REGIMENTO INTERNO DO BIOTÉRIO DE PESQUISA E EXPERIMENTAÇÃO ANIMAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REGIMENTO INTERNO DO BIOTÉRIO DE PESQUISA E EXPERIMENTAÇÃO ANIMAL"

Transcrição

1 REGIMENTO INTERNO DO BIOTÉRIO DE PESQUISA E EXPERIMENTAÇÃO ANIMAL BELO HORIZONTE,

2 A coordenação do núcleo de pós-graduação stricto sensu do Instituto de Ensino e Pesquisa (IEP) da Santa Casa de Belo Horizonte, no uso de suas atribuições, CONSIDERANDO 1 - As orientações determinadas pelo COBEA, bem como pela resolução 592 de 26 de junho de 1992, criada pelo Conselho Federal de Medicina Veterinária; 2 - As determinações contidas nos documentos nacionais e internacionais que emanaram declarações e diretrizes sobre pesquisas quem envolvem animais; 3 - O disposto na Lei N o , de 8 de outubro de 2008 que estabelece procedimentos para o uso científico de animais; RESOLVE: Criar regimento interno para uso do biotério de experimentação animal do Instituto de Ensino e Pesquisa da Santa Casa - Belo Horizonte, estabelecendo normas que visam controlar o uso de animais para fins de pesquisa baseando-se sobretudo nos preceitos éticos da pesquisa e do respeito aos animais com o fim de promover o desenvolvimento da científico, da formação de profissionais em nível de pós-graduação e da promoção do bem estar e saúde coletiva. Belo Horizonte, Dezembro de 2013 José Augusto Nogueira Machado Coordenador do núcleo de pós-graduação stricto sensu Marcus Vinícius Gomez Responsável pelo Biotério de Experimentação animal e coordenador do Comitê de Ética em Pesquisa e Experimentação Animal da Santa Casa 2

3 SUMÁRIO DISPOSIÇÕES GERAIS... 4 DISPOSIÇÕES ESPECÍFICAS Do número e formação das pessoas envolvidas com os cuidados com animais Condições de temperatura, Umidade e Ventilação do Biotério Métodos utilizados para o controle e redução de ruídos e vibração do biotério Espécies e número de animais mantidos no biotério Descrição dos tipos de recintos utilizados e suas dimensões Disposições sobre biossegurança e procedimentos especiais para o uso desses animais Métodos utilizados para a proteção dos animais Controle de fotoperíodo Disposições sobre a alimentação: origem, tipo de alimentação fornecidos, local e condições de armazenamento Disposições sobre a água fornecida aos animais Disposições sobre a cama Sobre a limpeza e desinfecção dos ambientes Disposições sobre a eliminação de resíduos: manipulação, armazenamento, frequência de descarte de resíduos e carcaças Métodos para a identificação dos animais Sobre a quarentena dos animais Disposições sobre o fluxo de pessoas, animais e insumos no biotério

4 17 - Disposições sobre o tipo de alojamento, os cuidados prestados e o período máximo de permanência dos animais no local Disposições sobre segurança e controle de entrada do biotério Disposições gerais O presente regimento fundamenta-se nos princípios éticos para o uso de animais de laboratório, preconizados pelo COBEA (Colégio Brasileiro de Experimentação Animal) (1991) e pela International Council for Laboratory Animal Science (ICLAS), visando sempre a sensibilidade, o bom senso e a boa ciência. ARTIGO 1º Todas as pessoas que pratiquem a experimentação biológica devem tomar consciência de que o animal é dotado de sensibilidade, de memória e que sofre sem poder escapar à dor; ARTIGO 2º O experimentador é, moralmente responsável por suas escolhas e por seus atos na experimentação animal; ARTIGO 3º Procedimentos que envolvam animais devem prever e se desenvolver considerando-se sua relevância para a saúde humana ou animal, a aquisisição de conhecimentos ou o bem da sociedade; ARTIGO 4º Os animais selecionados para um experimento devem ser de espécie e qualidade apropriados e apresentar boas condições de saúde, utilizando-se o número mínimo necessário para se obter resultados válidos. Ter em mente a utilização de métodos alternativos, tais como modelos matemáticos, simulação por computador e sistemas biológicos "in vitro"; ARTIGO 5º É imperativo que se utilizem animais de maneira adequada, incluindo aí evitar o desconforto, angústia e dor. Os investigadores devem considerar que os processos determinantes de dor ou angústia em seres humanos causam o mesmo em outras espécies, a não ser que o contrário tenha se demonstrado; ARTIGO 6º Todos os procedimentos com animais que podem causar dor ou angústia, precisam se desenvolver com sedação, analgesia ou anestesia adequadas. Atos 4

5 cirúrgicos ou outros atos dolorosos não podem se implementar em animais não anestesiados e que estejam apenas paralizados por agente quimicos e /ou fisicos; ARTIGO 7º Os animais que sofram dor ou angústia intensa ou crônica, que não possam se aliviar e os que não serão utilizados devem ser sacrificados por método indolor e que não cause estresse; ARTIGO 8º O uso de animais em procedimentos didáticos e experimentais pressupõe a disponibilidade de alojamento que proporcione condições de vida adequadas às espécies, contribuindo para sua saúde e conforto. O transporte, a acomodação, a alimentação e os cuidados com os animais criados ou usados para fins biomédicos devem ser dispensados por técnico qualificado; ARTIGO 9º Os investigadores e funcionários devem ter qualificação e experiência adequadas para exercer procedimentos em animais vivos. Deve-se criar condições para seu treinamento no trabalho, incluindo aspectos de trato e uso humanitário dos animais de laboratório. DISPOSIÇÕES ESPECÍFICAS 1 - Do número e formação das pessoas envolvidas com os cuidados com animais Número: 7 (sete) pessoas. Formação da equipe: 1 (um) Professor Doutor. 3 (três) pósdoutorandos com doutorado em Farmacologia Bioquímica e Molecular. 2 (dois) Mestres em biomedicina e 3 graduados em farmácia. Todas essas pessoas possuem experiência no manuseio de animais roedores, tanto nos cuidados básicos de manutenção como também para experimentação. Pesquisadores em nível de pós-doutorado, doutorado, mestrado e alunos de iniciação científica terão autorização para manuseio de animais desde que após autorização da equipe responsável pelo biotério e após aprovação, pelo comitê de pesquisa com animais, do projeto ao qual se destina o uso dos animais. 5

6 2 - Condições de temperatura, Umidade e Ventilação do Biotério Os animais são mantidos em cabines para biotério, marca Insight, modelo EB273, já adquiridas pelo Instituto, e em número de 2 (duas) sendo uma delas exclusiva para manutenção dos animais e outra, para procedimentos de quarentena. Essas cabines possuem controle permanente e automático de temperatura (mantida entre o C), iluminação controlada (ciclos 12hs claro/escuro), humidade monitorada (mantida entre 40-60%), sistema insuflador e exaustor de ar (10 a 15 trocas de ar por hora). Ambas as cabines são ligadas em sistemas Nobreak que garantem o funcionamento delas mesmo frente a quedas de energia. As 2 cabines de biotério são abrigadas em sala contendo aparelho de ar condicionado (e mantidas entre 22 e 25oC). As duas outras salas do biotério, onde acontecem os experimentos de comportamento também são climatizadas com ar condicionado (mantidas entre 22 e 25oC). O registro da temperatura é feito diariamente e documentado em planilha específica. Não são utilizadas áreas de alojamento ao ar livre. 3 - Métodos utilizados para o controle e redução de ruídos e vibração do biotério A intensidade de ruídos no biotério é mínima pois ele se encontra numa área física reservada e isolada do Instituto, afastada de setores administrativos, de salas de aula, de vias de tráfego de veículos ou de obras, portanto, com total independência das outras áreas. O acesso se dá por uma via exclusiva para o biotério, logo, não há fluxo contínuo de pessoas propiciando níveis mínimos de conversas nas proximidades. O biotério sempre permanece trancado por chaves só tendo acesso a ele o pessoal envolvido no cuidado com animais ou que realiza experimentos com os animais. Não há tampouco corredores de comum passagem dentro do biotério o que garante um nível extremamente baixo de ruídos que é imprescindível não apenas para a boa qualidade de manutenção dos animais mas também para a reprodutibilidade e confiabilidade dos resultados experimentais. A intensidade de ruído é monitorada esporadicamente através 6

7 pessoal especializado do Instituto ligado à segurança do trabalho e é limitada até 85 decibéis. 4 - Espécies e número de animais mantidos no biotério Ratos: Espécie Ratusnovergicos (Linhagens Wistar e Sprague-dawley). Camundongos: Espécie Mus musculus(linhagens Swiss e C57BL/6. Número aproximado. 40 ratos e 40 camungongos. Obs.: esse número oscilará conforme a demanda experimental, seja para menos ou para mais, porém respeitando sempre o princípio do 3R: replacement (substituição), reducement (redução) e refinement (refinamento). 5 - Descrição dos tipos de recintos utilizados e suas dimensões Serão utilizados gaiolas de plástico (polipropileno), com grades em INOX, marca Insight Equipamentos. As dimentões da gaiola são: 30 cm de largura por 40 cm de comprimento por 20 cm de altura, medidas que estão em conformidade com o disposto em: ANDRADE, A., PINTO, SC., and OLIVEIRA, RS., orgs. Animais de Laboratório: criação e experimentação [online]. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ, p. ISBN: As gaiolas não possuem "cantos vivos" em seu interior, já que os animais tendem a roer qualquer saliência para tentar escapar. Elas são retangulares e fechadas por cima para permitir a acomodação da ração peletizada e o frasco mamadeira contendo água. As gaiolas são seguras, não permitindo a fuga dos animais; permitem com facilidade a observação e sua alimentação; tem ventilação apropriada; são higiênicas e de fácil limpeza; são confortáveis, permitindo aos animais ampla liberdade em seus movimentos; permitem fácil acesso aos alimentos e água. As gaiolas são alocadas em cabine para biotério marca INSIGHT, modelo EB273, a qual está apoiada sobre rodízio, permintindo o deslocamento para higienização e limpeza da sala. Dentro da cabine, as gaiolas são alocadas em prateleiras com distância adequada 7

8 entre elas (~35 cm), possibilitando a retirada das gaiolas e bebedouros, facilitando a administração da ração sem obstáculos e com segurança. A altura máxima da última instante não ultrapassa 1,80 m garantindo que haja segurança na retirada das gaiolas que estão na prateleira superior. A disposição das gaiolas na cabine permite condições para incidência de luz e exposição à ventilação semelhante para todas as gaiolas. 6 - Disposições sobre biossegurança e procedimentos especiais para o uso desses animais De acordo com a escala definida por Teixeira, 1996 (Teixira P, Valle S. Biossegurança: uma abordagem multidisciplinar. Rio de Janeiro, RJ: FIOCRUZ; 1996), o nível de Biossegurança (NBA) do biotério de experimentação animal do Instituto de Ensino e Pesquisa da Santa Casa será NBA1: animais utilizados na pesquisa básica e que não demandam nenhum tipo de cuidado especial a não ser o cumprimento das boas práticas laboratoriais, tanto para implantação quanto para manutenção, sendo apropriado para o alojamento da maioria dos estoques de animais após a quarentena e para animais inoculados com agentes biológicos da classe de animais inoculados com agentes biológicos da classe de risco 1. O biotério não estará apto para o trabalho com animais infectados ou com animais SFP: Animais Isentos de Agentes Patogênicos Específicos. Os procedimentos gerais de biossegurança incluem aqueles preconizados por ANDRADE, A., PINTO, SC., and OLIVEIRA, RS., orgs. Animais de Laboratório: criação e experimentação [online]. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ, p. ISBN: A seguir a descrição das principais normas de biossegurança que deverão ser seguidas. Como regra geral, todos devem ter consciência dos perigos existentes, não só os envolvidos nos cuidados dos animais, mas também os pesquisadores e o pessoal de apoio que tem acesso ao biotério. Em relação ao ambiente de trabalho, alguns odores animais são agressivos para seres humanos. Grande parte destes odores é produzida pela decomposição bacteriana dos excrementos, porém não serão usados produtos que os mascare, pois, podem ser extremamente nocivos aos animais. Esses odores serão controlados por procedimentos rotineiros de limpeza e ventilação adequados. As pessoas que trabalham no biotério obrigatoriamente deverão 8

9 usar máscaras. Será vetado uso de éter para qualquer fim no laboratório, será considerado o uso de outros anestésicos como isoflurano ou quetamina. Todos os bioteristas ou estudantes/pesquisadores que trabalham com animais sejam estes infectados ou não, terão treinamentos específicos e serão informados sobre todos os riscos a que estão sujeitos, bem como as maneiras de se proteger e evitá-los. Monitoramento cuidadoso da saúde dos animais e dos técnicos a fim de se evitar doenças que podem ser transmitidas do homem para os animais e vice-versa. A higiene pessoal constitui uma importante barreira contra infecções. O hábito lavar as mãos antes e após manipular qualquer animal, reduz o risco de disseminar doenças, bem como o de auto-infecção. É obrigatório o uso de luvas para qualquer procedimento nos biotérios (criação e experimentação). Uniforme completo (Jaleco de mangas compridas e longo e descartável, calça exclusiva para uso no biotério, máscara, gorro, pantufas, etc). Fumar, comer ou beber é terminantemente proibido dentro dos biotérios ou em qualquer outra área em que existam microorganismos patogênicos. Qualquer ferimento na pele do técnico, ou estudante, ou pessoal de apoio, deve ser devidamente protegido antes de se iniciar a manipulação de animais e agentes patogênicos. O material descartado (proveniente de necrópsia, carcaças de animais, etc) será identificado congelado e em seguida enviado para incineração (descrito maior mais detalhes em outro tópico). O pessoal receberá, anualmente treino adicional quando houver mudanças de procedimentos. Gaiolas serão apropriadamente descontaminadas, após a lavagem. Equipamentos e superfícies de trabalho serão descontaminadas com desinfetante apropriado (álcool 70%), em uma rotina básica, antes e após o término dos trabalhos. Aventais, jalecos ou uniformes são vestimentas de proteção usadas nas áreas de animais, e serão retiradas antes de sair. O biotério terá um programa de segurança que inclui equipamentos de combate a incêndio, instruções para o uso correto de equipamentos e treinamento de primeiros socorros. Todo o pessoal que trabalha com animais deve saber manipular corretamente as espécies envolvidas, para a segurança e saúde deles próprios, bem como dos animais. 9

10 7 - Métodos utilizados para a proteção dos animais Proteção de extremos climáticos: Os animais são mantidos em cabines para biotério, marca insight, modelo EB273. Essas cabines possuem controle de temperatura automático e permanente, sendo ligadas a equipamento NOBREAK e possuem portanto elevada estabilidade nos níveis de temperatura. Além do mais essas cabinas são mantidas em sala climatizada, com paredes de alvenaria e equipadas com ar condicionado (com motores instalados do lado externo da sala). Portanto os animais estão minimamente expostos a extremos climáticos. Predadores e escape. O modelo citado da cabine possui porta com travamento por pressão, portanto somente a força humana é capaz de abrí-la. As portas são vedadas com borrachas ao longo de toda a sua margem e que fazem contado com a cabine prevenindo a entrada de predadores, pragas, insetos voadores, etc. A sala em que a cabine é mantida é de acesso restrito, as janelas lacradas e pintadas com tinta fosca para inibir a entrada de luz ambiente. A sala possui ralo escamotiável que sempre permanece fechado para impedir a entrada de vetores através da rede de escoamento hídrico. Os ralos escamotiáveis são abertos exclusivamente durante a limpeza da sala. O biotério passa por limpezas regulares e de frequência a cada 3 dias (descrito adiante). Também é realizado procedimento de dedetização e de controle de pragas por setor especializado do instituto. 8 - Controle de fotoperíodo O controle de fotoperíodo é feito pela cabine marca insight, modelo EB273, na qual os animais serão condicionados. A cabine será programada para ciclos LUZ/ESCUROde 12 hs cada, sendo programada para acendimento das luzes as 6hs e desligamento às 18hs, SEM reajustes nos horários em função de implementação de horário nacional de verão. 10

11 9 - Disposições sobre a alimentação: origem, tipo de alimentação fornecidos, local e condições de armazenamento A ração a ser utilizada será industrializada e usualmente adquirida do fornecedor Presence - nutrição animal. A ração é apresentada na forma de peletes, e com ingredientes atendendo a todas as necessidades alimentares dos animais, não suplementada, de fácil manuseio e de bom rendimento. As rações são adquiridas já esterilizadas, e são acondicionadas em sala reservada para ela, com ar condicionado, controle de temperatura, ao abrigo da luz, paredes de alvenaria, pintadas com tinta seladora apropriada e privada de humidade excessiva. O fornecedor é local portanto compras são feitas com frequência regular de forma a garantir estoques mínimos de ração no biotério. Dado o número relativamente pequeno de animais mantidos no biotério, não mais que 3 sacos de ração serão mantidos em estoque e que será controlado para que cada saco de ração não permaneça mais que 1 mês no biotério, muito embora a ração ainda esteja dentro do prazo de validade Disposições sobre a água fornecida aos animais Os animais de laboratório terão livre acesso à agua. A água oferecida aos animais terá os mesmos padrões de qualidade de água potável para humanos. O tratamento da água não usará métodos físicos como filtração ou autoclavação, mas usará processo químico por meio da acidificação com HCl (ANDRADE, A., PINTO, SC., and OLIVEIRA, RS., orgs. Animais de Laboratório: criação e experimentação [online]. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ, p. ISBN: ) para se alcançar ph entre 2,5 e 3,2 evitando assim o crescimento de Pseudomonas spp. A água será fornecida aos animais por meio de mamadeiras de plástico (policarbonato), contendo rolhas de borracha e bicos de aço inox, acoplada superiormente às gaiolas. A água será trocada da mamadeira a cada 2 dias ou excepcionalmente, se o nível da água da mamadeira for inferior a 1/3 do volume total. O monitoramento da qualidade da água fornecida é feito por terceirização dos serviços. A água é coletada em um ponto do 11

12 biotério e enviada à Universidade Federal de Minas Gerais para análise. A coleta é feita a cada 6 meses e as análises realizadas são: ph, contagem de bactérias heterotróficas, contagem de coliformes totais, contagem de coliformes termotolerantes, medida de cloro residual livre e análise de ferro Disposições sobre a cama Os animais serão mantidos em caixas plasticas (polipropileno) recobertas por uma camada de maravalha (raspa de madeira picada) de Pinus marca Hemo-in, segundo recomendação do Biotério CEBIO da Universidade Federal de Minas Gerais, e será fornecida pela empresa MGM de Belo Horizonte. A maravalha já é obtida autoclavada diretamente do fornecedor que foi selecionado após análise da melhor qualidade, custo e facilidade de obtenção. A maravalha tem por finalidade absorver a urina dos animais e a água derramada no interior da gaiola, mantendo seu fundo sempre seco, bem como servir de isolante térmico para reduzir a condução de calor do corpo dos animais através do fundo da gaiola. As quantidades utilizadas de maravalha são 60g/gaiola (camundongos) e 100g/gaiola (ratos), segundo recomendações de Andrade A., 2002 (Animais de Laboratório, Fiocruz RJ.). Os animais são trocados para gaiolas limpas e contendo maravalha nova a cada 3 dias. O controle de compra de maravalhas é feito de tal forma a garantir a existência de estoques mínimos de maravalha. Um único saco de maravalha permanece em estoque por não mais que 1 mês. Para isso, as compras são feitas de forma regular para assegurar o fluxo contínuo desse material. O fornecedor de maravalha é local, portanto a agilidade de entrega se dá em fração de horas. Dentro do biotério a maravalha é mantida em sala própria e exclusiva para estoque de insumos de bioterismo (maravalha e ração), que consiste em ambiente fresco (com ar condicionado), de superfícies lisas, paredes de alvenaria e de fácil limpeza, ao abrigo da luz e com entrada controlada por porta e fechadura e acesso restrito a estudantes pesquisadores e pessoal autorizado para o cuidado dos animais. Para assegurar o controle de pragas, a dedetização é realizada regularmente no biotério por empresa especializada e ocorre não só no local de estoque de maravalha como também em toda área do biotério. 12

13 12 - Sobre a limpeza e desinfecção dos ambientes Os procedimentos de limpeza de macroambientes consistem em medidas tanto preventivas como paliativas. As medidas preventivas incluem advertências e proibições como: não comer ou fumar dentro do biotério, sempre utilizar uniformes e EPI's apropriados durante o trabalho, planejar o trabalho objetivando o gasto mínimo de animais e de material para o trabalho, separar previamente o material necessário à execução de tarefas, recolher o material pelo qual foi responsável após o término dos experimentos, é proibido realizar varredura seca nas áreas internas da unidade, a limpeza é feita das áreas não críticas em direção às áreas críticas, a limpeza inicia-se pelo mobiliário ou paredes e termina pelo piso. Já as medidas paliativas incluem a limpeza propriamente dita das superfícies e dos pisos das dependências do Biotério tal como preconizado em ual+limpeza+e+desinfeccao+web.pdf?mod=ajperes. Em resumo, o procedimento é feito através do método de varredura a úmido e com a utilização de: Vassoura e rodo; panos limpos; água e sabão líquido; escova e EPI. Esse método é executado 3 vezes a cada semana e, uma vez por semana é executado o método de lavagem do piso através da escovação com maquinário do piso utilizando água e sabão. A limpeza das superfícies é feita através da utilização de água e sabão e seguida desinfecção com álcool a 70%. Limpeza e desinfecção de microambientes: Serão aqui considerados como microambiente a cabine de biotério, as gaiolas e a cama para os roedores. A cabine será limpa com frequência semanal e procedimento será através do uso de pano úmido, buxa e sabão, porém sem o uso de água corrente no interior da cabine. O biotério contém 2 cabines, enquanto uma delas estiver sendo limpa, os animais serão temporariamente alojados na outra, exceto se houver animais em quarentena. Após limpeza, a mesma será desinfectada com álcool 70% e será aguardado até que o álcool se evapore por completo antes de se retornar com os animais para a cabine. A limpeza das gaiolas será feita como se segue: após trocar os animais para gaiolas limpas e com cama de maravalha nova, as gaiolas sujas terão a maravalha velha recolhida com auxílio de pá, em saco de lixo próprio para resíduo biológico, em seguida as gaiolas serão lavadas em água corrente com o uso de sabão e escova, após enxague e secagem as gaiolas serão desinfectadas com álcool 70% e em seguida armazenadas em 13

14 local específico para secagem das gaiolas limpas. As grades de aço inox e as mamadeiras de água serão limpadas também com água corrente e sabão neutro e em seguida desinfectadas com álcool 70%. A troca de maravalha, de mamadeira e limpeza das gaiolas será feita a cada dois dias Disposições sobre a eliminação de resíduos: manipulação, armazenamento, frequência de descarte de resíduos e carcaças O descarte de materiais no biotério é feito em conformidade com as normas preconizadas pelo setor de gerenciamento de qualidade do Instituto de Ensino e Pesquisa, é feito essencialmente como se segue: O resíduo gerado é divido basicamente em 3 tipos: Comum, de Risco Biológico e Material pérfuro cortante. Cada uma das 3 classes possuem recepientes específicos de descarte sendo cada um deles identificado seguindo normas internas. Os resíduos das 3 classes são recolhidos do biotério com frequência diária por pessoal especializado do Instituto do setor de resíduos. Tanto o resíduo de status "Risco Biológico" como o "Perfuro Cortante" são enviados para incineração. Para recolhimento da maravalha suja, a mesma é recolhida das gaiolas com auxílio de espátula e transferida para saco plástico de status "resíduo biológico" que por sua vez é acondicionado em tambores próprios de polipropileno, com tampa, até que sejam recolhidos. As carcaças de animais são recolhidas também em sacos plásticos de status "resíduo biológico" e imediatamente congeladas a -20 o C em freezer específico para esse fim, localizado em sala exclusiva do biotério. Os animais são mantidos congelados até o recolhimento para incineração. O recolhimento dos animais congelados é feito com frequência quinzenal ou excepcionalmente se o freezer ultrapassar 2/3 da sua capacidade máxima ou também se apresentar problemas eletromecânicos Métodos para a identificação dos animais 14

15 A identificação é feita por cartões de papel anexados nas gaiolas e também em caderno de registro específico. Cada gaiola contém 1 (um) cartão de identificação e que apresenta as seguintes informações: Espécie animal (Rato ou Camundongo); Gênero (macho ou fêmea); data em que o animal foi trazido para o biotério; Peso do animal; Destino a que ele será utilizado (nesse campo usam-se uma ou duas palavras-chave que designam o projeto para o qual estará sendo utilizado, ex, diabetes, neuropatia, obesidade, etc); Responsável pelo animal (nesse campo, é indicado o pesquisador que irá utilizar o animal em suas pesquisas); assinatura do responsável. O preenchimento dos registros é de responsabilidade do pesquisador solicitante dos animais. A manutenção e inspeção dos registros é feita semanalmente pelos responsáveis do biotério. Além dos registros anexados às gaiolas, será realizado também registro em caderno específico que será mantido no biotério. Nesse registro, serão transpostas todas as anotações dos registros das gaiolas para folhas do caderno numeradas sequencialmente. Também é de responsabilidade do pesquisador que utiliza os animais o preenchimento do registro dos animais no caderno. Além dos tópicos contidos nos cartões das gaiolas, haverá no caderno um tópico para observações, onde deverão ser relatadas quaisquer eventualidades que venham a acontecer com os animais. O caderno servirá também de controle da quantidade e do fluxo de animais que passam pelo biotério Sobre a quarentena dos animais Dado o nível de biossegurança do biotério (NBA 1) e dada as exigências experimentais a que os animais se destinam, os animais não passarão por procedimentos de quarentena com intuito de prevenção ligada a contaminações microbiológicas. Conforme sugerido por Andrade A., 2002 (Animais de Laboratório, Fiocruz RJ.), esse procedimento é opcional a partir do momento que o pesquisador opte por aceitar o risco da influência desse tipo de contaminação nos resultados dos experimentos. Soma-se a isso o fato dos animais serem obtidos de biotérios cujo padrão de criação, seguem normas mais rígidas de biossegurança. Por último, apesar de não passarem por processo de quarentena em salas isoladas, todos os animais recém ingressos no biotério passarão 15

16 por um período de aclimatização (também definido por alguns autores, por quarentena) de 30 dias antes de seu uso em experimentos, objetivando adaptar o animal ao ambiente de laboratório, à alimentação empregada, ao manuseio utilizado e ao controle de possíveis doenças Disposições sobre o fluxo de pessoas, animais e insumos no biotério O fluxo de pessoas nas instalações do biotério se dará EXCLUSIVAMENTE em função de: cuidados básicos e rotineiros com os animais (alimentação, água, troca de maravalha); entrada de novos animais; experimentação envolvendo animais; saída de resíduos biológicos e carcaças de animais; entrada para limpeza do biotério; substituição ou manutenção de equipamentos contidos no biotério e; manutenções em geral nas instalações do biotério. O fluxo de animais se dará pela entrada de novos animais que permanecerão na sala de criação até o momento do experimento. Nos experimentos o fluxo de animais será da sala de criação para a sala de experimentação ou para a sala de cirurgia. As salas de experimentação, criação e de cirurgia são conectadas por um corredor de circulação e estão dispostas na referida ordem estando a sala de criação situada ao meio do corredor de circulação (ver planta anexa) e a sala de cirurgia, situada na extremidade em L do corredor. Adjacente à sala de cirurgia existe, uma sala de lavagem para a lavagem das caixas e gaiolas onde transitará o pessoal envolvido com a limpeza das caixas, gaiolas, portanto, há fluxo dessa sala em direção à sala de criação para o transporte de caixas e gaiolas. O estoque de insumos será no subsolo existente abaixo da escada. Conforme descrito anteriormente, não haverá sala reservada para a quarentena de animais. Quanto à intensidade do fluxo, o de pessoas será rotineiro no caso dos cuidados básicos com os animais, a frequência mínima será de 2 dias. O fluxo para entrada de novos animais ocorrerá de maneira esporádica e por demanda, de acordo com a necessidade da experimentação com animais dos alunos da pós-graduação. Tendo em vista o número de alunos e a capacidade máxima do biotério, a frequência máxima de entrada de novos animais será quinzenal (uma vez a cada 15 dias). O fluxo de pessoas para experimentação com animais também não ocorrerá de forma rotineira, mas por demanda. A demanda se dará em função do desenvolvimento do projeto de cada 16

17 aluno e poderá variar com frequência diária, quinzenal, ou, em determinados casos, por exemplo, férias, não haver demanda para experimentação com animais. O fluxo de pessoas em função da saída de resíduos biológicos acompanhará a rotina de limpeza do biotério ocasião na qual haverá a coleta e retirada dos resíduos e terá frenquência de 2 vezes por semana ou excepcionalmente quando a maior demanda de experimentação assim exigir. Substituição de equipamentos e manutenção em geral ocorrerá esporadicamente e sob demanda Disposições sobre o tipo de alojamento, os cuidados prestados e o período máximo de permanência dos animais no local Os animais serão mantidos em caixas de plástico (polipropilento) (40 x 30 x 20 cm; comprimento, largura e profundidade, respectivamente) fechadas na parte superior com grade em aço inoxidável contendo receptáculos para deposição de ração e de mamadeiras de água. A cama dos animais consiste em raspa de madeira pinus (maravalha) em quantidades pré-definidas. As gaiolas serão condicionadas em gabinete para biotério marca Insight Equipamentos, modelo EB273, em número total de duas sendo: uma para ratos e outra para camundongos. Essas cabines possuem controle permanente (estão ligadas em sistema no-break) e automático de temperatura (mantida entre o C), ciclo de fotoperíodo controlado (12hs claro/escuro), humidade do ar monitorada (40-60%), sistema insuflador/exaustor de ar (10 a 15 trocas de ar por hora). As duas cabines de biotério são mantidas na sala de criação, que possui condicionador de ar, bancada de granito e pia, pisos e paredes em alvenaria de material de cores claras e de fácil limpeza. Os animais mantidos no biotério terão o objetivo exclusivo de atender a protocolos e demandas experimentais, não sendo portanto realizado procedimentos de cruzamento, reprodução e multiplicação dos animais. O tempo médio de permanência dos animais no biotério é de 40 dias e que se encerra após a realização dos experimentos com os mesmos e que não ultrapassa 60 dias (dois meses). Durante esse tempo os animais terão todos os cuidados básicos prestados de maneira regular conforme descrito detalhadamente nos tópicos anteriores. Essencialmente, esses cuidados visam atender as necessidades básicas dos animais incluindo: alimentação, 17

18 água, limpeza, cama de maravalha, controle de luz, temperatura, humidade, prevenção contra extremos climáticos, proteção contra pragas, insetos e contaminações biológicas Disposições sobre segurança e controle de entrada do biotério A entrada do biotério é permitida somente a pesquisadores/alunos envolvidos e treinados para o trabalho com os animais, além do pessoal da limpeza e manutenção. A porta do biotério ficará permanentemente trancada com chave, incluindo os momentos em que houver realização de experimentos ou procedimentos de limpeza dentro do biotério. Haverá 4 cópias de chaves estando em responsabilidade de 4 pessoas distintas: 1 com o coordenador do biotério, uma com o responsável técnico do biotério e 2 com dois pesquisadores pós-doutorandos do Instituto. Sempre que algum aluno/pesquisador necessitar entrar no biotério, deverá utilizar uma dessas cópias dando então ciência ao responsável pela chave de que o biotério estará sendo usado. Haverá um caderno para controle de acesso em que deverá ser preenchido e assinado por toda e qualquer pessoa a cada vez que ela entrar no biotério. Regularmente (frequência 1 vez por ano) serão trocados os segredos das chaves e fechaduras da porta de entrada do biotério, para assegurar proteção contra a disseminação de cópias de chaves por pessoal não autorizado. A prevenção de incêndios se dará pelo treinamento de pessoal e pela existência de um extintor de incêndio, localizado no corredor de distribuição do biotério. Há uma câmera de segurança no corredor do Instituto que dá acesso ao biotério assegurando o registro, por vídeo, das pessoas que se dirigem em direção ao biotério. 18

Ministério da Educação Universidade Federal de São Paulo Pró-Reitoria de Graduação Campus Diadema

Ministério da Educação Universidade Federal de São Paulo Pró-Reitoria de Graduação Campus Diadema Normas para cuidado e manejo de animais de laboratório -roedores- utilizados para fins científicos no Biotério de experimentação animal da Universidade Federal de São Paulo, Campus de Diadema, Unidade

Leia mais

REGULAMENTO DO BIOTÉRIO DA UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL - UNISC. Capítulo I. Das Finalidades do Biotério

REGULAMENTO DO BIOTÉRIO DA UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL - UNISC. Capítulo I. Das Finalidades do Biotério REGULAMENTO DO BIOTÉRIO DA UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL - UNISC Capítulo I Das Finalidades do Biotério Art. 1º O Biotério da Universidade de Santa Cruz do Sul, tem por finalidade auxiliar nas providências

Leia mais

Macro e microambientes

Macro e microambientes Belmira Ferreira dos Santos SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros ANDRADE, A., PINTO, SC., and OLIVEIRA, RS., orgs. Animais de Laboratório: criação e experimentação [online]. Rio de Janeiro: Editora

Leia mais

INSTITUIÇÃO: DATA: RESPONSÁVEL PELA INSPEÇÃO: NOME DO RESP. PELO SERVIÇO;

INSTITUIÇÃO: DATA: RESPONSÁVEL PELA INSPEÇÃO: NOME DO RESP. PELO SERVIÇO; INSTITUIÇÃO: DATA: RESPONSÁVEL PELA INSPEÇÃO: NOME DO RESP. PELO SERVIÇO; Tipo do Serviço: ( ) Próprio ( )terceirizado Nome; Possui Licença sanitária? ( ) SIM ( ) NÃO N /ANO: Há um encarregado do setor

Leia mais

Comitê de Ética no Uso de Animais (CEUA) Protocolo de Pesquisa. Comitê de Ética no Uso de Animais (CEUA) Protocolo de Pesquisa

Comitê de Ética no Uso de Animais (CEUA) Protocolo de Pesquisa. Comitê de Ética no Uso de Animais (CEUA) Protocolo de Pesquisa Comitê de Ética no Uso de Animais (CEUA) Protocolo de Pesquisa Protocolo nº: (uso da CEUA) Data de Entrega / / (uso da CEUA) Título do Projeto Pesquisador-chefe Departamento Unidade Acadêmica - - - - -

Leia mais

O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde

O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde A Portaria MS nº 2616/98 define a Infecção Hospitalar (IH) como sendo aquela adquirida após a admissão do paciente e que se manifesta durante

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CAMPUS ANISIO TEIXEIRA-INSTITUTO MULTIDICIPLINAR EM SAÚDE COORDENAÇÃO GERAL DE LABORATÓRIOS

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CAMPUS ANISIO TEIXEIRA-INSTITUTO MULTIDICIPLINAR EM SAÚDE COORDENAÇÃO GERAL DE LABORATÓRIOS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CAMPUS ANISIO TEIXEIRA-INSTITUTO MULTIDICIPLINAR EM SAÚDE COORDENAÇÃO GERAL DE LABORATÓRIOS NORMAS INTERNAS DO LABORATÓRIO DE BIOTECNOLOGIA E GENÉTICA

Leia mais

ROTEIRO DE INSPEÇÃO PARA AVALIAÇÃO DA ESTRUTURA FÍSICA DAS INSTITUIÇÕES DE LONGA PERMANÊNCIA PARA IDOSOS

ROTEIRO DE INSPEÇÃO PARA AVALIAÇÃO DA ESTRUTURA FÍSICA DAS INSTITUIÇÕES DE LONGA PERMANÊNCIA PARA IDOSOS I IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO Nome: Endereço: AP: Nome Fantasia: Inscrição Municipal: Nº do Processo: CNPJ: Tipo de Serviço: ( ) Municipal ( ) Filantrópico ( ) Conveniado SUS RJ ( ) Privado ( ) Estadual

Leia mais

Normas de Segurança para o Instituto de Química da UFF

Normas de Segurança para o Instituto de Química da UFF Normas de Segurança para o Instituto de Química da UFF A Comissão de segurança do Instituto de Química da UFF(COSEIQ) ao elaborar essa proposta entende que sua função é vistoriar, fiscalizar as condições

Leia mais

6 CURSO DE CONTROLE DE QUALIDADE NA INDÚSTRIA DE ALIMENTOS

6 CURSO DE CONTROLE DE QUALIDADE NA INDÚSTRIA DE ALIMENTOS Universidade de Passo Fundo Faculdade de Agronomia e Medicina Veterinária Curso de Medicina Veterinária 6 CURSO DE CONTROLE DE QUALIDADE NA INDÚSTRIA DE ALIMENTOS Médico Veterinário Profº Dr. Elci Lotar

Leia mais

Divisão de Enfermagem CME Página 1 de 6 Título do Procedimento: Limpeza concorrente e terminal da CME

Divisão de Enfermagem CME Página 1 de 6 Título do Procedimento: Limpeza concorrente e terminal da CME Divisão de Enfermagem CME Página 1 de 6 Freqüência em que é realizado: Diário/semanal/quinzenal/mensal Profissional que realiza: Auxiliar ou Técnico de Enfermagem e servidor da empresa terceirizada de

Leia mais

REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS ESPECIALIZADOS DA ÁREA DE SAÚDE

REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS ESPECIALIZADOS DA ÁREA DE SAÚDE REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS ESPECIALIZADOS DA ÁREA DE SAÚDE I. Objetivos do Regulamento dos Laboratórios Especializados da Área de Saúde 1. Fornecer um guia geral e regras básicas consideradas mínimas

Leia mais

Ambiente físico do Centro de Material Esterilizado

Ambiente físico do Centro de Material Esterilizado Ambiente físico do Centro de Material Esterilizado Gessilene de Sousa Sobecc, julho2011 Agenda Regulamentação Definição: Centro de Material Esterilizado - CME; Estrutura Física: Áreas de composição; Fluxograma

Leia mais

Biossegurança em Biotérios

Biossegurança em Biotérios Biossegurança em Biotérios Prof. André Silva Carissimi Faculdade de Veterinária UFGS Biossegurança é... o conjunto de ações a voltadas para a prevenção, minimização ou eliminação de riscos inerentes às

Leia mais

HIGIENIZAÇÃO, LIMPEZA E PARAMENTAÇÃO

HIGIENIZAÇÃO, LIMPEZA E PARAMENTAÇÃO Bem Vindos! HIGIENIZAÇÃO, LIMPEZA E PARAMENTAÇÃO Quem sou? Farmacêutica Bioquímica e Homeopata. Especialista em Análises Clínicas, Micologia, Microbiologia e Homeopatia. 14 anos no varejo farmacêutico

Leia mais

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE ANÁLISE EXPERIMENTAL DO COMPORTAMENTO - AEC

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE ANÁLISE EXPERIMENTAL DO COMPORTAMENTO - AEC REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE ANÁLISE EXPERIMENTAL DO COMPORTAMENTO - AEC 1 REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE ANÁLISE EXPERIMENTAL DO COMPORTAMENTO - AEC CAPÍTULO I Das Finalidades deste Regulamento Art. 1

Leia mais

Diário Oficial Imprensa Nacional

Diário Oficial Imprensa Nacional Diário Oficial Imprensa Nacional REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL BRASÍLIA - DF Nº 240 15/12/11 Seção 1 p. 39 MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE CONTROLE DE EXPERIMENTAÇÃO

Leia mais

Plano Escrito de Procedimentos. Monitorização Ações corretivas Verificação Registros

Plano Escrito de Procedimentos. Monitorização Ações corretivas Verificação Registros Profª Celeste Viana Plano Escrito de Procedimentos (requisitos das BPF) Monitorização Ações corretivas Verificação Registros PPHO 1 Potabilidade da água PPHO 2 PPHO 3 PPHO 4 PPHO 5 PPHO 6 Higiene das superfícies

Leia mais

Higienização do Ambiente Hospitalar

Higienização do Ambiente Hospitalar Higienização do Ambiente Hospitalar Enfª Mirella Carneiro Schiavon Agosto/2015 O serviço de limpeza tem por finalidade preparar o ambiente de saúde para suas atividades, mantê-lo em ordem e conservar equipamentos

Leia mais

FISPQ Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico. Rua Dr. Elton César, 121 Campinas /SP

FISPQ Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico. Rua Dr. Elton César, 121 Campinas /SP Página 1 de 5 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Nome do Fabricante: CEVAC S Gallinarum CNN Laboratório Veterinário Ltda Rua Dr. Elton César, 121 Campinas /SP Nome do Distribuidor

Leia mais

Ciência em Animais de Laboratório

Ciência em Animais de Laboratório 02/10/2012 Ciência em Animais de Laboratório Marcel Frajblat Universidade Federal do Rio de Janeiro Ciência em Animais de Laboratório 1 I Educação, bioética, legislação e biossegurança em animais de laboratório:

Leia mais

Uma arte que deve andar lado a lado com a saúde. Secretaria de Saúde de Vila Velha Vigilância Sanitária

Uma arte que deve andar lado a lado com a saúde. Secretaria de Saúde de Vila Velha Vigilância Sanitária Uma arte que deve andar lado a lado com a saúde. Secretaria de Saúde de Vila Velha Vigilância Sanitária objetivo Este manual estabelece os critérios de higiene e de boas práticas operacionais para o controle

Leia mais

NORMAS DE HIGIENE E SEGURANÇA - TASQUINHAS DAS FESTAS DO BARREIRO 2015 -

NORMAS DE HIGIENE E SEGURANÇA - TASQUINHAS DAS FESTAS DO BARREIRO 2015 - NORMAS DE HIGIENE E SEGURANÇA - TASQUINHAS DAS FESTAS DO BARREIRO 2015 - O presente documento destaca as principais medidas de segurança e higiene no trabalho que deverão ser implementadas e cumpridas

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO DA CENTRAL DE LABORATÓRIOS EM CIÊNCIA E TECNOLÓGIA AMBIENTAL

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO DA CENTRAL DE LABORATÓRIOS EM CIÊNCIA E TECNOLÓGIA AMBIENTAL PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO DA CENTRAL DE LABORATÓRIOS EM CIÊNCIA E TECNOLÓGIA AMBIENTAL BAURU APRESENTAÇÃO O complexo de laboratórios em Ciência e Tecnologia e Ambiental (CTA)

Leia mais

NR 24 - INSTALAÇÕES SANITÁRIAS E DE CONFORTO NOS LOCAIS DE TRABALHO

NR 24 - INSTALAÇÕES SANITÁRIAS E DE CONFORTO NOS LOCAIS DE TRABALHO NR 24 - INSTALAÇÕES SANITÁRIAS E DE CONFORTO NOS LOCAIS DE TRABALHO 24.1 Instalações Sanitárias 24.1.1 Todo estabelecimento deve ser dotado de instalações sanitárias, constituídas por vasos sanitários,

Leia mais

Instrução Normativa CTNBio nº 6, de 28.02.97

Instrução Normativa CTNBio nº 6, de 28.02.97 Instrução Normativa CTNBio nº 6, de 28.02.97 Dispõe sobre as normas de classificação dos experimentos com vegetais geneticamente modificados quanto aos níveis de risco e de contenção. A COMISSÃO TÉCNICA

Leia mais

Classificação e Rotulagem de Perigo dos Ingredientes que Contribuem para o Perigo: N. A

Classificação e Rotulagem de Perigo dos Ingredientes que Contribuem para o Perigo: N. A Nome do Produto: VERCLEAN 900 FISQP N.º: 02 Página: 1/7 Última Revisão: 08/04/13 1. Identificação do Produto e da Empresa Nome do Produto: DETERGENTE VERCLEAN 900 Código Interno de Identificação: 101 Nome

Leia mais

O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais,

O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais, DECRETO N.º 23915, DE 13 DE JANEIRO DE 2004 DISPÕE SOBRE O LICENCIAMENTO SANITÁRIO A QUE ESTÃO SUJEITOS OS SALÕES DE CABELEIREIROS, OS INSTITUTOS DE BELEZA, ESTÉTICA, PODOLOGIA E ESTABELECIMENTOS CONGÊNERES;

Leia mais

Regulamento da Sala de Necropsia do Centro de Diagnóstico e Pesquisa em Patologia Veterinária (CDPPV)

Regulamento da Sala de Necropsia do Centro de Diagnóstico e Pesquisa em Patologia Veterinária (CDPPV) INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CÂMPUS CONCÓRDIA CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA CENTRO DE DIAGNÓSTICO E PESQUISA EM PATOLOGIA VETERINÁRIA Regulamento da Sala de Necropsia do Centro de Diagnóstico e Pesquisa

Leia mais

Biossegurança RISCOS BIOLOGICOS. UNISC Departamento de Biologia e Farmácia Prof. Jane Renner

Biossegurança RISCOS BIOLOGICOS. UNISC Departamento de Biologia e Farmácia Prof. Jane Renner Biossegurança RISCOS BIOLOGICOS UNISC Departamento de Biologia e Farmácia Prof. Jane Renner Risco biológico Definição Agente de origem biológica que possui a capacidade de produzir efeitos deletérios em

Leia mais

HIGIENIZAÇÃO DO AMBIENTE, PROCESSAMENTO E PREPARO DE SUPERFÍCIE DOS EQUIPAMENTOS E CONSULTÓRIO ODONTOLÓGICO

HIGIENIZAÇÃO DO AMBIENTE, PROCESSAMENTO E PREPARO DE SUPERFÍCIE DOS EQUIPAMENTOS E CONSULTÓRIO ODONTOLÓGICO HIGIENIZAÇÃO DO AMBIENTE, PROCESSAMENTO E PREPARO DE SUPERFÍCIE DOS EQUIPAMENTOS E CONSULTÓRIO ODONTOLÓGICO ANA LUÍZA 21289 LUCAS - 23122 ARTTENALPY 21500 MARCELINA - 25723 CLECIANE - 25456 NAYARA - 21402

Leia mais

para controle da mastite e melhora da qualidade do leite

para controle da mastite e melhora da qualidade do leite Björn Qvarfordt Técnico habilitado realizando manutenção preventiva no equipamento de ordenha Medidas práticas para controle da mastite e melhora da qualidade do leite Por: Renata Travaglini Gonçalves

Leia mais

6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio

6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio ÁREA DE ABASTECIMENTO E ARMAZENAMENTO DE COMBUSTÍVEL 6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio ambiente e seu manuseio e armazenagem também apresentam considerável grau

Leia mais

FISPQ (FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS.) DETERGENTE EUCALIPTO GEL 1- IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA:

FISPQ (FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS.) DETERGENTE EUCALIPTO GEL 1- IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA: 1- IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA: 1.1 Nome Comercial: Detergente Eucalipto Gel Maranso 1.2 Código de Venda:004 1.3 Nome do Fabricante: QOB MATERIAIS DOMISSANEANTES LTDA EPP Rua Ministro Joaquim

Leia mais

ÉTICA NO USO DE ANIMAIS

ÉTICA NO USO DE ANIMAIS ÉTICA NO USO DE ANIMAIS Profª Cristiane Matté Departamento de Bioquímica Instituto de Ciências Básicas da Saúde Universidade Federal do Rio Grande do Sul Bioética Bioética é uma reflexão compartilhada,

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA PRODUTO QUIMICO

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA PRODUTO QUIMICO SEÇÃO I Identificação do Produto Químico e da Empresa Nome do Produto: Nome da Empresa: IMPERCOTEPRIMER CITIMAT MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO LTDA. RUA COMENDADOR SOUZA 72/82 AGUA BRANCA SÃO PAULO SP CEP: 05037-090

Leia mais

ARMAZENAGEM DE PRODUTOS QUÍMICOS

ARMAZENAGEM DE PRODUTOS QUÍMICOS ARMAZENAGEM DE PRODUTOS QUÍMICOS 2011 Índice 1. Sinalização... 3 2. Organização do Armazém... 3 3. Estabelecer um esquema de armazenamento para:... 4 4. Manter em local visível... 6 5. Deveres do Responsável

Leia mais

[SELO ALIMENTO SEGURO]

[SELO ALIMENTO SEGURO] 1 Lista de Verificação Selo Alimento Seguro Lista de Verificação com a finalidade de examinar todos os aspectos relacionados com as instalações, equipamentos, ferramentas, instrumentos utilizados pelas

Leia mais

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUIMICOS

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUIMICOS DATA DE APROVAÇÃO: 22/11/2011 Página 1 de 6 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto LW 55 - Primer Nome da empresa Lwart Química Ltda. Endereço Rodovia Marechal Rondon, Km 303,5, Lençóis

Leia mais

BIOSSEGURANÇA Conceitos e Requisitos do Guia de Boas Práticas da OCDE e ligação com requisitos da ABNT NBR ISO/IEC 17025 e ABNT ISO Guia 34

BIOSSEGURANÇA Conceitos e Requisitos do Guia de Boas Práticas da OCDE e ligação com requisitos da ABNT NBR ISO/IEC 17025 e ABNT ISO Guia 34 Conceitos e Requisitos do Guia de Boas Práticas da OCDE e ligação com requisitos da ABNT NBR ISO/IEC 17025 e ABNT ISO Guia 34 Fernanda Sabagh A origem do conceito Década de 70 na Califórnia inicia uma

Leia mais

CHECK LIST MICROPROCESSO ESTERILIZAÇÃO DAS UNIDADES DA APS SEMSA/MANAUS

CHECK LIST MICROPROCESSO ESTERILIZAÇÃO DAS UNIDADES DA APS SEMSA/MANAUS CHECK LIST MICROPROCESSO ESTERILIZAÇÃO DAS UNIDADES DA APS SEMSA/MANAUS DISA: DATA: UNIDADE: RECURSOS HUMANOS ÍTEM AVALIAÇÃO FORMA DE VERIFICAÇÃO EM CONFORMI DADE NÃO CONFORMI DADE OBSERVAÇÃO 1) A unidade

Leia mais

MANUAL DE NORMAS GERAIS E DE SEGURANÇA EM LABORATÓRIO

MANUAL DE NORMAS GERAIS E DE SEGURANÇA EM LABORATÓRIO FACULDADES INTEGRADAS DO EXTREMO SUL DA BAHIA Credenciada pela Portaria Ministerial nº 1.727 de 13/06/2002 D. O.U. 14/06/2002 MANUAL DE NORMAS GERAIS E DE SEGURANÇA EM LABORATÓRIO Eunápolis BA 2009 1.

Leia mais

11/13 1094-09-05 783912 REV.1. www.philco.com.br SOMENTE PARA USO DOMÉSTICO. Manual de Instruções

11/13 1094-09-05 783912 REV.1. www.philco.com.br SOMENTE PARA USO DOMÉSTICO. Manual de Instruções 11/13 1094-09-05 783912 REV.1 www.philco.com.br 0800 645 8300 SOMENTE PARA USO DOMÉSTICO PCL1F Manual de Instruções INTRODUÇÃO Parabéns pela escolha de mais um produto da linha Philco. Para garantir o

Leia mais

ROTEIRO PARA SALÕES DE BELEZAS, INSTITUTO DE BELEZA, ESTETICA, BARBEARIAS E SIMILARES.

ROTEIRO PARA SALÕES DE BELEZAS, INSTITUTO DE BELEZA, ESTETICA, BARBEARIAS E SIMILARES. SUPERINTEDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE GERENCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE AMBIENTAL E SAÚDE DO TRABALHADOR COORDERNAÇÃO DE FISCALIZAÇÃO DE AMBIENTES E SAÚDE DO TRABALHADOR Av. Anhanguera, nº 5.195 Setor Coimbra

Leia mais

FERRAMENTAS E PRÁTICAS DE BAIXO CUSTO PARA MELHORAR O BEM-ESTAR DE ANIMAIS DE PRODUÇÃO. Irenilza de Alencar Nääs

FERRAMENTAS E PRÁTICAS DE BAIXO CUSTO PARA MELHORAR O BEM-ESTAR DE ANIMAIS DE PRODUÇÃO. Irenilza de Alencar Nääs FERRAMENTAS E PRÁTICAS DE BAIXO CUSTO PARA MELHORAR O BEM-ESTAR DE ANIMAIS DE PRODUÇÃO Irenilza de Alencar Nääs 1 O Brasil é um dos maiores produtores de aves no mundo. Crescimento mundial do consumo Preocupação

Leia mais

Regulamento do Bloco Cirúrgico do Centro de Práticas Clínicas e Cirúrgicas (CPCC)

Regulamento do Bloco Cirúrgico do Centro de Práticas Clínicas e Cirúrgicas (CPCC) INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CÂMPUS CONCÓRDIA CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA CENTRO DE PRÁTICAS CLÍNICAS E CIRÚRGICAS Regulamento do Bloco Cirúrgico do Centro de Práticas Clínicas e Cirúrgicas (CPCC) Dispõe

Leia mais

ROTEIRO DE INSPEÇÃO EM HOTEIS E MOTEIS

ROTEIRO DE INSPEÇÃO EM HOTEIS E MOTEIS SUPERINTEDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE GERENCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE AMBIENTAL E SAÚDE DO TRABALHADOR COORDERNAÇÃO DE FISCALIZAÇÃO DE AMBIENTES E SAÚDE DO TRABALHADOR Av. Anhanguera, nº 5.195 Setor Coimbra

Leia mais

COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR ROTINA DE CONTROLE DE VETORES NO AMBIENTE HOSPITALAR

COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR ROTINA DE CONTROLE DE VETORES NO AMBIENTE HOSPITALAR 1 COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR ROTINA DE CONTROLE DE VETORES NO AMBIENTE HOSPITALAR Flávia Valério de Lima Gomes Enfermeira da CCIH / SCIH Jair

Leia mais

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC N 6, DE 30 DE JANEIRO DE 2012

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC N 6, DE 30 DE JANEIRO DE 2012 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC N 6, DE 30 DE JANEIRO DE

Leia mais

Ações de higienização geral

Ações de higienização geral Ações de higienização geral Limpeza e consciência ampla de higiene são as regras mais importantes na limpeza e desinfecção de granjas suinícolas e conseqüentemente o requisito essencial para uma desinfecção

Leia mais

ROTEIRO DE INSPEÇÃO CRECHES, BERÇÁRIOS E SIMILARES.

ROTEIRO DE INSPEÇÃO CRECHES, BERÇÁRIOS E SIMILARES. SUPERINTEDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE GERENCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE AMBIENTAL E SAÚDE DO TRABALHADOR COORDERNAÇÃO DE FISCALIZAÇÃO DE AMBIENTES E SAÚDE DO TRABALHADOR Av. Anhanguera, nº 5.195 Setor Coimbra

Leia mais

GETINGE FD1600 LAVADORA DE DESCARGA COM ABERTURA FRONTAL

GETINGE FD1600 LAVADORA DE DESCARGA COM ABERTURA FRONTAL GETINGE FD1600 LAVADORA DE DESCARGA COM ABERTURA FRONTAL 2 Getinge FD1600 Getinge FD1600 3 COMBATENDO A INFECÇÃO CRUZADA DE MANEIRA SIMPLES E EFETIVA Com seu projeto moderno e atraente, operação fácil

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRONIZADO P O P

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRONIZADO P O P PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRONIZADO P O P P O P DEFINIÇÃO É uma descrição detalhada de todas as operações necessárias para a realização de uma atividade. É um roteiro padronizado para realizar uma atividade.

Leia mais

INSTRUÇÃO PARA O PREENCHIMENTO DOS PROTOCOLOS PARA USO DE ANIMAIS. Os seguintes tópicos devem ser considerados no preenchimento dos protocolos:

INSTRUÇÃO PARA O PREENCHIMENTO DOS PROTOCOLOS PARA USO DE ANIMAIS. Os seguintes tópicos devem ser considerados no preenchimento dos protocolos: INSTRUÇÃO PARA O PREENCHIMENTO DOS PROTOCOLOS PARA USO DE ANIMAIS 1. Informações Gerais Os seguintes tópicos devem ser considerados no preenchimento dos protocolos: Razão do uso. Adequação e disponibilidade

Leia mais

FISPQ - Ficha de Informação de Segurança de Produtos Químicos RATOKILL PÓ DE CONTATO

FISPQ - Ficha de Informação de Segurança de Produtos Químicos RATOKILL PÓ DE CONTATO RATOKILL PÓ DE CONTATO CÓDIGOS : 313, 314, 325 e 326. Páginas 1 de 5 01 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO: Nome do produto... : RATICIDA RATOKILL PÓ DE CONTATO Fabricante... : INSETIMAX INDÚSTRIA QUÍMICA LTDA

Leia mais

a) sempre que se produza uma mudança nas condições de trabalho, que possa alterar a exposição aos agentes biológicos;

a) sempre que se produza uma mudança nas condições de trabalho, que possa alterar a exposição aos agentes biológicos; Os 32 itens da NR-32 a serem trabalhados nesta primeira etapa do projeto 32 para implantação nos estabelecimentos de saúde até 2009 foram selecionados e estudados pela diretoria do Sinsaúde por serem os

Leia mais

FISPQ Ficha de Informação de Segurança de Produtos Químicos

FISPQ Ficha de Informação de Segurança de Produtos Químicos Página 1de5 1.Identificação do Produto e da Empresa Nome comercial : ISOL TERM Identificação da Empresa : Faber Tecnologia Indústria e Comércio Ltda Rua Hudson 351 Distrito Industrial Bairro Jardim Canadá

Leia mais

Sala Limpa ou Sala Classificada: Qual a diferença de se trabalhar com elas? Roberta Souza Cruz Bastos Farmacêutica RT Gerente de Suprimentos

Sala Limpa ou Sala Classificada: Qual a diferença de se trabalhar com elas? Roberta Souza Cruz Bastos Farmacêutica RT Gerente de Suprimentos Sala Limpa ou Sala Classificada: Qual a diferença de se trabalhar com elas? Roberta Souza Cruz Bastos Farmacêutica RT Gerente de Suprimentos Outubro/2014 BLOCO I Fundação Cristiano Varella Hospital do

Leia mais

Ficha de Informação de Segurança de Produtos Químicos VEDAPREN FAST - TERRACOTA

Ficha de Informação de Segurança de Produtos Químicos VEDAPREN FAST - TERRACOTA 1. Identificação do produto e da empresa Nome do produto: Códigos internos de identificação do produto: 111690, 111691, 121714 e 111689 Nome da empresa: Otto Baumgart Ind. e Com. S/A Endereço: Rua Coronel

Leia mais

PORTARIA 83/2000 NORMA TÉCNICA SLU/PBH Nº 002/2000

PORTARIA 83/2000 NORMA TÉCNICA SLU/PBH Nº 002/2000 PORTARIA 83/2000 NORMA TÉCNICA SLU/PBH Nº 002/2000 Aprova Norma Técnica que estabelece as características de localização, construtivas e os procedimentos para uso do abrigo externo de armazenamento de

Leia mais

Regulamento para a utilização do Laboratório de. Microbiologia

Regulamento para a utilização do Laboratório de. Microbiologia Regulamento para a utilização do Laboratório de Microbiologia 1 REGULAMENTO PARA A UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE MICROBIOLOGIA I. DOS OBJETIVOS DO LABORATÓRIO DE MICROBIOLOGIA 1. Auxiliar o aluno na introdução

Leia mais

O USO DE EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO PELOS ALUNOS E TÉCNICOS DA FACULDADE NOVAFAPI

O USO DE EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO PELOS ALUNOS E TÉCNICOS DA FACULDADE NOVAFAPI O USO DE EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO PELOS ALUNOS E TÉCNICOS DA FACULDADE NOVAFAPI Francisca Miriane de Araújo- NOVAFAPI Lorena Bezerra Barros- NOVAFAPI Marcela de Lacerda Valença- NOVAFAPI Márcio Edivandro

Leia mais

1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA

1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Produto: CURATON CQ FISPQ n 052 emissão 02/02/09 Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Curaton CQ Código do produto: 11130 Nome

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO SOBRE

REGULAMENTO TÉCNICO SOBRE ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO SOBRE AS CONDIÇÕES HIGIÊNICO- SANITÁRIAS E DE BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO PARA ESTABELECIMENTOS FABRICANTES DE PRODUTOS DESTINADOS À ALIMENTAÇÃO ANIMAL 1. OBJETIVO Definir os

Leia mais

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar MANUAL DO AVALIADOR Parte I 1.1 Liderança Profissional habilitado ou com capacitação compatível. Organograma formalizado, atualizado e disponível. Planejamento

Leia mais

ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO PARA O TRANSPORTE DE ALIMENTOS, MATÉRIA- PRIMA, INGREDIENTES E EMBALAGENS.

ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO PARA O TRANSPORTE DE ALIMENTOS, MATÉRIA- PRIMA, INGREDIENTES E EMBALAGENS. RESOLUÇÃO.../SESA/PR O Secretário Estadual de Saúde, no uso de suas atribuições legais e: CONSIDERANDO a Portaria nº 326/1997/SVS/MS, a Resolução RDC nº275/2002, a Resolução RDC nº 216/2004, da ANVISA,

Leia mais

NEENMAX JARDIM CÓDIGO: 559 PAGINA 1/ 6

NEENMAX JARDIM CÓDIGO: 559 PAGINA 1/ 6 NEENMAX JARDIM CÓDIGO: 559 PAGINA 1/ 6 Emissão: 04/07/2011 Revisão: 08/12/2014 CÓDIGOS: 488, 412, 9256, 551, 420, 413. PAG 1/ 4 01 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto...: NEENMAX JARDIM

Leia mais

Procedimentos Operacionais NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA ELABORADO POR

Procedimentos Operacionais NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA ELABORADO POR Versão: 1 Pg: 1/9 NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA ELABORADO POR Mônica Regina Viera Coordenadora 05/09/2009 DE ACORDO Ivo Fernandes Sobreiro Gerente da Qualidade 08/09/2009 APROVADO POR Dr. Renato de Lacerda

Leia mais

UNIMAR UNIVERSIDADE DE MARÍLIA CURSO DE ODONTOLOGIA REGULAMENTO DA CLÍNICA ODONTOLÓGICA UNIMAR 2011. Profª. Dr.ª Beatriz Flávia de M.

UNIMAR UNIVERSIDADE DE MARÍLIA CURSO DE ODONTOLOGIA REGULAMENTO DA CLÍNICA ODONTOLÓGICA UNIMAR 2011. Profª. Dr.ª Beatriz Flávia de M. UNIMAR UNIVERSIDADE DE MARÍLIA CURSO DE ODONTOLOGIA REGULAMENTO DA CLÍNICA ODONTOLÓGICA UNIMAR 2011 Profª. Dr.ª Beatriz Flávia de M. Trazzi Objetivos: As normas descritas abaixo, deverão ser acatadas pelos

Leia mais

Incêndios e Explosões Baseado no original do Instituto Nacional de Seguridad e Higiene en el Trabajo - da Espanha) - www.mtas.

Incêndios e Explosões Baseado no original do Instituto Nacional de Seguridad e Higiene en el Trabajo - da Espanha) - www.mtas. Incêndios e Explosões Baseado no original do Instituto Nacional de Seguridad e Higiene en el Trabajo - da Espanha) - www.mtas.es/insht/ INTRODUÇÃO Os incêndios e explosões, ainda que representem uma porcentagem

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA

1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto Limpa ar condicionado Código interno de identificação 00.00.000.000 Nome da empresa Endereço Aeroflex Indústria de Aerosol Ltda. Rod. BR 116 km

Leia mais

Rebrilhar Catalisador Ureia-Formol

Rebrilhar Catalisador Ureia-Formol 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome comercial do Produto: Nome da Empresa: Rebrilhar Resinas e Vernizes Ltda. Endereço: Rua Luiz de Moraes Rego, nº. 505 Jardim do Bosque Leme/SP Telefones: 19-35186900

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE - PGRSS (MODELO BÁSICO)

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE - PGRSS (MODELO BÁSICO) PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE - PGRSS (MODELO BÁSICO) PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE (MODELO BÁSICO) I DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO DE SAÚDE

Leia mais

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica NORMAS GERAIS PARA USO DO LABORATÓRIO DIDÁTICO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS CÂMPUS GOVERNADOR

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO. Característico, irritante ph ( Puro ) 0,45 0,65 Densidade 0,980 1,040 ( 25ºC )

RELATÓRIO TÉCNICO. Característico, irritante ph ( Puro ) 0,45 0,65 Densidade 0,980 1,040 ( 25ºC ) Elaboração: 03/12 Revisão: 0-03/12 RELATÓRIO TÉCNICO I - DADOS GERAIS: Nome do Produto: LIMPA BAÚ Sinônimo: Detergente Ácido Composição: Linear Alquil Benzeno Sulfonado, Ácido Clorídrico, Ácido Cítrico,

Leia mais

Limpeza hospitalar *

Limpeza hospitalar * CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO São Paulo, março de 2009. Limpeza hospitalar * Limpeza hospitalar é o processo de remoção de sujidades de superfícies do ambiente, materiais e equipamentos,

Leia mais

NRR 5 - Produtos Químicos

NRR 5 - Produtos Químicos NRR 5 - Produtos Químicos 5.1. Esta Norma trata dos seguintes produtos químicos utilizados no trabalho rural: agrotóxicos e afins, fertilizantes e corretivos. 5.1.1. Entende-se por agrotóxicos as substâncias

Leia mais

INDUFIX FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ 014 REVISÃO: 30/03/2014 PÁGINA 1/6 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA

INDUFIX FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ 014 REVISÃO: 30/03/2014 PÁGINA 1/6 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA FISPQ 014 REVISÃO: 30/03/2014 PÁGINA 1/6 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Indufix Código interno: 2000 Empresa: Indutil Indústria de Tintas Ltda. e-mail: indutil@indutil.com.br

Leia mais

SPANTA POMBO PASTILHA

SPANTA POMBO PASTILHA SPANTA POMBO PASTILHA CÓDIGO : 702 Páginas 1 de 5 01 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO: Nome do produto... : SPANTA POMBO PASTILHA Fabricante... : INSETIMAX INDÚSTRIA QUÍMICA LTDA Endereço... : Rua Adelaide Zangrande

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS - FISPQ LIMPA VIDROS

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS - FISPQ LIMPA VIDROS Página 1/7 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Sinônimo: Nome da empresa: GITANES PRODUTOS AUTOMOTIVOS LTDA Endereço: Rua Dos Diamantes, 72- Prosperidade São Caetano SP CEP: 09550-450.

Leia mais

CUIDADOS NAS ETAPAS DO PROCESSAMENTODOS ARTIGOS EM CME

CUIDADOS NAS ETAPAS DO PROCESSAMENTODOS ARTIGOS EM CME CUIDADOS NAS ETAPAS DO PROCESSAMENTODOS ARTIGOS EM CME II SIMPÓSIO NORTE/NORDESTE DE ENFERMAGEM EM CENTRO CIRÚRGICO, RECUPERAÇÃO ANESTÉSICA E CENTRO DE MATERIAL E ESTERILIZAÇÃO NADJA FERREIRA Enfermeira

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO PUBLICADO NO DOMP Nº 578 DE: 1º/08/2012 PÁG: 1 PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS DECRETO Nº 293, DE 31 DE JULHO DE 2012 Dispõe sobre as normas sanitárias para o funcionamento das lavanderias em geral, de

Leia mais

LISTA DE VERIFICAÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO EM COZINHAS MILITARES E SERVIÇO DE APROVISIONAMENTO

LISTA DE VERIFICAÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO EM COZINHAS MILITARES E SERVIÇO DE APROVISIONAMENTO ANEXO II LISTA DE VERIFICAÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO EM COZINHAS MILITARES E SERVIÇO DE APROVISIONAMENTO A - IDENTIFICAÇÃO DA OM 1-NOME 2- TELEFONE: 3- ENDEREÇO : 4- E- MAIL: 5- BAIRRO : 6- CIDADE

Leia mais

Roteiro de Inspeção LACTÁRIO. Realiza Programa de Saúde do Trabalhador com controle periódico, admissional e demissional

Roteiro de Inspeção LACTÁRIO. Realiza Programa de Saúde do Trabalhador com controle periódico, admissional e demissional GOVERO DO ETADO DO RIO DE JAEIRO ECRETARIA DE ETADO DE AÚDE COORDEAÇÃO DE FICALIZAÇÃO AITÁRIA CARACTERIZAÇÃO Roteiro de Inspeção LACTÁRIO úmero de funcionários úmero de nutricionistas Responsável técnico:

Leia mais

ORIENTAÇÕES TÉCNICAS E FINANCEIRAS PARA A CONSTRUÇÃO DA UNIDADE DE PROCESSAMENTO DE DOCES E OUTROS PELA ASSOCIAÇÃO DE MULHERES DE PORTO DE AREIA

ORIENTAÇÕES TÉCNICAS E FINANCEIRAS PARA A CONSTRUÇÃO DA UNIDADE DE PROCESSAMENTO DE DOCES E OUTROS PELA ASSOCIAÇÃO DE MULHERES DE PORTO DE AREIA ORIENTAÇÕES TÉCNICAS E FINANCEIRAS PARA A CONSTRUÇÃO DA UNIDADE DE PROCESSAMENTO DE DOCES E OUTROS PELA ASSOCIAÇÃO DE MULHERES DE PORTO DE AREIA Consultora: Eng. Agr. Marcio G. de Lima Alta Floresta, Maio

Leia mais

FICHA TÉCNICA DE SEGURANÇA DO PRODUTO QUÍMICO - FISPQ Data da Revisão: 06.03.06

FICHA TÉCNICA DE SEGURANÇA DO PRODUTO QUÍMICO - FISPQ Data da Revisão: 06.03.06 01. Identificação do Produto e da Empresa. Nome do Produto: Rotosafe Bro 700 001 OR 0050 nº Material: 110319 Nome da Empresa: Domingos Araújo Neto Endereço: Av. Francisco Sá, 3405 Monte Castelo Fortaleza

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO DOS PISOS VINÍLICOS EM MANTAS FORTHFLEX, FORTHPISO, FORTHVINYL, CARAVAN E PASTILLE FLOOR

MANUAL DE INSTALAÇÃO DOS PISOS VINÍLICOS EM MANTAS FORTHFLEX, FORTHPISO, FORTHVINYL, CARAVAN E PASTILLE FLOOR MANUAL DE INSTALAÇÃO DOS PISOS VINÍLICOS EM MANTAS FORTHFLEX, FORTHPISO, FORTHVINYL, CARAVAN E PASTILLE FLOOR ANTES DA INSTALAÇÃO: Para podermos ter uma excelente apresentação da instalação não dependemos

Leia mais

Transporte do paciente com suspeita de DVE (Doença do Vírus Ebola)

Transporte do paciente com suspeita de DVE (Doença do Vírus Ebola) Transporte do paciente com suspeita de DVE (Doença do Vírus Ebola) Por orientação do Ministério da Saúde o transporte terrestre do paciente com suspeita de DVE (Doença do Vírus Ebola), será realizado pelo

Leia mais

Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico FISPQ Limpa Vidros Worker

Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico FISPQ Limpa Vidros Worker Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico FISPQ Limpa Vidros Worker 1. IDENTIFICAÇÃO Nome do Produto: Limpa Vidros Worker. Aplicação: Limpeza de Vidros e Acrílicos Fabricante: Ivan P. Ramos Produtos

Leia mais

1 OBJETIVO DA POLÍTICA... 1 2 DESCRIÇÃO DA POLÍTICA... 1

1 OBJETIVO DA POLÍTICA... 1 2 DESCRIÇÃO DA POLÍTICA... 1 Política de Resposta a Emergência Ambiental Versão 1 Data 09/2014 SUMÁRIO 1 OBJETIVO DA POLÍTICA... 1 2 DESCRIÇÃO DA POLÍTICA... 1 2.1 O QUE É UM DERRAMAMENTO?... 1 2.2 QUE TIPOS DE DERRAMAMENTOS EXISTEM?...

Leia mais

FISPQ (Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos)

FISPQ (Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos) Página 1 de 6 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Código interno: 7500 (12 X 500 ml) Empresa: BOMBRIL S/A TELEFONE DE EMERGÊNCIA: 0800 014 8110 Aplicação: detergente para pré-lavagens.

Leia mais

LISTA DE VERIFICAÇÃO - Itens 1. IDENTIFICAÇÃO

LISTA DE VERIFICAÇÃO - Itens 1. IDENTIFICAÇÃO REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTÉRIO DA SAÚDE AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA ANEXO XIII LISTA DE VERIFICAÇÃO DE AUTO-INSPEÇÃO 1.1. Nome da embarcação: 1.2. IMO: 1.3. Nome e assinatura do

Leia mais

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUIMICOS

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUIMICOS DATA DE APROVAÇÃO: 31/08/2012 Página 1 de 5 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto Fabricado por Endereço Vedapac Laje Preto Lwart Química Telefone (14) 3269-5060 Fax (14) 3269-5003 email

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS PP. 1/7 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA ARMAZENAGEM DE MATERIAIS, EQUIPAMENTOS E RESÍDUOS 2 DESCRIÇÃO O trabalho preventivo no armazenamento de produtos perigosos, visa não só a protecção

Leia mais

Comércio de Produtos Químicos

Comércio de Produtos Químicos Ficha de Informação de Segurança de Produtos Químicos FISPQ 1.) Identificação do Produto Nome do Produto: Pombo Código do Produto: Pr 295307 2.) Composição e Informação sobre os Ingredientes Substância:

Leia mais

Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos REVISÃO 03 DATA DA REVISÃO: 26/06/2011 ACABAMENTO EPÓXI PARTE B FISPQ - 061 ACABAMENTO

Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos REVISÃO 03 DATA DA REVISÃO: 26/06/2011 ACABAMENTO EPÓXI PARTE B FISPQ - 061 ACABAMENTO FISPQ - 061 ACABAMENTO EPOXI - Parte B 1. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA Fabricante: Aderência Pisos e Revestimentos Ltda. Endereço: Rua Dr. Sebastião Carlos Arantes, 35 São Paulo SP CEP 04624-130 Telefone:

Leia mais

Resolução Estadual nº 08, de 11 de março de 1987

Resolução Estadual nº 08, de 11 de março de 1987 Resolução Estadual nº 08, de 11 de março de 1987 O Secretário de Estado da Saúde e do Bem-Estar Social, no uso de suas atribuições conferidas pelos artigos 45, letras A e P da Lei Estadual nº 6636/74,

Leia mais

EBOLA MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE EM SERVIÇOS DE SAÚDE ANA RAMMÉ DVS/CEVS

EBOLA MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE EM SERVIÇOS DE SAÚDE ANA RAMMÉ DVS/CEVS EBOLA MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE EM SERVIÇOS DE SAÚDE ANA RAMMÉ DVS/CEVS Ebola Perguntas e Respostas 13 O que fazer se um viajante proveniente desses países africanos apresentar sintomas já no nosso

Leia mais

BOAS PRÁTICAS EM SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO: Segurança ao Cliente, Sucesso ao seu Negócio!

BOAS PRÁTICAS EM SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO: Segurança ao Cliente, Sucesso ao seu Negócio! BOAS PRÁTICAS EM SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO: Segurança ao Cliente, Sucesso ao seu Negócio! Dra. Marlise Potrick Stefani, MSc Nutricionista Especialista e Mestre em Qualidade, Especialista em Alimentação Coletiva

Leia mais

GETINGE FD1800 LAVADORAS DESINFECTORA

GETINGE FD1800 LAVADORAS DESINFECTORA GETINGE FD1800 LAVADORAS DESINFECTORA 2 Getinge FD1800 Getinge FD1800 3 COMPROVADAS NA LUTA CONTRA A INFECÇÃO CRUZADA O excelente desempenho de lavagem e desinfecção da Getinge FD1800 garantiu-lhe o respeito

Leia mais