Panorama da geodiversidade brasileira e suas áreas de relevante interesse mineral

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Panorama da geodiversidade brasileira e suas áreas de relevante interesse mineral"

Transcrição

1 Panorama da geodiversidade brasileira e suas áreas de relevante interesse mineral Cássio Roberto da Silva1 Valter Jose Marques2 Vitório Orlandi Filho3 Cíntia Itokazu Coutinho4 1. Introdução A Terra é um sistema vivo que abriga milhões de organismos, incluindo os humanos, e apresenta delicado equilíbrio para manter a vida. A Geologia é a ciência que estuda a Terra: sua origem, evolução, funcionamento e o seu conhecimento podem contribuir para preservar os habitats que sustentam a vida. A geodiversidade é a natureza abiótica (meio físico) constituída por uma variedade de ambientes, fenômenos e processos geológicos que dão origem às paisagens, rochas, minerais, solos, águas, fósseis e outros depósitos superficiais que propiciam o desenvolvimento da vida na Terra, tendo como valores intrínsecos à cultura, o estético, o econômico, o científico, o educativo e o turístico. A origem do Universo assim como do Planeta Terra remonta a bilhões de anos. Atualmente, segundo (PRESS et al 2006), a explicação científica mais aceita é a teoria da Grande Explosão (Big Bang), a qual considera que nosso Universo começou entre 13 e 14 bilhões de anos atrás, a partir de uma explosão cósmica. Os astrônomos entendem que, a partir deste evento, o Universo expandiu-se e dividiu-se para formar as galáxias e as estrelas. Os geólogos ainda analisam os últimos 4,5 bilhões de anos dessa vasta expansão, um tempo durante o qual nosso sistema solar estrela que nós chamamos de Sol e os planetas que em torno dela orbitam - formou-se e evoluiu. Os geólogos estudam a origem do sistema solar para entender a formação da Terra. Embora a Terra tenha se esfriado após um período incandescente, ela continua um planeta inquieto, mudando continuamente por meio de atividades geológicas, tais como terremotos, vulcões e glaciações. Essas atividades são governadas por dois mecanismos térmicos: um interno e outro externo. Mecanismos de tal tipo como, por exemplo, o motor a gasolina de um automóvel transformam calor em movimento mecânico ou trabalho. O mecanismo interno da Terra é governado pela energia térmica aprisionada durante a origem cataclísmica do planeta, e gerada pela radioatividade em seus níveis mais profundos. O calor interior controla os movimentos no manto e no núcleo, suprindo energia para fundir rochas, mover continentes e soerguer montanhas. O mecanismo externo da Terra é controlado pela energia solar calor da superfície terrestre proveniente do Sol. O calor do Sol energiza a atmosfera e os oceanos e é responsável pelo nosso clima e condições meteorológicas do tempo. Chuva, vento e gelo erodem montanhas e modelam a paisagem e, por sua vez, a forma da superfície da Terra é capaz de provocar mudanças climáticas. Os principais componentes do Sistema Terra são os internos: Litosfera, Astenosfera, Manto inferior, Núcleo externo e Núcleo interno o calor interno da Terra energiza estes componentes e os externos: Atmosfera, Hidrosfera e Biosfera a energia solar energiza estes componentes. 1 Geólogo, Mestre em Geologia Econômica, CPRM Serviço Geológico do Brasil. Geólogo, especialista em Engenharia do Meio Ambiente. CPRM Serviço Geológico do Brasil. 3 Geólogo, especialista em geologia ambiental, CPRM Serviço Geológico do Brasil. 4 Engenheira Civil, Mestre em Engenharia Ambiental, ANP Agêcia Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis. 2 1

2 Embora pensemos a Terra como sendo um único sistema, é um desafio estudá-la por inteiro, de uma só vez. Ao invés disso, se focarmos nossa atenção em partes do sistema, estaremos avançando no seu entendimento. Por exemplo, nas discussões sobre mudanças climáticas recentes, consideraremos primeiramente as interações entre atmosfera, hidrosfera e biosfera, as quais são controladas pela energia solar. Nossa abordagem sobre a formação dos continentes enfocará as interações entre a crosta e as porções mais profundas do manto, que são controladas pela energia interna da Terra. Os subsistemas específicos que encerram elementos característicos da dinâmica terrestre são chamados de geossistemas (PRESS op.cit). O Sistema Terra pode ser pensado como uma coleção desses geossistemas abertos e interativos (que freqüentemente se sobrepõem). Os geossistemas que operam em escala global são o clima, placas tectônicas e o geodínamo, o qual é responsável pelo campo magnético terrestre (Figura 1). 2

3 Figura 1- Geossistemas que operam em escala global. Fonte: Modificado de Press et al 2006). De acordo com a notável teoria da tectônica de placas, a litosfera não é uma casca contínua; ela é quebrada em cerca de 12 grandes placas que se movem sobre a superfície terrestre com taxas de alguns centímetros por ano. O movimento das placas é a manifestação superficial da convecção do manto, e nos referimos a todo esse conjunto como o sistema das placas tectônicas. Controlado pelo calor interno da Terra, o material quente do manto sobe onde as placas se separam, e então começa a endurecer a litosfera. À medida que se move para longe desse limite divergente, a litosfera esfria e torna-se mais rígida. Porém, ela pode eventualmente afundar na astenosfera e arrastar material de volta para o manto, nos bordos onde as placas convergem, num processo contínuo de criação e destruição. Segundo Press (op. cit.), o habitat humano é uma delgada interface entre a Terra e o céu, onde grandes forças interagem para moldar a face do nosso planeta. As forças tectônicas dentro da litosfera, controladas pelo calor interno das profundezas, geram terremotos, erupções vulcânicas e soerguimento de montanhas. As forças meteorológicas dentro da atmosfera e da hidrosfera, controladas pelo calor do sol, produzem tempestades, inundações, geleiras e outros agentes de erosão. As interações entre os geossistemas globais da tectônica de placas e do clima mantêm um equilibrado ambiente na superfície terrestre e, segundo o qual, a sociedade humana pode prosperar e crescer. Na verdade, nossos números e atividades estão se multiplicando em taxas fenomenais. De 1930 a 2000, a população mundial cresceu 300%, de 2 para 6 bilhões de habitantes. Nos próximos 30 anos, estima-se que esse total exceda a 8 bilhões. Entretanto, a energia total utilizada aumentou em 1.000% durante os últimos 70 anos e está, agora, subindo duas vezes mais rápido que a taxa de crescimento da população. Ao longo de toda sua história, o homem tem modificado o meio ambiente através do desmatamento, da agricultura, bem como por outros tipos de uso do solo. Entretanto, os efeitos dessas transformações nos tempos antigos eram, comumente, restritos ao habitat local ou regional. A sociedade atual afeta o meio ambiente numa escala inteiramente nova: nossas atividades podem ter conseqüências globais. A magnitude das atuais atividades humanas em relação aos sistemas das placas tectônicas e do clima, que governam a superfície terrestre, pode ser ilustrada por alguns simples dados estatísticos, (PRESS et al, 2006): Na maioria dos países desenvolvidos, obras de engenharia civil removem maior volume de solos e rocha a cada ano, do que todos os processos naturais de erosão combinados. Os reservatórios construídos pelo homem retêm cerca de 30% dos sedimentos transportados pelos rios. Nos 50 anos após a invenção da refrigeração com gás freon, cloro-flúor-carbonos fabricados pelo homem vazaram de refrigeradores e condicionadores de ar para a estratosfera em quantidade suficiente para danificar a camada de ozônio que protege a superfície terrestre. Desde o começo da Revolução Industrial, no início do século XIX, o desmatamento e a queima de combustíveis fósseis aumentaram a quantidade de dióxido de carbono na atmosfera em mais de 30%. O dióxido de carbono atmosférico está aumentando numa taxa sem precedentes de 4% por década e, provavelmente, causará expressivo 3

4 aquecimento global em futuro próximo, provavelmente quando nossos filhos estiverem em idade adulta. Essas questões são relevantes, e os geocientistas podem contribuir significativamente com informações do meio físico para que políticos, planejadores e gestores do território tomem decisões acertadas quanto ao uso adequado dos espaços geográficos. 2. Recursos minerais e energéticos: análise ambiental estratégica Por suas dimensões continentais e sua diversificada geologia, o Brasil constitui-se em um país com enorme vocação mineral e um grande produtor de insumos básicos provenientes da mineração. Atualmente, figura no cenário internacional, ao lado de paises com tradicional vocação mineira tais como o Canadá, Austrália, África do Sul e Estados Unidos. A produção mineral brasileira tem sido crescente nas últimas décadas devendo-se este fato, pelo menos parcialmente, aos enormes investimentos realizados pelas empresas de mineração em prospecção mineral aliado ao esforço realizado pelo governo federal na execução de extensos programas de levantamentos geológicos sistemáticos levados a efeito, principalmente, nas décadas de 60 e 70, e retomados nas décadas de 80, 90 e 00, pelo Serviço Geológico do Brasil - CPRM, juntamente com o Departamento Nacional da Produção Mineral - DNPM e Universidades. Este esforço conjunto, governo e iniciativa privada, resultou na descoberta de centenas de novas jazidas de minérios metálicos e não metálicos, gemas e minerais energéticos, sendo que muitas delas estão pleno processo de explotação, gerando riqueza para o país. Como conseqüência, a produção mineral do país tem crescido sistematicamente nos últimos anos atingindo em 2005 um total de R$ 85 bilhões, o que corresponde em torno de 5% do PIB, demonstrando o enorme crescimento alcançado pelo setor mineral brasileiro. Os bens minerais constituem-se em um dos grandes patrimônios não renováveis da Geodiversidade, sendo um importante fator de desenvolvimento sustentável e da melhoria da qualidade de vida dos brasileiros. A industria extrativa é uma das mais importantes fontes de emprego e desenvolvimento regional, já que as jazidas muitas vezes situam-se em regiões isoladas carentes de investimentos econômicos e sociais. Assim, a ampla distribuição das jazidas no território nacional, que promove a interiorização de empregos evitando a emigração de mão de obra para centros urbanos já altamente populosos, aliada a investimentos governamentais e privados, constituem-se em fator importante para o desenvolvimento do nosso país. A crescente produção mineral do Brasil, motivada pelo o aumento de preço e da demanda de países emergentes como China e Índia, tem permitido um significativo aumento do setor mineral no desenvolvimento do país permitindo antever uma boa perspectiva para o setor mineral do país no curto e médio prazo. Entretanto, contrapondo-se a este cenário otimista, verifica-se que nos últimos anos, muitas das áreas potencialmente favoráveis a existência de jazidas minerais, estão sendo objeto de implantação de áreas protegidas, inibindo de maneira preocupante a atual e futura atividade mineira tão necessária ao desenvolvimento nacional. Este conflito de uso está extremamente acentuado na região norte do Brasil, onde jazidas importantes estão situadas em terras indígenas e unidades de conservação, em proporções cada vez maiores. Assim, em nome da preservação da biodiversidade, importantes riquezas minerais tornar-se-ão intocáveis. Por outro lado, é importante que se ressalte que os bens minerais, quando extraídos da natureza com tecnologia adequada, transformam-se em riquezas, com o menor impacto 4

5 possível. Normalmente é atribuído a esta atividade um papel poluidor de grande dimensão, embora seja reconhecida que a degradação, quando inevitável, normalmente é pontual e de pequena dimensão. Felizmente, nos últimos anos, com a divulgação na mídia dos cuidados que as empresas de mineração estão tendo com o meio ambiente, esta imagem poluidora está diminuindo quando comparadas como outras atividades econômicas. Além de toda a potencialidade mineral do território continental do Brasil, recentemente, estudos geológicos realizados na plataforma marinha, também conhecida como a Amazônia Azul, revelaram que além do potencial petrolífero, existem animadores indícios de depósitos de fosforitas, diamante, calcário e ouro entre outros. Os recursos minerais desta parte do território brasileiro são também uma nova fronteira de recursos naturais para o país. Na análise estratégica, com base em 8 encartes denominados Áreas de Relevante Interesse Mineral, Áreas Protegidas e Áreas Especiais, as ocorrências, depósitos e jazidas cadastradas, representando mais de 160 substâncias minerais, foram agrupadas em: Insumos para a Agricultura, Materiais Energéticos (carvão, turfa, gás e óleo), Gemas Preciosas, Minerais Metálicos, Minerais Industriais Não Metálicos, Água Mineral e Potável, Rochas Ornamentais e Materiais para Uso na Construção Civil. A localização destes bens minerais em relação às Áreas Protegidas e Áreas Especiais esta sintetizada na Figura 2. Neste trabalho buscou-se um conjunto de informações capazes de traduzir a dimensão ecológico-econômica e social das atividades mineiras, bem como o potencial geológico do país. No mesmo mapa, citado acima, tem-se um quadro onde foram analisados os capitais econômico e humano envolvidos nas atividades setoriais, ao qual se comparam os impactos ambientais, para finalmente sumariar-se uma visão estratégica que inclui as relações custobenefício e a essencialidade dos recursos minerais para o desenvolvimento e segurança nacional. Ressalta-se, por exemplo, que as atividades minerárias de uma série de insumos, sobretudo materiais de construção, são tanto mais abundantes quanto mais populosas forem as regiões do país. Destaca-se, também, a má distribuição de alguns recursos essenciais para o desenvolvimento econômico, como é o caso dos calcários para corretivos de solos, raros ou até mesmo inexistentes em algumas unidades da federação, como é o caso de Roraima. No que diz respeito aos impactos ambientais decorrentes da mineração, deve-se pinçar algumas constatações provenientes da experiência adquirida ao longo de décadas. A primeira é que a mineração organizada causa menos impactos negativos e é muito mais facilmente controlada pelo setor público. Por outro lado, o extrativismo mineral informal utilizando-se de métodos rudimentares, sem planejamento e controle, constitui-se em grande fonte de passivos ambientais. Seu controle é muito problemático, sobretudo porque envolve parcelas da população (garimpeira) que se valem dessa atividade como último recurso para a sua sobrevivência e privadas dessa fonte, caem na marginalidade. Uma outra questão importante diz respeito à mineração em áreas urbanas que, sendo feita de modo geral sem um adequado planejamento e inserção nos planos diretores, vem gerando imensos conflitos de uso da terra, além de múltiplos impactos ambientais. Tratando-se de uma atividade que comumente causa impacta as áreas de preservação permanente, é imperioso que se promova o aperfeiçoamento dos métodos de lavra e a reutilização dos espaços minerados. Em áreas urbanas as principais lavras são para minerais para de uso na construção civil, importante bem social, cujo custo é muito sensível em relação ao transporte, sendo assim, é 5

6 preciso proteger os depósitos minerais para a construção civil, de forma que à urbanização não os inviabilizem. A análise estratégica aponta, também, no sentido de que o país poderia melhor aproveitar seu potencial em rochas ornamentais e água mineral, propiciando recursos expressivos (divisas) decorrentes da exportação dessas commodities. Um outro aspecto relaciona-se à necessidade de planejamento territorial integrado, por exemplo, com respeito à infra-estrutura, evitando-se custos desnecessários para viabilizar depósitos minerais que às vezes são marginalizados, tornando-se antieconômicos, o que é sobremaneira grave, principalmente em regiões economicamente deprimidas, carentes de bases para arranjos produtivos. Com respeito aos recursos minerais existentes na Amazônia, além dos já conhecidos mamutes geológicos e o potencial para que se encontrem outros, pode-se prognosticar o grau de importância dos calcários dolomíticos e o sal-gema, que não somente são raros como mal distribuídos, do óleo leve e do gás natural, requerendo-se cuidadoso planejamento de forma a evitar o engessamento de áreas de relevante interesse para esses minerais, tornando indisponíveis matérias-primas fundamentais para a sustentabilidade social e econômica e, por conseqüência, ecológica de toda a região. Dentro dessa visão, os recursos minerais devem ser considerados como parte da infraestrutura territorial, salientando-se, ainda mais, a sua rigidez locacional, diferentemente de estradas, redes de energia e outros componentes do desenvolvimento econômico e social. Aliás, é justamente na Amazônia que despontam os principais conflitos de uso e ocupação, haja vista a dualidade extremada entre conservação e exploração dos recursos naturais. Um dos principais óbices à tomada de decisões no momento é a falta de conhecimento científico sobre o território, sobre a sua composição e funcionamento dos geossistemas, de sorte que se possam embasar decisões seguras, passíveis de serem consensuadas. Em relação aos materiais energéticos, o referido mapa mostra as bacias sedimentares com relevante potencial para a pesquisa de carvão, turfa, petróleo e gás natural e os poços com hidrocarbonetos constatados. Além das áreas atualmente em produção, as bacias sedimentares brasileiras, tanto em terra como em mar, apresentam grande potencial para petróleo e gás, considerando-se que condições geológicas similares no mundo proporcionam produção relevante. Finalmente, com respeito à exploração de petróleo e gás salienta-se a importância desses recursos tanto para a economia e a segurança nacional, como pelo papel que desempenham impulsionando uma série de indústrias, com destaque para a indústria naval, além da petroquímica, naturalmente. A produção bruta de petróleo e a capacidade de refino e transporte dão uma dimensão do gigantismo do setor e sua importância para a vida nacional. 6

7 IINSUMOS PARA A AGRICULTURA MINERAIS METÁLICOS MINERAIS INDUSTRIAIS NÃO-METÁLICOS MATERIAIS ENERGÉTICOS ÁGUA MINERAL E POTÁVEL ROCHAS ORNAMENTAIS GEMAS E PEDRAS PRECIOSAS MATERIAIS DE USO NA CONSTRUÇÃO CIVIL Figura 2 Localização das Áreas de Relevante Interesse Mineral e das Áreas Protegidas (parques, reservas, APAs, reservas indígenas) e Especiais (Forças Armadas). 3. Domínios e unidades geológico-ambientais: adequabilidades e limitações frente ao uso e ocupação Para disponibilizar informações geológicas a serem utilizadas no planejamento, uso, gestão e ordenamento dos espaços geográficos, o território brasileiro foi dividido em 23 domínios e 108 unidades geológico ambientais (Mapa Geodiversidade do Brasil, em anexo), utilizando-se para classificar os geossistemas (unidades/polígonos de análise) o agrupamento de rochas que apresentassem os mesmos comportamentos frente ao uso e ocupação. 7

8 Os critérios utilizados foram: posicionamento tectônico, nível crustal, classe da rocha (se ígnea, sedimentar ou metamórfica), grau de coesão, textura, composição, tipos e graus de deformação, expressividade do corpo rochoso, tipos de metamorfismo, expressão geomorfológica e ou litótipos especiais. Se por um lado agrupou-se, por exemplo, quartzitos friáveis e arenitos friáveis, por outro lado foram separados pacotes sedimentares muito semelhantes em sua composição, estrutura e textura, quando a geometria do corpo rochoso apontava no sentido da importância em distinguir, por exemplo, uma situação de extensa cobertura, de uma situação de pacote restrito, limitado em riftes (corpos sedimentares alongados delimitados por falhas). Esses foram os critérios considerados para interpretar a influência da geologia dos grandes Geossistemas do Brasil nas adequabilidades e limitações dos terrenos frente à execução de obras de superfície e subterrâneas, agricultura, comportamento fontes potencialmente poluidoras e nos potenciais hidrogeológico e mineral, aspectos ambientais e turístico. Apresentamos abaixo como exemplo a descrição do Domínio 9 e as Unidades Geológico Ambientais 9.1 e 9.2, 3.1. Domínio 9 - Espessos pacotes de sedimentos quartzo-arenosos mesozóicos de deposição eólica (transportados pela ação dos ventos). Adequabilidades, Limitações, Potencialidades e Recomendações a) Frente à execução de Obras i) Limitações: Sedimentos à base de quartzo: bastante abrasivos; problemáticos de serem perfurados com sondas rotativas (as brocas desgastam-se rápido); Geralmente portadores de alta densidade de fraturas abertas verticalizadas e horizontalizadas: bastante percolativos; soltam blocos e placas com facilidade em taludes de corte; 8

9 alteram-se para solos excessivamente arenosos, friáveis, permeáveis e erosivos (figura 73) e que se desmoronam com facilidade em taludes de corte; Compostos por grãos de quartzo com elevada esferecidade: solos residuais sujeitos ao fenômeno da liquefação (tipo areia movediça); Existência de raras intercalações de sedimentos síltico-argilosos pouco permeáveis: constituem-se em descontinuidades geomecânicas e hidráulicas que facilitam as desestabilizações e o aparecimento de surgências d água em taludes de corte; Possibilidades de existirem pequenas ou grandes cavidades subterrâneas formadas pela erosão dos arenitos pelas águas do lençol freático. Figura 73 - Vossoroca em arenitos ortoquartzíticos da Formação Rio Ávila, diferenciada como Unidade D9.2. Colorado D oeste, RO. ii) Adequabilidades: Camadas horizontalizadas, espessas e extensas de sedimentos com boa homogeneidade geomecânica e hidráulica lateral e vertical. b) frente à agricultura i) Limitações: Predomínio de sedimentos que se alteram para solos excessivamente arenosos: bastante erosivos; sujeitos à arenização e à formação de grandes vossorocas (figura 73); de fertilidade natural muito baixa; excessivamente permeáveis; de baixa capacidade hídrica; perdem água rápido assim que passam as chuvas; de muito baixa capacidade de reter e fixar nutrientes e de assimilar matéria orgânica; respondem muito mal à adubação; bastante ácidos; Solos residuais inadequados para a agricultura de ciclo curto o que exige a mecanização freqüente e para o cultivo de plantas de raízes curtas. c) frente a fontes poluidoras i) Limitações: 9

10 Sedimentos bastante porosos e permeáveis e que se alteram para solos, também bastante permeáveis e de muito baixa capacidade de reter, fixar e eliminar poluentes: poluentes podem chegar rápido até às águas subterrâneas sem sofrer nenhuma depuração; Cuidados especiais devem ser tomados com todas as fontes potencialmente poluidoras (figura 74). Figura 74 - Uma prática que se costuma fazer é depositar lixo nas vossorocas que existem na periferia das cidades localizadas nos terrenos diferenciados como Domínio 9, a exemplo desse local, área de exposição da Formação Botucatu, região de Cajuru, SP. Destaca-se que esses terrenos são áreas de recarga de um dos maiores e melhores aqüíferos do mundo, o Aqüífero Guarani, e são sustentados por solos e sedimentos altamente permeáveis e de muito baixa capacidade de reter e depurar poluentes. d) recursos hídricos subterrâneos i) Limitações: Aqüíferos porosos de muito alta vulnerabilidade à contaminação; Em algumas regiões a permeabilidade e a porosidade dos arenitos podem estar reduzidas pela silicificação acentuada ou pela diagênese avançada. ii) Adequabilidades: Sedimentos à base de quartzo, com granulometria entre areia e silte, com boa seleção granulométrica, pronunciado grau de arredondamento e freqüente bimodalidade de tamanho dos grãos: características hidrodinâmicas bastante favoráveis para se constituírem em excelentes aqüíferos subterrâneos; Aqüíferos porosos bastante espessos, de grande expressividade areal e boa homogeneidade hidrodinâmica lateral e vertical. e) Potencial mineral Predomínio de sedimentos à base de quartzo: de alta resistência ao intemperismo físico-químico; quando não-intemperizados são bem endurecidos e adequados para serem usados como pedra de revestimento e refratários; Manto de alteração parcial quartzo-arenoso: bom para ser usado como anti-pó, areia e saibro. f) Aspectos ambientais e potencial turístico 10

11 Terrenos naturalmente suscetíveis à erosão, à arenização e a vossorocamentos; Fonte de alta carga de detritos arenosos que assoream os cursos d água; Bastante permeáveis, importantes para a recarga das águas subterrâneas; Ocorrências fossilíferas de crocodilos, quelônios e dinossauros Unidade geológico-ambiental D9.1 Espesso e extenso pacote de quartzo-arenito, geralmente bem consolidado, com intercalações subordinadas de sedimentos síltico-argilosos. a) frente à execução de obras i) Limitações: Predomínio de quartzo-arenitos, em geral, bem consolidados: de moderada a alta resistência ao corte e à penetração. ii) Adequabilidades: Maior possibilidade de se encontrar arenitos bem endurecidos, de alta resistência ao intemperismo físico-químico e alta resistência à compressão. b) Potencial Mineral Maior possibilidade de existirem arenitos bastante endurecidos e com boas características para serem usados como pedra de revestimento. c) Aspectos ambientais e potencial turístico Área de afloramento do aqüífero Guarani, um dos maiores e melhores reservatórios de água doce do mundo; Configuração morfolitostrutural favorável à existência de relevo escarpado e de morros residuais de belas e curiosas formas (figura 76) e até grutas. Figura 76 - Escarpa sustentada por arenitos da Formação Botucatu, região de Descalvado-Analândia, SP, diferenciada como Unidade D9.1. Essa configuração morfolitostrutural é um importante e frágil ecossistema. No sopé das escarpas costumam existir nascentes d água. Além disso, é uma frente erosiva, naturalmente instável, recoberta por blocos, matacões de arenito e por solos arenosos que se desprendem das escarpas, material sujeito a se movimentar naturalmente. Além de que, é muito bonita e recoberta por uma vegetação típica, que deve ser preservada Unidade geológico-ambiental D9.2 11

12 Espesso e extenso pacote de quartzo-arenito, pouco a moderadamente consolidado, com intercalações subordinadas de sedimentos síltico-argilosos. a) frente à execução de obras i) Limitações: Predomínio de sedimentos com baixo grau de consistência: deficiência de rochas duras para agregados. ii) Adequabilidades: Predomínio de sedimentos com baixo grau de consolidação: baixa resistência ao corte; podem ser desmontados e escavados apenas com ferramentas e maquinários de corte. c) Aspectos Ambientais e Potencial Turístico Terrenos com intensa atividade agrossilvopastoril, com alta incidência de imensas vossorocas (figura 73). 4. Considerações finais Os bens minerais desde os primórdios da vida humana têm sido intensivamente utilizados para o bem estar das pessoas, sendo utilizados em nossa vida cotidiana, nas moradias, veículos, utilitários domésticos, materiais de comunicação, etc. Praticamente, tudo que nos rodeia é constituído por minerais e/ou rochas. Também é importante salientar que as rochas após intemperizadas, juntamente com o relevo e clima, contribui para a formação dos solos, disponibilizando nutrientes e micronutrientes, os quais são absorvidos pelas plantas, sustentando e desenvolvendo assim, a vida no planeta terra (biodiversidade). A biodiversidade esta assentada sobre a geodiversidade e, por conseguinte, é dependente direta desta, necessitando ser melhor estudada e considerada nos futuros usos ou proteção dos espaços geográficos. O Mapa Geodiversidade do Brasil na escala 1: , apresenta em seu conteúdo informações que vão da escala , no Sul, Sudeste, Centro-Oeste e Nordeste a 1: em grande parte da região Norte. Presta-se para ser utilizado em empreendimentos de grande porte que necessitem de informações do meio físico mas, principalmente, para órgãos de governo federal e estaduais que necessitam planejar, gerenciar e ordenar frente à ocupação e uso dos espaços territoriais. Configura-se como importante ferramenta, juntamente com outras informações setoriais, para elaborar o zoneamento ecológico-econômico e o planejamento estratégico do país. Bibliografia CPRM - Mapa Geodiversidade do Brasil, escala 1: , Legenda Expandida, ilustrada, CD-ROM/SIG, Serviço Geológico do Brasil - CPRM, Secretaria de Geologia, 12

13 Mineração e Transformação Mineral - SGM, Ministério de Minas e Energia - MME, Brasilia, PRESS, F, SIEVER R.,GROTZINGER, J. & JORDAN, T. H. - Para Entender a Terra, 4ª Edição, Tradução Rualdo Menegat,Trechos; Figs e Porto Alegre: Artmed Editora, 656 p.: il

A TERRA É UM SISTEMA ABERTO QUE TROCA ENERGIA E MASSA COM O SEU ENTORNO

A TERRA É UM SISTEMA ABERTO QUE TROCA ENERGIA E MASSA COM O SEU ENTORNO PLANETA TERRA A Terra é um sistema vivo que abriga milhões de organismos, incluindo os humanos, e apresenta delicado equilíbrio para manter a vida. A Geologia é a ciência que estuda a Terra: sua origem,

Leia mais

A1.2 Águas subterrâneas. A1.2.0 Introdução 1

A1.2 Águas subterrâneas. A1.2.0 Introdução 1 A1.2 Águas subterrâneas Os objetivos desta seção consistem em avaliar o potencial e as disponibilidades das águas subterrâneas, bem como determinar suas principais limitações e áreas mais favoráveis à

Leia mais

Conceito. são os diversos tipos de materiais ou processos dos quais se podem obter energia. Podem ser divididos em dois grandes grupos:

Conceito. são os diversos tipos de materiais ou processos dos quais se podem obter energia. Podem ser divididos em dois grandes grupos: Conceito são os diversos tipos de materiais ou processos dos quais se podem obter energia. Podem ser divididos em dois grandes grupos: Renováveis renovação em um curto período de tempo; Não renováveis

Leia mais

ambientes de topografia mais irregular são mais vulneráveis a qualquer tipo de interferência. Nestes, de acordo com Bastos e Freitas (2002), a

ambientes de topografia mais irregular são mais vulneráveis a qualquer tipo de interferência. Nestes, de acordo com Bastos e Freitas (2002), a 1. INTRODUÇÃO Muitas e intensas transformações ambientais são resultantes das relações entre o homem e o meio em que ele vive, as quais se desenvolvem num processo histórico. Como reflexos dos desequilíbrios

Leia mais

Grandes Problemas Ambientais

Grandes Problemas Ambientais Grandes Problemas Ambientais O aumento do efeito de estufa; O aquecimento global; A Antárctica; A desflorestação; A Amazónia; A destruição da camada de ozono; As chuvas ácidas; O clima urbano; Os resíduos

Leia mais

Modulo I Mudanças Climáticas

Modulo I Mudanças Climáticas Nome: Nº: Turma: Geografia 1º ano Exercícios Extras Silvia Set/09 Modulo I Mudanças Climáticas 1. (UFRJ) A maior parte do aquecimento da atmosfera é proveniente da radiação terrestre: a atmosfera deixa

Leia mais

https://www.youtube.com/watch?v=ejyyhuxkn8y

https://www.youtube.com/watch?v=ejyyhuxkn8y https://www.youtube.com/watch?v=ejyyhuxkn8y Definição é a camada superficial da crosta terrestre formada por quatro elementos principais: a, o, a e os. Possui importância fundamental para variadas atividades

Leia mais

O homem e o meio ambiente

O homem e o meio ambiente A U A UL LA O homem e o meio ambiente Nesta aula, que inicia nosso aprendizado sobre o meio ambiente, vamos prestar atenção às condições ambientais dos lugares que você conhece. Veremos que em alguns bairros

Leia mais

Ø As actividades humanas dependem da água para a agricultura, indústria, produção de energia, saúde, desporto e entretenimento.

Ø As actividades humanas dependem da água para a agricultura, indústria, produção de energia, saúde, desporto e entretenimento. Ø As actividades humanas dependem da água para a agricultura, indústria, produção de energia, saúde, desporto e entretenimento. Ä A água é indispensável ao Homem, a sua falta ou o seu excesso, pode ser-lhe

Leia mais

MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE

MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE Sustentabilidade significa permanecer vivo. Somos mais de 7 bilhões de habitantes e chegaremos a 9 bilhões em 2050, segundo a ONU. O ambiente tem limites e é preciso fazer

Leia mais

A) Ação global. B) Ação Antrópica. C) Ação ambiental. D) Ação tectônic

A) Ação global. B) Ação Antrópica. C) Ação ambiental. D) Ação tectônic Disciplina: Geografia Roteiro de Recuperação Ano / Série: 6º Professor (a): Gabriel Data: / / 2013 Matéria da recuperação. Superficie da Terra. Litosfera, solo e relevo 1- Analise a imagem. www.trabanca.com-acesso:

Leia mais

Capítulo 10 ELEMENTOS SOBRE SOLOS

Capítulo 10 ELEMENTOS SOBRE SOLOS 1 - Conceitos: Capítulo 10 ELEMENTOS SOBRE SOLOS O solo deve ser considerado sob o aspecto de ente natural e, como tal é tratado pelas ciências que estudam a natureza, como a geologia, a pedologia e a

Leia mais

ESCOLA FERREIRA CASTRO 13/14 PROFª SANDRA NASCIMENTO III TECTÓNICA DE PLACAS

ESCOLA FERREIRA CASTRO 13/14 PROFª SANDRA NASCIMENTO III TECTÓNICA DE PLACAS ESCOLA FERREIRA CASTRO 13/14 PROFª SANDRA NASCIMENTO III TECTÓNICA DE PLACAS Regresso à deriva continental O interesse pela Teoria da Deriva Continental reacendeu-se, por volta de 1950, quando se começou

Leia mais

Exercícios de Alteração na Paisagem e Morfologia Litorânea

Exercícios de Alteração na Paisagem e Morfologia Litorânea Exercícios de Alteração na Paisagem e Morfologia Litorânea Material de apoio do Extensivo 1. (UNIOESTE) O relevo apresenta grande diversidade de formas que se manifestam, ao longo do tempo e do espaço,

Leia mais

REVISÃO E AVALIAÇÃO DA UNIDADE I

REVISÃO E AVALIAÇÃO DA UNIDADE I Aula: 6.1 REVISÃO E AVALIAÇÃO DA UNIDADE I 2 O universo 3 Galáxias São conjuntos de sistemas estelares que contêm mais de 100 bilhões de estrelas, poeira e gases. Via Láctea Constelação Agrupamento aparente

Leia mais

Fenômenos e mudanças climáticos

Fenômenos e mudanças climáticos Fenômenos e mudanças climáticos A maioria dos fenômenos climáticos acontecem na TROPOSFERA. Camada inferior da atmosfera que vai do nível do mar até cerca de 10 a 15 quilômetros de altitude. Nuvens, poluição,

Leia mais

Quanto maior o desenvolvimento econômico de um país

Quanto maior o desenvolvimento econômico de um país Capítulo 8 Quanto maior o desenvolvimento econômico de um país Maior é o consumo de energia: -Economia dinâmica; - Elevado padrão de consumo da população Aumento da capacidade produtiva Aumento do consumo

Leia mais

Município D 8.902 545 6,12 Município E 231.977 3.544 1,53 Município F 93.655 1.280 1,37

Município D 8.902 545 6,12 Município E 231.977 3.544 1,53 Município F 93.655 1.280 1,37 01 - Os problemas ambientais estão na ordem do dia dos debates científicos, das agendas políticas, da mídia e das relações econômicas. Até muito recentemente, ao se falar de meio ambiente, as instituições

Leia mais

Tipos de Energia. Gravitacional; Elétrica; Magnética; Nuclear.

Tipos de Energia. Gravitacional; Elétrica; Magnética; Nuclear. Fontes de Energia Tipos de Energia Gravitacional; Elétrica; Magnética; Nuclear. Fontes de Energia Primaria fontes que quando empregadas diretamente num trabalho ou geração de calor. Lenha, para produzir

Leia mais

Professor: Anderson Carlos Fone: 81 8786 6899

Professor: Anderson Carlos Fone: 81 8786 6899 Professor: Anderson Carlos Fone: 81 8786 6899 Estrutura geológica é a base do território. Corresponde à sua composição rochosa. Já o relevo é a forma apresentada pelo território ao nossos olhos: montanhas

Leia mais

Engenharia Florestal. Desenvolvimento Rural

Engenharia Florestal. Desenvolvimento Rural Engenharia Florestal Desenvolvimento Rural 2/05/2010 Trabalho realizado por : Ruben Araújo Samuel Reis José Rocha Diogo Silva 1 Índice Introdução 3 Biomassa 4 Neutralidade do carbono da biomassa 8 Biomassa

Leia mais

GEOGRAFIA. transformadas

GEOGRAFIA. transformadas GEOGRAFIA Disciplina A (currículo atual 2008) Disciplina B (currículos extintos) 1ª período 59480 Cartografia Geral 68 Geografia Cartografia B 136 37230 Geografia Contida Ementa: Aborda os fundamentos

Leia mais

CADERNO DE ATIVIDADES

CADERNO DE ATIVIDADES COLÉGIO ARNALDO 2014 CADERNO DE ATIVIDADES GEOGRAFIA Aluno (a): 4º ano Turma: Professor (a): Valor: 20 pontos Conteúdo de Recuperação Sistema Solar. Mapa político do Brasil: Estados e capitais. Regiões

Leia mais

EVOLUÇÃO GEOLÓGICA DO TERRITÓRIO NACIONAL

EVOLUÇÃO GEOLÓGICA DO TERRITÓRIO NACIONAL EVOLUÇÃO GEOLÓGICA DO TERRITÓRIO NACIONAL O Brasil apresenta, em seu território, um dos mais completos registros da evolução geológica do planeta Terra, com expressivos testemunhos geológicos das primeiras

Leia mais

A HIDROSFERA. Colégio Senhora de Fátima. Disciplina: Geografia 6 ano Profª Jenifer Tortato

A HIDROSFERA. Colégio Senhora de Fátima. Disciplina: Geografia 6 ano Profª Jenifer Tortato A HIDROSFERA Colégio Senhora de Fátima. Disciplina: Geografia 6 ano Profª Jenifer Tortato A HIDROSFERA A água é o mais abundante solvente natural que atua no sentido de desagregar, ou seja, fragmentar

Leia mais

O clima está diferente. O que muda na nossa vida?

O clima está diferente. O que muda na nossa vida? O clima está diferente. O que muda na nossa vida? 06/2011 Esta obra foi licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição - Uso Não-Comercial - Obras Derivadas Proibidas 3.0 Não Adaptada. 2 SUMÁRIO

Leia mais

AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Prof.Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Faculdade de Engenharia de Sorocaba Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Engenheiro Agrônomo CCA/UFSCar 1998 Mestre em Desenvolvimento

Leia mais

Sugestão de avaliação

Sugestão de avaliação Sugestão de avaliação 6 CIÊNCIAS Professor, esta sugestão de avaliação corresponde ao terceiro bimestre escolar ou às Unidades 3 e 4 do livro do Aluno. Avaliação Ciências NOME: TURMA: escola: PROfessOR:

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL / TRIMESTRAL 2014 Conteúdos Habilidades Avaliação

PLANEJAMENTO ANUAL / TRIMESTRAL 2014 Conteúdos Habilidades Avaliação COLÉGIO LA SALLE Associação Brasileira de Educadores Lassalistas ABEL SGAS Q. 906 Conj. E C.P. 320 Fone: (061) 3443-7878 CEP: 70390-060 - BRASÍLIA - DISTRITO FEDERAL Disciplina: Geografia Trimestre: 1º

Leia mais

A dinâmica do relevo terrestre e A hidrografia terrestre

A dinâmica do relevo terrestre e A hidrografia terrestre 1 O relevo terrestre é formado e modelado pela ação de diversos agentes internos (movimentos tectônicos, vulcanismo, terremoto) e externos (ação das águas, do vento e do próprio homem). Explique de que

Leia mais

As Principais Fontes De Energia Presentes No Mundo

As Principais Fontes De Energia Presentes No Mundo As Principais Fontes De Energia Presentes No Mundo INTRODUÇÃO: Desde a pré-história o homem vem se utilizando de diversas fortes e formas de energia, para suprir suas necessidades energéticas, por isso,

Leia mais

Aquecimento Global e Protocolo de Kyoto. Professor Thiago Espindula Disciplina de Geografia

Aquecimento Global e Protocolo de Kyoto. Professor Thiago Espindula Disciplina de Geografia Aquecimento Global e Protocolo de Kyoto Professor Thiago Espindula Disciplina de Geografia Exercícios (ENEM 2006) Com base em projeções realizadas por especialistas, teve, para o fim do século

Leia mais

A GEOTERMIA E SUA IMPORTÂNCIA NO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO

A GEOTERMIA E SUA IMPORTÂNCIA NO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO A GEOTERMIA E SUA IMPORTÂNCIA NO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO O que é a geotermia? A terra não só é capaz de produzir energia de maneira passiva a partir de materiais fósseis acumulados ao longo de milhões

Leia mais

Metas Curriculares Ensino Básico Geografia

Metas Curriculares Ensino Básico Geografia Metas Curriculares Ensino Básico Geografia 9.º ano Versão para discussão pública Novembro de 2013 Autores Adelaide Nunes António Campar de Almeida Cristina Nolasco Geografia 9.º ano CONTRASTES DE DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Create PDF with GO2PDF for free, if you wish to remove this line, click here to buy Virtual PDF Printer

Create PDF with GO2PDF for free, if you wish to remove this line, click here to buy Virtual PDF Printer AGRICULTURA E AQUECIMENTO GLOBAL Carlos Clemente Cerri Centro de Energia Nuclear na Agricultura (CENA/USP) Fone: (19) 34294727 E-mail: cerri@cena.usp.br Carlos Eduardo P. Cerri Escola Superior de Agricultura

Leia mais

CICLOS BIOGEOQUÍMICOS

CICLOS BIOGEOQUÍMICOS CICLOS BIOGEOQUÍMICOS O fluxo de energia em um ecossistema é unidirecional e necessita de uma constante renovação de energia, que é garantida pelo Sol. Com a matéria inorgânica que participa dos ecossistemas

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO E VIABILIDADES DE FONTES ENERGÉTICAS

CLASSIFICAÇÃO E VIABILIDADES DE FONTES ENERGÉTICAS CLASSIFICAÇÃO E VIABILIDADES 1 INTRODUÇÃO NA PRÉ HISTÓRIA O HOMEM UTILIZAVA SUA PRÓPRIA ENERGIA PARA DESENVOLVER SUAS ATIVIDADES TRANSFERÊNCIA DO ESFORÇO PARA OS ANIMAIS 2 APÓS A INVENSÃO DA RODA: UTILIZAÇÃO

Leia mais

3 ASPECTOS GERAIS DA ÁREA ESTUDADA

3 ASPECTOS GERAIS DA ÁREA ESTUDADA 3 ASPECTOS GERAIS DA ÁREA ESTUDADA 3.1. Localização O aproveitamento Hidrelétrico de Itumbiara, com potência instalada de 2080 MW, situa-se no rio Paranaíba, na divisa dos estados de Minas Gerais e Goiás,

Leia mais

Ensino Fundamental II

Ensino Fundamental II Ensino Fundamental II Valor da prova: 2.0 Nota: Data: / /2015 Professora: Angela Disciplina: Geografia Nome: n o : Ano: 6º 4º bimestre Trabalho de Recuperação de Geografia Orientações: - Leia atentamente

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL / TRIMESTRAL 2012 Conteúdos Habilidades Avaliação

PLANEJAMENTO ANUAL / TRIMESTRAL 2012 Conteúdos Habilidades Avaliação COLÉGIO LA SALLE Associação Brasileira de Educadores Lassalistas ABEL SGAS Q. 906 Conj. E C.P. 320 Fone: (061) 3443-7878 CEP: 70390-060 - BRASÍLIA - DISTRITO FEDERAL Disciplina: Geografia Trimestre: 1º

Leia mais

- Valorizar o trabalho de conservação ½ Ecologia. ambiental.

- Valorizar o trabalho de conservação ½ Ecologia. ambiental. C O L É G I O L A S A L L E Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Guarani, 000 - Fone (045) 35-336 - Fax (045) 3379-58 http://www.lasalle.edu.br/toledo/ DISCIPLINA: PROFESSOR(A): E-MAIL: CIÊNCIAS

Leia mais

5ª série / 6º ano 1º bimestre

5ª série / 6º ano 1º bimestre 5ª série / 6º ano 1º bimestre Água e o planeta Terra Hidrosfera Distribuição e importância Hidrosfera é o conjunto de toda a água da Terra. Ela cobre 2/3 da superfície terrestre e forma oceanos, mares,

Leia mais

01- O que é tempo atmosférico? R.: 02- O que é clima? R.:

01- O que é tempo atmosférico? R.: 02- O que é clima? R.: PROFESSOR: EQUIPE DE GEOGRAFIA BANCO DE QUESTÕES - GEOGRAFIA - 6º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================= TEMPO ATMOSFÉRICO

Leia mais

Planificação Anual. Professora: Pedro Miguel Bezerra Disciplina: Ciências Naturais Ano: 5.º Turma: B Ano letivo: 2014-2015

Planificação Anual. Professora: Pedro Miguel Bezerra Disciplina: Ciências Naturais Ano: 5.º Turma: B Ano letivo: 2014-2015 Planificação Anual Professora: Pedro Miguel Bezerra Disciplina: Ciências Naturais Ano: 5.º Turma: B Ano letivo: 2014-2015 Domínio/Objetivos Descritores de Desempenho Atividades/Estratégias Avaliação Matéria

Leia mais

Aula 19 Conteúdo O homem e o meio ambiente. Principais problemas ambientais do mundo.

Aula 19 Conteúdo O homem e o meio ambiente. Principais problemas ambientais do mundo. CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade IV Natureza sociedade: questões ambientais. Aula 19 Conteúdo O homem e o meio ambiente. Principais problemas ambientais do mundo. 2 CONTEÚDO

Leia mais

CP/CAEM/2005 1ª AVALIAÇÃO FORMATIVA - 2005 FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO

CP/CAEM/2005 1ª AVALIAÇÃO FORMATIVA - 2005 FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO CP/CAEM/05 1ª AVALIAÇÃO FORMATIVA - 05 FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO GEOGRAFIA DO BRASIL 1ª QUESTÃO (Valor 6,0) Analisar os fatores fisiográficos do espaço territorial do Brasil, concluindo sobre a influência

Leia mais

Legislação Territorial Agenda 21. Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza

Legislação Territorial Agenda 21. Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza Legislação Territorial Agenda 21 Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza O que é Agenda 21? Agenda 21 é um conjunto de resoluções tomadas Eco-92, que

Leia mais

Projeto Lagoas Costeiras

Projeto Lagoas Costeiras Projeto Lagoas Costeiras Curso de formação para multiplicadores Módulos 1 e 2: Ecologia da Restinga Águas Subterrâneas Formação da Água Subterrânea: Ciclo de água Ciclo de água e volumes distribuídos nas

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3.º CICLO DE CAMARATE Planificação de Ciências Naturais 8.º ano Ano letivo 2014/2015

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3.º CICLO DE CAMARATE Planificação de Ciências Naturais 8.º ano Ano letivo 2014/2015 Domínio: Terra em transformação Subdomínio: Dinâmica externa da Terra ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3.º CICLO DE CAMARATE Identificar os minerais constituintes de rochas, considerando as suas propriedades físicas

Leia mais

RESOLUÇÕES E RESPOSTAS

RESOLUÇÕES E RESPOSTAS GEOGRAFIA 1 GRUPO CV 10/2009 RESOLUÇÕES E RESPOSTAS QUESTÃO 1: a) Os gráficos destacam que conforme ocorreu o aumento da população na grande São Paulo aumentaram também o número de viagens da população

Leia mais

Bacia do Paraná: Rochas e solos. Almério Barros França Petrobrás Claudinei Gouveia de Oliveira Instituto de Geociências-UnBi

Bacia do Paraná: Rochas e solos. Almério Barros França Petrobrás Claudinei Gouveia de Oliveira Instituto de Geociências-UnBi Bacia do Paraná: Rochas e solos Almério Barros França Petrobrás Claudinei Gouveia de Oliveira Instituto de Geociências-UnBi Bacia Hidrográfica do Rio Paraná versus Bacia Sedimentar do Paraná = Bacia do

Leia mais

UFU 2014 Geografia 2ª Fase

UFU 2014 Geografia 2ª Fase QUESTÃO 1 (Geopolítica) A região representada no mapa conta com quase dois terços das reservas mundiais de petróleo. Nas últimas décadas, o controle sobre essas fontes de petróleo foi a principal causa

Leia mais

RESOLUÇÕES E COMENTÁRIOS DAS

RESOLUÇÕES E COMENTÁRIOS DAS 1 RESOLUÇÕES E COMENTÁRIOS DAS QUESTÕES ( ) I Unidade ( ) II Unidade ( x ) III Unidade FÍSICA E GEOGRAFIA Curso: Ensino Fundamental Ano: 1.º Turma: ABCDEFG Data: / / 11 009 Física Profs. 1. Resolução I

Leia mais

Processo Seletivo 2011-2 Geografia

Processo Seletivo 2011-2 Geografia Geografia 1) Gabarito oficial definitivo sem distribuição dos pontos - Questão 1 Para o movimento de Rotação: Causas: inclinação do eixo terrestre ou movimento da terra em torno dela mesma. Conseqüências:

Leia mais

GEOLOGIA GERAL GEOGRAFIA

GEOLOGIA GERAL GEOGRAFIA GEOLOGIA GERAL GEOGRAFIA Segunda 7 às 9h Quarta 9 às 12h museu IC II Aula 2 Deriva continental e Tectônica de placas Turma: 2015/2 Profª. Larissa Bertoldi larabertoldi@gmail.com Dinâmica da Terra Deriva

Leia mais

INSTITUTO BRASIL SOLIDÁRIO INSTITUTO BRASIL SOLIDÁRIO. Programa de Desenvolvimento da Educação - PDE Programa de Desenvolvimento da Educação - PDE

INSTITUTO BRASIL SOLIDÁRIO INSTITUTO BRASIL SOLIDÁRIO. Programa de Desenvolvimento da Educação - PDE Programa de Desenvolvimento da Educação - PDE INSTITUTO BRASIL SOLIDÁRIO Mudanças Climáticas Rodrigo Valle Cezar O que é o Clima O clima compreende os diversos fenômenos que ocorrem na atmosfera da Terra. Atmosfera é a região gasosa que envolve toda

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

INTEMPERISMO, FORMAÇÃO DOS SOLOS E ÁGUA SUBTERRÂNEA. Profa. Andrea Sell Dyminski UFPR

INTEMPERISMO, FORMAÇÃO DOS SOLOS E ÁGUA SUBTERRÂNEA. Profa. Andrea Sell Dyminski UFPR INTEMPERISMO, FORMAÇÃO DOS SOLOS E ÁGUA SUBTERRÂNEA Profa. Andrea Sell Dyminski UFPR INTEMPERISMO Def: É o conjunto de modificações de ordem física (desagregação) e química (decomposição) que as rochas

Leia mais

O maior manancial de água doce do mundo

O maior manancial de água doce do mundo O maior manancial de água doce do mundo O Aquífero Guarani é o maior manancial de água doce Subterrânea transfronteiriço do mundo. Está localizado na região centro-leste da América do Sul, entre 12º e

Leia mais

Elaborado pelos alunos do 8º A da Escola Secundária Infante D. Henrique:

Elaborado pelos alunos do 8º A da Escola Secundária Infante D. Henrique: Elaborado pelos alunos do 8º A da Escola Secundária Infante D. Henrique: - Joana Moreira Lima nº16 - José Fernando nº17 - Sandra oliveira nº23 O carvão, o petróleo e o gás natural são combustíveis fósseis.

Leia mais

LUGARES E PAISAGENS DO PLANETA TERRA

LUGARES E PAISAGENS DO PLANETA TERRA LUGARES E PAISAGENS DO PLANETA TERRA AS ÁGUAS DE SUPERFÍCIE Os rios são cursos naturais de água doce. Eles podem se originar a partir do derretimento de neve e de geleiras, de um lago ou das águas das

Leia mais

Caracterização dos Solos

Caracterização dos Solos Mecânica dos Solos Caracterização dos Solos Prof. Fernando A. M. Marinho Exemplos de obras de Engenharia Geotécnica Talude Natural Talude de corte Barragem de terra Aterro de estradas Construções em solos

Leia mais

Observar a paisagem. Nesta aula, vamos verificar como a noção de

Observar a paisagem. Nesta aula, vamos verificar como a noção de A U A UL LA Observar a paisagem Nesta aula, vamos verificar como a noção de paisagem está presente na Geografia. Veremos que a observação da paisagem é o ponto de partida para a compreensão do espaço geográfico,

Leia mais

COLÉGIO MARISTA - PATOS DE MINAS 2º ANO DO ENSINO MÉDIO - 2013 Professor : Bruno Matias Telles 1ª RECUPERAÇÃO AUTÔNOMA ROTEIRO DE ESTUDO - QUESTÕES

COLÉGIO MARISTA - PATOS DE MINAS 2º ANO DO ENSINO MÉDIO - 2013 Professor : Bruno Matias Telles 1ª RECUPERAÇÃO AUTÔNOMA ROTEIRO DE ESTUDO - QUESTÕES COLÉGIO MARISTA - PATOS DE MINAS 2º ANO DO ENSINO MÉDIO - 2013 Professor : Bruno Matias Telles 1ª RECUPERAÇÃO AUTÔNOMA ROTEIRO DE ESTUDO - QUESTÕES Estudante: Turma: Data: / / QUESTÃO 1 Analise o mapa

Leia mais

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA QUÍMICA I TRIMESTRE CIÊNCIAS NATURAIS SABRINA PARENTE

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA QUÍMICA I TRIMESTRE CIÊNCIAS NATURAIS SABRINA PARENTE INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA QUÍMICA I TRIMESTRE CIÊNCIAS NATURAIS SABRINA PARENTE A química é a ciência que estuda a estrutura, a composição, as propriedades e as transformações da matéria. Ela é frequentemente

Leia mais

PROVA BIMESTRAL Ciências

PROVA BIMESTRAL Ciências 7 o ano 1 o bimestre PROVA BIMESTRAL Ciências Escola: Nome: Turma: n o : 1. Preencha as lacunas do esquema com as seguintes legendas: Planalto ocidental, Depressão periférica, Serra do Mar e Planície litorânea.

Leia mais

PROBLEMAS AMBIENTAIS INVERSÃO TÉRMICA INVERSÃO TÉRMICA 14/02/2014. Distribuição aproximada dos principais poluentes do ar de uma cidade (SP)

PROBLEMAS AMBIENTAIS INVERSÃO TÉRMICA INVERSÃO TÉRMICA 14/02/2014. Distribuição aproximada dos principais poluentes do ar de uma cidade (SP) PROBLEMAS AMBIENTAIS Distribuição aproximada dos principais poluentes do ar de uma cidade (SP) Liga-se com a hemoglobina impedindo o O2 de ser conduzido INVERSÃO TÉRMICA *Inversão térmica é um fenômeno

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS EDUCANDO PARA UM AMBIENTE MELHOR Apresentação A Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos do Rio Grande do Norte SEMARH produziu esta

Leia mais

Ciências do Ambiente- MÓDULO 1 Professora: Andréa Rodrigues ECOLOGIA GERAL

Ciências do Ambiente- MÓDULO 1 Professora: Andréa Rodrigues ECOLOGIA GERAL Ciências do Ambiente- MÓDULO 1 Professora: Andréa Rodrigues ECOLOGIA GERAL O que é Ecologia? Algumas definições: 1.Ciência que estuda as relações entre os seres vivos e o meio ambiente (Haeckel, 1866).

Leia mais

Exploração sustentada de recursos geológicos Recursos energéticos

Exploração sustentada de recursos geológicos Recursos energéticos Exploração sustentada de recursos geológicos Recursos energéticos Aula nº85 22 Maio 09 Prof. Ana Reis Recursos energéticos Vivemos numa época em que os recursos energéticos afectam a vida de todas as pessoas.

Leia mais

Perspectivas da Produção de Óleo e Gás pelo Método de Fraturamento Hidráulico

Perspectivas da Produção de Óleo e Gás pelo Método de Fraturamento Hidráulico UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO ESCOLA DE MINAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE MINAS Perspectivas da Produção de Óleo e Gás pelo Método de Fraturamento Hidráulico Wilson Trigueiro de Sousa Carlos Mouallem

Leia mais

Figura 1 Fragmentação e evolução dos continentes desde a Pangeia até à atualidade: A Pangeia à 225 milhões de anos, B Continentes na atualidade.

Figura 1 Fragmentação e evolução dos continentes desde a Pangeia até à atualidade: A Pangeia à 225 milhões de anos, B Continentes na atualidade. 1. Dinâmica interna da Terra 1.1. Deriva dos Continentes e Tectónica de Placas 1.1.1. Teoria da Deriva Continental Esta teoria foi apresentada por Wegener em 1912, e defendia que os continentes, agora

Leia mais

RESUMO DO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

RESUMO DO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO HIDROLOGIA I RESUMO DO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 1 - Introdução: Apresentação do Programa da Disciplina, Sistema de Avaliação; Conceito; Importância e Aplicação da Hidrologia (2h) 2 - Ciclo Hidrológico (2h);

Leia mais

QUAL É A CIDADE MAIS DISTANTE DO MAR?

QUAL É A CIDADE MAIS DISTANTE DO MAR? SOCIEDADE MINEIRA DE CULTURA Mantenedora da PUC Minas e do COLÉGIO SANTA MARIA DATA: 03 / 2 / 203 UNIDADE III ETAPA AVALIAÇÃO ESPECIAL DE GEOGRAFIA 6.º ANO/EF ALUNO(A): N.º: TURMA: PROFESSOR(A): VALOR:

Leia mais

HIDROGEOLOGIA AVANÇADA. PARTE II Aula 03. üíferos. Os Aqüí. Prof. Milton Matta

HIDROGEOLOGIA AVANÇADA. PARTE II Aula 03. üíferos. Os Aqüí. Prof. Milton Matta HIDROGEOLOGIA AVANÇADA PARTE II Aula 03 Os Aqüí üíferos Prof. Milton Matta Aquïfero aqui + FERO = (H2O) (SUPORTE) AQUÍFERO Aquífero é uma formação geológica, formada por rochas permeáveis seja pela porosidade

Leia mais

DEPARTAMENTO NACIONAL DE PRODUÇÃO MINERAL PORTARIA Nº 231,de 31 DE JULHO DE 1998, DOU de 07/08/98

DEPARTAMENTO NACIONAL DE PRODUÇÃO MINERAL PORTARIA Nº 231,de 31 DE JULHO DE 1998, DOU de 07/08/98 DEPARTAMENTO NACIONAL DE PRODUÇÃO MINERAL PORTARIA Nº 231,de 31 DE JULHO DE 1998, DOU de 07/08/98 O DIRETOR-GERAL DO DEPARTAMENTO NACIONAL DE PRODUÇÃO MINERAL - DNPM, no uso das atribuições que lhe confere

Leia mais

Nosso Território: Ecossistemas

Nosso Território: Ecossistemas Nosso Território: Ecossistemas - O Brasil no Mundo - Divisão Territorial - Relevo e Clima - Fauna e Flora - Ecossistemas - Recursos Minerais Um ecossistema é um conjunto de regiões com características

Leia mais

RECURSOS MINERAIS E COMBUSTÍVEIS FÓSSEIS. Prof.º Elves Alves www.professorelves.webnode.com.br

RECURSOS MINERAIS E COMBUSTÍVEIS FÓSSEIS. Prof.º Elves Alves www.professorelves.webnode.com.br RECURSOS MINERAIS E COMBUSTÍVEIS FÓSSEIS Prof.º Elves Alves www.professorelves.webnode.com.br RECURSOS NATURAIS A palavra recurso significa algo a que se possa recorrer para a obtenção de alguma coisa,

Leia mais

Disciplina: Fontes Alternativas de Energia

Disciplina: Fontes Alternativas de Energia Disciplina: Fontes Alternativas de Parte 1 Fontes Renováveis de 1 Cronograma 1. Fontes renováveis 2. Fontes limpas 3. Fontes alternativas de energia 4. Exemplos de fontes renováveis 1. hidrelétrica 2.

Leia mais

Unidade IV Ser Humano e saúde. Aula 17.1

Unidade IV Ser Humano e saúde. Aula 17.1 Unidade IV Ser Humano e saúde. Aula 17.1 Conteúdo: O efeito estufa. Habilidade: Demonstrar uma postura crítica diante do uso do petróleo. REVISÃO Reações de aldeídos e cetonas. A redução de um composto

Leia mais

PLANO CURRICULAR DISCIPLINAR. Ciências Naturais 7.º Ano

PLANO CURRICULAR DISCIPLINAR. Ciências Naturais 7.º Ano PLANO CURRICULAR DISCIPLINAR Ciências Naturais 7.º Ano UNIDADES DIDÁTICAS CONTEÚDOS METAS DE APRENDIZAGEM 1º Período TERRA NO ESPAÇO Terra Um planeta com vida Condições da Terra que permitem a existência

Leia mais

Emissões Atmosféricas e Mudanças Climáticas

Emissões Atmosféricas e Mudanças Climáticas CONCURSO PETROBRAS TÉCNICO(A) AMBIENTAL JÚNIOR Emissões Atmosféricas e Mudanças Climáticas Questões Resolvidas QUESTÕES RETIRADAS DE PROVAS DA BANCA CESGRANRIO DRAFT Produzido por Exatas Concursos www.exatas.com.br

Leia mais

INTRODUÇÃO ÀS CIÊNCIAS DO AMBIENTE PARA ENGENHARIA

INTRODUÇÃO ÀS CIÊNCIAS DO AMBIENTE PARA ENGENHARIA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ÁREA DE ENGENHARIA SANITÁRIA E AMBIENTAL INTRODUÇÃO ÀS CIÊNCIAS DO AMBIENTE PARA ENGENHARIA Selma Maria

Leia mais

OCORRÊNCIA DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS. Hidrogeologia Prof: Frederico Campos Viana

OCORRÊNCIA DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS. Hidrogeologia Prof: Frederico Campos Viana OCORRÊNCIA DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS Hidrogeologia Prof: Frederico Campos Viana Origem Segundo Todd (1959), quase todas as águas subterrâneas podem ser compreendidas como fazendo parte do ciclo hidrológico,

Leia mais

Sumário volume 1. A Terra é azul! Yuri Gagarin

Sumário volume 1. A Terra é azul! Yuri Gagarin Sumário volume 1 Ciências A Terra é azul! Yuri Gagarin Capítulo 1 Astronomia 05 (A Terra e suas características; Camada interna e externa: litosfera, atmosfera, hidrosfera e biosfera; Os movimentos da

Leia mais

B I O G E O G R A F I A

B I O G E O G R A F I A B I O G E O G R A F I A BIOMAS DO MUNDO SAVANAS E DESERTOS 2011 Aula VI AS PRINCIPAIS FORMAÇÕES VEGETAIS DO PLANETA SAVANAS As savanas podem ser encontradas na África, América do Sul e Austrália sendo

Leia mais

O MEIO TERRESTRE. Profa. Sueli Bettine

O MEIO TERRESTRE. Profa. Sueli Bettine O MEIO TERRESTRE COMPOSIÇÃO E FORMAÇÃO Profa. Sueli Bettine O SOLO E SUA ORIGEM SUPERFÍCIE SÓLIDA S DA TERRA E ELEMENTO DE FIXAÇÃO DE PLANTAS ORIGEM DESAGREGAÇÃO DE ROCHAS E DECOMPOSIÇÃO DE ANIMAIS E VEGETAIS

Leia mais

URBANIZAÇÃO LUGAR É A BASE

URBANIZAÇÃO LUGAR É A BASE URBANIZAÇÃO LUGAR É A BASE. DA REPRODUÇÃO DA VIDA E PODE SER ANALISADO PELA TRÍADE HABITANTE- IDENTIDADE-LUGAR. OBJETIVOS ESPECÍFICOS A. Caracterizar o fenômeno da urbanização como maior intervenção humana

Leia mais

Processo Seletivo/UFU - julho 2007-1ª Prova Comum GEOGRAFIA QUESTÃO 11. TAXAS DE URBANIZAÇÃO EM PAÍSES SELECIONADOS, 2003 (em %)

Processo Seletivo/UFU - julho 2007-1ª Prova Comum GEOGRAFIA QUESTÃO 11. TAXAS DE URBANIZAÇÃO EM PAÍSES SELECIONADOS, 2003 (em %) GEOGRAFIA QUESTÃO 11 Observe a tabela. TAXAS DE URBANIZAÇÃO EM PAÍSES SELECIONADOS, 2003 (em %) * Estimativa. Fonte: Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento PNUD, 2003. Com relação ao processo

Leia mais

O PLANETA TERRA NO TEMPO GEOLÓGICO: TECTÔNICA DE PLACAS E MUDANÇAS CLIMÁTICAS

O PLANETA TERRA NO TEMPO GEOLÓGICO: TECTÔNICA DE PLACAS E MUDANÇAS CLIMÁTICAS Anais da 64ª Reunião Anual da SBPC São Luís, MA Julho/2012 O PLANETA TERRA NO TEMPO GEOLÓGICO: TECTÔNICA DE PLACAS E MUDANÇAS CLIMÁTICAS Umberto G. Cordani Instituto de Geociências da USP 1 ORIGENS A Terra

Leia mais

COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE. Programa de Recuperação Paralela. 1ª Etapa 2013. Ano: 6 Turma: 61

COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE. Programa de Recuperação Paralela. 1ª Etapa 2013. Ano: 6 Turma: 61 COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE Programa de Recuperação Paralela 1ª Etapa 2013 Disciplina: Ciências Professor (a): Felipe Cesar Ano: 6 Turma: 61 Caro aluno, você está recebendo o conteúdo de recuperação.

Leia mais

USO DO GÁS NATURAL DE PETRÓLEO NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

USO DO GÁS NATURAL DE PETRÓLEO NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AGRÍCOLA PÓS - GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA AGRÍCOLA ADP8088 - SEMINÁRIOS EM ENGENHARIA AGRÍCOLA II USO DO GÁS NATURAL DE

Leia mais

COLÉGIO MARISTA - PATOS DE MINAS 1º ANO DO ENSINO MÉDIO - 2013 Professor: Bruno Matias Telles 1ª RECUPERAÇÃO AUTÔNOMA ROTEIRO DE ESTUDO - QUESTÕES

COLÉGIO MARISTA - PATOS DE MINAS 1º ANO DO ENSINO MÉDIO - 2013 Professor: Bruno Matias Telles 1ª RECUPERAÇÃO AUTÔNOMA ROTEIRO DE ESTUDO - QUESTÕES COLÉGIO MARISTA - PATOS DE MINAS 1º ANO DO ENSINO MÉDIO - 2013 Professor: Bruno Matias Telles 1ª RECUPERAÇÃO AUTÔNOMA ROTEIRO DE ESTUDO - QUESTÕES Estudante: Turma: Data: / / QUESTÃO 1 Fonte: .

Leia mais

DEFINIÇÃO: Matriz energética é toda a energia disponibilizada para ser transformada, distribuída e consumida nos processos produtivos.

DEFINIÇÃO: Matriz energética é toda a energia disponibilizada para ser transformada, distribuída e consumida nos processos produtivos. R O C H A DEFINIÇÃO: Matriz energética é toda a energia disponibilizada para ser transformada, distribuída e consumida nos processos produtivos. O petróleo e seus derivados têm a maior participação na

Leia mais

CAPÍTULO 4 DESASTRES NATURAIS

CAPÍTULO 4 DESASTRES NATURAIS CAPÍTULO 4 DESASTRES NATURAIS Quando vimos na TV o acontecimento do Tsunami, em 2004, pensamos: O mundo está acabando! Mas por que esses desastres naturais estão, cada vez mais, assolando nosso planeta?

Leia mais

Ciclo do Carbono. Lediane Chagas Marques

Ciclo do Carbono. Lediane Chagas Marques Ciclo do Carbono Lediane Chagas Marques Carbono É o quarto elemento mais abundante do universo, depois do Hidrogênio, Hélio e Oxigênio; Fundamental para a Vida; No planeta o carbono circula através dos

Leia mais

ÁGUA NO SOLO. Geografia das Águas Continentais. Profª Rosângela Leal

ÁGUA NO SOLO. Geografia das Águas Continentais. Profª Rosângela Leal ÁGUA NO SOLO Geografia das Águas Continentais Profª Rosângela Leal A ÁGUA E O SOLO Os solos são constituídos de elementos figurados, água e ar. Os elementos figurados são contituídos partículas minerais

Leia mais

Parte 1 Formação geológica

Parte 1 Formação geológica AULA 1 CONTINENTES Parte 1 Formação geológica O Planeta Terra é formado por seis continentes: África, América, Antártica, Ásia, Europa e Oceania. A Terra apresenta 149.440.850 quilômetros quadrados de

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE GEOGRAFIA 9.º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE GEOGRAFIA 9.º ANO DE GEOGRAFIA 9.º ANO Ano Letivo 2015 2016 PERFIL DO ALUNO Dentro do domínio das redes e modos de transporte e telecomunicação, o aluno deve compreender a importância dos transportes nas dinâmicas dos territórios,

Leia mais

Empresas mineradoras no Brasil

Empresas mineradoras no Brasil Em 211, a Produção Mineral Brasileira (PMB) deverá atingir um novo recorde ao totalizar US$ 5 bilhões (valor estimado), o que configurará um aumento de 28% se comparado ao valor registrado em 21: US$ 39

Leia mais