~.,,'.~ ; ' MUNICÍPIO DE VIMIOSO - Câmara Municipal,.., CONSOLIDAÇAO DE CONTAS 2014

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "~.,,'.~ ; ' MUNICÍPIO DE VIMIOSO - Câmara Municipal,.., CONSOLIDAÇAO DE CONTAS 2014"

Transcrição

1 ~.,2. l- -- ~ =... = ~~ ~.,,'.~ ; ' MUNICÍPIO DE VIMIOSO - Câmara Municipal,.., CONSOLIDAÇAO DE CONTAS

2 1. INTRODUÇÃO _,.,... PRESENTE NA REUNIÃO ORDINÁRIA O 2 JUN ~~ ~{ : l.'f - -;.=;-- MUNICÍPIO DE VIMIOSO - Câmara Municipal DELIBERAÇÃO: PRESENTE NA SESSÃO ORDINÁRIA I 2 6 JUN I " _ CEI.IBERAÇÃO 'dll~~d.o ru" A.O.J-<l-'V ~~, - - u~. ;:,ijjj«d " $<6m_p/u < -11:~2< e~ c/< )!J JÍ< ~~ O Município do Vimioso apresenta demonstrações financeiras consolidadas relativas a 31 de dezembro de (cf-/j::' A obrigatoriedade de consolidar decorre do n 1 do Artigo da Lei n. 0 73/2013, de 3 de setembro que aprovou o Regime Financeiro das Autarquias Locais e das Entidades Intermunicipais (RFALEI) o qual estabelece que ''Sem prejulzo dos documentos de prestação de contas indivtduais previstos na let~ os munidpios, as entidades intermunicipais e as suas entidades associativas, apresentam contas consolidadas com as entidades detidas ou participadas. " Os procedimentos, métodos e documentos contablllsticos para a consolidação de contas dos munidpios, das entidades intermunicipais e das entidades associativas municipais são os definidos para as entidades do setor público administrativo. Constata-se, por outro lado, que o POCAL, ao não fazer referência à exigibilidade da consolidação de contas relacionando toda a atividade do município, gerida indireta ou diretamente pelo executivo, limita a análise global da aplicação dos recursos autárquicos, bem como constrange o controlo da respetiva economia, eficiência e eficácia da ação de desenvolvimento das políticas públicas. Face igualmente à necessidade legal, de consolidar contas, foi publicada a Portaria n.o 474/2010, de 15 de junho, através da qual é aprovada (art ) a Orientação n. 0 1/2010, intitulada de "Orientação Genérica relativa à consolidação de contas no âmbito do sector público administrativd'. Refere o artigo 5. 0 da mesma norma legal (regime transitório) que até à publicação de normas de consolidação de contas previstas nos planos sectoriais ou de uma norma única de consoltdação de contas aplicável a toda as administrações públicas que compõem o sector público administrativo, devem ser observados os princ/pios de consolidação de contas estabelecidos na presente portaria. Face à necessidade de aplicação deste regime pelos municípios portugueses de forma coerente, harmoniosa e comparável, e considerando as lacunas existentes na articulação dos vários normativos, Lei das Finanças Locais, Portaria e Orientação n.o 1/2010, foram emanadas pelo grupo SATAPOCAL em maio de 2011, um conjunto de instruções que visavam permitir a articulação dos vários regimes. 2. OBJETIVO DA CONSOLIDAÇÃO A Consolidação de Contas consiste num processo extra contabilístico que agrega as contas da entidade mãe com as suas participadas, de modo a que as contas resultantes representem a posição financeira, os resultados e os fluxos de caixa do grupo como se fosse uma única entidade, substituindo o valor das partes de capital em filiais e associadas nas contas da entidade-mãe, pelos ativos líquidos daquelas empresas. Através deste processo, torna-se possível avaliar o desempenho económico-financeiro do conjunto de entidades que são abrangidas pelo mesmo. 2

3 ;~,. ;:... """"~ ~ r a =- ~.. - : ;_~:- MUNICÍPIO DE VIMIOSO - Câmnra Municipal 3. PERÍMETRO DA CONSOLIDAÇÃO De acordo com o artigo da Lei n. 0 73/2013, o grupo autárquico é composto por um município, uma entidade intermunicipal ou uma entidade associativa municipal e pelas entidades controladas, de forma direta ou indireta, considerando-se que o controlo corresponde ao poder de gerir as políticas financeiras e operacionais de uma outra entidade a fim de beneficiar das suas atividades. Nos termos do n 4 do art.o 75 da Lei 73/2013, o Município de Vimioso apenas possui controlo sobre a entidade VI MIOSO Atividades Artesanais e Turísticas de Vimioso, E. M.. Deste modo, as entidades que irão constituir o Perímetro de Consolidação são o Município de Vimioso, como entidade consolidante e a entidade VIMIOSO Atividades Artesanais e Turísticas de Vimioso, E.M. 4. MÉTODO DE CONSOLIDAÇÃO Tendo em conta que o município detém a totalidade do capital da entidade do sector empresarial local, o método a utilizar é o de consolidação integral. Refere a Portaria n /2010, de 15 de junho, que para efeitos de aplicação do método de consolidação integral, adotarse-á o previsto na Norma Contabilística e de Relato Financeiro 15, «Investimentos em subsidiárias e consolidação», publicada no aviso n /2009, de 7 de Setembro, com as necessárias adaptações à realidade de cada subsector. Este método consiste na integração no balanço, na demonstração dos resultados e nos mapas de execução orçamental da entidade consolidante, dos elementos respetivos dos balanços, das demonstrações dos resultados e dos mapas de execução orçamental das entidades consolidadas. A Orientação n. 0 1/2010 uniformiza princípios, normas, procedimentos e conceitos nos diversos Planos Sectoriais de Contabilidade do Sector Público, contribuindo deste modo para a melhoria da qualidade da informação prestada pelas demonstrações financeiras consolidadas do Sector Público. No entanto verifica-se uma discrepância ao nível de normas contabilísticas entre o Sector Público e Privado, o que levanta alguns problemas nos procedi mentos de consolidação. O Sector privado já utiliza o SNC- Sistema de Normalização Contabilística que transpôs para o Direito Interno as Normas Internacionais de Contabilidade, enquanto os vários Planos de Contabilidade do Sector Público ainda não fizeram aq uela transposição, obrigando a que se proceda à homogeneização das demonstrações financeiras das entidades que constituem o perímetro de consolidação. O facto do Sector Público ainda não ter adaptado os Planos Oficiais de Contabilidade às Normas Internacionais de Contabilidade obriga a conversões e ajustamentos nomeadamente ao nível de: - Ajustamentos para corrigir diferenças nos princípios e políticas contabilísticas; - Reclassificações para suprir diferenças nas regras de apresentação de contas; No caso da Consolidação de Contas do Município de Vimioso, tendo em consideração que a empresa participada, com a qual se vai consolidar, aplica o normativo SNC, teremos que ajustar as contas desta entidade para o POCAL, normativo aplicado pela entidade consolidante. 3

4 ~~ '~-.,. f.: =r-.~.1. -r. "G- MUNICIPIO DE VIMIOSO - Câmara Municipal, RELA TORIO DE GESTA ~ O 4

5 MUNICÍP IO DE VIMIOSO - Câmara Municipal A apreciação feita seguidamente tem como suporte o Balanço Consolidado e Demonstração de Resultados Consolidada, documentos contabilísticos de base. Síntese da Estrutura do Balanço Consolidado ACTIVO Variação % Imobilizado: Bens de domínio público , ,89-3,35% lrrobilizações incorpóreas 81 4,21 0,00 814,21 lrmbilizações corpóreas , % Investimentos financeiros , , , % Circulante: Total , , ,63 1,66% Existências , , ,33-6,22% Dívidas de terceiros - Curto prazo , , , % Depositas em insmuições financeiras e Caixa , , ,14 19,60% Acréscimos e diferimentos: Total , , ,53 10,34% Acréscirros de prove~os , , ,08 1,52% Custos diferidos , ,70 13,21 % Total do Activo , , ,94 2,16% FUNOOS PRÓPRIOS E PASSIVO Variação % Fundos próprios : Património , ,99 0,00 0,00% Reservas: , , ,96 1,54% Diferenças de consolidação ,99 0, ,99 Subsi1ios e D:Jações 9 110, , ,99 Resultados trans ~ad os , , ,99 1,23% Resultado lquido em exerc cio , , ,02-0,42% Total Fundos Próprios e Passivo , , ,93 0,66% Passivo: A'ovisões para riscos e encargos 0,00 0,00 0,00 Dividas a terceiros - IV'édio e longo prazos , ,47-12,50% Dividas a terceiros - Curto Prazo , , ,73 83,80% Acréscimos e Diferimentos: Acréscirros de Custos , , ,51 22,21 % Prove~os diferidos , ,24 3,46% Total do Passivo , , ,01 3,49% Total dos Fundos Próprios e do Passivo , , ,94 2,16% O Ativo Líquido em apresenta o valor de ,79 euros, sendo a rubrica com maior peso relativo o Ativo Fixo, representando em termos absolutos, ,11 euros (93,5%). Na estrutura dos fundos próprios, as rubricas com maior representatividade são o património e os resultados transitados, representando respetivamente 43,56% e 46% dos Fundos Próprios. 5

6 .. ~.. ""'f_ ~ ~~ = = :,T ~ <:.. MUNICÍPI O DE VIMIOSO - Câmara Municipal Em 31 de Dezembro de 2014 o Passivo representa aproximadamente 53,65% do total dos Fundos Próprios e Passivo, sendo a rubrica de Proveitos Diferidos a que mais se destaca, representando 75,2% do mesmo. Ao nível do Resultado Líquido do grupo autárquico em , face ao período homólogo de 2013 regista-se uma redução de apenas 0,42%. 6

7 .~~.:.di!! '::.;. ~ _,.,.,,....-.:-:- MUNICIPIO DE VIMIOSO - Câmara Municipal BALANÇO CONSOLIDADO

8 MUNICÍ PIO DE VIMIOSO - Câmara Municipal M UN IC IPIO VIM l OS O BALAN ÇO CORRECÇOES BALANÇO BALANÇO CÓDIGO OAS CONTAS CONSOLID A DO CONSOLIDADO ACTIVO POC AL VIM los O 2003 CORRIG IDO CONSOLID AÇÃO Imobilizado: Bens de domínio público AL AL AL AL AL AL 451 Terrenos e rec ursos l'lõ.1 1Uf3JS " Ed1IICIOS OOD <53 Outras construçoes e nfra.esllutvras 8 3tl01l02 e 3vo1lo2 8 3'f! 0 1) <55 Bens do p3t11m 6n o h~t 6uco artishco e cultural Outros bens de do mimo pubhco _ lmob!ltzacoes em curso l _~0 446 A diantamentos por conta de bens de do m ln10 publ co 0, ,00 s ~ 1327J.o:: '1S ' a _37 Imobi lizações Incorpóreas 431 Despesas de 1nsta1açêo Despesas de m"'est gaçào e de descnvolv menlo Propnedade m.dus.tj1a1 t> outros d~rmo.s ImobiliZações em curso <9 Ad1antamentos por conta de 1m0 b1hzaç6es ~ncorpore.as 0, oco 0_00 0, lmobiliz.a ç 6 es co rpóreà.s. 421 Terreno s e recursos nalur ais Ed1ftC10S e ouhas construções Equ1pamento b3sico 2285 ~1l i 12 5_65 2 2S7 '25, Equ1pamento de trans po rte ' '6~6~9. 12 "tl5659,q Ferramentas e utensll oas S Eqwpamento admm1stfallv o \38! Taras e vasilham e Outras 1moblllzações co r~reas \ t lmobdtzaçoes em curso m tl to Ad1a11ta.mento por conta de Jm obtltzaçoes corpóreas Investimentos HnanceJros ) ' ,'t1 4n Partes de cap1tal soooo.oo ObngaçOes t> Ututos de parttcjpaçào 46104:2 B j 75t00 "' 1nvest1rnentos em ln'!ó\ieis 0, S Outras <tphcações rmancelrõis 0, lm ObJtrzaçOes em curso , Adtar""~l arnerno s por cont.ade mvest1mentos; lma11ce ro s , ferenças de consoijd.açao , Circulant e ; Ex1$lénc as , M.atér1as Pr1mólls svbsk:1 1ãraas e de consumo , & Produtos e tr<tbalhos em curso 0,00 0,00 0,00 34 Subproduto s. d&sperdicios. r&s lduos e refugos Produtos acabados emtermédios ~ "64_37 32 Mercadonas 1 ~4,7 1 1"W4.71 1"" o2.ga 37 Adiantamentos por conta de compras Olv idas de terceiros M e dio c longo pr;azos : ( o) , '63 i _05 2S2 Em ptés!lmos concedidos 0, _00 Olvidas de terc eiros Cucto pr.3zo ; 000 0_ _ EmpréStimos concedidos n C t1 entes c/c ,99 191l t2 Contnbv1ntes c/c , UI: entes c/c Cli entes co nlnbljinles e utentes de coblanca duvidosa 't Devedores peta execuç:to do orçamento Ad1antam ento-s a fornecedores 0, tl1l Ad1antam ento -s a fornecedores de tmobiiizado 0,00 0, Estado e outros entes pubheos 1l75t ) "017 'W Admmastração autájqu1ca Outros devedores , )1686 T l tu los negociáveis: 32~ ? lS Acções S2 Obngações e 1\tutos de parhcjpaçào , T Hulos de divida pública ,00 1S9 Outros t lt ulos ,00 18 Outras ap/1cações de tesourana ,00 Ocposl to s cm lnshlt.llçõu On01ncciras c Caixa: 12 Deposilos em ins t1!\.nções hnancejras , $90 ol ,38 1\ Ca1xa 2 0 '9,99 501\ \ ,17 Acréscimos e diferimentos: ' \ t \ Acréscimos d& pi'oveitos t?tso 272 Custos djferjdos T o tal d e amortiza ções... Total de provisões ,82 ' Tota l do activo ,76 35' _ !3939,85 8

9 ~1li' -,..,. r,i = = ~ '.- ::.:_> MUN ICÍPIO DE VIMIOSO - Câmara Municipal CÓDIGO DAS CONTAS POCAL t !< FUNDOS PRÓP RIOS E PASSIVO M U"'CIPIO V IMIOSO BALANÇO C ORRECÇOES VIMIOSO 2003 CORRIGIDO CONSOLIDA ça O undos PfÓpoos Palrimô01o ,00 Ajustamento de partes de caprtal em emp!'e&as Reservas de reavatiaçl!lo Reservas Reservas legais Ul765t Reservas eslatulánas 0,00 0,00 Reservas contratuats ,00 Reservas l1vres , ,96 Subsidies ,99 DoaçOes. 911l.OO 9 11)00 Reservas decorrentes de tran~ fe rências de activos Outras VarioçOes no Caprtal Próprio D ferenças de c;:onsolidaçao Resullados lransitados Resuh.ado liquido em &Ye rclcio 394 ' n ~ l6n.02 1) \68 PassiVo Provi$6es para nscos e encargos 0, Olvidas a terceiros Médio e longo prazofo (a) o 0,00 EmptHtimos de M êd1o e Longo Prazo ,50 Fornecedores deimobdtz.ado ele , Olvtdas a teiceuos Curlo Prazo Emprtstimos de Médio e Longo Prazo Empréstimos de corto pram Ad1anlamentos por conta de vendas Fomeçedores c/c vo12n ForneG:edores -Cauções e Garantias Forne-cedores - Facturas em recepçao e conferência C1edores pela etecuçâo do orçamento Adiantamentos de dentes.contlibumtes e utentes 0, Fornecedores de imo billzado c/c tl l0.99 Fornecedores Imobilizado cl cauções e garantias ,00 Fornec lmobihz.- Fact R ecepçao Conferencia ,00 Estado e outros entes publicas Admmistraçâo autárquica 0, Ouhos credotcs , ,00 C~entcs c Utentes com Cauções ,1) 991)7, Acréscimos e Diferimentos Acréscjmos de Custos ~ P rovettos diferidos BALANÇO BALANÇO CON SOLIDA DO CONSOLIDADO , , ,00 0, , ~7 1 IG , ,00 0, , , l,OO 9 11l 00 0, , , , ) ,75 0, ~ , , ~ , , , l o.oo 0, , > , ~ , ,08 Total do passivo l n n ) o tal dos fundos própri os e do passivo m () ,85 9

10 .~~ r.:/.. :i :!:;._.~~, x, r '<:; MUNICÍPIO DE VIMIOSO - Câmara Municipal - DEMONSTRAÇAO DE RESULTADOS CONSOLIDADA

11 MUNICÍPIO DE V IMIOSO- C1mara Municipal CÓDIGO MUNICIPIO Correcções DR DR DAS VIM DR Corrigid o Consolidado Consolidado CONTAS VIMIOSO Consolidação Cuslos e perdas 61 Custos das mercadonas vendidas e das maténas consumk:las M=:rcadortas 158,27 158, ,23 Maténas , , ,37 62 Fornecurentos e serviços externos , , Custos com o pessoal Remunerações , , , a 648 Encargos soc1a1s , , , Transferênc~s e subs. Correntes concedtdos e prestações SOCiaiS , Arrortazações do exercic , , ,57 67 A'ovtsões do exercícao 0,00 0, ,00 65 Outros custos operac10nats 1 000,00 0, , ,07 (A) , , Custos e perdas fnance os , , , I C) , , , , ,55 69 Custos e perdas extraordtnânos , , , ,78 (E) , trposlo sobre o rend1mento do exercicio ,00 0,00 ( G) , , , , ,33 88 Resunado liquido do exercbo , , , , (X) , , , ,95 Provertos e ganhos Vendas e preslações de serviços 7111 Venda de mercador ~as 97,56 456,13 553,69 553,69 268, Venda de produtos , , , , Prestações de servjços , , , , h-postos e taxas ,61 0, , ,51 (a) Variação da prooução 0,00 0,00 0,00 380,00 75 Trabalhos para a própna entidade 0, ,00 73 Proveitos sup~mentares 0,00 0,00 0,00 74 Transferénc~as e subsídios obtidos , , , , Outros provertos e ganhos operac10na1s 653, ,00 ( B) , , , ,72 78 Provertos e ganhos flnance 1ros , , , ( D ) , , , ,80 79 A'ovettos e ganhos extraordnártos , , , ,1 5 ( F) , , , ,95 Resumo Resuhados Operac10na1s (8-A) , , , , ,68 Resuhados Financelfos. (O - 8) - (C - A) ,05-133, , , ,07 ResuHados Correntes. (D - C) , , , ,75 Resuhado Liquido de Exerce lo: (F- G) , , ,62 11

12 ~~. ;... ;:. -. 1( '4'1" ;.11 T...." :. MUNICÍPIO DE VIMIOSO - Câmara Municipal FLUXOS de CAIXA CONSOLIDADOS de - OPERAÇOES ORÇAMENTAIS 12

13 ~.. ~ 'X ~ ~- 1 ;:r '''- :. MUNICÍP IO DE VIMIOSO - Câmara Municipal Valores em Euros Saldo Inicial ,55 Execução Orçamental ,98 Operações de Tesouraria ,57 Recertas Orçamentais a ,01 Correntes ,67 Capital ,34 Outras 0,00 Operações de Tesouraria ,50 Total de Receitas a74,06 Despesas Orçamen tais Correntes ,43 Capital ,45 Outras 0,00 a ,aa Operações de Tesouraria ,49 Total de Despes as ,37 Saldo para Gerencia Seguinte : ,69 Execução orçamental ,11 Operações de Tesouraria ,58 13

14 ;~-... ~ :.- r ; -<-:-.: MUN ICÍPIO DE VIMIOSO - Câmara Municipal v, ',., ANEXOS AS DEMONSTRAÇOES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS

15 .,. ;, ~,-_ ~ -....& li ~ ';'.. ::..:...: MUN ICÍPIO DE V IMIOSO - Câmara Municipal De harmonia com o preceituado no regime financeiro das Autarquias Locais, as demonstrações financeiras consolidadas compreendem obrigatoriamente o Balanço Consolidado, a Demonstração Consolidada dos Resultados por Natureza, o Mapa de Fluxos de Caixa Consolidados de Operações Orçamentais e o Anexo às Demonstrações Financeiras Consolidadas. Considerando, assim, a necessidade de consolidar contas, resultante de imperativo legal, foi publicada a Portaria n /2010, de 15 de Junho, através da qual é aprovada (art ) a Orientação n. 0 1/2010, intitulada de "Orientação Genérica relativa à consolidação de contas no âmbito do sedar público administrativd'. Segundo a referida orientação, estes documentos devem seguir a estrutura idêntica à prevista no POCAL, tendo sido sugerido o modelo de estrutura do anexo. As notas que se seguem respeitam a numeração sequencial do modelo sugerido. As notas não mencionadas, ou não são aplicáveis ou dizem respeito a factos ou situações que não existe informação disponível para divulgação, mantendo-se contudo a referida ordenação. 1 - Informações relativas às entidades incluídas no perímetro de consolidação e a outras entidades participadas De acordo com o artigo da Lei n. 0 73/2013, de 13 de setembro, o grupo autárquico é composto por um município, uma entidade intermunicipal ou uma entidade associativa municipal e pelas entidades controladas, de forma direta ou indireta, considerando-se que o controlo corresponde ao poder de gerir as políticas financeiras e operacionais de uma outra entidade a fim de beneficiar das suas atividades. De acordo com as participações do Município de Vimioso, podemos definir as entidades incluídas e excluídas do perímetro de consolidação, que de seguida se identificam: a) Entidades incluídas no perímetro de consolidação: - Denominação social, sede e n de pessoas ao Serviço: a.l.) Designação da entidade: MUNICÍPIO DE VIMIOSO Sede: Praça Eduardo Coelho Vimioso NO Médio de Pessoas ao serviço em 31/12/2014: 136 a.2.) Designação da entidade: VIMIOSO Atividades Artesanais e Turísticas de Vimioso, E. M. Sede: Largo Mendo Rufino Vimioso No Médio de Pessoas ao serviço em 31/12/2014: 1 - Motivos da sua inclusão na consolidação com indicação: Detenção por parte do Município de uma participação de ,00 no capital social da empresa municipal VIMIOSO Atividades Artesanais e Turísticas de Vimioso, E. M., correspondente a 100% do seu capital socia l. 15

16 .~ :f.ili'~r=.:::.. MUNICÍPIO DE VIMIOSO - Câmara Municipal O número de trabalhadores das entidades incluídas no perímetro de consolidação foi de 137 em 2014 ( ). N. 0 de Trabalhadores Categoria Municipio de Vimioso Vimioso 2003, EM Total Executivo/Administrador Dirigente 5 5 Técnico superior Assistente técnico Assistente operacional Informática 3 3 Outros 7 7 TOTAL b) Entidades participadas excluídas do perímetro de consolidação: - Motivos da sua exclusão do perímetro de consolidação: Participações em entidades societárias Entidade Particf ada Tipo de Motivos de exclusão do perímetro de CAE Denominação NIPC Entidade consolidação Inexistência de Controlo ou presunção de Laboratório Regional de controlo, conforme previsto no no 4 e no 5 do Sociedade por Trás - os - Montes e Alto artigo da lei no. 73/2013, de 3 de setembro. Quotas Douro A participação do Município no social capital é de 4 55%_(Valor detido: _1 Participações em entidades não societárias Entidade Participada Tipo de Motivos de exclusão do perímetro de CAE Denominação NIPC Entidade consolidação AMTFNT - Associação de Assodação de Municípios da Terra Fria do Municípios de Fins Nordeste Transmontano Específicos Entidade mãe ou consolidante - Nos termos do n. 0 2 do artigo 75.o da Lei n.o 73/ 2013, de 3 de setembro é entidade consolidante, pelo que não integra o perímetro de consolidação do Município. Entidade mãe ou consolidante - Nos termos do AMNP - Associação Nacional Associação de n.o 2 do artigo 75.o da Lei no. 73/2013, de 3 de de Municípios Portugueses Municípios setembro é entidade consolidante, pelo que não íntegra o perímetro de consolidação do Município. Turismo do Porto e Norte de Portugal, E.R. Agência de Energia de Trásos-Montes, AE-TM OQA - Pessoa coletiva de dlre1to púbhco de ámbito Inexistência de Controlo ou presunção de terrrtorial dotado de controlo, conforme previsto no no 4 e no 5 do autonomia admln~trat iva e fina nceira e palnrnónlo artigo da lei n.o 73/2013, de 3 de setembro. próprio Inexistência de Controlo ou presunção de Associação sem fins S controlo, conforme previsto no no 4 e no 5 do lucrativos artigo 75a da lei n.o 73/ 2013, de 3 de setembro. Entidade mãe ou consolidante - Nos termos do Comunidade Intermunicipal Associação sem fins n.o 2 do artigo 75.o da Lei n.o 73/ 2013, d 3 de Terras de Trás-os-Montes lucrativos setembro é entidade consolidante, pelo que não integra o perímetro de consolidação do Município. 16

17 , ~- "'.' :.,,JI.,,. 'Jf' '.c_:;:. MUNICIPIO DE VIMIOSO - Câmara Municipal 2- Informações relativas à imagem verdadeira e apropriada: O Município (entidade-mãe) deve aplicar na elaboração das demonstrações financeiras consolidadas os critérios de valorimetria utilizados nas suas próprias demonstrações financeiras, pelo que os elementos do ativo, do passivo e dos fundos próprios/capital próprio, a incluir nas demonstrações financeiras consolidadas, devem ser valorizados segundo critérios de valorimetria uniformes ao grupo autárquico e de acordo com o ponto 4 «Critérios de valorimetria» do POCAL. Em 2014 e 2013, a entidade incluída no perímetro de consolidação utilizou os critérios de valorimetria dispostos no Decretolei n.o 158/2009, de 13 de Julho, designado por SNC, enquanto o município utilizou o POCAL. Assim, foi necessário homogeneizar a informação para um único sistema - utilizado pela entidade consolidante - ou seja, o POCAL. Contudo, considerando a impossibilidade da entidade consolidada apresentar as demonstrações financeiras preparadas no sistema contabilístico utilizado pela entidade consolidante, a consolidação foi efetuada sem a referida homogeneização valorativa, nomeadamente no âmbito das amortizações. Consideramos no entanto que tal facto não compromete a imagem verdadeira e apropriada das contas consolidadas. 3 -Informações relativas aos procedimentos de consolidação Tendo em conta que o município detém o controlo sobre a entidade do sector empresarial local, o método utilizado foi o de consolidação integral. Refere a Portaria n /2010, de 15 de Junho, que para efeitos de aplicação do método de consolidação integral, adotarse-á o previsto na Norma Contabilística e de Relato Financeiro 15, «Investimentos em subsidiárias e consolidação», publicada no aviso n /2009, de 7 de Setembro, com as necessárias adaptações à realidade de cada subsector. Este método consiste na integração no balanço, na demonstração dos resultados e nos mapas de execução orçamental da entidade consolidante, dos elementos respetivos dos balanços, das demonstrações dos resultados e dos mapas de execução orçamental das entidades consolidadas. As operações subjacentes a este método de consolidação são: 1. Homogeneização (temporal e valorativa) da informação; 2. Agregação (soma) de dados; 3. Anulação dos movimentos contabilísticos resultantes das operações internas. Especificando as operações de consolidação referidas, salientamos os seguintes aspetos: A entidade participada utiliza como sistema de contabilidade o Sistema de Normalização Contabilística - SNC, e o município o Plano Oficial de Contabilidade das Autarquias Locais - POCAL, assim, foi necessário homogeneizar a informação para um único sistema - utilizado pela entidade consolidante - ou seja, o POCAL. 17

18 ~~-...,,,.. ~ r ~..(.... _-,: MUN ICÍPIO DE VIMIOSO - Câmara Municipal As datas usadas na preparação das demonstrações financeiras são reportadas a 31 de dezembro de 2014 e 31 de dezembro de 2013, tendo sido combinadas as demonstrações financeiras da entidade mãe e participada, linha a linha, adicionando itens idênticos de ativos, passivos, capital próprio, proveitos e custos. A fim de que as demonstrações financeiras consolidadas, apresentem informação acerca do grupo como a de uma entidade económica única, foram dados os seguintes passos: a) Eliminação da participação financeira da empresa det entora e dos capitais pró prios da participada; b) A eliminação das operações internas obedeceu, designadamente às seguintes eliminações recíprocas: Créditos e débitos. - Para a elaboração do balanço consolidado, os créditos e débitos entre as entidades que integram o perímetro de consolidação; Custos e proveitos. - Para a elaboração da demonstração consolidada dos resultados foram eliminados os custos e proveitos, relativos às operações efetuadas entre as entidades que integram o perímetro de consolidação. Operações de transferências e Subsídios. - foram eliminadas as operações de t ransferências entre as entidades que integram o perímetro de consolidação. No ano de 2014 não se registaram diferenças de consolidação. Correções de Consolidação Eliminação dos investimentos financeiros Investimentos Diferença Património Financeiros Consolidação I Municipio de Vimioso ,00 0,00 IVirrioso ,00 0,00 Fundos Próprios - Fundos Próprios - Diferença Capital Reservas Legais Consolidação I Municipio de Vimos o -829,85 0,00 I V imioso ,85 0,00 Fundos Próprios - Fundos Próprios - Diferença Capital Reservas Livres Consolidação I Municipio de V imioso ,96 0,00 I Vimioso ,96 0,00 Eliminação das operações recíprocas 1 - Resumo das Operações ent re entidades do grupo autárquico - anulação de saldos Fundos Próprios - Diferença Outros Credores Resultados Trans itados Consolidação I Municipio de Vimioso ,00 0,00 I V imioso ,00 0,00 18

CÂMARA MUNICIPAL DE GONDOMAR. Mapas da Prestação de Contas (Anexo I)

CÂMARA MUNICIPAL DE GONDOMAR. Mapas da Prestação de Contas (Anexo I) CÂMARA MUNICIPAL DE GONDOMAR Mapas da Prestação de Contas (Anexo I) Ano de 2007 CC ÂÂMM AARR AA MM UU NN I IICC IIPP I AALL DD EE GG OONN DD OOMM AARR R EE LL AA TT ÓÓ RR II IOO EE C OO NN TT AA SS / 22

Leia mais

Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados consolidados

Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados consolidados ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS CONSOLIDADOS NOTA INTRODUTÓRIA A Lei nº 2/2007, de 15 de Janeiro (Lei das Finanças Locais), dispõe no seu Artigo 46.º o seguinte: «1 - Sem prejuízo dos documentos

Leia mais

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS Designação da Entidade: CÂMARA MUNICIPAL DE ODIVELAS Gerência de 1 de Janeiro a 31 de Dezembro de 2006 8.2.1 Não se aplica. 8.2.2 Os conteúdos das contas

Leia mais

19. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS

19. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS 19. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS 19.1. INFORMAÇÕES RELATIVAS ÀS ENTIDADES INCLUÍDAS NA CONSOLIDAÇÃO a) O perímetro de consolidação do Município de Pombal integra as seguintes entidades:

Leia mais

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS As Demonstrações Financeiras anexas foram elaboradas de acordo com os princípios contabilísticos definidos pelo Plano Oficial de Contabilidade das Autarquias

Leia mais

Município de Alcácer do Sal Relatório de prestação de contas consolidadas

Município de Alcácer do Sal Relatório de prestação de contas consolidadas 1- INTRODUÇÃO A lei das Finanças Locais (Lei nº 2/2007, de 15 de Janeiros) veio determinar a obrigatoriedade da consolidação de contas para os Municípios que detenham serviços municipalizados e/ou a totalidade

Leia mais

ANO DE 2010 BALANÇO DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

ANO DE 2010 BALANÇO DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA CONTAS ANO DE 2010 BALANÇO DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE PARAQUEDISMO RUA DA UNIDADE, 9 7000-719

Leia mais

PLC Corretores Seguros SA Pág. 1 de 4 BALANÇO ANALÍTICO. Exercícios ACTIVO AB AA AL AL. Imobilizado:

PLC Corretores Seguros SA Pág. 1 de 4 BALANÇO ANALÍTICO. Exercícios ACTIVO AB AA AL AL. Imobilizado: PLC Corretores Seguros SA Pág. 1 de 4 Imobilizado: ACTIVO AB AA AL AL Imobilizações incorpóreas: Despesas de Instalação... 770,64 770,64 Despesas de investigação e de desenvolvimento... Propriedade industrial

Leia mais

Informação Financeira

Informação Financeira Informação Financeira Balanço Código das contas POCMS Imobilizado ACTIVO Exercícios AB AP AL AL Bens de domínio público: 451 Terrenos e Recursos naturais 452 Edifícios 453 Outras construções e infra-estruturas

Leia mais

PLC - CORRETORES DE SEGUROS, S.A. EXERCÍCIO DE 2007 RELATÓRIO DE GESTÃO

PLC - CORRETORES DE SEGUROS, S.A. EXERCÍCIO DE 2007 RELATÓRIO DE GESTÃO PLC - CORRETORES DE SEGUROS, S.A. EXERCÍCIO DE 2007 RELATÓRIO DE GESTÃO De acordo com as disposições legais e estatuárias venho submeter á apreciação dos senhores accionistas o Relatório de Gestão e as

Leia mais

ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Conforme preceitua o Decreto Lei n.º 54-A/99 de 22 de Fevereiro, com as devidas alterações, os anexos às Demonstrações Financeiras visam facultar aos órgãos autárquicos

Leia mais

AMADORA - MUNICIPIO DA AMADORA MOEDA EUR DATA 2015/04/10 A DEZEMBRO - 2014/12/01 a 2014/12/31 PAG. 1

AMADORA - MUNICIPIO DA AMADORA MOEDA EUR DATA 2015/04/10 A DEZEMBRO - 2014/12/01 a 2014/12/31 PAG. 1 A DEZEMBRO - 2014/12/01 a 2014/12/31 PAG. 1 Imobilizado: Bens de domínio público 451 Terrenos e recursos naturais 1.437.193,54 1.437.193,54 1.424.390,02 452 Edifícios 453 Outras construções e infra-estruturas

Leia mais

8 - ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS

8 - ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS 8 - ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS 1. Indicação e justificação das disposições do POC que, em casos excepcionais, tenham sido derrogadas e dos respectivos efeitos nas demonstrações financeiras,

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS A Penafiel Verde, E.M. é uma empresa municipal, com sede em Penafiel, constituída em Maio de 2006 e que tem como actividades principais a gestão e exploração

Leia mais

Em 31 de Dezembro do ano de 2011 e 31 de Dezembro de 2012, estas rubricas tinham a seguinte composição:

Em 31 de Dezembro do ano de 2011 e 31 de Dezembro de 2012, estas rubricas tinham a seguinte composição: 8.2 Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados As demonstrações financeiras relativas ao exercício de 2012, foram preparadas de acordo com os princípios contabilístico fundamentais previstos no POCAL

Leia mais

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2.1 - Princípios Contabilísticos Na contabilidade autarca é necessário cumprir um conjunto de princípios contabilísticos, de modo a obter uma imagem

Leia mais

CONSOLIDAÇÃO DE CONTAS

CONSOLIDAÇÃO DE CONTAS MUNICIPIO DE ALMEIDA CONSOLIDAÇÃO DE CONTAS DO ANO ECONÓMICO DE 2010 APROVAÇÕES CÂMARA ASSEMBLEIA MUNICIPAL Em / / 2011 Em / / 2011 M U N I C Í P I O D E A L M E I DA 6350-130 Almeida Tef: 271570020 /

Leia mais

MUNICÍPIO DO PORTO SANTO

MUNICÍPIO DO PORTO SANTO MUNICÍPIO DO PORTO SANTO Ponto 8 do POCAL ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS As notas apresenta neste documento correspondem à numeração no POCAL. Aquelas cuja numeração se omite, não são aplicáveis ao

Leia mais

NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS Nota introdutória As demonstrações financeiras relativas ao exercício, foram preparadas de acordo com os princípios contabilísticos geralmente aceites previstos

Leia mais

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 8.2 - NOTAS AO BALANÇO E A DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2.1 Indicação e justificação das disposições do POCAL que, em casos excecionais, devidamente fundamentados e sem

Leia mais

a) Firma e sede das empresas associadas a empresas incluídas na consolidação;

a) Firma e sede das empresas associadas a empresas incluídas na consolidação; 14.5 - ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS CONSOLIDADOS I - Informações relativas às empresas incluídas na consolidação e a outras 1. Relativamente às empresas incluídas na consolidação a)

Leia mais

Existências. Provisões para cobrança duvidosa

Existências. Provisões para cobrança duvidosa 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS POR NATUREZA As demonstrações financeiras anexas foram preparadas com base nos livros e registos contabilísticos da ESHTE mantidos em conformidade com

Leia mais

SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS DE ÁGUA E SANEAMENTO DE VISEU Rua Conselheiro Afonso de Melo 3510-024 VISEU N.º de Identificação Fiscal 680.020.

SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS DE ÁGUA E SANEAMENTO DE VISEU Rua Conselheiro Afonso de Melo 3510-024 VISEU N.º de Identificação Fiscal 680.020. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS DE ÁGUA E SANEAMENTO DE VISEU Rua Conselheiro Afonso de Melo 3510-024 VISEU N.º de Identificação Fiscal 680.020.063 NOTAS AO BALANÇO E A DEMONSTRAÇÃO

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO CONSOLIDADO 2014. Reunião de Câmara Municipal de 12/06/2015

RELATÓRIO DE GESTÃO CONSOLIDADO 2014. Reunião de Câmara Municipal de 12/06/2015 RELATÓRIO DE GESTÃO CONSOLIDADO 2014 Reunião de Câmara Municipal de 12/06/2015 Sessão da Assembleia Municipal de 22/06/2015 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 5 2. PERÍMETRO DE CONSOLIDAÇÃO... 6 3. MÉTODO DE CONSOLIDAÇÃO...

Leia mais

Informação Financeira

Informação Financeira Informação Financeira Balanço Polis Litoral Ria Aveiro das ACTIVO BALANÇO ANALÍTICO Dezembro 09 Dezembro 08 ACTIVO BRUTO AMORT. E AJUST. ACTIVO LIQUIDO ACTIVO LIQUIDO IMOBILIZADO Imobilizações Incorpóreas

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EM 2009.12.31

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EM 2009.12.31 00 - Introdução a) Objecto social e identificação da Empresa HABECE Cooperativa de Habitação e Construção de Cedofeita, Crl., tem por objecto a construção ou a sua promoção e a aquisição de fogos para

Leia mais

8. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

8. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 8. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Nota Introdutória A Manuel Rodrigues Gouveia, S.A. ( MRG ou Empresa ) tem sede em Seia, foi constituída em 1977 e tem como actividade principal a Construção Civil

Leia mais

Ministério da Saúde IGIF Instituto de Gestão Informática e Financeira da Saúde

Ministério da Saúde IGIF Instituto de Gestão Informática e Financeira da Saúde Ministério da Saúde IGIF Instituto de Gestão Informática e Financeira da Saúde ! " # $ % & '(# ) * + (, -& -*.- & - (+ * - ) /////////////////////////////////////////////////////////////////////// 01.")

Leia mais

CENTRO SÓCIO - CULTURAL E DESPORTIVO SANDE S. CLEMENTE Rua N. Senhora da Saúde nº 91 -S. Clemente de Sande

CENTRO SÓCIO - CULTURAL E DESPORTIVO SANDE S. CLEMENTE Rua N. Senhora da Saúde nº 91 -S. Clemente de Sande CENTRO SÓCIO - CULTURAL E DESPORTIVO SANDE S. CLEMENTE Rua N. Senhora da Saúde nº 91 -S. Clemente de Sande NIPC :501971327 NISS :20007555241 NOTAS PERÍODOS 31-12-2014 31-12- ACTIVO Activo não corrente

Leia mais

RELATÓRIO FIM DE ATIVIDADE e CONTAS 2015

RELATÓRIO FIM DE ATIVIDADE e CONTAS 2015 Relatório de gestão do ano de 2015 1 RELATÓRIO FIM DE ATIVIDADE e CONTAS 2015 Relatório Fim de Atividade e Contas 2015 ÍNDICE Pág. 1. Introdução 3 2. Recursos Humanos 5 3. Análise Económica e Financeira

Leia mais

CÓDIGO DE CONTAS DO SNC

CÓDIGO DE CONTAS DO SNC CÓDIGO DE CONTAS DO SNC 1 MEIOS FINANCEIROS LÍQUIDOS 11 Caixa 12 Depósitos à ordem 13 Outros depósitos bancários 14 Outros instrumentos financeiros 141 Derivados 1411 Potencialmente favoráveis 1412 Potencialmente

Leia mais

Fluxos de Caixa Instituto de Higiene e Medicina Tropical - Universidade Nova de Lisboa Gerência de 01-01-2012 a 31-12-2012 Class. Económica Recebimentos Saldo da gerência anterior Execução orçamental -

Leia mais

DOCUMENTOS Prestação de Contas 2014

DOCUMENTOS Prestação de Contas 2014 DOCUMENTOS Prestação de Contas 2014 VIZELA Câmara Municipal VIZELA INDÍCE MENSAGEM DO PRESIDENTE 1 BALANÇO (PONTO 5 DO POCAL) - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Leia mais

AB AP AL AL 2013 2013 2013 2012

AB AP AL AL 2013 2013 2013 2012 Balanço - Activo Dados atuais 23.04.2014 13:48:11 Organismo: 1012 ADSE Página: 1 Exercício:2013 Emissão:23.04.2014 13:48:17 Balanço - Activo Activo Imobilizado Bens de domínio público: 451 Terrenos e recursos

Leia mais

Ano financeiro de 2014

Ano financeiro de 2014 9. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS 9.1. INFORMAÇÕES RELATIVAS ÀS ENTIDADES INCLUÍDAS NA CONSOLIDAÇÃO a) O perímetro de consolidação do Município de Pombal integra as seguintes entidades:

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2007

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2007 ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2007 NOTA INTRODUTÓRIA A RUMO 2020, E.M. é uma empresa pública de âmbito municipal constituída em 16 de Outubro de 2006. Tem a sua

Leia mais

ABC da Gestão Financeira

ABC da Gestão Financeira ABC da Gestão Financeira As demonstrações financeiras são instrumentos contabilísticos que reflectem a situação económico-financeira da empresa, evidenciando quantitativamente os respectivos pontos fortes

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS relativo às contas individuais do exercício de dois mil e quatro, do Conselho Geral da Ordem dos Advogados, pessoa colectiva de direito público nº 500 965

Leia mais

MUNICÍPIO DE SANTARÉM

MUNICÍPIO DE SANTARÉM Contas Consolidadas do Município de Santarém RELATÓRIO DE GESTÃO CONSOLIDADO DO MUNICÍPIO DE SANTARÉM Relatório de Gestão Consolidado do Município de Santarém do ano de Página 1 O Relatório de Gestão Consolidado

Leia mais

Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados Município da Lourinhã

Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados Município da Lourinhã 2. Notas ao Balanço e Demonstrações de Resultados 2.1 - As contas do município derrogaram o ponto 2.8.3 do POCAL que institui a obrigatoriedade da utilização da contabilidade de custos. Tal facto ficou

Leia mais

MUNICÍPIO DE MÊDA Plano de Contas Consolidado para o Ano Económico de 2012

MUNICÍPIO DE MÊDA Plano de Contas Consolidado para o Ano Económico de 2012 Plano de s Consolidado para o Ano Económico de 2012 1 Disponibilidades 11 Caixa 111 Caixa Principal 118 Fundo Maneio 119 Transferências de caixa 12 Depósitos em instituições financeiras 1201 Caixa Geral

Leia mais

13 Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados

13 Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados 13 Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados Câmara Municipal de Cascais 31-12-2011 Divisão de Contabilidade e Gestão de Disponibilidades DMAS/DGF Cascais, Fevereiro de 2012 Nota Introdutória As

Leia mais

ACTIVO 31-12-2009 2008 VARIAÇÃO Ano de 2006 CAPITAL PRÓPRIO E PASSIVO 31-12-2009 2008 VARIAÇÃO

ACTIVO 31-12-2009 2008 VARIAÇÃO Ano de 2006 CAPITAL PRÓPRIO E PASSIVO 31-12-2009 2008 VARIAÇÃO Imobilizado ACTIVO 31-12-2009 2008 VARIAÇÃO Ano de 2006 CAPITAL PRÓPRIO E PASSIVO 31-12-2009 2008 VARIAÇÃO Capital Próprio Imobilizações Incorpóreas 0,00 Capital 49.879,79 49.879,79 0,00 Imobilizações

Leia mais

MUNICÍPIO DE MATOSINHOS

MUNICÍPIO DE MATOSINHOS 1. INTRODUÇÃO Nos últimos anos tem-se assistido, em Portugal, a uma alteração de paradigma ao nível do desenvolvimento das atribuições e competências dos municípios, que, numa lógica de grupo municipal,

Leia mais

Anexo ao balanço e à Demonstração de Resultados

Anexo ao balanço e à Demonstração de Resultados Anexo ao balanço e à Demonstração de Resultados 8.2 Notas ao balanço e à demonstração de Resultados 8.2.1 Indicação e justificação das disposições do POCAL que, em casos excepcionais devidamente fundamentados

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EM 31-12-2011

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EM 31-12-2011 ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EM 00 - Introdução a) Objecto social e identificação da entidade A (FPPM), fundada em 19 de Dezembro de 1949, é uma pessoa colectiva de direito privado,

Leia mais

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TÉNIS DE MESA ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EXERCÍCIO 2010

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TÉNIS DE MESA ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EXERCÍCIO 2010 ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EXERCÍCIO 2010 Introdução As Notas que se seguem respeitam a numeração definida no Plano Oficial de Contabilidade para as Federações Desportivas, Associações

Leia mais

MUNICÍPIO DO PORTO SANTO

MUNICÍPIO DO PORTO SANTO MUNICÍPIO DO PORTO SANTO ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS CONSOLIDADOS As notas apresentadas neste documento, estão conforme o preconizado no art.º 46º da Lei n.º 2/2007, de 15 de janeiro,

Leia mais

ANEXO. Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais Para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2014

ANEXO. Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais Para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2014 ANEXO Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais Para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2014 1 - Identificação de entidade: 1.1- Designação da entidade: GATO - Grupo de Ajuda a Toxicodependentes

Leia mais

ÍNDICE RELATÓRIO DE GESTÃO CONSOLIDADO... 5 BALANÇO CONSOLIDADO... 23 DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS CONSOLIDADA... 26

ÍNDICE RELATÓRIO DE GESTÃO CONSOLIDADO... 5 BALANÇO CONSOLIDADO... 23 DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS CONSOLIDADA... 26 1 2 ÍNDICE RELATÓRIO DE GESTÃO CONSOLIDADO... 5 BALANÇO CONSOLIDADO... 23 DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS CONSOLIDADA... 26 ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS... 28 I. INFORMAÇÕES RELATIVAS ÀS

Leia mais

R E L A T Ó R I O E C O N T A D E G E R Ê N C I A 2 0 0 8

R E L A T Ó R I O E C O N T A D E G E R Ê N C I A 2 0 0 8 R E L A T Ó R I O E C O N T A D E G E R Ê N C I A 2 0 0 8 índice Índice (numeração conforme a indicação no POCAL) índice... 2 5 - Balanço... 3 6 Demonstração de Resultados... 9 7 Mapas de Execução Orçamental...

Leia mais

8.2. NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

8.2. NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2. NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS As Demonstrações Financeiras anexas foram elaboradas de acordo com os princípios contabilísticos

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. Exercício 2010

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. Exercício 2010 ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS Exercício 2010 NOTA INTRODUTÓRIA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TIRO é uma instituição de utilidade pública, sem fins lucrativos, com sede em Lisboa na Rua Luís Derouet

Leia mais

NOTAS ANEXAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 2 REFERENCIAL CONTABILÍSTICO DE PREPARAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

NOTAS ANEXAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 2 REFERENCIAL CONTABILÍSTICO DE PREPARAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ASSOCIAÇÃO POPULAR DE PAÇO DE ARCOS Rua Carlos Bonvalot, Nº 4 Paço de Arcos Contribuinte nº 501 238 840 NOTAS ANEXAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE:

Leia mais

Município de Mesão Frio

Município de Mesão Frio Relatório Anual 2014 Execução do Plano de Saneamento Financeiro (n.º7, do artigo 40.º, da Lei das Finanças Locais) ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO 3 2 EMPRÉSTIMO A MÉDIO E LONGO PRAZO 4 3 ANÁLISE ECONÓMICA E FINANCEIRA

Leia mais

MUNICÍPIO DE VISEU. Prestação de Contas Consolidadas 31 de Dezembro de 2013

MUNICÍPIO DE VISEU. Prestação de Contas Consolidadas 31 de Dezembro de 2013 MUNICÍPIO DE VISEU Prestação de Contas Consolidadas 31 de Dezembro de 2013 RELATÓRIO DE GESTÃO CONSOLIDADO RELATÓRIO DE GESTÃO CONSOLIDADO O Município de Viseu apresenta as demonstrações financeiras consolidadas,

Leia mais

ANEXO RELATIVO AO ANO DE 2014

ANEXO RELATIVO AO ANO DE 2014 NOTA 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE: 1.1. Designação da entidade INSTITUTO PROFISSIONAL DO TERÇO 1.2. Sede PRAÇA MARQUÊS DO POMBAL, 103 4000 391 PORTO 1.3. NIPC 500836256 1.4. - Natureza da actividade CAE

Leia mais

Anexo ao Balanço e à Demonstração de Resultados

Anexo ao Balanço e à Demonstração de Resultados Anexo ao Balanço e à Demonstração de Resultados (ponto 8.2 e 8.3 do Dec-Lei 54-A/99 de 22 de fevereiro) 8.2.1 Indicação e justificação das disposições do POCAL que, em casos excecionais e devidamente fundamentados

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO ORÇAMENTAL E PATRIMONIAL DO POCAL, APROVADO PELO DECRETO-LEI N.º 54-A/99, DE 22 DE FEVEREIRO

CLASSIFICAÇÃO ORÇAMENTAL E PATRIMONIAL DO POCAL, APROVADO PELO DECRETO-LEI N.º 54-A/99, DE 22 DE FEVEREIRO Classe 0 Contas do controlo orçamental e de ordem* 01 Orçamento Exercício corrente* 02 Despesas 021 Dotações iniciais* 022 Modificações orçamentais* 0221 Transferências de dotações 02211 Reforços* 02212

Leia mais

Prestação de Contas 2011 MUNICÍPIO DE ODIVELAS MUNICÍPIO DE ODIVELAS. Prestação de Contas 2013. estação de Contas

Prestação de Contas 2011 MUNICÍPIO DE ODIVELAS MUNICÍPIO DE ODIVELAS. Prestação de Contas 2013. estação de Contas Prestação de Contas 2011 MUNICÍPIO DE ODIVELAS Prestação de Contas 2011 MUNICÍPIO DE ODIVELAS Prestação de Contas 2013 MUNICÍPIO DE ODIVELAS estação de Contas prestação de contas 2013 08.2 NOTAS AO BALANÇO

Leia mais

ANEXO AO BALANÄO E Å DEMONSTRAÄÇO DE RESULTADOS REFERENTE AO EXERCÉCIO DE 2009

ANEXO AO BALANÄO E Å DEMONSTRAÄÇO DE RESULTADOS REFERENTE AO EXERCÉCIO DE 2009 ANEXO AO BALANÄO E Å DEMONSTRAÄÇO DE RESULTADOS REFERENTE AO EXERCÉCIO DE 2009 1. IndicaÑÖo e justificañöo das disposiñües do P.O.C. que, em casos excepcionais, tenham sido derrogadas e dos respectivos

Leia mais

!"#!$%& '(!)*+,*!-!.& / ##0*+(#0*+1#0*& 2 *-!)$%3!4!'!& 5 %0'#3!3& 6!%-!'4! 0-!*-!!#!'!& #$!#! *!& / *-!)*-!!*& /1 " / 89 /'*!(!):* / 0**;0%!

!#!$%& '(!)*+,*!-!.& / ##0*+(#0*+1#0*& 2 *-!)$%3!4!'!& 5 %0'#3!3& 6!%-!'4! 0-!*-!!#!'!& #$!#! *!& / *-!)*-!!*& /1  / 89 /'*!(!):* / 0**;0%! !"#!$% '(!)*+,*!-!. / ##0*+(#0*+1#0* 2 *-!)$%3!4!'! 5 %0'#3!3 6!%-!'4! 0-!*-!!#!'! 7 '3-#!*03 #$!#! *! / *-!)*-!!* /1 " / 89 /'*!(!):* / 0**;0%!'* //*#$0(=!)>? @7" ! " # $! % " ' "

Leia mais

Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março, n.º 51 - Série I

Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março, n.º 51 - Série I Aprova o Código de Contas para Microentidades O Decreto-Lei n.º 36-A/2011, de 9 de Março, aprovou o regime da normalização contabilística para as microentidades, tendo previsto a publicação, em portaria

Leia mais

MANUAL DE CONSOLIDAÇÃO DE CONTAS MUNICIPIO DE GUIMARÃES. Índice

MANUAL DE CONSOLIDAÇÃO DE CONTAS MUNICIPIO DE GUIMARÃES. Índice Índice 1 Objetivo da Consolidação... 5 2 Definições... 5 2.1. Empresa Mãe ou consolidante... 5 2.2. Subsidiária... 5 2.3. Perímetro de Consolidação... 5 2.4. Diferença de Consolidação... 6 3 Organigrama

Leia mais

1.5. Sede da entidade-mãe Largo Cónego José Maria Gomes 4800-419 Guimarães Portugal.

1.5. Sede da entidade-mãe Largo Cónego José Maria Gomes 4800-419 Guimarães Portugal. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 (Montantes expressos em euros) 1. IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1. Designação da Entidade Casfig Coordenação de âmbito social

Leia mais

Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março

Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março O Decreto-Lei n.º 36-A/2011, de 9 de Março, aprovou o regime da normalização contabilística para as microentidades, tendo previsto a publicação, em portaria do membro

Leia mais

Valores estimados PAF. Justificação em PAF (acumulado) 2011 2012 total 2013 2014

Valores estimados PAF. Justificação em PAF (acumulado) 2011 2012 total 2013 2014 QUADRO I: SÍNTESE DA SITUAÇÃO FINANCEIRA ATUAL E PREVISÕES DE EVOLUÇÃO Município: Miranda do Douro 31-12-214 estimados estimados / Apurados / Apurados 213 212 (acumulado) 211 212 total 213 214 Apurados

Leia mais

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS POR NATUREZA

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS POR NATUREZA 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS POR NATUREZA As demonstrações financeiras anexas foram preparadas com base nos livros e registos contabilísticos da ESHTE mantidos em conformidade com

Leia mais

Anexo ao Balanço e à Demonstração dos Resultados

Anexo ao Balanço e à Demonstração dos Resultados Anexo ao Balanço e à Demonstração dos Resultados Introdução EXERCÍCIO DE 2009 A Empresa «ANTONIO MARQUES, CORRETOR DE SEGUROS EIRL» tem sede na Rua António José Baptista, n.º 16 2.º Dto., em Setúbal, foi

Leia mais

------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------

------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------ ------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------ Fluxos empresariais: Tipos de fluxos Perspectiva Quadros demonstrativos contabilísticos Externos: Despesas Receitas

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS Introdução Os Serviços Sociais da Câmara Municipal de Lisboa são uma associação de direito privado, sem fins lucrativos, constituída por escritura pública

Leia mais

08.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

08.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 1 RELATÓRIO DE GESTÃO 08.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS As notas que se seguem respeitam a numeração sequencial definida no POCAL Plano Oficial de Contabilidade das Autarquias Locais.

Leia mais

O Activo Imobilizado e aumentos patrimoniais contabilizados no exercício de 2012 foram valorizados ao custo de aquisição ou produção.

O Activo Imobilizado e aumentos patrimoniais contabilizados no exercício de 2012 foram valorizados ao custo de aquisição ou produção. 8 ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 8.2 - NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS (Mapa n.º 13 do Tribunal de Contas Código Pocal 8.2) 82.1 Indicação e justificação de disposições do POCAL derrogadas

Leia mais

6 RELATÓRIO E CONTAS 2012 7 10 11 12 13 14 15 16 17 18 Nº Mulheres 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 N = 53 Masculino Feminino 29 A SITUAÇÃO ECONÓMICA E FINANCEIRA ANOS PROCURA INTERNA 1 EXPORTAÇÕES (FOB)

Leia mais

31. A DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA

31. A DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA 31. A DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA A demonstração de fluxos de caixa é um mapa de fluxos que releva a entradas e as saídas de caixa, durante um exercício. A Demonstração de fluxos de caixa é estruturada

Leia mais

5 Análise Orçamental RELATÓRIO E CONTAS

5 Análise Orçamental RELATÓRIO E CONTAS 5 Análise Orçamental RELATÓRIO E CONTAS 1 PRINCIPAIS DESTAQUES [Indicadores] Indicadores 2010 2011 RECEITA Crescimento da Receita Total 19,8 3,7 Receitas Correntes / Receita Total 61 67,2 Crescimento das

Leia mais

Scal - Mediação de Seguros, S. A.

Scal - Mediação de Seguros, S. A. Scal - Mediação de Seguros, S. A. Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2014 1. Nota introdutória A Empresa Scal-Mediação de Seguros foi constituída

Leia mais

DE 1 DE JANEIRO DE 2014 A 31 DE DEZEMBRO DE

DE 1 DE JANEIRO DE 2014 A 31 DE DEZEMBRO DE CONTA DE GERÊNCIA DE 1 DE JANEIRO DE 2014 A 31 DE DEZEMBRO DE 2014 UNIVERSIDADE DOS AÇORES Relatório de contas Ponta Delgada, Abril de 2015 I INTRODUÇÃO O presente capítulo incide sobre a análise da execução

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS (EM EUROS) Relatório Anual 2012 2 Relatório Anual 2012 3 Relatório Anual 2012 4 Relatório Anual 2012 5 Relatório

Leia mais

08.2.2 COMPARABILIDADE

08.2.2 COMPARABILIDADE 08.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇAO DE RESULTADOS As notas que se seguem respeitam a numeração sequencial definida no POCAL Plano Oficial de Contabilidade das Autarquias Locais. Entidade: Câmara Municipal

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS Nota Introdutória A Associação de Municípios do Baixo Alentejo e Alentejo Litoral é uma pessoa colectiva pública criada em 23 de Janeiro de 1981, contribuinte

Leia mais

1. Do Plano Plurianual de Investimentos. 1.1.- Introdução

1. Do Plano Plurianual de Investimentos. 1.1.- Introdução Página 1 de 16 1. Do Plano Plurianual de Investimentos 1.1.- Introdução Pretende-se com o presente relatório complementar os documentos que constituem a Conta de Gerência relativa ao ano de 2006, elaborada

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. 6148 Diário da República, 1.ª série N.º 175 9 de Setembro de 2009

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. 6148 Diário da República, 1.ª série N.º 175 9 de Setembro de 2009 6148 Diário da República, 1.ª série N.º 175 9 de Setembro de 2009 MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Portaria n.º 1011/2009 de 9 de Setembro O Decreto -Lei n.º 158/2009, de 13 de Julho,

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS 2010 5 ANÁLISE ORÇAMENTAL

RELATÓRIO E CONTAS 2010 5 ANÁLISE ORÇAMENTAL 5 ANÁLISE ORÇAMENTAL 1 PRINCIPAIS DESTAQUES [Indicadores] Indicadores 2009 RECEITA Crescimento da Receita Total -18,8 19,8 Receitas Correntes / Receitas Totais 76,1 61 Crescimento das Receitas Correntes

Leia mais

3 NOTAS DE ENQUADRAMENTO. Na preparação do presente código de contas teve-se em atenção o seguinte:

3 NOTAS DE ENQUADRAMENTO. Na preparação do presente código de contas teve-se em atenção o seguinte: 3 NOTAS DE ENQUADRAMENTO CONSIDERAÇÕES GERAIS Na preparação do presente código de contas teve-se em atenção o seguinte: Tomar como referência o código de contas constante do POC e proceder apenas às alterações

Leia mais

Anexo às Contas Individuais da Sociedade ACCENDO, LDA

Anexo às Contas Individuais da Sociedade ACCENDO, LDA Anexo às Contas Individuais da Sociedade ACCENDO, LDA Exercício de 2011 Notas às Demonstrações Financeiras 31 De Dezembro de 2011 e 2010 1. Identificação da entidade Accendo, Lda, inscrita na conservatória

Leia mais

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DEFIR ANGOLA

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DEFIR ANGOLA ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ANO : 2012 1 - Actividade 1.1 Breve descrição das actividades da empresa ÍNDICE 2 - Bases de preparação das demonstrações financeiras e derrogações 2.1 Bases de apresentação

Leia mais

31-Dez-2013 31-Dez-2012

31-Dez-2013 31-Dez-2012 FUNDAÇÃO CASA MUSEU MÁRIO BOTAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO ÀS CONTAS 31 DE DEZEMBRO DE 2013 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS PARA OS PERÍODOS FFI INDOS EM 31 DE DEZZEMBRO DE 2013 E DE 2012 ACTIVO NÃO CORRENTE

Leia mais

CONTABILIDADE FINANCEIRA AVANÇADA

CONTABILIDADE FINANCEIRA AVANÇADA Exame Época Normal 04 de Julho de 0 Duração: H 00M Deve identificar-se nesta folha de prova, indicando o nome completo, número de matrícula e turma em que se encontra inscrito(a). As opções de resposta

Leia mais

Análise Financeira 2º semestre

Análise Financeira 2º semestre ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE VISEU DEPARTAMENTO DE GESTÃO Análise Financeira 2º semestre Caderno de exercícios CAP II Luís Fernandes Rodrigues António Manuel F Almeida CAPITULO II 2011 2012 Página

Leia mais

DESIGNAÇÃO DA ENTIDADE

DESIGNAÇÃO DA ENTIDADE ANEXO 1 DESIGNAÇÃO DA ENTIDADE MUNICÍPIO DE GUIMARÃES GERÊNCIA 1 DE JANEIRO A 31 DE DEZEMBRO DE 2014 DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS Nº DESIGNAÇÃO CÓDIGO POCAL 1 Balanço 5 2 Demonstração de resultados

Leia mais

MANUAL DE APOIO AOS DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS

MANUAL DE APOIO AOS DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS MANUAL DE APOIO AOS DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS A prestação de contas é matéria que deve respeitar o quadro normativo em vigor actualmente (consultar nota final deste manual). No POCAL Simplificado,

Leia mais

Contabilidade Financeira I

Contabilidade Financeira I Contabilidade Financeira I e principais demonstrações financeiras A Contabilidade Noção e objecto Relembremos a noção de contabilidade anteriormente apresentada: Reconhecimento ou Expressão Mensuração

Leia mais

Antes de imprimir ou fotocopiar este documento, por favor confirme que é verdadeiramente necessário. O MEIO AMBIENTE É DE TODOS.

Antes de imprimir ou fotocopiar este documento, por favor confirme que é verdadeiramente necessário. O MEIO AMBIENTE É DE TODOS. Antes de imprimir ou fotocopiar este documento, por favor confirme que é verdadeiramente necessário. O MEIO AMBIENTE É DE TODOS. Índice Introdução... 4 A Relatório de Gestão... 6 A.1. Organigrama do Grupo

Leia mais

Fundação Casa Museu Mario Botas

Fundação Casa Museu Mario Botas DEMOSNTRAÇAO DE RESULTADOS 2012 Fundação Casa Museu Mario Botas RENDIMENTOS E GASTOS 31-Dez-2012 31-Dez-2011 Vendas 551,62 Prestação de serviços Subsídios à exploração Ganhos/perdas imputados a subsidiárias

Leia mais

ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA

ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ANO : 2010 ÍNDICE 1 - Identificação da entidade 1.1 Dados de identificação 2 - Referencial contabilístico de preparação das demonstrações financeiras 2.1 Referencial

Leia mais

Contabilidade Geral I

Contabilidade Geral I Contabilidade Geral I Licenciatura(s) : GESTÃO; MAEG; FINANÇAS Ano/semestre/regime : 1º ano/2º semestre/tempo integral (Gestão) (recomendado) : 3º ano/1º semestre/tempo integral (MAEG) : 2º ano/1º semestre/tempo

Leia mais

LAKE FUND SGPS, SA. Demonstrações Financeiras Individuais. Exercício 2014

LAKE FUND SGPS, SA. Demonstrações Financeiras Individuais. Exercício 2014 Exercício 2014 Índice Demonstrações financeiras individuais para o exercício findo em Balanço Individual em 5 Demonstração dos Resultados Individuais em 6 Demonstração dos Fluxos de Caixa Individuais em...7

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 51 14 de Março de 2011 1435

Diário da República, 1.ª série N.º 51 14 de Março de 2011 1435 Diário da República, 1.ª série N.º 51 14 de Março de 2011 1435 quer sejam de sua propriedade, quer estejam em regime de locação financeira. Compreende os investimentos financeiros, as propriedades de investimento,

Leia mais