As cabeças femorais são objeto de registro a parte, isto é, são componentes ancilares, vendidas separadamente.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "As cabeças femorais são objeto de registro a parte, isto é, são componentes ancilares, vendidas separadamente."

Transcrição

1 Prótese Femoral CPCS DESCRIÇÃO DO DISPOSITIVO A Prótese Femoral CPCS (Collarless Polished Cemented Stem (haste cimentada, polida, sem colar)) para quadril inclui 12 modelos da haste femoral. As hastes são fabricadas com aço inoxidável em conformidade com ASTM F As hastes femorais CPCS apresentam seção transversal trapezoidal e destinam-se a aplicações cimentadas. Todas as hastes apresentam um cone 12/14 que acomoda as cabeças femorais modulares e também um offset padrão ou alto. Os comprimentos de haste variam de 120mm a 135mm com tamanhos variando do 0 ao 5. O produto também apresenta um centralizador feito de polimetilmetacrilato (PMMA) como acessório, que é colocado na extremidade distal da haste para permitir uma subsidência controlada. As cabeças femorais são objeto de registro a parte, isto é, são componentes ancilares, vendidas separadamente. ESPECIFICAÇÕES Descrição do Produto Material Norma Hastes Primárias CPCS 12/14 Standard Offset e High Offset Aço Inoxidável ASTM F-1586 (Norma de Especificação para Barras para Implantes Cirúrgicos feitas de Aço Inoxidável forjado fortalecidao com Nitrogênio Cromo-10 Níquel-3 Centralizadores Distais CPCS Polimetilmetacrilato sem Sulfato de Bário manganês-2,5 Molibdênio) (Especificação interna Smith & Nephew) M Polimetilmetacrilato INDICAÇÃO DE USO A Prótese Femoral CPCS é indicada para indivíduos que serão submetidos à cirurgia primária ou de revisão quando outros tratamentos tiverem fracassado na reabilitação de quadris lesados por trauma ou doença articular degenerativa não inflamatória (DADNI) ou qualquer diagnósticos composto de osteoartrite, necrose avascular, artrite traumática, epífise capital deslizada, fusão de quadril, fratura da pelve e variante diastrófica. A Prótese Femoral CPCS é indicada também para as doenças articulares degenerativas inflamatórias incluindo a artrite reumatóide, artrite secundária a uma variedade de doenças e anomalias e displasia congênita; osteomielite antiga e remota com período prolongado livre de drenagem, caso em que o paciente deve ser avisado sobre o perigo acima do normal de infecção pós-operatória; tratamentos de desunião, fratura de colo femoral e fraturas de trocanter do fêmur proximal com envolvimento da cabeça que não são tratáveis com outras técnicas; endoprótese, osteotomia femoral, ou ressecção de Girdlestone; fratura-deslocamento do quadril; e correção de deformidade.

2 NOTA IMPORTANTE A artroplastia de substituição total do quadril tornou-se um procedimento bem sucedido para o alívio da dor e a restauração do movimento em pacientes incapacitados pela artropastia do quadril. Os objetivos da substituição total do quadril são a diminuição da dor, o aumento da função e o aumento da mobilidade. CONTRA-INDICAÇÕES 1. Condições que eliminariam ou tenderiam a eliminar o suporte adequado do implante ou impedir o uso de um implante de tamanho apropriado, p. ex.: a. limitações do suprimento sangüíneo; b. quantidade ou qualidade insuficiente de suporte ósseo, p. ex. osteoporose, ou distúrbios metabólicos que podem prejudicar a formação óssea, e osteomalacia; e c. infecções ou outras condições que possam levar ao aumento da reabsorção óssea. 2. Condições mentais ou neurológicas que tendem a prejudicar a capacidade do paciente ou desejo de restringir as atividades. 3. Condições físicas ou atividades que tendem a impor cargas extremas nos implantes, p. ex. articulação de Charcot, deficiências musculares, incapacidades articulares múltiplas, etc. 4. Falta de maturidade esquelética. As contra-indicações podem ser relativas ou absolutas e devem ser cuidadosamente pesadas em relação à avaliação total do paciente e o prognóstico para possíveis procedimentos alternativos como tratamento não operatório, artrodese, osteotomia femoral, osteotomia pélvica, artroplastia de ressecção, hemiartroplastia e outros. Condições que apresentam risco elevado de insucesso incluem: osteoporose, distúrbios metabólicos que possam comprometer a formação óssea e osteomalacia. POSSÍVEIS EVENTOS ADVERSOS 1. Pode ocorrer o desgaste das superfícies de articulação de polietileno e cerâmica dos componentes acetabulares. Índices mais altos de desgaste podem ser iniciados pela presença de partículas de cimento, metal ou outros detritos que podem se desenvolver durante ou como resultado do procedimento cirúrgico e causar abrasão das superfícies de articulação. Índices mais altos de desgaste podem encurtar a vida útil da prótese e podem levar à cirurgia de revisão precoce para substituição dos componentes desgastados da prótese. 2. Em todas as substituições articulares, pode ocorrer reabsorção óssea progressiva assintomática localizada (osteólise) ao redor dos componentes protéticos como conseqüência da reação de corpo estranho aos detritos de desgaste. As partículas são geradas pela interação entre os componentes, assim como entre os componentes e o osso, primariamente através de mecanismos de desgaste da adesão, abrasão e fadiga. Secundariamente, as partículas também podem ser geradas por outras partículas alojadas nas superfícies articulares de polietileno ou cerâmica. A osteólise também pode levar a complicações futuras necessitando da remoção ou substituição dos componentes protéticos. 3. Afrouxamento, curvatura, rachadura ou fratura dos componentes do implante podem resultar da não observância dos Avisos e Precauções a seguir. Fratura do implante pode ocorrer também como resultado de trauma, atividade muito intensa, alinhamento inadequado ou tempo de uso.

3 4. Deslocamentos, subluxação, diminuição da amplitude de movimento, alongamento ou encurtamento do fêmur causados pela escolha e posicionamento incorretos do colo, afrouxamento dos componentes acetabulares ou femorais, osso externo, penetração da prótese femoral através da haste do fêmur, fratura do acetábulo, protrusão intrapélvica do componente acetabular, afundamento femoral, calcificação periarticular e /ou alargamento excessivo. 5. Fratura da pelve ou fêmur: fraturas pélvicas pós-operatórias são geralmente fraturas por estresse. Fraturas femorais geralmente são causadas por defeitos no córtex femoral devido a alargamento em direção errada, etc. Fraturas intra-operatórias são geralmente associadas com deformidade congênita antiga, seleção incorreta da haste, alargamento incorreto, e/ou osteoporose severa. 6. Infecção, tanto a infecção pós-operatória aguda da ferida quanto a sepse profunda tardia. 7. Neuropatias; do nervo femoral, ciático e peroneiro, e neuropatias femorais cutâneas laterais foram relatadas. Dano neural temporário ou permanente resultando em dor ou dormência do membro afetado. 8. Hematoma da ferida, doença troboembólica incluindo trombose venosa, embolia pulmonar ou infarto do miocárdio. 9. Miosite ossificante, especialmente em homens com artrite hipertrófica, amplitude de movimento pré-operatória limitada e/ou miosite prévia. Também, calcificação periarticular com ou sem impedimento da mobilidade articular pode causar diminuição da amplitude de movimento. 10. Desunião trocanteriana geralmente associada com sustentação de peso precoce e/ou fixação inadequada do trocanter, quando uma abordagem cirúrgica transtrocanteriana é usada. 11. Embora raras, reações de sensibilidade ao metal e/ou reações alérgicas a materiais estranhos foram relatadas em pacientes após substituição articular. 12. Danos aos vasos sangüíneos. 13. Artrose traumática do joelho pelo posicionamento intra-operatório da extremidade. 14. Cicatrização tardia da ferida. 15. Problemas agravados do membro afetado ou da extremidade contra lateral causados por discrepância do comprimento da perna, excesso de medialização femoral ou deficiência muscular. 16. Falha da adesão do revestimento poroso / substrato ou revestimento de hidroxiapatita / revestimento poroso pode resultar na separação em lâminas. 17. Migração da haste ou subsidência ocorreram em conjunto com procedimentos de compactação de enxerto geralmente resultante de material insuficiente de enxerto ou técnicas de cimentação inadequadas. O alinhamento varo da haste também pode ser responsável. AVISOS E PRECAUÇÕES O paciente deve ser alertado sobre os riscos cirúrgicos e sobre os possíveis efeitos adversos. O paciente deve ser avisado que o dispositivo não substitui osso normal saudável, que o implante pode quebrar ou se tornar danificado como resultado de atividade excessiva ou trauma e que possui um tempo de vida limitado e pode necessitar de substituição no futuro. Não misture componentes de fabricantes diferentes. A carga suportável pela haste CPCS está entre 425 lbf (192,7 kg) e 450 lbf (204,1 kg) considerando o peso padrão do paciente de 150 lbf (68 kg).

4 Pré-operatório 1. Tome extremo cuidado na manipulação e armazenamento dos componentes do implante. Corte, flexão ou arranhões da superfície dos componentes podem reduzir significativamente a força, resistência à fadiga e/ou características de uso do sistema de implante. Esses, por sua vez, podem induzir forças internas que não são detectadas a olho nu e podem levar à fratura do componente. Implantes e instrumentos devem ser protegidos de ambientes corrosivos como ar com presença de sais durante o armazenamento. Não permita que as superfícies porosas entrem em contato com tecidos ou outros materiais que soltam fibras. 2. Alergias e outras reações aos materiais do dispositivo, embora não freqüentes, devem ser consideradas, testadas (se apropriado) e excluídas antes da operação. 3. A fixação e a longevidade esperada dos componentes na cirurgia de revisão deve ser avaliada minuciosamente. 4. Informações sobre a técnica cirúrgica estão disponíveis perante solicitação. O cirurgião deve estar familiarizado com a técnica. Consulte a literatura médica ou do fabricante para informações específicas do produto. 5. Pode ocorrer fratura ou quebra intra-operatória de instrumentos. Instrumentos que foram submetidos a uso excessivo ou força excessiva são suscetíveis a fratura. Os instrumentos devem ser examinados para detecção de desgastes ou danos antes da cirurgia. Intra-operatório 1. Os princípios gerais da seleção de paciente e julgamento cirúrgico fundamentado se aplicam. A seleção correta do implante é extremamente importante. O tipo e tamanho correto devem ser selecionados considerando-se a anatomia e os fatores anatômicos e biomecânicos do paciente como idade e níveis de atividade, peso, condições ósseas e musculares e qualquer cirurgia anterior ou cirurgias futuras previstas, etc. Geralmente, prefere-se o componente de maior seção transversal que permita a manutenção de adequado suporte ósseo. O não uso do componente de tamanho ideal pode resultar em afrouxamento, curvatura, rachadura ou fratura do componente e/ou osso. 2. A seleção correta do comprimento do colo e cúpula, e o posicionamento da haste são importantes. Afrouxamento muscular e/ou mal posicionamento dos componentes pode resultar em afrouxamento, subluxação e/ou fratura dos componentes. O comprimento de colo aumentado e o posicionamento varo aumentará os esforços que devem ser suportados pela haste. O componente deve ser firmemente assentado com os instrumentos de inserção do componente. 3. É preciso tomar cuidado para não arranhar, curvar (com exceção dos Anéis de Reconstrução) ou cortar os componentes do implante durante a cirurgia pelas razões expostas no Item 1 da seção "Pré-operatório" dos "Avisos e Precauções". 4. Bainhas distais não devem ser usadas para fazer ponte em defeitos corticais que se localizem a 26mm da ponta da haste base. 5. Hastes de cone pequeno MATRIX de tamanhos 8S-10L devem ter um comprimento de colo mínimo de +8mm quando usadas com um componente bipolar; e hastes de cone pequeno de tamanhos 12S-16L devem tem um comprimento de colo mínimo de +4 mm quando usadas cm um componente bipolar. 6. Limpe e seque o cone da haste antes de impactar a cabeça femoral ou a bainha cônica. O componente da cabeça modular femoral deve ser firmemente assentado no componente femoral para evitar desassociação. 7. Tome cuidado, ao posicionar e perfurar os orifícios para parafusos e pinos para evitar penetração na cortical interna da pelve, penetração da incisura ciática ou danos de estruturas neurovasculares vitais. A perfuração da pelve com parafusos que são muito compridos pode romper vasos sangüíneos e provocar hemorragia. Não coloque um parafuso no orifício central da prótese acetabular. A colocação de brocas e parafusos nas porções anterior e medial da

5 prótese está associada com um alto risco de lesão vascular potencialmente fatal. Parafusos ósseos devem ser complemente assentados nos orifícios da concha para permitir o travamento adequado do revestimento do componente acetabular. Se for preciso remover os pinos cônicos da concha após impactação dos pinos, não reutilize os pinos nem os orifícios da concha. Use pinos novos e orifícios diferentes, ou uma nova concha se necessário. 8. Antes de assentar os componentes modulares, os detritos cirúrgicos, incluindo tecido, devem ser removidos das superfícies. Detritos, incluindo cimento ósseo, podem inibir o mecanismo de travamento do componente. Se pretender cimentar a concha, remova o cimento externo com espátula plástica para garantir o adequado travamento do revestimento. Durante a inserção do revestimento, certifique-se de que o tecido mole não interfira com a interface concha/revestimento. Resfriar o revestimento reduz a força de impactação necessária para assentar o revestimento. Componentes modulares devem ser montados firmemente para evitar desassociação. Detritos impedem a adaptação adequada e o travamento dos componentes modulares, o que pode levar a insucesso precoce do procedimento. O não assentamento adequado do revestimento acetabular pode levar à desassociação do revestimento da concha. 9. Evite montagens e desmontagens repetidas dos componentes modulares, o que poderia comprometer a ação do mecanismo de travamento. 10. É preciso tomar cuidado para garantir o suporte completo de todas as partes do dispositivo assentadas em cimento ósseo para evitar a concentração de esforços, o que poderia levar ao insucesso do procedimento. Durante o tempo de presa do cimento, é preciso tomar cuidado para evitar movimentações dos componentes do implante. 11. Se for removida a cabeça de um componente femoral que será deixado em posição após cirurgia de revisão, recomenda-se o uso de uma cabeça metálica. Uma cabeça cerâmica pode fraturar por irregularidades do cone do componente femoral. 12. Quando se pretende deixar os componentes em posição na cirurgia de revisão, eles devem ser completamente checados para verificação de sinais de afrouxamento, etc. e substituídos se necessários. A cabeça / componente do colo devem ser trocados apenas quando clinicamente necessário. 13. Uma vez removidos do paciente, os implantes previamente usados nunca devem ser reutilizados, pois esforços internos que não são visíveis podem levar à curvatura ou fratura desses componentes. 14. Com o quadril congenitamente deslocado, é preciso tomar cuidado especial para evitar a paralisia do nervo ciático. Além disso, observe que o canal femoral geralmente é muito pequeno e reto e pode requerer prótese femoral reta extra-pequena; entretanto, uma prótese de tamanho regular deve ser usada sempre que possível. Observe que o acetábulo verdadeiro é rudimentar e raso. Um falso acetábulo não deve ser usado rotineiramente como sítio para colocação da cúpula por razões anatômicas e biomecânicas. 15. Com a artrite reumatóide, especialmente para aqueles pacientes que tomam esteróides, o osso pode ser extremamente osteoporoso. É preciso tomar cuidado para evitar a penetração excessiva do assoalho acetabular ou fratura da parede acetabular medial, fêmur, ou trocanter maior. 16. Procedimentos de revisão para artroplastia prévia, Girdlestone, etc., são tecnicamente difíceis. Erros comuns incluem localização errada da incisão, exposição inadequada ou mobilização do fêmur, remoção inadequada de osso ectópico ou posicionamento incorreto dos componentes. A instabilidade pós-operatória e também a perda excessiva de sangue podem ocorrer. Em resumo, tempo operatório aumentado, perda sangüínea, incidência aumentada de embolia pulmonar e hematoma da ferida podem ser esperados nos procedimentos de revisão. 17. Antes do fechamento, o sítio cirúrgico deve ser meticulosamente limpado para remoção de cimento, lascas de osso, osso ectópico, etc. Osso ectópico e/ou esporões podem levar a deslocamento ou movimentação dolorosa ou restrita. A amplitude de movimento deve ser verificada para detecção de contato prematuro ou instabilidade. 18. Quando se utiliza um revestimento cerâmico e haste metálica, o alinhamento e o posicionamento corretos da concha e do revestimento são fundamentais para o desempenho do implante. Se o revestimento cerâmico e a concha não estiverem totalmente assentados ou estiverem alinhados de maneira incorreta após a impactação final, será necessário revisar a

6 concha e o revestimento com novos componentes. Uma impactação incorreta danificará a concha e cone do revestimento, o que pode aumentar a chance de fratura subseqüente do revestimento ou falha de outro componente. Consulte a técnica cirúrgica para informações específicas sobre a montagem da concha e o método de implantação. 19. O correto posicionamento dos componentes é importante para minimizar afundamento que poderia levar a insucesso precoce, desgaste prematuro e/ou deslocamento. Pós-operatório 1. As instruções pós-operatórias e avisos aos pacientes fornecidas por médicos e os cuidados do pacientes são extremamente importantes. A sustentação de peso gradual é iniciada após a cirurgia na artroplastia total de quadril comum. Entretanto, com a osteotomia do trocanter ou certos casos complicados, a condição de sustentação do peso deve ser individualizada, estendendo-se o período sem incidência ou com incidência parcial de peso. 2. Os pacientes devem ser alertados contra a atividade sem assistência, particularmente o uso de banheiros e outras atividades que requerem movimento excessivo do quadril. 3. Tome extremo cuidado na manipulação do paciente. É preciso fornecer suporte para a perna operada ao mover o paciente. Ao colocar o paciente em comadre, trocar as roupas, e outras atividades similares, é preciso tomar precauções para evitar a carga excessiva na parte operada do corpo. 4. A terapia pós-operatória deve ser estruturada para restabelecer a força muscular ao redor do quadril e para o aumento gradual das atividades. 5. Raios-x periódicos são recomendados para a comparação com as condições pós-operatórias imediatas para detectar evidências de longa duração de mudanças na posição, afrouxamento, curvaturas e/ou rachaduras dos componentes ou perda óssea. Havendo evidências dessas condições, os pacientes devem ser observados com atenção, as possibilidades de deterioração adicional avaliadas e os benefícios de uma revisão precoce devem ser considerados. 6. Antibioticoterapia profilática deve ser recomendada para o paciente similar àquela sugerida pela American Heart Association para condições ou situações que possam resultar em bacteremia. EMBALAGEM E ETIQUETAS Os componentes só devem ser aceitos se recebidos pelo hospital ou cirurgião com a embalagem de fábrica e a etiqueta intactas. DESCARTE Caso necessário o descarte do produto deve-se seguir o regulamento técnico de gerenciamento de resíduo de serviços de saúde, conforme descrito na Resolução RDC 306 de 07/12/2004. O descarte correto evitará contaminação com sangue ou fluidos corporais. Em caso de queda do produto não reutilizar/reesterilizar. O produto deve ser descartado/inutilizado conforme Resolução RDC 306 de 07/12/2004. Não é permitida a reutilização/re-uso do produto. O produto é de uso único.

7 COMO ABRIR A EMBALAGEM ESTÉRIL A embalagem é uma bandeja PETG termicamente moldada com tampa de Tyvek selada na bandeja através de calor e colocada dentro de uma segunda bandeja PETG com tampa Tyvek. As bandejas são inseridas em uma caixa de papelão que é embrulhada a vácuo. A tampa superior do blister deve ser puxada na extremidade assinalada na embalagem (blister/bandeja interna e externa). A seguir, com cuidado para nao contaminar o conteúdo interno, deve-se entregar o produto ao cirurgião sobre a mesa auxiliar em ambiente estéril dentro do próprio blíster TÉCNICA CIRÚRGICA ESPECIFICAÇÕES DA HASTE Tamanho Ângulo do Colo Seção Transversal Distal ESPECIFICAÇÕES Comprimento da Haste Largura A-P Largura M-L 0,0H 131 o /135 o 4,5 mm 120 mm 11 mm 26 mm 1,1H 131 o /135 o 4,5 mm 135 mm 12 mm 26 mm 2,2H 131 o /135 o 4,5 mm 135 mm 13 mm 28 mm 3,3H 131 o /135 o 4,5 mm 135 mm 15 mm 30 mm 4,4H 131 o /135 o 4,5 mm 135 mm 16 mm 32 mm 5,5H 131 o /135 o 4,5 mm 135 mm 17 mm 34 mm ALTURA DO COLO (MM) Quando o componente da Cabeça Femoral selecionado é: Tamanho H H H H ALTURA DO COLO (MM) Quando o componente da Cabeça Femoral selecionado é: Tamanho H H OFFSET DO COLO (MM) Quando o componente da Cabeça Femoral Selecionado é: Tamanho

8 0H H H H H H COMPRIMENTO DO COLO (MM) Quando o componente da Cabeça Femoral Selecionado é: Tamanho H H H H H H Para uso apenas com as cabeças femorais Smith & Nephew 12/14.

9 1. Osteotomia Femoral O nível de ressecção do colo deve ser baseado no gabarito pré-operatório. Coloque o gabarito sobre o raio-x do quadril. Depois de determinar o tamanho apropriado da haste, determine o nível de rejeição do colo femoral baseando-se no trocanter menor como referência. Uma escala de graduação pode ser encontrada no aspecto medial da haste no gabarito. Essa escala corresponde às marcações no guia de osteotomia. Anote quantas graduações acima do trocanter menor a osteotomia será feita, conforme determinado pela marcação na profundidade média do aspecto medial da haste (também identificado como marcação zero na escala de graduação). Na sala cirúrgica, coloque o guia de osteotomia sobre o fêmur fazendo o trocanter menor posicionar-se na mesma marcação de graduação anotada durante a confecção do gabarito. Faça a osteotomia do colo (Figuras 1 e 2). 2. Preparação do Acetábulo Se for necessário reconstruir o acetábulo, prepare-o usando a técnica indicada para o componente acetabular pretendido. 3. Preparação do Canal Femoral Abra o canal medular no colo submetido à seção transversal usando o cinzel tipo box. Permaneça em posição posterior e lateral para obter uma posição neutra da haste (Figura 3). Identifique e abra o canal femoral usando um alargador medular liso (Figura 4). O alargador de trocanter está disponível para ajudar a garantir um ponto de início lateral e abrir a metáfise (Figura 5).

10 4. Alargamento Femoral Monte o mandril na alça colocando o pino na presilha. Use o polegar para travar a presilha no mandril. Pode-se montar uma alça modular de anteversão na alça do mandril para propiciar controle de versão (Figura 6). Inicie o procedimento de alargamento ao longo do eixo médio do fêmur com o mandril inicial e aumente o desgaste progressivamente até alcançar o tamanho da haste femoral apropriada. Assente o mandril final ligeiramente abaixo do nível de ressecção do colo femoral para facilitar o alargamento do calcar se desejado (Figura 7). O mandril do CPCS foi projetado para propiciar um revestimento de cimento mínimo de 2,0mm em cada lado, medial e lateralmente, e 1,5mm de cada lado anterior e posteriormente. Uma espessura adicional do revestimento de cimento é conseguida pressurizado o cimento no osso esponjoso. O mandril é 10 mm mais longo do que o implante

11 correspondente para acomodar o centralizador distal. Desmonte o mandril da alça colocando dois dedos (indicador e médio) na fenda retangular. Aplique pressão na barra de liberação apertando os dois dedos em direção ao polegar que repousa no lado medial da alça do mandril (Figura 8). 5. Preparação do Calcar (opcional) Se a ressecção do colo femoral for assimétrica, com o mandril totalmente assentado, remova a alça do mandril e alargue o calcar. Aplaine o calcar até que fique nivelado com o mandril.

12 6. Peças de Teste Remova o alargador do calcar e coloque o colo de teste correspondente de offset padrão ou alto (conforme determinado pelo gabarito) no pino do mandril. Selecione a cabeça femoral de teste no diâmetro e comprimento desejados. Reduza o quadril para avaliar a estabilidade e restaurar o comprimento da perna. Em alguns casos a tensão de tecido mole pode ser melhorada usando-se o colo de teste de offset alto em vez do colo de teste de offset padrão. A prótese femoral CPCS foi desenvolvida para permitir que o último mandril assentado no fêmur determine o tamanho do implante a ser usado. Cabeça Femoral e Comprimento do Colo: Opções Cor do Teste 22mm 26mm 28mm 32mm Verde Amarelo Vermelho Branco Azul +12* +12* +12* +12* Preto * +16* * denota skirted heads. 7. Determinação do Tamanho do Canal Femoral Fixe a alça no mandril e remova-o do canal femoral. Usando sondas de canal femoral, determine o diâmetro do canal para selecionar o centralizador distal de tamanho apropriado e o restritor de cimento (Figura 9). Um centralizador distal garante o alinhamento neutro da haste e, se necessário, permite ligeira subsidência da haste evitando que ela se torne um mancal externo em cimento. O alinhamento neutro da haste propicia um revestimento de cimento de 2,0mm de cada lado, medial e lateralmente, e 1,5 mm em cada lado anterior e posteriormente.

13 Uma espessura adicional do revestimento de cimento pode ser conseguida através de pressurização do cimento e garantindo-se a interdigitação do cimento. Centralizadores em incrementos de 2mm estão disponíveis nos tamanhos de 8-18mm. Qualquer tamanho de centralizador adapta-se em qualquer tamanho de haste. 8. Colocação do Restritor de Cimento Buck A borda proximal do restritor de cimento deve sempre ser maior do que o diâmetro do canal distal. A colocação do restritor de cimento na profundidade exata é, então, determinada colocando-se a haste CPCS (com o centralizador fixado) próximo ao instrumento de inserção e adicionando-se 20mm ao comprimento (ver quadro a seguir). Rosqueie o restritor de cimento no dispositivo de inserção fazendo um movimento no sentido horário. Insira o dispositivo no nível do canal medular que foi predeterminado. Uma vez que esse nível seja atingido, desencaixe o restritor do dispositivo de inserção fazendo um movimento de rotação anti-horário. Remova o dispositivo de inserção do canal medular. Se for necessário remover o restritor antes da inserção do cimento, ele poderá ser fixado novamente no bastão do dispositivo de inserção e puxado para fora do canal. O cirurgião pode ajustar o restritor quantas vezes forem necessárias. Tamanho Profundidade mm mm mm mm mm mm Tamanho do Plugue Buck Tamanho do Canal Número de Catálogo 18,5 mm < 15 mm mm mm mm mm mm mm

14 9. Preparo do Canal Femoral Irrigue o canal com solução salina e lavagem pulsátil para remover todos os detritos. Continue preparando o fêmur com a escova do canal femoral para remover qualquer porção frágil de osso esponjoso, coágulos e medula gordurosa. Repita a lavagem conforme necessário para remover todos os detritos remanescentes. 10. Secagem do Canal Femoral Insira o absorvente de canal por sucção no canal femoral enquanto mistura o cimento. 11. Carregamento do Cimento Carregue o cimento ósseo Versabond no misturador a vácuo Vortex. 12. Mistura Misture o cimento de acordo com as instruções do fabricante. Gire o cabo no sentido horário para obter uma mistura homogênea ideal.

15 13. Injeção do Cimento Remova o absorvente por sucção do canal femoral, aplique lavagem pulsátil e seque. O cimento deve ser introduzido imediatamente para minimizar o sangramento dentro do canal. Insira o bico do revólver de cimento no topo do restritor de cimento Buck e injete o cimento dentro do canal de maneira retrógrada. Continue injetando o cimento até que o canal esteja completamente preenchido e a ponta distal do bico esteja fora do canal. 14. Pressurização do Cimento Retire o bico longo e coloque o pressurizador femoral sobre o bico curto. Aplique o pressurizador femoral descartável na embocadura do canal. Isso ocluirá o canal e comprimirá o cimento. Mantenha firme pressão enquanto o cimento estiver em estado pastoso e sujeito a deslocamento, e permitindo a interdigitação adequada no osso trabecular. Retire o pressurizador femoral e remova qualquer cimento extravasado da periferia do canal. 15. Inserção da Haste Usando luvas limpas, coloque o centralizador distal sobre a ponta distal da haste empurrando-o superiormente até acomodá-lo. Fixe o cabo do condutor da haste CPCS no condutor da haste. O cabo pode ser fixado em duas posições, horizontal ou vertical dependendo da preferência do cirurgião (Figura 10). Um botão deve ser empurrado no final do cabo para prendê-lo ou soltá-lo. Insira a haste femoral selecionada no canal adaptando a ponta do condutor da haste na plataforma de condução da haste (Figura 11). O disco circular no condutor da haste deve ser puxado superiormente para prender a ponta do condutor da haste na plataforma de condução da haste. Enquanto empurra a haste para dentro do canal, coloque o polegar medialmente à haste para pressurizar o cimento e garantir o alinhamento correto (Figura 12). Avance a haste aproximadamente 1cm por segundo para evitar inclusões de ar

16 na interface haste/cimento. A haste deve ser inserida até a marcação de profundidade medial apropriada conforme determinado durante a redução de teste e confecção do gabarito. Recorte o excesso de cimento com espátulas de cimento Concise. Remova cuidadosamente o condutor da haste puxando superiormente o disco circular no condutor da haste. Mantenha pressão constante com o polegar no cone do colo até que o cimento tenha polimerizado. 16. Redução Final de Teste Uma redução final de teste pode ser realizada nesse momento usando-se as cabeças femorais de teste. 17. Montagem da Cabeça Femoral Limpe e seque o cone do colo com um pano limpo. Coloque a cabeça femoral protética no cone do colo e impacte firmemente com um impactador e bastão. NOTA: É preciso tomar cuidado para não utilizar cabeças de cobalto-cromo em hastes de aço inoxidável. Para distinguir o material, as cabeças femorais de aço inoxidável apresentam uma endentação no orifício do cone, enquanto as hastes de aço inoxidável apresentam uma endentação no meio do cone.

17 INSTRUMENTAIS UTILIZADOS Os instrumentais mencionados a seguir serão objeto de registro a parte, não farão parte deste registro. Cabeças Femorais Cone 12/14 (Trial) Comprimento Código de 22 mm *26 mm *28 mm 32 mm do colo cor -3 Verde Amarelo Vermelho Branco Azul Preto *Espaço permitido para cabeças de 26 mm e 28 mm na bandeja de instrumentos. Colos CPCS (Trial) Tamanho Offset Padrão Primário No. Cat. Tamanho Offset Alto Primário No. Cat H , H,2H ,4, H,4H,5H Guia de Osteotomia No. Catálogo Tamanho Tamanhos 0-5 Alça do Mandril No. Catálogo Cinzel tipo box No. Catálogo Tamanho Pequeno Alça de Anteversão No. Catálogo Alargador de Trocanter No. Catálogo

18 Impactador de Cabeça Femoral No. Catálogo Alargador Medular Liso No. Catálogo Sondas Femorais No. Catálogo Tamanho mm mm mm mm mm mm Mandris/Testes No. Catálogo Tamanho Iniciador Tamanho Tamanho Tamanho Tamanho Tamanho Tamanho 5 Cabo do Dispositivo de Inserção CPCS No. Catálogo Condutor de Haste Femoral CPCS No. Catálogo Alargadores de Calcar No. Catálogo Tamanho Pequeno Grande Bandeja de Instrumentos Primária CPCS No. Catálogo

19 Caixa Pequena para Transporte Externo No. Catálogo Tampa para Caixa de Transporte Externo No. Catálogo Bandeja de Sonda Femoral No. Catálogo COMPONENTE ANCILAR Os componentes ancilares desse produto são descritos a seguir. Os componentes ancilares são distribuídos e vendidos separadamente. Cimento Ósseo Registro ANVISA Cabeça Femoral de Aço Inoxidável (material: aço inoxidável) objeto de registro a parte Componente Acetabular de Polietileno Reflection (material: polietileno) objeto de registro a parte Componente Acetabular Metálico Reflection (material: titânio) objeto de registro a parte Parafuso Reflection (material titânio) objeto de registro a parte REUTILIZAÇÃO Este produto é somente para uso único. Uma prótese nunca deve ser reutilizada. Embora possa parecer não danificada, imperfeições microscópicas podem existir e podem reduzir a vida de serviço da prótese. Uma prótese nunca deve ser reesterilizada ou reutilizada após contato com sangue ou tecidos do organismo, mas ao invés disto, deve ser descartada. MANUSEIO O manuseio correto do implante é extremamente importante. O cirurgião deve evitar fazer marcas, arranhar ou derrubar o dispositivo, o que pode ocasionar danos internos. Caso isto ocorra, o implante deve ser descartado. Sempre manuseie o produto com luvas não-pulverizadas e evite o contato com objetos duros que possam danificar o produto. Isto é particularmente importante no manuseio de próteses de cobertura porosa. Não permita que superfícies porosas entrem em contato com pano ou outros materiais que liberem fibras.

20 Após a esterilização, remova o componente de sua embalagem ou da bandeja de esterilização usando a técnica estéril aceita com luvas não-pulverizadas. Certifique-se de que o componente esteja em temperatura ambiente antes da implantação. Evite contato com objetos duros que possam causar danos. RASTREABILIDADE A rastreabilidade do implante durante o acompanhamento médico é feita através da marcação a laser de marca, tamanho e n de lote existente em cada implante. Além disso, a rastreabilidade também é assegurada por um conjunto de etiquetas adesivas fornecidas na embalagem, junto com o implante, trazendo informações sobre a fabricação: nº de lote, data de fabricação e o código do produto. Desta forma é possível fazer o caminho reverso e atingir a produção, matéria prima, fornecedor e demais itens de controle de qualidade estabelecidos no plano geral de qualidade da Smith & Nephew, Inc. É responsabilidade da equipe médica e do hospital (os depositários das informações e prontuários do paciente) a fixação da etiqueta na folha de descrição da cirurgia ou seção do prontuário médico. A Smith & Nephew, Inc. recomenda que o paciente seja depositário desta informação, recebendo um atestado com a fixação de uma das etiquetas adesivas. ESPECIFICAÇÕES DE ARMAZENAMENTO Armazene em temperatura ambiente controlada (15 a 30ºC), em local seco, fresco e ao abrigo da luz. Não exponha a solventes orgânicos, radiação ionizante ou luz ultravioleta. Os implantes devem ser armazenados na sua embalagem original e não devem ser danificados. Antes da implantação, estes devem ser verificados quanto à presença de qualquer defeito. Quando o implante estiver sendo removido de sua embalagem original, as regras de assepsia devem ser observadas. PRODUTO ESTÉRIL. MÉTODO DE ESTERILIZAÇÃO: RADIAÇÃO GAMA (HASTE) ÓXIDO DE ETILENO (CENTRALIZADOR DISTAL) PRODUTO MÉDICO HOSPITALAR DE USO ÚNICO. NÃO REUTILIZAR. PROIBIDO REPROCESSAR TERMO DE GARANTIA LEGAL (de acordo com o Código de Proteção e Defesa do Consumidor: Lei 8.078, de 11 de Setembro de 1990). A empresa PCE Importação, Comércio e Manutenção de Material Cirúrgico Ltda., em cumprimento ao Art. 26 da Lei 8.078, de 11 de Setembro de 1990, vêm por meio deste instrumento legal, garantir o direito do consumidor de reclamar pelos vícios aparentes ou de fácil constatação de todos os produtos por ela importados e comercializados, pelo prazo de 90 dias, a contar da data de entrega efetiva dos produtos. Tratando-se de vício oculto, o prazo decadencial inicia-se no momento em que ficar evidenciado o defeito, conforme disposto no Parágrafo 3 o do Art. 26 da Lei

21 Para que o presente Termo de Garantia Legal surta efeito, o consumidor deverá observar as condições abaixo descritas: Não permitir que pessoas não autorizadas e habilitadas realizem o procedimento com o produto em questão. Não permitir o uso indevido bem como o mau uso do produto em questão. Seguir detalhadamente todas as orientações de uso no Manual de Uso Médico. SÍMBOLOS PARA ROTULAGEM Símbolo Referência Consultar e Observar Instrução de Uso Esterilizado por irradiação (Haste) Esterilizado por óxido de etileno (Centralizador) Número de Catálogo Válido até Número do Lote Temperatura de Transporte e Armazenamento Produto de uso único FORMA DE APRESENTAÇÃO DO PRODUTO A Prótese Femoral CPCS contém: 01 unidade Haste 01 unidade Instrução de Uso As Próteses Femorais CPCS são distribuídas separadamente (embalagens individuais). Cada embalagem individual contêm uma unidade de produto e instrução de uso. Os acessórios são distribuídos separadamente (embalagens individuais) A descrição do tamanho de cada modelo estão descritos nas tabelas abaixo. Modelos: Haste Femoral CPCS Referência Descrição Haste Femoral Standard Offset CPCS Tamanho Haste Femoral Standard Offset CPCS Tamanho Haste Femoral Standard Offset CPCS Tamanho Haste Femoral Standard Offset CPCS Tamanho Haste Femoral Standard Offset CPCS Tamanho 4

22 Haste Femoral Standard Offset CPCS Tamanho Haste Femoral High Offset CPCS Tamanho Haste Femoral High Offset CPCS Tamanho 1 Referência Descrição Haste Femoral High Offset CPCS Tamanho Haste Femoral High Offset CPCS Tamanho Haste Femoral High Offset CPCS Tamanho Haste Femoral High Offset CPCS Tamanho 5 Acessórios Centralizador Distal CPCS Referência Descrição Centralizador Distal CPCS 0 mm Centralizador Distal CPCS 8 mm Centralizador Distal CPCS 10 mm Centralizador Distal CPCS 12 mm Centralizador Distal CPCS 14 mm Centralizador Distal CPCS 16 mm Centralizador Distal CPCS 18 mm Registro ANVISA n : Responsável Técnico: Camila Domeneck CRBM/SP: Fabricado/Distribuído por: Smith&Nephew, Inc. Orthopaedic Division 1450 Brooks Road Memphis, TN Estados Unidos da América Smith&Nephew, Inc. Orthopaedics GmbH Alemannenstr Tuttlingen Alemanha Importado/Distribuído no Brasil por: PCE Importação, Comércio e Manutenção de Material Cirúrgico Ltda. Rua Itapiru, 137 CEP: São Paulo/SP CNPJ: / Tel.: Fax: IFU0081 Rev. A

Descrição do Produto Material Norma/ Especificação. Polimetilmetacrilato (PMMA) sem Sulfato de Bário

Descrição do Produto Material Norma/ Especificação. Polimetilmetacrilato (PMMA) sem Sulfato de Bário Componente Femoral CPCS Cromo Cobalto DESCRIÇÃO DO DISPOSITIVO O Componente Femoral CPCS Cromo Cobalto (Collarless Polished Cemented Stem (haste cimentada, polida, sem colar)) para quadril inclui 12 modelos

Leia mais

Parafuso Tibial Acufex

Parafuso Tibial Acufex Parafuso Tibial Acufex DESCRIÇÃO O Parafuso Tibial Acufex (referência 7207186) é indicado para utilização na fixação de tecidos moles (tais como tendões e ligamentos) ao osso, em procedimentos ortopédicos.

Leia mais

(As informações aqui apresentadas são de caráter declaratório, podendo o texto final, ter formatação diferente)

(As informações aqui apresentadas são de caráter declaratório, podendo o texto final, ter formatação diferente) MODELO DE INSTRUÇÃO DE USO INSTRUMENTAL ARTICULADO CORTANTE SMITH & NEPHEW (As informações aqui apresentadas são de caráter declaratório, podendo o texto final, ter formatação diferente) DESCRIÇÃO DO DISPOSITIVO

Leia mais

(As informações aqui apresentadas são de caráter declaratório, podendo o texto final, ter formatação diferente)

(As informações aqui apresentadas são de caráter declaratório, podendo o texto final, ter formatação diferente) MODELO DE INSTRUÇÃO DE USO GUIA PONTA TROCATER (As informações aqui apresentadas são de caráter declaratório, podendo o texto final, ter formatação diferente) DESCRIÇÃO DO PRODUTO O Guia Ponta Trocater,

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES DESENHO E DIMENSÕES CARACTERÍSTICAS

ESPECIFICAÇÕES DESENHO E DIMENSÕES CARACTERÍSTICAS Prótese Femoral Synergy DESCRIÇÃO DO PRODUTO A Prótese Femoral Synergy de revestimento poroso promove um crescimento ósseo interno e um intertravamento tridimensional entre o implante e o osso. Todas as

Leia mais

A substituição protética é geralmente indicada para pacientes que atingiram a maturidade óssea.

A substituição protética é geralmente indicada para pacientes que atingiram a maturidade óssea. Página 1 INFORMAÇÕES MÉDICAS IMPORTANTES As indicações para a utilização de qualquer dispositivo de endoprótese bipolar devem ser baseadas numa seleção cuidadosa dos pacientes e de suas expectativas. Para

Leia mais

MODELO DE INSTRUÇÕES DE USO INSTRUMENTAL NÃO ARTICULADO NÃO CORTANTE NÃO ESTÉRIL DESCARTÁVEL

MODELO DE INSTRUÇÕES DE USO INSTRUMENTAL NÃO ARTICULADO NÃO CORTANTE NÃO ESTÉRIL DESCARTÁVEL MODELO DE INSTRUÇÕES DE USO INSTRUMENTAL NÃO ARTICULADO NÃO CORTANTE NÃO ESTÉRIL DESCARTÁVEL (As informações aqui apresentadas são de caráter declaratório, podendo o texto final, ter formatação diferente)

Leia mais

DESCRIÇÃO DO PRODUTO/ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

DESCRIÇÃO DO PRODUTO/ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Agulha para Sutura Elite Pass DESCRIÇÃO DO PRODUTO/ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Atividades que requerem levantamento de muito peso, movimentos repetidos de levantamento dos braços acima da cabeça ou uma queda

Leia mais

(As informações aqui apresentadas são de caráter declaratório, podendo o texto final, ter formatação diferente)

(As informações aqui apresentadas são de caráter declaratório, podendo o texto final, ter formatação diferente) MODELO DE INSTRUÇÃO DE USO PLACA ENDOBUTTON CL BTB (As informações aqui apresentadas são de caráter declaratório, podendo o texto final, ter formatação diferente) DESCRIÇÃO DO PRODUTO A utilização do dispositivo

Leia mais

AVISO: O PESO APLICADO NO BRAÇO DO SPIDER NÃO PODE ULTRAPASSAR 50 LIBRAS (23 KG)!

AVISO: O PESO APLICADO NO BRAÇO DO SPIDER NÃO PODE ULTRAPASSAR 50 LIBRAS (23 KG)! Suporte e Posicionador para Membro Spider PREFÁCIO O Posicionador de Membros SPIDER foi projetado para oferecer o posicionamento ideal do membro que vai ser operado, durante a cirurgia. Seu projeto permite

Leia mais

Parafuso de Interferência Bio-Absorvível

Parafuso de Interferência Bio-Absorvível Parafuso de Interferência Bio-Absorvível DESCRIÇÃO Os Parafusos de Interferência Bio-Absorvíveis são usados para fixação de ligamentos e tendões em intervenções cirúrgicas reparadoras dos ligamentos e

Leia mais

INSTRUÇÕES DE USO. Eimattstrasse 3 Eimattstrasse 3 PRODUTO NÃO ESTÉRIL PROIBIDO REPROCESSAR CE 0123

INSTRUÇÕES DE USO. Eimattstrasse 3 Eimattstrasse 3 PRODUTO NÃO ESTÉRIL PROIBIDO REPROCESSAR CE 0123 INSTRUÇÕES DE USO Nome Técnico: Nome Comercial: Sistema Implantável para Osteossíntese Dispositivo para Fixação da Calota Cranial Fabricante: Distribuidor: Synthes Synthes Eimattstrasse 3 Eimattstrasse

Leia mais

PROTESE TOTAL QUADRIL Dr. Gladyston Introdução ATQ procedimento alívio dor, ganho funcional e melhora qualidade de vida Sucesso depende: Escolha paciente ideal Uso de implantes adequados Habilidade técnica

Leia mais

Cabo de Fibra Ótica. REFERÊNCIA DESCRIÇÃO FINALIDADE 2985 Cabo de 4 mm x 8 ft Para uso conjunto com artroscópios de 4 mm x 2.7 mm

Cabo de Fibra Ótica. REFERÊNCIA DESCRIÇÃO FINALIDADE 2985 Cabo de 4 mm x 8 ft Para uso conjunto com artroscópios de 4 mm x 2.7 mm Cabo de Fibra Ótica DESCRIÇÃO O CABO DE FIBRA OTICA é um equipamento utilizado no auxílio à iluminação, em procedimentos de artroscopia e laparoscopia, em conjunto com os adaptadores e a fonte de luz (OBJETO

Leia mais

New Wave. Prótese Total de Joelho Rotacional

New Wave. Prótese Total de Joelho Rotacional Eliminando complicações mecânicas iniciais Centro de Rotação Condilar Sistema Central de Estabilização Alta elevação para eliminar qualquer risco de deslocamento. Aprofundado para evitar tensões patelares.

Leia mais

A R T I C U L A D O R. Cirúrgico-MT

A R T I C U L A D O R. Cirúrgico-MT A R T I C U L A D O R Cirúrgico-MT s o l u ç õ e s i n t e l i g e n t e s MANUAL DE INSTRUÇÕES ÍNDICE 1 - Introdução... 2 - Especificações técnicas... 3 - Conteúdo da embalagem... 4 - Instruções para

Leia mais

INSTRUÇÃO DE USO TROCART MALLÉABLE Registro ANVISA n 80083650045 - Revisão 00

INSTRUÇÃO DE USO TROCART MALLÉABLE Registro ANVISA n 80083650045 - Revisão 00 Luiz Guilherme Sartori & Cia Ltda. EPP CNPJ: 04.861.623/0001-00 Estr. Municipal RCL-010 nº. 13500, Km 9 Ajapi - Rio Claro/SP - Resp. Téc.: Charles Eduardo Ceccato CREA/SP: 5062635520 Visando a praticidade

Leia mais

INFORMAÇÕES MÉDICAS IMPORTANTES

INFORMAÇÕES MÉDICAS IMPORTANTES Placa de Endobutton INFORMAÇÕES MÉDICAS IMPORTANTES Ligamentos e tendões são tecidos moles conectivos que transmitem forças de osso a osso e de músculo a osso, respectivamente. Estes tecidos únicos possuem

Leia mais

Instruções de Uso TCP DENTAL HP

Instruções de Uso TCP DENTAL HP Visando a praticidade e facilidade ao acesso às instruções de uso, a Ortech Medical está disponibilizando os documentos para download no site: www.ortechmedical.com.br. IMPORTANTE: Para baixar as instruções

Leia mais

O Suporte e Posicionador para Ombro TMAX II pode ser adaptado à maioria das mesas cirúrgicas e acomoda pacientes de até 350 libras (160 kg) de peso.

O Suporte e Posicionador para Ombro TMAX II pode ser adaptado à maioria das mesas cirúrgicas e acomoda pacientes de até 350 libras (160 kg) de peso. Suporte e Posicionador para Ombro TMAX II PREFÁCIO O Suporte e Posicionador para Ombro TMAX II foi projetado para proporcionar o posicionamento ideal nos procedimentos operatórios do ombro. Este dispositivo

Leia mais

BROCAS CIRÚRGICAS INTRA LOCK SYSTEM

BROCAS CIRÚRGICAS INTRA LOCK SYSTEM S CIRÚRGICAS INTRA LOCK SYSTEM (Brocas Cirúrgicas Odontológicas) INFORMAÇÕES DE IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO As Brocas Cirúrgicas fazem parte do sistema INTRA-LOCK SYSTEM. Deste grupo de instrumentais fazem

Leia mais

Instruções de Uso KAGE CERVICAL

Instruções de Uso KAGE CERVICAL Visando a praticidade e facilidade ao acesso às instruções de uso, a Ortech Medical está disponibilizando os documentos para download no site: www.ortechmedical.com.br. IMPORTANTE: Para baixar as instruções

Leia mais

CÓDIGO DESCRIÇÃO FINALIDADE

CÓDIGO DESCRIÇÃO FINALIDADE Página 1 INSTRUÇÃO DE USO CABO DE FIBRA OTICA DESCRIÇÃO O CABO DE FIBRA OTICA é um equipamento utilizado no auxílio à iluminação, em procedimentos de artroscopia e laparoscopia, em conjunto com os adaptadores

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO PARA MOEDOR DE CARNE

MANUAL DE OPERAÇÃO PARA MOEDOR DE CARNE MANUAL DE OPERAÇÃO PARA MOEDOR DE CARNE 1-8 1 INTRODUÇÃO Neste manual de operação, você encontrará todas as informações necessárias sobre o equipamento para usá-lo corretamente. Ao adquirir um dos modelos

Leia mais

Técnica operacional do sistema de revisão modular

Técnica operacional do sistema de revisão modular Técnica operacional do sistema de revisão modular Conteúdo Razões do design do sistema Securus Linha de implantes Securus 1 Razões do design Securus 2 Contraindicações 3 Avaliações pré-operatórias 4 Preparação

Leia mais

INSTRUÇÕES DE USO. Sistema para Fixação Intramedular. Sistema para Fixação Intramedular para Fêmur com Bloqueio Misto. Eimattstrasse 3 Eimattstrasse 3

INSTRUÇÕES DE USO. Sistema para Fixação Intramedular. Sistema para Fixação Intramedular para Fêmur com Bloqueio Misto. Eimattstrasse 3 Eimattstrasse 3 INSTRUÇÕES DE USO Nome Técnico: Nome Comercial: Sistema para Fixação Intramedular Fabricante: Distribuidor: Synthes GmbH Synthes GmbH Eimattstrasse 3 Eimattstrasse 3 CH 4436 Oberdorf CH 4436 Oberdorf Switzerland

Leia mais

Ortopedia e Traumatologia Soluções inovadoras para Quadril

Ortopedia e Traumatologia Soluções inovadoras para Quadril Ortopedia e Traumatologia Soluções inovadoras para Quadril Zimmer (Argentina) Revisão Modular de Quadril O primeiro objetivo de uma revisão de quadril é estabelecer uma fixação, dessa maneira se alivia

Leia mais

T2 - SISTEMA DE HASTES TIBIAIS STRYKER (SISTEMA PARA FIXAÇÃO INTRAMEDULAR) INSTRUÇÕES DE USO IMPLANTES

T2 - SISTEMA DE HASTES TIBIAIS STRYKER (SISTEMA PARA FIXAÇÃO INTRAMEDULAR) INSTRUÇÕES DE USO IMPLANTES T2 - SISTEMA DE HASTES TIBIAIS STRYKER (SISTEMA PARA FIXAÇÃO INTRAMEDULAR) BREVE DESCRIÇÃO INSTRUÇÕES DE USO IMPLANTES Os implantes Stryker Trauma são dispositivos de um só uso são elaborados para a fixação

Leia mais

Seção 9 Cilindros e protetores/reservatórios do cárter

Seção 9 Cilindros e protetores/reservatórios do cárter Seção 9 Cilindros e protetores/reservatórios do cárter Página CILINDROS... 150 Inspeção e medição... 150 Retificação de cilindros... 150 Acabamento... 151 Limpeza... 151 MANCAIS DE MOTOR... 152 Mancal

Leia mais

ALPHA-CEMENTED FEMORAL PROSTHESIS. Técnica Cirúrgica 8.30 - Prótese Femoral Cimentada-ALPHA

ALPHA-CEMENTED FEMORAL PROSTHESIS. Técnica Cirúrgica 8.30 - Prótese Femoral Cimentada-ALPHA ALPHA-CEMENTED FEMORAL PROSTHESIS Técnica Cirúrgica 8.30 - ALPHA - Cemented Femoral Prosthesis Prótese Femoral Cimentada ALPHA Colaboradores Dr. Flávio Turíbio Dr. Milton Roos Material INOX ASTM F.138

Leia mais

PARAFUSOS ÓSSEOS EVOLVE TRIAD 150874-0. Estão incluídos na presente embalagem os idiomas seguintes:

PARAFUSOS ÓSSEOS EVOLVE TRIAD 150874-0. Estão incluídos na presente embalagem os idiomas seguintes: PT PARAFUSOS ÓSSEOS EVOLVE TRIAD 150874-0 Estão incluídos na presente embalagem os idiomas seguintes: English (en) Deutsch (de) Nederlands (nl) Français (fr) Español (es) Italiano (it) Português (pt) 中

Leia mais

INSTRUÇÕES DE USO MEPILEX LITE

INSTRUÇÕES DE USO MEPILEX LITE VERSÃO 1 INSTRUÇÕES DE USO MEPILEX LITE Nome técnico: Curativo Nome comercial: Mepilex Modelo: Mepilex Lite 6x8,5 cm, Mepilex Lite 10x10 cm, Mepilex Lite 15x15 cm ou Mepilex Lite 20x50 cm Verifique no

Leia mais

1 INSTRUÇÕES IMPORTANTES DE SEGURANÇA

1 INSTRUÇÕES IMPORTANTES DE SEGURANÇA [REV.01 14032012] Obrigado por adquirir o ventilador Eros Cadence, um produto de alta tecnologia, seguro e eficiente. É muito importante ler atentamente este manual de instruções, as informações contidas

Leia mais

Instruções de Uso IMPLANTE DENTÁRIO SIGNO VINCES

Instruções de Uso IMPLANTE DENTÁRIO SIGNO VINCES Instruções de Uso IMPLANTE DENTÁRIO SIGNO VINCES Este dispositivo médico implantável requer procedimentos específicos e altamente especializados. Somente deverá ser realizado por cirurgiões dentistas com

Leia mais

SISTEMA DE CAMERAS DE VIDEO DIGITAL DYONICS (FAMÍLIA DE PRODUTOS) Acopladores e Adaptadores

SISTEMA DE CAMERAS DE VIDEO DIGITAL DYONICS (FAMÍLIA DE PRODUTOS) Acopladores e Adaptadores SISTEMA DE CAMERAS DE VIDEO DIGITAL DYONICS (FAMÍLIA DE PRODUTOS) ACESSÓRIOS Acopladores e Adaptadores Nome Técnico : Câmera de Vídeo para Cirurgia Código: 1551650 INSTRUÇÕES DE USO ATENÇÃO: Houve alteração

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES MODELO ABC DESIGN 3 TEC

MANUAL DE INSTRUÇÕES MODELO ABC DESIGN 3 TEC MANUAL DE INSTRUÇÕES MODELO ABC DESIGN 3 TEC Utilização 3 em 1 (sistema travel system) bebê conforto adaptável ao carrinho Altura regulável das alças para empurrar o carrinho 3 posições de regulagem de

Leia mais

Manual de Instruções

Manual de Instruções Manual de Instruções Kit de Instrumental para Cirurgia do Túnel do Carpo VOLMED Nome Técnico: KIT CIRÚRGICO Fabricante: VOLMED BRASIL EQUIPAMENTOS LTDA -ME AV. SÃO GABRIEL, 291 JD. PAULISTA CEP: 13574-540

Leia mais

MATERIAL DE FABRICAÇÃO Ver detalhes do material de fabricação no item Forma de Apresentação do Produto.

MATERIAL DE FABRICAÇÃO Ver detalhes do material de fabricação no item Forma de Apresentação do Produto. Instrumental para Cirurgia de Quadril DESCRIÇÃO DO DISPOSITIVO Os implantes médicos e o instrumental cirúrgico são fabricados com precisão sob orientações e regulamentações de processamentos rígidos. Os

Leia mais

Fraturas Proximal do Fêmur: Fraturas do Colo do Fêmur Fraturas Transtrocanterianas do Fêmur

Fraturas Proximal do Fêmur: Fraturas do Colo do Fêmur Fraturas Transtrocanterianas do Fêmur Prof André Montillo Fraturas Proximal do Fêmur: Fraturas do Colo do Fêmur Fraturas Transtrocanterianas do Fêmur Fraturas Proximal do Fêmur: Anatomia: Elementos Ósseos Cabeça do Fêmur Trocanter Maior Colo

Leia mais

INSTRUÇÕES DE USO. Sistema para Fixação da Coluna para Corpectomia via Anterior= Eimattstrasse 3 Eimattstrasse 3 NÃO ESTÉRIL CE 0123

INSTRUÇÕES DE USO. Sistema para Fixação da Coluna para Corpectomia via Anterior= Eimattstrasse 3 Eimattstrasse 3 NÃO ESTÉRIL CE 0123 INSTRUÇÕES DE USO Nome Técnico: Nome Comercial: Implantes para Coluna = Fabricante: Distribuidor: Synthes GmbH Synthes GmbH Eimattstrasse 3 Eimattstrasse 3 CH 4436 Oberdorf CH 4436 Oberdorf Switzerland

Leia mais

Pedus. Técnica Cirúrgica

Pedus. Técnica Cirúrgica Técnica Cirúrgica com cunha 1. Características do produto Estabilidade angular. Orifícios de combinação. Isto torna possível usar parafusos com e sem estabilidade angular. Parafusos e placas de titânio.

Leia mais

MATERIAL DE FABRICAÇÃO Ver detalhes do material de fabricação no item Forma de Apresentação do Produto.

MATERIAL DE FABRICAÇÃO Ver detalhes do material de fabricação no item Forma de Apresentação do Produto. Instrumental Reflection DESCRIÇÃO DO DISPOSITIVO Os implantes médicos e o instrumental cirúrgico são fabricados com precisão sob orientações e regulamentações de processamentos rígidos. Os instrumentos

Leia mais

Modelo de Instruções de Uso

Modelo de Instruções de Uso Modelo de Instruções de Uso Brocas Cirúrgicas carbide De Soutter Descrição e Especificações e Características do Produto As Brocas Cirúrgicas carbide De Soutter são produzidas em aço inoxidável e possuem

Leia mais

Sistema de Câmera 560 HD. Acopladores, Separadores de Feixe e Adaptadores de Vídeo

Sistema de Câmera 560 HD. Acopladores, Separadores de Feixe e Adaptadores de Vídeo Página 1 INSTRUÇÃO DE USO Sistema de Câmera 560 HD Acopladores, Separadores de Feixe e Adaptadores de Vídeo INTRODUÇÃO Antes de utilizar os Acopladores, Separadores de Feixe e Adaptadores de Vídeo do Sistema

Leia mais

INSTRUÇÕES DE USO. Hastes PROFEMUR TL Classic. (Haste não modular para artroplastia de quadril)

INSTRUÇÕES DE USO. Hastes PROFEMUR TL Classic. (Haste não modular para artroplastia de quadril) INSTRUÇÕES DE USO Hastes PROFEMUR TL Classic (Haste não modular para artroplastia de quadril) DEFINIÇÕES Podem ser usados símbolos e abreviaturas nos rótulos da embalagem. O quadro seguinte fornece as

Leia mais

INSTRUÇÕES DE USO. Eimattstrasse 3 Eimattstrasse 3 PRODUTO NÃO ESTÉRIL CE 0123

INSTRUÇÕES DE USO. Eimattstrasse 3 Eimattstrasse 3 PRODUTO NÃO ESTÉRIL CE 0123 INSTRUÇÕES DE USO Nome Técnico: Nome Comercial: Sistema para Fixação da Coluna Vertebral Sistema de Fixação Rígida de Placas Especiais para Coluna Tóraco Lombar Anterior Fabricante: Distribuidor: Synthes

Leia mais

Trocar 5mm c/ vedação universal Trocar 10mm c/ vedação universal. Trocar 12mm c/ vedação universal

Trocar 5mm c/ vedação universal Trocar 10mm c/ vedação universal. Trocar 12mm c/ vedação universal INSTRUÇÕES DE USO SINGLE USE CONCORD BLADELESS TROCAR TROCAR COM VEDAÇÃO UNIVERSAL PRODUTO ESTÉRIL SE A EMBALAGEM NÃO ESTIVER ABERTA OU DANIFICADA ESTERILIZADO POR RADIAÇÃO GAMA USO ÚNICO. PROIBIDO REPROCESSAR.

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO PINÇA PARA BIÓPSIA. (Nome técnico: Pinça para Biópsia)

MANUAL DO USUÁRIO PINÇA PARA BIÓPSIA. (Nome técnico: Pinça para Biópsia) MANUAL DO USUÁRIO Produto: PINÇA PARA BIÓPSIA (Nome técnico: Pinça para Biópsia) LER MANUAL DO USUÁRIO ANTES DE FAZER USO DO PRODUTO. PRODUTO NÃO ESTÉRIL. ESTERILIZAR ANTES DO USO. Não utilizar o produto

Leia mais

INSTRUÇÃO DE USO DISPOSITIVO EXPANSÍVEL PARA CORPECTOMIA GIZA Dispositivo de espaçamento intersomático de substituição corpo-discal

INSTRUÇÃO DE USO DISPOSITIVO EXPANSÍVEL PARA CORPECTOMIA GIZA Dispositivo de espaçamento intersomático de substituição corpo-discal INSTRUÇÃO DE USO DISPOSITIVO EXPANSÍVEL PARA CORPECTOMIA GIZA Dispositivo de espaçamento intersomático de substituição corpo-discal DESCRIÇÃO DO PRODUTO O implante de corpectomia se apresenta na forma

Leia mais

AGULHA GENGIVAL PROCARE

AGULHA GENGIVAL PROCARE INSTRUÇÕES DE USO AGULHA GENGIVAL PROCARE Fabricante: Xuyi Webest Medical Produtcts Co.Ltd Endereço: Yingchun Rd, Industrial Park, Xuyi, Jiangsu País: Republica Popular da China Importador: Lamedid Comercial

Leia mais

INSTRUÇÕES DE USO. Parafuso Canulado Synthes. Parafuso Implantável. Responsável Técnico: Eng. Anselmo Ariza Quinelato CREA SP 157674/D

INSTRUÇÕES DE USO. Parafuso Canulado Synthes. Parafuso Implantável. Responsável Técnico: Eng. Anselmo Ariza Quinelato CREA SP 157674/D INSTRUÇÕES DE USO Parafuso Canulado Synthes Parafuso Implantável Fabricante: Synthes Indústria e Comércio Ltda Av. Pennwalt, 501 Rio Claro SP C.N.P.J. 58.577.370/0001-76 Inscr. Est. 587.077.032.113 Tel.

Leia mais

ROMPEDOR DE CORRENTE HEAVY DUTY DE BANCADA

ROMPEDOR DE CORRENTE HEAVY DUTY DE BANCADA ROMPEDOR DE CORRENTE HEAVY DUTY DE BANCADA INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA Ao manusear correntes de motosserra, sempre há o risco de acontecer pequenos cortes nos dedos e na própria mão. Ao romper uma corrente,

Leia mais

IOL IMPLANTES LTDA. FIXADOR EXTERNO ESTÉRIL IOL (FIXADOR EXTERNO PARA OSTEOSSÍNTESE) Registro ANVISA: 10223680105 Revisão 01

IOL IMPLANTES LTDA. FIXADOR EXTERNO ESTÉRIL IOL (FIXADOR EXTERNO PARA OSTEOSSÍNTESE) Registro ANVISA: 10223680105 Revisão 01 IOL. INSTRUÇÃO DE USO Fabricado por: IOL. Rua Dona Maria Fidélis n.º 226 - Bairro Piraporinha - Diadema - SP Brasil CEP: 09950-350 CNPJ/MF: 68.072.172/0001-04 Indústria Brasileira Responsável Técnico:

Leia mais

INSTRUÇÕES DE USO. Parafuso Maleolar Synthes. Parafuso Implantável. Responsável Técnico: Eng. Anselmo Ariza Quinelato CREA SP 157674/D

INSTRUÇÕES DE USO. Parafuso Maleolar Synthes. Parafuso Implantável. Responsável Técnico: Eng. Anselmo Ariza Quinelato CREA SP 157674/D INSTRUÇÕES DE USO Parafuso Maleolar Synthes Parafuso Implantável Fabricante: Synthes Indústria e Comércio Ltda Av. Pennwalt, 501 Rio Claro SP C.N.P.J. 58.577.370/0001-76 Inscr. Est. 587.077.032.113 Tel.

Leia mais

Artrodese do cotovelo

Artrodese do cotovelo Artrodese do cotovelo Introdução A Artrite do cotovelo pode ter diversas causas e existem diversas maneiras de tratar a dor. Esses tratamentos podem ter sucesso pelo menos durante um tempo. Mas eventualmente,

Leia mais

Eggy. Ref. IXCI6044. MAX 22Kg. Em conformidade com a norma Européia EN 14344

Eggy. Ref. IXCI6044. MAX 22Kg. Em conformidade com a norma Européia EN 14344 Eggy Ref. IXCI6044 Em conformidade com a norma Européia EN 14344 MAX 22Kg Assento traseiro de bicicleta Eggy 2 1 B 2 3D E 4 5 3 6 7G 8 9 I M 10 N 11 12 NN 4 O O P P Q 13 14 Q 15 16 5 PT Assento traseiro

Leia mais

INSTRUÇÕES DE USO. Nome técnico: IMPLANTES DENTÁRIOS (OSSEOINTEGRÁVEL) Nome comercial: IMPLANTE DENTÁRIO Modelo comercial: Ver lista abaixo.

INSTRUÇÕES DE USO. Nome técnico: IMPLANTES DENTÁRIOS (OSSEOINTEGRÁVEL) Nome comercial: IMPLANTE DENTÁRIO Modelo comercial: Ver lista abaixo. INSTRUÇÕES DE USO Produto: Nome técnico: IMPLANTES DENTÁRIOS (OSSEOINTEGRÁVEL) Nome comercial: IMPLANTE DENTÁRIO Modelo comercial: Ver lista abaixo. PROSS CILÍNDRICO HE SS Ø5,0 PROSS CILÍNDRICO HE Ø5,0

Leia mais

Os Parafusos para Centronail Haste de Titânio Orthofix são construídos em liga de titânio ASTM 136.

Os Parafusos para Centronail Haste de Titânio Orthofix são construídos em liga de titânio ASTM 136. Instruções de Uso Parafuso para Centronail Haste de Titânio Orthofix e Características do Produto Os Parafusos para Centronail Haste de Titânio Orthofix são construídos em liga de titânio ASTM 136. Os

Leia mais

Forma de Apresentação O Kit Instrumental para Fixadores Externos Modulares é constituído dos seguintes componentes:

Forma de Apresentação O Kit Instrumental para Fixadores Externos Modulares é constituído dos seguintes componentes: Instruções de Uso Kit Instrumental para Fixadores Externos Modulares ORTHOFIX para Colocação e Ajuste dos Fixadores Externos Modulares Finalidade O Kit Instrumental para Fixadores Externos Modulares tem

Leia mais

Família de Hastes Modulares de Revisão para Artroplastia de Quadril

Família de Hastes Modulares de Revisão para Artroplastia de Quadril Família de Hastes Modulares de Revisão para Artroplastia de Quadril NC164T NC165T NC166T NC167T Prevision Ccomponente Distal 18X320MM Prevision Ccomponente Distal 20X320MM Prevision Ccomponente Distal

Leia mais

Figura 1 Elementos Gerais do Dispenser 15 1. Chave: Tem a função de abrir a tampa e armazenar o imã que retira os pinos de segurança.

Figura 1 Elementos Gerais do Dispenser 15 1. Chave: Tem a função de abrir a tampa e armazenar o imã que retira os pinos de segurança. IMPORTANTE Este guia contém importantes informações de uso, instalação, manutenção e segurança, devendo estar sempre disponível. Antes de utilizar o aparelho, proceda a leitura deste manual entendendo

Leia mais

INSTRUÇÕES DE USO. Parafuso Esponjoso Synthes. Parafuso Implantável. Responsável Técnico: Eng. Anselmo Ariza Quinelato CREA SP 157674/D

INSTRUÇÕES DE USO. Parafuso Esponjoso Synthes. Parafuso Implantável. Responsável Técnico: Eng. Anselmo Ariza Quinelato CREA SP 157674/D INSTRUÇÕES DE USO Parafuso Esponjoso Synthes Parafuso Implantável Fabricante: Synthes Indústria e Comércio Ltda Av. Pennwalt, 501 Rio Claro SP C.N.P.J. 58.577.370/0001-76 Inscr. Est. 587.077.032.113 Tel.

Leia mais

5. LIMPEZA 5 5.1 Cuidados com a Limpeza e Armazenamento 5

5. LIMPEZA 5 5.1 Cuidados com a Limpeza e Armazenamento 5 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 3 2. NORMA DE SEGURANÇA 3 3. AVISOS 4 4. INDICAÇÕES E CONTRA-INDICAÇÕES 4 5. LIMPEZA 5 5.1 Cuidados com a Limpeza e Armazenamento 5 6. PROCEDIMENTOS DE USO 6 7. ESPECIFICAÇÕES 9 8.

Leia mais

GUIA DO PACIENTE. Dynesys Sistema de Estabilização Dinâmica. O Sistema Dynesys é o próximo passo na evolução do tratamento da dor lombar e nas pernas

GUIA DO PACIENTE. Dynesys Sistema de Estabilização Dinâmica. O Sistema Dynesys é o próximo passo na evolução do tratamento da dor lombar e nas pernas GUIA DO PACIENTE Dynesys Sistema de Estabilização Dinâmica O Sistema Dynesys é o próximo passo na evolução do tratamento da dor lombar e nas pernas Sistema de Estabilização Dinâmica Dynesys O Sistema Dynesys

Leia mais

INSTRUÇÕES DE USO Implantes Systhex

INSTRUÇÕES DE USO Implantes Systhex 1. Descrição / Forma de Apresentação: Os implantes dentários Systhex são usinados em titânio grau 4 (ASTM F6), material biocompatível e osseointegrável. Apresentam superfície porosa. Para fixação protética,

Leia mais

COMPONENTE ANCILAR Os fios e pinos implantáveis farão parte de outro registro, isto é, serão vendido separadamente.

COMPONENTE ANCILAR Os fios e pinos implantáveis farão parte de outro registro, isto é, serão vendido separadamente. Fixador Externo TSF DESCRIÇÃO DO DISPOSITIVO O Fixador Externo TSF (Taylor Spatial Frame) consiste de anéis totais ou parciais acoplados por seis barras telescópicas que terminam em cada extremidade com

Leia mais

INSTRUÇÕES DE USO. Placas Semi Tubular / Terço Tubular / Quarto Tubular Placa e Malha Implantável

INSTRUÇÕES DE USO. Placas Semi Tubular / Terço Tubular / Quarto Tubular Placa e Malha Implantável INSTRUÇÕES DE USO Placas Semi Tubular / Terço Tubular / Quarto Tubular Placa e Malha Implantável Fabricante: Synthes Indústria e Comércio Ltda Av. Pennwalt, 501 Rio Claro SP C.N.P.J. 58.577.370/0001-76

Leia mais

Seção 9 PISTÕES - ANÉIS - BIELAS

Seção 9 PISTÕES - ANÉIS - BIELAS Seção 9 PISTÕES - ANÉIS - BIELAS Índice da seção Página Bielas Montagem da biela no pistão... 4 Verificação Instalação... 7 Remoção Torque... 8 Pistões Montagem do pistão na biela... 4 Verificação do desgaste

Leia mais

Buco Maxilo Facial. Maxilo Facial GII 1.5 / 2.0 / 2.4

Buco Maxilo Facial. Maxilo Facial GII 1.5 / 2.0 / 2.4 Buco Maxilo Facial Maxilo Facial GII 1.5 / 2.0 / 2.4 Maxilo Facial GII 1.5 / 2.0 / 2.4 Sistema de Buco Maxilo Facial Os princípios biomecânicos da osteossíntese com placas aplicável a mandíbula culminou

Leia mais

Inspiron 23 Manual do proprietário

Inspiron 23 Manual do proprietário Inspiron 23 Manual do proprietário Modelo do computador: Inspiron 23 Modelo 5348 Modelo normativo: W10C Tipo normativo: W10C001 Notas, avisos e advertências NOTA: Uma NOTA indica informações importantes

Leia mais

Manual de Instruções. Estação de Solda HK-936B

Manual de Instruções. Estação de Solda HK-936B Manual de Instruções Estação de Solda HK-936B Para sua segurança, leia este Manual de Instruções atenciosamente antes da operação deste equipamento. Mantenha-o sempre ao seu alcance para consultas futuras.

Leia mais

INSTRUÇÕES DE USO. Parafuso Cortical Synthes. Parafuso Implantável. Responsável Técnico: Eng. Anselmo Ariza Quinelato CREA SP 157674/D

INSTRUÇÕES DE USO. Parafuso Cortical Synthes. Parafuso Implantável. Responsável Técnico: Eng. Anselmo Ariza Quinelato CREA SP 157674/D INSTRUÇÕES DE USO Parafuso Cortical Synthes Parafuso Implantável Fabricante: Synthes Indústria e Comércio Ltda Av. Pennwalt, 501 Rio Claro SP C.N.P.J. 58.577.370/0001-76 Inscr. Est. 587.077.032.113 Tel.

Leia mais

2 MODELOS DA LÂMINA SAGITTAL PLUS 2.1 LSP20 2.1 LSP30 2.1 LSP25 2.1 LSP35 1 FINALIDADE

2 MODELOS DA LÂMINA SAGITTAL PLUS 2.1 LSP20 2.1 LSP30 2.1 LSP25 2.1 LSP35 1 FINALIDADE LÂMINA SAGITTAL PLUS 8 8 8 8 1 FINALIDADE 2 MODELOS DA LÂMINA SAGITTAL PLUS A Lâmina Sagittal Plus é uma ferramenta que em conjunto com a Serra Sagittal Plus¹ é destinada às seguintes aplicações: Osteotomia

Leia mais

McCannalok VÁLVULA BORBOLETA DE ALTO DESEMPENHO MANUAL DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO. The High Performance Company

McCannalok VÁLVULA BORBOLETA DE ALTO DESEMPENHO MANUAL DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO. The High Performance Company McCannalok VÁLVULA BORBOLETA DE ALTO DESEMPENHO MANUAL DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO The High Performance Company Índice do Conteúdo Informações de Segurança - Definição de Termos... 1 Introdução... 1 Instalação...

Leia mais

STAR. Modelo N106 Grupos I, II e III. SAC: (11) 4072 4000 www.infanti.com.br

STAR. Modelo N106 Grupos I, II e III. SAC: (11) 4072 4000 www.infanti.com.br STAR Modelo N106 Grupos I, II e III SAC: (11) 4072 4000 www.infanti.com.br Conheça seu Assento de Segurança Cuidados e Manutenção A B C Encosto Guia lateral do cinto de segurança Braçadeiras do cinto (pres.

Leia mais

Verano. guarda-sóis manual de troca de corda

Verano. guarda-sóis manual de troca de corda Verano guarda-sóis manual de troca de corda Verano guarda-sóis manual de troca de corda Instruções gerais e de segurança Leia as instruções de montagem Apesar dos produtos Stobag serem de fácil montagem,

Leia mais

INFORMAÇÕES MÉDICAS IMPORTANTES

INFORMAÇÕES MÉDICAS IMPORTANTES Âncora de Sutura Ortopédica Kinsa INFORMAÇÕES MÉDICAS IMPORTANTES No corpo humano, tecidos moles se conectam ao osso por varias razões fisiologias, como fornecer ancoragem para os músculos, conectar ossos

Leia mais

Maria da Conceição M. Ribeiro

Maria da Conceição M. Ribeiro Maria da Conceição M. Ribeiro Segundo dados do IBGE, a hérnia de disco atinge 5,4 milhões de brasileiros. O problema é consequência do desgaste da estrutura entre as vértebras que, na prática, funcionam

Leia mais

INSTRUÇÕES DE USO Implantes Dentários SINGULAR (Osseointegrável)

INSTRUÇÕES DE USO Implantes Dentários SINGULAR (Osseointegrável) INSTRUÇÕES DE USO Implantes Dentários SINGULAR (Osseointegrável) Versão Instrução de Uso: 00 Responsável Técnico: Dalton Matos Rodrigues - CRO-RN no2627 Registro ANVISA Nº: Fabricado por: DMR INDÚSTRIA

Leia mais

Os componentes dos Fixadores Externos Lineares Smith & Nephew são fabricados de vários tipos de materiais metálicos, plásticos e compostos.

Os componentes dos Fixadores Externos Lineares Smith & Nephew são fabricados de vários tipos de materiais metálicos, plásticos e compostos. MODELO DE INSTRUÇÃO DE USO FIXADORES EXTERNOS LINEARES SMITH & NEPHEW DESCRIÇÃO DO DISPOSITIVO Os Fixadores Externos Lineares Smith & Nephew consistem de vários componentes utilizados para criar sistemas

Leia mais

Solares. guarda-sóis manual de troca de corda

Solares. guarda-sóis manual de troca de corda Solares guarda-sóis manual de troca de corda Solares guarda-sóis manual de troca de corda Instruções gerais e de segurança Leia as instruções de montagem Apesar dos produtos Stobag serem de fácil montagem,

Leia mais

- Cilindro Pneumático ISO

- Cilindro Pneumático ISO de Instalação, Operação e Manutenção Janeiro 2000 - ISO Série P1E (Tubo Perfilado) 32 a 100 mm Índice Introdução... 1 Características Técnicas... 1 Características Construtivas... 1 Instalação... 2 Manutenção...

Leia mais

INSTRUÇÕES DE USO. Placa DHS / DCS (Placa Tubo) Synthes Placa e Malha Implantável

INSTRUÇÕES DE USO. Placa DHS / DCS (Placa Tubo) Synthes Placa e Malha Implantável INSTRUÇÕES DE USO Placa DHS / DCS (Placa Tubo) Synthes Placa e Malha Implantável Fabricante: Synthes Indústria e Comércio Ltda Av. Pennwalt, 501 Rio Claro SP C.N.P.J. 58.577.370/0001-76 Inscr. Est. 587.077.032.113

Leia mais

INSTRUÇÕES DE USO MEPITEL

INSTRUÇÕES DE USO MEPITEL VERSÃO 1 INSTRUÇÕES DE USO MEPITEL Nome técnico: Curativo Nome comercial: Mepitel Verifique no rótulo do produto a versão da instrução de uso correspondente. Não utilize instrução de uso com versão diferente

Leia mais

Manual de Instruções RETÍFICA RETA 1/4 AR 1214

Manual de Instruções RETÍFICA RETA 1/4 AR 1214 Manual de Instruções RETÍFICA RETA 1/4 AR 1214 ADVERTÊNCIA: Leia atentamente este manual antes de usar o produto. ÍNDICE SEÇÃO PÁGINA Introdução 3 Normas gerais de segurança 3 Normas especificas de segurança

Leia mais

Registro ANVISA nº: WWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWW

Registro ANVISA nº: WWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWW LARINGOSCÓPIO DE FIBRA ÓPTICA REUTILIZÁVEL Modelos: McIntosh, Padrão Inglês / McIntosh, Padrão Americano / McIntosh Mega / McIntosh Flex / McIntosh Megaflex / Miller, Padrão Inglês / Miller, Padrão Americano

Leia mais

Instruções para Carrinho de Bebê Multifuncional Marie

Instruções para Carrinho de Bebê Multifuncional Marie Instruções para Carrinho de Bebê Multifuncional Marie Carrinho Marie as ilustrações são apenas representações. o design e o estilo podem variar. Manual Carrinho Marie - Dardara - 2 Antes de usar o carrinho,

Leia mais

É uma fratura comum que ocorre em pessoas de todas as idades. Anatomia. Clavícula

É uma fratura comum que ocorre em pessoas de todas as idades. Anatomia. Clavícula Fratura da Clavícula Dr. Marcello Castiglia Especialista em Cirurgia do Ombro e Cotovelo É uma fratura comum que ocorre em pessoas de todas as idades. Anatomia O osso da clavícula é localizado entre o

Leia mais

Instrução de Uso Sistema Híbrido para Artroplastia de Quadril Amplitude

Instrução de Uso Sistema Híbrido para Artroplastia de Quadril Amplitude Código do Produto Legendas dos símbolos utilizados nas embalagens Número de Lote Produto de Uso Único Data de Validade Atenção Ler as Instruções de Uso Não utilizar se a embalagem estiver violada ESTÉRIL

Leia mais

SISTEMA DE PLACAS, PARAFUSOS E TELAS PARA CIRURGIA BUCO- MAXILOFACIAL MEDARTIS - MODUS 0.9/1.2

SISTEMA DE PLACAS, PARAFUSOS E TELAS PARA CIRURGIA BUCO- MAXILOFACIAL MEDARTIS - MODUS 0.9/1.2 INSTRUÇÕES DE USO NOME TÉCNICO SISTEMA IMPLANTÁVEL PARA OSTEOSSÍNTESE BUCO- MAXILOFACIAL NOME TÉCNICO SISTEMA DE PLACAS, PARAFUSOS E TELAS PARA CIRURGIA BUCO-MAXILOFACIAL MEDARTIS MODUS Razão social e

Leia mais

INSTRUÇÕES DE USO. Sistema para Osteossíntese Buco Maxilo Facial Sistema de Fixação Não Rígida de Placas Especiais CMF

INSTRUÇÕES DE USO. Sistema para Osteossíntese Buco Maxilo Facial Sistema de Fixação Não Rígida de Placas Especiais CMF INSTRUÇÕES DE USO Nome Técnico: Nome Comercial: Sistema para Osteossíntese Buco Maxilo Facial Sistema de Fixação Não Rígida de Placas Especiais CMF Fabricante: Distribuidor: Synthes Synthes Eimattstrasse

Leia mais

Crescimento guiado para correção de joelhos unidos e pernas arqueadas em crianças

Crescimento guiado para correção de joelhos unidos e pernas arqueadas em crianças INFORMAÇÃO AO PACIENTE Crescimento guiado para correção de joelhos unidos e pernas arqueadas em crianças O sistema de crescimento guiado eight-plate quad-plate INTRODUÇÃO As crianças necessitam de orientação

Leia mais

Versão 1.0 do documento Maio de 2014. Solução de Digitalização para Grandes Formatos Xerox 7742 Guia do Usuário

Versão 1.0 do documento Maio de 2014. Solução de Digitalização para Grandes Formatos Xerox 7742 Guia do Usuário Versão 1.0 do documento Maio de 2014 Solução de Digitalização para Grandes Formatos Xerox 7742 BR9918 Índice 1 Visão geral do produto...1-1 Visão geral das ferramentas do software do produto...1-1 Componentes

Leia mais

MODELO DE INSTRUÇÃO DE USO

MODELO DE INSTRUÇÃO DE USO Página 1 MODELO DE INSTRUÇÃO DE USO PONTEIRAS DE DESNERVAÇÃO POR RF NÃO ESTÉREIS DESCRIÇÃO DO DISPOSITIVO As Ponteiras de Desnervação por RF da NeuroTherm, são eletrodos sensores de temperatura destinados

Leia mais

Extensômetro de Alto Alongamento AHX800 Manual Title

Extensômetro de Alto Alongamento AHX800 Manual Title Extensômetro de Alto Alongamento AHX800 Manual Title Additional Manual do Information Produto be certain. 100-238-343 A Informações sobre Direitos Autorais Informações sobre Marca Registrada Informação

Leia mais

2. CARACTERÍSTICAS 1. INTRODUÇÃO

2. CARACTERÍSTICAS 1. INTRODUÇÃO 1. INTRODUÇÃO O estabilizador portátil de câmera Tedi Cam é um equipamento de avançada tecnologia utilizado para filmagens de cenas onde há a necessidade de se obter imagens perfeitas em situações de movimento

Leia mais

Alternativas da prótese total do quadril na artrose Dr. Ademir Schuroff Dr. Marco Pedroni Dr. Mark Deeke Dr. Josiano Valério

Alternativas da prótese total do quadril na artrose Dr. Ademir Schuroff Dr. Marco Pedroni Dr. Mark Deeke Dr. Josiano Valério Alternativas da prótese total do quadril na artrose Dr. Ademir Schuroff Dr. Marco Pedroni Dr. Mark Deeke Dr. Josiano Valério grupoquadrilhuc@hotmail.com Conceito É uma doença degenerativa crônica caracterizada

Leia mais

SISTEMA PARA DEDO DO PÉ EM MARTELO PHALINX

SISTEMA PARA DEDO DO PÉ EM MARTELO PHALINX SISTEMA PARA DEDO DO PÉ EM MARTELO PHALINX 151676-1 Os seguintes idiomas estão incluídos nesta embalagem: English (en) Deutsch (de) Nederlands (nl) Français (fr) Español (es) Italiano (it) Português (pt)

Leia mais

Martelete Rotativo. Makita do Brasil Ferramentas Elétricas Ltda. MANUAL DE INSTRUÇÕES HR2445- HR2455

Martelete Rotativo. Makita do Brasil Ferramentas Elétricas Ltda. MANUAL DE INSTRUÇÕES HR2445- HR2455 Martelete Rotativo HR445- HR455 MANUAL DE INSTRUÇÕES Makita do Brasil Ferramentas Elétricas Ltda. Fábrica Rua Makita Brasil, 00 Bairro Alvarengas - S. B. do Campo - SP - CEP: 0985-080 PABX: (0xx) 439-4

Leia mais

MATERIAL DE FABRICAÇÃO Ver detalhes do material de fabricação no item Forma de Apresentação do Produto.

MATERIAL DE FABRICAÇÃO Ver detalhes do material de fabricação no item Forma de Apresentação do Produto. Instrumental TSF DESCRIÇÃO DO DISPOSITIVO Os implantes médicos e o instrumental cirúrgico são fabricados com precisão sob orientações e regulamentações de processamentos rígidos. Os instrumentos cirúrgicos

Leia mais