COMISSÃO NACIONAL DE PROTECÇÃO DE DADOS. As dinâmicas de grupo e os perfis de consumo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "COMISSÃO NACIONAL DE PROTECÇÃO DE DADOS. As dinâmicas de grupo e os perfis de consumo"

Transcrição

1 COMISSÃO NACIONAL DE PROTECÇÃO DE DADOS As dinâmicas de grupo e os perfis de consumo

2 O uso de perfis na empresa Os perfis são conjuntos de dados que caracterizam categorias de indivíduos destinados a serem aplicados a situações pessoais, por ex., perfis de investimento de clientes bancários construídos a partir de dados como o rendimento, a tolerância ao risco e os investimentos efectuados num determinado período de tempo A empresa típica utiliza apenas 2 a 4% dos dados que recolhe e armazena (Estudo IBM 2007) As grandes quantidades de dados recolhidos pela empresa nas suas bases transversais (datawarehouses) ou departamentais (datamarts) são processadas através de aplicações de exploração automatizada de dados adaptadas à sua área de negócios (embedded data mining) de modo a agregar os dados de vários indivíduos em perfis que podem ser usados para diferentes fins (marketing, gestão de investimentos, gestão de recursos humanos, prevenção de fraudes, etc.) O desenvolvimento das TIC permite que estas operações sejam executadas a um custo relativamente baixo

3 Dinâmicas dos grupo de empresas Nos grupos de empresas o marketing é uma actividade transversal e as decisões tanto podem ser adoptadas estrategicamente ao nível da direcção do grupo, depender da coordenação das filiais com a divisão internacional da empresa-mãe ou serem transmitidas de acordo com uma estrutura matricial A centralização ou descentralização destas decisões poderá reflectir-se na própria localização das bases de dados de marketing, condicionar o carácter local ou global das campanhas e influir sobre a localização dos respectivos tratamentos de dados Nestes grupos, dada a dimensão considerável dos recursos humanos, existe uma razão adicional para elaborar perfis aplicáveis aos colaboradores com vista ao marketing interno Palavras-chave nos grupos de empresas prestadoras de serviços financeiros: datawarehouse, database marketing, data mining, marketing relacional, marketing one-to-one, CRM, perfis de consumo e de investimento, circulação de dados no interior do grupo, transferências de dados pessoais

4 Problemas de protecção de dados Ao ligar entre si um largo número de indivíduos, os perfis distribuem-nos por um número limitado de categorias de gostos, tendências ou comportamentos, o que significa que efectuam, de algum modo, uma classificação social dessas pessoas Este tratamento é geralmente levado a cabo sem o conhecimento dos titulares dos dados Os dados tratados são eminentemente pessoais, interferindo com a privacidade, identidade e até com a dignidade dos seus titulares A utilização dos perfis pode resultar na restrição ilegítima do acesso das pessoas singulares a certos produtos e serviços, com violação do princípio da não discriminação Quando atribuídos ao titular dos dados, os perfis permitem criar novos dados pessoais sensíveis para além daqueles que o titular comunicou ao responsável pelo tratamento ou que presume serem do seu conhecimento

5 Fontes da regulamentação São textos fundamentais a Directiva 95/46/CE, de 24 de Outubro de 1995, a Lei nº 67/98, de 26 de Outubro, e o Decreto-Lei nº 7/2004, de 7 de Janeiro, alterado pelo Decreto-lei nº 62/2009, de 10 de Março O código de conduta da APMDRI sobre esta matéria carece de revisão e aprofundamento O código de conduta da FEMD sobre protecção de dados e o seu anexo sobre a protecção de dados no marketing feito por meio de comunicações electrónicas são particularmente úteis pelo grau de desenvolvimento e exemplificação que apresentam Nenhum destes textos apresenta soluções completas para o problema dos perfis de consumo

6 Lei aplicável ao tratamento A origem externa ou o alojamento das bases de dados em servidores situados no estrangeiro não afasta, só por si, a aplicação da lei portuguesa, o importante é saber se a empresa está implantada no país e se o seu estabelecimento desenvolve actividades locais utilizando perfis de consumo Se o grupo possui um estabelecimento em Portugal a LPD é aplicável às actividades desenvolvidas no contexto desse estabelecimento, com ou sem recurso à Internet para o tratamento Se uma empresa estabelecida noutro EM trata dados através de um subcontratante estabelecido em Portugal a LPD é aplicável mas só à segurança dos tratamentos A LPD é também aplicável a tratamentos de empresas estabelecidas apenas em países terceiros que recorram a meios situados em Portugal para tratar os dados designação de um representante junto da CNPD que substitui a empresa nos respectivos direitos e obrigações

7 Princípios gerais O tratamento de dados pessoais para a elaboração de perfis de consumo deve oferecer garantias de transparência, não discriminação e respeito pelos direitos e liberdades dos titulares dos dados, desiderato que pode ser obtido logo na fase da concepção e planeamento através do recurso a tecnologias que optimizem a protecção da privacidade O tratamento deve ser efectuado de forma lícita e com respeito pela boa fé Os dados devem ser recolhidos para finalidades de determinadas, explícitas e legítimas, não podendo ser posteriormente tratados de forma incompatível com essas finalidades (não vão ser usados todos os perfis que é possível obter com os dados disponíveis, mas apenas perfis específicos, de consumo, investimento, risco ou rendimento, úteis, por ex.,para as actividades de gestão comercial, gestão de RH e marketing) Os dados devem ser adequados, pertinentes e não excessivos relativamente às finalidades para que são recolhidos e posteriormente tratados (os dados de identificação dos perfis devem ser codificados ou conservados anónimos) Os dados utilizados devem ser exactos e actualizados, a empresa deve reavaliar periodicamente a qualidade dos dados e das inferências estatísticas feitas a partir deles Os dados usados devem ser conservados apenas durante o período necessário para a prossecução das finalidades da recolha ou tratamento posterior

8 Notificação dos tratamentos Os tratamentos implicados na elaboração e utilização de perfis de consumo devem ser notificadas à CNPD em função das finalidades que determinam o seu emprego (gestão comercial, marketing, prevenção de fraudes, etc.) Um único perfil pode servir várias finalidades interligadas e o contrário também pode acontecer, isto é, diferentes perfis de consumo, de investimento, de recursos humanos serem usados para uma única finalidade (marketing) Seja qual for a situação interna da informação na empresa (obtenção e tratamento da informação a partir de dados extraídos de uma base de dados transversal a toda a empresa, recurso a bases de dados departamentais), esta relação de meios (perfis) a fins deve estar muito clara nas notificações, de modo a permitir o controlo da proporcionalidade dos tratamentos

9 Consentimento e autorização O fundamento de legitimidade para o tratamento é, em geral, o consentimento livre, expresso, específico e informado do titular dos dados, verificado pela CNPD, mas também pode ser o consentimento dos representantes de menores, verificado pela CNPD, ou só a autorização da CNPD, no caso dos trabalhadores Os currículos e dados sobre gostos e preferências cedidos por grupos de empresas com vista à colocação dos trabalhadores com o consentimento dos mesmos não podem ser utilizados para constituição de perfis de consumo, com desvio de finalidade, sem autorização da CNPD Os dados constantes de ficheiros positivos e negativos de crédito notificados à CNPD não podem ser utilizados para a elaboração de perfis, com desvio de finalidade, sem autorização deste órgão

10 Recolha dos dados Recolha directa junto do titular dos dados antes, depois ou no momento da celebração do contrato, feita pelo responsável pelo tratamento ou por alguém por sua conta, presencial ou na Internet através do sítio da empresa, de plataformas para vendas ou contratação de serviços, de redes sociais, eventos interactivos, etc. Recolha indirecta a partir de listas e fontes públicas, por transmissão de outras empresas do grupo, de instituições financeiras, por compra ou aluguer dos dados, etc. A constituição de perfis, ao gerar novos dados, obriga a empresa a prestar de novo ao titular dos dados informações sobre a recolha dos dados, mesmo que os perfis tenham sido construídos a partir de dados anteriormente notificados à CNPD para as mesmas finalidades A recolha de dados em redes abertas obriga a empresa a informar o titular dos dados que os seus dados podem circular na rede sem condições de segurança, correndo o risco de serem vistos e utilizados por terceiros não autorizados A recolha de dados para a constituição de perfis através de software destinado à observação e monitorização do uso de um determinado equipamento terminal numa rede de comunicações electrónicas deve ser acompanhada de garantias de privacidade adequadas impostas por lei ( privacidade por defeito )

11 Recolha dos dados (cont.) Se os dados forem recolhidos junto do seu titular, a empresa deve prestar lhe as seguintes informações, salvo se já forem dele conhecidas: a) a sua identificação ou do seu representante no país b) que dados são recolhidos para a elaboração dos perfis c) As finalidades da constituição dos perfis d) As consequências que podem surgir da aplicação do perfil ao seu caso individual e) os destinatários ou categorias de destinatários dos dados, incluindo subcontratantes, prestadores de serviços e outras empresas do grupo f) o carácter facultativo ou obrigatório da resposta e as possíveis consequências de se não responder h) a existência e as condições dos direitos de acesso, rectificação e oposição, que são necessárias, nestes casos, para garantir ao titular dos dados um tratamento leal dos mesmos No caso de recolha indirecta, as mesmas informações devem ser prestadas no momento do registo ou, se estiver prevista a comunicação a terceiros (por ex., a outras empresas do grupo), o mais tardar aquando da primeira comunicação desses dados

12 Direito de oposição No caso dos perfis de consumo, a revogação do consentimento vale como oposição ao tratamento O trabalhador ou qualquer outro titular dos dados pode opor-se em qualquer momento a que os seus dados sejam usados pela empresa para marketing directo ou qualquer outra forma de prospecção O titular dos dados deve ser informado antes de os seus dados pessoais serem comunicados pela primeira vez a terceiros para fins de marketing directo ou utilizados por conta de terceiros, podendo exercer o seu direito de oposição mesmo que tais comunicações ou utilizações tenham como destinatários outras empresas do grupo

13 Direito de acesso e rectificação O titular dos dados tem o direito de obter da empresa: a) A confirmação de serem tratados dados que lhes digam respeito, informação sobre a finalidade da constituição dos perfis, categorias de dados sobre que incide o tratamento (especialmente relevante no caso de aplicações concebidas para agregar automaticamente certas categorias de dados), destinatários e categorias de destinatários a quem são comunicados os dados (outras empresas do grupo, subcontratantes, prestadores de serviços, outras instituições financeiras, etc.) b) A comunicação, sob forma inteligível, dos seus dados sujeitos a tratamento e de informações disponíveis sobre a respectiva origem c) O conhecimento da lógica subjacente ao tratamento automatizado dos dados que lhe digam respeito, de forma a perceber por ex. como a aplicação dos perfis ao seu caso pode indiciar tendências e fundar previsões, sem que, no entanto, este conhecimento ponha em causa os segredos comerciais ou da vida interna da empresa e os seus direitos exclusivos sobre programas de computador e aplicações informáticas

14 Direito de acesso e rectificação (cont.) d) A rectificação, apagamento ou bloqueio dos dados, nomeadamente devido ao seu carácter incompleto ou inexacto e) a notificação a terceiros a quem os dados tenham sido comunicados incluindo outras empresas do grupo de qualquer rectificação, apagamento ou bloqueio, salvo se isso for comprovadamente impossível

15 Decisões automatizadas No caso de a aplicação do perfil a uma situação individual resultar na oferta ou na não oferta automatizada de produtos ou serviços ao titular dos dados isso deverá resultar do âmbito da celebração ou da execução de um contrato com a empresa solicitado pela pessoa em causa Caso contrário, essa decisão não pode ser adoptada sem que seja garantido o direito de representação e expressão da pessoa afectada ou, em alternativa, mediante autorização da CNPD que defina medidas de defesa dos interesses legítimos do titular dos dados

16 Transferência dos dados A transferências dos dados sobre perfis de consumo de uma empresa do grupo estabelecida em Portugal para outras empresas do grupo, instituições financeiras ou entidades estabelecidas em Estados que não assegurem um nível adequado de protecção dos dados pode fazer-se: a) Com o consentimento do titular dos dados; b) Se for necessária para a execução de um contrato entre o titular e o responsável pelo tratamento ou de diligências prévias à formação do contrato decididas a pedido do titular dos dados; c) For necessária para a execução ou celebração de um contrato celebrado ou a celebrar, no interesse do titular dos dados, entre o responsável pelo tratamento e um terceiro d) For necessária ou legalmente exigida para a protecção de um interesse público importante, ou para a declaração, o exercício ou a defesa de direitos num processo judicial; e) For autorizada pela CNPD mediante garantias adequadas, por ex. uso de cláusulas contratuais de transferência dos dados.

17 Transferência dos dados (cont.) Uma forma expedita de o responsável pelo tratamento estabelecido em Portugal respeitar as garantias adequadas exigidas para a transferência de dados para responsáveis pelo tratamento, incluindo outras empresas do grupo, ou para subcontratantes estabelecidos em países terceiros é a de utilizar as cláusulas contratuais aprovadas para esse efeito por decisão da Comissão Europeia

18 Segurança das informações Às empresas com estrutura de grupo parece estar reservada uma posição dinamizadora da implementação do cargo de responsável pela protecção dos dados pessoais Na vertente interna é este actor, em contacto com os designers e fornecedores de software, os designers de perfis, os responsáveis pelos sistemas de informação e os responsáveis pelo marketing digital da empresa, que deve certificar-se que não há um tratamento desnecessário e excessivo de dados pessoais na utilização dos perfis e assegurar que são postas em prática medidas adequadas para proteger os dados pessoais Na vertente externa compete-lhe transmitir instruções aos subcontratantes em matéria de segurança das informações e assegurar a ligação permanente com as autoridades nacionais de protecção de dados Em particular, é importante que a comunicação de dados sobre perfis de consumo através da Internet seja acompanhada de medidas de segurança adequadas (utilização de um protocolo seguro, transmissão anónima ou codificada dos perfis)

19 Obrigado pela vossa atenção Vasco Almeida (CNPD)

Lei n.º 67/98 de 26 de Outubro

Lei n.º 67/98 de 26 de Outubro Lei n.º 67/98 de 26 de Outubro Lei da Protecção de Dados Pessoais (transpõe para a ordem jurídica portuguesa a Directiva n.º 95/46/CE, do Parlamento Europeu e do Conselho, de 24 de Outubro de 1995, relativa

Leia mais

Deliberação n.º 156/09

Deliberação n.º 156/09 Deliberação n.º 156/09 Princípios aplicáveis aos tratamentos de dados pessoais no âmbito de Gestão de Informação com a finalidade de Prospecção de Opções de Crédito A Comissão Nacional de Protecção de

Leia mais

REGULAMENTO SOBRE INSTALAÇÃO DE EQUIPAMENTO DE VIDEOVIGILÂNCIA

REGULAMENTO SOBRE INSTALAÇÃO DE EQUIPAMENTO DE VIDEOVIGILÂNCIA REGULAMENTO SOBRE INSTALAÇÃO DE EQUIPAMENTO DE VIDEOVIGILÂNCIA Aprovado na 14ª Reunião Ordinária de Câmara Municipal, realizada em 13 de Julho de 2006 e na 4ª Sessão Ordinária de Assembleia Municipal,

Leia mais

DELIBERAÇÃO Nº 41 /2006 Aplicável aos tratamentos de dados no âmbito da Gestão da Informação dos Serviços de Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho

DELIBERAÇÃO Nº 41 /2006 Aplicável aos tratamentos de dados no âmbito da Gestão da Informação dos Serviços de Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho DELIBERAÇÃO Nº 41 /2006 Aplicável aos tratamentos de dados no âmbito da Gestão da Informação dos Serviços de Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho Por força do Código do Trabalho, aprovado pela Lei n.º

Leia mais

Artigo 1.º. Objecto e âmbito. Lei nº 69/98. de 28 de Outubro

Artigo 1.º. Objecto e âmbito. Lei nº 69/98. de 28 de Outubro REGULA O TRATAMENTO DOS DADOS PESSOAIS E A PROTECÇÃO DA PRIVACIDADE NO SECTOR DAS TELECOMUNICAÇÕES (TRANSPÕE A DIRECTIVA 97/66/CE, DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO, DE 15 DE DEZEMBRO DE 1997) Artigo

Leia mais

O Regime Jurídico de algumas medidas de segurança - Implicações Práticas -

O Regime Jurídico de algumas medidas de segurança - Implicações Práticas - Lisboa, 18.05.2006 O Regime Jurídico de algumas medidas de segurança - Implicações Práticas - Enquadramento, Conceitos & Formalidades 2 Enquadramento Algumas medidas de segurança envolvem o tratamento

Leia mais

Princípios da protecção de dados pessoais. em locais de trabalho

Princípios da protecção de dados pessoais. em locais de trabalho Princípios da protecção de dados pessoais em locais de trabalho Instruções para fiscalização das actividades dos empregados pelos empregadores Com o objectivo de implementar com eficácia a Lei n. 8/2005

Leia mais

Normas de protecção de dados aplicáveis ao marketing: o caso específico da subcontratação

Normas de protecção de dados aplicáveis ao marketing: o caso específico da subcontratação Normas de protecção de dados aplicáveis ao marketing: o caso específico da subcontratação Fundação Calouste Gulbenkian - 13-12-2011 1 Qualquer informação, de qualquer natureza e independentemente do suporte,

Leia mais

O MARKETING DIRECTO POR EMAIL

O MARKETING DIRECTO POR EMAIL O MARKETING DIRECTO POR EMAIL 1 AS IMPLICAÇÕES LEGAIS DO EMAIL MARKETING Enquadramento da questão Equilíbrio entre o poder e a eficácia do marketing directo por e-mail no contacto com os consumidores e

Leia mais

Regime da Protecção de Dados nos Centros Telefónicos de Relacionamento Quadro Actual: Deliberação 629/2010

Regime da Protecção de Dados nos Centros Telefónicos de Relacionamento Quadro Actual: Deliberação 629/2010 PROTECÇÃO DE DADOS PESSOAIS E O MARKETING Regime da Protecção de Dados nos Centros Telefónicos de Relacionamento Quadro Actual: Deliberação 629/2010 Sónia Sousa Pereira 13-12-2011 Sónia Sousa Pereira 2

Leia mais

Grupo de protecção de dados do artigo 29.º

Grupo de protecção de dados do artigo 29.º Grupo de protecção de dados do artigo 29.º 11601/PT WP 90 Parecer 5/2004 sobre as comunicações não solicitadas para fins de comercialização no âmbito do Artigo 13.º da Directiva 2002/58/CE Adoptado em

Leia mais

ARTIGO 29.º - Grupo de Protecção de Dados Pessoais

ARTIGO 29.º - Grupo de Protecção de Dados Pessoais ARTIGO 29.º - Grupo de Protecção de Dados Pessoais 12054/02/PT WP 69 Parecer 1/2003 sobre o armazenamento dos dados de tráfego para efeitos de facturação Adoptado em 29 de Janeiro de 2003 O Grupo de Trabalho

Leia mais

PROTECÇÃO DE DADOS UM DIREITO FUNDAMENTAL Evolução na Europa Linhas Directrizes da OCDE(1973);

PROTECÇÃO DE DADOS UM DIREITO FUNDAMENTAL Evolução na Europa Linhas Directrizes da OCDE(1973); SAÚDE E PROTECÇÃO DE DADOS 19/1/2010 Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge PROTECÇÃO DE DADOS UM DIREITO FUNDAMENTAL Evolução na Europa Linhas Directrizes da OCDE(1973); Convenção 108 do Conselho

Leia mais

Orientações para o tratamento de dados pessoais com finalidade da propaganda na eleição

Orientações para o tratamento de dados pessoais com finalidade da propaganda na eleição Orientações para o tratamento de dados pessoais com finalidade da propaganda na eleição As presentes orientações aplicam-se ao tratamento de dados pessoais pelos candidatos a deputado da Assembleia Legislativa

Leia mais

30 de Junho de 2010. Carmo Sousa Machado carmo.s.machado@abreuadvogados.com. LOCAL : Porto DATA : 01-07-2010

30 de Junho de 2010. Carmo Sousa Machado carmo.s.machado@abreuadvogados.com. LOCAL : Porto DATA : 01-07-2010 30 de Junho de 2010 Carmo Sousa Machado carmo.s.machado@abreuadvogados.com 1 LOCAL : Porto DATA : 01-07-2010 1. A videovigilância no local de trabalho 2. Confidencialidade e acesso à informação 3. Monitorização

Leia mais

03 de Dezembro 2013 Direito do Trabalho

03 de Dezembro 2013 Direito do Trabalho DADOS DOS TRABALHADORES A agilização do direito à privacidade dos trabalhadores com a crescente e hegemónica utilização das denominadas tecnologias de informação, levaram a Comissão Nacional de Protecção

Leia mais

A utilização pelo utilizador dos serviços contidos na web da TRAVELPLAN S.A. implica a aceitação das seguintes condições gerais:

A utilização pelo utilizador dos serviços contidos na web da TRAVELPLAN S.A. implica a aceitação das seguintes condições gerais: TRAVELPLAN S.A. POLITICA DE PRIVACIDADE E CONDIÇÕES DE USO DA PAGINA WEB O presente documento estabelece as Condições Gerais de Uso dos serviços prestados por meio do web site da TRAVELPLAN S.A. (www.travelplan.pt),

Leia mais

ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 1/2010

ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 1/2010 ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 1/2010 APROVADA POR DELIBERAÇÃO DA COMISSÃO DIRECTIVA DE 19-03-2010 Altera o nº 4 da Orientação de Gestão nº 7/2008 e cria o ANEXO III a preencher pelos Beneficiários para registo

Leia mais

Grupo de trabalho sobre a protecção das pessoas singulares no que diz respeito ao tratamento de dados pessoais. Recomendação 1/99

Grupo de trabalho sobre a protecção das pessoas singulares no que diz respeito ao tratamento de dados pessoais. Recomendação 1/99 5093/98/PT/final WP 17 Grupo de trabalho sobre a protecção das pessoas singulares no que diz respeito ao tratamento de dados pessoais Recomendação 1/99 sobre o tratamento invisível e automatizado de dados

Leia mais

POLÍTICA DE PRIVACIDADE

POLÍTICA DE PRIVACIDADE POLÍTICA DE PRIVACIDADE A COFINA MEDIA, S.A. (doravante apenas designada de COFINA ), com sede na Rua Luciana Stegagno Picchio, 3, 1549-023, Lisboa, pessoa colectiva n.º 502801034, matriculada na Conservatória

Leia mais

CARREIRAS NA GLORY GLOBAL SOLUTIONS POLÍTICA DE PRIVACIDADE

CARREIRAS NA GLORY GLOBAL SOLUTIONS POLÍTICA DE PRIVACIDADE SITE DE CARREIRAS NA GLORY GLOBAL SOLUTIONS POLÍTICA DE PRIVACIDADE Bem-vindo à área de Carreiras na Glory Global Solutions, o Web site de recrutamento (o "Site"). Descrevemos a seguir a forma como as

Leia mais

Termos e condições de utilização da Plataforma e Política de Protecção de Dados Pessoais

Termos e condições de utilização da Plataforma e Política de Protecção de Dados Pessoais Termos e condições de utilização da Plataforma e Política de Protecção de Dados Pessoais Os presentes Termos e Condições e Política de Protecção de Dados Pessoais (adiante abreviadamente designados Termos

Leia mais

Política de Privacidade de Dados Pessoais Cabovisão - Televisão por Cabo S.A.

Política de Privacidade de Dados Pessoais Cabovisão - Televisão por Cabo S.A. Política de Privacidade de Dados Pessoais Cabovisão - Televisão por Cabo S.A. Princípios Gerais A garantia que os clientes e utilizadores da Cabovisão-Televisão por Cabo S.A. ( Cabovisão ) sabem e conhecem,

Leia mais

REGIME JURÍDICO APLICÁVEL AOS CALL CENTERS

REGIME JURÍDICO APLICÁVEL AOS CALL CENTERS TMT N.º 2 /2009 MAIO/JUNHO 2009 REGIME JURÍDICO APLICÁVEL AOS CALL CENTERS Foi publicado no passado dia 2 de Junho o Decreto-Lei nº 134/2009 que veio estabelecer o regime jurídico aplicável à prestação

Leia mais

Parecer N. 02/P/2011/GPDP

Parecer N. 02/P/2011/GPDP Parecer N. 02/P/2011/GPDP Assunto: Criação do sistema de consulta online do Título de Identificação de Trabalhador Não-Residente (TI/TNR) pelo Corpo de Polícia de Segurança Pública O Corpo de Polícia de

Leia mais

Política de Privacidade de dados pessoais na Portugal Telecom

Política de Privacidade de dados pessoais na Portugal Telecom Política de Privacidade de dados pessoais na Portugal Telecom Quem Somos? A Portugal Telecom, SGPS, SA. ( PT ) é a holding de um grupo integrado de Empresas (Grupo PT), que atua na área das comunicações

Leia mais

PRINCÍPIOS SOBRE A PRIVACIDADE NO LOCAL DE TRABALHO* O tratamento de dados em centrais telefónicas, o controlo do e-mail e do acesso à Internet

PRINCÍPIOS SOBRE A PRIVACIDADE NO LOCAL DE TRABALHO* O tratamento de dados em centrais telefónicas, o controlo do e-mail e do acesso à Internet 1 PRINCÍPIOS SOBRE A PRIVACIDADE NO LOCAL DE TRABALHO* O tratamento de dados em centrais telefónicas, o controlo do e-mail e do acesso à Internet Considerando que 1. As novas tecnologias têm um impacto

Leia mais

Sistemas e Serviços Informáticos

Sistemas e Serviços Informáticos (Capítulo ou anexo do Regulamento Interno da Escola) Sistemas e Serviços Informáticos Artigo 1.º Princípios orientadores 1. A utilização extensiva dos recursos proporcionados pelas Tecnologias da Informação

Leia mais

CR.Doc. Management Platform for Clients and Documents

CR.Doc. Management Platform for Clients and Documents CR.Doc Management Platform for Clients and Documents Agenda Introdução O que é o CR.Doc? Principais funcionalidades Demonstração O que é o CR.Doc? O CR.doc é um novo conceito de Sistema Integrado de CRM

Leia mais

POLÍTICA DE UTILIZAÇÃO E PRIVACIDADE ALD AUTOMOTIVE

POLÍTICA DE UTILIZAÇÃO E PRIVACIDADE ALD AUTOMOTIVE POLÍTICA DE UTILIZAÇÃO E PRIVACIDADE ALD AUTOMOTIVE INFORMAÇÃO LEGAL Denominação Social: SGALD AUTOMOTIVE, SOCIEDADE GERAL DE COMÉRCIO E ALUGUER DE BENS, S.A. Marca: ALD AUTOMOTIVE Sede: SINTRA BUSINESS

Leia mais

INSTITUTO DE GESTÃO DA TESOURARIA E DO CRÉDITO PÚBLICO, I.P. CÓDIGO DE CONDUTA 1/9

INSTITUTO DE GESTÃO DA TESOURARIA E DO CRÉDITO PÚBLICO, I.P. CÓDIGO DE CONDUTA 1/9 INSTITUTO DE GESTÃO DA TESOURARIA E DO CRÉDITO PÚBLICO, I.P. CÓDIGO DE CONDUTA 1/9 TÍTULO I PARTE GERAL Capítulo I (Disposições Gerais) Artigo 1º (Âmbito) 1. O presente Código de Conduta, a seguir designado

Leia mais

Declaração de Privacidade

Declaração de Privacidade Declaração de Privacidade A Kelly Services, Inc. e as suas subsidiárias ("Kelly Services" ou Kelly ) respeitam a sua privacidade e reconhecem que possui determinados direitos relacionados com quaisquer

Leia mais

(Unidade Disciplina Trabalho) Lei nº. /2014, de de

(Unidade Disciplina Trabalho) Lei nº. /2014, de de República Democrática de São Tomé e Príncipe (Unidade Disciplina Trabalho) Lei nº. /2014, de de A Lei 03/2004, de 02 de Julho, definiu as regras aplicáveis ao estabelecimento, à gestão e à exploração de

Leia mais

POLÍTICA DE PRIVACIDADE. Site http://www.areastore.com/

POLÍTICA DE PRIVACIDADE. Site http://www.areastore.com/ a POLÍTICA DE PRIVACIDADE Site http://www.areastore.com/ A AREA Infinitas - Design de Interiores, S.A. ( AREA ) garante aos visitantes deste site ( Utilizador ou Utilizadores ) o respeito pela sua privacidade.

Leia mais

Portaria n.º 605/99, de 5 de Agosto Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro)

Portaria n.º 605/99, de 5 de Agosto Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro) Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro) O sistema de avaliação e autorização de introdução no mercado de medicamentos, que tem vindo

Leia mais

Parecer N.º 06/P/2009/GPDP. (Extracto)

Parecer N.º 06/P/2009/GPDP. (Extracto) Parecer N.º 06/P/2009/GPDP (Extracto) Assunto: Sobre a publicação, pela Companhia de Telecomunicações de Macau, dos dados do registo dos utilizadores de telefones fixos, na Lista Telefónica Residencial

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DOS PROFISSIONAIS DE ESTUDOS DE MERCADO E DE OPINIÃO RELATIVO AO TRATAMENTO DE DADOS PESSOAIS

CÓDIGO DE CONDUTA DOS PROFISSIONAIS DE ESTUDOS DE MERCADO E DE OPINIÃO RELATIVO AO TRATAMENTO DE DADOS PESSOAIS CÓDIGO DE CONDUTA DOS PROFISSIONAIS DE ESTUDOS DE MERCADO E DE OPINIÃO RELATIVO AO TRATAMENTO DE DADOS PESSOAIS CONSIDERANDO QUE: A) A Lei nº 67/98, de 26 de Outubro, estipula um conjunto de normas tendentes

Leia mais

1 - TERMO DE UTILIZAÇÃO

1 - TERMO DE UTILIZAÇÃO 1 - TERMO DE UTILIZAÇÃO Este Termo de Utilização (doravante denominado "Termo de Utilização") regulamenta a utilização dos SERVIÇOS de envio de mensagens electrónicas - "e-mail" (doravante denominado "SERVIÇO")

Leia mais

Bases de Dados 2005/2006. Aula 1

Bases de Dados 2005/2006. Aula 1 Bases de Dados 2005/2006 Aula 1 Sumário 1. Bases de dados e protecção de dados: a. Lei de protecção de dados pessoais (Lei nº 67/98, de 26 de Outubro); b. Comissão Nacional de Protecção de Dados CNPD.

Leia mais

TRATAMENTO DA IMPRESSÃO DIGITAL DOS TRABALHADORES

TRATAMENTO DA IMPRESSÃO DIGITAL DOS TRABALHADORES TRATAMENTO DA IMPRESSÃO DIGITAL DOS TRABALHADORES Extraído da Net do site da Comissão Nacional de Protecção de Dados Os sistemas biométricos são constituídos por um sistema informático que integra hardware

Leia mais

POLÍTICA DE PRIVACIDADE v.1. A ORIFLAME COSMÉTICOS, LDA.. garante o compromisso de proteger e respeitar a sua privacidade.

POLÍTICA DE PRIVACIDADE v.1. A ORIFLAME COSMÉTICOS, LDA.. garante o compromisso de proteger e respeitar a sua privacidade. POLÍTICA DE PRIVACIDADE v.1 A ORIFLAME COSMÉTICOS, LDA.. garante o compromisso de proteger e respeitar a sua privacidade. Esta Política de Privacidade, juntamente com os nossos Termos de Utilização do

Leia mais

PLATAFORMA CLICK TO PRAY

PLATAFORMA CLICK TO PRAY PLATAFORMA CLICK TO PRAY 1 OBJECTO: Informação sobre os TERMOS E CONDIÇÕES que regulam o acesso e utilização do sítio web alojado sob a denominação www.clicktopray.org e de todos os conteúdos que dele

Leia mais

DIRECTIVAS. DIRECTIVA 2009/24/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 23 de Abril de 2009 relativa à protecção jurídica dos programas de computador

DIRECTIVAS. DIRECTIVA 2009/24/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 23 de Abril de 2009 relativa à protecção jurídica dos programas de computador L 111/16 Jornal Oficial da União Europeia 5.5.2009 DIRECTIVAS DIRECTIVA 2009/24/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 23 de Abril de 2009 relativa à protecção jurídica dos programas de computador (Versão

Leia mais

Proteção de Dados Pessoais e Privacidade

Proteção de Dados Pessoais e Privacidade Proteção de Dados Pessoais e Privacidade João Paulo Ribeiro joao.ribeiro@cnpd.pt 22 Novembro/2012 HISTÓRIA 1888: o direito de ser deixado só - Juiz Thomas Cooley, USA 1890: The Right to Privacy (O Direito

Leia mais

Princípios aplicáveis ao tratamento de dados de gravação de chamadas

Princípios aplicáveis ao tratamento de dados de gravação de chamadas Princípios aplicáveis ao tratamento de dados de gravação de chamadas O elevado e crescente número de notificações de tratamentos de dados pessoais resultantes da gravação de chamadas e a celeridade requerida

Leia mais

Sites de Terceiros A presente Declaração de Privacidade não é extensível aos sites de terceiros que estiverem ligados a este web site.

Sites de Terceiros A presente Declaração de Privacidade não é extensível aos sites de terceiros que estiverem ligados a este web site. Declaração de Privacidade Este web site é gerido pela LeasePlan Portugal-Comércio e Aluguer de Automóveis e Equipamentos, Lda. A LeasePlan poderá proceder à recolha dos seus dados pessoais quer directamente

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DA UTILIZAÇÃO DOS SERVIÇOS ONLINE

CONDIÇÕES GERAIS DA UTILIZAÇÃO DOS SERVIÇOS ONLINE CONDIÇÕES GERAIS DA UTILIZAÇÃO DOS SERVIÇOS ONLINE Os serviços online que o Município de Aveiro disponibiliza através da Internet aos utilizadores estabelecem relações com a Câmara Municipal de Aveiro,

Leia mais

POLÍTICA DE PRIVACIDADE

POLÍTICA DE PRIVACIDADE POLÍTICA DE PRIVACIDADE Este site é propriedade da Johnson & Johnson Limitada. Esta Política de Privacidade foi concebida para o informar das nossas regras no que respeita à recolha, utilização e divulgação

Leia mais

COMÉRCIO ELECTRÓNICO ELECTRÓNICO

COMÉRCIO ELECTRÓNICO ELECTRÓNICO Ficha Informativa 1 Janeiro 2015 Ordem dos Advogados Largo São Domingos 14-1º, 1169-060 Lisboa Tel.: 218823550 Fax: 218862403 odc@cg.oa.pt www.oa.pt/odc COMÉRCIO ELECTRÓNICO ELECTRÓNICO Compras na Internet:

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE O USO DA INTERNET E

ORIENTAÇÕES SOBRE O USO DA INTERNET E ORIENTAÇÕES SOBRE O USO DA INTERNET E DO CORREIO ELECTRÓNICO NA SECRETARIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO CÓDIGO DE CONDUTA (VERSÃO 1.0 2005-12-09) Índice 1 INTRODUÇÃO...2 2 CÓDIGO DE CONDUTA...2 2.1 CONDIÇÕES GERAIS

Leia mais

Publicado: I SÉRIE N.º 2 - «B. O.» DA REPÚBLICA DE CABO VERDE 22 DE JANEIRO DE 2001

Publicado: I SÉRIE N.º 2 - «B. O.» DA REPÚBLICA DE CABO VERDE 22 DE JANEIRO DE 2001 ASSEMBLEIA NACIONAL Lei nº134/v/2001 de 22 de Janeiro Actualmente ainda persiste no ordenamento jurídico cabo-verdiano um grande número de direitos praticamente sem garantia ou resposta. O domínio da protecção

Leia mais

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010 Técnicas de Secretariado Departamento Comercial e Marketing Módulo 23- Departamento Comercial e Marketing Trabalho realizado por: Tânia Leão Departamento

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA

CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA Na defesa dos valores de integridade, da transparência, da auto-regulação e da prestação de contas, entre outros, a Fundação Casa da Música,

Leia mais

Regulamento da Informática do Instituto Superior de Engenharia de Lisboa. CAPÍTULO I Disposições gerais

Regulamento da Informática do Instituto Superior de Engenharia de Lisboa. CAPÍTULO I Disposições gerais Regulamento da Informática do Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Preâmbulo O presente regulamento visa proporcionar um enquadramento normativo adequado à disponibilização das infra-estruturas e

Leia mais

Aviso de privacidade de dados

Aviso de privacidade de dados Aviso de privacidade de dados 1. Introdução Nós somos a Supplies Distributors SA, a nossa sede está localizada na Rue Louis Blériot 5, 4460 Grâce-Hollogne, está inscrita no Registo do Comércio Liége com

Leia mais

CC SMS Manual do Utilizador

CC SMS Manual do Utilizador CC SMS Manual do Utilizador Global Id - Creative Thinkers 2011 Índice Manual do Utilizador 02 Acerca do CC SMS 03 Instalação 04 Visão Geral 05 Sms 05 Noções Básicas e Requisitos 05 Envio de SMS 06 Como

Leia mais

Norma ISO 9000. Norma ISO 9001. Norma ISO 9004 SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE REQUISITOS FUNDAMENTOS E VOCABULÁRIO

Norma ISO 9000. Norma ISO 9001. Norma ISO 9004 SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE REQUISITOS FUNDAMENTOS E VOCABULÁRIO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALDADE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE Norma ISO 9000 Norma ISO 9001 Norma ISO 9004 FUNDAMENTOS E VOCABULÁRIO REQUISITOS LINHAS DE ORIENTAÇÃO PARA MELHORIA DE DESEMPENHO 1. CAMPO

Leia mais

Marketing e Dados Pessoais no Crédito ao Consumo. Dezembro 2011

Marketing e Dados Pessoais no Crédito ao Consumo. Dezembro 2011 Marketing e Dados Pessoais no Crédito ao Consumo Dezembro 2011 Índice 1. História e Grupo da Cofidis 2. Tratamentos registados na CNPD: clientes e potenciais clientes 3. Meio de recolha típico utilizado

Leia mais

LEI 46/2012, DE 29 DE AGOSTO

LEI 46/2012, DE 29 DE AGOSTO LEI 46/2012, DE 29 DE AGOSTO No dia 29 de Agosto de 2012, foi publicada a Lei n.º 46/2012, que transpõe a Directiva n.º 2009/136/CE, na parte em que altera a Directiva n.º 2002/58/CE, do Parlamento Europeu

Leia mais

Condições Gerais do Serviço BIC Net Empresas

Condições Gerais do Serviço BIC Net Empresas Entre o Banco BIC Português, S.A., Sociedade Comercial Anónima, com sede na Av. António Augusto de Aguiar, nº132 1050-020 Lisboa, pessoa colectiva nº 507880510, matriculada na Conservatória do Registo

Leia mais

João Gonçalves de Assunção joao.g.assuncao@abreuadvogados.com

João Gonçalves de Assunção joao.g.assuncao@abreuadvogados.com 30 de Junho de 2010 João Gonçalves de Assunção joao.g.assuncao@abreuadvogados.com 1 LOCAL : AB - PORTO DATA : 01-07-2010 CIBERCRIME Lei 109/2009, de 15 de Setembro Disposições penais materiais: Falsidade

Leia mais

Proteção de dados na Phoenix Contact

Proteção de dados na Phoenix Contact Proteção de dados na Phoenix Contact Estamos bastante satisfeitos com o seu interesse na nossa empresa, produtos e serviços, pelo que gostaríamos de lhe facultar algumas informações importantes sobre a

Leia mais

PT PRIME - Soluções Empresariais de Telecomunicações e Sistemas, S.A., pessoa colectiva nº 502 840 757, com

PT PRIME - Soluções Empresariais de Telecomunicações e Sistemas, S.A., pessoa colectiva nº 502 840 757, com Prime Soluções Empresariais SEDE: Rua de Entrecampos, 28, 1749-076 Lisboa Nº de Pessoa Colectiva 502 M 757 - N' de Matricula 08537 C.R.C.L Capital Social de EUR.; 30 000 000. I/ -I- CONTRATO DE PRESTAÇÃO

Leia mais

SPAM: COMUNICAÇÕES ELECTRÓNICAS NÃO SOLICITADAS

SPAM: COMUNICAÇÕES ELECTRÓNICAS NÃO SOLICITADAS SPAM: COMUNICAÇÕES ELECTRÓNICAS NÃO SOLICITADAS 1. INTRODUÇÃO Com o desenvolvimento da Internet, surgiu a possibilidade de se enviarem mensagens por correio electrónico, de forma quase instantânea e a

Leia mais

Políticas Organizacionais

Políticas Organizacionais Políticas Organizacionais Manual de Políticas da CERCI Elaborado por/data Departamento de Gestão da Qualidade/Março 2013 Aprovado por/data Direção/18.03.2013 Revisto por/data Índice 1. Política e Objetivos

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA ONLINE WWW.ZILIANCHOOSE.COM. Artigo 1.º. (Âmbito e Definições)

CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA ONLINE WWW.ZILIANCHOOSE.COM. Artigo 1.º. (Âmbito e Definições) CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA ONLINE WWW.ZILIANCHOOSE.COM Artigo 1.º (Âmbito e Definições) 1 As presentes condições gerais regulam a venda, incluindo o registo e a encomenda, de produtos através da página/sítio

Leia mais

Capítulo I Disposições gerais. Artigo 1.º (Objecto)

Capítulo I Disposições gerais. Artigo 1.º (Objecto) AVISO N.º [XX/2015] CENTRAIS PRIVADAS DE INFORMAÇÃO DE CRÉDITO Em linha com a tendência internacional, a legislação financeira nacional consagrou recentemente o figurino das centrais privadas de informação

Leia mais

Regras, Termos e Condições do sorteio SMS Ganhe uma das 10 contas VIP REGRAS, TERMOS E CONDIÇÕES DE PARTICIPAÇÃO NO SORTEIO

Regras, Termos e Condições do sorteio SMS Ganhe uma das 10 contas VIP REGRAS, TERMOS E CONDIÇÕES DE PARTICIPAÇÃO NO SORTEIO Regras, Termos e Condições do sorteio SMS Ganhe uma das 10 contas VIP O site www.swpt.org (abreviadamente SwPt) declara em conformidade com a legislação vigente, informar que os dados de carácter pessoal

Leia mais

Plus500 Ltd. Política de privacidade

Plus500 Ltd. Política de privacidade Plus500 Ltd Política de privacidade Política de privacidade Declaração de privacidade da Plus500 Proteger a privacidade e salvaguardar os dados pessoais e financeiros dos nossos clientes e dos visitantes

Leia mais

Directiva 91/250/CEE do Conselho, de 14 de Maio de 1991, relativa à protecção jurídica dos programas de computador

Directiva 91/250/CEE do Conselho, de 14 de Maio de 1991, relativa à protecção jurídica dos programas de computador Página 1 de 5 Avis juridique important 31991L0250 Directiva 91/250/CEE do Conselho, de 14 de Maio de 1991, relativa à protecção jurídica dos programas de computador Jornal Oficial nº L 122 de 17/05/1991

Leia mais

O Tratamento de Dados Pessoais em Portugal. Breve Guia Prático

O Tratamento de Dados Pessoais em Portugal. Breve Guia Prático O Tratamento de Dados Pessoais em Portugal Breve Guia Prático Este guia destina-se a distribuição exclusiva pela APDSI, com caráter meramente informativo e para uso exclusivo dos seus destinatários, não

Leia mais

MINUTA. Contrato de Mandato de Alienação

MINUTA. Contrato de Mandato de Alienação MINUTA Entre: Contrato de Mandato de Alienação 1. [Firma da empresa notificante da Operação de Concentração], (doravante denominação abreviada da empresa ou Mandante ), com sede em [morada], com o n.º

Leia mais

ICAP GRUPO DMC OBA Proposto como normativo a integrar futuramente no CC ICAP

ICAP GRUPO DMC OBA Proposto como normativo a integrar futuramente no CC ICAP Pág. 2 do Doc. GUIA_TODAS_ALTERAÇÕES O Código de Conduta do ICAP não se cinge à publicidade em sentido estrito: trata da comunicação comercial, numa larga acepção do termo, incluindo as principais linhas

Leia mais

Economia Digital e Direito. Privacy, Dados Pessoais e Correio Electrónico nas Empresas. Carolina Leão Oliveira. 19 Novembro 2013

Economia Digital e Direito. Privacy, Dados Pessoais e Correio Electrónico nas Empresas. Carolina Leão Oliveira. 19 Novembro 2013 Economia Digital e Direito Privacy, Dados Pessoais e Correio Electrónico nas Empresas Partilhamos a Experiência. Inovamos nas Soluções. Carolina Leão Oliveira 19 Novembro 2013 Matéria em causa: Uso do

Leia mais

DECRETO-LEI Nº 122/2000, DE 4 DE JULHO

DECRETO-LEI Nº 122/2000, DE 4 DE JULHO DECRETO-LEI Nº 122/2000, DE 4 DE JULHO O presente diploma transpõe para a ordem jurídica interna a directiva do Parlamento Europeu e do Conselho nº 96/9/CE, de 11 de Março, relativa à protecção jurídica

Leia mais

澳 門 特 別 行 政 區 政 府 Governo da Região Administrativa Especial de Macau 個 人 資 料 保 護 辦 公 室 Gabinete para a Protecção de Dados Pessoais

澳 門 特 別 行 政 區 政 府 Governo da Região Administrativa Especial de Macau 個 人 資 料 保 護 辦 公 室 Gabinete para a Protecção de Dados Pessoais Sobre a Utilização de Equipamento de Controlo de Assiduidades por Impressão Digital/Palma O Gabinete tem recebido várias consultas sobre a possibilidade de empregar o equipamento de controlo de assiduidades

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA 962 Diário da República, 1.ª série N.º 30 12 de Fevereiro de 2008 ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Lei n.º 5/2008 de 12 de Fevereiro Aprova a criação de uma base de dados de perfis de ADN para fins de identificação

Leia mais

Política de Privacidade da Fieldglass

Política de Privacidade da Fieldglass Política de Privacidade da Fieldglass Histórico de revisão Histórico de revisão do documento Revisão Data Resumo de alterações Autor(es) 1 Fevereiro de 2014 Política de privacidade alinhada com padrões

Leia mais

Avisos do Banco de Portugal. Aviso nº 2/2007

Avisos do Banco de Portugal. Aviso nº 2/2007 Avisos do Banco de Portugal Aviso nº 2/2007 O Aviso do Banco de Portugal nº 11/2005, de 13 de Julho, procedeu à alteração e sistematização dos requisitos necessários à abertura de contas de depósito bancário,

Leia mais

Protecção de Dados Pessoais 27 de Maio de 2014 Protecção de Dados Pessoais e o Direito do Trabalho. Helena Tapp Barroso (htb@mlgts.

Protecção de Dados Pessoais 27 de Maio de 2014 Protecção de Dados Pessoais e o Direito do Trabalho. Helena Tapp Barroso (htb@mlgts. Protecção de Dados Pessoais 27 de Maio de 2014 Protecção de Dados Pessoais e o Direito do Trabalho Helena Tapp Barroso (htb@mlgts.pt) Protecção de Dados Pessoais e o Direito do Trabalho MÚLTIPLOS PLANOS

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE ELECTRÓNICA, AUTOMAÇÃO E COMPUTADORES 1 / 6

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE ELECTRÓNICA, AUTOMAÇÃO E COMPUTADORES 1 / 6 PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE ELECTRÓNICA, AUTOMAÇÃO E COMPUTADORES Publicação e actualizações Publicado no Despacho n.º13456/2008, de 14 de Maio, que aprova a versão inicial do Catálogo Nacional de

Leia mais

TP.100. Política de Segurança da Informação

TP.100. Política de Segurança da Informação Manual do utilizador TP.100 Política de Segurança da Informação Órgão: Versão: 1.0 Data inicial: 2006/05/25 Última alteração: 2006/05/25 (referência) 2/8 Índice de conteúdos 1.- INTRODUÇÃO... 3 2.- INFORMAÇÃO...

Leia mais

A protecção de dados pessoais nas organizações: o futuro hoje.

A protecção de dados pessoais nas organizações: o futuro hoje. A protecção de dados pessoais nas organizações: o futuro hoje. Fórum dos Auditores IPAI Lisboa, 22 de Janeiro de 2015 Tiago Félix da Costa Este documento constitui documento de suporte a uma apresentação

Leia mais

REGULAMENTO PRÉMIO DE PINTURA COVIRAN-PORTUGAL

REGULAMENTO PRÉMIO DE PINTURA COVIRAN-PORTUGAL REGULAMENTO PRÉMIO DE PINTURA COVIRAN-PORTUGAL PRIMEIRA.- EMPRESA ORGANIZADORA COVIRAN SOCIEDADE COOPERATIVA ANDALUZA, SUCURSAL EM PORTUGAL (dorovante COVIRÁN PORTUGAL), Pessoa Colectiva n.º 980435161,

Leia mais

Decreto-Lei n.º 134/2009, de 2 de Junho

Decreto-Lei n.º 134/2009, de 2 de Junho Decreto-Lei n.º 134/2009, de 2 de Junho Regime jurídico aplicável à prestação de serviços de promoção, informação e apoio aos consumidores e utentes através de centros telefónicos de relacionamento Comentários

Leia mais

Política de Segurança da Informação da Entidade

Política de Segurança da Informação da Entidade Estrutura Nacional de Segurança da Informação (ENSI) Política de Segurança da Informação da Entidade Fevereiro 2005 Versão 1.0 Público Confidencial O PRESENTE DOCUMENTO NÃO PRESTA QUALQUER GARANTIA, SEJA

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS E TERMOS DE UTILIZAÇÃO

CONDIÇÕES GERAIS E TERMOS DE UTILIZAÇÃO CONDIÇÕES GERAIS E TERMOS DE UTILIZAÇÃO Caro(a) Utilizador(a) As presentes condições de uso estabelecem as regras e obrigações para o acesso e utilização do sítio da internet www.rolos.pt, bem como de

Leia mais

澳 門 特 別 行 政 區 政 府 Governo da Região Administrativa Especial de Macau 個 人 資 料 保 護 辦 公 室 Gabinete para a Protecção de Dados Pessoais

澳 門 特 別 行 政 區 政 府 Governo da Região Administrativa Especial de Macau 個 人 資 料 保 護 辦 公 室 Gabinete para a Protecção de Dados Pessoais Parecer n.º 09/P/2007/GPDP Assunto: Sobre as tarefas de impressão e envio de extractos de conta confiados à Companhia B de Hong Kong por parte do Banco A Segundo carta do Banco A, este incumbe a Companhia

Leia mais

Soluções de Gestão Integradas SENDYS ERP. Otimize a Gestão do Seu Negócio!

Soluções de Gestão Integradas SENDYS ERP. Otimize a Gestão do Seu Negócio! Soluções de Gestão Integradas SENDYS ERP Otimize a Gestão do Seu Negócio! Universo da Solução de Gestão SENDYS ERP Financeira Recursos Humanos Operações & Logística Comercial & CRM Analytics & Reporting

Leia mais

1) Termos e Condições

1) Termos e Condições 1) Termos e Condições Termos e Condições Plataforma Compras Públicas A informação contida nesta área regula o uso da presente página de Internet www.compraspublicas.com e de todo o seu conteúdo. Recomenda-se

Leia mais

3 A plataforma Moodle do Centro de Competência Softciências

3 A plataforma Moodle do Centro de Competência Softciências 3 A plataforma Moodle do Centro de Competência Softciências Dar a cana para ensinar a pescar (adágio popular) 3.1 O Centro de Competência O Centro de Competência Softciências, instituição activa desde

Leia mais

A implementação do balcão único electrónico

A implementação do balcão único electrónico A implementação do balcão único electrónico Departamento de Portais, Serviços Integrados e Multicanal Ponte de Lima, 6 de Dezembro de 2011 A nossa agenda 1. A Directiva de Serviços 2. A iniciativa legislativa

Leia mais

ASSEMBLEIA NACIONAL 718 I SÉRIE N O 24 «B. O.» DA REPÚBLICA DE CABO VERDE 14 DE ABRIL DE 2015

ASSEMBLEIA NACIONAL 718 I SÉRIE N O 24 «B. O.» DA REPÚBLICA DE CABO VERDE 14 DE ABRIL DE 2015 718 I SÉRIE N O 24 «B. O.» DA REPÚBLICA DE CABO VERDE 14 DE ABRIL DE 2015 ASSEMBLEIA NACIONAL Lei n.º 86/VIII/2015 de 14 de Abril Por mandato do Povo, a Assembleia Nacional decreta, nos termos da alínea

Leia mais

TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO I OBJECTO E ÂMBITO

TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO I OBJECTO E ÂMBITO Anteprojecto de Decreto-Lei sobre a Comercialização à Distância de Serviços Financeiros (Transposição da Directiva número 2002/65/CE do Parlamento Europeu e do Conselho, de 23 de Setembro de 2002, relativa

Leia mais

PROPOSTA DE SEGURO MARÍTIMO

PROPOSTA DE SEGURO MARÍTIMO PROPOSTA DE SEGURO MARÍTIMO INTERNATIONAL COMMERCIAL AND ENGINEERING ICE SEGUROS S.A. 141A Rua José Craveirinha Bairro de Polana Cidade de Maputo Moçambique INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO Preencher todos

Leia mais

MATRÍCULA ELECTRÓNICA. Manual do Utilizador

MATRÍCULA ELECTRÓNICA. Manual do Utilizador MATRÍCULA ELECTRÓNICA Manual do Utilizador ÍNDICE 1 PREÂMBULO... 2 2 UTILIZAÇÃO PELOS ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO... 3 2.1 Matrícula Electrónica - Acesso através do Portal das Escolas... 3 2.2 Registo de

Leia mais

Sem inário Prnc i ípio do Segredo Estatístico. HotelAltis -Lisboa 13 de Janeiro 2005

Sem inário Prnc i ípio do Segredo Estatístico. HotelAltis -Lisboa 13 de Janeiro 2005 Sem inário Prnc i ípio do Segredo Estatístico HotelAltis -Lisboa 13 de Janeiro 2005 João Cadete de Matos Director Departam ento de Estatística Banco de Portugal A protecção de informação estatística confidencialno

Leia mais

Implementação do conceito. Balcão Único na Administração Pública. Janeiro de 2008

Implementação do conceito. Balcão Único na Administração Pública. Janeiro de 2008 Implementação do conceito Balcão Único na Administração Pública Janeiro de 2008 Janeiro 2008 1 Índice 1. Enquadramento e Objectivos...3 1.1. Enquadramento...3 1.2. Objectivos...7 2. Conceitos...7 3. Recomendações

Leia mais

DIRECTIVA RELATIVA À SUBCONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS

DIRECTIVA RELATIVA À SUBCONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS N. o 032/B/2009-DBS/AMCM Data: 14/8/2009 DIRECTIVA RELATIVA À SUBCONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS A Autoridade Monetária de Macau (AMCM), no exercício das competências que lhe foram atribuídas pelo Artigo 9. o

Leia mais