PROJETO BERÇARIOS DA COSTA PAULISTA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROJETO BERÇARIOS DA COSTA PAULISTA"

Transcrição

1 PROJETO BERÇARIOS DA COSTA PAULISTA EXPEDIÇÃO JURÉIA ITATINS Peruíbe, 06 a 08 de Agosto de JURÉIA O CORAÇÃO DA NATUREZA No Litoral de São Paulo pulsa a diversidade natural da mais autêntica reserva de Mata Atlântica brasileira Na língua tupi-guarani Juréia significa ponta saliente. O motivo é um imenso maciço de rocha que sai do continente, invade a praia e avança em direção às águas do mar. O maciço da Juréia, junto com a Serra do Itatins, no Litoral Sul de São Paulo, compõe assim o trecho de Mata Atantica mais rico e preservado que ainda resta no Brasil. Os ilustres habitantes dessa região além dos caiçaras, a suçuarana, a biguatinga e o raro macaco monocarvoeiro, o maior das Américas Têm a sorte perene de conviver com as áreas de mangues, rios, cachoeiras, restingas e mais de 40 quilômetros de praias e costões praticamente intocados. Um paraíso de diversidade natural a apenas 200 quilometros da capital paulista e menos de 130 do inferno de fumaça das industrias de Cubatão. Mas a Juréia já esteve muito ameaçada. No começo da década de 70, por exemplo, um megacondominio para 70 mil pessoas quase foi aprovado na Selvagem Praia do Rio Verde, uma das últimas ainda virgens do litoral paulista. Pior: em junho de 1980, o então presidente João Batista Figueiredo autorizou a desapropriação de 236 km2 de terras entre as cidades de Peruíbe e Iguape para a construção de duas usinas nucleares. Por sorte a natureza, o programa nuclear brasileiro nunca decolou, e a polemica só serviu para afastar da área os ávidos empresários com seus projetos imobiliários. Quase vinte anos depois de todos esses tormentos, a Juréia continua intacta. Em 1987, cerca de 80 mil hectares da região cortada pelos rios Uma do Prelado e Verde foram transformados em estação ecológica, uma reserva onde residem inúmeras espécies animais e onde pesquisadores já detectaram mais de 400 espécies de plantas medicinais. Só que tudo isso está a alcance apenas de alguns privilegiados. Com acessos rigorosamente controlados, apenas biólogos, estudiosos da natureza e fiscais podem alcançar o coração da Juréia. A visitação turística é proibida, uma situação que alimenta muitas discussões entre ambientalistas, ainda mais porque as restrições ao uso da área também atingem as cerca de 350familias de caiçaras que vivem ali. Sem recursos e isolados, os nativos não podem mais cultivar vários hábitos ancestrais, como caçar e pescar. Um verdadeiro oásis de Mata Atlântica incrustado no Estado mais desenvolvido do pais, Juréia resistiu aos projetos dos militares e à ganância dos especuladores. A natureza ali se mantém intacta. Pena que, para a grande maioria das pessoas, ela só possa ser contemplada por fotos. Texto extraído e adaptado: Revista Pesca Brasil, Edição 20 / 2009, autora: Ana Carla Molina

2 NOSSA VIAGEM Saímos de São Paulo após o almoço do dia 06 e seguimos para o Sul em direção a Peruíbe, nosso objetivo acampar as margens do Rio Una e aproveitar os dias entre caminhadas pela praia, trilhas e saída de barco pelo rio. Logo São Paulo vai ficando para trás e a atmosfera da viagem já contamina e empolga com as possibilidades que estão por vir, para um amante da natureza não há momento que cause maior ansiedade. Depois de quatro horas de viagem estamos nos aproximando do vilarejo da Barra do Una. Costumo comparar esse local com o Novo Mundo da chegada dos portugueses e outros colonizadores. UM MUNDO A PARTE A junção de ecossistemas perfeitos revela a beleza da expansão de um universo singular. Cada detalhe permite perceber a harmonia completa em que vive cada ser dessa região. Não é somente o ar mais puro ou a água mais cristalina, mas todo o encadeamento de ambientes confere a Juréia-Itatins o mais completo e equilibrado mostruário de relacionamento entre o meio ambiente, a flora, a fauna e os microorganismos que nele habitam e que incluem fatores de equilíbrio geológico, atmosférico, meteorológico e biológico. A distribuição bem ordenada dos ambientes está completamente interligada à vida animal. Os contornos e desenhos que formam as dunas e o solo propício sempre encharcado de água salobra, o qual está constantemente pronto para germinar, combinam com o lodo dos mangues e com as peculiares características da restinga, que avança pelo litoral e se prolonga até o mar. Para embelezar ainda mais a paisagem, árvores frondosas de madeira de lei projetam suas raízes pela extensa floresta de planície. Sem dúvida alguma podemos afirmar que se trata de uma das melhores áreas preservadas do Brasil, se estendendo por um corredor que vai da Estação Ecológica de Juréia-Itatins até o Vale do Ribeira. Com tantos atributos primorosos, a Juréia se mostra como uma grande arquibancada que permite a observação da vida silvestre. O vôo rasante de um grupo de tucanos ou as estrepolias de algum animal endêmico podem, com sorte, ser vistos pelos visitantes mais atentos. Abrigam-se aqui uma diversidade de animais e plantas que correm o risco de extinção, entre os animais a onça pintada e o macaco muriqui e entre as plantas a samambaiaçu ou xaxim e a orquídea do gênero catasetum. Texto extraído e adaptado: Revista Pesca Brasil, Edição 20/2009, autoria Vanessa Moiseíeff.

3 ESTAÇÃO ECOLÓGICA Na perspectiva da política Nacional do Meio Ambiente, a Lei n 6.938/81 advogou, como um de seus objetivos prioritários, a criação de Estações Ecológicas, mormente devotadas à pesquisa, pura ou aplicada. A Estação Ecológica de Juréia-Itatins representa, no entanto, um inusitado exemplo de sobreposição de diversas áreas preservadas ( umas da União, e outras, estaduais ), todas com documentos jurídicos atuais, válidos, inegáveis. O primeiro dos documentos que protegera a região fora o decreto relativo a uma reserva florestal, ocupando uma barra de morros e de matas na Serra dos Itatins ( Decreto Est. n , de 8 de abril de 1958 ). O MEIO AMBIENTE Ao referir-se á juréia, muitos pensam apenas na região costeira, não só devido a seu mágico esplendor, mas também ao fato de que, no inicio, a Estação se restringia a cerca da quarta parte da sua extensão atual, englobando apenas, de um modo geral, a Praia do Rio Verde e a do Una. Ao assumir o expandido espaço atual, a Estação Ecológica passa a adquirir o caráter de uma região tripartida, com faixas concêntricas de crescente complexidade, dimensão e majestade: - a orla marítima; - o Banhado Grande; - as serranias do Itatins. ORLA MARÍTIMA Compreendendo três pontas ( Juréia, Grajaúna e Uma) que representariam afloramentos pré-cambrianos e cristalo-filianos e até gnaísses e migmatítos (Ponta da Juréia), esses marcos rochosos delimitam duas amplas baías arenosas, uma menor a do Rio Verde, com formações liminosas de manguezais, outra maior, com tendência marcada para a formação de feixes de restingas e jundus. Ao Sul da ponta da Juréia, o litoral que antecede as nascentes do Rio Uma apresenta dunas, consolidadas, de considerável altura. Todo o litoral sudoeste sofreu a influência de fases sucessivas de afogamento eustático, durante o holoceno, seguidas de processos de colmatagem, acentuados no litoral sul, formando cordões arenosos, que antecedem formações lagunares, longilíneas ou rodeadas de esporões arenosos, que acabam por fecha-las.

4 Batida pelo vento do largo, crestada de solheira e maresia, chicoteada pela areia trazida às lufadas, a vegetação da restinga conquista a aridez da faixa supratidal por processos de veemente persistência: a fixação por restolhos do irisineto (phyloxerus portucaloides) e das ipomáceas Ipomea pescaprae), a superfície rasa oferecida, como recortada bandeja, pela hydrocotile umbelata); as longas, pertinazes raízes da Spartina; a enzima rosada da antocianina, presentes nas contorcidas hastes da Iresine, que lhe permite negociar a água salobre do lençol freático, quase à flor da praia. É a soberba labuta da sucessão da restinga inicial. O BANHADO GRANDE Enquanto com mais lenta cautela, avançamos em terreno encharcado oun por riachos de negras águas, da tonalidade de um licor precioso e raro, em nenhuma outra parte talvez apreendamos o estranho, o sábio esplendor do ritual da morte e do renovo como neste domínio de banhado grande, o Pai das Águas. Olhando à volta pasmamos e amamos toda essa festa medieval dos fungos, o recomeço da vida no ciclo desse tronco caído, como um gigante por fim abatido entre o fecundo folhiço da mata. O próprio solo desse `taruru` nos recomenda a secular paciência de processo antiguíssimo levando, de decomposição em decomposição, das antigas lagoas subdjacentes, com seus densos juncais, à turfa atual, que se apresenta como esponja escura, fértil e inflável. A SERRANIA DO TITATINS E a caxeta (tabebuia cassinoides) e o palmito (Euterpe edulis), tão cobiçados, vão se fundindo, num continuum quase imperceptível, com o espessor da mata pluvial que recobre o Itatins por léguas e léguas, fazendo parte da grande floresta tropical atlântica. Mata dos beijas-flores e dos felinos, das parasitas e das samambaias. E é tal a variedade das espécies arbóreas e escandentes, na penumbra das frondes, e tão anciosas todas de atingirem o sol, que só a imagem pode dar a idéia da densidade impenetrável, da competição pela luz, tensa, crepuscular, calada, dessa mata. Todavia essa mata, todos esses cumes, esses dedos de pedra, parecem esbravejar como que imóvel para sempre o gesto. Todo esse espaço está por estudar, aguardando a chegada dos que vão sobre ele debruçar-se, entende-lo e divulga-lo, concorrendo a mover os homens a proteger esse legado.

5 DESCRIÇÃO DAS OBSERVAÇÕES Aves: 1. Garça azul ( Egretta caerulea ) 2. Garça branca pequena ( Egretta thula ) 3. Martin pescador grande ( Ceryle torquata ) 4. Martin Pescador pequeno ( Chloroceryle americana ) 5. Coruja Buraqueira ( Speotyto cunicularia ) 6. Tié Sangue ( Ramphocelus bresilius ) 7. Bem te vi ( Pitangus sulphuratus ) 8. Sabia-barranco ( Turdus leucomelas ) 9. Sabia Laranjeira ( Turdus rufiventris ) 10. Pardal ( Passer domesticus ) 11. Tico Tico ( Zonotrichia capensis ) 12. Pomba doméstico ( Columba lívia domestica ) 13. Caracará ( Polyborus p. plancus ) 14. Urubu da cabeça preta ( Coragyps atratus ) 15. Urubu da cabeça vermelha ( Cathartes aura ) 16. Fragata ( Fregata magnifensis ) 17. Gaivota ( Larus dominicanus ) 18. Talha mar ( Sterna sp ) 19. Canário da terra ( Sicalis flaveola ) 20. Tucano do bico preto ( Ramphastos vitellinus ) 21. Corruíra ( Troglodytes aedon ) 22. Andorinha pequena ( Notiochelidon cyanoleuca ) 23. Andorinha grande ( Progne chalybea ) 24. Anu preto ( Crotophaga ani ) 25. Periquito verde ( Brotogeris tirica ) 26. Quero-quero ( Vanellus chilensis ) 27. Savacu-de-coroa ( Nyctanassa violacea ) 28. Cambacica ( Coereba flaveola ) 29. Noivinha-branca ( Xolmis sp ) 30. Guaxe ( Cacicus haemorrhous ) 31. Surucua de barriga amarela ( Trogon viridis )

6 Flora 1.Mangue vermelho ( Rizofhora mangle ) 2.Mangue preto ( Avicenia schaueriana ) 3.Mangue branco ( Laguncularia racemosa ) 4.Mangue de botão ( Conocarpus erectos ) 5.Capim-salgado ( Spartina ciliata ) 6.Aroeirinha ( Schinus terebinthifolius ) 7.Embaúba ( Cecropia pachystachya ) 8.Caetê vermelho ( Heliconia biha ) 9.Caeté ( Heliconia velloziana ) 10. Bananeira ornamental ( Musa ornata ) 11. Trombeteiro ( Brugmansia suaveolens ) 12. Cana-do-brejo ( Costus spiralis ) 13. Erva-capitão ( Hydrocotyle bonariensis ) 14. Palmito ( Euterpe edulis ) 15. Jerivá ( Syagrus romanzoffiana ) 16. Guapuruvu ( Schizolobium parahyba ) 17. Vegetação rateira de dunas ( Blutaparon portulocoides ) 18. Trucuá ( Monstera adansonii ) 19. Imbé ( Philodendron bipinnatifidum ) 20. Mãe-do-imbé ( Philodendron imbe ) 21. Babosa-de-árvore ( Philodendron martianum ) 22. Gravatá ( Aechemea nudicaulis ) 23. Caraguatá ( Nidularium billbergioides ) 24. Bromélia ( Nidularium innocentii ) 25. Bromélia ( Nidularium procerum ) 26. Bromélia ( Quesnelia arvensis ) 27. Bromélia ( Racinacea spiculosa ) 28. Bromélia ( Tillandsia stricta ) 29. Bromélia ( Tillandsia geminiflora ) 30. Barba-de-velho ( Tillandsia usneoides ) 31. Bromélia ( Vriesea carinata ) 32. Bromélia ( Vriesea ensiformes ) 33. Bromélia ( Vriesea friburgensis ) 34. Bromélia ( Vriesea philippocoburgii ) 35. Cacto ( Cereus peruvianus ) 36. Cacto ( Opuntia monoacantha ) 37. Cacto ( Rhipsalis sp ) 38. Carqueja-amarga ( Baccharis trimera ) 39. Ipoméa ( Ipomea littoralis ) 40. Ipoméa ( Ipomea pes-caprae ) 41. Pinherinho-da-praia (Cladium mariscus ) 42. Grama-da-praia ( Stenotaphrum secundatum ) 43. Erva-chumbo ( Cassitha sp ) 44. Marmeleiro-da-praia ( Dalbergia ecastaphilla ) 45. Quaresmeira-anã ( Tibouchina glazioviana ) 46. Orelha-de-onça ( Tibouchina clavata ) 47. Orquídea terrestre ( Catasetum trulla )

7 48. Orquídea sumbaré ( Cyrtopodium polyphyllum ) 49. Orquídea ( Epidendrum fulgens ) 50. Brejauva ( Astrocaryum aculeatissimum ) 51. Palmeira-indaiá ( Attalea dubia ) 52. Lírio-do-brejo ( Hedychium coronarium ) 53. Samambaia-açu ( Trichipteris atrovirens ) 54. Samambaia-do-barranco ( Dicranopteris pectinata ) 55. Lycopodium ( Lycopodium alopecuroides ) 56. Lycopodium ( Lycopodium cernuum ) 57. Brófita ( Polytricum sp ) 58. Veludo ( Sphagnum sp ) 59. Liquem ( Cladonia sp ) 60. Barba-de-velho ( Usnea barbata ) Répteis 1. Cobra coral ( Micrurus sp ) 2. Tartaruga verde Moluscos 1. Craca 2. Litorina 3. Mexilhão 4. Teredo 5. Ostra Crustáceos 1. Heremita 2. Caranguejo do mangue 3. Caranguejo chama maré

8 EQUIPE Carlos V. Cantareli / Biólogo Lucas Corvacho / Biólogo FOTOS: C.V.Cantareli L.Corvacho F.Coppola BIBLIOGRAFIA: Frisch, J.D. Aves Brasileiras, Volume I, Editora Dalgas Ecoltec, São Paulo, 1981 Frisch, J.D. Frisch C.D. Aves Brasileiras e Plantas que as Atraem, 3 Edição, Editora Dalgas Ecoltec, São Paulo, 2005 Granstsau, R. As Cobras Venenosas do Brasil, Editora Bandeirante, São Paulo, 1991 Dunning, J.S. South American Birds, Pensilvânia, 1997 Sick, H. Ornitologia Brasileira; Editora Nova Fronteira, Rio de Janeiro, 1997 Lorenzi, H. Arvores Brasileiras; Editora Plantarum Ltda, Nova Odessa SP, 1992 Lorenzi, H. Plantas Ornamentais no Brasil, arbustivas, herbáceas e trepadeiras, 3 edição, Nova Odessa SP, 2001 Joly, A.B. Botânica Introdução a Taxonomia Vegetal, Compania e Editora Nacional, São Paulo SP, 1993 Sanfilippo, L.F. ; Demétrio, C. Aves que Habitam o Sesc-Bertioga, São Paulo SP, 1994 Reader s Digest Associaton Limited, Book Of Bristish Birds, London, 1980 Couto, O.S. ; Manual de Reconhecimento de Espécies do Estado desão Paulo, Imprensa Oficial, SMA DPRN, São Paulo SP, 2005

Formações de Santa Catarina. Profa. Elisa Serena Gandolfo Martins Março/2015

Formações de Santa Catarina. Profa. Elisa Serena Gandolfo Martins Março/2015 Formações de Santa Catarina Profa. Elisa Serena Gandolfo Martins Março/2015 O Estado de Santa Catarina está totalmente inserido dentro do Bioma Mata Atlântica. A Mata Atlântica "O espaço que contém aspectos

Leia mais

Nosso Território: Ecossistemas

Nosso Território: Ecossistemas Nosso Território: Ecossistemas - O Brasil no Mundo - Divisão Territorial - Relevo e Clima - Fauna e Flora - Ecossistemas - Recursos Minerais Um ecossistema é um conjunto de regiões com características

Leia mais

HABITATS MARINHOS E COSTEIROS

HABITATS MARINHOS E COSTEIROS HABITATS MARINHOS E COSTEIROS Manguezais Marismas e planícies de maré Estuários e Lagunas Praias Costões Rochosos Recifes de Coral Plataforma Continental Mar Profundo Fontes Hidrotermais MANGUEZAIS Compreendem

Leia mais

BRASIL: UM PAÍS DE MUITAS ESPÉCIES

BRASIL: UM PAÍS DE MUITAS ESPÉCIES Nome: Data: / / 2015 ENSINO FUNDAMENTAL Visto: Disciplina: Natureza e Cultura Ano: 1º Lista de Exercícios de VC Nota: BRASIL: UM PAÍS DE MUITAS ESPÉCIES QUANDO OS PORTUGUESES CHEGARAM AO BRASIL, COMANDADOS

Leia mais

praiais estuarino manguezais

praiais estuarino manguezais 3.2.2 Ecossistemas Relevantes Um ecossistema pode ser definido como a interação de comunidades de espécies de animais, vegetais e microorganismos entre si e o seu habitat num grau de equilíbrio estável.

Leia mais

CAPÍTULO 4 UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

CAPÍTULO 4 UNIDADES DE CONSERVAÇÃO CAPÍTULO 4 UNIDADES DE CONSERVAÇÃO Na área dos municípios de Porto Seguro e Santa Cruz Cabrália, existem as seguintes unidades de conservação (Anexo II): Parque Nacional de Monte Pascoal Parque Nacional

Leia mais

Biomas, Domínios e Ecossistemas

Biomas, Domínios e Ecossistemas Biomas, Domínios e Ecossistemas Bioma, domínio e ecossistema são termos ligados e utilizados ao mesmo tempo nas áreas da biologia, geografia e ecologia, mas, não significando em absoluto que sejam palavras

Leia mais

www.institutocarijos.org.br Leonildo Lepre Filho nidolepre@gmail.com Eduardo Paulo Pires Pereira dudu_p3@hotmail.com

www.institutocarijos.org.br Leonildo Lepre Filho nidolepre@gmail.com Eduardo Paulo Pires Pereira dudu_p3@hotmail.com www.institutocarijos.org.br Leonildo Lepre Filho nidolepre@gmail.com Eduardo Paulo Pires Pereira dudu_p3@hotmail.com O Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza (SNUC) foi instituído, no

Leia mais

Téc. Agroecologia U.C. Fundamentos de Agroecologia FUNDAMENTOS DE ECOSSISTEMAS

Téc. Agroecologia U.C. Fundamentos de Agroecologia FUNDAMENTOS DE ECOSSISTEMAS Téc. Agroecologia U.C. Fundamentos de Agroecologia FUNDAMENTOS DE ECOSSISTEMAS 2014 ECOLOGIA DE ECOSSISTEMAS Conceitos ecológicos Fatores bióticos e abióticos Ecossistemas e Agroecossistemas Relação entre

Leia mais

O NOSSO MEIO AMBIENTE

O NOSSO MEIO AMBIENTE Projeto de Educação e Comunicação Ambiental Palestra O NOSSO MEIO AMBIENTE Ecossistemas da Região do Entorno da Este produto foi elaborado em cumprimento à Condicionante 10 da LO 003/2003 - Programa Rodoverde,

Leia mais

Bromelias e epifitas da Pvsul

Bromelias e epifitas da Pvsul Bromelias e epifitas da Pvsul Plantas......não são todas iguais! Quando caminhamos em uma mata ou campo, e vemos todo o verde à nossa volta, muitas vezes só o que vemos é capim e mato. Não temos idéia

Leia mais

B I O G E O G R A F I A

B I O G E O G R A F I A B I O G E O G R A F I A FLORESTA AMAZÔNICA 2011 Aula XII O bioma Amazônia representa aproximadamente 30% de todas as florestas tropicais remanescentes do mundo e nele se concentra a maioria das florestas

Leia mais

Atlas ambiental do município de Itanhaém 2012. Capítulo 6 - Conservação ambiental

Atlas ambiental do município de Itanhaém 2012. Capítulo 6 - Conservação ambiental Capítulo 6 - Conservação ambiental 71 72 6.1 Unidades de Conservação As Unidades de Conservação da Natureza (UCs) constituem espaços territoriais e mari- 46 55' 46 50' 46 45' nhos detentores de atributos

Leia mais

Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros. Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia. Bioma

Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros. Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia. Bioma Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia Bioma Conjunto de vida, vegetal e animal, constituído pelo agrupamento de tipos de vegetação, condições

Leia mais

Luciana Scur Felipe Gonzatti Eduardo Valduga Ronaldo Adelfo Wasum

Luciana Scur Felipe Gonzatti Eduardo Valduga Ronaldo Adelfo Wasum Luciana Scur Felipe Gonzatti Eduardo Valduga Ronaldo Adelfo Wasum Restinga é um termo bastante discutido, tanto por sua origem, se portuguesa, espanhola ou inglesa, quanto por seus conceitos. Várias definições

Leia mais

20/5/2014 BIOMAS DO BRASIL 1. FLORESTA AMAZÔNICA

20/5/2014 BIOMAS DO BRASIL 1. FLORESTA AMAZÔNICA BIOMAS DO BRASIL BIOMAS DO BRASIL Por causa de sua vastidão territorial, o Brasil possui uma rica diversidade de biomas e ecossistemas. PRINCIPAIS BIOMAS Nesta aula, veremos os biomas brasileiros, sua

Leia mais

Complete com as principais características de cada bioma: MATA ATLÂNTICA

Complete com as principais características de cada bioma: MATA ATLÂNTICA Atividade de Ciências 5º ano Nome: ATIVIDADES DE ESTUDO Complete com as principais características de cada bioma: MATA ATLÂNTICA FLORESTA AMAZÔNICA FLORESTA ARAUCÁRIA MANGUEZAL PANTANAL CAATINGA CERRADO

Leia mais

A diversidade de vida no planeta. Que animais selvagens você conhece? Em que ambiente natural e continente você acha que eles tem origem?

A diversidade de vida no planeta. Que animais selvagens você conhece? Em que ambiente natural e continente você acha que eles tem origem? A diversidade de vida no planeta Que animais selvagens você conhece? Em que ambiente natural e continente você acha que eles tem origem? Domínios naturais terrestres São extensas áreas geográficas com

Leia mais

-- De São Paulo a Santos -- Colégio Santa Clara Prof. Marcos

-- De São Paulo a Santos -- Colégio Santa Clara Prof. Marcos -- De São Paulo a Santos -- Colégio Santa Clara Prof. Marcos São Paulo tem déficit de água Região Metropolitana de São Paulo População: aprox. 20 milhões Consumo médio de água: 73 mil litros por segundo

Leia mais

LEGISLAÇÃO FLORESTAL APLICADA. Docentes Eng. Ftal. Irene Tosi Ahmad Eng. Agr. Renata Inês Ramos

LEGISLAÇÃO FLORESTAL APLICADA. Docentes Eng. Ftal. Irene Tosi Ahmad Eng. Agr. Renata Inês Ramos LEGISLAÇÃO FLORESTAL APLICADA Docentes Eng. Ftal. Irene Tosi Ahmad Eng. Agr. Renata Inês Ramos BIOMAS ESTADO DE SÃO PAULO O que é vegetação nativa? O conjunto de plantas nativas de certo local que se encontram

Leia mais

Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013

Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013 Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013 CAP. 02 O território brasileiro e suas regiões.( 7º ano) *Brasil é dividido em 26 estados e um Distrito Federal (DF), organizados em regiões. * As divisões

Leia mais

B I O G E O G R A F I A

B I O G E O G R A F I A B I O G E O G R A F I A BIOMAS BRASILEIROS 2011 Aula VII BRASIL E VARIABILIDADE FITOGEOGRÁFICA O Brasil possui um território de dimensões continentais com uma área de 8.547.403 quilômetros quadrados. 4.320

Leia mais

7. o ANO FUNDAMENTAL. Prof. a Andreza Xavier Prof. o Walace Vinente

7. o ANO FUNDAMENTAL. Prof. a Andreza Xavier Prof. o Walace Vinente 7. o ANO FUNDAMENTAL Prof. a Andreza Xavier Prof. o Walace Vinente CONTEÚDOS E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade I Tempo, espaço, fontes históricas e representações cartográficas

Leia mais

A Mata Atlântica é uma formação vegetal brasileira. Acompanhava o litoral do país do Rio Grande do Sul ao Rio Grande do Norte (regiões meridional e

A Mata Atlântica é uma formação vegetal brasileira. Acompanhava o litoral do país do Rio Grande do Sul ao Rio Grande do Norte (regiões meridional e Mata Atlântica A Mata Atlântica (floresta pluvial costeira) está situada entre o R.N e o R.S. É um dos hotspots (O conceito dos Hotspots, criado em 1988 pelo Dr. Norman Myers, estabeleceu 10 áreas críticas

Leia mais

Climas e Formações Vegetais no Mundo. Capítulo 8

Climas e Formações Vegetais no Mundo. Capítulo 8 Climas e Formações Vegetais no Mundo Capítulo 8 Formações Vegetais Desenvolvem-se de acordo com o tipo de clima, relevo, e solo do local onde se situam.de todos estes, o clima é o que mais se destaca.

Leia mais

ECOSSISTEMA MANGUEZAL: UMA PERSPECTIVA SOBRE O PROCESSO DE (RE) PRODUÇÃO DOS ESPACO URBANO

ECOSSISTEMA MANGUEZAL: UMA PERSPECTIVA SOBRE O PROCESSO DE (RE) PRODUÇÃO DOS ESPACO URBANO ECOSSISTEMA MANGUEZAL: UMA PERSPECTIVA SOBRE O PROCESSO DE (RE) PRODUÇÃO DOS ESPACO URBANO Kaio Eduardo de Jesus Oliveira Graduando em Geografia, Universidade Tiradentes, Pesquisador do GPSEHM/CNPq kaioeduardojo@gmail.com

Leia mais

O manguezal. Se você costuma viajar para o litoral, provavelmente

O manguezal. Se você costuma viajar para o litoral, provavelmente A U A UL LA O manguezal Se você costuma viajar para o litoral, provavelmente já viu pela estrada algumas pessoas vendendo caranguejos. Esses animais tornam-se verdadeiras iguarias nos restaurantes. Muitos

Leia mais

www.tiberioge.tibe o.c rioge om.br o.c A Ge G og o r g afi f a Le L va v da d a Sério

www.tiberioge.tibe o.c rioge om.br o.c A Ge G og o r g afi f a Le L va v da d a Sério 1 FLORESTA AMAZÔNICA 2 Características Localiza-se: Região Norte; parte do norte do Mato Grosso e Goiás; e parte oeste do Maranhão; O maior bioma brasileiro ocupa, praticamente, um terço da área do País.

Leia mais

BIOMAS DO BRASIL. Ecologia Geral

BIOMAS DO BRASIL. Ecologia Geral BIOMAS DO BRASIL Ecologia Geral Biomas do Brasil segundo classificação do IBGE Segundo a classificação do IBGE, são seis os biomas do Brasil: Mata Atlântica Cerrado Amazônia Caatinga Pantanal Pampa O

Leia mais

Os Domínios Morfoclimáticos do Brasil

Os Domínios Morfoclimáticos do Brasil Os Domínios Morfoclimáticos do Brasil A classificação morfoclimática reúne grandes combinações de fatos geomorfológicos, climáticas, hidrológicos, pedológicos e botânicos que por sua relativa homogeinidade,

Leia mais

Universidade Federal do Paraná

Universidade Federal do Paraná * Universidade Federal do Paraná * *O que são Biomas? *Bioma é uma unidade biológica ou espaço geográfico caracterizado de acordo com o macroclima, a fitofisionomia (aspecto da vegetação de um lugar),

Leia mais

Mata Atlântica, a Serra Viva,

Mata Atlântica, a Serra Viva, O livro de arte Mata Atlântica, a Serra Viva, tem por objetivo retratar o tipo humano, pessoas que pertencentes as comunidades remanescentes - Caiçaras e Quilombolas - existentes na Serra do Mar, buscando

Leia mais

B I O G E O G R A F I A

B I O G E O G R A F I A B I O G E O G R A F I A BIOMAS DO MUNDO SAVANAS E DESERTOS 2011 Aula VI AS PRINCIPAIS FORMAÇÕES VEGETAIS DO PLANETA SAVANAS As savanas podem ser encontradas na África, América do Sul e Austrália sendo

Leia mais

Marco legal, definições e tipos

Marco legal, definições e tipos Unidades de conservação Marco legal, definições e tipos Prof. Me. Mauricio Salgado " Quando vier a Primavera, Se eu já estiver morto, As flores florirão da mesma maneira E as árvores não serão menos verdes

Leia mais

C O N H E C E R PA R A P R E S E R V A R

C O N H E C E R PA R A P R E S E R V A R MATAS CILIARES CONHECER PARA PRESERVAR Irlian Venâncio PREFEITURA MUNICIPAL DE BERTIOGA José Mauro Dedemo Orlandini Prefeito do Município de Bertioga Marisa Roitman Secretária de Meio Ambiente Bolivar

Leia mais

Informação sobre Ecossistemas Locais

Informação sobre Ecossistemas Locais Informação sobre Ecossistemas Locais Bandeira Azul 2015 1. Biodiversidade local O litoral de Vila Nova de Gaia apresenta uma considerável biodiversidade, com fauna e flora característica dos substratos

Leia mais

Licenciamento Ambiental no Estado de São Paulo

Licenciamento Ambiental no Estado de São Paulo Licenciamento Ambiental no Estado de São Paulo Aspectos relacionados com a Legislação Florestal / Mineração LEI FEDERAL 12651/12 Engª Amb. Adriana Maira Rocha Goulart Divisão de Apoio e Gestão dos Recursos

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - SNUC

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - SNUC - SNUC PREVISÃO LEGAL Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e àcoletividade

Leia mais

AVALIAÇÃO RÁPIDA ESTRATÉGICA (ARE) PARA CRIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

AVALIAÇÃO RÁPIDA ESTRATÉGICA (ARE) PARA CRIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO AVALIAÇÃO RÁPIDA ESTRATÉGICA (ARE) PARA CRIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO Informações do Processo: Nome do Interessado: Nº do Processo: Data / de 20 Município: Localidade: Vistoria: Data: / / 20 Técnicos

Leia mais

Prova bimestral 5 o ANO 1 o BIMESTRE

Prova bimestral 5 o ANO 1 o BIMESTRE Prova bimestral 5 o ANO 1 o BIMESTRE GEOGRAFIA Escola: Nome: Data: / / Turma: Leia: O planeta Terra foi formado há mais de 4 bilhões de anos após uma grande explosão. Na atmosfera havia muita água, gases

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 303, DE 20 DE MARÇO DE 2002. (D.O.U. de 13/05/02) Dispõe sobre parâmetros, definições e limites de Áreas de Preservação Permanente.

RESOLUÇÃO Nº 303, DE 20 DE MARÇO DE 2002. (D.O.U. de 13/05/02) Dispõe sobre parâmetros, definições e limites de Áreas de Preservação Permanente. RESOLUÇÃO Nº 303, DE 20 DE MARÇO DE 2002 (D.O.U. de 13/05/02) Dispõe sobre parâmetros, definições e limites de Áreas de Preservação Permanente. O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA, no uso das competências

Leia mais

ECOSSISTEMAS HUMANOS CLASSES GERAIS

ECOSSISTEMAS HUMANOS CLASSES GERAIS ECOSSISTEMAS HUMANOS CLASSES GERAIS CLASSIFICAÇÃO DOS ECOSSISTEMAS HUMANOS Classe 1 - ECOSSISTEMA NATURAL MADURO ( Floresta Amazônica ); Classe 2 - ECOSSISTEMA NATURAL CONTROLADO (SNUC); Classe 3 - ECOSSISTEMA

Leia mais

O Ecossistema Manguezal

O Ecossistema Manguezal 1º TEXTO O Ecossistema Manguezal O manguezal é um ecossistema complexo e um dos mais produtivos do planeta. É considerado um ecossistema costeiro de transição entre os ambientes terrestre e marinho. Característico

Leia mais

LEVANTAMENTO PRELIMINAR DA COMUNIDADE DE AVES DO PARQUE ECOLÓGICO PEREQUÊ, CUBATÃO, SP

LEVANTAMENTO PRELIMINAR DA COMUNIDADE DE AVES DO PARQUE ECOLÓGICO PEREQUÊ, CUBATÃO, SP LEVANTAMENTO PRELIMINAR DA COMUNIDADE DE AVES DO PARQUE ECOLÓGICO PEREQUÊ, CUBATÃO, SP Rodrigo de Oliveira Albuquerque*, Alexandre Souza dos Santos*, Márcia Regina Silva do Vale**, Roberto Pereira Borges**

Leia mais

AULA 4 FLORESTAS. O desmatamento

AULA 4 FLORESTAS. O desmatamento AULA 4 FLORESTAS As florestas cobriam metade da superfície da Terra antes dos seres humanos começarem a plantar. Hoje, metade das florestas da época em que recebemos os visitantes do Planeta Uno não existem

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 10, DE 1º DE OUTUBRO DE 1993. IV - existência, diversidade e quantidade de epífitas;

RESOLUÇÃO Nº 10, DE 1º DE OUTUBRO DE 1993. IV - existência, diversidade e quantidade de epífitas; RESOLUÇÃO Nº 10, DE 1º DE OUTUBRO DE 1993 Legislação O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE - CONAMA, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela Lei nº 6.938, de 31 de agosto de 1981, com as alterações

Leia mais

BIOMA: deriva do grego bio vida e ama grupo, ou conjunto.

BIOMA: deriva do grego bio vida e ama grupo, ou conjunto. BIOMAS BRASILEIROS BIOMA: deriva do grego bio vida e ama grupo, ou conjunto. Bioma é uma área do espaço geográfico, com dimensões até superiores a um milhão de quilômetros quadrados, representada por

Leia mais

4. Reuniões Técnicas (Mini-Seminário por Bioma) Objetivo das Reuniões Técnicas

4. Reuniões Técnicas (Mini-Seminário por Bioma) Objetivo das Reuniões Técnicas (Mini-Seminário por Bioma) Objetivo das Reuniões Técnicas. Definição dos objetos conservação. Definição de metas de importância relativa de cada objeto. Definição das principais fontes de dados/informações

Leia mais

Ecologia: interações ecológicas

Ecologia: interações ecológicas FACULDADES OSWALDO CRUZ Curso: Engenharia Ambiental Disciplina: Microbiologia Aplicada Prof a MsC. Vanessa Garcia Aula 12 (2º semestre): Ecologia: interações ecológicas Objetivos: analisar os principais

Leia mais

Figura 2.1. Baía de Todos os Santos (Grupo de Recomposição Ambiental/ Gérmen).

Figura 2.1. Baía de Todos os Santos (Grupo de Recomposição Ambiental/ Gérmen). 18 2 Área de Estudo A Baía de Todos os Santos (BTS) (figura 2.1), localizada no estado da Bahia, considerada como área núcleo da Reserva da Biosfera da Mata Atlântica é a maior Baía do Brasil, com cerca

Leia mais

Aula 14 Distribuição dos Ecossistemas Brasileiros Floresta Amazônica Mais exuberante região Norte e parte do Centro Oeste; Solo pobre em nutrientes; Cobertura densa ameniza o impacto da água da chuva;

Leia mais

5ºano. 2º período 1.5 GEOGRAFIA. 10 de junho de 2014

5ºano. 2º período 1.5 GEOGRAFIA. 10 de junho de 2014 5ºano 1.5 GEOGRAFIA 2º período 10 de junho de 2014 Cuide da organização da sua avaliação, escreva de forma legível, fique atento à ortografia e elabore respostas claras. Tudo isso será considerado na correção.

Leia mais

A Biodiversidade é uma das propriedades fundamentais da natureza, responsável pelo equilíbrio e estabilidade dos ecossistemas, e fonte de imenso

A Biodiversidade é uma das propriedades fundamentais da natureza, responsável pelo equilíbrio e estabilidade dos ecossistemas, e fonte de imenso Biodiversidade Pode ser definida como a variedade e a variabilidade existente entre os organismos vivos e as complexidades ecológicas nas quais elas ocorrem. Pode ser entendida como uma associação de vários

Leia mais

Instituição executora do projeto: Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN) Coordenador Geral: Felipe Pimentel Lopes de Melo Coordenador

Instituição executora do projeto: Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN) Coordenador Geral: Felipe Pimentel Lopes de Melo Coordenador Instituição executora do projeto: Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN) Coordenador Geral: Felipe Pimentel Lopes de Melo Coordenador Técnico: Maria das Dores de V. C. Melo Coordenação Administrativa-Financeira:

Leia mais

As Questões Ambientais do Brasil

As Questões Ambientais do Brasil As Questões Ambientais do Brasil Unidades de conservação de proteção integral Existem cinco tipos de unidades de conservação de proteção integral. As unidades de proteção integral não podem ser habitadas

Leia mais

GEOGRAFIA DO RIO GRANDE DO SUL

GEOGRAFIA DO RIO GRANDE DO SUL GEOGRAFIA DO RIO GRANDE DO SUL 1. Posição e situação geográfica. O Rio Grande do Sul é o estado mais meridional do Brasil, localiza-se no extremo sul do país. Tem um território de 282.062 km 2, ou seja,

Leia mais

Biomas Brasileiros. Profa. Elisa Serena Gandolfo Martins Fevereiro/2015

Biomas Brasileiros. Profa. Elisa Serena Gandolfo Martins Fevereiro/2015 Biomas Brasileiros Profa. Elisa Serena Gandolfo Martins Fevereiro/2015 Bioma Bioma é um conjunto de diferentes ecossistemas, que possuem certo nível de homogeneidade. O termo "Bioma" (bios, vida, e oma,

Leia mais

NOÇÕES DE LEGISLAÇÃO AMBIENTAL CURSO: ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: CIÊNCIA DO AMBIENTE PROFESSOR: RAMON LAMAR PARTE III 05/11/2015

NOÇÕES DE LEGISLAÇÃO AMBIENTAL CURSO: ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: CIÊNCIA DO AMBIENTE PROFESSOR: RAMON LAMAR PARTE III 05/11/2015 CURSO: ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: CIÊNCIA DO AMBIENTE PROFESSOR: RAMON LAMAR PARTE III LEGISLAÇÃO AMBIENTAL NOÇÕES DE LEGISLAÇÃO AMBIENTAL Lei nº 6.938, de 31 de agosto de 1981, conhecida como Política

Leia mais

O que é a Programação? Justificativa:

O que é a Programação? Justificativa: O que é a Programação? A Programação consiste de temas a serem abordados a cada mês com caráter de evento (pequeno, médio ou de grande porte) com duração média de até 2 semanas/mês. Mesmo com cada mês

Leia mais

Santa Catarina - Altitude

Santa Catarina - Altitude Santa Catarina - Altitude RELEVO O relevo catarinense caracteriza-se por sua ondulação, que variam dependendo da região do estado. No litoral, o que predomina são as planícies, as chamadas baixadas litorâneas,

Leia mais

Terminologia Vegetal Aciculifoliadas folhas em forma de agulha; Latifoliadas folhas largas e grandes; Perenes nunca perdem as folhas por completo; Caducas (decíduas) perdem as folhas antes de secas ou

Leia mais

Peixes e crustaceos Nativos da PVSuL

Peixes e crustaceos Nativos da PVSuL Peixes e crustaceos Nativos da PVSuL Alguns, encobertos pela água. Outros, ativos à noite. A maioria, raramente vista. Os peixes e crustáceos presentes no PV-Sul representam dois grupos de animais presentes

Leia mais

RASTROS E VESTÍGIOS. Animais Silvestres da PV Sul

RASTROS E VESTÍGIOS. Animais Silvestres da PV Sul RASTROS E VESTÍGIOS De Animais Silvestres da PV Sul Muitos animais são vistos só RARAMENTE. Isso porque aprenderam a evitar o ser humano, que os caça ou assusta de alguma outra forma, ou porque são mais

Leia mais

Praias em Processo de Urbanização

Praias em Processo de Urbanização Praias em Processo de Urbanização Conforme citado anteriormente, os perfis 3, 4, 6, (Passo de Torres), 11, 12, 15, 16, 18, 43 (Balneário Gaivota), 20, 22, 23, 26,44, 45 (Arroio do Silva), 28, 29, 30, 32,

Leia mais

HOTSPOTS. As Regiões Biologicamente mais Ricas e Ameaçadas do Planeta

HOTSPOTS. As Regiões Biologicamente mais Ricas e Ameaçadas do Planeta HOTSPOTS As Regiões Biologicamente mais Ricas e Ameaçadas do Planeta PRESERVANDO AS RIQUEZAS MAIS AMEAÇADAS DA TERRA Conservar a biodiversidade do planeta e demonstrar que as sociedades humanas podem viver

Leia mais

ECOSSISTEMA INDIVÍDUO

ECOSSISTEMA INDIVÍDUO Biodiversidade O diversidade biológica - descreve a riqueza e a variedade do mundo natural. As plantas, os animais e os microrganismos fornecem alimentos, remédios e boa parte da matéria-prima industrial

Leia mais

Grupo Votorantim inicia aquisições de terras na região em 1927

Grupo Votorantim inicia aquisições de terras na região em 1927 1927 1950 2011 2012 2013 2014 Grupo Votorantim inicia aquisições de terras na região em 1927 1927 1950 2011 2012 2013 2014 Nas décadas de 40, 50 e 60 (entre 1947 e 1963) a Votorantim adquire 245 títulos

Leia mais

Nome: Nº: Turma: Geografia. 1º ano Biomas Sílvia fev/08 INTRODUÇÃO

Nome: Nº: Turma: Geografia. 1º ano Biomas Sílvia fev/08 INTRODUÇÃO Nome: Nº: Turma: Geografia 1º ano Biomas Sílvia fev/08 INTRODUÇÃO São conjuntos de ecossistemas terrestres com vegetação característica e fisionomia típica em que predomina certo tipo de clima. São comunidades

Leia mais

BIOVESTIBA.NET BIOLOGIA VIRTUAL Profº Fernando Teixeira UFRGS. ECOLOGIA Conceitos e Sucessão Ecológica

BIOVESTIBA.NET BIOLOGIA VIRTUAL Profº Fernando Teixeira UFRGS. ECOLOGIA Conceitos e Sucessão Ecológica UFRGS ECOLOGIA Conceitos e Sucessão Ecológica 1. (Ufrgs 2014) Considere as seguintes afirmações sobre conceitos utilizados em ecologia. I. Nicho ecológico é a posição biológica ou funcional que um ecossistema

Leia mais

VISITA PRINCIPAL VISITA COMPLEMENTAR

VISITA PRINCIPAL VISITA COMPLEMENTAR Um resgate cultural retrata através da cultura indígena, contextos históricos, sociais e ambientais do Brasil. Um passeio, cheio de vivências, momentos de integração e aprendizado sobre os primeiros habitantes

Leia mais

Terminologia Vegetal

Terminologia Vegetal Terminologia Vegetal Aciculifoliadas folhas em forma de agulha; Latifoliadas folhas largas e grandes; Perenes nunca perdem as folhas por completo; Caducas (decíduas) perdem as folhas antes de secas ou

Leia mais

TRILHAS. Projeto Trilhas Interpretativas

TRILHAS. Projeto Trilhas Interpretativas TRILHAS Projeto Trilhas Interpretativas O Projeto Trilhas Interpretativas, desenvolvido desde 1996 com uma proposta de educação ambiental informal, realiza atividades de bem estar em áreas naturais. A

Leia mais

1. PROGRAMA DE PRESERVAÇÃO E RECUPERAÇÃO DE ECOSSISTEMAS

1. PROGRAMA DE PRESERVAÇÃO E RECUPERAÇÃO DE ECOSSISTEMAS 1. PROGRAMA DE PRESERVAÇÃO E RECUPERAÇÃO DE ECOSSISTEMAS O Programa de Preservação e Recuperação de Ecossistemas visa o aumento da biodiversidade e a recuperação da paisagem. É composto por um conjunto

Leia mais

DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS BRASILEIROS

DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS BRASILEIROS O que você deve saber sobre DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS BRASILEIROS Segundo o geógrafo Aziz Ab Sáber, um domínio morfoclimático é todo conjunto no qual haja interação entre formas de relevo, tipos de solo,

Leia mais

A interdependência entre os elementos na BIOSFERA.

A interdependência entre os elementos na BIOSFERA. A interdependência entre os elementos na BIOSFERA. A biosfera contém inúmeros ecossistemas (conjunto formado pelos animais e vegetais em harmonia com os outros elementos naturais). Biomas: conjuntos dinâmicos

Leia mais

Lei Federal nº 12.651/12 ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE. Eng. Agr. Renata Inês Ramos Eng. Ftal. Irene Tosi Ahmad

Lei Federal nº 12.651/12 ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE. Eng. Agr. Renata Inês Ramos Eng. Ftal. Irene Tosi Ahmad Lei Federal nº 12.651/12 ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE Eng. Agr. Renata Inês Ramos Eng. Ftal. Irene Tosi Ahmad Lei 12651/12 Áreas de Preservação Permanente CONCEITO - Art. 3º, inciso II Área protegida

Leia mais

7. o ANO FUNDAMENTAL. Prof. a Andreza Xavier Prof. o Walace Vinente

7. o ANO FUNDAMENTAL. Prof. a Andreza Xavier Prof. o Walace Vinente 7. o ANO FUNDAMENTAL Prof. a Andreza Xavier Prof. o Walace Vinente CONTEÚDOS E HABILIDADES A A Unidade III Cidadania e movimento. Aula 16.2 Conteúdo Características dos biomas brasileiros. Habilidade Conhecer

Leia mais

FORMAÇÃO VEGETAL BRASILEIRA. DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS Aziz Ab`Saber. Ipê Amarelo

FORMAÇÃO VEGETAL BRASILEIRA. DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS Aziz Ab`Saber. Ipê Amarelo FORMAÇÃO VEGETAL BRASILEIRA DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS Aziz Ab`Saber Ipê Amarelo Fatores que influenciam na distribuição das formações vegetais: Clima 1. Temperatura; 2. Umidade; 3. Massas de ar; 4. Incidência

Leia mais

Relatório mensal JULHO/2014. Projeto: Estudo e implantação de floresta para manejo sustentado na Escola Técnica Prof. Dr. Antonio Eufrásio de Toledo.

Relatório mensal JULHO/2014. Projeto: Estudo e implantação de floresta para manejo sustentado na Escola Técnica Prof. Dr. Antonio Eufrásio de Toledo. Relatório mensal JULHO/2014 Projeto: Estudo e implantação de floresta para manejo sustentado na Escola Técnica Prof. Dr. Antonio Eufrásio de Toledo. Atividades desenvolvidas no mês: Estudo das espécies

Leia mais

(Ponto I) (Ponto II) 2. A lagoa encontra-se de facto poluída embora à primeira vista pareça um ecossistema saudável.

(Ponto I) (Ponto II) 2. A lagoa encontra-se de facto poluída embora à primeira vista pareça um ecossistema saudável. Soluções: Ficha 1º Ciclo (Ponto I) 2. F L A M I N G O A Q T S S F F S A G G A S A U T P A E O J P A S G A C I L R E C A R P F L A U F L L H A E C Z L T E O Q R I A Q E U O C A I M A O I R U E Ç T I I A

Leia mais

O USO DA BIODIVERSIDADE COMO PRESERVAÇÃO AMBIENTAL

O USO DA BIODIVERSIDADE COMO PRESERVAÇÃO AMBIENTAL O USO DA BIODIVERSIDADE COMO PRESERVAÇÃO AMBIENTAL Stefani de Souza Patricia de Freitas Co-autor - Prof. MSc. Cristian Coelho Silva cristian_coelho@yahoo.com.br luscheuer@hotmail.com Palavras-chave: sustentabilidade,

Leia mais

Capítulo 07. Distribuição dos Ecossistemas

Capítulo 07. Distribuição dos Ecossistemas Capítulo 07 Distribuição dos Ecossistemas A terra possui regiões que apresentam características próprias, onde cada uma desenvolve sua flora e fauna típica, sejam elas aquáticas ou terrestres, vindo a

Leia mais

Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Sistema Nacional de Unidades de Conservação

Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Sistema Nacional de Unidades de Conservação Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Sistema Nacional de Unidades de Conservação Unidades de Conservação SNUC Sistema Nacional de Unidades de Conservação Sistema Nacional de Unidades de Conservação Lei

Leia mais

DIVERSIDADE DE CLIMAS = DIVERSIDADE DE VEGETAÇÕES

DIVERSIDADE DE CLIMAS = DIVERSIDADE DE VEGETAÇÕES FORMAÇÕES VEGETAIS - Os elementos da natureza mantém estreita relação entre si. - A essa relação, entendida como a combinação e coexistência de seres vivos (bióticos) e não vivos (abióticos) dá-se o nome

Leia mais

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Professor: Josiane Vill Disciplina: Geografia Série: 1ª Ano Tema da aula: Dinâmica Climática e Formações Vegetais no Brasil Objetivo da aula: conhecer a diversidade

Leia mais

Colégio Visconde de Porto Seguro

Colégio Visconde de Porto Seguro Colégio Visconde de Porto Seguro Unidade I 2011 AULA 1 Ensino Fundamental e Ensino Médio Atividade de Recuperação Contínua Nome do (a) Aluno (a): Atividade de Recuperação Contínua de Ciências Nível I Classe:

Leia mais

Disponível em: . Acesso em: 14 maio 2012.

Disponível em: <http://www.malariajournal.com/content/figures/1475-2875-9-115-6-l.jpg>. Acesso em: 14 maio 2012. Biomas brasileiros Disponível em: . Acesso em: 14 maio 2012. Floresta Amazônica Disponível em: .

Leia mais

Paula Daniel Fogaça (Identificação das árvores e fotos) Camila Pianca (Coordenação do projeto) Complemento das informações do georreferenciamento de

Paula Daniel Fogaça (Identificação das árvores e fotos) Camila Pianca (Coordenação do projeto) Complemento das informações do georreferenciamento de Paula Daniel Fogaça (Identificação das árvores e fotos) Camila Pianca (Coordenação do projeto) Complemento das informações do georreferenciamento de árvores presentes nas trilhas no Parque do Zizo. Janeiro

Leia mais

Aulas de Ciências de 12 a 21 5ª série. A Biosfera A terra, um planeta habitado. Biomas e ambientes aquáticos. Os biomas terrestres

Aulas de Ciências de 12 a 21 5ª série. A Biosfera A terra, um planeta habitado. Biomas e ambientes aquáticos. Os biomas terrestres Aulas de Ciências de 12 a 21 5ª série A Biosfera A terra, um planeta habitado De todos os planetas conhecidos do Sistema Solar, a Terra é o único que apresenta uma biosfera, onde a vida se desenvolve.

Leia mais

Ministério do Meio Ambiente IMPLEMENTAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

Ministério do Meio Ambiente IMPLEMENTAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO Unidade de Conservação Área geograficamente estabelecida para se alcançar um objetivo específico de conservação por meio do uso controlado dos recursos biológicos

Leia mais

TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRNTE 8 A - aula 25. Profº André Tomasini

TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRNTE 8 A - aula 25. Profº André Tomasini TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRNTE 8 A - aula 25 Profº André Tomasini Localizado na Região Centro-Oeste. Campos inundados na estação das chuvas (verão) áreas de florestas equatorial e tropical. Nas áreas mais

Leia mais

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense Biomas Brasileiros 1. Bioma Floresta Amazônica 2. Bioma Caatinga 3. Bioma Cerrado 4. Bioma Mata Atlântica 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense 6. Bioma Pampas BIOMAS BRASILEIROS BIOMA FLORESTA AMAZÔNICA

Leia mais

MAS O QUE É A NATUREZA DO PLANETA TERRA?

MAS O QUE É A NATUREZA DO PLANETA TERRA? MAS O QUE É A NATUREZA DO PLANETA TERRA? A UNIÃO DOS ELEMENTOS NATURAIS https://www.youtube.com/watch?v=hhrd22fwezs&list=plc294ebed8a38c9f4&index=5 Os seres humanos chamam de natureza: O Solo que é o conjunto

Leia mais

Curso: Legislação Ambiental Aplicado a Implantação de Parques Eólicos

Curso: Legislação Ambiental Aplicado a Implantação de Parques Eólicos Curso: Legislação Ambiental Aplicado a Implantação de Parques Eólicos Exercício Capítulo 5 Aluno: Vinicius Nóbrega De acordo com a imagem dos aerogeradores em ambiente litorâneo e o exemplo de um mapa

Leia mais

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são:

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são: Pedro da Cunha Barbosa. Especialização em Direito Ambiental. Área do conhecimento jurídico que estuda as relações entre o homem e a natureza, é um ramo do direito diferenciado em suas especificidades e,

Leia mais

Prof. MSc. Leandro Felício

Prof. MSc. Leandro Felício Prof. MSc. Leandro Felício Ecossistema: Sistema integrado e auto funcionante que consiste em interações dos elementos bióticos e abióticos e cujas dimensões podem variar consideravelmente. Bioma: Conjunto

Leia mais

D) As planícies brasileiras terminam, na sua grande maioria, em frentes de cuestas nome que se dá às áreas planas das praias.

D) As planícies brasileiras terminam, na sua grande maioria, em frentes de cuestas nome que se dá às áreas planas das praias. 01 - (UDESC 2008) Para classificar o relevo, deve-se considerar a atuação conjunta de todos fatores analisados a influência interna, representada pelo tectonismo, e a atuação do clima, nos diferentes tipos

Leia mais

TERCER ENCUENTRO REGIONAL DE LA ROAVIS

TERCER ENCUENTRO REGIONAL DE LA ROAVIS TERCER ENCUENTRO REGIONAL DE LA ROAVIS San José, Costa Rica 11 y 12 de diciembre del 2013 Vania Tuglio Fiscal Criminal SP, Brasil GECAP Grupo Especial de Combate aos Crimes Ambientais Lei 9.605\98 Art.

Leia mais

COLÉGIO MARQUES RODRIGUES - SIMULADO

COLÉGIO MARQUES RODRIGUES - SIMULADO COLÉGIO MARQUES RODRIGUES - SIMULADO Estrada da Água Branca, 2551 Realengo RJ Tel: (21) 3462-7520 www.colegiomr.com.br PROFESSOR ALUNO ANA CAROLINA DISCIPLINA GEOGRAFIA A TURMA SIMULADO: P3 501 Questão

Leia mais