FACULDADE BORGES DE MENDONÇA CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS REJANE VIEIRA A INCIDÊNCIA DA TRIBUTAÇÃO NA COMPUTAÇÃO EM NUVEM

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FACULDADE BORGES DE MENDONÇA CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS REJANE VIEIRA A INCIDÊNCIA DA TRIBUTAÇÃO NA COMPUTAÇÃO EM NUVEM"

Transcrição

1 FACULDADE BORGES DE MENDONÇA CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS REJANE VIEIRA A INCIDÊNCIA DA TRIBUTAÇÃO NA COMPUTAÇÃO EM NUVEM FLORIANÓPOLIS-SC 2014

2 1 A INCIDÊNCIA DA TRIBUTAÇÃO NA COMPUTAÇÃO EM NUVEM VIEIRA, Rejane 1 ESPÍRITO SANTO, Sérgio Pereira do 2 RESUMO Em função do rápido avanço da área da tecnologia da informação, um paradigma denominado computação em nuvem tem sido aplicado na comercialização de programas de computador. Neste novo modelo, o programa pode ser comercializado como serviço na forma de assinatura e é hospedado e acessado via Internet. No entanto, as empresas brasileiras que comercializam programas de computadores em nuvem estão com dificuldade em efetuar o correto enquadramento tributário em razão da falta de clareza da legislação vigente quanto à incidência dos impostos. Diante do problema, o objetivo do presente artigo é explicar a forma de tributação nas negociações comerciais que envolvem software de assinatura na nuvem, quanto ao ICMS e ISS. Trata-se de pesquisa aplicada, qualitativa, exploratória, bibliográfica e que adota o método indutivo. Está baseada em publicações em artigos científicos e legislação tributária. A pesquisa revelou que a tributação brasileira não tem uma legislação específica que trata do assunto, pois há muitas lacunas a serem preenchidas. Palavras-chave: Programa. Tributação. Computação em Nuvem. 1 INTRODUÇÃO Com o desenvolvimento da humanidade, alguns serviços como água, energia elétrica e telefone tornaram-se indispensáveis para o dia a dia, sendo explorados em um modelo de pagamento conforme o consumo onde a entrega dos serviços pode ser realizada em qualquer lugar e a qualquer hora. Nos últimos anos, em função do rápido avanço da área da tecnologia da informação, um paradigma similar denominado computação em nuvem tem sido aplicado na comercialização de programas de computador. Neste novo modelo, o programa é comercializado como serviço na forma de assinatura e hospedado e acessado via Internet. 1 Rejane Vieira, acadêmico da 8ª fase do curso de graduação de Ciências Contábeis, ministrado pela Faculdade 2 Sérgio Pereira do Espírito Santo, Mestre em Contabilidade UFSC; Especialista em Docência do Ensino Superior UFRJ; Especialista em Contabilidade e Finanças FGV; Bacharel em Ciências Contábeis UFSC. E- mail:

3 2 A computação em nuvem é uma recente tendência na área da tecnologia da informação, que tem por objetivo oferecer serviço de tecnologia da informação sob demanda com pagamento baseado no uso na forma de assinatura, e é hospedado e acessado via Internet. Com isso, muitos dos seus seguimentos não têm uma regulamentação tributária específica, como, por exemplo, o software de assinatura na nuvem conhecido como computação em nuvem, cloud computing. Atualmente as empresas que comercializam programas de computadores em nuvem estão com dificuldade em efetuar o enquadramento tributário em razão da falta de clareza quanto à incidência do Imposto sobre Operações Relativas à Circulação de Mercadorias e sobre Prestações de Serviços de Transporte Interestadual, Intermunicipal e de Comunicação (ICMS), de competência dos Estados e Distrito Federal; e do Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza (ISS) de competência dos municípios e Distrito Federal. Diante do impasse no enquadramento tributário por empresas que desejam comercializar softwares em nuvem, resolveu-se investigar o seguinte problema de pesquisa: como se dá a tributação nas negociações comerciais que envolvem software de assinatura na nuvem, no que se refere ao ICMS e ao ISS? Na intenção de determinar uma resposta para o problema de pesquisa estabelecido, a investigação tem como objetivo geral explicar a forma de tributação nas negociações comerciais que envolvem software de assinatura na nuvem, quanto ao ICMS e ISS. Para o alcance do objetivo geral, foram propostos os seguintes objetivos específicos: determinar as características dos softwares de prateleira, sob encomenda e computação em nuvem; analisar a legislação do ICMS e ISS inerente ao assunto; e por fim avaliar a atividade contratada no software para verificar se há ou não a incidência de ICMS ou ISS. A importância desta pesquisa deve-se à contribuição para as organizações que realizam operações de comercialização de programas de computador por meio da computação em nuvem, bem como ao conhecimento acadêmico por se tratar de um tema recente no Brasil e relevante por envolver arrecadação de receitas por parte dos Estados e dos municípios. Este artigo científico está estruturado da seguinte maneira: inicia por esta introdução, na seção dois são abordados os conceitos e a tributação (ISS e ICMS) de software sob encomenda e de prateleira; computação em nuvem e sua tributação. Na terceira seção realizase a análise da legislação tributária ISS e ICMS. Em seguida aborda-se os procedimentos metodológicos aplicados neste trabalho e por fim, na quinta seção, revela-se as considerações finais.

4 3 2 PROGRAMAS DE COMPUTADOR (SOFTWARE) Para que se possa apurar corretamente a tributação do programa de computador, é fundamental conhecer sua definição. O software ou programa de computador é definido como um conjunto de instruções que faz com que a máquina execute tarefas comandadas pelo usuário, de modo que chegue a um resultado final desejado (GUTIERREZ; ALEXANDRE, 2004; OLIVEIRA, 2002). O artigo 1º, da Lei nº 9.609, de 19 de fevereiro de 1998, a qual dispõe sobre a proteção da propriedade intelectual de programa de computador, sua comercialização no País e dá outras providências, define o programa de computador como um conjunto de instruções organizadas em linguagem natural ou codificada, em um suporte físico, objetivando fazê-lo funcionar para um determinado fim, por meio de comandos. Os programas podem ser classificados, conforme a forma de comercialização, em dois tipos: customizáveis ou sob encomenda e não customizáveis ou de prateleira. 2.1 SOFTWARE SOB ENCOMENDA E DE PRATELEIRA E O PROBLEMA DA TRIBUTAÇÃO Segundo Motta (2000), o desdobramento do programa de computador em software de encomenda e de prateleira derivou de consulta efetivada em 1986 na Consultoria Tributária da Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo (Consulta nº 691/1986, datada de ), onde diz que há dois tipos de programas: sob encomenda e de prateleira. O software sob medida ou específico é produzido sob encomenda de um determinado usuário, sendo pessoa física ou jurídica, para suprir suas necessidades. E o software-produto ou de prateleira é produzido para a comercialização, ou seja, aquele elaborado em escala, podendo ser estocado, e vendido no mercado a qualquer usuário. Nessa consulta, o software sob encomenda é considerado uma prestação de serviço, por ser um serviço de programação, constante no item 13 da lista anexa ao Decreto Lei nº 406/68, alterada pelo Decreto Lei nº 834/69, cabendo essa competência aos municípios, portanto sujeito ao Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza (ISS). Já o software de prateleira é considerado um programa de computador, desde que, o mesmo esteja contido em um suporte físico e reconhecido pelas máquinas. Sendo assim, por esse software sair do estabelecimento em um suporte físico como discos, fitas ou disquetes, é de competência estadual, sujeita ao ICMS.

5 4 O software de prateleira é aquele que é totalmente desenvolvido para suprir as demandas da maior parte dos usuários, atendendo suas necessidades médias com algumas funções específicas. Ainda que, nem todas as funcionalidades sejam usadas pelo mesmo usuário, a maioria será beneficiada (GUITIERREZ; ALEXANDRE, 2004). É elaborado para comercialização genérica e encontrado em estoque, ou seja, pré-elaborado para venda normal ao mercado a qualquer usuário. Nesse caso, o programa é produzido em série, podendo ser comercializado por meio físico ou virtual (pela web). O software sob encomenda é desenvolvido para um determinado cliente, atendendo suas necessidades específicas. Como exemplos pode-se citar o sistema de processamento de ajuste de imposto de renda, que o único usuário é a Receita Federal; e de um software criado para um determinado usuário para resolver um problema que outros softwares não suprem (GUITIERREZ; ALEXANDRE, 2004). Então, o software sob encomenda é caracterizado quando o usuário final solicita a elaboração de um programa específico para uma empresa, seja este pessoa física ou jurídica, contanto que para seu próprio uso. Nesse caso, o programa é desenvolvido exclusivamente para o usuário, conforme suas necessidades. O reconhecimento de dois tipos de programa de computador ficou consolidado pela jurisprudência em 10 de novembro de 1998, após o julgamento do Recurso Extraordinário nº pelo Supremo Tribunal Federal (STF). Não tendo por objeto uma mercadoria, mas um bem incorpóreo, sobre as operações de licenciamento ou cessão do uso de programas de computador matéria exclusiva da lide -, efetivamente não podem os Estados instituir ICMS: dessa impossibilidade, entretanto, não resulta que, de logo, se esteja também a subtrair do campo constitucional de incidência do ICMS a circulação de cópias ou exemplares dos programas de computador produzidos em série e comercializados no varejo como a do chamado software de prateleira (off the shelf) os quais, materializando o corpus mechanicum da criação intelectual do programa, constituem mercadorias postas no comércio. Sendo assim, o Supremo Tribunal Federal não levou em conta que o software de prateleira é uma elaboração intelectual. Acolheu a tese de que o software é serviço, quando desenvolvido por encomenda direta para o usuário final, e nestes termos afirma não caber aos Estados a cobrança do ICMS, consequentemente, entende-se que há incidência de ISS. O STF também entende que, quando desenvolvido em série, software de prateleira, será tratado como mercadoria, nesse caso há incidência de ICMS. Porém, para ter o fato gerador do ICMS, é

6 5 necessário a existência de um suporte físico, pois se esse elemento estiver ausente, não haverá incidência do ICMS. A Constituição Federal de CF, em seu artigo 155, pontua que compete aos Estados e ao Distrito Federal instituir imposto sobre II) operações relativas à circulação de mercadorias e sobre prestações de serviços de transporte interestadual e intermunicipal e de comunicação, ainda que as operações e as prestações se iniciem no exterior. Em sua obra, Machado (2010), conceitua a operação relativa à circulação de mercadorias como qualquer ato ou negócio que tenha mudança da propriedade da mercadoria, não importando sua natureza jurídica, que leve do ponto de partida até o consumidor. De acordo com o artigo 9º, da Lei nº 9.609/1998, será objeto de contrato de licença o uso de programa de computador, caso não tenha o referido contrato, o documento fiscal da aquisição servirá para comprovar a regularidade do uso. No caso do software de prateleira, não é considerado mercadoria por não ter a transmissão de titularidade e nem ser considerado um bem. Portanto, o programa de prateleira não se enquadra no conceito de mercadoria, afastando assim a incidência de ICMS sobre suas operações (COSTA, 2009). Entretanto, é necessário estabelecer a forma de negociação do programa de computador para que seja determinado qual imposto incidirá. Segundo Costa (2009), o ISS incide sobre os softwares de prateleira e por encomenda. Nesse caso, o usuário final deve utilizar o programa de prateleira conforme as especificações da embalagem. Dessa forma, somente o meio de exteriorização deverá ser tributado pelo ICMS, ou seja, incidirá sobre o suporte físico (COSTA, 2009). O artigo 1º, da Lei Complementar nº 116, de 31 de julho de 2003, que dispõe sobre o Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza - ISS, define por meio de lista anexa, os serviços, cuja prestação dará origem ao citado imposto. Os serviços relacionados na referida lista não sofrerão a incidência do ICMS, mesmo tendo o fornecimento de mercadoria. O código 1.05 do anexo refere-se ao licenciamento ou cessão de direito de uso de programas de computação, portanto, nesse caso incide ISS. 2.2 COMPUTAÇÃO EM NUVEM E SUA TRIBUTAÇÃO Na visão de Costa (2009), em consequência do rápido desenvolvimento tecnológico, nos últimos anos tem se firmado uma nova plataforma conhecida como computação em nuvem ou software em nuvem. Assim, nos dias de hoje o software está se encaminhando rapidamente para o modo virtual, ou seja, a comercialização e a distribuição do software pela

7 6 Internet, inclusive por meio de pagamento eletrônico, com transferência bancária ou cartão de crédito/débito, com a confirmação feita pelo próprio site, ou seja, a concretização do negócio se dá pela Internet (COSTA, 2009). Na concepção de Costa (2009), essa nova visão de negócio leva ao questionamento da incidência dos tributos na transação comercial e isso salienta a necessidade de repensar a definição de instituição comercial e o conceito de serviço e mercadoria. O termo computação em nuvem, Cloud Computing, surgiu em 2006 em uma palestra da Google por Eric Schmidt, sobre como sua empresa gerenciava seus Data Centers, local onde são concentrados os computadores e sistemas responsáveis pelo processamento de dados de uma organização (CAETANO, 2012). A computação em nuvem é um conjunto de serviços de rede ativados, que proporciona escalabilidade, qualidade de serviço, infraestrutura barata de computação sob demanda e que pode ser acessada de uma forma simples (RUSCHEL; ZANOTTO; MOTA, 2010). Baseada em conceitos já conhecidos na área da tecnologia da informação (TI), a computação em nuvem está se tornando um paradigma chave. Nesse novo modelo, toda a infraestrutura é transferida para a Internet. Portanto, os dados, o hardware e as aplicações são disponibilizadas na forma de serviços fornecidos na Internet, com isso os custos para o usuário diminui consideravelmente (CAETANO, 2012). Um relatório da consultoria Gartner (2009) elenca cinco atributos que definem o modelo de cloud computing - computação em nuvem - os quais são: a) Baseado em serviço: os serviços ou recursos são fornecidos sob medida para atender as necessidades de um usuário ou um grupo de usuários. b) Escalável e elástico: os serviços ou recursos contratados podem aumentar ou diminuir conforme a demanda do usuário. c) Compartilhado: os serviços ou recursos são compartilhados entre os usuários para viabilizar a economia de escala e maximizar a eficiência. d) Medido por uso: os serviços ou recursos são cobrados em função do que é usado e apenas quando é usado. e) Baseado no uso da Internet: os serviços se baseiam nos recursos tecnológicos fornecidos pela Internet. No referido relatório há a afirmação de que esses atributos ajudarão a esclarecer até que ponto as soluções e serviços oferecidos no mercado aderem, ou não, ao conceito de computação em nuvem. No mesmo relatório Gartner (2009, p. 1) define cloud computing

8 7 como um estilo de computação escalável e elástico no qual os recursos de TI são fornecidos como um serviço para clientes externos, a partir da Internet. Caetano (2012) afirma que a computação em nuvem distribui os recursos na forma de serviços, podendo ser dividida em três modelos fundamentais: a)software como Serviço (SaaS): os programas de computador são comercializados como serviço por meio do pagamento de uma assinatura, reduzindo dessa forma os investimentos em aquisição de licenças em programas de prateleira tradicionais, além disso, os programas são acessados e utilizados através da Internet. b) Plataforma como Serviço (PaaS): as plataformas de desenvolvimento são disponibilizadas e utilizadas por meio da Internet ao invés de serem instaladas localmente em um computador. Por exemplo, através da PaaS um desenvolvedor poderá acessar todo o seu ambiente de desenvolvimento, incluindo sistema operacional, banco de dados e ferramentas de programação através da nuvem. c) Infraestrutura como Serviço (IaaS): a infraestrutura de hardware é disponibilizada através da nuvem e comercializada como serviço por pagamento de assinatura. Dessa forma, não é necessário investir na aquisição de computadores e servidores tradicionais que exigem espaço físico e consomem energia, no modelo IaaS, é possível ter essa mesma infraestrutura por meio da Internet. Embora sejam apresentados três modelos fundamentais de computação na nuvem, neste trabalho a investigação ocorre sobre o software como serviço (SaaS). De acordo com a Microsoft Developer Network (MSDN), este modelo corresponde a um software e introduzido como serviço hospedado, acessado através da Internet (CARNEIRO; RAMOS, 2010). Segundo Nogueira e Pezzi (2010, apud AULBACH, 2009), um mesmo software pode ser utilizado por vários usuários, pessoas físicas ou jurídicas. Esse tipo de serviço é executado e disponibilizado por servidores de responsabilidade de uma empresa desenvolvedora, ou seja, o software é desenvolvido por uma empresa que em vez de vendê-lo ou usá-lo para seu próprio benefício, disponibiliza-o a uma grande quantidade de usuários a um baixo custo. A figura a seguir apresenta uma visão geral de uma nuvem computacional, onde vários dispositivos se interligam à nuvem (Internet) a fim de que, cada usuário possa acessar os dados armazenados, a partir de qualquer periférico. Portanto, com a computação em nuvem pode-se dizer que os usuários moverão seus dados e aplicações para a nuvem, podendo ser acessados de qualquer lugar (RUSCHEL; ZANOTTO; MOTA, 2010).

9 8 Figura 1: Computação em nuvem Fonte: Ruschel, Zanotto e Mota (2010, p. 2) Por causa do rápido avanço da área da tecnologia da informação, muitos dos seus seguimentos não têm uma regulamentação tributária específica, como exemplo cita-se o software de assinatura na nuvem, conhecido como computação em nuvem (SOUTO, 2013). A comercialização da computação em nuvem se dá pela Internet e sua solicitação também, ou seja, a empresa paga mensalmente uma taxa para acessar o software e dados via Internet, por servidores remotos, e seu pagamento é eletrônico, com transferência bancária ou cartão de crédito/débito, sendo a confirmação feita pelo próprio site (COSTA, 2009). Há um Projeto de Lei Complementar (PLP) nº 171/2012 na Câmara dos Deputados, que propõe a inclusão do item "Computação em nuvem" (serviços na Internet que não requerem conhecimento do consumidor, quanto à localização física e configuração do sistema), na lista de serviços anexa à Lei Complementar nº 116, de 31 de julho de 2003, que dispõe sobre o ISS, entretanto, até o mês de outubro/2014 esse Projeto de Lei Complementar não havia saído do papel, ou seja, não foi apreciado pela casa. Em uma nota no site da Câmara dos Deputados, Bezerra (2012, p. 1) afirma que: Normalmente, o desenvolvimento de novas tecnologias gera dúvidas quanto ao tratamento tributário a ser dispensado a novos produtos e serviços. No tocante à computação em nuvem, a situação não tem sido diferente.

10 9 Assim, faz-se necessário analisar se há incidência de ICMS ou de ISS nas operações comerciais que envolvem computação em nuvem no modelo de software como serviço (SaaS). 3 ANÁLISE DA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA - ICMS E ISS O Código Tributário Nacional (2014, p. 7), em seu artigo 5º, classifica o tributo como impostos, cuja definição está expressa no artigo 3º: Tributo é toda prestação pecuniária compulsória, em moeda ou cujo valor nela se possa exprimir, que não constitua sanção de ato ilícito, instituída em lei e cobrada mediante atividade administrativa plenamente vinculada. Está expresso no art. 4º do mesmo instrumento legal, que A natureza jurídica específica do tributo é determinada pelo fato gerador da respectiva obrigação [...]. e o artigo 114 expõe que o Fato gerador da obrigação principal é a situação definida em lei como necessária e suficiente à sua ocorrência. Portanto, entende-se que para a ocorrência do fato gerador, primeiro deve haver a hipótese legal de incidência. Borges (2011), afirma que a principal hipótese de incidência do ICMS baseia-se na realização da circulação de mercadorias, essa circulação transmite a ideia de transferência dos direitos de posse ou de propriedade das mercadorias. O artigo 155, da Constituição Federal de 1988, determina que é de responsabilidade do Estado e do Distrito Federal instituir o imposto sobre operações relativas à circulação de mercadorias e sobre prestações de serviços de transporte interestadual e intermunicipal e de comunicação, ainda que as operações e as prestações se iniciem no exterior. Segundo Alexandre (2014), regra geral, a prestação de serviço é tributada pelos municípios, por meio do ISS, entretanto, com a Constituição Federal de 1988, foram inclusos dois serviços no âmbito de incidência do ICMS, transporte interestadual e intermunicipal e o de comunicação. Contudo, havia muitos entendimentos a respeito dos serviços de comunicação. Sendo assim, o Superior Tribunal de Justiça (STJ), em sua Súmula nº 334, de 13/12/2006, consolidou a interpretação do artigo 61, da Lei nº 9.472/1997, que dispõe sobre a organização dos serviços de telecomunicações, a criação e funcionamento de um órgão regulador e outros aspectos institucionais, nos termos da Emenda Constitucional nº 8, de 1995, de que são serviços adicionados os serviços de provedores de Internet e não os serviços de comunicação, não incidindo assim o ICMS (ALEXANDRE, 2014). Em seu trabalho Souto (2013), relata que programas de computador não têm natureza mercantil, ou seja, não são destinados à compra e venda, mas ao licenciamento ou cessão de

11 10 direito de uso, norma que não provoca a transferência patrimonial do programa de computador e, portanto, não se adapta à hipótese de incidência de ICMS. Sendo assim, os programas de computador só são comercializados em cessões de direito, por meio de licenças de uso, contratos que sempre têm por objeto o direito de uso do software, não importando se são os tradicionais ou em nuvem. Como visto anteriormente, no software sob encomenda e de prateleira, o STJ entende que a execução de operações de licenciamento ou cessão de direito de uso dos programas de computador não cabe como fato gerador do ICMS. Contudo, foi determinado que a venda do software de prateleira configura fato gerador desse imposto, já que o suporte físico que comporta o programa de computador cabe no conceito de mercadoria. Destaca-se que a hipótese de incidência a ser cogitada ocorre sobre o suporte físico e não sobre o software propriamente dito. O software em nuvem nunca poderá ser distribuído por intermédio de um suporte físico, pois o ambiente em que os recursos oferecidos são disponibilizados é a própria nuvem. Deste modo, verifica-se que a hipótese de incidência do ISS ocorre na prestação de serviços a terceiros, porém o serviço prestado deverá estar definido na lista anexa à Lei Complementar nº 116/2003. A competência dos municípios para instituir o imposto sobre serviços de qualquer natureza, não abrangidos no art. 155, II (operações relativas à circulação de mercadorias e sobre prestações de serviços de transporte interestadual e intermunicipal e de comunicação, ainda que as operações e as prestações se iniciem no exterior), definidos em lei complementar, está expressa no artigo 156 da Constituição Federal. No seguimento da tecnologia da informação, a Lei Complementar nº 116/2003 elenca em seu anexo os seguintes serviços: análise e desenvolvimento de sistemas; programação; processamento de dados e congêneres; elaboração de programas de computadores, inclusive de jogos eletrônicos; licenciamento ou cessão de direito de uso de programas de computação; assessoria e consultoria em informática; suporte técnico em informática, inclusive instalação, configuração e manutenção de programas de computação e bancos de dados; planejamento, confecção, manutenção e atualização de páginas eletrônicas. A materialização da hipótese de incidência do ISS se dá pelo negócio jurídico (verbal ou escrito) firmado entre o tomador e o prestador, que implica em um dever de fazer o serviço com objetivo econômico. Conforme Costa (2009), na computação em nuvem é impossível saber onde será o estabelecimento comercial do local do negociador pela ausência de um fator externo. Por isso

12 11 não tem como considerar o local da hospedagem do site, já que pode ser feito em qualquer lugar do mundo por não ter regulamentação de condições e limites para seu registro. Para Leonetti (2009), a tributação da computação em nuvem no Brasil é complicada pela falta de legislação. De acordo com Santos (2011), é possível a tributação do software em nuvem como serviço, ou seja, tendo a incidência do ISS, desde que sua atividade seja adicionada na lista de serviços da Lei Complementar 116/ PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS A metodologia, segundo Lakatos e Marconi (2007), é um conjunto de atividades organizadas que permite atingir o objetivo, determinando o caminho que deverá ser seguido, identificando os erros e ajudando nas decisões dos cientistas. Pelas características desse trabalho, quanto à natureza a pesquisa está definida como aplicada, sendo a abordagem do problema do tipo qualitativa. No que se refere aos objetivos, se enquadra como exploratória e explicativa, e quanto aos procedimentos técnicos é caracterizada como bibliográfica e documental. Em relação à natureza, a pesquisa está classificada como aplicada pois tem a intenção de consolidar conhecimentos para aplicação prática nas empresas e na esfera pública estadual e municipal, objetivando contribuir para a solução de um problema de tributação que ainda não está definido, além de preocupar-se especificamente com os conhecimentos teóricos e informações decorrentes da legislação brasileira a fim de obter um resultado mais preciso possível (GERHARDT; SILVEIRA, 2009; LAKATOS; MARCONI, 2012). Quanto à abordagem do problema, a pesquisa é do tipo qualitativa porque não exige a utilização estatística, pois o pesquisador vai em busca dos fatos de estudo considerando todos os pontos de vista importantes da pesquisa social (RICHARDSON, 2014). Na concepção de Beuren (2012), na contabilidade é comum ser utilizado esse tipo de pesquisa por se tratar de uma ciência social. Ressalta ainda que a pesquisa qualitativa gera uma análise mais profunda em relação ao problema estudado. Quanto aos objetivos este trabalho está classificado como exploratório porque aborda um assunto ainda pouco estudado no Brasil, por ser recente, neste sentido busca-se torná-lo mais claro e reduzir as incertezas no que se refere à tributação estadual e municipal (CERVO, BERVIAN, DA SILVA, 2014). A classificação quanto aos objetivos também inclui a pesquisa como explicativa pois decorre da intenção de examinar e explicar as razões para o adequado enquadramento tributário sob as normas do ICMS e do ISS (BEUREN, 2012).

13 12 Quanto aos procedimentos técnicos, a pesquisa está classificada como bibliográfica pois envolve investigação em artigos científicos extraídos de periódicos disponibilizados na Internet, dissertação de mestrado e livros, objetivando conhecer o que já foi publicado a respeito do tema aqui abordado (GIL, 2010).Também é tratada como documental em razão de utilizar não só documentos impressos, mas também documentos legais que ainda não tiveram nenhuma análise (SEVERINO, 2009). Para o desenvolvimento do trabalho foi adotado o método indutivo porque é um método pelo qual pode-se alcançar a proposições gerais, com base em dados ou observações particulares constatadas (RICHARDSON, 2014). Conforme Ruiz (1996, p. 139), o raciocínio indutivo é bastante comum, a partir da observação de alguns fatos, a mente humana tende a tirar conclusões gerais; mas o problema da legitimidade da indução é muito mais complexo que o problema da dedução, e vai merecer particular estudo. 5 CONSIDERAÇÕES FINAIS Este estudo está baseado em dificuldades, quanto à tributação estadual e municipal, que tem passado empresas da área da tecnologia da informação em geral e que trabalham com a prestação de serviço de software na nuvem, usando modelo de cobrança por meio de assinatura eletrônica, sendo feito tudo pela Internet, desde a comercialização e distribuição, até o pagamento e sua confirmação. Este trabalho buscou analisar a incidência de ICMS ou ISS para o software na nuvem. Analisando-se e comparando-se as pesquisas anteriores, bem como a legislação pertinente, percebe-se que as empresas têm muitas dificuldades no enquadramento do software na nuvem como ICMS ou ISS, pois a legislação tributária de ambos não deixa claro o fato gerador dos respectivos impostos. A investigação deveu-se à necessidade de obter informação adequada sobre o enquadramento tributário para a atividade de software na nuvem. Não há dúvidas de que o software de prateleira é tributado pelo ICMS, e que o software sob encomenda é de responsabilidade municipal (ISS), entretanto, ainda é muito vago o enquadramento da computação em nuvem. A partir da investigação realizada, conclui-se que a tributação no Brasil é muito complexa e não consegue acompanhar a rápida evolução da área da tecnologia da informação. Assim, o software na nuvem ainda não tem uma legislação que afirme corretamente qual é a tributação. Conforme Leonetti (2009), no Brasil, não se pode pensar em tributar a computação

14 13 em nuvem enquanto as lacunas da legislação não forem preenchidas adequadamente. Neste caso pode ser cobrado o ISS somente se for incluído na lista anexa à Lei Complementar 116/2003 um subitem de serviço de computação em nuvem, isto é o que está proposto no Projeto de Lei Complementar 171/2012. A mesma conclusão chegou Costa (2009) quando investigou a incidência ou não do ISS e do ICMS. Em seu trabalho ela afirma que o software na nuvem está fora da área de incidência do ISS e do ICMS porque não há possibilidade de configurar a hipótese de incidência tributária. Como diz Santos (2011), há a possibilidade da tributação do ISS, desde que sua atividade seja inclusa na lista de serviços da Lei Complementar 116/2013. Neste artigo observou-se as características dos três tipos de software (sob encomenda, prateleira e na nuvem) e a legislação vigente até o momento. Mesmo assim, não conseguiu-se determinar exatamente qual tributação nas negociações comerciais envolvendo o software na nuvem é aplicada, se o ISS ou o ICMS, já que há muitas lacunas na legislação que precisam ser completadas. As limitações da pesquisa se deram em razão do tema ser recente e portanto não haver muitos trabalhos que tratem do assunto, bem como de ausência de legislação específica. Sugere-se que futuras pesquisas abordem esse mesmo tema, com observações de como está sendo tratado em outros países, de maneira que possa subsidiar o tratamento a ser dado pela legislação brasileira. THE IMPACT OF TAXATION IN CLOUD COMPUTING ABSTRACT Due to the fast improvement in the field of information technology, a paradigm called cloud computing has been applied in the trading of computer programs. In this new model, the program can be commercialized as a service by subscription and it is hosted and accessed via the Internet. However, the Brazilian companies that sell computer software in the cloud are having trouble to choose the correct tax due to the lack of clarity in the current legislation regarding the incidence of taxes. Faced with the problem, the purpose of this article is to explain the form of assessment in trade negotiations involving "subscription software in the cloud", as the ICMS and ISS. It is applied, qualitative, exploratory, literature and adopting the inductive search. It is based on publications in scientific articles and tax Legislation. The survey revealed that the Brazilian tax has no specific legislation dealing with this matter, as there are many gaps to be filled Keywords: Software. Taxation. Cloud Computing.

15 14 REFERÊNCIAS ALEXANDRE, Ricardo. Direito tributário Esquematizado. São Paulo: Método, BEUREN, Ilse Maria (org.).como Elaborar Trabalhos Monográficos em Contabilidade. São Paulo: Atlas, BEZERRA, Carlos Albert. Câmara dos Deputados (Brasil). Câmara analisa cobrança de ISS sobre serviços de computação em nuvem. Disponível em: <http://www2.camara.leg.br/camaranoticias/noticias/administracao- PUBLICA/ CAMARA-ANALISA-COBRANCA-DE-ISS-SOBRE-SERVICOS-DE- COMPUTACAO-EM-NUVEM.html>. Acesso em: 30 mai BORGES, Humberto Bonavides. Gerência de Impostos. São Paulo: Atlas, BRASIL. Constituição (1998). Lex: Código Tributário Nacional e Coletânea de Legislação. 20 ed. São Paulo: Saraiva, Constituição Federal de Disponível em: <http://www.receita.fazenda.gov.br/legislacao/constituicaofederal/constfedtitulovi.htm>. Acesso em: 10 abr Lei 9.609, de 19 de fevereiro de Dispõe sobre a proteção da propriedade intelectual de programa de computador, sua comercialização no País, e dá outras providências. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9609.htm>. Acesso em: 09 abr Lei 9.610, de 19 de fevereiro de Altera, atualiza e consolida a legislação sobre direitos autorais e dá outras providências. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato /2013/lei/l12853.htm>. Acesso em: 09 abr Lei Complementar 116, de 31 de julho de Dispõe sobre o Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza, de competência dos Municípios e do Distrito Federal, e dá outras providências. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/lcp/lcp116.htm>. Acesso em: 09 abr Supremo Tribunal de Justiça STF Recurso Extraordinário: RE SP. Disponível em: <http://stf.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/ /recurso-extraordinariore sp>. Acesso em: 20 maio CAETANO, Cristiano. Teste nas Nuvens. Revista Engenharia de Software Magazine. Virtual, n. 46,08 mar Disponível em: <http://www.devmedia.com.br/teste-nas-nuvensrevista-engenharia-de-software-magazine-46/23816>. Acesso em: 27 mai Câmara dos Deputados (Brasil). Projeto de Lei Complementar (PLC) 171/2012. Disponível em: <http://www.camara.gov.br/proposicoesweb/fichadetramitacao?idproposicao=543746>. Acesso em: 30 maio 2014.

16 15 CARNEIRO, Ricardo José Gouveia; RAMOS, Cleisson Christian Lima da Costa. A Segurança na prestação e uso das informações na computação nas nuvens. Disponível em: <http://www.4learn.pro.br/guarino/sd/08-cloud%20computing.pdf>. Acesso em: 26 maio CERVO, Amado Luiz; BERVIAN, Pedro Alcino; DA SILVA, Roberto. Metodologia Científica. São Paulo: Pearson, COSTA, Jacqueline Mayer da. Da incidência (ou não) do ISS e do ICMS sobre o software no regime tributário brasileiro. Revista do Centro Acadêmico Afonso Pena, v. 12, n. 1, Disponível em: <http://www.google.com.br/url?sa=t&rct=j&q=&esrc=s&source=web&cd=1&cad=rja&uact= 8&ved=0CB0QFjAA&url=http%3A%2F%2Fwww2.direito.ufmg.br%2Frevistadocaap%2Fin dex.php%2frevista%2farticle%2fdownload%2f30%2f29&ei=v1bnvobenym1sqsn34 HgDQ&usg=AFQjCNHCCXZQ16YjVCMTdfj8OIBGRxTPJQ&sig2=gC3j8unexGzjEDDQ VjVUBw>. Acesso em: 06 out GARTNER, Consultoria. Gartner: 5 principais atributos da computação em nuvem. Disponível em: <http://computerworld.com.br/gestao/2009/07/02/gartner-5-principaisatributos-da-computacao-em-nuvem/>. Acesso em: 27 maio GERHARDT, Tatiana Engel; SILVEIRA, Denise Tolfo. Métodos de Pesquisa. Porto Alegre: UFRGS, Disponível em: <http://www.ufrgs.br/cursopgdr/downloadsserie/derad005.pdf>. Acesso em: 02 out GIL, Antonio Carlos. Como Elaborar Projetos de Pesquisa. São Paulo: Atlas, GUTIERREZ, Regina M. V.; ALEXANDRE, Patrícia Vieira Machado. Complexo Eletrônico: introdução ao software. BNDS Setorial, Rio de Janeiro, n. 20, p. 3-76, set Disponível em: <http://www.bndes.gov.br/sitebndes/export/sites/default/bndes_pt/galerias/arquivos/conhe cimento/bnset/set2001.pdf>. Acesso em: 25 maio LAKATOS, Eva Maria; MARCONI, Marina de Andrade. Fundamentos de Metodologia Científica. São Paulo: Atlas, Metodologia do Trabalho Científico. São Paulo: Atlas, Técnicas de Pesquisa. São Paulo: Atlas, LEONETTI, Carlos Araujo. Novas Tendências na Tributação do Comércio Eletrônico. Disponível em: <http://www.publicadireito.com.br/conpedi/manaus/arquivos/anais/sao_paulo/2336.pdf>. Acesso em: 10 out MACHADO, Hugo de Brito. Curso de direito tributário. São Paulo: Malheiros ed. Disponível em: <http://minhateca.com.br/gildohp/concursos/livros+de+direito+e+concursos/tribut*c3*a1r io+previdenci*c3*a1rio+agrario/curso+de+direito+tribut*d0*b0rio+- +Hugo+de+Brito+Machado, pdf>. Acesso em: 30 maio 2014.

17 16 MOTTA FILHO, Marcello Martins. A Tributação do Software. Revista de Direito Tributário da Editora Malheiros, 2000, vol. 77, p. 285/291. Disponível em: <http://www.motta.adv.br/pdf/%7bca858e10-83c5-473b-a735-1b57e %7d_a%20tributa%c3%a7%c3%a3o%20do%20software.pdf>. Acesso em: 27 maio NOGUEIRA, Matheus C.; PEZZI, Daniel da C. A Computação Agora é nas Nuvens. Disponível em: <http://www.lbd.dcc.ufmg.br/colecoes/erad-rs/2010/009.pdf>. Acesso em: 13 set OLIVEIRA, André da Silva Andrino de. A Tributação do Programa de Computador Padronizado Disponível em: <http://www.barrosvecchio.com.br/artigos/pdf/tributacao.pdf>. Acesso em: 15 maio Resposta à Consulta nº 691/86, de 01/06/1987. Programa de computador (SOFTWARE) - SOFTWARE elaborado sob encomenda e SOFTWARE elaborado para comercialização tributalidade. Disponível em: <http://bd.cenofisco.com.br/bd/bd.dll/ricmssp/ricmssp_26f/ricmssp_1031/ricmssp_1046/ric mssp_105e>. Acesso em: 20 maio RICHARDSON, Roberto Jarry (org.). Pesquisa Social Métodos e Técnicas. São Paulo: Atlas, RUIZ, João Álvaro. Metodologia Científica. São Paulo: Atlas, RUSCHEL, Henrique; ZANOTTO, Mariana Susan; MOTA, Welton Costa da. Computação em nuvem. Pontifícia Universidade Católica do Paraná, Curitiba, p.1-15, 01 abr Disponível em: <http://www.ppgia.pucpr.br/~jamhour/rss/tccrss08b/welton Costa da Mota - Artigo.pdf>. Acesso em: 01 jun SANTOS, Eduardo Barbosa dos. Conflito de Competência entre as Hipóteses de Incidência de ICMS e ISS na Cloud Computing-Software as a Service. Disponível em: <http://www.lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/36538/ pdf?sequence=1>. Acesso em: 10 out SOUTO, Luiza de Brito Dutra. Da Subsunção da Contratação de Acesso a Softwares Disponibilizados em Nuvem (Softwares as a Service) às Hipóteses de Incidência do ICMS e ISS. Brasília, Disponível em: <http://bdm.unb.br/bitstream/10483/4784/1/2013_luisadebritodutrasouto.pdf>. Acesso em: 15 set

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR N.º 171, DE 2012 (Do Sr. Carlos Bezerra)

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR N.º 171, DE 2012 (Do Sr. Carlos Bezerra) CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR N.º 171, DE 2012 (Do Sr. Carlos Bezerra) Modifica a Lista de Serviços anexa à Lei Complementar nº 116, de 31 de julho de 2003, que dispõe sobre o Imposto

Leia mais

TRIBUTAÇÃO NAS NUVENS Uma Regulação em Debate

TRIBUTAÇÃO NAS NUVENS Uma Regulação em Debate TRIBUTAÇÃO NAS NUVENS Uma Regulação em Debate Workshop Divisão Tributária 18.04.2013 CIESP - CAMPINAS PROGRAMA 1. BREVE INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO EM NUVEM 2. PRINCIPAIS OPERAÇÕES E ASPECTOS TRIBUTÁRIOS POLÊMICOS

Leia mais

TRIBUTAÇÃO NA NUVEM. Tax Friday 21 de outubro de 2011 AMCHAM - RJ

TRIBUTAÇÃO NA NUVEM. Tax Friday 21 de outubro de 2011 AMCHAM - RJ TRIBUTAÇÃO NA NUVEM Tax Friday 21 de outubro de 2011 AMCHAM - RJ PROGRAMA 1. INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO EM NUVEM CONCEITOS APLICÁVEIS 2. PRINCIPAIS OPERAÇÕES E ASPECTOS TRIBUTÁRIOS POLÊMICOS INTRODUÇÃO À

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Incidência Tributária sobre operações comerciais envolvendo software Fabiano Pereira dos Santos I Introdução; II Conceito de software; III A questão tributária; IV - Jurisprudência;

Leia mais

Computação nas Nuvens (Cloud Computing)

Computação nas Nuvens (Cloud Computing) Computação nas Nuvens (Cloud Computing) Aproximação: webmail Conceito (impreciso): virtualização via internet Computação nas Nuvens (Cloud Computing) Modalidades: Infraestrutura como Serviço (Infraestructure

Leia mais

As alterações tecnológicas na internet e os conflitos de incidência entre o ICMS e o ISS

As alterações tecnológicas na internet e os conflitos de incidência entre o ICMS e o ISS As alterações tecnológicas na internet e os conflitos de incidência entre o ICMS e o ISS Luciano Garcia Miguel Doutorando PUC/SP e diretor da Consultoria Tributária em SP Origem do problema Estrutura do

Leia mais

UMA VISÃO GERAL DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM

UMA VISÃO GERAL DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM UMA VISÃO GERAL DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM Ederson dos Santos Cordeiro de Oliveira 1, Tiago Piperno Bonetti 1, Ricardo Germano 1 ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil edersonlikers@gmail.com,

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br ICMS no Contrato de Demanda Reservada de Potência de Energia Elétrica Tenille Gomes Freitas* 1. ICMS O ICMS (imposto sobre operações relativas à circulação de mercadorias e sobre

Leia mais

Fundamentos. 3.1 Nesse sentido, traz os seguintes questionamentos:

Fundamentos. 3.1 Nesse sentido, traz os seguintes questionamentos: Fls. 2 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 11 - Data 29 de agosto de 2013 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS PREVIDENCIÁRIAS Contribuição Previdenciária incidente

Leia mais

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Aula 1 Conceitos da Computação em Nuvem A computação em nuvem ou cloud computing

Leia mais

"ISS e questões polêmicas Decisões judiciais relevantes em 2012/2013" Primeiro Seminário Alterações Fiscais - 2013

ISS e questões polêmicas Decisões judiciais relevantes em 2012/2013 Primeiro Seminário Alterações Fiscais - 2013 www.pwc.com/br "ISS e questões polêmicas Decisões judiciais relevantes em 2012/2013" Primeiro Seminário Alterações Fiscais - 2013 Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil Abril 2013 Agenda Seção

Leia mais

IMPORTAÇÃO POR CONTA E ORDEM À LUZ DO CONVÊNIO ICMS Nº 36, DE 26 DE MARÇO DE 2010

IMPORTAÇÃO POR CONTA E ORDEM À LUZ DO CONVÊNIO ICMS Nº 36, DE 26 DE MARÇO DE 2010 IMPORTAÇÃO POR CONTA E ORDEM À LUZ DO CONVÊNIO ICMS Nº 36, DE 26 DE MARÇO DE 2010 Rinaldo Maciel de Freitas * Nas operações de comércio exterior, é preciso entender a existência de duas modalidades de

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos ICMS-SP Transferência de mercadoria entre estabelecimento de mesmo titular.

Parecer Consultoria Tributária Segmentos ICMS-SP Transferência de mercadoria entre estabelecimento de mesmo titular. ICMS-SP Transferência de mercadoria entre estabelecimento de mesmo titular. 13/02/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria...

Leia mais

UMA INTRODUÇÃO SIGNIFICATIVA SOBRE COMPUTAÇÃO NAS NUVENS (CLOUD COMPUTING)

UMA INTRODUÇÃO SIGNIFICATIVA SOBRE COMPUTAÇÃO NAS NUVENS (CLOUD COMPUTING) UMA INTRODUÇÃO SIGNIFICATIVA SOBRE COMPUTAÇÃO NAS NUVENS (CLOUD COMPUTING) Thiago Batista de Oliveira¹, Júlio César Pereira¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil thiagoolyveira@gmail.com,juliocesarp@unipar.br

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Operações com Mercadorias em Hotéis - ICMS ISS - Cupom

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Operações com Mercadorias em Hotéis - ICMS ISS - Cupom Operações com Mercadorias em Hotéis - ICMS ISS - Cupom 24/09/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 3 3.1 Incidência dos

Leia mais

Palavras-chave: Tecnologia da Informação, Armazenamento, Nuvem, Internet.

Palavras-chave: Tecnologia da Informação, Armazenamento, Nuvem, Internet. 1 COMPUTAÇÃO EM NUVEM Leonardo André Junges 1 Neimar Sierota 2 Palavras-chave: Tecnologia da Informação, Armazenamento, Nuvem, Internet. 1 INTRODUÇÃO Nos dias atuais encontramos tudo ou praticamente tudo

Leia mais

Proposta de Avaliação de Empresas para o uso do SAAS

Proposta de Avaliação de Empresas para o uso do SAAS 1 INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PÓS-GRADUAÇÃO Gestão e Tecnologia da Informação/ IFTI 1402 Turma 25 09 de abril de 2015 Proposta de Avaliação de Empresas para o uso do SAAS Raphael Henrique Duarte

Leia mais

Tributação do Cloud Computing É Uma Incógnita

Tributação do Cloud Computing É Uma Incógnita Tributação do Cloud Computing É Uma Incógnita Por André Iizuka 1 A convergência da Tecnologia da Informação e das Telecomunicações tem gerado uma fantástica explosão de soluções virtuais à disposição do

Leia mais

FATO GERADOR DO ICMS NA IMPORTAÇÃO RE 540.829-SP - 11/09/2014

FATO GERADOR DO ICMS NA IMPORTAÇÃO RE 540.829-SP - 11/09/2014 FATO GERADOR DO ICMS NA IMPORTAÇÃO RE 540.829-SP - 11/09/2014 ASPECTOS HISTÓRICOS Em passado remoto, o Estado de São Paulo tentou instituir a cobrança do ICMS na importação de mercadorias e o fez por decreto.

Leia mais

PARECER Nº, DE 2015. RELATOR: Senador FLEXA RIBEIRO

PARECER Nº, DE 2015. RELATOR: Senador FLEXA RIBEIRO PARECER Nº, DE 2015 Da COMISSÃO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA, INOVAÇÃO, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA, sobre o Projeto de Lei do Senado n 501, de 2013 Complementar, que altera a Lei Complementar n 116, de 31 de

Leia mais

CLOUD. tendências CLOUD. entendendo e contratando assertivamente. Agosto/2012 INFORMATIVO TECNOLÓGICO DA PRODESP EDIÇÃO 02

CLOUD. tendências CLOUD. entendendo e contratando assertivamente. Agosto/2012 INFORMATIVO TECNOLÓGICO DA PRODESP EDIÇÃO 02 tendências CLOUD EDIÇÃO 02 Agosto/2012 CLOUD O conceito de nuvem é nebuloso Como uma organização pode contratar assertivamente Serviços em Cloud? Quais são os principais riscos de um contrato de Cloud

Leia mais

1-RELATÓRIO 2- FUNDAMENTAÇÃO 2-1 QUANTO AO IMPOSTO SOBRE SERVIÇOS-ISS PARECER: 42 / 2009

1-RELATÓRIO 2- FUNDAMENTAÇÃO 2-1 QUANTO AO IMPOSTO SOBRE SERVIÇOS-ISS PARECER: 42 / 2009 PARECER: 42 / 2009 ASSUNTO: Consulta sobre necessidade ou não de apresentação de nota fiscal de serviços ou de circulação de mercadorias para o recebimento de pagamento de valores de locação de automóvel

Leia mais

Renan Borges Pereira¹, Paulo Henrique Gomes Barbosa². Faculdade de Tecnologia de Ourinhos FATEC. renanzaum_1@hotmail.com¹, paulohgb_15@hotmail.

Renan Borges Pereira¹, Paulo Henrique Gomes Barbosa². Faculdade de Tecnologia de Ourinhos FATEC. renanzaum_1@hotmail.com¹, paulohgb_15@hotmail. Renan Borges Pereira¹, Paulo Henrique Gomes Barbosa² Faculdade de Tecnologia de Ourinhos FATEC renanzaum_1@hotmail.com¹, paulohgb_15@hotmail.com² INTRODUÇÃO O modelo de software como um serviço (SaaS)

Leia mais

Controladoria MANUAL DO Estratégica

Controladoria MANUAL DO Estratégica Controladoria MANUAL DO Estratégica ALUNO 2010 Universidade Cruzeiro do Sul www.cruzeirodosul.edu.br Unidade: Planejamento Tributário (Parte I) MATERIAL TEÓRICO Responsável pelo Conteúdo: Prof. Esp. Daniel

Leia mais

A CONTABILIDADE E SUA IMPORTÂNCIA PARA UM GRUPO DE EMPRESAS COMERCIAIS 1

A CONTABILIDADE E SUA IMPORTÂNCIA PARA UM GRUPO DE EMPRESAS COMERCIAIS 1 A CONTABILIDADE E SUA IMPORTÂNCIA PARA UM GRUPO DE EMPRESAS COMERCIAIS 1 SILVA, Cleusa Pereira da 2 ; FELICE, Luciana Maria Vizzotto 4 ; LORENZETT, Daniel Benitti 3 ; VIERO, Claudinei 4 1 Trabalho de Pesquisa

Leia mais

CONCEITOS E APLICAÇÕES DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM

CONCEITOS E APLICAÇÕES DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM CONCEITOS E APLICAÇÕES DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM Rogério Schueroff Vandresen¹, Willian Barbosa Magalhães¹ ¹Universidade Paranaense(UNIPAR) Paranavaí-PR-Brasil rogeriovandresen@gmail.com, wmagalhaes@unipar.br

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br O Simples nacional e o regime de estimativa do ISSQN Francisco José Gomes * Introdução A Lei Complementar nº 123, de 14 de dezembro de 2006, que instituiu o Estatuto Nacional da

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça EMBARGOS DE DIVERGÊNCIA EM RESP Nº 456.650 - PR (2003/0223462-0) RELATOR : MINISTRO JOSÉ DELGADO R.P/ACÓRDÃO : MINISTRO FRANCIULLI NETTO EMBARGANTE : ESTADO DO PARANÁ PROCURADOR : CÉSAR AUGUSTO BINDER

Leia mais

INFORMATIVO JURÍDICO

INFORMATIVO JURÍDICO 1 ROSENTHAL E SARFATIS METTA ADVOGADOS INFORMATIVO JURÍDICO NÚMERO 5, ANO III MAIO DE 2011 1 ESTADO NÃO PODE RECUSAR CRÉDITOS DE ICMS DECORRENTES DE INCENTIVOS FISCAIS Fiscos Estaduais não podem autuar

Leia mais

14/IN01/DSIC/GSIPR 00 30/JAN/12 1/7

14/IN01/DSIC/GSIPR 00 30/JAN/12 1/7 14/IN01/DSIC/GSIPR 00 30/JAN/12 1/7 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Gabinete de Segurança Institucional Departamento de Segurança da Informação ORIGEM e Comunicações Departamento de Segurança da Informação e

Leia mais

Distrito Federal > Novembro/2015

Distrito Federal > Novembro/2015 OBS: As informações contidas nesta página são de caráter informativo, não dispensando a consulta a um profissional especializado, devido à freqüência com que os conteúdos sofrem alterações. Distrito Federal

Leia mais

INFORMÁTICA PRODUTOS E PROGRAMAS

INFORMÁTICA PRODUTOS E PROGRAMAS atualizado em 21/10/2015 2 ÍNDICE INTRODUÇÃO...5 1. PROGRAMA DE COMPUTADOR ( SOFTWARE ) NÃO PERSONALIZADO...7 1.1. Saída Interna...7 1.1.1. Isenção...7 1.1.2. Crédito Presumido...7 1.2. Saída Interestadual...8

Leia mais

2 Computação na Nuvem

2 Computação na Nuvem 18 2 Computação na Nuvem 2.1 Definição A ideia essencial da computação na nuvem é permitir um novo modelo onde o consumo de recursos computacionais, e.g., armazenamento, processamento, banda entrada e

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 2 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 123 - Data 28 de maio de 2014 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: IMPOSTO SOBRE A RENDA DE PESSOA JURÍDICA - IRPJ LUCRO PRESUMIDO. VENDA

Leia mais

EMBRATEL ENTREVISTA: Pietro Delai IDC Brasil DATA CENTER VIRTUAL - DCV

EMBRATEL ENTREVISTA: Pietro Delai IDC Brasil DATA CENTER VIRTUAL - DCV EMBRATEL ENTREVISTA: Pietro Delai IDC Brasil DATA CENTER VIRTUAL - DCV DATA CENTER VIRTUAL - DCV Em entrevista, Pietro Delai, Gerente de Pesquisa e Consultoria da IDC Brasil relata os principais avanços

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Locacao de Bens Moveis

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Locacao de Bens Moveis Locacao 03/04/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas pelo Cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 3 3.1. Lei Complementar 116/2003... 3 3.2. Mensagem 362/2003... 4 3.3.

Leia mais

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Disciplina - Sistemas Distribuídos Prof. Andrey Halysson Lima Barbosa Aula 12 Computação em Nuvem Sumário Introdução Arquitetura Provedores

Leia mais

Rejane de Souza Pinheiro Wendell Simão da Rocha

Rejane de Souza Pinheiro Wendell Simão da Rocha Planejamento Tributário de Micro e Pequenas Empresas: um estudo exploratório sobre a oferta desses serviços para empresários da Região Administrativa de Taguatinga - DF Rejane de Souza Pinheiro Wendell

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA SMFA Nº 01/2010

INSTRUÇÃO NORMATIVA SMFA Nº 01/2010 INSTRUÇÃO NORMATIVA SMFA Nº 01/2010 Define as regras e os prestadores de serviços e substitutos tributários do Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza obrigados a efetuar a Declaração Eletrônica Mensal

Leia mais

As distribuidoras de energia elétrica e o ISS

As distribuidoras de energia elétrica e o ISS As distribuidoras de energia elétrica e o ISS Introdução Como se sabe, a produção, a importação, a circulação, a distribuição ou o consumo de energia elétrica podem provocar a incidência do ICMS, exceto

Leia mais

Infraestrutura: devo usar a nuvem? Prof. Artur Clayton Jovanelli

Infraestrutura: devo usar a nuvem? Prof. Artur Clayton Jovanelli Infraestrutura: devo usar a nuvem? Prof. Artur Clayton Jovanelli Conceitos principais Nuvem Local Dados (informações) Profissional Pessoal Procedimento padrão (modelo) Produzir Armazenar Como era... Como

Leia mais

AMBIENTE VIRTUAL DE APOIO AO ALUNO Pesquisa em andamento: resultados preliminares

AMBIENTE VIRTUAL DE APOIO AO ALUNO Pesquisa em andamento: resultados preliminares AMBIENTE VIRTUAL DE APOIO AO ALUNO Pesquisa em andamento: resultados preliminares Denis Lacerda Paes 1 ; Angelo Augusto Frozza 2 RESUMO O trabalho apresentado visa desenvolver uma aplicação baseada em

Leia mais

CONCEITOS E INSTRUÇÕES. Índice

CONCEITOS E INSTRUÇÕES. Índice CONCEITOS E INSTRUÇÕES Índice 1. CONCEITOS... 2 1.1. O QUE É SERVIÇO?... 2 1.2. O QUE É CONSULTORIA?... 2 1.3. O QUE É ASSESSORIA?... 2 1.4. O QUE É SUPORTE TÉCNICO?... 2 1.5. QUAL A DIFERENÇA ENTRE SUPORTE

Leia mais

ICMS FRACIONAMENTO DA BASE DE CÁLCULO EM ELEMENTOS AUTÔNOMOS JOSÉ EDUARDO SOARES DE MELO FESDT/GRAMADO 23.10.14

ICMS FRACIONAMENTO DA BASE DE CÁLCULO EM ELEMENTOS AUTÔNOMOS JOSÉ EDUARDO SOARES DE MELO FESDT/GRAMADO 23.10.14 ICMS FRACIONAMENTO DA BASE DE CÁLCULO EM ELEMENTOS AUTÔNOMOS JOSÉ EDUARDO SOARES DE MELO FESDT/GRAMADO 23.10.14 I. TELECOMUNICAÇÕES Incidência: Prestação de serviços de comunicação, por qualquer meio,

Leia mais

GIS Cloud na Prática. Fabiano Cucolo 26/08/2015

GIS Cloud na Prática. Fabiano Cucolo 26/08/2015 GIS Cloud na Prática Fabiano Cucolo 26/08/2015 Um pouco sobre o palestrante Fabiano Cucolo fabiano@soloverdi.com.br 11-98266-0244 (WhatsApp) Consultor de Geotecnologias Soloverdi Engenharia www.soloverdi.com.br.

Leia mais

ANALISE DA FORMA DE ESTRUTURAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NAS EMPRESAS

ANALISE DA FORMA DE ESTRUTURAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NAS EMPRESAS ANALISE DA FORMA DE ESTRUTURAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NAS EMPRESAS Autores: Alexandre Costa Quintana Daniele Pereira Mesquita RESUMO A forma de estruturação das demonstrações contábeis é fundamental

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Cluster, Grid e computação em nuvem Slide 8 Nielsen C. Damasceno Introdução Inicialmente, os ambientes distribuídos eram formados através de um cluster. Com o avanço das tecnologias

Leia mais

Fato gerador do ISS. Kiyoshi Harada*

Fato gerador do ISS. Kiyoshi Harada* Fato gerador do ISS Kiyoshi Harada* Este é um tema aparentemente pacífico, mas na prática vem causando muitas dúvidas. senão confusões. Façamos considerações pertinentes para melhor explicitar o aspecto

Leia mais

LEI Nº 12.546/2011 (MP 540/2011) ORIENTAÇÕES PRÁTICAS - DESONERAÇÃO FOLHA DE PAGAMENTO TI/TIC

LEI Nº 12.546/2011 (MP 540/2011) ORIENTAÇÕES PRÁTICAS - DESONERAÇÃO FOLHA DE PAGAMENTO TI/TIC LEI Nº 12.546/2011 (MP 540/2011) ORIENTAÇÕES PRÁTICAS - DESONERAÇÃO FOLHA DE PAGAMENTO TI/TIC 1 INTRODUÇÃO Em 15 de dezembro de 2011 a Presidente da República SANCIONOU a Lei nº 12.546/2011 (decorrente

Leia mais

CONTABILIDADE COMERCIAL

CONTABILIDADE COMERCIAL CONTABILIDADE COMERCIAL Klebson Moura Rodrigues Prof. Tutor Externo: Diana Claudia Freire Centro Universitário Leonardo da Vinci UNIASSELVI Ciências Contábeis (CTB 0043) Prática do Módulo IV 22/05/2012

Leia mais

O USO E DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARES EM MICRO E PEQUENAS EMPRESAS* THE USE AND DEVELOPMENT OF SOFTWARE IN MICRO AND SMALL ENTERPRISES

O USO E DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARES EM MICRO E PEQUENAS EMPRESAS* THE USE AND DEVELOPMENT OF SOFTWARE IN MICRO AND SMALL ENTERPRISES O USO E DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARES EM MICRO E PEQUENAS EMPRESAS* THE USE AND DEVELOPMENT OF SOFTWARE IN MICRO AND SMALL ENTERPRISES Rodolfo Miranda Pereira 1 Tania Fatima Calvi Tait 2 Donizete Carlos

Leia mais

É o relatório, passa-se a opinar.

É o relatório, passa-se a opinar. São Paulo, 18 de outubro de 2013. A ABMI ASSOCIAÇAO BRASILEIRA DA MUSICA INDEPENDENTE Ref: Parecer EC75-2013 Transmitido para o endereço eletrônico: lpegorer@abmi.com.br Prezada Sra. Luciana, O breve parecer

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DE 1988 ART. 156. COMPETE AOS MUNICÍPIOS INSTITUIR IMPOSTO SOBRE: I- PROPRIEDADE PREDIAL E TERRITORIAL URBANA

CONSTITUIÇÃO DE 1988 ART. 156. COMPETE AOS MUNICÍPIOS INSTITUIR IMPOSTO SOBRE: I- PROPRIEDADE PREDIAL E TERRITORIAL URBANA IMPOSTO SOBRE A PROPRIEDADE PREDIAL E TERRITORIAL URBANA ART. 32. O IMPOSTO, DE COMPETÊNCIA DOS MUNICÍPIOS, SOBRE A PROPRIEDADE PREDIAL E TERRITORIAL URBANA TEM COMO FATO GERADOR A PROPRIEDADE, O DOMÍNIO

Leia mais

ASSUNTO: ESTADO DE DESTINO NÃO PODE COBRAR ICMS NAS COMPRAS VIA INTERNET

ASSUNTO: ESTADO DE DESTINO NÃO PODE COBRAR ICMS NAS COMPRAS VIA INTERNET ASSUNTO: ESTADO DE DESTINO NÃO PODE COBRAR ICMS NAS COMPRAS VIA INTERNET 1- INTRODUÇÃO 1. Em 2011, foi firmado entre 17 (dezessete) estados, mais o Distrito Federal, via CONFAZ (Conselho Nacional de Política

Leia mais

SAD Gestor ERP. Módulo Estoque. Cadastro de Produto Escrita Fiscal. Seja Bem Vindo!

SAD Gestor ERP. Módulo Estoque. Cadastro de Produto Escrita Fiscal. Seja Bem Vindo! SAD Gestor ERP Módulo Estoque Cadastro de Produto Escrita Fiscal Seja Bem Vindo! Introdução O planejamento tributário deve fazer parte do cotidiano da empresa. É uma decisão estratégica que pode determinar

Leia mais

PROPOSTA COMERCIAL Produto: Servidores Dedicados Gerenciados

PROPOSTA COMERCIAL Produto: Servidores Dedicados Gerenciados PROPOSTA COMERCIAL Produto: Servidores Dedicados Gerenciados Página 1 de 10 Sumário SOBRE A LOCAWEB 3 INFRAESTRUTURA DO DATA CENTER 4 SOLUÇÃO PROPOSTA 5 DESCRIÇÃO DOS SERVIÇOS INCLUSOS 6 CONDIÇÕES COMERCIAIS

Leia mais

PUBLICADO NO ÓRGÃO OFICIAL DO MUNICÍPIO Nº 1750 DO DIA 06/08/2012.

PUBLICADO NO ÓRGÃO OFICIAL DO MUNICÍPIO Nº 1750 DO DIA 06/08/2012. PUBLICADO NO ÓRGÃO OFICIAL DO MUNICÍPIO Nº 1750 DO DIA 06/08/2012. DECRETO N 1426/2012 Regulamenta a entrega da Declaração Mensal de Serviços Eletrônica por prestadores e tomadores de serviços e dá outras

Leia mais

Convém ressaltar, de início, que o benefício do diferimento não se confunde com a isenção ou com a suspensão do imposto.

Convém ressaltar, de início, que o benefício do diferimento não se confunde com a isenção ou com a suspensão do imposto. ICMS/SP - Diferimento - Tratamento fiscal 6 de Abril de 2010 Em face da publicação do Decreto nº 55.305/2009 - DOE SP de 31.12.2009, este procedimento foi atualizado (tópico 9 - bens do ativo imobilizado

Leia mais

Excelentíssimo Senhor Presidente da República,

Excelentíssimo Senhor Presidente da República, EM Interministerial nº 113/2006 - MF/MEC Brasília, 11 de outubro de 2006. Excelentíssimo Senhor Presidente da República, Temos a honra de submeter à apreciação de Vossa Excelência o presente Projeto de

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais Administração de Sistemas de Informação Gerenciais UNIDADE III: Infraestrutura de Tecnologia da Informação Atualmente, a infraestrutura de TI é composta por cinco elementos principais: hardware, software,

Leia mais

Cadeia tributária nacional Exemplo prático. Autor: Ader Fernando Alves de Pádua

Cadeia tributária nacional Exemplo prático. Autor: Ader Fernando Alves de Pádua Cadeia tributária nacional Exemplo prático Autor: Ader Fernando Alves de Pádua RESUMO O presente artigo demonstra de forma clara e objetiva as varias fases da cadeia tributária nacional, criando um exemplo

Leia mais

OBRIGATORIEDADE DA EVIDENCIAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

OBRIGATORIEDADE DA EVIDENCIAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS OBRIGATORIEDADE DA EVIDENCIAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Marivane Orsolin 1 ; Marlene Fiorentin 2 ; Odir Luiz Fank Palavras-chave: Lei nº 11.638/2007. Balanço patrimonial. Demonstração do resultado

Leia mais

INFORMÁTICA PRODUTOS E PROGRAMAS. (atualizado até 28.04.2015)

INFORMÁTICA PRODUTOS E PROGRAMAS. (atualizado até 28.04.2015) (atualizado até 28.04.2015) ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 1. PROGRAMA DE COMPUTADOR ( SOFTWARE ) NÃO PERSONALIZADO... 4 1.1. SAÍDA INTERNA... 4 1.1.1. Isenção... 4 1.1.2. Crédito Presumido... 4 1.2. SAÍDA INTERESTADUAL...

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 2689. I - constituir um ou mais representantes no País; II - preencher formulário, cujo modelo constitui o Anexo a esta Resolução;

RESOLUÇÃO Nº 2689. I - constituir um ou mais representantes no País; II - preencher formulário, cujo modelo constitui o Anexo a esta Resolução; RESOLUÇÃO Nº 2689 Dispõe sobre aplicações de investidor não residente nos mercados financeiro e de capitais. O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do art. 9º da Lei nº 4.595, de 31 de dezembro de 1964, torna

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE APLICAÇÕES GRATUITAS EM NUVEM

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE APLICAÇÕES GRATUITAS EM NUVEM ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE APLICAÇÕES GRATUITAS EM NUVEM Pedro Victor Fortunato Lima, Ricardo Ribeiro Rufino Universidade Paranaense UNIPAR Paranavaí Paraná Brasil pedrin_victor@hotmail.com, ricardo@unipar.br

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS DO EMPREGADO A LUZ DAS NORMAS DO REGIMENTO GERAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RGPS

CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS DO EMPREGADO A LUZ DAS NORMAS DO REGIMENTO GERAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RGPS CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS DO EMPREGADO A LUZ DAS NORMAS DO REGIMENTO GERAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RGPS Ricardo Benevenuti Santolini 1 Resumo: A norma jurídica possui como princípio basilar regulamentar a conduta

Leia mais

Computação nas Nuvens

Computação nas Nuvens Computação nas Nuvens TÓPICOS Introdução Internet: O fundamento principal O que é Computação em Nuvens Vantagens Dúvidas Corrida pela tecnologia Trabalhos Futuros Conclusão Referências 2 TÓPICOS Introdução

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Breves considerações tributárias quanto a atividade de empresário (antiga firma individual) na atividade de representação comercial Juliano César Borges de Vito* Um dos fatores preponderantes

Leia mais

Seminário Comercialização de Seguros e Previdência Complementar por Meios não Presenciais

Seminário Comercialização de Seguros e Previdência Complementar por Meios não Presenciais Seminário Comercialização de Seguros e Previdência Complementar por Meios não Presenciais Como havíamos falado no evento que realizamos no mês de abril/14 em parceria com a Funenseg, recebemos dos participantes

Leia mais

CLOUD COMPUTING NAS EMPRESAS: NUVEM PÚBLICA OU NUVEM PRIVADA? nubeliu.com

CLOUD COMPUTING NAS EMPRESAS: NUVEM PÚBLICA OU NUVEM PRIVADA? nubeliu.com CLOUD COMPUTING NAS EMPRESAS: NUVEM PÚBLICA OU NUVEM PRIVADA? nubeliu.com SUMÁRIO Introdução... 4 Nuvem pública: quando ela é ideal... 9 Nuvem privada: quando utilizá-la... 12 Alternativas de sistemas

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Incidência de ISS ou ICMS nas Operações de Transportes- SP

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Incidência de ISS ou ICMS nas Operações de Transportes- SP Incidência de ISS ou ICMS nas Operações de Transportes- SP 16/06/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 3 3.1 Incidência

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS MISSÃO DO CURSO A concepção do curso de Análise e Desenvolvimento de Sistemas está alinhada a essas novas demandas

Leia mais

DECRETO N. 134/2010, DE 28 DE OUTUBRO DE 2010.

DECRETO N. 134/2010, DE 28 DE OUTUBRO DE 2010. DECRETO N. 134/2010, DE 28 DE OUTUBRO DE 2010. Institui o gerenciamento eletrônico do ISS - Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza - e a emissão de Documento de Arrecadação Municipal - DAM - por meios

Leia mais

4. Padrão Mínimo de Qualidade dos Sistemas Integrados de Administração Financeira e Controle

4. Padrão Mínimo de Qualidade dos Sistemas Integrados de Administração Financeira e Controle 4. Padrão Mínimo de Qualidade dos Sistemas Integrados de Administração Financeira e Controle Luís Eduardo Vieira Superintendência de Gestão Técnica SGT Financeira e Controle. Introdução A transparência

Leia mais

Sistema Integrado de Comércio Exterior de Serviços, Intangíveis e Outras Operações que Produzam Variações no Patrimônio SISCOSERV

Sistema Integrado de Comércio Exterior de Serviços, Intangíveis e Outras Operações que Produzam Variações no Patrimônio SISCOSERV Sistema Integrado de Comércio Exterior de Serviços, Intangíveis e Outras Operações que Produzam Variações no Patrimônio SISCOSERV Origem Acordo de cooperação técnica firmado entre a Secretaria de Comércio

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS ALEXANDRE PRADO BARBOSA RELATÓRIO DE ESTÁGIO Ponta Grossa 2012 ALEXANDRE PRADO BARBOSA Relatório

Leia mais

OBS: 2. Este material não esgota e não pretender ser material único para àqueles que decidirem implantar a NF-e. RICMS

OBS: 2. Este material não esgota e não pretender ser material único para àqueles que decidirem implantar a NF-e. RICMS OBS: 1. Este levantamento foi elaborado com base em cópia de textos do RICMS disponibilizados no site da Secretaria da Fazenda de SC em 05/12/2008 e serve como material de consulta para aqueles que querem

Leia mais

Arquiteturas Paralelas e Distribuídas

Arquiteturas Paralelas e Distribuídas Arquiteturas Paralelas e Distribuídas TSI-6AN Apresentado por: Cleber Schroeder Fonseca 1 CLOUD COMPUTING 2 Cloud Computing A expressão cloud computing (computação nas nuvens) começou a ganhar força em

Leia mais

CENTRO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA VISCONDE DE CAIRU CEPPEV CURSO: GESTÃO DE DATACENTER E COMPUTAÇÃO EM NUVEM 2013.2

CENTRO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA VISCONDE DE CAIRU CEPPEV CURSO: GESTÃO DE DATACENTER E COMPUTAÇÃO EM NUVEM 2013.2 NÚMERO DE VAGAS: 25 (Vinte e Cinco) Vagas. PREVISÃO DE INÍCIO DAS AULAS 01 de Novembro de 2013 CENTRO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA VISCONDE DE CAIRU CEPPEV APRESENTAÇÃO / JUSTIFICATIVA A Fundação Visconde

Leia mais

COMPUTAÇÃO EM NUVEM. Michele Marques Costa 1,2, Julio César2 ¹Universidade paranaense (Unipar)

COMPUTAÇÃO EM NUVEM. Michele Marques Costa 1,2, Julio César2 ¹Universidade paranaense (Unipar) COMPUTAÇÃO EM NUVEM Michele Marques Costa 1,2, Julio César2 ¹Universidade paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil Mih_nai@hotmail.com juliocesar@unipar.br Resumo. Este artigo contém a definição e citação

Leia mais

Dispõe sobre aplicações de investidor não residente nos mercados financeiro e de capitais.

Dispõe sobre aplicações de investidor não residente nos mercados financeiro e de capitais. RESOLUCAO 2.689 --------------- Dispõe sobre aplicações de investidor não residente nos mercados financeiro e de capitais. O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do art. 9º da Lei nº 4.595, de 31 de dezembro

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Transferência de Crédito de ICMS de Fornecedor Optante do Simples Nacional

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Transferência de Crédito de ICMS de Fornecedor Optante do Simples Nacional 09/01/2015 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 4 3.1 Transferência de Crédito do ICMS pelos Optantes do... 4 3.2 Do Ressarcimento

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 110, DE 2015

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 110, DE 2015 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 110, DE 2015 Institui programa de concessão de créditos da União no âmbito do Imposto sobre a Renda da Pessoa Física, denominado Nota Fiscal Brasileira, com o objetivo de incentivar

Leia mais

Compra e recebimento de Crédito de ICMS para pagamento de conta de Energia Elétrica

Compra e recebimento de Crédito de ICMS para pagamento de conta de Energia Elétrica Compra e recebimento de Crédito de ICMS para pagamento de conta de Energia Elétrica Engº Francisco Antônio Ramos de Oliveira Gerente de Negócios faro@cpfl.com.br 14 9148 5978 São Paulo, 16 de junho de

Leia mais

Módulo Contábil e Fiscal

Módulo Contábil e Fiscal Módulo Contábil e Fiscal SPED Contábil e Fiscal Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Contábil e Fiscal SPED. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas no

Leia mais

Módulo Contábil e Fiscal

Módulo Contábil e Fiscal Módulo Contábil e Fiscal Escrita Fiscal Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Contábil e Fiscal Escrita Fiscal. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas no

Leia mais

Desenvolvimento de um software de gerenciamento de projetos para utilização na Web

Desenvolvimento de um software de gerenciamento de projetos para utilização na Web Resumo. Desenvolvimento de um software de gerenciamento de projetos para utilização na Web Autor: Danilo Humberto Dias Santos Orientador: Walteno Martins Parreira Júnior Bacharelado em Engenharia da Computação

Leia mais

ADAPTANDO UMA APLICAÇÃO PARA CLOUD: UMA ANÁLISE ENTRE OS ESFORÇOS UTILIZADOS

ADAPTANDO UMA APLICAÇÃO PARA CLOUD: UMA ANÁLISE ENTRE OS ESFORÇOS UTILIZADOS ADAPTANDO UMA APLICAÇÃO PARA CLOUD: UMA ANÁLISE ENTRE OS ESFORÇOS UTILIZADOS Cleverson Nascimento de Mello¹, Claudete Werner¹, Gabriel Costa Silva² ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS MAYARA DA COSTA PIRES THIERES DIAS TEMBRA BUSINESS PLAN MYTDT CORPORATION BELÉM

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 1 0 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 138 - Data 2 de junho de 2014 Processo Interessado CNPJ/CPF Assunto: Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico CIDE. BANCOS DE DADOS.

Leia mais

PROPOSTA COMERCIAL. Produto: Exchange

PROPOSTA COMERCIAL. Produto: Exchange PROPOSTA COMERCIAL Produto: Exchange Sumário SOBRE A LOCAWEB 3 INFRAESTRUTURA DO DATA CENTER 4 SOLUÇÕES PROPOSTAS 5 BENEFÍCIOS LOCAWEB 6 CONDIÇÕES COMERCIAIS 7 PRAZOS E DEMAIS CONDIÇÕES 8 www.locaweb.com.br/exchange

Leia mais

LEI Nº 2465/2013 SÚMULA: II 15.01, no caso da prestação dos serviços de administração de cartão de crédito ou débito e congêneres;

LEI Nº 2465/2013 SÚMULA: II 15.01, no caso da prestação dos serviços de administração de cartão de crédito ou débito e congêneres; LEI Nº 2465/2013 SÚMULA: Estabelece normas de incidência do ISS, relativas às operações efetuadas com cartões de crédito e de débito, e dá outras providências. AUTORIA: Poder Executivo A Câmara Municipal

Leia mais

Republicada em 04.02.2014 por incorreções no original, publicada no D.O. de 31.01.2014 RESOLUÇÃO SEPLAG Nº 1071 DE 30 DE JANEIRO DE 2014

Republicada em 04.02.2014 por incorreções no original, publicada no D.O. de 31.01.2014 RESOLUÇÃO SEPLAG Nº 1071 DE 30 DE JANEIRO DE 2014 Republicada em 04.02.2014 por incorreções no original, publicada no D.O. de 31.01.2014 RESOLUÇÃO SEPLAG Nº 1071 DE 30 DE JANEIRO DE 2014 ALTERA O ANEXO DO DECRETO Nº 41.126, DE 09 DE JANEIRO DE 2008. O

Leia mais

ISS Exame do PLC nº 386/12

ISS Exame do PLC nº 386/12 ISS Exame do PLC nº 386/12 Kiyoshi Harada* O nobre Senador Romero Jucá apresentou o PLC nº 386/12 que introduz importantes alterações na LC nº 116/03, lei de regência nacional do ISS. As modificações a

Leia mais

Quem deve ficar com as receitas do ISS incidente sobre cartões magnéticos?

Quem deve ficar com as receitas do ISS incidente sobre cartões magnéticos? Quem deve ficar com as receitas do ISS incidente sobre cartões magnéticos? Cesar van der Laan 1 Introdução O Imposto Sobre Serviços (ISS) é de competência municipal, sendo arrecadado pela cidade onde está

Leia mais

Maratona Fiscal ISS Direito tributário

Maratona Fiscal ISS Direito tributário Maratona Fiscal ISS Direito tributário 1. São tributos de competência municipal: (A) imposto sobre a transmissão causa mortis de bens imóveis, imposto sobre a prestação de serviço de comunicação e imposto

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO Nº 249, DE 6 DE MAIO DE 2002

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO Nº 249, DE 6 DE MAIO DE 2002 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO Nº 249, DE 6 DE MAIO DE 2002 Estabelece critérios e procedimentos para a definição de encargos tarifários relativos à aquisição de energia elétrica

Leia mais

CLOUD COMPUTING: COMPARANDO COMO O MUNDO ONLINE PODE SUBSTITUIR OS SERVIÇOS TRADICIONAIS

CLOUD COMPUTING: COMPARANDO COMO O MUNDO ONLINE PODE SUBSTITUIR OS SERVIÇOS TRADICIONAIS CLOUD COMPUTING: COMPARANDO COMO O MUNDO ONLINE PODE SUBSTITUIR OS SERVIÇOS TRADICIONAIS João Antônio Bezerra Rodrigues¹, Claudete Werner¹, Gabriel Costa Silva² ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí

Leia mais

Cloud Computing: Quando a nuvem pode ser um risco para o negócio. Marco Lima aka Mago Enterprise Technology Specialist

Cloud Computing: Quando a nuvem pode ser um risco para o negócio. Marco Lima aka Mago Enterprise Technology Specialist Cloud Computing: Quando a nuvem pode ser um risco para o negócio Marco Lima aka Mago Enterprise Technology Specialist 05 De onde vem o termo nuvem? Business Servidores SAN WAN SAN LANs Roteador NAS Switch

Leia mais

Empresa Júnior constitui ou não Instituição de Educação?

Empresa Júnior constitui ou não Instituição de Educação? 1 Sumário I. Introdução... 3 II. Empresa Júnior constitui ou não Instituição de Educação?... 3 III. As Imunidades Tributárias das Empresas Juniores... 4 IV. Incidência de Tributos sobre Empresas Juniores:...

Leia mais