A CRIAÇÃO E EXPANSÃO DOS INSTITUTOS FEDERAIS E A INTENSIFICAÇÃO DO TRABALHO DO PROFESSOR: uma análise preliminar

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A CRIAÇÃO E EXPANSÃO DOS INSTITUTOS FEDERAIS E A INTENSIFICAÇÃO DO TRABALHO DO PROFESSOR: uma análise preliminar"

Transcrição

1 1 A CRIAÇÃO E EXPANSÃO DOS INSTITUTOS FEDERAIS E A INTENSIFICAÇÃO DO TRABALHO DO PROFESSOR: uma análise preliminar Elen de Fátima Lago Barros Costa 1 Universidade Federal de São Carlos/UFSCar Eixo Temático 4: Trabalho docente na expansão da educação superior RESUMO Este texto propõe-se a sintetizar parte da pesquisa iniciada, no ano de 2012, no Doutorado em Educação da UFSCar, com o título A Intensificação do Trabalho Docente no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia: o caso do Estado do Maranhão, sob orientação do Prof. Dr. João dos R. S. Júnior. Visa analisar o atual regime de acumulação do capital e seus impactos no trabalho do professor que atua nos Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia/IFET s. Compreende-se que está em curso a expansão da Educação Superior e que os IFET s se enquadram nessa política, em duas direções: como mais um espaço de formação técnica e superior voltado para os estratos mais pobres da população brasileira, assim como, para a formação de mão-de-obra qualificada requerida pelo regime de predominância financeira. Compreende-se também que a expansão tem intensificado o trabalho do professor na medida em que, segundo Auditoria do Tribunal de Contas (2011), o déficit de professores é de Defende-se, portanto, a hipótese de que, assim como a Pósgraduação é o polo irradiador das políticas de expansão, internacionalização e empresariamento do conhecimento, os IFET s constituem-se polo irradiador dessa expansão e da profissionalização da população sobrante do país. Palavras-chave: Regime de Acumulação Financeira; Trabalho Docente; Educação Profissional e Tecnológica. 1 REGIME DE PREDOMINÂNCIA FINANCEIRA: especificidades do Brasil Na atualidade, a economia mundial tem se caracterizado pela liberalização dos mercados e do capital. Muitas são as denominações utilizadas pelos estudiosos e economistas para designar este momento atual da economia capital financeiro, neoliberalismo, capital portador de juros, capitalismo patrimonial, regime de acumulação de predominância financeira. Todas essas denominações dizem respeito ao movimento do capitalismo, iniciado nos países de economia avançada nas duas últimas décadas do século XX que tem, inicialmente, como característica, a adoção de medidas de liberalização e desregulamentação dos mercados, culminando com o surgimento desse sistema mundializado 1 Doutoranda em Educação/UFSCAR; orientanda do Prof. Dr. João dos Reis Silva Júnior ;Bolsista CNPQ; Professora Magistério Superior do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão/IFMA.

2 2 em que o entesouramento estéril dá lugar ao mercado financeiro dotado de capacidade mágica de transformar o dinheiro em um valor que produz. (CHESNAIS, 2005, p.50) Para esse autor o atual regime de acumulação de predominância financeira é um sistema de relações econômicas e sociais internas e internacionais cujo centro é a finança e que está apoiado nas instituições financeiras e políticas do país hegemônico em escala mundial. (CHESNAIS, 2005) Nesse contexto neoliberal, os países têm adotado medidas político-econômicas e jurídicas que têm modificado a função e o papel do Estado, visando atender às exigências do capital financeiro. Nesse sentido, as fases iniciais da acumulação financeira foram dominadas pelos empréstimos aos Estados, de maneira que consórcios de bancos internacionais se posicionaram em face desses Estados na posição de credores. (CHESNAIS, 2005, p.49). Segundo Paulani (2008, p. 67) o neoliberalismo constitui-se numa doutrina e um receituário pragmático de política econômica, que comparado ao liberalismo clássico se distingue por ser mais estreito, pois se restringe ao aspecto econômico da vida humana em sociedade; menos iluminista, porque depende mais de crença do que de razão [...] seu objetivo era combater o keynesianismo e o solidarismo reinantes, fazendo que o mundo voltasse a ser pautado por um capitalismo duro e livre de regras. Vale ressaltar que na América Latina, a implementação do ideário neoliberal teve início no Chile, em 1979, com o governo de Pinochet. Somente na década de 80, outros países latino-americanos iniciaram reformas de ajuste econômico pautadas nas idéias monetaristas da Escola de Chicago de Milton Friedman. Em 1985, na Bolívia; em 1988, no México, com o governo de Salinas; em 1989, na Argentina, com Menem e Venezuela, com Carlos Andrés Perez; em 1990, no Peru, com Fujimori e Brasil, com Fernando Collor de Melo. (COSTA, 2000) Todo esse movimento estrutural rumo à financeirização da economia trouxe ao próprio sistema capitalista o que alguns estudiosos têm denominado de fragilidade sistêmica, risco sistêmico ou vulnerabilidade sistêmica. Economistas apontam como uma característica inerente ao próprio movimento econômico adotado, em que os empréstimos internacionais e o dinheiro investido são mais direcionados para a especulação financeira e muito menos para a o financiamento da produção. Segundo Chesnais, (2003),

3 3 essa vulnerabilidade sistêmica ou fragilidade financeira sistêmica 2 se dá pelo fato de que a mundialização do capital está baseada em transações especulativas que fazem circular no mercado financeiro um capital fictício. Para Davis (apud CHESNAIS, 2003, p. 36) Os termos risco sistêmico, desordem ou instabilidade servem para descrever os choques sobre os mercados financeiros, arrastando alterações imprevistas nos preços e nos volumes dos mercados de crédito ou de activos, que levam à ameaça de falência empresas financeiras, que por sua vez ameaçam alastrar de maneira a deslocar os mecanismos de pagamento bem como a capacidade do sistema financeiro para conceder capital. Segundo Chesnais (1998) essa vulnerabilidade sistêmica é própria de uma determinada configuração do capitalismo em que não se trata de uma crise de superprodução clássica, mas representa uma forma peculiar em que o crescimento anda paripassu com os abalos financeiros, ou seja, esse contexto sugere ou indica que foram engendrados mecanismos de ganho mesmo nos momentos de crise. Seria, portanto, mesmo na crise, preservar as taxas de lucro. E isso tudo, dentre outras consequências, à custa de relevantes mudanças nas relações de trabalho contratos precários, flexibilização de horários, aumento da intensidade do trabalho e arrocho salarial no intuito de viabilizar aos grupos, grandes oligopólios e o mercado financeiro uma gestão com lucros. Diante dessa análise, pressupõe-se que a economia mundial, na atualidade, tem em sua gênese uma fragilidade que é sistêmica e estrutural, mas que isso em nada muda ou altera sua trajetória ou a capacidade do mercado em apostar todas as fichas nesse modelo de economia. Outros pontos que merecem destaque e que se constituem em mais uma característica desse modelo de economia é o crescente fenômeno do Investimento Externo Direto/IED e a formação de grupos industriais ou grandes corporações mundiais. Segundo Paulani (2008, p. 88), o interesse dos países desenvolvidos em investir, inicialmente, na industrialização dos países periféricos ou em desenvolvimento, tem sua explicação no fato de que havia um anseio real de buscar novas praças de investimento produtivo. Para a autora, a vinda do capital produtivo para a periferia já era um alicerce para a dominância financeira que viria a se expandir para o mundo, ou seja, a internacionalização da produção foi apenas o substrato necessário ao desenvolvimento ulterior da verdadeira 2 Chesnais (1998) aponta três crises ou episódios de acentuada fragilidade que seriam próprios dos mercados mundializados: o crash de 1987, em Wall Street; a fragilização dos bancos, a crise do setor imobiliário e os aspectos específicos da recessão de ; e a crise mexicana de

4 4 cabine de comando do capitalismo contemporâneo; a esfera financeira, agora finalmente mundializada. (PAULANI, 2008, p.89). De acordo com o documento Investimento Estrangeiro Direto na América Latina e Caribe 2011 elaborado pela CEPAL, em 2011, a América Latina e Caribe receberam 153,448 bilhões de dólares de IED, o que representa cerca 31% a mais que em 2010, constituindo-se, assim, as regiões do mundo aonde mais cresceram as entradas de IED e sua participação nas entradas mundiais de IED avançou 10%. Ainda segundo o documento supracitado, o maior incremento dos investimentos foi no Brasil (66,660 bilhões de dólares) seguidos do Chile (17,299 bilhões de dólares), da Colômbia (13,234 bilhões de dólares) e do Uruguai (2,528 bilhões de dólares). Os maiores investidores foram os Países Baixos, seguidos dos Estados Unidos, Espanha e Japão. Nesse contexto, o Brasil tornou-se um país seguro para os investimentos estrangeiros, em que os grandes grupos industriais e o mercado financeiro podem confiar para aplicação de seus lucros, gerando sempre mais lucros. Além de não ser uma transação pontual, o IED representa para os investidores garantia de poder econômico sem medida e caracteriza-se por uma estratégia eficaz de controle sobre as tecnologias e o mercado local. Como afirma Chesnais (1996, p. 55), existe um componente estratégico evidente na decisão do investimento da companhia. [...] a ideia se penetração, seja para depois esvaziar os concorrentes locais, seja para sugar tecnológicas locais [...] num processo complexo de tentar antecipar as ações e reações dos concorrentes. Convém ressaltar que o setor de serviços tornou-se vetor principal do IED. O gráfico abaixo demonstra o crescimento do IED no Brasil. GRÁFICO 01 - Investimento Externo Direto no Brasil Fonte: IPEA (2012).

5 5 E esses investimentos no Brasil continuam crescendo. Segundo dados do Banco Central (2012), o total de IED no país, no mês de novembro de 2012 foi de US$ 4,587 bilhões, superando as estimativas que variavam de US$ 2,7 bilhões a US$ 4,1 bilhões. O BC ainda afirma que no acumulado do ano até o mês de outubro do ano em análise, atingiu US$ 59,893 bilhões, resultado que equivale a 2,89% do Produto Interno Bruto (PIB) e no acumulado dos dozes meses até o mês de novembro esse número está em US$ 66,536 bilhões, o equivalente a 2,92% do PIB. Silva Júnior e Kato (2010, p. 61), ao analisarem o papel do IED na economia de um país e o papel dos grandes grupos industriais, afirmam que no atual contexto da economia mundializada, ainda que o IED seja o centro dessa nova ordem econômica, a força do capital monetário ou financeiro faz-se presente na estruturação do novo paradigma corporativo. Essas novas empresas ou grandes corporações mundiais, por sua vez, impulsionam ou exigem dos países amplas reformas no papel do Estado e nas instituições que movimentam o país nos diversos setores, diretos ou indiretos, da economia. Convém destacar que esse processo de valorização do Brasil como país economicamente forte e, portanto viável para investimentos externos, teve nos mandatos de Fernando Henrique Cardoso (1995 a 2002) um expressivo incremento, mas se consolidou e tem nuances bem particulares com a eleição e posse do Luiz Inácio Lula da Silva, nos seus dois mandatos presidenciais (2003 a 2010). Baseados em estudos acadêmicos de autores brasileiros como Oliveira et al (2010), Singer (2012), Braga (2012) dentre outros, compreende-se que o fenômeno do Lulismo tem como base, primeiramente, a adesão passiva, por parte do governo petista, a predominância financeira, portanto, a politica econômica já implementada por FHC, e paulatinamente a adoção de medidas políticas de inclusão de uma grande massa de excluídos do país, aqui denominados como os invisíveis do Lula. O modelo conservador de política interna adotada, pelo governo petista, compreendido por Oliveira (APUD OLIVEIRA et al, 2010) de hegemonia às avessas 3 e em discordância Coutinho (APUD OLIVEIRA et al, 2010) denomina de hegemonia da pequena política, tem como algumas de suas características: o aumento do crédito consignado; o aumento do salário mínimo; e, principalmente, a elevação do padrão de 3 Esse termo é utilizado por Francisco de Oliveira para explicitar que na tese da hegemonia às avessas nos termos de Marx e Engels, da equação força + consentimento que forma a hegemonia desaparece o fenômeno força. E o consentimento se transforma ao avesso: não são mais os dominados que consentem em sua própria exploração; são os dominantes os capitalistas e o capital que consentem em ser politicamente conduzidos pelos dominados, com a condição de que a direção moral não questione a forma da exploração capitalista (OLIVEIRA, 2012, p.27)

6 6 consumo e melhoria das condições de vida da população subproletariada através das politicas compensatórias, principalmente, Bolsa Família. Com esse modelo de política econômica e social, Lula atende às exigências do capitalismo financeiro que estava se consolidando no país, sem, contudo, perder o apoio da grande massa pauperizada, que ele trouxe para junto do seu governo servindo de base eleitoral. O governo Lula, e na continuidade o governo Rousseff, não rompeu com a política econômica vigente e hegemonizada nos países capitalistas, mas se adaptou ao novo regime de acumulação do capital de maneira servil. Como afirma Oliveira (APUD OLIVEIRA ET AL, 2010, p. 26), Parece que os dominados dominam, pois fornecem a direção moral [...] parece que eles são os próprios capitalistas [...] parece que a economia está finalmente estabilizada, que se dispõe de uma sólida moeda e que tal façanha se deveu à política governamental, principalmente no primeiro mandato de Lula. O conjunto de aparências esconde outra coisa, para qual ainda não temos nome nem, talvez, conceito. Além dessa servilidade brasileira ao capital internacional o governo petista, paradoxalmente representou o sequestro dos movimentos sociais e a organização da sociedade civil, Lula nomeia para seu Ministério do Trabalho e para gerenciar poderosos fundos de pensão das estatais, ex-sindicalistas, e os movimentos sociais se desarticulam, ou seja, o primeiro partido trabalhista a assumir o maior cargo da nação brasileira é responsável pela desarticulação dos movimentos que ele mesmo participou ou esteve a frente, é sem dúvida a maior estratégia de dominação já vista no nosso país. (OLIVIEIRA, APUD OLIVEIRA, 2010). Por fim, para explicitar o que foi o governo Lula, utiliza-se mais uma brilhante análise de Oliveira, (APUD OLIVEIRA, 2010, p.373) em que o autor afirma, Proclama-se aos quatro ventos a diminuição da pobreza e da desigualdade social, baseado no Bolsa Família. Os dados disponíveis não indicam redução da desigualdade, embora deva ser certo que a pobreza absoluta diminuiu. Mas não se sabe quanto [...] a Fundação Getúlio Vargas divulgou, no fim de setembro, uma pesquisa que prova que a classe que mais cresceu proporcionalmente, de 2003 a 2008, não foi a C nem a D. Foi, isso sim, as classes A e B, que têm renda familiar acima de reais e o dado não leva em conta a valorização da propriedade, ações e investimentos financeiros. Do ponto de vista da politica, o avesso do avesso é sua negação. Trata-se da administração das políticas sociais. Cooptam-se centrais sindicais e movimentos sociais, entre eles o próprio Movimento dos Sem- Terra, que ainda resiste. A política não só é substituída pela administração, como se transforma num espetáculo diário: o Presidente anuncia com

7 7 desfaçatez avanços e descobertas que no dia seguinte são desmentidos [...] As classes sociais desaparecem: o operariado formal é encurralado e retrocede, em números absolutos, em velocidade espantosa, enquanto seus irmãos informais crescem do outro lado também de maneira espantosa. E este é o cenário social, político e econômico do Brasil em que o governo petista ao se inserir na economia mundial, opta por uma política que não se coaduna com as esperanças e votos depositados pela população num partido que se dizia de esquerda. 2 CRIAÇÃO/EXPANSÃO DOS IFET S E INTENSIFICAÇÃO DO TRABALHO DO PROFESSOR Como foi explicitado anteriormente, o Estado brasileiro, em consonância com as amplas reformas econômicas instituídas nos países de capitalismo avançado, vem, paulatinamente, reestruturando suas instituições e consolidando reformas educacionais. Visando atender às exigências desse novo regime de acumulação do capital, o país, seguindo as recomendações dos organismos internacionais, implementa, inicialmente, uma política de universalização/reforma da Educação Infantil e do Fundamental e, posteriormente, reestrutura/expande o Ensino Médio, a Educação Profissional e o Educação Superior. Tratase de uma mudança paradigmática no intuito de fazer destas instituições espaços de legitimação de uma nova política econômica. No que diz respeito à educação profissional e tecnológica e a educação superior, esse processo vem acentuando a perspectiva da profissionalização, internacionalização e mercantilização do ensino em todos os níveis e modalidades. A Educação Superior, segundo Silva Júnior e et al (2011, p. 6), ao analisarem a reforma do aparelho de Estado e da universidade pública no Brasil, afirmam que, [...] o país experimenta uma radical transformação e as universidades públicas são colocadas em posição estratégica. A autonomia universitária em geral, especificamente a científica, a indissociabilidade entre ensino, pesquisa e extensão, gradativamente passam a ter sua sustentação numa equação em que a demanda econômica delineada torna-se a diretriz das investigações, cabendo ao governo criar as condições de financiamento e de reconstrução da cultura institucional da universidade pública, para que a universidade se transforme na agência executora de tais demandas, sobretudo na área de C&t&I. Pode-se destacar que o governo brasileiro tem como grande estratégia de expansão e reestruturação da Educação Superior, os programas Universidade para

8 8 Todos/PROUNI, a Universidade Aberta do Brasil/UAB e o Programa de Reestruturação e Expansão das Universidades/REUNI, todos voltados, segundo o Ministério da Educação/MEC, para garantir o acesso e permanência nesta modalidade de ensino, e o que tudo indica o governo tem logrado êxito, pois segundo dados estatísticos do INEP (2012), no período de 1995 e 2010, as matrículas presenciais e à distância na Educação Superior tiveram um crescimento de 262,52%. Entretanto, apesar dos números expressos, preferimos adotar a crítica de que esses programas são mecanismos de certificação em massa da população e adaptação do sistema educacional ao regime de predominância financeira. E que esses programas têm modificado de maneira estrutural o papel da universidade brasileira. No que concerne à Pós-Graduação a produção secular de conhecimento, que tinha a universidade como lócus, deu espaço para o produtivismo acadêmico, em que professores e alunos se veem pressionados a produzir em detrimento de seus interesses, em que o professor-pesquisador é um produtor de resultados e o aluno pós-graduando um agoniado. (SILVA JÚNIOR E SGUISSARDI, 2009). Estado e empresas/corporações investem direta ou indiretamente em pesquisas que atendam o setor produtivo e financeiro. Segundo Silva Júnior e Sguissardi (2009, p.55), Há três principais processos colocados na inércia do movimento de reconfiguração da pós-graduação no país: 1) o CNPQ (Estado) e seus convênios e editais indutores de pesquisa aplicada em busca da produtividade do capital; 2) a Agência Capes (Estado), que regula um sistema de pós-graduação e cada programa como o mesmo objetivo do CNPq (articulada a ele, portanto), bem como um novo tipo de ser humano pesquisador: o que é orientado pelo produtivismo acadêmico; 3) o mercado, para o qual convergem os movimentos anteriores e que, em última instância, conduz a reforma universitária. Todo esse processo, mediado por essas duas agências governamentais, tem como consequência a perda da autonomia das instituições de ensino e a intensificação do trabalho docente, Os professores pesquisadores atuam na docência, pesquisa e extensão, dão aulas na graduação e na pós-graduação, preparam aulas, corrigem provas, atendem seus alunos; fazem suas pesquisas, artigos e livros para publicação; orientam e, como se verá adiante, em face de sua condição salarial, buscam complemento prestando serviços num tempo e espaço comprimidos, com graves consequências para sua saúde, para suas relações familiares, em razão da jornada de trabalho extra em casa e nos finais de semana [...].(SILVA JÚNIOR E SGUISSARDI, 2009, p. 52).

9 9 No que concerne à expansão/reestruturação da Educação Profissional e Tecnológica, o governo Lula implementou amplas reformas que foram consolidadas com a promulgação da Lei /2008 (SILVA, 2009) instituindo a Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica/RFPECT e criando os Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia/IFET s. 4 De acordo com a supracitada Lei (SILVA, 2009, p.13) no seu artigo 1º, Art. 1º Fica instituída, no âmbito do sistema federal de ensino, a Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica, vinculada ao Ministério da Educação e constituída pelas seguintes instituições: I - Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia - Institutos Federais; II - Universidade Tecnológica Federal do Paraná - UTFPR; III - Centros Federais de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca - CEFET-RJ e de Minas Gerais - CEFET-MG; IV - Escolas Técnicas Vinculadas às Universidades Federais. Apesar da recente legislação, as instituições que formam a rede são originárias, em sua maioria, de dezenove escolas de aprendizes artífices instituídas por um decreto presidencial de 1909, assinado por Nilo Peçanha. Analisando a história dessas instituições e suas vinculações, percebe-se que estas sempre estiveram ligadas ou vinculadas aos interesses da economia nacional e do mercado. São várias as denominações que elas tiveram no decorrer da história do país e sempre ligadas aos ministérios ligados ao setor produtivo 5. 4 Convém ressaltar que a expansão dos IFET s também se constitui em uma estratégia de expansão da Educação Superior, visto que a REPECT também está habilitada a oferecer cursos de Licenciatura, Bacharelado, Tecnólogos, Pós-Graduação stricto sensu. 5 Fica explicito essas vinculações no documento Institutos Federais Lei , de 29/11/2008: comentários e reflexões (2009, p. 08): Essas escolas, inicialmente subordinadas ao Ministério dos Negócios da Agricultura, Indústria e Comércio, passam, em 1930, para a supervisão do recém criado Ministério da Educação e Saúde Pública. Sete anos depois, são transformadas nos liceus industriais. Um ano após o ensino profissional ser considerado de nível médio, em 1942, os liceus passam a se chamar escolas industriais e técnicas, e, em 1959, escolas técnicas federais, configuradas como autarquias. Ao longo desse mesmo tempo vai se constituindo uma rede de escolas agrícolas Escolas Agrotécnicas Federais, com base no modelo escola fazenda e vinculadas ao Ministério da Agricultura. Em 1967, essas escolas fazendas passam para o então Ministério da Educação e Cultura tornando-se escolas agrícolas. Em 1978, três escolas federais, do Rio de Janeiro, Minas Gerais e Paraná são transformadas em centros federais de educação tecnológica (Cefet) equiparando-se, no âmbito da educação superior, aos centros universitários. Durante a década de 90, várias outras escolas técnicas e agrotécnicas federais tornam-se Cefet, formando a base do sistema nacional de educação tecnológica, instituído em Em 1998, o governo federal proíbe a construção de novas escolas federais. Ao mesmo tempo, uma série de atos normativos direcionaram essas instituições para a oferta predominante de cursos superiores e, contraditoriamente, ensino médio regular, remetendo a oferta de cursos técnicos à responsabilidade dos estados e da iniciativa privada. Apesar da resiliência dessas instituições, a separação da educação técnica do ensino médio e a orientação para a educação superior acentuam as segmentações existentes. Grande parte do esforço pedagógico passa a ser direcionado ao acompanhamento dos cursos de ensino médio com o objetivo de preparar candidatos de excelência para o Educação Superior. De outro lado, a oferta no nível superior oscila entre propostas com viés mais acadêmico, em especial nas engenharias, e cursos superiores de tecnologia cada vez mais fragmentados. Após sete anos de embate, em 2004 inicia-se a reorientação das políticas federais para a educação profissional e tecnológica, primeiro com a retomada da possibilidade da oferta de cursos técnicos integrados com o ensino médio seguida, em 2005, da alteração na lei que vedava a expansão da rede federal. Em

10 10 A Rede, desde a sua criação como escola de artífices, já nasce com objetivos voltados para o setor produtivo e mercado, e esta lógica é percebida até nos dias atuais comprometendo sobremaneira a produção acadêmica e as relações de trabalho nas instituições que a compõem. Se por um lado no seu surgimento a preocupação era com os desvalidos da sorte, uma população que incomodava o país naquele momento, hoje a grande preocupação é com o produto que será produzido na Rede. Ao instituir a pesquisa aplicada e o desenvolvimento de tecnologias como metas, a Rede privilegia a produção de conhecimento voltado para a inovação do produto que está sendo aguardado pelos capitalistas visando uma rentabilidade maior de suas transações. Harvey (2011) faz algumas indicações, principalmente no que corresponde à fabricação de patentes, ao conhecimento oriundo da pesquisa e desenvolvimento. Essa vinculação entre formação e o setor produtivo e, consequentemente, a articulação orgânica do conhecimento com a pesquisa aplicada é percebida tanto nas finalidades quanto nos objetivos da lei de criação da rede, Art. 6º Os Institutos Federais têm por finalidades e características: VIII - realizar e estimular a pesquisa aplicada, a produção cultural, o empreendedorismo, o cooperativismo e o desenvolvimento científico e tecnológico [...] Art. 7º Observadas as finalidades e características definidas no art. 6º desta Lei, são objetivos dos Institutos Federais: III - realizar pesquisas aplicadas, estimulando o desenvolvimento de soluções técnicas e tecnológicas, estendendo seus benefícios à comunidade; IV - desenvolver atividades de extensão de acordo com os princípios e finalidades da educação profissional e tecnológica, em articulação com o mundo do trabalho e os segmentos sociais, e com ênfase na produção, desenvolvimento e difusão de conhecimentos científicos e tecnológicos; V - estimular e apoiar processos educativos que levem à geração de trabalho e renda e à emancipação do cidadão na perspectiva do desenvolvimento socioeconômico local e regional. (grifo nosso) (SILVA, 2009, p.) No que concerne a expansão, segundo dados do Ministério da Educação/MEC, no período de 2003 a 2010, o governo federal expandiu de 140 para 214 a REFEPT, assim como, muitas outras escolas foram federalizadas. E a previsão para o final de 2014 é de uma rede composta por 562 campi. O investimento chega a mais de R$ 1,1 bilhão. 2005, antes do início da expansão programada, a rede federal contava com 144 unidades distribuídas entre centros de educação tecnológica e suas unidades de ensino descentralizadas, uma universidade tecnológica e seus campi, escolas agrotécnicas e escolas técnicas vinculadas a universidades federais, além do Colégio Pedro II/RJ. O processo de expansão da rede federal que deve alcançar 366 unidades em 2010 colocou em evidência a necessidade de se discutir a forma de organização dessas instituições, bem como de explicitar seu papel no desenvolvimento social do país.

11 11 É preciso, entretanto avaliar a qualidade dessa expansão. No documento do Tribunal de Contas da União/TCU - Auditoria Operacional e Fiscalização de orientação centralizada da Rede Federal de Educação Profissional, que teve como objetivo avaliar as ações de estruturação e expansão do Ensino Técnico Profissionalizante, com ênfase na atuação dos Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia, dentre outras questões, apontou a necessidade de aprimoramento nas atuações relacionadas à evasão escolar, a interação com os arranjos produtivos locais e o apoio à inserção profissional dos alunos, assim como, evidenciou carência de professores e de profissionais de laboratório, ausência de instalações físicas adequadas. O TCU (BRASIL, 2011) analisa cinco questões básicas que estão diretamente ligadas a eficiência dos IFET s, ou seja, caracterização da evasão e medidas para reduzi-la; interação com os arranjos produtivos locais; integração acadêmica entre as áreas de pesquisa e extensão; iniciativas de apoio à inserção profissional dos alunos no mercado de trabalho; infraestrutura e suporte à prestação dos serviços educacionais. A análise que consta nesse documento é de que o Governo Federal, no período de , investiu através do Programa de Desenvolvimento da Educação e Profissional/PROEP, cerca de 11,5 bilhões. Segundo o documento, a expansão da educação profissional via IFET s segue duas direções: a) a ampliação do número de vagas e infraestrutura das escolas pré-existentes com a construção de novos campi nas regiões metropolitanas, de modo a fazer frente ao dinamismo econômico dessas regiões; b) a interiorização dos institutos, visando ocupar os lugares de maior carência socioeconômica. (TCU/BRASIL, 2011, p.9). Essa afirmação corrobora com a hipótese de que os IFET s constituem-se em estratégia política do governo brasileiro para, através desta instituição, atender as demandas econômicas do mercado, assim como, oferecer a população mais carente o ensino tecnológico (técnico e superior). E desta forma, as regiões Sudeste, que concentra o maior pólo industrial, e Nordeste, que concentra o maior contingente da população economicamente desfavorecida, foram alvo da expansão, segundo quadro abaixo.

12 12 QUADRO 01 - DEMONSTRATIVO DE CAMPI DA REDE FEDERAL DE ENSINO PROFISSIONALIZANTE, POR REGIÃO E FASE DE EXPANSÃO Norte Nordeste Centrooeste Sudeste Sul Sub-Total Pré-existentes TOTAL Fonte: TCU/BRASIL, E desta forma, Como se pode inferir, o Nordeste conterá aproximadamente 35% das escolas/campi instalados em Essa concentração é consequência dos critérios de implantação utilizados nas diferentes fases da expansão, que sistematicamente aprofundaram o vetor de redução das desigualdades regionais. Cabe observar que 85% das escolas/campi estarão fora das capitais estaduais, o que reforça a preocupação com a interiorização da rede. Outro dado reforça essa constatação: 176 campi estão em municípios com menos de habitantes e, destes, 45 estão em municípios com menos de habitantes. (TCU/BRASIL, 2011, p.9) Os IFET s, portanto, cumprem o papel de formação de mão de obra qualificada para atender a crescente demanda, um viés de redução de desigualdade regional e subregional, bem como de interiorização. (TCU/BRASIL, 2011, p. 10). Entretanto, os índices de produtividade que o próprio governo, em seus documentos normativos, previa, não acompanham os dados da expansão, há uma disparidade entre a quantidade e a qualidade do ensino. Ao analisar os dados de evasão, percebe-se que as taxas estão muito aquém do percentual previsto, por exemplo, no Plano Nacional de Educação/ A meta de 90% para a taxa de conclusão prevista no Projeto de Lei do Plano Nacional de Educação , ou mesmo da taxa de 80% para todas as modalidades de cursos ofertados pelos institutos prevista no Termo de Acordo de Metas, aparentemente, ainda é um ideal de longo-prazo. Quando se analisam as taxas de conclusão em nível nacional se situam em 46,8% para o médio integrado, 37,5% para o Proeja, 25,4% para a Licenciatura, 27,5% para o Bacharelado e 42,8% para os cursos de tecnólogo. (TCU/BRASIL, 2011, p.11)

13 13 No que diz respeito à razão entre os concluintes e matriculados entre os Institutos Federais e demais instituições de Educação Superior, em 2009, foi constado que enquanto as Universidades, o percentual de alunos é de: Cursos de Bacharelado (13,4%), Curso de Licenciaturas (19,3%) e Cursos Tecnólogo (21,1%), nos IFET s esse percentual cai para Cursos de Bacharelado (3,4%), Curso de Licenciaturas (3,6%) e Cursos Tecnólogo (10,7%). Destaca-se que, segundo o mesmo documento do TCU, um fator que pode ser apontado como causador desses baixos índices de produtividade seria a insatisfação dos docentes quanto às condições de trabalho a que estão submetidos, assim como, o déficit de professores e técnicos. No que diz respeito à insatisfação com as condições de trabalho, a auditoria constatou que as maiores reclamações foram: remuneração, oportunidades de capacitação, infraestrutura física dos Campi, gestão administrativa e apoio administrativo as atividades docentes. Quanto ao déficit de professores e técnicos, foi constatado que, Dados de abril de 2012 indicam que há carência de professores, o que representa 19,7% do total de cargos. Os Institutos com maior carência de docentes são os do Acre (40,1% de vagas ociosas), de Brasília (40,1%), de Mato Grosso do Sul (38,2%), do Amapá (35,3%) e de São Paulo (32,7%). Os Institutos com menor carência, com menos de 10% de vagas ociosas, são os localizados nos estados do Pará, da Paraíba, e de Roraima, bem como os Institutos Federais Sul Rio-Grandense, Sul de Minas Gerais e Fluminense. [...] apurou-se também carência de técnicos (24,9% do total de vagas), mais acentuada nos Institutos de Mato Grosso do Sul (62,7% de vagas ociosas), Brasília (50,8%), Acre (47,9%), Rondônia (45,5%) e São Paulo (41,6%). Os de menor carência, com menos de 12% de vagas ociosas, são os Institutos Federais do Espírit o Santo e do Rio Grande do Norte, assim como o de Farroupilha e o Sul Rio-Grandense. (grifo nosso). (TCU/BRASIL, 2011, p. 45) O déficit de professores, consequentemente, acarreta a sobrecarga no trabalho do professor que é solicitado a ministrar aulas em áreas diferentes a sua formação ou tem sua carga horária em sala de aula aumentada em detrimento de outras atividades de planejamento, pesquisa e extensão em que ele poderia está inserido, ou ainda, obriga o docente a ministrar aulas em turmas grandes a ponto de por em risco a aprendizagem dos alunos, fato frequente segundo 26% dos docentes ouvidos. Infere-se que a carga de trabalho do professor dos IFET s pode interferir negativamente na qualidade do trabalho oferecido pelo profissional, principalmente, no que diz respeito a atividades ligadas a própria docência, como por exemplo, atividades de pesquisa e extensão. No documento do TCU (BRASIL, 2011) retirados do Censo da Educação Superior 2010, foi constatado que enquanto 33% dos professores universitários atuam em

14 14 atividades de pesquisa, somente 17% dos professores dos IFET s realizam esse tipo de atividade, considerada essencial para o desenvolvimento que se espera dos alunos que cursam o ensino superior. Outro ponto que merece destaque e que explicita a intensificação do trabalho do professor que atua nos IFET s, diz respeito a própria especificidade desta instituição, no que tange a oferta de cursos nas diferentes áreas do conhecimento e nos diferentes cursos da educação profissional 6. Com a verticalização da educação básica à educação superior preconizada para os Institutos Federais (Lei /2008, art. 6º, inc. III), o nível diretivo dos Institutos espera que os professores contratados lecionem em todos esses níveis e em diversas modalidades de ensino, na linha da otimização dos quadros de pessoal, tal como indicado nessa lei. Como parte dos professores dos Institutos Federais não cursou licenciatura, modalidade que habilita o docente a lecionar na educação básica na área de conhecimento do curso em que se graduou, os Institutos buscam suprir as carências pedagógicas de bacharéis e tecnólogos por meio de programas especiais de formação pedagógica visando a formação de professores para a educação básica e para a educação profissional (Lei /2008, art. 7º, inc. VI, alínea b). (grifo nosso) (TCU/BRASIL, 2011, p. 48) Ao analisar esse documento do TCU (BRASIL, 2011), os documentos normativos da politica educacional (PNE, REUNI, PROUNI, EAD/UAB, LDB e outros) e como professora que atua no Magistério Superior do IFET/Maranhão, percebe-se a necessidade de aprofundar mais os estudos acerca dessa expansão da educação profissional e tecnológica e os impactos desta no trabalho do professor. Compreende-se que este movimento de expansão é embrionário no sentido em que ela teve seu início no ano de 2009, mas pode-se inferir, preliminarmente, que o Governo Federal está imprimindo nos IFET s e sua Rede, a mesma lógica já consolidada nas universidades, que é a lógica de adequação das instituições republicanas em particular as instituições de ensino ao regime de predominância financeira. ALGUMAS PALAVRAS FINAIS Na atualidade, o que vem ocorrendo no Brasil com a expansão da educação superior, da educação profissional e tecnológica é consequência desse novo modelo de 6 A Lei /2008, no seu artigo 39 - Parágrafo 2, preconiza que: a educação profissional e tecnológica abrangerá os seguintes cursos: I - de formação inicial e continuada ou qualificação profissional; II - de educação profissional técnica de nível médio; III - de educação profissional tecnológica de graduação e pós-graduação. (BRASIL/2009)

15 15 acumulação do capital. Entender essas reformas é compreender as mudanças ocorridas no espaço do trabalho docente e como as políticas colocadas em curso são facilmente incorporadas ao cotidiano profissional dos educadores, sem resistência e maiores reflexões. A política do fazer mais com menos do Ministro do Planejamento e Orçamento e Gestão/MPOG é justamente a desculpa para o corte no financiamento da educação; a contratação de trabalhadores temporários em detrimento dos concursos públicos; do aumento da jornada do professor ou a criação de uma carreira docente em que o professor se vê obrigado a trabalhar em todos os níveis e modalidades, como é o caso da Carreira de Magistério do Ensino Básico, Técnico e Tecnológico criada pela Lei nº / na expansão da rede federal de educação profissional. Enfim, é compreender como essas reformas são consolidadas e como o docente vem incorporando essas mudanças. O estudo acerca do trabalho docente no IFET se articula a outras pesquisas que têm como foco as mudanças ocorridas nas instituições de Educação Superior, orquestradas pelo CNPQ e Capes, mas, acima de tudo, oferece um dado importante ao debate devido ao papel estratégico dos IFET s na nova configuração do capitalismo mundial. A massisficação e mercantilização da Educação Profissional e Tecnológica (Técnico e Superior) por via desta instituição é algo que merece análises mais sistemáticas e profundas. Se nas universidades se percebe a tendência da pesquisa aplicada, da busca crescente por patentes e da presença das empresas no comando indireto do fazer científico, nos IFET s essa característica, hipoteticamente, tende a ser mais marcante. Portanto este estudo tem como hipótese central que está em curso um processo de profissionalização, internacionalização e mercantilização da Educação Superior, e que este processo tem impactos essenciais no conteúdo do trabalho docente, rouba a autonomia científica e impõe um novo modo de fazer científico, principalmente no que diz respeito a aplicação imediata do conhecimento para atender aos interesses da sociedade mercantil. Nos IFET S esse caráter profissionalizante faz dessa instituição um polo formador da mão-de-obra de nível técnico e superior das classes economicamente desfavorecidas. Neste contexto, o trabalho do professor, que atua nos IFET s, modifica-se e é intensificado justamente para atender a esse caráter profissionalizante e mercantil, sem que o docente perceba que o seu cotidiano profissional é alterado, muito pelo contrário, ele defende essa interferência, tanto no seu trabalho acadêmico/intelectual quanto na instituição. Como afirma Marx (2010, p. 80)

16 16 O trabalhador se torna tanto mais pobre quanto mais riqueza produz, quanto mais a sua produção aumenta em poder e extensão. O trabalhador se torna uma mercadoria tão mais barata quanto mais mercadorias cria. Com a valorização do mundo das coisas (Sachenwelt) aumenta em proporção direta a desvalorização do mundo dos homens (Menschenwelt). O trabalho não produz somente mercadorias; ele produz a si mesmo e ao trabalhador como uma mercadoria, e isto na medida em que produz, de fato, mercadorias em geral [...] Com efeito, segundo este pressuposto está claro: quanto mais o trabalhador se desgasta trabalhando (ausarbeitet), tanto mais poderoso se torna o mundo objetivo, alheio (fremd) que ele cria diante de si, tanto mais pobre se torna ele mesmo, seu mundo interior, [e] tanto menos [o trabalhador] pertence a si próprio [...] O trabalho produz maravilhas para os ricos, mas produz privação para o trabalhador. Produz palácios, mas cavernas para o trabalhador. Produz beleza, mas deformação para o trabalhador. Substitui o trabalho por máquinas, mas lança uma parte dos trabalhadores de volta a um trabalho bárbaro e faz da outra parte máquinas. Produz espírito, mas produz imbecilidade, cretinismo para o trabalhador. Assim, pode-se afirmar que enquanto a pós-graduação é o polo irradiador da internacionalização da Educação Superior, os cursos técnicos e o ensino superior dos IFET s constituem-se no polo irradiador da profissionalização e certificação em massa da população sobrante, com vistas a atender as exigências do novo regime de acumulação do capital. REFERÊNCIAS BRAGA, Ruy. A política do precariado: do populismo à hegemonia populista. São Paulo: Boitempo, BRASIL. MEC. INEP. Sinopses estatísticas do Censo da Educação Superior: 1995 a Brasília: MEC. Disponível em: <http://www.inep.gov.br/superior/censosuperior/sinopse/ default.asp>. Acesso em: 10 fev BRASIL. Educação Profissional e Tecnológica: Legislação Básica. 5 edição, Brasília, 2001., Lei n Rio de Janeiro de Aprova o Plano Nacional de Educação. Brasília, TCU: Relatório de Auditoria - TC /2011-9, Brasília: TCU, CEPAL. Investimento Estrangeiro Direto na América Latina e Caribe México, 2011.

17 17 CHESNAIS, F. A mundialização do capital. São Paulo: Xamã Editora, A mundialização financeira: gênese, custos e riscos. São Paulo: Xamã, CHESNAIS, F. (org.) A finança mundializada: raízes sociais e políticas, configuração, consequências. São Paulo: Boitempo, CHESNAIS, F. e PLIHON, D. (coord.). As armadilhas do capital: apelo dos economistas para se sair do pensamento utópico. Lisboa: Campo da Comunicação, COSTA, Elen de Fátima Lago Barros. Fracasso escolar: os (des) caminhos da política educacional no estado do Maranhão na década de pág. Dissertação (Mestrado em Educação) Universidade Federal do Maranhão/UFMA. São Luís/MA HARVEY, David. Condição pós-moderna: uma pesquisa sobre as origens da mudança cultural. São Paulo: Edições Loyola, MARX, Karl. Contribuição à crítica da economia política. Tradução Maria Helena Barreiro Alves. 3 ed. São Paulo: Martins Fontes, Manuscritos econômico-filosóficos. Tradução, apresentação e notas Jesus Ranieri. 4. reimpressão. São Paulo : Boitempo, OLIVEIRA, Francisco, BRAGA, Ruy e RIZEK, Cibele (orgs.). Hegemonia às avessas: Economia, politica e cultura na era da servidão financeira. São Paulo: Boitempo, ORTIGARA, C. e GANZELI, P. Regulação nas políticas para a educação profissional. Nos governos FHC e Lula: trabalho e cidadania. Disponível em: Relatos/0109.pdf PAULANI, Leda. A Autonomização das verdadeiras formas sociais na Teoria de Marx: comentários sobre o dinheiro no capitalismo contemporâneo. Anais... Congresso da ANPEC, Brasil Delivery: servidão financeira e estado de emergência econômico. São Paulo: Boitempo, (Coleção Estado de Sítio) SILVA JÚNIOR, João dos Reis e SGUISSARDI, Valdemar. Trabalho intensificado nas federais: pós-graduação e produtivismo econômico. São Paulo: Xamã Editora, SILVA JUNIOR, João dos Reis. Reforma do estado e da educação no brasil de FHC. São Paulo: Xamã, SILVA JÚNIOR, João dos Reis.; SGUISSARDI, Valdemar. As novas faces da educação superior no Brasil: reforma do Estado e mudança na produção. 2ª ed. São Paulo: Cortez Editora; Bragança Paulista: EDUSF, 2001.

18 18 SILVA JÚNIOR, João dos Reis e SPEARS, Eric. Globalização e a mudança do papel da Universidade Federal brasileira: uma perspectiva da economia política. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, n.47, p.3-23 Set ISSN: SILVA JÚNIOR, João dos Reis e KATO, Fabíola B. G. Mundialização do Capital, reforma do Estado, pós-graduação e pesquisa no Brasil. Revista HISTEDBR on line. n. 37, Campinas, SILVA JÚNIOR, João dos Reis, FERREIRA, Luciana R. e KATO, Fabíola B. G. Trabalho do professor pesquisador diante da expansão da pós-graduação no Brasil pós-ldb, Projeto de Pesquisa FAPESP, SILVA JÚNIOR, J. dos R; SILVA, E. P e. Carreira docente diante da atual configuração da pós-graduação. In: MANCEBO, D; SILVA JÙNIOR, J. dos R.; OLIVEIRA, J. F. de (orgs.). Reformas e políticas. São Paulo: Xamã, cap.8, p , SILVA, Juracy Caetana (org.) Institutos Federais lei , de 29/11/2008: comentários e reflexões / organização, Nata: IFRN, SINGER, André. Os sentidos do Lulismo: reforma gradual e pacto conservador. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 239, DE 2012

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 239, DE 2012 SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 239, DE 2012 O CONGRESSO NACIONAL decreta: Altera a Lei nº 11.892, de 29 de dezembro de 2008, que institui a Rede Federal de Educação Profissional, Científica

Leia mais

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME Os desafios da Educação Infantil nos Planos de Educação Porto de Galinhas/PE Outubro/2015 Secretaria de Educação Básica CONCEPÇÃO DE EDUCAÇÃO INFANTIL É direito dos trabalhadores

Leia mais

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Educação Superior

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Educação Superior Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará Eixo Temático Educação Superior Ceará, 2015 1 Socioeconômico Diagnóstico Para compreender a situação da educação no estado do Ceará é necessário também

Leia mais

PRONATEC: múltiplos arranjos e ações para ampliar o acesso à educação profissional

PRONATEC: múltiplos arranjos e ações para ampliar o acesso à educação profissional PRONATEC: múltiplos arranjos e ações para ampliar o acesso à educação profissional Martha Cassiolato e Ronaldo Coutinho Garcia Diretoria de Estudos e Políticas do Estado, Instituições e Democracia - Diest/

Leia mais

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS Projeto de Lei nº 8.035, de 2010 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional O PNE é formado por: 10 diretrizes; 20 metas com estratégias

Leia mais

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global Página Artigo: 6º Parágrafo: Único Inciso Alínea EMENDA MODIFICATIVA O parágrafo único do Artigo 6º do PL n 8035 de 2010, passa a ter a seguinte redação: Art. 6º... Parágrafo único. O Fórum Nacional de

Leia mais

A EDUCAÇÃO ESPECIAL NO ÂMBITO DA PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO NO BRASIL Régis Henrique dos Reis Silva UFG e UNICAMP regishsilva@bol.com.br 1.

A EDUCAÇÃO ESPECIAL NO ÂMBITO DA PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO NO BRASIL Régis Henrique dos Reis Silva UFG e UNICAMP regishsilva@bol.com.br 1. A EDUCAÇÃO ESPECIAL NO ÂMBITO DA PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO NO BRASIL Régis Henrique dos Reis Silva UFG e UNICAMP regishsilva@bol.com.br 1. INTRODUÇÃO Este estudo tem como objeto de análise o processo de

Leia mais

EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS

EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS EIXO III - CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO

Leia mais

Palavras-chave: Política de formação; Reformas educacionais; Formação de professores;

Palavras-chave: Política de formação; Reformas educacionais; Formação de professores; A POLÍTICA NACIONAL DE FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS DO MAGISTÉRIO DA EDUCAÇÃO BÁSICA PARFOR: O PAPEL DOS FÓRUNS ESTADUAIS PERMANENTE DE APOIO A FORMAÇÃO DOCE Edinilza Magalhães da Costa Souza UFPA Resumo

Leia mais

ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL

ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL Resumo Gabriel Mathias Carneiro Leão1 - IFPR, UFPR Rosane de Fátima Batista Teixeira2 - IFPR Grupo de Trabalho Cultura, Currículo e Saberes

Leia mais

REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor. Brasília, outubro de 2004

REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor. Brasília, outubro de 2004 REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor Brasília, outubro de 2004 FEDERAÇÃO NACIONAL DOS JORNALISTAS FENAJ http://www.fenaj.org.br FÓRUM NACIONAL DOS PROFESSORES DE JORNALISMO - FNPJ

Leia mais

Fernanda de Paula Ramos Conte Lílian Santos Marques Severino RESUMO:

Fernanda de Paula Ramos Conte Lílian Santos Marques Severino RESUMO: O Brasil e suas políticas sociais: características e consequências para com o desenvolvimento do país e para os agrupamentos sociais de nível de renda mais baixo nas duas últimas décadas RESUMO: Fernanda

Leia mais

A CONTEE a Reforma Universitária e o Programa Universidade Para Todos.

A CONTEE a Reforma Universitária e o Programa Universidade Para Todos. A CONTEE a Reforma Universitária e o Programa Universidade Para Todos. A CONTEE, depois de uma trajetória de mais de uma década de permanente debate interno e sintonia com as entidades filiadas, se encontra

Leia mais

8. Excelência no Ensino Superior

8. Excelência no Ensino Superior 8. Excelência no Ensino Superior PROGRAMA: 08 Órgão Responsável: Contextualização: Excelência no Ensino Superior Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior - SETI O Programa busca,

Leia mais

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PNE (2011 2020): ALGUMAS CONSIDERAÇÕES

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PNE (2011 2020): ALGUMAS CONSIDERAÇÕES PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PNE (2011 2020): ALGUMAS CONSIDERAÇÕES JOÃO ZANARDINI - UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ UNIOESTE- CAMPUS DE CASCAVEL A RELEVÂNCIA POLÍTICA DO PNE; Constituição Federal

Leia mais

O DOCENTE NA EDUCAÇÃO SUPERIOR: NO CONTEXTO REAL DO TRABALHO

O DOCENTE NA EDUCAÇÃO SUPERIOR: NO CONTEXTO REAL DO TRABALHO O DOCENTE NA EDUCAÇÃO SUPERIOR: NO CONTEXTO REAL DO TRABALHO Marcia Akemi Yamada 1 Soraia Kfouri Salerno 2 Resumo Uma das premissas do trabalho docente na Instituição do Ensino Superior (IES) é a produção

Leia mais

Autores: ANNARA MARIANE PERBOIRE DA SILVA, MARIA HELENA CAVALCANTI DA SILVA

Autores: ANNARA MARIANE PERBOIRE DA SILVA, MARIA HELENA CAVALCANTI DA SILVA RELAÇÕES ENTRE A EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E O SETOR DE HOSPITALIDADE: um estudo de caso aplicável ao curso Técnico de Hospedagem Secretaria de Ciência, Tecnologia e Meio Ambiente de Pernambuco Autores: ANNARA

Leia mais

ASSOCIAÇÃO UNIVERSIDADE EM REDE

ASSOCIAÇÃO UNIVERSIDADE EM REDE Como Associação que abarca as instituições de educação superior públicas tendo como finalidade o desenvolvimento da educação a distância, a UniRede apresenta abaixo as considerações relativas aos três

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIAS NA GESTÃO DA EAD: NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA(UFSM) E NA UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL(UAB).

RELATO DE EXPERIÊNCIAS NA GESTÃO DA EAD: NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA(UFSM) E NA UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL(UAB). RELATO DE EXPERIÊNCIAS NA GESTÃO DA EAD: NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA(UFSM) E NA UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL(UAB). Profa. Dra. Maria Medianeira Padoin 1 RESUMO: Relato e análise de experiências

Leia mais

Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE

Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE IV. CÂMARA TEMÁTICA DA EDUCACÃO, CULTURA E DESPORTOS Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE Meta 1 Toda criança e jovem de 4 a 17 anos na escola; Meta 2 Até 2010, 80% e,

Leia mais

A EXPANSÃO DO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL: A QUALIDADE DA OFERTA A DISTÂNCIA DO CURSO DE PEDAGOGIA A PARTIR DA LDB DE 1996

A EXPANSÃO DO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL: A QUALIDADE DA OFERTA A DISTÂNCIA DO CURSO DE PEDAGOGIA A PARTIR DA LDB DE 1996 A EXPANSÃO DO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL: A QUALIDADE DA OFERTA A DISTÂNCIA DO CURSO DE PEDAGOGIA A PARTIR DA LDB DE 1996 RESUMO Aila Catori Gurgel Rocha 1 Rosana de Sousa Pereira Lopes 2 O problema proposto

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO EM EAD NOS CURSOS DE PEDAGOGIA DE SANTA CATARINA

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO EM EAD NOS CURSOS DE PEDAGOGIA DE SANTA CATARINA A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO EM EAD NOS CURSOS DE PEDAGOGIA DE SANTA CATARINA Zuleide Demetrio Minatti 1 Nilson Thomé 2 UNIPLAC. Resumo: Na atualidade observa-se o crescimento da demanda por cursos

Leia mais

UMA TRAJETÓRIA DEMOCRÁTICA: das habilitações à coordenação pedagógica

UMA TRAJETÓRIA DEMOCRÁTICA: das habilitações à coordenação pedagógica UMA TRAJETÓRIA DEMOCRÁTICA: das habilitações à coordenação pedagógica Shirleiscorrea@hotmail.com A escola, vista como uma instituição que historicamente sofreu mudanças é apresentada pelo teórico português

Leia mais

Luiz Roberto Liza Curi. Sociólogo / Doutor em Economia. Conselheiro Conselho Nacional de Educação - CNE incolarum@hotmail.com

Luiz Roberto Liza Curi. Sociólogo / Doutor em Economia. Conselheiro Conselho Nacional de Educação - CNE incolarum@hotmail.com Luiz Roberto Liza Curi Sociólogo / Doutor em Economia Conselheiro Conselho Nacional de Educação - CNE incolarum@hotmail.com 1 Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional 9394/96 Art. 8 A União, os Estados

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR EM MATO GROSSO DO SUL: A RELAÇÃO ENTRE O SISTEMA NACIONAL E O SISTEMA ESTADUAL

AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR EM MATO GROSSO DO SUL: A RELAÇÃO ENTRE O SISTEMA NACIONAL E O SISTEMA ESTADUAL AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR EM MATO GROSSO DO SUL: A RELAÇÃO ENTRE O SISTEMA NACIONAL E O SISTEMA ESTADUAL Resumo Marianne Pereira Souza - UFGD marianne-souza@hotmail.com Giselle Cristina Martins Real

Leia mais

Analfabetismo no Brasil

Analfabetismo no Brasil Analfabetismo no Brasil Ricardo Paes de Barros (IPEA) Mirela de Carvalho (IETS) Samuel Franco (IETS) Parte 1: Magnitude e evolução do analfabetismo no Brasil Magnitude Segundo estimativas obtidas com base

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

SALA TEMÁTICA: EDUCAÇÃO SUPERIOR

SALA TEMÁTICA: EDUCAÇÃO SUPERIOR SALA TEMÁTICA: EDUCAÇÃO SUPERIOR Metas PNE - Meta 12 Elevar a taxa bruta de matrícula na Educação Superior para 50% (cinquenta por cento) e a taxa líquida para 33% (trinta e três por cento) da população

Leia mais

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914 ESTUDO DE CASO MÓDULO XI Sistema Monetário Internacional Padrão Ouro 1870 1914 Durante muito tempo o ouro desempenhou o papel de moeda internacional, principalmente por sua aceitabilidade e confiança.

Leia mais

FINANCIAMENTO DO DESENVOLVIMENTO URBANO

FINANCIAMENTO DO DESENVOLVIMENTO URBANO FINANCIAMENTO DO DESENVOLVIMENTO URBANO As condições para o financiamento do desenvolvimento urbano estão diretamente ligadas às questões do federalismo brasileiro e ao desenvolvimento econômico. No atual

Leia mais

MACROECONOMIA DA ESTAGNAÇÃO

MACROECONOMIA DA ESTAGNAÇÃO MACROECONOMIA DA ESTAGNAÇÃO Fernando Ferrari Filho Resenha do livro Macroeconomia da Estagnação: crítica da ortodoxia convencional no Brasil pós- 1994, de Luiz Carlos Bresser Pereira, Editora 34, São Paulo,

Leia mais

SITUAÇÃO DOS RECURSOS HUMANOS DA ÁREA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NAS IFES

SITUAÇÃO DOS RECURSOS HUMANOS DA ÁREA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NAS IFES SITUAÇÃO DOS RECURSOS HUMANOS DA ÁREA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NAS IFES Introdução A questão dos recursos humanos na área de Tecnologia da Informação é assunto de preocupação permanente no Colégio de

Leia mais

CURSOS TECNOLÓGICOS EM NÍVEL SUPERIOR: BREVES APONTAMENTOS

CURSOS TECNOLÓGICOS EM NÍVEL SUPERIOR: BREVES APONTAMENTOS CURSOS TECNOLÓGICOS EM NÍVEL SUPERIOR: BREVES APONTAMENTOS Alan do Nascimento RIBEIRO, Faculdade de Políticas Públicas Tancredo Neves Universidade do Estado de Minas Gerais Maria Amarante Pastor BARACHO,

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR: PERIÓDICOS NACIONAIS 1982-2000

ADMINISTRAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR: PERIÓDICOS NACIONAIS 1982-2000 ADMINISTRAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR: PERIÓDICOS NACIONAIS 1982-2000 Marta Luz Sisson de Castro PUCRS O Banco de Dados Produção do conhecimento na área de Administração da Educação: Periódicos Nacionais 1982-2000

Leia mais

EDUCAÇÃO SUPERIOR: AVANÇOS E PERSPECTIVAS

EDUCAÇÃO SUPERIOR: AVANÇOS E PERSPECTIVAS Ministério da Educação Secretaria de Educação Superior Diretoria de Políticas e Programas para a Graduação EDUCAÇÃO SUPERIOR: AVANÇOS E PERSPECTIVAS Brasil : ciclo virtuoso na educação Banco Mundial: Última

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014 A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 006 E 014 Resumo Eduardo Marcomini UNINTER 1 Ligia Lobo de Assis UNINTER Grupo de Trabalho Políticas

Leia mais

Concepções e qualidade da Educação Superior a Distância : a experiência da Universidade Aberta do Brasil- UAB.

Concepções e qualidade da Educação Superior a Distância : a experiência da Universidade Aberta do Brasil- UAB. Concepções e qualidade da Educação Superior a Distância : a experiência da Universidade Aberta do Brasil- UAB. Profa. Dra. Nara Maria Pimentel Diretora de Ensino de Graduação da UnB Presidente do Fórum

Leia mais

PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO DOCENTE NA UNIVERSIDADE PÚBLICA BRASILEIRA

PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO DOCENTE NA UNIVERSIDADE PÚBLICA BRASILEIRA PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO DOCENTE NA UNIVERSIDADE PÚBLICA BRASILEIRA Carlos Eduardo Queiroz Pessoa Bacharel em Filosofia e Direito; Mestrando em Ciências Sociais pela Universidade Federal de Campina Grande

Leia mais

TÍTULO DO PROJETO: Política de Financiamento da Educação Superior no Brasil uma análise dos Planos Nacionais de Educação

TÍTULO DO PROJETO: Política de Financiamento da Educação Superior no Brasil uma análise dos Planos Nacionais de Educação TÍTULO DO PROJETO: Política de Financiamento da Educação Superior no Brasil uma análise dos Planos Nacionais de Educação 1 APRESENTAÇÃO O financiamento da educação superior pública constitui-se num dos

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REDAÇÃO DO PROJETO DE LEI Aprova o Plano Municipal de Educação - PME e dá outras providências. O Prefeito do Município de vereadores decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Faço

Leia mais

EXPANSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CAPTANDO DESAFIOS

EXPANSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CAPTANDO DESAFIOS EXPANSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CAPTANDO DESAFIOS Maria da Graça Ramos GEUIpesq/UFPel Resumo: No presente texto procura-se estabelecer as relações fundamentais entre a produção da ciência com a

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO INTRODUÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO (PPC) Articulação com o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Projeto Político Pedagógico Indissociabilidade entre ensino, pesquisa

Leia mais

FORMANDO AS LIDERANÇAS DO FUTURO

FORMANDO AS LIDERANÇAS DO FUTURO Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias dezembro/2006 página 1 FORMANDO AS LIDERANÇAS DO FUTURO Fúlvia Rosemberg: analisa ações de inclusão e apresenta programa voltado para a formação de novas lideranças

Leia mais

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME)

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) Palmas 2010 1. Apresentação O Núcleo de Apoio Didático e Metodológico NADIME é o órgão da Faculdade Católica do Tocantins responsável pela efetivação da

Leia mais

AVALIAÇÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO NO PNE

AVALIAÇÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO NO PNE ESTUDO AVALIAÇÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO NO PNE George de Cerqueira Leite Zarur Consultor Legislativo da Área XV Educação, Cultura, Desporto, Ciência e Tecnologia ESTUDO DEZEMBRO/2004 Câmara dos Deputados Praça

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO ELEMENTOS PARA O NOVO PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO ELEMENTOS PARA O NOVO PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO ELEMENTOS PARA O NOVO PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EDUCAÇÃO BÁSICA: EDUCAÇÃO BÁSICA: 1. Definir os padrões mínimos de qualidade estabelecidos pela LDB, considerando as especificidades

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 6.755, DE 29 DE JANEIRO DE 2009. Institui a Política Nacional de Formação de Profissionais do Magistério da Educação Básica,

Leia mais

Simon Schwartzman. A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade.

Simon Schwartzman. A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade. A educação de nível superior superior no Censo de 2010 Simon Schwartzman (julho de 2012) A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade. Segundo os dados mais recentes, o

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

Estado e dinâmica da educação superior: um olhar para os Estados Unidos

Estado e dinâmica da educação superior: um olhar para os Estados Unidos Estado e dinâmica da educação superior: um olhar para os Estados Unidos Fábio José Garcia dos Reis Março de 2010 No Brasil, cabe ao Estado supervisionar, controlar, avaliar, elaborar políticas, autorizar,

Leia mais

SINAES: Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior: Da Concepção à Regulamentação. 2

SINAES: Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior: Da Concepção à Regulamentação. 2 Regina Beatriz Bevilacqua Vieira 1 SINAES: Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior: Da Concepção à Regulamentação. 2 BRASIL/INEP. SINAES: Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior:

Leia mais

MESTRADOS PROFISSIONAIS COMO ESTRATÉGIA DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

MESTRADOS PROFISSIONAIS COMO ESTRATÉGIA DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA MESTRADOS PROFISSIONAIS COMO ESTRATÉGIA DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Maria Cristina Araújo de Oliveira UFJF mcrisoliveira6@gmail.com Resumo: O artigo apresenta um breve panorama

Leia mais

CARTA DO PARANÁ DE GOVERNANÇA METROPOLITANA

CARTA DO PARANÁ DE GOVERNANÇA METROPOLITANA CARTA DO PARANÁ DE GOVERNANÇA METROPOLITANA Em 22 e 23 de outubro de 2015, organizado pela Secretaria de Desenvolvimento Urbano SEDU, por meio da Coordenação da Região Metropolitana de Curitiba COMEC,

Leia mais

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO Karen Ramos Camargo 1 Resumo O presente artigo visa suscitar a discussão acerca dos processos de trabalho do Serviço Social, relacionados

Leia mais

Influências das políticas públicas de inclusão

Influências das políticas públicas de inclusão artigo Rodrigo Perla Martins Diretor do Sinpro/RS Doutor em História, Mestre em Ciência Política e graduado em História. Influências das políticas públicas de inclusão na educação superior e os benefícios

Leia mais

Privatização da Educação, PNE e estratégias de enfrentamento

Privatização da Educação, PNE e estratégias de enfrentamento Seminário Internacional Os diferentes modos de privatização da educação no mundo e as estratégias globais e locais de enfrentamento Privatização da Educação, PNE e estratégias de enfrentamento Luiz Dourado

Leia mais

medida. nova íntegra 1. O com remuneradas terem Isso é bom

medida. nova íntegra 1. O com remuneradas terem Isso é bom Entrevista esclarece dúvidas sobre acúmulo de bolsas e atividadess remuneradas Publicada por Assessoria de Imprensa da Capes Quinta, 22 de Julho de 2010 19:16 No dia 16 de julho de 2010, foi publicada

Leia mais

O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP

O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP O Papel do Pedagogo na Escola Pública 1 A construção histórica do Curso de Pedagogia 2 Contexto atual do Curso de Pedagogia 3 O trabalho do Pedagogo prática

Leia mais

FACULDADES INTEGRADAS CAMPO GRANDENSES INSTRUÇÃO NORMATIVA 002/2010 17 05 2010

FACULDADES INTEGRADAS CAMPO GRANDENSES INSTRUÇÃO NORMATIVA 002/2010 17 05 2010 O Diretor das Faculdades Integradas Campo Grandenses, no uso de suas atribuições regimentais e por decisão dos Conselhos Superior, de Ensino, Pesquisa, Pós Graduação e Extensão e de Coordenadores, em reunião

Leia mais

Audiência Pública no Senado Federal

Audiência Pública no Senado Federal Audiência Pública no Senado Federal Comissão de Educação, Cultura e Esporte Brasília DF, 7 de maio de 2008 1 Audiência Pública Instruir o PLS n o 026 de 2007, que Altera a Lei n o 7.498, de 25 de junho

Leia mais

V - promover a cooperação internacional na área de ciência, tecnologia e inovação;

V - promover a cooperação internacional na área de ciência, tecnologia e inovação; DECRETO Nº 7.642, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011 * Programa Ciência sem Fronteiras. * Institui o Programa Ciência sem Fronteiras. A Presidenta da República, no uso das atribuições que lhe confere o art. 84,

Leia mais

Palavras-chave: Educação Matemática; Avaliação; Formação de professores; Pró- Matemática.

Palavras-chave: Educação Matemática; Avaliação; Formação de professores; Pró- Matemática. PRÓ-MATEMÁTICA 2012: UM EPISÓDIO DE AVALIAÇÃO Edilaine Regina dos Santos 1 Universidade Estadual de Londrina edilaine.santos@yahoo.com.br Rodrigo Camarinho de Oliveira 2 Universidade Estadual de Londrina

Leia mais

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre N o Brasil há 2.361 municípios, em 23 estados, onde vivem mais de 38,3 milhões de pessoas abaixo da linha de pobreza. Para eles, o Governo Federal criou

Leia mais

Resgate histórico do processo de construção da Educação Profissional integrada ao Ensino Médio na modalidade de Educação de Jovens e Adultos (PROEJA)

Resgate histórico do processo de construção da Educação Profissional integrada ao Ensino Médio na modalidade de Educação de Jovens e Adultos (PROEJA) Resgate histórico do processo de construção da Educação Profissional integrada ao Ensino Médio na modalidade de Educação de Jovens e Adultos (PROEJA) Mário Lopes Amorim 1 Roberto Antonio Deitos 2 O presente

Leia mais

Parte V Financiamento do Desenvolvimento

Parte V Financiamento do Desenvolvimento Parte V Financiamento do Desenvolvimento CAPÍTULO 9. O PAPEL DOS BANCOS PÚBLICOS CAPÍTULO 10. REFORMAS FINANCEIRAS PARA APOIAR O DESENVOLVIMENTO. Questão central: Quais as dificuldades do financiamento

Leia mais

PROCESSO DE CRIAÇÃO E EXPANSÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO-SENSU EM EDUCAÇÃO/EDUCAÇÃO ESPECIAL NO BRASIL

PROCESSO DE CRIAÇÃO E EXPANSÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO-SENSU EM EDUCAÇÃO/EDUCAÇÃO ESPECIAL NO BRASIL PROCESSO DE CRIAÇÃO E EXPANSÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO-SENSU EM EDUCAÇÃO/EDUCAÇÃO ESPECIAL NO BRASIL SILVA, Régis Henrique dos Reis - NUPEFI/CEPAE/UFG SILVA, Sarah Maria de Freitas Machado - ESEFEGO/UEG

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 Candidato Gilmar Ribeiro de Mello SLOGAN: AÇÃO COLETIVA Página 1 INTRODUÇÃO Considerando as discussões realizadas com a comunidade interna

Leia mais

CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2010

CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2010 1 CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2010 O Censo da Educação Superior, realizado anualmente pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), constitui se em importante instrumento

Leia mais

Discurso do Ministro de Estado da Educação do Brasil, Fernando Haddad

Discurso do Ministro de Estado da Educação do Brasil, Fernando Haddad Discurso do Ministro de Estado da Educação do Brasil, Fernando Haddad Debate sobre Política Geral da 34 a. Conferência Geral da UNESCO Paris, Unesco, Sessão Plenária, 18 de outubro de 2007 Senhor Presidente,

Leia mais

ANÁLISE DESCRITIVA DO POLO PRESENCIAL DA UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL EM ITAPEVI/SP

ANÁLISE DESCRITIVA DO POLO PRESENCIAL DA UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL EM ITAPEVI/SP CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X ANÁLISE DESCRITIVA DO POLO PRESENCIAL DA UNIVERSIDADE ABERTA

Leia mais

Marcos Antônio de Oliveira 1

Marcos Antônio de Oliveira 1 POLÍTICA DE TREINAMENTO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA DA REDE ESTADUAL DE ENSINO NO PARANÁ: A MATEMÁTICA CONTEXTUALIZADA - CORD/SEED E O AJUSTE DA ESCOLA AO MUNDO DO TRABALHO CAPITALISTA Marcos Antônio

Leia mais

necessidades destes alunos, a despeito das tendências jurídico-normativas e das diretrizes educacionais. Em face disso, este estudo analisou a

necessidades destes alunos, a despeito das tendências jurídico-normativas e das diretrizes educacionais. Em face disso, este estudo analisou a A FORMAÇÃO CONTINUADA E O CONHECIMENTO DOS PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA SOBRE O TEMA DA INCLUSÃO DOS ALUNOS COM NECESSIDADES EDUCATIVAS ESPECIAIS LIMA, Lana Ferreira de UFG GT-15: Educação Especial Introdução

Leia mais

Carta-Compromisso pela. Garantia do Direito à Educação de Qualidade. Uma convocação aos futuros governantes e parlamentares do Brasil

Carta-Compromisso pela. Garantia do Direito à Educação de Qualidade. Uma convocação aos futuros governantes e parlamentares do Brasil 1 Carta-Compromisso pela Garantia do Direito à Educação de Qualidade Uma convocação aos futuros governantes e parlamentares do Brasil Para consagrar o Estado Democrático de Direito, implantado pela Constituição

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º, DE 2003 (Do Sr. Geraldo Resende)

PROJETO DE LEI N.º, DE 2003 (Do Sr. Geraldo Resende) PROJETO DE LEI N.º, DE 2003 (Do Sr. Geraldo Resende) Autoriza o Poder Executivo a instituir a Fundação Universidade Federal da Grande Dourados, e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta: Art.

Leia mais

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional*

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* 1. Natureza do mestrado profissional A pós-graduação brasileira é constituída, atualmente, por dois eixos claramente distintos: o eixo acadêmico, representado

Leia mais

RESOLVE: CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS. Os objetivos gerais da EAD na Universidade Federal do Paraná (UFPR) são:

RESOLVE: CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS. Os objetivos gerais da EAD na Universidade Federal do Paraná (UFPR) são: RESOLUÇÃO Nº 28/08-CEPE Fixa normas básicas de controle e registro da atividade acadêmica dos Cursos de Aperfeiçoamento e Especialização na modalidade de Educação a Distância da Universidade Federal do

Leia mais

Exercícios sobre Tigres Asiáticos

Exercícios sobre Tigres Asiáticos Exercícios sobre Tigres Asiáticos Material de apoio do Extensivo 1. (UNITAU) Apesar das críticas, nos últimos tempos, alguns países superaram o subdesenvolvimento. São os NIC (Newly Industrialized Countries),

Leia mais

A importância da Educação à Distância para o desenvolvimento Profissional no ensino superior

A importância da Educação à Distância para o desenvolvimento Profissional no ensino superior A importância da Educação à Distância para o desenvolvimento Profissional no ensino superior Janaína Batista da Silva Larissa Horrara de Almeida Leonardo Lopes Liliana Oliveira Palhares da Silva Luciana

Leia mais

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Eixo temático 1: Fundamentos e práticas educacionais Telma Sara Q. Matos 1 Vilma L. Nista-Piccolo 2 Agências Financiadoras: Capes / Fapemig

Leia mais

Estrutura e Funcionamento da Educação Básica. Prof. Me. Fabio Fetz de Almeida

Estrutura e Funcionamento da Educação Básica. Prof. Me. Fabio Fetz de Almeida Estrutura e Funcionamento da Educação Básica Prof. Me. Fabio Fetz de Almeida Pauta da aula: (02-30) Educação Especial; Princípios da educação nacional; Análise dos dados referentes à Educação no Brasil;

Leia mais

Ensino Superior e novas tecnologias: caminhos e desafios

Ensino Superior e novas tecnologias: caminhos e desafios Ensino Superior e novas tecnologias: caminhos e desafios Henrique Paim Ministro de Estado da Educação Maceió, abril de 2014 Plano Nacional de Educação PNE balizador de todas as ações do MEC. Desafios:

Leia mais

PROJETO DE LEI. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

PROJETO DE LEI. O CONGRESSO NACIONAL decreta: PROJETO DE LEI Autoriza a concessão de bolsas de estudo e de pesquisa a participantes de programas de formação inicial e continuada de professores para a educação básica. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

Leia mais

PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 27/12/2011, Seção 1, Pág. 30. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 27/12/2011, Seção 1, Pág. 30. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 27/12/2011, Seção 1, Pág. 30. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica

Leia mais

CAPES DAV REGULAMENTO DA AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE MESTRADO INTERINSTITUCIONAL MINTER

CAPES DAV REGULAMENTO DA AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE MESTRADO INTERINSTITUCIONAL MINTER (Anexo à Portaria nº 067, de 14 de setembro de 2005) CAPES DAV REGULAMENTO DA AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE MESTRADO INTERINSTITUCIONAL MINTER 1. Caracterização do Projeto Minter 1.1. Caracteriza-se como Projeto

Leia mais

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes FACULDADE ALFREDO NASSER INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO III PESQUISAR

Leia mais

Sumário PNAD/SIMPOC 2001 Pontos importantes

Sumário PNAD/SIMPOC 2001 Pontos importantes Sumário PNAD/SIMPOC 2001 Pontos importantes Sistema de pesquisas domiciliares existe no Brasil desde 1967, com a criação da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD; Trata-se de um sistema de pesquisas

Leia mais

EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA

EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA Disciplina: D 4.5 Sistema de Planejamento Federal (32h) (Caso 1: Plano de Monitoramento Global - Programa - Educação Profissional e Tecnológica) 12

Leia mais

Dimensão social. Educação

Dimensão social. Educação Dimensão social Educação 218 Indicadores de desenvolvimento sustentável - Brasil 2004 36 Taxa de escolarização Representa a proporção da população infanto-juvenil que freqüenta a escola. Descrição As variáveis

Leia mais

Políticas Públicas: Impactos na Formação em Engenharia. Silvia Costa Dutra Unisinos 2014

Políticas Públicas: Impactos na Formação em Engenharia. Silvia Costa Dutra Unisinos 2014 Políticas Públicas: Impactos na Formação em Engenharia Silvia Costa Dutra Unisinos 2014 Regatando o passado Avaliando o presente Pensando o futuro Formação em Engenharia: Alguns marcos Criação da ABENGE-

Leia mais

A Engenharia e o Desenvolvimento Regional. Palestrante: Prof. Dr. Ivaldo Leão Ferreira Professor Adjunto II VEM/EEIMVR/UFF

A Engenharia e o Desenvolvimento Regional. Palestrante: Prof. Dr. Ivaldo Leão Ferreira Professor Adjunto II VEM/EEIMVR/UFF A Engenharia e o Desenvolvimento Regional A Engenharia e o Desenvolvimento Regional Resumo A importância da qualidade e diversidade na formação do corpo de engenheiros regionais e a integração da indústria

Leia mais

PARECER. Justificativa

PARECER. Justificativa Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás IFG - Campus Anápolis Departamento das Áreas Acadêmicas Parecer: Do:

Leia mais

O Ensino a Distância nas diferentes Modalidades da Educação Básica

O Ensino a Distância nas diferentes Modalidades da Educação Básica O Ensino a Distância nas diferentes Modalidades da Educação Básica Francisco Aparecido Cordão Conselheiro da Câmara de Educação Básica do CNE facordao@uol.com.br 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16

Leia mais

EVASÃO NO CURSO DE PEDAGOGIA DE UMA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO UM ESTUDO DE CASO

EVASÃO NO CURSO DE PEDAGOGIA DE UMA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO UM ESTUDO DE CASO EVASÃO NO CURSO DE PEDAGOGIA DE UMA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO UM ESTUDO DE CASO Elizabeth da Silva Guedes UNESA Laélia Portela Moreira UNESA Resumo A evasão no Ensino Superior (ES) vem chamando

Leia mais

EIXO VI VALORIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO: FORMAÇÃO, REMUNERAÇÃO, CARREIRA E CONDIÇÕES DE TRABALHO:

EIXO VI VALORIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO: FORMAÇÃO, REMUNERAÇÃO, CARREIRA E CONDIÇÕES DE TRABALHO: EIXO VI VALORIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO: FORMAÇÃO, REMUNERAÇÃO, CARREIRA E CONDIÇÕES DE TRABALHO: PROPOSIÇÕES E ESTRATÉGIAS 1. Profissionais da educação: formação inicial e continuada 1.1. Implantar

Leia mais

é de queda do juro real. Paulatinamente, vamos passar a algo parecido com o que outros países gastam.

é de queda do juro real. Paulatinamente, vamos passar a algo parecido com o que outros países gastam. Conjuntura Econômica Brasileira Palestrante: José Márcio Camargo Professor e Doutor em Economia Presidente de Mesa: José Antonio Teixeira presidente da FENEP Tentarei dividir minha palestra em duas partes:

Leia mais

INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO MARANHÃO-IESMA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR DO SUL DO MARANHÃO-UNISULMA NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO

INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO MARANHÃO-IESMA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR DO SUL DO MARANHÃO-UNISULMA NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO MARANHÃO-IESMA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR DO SUL DO MARANHÃO-UNISULMA NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Especialização em Metodologia do Ensino Superior Imperatriz

Leia mais

ACESSO, PERMANÊNCIA E SUCESSO ESCOLAR

ACESSO, PERMANÊNCIA E SUCESSO ESCOLAR ACESSO, PERMANÊNCIA E SUCESSO ESCOLAR É É importante que as pessoas se sintam parte de um processo de melhoria para todos Luiz Fábio Mesquita PROEN 2011 Luiz Alberto Rezende / Tânia Mára Souza / Patrícia

Leia mais

Presidência da República

Presidência da República Página 1 de 5 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 6.095, DE 24 DE ABRIL DE 2007. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84,

Leia mais