PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DE ALVAIÁZERE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DE ALVAIÁZERE"

Transcrição

1 PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DE ALVAIÁZERE PARTE II

2 Índice 1. CONCEITO DE ACTUAÇÃO COMISSÕES DE PROTECÇÃO CIVIL Missão Competências da Comissão Municipal de Protecção Civil CENTROS DE COORDENAÇÃO OPERACIONAL EXECUÇÃO DO PLANO FASE DE PRÉ-EMERGÊNCIA E DURANTE A EMERGÊNCIA FASE DE EMERGÊNCIA FASE DE REABILITAÇÃO ARTICULAÇÃO E ACTUAÇÃO DE AGENTES, ORGANISMOS E ENTIDADES MISSÃO DOS AGENTES DE PROTECÇÃO CIVIL Fase de emergência Fase de reabilitação MISSÃO DOS ORGANISMOS E ENTIDADES DE APOIO Fase de emergência Fase de reabilitação

3 1. Conceito de actuação 1.1. Comissões de Protecção Civil A Comissão Municipal de Protecção Civil (CMPC) trata-se do órgão de coordenação municipal em matéria de protecção civil. A CMPC é o organismo que assegura que todas as entidades e instituições de âmbito municipal imprescindíveis às operações de protecção e socorro, emergência e assistência previsíveis ou decorrentes de acidente grave ou catástrofe se articulam entre si, garantindo a mobilização de meios considerados adequados à gestão da ocorrência em cada caso concreto, actuando em conformidade com a legislação aplicável. Integram a Comissão Municipal de Protecção Civil do Município de Alvaiázere: a) O Presidente da Câmara Municipal de Alvaiázere, que preside; b) Um elemento do comando dos Bombeiros Voluntários de Alvaiázere; c) Um elemento do comando da Guarda Nacional Republicana de Alvaiázere; e) A Autoridade de Saúde no Município; f) O Director do Centro de Saúde do Município; g) Um representante dos serviços de Segurança Social e Solidariedade; h) Um representante da Associação de Produtores Florestais do Concelho de Alvaiázere; A localização principal do seu funcionamento será nos Paços do Concelho, tendo como alternativa o quartel dos Bombeiros Voluntários de Alvaiázere Missão O director do plano é o presidente da Câmara Municipal e, de acordo com o art.º35 da Lei nº 27/2006, compete-lhe, no exercício de funções de responsável municipal da politica da protecção civil, em caso de emergência, de acidente grave, catástrofe ou calamidade, accionar e coordenar todas as operações de Protecção Civil na área do Concelho, de modo a prevenir riscos, atenuar ou limitar os seus efeitos, minimizar a perda de vidas e bens e agressão ao ambiente, procurando o mais rapidamente possível restabelecer as condições normais de vida Competências da Comissão Municipal de Protecção Civil Compete à Comissão Municipal de protecção civil: 3

4 a) Accionar a elaboração do Plano Municipal de Emergência de Protecção Civil, remetê-lo para aprovação pela Comissão Nacional de Protecção Civil e acompanhar a sua execução; b) Acompanhar as políticas directamente ligadas ao sistema de protecção civil que sejam desenvolvidas por agentes públicos; c) Determinar o accionamento dos planos, quando tal se justifique; d) Garantir que as entidades e instituições que integram a CMPC accionam, ao nível municipal, no âmbito da sua estrutura orgânica e das suas atribuições, os meios necessários ao desenvolvimento das acções de protecção civil; e) Difundir comunicados e avisos às populações, entidades e instituições, incluindo os órgãos de comunicação social Centros de Coordenação Operacional Com base na legislação existente, não será consagrada a constituição um Centro de Coordenação Operacional Municipal, sendo o Centro de Coordenação o Centro Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Leiria. De acordo com o ponto 2 do art.º49, da Lei 27/2006 de 3 de Julho, o CDOS de Leiria intervêm consoante a natureza do fenómeno e a gravidade e extensão dos seus efeitos previsíveis e destinase a assegurar o controlo da situação com recurso a centrais de comunicações integradas e eventual sobreposição com meios alternativos. De acordo com o ponto 1 do Decreto-Lei n.º134/2006, de Julho, o CDOS de Leiria assegura que todas as entidades e instituições de âmbito distrital imprescindíveis às operações de protecção e socorro, emergência e assistência previsíveis ou decorrentes de acidente grave ou catástrofe se articulam entre si garantindo os meios considerados adequados à gestão da ocorrência em cada caso concreto. 2. Execução do plano Como instrumento estratégico que define a actividade da Protecção Civil na área do município, o Plano Municipal de Emergência e Protecção Civil de Alvaiázere (PMEPCA) compreende as intervenções nas fases de pré-emergência, emergência e reabilitação. O responsável máximo do 4

5 Plano Municipal de Emergência de Protecção Civil do Concelho de Alvaiázere tem por Director o Presidente da Câmara Municipal, sendo o seu substituto a Vice-presidente Arquitecta Célia Margarida Gomes Marques Fase de pré-emergência e durante a emergência As operações de protecção civil encontram-se organizadas de acordo com o Decreto-Lei 134/2006, de 25 de Julho que define, que o Sistema Integrado de Operações de Protecção Civil (SIOPS) como o conjunto de estruturas, normas e procedimentos que asseguram que todos os agentes de protecção civil actuam, no plano operacional, articuladamente sob um comando único, sem prejuízo da respectiva dependência hierárquica funcional. O comando único assenta nas duas dimensões do SIOPS, a da coordenação institucional e a do comando operacional. De acordo com o mesmo Decreto-Lei, todas as instituições representadas nos Centros de Coordenação Operacional dispõem de estruturas de intervenção próprias que funcionam sob a direcção ou comando previstos nas respectivas leis orgânicas e Autoridade Nacional de Protecção Civil dispõe de uma estrutura operacional própria, competindo-lhe assegurar o comando operacional das operações de socorro e ainda o comando operacional integrado de todos os corpos de bombeiros. A estrutura operacional das operações de protecção civil é composta pelo Comando Nacional de Operações de Socorro, pela célula de planeamento, operações e informações, pela célula de logística e meios especiais e pelo comando distrital de operações de socorro. O sistema de gestão de operações é uma forma de organização operacional que se que se desenvolve de uma forma modular de acordo com a importância e o tipo de ocorrência e sempre que uma força de socorro de uma qualquer das organizações integrantes do SIOPS seja accionada para uma ocorrência, o chefe da primeira força a chegar ao local assume de imediato o comando e garante a construção de um sistema evolutivo de comando e controlo da operação, sendo a decisão do desenvolvimento da organização da responsabilidade do comando das operações de socorro Fase de emergência Convocação da CMPC pelo Presidente de Câmara ou pelo seu substituto legal. Comunicação do alerta às populações. Coordenação e promoção da actuação dos meios de socorro. 5

6 Activação do gabinete de imprensa da Câmara Municipal para difusão de comunicados (avisos, conselhos, etc.). Promover a evacuação dos feridos e doentes para os locais destinados ao seu tratamento, minimizando as perdas de vidas, bens e agressões ao Meio Ambiente. Assegurar a manutenção da lei e da ordem e garantir a circulação nas vias de acesso necessárias para a movimentação dos meios de socorro e evacuação das populações em risco. Coordenar e promover a evacuação das zonas de risco, bem como as medidas para o alojamento, agasalho e alimentação das populações evacuadas. Garantir assistência e bem-estar as populações, promovendo a reunião de família, assegurando o transporte de pessoas, bens, água e combustível, providenciando a tomada de medidas tendo em vista a desobstrução, reparação e restabelecimento de restabelecimento de águas e saneamento. Informar os níveis superiores de decisão, nomeadamente o centro de coordenação operacional da situação e solicitar os apoios e meios de reforço que considere necessários. Promover a coordenação e actuação dos órgãos e forças Municipais de Protecção Civil. Promover as acções de mortuária adequadas à situação. Proceder á reabilitação, dentro das possibilidades concelhias, dos Serviços Públicos Essenciais. Declaração do final da situação de emergência 2.3. Fase de reabilitação Depois da emergência, adoptar as medidas necessárias à urgente normalização da vida das populações atingidas, procedendo ao restabelecimento, o mais rápido possível, dos serviços públicos essenciais, fundamentalmente o abastecimento de água e energia, acompanhando o desenvolvimento o plano de reabilitação, da responsabilidade do Poder Local. Formar equipas de avaliação e quantificação de danos. Promover o regresso das populações, bens e animais deslocados. 6

7 Promover a demolição, desobstrução e remoção dos destroços ou obstáculos, a fim de restabelecer a circulação e evitar perigo de desmoronamentos. Proceder à análise e quantificação dos danos pessoais e materiais, elaborando um relatório sobre as operações realizadas. Elaboração de relatório sobre as acções desenvolvidas. 3. Articulação e actuação de agentes, organismos e entidades Nos termos da Lei de Bases da Protecção Civil são Agentes de Protecção Civil, de acordo com as suas atribuições próprias: Associação Humanitária de Bombeiros Voluntários de Alvaiázere; As forças de segurança; As forças armadas; As autoridades: marítima e aeronáutica; O INEM e demais serviços de saúde; Os Sapadores Florestais. Os Organismos e Entidades são todos os serviços e instituições, públicos ou privados, com dever especial de cooperação com os agentes de protecção civil ou com competências específicas em domínios com interesse para a prevenção, a atenuação e o socorro às pessoas, aos bens e ao ambiente. Entre eles contam-se: Serviços de segurança; Autoridades de saúde; Instituições de Segurança Social; Representantes das IPSS existentes no concelho. Organismos responsáveis pelas florestas, conservação da natureza, indústria e energia, transportes, comunicações, recursos hídricos e ambiente e Serviços de segurança e socorro privativos das empresas públicas e privadas, dos portos e aeroportos. 7

8 Grupo de Informação Pública Grupo de Reserva Operacional Grupo de Abrigos Bem-estar CMPC Grupo Manutenção Lei, Ordem Movimentação Pessoas Grupo Saúde Evacuação Secundária Grupo de Operações SMPC Grupo Transporte Obras Públicas Grupo Abastecimento e Armazéns Grupo Socorro Salvamento Grupo Gestão Voluntários Figura 1 Esquema de organização operacional dos agentes, organismos e entidades. Tabela 1 Organização dos agentes, organismos e entidades por grupos de actuação. GRUPO CONSTITUIÇÃO TAREFAS Operações Coordenação: Presidente da Câmara como responsável municipal da política de protecção civil. Socorro e Salvamento Coordenação: Comandantes dos Bombeiros Voluntários Alvaiázere. Presidente da câmara municipal Comandante dos Bombeiros Voluntários de Alvaiázere. Comandante da GNR. Delegado da Autoridade de Saúde. Director do Centro de Saúde e Hospital. Representante dos Serviços da Segurança Social de Alvaiázere Associação de Produtores Florestais do Concelho de Alvaiázere Bombeiros Voluntários de Alvaiázere e meios disponíveis da Câmara Municipal. O Grupo de Operações garante a ligação com entidades e organismos intervenientes no PMEPCA. Mantém um registo da evolução da situação. Estuda e analisa a situação e propõe ao Director do Plano as medidas adequadas para resolução do problema / sinistro. Estabelece ligações com o CDOS Leiria e com o Governo Civil de Leiria, se este já estiver activado, para o manter informado sobre a situação e solicitar, se necessário, os meios e recursos adicionais. Coordena as actividades de combate aos incêndios. Assegura a evacuação primária das vítimas. Coordena as acções de busca e salvamento. Coordena o transporte de cadáveres para local de identificação previamente definido pelo Grupo de Saúde e Evacuação Secundária. 8

9 Manutenção da Lei e Ordem e da Movimentação de Populações Coordenação: GNR e Comandante dos Bombeiros Saúde e Evacuação Secundária Coordenação: Autoridade de Saúde, Director do Hospital e Director do Centro de Saúde. Abastecimento e Armazéns Coordenação: Câmara Municipal Transporte e Obras Públicas Câmara Municipal Abrigos e Bem-Estar Coordenação: Câmara Municipal e Juntas de freguesia Gestão de Voluntários Coordenação: Juntas de Freguesia Reserva Operacional Coordenação: Juntas de Freguesia Informação Pública Coordenação: Gabinete de Relações Publicas da CMA Corpo de intervenção da GNR Meio de reforço a incorporar Autoridade de Saúde. Director do Hospital. Director do Centro de Saúde. Comandante dos Bombeiros Voluntários SMPC SMPC SMPC Presidentes de Junta. Presidentes de Junta.. Chefe de Gabinete do Presidente da Câmara Rádio ABC Jornal O Alvaiazerense Garante as acções de manutenção da Lei e Ordem Pública. Coordena o controlo de tráfego e mantém abertos os corredores de circulação de emergência. Assegura a segurança da área de sinistro não permitindo o acesso a pessoas estranhas ao desenrolar das missões. Assegura a constituição de uma única cadeia de comando para áreas de intervenção médico - sanitárias. Coordena a montagem de Postos Médicos de Triagem e de Socorros. Coordena as acções de mortuária, definindo os locais de reunião de mortos e morgues provisórias. Hospital de apoio: Hospital de Alvaiázere. Hospital de Retaguarda: Em caso de catástrofe montar Hospital no edifício da Escola E.B. 2,3 Dr. Manuel Ribeiro Ferreira em Alvaiázere. Promove o estabelecimento de protocolos com entidades fornecedoras de bens e géneros, para a situação de emergência Garante a instalação e montagem de cozinhas e refeitórios Prepara um sistema de recolha de dádivas Promove o estabelecimento de protocolos com empresas de transportes e obras publicas, sedeadas no Concelho sempre que necessário, e quando os meios pertencentes à Câmara Municipal e Bombeiros não forem suficientes. Garante o transporte de pessoas e bens para locais previamente definidos. Procede a desobstrução de vias de acesso aos locais de sinistro. Controla os prédios em ruínas e em risco de cair, provocando a sua derrocada se for a solução mais segura. Promove o estabelecimento de protocolos com entidades fornecedoras de bens e géneros para a situação de emergência. Garante a organização dentro do espaço definido como alojamento alternativo, procurando dar as melhores condições possíveis aos desalojados, enquanto esta situação se justificar. Promove o estabelecimento de protocolos com entidades fornecedoras de bens e serviços para a situação de emergência. Garante a disponibilidade de stock de sangue para apoio ás equipas médicas sempre que necessário a sua administração às vítimas. Este grupo deverá manter-se muito próximo ou em contacto directo com o CCOD, aguardando instruções para actuação de reforço nas várias frentes de sinistro. Coordenar e promover a difusão de comunicados à população. Coordenar as noticias a serem difundidas e publicadas por órgãos de comunicação social, nacional e ou internacional. 9

10 3.1. Missão dos agentes de protecção civil Fase de emergência Associação Humanitária de Bombeiros Voluntários de Alvaiázere a) A prevenção e o combate a incêndios; b) O socorro às populações, em caso de incêndios, inundações, desabamentos e, de um modo geral, em todos os acidentes e serviços previstos nos regulamentos internos c) O socorro a náufragos e buscas subaquáticas; d) O socorro e transporte de acidentados e doentes, incluindo a urgência pré-hospitalar, no âmbito do sistema integrado de emergência médica; f) A participação em outras actividades de protecção civil, no âmbito do exercício das funções específicas que lhes forem cometidas; g) O exercício de actividades de formação e sensibilização, com especial incidência para a prevenção do risco de incêndio e acidentes junto das populações; h) A participação em outras acções e o exercício de outras actividades, para as quais estejam tecnicamente preparados e se enquadrem nos seus fins específicos e nos fins das respectivas entidades detentoras; Forças de segurança (GNR) a) Segurança dos cidadãos e da protecção da propriedade; b) Isolamento de áreas; c) Controle de tráfego rodoviário e restrições de circulação; d) Detecção, investigação e prevenção das actividades criminosas; e) Operações de busca, salvamento e evacuação; f) Operações de segurança no teatro de operações; g) Abertura de corredores de emergência/evacuação. Forças Armadas Regimento de Artilharia n.º 4 de Leiria a) Apoio logístico às forças de protecção e socorro; b) Evacuação da população; c) Disponibilização de infra-estruturas e meios de engenharia; d) Acções de busca e salvamento e apoio sanitário; 10

11 e) Reabilitação de infra-estruturas danificadas; f) Instalação de abrigos e campos de deslocados; g) Abastecimento de água às populações; h) Reforço e/ou reactivação das redes de telecomunicações. Autoridades Marítimas e Aeronáutica a) Execução da política de protecção civil em áreas de direito público marítimo, desempenhando funções nos domínios do alerta, aviso, intervenção, busca e salvamento, apoio e socorro; b) Promoção da segurança aeronáutica; c) Participação nos sistemas nacionais de coordenação civil e militar em matéria de utilização do espaço aéreo, de busca e salvamento, de protecção civil, de planeamento civil de emergência e de segurança interna, bem como cooperar com a entidade responsável pela prevenção e investigação de acidentes e incidentes com aeronaves civis. INEM, Hospital, Centro de Saúde, Extensões de Saúde a) Coordenação de todas as actividades de saúde em ambiente pré hospitalar; b) Triagem e evacuações primárias e secundárias; c) Referenciação e transporte para as unidades de saúde adequadas; d) Montagem de postos médicos avançados; e) Triagem e o apoio psicológico a prestarem às vítimas no local da ocorrência, com vista à sua estabilização emocional e posterior referenciação para as entidades adequadas. Sapadores Florestais a) Prevenção dos incêndios florestais, através de acções de silvicultura preventiva; b) Funções de vigilância, primeira intervenção e apoio ao combate a incêndios florestais e às subsequentes operações de rescaldo; c) Sensibilização do público para as normas de conduta em matéria de acções de prevenção, do uso do fogo e da limpeza das florestas. Cruz Vermelha Portuguesa a) Intervenção no âmbito do apoio, busca e salvamento, socorro, assistência sanitária e social b) Colaboração na evacuação, transporte de desalojados e ilesos c) Instalação de alojamentos temporários bem como na montagem de postos de triagem, d) Levantamento de feridos e cadáveres e) Apoio psicossocial 11

12 f) Distribuição de roupas e alimentos às populações evacuadas Fase de reabilitação Associação Humanitária de Bombeiros Voluntários de Alvaiázere a) Executam as medidas necessárias à normalização da vida das populações atingidas e à neutralização dos efeitos provocados pelo acidente ocorrido. Forças de segurança (GNR) a) Executam as medidas necessárias à normalização da vida das populações atingidas e à neutralização dos efeitos provocados pelo acidente ocorrido Forças Armadas Regimento de Artilharia n.º 4 de Leiria a) Executam as medidas necessárias à normalização da vida das populações atingidas, nomeadamente a reabilitação das infra-estruturas danificadas b) Apoio logístico às forças de protecção e socorro c) Disponibilização de infra-estruturas e meios de engenharia d) Reabilitação de infra-estruturas danificadas e) Abastecimento de água às populações f) Reforço e/ou reactivação das redes de telecomunicações Autoridades Marítimas e Aeronáutica a) Executam as medidas necessárias à neutralização dos efeitos provocados pelo acidente ocorrido; b) Cooperação nas investigações de acidentes e incidentes com aeronaves civis. INEM, Hospital, Centro de Saúde, Extensões de Saúde a) Coordenação de todas as actividades de saúde; b) Acompanhamento médico da população afectada; c) Assume a responsabilidade e a decisão sobre as medidas de protecção da Saúde Pública na área da catástrofe; d) Controle das doenças transmissíveis; e) Prestação dos serviços de mortuária. Sapadores Florestais a) Dão apoio ao que lhes è solicitado. 12

13 b) Sensibilização do público para as normas de conduta em matéria de acções de prevenção, do uso do fogo e da limpeza das florestas. Cruz Vermelha Portuguesa g) Intervenção no âmbito do apoio, busca e salvamento, socorro, assistência sanitária e social h) Colaboração na evacuação, transporte de desalojados e ilesos i) Instalação de alojamentos temporários bem como na montagem de postos de triagem, j) Levantamento de feridos e cadáveres k) Apoio psicossocial l) Distribuição de roupas e alimentos às populações evacuadas Missão dos organismos e entidades de apoio Fase de emergência Câmara Municipal de Alvaiázere a) Disponibiliza as suas instalações, se necessário, para utilização apoio técnico e científico, b) Desobstrução das vias de comunicação e itinerários de socorro e difusão de avisos, c) Comunicados e medidas de autoprotecção. Juntas de Freguesia do Concelho de Alvaiázere a) Promovem acções de sensibilização da população e colaboram nas que forem desenvolvidas pela Câmara Municipal; b) Colaboram na sinalização de infra-estruturas, nomeadamente viárias, para prevenção e protecção dos cidadãos e para uma utilização mais rápida e eficaz por parte dos meios de protecção civil e socorro; c) Colaboram também na sinalização relativa a cortes de estradas, decididos por precaução ou originados por acidentes ou por fenómenos meteorológicos, bem como as vias alternativas; d) Disponibiliza por solicitação do Presidente da Câmara todo o apoio ao seu alcance e no âmbito das suas competências, sempre que a situação o exigir e colaboram ainda na divulgação de avisos às populações de acordo com orientações dos responsáveis municipais. Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Alvaiázere a) Disponibilizam instalações para diversos fins; 13

14 Instituto de Segurança Social Centro Distrital de Segurança Social de Leiria a) Efectua a coordenação das acções de obtenção e distribuição de alimentos, agasalhos e artigos de higiene à população, assim como, assegura a acção de apoio social, nomeadamente o realojamento. Instituto Nacional de Medicina Legal a) Desenvolvem as acções necessárias inerentes às suas funções para fazer face à situação de emergência. Operadoras de transporte a) Disponibilizam os meios possíveis e necessários para transporte urgente de pessoas e disponibilizam instalações para abrigo de desalojados. EDP a) Disponibilizam técnicos para proceder ao corte e/ou reparação na rede eléctrica. Operadoras de telecomunicações a) Disponibilizam técnicos para a reparação de danos nos sistemas de comunicações. Águas do Centro/Serviços Municipais a) Procedem ao corte e/ou reparação de modo a assegurar o fornecimento de água. IM (Instituto de Meteorologia), INAG (Instituto Nacional da Água), IA (Instituto do Ambiente), AFN (Autoridade Florestal Nacional) a)fornecimento de informação de carácter técnico e científico. Agrupamentos de Escolas a) Evacuação da população escolar em caso de emergência, segundo as orientações do plano de segurança e emergência da escola; disponibilizam instalações para diversos fins; as que possuem cozinha e refeitório participam no fornecimento de alimentação; b) Organizam acções de educação e informação da população. Santa Casa da Misericórdia a. Disponibiliza instalações para diversos fins; b. Colabora no fornecimento de alimentação e assistência sanitária e social. 14

15 Rádios e Jornais a) Informação da população da activação do PMEPCA, informação de medidas de autoprotecção e informação de comunicados emitidos pelo Serviço Municipal de Protecção Civil. Os organismos que possuem cozinha e refeitório participam no fornecimento de alimentação e prestam assistência sanitária e social Fase de reabilitação Câmara Municipal de Alvaiázere a) Inspecção de edifícios, estruturas e depósitos de combustíveis líquidos e gases; análise e quantificação dos danos; elaboração de estudos para reabilitação de recursos naturais; b) Manutenção das vias de comunicação e demolição de edifícios em ruínas. Juntas de Freguesia do Concelho de Alvaiázere a) Avaliação e quantificação dos danos e recolha de dádivas. Instituto de Segurança Social /Centro Distrital de Segurança Social de Alvaiázere a) Efectua o apoio económico dirigido às vítimas para satisfação de necessidades básicas (alojamento, alimentação e vestuários) assim como, trata do realojamento. Instituto Nacional de Medicina Legal a) Desenvolvem as acções necessárias inerentes às suas funções para fazer face à situação de emergência. Operadoras de transporte a) Asseguram o transporte de pessoas às zonas reabilitadas. EDP a) Restabelecem o normal funcionamento da rede eléctrica. Operadoras de telecomunicações a) Restabelecem o normal funcionamento das telecomunicações. Águas do Centro/Serviços Municipais 15

16 a) Restabelecem o normal funcionamento de água. Santa Casa da Misericórdia a) Recolha de dádivas. Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Alvaiázere a) Recolha de dádivas. Rádios e Jornais a) Informação da população da desactivação do PMEPCA e informação de comunicados emitidos pelo SMPC. 16

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DE CAMPO MAIOR

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DE CAMPO MAIOR PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DE CAMPO MAIOR ÍNDICE ÍNDICE... 2 ÍNDICE DE FIGURAS... 5 ÍNDICE DE QUADROS... 7 PARTE I ENQUADRAMENTO GERAL DO PLANO... 8 1 INTRODUÇÃO... 8 2 ÂMBITO DE

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DE ELVAS

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DE ELVAS PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DE ELVAS ELABORADO POR: SERVIÇO MUNICIPAL DE PROTECÇÃO CIVIL DO MUNICÍPIO DE ELVAS PMEPC DE ELVAS Parte I ENQUADRAMENTO GERAL ÍNDICE Parte I ENQUADRAMENTO

Leia mais

Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil de Ílhavo

Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil de Ílhavo 2012 Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil de Ílhavo Conteúdo Parte I Enquadramento Geral do Plano... 7 1. Introdução... 7 2. Âmbito de aplicação... 8 3. Objetivos gerais... 9 4. Enquadramento

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DE ANGRA DO HEROÍSMO

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DE ANGRA DO HEROÍSMO CÂMARA MUNICIPAL DE ANGRA DO HEROÍSMO PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DE ANGRA DO HEROÍSMO ILHA TERCEIRA 2008 SERVIÇO MUNICIPAL DE PROTECÇÃO CIVIL DA CÂMARA MUNICIPAL DE ANGRA DO HEROÍSMO

Leia mais

2 Organização da resposta

2 Organização da resposta 2 Organização da resposta 2.1 Conceito de actuação No exercício de funções de responsável municipal da política de protecção civil, o Presidente da Câmara Municipal, para cumprimento da sua missão, deverá

Leia mais

Plano de Emergência Externo do Estabelecimento de Armazenagem de Produtos Explosivos da MaxamPor, S.A.

Plano de Emergência Externo do Estabelecimento de Armazenagem de Produtos Explosivos da MaxamPor, S.A. Plano de Emergência Externo do Estabelecimento de Armazenagem de Produtos Explosivos da MaxamPor, S.A. CÂMARA MUNICIPAL DE VILA POUCA DE AGUIAR SERVIÇO MUNICIPAL DE PROTECÇÃO CIVIL SETEMBRO DE 2010 ÍNDICE

Leia mais

Plano de Emergência Externo do Estabelecimento de Armazenagem de Produtos Explosivos da MaxamPor, S.A.

Plano de Emergência Externo do Estabelecimento de Armazenagem de Produtos Explosivos da MaxamPor, S.A. Plano de Externo do Estabelecimento de Armazenagem de Produtos Explosivos da MaxamPor, S.A. CÂMARA MUNICIPAL DE VILA POUCA DE AGUIAR SERVIÇO MUNICIPAL DE PROTECÇÃO CIVIL SETEMBRO DE 2010 ÍNDICE GERAL

Leia mais

2. MISSÃO COMUM A TODAS AS ENTIDADES E ORGANISMOS DE APOIO IMPLANTADOS NO CONCELHO DE SINES

2. MISSÃO COMUM A TODAS AS ENTIDADES E ORGANISMOS DE APOIO IMPLANTADOS NO CONCELHO DE SINES 2. MISSÃO COMUM A TODAS AS ENTIDADES E ORGANISMOS DE APOIO IMPLANTADOS NO CONCELHO DE SINES Colaboram com o SMPC ou o CMOEPC (se estiver activado) na actualização do inventário dos seus meios e recursos.

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DA RIBEIRA GRANDE

CÂMARA MUNICIPAL DA RIBEIRA GRANDE CÂMARA MUNICIPAL DA RIBEIRA GRANDE Proposta de Regulamento do Serviço Municipal de Protecção Civil do Concelho da Ribeira Grande Preâmbulo Atendendo que: A Protecção Civil é, nos termos da Lei de Bases

Leia mais

Plano de Emergência Externo

Plano de Emergência Externo Plano de Emergência Externo Sociedade de Explosivos Civis, S.A. Fevereiro de 2010 Índice Parte I Enquadramento Geral do Plano... 6 1.Introdução... 6 2. Âmbito de Aplicação... 7 3.Objectivos Gerais do Plano...

Leia mais

Sistema Integrado de Operações de Protecção e Socorro (SIOPS)

Sistema Integrado de Operações de Protecção e Socorro (SIOPS) Anteprojecto de decreto-lei Sistema Integrado de Operações de Protecção e Socorro (SIOPS) As acções de protecção civil integram, obrigatoriamente, agentes e serviços que advêm de organismos do Estado,

Leia mais

CADERNOS TÉCNICOS PROCIV. 3 Manual de apoio à elaboração e operacionalização de Planos de Emergência de Protecção Civil

CADERNOS TÉCNICOS PROCIV. 3 Manual de apoio à elaboração e operacionalização de Planos de Emergência de Protecção Civil CADERNOS TÉCNICOS PROCIV 3 Manual de apoio à elaboração e operacionalização de Planos de Emergência de Protecção Civil EDIÇÃO: AUTORIDADE NACIONAL DE PROTECÇÃO CIVIL SETEMBRO DE 2008 02 Cadernos Técnicos

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DA AZAMBUJA ÍNDICE

CÂMARA MUNICIPAL DA AZAMBUJA ÍNDICE PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA CÂMARA MUNICIPAL DE NOVEMBRO 2010 ÍNDICE I 1 ENQUADRAMENTO GERAL DO PLANO... 1-1 1.1 INTRODUÇÃO... 1-1 1.2 ÂMBITO DE APLICAÇÃO... 1-1 1.3 OBJECTIVOS GERAIS... 1-2 1.4 ENQUADRAMENTO

Leia mais

2011 PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL

2011 PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL Capítulo: 2011 PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL Câmara Municipal de Barrancos Serviços Municipais de Protecção Civil 30-05-2011 1 TÉCNICAS RESPONSÁVEIS PELA ELABORAÇÃO DO PLANO: Margarida

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DE VILA NOVA DE GAIA

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DE VILA NOVA DE GAIA PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL VERSÃO PARA CONSULTA PÚBLICA PARTE NÃO RESERVADA Jun. 2010 VERSÃO 3 ÍNDICE PARTE I ENQUADRAMENTO GERAL DO PLANO 1. INTRODUÇÃO... 1 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO...

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DO MUNICÍPIO DE CASTRO DAIRE PARTE I, II, III, IV (Secção I) PARTE PÚBLICA Setembro de 2010 INDICE PARTE I ENQUADRAMENTO GERAL DO PLANO... 2 1. INTRODUÇÃO...2

Leia mais

Plano Municipal de Emergência de Protecção Civil de Leiria Índice Geral

Plano Municipal de Emergência de Protecção Civil de Leiria Índice Geral Plano Municipal de Emergência de Protecção Civil de Leiria Município de Leiria, Junho de 2010 Índice Geral Parte I ENQUADRAMENTO GERAL DO PLANO... 4 1. Introdução... 4 2. Âmbito de Aplicação... 5 3. Objectivos

Leia mais

Câmara Municipal de Matosinhos Plano de Emergência Externo REFINARIA DO PORTO Petrogal

Câmara Municipal de Matosinhos Plano de Emergência Externo REFINARIA DO PORTO Petrogal Câmara Municipal de Matosinhos Plano de Emergência Externo REFINARIA DO PORTO Petrogal MAIO 2011 4. Informação complementar 4.1 Secção I 4.1.1 Mecanismos da estrutura de Protecção Civil Estrutura de Operações

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DO CONCELHO DA BATALHA

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DO CONCELHO DA BATALHA PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DO CONCELHO DA BATALHA Abril 2010 MUNICÍPIO DA BATALHA SERVIÇO MUNICIPAL DA PROTECÇÃO CIVIL PARTE I - ENQUADRAMENTO GERAL DO PLANO... 1 1. INTRODUÇÃO NTRODUÇÃO...... 1 2.

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA EXPOSIÇÃO PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA De 6 a 17 de Maio 2008 MUNICÍPIO DO SEIXAL CÂMARA MUNICIPAL PROTECÇÃO CIVIL MUNICIPAL É a actividade desenvolvida pelas autarquias locais, com a colaboração dos

Leia mais

SERVIÇO MUNICIPAL DE VALE DE CAMBRA PLANO ESPECIAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL PARA RISCOS QUÍMICOS GRAVES EM VALE DE CAMBRA

SERVIÇO MUNICIPAL DE VALE DE CAMBRA PLANO ESPECIAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL PARA RISCOS QUÍMICOS GRAVES EM VALE DE CAMBRA SERVIÇO MUNICIPAL DE VALE DE CAMBRA PLANO ESPECIAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL PARA RISCOS QUÍMICOS GRAVES EM VALE DE CAMBRA PLANO DE EMERGÊNCIA EXTERNO DA COLEPCCL PLANO DE EMERGÊNCIA EXTERNO ÍNDICE

Leia mais

II COLÓQUIO - GESTÃO DO RISCO E CULTURA DE SEGURANÇA 30/11/2015 II COLÓQUIO - GESTÃO DO RISCO E CULTURA DE SEGURANÇA - MADEIRA TECNOPOLO FUNCHAL 1

II COLÓQUIO - GESTÃO DO RISCO E CULTURA DE SEGURANÇA 30/11/2015 II COLÓQUIO - GESTÃO DO RISCO E CULTURA DE SEGURANÇA - MADEIRA TECNOPOLO FUNCHAL 1 II COLÓQUIO - GESTÃO DO RISCO E CULTURA DE SEGURANÇA 30/11/2015 II COLÓQUIO - GESTÃO DO RISCO E CULTURA DE SEGURANÇA - MADEIRA TECNOPOLO FUNCHAL 1 30/11/2015 II COLÓQUIO - GESTÃO DO RISCO E CULTURA DE

Leia mais

PLANO DE EMERGÊNCIA EXTERNO PARA A SOCIEDADE AÇOREANA DE ARMAZENAMENTO DE GÁS (SAAGA) - PARQUE DE GPL DA HORTA PARTES PÚBLICAS

PLANO DE EMERGÊNCIA EXTERNO PARA A SOCIEDADE AÇOREANA DE ARMAZENAMENTO DE GÁS (SAAGA) - PARQUE DE GPL DA HORTA PARTES PÚBLICAS PLANO DE EMERGÊNCIA EXTERNO PARA A SOCIEDADE AÇOREANA DE ARMAZENAMENTO DE GÁS (SAAGA) - PARQUE DE GPL DA HORTA PARTES PÚBLICAS Partes I, II, III e IV Secção I Plano de Emergência Externo para a Sociedade

Leia mais

Plano Municipal de Emergência de Protecção Civil

Plano Municipal de Emergência de Protecção Civil Plano Municipal de Emergência de Protecção Civil 2011 PROTECÇÃO CIVIL DA COVILHÃ INDICE GERAL Nota Introdutória...3 Parte I Enquadramento geral do Plano 1. Introdução...6 2. Âmbito de aplicação...6 3.

Leia mais

O Portal da Construção Segurança e Higiene do Trabalho

O Portal da Construção Segurança e Higiene do Trabalho Guia Técnico Segurança e Higiene do Trabalho Volume XVIII Plano de Emergência um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a

Leia mais

O Voluntariado e a Protecção Civil. 1. O que é a Protecção Civil

O Voluntariado e a Protecção Civil. 1. O que é a Protecção Civil O Voluntariado e a Protecção Civil 1. O que é a Protecção Civil A 03 de Julho de 2006, a Assembleia da Republica publica a Lei de Bases da Protecção Civil, que no seu artigo 1º dá uma definição de Protecção

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA PROTECÇÃO CIVIL VERSÃO PARA CONSULTA PÚBLICA

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA PROTECÇÃO CIVIL VERSÃO PARA CONSULTA PÚBLICA PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA PROTECÇÃO CIVIL VERSÃO PARA CONSULTA PÚBLICA SETEMBRO DE 2010 ÍNDICE GERAL PARTE I ENQUADRAMENTO GERAL DO PLANO 1. INTRODUÇÃO 5 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO 6 3. OBJECTIVOS GERAIS

Leia mais

PLANO MUNICIPAL PROTEÇÃO CIVIL DE EMERGÊNCIA DE CÂMARA MUNICIPAL DE VILA FRANCA DE XIRA

PLANO MUNICIPAL PROTEÇÃO CIVIL DE EMERGÊNCIA DE CÂMARA MUNICIPAL DE VILA FRANCA DE XIRA PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTEÇÃO CIVIL CÂMARA MUNICIPAL DE VILA FRANCA DE XIRA Página 2 de 217 1 ENQUADRAMENTO GERAL DO PLANO... 7 1.1 INTRODUÇÃO... 8 1.2 ÂMBITO DE APLICAÇÃO... 8 1.3 OBJETIVOS

Leia mais

PLANO DE EMERGÊNCIA EXTERNO PARA A CENTRAL TERMOELÉCTRICA DE TUNES(PEECTT) Partes I, II, III e IV Secção I

PLANO DE EMERGÊNCIA EXTERNO PARA A CENTRAL TERMOELÉCTRICA DE TUNES(PEECTT) Partes I, II, III e IV Secção I PLANO DE EMERGÊNCIA EXTERNO PARA A CENTRAL TERMOELÉCTRICA DE TUNES(PEECTT) Partes I, II, III e IV Secção I Plano de Emergência Externo para a Central Termoeléctrica de Tunes (PEECTT) Câmara Municipal de

Leia mais

Câmara Municipal de Odivelas

Câmara Municipal de Odivelas Câmara Municipal de Odivelas Serviço Municipal de Protecção Civil Agosto de 2009 1 / 44 ÍNDICE PARTE I ENQUADRAMENTO GERAL DO PLANO... 4 1. Introdução... 4 2. Âmbito de Aplicação... 4 3. Objectivos Gerais...

Leia mais

MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA

MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTEÇÃO CIVIL CÂMARA MUNICIPAL DE VILA FRANCA DE XIRA Página 2 de 63 WWW..PT Página 3 de 63 1 ENQUADRAMENTO GERAL DO... 7 1.1 INTRODUÇÃO... 7 1.2 ÂMBITO DE APLICAÇÃO...... 7

Leia mais

Plano de Emergência Externo de Ílhavo

Plano de Emergência Externo de Ílhavo Plano de Emergência Externo de Ílhavo 2012 Conteúdo Parte I Enquadramento Geral do Plano... 12 1. Introdução... 12 2. Âmbito de aplicação... 14 3. Objetivos gerais... 15 4. Enquadramento legal... 16 5.

Leia mais

GOVERNO CIVIL DE CASTELO BRANCO

GOVERNO CIVIL DE CASTELO BRANCO Título Página Parte I Enquadramento Geral do Plano 1. Introdução 4 2. Âmbito de Aplicação 5 3. Objectivos Gerais 5 4. Enquadramento Legal 6 5. Antecedentes do processo de planeamento 6 6. Articulação com

Leia mais

Plano de Emergência Externo

Plano de Emergência Externo Divisão de Protecção Civil e Bombeiros Plano de Emergência Externo Respol, Resinas, SA Município de Leiria, Janeiro de 2010 Índice Parte I Enquadramento Geral do Plano... 2 1. Introdução... 2 2. Âmbito

Leia mais

DOCUMENTO DE TRABALHO

DOCUMENTO DE TRABALHO Página 1 de 1 Oferta formativa 1. Escola Nacional de Bombeiros O Regulamento dos Cursos de Formação do Bombeiro, é o normativo legal que regulamenta os cursos de formação dos elementos do Quadro de Comando

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. 4220 Diário da República, 1.ª série N.º 124 30 de Junho de 2009. b) A requerimento do titular do complemento solidário

REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. 4220 Diário da República, 1.ª série N.º 124 30 de Junho de 2009. b) A requerimento do titular do complemento solidário 4220 Diário da República, 1.ª série N.º 124 30 de Junho de 2009 b) A requerimento do titular do complemento solidário para idosos. 2 Há ainda lugar à renovação da prova de recursos sempre que: a) Seja

Leia mais

Parte III Áreas de Intervenção

Parte III Áreas de Intervenção Parte III Áreas de Intervenção 53 1. Administração de Meios e Recursos A área de intervenção de administração de meios e recursos estabelece os procedimentos e instruções de coordenação quanto às actividades

Leia mais

CEPSA Portuguesa Petróleos, SA

CEPSA Portuguesa Petróleos, SA Câmara Municipal de Matosinhos Plano de Emergência Externo CEPSA Portuguesa Petróleos, SA MARÇO 2011 PEE Cepsa Pág. i de 57 Índice NOTA PRÉVIA... ERRO! MARCADOR NÃO DEFINIDO. 1 ENQUADRAMENTO GERAL DO PLANO...

Leia mais

PLANO MUNICIPAL PAMPILHOSA DA SERRA DE EMERGÊNCIA DE. Câmara Municipal de Pampilhosa da Serra

PLANO MUNICIPAL PAMPILHOSA DA SERRA DE EMERGÊNCIA DE. Câmara Municipal de Pampilhosa da Serra PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PAMPILHOSA DA SERRA Câmara Municipal de Pampilhosa da Serra Julho/2009 PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PAMPILHOSA DA SERRA PARTE I ENQUADRAMENTO GERAL DO PLANO PARTE II

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTEÇÃO CIVIL DE VENDAS NOVAS

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTEÇÃO CIVIL DE VENDAS NOVAS PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTEÇÃO CIVIL DE VENDAS NOVAS PARTE II ORGANIZAÇÃO DA RESPOSTA Julho 2012 Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil de Vendas Novas Parte II Organização da resposta

Leia mais

Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho SHST

Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho SHST Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho SHST O QUE DIZ A LEI OBSERVAÇÕES Todos os trabalhadores têm direito à prestação de trabalho em condições de segurança, higiene e saúde, competindo ao empregador assegurar

Leia mais

PLANO ESPECIAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL PARA RISCOS QUÍMICOS GRAVES EM ARCOS DE VALDEVEZ

PLANO ESPECIAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL PARA RISCOS QUÍMICOS GRAVES EM ARCOS DE VALDEVEZ PLANO ESPECIAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL PARA RISCOS QUÍMICOS GRAVES EM ARCOS DE VALDEVEZ PLANO DE EMERGÊNCIA EXTERNO (PEE) DE ESTABELECIMENTO SEVESO SARRELIBER Março, 2013 M UNICÍPIO DE ARCOS DE

Leia mais

Plano.Municipal de. Emergência de.proteção.civil

Plano.Municipal de. Emergência de.proteção.civil Plano.Municipal de. Emergência de.proteção.civil alenquer 2014 INDÍCE Plano Municipal de Emergência PARTE I Enquadramento Geral do Plano Pág. 1. Introdução 1 2. Âmbito de aplicação 2 3. Objetivos gerais

Leia mais

Compilação Legislativa

Compilação Legislativa MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA Autoridade Nacional de Protecção Civil Compilação Legislativa - BOMBEIROS - 1ª Edição Setembro 2008 COMPILAÇÃO LEGISLATIVA BOMBEIROS FICHA TÉCNICA Título: Edição: Coordenação:

Leia mais

Plano Municipal de Emergência de Protecção Civil. Parte III Áreas de Intervenção

Plano Municipal de Emergência de Protecção Civil. Parte III Áreas de Intervenção Parte III Áreas de Intervenção 67 A Parte III destina-se a apresentar as áreas básicas da organização geral das operações, nomeadamente identificando as prioridades de acção, a estrutura de coordenação

Leia mais

ANEXO 7 FORMAÇÃO PROFISSIONAL

ANEXO 7 FORMAÇÃO PROFISSIONAL ANEXO 7 FORMAÇÃO PROFISSIONAL A profissionalização dos membros da Organização, enquanto factor determinante da sua eficácia na prevenção e no combate aos incêndios florestais, requer a criação de um programa

Leia mais

Etapas do Manual de Operações de Segurança

Etapas do Manual de Operações de Segurança OPERAÇÕES www.proteccaocivil.pt DE SEGURANÇA CARACTERIZAÇÃO DO ESPAÇO IDENTIFICAÇÃO DE RISCOS ETAPAS LEVANTAMENTO DE MEIOS E RECURSOS ESTRUTURA INTERNA DE SEGURANÇA PLANO DE EVACUAÇÃO PLANO DE INTERVENÇÃO

Leia mais

MAPA DE PESSOAL - 2012 (art.º 5.º da Lei n.º 12-A/2008, de 27 de Fevereiro e art.º 3.º do Decreto-Lei n.º 209/2009, de 03 de Setembro)

MAPA DE PESSOAL - 2012 (art.º 5.º da Lei n.º 12-A/2008, de 27 de Fevereiro e art.º 3.º do Decreto-Lei n.º 209/2009, de 03 de Setembro) MAPA DE PESSOAL - 202 (art.º 5.º da Lei n.º 2-A/2008, de 27 de Fevereiro e art.º.º do Decreto-Lei n.º 209/2009, de 0 de Setembro) GERAL, FINANÇAS E MODERNIZAÇÃO Decreto-Lei n.º 05/09, de 2/0. DEPARTAMENTO

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DA HORTA

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DA HORTA PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DA HORTA PARTE III ÁREAS DE INTERVENÇÃO Novembro 2013 Plano Municipal de Emergência de Protecção Civil da Horta Parte III Áreas de intervenção Câmara Municipal

Leia mais

PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 141 (Julho/Agosto de 2002) KÉRAMICA N.º 256 (Novembro/Dezembro de 2002)

PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 141 (Julho/Agosto de 2002) KÉRAMICA N.º 256 (Novembro/Dezembro de 2002) TÍTULO: Planos de Emergência na Indústria AUTORIA: Factor Segurança, Lda PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 141 (Julho/Agosto de 2002) KÉRAMICA N.º 256 (Novembro/Dezembro de 2002) 1. INTRODUÇÃO O Plano de Emergência

Leia mais

Regulamento de Acesso, Circulação e Permanência nas Instalações da Assembleia da República

Regulamento de Acesso, Circulação e Permanência nas Instalações da Assembleia da República Regulamento de Acesso, Circulação e Permanência nas Instalações da Assembleia da República Despacho n.º 1/93, de 19 de março publicado no Diário da Assembleia da República, II Série C, n.º 22 de 22 de

Leia mais

PLANO DE CONTINGÊNCIA MUNICIPAL PARA A GRIPE A H1N1

PLANO DE CONTINGÊNCIA MUNICIPAL PARA A GRIPE A H1N1 PLANO DE CONTINGÊNCIA MUNICIPAL PARA A GRIPE A H1N1 1 Situação Geral Uma pandemia de gripe ocorre quando um novo vírus do tipo A, para o qual a população tem uma susceptibilidade quase universal, surge

Leia mais

CAPÍTULO III. Estado -Maior Conjunto Artigo 8.º

CAPÍTULO III. Estado -Maior Conjunto Artigo 8.º CAPÍTULO III Estado -Maior Conjunto Artigo 8.º Missão e atribuições 1. O Estado -Maior Conjunto (EMC) tem por missão assegurar o planeamento e o apoio necessários à decisão do CEMGFA. 2. O EMC prossegue,

Leia mais

Edição Autoridade Nacional de Protecção Civil. Proposta e validação Comandante Operacional Nacional Paulo Gil Martins

Edição Autoridade Nacional de Protecção Civil. Proposta e validação Comandante Operacional Nacional Paulo Gil Martins Edição Autoridade Nacional de Protecção Civil Proposta e validação Comandante Operacional Nacional Paulo Gil Martins Elaboração Comando Nacional de Operações de Socorro Gabinete do Presidente Autoridade

Leia mais

Grupo de Trabalho para as Questões da Pessoa Idosa, Dependente ou Deficiente de Grândola REGULAMENTO INTERNO

Grupo de Trabalho para as Questões da Pessoa Idosa, Dependente ou Deficiente de Grândola REGULAMENTO INTERNO Grupo de Trabalho para as Questões da Pessoa Idosa, Dependente ou Deficiente de Grândola REGULAMENTO INTERNO Maio de 2011 Preâmbulo As alterações demográficas que se têm verificado na população portuguesa

Leia mais

Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil de Santa Maria da Feira. 1BParte II Organização da Resposta

Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil de Santa Maria da Feira. 1BParte II Organização da Resposta 1BParte II Organização da Resposta 24 1. Conceito de Atuação O conceito de atuação visa definir as missões, tarefas e responsabilidades dos diversos agentes, organismos e entidades intervenientes e identificar

Leia mais

Pelouro do Desenvolvimento Social

Pelouro do Desenvolvimento Social Pelouro do Desenvolvimento Social Novembro de 2012 ENQUADRAMENTO A problemática do envelhecimento da população constitui uma importante oportunidade de desenvolvimento social, uma vez que uma sociedade

Leia mais

AGRUPAMENTO DE CENTROS DE SAÚDE

AGRUPAMENTO DE CENTROS DE SAÚDE AGRUPAMENTO DE CENTROS DE SAÚDE UNIDADE DE SAÚDE PUBLICA Ao nível de cada Agrupamento de Centros de Saúde (ACES), as Unidades de Saúde Pública (USP) vão funcionar como observatório de saúde da população

Leia mais

PLANO DE EMERGÊNCIA: FASES DE ELABORAÇÃO

PLANO DE EMERGÊNCIA: FASES DE ELABORAÇÃO PLANO DE EMERGÊNCIA: FASES DE ELABORAÇÃO www.zonaverde.pt Página 1 de 10 INTRODUÇÃO Os acidentes nas organizações/estabelecimentos são sempre eventos inesperados, em que a falta de conhecimentos/formação,

Leia mais

Plano Especial Emergência

Plano Especial Emergência Plano Especial Emergência Neve Nevões e gelo no Serra distrito da Estrela da Guarda Ministério Administração Interna Autoridade Nacional Proteção Civil Comando Distrital Operações Socorro Guarda VERSÃO

Leia mais

plano operacional de emergência

plano operacional de emergência gabinete municipal de protecção civil plano operacional de emergência festas de Confraternização Camponesa de São Francisco alcochete 2010 FICHA TÉCNICA Titulo Plano Operacional de Emergência Elaboração

Leia mais

Resposta Hospitalar à Catástrofe Externa e Emergência Interna. Abílio Casaleiro

Resposta Hospitalar à Catástrofe Externa e Emergência Interna. Abílio Casaleiro Resposta Hospitalar à Catástrofe Externa e Emergência Interna 27.02.2015 Apresentação do Hospital de Cascais Plano de Catástrofe Externa Plano de Emergência Interna Hospital de Cascais - Caracterização

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DE SOURE

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DE SOURE PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DE SOURE PARTE III ÁREAS DE INTERVENÇÃO Setembro 2010 Plano Municipal de Emergência de Protecção Civil de Soure Parte III Áreas de intervenção Câmara Municipal

Leia mais

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XIX Gestão da Prevenção. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao.

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XIX Gestão da Prevenção. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao. Guia Técnico Segurança e Higiene do Trabalho Volume XIX Gestão da Prevenção um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a expressa

Leia mais

Perguntas Frequentes sobre Voluntariado

Perguntas Frequentes sobre Voluntariado Perguntas Frequentes sobre Voluntariado Juntos podemos fazer da solidariedade um compromisso Índice 1. O que é o Voluntariado? 3 2. Que organizações podem ser promotoras do Voluntariado? 3 3. O que é ser

Leia mais

PROCEDIMENTOS EM CASO DE EMERGÊNCIA INTRODUÇÃO

PROCEDIMENTOS EM CASO DE EMERGÊNCIA INTRODUÇÃO PROCEDIMENTOS EM CASO DE EMERGÊNCIA INTRODUÇÃO Os procedimentos em caso de emergência definem-se como um documento orientador com normas de actuação dos vários sectores em situação de emergência, destinadas

Leia mais

Plano Municipal de Emergência de Protecção Civil de Vila Viçosa. Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil de Vila Viçosa

Plano Municipal de Emergência de Protecção Civil de Vila Viçosa. Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil de Vila Viçosa Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil de Vila Viçosa 1 Índice PARTE I - ENQUADRAMENTO GERAL DO PLANO 3 1 INTRODUÇÃO 4 2 - AMBITO DE APLICAÇÃO 5 3 - OBJETIVOS GERAIS 6 4 - ENQUADRAMENTO LEGAL

Leia mais

(Regimento para o Conselho Nacional de Protecção Civil) Decreto-Regulamentar n.º 3/2002 De 12 de Junho

(Regimento para o Conselho Nacional de Protecção Civil) Decreto-Regulamentar n.º 3/2002 De 12 de Junho I SÉRIE N.º 20 B. O. DA REPÚBLICA DE CABO VERDE 12 DE JULHO DE 2001 (Regimento para o Conselho Nacional de Protecção Civil) Decreto-Regulamentar n.º 3/2002 De 12 de Junho A Lei de Bases de Protecção Civil,

Leia mais

Atuação em Situações de Crise

Atuação em Situações de Crise 1 Atuação em Situações de Crise Enf. José Magalhães INEM Delegação Regional do Porto Porto, 11 de Abril de 2014 2 INEM O Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) é o organismo do Ministério da Saúde

Leia mais

Plano Geral Municipal de Emergência de Proteção Civil 2012

Plano Geral Municipal de Emergência de Proteção Civil 2012 ÍNDICE PARTE I ENQUADRAMENTO GERAL DO PLANO... 7 1. Introdução... 7 2 2. Âmbito de Aplicação... 7 3. Objetivos Gerais... 8 4. Enquadramento Legal... 9 5. Antecedentes do processo de planeamento... 9 6.

Leia mais

+Região Autónoma da Madeira. IX Legislatura Número: 50 II Sessão Legislativa (2008/2009) Terça-feira, 19 de Maio de 2009.

+Região Autónoma da Madeira. IX Legislatura Número: 50 II Sessão Legislativa (2008/2009) Terça-feira, 19 de Maio de 2009. +Região Autónoma da Madeira Assembleia Legislativa IX Legislatura Número: 50 II Sessão Legislativa (2008/2009) Terça-feira, 19 de Maio de 2009 Suplemento Sumário Propostas de Decreto Legislativo Regional:

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTEÇÃO CIVIL DE PENAMACOR

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTEÇÃO CIVIL DE PENAMACOR PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTEÇÃO CIVIL DE PENAMACOR PARTE III ÁREAS DE INTERVENÇÃO Plano Municipal de Emergência de Proteção civil de Penamacor Câmara Municipal de Penamacor Data: 20 de julho

Leia mais

MAPA DE PESSOAL. Gabinete de Apoio ao Presidente. Gabinete de Fiscalização Sanitária

MAPA DE PESSOAL. Gabinete de Apoio ao Presidente. Gabinete de Fiscalização Sanitária Preenchidos A preencher Preenchidos Gabinete de Apoio ao Presidente Coordenar e executar todas as atividades inerentes à assessoria, secretariados, protocolos da Presidência e assegurar a interligação

Leia mais

4696 N. o 126 3 de Julho de 2006 ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

4696 N. o 126 3 de Julho de 2006 ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA 4696 N. o 126 3 de Julho de 2006 ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Lei n. o 27/2006 de 3 de Julho Aprova a Lei de Bases da Protecção Civil A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.

Leia mais

PLANO NACIONAL DE EMERGÊNCIA DE PROTEÇÃO CIVIL

PLANO NACIONAL DE EMERGÊNCIA DE PROTEÇÃO CIVIL PLANO NACIONAL DE EMERGÊNCIA DE PROTEÇÃO CIVIL PROJETO COFINANCIADO PLANO NACIONAL DE EMERGÊNCIA DE PROTEÇÃO CIVIL COMPONENTES PÚBLICAS ( I, II, III, IV-I) PROJETO COFINANCIADO ÍNDICE PARTE I ENQUADRAMENTO

Leia mais

www.prociv.pt 26JUN2015 V Jornadas NOVOS PARADIGMAS DA PROTEÇÃO CIVIL cdos.porto@prociv.pt AGENDA 4. Síntese histórica do Voluntariado;

www.prociv.pt 26JUN2015 V Jornadas NOVOS PARADIGMAS DA PROTEÇÃO CIVIL cdos.porto@prociv.pt AGENDA 4. Síntese histórica do Voluntariado; Voluntariado e Protecção Civil www.prociv.pt 26JUN2015 V Jornadas NOVOS PARADIGMAS DA PROTEÇÃO CIVIL cdos.porto@prociv.pt 1 AGENDA 1.Enquadramento Legal; 2. Responsabilidades; 3. O Voluntariado; 4. Síntese

Leia mais

ESTABELECIMENTOS DE APOIO SOCIAL A PESSOAS IDOSAS

ESTABELECIMENTOS DE APOIO SOCIAL A PESSOAS IDOSAS ESTABELECIMENTOS DE APOIO SOCIAL A PESSOAS IDOSAS PLANOS DE SEGURANÇA A sociedade é feita por todas as pessoas, em todas as idades NÚCLEO DE CERTIFICAÇÃO E FISCALIZAÇÃO ALEXANDRA SANTOS E MARIA ANDERSON

Leia mais

SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO PROGRAMA DE FORMAÇÃO

SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO PROGRAMA DE FORMAÇÃO FORMAÇÃO SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO PROGRAMA DE FORMAÇÃO 1 Introdução No actual quadro legislativo (35/2004) é bem claro que a responsabilidade pelas condições de Segurança, Higiene e Saúde

Leia mais

Locais de Trabalho Seguros e Saudáveis. Enquadramento Legal

Locais de Trabalho Seguros e Saudáveis. Enquadramento Legal AICCOPN Associação dos Industriais da Construção Civil e Obras Públicas Locais de Trabalho Seguros e Saudáveis - Obrigações Gerais do Empregador SERVIÇOS DE ENGENHARIA/SEGURANÇA AICCOPN - 07 de Junho de

Leia mais

COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL

COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL Roteiro para montagem de um Plano Preventivo de Defesa Civil Apresentamos o presente roteiro com conteúdo mínimo de um Plano Preventivo de Defesa Civil ou Plano de

Leia mais

SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO MEDIDAS DE AUTOPROTECÇÃO

SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO MEDIDAS DE AUTOPROTECÇÃO IV JORNADAS TÉCNICAS DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO DA ESCOLA PROFISSIONAL DE AVEIRO SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO MEDIDAS DE AUTOPROTECÇÃO Manuela Mil-Homens Comando Distrital de Operações de Socorro

Leia mais

Modelo básico para Plano Diretor de Defesa Civil CASA MILITAR COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL

Modelo básico para Plano Diretor de Defesa Civil CASA MILITAR COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL Modelo básico para Plano Diretor de Defesa Civil CASA MILITAR COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DIRETOR DE DEFESA CIVIL INTRODUÇÃO 1. O presente Termo

Leia mais

Índice. Página 1 de 7

Índice. Página 1 de 7 Índice 1 - Considerações gerais...2 1.1 - Introdução...2 2 - Actuação em caso de emergência...2 2.1 - Esquema geral de actuação...2 2.2 - Procedimento gerais de actuação...3 2.2.1 - Em caso de incêndio

Leia mais

Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil de Serpa

Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil de Serpa Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil de Serpa ÍNDICE PARTE I ENQUADRAMENTO GERAL DO PLANO ----------------------------------------- 8 1. Introdução --------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

MAPA DE PESSOAL 2016

MAPA DE PESSOAL 2016 MAPA DE PESSOAL 206 Nº POSTOS DE TRABALHO AREA FUNCIONAL ATRIBUIÇÕES/COMPETÊNCIAS/S POSTOS DE TRABALHO DOS TRABALHADORES EM EXERCICIO DE FUNÇÕES NA CM NO DE DE CONTRATO DE TRABALHO A TERMO RESOLUTIVO CONTRATO

Leia mais

1. Contextualização da segurança, higiene e saúde do trabalho no regime jurídico

1. Contextualização da segurança, higiene e saúde do trabalho no regime jurídico 1. Contextualização da segurança, higiene e saúde do trabalho no regime jurídico O documento legislativo que estabelece o regime jurídico de enquadramento da segurança, higiene e saúde no trabalho é determinado

Leia mais

Anexo 1. Programa Municipal de Voluntariado. Introdução

Anexo 1. Programa Municipal de Voluntariado. Introdução Anexo 1 Programa Municipal de Voluntariado Introdução 1. A proposta de desenvolvimento do Programa Municipal de Voluntariado decorre da competência da Divisão de Cidadania e Inovação Social do Departamento

Leia mais

Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil Serviço Municipal de Proteção Civil. PARTE III Áreas de Intervenção

Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil Serviço Municipal de Proteção Civil. PARTE III Áreas de Intervenção Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil PARTE III Áreas de Intervenção 2015 Índice 1. Áreas de Intervenção... 4 1.1. Área de Administração de Meios e Recursos... 4 1.2. Área de Logística... 8 1.2.1.

Leia mais

NOTA TÉCNICA nº 22 Complementar do Regime Jurídico de SCIE

NOTA TÉCNICA nº 22 Complementar do Regime Jurídico de SCIE NOTA TÉCNICA nº 22 Complementar do Regime Jurídico de SCIE OBJECTIVO Definir bases técnicas para a elaboração de Plantas de Emergência, em suporte de papel ou em suporte digital, conforme a legislação

Leia mais

SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO PROGRAMA DE FORMAÇÃO

SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO PROGRAMA DE FORMAÇÃO FORMAÇÃO SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO PROGRAMA DE FORMAÇÃO Introdução No actual quadro legislativo (Lei 7/2009 Código do Trabalho) e (Lei 102/2009 Regime jurídico da promoção da segurança e saúde

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE. (Aprovado na 23ª Reunião Ordinária de Câmara Municipal, realizada em 21 de Novembro de 2001)

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE. (Aprovado na 23ª Reunião Ordinária de Câmara Municipal, realizada em 21 de Novembro de 2001) REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE (Aprovado na 23ª Reunião Ordinária de Câmara Municipal, realizada em 21 de Novembro de 2001) REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE (Aprovado na 23ª Reunião

Leia mais

Plano de Prevenção de Riscos de Gestão. Incluindo os de Corrupção e Infracções Conexas

Plano de Prevenção de Riscos de Gestão. Incluindo os de Corrupção e Infracções Conexas Plano de Prevenção de Riscos de Gestão Incluindo os de Corrupção e Infracções Conexas Introdução No âmbito da sua actividade, o Conselho de Prevenção da Corrupção (CPC), aprovou a Recomendação n.º 1/2009,

Leia mais

Plano Especial de Emergência para o Risco Sísmico na Área Metropolitana de Lisboa e Concelhos Limítrofes PEERS-AML-CL

Plano Especial de Emergência para o Risco Sísmico na Área Metropolitana de Lisboa e Concelhos Limítrofes PEERS-AML-CL PEERS-AML-CL PLANO ESPECIAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL PARA O RISCO SÍSMICO NA ÁREA METROPOLITANA DE LISBOA E CONCELHOS LIMÍTROFES VOLUME I CORPO DO PLANO ÍNDICE PARTE I ENQUADRAMENTO GERAL DO PLANO

Leia mais

Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil Serviço Municipal de Proteção Civil. PARTE III Áreas de Intervenção

Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil Serviço Municipal de Proteção Civil. PARTE III Áreas de Intervenção Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil PARTE III Áreas de Intervenção 2012 Índice 1. Áreas de Intervenção... 4 1.1. Área de Administração de Meios e Recursos... 4 1.2. Área de Logística... 9 1.2.1.

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE LISBOA

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE LISBOA PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE LISBOA VERSÃO PARA CONSULTA PÚBLIICA Câmara Municipal de Lisboa Departamento de Proteção Civil Agosto 2012 Índice PARTE I ENQUADRAMENTO GERAL DO PLANO 5 1 - INTRODUÇÃO

Leia mais

MAPA DE PESSOAL UNIDADE ORGANICA CÂMARA POLICIA MUNICIPAL

MAPA DE PESSOAL UNIDADE ORGANICA CÂMARA POLICIA MUNICIPAL Nº POSTOS DE TRABALHO A PREENCHER PREENCHIDOS POR VINCULO DE EMPREGO TERMO CÂMARA POLICIA MUNICIPAL DIRETOR DE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE POLICIA MUNICIPAL Policia Municipal Licenciatura Define os objetivos

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DE VENDAS NOVAS

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DE VENDAS NOVAS PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DE VENDAS NOVAS PARTE IV INFORMAÇÃO COMPLEMENTAR Secção I. Sistema nacional de proteção civil Julho 2012 Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO MUNICÍPIO DA MURTOSA

REGULAMENTO INTERNO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO MUNICÍPIO DA MURTOSA REGULAMENTO INTERNO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO MUNICÍPIO DA MURTOSA PREÂMBULO Designa-se por rede social o conjunto das diferentes formas de entreajuda, praticadas por entidades particulares sem

Leia mais

PLANO ESPECIAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL PARA O RISCO SÍSMICO E DE TSUNAMIS NA REGIÃO DO ALGARVE (PEERST-Alg)

PLANO ESPECIAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL PARA O RISCO SÍSMICO E DE TSUNAMIS NA REGIÃO DO ALGARVE (PEERST-Alg) PLANO ESPECIAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL PARA O RISCO SÍSMICO E DE TSUNAMIS NA REGIÃO DO ALGARVE (PEERST-Alg) Volume I Corpo do Plano ÍNDICE PARTE III - Áreas de Intervenção... 3 1. Administração

Leia mais

REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE MIRANDELA. Preâmbulo

REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE MIRANDELA. Preâmbulo REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE MIRANDELA Preâmbulo O voluntariado é definido como um conjunto de acções e interesses sociais e comunitários, realizadas de forma desinteressada no âmbito

Leia mais