PLANO DE EMERGÊNCIA EXTERNO PARA A CENTRAL TERMOELÉCTRICA DE TUNES(PEECTT) Partes I, II, III e IV Secção I

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PLANO DE EMERGÊNCIA EXTERNO PARA A CENTRAL TERMOELÉCTRICA DE TUNES(PEECTT) Partes I, II, III e IV Secção I"

Transcrição

1 PLANO DE EMERGÊNCIA EXTERNO PARA A CENTRAL TERMOELÉCTRICA DE TUNES(PEECTT) Partes I, II, III e IV Secção I

2 Plano de Emergência Externo para a Central Termoeléctrica de Tunes (PEECTT) Câmara Municipal de Silves Data: 15 de Março de 2011

3 Equipa técnica 1. EQUIPA TÉCNICA CÂMARA MUNICIPAL DE SILVES Direcção do projecto (Dra.) Isabel Soares Presidente Câmara Municipal de Silves Coordenação (Dr.) Rui Fernandes Responsável da Protecção Civil CENTRAL TERMOELÉCTRICA DE TUNES Coordenação Fernando A. Rodrigues Pereira José Arnaldo Sousa Ribeiro Director do Centro de Produção Coordenador do SHST Equipa técnica Jaime Augusto Borges Prazeres António Manuel Pereira METACORTEX, S.A. Direcção técnica Leal Martins Lic. Eng. Mecânica Gestor de projecto Fernando Malha Lic. Eng. Geográfica i

4 Índice 2. ÍNDICE 1. Equipa Técnica... i 2. Índice...ii 3. Índice de tabelas... iv 4. Índice de figuras... v 5. Acrónimos... vi Parte I Enquadramento geral do plano Introdução Âmbito de aplicação Objectivos Objectivos gerais Objectivos específicos Enquadramento legal Antecedentes do processo de planeamento Articulação com instrumentos de planeamento e ordenamento do território Activação do plano Competência para a activação do plano Critérios para a activação do plano Programa de exercícios Parte II organização da resposta Conceito de actuação Execução do plano fase de pré emergência Fase de emergência Fase de reabilitação Zonas de intervenção Actuação dos agentes, organismos e entidades Comissão municipal de protecção civil Missão das estruturas autárquicas Fase de emergência Fase de reabilitação Missão dos agentes de protecção civil Fase de emergência Fase de reabilitação Missão dos organismos e entidades de apoio ii

5 Índice Fase de emergência Fase de reabilitação Coordenação entre a CMPC e o operador da Central Termoeléctrica de Tunes Resposta esperada Parte III Áreas de intervenção Administração de meios e recursos Logística Apoio logístico às forças de intervenção Apoio logístico às populações Comunicações Gestão da informação Gestão de informação entre as entidades actuantes nas operações Gestão de informação entre as entidades intervenientes no PEECTT Gestão da informação pública Procedimentos de evacuação Manutenção da ordem pública Serviços médicos e transporte de vítimas Apoio social e apoio psicológico Socorro e salvamento Serviços mortuários Parte IV - Informação complementar Secção I Mecanismos da estrutura de protecção civil Comissão Municipal de Protecção Civil Declaração das Situações de alerta Sistema de Monitorização, Alerta e Aviso Situações em que o SMPC é alertado pelo responsável da Central Formas de alerta da CTT Sistemas de comunicações disponíveis na sala de comando Informação a prestar em caso de alerta Métodos de avaliação das áreas de risco na envolvente da Central Modo de aviso aos estabelecimentos vizinhos Disposições destinadas a dpoiar as medidas de mitigação tomadas no exterior da Central Sistemas de aviso Anexos iii

6 Índice 3. ÍNDICE DE TABELAS Tabela 1. Critérios para a definição do grau de gravidade Tabela 2. Critérios para a activação do PEECTT, de acordo com o grau de gravidade e de probabilidade da ocorrência Tabela 3. Calendarização dos exercícios de emergência ( ) Tabela 4. Coordenação, constituição e missão da Comissão Municipal de Protecção Civil Tabela 5. Missão das estruturas autárquicas nas fases de emergência e reabilitação Tabela 6. Missão dos agentes de protecção civil implantados no concelho nas fases de emergência e reabilitação Tabela 7. Missão dos agentes de protecção civil não implantados no concelho nas fases de emergência e reabilitação Tabela 8. Missão dos organismos e entidades de apoio implantados no concelho nas fases de emergência e reabilitação Tabela 9. Missão dos organismos e entidades de apoio não implantados no concelho nas fases de emergência e reabilitação Tabela 10. Resposta esperada Tabela 11. Procedimentos para a administração de meios e recursos Tabela 12. Procedimentos de apoio logístico às forças de intervenção Tabela 13. Procedimentos de apoio logístico às populações Tabela 14. Indicativos da rede de rádio regional Governo Civil de Faro Tabela 15. Indicativos da rede de rádio regional CDOS de Faro Tabela 16. Indicativos da rede de rádio regional do distrito de Faro BHSP e CMA Tabela 17. Indicativos da rede de rádio regional do distrito de Faro corpos de bombeiros Tabela 18. Indicativos da rede de rádio regional do distrito de Faro outros agentes de protecção civil Tabela 19. Indicativos municipais da rede de rádio do distrito de Faro Tabela 20. Procedimentos relativos às comunicações Tabela 21. Procedimentos para a gestão da informação entre as entidades actuantes nas operações Tabela 22. Procedimentos para a gestão de Informação entre as entidades intervenientes no PEECTT Tabela 23. Procedimentos para a gestão da informação pública Tabela 24. Zonas de concentração local e abrigos temporários para a freguesia de Tunes Tabela 25. Procedimentos de evacuação Tabela 26. Procedimentos para a manutenção da ordem pública iv

7 Índice Tabela 27. Procedimentos para os serviços médicos e transporte de vítimas Tabela 28. Procedimentos para o apoio social Tabela 29. Procedimentos para o apoio psicológico Tabela 30. Procedimentos para o socorro e salvamento Tabela 31. Procedimentos para os serviços mortuários Tabela 32. Comissão Municipal de Protecção Civil de Silves Tabela 33. Critérios e âmbito para a declaração das situações de alerta ÍNDICE DE FIGURAS Figura 1. Critérios para a activação do Plano Figura 2. Esquema relativo ao aperfeiçoamento dos exercícios de emergência Figura 3. Ciclo da emergência Figura 4. Organização das comunicações em caso de emergência Figura 5. Organograma do Sistema de Comunicações do PEECTT de Silves Figura 6. Organização da gestão de informação do PEECTT v

8 Acrónimos 5. ACRÓNIMOS AFN Autoridade Florestal Nacional ANPC - Autoridade Nacional de Protecção Civil BVS - Corpo de Bombeiros Voluntários de Silves BVSBM Corpo de Bombeiros Voluntários de S. Bartolomeu de Messines CCOD - Centro de Coordenação Operacional Distrital CDOS - Comando Distrital de Operações de Socorro CMS - Câmara Municipal de Silves CMPC - Comissão Municipal de Protecção Civil CNOS - Comando Nacional de Operações de Socorro COM - Comandante Operacional Municipal CTT Central Termoeléctrica de Tunes GNR Guarda Nacional Republicana IM - Instituto de Meteorologia INAG Instituto da Água INEM Instituto Nacional de Emergência Médica INML Instituto Nacional de Medicina Legal LBPC - Lei de Bases da Protecção Civil LNEC Laboratório Nacional de Engenharia Civil PDEPCF- Plano Distrital de Emergência de Faro PDM - Plano Director Municipal PEE Plano de Emergência Externo PEECTT - Plano de Emergência Externo da Central Termoeléctrica de Tunes PROT Plano Regional de Ordenamento do Território SIOPS - Sistema Integrado de Operações de Protecção e Socorro SMPC - Serviço Municipal de Protecção Civil iv

9 Introdução PARTE I ENQUADRAMENTO GERAL DO PLANO 1. INTRODUÇÃO O Plano de Emergência Externo para a Central Termoeléctrica de Tunes (PEECTT) segue o Decreto- Lei 254/2007, relativo à prevenção e controlo dos perigos associados a acidentes graves que envolvam substâncias perigosas, assim como, a Resolução 25/2008, relativa aos critérios e normas técnicas para a elaboração e operacionalização de planos de emergência de protecção civil. Para além destes, baseia-se ainda nos Cadernos Prociv 7 - Manual de Apoio à Elaboração de Planos de Emergência Externos (Directiva Seveso II) (Junho, 2009) e Prociv 9 Guia para a Caracterização de Risco no Âmbito da Elaboração de Planos de Emergência de Protecção Civil (Setembro, 2009), emanados pela Autoridade Nacional de Protecção Civil (ANPC) e o disposto na Lei de Bases da Protecção Civil (LBPC); Lei n.º 27/2006, de 3 de Julho, que define os objectivos e princípios reguladores da actividade de protecção civil e estabelece as acções de coordenação, direcção e execução das diferentes actividades. O PEECTT destina-se principalmente a mitigar e limitar os danos no exterior da Central Termoeléctrica de Tunes, decorrentes de um acidente grave, definindo a organização e as orientações de actuação dos agentes de protecção civil, organismos e entidades de apoio a empenhar em operações de protecção civil decorrentes desses acidentes, de modo a garantir a protecção da população. Este plano, deverá pois, antecipar os cenários susceptíveis de desencadear um acidente grave ou catástrofe, definindo de modo inequívoco, a estrutura organizacional e os procedimentos para a preparação e aumento da capacidade de resposta. O PEECTT foi realizado em complementaridade ao Plano de Emergência Interno da Central Termoeléctrica de Tunes, visando ainda, e uma vez que se trata de um plano especial de âmbito municipal, complementar o Plano Municipal de Emergência de Protecção Civil de Silves, no qual se identificaram como riscos de maior relevância no concelho de Silves, designadamente: Terramotos (constitui um dos cenários com consequências significativamente devastadoras para o município); Incêndios florestais; Tsunamis; Incêndios urbanos; Parte I - Enquadramento geral do plano 1

10 1. Introdução Colapso/estragos avultados em edifícios; Acidentes viários, aéreos e marítimos; Transporte de mercadorias perigosas; Cheias e inundações; Acidentes industriais. Dos diferentes princípios especiais pelos quais as actividades de protecção civil se devem reger e que o PEECTT adopta, merecem especial referência o princípio de prevenção e precaução, segundo o qual os riscos devem ser antecipados de forma a eliminar as suas causas ou reduzir as suas consequências, e o princípio da unidade de comando, que determina que todos os agentes actuam, no plano operacional, articuladamente sob um comando único, sem prejuízo da respectiva dependência hierárquica e funcional. A organização do PEECTT reflecte precisamente o estabelecimento daqueles princípios, em que: Na Parte I apresenta-se o enquadramento do Plano em termos legais e relativamente a outros instrumentos de planeamento e gestão do território, e abordam-se as questões relacionadas com a sua activação. Definem-se também os mecanismos que permitem a optimização da gestão dos meios e recursos existentes no município através da organização de exercícios de emergência. Na Parte II do Plano aborda-se o ponto referente à organização da resposta e áreas de intervenção, define-se o quadro orgânico e funcional da Comissão Municipal de Protecção Civil (CMPC) a convocar na iminência ou ocorrência de situações de acidente grave, catástrofe ou calamidade pública, bem como o dispositivo de funcionamento e coordenação das várias forças e serviços a mobilizar em situação de emergência. Na Parte III referem-se as diversas áreas de intervenção, entidades envolvidas e formas de actuação. Na Parte IV, relativa à informação complementar, apresenta-se uma caracterização do Município, da CTT e da sua envolvente. Identificam-se os diferentes riscos a que o concelho de Silves se encontra sujeito, fazendo-se a caracterização dos riscos relacionados com o funcionamento da CTT, avaliando-se a probabilidade da sua ocorrência e os danos que lhes poderão estar associados. Indicam-se os contactos das várias entidades e respectivos intervenientes, bem como o inventário de meios e recursos, para além de modelos a nível documental de controlo e registo. 2 Parte I - Enquadramento geral do plano

11 Introdução O PEECTT tem no Presidente da Câmara Municipal a figura de Director do Plano, sendo que o mesmo poderá ser substituído pelo Vice-Presidente da Câmara Municipal, caso, por algum motivo se encontre impossibilitado de exercer as suas funções. A entidade que aprova o PEECTT enviará para Diário da República uma declaração contendo a deliberação de aprovação. O PEECTT entrará formalmente em vigor, para efeitos de execução, planeamento de tarefas e análise dos meios e recursos existentes, no primeiro dia útil seguinte ao da publicação da deliberação de aprovação no Diário da República. Após o PEECTT estar aprovado, a Câmara Municipal de Silves dispõe de um prazo máximo de 3 anos para realizar um exercício de teste ao Plano (conforme n.º 7 do artigo 19.º do Decreto-Lei 254/2007) e de um prazo de 3 anos para rever o PEECTT (de acordo com o n.º 5 do artigo 17.º desse Decreto-Lei). A elaboração deste plano, foi feio com base nos pressupostos indicados pelo operador da Central Termoeléctrica de Tunes, e pelo respectivo Plano de Emergência Interno da mesma, pelo que, o Plano de Emergência Externo da Central Termoeléctrica de Tunes, só funcionará, caso se mantenham os referidos pressupostos, nomeadamente, se mantenha uma equipe permanente na Central que possa de imediato detectar o acidente grave ou catástrofe e accionar de imediato todos os mecanismos de emergência, de modo a mitigar o alastramento da situação de emergência para o exterior da Central. Parte I - Enquadramento geral do plano 3

12 2. Âmbito de aplicação 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO O Plano de Emergência Externo para a Central Termoeléctrica de Tunes (PEECTT) é um Plano de âmbito municipal, e de carácter especial para riscos químicos graves, elaborado pela Câmara Municipal de Silves (CMS), e que visa fazer face a um acidente grave ou catástrofe com origem na CTT, de forma a mitigar e limitar os danos no exterior do estabelecimento, de acordo com previsto no Decreto-Lei n.º 254/2007 de 12 de Julho, em função da Directiva Seveso II. O âmbito de aplicação deste documento é toda a zona envolvente da Central Termoeléctrica de Tunes, incluindo a zona envolvente, num raio de 2 km a partir da central (ver mapa em anexo). Relativamente aos produtos armazenados e manuseados na CTT, estes são de natureza diversa, tanto nos respectivos parques de armazenagem como no interior dos edifícios. Dos vários produtos existentes na Central, alguns representam perigos potenciais, pelo que, desde a 1ª edição do Plano de Emergência Interno, tem sido mantida uma listagem (actualizada sempre que necessário), de produtos susceptíveis de originar ou agravar acidentes, de natureza pessoal, ambiental, ou patrimonial, nomeadamente, gasóleo, óleo lubrificante, óleos isolantes, óleos usados, solventes e gases comprimidos (hidrogénio, dióxido de carbono e gases de soldadura) O Director do Plano de Emergência Externo é a Presidente de Câmara Municipal, tendo como substitutos o Vice-Presidente e vereador com o pelouro da protecção civil. As situações que deverão levar à activação do Plano encontram-se descritas pormenorizadamente no Ponto 7, sendo que desse conjunto de acções resulta a resposta e posterior operacionalização ao nível da emergência. Anteriormente é efectuada a análise e avaliação de risco que pode levar ou não à activação do plano e, caso a decisão seja de activação, é determinado o início da obrigatoriedade dos vários cenários elaborados no Plano. Finalmente, e para a manutenção ou recuperação de estruturas e serviços essenciais, procede-se à aplicação de medidas de reabilitação. 4 Parte I - Enquadramento geral do plano

13 3. Objectivos 3. OBJECTIVOS 3.1 OBJECTIVOS GERAIS O PEECTT tem como principais objectivos: Providenciar, através de uma resposta concertada, as condições e os meios indispensáveis à minimização dos efeitos adversos de um acidente grave ou catástrofe envolvendo substâncias perigosas; Definir as orientações relativamente ao modo de actuação dos vários organismos, serviços e estruturas a empenhar em operações de protecção civil no exterior da CTT; Definir a unidade de direcção, coordenação e comando das acções a desenvolver no exterior da CTT; Coordenar e sistematizar as acções de apoio, promovendo maior eficácia e rapidez de intervenção das entidades intervenientes; Inventariar os meios e recursos disponíveis para acorrer a um acidente grave ou catástrofe envolvendo substâncias perigosas; Minimizar a perda de vidas e bens, atenuar ou limitar os efeitos de acidentes graves ou catástrofes e restabelecer o mais rapidamente possível, as condições mínimas de normalidade; Assegurar a criação de condições favoráveis ao empenhamento rápido, eficiente e coordenado de todos os meios e recursos disponíveis, sempre que a gravidade e dimensão das ocorrências justifique a activação do PEECTT; Habilitar as entidades envolvidas no plano a manterem o grau de preparação e de prontidão necessário à gestão de acidentes graves ou catástrofes; Promover a informação das populações através de acções de sensibilização, tendo em vista a sua preparação, a assumpção de uma cultura de auto-protecção e a colaboração na estrutura de resposta à emergência. Aplicar as medidas necessárias para proteger o homem e o ambiente dos efeitos de acidentes graves envolvendo substâncias perigosas. Parte I - Enquadramento geral do plano 5

14 3. Objectivos 3.2 OBJECTIVOS ESPECÍFICOS O PEECTT apresenta os seguintes objectivos específicos: Minimizar os efeitos de acidentes graves causados por substâncias perigosas e limitar os danos da população, no ambiente e nos bens; Assegurar a comunicação, entre o operador do estabelecimento e o SMPC, de avisos imediatos dos eventuais acidentes graves, envolvendo substâncias perigosas ou incidentes não controlados passíveis de conduzir a um acidente grave; Comunicar ao público as informações necessárias relacionadas com o acidente, incluindo as medidas de autoprotecção a adoptar; Identificação das medidas para a reabilitação e, sempre que possível, para a reposição da qualidade do ambiente, na sequência de um acidente grave envolvendo substâncias perigosas. O bom funcionamento do Plano e das suas medidas depende da concretização de cada um dos objectivos, pelo que deverá ser alvo constante de melhorias de acordo com a experiência que vai sendo adquirida ao longo da sua vigência. 6 Parte I - Enquadramento geral do plano

15 5. Antecedentes do processo de planeamento 4. ENQUADRAMENTO LEGAL A elaboração do PEECTT, assim como a sua execução, encontram-se regulamentados por legislação diversa, que vai desde a organização da actividade das entidades com responsabilidades no âmbito de protecção civil, passando pelas normas a seguir na elaboração do Plano, até à legislação relativa à segurança de diferentes tipos de infra-estruturas (barragens, transporte e armazenamento de substâncias perigosas, etc.). A elaboração deste Plano teve como base a seguinte legislação geral: Resolução n.º 25/2008 de 18 de Julho Directiva relativa aos Critérios e normas técnicas para a elaboração e operacionalização de planos de emergência de protecção civil; Declaração n.º 344/2008 de 17 de Outubro - Regulamento de Funcionamento dos Centros de Coordenação Operacional; Portaria n.º 302/2008 de 18 de Abril - Estabelece as normas de funcionamento da Comissão Nacional de Protecção Civil; Lei n.º 65/2007 de 12 de Novembro - Lei que define o enquadramento institucional e operacional da Protecção Civil no Âmbito Municipal; Lei n.º 32/2007 de 13 de Agosto - Regime jurídico das associações humanitárias de bombeiros; Decreto-Lei n.º 247/2007 de 27 de Junho - Define o regime jurídico aplicável à constituição, organização, funcionamento e extinção dos corpos de bombeiros, no território continental; Portaria n.º 333/2007 de 30 de Março - Fixa o número máximo de unidades orgânicas flexíveis da Autoridade Nacional de Protecção Civil; Portaria n.º 338/2007 de 30 de Março - Estabelece a estrutura nuclear da Autoridade Nacional de Protecção Civil e as competências das respectivas unidades orgânicas; Decreto-Lei n.º 75/2007 de 29 de Março - Lei Orgânica da Autoridade Nacional de Protecção Civil; Decreto-Lei n.º 134/2006 de 25 de Julho - Sistema Integrado de Operações de Protecção e Socorro; Lei n.º 27/2006 de 3 de Julho - Lei de Bases da Protecção Civil; Decreto-Lei n.º 21/2006 de 2 de Fevereiro - Altera a lei orgânica do Serviço Nacional de Bombeiros e Protecção Civil, aprovada pelo Decreto-Lei n.º 49/2003 de 25 de Março; Decreto-Lei n.º 97/2005 de 16 de Junho Altera o Decreto-Lei n.º 49/2003 de 25 de Março, que cria o Serviço Nacional de Bombeiros e Protecção Civil e extingue o Serviço Nacional de Bombeiros e o Serviço Nacional de Protecção Civil; Parte I - Enquadramento geral do plano 7

16 4. Enquadramento legal Decreto-Lei n.º 49/2003 de 25 de Março - Cria o Serviço Nacional de Bombeiros e Protecção Civil e extingue o Serviço Nacional de Bombeiros e o Serviço Nacional de Protecção Civil; Decreto-Lei n.º 128/2002 de 11 de Maio - Altera o Decreto-Lei n.º 153/91 de 23 de Abril, que aprova a reorganização do Conselho Nacional de Planeamento Civil de Emergência (CNPCE) e das comissões sectoriais de planeamento civil de emergência; Decreto-Lei n.º 153/91 de 23 de Abril - Aprova a reorganização do Conselho Nacional (CNPCE) e das comissões sectoriais de planeamento civil de emergência. A elaboração deste Plano teve ainda em consideração a seguinte legislação específica: Decreto-Lei n.º 254/2007 de 12 de Julho - Regime de prevenção de acidentes graves que envolvam substâncias perigosas e a limitação das suas consequências para o homem e o ambiente. 8 Parte I - Enquadramento geral do plano

17 5. Antecedentes do processo de planeamento 5. ANTECEDENTES DO PROCESSO DE PLANEAMENTO Uma vez que este plano de emergência externo é o primeiro documento a ser elaborado com esta natureza para a Central Termoeléctrica de Tunes, não existem antecedentes do processo de planeamento. Parte I - Enquadramento geral do plano 9

18 6. Articulação com instrumentos de planeamento e ordenamento do território 6. ARTICULAÇÃO COM INSTRUMENTOS DE PLANEAMENTO E ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO Ao nível da articulação com instrumentos de planeamento e ordenamento do território, a elaboração do PEECTT teve como base o Plano Municipal de Emergência de Protecção Civil de Silves, articulando-se ainda com o Plano Director Municipal (PDM) de Silves, assim como com os instrumentos de cariz distrital, designadamente, o Plano Distrital de Emergência de Protecção Civil de Faro (PDEPCF), em revisão e o Plano Regional de Ordenamento do Território (PROT) do Algarve. 10 Parte I - Enquadramento geral do plano

19 7. Activação do plano 7. ACTIVAÇÃO DO PLANO 7.1 COMPETÊNCIA PARA A ACTIVAÇÃO DO PLANO A activação do PEECTT, em situação de emergência, encontra-se relacionada com a dimensão das consequências (verificadas ou previstas) do acidente grave ou da catástrofe envolvendo substâncias perigosas, em termos de efeitos graves na saúde, funcionamento e segurança da comunidade e de impactes no ambiente que exijam o accionamento de meios públicos e privados adicionais. A competência para activar o PEECTT é da Comissão Municipal de Protecção Civil de Silves 1, a qual assumirá as actividades de protecção civil mais urgentes, competindo ao COM assegurar a condução e coordenação das mesmas. O COM poderá ser substituído por técnico do SMPC a definir pelo Vice-Presidente da Câmara Municipal, caso, por algum motivo se encontre impossibilitado de exercer as suas funções. O PEECTT poderá ser igualmente activado na sequência de emissão de declaração da situação de contingência por parte do Governador Civil de Faro 2. O COM poderá ser substituído pelo Vice- Presidente da Câmara Municipal, caso, por algum motivo se encontre impossibilitado de exercer as suas funções. No entanto, em condições excepcionais, quando a natureza do acidente grave ou catástrofe assim o justificar, por razões de celeridade do processo, a CMPC poderá reunir com composição reduzida (Presidente da CMS, COM, Corpo de Bombeiros Voluntários de Silves, Corpo de Bombeiros Voluntários de S. Bartolomeu de Messines, GNR, Autoridade Marítima Local e Autoridade de Saúde concelhia), no caso de ser impossível reunir a totalidade dos seus membros, circunstância em que a activação será sancionada posteriormente pelo plenário da Comissão (a forma de convocação da CMPC encontra-se descrita no Ponto 1.1, da Secção I - Parte IV do Plano). Com a activação do Plano pretende-se assegurar a colaboração das várias entidades intervenientes, garantindo a mobilização mais rápida dos meios e recursos afectos ao PEECTT e uma maior eficácia e eficiência na execução das ordens e procedimentos previamente definidos, garantindo-se, desta forma, a criação de condições favoráveis à mobilização rápida, eficiente e coordenada de todos os meios e recursos disponíveis no concelho de Silves, bem como de outros meios de reforço que sejam considerados essenciais e necessários para fazer face à situação de emergência. 1 Nos termos do n.º 2 do artigo 40.º, concatenado com o n.º 2 do artigo 38.º, da Lei de Bases da Protecção Civil 2 Ao abrigo da alínea b) do n.º 2 do artigo 18.º da Lei de Bases da Protecção Civil. Parte I - Enquadramento geral do plano 11

20 7. Activação do plano Uma vez assegurada a reposição da normalidade da vida das pessoas em áreas afectadas por acidente grave ou catástrofe, deverá ser declarada a desactivação do Plano pela CMPC. Nesta sequência, deverão ser desenvolvidos os respectivos mecanismos de desactivação de emergência por todas as entidades envolvidas aquando da activação do Plano, incluindo as que compõem a CMPC. Assim, cada entidade desenvolve os devidos procedimentos internos com as respectivas equipas e plataformas logísticas para que sejam desactivados os procedimentos extraordinários adoptados. Para publicitação da activação e desactivação do PEECTT serão utilizados os meios de divulgação de informação indicados na Secção III do plano, designadamente, a imprensa escrita, rádio e televisão e sítios da Internet. 7.2 CRITÉRIOS PARA A ACTIVAÇÃO DO PLANO Os critérios para a activação do PEECTT, resultam da metodologia adoptada para o Plano Municipal de Emergência de Protecção Civil (PMEPC) do município de Silves, na qual se conjugaram o grau de intensidade das consequências negativas das ocorrências, ou seja, grau de gravidade, com o grau de probabilidade/frequência de consequências negativas, conforme definidos na Directiva Operacional Nacional n.º 1/ANPC/2007, de 16 de Maio, Assim, de acordo com o estabelecido no PMEPC, foram definidas as Classes de probabilidade e o Grau de gravidade: Classes de probabilidade: o Elevada A probabilidade do evento afectar a área do concelho é igual ou superior a 25%; o Confirmada. Grau de gravidade o Número de vítimas padrão 3 ; o Dano material em infra-estruturas 4 ; o Necessidade de evacuação de locais. 3 Valor ponderado considerando os pesos relativos para feridos graves e ligeiros considerados na fórmula de cálculo do indicador de gravidade da Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária (IG = 1 x número de mortos +0,1 x Feridos Graves + 0,03 x Feridos Ligeiros) 4 Não inclui danos em viaturas. 12 Parte I - Enquadramento geral do plano

21 7. Activação do plano A combinação das classes definidas para aqueles 3 parâmetros formam 3 classes de grau de gravidade: moderada, acentuada e crítica 5. Os mecanismos e as circunstâncias fundamentadoras para a activação do Plano, que determinam o início da sua obrigatoriedade, em função dos cenários nele considerados, encontram-se descritos na Figura 1, na Erro! A origem da referência não foi encontrada. (definição dos graus de gravidade) e na Tabela 2 (critérios para a activação do PEECTT). As acções a serem desencadeadas no âmbito da activação do PEECTT encontram-se descritas na Parte III e na Secção III Parte IV. 5 Embora as designações usadas sejam as mesmas da ANPC, importa realçar que estas foram definidas tendo por base parâmetros específicos do PEECTT (isto é, estas designações a usar no âmbito municipal não apresentam correspondência directa com as usadas pela ANPC para o nível nacional e distrital). Parte I - Enquadramento geral do plano 13

22 7. Activação do plano ACIDENTE GRAVE OU CATÁSTROFE EMINENTE ACIDENTE GRAVE OU CATÁSTROFE Grau de probabilidade elevado? SIM NÃO Reduzido ou residual Grau de gravidade da ocorrência? Acentuado ou crítico OS AGENTES DE PROTECÇÃO CIVIL E ORGANISMOS E ENTIDADES DE APOIO ACTUAM DENTRO DO SEU FUNCIONAMENTO NORMAL Moderado DECLARAÇÃO DE SITUAÇÃO DE ALERTA ACTIVAÇÃO DO PEECTT SIM Agravamento previsível da ocorrência? Legenda: NÃO início Marcador de início do processo decisão? Tomada de decisão fim Marcador de fim do processo metacortex Figura 1. Critérios para a activação do Plano 14 Parte I - Enquadramento geral do plano

23 GRAU DE PROBABILIDADE Plano de Emergência Externo para a Central Termoeléctrica de Tunes 7. Activação do Plano Tabela 1. Critérios para a definição do grau de gravidade <10 PESSOAS DESLOCADAS >10 PESSOAS DESLOCADAS DANO MATERIAL EM INFRA-ESTRUTURAS ( ) 6 NÚMERO DE VÍTIMAS PADRÃO NÚMERO DE VÍTIMAS PADRÃO [0-5[ [5-20] >20 [0-5[ [5-20] >20 < Moderada Acentuada Crítica Crítica Crítica Crítica [ ] Acentuada Acentuada Crítica Crítica Crítica Crítica > Acentuada Crítica Crítica Crítica Crítica Crítica Tabela 2. Critérios para a activação do PEECTT, de acordo com o grau de gravidade e de probabilidade da ocorrência GRAU DE GRAVIDADE MODERADA ACENTUADA CRÍTICA ELEVADA Probabilidade de ocorrência superior a 25% Actividade normal DECLARAÇÃO DE SITUAÇÃO DE ALERTA DE ÂMBITO MUNICIPAL ACTIVAÇÃO DO PLANO CONFIRMADA Ocorrência real verificada Actividade normal DECLARAÇÃO DE SITUAÇÃO DE ALERTA DE ÂMBITO MUNICIPAL ACTIVAÇÃO DO PLANO AGRAVAMENTO EXPECTÁVEL DA OCORRÊNCIA CONFIRMADA DECLARAÇÃO DE SITUAÇÃO DE ALERTA DE ÂMBITO MUNICIPAL ACTIVAÇÃO DO PLANO (PLANO ACTIVADO) 6 Não inclui o valor de danos em viaturas. Parte I - Enquadramento geral do plano 15

24 7. Activação do Plano Em síntese, a activação do PEECTT é aplicável nos casos em que: A emergência não pode ser (ou se preveja que não possa ser) gerida de forma eficaz usando apenas os recursos dos agentes de protecção civil do concelho, sendo necessário implementar e agilizar o acesso a meios de resposta suplementar; Nas situações em que se verifique, ou se preveja, a necessidade de se proceder à deslocação de um número elevado de pessoas. Em conclusão, importa sublinhar que se entende que é sempre preferível activar o Plano antecipadamente do que demasiado tarde, assim como, é sempre mais fácil e preferível desmobilizar meios que se tenha verificado desnecessários do que mobilizá-los após verificada a sua necessidade em plena situação de emergência. 16 Parte I - Enquadramento geral do plano

25 metacortex Plano de Emergência Externo para a Central Termoeléctrica de Tunes 8. Programa de exercícios 8. PROGRAMA DE EXERCÍCIOS Os exercícios-tipo visam, de acordo com o objectivo para o qual estão direccionados, melhorar a mobilização e coordenação dos vários intervenientes em situações de emergência decorrentes de acidentes graves ou catástrofes envolvendo substâncias perigosas, testando comunicações, procedimentos, avaliando as falhas e mitigando deficiências detectadas ao longo do exercício, através da adopção de medidas correctivas e/ou preventivas. As acções correctivas podem levar a alterações no PEECTT, procedimentos, equipamentos, instalações e formação, que são novamente testados durante os exercícios subsequentes. A Figura 2 representa o objectivo dos exercícios de emergência. ANTES DA OCORRÊNCIA DE UMA SITUAÇÃO REAL OCORRÊNCIA DE UMA SITUAÇÃO REAL Planos Organização Testam Formação Exercícios Identificação Avaliação, análise e melhoria Problemas Figura 2. Esquema relativo ao aperfeiçoamento dos exercícios de emergência Relativamente ao tipo de exercícios em concreto, estes podem ser agrupados em dois tipos: LivEx 7 [com meios no terreno] - é um exercício de ordem operacional, no qual se desenvolvem missões no terreno com homens e equipamento, permitindo avaliar as disponibilidades operacionais e as capacidades de execução das entidades envolvidas. CPX 8 [de posto de comando] - é um exercício específico para pessoal de direcção, coordenação e comando, permitindo exercitar o planeamento e conduta de missões e treinar a capacidade de decisão dos participantes. Entende-se, portanto, que a selecção e calendarização de exercícios de emergência constituem 7 Live Exercise 8 Comand Post Exercise Parte I - Enquadramento geral do plano 17

26 8. Programa de exercícios uma das principais responsabilidades da CMPC, nunca devendo a sua periodicidade ser inferior a um exercício trianualmente (isto é, um exercício de três em três anos), conforme o Decreto-Lei 254/2007. Na Tabela 3 encontra-se, de forma resumida, a calendarização do exercício de emergência a realizar no âmbito do PEECTT para o período de Os dados relativos ao exercício do PEECTT serão inseridos no Ponto 6 da Secção III Parte IV. Tabela 3. Calendarização dos exercícios de emergência ( ) Data de Realização (semestre) Risco Tipo de exercício Observações 2.º 1.º 2.º 1.º 2.º Testar a capacidade para detectar e identificar substâncias químicas e riscos radiológicos Avaliar a possibilidade de fazer análises quantitativas de produtos químicos industriais tóxicos comuns e agentes de guerra química reconhecidos Acidente industrial LIVEX Avaliar a capacidade de recolha de amostras, manipulação e preparação de amostras químicas e radiológicas Aplicar modelos científicos adequados à previsão dos perigos e monitorizar Apoiar a redução imediata dos riscos: contenção do perigo; neutralização do perigo; assistência técnica a outras equipas Articular as acções de emergência com as descritas nos PEI, caso existam Desta forma, interessa não só treinar a resposta a dar em caso de acidente ou catástrofe envolvendo substâncias perigosas, como também conhecer a necessidade de meios para que se consiga obter uma resposta positiva, uma vez que em situações onde se verifique a ocorrência de vários locais afectados em simultâneo será necessário distribuir de forma eficiente os meios existentes ao nível do município. 18 Parte I - Enquadramento geral do plano

27 1. Conceito de actuação PARTE II ORGANIZAÇÃO DA RESPOSTA 1. CONCEITO DE ACTUAÇÃO Tal como considerado no PMEPC de Silves, a actuação das entidades que ao nível do concelho possuem responsabilidades na área da protecção civil compreende necessariamente três fases, de normalidade, em que as diferentes entidades desenvolvem a sua regular actividade de acordo com a sua estrutura de comando e direcção internas, de emergência, onde se torna necessária uma actuação articulada entre os agentes de protecção civil que actuam ao nível do concelho e as entidades e organismos de apoio e de reabilitação, que compreende o restabelecimento da normal actividade da comunidade afectada. Neste sentido, tendo em conta o normal ciclo das emergências, as várias entidades com responsabilidades no âmbito da protecção civil deverão basear a sua actividade em três eixos fundamentais de acção: prevenção e planeamento; socorro e assistência; e reabilitação. Estes três eixos constituem as componentes essenciais de actuação associadas ao ciclo de emergência, o qual se encontra representado na Figura 3. Preparação da resposta Aviso e evacuação Operações de socorro Prevenção e planeamento Providenciar primeiros-socorros Estimar danos Avaliação de riscos Desenvolviment o urbano Recuperação social e económica Reconstrução (eventual criação de novos fogos) Assistência continuada Reabilitação dos serviços e infra-estruturas essenciais Fonte: adaptado de ESA funded GSE RESPOND Figura 3. Ciclo da emergência Parte II Organização da resposta 19

28 1. Conceito de actuação As várias fases do ciclo de emergência são controladas através de uma estrutura organizacional que compreende estruturas de direcção, coordenação e comando. A nível municipal, a direcção política é assegurada pelo Presidente da Câmara Municipal, sendo a coordenação política e institucional competência da CMPC. No que respeita à estrutura de comando, esta compreende, a nível municipal, o COM. A estrutura organizacional de nível municipal e a sua articulação com a organização de nível nacional encontra-se descrita de forma detalhada na Secção I - Parte IV. O Director do PEECTT é o Presidente da Câmara Municipal de Silves, sendo a intenção do mesmo a prevenção, socorro, assistência e reabilitação adequadas em cada caso, recorrendo para tal à CMPC, aos serviços municipais, ao CDOS e ao Governador Civil. Importa sublinhar que em caso de emergência o Director do PEECTT e a CMPC encontram-se em contacto permanente com o CDOS (através do Comandante Operacional Distrital) e com o Governador Civil de modo a garantir a eficácia e eficiência das acções a implementar e a garantir que a informação disponível para as várias entidades intervenientes se encontra permanentemente actualizada. 20 Parte II Organização da resposta

29 2. Execução do plano 2. EXECUÇÃO DO PLANO No uso das competências e responsabilidades que legalmente lhe estão atribuídas no âmbito da direcção e coordenação das operações de protecção civil, a Presidente da Câmara Municipal (director do plano), ou o seu substituto, envidará todos os esforços para facultar aos serviços da Câmara Municipal, e aos demais organismos intervenientes (Entidades de Apoio), as condições indispensáveis para assegurar o conjunto das acções a desenvolver. Este PEE articula-se com o Plano de Municipal Emergência de Silves na gestão de emergência, procedimentos, instruções e doutrinas. 2.1 FASE DE PRÉ EMERGÊNCIA Durante a fase pré-emergência será importante que as entidades com responsabilidades no âmbito da protecção civil desenvolvam esforços no sentido de maximizar a sua eficiência conjunta em situações de acidente grave e catástrofe que envolvam substâncias perigosas. Seguidamente, são indicados os procedimentos a desenvolver nesta fase: planeamento de estratégias de emergência; avaliação constante dos riscos da CTT; delineamento e realização de exercícios; realização de acções de sensibilização e esclarecimento dirigida à população susceptível de ser afectada por um acidente grave ou catástrofe na CTT; actualização dos meios e recursos disponíveis e das entidades que poderão intervir em caso de acidente grave ou catástrofe envolvendo substâncias perigosas. 2.2 FASE DE EMERGÊNCIA A fase de emergência caracteriza as acções de resposta tomadas e desenvolvidas nas primeiras horas após um acidente grave ou catástrofe e destina-se a providenciar, através de uma resposta concertada, as condições e meios indispensáveis à minimização das consequências, nomeadamente as que impactem nos cidadãos, no património e no ambiente. Descreve-se de seguida as acções a serem desenvolvidas: Convocar imediatamente a Comissão Municipal de Protecção Civil, declarando a activação do PEECTT e accionar o alerta às populações em perigo/risco; Parte II Organização da resposta 21

30 2. Execução do plano Determinar ao Comandante Operacional Municipal a coordenação e promoção da actuação dos meios de socorro de modo a controlar o mais rapidamente possível a situação; Decidir em cada momento, as acções mais convenientes em função da emergência, e a aplicação das medidas de protecção, tanto para a população como para os vários agentes intervenientes no PEECTT; Difundir através da Comunicação Social, ou por outros meios, os conselhos e medidas a adoptar pelas populações que poderão ser afectadas; Promover a evacuação dos feridos e doentes para os locais destinados ao seu tratamento; Assegurar a manutenção da lei e da ordem e garantir a circulação nas vias de acesso necessárias para a movimentação dos meios de socorro e evacuação das populações em risco; Coordenar e promover a evacuação das zonas de risco; Informar o Centro Distrital de Operações e Socorro (CDOS) da situação e solicitar os apoios e meios de reforço que considere necessários, mediante a especificidade da ocorrência presente na CTT; Promover a coordenação e actuação dos órgãos e forças Municipais de Protecção Civil. 2.3 FASE DE REABILITAÇÃO Controlada a situação de emergência, será ainda importante desenvolver esforços no sentido de restabelecer a normal actividade das populações afectadas. De modo a garantir que esta fase se processa de forma célere, será fundamental definir quais os domínios que deverão ser alvo preferencial de intervenção e as acções que permitirão alcançar os objectivos propostos. Tal processo exige, portanto, uma actividade prévia de planeamento que compreenda a definição das acções a desenvolver, entidades responsáveis pelas mesmas e quais as melhores soluções técnicas a adoptar. A fase de reabilitação caracteriza-se pelo seguinte conjunto de acções: Adoptar as medidas necessárias à urgente normalização das condições de vida das populações atingidas, ao rápido restabelecimento das infra-estruturas e dos serviços públicos e privados essenciais (fundamentalmente os abastecimento de água, energia, comunicações e acesso) e à prevenção de novos acidentes; 22 Parte II Organização da resposta

31 2. Execução do plano Estabelecimento de condições para o regresso das populações, bens, a inspecção de edifícios e estruturas e a remoção de destroços ou entulhos; Avaliação e quantificação dos danos pessoais e materiais, com o objectivo de obter informações destinadas a apoiar as actividades das forças de intervenção, a determinar prioridades quanto ao restabelecimento das vias de circulação e das redes públicas essenciais; Monitorizar a qualidade do ar, água e solos; Verificar as medidas de emergência tomadas pelo operador da CTT, para mitigação dos riscos a médio e a longo prazo; Análise da situação que despoletou o acidente grave ou catástrofe e balanço da eficiência das operações e dos meios utilizados; Estimar os prejuízos causados pela emergência. 2.4 ZONAS DE INTERVENÇÃO A zona de intervenção do PEECTT é toda a zona envolvente da Central Termoeléctrica de Tunes, incluindo a zona envolvente, num raio de 2 km a partir da central (ver mapa em anexo), podendo englobar as zonas de apoio, zonas de concentração e reserva e zona de recepção de reforços. Parte II Organização da resposta 23

32 3. Actuação dos agentes, organismos e entidades 3. ACTUAÇÃO DOS AGENTES, ORGANISMOS E ENTIDADES Nos pontos que se seguem define-se, de forma detalhada, todas estas questões de modo a maximizar a eficiência da resposta dos agentes de protecção civil que actuam ao nível do concelho de Silves, tendo em conta os meios disponíveis e as características específicas do município. 3.1 COMISSÃO MUNICIPAL DE PROTECÇÃO CIVIL De acordo com o artigo 3.º, da Lei n.º 65/2007, de 12 de Novembro, a Comissão Municipal de Protecção Civil (CMPC) é o órgão que garante que as diferentes entidades que a compõem accionam, no âmbito da sua estrutura orgânica e das suas atribuições, os meios necessários para o desenvolvimento das acções de protecção civil. Embora a legislação actualmente em vigor indique que compete à CMPC activar o PEECTT sempre que considerem que tal se justifique, o facto é que não específica as competências da mesma em situações de acidente grave ou catástrofe identificadas na Lei n.º 65/2007, de 12 de Novembro e na Directiva Operacional Nacional n.º 1/ Neste sentido, é fundamental definir a missão da CMPC em caso de activação do PEECTT, tendo em vista garantir que as várias entidades actuam de forma articulada e que os meios materiais e humanos disponíveis no concelho são aplicados de forma rápida e eficiente, mitigando-se assim os impactes associados ao acidente grave ou catástrofe envolvendo substâncias perigosas. Isto é conseguido através da definição das matérias sobre as quais a CMPC deverá deliberar, bem com das missões dos gabinetes de apoio ao director do PEECTT. Um aspecto fundamental que importa, desde já, clarificar prende-se com a segmentação das entidades que compõem a CMPC em dois grandes núcleos, conforme previsto no regulamento de funcionamento da Comissão Municipal de Protecção Civil: Núcleo 1 constituído pela autoridade municipal de protecção civil (Presidente da Câmara Municipal e Director do PMEPC de Silves e do PEECTT, o qual se apoia no COM) e os agentes de protecção civil implantados no município (GNR, Corpo de Bombeiros Voluntários de Silves, Corpo de Bombeiros Voluntários de S. Bartolomeu de Messines, Centro de Saúde de Silves, Autoridade de Saúde do município); Núcleo 2 Constituído por outros agentes de protecção civil, nomeadamente, a Autoridade Marítima Local e o Centro Hospitalar do Barlavento Algarvio, e por organismos e entidades de apoio ao Núcleo 1, nomeadamente, o Instituto de Segurança Social, I.P. - Centro Distrital de Faro, Cruz Vermelha Portuguesa (Delegação de Silves), Polícia Judiciária, Serviço de Estrangeiros e Fronteiras, Autoridade Florestal Nacional, Estradas de Portugal, 24 Parte II Organização da resposta

33 3. Actuação dos agentes, organismos e entidades REFER, Corpo Nacional de Escutas Agrupamentos de Silves, S. Bartolomeu de Messines e Alcantarilha, entre outras. O princípio de actuação da CMPC deverá também assentar nos três pilares atrás identificados, isto é, deverá promover a redução dos riscos nas fases que medeiam acidentes graves ou catástrofes, garantir uma actuação articulada e eficiente das entidades que a compõem durante situações de emergência e promover no mais curto espaço de tempo a reabilitação da situação de normalidade da população civil presente no concelho. Deste modo, e em sentido lato, caberá à CMPC antes, durante e após as situações de emergência as responsabilidades identificadas na Tabela 4. Por fim, importa também salientar que a CMPC se irá reunir antes e durante as situações de emergência nas instalações no Auditório Municipal da Câmara Municipal de Silves ou, em alternativa, nas instalações do Corpo de Bombeiros Voluntários de Silves ou ainda nas instalações do Corpo de Bombeiros Voluntários de S. Bartolomeu de Messines. Parte II Organização da resposta 25

34 3. Actuação dos agentes, organismos e entidades Tabela 4. Coordenação, constituição e missão da Comissão Municipal de Protecção Civil COMISSÃO MUNICIPAL DE PROTECÇÃO CIVIL COORDENAÇÃO Presidente da Câmara Municipal de Silves (Director do PEECTT) ou o Vice-Presidente, em sua substituição CÂMARA MUNICIPAL DE SILVES E JUNTAS DE FREGUESIA: Presidente da Câmara Municipal de Silves, ou seu substituto; Comandante Operacional Municipal. AGENTES DE PROTECÇÃO CIVIL: Corpo de Bombeiros Voluntários de Silves; Corpo de Bombeiros Voluntários de S. Bartolomeu de Messines; GNR; Autoridade Marítima Local; Centro de Saúde de Silves; CONSTITUIÇÃO Autoridade de Saúde do Município (Delegado do Centro de Saúde de Silves); Centro Hospitalar do Barlavento Algarvio. ORGANISMOS E ENTIDADES DE APOIO: Instituto de Segurança Social, I.P. - Centro Distrital de Faro; Cruz Vermelha Portuguesa (Delegação de Silves); Polícia Judiciária; Serviço de Estrangeiros e Fronteiras; Autoridade Florestal Nacional Direcção Regional de Florestas do Algarve; Estradas de Portugal; REFER; Corpo Nacional de Escutas Agrupamentos de Silves, S. Bartolomeu de Messines e Alcantarilha. MISSÃO - FASE DE EMERGÊNCIA Caso o acidente grave ou catástrofe o justifique, competirá à CMPC activar o PEECTT de modo a maximizar a eficiência das operações (mobilização e articulação de meios) e controlar o mais rapidamente possível a ocorrência; Avaliar os riscos associados à situação de emergência, os danos causados (ou potenciais) e estudar as diferentes alternativas estratégicas para pôr cobro à situação; Determinar em concreto as operações de emergência a desencadear, tendo em conta as orientações definidas na Parte III do PEECTT; 26 Parte II Organização da resposta

35 3. Actuação dos agentes, organismos e entidades COMISSÃO MUNICIPAL DE PROTECÇÃO CIVIL Apoiar o(s) Comandante(s) das Operações de Socorro na definição das zonas que deverão ser consideradas como prioritárias dentro da área sinistrada; Disponibilizar os meios e desencadear as operações solicitadas pelo(s) Comandante(s) das Operações de Socorro, na medida das possibilidades verificadas; Apoiar a evacuação de locais nas zonas de risco, indicar os locais para onde as populações deverão ser realojadas e determinar as medidas conducentes a garantir o seu agasalho, alimentação e higiene; Condicionar o trânsito rodoviário e a circulação pedonal; Promover as condições necessárias para a evacuação dos feridos e doentes para os locais apropriados ao seu tratamento (disponibilização de infra-estruturas e desobstrução de vias); Determinar a mobilização dos recursos materiais e humanos necessários, estabelecendo planos de distribuição pelas zonas consideras prioritárias, como sejam as áreas sinistradas, locais de refúgio da população deslocada, etc. Avaliar os meios logísticos necessários para a correcta intervenção das equipas que se encontram no terreno e providenciar a sua distribuição pelas mesmas; Autorizar e apoiar técnica e operacionalmente demolições e desobstruções; Determinar a implementação de avisos à população, activando para tal o Gabinete de Informação e Relações Públicas; Difundir através dos meios de comunicação social, e por outros meios, os conselhos e medidas a adoptar pelas populações; Actualizar e registar de forma continuada a evolução da situação, a fim de, e com a máxima celeridade, promover e adequar a actuação dos meios de socorro; Determinar o pedido de ajuda aos Serviços Municipais de Protecção Civil vizinhos e/ou ao Comando Distrital de Operações de Socorro, articulando-se posteriormente com aquele de modo a optimizar a resposta (princípio da subsidiariedade); Manter informado o Comando Distrital de Operações de Socorro do desenrolar das operações; Determinar a constituição de um Centro de Operações Avançado na proximidade da zona afectada ou de um local alternativo de funcionamento da CMPC; Solicitar à Autoridade Nacional de Protecção Civil a participação das Forças Armadas em funções de protecção civil. Em caso de manifesta urgência este pedido deverá ser endereçado directamente aos comandantes das unidades implantadas na proximidade do concelho (o pedido de intervenção das forças armadas é da responsabilidade do presidente da Câmara Municipal de Silves); Assegurar a manutenção da Lei e da Ordem públicas e garantir a circulação nas vias de acesso necessárias para a movimentação dos meios de socorro e evacuação dos locais que se encontrem em risco; Parte II Organização da resposta 27

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DE ELVAS

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DE ELVAS PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DE ELVAS ELABORADO POR: SERVIÇO MUNICIPAL DE PROTECÇÃO CIVIL DO MUNICÍPIO DE ELVAS PMEPC DE ELVAS Parte I ENQUADRAMENTO GERAL ÍNDICE Parte I ENQUADRAMENTO

Leia mais

O papel da Protecção Civil na Defesa contra as Cheias

O papel da Protecção Civil na Defesa contra as Cheias O papel da Protecção Civil na Defesa contra as Cheias Núcleo de Riscos e Alerta Autoridade Nacional de Protecção Civil1 Lei de Bases da Protecção Civil (Lei 27/2006, de 3 de Julho): A protecção civil é

Leia mais

Encontro Técnico da Rede Temática Proteção Civil. Organização dos Serviços Municipais de Proteção Civil- O caso de Cascais. Luís Cecílio Santos

Encontro Técnico da Rede Temática Proteção Civil. Organização dos Serviços Municipais de Proteção Civil- O caso de Cascais. Luís Cecílio Santos Encontro Técnico da Rede Temática Proteção Civil Organização dos Serviços Municipais de Proteção Civil- O caso de Cascais Luís Cecílio Santos SERVIÇO MUNICIPAL PROTEÇÃO CIVIL COM PRESIDENTE DA CÂMARA SERVIÇO

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DE CASTRO VERDE

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DE CASTRO VERDE PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DE CASTRO VERDE SERVIÇO MUNICIPAL DE PROTECÇÃO CIVIL DE CASTRO VERDE INDICE Parte I - Enquadramento Geral do Plano 4 1. Introdução 5 2. Âmbito da Aplicação

Leia mais

Emergências radiológicas O papel da protecção civil. Patrícia Pires

Emergências radiológicas O papel da protecção civil. Patrícia Pires Emergências radiológicas O papel da protecção civil Patrícia Pires 1 Lei de Bases da Proteção Civil (Lei 27/2006, de 3 de julho): É a actividade desenvolvida pelo Estado, Regiões Autónomas e autarquias

Leia mais

INDICE Parte I Enquadramento Geral do Plano Introdução Âmbito de Aplicação Objectivos Gerais... 9

INDICE Parte I Enquadramento Geral do Plano Introdução Âmbito de Aplicação Objectivos Gerais... 9 M MIIN NIIS ST TÉ ÉR RIIO OD DA AA AD DM MIIN NIIS ST TR RA AÇ ÇÃ ÃO O IIN NT TE ER RN NA A G O CO NC AN RA BR OB LO EL TE ST AS CA EC DE LD VIIL CIIV OC NO RN ER VE OV GO CASTELO BRANCO, JANEIRO DE 2010

Leia mais

REGULAMENTO DO SERVIÇO MUNICIPAL DE PROTECÇÃO CIVIL. Introdução

REGULAMENTO DO SERVIÇO MUNICIPAL DE PROTECÇÃO CIVIL. Introdução REGULAMENTO DO SERVIÇO MUNICIPAL DE PROTECÇÃO CIVIL Introdução A Lei nº 159/99, de 14 de Setembro e a Lei nº 169/99, de 18 de Setembro, com a nova redacção conferida pela Lei nº 5-A/2002 de 11 de Janeiro,

Leia mais

CONDEIXA Município PMEPC 2010 PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL

CONDEIXA Município PMEPC 2010 PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL CONDEIXA Município PMEPC 2010 PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DEZEMBRO DE 2010 Ficha Técnica Realização PensarTerritório, Lda Câmara Municipal de Condeixa-a-Nova Instituto Pedro Nunes

Leia mais

Protecção Civil. Quais os objetivos e domínios da Proteção Civil? Como está organizada a nível Nacional? Como se organiza a nível Municipal?

Protecção Civil. Quais os objetivos e domínios da Proteção Civil? Como está organizada a nível Nacional? Como se organiza a nível Municipal? Professor Doutor António Duarte Amaro / 2015 Protecção Civil Actividade desenvolvida pelo Estado, Regiões Autónomas e autarquias locais, pelos cidadãos e por todas as entidades públicas e privadas com

Leia mais

MUNICÍPIO DE AZAMBUJA REGULAMENTO DO SERVIÇO MUNICIPAL DE PROTECÇÃO CIVIL

MUNICÍPIO DE AZAMBUJA REGULAMENTO DO SERVIÇO MUNICIPAL DE PROTECÇÃO CIVIL MUNICÍPIO DE AZAMBUJA REGULAMENTO DO SERVIÇO MUNICIPAL DE PROTECÇÃO CIVIL Edital n.º 82/2000 (2.ª série). AP. Carlos Alberto Pinto de Oliveira, presidente da Câmara Municipal da Azambuja: Torna público

Leia mais

PLANO DE EMERGÊNCIA. Introdução. Objectivos do PEI. Identificação de Riscos. Constituição do PEI Curiosidades Conclusão

PLANO DE EMERGÊNCIA. Introdução. Objectivos do PEI. Identificação de Riscos. Constituição do PEI Curiosidades Conclusão PLANO DE EMERGÊNCIA Introdução Objectivos do PEI Identificação de Riscos Constituição do PEI Curiosidades Conclusão Introdução O Plano de Emergência Interno (PEI) tem o objectivo fundamental, a protecção

Leia mais

Riscos Naturais e Protecção Civil. 16 de Dezembro de 2010 Escola Secundária de Barcelinhos

Riscos Naturais e Protecção Civil. 16 de Dezembro de 2010 Escola Secundária de Barcelinhos Riscos Naturais e Protecção Civil 16 de Dezembro de 2010 Escola Secundária de Barcelinhos 1) Riscos naturais a. Erosão / Movimentos de vertente b. Cheias c. Sismos / Falhas geológicas 1) Plano Municipal

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DE VIMIOSO

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DE VIMIOSO PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DE VIMIOSO PARTE II ORGANIZAÇÃO DA RESPOSTA Setembro 2009 Plano Municipal de Emergência de Protecção Civil de Vimioso Parte II Organização da resposta

Leia mais

Nota Curricular. Joaquim José Peixe Piteira

Nota Curricular. Joaquim José Peixe Piteira Nota Curricular Joaquim José Peixe Piteira Évora 18 de Dezembro de 2013 Identificação Nome Joaquim José Peixe Piteira Contactos Institucionais Serviço Municipal de Protecção Civil Aeródromo Municipal de

Leia mais

DIRECÇÃO MUNICIPAL DE BOMBEIROS E PROTECÇÃO CIVIL SERVIÇO MUNICIPAL DE PROTECÇÃO CIVIL CHEIAS RIO DOURO. Plano Municipal Especial de Cheias V. N.

DIRECÇÃO MUNICIPAL DE BOMBEIROS E PROTECÇÃO CIVIL SERVIÇO MUNICIPAL DE PROTECÇÃO CIVIL CHEIAS RIO DOURO. Plano Municipal Especial de Cheias V. N. CHEIAS RIO DOURO Plano Municipal Especial de Cheias V. N. Gaia I CONGRESSO INTERNACIONAL DE RISCOS MAIO 2009 Salvador Almeida Carla Bastos Concelho V. N. Gaia - Plano Municipal Especial de Cheias - PMEC

Leia mais

PLANO DE EMERGÊNCIA EXTERNO

PLANO DE EMERGÊNCIA EXTERNO PLANO DE EMERGÊNCIA EXTERNO GALP COMERCIALIZAÇÃO PORTUGAL, LDA. CONTEÚDO NÃO RESERVADO DEZEMBRO 2009 ÍNDICE I PROMULGAÇÃO... 1 1. ENQUADRAMENTO GERAL DO PLANO... 1-1 1.1 INTRODUÇÃO... 1-1 1.2 ÂMBITO DE

Leia mais

PLANO DE SEGURANÇA E SAÚDE

PLANO DE SEGURANÇA E SAÚDE UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA ÁREA DEPARTAMENTAL DE ENGENHARIA CIVIL CONSTRUÇÃO CIVIL 2007 1 2 1 3 4 2 5 6 3 7 8 4 9 10 5 11 12 6 CONSIDERAÇÕES GERAIS O Plano de Segurança e Saúde

Leia mais

DIPLOMA/ACTO : Decreto-Lei n.º 233/96. EMISSOR : Ministério da Defesa Nacional. DATA : Sábado, 7 de Dezembro de 1996 NÚMERO : 283/96 SÉRIE I-A

DIPLOMA/ACTO : Decreto-Lei n.º 233/96. EMISSOR : Ministério da Defesa Nacional. DATA : Sábado, 7 de Dezembro de 1996 NÚMERO : 283/96 SÉRIE I-A DIPLOMA/ACTO : Decreto-Lei n.º 233/96 EMISSOR : Ministério da Defesa Nacional DATA : Sábado, 7 de Dezembro de 1996 NÚMERO : 283/96 SÉRIE I-A PÁGINAS DO DR : 4398 a 4399 Decreto-Lei n.º 233/96, de 7 de

Leia mais

CATÁLOGO DE FORMAÇÃO

CATÁLOGO DE FORMAÇÃO Frequência Gratuita FORMAÇÃO MODULAR CERTIFICADA A Formação Modular Certificada, que tem por base as Unidades de Formação de Curta Duração de 25 ou 50 horas constantes do Catálogo Nacional de Qualificações,

Leia mais

APRESENTAÇÃO PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR CONDUTA DE MERCADO. Instituto de Seguros de Portugal. 6 de Maio de 2009

APRESENTAÇÃO PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR CONDUTA DE MERCADO. Instituto de Seguros de Portugal. 6 de Maio de 2009 APRESENTAÇÃO PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR CONDUTA DE MERCADO Instituto de Seguros de Portugal 6 de Maio de 2009 1 OBJECTIVOS DA INICIATIVA REGULATÓRIA Estabelecimento de princípios gerais a observar

Leia mais

Regulamento da Comissão Municipal de Protecção Civil

Regulamento da Comissão Municipal de Protecção Civil Regulamento da Comissão Municipal de Protecção Civil PREÂMBULO A Lei n.º 27/2006, de 3 de Julho, que aprova a Lei de Bases da Protecção Civil, bem como a Lei n.º 65/2007 de 12 de Novembro (que define o

Leia mais

Plano Especial de Emergência de Protecção Civil para Acidentes Rodoviários no Distrito de Castelo Branco

Plano Especial de Emergência de Protecção Civil para Acidentes Rodoviários no Distrito de Castelo Branco MINISTÉRIO DA ADMNISTRAÇÃO INTERNA Governo Civil de Castelo Branco Comissão Distrital de Protecção Civil de Castelo Branco Plano Especial de Emergência de Protecção Civil para Acidentes Rodoviários no

Leia mais

Ordenamento do Espaço Rural

Ordenamento do Espaço Rural Ordenamento do Espaço Rural Ano lectivo 2005/2006 Capítulo 4 Ordenamento do Espaço Rural 1 4.1 A Política Nacional de Ordenamento do Território 2 Ordenamento do Território Assenta no sistema de gestão

Leia mais

Câmara Municipal de Portalegre AVISO

Câmara Municipal de Portalegre AVISO AVISO Aprovado por esta Câmara Municipal em sua reunião ordinária realizada em 2008-06-09 e pela Assembleia Municipal em sessão de 2008-06-30 o Regulamento dos Serviços Municipais de Protecção Civil do

Leia mais

PLANO DE SEGURANÇA 1- DEFINIÇÃO

PLANO DE SEGURANÇA 1- DEFINIÇÃO PLANO DE SEGURANÇA 1- DEFINIÇÃO O Plano de Segurança é um documento que sistematiza um conjunto de normas e regras, enquadradas nas modalidades de segurança ativa e passiva e destinadas a minimizar os

Leia mais

N. o 4 6 de Janeiro de 2000 DIÁRIO DA REPÚBLICA II SÉRIE 261

N. o 4 6 de Janeiro de 2000 DIÁRIO DA REPÚBLICA II SÉRIE 261 N. o 4 6 de Janeiro de 2000 DIÁRIO DA REPÚBLICA II SÉRIE 261 Despacho n. o 378/2000 (2. a série). Com vista à implantação e permanência definitiva do troço entre as caixas 7-E e 7-G do emissário terrestre

Leia mais

Porquê ler este documento? Por quem é elaborada a informação?

Porquê ler este documento? Por quem é elaborada a informação? Informação a comunicar ao público sobre estabelecimento abrangido pelo regime de prevenção de acidentes graves que envolvem substâncias perigosas Central Termoelétrica do Pego Porquê ler este documento?

Leia mais

ALAIN AREAL LISBOA, 03 DE OUTUBRO 2016

ALAIN AREAL LISBOA, 03 DE OUTUBRO 2016 ALAIN AREAL LISBOA, 03 DE OUTUBRO 2016 Enquadramento Na Europa, 60% dos acidentes de trabalho de que resultam mortos são acidentes rodoviários, incluindo os acidentes de trajecto para o trabalho. Acidentes

Leia mais

População Aprox habitantes. Área Aprox. 650 Km 2. Obras Licenciadas 2007 Grande Porto Edificação Demolição

População Aprox habitantes. Área Aprox. 650 Km 2. Obras Licenciadas 2007 Grande Porto Edificação Demolição População Aprox. 969.036 habitantes Área Aprox. 650 Km 2 Obras Licenciadas 2007 Grande Porto 2354 2189 Edificação 165 - Demolição Obras Concluídas2007 Grande Porto 1853 1794 Edificação 59 - Demolição Resíduos

Leia mais

Medidas de Autoprotecção Utilizações Tipo IV - Escolares

Medidas de Autoprotecção Utilizações Tipo IV - Escolares Câmara Municipal da madora Medidas de utoprotecção Utilizações Tipo IV - Escolares CID D E D M D OR madoraeduca Grafismo:.Galvão/GDC/GIRP - Impressão e acabamento: OG/GIRP Minuta Técnica para Elaboração

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DA ACÇÃO DE FORMAÇÃO NA ÁREA ESPECÍFICA DE SCIE

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DA ACÇÃO DE FORMAÇÃO NA ÁREA ESPECÍFICA DE SCIE CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DA ACÇÃO DE FORMAÇÃO NA ÁREA ESPECÍFICA DE SCIE ASPECTOS GERAIS O curso com uma duração de 128 horas é constituído pelas sessões a seguir indicadas. 1 Parte I Teórico prática 1.1

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DE ALCOBAÇA

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DE ALCOBAÇA PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DE ALCOBAÇA Outubro 2014 Plano Municipal de Emergência de Protecção Civil de Alcobaça MUNICIPIO DE ALCOBAÇA Serviço Municipal de Protecção Civil Outubro

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DE MATOSINHOS. Versão 3

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DE MATOSINHOS. Versão 3 PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL 2011 Versão 3 INDÍCE Parte I Enquadramento Geral do Plano 1. Introdução 2. Âmbito de aplicação 3. Objectivos gerais 4. Enquadramento legal 4.1 Legislação

Leia mais

PLANO MUNICIPAL CIVIL DE MOURÃO DE EMERGÊNCIA DE PROTEÇÃO CÂMARA MUNICIPAL DE MOURÃO

PLANO MUNICIPAL CIVIL DE MOURÃO DE EMERGÊNCIA DE PROTEÇÃO CÂMARA MUNICIPAL DE MOURÃO PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTEÇÃO CIVIL DE MOURÃO CÂMARA MUNICIPAL DE MOURÃO PÁGINA 2 DE 160 ÍNDICE 1 ENQUADRAMENTO GERAL DO PLANO... 5 1.1 INTRODUÇÃO... 5 1.2 ÂMBITO DE APLICAÇÃO... 5 1.3 OBJETIVOS

Leia mais

MUNICÍPIO DE CONDEIXA-A-NOVA

MUNICÍPIO DE CONDEIXA-A-NOVA N O T A J U S T I F I C AT I V A Com a entrada em vigor do Decreto de Lei n.º 65/2007, de 12 de Novembro, é estabelecida uma nova moldura legal de enquadramento institucional e operacional no âmbito da

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 329/XI

PROJECTO DE LEI N.º 329/XI Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º 329/XI ESTABELECE O ALARGAMENTO DO PERÍODO DE TEMPO FIXADO PARA A ÉPOCA BALNEAR E DEFINE A OBRIGATORIEDADE DE ASSISTÊNCIA A BANHISTAS DURANTE TODO O ANO Exposição

Leia mais

Operadores de Sistemas de Assistência e Socorros OPSAS. Estrutura da prova específica da especialidade. Nº de questões no BCQ

Operadores de Sistemas de Assistência e Socorros OPSAS. Estrutura da prova específica da especialidade. Nº de questões no BCQ Operadores de Sistemas de Assistência e Socorros OPSAS Estrutura da prova específica da especialidade Disciplina Capítulo Nº de questões no BCQ Nº de questões a sair no Teste Organização e Sistemas de

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS BOMBEIROS VOLUNTÁRIOS DE MANGUALDE PLANO DE ACTIVIDADES

ASSOCIAÇÃO DOS BOMBEIROS VOLUNTÁRIOS DE MANGUALDE PLANO DE ACTIVIDADES ASSOCIAÇÃO DOS BOMBEIROS VOLUNTÁRIOS DE MANGUALDE PLANO DE ACTIVIDADES 2007 PLANO DE ACTIVIDADES PARA O ANO 2007 INTRODUÇÃO No cumprimento das disposições estatutárias, a Direcção da Associação dos Bombeiros

Leia mais

Equipas de Apoio de Retaguarda

Equipas de Apoio de Retaguarda Equipas de Apoio de Retaguarda (Fogos Florestais) 2013 PREAMBULO As Equipas de Apoio de Retaguarda / 2013, têm por base a experiência de alguns Agrupamentos no âmbito do apoio às diversas entidades de

Leia mais

Empreitada de Execução das Redes de Saneamento de Benavente EN118 / Avenida do Seculo Samora Correia 4º prolongamento

Empreitada de Execução das Redes de Saneamento de Benavente EN118 / Avenida do Seculo Samora Correia 4º prolongamento Dono de Obra Entidade Executante AR Águas do Ribatejo, EM, S.A. PROTECNIL - Sociedade Técnica de Construções, S.A. PROJECTO DE SINALIZAÇÃO TEMPORÁRIA DE SEGURANÇA A IMPLEMENTAR NA EMPREITADA Empreitada

Leia mais

CONDEIXA Município PMEPC 2010 PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL

CONDEIXA Município PMEPC 2010 PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL CONDEIXA Município PMEPC 2010 PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DEZEMBRO DE 2010 Ficha Técnica Realização PensarTerritório, Lda Câmara Municipal de Condeixa-a-Nova Instituto Pedro Nunes

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DE VALPAÇOS

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DE VALPAÇOS PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DE VALPAÇOS PARTE I ENQUADRAMENTO GERAL DO PLANO Julho 2011 Plano Municipal de Emergência de Protecção Civil de Valpaços Parte I Enquadramento geral do

Leia mais

Mod rev 0. Manual de Boas Práticas Ambientais. Prestadores de Serviços de Catering

Mod rev 0. Manual de Boas Práticas Ambientais. Prestadores de Serviços de Catering Mod 10-381 rev 0 Manual de Boas Práticas Ambientais Prestadores de Serviços de Catering Mensagem do Conselho de Administração Mensagem do Conselho de Administração A implementação de um Sistema de Gestão

Leia mais

Artigo 1º. Composição. 1. Integram o Conselho Municipal de Segurança de Braga: a) O Presidente da Câmara Municipal de Braga;

Artigo 1º. Composição. 1. Integram o Conselho Municipal de Segurança de Braga: a) O Presidente da Câmara Municipal de Braga; REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SEGURANÇA DE BRAGA A lei n.º 33/98, de 18 de Julho veio criar os conselhos municipais de segurança que, segundo a terminologia utilizada pelo legislador, são entidades

Leia mais

MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA

MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA Governo Civil de Castelo Branco Comissão Distrital de Protecção Civil de Castelo Branco Plano Especial de Emergência de Protecção Civil para Acidentes Ferroviários Castelo

Leia mais

MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA. Diário da República, 1. a série N. o de Julho de

MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA. Diário da República, 1. a série N. o de Julho de Diário da República, 1. a série N. o 142 25 de Julho de 2006 5231 MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA Decreto-Lei n. o 134/2006 de 25 de Julho As acções de protecção civil integram, obrigatoriamente, agentes

Leia mais

AUDIÇÃO GRUPO DE TRABALHO REGULAÇÃO DA CONCORRÊNCIA E DEFESA DO CONSUMIDOR. Instituto de Seguros de Portugal. 18 de Novembro de 2010

AUDIÇÃO GRUPO DE TRABALHO REGULAÇÃO DA CONCORRÊNCIA E DEFESA DO CONSUMIDOR. Instituto de Seguros de Portugal. 18 de Novembro de 2010 AUDIÇÃO GRUPO DE TRABALHO REGULAÇÃO DA CONCORRÊNCIA E DEFESA DO CONSUMIDOR Instituto de Seguros de Portugal 18 de Novembro de 2010 1 ÍNDICE 1. O INTERESSE DO CONSUMIDOR NA ACTUAÇÃO DO ISP 2. INICIATIVAS

Leia mais

SERVIÇO MUNICIPAL DE PROTECÇÃO CIVIL DA CÂMARA MUNICIPAL DE ANGRA DO HEROÍSMO PLANO DE CONTINGÊNCIA SANJOANINAS 2009

SERVIÇO MUNICIPAL DE PROTECÇÃO CIVIL DA CÂMARA MUNICIPAL DE ANGRA DO HEROÍSMO PLANO DE CONTINGÊNCIA SANJOANINAS 2009 SERVIÇO MUNICIPAL DE PROTECÇÃO CIVIL DA CÂMARA MUNICIPAL DE ANGRA DO HEROÍSMO PLANO DE CONTINGÊNCIA SANJOANINAS 2009 CONCELHO DE ANGRA DO HEROÍSMO ILHA TERCEIRA 19 a 28 de JUNHO DE 2009 1-INTRODUÇÃO As

Leia mais

Instituto Nacional de Emergência Médica

Instituto Nacional de Emergência Médica Instituto Nacional de Emergência Médica 2016 INEM, I. P. - Instituto Nacional de Emergência Médica, I. P. Criado em 1981 Coordena, em Portugal Continental, um conjunto de entidades que prestam assistência

Leia mais

Segurança Contra Incêndio em Edifícios Dificuldades Frequentes dos Projectistas na Aplicação do RJSCIE

Segurança Contra Incêndio em Edifícios Dificuldades Frequentes dos Projectistas na Aplicação do RJSCIE Segurança Contra Incêndio em Edifícios Dificuldades Frequentes dos Projectistas na Aplicação do RJSCIE Ordem dos Engenheiros, 21 de Novembro de 2011 Mário Grilo DECRETO LEI nº 220/2008, de 12 de Novembro

Leia mais

Município de Torres Novas

Município de Torres Novas Município de Torres Novas Divisão de Bibliotecas e Museus MVSEV MVNICIPAL CARLOS REIS Regulamento Interno DENOMINAÇÃO Artigo 1º Por deliberação da Câmara Municipal de Torres Novas, de 20 de Abril de 1933,

Leia mais

Direcção-Geral da Saúde Programa Nacional de Saúde Ocupacional

Direcção-Geral da Saúde Programa Nacional de Saúde Ocupacional Programa Nacional de Saúde Ocupacional Assunto: Saúde do Trabalho/ Saúde Ocupacional nas Unidades de Saúde Pública DATA: Dezembro 2012 Contacto: Coordenador do Programa Nacional de Saúde Ocupacional 1.

Leia mais

DISPOSITIVO ESPECIAL DE COMBATE A INCÊNDIOS FLORESTAIS

DISPOSITIVO ESPECIAL DE COMBATE A INCÊNDIOS FLORESTAIS DISPOSITIVO ESPECIAL DE COMBATE A INCÊNDIOS FLORESTAIS - 2017 ANPC Comando Nacional Operações Socorro APRESENTAÇÃO PÚBLICA 12 DE ABRIL DE 2017 A defesa da floresta contra incêndios é um desígnio nacional

Leia mais

MODELO DE AVALIAÇÃO DA QUALIDADE. 9 de Janeiro de

MODELO DE AVALIAÇÃO DA QUALIDADE. 9 de Janeiro de MODELO DE AVALIAÇÃO DA QUALIDADE 9 de Janeiro de 2010 1 Modelo CRITÉRIOS RIOS MEIOS CRITÉRIO 1. LIDERANÇA, PLANEAMENTO E ESTRATÉGIA Como a gestão desenvolve e prossegue a missão, a visão e os valores da

Leia mais

Mapa de Pessoal do Turismo de Portugal, I.P. - Serviços Centrais

Mapa de Pessoal do Turismo de Portugal, I.P. - Serviços Centrais Mapa de Pessoal do Turismo de Portugal, I.P. - Serviços Centrais Cargo/Carreira/categoria Atribuições / Competências/Actividades Nº de postos Planeados Nº de postos de trabalho providos Observações (Universo

Leia mais

8 - Anexos às Demonstrações Financeiras

8 - Anexos às Demonstrações Financeiras 8 - Anexos às Demonstrações Financeiras 8.1 - Caracterização da Entidade (Informação nos termos do ponto 8.1 do Pocal e da Resolução n.º 4/2001-2ª secção - Instruções n.º 1/2001 do tribunal de Contas -

Leia mais

Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil de Castelo Branco

Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil de Castelo Branco Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil de Castelo Branco Parte IV Informação Complementar Secção I 2013 S e r v i ç o M u n i c i p a l d e PInformação r t e ç ãcomplementar o C i v i l (Parte

Leia mais

BOAS PRÁTICA EM GESTÃO DE ENFERMAGEM

BOAS PRÁTICA EM GESTÃO DE ENFERMAGEM BOAS PRÁTICA EM GESTÃO DE ENFERMAGEM 2º Congresso APEGEL - 2011 DESAFIO PARA O 3º CONGRESSO ESTRATÉGICO Competências Enfermeiro Gestor Normas e Indicadores TÁTICO Por nível OPERACIONAL ESTRATÉGICO PRÁTICA

Leia mais

Transportes & Negócios Seminário de Transporte Rodoviário

Transportes & Negócios Seminário de Transporte Rodoviário Transportes & Negócios Seminário de Transporte Rodoviário PRACE Res.Cons.Min. 39/2006 DL 210/2006, 27Out DL 147/2007, 27Abr P 545/2007, 30 Abr. DGTTF INTF DGV (MAI) - Veículos e condutores DGV (MAI) -

Leia mais

Decreto n.º 19/94 Acordo de Cooperação em Matéria de Protecção Civil entre o Governo da República Portuguesa e o Governo do Reino de Marrocos

Decreto n.º 19/94 Acordo de Cooperação em Matéria de Protecção Civil entre o Governo da República Portuguesa e o Governo do Reino de Marrocos Decreto n.º 19/94 Acordo de Cooperação em Matéria de Protecção Civil entre o Governo da República Portuguesa e o Governo do Reino de Marrocos Nos termos da alínea c) do n.º 1 do artigo 200.º da Constituição,

Leia mais

ANEXO D - Relatório Anual da Actividade do Serviço de Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho

ANEXO D - Relatório Anual da Actividade do Serviço de Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho CERTIFICADO Data e hora de entrega: 2017-04-07 17:50 Chave de certificação: 35804WNB997222D MINISTÉRIO DO TRABALHO, SOLIDARIEDADE E SEGURANÇA SOCIAL Autoridade para as Condições de Trabalho Gabinete de

Leia mais

PROGRAMA CAMPOS ELECTROMAGNÉTICOS DEPARTAMENTO DE SAÚDE PÚBLICA E PLANEAMENTO

PROGRAMA CAMPOS ELECTROMAGNÉTICOS DEPARTAMENTO DE SAÚDE PÚBLICA E PLANEAMENTO PROGRAMA CAMPOS ELECTROMAGNÉTICOS Legislação Regulamentar referente a Planos de Monitorização e Medição, de acordo com o DL 11/2003, de 23 de Novembro. INTRODUÇÃO E CONTEXTO LEGAL O Decreto-Lei n.º 11/2003,

Leia mais

AAC1/2016 GABINETE DO COMANDO. Aviso Abertura Concurso N.º 1/2016. Data Páginas 26/10/ / 6

AAC1/2016 GABINETE DO COMANDO. Aviso Abertura Concurso N.º 1/2016. Data Páginas 26/10/ / 6 26/10/2016 1 / 6 Gilberto Manuel Salgado Baptista Gonçalves, Comandante do Corpo de Bombeiros faz público, que se encontra aberto o de Ingresso na Categoria de Estagiário da Carreira de Bombeiro Voluntário

Leia mais

PLANO DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DO CONCELHO DE MAFRA (Actualização ABRIL 2010) 1

PLANO DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DO CONCELHO DE MAFRA (Actualização ABRIL 2010) 1 CÂMARA MUNICIPAL DE MAFRA PLANO DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DE MAFRA Abrri ill 2010 PLANO DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DO CONCELHO DE MAFRA (Actualização ABRIL 2010) 1 PARTE I ÍNDICE ENQUADRAMENTO

Leia mais

Programas de conservação e manutenção

Programas de conservação e manutenção Caracterização do espaço Identificação de riscos Levantamento de meios e recursos Regras de exploração e comportamento Programas de conservação e manutenção Caderno de registo de segurança Abandonar todos

Leia mais

REGULAMENTO PROVISÓRIO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SEGURANÇA

REGULAMENTO PROVISÓRIO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SEGURANÇA REGULAMENTO PROVISÓRIO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SEGURANÇA PREÂMBULO A Lei nº. 33/98, de 18 de Julho, veio criar os Conselhos Municipais de Segurança, qualificando-os de entidades de natureza consultiva,

Leia mais

Plano Municipal de Emergência de. Protecção Civil de Coimbra. Serviço Municipal de. Protecção Civil de Coimbra. Fevereiro de 2011.

Plano Municipal de Emergência de. Protecção Civil de Coimbra. Serviço Municipal de. Protecção Civil de Coimbra. Fevereiro de 2011. Plano Municipal de Emergência de Protecção Civil de Coimbra Serviço Municipal de Protecção Civil de Coimbra Fevereiro de 2011 Fevereiro 2011 Página: 2 / 143 Página: 3 / 143 ÍNDICE PARTE 1 ENQUADRAMENTO

Leia mais

AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO

AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO EIXO 4 Protecção e Valorização Ambiental PREVENÇÃO E GESTÃO DE RISCOS NATURAIS E TECNOLÓGICOS Acções Materiais Aviso nº: Centro-PRM-2011-04 Nos termos do Regulamento Específico

Leia mais

MANUAL DO CENTRO DE PRODUÇÃO DE CASTELO BRANCO CAPITULO IV Procedimento de Emergência

MANUAL DO CENTRO DE PRODUÇÃO DE CASTELO BRANCO CAPITULO IV Procedimento de Emergência 1/11 1. Objectivo Este procedimento é parte integrante do manual do Centro de Produção e estabelece um sistema de coordenação dos recursos humanos e materiais, tanto do Centro de Produção como externos,

Leia mais

PROJECTO DE SINALIZAÇÃO TEMPORÁRIA DE SEGURANÇA A IMPLEMENTAR NA EMPREITADA

PROJECTO DE SINALIZAÇÃO TEMPORÁRIA DE SEGURANÇA A IMPLEMENTAR NA EMPREITADA Dono de Obra AR Águas do Ribatejo, EM, S.A. Entidade Executante Consórcio: PROTECNIL - Sociedade Técnica de Construções, S.A. e PEOP Projecto e Execução de Obras Publicas, Lda. PROJECTO DE SINALIZAÇÃO

Leia mais

Porquê ler este documento? Por quem é elaborada a informação?

Porquê ler este documento? Por quem é elaborada a informação? Informação a comunicar ao público sobre estabelecimento abrangido pelo regime de prevenção de acidentes graves que envolvem substâncias perigosas Ecoslops Portugal S.A. Porquê ler este documento? Este

Leia mais

PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar

PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI Nº 483/XI-2ª Cria o Programa de Remoção de Obstáculos e Armadilhas nas vias de circulação rodoviária Preâmbulo Não existindo uma abordagem

Leia mais

Alteração ao regime jurídico de segurança e saúde no trabalho

Alteração ao regime jurídico de segurança e saúde no trabalho Alteração ao regime jurídico de segurança e saúde no trabalho A Lei nº. 3/2014, de 28 de janeiro, procede à segunda alteração do regime jurídico de segurança e saúde no trabalho (Lei nº.102/2009). Este

Leia mais

Guia Prat - CAPA.QXD 23/6/05 2:46 pm Page 1. Maio 2005

Guia Prat - CAPA.QXD 23/6/05 2:46 pm Page 1.  Maio 2005 Guia Prat - CAPA.QXD 23/6/05 2:46 pm Page 1 Guia Prático de Protecção Civil para Autarcas Incêndios Florestais www.snbpc.pt Maio 2005 AF-Guia Pratico PC Autarcas.QXD 23/6/05 1:09 pm Page 1 Guia Prático

Leia mais

MUNICIPIO DE VIZELA DO ANO 2008

MUNICIPIO DE VIZELA DO ANO 2008 PÁGINA : 1 R E C E I T A S C O R R E N T E S 11.662.740,23 01 IMPOSTOS DIRECTOS 3.970.000,00 01.02 3.970.000,00 01.02.02 IMPOSTO MUNICIPAL SOBRE IMÓVEIS 2.100.000,00 01.02.03 IMPOSTO ÚNICO DE CIRCULAÇÃO

Leia mais

2 Organização da resposta

2 Organização da resposta BP - MATOSINHOS 2 Organização da resposta 2.1 Conceito de actuação No exercício de funções de responsável municipal da política de protecção civil, o Presidente da Câmara Municipal, para cumprimento da

Leia mais

Organograma Composição de um organograma de manutenção Análise do factor humano no organograma de um serviço de manutenção

Organograma Composição de um organograma de manutenção Análise do factor humano no organograma de um serviço de manutenção ÍNDICE Capítulo I - MANUTENÇÃO INDUSTRIAL - CONCEITOS GERAIS Pág. Definição..................... 7 Condições ideais de funcionamento.......... 8 Espírito do pessoal de manutenção... 9 Manutenção organizada...

Leia mais

A informação como prevenção do conflito. Isabel Andrade Álvaro Carvalho

A informação como prevenção do conflito. Isabel Andrade Álvaro Carvalho A informação como prevenção do conflito Isabel Andrade Álvaro Carvalho Encontro Nacional de Entidades Gestoras Coimbra, 4 de dezembro de 2013 A importância da informação aos utilizadores Abastecimento

Leia mais

NÚCLEO DISTRITAL DE MERGULHO

NÚCLEO DISTRITAL DE MERGULHO NÚCLEO DISTRITAL DE MERGULHO REGULAMENTO GERAL INTRODUÇÃO O Decreto Lei n.º. 295/2000, de 17 de Novembro, que aprova o Regulamento Geral dos Corpos de Bombeiros, atribui-lhes, entre outras, a missão do

Leia mais

PLANO DE INTERVENÇÃO

PLANO DE INTERVENÇÃO DEPARTAMENTO DE EXPRESSÕES EQUIPA INTERDISCIPLINAR PLANO DE INTERVENÇÃO ANOS LECTIVOS 2009/2010 e 2010/2011 ÍNDICE Nota Introdutória.. 3 Parte I - Caracterização..4 1.1 Caracterização do Ambiente Interno.4

Leia mais

CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE HIGIENE E SEGURANÇA DO TRABALHO E AMBIENTE PLANO DE ESTUDOS

CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE HIGIENE E SEGURANÇA DO TRABALHO E AMBIENTE PLANO DE ESTUDOS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE HIGIENE E SEGURANÇA DO TRABALHO E AMBIENTE PLANO DE ESTUDOS Componentes de Formação Componente de Formação Sociocultural Português (b) Língua Estrangeira I ou II (c) Área

Leia mais

Objeto A presente lei altera o Decreto-Lei n.º

Objeto A presente lei altera o Decreto-Lei n.º portugueses ), criando Artigo 1.º Artigo 1.º Artigo 1.º Objeto Objeto Objeto A presente lei altera o Decreto-Lei n.º A presente lei procede à alteração do A presente lei altera o Decreto-Lei n.º 241/2007,

Leia mais

Curso Técnico/a Segurança e Higiene no Trabalho. Projecto Integrador Seminário Como Minimizar os Riscos no Trabalho

Curso Técnico/a Segurança e Higiene no Trabalho. Projecto Integrador Seminário Como Minimizar os Riscos no Trabalho Pág 1 Curso Técnico/a Segurança e Higiene no Trabalho Projecto Integrador Seminário Como Minimizar os Riscos no Trabalho Pág 2 Tema: Seminário: Como Minimizar os riscos no Trabalho Questões Geradoras:

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXECUTIVO DA EDP ENERGIAS DE PORTUGAL, S.A.

REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXECUTIVO DA EDP ENERGIAS DE PORTUGAL, S.A. REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXECUTIVO DA EDP ENERGIAS DE PORTUGAL, S.A. Fevereiro 2012 REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXECUTIVO EDP Energias de Portugal, S.A. ARTIGO 1.º (Âmbito)

Leia mais

Planos Directores Municipais Enquadramento Jurídico

Planos Directores Municipais Enquadramento Jurídico Planos Directores Municipais Enquadramento Jurídico Lei de Bases de OT e Urbanismo Lei n.º 48/98 de 11 de Agosto - Lei de Bases da Política de Ordenamento do Território e de Urbanismo Lei n.º 54/2007 de

Leia mais

Plano Municipal de Emergência de Protecção Civil de Miranda do Douro

Plano Municipal de Emergência de Protecção Civil de Miranda do Douro PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DE MIRANDA DO DOURO PARTE I ENQUADRAMENTO GERAL DO PLANO Março 2012 Plano Municipal de Emergência de Protecção Civil de Miranda do Douro Parte I Enquadramento

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DE PARQUES. Preâmbulo

REGULAMENTO GERAL DE PARQUES. Preâmbulo REGULAMENTO GERAL DE PARQUES Preâmbulo Com a revisão da política de estacionamento e mobilidade na cidade de Lisboa, tal como se encontra definida no âmbito do pelouro da Mobilidade, urge redefinir as

Leia mais

Estabelece o regime contra-ordenacional do Regulamento de Segurança de Barragens aprovado pelo Decreto-Lei n.º 344/2007, de 15 de Outubro

Estabelece o regime contra-ordenacional do Regulamento de Segurança de Barragens aprovado pelo Decreto-Lei n.º 344/2007, de 15 de Outubro DECRETO N.º 268/X Estabelece o regime contra-ordenacional do Regulamento de Segurança de Barragens aprovado pelo Decreto-Lei n.º 344/2007, de 15 de Outubro A Assembleia da República decreta, nos termos

Leia mais

Relações de Cooperação de Portugal com os países da CPLP em matéria de protecção civil. Cooperação a nível bilateral

Relações de Cooperação de Portugal com os países da CPLP em matéria de protecção civil. Cooperação a nível bilateral Relações de Cooperação de Portugal com os países da CPLP em matéria de protecção civil A cooperação em matéria de protecção civil no quadro da CPLP tem vindo a ser desenvolvida a 2 níveis: no plano bilateral,

Leia mais

O valor da água como bem público

O valor da água como bem público Universidade de Lisboa Institituto de Ciências Sociais O valor da água como bem público Anexo III Administração Pública da Água - Orgânica João Howell Pato Doutoramento em Ciências Sociais Especialidade:

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DE FRONTEIRA PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DE FRONTEIRA

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DE FRONTEIRA PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DE FRONTEIRA PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DE FRONTEIRA PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DE FRONTEIRA 1 PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DE FRONTEIRA ÍNDICE ÍNDICE...

Leia mais

Perigosidade Sísmica no Vale Inferior do Tejo e Algarve

Perigosidade Sísmica no Vale Inferior do Tejo e Algarve Forum dos Laboratórios de Estado 20 Setembro 2012 Perigosidade Sísmica no Vale Inferior do Tejo e Algarve João Carvalho 1, Pedro Terrinha 2, Ruben Dias 1, Gabriela Carrara 2 1 Laboratório Nacional de Energia

Leia mais

Eixo Prioritário 2 Protecção e Qualificação Ambiental. Prevenção e Gestão de Riscos Naturais e Tecnológicos Acções Materiais. Aviso - ALG

Eixo Prioritário 2 Protecção e Qualificação Ambiental. Prevenção e Gestão de Riscos Naturais e Tecnológicos Acções Materiais. Aviso - ALG Eixo Prioritário 2 Protecção e Qualificação Ambiental Prevenção e Gestão de Riscos Naturais e Tecnológicos Acções Materiais Aviso - ALG-36-2010-01 AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Prevenção e Gestão

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Social do Concelho de Soure

Plano de Desenvolvimento Social do Concelho de Soure / Ano 1 ÍNDICE 1 - Introdução 3 Pág. 2- Plano de Acção dos Projectos Estruturantes Transversais do Concelho de 4 2.1. Projecto Estruturante Apoio na Dependência 5 2.2. Projecto Estruturante Criar para

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE DEFESA DA FLORESTA CONTRA INCÊNDIOS FLORESTAIS

PLANO MUNICIPAL DE DEFESA DA FLORESTA CONTRA INCÊNDIOS FLORESTAIS PLANO MUNICIPAL DE DEFESA DA FLORESTA CONTRA INCÊNDIOS FLORESTAIS CADERNO III - PLANO OPERACIONAL MUNICIPAL (POM) VILA FRANCA DE XIRA Abril 2016 Município de Vila Franca de Xira l Serviço Municipal de

Leia mais

MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA RECOMENDAÇÃO-IG-2/2016

MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA RECOMENDAÇÃO-IG-2/2016 PA 538/2015 RECOMENDAÇÃO-IG-2/2016 Assunto: Cumprimento de mandado de condução a estabelecimento hospital de portador de deficiência psíquica grave 1 - Na sequência de uma exposição de cidadão, foi determinada

Leia mais

AVISO DE RECRUTAMENTO FEB

AVISO DE RECRUTAMENTO FEB AVISO DE RECRUTAMENTO FEB 12 de Dezembro de 2013 1/6 2/6 1. OBJECTIVO a. O presente concurso visa dotar o sistema de operações de proteção e socorro com o efetivo aprovado para os elementos da Força Especial

Leia mais

AGENDA DO SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE POLÍTICAS DE SEGURANÇA PÚBLICA NO ESPAÇO DA CPLP: LIÇÕES E DESAFIOS. Maputo, 8 de Abril de 2013

AGENDA DO SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE POLÍTICAS DE SEGURANÇA PÚBLICA NO ESPAÇO DA CPLP: LIÇÕES E DESAFIOS. Maputo, 8 de Abril de 2013 AGENDA DO SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE POLÍTICAS DE SEGURANÇA PÚBLICA NO ESPAÇO DA CPLP: LIÇÕES E DESAFIOS Dia 8/04/2013 Maputo, 8 de Abril de 2013 08h40 09h00 Cerimónia de abertura 09h00 09h15 09h15

Leia mais

AV ANA SEQUEIRA VAREJÃO

AV ANA SEQUEIRA VAREJÃO Exmo. Senhor Secretário Geral do Sindicato dos Meios Audiovisuais O Gabinete Jurídico do SMAV foi incumbido de emitir parecer sobre o conceito de trabalho nocturno, nomeadamente sobre a posição assumida

Leia mais

Dr. Rocha Andrade e Dr. Pedro Ferreira saíram da sala.

Dr. Rocha Andrade e Dr. Pedro Ferreira saíram da sala. REUNIÃO DO EXECUTIVO REUNIÃO ORDINÁRIA MINUTA Nº 11/2009 REUNIÃO Ordinária DE 20-05-2009 10:00 DELIBERAÇÕES APROVADAS EM MINUTA PARA PRODUÇÃO DE EFEITOS IMEDIATOS (NOS TERMOS DO Nº 3 E Nº 4 DO ARTº 92º

Leia mais