A VERSÃO OFICIAL É A PROFERIDA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A VERSÃO OFICIAL É A PROFERIDA"

Transcrição

1 Discurso de abertura da Senhora Ruby Sandhu-Rojon, Diretora Adjunta, Gabinete Regional do PNUD para a África, Seminário Internacional sobre Proteção Social na África 8 de Abril de 2015 King Fahd Palace Hotel, Dakar, Senegal A VERSÃO OFICIAL É A PROFERIDA Governo do Senegal Primeiro-ministro Mohamed Ben Abdallah Dionne; Comissário Mustapha Sidiki Kaloko (Comissário para os Assuntos Sociais, Comissão da União Africana); Honorável Ministra Emilienne Genevieve Raoul (Ministra dos Assuntos Sociais, República do Congo); Embaixadora Maria Elisa Teófilo de Luna (Embaixadora do Brasil no Senegal); Dr. Facil Nahom (Consultor Jurídico do Primeiro-ministro da Etiópia) Prezada Bintou Djibo (Coordenadora Residente das Nações Unidas, Senegal); Honoráveis representantes dos governos do Brasil, Cabo Verde, Etiópia, Gana, Mauritânia, Moçambique, Níger, República do Congo, Senegal, Sudão do Sul, Zâmbia e Zimbabué; Colegas da União Africana, FAO, ILO, IPEA, Instituto Lula, UNICEF e Banco Mundial; Colegas do Centro Rio+ e colegas do PNUD. É com grande prazer e muita honra que faço este discurso inaugural perante este público tão distinto, neste Seminário Internacional sobre Proteção Social na África, organizado em parceria com a Comissão da União Africana, o Governo do Brasil, o Governo do Senegal, o Centro Rio+ e o PNUD. O diálogo sobre a Proteção Social nunca foi mais oportuno e relevante para a África como atualmente, agora que os líderes do continente acordaram em adotar um crescimento inclusivo e eliminar a pobreza e a exclusão até Página 1 de 11

2 Gostaria de iniciar o meu discurso relembrando que, quando os países africanos se comprometeram com os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio, eles estavam, de maneira geral, num estágio de desenvolvimento muito menos avançado do que outros países. No entanto, foram capazes de conquistar um progresso enorme e acelerado em direção aos ODMs, sendo que vários deles, na última década, alcançaram taxas de crescimento sustentado acima de 6 por cento. Em termos gerais, a África saiu-se bem em alguns dos ODMs, tais como nas matrículas em escolas primárias, na paridade de gênero no ensino primário, na representação feminina nos parlamentos nacionais e na inversão da prevalência e incidência do HIV e da AIDS e fatalidades decorrentes. 1 Contudo, o continente ainda está atrás do resto do mundo em alguns dos objetivos. Os ODMs na África continuam a ser uma meta incompleta e os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável visam concluir essa meta. A pobreza na África ainda é abrangente e enfrentar esse problema continua a ser fundamental para a visão de desenvolvimento da própria África: a Agenda 2063 e a Posição Comum Africana na Agenda de Desenvolvimento Pós Nas últimas duas décadas, a África conseguiu diminuir a taxa de pobreza extrema para 48,5 por cento, em comparação com 56,5 por cento em No entanto, o número absoluto de pessoas pobres aumentou. Atualmente, há mais de o dobro de pessoas pobres a viver na África Subsariana (414 milhões) do que no começo da década de 1980 (205 milhões). 3 Em alguns casos, o progresso em termos de desenvolvimento humano foi 1 UN-ECA, AU, AfDB, PNUD (2014), MDG Report 2014, Assessing progress in Africa toward the Millennium Development Goals 2 Ibid 3 Banco Mundial (2013), The State of the Poor: Where are the poor? Where is extreme poverty harder to end, and what is the current profile of the world s poor? Página 2 de 11

3 paralisado ou até mesmo invertido devido a impactos políticos, demográficos, ambientais, sociais e de saúde. 4 A recente epidemia de Ebola na Guiné, Libéria e Serra Leoa; os conflitos no Mali, na República Democrática do Congo e na República Centro-Africana; e as inundações em Moçambique e no Maláui causaram mortes, destruíram meios de subsistências e aumentaram a carga fiscal dos países afetados. Esses obstáculos enfraqueceram comunidades, instituições e populações, tornando visíveis as suas vulnerabilidades. Dentro desse contexto e conforme nos aproximamos da Cimeira da ONU de Chefes de Estado e Governo, em Setembro deste ano, quando será adotada uma Agenda de Desenvolvimento Pós-2015 nova e mais ambiciosa, devemos assumir a responsabilidade moral de empregar políticas e instrumentos que sejam comprovadamente eficazes no combate à pobreza, abordando vulnerabilidades e aumentando a resiliência das pessoas contra choques futuros. A institucionalização de mecanismos de proteção eficazes está entre essas políticas. Em todo o mundo em desenvolvimento, incluindo a África, os programas de proteção social ganharam relevância como estratégias de desenvolvimento para tirar milhões de pessoas da pobreza e lidar com as suas vulnerabilidades. De acordo com o mais recente Relatório de Progresso dos Objetivos de Desenvolvimento do Milénio na África, o número de países africanos que implementam programas de proteção social quase duplicou em apenas 3 anos, de 21 em 2010, para 37 em Atualmente, pelo menos dois terços dos países africanos possuem uma estratégia de proteção social. Essas estratégias incluem transferências de dinheiro, programas de obras públicas e uma vasta gama de redes de segurança para as pessoas mais pobres e vulneráveis. Para que os senhores 4 Human Development 2014: Sustaining Human Progress, Reducing Vulnerabilities and Building Resilience. Página 3 de 11

4 tenham uma ideia da magnitude da proteção social na África, há 123 programas de transferência de dinheiro atualmente implementados em 34 países e mais de 500 programas de obras públicas. 5 O objetivo dos programas de proteção social na África é duplo. O seu papel principal tem sido proteger as populações afetadas contra uma série de crises, incluindo o aumento dos preços de mercadorias, o desemprego, choques climáticos (por exemplo, secas e erosões) e insegurança alimentar, que parecem ter se tornado a norma nestes tempos tão voláteis. Porém, a proteção contra estas dificuldades não é o seu único propósito. Mais recentemente, estamos a testemunhar uma mudança de paradigma de um tipo de assistência baseada no bem-estar para sistemas de proteção social. O seu objetivo não é apenas proteger as famílias de perdas ou reduções repentinas do seu rendimento, mas também lidar com as causas da pobreza, desigualdades e vulnerabilidades diversas e fazer os investimentos necessários em capital humano. Por meio da promoção do acesso a serviços de saúde, educação e nutrição, a proteção social oferece às populações pobres os recursos necessários para que saiam da pobreza. A implementação de um programa de transferência de dinheiro na Namíbia reduziu a incidência da pobreza em 22 por cento. 6 Na África do Sul, um programa de transferência social reduziu a desigualdade em sete pontos percentuais, de acordo com as medições do coeficiente de Gini. No entanto, a abrangência da proteção social ainda é extremamente baixa na África. Num continente com um pouco mais de mil milhões de pessoas, onde quase metade, 48,5 por cento (ou 414 milhões de pessoas), vivem em pobreza extrema, definida como $1,25 dólares por dia (em paridade do poder de compra), aproximadamente 222 milhões de pessoas quase não têm nenhum rendimento ou 5 Relatório de Progresso dos ODMs em África 2014, AUC-AfDB-ECA-PNUD. 6 Levine, van der Berg e Yu, Página 4 de 11

5 nem mesmo conseguem satisfazer as suas necessidades básicas. Estimamos que apenas 20 por cento dessas pessoas, aproximadamente 44 milhões, tenha acesso a alguma forma de proteção social. 7 Nesse contexto, considerando os níveis de PIB consistentemente altos em todo o continente, a África precisa e é capaz de fazer mais investimentos em proteção social para alcançar outras 370 milhões de pessoas que vivem abaixo da linha de pobreza de $1,25 dólares por dia. Além disso, a África precisa de uma abordagem de proteção social mais abrangente, sistemática e holística, que esteja alinhada ao ciclo de vida de uma pessoa, e que lide de uma forma sistemática com as suas vulnerabilidades associadas a fases e eventos específicos das suas vidas, como, por exemplo, o nascimento, o nascimento dos filhos, a juventude, a velhice, a doença, a deficiência, o HIV e a AIDS. 8 Para tal, o PNUD promove uma abordagem de proteção social holística e sistêmica, baseada nos três pilares do desenvolvimento sustentável (social, econômico e ambiental) e nos direitos humanos. Isso significa a implementação de políticas e estratégias que abrangem a proteção social comunitária formal e informal, para apoiar a oferta de assistência social às pessoas que vivem em extrema pobreza, assegurando, ao mesmo tempo, o acesso de todos a serviços sociais básicos. O PNUD promove políticas de proteção social inclusivas que visam, especificamente, grupos que são sistematicamente marginalizados e excluídos, para lhes fornecer recursos essenciais, tais como saúde e educação, para que participem normalmente de uma vida ativa. Basear a proteção social nos direitos humanos e, particularmente, nos direitos sociais e econômicos, significa que a sua oferta não se limita apenas às pessoas que tenham empregos formais, mas também aos indivíduos cujos direitos humanos básicos, como o 7 Cálculo do autor com base nos dados do Relatório dos ODMs 2014 e do UN-DESA World Population Prospects, The 2012 Revision, Highlights and Advance Tables, da UN-ECA, AU, AfDB, PNUD (2014) 8 Relatório dos ODMs em África 2014 Página 5 de 11

6 direito à alimentação, à saúde e à educação não estão a ser satisfeitos. A nossa abordagem é baseada em pisos de proteção social, uma iniciativa global anunciada pela OIT e absorvida pela ONU, para assegurar um mínimo social não-contributivo, tais como aposentadorias sociais, benefícios para crianças, cuidados de saúde básicos e gratuitos, apoio ao rendimento para aqueles que não estiverem a trabalhar, e para as pessoas pobres. Vários países, incluindo África do Sul, Benim, Burkina Faso, Gana, Moçambique e Togo, adotaram o conceito de piso de proteção social e estão a tomar as medidas necessárias para implementá-lo. 9 Além disso, a proteção social faz parte da agenda de desenvolvimento pós As consultas globais e nacionais sobre a agenda de desenvolvimento pós-2015, apoiada pela ONU em vários países africanos, incluindo a Etiópia, o Gana, o Maláui, o Níger e Moçambique, entre outros, difundem a defesa e a promoção do direito à proteção social. A agenda pós-2015 pede que os países implementem sistemas e medidas de proteção social nacionalmente adequadas que sirvam toda a população, incluindo os pisos, e que até 2030 alcancem uma cobertura considerável das pessoas pobres e vulneráveis (Objetivo 1) e que adotem políticas, especialmente políticas fiscais, salariais e de proteção social, para alcançar progressivamente uma maior igualdade (Objetivo 10). A nível regional, existe um ímpeto renovado para avançar com a agenda de proteção social como uma estratégia de transformação social e econômica. Nos últimos anos, a proteção social tornou-se uma estratégia unificadora da União Africana para lidar com a pobreza crônica e promover o avanço dos ODMs. Essa posição foi ainda mais fortalecida através de vários instrumentos e iniciativas regionais recentes, incluindo a Estratégia de Estrutura (2008) de Política Social para a África da União Africana, a Plataforma da Sociedade Civil Africana para a 9 Dados da OIT, Página 6 de 11

7 Proteção Social, a Visão 2063 da União Africana e a Posição Comum Africana para a Agenda de Desenvolvimento Pós-2015 (CAP). 10 A nível nacional, programas de proteção social inovadores e desenvolvidos localmente estão a ter sucesso na contribuição para a redução da pobreza e das desigualdades. Por exemplo: - O Programa de Rede de Segurança Produtiva (PSNP) da Etiópia, uma combinação de transferência de dinheiro e obras públicas que beneficia mais de 9 milhões de pessoas e supervisiona a implementação de cerca de 34 mil pequenos projetos por ano. - O Programa de Subsídio Agrícola (FISP) do Maláui assegura que as famílias beneficiárias tenham direito a uma embalagem de milho com fertilizantes e sementes, uma embalagem de tabaco com fertilizantes ou uma embalagem de algodão com produtos químicos e sementes. Esta iniciativa aumentou significativamente o número de famílias com segurança alimentar, de 67 por cento em 2005 para 99 por cento em 2009, bem como o consumo de cereais per capita, de 170 quilos para 285 quilos no mesmo período. - O Programa Visão 2020 Umurenge do Ruanda é baseado na estratégia de desenvolvimento nacional e é implementado por meio de uma estrutura administrativa altamente descentralizada e um sistema pioneiro de focalização. O programa oferece transferências em dinheiro incondicionais, obras públicas, emprego e sistemas financeiros Página 7 de 11

8 - As aposentadorias na terceira idade no Lesoto confirmam que até mesmo os países com baixos rendimentos podem oferecer transferências de dinheiro regulares, com um esquema não-contributivo, voltado a grupos específicos da população. Nós, do PNUD, estamos a apoiar vários destes programas. Por meio dos nossos Escritórios Nacionais, apoiamos os governos a criar e a implementar políticas, sistemas e programas de proteção social. Entre os 53 projetos e iniciativas de proteção social apoiados pelo PNUD em 2014, 41 situam-se na África. 12 Em Cabo Verde, o PNUD ajudou o país a alcançar um consenso nacional relativamente à proteção social integrada à estratégia de desenvolvimento a longo prazo; no Togo, o PNUD ajudou a implementar o Fundo Nacional de Solidariedade para fornecer uma resposta rápida no caso de catástrofes. Na África Meridional e Oriental, fizemos uma análise aprofundada dos esquemas de proteção social para contribuir para a formulação de políticas futuras. E, atualmente, estamos a trabalhar na Libéria, Guiné e Serra Leoa com iniciativas que apoiam as comunidades locais a lidarem com os efeitos devastadores do Ebola. Mesmo assim, os desafios enfrentados pela formulação e implementação da proteção social na África ainda são consideráveis. Fraquezas estruturais, tais como pouca cobertura, focalização fraca, falta de coordenação e pouca capacidade de implementação estão a limitar o potencial integral da proteção social. A fragmentação, ou seja, um grande número de pequenos projetos que operam isoladamente e permanecem na fase de projeto-piloto, também é um desafio crítico que precisa ser enfrentado por meio de uma abordagem de proteção social sistêmica. 12 PNUD, ROAR, Página 8 de 11

9 O subfinanciamento crônico e a dependência demasiada de doações no setor de proteção social são aspetos que também precisam ser tratados. Por exemplo, o Quênia e a Tanzânia ainda gastam menos de 0,3 por cento do seu PIB com proteção social e em Madagáscar, 75 por cento da população é considerada pobre, mas a cobertura é de apenas 1 por cento. No Burundi, 67 por cento das pessoas estão abaixo da linha de pobreza nacional, mas apenas 5 por cento da população tem acesso a iniciativas de apoio social. Apesar de muitos programas de proteção social no continente africano serem considerados bem-sucedidos, a maioria deles continua em fase de projeto-piloto. Com exceção de alguns poucos países, como a África do Sul e a Etiópia, onde as redes de segurança social foram disseminadas e expandidas para além de projetos-piloto, vários programas de proteção social na África ainda estão nas suas fases iniciais. A disseminação de programas de proteção social deve ser uma parte integral da sua concepção. A implementação bem-sucedida da agenda de proteção social africana irá depender, em grande parte, da sustentabilidade do seu financiamento. A assistência ao desenvolvimento destas políticas continuará a ser crítica na África para que essa agenda seja levada em frente, particularmente nos países menos desenvolvidos e com menos recursos. No entanto, para assegurar a sua sustentabilidade financeira a longo prazo, é necessário que a agenda de proteção social esteja firmemente apoiada na mobilização de recursos domésticos. Isso pode ocorrer por meio de políticas fiscais eficazes e respetiva gestão, da mobilização de economias e da inversão do fluxo de recursos financeiros ilícitos na África que é atualmente estimado em mais de 60 bilhões de dólares. A próxima 3 a Conferência Internacional sobre Financiamento do Desenvolvimento, que será realizada em Adis Abeba em Julho, representa uma oportunidade dos países renovarem as suas parcerias para assegurar que as estratégias de desenvolvimento Página 9 de 11

10 sustentável, incluindo a proteção social, sejam apoiadas por recursos adequados e sustentáveis. O Brasil é um dos países que deu passos gigantescos com o uso da proteção social para o combate à pobreza e desigualdade. O país conseguiu reduzir a população vivendo com menos de $1 dólar por dia de cerca de 10 por cento em 1995 para aproximadamente 3,5 por cento em 2012 e a desigualdade de 0,6 a 0,52 durante o mesmo período. Esta é uma conquista notável, da qual os países africanos beneficiariam muito. Este Seminário oferece uma oportunidade estratégica para renovar uma parceria de longa data entre os países africanos e o Brasil, sob a liderança da União Africana, do governo brasileiro e do PNUD. Gostaria de relembrar que entre 2006 e 2011, o PNUD liderou a implementação do Programa de Desenvolvimento Social África-Brasil. Financiado pelo Brasil e pelo DFID, o programa apoiou a partilha de conhecimentos e experiências entre países africanos e o Brasil no tocante a Programas Condicionais de Transferência de Dinheiro. África do Sul, Angola, Gana, Guiné Bissau, Moçambique, Nigéria, Quênia e Zâmbia beneficiaram do programa. Por exemplo, o Gana implementou com sucesso a sua iniciativa Poder de Subsistência Contra a Pobreza (LEAP) e o Quênia concebeu e implementou um registro integrado de proteção social. Nestes dois dias, teremos a oportunidade de aprender com as nossas experiências e com o bem-sucedido programa brasileiro Bolsa Família, que tem ajudado a tirar milhões de pessoas da pobreza, bem como a promover a saúde e a educação e a reduzir significativamente a desigualdade. As colaborações sul-sul e triangulares estão no coração das operações do PNUD por meio dos nossos programas globais, regionais e nacionais. Exercemos o papel de intermediários de conhecimento, apoiando o desenvolvimento de Página 10 de 11

11 competências e a facilitação de parcerias no hemisfério sul que irão aumentar a voz, a relevância e a participação do hemisfério no desenvolvimento internacional. Nesta qualidade, estamos animados com a oportunidade de trabalhar de perto com os nossos parceiros brasileiros para adaptar ao contexto africano a sua experiência na oferta de proteção social. O PNUD compromete-se em divulgar o seu apoio na área da proteção social na África e irá contribuir com recursos consideráveis para essa valiosa iniciativa em estreita colaboração com o Brasil, o Instituto Lula e a União Africana. Este seminário irá propor recomendações para os países africanos a serem apresentadas na reunião interministerial da União Africana sobre desenvolvimento social, trabalho e emprego, no final deste mês, no que diz respeito a formas de promover um acesso igualitário à proteção social que sejam dissemináveis, sistêmicas e de acordo com o ciclo de vida das pessoas. Também oferecerá a oportunidade de entender como o Brasil foi capaz de lidar com os desafios de focalização, disseminação, sustentabilidade e gestão eficiente da proteção social para conseguir tirar milhões de pessoas da pobreza e da situação de desigualdade. Estas lições são relevantes para ajudar a fortalecer a proteção social na África e fazer com que seja uma estratégia para acelerar o crescimento inclusivo e a transformação estrutural do continente africano. Obrigada pela vossa atenção. Desejo-vos muitas conclusões férteis sobre este assunto tão importante para a África. Página 11 de 11

RELATÓRIO DO RESUMO DA ALMA 1º TRIMESTRE DE 2015

RELATÓRIO DO RESUMO DA ALMA 1º TRIMESTRE DE 2015 RELATÓRIO DO RESUMO DA ALMA 1º TRIMESTRE DE 2015 Introdução A África alcançou um ponto de viragem crítico na sua luta contra a malária este ano à medida que objectivos, estratégias e planos globais e regionais

Leia mais

ESTRATÉGIA DE PROTEÇÃO SOCIAL E TRABALHO 2012-2022 DO BANCO MUNDIA. and e Oportunidade. Opportunity

ESTRATÉGIA DE PROTEÇÃO SOCIAL E TRABALHO 2012-2022 DO BANCO MUNDIA. and e Oportunidade. Opportunity ESTRATÉGIA DE PROTEÇÃO SOCIAL E TRABALHO 2012-2022 DO BANCO MUNDIA Resiliência, Resilience, Equidade Equity, and e Oportunidade Opportunity Vivemos em uma época de grandes riscos e oportunidades. Os riscos

Leia mais

RELATÓRIO DO RESUMO DA ALMA 4º TRIMESTRE DE 2014

RELATÓRIO DO RESUMO DA ALMA 4º TRIMESTRE DE 2014 Introdução RELATÓRIO DO RESUMO DA ALMA 4º TRIMESTRE DE 2014 O continente africano tem travado uma longa e árdua guerra contra a malária, em cada pessoa, cada aldeia, cada cidade e cada país. Neste milénio,

Leia mais

Encaminhado em 2013 para reduzir a incidência de malária em >75% até 2015 (vs. 2000)

Encaminhado em 2013 para reduzir a incidência de malária em >75% até 2015 (vs. 2000) P TRIMESTRE Introdução RELATÓRIO DE RESUMO DA ALMA: 2P o DE 205 No mês de Julho de 205, a Etiópia e a Comissão Económica das Nações Unidas para África vão ser os anfitriões da 3ª Conferência Internacional

Leia mais

Protecção Social para um Crescimento Inclusivo. Nuno Cunha Nações Unidas

Protecção Social para um Crescimento Inclusivo. Nuno Cunha Nações Unidas Protecção Social para um Crescimento Inclusivo Nuno Cunha Nações Unidas Contexto moçambicano O País tem experienciado um crescimento económico impressionante nos últimos 15 anos Importantes progressos

Leia mais

Nasceu em Recife em 1921 e faleceu em 1997.

Nasceu em Recife em 1921 e faleceu em 1997. África do Sul Nasceu em Recife em 1921 e faleceu em 1997. É considerado um dos grandes pedagogos da atualidade e respeitado mundialmente. Embora suas idéias e práticas tenham sido objeto das mais diversas

Leia mais

Seminário FMI e Sindicatos Aprofundando nosso diálogo e afinando nossas políticas

Seminário FMI e Sindicatos Aprofundando nosso diálogo e afinando nossas políticas Seminário FMI e Sindicatos Aprofundando nosso diálogo e afinando nossas políticas Victor Lledó Representante Residente do FMI Hotel Avenida, Maputo, 17 de Novembro de 2010 Estrutura da apresentação O papel

Leia mais

Introduzindo o Programa Compreensivo para o Desenvolvimento da Agricultura em África (CAADP) PARCEIROS DE APOIO DO CAADP

Introduzindo o Programa Compreensivo para o Desenvolvimento da Agricultura em África (CAADP) PARCEIROS DE APOIO DO CAADP Introduzindo o Programa Compreensivo para o Desenvolvimento da Agricultura em África (CAADP) PARCEIROS DE APOIO DO CAADP Agricultura e o CAADP: Uma Nova Visão para a África Se quisermos fazer com que a

Leia mais

Em pelo menos 56 países, as taxas de novas infecções pelo HIV estabilizaram ou diminuíram significativamente

Em pelo menos 56 países, as taxas de novas infecções pelo HIV estabilizaram ou diminuíram significativamente P R E S S R E L E A S E Em pelo menos 56 países, as taxas de novas infecções pelo HIV estabilizaram ou diminuíram significativamente Novo relatório do UNAIDS mostra que a epidemia da aids parou de avançar

Leia mais

Doing Business 2011 Dados Informativos Resumo das Reformas na África Subsaariana

Doing Business 2011 Dados Informativos Resumo das Reformas na África Subsaariana Doing Business 2011 Dados Informativos Resumo das Reformas na África Subsaariana Angola reduziu o tempo de comércio internacional fazendo investimentos em infraestrutura e administração portuárias. Áreas

Leia mais

Resolução adotada pela Assembleia Geral em 19 de dezembro de 2011. 66/121. Políticas e programas voltados à juventude

Resolução adotada pela Assembleia Geral em 19 de dezembro de 2011. 66/121. Políticas e programas voltados à juventude Organização das Nações Unidas A/RES/66/121 Assembleia Geral Distribuição: geral 2 de fevereiro de 2012 65 a sessão Item 27 (b) da pauta Resolução adotada pela Assembleia Geral em 19 de dezembro de 2011

Leia mais

Declaração de Libreville sobre a Saúde e o Ambiente em África

Declaração de Libreville sobre a Saúde e o Ambiente em África Declaração de Libreville sobre a Saúde e o Ambiente em África Libreville, 29 de Agosto de 2008 REPUBLIQUE GABONAISE Organização Mundial da Saúde Escritório Regional Africano Declaração de Libreville sobre

Leia mais

Experiência do Programa dos Voluntários das Nações Unidas (VNU) Fortalecendo Infraestruturas de Voluntariado em CABO VERDE

Experiência do Programa dos Voluntários das Nações Unidas (VNU) Fortalecendo Infraestruturas de Voluntariado em CABO VERDE Experiência do Programa dos Voluntários das Nações Unidas (VNU) Fortalecendo Infraestruturas de Voluntariado em CABO VERDE RELATÓRIO NACIONAL O Programa dos Voluntários das Nações Unidas (VNU) é a organização

Leia mais

#ElesPorElas. Movimento ElesPorElas (HeForShe) de Solidariedade da ONU Mulheres pela Igualdade de Gênero Impactando Universidades

#ElesPorElas. Movimento ElesPorElas (HeForShe) de Solidariedade da ONU Mulheres pela Igualdade de Gênero Impactando Universidades #ElesPorElas Movimento ElesPorElas (HeForShe) de Solidariedade da ONU Mulheres pela Igualdade de Gênero Impactando Universidades ElesPorElas Criado pela ONU Mulheres, a Entidade das Nações Unidas para

Leia mais

A Igualdade dos Géneros como Boa Economia

A Igualdade dos Géneros como Boa Economia A Igualdade dos Géneros como Boa Economia Um Plano de Acção do Grupo Banco Mundial Banco Mundial o acesso à terra, ao trabalho, aos mercados financeiros e de produtos é crucial para se aumentar o rendimento

Leia mais

BR/2001/PI/H/3. Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO), Dakar, 25 de Abril de 2000

BR/2001/PI/H/3. Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO), Dakar, 25 de Abril de 2000 BR/2001/PI/H/3 Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO), Dakar, 25 de Abril de 2000 2001 Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO),

Leia mais

Contratos Públicos UE nos Países de Língua Portuguesa

Contratos Públicos UE nos Países de Língua Portuguesa Contratos Públicos UE nos Países de Língua Portuguesa Índice 1. Países de Língua Portuguesa/Comunidade de Países de Língua Portuguesa 1.1 Potencialidades da Espaço Lusófono 1.2 Comunidades Económicas Regionais

Leia mais

Sua Excelência, Doutor Abrahão Gourgel, Ministro da Economia,

Sua Excelência, Doutor Abrahão Gourgel, Ministro da Economia, ANGOLA NO CONTEXTO DA INTEGRAÇAO ECONÓMICA REGIONAL 29 de Setembro, 2015 Intervenção do Doutor Paolo Balladelli, Representante Residente do PNUD em Angola Sua Excelência, Doutor Abrahão Gourgel, Ministro

Leia mais

Resultados da Avaliação sobre o impacto dos Programas de Transferência de Renda na África Subsariana

Resultados da Avaliação sobre o impacto dos Programas de Transferência de Renda na África Subsariana Resultados da Avaliação sobre o impacto dos Programas de Transferência de Renda na África Subsariana Benjamin Davis FAO, PtoP e Programa de Transferência Conferência Nacional da Assistência Social Segunda-feira,

Leia mais

Educação é a chave para um desenvolvimento duradouro...

Educação é a chave para um desenvolvimento duradouro... Educação é a chave para um desenvolvimento duradouro...enquanto os líderes mundiais se preparam para um encontro em Nova York ainda este mês para discutir o progresso dos Objetivos de Desenvolvimento do

Leia mais

154 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO

154 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO 154 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO Washington, D.C., EUA 16 a 20 de junho de 2014 CE154.R17 Original: inglês RESOLUÇÃO CE154.R17 ESTRATÉGIA PARA COBERTURA UNIVERSAL DE SAÚDE A 154 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO,

Leia mais

Ser Mãe, Ser Trabalhadora: a Protecção da Maternidade em Moçambique

Ser Mãe, Ser Trabalhadora: a Protecção da Maternidade em Moçambique Ser Mãe, Ser Trabalhadora: a Protecção da Maternidade em Moçambique Ruth Castel-Branco, Organização Internacional do Trabalho Conferencia do SASPEN Maputo, 2 de Setembro 2014 Sumário Contexto A Protecção

Leia mais

COOPERAÇÃO SUL SUL INSPEÇÃO DO TRABALHO. Brasília, 7 de dezembro de 2010

COOPERAÇÃO SUL SUL INSPEÇÃO DO TRABALHO. Brasília, 7 de dezembro de 2010 COOPERAÇÃO SUL SUL SEMINARIO BOAS PRÁTICAS NA INSPEÇÃO DO TRABALHO Brasília, 7 de dezembro de 2010 ESQUEMA DA APRESENTAÇÃO 1. O que se entende por Cooperação Sul-Sul 2. Princípios da Cooperação Sul-Sul

Leia mais

Proteção social e agricultura. rompendo o ciclo da pobreza rural

Proteção social e agricultura. rompendo o ciclo da pobreza rural Proteção social e agricultura Sasint/Dollar Photo Club rompendo o ciclo da pobreza rural 16 de outubro de 2015 Dia Mundial da Alimentação Cerca de 1000 milhões de pessoas vivem na extrema pobreza nos países

Leia mais

Consulta Pós-2015 O Mundo que Queremos

Consulta Pós-2015 O Mundo que Queremos Consulta Pós-2015 O Mundo que Queremos ODMs: 2001-2015 Declaracão do Milênio (Set. 2000) Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (2001) Prazo final para o cumprimento dos ODMs (2015) E depois? Processo

Leia mais

GEOGRAFIA BÁSICA. Características Gerais dos Continentes: África

GEOGRAFIA BÁSICA. Características Gerais dos Continentes: África GEOGRAFIA BÁSICA Características Gerais dos Continentes: África Atualmente temos seis continentes: África, América, Antártida, Europa, Ásia e Oceania. Alguns especialistas costumam dividir o planeta em

Leia mais

Declaração Política do Rio sobre Determinantes Sociais da Saúde

Declaração Política do Rio sobre Determinantes Sociais da Saúde Declaração Política do Rio sobre Determinantes Sociais da Saúde Rio de Janeiro, Brasil - 21 de outubro de 2011 1. Convidados pela Organização Mundial da Saúde, nós, Chefes de Governo, Ministros e representantes

Leia mais

Uma visão para WASH pós-2015

Uma visão para WASH pós-2015 Uma visão para WASH pós-2015 A visão da WaterAid para pós-2015 é uma estrutura de desenvolvimento nova e ambiciosa que unifica a erradicação da pobreza e os objectivos sustentáveis de desenvolvimento,

Leia mais

Reforma institucional do Secretariado da SADC

Reforma institucional do Secretariado da SADC Reforma institucional do Secretariado da SADC Ganhamos este prémio e queremos mostrar que podemos ainda mais construirmos sobre este sucesso para alcançarmos maiores benefícios para a região da SADC e

Leia mais

Estabelecer a ligação entre o desenvolvimento de competências e o trabalho digno Academia sobre o Desenvolvimento de Competências Centro de Turim

Estabelecer a ligação entre o desenvolvimento de competências e o trabalho digno Academia sobre o Desenvolvimento de Competências Centro de Turim Estabelecer a ligação entre o desenvolvimento de competências e o trabalho digno Academia sobre o Desenvolvimento de Competências Centro de Turim Girma Agune Chefe a.i. Serviço das Competências e da Empregabilidade

Leia mais

Propriedade, Prestação de Contas e Sustentabilidade na Resposta de VIH/SIDA, Tuberculose e Malária em África: Passado, Presente e o Futuro

Propriedade, Prestação de Contas e Sustentabilidade na Resposta de VIH/SIDA, Tuberculose e Malária em África: Passado, Presente e o Futuro SA10179 AFRICAN UNION UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA CIMEIRA ESPECIAL DA UNIÃO AFRICANA SOBRE O VIH/SIDA, TUBERCULOSE E MALÁRIA 12-16 DE JULHO DE 2013 ABUJA, NIGÉRIA Tema: Propriedade, Prestação de Contas

Leia mais

UIPES/ORLA Sub-Região Brasil

UIPES/ORLA Sub-Região Brasil 1 A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE NO MUNDO GLOBALIZADO 1 Introdução Área de atuação. A Carta de Bangkok (CB) identifica ações, compromissos e garantias requeridos para atingir os determinantes

Leia mais

Desenvolvimento da Agenda da Educação Pós-2015

Desenvolvimento da Agenda da Educação Pós-2015 Desenvolvimento da Agenda da Educação Pós-2015 Histórico Educação para Todos (Dakar, Senegal, Abril de 2000) Seis objetivos de EPT: Expandir e melhorar a educação e os cuidados na primeira infância Universalizar

Leia mais

A protecção social e as crianças

A protecção social e as crianças A protecção social e as crianças Anthony Hodges Consultor ao UNICEF Seminário do MMAS e da OIT no Bilene, Moçambique, do 7 ao 9 de Maio de 2010 Plano da apresentação Importância da protecção social para

Leia mais

Pontos principais Antecedentes e contexto Políticas e estratégias para o controle da malária Tratamento

Pontos principais Antecedentes e contexto Políticas e estratégias para o controle da malária Tratamento Resumo O Relatório Mundial da Malária de 2009 resume informação recebida de 108 países com malária endêmica e de outras fontes e atualiza a análise apresentada no Relatório de 2008. Destaca o progresso

Leia mais

Skills Academy 2015 Christine Hofmann, OIT Cairo

Skills Academy 2015 Christine Hofmann, OIT Cairo Melhorar a Aprendizagem Informal Skills Academy 2015 Christine Hofmann, OIT Cairo Agenda I) Definir sistemas de aprendizagem informal 5 elementos principais da aprendizagem Porque falamos dos sistemas

Leia mais

OS OBJETIVOS DO DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO NA PERSPECTIVA DE GÊNERO

OS OBJETIVOS DO DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO NA PERSPECTIVA DE GÊNERO OS OBJETIVOS DO DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO NA PERSPECTIVA DE GÊNERO Conjuntura Para além de enfrentarem a discriminação social e familiar, muitas mulheres ainda lutam para ultrapassar os obstáculos ao

Leia mais

FOME ZERO. O papel do Brasil na luta global contra a fome e a pobreza

FOME ZERO. O papel do Brasil na luta global contra a fome e a pobreza FOME ZERO O papel do Brasil na luta global contra a fome e a pobreza Seminário Internacional sobre Seguro de Emergência e Seguro Agrícola Porto Alegre, RS -- Brasil 29 de junho a 2 de julho de 2005 Alguns

Leia mais

Iniciativas Futuro Verde" do Japão

Iniciativas Futuro Verde do Japão 1. Compreensão Básica Iniciativas Futuro Verde" do Japão 1. Nas condições atuais, em que o mundo está enfrentando diversos problemas, como o crescimento populacional, a urbanização desordenadas, a perda

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

Documento final das consultas regionais sobre o Programa de Desenvolvimento pós-2015, Dacar, Senegal 10/11 de dezembro de 2012

Documento final das consultas regionais sobre o Programa de Desenvolvimento pós-2015, Dacar, Senegal 10/11 de dezembro de 2012 Documento final das consultas regionais sobre o Programa de Desenvolvimento pós-2015, Dacar, Senegal 10/11 de dezembro de 2012 Contexto Os objetivos do Milénio para o desenvolvimento (OMD) tiveram como

Leia mais

CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO

CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO (Tradução não oficial 1 ) Recomendação 202 RECOMENDAÇÃO RELATIVA AOS PISOS NACIONAIS DE PROTEÇÃO SOCIAL A Conferência Geral da Organização Internacional do Trabalho,

Leia mais

AVALIAÇÃO CONJUNTA PROGRAMA CONJUNTO UNFPA-UNICEF SOBRE MUTILAÇÃO GENITAL FEMININA/EXCISÃO: ACELERANDO A MUDANÇA 2008 2012

AVALIAÇÃO CONJUNTA PROGRAMA CONJUNTO UNFPA-UNICEF SOBRE MUTILAÇÃO GENITAL FEMININA/EXCISÃO: ACELERANDO A MUDANÇA 2008 2012 AVALIAÇÃO CONJUNTA PROGRAMA CONJUNTO UNFPA-UNICEF SOBRE MUTILAÇÃO GENITAL FEMININA/EXCISÃO: ACELERANDO A MUDANÇA 2008 2012 RELATÓRIO FINAL DE AVALIAÇÃO: SUMÁRIO EXECUTIVO Em 2012-2013, no seu quinto ano

Leia mais

BRASIL. Indicadores de desempenho de crescimento

BRASIL. Indicadores de desempenho de crescimento BRASIL As disparidades no PIB per capita em relação aos países da OCDE têm vindo a diminuir lentamente, mas permanecem grandes e são principalmente devidas a um desempenho relativamente fraco da produtividade

Leia mais

Missão de Estudos África-Brasil em Promoção e Proteção Social

Missão de Estudos África-Brasil em Promoção e Proteção Social Brasil & Africa newsletter International Poverty Centre Informativo 3 Outubro, 2008 Português/English O Programa Brasil-África de Cooperação em Proteção Social visa promover a assistência técnica do Ministério

Leia mais

Documento de Apoio da Declaração de Gaborone para Sustentabilidade na África

Documento de Apoio da Declaração de Gaborone para Sustentabilidade na África Documento de Apoio da Declaração de Gaborone para Sustentabilidade na África O documento de apoio da Declaração de Gaborone para a sustentabilidade na África é um paradigma transformador na busca pelo

Leia mais

Desenvolvimento de um Compacto num pais : o que é necessário e quais são os ganhos? Dezembro 2012

Desenvolvimento de um Compacto num pais : o que é necessário e quais são os ganhos? Dezembro 2012 Desenvolvimento de um Compacto num pais : o que é necessário e quais são os ganhos? Dezembro 2012 Desenvolvimento de um Compacto num país: o que é necessário e quais são os ganhos? 1 Introdução Os Compactos

Leia mais

Declaração Política do Rio sobre Determinantes Sociais da Saúde

Declaração Política do Rio sobre Determinantes Sociais da Saúde Todos pela Equidade Organização Mundial da Saúde Conferência Mundial sobre Determinantes Sociais da Saúde Rio de Janeiro Brasil De 19 a 21 de Outubro de 2011 Declaração Política do Rio sobre Determinantes

Leia mais

CONFERENCIA NACIONAL SOBRE EMPREGOS VERDES: CAMINHOS PARA UM FUTURO SUSTENTÁVEL. Discurso da Coordenadora Residente, Senhora Ulrika Richardson

CONFERENCIA NACIONAL SOBRE EMPREGOS VERDES: CAMINHOS PARA UM FUTURO SUSTENTÁVEL. Discurso da Coordenadora Residente, Senhora Ulrika Richardson CONFERENCIA NACIONAL SOBRE EMPREGOS VERDES: CAMINHOS PARA UM FUTURO SUSTENTÁVEL Mindelo, 24 de Julho de 2015 Discurso da Coordenadora Residente, Senhora Ulrika Richardson Senhora Ministra da Juventude,

Leia mais

Declaração de Brasília sobre Trabalho Infantil

Declaração de Brasília sobre Trabalho Infantil Declaração de Brasília sobre Trabalho Infantil Nós, representantes de governos, organizações de empregadores e trabalhadores que participaram da III Conferência Global sobre Trabalho Infantil, reunidos

Leia mais

FUNDO NEPAD/ESPANHA PARA O EMPODERAMENTO DAS MULHERES AFRICANAS (O FUNDO)

FUNDO NEPAD/ESPANHA PARA O EMPODERAMENTO DAS MULHERES AFRICANAS (O FUNDO) FUNDO NEPAD/ESPANHA PARA O EMPODERAMENTO DAS MULHERES AFRICANAS (O FUNDO) SELECÇÃO PROVISÓRIA DOS PAÍSES ELEGÍVEIS PARA O FUNDO NO CONTEXTO DO 2º APELO PARA SUBMISSÃO DE PROPOSTAS 24 DE NOVEMBRO DE 2010

Leia mais

4. Trata-se de uma estratégia complementar à cooperação Norte-Sul e que não tem o objetivo de substituí-la.

4. Trata-se de uma estratégia complementar à cooperação Norte-Sul e que não tem o objetivo de substituí-la. VI REUNIÃO PARDEV 17/5/2012 Fala abertura Laís Abramo 1. A Cooperação Sul Sul é um importante e estratégico instrumento de parceria (partnership) para o desenvolvimento, capaz de contribuir para o crescimento

Leia mais

Discurso do Ministro de Estado da Educação do Brasil, Fernando Haddad

Discurso do Ministro de Estado da Educação do Brasil, Fernando Haddad Discurso do Ministro de Estado da Educação do Brasil, Fernando Haddad Debate sobre Política Geral da 34 a. Conferência Geral da UNESCO Paris, Unesco, Sessão Plenária, 18 de outubro de 2007 Senhor Presidente,

Leia mais

Preâmbulo. Rumo a 2030: uma nova visão para a educação

Preâmbulo. Rumo a 2030: uma nova visão para a educação Preâmbulo 1. Nós, ministros, chefes e membros de delegações, chefes de agências e oficiais de organizações multilaterais e bilaterais e representantes da sociedade civil, dos docentes, da juventude e do

Leia mais

Tema: Promover a Inclusão Social para a Energia Sustentável para Todos

Tema: Promover a Inclusão Social para a Energia Sustentável para Todos Nota explicativa CEDEAO - Workshop sobre Gênero e Energia para Validação da Política da CEDEAO para a Integração do Género no acesso à energia Tema: Promover a Inclusão Social para a Energia Sustentável

Leia mais

Conferência da UA dos Ministros da Indústria - 20ª Sessão Ordinária

Conferência da UA dos Ministros da Indústria - 20ª Sessão Ordinária Conferência da UA dos Ministros da Indústria - 20ª Sessão Ordinária Acelerar a Industrialização em África no Âmbito da Agenda de Desenvolvimento Pós-2015 Reunião de Ministros 13-14 Junho de 2013 Pontos:

Leia mais

HELEN CLARK. Um mundo melhor, mais justo e seguro. A candidata neozelandesa a Secretária-Geral das Nações Unidas

HELEN CLARK. Um mundo melhor, mais justo e seguro. A candidata neozelandesa a Secretária-Geral das Nações Unidas HELEN CLARK Um mundo melhor, mais justo e seguro A candidata neozelandesa a Secretária-Geral das Nações Unidas Segunda-feira, 11 de abril de 2016 Excelentíssimo Senhor: Estou honrada por ser a candidata

Leia mais

O COMPROMISSO DE BRAZZAVILLE NO AVANÇO EM DIRECÇÃO AO ACESSO UNIVERSAL AO TRATAMENTO, CUIDADOS, APOIO E PREVENÇÃO DO VIH E SIDA EM ÁFRICA ATÉ 2010

O COMPROMISSO DE BRAZZAVILLE NO AVANÇO EM DIRECÇÃO AO ACESSO UNIVERSAL AO TRATAMENTO, CUIDADOS, APOIO E PREVENÇÃO DO VIH E SIDA EM ÁFRICA ATÉ 2010 O COMPROMISSO DE BRAZZAVILLE NO AVANÇO EM DIRECÇÃO AO ACESSO UNIVERSAL AO TRATAMENTO, CUIDADOS, APOIO E PREVENÇÃO DO VIH E SIDA EM ÁFRICA ATÉ 2010 Brazzaville, República do Congo 8 de Março de 2006 1.

Leia mais

Governança Sustentável nos BRICS. Resumo executivo

Governança Sustentável nos BRICS. Resumo executivo Governança Sustentável nos BRICS Resumo executivo Sumário executivo A rapidez com que, nos últimos anos, as economias emergentes do Brasil, da Rússia, da Índia, da China e da África do Sul vêm se aproximando

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS CONFERÊNCIA SOBRE OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS CONFERÊNCIA SOBRE OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS CONFERÊNCIA SOBRE OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO Grupo de Trabalho 4: Fortalecendo a educação e o envolvimento da sociedade civil com relação ao vírus HIV, malária

Leia mais

A SAÚDE NA AGENDA DO DESENVOLVIMENTO GLOBAL PÓS-2015

A SAÚDE NA AGENDA DO DESENVOLVIMENTO GLOBAL PÓS-2015 A SAÚDE NA AGENDA DO DESENVOLVIMENTO GLOBAL PÓS-2015 Documento de Posicionamento 1 IMVF Documento de Posicionamento A SAÚDE DA AGENDA PARA O DESENVOLVIMENTO GLOBAL PÓS-2015 Documento de Posicionamento

Leia mais

NOTA DE INFORMAÇÃO. (12:00 Nova York, 18:00 Genbra, 22:30 Déli, 02:00 26 de novembro de 2015 Tóquio) FATOS E DADOS

NOTA DE INFORMAÇÃO. (12:00 Nova York, 18:00 Genbra, 22:30 Déli, 02:00 26 de novembro de 2015 Tóquio) FATOS E DADOS NOTA DE INFORMAÇÃO EMBARGO O conteúdo deste Nota de Informação e do Relatório a que ela se refere não podem ser reproduzidos ou resumidos na mídia escrita, televisiva, radiofônica ou digital antes do dia

Leia mais

EXPERIÊNCIA DE MOÇAMBIQUE NA IMPLEMENTAÇÃO DA SEGURANÇA SOCIAL BÁSICA

EXPERIÊNCIA DE MOÇAMBIQUE NA IMPLEMENTAÇÃO DA SEGURANÇA SOCIAL BÁSICA REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA MULHER E DA ACÇÃO SOCIAL EXPERIÊNCIA DE MOÇAMBIQUE NA IMPLEMENTAÇÃO DA SEGURANÇA SOCIAL BÁSICA 16 DE OUTUBRO DE 2013 1 CONTEXTO DE MOÇAMBIQUE Cerca de 23 milhões de

Leia mais

Documento em construção. Declaração de Aichi-Nagoya

Documento em construção. Declaração de Aichi-Nagoya Documento em construção Declaração de Aichi-Nagoya Declaração da Educação para o Desenvolvimento Sustentável Nós, os participantes da Conferência Mundial da UNESCO para a Educação para o Desenvolvimento

Leia mais

AFRICAN UNION UNION AFRICAINE

AFRICAN UNION UNION AFRICAINE Conferência Internacional sobre a Saúde Materna, Neonatal e Infantil em África 01 a 03 de agosto de 2013, Joanesburgo, África do Sul Comunicado Primeiras Consultas Ministeriais Multisetoriais sobre a Saúde

Leia mais

O Brasil e o IDH. No mês de setembro de 2005 o PNUD (Programa das Nações Unidas para o

O Brasil e o IDH. No mês de setembro de 2005 o PNUD (Programa das Nações Unidas para o O Brasil e o IDH No mês de setembro de 2005 o PNUD (Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento) divulgou o Relatório de Desenvolvimento Humano (RDH 2005), com a análise de 177 países. Com dados

Leia mais

Consulta com os Presidentes das Comissões de Saúde & Finanças dos Parlamentos Africanos. sobre

Consulta com os Presidentes das Comissões de Saúde & Finanças dos Parlamentos Africanos. sobre Consulta com os Presidentes das Comissões de Saúde & Finanças dos Parlamentos Africanos sobre As Recomendações do Grupo de Trabalho de Alto Nível sobre o Financiamento Internacional Inovador aos Sistemas

Leia mais

Discurso da ministra do Planejamento, Miriam Belchior, no seminário Planejamento e Desenvolvimento: Experiências Internacionais e o Caso do Brasil

Discurso da ministra do Planejamento, Miriam Belchior, no seminário Planejamento e Desenvolvimento: Experiências Internacionais e o Caso do Brasil Discurso da ministra do Planejamento, Miriam Belchior, no seminário Planejamento e Desenvolvimento: Experiências Internacionais e o Caso do Brasil Brasília, 22 de novembro de 2012 É uma honra recebê-los

Leia mais

EDUCAÇÃO PARA TODOS DECLARAÇÃO DE COCHABAMBA

EDUCAÇÃO PARA TODOS DECLARAÇÃO DE COCHABAMBA BR/2001/PI/H/4 EDUCAÇÃO PARA TODOS DECLARAÇÃO DE COCHABAMBA Os Ministros da Educação da América Latina e do Caribe, reunidos a pedido da UNESCO, na VII Sessão do Comitê Intergovernamental Regional do Projeto

Leia mais

Nações Unidas A/RES/64/236. 31 de março de 2010

Nações Unidas A/RES/64/236. 31 de março de 2010 Nações Unidas A/RES/64/236 Assembleia Geral Sexagésima quarta sessão Agenda item 53 (a) Resolução adotada pela Assembleia Geral [sobre o relatório do Segundo Comitê (A/64/420/Add.1)] Distr.: Geral 31 de

Leia mais

I REUNIÃO DE MINISTROS DA ENERGIA DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA. Cascais, 23 de junho de 2015. Declaração de Cascais

I REUNIÃO DE MINISTROS DA ENERGIA DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA. Cascais, 23 de junho de 2015. Declaração de Cascais I REUNIÃO DE MINISTROS DA ENERGIA DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA Cascais, 23 de junho de 2015 Declaração de Cascais Os Ministros responsáveis pela Energia da Comunidade dos Países de Língua

Leia mais

NOTA CONCEPTUAL Rev.5

NOTA CONCEPTUAL Rev.5 AFRICAN UNION UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA Addis Ababa, ETHIOPIA P. O. Box 3243 Telephone : 517 700 Fax : 517844 website: www. africa-union.org SEGUNDO FÓRUM PAN-AFRICANO SOBRE A POSIÇÃO COMUM AFRICANA

Leia mais

ENCONTRO DE MINISTROS DA AGRICULTURA DAS AMÉRICAS 2011 Semeando inovação para colher prosperidade

ENCONTRO DE MINISTROS DA AGRICULTURA DAS AMÉRICAS 2011 Semeando inovação para colher prosperidade ENCONTRO DE MINISTROS DA AGRICULTURA DAS AMÉRICAS 2011 Semeando inovação para colher prosperidade DECLARAÇÃO DOS MINISTROS DA AGRICULTURA, SÃO JOSÉ 2011 1. Nós, os Ministros e os Secretários de Agricultura

Leia mais

ENCONTRO DA MEIA DÉCADA DO FÓRUM CONSULTIVO INTERNACIONAL SOBRE EDUCAÇÃO PARA TODOS Aman, Jordânia, 16-19 de Junho de 1996.

ENCONTRO DA MEIA DÉCADA DO FÓRUM CONSULTIVO INTERNACIONAL SOBRE EDUCAÇÃO PARA TODOS Aman, Jordânia, 16-19 de Junho de 1996. Doe, EOOCAC'~ 1-fJ~ Tõ~-5. - " ~ 9qr;, ENCONTRO DA MEIA DÉCADA DO FÓRUM CONSULTIVO INTERNACIONAL SOBRE EDUCAÇÃO PARA TODOS Aman, Jordânia, 16-19 de Junho de 1996. EDUCAÇÃO PARA TODOS: ATINGINDO O OBJETIVO

Leia mais

DOS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO (ODM) PARA OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL (ODS)

DOS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO (ODM) PARA OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL (ODS) DOS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO (ODM) PARA OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL (ODS) INTRODUÇÃO A Organização das Nações Unidas (ONU) está conduzindo um amplo debate entre governos

Leia mais

NOTA DE IMPRENSA. Embargado até 27/11/2007, às 10h (horário de Brasília) Aquecimento global vai ampliar as desigualdades na América Latina

NOTA DE IMPRENSA. Embargado até 27/11/2007, às 10h (horário de Brasília) Aquecimento global vai ampliar as desigualdades na América Latina NOTA DE IMPRENSA Embargado até 27/11/2007, às 10h (horário de Brasília) Aquecimento global vai ampliar as desigualdades na América Latina Relatório de desenvolvimento humano 2007/2008 estabelece o caminho

Leia mais

Crise e respostas de políticas públicas Brasil

Crise e respostas de políticas públicas Brasil Crise e respostas de políticas públicas Brasil Ipea - Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada BRASIL Jorge Abrahão de Castro Diretor da Diretoria de Estudos Sociais Brasília, 08 de setembro de 2009 Situação

Leia mais

www.busanhlf4.org 1 dezembro 2011

www.busanhlf4.org 1 dezembro 2011 PARCERIA DE BUSAN PARA UMA COOPERAÇÃO EFICAZ PARA O DESENVOLVIMENTO QUARTO FÓRUM DE ALTO NÍVEL SOBRE A EFICÁCIA DA AJUDA, BUSAN, REPÚBLICA DA COREIA, 29 DE NOVEMBRO 1º DE DEZEMBRO DE 2011 1. Nós, Chefes

Leia mais

No Centro da Transformação de África Estratégia para 2013-2022

No Centro da Transformação de África Estratégia para 2013-2022 Grupo do Banco Africano de Desenvolvimento No Centro da Transformação de África Estratégia para 2013-2022 Sumário Executivo A Estratégia do Banco Africano de Desenvolvimento para 2013-2022 reflecte as

Leia mais

O Ano Internacional do Saneamento 2008. Panorâmica

O Ano Internacional do Saneamento 2008. Panorâmica O Ano Internacional do Saneamento 2008 Panorâmica Um instantâneo da actual situação: 2,6 mil milhões de pessoas em todo o mundo não têm acesso a saneamento melhorado. 2 mil milhões vivem em zonas rurais.

Leia mais

Os Princípios do IDFC para Promover um Desenvolvimento Sustentável 1

Os Princípios do IDFC para Promover um Desenvolvimento Sustentável 1 Os Princípios do IDFC para Promover um Desenvolvimento Sustentável 1 I. Histórico O Clube Internacional de Financiamento ao Desenvolvimento (IDFC) é um grupo de 19 instituições de financiamento ao desenvolvimento

Leia mais

VI CRESCIMENTO ECONÔMICO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO

VI CRESCIMENTO ECONÔMICO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO VI CRESCIMENTO ECONÔMICO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO 1. Crescimento Econômico Conceitua-se crescimento econômico como "o aumento contínuo do Produto Interno Bruto (PIB) em termos globais e per capita,

Leia mais

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995)

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) 1. Nós, os Governos, participante da Quarta Conferência Mundial sobre as

Leia mais

climáticas? Como a África pode adaptar-se às mudanças GREEN WORLD RECYCLING - SÉRIE DE INFO GAIA - No. 1

climáticas? Como a África pode adaptar-se às mudanças GREEN WORLD RECYCLING - SÉRIE DE INFO GAIA - No. 1 Como a África pode adaptar-se às mudanças climáticas? Os Clubes de Agricultores de HPP alcançam dezenas de milhares ensinando sobre práticas agrícolas sustentáveis e rentáveis e de como se adaptar a uma

Leia mais

Visualização. de Direitos CE SR. AngolA

Visualização. de Direitos CE SR. AngolA AngolA Centro pelos Direitos Económicos e Sociais Folha Informativa No. 5 A Responsabilidade pelos Direitos Humanos de Forma Mais Gráfica Esta folha informativa está focalizada nos direitos económicos

Leia mais

Lutando Contra a Fome no Mundo RELATÓRIO ANUAL 2015. Foto: WFP/Isadora Ferreira

Lutando Contra a Fome no Mundo RELATÓRIO ANUAL 2015. Foto: WFP/Isadora Ferreira Lutando Contra a Fome no Mundo RELATÓRIO ANUAL 2015 Foto: WFP/Isadora Ferreira 2 WFP.ORG SUMÁRIO 04 07 APRESENTAÇÃO PARCERIAS GLOBAIS PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL 11 17 ASSISTÊNCIA TÉCNICA CONSOLIDA

Leia mais

Marcha Global contra o Trabalho Infantil Conferência Internacional sobre Trabalho Infantil na Agricultura Washington DC, EUA 28-30 julho, 2012

Marcha Global contra o Trabalho Infantil Conferência Internacional sobre Trabalho Infantil na Agricultura Washington DC, EUA 28-30 julho, 2012 Marcha Global contra o Trabalho Infantil Conferência Internacional sobre Trabalho Infantil na Agricultura Washington DC, EUA 28-30 julho, 2012 MARCO DE AÇÃO A Conferência Internacional sobre Trabalho Infantil

Leia mais

Dos Objectivos de Desenvolvimento do Milénio(ODM) aos Objectivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS).

Dos Objectivos de Desenvolvimento do Milénio(ODM) aos Objectivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS). Programa da Nações Unidas para o Desenvolvimento Dos Objectivos de Desenvolvimento do Milénio(ODM) aos Objectivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS). Seminário: O caminho para a dignidade até 2030 Organizações

Leia mais

VERSÃO PRELIMINAR ACORDO INTERGOVERNAMENTAL SOBRE A REDE TRANSAFRICANA DE AUTOESTRADAS

VERSÃO PRELIMINAR ACORDO INTERGOVERNAMENTAL SOBRE A REDE TRANSAFRICANA DE AUTOESTRADAS VERSÃO PRELIMINAR ACORDO INTERGOVERNAMENTAL SOBRE A REDE TRANSAFRICANA DE AUTOESTRADAS ACORDO INTERGOVERNAMENTAL SOBRE A REDE TRANSAFRICANA DE AUTOESTRADAS PREÂMBULO Considerando o Ato Constitutivo da

Leia mais

www.pwc.com/payingtaxes Paying Taxes 2014 Portugal e a CPLP Jaime Esteves 3 de dezembro de 2013, Lisboa

www.pwc.com/payingtaxes Paying Taxes 2014 Portugal e a CPLP Jaime Esteves 3 de dezembro de 2013, Lisboa www.pwc.com/payingtaxes Paying Taxes 2014 Portugal e a CPLP Jaime Esteves 3 de dezembro de 2013, Lisboa Agenda 1. A metodologia do Paying Taxes 2. Resultados de Portugal 3. Resultados da CPLP 4. Reforma

Leia mais

Investir na Saúde em África

Investir na Saúde em África Harmonização da Saúde em África Investir na Saúde em África Cenário para Reforçar os Sistemas na Procura de Melhores Produtos da Saúde Resumo Porquê um cenário de investimento em África? Investir nos sistemas

Leia mais

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE Adoptada pelos Ministros da Saúde e Ministros do Ambiente na Segunda Conferência Interministerial sobre Saúde e

Leia mais

A Declaração de Jacarta. sobre Promoção da Saúde no Século XXI

A Declaração de Jacarta. sobre Promoção da Saúde no Século XXI A Declaração de Jacarta sobre Promoção da Saúde no Século XXI * * * * * * * * * * * * * * * * * ** * * * * * * * * * A Declaração de Jacarta sobre Promoção da Saúde no Século XXI * * * * * * * * * * *

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 3 COMBATE À POBREZA ÁREA DE PROGRAMAS

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 3 COMBATE À POBREZA ÁREA DE PROGRAMAS CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 3 COMBATE À POBREZA ÁREA DE PROGRAMAS Capacitação dos pobres para a obtenção de meios de subsistência sustentáveis Base para

Leia mais

50 o CONSELHO DIRETOR 62 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL

50 o CONSELHO DIRETOR 62 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE 50 o CONSELHO DIRETOR 62 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL Washington, D.C., EUA, 27 de setembro a 1 o. de outubro de 2010 CD50/DIV/3 ORIGINAL:

Leia mais

Desenvolvimento humano em África

Desenvolvimento humano em África Capítulo 4 Desenvolvimento humano em África Este capítulo analisa o desenvolvimento em África na ótica do desenvolvimento humano. É utilizada uma abordagem subregional para analisar os resultados no alargamento

Leia mais

Fórum de Diálogo IBAS

Fórum de Diálogo IBAS Fórum de Diálogo IBAS, e do Sul Integração SUL-SUL Fórum de Mulheres FÓRUM De DIÁLOGO IBAS, e do Sul O Fórum IBAS é uma iniciativa trilateral entre, e do Sul, desenvolvida para promover a cooperação Sul-

Leia mais

O UNAIDS anuncia que o objetivo de alcançar 15 milhões de pessoas em tratamento para o HIV foi alcançado 9 meses antes do prazo

O UNAIDS anuncia que o objetivo de alcançar 15 milhões de pessoas em tratamento para o HIV foi alcançado 9 meses antes do prazo C O M U N I C A D O À I M P R E N S A O UNAIDS anuncia que o objetivo de alcançar 15 milhões de pessoas em tratamento para o HIV foi alcançado 9 meses antes do prazo O mundo superou as metas para AIDS

Leia mais

Protecção Social em Moçambique

Protecção Social em Moçambique Republica de Moçambique Missão de Estudo Brasil - África de Cooperação e Promoção da Protecção Social Protecção Social em Moçambique Brasília, 25 de Agosto de 2008 Protecção Social em Moçambique Protecção

Leia mais