Empreendedores fundadores e a sua participação em Cooperativas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Empreendedores fundadores e a sua participação em Cooperativas"

Transcrição

1 25 Empreendedores fundadores e a sua participação em Cooperativas Rosimeire Ayres. Mestre em Administração de Recursos Humanos pela UNIMONTE; Pós-Graduação em Informática (UNISANTA) e Metodologia do Ensino Superior (Mackenzie); Várias Especializações em Administração e Planejamento (FGV, UNISANTOS); Bacharel em Matemática(Fundação Santo André). Trabalha há 25 anos com organização, sistemas & métodos e administração geral, ocupando funções gerenciais e de direção. Professora universitária na área de administração (UNIMES, UNIMONTE e UNISANTA) e Consultora de Empresas. RESUMO Ser empreendedor é possuir características diferenciadas, tais como assumir riscos, necessidade de realização e autoconfiança. O empreendedor é atraído pela independência e liberdade de supervisão impostas por regras burocráticas das organizações, procura libertar-se dos limites de pagamento padronizado para funcionários regidos pela CLT e das rotinas de empregos não-desafiadores. Para aqueles que não querem ser empregados, existem várias opções: comprar uma empresa existente, criar uma nova empresa, ser sucessor em uma empresa familiar, adquirir uma franquia ou fundar e participar de uma Cooperativa. E é justamente sobre este último o assunto deste artigo, explicando a participação do empreendedor como fundador e sócio-cooperado de uma cooperativa. Analisando-se o quadro - 1 abaixo, verifica-se que existem vantagens para um empreendedor fazer parte de uma cooperativa, dependerá obviamente estar em 1 o lugar predisposto a trabalhar em equipe e que nessa equipe todos são sócios, porém, não existe um sócio majoritário ou comandante maior, tudo é resolvido mediante votação. Quadro 1 Diferenças entre Empresário x Sócio-cooperado. Empreendedor ( Sócio-cooperado) Empreendedor (Empresário) Cooperativa administra. Administra sozinho. Cooperativa desenvolve. Desenvolve sozinho. Cooperativa investe. Investe sozinho. Cooperativa compra equipamentos. Compra cozinho. Cooperativa treina via FATES. Desenvolve treinamento sozinho. Cooperativa busca clientes. Procura cliente sozinho. Não vai à falência. É dissolvida. Vai à falência. Responsabilidade diluída com os demais Assume responsabilidade total. sócios. Atua em cooperação. Atua sozinho. Cooperativa gera renda. Busca renda sozinho. Fonte: (Queiroz, 1997:57-8) adaptado pela pesquisadora.

2 26 EXPLICANDO O MOVIMENTO COOPERATIVISTA O movimento cooperativista não é nenhuma novidade, trata-se da união de pessoas para a formação de cooperativas seja ela nos segmentos agropecuário, trabalho, mineração, produção, serviço, educacional, crédito, consumo, habitacional, ou especial. A origem do movimento cooperativista surgiu na Inglaterra em 1844, onde 28 operários, todos tecelões, fundaram a Sociedade dos Probos Pioneiros de Rochdale Ltda (figura 1), organizaram uma cooperativa de consumo para que todos pudessem ter acesso à compra de alimentos, vestuários, ferramentas e materiais necessários à execução de diferentes trabalhos, sem depender dos grandes negociantes. Era uma cooperativa de consumo, formada por tecelões denominada Rochdale Society of Equitable Pioneers. No Brasil o movimento cooperativista iniciou-se em 1847, quando o médico francês Jean Maurice Faivre, funda a colônia Tereza Cristina, nos sertões do Paraná. Essa organização contribui para a memória coletiva, como elemento formador do cooperativismo brasileiro. A NECESSIDADE DO CONHECIMENTO E PRÁTICA DOS PRINCÍPIOS COOPERATIVISTAS. Você como empreendedor e que pretende entrar para uma cooperativa ou mesmo fundar uma, deverá conhecer os Princípios Cooperativistas vigentes desde 1966 e votados pela ACI Aliança Cooperativa Internacional, no seu XXXI congresso em Manchester, Inglaterra. Os famosos sete princípios passam a ter a seguinte redação: 1. Adesão livre e voluntária; 2. Controle democrático pelos sócios; 3. Participação econômica dos sócios; 4. Autonomia e Independência; 5. Educação, treinamento e informação; 6. Cooperação entre cooperativas; 7. Preocupação com a comunidade (OCESP, 1996). A PARTICIPAÇÃO DO EMPREENDEDOR NA COOPERATIVA. O empreendedor deverá estar consciente que em uma cooperativa, não existem donos, todos são sócios autônomos e não existem chefes. Para fundar uma cooperativa, é necessário observar algumas características estabelecidas pela Lei 5.764/71, que define a Política Nacional de Cooperativismo, quais sejam: a) Número mínimo de vinte associados; b) Capital variável, representado por quotas-partes, para cada associado, inacessíveis a terceiros, estranhos à sociedade; c) Limitação do número de quotas-partes, para cada associado; d) Singularidade de voto, podendo as cooperativas centrais, federações e confederações de cooperativas, exceção feita às de crédito, optar pelo critério de proporcionalidade;

3 27 e) Quorum para as assembléias, baseado no número de associados e não no capital; f) Retorno das sobras líquidas do exercício, proporcionalmente às operações realizadas pelo sócio-cooperado; g) Prestação de assistência ao associado; h) Fornecimento de serviços a terceiros atendendo a seus objetivos sociais. O PAPEL DO CONSELHO ADMINISTRATIVO E FISCAL NA COOPERATIVA. O Conselho Administrativo e Fiscal é eleito em Assembléia Geral. O dia, hora e local da assembléia deverá ser divulgado em jornal de ampla divulgação e conhecimento dos sócios. Os sócios-cooperados reunidos elegem o Conselho de Administração e o Conselho Fiscal. A assembléia é o órgão máximo da cooperativa. Dentro dos limites legais e estatutários é que se deliberam os destinos da sociedade, tomando resoluções convenientes ao desenvolvimento e à defesa da cooperativa, sendo certo que suas deliberações vinculam a todos os cooperados, ainda que ausentes ou discordantes. Para o Conselho Administrativo são eleitos os diretores: Presidente Vice- Presidente e demais diretores que o grupo ache necessário, tais como Comercial, Administrativo, etc. Também são definidas as atribuições de cada diretor, bem como o pró-labore. Tudo será aprovado e registrado no Estatuto Social, para um mandato de até 4 anos. Os eleitos deverão ser sócios-cooperados e não podem ter vínculo familiar até o 2 o grau. O Conselho fiscal é eleito anualmente, e registrado na Ata da assembléia, onde são estabelecidas suas responsabilidades como auditores do conselho administrativo, bem como valor da cédula de participação mensal. Tudo é claro e transparente para todos os sócios. O ESTATUTO SOCIAL DA COOPERATIVA Elaborar o Estatuto Social da Cooperativa conforme estabelece a Lei 5.764/71. O Estatuto deverá ser aprovado em Assembléia Geral e registrado na Junta Comercial. Todo sócio-cooperado deverá ter acesso à cópia do estatuto para conhecimento de seus direitos e deveres para com a cooperativa. Qualquer assunto que não esteja no estatuto deverá ser colocado para votação em Assembléia. Sugere-se a contratação de um advogado para elaboração desse estatuto. O Sebrae e a OCB podem realizar essa consultoria especializada. O EMPREENDEDOR NA AUTOGESTÃO DA COOPERATIVA. O empreendedor como sócio-cooperado deverá participar na elaboração do planejamento da sociedade cooperativa, com objetivos e metas tangíveis a serem alcançadas, estabelecendo-se estratégias, ações e prazos. Poderá ser realizado um comitê constituído por sócios, para execução e acompanhamento do planejamento. A cooperativa poderá contratar consultores e funcionários para auxilia-los nos processos que se fizerem necessários para o atendimento dos objetivos.

4 28 A autogestão é autocontrolar-se, autoadministrar-se, autofiscalizar-se. É importante que o Estatuto Social já estabeleça as normas e procedimentos necessários, tais como: a) Procedimentos para adesão do sócio-cooperado.... uma empresa qualquer que errou no processo seletivo e contratou a pessoa com perfil inadequado para o cargo: nenhum programa de treinamento, por melhor que seja, vai resolver esse problema! (Rios, 1998:99-100). b) Divulgação dos contratos fechados e vagas existentes através de Boletim Informativo encaminhados aos sócios-cooperados e afixados na cooperativa. c) Procedimentos para o sócio-cooperado desligar-se da cooperativa. O sócio-cooperado não pode ser demitido de uma cooperativa. Pode somente ser eliminado do quadro associativo, em virtude de infração legal que possa trazer dificuldades à cooperativa, ou disposições descritas no estatuto social. Na exclusão por morte do sócio-cooperado, todos os direitos e obrigações são transferidos aos herdeiros ou beneficiários legais, conforme disposições descritas no estatuto social. d) Ter sócios-cooperados como gestor de negócio ou gestor de contrato. Quaisquer problemas são dirigidos ao gestor do contrato que procura solucioná-los, ele é a ponte entre o sócio-cooperado e o cliente/contratante. e) Meios para auto-sustentação econômico-financeira f) Realizar avaliação de satisfação do sócio-cooperado com a cooperativa g) Procedimentos para cobertura de sócio-cooperado em contratos. O sóciocooperado pode participar em mais de um contrato e em diferentes funções, sendo remunerado pelo volume de trabalho que realiza, seu ganho é por produtividade, trabalhou ganhou, não trabalhou não ganhou. Quando o sóciocooperado não puder comparecer ao trabalho agendado no cliente, deve contatar o gestor do contrato, para que providencie o envio de outro sócio-cooperado, ou seja, o cliente sempre será atendido, não havendo a pessoalidade. h) Um programa de capacitação cooperativista para dirigentes, funcionários e associados. i) Um programa de organização do quadro social. j) Existência de condições de transparência administrativa entre os conselhos, auditoria e assessorias. O EMPREENDEDOR E A UTILIZAÇÃO DO FATES PARA TREINAMENTO. O FATES - fundo de assistência técnica, educacional e social - é um dos fundos obrigatórios das cooperativas previstos no art. 28 da lei 5.764/71:... destinado à prestação de assistência aos associados, seus familiares e, quando previsto nos estatutos, aos empregados da cooperativa, constituído por 5% (cinco por cento) pelo menos das sobras líquidas apuradas no exercício. Para Benato (1997a: 85), um programa de capacitação é um programa de educação, que visa transformar um associado comum num associado consciente. Caplow citado por Wood (2000:169) descreve: Os comportamentos apropriados a uma posição organizacional não são adquiridos de uma vez e completamente, quando a posição é assumida, mas são aprendidos e reaprendidos durante o período de uma carreira.

5 29 A educação cooperativista é um processo e não atos isolados alguns até positivos, porém de resultados apenas imediatos. Sendo um processo, começa pelo estabelecimento de critérios adequados para a admissibilidade do interessado em filiar-se ao sistema cooperativo. OS CUIDADOS DO EMPREENDEDOR NA PRESTAÇÃO DO SERVIÇO DA COOPERATIVA. a) O sócio-cooperado não deve receber ordens ou punições dos tomadores. Os sócios-cooperados são profissionais autônomos e executam as suas atividades no tomador do serviço, de forma livre e não hierarquicamente limitados, eliminando o conceito de departamentalização controlada, ou seja, cada um executa a sua tarefa conforme lhe é designada. A cooperativa congrega profissionais de várias especialidades e os distribui na execução das atividades terceirizadas, assumidas junto ao tomador. b) O trabalho deverá ser prestado somente na atividade-meio do contratante e mediante contrato. É importante destacar que a relação cooperativista é uma forma de terceirização. A palavra terceirização segundo Queiroz (1998: 53), é uma técnica administrativa que possibilita o estabelecimento de um processo gerenciado de transferência, a terceiros, das atividades acessórias e de apoio ao escopo das empresas que é a sua atividade-fim, permitindo a estas se concentrarem no seu negócio, ou seja, no objetivo final. Portanto deverá existir um contrato de prestação de serviços, que tem características diferentes do contrato de emprego. O contrato de prestação de serviços sempre envolverá pessoas jurídicas, tendo de um lado, a tomadora, e do outro, a prestadora de serviços, que neste caso será uma cooperativa. Sendo objeto do contrato a compra e venda de serviços, o que importa para a empresa contratante é o resultado final: compram-se serviço, e não o trabalho de alguém em especial. No contrato é discriminada a forma de remuneração do sócio-cooperado, que deverá ser por produtividade ou trabalho realizado. O empreendedor deverá ter atenção especial com a Lei n. º de 3/1/74: A contratação de trabalhadores por empresa interposta é ilegal, formando-se o vínculo diretamente com o tomador dos serviços. Portanto é imprescindível a leitura e conhecimento de toda a legislação estabelecida para as cooperativas, ou se for o caso, ter uma excelente consultoria, para que os erros não sejam fatais. c) A intermediação de mão-de-obra. A intermediação de mão-de-obra é conhecida como Fraudofraudocooperativas, gatocooperativas e as coopergatos e surgem com mais freqüências na área agrícolas, onde a desinformação e a simplicidade do trabalhador é comum. São também encontradas nas áreas urbanas com mais freqüências na área da construção civil e terceirização de áreas simples (cf. Ferrari, 1999:39). Essas cooperativas de risco arregimentam mão-de-obra, normalmente fora da área de sua atuação, e transportam os trabalhadores para os locais de trabalho e lá os alojam em instalações precárias e totalmente desconfortáveis.

6 30 Intermediar é estar no meio, é interceder. Nas relações de trabalho, a intermediação é proibida porque o intermediário normalmente é aquele que se coloca entre o tomador e o prestador do serviço ou trabalho, com o objetivo de obter vantagens às custas de ambos. Esse tipo de cooperativa de risco se forma, com atitudes ardilosas e ilusórias, conduzidas por pessoas inescrupulosas que convencem os trabalhadores a se associarem a uma cooperativa de trabalho, mostrando-lhes condições e situações mascaradas. São cooperativas que: Não distribuem os lucros aos sócios-cooperados; Os sócios não são informados de seus direitos e deveres na sociedade que participam; Os sócios-cooperados não participam de assembléias e não exercem as prerrogativas que a Lei 5.764/71 lhes concede; Não existe o FATES (Fundo para Treinamento) ou quaisquer fundos; Não realizam treinamento sobre o cooperativismo, com todos os esclarecimentos dos direitos, deveres e obrigações; O Estatuto Social não é distribuído aos sócios; As decisões são tomadas por um grupo de pessoas, sem a aprovação dos demais cooperados, ou por um administrador contratado por uma remuneração elevada; Os destinos da sociedade são dirigidos pelo gato. Os conselhos administrativo e fiscal são meras figurações. Esse tipo de cooperativa é uma fraude e precisa ser combatido, pela fiscalização da DRT, do INSS, pelos Sindicatos, pela Justiça do Trabalho, pelo movimento cooperativista e denunciado pelos sócios-cooperados. O EMPREENDEDOR E OS CUIDADOS COM A PREVIDÊNCIA SOCIAL NA COOPERATIVA. Todo sócio-cooperado deverá realizar sua inscrição como autônomo no INSS, somente desta forma haverá garantias tanto para a cooperativa quanto para o sócio-cooperado. Para o sócio-cooperado autônomo, o art. 202 da Constituição Federal de 1988 assegura aposentadoria. O 15, inciso IV, do art. 9. do Decreto n. º /99 determina que são trabalhadores autônomos, entre outros: o trabalhador associado à cooperativa que, nessa qualidade, presta serviços a terceiros. Portanto, para a Previdência Social a cooperativa é considerada uma empresa, assim como o trabalhador a ela associado; são segurados obrigatórios e, portanto devem a ela contribuir para dela poderem usufruir das prestações e benefícios constantes de seus planos. A Instrução Normativa n. º 05/96, no subitem n. º 01, estabelece que o tomador de serviços é responsável pelo recolhimento de 15% sobre o total da nota fiscal emitidas por intermédio de Cooperativas. Já os sócios-cooperados, cadastrados como trabalhadores autônomos, a partir de 14/11/99 passam a recolher 20% sobre a remuneração recebida.

7 31 A VISÃO SINDICAL DA TERCEIRIZAÇÃO ATRAVÉS DE COOPERATIVAS. As cooperativas não participam de sindicatos patronais e os seus sócioscooperados não são filiados a nenhuma categoria sindical, em virtude de a sua caracterização organizacional não ser trabalhista, mas sim eminentemente civil. Conforme Queiroz (1997:124), as cooperativas de trabalho são vistas pelos sindicatos como entidades concorrentes e que fraudam os direitos trabalhistas. Eles sentem que as cooperativas estão desviando os trabalhadores dos sindicatos, provocando redução nos recolhimentos das mensalidades, diminuindo a base e o poder de influência sindical. O empreendedor deve manter boas relações com os sindicatos, ambas as organizações são instrumentos importantes, porque preparam seus associados para a autogestão. Na medida em que aumenta o desemprego e, por outro lado, reduzem-se, as possibilidades de o trabalhador empregar-se, é importante que os sindicatos profissionais estimulem alternativas de trabalho juntamente com os empreendedores que participam do movimento cooperativista. Comentários gerais O empreendedor e a sociedade devem ser preparados para reconhecer, explícita e claramente, que o trabalho associado em uma cooperativa é uma relação diferente daquela do trabalho assalariado e subordinado. Uma relação cooperativada só trará vantagens para todos se forem tomados os cuidados que passam pela escolha dos parceiros, quer sejam os sócios que farão parte da cooperativa quer sejam os clientes/contratantes. Caso contrário, a relação pode resultar em fracasso, pela adoção de práticas inadequadas. É importante que haja profissionalismo da diretoria e um conselho fiscal próativo e focado nas auditorias preventivas. Uma cooperativa deve realizar a política de boa vizinhança com sindicatos, conselhos profissionais, associações comerciais, escolas e outras instituições afins. É necessário que haja um planejamento estratégico centrado em: Plano diretor de marketing; Treinamento de recursos humanos e desenvolvimento de educação/cultura cooperativista; Captação de novos clientes. E finalizando, é imprescindível que não haja a exploração do trabalhador simplesmente para obter a redução de custos, tendo como paradoxo à história do capital-trabalho. A cooperativa é uma alternativa crescente no contexto econômicosocial quer seja para o empreendedor como sócio-cooperado e prestando serviço ou para o empreendedor que contrata uma cooperativa.

8 32 Referências Bibliográficas BENATO, João Vitorino Azolin. O ABC do Cooperativismo. 4 a. ed. São Paulo: OCESP, 1997a. BRASIL. Constituição Federal de Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado, BRASIL. Decreto Lei n , de 16/12/71. Ministério da Agricultura. INCRA. Secretaria de Agricultura e Abastecimento. Disciplina a política nacional de cooperativismo. BRASIL. Decreto Lei n de 03/01/1974. Disponível em:< Acesso em 10/11/2001. BRASIL. Decreto Lei n de Aprova o regulamento da Previdência Social e as cooperativas. CAPLOW, t. Principle of organization. New York: Hartcout Brade & Word, In: DOLABELA, Fernando. Oficina do Empreendedor. São Paulo: Cultura Editores Associados, FERRARI, Irany. Cooperativa de Trabalho exigência legal. São Paulo: LTr, GIOSA, Lívio. Terceirização. São Paulo: STS, OCB Organização Cooperativas Brasileiras. Coleção História do Cooperativismo. O cooperativismo no Brasil. OCB. Brasília, QUEIROZ, Carlos Alberto Ramos Soares de. Manual da cooperativa de serviços e trabalho. São Paulo: STS, RIOS, Luiz Oliveira. Cooperativas brasileiras: manual de sobrevivência & crescimento sustentável. São Paulo: STS, SARATT, Newton. Cooperativas de Trabalho: um diferencial inteligente. Porto Alegre: Ipsis Litteris, SEBRAE. Manual prático de Cooperativismo de Trabalho. São Paulo: Sebrae, 1997.

COOPERATIVAS DE TRABALHO E OS IMPACTOS ECONÔMICOS DA SUA CONTRATAÇÃO Rosimeire Ayres

COOPERATIVAS DE TRABALHO E OS IMPACTOS ECONÔMICOS DA SUA CONTRATAÇÃO Rosimeire Ayres COOPERATIVAS DE TRABALHO E OS IMPACTOS ECONÔMICOS DA SUA CONTRATAÇÃO Rosimeire Ayres Mestre em Administração de Recursos Humanos pela UNIMONTE; Pós-Graduação em Informática (UNISANTA) e Metodologia do

Leia mais

Associativismo e Cooperativismo. Diego Neves de Sousa Analista do setor de Transferência de Tecnologia

Associativismo e Cooperativismo. Diego Neves de Sousa Analista do setor de Transferência de Tecnologia Associativismo e Cooperativismo Diego Neves de Sousa Analista do setor de Transferência de Tecnologia O QUE É COOPERAR? Cooperar é trabalhar junto, é ajudar-se mutuamente, é tentar conseguir, com ajuda

Leia mais

IMPORTÃNCIA DA ATUAÇÃO DE UMA COOPERATIVA DE CRÉDITO RURAL NA CIDADE DE GARÇA E REGIÃO PARA ATENDER O SEGUIMENTO AGROPECUÁRIO.

IMPORTÃNCIA DA ATUAÇÃO DE UMA COOPERATIVA DE CRÉDITO RURAL NA CIDADE DE GARÇA E REGIÃO PARA ATENDER O SEGUIMENTO AGROPECUÁRIO. IMPORTÃNCIA DA ATUAÇÃO DE UMA COOPERATIVA DE CRÉDITO RURAL NA CIDADE DE GARÇA E REGIÃO PARA ATENDER O SEGUIMENTO AGROPECUÁRIO. GASPARELLO, Cibele Ferreira. Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e

Leia mais

SINDICATO E ORGANIZAÇÃO DAS COOPERATIVAS NO ESTADO DO TOCANTINS OCB/TO

SINDICATO E ORGANIZAÇÃO DAS COOPERATIVAS NO ESTADO DO TOCANTINS OCB/TO SINDICATO E ORGANIZAÇÃO DAS COOPERATIVAS NO ESTADO DO TOCANTINS OCB/TO A OCB/TO é formada por cooperativas singulares, federações e centrais de todos os ramos. Pela Lei 5.764/71, ainda em vigor, todas

Leia mais

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA 1 1. APRESENTAÇÃO Esta política estabelece os princípios e práticas de Governança Cooperativa adotadas pelas cooperativas do Sistema Cecred, abordando os aspectos de

Leia mais

ORIENTAÇÃO PARA CONSTITUIÇÃO DE COOPERATIVAS

ORIENTAÇÃO PARA CONSTITUIÇÃO DE COOPERATIVAS ORIENTAÇÃO PARA CONSTITUIÇÃO DE COOPERATIVAS 1. BREVE HISTÓRICO O cooperativismo objetiva difundir os ideais em que se baseia, para atingir o pleno desenvolvimento financeiro, econômico e social de todas

Leia mais

Foto: istockphoto.com/propagcomunica. Aqui você é dono

Foto: istockphoto.com/propagcomunica. Aqui você é dono Foto: istockphoto.com/propagcomunica Aqui você é dono A UNICRED/ASACRED tem como seus pilares dois importantes institutos: o cooperativismo, que vem promover a gestão participativa, equitativa e igualitária,

Leia mais

OS LUCROS E PREJUÍZOS NAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS INSERIDAS NO SISTEMA COOPERATIVISTA

OS LUCROS E PREJUÍZOS NAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS INSERIDAS NO SISTEMA COOPERATIVISTA OS LUCROS E PREJUÍZOS NAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS INSERIDAS NO SISTEMA COOPERATIVISTA Por: Vera Cristiane Costa Prezoto Introdução Diante do atual cenário de competitividade, as organizações buscam instrumentos

Leia mais

ESTATUTO MODELO DE ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PÚBLICO - OSCI P. Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS

ESTATUTO MODELO DE ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PÚBLICO - OSCI P. Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS ESTATUTO MODELO DE ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PÚBLICO - OSCI P Legenda: Texto em negrito: cláusulas que devem necessariamente constar do estatuto, por força da Lei nº 9.790/99 Texto em

Leia mais

Cooperativismo > História História do Cooperativismo

Cooperativismo > História História do Cooperativismo Cooperativismo > História História do Cooperativismo A origem do que hoje chamamos cooperativa tem data marcada: 21 de dezembro de 1844. Nesse dia, 27 tecelões e uma tecelã do bairro de Rochdale, em Manchester,

Leia mais

RESOLUÇÃO DO CONSELHO ADMINISTRATIVO Nº 001/2015, de 20 de abril de 2015.

RESOLUÇÃO DO CONSELHO ADMINISTRATIVO Nº 001/2015, de 20 de abril de 2015. RESOLUÇÃO DO CONSELHO ADMINISTRATIVO Nº 001/2015, de 20 de abril de 2015. Cria a CONEXÃO EDUCACIONAL, órgão suplementar vinculado à Coordenação Executiva. 1 O PRESIDENTE DO CONSELHO ADMINISTRATIVO DO INSTITUTO

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Aprovado pela Resolução nº 01/2013/CONSUP/IFTO, de 7 de março de 2013.

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Aprovado pela Resolução nº 01/2013/CONSUP/IFTO, de 7 de março de 2013. REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Aprovado pela Resolução nº 01/2013/CONSUP/IFTO, de 7 de março de 2013. PALMAS-TO MARÇO 2013 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 2 DA CATEGORIA... 2 FINALIDADE E OBJETIVOS...

Leia mais

PROJETO DE LEI DA CUT PARA A REGULAMENTAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO NAS EMPRESAS PRIVADAS E DE ECONOMIA MISTA

PROJETO DE LEI DA CUT PARA A REGULAMENTAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO NAS EMPRESAS PRIVADAS E DE ECONOMIA MISTA PROJETO DE LEI DA CUT PARA A REGULAMENTAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO NAS EMPRESAS PRIVADAS E DE ECONOMIA MISTA O texto que se segue foi elaborado pela CUT, por meio do GT Terceirização, coordenado pela Secretaria

Leia mais

DIREITO DO TRABALHO - Principais tipos de relação de trabalho

DIREITO DO TRABALHO - Principais tipos de relação de trabalho ROTEIRO DE AULAS - PARTE 4 DIREITO DO TRABALHO - Principais tipos de relação de trabalho Relação de Trabalho Autônomo: - Trabalhador autônomo é pessoa física que exerce por conta própria uma atividade

Leia mais

DECRETO Nº 14.407 DE 09 DE ABRIL DE 2013. Aprova o Regulamento do Sistema Financeiro e de Contabilidade do Estado, e dá outras providências.

DECRETO Nº 14.407 DE 09 DE ABRIL DE 2013. Aprova o Regulamento do Sistema Financeiro e de Contabilidade do Estado, e dá outras providências. DECRETO Nº 14.407 DE 09 DE ABRIL DE 2013 Aprova o Regulamento do Sistema Financeiro e de Contabilidade do Estado, e dá outras providências. (Publicado no DOE de 10 de abril de 2013) O GOVERNADOR DO ESTADO

Leia mais

CONCEITO NACIONAL DE EMPRESA JÚNIOR

CONCEITO NACIONAL DE EMPRESA JÚNIOR CONCEITO NACIONAL DE EMPRESA JÚNIOR Capítulo I Da definição Artigo 1º - O Conceito Empresa Júnior é a definição utilizada para determinar as organizações que se caracterizam ou não como Empresa Júnior.

Leia mais

AULA 10 Sociedade Anônima:

AULA 10 Sociedade Anônima: AULA 10 Sociedade Anônima: Conceito; características; nome empresarial; constituição; capital social; classificação. Capital aberto e capital fechado. Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e Bolsa de Valores.

Leia mais

CEMIG TRADING S.A. ESTATUTO SOCIAL. CAPÍTULO I Denominação, Sede, Objeto e Duração

CEMIG TRADING S.A. ESTATUTO SOCIAL. CAPÍTULO I Denominação, Sede, Objeto e Duração CEMIG TRADING S.A. O presente Estatuto é uma consolidação do aprovado pela Escritura Pública de Constituição, em 29-07-2002 - arquivada na JUCEMG em 12-08-2002, sob o nº 3130001701-0, e pelas Assembléias

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA DA BB PREVIDÊNCIA FUNDO DE PENSÃO BANCO DO BRASIL INTRODUÇÃO

CÓDIGO DE ÉTICA DA BB PREVIDÊNCIA FUNDO DE PENSÃO BANCO DO BRASIL INTRODUÇÃO CÓDIGO DE ÉTICA DA BB PREVIDÊNCIA FUNDO DE PENSÃO BANCO DO BRASIL INTRODUÇÃO Este Código de Ética é público e reúne diretrizes que norteiam o comportamento dos Conselheiros, Dirigentes e Colaboradores

Leia mais

ASSOCIATIVISMO. Fonte: Educação Sebrae

ASSOCIATIVISMO. Fonte: Educação Sebrae ASSOCIATIVISMO Fonte: Educação Sebrae O IMPORTANTE É COOPERAR A cooperação entre as pessoas pode gerar trabalho, dinheiro e desenvolvimento para toda uma comunidade COOPERAR OU COMPETIR? Cooperar e competir

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DE ATUAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA DA FUNDAÇÃO UNIPLAC DA NATUREZA, FINALIDADE E COMPOSIÇÃO

REGIMENTO INTERNO DE ATUAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA DA FUNDAÇÃO UNIPLAC DA NATUREZA, FINALIDADE E COMPOSIÇÃO REGIMENTO INTERNO DE ATUAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA DA FUNDAÇÃO UNIPLAC DA NATUREZA, FINALIDADE E COMPOSIÇÃO Art. 1º A Diretoria Executiva, subordinada ao Presidente da Fundação, é responsável pelas atividades

Leia mais

EMPRESA DE SERVIÇOS DE COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA S.A.

EMPRESA DE SERVIÇOS DE COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA S.A. EMPRESA DE SERVIÇOS DE COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA S.A. O presente Estatuto é uma consolidação do aprovado pela Escritura Pública de Constituição, em 25-07-2002 - arquivada na JUCEMG em 01-08-2002,

Leia mais

A Constituição Federal de 1988 estabeleceu:

A Constituição Federal de 1988 estabeleceu: A Constituição Federal de 1988 estabeleceu: Art. 8º É livre a associação profissional ou sindical, observado o seguinte: Art. 37º... VI - é garantido ao servidor público civil o direito à livre associação

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES E ADQUIRENTES DO CONDOMÍNIO ALTO DA BOA VISTA CAPÍTULO I - FINALIDADES

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES E ADQUIRENTES DO CONDOMÍNIO ALTO DA BOA VISTA CAPÍTULO I - FINALIDADES ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES E ADQUIRENTES DO CONDOMÍNIO ALTO DA BOA VISTA CAPÍTULO I - FINALIDADES Art. 1º A Associação dos Moradores e Adquirentes do Condomínio Alto da Boa Vista é uma sociedade

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO PRESIDÊNCIA PORTARIA FNDE Nº 344 DE 10 DE OUTUBRO DE 2008.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO PRESIDÊNCIA PORTARIA FNDE Nº 344 DE 10 DE OUTUBRO DE 2008. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO PRESIDÊNCIA PORTARIA FNDE Nº 344 DE 10 DE OUTUBRO DE 2008. Estabelece procedimentos e orientações sobre a criação, composição, funcionamento

Leia mais

CLIPPING Mídias de Primeiro Foco. Cliente: Fharos Data: 17/09/08 Veículo: DCI

CLIPPING Mídias de Primeiro Foco. Cliente: Fharos Data: 17/09/08 Veículo: DCI CLIPPING Mídias de Primeiro Foco Cliente: Fharos Data: 17/09/08 Veículo: DCI Cliente: Fharos Data: 10/09/08 Veículo: Executivos Financeiros 2 3 Cliente: Fharos Data: 12/09/08 Veículo: Canal Executivo 4

Leia mais

ESTATUTO DA EMPRESA JÚNIOR DA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE PRAIA GRANDE

ESTATUTO DA EMPRESA JÚNIOR DA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE PRAIA GRANDE ESTATUTO DA EMPRESA JÚNIOR DA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE PRAIA GRANDE FATEC JÚNIOR PRAIA GRANDE CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE E DURAÇÃO. Artigo 1º - A Empresa Júnior dos alunos da Faculdade

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS CAPÍTULO II DA FINALIDADE, VINCULAÇÃO E SEDE

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS CAPÍTULO II DA FINALIDADE, VINCULAÇÃO E SEDE LEI N. 2.031, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2008 Institui o Serviço Social de Saúde do Acre, paraestatal de direito privado, na forma que especifica. O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE seguinte Lei: FAÇO SABER que

Leia mais

CNPJ/MF nº 29.978.814/0001-87. Comitê de Auditoria Estatutário. Regimento Interno. Capítulo I Introdução

CNPJ/MF nº 29.978.814/0001-87. Comitê de Auditoria Estatutário. Regimento Interno. Capítulo I Introdução PÁGINA 1 DE 7 DO PÁGINA 1 DE 7 DO CNPJ/MF nº 29.978.814/0001-87 Comitê de Auditoria Estatutário Regimento Interno Capítulo I Introdução Artigo 1º. O Comitê de Auditoria Estatutário ( Comitê ou CAE ) da

Leia mais

O QUE É A CVM? II - a negociação e intermediação no mercado de valores mobiliários;

O QUE É A CVM? II - a negociação e intermediação no mercado de valores mobiliários; O QUE É A CVM? A CVM - Comissão de Valores Mobiliários é uma entidade autárquica em regime especial, vinculada ao Ministério da Fazenda, com personalidade jurídica e patrimônio próprios, dotada de autoridade

Leia mais

Cooperativismo. Cooperativa de Crédito. Apoio

Cooperativismo. Cooperativa de Crédito. Apoio Cooperativismo Cooperativa de Crédito Apoio O que é uma cooperativa. É uma sociedade de pessoas com forma e natureza jurídica própria, de natureza civil, sem fins lucrativos, não sujeita à falência, constituída

Leia mais

INSTITUTO FÓRUM NACIONAL DOS SECRETÁRIOS E DIRIGENTES ESTADUAIS DE TURISMO - INFORUM ESTATUTO SOCIAL SUMÁRIO

INSTITUTO FÓRUM NACIONAL DOS SECRETÁRIOS E DIRIGENTES ESTADUAIS DE TURISMO - INFORUM ESTATUTO SOCIAL SUMÁRIO 1 INSTITUTO FÓRUM NACIONAL DOS SECRETÁRIOS E DIRIGENTES ESTADUAIS DE TURISMO - INFORUM ESTATUTO SOCIAL SUMÁRIO CAPITULO I - DA DENOMINAÇÃO, DOS FINS, DA SEDE E DO PRAZO Art. 2º Para a consecução dos seus

Leia mais

MODELO. Anteprojeto de lei para criação do Conselho Municipal do FUNDEB. Lei Municipal nº, de de de 2007

MODELO. Anteprojeto de lei para criação do Conselho Municipal do FUNDEB. Lei Municipal nº, de de de 2007 MODELO O conteúdo do Anteprojeto de Lei abaixo apresentado representa a contribuição do MEC, colocada à disposição dos Governos Municipais, a título de apoio técnico, previsto no art. 30, inciso I, da

Leia mais

Criação do Conselho Municipal do FUNDEB

Criação do Conselho Municipal do FUNDEB A Confederação Nacional de Municípios com o propósito de contribuir para a gestão municipal coloca à disposição a presente minuta para a legislação municipal referente à Criação do Conselho Municipal do

Leia mais

ETERNIT S.A. C.N.P.J. nº 61.092.037/0001-81 NIRE 35.300.013.344 ATA DA REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REALIZADA EM 17 DE SETEMBRO DE 2.

ETERNIT S.A. C.N.P.J. nº 61.092.037/0001-81 NIRE 35.300.013.344 ATA DA REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REALIZADA EM 17 DE SETEMBRO DE 2. ETERNIT S.A. C.N.P.J. nº 61.092.037/0001-81 NIRE 35.300.013.344 ATA DA REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REALIZADA EM 17 DE SETEMBRO DE 2.008 Aos 17 dias do mês de setembro do ano de dois mil e oito,

Leia mais

ESTATUTO DA EMPRESA FAI JÚNIOR

ESTATUTO DA EMPRESA FAI JÚNIOR ESTATUTO DA EMPRESA FAI JÚNIOR Capitulo I - Denominação, Sede, Finalidade e Duração Artigo 1 - A associação civil tem com a denominação social: FAI JÚNIOR, e como o titulo do estabelecimento a expressão

Leia mais

Farmácia Universitária

Farmácia Universitária Universidade Federal de Alfenas UNIFAL-MG Faculdade de Ciências Farmacêuticas Farmácia Universitária Regimento Interno Título I Da Farmácia Universitária Art. 1o A Farmácia Universitária da UNIFAL-MG,

Leia mais

Regulamento para utilização do FATES

Regulamento para utilização do FATES Regulamento para utilização do FATES 1 / 6 Sumário 1. OBJETIVO... 3 2. FINALIDADE... 3 3. DA FORMAÇÃO... 3 4. DA ALOCAÇÃO E APLICAÇÃO DE RECURSOS... 3 4.1- DA ASSISTÊNCIA TÉCNICA... 3 4.2- DA ASSISTÊNCIA

Leia mais

A Terceirização da Manutenção como Estratégia Competitiva nas Organizações

A Terceirização da Manutenção como Estratégia Competitiva nas Organizações A Terceirização da Manutenção como Estratégia Competitiva nas Organizações Alessandro Trombeta Supervisor de Manutenção Valdemar Roberto Cremoneis Gerente Industrial Cocamar Cooperativa Agroindustrial

Leia mais

Curso esocial voltado à Administração Pública - Uma Relação Transparente com o Fisco.

Curso esocial voltado à Administração Pública - Uma Relação Transparente com o Fisco. Mostrar Todos Curso esocial voltado à Administração Pública - Uma Relação Transparente com o Fisco. Aspectos Tributários e Trabalhistas, no SPED, através da prática aplicada. Agora é Oficial! Instituído

Leia mais

1 Informações diversas Projeto de Terceirização A Câmara dos Deputados concluiu dia 22/04 a votação do projeto de lei que regulamenta contratos de terceirização. O texto principal foi aprovado no último

Leia mais

Projeto de Lei nº. 4.330/14 Terceirização

Projeto de Lei nº. 4.330/14 Terceirização São Paulo, 28 de Abril de 2015 Projeto de Lei nº. 4.330/14 Terceirização Objetivos da Terceirização Aumentar a produtividade e reduzir custos. Aumento de qualidade em razão da especialização das empresas

Leia mais

Cooperativas de crédito Opções de associação para micro e pequenas empresas Vantagens e desvantagens com relação ao sistema bancário

Cooperativas de crédito Opções de associação para micro e pequenas empresas Vantagens e desvantagens com relação ao sistema bancário Cooperativas de crédito Opções de associação para micro e pequenas empresas Vantagens e desvantagens com relação ao sistema bancário 1- Opções de associação de empresas a cooperativas de crédito As pessoas

Leia mais

Página 1 de 5 O ART. 429, CLT E A COTA APRENDIZ Márcio Archanjo Ferreira Duarte 1. INTRODUÇÃO A figura da aprendizagem adveio originalmente do Decreto nº. 13.064, de 12 de junho de 1918, que aprovava naquela

Leia mais

Diretrizes de Governança Corporativa

Diretrizes de Governança Corporativa Diretrizes de Governança Corporativa DIRETRIZES DE GOVERNANÇA CORPORATIVA DA BM&FBOVESPA Objetivo do documento: Apresentar, em linguagem simples e de forma concisa, o modelo de governança corporativa da

Leia mais

EDITAL DE CREDENCIAMENTO DE EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS DE TREINAMENTO

EDITAL DE CREDENCIAMENTO DE EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS DE TREINAMENTO 1 EDITAL DE CREDENCIAMENTO DE EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS DE TREINAMENTO O SENAR PR SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM RURAL - Administração Regional do Paraná, com sede à Rua Marechal Deodoro, 450-16º

Leia mais

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2011

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2011 CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2011 Orientações Básicas INFORMAÇÕES GERAIS PESSOA JURÍDICA 1) DCTF : (Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais) ATENÇÃO! Apresentação MENSAL obrigatória pelas Pessoas

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL CASA DO CUIDAR CAPÍTULO I DA NATUREZA, DENOMINAÇÃO, SEDE E PRAZO

ESTATUTO SOCIAL CASA DO CUIDAR CAPÍTULO I DA NATUREZA, DENOMINAÇÃO, SEDE E PRAZO ESTATUTO SOCIAL CASA DO CUIDAR CAPÍTULO I DA NATUREZA, DENOMINAÇÃO, SEDE E PRAZO Art. 1º - A Casa do Cuidar é uma associação civil, de direito privado, sem fins lucrativos e econômicos e duração por tempo

Leia mais

ESTADO DO MARANHAO PREFEITURA MUNICIPAL DE ALTO ALEGRE DO PINDARÉ GABINETE DO PREFEITO CAPÍTULO I DA FINALIDADE

ESTADO DO MARANHAO PREFEITURA MUNICIPAL DE ALTO ALEGRE DO PINDARÉ GABINETE DO PREFEITO CAPÍTULO I DA FINALIDADE ESTADO DO MARANHAO PREFEITURA MUNICIPAL DE ALTO ALEGRE DO PINDARÉ GABINETE DO PREFEITO LEI DE N 142/2013 de 18 de abril de 2013. DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO DO CONSELHO DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

Leia mais

FUNDO DE SAÚDE DOS SERVIDORES DO PODER JUDICIÁRIO FUNSEP ESTATUTO

FUNDO DE SAÚDE DOS SERVIDORES DO PODER JUDICIÁRIO FUNSEP ESTATUTO FUNDO DE SAÚDE DOS SERVIDORES DO PODER JUDICIÁRIO FUNSEP ESTATUTO CAPÍTULO I Da Denominação, Natureza Jurídica, Sede, Duração e Finalidades. ARTIGO 1º O Fundo de Saúde dos Servidores do Poder Judiciário

Leia mais

I sob o enfoque contábil: Modelo de Projeto de Lei de Controle Interno Controladoria e Auditoria

I sob o enfoque contábil: Modelo de Projeto de Lei de Controle Interno Controladoria e Auditoria Modelo de Projeto de Lei de Controle Interno Controladoria e Auditoria Dispõe sobre a organização e a atuação do Sistema de Controle Interno no Município e dá outras providências. CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES

Leia mais

DIREITO PREVIDENCIÁRIO

DIREITO PREVIDENCIÁRIO Curso DIREITO PREVIDENCIÁRIO Turma 4 Local: Santa Maria - RS Dias 28 e 29 de agosto de 2008 (quinta e sexta-feira) SUMÁRIO: 1. Informações Gerais 2. Programa 3. Currículo da Ministrante 1. Informações

Leia mais

Forum Cooperativas de Trabalho Associado O Trabalho Associado: seu vínculo com a responsabilidade social

Forum Cooperativas de Trabalho Associado O Trabalho Associado: seu vínculo com a responsabilidade social Forum Cooperativas de Trabalho Associado O Trabalho Associado: seu vínculo com a responsabilidade social O MODELO DE TRABALHO ASSOCIADO E A RESPONSABILIDADE SOCIAL: LIMITES E OPORTUNIDADES GERALDO MAGELA

Leia mais

Palestra Ana Afonso Formalização da atividade

Palestra Ana Afonso Formalização da atividade Bem-Vindos! APRESENTAÇÃO Ana Afonso organizadora profissional em São Paulo atua desde 2006 realizando serviços de organização de espaços, gestão de residências, treinamento de funcionários domésticos,

Leia mais

ANEXO II À ATA DE REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA JULIO SIMÕES LOGÍSTICA S.A. REALIZADA EM 30 DE NOVEMBRO DE 2009

ANEXO II À ATA DE REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA JULIO SIMÕES LOGÍSTICA S.A. REALIZADA EM 30 DE NOVEMBRO DE 2009 ANEXO II À ATA DE REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA JULIO SIMÕES LOGÍSTICA S.A. REALIZADA EM 30 DE NOVEMBRO DE 2009 POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA JULIO SIMÕES LOGÍSTICA

Leia mais

Regimento Interno da Unidade de Auditoria Interna

Regimento Interno da Unidade de Auditoria Interna CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA - UAUDI Regimento Interno da Unidade de Auditoria Interna Rio de Janeiro 2015 CAPÍTULO I DA MISSÃO E DO ESCOPO

Leia mais

MANTENEDOR E CONTADOR

MANTENEDOR E CONTADOR MANTENEDOR E CONTADOR No ano de 2000, Darci de Paula, Contador formado pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, em Ciências Contábeis e Pós graduado em MBA IFRS(Normas Internacionais de Contabilidade),

Leia mais

ABF ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE FRANCHISING REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA CAPÍTULO I DA COMISSÃO DE ÉTICA

ABF ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE FRANCHISING REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA CAPÍTULO I DA COMISSÃO DE ÉTICA ABF ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE FRANCHISING REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA CAPÍTULO I DA COMISSÃO DE ÉTICA Art. 1º. A Comissão de Ética, órgão nomeado pelo Conselho Diretor da ABF, é responsável pela

Leia mais

O Cooperativismo. A Identidade Cooperativa

O Cooperativismo. A Identidade Cooperativa O Cooperativismo Embora a doutrina econômica da cooperativa date do ano de 1808, sua difusão só ocorreu a partir de 1844, quando um grupo de tecelões ingleses fundou a Sociedade dos Probos Pioneiros de

Leia mais

PRIMEIRA ALTERAÇÃO DO ESTATUTO DA UNIÃO GARCENSE DE AEROMODELISMO

PRIMEIRA ALTERAÇÃO DO ESTATUTO DA UNIÃO GARCENSE DE AEROMODELISMO PRIMEIRA ALTERAÇÃO DO ESTATUTO DA UNIÃO GARCENSE DE AEROMODELISMO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, DA SEDE E FINS Art. 1 A União Garcense de Aeromodelismo (UGA) é uma pessoa jurídica de direito privado, entidade

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA UNIÃO NACIONAL DAS COOPERATIVAS DA AGRICULTURA FAMILIAR E ECONOMIA SOLIDÁRIA - UNICAFES

ESTATUTO SOCIAL DA UNIÃO NACIONAL DAS COOPERATIVAS DA AGRICULTURA FAMILIAR E ECONOMIA SOLIDÁRIA - UNICAFES ESTATUTO SOCIAL DA UNIÃO NACIONAL DAS COOPERATIVAS DA AGRICULTURA FAMILIAR E ECONOMIA SOLIDÁRIA - UNICAFES CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, FINALIDADE, SEDE, FORO E DURAÇÃO. Art. 1º - A União Nacional das Cooperativas

Leia mais

Cooperativismo. Cooperativa de Crédito Mútuo dos Empregados da INFRAERO

Cooperativismo. Cooperativa de Crédito Mútuo dos Empregados da INFRAERO Cooperativismo Cooperativa de Crédito Mútuo dos Empregados da INFRAERO GESTÃO: Samuel José dos Santos Diretor Presidente Marco Antonio da C.Guimarães - Diretor Operacional João Gonçalves dos Santos Diretor

Leia mais

EDITAL DE COMPOSIÇÃO DO COMITÊ GESTOR DO PROGRAMA MUNICIPAL DE PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS

EDITAL DE COMPOSIÇÃO DO COMITÊ GESTOR DO PROGRAMA MUNICIPAL DE PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS EDITAL DE COMPOSIÇÃO DO COMITÊ GESTOR DO PROGRAMA MUNICIPAL DE PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS A Secretaria Municipal de Agricultura, Desenvolvimento Rural e Meio Ambiente convida os Órgãos Públicos

Leia mais

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL Somos um escritório jurídico que reúne especialistas nos mais diversos ramos do direito empresarial. Priorizamos a ética nas relações com os clientes e nos dedicamos muito ao

Leia mais

Ética: instrumento base para a gestão de uma EFPC. Carlos Alberto Pereira

Ética: instrumento base para a gestão de uma EFPC. Carlos Alberto Pereira Ética: instrumento base para a gestão de uma EFPC Carlos Alberto Pereira Estrutura de Gestão do Sindapp GESTÃO: 3 ANOS Assembleia Geral Diretoria Conselho Fiscal Diretor(a)-Presidente Diretor(a) Vice-Presidente

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DO INSTITUTO RODA D ÁGUA

ESTATUTO SOCIAL DO INSTITUTO RODA D ÁGUA ESTATUTO SOCIAL DO INSTITUTO RODA D ÁGUA Capitulo Primeiro Nome e Natureza Jurídica Art. 1 - Sob a denominação de INSTITUTO RODA D ÁGUA, ou pela forma abreviada RODA D ÁGUA fica instituída esta associação

Leia mais

Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009

Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009 Caderno de Provas COOPERATIVISMO Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009 INSTRUÇÕES GERAIS PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA Use apenas caneta esferográfica azul ou preta. Escreva o seu nome completo e o

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Controle de Ponto do Trabalhador terceirizado

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Controle de Ponto do Trabalhador terceirizado Controle de Ponto do Trabalhador terceirizado 13/11/2013 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3 4. Conclusão... 5 5. Informações

Leia mais

Identidade Organizacional. Prezado,

Identidade Organizacional. Prezado, Prezado, Apresentamos a todos os colaboradores, o Código de Conduta da Bolt Transportes, que foi minuciosamente elaborado de acordo com os valores que acreditamos ser essenciais para o um bom relacionamento

Leia mais

O Prefeito Municipal de Pedro II, faz saber que o Poder Legislativo aprovou e este Poder sanciona a seguinte Lei:

O Prefeito Municipal de Pedro II, faz saber que o Poder Legislativo aprovou e este Poder sanciona a seguinte Lei: Projeto de Lei- 978 de 13 novembro de 2007, Política Municipal de Fomento à Economia Popular Solidária e a criação do conselho municipal de fomento á economia solidária de Pedro II, com a sigla ( CMPES

Leia mais

1. Os termos e expressões relacionados abaixo, quando utilizados nesta Política, terão o seguinte significado:

1. Os termos e expressões relacionados abaixo, quando utilizados nesta Política, terão o seguinte significado: POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS 1. Os termos e expressões relacionados abaixo, quando utilizados nesta Política, terão o seguinte significado: 1.1. Companhia : Braskem S.A. 1.2. Controladora

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETO E DURAÇÃO

ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETO E DURAÇÃO ESTATUTO SOCIAL DOC I CAPÍTULO I - DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETO E DURAÇÃO Art. 1º: SOCIALCRED S/A SOCIEDADE DE CRÉDITO AO MICROEMPREENDEDOR E À EMPRESA DE PEQUENO PORTE rege-se pelo presente estatuto social

Leia mais

PROGRAMA COMPLIANCE VC

PROGRAMA COMPLIANCE VC Seguir as leis e regulamentos é ótimo para você e para todos. Caro Colega, É com satisfação que compartilho esta cartilha do Programa Compliance VC. Elaborado com base no nosso Código de Conduta, Valores

Leia mais

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO. BKR-Lopes, Machado Orientador Empresarial LEX

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO. BKR-Lopes, Machado Orientador Empresarial LEX VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Orientador Empresarial LEX Jovem Empreendedor Programa de Crédito Orientado Comitês de Aprovação Regulamento Operacional CARTA-CIRCULAR

Leia mais

Art. 1º Fica aprovado, na forma do Anexo, o Regimento Interno do Conselho Nacional de Arquivos - CONARQ. JOSÉ EDUARDO CARDOZO ANEXO

Art. 1º Fica aprovado, na forma do Anexo, o Regimento Interno do Conselho Nacional de Arquivos - CONARQ. JOSÉ EDUARDO CARDOZO ANEXO PORTARIA Nº 2.588, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2011 Aprova o Regimento Interno do Conselho Nacional de Arquivos O MINISTRO DE ESTADO DA JUSTIÇA, no uso de suas atribuições previstas nos incisos I e II do parágrafo

Leia mais

Autônomo e Contrato de prestac ão de servic os

Autônomo e Contrato de prestac ão de servic os Autônomo e Contrato de prestac ão de servic os O SEBRAE e o que ele pode fazer pelo seu negócio O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta

Leia mais

AS COOPERATIVAS Patricia Smania Garcia 1 (Centro Universitário Nossa Senhora do Patrocínio)

AS COOPERATIVAS Patricia Smania Garcia 1 (Centro Universitário Nossa Senhora do Patrocínio) AS COOPERATIVAS Patricia Smania Garcia 1 (Centro Universitário Nossa Senhora do Patrocínio) RESUMO As cooperativas surgiram há mais de um século, porém, sua importância perdura até os dias de hoje, através

Leia mais

LEI Nº 2.278/07, DE 24 DE AGOSTO DE 2007.

LEI Nº 2.278/07, DE 24 DE AGOSTO DE 2007. LEI Nº 2.278/07, DE 24 DE AGOSTO DE 2007. Dispõe sobre a criação do Instituto Escola de Governo e Gestão Pública de Ananindeua, e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE ANANINDEUA estatui, e eu

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 003/DIR/2013

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 003/DIR/2013 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 003/DIR/2013 ESTABELECE NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA O PAGAMENTO DE SERVIÇOS PRESTADOS POR PESSOA FÍSICA, EM CARÁTER EVENTUAL, POR MEIO DE RECIBO DE PAGAMENTO A CONTRIBUINTE INDIVIDUAL

Leia mais

ITAÚ UNIBANCO HOLDING S.A. CNPJ 60.872.504/0001-23 Companhia Aberta NIRE 35300010230

ITAÚ UNIBANCO HOLDING S.A. CNPJ 60.872.504/0001-23 Companhia Aberta NIRE 35300010230 ITAÚ UNIBANCO HOLDING S.A. CNPJ 60.872.504/0001-23 Companhia Aberta NIRE 35300010230 REGULAMENTO DO COMITÊ DE AUDITORIA Este regulamento ( Regulamento ), elaborado com base nas melhores práticas internacionais,

Leia mais

Código de Conduta COERÊNCI. Transformando Visão em Valor.

Código de Conduta COERÊNCI. Transformando Visão em Valor. Código de Conduta COERÊNCI Transformando Visão em Valor. Índice Prefácio... 3 Ética empresarial da HOCHTIEF: Princípios... 5 Conflitos de interesse... 7 Confidencialidade... 8 Regras sobre controle de

Leia mais

FUNDOS DE PENSÃO - (Ante)Projeto de Lei Complementar PLC (ENTIDADES ASSOCIADAS: Proposta Consolidada Aprimora LC 108/2001)

FUNDOS DE PENSÃO - (Ante)Projeto de Lei Complementar PLC (ENTIDADES ASSOCIADAS: Proposta Consolidada Aprimora LC 108/2001) FUNDOS DE PENSÃO - (Ante)Projeto de Lei Complementar PLC (ENTIDADES ASSOCIADAS: Proposta Consolidada Aprimora LC 108/2001) Texto Atual Texto Proposto Justificativas Art. 4º. Nas sociedades de economia

Leia mais

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA TOTVS S.A. I. DEFINIÇÕES E ADESÃO

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA TOTVS S.A. I. DEFINIÇÕES E ADESÃO POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA TOTVS S.A. I. DEFINIÇÕES E ADESÃO 1. As definições utilizadas na presente Política de Negociação têm os significados que lhes são atribuídos

Leia mais

Política de Exercício de Direito de Voto. (Versão 3.0 - Julho/2014)

Política de Exercício de Direito de Voto. (Versão 3.0 - Julho/2014) Política de Exercício de Direito de Voto (Versão 3.0 - Julho/2014) 1. Objeto e Aplicação 1.1. Esta Política de Exercício de Direito de Voto ( Política de Voto ), em conformidade com as disposições do Código

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO E PROCEDIMENTOS OPERACIONAL

MANUAL DE ORIENTAÇÃO E PROCEDIMENTOS OPERACIONAL DOCUMENTO CONFIDENCIAL USO RESTRITO DA UNICAFES-PR MANUAL DE ORIENTAÇÃO E PROCEDIMENTOS OPERACIONAL Execução: Nézio José da Silva Gestor de Projetos Agricultura Familiar e Agroindústrias Regional Sudoeste

Leia mais

FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO RESOLUÇÃO Nº 16, DE 8 DE JUNHO DE 2010

FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO RESOLUÇÃO Nº 16, DE 8 DE JUNHO DE 2010 FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO RESOLUÇÃO Nº 16, DE 8 DE JUNHO DE 2010 Altera a Resolução CD/FNDE nº 64, de 13 de dezembro de 2007, que estabelece os critérios e os

Leia mais

RESOLUÇÃO N.º 016, DE 14 DE MAIO DE 2013. Gabinete da Câmara

RESOLUÇÃO N.º 016, DE 14 DE MAIO DE 2013. Gabinete da Câmara RESOLUÇÃO N.º 016, DE 14 DE MAIO DE 2013. Gabinete da Câmara Cria a FRENTE PARLAMENTAR DE APOIO AO COOPERATIVISMO FRENCOOP na Câmara de Vereadores de Victor Graeff. LAIRTON ANDRÉ KOECHE, Presidente da

Leia mais

Quadro Comparativo das Alterações Propostas ao Estatuto da CAIXA DE ASSISTÊNCIA E PREVIDÊNCIA FÁBIO DE ARAUJO MOTTA - CASFAM.

Quadro Comparativo das Alterações Propostas ao Estatuto da CAIXA DE ASSISTÊNCIA E PREVIDÊNCIA FÁBIO DE ARAUJO MOTTA - CASFAM. Quadro Comparativo das Alterações Propostas ao Estatuto da CAIXA DE ASSISTÊNCIA E PREVIDÊNCIA FÁBIO DE ARAUJO MOTTA - CASFAM 1 Estatuto CASFAM CAPITULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E OBJETO CAPITULO I

Leia mais

ENTIDADES DE UTILIDADE PÚBLICA. Como criar ou adequar a sua

ENTIDADES DE UTILIDADE PÚBLICA. Como criar ou adequar a sua ENTIDADES DE UTILIDADE PÚBLICA Como criar ou adequar a sua A presente publicação é dirigida às pessoas que desejam ir além de suas obrigações e deveres individuais, para trabalharem por questões de interesse

Leia mais

Agência de Propaganda

Agência de Propaganda Agência de Propaganda Um assinante do Consultor Municipal fez a seguinte consulta: As empresas de propaganda e marketing são consideradas agências? E qual seria a base de cálculo do ISS? Por ser um assunto

Leia mais

CAMPO DE APLICAÇÃO Esta Norma Complementar se aplica no âmbito da Administração Pública Federal, direta e indireta. APROVAÇÃO

CAMPO DE APLICAÇÃO Esta Norma Complementar se aplica no âmbito da Administração Pública Federal, direta e indireta. APROVAÇÃO 05/IN01/DSIC/GSIPR 00 14/AGO/09 1/7 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Gabinete de Segurança Institucional Departamento de Segurança da Informação e Comunicações CRIAÇÃO DE EQUIPES DE TRATAMENTO E RESPOSTA A INCIDENTES

Leia mais

DIFERENÇAS ENTRE COOPERATIVAS ASSOCIAÇÃO E EMPRESAS 1 COOPERATIVA ASSOCIAÇÃO

DIFERENÇAS ENTRE COOPERATIVAS ASSOCIAÇÃO E EMPRESAS 1 COOPERATIVA ASSOCIAÇÃO DIFERENÇAS ENTRE COOPERATIVAS ASSOCIAÇÃO E EMPRESAS 1 Coordenação da Formação: Ailton Marques de Vasconcelos Graduação em Serviço Social PUC/SP Pós Graduando em Gestão Pública FESPSP COOPERATIVA ASSOCIAÇÃO

Leia mais

BRASILAGRO COMPANHIA BRASILEIRA DE PROPRIEDADES AGRÍCOLAS CNPJ/MF n.º 07.628.528/0001-59

BRASILAGRO COMPANHIA BRASILEIRA DE PROPRIEDADES AGRÍCOLAS CNPJ/MF n.º 07.628.528/0001-59 BRASILAGRO COMPANHIA BRASILEIRA DE PROPRIEDADES AGRÍCOLAS CNPJ/MF n.º 07.628.528/0001-59 PLANO DE OPÇÃO DE COMPRA DE AÇÕES APROVADO PELA ASSEMBLÉIA GERAL ORDINÁRIA DA BRASILAGRO COMPANHIA BRASILEIRA DE

Leia mais

COOPBEMC. Cooperativa de Trabalho dos Profissionais das Áreas de Educação, Gestão e Tecnologia.

COOPBEMC. Cooperativa de Trabalho dos Profissionais das Áreas de Educação, Gestão e Tecnologia. COOPBEMC Cooperativa de Trabalho dos Profissionais das Áreas de Educação, Gestão e Tecnologia. Bem-vindo! Você está prestes a conhecer uma das mais modernas estruturas de trabalho de todo o mundo: o Cooperativismo.

Leia mais

Curso de Direito Previdenciário

Curso de Direito Previdenciário Curso de Direito Previdenciário dias 04, 08 e 10/07 Professora: Rita de Cássia Samyn Teixeira Sumário 1. Programa 2. Currículo da ministrante 3. Informações gerais 1. Programa: 1.1. Visão panorâmica do

Leia mais

TÍTULO: MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL - A IMPORTÂNCIA DA FORMALIZAÇÃO

TÍTULO: MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL - A IMPORTÂNCIA DA FORMALIZAÇÃO TÍTULO: MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL - A IMPORTÂNCIA DA FORMALIZAÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: CIÊNCIAS CONTÁBEIS INSTITUIÇÃO: FACULDADE ANHANGUERA DE RIO CLARO AUTOR(ES):

Leia mais

Contratos de Trabalho e Formas de Contratação. História do Direito do Trabalho. Direito do Trabalho

Contratos de Trabalho e Formas de Contratação. História do Direito do Trabalho. Direito do Trabalho Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos Profa. Barbara Mourão Contratos de Trabalho e Formas de Contratação História do Direito do Trabalho Origem do trabalho: desde o início da humanidade.

Leia mais

CARGOS E FUNÇÕES APEAM

CARGOS E FUNÇÕES APEAM CARGOS E FUNÇÕES APEAM 1. PRESIDÊNCIA A Presidência possui por finalidades a representação oficial e legal da associação, coordenação e integração da Diretoria Executiva, e o acompanhamento, avaliação,

Leia mais

FUNDO DE PENSÃO MULTIPATROCINADO DAS INSTITUIÇÕES DO MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS - MERCAPREV REGULAMENTO BÁSICO CAPÍTULO I - DO OBJETO...

FUNDO DE PENSÃO MULTIPATROCINADO DAS INSTITUIÇÕES DO MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS - MERCAPREV REGULAMENTO BÁSICO CAPÍTULO I - DO OBJETO... FUNDO DE PENSÃO MULTIPATROCINADO DAS INSTITUIÇÕES DO MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS - MERCAPREV REGULAMENTO BÁSICO ÍNDICE CAPÍTULO I - DO OBJETO...2 CAPÍTULO II - DA INSCRIÇÃO...3 CAPÍTULO III - DOS

Leia mais

Assistência Jurídica para a Construção de um Mundo dos Negócios Novo e Sustentável

Assistência Jurídica para a Construção de um Mundo dos Negócios Novo e Sustentável Assistência Jurídica para a Construção de um Mundo dos Negócios Novo e Sustentável Quem Somos Somos uma sociedade de advogados dedicada à assistência e orientação jurídica as empresas nacionais e estrangeiras.

Leia mais