PROJETO TURISMO EM ÁREAS RURAIS: IDENTIFICAÇÃO, PROMOÇÃO E DISSEMINAÇÃO DE BOAS PRÁTICAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROJETO TURISMO EM ÁREAS RURAIS: IDENTIFICAÇÃO, PROMOÇÃO E DISSEMINAÇÃO DE BOAS PRÁTICAS"

Transcrição

1 Organização: Financiamento: Apoio: PROJETO TURISMO EM ÁREAS RURAIS: IDENTIFICAÇÃO, PROMOÇÃO E DISSEMINAÇÃO DE BOAS PRÁTICAS OBJETIVO: As áreas rurais emergem cada vez mais como destinos promissores, à luz das novas preferências turísticas que privilegiam as tradições, as paisagens e o lazer. É ainda no mundo rural que se situam as Áreas da Rede Natura 2000, espaços que foram escapando à força esmagadora da urbanização e que mantêm importantes valores naturais. O interesse que despertam em termos turísticos pode representar um potencial importante para o desenvolvimento de muitas áreas rurais desfavorecidas do interior do País. Com este projeto pretende-se divulgar e sistematizar um conjunto de boas práticas ao nível da atividade do turismo em áreas rurais, de modo a alargar a disseminação de conhecimentos e contribuir para a sustentabilidade da atividade. É neste sentido que se realiza este Seminário, pretendendo-se partilhar experiências e discutir oportunidades e desafios para as áreas rurais. ATIVIDADES DO PROJETO: Ação de formação Orientações para um Turismo Sustentável e Qualificação do Serviço em Áreas Rurais classificadas como Rede Natura 2000 (21 e 22 Fevereiro 2013); Seminário Turismo Sustentável no Espaço Rural: Experiências de sucesso em Portugal e na Europa (6-7 de Março 2013) Seminário Potencialidades do Turismo Ornitológico para o Desenvolvimento Sustentável de Áreas Rurais de Portugal (11-12 de Abril 2013) Manual com o código de conduta do visitante do Baixo Alentejo Contactos LPN - Centro de Educação Ambiental do Vale Gonçalinho Herdade do Vale Gonçalinho Apartado Castro Verde Tel./Fax:

2 PROGRAMA DIA 6 DE MARÇO QUARTA-FEIRA 09:00 Receção dos participantes 09:30 Sessão de Abertura Francisco Duarte (Presidente da Câmara Municipal de Castro Verde); Maria Manuel Gantes (Técnica em representação da Presidência da Entidade Regional de Turismo do Alentejo, ERT); Eugénio Sequeira (Membro da Direção Nacional da Liga para a Protecção da Natureza) 09:45 Alentejo: Principais Dinâmicas Socioeconómicas e Políticas Agrícolas Isabel Rodrigo Instituto Superior de Agronomia 10:15 Desenvolvimento Local nos Territórios Rurais: desafios para Joaquim Amado Minha Terra Federação Portuguesa de Associações de Desenvolvimento Local 10:30 Turismo no Alentejo Maria Manuel Gantes Entidade Regional de Turismo do Alentejo, ERT 10:45 "O impacto do Eixo LEADER do PRODER no Turismo no Alentejo Sudoeste David Marques Esdime - Agência para o Desenvolvimento Local do Alentejo Sudoeste 11:00 Debate 11:15 Pausa para Café 11:45 "Programa Dark Sky Alqueva - gestão integrada de destino Apolónia Rodrigues Presidente Genuineland - Rede de Turismo de Aldeia do Alentejo 12:00 Mundo Montado: Animação Turística em meio Rural Elise Haton Mundo Montado 12:15 Projeto A experiência global em turismo rural e desenvolvimento sustentável de comunidades locais Elisabeth Kastenholz Universidade de Aveiro 12:30 Debate 12:45 Almoço 14:30 Visita ao Museu da Ruralidade e a uma Unidade de Turismo Rural no Concelho de Castro Verde (Casa dos Castelejos) PROGRAMA (continuação) DIA 7 DE MARÇO QUINTA-FEIRA 09:00 Receção dos participantes Painel II Turismo em áreas naturais 09:30 Corporate Social Responsibility in Tourism Small and Medium Enterprises. The case of Europe s Protected Areas Lluís Garay Universitat Oberta de Catalunya 10:00 "Maintaining high biodiversity and landscape diversity for and through tourism approaches for co-financing models Gerd Lupp Leibniz Institute of Ecological Urban and Regional Development - IOER 10:30 Debate 11:00 Pausa para Café 11:30 Projeto LIFE Eco compatível Sara Freitas Parque Natural da Madeira 11:50 Birdwatching no Parque Natural do Vale do Guadiana Ana Cristina Cardoso (Parque Natural do Vale do Guadiana) 12:10 Debate 12:30 Almoço Painel III Caminhos para a sustentabilidade 14:30 Visitação em Áreas Protegidas, Rede Natura e Florestas: um contributo para a sua sustentabilidade Teresa Maria Gamito Consultora 15:00 A responsabilidade social no turismo Victor Figueira Instituto Politécnico de Beja 15:20 Ferramentas para a sustentabilidade do Turismo Teresa Bártolo Sustentare, Lda. 15:40 Referencial BIOTUR para unidades de alojamento e restauração António Mantas Sativa 16:00 Debate 16:20 Sessão de Encerramento 2

3 APRESENTAÇÃO: Alentejo: Principais Dinâmicas Socioeconómicas e Políticas Agrícolas Com base em informação secundária traçam-se os contornos das principais alterações registadas na utilização do solo agrícola da Região do Alentejo e territórios (NUTS II) que o integram, durante o período compreendido entre 1989 e Tendo por referencial as referidas alterações, identificam-se as principais estratégias, adotadas pelos gestores fundiários, que lhe estão subjacentes; os principais fatores explicativos das mesmas, bem como as respetivas consequências: económicas, sociais e ambientais. Isabel Rodrigo Instituto Superior de Agronomia da Universidade Técnica de Lisboa Professora Associada (com Agregação) em Economia Agrária e Sociologia Rural. Trabalha no Departamento de Ciências e Engenharia de Biossistemas do Instituto Superior de Agronomia/Universidade Técnica de Lisboa. Tem desenvolvido investigação nas áreas de: desenvolvimento rural, dinâmicas e políticas; políticas florestais e ambientais; sistemas de produção agrícolas e agroflorestais; cadeias agroalimentares de proximidade e produtos agroalimentares tradicionais de qualidade. Tem coordenado vários projetos de investigação nacionais e europeus, orientado várias dissertações de Mestrado e de Doutoramento e publicado em diferentes revistas nacionais e internacionais. Contato: Tapada da Ajuda, Lisboa Tel / Fax / APRESENTAÇÃO: Desenvolvimento Local nos Territórios Rurais: desafios para Joaquim Amado MINHA TERRA Federação Portuguesa de Associações de Desenvolvimento Local Entidade privada de interesse público e sem fins lucrativos, a MINHA TERRA Federação Portuguesa de Associações de Desenvolvimento Local foi constituída no ano 2000, por iniciativa de um grupo alargado de Associações de Desenvolvimento Local (ADL), institucionalizando uma rede que se consolidava, desde há alguns anos, sob o denominador comum da convergência de objetivos, do diálogo, da partilha e de um vasto trabalho conjunto no desenho e implementação de soluções e intervenções em prol do desenvolvimento dos espaços rurais nacionais. Contato: Rua Bartolomeu Dias, 172D - 1º esq., Lisboa Tel / Fax / APRESENTAÇÃO: Turismo no Alentejo Maria Manuel Gantes Entidade Regional de Turismo do Alentejo, ERT Incumbe prioritariamente à Turismo do Alentejo, E.R.T, a valorização turística da sua área territorial, visando o aproveitamento equilibrado das potencialidades turísticas do seu património histórico, cultural e natural, no quadro das orientações e diretivas da política de turismo definida pelo governo nos planos anuais e plurianuais do Estado e dos municípios que a formam. Contato: Praça da República, 12-1º, Apartado 335, Beja Tel / Fax / 3

4 APRESENTAÇÃO: O impacto do Eixo LEADER do PRODER no Turismo no Alentejo Sudoeste Com implementação no terreno desde final de 2009 sob a responsabilidade do Grupo de Ação Local AL SUD, cuja entidade gestora é a Esdime, o Eixo LEADER do PRODER tem produzido uma significativa transformação no território do Alentejo Sudoeste fruto das oportunidades de apoio ao investimento que o mesmo tem criado no sector do Turismo, em particular, na dimensão de alojamento em Turismo em Espaço Rural e da animação turística. Interessa-nos avaliar, sobretudo, o impacto na oferta e na dinâmica de diversificação de atividades e de criação de emprego. Por outro lado, importa valorizar iniciativas que vão para além do apoio financeiro, nomeadamente, através das intervenções de cooperação, de que destacamos o projeto Rotas Sem Barreiras. David Merritt Marques ESDIME Agência para o Desenvolvimento Local do Alentejo Sudoeste Pós-Graduação em Gestão e Estratégia Empresarial (ISLA, 2009) e Licenciatura em Geografia e Planeamento Regional (Universidade de Lisboa, 1998). Técnico de Desenvolvimento Local desde 1998 (Esdime Agência para o Desenvolvimento Local no Alentejo Sudoeste). Responsável pela dinamização do Centro Municipal de Acolhimento de Micro Empresas de Aljustrel (Protocolo Esdime/CM Aljustrel). Técnico dos projetos de Cooperação: ESCALE - Rede Europeia de apoio ao Empreendedorismo em Meio Rural e Energias Cooperativas ; Presidente da Direção da Esdime desde A Esdime é uma organização de âmbito regional, que intervém sobretudo num território compreendido entre a fronteira do Alentejo Litoral e do Baixo Alentejo, naquilo que gostamos de definir como o Alentejo Sudoeste. A Esdime tem por objetivo apoiar e potenciar o desenvolvimento integrado e participado do Alentejo Sudoeste integrando os vetores económico, social e cultural. A preocupação, desde o início, em diagnosticar, estudar e conhecer as realidades da sub-região permitiu, em cooperação com entidades da sub-região, traçar uma estratégia adequada às suas necessidades e oportunidades de desenvolvimento. Contato: Sede (Esdime) - Rua do Engenho, Messejana Tel / Fax / APRESENTAÇÃO: "Programa Dark Sky Alqueva - gestão integrada de destino O Dark Sky Alqueva é um programa estruturante de desenvolvimento sustentável que visa a implementação da Agenda para a Sustentabilidade e Competitividade do Turismo Europeu nos concelhos de Alandroal, Barrancos, Moura, Mourão, Portel e Reguengos de Monsaraz. E como tal, procura dar resposta a desafios como a redução da sazonalidade da procura, o impacto do transporte turístico, a melhoria da qualidade do emprego no sector do turismo, a melhoria da qualidade das comunidades face à mudança, minimizar o impacto da utilização de recursos e da produção de resíduos, conservar e acrescentar valor ao património natural e cultural, possibilitar o gozo de férias a todos e utilizar o turismo como ferramenta no desenvolvimento sustentável global. Pretende assim criar um destino onde o motivo de atractividade seja a fruição de um céu estrelado livre de poluição luminosa que permita oferecer ao turista actividades nocturnas. Para desenvolver o Dark Sky Alqueva a parceria pública-privada que desenvolve este programa criou o Grupo de Trabalho Dark Sky Alqueva que integra os municípios, empresas do sector do turismo e energéticas, associações e peritos nacionais e internacionais. Em Dezembro de 2011 a Reserva Dark Sky Alqueva obteve a certificação Starlight Tourism Destination, e foi o primeiro destino do mundo a obter esta importante certificação da Fundação Starlight, órgão executivo da UNESCO, UNWTO e IAC. Esta certificação atesta a qualidade do céu, a sua disponibilidade mas também a qualidade dos serviços e recursos turísticos existentes no destino ao nível geral e mais especificamente a Rota Dark Sky Alqueva. Apolónia Rodrigues Presidente Genuineland - Rede de Turismo de Aldeia do Alentejo Licenciada em Gestão e Planeamento em Turismo pela Universidade de Aveiro com pós-graduação em Gestão e Desenvolvimento em Turismo pela Universidade do Algarve. Presidente da Genuineland Rede de Turismo de Aldeia do Alentejo, coordenadora do Programa Dark Sky Alqueva, da Rede Europeia de Turismo de Aldeia e da Rede Europeia de Sítios da Paz (Places of Peace ). Expert da Task Force Turismo do Parlamento Europeu. Membro da Rede de Conhecimento da Organização Mundial de Turismo das Nações Unidas. Contato: 4

5 APRESENTAÇÃO: Mundo Montado: Animação Turística em meio Rural A Mundo Montado é uma empresa de animação turística licenciada (RNAAT nº 205/ Turismo de Portugal I.P.) A Mundo Montado é uma empresa de Turismo Responsável que está localizada no Baixo Alentejo e desenvolve atividades de valorização Cultural e Turismo de Natureza. O nosso objetivo Valorizar o meio rural e a sua autenticidade através de atividades de animação turística junto das comunidades locais e do contacto direto com o seu modo de vida. Aproximando mais os visitantes da comunidade local. Promover valores de responsabilidade social, sustentabilidade e respeito pelo meio ambiente através de uma atividade turística responsável. Contribuir para a criação de oportunidades de emprego em meio rural e aumento do rendimento através da diversificação de serviços. Elise Haton Mundo Montado Turismo Responsável no Alentejo Licenciada em Informação Turística pela Escola Superior de Hotelaria e Turismo do Estoril em Desde 2002 que é também Guia intérprete nacional e, desde 2003, Correio de turismo. Entre 2005 e 2009 foi Gestora de Projetos na AIMS Lisbon e entre 2004 e 2005 foi Assistente de Gestor de Projetos na MotivaTours. Atualmente é Diretora da Empresa Mundo Montado Turismo Responsável no Alentejo. Contato: Quinta de Sao Jorge, Aldeia de Palheiros Ourique Tel / Fax / APRESENTAÇÃO: Projeto A experiência global em turismo rural e desenvolvimento sustentável de comunidades locais O Projeto ORTE, intitulado "A experiência global em turismo rural e desenvolvimento sustentável de comunidades locais", iniciou-se em 2010 e terminará em Este Projeto é um inovador e abrangente Projeto de Investigação na área do Turismo, financiado pela Fundação da Ciência e Tecnologia (Ref: PTDC/CS-GEO/104894/2008), com co-financiamento comunitário (COMPETE/QREN/FEDER), em que colaboram investigadores de várias instituições de Ensino Superior e Investigação, sob a coordenação de Elisabeth Kastenholz, da Universidade de Aveiro. O Projeto debruça-se sobre: o perfil, os comportamentos, as motivações e experiências vividas por parte dos visitantes das aldeias; e a perspetiva da comunidade local, relativamente aos fluxos turísticos e as suas opiniões e sentimentos em relação ao Turismo na sua aldeia; os recursos locais; o contexto institucional. As aldeias foram escolhidas como casos de estudo, foram Linhares da Beira (Aldeia Histórica de Portugal), Janeiro de Cima (Aldeia do Xisto) e Favaios (Aldeia Vinhateira). Elisabeth Kastenholz Universidade de Aveiro Professora Doutora Elisabeth Kastenholz, de nacionalidade alemã, é Professora Associada do Departamento de Economia, Gestão e Engenharia Industrial da Universidade de Aveiro, onde é docente desde 1994, na área do Marketing e do Turismo; É licenciada em Administração Pública/ Negócios Estrangeiros pelo Instituto Superior de Administração Pública do Ministério dos Negócios Estrangeiros Alemão; licenciada em Gestão e Planeamento em Turismo pela Universidade de Aveiro; mestre em Gestão de Empresas pela Escola de Gestão do Porto (MBA); e Doutorada pela Universidade de Aveiro, na área de Turismo, sob a orientação do Prof. Doutor Gordon Paul, da University of Central Florida; É Diretora do 2º Ciclo/Mestrado em Gestão e Planeamento em Turismo da Universidade de Aveiro Contato: Campus Universitário de Santiago, Aveiro Tel / Fax extensão: / 5

6 Painel II Turismo em áreas naturais APRESENTAÇÃO: Corporate Social Responsibility in Tourism Small and Medium Enterprises. The case of Europe s Protected Areas From a survey of more than 900 enterprises in 57 European protected areas, this study shows that cost reduction, social legitimisation, and lifestylevalue drivers are three complementary frames that help explain the pro-sustainability behaviour. Despite the emphasis on the business case for sustainability in the literature and the many sustainable entrepreneurship case studies, the authors found that there is little evidence that this represents industry wide practice. The findings suggest enterprises should not be treated as homogeneous in their sustainability actions and motivations. Instead, efforts should be made to understand what arguments and incentives will best relate to their personal motivations and values to advance their sustainability actions. Lluís Garay Universitat Oberta de Catalunya Director, Labour Sciences Programme - Economics and Business Studies Department Degree in Economics. UAB. PhD in Economic History. UAB-UB Contato: Tibidabo 2 (Av. Tibidabo C.P.08035) Painel II Turismo em áreas naturais APRESENTAÇÃO: "Maintaining high biodiversity and landscape diversity for and through tourism approaches for co-financing models * Outdoor recreation destinations depend on biodiversity, which is threatened by climate change, land use changes, but also by tourism. Key challenges for the future of these destinations are to develop strategies to protect biodiversity and to integrate climate change issues. It can be stated that in our German study areas Allgäuer Hochalpen (alpine) Southern Black Forest and Ore Mountains (mountain ranges), Feldberger Seenlandschaft (North German lowlands) and Südost Rügen (Baltic Sea Coast) there is awareness among all groups, that efforts are necessary to protect biodiversity and climate in general as a key resource for outdoor recreation destinations. However, climate change is normally perceived to be a future problem and the own region seems not to be severely affected in the upcoming decades and in the perception of the stakeholders. Protecting biodiversity is seen a more important issue and stakeholders are more willing to act. In Europe and especially in Germany, financing nature and landscape protection by tourism is not common, but might be a new and widely accepted way. An example for PES can be found in Münstertal (south-west Germany). Traditional farming practices are subsidized by visitors` taxes to maintain the typical scenery of the Southern Black Forest. About one third of the tax (approx. 70 to 90 thousand per year) are distributed to the local farmers. Generation and distribution of the money and supervision of the management actions are kept in a local context, with actors (e.g. from the distributing institution) having specific knowledge of the local challenges in landscape preservation and often close relationships to the beneficiaries. We conducted empirical studies on the appreciation of cultural landscapes, landscape elements and ecosystem services in the Eastern Ore Mountains (Saxony, Germany) by tourism service providers and tourists. Among the most appreciated landscape elements high biodiversity semi-natural mountain meadows and stonewalls/hedgerows demand regular maintenance and management. We also assessed, if the tourism sector would be ready to contribute to the funding of nature conservation and landscape management. Using taxpayers money is favored absolutely but also other modes would be accepted, e.g. nature taxes. The willingness to pay (WTP) is between 0.75 and 1.36 per guest and night, or between 1.06 and 2.73 per day visit. In terms of landscape preferences and WTP behavior partly highly significant differences among the tourists, depending on their region of residence, age and education level (lifestyle groups) could be found. A major part of the annual costs for nature conservation and landscape management in the study area could be covered by financial means (especially by taxes), if the results of the WTP approach would be understood as a sign for the demand (stated preference) of the society and a call to action. * Gerd Lupp, Olaf Bastian, Karsten Grunewald, Christina Renner, Christian Stein Gerd Lupp Leibniz Institute of Ecological Urban and Regional Development - IOER Researcher at the Leibniz-Institute Of Ecological Urban and Regional Development. Doctorate in Natural Sciences at Freiburg University, in M. Sc. in Forestry Sciences, in Studies in Forestry Sciences at Freiburg University. Contato: Weberplatz 1, DE Dresden - Germany Tel

7 Painel II Turismo em áreas naturais APRESENTAÇÃO: Projeto LIFE Eco compatível (LIFE+09 INF/PT/000045) Comunicando para a sustentabilidade socioeconómica, usufruto humano e biodiversidade em Sítios da rede Natura 2000 no arquipélago da Madeira é o nome do projeto gerido pelo Serviço do Parque Natural da Madeira em parceria com a Sociedade Portuguesa para o Estudos das Aves, apoiado pelo instrumento financeiro europeu LIFE+ Informação e Comunicação. Com o acrónimo Eco Compatível este projeto, iniciado em Outubro de 2010 tem a durabilidade de 4 anos e pretende promover e reforçar a compatibilidade entre o desenvolvimento das atividades socioeconómicas e culturais, como a pesca, a agricultura e o turismo de natureza, com a gestão das Reservas Naturais, áreas classificadas, habitats e espécies listadas nos anexos das diretivas que sustentam a Rede Natura As áreas protegidas e a sua biodiversidade são uma mais-valia para o desenvolvimento das atividades económicas no arquipélago da Madeira. Ser Eco compatível é implementar boas práticas nas atividades económicas a favor da biodiversidade e usufruir da biodiversidade em prol da sustentabilidade e incremento das atividades económicas. No intuito de divulgar e promover as boas práticas nas atividades económicas que se desenvolvem diretamente ou próximo das áreas protegidas estão a ser desenvolvidas várias ações e campanhas de comunicação, que promovem o mesmo objetivo através de várias abordagens Equipa Gestora (Oliveira P. 1 / Menezes D. 1 / Freitas I. 1 / Freitas M. 1 / Freitas S. *1 ) / Equipa Executiva (Freitas S. *1 / Câmara C. 1 / Mateus G. 1 / Fagundes I. 2 / Medeiros C. 1 / Pires R. 1 / Sepúlveda P. 1 / Moniz P. 1, CVN 1 )* Sara Freitas Parque Natural da Madeira Técnica Superior Principal. Desenvolve projetos no âmbito da Sensibilização e Educação Ambiental e na área do Ordenamento do Território, faz a gestão do Sistemas de Informação Geográfica do SPNM. Atualmente integra a equipa gestora e executiva do projeto LIFE Eco compatível (LIFE09 INF/PT/000045) * Contato: 1 Serviço do Parque Natural da Madeira Quinta do Bom Sucesso, Caminho do Meio, Funchal 2 Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves Travessa das Torres, 2ª, 1º Andar, Funchal. Painel II Turismo em áreas naturais APRESENTAÇÃO: Birdwatching no Parque Natural do Vale do Guadiana Ana Cristina Cardoso Parque Natural do Vale do Guadiana Técnica do Parque Natural do Vale do Guadiana Contato: Sede do Parque Natural - Centro Polivalente de Divulgação da Casa do Lanternim Rua D. Sancho II, nº 15, Mértola Tel / Fax / 7

8 Painel III Caminhos para a sustentabilidade APRESENTAÇÃO: Visitação em Áreas Protegidas, Rede Natura e Florestas: um contributo para a sua sustentabilidade Em Portugal existe um importante conjunto de Áreas Protegidas que são locais prioritariamente destinados à conservação da natureza e da biodiversidade, bem como vastas áreas classificadas no âmbito das Diretivas Aves e Habitats (Rede Natura 2000) e ainda espaços florestais muito diversificados que também encerram sistemas naturais com necessidades de conservação. Estas áreas, e até pelos valores que encerram, podem constituir uma oportunidade para o desenvolvimento local através de uma aposta na visitação, compatibilizando, numa perspetiva de desenvolvimento sustentável, turismo e conservação da natureza. Através desta comunicação serão apresentadas algumas metodologias destinadas à identificação e aproveitamento do potencial turístico destas áreas de elevado valor natural, nomeadamente as utilizadas no Programa de Visitação e Comunicação na Rede Nacional de Áreas Protegidas que procuram assegurar, simultaneamente, a conservação do seu valioso património natural, paisagístico e cultural e a dinamização de atividades de turismo, recreio e desporto de natureza, geradoras de valor acrescentado para estes espaços e para as comunidades locais. São também apresentadas algumas conclusões e recomendações para modelo(s) de gestão de áreas protegidas, de rede natura e espaços florestais que, envolvendo os responsáveis pela conservação, as populações e os agentes económicos locais, permitam tirar partido de todo o seu potencial. Teresa Maria Gamito Consultora Engenheira Civil, ramo de hidráulica, com uma pós-graduação em Ordenamento do Território e Planeamento Ambiental, um MBA, um curso de especialização em Valoração Económica do Ambiente e atualmente aluna do Doutoramento em Gestão Interdisciplinar da Paisagem, estando a preparar uma dissertação sobre Inovação e Desenvolvimento Rural no âmbito do projeto Inov. Consultora em Desenvolvimento Territorial, tem colaborado com diversas empresas e instituições públicas em áreas relacionadas com o território, o mar, o litoral e áreas naturais classificadas, designadamente com a TT-Thinktur, no Programa de Visitação e Comunicação na RNAP e Estudos de Turismo para a revisão do PROT- AML, com o Instituto da Água na coordenação do Plano de Ordenamento do Espaço Marítimo e na preparação de um Modelo de Gestão para a Ria de Aveiro e dos Termos de Referência para um Programa de Monitorização da Evolução Costeira, com a SaeR, nos estudos relacionados com O hypercluster da economia do mar" e com a definição de Centros de Mar e com a DHV e Hidroprojecto em Planos de Ordenamento e Gestão de Áreas Protegidas. Foi ainda Assessora para o Ambiente, Território e Transportes do Primeiro-Ministro, entre Abril de 2003 e Março de 2005, onde assegurou a coordenação interministerial da Estratégia Nacional de Desenvolvimento Sustentável, e Vice-Presidente do Instituto da Conservação da Natureza entre Agosto de 2002 e Abril de Painel III Caminhos para a sustentabilidade APRESENTAÇÃO: A responsabilidade social no turismo A valorização das sociedades locais e as suas instituições é condição essencial para que as comunidades beneficiem da globalização. As organizações têm agora uma norma (ISO 26000) que possibilita, quer ao cidadão comum como a outras organizações, terem um parâmetro de avaliação da sua actuação em termos de responsabilidade social. No entanto, o conceito de responsabilidade social é muitas vezes mal compreendido e remetido apenas às áreas com mais visibilidade ao nível da imagem da organização, confundindo-se aquilo que deve ser uma filosofia empresarial com acções filantrópicas. Por sua vez, a maior ou menor aplicação deste conceito às empresas turísticas em meio rural é variável, atendedendo à sua própria localização geográfica, estruturação, profissionalização, dimensão, entre outros factores. Apesar da maior ou menor facilidade na sua aplicação, espera-se que as empresas integrem preocupações da sociedade nas suas políticas e operações comerciais, em particular, preocupações ambientais, económicas e sociais. Victor Figueira Instituto Politécnico de Beja Professor no Instituto Politécnico de Beja (IPBeja) na área do Turismo, Ambiente e Desenvolvimento Sustentável. É Doutorado em Turismo pela Universidade de Évora e atualmente encontra-se ligado a vários projetos, nacionais e internacionais, de índole social, cultural e outros relacionados com a sustentabilidade social das comunidades rurais, turismo e desenvolvimento regional. É membro da equipa do IPBeja que colabora com o Observatório do Turismo do Alentejo. É Investigador Integrado do Centro de Recursos Naturais, Ambiente e Sociedade (CERNAS). Contato: Rua Pedro Soares Campus Beja Tel / 8

9 Painel III Caminhos para a sustentabilidade APRESENTAÇÃO: Ferramentas para a sustentabilidade do Turismo A sustentabilidade no setor do Turismo provém da necessidade crescente de criação de uma consciência e responsabilidade das diferentes atividades sobre os impactes ambientais e sociais gerados, sejam eles positivos ou negativos. Não há dúvida que o Turismo é um setor com elevado impacte na economia global - representa cerca de 10% do PIB mundial (incluindo serviços relacionados) e gera cerca de 10% do emprego (directo e indirecto) - que é necessário manter e estimular. É também uma actividade com repercussões noutras áreas nomeadamente na mobilidade, na construção de cidades, nos estilos de vida e na imagem do país perante o exterior. Esta relação com outras actividades é crucial para o desenvolvimento de um mercado global mais sustentável, pelo seu efeito de indução de comportamentos alinhados segundo princípios éticos e de responsabilidade social e ambiental. É por isso necessária e urgente uma transformação do setor, a criação de um novo turista, mais exigente na escolha do seu destino ou alojamento, baseando-se noutros critérios para além do preço. Alterando a procura irá alterar-se consequentemente a oferta. Como fazer esta transformação? É a pergunta a que a apresentação tentará dar reposta, mostrando alguns caminhos e algumas ferramentas que se podem utilizar para avaliar e gerir a sustentabilidade no turismo. Teresa Bártolo Sustentare, Lda. Licenciada em Engenharia do Ambiente pelo Instituto Superior Técnico e frequenta a pós-graduação em Gestão da NOVA School of Business and Economics. Desde 2008, trabalha como consultora e gestora de projetos na Sustentare, tendo apoiado diferentes empresas da área do imobiliário e construção, distribuição, turismo, telecomunicações e outros setores de actividade nos seus projetos de sustentabilidade. Tem-se focado em projectos de estratégias de sustentabilidade, benchmark, envolvimento e auscultação de stakeholders, análise de desempenho e formação. Anteriormente colaborou como consultora na empresa IPI em diversos projectos na área do desenvolvimento local sustentável e Agenda 21 Local e como estagiária na implementação de sistemas de gestão ambiental na empresa Cimpor. Contato: Palácio de Sant anna, Rua do Instituto Bacteriológico n.º8, Lisboa Tel / Fax Painel III Caminhos para a sustentabilidade APRESENTAÇÃO: Referencial BIOTUR para unidades de alojamento e restauração O BIOTUR é um referencial de certificação que se destina a permitir a diferenciação das Unidades de Turismo em Espaço Rural, de Restaurantes ou outras iniciativas que tenham atividades associadas ao modo de produção biológico. O cumprimento das especificações deste referencial, permitirá a certificação da unidade como aderente ao BIOTUR e o uso do logótipo identificador. O BIOTUR tem por base um documento com as disposições gerais do qual constam as obrigações da SATIVA perante os operadores, as obrigações dos operadores aderentes, e um documento com pontos de controlo e critérios de cumprimentos onde se podem encontrar todos os pontos importantes para o referencial e os critérios objetivos que permitem aos operadores o cumprimento e a certificação. A adesão é efetuada com a assinatura de um contrato entre a SATIVA e o operador e acções de controlo na unidade para a qual se pretende a certificação. Do contrato sobressai a necessidade dos aderentes através das unidades de turismo terem de praticar, nas áreas envolventes atividade agrícola em agricultura biológica, devidamente notificada. Os restaurantes poderão aderir desde que sirvam refeições com produtos de agricultura biológica. Os operadores aderentes, entre outros compromissos, deverão esforçar-se por aumentar as atividades de agricultura biológica e a quantidade de produtos biológicos servidos ou comercializados nas suas unidades. António Mantas Sativa Controlo e Certificação de Produtos Engenheiro Agrónomo, com mestrado em agricultura biológica. Inicia a atividade profissional em Trás-os-Montes, no ministério da Agricultura, onde esteve 8 anos. Desde 1994 trabalha em valorização de produtos agroalimentares, inicialmente em Trás-os-Montes, em duas organizações de produtores, e desde 1999, está na SATIVA a trabalhar em exclusivo na certificação de produtos e sistemas. É sócio gerente da SATIVA. A SATIVA é uma empresa portuguesa, constituída para operar de forma integrada na área do controlo e certificação da produção agrícola e alimentar, florestal e de produtos turísticos. Contato: Rua Robalo Gouveia nº1-1ºa, Lisboa Tel / Fax / 9

10 A Liga para a Protecção da Natureza (LPN) é uma Organização Não Governamental de Ambiente (ONGA), fundada em 1948, sendo a associação de defesa da ambiente mais antiga da Península Ibérica. É uma Associação sem fins lucrativos com estatuto de Utilidade Pública. Tem como objetivo principal contribuir para a conservação do património natural, da diversidade das espécies e dos ecossistemas. As atividades da LPN compreendem a intervenção cívica através de projetos de Conservação da Natureza, Investigação, Formação, Educação e Sensibilização Ambiental. (www.lpn.pt) Contatos Sede Estrada do Calhariz de Benfica, Lisboa Tel / Fax Centro de Educação Ambiental do Vale Gonçalinho Herdade do Vale Gonçalinho Apartado Castro Verde Tel./Fax:

Turismo Sustentável no Espaço Rural Experiências de sucesso em Portugal e na Europa LPN Castro Verde

Turismo Sustentável no Espaço Rural Experiências de sucesso em Portugal e na Europa LPN Castro Verde DARK SKY ALQUEVA STARLIGHT TOURISM DESTINATION Turismo Sustentável no Espaço Rural Experiências de sucesso em Portugal e na Europa LPN Castro Verde Apolónia Rodrigues Genuineland 6 de Março de 2013 DESAFIOS

Leia mais

WORKSHOP O PAPEL DA MULHER NO DESENVOLVIMENTO RURAL

WORKSHOP O PAPEL DA MULHER NO DESENVOLVIMENTO RURAL WORKSHOP O PAPEL DA MULHER NO DESENVOLVIMENTO RURAL 3 FEVEREIRO 2010 CENTRO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO VALE GONÇALINHO ORGANIZAÇÃO: PARCEIROS: FINANCIAMENTO: O Rural Value, enquanto projecto dinamizador

Leia mais

Organização: Financiamento: Apoio: PROJETO TURISMO EM ÁREAS RURAIS: IDENTIFICAÇÃO, PROMOÇÃO E DISSEMINAÇÃO DE BOAS PRÁTICAS

Organização: Financiamento: Apoio: PROJETO TURISMO EM ÁREAS RURAIS: IDENTIFICAÇÃO, PROMOÇÃO E DISSEMINAÇÃO DE BOAS PRÁTICAS Organização: Financiamento: Apoio: PROJETO TURISMO EM ÁREAS RURAIS: IDENTIFICAÇÃO, PROMOÇÃO E DISSEMINAÇÃO DE BOAS PRÁTICAS OBJETIVOS DO PROJETO: Com o projeto pretende-se divulgar e sistematizar um conjunto

Leia mais

CONFERÊNCIA: O futuro dos territórios rurais. - Desenvolvimento Local de Base Comunitária. Painel 1: Coesão e Sustentabilidade Territorial

CONFERÊNCIA: O futuro dos territórios rurais. - Desenvolvimento Local de Base Comunitária. Painel 1: Coesão e Sustentabilidade Territorial Painel 1: Coesão e Sustentabilidade Territorial 5 Augusto Ferreira Departamento Técnico - CONFAGRI MINHA TERRA - Federação Portuguesa de Associações de Desenvolvimento Local 20.Set.2013 Hotel da Estrela

Leia mais

SEMINÁRIO: DESAFIOS AO TURISMO EM MEIO RURAL

SEMINÁRIO: DESAFIOS AO TURISMO EM MEIO RURAL SEMINÁRIO: DESAFIOS AO TURISMO EM MEIO RURAL Turismo Rural e Territórios Estratégias de Desenvolvimento: Desenvolvimento de Clusters de turismo rural Palmela, 7 novembro 2012 Nuno Fazenda Agenda 1. Breves

Leia mais

IV Seminário Plataformas Logísticas Ibéricas

IV Seminário Plataformas Logísticas Ibéricas IV Seminário Plataformas Logísticas Ibéricas Preparar a Retoma, Repensar a Logística 10 de Novembro NOVOHOTEL SETUBAL Comunicação: Factores de Atractividade da oferta logística do Alentejo Orador: Dr.

Leia mais

Enquadramento Turismo Rural

Enquadramento Turismo Rural Enquadramento Turismo Rural Portugal é um País onde os meios rurais apresentam elevada atratividade quer pelas paisagens agrícolas, quer pela biodiversidade quer pelo património histórico construído o

Leia mais

Decreto n.º 4/2005 Convenção Europeia da Paisagem, feita em Florença em 20 de Outubro de 2000

Decreto n.º 4/2005 Convenção Europeia da Paisagem, feita em Florença em 20 de Outubro de 2000 Decreto n.º 4/2005 Convenção Europeia da Paisagem, feita em Florença em 20 de Outubro de 2000 Considerando fundamental, para alcançar o desenvolvimento sustentável, o estabelecimento de uma relação equilibrada

Leia mais

PRIMEIROS PASSOS DA AAE EM PORTUGAL APLICAÇÃO À ESTRATÉGIA DE INVESTIMENTO DO PARQUE ALQUEVA

PRIMEIROS PASSOS DA AAE EM PORTUGAL APLICAÇÃO À ESTRATÉGIA DE INVESTIMENTO DO PARQUE ALQUEVA PRIMEIROS PASSOS DA AAE EM PORTUGAL APLICAÇÃO À ESTRATÉGIA DE INVESTIMENTO DO PARQUE ALQUEVA Maria do Rosário Partidário, Sofia Antunes, Júlio de Jesus e Marta Garcia LOCALIZAÇÃO Localizado no Concelho

Leia mais

Plano Estratégico Nacional do Turismo. Desafios do Turismo Sustentável do PATES

Plano Estratégico Nacional do Turismo. Desafios do Turismo Sustentável do PATES Ferramentas para a Sustentabilidade do Turismo Seminário Turismo Sustentável no Espaço Rural Castro Verde, 7 Março 2012 Teresa Bártolo 2012 Sustentare Todos os direitos reservados www.sustentare.pt 2 Turismo

Leia mais

Plano de Atividades 2014. www.andonicanela.com

Plano de Atividades 2014. www.andonicanela.com Plano de Atividades 2014 (Revisão) www.andonicanela.com PROGRAMA DE ACTIVIDADES 2014 REVISTO INTRODUÇÃO e VERTENTE ESTRATÉGICA A LPN como a mais antiga e mais consistente organização não governamental

Leia mais

III. DESENVOLVIMENTO DA PROGRAMAÇÃO FINANCEIRA DO INVESTIMENTO

III. DESENVOLVIMENTO DA PROGRAMAÇÃO FINANCEIRA DO INVESTIMENTO PIDDAR 2009 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA 111 III. DESENVOLVIMENTO DA PROGRAMAÇÃO FINANCEIRA DO INVESTIMENTO PIDDAR 2010 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA 113 Quadro I Programação do Investimento por Programas

Leia mais

2 º TRIMESTRE DE 2008

2 º TRIMESTRE DE 2008 Desenvolvimento Alentejo Central, A.C.E. notícias do monte 2 º TRIMESTRE DE 2008 Micro Crédito no Alentejo Central O SIM Sistema de Micro Crédito para o Auto-Emprego e a Criação de Empresas constitui uma

Leia mais

INMOTION CARACTERIZAÇÃO:

INMOTION CARACTERIZAÇÃO: INMOTION CARACTERIZAÇÃO: O PROVERE INMotion identifica como recursos endógenos a natureza e Biodiversidade assentes nos patrimónios natural e cultural com características únicas e diferenciadoras desta

Leia mais

Convenção Europeia da Paisagem Florença 20.X.2000

Convenção Europeia da Paisagem Florença 20.X.2000 Convenção Europeia da Paisagem Florença 20.X.2000 Preâmbulo Os membros do Conselho da Europa signatários da presente Convenção, Considerando que o objectivo do Conselho da Europa é alcançar uma maior unidade

Leia mais

O PATRIMÓNIO NATURAL E O DO ALGARVE. Conversas sobre a Ria Formosa 3 de Março de 2011

O PATRIMÓNIO NATURAL E O DO ALGARVE. Conversas sobre a Ria Formosa 3 de Março de 2011 O PATRIMÓNIO NATURAL E O DESENVOLVIMENTO TURÍSTICO DO ALGARVE Conversas sobre a Ria Formosa 3 de Março de 2011 1. PENT - estratégia para o desenvolvimento do Turismo em Portugal RCM 53/2007, de 04 de Abril

Leia mais

Desenvolvimento Local nos Territórios Rurais: desafios para 2014-2020

Desenvolvimento Local nos Territórios Rurais: desafios para 2014-2020 Desenvolvimento Local nos Territórios Rurais: desafios para 2014-2020 Seminário Turismo Sustentável no Espaço Rural: Experiências de Sucesso em Portugal e na Europa Castro Verde - 06 de Março 2013 Joaquim

Leia mais

A LPN face à conservação da Biodiversidade em Portugal

A LPN face à conservação da Biodiversidade em Portugal A LPN face à conservação da Biodiversidade em Portugal 26 de Setembro, 2007 Seminário Sociedade civil, Empresas e Biodiversidade Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa Índice 1) A LPN 2) Programas e Projectos

Leia mais

Apoios Financeiros ao Investimento no Turismo. Anadia, 25 de Fevereiro de 2008 Miguel Mendes

Apoios Financeiros ao Investimento no Turismo. Anadia, 25 de Fevereiro de 2008 Miguel Mendes Apoios Financeiros ao Investimento no Turismo Anadia, 25 de Fevereiro de 2008 Miguel Mendes 2 Apoios Financeiros ao Investimento no Turismo Índice 1 Plano Estratégico Nacional do Turismo (PENT) 2 Crédito

Leia mais

PLANO DE COMUNICAÇÃO PRODERAM 2020

PLANO DE COMUNICAÇÃO PRODERAM 2020 PLANO DE COMUNICAÇÃO DO PRODERAM 2020 Aprovado na 1.ª Reunião do Comité de Acompanhamento do PRODERAM 2020, de 3 de dezembro de 2015 ÍNDICE I. II. III. IV. V. VI. VII. INTRODUÇÃO... 3 OBJETIVOS... 5 GRUPOS-ALVO...

Leia mais

I WORKSHOP. Algarve Nature Tourism Network

I WORKSHOP. Algarve Nature Tourism Network FAST-LAIN: Further Action on Sustainable Tourism - Learning Area Innovation Network I WORKSHOP Algarve Nature Tourism Network Relatório Vila do Bispo, 2 de Março de 2012 Fotografia: Forte de São João do

Leia mais

ECO XXI Acção de formação. 11 de fevereiro de 2014 Amadora

ECO XXI Acção de formação. 11 de fevereiro de 2014 Amadora ECO XXI Acção de formação 11 de fevereiro de 2014 Amadora Júri Sérgio Guerreiro Director do Departamento de Estudos e Planeamento António Fontes Director, Área Institucional Ana Isabel Fonseca Moiteiro

Leia mais

Polis Litoral Operações Integradas de Requalificação e Valorização da Orla Costeira

Polis Litoral Operações Integradas de Requalificação e Valorização da Orla Costeira Polis Litoral Operações Integradas de Requalificação e Valorização da Orla Costeira OBJECTIVOS DO POLIS LITORAL: (RCM n.º 90/2008, de 3 de Junho) a) Proteger e requalificar a zona costeira, tendo em vista

Leia mais

Jornadas de Educação Pelo Desporto 1

Jornadas de Educação Pelo Desporto 1 Jornadas de Educação Pelo Desporto 1 Jornadas de Educação Pelo Desporto As Jornadas de Educação Pelo Desporto alinham-se com os objetivos gerais do Diálogo Estruturado na área da juventude, uma vez que

Leia mais

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO::

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO:: ::ENQUADRAMENTO:: :: ENQUADRAMENTO :: O actual ambiente de negócios caracteriza-se por rápidas mudanças que envolvem a esfera politica, económica, social e cultural das sociedades. A capacidade de se adaptar

Leia mais

micro-empresas e activid i a d de d ec e onómica c TAGUS, 24 de Janeiro de 2015

micro-empresas e activid i a d de d ec e onómica c TAGUS, 24 de Janeiro de 2015 micro-empresas e actividade económica TAGUS, 24 de Janeiro de 2015 20 anos Uma estratégia com o objectivo único de contribuirpara fixar população no interior do seu território. Combater o exodo rural e

Leia mais

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59.

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59. Relatório da Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59 Resumo Novembro de 2009 Avaliação intercalar da execução do Plano de

Leia mais

UM OLHAR PARA O MUNDO RURAL DLBC - A NOVA ESTRATÉGIA PARA O TERRITÓRIO

UM OLHAR PARA O MUNDO RURAL DLBC - A NOVA ESTRATÉGIA PARA O TERRITÓRIO UM OLHAR PARA O MUNDO RURAL DLBC - A NOVA ESTRATÉGIA PARA O TERRITÓRIO LIMITES DO TERRITÓRIO DE INTERVENÇÃO CONSTRUÇÃO DA ESTRATÉGIA - Acordo Parceria 2020 - PDR 2014-2020 - PORA 2020 - PROT OVT - EIDT

Leia mais

O novo quadro institucional dos assuntos do Mar em Portugal

O novo quadro institucional dos assuntos do Mar em Portugal O novo quadro institucional dos assuntos do Mar em Portugal 19 de Abril de 2012 (5.ª feira), 17h00 CONVITE O Presidente da Sociedade de Geografia de Lisboa (SGL) tem a honra de convidar V. Ex.ª e sua Exma.

Leia mais

Maria João Carneiro mjcarneiro@ua.pt Diogo Soares da Silva diogo.silva@ua.pt Vítor Brandão vmbrandao@ua.pt Elisabete Figueiredo elisa@ua.

Maria João Carneiro mjcarneiro@ua.pt Diogo Soares da Silva diogo.silva@ua.pt Vítor Brandão vmbrandao@ua.pt Elisabete Figueiredo elisa@ua. Maria João Carneiro mjcarneiro@ua.pt Diogo Soares da Silva diogo.silva@ua.pt Vítor Brandão vmbrandao@ua.pt Elisabete Figueiredo elisa@ua.pt Universidade de Aveiro, Portugal Avaliar os discursos sobre o

Leia mais

SI INOVAÇÃO INOVAÇÃO PRODUTIVA E EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO

SI INOVAÇÃO INOVAÇÃO PRODUTIVA E EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO SI INOVAÇÃO INOVAÇÃO PRODUTIVA E EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO CRITÉRIOS DE INSERÇÃO DE PROJECTOS NO PÓLO DE COMPETITIVIDADE E TECNOLOGIA TURISMO 2015 TIPOLOGIAS DE INVESTIMENTO ELEGÍVEIS 1. No âmbito dos

Leia mais

FORMAÇÃO AGRICULTURA, AMBIENTE E INOVAÇÃO

FORMAÇÃO AGRICULTURA, AMBIENTE E INOVAÇÃO FORMAÇÃO AGRICULTURA, AMBIENTE E INOVAÇÃO PROJECTO RURAL VALUE Desenvolvimento sustentável de sistemas agrícolas extensivos ameaçados Programa Castro Verde Sustentável Centro de Educação Ambiental do Vale

Leia mais

Valorizar os produtos da terra. Melhorar a vida das nossas aldeias. documento síntese para consulta e debate público 9 Fev 2015

Valorizar os produtos da terra. Melhorar a vida das nossas aldeias. documento síntese para consulta e debate público 9 Fev 2015 PROGRAMA VISEU RURAL Valorizar os produtos da terra Melhorar a vida das nossas aldeias documento síntese para consulta e debate público 9 Fev 2015 CONSELHO ESTRATÉGICO DE VISEU Apresentação. O mundo rural

Leia mais

CTCV. seminários. Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020. Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015

CTCV. seminários. Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020. Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015 23 10 2014 Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020 Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015 Victor Francisco Gestão e Promoção da Inovação 21 de outubro

Leia mais

Empreender em Ecoturismo

Empreender em Ecoturismo Empreender em Ecoturismo Ricardo Barradas Olhão, 11 de Novembro de 2010 Empreender em Ecoturismo Ricardo Barradas Olhão, 11 de Novembro de 2010 1. Animação turística contextualização 2. Ecoturismo números

Leia mais

ANEXO I. FICHAS DE CARACTERIZAÇÃO DAS MEDIDAS 3.1. e 3.2. - EIXO 3 DO PRORURAL versão 7

ANEXO I. FICHAS DE CARACTERIZAÇÃO DAS MEDIDAS 3.1. e 3.2. - EIXO 3 DO PRORURAL versão 7 3.1.1. Diversificação de Actividades Não-Agrícolas na Exploração Descrição Apoio a iniciativas empresariais promotoras do saber fazer tradicional Apoio a actividades lúdicas de carácter inovador nas explorações

Leia mais

ajudam a lançar negócios

ajudam a lançar negócios Capa Estudantes portugueses ajudam a lançar negócios em Moçambique Rafael Simão, Rosália Rodrigues e Tiago Freire não hesitaram em fazer as malas e rumar a África. Usaram a sua experiência para construírem

Leia mais

A APECATE - Associação Portuguesa de Empresas de Congressos, Animação Turística e Eventos, constituída por escritura pública em 17 de Janeiro de

A APECATE - Associação Portuguesa de Empresas de Congressos, Animação Turística e Eventos, constituída por escritura pública em 17 de Janeiro de Turismo de Natureza e Sustentabilidade QUEM SOMOS A APECATE - Associação Portuguesa de Empresas de Congressos, Animação Turística e Eventos, constituída por escritura pública em 17 de Janeiro de 2007,

Leia mais

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE O MUNICIPIO DE SETÚBAL E A CONFEDERAÇÃO PORTUGUESA DAS COLECTIVIDADES DE CULTURA, RECREIO E DESPORTO Considerando: a) As atribuições da Câmara Municipal de Setúbal, conferida

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO NACIONAL DO TURISMO. Para o Desenvolvimento do Turismo em Portugal. Síntese

PLANO ESTRATÉGICO NACIONAL DO TURISMO. Para o Desenvolvimento do Turismo em Portugal. Síntese PLANO ESTRATÉGICO NACIONAL DO TURISMO Para o Desenvolvimento do Turismo em Portugal Síntese 1 O PENT - Plano Estratégico Nacional do Turismo é uma iniciativa governamental, da responsabilidade do Ministério

Leia mais

TURISMO CULTURAL produto estratégico para Portugal. Abrantes, 2011

TURISMO CULTURAL produto estratégico para Portugal. Abrantes, 2011 TURISMO CULTURAL produto estratégico para Portugal Abrantes, 2011 O TURISMO CULTURAL HOJE 44 milhões de turistas procuram turismo cultural na Europa O património cultural motiva a viagem e, por isso, aproxima

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Universidade de Évora, 10 de março de 2015 Identidade, Competitividade, Responsabilidade Lezíria do Tejo Alto Alentejo Alentejo Central Alentejo Litoral

Leia mais

Empreendimentos Turísticos Como Instalar ou Reconverter Novo Regime Jurídico

Empreendimentos Turísticos Como Instalar ou Reconverter Novo Regime Jurídico Empreendimentos Turísticos Como Instalar ou Reconverter Novo Regime Jurídico, Turismo de Portugal, I.P. Rua Ivone Silva, Lote 6, 1050-124 Lisboa Tel. 211 140 200 Fax. 211 140 830 apoioaoempresario@turismodeportugal.pt

Leia mais

DEBATE DO PG SRETC 21/05/2015

DEBATE DO PG SRETC 21/05/2015 DEBATE DO PG SRETC 21/05/2015 Senhor Presidente da Assembleia Legislativa Regional, Excelência Senhor Presidente do Governo Regional da Madeira, Excelência Senhoras e Senhores Secretários Regionais Senhoras

Leia mais

A Construção Sustentável e o Futuro

A Construção Sustentável e o Futuro A Construção Sustentável e o Futuro Victor Ferreira ENERGIA 2020, Lisboa 08/02/2010 Visão e Missão O Cluster Habitat? Matérias primas Transformação Materiais e produtos Construção Equipamentos Outros fornecedores

Leia mais

Seminário A Qualidade nas Intervenções de Conservação, Reabilitação e Valorização das Casas Antigas

Seminário A Qualidade nas Intervenções de Conservação, Reabilitação e Valorização das Casas Antigas Seminário A Qualidade nas Intervenções de Conservação, Reabilitação e Valorização das Casas Antigas Data: Sábado, 14 de Novembro de 2009, 14h00 18h30 Local: Palácio dos Marqueses de Fronteira, em Lisboa

Leia mais

PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE CANTANHEDE (ALTERAÇÃO)

PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE CANTANHEDE (ALTERAÇÃO) DEPARTAMENTO DE URBANISMO Divisão de Ordenamento do Território PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE CANTANHEDE (ALTERAÇÃO) AVALIAÇÃO AMBIENTAL ESTRATÉGICA RELATÓRIO JUSTIFICATIVO PARA A NÃO REALIZAÇÃO JULHO 2012

Leia mais

O ENOTURISMO. Conceito:

O ENOTURISMO. Conceito: Conceito: O conceito de enoturismo ainda está em formação e, a todo o momento, vão surgindo novos contributos; Tradicionalmente, o enoturismo consiste na visita a vinhas, estabelecimentos vinícolas, festivais

Leia mais

Manifesto europeu para o turismo náutico sustentável

Manifesto europeu para o turismo náutico sustentável INTRODUÇÃO Através de várias iniciativas, incluindo as declarações sobre turismo de Manila e Haia, a comunidade internacional confirmou a importância do papel do turismo de veicular o desenvolvimento social

Leia mais

Economia do Mar em Portugal

Economia do Mar em Portugal Economia do Mar em Portugal Nota Introdutória A estratégia de Portugal para a Economia do Mar encontra-se englobada na Estratégia Nacional (recentemente aprovada), estabelecendo um quadro legal, estável

Leia mais

Desenvolvimento do Âmbito e Alcance

Desenvolvimento do Âmbito e Alcance Revisão do PDM de Vila Real de Santo António Avaliação ação Ambiental be Estratégica: Desenvolvimento do Âmbito e Alcance Pedro Bettencourt 1, Pedro Afonso Fernandes 2 1 Geólogo, Director-Geral; 2 Economista

Leia mais

MADEIRA TOURISM INTERNATIONAL CENTRE

MADEIRA TOURISM INTERNATIONAL CENTRE MADEIRA TOURISM INTERNATIONAL CENTRE Josep-Francesc Valls, PhD Visiting professor, UMa Full professor Department of Marketing Management, ESADE Business School Funchal, 15 de Janeiro de 2015 A Madeira

Leia mais

Conheça os oradores do Seminário Semana SeguraNet 2015

Conheça os oradores do Seminário Semana SeguraNet 2015 Conheça os oradores do Seminário Semana SeguraNet 2015 Ana Margarida Pires Miranda Poças Marques, natural de Castro Daire, nascida em 29 de agosto de 1951; Licenciou-se em Matemática - Ramo Educacional

Leia mais

A MOBILIDADE EM CIDADES MÉDIAS ABORDAGEM NA PERSPECTIVA DA POLÍTICA DE CIDADES POLIS XXI

A MOBILIDADE EM CIDADES MÉDIAS ABORDAGEM NA PERSPECTIVA DA POLÍTICA DE CIDADES POLIS XXI Mobilidade em Cidades Médias e Áreas Rurais Castelo Branco, 23-24 Abril 2009 A MOBILIDADE EM CIDADES MÉDIAS ABORDAGEM NA PERSPECTIVA DA POLÍTICA DE CIDADES POLIS XXI A POLÍTICA DE CIDADES POLIS XXI Compromisso

Leia mais

- INFORMAÇÃO. Agricultura Familiar e Comercialização de Proximidade

- INFORMAÇÃO. Agricultura Familiar e Comercialização de Proximidade APRESENTAÇÃO - INFORMAÇÃO Agricultura Familiar e Comercialização de Proximidade A ATAHCA organiza nos dias 10 e 11 de Outubro em Vila Verde um encontro abordando o tema Agricultura Familiar e Comercialização

Leia mais

ATIVIDADES DISPONÍVEIS Turismo Rural Casas de Juromenha

ATIVIDADES DISPONÍVEIS Turismo Rural Casas de Juromenha ATIVIDADES DISPONÍVEIS Turismo Rural Casas de Juromenha 1 Aluguer de Equipamentos Kayak K1, para 1 pessoa; 5 Kayaks Max: 5 Pax Kayak K2, para 2 pessoas; 7 Kayaks Max: 14 Pax WindSurf para todos os níveis

Leia mais

A EERA E NO ÂMBITO DO SET PLAN

A EERA E NO ÂMBITO DO SET PLAN Associados: A EERA E AS INICIATIVAS INDUSTRIAIS EUROPEIAS NO ÂMBITO DO SET PLAN EERA MEETING AUDITÓRIO DO LNEG, 18 JULHO 2011 JOAQUIM BORGES GOUVEIA MEMBRO DO CONSELHO CIENTÍFICO ENERGYIN TERESA BERTRAND

Leia mais

1. Apresentação de todos os participantes: docentes e alunos.

1. Apresentação de todos os participantes: docentes e alunos. Unidade Curricular Paisagem, Biodiversidade e Sociedade Área Científica Paisagem, Ambiente e Ordenamento Ano Curricular 1 Horas de Trabalho 156 Horas de Contacto TP-30;TC-15;OT-15 ECTS 6 Observações Obrigatória

Leia mais

JORNAL OFICIAL I SÉRIE NÚMERO 46 TERÇA-FEIRA, 24 DE MARÇO DE 2009 ÍNDICE:

JORNAL OFICIAL I SÉRIE NÚMERO 46 TERÇA-FEIRA, 24 DE MARÇO DE 2009 ÍNDICE: I SÉRIE NÚMERO 46 TERÇA-FEIRA, 24 DE MARÇO DE 2009 ÍNDICE: SECRETARIA REGIONAL DA AGRICULTURA E FLORESTAS Portaria n.º 21/2009: Aprova o Regulamento de aplicação das Medidas 3.1 Diversificação da Economia

Leia mais

UNIVERSIDADE DE TRÁS-OS-MONTES E ALTO DOURO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA, SOCIOLOGIA E GESTÃO CURRICULUM VITAE

UNIVERSIDADE DE TRÁS-OS-MONTES E ALTO DOURO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA, SOCIOLOGIA E GESTÃO CURRICULUM VITAE UNIVERSIDADE DE TRÁS-OS-MONTES E ALTO DOURO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA, SOCIOLOGIA E GESTÃO CURRICULUM VITAE CARLOS JORGE FONSECA DA COSTA VILA REAL, OUTUBRO DE 2006 a) IDENTIFICAÇÃO NOME: Carlos Jorge Fonseca

Leia mais

- Propriedade da ATA ASSOCIAÇÃO DO TURISMO DE ALDEIA

- Propriedade da ATA ASSOCIAÇÃO DO TURISMO DE ALDEIA ALDEIAS DE PORTUGAL - Referencial de Certificação - Propriedade da ATA ASSOCIAÇÃO DO TURISMO DE ALDEIA - Marca criada pelas Associações de Desenvolvimento Local que fundaram esta instituição e que hoje

Leia mais

ESTRATÉGIA NACIONAL DE CONSERVAÇÃO DA NATUREZA E DA BIODIVERSIDADE

ESTRATÉGIA NACIONAL DE CONSERVAÇÃO DA NATUREZA E DA BIODIVERSIDADE ESTRATÉGIA NACIONAL DE CONSERVAÇÃO DA NATUREZA E DA BIODIVERSIDADE 1. O Grupo Português da ProGEO European Association for the Conservation of the Geological Heritage congratula-se com a iniciativa do

Leia mais

SEMINÁRIO SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS S EMPRESAS

SEMINÁRIO SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS S EMPRESAS SEMINÁRIO SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS S EMPRESAS PO ALGARVE21 Estratégia Regional e Enquadramento dos Sistemas de Incentivos Francisco Mendonça a Pinto PORTIMÃO, 6 de Novembro de 2008 Principal problema

Leia mais

A inscrição no congresso inclui os dois dias de participação no mesmo sendo o seu valor (com IVA incluído) o seguinte:

A inscrição no congresso inclui os dois dias de participação no mesmo sendo o seu valor (com IVA incluído) o seguinte: ENQUADRAMENTO Integrar a à escala local, nomeadamente nos bairros é cada vez mais um desafio que vai ser abordado no congresso LiderA 2012 que se realiza nos dias 18 e 19 de Junho de 2012, no Complexo

Leia mais

DESENVOLVIMENTO LOCAL DE BASE COMUNITÁRIA LEADER PRORURAL +

DESENVOLVIMENTO LOCAL DE BASE COMUNITÁRIA LEADER PRORURAL + DESENVOLVIMENTO LOCAL DE BASE COMUNITÁRIA LEADER PRORURAL + Estratégia de Desenvolvimento Local Eixos Estratégicos Qualificação e diversificação da Economia Rural através da valorização do potencial económico

Leia mais

Como tornar o Alto Minho uma região mais resiliente

Como tornar o Alto Minho uma região mais resiliente Plano de Desenvolvimento do Alto Minho Como tornar o Alto Minho uma região mais resiliente 31 de Janeiro de 2013 Arcos de Valdevez Augusto Mateus Estrutura da sessão ALTO MINHO: Desafio 2020 Como tornar

Leia mais

2006-2015. Bolsa de Turismo de Lisboa 18 de Janeiro 2006

2006-2015. Bolsa de Turismo de Lisboa 18 de Janeiro 2006 2006-2015 Bolsa de Turismo de Lisboa 18 de Janeiro 2006 Portugal 2015 Portugal 2015 - Metas 2005 2015 Douro Douro Oeste Oeste Serra da Estrela Serra da Estrela Alqueva Litoral Alentejano Litoral Alentejano

Leia mais

CICLO DE CONFERÊNCIAS "25 ANOS DE PORTUGAL NA UE"

CICLO DE CONFERÊNCIAS 25 ANOS DE PORTUGAL NA UE Boletim Informativo n.º 19 Abril 2011 CICLO DE CONFERÊNCIAS "25 ANOS DE PORTUGAL NA UE" A Câmara Municipal de Lamego no âmbito de atuação do Centro de Informação Europe Direct de Lamego está a promover

Leia mais

POLÍTICAS DE COMPETITIVIDADE PARA O SECTOR AGRO-ALIMENTAR

POLÍTICAS DE COMPETITIVIDADE PARA O SECTOR AGRO-ALIMENTAR POLÍTICAS DE COMPETITIVIDADE PARA O SECTOR AGRO-ALIMENTAR Prioridades Estratégicas Indústria Portuguesa Agro-Alimentar Federação das Indústrias Portuguesas Agro-Alimentares XI LEGISLATURA 2009-2013 XVIII

Leia mais

Plano Plurianual de Investimentos

Plano Plurianual de Investimentos O Orçamento da (Vale do Minho-CI), irá concentrar os seus recursos para o ano 2009 na implementação dos projectos aprovados no QCAIII que se encontram em fase de conclusão, bem como nos projectos já aprovados

Leia mais

BFuture Soluções de Sustentabilidade

BFuture Soluções de Sustentabilidade BFuture Soluções de Sustentabilidade Porque existe um plano B! Hoje em dia é quase consensual que o estilo de vida que se segue nas sociedades ditas desenvolvidas, não é sustentável. Todos começam a ter

Leia mais

CENTRO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO VALE GONÇALINHO CASTRO VERDE

CENTRO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO VALE GONÇALINHO CASTRO VERDE CENTRO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO VALE GONÇALINHO CASTRO VERDE Seminário Equipamentos de Educação Ambiental para a Sustentabilidade Cátia Marques & Rita Alcazar Lisboa, APA, 19 de Dezembro de 2011 Centro

Leia mais

síntese das propostas do seminário desertificação e biodiversidade de Castro Verde / Mértola.

síntese das propostas do seminário desertificação e biodiversidade de Castro Verde / Mértola. síntese das propostas do seminário desertificação e biodiversidade de Castro Verde / Mértola. desertificação, biodiversidade e alterações climáticas Mogadouro 2011 Desertificação e Biodiversidade Carta

Leia mais

Contributo para um Processo Territorial de Proximidade

Contributo para um Processo Territorial de Proximidade Contributo para um Processo Territorial de Proximidade O que é? O PROVE - Promover e Vender é uma metodologia desenvolvida no âmbito da iniciativa comunitária EQUAL que visa a promoção de novas formas

Leia mais

O turismo de negócios

O turismo de negócios A metodologia Delphi aplicada à Investigação do Turismo de Negócios na Região Centro de Portugal Jorge Humberto Soares Marques jorgemarques_18@hotmail.com O turismo de negócios Perspectivas e definições

Leia mais

Turismo no espaço rural: instrumentos financeiros previstos e formação Investimento na Beira Interior Sul Expectativas PDR

Turismo no espaço rural: instrumentos financeiros previstos e formação Investimento na Beira Interior Sul Expectativas PDR Turismo no espaço rural: instrumentos financeiros previstos e formação Investimento na Beira Interior Sul Expectativas PDR informação: DGADR ADRACES GPP Paulo Pires Águas Luís Quinta-Nova Isabel Castanheira

Leia mais

Estratégia de Dinamização e de Divulgação

Estratégia de Dinamização e de Divulgação Estratégia de Dinamização e de Divulgação Plano de Ação de 2015 FEVEREIRO 2015 1 Índice 1. INTRODUÇÃO... 3 2. VISÃO DA BOLSA DE TERRAS... 4 3. OBJETIVOS ESTRATÉGICOS - LINHAS GERAIS DA ESTRATÉGIA... 5

Leia mais

QUERES SER VOLUNTÁRIO(A) NO GEOTA?

QUERES SER VOLUNTÁRIO(A) NO GEOTA? INVENTARIAÇÃO DE POPULAÇÕES DE AVIFAUNA DA RESERVA NATURAL LOCAL DO PAUL DE TORNADA - Quais os objetivos da tarefa? Manter, incrementar e divulgar os valores naturais da Reserva Natural Local do Paul de

Leia mais

AMBIENTE ANGOLA Feira Internacional de Equipamentos, Serviços e Tecnologias Ambientais

AMBIENTE ANGOLA Feira Internacional de Equipamentos, Serviços e Tecnologias Ambientais AMBIENTE ANGOLA Feira Internacional de Equipamentos, Serviços e Tecnologias Ambientais Organização: Ministério do Ambiente de Angola I Feira Internacional de Luanda I iir Exhibitions Conteúdos Ficha Técnica

Leia mais

Curriculum Vitae. Informação pessoal. Experiência profissional

Curriculum Vitae. Informação pessoal. Experiência profissional Curriculum Vitae Informação pessoal Apelido(s) / Nome(s) próprio(s) Francisco Morada(s) Bairro fragoso Rua D. Dinis, nº 1 7090-012 Alcáçovas - Portugal Telefone(s) + 351 266 954 340 Telemóvel + 351 966

Leia mais

TURISMO DE NATUREZA. AEP / Gabinete de Estudos

TURISMO DE NATUREZA. AEP / Gabinete de Estudos TURISMO DE NATUREZA AEP / Gabinete de Estudos Junho de 2008 1 1. Situação a nível europeu De acordo com o Estudo realizado por THR (Asesores en Turismo Hotelería y Recreación, S.A.) para o Turismo de Portugal,

Leia mais

Investigação, Ciência e Desenvolvimento Regional: Oportunidades para uma Economia do Mar

Investigação, Ciência e Desenvolvimento Regional: Oportunidades para uma Economia do Mar II JORNADAS CIÊNCIA NOS AÇORES A política Científica nos Açores 2014-2020: Desafios e Oportunidades para o sistema científico Regional Investigação, Ciência e Desenvolvimento Regional: Oportunidades para

Leia mais

1. Promover a melhoria das condições de vida das população das áreas susceptíveis

1. Promover a melhoria das condições de vida das população das áreas susceptíveis CNCCD -PROPOSTA DE PROGRAMA DE ACÇÃO NACIONAL DE COMBATE À DESERTIFICAÇÃO 2011 / 2020 1. Promover a melhoria das condições de vida das população das áreas susceptíveis 1- Promover a melhoria das condições

Leia mais

Turismo de Portugal é pioneiro na sustentabilidade

Turismo de Portugal é pioneiro na sustentabilidade Divulgação do primeiro relatório Turismo de Portugal é pioneiro na sustentabilidade O Turismo de Portugal apresentou ontem o seu Relatório de Sustentabilidade, tornando-se no primeiro Instituto Público

Leia mais

MARIA P A I N E L. Maria Saudade Baltazar UÉvora &CesNova

MARIA P A I N E L. Maria Saudade Baltazar UÉvora &CesNova MARIA P A I N E L A S M A I S V A L I A S D A C O O P E R A Ç Ã O E D O A S S O C I A T I V I S M O Maria Saudade Baltazar UÉvora &CesNova OBJETIVOS Contribuir para a discussão de estratégias, oportunidades

Leia mais

MINHO IN. Seminário Valorização dos Recursos Endógenos Agroalimentar & Gastronomia. 25 de Novembro de 2015, Villa Moraes, Ponte de Lima

MINHO IN. Seminário Valorização dos Recursos Endógenos Agroalimentar & Gastronomia. 25 de Novembro de 2015, Villa Moraes, Ponte de Lima MINHO IN Seminário Valorização dos Recursos Endógenos Agroalimentar & Gastronomia 25 de Novembro de 2015, Villa Moraes, Ponte de Lima O MINHO IN Estratégia de Eficiência Coletiva O Minho IN é estratégia

Leia mais

Empreendedorismo e Valorização de ativos do território Albufeira, 10 de Maio de 2013 A. Oliveira das Neves

Empreendedorismo e Valorização de ativos do território Albufeira, 10 de Maio de 2013 A. Oliveira das Neves Empreendedorismo e Valorização de ativos do território Albufeira, 10 de Maio de 2013 Roteiro de Apresentação 1. Empreendedorismo Conceitos e Competências 2. Valorização do Território Conceitos 3. Iniciativas

Leia mais

TAGUS, 19 de Janeiro de 2015

TAGUS, 19 de Janeiro de 2015 TAGUS, 19 de Janeiro de 2015 20 anos Uma estratégiacom o objectivoúnicode contribuirpara fixar população no interior do seu território. Combater o exodo rural e abandono da activiade agro- Combater o exodo

Leia mais

Projectar o Algarve no Futuro

Projectar o Algarve no Futuro Projectar o Algarve no Futuro Os Novos Desafios do Algarve Região Digital paulo.bernardo@globalgarve.pt 25 Maio 2007 Auditório Portimão Arena Um mundo em profunda mudança O Mundo enfrenta hoje um processo

Leia mais

Gestão de Energia e Eficiência Energética nas Empresas O enquadramento legal!

Gestão de Energia e Eficiência Energética nas Empresas O enquadramento legal! Gestão de Energia e Eficiência Energética nas Empresas O enquadramento legal! 25 de Janeiro de 2013 Agenda: Enquadramento Legislativo e Regulamentar adequado à Utilização de Energia nas empresas; Âmbito

Leia mais

SESSÕES DE PROMOÇÃO DO BALCÃO DO EMPRESÁRIO

SESSÕES DE PROMOÇÃO DO BALCÃO DO EMPRESÁRIO SESSÕES DE PROMOÇÃO DO BALCÃO DO EMPRESÁRIO INSIDE E REDE DE COOPERAÇÃO EMPRESARIAL DO ALENTEJO Vendas Novas, 29 outubro 2014 1 I. Serviços do Balcão do Empresário a. Enquadramento b. Questionário às necessidades

Leia mais

Integrado do Vale do Minho. Av. Miguel Dantas, n.º 69. 4930-678 Valença. Tel.: +351 251 825 811/2. Fax: +351 251 825 620. adriminho@mail.telepac.

Integrado do Vale do Minho. Av. Miguel Dantas, n.º 69. 4930-678 Valença. Tel.: +351 251 825 811/2. Fax: +351 251 825 620. adriminho@mail.telepac. Eixo 3 do PRODER Dinamização das zonas Rurais Englobam no eixo 3 do PRODER Abordagem Leader as seguintes Medidas e Acções Medida 3.1 Diversificação da Economia e Criação de Emprego 3.1.1 Diversificação

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 13/XIII/1ª PREFERÊNCIA PELA PRODUÇÃO ALIMENTAR LOCAL NAS CANTINAS PÚBLICAS

PROJETO DE LEI N.º 13/XIII/1ª PREFERÊNCIA PELA PRODUÇÃO ALIMENTAR LOCAL NAS CANTINAS PÚBLICAS PROJETO DE LEI N.º 13/XIII/1ª PREFERÊNCIA PELA PRODUÇÃO ALIMENTAR LOCAL NAS CANTINAS PÚBLICAS Nota justificativa A dependência alimentar do exterior é bastante acentuada no nosso país, ultrapassando os

Leia mais

1. Eixo(s) em que se insere Eixo 3 Qualidade de vida nas zonas rurais e diversificação da economia rural

1. Eixo(s) em que se insere Eixo 3 Qualidade de vida nas zonas rurais e diversificação da economia rural MEDIDA 3.1 Diversificação da Economia e Criação de Emprego 1. Eixo(s) em que se insere Eixo 3 Qualidade de vida nas zonas rurais e diversificação da economia rural 2. Enquadramento Regulamentar Artigo

Leia mais

Finanças para Não Financeiros

Finanças para Não Financeiros www.pwc.pt/academy Finanças para Não Financeiros Academia da PwC Este curso permite-lhe compreender melhor as demonstrações financeiras, os termos utilizados e interpretar os principais indicadores sobre

Leia mais

MINISTÉRIO DO AMBIENTE

MINISTÉRIO DO AMBIENTE REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DO AMBIENTE O Ministério do Ambiente tem o prazer de convidar V. Exa. para o Seminário sobre Novos Hábitos Sustentáveis, inserido na Semana Nacional do Ambiente que terá

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Identidade, Competitividade, Responsabilidade Acordo de Parceria Consagra a política de desenvolvimento económico, social, ambiental e territorial Define

Leia mais

BALCÕES DE ATENDIMENTO

BALCÕES DE ATENDIMENTO BALCÕES DE ATENDIMENTO Neste espaço encontra várias entidades públicas e privadas com balcões de atendimento permanente. Aqui tem acesso a informação diversificada, desde sistemas de incentivos até ofertas

Leia mais

Com uma visão inovadora a CÉSAR FREITAS ARQUITECTOS aposta no Desenvolvimento Sustentável

Com uma visão inovadora a CÉSAR FREITAS ARQUITECTOS aposta no Desenvolvimento Sustentável O seu parceiro de confiança! Com uma visão inovadora a CÉSAR FREITAS ARQUITECTOS aposta no Desenvolvimento Sustentável A NOSSA EMPRESA 2 A CÉSAR FREITAS ARQUITECTOS é uma empresa pluridisciplinar focalizada

Leia mais

MINHO INovação 2014/2020

MINHO INovação 2014/2020 MINHO INovação 2014/2020 O MINHO IN Estratégia de Eficiência Coletiva O Minho IN é estratégia de eficiência coletiva, isto é uma ação conjunta assente numa parceria que partilha um objetivo em concreto:

Leia mais