SISTEMAS SILVICULTURAIS APLICADOS ÀS FLORESTAS TROPICAIS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SISTEMAS SILVICULTURAIS APLICADOS ÀS FLORESTAS TROPICAIS"

Transcrição

1 C:\Documents and Settings\DISCO_F\MEUS-DOCS\LIVRO_ENF_344\enf344_PDF\CAP_VIII_SIST-SILV-QUADROS.doc 127 SISTEMAS SILVICULTURAIS APLICADOS ÀS FLORESTAS TROPICAIS O conceito de manejo fundamenta-se no fato de a floresta ser um recurso natural renovável a qual, se manejada adequadamente, isto é, respeitando-se os limites impostos pelos elementos do meio biótico (clima, solo, vegetação, água e fauna), pode proporcionar bens e serviços à sociedade de forma sustentada. O manejo engloba atividades relacionadas com os processos de colheita de madeira e com os tratamentos silviculturais aplicados ao estoque de árvores remanescentes e à regeneração natural para guarantir as produções sustentadas dos referidos bens e serviços. O objetivo básico do manejo florestal é manter a produtividade e a qualidade da floresta. Contudo, o manejo florestal natural não envolve praticamente nenhuma intervenção humana nos estágios de regeneração e de crescimento. Nesse contexto, o manejo natural só existirá se a exploração for limitada ao incremento e se houver tempo suficiente para a reposição natural. Com o aumento na intensidade de exploração, torna-se necessário investir trabalho e recurso na manutenção da produtividade, o que é obtido mediante a aplicação de um sistema silvicultural. Sistema silvicultural é um conjunto de regras e ações necessárias para conduzir uma floresta a uma nova colheita, incluindo, principalmente os tratamentos silviculturais. Entende-se por sistema silvicultural, segundo TROUP (1966), o processo pelo qual os constituintes da colheita de uma floresta são assistidos, removidos e substituídos por uma nova colheita, resultando na produção de madeira de uma forma distinta. Apezar de terem sido desenvolvidos uma série de sistemas sliviculturais nos trópicos, com base na regeneração natural, estes podem ser resumidos em dois grupos: os sistemas monocíclico e os policíclicos. MONOCÍCLICOS referem-se aos sistemas em que todo estoque de árvores de madeira comercial é removido em uma única operação, com o objetivo de criar uma floresta alta eqüiânea a partir de regeneração natural, para exploração em rotações definidas. Inclui, entre outros, os sistemas: SUM (Sistema Uniforme Maláio), SUMM (Sistema Uniforme Maláio Modificado) e o SCT (Sistema de Cobertura nos Trópicos). POLICÍCLICOS referem-se aos sistemas em que as operações de colheita são aplicadas periodicamente em apenas uma parte dos indivíduos e das espécies comerciais, executando-se os cortes em intervalos regulares, denominados de ciclos de cortes, com o objetivo de manter uma floresta alta multiânea ou ineqüiânea, manejada, prioritariamente, para espécies comerciais. Inclui, principalmente o Sistema de Seleção (SSE) e o Sistema de Espécies Listadas (SEL). 127

2 C:\Documents and Settings\DISCO_F\MEUS-DOCS\LIVRO_ENF_344\enf344_PDF\CAP_VIII_SIST-SILV-QUADROS.doc 128 De maneira geral (Quadro 1), um sistema silvicultural consiste em três fases principais: Colheita ou exploração de um crescimento prévio. Regeneração das áreas de colheita. Favorecimento, ou seja, assistência silvicultural a regeneração e ao estoque em crescimento. Quadro1 Caracterização dos sistemas silviculturais Operação Tipo Característica Exploração Seletiva Corte raso Corte seletivo em uma área específica, adotando-se um ciclo de corte. Corte raso numa área, em uma única operação. Regeneração Natural Artificial Mudas da regeneração natural ou rebrota. Mudas de viveiro. Tratamento silvicultural De baixa intensidade De alta intensidade Fonte: FAO (1989) 3. TRATAMENTO SILVICULTURAL Refere-se à ações que são executadas numa floresta visando aumentar a qualidade e a produtividade da mesma. Uma floresta é considerada manejada se houver prescrição e efetiva aplicação de tratamentos silviculturais. Os tratamentos silviculrurais que são aplicáveis no manejo das florestas naturais são: 3.1. Corte de cipós 3.2. Exploração florestal 3.3. Refinamento 3.4. Liberação 3.5. Plantio de enriquecimento 128

3 C:\Documents and Settings\DISCO_F\MEUS-DOCS\LIVRO_ENF_344\enf344_PDF\CAP_VIII_SIST-SILV-QUADROS.doc Corte de cipós Ação cortar cipós lenhosos que se encontram presos nas árvores marcadas para abate e, ou, a serem favorecidas nos tratamentos silviculturais. Objetivos promover a abertura da floresta, liberrar as árvores para abate, diminuir danos, dar maior segurança às operaçoes de abate e de tratamentos silviculturais, liberar competição por umidade, nutrientes e luz. Execução usar facão ou foice e executar o corte em dois lugares, rente ao chão e o mais alto possível. Época até 1 (um) ano antes da exploração e, sempre que possível, antecedendo o período chuvoso Exploração ou colheita florestal Refere-se ao conjunto de operações que começa com o planejamento e compreende a derrubada ou corte ou abate direcional das árvores, o arraste das toras, o seu manuseio no pátio de estocagem e o seu transporte. Cada operação pode afetar um ou vários componentes do ecossistema: a água; o solo; a fauna; a vegetação, ou seja, a arquitetura, a composição florística, e as estruturas horizontal, vertical, interna e paramétrica. Enfim, essas operações podem afetar positivamente e negativamente a qualidade e a produtivedade das florestas. Contudo, representam tratamentos siviculturais, somente as operações de exploração florestal que efitivamente modificam a estrutura e a arquitetura da floresta, ou seja, a abertura de acessos, o corte de cipós o abate de árvores e o arraste de toras. Somente o abate de árvores comerciais tem sido avaliado como tratamento silvicultural, porque representa a operação fundamental de qualquer sistema sivicultural Abate Direcional - Executar corte direcional com motosseras e com uso de cunhas. Derrubar somente as árvores marcadas.antes de derrubar a árvore marcada, a equipe deverá determinar a melhor direção de queda, de forma a: garantir maior segurança a equipe de abate; colocar a árvore na melhor posição de arraste; e evitar danos às árvores pré-comerciais (árvores da próxima colheita). Recomenda-se derrubar as árvores num arranjo denominado espinha de peixe REFINAMENTO E LIBERAÇÃO Refinamento Compreende a eliminação de indivíduos arbóreos com características indesejáveis. É aplicado de maneira uniforme na floresta. 129

4 C:\Documents and Settings\DISCO_F\MEUS-DOCS\LIVRO_ENF_344\enf344_PDF\CAP_VIII_SIST-SILV-QUADROS.doc 130 Liberação Refere-se ao favorecimento de indivíduos arbóreos desejáveis. É aplicada somente no entorno da árvore desejável. Refinamento e Liberação são aplicados de duas formas: a) por meio do abate de árvores; e b) por meio do anelamento e, ou envenenamento com herbicidas. A escolha entre as formas de execução depende do comportamento ecofisiológico das espécies e da fatores econômicos PLANTIO DE ENRIQUECIMENTO Visa a melhorar a composição de espécies do povoamento florestal, por meio do plantio de mudas de espécies autóctones de valor comercial, ambiental, e, ou, comercial. É recomendado mais como uma medida mitigadora de efeitos ambientais negativos de que uma opção silvicultural. Se a decisão for executar o plantio de enriquecimento, deve-se observar o grupo ecofisológico das espécies as condições climáticas e edáficas dos locais de plantio. Deve ser executado em linha, e, ou, em grupos. De preferência após o refinamento e, ou, a liberação. Plantar uma muda de boa qualidade. Dentro das linhas, as mudas deverão ser plantadas nos locais mais apropriados, segundo as exigências ecofisiológicas da espécie. Contudo, executar, a priori, rigoroso estudo florístico, fitossociologico e paramétrico. A seguir são apresentados alguns sistemas silviculturais que têm sido aplicados no manejo das florestas tropicais, respectivamente, na Ásia, na África e na América. QUADRO 2 Seqüência das operações no Sistema de Seleção (SSE), na Malásia. ANO OPERAÇÃO n - 2 a n 1 Inventário pré-exploratório usando amostragem sistemática. Determinação do limite de corte. n - 1 a n Corte de cipós para reduzir danos durante o abate. Marcação de árvores, incorporando direção de queda. Nenhuma marcação de árvores residuais para retenção. Derrubada de todas as árvores marcadas, de acordo com a prescrição. n n + 2 a n + 5 Inventário pós-exploratório sistemático para determinar estoque residual e tratamentos silviculturais apropriados. 130

5 C:\Documents and Settings\DISCO_F\MEUS-DOCS\LIVRO_ENF_344\enf344_PDF\CAP_VIII_SIST-SILV-QUADROS.doc 131 QUADRO 3 Seqüência de Operações no Sistema de Seleção por Desbaste de Liberação, em Sarawak ANO n n + 1 n + 31 OPERAÇÕES Primeira exploração seletiva, com limite de dap de 60 cm. Marcação de árvores de espécies comerciais reservadas, com 10 dap < 60 cm. Anelamento/envenenamento de todas as árvores não-comerciais com dap 60 cm, das sobrepostas ou que competem com uma reservada e daquelas que poderão competir com as reservadas no futuro. Segunda exploração seletiva, com limite de dap de 60 cm. n + 32 Desbaste de liberação da floresta residual, como em n + 1. QUADRO 4 Seqüência de Operações no Sistema Uniforme Malaio Modificado(SUMM), ainda em uso na Malásia. ANO OPERAÇÕES Enumeração completa das árvores com dap > 35 cm. Marcação n - 1 a n -0,5 de árvores somente para checagem da eficiência do abate. Nenhuma marcação de árvore residual para retenção. n Derrubada de todas as espécies comerciais e utilizáveis com dap 45 cm. n + 0,25 Amostragem pós-exploração para determinar multas sobre árvores até marcadas e não derrubadas, direitos sobre toras e copas deixadas n + 0,5 e danos aos remanescentes. n + 2 a n + 5 Amostragem linear da regeneração para determinar tratamentos silviculturais apropriados. n + 20 Amostragem linear da floresta regenerada para determinar o estado da floresta. 131

6 C:\Documents and Settings\DISCO_F\MEUS-DOCS\LIVRO_ENF_344\enf344_PDF\CAP_VIII_SIST-SILV-QUADROS.doc 132 QUADRO 5 - Seqüência de Operações no Sistema Uniforme Estratificado (SUE), em Sabah ANO OPERAÇÕES n - 2 a n - 1 Locação dos talhões. Primeiro tratamento silvicultural. Marcação de árvores protetoras. Corte de cipós. n Operação de derrubada. n + 0 a 1 mês Inspeção de limpeza. n + 0 a 2 Avaliação da regeneração, por amostragem linear (parcelas de mêses 2 m x 2 m). n + 3 a 6 Segundo tratamento silvicultural. Primeiro anelamento ou meses envenenamento de árvores indesejáveis e defeituosas. Corte de n + 10 a n + 15 cipós, se necessário. Avaliação da regeneração, por amostragem linear (parcelas de 10 m x 10 m). QUADRO 6 Seqüência de operações no Sistema de Seleção (SSE) na Flona do Tapajós, Município de Santarém, Estado do Pará ANO OPERAÇÕES n - 2 Inventário pré-exploratório com intensidade de 100%, inventariando todas as árvores com dap 60 cm e confecção de mapas de exploração. Seleção e marcação de árvores comerciais, observando boa distribuição espacial, n - 1 para evitar grandes clareiras e danos de exploração. Idem para as árvores a serem retidas. Efetuar corte de cipós. Instalação de parcelas permanentes, na proporção de 1 ha para cada 250 a 300 ha de floresta produtiva. n Exploração florestal, observando derrubada direcional, se possível. Extração de 30 a 40 m 3 /ha de árvores com dap 60 cm. n + 1 Remedição de parcelas permanentes, para avaliar danos e estoque residual. Anelamentoe, ou, envenenamento de árvores de espécies indesejáveis e de n + 2 espécies valiosas severamente danificadas. Redução de um terço (33%) na área basal original, incluindo exploração e desbaste. n + 3 Remedição de parcelas permanentes. n + 5 Remedição de parcelas permanentes. Raleamento para favorecer o incremento das espécies comerciais residuais e n + 10 retidas. Remedição das parcelas permanentes a cada cinco anos e aplicação de tratamentos silviculturais a cada dez anos. Fonte: SILVA (1989) e SILVA e WHITMORE (1990). 132

7 C:\Documents and Settings\DISCO_F\MEUS-DOCS\LIVRO_ENF_344\enf344_PDF\CAP_VIII_SIST-SILV-QUADROS.doc 133 QUADRO 7 - Seqüência de Operações no Sistema de Seleção de Espécies Listadas (SEL) na região de Manaus, Amazonas, Brasil ANO n - 5 n - 2 n - 1 OPERAÇÕES Definição de Espécies Listadas (EL). Inventário de baixa intensidade: inventário comercial (IC) englobando árvores com dap 20 cm. Inventário Diagnóstico (ID) da regeneração natural para avaliar estoque de EL infantil/juvenil. Se não houver estoque, apresentar plano detalhado de exploração florestal. Marcação e delimitação definitiva do primeiro talhão e de parcelas permanentes. ID na fase juvenil do talhão, avaliando o estado de competição das EL. Corte de cipós e anelamento de árvores indesejáveis, conforme ID na fase juveil. Marcação de árvores para abate. n Exploração florestal, incluindo as operações de corte e de arraste. n + 1 ID nas fases infantil e juvenil, para avaliar danos e prescrever tratamentos silviculturais. n + 2 Anelamento de espécies indesejáveis nos três estratos, conforme resultados do ID n + 5 ID para avaliar os efeitos dos tratamentos, dos inventários diagnósticos antigos e, ou, prescrever novos tratamento silviculturais. n +10 Monitoramento do crescimento e do incremento da floresta residual. ID na fase juvenil, para ajustar tratamentos silviculturais. Fonte: HIGUCHI et alii (1990). QUADRO 8 Seqúência das operações do sistema CELOS (Centre for Agricultural Research in Suriname), aplicado no Suriname FASE OPERAÇÕES Pré-exploração Abertura de acesso à floresta. Avaliação e mapeamento de árvores comerciais. Amostragem da regeneração avançada valiosa e total. Corte de cipós. Marcação de parcelas permanentes. Avaliação da produção em mapas e no campo. Exploração Derrubada e arraste de árvores comerciais. Pós-exploração Amostragem para determinar a distribuição diamétrica. Marcação de árvores para refinamento e corte de cipós. Segunda medição das parcelas permanentes. Repetição dessas operações durante o ciclo de corte. GRAAF (1987) cita os seguintes princípios básicos para que o sistema seja aplicado com sucesso: 1) Exploração e tratamentos silviculturais devem ser integrados. 2) O inventário florestal é a base para o planejamento das operações silviculturais e de exploração, bem como para o controle do desenvolvimento do estoque, do impacto da exploração e dos efeitos dos tratamentos. 133

8 C:\Documents and Settings\DISCO_F\MEUS-DOCS\LIVRO_ENF_344\enf344_PDF\CAP_VIII_SIST-SILV-QUADROS.doc 134 3) A extração de madeira é restringida para manter ao máximo possível as funções ecológicas da floresta, reduzindo o dano da exploração e da exportação de nutrientes. 4) O sistema é policíclico, com ciclos de corte de 15 a 25 anos, dependendo do incremento atingido e da dimensão das toras. 5) As unidades de manejo têm de funcionar como distritos florestais, mantendo uma infra-estrutura de uso múltiplo para estradas e instalações para o trabalho florestal. 6) Uma sólida legislação florestal deve savalguardar a posição legal das zonas de manejo e dos distritos florestais. De acordo com GRAAF (1987), além da melhoria do incremento e da regeneração, podem-se apontar as seguintes vantagens do sistema: 1) A estrutura multiânea da floresat é retida, o que mantém muitas opções abertas. 2) Não é vulnerável para ser negligenciado. 3) Há pouco risco de incêndios florestais. 4) Pragas e doenças são riscos calculados. 5) O capital de nutrientes é preservado na fitomassa. 6) A função filtrante da floresta é amplamente mantida. 7) Há pequenas mudanças somente na fauna, na flora e no ciclo hidrológico. 8) Mantém muitos produtos secundários ainda disponíveis. QUADRO 9 - Seqüência de operações no Sistema de Corte Raso em Faixas (SCF), implantado no Vale de Palcazú, Peru Ano 1985 Operações Censo das árvores que seriam cortadas (DAP > 10 cm) nas faixas. Inventário das árvores com DAP > 30 cm na floresta adjacente não explorada Operação de derruba. 1987/88 Marcação das parcelas permanentes. Inventário e plaqueteamento dos indivíduos com h > 0,5 m. Tratamentos silviculturais Medição e controle (enumeração e replaqueteamento) das parcelas permanentes. 134

9 C:\Documents and Settings\DISCO_F\MEUS-DOCS\LIVRO_ENF_344\enf344_PDF\CAP_VIII_SIST-SILV-QUADROS.doc 135 QUADRO 10 Seqüência da operações no Manejo em Faixas Alternadas MFA, implantado em Floresta Estacional perenifólia aberta, município de Codó, Estado do Maranhão, Brazil Ano Operações n-1 Instalação e primeira medição das parcelas permanentes; n-1 Locação das faixas - 75 m orientadas no sentido Leste-Oeste, subdividida em duas faixas: uma de 50 m (aproximadamente duas vezes a altura média do dossel) e outra de 25 m. Em área com declividade superior a 5 %, em razão da necessidade de conservação dos solos, a locação das faixas deverá seguir as curvas de nível, conforme mapa da área; n-1 Corte de cipós; n-1 Marcação das árvores de espécies protegidas e de matrizes; n Retenção de todas as árvores na subfaixa de 25 m; n Corte das árvores com motosserra, na faixa de 50 m, exceto as protegidas e as matrizes. Rebaixamento de galhada e locação do carreador no centro da subfaixa de 50 m; n Extração mecanizada (trator de pneu + carreta); n Proteção Florestal (cercas e aceiros); n+1 Segunda medição das parcelas permanentes; n+2 Tratamento silvicultural na faixa colhida, conforme resultado do monitoramento. QUADRO 11 Seqüência da operações no Sistema de Corte Seletivo (SCS) aplicado em Faixas Alternadas, implantado em Floresta Estacional perenifólia aberta, município de Codó, Estado do Maranhão, Brazil Ano Operações n-1 Instalação e primeira medição das parcelas permanentes; n-1 Corte de cipós; n-1 Marcação das árvores de espécies protegidas e de matrizes; n Na faixa de colheita, retenção de todas as árvores com DAP < 8cm; n Corte com motosserra de todas as árvores com DAP 8 cm, exceto as protegidas e as matrizes; n Extração mecanizada (trator de pneu + carreta); n Proteção Florestal (cercas e aceiros); n+1 Segunda medição das parcelas permanentes; n+2 Tratamento silvicultural nas unidades de produção, conforme resultado do monitoramento. 135

PRÁTICAS SILVICULTURAIS

PRÁTICAS SILVICULTURAIS CAPÍTULO 10 PRÁTICAS SILVICULTURAIS 94 Manual para Produção de Madeira na Amazônia APRESENTAÇÃO Um dos objetivos do manejo florestal é garantir a continuidade da produção madeireira através do estímulo

Leia mais

C:\Documents and Settings\DISCO_F\MEUS-DOCS\LIVRO_ENF_344\enf344_PDF\CAP_VII_SIST. COLHEITA.doc 109 SISTEMA DE COLHEITA

C:\Documents and Settings\DISCO_F\MEUS-DOCS\LIVRO_ENF_344\enf344_PDF\CAP_VII_SIST. COLHEITA.doc 109 SISTEMA DE COLHEITA C:\Documents and Settings\DISCO_F\MEUS-DOCS\LIVRO_ENF_344\enf344_PDF\CAP_VII_SIST. COLHEITA.doc 109 SISTEMA DE COLHEITA Um plano de manejo florestal envolve, entre outras, atividades relacionadas com os

Leia mais

PLANEJAMENTO DA EXPLORAÇÃO

PLANEJAMENTO DA EXPLORAÇÃO CAPÍTULO 4 PLANEJAMENTO DA EXPLORAÇÃO Planejamento da Exploração 43 APRESENTAÇÃO A localização e o tamanho dos pátios de estocagem, a posição dos ramais de arraste e a direção de queda das árvores são

Leia mais

SISTEMAS SILVICULTURAIS APLICADOS ÀS FLORESTAS TROPICAIS. Agostinho Lopes de Souza e Fernando Cristóvan Silva Jardim ÍNDICE

SISTEMAS SILVICULTURAIS APLICADOS ÀS FLORESTAS TROPICAIS. Agostinho Lopes de Souza e Fernando Cristóvan Silva Jardim ÍNDICE SISTEMAS SILVICULTURAIS APLICADOS ÀS FLORESTAS TROPICAIS Agostinho Lopes de Souza e Fernando Cristóvan Silva Jardim ÍNDICE Página PREFÁCIO... 2 1. COSIDERAÇÕES GERAIS... 3 2. SISTEMA SILVICULTURAIS APLICADOS

Leia mais

DEMARCAÇÃO DA EXPLORAÇÃO FLORESTAL

DEMARCAÇÃO DA EXPLORAÇÃO FLORESTAL CAPÍTULO 5 DEMARCAÇÃO DA EXPLORAÇÃO FLORESTAL Demarcação da Exploração Florestal 53 APRESENTAÇÃO A demarcação das estradas, ramais de arraste, pátios de estocagem e a indicação da direção de queda das

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS. Parcela permanente (quando houver), tamanho e localização.

GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS. Parcela permanente (quando houver), tamanho e localização. TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DE PLANO OPERACIONAL DE EXPLORAÇÃO - POE CATEGORIA: MENOR E MAIOR IMPACTO DE EXPLORAÇÃO 1. Informações Gerais 1.1 Identificação Processo Administrativo; Número do Processo;

Leia mais

PLANO DE MANEJO FLORESTAL SUSTENTÁVEL. Resumo Público

PLANO DE MANEJO FLORESTAL SUSTENTÁVEL. Resumo Público PLANO DE MANEJO FLORESTAL SUSTENTÁVEL Resumo Público RIO CAPIM PA / 2011 2 EMPRESA CIKEL BRASIL VERDE MADEIRAS LTDA - COMPLEXO RIO CAPIM Fazenda Rio Capim, Rod. BR 010, Km 1564, Zona Rural Paragominas-PA

Leia mais

FLORESTAS PLANTADAS E CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NO BRASIL

FLORESTAS PLANTADAS E CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NO BRASIL FLORESTAS PLANTADAS E CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NO BRASIL Uma posição institucional conjunta de: Instituto de Pesquisas e Estudos Florestais Sociedade Brasileira de Silvicultura Departamento de Ciências

Leia mais

A BIOMASSA FLORESTAL PRIMARIA

A BIOMASSA FLORESTAL PRIMARIA A BIOMASSA FLORESTAL PRIMARIA Entende-se por biomassa florestal primaria (BFP) a fração biodegradável dos produtos gerados e que são processados com fins energéticos. Nos casos dos reflorestamentos, a

Leia mais

ETAPAS PARA O PLANEJAMENTO E IMPLEMENTAÇÃO DE UM PROJETO DE RAD

ETAPAS PARA O PLANEJAMENTO E IMPLEMENTAÇÃO DE UM PROJETO DE RAD ETAPAS PARA O PLANEJAMENTO E IMPLEMENTAÇÃO DE UM PROJETO DE RAD Departamento de Engenharia Florestal/DEFl/DEF Lab. de Conservação de Ecossistemas e Recuperação de Áreas Prof. Israel Marinho Pereira imarinhopereira@gmail.com

Leia mais

Resumo público do Plano de Manejo Florestal Sustentável Comunitário

Resumo público do Plano de Manejo Florestal Sustentável Comunitário Resumo público do Plano de Manejo Florestal Sustentável Comunitário Nome do empreendimento: Associação Seringueira Porto Dias CNPJ: 01.444.236/0001-80 Presidente: Raimundo Ferreira da Silva Código FSC:

Leia mais

6 Exploração florestal ATENÇÃO!

6 Exploração florestal ATENÇÃO! 6 Exploração florestal 6.1 O que depende de autorização ambiental? Uso alternativo do solo Toda intervenção na cobertura vegetal nativa (ou seja, desmatamento com ou sem destoca, raleamento ou brocamento

Leia mais

Termo de Referência para Elaboração do Plano de Manejo Florestal Sustentável

Termo de Referência para Elaboração do Plano de Manejo Florestal Sustentável Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos Termo de Referência para Elaboração do Plano Avenida Nascimento de Castro, 2127 Lagoa Nova Natal RN

Leia mais

MÉTODO PERT/CPM APLICADO NO MANEJO DE FLORESTAS NATIVAS

MÉTODO PERT/CPM APLICADO NO MANEJO DE FLORESTAS NATIVAS MÉTODO PERT/CPM APLICADO NO MANEJO DE FLORESTAS NATIVAS João Ricardo Vasconcellos Gama Estudante D.S. Agostinho Lopes de Souza Professor Orientador 1. INTRODUÇÃO PERT - Program Evaluation and Review Technique

Leia mais

Silvicultura de Nativas e a Restauração de APP e RL. Robson Oliveira Laprovitera Gerente Florestal

Silvicultura de Nativas e a Restauração de APP e RL. Robson Oliveira Laprovitera Gerente Florestal Silvicultura de Nativas e a Restauração de APP e RL Robson Oliveira Laprovitera Gerente Florestal Outubro/ 2009 Índice 1. Apresentação Institucional 2. Manejo Florestal da International Paper 3. Ecologia

Leia mais

FUNDAÇÃO FLORESTA TROPICAL

FUNDAÇÃO FLORESTA TROPICAL FUNDAÇÃO FLORESTA TROPICAL MANUAL DE PROCEDIMENTOS TÉCNICOS PARA CONDUÇÃO DE MANEJO FLORESTAL E EXPLORAÇÃO DE IMPACTO REDUZIDO Versão preliminar 4.0 Belém, outubro de 2002 MANUAL DE PROCEDIMENTOS TÉCNICOS

Leia mais

NORMA DE EXECUÇÃO N.º 2, DE 26 DE ABRIL DE 2007

NORMA DE EXECUÇÃO N.º 2, DE 26 DE ABRIL DE 2007 INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS DIRETORIA DE FLORESTAS NORMA DE EXECUÇÃO N.º 2, DE 26 DE ABRIL DE 2007 Institui, no âmbito desta Autarquia, o Manual Simplificado

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DA AMAZÔNIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO PPG MESTRADO EM CIÊNCIAS FLORESTAIS

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DA AMAZÔNIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO PPG MESTRADO EM CIÊNCIAS FLORESTAIS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DA AMAZÔNIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO PPG MESTRADO EM CIÊNCIAS FLORESTAIS MARCUS VINICIUS DA SILVA FERREIRA AVALIAÇÃO ECONÔMICA DO MANEJO FLORESTAL EM

Leia mais

RESUMO PÚBLICO PLANO DE MANEJO FLORESTAL - 2015

RESUMO PÚBLICO PLANO DE MANEJO FLORESTAL - 2015 RESUMO PÚBLICO PLANO DE MANEJO FLORESTAL - 2015 Página2 Página3 APRESENTAÇÃO DA EMPRESA A Madepar Indústria e Comércio de Madeiras LTDA certificou suas florestas de acordo com os Princípios e Critérios

Leia mais

RESUMO DO PLANO DE MANEJO FLORESTAL

RESUMO DO PLANO DE MANEJO FLORESTAL RESUMO DO PLANO DE MANEJO FLORESTAL Introdução Este documento é um resumo dos programas e procedimentos da International Paper para a gestão do seu processo florestal, sendo revisado anualmente. I N T

Leia mais

Manejo Florestal Sustentável e Exploração de Impacto Reduzido na Amazônia Brasileira

Manejo Florestal Sustentável e Exploração de Impacto Reduzido na Amazônia Brasileira Manejo Florestal Sustentável e Exploração de Impacto Reduzido na Amazônia Brasileira 1 A Amazônia 2 A Amazônia possui a maior floresta do mundo, o maior sistema fluvial da Terra e uma estonteante diversidade

Leia mais

A Questão Florestal e o Desenvolvimento

A Questão Florestal e o Desenvolvimento Alcir Ribeiro Carneiro de Almeida, Eng. Ftal., MSc.,Dr. Gerente Florestal A Questão Florestal e o Desenvolvimento BNDES, Rio de Janeiro, 09 de julho de 2003 Grupo CIKEL CIKEL BRASIL VERDE S.A. - atua na

Leia mais

Inventário Florestal Nacional IFN-BR

Inventário Florestal Nacional IFN-BR Seminário de Informação em Biodiversidade no Âmbito do MMA Inventário Florestal Nacional IFN-BR Dr. Joberto Veloso de Freitas SERVIÇO FLORESTAL BRASILEIRO Gerente Executivo Informações Florestais Brasília,

Leia mais

DENDROLOGIA Histórico, Conceitos e Importância da Dendrologia

DENDROLOGIA Histórico, Conceitos e Importância da Dendrologia DENDROLOGIA Histórico, Conceitos e Importância da Dendrologia Prof. Dr. Israel Marinho Pereira imarinhopereira@gmail.com Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri UFVJM e Ecologia Florestal-LDEF

Leia mais

INFORMAÇÕES SOBRE O PLANTIO DO EUCALIPTO NO SISTEMA DE INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA-FLORESTA

INFORMAÇÕES SOBRE O PLANTIO DO EUCALIPTO NO SISTEMA DE INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA-FLORESTA INFORMAÇÕES SOBRE O PLANTIO DO EUCALIPTO NO SISTEMA DE INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA-FLORESTA Informações sobre o plantio do eucalipto no Sistema de Integração Lavoura-Pecuária-Floresta COLETA DE SOLO NA

Leia mais

Treinamento em Cálculos Florestais Diversos Por Meio do Software FlorExcel

Treinamento em Cálculos Florestais Diversos Por Meio do Software FlorExcel Treinamento em Cálculos Florestais Diversos Por Meio do Software FlorExcel Julio Eduardo Arce Professor Adjunto do Departamento de Ciências Florestais Universidade Federal do Paraná Av. Pref. Lothário

Leia mais

RELATÓRIO DE PLANTIO E VISTORIA

RELATÓRIO DE PLANTIO E VISTORIA Propriedade: Parque Ecológico Rio Formoso Código: 03/2011 Número de mudas plantadas: 150 (Cento e cinquenta) Data do plantio: 22/03/ 2011 Data da vistoria 01: 15/05/ 2011 Patrocinadores: Agência Ar - Hotel

Leia mais

XV COBREAP - CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS - IBAPE/SP 2009

XV COBREAP - CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS - IBAPE/SP 2009 XV COBREAP - CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS - IBAPE/SP 2009 ANÁLISE COMPARATIVA NA AVALIAÇÃO DE FLORESTA PLANTADA DE PINUS PELO MÉTODO DO VALOR ECONÔMICO, UTILIZANDO COMO PARÂMETROS

Leia mais

Tecnologia, Manejo e SAFs para

Tecnologia, Manejo e SAFs para Tecnologia, Manejo e SAFs para Implantação de APPs e RL Avanços da pesquisa com espécies nativas Profa. Dra. Vera Lex Engel UNESP-FCA, Campus de Botucatu Departamento de Recursos Naturais veralex@fca.unesp.br

Leia mais

PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP

PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP Autores: Eng.º Agr.º José Alberto Ávila Pires Eng.º Agr.º Wilson José Rosa Departamento Técnico da EMATER-MG Trabalho baseado em: Técnicas

Leia mais

CAPÍTULO 1 PLANO DE MANEJO FLORESTAL

CAPÍTULO 1 PLANO DE MANEJO FLORESTAL CAPÍTULO 1 PLANO DE MANEJO FLORESTAL 2 Manual para Produção de Madeira na Amazônia APRESENTAÇÃO O plano de manejo pode ser organizado em três etapas. 1 Na primeira, faz-se o zoneamento ou divisão da propriedade

Leia mais

RESUMO DO PLANO DE MANEJO FLORESTAL

RESUMO DO PLANO DE MANEJO FLORESTAL RESUMO DO PLANO DE MANEJO FLORESTAL Introdução Este documento é um resumo dos programas e procedimentos da International Paper para a gestão do seu processo florestal, sendo revisado anualmente. I N T

Leia mais

Manejo Sustentável da Floresta

Manejo Sustentável da Floresta Manejo Sustentável da Floresta 1) Objetivo Geral Mudança de paradigmas quanto ao uso da madeira da floresta, assim como a percepção dos prejuízos advindos das queimadas e do extrativismo vegetal. 2) Objetivo

Leia mais

MONITORAMENTO AMBIENTAL E O MONITORAMENTO DA AMBIÊNCIA

MONITORAMENTO AMBIENTAL E O MONITORAMENTO DA AMBIÊNCIA Universidade Federal do Ceará Centro de Ciências Agrárias Departamento de Engenharia Agrícola Programa de Pós-Graduação em Engenharia Agrícola MONITORAMENTO AMBIENTAL E O MONITORAMENTO DA AMBIÊNCIA Mariana

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL. Avaliação de Impactos Ambientais ... Camila Regina Eberle camilaeberle@hotmail.com

GESTÃO AMBIENTAL. Avaliação de Impactos Ambientais ... Camila Regina Eberle camilaeberle@hotmail.com ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL GESTÃO AMBIENTAL Avaliação de Impactos Ambientais

Leia mais

FBD.01TP.35. CE-CTET-GERAL AAP+AECOPS GER 00X / 01TP.11.--.--.

FBD.01TP.35. CE-CTET-GERAL AAP+AECOPS GER 00X / 01TP.11.--.--. IV. NORMATIVA DE CUMPRIMENTO OBRIGATÓRIO FBD.01TP.35. CE-CTET-GERAL AAP+AECOPS GER 00X / 01TP.11.-- TÍTULO01TP TRABALHOS PREPARATÓRIOS CAPÍTULO.1-. PROTECÇÕES SUB.CAPº.11. PROTECÇÃO E SEGURANÇA DA OBRA

Leia mais

CURSO DE MESTRADO EM ENGENHARIA FLORESTAL EMENTAS DE DISCIPLINAS

CURSO DE MESTRADO EM ENGENHARIA FLORESTAL EMENTAS DE DISCIPLINAS A MADEIRA NA CONSTRUÇÃO Ementa: Introdução ao material madeira. Potencialidades da madeira e o seu emprego na construção civil. Valor ecológico-ambiental das madeiras no ciclo do carbono. Aplicação como

Leia mais

CONSERVAÇÃO PRODUTIVA

CONSERVAÇÃO PRODUTIVA CONSERVAÇÃO PRODUTIVA MANEJO DO SISTEMA AGROSSILVICULTURAL CACAU CABRUCA Reunião da Câmara Setorial do Cacau MAPA, Brasilia (DF) 25 de setembro de 2014 Sérgio Murilo Correa Menezes CEPLAC SUEBA CENTRO

Leia mais

Conservação, preparo de solo e plantio de eucalipto

Conservação, preparo de solo e plantio de eucalipto Conservação, preparo de solo e plantio de eucalipto José Henrique T. Rocha José Henrique Bazani Eduardo S. A. C. Melo José Leonardo de Moraes Gonçalves Departamento de Ciências Florestais ESALQ - USP Conceitos:

Leia mais

III CONGRESSO BRASILEIRO DE REFLORESTAMENTO AMBIENTAL. USO econômico SUSTENTÁVEL DE FLORESTAS AMBIENTAIS - OS CASOS SERINGUEIRA E CACAUEIRO -

III CONGRESSO BRASILEIRO DE REFLORESTAMENTO AMBIENTAL. USO econômico SUSTENTÁVEL DE FLORESTAS AMBIENTAIS - OS CASOS SERINGUEIRA E CACAUEIRO - III CONGRESSO BRASILEIRO DE REFLORESTAMENTO AMBIENTAL Vitória (ES), 06 de novembro de 2014 USO econômico SUSTENTÁVEL DE FLORESTAS AMBIENTAIS - OS CASOS SERINGUEIRA E CACAUEIRO - Adonias de Castro Virgens

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 4, de 08 de setembro de 2009.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 4, de 08 de setembro de 2009. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 4, de 08 de setembro de 2009. Dispõe sobre procedimentos técnicos para a utilização da vegetação da Reserva Legal sob regime de manejo florestal sustentável, e dá outras providências.

Leia mais

CHECK - LIST - ISO 9001:2000

CHECK - LIST - ISO 9001:2000 REQUISITOS ISO 9001: 2000 SIM NÃO 1.2 APLICAÇÃO A organização identificou as exclusões de itens da norma no seu manual da qualidade? As exclusões são relacionadas somente aos requisitos da sessão 7 da

Leia mais

CIRCULAR TÉCNICA N o 13 PROGRAMA DE MELHORAMENTO FLORESTAL DA C.A.F.M.A. *

CIRCULAR TÉCNICA N o 13 PROGRAMA DE MELHORAMENTO FLORESTAL DA C.A.F.M.A. * CIRCULAR TÉCNICA N o 13 PBP/2.A3 (Arquivar nesta pasta) PROGRAMA DE MELHORAMENTO FLORESTAL DA C.A.F.M.A. * 1 INTRODUÇÃO Iniciando os seus plantios em 1958, na região de Agudos (SP), a Companhia Agro Florestal

Leia mais

- Visa otimizar e diversificar a produção;

- Visa otimizar e diversificar a produção; Sistemas Agroflorestais (SAF) - Combinação de espécies arbóreas com cultivos agrícolas (fruticultura, plantas anuais, etc) ou criação de animais; - Visa otimizar e diversificar a produção; Sistemas Agroflorestais

Leia mais

AMC AUTORIZAÇÃO DE MANEJO DA CABRUCA. Hermann Rehem Rosa da Silva Eng. Agrônomo - Especialista em Meio Ambiente e Recursos Hídricos INEMA/IOS

AMC AUTORIZAÇÃO DE MANEJO DA CABRUCA. Hermann Rehem Rosa da Silva Eng. Agrônomo - Especialista em Meio Ambiente e Recursos Hídricos INEMA/IOS AMC AUTORIZAÇÃO DE MANEJO DA CABRUCA Hermann Rehem Rosa da Silva Eng. Agrônomo - Especialista em Meio Ambiente e Recursos Hídricos INEMA/IOS Decreto Estadual Nº 15180 DE 02/06/2014 Regulamenta a gestão

Leia mais

NA BUSCA DO AUMENTO DA PRODUTIVIDADE FLORESTAL E REDUÇÃO DO CUSTO OPERACIONAL.

NA BUSCA DO AUMENTO DA PRODUTIVIDADE FLORESTAL E REDUÇÃO DO CUSTO OPERACIONAL. TÉCNICAS MODERNAS DE PREPARO DO SOLO NA BUSCA DO AUMENTO DA PRODUTIVIDADE FLORESTAL E REDUÇÃO DO CUSTO OPERACIONAL. Edésio P. Bortolas 1 João Batista Rosa 2 1. INTRODUÇÃO A unidade florestal da Klabin

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

CONTEXTO. mundial de celulose branqueada de eucalipto

CONTEXTO. mundial de celulose branqueada de eucalipto MONITORAMENTO E CONTROLE DE ESPÉCIES EXÓTICAS INVASORAS NA ARACRUZ CELULOSE S.A. Ana Paula C. do Carmo (Aracruz( Celulose S.A.) Silvia R. Ziller (Instituto Hórus) CONTEXTO Maior produtora Unidade Barra

Leia mais

Portaria n.º 172, de 24 de abril de 2014.

Portaria n.º 172, de 24 de abril de 2014. Portaria n.º 172, de 24 de abril de 2014. O SECRETÁRIO DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE, no uso de suas atribuições constitucionais previstas no Art. 71, inciso IV, da Constituição do Estado de Mato Grosso,

Leia mais

APROVEITAMENTO DA BIOMASSA RESIDUAL DE COLHEITA FLORESTAL

APROVEITAMENTO DA BIOMASSA RESIDUAL DE COLHEITA FLORESTAL APROVEITAMENTO DA BIOMASSA RESIDUAL DE COLHEITA FLORESTAL XIV Seminário de Atualização Sobre Sistemas de Colheita de Madeira e Transporte Florestal Curitiba, Agosto 2006 1. Introdução O preço do petróleo

Leia mais

BIODIVERSIDADE E MANEJO SUSTENTÁVEL DA FLORESTA TROPICAL 1 BIODIVERSIDADE

BIODIVERSIDADE E MANEJO SUSTENTÁVEL DA FLORESTA TROPICAL 1 BIODIVERSIDADE BIODIVERSIDADE E MANEJO SUSTENTÁVEL DA FLORESTA TROPICAL 1 João Artur Silva 2 Márcio Ribeiro² Wilson Junior Weschenfelder² BIODIVERSIDADE Modelos de Diversidade A diversidade biológica varia fortemente

Leia mais

ÍNDICE. Fotos: Greenpeace Designer Gráfico: Carol Patitucci

ÍNDICE. Fotos: Greenpeace Designer Gráfico: Carol Patitucci FSC - SECR - 0030 ÍNDICE 3 4 6 8 9 10 11 12 13 14 15 Sua empresa vai ficar fora do mercado O que é manejo florestal Resumo das Etapas do Manejo Florestal O que é Certificação Florestal Como funciona O

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO AMBIENTAL SEDAM.

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO AMBIENTAL SEDAM. GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO AMBIENTAL SEDAM. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01 DE 30 DE MAIO DE 2011 Normatiza a atividade de silvicultura econômica com espécies nativas

Leia mais

SERVIÇOS DE DESENVOLVIMENTO DE APLICATIVO PARA COLETA DE DADOS PARA MONITORAMENTO DE RESTAURAÇÃO FLORESTAL

SERVIÇOS DE DESENVOLVIMENTO DE APLICATIVO PARA COLETA DE DADOS PARA MONITORAMENTO DE RESTAURAÇÃO FLORESTAL SERVIÇOS DE DESENVOLVIMENTO DE APLICATIVO PARA COLETA DE DADOS PARA MONITORAMENTO DE RESTAURAÇÃO FLORESTAL 1. Contextualização A The Nature Conservancy (TNC) é uma organização sem fins lucrativos, que

Leia mais

CONTRATAÇÃO DE INSTRUTORES NA ÁREA AMBIENTAL PARA SERVIÇOS DE CONSULTORIA.

CONTRATAÇÃO DE INSTRUTORES NA ÁREA AMBIENTAL PARA SERVIÇOS DE CONSULTORIA. CONTRATAÇÃO DE INSTRUTORES NA ÁREA AMBIENTAL PARA SERVIÇOS DE CONSULTORIA. 1. OBJETIVO Contratação de profissionais com formação nas áreas de ciências biológicas, florestais, agronômicas, econômicas e

Leia mais

Easy PDF Creator is professional software to create PDF. If you wish to remove this line, buy it now.

Easy PDF Creator is professional software to create PDF. If you wish to remove this line, buy it now. PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO MUNICIPAL INTEGRADO PDMI Instrumentos de Gestão Ambiental Anexo 12 - Arborização Urbana e Passeio Público (GAPP) A arborização deve ser sempre realizada respeitando os preceitos

Leia mais

Ação 14- Indicação de Áreas Protegidas para Criação de Unidades de Conservação (incluindo nascentes e trechos de cursos de água com Classe Especial)

Ação 14- Indicação de Áreas Protegidas para Criação de Unidades de Conservação (incluindo nascentes e trechos de cursos de água com Classe Especial) 180 SUB-PROGRAMA 7 USO DO SOLO Áreas Protegidas Este Sub-Programa contempla uma única ação, que trata da Indicação de Áreas Protegidas para Criação de Unidades de Conservação (incluindo nascentes e trechos

Leia mais

LEGISLAÇÃO FLORESTAL APLICADA. Docentes Eng. Ftal. Irene Tosi Ahmad Eng. Agr. Renata Inês Ramos

LEGISLAÇÃO FLORESTAL APLICADA. Docentes Eng. Ftal. Irene Tosi Ahmad Eng. Agr. Renata Inês Ramos LEGISLAÇÃO FLORESTAL APLICADA Docentes Eng. Ftal. Irene Tosi Ahmad Eng. Agr. Renata Inês Ramos Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado de São Paulo Artigo 1º

Leia mais

Manejo Florestal Sustentável: Dificuldade Computacional e Otimização de Processos

Manejo Florestal Sustentável: Dificuldade Computacional e Otimização de Processos Manejo Florestal Sustentável: Dificuldade Computacional e Otimização de Processos Daniella Rodrigues Bezerra 1, Rosiane de Freitas Rodrigues 12, Ulisses Silva da Cunha 3, Raimundo da Silva Barreto 12 Universidade

Leia mais

Figura 1: Bosque de Casal do Rei, alguns meses após o incêndio que ocorreu no Verão de 2005.

Figura 1: Bosque de Casal do Rei, alguns meses após o incêndio que ocorreu no Verão de 2005. Estudo da vegetação 1. Introdução A intensa actividade humana desenvolvida na região Centro ao longo dos últimos milénios conduziu ao desaparecimento gradual de extensas áreas de floresta autóctone, que

Leia mais

MANEJO DO PALMITEIRO Euterpe edulis NO ESTADO DE SANTA CATARINA

MANEJO DO PALMITEIRO Euterpe edulis NO ESTADO DE SANTA CATARINA MANEJO DO PALMITEIRO Euterpe edulis NO ESTADO DE SANTA CATARINA IN-35 INSTRUÇÕES GERAIS: A Exploração do Palmiteiro (Euterpe edulis) no estado de Santa Catarina, deverá obedecer os critérios estabelecidos

Leia mais

Estratégias para evitar o desmatamento na Amazônia brasileira. Antônio Carlos Hummel Diretor Geral Serviço Florestal Brasileiro

Estratégias para evitar o desmatamento na Amazônia brasileira. Antônio Carlos Hummel Diretor Geral Serviço Florestal Brasileiro Estratégias para evitar o desmatamento na Amazônia brasileira Antônio Carlos Hummel Diretor Geral Serviço Florestal Brasileiro Perfil - 2-1. Fatos sobre Brasil 2. Contexto Florestal 3. Estratégias para

Leia mais

Por que escolhemos investir no mercado de madeira tropical?

Por que escolhemos investir no mercado de madeira tropical? Por que escolhemos investir no mercado de madeira tropical? O Brasil possui uma superfície de 470 milhões de ha de florestas nativas. Fonte: FAO 2005 Apenas 45% da cobertura florestal nativa é considerada

Leia mais

Agroecologia. Agroecossistema

Agroecologia. Agroecossistema Agroecologia Ciência integradora dos princípios agronômicos, ecológicos e sócio-econômicos na compreensão da natureza e funcionamento dos agroecossistemas. Agroecossistema Unidade de estudo da Agroecologia,

Leia mais

A importância da gestão para o pequeno e médio produtor florestal

A importância da gestão para o pequeno e médio produtor florestal A importância da gestão para o pequeno e médio produtor florestal Richard Respondovesk ESALQ - 20/08/2014 Tópicos A Empresa Áreas de atuação Cadeia produtiva florestal Planejamento e mercado Uso de tecnologias

Leia mais

D1.3. Uso agrícola ------- vai para o item A1.3. Uso da área a ser restaurada para o cultivo de espécies agrícolas anuais ou perenes.

D1.3. Uso agrícola ------- vai para o item A1.3. Uso da área a ser restaurada para o cultivo de espécies agrícolas anuais ou perenes. 1 Chave para escolha de métodos de restauração florestal Uma forma de fazer essa associação entre o diagnóstico e as ações de restauração é por meio de um modelo semelhante a chaves dicotômicas usadas

Leia mais

PROGRAMAS AMBIENTAIS COMO MEDIDAS MITIGADORAS E COMPENSATÓRIAS NO PROCESSO DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL

PROGRAMAS AMBIENTAIS COMO MEDIDAS MITIGADORAS E COMPENSATÓRIAS NO PROCESSO DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL PROGRAMAS AMBIENTAIS COMO MEDIDAS MITIGADORAS E COMPENSATÓRIAS NO PROCESSO DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL Sarah Rachel Oliveira do Amparo Furtado*, Alexandra Helena Lisboa Boldrin** * Acadêmica da Faculdade

Leia mais

Melhores Práticas de Manejo Poda de Árvores International Society of Arboriculture - ISA

Melhores Práticas de Manejo Poda de Árvores International Society of Arboriculture - ISA Melhores Práticas de Manejo Poda de Árvores International Society of Arboriculture - ISA Missão: Através da pesquisa, tecnologia e educação, a Sociedade Internacional de Arboricultura promove a prática

Leia mais

Carta de Apresentação Documento Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura 11/06/15

Carta de Apresentação Documento Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura 11/06/15 Carta de Apresentação Documento Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura 11/06/15 Formada por associações empresariais, empresas, organizações da sociedade civil e indivíduos interessados na construção

Leia mais

Determinação de Cortes Seletivos

Determinação de Cortes Seletivos F:\MEUS-DOCS\LIVRO_ENF_344\CAP_ II - DETER. CORTE.doc 1 CAPÍTULO II Determinação de Cortes Seletivos Há vários métodos e fórmulas empregados na determinação do corte (LEUSCHNER, 1984; e DAVIS, 1987), sendo

Leia mais

Sistema de Colheita de Alta Performance. Cassiano Schneider Cláudio Ortolan Rafael Malinovski Raphael Fonseca

Sistema de Colheita de Alta Performance. Cassiano Schneider Cláudio Ortolan Rafael Malinovski Raphael Fonseca Sistema de Colheita de Alta Performance Cassiano Schneider Cláudio Ortolan Rafael Malinovski Raphael Fonseca Contexto Produtivo Sistema Equipamentos Operação Ganhos Contexto Produtivo Sistema Equipamentos

Leia mais

A AGROFLORESTA AGROECOLÓGICA: UM MOMENTO DE SÍNTESE DA AGROECOLOGIA, UMA AGRICULTURA QUE CUIDA DO MEIO AMBIENTE.

A AGROFLORESTA AGROECOLÓGICA: UM MOMENTO DE SÍNTESE DA AGROECOLOGIA, UMA AGRICULTURA QUE CUIDA DO MEIO AMBIENTE. A AGROFLORESTA AGROECOLÓGICA: UM MOMENTO DE SÍNTESE DA AGROECOLOGIA, UMA AGRICULTURA QUE CUIDA DO MEIO AMBIENTE. Alvori Cristo dos Santos, Deser, Fevereiro 2007. Há alguns anos atrás, um movimento social

Leia mais

Florestas Energéticas. Alex Carneiro Leal Engenheiro Florestal 22 de maio de 2014

Florestas Energéticas. Alex Carneiro Leal Engenheiro Florestal 22 de maio de 2014 Florestas Energéticas Alex Carneiro Leal Engenheiro Florestal 22 de maio de 2014 O IAPAR Vinculado à Secretaria da Agricultura e do Abastecimento (SEAB), é o órgão de pesquisa que da embasamento tecnológico

Leia mais

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DE FLORESTA

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DE FLORESTA RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DE FLORESTA Londrina, 19 de janeiro de 2012 INTRODUÇÃO A proposta de trabalho desenvolvida em 2011 voltada a realização de compensação de emissões de CO 2 por meio do plantio

Leia mais

AUDITORIA DE DIAGNÓSTICO

AUDITORIA DE DIAGNÓSTICO 1.1 POLíTICA AMBIENTAL 1.1 - Política Ambiental - Como está estabelecida e documentada a política e os objetivos e metas ambientais dentro da organização? - A política é apropriada à natureza e impactos

Leia mais

Lei 12.651/2012. Prof. Dr. Rafaelo Balbinot Departamento. de Eng. Florestal UFSM Frederico Westphalen

Lei 12.651/2012. Prof. Dr. Rafaelo Balbinot Departamento. de Eng. Florestal UFSM Frederico Westphalen Lei 12.651/2012 Prof. Dr. Rafaelo Balbinot Departamento. de Eng. Florestal UFSM Frederico Westphalen Considerações Padrão Legal X Padrão de Qualidade Capacitação para aplicação da lei Análise individual

Leia mais

O que é preciso para desenvolver uma experiência global sobre florestas e mudanças climáticas?

O que é preciso para desenvolver uma experiência global sobre florestas e mudanças climáticas? O que é preciso para desenvolver uma experiência global sobre florestas e mudançasclimáticas? Entrevista com o Dr. Stuart Davies, Diretor do CentrodeCiênciasFlorestaisdoTrópico Em2007,oBancoHSBCdoou100milhõesde

Leia mais

ENG 337 MECÂNICA E MECANIZAÇÃO FLORESTAL

ENG 337 MECÂNICA E MECANIZAÇÃO FLORESTAL COLHEITA FLORESTAL ENG 337 MECÂNICA E MECANIZAÇÃO FLORESTAL Prof. Haroldo C. Fernandes DEA/UFV O caminho para o atendimento das necessidades crescentes por produtos florestais se dá por meio de uma produção

Leia mais

Pesca Sustentável e Responsável. Antônio Olinto Ávila da Silva Pesquisador Científico Centro APTA Pescado Marinho

Pesca Sustentável e Responsável. Antônio Olinto Ávila da Silva Pesquisador Científico Centro APTA Pescado Marinho Pesca Sustentável e Responsável Antônio Olinto Ávila da Silva Pesquisador Científico Centro APTA Pescado Marinho O que é Sustentabilidade? Capacidade de persistir no longo prazo. Característica, p.ex.,

Leia mais

VEGETAÇÃO. Página 1 com Prof. Giba

VEGETAÇÃO. Página 1 com Prof. Giba VEGETAÇÃO As formações vegetais são tipos de vegetação, facilmente identificáveis, que dominam extensas áreas. É o elemento mais evidente na classificação dos ecossistemas e biomas, o que torna importante

Leia mais

4. ÁREA DE INFLUÊNCIA DO EMPREENDIMENTO

4. ÁREA DE INFLUÊNCIA DO EMPREENDIMENTO 4. ÁREA DE INFLUÊNCIA DO EMPREENDIMENTO Conceitualmente, Área de Influência abrange todo o espaço suscetível às ações diretas e indiretas do empreendimento, tanto na fase de implantação como na de operação,

Leia mais

MAPEAMENTO FLORESTAL

MAPEAMENTO FLORESTAL MAPEAMENTO FLORESTAL ELISEU ROSSATO TONIOLO Eng. Florestal Especialista em Geoprocessamento OBJETIVO Mapear e caracterizar a vegetação visando subsidiar o diagnóstico florestal FUNDAMENTOS É uma ferramenta

Leia mais

B I O G E O G R A F I A

B I O G E O G R A F I A B I O G E O G R A F I A FLORESTA AMAZÔNICA 2011 Aula XII O bioma Amazônia representa aproximadamente 30% de todas as florestas tropicais remanescentes do mundo e nele se concentra a maioria das florestas

Leia mais

Como Eu Ensino Biomas brasileiros Material de apoio

Como Eu Ensino Biomas brasileiros Material de apoio Roteiro da atividade: Jogo da Sobrevivência Como jogar 1. Cada jogador iniciará o jogo com uma população de sessenta quatis na primeira geração e, portanto, marcará na folha-região 60 indivíduos no eixo

Leia mais

PRIMEIRO CURSO CONTINUADO DE PLANEJAMENTO IMPLANTAÇÃO E MANEJO DE AGROFLORESTAS SUCESSIONAIS

PRIMEIRO CURSO CONTINUADO DE PLANEJAMENTO IMPLANTAÇÃO E MANEJO DE AGROFLORESTAS SUCESSIONAIS PRIMEIRO CURSO CONTINUADO DE PLANEJAMENTO IMPLANTAÇÃO E MANEJO DE AGROFLORESTAS SUCESSIONAIS COM ERNST GÖTSCH E MUTIRÃO AGROFLORESTAL OBJETIVO DO CURSO Contribuir para a construção de sociedades sustentáveis

Leia mais

Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado, e dá providências correlatas

Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado, e dá providências correlatas LEI Nº 13.550, DE 02 DE JUNHO DE 2009 Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado, e dá providências correlatas O GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Faço saber que

Leia mais

ANEXO CHAMADA III DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES PARA GESTÃO E AVALIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO ESTADUAIS

ANEXO CHAMADA III DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES PARA GESTÃO E AVALIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO ESTADUAIS ANEXO CHAMADA III DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES PARA GESTÃO E AVALIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO ESTADUAIS OBJETIVO Esta chamada tem por objetivo financiar projetos relacionados a ações de gestão e avaliação

Leia mais

ENCONTRO E PROSA PARA MELHORIA DE PASTAGENS: SISTEMAS SILVIPASTORIS

ENCONTRO E PROSA PARA MELHORIA DE PASTAGENS: SISTEMAS SILVIPASTORIS ENCONTRO E PROSA PARA MELHORIA DE PASTAGENS: SISTEMAS SILVIPASTORIS 10 DE DEZEMBRO DE 2013 REALIZAÇÃO: CATI SECRETARIA DE AGRICULTURA E ABASTECIMENTO E SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE GOVERNO DO ESTADO DE

Leia mais

: Transforme seu plantio em um fundo de investimento ativo. The single source for Forest Resource Management

: Transforme seu plantio em um fundo de investimento ativo. The single source for Forest Resource Management : Transforme seu plantio em um fundo de investimento ativo The single source for Forest Resource Management 2 Tecnologia laser aerotransportada LiDAR LiDAR é um sistema ativo de sensoriamento remoto, originalmente

Leia mais

ORÉADES NÚCLEO DE GEOPROCESSAMENTO RELATÓRIO DE ATIVIDADES

ORÉADES NÚCLEO DE GEOPROCESSAMENTO RELATÓRIO DE ATIVIDADES ORÉADES NÚCLEO DE GEOPROCESSAMENTO PROJETO CARBONO NO CORREDOR DE BIODIVERSIDADE EMAS TAQUARI RELATÓRIO DE ATIVIDADES ASSENTEMENTOS SERRA DAS ARARAS, FORMIGUINHA E POUSO ALEGRE JULHO DE 2011 INTRODUÇÃO

Leia mais

SISTEMATIZAÇÃO DE TERRENOS PARA IRRIGAÇÃO

SISTEMATIZAÇÃO DE TERRENOS PARA IRRIGAÇÃO Universidade Federal do Ceará Centro de Ciências Agrárias Departamento de Engenharia Agrícola Disciplina: Topografia Básica Facilitadores: Nonato, Julien, Fabrício e Rogério SISTEMATIZAÇÃO DE TERRENOS

Leia mais

Procedimento IFC. Antonio José de Sousa

Procedimento IFC. Antonio José de Sousa Procedimento IFC PROJETO FLORESTAL BRASIL Antonio José de Sousa Junho 2010 LOCALIZAÇÃO PLANO DE NEGOCIO A Florestal foi constituída em julho de 2007, tendo como acionistas a J&F Participações S.A e a MCL

Leia mais

METODOLOGIA E ESTRATÉGIAS PARA A FLORESTAIS: BIOMA CERRADO

METODOLOGIA E ESTRATÉGIAS PARA A FLORESTAIS: BIOMA CERRADO METODOLOGIA E ESTRATÉGIAS PARA A RESTAURAÇÃO DE ECOSSISTEMAS FLORESTAIS: BIOMA CERRADO Prof. Dr. Israel Marinho Pereira imarinhopereira@gmail.com Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri

Leia mais

O SOFTWARE SPP Eucalyptus

O SOFTWARE SPP Eucalyptus Rua Raul Soares, 133/201 - Centro - Lavras MG CEP 37200-000 Fone/Fax: 35 3821 6590 O SOFTWARE SPP Eucalyptus 1/7/2008 Inventar GMB Consultoria Ltda Ivonise Silva Andrade INTRODUÇÃO Um dos grandes problemas

Leia mais

EXO ANEXO TEMÁTICO 2: Tema Prioritário II Manejo de Paisagem Linha de Ação Temática 2.1 Manejo Florestal Sustentável

EXO ANEXO TEMÁTICO 2: Tema Prioritário II Manejo de Paisagem Linha de Ação Temática 2.1 Manejo Florestal Sustentável EXO ANEXO TEMÁTICO 2: Tema Prioritário II Manejo de Paisagem Linha de Ação Temática 2.1 Manejo Florestal Sustentável 1. Objetivos da Chamada de Projetos para esta Linha de Ação Temática O objetivo da chamada

Leia mais

DER/PR ES-OC 15/05 OBRAS COMPLEMENTARES: PROTEÇÃO VEGETAL

DER/PR ES-OC 15/05 OBRAS COMPLEMENTARES: PROTEÇÃO VEGETAL OBRAS COMPLEMENTARES: PROTEÇÃO VEGETAL Departamento de Estradas de Rodagem do Estado do Paraná - DER/PR Avenida Iguaçu 420 CEP 80230 902 Curitiba Paraná Fone (41) 3304 8000 Fax (41) 3304 8130 www.pr.gov.br/transportes

Leia mais

MODELO BASE DA CONTA DE CULTURA DO SOBREIRO ContaSb 1.0

MODELO BASE DA CONTA DE CULTURA DO SOBREIRO ContaSb 1.0 1 Corknow-How: Conhecimento Suberícola em Rede Operação 0400162 do PRRN Programa para a Rede Rural Nacional Manual de utilização MODELO BASE DA CONTA DE CULTURA DO SOBREIRO ContaSb 1.0 Dezembro de 2013

Leia mais

Resolução SMA - 44, de 30-6-2008 Define critérios e procedimentos para a implantação de Sistemas Agroflorestais

Resolução SMA - 44, de 30-6-2008 Define critérios e procedimentos para a implantação de Sistemas Agroflorestais Resolução SMA - 44, de 30-6-2008 Define critérios e procedimentos para a implantação de Sistemas Agroflorestais O Secretário do Meio Ambiente, considerando: A necessidade de regulamentação da utilização

Leia mais

RISCO DE EROSÃO. Projecto n.º 2004/EQUAL/A2/EE/161 1

RISCO DE EROSÃO. Projecto n.º 2004/EQUAL/A2/EE/161 1 RISCO DE EROSÃO Portugal é um dos países europeus mais susceptíveis aos processos de desertificação física dos solos. Cerca de 68% dos solos nacionais estão ameaçados pela erosão e 30% encontram-se em

Leia mais

ASPECTOS CONSTRUTIVOS E AMBIENTAIS DE TELHADOS VERDES EXTENSIVOS

ASPECTOS CONSTRUTIVOS E AMBIENTAIS DE TELHADOS VERDES EXTENSIVOS I Congresso Baiano de Engenharia Sanitária e Ambiental - I COBESA ASPECTOS CONSTRUTIVOS E AMBIENTAIS DE TELHADOS VERDES EXTENSIVOS Matheus Paiva Brasil (1) Graduando em Engenharia Sanitária e Ambiental

Leia mais