C:\Documents and Settings\DISCO_F\MEUS-DOCS\LIVRO_ENF_344\enf344_PDF\CAP_VII_SIST. COLHEITA.doc 109 SISTEMA DE COLHEITA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "C:\Documents and Settings\DISCO_F\MEUS-DOCS\LIVRO_ENF_344\enf344_PDF\CAP_VII_SIST. COLHEITA.doc 109 SISTEMA DE COLHEITA"

Transcrição

1 C:\Documents and Settings\DISCO_F\MEUS-DOCS\LIVRO_ENF_344\enf344_PDF\CAP_VII_SIST. COLHEITA.doc 109 SISTEMA DE COLHEITA Um plano de manejo florestal envolve, entre outras, atividades relacionadas com os processos de colheita de madeira (exploração florestal). Para que o manejo seja sustentável, é imprescindível, dentre outras restrições, que a exploração seja de baixo impacto ambiental. Uma exploração bem planejada e cuidadosamente executada não apenas contribui significativamente para a sustentabilidade do plano de manejo, como também resulta em substancial redução nos custos totais da colheita da madeira. A exploração florestal engloba um conjunto de operações que compreende atividades de pré-exploração; de exploração; e de pós-exploração (Quadro 1 e Figura 1). Observe que todas estas atividades têm que estar perfeitamente integradas entre si, de modo a proporcionar máxima eficiência de pessoal, equipamento, máquinas e recursos financeiros, além de minimizar seus impactos ambientais negativos e potencializar seus efeitos ambientais positivos, proporciona, ainda, maior segurança do trabalho. Sobretudo, algumas atividades têm duplo efeito: exploração e tratamentos silviculturais, tais como, o corte de cipós e o abate de árvores. QUADRO 1 Seqüência das atividades envolvidas num sistema de manejo seletivo, considerando um ciclo de corte de 25 anos Código Ano da Descrição da Atividade Atividade A ATIVIDADE DE PRÉ-EXPLORAÇÃO FLORESTAL -5 a 0 A1 Zoneamento das aptidões e usos da floresta -5 A2 Inventário florestal, por amostragem, da floresta de produção -5 A3 Elaboração do plano de manejo florestal -4 A4 Aprovação do plano de manejo florestal -3 A5 Delimitação das Unidades de Produção (UP s), compartimentos e -3 talhões de exploração florestal. A6 Escolha dos compartimentos e dos talhões de exploração -2 florestal. A7 Inventário 100% ou de prospecção com mapeamento das árvores -2 potencialmente exploráveis. A8 Instalação e primeira medição das parcelas permanentes (IFC1) -1 A8.1 Numeração e medição das árvores dos estoques em crescimento e -1 potencialmente exploráveis. A8.2 Inventário por amostragem da regeneração natural

2 C:\Documents and Settings\DISCO_F\MEUS-DOCS\LIVRO_ENF_344\enf344_PDF\CAP_VII_SIST. COLHEITA.doc 110 A9 Processamento e análise dos dados dos inventários e elaboração -1 dos mapas de exploração florestal. A10 Estimativa do corte permissível, fundamentado no inventário %, nos mapas e nos resultados dos demais inventários. A11 Abertura de acessos à floresta, locação e construção da infraestrutura -1 (estradas, pontes, pátios de estocagem, ramais de arraste). A12 Corte de cipós -1 A13 Seleção e marcação das árvores para abate, incluído direção de abate. -1 B Atividades de Exploração ou Primeira Colheita 0 B1 Abate direcional 0 a 1 B2 Traçamento do fuste 0 a 1 B3 Exploração florestal 0 a 1 C Atividade de Pós-Exploração Florestal 1 C1 Carregamento da madeira 1 C2 Transporte florestal 1 C3 Descarregamento da madeira no pátio da indústria 1 C4 IFC 2 1 a 2 C5 Primeiro Tratamento Silvicultural (TS 1 ) 1 a 2 C6 IFC 3 3 C7 IFC 4 8 C8 TS 2 10 C9 IFC 5 13 C10 IFC 6 18 C11 TS 3 20 C12 IFC 7 23 C13 Inventário 100% ou de prospecção com mapeamento das árvores potencialmente exploráveis na segunda colheita. D Atividades de Exploração ou Segunda Colheita Repetem-se as atividades a partir de B1, inclusive

3 C:\Documents and Settings\DISCO_F\MEUS-DOCS\LIVRO_ENF_344\enf344_PDF\CAP_VII_SIST. COLHEITA.doc 111 FIGURA 1 - Seqüência das atividades ao longo do tempo na floresta manejada, considerando um ciclo de corte de 25 anos Exploração Florestal DESCRIÇÃO DAS PRINCIPAIS ATIVIDADES A colheita de madeiras ou exploração florestal engloba: Zoneamento das aptidões e usos da floresta Refere-se à localização e marcação das áreas com florestas produtivas com restrição de uso e com florestas produtivas sem restrições de uso. Serão consideradas como áreas produtivas com restrições de uso (art. 7º do Decreto Lei Estadual, nº , de 18/09/92), as áreas de preservação permanente e as integrantes de reserva legal. Considerar-se à como área de preservação permanente, as florestas e demais formas de vegetação natural situadas: i) ao longo de qualquer curso d água, desde o seu nível mais alto, cuja largura mínima, em cada margem, seja de 30 metros para cursos d água com menos de 10 metros de largura; ii) nas nascentes, ainda que intermitentes, e nos chamados olhos d água, qualquer que seja a sua situação topográfica, num raio mínimo de 50 m (cinqüenta metros) de largura ; iii) nos topos de morros, montes e montanhas, em áreas delimitadas a partir da curva de nível correspondente a 2/3 (dois terços) da altura mínima da elevação em relação à base; iv) nas encostas ou partes destas com declividade superior a 100% (cem por cento) ou 45º ( quarenta e cinco graus) na sua linha de maior declive; v) nas linhas de cumeadas, 1/3 (um terço) superior em relação à sua base, nos seus montes, morros e montanhas, fração esta que pode ser alterada para maior, mediante critério técnico do orgão competente (IEF-MG), quando as condições ambientais assim o exigirem; vi) nas bordas de tabuleiros ou chapadas, a partir da linha de ruptura do relevo, em faixa nunca inferior a 100m (cem metros), em projeções 111

4 C:\Documents and Settings\DISCO_F\MEUS-DOCS\LIVRO_ENF_344\enf344_PDF\CAP_VII_SIST. COLHEITA.doc 112 horizontais; vii) outras consideradas de interesse para a preservação dos ecossistemas. Será considerada área de reserva legal (art. 7º do Decreto Lei Estadual, nº , de 18/09/92) ressalvadas as de preservação permanente e as susceptíveis de exploração para fins comerciais, um mínimo de (vinte por cento) de cada propriedade, preferencialmente em parcela única e com cobertura arbórea localizada, a critério do Instituto Estadual de Florestas (IEF-MG), onde não são permitidos o corte raso, a alteração do uso do solo e a exploração com fins comerciais. Será considerada de produção, a floresta nativa que não se enquadrar nas categorias de preservação permanente e de reserva legal anteriormente especificadas. Tanto a classificação, quanto a localização e demarcação, no campo, dessas três categorias de áreas, deverão ser executadas/supervisionadas conjuntamente por uma equipe composta de pelo menos, um técnico da Instituição Governamental encarregada da gestão florestal na Federação/Estado e o responsável técnico pela elaboração/execução do plano de manejo florestal e por um técnico da equipe proponente do manejo Delimitação dos compartimentos Refere-se à divisão da área a ser explorada em unidades organizacionais, não só para fins de colheita de madeira como também para tratamentos silviculturais. A compartimentação da floresta visa integrar a exploração florestal com a silvicultura. Um compartimento pode ser delimitado por divisores naturais, tais como: cursos d água, linhas de cumeada ( divisores de água, encostas etc); caso contrário, utiliza-se picadas e, ou, estradas como delimitadores de compartimentos. Preferencialmente, todos os compartimentos deveriam apresentar iguais áreas (superfícies) e, ou, serem equiprodutivos. Mas, raramente, esta condição é satisfeita. O critério que deve ser seguido é a minimização de custos de exploração, ou seja, minimizar os custos de deslocamentos de máquinas, equipamentos e pessoal entre os compartimentos. As picadas que delimitam os compartimentos deverão ter de 1 a 2 m de largura e serem abertas num sentido previamente estabelecido, por exemplo, no sentido norte-sul ou no sentido lesteoeste. Estima-se que, em floresta tropical, uma equipe de 5 homens pode abrir 2,5 km de picada por dia Abertura da floresta dentro dos compartimentos Refere-se à divisão dos compartimentos em parcelas ou talhões. O tamanho de cada talhão depende, entre outros fatores, de características tais como relevo, topografia, formato geométrico da área, área equiprodutiva (área x produção 112

5 C:\Documents and Settings\DISCO_F\MEUS-DOCS\LIVRO_ENF_344\enf344_PDF\CAP_VII_SIST. COLHEITA.doc 113 volumétrica) etc. Tal como a picada que delimita o compartimento, as picadas que dividem os compartimentos também deverão ter largura de 1 a 2 metros e serem abertas nos sentidos norte-sul e leste-oeste Inventário 100% das árvores potencialmente exploráveis Refere-se ao inventário florestal pré-corte em 100% das árvores com um diâmetro mínimo de corte (DMC), ou seja, inventariar e localizar no mapa, na escala de 1:1000 todas as árvores de tamanho comercial, por exemplo, com dap 45 cm, da lista de espécies de valor comercial. Para execução dessa atividade é necessário dispor de um mapa-base dos compartimentos. Os compartimentos deverão ser divididos em setores de inventário, por exemplo, de 4, 5,..., 10 ha cada. No inventário 100% deverão ser coletados os seguintes dados: a) Coordenadas (x,y) para localização, no mapa, de cada árvore com DMC; b) Número da plaqueta afixada no tronco da árvore com DMC ; c) Altura da sapopema, em metros, se esta estiver presente; d) Diâmetro de tronco à altura de 1,30m do solo (dap), ou diâmetro de tronco acima da sapopema; e) Altura comercial- refere-se ao comprimento da tora, em metros f) Qualidade da tora Para executar adequadamente esta atividade, a equipe deverá receber o melhor treinamento possível, para que seus membros sejam capazes tanto de identificar rapidamente árvores exploráveis como de estimar suas dimensões e de qualificar as mesmas. A equipe deve ser composta por 1 (um) técnico florestal (líder) e por mateiros Corte de cipós Cortar, pelo menos, os cipós lenhosos que se encontram presos nas árvores marcadas para abate. O objetivo dessa operação é liberar as copas das árvores para abate, diminuir os danos de abate e garantir maior segurança para a equipe de corte. Usar fação ou foice e executar o corte em, dois lugares, rente ao chão e o mais alto possível Instalação e primeira medição de parcelas permanentes Refere-se ao estabelecimento e medição de parcelas permanentes, antes da exploração florestal. Nesta etapa, ainda não é recomendado plaquetar as árvores para monitoramento. Todavia, o tamanho, a forma e o número de parcelas a serem estabelecidas devem atender o que a legislação de plano de manejo florestal recomenda. Esta atividade objetiva controlar a exploração florestal, ou melhor, conhecer a estrutura e a arquitetura da floresta, para posteriormente: 113

6 C:\Documents and Settings\DISCO_F\MEUS-DOCS\LIVRO_ENF_344\enf344_PDF\CAP_VII_SIST. COLHEITA.doc 114 avaliar os impactos da aplicação das atividades de exploração florestal; e verificar se as prescrições e o nível de colheitas foram adequadamente executados. Caso tenha excedido demasiadamente os níveis de cortes permissíveis e, ou, menosprezado as regras básicas estabelecidas para execução das operações de colheita, deverão ser aplicadas multas ou penalidades ao executor do plano de manejo Estimativas dos cortes permissíveis Há vários métodos quantitativos e fórmulas que podem ser empregados na determinação dos cortes, ou seja, na elaboração de um guia de corte para manejo de florestas. O ideal é que seja empregado uma combinação de métodos, tal como o Método BDq (CAMPOS et. al., 1983) combinado com o Método Mexicano de Desbastes (BOM, 1997). A decisão sobre quanto, onde e o que não cortar, deve ser fundamentada, sobretudo, em critérios legais em nos resultados das análises da composição florística e das estruturas fitossociológicas: horizontal; vertical; paramétrica, ou seja, dos diâmetros, das áreais basais e dos volumes; estrutura interna; englobando a qualidade de fuste e valor das madeiras; e, por fim, as análises qualitativas, incluíndo-se, infestação de cipós, danos, presença de ninhos, espécies raras, presença de bromélias, epífitas etc Seleção e marcação das árvores para abate Numa primeira etapa, a seleção das árvores é feita no escritório utilizandose a listagem de espécies, o mapa de localização das árvores e as demais informações obtidas do inventário 100% ( inventário de prospeção), tais como: espécie, DAP, volume comercial, qualidade de tora, presença de danos (podridão, oco) e habitat em geral. Esta seleção deve seguir algumas regras básicas: i) a quantidade de madeira explorável em cada unidade (setor) de inventário (4, 5, 6,...10ha) não deverá exceder a taxa de corte permissível; ii) a máxima prioridade deve ser dada ao povoamento remanescente da exploração florestal, ou seja, nunca adotar o critério de retirar sempre a melhor parte da floresta, tal como cortar o máximo possível das espécies e das árvores mais valiosas. iii) conservar ao máximo possível o povoamento remanescente da exploração florestal, de forma que os dispêndios em tratamentos silviculturais sejam o mínimo possível. iv) Não eleger para o abate comercial árvores de espécies raras localmente, protegidas por lei, em perigo ou em vias de extinção e árvores sem retorno marginal (sem aproveitamento). Em geral, estas árvores podem cumprir 114

7 C:\Documents and Settings\DISCO_F\MEUS-DOCS\LIVRO_ENF_344\enf344_PDF\CAP_VII_SIST. COLHEITA.doc 115 importantes funções ecológicas, como: abrigo, refúgio, nidificação e habitat de flora e fauna, além de servirem de árvores matrizes. v) eleger, dentre as árvores mais valiosas (genótipo e fenótipo), as árvores matrizes. vi) as árvores selecionadas para abate devem ser distribuídas o mais uniformente sobre a área e de forma a evitar formação de grandes clareiras. É possível que a seleção feita no escritório tenha que ser complementada por um trabalho de campo que deverá ser executado juntamente com a marcação definitiva das árvores para abate comercial. As árvores a serem abatidas devem ser marcadas com tinta. A marca poderá ser um círculo duplo, traçado na altura do DAP. Finalmente, como resultado desse processo de seleção poderá ser elaborado o mapa de corte que, juntamente com as demais instruções de abate, serão repassados à equipe de corte Locação e demarcação da rede viária florestal Refere-se às estradas florestais ou trilhas principais e secundárias. O sistema de estradas, em geral, dá acesso à unidade de manejo, e liga os compartimentos, as áreas de colheitas anuais, os acampamentos e os pátios de estocagem de madeiras, e permitem o acesso às árvores abatidas. As estradas principais permitem o transporte de madeira, de equipamentos e pessoal por caminhões e por tratores, dos pátios de estocagem até a unidade de processamento. Devem permitir o tráfego permanente e regular de veículos. Além disso, estas estradas ligam a área de manejo com a rede viária pública (municipal, estadual e federal). Fazem parte da infra-estrutura permanente de um projeto de manejo. Portanto, devem ser locadas sobre terrenos altos, bem drenados e trafegáveis. São utilizados tanto na exploração florestal, quanto nas atividades de tratamentos silviculturais e de monitoramento. As trilhas secundárias ou de arraste são espaços abertos entre as árvores, partindo das trilhas principais e em direção às árvores marcadas para abate comercial, previamente identificadas no mapa de localização. Estas trilhas não são permanentes, não necessitam obrigatoriamente serem abertas, seguem o formato espinha de peixe, são normalmente utilizadas para extração da madeira do local de abate até as trilhas principais, e seus trajetos variam nos diferentes ciclos de cortes. As trilhas secundárias ou de arraste não necessitam sequer ser marcadas no campo se a equipe de extração for treinada e ser capaz de utilizar corretamente o mapa de localização das árvores abatidas e das trilhas de arraste Abate direcional É a primeira operação propriamente dita relacionada com a colheita da madeira. Pode causar impactos ambientais negativos e danos nos fustes; envolve 115

8 C:\Documents and Settings\DISCO_F\MEUS-DOCS\LIVRO_ENF_344\enf344_PDF\CAP_VII_SIST. COLHEITA.doc 116 riscos de acidentes de trabalho; e aumenta os custos da extração, se executada incorretamente. Em florestas nativas, o abate de árvores sempre causa algum dano ao povoamento remanescente e ao solo. Todavia, os efeitos adversos, os riscos de acidentes e os custos de extração das toras são minimizados quando se executa, a priori, o corte de cipós lenhosos, a orientação da direção de queda e se aplica o corte corretamente. O corte de cipós libera as copas das árvores, diminuindo os riscos de acidentes, minimizando os danos de abate e evitando desperdícios de madeira provocados pela permanência de árvores abatidas em pé. O abate direcional influencia tanto no rendimento do arraste, como na intensidade de danos. Antes de derrubar uma árvore, o operador deve preparar uma área de fuga. E, finalmente, recomenda-se os seguintes: as árvores devem ser derrubadas num arranjo denominado espinha de peixe, ou seja, não abater árvores perpendicularmente às trilhas de arraste; não deixar as copas das árvores nas trilhas de arraste; evitar a concentração de copas numa mesma área e o abate de grupos de árvores, de modo a evitar a formação de clareiras; observar que somente as pessoas que compõem a equipe de abate devem permanecer nas áreas de abate; e utilizar pessoal bem treinado, equipamentos, vestuários e ferramentas de cortes adequados Traçamento dos Fustes Refere-se às normas ou regras gerais a serem obedecidas na atividade de abate comercial e no registro de dados coletados para avaliação dessa operação. De acordo com o comprimento do tronco comercial e com o comprimento padrão de tora, cada árvore abatida deverá ser seccionada em toras. Cada tora deverá ser numerada, medidos os diâmetros de topo e da base, respectivamente, com uma suta e o comprimento com uma trena. A qualidade da tora deverá ser codificada assim: A= primeira qualidade; B= segunda qualidade; C= rejeitada por causa de defeitos naturais; D= rejeitada por causa de danos de abate. A ocorrência de sapopemas também será registrada, da seguinte maneira: 0= pouca ou nenhuma sapopema; e 1= ocorrência de sapopema. Normalmente, são feitos três traçamentos dos fustes comerciais. O primeiro é executado na floresta, onde os fustes são traçados no diâmetro mínimo comercial ou no comprimento de máximo aproveitamento. Nesta etapa, normalmente, são eliminadas as porções dos fustes com defeitos, é feito o rebaixamento da galhada e, ou, o traçamento da lenha. O segundo traçamento é feito no pátio de estocagem, onde os fustes são preparados para embarque e transporte. O terceiro é executado na unidade de processamento da madeira Arraste A extração de toras pode ser executada de várias formas, sendo que a mais utilizada é o arraste com guincho, principalmente quando se deseja evitar ou 116

9 C:\Documents and Settings\DISCO_F\MEUS-DOCS\LIVRO_ENF_344\enf344_PDF\CAP_VII_SIST. COLHEITA.doc 117 quando for difícil penetrar com outros equipamentos no interior das áreas de colheitas. Pode-se utilizar guinchos estacionários ou móveis e o trator florestal arrastador ( skidder ) de pneu ou esteira, tratores agrícolas ou animais (carro de boi, cangalha, zorra, trenó, etc.). Para que a extração seja executada com eficiência é necessário planejar e delimitar previamente as trilhas de arraste e os pátios de estocagem Carregamento da Madeira Normalmente, estão disponíveis vários métodos e equipamentos, porém, deve-se utilizar sempre os mais adequados para cada situação. É importante efetuá-lo com segurança, rapidez e com o menor custo operacional Transporte da Madeira Os tipos de transporte mais empregados na colheita de madeiras em florestas tropicais são o rodoviário e o hidroviário. Todavia há outros, como o ferroviário e o aéreo (aeronaves). Na maioria das vezes, o embarque se dá no pátio de estocagem da madeira. Excepcionalmente, pode se dar na área de corte Descarregamento da madeira Recomenda-se executá-lo com máquina e com a máxima rapidez, economia e segurança possíveis. Pode ser feito com uma carregadeira, com um trator (empurrar), com um guincho autocarga ou usando-se simplesmente uma rampa em que as toras rolam para o pátio Segunda medição de parcelas permanentes Refere-se à medição das parcelas permanentes, após a exploração florestal. Os dados coletados nesta etapa permitirão: i) avaliar os impactos da exploração florestal sobre a arquitetura e a estrutura da floresta; ii) quantificar os cortes efetuados; iii) quantificar e qualificar os danos ao povoamento remanescente; iv) avaliar necessidades, tipos, intensidade e formas de aplicação de tratamentos silviculturais. Nesta etapa, ainda não é recomendado plaquetar as árvores para monitoramento Tratamentos silviculturais Entende-se por tratamentos silviculturais todas aquelas intervenções na floresta que visam aumentar a qualidade e a produtividade. 117

10 C:\Documents and Settings\DISCO_F\MEUS-DOCS\LIVRO_ENF_344\enf344_PDF\CAP_VII_SIST. COLHEITA.doc 118 Os tratamentos silviculturais que são aplicáveis no manejo das florestas naturais incluem: corte de cipós, exploração florestal, refinamento, liberação e plantio de enriquecimento Plantio de Enriquecimento O plantio de enriquecimento visa a melhorar a composição de espécies do povoamento florestal, por meio do plantio de mudas de espécies, autóctones de valor comercial, ambiental e, ou, social. Embora o termo técnico seja plantio de enriquecimento, a semeadura também é recomendada, conforme preconiza o sistema de enriquecimento mexicano. O plantio de enriquecimento deve ser recomendado mais como uma medida mitigadora de efeitos ambientais negativos do que uma opção silvicultural. Há dúvidas quanto aos resultados técnicos e econômicos do emprego desse tratamento silvicultural. Além disso, os custos de aplicação do mesmo são elevados. Contudo, prescreve-se o plantio de enriquecimento nas situações em que: a regeneração natural das espécies comerciais for deficitária; houver extinção local de espécie(s) de valor(es) econômico, social ou ambiental; houver interesse na introdução de espécie de valor econômico, ambiental ou social; houver espécies raras, em perigo ou consideradas em extinção; houver necessidade de recuperar as clareiras provocadas por abate, trilhas de arraste e pátios de estocagem de madeira. Se a decisão for executar o plantio de enriquecimento, deve-se observar o grupo ecofisiológico das espécies e as condições climáticas e edáficas dos locais de plantio Monitoramento ou Inventário Florestal Contínuo As parcelas de área fixa instaladas e inventariadas antes da exploração (IFC1) e remedidas após a exploração (IFC2) são demarcadas permanentemente após a execução do primeiro tratamento silvicultural (TS1) e as árvores remanescentes, para um determinado nível de inclusão de dap são plaquetadas para monitoramento. As árvores abaixo do referido nível de inclusão são monitoradas em subparcelas, sendo o processo denominado de monitoramento da regeneração natural. As análises comparativas dos IFC 1 e o IFC 2 servem para avaliar as mudanças na composição florística e nas estruturas e arquitetura da floresta remanescente da exploração florestal. As análises comparativas dos IFC 2 e IFC 3 permite qualificar e quantificar o primeiro tratamentos silcicultural (TS 1 ) e conhecer a composição, a arquitetura e as estruturas da floresta manejada, isto é, 118

11 C:\Documents and Settings\DISCO_F\MEUS-DOCS\LIVRO_ENF_344\enf344_PDF\CAP_VII_SIST. COLHEITA.doc 119 a floresta remanescente da exploração e aplicação do TS1. De IFC3 em diante, as parcelas permanentes são inventariadas periodicamente. O período que decorre entre medições sucessivas está especificado, geralmente, na legislação de manejo florestal vigente. Enfim, o referido período deve ser fixado como um submúltiplo do ciclo de corte. Em geral, para ciclos de corte de 20, 25, 30 ou 35 anos, conforme for o caso, o período deve ser de 5 anos. Se comparado com o manejo das florestas eqüiâneas de rápido crescimento, esse peíodo é longo, sobretudo, em decorrência dos lentos processos de dinâmica de crescimento e de produção das florestas ineqüâneas, mesmo as florestas manejadas. Para avaliar os processos de dinâmicas de sucessão natural, crescimento e produção florestal, em nível de espécies, classes diamétricas, regimes de manejo, avaliar necessidades, tipos, intensidades e ocasiões apropriadas de aplicação dos tratamentos silviculturais; determinar o ciclo de corte; e avaliar os impactos da aplicação dos cortes de colheita e dos tratamentos silviculturais sobre o povoamento remanescente, deverão ser instaladas parcelas permanentes e efetuadas medições sucessivas e periódicas das mesmas. Nas matas secundárias de Minas Gerais, há alguma norma que prescreve o emprego de 1,0 ha de amostragem, repartido em 04 parcelas de m 2 (1/4 ha), distribuídas, proporcionalmente, para cada bloco de 200 ha de floresta manejada. Tanto na primeira ocasião quanto nas ocasiões sucessivas, todas as árvores das parcelas permanentes, considerando o nível de inclusão de DAP 5,0 cm, recebem uma plaqueta numerada e são avaliadas da seguinte forma: nome vulgar regional e científico, DAP ou CAP e, quando necessário, as alturas comercial e total. Esses dados são anotados em fichas de campo apropriadas ou gravados em coletores de dados e posteriormente transferidos para bancos de dados, permitindo, assim, sua análise a qualquer tempo futuro. Com os resultados, mesmo os parciais, obtidos do monitoramento, poderão ser aprimorados os regimes de manejo prescritos e aplicados tratamentos silviculturais mais apropriados, considerando, principalmente as características ecofisiológicas das espécies individuais ou grupos. 1. Zoneamento das aptidões e usos da floresta Refere-se à localização e marcação das áreas com florestas produtivas com restrição de uso e com florestas produtivas sem restrições de uso. Serão consideradas como áreas produtivas com restrições de uso (art. 7º do Decreto Lei Estadual, nº , de 18/09/92), as áreas de preservação permanente e as integrantes de reserva legal. 119

12 C:\Documents and Settings\DISCO_F\MEUS-DOCS\LIVRO_ENF_344\enf344_PDF\CAP_VII_SIST. COLHEITA.doc 120 Considerar-se à como área de preservação permanente, na presente proposta de manejo, as florestas e demais formas de vegetação natural situadas: i) ao longo de qualquer curso d água, desde o seu nível mais alto, cuja largura mínima, em cada margem, seja de 30 metros para cursos d água com menos de 10 metros de largura; ii) nas nascentes, ainda que intermitentes, e nos chamados olhos d água, qualquer que seja a sua situação topográfica, num raio mínimo de 50 m (cinqüenta metros) de largura ; iii) nos topos de morros, montes e montanhas, em áreas delimitadas a partir da curva de nível correspondente a 2/3 (dois terços) da altura mínima da elevação em relação à base; iv) nas encostas ou partes destas com declividade superior a 100% (cem por cento) ou 45º ( quarenta e cinco graus) na sua linha de maior declive; v) nas linhas de cumeadas, 1/3 (um terço) superior em relação à sua base, nos seus montes, morros e montanhas, fração esta que pode ser alterada para maior, mediante critério técnico do orgão competente (IEF-MG), quando as condições ambientais assim o exigirem; vi) nas bordas de tabuleiros ou chapadas, a partir da linha de ruptura do relevo, em faixa nunca inferior a 100m (cem metros), em projeções horizontais; vii) outras consideradas de interesse para a preservação dos ecossistemas. Será considerada área de reserva legal (art. 7º do Decreto Lei Estadual, nº , de 18/09/92) resalvadas as de preservação permanente e a susceptível de exploração para fins comerciais, um mínimo de (vinte por cento) de cada propriedade, preferencialmente em parcela única e com cobertura arbórea localizada, a critério do Instituto Estadual de Florestas (IEF-MG), onde não são permitidos o corte raso, a alteração do uso do solo e a exploração com fins comerciais. Será considerada de produção, a floresta nativa que não se enquadrar nas categorias de preservação permanente e de reserva legal anteriormente especificadas. Tanto a classificação, quanto a localização e demarcação, no campo, dessas três categorias de áreas, deverão ser executadas/supervisionadas conjuntamente por uma equipe composta de pelo menos, um técnico da Instituição Governamental encarregada da gestão florestal na Federação/Estado IEF-MG e o responsável técnico pela elaboração/execução do plano de manejo florestal e por um técnico da equipe proponente do manejo. 2. Delimitação das Unidades de Produção (UP s), compartimentos e talhões Refere-se à divisão da área a ser explorada em unidades organizacionais, não só para fins de colheita de madeira como também para tratamentos 120

13 C:\Documents and Settings\DISCO_F\MEUS-DOCS\LIVRO_ENF_344\enf344_PDF\CAP_VII_SIST. COLHEITA.doc 121 silviculturais. A compartimentação da floresta visa integrar a exploração florestal com a silvicultura. Um compartimento pode ser delimitado por divisores naturais, tais como: cursos d água, linhas de cumeada ( divisores de água, encostas etc); caso contrário, utiliza-se picadas e, ou, estradas como delimitadores de compartimentos. Preferencialmente, todos os compartimentos deveriam apresentar iguais áreas (superfícies) e, ou, serem equiprodutivos. Mas, raramente, esta condição é satisfeita. O critério que deve ser seguido é a minimização de custos de exploração, ou seja, minimizar os custos de deslocamentos de máquinas, equipamentos e pessoal entre os compartimentos. As picadas que delimitam os compartimentos deverão ter de 1 a 2 m de largura e serem abertas num sentido previamente estabelecido, por exemplo, no sentido norte-sul ou no sentido lesteoeste. Estima-se que, em floresta tropical, uma equipe de 5 homens pode abrir 2,5 km de picada por dia. 3. Abertura da Floresta Dentro dos Compartimentos Refere-se à divisão dos compartimentos em parcelas ou talhões. O tamanho de cada talhão depende, entre outros fatores, de características tais como relevo, topografia, formato geométrico da área, área equiprodutiva (área - produção volumétrica) etc. Tal como a picada que delimita o compartimento, as picadas que dividem os compartimentos também deverão ter largura de 1 a 2 metros e serem abertas nos sentidos norte-sul e leste-oeste. 4. Inventário 100% das Árvores Potencialmente Exploráveis Refere-se ao inventário florestal pré-corte em 100% das árvores com um diâmetro mínimo de corte (DMC), ou seja, inventariar e localizar no mapa, na escala de 1:1000 todas as árvores de tamanho comercial, por exemplo, com DAP 45 cm, da lista de espécies de valor comercial. Para execução dessa atividade é necessário dispor de um mapa-base dos compartimentos. Os compartimentos deverão ser divididos em setores de inventário, por exemplo, de 4, 5,..., 10 ha cada. No inventário de prospecção (inventário 100%) deverão ser coletados os seguintes dados: a) Coordenadas (x,y) para localização, no mapa, de cada árvore com DMC; 121

14 C:\Documents and Settings\DISCO_F\MEUS-DOCS\LIVRO_ENF_344\enf344_PDF\CAP_VII_SIST. COLHEITA.doc 122 b) Número da plaqueta afixada no tronco da árvore com DMC; c) Altura da sapopema, em metros, se esta estiver presente; d) Diâmetro de tronco à altura de 1,30m do solo (DAP), ou diâmetro de tronco acima da sapopema; e) Altura comercial- refere-se ao comprimento da tora, em metros f) Qualidade da tora Para executar adequadamente esta atividade, a equipe deverá receber o melhor treinamento possível, para que seus membros sejam capazes tanto de identificar rapidamente árvores exploráveis como de estimar suas dimensões e de qualificar as mesmas. A equipe deve ser composta por 1 (um) técnico florestal (líder) e por mateiros. 5. Corte de Cipós Cortar somente os cipós lenhosos que se encontram presos nas árvores marcadas para abate. O objetivo dessa operação é liberar as copas das árvores para abate, diminuir os danos de abate e garantir maior segurança para a equipe de corte. Usar fação ou foice e executar o corte em, dois lugares, rente ao chão e o mais alto possível. 6. Instalação e Primeira Medição de Parcelas Permanentes Refere-se ao estabelecimento e medição de parcelas permanentes, antes da exploração florestal. Nesta etapa, ainda não é recomendado plaquetar as árvores para monitoramento. Todavia, o tamanho, a forma e o número de parcelas a serem estabelecidas devem atender o que a legislação de plano de manejo florestal recomenda. Esta atividade objetiva controlar a exploração florestal, ou melhor, conhecer a estrutura e a arquitetura da floresta, para posteriormente: avaliar os impactos da aplicação das atividades de exploração florestal (abertura de acesso, corte de cipós, abate comercial e arraste); e verificar se as prescrições e o nível de colheitas foram adequadamente executados. Caso tenha excedido demasiadamente os níveis de cortes permissíveis e, ou, menosprezado as regras básicas estabelecidas para execução das operações de colheita, deverão ser aplicadas multas ou penalidades ao executor do plano de manejo. 122

PRÁTICAS SILVICULTURAIS

PRÁTICAS SILVICULTURAIS CAPÍTULO 10 PRÁTICAS SILVICULTURAIS 94 Manual para Produção de Madeira na Amazônia APRESENTAÇÃO Um dos objetivos do manejo florestal é garantir a continuidade da produção madeireira através do estímulo

Leia mais

SISTEMAS SILVICULTURAIS APLICADOS ÀS FLORESTAS TROPICAIS

SISTEMAS SILVICULTURAIS APLICADOS ÀS FLORESTAS TROPICAIS C:\Documents and Settings\DISCO_F\MEUS-DOCS\LIVRO_ENF_344\enf344_PDF\CAP_VIII_SIST-SILV-QUADROS.doc 127 SISTEMAS SILVICULTURAIS APLICADOS ÀS FLORESTAS TROPICAIS O conceito de manejo fundamenta-se no fato

Leia mais

NORMA DE EXECUÇÃO N.º 2, DE 26 DE ABRIL DE 2007

NORMA DE EXECUÇÃO N.º 2, DE 26 DE ABRIL DE 2007 INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS DIRETORIA DE FLORESTAS NORMA DE EXECUÇÃO N.º 2, DE 26 DE ABRIL DE 2007 Institui, no âmbito desta Autarquia, o Manual Simplificado

Leia mais

CAPÍTULO 1 PLANO DE MANEJO FLORESTAL

CAPÍTULO 1 PLANO DE MANEJO FLORESTAL CAPÍTULO 1 PLANO DE MANEJO FLORESTAL 2 Manual para Produção de Madeira na Amazônia APRESENTAÇÃO O plano de manejo pode ser organizado em três etapas. 1 Na primeira, faz-se o zoneamento ou divisão da propriedade

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS. Parcela permanente (quando houver), tamanho e localização.

GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS. Parcela permanente (quando houver), tamanho e localização. TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DE PLANO OPERACIONAL DE EXPLORAÇÃO - POE CATEGORIA: MENOR E MAIOR IMPACTO DE EXPLORAÇÃO 1. Informações Gerais 1.1 Identificação Processo Administrativo; Número do Processo;

Leia mais

PLANEJAMENTO DA EXPLORAÇÃO

PLANEJAMENTO DA EXPLORAÇÃO CAPÍTULO 4 PLANEJAMENTO DA EXPLORAÇÃO Planejamento da Exploração 43 APRESENTAÇÃO A localização e o tamanho dos pátios de estocagem, a posição dos ramais de arraste e a direção de queda das árvores são

Leia mais

DEMARCAÇÃO DA EXPLORAÇÃO FLORESTAL

DEMARCAÇÃO DA EXPLORAÇÃO FLORESTAL CAPÍTULO 5 DEMARCAÇÃO DA EXPLORAÇÃO FLORESTAL Demarcação da Exploração Florestal 53 APRESENTAÇÃO A demarcação das estradas, ramais de arraste, pátios de estocagem e a indicação da direção de queda das

Leia mais

FUNDAÇÃO FLORESTA TROPICAL

FUNDAÇÃO FLORESTA TROPICAL FUNDAÇÃO FLORESTA TROPICAL MANUAL DE PROCEDIMENTOS TÉCNICOS PARA CONDUÇÃO DE MANEJO FLORESTAL E EXPLORAÇÃO DE IMPACTO REDUZIDO Versão preliminar 4.0 Belém, outubro de 2002 MANUAL DE PROCEDIMENTOS TÉCNICOS

Leia mais

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR CURSO INTENSIVO III Disciplina: Direito Ambiental Prof. Fabiano Melo Data: 09.12.2009 Aula nº 06 MATERIAL DE APOIO PROFESSOR Lei 4771/65 Art. 2 Consideram-se de preservação permanente, pelo só efeito desta

Leia mais

Comparação entre lei 4771 e PL relatado pelo Dep.Aldo Rebelo preparado por Zeze Zakia Versão preliminar ( APP)

Comparação entre lei 4771 e PL relatado pelo Dep.Aldo Rebelo preparado por Zeze Zakia Versão preliminar ( APP) Lei 4771 versão em vigor II área de preservação permanente: área protegida nos termos dos arts. 2 o e 3 o desta Lei, coberta ou não por vegetação nativa, com a função ambiental de preservar os recursos

Leia mais

PLANO DE MANEJO FLORESTAL SUSTENTÁVEL. Resumo Público

PLANO DE MANEJO FLORESTAL SUSTENTÁVEL. Resumo Público PLANO DE MANEJO FLORESTAL SUSTENTÁVEL Resumo Público RIO CAPIM PA / 2011 2 EMPRESA CIKEL BRASIL VERDE MADEIRAS LTDA - COMPLEXO RIO CAPIM Fazenda Rio Capim, Rod. BR 010, Km 1564, Zona Rural Paragominas-PA

Leia mais

Lei 12.651/2012. Prof. Dr. Rafaelo Balbinot Departamento. de Eng. Florestal UFSM Frederico Westphalen

Lei 12.651/2012. Prof. Dr. Rafaelo Balbinot Departamento. de Eng. Florestal UFSM Frederico Westphalen Lei 12.651/2012 Prof. Dr. Rafaelo Balbinot Departamento. de Eng. Florestal UFSM Frederico Westphalen Considerações Padrão Legal X Padrão de Qualidade Capacitação para aplicação da lei Análise individual

Leia mais

Resumo público do Plano de Manejo Florestal Sustentável Comunitário

Resumo público do Plano de Manejo Florestal Sustentável Comunitário Resumo público do Plano de Manejo Florestal Sustentável Comunitário Nome do empreendimento: Associação Seringueira Porto Dias CNPJ: 01.444.236/0001-80 Presidente: Raimundo Ferreira da Silva Código FSC:

Leia mais

Cadastro Ambiental Rural e Programa de Regularização Ambiental

Cadastro Ambiental Rural e Programa de Regularização Ambiental Cadastro Ambiental Rural e Programa de Regularização Ambiental Segundo a Lei Federal 12.651/2012 e Decreto Federal 7.830/2012 ESALQ Março/Abril de 2014 Caroline Vigo Cogueto Centro de Monitoramento e Avaliação

Leia mais

Prefeitura INEPAC IPHAN Resumo. 0,5-0,5 0,5 3 pavim. Altura máxima de 13m. 8,5m 15% - - 15% Das Disposições Gerais (IPHAN)

Prefeitura INEPAC IPHAN Resumo. 0,5-0,5 0,5 3 pavim. Altura máxima de 13m. 8,5m 15% - - 15% Das Disposições Gerais (IPHAN) Logradouro: Rua Francisco Manoel, 10 1ª Categoria Terreno: 1400m² Observações: PMP: SIP3 INEPAC: Conjunto XI / 3 IPHAN: 1ª categoria, tipo V Prefeitura INEPAC IPHAN Resumo Taxa de ocupação 30% - 30% 30%

Leia mais

MANEJO DO PALMITEIRO Euterpe edulis NO ESTADO DE SANTA CATARINA

MANEJO DO PALMITEIRO Euterpe edulis NO ESTADO DE SANTA CATARINA MANEJO DO PALMITEIRO Euterpe edulis NO ESTADO DE SANTA CATARINA IN-35 INSTRUÇÕES GERAIS: A Exploração do Palmiteiro (Euterpe edulis) no estado de Santa Catarina, deverá obedecer os critérios estabelecidos

Leia mais

O PREFEITO DO MUNICIPIO DE ARACAJU

O PREFEITO DO MUNICIPIO DE ARACAJU DISPÓE SOBRE A REGULAMENTAÇÃO DA ARBORIZAÇÃO NO MUNICÍPIO DE ARACAJU E DÁ PROVIDÊNCIAS. O PREFEITO DO MUNICIPIO DE ARACAJU seguinte Lei: Faço saber que a Câmara de Vereadores aprovou e eu sanciono a Art.

Leia mais

LEI Nº 10.365 - de 22 DE SETEMBRO DE 1987

LEI Nº 10.365 - de 22 DE SETEMBRO DE 1987 LEI Nº 10.365 - de 22 DE SETEMBRO DE 1987 Disciplina o corte e a poda de vegetação de porte arbóreo existente no Município de São Paulo, e dá outras providências. Jânio da Silva Quadros, Prefeito do Município

Leia mais

Avaliação de Danos Utilizando Técnica de Estatística Multivariada na Floresta

Avaliação de Danos Utilizando Técnica de Estatística Multivariada na Floresta Avaliação de Danos Utilizando Técnica de Estatística Multivariada na Floresta RESUMO Estadual do Antimary Cristiano Corrêa da Silva 1 Altemir da Silva Braga 2 A Avaliação de Danos deve ser parte integrante

Leia mais

VII Reunião de Atualização em Eucalitptocultura

VII Reunião de Atualização em Eucalitptocultura VII Reunião de Atualização em Eucalitptocultura Planejamento da Propriedade Agrícola (APP e RL) Eng o. F tal. Msc. João Carlos Teixeira Mendes Dept o. Ciências Florestais ESALQ/USP Estação Experimental

Leia mais

Licenciamento Ambiental no Estado de São Paulo

Licenciamento Ambiental no Estado de São Paulo Licenciamento Ambiental no Estado de São Paulo Aspectos relacionados com a Legislação Florestal / Mineração LEI FEDERAL 12651/12 Engª Amb. Adriana Maira Rocha Goulart Divisão de Apoio e Gestão dos Recursos

Leia mais

Novo Código Florestal, Adequação Ambiental e CAR

Novo Código Florestal, Adequação Ambiental e CAR Considerações Novo Código Florestal, Adequação Ambiental e CAR Prof. Rafaelo Balbinot Curso de Engenharia Florestal UFSM-Campus de Frederico Westphalen Padrão Legal X Padrão de Qualidade Capacitação para

Leia mais

Termo de Referência para Elaboração do Plano de Manejo Florestal Sustentável

Termo de Referência para Elaboração do Plano de Manejo Florestal Sustentável Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos Termo de Referência para Elaboração do Plano Avenida Nascimento de Castro, 2127 Lagoa Nova Natal RN

Leia mais

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são:

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são: Pedro da Cunha Barbosa. Especialização em Direito Ambiental. Área do conhecimento jurídico que estuda as relações entre o homem e a natureza, é um ramo do direito diferenciado em suas especificidades e,

Leia mais

LIMPEZA DA ÁREA LIMPEZA DA ÁREA LIMPEZA DA ÁREA MATA CILIAR. Áreas de Preservação Permanente RESERVA LEGAL

LIMPEZA DA ÁREA LIMPEZA DA ÁREA LIMPEZA DA ÁREA MATA CILIAR. Áreas de Preservação Permanente RESERVA LEGAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA DE MEDICINA VETERINÁRIA DEPARTAMENTO DE PRODUÇÃO ANIMAL ESPECIALIZAÇÃO EM PRODUÇÃO DE BOVINOS FORMAÇÃO E MANEJO DE PASTAGENS (IMPLANTAÇÃO DE PASTAGENS) EDGAR FRAGA

Leia mais

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 368, DE 2012

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 368, DE 2012 SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 368, DE 2012 Altera a Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012, para dispor sobre as Áreas de Preservação Permanentes em áreas urbanas. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

Leia mais

Treinamento em Cálculos Florestais Diversos Por Meio do Software FlorExcel

Treinamento em Cálculos Florestais Diversos Por Meio do Software FlorExcel Treinamento em Cálculos Florestais Diversos Por Meio do Software FlorExcel Julio Eduardo Arce Professor Adjunto do Departamento de Ciências Florestais Universidade Federal do Paraná Av. Pref. Lothário

Leia mais

MÉTODO PERT/CPM APLICADO NO MANEJO DE FLORESTAS NATIVAS

MÉTODO PERT/CPM APLICADO NO MANEJO DE FLORESTAS NATIVAS MÉTODO PERT/CPM APLICADO NO MANEJO DE FLORESTAS NATIVAS João Ricardo Vasconcellos Gama Estudante D.S. Agostinho Lopes de Souza Professor Orientador 1. INTRODUÇÃO PERT - Program Evaluation and Review Technique

Leia mais

Engenharia de Avaliações Aplicada às Áreas de Preservação Permanente (APP)

Engenharia de Avaliações Aplicada às Áreas de Preservação Permanente (APP) Engenharia de Avaliações Aplicada Às Áreas de Preservação Permanente (APP). Engenharia de Avaliações Aplicada às Áreas de Preservação Permanente (APP) 1. Fundamento Legal das APPs: Constituição Federal

Leia mais

Roteiro para apresentação de documentos administrativos de Planos de Manejo Florestal Sustentável - PMFS

Roteiro para apresentação de documentos administrativos de Planos de Manejo Florestal Sustentável - PMFS Roteiro para apresentação de documentos administrativos de Planos de Manejo Florestal Sustentável - PMFS I t e m Nº. D o c u m e n t o s E x i g i d o s O b s e r v a ç õ e s OK 01 Requerimento padrão

Leia mais

BR 116/RS Gestão Ambiental. Oficina para Capacitação em Gestão Ambiental

BR 116/RS Gestão Ambiental. Oficina para Capacitação em Gestão Ambiental BR 116/RS Gestão Ambiental Programa de Apoio às Prefeituras Municipais Oficina para Capacitação em Gestão Ambiental Novo Código Florestal Inovações e aspectos práticos STE Serviços Técnicos de Engenharia

Leia mais

FLORESTAS PLANTADAS E CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NO BRASIL

FLORESTAS PLANTADAS E CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NO BRASIL FLORESTAS PLANTADAS E CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NO BRASIL Uma posição institucional conjunta de: Instituto de Pesquisas e Estudos Florestais Sociedade Brasileira de Silvicultura Departamento de Ciências

Leia mais

Disciplina o corte e a poda de vegetação de porte arbóreo existente no município de São Paulo.

Disciplina o corte e a poda de vegetação de porte arbóreo existente no município de São Paulo. LEI Nº 10.365, DE 22 DE SETEMBRO DE 1987. Disciplina o corte e a poda de vegetação de porte arbóreo existente no município de São Paulo. JÂNIO DA SILVA QUADROS, Prefeito do Município de São Paulo, usando

Leia mais

A BIOMASSA FLORESTAL PRIMARIA

A BIOMASSA FLORESTAL PRIMARIA A BIOMASSA FLORESTAL PRIMARIA Entende-se por biomassa florestal primaria (BFP) a fração biodegradável dos produtos gerados e que são processados com fins energéticos. Nos casos dos reflorestamentos, a

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SANTA CATARINA. II Seminário Estadual de Saneamento Ambiental

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SANTA CATARINA. II Seminário Estadual de Saneamento Ambiental MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SANTA CATARINA II Seminário Estadual de Saneamento Ambiental Regularização fundiária em áreas de preservação permanente APPs em zona urbana: uma proposta de gestão ALEXANDRE

Leia mais

NORMA AMBIENTAL VALEC Nº 02 PLANTIOS PAISAGÍSTICOS

NORMA AMBIENTAL VALEC Nº 02 PLANTIOS PAISAGÍSTICOS VALEC NAVA - 02 1 de 12 NORMA AMBIENTAL VALEC Nº 02 PLANTIOS PAISAGÍSTICOS VALEC NAVA - 02 2 de 12 NORMA AMBIENTAL VALEC Nº 02 PLANTIOS PAISAGÍSTICOS SUMÁRIO 1. OBJETO... 2 2. CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE JUINA E S T A D O D E M A T O G R O S S O P O D E R E X E C U T I V O

PREFEITURA MUNICIPAL DE JUINA E S T A D O D E M A T O G R O S S O P O D E R E X E C U T I V O LEI N.º 1.453/2013. SÚMULA: Autoriza o Poder Executivo Municipal a promover a Concessão de Direto Real de Uso em favor da Colônia Z-20 de Pescadores de Juína, da área urbana que menciona, e dá outras Providências.

Leia mais

DISPOSIÇÕES PERMANENTES

DISPOSIÇÕES PERMANENTES Revista RG Móvel - Edição 31 DISPOSIÇÕES PERMANENTES CADASTRO AMBIENTAL RURAL (CAR): O novo Código Florestal determina a criação do CAR (Cadastro Ambiental Rural) e torna obrigatório o registro para todos

Leia mais

A N E X O LEGISLAÇÃO AMBIENTAL

A N E X O LEGISLAÇÃO AMBIENTAL A N E X O V LEGISLAÇÃO AMBIENTAL ASPECTOS DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL REFERENTE AO MANEJO FLORESTAL 1. DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL BRASILEIRA A legislação ambiental traduz um sistema de princípios e normas jurídicas

Leia mais

Manejo Florestal Sustentável e Exploração de Impacto Reduzido na Amazônia Brasileira

Manejo Florestal Sustentável e Exploração de Impacto Reduzido na Amazônia Brasileira Manejo Florestal Sustentável e Exploração de Impacto Reduzido na Amazônia Brasileira 1 A Amazônia 2 A Amazônia possui a maior floresta do mundo, o maior sistema fluvial da Terra e uma estonteante diversidade

Leia mais

Disciplina procedimento para autorização de supressão de exemplares arbóreos nativos isolados.

Disciplina procedimento para autorização de supressão de exemplares arbóreos nativos isolados. DELIBERAÇÃO COPAM Nº 304, DE 27 DE JULHO DE 2007. Disciplina procedimento para autorização de supressão de exemplares arbóreos nativos isolados. O Secretário-Adjunto, no exercício do cargo de Secretário

Leia mais

Resolução SMA - 44, de 30-6-2008 Define critérios e procedimentos para a implantação de Sistemas Agroflorestais

Resolução SMA - 44, de 30-6-2008 Define critérios e procedimentos para a implantação de Sistemas Agroflorestais Resolução SMA - 44, de 30-6-2008 Define critérios e procedimentos para a implantação de Sistemas Agroflorestais O Secretário do Meio Ambiente, considerando: A necessidade de regulamentação da utilização

Leia mais

AUTORIZAÇÃO PARA INTERVENÇÃO DE QUALQUER NATUREZA NA VEGETAÇÃO NATURAL OU IMPLANTADA de 16/08/2005

AUTORIZAÇÃO PARA INTERVENÇÃO DE QUALQUER NATUREZA NA VEGETAÇÃO NATURAL OU IMPLANTADA de 16/08/2005 08/11/2006 Pág 1 AUTORIZAÇÃO PARA INTERVENÇÃO DE QUALQUER Substitui a IS-19 NATUREZA NA VEGETAÇÃO NATURAL OU IMPLANTADA de 16/08/2005 1. FINALIDADE 1.1 Esta Instrução tem por finalidade estabelecer critérios

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO AMBIENTAL SEDAM.

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO AMBIENTAL SEDAM. GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO AMBIENTAL SEDAM. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01 DE 30 DE MAIO DE 2011 Normatiza a atividade de silvicultura econômica com espécies nativas

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 4, de 08 de setembro de 2009.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 4, de 08 de setembro de 2009. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 4, de 08 de setembro de 2009. Dispõe sobre procedimentos técnicos para a utilização da vegetação da Reserva Legal sob regime de manejo florestal sustentável, e dá outras providências.

Leia mais

Planejando o Uso da Propriedade Rural I a reserva legal e as áreas de preservação permanente

Planejando o Uso da Propriedade Rural I a reserva legal e as áreas de preservação permanente Planejando o Uso da Propriedade Rural I a reserva legal e as áreas de preservação permanente Ricardo D. Gomes da Costa 1 Marcelo Araujo 2 A rápida destruição de ambientes naturais, juntamente com a redução

Leia mais

1. DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS

1. DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS Secretaria de Estado do Meio SEMA-MT Roteiro Básico de Projeto de Compensação de Área de Reserva Legal (ARL) 1. DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS I T E M N º. D O C U M E N T O S E X I G I D O S O B S E

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 303, DE 20 DE MARÇO DE 2002. (D.O.U. de 13/05/02) Dispõe sobre parâmetros, definições e limites de Áreas de Preservação Permanente.

RESOLUÇÃO Nº 303, DE 20 DE MARÇO DE 2002. (D.O.U. de 13/05/02) Dispõe sobre parâmetros, definições e limites de Áreas de Preservação Permanente. RESOLUÇÃO Nº 303, DE 20 DE MARÇO DE 2002 (D.O.U. de 13/05/02) Dispõe sobre parâmetros, definições e limites de Áreas de Preservação Permanente. O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA, no uso das competências

Leia mais

CONTEÚDO 1.1 OBJETIVOS...1.1 1.2 ESTRUTURA DO DOCUMENTO...1.2 1.3 ESTRUTURA DOS PROGRAMAS AMBIENTAIS...1.3 3.1 INTRODUÇÃO...3.1

CONTEÚDO 1.1 OBJETIVOS...1.1 1.2 ESTRUTURA DO DOCUMENTO...1.2 1.3 ESTRUTURA DOS PROGRAMAS AMBIENTAIS...1.3 3.1 INTRODUÇÃO...3.1 CONTEÚDO Pág. 1 INTRODUÇÃO...1.1 1.1 OBJETIVOS...1.1 1.2 ESTRUTURA DO DOCUMENTO...1.2 1.3 ESTRUTURA DOS PROGRAMAS AMBIENTAIS...1.3 2 CONTEXTO GEOGRÁFICO...2.1 3 CARACTERIZAÇÃO DO PROJETO MINERAL...3.1

Leia mais

Ação 14- Indicação de Áreas Protegidas para Criação de Unidades de Conservação (incluindo nascentes e trechos de cursos de água com Classe Especial)

Ação 14- Indicação de Áreas Protegidas para Criação de Unidades de Conservação (incluindo nascentes e trechos de cursos de água com Classe Especial) 180 SUB-PROGRAMA 7 USO DO SOLO Áreas Protegidas Este Sub-Programa contempla uma única ação, que trata da Indicação de Áreas Protegidas para Criação de Unidades de Conservação (incluindo nascentes e trechos

Leia mais

Entendendo o Novo Código Florestal II CBRA 2012. Eduardo Chagas Engº Agrônomo, M.Sc Chefe DRNRE / IDAF

Entendendo o Novo Código Florestal II CBRA 2012. Eduardo Chagas Engº Agrônomo, M.Sc Chefe DRNRE / IDAF Entendendo o Novo Código Florestal II CBRA 2012 Eduardo Chagas Engº Agrônomo, M.Sc Chefe DRNRE / IDAF O Idaf por definição O IDAF, é a entidade responsável pela execução da política, florestal, bem como

Leia mais

8º. Curso de Atualização em Eucaliptocultura. Adequação Legal da Propriedade Rural

8º. Curso de Atualização em Eucaliptocultura. Adequação Legal da Propriedade Rural 8º. Curso de Atualização em Eucaliptocultura Adequação Legal da Propriedade Rural Eng o. F tal. Msc. João Carlos Teixeira Mendes jctmende@esalq.usp.br Departamento de Ciências Florestais Estação Experimental

Leia mais

FBD.01TP.35. CE-CTET-GERAL AAP+AECOPS GER 00X / 01TP.11.--.--.

FBD.01TP.35. CE-CTET-GERAL AAP+AECOPS GER 00X / 01TP.11.--.--. IV. NORMATIVA DE CUMPRIMENTO OBRIGATÓRIO FBD.01TP.35. CE-CTET-GERAL AAP+AECOPS GER 00X / 01TP.11.-- TÍTULO01TP TRABALHOS PREPARATÓRIOS CAPÍTULO.1-. PROTECÇÕES SUB.CAPº.11. PROTECÇÃO E SEGURANÇA DA OBRA

Leia mais

Determinação de Cortes Seletivos

Determinação de Cortes Seletivos F:\MEUS-DOCS\LIVRO_ENF_344\CAP_ II - DETER. CORTE.doc 1 CAPÍTULO II Determinação de Cortes Seletivos Há vários métodos e fórmulas empregados na determinação do corte (LEUSCHNER, 1984; e DAVIS, 1987), sendo

Leia mais

corte seletivo, com a exploração limitada a setenta por cento dos indivíduos da espécie. 1º A autorização de manejo florestal sustentável em até

corte seletivo, com a exploração limitada a setenta por cento dos indivíduos da espécie. 1º A autorização de manejo florestal sustentável em até Resoluções RESOLUÇÃO Nº 310, DE 5 DE JULHO DE 2002 O manejo florestal sustentável da bracatinga (Mimosa scabrella) no Estado de Santa Catarina. O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA, de conformidade

Leia mais

Módulo fiscal em Hectares 20 10 16 12

Módulo fiscal em Hectares 20 10 16 12 CÓDIGO FLORESTAL COMO SE REGULARIZAR O QUE É CÓDIGO FLORESTAL? O Código é uma lei que estabelece limites e obrigações no uso da propriedade,, que deve respeitar a vegetação existente na terra, considerada

Leia mais

Inventário Florestal Nacional IFN-BR

Inventário Florestal Nacional IFN-BR Seminário de Informação em Biodiversidade no Âmbito do MMA Inventário Florestal Nacional IFN-BR Dr. Joberto Veloso de Freitas SERVIÇO FLORESTAL BRASILEIRO Gerente Executivo Informações Florestais Brasília,

Leia mais

AMC AUTORIZAÇÃO DE MANEJO DA CABRUCA. Hermann Rehem Rosa da Silva Eng. Agrônomo - Especialista em Meio Ambiente e Recursos Hídricos INEMA/IOS

AMC AUTORIZAÇÃO DE MANEJO DA CABRUCA. Hermann Rehem Rosa da Silva Eng. Agrônomo - Especialista em Meio Ambiente e Recursos Hídricos INEMA/IOS AMC AUTORIZAÇÃO DE MANEJO DA CABRUCA Hermann Rehem Rosa da Silva Eng. Agrônomo - Especialista em Meio Ambiente e Recursos Hídricos INEMA/IOS Decreto Estadual Nº 15180 DE 02/06/2014 Regulamenta a gestão

Leia mais

Conservação, preparo de solo e plantio de eucalipto

Conservação, preparo de solo e plantio de eucalipto Conservação, preparo de solo e plantio de eucalipto José Henrique T. Rocha José Henrique Bazani Eduardo S. A. C. Melo José Leonardo de Moraes Gonçalves Departamento de Ciências Florestais ESALQ - USP Conceitos:

Leia mais

ENG 337 MECÂNICA E MECANIZAÇÃO FLORESTAL

ENG 337 MECÂNICA E MECANIZAÇÃO FLORESTAL COLHEITA FLORESTAL ENG 337 MECÂNICA E MECANIZAÇÃO FLORESTAL Prof. Haroldo C. Fernandes DEA/UFV O caminho para o atendimento das necessidades crescentes por produtos florestais se dá por meio de uma produção

Leia mais

NOVO CÓDIGO FLORESTAL: IMPLICAÇÕES E MUDANÇAS PARA A REALIDADE DO PRODUTOR DE LEITE BRASILEIRO

NOVO CÓDIGO FLORESTAL: IMPLICAÇÕES E MUDANÇAS PARA A REALIDADE DO PRODUTOR DE LEITE BRASILEIRO NOVO CÓDIGO FLORESTAL: IMPLICAÇÕES E MUDANÇAS PARA A REALIDADE DO PRODUTOR DE LEITE BRASILEIRO Enio Resende de Souza Eng. Agr. M.Sc. Manejo Ambiental / Coordenador Técnico / Meio Ambiente Gestão do Produto

Leia mais

XVI Seminário de Atualização sobre Sistema de Colheita de Madeira e Transporte Florestal, Campinas/ SP 11.4-13.4. 2011

XVI Seminário de Atualização sobre Sistema de Colheita de Madeira e Transporte Florestal, Campinas/ SP 11.4-13.4. 2011 COLHEITA DE MADEIRA EM TERRENOS ACIDENTADOS RECENTES DESENVOLVIMENTOS TÉCNICOS E SEU USO NA SUÍÇA XVI Seminário de Atualização sobre Sistema de Colheita de Madeira e Transporte Florestal, Campinas/ SP

Leia mais

DECRETO Nº 6.660, DE 21 DE NOVEMBRO DE

DECRETO Nº 6.660, DE 21 DE NOVEMBRO DE DECRETO Nº 6.660, DE 21 DE NOVEMBRO DE 2008: Regulamenta dispositivos da Lei no 11.428, de 22 de dezembro de 2006, que dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Mata Atlântica.

Leia mais

PROGRAMAS AMBIENTAIS COMO MEDIDAS MITIGADORAS E COMPENSATÓRIAS NO PROCESSO DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL

PROGRAMAS AMBIENTAIS COMO MEDIDAS MITIGADORAS E COMPENSATÓRIAS NO PROCESSO DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL PROGRAMAS AMBIENTAIS COMO MEDIDAS MITIGADORAS E COMPENSATÓRIAS NO PROCESSO DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL Sarah Rachel Oliveira do Amparo Furtado*, Alexandra Helena Lisboa Boldrin** * Acadêmica da Faculdade

Leia mais

Marcio S. Suganuma Escola de Engenharia de São Carlos EESC/ USP. marciosuganuma@gmail.com

Marcio S. Suganuma Escola de Engenharia de São Carlos EESC/ USP. marciosuganuma@gmail.com Marcio S. Suganuma Escola de Engenharia de São Carlos EESC/ USP marciosuganuma@gmail.com Área de preservação permanente (artigos 2 o e 3 o ) Reserva Legal (artigos 16 e 44) Área de preservação permanente

Leia mais

POLÍTICA FLORESTAL E O NOVO CÓDIGO

POLÍTICA FLORESTAL E O NOVO CÓDIGO POLÍTICA FLORESTAL E O NOVO CÓDIGO (Lei Federal n. 12.651/12) PROF. DR. RAFAEL COSTA FREIRIA E-MAIL: RAFAELFREIRIA@COM4.COM.BR DISCIPLINA: DIREITO AMBIENTAL Fundamentos e Temas de Trabalho na Questão Florestal

Leia mais

AVALIAÇÃO DA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA MICROBACIA SANGA ITÁ, MUNICÍPIO DE QUATRO PONTES, PARANÁ

AVALIAÇÃO DA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA MICROBACIA SANGA ITÁ, MUNICÍPIO DE QUATRO PONTES, PARANÁ AVALIAÇÃO DA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA MICROBACIA SANGA ITÁ, MUNICÍPIO DE QUATRO PONTES, PARANÁ Mônica A. Muller, Aline Uhlein, Deise D. Castagnara, Diego A. V. Gambaro, Pedro C. S. da Silva (Orientador/UNIOESTE),

Leia mais

Saiba mais sobre o Novo Código Florestal Brasileiro e o CAR COLADO NA CAPA

Saiba mais sobre o Novo Código Florestal Brasileiro e o CAR COLADO NA CAPA Saiba mais sobre o Novo Código Florestal Brasileiro e o CAR COLADO NA CAPA Índice O que o agricultor brasileiro deve saber sobre o Novo Código Florestal?...1 Começando a regularizar o imóvel rural...2

Leia mais

Análise da Paisagem. Riscos ambientais relacionados ao uso e apropriação do relevo

Análise da Paisagem. Riscos ambientais relacionados ao uso e apropriação do relevo Análise da Paisagem Riscos ambientais relacionados ao uso e apropriação do relevo (análise do meio físico como subsídio para o planejamento territorial) Desastres naturais ocorridos no mundo e seus respectivos

Leia mais

Apps de Topo de Morro. Ministério Público de São Paulo CAO Cível e de Tutela Coletiva

Apps de Topo de Morro. Ministério Público de São Paulo CAO Cível e de Tutela Coletiva Apps de Topo de Morro Ministério Público de São Paulo CAO Cível e de Tutela Coletiva Funções Ambientais das Áreas de Preservação Permanente (espaço territorial especialmente protegido: art.225 CF; Lei

Leia mais

Sistema de Colheita de Alta Performance. Cassiano Schneider Cláudio Ortolan Rafael Malinovski Raphael Fonseca

Sistema de Colheita de Alta Performance. Cassiano Schneider Cláudio Ortolan Rafael Malinovski Raphael Fonseca Sistema de Colheita de Alta Performance Cassiano Schneider Cláudio Ortolan Rafael Malinovski Raphael Fonseca Contexto Produtivo Sistema Equipamentos Operação Ganhos Contexto Produtivo Sistema Equipamentos

Leia mais

Figura1: Trajeto da Trilha da Saracura com seus respectivos pontos interpretativos.

Figura1: Trajeto da Trilha da Saracura com seus respectivos pontos interpretativos. PLANEJAMENTO E IMPLANTAÇÃO DE UMA TRILHA INTERPRETATIVA NA MATA ATLÂNTICA PARA ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CAMPUS RIO DO SUL Autores: Alessandra Lariza KRUG, Marcelo

Leia mais

CONTRATAÇÃO DE INSTRUTORES NA ÁREA AMBIENTAL PARA SERVIÇOS DE CONSULTORIA.

CONTRATAÇÃO DE INSTRUTORES NA ÁREA AMBIENTAL PARA SERVIÇOS DE CONSULTORIA. CONTRATAÇÃO DE INSTRUTORES NA ÁREA AMBIENTAL PARA SERVIÇOS DE CONSULTORIA. 1. OBJETIVO Contratação de profissionais com formação nas áreas de ciências biológicas, florestais, agronômicas, econômicas e

Leia mais

MINUTA DE RESOLUÇÃO. Define critérios rios e procedimentos para a implantação de Sistemas Agroflorestais

MINUTA DE RESOLUÇÃO. Define critérios rios e procedimentos para a implantação de Sistemas Agroflorestais MINUTA DE RESOLUÇÃO Define critérios rios e procedimentos para a implantação de Sistemas Agroflorestais Situações I - APPs localizadas em pequena propriedade ou posse rural familiar desprovidas de vegetação

Leia mais

RESUMO DO PLANO DE MANEJO FLORESTAL

RESUMO DO PLANO DE MANEJO FLORESTAL RESUMO DO PLANO DE MANEJO FLORESTAL Introdução Este documento é um resumo dos programas e procedimentos da International Paper para a gestão do seu processo florestal, sendo revisado anualmente. I N T

Leia mais

Lei Municipal N.º 1414

Lei Municipal N.º 1414 Subseção II Dos Estacionamentos e Guarda de Veículos Art. 41 - Os locais para estacionamento ou guarda de veículos podem ser cobertos ou descobertos, podendo se destinar em ambos os casos à utilização

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA PARCELAMENTO DE SOLO: CODRAM 3414,40; CODRAM 3414,50; CODRAM 3414,60; CODRAM 3414,70; CODRAM 3415,10

TERMO DE REFERÊNCIA PARA PARCELAMENTO DE SOLO: CODRAM 3414,40; CODRAM 3414,50; CODRAM 3414,60; CODRAM 3414,70; CODRAM 3415,10 TERMO DE REFERÊNCIA PARA PARCELAMENTO DE SOLO: CODRAM 3414,40; CODRAM 3414,50; CODRAM 3414,60; CODRAM 3414,70; CODRAM 3415,10 O processo administrativo para aprovação e licenciamento de parcelamentos de

Leia mais

Caracterização das Unidades de Manejo Florestal Lote-1 da Floresta Estadual do Amapá

Caracterização das Unidades de Manejo Florestal Lote-1 da Floresta Estadual do Amapá SUMÁRIO 1. Introdução... 2 2. Caracterização geral da Flota Amapá... 2 3. Lote de Unidades de Manejo Florestal... 2 4. Ferramentas utilizadas para caracterização das UMFs... 3 4.1. Cálculo da área efetiva

Leia mais

Tema: Planos de manejo para as epécies ameaçadas no Rio Grande do Sul e no Brasil. Dinâmica: Questões dirigidas aos grupos

Tema: Planos de manejo para as epécies ameaçadas no Rio Grande do Sul e no Brasil. Dinâmica: Questões dirigidas aos grupos Tema: Planos de manejo para as epécies ameaçadas no Rio Grande do Sul e no Brasil. Dinâmica: Questões dirigidas aos grupos Bibliografia: Ministério do Meio Ambiente. Espécies ameaçadas de extinção: recomendações

Leia mais

Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado, e dá providências correlatas

Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado, e dá providências correlatas LEI Nº 13.550, DE 02 DE JUNHO DE 2009 Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado, e dá providências correlatas O GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Faço saber que

Leia mais

RESUMO PÚBLICO PLANO DE MANEJO FLORESTAL - 2015

RESUMO PÚBLICO PLANO DE MANEJO FLORESTAL - 2015 RESUMO PÚBLICO PLANO DE MANEJO FLORESTAL - 2015 Página2 Página3 APRESENTAÇÃO DA EMPRESA A Madepar Indústria e Comércio de Madeiras LTDA certificou suas florestas de acordo com os Princípios e Critérios

Leia mais

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS BÁSICOS PARA A ATIVIDADE DE MANEJO FLORESTAL SUSTENTÁVEL DO PROJETO

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS BÁSICOS PARA A ATIVIDADE DE MANEJO FLORESTAL SUSTENTÁVEL DO PROJETO RELAÇÃO DE DOCUMENTOS BÁSICOS PARA A ATIVIDADE DE MANEJO FLORESTAL SUSTENTÁVEL DO PROJETO Requerimento Padrão de Atividade Florestal - RPAF; Cópia de CPF e RG do requerente; Cópia do Certificado da Área

Leia mais

FORMULÁRIOS PARA AUTORIZAÇÃO DE RECUPERAÇÃO OU RESTAURAÇÃO DE ÁREAS PROTEGIDAS COM SUPRESSÃO DE ESPÉCIES EXÓTICAS

FORMULÁRIOS PARA AUTORIZAÇÃO DE RECUPERAÇÃO OU RESTAURAÇÃO DE ÁREAS PROTEGIDAS COM SUPRESSÃO DE ESPÉCIES EXÓTICAS CONDIÇÃO OBRIGATÓRIA EXECUÇÃO DE PROJETO DE RECUPERAÇÃO DAS ÁREAS CONSIDERADAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE ATINGIDAS COM PLANTIOS E MANUTENÇÃO DE ÁRVORES NATIVAS DA REGIÃO E/OU CONDUÇÃO DA REGENERAÇÃO NATURAL,

Leia mais

Manejo Florestal Sustentável: Dificuldade Computacional e Otimização de Processos

Manejo Florestal Sustentável: Dificuldade Computacional e Otimização de Processos Manejo Florestal Sustentável: Dificuldade Computacional e Otimização de Processos Daniella Rodrigues Bezerra 1, Rosiane de Freitas Rodrigues 12, Ulisses Silva da Cunha 3, Raimundo da Silva Barreto 12 Universidade

Leia mais

LICENCIAMENTO AMBIENTAL. Autorização para supressão de vegetação nativa e intervenções em Áreas de Preservação Permanente - APP

LICENCIAMENTO AMBIENTAL. Autorização para supressão de vegetação nativa e intervenções em Áreas de Preservação Permanente - APP LICENCIAMENTO AMBIENTAL Autorização para supressão de vegetação nativa e intervenções em Áreas de Preservação Permanente - APP Engª Adriana Maira Rocha Goulart Gerente Divisão de Apoio e Gestão dos Recursos

Leia mais

FLORESTA PARA SEMPRE Um Manual para a Produção de Madeira na Amazônia

FLORESTA PARA SEMPRE Um Manual para a Produção de Madeira na Amazônia FLORESTA PARA SEMPRE Um Manual para a Produção de Madeira na Amazônia Belém - Pará 1998 Autores Paulo Amaral Adalberto Veríssimo Paulo Barreto Edson Vidal Edição de texto Tatiana Corrêa Colaboradores Andrew

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FLORESTAIS LCF-1581

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FLORESTAIS LCF-1581 UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FLORESTAIS LCF-1581 Recursos Florestais em Propriedades Agrícolas Trabalho final: Projeto de adequação

Leia mais

O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA. Restrições x Oportunidades

O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA. Restrições x Oportunidades O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA Restrições x Oportunidades Secretaria de Políticas para o Desenvolvimento Sustentável SDS Dr. Gilney Amorim Viana ASPECTOS REGULATÓRIOS RELEVANTES Código Florestal:

Leia mais

Cadastro Ambiental Rural CAR

Cadastro Ambiental Rural CAR Cadastro Ambiental Rural CAR LEGISLAÇÃO Lei Federal nº 12.651/2012 Código Florestal Brasileiro; Lei Estadual n.º 20.922/2013 - Dispõe sobre as políticas florestal e de proteção à biodiversidade no Estado

Leia mais

A Questão Florestal e o Desenvolvimento

A Questão Florestal e o Desenvolvimento Alcir Ribeiro Carneiro de Almeida, Eng. Ftal., MSc.,Dr. Gerente Florestal A Questão Florestal e o Desenvolvimento BNDES, Rio de Janeiro, 09 de julho de 2003 Grupo CIKEL CIKEL BRASIL VERDE S.A. - atua na

Leia mais

PCH Dores de Guanhães Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS

PCH Dores de Guanhães Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS PROGRAMAS AMBIENTAIS 4.3 Programa de Limpeza e Desmatamento da Área a Ser CAPA ÍNDICE GERAL 1. Introdução... 1 1.1. Cobertura Vegetal Predominante na Área de Desmate... 1 1.1.1. Floresta Estacional Semidecidual

Leia mais

GREEN NATION FEST. Design e Sustentável Consumo Consciente

GREEN NATION FEST. Design e Sustentável Consumo Consciente GREEN NATION FEST Design e Sustentável Consumo Consciente O trabalho do designer Pedro Petry sempre foi pautado pela busca de alternativas que fomentam a sustentabilidade: Das experiências com objetos

Leia mais

Manejo Sustentável da Floresta

Manejo Sustentável da Floresta Manejo Sustentável da Floresta 1) Objetivo Geral Mudança de paradigmas quanto ao uso da madeira da floresta, assim como a percepção dos prejuízos advindos das queimadas e do extrativismo vegetal. 2) Objetivo

Leia mais

Belo Horizonte, 23 de novembro de 2012. Controle Processual. Do Relatório

Belo Horizonte, 23 de novembro de 2012. Controle Processual. Do Relatório Belo Horizonte, 23 de novembro de 2012. Controle Processual Interessado: Núcleo de Regularização Ambiental de Belo Horizonte/MG Requerente: Taquaril Mineração S.A. Fazenda Ana Cruz Processo n 090100003969/12

Leia mais

RISCO DE EROSÃO. Projecto n.º 2004/EQUAL/A2/EE/161 1

RISCO DE EROSÃO. Projecto n.º 2004/EQUAL/A2/EE/161 1 RISCO DE EROSÃO Portugal é um dos países europeus mais susceptíveis aos processos de desertificação física dos solos. Cerca de 68% dos solos nacionais estão ameaçados pela erosão e 30% encontram-se em

Leia mais

Resolução SMA nº 70 DE 02/09/2014 Norma Estadual - São Paulo Publicado no DOE em 03 set 2014

Resolução SMA nº 70 DE 02/09/2014 Norma Estadual - São Paulo Publicado no DOE em 03 set 2014 Resolução SMA nº 70 DE 02/09/2014 Norma Estadual - São Paulo Publicado no DOE em 03 set 2014 Define a metodologia a ser adotada em caráter experimental para a conversão das obrigações de reposição florestal

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA ELABORACÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL (RCA) REFERENTE À ATIVIDADE DE LEVANTAMENTO SÍSMICO

TERMO DE REFERÊNCIA ELABORACÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL (RCA) REFERENTE À ATIVIDADE DE LEVANTAMENTO SÍSMICO Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos TERMO DE REFERÊNCIA ELABORACÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL (RCA) REFERENTE À ATIVIDADE DE LEVANTAMENTO

Leia mais

CAPITULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

CAPITULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 02/2014, DE 26 DE FEVEREIRO DE 2014. PUBLICADA NO DOE/PA Nº 32594, DE 28/02/2014, CADERNO 5 PÁGINAS 6-8 Data: 26 de fevereiro de 2014. Define procedimentos administrativos para a

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO. Prof. Dr. Israel Marinho Pereira imarinhopereira@gmail.com

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO. Prof. Dr. Israel Marinho Pereira imarinhopereira@gmail.com ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE RECUPERAÇÃO PRAD Prof. Dr. Israel Marinho Pereira imarinhopereira@gmail.com ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PRAD O Plano de Recuperação de Áreas Degradadas (PRAD), deverá

Leia mais

: Transforme seu plantio em um fundo de investimento ativo. The single source for Forest Resource Management

: Transforme seu plantio em um fundo de investimento ativo. The single source for Forest Resource Management : Transforme seu plantio em um fundo de investimento ativo The single source for Forest Resource Management 2 Tecnologia laser aerotransportada LiDAR LiDAR é um sistema ativo de sensoriamento remoto, originalmente

Leia mais