DEMOCRACIA VIVA 41 JANEIRO 2009

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DEMOCRACIA VIVA 41 JANEIRO 2009"

Transcrição

1 DEMOCRACIA VIVA 41 JANEIRO 2009

2 ESPECIAL AMAZÔNIA Mobilidade humana e novas territorialidades no contexto amazônico1 Maia Sprandel Antropóloga Guilherme Mansur Dias Antropólogo, doutorando pelo Programa de Pós-graduação em Antropologia Social (PPGAS) da Unicamp, trabalha na Coordenação Geral de Regularização de Territórios Quilombolas do Incra/DF A Amazônia é um espaço de inúmeras disputas. Disputas que não se restringem aos 1 Falar de mobilidades espaciais na Amazônia seria dar conta de territorialidades tão distintas como o reconhecimento, por parte do poder público municipal de Rio Preto da Eva (AM), do território pertencente aos indígenas da Comunidade Beija-flor em sua área urbana ou a presença de milhares de migrantes nas periferias de cidades, como Manaus e Belém. Optamos por privilegiar a análise da mobilidade espacial das populações tradicionais, mas consideramos importante ressaltar que várias outras abordagens seriam possíveis. conflitos de terra, de soberania nacional ou àqueles decorrentes da circulação de agentes do crime organizado, de que tanto se fala, mas que se evidenciam em discursos, mapas e perspectivas de mundo. Em parte, os diferentes discursos que existem sobre a Amazônia já estão decodificados e são bastante conhecidos: militares que falam de uma soberania nacional ameaçada pela cobiça internacional e pela circulação de indígenas e quilombolas 24 DEMOCRACIA VIVA Nº 41

3 GUILHERME MANSUR DIAS Comunidade de Igarapé da Praia Ilha de Saracura Santarém (PA) JANEIRO

4 ESPECIAL AMAZÔNIA 2 A diversidade de mapas e fronteiras dos grupos que vivem na Amazônia é bem representada pelo Projeto Nova Cartografia Social da Amazônia (Fundação Ford Programa de Pós-graduação Sociedade e Cultura no Amazonas/PGSCA da Universidade Federal do Amazonas/Ufam), que se propõe a trabalhar com as comunidades a partir de suas representações espaciais e cartográficas. Após uma Oficina de Mapas, em que é ensinada a utilização do GPS, os agentes sociais lançam no mapa apenas o que consideram, construindo uma territorialidade que lhes é intrínseca. Como resultado, após pouco mais de cinco anos de projeto, foram produzidos mais de 70 fascículos referenciados às populações tradicionais do Brasil, a maior parte delas localizadas na Amazônia. 3 A Pesquisa Nacional por Amostragem de Domicílios (Pnad) 2008 mostra que, em 2007, as pessoas não-naturais do município de residência representavam 43% da população residente da Região Norte. Na análise da naturalidade com relação à Unidade da Federação em que residiam, observou-se que Roraima tinha o maior percentual de moradores não-naturais: 50,5%. Os nordestinos continuam sendo o grupo imigrante mais significativo. Em termos de emigração, os dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) apontam que o Centro-Oeste é a principal opção migratória da população da Região Norte. 4 Os imigrantes chineses, segundo a PRF, não dominam o português, possuem nível de instrução baixo, trazem poucas bagagens e têm São Paulo como principal destino. Investigações preliminares realizadas pela PRF indicam que os imigrantes chineses entram na América do Sul pelo Equador, atravessando o Peru e a Bolívia por via terrestre. O acesso ao Brasil ocorre principalmente pelos estados de Rondônia e Acre, de onde partem procurando chegar ao Sudeste (ver Imigrantes ilegais entram no Brasil por Rondônia e Acre, diz PRF, 2008). em regiões de fronteira; ecologistas preocupados(as) com a preservação da floresta e proteção da diversidade biológica; poderes locais e representantes federais preocupados(as) com o suposto cerceamento ao desenvolvimento em função da demarcação de terras indígenas e quilombolas e de unidades de conservação. Por sua vez, os mapas administrativos, produzidos pelas agências do governo responsáveis por questões fundiárias, ambientais, militares e indígenas, além de disputarem entre si a organização do espaço amazônico, acabam, muitas vezes, limitando territórios e institucionalizando concepções espaciais estanques. Historicamente, a Amazônia sempre foi um espaço mais falado do que ouvido. À volumosa quantidade de informações midiáticas, nacionais e internacionais, produzida acerca desse território contrapõe-se uma produção de conhecimento de outra ordem, que resulta de uma mobilização local e de entendimentos particulares de grupos que interagem e reagem, muitas vezes, a essa disputa de discursos, mapas e tempos. À diversidade étnica e cultural dos povos amazônicos corresponde uma equivalente diversidade em termos de concepções de mobilidade espacial. Os trajetos e as interconexões territoriais de quilombolas, indígenas, garimpeiros, seringueiros, castanheiros, ribeirinhos e quebradeiras de coco se referem a uma lógica própria, que embora tenha uma referência comum aos mercados, é constituída com base em redes sociais e familiares. Conseqüentemente, as fronteiras construídas por esses grupos, muitas vezes, perpasassam fronteiras políticoadministrativas, até mesmo as internacionais. 2 Ou seja, pode-se afirmar que estamos vivendo um período de reconfiguração étnica, que projeta o espaço social sobre o espaço físico produzindo novas territorialidades. Além desses grupos tradicionais, chegam à região migrantes de outras partes do país, especialmente do Nordeste. 3 Da Amazônia, por outro lado, saem seringueiros, castanheiros, prostitutas, garimpeiros, pequenos comerciantes, entre outros, para Bolívia, Venezuela, Suriname e outras nações limítrofes. Demógrafos apontam tendência migratória relativamente recente que identifica a Amazônia, especialmente o estado de Rondônia, como local de saída de brasileiros(as) para o exterior, tendo como objetivo, principalmente, a Europa. Nesse vai e vem de gentes, também chegam à região moradores(as) de países vizinhos atraídos(as) pela perspectiva de construção de grandes obras, como estradas e hidrelétricas, ou fugindo de situações de conflito, como é o caso de colombianos(as), que já seriam em torno de 17 mil na Amazônia, conforme avaliações do Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (Martinez, 2007). A Polícia Rodoviária Federal (PRF) registra a presença de imigrantes estrangeiros(as) que começam a utilizar os estados de Rondônia e Acre como porta de entrada para o Brasil. Apenas nos meses de agosto e setembro de 2008, 40 chineses foram identificados em fiscalizações efetuadas ao longo da BR-364, principal rodovia que liga a Região Norte ao resto do país. 4 Conflitos pela terra Não é de hoje que a região amazônica recebe fluxos intensos de migrantes e aventureiros(as). Antiga frente de expansão da sociedade brasileira, a Amazônia foi cenário, na década de 1960, de projetos de colonização que atraíram milhares de agricultores(as) do Sul do Brasil e de grandes projetos incentivados pelo governo militar. Como se sabe, ambas as iniciativas, em grande parte, com resultados catastróficos para migrantes e para a população local. O agronegócio, no entanto, com ou sem apoio fiscal e creditício, legal ou ilegalmente, seguiu avançando em território amazônico, a ponto de ser responsável pela produção de quase 40% de carne e de soja no Brasil, consoante dados do IBGE (ver Amazônia Legal produz 40% da carne e da soja do país, 2008). A presença de produtores de soja, pecuaristas, empresas de reflorestamento e de ferro-gusa, entre outras atividades, acabou significando o fechamento dos recursos naturais e um processo de desterritorialização que afeta duramente as comunidades tradicionais, uma vez que busca restringir a mobilidade delas. Os conflitos imediatamente vêm à tona. Breve leitura do relatório de conflitos de terra da Comissão Pastoral da Terra, referente a 2007, indica que as comunidades tradicionais de remanescentes de quilombos, ribeirinhos, seringueiros, castanheiros, geraizeiros, faxinalenses, quebradeiras de coco, pescadores, povos indígenas e também as comunidades de posseiros estão cada vez mais envolvidas em conflitos para garantir seus direitos sobre os territórios onde vivem e trabalham. Na Amazônia, segundo o documento, as comunidades tradicionais estão envolvidas em 58% dos conflitos, em função do avanço do agronegócio sobre seus territórios. 26 DEMOCRACIA VIVA Nº 41

5 MOBILIDADE HUMANA E NOVAS TERRITORIALIDADES NO CONTEXTO AMAZÔNICO Nesse contexto, as populações tradicionais têm se organizado para lutar por seus direitos sociais e territoriais. São exemplos da vitalidade dessa mobilização o Movimento Interestadual das Quebradeiras de Coco Babaçu, a Coordenação Nacional de Articulação das Comunidades Negras Rurais (Conaq), a Coordenação Indígena da Amazônia Brasileira (Coiab), o Conselho Nacional dos Seringueiros, o Movimento dos Atingidos pela Base Espacial de Alcântara, o Movimento dos Ribeirinhos do Amazonas, o Movimento dos Pequenos Agricultores, a Associação de Moradores das Ilhas, dentre inúmeros outros movimentos que têm se posicionado como efetivos interlocutores diante do Estado e da sociedade brasileira. Apesar de as respostas do Estado no sentido de defender os territórios tradicionais existentes serem ainda tímidas, elas representam uma proteção mínima ao avanço agressivo da lógica mercantil de apropriação das terras. A ratificação da Convenção 169 da Organização Internacional do Trabalho (OIT) pelo governo brasileiro, assim como a promulgação do Decreto 4.887/2003 que regulamenta o procedimento para identificação, reconhecimento, delimitação, demarcação e titulação das terras ocupadas por remanescentes das comunidades dos quilombos e do Decreto 6.040/2007 que institui a Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais (PNPCT) são exemplos importantes de instrumentos que viabilizam a reprodução física e social desses grupos. Tais mobilizações e reconhecimentos pelo Estado são importantes para se contrapor à concepção da Amazônia como um vazio demográfico. Mesmo com todas as críticas já formuladas, persistem concepções de um território amazônico de povoamentos rarefeitos, ora pensados como parte da natureza, ora como destruidores potenciais da mesma, a serem civilizados ou controlados. A ignorância com relação aos reais modos de vida das comunidades GUILHERME MANSUR DIAS Vista do encontro das águas dos rios Amazonas e Tapajós a partir do porto de Santarém (PA) JANEIRO

6 ESPECIAL AMAZÔNIA 5 Trata-se do desprendimento das terras das margens do rio Amazonas provocado pela força do rio, que arrasta essas terras para outros lugares, formando restingas e tesos no entorno de ilhas de várzea. tradicionais que habitam a região amazônica ainda é latente. Daí o ressurgimento recente da surpreendente idéia de que as comunidades locais seriam redimidas pela capacitação e por linhas de crédito para atuarem como um cinturão de proteção da floresta. A terra onde a terra se move As particularidades dos territórios amazônicos, muitas vezes, escapam à lógica da burocracia do Estado e aos instrumentos normativos pensados para contextos urbanos ou calcados em uma concepção restritiva de propriedade privada. Que instrumentos têm o Estado para lidar, por exemplo, com a realidade de territórios quilombolas localizados em ilhas que se movem e que são profundamente afetadas pelo fenômeno das terras caídas? 5 Tal fenômeno tem intensidade acentuada em algumas regiões do Baixo Amazonas, particularmente nas ilhas habitadas por quilombolas e ribeirinhos no município de Santarém, o que tem provocado o deslocamento de muitas famílias e a perda de imensas áreas produtivas de seus territórios. O depoimento de Ana Cleide da Cruz Vasconcelos, liderança do quilombo Arapemã, dimensiona bem a intensidade do problema: E com tempo nasceu uma ilha bem defronte do Arapemã, que se chamava ilha do Caquetá, que minha avó chamava assim [...] Essa ilha era muito grande e os pequenos fazendeiros, que eram criadores que lidavam com a terra, botavam suas casinhas nessa ilha e botavam o gado para pastar lá [...] Era muito bonito o Arapemã! Depois, essa praia sumiu... Anoiteceu um belo dia e, quando foi no outro dia de manhã, a praia tinha sumido. Desapareceu tudo! Depois, se passaram mais alguns anos, a água veio e começou a cair a frente do Arapemã. GUILHERME MANSUR DIAS Terras Caídas: Ilha de Saracura Santarém (PA) 28 DEMOCRACIA VIVA Nº 41

7 MOBILIDADE HUMANA E NOVAS TERRITORIALIDADES NO CONTEXTO AMAZÔNICO Tinha dias que ia das sete horas da manhã até as dez da noite caindo, uma ponta a outra aquilo ia caindo, parece que rachava em pedaços. No inverno, nós tirávamos casas do Arapemã de dentro d água. A correnteza era tão forte, e isso era incrível! Um dia nós acordamos de manhã e toda a comunidade escutava aquela zuada que vinha de cima, aquele monte de água que vinha e fazia aquele rebujão. A correnteza ia buscar lá no tronco das árvores, das mangueiras, e arrancava aquilo tudo. Aquilo sumia para o fundo e a gente não via nem aonde iam parar aquelas árvores. Nesse período, nós aumentávamos 6 as casas porque, se não tirasse de lá, a correnteza era capaz de levar sua casa também. Aí, foi a ocasião em que começaram a nascer as praias pra cima do rio Amazonas, e foi jogando o canal que era aqui no centro do Amazonas lá para o Arapemã. Então, as ilhas foram nascendo pra lá. A correnteza batia nos igapós e voltava para Arapemã mais abrandada. Aí, o canal foi ficando próximo à comunidade. Passaram-se 20 anos que não caía, quando, depois de 20 anos, começou a cair tudo de novo. E isso aconteceu na hora em que o Incra 7 começou a fazer os trabalhos na ilha. Quando o Incra começou a fazer os trabalhos em Arapemã, já tinha caído muita terra. Quando fizeram os primeiros trabalhos, eles viram que tinha uma largura até bem grande. Mas quando eles foram neste ano, viram que há partes que já não têm mais 30 metros. 8 Esse depoimento confronta diretamente o senso comum sobre a noção de propriedade a que ainda estão reféns Estado e Judiciário brasileiros. Imaginar fronteiras e territórios na Amazônia implica, muitas vezes, dar conta de processos sociais altamente sofisticados que têm contrapartes em uma dinâmica territorial sui generis. Isso, por sua vez, indica o quanto a mobilidade espacial faz parte do cotidiano social, político e econômico de grupos que se orientam pela sazonalidade dos rios e não por uma lógica cartesiana de tempo e espaço. A circulação de pessoas na Amazônia, há séculos, vem dinamizando os mercados regionais e respondendo de forma extremamente eficaz às necessidades básicas da população. Por outro lado, verificam-se novas tendências migratórias, também criadoras de territórios, fundamentais para a reprodução dos grupos sociais. Nesse sentido, mobilidades e territorialidades não devem ser percebidas como necessariamente conflitivas ou como um entrave ao desenvolvimento nacional. Ao contrário, a mobilidade humana observada na região é, antes de mais nada, a real propiciadora de intercâmbios e trocas culturais e comerciais que são profundamente dinâmicas e adequadas à realidade amazônica. Tal compreensão nos parece fundamental para que se elimine de vez a percepção da Amazônia como uma unidade administrativa, ecológica e étnica, passiva e potencialmente vulnerável a ameaças externas. Só assim nos daremos conta de que a riqueza da Amazônia é muito mais do que sua decantada biodiversidade. A surpreendente riqueza da Amazônia, que devemos preservar e defender, até mesmo de ameaças muito próximas, é também sua extraordinária diversidade social, representada por uma correlata diversidade em termos de organização territorial e mobilidade espacial. REFERÊNCIAS AMAZÔNIA Legal produz 40% da carne e da soja do país. Folha Online, São Paulo, 15 jun Seção Notícias, Brasil. Disponível em: <http://www1.folha.uol.com.br/folha/ brasil/ult96u shtml>. Acesso em: 12 nov COMISSÃO PASTORAL DA TERRA. Expansão do agronegócio na Amazônia afeta comunidades tradicionais. Secretaria Nacional, Brasília, DF. Release da Assessoria de Comunicação. Disponível em: <http://www.cptnac.com.br/pub/publicacoes/ f0e7ed820115b6d395dc963cb5e00c49.doc>. Acesso em: 12 nov IMIGRANTES ilegais entram no Brasil por Rondônia e Acre, diz PRF. Portal Amazônia, Amazônia, 11 out Disponível em: <http://portalamazonia.globo.com/ noticias.php?idn=73604&idlingua=1>. Acesso em: 12 nov MARTÍNEZ, Alexandre. Diáspora de refugiados colombianos chega ao Brasil e obtém apoio regional. AFP / UOL Últimas Notícias, São Paulo. 11 mar Seção Internacional. Disponível em: <http://noticias.uol.com.br/ultnot/afp/ 2007/03/13/ult34u jhtm>. Acesso em: 12 nov Esse aumentar a que Cleide se refere é o soerguimento das palafitas para evitar que as casas fossem inundadas e arrastadas pela correnteza do rio Amazonas. 7 O Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) realiza trabalhos de campo na ilha de Arapemã desde 2007 e publicou o Relatório Técnico de Identificação e Delimitação (RTID) do território quilombola de Arapemã no Diário Oficial da União (D.O.U.) nos dias 27 e 28 out Em ação judicial movida pelo Ministério Público Federal de Santarém, em parceria com o Incra, foi pedida autorização para que a comunidade se mude para terras localizadas em pontos mais seguros da ilha, ocupados por posseiros, já que as casas dos quilombolas estão correndo sério risco de serem engolidas pelas águas do rio Amazonas. 8 Esse depoimento, cuja publicação foi autorizada pela informante, faz parte de livro institucional organizado pela Coordenação Geral de Regularização de Territórios Quilombolas em fase de elaboração, e foi coletado por Guilherme M. Dias e Raphael Frederico M. da Silva, antropólogo do Ministério Público de Santarém. JANEIRO

FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO

FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO É claro que o Brasil não brotou do chão como uma planta. O Solo que o Brasil hoje ocupa já existia, o que não existia era o seu território, a porção do espaço sob domínio,

Leia mais

-III Assembléia Mundial pela Saúde dos Povos PHA3. 6 a 11 de julho de 2012 Universidade de Western Cape Cape town, África do Sul

-III Assembléia Mundial pela Saúde dos Povos PHA3. 6 a 11 de julho de 2012 Universidade de Western Cape Cape town, África do Sul -III Assembléia Mundial pela Saúde dos Povos PHA3 6 a 11 de julho de 2012 Universidade de Western Cape Cape town, África do Sul EM DEFESA DA AMAZÔNIA "ambientes sociais e físicos que destroem ou promovem

Leia mais

Mobilização social em defesa dos direitos dos Povos e da conservação do Bioma Cerrado

Mobilização social em defesa dos direitos dos Povos e da conservação do Bioma Cerrado Mobilização social em defesa dos direitos dos Povos e da conservação do Bioma Cerrado Luis Carrazza Apresentação no encontro temático do CONSEA Água, soberania e segurança alimentar e nutricional São Paulo/SP

Leia mais

Região Norte P1 4 Bimestre. Geografia 7 ano manhã e tarde

Região Norte P1 4 Bimestre. Geografia 7 ano manhã e tarde Região Norte P1 4 Bimestre Geografia 7 ano manhã e tarde A Região Norte é a maior região brasileira em área. Apresenta população relativamente pequena, é a região com a menor densidade demográfica. Um

Leia mais

a) Cite o nome do estado brasileiro onde aparece a maior parte do domínio das araucárias. R:

a) Cite o nome do estado brasileiro onde aparece a maior parte do domínio das araucárias. R: Data: /08/2014 Bimestre: 2 Nome: 7 ANO A Nº Disciplina: Geografia Professor: Geraldo Valor da Prova / Atividade: 2,0 (DOIS) Nota: GRUPO 3 1-(1,0) A paisagem brasileira está dividida em domínios morfoclimáticos.

Leia mais

DISCURSO SOBRE LEVANTAMENTO DA PASTORAL DO MIGRANTE FEITO NO ESTADO DO AMAZONAS REVELANDO QUE OS MIGRANTES PROCURAM O ESTADO DO AMAZONAS EM BUSCA DE

DISCURSO SOBRE LEVANTAMENTO DA PASTORAL DO MIGRANTE FEITO NO ESTADO DO AMAZONAS REVELANDO QUE OS MIGRANTES PROCURAM O ESTADO DO AMAZONAS EM BUSCA DE DISCURSO SOBRE LEVANTAMENTO DA PASTORAL DO MIGRANTE FEITO NO ESTADO DO AMAZONAS REVELANDO QUE OS MIGRANTES PROCURAM O ESTADO DO AMAZONAS EM BUSCA DE MELHORES CONDIÇÕES DE VIDA DEPUTADO MARCELO SERAFIM

Leia mais

PNPCT Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais

PNPCT Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais Políticas Públicas PNPCT Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais A PNPCT reafirma a importância do conhecimento, da valorização e do respeito à diversidade

Leia mais

CADERNO DE ATIVIDADES

CADERNO DE ATIVIDADES COLÉGIO ARNALDO 2014 CADERNO DE ATIVIDADES GEOGRAFIA ATENÇÃO: Este trabalho deverá ser realizado em casa, trazendo as dúvidas para serem sanadas durante as aulas de plantão. Aluno (a): 5º ano Turma: Professora:

Leia mais

O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado

O MATOPIBA e o desenvolvimento destrutivista do Cerrado O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado Paulo Rogerio Gonçalves* No dia seis de maio de 2015 o decreto n. 8447 cria o Plano de Desenvolvimento Agropecuário do Matopiba e seu comitê gestor.

Leia mais

B I O G E O G R A F I A

B I O G E O G R A F I A B I O G E O G R A F I A FLORESTA AMAZÔNICA 2011 Aula XII O bioma Amazônia representa aproximadamente 30% de todas as florestas tropicais remanescentes do mundo e nele se concentra a maioria das florestas

Leia mais

Região: Territórios Indígenas da Amazônia Legal Unidade de Medida: unidade Quantidade: 2,00 Descrição:

Região: Territórios Indígenas da Amazônia Legal Unidade de Medida: unidade Quantidade: 2,00 Descrição: OBJETIVO: 0943 Garantir aos povos indígenas a plena ocupação e gestão de suas terras, a partir da consolidação dos espaços e definição dos limites territoriais, por meio de ações de regularização fundiária,

Leia mais

Projeto OTCA-BID: Marco Estratégico para elaborar uma agenda regional de proteção de povos indígenas em isolamento voluntário e contato inicial

Projeto OTCA-BID: Marco Estratégico para elaborar uma agenda regional de proteção de povos indígenas em isolamento voluntário e contato inicial Projeto OTCA-BID: Marco Estratégico para elaborar uma agenda regional de proteção de povos indígenas em isolamento voluntário e contato inicial Subsídios à participação brasileira no evento e considerações

Leia mais

CONFERÊNCIA NACIONAL DE EDUCAÇÃO. Eixo VI Justiça Social, Educação e Trabalho: Inclusão, diversidade e igualdade EDUCAÇÃO DO CAMPO

CONFERÊNCIA NACIONAL DE EDUCAÇÃO. Eixo VI Justiça Social, Educação e Trabalho: Inclusão, diversidade e igualdade EDUCAÇÃO DO CAMPO CONFERÊNCIA NACIONAL DE EDUCAÇÃO Eixo VI Justiça Social, Educação e Trabalho: Inclusão, diversidade e igualdade EDUCAÇÃO DO CAMPO Quanto à Educação do Campo Superar as discrepâncias e desigualdades educacionais

Leia mais

Amazônia Brasileira e Brasil em Crise

Amazônia Brasileira e Brasil em Crise Amazônia Brasileira e Brasil em Crise 1. (UERJ-2009) Folha de São Paulo, 01/06/2008. Adaptado de Zero Hora, 16/06/2008. Diferentes critérios e objetivos podem orientar a divisão do espaço geográfico em

Leia mais

Índios do Brasil. Episódio 7: Nossas Terras. Modalidade Educação de Jovens e adultos Fundamental e Médio.

Índios do Brasil. Episódio 7: Nossas Terras. Modalidade Educação de Jovens e adultos Fundamental e Médio. Índios do Brasil Episódio 7: Nossas Terras Resumo A série "Índios no Brasil", com duração média de 20 minutos, traça um perfil da população indígena brasileira e mostra a relação dessa população com a

Leia mais

Respostas das questões sobre as regiões do Brasil

Respostas das questões sobre as regiões do Brasil Respostas das questões sobre as regiões do Brasil Região Norte 1. Qual a diferença entre região Norte, Amazônia Legal e Amazônia Internacional? A região Norte é um conjunto de 7 estados e estes estados

Leia mais

PLC 180/08 Cotas Raciais. A mestiçagem unifica os homens divididos pelos mitos raciais, Gilberto Freyre

PLC 180/08 Cotas Raciais. A mestiçagem unifica os homens divididos pelos mitos raciais, Gilberto Freyre PLC 180/08 Cotas Raciais A mestiçagem unifica os homens divididos pelos mitos raciais, Gilberto Freyre Art. 3º Em cada instituição federal de ensino superior, as vagas de que trata o art. 1º desta Lei

Leia mais

OFICINA Observatório Litoral Sustentável. Gestão da orla, regularização fundiária e os bens da União

OFICINA Observatório Litoral Sustentável. Gestão da orla, regularização fundiária e os bens da União OFICINA Observatório Litoral Sustentável Gestão da orla, regularização fundiária e os bens da União Cristiane Siggea Benedetto Coordenação Geral de Habitação e Regularização Fundíária Secretaria Nacional

Leia mais

MIGRAÇÃO MIGRAÇÃO INTERNA

MIGRAÇÃO MIGRAÇÃO INTERNA MIGRAÇÃO Os resultados da migração interna e internacional apresentados foram analisados tomando por base a informação do lugar de residência (Unidade da Federação ou país estrangeiro) há exatamente cinco

Leia mais

Plataforma Ambiental para o Brasil

Plataforma Ambiental para o Brasil Plataforma Ambiental para o Brasil A Plataforma Ambiental para o Brasil é uma iniciativa da Fundação SOS Mata Atlântica e traz os princípios básicos e alguns dos temas que deverão ser enfrentados na próxima

Leia mais

COMENTÁRIO DA PROVA DE GEOGRAFIA

COMENTÁRIO DA PROVA DE GEOGRAFIA COMENTÁRIO DA PROVA DE GEOGRAFIA A UFPR elaborou boas questões de geografia para esta edição do vestibular. Destacamos a abrangência, com questões de assuntos importantes, como orientação, migrações, urbanização

Leia mais

As Novas Migrações Internacionais

As Novas Migrações Internacionais As Novas Migrações Internacionais As novas migrações ganharam novas direções, as realizações partem de países subdesenvolvidos para países desenvolvidos, e o novo modelo de migração internacional surge

Leia mais

Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org

Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org Este documento faz parte do Repositório Institucional do Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org FSM 2009: ENCONTRO SEM FRONTEIRAS AMAPÁ/SURINAME/GUIANAS TEMA: MIGRAÇÕES HUMANAS & DIREITOS HUMANOS

Leia mais

OS PAEs COMO POSSIBILIDADE DE REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA E SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL EM ÁREAS RIBEIRINHAS: O CASO DA ILHA CAMPOMPEMA (PA)

OS PAEs COMO POSSIBILIDADE DE REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA E SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL EM ÁREAS RIBEIRINHAS: O CASO DA ILHA CAMPOMPEMA (PA) OS PAEs COMO POSSIBILIDADE DE REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA E SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL EM ÁREAS RIBEIRINHAS: O CASO DA ILHA CAMPOMPEMA (PA) Ana Karolina Ferreira Corrêa Universidade Federal do Pará anageo.correa@gmail.com

Leia mais

Amazônia Legal e infância

Amazônia Legal e infância Amazônia Legal e infância Área de Abrangência 750 Municípios distribuídos em 09 Unidades Federativas: Amazonas (62), Amapá (16), Acre (22), Roraima (15), Rondônia (52), Pará (143), Tocantins (139), Maranhão

Leia mais

PAUTA UNITÁRIA DOS MOVIMENTOS SINDICAIS E SOCIAIS DO CAMPO

PAUTA UNITÁRIA DOS MOVIMENTOS SINDICAIS E SOCIAIS DO CAMPO PAUTA UNITÁRIA DOS MOVIMENTOS SINDICAIS E SOCIAIS DO CAMPO São Paulo, 12 de março de 2015. No consenso de nossas concepções, dos movimentos sociais do campo e das florestas, inclusive pactuadas no Encontro

Leia mais

Analfabetismo no Brasil

Analfabetismo no Brasil Analfabetismo no Brasil Ricardo Paes de Barros (IPEA) Mirela de Carvalho (IETS) Samuel Franco (IETS) Parte 1: Magnitude e evolução do analfabetismo no Brasil Magnitude Segundo estimativas obtidas com base

Leia mais

As Escolas Famílias Agrícolas do Território Rural da Serra do Brigadeiro

As Escolas Famílias Agrícolas do Território Rural da Serra do Brigadeiro As Escolas Famílias Agrícolas do Território Rural da Serra do Brigadeiro VIEIRA, Tatiana da Rocha UFV - pedagogia_tati@yahoo.com.br BARBOSA, Willer Araújo UFV- wbarbosa@ufv.br Resumo: O trabalho apresentado

Leia mais

Pela Defesa dos Direitos Humanos dos Povos Indígenas, Quilombolas e das Comunidades em situação de Ocupações Urbanas!

Pela Defesa dos Direitos Humanos dos Povos Indígenas, Quilombolas e das Comunidades em situação de Ocupações Urbanas! Pela Defesa dos Direitos Humanos dos Povos Indígenas, Quilombolas e das Comunidades em situação de Ocupações Urbanas! Os povos indígenas Kaingang, Guarani, Xokleng, comunidades Quilombolas do Rio Grande

Leia mais

Taxa de analfabetismo

Taxa de analfabetismo B Taxa de analfabetismo B.1................................ 92 Níveis de escolaridade B.2................................ 94 Produto Interno Bruto (PIB) per capita B.3....................... 96 Razão de

Leia mais

Amazônia : Uma Abordagem Geográfica da Dinâmica Populacional Recente. José Antonio Sena do Nascimento

Amazônia : Uma Abordagem Geográfica da Dinâmica Populacional Recente. José Antonio Sena do Nascimento Amazônia : Uma Abordagem Geográfica da Dinâmica Populacional Recente José Antonio Sena do Nascimento Jorge Kleber Teixeira Silva 1 O trabalho em questão faz parte de uma linha de pesquisa desenvolvida

Leia mais

A Etnização das lutas sociais pela terra na Amazônia: Novas agendas, novos agenciamentos político-territoriais

A Etnização das lutas sociais pela terra na Amazônia: Novas agendas, novos agenciamentos político-territoriais Bárbara Duarte de Arruda Universidade Federal Fluminense barbara.dda@gmail.com A Etnização das lutas sociais pela terra na Amazônia: Novas agendas, novos agenciamentos político-territoriais 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

ESCOLAS NO/DO CAMPO: UM DIAGNÓSTICO DOS MODELOS EXISTENTES EM GOIÁS 1. Palavras-Chave: Educação no/do Campo; Educação; Saberes Locais; Povos do Campo

ESCOLAS NO/DO CAMPO: UM DIAGNÓSTICO DOS MODELOS EXISTENTES EM GOIÁS 1. Palavras-Chave: Educação no/do Campo; Educação; Saberes Locais; Povos do Campo ESCOLAS NO/DO CAMPO: UM DIAGNÓSTICO DOS MODELOS EXISTENTES EM GOIÁS 1. Priscylla Karoline de Menezes Graduanda em Geografia (IESA/UFG) e-mail: priscyllakmenezes@gmail.com Dra. Rusvênia Luiza B. R. da Silva

Leia mais

UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

UNIDADES DE CONSERVAÇÃO UNIDADES DE CONSERVAÇÃO espaço territorial e seus recursos ambientais, incluindo as águas jurisdicionais, com características naturais relevantes, legalmente instituído pelo Poder Público com objetivo

Leia mais

Povos tradicionais e locais; Acesso a conhecimento tradicional; Panorama legal nacional e internacional; Repartição de benefícios;

Povos tradicionais e locais; Acesso a conhecimento tradicional; Panorama legal nacional e internacional; Repartição de benefícios; Povos tradicionais e locais; Acesso a conhecimento tradicional; Panorama legal nacional e internacional; Repartição de benefícios; CTA na indústria e instituições de pesquisa; Propriedade industrial e

Leia mais

Consolidação Territorial de Unidades de Conservação. Eliani Maciel Lima Coordenadora Geral de Regularização Fundiária

Consolidação Territorial de Unidades de Conservação. Eliani Maciel Lima Coordenadora Geral de Regularização Fundiária Consolidação Territorial de Unidades de Conservação Eliani Maciel Lima Coordenadora Geral de Regularização Fundiária CONSOLIDAÇÃO TERRITORIAL Implantação e gestão territorial das UCs REGULARIZAÇÃO DA SITUAÇÃO

Leia mais

Políticas Públicas para Operacionalizar o CAR Câmara temática de Insumos Agropecuários Brasília, 27 de maio de 2014

Políticas Públicas para Operacionalizar o CAR Câmara temática de Insumos Agropecuários Brasília, 27 de maio de 2014 Políticas Públicas para Operacionalizar o CAR Câmara temática de Insumos Agropecuários Brasília, 27 de maio de 2014 O QUE É O CAR O Cadastro Ambiental Rural - CAR, é o registro público eletrônico de âmbito

Leia mais

NOVA SUDAM DESENVOLVIMENTO COM JUSTIÇA SOCIAL E CONSERVAÇÃO DOS RECURSOS NATURAIS NA AMAZÔNIA

NOVA SUDAM DESENVOLVIMENTO COM JUSTIÇA SOCIAL E CONSERVAÇÃO DOS RECURSOS NATURAIS NA AMAZÔNIA NOVA SUDAM DESENVOLVIMENTO COM JUSTIÇA SOCIAL E CONSERVAÇÃO DOS RECURSOS NATURAIS NA AMAZÔNIA ASIL DESIGUALDADES REGIONAIS E SUBREGIONA Mesorregiões TAXA DE CRESCIMENTO Crescimento Médio Anual do Produto

Leia mais

Região Norte e Amazônia não são sinônimos

Região Norte e Amazônia não são sinônimos REGIÃO NORTE Região Norte e Amazônia não são sinônimos Não existe uma Amazônia, e, sim, várias. Amazônia Internacional: região natural coberta pela floresta Amazônica, que se estende por alguns países

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 49 Discurso no encontro com grupo

Leia mais

Censo Demográfico 2010. Características Gerais dos Indígenas: Resultados do Universo

Censo Demográfico 2010. Características Gerais dos Indígenas: Resultados do Universo Censo Demográfico 2010 Características Gerais dos Indígenas: Resultados do Universo Rio de Janeiro, 10 de agosto de 2012 Identificação da população indígena nos Censos Demográficos do Brasil 1991 e 2000

Leia mais

Brasil e suas Organizações políticas e administrativas. Brasil Atual 27 unidades político-administrativas 26 estados e distrito federal

Brasil e suas Organizações políticas e administrativas. Brasil Atual 27 unidades político-administrativas 26 estados e distrito federal Brasil e suas Organizações políticas e administrativas GEOGRAFIA Em 1938 Getúlio Vargas almejando conhecer o território brasileiro e dados referentes a população deste país funda o IBGE ( Instituto Brasileiro

Leia mais

CONCEITOS TERRITORIAIS. Prof. Rogério

CONCEITOS TERRITORIAIS. Prof. Rogério CONCEITOS TERRITORIAIS Prof. Rogério CONCEITOS TERRITORIAIS ORIGEM E FORMAÇÃO HISTÓRICA DO TERRITÓRIO: Final do século XV expansão marítima; Extração de recursos naturais; AMÉRICA PORTUGUESA: Domínio desde

Leia mais

DESABAFO DE QUEM ESTÁ LÁ

DESABAFO DE QUEM ESTÁ LÁ DESABAFO DE QUEM ESTÁ LÁ Segue um relato de uma pessoa conhecida e séria, que passou recentemente em um concurso público federal e foi trabalhar em Roraima: Trata-se de um Brasil que a gente não conhece.

Leia mais

Aluno(a): Nº. Professor: Anderson José Soares Série: 7º Disciplina: Geografia. Pré Universitário Uni-Anhanguera

Aluno(a): Nº. Professor: Anderson José Soares Série: 7º Disciplina: Geografia. Pré Universitário Uni-Anhanguera Pré Universitário Uni-Anhanguera Questão 01) A distribuição da população pela superfície do planeta é desigual, orientada por fatores históricos, econômicos ou naturais. No caso do Brasil, conclui-se que

Leia mais

Força Total Amazônia Prof a. Rose Rodrigues

Força Total Amazônia Prof a. Rose Rodrigues Força Total Amazônia Prof a. Rose Rodrigues 1- (UNICAMP) As figuras a seguir representam duas concepções geopolíticas de ocupação da Amazônia brasileira no período militar. Responda às perguntas: a) Quais

Leia mais

Segunda Conferencia Regional para América Latina y el Caribe sobre el Derecho a la Identidad y Registro Universal de Nacimiento

Segunda Conferencia Regional para América Latina y el Caribe sobre el Derecho a la Identidad y Registro Universal de Nacimiento Segunda Conferencia Regional para América Latina y el Caribe sobre el Derecho a la Identidad y Registro Universal de Nacimiento da Presidência da República Brasil - Mercosul Sistema brasileiro de registro

Leia mais

População e PIB das cidades médias crescem mais que no resto do Brasil

População e PIB das cidades médias crescem mais que no resto do Brasil RELEASE 17 de JULHO de 2008. População e PIB das cidades médias crescem mais que no resto do Brasil Aumentos de riquezas e de habitantes nas cidades com 100 mil a 500 mil, neste século, superam a média

Leia mais

Exercícios Amazônia. Geografia Professor: Claudio Hansen. Material de apoio do Extensivo

Exercícios Amazônia. Geografia Professor: Claudio Hansen. Material de apoio do Extensivo Exercícios Amazônia 1. As florestas contribuem com a fixação de parte do carbono atmosférico do planeta, amenizando o processo do aquecimento global. As queimadas realizadas nessas formações vegetais,

Leia mais

Diagnóstico Ambiental do Município de Alta Floresta - MT

Diagnóstico Ambiental do Município de Alta Floresta - MT Diagnóstico Ambiental do Município de Alta Floresta - MT Paula Bernasconi Ricardo Abad Laurent Micol Maio de 2008 Introdução O município de Alta Floresta está localizado na região norte do estado de Mato

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA SÉRIE GRITOS

APRESENTAÇÃO DA SÉRIE GRITOS APRESENTAÇÃO DA SÉRIE GRITOS As mobilizações conhecidas como "Gritos ocorrem desde o início da década de 1990. O primeiro Grito do Campo aconteceu em maio de 1991 em Belém do Pará. O II Grito do Campo,

Leia mais

Ação Orçamentária - Padronizada Setorial 14U2 - Implantação, Instalação e Modernização de Espaços e Equipamentos Culturais

Ação Orçamentária - Padronizada Setorial 14U2 - Implantação, Instalação e Modernização de Espaços e Equipamentos Culturais Momento do Tipo de Temático Macrodesafio Fortalecer a cidadania Eixo Desenvolvimento Social e Erradicação da Miséria Valor de Referência para Individualização de Projetos em Iniciativas Esferas Fiscal

Leia mais

Ao dormir, todos somos vulneráveis. William Shakespeare NOTA TÉCNICA. Adma Figueiredo. Eloisa Domingues. Ivete Rodrigues

Ao dormir, todos somos vulneráveis. William Shakespeare NOTA TÉCNICA. Adma Figueiredo. Eloisa Domingues. Ivete Rodrigues Ao dormir, todos somos vulneráveis. William Shakespeare NOTA TÉCNICA Tipologia da Vulnerabilidade Social na Bacia Hidrográfica do São Francisco, Brasil Adma Figueiredo Geógrafa IBGE Eloisa Domingues Geógrafa

Leia mais

As Novas Migrações Internacionais

As Novas Migrações Internacionais As Novas Migrações Internacionais As novas migrações ganharam novas direções, as realizações partem de países subdesenvolvidos para países desenvolvidos, e o novo modelo de migração internacional surge

Leia mais

GEOGRAFIA LISTA DE RECUPERAÇÃO - 7º ANO RECUPERAÇÃO FINAL 2015 1. Objetivas:

GEOGRAFIA LISTA DE RECUPERAÇÃO - 7º ANO RECUPERAÇÃO FINAL 2015 1. Objetivas: GEOGRAFIA Objetivas: 01 No último século, o Brasil deixou de ser um país essencialmente rural e se tornou um país urbano-industrial. Nesse processo, foram muitas as mudanças em seu espaço geográfico, especialmente

Leia mais

Cadastro Ambiental Rural

Cadastro Ambiental Rural Cadastro Ambiental Rural E suas possíveis contribuições para a gestão de bacias hidrográficas Botucatu 28/06/2013 Caroline Vigo Cogueto Centro de Monitoramento Coordenadoria de Biodiversidade e Recursos

Leia mais

Por uma nova política indigenista. Uma entrevista com Marcos Terena

Por uma nova política indigenista. Uma entrevista com Marcos Terena Série Movimentos Sociais Por uma nova política indigenista. Uma entrevista com Marcos Terena Entre os dias 22 e 25 de abril, houve a IV Festa Nacional do Índio, na Praia da Enseada, em Bertioga. Trata-se

Leia mais

A Migração de Haitianos para o Brasil

A Migração de Haitianos para o Brasil A Migração de Haitianos para o Brasil Mariana Longhi Batista Alessi 1 RESUMO Desde o terremoto de janeiro de 2010, uma onda de haitianos passou a buscar refúgio no território brasileiro. O presente artigo

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

Vestibular UFRGS 2015. Resolução da Prova de Geografia

Vestibular UFRGS 2015. Resolução da Prova de Geografia Vestibular UFRGS 2015 Resolução da Prova de Geografia 51. Alternativa (B) Orientação. A questão pede a localização de países que apresentam iluminação solar oposta a do Brasil. Como estava começando o

Leia mais

RESERVA DA BIOSFERA DO CINTURÃO VERDE DA CIDADE DE SÃO PAULO

RESERVA DA BIOSFERA DO CINTURÃO VERDE DA CIDADE DE SÃO PAULO RESERVA DA BIOSFERA DO CINTURÃO VERDE DA CIDADE DE SÃO PAULO O QUE SÃO Reservas da Biosfera? - Reservas da Biosfera são áreas de ecossistemas terrestres ou aquáticos estabelecidas para promoverem soluções

Leia mais

AVALIAÇÃO SOBRE GOVERNANÇA AMBIENTAL NOS MUNICÍPIOS DO SEMI-ÁRIDO BRASILEIRO

AVALIAÇÃO SOBRE GOVERNANÇA AMBIENTAL NOS MUNICÍPIOS DO SEMI-ÁRIDO BRASILEIRO AVALIAÇÃO SOBRE GOVERNANÇA AMBIENTAL NOS MUNICÍPIOS DO SEMI-ÁRIDO BRASILEIRO Aristides Pereira Lima Green 1 Frederico Cavadas Barcellos 2 Deborah Moreira Pinto 3 I. Introdução As regiões semi-áridas se

Leia mais

Neoliberalismo tingido de verde de olho na Rio + 20

Neoliberalismo tingido de verde de olho na Rio + 20 Neoliberalismo tingido de verde de olho na Rio + 20 Rodrigo Otávio Rio de Janeiro - A antropóloga e ambientalista Iara Pietricovsky faz parte do grupo de articulação da Cúpula dos Povos (evento das organizações

Leia mais

A Uwê uptabi Marãiwatsédé buscam o bem viver no território tradicional. Palavras-Chaves: Território Sustentabilidade- Bem Viver.

A Uwê uptabi Marãiwatsédé buscam o bem viver no território tradicional. Palavras-Chaves: Território Sustentabilidade- Bem Viver. A Uwê uptabi Marãiwatsédé buscam o bem viver no território tradicional. Este trabalho tem o objetivo de discutir a sustentabilidade do território A uwe- Marãiwatsédé, mediada pelas relações econômicas,

Leia mais

EMATER RS. Seminário. A Extensão Rural Pública e Seus Impactos no Desenvolvimento Municipal Sustentável

EMATER RS. Seminário. A Extensão Rural Pública e Seus Impactos no Desenvolvimento Municipal Sustentável Seminário A Extensão Rural Pública e Seus Impactos no Desenvolvimento Municipal Sustentável e Mário Augusto Ribas do Nascimento Presidente da EMATER/RS Associação Riograndense de Empreendimentos de Assistência

Leia mais

FÓRUM MUNDIAL DE DIREITOS HUMANOS. Data: 10 a 13 de Dezembro de 2013 Local: Brasília

FÓRUM MUNDIAL DE DIREITOS HUMANOS. Data: 10 a 13 de Dezembro de 2013 Local: Brasília FÓRUM MUNDIAL DE DIREITOS HUMANOS Data: 10 a 13 de Dezembro de 2013 Local: Brasília Nome do Evento: Fórum Mundial de Direitos Humanos Tema central: Diálogo e Respeito às Diferenças Objetivo: Promover um

Leia mais

4 o ano Ensino Fundamental Data: / / Revisão de História e Geografia Nome:

4 o ano Ensino Fundamental Data: / / Revisão de História e Geografia Nome: 4 o ano Ensino Fundamental Data: / / Revisão de História e Geografia Nome: Querida criança, Além desta revisão, estude, em seu Material Didático, os conteúdos do Volume III. Leia este texto: ASA BRANCA

Leia mais

SOCIAMBIENTALISMO, MUDANÇAS CLIMÁTICAS E DIREITOS HUMANOS

SOCIAMBIENTALISMO, MUDANÇAS CLIMÁTICAS E DIREITOS HUMANOS SOCIAMBIENTALISMO, MUDANÇAS CLIMÁTICAS E DIREITOS HUMANOS ALGUNS MECANISMOS JURÍDICOS A PARTIR DA PERPECTIVA DA VULNERABILIDADE E RESILIÊNCIA DOS POVOS TRADICIONAIS SANDRA AKEMI SHIMADA KISHI skishi@prr3.mpf.gov.br

Leia mais

CURSO FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE COMUNIDADES REMANESCENTES DE QAUILOMBO

CURSO FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE COMUNIDADES REMANESCENTES DE QAUILOMBO CURSO FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE COMUNIDADES REMANESCENTES DE QAUILOMBO Integra o Catálogo der cursos proposto pela Secadi Coordenadora:. Candida Soares da Costa Núcleo de Estudos e Pesquisas sobre Relações

Leia mais

Proposta para a nacional 3º Conferência Estadual de Políticas Públicas para mulheres.união dos Movimentos de moradia da Grande São Paulo e Interior.

Proposta para a nacional 3º Conferência Estadual de Políticas Públicas para mulheres.união dos Movimentos de moradia da Grande São Paulo e Interior. Proposta para a nacional 3º Conferência Estadual de Políticas Públicas para mulheres.união dos Movimentos de moradia da Grande São Paulo e Interior. 1- Promover o acesso igualitário das mulheres ao programa

Leia mais

Trends in International Migration: SOPEMI - 2004 Edition. Tendências da Migração Internacional: SOPEMI Edição 2004 INTRODUÇÃO GERAL

Trends in International Migration: SOPEMI - 2004 Edition. Tendências da Migração Internacional: SOPEMI Edição 2004 INTRODUÇÃO GERAL Trends in International Migration: SOPEMI - 2004 Edition Summary in Portuguese Tendências da Migração Internacional: SOPEMI Edição 2004 Sumário em Português INTRODUÇÃO GERAL De John P. Martin Diretor do

Leia mais

A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes. Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA

A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes. Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA O uso da terra no Brasil Evolução das Áreas de Produção Milhões de hectares 1960 1975 1985 1995 2006 Var.

Leia mais

XI REUNIÃO DE MINISTROS DAS RELAÇÕES EXTERIORES DOS PAÍSES MEMBROS DA ORGANIZAÇÃO DO TRATADO DE COOPERAÇÃO AMAZÔNICA. (Manaus, 22 de novembro de 2011)

XI REUNIÃO DE MINISTROS DAS RELAÇÕES EXTERIORES DOS PAÍSES MEMBROS DA ORGANIZAÇÃO DO TRATADO DE COOPERAÇÃO AMAZÔNICA. (Manaus, 22 de novembro de 2011) XI REUNIÃO DE MINISTROS DAS RELAÇÕES EXTERIORES DOS PAÍSES MEMBROS DA ORGANIZAÇÃO DO TRATADO DE COOPERAÇÃO AMAZÔNICA (Manaus, 22 de novembro de 2011) COMPROMISSO DE MANAUS Os Ministros das Relações Exteriores

Leia mais

APRESENTA. bolsa07.indd 1 18/11/14 21:42

APRESENTA. bolsa07.indd 1 18/11/14 21:42 APRESENTA bolsa07.indd 1 18/11/14 21:42 bolsa07.indd 2 18/11/14 21:42 MINHA AVÓ QUE ME CONTAVA, QUE LÁ PRA ANTIGAMENTE, A NOITE ERA CHEIA DE MUITA ESTRELA, TINHA MAIS BICHO DO QUE GENTE E AS ÁRVORES MAIS

Leia mais

COMUNICAÇÃO EM SAÚDE

COMUNICAÇÃO EM SAÚDE Fórum ONG/AIDS RS COMUNICAÇÃO EM SAÚDE Paulo Giacomini Porto Alegre, 30 de Outubro de 2014. Comunicação 1. Ação de comunicar, de tornar comum (à comunidade) uma informação (fato, dado, notícia); 2. Meio

Leia mais

Prevenção e mediação de conflitos fundiários urbanos

Prevenção e mediação de conflitos fundiários urbanos Prevenção e mediação de conflitos fundiários urbanos 1 Fatores geradores dos conflitos fundiários urbanos Reintegração de posse de imóveis públicos e privados, em que o processo tenha ocorrido em desconformidade

Leia mais

Espaço Geográfico (Tempo e Lugar)

Espaço Geográfico (Tempo e Lugar) Espaço Geográfico (Tempo e Lugar) Somos parte de uma sociedade, que (re)produz, consome e vive em uma determinada porção do planeta, que já passou por muitas transformações, trata-se de seu lugar, relacionando-se

Leia mais

A Política de Meio Ambiente do Acre tendo como base o Zoneamento Ecológico. gico-econômico

A Política de Meio Ambiente do Acre tendo como base o Zoneamento Ecológico. gico-econômico A Política de Meio Ambiente do Acre tendo como base o Zoneamento Ecológico gico-econômico Diversidade Biológica www.animalzoom.org Diversidade Biológica www.animalzoom.org Diversidade Étnica Stuckert Cardeal,

Leia mais

Eduardo Stranz Mariana Boff Barreto Rosângela Ribeiro Virna Limongi

Eduardo Stranz Mariana Boff Barreto Rosângela Ribeiro Virna Limongi O Crack na Fronteira Brasileira Eduardo Stranz Mariana Boff Barreto Rosângela Ribeiro Virna Limongi Resumo: O Observatório do Crack, projeto elaborado e mantido pela Confederação Nacional de Municípios

Leia mais

11.1. INFORMAÇÕES GERAIS

11.1. INFORMAÇÕES GERAIS ASPECTOS 11 SOCIOECONÔMICOS 11.1. INFORMAÇÕES GERAIS O suprimento de energia elétrica tem-se tornado fator indispensável ao bem-estar social e ao crescimento econômico do Brasil. Contudo, é ainda muito

Leia mais

Povos Indígenas e Serviços Ambientais Considerações Gerais e Recomendações da Funai

Povos Indígenas e Serviços Ambientais Considerações Gerais e Recomendações da Funai Fundação Nacional do Índio Diretoria de Proteção Territorial Coordenação Geral de Monitoramento Territorial Povos Indígenas e Serviços Ambientais Considerações Gerais e Recomendações da Funai Mudanças

Leia mais

mundo. A gente não é contra branco. Somos aliados, queremos um mundo melhor para todo mundo. A gente está sentindo muito aqui.

mundo. A gente não é contra branco. Somos aliados, queremos um mundo melhor para todo mundo. A gente está sentindo muito aqui. Em 22 de maio de 2014 eu, Rebeca Campos Ferreira, Perita em Antropologia do Ministério Público Federal, estive na Penitenciária de Médio Porte Pandinha, em Porto Velho RO, com os indígenas Gilson Tenharim,

Leia mais

Grupo Banco Mundial. Construindo um mundo sem pobreza

Grupo Banco Mundial. Construindo um mundo sem pobreza Grupo Banco Mundial Construindo um mundo sem pobreza Enfoque Regional! O Banco Mundial trabalha em seis grandes regiões do mundo: 2 Fatos Regionais: América Latina e Caribe (ALC)! População total: 500

Leia mais

MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE

MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE Sustentabilidade significa permanecer vivo. Somos mais de 7 bilhões de habitantes e chegaremos a 9 bilhões em 2050, segundo a ONU. O ambiente tem limites e é preciso fazer

Leia mais

Desafios da regularização Fundiária em Mato Grosso

Desafios da regularização Fundiária em Mato Grosso 1 Desafios da regularização Fundiária em Mato Grosso Afonso Dalberto Presidente do Instituto de Terras de Mato Grosso INTERMAT Cuiabá - MT, 19 de agosto de 2009 2 A atual situação fundiária do Estado de

Leia mais

América: a formação dos estados

América: a formação dos estados América: a formação dos estados O Tratado do Rio de Janeiro foi o último acordo importante sobre os limites territoriais brasileiros que foi assinado em 1909, resolvendo a disputa pela posse do vale do

Leia mais

EIXO DE TRABALHO 01 DIREITO A CIDADANIA, PARTICIPAÇÃO SOCIAL E POLÍTICA E A REPRESENTAÇÃO JUVENIL

EIXO DE TRABALHO 01 DIREITO A CIDADANIA, PARTICIPAÇÃO SOCIAL E POLÍTICA E A REPRESENTAÇÃO JUVENIL EIXO DE TRABALHO 01 DIREITO A CIDADANIA, PARTICIPAÇÃO SOCIAL E POLÍTICA E A REPRESENTAÇÃO JUVENIL Proposta I Fomentar a criação de grêmios estudantis, fóruns de juventude, diretórios centrais de estudantes,

Leia mais

Doutoranda: Nadir Blatt

Doutoranda: Nadir Blatt Territórios de Identidade no Estado da Bahia: uma análise crítica da regionalização implantada pela estrutura governamental para definição de políticas públicas, a partir da perspectiva do desenvolvimento

Leia mais

5.8) Populações Indígenas, Tradicionais e Comunidades Ribeirinhas

5.8) Populações Indígenas, Tradicionais e Comunidades Ribeirinhas 5.8) Populações Indígenas, Tradicionais e Comunidades Ribeirinhas 5.8.1) Metodologia A metodologia utilizada para o diagnóstico das populações indígenas, tradicionais e comunidades ribeirinhas considerou

Leia mais

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, durante visita às obras da usina hidrelétrica de Jirau

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, durante visita às obras da usina hidrelétrica de Jirau , Luiz Inácio Lula da Silva, durante visita às obras da usina hidrelétrica de Jirau Porto Velho-RO, 12 de março de 2009 Gente, uma palavra apenas, de agradecimento. Uma obra dessa envergadura não poderia

Leia mais

Encontro temático: Água, Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional. Luciano Marçal da Silveira

Encontro temático: Água, Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional. Luciano Marçal da Silveira Encontro temático: Água, Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional Luciano Marçal da Silveira Antonio Nobre - INPE A influência da floresta amazônica no clima e os riscos associados ao desmatamento.

Leia mais

7ºano 2º período vespertino 25 de abril de 2014

7ºano 2º período vespertino 25 de abril de 2014 GEOGRAFIA QUESTÃO 1 A Demografia é a ciência que estuda as características das populações humanas e exprime-se geralmente através de valores estatísticos. As características da população estudadas pela

Leia mais

Uma Estratégia Produtiva para Defesa da Biodiversidade Amazônica

Uma Estratégia Produtiva para Defesa da Biodiversidade Amazônica Uma Estratégia Produtiva para Defesa da Biodiversidade Amazônica Painel: Inovação e Exploração de Fontes Locais de Conhecimento Bertha K. Becker Laget/UFRJ BNDES 30/11/2010 Problemática: Reconhecimento

Leia mais

Dimensão social. Educação

Dimensão social. Educação Dimensão social Educação 218 Indicadores de desenvolvimento sustentável - Brasil 2004 36 Taxa de escolarização Representa a proporção da população infanto-juvenil que freqüenta a escola. Descrição As variáveis

Leia mais

PANORAMA QUILOMBOLA NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO: TERRA, EDUCAÇÃO E CULTURA.

PANORAMA QUILOMBOLA NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO: TERRA, EDUCAÇÃO E CULTURA. PANORAMA QUILOMBOLA NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO: TERRA, EDUCAÇÃO E CULTURA. Alunas: Alessandra Pereira. Camila de Souza Ferreira. Orientador: José Maurício Arruti. Introdução O campo semântico em torno

Leia mais

GEOGRAFIA COMENTÁRIO DA PROVA

GEOGRAFIA COMENTÁRIO DA PROVA COMENTÁRIO DA PROVA Muito boa a prova de Geografia da segunda fase da UFPR 2015. As questões variaram o grau de dificuldade e abordaram assuntos relevantes, como água, BRICS e urbanização. A abrangência

Leia mais

INSTITUTO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO DO BRASIL PROJETO AMAPÁ SUSTENTÁVEL. Programa de Formação de Lideranças do Amapá FormAção.

INSTITUTO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO DO BRASIL PROJETO AMAPÁ SUSTENTÁVEL. Programa de Formação de Lideranças do Amapá FormAção. INSTITUTO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO DO BRASIL PROJETO AMAPÁ SUSTENTÁVEL Programa de Formação de Lideranças do Amapá FormAção Edital de Seleção Março de 2015 Realização Apoio 2...esgotada a palavra de sua

Leia mais

CARTA DO COMITÊ BRASILEIRO DE DEFENSORAS/ES DOS DIREITOS HUMANOS À MINISTRA DA SECRETARIA DOS DIREITOS HUMANOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA

CARTA DO COMITÊ BRASILEIRO DE DEFENSORAS/ES DOS DIREITOS HUMANOS À MINISTRA DA SECRETARIA DOS DIREITOS HUMANOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CARTA DO COMITÊ BRASILEIRO DE DEFENSORAS/ES DOS DIREITOS HUMANOS À MINISTRA DA SECRETARIA DOS DIREITOS HUMANOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Brasília,12 de Dezembro de 2012. O Comitê Brasileiro de Defensoras/es

Leia mais

Censo Demográfico 2010. Resultados gerais da amostra

Censo Demográfico 2010. Resultados gerais da amostra Censo Demográfico 2010 Resultados gerais da amostra Rio de Janeiro, 27 de abril de 2012 População e distribuição relativa População e distribuição relativa (%) para o Brasil e as Grandes Regiões 2000/2010

Leia mais

Valorização da Identidade Territorial e da Agrobiodiversidade no Mosaico Baixo Rio Negro.

Valorização da Identidade Territorial e da Agrobiodiversidade no Mosaico Baixo Rio Negro. 2 0 Curso Sobre Gestão em Mosaico de Áreas Protegidas (ACADEBio) Valorização da Identidade Territorial e da Agrobiodiversidade no Mosaico Baixo Rio Negro. Leonardo Kurihara (IPÊ Instituto de Pesquisas

Leia mais