1ª PARTE LEIS E DECRETOS 2ª PARTE ATOS ADMINISTRATIVOS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1ª PARTE LEIS E DECRETOS 2ª PARTE ATOS ADMINISTRATIVOS"

Transcrição

1 Sem alteração 1ª PARTE LEIS E DECRETOS 2ª PARTE ATOS ADMINISTRATIVOS GABINETE DO COMANDANTE DO EXÉRCITO PORTARIA Nº 006-RES, DE 5 DE JUNHO DE Aprova a Diretriz Estratégica de Garantia da Lei e da Ordem. O COMANDANTE DO EXÉRCITO, no uso da competência que lhe confere o art. 30, inciso VI, e tendo em vista o art. 32, inciso IV, da Estrutura Regimental do Ministério da Defesa, aprovada pelo Decreto nº 3.466, de 17 de maio de 2000, e de acordo com o que propõe o Estado-Maior do Exército, resolve: Art. 1º Aprovar a Diretriz Estratégica de Garantia da Lei e da Ordem, integrante da coletânea de Diretrizes Estratégicas do Exército (SIPLEX-5), que com esta baixa. Art. 2º Estabelecer que esta Portaria entre em vigor na data de sua publicação. ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO PORTARIA Nº 036-EME-RES DE 29 DE MAIO DE 2002 Aprova a Diretriz de Implantação do Sistema de Defesa Química, Biológica e Nuclear. O CHEFE DO ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO, no uso da atribuição que lhe confere o art. 117, da Portaria nº 041, de 18 de fevereiro de 2002 (IG 10-42), resolve: Art. 1º Aprovar a Diretriz de Implantação do Sistema de Defesa Química, Biológica e Nuclear, no âmbito do Exército (SDQBNEx). Art. 2º O Comando de Operações Terrestres, os outros Órgãos de Direção Setorial, os Comandos Militares de Área e demais Órgãos envolvidos adotem, em seus setores de competência, as providências decorrentes. Art. 3º Estabelecer que esta Portaria entre em vigor na data de sua publicação. Boletim Reservado do Exército Nº 06, de 28 de junho de

2 Jul 02 Ago 02 Out 02 Nov 02 Mar 03 Identificar todas as instalações radiológicas e nucleares do país, incluindo locais de lavra de materiais radioativos. Criar um banco de dados de informações técnico-científicas de DQBN na AC. Implantar a Assessoria Científica (AC). Propor os Requisitos Técnicos Básicos (RTB) do material de DQBN. Submeter à apreciação do EME um trabalho sobre cursos de pós-graduação, na área de defesa QBN, para oficiais do Quadro de Saúde (farmacêuticos, veterinários e biólogos). Propor programa de capacitação dos integrantes da AC em ações de atendimento a emergências QBN. Encaminhar, ao EME, estudo sobre a implantação da matéria DQBN no curso de graduação em engenharia química do IME. iniciar avaliação de risco previa em todas as instalações com potencial para a ocorrência de desastres QBN, conforme a relação e prioridades estabelecidas pelo COTER. Identificar os principais centros de pesquisa e de manipulação de microorganismos, de biotecnologia, as indústrias farmacêuticas, cervejarias e outras instituições que possuam fermentadores de grande porte. Prazo (até) Set 02 Nov 02 Fev 03 DEP Remeter, ao EME, proposta sobre material de Defesa QBN a ser incluído nos QDM da EsIE e da Cia DQBN (FRE), bem como do material a ser distribuído às. Apresentar, ao EME, proposta de reformulação do ensino de defesa QBN e de atualização de conhecimento de Defesa QBN do pessoal já especializado no assunto. Apresentar, ao EME, proposta de implementação de cursos de especialização em defesa QBN voltados para o Quadro de Saúde do Exército. Incrementar a formação de especialistas em defesa QBN, de maneira a prover recursos humanos especializados para a FRE e as. Prazo (até) Fev 03 C Mil A Organizar as Forças de Resposta Inicial, na dosagem de uma por RM, empregando tropa valor Pel e natureza Inf PE/Gd. Prazo (até) Ago 02 Set 02 CIE Identificar e informar ao COTER as principais instalações com potencial para a ocorrência de desastres QBN. Propor, ao EME, os procedimentos de segurança orgânica para a DQBN 28 Boletim Reservado do Exército Nº 06, de 28 de junho de 2002

3 SISTEMA DE DEFESA QUIMICA, BIOLÓGICA E NUCLEAR NO ÂMBITO DO EXÉRCITO BRASILEIRO (SDQBNEx) 1. FINALIDADE O SDQBNEx tem por finalidade capacitar a Força Terrestre para o emprego nas missões de Defesa Externa, Garantia da Lei e da Ordem (GLO) e Cooperação com a Defesa Civil em ambiente operacional onde ocorra a presença e/ou a ameaça de emprego de Agentes QBN. 2. OBJETIVOS a. Capacitar a Força Terrestre a atuar em resposta a ameaças que utilizem armas de natureza química, biológica e nuclear, em qualquer ambiente operacional; b. Capacitar a Força Terrestre para atuar como eficaz instrumento de combate contra ações terroristas com agentes QBN. c. Implementar, no âmbito do Exército, o sistema de vigilância e proteção aos locais estratégicos e instalações militares que se constituem alvos compensatórios para o emprego de agentes QBN; d. Cooperar com o Sistema Nacional de Defesa Civil (SINDEC) nas ações de redução de desastres QBN, que abrangem os seguintes aspectos globais: prevenção, preparação para emergências e resposta aos desastres; e. Cumprir a missão constitucional de garantia da lei e da ordem, perturbada por ameaças ou desastres QBN, de acordo com as diretrizes baixadas em ato do Presidente da República, após esgotados os instrumentos destinados à preservação da ordem pública e da incolumidade das pessoas e do patrimônio, relacionados no art. 144 da Constituição Federal; f. Reduzir o hiato tecnológico quanto à defesa QBN em relação a outros exércitos. 3. REFERÊNCIAS a. Constituição da República Federativa do Brasil; b. Política Nacional de Defesa Civil; c. Sistema de Planejamento do Exército (SIPLEX); d. Portaria nº 463 do Cmt Ex, de 13 Set 01 Diretriz Estratégica de Comando e Controle; e. Portaria nº 464 do Cmt Ex, de 13 Set 01 Diretriz Estratégica de Informações Operacionais; f. Portaria n o a SCH-EME-Res, de 30 Mar 89 Plano de Implantação da Política de Defesa Química, Biológica e Nuclear; g. Portaria n o 013-EME, de 11 Mar 02 aprova a Diretriz para a Gestão de Crise; h. C Manual de Campanha Operações; i. IP Bases para a Modernização da Doutrina de Emprego da Força Terrestre (Doutrina Delta); e 8 Boletim Reservado do Exército Nº 06, de 28 de junho de 2002

4 j. Portaria nº 018 do Cmt Ex, de 28 Jan 02 Constitui Grupo de Trabalho com a finalidade de apresentar proposta para a implantação de Sistema de DQBN. 4. PREMISSAS BÁSICAS O Sistema de Defesa Química, Biológica e Nuclear do Exército (SDQBNEx) deve basear-se nas seguintes premissas: - mobilidade estratégica e pronta resposta; - eficiência e eficácia em qualquer ambiente operacional; - estruturas versáteis e flexíveis; - priorização da atividade preventiva; - emprego do princípio de controle centralizado e execução descentralizada; - capacitação contínua dos recursos humanos; - tecnologia dominada (dentro do estado da arte do País); e - utilização de material de comprovada eficácia. 5. CONDICIONANTES O SDQBNEx deve se ajustar às seguintes condicionantes: - restrições de recursos humanos e físico-financeiros; - fiel observância da legislação e dos compromissos internacionais assumidos pelo Brasil envolvendo atividades de defesa QBN; - inexistência de infra-estrutura apropriada de defesa QBN; - dificuldade de obtenção, por transferência ou compra, de tecnologias de interesse militar; - observância das seguintes características: confiabilidade; segurança; continuidade; interoperabilidade; flexibilidade; versatilidade; e ser factível; - organização compatível com a necessidade de transição, no mais curto prazo, da estrutura de paz para a estrutura militar de guerra; e - aproveitamento dos recursos disponíveis para as ações de preparo e emprego dos elementos integrantes do SDQBNEx. 6. CONCEPÇÃO DO SDQBNEX a. Considerações gerais 1) O Sistema de Comando e Controle da Força Terrestre (SC 2 FTer) tem por finalidade o apoio integrado ao processo de comando e controle no preparo e emprego operacional da Força, desde o tempo de paz, e interliga-se ao Sistema Estratégico de Comando e Controle do Exército (SEC 2 Ex) para o atendimento das necessidades de preparo da F Ter. 2) O Sistema de Informações Operacionais (SIOp), que tem o COTER como órgão central, abrange o conjunto de sistemas específicos que proporcionam a gestão das informações necessárias à integração, coordenação, planejamento e execução de operações de armas combinadas, no universo dos sistemas Boletim Reservado do Exército Nº 06, de 28 de junho de

5 operacionais, em níveis estratégico-operacional e tático, nas seguintes áreas: Comando e Controle; Manobra; Inteligência; Apoio de Fogo; Defesa Antiaérea; Aeromobilidade; Logística; e Mobilidade, Contramobilidade e Proteção. 3) O SDQBNEx, por suas características, deverá ser considerado como um subsistema do Sistema Mobilidade, Contramobilidade e Proteção, com previsão de acionamento nas missões constitucionais da Força Terrestre de Defesa Externa, Garantia da Lei e da Ordem e Cooperação com a Defesa Civil. 4) Deverá prever ações de caráter permanente, voltadas para a formação de recursos humanos, a capacitação operacional, o aprestamento, o preparo e a integração de elementos capazes de dar uma resposta imediata a ameaças, e, também, prever ações episódicas orientadas à prevenção e à minimização de desastres QBN; 5) A implantação do SDQBNEx visa dar uma resposta efetiva às eventuais ameaças ou desastres QBN e exige procedimentos e conscientização de todos os integrantes do Exército Brasileiro. b. Estrutura organizacional 1) A estrutura organizacional do SDQBNEx utiliza-se dos órgãos da estrutura do Exército, valendose de recursos de toda ordem humanos, físico-financeiros e científico-tecnológicos. 2) O SDQBNEx possui organização modular, conforme as seguintes atividades: Comando e Controle (C²), Assessoria Científica (AC), Operacional (Op), Logística (Log) e Ciência e Tecnologia (C&T). 3) O C², célula DQBN localizada no Centro de Comando e Controle da Força Terrestre (C³FTer), tem o COTER como órgão central e é responsável pelo acionamento, direção, controle e avaliação do SDQBNEx. 4) A AC, de responsabilidade da Secretaria de Ciência e Tecnologia (SCT), tem a missão de proporcionar ao C² o assessoramento técnico-científico, nas áreas Química, Biológica e Nuclear, necessário à atuação da F Ter contra ameaças ou desastres QBN. 5) O elemento operacional é organizado em dois segmentos: - Força de Resposta a Emergências (FRE) Cia DQBN, orgânica da Bda OpEsp e vinculada ao COTER para efeito de preparo e emprego; - Forças de Resposta Inicial () constituídas por elementos das OM de Polícia ou Guarda (valor Pel Fzo) subordinadas aos C Mil A e articuladas nas sedes dos Comandos de Região Militar (RM), na dosagem de 01 (uma) por sede de RM. 6) O elemento logístico tem como responsáveis pela previsão e provisão do apoio logístico necessário ao funcionamento do Sistema: o D Log, na área de Suprimento, Manutenção, Transporte, Mobilização e Fiscalização de Produtos Controlados; o DGP, na área de Pessoal e Saúde; e o DEC, na área de Construção. As RM são os órgãos responsáveis pela execução. 7) O elemento de C&T tem a SCT como responsável pela coleta, armazenamento, produção e difusão dos conhecimentos necessários à base de informações científico-tecnológicas do SDQBNEx. 10 Boletim Reservado do Exército Nº 06, de 28 de junho de 2002

6 c. Concepção lógica C 2 Op Log O AC C & T Boletim Reservado do Exército Nº 06, de 28 de junho de

7 d. Concepção Física Cmt EB E M E D G P S T I D Log COTER S C T D E P D E C S E F (c) (c) (c) Centro C 2 FTer IPD Célula DQBN (a) AC CMSE CMS CML CMNE CMA CMP CMO Bda Op Esp Cia DQBN (FRE) (b) 2 a RM 3 a RM 5 a RM 7 a RM 1 a RM 4 a RM 6 a RM 10 a RM 8 a RM 12 a RM 11 a RM 9 a RM (a) Assessoria técnico-cientifica (b) Vinculada ao COTER para efeito de preparo e emprego (c) Participação mediante solicitação AC Assessoria Científica FRE Força de Resposta a Emergências (Cia DQBN) Força de Resposta Inicial (Valor Pel Natureza PE/Gd Constituídos EP) 12 Boletim Reservado do Exército Nº 06, de 28 de junho de 2002

8 e. Força de Resposta a Emergências (Cia DQBN) 1) Generalidades a) Quando do preparo e emprego das unidades da Bda OpEsp e de outras frações da Força Terrestre em ambientes operacionais passíveis da presença de agentes QBN, cabe ao comandante da Cia DQBN assumir a função de oficial DQBN, passando a integrar o EM Especial do escalão empregado. b) A Cia DQBN orienta quanto ao emprego dos meios especializados para as Operações QBN e supervisiona o adestramento específico das demais unidades da Bda OpEsp e de outras, quando determinado. 2) Missões, possibilidades e limitações a) Missões (1) Apoiar a Bda OpEsp e, quando determinado, os Grandes Comandos e/ou Grandes Unidades, nas Operações QBN, facilitando o movimento e incrementando o poder de combate, por meio da execução de cobertura fumígena em frentes limitadas, nas operações ofensivas e defensivas, bem como na defesa de um ponto sensível. (2) Instalar e operar um Posto de Descontaminação Total. (3) Reconhecer, identificar e demarcar áreas contaminadas por agentes QBN. (4) Prestar apoio, quando determinado, à Defesa Civil, na detecção, redução de efeitos, descontaminação e outras medidas ativas e passivas de proteção, quando do emprego de armas radiológicas, nucleares e de agentes químicos e biológicos por parte do inimigo. (5) Apoiar a instrução e o adestramento de tropa nos assuntos pertinentes às operações QBN. (6) Integrar a Força de Ação Rápida Estratégica (FAR E). b) Possibilidades (1) Assessorar no planejamento para integração do emprego de meios QBN com os planos de fogos e barreiras. (2) Assessorar unidades terrestres, aéreas e navais nas operações QBN. (3) Assessorar unidades na instrução e no adestramento do pessoal quanto ao emprego e proteção de armas e munições QBN, inclusive incendiárias. (4) Cooperar na formação e especialização de pessoal militar para as operações QBN. (5) Planejar, conduzir e executar operações que envolvam: (a) a destruição de casamatas e outras fortificações, particularmente pela utilização de artefatos incendiários (inclusive lança-chamas); (b) a utilização de agentes químicos e biológicos; e (c) outros meios e equipamentos de Operações QBN. (6) Descontaminar áreas críticas, instalações e materiais. (7) Servir como Organização de Experimentação da Doutrina (OED). c) Limitações Boletim Reservado do Exército Nº 06, de 28 de junho de

9 1) Defesa anticarro deficiente em operações contra forças blindadas. 2) Defesa antiaérea deficiente na presença de aeronaves de ataque (de asa fixa e/ou de asa móvel) hostis. f. Forças de Resposta Inicial () 1) Generalidades As Forças de Resposta Inicial () serão constituídas por elementos das unidades de PE/Gd (valor pelotão), com treinamento específico para emprego em emergências QBN, executando as medidas iniciais de defesa QBN com os meios disponíveis. QBN. 2) Missões a) Reconhecer, identificar, demarcar e isolar, sumariamente, áreas contaminadas por agentes b) Avaliar a magnitude do evento QBN, notificando ao escalão superior, de acordo com as regras de engajamento. c) Escolher e preparar o local para a instalação do Posto de Descontaminação Total. d) Escolher e preparar as áreas específicas para as atividades de detecção, redução de efeitos, descontaminação e para a adoção de outras medidas de defesa QBN. 7. CAPACIDADES A SEREM EVIDENCIADAS PELO SISTEMA O SDQBNEx deverá desenvolver a capacitação para realizar as seguintes atividades e/ou ações: - listagem de todas as substâncias químicas fabricadas e /ou comercializadas, passíveis de ser empregadas como precursoras de agentes químicos; - catalogação de fabricantes, distribuidores e usuários das substâncias listadas, incluindo capacidade de armazenamento, produção e consumo; - catalogação de todas as instalações radiológicas e nucleares do País, bem como de lavra de materiais radioativos; - catalogação de centros de pesquisa e de manipulação de microorganismos, biotecnologia, indústrias farmacêuticas, cervejarias e outras instituições que manipulam microorganismos; - incremento do intercâmbio doutrinário de DQBN com os exércitos de nações amigas; - estímulo à pesquisa e ao desenvolvimento científico-tecnológico, com o envolvimento das instituições de ensino, dos centros de pesquisa e do setor industrial, no campo da DQBN; - incremento das atividades de pesquisa em DQBN no âmbito da Secretaria de Ciência e Tecnologia; - acompanhamento da atividade científica, linhas de pesquisa e formação de alunos estrangeiros; - listagem de alvos compensatórios e pontos sensíveis. - estabelecimento, em todos os níveis, de procedimentos de segurança orgânica para a DQBN; 14 Boletim Reservado do Exército Nº 06, de 28 de junho de 2002

10 - estabelecimento dos requisitos técnicos básicos (RTB) do material de emprego militar (MEM); - avaliação sistemática do funcionamento do SDQBNEx, estabelecendo indicadores de desempenho que permitam o aprimoramento dos seus requisitos operacionais e técnicos básicos, bem como o desenvolvimento da doutrina de DQBN; e - capacitação para a pronta resposta a desastres QBN. 8. PRESCRIÇÕES DIVERSAS O elemento AC do SDQBNEx, por suas peculiaridades e especificidades técnicas e científicas, requer as seguintes condições e recursos especiais: - instalações que permitam as ligações em tempo real com o C² e outros órgãos, onde cada especialista tem suas funções detalhadas, com protocolos de ação pré-definidos para cada uma das hipóteses formuladas e dispondo de biblioteca especializada e recursos para avaliação de desastres QBN; - Equipe de Contato, constituída por especialistas de campo, com equipamentos de proteção individual, monitoração QBN, material de amostragem e comunicação móvel. A Equipe de Contato integrará a Força de Resposta a Emergências, atuando também como elemento técnico no local. - meios especiais para a Equipe de Contato: 1) Equipamentos de proteção individual, incluindo: - equipamentos autônomos de ar; - roupas de proteção nível A; - máscaras de proteção respiratória; e - roupas descartáveis. 2) Equipamentos de monitoração e detecção química, biológica e radiológica; 3) Amostradores de ar, solo e líquidos para a coleta de amostras a serem enviadas para análise em laboratórios de apoio; e 4) Cromatógrafos portáteis, para análise no local. - Banco de dados de informações técnico-científicas de DQBN. - informações meteorológicas, necessárias à previsão de espalhamento de nuvens de agentes; e - mapas digitais, cartas e plantas de todos os locais previstos nas hipóteses de emergência identificadas; - programas de previsão de espalhamento de nuvens de agentes, integrados aos mapas digitais, de modo a permitir a delimitação da zona de exclusão necessária à contenção dos efeitos dos agentes liberados. Boletim Reservado do Exército Nº 06, de 28 de junho de

11 DIRETRIZ DE IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE DEFESA QUÍMICA, BIOLÓGICA E NUCLEAR NO ÂMBITO DO EXÉRCITO BRASILEIRO 1. FINALIDADES a. Regular a implantação do Sistema de Defesa Química, Biológica e Nuclear no âmbito do Exército Brasileiro. b. Definir as atribuições e responsabilidades dos Órgãos envolvidos. 2. OBJETIVOS a. Racionalizar e otimizar os processos decisórios da Força Terrestre, no que tange ao preparo e ao emprego da tropa nas ações de defesa química, biológica e nuclear. b. Proporcionar ao Comando do Exército recursos adequados, oportunos, confiáveis e seguros, para a ação de comando e controle, quando da ameaça ou da ocorrência de desastres QBN. c. Proporcionar a integração com o Ministério da Defesa, as demais Forças Armadas e outros órgãos públicos e/ou privados, visando a prevenção ou, no caso da ameaça ou ocorrência de desastres QBN, a detecção, redução de efeitos, descontaminação e outras medidas ativas e passivas de proteção. 3. REFERÊNCIAS a. Constituição da República Federativa do Brasil. b. Sistema de Planejamento do Exército (SIPLEX). c. C Manual de Campanha Operações. d. IP Bases para a Modernização da Doutrina de Emprego da Força Terrestre (Doutrina Delta) e. Portaria nº 463 do Cmt Ex de 13 Set 01 - Diretriz Estratégica de Comando e Controle. f. Portaria nº 464 do Cmt Ex de 13 Set 01 - Diretriz Estratégica de Informações Operacionais. g. Portaria nº 018 do Cmt Ex de 28 Jan 02 Constitui Grupo de Trabalho com a finalidade de apresentar proposta para a implantação de Sistema de DQBN. 4. PREMISSAS BÁSICAS a. A Defesa Química, Biológica e Nuclear assume importância cada vez maior no cenário mundial, tornando imprescindível, portanto, dotar a Força Terrestre de um sistema capaz de responder prontamente a uma ameaça e/ou desastre QBN. b. A partir dos anos 90, cresceu a preocupação mundial com os atentados terroristas empregando armas QBN, o que levou ao consenso atual de que nenhuma nação encontra-se imune a atentados dessa natureza. c. O Brasil, apesar da índole pacífica de seu povo, poderá vir a ser alvo dessas ameaças. 16 Boletim Reservado do Exército Nº 06, de 28 de junho de 2002

12 d. Há, ainda, a possibilidade de ocorrência de acidentes laboratoriais, industriais ou ocasionados por transporte inadequado de agentes QBN. e. O Sistema de Informações Operacionais (SIOp), que tem o COTER como órgão central, abrange o conjunto de sistemas de informações específicos que proporcionam a gestão das informações necessárias à integração, à coordenação, ao planejamento e à execução de operações de armas combinadas no universo dos sistemas operacionais, nos níveis estratégico operacional e tático, nas áreas: Comando e Controle; Manobra; Inteligência; Apoio de Fogo; Defesa Antiaérea; Aeromobilidade; Logística; e Mobilidade, Contramobilidade e Proteção. f. O Sistema de Defesa Química, Biológica e Nuclear no âmbito do Exército (SDQBNEx), por suas características, deverá ser considerado um subsistema do sistema operacional Mobilidade, Contramobilidade e Proteção, com previsão de acionamento nas missões constitucionais da Força Terrestre de Defesa Externa, Garantia da Lei e da Ordem (GLO) e Cooperação com a Defesa Civil. g. O SDQBNEx deverá prever ações de caráter permanente voltadas para a formação de recursos humanos, a capacitação operacional, o aprestamento, o preparo e a integração de elementos capazes de dar uma resposta imediata a uma ameaça ou acidente QBN e, também, ações episódicas orientadas para prevenir ou atenuar efeitos de desastres QBN, quer acidentais ou provocados por Forças Adversas e/ou Terroristas. 5. CONDICIONANTES DO SISTEMA a. Restrições de recursos humanos e físico-financeiros. b. Fiel observância da legislação e dos compromissos internacionais assumidos pelo Brasil envolvendo atividades de defesa QBN. c. Infra-estrutura de defesa QBN deficiente. d. Dificuldade de obtenção, por transferência ou compra, de tecnologias de interesse militar. e. Organização compatível com a necessidade de transição, no mais curto prazo, da estrutura de paz para a Estrutura Militar de Guerra. f. Aproveitamento dos recursos disponíveis para as ações de preparo e emprego dos elementos integrantes do SDQBNEx. 6. CARACTERÍSTICAS DO SISTEMA a. SDQBNEx foi concebido para, com controle centralizado e ações descentralizadas, atuar de maneira a prover pronta resposta a ataques com agentes QBN, observando as seguintes características: 1) Confiabilidade; 2) Segurança; 3) Continuidade; 4) Interoperabilidade; 5) Flexibilidade; 6) Versatilidade; e 7) Ser factível. Boletim Reservado do Exército Nº 06, de 28 de junho de

13 7. CONCEPÇÃO DO SISTEMA a. Considerações gerais 1) O Sistema de Comando e Controle da Força Terrestre (SC 2 FTer) tem por finalidade o apoio integrado ao processo de comando e controle relativo ao preparo e emprego operacional da Força, desde o tempo de paz, e interliga-se ao Sistema Estratégico de Comando e Controle do Exército (SEC 2 Ex). 2) O SC 2 FTer integra os seguintes sistemas: manobra; inteligência; apoio de fogo; defesa antiaéria; aeromobilidade; mobilidade, contramobilidade e proteção; e logístico. 3) O SDQBNEx, subsistema do Sistema Mobilidade, Contramobilidade e Proteção, é integrado aos demais sistemas operacionais por meio do SC 2 FTer. 4) A implantação do SDQBNEx visa dar uma resposta efetiva às eventuais ameaças ou desastres QBN e exige procedimentos e conscientização de todos os integrantes do Exército Brasileiro. b. Estrutura organizacional 1) A estrutura organizacional do SDQBNEx utiliza-se dos órgãos da estrutura do Exército, valendo-se de recursos de toda ordem humanos, físico-financeiros e científico-tecnológicos. 2) O SDQBNEx possui organização modular, conforme as seguintes atividades: Comando e Controle (C²), Assessoria Científica (AC), Operacional (Op), Logística (Log) e Ciência e Tecnologia (C&T). 3) O C², célula DQBN localizada no Centro de Comando e Controle da Força Terrestre (C³FTer), tem o COTER como órgão central e é responsável pelo acionamento, direção, controle e avaliação do SDQBNEx. 4) A AC, de responsabilidade da Secretaria de Ciência e Tecnologia (SCT), tem a missão de proporcionar ao C² o assessoramento técnico-científico, nas áreas Química, Biológica e Nuclear, necessário à atuação da F Ter contra ameaças ou desastres QBN. 5) O elemento operacional é organizado em dois segmentos: - Força de Resposta a Emergências (FRE) Cia DQBN, orgânica da Brigada de Operações Especiais (Bda OpEsp) e vinculada ao COTER para efeito de preparo e emprego; e - Forças de Resposta Inicial () constituídas por elementos das OM de Polícia ou Guarda (valor Pel Fzo), subordinadas aos C Mil A e articuladas nas sedes dos Comandos de Região Militar (RM), na dosagem de 01 (uma) por sede de RM. 6) O elemento logístico tem como responsáveis pela previsão e provisão do apoio logístico necessário ao funcionamento do Sistema: o D Log, na área de Suprimento, Manutenção, Transporte, Mobilização e Fiscalização de Produtos Controlados; o DGP, na área de Pessoal e Saúde; e o DEC, na área de Construção. As RM são os órgãos responsáveis pela execução. 7) O elemento de C&T tem a SCT como responsável pela coleta, armazenamento, produção e difusão dos conhecimentos necessários à base de informações científico-tecnológicas do SDQBNEx. 18 Boletim Reservado do Exército Nº 06, de 28 de junho de 2002

14 c. Concepção Lógica C 2 Op Log O AC C & T Boletim Reservado do Exército Nº 06, de 28 de junho de

15 d. Concepção Física Cmt EB E M E D G P S T I D Log COTER S C T D E P D E C S E F (c) (c) (c) Centro C 2 FTer IPD Célula DQBN (a) AC CMSE CMS CML CMNE CMA CMP CMO Bda Op Esp Cia DQBN (FRE) (b) 2 a RM 3 a RM 5 a RM 7 a RM 1 a RM 4 a RM 6 a RM 10 a RM 8 a RM 12 a RM 11 a RM 9 a RM (a) Assessoria técnico-cientifica (b) Vinculada ao COTER para efeito de preparo e emprego (c) Participação mediante solicitação AC Assessoria Científica FRE Força de Resposta a Emergências (Cia DQBN) Força de Resposta Inicial (Valor Pel Natureza PE/Gd Constituídos EP) 20 Boletim Reservado do Exército Nº 06, de 28 de junho de 2002

16 e. Força de Resposta a Emergências (Cia DQBN) 1) Generalidades a) Quando do preparo e emprego das unidades da Bda OpEsp e de outras frações da Força Terrestre em ambientes operacionais passíveis da presença de agentes QBN, cabe ao comandante da Cia DQBN assumir a função de oficial DQBN, passando a integrar o EM Especial do escalão empregado. b) A Cia DQBN orienta quanto ao emprego dos meios especializados para as Operações QBN e supervisiona o adestramento específico das demais unidades da Bda Op Esp e de outras, quando determinado. 2) Missões a) Apoiar a Bda OpEsp e, quando determinado, os Grandes Comandos e/ou Grandes Unidades nas Operações QBN, facilitando o movimento e incrementando o poder de combate, por meio da execução de cobertura fumígena em frentes limitadas, nas operações ofensivas e defensivas, bem como na defesa de um Ponto Sensível. b) Instalar e operar um Posto de Descontaminação Total. c) Reconhecer, identificar e demarcar áreas contaminadas por agentes QBN. d) Prestar apoio, quando determinado, à Defesa Civil, na detecção, redução de efeitos, descontaminação e outras medidas ativas e passivas de proteção, quando do emprego de armas radiológicas, nucleares e de agentes quimicos e biológicos por parte do inimigo, ou quando da ocorrência de desastres QBN. e) Apoiar a instrução e o adestramento de tropa nos assuntos pertinentes às operações QBN, particularmente quanto ao emprego e proteção de armas e munições QBN, quando determinado. f) Assessorar unidades nas operações QBN, quando determinado. g) Integrar a Força de Ação Rápida Estratégica (FAR E). h) Cooperar na formação e especialização de pessoal militar para as operações QBN. i) Descontaminar áreas criticas, instalações e materiais. f. Forças de Resposta Inicial () 1) Generalidades As Forças de Resposta Inicial () serão constituídas por elementos das unidades de PE/Gd (valor pelotão), com treinamento específico para emprego em emergências QBN, executando as medidas iniciais de defesa QBN com os meios disponíveis. QBN. 2) Missões a) Reconhecer, identificar, demarcar e isolar, sumariamente, áreas contaminadas por agentes b) Avaliar a magnitude do evento QBN, notificando ao escalão superior, de acordo com as regras de engajamento. c) Escolher e preparar o local para a instalação do Posto de Descontaminação Total. d) Escolher e preparar as áreas específicas para as atividades de detecção, redução de efeitos, descontaminação e para a adoção de outras medidas de defesa QBN. Boletim Reservado do Exército Nº 06, de 28 de junho de

17 8. ATRIBUIÇÕES a. Estado-Maior do Exército (EME) 1) Orientar o funcionamento do Sistema DQBN, com vistas a torná-lo um eficaz instrumento de apoio ao preparo e ao emprego da F Ter na DQBN. 2) Coordenar as atividades dos Órgãos de Direção Setorial envolvidos no desenvolvimento, implementação e manutenção dos recursos informacionais do Sistema. 3) Acompanhar o desempenho do Sistema, visando ao seu permanente aprimoramento técnicodoutrinário. 4) Estabelecer as condicionantes doutrinárias e operacionais, os Requisitos Operacionais Básicos (ROB) do Sistema e os Requisitos Técnicos Básicos (RTB) do material de DQBN, após ouvir o COTER (ROB) e a SCT (RTB). 5) Mediante estudo de proposta a ser apresentada pelo DEP: a) implantar a sistemática de atualização do conhecimento de Defesa QBN para o pessoal já especializado no assunto; e b) implementar a reformulação do ensino de Defesa QBN. 6) Mediante estudo da proposta a ser apresentada pela SCT, verificar a possibilidade de implantação, no IME, de curso de pós-graduação, na área de DQBN, para oficiais do Quadro de Saúde (farmacêuticos, veterinários e biólogos). 7) Definir o material de Defesa QBN a ser adotado pela EsIE, pela FRE e pelas. 8) Elaborar os QDM pertinentes. 9) Realizar intercâmbios doutrinários de DQBN com exércitos de nações amigas. 10) Manter atualizada a presente Diretriz. 11) Estabelecer os procedimentos de segurança orgânica para a DQBN, particularmente das instalações militares. 12) Adotar as demais medidas administrativas decorrentes, em sua esfera de competência. b. Comando de Operações Terrestres (COTER) 1) Propor, ao EME, os Requisitos Operacionais Básicos do SDQBNEx. 2) Estabelecer as necessidades de informações operacionais para orientar o desenvolvimento do Sistema, em todos os níveis de comando da F Ter. 3) Coordenar o desenvolvimento do SDQBNEx. 4) Orientar e coordenar o planejamento e a execução das atividades relacionadas com a Instrução Militar de DQBN, bem como estabelecer normas para o controle e a avaliação dessas atividades. 5) Definir as necessidades de informações e de ligações para apoiar o emprego dos elementos operacionais. 6) Proceder à avaliação sistemática do funcionamento do SDQBNEx, estabelecendo indicadores de desempenho que permitam o aprimoramento dos seus requisitos operacionais e técnicos básicos (ROB e RTB). 22 Boletim Reservado do Exército Nº 06, de 28 de junho de 2002

18 7) Implantar a célula de DQBN no C 2 FTer. 8) Avaliar a lista de instalações com potencial para a ocorrência de desastres QBN feita pelo CIE, identificando as prioritárias. 9) Informar à SCT os locais (instalações) escolhidos como prioritários para execução de avaliação de risco prévia. 10) Solicitar ao DLog os mapas digitais para utilização em programas de dispersão de agentes QBN, bem como cartas e plantas, pertinentes aos locais (instalações) selecionados. 11) Adotar as demais medidas administrativas decorrentes, em sua esfera de competência. c. Departamento Logístico (D Log) 1) Coordenar, prever e prover o apoio logístico necessário à implementação do SDQBNEx. 2) Identificar todas as substâncias químicas, fabricadas e /ou comercializadas no Brasil, passíveis de ser empregadas como precursoras de agentes químicos. 3) Identificar fabricantes, distribuidores e usuários das substâncias listadas, incluindo a capacidade de armazenamento, a produção e o consumo normal. 4) Fornecer, mediante solicitação do COTER, mapas digitalizados para utilização em programas de dispersão de agentes QBN, bem como cartas e plantas pertinentes aos locais com potencial para ocorrências de desastres QBN relacionados. QBN. QBN. 5) Identificar as necessidades de suprimentos médicos específicos para o atendimento a desastres 6) Prover os meios às unidades de saúde do Exército Brasileiro para o atendimento a desastres 7) Adotar as demais medidas administrativas decorrentes, em sua esfera de competência. d. Departamento-Geral do Pessoal (DGP) 1) Identificar as necessidades de formação, aperfeiçoamento e especialização necessárias à capacitação do Quadro de Saúde para o atendimento a vítimas de agentes QBN. 2) Definir as medidas profiláticas necessárias à máxima imunização da tropa da FRE e promover a execução dessas medidas, mantendo controle sobre a validade da imunização. 3) Catalogar a capacidade de atendimento a desastres com agentes QBN dos órgãos de saúde públicos e privados, identificando: a) número de leitos; b) especialização do corpo técnico; c) instalações especiais existentes; d) existência de heliporto; e) condições de biossegurança; e f) meios de contato. Boletim Reservado do Exército Nº 06, de 28 de junho de

19 4) Selecionar, baseado nas informações catalogadas, hospitais de referência para atendimento a vítimas de agentes QBN, em cada uma das Regiões Militares. 5) Adotar as demais medidas administrativas decorrentes, em sua esfera de competência. e. Secretaria de Ciência e Tecnologia (SCT) 1) Assessorar o EME na escolha de equipamentos de defesa QBN a serem adotados pela FRE e pelas. 2) Propor, ao EME, os Requisitos Técnicos Básicos (RTB) do material de emprego militar destinado ao SDQBNEx, de acordo com o previsto no Modelo Administrativo do Ciclo de Vida dos Materiais de Emprego Militar. 3) Promover a pesquisa básica e aplicada para o desenvolvimento de projetos institucionais de sistemas de informações operacionais. 4) Desenvolver, de forma sistemática, a prospeção no campo técnico cientifico, com vistas a incorporar os avanços científico-tecnológicos ao desenvolvimento do SDQBNEx. 5) Propor, no Plano Básico de Ciência e Tecnologia, o desenvolvimento de projetos institucionais de interesse do Exército na área da defesa química, biológica e nuclear. 6) Implantar a Assessoria Científica (AC), integrante do SDQBNEx, composta por especialistas na área de DQBN. 7) Identificar todas as instalações radiológicas e nucleares do país, incluindo locais de lavra de materiais radioativos. 8) Identificar os principais centros de pesquisa e de manipulação de microorganismos, de biotecnologia, as indústrias farmacêuticas, cervejarias e outras instituições que possuam fermentadores de grande porte. 9) Realizar o intercâmbio científico-tecnológico, na área de defesa QBN, com instituições de nações amigas. 10) Capacitar os integrantes da AC nas áreas de atendimento a emergências. 11) Estudar a exeqüibilidade da implantação da matéria DQBN no curso de graduação em engenharia química do IME. 12) Realizar a avaliação de risco prévia em todas as instalações com potencial para a ocorrência de desastres QBN, conforme relação e prioridades estabelecidas pelo COTER. 13) Criar e manter atualizado um banco de dados de informações técnico-científicas de DQBN. 14) Acompanhar a atividade científica, linhas de pesquisa e formação de alunos estrangeiros nas áreas de defesa QBN. 15) Adotar as demais medidas administrativas decorrentes, em sua esfera de competência. 24 Boletim Reservado do Exército Nº 06, de 28 de junho de 2002

20 f. Secretaria de Tecnologia da Informação (STI) 1) Adequar a arquitetura técnica do SIOp às necessidades impostas pelo SDQBNEx, definindo um conjunto mínimo de padrões, baseado em normas técnicas nacionais e internacionais, que assegure a operação conjunta e harmônica dos recursos informacionais do sistema. 2) Desenvolver os sistemas, programas e aplicativos de interesse dos sistemas operacionais. 3) Apoiar o órgãos envolvidos na implantação do SDQBNEx. 4) Promover, em conjunto com a SCT, a prospecção no campo da tecnologia da informação, tendo em vista incorporar os avanços científico-tecnológicos aplicados ao desenvolvimento de sistemas de informações operacionais. 5) Estabelecer a normatização dos procedimentos e soluções técnicas que assegurem a segurança da informação, no âmbito do SDQBNEx. 6) Estabelecer, operar, manter, prover constante atualização e providenciar canais alternativos para toda a comunicação necessária às atividades do SDQBNEx. 7) Adotar as demais medidas administrativas decorrentes, em sua esfera de competência. g. Departamento de Ensino e Pesquisa (DEP) 1) Apresentar ao EME proposta de reformulação do ensino de defesa QBN e de atualização de conhecimento de Defesa QBN do pessoal já especializado no assunto. 2) Apresentar ao EME proposta de implementação de cursos de especialização em defesa QBN voltados para o Quadro de Saúde do Exército. 3) Incrementar a formação de especialistas em defesa QBN, de maneira a prover recursos humanos especializados para a FRE e as. 4) Remeter ao EME proposta sobre material de Defesa QBN a ser incluído no QDM da EsIE e da Cia DQBN (FRE), bem como do material a ser distribuído às. 5) Promover Palestras sobre DQBN no âmbito da Força Terrestre. h. Comandos Militares de Área (C Mil A) 1) Organizar e operacionalizar as Forças de Resposta Inicial, na dosagem de uma por RM (exceto a 1ª RM), empregando tropa de valor Pel e natureza Inf PE/Gd dos Comandos Operacionais subordinados. 2) Acompanhar e avaliar o funcionamento do SDQBNEx, no âmbito do Cmdo Mil A. 3) Adotar as demais medidas administrativas decorrentes, em sua esfera de competência. i. Centro de Inteligência do Exército (CIE) 1) Considerar, no repertório de conhecimentos necessários do SIEx, as necessidades de informações necessárias à DQBN para apoiar o emprego da F Ter, desde o tempo de paz. 2) Propor ao EME os procedimentos de segurança orgânica para a DQBN, particularmente das instalações militares. 3) Identificar as principais instalações com potencial para a ocorrência de desastres QBN e encaminhar a relação ao COTER. Boletim Reservado do Exército Nº 06, de 28 de junho de

21 4) Adotar as demais medidas administrativas decorrentes, em sua esfera de competência. j. Centro de Comunicação Social do Exército (CCOMSEX) 1) Proceder à divulgação de informações sobre defesa QBN para o público interno. 2) Planejar e conduzir a comunicação com a mídia, no caso de emprego de tropa quando da ocorrência de desastres QBN. 3) Providenciar o registro das operações reais e de treinamento, fornecendo subsídios para avaliação e replanejamento do SDQBNEx. 4) Atuar na divulgação de planos de emergência dos locais estratégicos identificados pelo COTER. 5) Capacitar-se para atuar como porta-voz do Comando da Força em situações de desastre QBN. k. Demais Órgãos Setoriais 1) Cooperar para o desenvolvimento e a implementação do SDQBNEx, nas suas áreas de responsabilidade. 2) Considerar, no desenvolvimento dos sistemas corporativos, as necessidades de informações organizacionais para apoiar o emprego da F Ter, facilitando a transição da estrutura de paz para a Estrutura Militar de Guerra. 3) Adotar as demais medidas administrativas decorrentes, em sua esfera de competência. 9. PRESCRIÇÕES DIVERSAS a. Outras atribuições do EME 1) Coordenar todas as medidas necessárias à implantação do SDQBNEx e propor a adoção de modificações que venham a ser consideradas necessárias, de acordo com a evolução das condições de execução; e 2) Baixar diretrizes regulando a participação do SDQBNEx em apoio ao Sistema Nacional de Defesa Civil (SINDEC) e ao Sistema de Proteção ao Programa Nuclear Brasileiro (SIPRON). b. Cronograma de implantação do SDQBNEx Prazo (até) Nov 02 Mar 03 EME Elaborar os QDM pertinentes. Definir o material de Defesa QBN a ser adotado pela EsIE, pela FRE e pelas. Estabelecer os procedimentos de segurança orgânica para a DQBN. Estabelecer as condicionantes doutrinárias e operacionais, os Requisitos Operacionais Básicos (ROB) e os Requisitos Técnicos Básicos (RTB) do SDQBNEx. Iniciar a atualização do conhecimento de Defesa QBN do pessoal já especializado no assunto Iniciar a reformulação do ensino de Defesa QBN. Prazo (até) COTER 26 Boletim Reservado do Exército Nº 06, de 28 de junho de 2002

22 Set 02 Out 02 Nov 02 Mar 03 Jul 03 Implantar a célula de DQBN no Centro C 2 Fter. Avaliar a lista de instalações com potencial para a ocorrência de desastres QBN feita pelo CIE, identificando as prioritárias. Propor os Requisitos Operacionais Básicos (ROB) do SDQBNEx. Encaminhar à SCT a lista de locais escolhidos como prioritários para execução de avaliação de risco prévia. Solicitar ao Dlog os mapas digitais, cartas e plantas pertinentes aos locais selecionados. Definir as necessidades de informações e de ligações para apoiar o emprego dos elementos operacionais. Estabelecer as necessidades de informações operacionais para orientar o desenvolvimento do SDQBNEx, em todos os níveis de comando da F Ter. estabelecer indicadores de desempenho que permitam o aprimoramento dos requisitos operacionais e técnicos básicos do Sistema. iniciar à avaliação sistemática do funcionamento do SDQBNEx. prazo (até) Ago 02 Set 02 Nov 02 D Log Identificar todas as substâncias químicas fabricadas e /ou comercializadas no Brasil, passíveis de serem empregadas como precursoras de agentes químicos. Identificar fabricantes, distribuidores e usuários das substâncias listadas, incluindo capacidade de armazenamento, produção e consumo normal, informando a SCT. Identificar as necessidades de suprimentos médicos específicos para o atendimento a desastres QBN. Iniciar o provimento de meios às unidades de saúde do Exército Brasileiro para o atendimento a desastres QBN. prazo (até) Set 02 Out 02 Fev 03 Abr 03 DGP Definir as medidas profiláticas necessárias à máxima imunização das tropas da FRE, promover a execução destas medidas e manter controle sobre a validade da imunização. Identificar as necessidade de formação, aperfeiçoamento e especialização necessárias a capacitação do Quadro de Saúde para o atendimento a vítimas de agentes QBN. Catalogar a capacidade de atendimento a desastres com agentes QBN, dos órgãos de saúde públicos e privados, identificando : - número de leitos; - especialização do corpo técnico; - instalações especiais existentes; - existência de heliporto; - condições de biossegurança; e - meios de contato. Selecionar, baseado nas informações catalogadas, hospitais de referência para atendimento a vítimas de agentes QBN, em cada uma das Regiões Militares. prazo (até) SCT Boletim Reservado do Exército Nº 06, de 28 de junho de

Art. 1º Aprovar as Instruções Gerais de Segurança da Informação para o Exército Brasileiro (IG 20-19).

Art. 1º Aprovar as Instruções Gerais de Segurança da Informação para o Exército Brasileiro (IG 20-19). PORTARIA Nº 483, DE 20 DE SETEMBRO DE 2001. Aprova as Instruções Gerais de Segurança da Informação para o Exército Brasileiro (IG 20-19). O COMANDANTE DO EXÉRCITO, no uso da competência que lhe é conferida

Leia mais

ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO PORTARIA Nº 017-EME, DE 8 DE MARÇO DE 2007.

ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO PORTARIA Nº 017-EME, DE 8 DE MARÇO DE 2007. ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO PORTARIA Nº 017-EME, DE 8 DE MARÇO DE 2007. Aprova as Normas para o Funcionamento do Sistema de Material do Exército (SIMATEX). O CHEFE DO ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO, no uso da competência

Leia mais

Art. 1º Aprovar a Diretriz de Implantação do Sistema de Protocolo Eletrônico de Documentos (SPED) no âmbito do Exército Brasileiro.

Art. 1º Aprovar a Diretriz de Implantação do Sistema de Protocolo Eletrônico de Documentos (SPED) no âmbito do Exército Brasileiro. PORTARIA Nº 002-EME, DE 17 DE JANEIRO DE 2012. Aprova a Diretriz de Implantação do Sistema de Protocolo Eletrônico de Documentos (SPED) no âmbito do Exército Brasileiro. O CHEFE DO ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO,

Leia mais

ATO NORMATIVO Nº 006 /2007

ATO NORMATIVO Nº 006 /2007 ATO NORMATIVO Nº 006 /2007 Dispõe sobre os cargos em comissão do Ministério Público do Estado da Bahia, e dá outras providências. O PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA BAHIA, no uso das atribuições

Leia mais

VII - tenha a seleção e o relacionamento dos militares designados para a matrícula a cargo do DGP, ouvido o CIE; e

VII - tenha a seleção e o relacionamento dos militares designados para a matrícula a cargo do DGP, ouvido o CIE; e VII - tenha a seleção e o relacionamento dos militares designados para a matrícula a cargo do DGP, ouvido o CIE; e VIII - tenha a orientação técnico-pedagógica do DECEx. Art. 3º Determinar que a presente

Leia mais

Portaria Nr 026/DCT, 31 Mar 06 (IR 13-07) INSTRUÇÕES REGULADORAS PARA EMPREGO SISTÊMICO DA INFORMÁTICA NO EXÉRCITO BRASILEIRO IREMSI DAS GENERALIDADES

Portaria Nr 026/DCT, 31 Mar 06 (IR 13-07) INSTRUÇÕES REGULADORAS PARA EMPREGO SISTÊMICO DA INFORMÁTICA NO EXÉRCITO BRASILEIRO IREMSI DAS GENERALIDADES Portaria Nr 026/DCT, 31 Mar 06 (IR 13-07) INSTRUÇÕES REGULADORAS PARA EMPREGO SISTÊMICO DA INFORMÁTICA NO EXÉRCITO BRASILEIRO IREMSI DAS GENERALIDADES Art.1º As presentes intruções regulam a sistematização

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 97, DE 9 DE JUNHO DE 1999. Dispõe sobre as normas gerais para a organização, o preparo e o emprego das Forças Armadas.

LEI COMPLEMENTAR Nº 97, DE 9 DE JUNHO DE 1999. Dispõe sobre as normas gerais para a organização, o preparo e o emprego das Forças Armadas. LEI COMPLEMENTAR Nº 97, DE 9 DE JUNHO DE 1999 Dispõe sobre as normas gerais para a organização, o preparo e o emprego das Forças Armadas. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta

Leia mais

5º Cabe ao Cmt Mil A a fixação, dentro do limite estabelecido no 4º deste artigo, do acréscimo a que faz jus o militar. (NR)

5º Cabe ao Cmt Mil A a fixação, dentro do limite estabelecido no 4º deste artigo, do acréscimo a que faz jus o militar. (NR) 5º Cabe ao Cmt Mil A a fixação, dentro do limite estabelecido no 4º deste artigo, do acréscimo a que faz jus o militar. (NR)... Art. 2º Estabelecer que esta portaria entre em vigor na data de sua publicação.

Leia mais

ESTRUTURA ORGANIZACIONAL

ESTRUTURA ORGANIZACIONAL COMANDANTE DO EXÉRCITO ÓRGÃOS DE ASSESSORAMENTO DO COMANDANTE Gabinete do Comandante do Exército Secretaria-Geral do Exército Centro de Inteligência do Exército Centro de Comunicação Social do Exército

Leia mais

ATO DO DIRETOR-GERAL Nº 1516, DE 2005

ATO DO DIRETOR-GERAL Nº 1516, DE 2005 ATO DO DIRETOR-GERAL Nº 1516, DE 2005 Estabelece as competências da Secretaria de Segurança Legislativa do Senado Federal e das Subsecretarias e Serviços a ela subordinados. O DIRETOR-GERAL DO SENADO FEDERAL,

Leia mais

AÇÕES DE RESPOSTA: VIGILÂNCIA EM SAÚDE AMBIENTAL

AÇÕES DE RESPOSTA: VIGILÂNCIA EM SAÚDE AMBIENTAL AÇÕES DE RESPOSTA: VIGILÂNCIA EM SAÚDE AMBIENTAL 1. Conceito Por Aramis Cardoso A Vigilância em Saúde Ambiental é definida como o conjunto de ações que proporcionam o conhecimento e a detecção de qualquer

Leia mais

1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS

1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS 1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS 1.1. Diretoria Executiva (DEX) À Diretora Executiva, além de planejar, organizar, coordenar, dirigir e controlar as atividades da Fundação, bem como cumprir e fazer cumprir

Leia mais

CAMPO DE APLICAÇÃO Esta Norma Complementar se aplica no âmbito da Administração Pública Federal, direta e indireta. APROVAÇÃO

CAMPO DE APLICAÇÃO Esta Norma Complementar se aplica no âmbito da Administração Pública Federal, direta e indireta. APROVAÇÃO 05/IN01/DSIC/GSIPR 00 14/AGO/09 1/7 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Gabinete de Segurança Institucional Departamento de Segurança da Informação e Comunicações CRIAÇÃO DE EQUIPES DE TRATAMENTO E RESPOSTA A INCIDENTES

Leia mais

CURSO DE ANÁLISE E MELHORIA DE PROCESSOS Nr 3 (AMP/3) VIA ENSINO A DISTÂNCIA (EAD)

CURSO DE ANÁLISE E MELHORIA DE PROCESSOS Nr 3 (AMP/3) VIA ENSINO A DISTÂNCIA (EAD) MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO ORDEM DE SERVIÇO N o 52-2 SCh/SI-2, DE 9 DE AGOSTO DE 2010 CURSO DE ANÁLISE E MELHORIA DE PROCESSOS Nr 3 (AMP/3) VIA ENSINO A DISTÂNCIA

Leia mais

Doutrina e Estratégia Militar. Ações de Caráter Sigiloso. Emprego da Força Terrestre em Operações. Logística de Material de Aviação

Doutrina e Estratégia Militar. Ações de Caráter Sigiloso. Emprego da Força Terrestre em Operações. Logística de Material de Aviação Programa 0620 Preparo e Emprego da Força Terrestre Ações Orçamentárias Número de Ações 16 24490000 Doutrina e Estratégia Militar Produto: Evento realizado Unidade de Medida: unidade UO: 52121 Comando do

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 83, DE 30 DE OUTUBRO DE 2014

RESOLUÇÃO Nº 83, DE 30 DE OUTUBRO DE 2014 RESOLUÇÃO Nº 83, DE 30 DE OUTUBRO DE 2014 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Pampa, em sessão de 30/10/2014, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo Artigo 19, Inciso XVII do

Leia mais

DECRETO Nº XX.XXX, DE XX DE XXXXXXXXXXXX DE 2009.

DECRETO Nº XX.XXX, DE XX DE XXXXXXXXXXXX DE 2009. DECRETO Nº XX.XXX, DE XX DE XXXXXXXXXXXX DE 2009. Institui a Política de Tecnologia da Informação e Comunicação no Governo do Estado do Piauí, cria o Sistema de Governança de Tecnologia da Informação e

Leia mais

CAPACIDADE DE DETECÇÃO E CONTROLE DE AMEAÇAS QBNR (EXÉRCITO BRASILEIRO)

CAPACIDADE DE DETECÇÃO E CONTROLE DE AMEAÇAS QBNR (EXÉRCITO BRASILEIRO) CAPACIDADE DE DETECÇÃO E CONTROLE DE AMEAÇAS QBNR (EXÉRCITO BRASILEIRO) O B J E T I V O Apresentar a capacidade de detecção e controle de ameaças Químicas, Biológicas, Organização Nucleares, Radiológicas

Leia mais

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003 Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC ATRIBUIÇÕES DOS GESTORES ESCOLARES DA REDE PÚBLICA MUNICIPAL DE ENSINO VERSÃO PRELIMINAR SALVADOR MAIO/2003 Dr. ANTÔNIO JOSÉ IMBASSAHY DA SILVA Prefeito

Leia mais

Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais.

Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais. RESOLUÇÃO Nº 306, DE 5 DE JULHO DE 2002 Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais. O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA, no uso das competências

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013

PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013 PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013 Institui as diretrizes gerais de promoção da saúde do servidor público federal, que visam orientar os órgãos e entidades do Sistema de Pessoal Civil da Administração

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA GABINETE DO MINISTRO PORTARIA NORMATIVA Nº 1173/MD, DE 06 DE SETEMBRO DE 2006.

MINISTÉRIO DA DEFESA GABINETE DO MINISTRO PORTARIA NORMATIVA Nº 1173/MD, DE 06 DE SETEMBRO DE 2006. MINISTÉRIO DA DEFESA GABINETE DO MINISTRO PORTARIA NORMATIVA Nº 1173/MD, DE 06 DE SETEMBRO DE 2006. Aprova a Política de Assistência Social das Forças Armadas. O MINISTRO DE ESTADO DA DEFESA, no uso das

Leia mais

OBJETIVO. Conhecer a Sistemática de Planejamento Estratégico do Exército (SIPLEx)

OBJETIVO. Conhecer a Sistemática de Planejamento Estratégico do Exército (SIPLEx) 06 ABR 15 OBJETIVO Conhecer a Sistemática de Planejamento Estratégico do Exército (SIPLEx) SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 2. O CENTRO DE ESTUDOS ESTRATÉGICOS DO EXÉRCITO (CEEEx) 3. A REDE DE ESTUDOS ESTRATÉGICOS

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA LOGÍSTICA NSCA 400-2 NORMA DO SISTEMA DE INTENDÊNCIA OPERACIONAL 2008 MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA COMANDO-GERAL DO PESSOAL LOGÍSTICA NSCA 400-2

Leia mais

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html Página 1 de 5 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 1.559, DE 1º DE AGOSTO DE 2008 Institui a Política Nacional

Leia mais

Plano Nacional de. Emergências Ambientais com Produtos Químicos Perigosos. Curso LíderesL

Plano Nacional de. Emergências Ambientais com Produtos Químicos Perigosos. Curso LíderesL Plano Nacional de Prevenção, Preparação e Resposta Rápida R a Emergências Ambientais com Produtos Químicos Perigosos Curso LíderesL Brasília, 20 de agosto de 2008 1 Como surgiu o P2R2 Histórico de ocorrência

Leia mais

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NSCA 7-14 REESTRUTURAÇÃO DA INFRAESTRUTURA DE PROVIMENTO DE ACESSO À INTERNET NO COMAER 2009 MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA

Leia mais

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO)

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) Objeto, princípios e campo de aplicação 35.1 Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece princípios e requisitos para gestão da segurança

Leia mais

Institui a Política de Segurança da Informação da Advocacia-Geral da União, e dá outras providências.

Institui a Política de Segurança da Informação da Advocacia-Geral da União, e dá outras providências. PORTARIA No- 192, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2010 Institui a Política de Segurança da Informação da Advocacia-Geral da União, e dá outras providências. O ADVOGADO-GERAL DA UNIÃO, no uso de suas atribuições

Leia mais

DECRETO N 6.664 DE 05 DE MARÇO DE 1990

DECRETO N 6.664 DE 05 DE MARÇO DE 1990 DECRETO N 6.664 DE 05 DE MARÇO DE 1990 DISPÕE SOBRE ALTERAÇÃO DO ANEXO III DO DECRETO N 2.456, DE 24.09.1982. O GOVERNADOR DO ESTADO DO PARÁ, no uso de suas atribuições que lhe confere o art. 135, inciso

Leia mais

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades 1. DESCRIÇÕES DO CARGO - ESPECIALISTA EM DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIA NUCLEAR E DEFESA a) Descrição Sumária Geral Desenvolver, projetar, fabricar,

Leia mais

RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011

RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011 RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011 Dispõe sobre a Política de Governança de Tecnologia da Informação do Tribunal de Contas da União (PGTI/TCU). O TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO, no uso de suas

Leia mais

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA PORTARIA Nº 139, DE 10 DE MAIO DE DE 2011.

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA PORTARIA Nº 139, DE 10 DE MAIO DE DE 2011. INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA PORTARIA Nº 139, DE 10 DE MAIO DE DE 2011. Aprova a instituição e o funcionamento da equipe de tratamento e resposta a incidentes em redes computacionais do IPEA.

Leia mais

GESTÃO DE CONTINUIDADE DOS NEGÓCIOS EM SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

GESTÃO DE CONTINUIDADE DOS NEGÓCIOS EM SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Número da Norma Complementar Revisão Emissão Folha ICMBio Instituto Chico Mendes De Conservação da Biodiversidade Diretoria de Planejamento, Administração e Logística ORIGEM GESTÃO DE CONTINUIDADE DOS

Leia mais

A SECRETARIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO, no uso de suas atribuições legais, e

A SECRETARIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO, no uso de suas atribuições legais, e PORTARIA SSST Nº 11, de 13/10/1994 "Publica a minuta do Projeto de Reformulação da Norma Regulamentadora nº 9 - Riscos Ambientais com o seguinte título: Programa de Proteção a Riscos Ambientais". A SECRETARIA

Leia mais

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO SECRETARIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ORDEM DE SERVIÇO Nº 1/SETIN, DE 30 DE SETEMBRO DE 2010

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO SECRETARIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ORDEM DE SERVIÇO Nº 1/SETIN, DE 30 DE SETEMBRO DE 2010 TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO SECRETARIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ORDEM DE SERVIÇO Nº 1/SETIN, DE 30 DE SETEMBRO DE 2010 O SECRETÁRIO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DO TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO, no

Leia mais

Confere: 10 8 ICFEx Continuação do BInfo Nr 03, de 31 mar l O Pág.I9. S Ch 10 8 ICFEx

Confere: 10 8 ICFEx Continuação do BInfo Nr 03, de 31 mar l O Pág.I9. S Ch 10 8 ICFEx 10 8 ICFEx Continuação do BInfo Nr 03, de 31 mar l O Pág.I9 S Ch 10 8 ICFEx ANEXO "D"- Doações da Secretaria da Receita Federal do Brasil \1l'\lSTlIHf) D\ DLFl" \ F THUTO B!{\"HXIRO SI CRFT \IU \ m: 17('0

Leia mais

ATO Nº 232/2013. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

ATO Nº 232/2013. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, ATO Nº 232/2013 Aprova a Norma Complementar de Procedimentos para Inventariar Ativos de Tecnologia da Informação. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições

Leia mais

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS INTRODUÇÃO Com base no Programa Nacional de Reestruturação dos Hospitais Universitários Federais - REHUF, destinado à reestruturação e revitalização dos hospitais das universidades federais, integrados

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 DOU de 05/10/09 seção 01 nº 190 pág. 51 MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 Estabelece orientações relativas à Política de Saneamento Básico e

Leia mais

Declaração do Rio sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento

Declaração do Rio sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento Declaração do Rio sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento A Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento, tendo se reunido no Rio de Janeiro, de 3 a 14 de junho de 1992, reafirmando

Leia mais

Nº: 5745 terça feira, 05 de maio de 2015 COMISSÃO DIRETORA. ATO DA COMISSÃO DIRETORA N O 5, de 2015

Nº: 5745 terça feira, 05 de maio de 2015 COMISSÃO DIRETORA. ATO DA COMISSÃO DIRETORA N O 5, de 2015 30/06/2015 Boletim Administrativo Eletrônico de Pessoal Nº: 5745 terça feira, 05 de maio de 2015 COMISSÃO DIRETORA ATO DA COMISSÃO DIRETORA N O 5, de 2015 Revisa e altera os objetivos estratégicos do plano

Leia mais

I - as ações decorrentes sejam realizadas de maneira progressiva, ativando-se, inicialmente, um núcleo do Batalhão; e

I - as ações decorrentes sejam realizadas de maneira progressiva, ativando-se, inicialmente, um núcleo do Batalhão; e Art. 3º Determinar que o Estado-Maior do Exército, os órgãos de direção setorial e o Comando Militar da Amazônia adotem, em suas áreas de competência, as providências decorrentes. Art. 4º Estabelecer que

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA ESPECIAL DE PORTOS PORTARIA SEP Nº 104, DE 29 DE ABRIL DE 2009.

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA ESPECIAL DE PORTOS PORTARIA SEP Nº 104, DE 29 DE ABRIL DE 2009. PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA ESPECIAL DE PORTOS PORTARIA SEP Nº 104, DE 29 DE ABRIL DE 2009. Dispõe sobre a criação e estruturação do Setor de Gestão Ambiental e de Segurança e Saúde no Trabalho

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 983/DPE/SPEAI/MD, DE 17 DE OUTUBRO DE 2003

MINISTÉRIO DA DEFESA GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 983/DPE/SPEAI/MD, DE 17 DE OUTUBRO DE 2003 PORTARIA DPE/SPEAI/MD 983/2003 MINISTÉRIO DA DEFESA GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 983/DPE/SPEAI/MD, DE 17 DE OUTUBRO DE 2003 Aprova a Diretriz para o relacionamento das Forças Armadas com as comunidades

Leia mais

PORTARIA Nº 728, DE 7 DE OUTUBRO DE 2009.

PORTARIA Nº 728, DE 7 DE OUTUBRO DE 2009. MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO GABINETE DO COMANDANTE PORTARIA Nº 728, DE 7 DE OUTUBRO DE 2009. Aprova as Instruções Gerais dos Postos Médicos de Guarnição (IG 10-86) e dá outras providências

Leia mais

DECRET0 Nº 2.250, DE 30 DE MAIO DE 2008

DECRET0 Nº 2.250, DE 30 DE MAIO DE 2008 DECRET0 Nº 2.250, DE 30 DE MAIO DE 2008 Publicado no Jornal Correio Paranaense Em, 04.06.2008 Dispõe sobre a Estrutura Regimental da Secretaria Municipal de Governo. O Prefeito Municipal de São José dos

Leia mais

Sistema Único de Saúde (SUS)

Sistema Único de Saúde (SUS) LEIS ORGÂNICAS DA SAÚDE Lei nº 8.080 de 19 de setembro de 1990 Lei nº 8.142 de 28 de dezembro de 1990 Criadas para dar cumprimento ao mandamento constitucional Sistema Único de Saúde (SUS) 1 Lei n o 8.080

Leia mais

ATO NORMATIVO Nº 005/2013

ATO NORMATIVO Nº 005/2013 ATO NORMATIVO Nº 005/2013 Dispõe sobre as funções de confiança exercidas por servidores do Ministério Público do Estado da Bahia e dá outras providências. O PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA BAHIA,

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA GABINETE DO MINISTRO

MINISTÉRIO DA DEFESA GABINETE DO MINISTRO MINISTÉRIO DA DEFESA GABINETE DO MINISTRO PORTARIA NORMATIVA N o 916/MD, DE 13 DE JUNHO DE 2008. Aprova a Diretriz para a Difusão e Implementação do Direito Internacional dos Conflitos Armados (DICA) nas

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Planejamento e Gestão

Leia mais

AUTONOMIA TECNOLÓGICA E SEGURANÇA CIBERNÉTICA: DESAFIOS PARA A COOPERAÇÃO ENTRE AS FORÇAS ARMADAS E O SETOR PRIVADO NO COMPLEXO INDUSTRIAL BRASILEIRO

AUTONOMIA TECNOLÓGICA E SEGURANÇA CIBERNÉTICA: DESAFIOS PARA A COOPERAÇÃO ENTRE AS FORÇAS ARMADAS E O SETOR PRIVADO NO COMPLEXO INDUSTRIAL BRASILEIRO MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO AUTONOMIA TECNOLÓGICA E SEGURANÇA CIBERNÉTICA: DESAFIOS PARA A COOPERAÇÃO ENTRE AS FORÇAS ARMADAS E O SETOR PRIVADO NO COMPLEXO INDUSTRIAL BRASILEIRO 1 / 23 OBJETIVO

Leia mais

A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE CONTAGEM

A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE CONTAGEM DECRETO nº 1098, de 12 de fevereiro de 2009 Dispõe sobre alocação, denominação e atribuições dos órgãos que compõem a estrutura organizacional do Gabinete da Prefeita e dá outras providências. A PREFEITA

Leia mais

Minuta REGIMENTO DO ARQUIVO CENTRAL DA FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, COMPOSIÇÃO E OBJETIVOS

Minuta REGIMENTO DO ARQUIVO CENTRAL DA FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, COMPOSIÇÃO E OBJETIVOS Minuta REGIMENTO DO ARQUIVO CENTRAL DA FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, COMPOSIÇÃO E OBJETIVOS Art. 1.º O ARQUIVO CENTRAL (ACE) é órgão de natureza complementar da Fundação Universidade

Leia mais

GESTÃO DE RISCOS DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÕES

GESTÃO DE RISCOS DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÕES Número da Norma Complementar Revisão Emissão Folha ICMBio Instituto Chico Mendes De Conservação da Biodiversidade Diretoria de Planejamento, Administração e Logística ORIGEM COTEC - Coordenação de Tecnologia

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI COMPLEMENTAR Nº 97, DE 9 DE JUNHO DE 1999 Dispõe sobre as normas gerais para a organização, o preparo e o emprego das Forças Armadas.

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 506, DE 28 DE JUNHO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº 506, DE 28 DE JUNHO DE 2013 Publicada no DJE/STF, n. 127, p. 1-3 em 3/7/2013. RESOLUÇÃO Nº 506, DE 28 DE JUNHO DE 2013 Dispõe sobre a Governança Corporativa de Tecnologia da Informação no âmbito do Supremo Tribunal Federal e dá outras

Leia mais

CAMPO DE APLICAÇÃO Esta Norma Complementar se aplica no âmbito da Administração Pública Federal, direta e indireta.

CAMPO DE APLICAÇÃO Esta Norma Complementar se aplica no âmbito da Administração Pública Federal, direta e indireta. 06/IN01/DSIC/GSIPR 01 11/NOV/09 1/7 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Gabinete de Segurança Institucional Departamento de Segurança da Informação e Comunicações GESTÃO DE CONTINUIDADE DE NEGÓCIOS EM SEGURANÇA DA

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA EM SAÚDE CAPÍTULO I DA CATEGORIA E FINALIDADE

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA EM SAÚDE CAPÍTULO I DA CATEGORIA E FINALIDADE REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA EM SAÚDE CAPÍTULO I DA CATEGORIA E FINALIDADE Art. 1º O Núcleo de Inovação Tecnológica em Saúde da Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS GABINETE CIVIL

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS GABINETE CIVIL PUBLICADO EM PLACAR Em 26/10/05 Mª Neide Freire da Silva Mat. 13941 PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS DECRETO Nº 271, DE 26 DE OUTUBRO DE 2005. Aprova o Regimento Interno e Organograma da Guarda Metropolitana

Leia mais

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e DECRETO Nº, DE DE DE. Aprova a Política Nacional da Indústria de Defesa (PNID). A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e Considerando

Leia mais

COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL

COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL Roteiro para montagem de um Plano Preventivo de Defesa Civil Apresentamos o presente roteiro com conteúdo mínimo de um Plano Preventivo de Defesa Civil ou Plano de

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO COMANDO MILITAR DO LESTE 1ª REGIÃO MILITAR (4º Distrito Militar 1891) REGIÃO MARECHAL HERMES DA FONSECA

MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO COMANDO MILITAR DO LESTE 1ª REGIÃO MILITAR (4º Distrito Militar 1891) REGIÃO MARECHAL HERMES DA FONSECA MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO COMANDO MILITAR DO LESTE 1ª REGIÃO MILITAR (4º Distrito Militar 1891) REGIÃO MARECHAL HERMES DA FONSECA ORIENTAÇÕES PARA A INSPEÇÃO ANUAL DE FARDAMENTO DO EXÉRCITO

Leia mais

Decreto nº 40.536, de 12 de dezembro de 1995 de São Paulo

Decreto nº 40.536, de 12 de dezembro de 1995 de São Paulo Decreto nº 40.536, de 12 de dezembro de 1995 de São Paulo Institui o Programa Permanente da Qualidade e Produtividade no Serviço Público e dá providências correlatas MÁRIO COVAS, Governador do Estado de

Leia mais

MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO

MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO Art. 1º - Corpo Clínico é o conjunto de médicos que se propõe a assumir solidariamente a responsabilidade de prestar atendimento aos usuários que

Leia mais

ANEXO VII: NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3)

ANEXO VII: NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3) ANEXO VII: NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3) NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3) 9.1. Do objeto e campo de aplicação. 9.1.1. Esta Norma Regulamentadora

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA DE ESTADO DOS DIREITOS HUMANOS AUTORIDADE CENTRAL ADMINISTRATIVA FEDERAL

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA DE ESTADO DOS DIREITOS HUMANOS AUTORIDADE CENTRAL ADMINISTRATIVA FEDERAL II REUNIÃO DO CONSELHO DAS AUTORIDADES CENTRAIS BRASILEIRAS RESOLUÇÃO N.º 02/ 2000 Dispõe sobre a Aprovação do Regimento Interno e dá outras providências O Presidente do Conselho das Autoridades Centrais

Leia mais

PLANOS DE CONTINGÊNCIAS

PLANOS DE CONTINGÊNCIAS PLANOS DE CONTINGÊNCIAS ARAÚJO GOMES Capitão SC PMSC ARAÚJO GOMES defesacivilgomes@yahoo.com.br PLANO DE CONTINGÊNCIA O planejamento para emergências é complexo por suas características intrínsecas. Como

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Existem três níveis distintos de planejamento: Planejamento Estratégico Planejamento Tático Planejamento Operacional Alcance

Leia mais

SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde

SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde Universidade de Cuiabá - UNIC Núcleo de Disciplinas Integradas Disciplina: Formação Integral em Saúde SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde Profª Andressa Menegaz SUS - Conceito Ações e

Leia mais

RESOLUÇÃO - RDC Nº 23, DE 4 DE ABRIL DE 2012

RESOLUÇÃO - RDC Nº 23, DE 4 DE ABRIL DE 2012 RESOLUÇÃO - RDC Nº 23, DE 4 DE ABRIL DE 2012 Dispõe sobre a obrigatoriedade de execução e notificação de ações de campo por detentores de registro de produtos para a saúde no Brasil. A Diretoria Colegiada

Leia mais

TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS ANALISE DE RISCO ATENDIMENTO DE EMERGÊNCIA. Mauro Gomes de Moura maurogm@fepam.rs.gov.br

TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS ANALISE DE RISCO ATENDIMENTO DE EMERGÊNCIA. Mauro Gomes de Moura maurogm@fepam.rs.gov.br TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS ANALISE DE RISCO ATENDIMENTO DE EMERGÊNCIA Mauro Gomes de Moura maurogm@fepam.rs.gov.br PERFIL DOS ACIDENTES ATENDIDOS PELA FEPAM Emergências Ambientais no RS - Geral TIPO

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

2º SIBRADEN - Simpósio Brasileiro de Desastres Naturais e Tecnológicos

2º SIBRADEN - Simpósio Brasileiro de Desastres Naturais e Tecnológicos Plano Nacional de Prevenção, Preparação e Resposta Rápida R a Emergências Ambientais com Produtos Químicos Perigosos 2º SIBRADEN - Simpósio Brasileiro de Desastres Naturais e Tecnológicos Santos-SP, 9

Leia mais

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICAS CORPORATIVAS

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICAS CORPORATIVAS 8 - Política de segurança da informação 8.1 Introdução A informação é um ativo que possui grande valor para a COOPERFEMSA, devendo ser adequadamente utilizada e protegida contra ameaças e riscos. A adoção

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE TEIXEIRA DE FREITAS ESTADO DA BAHIA

PREFEITURA MUNICIPAL DE TEIXEIRA DE FREITAS ESTADO DA BAHIA _ LEI Nº 429/07 Cria a Secretaria Municipal de Planejamento, Desenvolvimento e Gestão, e dá outras providências. O Prefeito Municipal de Teixeira de Freitas, Estado da Bahia. Faço saber que a Câmara Municipal

Leia mais

Projeto de Ação Conjunta de Inspeções em Distribuidoras de Medicamentos

Projeto de Ação Conjunta de Inspeções em Distribuidoras de Medicamentos Agência Nacional de Vigilância Sanitária Projeto de Ação Conjunta de Inspeções em Distribuidoras de Medicamentos Gerência-Geral de Inspeção e Controle de Medicamentos e Produtos Gerência de Investigação

Leia mais

Diretoria de Informática

Diretoria de Informática Diretoria de Informática Estratégia Geral de Tecnologias de Informação para 2013-2015 EGTI 2013-2015 Introdução: Este documento indica quais são os objetivos estratégicos da área de TI do IBGE que subsidiam

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA N. 01, DE 17 DE FEVEREIRO DE 2004.

INSTRUÇÃO NORMATIVA N. 01, DE 17 DE FEVEREIRO DE 2004. INSTRUÇÃO NORMATIVA N. 01, DE 17 DE FEVEREIRO DE 2004. Institui o Regimento Interno do Programa Saúde no Serviço Público. O COORDENADOR DO PROGRAMA SAÚDE NO SERVIÇO PÚBLICO, usando das prerrogativas conferidas

Leia mais

1. United Nations Conference on Environment and Development UNCED (ECO-92) DECLARAÇÃO DO RIO DE JANEIRO SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO

1. United Nations Conference on Environment and Development UNCED (ECO-92) DECLARAÇÃO DO RIO DE JANEIRO SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO VEJA RIO+20 1. United Nations Conference on Environment and Development UNCED (ECO-92) DECLARAÇÃO DO RIO DE JANEIRO SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO Abstract: A declaração final da ECO-92 acenou para

Leia mais

DECRETO No- 7.602, DE 7 DE NOVEMBRO DE 2011

DECRETO No- 7.602, DE 7 DE NOVEMBRO DE 2011 DECRETO No- 7.602, DE 7 DE NOVEMBRO DE 2011 Dispõe sobre a Política Nacional de Segurança e Saúde no Trabalho PNSST. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 84, incisos

Leia mais

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar MANUAL DO AVALIADOR Parte I 1.1 Liderança Profissional habilitado ou com capacitação compatível. Organograma formalizado, atualizado e disponível. Planejamento

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DA COORDENAÇÃO DE GESTÃO DE DOCUMENTOS E INFORMAÇÃO DA UFRRJ

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DA COORDENAÇÃO DE GESTÃO DE DOCUMENTOS E INFORMAÇÃO DA UFRRJ MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DA COORDENAÇÃO DE GESTÃO DE DOCUMENTOS E INFORMAÇÃO DA UFRRJ Art. 1 O presente Regimento Interno estabelece diretrizes

Leia mais

INSTRUÇÕES GERAIS PARA O SISTEMA DE GESTÃO DE DESEMPENHO DO PESSOAL MILITAR DO EXÉRCITO

INSTRUÇÕES GERAIS PARA O SISTEMA DE GESTÃO DE DESEMPENHO DO PESSOAL MILITAR DO EXÉRCITO MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DEPARTAMENTO-GERAL DO PESSOAL INSTRUÇÕES GERAIS PARA O SISTEMA DE GESTÃO DE DESEMPENHO DO PESSOAL MILITAR DO EXÉRCITO 1ª Edição 2014 PORTARIA Nº 1494, DE 11 DEDEZEMBRO

Leia mais

DECRETO Nº 3.182, DE 23 DE SETEMBRO DE 1999.

DECRETO Nº 3.182, DE 23 DE SETEMBRO DE 1999. DECRETO Nº 3.182, DE 23 DE SETEMBRO DE 1999. Regulamenta a Lei 9.786, de 8 de fevereiro de 1999, que dispõe sobre o ensino no Exército Brasileiro e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no

Leia mais

Universidade de Brasília Centro de Excelência em Turismo

Universidade de Brasília Centro de Excelência em Turismo Universidade de Brasília Centro de Excelência em Turismo Centro de Excelência em Turismo da Universidade de Brasília Campus Universitário Darcy Ribeiro, Gleba A Asa Norte, 70 910 900 Brasília, DF Tel.

Leia mais

Origem do SCO O SCO é baseado no ICS, desenvolvido nos EUA durante as décadas de 70/80, inicialmente para coordenar a resposta a incêndios florestais.

Origem do SCO O SCO é baseado no ICS, desenvolvido nos EUA durante as décadas de 70/80, inicialmente para coordenar a resposta a incêndios florestais. APRESENTAÇÃO DO SCO Conceito de SCO O Sistema de Comando em Operações é uma ferramenta gerencial para planejar, organizar, dirigir e controlar as operações de resposta em situações críticas, fornecendo

Leia mais

PORTARIA Nº 412, DE 5 DE SETEMBRO DE 2012

PORTARIA Nº 412, DE 5 DE SETEMBRO DE 2012 PORTARIA Nº 412, DE 5 DE SETEMBRO DE 2012 Estabelece diretrizes para a implementação da política de Gestão da Informação Corporativa no âmbito do Ministério da Previdência Social e de suas entidades vinculadas

Leia mais

COMANDANTE DO EXÉRCITO PORTARIA Nº 134, DE 19 DE MARÇO DE 2007.

COMANDANTE DO EXÉRCITO PORTARIA Nº 134, DE 19 DE MARÇO DE 2007. COMANDANTE DO EXÉRCITO PORTARIA Nº 134, DE 19 DE MARÇO DE 2007. Aprova as Instruções Gerais para o Funcionamento dos Hotéis de Trânsito do Exército (IG 30-52). O COMANDANTE DO EXÉRCITO, no uso das atribuições

Leia mais

PORTARIA Nº 99-DECEx, DE 19 DE AGOSTO DE 2011.

PORTARIA Nº 99-DECEx, DE 19 DE AGOSTO DE 2011. PORTARIA Nº 99-DECEx, DE 19 DE AGOSTO DE 2011. Aprova as Instruções Reguladoras para a Organização, Funcionamento e Matrícula no Curso de Pós-Graduação em Direito Militar (IROFM/Dirt Mil - IR 60-49). O

Leia mais

Artigo 1º - Aprovar revisão da Política de Segurança da PRODEB, que com esta se publica.

Artigo 1º - Aprovar revisão da Política de Segurança da PRODEB, que com esta se publica. Classificação: RESOLUÇÃO Código: RP.2007.077 Data de Emissão: 01/08/2007 O DIRETOR PRESIDENTE da Companhia de Processamento de Dados do Estado da Bahia - PRODEB, no uso de suas atribuições e considerando

Leia mais

DIRETRIZ PARA GESTÃO DA EDUCAÇÃO E CAPACITAÇÃO DOS RECURSOS HUMANOS DO EXÉRCITO BRASILEIRO

DIRETRIZ PARA GESTÃO DA EDUCAÇÃO E CAPACITAÇÃO DOS RECURSOS HUMANOS DO EXÉRCITO BRASILEIRO 1 de 9 11/9/2013 13:53 PORTARIA Nº 118-EME, DE 6 DE AGOSTO DE 2012 Aprova a Diretriz para Gestão da Educação e Capacitação dos Recursos Humanos do Exército Brasileiro O CHEFE DO ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO,

Leia mais

1. Esta Política Institucional de Gestão de Continuidade de Negócios:

1. Esta Política Institucional de Gestão de Continuidade de Negócios: 1. Esta Política Institucional de Gestão de Continuidade de Negócios: a) é elaborada por proposta da área de gestão de continuidade de negócios da Confederação Nacional das Cooperativas do Sicoob Sicoob

Leia mais

PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA. ATO PGJ nº 19/2009

PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA. ATO PGJ nº 19/2009 ATO PGJ nº 19/2009 - Alterado o inciso III, do art. 3º, pelo Ato nº 23/2010, de 27/05/10, art. 1º. - Ver Errata do Ato-PGJ n.23/2010, publicado no DOMP n. 255 em 11/06/2010. - Ver Ato-PGJ n. 18/2009, arts.

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO. PORTARIA Nº CJF-POR-2014/00093 de 20 de fevereiro de 2014

PODER JUDICIÁRIO. PORTARIA Nº CJF-POR-2014/00093 de 20 de fevereiro de 2014 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL CONSELHO DA JUSTIÇA FEDERAL PORTARIA Nº CJF-POR-2014/00093 de 20 de fevereiro de 2014 Dispõe sobre a aprovação do Documento Acessório Comum Política de Gestão de Riscos,

Leia mais

Cooperação Técnica para Modernização dos Serviços Relativos à Propriedade Industrial

Cooperação Técnica para Modernização dos Serviços Relativos à Propriedade Industrial Programa 0393 PROPRIEDADE INTELECTUAL Objetivo Garantir a propriedade intelectual e promover a disseminação de informações, visando estimular e diversificar a produção e o surgimento de novas tecnologias.

Leia mais

REGIMENTO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO IF SUDESTE DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I

REGIMENTO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO IF SUDESTE DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I REGIMENTO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO IF SUDESTE DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I Disposições Preliminares Art. 1º A Auditoria Interna do IF Sudeste de Minas Gerais, está vinculada ao Conselho Superior,

Leia mais

PR 29/07/2013. Instrução Normativa Nº 24/2013

PR 29/07/2013. Instrução Normativa Nº 24/2013 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL PR 29/07/2013 Instrução Normativa Nº 24/2013 Assunto: Institui a Política

Leia mais