A importância da gestão do conhecimento para organizações do terceiro setor e empreendimentos econômicos solidários

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A importância da gestão do conhecimento para organizações do terceiro setor e empreendimentos econômicos solidários"

Transcrição

1 A importância da gestão do conhecimento para organizações do terceiro setor e empreendimentos econômicos solidários Ana Rita Gallo (UNICEP) Dense Marçon (UNICEP) Maria Betânia Darcie Pessoa (UNICEP) Resumo: O principal objetivo deste artigo é compreender que as organizações do terceiro setor e os empreendimentos econômicos solidários possuem um saber, muitas vezes, subutilizado pelos saberes técnicos e acadêmicos. Para atingir o objetivo proposto realizaram-se pesquisas de campo utilizando-se das técnicas de entrevista, questionário, observações, análise documental e mapeamento cognitivo. Os principais resultados destas pesquisas revelam que a experiência vivida é fonte primordial do conhecimento e indispensável ao bom funcionamento dessas organizações. Esse conhecimento não pode ser ignorado, uma vez que ele é matéria-prima essencial para a construção e/ou utilização de ferramentas que propiciam o estímulo à criatividade, auxiliam nas soluções de problemas/tomada de decisão e, conseqüentemente, no desenvolvimento da própria organização. Palavras-chave: Terceiro Setor; Gestão do Conhecimento; Empreendimentos Econômicos Solidários 1. INTRODUÇÃO As pesquisas que inspiraram este artigo foram realizadas em organizações do terceiro setor e de empreendimentos econômicos solidários, partindo-se da premissa que essas organizações possuem um conhecimento implícito baseado nas experiências cotidianas de seus membros. O tema apresentado neste trabalho é fruto da discussão e fusão de idéias de duas dissertações de mestrado e uma tese de doutorado, utilizadas como fonte teórica e empírica, cujos temas são transversais, percorrendo as áreas da Gestão do Conhecimento/Aprendizagem Organizacional e Gestão do Terceiro Setor e de Empreendimentos Econômicos Solidários (cooperativas agropecuárias). Percebeu-se durante as pesquisas que a partir das necessidades das próprias organizações e da participação de seus membros na solução dos seus problemas cria-se um conhecimento baseado nas experiências vivenciadas. Parte-se do pressuposto que os integrantes das organizações do terceiro setor e das cooperativas são fundamentais no processo de criação e transformação do conhecimento tácito presente no seu cotidiano. Tal conhecimento consiste em uma aglutinação de habilidades técnicas habilidades informais e de difícil descrição (know-how), de modelos mentais, de crenças, de valores e das perspectivas arraigadas e/ou obtidas pelos indivíduos no processo de desenvolvimento de sua realidade social. Esse conhecimento está profundamente enraizado na ação e no comprometimento do indivíduo com um contexto específico uma arte, uma profissão ou atividades de um grupo ou equipe de trabalho. Desse modo, este artigo tem como objetivo compreender que essas organizações possuem um saber, muitas vezes, subutilizado pelos saberes técnicos e acadêmicos da Administração, sendo necessário promover o entrelaçamento entre saberes técnicos e acadêmicos da Administração com os conhecimentos e experiências vivenciadas pela organização. ENEGEP 2004 ABEPRO 3880

2 O reconhecimento desse conjunto de fatores relacionados às experiências vivenciadas pelas organizações analisadas tende a levar à descoberta de ferramentas de gestão que poderão ser mobilizadas para seu próprio desenvolvimento e sustentabilidade. Tradicionalmente, a Ciência da Administração tem ignorado a complexidade dos fenômenos sociais, pois a prática e a teoria organizacional orientam-se pela lógica da racionalidade instrumental (SERVA, 1997a e 1997b; ANDION, 1998 e 2001). Tal racionalidade torna irrelevantes as especificidades históricas, econômicas, culturais e sociais, inclusive as experiências cotidianas da organização. Tendo as organizações do terceiro setor e os empreendimentos econômicos solidários como fonte essencial para os dados analisados utilizou-se como técnica de coleta de dados: entrevistas, questionários, observações livres, análise documental e mapeamentos cognitivos. Essa última técnica será melhor detalhada por ser recente e de pouco conhecimento da academia. O Mapeamento Cognitivo consiste em uma técnica que tem como foco os indivíduos envolvidos com a situação sob análise, suas percepções, pontos de vista, crenças, etc, ou seja, considera os aspectos subjetivos envolvidos. O processo de mapeamento, propriamente dito, consiste em um processo interativo entre facilitador e sujeito em que se tem a construção de um modelo o mapa que considera a atuação do indivíduo sobre os problemas, as soluções experimentadas bem como todo o arsenal de conhecimento construído por ele próprio a partir da análise das conseqüências dessas soluções (EDEN, 1988). No caso de suporte a grupos decisores, como os analisados nas pesquisas citadas inicialmente, o mapa resultante engloba a percepção de todos os envolvidos no processo de mapeamento, sendo utilizado para o compartilhamento das visões sobre a situação problemática como um todo, ao mesmo tempo em que funciona como um veículo de negociação entre o facilitador e os clientes para se obter algum tipo de consenso e o respectivo comprometimento dos que irão desenvolver as ações estabelecidas (PESSOA, 2002). 2. ORGANIZAÇÕES DO TERCEIRO SETOR E EMPREENDIMENTOS ECONÔMICOS SOLIDÁRIOS A emergência de diversas alternativas organizacionais, tais como o terceiro setor e os empreendimentos econômicos solidários, está intimamente ligada a falência dos mecanismos de regulação econômico-político da sociedade, caracterizado pela debilidade do paradigma fundamentado no mercado e pela crise do Estado enquanto agente regulador e propulsor de políticas públicas para o desenvolvimento econômico e social. Segundo alguns autores este é um contexto particular de uma sociedade pós-industrial, caracterizada pela consolidação do modelo liberal de democracia, pela evidente crise da concepção de Estado nos países desenvolvidos denominada welfare state, pelo aumento das desigualdades sociais, pela precarização dos empregos e pela opção moderna de um Estado Mínimo parceiro da sociedade civil (MENDES, 1997; FALCONER, 1999; DINIZ, 2000). Para caracterizar esse conjunto de organizações complexo e diversificado que estão crescendo na sociedade, estão surgindo várias denominações e nomenclaturas, que são usadas em contextos bastante diferentes e com vários significados, causando confusão sobre um tema ainda em construção. Nomes como organizações não lucrativas, organizações voluntárias, organizações não-governamentais, terceiro setor, economia social, movimento alternativo, empreendimentos econômicos solidários; e economia popular se misturam causando uma certa confusão a respeito do que realmente são e dos elementos que as constitui. Há uma certa ENEGEP 2004 ABEPRO 3881

3 imprecisão conceitual, porém esta não é a finalidade do artigo, cuja preocupação central é entender o sujeito enquanto produtor de conhecimento. Embora a emergência do terceiro setor indique a formação de uma variedade de organizações que visam à promoção social; do seu dinamismo e da amplitude que tem assumido nos dias de hoje, ainda há carências de pesquisas sobre essas organizações no campo da Administração, seja por causa de preconceitos ideológicos, seja pela falta de fundamentos teóricos adaptados à sua natureza. Apesar de já se contar atualmente com um grande número de publicações enfocando o terceiro setor, dificilmente encontram-se estudos que abordem seus aspectos de gestão. Segundo Silva (1999, p.1) os estudos das Ciências Humanas e das Ciências Administrativas e Econômicas, de modo geral, têm se dedicado a um campo de conhecimento que se restringe a dois importantes setores que compõe a estrutura social: o Primeiro Setor, constituído pelas empresas privadas que objetivam lucro; e o Segundo Setor, composto por instituições do Estado. O denominado primeiro setor é representado pelo Mercado, no qual os interesses privados sobressaem sobre qualquer interesse mais amplo ou público, responsável pela produção de bens e produtos e pela geração de renda. O segundo setor é representado pelo Estado, que tem como objetivo a promoção do bem estar social. O terceiro setor é constituído por organizações privadas sem fins lucrativos, que geram bens e serviços de caráter público, porém não governamentais. Somente a partir da década de 1980 que o chamado terceiro setor passou a ser objetivo de estudo da academia. O terceiro setor é constituído por um conjunto de organizações e iniciativas privadas que visam a produção de bens e serviços públicos. Representado pela sociedade civil organizada, o terceiro setor é caracterizado por desenvolver atividades beneficentes, religiosas, sociais, culturais, de conhecimento, filantrópicas, objetivando concretizar as demandas e realizar ações para a finalidade social para o qual foram criadas. Essas organizações se mobilizam para missões como a preservação do meio ambiente, a proteção dos direitos humanos, a assistência social, a defesa de minorias, etc., além de articular a sociedade na defesa de seus direitos perante o Estado para a fiscalização das organizações públicas e privadas, e para a inserção de comunidades à margem da sociedade. O trabalho realizado por essas organizações utiliza-se da criatividade e da dimensão voluntária dos indivíduos. No relato de um membro de uma das organizações analisadas (Organização A) isto foi percebido: Nesse período que estou aqui cresci muito como pessoa e também ajudei outras pessoas a crescerem. Tenho aprendido muitas coisas: trato com as pessoas, a responsabilidade e o compromisso social. Eu não estou aqui para receber um salário X no fim do mês. É muito mais do que isto! Eu estou aqui para mais tarde ver o fruto do meu trabalho na vida das pessoas. A organização A é caracterizada como uma associação civil, sem fins lucrativos, de caráter educacional, cultural e de assistência social. Atende crianças e adolescentes de ambos os sexos, na faixa etária de 07 a 17 anos, desenvolvendo atividades de assistência; complementação escolar; complementação alimentar; abrigo; capacitação profissional; lazer; esporte; assistência familiar; alfabetização de adultos; assistência material (roupas e alimentação) a famílias em situações emergenciais; atendimento médico, psicológico e dentário; e reabilitação de infratores e criminosos. Os projetos desenvolvidos pela organização atendem e beneficiam em média 1200 pessoas/mês. ENEGEP 2004 ABEPRO 3882

4 Desta forma, o conceito de terceiro setor denota um conjunto de organizações e iniciativas privadas que visam a produção de bens e serviços públicos. Bens e serviços públicos, nesse caso, implicam uma dupla qualificação: não geram lucros e respondem às necessidades coletivas. Percebe-se assim, que o conceito é certamente amplo e passível de qualificações sob diversos aspectos. As variações ocorrem, e os casos fronteiriços suscitam disputas polêmicas, como acontece em qualquer classificação (FERNANDES, 1995, p. 32). A Economia Solidária, conceito inovador e em construção, pode ocorrer através da expansão das iniciativas populares de geração de trabalho e renda, baseados na livre associação de trabalhadores e nos princípios de autogestão e cooperação por meio dos Empreendimentos Econômicos Solidários (GAIGER, 1999). O arranjo organizacional mais comum desses empreendimentos é a cooperativa. A cooperativa pode ser definida como uma associação de pessoas que se uniram voluntariamente para realizar objetivo comum, através da formação de uma organização administrada e controlada democraticamente, realizando contribuições eqüitativas para o capital necessário e aceitando assumir de forma igualitária os riscos e benefícios do empreendimento no qual os sócios participam ativamente (RECH, 1995, p. 25). Nas cooperativas estudadas (Organização B e C) uma afirmação retrata a percepção de um dos seus membros sobre a satisfação com a criação da mesma, apesar de reconhecer as dificuldades que o grupo possui devido à falta de conhecimento formal e habilidades em gerenciamento: Para nós foi fantástica a criação das cooperativas (...) A cooperativa foi criada pensando no sistema empresarial e a gente teve muita dificuldade porque a gente não era empresário, a gente era trabalhador rural. E que para a gente foi difícil administrar, não foi tão simples, passamos por várias dificuldades, mas conseguimos superar essas questões administrativas dentro da Cooperativa. Hoje a Cooperativa é modelo no nível nacional e internacional de luta pela reforma agrária no estado, no Brasil A organização B é uma cooperativa de produção agrária que, em 2002, tinha 10 anos de existência. A maior parte dos seus integrantes está ou esteve ligado ao MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra) e passou pelo processo de ocupação de terras. São exbóias-fria, ex-meeiros ou pequenos produtores rurais que perderam suas terras por não terem condições econômicas de mantê-las. Em 2002, o grupo estava composto com 45 pessoas. A organização C foi criada em 1997 e é bastante semelhante à organização B, pois ambas são cooperativas de produção agrária. O número de integrantes da organização C, em 2002, totalizava 24 pessoas (GALLO, 2003). Assim, a administração da cooperativa representa um desafio para as futuras gerações do assentamento, no processo de desenvolvimento e aquisição de conhecimentos e habilidades gerencias para o empreendimento. 3. A GESTÃO DO CONHECIMENTO NO CONTEXTO DAS ORGANIZAÇÕES ANALISADAS O conhecimento consiste em uma somatória de experiência, valores, informação contextual e insights experimentados, a partir da qual é possível avaliar e incorporar novas experiências e informações (Davenport & Prusak, 1998). Sendo assim, ele pode se encontrar não só em documentos ou arquivos, mas também e, principalmente, em rotinas, processos, práticas e normas que compõem o dia-a-dia de uma organização. Na organização A isso foi percebido por meio das ações fundamentadas na espiritualidade, de valores de coletividade, de respeito à dignidade humana, do culto à liberdade, da justiça social, da solidariedade, do compromisso com a causa da organização e a ENEGEP 2004 ABEPRO 3883

5 transformação social (MARÇON, 2002). A possibilidade de transformação da sociedade é o fator determinante nas ações da maioria dos membros da organização A e a principal fonte de motivação, como afirmou o seu presidente: o que mais me motiva é realmente acreditar na possibilidade de mudança. Nesse contexto de mudança e transformação do cotidiano de muitas pessoas, o objetivo básico da organização é oferecer possibilidade de crescimento e desenvolvimento para que muitas pessoas possam construir um projeto de vida. Esse processo produz um conhecimento que servirá como referência para os membros do grupo no desenvolvimento da sua realidade social. Convém destacar que nem sempre esse conjunto de valores, objetivos e visão sobre a organização tem o mesmo significado para os diferentes membros que participam da gestão. Ressalta-se que as diversas percepções sobre a organização se devem ao fato das diferentes formas com que os membros se envolvem ou se relacionam com ela: funcionários, voluntários, coordenadores, diretores, etc. Por um lado, isso é um elemento que deve ser trabalhado no âmbito da gestão para que todos compartilhem da mesma visão; por outro, essas diferenças podem enriquecer o processo de desenvolvimento do conhecimento organizacional. Segundo Nonaka & Takeuchi (1997) há dois tipos de conhecimento que podem ser identificados. O primeiro deles, o conhecimento tácito, é aquele que diz respeito ao aprendizado acumulado pelo indivíduo no decorrer de sua vida, ou seja, corresponde a um conhecimento pessoal e arraigado no indivíduo, o que torna mais difícil a sua explicitação e comunicação. Este conhecimento é composto por duas dimensões distintas: a técnica, que corresponde ao know-how do indivíduo, e a cognitiva, que compreende as crenças, percepções, ideais, valores, emoções e modelos mentais individuais. O segundo tipo de conhecimento, o explícito, consiste em um conhecimento formal, sistemático e, portanto, passível de ensino. Uma vez que ambos os conhecimentos tácito e explícito são parte essencial da dinâmica de uma organização, o desenvolvimento de uma efetiva gestão do conhecimento encontra-se ligado não só à identificação desses conhecimentos no ambiente organizacional, mas também à necessidade de uma consciência sobre como ocorrem seus processos de troca ou conversão. Os conhecimentos tácito e explícito podem ser evidenciados na experiência de um cooperado da organização B: Fui fazer um curso técnico em Administração. Recém formado vim para a cooperativa e ajudava. Fui para o Rio de Janeiro fazer uma mini tese, um estudo para ser apresentado, fiz sobre a relação custo e políticas nas cooperativas (...) Cheguei aqui em outubro de 1998 e em novembro houve a eleição da cooperativa, onde eu fui o presidente com três anos de mandato (...) Como eu era recém chegado eu tinha pouca autonomia de propor, mas sim conhecimento, só que as pessoas não acreditavam automaticamente. Aos poucos fui ganhando a confiança, fui trabalhando, aí trabalhando com planejamento, recursos, algumas idéias, atuando ( ) Aí retratei toda a história da cooperativa dentro da realidade que estávamos vivendo: as dívidas, os problemas, mas estávamos virando e depende muito de vocês para nos ajudar. Conversando com os associados eles assumiram, se uniram e começaram a ajudar um pouco mais nos setores, a se esforçarem para diminuir custo. Chegamos e realizamos todos os débitos atrasados, era meu sonho. Na dinâmica da organização B, segundo o relato acima, percebe-se que a formação técnica do cooperado e a experiência empírica do grupo trouxeram benefícios para a cooperativa. Isso tem-se manifestado por meio das eleições, reuniões e assembléias que o grupo realiza. ENEGEP 2004 ABEPRO 3884

6 Em termos teóricos Nonaka & Takeuchi (1997) definem quatro modos de conversão de conhecimento. O primeiro deles, denominado socialização ou conhecimento compartilhado, corresponde à conversão de conhecimento tácito em conhecimento tácito, ou seja, à aquisição por um indivíduo de conhecimento tácito diretamente de outro indivíduo através de observação, imitação e prática; processo este que envolve um compartilhamento de experiências por parte dos envolvidos. O segundo modo, externalização ou conhecimento conceitual, por sua vez, consiste na articulação do conhecimento tácito em conceitos explícitos, o que se dá através da utilização de metáforas, analogias e modelos. Este modo de conversão de conhecimento é chave para a criação do conhecimento propriamente dito, pois é nele que conceitos novos e explícitos são criados a partir do conhecimento tácito existente. O terceiro modo, denominado combinação ou conhecimento sistêmico, corresponde à conversão de conhecimento explícito para explícito. Assim, ele envolve a troca e combinação de conhecimentos por meio de documentos, reuniões e todos os tipos de conversas, sendo que também deste processo podem surgir novos conhecimentos. Por fim, o quarto modo de conversão de conhecimento, internalização ou conhecimento operacional, ocorre quando há pelo indivíduo uma internalização do conhecimento explícito, implicando na formação do seu conhecimento tácito. Este modo corresponde ao que comumente se denomina aprender fazendo. De um modo geral, exemplos destas conversões manifestaram-se nos casos analisados. Observou que na organização A acontecem muitas reuniões para discutir questões comuns, problemas e tomar algumas decisões, passar informações e estabelecer acordos e consensos sobre o rumo da organização, compartilhando seus conhecimentos. Nas organizações B e C, respectivamente, os exemplos evidenciam-se nos relatos abaixo, no qual ocorre o processo de construção do conhecimento: As pessoas têm, ao mesmo tempo, de administrar e ser criativo com alguma coisa, porque ele tem de trabalhar, tem de estar pensando e se preocupar com tudo. Eu acho que a sociedade tem um pouco de consciência de que estar junto é melhor. A gente junto consegue se manter, se estivesse sozinho seria bem mais difícil. Assim, nas organizações B e C, freqüentemente, também realizam-se reuniões com os responsáveis de cada setor produtivo, no qual o conjunto de membros toma decisões, resolvem problemas, realizam planejamento semestral e anual, baseados em experiências do grupo, visto que são poucos que possuem conhecimentos técnicos sobre administração. Os quatro modos de conversão de conhecimento descritos acima são essenciais para a criação de uma organização de aprendizagem, devendo-se destacar neste processo a necessidade de uma socialização do conhecimento tácito existente nos indivíduos com os outros membros organizacionais. Como define Garvin (1993), uma organização que aprende é aquela que possui habilidades para a criação, aquisição e transferência de conhecimentos e também para a modificação de seus comportamentos a partir desses novos conhecimentos. Outra análise importante é a de Senge (1998) que também apresenta um conjunto de cinco disciplinas domínio pessoal, modelos mentais, visão compartilhada, aprendizado em equipe e raciocínio sistêmico que têm como objetivo principal dar suporte à aprendizagem organizacional (à construção de uma organização que aprende) e, portanto, criar uma base para a realização de uma gestão do conhecimento. Uma voluntária da organização A, por exemplo, ao ser indagada sobre o motivo que a levou a ser voluntária, destacou: depois que me aposentei fiquei sem direção, não sabia o que fazer, o tempo não passava. Resolvi dar um pouco de mim, do que eu sei a instituição. Por meio destas palavras, percebe-se que o voluntário tem um interesse específico, que nem ENEGEP 2004 ABEPRO 3885

7 sempre coincide com os dos funcionários ou dos diretores. Algumas pessoas trabalham na organização voluntariamente, outras pelo salário e outros por ideal. A fala dessa voluntária revela também que a organização funciona como um instrumento de socialização para algumas pessoas, sendo parte desse processo de socialização seu domínio pessoal e seus modelos mentais. Como exemplo de visão compartilhada e aprendizado em equipe tem-se a declaração de um membro da organização A: Outra coisa que é importante é que temos sempre procurado fazer com que o pessoal que trabalha conosco tenha bem presente a filosofia, a proposta pedagógica da obra, mas principalmente a filosofia, de modo que, assumindo o espírito do trabalho, a pessoa trabalha com outra determinação, com outro estímulo (...) Isso também contribui muito para que se possa atingir os resultados que se quer. O raciocínio sistêmico pode ser percebido no relato do secretário da organização C: Nós nos agrupamos para o poder de compra e o poder de venda. Compramos insumo como médios produtores e conseguimos negociar. Com o atravessador também conseguimos negociar. Essas são as vantagens. Outro fator que auxilia na criação e desenvolvimento do conhecimento na organização A é a presença da informalidade na sua dinâmica, tais como as relações sociais, as regras e normas, o processo de seleção, entre outros. A maioria das regras e normas é informalmente estabelecida e flexível, existindo apenas algumas regras formais relativas ao seu funcionamento e direcionadas aos seus integrantes. As relações sociais são solidárias e afetivas o que permite uma maior interação do grupo. 4. CONSIDERAÇÕES FINAIS Partindo-se do pressuposto que os sujeitos são fundamentais no processo de criação e desenvolvimento do conhecimento, os casos analisados buscaram refletir sobre as experiências vivenciadas das organizações sem a pretensão de esgotá-las. As teorias que buscam construir um conhecimento gestão e aprendizagem organizacional na perspectiva da aquisição de autonomia dos grupos aglutinam, aceitam e somam a necessidade de percepção do sujeito enquanto produtor de conhecimento. Além disso, é importante que se tenha um compromisso ético com os sujeitos analisados formando um conhecimento em que as próprias ações e subjetividades são produtoras de processos sociais no sentido de encontrar espaços na esfera social para os grupos organizados (SANTOS, 2000). Percebeu-se que a compreensão e valorização das experiências vivenciadas pelas organizações do terceiro setor e pelos empreendimentos econômicos solidários constituem-se em um desafio para os pesquisadores, no sentido de reconhecer o sujeito como produtor de conhecimento na criação de ferramentas de gestão. Neste caso a técnica de mapeamento cognitivo mostra-se como um meio bastante eficaz, na medida em que permite a explicitação e o compartilhamento das diferentes visões e experiências do grupo, bem como um maior comprometimento das pessoas envolvidas no processo. Assim, as pesquisas em Teoria das Organizações devem considerar as especificidades locais, valores, identidades, condicionamentos histórico-sociais das diferentes organizações, principalmente as mais recentes ligadas ao terceiro setor e a Economia Solidária. A intensidade da ação social desses grupos e a variedade de tipos de organização existentes na sociedade configuram um fenômeno inovador e significativo, que deve ser considerado pelos ENEGEP 2004 ABEPRO 3886

8 estudiosos da teoria administrativa, pois constitui-se em uma rica fonte de aprendizado que pode reduzir a distância entre a teoria e a prática organizacional. REFERÊNCIAS ANDION, C. (2001) - As particularidades da gestão em organizações da economia solidária. In: ENCONTRO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO. Campinas, 25, Anais... Campinas, ANPAD. 1 CD-ROM. ANDION, C. (1998) - Gestão das organizações de economia solidária: contornos de uma problemática. Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro, v.32, n.1, p DAVENPORT, T. & PRUSAK, L. (1998) - Conhecimento Empresarial. Rio de Janeiro: Campus. DINIZ, J.A.H. (2000) - O Reflexo dos ajustes das organizações não-governamentais internacionais - ONGIs, às modernas práticas administrativas, sobre o seu caráter institucional original. Dissertação (Mestrado) - Centro de Ciências Sociais Aplicadas, Curso de Mestrado em Administração, Universidade Federal de Pernambuco, Recife. EDEN, C. (1998) - Cognitive mapping. EJOR. N. 36, p FALCONER, A.P. (1999) - A promessa do terceiro setor: um estudo sobre a construção do papel das organizações sem fins lucrativos e do seu campo de gestão. Dissertação (Mestrado) Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, São Paulo. FERNANDES, R.C. (1995) - Elos de uma cidadania planetária. Revista Brasileira de Ciências Sociais. São Paulo, v.10, n.28, p GARVIN, D. (1993) - Building a Learning Organization. Harvard Business Review. p GALLO, A. R. (2003) - Empreendimentos econômicos solidários: alternativas organizacionais de (re) inserção social e econômica. São Carlos: UFSCar Programa de Pós Graduação em Engenharia de Produção, Tese de doutorado. 270 p. GAIGER, L. I. (1999) - Significados e tendências da Economia Solidária. In: Sindicalismo e Economia Solidária. Central Única dos trabalhadores CUT, pp MARÇON, D. (2002) - Gestão das Organizações do Terceiro Setor: uma reflexão sobre a adoção de elementos gerenciais empresariais. São Carlos. 191p. Dissertação (Mestrado) Escola de Engenharia de São Carlos, Universidade de São Paulo. MENDES, L.C.A. (1997) - Para onde vão as ONGs? de assessorias informais de apoio a organizações profissionais estruturadas. Dissertação (Mestrado) Faculdade de Estudos Sociais Aplicados, Universidade de Brasília, Brasília. NONAKA, I. & TAKEUCHI, H. (1997) - Criação de Conhecimento na Empresa. Rio de Janeiro: Campus. PESSOA, M. B. D. (2002) - A utilização do Mapeamento Cognitivo como ferramenta de planejamento estratégico e aprendizagem organizacional. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção) Departamento de Engenharia de Produção, Universidade Federal de São Carlos. RECH, D. (1995) - Cooperativas: uma alternativa de organização popular. Rio de Janeiro, FASE. SANTOS, B. S. (2000) - A crítica da razão indolente: contra o desperdício da experiência. São Paulo, Cortez. SENGE, P. (1998) - A Quinta Disciplina. São Paulo: Best-Seller. SERVA, M. (1997a) - O Estado e as ONGs: uma parceria complexa. Revista de Administração Pública. Rio de Janeiro, v.31, n.6, p.41-54, nov./dez. SERVA, M. (1997b) - A racionalidade substantiva demonstrada na prática administrativa. Revista de Administração de Empresas. São Paulo, v.37, n.2, SILVA, F.L.G. (1999) - O terceiro setor, o poder público e o desenvolvimento social sustentado: uma proposta de articulação. Projeto de desenvolvimento de comunidade: o terceiro setor. Araraquara, Universidade Estadual Paulista. ENEGEP 2004 ABEPRO 3887

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT Myrian Lucia Ruiz Castilho André Luiz Castilho ** A educação é um direito

Leia mais

O papel do bibliotecário na Gestão do Conhecimento. Profª Dr a Valéria Martin Valls Abril de 2008

O papel do bibliotecário na Gestão do Conhecimento. Profª Dr a Valéria Martin Valls Abril de 2008 O papel do bibliotecário na Gestão do Conhecimento Profª Dr a Valéria Martin Valls Abril de 2008 Apresentação Doutora e Mestre em Ciências da Comunicação / Bibliotecária (ECA/USP); Docente do curso de

Leia mais

Informativo Fundos Solidários nº 13

Informativo Fundos Solidários nº 13 Informativo Fundos Solidários nº 13 Em dezembro de 2014, em Recife, Pernambuco, foi realizado o 2º seminário de Educação Popular e Economia Solidária. Na ocasião, discutiu-se sobre temas relevantes para

Leia mais

INSTITUIÇÕES APRENDENTES: EMPREENDIMENTOS SOLIDÁRIOS EM COMUNIDADES LOCAIS.

INSTITUIÇÕES APRENDENTES: EMPREENDIMENTOS SOLIDÁRIOS EM COMUNIDADES LOCAIS. INSTITUIÇÕES APRENDENTES: EMPREENDIMENTOS SOLIDÁRIOS EM COMUNIDADES LOCAIS. Ana Lícia de Santana Stopilha Professora Assistente da Universidade do Estado da Bahia Campus XV Doutoranda em Difusão do Conhecimento

Leia mais

Educação para a Cidadania linhas orientadoras

Educação para a Cidadania linhas orientadoras Educação para a Cidadania linhas orientadoras A prática da cidadania constitui um processo participado, individual e coletivo, que apela à reflexão e à ação sobre os problemas sentidos por cada um e pela

Leia mais

Introdução. Gestão do Conhecimento GC

Introdução. Gestão do Conhecimento GC Introdução A tecnologia da informação tem um aspecto muito peculiar quanto aos seus resultados, uma vez que a simples disponibilização dos recursos computacionais (banco de dados, sistemas de ERP, CRM,

Leia mais

O desenvolvimento do Terceiro Setor e a profissionalização

O desenvolvimento do Terceiro Setor e a profissionalização O desenvolvimento do Terceiro Setor e a profissionalização Cristiane dos Santos Schleiniger * Lise Mari Nitsche Ortiz * O Terceiro Setor é o setor da sociedade que emprega aproximadamente 1 milhão de pessoas.

Leia mais

POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO

POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO A universidade vivencia, em seu cotidiano, situações de alto grau de complexidade que descortinam possibilidades, mas também limitações para suas

Leia mais

Incubadora Tecnológica de Cooperativas Populares Universidade Estadual de Campinas

Incubadora Tecnológica de Cooperativas Populares Universidade Estadual de Campinas Incubadora Tecnológica de Cooperativas Populares Universidade Estadual de Campinas Incubadora Tecnológica de Cooperativas Populares (ITCP) Programa de extensão universitária vinculada à Pró Reitoria de

Leia mais

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS 1 FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS MAURICIO SEBASTIÃO DE BARROS 1 RESUMO Este artigo tem como objetivo apresentar as atuais

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

PROTEÇÃO INTEGRAL EM REDES SOCIAIS

PROTEÇÃO INTEGRAL EM REDES SOCIAIS PROTEÇÃO INTEGRAL EM REDES SOCIAIS ENCONTRO DE GRUPOS REGIONAIS DE ARTICULAÇÃO- ABRIGOS - SÃO PAULO O QUE É UMA REDE DE PROTEÇÃO SOCIAL? sistemas organizacionais capazes de reunir indivíduos e instituições,

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

RODA DE CONVERSA SOBRE PROFISSÕES

RODA DE CONVERSA SOBRE PROFISSÕES RODA DE CONVERSA SOBRE PROFISSÕES Kátia Hatsue Endo Unesp hatsueendo@yahoo.com.br Daniela Bittencourt Blum - UNIP danibittenc@bol.com.br Catarina Maria de Souza Thimóteo CEETEPS - catarinamst@netonne.com.br

Leia mais

Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1

Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1 PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1 Ulisses F. Araújo 2 A construção de um ambiente ético que ultrapasse

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE POLÍTICAS PÚBLICAS EDUCACIONAIS: FORTALECIMENTO DA LÍNGUA ESTRANGEIRA Assunção, Paraguay Abril 2015 POLÍTICAS PÚBLICAS

Leia mais

********** É uma instituição destinada ao atendimento de crianças de 0 a 3 anos e faz parte da Educação Infantil. Integra as funções de cuidar e

********** É uma instituição destinada ao atendimento de crianças de 0 a 3 anos e faz parte da Educação Infantil. Integra as funções de cuidar e 1 CONCEPÇÃO DE CRECHE (0 A 3 ANOS): A Constituição Federal de 1988 assegura o reconhecimento do direito da criança a creche, garantindo a permanente atuação no campo educacional, deixando de ser meramente

Leia mais

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO Profa. Leonor Cordeiro Brandão Relembrando Vimos alguns conceitos importantes: O que são dados; O que é informação; Quando uma informação se transforma em conhecimento;

Leia mais

Elaboração de Projetos

Elaboração de Projetos Elaboração de Projetos 2 1. ProjetoS Projeto: uma nova cultura de aprendizagem ALMEIDA, Maria Elizabeth Bianconcini de. Projeto: uma nova cultura de aprendizagem. [S.l.: s.n.], jul. 1999. A prática pedagógica

Leia mais

A participação social em programas e projetos governamentais de regularização urbana e ambiental 1

A participação social em programas e projetos governamentais de regularização urbana e ambiental 1 A participação social em programas e projetos governamentais de regularização urbana e ambiental 1 Juliano Varela de Oliveira 2 Cada cidade possui suas peculiaridades referentes às condições de sobrevivência

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT Proposta do CDG-SUS Desenvolver pessoas e suas práticas de gestão e do cuidado em saúde. Perspectiva da ética e da integralidade

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais Especialização em Gestão Estratégica de Apresentação CAMPUS COMÉRCIO Inscrições Abertas Turma 02 --> Início Confirmado: 07/06/2013 últimas vagas até o dia: 05/07/2013 O curso de Especialização em Gestão

Leia mais

Redes sociais no Terceiro Setor

Redes sociais no Terceiro Setor Redes sociais no Terceiro Setor Prof. Reginaldo Braga Lucas 2º semestre de 2010 Constituição de redes organizacionais Transformações organizacionais Desenvolvimento das organizações articuladas em redes

Leia mais

Ensino Superior no Século XXI: Mudanças, Desafios e Competências. José Roberto Gomes da Silva

Ensino Superior no Século XXI: Mudanças, Desafios e Competências. José Roberto Gomes da Silva Ensino Superior no Século XXI: Mudanças, Desafios e Competências José Roberto Gomes da Silva Os desafios de gestão das IES Maior Complexidade Mudanças na sociedade Competitividade Novo papel Nova identidade

Leia mais

1.3. Planejamento: concepções

1.3. Planejamento: concepções 1.3. Planejamento: concepções Marcelo Soares Pereira da Silva - UFU O planejamento não deve ser tomado apenas como mais um procedimento administrativo de natureza burocrática, decorrente de alguma exigência

Leia mais

Comunidade Solidária: parcerias contra a pobreza

Comunidade Solidária: parcerias contra a pobreza Comunidade Solidária: parcerias contra a pobreza OConselho da Comunidade Solidária foi criado em 1995 com base na constatação de que a sociedade civil contemporânea se apresenta como parceira indispensável

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Concepção do Curso de Administração A organização curricular do curso oferece respostas às exigências impostas pela profissão do administrador, exigindo daqueles que integram a instituição

Leia mais

INTRODUÇÃO. Sobre o Sou da Paz: Sobre os Festivais Esportivos:

INTRODUÇÃO. Sobre o Sou da Paz: Sobre os Festivais Esportivos: 1 INTRODUÇÃO Sobre o Sou da Paz: O Sou da Paz é uma organização que há mais de 10 anos trabalha para a prevenção da violência e promoção da cultura de paz no Brasil, atuando nas seguintes áreas complementares:

Leia mais

FDC E SUA RESPONSABILIDADE COMO UMA ESCOLA DE NEGÓCIOS

FDC E SUA RESPONSABILIDADE COMO UMA ESCOLA DE NEGÓCIOS FDC E SUA RESPONSABILIDADE COMO UMA ESCOLA DE NEGÓCIOS IV CONFERÊNCIA INTERAMERICANA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL RIAL Cláudio Boechat Fundação Dom Cabral 12 DE DEZEMBRO, 2006 F U N D A Ç Ã O

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável: idéias sobre a perspectiva da integração 1

Desenvolvimento Sustentável: idéias sobre a perspectiva da integração 1 Desenvolvimento Sustentável: idéias sobre a perspectiva da integração 1 Juliano Varela de Oliveira 2 O Desenvolvimento Sustentável é uma proposta alternativa ao modelo de desenvolvimento com viés puramente

Leia mais

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec Capital Intelectual O Grande Desafio das Organizações José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago Novatec 1 Tudo começa com o conhecimento A gestão do conhecimento é um assunto multidisciplinar

Leia mais

INTEGRAÇÃO UNIVERSIDADE X ENSINO MÉDIO: INTERVENÇÃO MULTIDISCIPLINAR EM ADMINITRAÇÃO, INFORMÁTICA E EDUCAÇÃO.

INTEGRAÇÃO UNIVERSIDADE X ENSINO MÉDIO: INTERVENÇÃO MULTIDISCIPLINAR EM ADMINITRAÇÃO, INFORMÁTICA E EDUCAÇÃO. INTEGRAÇÃO UNIVERSIDADE X ENSINO MÉDIO: INTERVENÇÃO MULTIDISCIPLINAR EM ADMINITRAÇÃO, INFORMÁTICA E EDUCAÇÃO. Grupo PET Administração Universidade Federal de Lavras UFLA Resumo Os jovens formam o conjunto

Leia mais

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO Karen Ramos Camargo 1 Resumo O presente artigo visa suscitar a discussão acerca dos processos de trabalho do Serviço Social, relacionados

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

Educação Integral, Escola de Tempo Integral e Aluno em Tempo Integral na Escola.

Educação Integral, Escola de Tempo Integral e Aluno em Tempo Integral na Escola. Educação Integral, Escola de Tempo Integral e Aluno em Tempo Integral na Escola. Chico Poli Algumas vezes, fora da escola há até mais formação do que na própria escola. (M. G. Arroyo) É preciso toda uma

Leia mais

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do sumário Introdução 9 Educação e sustentabilidade 12 Afinal, o que é sustentabilidade? 13 Práticas educativas 28 Conexões culturais e saberes populares 36 Almanaque 39 Diálogos com o território 42 Conhecimentos

Leia mais

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE.

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE. TRABALHO DOCENTE: POR UMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL CRÍTICA, TRANSFORMADORA E EMANCIPATÓRIA OLIVEIRA, Marinalva Luiz de Prefeitura da Cidade do Recife GT-22: Educação Ambiental Resumo Este trabalho tem o objetivo

Leia mais

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Introdução A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional afirma que cabe aos estabelecimentos de ensino definir

Leia mais

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 1. Palestras informativas O que é ser voluntário Objetivo: O voluntariado hoje, mais do que nunca, pressupõe responsabilidade e comprometimento e para que se alcancem os resultados

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

GESTÃO, SINERGIA E ATUAÇÃO EM REDE. Prof. Peter Bent Hansen PPGAd / PUCRS

GESTÃO, SINERGIA E ATUAÇÃO EM REDE. Prof. Peter Bent Hansen PPGAd / PUCRS GESTÃO, SINERGIA E ATUAÇÃO EM REDE Prof. Peter Bent Hansen PPGAd / PUCRS Agenda da Conferência O que são redes? O que são redes interorganizacionais? Breve histórico das redes interorganizacionais Tipos

Leia mais

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa Pedagogia Prof. Marcos Munhoz da Costa Tecnologias da informação e mídias digitais na educação Objetivos deste tema Refletir sobre as mudanças de experiências do corpo com o advento das novas tecnologias;

Leia mais

Capacitando, assessorando e financiando pequenos empreendimentos solidários a Obra Kolping experimenta um caminho entre empréstimos em condições

Capacitando, assessorando e financiando pequenos empreendimentos solidários a Obra Kolping experimenta um caminho entre empréstimos em condições Programa Fundo Solidário Construído para garantir inclusão socioeconômica Capacitando, assessorando e financiando pequenos empreendimentos solidários a Obra Kolping experimenta um caminho entre empréstimos

Leia mais

Anderson Yanzer Núcleo SBGC ULBRA Canoas

Anderson Yanzer Núcleo SBGC ULBRA Canoas Anderson Yanzer Núcleo SBGC ULBRA Canoas Hirotaka Takeuchi: professor e reitor da Universidade de Hitotsubashi. Já lecionou em Harvard. Ikujiro Nonaka: professor na Universidade de Hitotsubashi. Autor

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA Profª. Ms. Marilce da Costa Campos Rodrigues - Grupo de estudos e pesquisas em Política e Formação Docente: ensino fundamental

Leia mais

OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE

OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE Maria Cristina Kogut - PUCPR RESUMO Há uma preocupação por parte da sociedade com a atuação da escola e do professor,

Leia mais

ORGANIZAÇÕES DA SOCIDEDADE CIVIL NO BRASIL. Um novo setor/ator da sociedade

ORGANIZAÇÕES DA SOCIDEDADE CIVIL NO BRASIL. Um novo setor/ator da sociedade ORGANIZAÇÕES DA SOCIDEDADE CIVIL NO BRASIL Um novo setor/ator da sociedade Emergência da Sociedade Civil Organizada I fase Séculos XVIII e XIX Entidades Assistenciais tradicionais Confessionais Mandato

Leia mais

Se você acredita que as escolas são o único e provável destino dos profissionais formados em Pedagogia, então, está na hora de abrir os olhos

Se você acredita que as escolas são o único e provável destino dos profissionais formados em Pedagogia, então, está na hora de abrir os olhos Se você acredita que as escolas são o único e provável destino dos profissionais formados em Pedagogia, então, está na hora de abrir os olhos O pedagogo David Bomfin, 50 anos, deixou, há algum tempo, de

Leia mais

José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE

José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE Cabe a denominação de novas diretrizes? Qual o significado das DCNGEB nunca terem sido escritas? Educação como direito Fazer com que as

Leia mais

e construção do conhecimento em educação popular e o processo de participação em ações coletivas, tendo a cidadania como objetivo principal.

e construção do conhecimento em educação popular e o processo de participação em ações coletivas, tendo a cidadania como objetivo principal. Educação Não-Formal Todos os cidadãos estão em permanente processo de reflexão e aprendizado. Este ocorre durante toda a vida, pois a aquisição de conhecimento não acontece somente nas escolas e universidades,

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

A importância da Educação para competitividade da Indústria

A importância da Educação para competitividade da Indústria A importância da Educação para competitividade da Indústria Educação para o trabalho não tem sido tradicionalmente colocado na pauta da sociedade brasileira, mas hoje é essencial; Ênfase no Direito à Educação

Leia mais

EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL

EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL JOSÉ INÁCIO JARDIM MOTTA ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA Fundação Oswaldo Cruz Curitiba 2008 EDUCAÇÃO PERMANENTE UM DESAFIO EPISTÊMICO Quando o desejável

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Roteiro 1. Contexto 2. Por que é preciso desenvolvimento de capacidades no setor

Leia mais

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) na atualidade: luta, organização e educação

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) na atualidade: luta, organização e educação O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) na atualidade: luta, organização e educação Entrevista concedida por Álvaro Santin*, da coordenação nacional do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local 1 Por: Evandro Prestes Guerreiro 1 A questão da Responsabilidade Social se tornou o ponto de partida para o estabelecimento

Leia mais

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003 1. Palestras informativas O que é ser voluntário Objetivo: O voluntariado hoje, mais do que nunca, pressupõe responsabilidade e comprometimento e para que se alcancem os resultados

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

O que é o projeto político-pedagógico (PPP)

O que é o projeto político-pedagógico (PPP) O que é o projeto político-pedagógico (PPP) 1 Introdução O PPP define a identidade da escola e indica caminhos para ensinar com qualidade. Saiba como elaborar esse documento. sobre ele: Toda escola tem

Leia mais

SAÚDE E EDUCAÇÃO INFANTIL Uma análise sobre as práticas pedagógicas nas escolas.

SAÚDE E EDUCAÇÃO INFANTIL Uma análise sobre as práticas pedagógicas nas escolas. SAÚDE E EDUCAÇÃO INFANTIL Uma análise sobre as práticas pedagógicas nas escolas. SANTOS, Silvana Salviano silvanasalviano@hotmail.com UNEMAT Campus de Juara JESUS, Lori Hack de lorihj@hotmail.com UNEMAT

Leia mais

Práticas de Apoio à Gestão

Práticas de Apoio à Gestão Práticas de Apoio à Gestão Profa. Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação, Universidade de Brasília Organizações de Aprendizagem Learning Organization Conceitos Organizações de Aprendizagem

Leia mais

PROGRAMA JOVEM APRENDIZ

PROGRAMA JOVEM APRENDIZ JOVEM APRENDIZ Eu não conhecia nada dessa parte administrativa de uma empresa. Descobri que é isso que eu quero fazer da minha vida! Douglas da Silva Serra, 19 anos - aprendiz Empresa: Sinal Quando Douglas

Leia mais

Veículo: Site Estilo Gestão RH Data: 03/09/2008

Veículo: Site Estilo Gestão RH Data: 03/09/2008 Veículo: Site Estilo Gestão RH Data: 03/09/2008 Seção: Entrevista Pág.: www.catho.com.br SABIN: A MELHOR EMPRESA DO BRASIL PARA MULHERES Viviane Macedo Uma empresa feita sob medida para mulheres. Assim

Leia mais

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância Nilce Fátima Scheffer - URI-Campus de Erechim/RS - snilce@uri.com.br

Leia mais

Empreendedorismo social Missão social Concebe a riqueza como meio para alcançar determinado fim.

Empreendedorismo social Missão social Concebe a riqueza como meio para alcançar determinado fim. Empreendedorismo privado geração de riquezas Empreendedorismo social Missão social Concebe a riqueza como meio para alcançar determinado fim. 1 Modelo de gestão com mais de 80 anos, originalmente relacionado

Leia mais

Indicadores de Rendimento do Voluntariado Corporativo

Indicadores de Rendimento do Voluntariado Corporativo Indicadores de Rendimento do Voluntariado Corporativo Avaliação desenvolvida por Mónica Galiano e Kenn Allen, publicado originalmente no livro The Big Tent: Corporate Volunteering in the Global Age. Texto

Leia mais

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: SERVIÇO

Leia mais

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Eliane Aparecida Toledo Pinto Docente da Faculdade Municipal de Filosofia,

Leia mais

6h diárias - 11 meses

6h diárias - 11 meses 6h diárias - 11 meses PROPOSTA PEDAGÓGICA PROGRAMA DE APRENDIZAGEM EM AUXILIAR DE VAREJO ÍNDICE 1 - Apresentação da Entidade ijovem 3 2 - Justificativa do Programa. 3 3 Público-alvo: 4 4 Objetivo geral:

Leia mais

Rafael Vargas Presidente da SBEP.RO Gestor de Projetos Sociais do Instituto Ágora Secretário do Terceiro Setor da UGT.RO

Rafael Vargas Presidente da SBEP.RO Gestor de Projetos Sociais do Instituto Ágora Secretário do Terceiro Setor da UGT.RO Abril/2014 Porto Velho/Rondônia Rafael Vargas Presidente da SBEP.RO Gestor de Projetos Sociais do Instituto Ágora Secretário do Terceiro Setor da UGT.RO Terceiro Setor É uma terminologia sociológica que

Leia mais

operacional que, na maioria das vezes, é realizada por voluntários, a fim de manter baixo o custo da operação.

operacional que, na maioria das vezes, é realizada por voluntários, a fim de manter baixo o custo da operação. 5 INTRODUÇÃO O terceiro setor é composto por uma grande diversidade de organizações do setor privado que realizam atividades para o público em geral, isto é, para a sociedade. Estas organizações não têm

Leia mais

CURSO PREPARATÓRIO PARA PROFESSORES. Profa. M. Ana Paula Melim Profa. Milene Bartolomei Silva

CURSO PREPARATÓRIO PARA PROFESSORES. Profa. M. Ana Paula Melim Profa. Milene Bartolomei Silva CURSO PREPARATÓRIO PARA PROFESSORES Profa. M. Ana Paula Melim Profa. Milene Bartolomei Silva 1 Conteúdo: Concepções Pedagógicas Conceitos de Educação; Pedagogia; Abordagens Pedagógicas: psicomotora, construtivista,

Leia mais

INFORMATIVO SOBRE ENTIDADES ESTUDANTIS

INFORMATIVO SOBRE ENTIDADES ESTUDANTIS PRÓ- DE EXTENSÃO INFORMATIVO SOBRE ENTIDADES ESTUDANTIS Olá! Você já deve ter feito uma dessas perguntas: O que são entidades estudantis? Para que servem? Qual a diferença entre um CA e um DA? Como criar

Leia mais

em partilhar sentido. [Gutierrez e Prieto, 1994] A EAD pode envolver estudos presenciais, mas para atingir seus objetivos necessita

em partilhar sentido. [Gutierrez e Prieto, 1994] A EAD pode envolver estudos presenciais, mas para atingir seus objetivos necessita II. COMPETÊNCIAS E HABILIDADES A assessoria pedagógica não consiste em transmitir certezas, mas em partilhar sentido. [Gutierrez e Prieto, 1994] A EAD pode envolver estudos presenciais, mas para atingir

Leia mais

Minuta do Capítulo 10 do PDI: Relações Externas

Minuta do Capítulo 10 do PDI: Relações Externas Minuta do Capítulo 10 do PDI: Relações Externas Elaborada pela Diretoria de Extensão e pela Pró-Reitoria de Pesquisa, Pós-Graduação e Inovação 1 1 Esta minuta será apreciada pelo Colegiado de Ensino, Pesquisa

Leia mais

PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária

PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária Apoio: Secretária municipal de educação de santo Afonso PROJETO INTERAÇÃO FAMÍLIA X ESCOLA: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA. É imperioso que dois dos principais

Leia mais

Oficina de Planejamento Estratégico

Oficina de Planejamento Estratégico Oficina de Planejamento Estratégico Conselho Estadual de Saúde Secretaria Estadual da Saúde Paraná, agosto de 2012 Planejamento Estratégico Planejamento: atividade inerente ao ser humano Cada um de nós

Leia mais

Como transformar a sua empresa numa organização que aprende

Como transformar a sua empresa numa organização que aprende Como transformar a sua empresa numa organização que aprende É muito interessante quando se fala hoje com profissionais de Recursos Humanos sobre organizações que aprendem. Todos querem trabalhar em organizações

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA ESCOLA: A VISÃO DOS PROFESSORES E PROFESSORAS DE CIENCIAS E BIOLOGIA ACERCA DA FORMAÇÃO NECESSÁRIA

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA ESCOLA: A VISÃO DOS PROFESSORES E PROFESSORAS DE CIENCIAS E BIOLOGIA ACERCA DA FORMAÇÃO NECESSÁRIA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA ESCOLA: A VISÃO DOS PROFESSORES E PROFESSORAS DE CIENCIAS E BIOLOGIA ACERCA DA FORMAÇÃO NECESSÁRIA FERREIRA, Adriana Ribeiro & ROSSO, Ademir José INTRODUÇÃO O meio ambiente (MA) é

Leia mais

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA GLOSSÁRIO DE TERMOS DO MARCO ANALÍTICO Avaliação de Projetos de Cooperação Sul-Sul: exercício fundamental que pretende (i ) aferir a eficácia, a eficiência e o potencial

Leia mais

OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA

OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA SILVA, Lourdes Helena da - UFV GT: Educação Fundamental /n.13 Agência Financiadora:

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Cozinha Escola Borda Viva

Mostra de Projetos 2011. Cozinha Escola Borda Viva Mostra de Projetos 2011 Cozinha Escola Borda Viva Mostra Local de: São José dos Pinhais Categoria do projeto: I - Projetos em implantação, com resultados parciais Nome da Instituição/Empresa: Associação

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

Informações sobre o Curso de Administração

Informações sobre o Curso de Administração Objetivo Geral do Curso: Informações sobre o Curso de Administração Prover a sociedade de profissional dotado de senso crítico e comportamento ético-profissional qualificado. Um Administrador criativo,

Leia mais

Área de conhecimento: Economia Doméstica Eixo Temático: Administração, Habitação e Relações Humanas;

Área de conhecimento: Economia Doméstica Eixo Temático: Administração, Habitação e Relações Humanas; 1 COOPERATIVISMO TAMBÉM SE APRENDE DA ESCOLA Luiza Maria da Silva Rodrigues 1 Edaiana Casagrande Santin 2 Área de conhecimento: Economia Doméstica Eixo Temático: Administração, Habitação e Relações Humanas;

Leia mais

Escola de Políticas Públicas

Escola de Políticas Públicas Escola de Políticas Públicas Política pública na prática A construção de políticas públicas tem desafios em todas as suas etapas. Para resolver essas situações do dia a dia, é necessário ter conhecimentos

Leia mais

SEMANA DA SAÚDE INTRODUÇÃO

SEMANA DA SAÚDE INTRODUÇÃO SEMANA DA SAÚDE Sandra Rosabel Pereira 1 ; Maria Angelica de Moraes Assumpção Pimenta 2 ; Maria Goreti Aléssio Crispim 3 ; Nelza de Moura 4 ; Neusa Denise Marques de Oliveira 5 ; Eliana Maria Fabiano de

Leia mais

Nome do projeto de pesquisa ao qual o aluno inscrito está vinculado: CORPOREIDADE, SAÚDE E INTERVENÇÃO PSIQUIÁTRICA: UMA

Nome do projeto de pesquisa ao qual o aluno inscrito está vinculado: CORPOREIDADE, SAÚDE E INTERVENÇÃO PSIQUIÁTRICA: UMA Identificação do discente: Nome completo: Guilherme Oriel Aguillar Matrícula: 80690-1 Curso: Educação Física Identificação do professor-orientador: Nome completo: JOSE LUIS SOLAZZI Curso: Educação Física

Leia mais

PSICOLOGIA E PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: EVIDÊNCIAS DE UMA RELAÇÃO.

PSICOLOGIA E PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: EVIDÊNCIAS DE UMA RELAÇÃO. PSICOLOGIA E PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: EVIDÊNCIAS DE UMA RELAÇÃO. Betânia Maria Oliveira de Amorim UFCG betânia_maria@yahoo.com.br Polliany de Abrantes Silva UFCG pollianyabrantes_psico@hotmail.com

Leia mais

Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br

Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br C1 Introdução Este guia traz noções essenciais sobre inovação e foi baseado no Manual de Oslo, editado pela Organização para a Cooperação

Leia mais

MBA em Administração e Gestão do Conhecimento

MBA em Administração e Gestão do Conhecimento MBA em Administração e Gestão do Conhecimento Gestão do Conhecimento Aula 3 Profa. Me. Ana Carolina Bustamante Olá! Bem-vindos à nossa terceira aula. Antes de mais nada, assista ao vídeo a seguir e conheça

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

ACADEMIA MENTAL Conhecimento Estratégico Promovendo Desenvolvimento.

ACADEMIA MENTAL Conhecimento Estratégico Promovendo Desenvolvimento. ACADEMIA MENTAL Conhecimento Estratégico Promovendo Desenvolvimento. As organizações estão inseridas em ambientes competitivos e esses parecem ser altamente dinâmicos com movimentos aparentemente aleatórios.

Leia mais

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável Sustentabilidade Socioambiental Resistência à pobreza Desenvolvimento Saúde/Segurança alimentar Saneamento básico Educação Habitação Lazer Trabalho/

Leia mais