A GUERRA DO CONTESTADO: UM CONFLITO SOCIAL E MESSIÂNICO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A GUERRA DO CONTESTADO: UM CONFLITO SOCIAL E MESSIÂNICO"

Transcrição

1 DOI: /4cih.pphuem.624 A GUERRA DO CONTESTADO: UM CONFLITO SOCIAL E MESSIÂNICO Luciana Aparecida Firmino (Universidade Estadual de Maringá); Bruno Lopes Veronez Depieri (Universidade Estadual de Maringá). INTRODUÇÃO A Guerra do Contestado foi um conflito de grande relevância para história nacional durante o período conhecido como República Velha, porém, durante muito tempo suas memórias receberam pouco destaque se comparadas a outros conflitos violentos ocorridos de mesmo gênero no Brasil. À luz dos dias atuais, é possível observar que muitos estudos novos sobre o tema vêm sendo realizados procurando cobrir fatos ainda pouco enfatizados. O nome Guerra do Contestado faz menção a uma antiga questão de posse territorial entre os estados do Paraná e Santa Catarina, uma vez que as regiões serranas destes dois estados serviram de palco para o episódio. Apesar da nomeação é preciso ressaltar que, em realidade, a questão dos limites apenas teve relação acidental com os fatos ocorridos. Existia de certo uma rivalidade entre os estados em torno dessa questão, porém, não chegou ao ponto de desencadear uma guerra direta. Indiretamente, ao lutar por estender seus territórios judicialmente, os estados do Paraná e Santa Catarina acabaram deixando subjugados e completamente abandonados os caboclos, sertanejos humildes que viviam nas ditas terras disputadas. A região era tipicamente temperada ou também popularmente conhecida como serra, onde os campos predominavam com a presença das típicas florestas araucárias. Aquelas terras haviam sido conquistadas por volta de cem anos anteriores aos acontecimentos com a expulsão dos índios. Suas principais frentes econômicas eram a pastoril, a extração de ervamate e a agricultura de subsistência, sendo que a roça simples da maior parte dos caboclos posseiros constituíam seu principal meio de sobrevivência. O modelo de sociedade estratificado era muito comum naquele período. Os coronéis detinham a grande posse de terra e de poder, além de estabelecerem as relações de compadrio, dependência e de alianças com a maioria da população das redondezas. A pesquisa

2 5426 desempenhada por Maurício Vinhas de Queiroz, acerca da Guerra do Contestado, observa que cada município tinha um coronel como maior representante, um mandachuva que mantinha laços de colaboração e ajuda mútua e troca de favores com o governo. (Queiroz, 1981 pág. 43). Os coronéis compunham um grupo minoritário de pessoas, mas com extrema influência sobre todos os outros grupos sociais. No rígido sistema abaixo dos coronéis havia fazendeiros, lavradores, agregados, peões e camponeses sendo que os últimos constituíram a massa da guerra do Contestado. O sistema social da região deixava de lado a maioria dos sertanejos pobres vivendo sob condições precárias e este fator também foi determinante para que se rebelassem frente a tamanho descaso e pobreza. De acordo com Tarcísio Motta de carvalho, é necessário traçar esse perfil de toda a sociedade e não fixarmo-nos apenas sobre a população cabocla, colocada pela historiografia como responsável pela revolta, pois em realidade, a rede social envolvida participou do encurralamento dos acontecimentos (CARVALHO, 2007 pág. 047). Sendo assim, também se torna útil salientar que, entre os moradores simples da região do Contestado, os populares caboclos, havia uma busca da autonomia em seu viver expressa pela agricultura de subsistência carente de qualquer modernização, ou seja, escondidos entre as matas o povo só fazia o suficiente para viver. Pode ser afirmado que o movimento dos rebeldes do Contestado começou por uma fusão de fatores sociais e econômicos, além de uma força religiosa que lhe concedeu um aspecto messiânico. O poder social estava centralizado na posse da terra, nas mãos dos vários coronéis agraciados pelo governo pelo seu prestígio e geralmente envolvimento político. O perfil social da área do conflito era desigualado de maneira que algumas áreas eram mais pobres do que outras. A vegetação típica e nativa veio a contribuir para o estabelecimento de muitos posseiros e, principalmente o seu isolamento. Segundo Paulo Pinheiro Machado tratando-se ainda da disputa territorial entre os dois estados (Pr e Sc), ela acentuava-se mais na região do planalto norte apenas, fazendo com que os principais prejudicados ali fossem os sitiantes pequenos (2001). A chegada dos imigrantes estrangeiros na região foi ocorrendo com o advento do século XX, até esse período a população cabocla ou sertaneja (de forte mistura índia e negra) formavam a extrema maioria. Economicamente podemos encontrar a causa que, para muitos autores e estudiosos do Contestado se fez primordial para o encadeamento da violência, a chegada das empresas estrangeiras na região. Com o advento da república a conjuntura política nacional valorizava os grandes negócios e transações comerciais com grandes empresas, as construções e as

3 5427 modernizações para o país. Na perspectiva governamental colonizar a região com a vinda de imigrantes estrangeiros e melhorar os meios de transporte eram saídas práticas para que fossem evitados confrontos militares naquela área. A preocupação com esta hipótese era fundamentada, pois houve uma tentativa argentina de se apossar de regiões do Paraná e de Santa Catarina alegando que parte da região sul pertencia ao seu território. Essa questão só foi devidamente resolvida com a intromissão do presidente americano Cleveland. Baseados na suposta teoria da necessidade dos meios de transporte é que se iniciou a transação econômica que favoreceria a construção da estrada de ferro São Paulo - Rio Grande cortando a região da área do Contestado. A estrada de ferro viria a modificar a vida das pessoas que viviam na região de uma forma que nunca mais foram as mesmas. A construção em si trouxe derrubada de árvores e o estabelecimento de novos homens, novos contingentes humanos para a região. Para termos uma idéia, somente a força policial da Companhia Brazil Railway que era a responsável pela construção abrigava 300 homens. Os moradores depararam-se com o estabelecimento de novas relações de trabalho, violência e repressão uma vez que, a construção da estrada cortava suas propriedades e como em maioria eram posseiros, estes eram obrigados a abandonar suas propriedades do dia para a noite formando uma multidão de pessoas sem ter para onde ir. O desalojamento tornou-se maior pelo fato de que a empresa do grupo Farqhar recebeu uma concessão estadual de 15 km para cada margem da estrada, obrigando muitas famílias a perderem suas propriedades. A partir dessa concessão, o grupo de Farqhar tratou de estabelecer na área uma grande empresa que cuidasse das áreas recebidas como subsídio, a Lumber que por sua magnitude, veio a construir duas grandes madeireiras destruindo muitas pequenas madeireiras da região. As empresas recém estabelecidas por volta de 1908 e 1911 começaram a demarcar as terras e remover os posseiros das áreas com a ajuda de sua força policial privada, bem como estabeleceram novas formas de realidade antes nunca vistas por aquelas bandas. Esta situação nos mostra como a região do Contestado sofreu profundas transformações no início do século XX, modificações estas que abalaram até mesmo o mandonismo dos coronéis locais e antigas relações de contratação que estes mantinham com os caboclos. As novas relações estabelecidas sobre a terra e até mesmo o uso e destruição das florestas foi capaz de despertar o encorajamento da luta por suas pequenas propriedades nos sertanejos. Com a chegada das grandes empresas capitalistas a situação adquiriu um novo caráter, os posseiros eram simplesmente desalojados e ameaçados fazendo circular pela região vários relatos de violência sofrida por eles.

4 5428 O abandono social, a pobreza e miséria dos caboclos foram associados à opressão de novas empresas capitalistas que lhes tomaram os pequenos sítios. A partir dessa conjuntura podemos analisar um terceiro fator desencadeador da Guerra do Contestado que foi a formação da monarquia sertaneja. O entendimento dessa estrutura que se formou no conflito exige um conhecimento básico acerca da cultura e das crenças as quais viviam subordinados os caboclos do Contestado durante muito tempo. A cultura popular era enaltecida pela presença de monges que, supostamente transitavam pela região e exerciam grande facínio sobre a população. A admiração por estas figuras eram maiores do que a admiração aos padres, clérigos oficiais da igreja católica. Os batismos, casamentos, eram cerimônias que os próprios monges realizavam atendendo ao pedido da população, além de atuarem como curandeiros através dos costumes da medicina local. A partir desse argumento é possível observar que entre suas andanças entre as propriedades os monges atraiam muitas pessoas ao seu redor. A partir desse fato nos vem à luz a importância da figura clássica do Contestado, o monge José Maria, pois, diante da nova realidade vivida cruelmente pelos sertanejos estes temiam o fim de seus costumes antigos por isso agarravam-se aos resquícios de uma antiga ordem que antes regia, pelo menos no que dizia respeito às crenças. No entendimento dos caboclos a república perpassava como algo muito ruim, maligno, pois a partir do estabelecimento da república haviam perdido muito do que tinham. O abandono sofrido pelas autoridades fez nascer em uma multidão de sertanejos a repulsa republicana e a glorificação a antiga monarquia. Os vários estudos sobre o Contestado se referem à figura de um monge chamado João Maria como o anunciador do conflito. Uma pessoa simples, de costumes simples, sem morada fixa e, sobretudo, visto como curador e milagreiro por toda a gente. Ele representou o início de uma ruptura com a ordem católica vigente e com as relações antigas de compadrio, passou a ser visto pelos sertanejos como um sacerdote numa região onde os padres eram poucos, atraindo simpatizantes em suas andanças. Tem-se conhecimento sobre a existência de dois monges de nome João Maria na região do Contestado. Muitas pessoas preferiam esperar pela passagem dos supostos monges pelos caminhos para que pudessem batizar seus filhos ou realizar casamentos e benzimentos às roças mesmo que custasse um bom tempo a vê-los perambulando a beira de suas regiões. José Maria foi o terceiro e decisivo monge da Guerra do Contestado. Por volta de 1912 circulava entre as vilas de Curitibanos e de Campos Novos, num período conturbado rezando e curando, atraindo um grande número de pessoas ao seu redor. O povo descontente e desabrigado iniciou a luta ao lado deste monge que representava no imaginário deles o

5 5429 enviado por Deus, um líder do Bem contra o Mal, um verdadeiro conforto espiritual diante de tudo o que haviam perdido. METODOLOGIA Pretende-se abordar a Guerra do Contestado enquanto um acontecimento marcante na conjuntura dos conflitos sociais da história paranaense e enquanto um desdobramento do Projeto Produção de Material Didático sobre História do Paraná, inserido no programa estadual Universidade Sem Fronteiras. Através da necessidade de conservar e manter viva a memória e a história regional do Paraná, o governo do estado tornou obrigatório, através da lei nº , de 18 de dezembro de 2001, o ensino dos conteúdos da disciplina História do Paraná, no Ensino Fundamental e Médio, objetivando dessa forma, a valorização de nossa identidade cultural. Dentro deste contexto educacional, a produção de material didático sobre História do Paraná, torna-se uma necessidade latente frente à realidade da dificuldade de acesso dos professores da rede pública a este tipo de material didático. DISCUSSÃO: A Guerra do Contestado foi um conflito messiânico devido à influência que a religião exerceu sobre os caboclos, ao ponto de muitos afirmarem tratar-se de um grupo de fanáticos. Os monges foram messias para o povo, na sua crença eles acabariam com todas as injustiças e garantiriam a salvação eterna de suas famílias. José Maria segundo as fontes disponíveis era muito aplicado às pessoas do que os monges anteriores. O marco decisivo data de quando ele começa a atrair muitas pessoas ao seu redor e ameaçado pelas autoridades decide fugir para uma região distante, e é acompanhado em massa pelo povo. O destino escolhido para a fuga foram os festejos de Taquaraçu. A partir do momento que grandes fazendeiros e autoridades passaram a incomodar-se com a influência de José Maria e iniciaram sua perseguição o ajuntamento aumentou ao seu redor uma vez que, parecia querer o povo lutar em sua defesa. Ele foi apenas o iniciador da revolta, pois morreu cedo nos primeiros combates. A importância de sua participação foi na formação dos redutos, acampamentos para onde todos os seguidores do monge seguiam levando tudo que tinham. De acordo com o trabalho de Maurício Vinhas de Queiroz, o primeiro reduto por ele liderado teve como ponto inicial as festas do Senhor Bom Jesus em Taquaraçu (QUEIROZ, 1981 pág. 096). A partir deste ponto, a massa reunida começa a se organizar, e ao mesmo tempo tomar consciência de que tinham alguma força em mãos.

6 5430 Muitos aspectos interessantes nos chamam a atenção nesse período de fatos. Tarcísio Motta de Carvalho afirma que José Maria procurou organizar o povo, incutir-lhes uma idéia de independência ilimitada à vontade, os costumes e a religião (2007). Uma vez que se encontraram reunidos em redutos, uma espécie de acampamentos ou segunda morada, os caboclos do Contestado procuraram organizar novas regras estabelecidas por eles mesmos formando uma monarquia sertaneja. Em frente ao choque do regime republicano os caboclos possuíam repulsa até mesmo ao papel moeda ou a trocas. Paulo Pinheiro Machado atenta em seu trabalho sobre a guerra para a formação do que nomeia de prática de comunismo caboclo, que teria começado logo após a formação de um segundo reduto de Taquaraçu. Nesta prática os sertanejos dividiam tudo o que tinham entre si. Os novos seguidores que chegavam aos redutos traziam todos os pertences, se um comia, todos comiam e assim sucessivamente. Ao longo da história da guerra os sertanejos se comportaram de formas diferentes. De início queriam apenas permanecer em paz em meio a sua monarquia idealizada vivendo sob festejos, rezas, na economia do desperdício, porém, com a chegada da necessidade e já com um imenso número de seguidores, uma organização militar, e vários redutos formados, a prática dos saques, pilhagens e o emprego de violência se tornaram constante, ao passo de tentarem persuadir as pessoas a aderirem à força como seus seguidores. Este período foi o período de terror, marcado pela destruição de vilas inteiras pelos rebeldes, que acreditavam que poderiam transplantar a república sertaneja a todo o país. A esta altura dos acontecimentos a Guerra do Contestado já chamava muito a atenção da imprensa nacional que afirmava se tratar de um outro conflito de Canudos. A monarquia sertaneja ou monarquia de São Sebastião possuía suas próprias regras. Além delas o movimento possuiu videntes, virgens e santas. Essas pessoas diziam se comunicar com a santidade do monge José Maria morto, passando as instruções a serem seguidas na tomada de decisões da organização do movimento. Os redutos também possuíam líderes que eram responsáveis por todos os passos importantes e todas as decisões no geral. Paulo Pinheiro Machado contesta que muitas pesquisas sobre o Contestado afirmam que os líderes eram em sua maior parte sitiantes pobres e nunca pessoas de poder aquisitivo. Para o historiador, o movimento teve a liderança de grandes fazendeiros e mesmo de pessoas de cargos renomados (2001). O terror também se estabelecia dentro dos próprios redutos com o andar do movimento. Havia com um intenso rigor, rituais a serem seguidos em rezas e veneração aos videntes espirituais, caso isso não ocorresse os seguidores eram expostos a uma série de castigos corporais no centro dos redutos.

7 5431 A Guerra data de 1912 a 1916, porém até 1914 nenhuma força enviada pelos regimentos estaduais dos estados do Paraná e de Santa Catarina havia conseguido dar jeito a situação. As expedições fracassavam possivelmente, segundo Rogério Rosa Rodrigues, pelo ar de dúvida quanto à razão do conflito, algumas lideranças acreditavam que o conflito era embutido pela causa territorial o que podemos confirmar como contradição (RODRIGUEZ 2008, pág. 108). A partir dessa dúvida as táticas de repressão tornavam-se ineficazes. Além de haver dificuldades financeiras, faltavam aos soldados mantimentos, soldos, equipamentos e mesmo táticas precisas e conhecimento a área do conflito. O ano de 1914 marcou para o conflito do Contestado o envio de uma de uma grandiosa expedição militar, a expedição do grande general Setembrino de Carvalho. No país o general Hermes da Fonseca cumpria seus últimos momentos de governante antes de sair do palco político sob pressão. Este momento também expressava o auge da campanha de modernização do exército e a tomada de uma grande ofensiva contra os rebeldes do exército de São Sebastião. Setembrino de Carvalho, homem de segurança do governo regressando do conflito de Juazeiros, trouxe para a região Sul um terço do exército efetivado (oriundos de Minas Gerais, Rio Grande do Sul e Rio de Janeiro), recursos estratégicos e bélicos em setembro de 1914 para termos uma idéia, a guerra contou até mesmo com o auxílio de pequenos aviões. A idéia inicial do então presidente Hermes da Fonseca e seus ministérios de guerra era decretar estado de sítio na região anulando os poderes regionais e declarar Setembrino de Carvalho como interventor federal com plenos poderes como foi feito no caso de Juazeiro, decisão que estaria amparada pela constituição, mas foi recusada pelo general que alegou preferir dar prioridades a força terrestre à força partidária. Essa escolha assegurou a expedição um caráter restritamente militar. A força de repressão da fase final da Guerra foi entregue nas mãos do comandante José Vieira da Rosa entre julho de 1915 e agosto de 1916, diante da retirada das tropas federais no período que marcava a primeira guerra mundial e também diante ao enfraquecimento do movimento dos rebeldes. No período final o número de vaqueanos (assim chamavam os civis contratados para lutar na repressão aos caboclos armados) ultrapassava o número de militares, eram contratados por pagamento e recebiam armas de modo que também poderiam utilizar as que possuíssem. Os trabalhadores da estrada de ferro também participaram da Guerra do Contestado. Existem controvérsias acerca deste tema, pois alguns autores como Paulo Pinheiro Machado afirma que,ao contrário do que dizem muitas obras sobre o tema, os trabalhadores da estrada de ferro não seriam criminosos e sim trabalhadores locais, não oriundos de outras regiões do

8 5432 país. Contradizendo está afirmação, Janete Espig defende que falcatruas e corrupção cercavam a construção da estrada (2008). Muitos trabalhadores explorados vindos da região central do Brasil teriam ficado sem salários e acabaram contribuindo para a violência no Contestado. Se o atrevimento maior surgiu por parte dos sertanejos em sua iniciativa de emprego de violência, bem como da tentativa de insulto às autoridades e a ordem com a prática das incursões de pilhagens que denominavam piquetes, outra vereda leva-nos ao campo de batalha e coloca-nos diante de um Exército irregular e indisciplinado que praticou crimes bárbaros contra os sertanejos. Noutra, nos vemos diante dos vaqueanos: homens movidos pela ganância, pelo desejo de sobrevivência e pela vingança, sedentos de matar. CONCLUSÃO O último líder importante dos sertanejos foi Adeodato, que em vários relatos dos sobreviventes dos redutos era citado como extremamente cruel tanto interna quanto externamente os redutos. Após a derrota do movimento muitos rebeldes teriam afirmado que permaneciam nos ajuntamentos por ordem do líder o que talvez tenha ajudado na construção de sua fama de cruel e autoritário. A monarquia dos sertanejos de São Sebastião sofreu sua principal derrota pela fome, as doenças e o esgotamento dos conflitos. Os capturados da Guerra do Contestado recebiam tratamentos diferentes, alguns foram presos, mortos e outros simplesmente absolvidos diante da não recusa a se entregar. Segundo relatos oficiais a fisionomia da maioria dos sertanejos presos era triste, faminta, havia crianças desnutridas e homens à beira da morte. Com o findar da Guerra do Contestado percebemos que o povo, os caboclos sertanejos foram os principais agentes do conflito. Durante muito tempo e até hoje tido como fanáticos, os moradores dos sertões entre Paraná e Santa Catarina mostraram apenas mais um relato da face do brasileiro excluído. Da mesma maneira, jamais conheceram qualquer assistência social ou bons tratamentos por parte dos governos. O que aterrorizava o governo era à sombra de qualquer resquício de monarquia. O Brasil ainda se encontrava na busca de uma identidade republicana e em pleno processo de construção dos valores republicanos, portanto, a Guerra do Contestado vinha na contramão, pois o povo queria um rei. A santa religião da qual se revestiram os rebeldes não serviu mais que um refúgio diante do abandono social. Após quatro anos com o findar do conflito por fim, o governo tratou de por um ponto decisivo na briga territorial formulando um acordo entre os

9 5433 estados, o que ficará pra sempre lamentável são cerca de vinte mil mortos que perderam suas vidas no conflito. O ensino de história deve priorizar também à história regional. Trazer à luz dos dias atuais temas como a Guerra do Contestado significa, acima de tudo, manter viva a História do Paraná. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS CARVALHO, Tarcísio Motta de. Monarquia sertaneja X progresso republicano: A Guerra sertaneja do Contestado. Rio de janeiro: Tese de doutorado apresenta a Universidade Federal Fluminense. ESPIG, Márcia Janete. Personagens do Contestado: Os turmeiros da estrada de ferro São Paulo - Rio Grande ( ). Porto Alegre: Tese de doutorado apresentada a Universidade Federal do Rio Grande do Sul. MACHADO, Paulo Pinheiro. Um estudo sobre as origens sociais e a formação política das lideranças do Contestado, São Paulo: Tese de doutorado apresentada a Universidade Estadual de Campinas. QUEIROZ, Maurício Vinhas de. Messianismo e conflito social: a guerra sertaneja do Contestado: ed. São Paulo: Ática, RODRIGUES, Rogério Rosa. Veredas de um grande sertão: a guerra do Contestado e a modernização do exército brasileiro. Rio de Janeiro: Tese de Doutorado apresentada a Universidade Federal do Rio de Janeiro.

REVOLTAS DURANTE A REPÚBLICA VELHA

REVOLTAS DURANTE A REPÚBLICA VELHA REVOLTAS DURANTE A REPÚBLICA VELHA Unidade 2, Tema 2 e 3. Págs. 50 53 Personagem. Pág. 55 e 64 Ampliando Conhecimentos. Págs. 60-61 Conceitos Históricos. Pág. 65 Em foco. Págs. 66-71 GUERRA DE CANUDOS

Leia mais

problemas ligados a construção de uma estrada de ferro. Esta estrada de ferro acabou desalojando parte da população local, além de gerar desemprego e

problemas ligados a construção de uma estrada de ferro. Esta estrada de ferro acabou desalojando parte da população local, além de gerar desemprego e Movimentos sociais * A República Oligárquica foi um período turbulento. Várias revoltadas sacudiram o país. * No geral, estas revoltas mostravam insatisfação diante de um sistema de governo que alterava

Leia mais

Avaliação da unidade II Pontuação: 7,5 pontos

Avaliação da unidade II Pontuação: 7,5 pontos Avaliação da unidade II Pontuação: 7,5 pontos QUESTÃO 01 (1,0 ponto) A Segunda Grande Guerra (1939-1945), a partir de 7 de dezembro de 1941, adquire um caráter mundial quando os a) ( ) russos tomam a iniciativa

Leia mais

CRISE E RUPTURA NA REPÚBLICA VELHA. Os últimos anos da República Velha

CRISE E RUPTURA NA REPÚBLICA VELHA. Os últimos anos da República Velha CRISE E RUPTURA NA REPÚBLICA VELHA Os últimos anos da República Velha Década de 1920 Brasil - as cidades cresciam e desenvolviam * Nos grandes centros urbanos, as ruas eram bem movimentadas, as pessoas

Leia mais

Guerra por domínio territorial e econômico.

Guerra por domínio territorial e econômico. Guerra da Crimeia Quando: De 1853 até 1856 Guerra por domínio territorial e econômico. Cerca de 595 mil mortos Por que começou: A Rússia invocou o direito de proteger os lugares santos dos cristãos em

Leia mais

História 7C Aula 19 República do Café III

História 7C Aula 19 República do Café III História 7C Aula 19 República do Café III Marechal Hermes da Fonseca (RS) (1910-1914) Revolta da Chibata (RJ 1910): João Cândido (líder), posteriormente apelidado de Almirante Negro. Causas: maus tratos,

Leia mais

AULA: 17 Assíncrona. TEMA: Cidadania e Movimentos Sociais DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES HISTÓRIA

AULA: 17 Assíncrona. TEMA: Cidadania e Movimentos Sociais DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES HISTÓRIA CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA AULA: 17 Assíncrona TEMA: Cidadania e Movimentos Sociais 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Conteúdos: China: dominação

Leia mais

Violência homicida. Diferenças regionais

Violência homicida. Diferenças regionais 1 de 6 31/01/2014 23:35 Aumentar a fonte Diminuir a fonte VIOLÊNCIA CORPO NO CHÃO Morto em outubro de 2012, em Itaquera, Zona Leste paulistana: mais uma entre as mais de 40 mil pessoas assassinadas no

Leia mais

Segundo os Evangelhos, Jesus teria vivido toda sua infância, adolescência e juventude em Nazaré com sua família e com o povo dessa pequena aldeia.

Segundo os Evangelhos, Jesus teria vivido toda sua infância, adolescência e juventude em Nazaré com sua família e com o povo dessa pequena aldeia. Jesus e sua vida Segundo os Evangelhos, Jesus teria vivido toda sua infância, adolescência e juventude em Nazaré com sua família e com o povo dessa pequena aldeia. Seu nascimento foi no meio de muitas

Leia mais

INTEIRATIVIDADE FINAL CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA. Conteúdo: A Revolução Francesa

INTEIRATIVIDADE FINAL CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA. Conteúdo: A Revolução Francesa Conteúdo: A Revolução Francesa Habilidades: Reconhecer nas origens e consequências da Revolução Francesa de 1789, os elementos fundamentais da formação política e social contemporânea para a história contemporânea.

Leia mais

Voluntariado nas Organizações de Terceiro Setor Marisa Seoane Rio Resende *

Voluntariado nas Organizações de Terceiro Setor Marisa Seoane Rio Resende * Voluntariado nas Organizações de Terceiro Setor Marisa Seoane Rio Resende * Voluntariado é a expressão da participação da sociedade na vida pública mais significativa da atualidade. Os movimentos de participação

Leia mais

O CASO A GUERRA DO CONTESTADO

O CASO A GUERRA DO CONTESTADO O CASO A GUERRA DO CONTESTADO Logo no início do século XX pairava no ar um clima de instabilidade na região sul do país, devido às diferenças entre grupos sociais, as quais se acentuaram e geraram um conflito

Leia mais

Índios do Brasil. Episódio 7: Nossas Terras. Modalidade Educação de Jovens e adultos Fundamental e Médio.

Índios do Brasil. Episódio 7: Nossas Terras. Modalidade Educação de Jovens e adultos Fundamental e Médio. Índios do Brasil Episódio 7: Nossas Terras Resumo A série "Índios no Brasil", com duração média de 20 minutos, traça um perfil da população indígena brasileira e mostra a relação dessa população com a

Leia mais

MAHATMA GANDHI. Cronologia

MAHATMA GANDHI. Cronologia Cronologia 1869 Data de nascimento de Gandhi 1888 1891 Estudou direito em Londres 1893 1914 Período em que viveu na África do Sul 1920 Lutou pelo boicote aos produtos ingleses 1930 Campanhas de desobediência

Leia mais

Revolução francesa. Monarquia absolutista*

Revolução francesa. Monarquia absolutista* Revolução francesa No desenrolar dos fatos históricos, alguns deles de tão marcantes, dividem os períodos da humanidade. Atualmente os seres humanos dividem a sua atuação no mundo em cinco partes. Pré-História

Leia mais

Conflitos sociais na Primeira República

Conflitos sociais na Primeira República ficha 37 Conflitos sociais na Primeira República Os conflitos sociais na Primeira República Da passagem do século XIX para o XX, até a década de 1930, a sociedade brasileira passou por várias adaptações,

Leia mais

A Uwê uptabi Marãiwatsédé buscam o bem viver no território tradicional. Palavras-Chaves: Território Sustentabilidade- Bem Viver.

A Uwê uptabi Marãiwatsédé buscam o bem viver no território tradicional. Palavras-Chaves: Território Sustentabilidade- Bem Viver. A Uwê uptabi Marãiwatsédé buscam o bem viver no território tradicional. Este trabalho tem o objetivo de discutir a sustentabilidade do território A uwe- Marãiwatsédé, mediada pelas relações econômicas,

Leia mais

O Movimento de Jesus

O Movimento de Jesus O Movimento de Jesus Tudo começou na Galiléia Quando Jesus começou a percorrer a Palestina, indo das aldeias às cidades, anunciando a Boa Nova do Evangelho, o povo trabalhador ia atrás dele. A fama de

Leia mais

A GUERRA DO PARAGUAI FOI O MAIOR E MAIS SANGRENTO CONFLITO ARMADO OCORRIDO NA AMÉRICA DO SUL PERÍODO= 1864-1870

A GUERRA DO PARAGUAI FOI O MAIOR E MAIS SANGRENTO CONFLITO ARMADO OCORRIDO NA AMÉRICA DO SUL PERÍODO= 1864-1870 Não é possível exibir esta imagem no momento. A GUERRA DO PARAGUAI FOI O MAIOR E MAIS SANGRENTO CONFLITO ARMADO OCORRIDO NA AMÉRICA DO SUL PERÍODO= 1864-1870 É também chamada Guerra da Tríplice Aliança

Leia mais

A Irlanda do Norte, ou Ulster, e a República da Irlanda, ou Eire, situam-se na Ilha da Irlanda. Na Irlanda do Norte, que integra o Reino Unido, vivem

A Irlanda do Norte, ou Ulster, e a República da Irlanda, ou Eire, situam-se na Ilha da Irlanda. Na Irlanda do Norte, que integra o Reino Unido, vivem QUESTÃO IRLANDESA A Irlanda do Norte, ou Ulster, e a República da Irlanda, ou Eire, situam-se na Ilha da Irlanda. Na Irlanda do Norte, que integra o Reino Unido, vivem cerca de 1,8 milhão de habitantes,

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL PRESIDENTE CASTELO BRANCO FACULDADE CASTELO BRANCO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO - CURSO DE HISTÓRIA ÉPOCA DE UM PAÍS DO IMPROVÁVEL

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL PRESIDENTE CASTELO BRANCO FACULDADE CASTELO BRANCO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO - CURSO DE HISTÓRIA ÉPOCA DE UM PAÍS DO IMPROVÁVEL FUNDAÇÃO EDUCACIONAL PRESIDENTE CASTELO BRANCO FACULDADE CASTELO BRANCO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO - CURSO DE HISTÓRIA 1822: MAIK CESAR HELL COLATINA 2012 MAIK CESAR HELL 1822: Resenha elaborada em cumprimento

Leia mais

LEVANTAMENTO DE FONTES PARA O DICIONÁRIO BRASILEIRO DA GUERRA DO PARAGUAI

LEVANTAMENTO DE FONTES PARA O DICIONÁRIO BRASILEIRO DA GUERRA DO PARAGUAI LEVANTAMENTO DE FONTES PARA O DICIONÁRIO BRASILEIRO DA GUERRA DO PARAGUAI Thasley Westanyslau Alves Pereira 1 ; Marcelo Santos Rodrigues 2. 1 Aluno do Curso de História; Campus de Porto Nacional; e-mail:thasley_uft@hotmail.com

Leia mais

De que jeito se governava a Colônia

De que jeito se governava a Colônia MÓDULO 3 De que jeito se governava a Colônia Apresentação do Módulo 3 Já conhecemos bastante sobre a sociedade escravista, especialmente em sua fase colonial. Pouco sabemos ainda sobre a organização do

Leia mais

CURSINHO PRÓ-ENEM 2015. E-mail: lucianojunior06@hotmail.com Telefone: 9250-8766

CURSINHO PRÓ-ENEM 2015. E-mail: lucianojunior06@hotmail.com Telefone: 9250-8766 CURSINHO PRÓ-ENEM 2015 E-mail: lucianojunior06@hotmail.com Telefone: 9250-8766 Origens A história grega pode ser dividida em quatro grandes períodos: Homérico (séculos XII a VIII a.c.), Arcaico (séculos

Leia mais

BRASIL: O ENSINO SUPERIOR ÀS PRIMEIRAS UNIVERSIDADES COLÔNIA IMPÉRIO PRIMEIRA REPÚBLICA

BRASIL: O ENSINO SUPERIOR ÀS PRIMEIRAS UNIVERSIDADES COLÔNIA IMPÉRIO PRIMEIRA REPÚBLICA BRASIL: O ENSINO SUPERIOR ÀS PRIMEIRAS UNIVERSIDADES COLÔNIA IMPÉRIO PRIMEIRA REPÚBLICA Tânia Regina Broeitti Mendonça 1 INTRODUÇÃO: Os espanhóis fundaram universidades em seus territórios na América desde

Leia mais

Gabarito oficial preliminar: História

Gabarito oficial preliminar: História 1) Questão 1 Segundo José Bonifácio, o fim do tráfico de escravos significaria uma ameaça à existência do governo porque Geraria uma crise econômica decorrente da diminuição da mão de obra disponível,

Leia mais

REFORMA E CONTRARREFORMA. Professor Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista de Montes Claros

REFORMA E CONTRARREFORMA. Professor Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista de Montes Claros REFORMA E CONTRARREFORMA Professor Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista de Montes Claros INTRODUÇÃO A Reforma Religiosa e o Renascimento ocorreram na mesma época e expressam a grande renovação de ideias

Leia mais

LIÇÃO 3 S DANIEL 2:1-49

LIÇÃO 3 S DANIEL 2:1-49 Reinos Vindouros LIÇÃO 3 S DANIEL 2:1-49 II. Daniel Interpreta o Sonho de Nabucodonosor sobre os Reinos Vindouros, 2:1-49 A. O sonho e o decreto de Nabucodonosor, 2:1-16 1. Nabucodonosor pede aos sábios

Leia mais

DATAS COMEMORATIVAS. CHEGADA DOS PORTUGUESES AO BRASIL 22 de abril

DATAS COMEMORATIVAS. CHEGADA DOS PORTUGUESES AO BRASIL 22 de abril CHEGADA DOS PORTUGUESES AO BRASIL 22 de abril Descobrimento do Brasil. Pintura de Aurélio de Figueiredo. Em 1500, há mais de 500 anos, Pedro Álvares Cabral e cerca de 1.500 outros portugueses chegaram

Leia mais

MUDANÇAS NO FEUDALISMO. Professor Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista São José de Montes Claros - MG

MUDANÇAS NO FEUDALISMO. Professor Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista São José de Montes Claros - MG MUDANÇAS NO FEUDALISMO Professor Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista São José de Montes Claros - MG MUDANÇAS NO FEUDALISMO A partir do século XI Expansão das áreas de cultivo, as inovações técnicas.

Leia mais

Unidade II Poder, Estudo e Instituições Aula 10

Unidade II Poder, Estudo e Instituições Aula 10 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade II Poder, Estudo e Instituições Aula 10 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Conteúdo O Consulado: Economia, Educação

Leia mais

TEMA 3 UMA EXPERIÊNCIA

TEMA 3 UMA EXPERIÊNCIA TEMA 3 UMA EXPERIÊNCIA DOLOROSA: O NAZISMO ALEMÃO A ascensão dos nazistas ao poder na Alemanha colocou em ação a política de expansão territorial do país e o preparou para a Segunda Guerra Mundial. O saldo

Leia mais

REVOLUÇÃO FRANCESA MCC

REVOLUÇÃO FRANCESA MCC REVOLUÇÃO FRANCESA MCC REVOLUÇÃO FRANCESA. MOVIMENTO BURGUÊS França antes da revolução TEVE APOIO DO POVO Monarquia absolutista Economia capitalista.(costumes feudais) sociedade estamental. 1º Estado-

Leia mais

SÉCULO XVII A INGLATERRA INCENTIVOU A COLONIZAÇÃO DAS TERRAS NORTE- AMERICANAS INCENTIVANDO A VINDA DE EMIGRANTES INGLESES

SÉCULO XVII A INGLATERRA INCENTIVOU A COLONIZAÇÃO DAS TERRAS NORTE- AMERICANAS INCENTIVANDO A VINDA DE EMIGRANTES INGLESES A GUERRA DE INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA ANTECEDENTES SÉCULO XVII A INGLATERRA INCENTIVOU A COLONIZAÇÃO DAS TERRAS NORTE- AMERICANAS INCENTIVANDO A VINDA DE EMIGRANTES INGLESES NESSA ÉPOCA

Leia mais

REVOLUÇÃO FRANCESA. Por: Rodrigo A. Gaspar

REVOLUÇÃO FRANCESA. Por: Rodrigo A. Gaspar REVOLUÇÃO FRANCESA Por: Rodrigo A. Gaspar REVOLUÇÃO FRANCESA Influência dos valores iluministas Superação do Absolutismo monárquico e da sociedade estratificada Serviu de inspiração para outras revoluções,

Leia mais

Newton Bignotto. Maquiavel. Rio de Janeiro

Newton Bignotto. Maquiavel. Rio de Janeiro Newton Bignotto Maquiavel Rio de Janeiro Introdução No ano em que nasceu Maquiavel, 1469, Florença vivia um período agitado. Embora ainda fosse formalmente uma república, a cidade era de fato administrada

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 05 DE AGOSTO PALÁCIO DO PLANALTO

Leia mais

Professor Sebastião Abiceu 6º ano Colégio Marista São José de Montes Claros - MG

Professor Sebastião Abiceu 6º ano Colégio Marista São José de Montes Claros - MG Professor Sebastião Abiceu 6º ano Colégio Marista São José de Montes Claros - MG MESOPOTÂMIA As primeiras cidades se formaram justamente na região onde a agricultura começou a se desenvolver: no Oriente

Leia mais

Prova bimestral. história. 1 o Bimestre 5 o ano. 1. Leia o texto a seguir e responda

Prova bimestral. história. 1 o Bimestre 5 o ano. 1. Leia o texto a seguir e responda Material elaborado pelo Ético Sistema de Ensino Ensino fundamental Publicado em 2012 Prova bimestral 1 o Bimestre 5 o ano história Data: / / Nível: Escola: Nome: 1. Leia o texto a seguir e responda Na

Leia mais

CHRISTOPHER HILL: UMA VISÃO SOBRE A LIBERDADE

CHRISTOPHER HILL: UMA VISÃO SOBRE A LIBERDADE CHRISTOPHER HILL: UMA VISÃO SOBRE A LIBERDADE CAROLINE OLIVEIRA JUNG * RESUMO Neste trabalho discute-se a questão da liberdade, o que é ser livre no século XVI e XVII, em específico dentro da Revolução

Leia mais

Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE PARECER DOS RECURSOS

Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE PARECER DOS RECURSOS 11) China, Japão e Índia são três dos principais países asiáticos. Sobre sua História, cultura e relações com o Ocidente, analise as afirmações a seguir. l A China passou por um forte processo de modernização

Leia mais

EBA IBCU Ago e Set 2012 Wagner Fonseca João Mengaldo

EBA IBCU Ago e Set 2012 Wagner Fonseca João Mengaldo EBA IBCU Ago e Set 2012 Wagner Fonseca João Mengaldo Reino e Queda 1Samuel 13 a 19 Reinado e Decadência de Saul Saul o Primeiro Rei 30 anos e Reina por 42 anos Vs 13.1 Primeira batalha de Jônatas contra

Leia mais

História. Programação 3. bimestre. Temas de estudo

História. Programação 3. bimestre. Temas de estudo História Olá, pessoal! Vamos conhecer, entre outros fatos, como era o trabalho escravo no Brasil? CHIQUINHA GONZAGA Programação 3. bimestre Temas de estudo O trabalho escravo na formação do Brasil - Os

Leia mais

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE GABINETE DO PRIMEIRO-MINISTRO

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE GABINETE DO PRIMEIRO-MINISTRO REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE GABINETE DO PRIMEIRO-MINISTRO ALOCUÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O PRIMEIRO-MINISTRO, MINISTRO DA DEFESA E SEGURANÇA KAY RALA XANANA GUSMÃO POR OCASIÃO DA VISITA À ACADEMIA

Leia mais

A América Central continental Guatemala, Costa Rica, Honduras, Nicarágua e El Salvador já foram parte do

A América Central continental Guatemala, Costa Rica, Honduras, Nicarágua e El Salvador já foram parte do p. 110 A América Central continental Guatemala, Costa Rica, Honduras, Nicarágua e El Salvador já foram parte do México até sua independência a partir de 1823; Em 1839 tornam-se independentes fracasso da

Leia mais

O que é protagonismo juvenil?

O que é protagonismo juvenil? O que é protagonismo juvenil? Branca Sylvia Brener * Índice Protagonismo Juvenil Por que a participação social dos jovens? O papel do educador Bibliografia Protagonismo Juvenil A palavra protagonismo vem

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO HISTÓRIA FUNDAMENTAL 5 CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI PRAIA GRANDE - SP ROTEIRO DA UNIDADE 05 FINALIDADE: Com esta UE você terminará de estudar

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia

Universidade Federal de Uberlândia História Universidade Federal de Uberlândia 1) Gabarito oficial definitivo - Questão 1 A) O candidato deverá argumentar acerca de fatores relacionados, direta e indiretamente, com o impacto do sistema

Leia mais

Discípulos missionários no Evangelho de Lucas e Magistério do Papa Francisco. 2º Encontro: Jesus, vida do discípulo: o caminho do discípulo

Discípulos missionários no Evangelho de Lucas e Magistério do Papa Francisco. 2º Encontro: Jesus, vida do discípulo: o caminho do discípulo Discípulos missionários no Evangelho de Lucas e Magistério do Papa Francisco 2º Encontro: Jesus, vida do discípulo: o caminho do discípulo Recordando: Que tipo de Messias é Jesus? Lc4, 16-19 Na Sinagoga

Leia mais

QUEM DESEJAR A PAZ, PREPARE-SE PARA A GUERRA. O Período republicano, foi marcado pelas conquistas territoriais que tornaram Roma a cidade-mundo

QUEM DESEJAR A PAZ, PREPARE-SE PARA A GUERRA. O Período republicano, foi marcado pelas conquistas territoriais que tornaram Roma a cidade-mundo QUEM DESEJAR A PAZ, PREPARE-SE PARA A GUERRA O Período republicano, foi marcado pelas conquistas territoriais que tornaram Roma a cidade-mundo EXPANSÃO ROMANA = teve duas fases INTERNA EXTERNA Conquista

Leia mais

QUARTA CONSTITUIÇÃO (A CONSTITUIÇÃO DO ESTADO NOVO)

QUARTA CONSTITUIÇÃO (A CONSTITUIÇÃO DO ESTADO NOVO) QUARTA CONSTITUIÇÃO (A CONSTITUIÇÃO DO ESTADO NOVO) NOME...Constituição dos Estados Unidos do Brasil DATA...10 de Novembro de 1937 ORIGEM...Outorgada DURAÇÃO...9 anos PREÂMBULO O Presidente da República

Leia mais

XVIII) e D. Pedro I (século XIX) defenderam posições políticas opostas e foram protagonistas de ações bastante distintas.

XVIII) e D. Pedro I (século XIX) defenderam posições políticas opostas e foram protagonistas de ações bastante distintas. Atividade extra Fascículo 2 História Unidade 4 Questão 1 Na unidade que você estudou, você pôde observar a foto da Praça Tiradentes no Rio de Janeiro, com a estátua de D. Pedro I ao centro. Tiradentes

Leia mais

Vidas cativas: uma biografia dos escravos envolvidos no plano de revolta de 1832 Campinas

Vidas cativas: uma biografia dos escravos envolvidos no plano de revolta de 1832 Campinas Vidas cativas: uma biografia dos escravos envolvidos no plano de revolta de 1832 Campinas Ricardo Figueiredo Pirola Mestrando UNICAMP No ano de 1832 foi descoberto em Campinas um plano de revolta escrava,

Leia mais

Catalão nas Fronteiras do Capitalismo: do desenvolvimento produtivo a construção da sociabilidade

Catalão nas Fronteiras do Capitalismo: do desenvolvimento produtivo a construção da sociabilidade Catalão nas Fronteiras do Capitalismo: do desenvolvimento produtivo a construção da sociabilidade Leonardo César PEREIRA 1 ; Revalino Antonio FREITAS (orientador) Palavras-chave: trabalho, migração, fronteira,

Leia mais

OS PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DO MOVIMENTO INTERNACIONAL DA CRUZ VERMELHA E DO CRESCENTE VERMELHO

OS PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DO MOVIMENTO INTERNACIONAL DA CRUZ VERMELHA E DO CRESCENTE VERMELHO OS PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DO MOVIMENTO INTERNACIONAL DA CRUZ VERMELHA E DO CRESCENTE VERMELHO FOLHETO CICV O Movimento Internacional da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho O Movimento Internacional

Leia mais

CADERNO 1 BRASIL CAP. 3. Gabarito: EXERCÍCIOS DE SALA. Resposta da questão 1: [D]

CADERNO 1 BRASIL CAP. 3. Gabarito: EXERCÍCIOS DE SALA. Resposta da questão 1: [D] Gabarito: EXERCÍCIOS DE SALA Resposta da questão 1: Somente a proposição está correta. Com a expansão napoleônica na Europa e a invasão do exército Francês em Portugal ocorreu a vinda da corte portuguesa

Leia mais

A nova lei anti-secessão e as relações entre a China e Taiwan. Análise Segurança

A nova lei anti-secessão e as relações entre a China e Taiwan. Análise Segurança A nova lei anti-secessão e as relações entre a China e Taiwan Análise Segurança Bernardo Hoffman Versieux 15 de abril de 2005 A nova lei anti-secessão e as relações entre a China e Taiwan Análise Segurança

Leia mais

COLÉGIO O BOM PASTOR PROF. RAFAEL CARLOS SOCIOLOGIA 3º ANO. Material Complementar Módulos 01 a 05: Os modos de produção.

COLÉGIO O BOM PASTOR PROF. RAFAEL CARLOS SOCIOLOGIA 3º ANO. Material Complementar Módulos 01 a 05: Os modos de produção. COLÉGIO O BOM PASTOR PROF. RAFAEL CARLOS SOCIOLOGIA 3º ANO Material Complementar Módulos 01 a 05: Os modos de produção. Modos de Produção O modo de produção é a maneira pela qual a sociedade produz seus

Leia mais

Memórias de um Brasil holandês. 1. Responda: a) Qual é o período da história do Brasil retratado nesta canção?

Memórias de um Brasil holandês. 1. Responda: a) Qual é o período da história do Brasil retratado nesta canção? Material elaborado pelo Ético Sistema de Ensino Ensino fundamental Publicado em 2012 Prova bimestral 3 o Bimestre 4 o ano história Data: / / Nível: Escola: Nome: Memórias de um Brasil holandês Nessa terra

Leia mais

GRÉCIA ANTIGA DAS ORIGENS AO PERÍODO ARCAICO

GRÉCIA ANTIGA DAS ORIGENS AO PERÍODO ARCAICO GRÉCIA ANTIGA DAS ORIGENS AO PERÍODO ARCAICO A CIVILIZAÇÃO GREGA Localização: Península Balcânica Condições geográficas: relevo acidentado, montanhoso e solo pouco fértil, isolava os vários grupos humanos

Leia mais

CADERNO DE ATIVIDADES. História

CADERNO DE ATIVIDADES. História COLÉGIO ARNALDO 2015 CADERNO DE ATIVIDADES História Aluno (a): 4º ano: Turma: Professor (a): Valor: 20 pontos Conteúdo de Recuperação O que é História. Identificar a História como ciência. Reconhecer que

Leia mais

O NASCIMENTO DO SALVADOR

O NASCIMENTO DO SALVADOR Mensagem pregada pelo Pr Luciano R. Peterlevitz no culto de natal na Igreja Batista Novo Coração, em 20 de dezembro de 2015. Evangelho de Lucas 2.8-20: 8 Havia pastores que estavam nos campos próximos

Leia mais

Da formação á prática na saúde

Da formação á prática na saúde REALIZAÇÃO: GRUPO DE PESQUISA EM SOCIOLOGIA DA SAÚDE UFPR/CNPq PRROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SOCIOLOGIA DA UFPR Mestrado e Doutorado em Sociologia PATROCÍNIO: APOIO: SETOR DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE

Leia mais

FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES - FACELI SELEÇÃO E COMENTÁRIO DE CENAS DO FILME GLADIADOR LINHARES

FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES - FACELI SELEÇÃO E COMENTÁRIO DE CENAS DO FILME GLADIADOR LINHARES FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES - FACELI SELEÇÃO E COMENTÁRIO DE CENAS DO FILME GLADIADOR LINHARES 2011 FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES FACELI Ana Cistina de Souza Pires Grasiela Sirtoli

Leia mais

A CIDADE-ESTADO ESTADO GREGA ORIGEM DAS PÓLIS GREGAS Causas geomorfológicas A Grécia apresenta as seguintes características: - Território muito montanhoso; na Antiguidade, as montanhas estavam cobertas

Leia mais

NAPOLEÃO BONAPARTE. Pode-se dividir seu governo em três partes: Consulado (1799-1804) Império (1804-1815) Governo dos Cem Dias (1815)

NAPOLEÃO BONAPARTE. Pode-se dividir seu governo em três partes: Consulado (1799-1804) Império (1804-1815) Governo dos Cem Dias (1815) NAPOLEÃO BONAPARTE 1 Profª Adriana Moraes Destaca-se política e militarmente no Período Jacobino. DIRETÓRIO Conquistas militares e diplomáticas na Europa defesa do novo governo contra golpes. Golpe 18

Leia mais

JESUS ALIMENTA A MULTIDÃO

JESUS ALIMENTA A MULTIDÃO João 6 Nesta Lição Estudará... Jesus Alimenta a Multidão Jesus Anda em Cima das Águas O Povo Procura Jesus Jesus, o Pão da Vida As Palavras de Vida Eterna JESUS ALIMENTA A MULTIDÃO: Leia João 6:1-15. Mateus,

Leia mais

Leone Alves. O fim da cegueira intelectual. 1ª Edição. São Paulo - Brasil

Leone Alves. O fim da cegueira intelectual. 1ª Edição. São Paulo - Brasil Leone Alves O fim da cegueira intelectual 1ª Edição São Paulo - Brasil 2015 1 Apresentação O fim da cegueira intelectual é um livro filosófico que tem como objetivo despertar na sociedade a capacidade

Leia mais

O Congresso Nacional, invocando a proteção de Deus, decreta e promulga a seguinte

O Congresso Nacional, invocando a proteção de Deus, decreta e promulga a seguinte 1967/69 Constituição da República Federativa do Brasil (de 24 de janeiro de 1967) O Congresso Nacional, invocando a proteção de Deus, decreta e promulga a seguinte CONSTITUIÇÃO DO BRASIL TÍTULO I Da Organização

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DO MODELO SOVIÉTICO E O SEU IMPACTO NO MUNDO

A CONSTRUÇÃO DO MODELO SOVIÉTICO E O SEU IMPACTO NO MUNDO A CONSTRUÇÃO DO MODELO SOVIÉTICO E O SEU IMPACTO NO MUNDO Império russo (início do século a 1917) Território * Governo Maior império da Europa, estendendo-se da Ásia ao pacífico * Monarquia absoluta e

Leia mais

Profº Hamilton Milczvski Jr

Profº Hamilton Milczvski Jr Profº Hamilton Milczvski Jr A Formação Segundo a mitologia romana, a cidade de Roma foi fundada por dois irmãos gêmeos, Rômulo e Remo, os quais haviam sido abandonados no Rio Tibre. Atraída pelo choro

Leia mais

Prova bimestral 4 o ANO 2 o BIMESTRE

Prova bimestral 4 o ANO 2 o BIMESTRE Prova bimestral 4 o ANO 2 o BIMESTRE HISTÓRIA Escola: Nome: Data: / / Turma: Pedro Álvares Cabral foi o comandante da primeira expedição portuguesa que chegou ao território que mais tarde receberia o nome

Leia mais

SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO

SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO 1 - INTRODUÇÃO Séc. XIX consolidação da burguesia: ascensão do proletariado urbano (classe operária) avanço do liberalismo.

Leia mais

Século XXI. Sobre a cultura islâmica após os atentados de 11 de setembro. Palavras amáveis não custam nada e conseguem muito.

Século XXI. Sobre a cultura islâmica após os atentados de 11 de setembro. Palavras amáveis não custam nada e conseguem muito. Século XXI Oficialmente, o século XXI, inicia-se cronologicamente no final do ano 2000. Historicamente podemos destacar que os eventos que aconteceram um ano após a entrada do novo milênio marcam a chegada

Leia mais

O líder convida um membro para ler em voz alta o objetivo da sessão:

O líder convida um membro para ler em voz alta o objetivo da sessão: SESSÃO 3 'Eis a tua mãe' Ambiente Em uma mesa pequena, coloque uma Bíblia, abriu para a passagem do Evangelho leia nesta sessão. Também coloca na mesa uma pequena estátua ou uma imagem de Maria e uma vela

Leia mais

Brasil Império. Sétima Série Professora Carina História

Brasil Império. Sétima Série Professora Carina História Brasil Império Sétima Série Professora Carina História Confederação do Equador Local: Províncias do Nordeste. Época: 1824. Líderes da revolta: Manuel Paes de Andrade, frei Caneca e Cipriano Barata. Causas:

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DO ENSINO NO BRASIL: PERÍODO COLONIAL

ORGANIZAÇÃO DO ENSINO NO BRASIL: PERÍODO COLONIAL Aula ORGANIZAÇÃO DO ENSINO NO BRASIL: PERÍODO COLONIAL META Apresentar as razões da expansão da pedagogia (ensino) jesuítica no Brasil-colônia e, posteriormente, a sua expulsão motivada pela reforma da

Leia mais

Enquadramento Histórico

Enquadramento Histórico Enquadramento Histórico Aquilo que os cristãos conhecem de Paulo resume-se a dois ou três momentos da sua vida: a conversão na estrada de Damasco, o discurso no areópago de Atenas, o martírio na cidade

Leia mais

ANÁLISE DO FILME OS 300 & A CIDADE GREGA ESPARTA

ANÁLISE DO FILME OS 300 & A CIDADE GREGA ESPARTA FACELI FACULDADE SUPERIOR DE LINHARES DISCIPLINA DE HISTÓRIA DO DIREITO CURSO DE DIREITO / 1º DIREITO B ANÁLISE DO FILME OS 300 & A CIDADE GREGA ESPARTA BARBARA LICIA JAMARA FERREIRA P. ARAUJO JANE SCHULZ

Leia mais

ANÁLISE DAS CATEGORIAS SUBVERSÃO E RESISTÊNCIA A PARTIR DA RELAÇÃO IGREJA- ESTADO DURANTE A DITADURA MILITAR NO BRASIL Camila da Silva Portela *

ANÁLISE DAS CATEGORIAS SUBVERSÃO E RESISTÊNCIA A PARTIR DA RELAÇÃO IGREJA- ESTADO DURANTE A DITADURA MILITAR NO BRASIL Camila da Silva Portela * ANÁLISE DAS CATEGORIAS SUBVERSÃO E RESISTÊNCIA A PARTIR DA RELAÇÃO IGREJA- ESTADO DURANTE A DITADURA MILITAR NO BRASIL Camila da Silva Portela * Este artigo traz indagações referentes a uma pesquisa mais

Leia mais

RESUMO RESENHA DO LIVRO OS BESTIALIZADOS: O RIO DE JANEIRO E A REPÚBLICA QUE NÃO FOI, DE JOSÉ MURILO DE CARVALHO

RESUMO RESENHA DO LIVRO OS BESTIALIZADOS: O RIO DE JANEIRO E A REPÚBLICA QUE NÃO FOI, DE JOSÉ MURILO DE CARVALHO RESUMO RESENHA DO LIVRO OS BESTIALIZADOS: O RIO DE JANEIRO E A REPÚBLICA QUE NÃO FOI, DE JOSÉ MURILO DE CARVALHO Resenha do livro de José Murilo de Carvalho, Os bestializados: o Rio de Janeiro e a República

Leia mais

Crise no Império Romano. Capítulo 6

Crise no Império Romano. Capítulo 6 Crise no Império Romano Capítulo 6 A falta de escravos leva ao aparecimento do sistema do colonato. Corte nas verbas do exército, gera revolta e briga entre os generais. Os generais passam a não obedecer

Leia mais

Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena

Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena Curso: Especialização em Psicopedagogia Módulo: Noções Fundamentais de Direito

Leia mais

Um crente bêbado é melhor que o sóbrio desviado Pr. Harry Tenório. Pelo teu nome por sua vida eu não farei uma coisas dessas! 2 Sm 11.

Um crente bêbado é melhor que o sóbrio desviado Pr. Harry Tenório. Pelo teu nome por sua vida eu não farei uma coisas dessas! 2 Sm 11. Um crente bêbado é melhor que o sóbrio desviado Pr. Harry Tenório Pelo teu nome por sua vida eu não farei uma coisas dessas! 2 Sm 11.11 Introdução Negar princípios parece ser uma coisa comum em nossos

Leia mais

CARTA DA TERRA Adaptação Juvenil

CARTA DA TERRA Adaptação Juvenil CARTA DA TERRA Adaptação Juvenil I TRODUÇÃO Vivemos um tempo muito importante e é nossa responsabilidade preservar a Terra. Todos os povos e todas as culturas do mundo formam uma única e grande família.

Leia mais

A América Espanhola.

A América Espanhola. Aula 14 A América Espanhola. Nesta aula, trataremos da colonização espanhola na América, do processo de independência e da formação dos Estados Nacionais. Colonização espanhola na América. A conquista

Leia mais

Dossiê Tibete: análise dos conflitos sino-tibetanos.

Dossiê Tibete: análise dos conflitos sino-tibetanos. Dossiê Tibete: análise dos conflitos sino-tibetanos. Ana Paula Lopes Ferreira 1 RESUMO Os conflitos entre China e Tibete vêm de um longo processo histórico e desde 1949, quando ocorre a ocupação chinesa

Leia mais

FELIPE CARCELIANO Nº 10 JENNIFER SANTAROZA DE SOUZA Nº 20 NATHALIA NOVAES Nº 30 GEOGRAFIA TEMA VIII HAITI E.E. DR. JOÃO THIENNE.

FELIPE CARCELIANO Nº 10 JENNIFER SANTAROZA DE SOUZA Nº 20 NATHALIA NOVAES Nº 30 GEOGRAFIA TEMA VIII HAITI E.E. DR. JOÃO THIENNE. FELIPE CARCELIANO Nº 10 JENNIFER SANTAROZA DE SOUZA Nº 20 NATHALIA NOVAES Nº 30 GEOGRAFIA TEMA VIII HAITI E.E. DR. JOÃO THIENNE Nova Odessa SP Maio / 2014 1 JENNIFER SANTAROZA DE SOUZA FELIPE CARCELIANO

Leia mais

O Sindicato de trabalhadores rurais de Ubatã e sua contribuição para a defesa dos interesses da classe trabalhadora rural

O Sindicato de trabalhadores rurais de Ubatã e sua contribuição para a defesa dos interesses da classe trabalhadora rural O Sindicato de trabalhadores rurais de Ubatã e sua contribuição para a defesa dos interesses da classe trabalhadora rural Marcos Santos Figueiredo* Introdução A presença dos sindicatos de trabalhadores

Leia mais

qwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwerty uiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasd fghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzx cvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmq

qwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwerty uiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasd fghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzx cvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmq qwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwerty uiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasd fghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzx cvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmq Introdução a análise Histórica Feudalismo Fernando Del pozzo hjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzxc

Leia mais

cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 1 CAPA

cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 1 CAPA cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 1 CAPA cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 2 TODOS SÃO IGUAIS PERANTE A LEI* *Artigo 5º da Constituição Brasileira

Leia mais

LEVANTAMENTO DE FONTES PARA O DICIONÁRIO BRASILEIRO DA GUERRA DO PARAGUAI (1864-1870)

LEVANTAMENTO DE FONTES PARA O DICIONÁRIO BRASILEIRO DA GUERRA DO PARAGUAI (1864-1870) LEVANTAMENTO DE FONTES PARA O DICIONÁRIO BRASILEIRO DA GUERRA DO PARAGUAI (1864-1870) Thasley Westanyslau Alves Pereira * Marcelo Santos Rodrigues (Orientador) ** O projeto Levantamento de Fontes para

Leia mais

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude.

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude. A MULHER NA ATIVIDADE AGRÍCOLA A Constituição Federal brasileira estabelece no caput do art. 5º, I, que homens e mulheres são iguais em direitos e obrigações e reconhece no dispositivo 7º a igualdade de

Leia mais

O GOLPE DE 64 E O REGIME MILITAR (1964-1985): O governo dos generais

O GOLPE DE 64 E O REGIME MILITAR (1964-1985): O governo dos generais 1 O GOLPE DE 64 E O REGIME MILITAR (1964-1985): O governo dos generais Lourival de Oliveira Santos 2 Santos, Lourival de Oliveira. C681g O golpe de 64 e o regime militar (1694-1985) o governo dos generais

Leia mais

O Antigo Testamento tem como seus primeiros livros a TORÀ, ou Livro das leis. É um conjunto de 5 livros.

O Antigo Testamento tem como seus primeiros livros a TORÀ, ou Livro das leis. É um conjunto de 5 livros. O Antigo Testamento tem como seus primeiros livros a TORÀ, ou Livro das leis. É um conjunto de 5 livros. A Torá é o texto mais importante para o Judaísmo. Nele se encontram os Mandamentos, dados diretamente

Leia mais

AS REFORMAS DA LOUCURA: DA CONSTRUÇÃO DO CONCEITO AOS EMPREGOS DA PSIQUIATRIA NO BRASIL

AS REFORMAS DA LOUCURA: DA CONSTRUÇÃO DO CONCEITO AOS EMPREGOS DA PSIQUIATRIA NO BRASIL AS REFORMAS DA LOUCURA: DA CONSTRUÇÃO DO CONCEITO AOS EMPREGOS DA PSIQUIATRIA NO BRASIL SOTARELLI, Álvaro F. GRANDI, Ana Lúcia de. Universidade Estadual do Norte do Paraná Resumo: O presente estudo trabalha

Leia mais

Geografia e Povoamento A civilização romana se localizou na parte continental pela península Itálica e na parte insular pelas ilhas de Córsega, Sardenha e Sicília banhada pelos mares Mediterrâneo, Tirreno,

Leia mais

Separação entre Estado e Igreja (20 de Abril de 1911) Cota CMPV/0015 Diários do Governo

Separação entre Estado e Igreja (20 de Abril de 1911) Cota CMPV/0015 Diários do Governo Separação entre Estado e Igreja (20 de Abril de 1911) Cota CMPV/0015 Diários do Governo NEWSLETTER: Dando continuidade à nossa nova rubrica on-line: Páginas de História com Estórias, passamos a apresentar

Leia mais