Memória Cache. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Memória Cache. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Memória Cache Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Introdução; Projeto de Memórias Cache; Tamanho; Função de Mapeamento; Política de Escrita; Tamanho da Linha; Número de Memórias Cache; Bibliografia.

Leia mais

RESUMO DO LIVRO. A linguagem de máquinas e o custo são analisados antes do computador ser projetado. LINGUAGEM, NÍVEIS E MÁQUINA REAIS

RESUMO DO LIVRO. A linguagem de máquinas e o custo são analisados antes do computador ser projetado. LINGUAGEM, NÍVEIS E MÁQUINA REAIS RESUMO DO LIVRO Um computador digital é uma máquina com programas que, convertidos em instruções, podem facilitar a vida das pessoas. As instruções são simples, como some dois números. As instruções são

Leia mais

Sistemas Operacionais Arquivos. Carlos Ferraz (cagf@cin.ufpe.br) Jorge Cavalcanti Fonsêca (jcbf@cin.ufpe.br)

Sistemas Operacionais Arquivos. Carlos Ferraz (cagf@cin.ufpe.br) Jorge Cavalcanti Fonsêca (jcbf@cin.ufpe.br) Sistemas Operacionais Arquivos Carlos Ferraz (cagf@cin.ufpe.br) Jorge Cavalcanti Fonsêca (jcbf@cin.ufpe.br) Copyright Carlos Ferraz Cin/UFPE Implementação do Sistema de Arquivos Sistemas de arquivos são

Leia mais

Sumário. Organização de Computadores Módulo 3. Primeira Geração Válvulas (1945 1955) Primeira Geração Válvulas (1945 1955)

Sumário. Organização de Computadores Módulo 3. Primeira Geração Válvulas (1945 1955) Primeira Geração Válvulas (1945 1955) Sumário M. Sc. Luiz Alberto lasf.bel@gmail.com www.professorluizalberto.com.br Organização de Computadores Módulo 3 1. História da Arquitetura de Computadores - Continuação 1.1. 1.2. Segunda Geração Transistores

Leia mais

TECNÓLOGO EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I Aula 01: Conceitos Iniciais / Sistema Operacional

TECNÓLOGO EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I Aula 01: Conceitos Iniciais / Sistema Operacional TECNÓLOGO EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I Aula 01: Conceitos Iniciais / Sistema Operacional O conteúdo deste documento tem por objetivo apresentar uma visão geral

Leia mais

Unidade: Unidade Lógica e Aritmética e Registradores. Unidade I:

Unidade: Unidade Lógica e Aritmética e Registradores. Unidade I: Unidade: Unidade Lógica e Aritmética e Registradores Unidade I: 0 Unidade: Unidade Lógica e Aritmética e Registradores UNIDADE LÓGICA E ARITMÉTICA E REGISTRADORES O Processador é um chip com milhares de

Leia mais

Introdução. Uso do disco Vantagens Desvantagens Baixo custo, facilidade de manutenção do software e do hardware, simetria e flexibilidade

Introdução. Uso do disco Vantagens Desvantagens Baixo custo, facilidade de manutenção do software e do hardware, simetria e flexibilidade Introdução É sabido que os processos rodam em processadores. Nos sistemas tradicionais existe somente um único processador, de forma que não há dúvida a respeito de como ele deve ser usado. Em um sistema

Leia mais

Concurso Público para provimento de cargo efetivo de Docentes. Edital 20/2015 CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO I Campus Rio Pomba

Concurso Público para provimento de cargo efetivo de Docentes. Edital 20/2015 CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO I Campus Rio Pomba Questão 01 Assumindo um registrador de 10 bits e utilizando-se de representação binária, com valores negativos representados em código de 2, os valores em representação decimal 235, -189 possuem, respectivamente,

Leia mais

FACENS Engenharia Mecatrônica Sistemas de Computação Professor Machado. Memória Armazenamento Sistema de Arquivos

FACENS Engenharia Mecatrônica Sistemas de Computação Professor Machado. Memória Armazenamento Sistema de Arquivos FACENS Engenharia Mecatrônica Sistemas de Computação Professor Machado Memória Armazenamento Sistema de Arquivos 1 Hierarquia de Memórias 2 Partes físicas associadas à memória Memória RAM Memória ROM Cache

Leia mais

Sistemas Operacionais Arquitetura e organização de sistemas operacionais: Introdução. Prof. MSc. Hugo Souza

Sistemas Operacionais Arquitetura e organização de sistemas operacionais: Introdução. Prof. MSc. Hugo Souza Sistemas Operacionais Arquitetura e organização de sistemas operacionais: Introdução Prof. MSc. Hugo Souza Começando nossa disciplina sobre os sistemas operacionais modernos iremos abordar inicialmente

Leia mais

Estudo de Caso 2: Windows Vista

Estudo de Caso 2: Windows Vista Faculdades Integradas de Mineiros Curso de Sistemas de Informação Sistemas Operacionais II Estudo de Caso 2: Windows Vista Grupo 4 Helder / Wagner / Frantyeis Junho/2010 O Windows usa uma estratégia Just-In-Time

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Sistemas de Entrada/Saída Princípios de Hardware Sistema de Entrada/Saída Visão Geral Princípios de Hardware Dispositivos de E/S Estrutura Típica do Barramento de um PC Interrupções

Leia mais

Arquitetura de Computadores Paralelismo, CISC X RISC, Interpretação X Tradução, Caminho de dados

Arquitetura de Computadores Paralelismo, CISC X RISC, Interpretação X Tradução, Caminho de dados Arquitetura de Computadores Paralelismo, CISC X RISC, Interpretação X Tradução, Caminho de dados Organização de um Computador Típico Memória: Armazena dados e programas. Processador (CPU - Central Processing

Leia mais

Programação de Sistemas

Programação de Sistemas Programação de Sistemas Introdução à gestão de memória Programação de Sistemas Gestão de memória : 1/16 Introdução (1) A memória central de um computador é escassa. [1981] IBM PC lançado com 64KB na motherboard,

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores

Arquitetura e Organização de Computadores UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO DO SEMI-ÁRIDO DEPARTAMENTO DEPARTAMENTO DE DE CIÊNCIAS CIÊNCIAS EXATAS EXATAS E E NATURAIS NATURAIS CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Arquitetura

Leia mais

Sistemas Operacionais Aula 03: Estruturas dos SOs. Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com

Sistemas Operacionais Aula 03: Estruturas dos SOs. Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com Sistemas Operacionais Aula 03: Estruturas dos SOs Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com OBJETIVOS Descrever os serviços que um sistema operacional oferece aos usuários e outros sistemas

Leia mais

Capítulo 1 Introdução

Capítulo 1 Introdução Capítulo 1 Introdução Programa: Seqüência de instruções descrevendo como executar uma determinada tarefa. Computador: Conjunto do hardware + Software Os circuitos eletrônicos de um determinado computador

Leia mais

Introdução à Computação: Sistemas de Computação

Introdução à Computação: Sistemas de Computação Introdução à Computação: Sistemas de Computação Beatriz F. M. Souza (bfmartins@inf.ufes.br) http://inf.ufes.br/~bfmartins/ Computer Science Department Federal University of Espírito Santo (Ufes), Vitória,

Leia mais

Introdução à Engenharia de Computação

Introdução à Engenharia de Computação Introdução à Engenharia de Computação Tópico: O Computador como uma Máquina Multinível (cont.) José Gonçalves - LPRM/DI/UFES Introdução à Engenharia de Computação Máquina Multinível Moderna Figura 1 Máquina

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro Pós-Gradução em Informática. Microarquiteturas de Alto Desempenho. Multithreading. Gabriel P. Silva.

Universidade Federal do Rio de Janeiro Pós-Gradução em Informática. Microarquiteturas de Alto Desempenho. Multithreading. Gabriel P. Silva. Universidade Federal do Rio de Janeiro Pós-Gradução em Informática Microarquiteturas de Alto Desempenho Multithreading Introdução Muitos dos sistemas operacionais modernos suportam o conceito de threads,

Leia mais

CISC RISC Introdução A CISC (em inglês: Complex Instruction Set Computing, Computador com um Conjunto Complexo de Instruções), usada em processadores Intel e AMD; suporta mais instruções no entanto, com

Leia mais

Abstrações e Tecnologias Computacionais. Professor: André Luis Meneses Silva E-mail/msn: andreluis.ms@gmail.com Página: orgearq20101.wordpress.

Abstrações e Tecnologias Computacionais. Professor: André Luis Meneses Silva E-mail/msn: andreluis.ms@gmail.com Página: orgearq20101.wordpress. Abstrações e Tecnologias Computacionais Professor: André Luis Meneses Silva E-mail/msn: andreluis.ms@gmail.com Página: orgearq20101.wordpress.com Agenda Introdução Sistemas Computacionais Arquitetura X

Leia mais

Introdução. Introdução. Introdução. Organização Estruturada de Computadores. Introdução. Máquinas Multiníveis

Introdução. Introdução. Introdução. Organização Estruturada de Computadores. Introdução. Máquinas Multiníveis Ciência da Computação Arq. e Org. de Computadores Máquinas Multiníveis Prof. Sergio Ribeiro Computador digital máquina que resolve problemas executando uma série de instruções. Programa conjunto de instruções

Leia mais

2. NÍVEL DE SISTEMA OPERACIONAL (Cont.) 2.6. Exemplos de Sistemas Operacionais

2. NÍVEL DE SISTEMA OPERACIONAL (Cont.) 2.6. Exemplos de Sistemas Operacionais 2. NÍVEL DE SISTEMA OPERACIONAL (Cont.) 2.6. Exemplos de Sistemas Operacionais Aqui estudaremos 3 características que muitos sistemas operacionais oferecem: Memória virtual; E/S virtual, e; Processamento

Leia mais

2. A influência do tamanho da palavra

2. A influência do tamanho da palavra 1. Introdução O processador é o componente vital do sistema de computação, responsável pela realização das operações de processamento (os cálculos matemáticos etc.) e de controle, durante a execução de

Leia mais

AULA 13 - Gerência de Memória

AULA 13 - Gerência de Memória AULA 13 - Gerência de Memória omo sabemos, os computadores utilizam uma hierarquia de memória em sua organização, combinando memórias voláteis e não-voláteis, tais como: memória cache, memória principal

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES

ARQUITETURA DE COMPUTADORES 01001111 01110010 01100111 01100001 01101110 01101001 01111010 01100001 11100111 11100011 01101111 00100000 01100100 01100101 00100000 01000011 01101111 01101101 01110000 01110101 01110100 01100001 01100100

Leia mais

Notas da Aula 6 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 6 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Monitores Notas da Aula 6 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Embora os semáforos sejam uma boa solução para o problema da exclusão mútua, sua utilização não é trivial. O programador é obrigado a

Leia mais

3/9/2010. Ligação da UCP com o barramento do. sistema. As funções básicas dos registradores nos permitem classificá-los em duas categorias:

3/9/2010. Ligação da UCP com o barramento do. sistema. As funções básicas dos registradores nos permitem classificá-los em duas categorias: Arquitetura de Computadores Estrutura e Funcionamento da CPU Prof. Marcos Quinet Universidade Federal Fluminense P.U.R.O. Revisão dos conceitos básicos O processador é o componente vital do sistema de

Leia mais

Sistemas Computacionais II Professor Frederico Sauer

Sistemas Computacionais II Professor Frederico Sauer Sistemas Computacionais II Professor Frederico Sauer Livro-texto: Introdução à Organização de Computadores 4ª edição Mário A. Monteiro Livros Técnicos e Científicos Editora. Atenção: Este material não

Leia mais

Comunicação de Dados

Comunicação de Dados UNISUL 2013 / 1 Universidade do Sul de Santa Catarina Engenharia Elétrica - Telemática 1 Comunicação de Dados Aula 6 Agenda Projeto da camada de enlace de dados Detecção e correção de erros Protocolos

Leia mais

3 A Biblioteca para Implementação de Máquinas Virtuais

3 A Biblioteca para Implementação de Máquinas Virtuais A Biblioteca para Implementação de Máquinas Virtuais 24 3 A Biblioteca para Implementação de Máquinas Virtuais O processo de criação e experimentação de uma máquina virtual no escopo deste trabalho é ilustrada

Leia mais

Sistemas Operacionais. Roteiro. Introdução. Marcos Laureano

Sistemas Operacionais. Roteiro. Introdução. Marcos Laureano Sistemas Operacionais Marcos Laureano 1/68 Roteiro Arquivos Organização de arquivos Diretórios Métodos de acesso Métodos de alocação em disco Fragmentação Tamanho de bloco Proteção de acesso 2/68 Introdução

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores

Arquitetura e Organização de Computadores Arquitetura e Organização de Computadores Suporte do Sistema Operacional Material adaptado, atualizado e traduzido de: STALLINGS, William. Arquitetura e Organização de Computadores. 5ª edição Objetivos

Leia mais

Capítulo 4 Gerenciamento de Memória

Capítulo 4 Gerenciamento de Memória Capítulo 4 Gerenciamento de Memória 4.1 Gerenciamento básico de memória 4.2 Troca de processos 4.3 Memória virtual 4.4 Algoritmos de substituição de páginas 4.5 Modelagem de algoritmos de substituição

Leia mais