RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2010

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2010"

Transcrição

1 RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2010 APRESENTAÇÃO A Secretaria Geral apresenta o Relatório de Atividades do Ano Letivo de O Relatório foi desenvolvido com base no Plano de Ação A distribuição e circulação são de caráter interno. Boa Leitura! PROGRAMA 1 EXCELÊNCIA NO ENSINO META: Consolidar o IFIBE como instituição que prima pela excelência no ensino da filosofia no Bacharelado em temas afins à filosofia na Pós-graduação lato sensu. PROJETO 1.1 Curso de Bacharelado em Filosofia OBJETIVO: Formar bacharéis em filosofia que atendam ao perfil profissional do/a formado/a A. Processo de Admissão: Conforme calendário para o segundo semestre. Esta em processo de divulgação/campanha. B. Desenvolvimento Curricular: Realizado conforme calendário previsto. O primeiro ano não teve disciplina de história da filosofia visto que será oferecida no segundo período de As disciplinas ministradas mantiveram média de avaliação realizada no último ano. As disciplinas ministradas no primeiro semestre foram as seguintes: Turma 2010 (1º ano): Metodologia Científica Me. Maicon R. Rossetto; Introdução à Filosofia Ddo. José André da Costa; Língua Nacional Lic. Elaine C. dos Santos; Introdução Pensamento Psicológico Esp. Gervásio Backes; Introdução ao Pensamento Sociológico Me. Irio Luiz Conti; Temas de História Contemporânea Me. Elmar Sauer; Turma 2009 (2º ano): Metodologia Interpretação Texto Filosófico Me. Paulo César Carbonari; História Filosofia III Moderna I Dr. João Wohlfart; História Filosofia VII Latinoamericana Me. Iltomar Siviero; Antropologia Filosófica II Dr. João Wohlfart; Filosofia da Educação Me. Júlio César Werlang; História da Filosofia VIII Brasileira Me. Nilva Rosin; Turma 2008 (3º ano): Ontologia I Me. Roque Zimmermann; Ética I Me. Paulo César Carbonari; Antropologia e Filosofia da Cultura Me. Valdevir Both; Introdução Pensamento Teológico Ddo. Alexander M. Jaeger; Estética Me. Nilva Rosin; Cosmologia Dr. João Wohlfart; História Filosofia V Contemporânea I Me. Iltomar Siviero. As disciplinas ministradas no segundo semestre foram as seguinte: na turma 2010 teve a implementação do novo formato de oferta da História da filosofia ( Mais detalhes abaixo letra E). Turma 2009: Fundamentos Sociológicos da Educação Me. Irio Conti; Fundamentos Psicologicos da Educação - Esp. Gervásio Backes;; Motodologia da Pesquisa Filosofica Me. Paulo Cesar Carbonari; Filosofia da ciência Me Nilva Rosin; História da Filosofia IV/Moderna II Dr João Wohlfart ; Teoria do Conhecimento II - Dr João Wohlfart; Filosofia Politca Me MAicon Rodrigo Rossetto. Turma 2008: Lógica II Me Paulo Carbonari; Filosofia da Linguagem Me Valdevir Both; Temas de Justiça e Direitos Humanos Me Paulo Cesar Carbonari; Ética II Me Valdevir Both; História da Filosofia VI Contemporanea II Me Iltomar Siviero; Ontologia II Ddo José André da Costa. C. Programa de Aproveitamento de Conhecimentos: Processo em andamento para ex-alunos do IFIBE e outras instituições não reconhecidas pelo MEC. Estão enquadrados no programa 10 alunos. Houve oferta de Disciplinas em Período Especial em julho. Há oito em condições de conclusão neste ano. D. Produção de Trabalho de Conclusão: Atraso na apresentação do Relatório Final levou ao adiamento do prazo e também do período de Bancas somente cinco realizadas no período previsto, demais transferidas para dezembro. Discentes cujos projetos ficaram pendentes os apresentaram ao longo do semestre e outros refazendo a disciplina de Metodologia da Pesquisa Filosófica. E. Reorganização Curricular: Realização de reuniões com docentes para finalização da proposta de ensino da história da filosofia (da Antiga até a Contemporânea II) para a turma do primeiro ano. Proposta elaborada, cronograma estabelecido e dinâmica pronta e implementada durante o Segundo Período Letivo. Ainda em curso, ao finalizar será feita avaliação específica. F. Participação no Fórum Sul de Filosofia: A participação aconteceu dentro do que estava previsto no plano de ação. O resultado esperado foi atendido porque teve um bom número de discentes participando, com

2 apresentação de trabalhos nas comunicações da programação do fórum sul. Destaca-se também a troca cultural estabelecida entre os acadêmicos/as e a participação de três docentes do IFIBE, sendo que o diretor pedagógico participou de um painel dentro do fórum. Pela maioria dos relatos destaca-se a participação substantiva do IFIBE no Fórum sendo a IES convidada para compor a equipe do próximo fórum e com possibilidade de ser realizado no IFIBE, tendo em vista outros desdobramentos político-acadêmicos para ação pedagógica do IFIBE. G. Colóquio Docentes: O Colóquio foi realizado no dia 18 de outubro, conforme o calendário. Contou com a participação do prof. Dr. Jaime Giolo, atual vice-reitor da UFFS. O colóquio discutiu os grandes desafios contemporâneos em torno do ensino superior a partir do perfil dos estudantes ingressantes, especialmente da filosofia. Embora o Colóquio tivesse ausências justificadas de docentes, cumpriu com o objetivo proposto por ter refletido sobre um tema diretamente relacionado à prática pedagógica do IFIBE. H. Conclusão de Curso e Diplomação: Concluído o processo da Diplomação dos formados Realização de reuniões com a Comissão de Formatura para encaminhamento do processo preparatório da Colação de Grau Previsão de colação de grau de 25 a 30 concluintes. Cerimônia marcada para dia 18/12. I. Estudo de Viabilidade Licenciatura: Realização de reunião de trabalho com a coordenação do Curso de Licenciatura da UPF para viabilizar convênio de cooperação. Proposta de convênio em análise com previsão de assinatura no próximo ano letivo. Já houve realização de eventos conjuntos que sinaliza retomada positiva das relações com boas perspectivas. PROJETO 1.2 Curso Seqüencial em Temas de Filosofia OBJETIVO: Formar interessados em temas de filosofia através da oferta Curso Sequencial de Complementação de Estudos em Temas de Filosofia. A. Processo de admissão: Conforme calendário para o segundo semestre. Esta em processo de divulgação/campanhar. B. Desenvolvimento do plano de estudo: Realizado conforme calendário previsto e os Planos de Estudos aprovados para discentes matriculados. São quatro alunos matriculados. PROJETO 1.3 Programa de Pós-Graduação Lato Sensu OBJETIVO: Capacitar graduados em diversas áreas do conhecimento em cursos de especialização para qualificar atuação social e profissional. A. Especialização em Direitos Humanos: Finalização de alguns TCCs pendentes. Negociações para oferta de nova turma em 2011 com ACMUN, CDHPF e Prefeitura Municipal para trabalhar tema da Educação das Relações Étnico-Raciais e Educação em Direitos Humanos. Projeto de financiamento já encaminhado e préaprovado junto à SDH/PR, aguarda aprovação final para final do ano. Expectativa de início de nova turma em abril de B. Especialização em Missiologia e Gestão Pastoral MSF: II Etapa do Curso de Especialização em Missiologia e Gestão Pastoral realizada de 06 a 14 de abril, em Santo Ângelo-RS. A avaliação foi muito positiva por parte dos participantes, merecendo destaque o fato dos cursistas estarem elaborando o projeto de pesquisa do TCC. A terceira e última etapa está prevista para 2011, além da apresentação do TCC. Há perspectiva de que esta experiência seja ampliada para além do público MSF. PROJETO 1.4 Capacitação e Mobilização OBJETIVO: Promover a suplementação e suporte pedagógico através de atividades de capacitação e mobilização do corpo discente. A. Suporte Pedagógico (SESUP): Realizou-se um processo de avaliação-diagnóstica das condições de aprendizagem dos discentes, através da aplicação de um instrumento com aspectos individuais e comuns

3 da turma. Da coleta dos dados produziu-se um relatório com sugestões e recomendações. Encaminhamento do retorno para as turmas do 1º e 2º ano, docentes e assistentes de formação. A oferta das oficinas pedagógicas subsidiaram demandas diagnosticadas. B. Oficinas Pedagógicas: Levantamento de temas para realização de oficinas na reunião da congregação de março e com os discentes. Elaboração de ementa para cada proposta e escolha pelos discentes; as quatro mais votadas foram proporcionadas através de um cronograma de oferta no decorrer do ano. C. Ágora Discente: Realizado nos dias 06 e 07 de junho com participação e apresentação de comunicações por parte dos discentes. Atividade realizada pelo CAJOB. PROGRAMA 2 PRODUÇÃO DE CONHECIMENTO META: Produzir conhecimento filosófico em diálogo com as problemáticas contemporâneas e a tradição do pensamento filosófico. PROJETO 2.1 Pesquisa Filosófica OBJETIVO: Desenvolver projetos de pesquisa em temas de filosofia a fim de qualificar a contribuição da filosofia e dar suporte ao ensino e às práticas sociais. A. Projeto Institucional de Pesquisa A.1. Área Direitos Humanos (nas seguintes linhas): A.1.1. Filosofia e Direitos Humanos (PROJETO) Termo de Referência para terceira etapa elaborado. Manifestação de pesquisadores feita e encaminhado processo de elaboração dos artigos durante o Segundo Período Letivo 2010 e previsão de conclusão para janeiro A.1.2. Educação em Direitos Humanos: Projeto aprovado pelo MEC para fins de Elaboração de Materiais Didáticos na Área Educação em Direitos Humanos: 1. Antologia Comentada de Textos Referenciais para Educação em Direitos Humanos; 2. Cadernos Temáticos sobre Didáticos Humanos; 3. Enciclopédia de Direitos Humanos. Oferta de 2 minicursos sobre Metodologia e Práticas para Educação em Direitos Humanos durante o IV Colóquio Nacional de Direitos Humanos e no II Seminário de Atualização Pedagógica para professores da Educação Básica no dia 28/05, na FAED/UPF. Coletânea de Práticas em Educação em Direitos Humanos resultante da Especialização em Direitos Humanos Edição 2008/9 ficou para ser lançada em abril/2011. Avançou-se na elaboração do lay-out para materiais didáticos, porém recursos não foram ainda liberados pelo MEC, com previsão de ocorrer ainda em A.2. Área Política e Sociedade (nas seguintes linhas). A.2.1. Organização e Participação Popular: Esta ação não foi realizada. Foi feito contato com a maioria dos estudantes dos das organizações que, na sua grande maioria, apresentaram problemas para se dedicarem a ações extras como o curso de pesquisa. Diante disso, pensou-se numa ampliação do público para além dos estudantes, mesmo que a ação tivesse sido pensado para qualificar a relação com os movimentos. Mas, no segundo semestre, o grupo não foi efetivado. B. Participação em Eventos: Aula Inaugural IFIBE, Seminário Nacional de Educação Integral, I Seminário sobre CF 2010, PF, RS; IX Simpósio Sulbrasileiro sobre o Ensino de Filosofia, em POA, RS, Simpósio sobre o PRONASCI, em Passo Fundo, RS; XVI Encontro/Assembleia Nacional do MNDH, I Encontro Regional dos Estudantes de Filosofia da Região Sul do Brasil; Seminário Nacional de Educação Integral, em Brasília; Semana Acadêmica Escola de Psicologia da IMED, PF, RS; IV Colóquio Nacional de DH, PF, RS; III Encontro Estadual de Educação em Direitos Humanos, POA, RS; Seminário Direito, Conceitos e Concepções de Direitos Humanos, em Balsas, MA; Lançamento Programa Educação Integral em PF; Encontro Regional dos Estudantes de Filosofia da Região Sul do Brasil, XVI Encontro/Assembleia Nacional do MNDH; palestra Semana Acadêmica Serviço Social UPF, outubro, Passo Fundo; participação como palestrante de Seminário sobre Democracia e Direitos Humanos na UFG, Goiânia, outubro; palestra sobre ética e direitos humanos no CCH/UFSC, Florianópolis, SC; participação em Seminário MEC/SECAD sobre educação e diversidade, Brasília, novembro. C. Participação Associação Cientifica: Participação de professores (Nilva e Paulo) no VI Encontro Anual da ANDHEP em setembro de 2010, em Brasília, na UNB e do professor André no Encontro da ANPOF que ocorreu em outubro, em Águas de Lindóia, SP.

4 PROJETO 2.2 Seminários Temáticos OBJETIVO: Promover debate sobre autores e temas de filosofia contemporânea, oportunizando o intercâmbio entre pesquisadores/as. AÇÃO A.Realização do Seminário Theodoro Adorno: O seminário realizou-se em parceria com o Mestrado em Educação e o Curso de Filosofia da UPF. Respondeu as expectativas em relação à temática, conferencias, painéis, comunicações, publico e parcerias. B. Organização de Anais do III Seminário: Foi publicado e lançado no IV seminário Hannah Harendt. PROJETO 2.3 Ciclo de Conferências: Provocações Impertinentes OBJETIVO: Promover debates sobre temas diversos que subsidiem o posicionamento crítico da opinião pública. A. Elaboração do Projeto de Ciclo: Aguardando definição de parceiros. PROJETO 2.4 Publicações OBJETIVO: Qualificar o processo de divulgação da produção acadêmica do IFIBE consolidando a Editora e a Revista Filosofazer. A. Gestão Editorial: A Editora IFIBE elaborou organograma de sua estrutura funcional e está avançando no processo de qualificação para comercialização e das publicações. Ampliou o pessoal através da contratação de funcionário com 20 horas. B. Editoração das publicações (da Coleção e Avulsos): Publicou os números 34 e 35 da Revista Filosofazer; edição eletrônica do livro Direitos Humanos: sugestões pedagógicas de Paulo C. Carbonari; edição eletrônica da VI Semana Acadêmica de Filosofia da UFSM Comunicações; edição impressa do livro Fazei isto em memória de mim: Mysterium Fidei de Élton Siqueira. Em processo de edição dos livros: Reflexões filosóficas no pensamento de Franz Rosenzweig organizado por Nilva Rosin e Robinson dos Santos; Adorno & Kafka: paradoxos do singular de Ricardo Timm de Souza; e Anais das missões no Brasil: centenário da chegada dos MSF no Brasil de Ferdinand Nolte e traduzido por Bertilo Brod. Outros títulos estão previstos para publicação no próximo semestre. C. Revista Filosofazer: Concluídos os números pendentes de Fechado o número do primeiro semestre 2010 e encaminhado para editora para diagramação. Número do segundo semestre sendo fechado para ser editado e lançado em fev/2011. PROJETO 2.5 Formação de Opinião OBJETIVO: Contribuir na formação da opinião pública sobre temas diversos com o olhar filosófico. A. Produção e Publicação de Artigos de Opinião: O projeto foi realizado conforme o previsto. Teve-se limites quanto ao cumprimento da tarefa e prazos por parte de alguns escritores. No entanto, os artigos foram enviados para lista ampliada de veículos, o que demandaria um monitoramento sobre a publicação dos artigos. B. Programa Filosofia e Cotidiano: Não realizado por decisão do monitoramento. Ajuste de Plano.. PROGRAMA 3 PRESENÇA NA SOCIEDADE META: Marcar presença substantiva na sociedade pela promoção de espaços de reflexão e diálogos com segmentos sociais para colaborar na formação filosófica humanista. PROJETO 3.1 Atuação Sócio-Cultural

5 OBJETIVO: Ampliar o diálogo filosófico com a comunidade local através da realização de atividades sociais. A. Filosofia nas Comunidades: A 5ª edição do projeto versa sobre o tema A crise ambiental: implicações filosóficas. Além da seleção dos bolsistas foi realizada a atividade de capacitação dos participantes do projeto. Conta com parceria do Projeto TransFormação. Realizada sete oficinas, onde participaram 270 pessoas. Visita aos grupos de recicladores e ao aterro sanitário (Lixão) de Passo Fundo. B. Olimpíadas Filosóficas: Realizou reunião com os professores de Filosofia da Secretaria Municipal de Educação (SME) de Passo Fundo para mobilizar para a realização. C. Ações Interinstitucionais C.1. GT Conselho da cidade: Representante do IFIBE participando de GT constituído por Prefeito Municipal. Minuta de Projeto de Lei elaborada e pronta para ser entregue ao Prefeito Municipal. Representante do IFIBE atuou como membro da comissão de sistematização do GT. C.2. Informe PIDESC Passo Fundo c/ CDHPF: Realizado o seminário de validação do texto, que foi elaborado pela Comissão de Direitos Humanos de Passo Fundo, entidade responsável. Como encaminhamento, as entidades presentes assumiram o compromisso de complementarem o texto a partir de debates específicos dentro dos seus espaços. Texto em finalização com previsão para ser publicado em dez/2010. C.3. Agentes Sociais para a Segurança Cidadã: Em andamento negociação para implementação de projetos previstos no PRONASCI. Participação no Simpósio sobre o PRONASCI (Programa Nacional de Segurança Pública com Cidadania). Aguardando definição de licitação. C.4. Projeto Xadrez: Em andamento pelos parceiros. Não demandou oferta de aluno bolsista voluntário por parte do IFIBE. PROJETO 3.2 Formação de Lideranças Sociais OBJETIVO: Formar lideranças sociais com perfil crítico promovendo o diálogo da filosofia com outros saberes construídos pelos processos sociais populares. A. Curso sobre História e cultura Afro-brasileira: Realizado o Curso Iniciativas Negras: Trocando Experiências Regional com a Universidade Federal do Ceará (UFCE), nos dias 25 e 26 de maio/2010. Em construção processo de continuidade com participação IFIBE, ACMUN, N BLAC, CEPIR e CDHPF. Realizado seminário sobre a saúde Africana e discussão sobre a mulher Caribenha com representantes regionais, estaduais, nacionais e internacionais. B. Curso de formação Política: Foi realizada assessoria por parte dos professores do IFIBE em ESD para lideranças da Cresol de SC e RS. Além disso, está em fase de conclusão o Curso de Formação de Agentes Políticos para a organização popular junto a duas turmas, nas regiões de Tenente Portela e Sarandi/Constantina. O a realização do Curso iniciou no segundo semestre e está tendo um avaliação muito positiva por parte dos participantes e direção. Aguarda-se a ampliação da parceria para PROJETO 3.3 Sensibilização sobre Temas da Agenda OBJETIVO: Promover a sensibilização e o debate sobre temas da agenda em parceria com outras instituições. A. IV Colóquio Nacional de Direitos Humanos: Realizado nos dias 12 a 16 de abril, no Centro de Eventos Notre Dame, contou com mais de 500 participantes. Além de um bom envolvimento na mobilização e organização do evento, o IFIBE ofereceu dois minicursos (Educação em Direitos Humanos, Pensamento de Bartolomé de Las Casas, Negritude, Princípios dos Direitos Humanos) e também realizou a certificação do evento. Evento teve grande repercussão na imprensa e contou com o Ministro Paulo Vannuchi na abertura. B. Dia Mundial da Filosofia c/ CAJOB: A conferência foi realizada pela renomada Profª Drª Marcia Tiburi sobre o tema a Filosofia Frente os Desafios da Contemporaneidade. A Peça Teatral foi realizada pelo

6 conhecido e destacado Grupo Timbre de Galo, com título Contos para Enganar a Morte. Contou com 300 participantes. C. Grito dos Excluidos Desafios para o Brasil: O IFIBE está em diálogo com a Cáritas Diocesana e Pastorais Sociais, e, além de contribuir com a programação geral, está propondo que uma das atividades, para marcar o Grito, seja um seminário amplo para discutir o tema, tendo em vista o processo eleitoral do país. PROJETO 3.4 Arte e Filosofia OBJETIVO: Promover espaços de reflexão filosófica a partir de diversas formas de expressão artística. A. Atividades Artísticas: Realização de uma atividade prevista: Execução músicas clássicas (por um discente do IFIBE). B. Grupo de canto: Atividade não realizada em virtude de readequação de prioridade da parte dos responsáveis. Extinta na reunião de monitoramento realizada em julho de PROGRAMA 4 DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL E ORGANIZACIONAL PROJETO 4.1 Mística Institucional OBJETIVO: Promover a construção da identidade institucional que gere integração dos vários segmentos da comunidade acadêmica, compromisso e participação permanente, dinamizando a compreensão da missão e dos objetivos institucionais. A. Encontros Celebrativos : A comunidade acadêmica do IFIBE comemorou com entusiasmo a chegada dos calouros de 2010 e a Festa Junina em 26/06/10. Confraternização e Celebração da páscoa do fundador dos MSF Pe Berthier, juntamente com a comunidade religiosa dos MSF de Passo Fundo. B. Inauguração do Ano Letivo: Realizada com conferência proferida pelo professor Dr. Adriano Naves de Brito, coordenador do PPG Filosofia da Unisinos. Na ocasião foi assinado convênio de cooperação entre IFIBE e UNISINOS cuja finalidade principal é a qualificação (doutorado) dos docentes do IFIBE. C. Apresentação Institucional aos Calouros: Realizada conforme o previsto no calendário letivo. D. Sítio na rede Mundial de Computadores: Foi realizada a conclusão e lançamento do novo layout do sitio, bem como a revisão do conteúdo do mesmo. As atualizações foram feitas de acordo com o envio de conteúdos pelos responsáveis das ações e projetos do Plano de Ação. E. Atenção a Segmentos Estratégicos: Realização de visitas a pessoas e instituições tais como: secretarias da cultura, da educação, departamentos de filosofia (Pucrs/Unisinos/Unimep, Câmara de Vereadores de P. Fundo, CDHPF, ITEPA, Sinagoga Isrealita de POA, Diocese de Passo Fundo, casas religiosas, asilos, clínica Carrão, Colégios Menino Jesus e Notre Dame. F. Boletim Philos: aguarda agenda para o segundo semestre. PROJETO 4.2 Gestão Acadêmica OBJETIVO: Garantir a participação e o compromisso dos segmentos da comunidade acadêmica através do funcionamento transparente e democrático das instâncias institucionais. A. Dinamização das Instancias Institucionais: Foi feito o cronograma das reuniões, com a indicação dos assuntos/tema e seguindo com empenho o calendário estabelecido para todas as instâncias da IES, com realização de reuniões mensais do Conselho Diretor, de reuniões da Coordenação Pedagógica e Congregação.

7 B. Coordenação de Curso: Realização de reunião da coordenação pedagógica em geral e para tratar de orientação de TMC. Encaminhamento de demandas de análise e despachos diversos sobre discentes e cursos. C. Convênios Inter-Institucionais: Foram feitas algumas articulações para atender esta ação, resultando em quatro proposta de convênios de cooperação institucional. (Unisinos, UFCE/Campus Cariri e UPF), sendo que o convênio entre IFIBE e Unisinos já foi celebrado e os outros estão em tratativas institucionais para serem em breve assinados/celebrados.negociação com a CDHPF/Prefeitua de PF em vista de um curso (especialização) voltados para questões de preparação de docentes para atuarem no ensino da cultura africana nas escolas para cumprir a lei 10639/2003. PROJETO 4.3 Gestão Administrativa e de Pessoal OBJETIVO: Garantir a inserção responsável dos profissionais na instituição qualificando os processos de gestão, de controle interno e de prestação de contas. A. Gestão Financeira e Administrativa. Gestou-se um controle financeiro que atendesse as demandas internas da IES; os valores do projeto, CRESOL, foram aplicados nos programas de aplicações da instituição financeira (Banco do Brasil) a fim de gerar receitas financeiras; manteve-se um acompanhamento em relação à adimplência dos acadêmicos. Sendo também muito positiva a relação com a mantenedora. B. Gestão de Pessoas Desenvolveram-se reuniões junto aos colaboradores da IES, com a finalidade de acompanhar como as atividades estão se desenvolvendo, buscando a realização eficaz das atividades de cada setor e solucionando possíveis problemas funcionais e de relação profissional. C. Aperfeiçoamento do Pessoal: Convênio com Unisinos para doutoramentos dos docentes; ingresso de dois docentes em agosto; dois novos em dezembro. Um docente concluiu mestrado e dois estão na fase final do doutorado. PROJETO 4.4 Gestão da Tecnologia da Informática OBJETIVO: Qualificar a gestão da tecnologia da informação necessária ao conjunto dos processos acadêmicos, administrativos e institucionais. A. Análise e Programa: Foram feitos ajustes no sistema acadêmico para a realização do Censo do INEP além de outros ajustes solicitados. : O sistema de gerenciamento financeiro foi concluído e instalado, passando por um período de testes. Durante o segundo semestre foram feitos vários ajustes e aperfeiçoamentos no mesmo. Em relação ao software para auto-avaliação institucional foi diagnosticado que não será possível fazer a adaptação do software gratuito disponibilizado pela UNESCO, desta forma optamos por desenvolver um sistema próprio, integrado com o sistema acadêmico para a realização das avaliações. O mesmo está sendo desenvolvido. B. Suporte de Informática: Foi realizada a conclusão e lançamento do novo layout do sitio, bem como a revisão do conteúdo do mesmo. As atualizações foram feitas de acordo com o envio de conteúdos pelos responsáveis das ações e projetos do Plano de Ação. C. Gerenciamento da Tecnologia da Informática: Foram feitos backups do servidor de dados, inicialmente semanais e posteriormente diários. A manutenção do servidor ocorreu de acordo com as demandas que surgiram no decorrer do semestre, assim como a criação de usuários, senhas e pastas de compartilhamento de arquivos. No início do semestre foram criadas contas de s para todos os alunos matriculados e no decorrer do semestre foram incluídos alguns s de acordo com as solicitações dos membros da instituição. Foram resolvidos também problemas de envio de s do sistema Pergamum. Foi feita a instalação e configuração do Sistema Eletrônico de Editoração de Revistas SEER, o qual está disponível no link Instação do Sistema de comércio eletrônico oscommerce.

8 D. Melhoria e Manutenção de Equipamento: Foram realizados vários concertos em equipamentos da instituição, alguns realizados com mão de obra própria e outros terceirizados. A atualização dos antivírus foi realizada periodicamente, conforme necessidade. E. Desenvolvimento e Manutenção de Sítio: Foi implementada a ferramenta de contagem de acessos. As atualizações e manutenções no site foram realizadas de acordo com as demandas de cada setor responsável pelos dados publicados. PROJETO 4.5 Apoio ao Aluno OBJETIVO: Garantir condições para a permanência do vínculo dos discentes com a IES. A. Bolsas Educacional: Neste ano o IFIBE disponibilizou 20 bolsas Filantrópicas, sendo 10 integrais (100%) e 10 parciais (50%), além de disponibilizar mais 9 bolsas integrais via PROUNI. B. Programas Públicos de Acesso ao Ensino Superior: A partir de abril deste ano o IFIBE cadastrou-se junto ao Sistema de Financiamento Estudantil através FIES (Fundo de Financiamento Estudantil). As inscrições podem ser feitas a qualquer tempo pelos acadêmicos regularmente matriculados. No decorrido ano nenhum acadêmico fez adesão ao Programa. Mas, para 2011, houve manifestação de que os seminaristas de uma Diocese farão adesão ao FIES. PROJETO 4.6 Avaliação Institucional OBJETIVO: Aprimorar a ação do conjunto da IES através da avaliação institucional. A. Atividades da CPA: Re-adequação do projeto de auto-avaliação institucional. Finalizado do Relatório correspondente ao período letivo de 2009 e enviado CONAES/INEPMEC em março/2010. Realização das atividades previstas para B. Produção Acadêmica: Relatório específico elaborado e incorporado no relatório anual da CPA com base nos dados do Currículo Lattes dos professores. C. Processo de Avaliação Externo: Monitoramento permanente do Processo de Recredenciamento da IES junto ao E-MEC, atendimento de solicitações de informações sobre regimento e documentos institucionais complementares. Processo aguarda despacho e marcação de visita in loco. PROJETO 4.7 Qualificação da Biblioteca OBJETIVO: Facilitar e ampliar o acesso às bibliografias necessárias às atividades acadêmicas. A.Normatização de Trabalhos Acadêmicos: Orientação feita aos alunos quando solicitado auxílio. B. Gerenciamento do Acervo: Aquisição de 46 títulos novos.processamento técnico feito de acordo com as demandas.livros que serão encaminhados (no 1 semestre) para restauração, selecionados.controle de Empréstimos realizado diariamente. Digitalização dos números anteriores da revista que faltavam. Disponibilização eletrônica dos números 16, 32, 33, 34 e 35 no SEER. 14 livros restaurados. Aquisição de 40 títulos novos. Foi realizado o inventário de todo o acervo. C. Organização Clipping Institucional: Já implantado o sistema de gerenciamento de imagens. Está sendo feito a seleção e a organização das imagens. Imagens organizadas em pastas no sistema de gerenciamento. Notícias atuais de jornais estão sendo organizadas direto no programa. As notícias antigas dos jornais arquivados estão sendo escaneadas e organizadas no sistema. D. Controle de Permutas: Serão encaminhados os 2 números de 2009 para as instituições. Conforme a chegada das revistas permutadas, o material é inserido no sistema. Foram encaminhados às instituições os números 34 e 35 da Filosofazer. 2 títulos novos em intercâmbio. PROJETO 4.8 Patrimônio e Material de Consumo

9 : A. Gestão do Condomínio: Foram adquiridos novos móveis para o hall de entrada do prédio e também plantas para a ornamentação dos espaços em comum do condomínio. Foi admitido mais um funcionário para a limpeza do prédio. Renovou-se e assinaram-se novos contratos de locação de salas de aula e vagas de estacionamento. B. Manutenção e Melhorias de Móveis e Equipamentos: Foram adquiridas novas cadeiras ergonometricas para a secretaria e o setor de TI. Houve alguns ajustes nos balcão de atendimento da secretaria e adaptação de uma impressora a jato a um novo sistema de impressão, mais econômico. C. Gerenciamento de Material de Consumo: Acompanhamento contínuo do depósito dos materiais de consumo em atendimento a demanda de todos os setores. Passo Fundo, novembro de Maicon Rodrigo Rossetto Secretário Geral

RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2007

RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2007 RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2007 APRESENTAÇÃO A Secretaria Geral apresenta, abaixo, o Relatório de Atividades do Ano Letivo de 2007. O Relatório foi desenvolvido a partir do Plano de Ação 2007 e visa subsidiar

Leia mais

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 O trabalho da CPA/PUCSP de avaliação institucional está regulamentado pela Lei federal nº 10.861/04 (que institui o SINAES), artigo 11 e pelo

Leia mais

PLANO DE AÇÃO COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO

PLANO DE AÇÃO COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO PLANO DE AÇÃO COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO 2014 APRESENTAÇÃO O Plano de Ação ora apresentado planeja o processo da Autoavaliação Institucional, que vem se consolidando na Faculdade Norte Capixaba de São

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADES DESENVOLVIDAS PELA DIREÇÃO DE ENSINO DO CÂMPUS CURITIBA NO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2013

RELATÓRIO DE ATIVIDADES DESENVOLVIDAS PELA DIREÇÃO DE ENSINO DO CÂMPUS CURITIBA NO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2013 RELATÓRIO DE ATIVIDADES DESENVOLVIDAS PELA DIREÇÃO DE ENSINO DO CÂMPUS CURITIBA NO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2013 A Direção de Ensino do câmpus Curitiba, compreendendo todas as suas seções, com a finalidade

Leia mais

Plano de Ação do Centro de Educação e Letras 2012-2015

Plano de Ação do Centro de Educação e Letras 2012-2015 Plano de Ação do Centro de Educação e Letras 2012-2015 Apresentação: O presente plano de trabalho incorpora, na totalidade, o debate e indicativo do coletivo docente e discente do Centro de Educação e

Leia mais

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014 A CPA (Comissão Própria De Avaliação) apresentou ao MEC, em março de 2015, o relatório da avaliação realizada no ano de 2014. A avaliação institucional, realizada anualmente, aborda as dimensões definidas

Leia mais

ANEXO III. Cronograma detalhado do PROAVI

ANEXO III. Cronograma detalhado do PROAVI ANEXO III Cronograma detalhado do PROAVI 65 PROGRAMA DE AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA PUC-CAMPINAS CRONOGRAMA COMPLEMENTAR DETALHANDO AS ATIVIDADES E AS AÇÕES DE DIVULGAÇÃO COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO

Leia mais

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do Dimensão 2 As políticas para o ensino, a pesquisa, a pós-graduação, a extensão e as respectivas normas de operacionalização, incluídos os procedimentos para estímulo à produção acadêmica, as bolsas de

Leia mais

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL Faculdade Educacional da Lapa 1 FAEL RESULTADOS - AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012 O referido informativo apresenta uma súmula dos resultados da autoavaliação institucional, realizada no ano de 2012, seguindo

Leia mais

2º RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

2º RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2º RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL - CPA Mantenedora: Fundação Presidente Antônio Carlos Mantida: Faculdade Presidente Antônio Carlos de Araguari

Leia mais

Planejamento CPA Metropolitana 2013

Planejamento CPA Metropolitana 2013 Planejamento CPA Metropolitana 2013 1 Planejamento CPA Metropolitana Ano 2013 Denominada Comissão Própria de Avaliação, a CPA foi criada pela Legislação de Ensino Superior do MEC pela Lei 10.861 de 10

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE

PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE - MT 2011 Apresentação Articulado com o novo Plano de Desenvolvimento Institucional (2011-2015)

Leia mais

X Encontro Nacional de Escolas de Governo

X Encontro Nacional de Escolas de Governo X Encontro Nacional de Escolas de Governo Painel Cursos de pós-graduação nas escolas de governo A experiência da Enap na oferta de cursos de pós-graduação lato sensu Carmen Izabel Gatto e Maria Stela Reis

Leia mais

Homologa adequações no Regulamento do Programa de pós-graduação lato sensu. DA FINALIDADE E OBJETIVOS

Homologa adequações no Regulamento do Programa de pós-graduação lato sensu. DA FINALIDADE E OBJETIVOS Resolução do CS nº 11/2013 Aparecida de Goiânia, 29 de janeiro de 2013. Homologa adequações no Regulamento do Programa de pós-graduação lato sensu. O Presidente Conselho Superior, no uso de suas atribuições,

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL 2014-2018 PROPOSTAS DE METAS, AÇÕES E INDICADORES

PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL 2014-2018 PROPOSTAS DE METAS, AÇÕES E INDICADORES PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS PROPOSTAS DE METAS, AÇÕES E INDICADORES CAMPUS CONGONHAS DEZEMBRO - 2013 INFRA-ESTRUTURA Objetivo

Leia mais

Informativo Comissão Própria de Avaliação URI Erechim

Informativo Comissão Própria de Avaliação URI Erechim Informativo Comissão Própria de Avaliação URI Erechim 7ª edição março 2015 Avaliação Institucional: um ato de consolidação para as universidades! Segundo o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais

Leia mais

AVALIAÇÃO TRIMESTRAL DE METAS PDI- 2011/2015

AVALIAÇÃO TRIMESTRAL DE METAS PDI- 2011/2015 AVALIAÇÃO TRIMESTRAL DE METAS PDI- 2011/2015 METAS AÇÕES PRAZOS Expansão do número de vagas do curso de Engenharia de Produção. SITUAÇÃO MARÇO DE 2015 AVALIAÇÃO PROCEDIDA EM 12.03.2015 CPA E DIRETORIA

Leia mais

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI A implementação do Plano de Desenvolvimento Institucional, envolve além dos objetivos e metas já descritos, o estabelecimento de indicadores, como forma de se fazer o

Leia mais

ROTEIRO PARA SUPERVISÃO I INTRODUÇÃO

ROTEIRO PARA SUPERVISÃO I INTRODUÇÃO ROTEIRO PARA SUPERVISÃO I INTRODUÇÃO Este documento tem a finalidade de estabelecer um referencial para o exercício da função de supervisão dos Cursos das Instituições do Ensino Superior, do Sistema Estadual

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES

SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação a Distância SEED Departamento de Regulação e Supervisão da Educação a Distância Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º Designamos atividades complementares o conjunto de eventos oferecidos aos alunos de

Leia mais

PLANO DE AÇÃO-DIREÇÃO DO CAMPUS TERESINA ZONA SUL GESTÃO 2013-2017

PLANO DE AÇÃO-DIREÇÃO DO CAMPUS TERESINA ZONA SUL GESTÃO 2013-2017 PLANO DE AÇÃO-DIREÇÃO DO CAMPUS TERESINA ZONA SUL GESTÃO 2013-2017 O ensino, como a justiça, como a administração, prospera e vive muito mais realmente da verdade e da moralidade, com que se pratica do

Leia mais

A Escola. Com uma média de 1.800 alunos por mês, a ENAP oferece cursos presenciais e a distância

A Escola. Com uma média de 1.800 alunos por mês, a ENAP oferece cursos presenciais e a distância A Escola A ENAP pode contribuir bastante para enfrentar a agenda de desafios brasileiros, em que se destacam a questão da inclusão e a da consolidação da democracia. Profissionalizando servidores públicos

Leia mais

EDITAL Nº 016/2015 CIPEAD/PROGRAD/UFPR

EDITAL Nº 016/2015 CIPEAD/PROGRAD/UFPR EDITAL Nº 06/205 CIPEAD/PROGRAD/UFPR CHAMADA DE SELEÇÃO DE TUTORES A DISTÂNCIA PARA ATUAR NO PROGRAMA PNAP NAS DIVERSAS OFERTAS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DA UFPR NA MODALIDADE A DISTÂNCIA

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção NORMAS DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES

Curso de Engenharia de Produção NORMAS DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES Curso de Engenharia de Produção NORMAS DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES Viçosa, Minas Gerais 2014 1 INTRODUÇÃO As atividades complementares, inseridas no projeto pedagógico, têm por finalidade proporcionar

Leia mais

Ciências Humanas. Relatoria. Grupo de Trabalho (GT1) I Seminário de Avaliação da Pós- Graduação da Universidade Brasília

Ciências Humanas. Relatoria. Grupo de Trabalho (GT1) I Seminário de Avaliação da Pós- Graduação da Universidade Brasília I Seminário de Avaliação da Pós- Graduação da Universidade Brasília Relatoria Grupo de Trabalho (GT1) Realização Decanato de Pesquisa e Pós-Graduação (DPP) da Universidade de Brasília Brasília DF, 6 a

Leia mais

PLANO DE GESTÃO 2015-2017

PLANO DE GESTÃO 2015-2017 UNIFAL-MG FACULDADE DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS PLANO DE GESTÃO 2015-2017 Profa. Fernanda Borges de Araújo Paula Candidata a Diretora Profa. Cássia Carneiro Avelino Candidata a Vice Diretora Índice Apresentação...

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC MINAS UNIDADE BELO HORIZONTE

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC MINAS UNIDADE BELO HORIZONTE REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC MINAS UNIDADE BELO HORIZONTE CAPÍTULO I DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA Art. 1º - O programa de Iniciação Científica da

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO AUTÔNOMO DO BRASIL CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PROFESSOR ME. ORLEI JOSÉ POMBEIRO REGULAMENTO ATIVIDADES COMPLEMENTARES

CENTRO UNIVERSITÁRIO AUTÔNOMO DO BRASIL CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PROFESSOR ME. ORLEI JOSÉ POMBEIRO REGULAMENTO ATIVIDADES COMPLEMENTARES CENTRO UNIVERSITÁRIO AUTÔNOMO DO BRASIL CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PROFESSOR ME. ORLEI JOSÉ POMBEIRO REGULAMENTO ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURITIBA 2015 1 REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

Leia mais

PLANO DE AÇÃO 2012 Resolução COP Nº. 114/2011 de 08/12/2011

PLANO DE AÇÃO 2012 Resolução COP Nº. 114/2011 de 08/12/2011 PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL De acordo com o Decreto 5.773/2006 PERÍODO - 2012-2015 Resolução COP Nº 113/2011, de 08/12/2011 PLANO DE AÇÃO 2012 Resolução COP Nº. 114/2011 de 08/12/2011 Lucas

Leia mais

Plano de Trabalho e Projeto Político-Pedagógico da Escola Legislativa de Araras

Plano de Trabalho e Projeto Político-Pedagógico da Escola Legislativa de Araras Plano de Trabalho e Projeto Político-Pedagógico da Escola Legislativa de Araras 1. Introdução O Projeto Político-Pedagógico da Escola Legislativa de Araras foi idealizado pelo Conselho Gestor da Escola,

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADA: Associação Escola Superior de Propaganda e Marketing UF: SP ASSUNTO: Recredenciamento da Escola Superior de Propaganda

Leia mais

Regulamento Atividades Complementares. Faculdade da Cidade de Santa Luzia - FACSAL

Regulamento Atividades Complementares. Faculdade da Cidade de Santa Luzia - FACSAL Regulamento Atividades Complementares Faculdade da Cidade de Santa Luzia - 2014 Regulamento das Atividades Complementares CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Artigo 1º - As Atividades

Leia mais

Plano de trabalho ABMES 2013

Plano de trabalho ABMES 2013 1. Apoio às IES de pequeno porte (eventos presenciais e a distância) Diretoria, Assessoria, Consultores e IES apoiadoras Realizar seminário na com o objetivo de identificar a situação atual das PMIES Contratar

Leia mais

Planejamento Estratégico. Departamento de Antropologia / Programa de Pós-Graduação em Antropologia - UFPR

Planejamento Estratégico. Departamento de Antropologia / Programa de Pós-Graduação em Antropologia - UFPR Planejamento Estratégico Departamento de Antropologia / Programa de Pós-Graduação em Antropologia - UFPR Visão Oferecer ensino de excelência em nível de Graduação e Pós-Graduação; consolidar-se como pólo

Leia mais

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO PROVÍNCIA LA SALLE BRASIL - CHILE APRESENTAÇÃO O Setor de Educação Superior da Província

Leia mais

Organograma do Pronatec/CEDAF 2014

Organograma do Pronatec/CEDAF 2014 Organograma do Pronatec/CEDAF 2014 Supervisor Financeiro Coordenação Geral Apoio Administrativo Supervisor de TI Apoio Financeiro Orientador Pedagógico Apoio Administrativo Avaliação dos Cursos Coordenação

Leia mais

Regulamento Institucional das Atividades Complementares dos Cursos de Graduação do UNASP

Regulamento Institucional das Atividades Complementares dos Cursos de Graduação do UNASP VOTO CONSU 2012-01 de 26/04/2012 Regulamento Institucional das Atividades Complementares dos Cursos de Graduação do UNASP Respeitada a legislação vigente, tanto para Licenciatura quanto para Bacharelado

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ATENAS MARANHENSE DE IMPERATRIZ- FAMA CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ATENAS MARANHENSE DE IMPERATRIZ- FAMA CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ATENAS MARANHENSE DE IMPERATRIZ- FAMA CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art 1º O presente Regimento disciplina a organização, o funcionamento

Leia mais

Art. 1º - A concessão de bolsas de estudo para os alunos regularmente matriculados no PPgCO terá a vigência de doze (12) meses.

Art. 1º - A concessão de bolsas de estudo para os alunos regularmente matriculados no PPgCO terá a vigência de doze (12) meses. RESOLUÇÃO N O 01/201 PPgCO Regulamenta a distribuição de bolsas de estudo no Programa de Pós-Graduação em Clínica Odontológica, quanto à concessão, manutenção, duração e cancelamento da bolsa. O Colegiado

Leia mais

DADOS DO INEP Instituto Nacional de estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Ministério da Educação UDESC/ 2005

DADOS DO INEP Instituto Nacional de estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Ministério da Educação UDESC/ 2005 DADOS DO INEP Instituto Nacional de estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Ministério da Educação UDESC/ 2005 Número total de Programas 1 e seus respectivos projetos vinculados, público atendido

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES NO ÂMBITO DA FACET

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES NO ÂMBITO DA FACET REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES NO ÂMBITO DA FACET 1. DO CONCEITO E PRINCÍPIOS 1.1 As Atividades Complementares são componentes curriculares de caráter acadêmico, científico e cultural cujo foco

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACERES CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO GERAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACERES CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES REGULAMENTO GERAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACERES CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º As Atividades Complementares são componentes curriculares obrigatórios

Leia mais

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 2013 INTRODUÇÃO: O presente trabalho apresenta a relação de Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu a serem reorganizados no

Leia mais

REGULAMENTO ESCRITÓRIO DE PRÁTICAS DE GESTÃO CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE E DURAÇÃO

REGULAMENTO ESCRITÓRIO DE PRÁTICAS DE GESTÃO CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE E DURAÇÃO REGULAMENTO ESCRITÓRIO DE PRÁTICAS DE GESTÃO CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE E DURAÇÃO Artigo 1º A unidade acadêmico-gerencial modelo designado Escritório de Práticas de Gestão e com nome fantasia

Leia mais

de junho de 2007, destinados a profissionais com graduação ou bacharelado.

de junho de 2007, destinados a profissionais com graduação ou bacharelado. PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU posgraduacao@poliseducacional.com.br O QUE É PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU? A pós graduação lato sensu são cursos promovidos pelas faculdades do grupo POLIS EDUCACIONAL com mais de

Leia mais

Regulamento das Atividades Complementares Obrigatórias ACO

Regulamento das Atividades Complementares Obrigatórias ACO Art. 1º. Este Regulamento tem por finalidade regular o aproveitamento e a validação das Atividades Complementares Obrigatórias ACO que compõem a Matriz Curricular do Curso de Graduação em Administração

Leia mais

1 LIDERANÇA. Indicador 1: Eficiência da Comunicação Organizacional

1 LIDERANÇA. Indicador 1: Eficiência da Comunicação Organizacional COMPILADO DAS SUGESTÕES DE MELHORIAS PARA O IDGP/2011 por critério e indicador 1 LIDERANÇA O critério Liderança aborda como está estruturado o sistema de liderança da organização, ou seja, o papel da liderança

Leia mais

Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Abril de 2012 Página 1 de 11 Sumário Introdução 3 Justificativa 5 Objetivos 6 Metodologia 7 Dimensões de

Leia mais

SEMINÁRIO DE GRADUAÇÃO ENADE 2015

SEMINÁRIO DE GRADUAÇÃO ENADE 2015 SEMINÁRIO DE GRADUAÇÃO ENADE 2015 ROTEIRO SINAES Princípios e concepções Os Ciclos Avaliativos do Enade e os Indicadores de Qualidade Enade 2015 PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DO SINAES Responsabilidade : responsabilidade

Leia mais

A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades de Extensão Universitária

A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades de Extensão Universitária Anais do 2º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária Belo Horizonte 12 a 15 de setembro de 2004 A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades

Leia mais

CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES E DIRETRIZES DAS ATIVIDADES DE EXTENSÃO. Ji-Paraná RO, 2015.

CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES E DIRETRIZES DAS ATIVIDADES DE EXTENSÃO. Ji-Paraná RO, 2015. CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES E DIRETRIZES DAS ATIVIDADES DE EXTENSÃO Ji-Paraná RO, 15. CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES E DIRETRIZES DAS ATIVIDADES

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES São Paulo 2011 1 APRESENTAÇÃO Atividades Complementares de um Curso de Graduação é toda e qualquer atividade que vise à complementação do processo de ensino aprendizagem,

Leia mais

COMUNICADO AOS ALUNOS DA FMIt

COMUNICADO AOS ALUNOS DA FMIt COMUNICADO AOS ALUNOS DA FMIt Professora Mariléia Chaves Andrade Coordenadora das Atividades Complementares na FMIt Prezados alunos, Favor lerem atenciosamente esse comunicado. Venho através deste fornecer

Leia mais

LICENCIATURA EM HISTÓRIA. fgv.br/vestibular

LICENCIATURA EM HISTÓRIA. fgv.br/vestibular LICENCIATURA EM HISTÓRIA fgv.br/vestibular IDEALISMO, EXCELÊNCIA E CREDIBILIDADE A Fundação Getulio Vargas surgiu em 20 de dezembro de 1944 com o objetivo de preparar profissionais qualificados em Administração

Leia mais

FESURV UNIVERSIDADE DE RIO VERDE CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO 2009-2010

FESURV UNIVERSIDADE DE RIO VERDE CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO 2009-2010 FESURV UNIVERSIDADE DE RIO VERDE CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO 2009-2010 1 Fragilidade resultado inferior a 50% Ponto a ser melhorado 50% e 59,9% Potencialidade igual ou

Leia mais

FACULDADE CASTANHAL-FCAT COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FCAT

FACULDADE CASTANHAL-FCAT COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FCAT 1 FACULDADE CASTANHAL-FCAT COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FCAT Dispõe sobre a estruturação e operacionalização do Programa de Iniciação Científica

Leia mais

APOIO AO PROGRAMA MULHERES SIM

APOIO AO PROGRAMA MULHERES SIM PROEX N º 05/2015/PROEX APOIO AO PROGRAMA MULHERES SIM EXECUÇÃO: 10 JULHO DE 2015 A 10 DE DEZEMBRO DE 2015. 1 PROEX Nº 05/2015 EDITAL PROGRAMA MULHERES SIM A Reitora do Instituto Federal de Santa Catarina,

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 Candidato Gilmar Ribeiro de Mello SLOGAN: AÇÃO COLETIVA Página 1 INTRODUÇÃO Considerando as discussões realizadas com a comunidade interna

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES ACADÊMICAS CURRICULARES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES ACADÊMICAS CURRICULARES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS REGULAMENTO DAS ATIVIDADES ACADÊMICAS CURRICULARES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS EDITORIAL Profª. Dra. Lúcia Helena Vasques Diretora Acadêmica Prof. Me. Domingos Sávio

Leia mais

CAPÍTULO I Das definições preliminares, das e dos objetivos.

CAPÍTULO I Das definições preliminares, das e dos objetivos. Resolução n.º 03/2010 Regulamenta os Cursos de Pós-Graduação da Faculdade Campo Real. O CONSU Conselho Superior, por meio do Diretor Geral da Faculdade Campo Real, mantida pela UB Campo Real Educacional

Leia mais

FACULDADE GLOBAL DE UMUARAMA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA FACULDADE GLOBAL DE UMUARAMA FGU / UNIESP RELATÓRIO FINAL 2012/2013

FACULDADE GLOBAL DE UMUARAMA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA FACULDADE GLOBAL DE UMUARAMA FGU / UNIESP RELATÓRIO FINAL 2012/2013 FACULDADE GLOBAL DE UMUARAMA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA FACULDADE GLOBAL DE UMUARAMA FGU / UNIESP RELATÓRIO FINAL 2012/2013 UMUARAMA, DEZEMBRO, 2012 RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO I DADOS DA INSTITUIÇÃO Nome/

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES ASCES

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES ASCES REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES ASCES DAS DISPOSIÇÕES GERAIS DOS PRINCÍPIOS NORTEADORES Art. 1º A ASCES, por meio deste Regulamento, contempla as Normas Gerais de Atividades complementares, permitindo

Leia mais

GUIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA

GUIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA GUIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA 2013 ATIVIDADES COMPLEMENTARES O que são? São práticas acadêmicas de múltiplos formatos, obrigatórias, que podem ser realizadas dentro ou fora

Leia mais

UNIVERSIDADE DE RIO VERDE CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO 2011 2012 FACULDADE DE PSICOLOGIA

UNIVERSIDADE DE RIO VERDE CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO 2011 2012 FACULDADE DE PSICOLOGIA UNIVERSIDADE DE RIO VERDE CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO 2011 2012 FACULDADE DE PSICOLOGIA 1 Dimensão 2 - Acadêmico avaliando professor POTENC. PTO. A MELHOR. FRAGIL. 1 -

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO I. Objetivos II. Modalidades Pós Graduação Stricto Sensu: Pós Graduação Lato Sensu: Especialização

PÓS-GRADUAÇÃO I. Objetivos II. Modalidades Pós Graduação Stricto Sensu: Pós Graduação Lato Sensu: Especialização PÓS-GRADUAÇÃO O Programa de Pós Graduação Lato Sensu da FAEC foi aprovado pela Resolução do CAS, ATA 001/08, de 12 de março de 2008 e será implantado a partir do primeiro semestre de 2010, após aprovação

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADA: UNIME - União Metropolitana para o Desenvolvimento da UF: BA Educação e Cultura ASSUNTO: Recredenciamento da Faculdade

Leia mais

NÚCLEO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES (NAC) REGULAMENTO

NÚCLEO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES (NAC) REGULAMENTO SOCIEDADE DE EDUCAÇÃO E ASSISTÊNCIA REALENGO SEARA NÚCLEO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES (NAC) REGULAMENTO E-1/12 FACULDADES SÃO JOSÉ NÚCLEO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES REGULAMENTO I - DA NATUREZA DAS ATIVIDADES

Leia mais

Programa de Iniciação Científica da Faculdade de Tecnologia de São Vicente (PIC-FATEF)

Programa de Iniciação Científica da Faculdade de Tecnologia de São Vicente (PIC-FATEF) FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO VICENTE Programa de Iniciação Científica da Faculdade de Tecnologia de São Vicente (PIC-FATEF) Introdução O Programa de Iniciação Científica da Faculdade de Tecnologia de

Leia mais

PROJETO DE CIDADANIA

PROJETO DE CIDADANIA PROJETO DE CIDADANIA PROJETO DE CIDADANIA A Anamatra A Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho Anamatra congrega cerca de 3.500 magistrados do trabalho de todo o país em torno de interesses

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, no uso da atribuição que lhe confere o artigo 14 da Lei no 10.861, de 14 de abril de 2004, resolve:

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, no uso da atribuição que lhe confere o artigo 14 da Lei no 10.861, de 14 de abril de 2004, resolve: >PORTARIA Nº 2.051, DE 9 DE JULHO DE 2004 Regulamenta os procedimentos de avaliação do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (SINAES), instituído na Lei no 10.861, de 14 de abril de 2004.

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL COMUNITÁRIA FORMIGUENSE FUOM CENTRO UNIVERSITÁRIO DE FORMIGA UNIFOR-MG CONSELHO UNIVERSITÁRIO

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL COMUNITÁRIA FORMIGUENSE FUOM CENTRO UNIVERSITÁRIO DE FORMIGA UNIFOR-MG CONSELHO UNIVERSITÁRIO FUNDAÇÃO EDUCACIONAL COMUNITÁRIA FORMIGUENSE FUOM CENTRO UNIVERSITÁRIO DE FORMIGA UNIFOR-MG CONSELHO UNIVERSITÁRIO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE FISIOTERAPIA (Ato de Aprovação:

Leia mais

Comissão Própria de Avaliação - CPA

Comissão Própria de Avaliação - CPA AVALIAÇÃO DO CEFET-RJ PELOS DISCENTES -2010/2 A avaliação das Instituições de Educação Superior tem caráter formativo e visa o aperfeiçoamento dos agentes da comunidade acadêmica e da Instituição como

Leia mais

CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO

CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO Art. 1º O Laboratório de Línguas é um órgão complementar de fomento ao ensino, pesquisa, extensão, e prestação de serviços vinculado ao Centro de Letras e Ciências Humanas sob

Leia mais

FACULDADE METODISTA DE BIRIGUI REGIMENTO DO NÚCLEO DE EXTENSÃO EMPRESARIAL (NEXEM)

FACULDADE METODISTA DE BIRIGUI REGIMENTO DO NÚCLEO DE EXTENSÃO EMPRESARIAL (NEXEM) FACULDADE METODISTA DE BIRIGUI REGIMENTO DO NÚCLEO DE EXTENSÃO EMPRESARIAL (NEXEM) A extensão é o processo educativo, cultural e científico que articula, amplia, desenvolve e reforça o ensino e a pesquisa,

Leia mais

PLANO DE AÇÃO - 2014

PLANO DE AÇÃO - 2014 PREFEITURA MUNICIPAL DE QUIXADÁ SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO PLANO DE AÇÃO - 2014 MISSÃO Assessorar as Regionais Educacionais, fortalecendo o processo

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO INTRODUÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO (PPC) Articulação com o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Projeto Político Pedagógico Indissociabilidade entre ensino, pesquisa

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA UNILA CONSELHO UNIVERSITÁRIO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA UNILA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO CONSUN Nº 029 DE 1º DE OUTUBRO DE 2014 Aprova as Diretrizes da Política de Mobilidade Acadêmica da Universidade Federal da Integra ção Latino-Americana UNILA. O Conselho Universitário da Universidade

Leia mais

FACULDADE LUCIANO FEIJÃO

FACULDADE LUCIANO FEIJÃO FACULDADE LUCIANO FEIJÃO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES ÍNDICE PÁG. CAPITULO I - DISPOSIÇÕES PRELIMINARES 01 CAPÍTULO II - DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES 01 Seção I Das Atividades de Ensino 03

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Grupo Nobre de Ensino Ltda. UF: BA ASSUNTO: Recredenciamento da Faculdade Nobre de Feira de Santana, a ser instalada

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO Portaria nº 808, de 8 de junho de 00. Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior - SINAES. O MINISTRO DE

Leia mais

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES E PROJETOS EXECUTADOS EM 2004

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES E PROJETOS EXECUTADOS EM 2004 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES E PROJETOS EXECUTADOS EM 2004 A Fundação Aprender, no ano de 2004, procurou cumprir as etapas previstas no Planejamento 2003, levando a efeito iniciativas no sentido de ampliar

Leia mais

FACULDADE CAPIXABA DA SERRA RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DO PLANO DE AÇÃO 2015 RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DO PLANO DE AÇÃO

FACULDADE CAPIXABA DA SERRA RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DO PLANO DE AÇÃO 2015 RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DO PLANO DE AÇÃO FACULDADE CAPIXABA DA SERRA Situação Real/Reclamações Professores O índice de insatisfação vem diminuindo em relação ao apresentado desde 2011. - Permanece sendo realizado o processo de seleção: edital;

Leia mais

PROFMAT - Programa de Mestrado Profissional em Matemática. Regimento. Coordenação do ensino de matemática nas escolas;

PROFMAT - Programa de Mestrado Profissional em Matemática. Regimento. Coordenação do ensino de matemática nas escolas; Capítulo I Objetivos Regimento Artigo 1º - O Objetivo do Programa de Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional é proporcionar ao aluno formação matemática aprofundada, relevante ao exercício

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO. Pesquisa e Pós-Graduação

PLANO DE DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO. Pesquisa e Pós-Graduação GOVERNO DO ESTADO DO PIAUÍ UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PIAUÍ - UESPI PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO - PROP PLANO DE DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO Pesquisa e Pós-Graduação A Universidade Estadual

Leia mais

REGULAMENTO ATIVIDADES

REGULAMENTO ATIVIDADES REGULAMENTO ATIVIDADES COMPLEMENTARES Jandira 2012 REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Atividades Complementares são componentes que possibilitam o reconhecimento, de habilidades, conhecimentos e

Leia mais

UNIVERSIDADE DE RIO VERDE CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO 2011 2012 FACULDADE DE ENFERMAGEM

UNIVERSIDADE DE RIO VERDE CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO 2011 2012 FACULDADE DE ENFERMAGEM UNIVERSIDADE DE RIO VERDE CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO 2011 2012 FACULDADE DE ENFERMAGEM 1 Dimensão 2 - Acadêmico avaliando professor 1 - O professor comparece com regularidade

Leia mais

UNIVERSIDADE DE RIO VERDE CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO 2011 2012 FACULDADE DE FISIOTERAPIA

UNIVERSIDADE DE RIO VERDE CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO 2011 2012 FACULDADE DE FISIOTERAPIA UNIVERSIDADE DE RIO VERDE CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO 2011 2012 FACULDADE DE FISIOTERAPIA 1 Dimensão 2 - Acadêmico avaliando professor POTENC. PTO. A MELHOR. FRAGIL. 1

Leia mais

ATIVIDADES COMPLEMENTARES

ATIVIDADES COMPLEMENTARES ATIVIDADES COMPLEMENTARES Regulamento das Atividades Complementares dos Cursos de Graduação da Faculdade Barretos Art. 1º - O presente Regulamento tem por finalidade definir normas e critérios para a seleção

Leia mais

ORIENTAÇÃO AOS ALUNOS DE TURMAS ANTERIORES 2008.1

ORIENTAÇÃO AOS ALUNOS DE TURMAS ANTERIORES 2008.1 ORIENTAÇÃO AOS ALUNOS DE TURMAS ANTERIORES 2008.1 1.- Objetivos do Curso de Mestrado: a. Formação de professores para o magistério superior; b. Formação de pesquisadores; c. Capacitação para o exercício

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE ALAGOAS - UNEAL

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE ALAGOAS - UNEAL REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE ALAGOAS - UNEAL Este Regulamento e a Resolução do Conselho Superior da Uneal (CONSU/UNEAL) que o aprovou foram

Leia mais

Comissão Própria de Avaliação -CPA. Ações e Melhorias Institucionais 2010/2011/2012

Comissão Própria de Avaliação -CPA. Ações e Melhorias Institucionais 2010/2011/2012 Comissão Própria de Avaliação -CPA Ações e Melhorias Institucionais 2010/2011/2012 Comissão Própria de Avaliação - CPA A auto-avaliação objetiva sempre a melhoria da qualidade dos serviços educacionais

Leia mais

FACULDADE DE ENGENHARIA DE MINAS GERAIS FEAMIG PLANO DE MELHORIAS ACADÊMICAS

FACULDADE DE ENGENHARIA DE MINAS GERAIS FEAMIG PLANO DE MELHORIAS ACADÊMICAS FACULDADE DE ENGENHARIA DE MINAS GERAIS FEAMIG PLANO DE MELHORIAS ACADÊMICAS Fevereiro 2011 PLANO DE MELHORIAS ACADÊMICAS DA FEAMIG Introdução Desde o final do ano de 2007 e o início de 2008, a FEAMIG

Leia mais

FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013

FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013 FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013 Sete Lagoas Março de 2014 Sumário 1. DADOS DA INSTITUIÇÃO... 4 1.1. Composição da Comissão

Leia mais

Universidade do Vale do Paraíba Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas e Comunicação Curso Superior de Tecnologia em Gastronomia

Universidade do Vale do Paraíba Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas e Comunicação Curso Superior de Tecnologia em Gastronomia Universidade do Vale do Paraíba Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas e Comunicação Curso Superior de Tecnologia em Gastronomia PASSO A PASSO PARA ATIVIDADES PRÁTICAS COMPLEMENTARES São atividades obrigatórias

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA ESCOLA NACIONAL DA MAGISTRATURA DA ASSOCIAÇÃO DOS MAGISTRADOS DO BRASIL

REGIMENTO INTERNO DA ESCOLA NACIONAL DA MAGISTRATURA DA ASSOCIAÇÃO DOS MAGISTRADOS DO BRASIL REGIMENTO INTERNO DA ESCOLA NACIONAL DA MAGISTRATURA DA ASSOCIAÇÃO DOS MAGISTRADOS DO BRASIL Capítulo I Da Instituição Art. 1º - A Escola Nacional da Magistratura (ENM), órgão da Associação dos Magistrados

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES OBRIGATÓRIAS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Carga Horária Total exigida no curso: 200 horas

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES OBRIGATÓRIAS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Carga Horária Total exigida no curso: 200 horas REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES OBRIGATÓRIAS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Carga Horária Total exigida no curso: 200 LONDRINA/PR 2014 REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES OBRIGATÓRIAS DO CURSO

Leia mais

Elaboração: Comissão Própria de Avaliação CPA. Parâmetros: Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES

Elaboração: Comissão Própria de Avaliação CPA. Parâmetros: Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES Faculdade de Sorocaba AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Elaboração: Comissão Própria de Avaliação CPA Parâmetros: Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES Sorocaba Dezembro 2014 1 Faculdade

Leia mais

Boletim Informativo da Coordenação do Curso de Licenciatura em Geografia do Campus Binacional - UNIFAP

Boletim Informativo da Coordenação do Curso de Licenciatura em Geografia do Campus Binacional - UNIFAP Boletim Informativo da Coordenação do Curso de Licenciatura em Geografia do Campus Binacional - UNIFAP COGEO/CAMBINACIONAL/UNIFAP A Coordenação do Curso de Licenciatura em Geografia do Campus Binacional

Leia mais

1. DA MODALIDADE DO PROGRAMA E DOS SEUS OBJETIVOS

1. DA MODALIDADE DO PROGRAMA E DOS SEUS OBJETIVOS REGIMENTO INTERNO DOS CURSOS DE DESENVOLVIMENTO DE SERVIDORES PRÓ-REITORIA DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL COORDENADORIA DE DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS 1. DA MODALIDADE DO PROGRAMA E DOS SEUS OBJETIVOS

Leia mais