Síndrome da visão de computadores em trabalhadores de

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Síndrome da visão de computadores em trabalhadores de"

Transcrição

1 Síndrome da visão de computadores em trabalhadores de telemarketing Renato Allemann Pós-Graduação em Perícias Médicas Instituto de Pós-Graduação - IPOG São Paulo, SP, 03 de julho de 2013 Resumo No campo do telemarketing, o computador tornou-se uma ferramenta de trabalho indispensável. O trabalho contínuo em computadores pode gerar sintomas de fadiga ocular, associados a vermelhidão, irritação, lacrimejamento, embaçamento visual e dificuldade de focalização. A pesquisa analisa este conjunto de sintomas, a síndrome da visão de computadores (ou computer vision syndrome ) no grupo de trabalhadores de telemarketing. A análise retrospectiva incluiu dados da avaliação oftalmológica de trabalhadores que fazem uso contínuo de computadores disponíveis na literatura científica e leiga e a descrição de processos judiciais precedentes no tema. Concluiu-se que as queixas e os sintomas oculares relacionados ao uso contínuo de computadores são passageiros e que não são capazes de causar deterioração permanente da função visual. Há maneiras de se evitar e prevenir o desconforto visual durante o uso contínuo de computadores, seguindo-se a regras préestabelecidas pelos órgãos reguladores. Considera-se que a adequação às regras do ambiente de trabalho para o trabalhador de telemarketing constitui a melhor forma de se evitar processos judiciais relacionados à síndrome da visão do computador. Sugere-se ainda a instituição da obrigatoriedade dos exames oftalmológicos admissionais e periódicos e do uso de correção óptica, quando assim diagnosticada, durante toda a jornada de trabalho. Palavras-chave: Visão. Computadores. Saúde ocupacional. Processo judicial, 1. Introdução O computador tornou-se a ferramenta tecnológica mais usada e difundida dos séculos XX e XXI. Em certas funções, o computador tornou-se indispensável e insubstituível. É o que sucede no campo de telemarketing (TMK), onde este é a principal ferramenta do operador. O uso contínuo do computador também tem sido considerado com muita frequência como um agente causador de sintomas oculares (AOA, 2006). A Constituição Federal de 1988 e a Consolidação das Leis do Trabalho, em decorrência destes possíveis efeitos colaterais relacionados ao uso contínuo de computadores, determinaram normas regulamentadoras (NR 9 e anexo II da NR 17) para propiciar um máximo de conforto, segurança, saúde e desempenho eficiente do trabalhador. A norma regulamentadora NR 9 diz respeito ao programa de prevenção dos riscos ambientais e considera como agentes físicos existentes no trabalho aqueles que, em função de sua natureza, concentração ou intensidade e tempo de exposição, são capazes de causar danos à saúde do trabalhador. Consideram-se agentes físicos as diversas formas de energia a que possam ser expostos os trabalhadores, tais como: ruído, vibrações, pressões anormais, temperaturas extremas, radiações ionizantes, radiações não ionizantes, bem como o infrassom e o

2 ultrassom. Os monitores de computador geram radiações não ionizantes que são considerados um agente físico existente no trabalho (ASTETE, 1994; FERREIRA, 2000). Estas normas regulamentadores do uso contínuo de computadores abrangem a regulamentação para o mobiliário adequado, os equipamentos, as condições ambientais do trabalho, além da organização do trabalho e da capacitação do trabalhador. O tempo de trabalho em efetiva atividade de TMK é de no máximo 6 (seis) horas diárias, nele incluindo as pausas necessárias e obrigatórias descritas em lei. O turno de trabalho inclui a jornada diária de 6 (seis) horas em que o operador não tira os olhos do monitor. Mesmo com pausas, com o emprego de equipamento moderno que emite menor quantidade de radiação não ionizante, com as condições recomendadas do ambiente, e do mobiliário ergonomicamente correto, há relatos freqüentes de queixas oculares entre os trabalhadores de uso contínuo de computadores ou síndrome da visão do computador ( CVS ). Apesar de ações corretas de prevenção, muitas vezes o trabalho de telemarketing pode gerar situações de queixa de redução da acuidade visual. No decorrer desta monografia, procura-se mostrar o que ocorre durante o trabalho de telemarketing, como este deve ser executado e como se pode prevenir alterações oculares e sintomas visuais, além de se discutir condutas para a proteção do olho, de controle do ambiente e a utilização correta do equipamento. Sugere-se a instituição da obrigatoriedade de um exame oftalmológico na admissão (exame admissional), a ser repetido periodicamente durante o tempo de contrato (exame periódico) e também quando ocorrer a demissão (exame demissional). Atualmente o exame oftalmológico é considerado opcional. Com base em pesquisas científicas, concluiu-se que as queixas e sintomas oculares relacionados ao uso contínuo de computadores (síndrome da visão de computadores ou CVS) são passageiros e que não são capazes de causar deterioração permanente ou perda de função ou da acuidade visual. O texto deste artigo demonstra que o computador, desde que corretamente utilizado, não prejudica a visão, informação que poderá ser utilizada em perícias trabalhistas relacionadas à CVS. 2. Síndrome da Visão de Computadores CVS, do inglês, computer vision syndrome ou síndrome da visão de computadores é caracterizada por cansaço visual associado ao uso prolongado do computador (VON STROH, 1993). Sintomas de CVS incluem fadiga ocular (Figura 1), olhos cansados, irritação, vermelhidão (Figura 2), visão borrada ou dupla (BLEHM, 2005) para perto e/ou para longe, astenopia (BARAR, 2007). Podem ainda ser referidos prurido ocular (coceira), sensação de olhos secos ou lacrimejantes, sensibilidade à luz (fotofobia), sensação de peso nas pálpebras ou na fronte (Figura 3), ou ainda dificuldade e m conseguir focalizar a visão (BARAR, 2007).

3 Figura 1 Exemplo de sintoma de fadiga ocular relacionado ao uso contínuo de computadores. Fonte: American Optometric Association. Disponível em: Figura 2 Exemplo de hiperemia ou vermelhidão dos olhos relacionado ao uso contínuo de computadores. Fonte: Figura 3 Exemplo de esforço visual relacionado ao uso contínuo de computadores. Fonte:

4 A síndrome da visão de computadores é um complexo de problemas oculares e visuais relacionados a atividades que causam esforço da visão de perto e que ocorrem relacionadas a, ou durante, o uso de computadores (BARAR, 2007). As etiologias que mais contribuem para os sintomas da CVS são as oculares (anormalidades da superfície ocular ou espasmos acomodativos) e/ou as extraoculares (ergonômicas e posturais, exemplificados na Figura 4). Entretanto, o maior contribuinte para os sintomas da CVS é o olho seco (BLEHM, 2005). Outros sintomas menos comuns da CVS são enxaqueca, dores lombares e espasmos musculares. Muitas pessoas apresentam alterações visuais leves que não causam sintomas quando estão executando tarefas visuais menos exigentes. Estas pessoas podem ter estes mesmos sintomas exacerbados ao usar o computador por um tempo prolongado, e, neste caso, pode-se associar a CVS a um erro refrativo não corrigido (ametropia). O ser humano vem sofrendo adaptação ao trabalho prolongado para perto, e o trabalho com uma tela de computador durante muitas horas é um destes trabalhos que exige a adaptação de longas jornadas para perto. Os monitores de computador são compostos de minúsculos pontos ( pixels ) nos quais os olhos não conseguem foco. O usuário do computador precisa realizar esforço acomodativo para focar e manter as imagens bem definidas, esforço este que resulta em tensão dos músculos do olho e das pálpebras. Adicionalmente, durante o uso prolongado do computador, ocorre diminuição da frequência do piscar, o que determina redução da lubrificação ocular, causando sintomas de olhos secos e doloridos. Como resultado, a habilidade para focar diminui e podem ocorrer dores de cabeça. Figura 4 Diagrama que exemplifica a postura errônea frente a uma estação de trabalho de computadores e que pode levar a dores lombares, cervicais ou a espasmos. 1. Não apoiar na cadeira; 2. Joelhos apoiados e pés não apoiados no piso; 3. Mesa instável e inadequada; 4. Monitor e teclados lateralizados; 5. Posição inadequada dos teclados; 6. Flexão dos punhos; 7. Falta de suporte de documentos. Fonte:

5 Trabalhadores de telemarketing (TMK) frequentemente apresentam queixas relacionadas à visão, um conjunto de sintomas denominado síndrome da visão de computadores (do inglês, "Computer Vision Syndrome" ou CVS ), (FRAZÃO, 2012). O monitores dos computadores emitem raios não ionizantes que atingem o usuário do equipamento e que poderiam causar diminuição da acuidade visual. Em outras palavras, supõe-se que o uso do computador deteriora a visão. Há potencial risco de ações trabalhistas relacionadas a alterações de acuidade visual na atividade profissional de operador de telemarketing, motivando o estudo relacionado à avaliação detalhada das queixas relacionadas à síndrome da visão de computadores ( CVS ). Existem lesões oftalmológicas degenerativas ou outras a serem imputadas às radiações não ionizantes dos computadores? (TSUBOTA, 1993). Que papel as lesões oftalmológicas geradas pelo uso contínuo de computadores podem exercer em relação a possíveis ações trabalhistas? Como evitar e prevenir lesões oftalmológicas decorrentes do uso contínuo de computadores e, desta forma, evitar processos judiciais relacionados? (GALASTRI, 2010) Fatores Relacionados à Síndrome da Visão dos Computadores e Sua Detecção Exame Admissional detectaria erros de refração preexistentes. Exames admissionais, com foco na aferição da acuidade visual e na avaliação da refratometria, deveriam ser realizados para detectar erros refracionais preexistentes não corrigidos, condições que poderiam ser agravadas em casos de trabalho contínuo com computadores ou com monitores de eletrônicos (KARA-JOSÉ et al., 1996). Admissão condicionada à correção das alterações observadas no exame admissional. Com o objetivo de prevenir o agravamento de condições visuais com o trabalho contínuo com o uso de computadores, sugere-se condicionar a admissão para a função de operadores de telemarketing à correção dos vícios refracionais causadores da deficiência visual preexistente detectada no exame admissional (TRIBLEY et al., 2011). Os erros de refração, caso não sejam corrigidos, agravam a condição fadiga ocular durante a jornada de trabalho diante do computador, provocando queixas e sintomas que podem levar a possíveis ações trabalhistas por CVS (ROSENFIELD, 2011; ROSENFIELD et al., 2012). Fatores relacionados ao equipamento. Com o objetivo de minimizar efeitos deletérios do uso contínuo de computadores à visão, sugere-se utilizar equipamentos (monitores) com comprovada emissão reduzida de raios não ionizantes. Existe um padrão internacional descrito que especifica os monitores indicados para a função de uso contínuo de computadores o padrão Sueco MPR II (BAWA, 1997). O Conselho Sueco para Medições e Testes (Mach och ProRad MPR) estabeleceu, em 1987, as primeiras recomendações para os níveis de emissão dos computadores. Em 1991, o MPR mudou seu nome para SWEDAC, código sueco para autorização técnica e reviu suas recomendações para emissões dos computadores. Publicado em 1990, o padrão é oficialmente chamado de SWEDAC MPR 1990:8, também reconhecido como MPR II. Atualmente, é o padrão de baixas emissões mais amplamente aceito na Europa e que recomenda métodos de teste e modelos de emissão para campos magnéticos e elétricos de baixa frequência (BAWA, 1997), o que inclui o tipo de emissão de raios não ionizantes a partir de computadores.

6 Fatores ambientais. Alguns fatores do ambiente de trabalho podem interferir para o agravamento da CVS, assim como uma iluminação do ambiente de trabalho deficiente e/ou que gere reflexos nos monitores. Sugere-se também que a umidade do ambiente deve ser mantida em 40 por cento, o que minimizaria o ressecamento dos olhos durante o uso contínuo de monitores de computadores. NR17 Ergonomia Nos locais de trabalho onde são executadas atividades que exijam solicitação intelectual e atenção constantes, tais como: salas de controle, laboratórios, escritórios, salas de desenvolvimento e análise de projetos, dentre outros, são recomendadas as seguintes condições de conforto: a) níveis de ruído de acordo com o estabelecido na NBR 10152, norma brasileira registrada no INMETRO; b) índice de temperatura efetiva entre 20 o C (vinte) e 23 o C (vinte e três graus centígrados); c) velocidade do ar não superior a 0,75 m/s; d) umidade relativa do ar não inferior a 40 (quarenta) por cento Em todos os locais de trabalho deve haver iluminação adequada, natural ou artificial, geral ou suplementar, apropriada à natureza da atividade A iluminação geral deve ser uniformemente distribuída e difusa A iluminação geral ou suplementar deve ser projetada e instalada de forma a evitar ofuscamento, reflexos incômodos, sombras e contrastes excessivos Os níveis mínimos de iluminamento a serem observados nos locais de trabalho são os valores de iluminâncias estabelecidos na NBR 5413, norma brasileira registrada no INMETRO A medicação dos níveis de iluminamento previstos no subitem deve ser feita no campo de trabalho onde se realiza a tarefa visual, utilizando-se de luxímetro com fotocélula corrigida para a sensibilidade do olho humano e em função do ângulo de incidência Quando não puder ser definido o campo de trabalho previsto no subitem , este será um plano horizontal a 0,75 m (setenta e cinco centímetros) do piso. (Portaria GM No , de 08 de julho de Diário Oficial da União: 1978). Fatores físicos. O posicionamento correto do monitor, considerando-se distância e inclinação em relação ao usuário, permite que a área exposta da superfície ocular seja menor e, desta maneira, reduziria o efeito de ressecamento do olho associado à evaporação da lágrima da superfície ocular decorrente da menor frequência do piscar e reduziria a área do olho exposta ao ressecamento durante o uso contínuo de monitores de computadores (Figura 5). NR17 Ergonomia Para trabalho sentado ou que tenha de ser feito de pé, as bancadas, mesas, escrivaninhas e os painéis devem proporcionar ao trabalhador condições de boa postura, visualização e operação e devem atender aos seguintes requisitos mínimos: a) ter altura e características da superfície de trabalho compatíveis com o tipo de atividade, com a distância requerida dos olhos ao campo de trabalho e com a altura do assento; b) ter área de trabalho de fácil alcance e visualização pelo trabalhador; c) ter características dimensionais que possibilitem posicionamento e movimentação adequados dos segmentos corporais.

7 Nas atividades que envolvam leitura de documentos para digitação, datilografia e mecanografia deve: a) ser fornecido suporte adequado para documentos que possa ser ajustado proporcionando boa postura, visualização e operação, evitando movimentação frequente do pescoço e fadiga visual; b) ser utilizado documento de fácil legibilidade sempre que possível, sendo vedada a utilização do papel brilhante, ou de qualquer outro tipo que provoque ofuscamento Os equipamentos utilizados no processamento eletrônicos de dados com terminais de vídeo devem observar o seguinte: a) condições de mobilidade suficientes para permitir o ajuste da tela do equipamento à iluminação do ambiente, protegendo-a contra reflexos, e proporcionar corretos ângulos de visibilidade ao trabalhador; b) o teclado deve ser independente e ter mobilidade, permitindo ao trabalhador ajustá-lo de acordo com as tarefas a serem executadas; c) a tela, o teclado e o suporte para documentos devem ser colocados de maneira que as distâncias olho-tela, olho-teclado e olho-documento sejam aproximadamente iguais; d) serem posicionados em superfícies de trabalho com altura ajustável. (Portaria GM No , de 08 de julho de Diário Oficial da União: 1978). NR17 Ergonomia. ANEXO II. Trabalho em teleatendimento/telemarketing. Aprovado pela Portaria SIT n o. 09, de 30 de março de MOBILIÁRIO PARA O POSTO DE TRABALHO 2.1. Para trabalho manual sentado ou que tenha de ser feito em pé deve ser proporcionado ao trabalhador mobiliário que atenda aos itens , e e alíneas da Norma Regulamentadora n o. 17 (NR 17) e que permita variações posturais, com ajustes de fácil acionamento, de modo a prover espaço suficiente para seu conforto, atendendo, no mínimo, aos seguintes parâmetros: a) o monitor de vídeo e o teclado devem estar apoiados em superfícies com mecanismos de regulagem independentes; b) será aceita superfície regulável única para teclado e monitor quanto este for dotado de regulagem independente de, no mínimo, 26 (vinte e seis) centímetros no plano vertical; c) a bancada sem material de consulta deve ter, no mínimo, profundidade de 75 (setenta e cinco) centímetros medidos a partir de sua borda frontal e largura de 90 (noventa) centímetros que proporcionem zonas de alcance manual de, no máximo, 65 (sessenta e cinco) centímetros de raio em cada lado, medidas centradas nos ombros do operador em posição de trabalho. 3. EQUIPAMENTOS DOS POSTOS DE TRABALHO 3.3. Os monitores de vídeo devem proporcionar corretos ângulos de visão e ser posicionados frontalmente ao operador, devendo ser dotados de regulagem que permita o correto ajuste da tela à iluminação do ambiente, protegendo o trabalhador contra reflexos indesejáveis. (Portaria GM No , de 08 de julho de Diário Oficial da União: 1978).

8 Figura 5 Diagrama que exemplifica a postura correta frente a uma estação de trabalho de computadores. Existe uma inclinação do monitor em relação ao olhar, o que auxiliaria evitando a abertura exagerada da fenda palpebral e consequentes sintomas de olho seco. Fonte: O trabalhador de TMK deve ter a orientação de lembrar-se de piscar frequentemente, o que auxilia na lubrificação da superfície ocular, corroborando, em associação às ações de melhoria do ambiente, à redução de sintomas relacionados a olho seco, sintomas frequentemente associados à CVS. Durante a jornada de trabalho com TMK, a instituição de pausas a cada hora trabalhada com o computador, poderá reduzir os sintomas de cansaço visual associados à CVS porque temporariamente permitiria que a musculatura ciliar relaxasse do esforço acomodativo contínuo exigido pelo uso de computadores. Exame Periódico. A avaliação oftalmológica periódica tem indicação na população de trabalhadores de TMK. A realização de exames oftalmológicos periódicos permitiria demonstrar que os sintomas relatados no uso contínuo do computador são passageiros, e que não há prejuízo para a acuidade visual. Os empregados devem ser avisados da necessidade de avaliação oftalmológica periódica, assim como também do intervalo de periodicidade aceitável para esta avaliação da visão, e esta deve ser financiada pelo empregador, ainda dentro da série de exames periódicos para avaliação das atividades biomecânicas relacionadas ao trabalho. Os empregados teriam direito a óculos simples, se os exames assim o decidirem, às custas do empregador, sendo que, a pedido do empregado, o resultado do exame oftalmológico pode ter seu conteúdo mantido sob sigilo (BAWA, 1997). NR17 Ergonomia. ANEXO II. Trabalho em teleatendimento/telemarketing. Aprovado pela Portaria SIT n o. 09, de 30 de março de PROGRAMAS DE SAÚDE OCUPACIONAL E DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS 8.1. O Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional PCMSO, além de atender à Norma Regulamentadora n o. 7 (NR 7), deve necessariamente reconhecer e registrar os riscos identificados na análise ergonômica.

9 O empregador deverá fornecer cópia dos Atestados de Saúde Ocupacional e cópia dos resultados dos demais exames O empregador deve implementar um programa de vigilância epidemiológica para detecção precoce de casos de doenças relacionadas ao trabalho comprovadas ou objeto de suspeita, que inclua procedimentos de vigilância passiva (processando a demanda espontânea de trabalhadores que procurem serviços médicos) e procedimentos de vigilância ativa, por intermédio de exames médicos dirigidos que incluam, além dos exames obrigatórios por norma, coleta de dados sobre sintomas referentes aos aparelhos psíquico, osteomuscular, vocal, visual e auditivo, analisados e apresentados com a utilização de ferramentas estatísticas e epidemiológicas. (Portaria GM No , de 08 de julho de Diário Oficial da União: 1978) Propostas para Minimizar os Efeitos da Síndrome da Visão dos Computadores Utilizou-se o método literário com o tipo de pesquisa documental que incluiu a revisão literária de artigos científicos, de capítulos de livros, e a busca de textos disponíveis em sites de órgãos reguladores de saúde ocupacional pertinentes ao tema da síndrome da visão de computadores. Desta maneira, surgem propostas para minimizar os efeitos da síndrome da visão dos computadores, que incluem um exame admissional prévio especializado para detectar alterações visuais preexistentes, o acompanhamento de condições ambientais, físicas, ergonômicas, relacionadas ao equipamento e às condições de trabalho, chamando a atenção para a indicação de exames periódicos especializados. As propostas para minimizar os efeitos da síndrome da visão dos computadores incluem: - Estabelecer condições para que se evitem lesões oculares decorrentes de radiações não ionizantes no trabalho contínuo com computadores em TMK; - Identificar equipamentos (computadores) que emitem menor quantidade de raios não ionizantes do que os atualmente utilizados, e adotar o padrão sueco MPR-II para esta aferição; - Identificar no ambiente de trabalho, todas as características e interações físicas do ar atmosférico e de iluminação, assim como também os relacionados à posição ergonômica do trabalhador em relação aos equipamentos de trabalho, e que podem interferir nas condições de saúde e de segurança do usuário ao exercer sua função (riscos físicos e ergonômicos); - Identificar defeitos oculares existentes (e não corrigidos) e sugerir a correção durante a jornada de trabalho; - Realizar exames oftalmológicos admissionais e periódicos obrigatórios na categoria de operadores de TMK; - Nortear ações trabalhistas em decorrência de alegado prejuízo ou de redução de acuidade visual em trabalhadores de TMK; - Elaborar parâmetros necessários para perícias judiciais e assistências técnicas em ações trabalhistas onde a queixa alegada é de perda ou diminuição da acuidade visual em decorrência do uso contínuo do computador na função de operador de TMK; - Analisar as pesquisas científicas realizadas na área de saúde ocupacional, optometria e oftalmologia sobre o tema síndrome da visão de computadores (CVS) ou da fadiga visual relacionada ao uso contínuo de monitores; - Identificar os sintomas visuais mais frequentes relacionados ao uso contínuo de computadores durante o período de trabalho na função de TMK;

10 - Detectar quais os elementos responsáveis pelo CVS no trabalho em TMK, auxiliando a definir os diferentes fatores envolvidos: o tipo de monitor, a disposição deste no posto de trabalho, os hábitos e as diferenças individuais, e os defeitos oculares não corrigidos préexistentes. 3. Informação Literária sobre a Síndrome da Visão dos Computadores Muitas pessoas reportam fadiga ocular após trabalho prolongado em terminais de computadores, em parte, levando ao estabelecimento de legislações que regulamentam a utilização destes terminais (FOREMAN, 1991). Como uma das causas mais frequentes de fadiga ocular são olhos secos, os autores demonstraram que este tipo de trabalho exacerba o ressecamento da superfície ocular secundariamente a um decréscimo da frequência do piscar e ao aumento da evaporação da lágrima (TSUBOTA et al., 1993). Os efeitos visuais dos monitores apresentam características diferentes, tais como iluminação, brilho, qualidade de exibição na tela, taxas de atualização e de radiação não ionizante (BLEHM et al., 2005). Os monitores de computadores são frequentemente fontes de queixas dos trabalhadores. Cansaço visual, desconforto nas costas, pescoço e braço são sintomas de stress, que estão associados ao trabalho com recurso a monitores. O monitor é um meio de comunicação bilateral entre o operador e o computador, onde a comunicação é essencialmente visual; a entrada de dados é feita através do teclado e visualizada no monitor, assim como as respostas do sistema. O operador deve reconhecer letras e símbolos sobre o teclado e em muitas ocasiões, ler documentos. Calcula-se que um operador de unidade de vídeo (monitor de computador) realiza em cada jornada entre 12 mil e 33 mil movimentos de cabeça e olhos, e entre 4 mil a 17 mil reações da pupila, podendo assim resultar uma aparente fadiga visual. Estudos realizados em Cuba demonstram que dentro dos problemas que afetam os operadores de monitores de computadores, o desenho dos postos de trabalho e a iluminação ocupam um lugar muito importante, detectando-se a existência de reflexos sobre o monitor, o teclado e os documentos devido à colocação incorreta dos postos de trabalho e da deficiente iluminação. Estes problemas podem ser controlados ou minorados com medidas ergonômicas tais como o ajustamento da posição do écran, teclado, iluminação, contraste de cor, e frequência da imagem. Convém referir que as prescrições mínimas de segurança e saúde no trabalho com equipamentos dotados de visor, já está regulamentada pelo Decreto-lei n o. 349/93, de 1 de outubro, pela Portadora n o. 989/93, de 6 de outubro. (FERREIRA, 2000). O trabalho prolongado em computador pode causar esforço visual que se traduzem por ofuscamento e aperto dos olhos. De acordo com o estudo de THORUD et al. (2012) realizado com sujeitos normais submetidos a sessões de trabalho com duração de 2 horas em computadores de mão ( laptops ) e expostos a situações de stress visual como fontes pequenas e maior brilho do monitor, observou-se que o aperto dos olhos é relacionado ao músculo orbicular do olho e que a dor ocular referida por alguns indivíduos pode ser associada a uma aumento do fluxo sanguíneo nestes músculos, provavelmente relacionado a um padrão diferente de atividade destes músculos. O tratamento da CVS requer uma abordagem multidirecional combinando a terapia ocular com o ajuste da estação de trabalho. Iluminação própria, filtros anti-reflexo, posicionamento ergonômico do monitor do computador e a instituição de intervalos regulares durante o período de trabalho podem auxiliar na melhora do conforto visual durante as atividades deste

11 tipo de trabalho. A utilização de colírio lubrificante e de óculos especiais para o computador podem auxiliar aliviando sintomas relacionados à superfície ocular (BLEHM et al., 2005). Estudos realizados por cerca de cinco anos no Canadá, e durante aproximadamente dois anos e meio na Holanda, não encontraram deterioração na visão originada pelo uso contínuo do computador que não pudesse também ser atribuída ao envelhecimento natural do olho. Baseado nestas e em outras pesquisas, a American Academy of Ophthalmology apontou em 1984 que os monitores eram seguros para o uso considerado normal e não provocavam dano algum à visão (BLEHM et al., 2005). As queixas visuais relacionadas a longas jornadas de trabalho com computadores podem gerar ações trabalhistas com alegação de que os computadores teriam causado dano irreversível aos olhos do trabalhador. Eventuais ações trabalhistas devem ser norteadas por conclusões embasadas em trabalhos científicos, e as avaliações periciais devem se basear nos estudos e resultados científicos demonstrados. Autores Título do Artigo Ano da Publicação Sintomas relatados da CVS Conclusões THORUD et al. Eye-related pain induced by visually demanding computer work 2013 Esforço visual, ofuscamento, aperto dos olhos Associados à contratura dos músculos orbiculares dos olhos ROSENFIELD et al. The effects of induced oblique astigmatism on symptoms and reading performance while viewing a computer screen 2012 Astenopia, dificuldade de vergência e de acomodação e olho seco A correção de erros refracionais de pequeno porte pode ser importante em otimizar o conforto visual durante a atividade ROSENFIELD Computer vision syndrome: a review of ocular causes and potential treatments 2011 Fadiga ocular, cefaleias, desconforto ocular, olho seco, diplopia, e visão borrada Profissionais de saúde ocular devem estar atentos a sintomas e à fisiologia associados ao uso contínuo de computadores, basicamente distúrbios de acomodação e olho seco TRIBLEY et al. Tips for computer vision syndrome relief and prevention 2011 Limitação do tempo de uso, das condições do equipamento e do monitor, da posição ergonômica, da frequência do piscar, e a avaliação oftalmológica detalhada Os autores sugerem ações para cada um dos sintomas mais frequentes da CVS e principalmente sugerem o acompanhamento médico especializado para uso de óculos para computador e ajustados para a distância de trabalho BARAR et al. Ophthalmologist and computer vision syndrome 2007 Astenopia, cefaleia, visão borrada para longe e/ou perto, olhos secos ou irritados, dificuldade de focalização, dor cervical, fotofobia, sensação de diplopia, sensibilidade à luz, Recomendações de associações de regulamentação do trabalho para definição, diagnóstico e prevenção, tratamento e controle periódico de sintomas e estabelecimento de regras de legislação ergonômica detalhada

12 BLEHM et al. TSUBOTA et al. Computer vision syndrome: a review Dry Eyes and video display terminals visão dupla 2005 Fadiga ocular, irritação, vermelhidão, embaçamento, visão dupla 1993 Olho seco relacionado à menor frequência do piscar e à maior evaporação do filme lacrimal devido à maior abertura da fenda palpebral VON STROH Computer vision syndrome 1993 Fadiga ocular, alterações da função visual Tratamento de anormalidades da superfície ocular ou de espasmos acomodativos, corrigir causas ergonômicas, adequação dos monitores para luminosidade, ofuscamento, brilho, qualidade do monitor, e emissão de radiação Frequência do piscar, ajuste da altura do monitor em relação aos olhos, umidade relativa do ambiente, utilização de colírios de lágrima artificial Podem ser aliviados com a organização ergonômica da estação de trabalho Tabela 1 Pesquisa literária (PubMed) relacionada ao tema de síndrome da visão do computador ou CVS ordenada pelo ano de publicação. 4. Conclusão Até o presente, não existem indícios científicos de que as radiações não ionizantes geradas pelos computadores podem determinar lesões oftalmológicas degenerativas ou outras. Como não há comprovação de que lesões oftalmológicas podem ser geradas pelo uso contínuo de computadores, ações trabalhistas não podem ser baseadas nesta hipótese. Há maneiras de se evitar e de se prevenir o desconforto visual e outros sintomas relacionados à postura no posto de trabalho durante o uso contínuo de computadores, seguindo-se a regras já pré-estabelecidas pelos órgãos reguladores nacionais e internacionais. Considera-se que a adequação às regras do ambiente de trabalho para o trabalhador de telemarketing constitui a melhor forma de se evitar processos judiciais relacionados à síndrome da visão do computador. Sugere-se ainda a estipulação do exame oftalmológico admissional para detecção de alterações oftalmológicas previamente existentes, a obrigatoriedade do uso de correção óptica durante a jornada de trabalho quando assim indicada, e a instituição da avaliação oftalmológica periódica em trabalhadores que fazem uso contínuo de computadores. Referências AOA - AMERICAN OPTOMETRIC ASSOCIATION. Computer Vision Syndrome (CVS) Disponível em: ASTETE, Martin Wells. Radiações não ionizantes. In: ASTETE, Martin Wells; GIAMPAOLI, Eduardo; ZIDAN, Leila Nadim. Riscos Físicos. São Paulo: Fundacentro, 1994.

13 BARAR, A.; APATACHIOAIE, I. D.; APATACHIOAIE, C.; MARCEANU-BRASOV, L. Ophthalmologist and computer vision syndrome. Oftalmologia. V. 51, n. 3, Disponível em: vision+syndrome%e2%80%9d. Acesso em 16 Fev PMID: BAWA, Joanna. Computador e Saúde. Problemas, Prevenção e Cura. São Paulo: Summus, BLEHM, Clayton; VISHNU, Seema; KHATTAK, Ashbala; MITRA, Shrabanee; YEE, Richard W. Computer vision syndrome: A review. Surv. Ophthalmol. v. 50, n. 3, Disponível em: Acesso em 16 Fev doi: /j.survophthal FERREIRA, Célio T. Radiações ionizantes e não-ionizantes. Saúde e Trabalho Online. Disponível em: Acesso em: 15 Abr FOREMAN, Julie. San Francisco passes ordinance regulating VDT use. Archives of Ophthalmologv. 109, n. 4, Disponível em: Acesso em 16 Fev doi: doi: /archopht FRAZÃO, Arthur. Síndrome da visão do computador. Tua Saúde Disponível em: GALASTRI, Luciana. Como não sofrer a síndrome de visão de computador Disponível em: KARA-JOSÉ, Newton; ALVES, Milton Ruiz. O Olho e a Visão. Rio de Janeiro: CIP - Brasil - Sindicato Nacional dos Editores de Livros, ROSENFIELD, Mark. Computer vision syndrome: a review of ocular causes and potential treatments. Ophthalmic and Physiological Optics. v. 31, n. 5, Disponível em: Acesso em 16 Fev doi: /j x ROSENFIELD, Mark; HUE, Jennifer E.; HUANG, Rae R.; BABABEKOVA, Yuliya. The effects of induced oblique astigmatism on symptoms and reading performance while viewing a computer screen. Ophthamic and Physiological Optics. v. 32, n. 2, Disponível em: Acesso em 16 Fev doi: /j x

14 THORUD, Hanne-Mari Schiotz; HELLAND, Magne; AARAS, Arne; KVIKSTAD, Tor Martin; LINDBERG, Lars Goran; HORGEN, Gunnar. Eye-related pain induced by visually demanding computer work. Optometry and Vision Science. V. 89, n. 4, Disponível em: ally_demanding.13.aspx. Acesso em doi: /OPX.0b013e31824c1801 TRIBLEY, J.; MCCLAIN S.; KARBASI A.; KALDENBERG, J. Tips for computer vision syndrome relief and prevention. Work. v. 39, n. 1, Disponível em: Acesso em 16 Fev doi: /WOR TSUBOTA Kazuo; NAKAMORI Katsu. Dry eyes and video display terminals. New England Journal of Medicine; Vol. 328, Disponível em: Acesso em 16 Fev doi: /NEJM VON STROH, Rolland. Computer vision syndrome. Occupational Health and Safety. v. 62, n. 10, Disponível em: PMID: Anexos NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS. D.O.U. Portaria GM n.º 3.214, de 08 de junho de Alterações/Atualizações D.O.U. Portaria SSST n.º 25, de 29 de dezembro de Disponível em ANEXO II DA NR-17 - TRABALHO EM TELEATENDIMENTO/TELEMARKETING. D.O.U. Portaria SIT n.º 09, 30 de março de Disponível em Instituto Benjamin Constant. Um olhar sobre a cegueira. Perguntas mais frequentes. Mitos e verdades em oftalmologia. Centro de Referência Nacional na Área da Deficiência Visual. Acesso em Disponível em Hospital Hoje. O que é a síndrome da visão do computador (CVS)? Orientação médica. Acesso em Disponível em

NORMA REGULAMENTADORA NR 17

NORMA REGULAMENTADORA NR 17 NORMA REGULAMENTADORA NR 17 NORMA REGULAMENTADORA - NR 17 ERGONOMIA 17.1. Esta Norma Regulamentadora visa a estabelecer parâmetros que permitam a adaptação das condições de trabalho às características

Leia mais

www.cpsol.com.br TEMA 002 USUÁRIOS DE COMPUTADOR CUIDADO COM OS OLHOS

www.cpsol.com.br TEMA 002 USUÁRIOS DE COMPUTADOR CUIDADO COM OS OLHOS TEMA 002 USUÁRIOS DE COMPUTADOR CUIDADO COM OS OLHOS 1/8 É cada vez maior o número de pessoas com a patologia diagnosticada como Fadiga Visual ou Síndrome do Usuário de Computador, conhecida também como

Leia mais

Condições de Trabalho

Condições de Trabalho NR-17 Ergonomia OBJETIVO Visa a estabelecer parâmetros que permitam a adaptação das condições de trabalho às características psicofisiológicas dos trabalhadores, de modo a proporcionar um máximo de conforto,

Leia mais

NR7, NR9, NR17 - PROGRAMAS. Adriano Fernandes da Silva Lucas dos Reis Furtado Natália Barrios da Vila

NR7, NR9, NR17 - PROGRAMAS. Adriano Fernandes da Silva Lucas dos Reis Furtado Natália Barrios da Vila NR7, NR9, NR17 - PROGRAMAS Alunos: Adriano Fernandes da Silva Lucas dos Reis Furtado Natália Barrios da Vila NR 7 PCMSO - PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL Esta Norma Regulamentadora - NR

Leia mais

Quantas vezes o olho humano pisca, por minuto?

Quantas vezes o olho humano pisca, por minuto? Quantas vezes o olho humano pisca, por minuto? Em uma conversa, os interlocutores piscam uma média de 22 vezes por minuto. Quando alguém lê, a frequência desta piscadela se produz 12 a 15 vezes por minuto.

Leia mais

ERGONOMIA - Adaptação das Condições de Trabalho. Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 18/12/2012. Sumário:

ERGONOMIA - Adaptação das Condições de Trabalho. Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 18/12/2012. Sumário: ERGONOMIA - Adaptação das Condições de Trabalho Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 18/12/2012. Sumário: 1 - Introdução 2 - Conceito e Objetivo 3 - Análise Ergonômica do Trabalho 3.1

Leia mais

Escola Técnica Estadual Republica ETER Sistema de Informação Profª: Adriana. Alunos: Rodolfo Ribeiro Paulo Vitor

Escola Técnica Estadual Republica ETER Sistema de Informação Profª: Adriana. Alunos: Rodolfo Ribeiro Paulo Vitor Escola Técnica Estadual Republica ETER Sistema de Informação Profª: Adriana Alunos: Rodolfo Ribeiro Paulo Vitor De olho nos seus OLHOS! Síndrome da visão do computador Índice Vista Vermelha, embaçada e

Leia mais

Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa XXXVI CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MEDICINA DO TRABALHO. Clique para editar os estilos do texto

Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa XXXVI CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MEDICINA DO TRABALHO. Clique para editar os estilos do texto Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa Clique para editar os estilos do texto de São Paulo XXXVI CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MEDICINA DO TRABALHO 2015 1 Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa

Leia mais

LAUDO ERGONÔMICO DE TRABALHO ERGONOMIA NR-17

LAUDO ERGONÔMICO DE TRABALHO ERGONOMIA NR-17 LAUDO ERGONÔMICO DE TRABALHO ERGONOMIA NR-17 1. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA Razão Social: Caixa Econômica Federal Endereço: Setor SBS Quadra 4 Bloco A Lote 3 e 4 Asa Sul Brasília/ DF CEP 70.092-900 CNPJ:

Leia mais

P Ú B L I C O I N T E R N O

P Ú B L I C O I N T E R N O Apresentação O Banrisul valoriza seus colaboradores por entender que estes são a essência do negócio. A promoção da qualidade de vida e da segurança dos funcionários é uma prática constante que comprova

Leia mais

Ergonomia é o estudo do. relacionamento entre o homem e o seu trabalho, equipamento e ambiente, e. particularmente a aplicação dos

Ergonomia é o estudo do. relacionamento entre o homem e o seu trabalho, equipamento e ambiente, e. particularmente a aplicação dos ERGONOMIA ERGONOMIA relacionamento entre o homem e o seu trabalho, equipamento e ambiente, e conhecimentos de anatomia, fisiologia e psicologia na solução dos problemas surgidos deste relacionamento. Em

Leia mais

Relatório de Segurança e Medicina do Trabalho. Ciretran de Vitória/ES. Adendo

Relatório de Segurança e Medicina do Trabalho. Ciretran de Vitória/ES. Adendo Relatório de Segurança e Medicina do Trabalho Ciretran de Vitória/ES Ciretran Vitória/ES, situado à Avenida Nossa Senhora da Penha, nº1388, Vitória - ES foram encontradas várias condições inadequadas de

Leia mais

P Ú B L I C O I N T E R N O

P Ú B L I C O I N T E R N O Apresentação O Banrisul valoriza seus colaboradores por entender que estes são a essência do negócio. A promoção da qualidade de vida e da segurança dos funcionários é uma prática constante que comprova

Leia mais

LER/DORT. www.cpsol.com.br

LER/DORT. www.cpsol.com.br LER/DORT Prevenção através s da ergonomia DEFINIÇÃO LER: Lesões por Esforços Repetitivos; DORT: Doenças Osteomusculares Relacionadas ao Trabalho; São doenças provocadas pelo uso inadequado e excessivo

Leia mais

A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos

A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos Fisioterapeuta: Adriana Lopes de Oliveira CREFITO 3281-LTT-F GO Ergonomia ERGONOMIA - palavra de origem grega, onde: ERGO = trabalho e NOMOS

Leia mais

Adaptação do trabalho às pessoas.

Adaptação do trabalho às pessoas. NR- 17 Estabelece parâmetros que permitam a adaptação das condições de trabalho às características psicofisiológicas dos trabalhadores, de modo a proporcionar um máximo de conforto, segurança e desempenho

Leia mais

ANEXO VII: NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3)

ANEXO VII: NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3) ANEXO VII: NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3) NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3) 9.1. Do objeto e campo de aplicação. 9.1.1. Esta Norma Regulamentadora

Leia mais

Comentário: OPÇÃO CORRETA. Está de acordo com os precitos da NR 06.

Comentário: OPÇÃO CORRETA. Está de acordo com os precitos da NR 06. Questão 11 - GABARITO OPÇÃO (D) Conforme a Norma Regulamentadora 06, que trata sobre Equipamento de Proteção Individual EPI, marque a alternativa INCORRETA. (A) Constitui-se de exemplo de EPI para proteção

Leia mais

Newsletter do Grupo 4Work Nº 60 Setembro de 2014

Newsletter do Grupo 4Work Nº 60 Setembro de 2014 A 4 Work - Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho, Lda., vai realizar a partir do início do mês de Outubro, uma campanha de vacinação antigripal, desenvolvida e dirigida às empresas, independentemente

Leia mais

A INFLUÊNCIA DO COMPUTADOR NA INTEGRIDADE DA VISÃO BINOCULAR. S. Plácido; C. Neves; V. Francisco; S. Ceia; S. Marques; M. Oliveira; C.

A INFLUÊNCIA DO COMPUTADOR NA INTEGRIDADE DA VISÃO BINOCULAR. S. Plácido; C. Neves; V. Francisco; S. Ceia; S. Marques; M. Oliveira; C. A INFLUÊNCIA DO COMPUTADOR NA INTEGRIDADE DA VISÃO BINOCULAR S. Plácido; C. Neves; V. Francisco; S. Ceia; S. Marques; M. Oliveira; C. Lança Aveiro, 2015 Introdução Computer Vision Syndrome (CSV): Conjunto

Leia mais

Riscos Ambientais. Riscos Ambientais

Riscos Ambientais. Riscos Ambientais Riscos Ambientais Riscos Ambientais São os agentes, elementos ou substâncias presentes nos locais de trabalho. A exposição dos trabalhadores a estes agentes pode causar acidentes com lesões ou danos à

Leia mais

Adaptação do trabalho ao homem. Pessoas diferentes Capacidades físicas e mentais diferentes.

Adaptação do trabalho ao homem. Pessoas diferentes Capacidades físicas e mentais diferentes. Adaptação do trabalho ao homem. Pessoas diferentes Capacidades físicas e mentais diferentes. Tarefas que exijam elevada acuidade visual Visão desfocada e sensação de olhos a arder. Teclar de forma incorrecta

Leia mais

Dr. Ailton Luis da Silva. www.healthwork.com.br ailton@healthwork.com.br Tel: (11) 5083-5300

Dr. Ailton Luis da Silva. www.healthwork.com.br ailton@healthwork.com.br Tel: (11) 5083-5300 ACOMPANHAMENTO E MONITORAMENTO DO TRABALHADOR EM TELEATENDIMENTO (CALL CENTERS) Dr. Ailton Luis da Silva www.healthwork.com.br ailton@healthwork.com.br Tel: (11) 5083-5300 O segmento transformou-se no

Leia mais

OMO NASCEU A PALAVRA ERGONOMIA?...3

OMO NASCEU A PALAVRA ERGONOMIA?...3 Índice ÍNDICE...2 COMO NASCEU A PALAVRA ERGONOMIA?...3 O QUE É A ERGONOMIA?...3 ERGONOMIA NO TRABALHO....3 POSIÇÕES CORRECTAS A TER NO TRABALHO....4 O EQUIPAMENTO ERGONÓMICO...6 MONITOR...7 TECLADOS E

Leia mais

NR 17 - ERGONOMIA. Portaria GM n.º 3.214, de 08 de junho de 1978 06/07/78

NR 17 - ERGONOMIA. Portaria GM n.º 3.214, de 08 de junho de 1978 06/07/78 NR 17 - ERGONOMIA Publicação D.O.U. Portaria GM n.º 3.214, de 08 de junho de 1978 06/07/78 Atualizações/Alterações D.O.U. Portaria MTPS n.º 3.751, de 23 de novembro de 1990 26/11/90 Portaria SIT n.º 08,

Leia mais

Utilizadores de Computadores Conselhos ergonómicos

Utilizadores de Computadores Conselhos ergonómicos Utilizadores de Computadores Conselhos ergonómicos Ergonomia: Estuda a interacção física entre as pessoas e o seu trabalho adaptando este último, o equipamento e o ambiente de trabalho ao trabalhador.

Leia mais

SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO. Prevenção das Lesões por Esforços Repetitivos L E R

SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO. Prevenção das Lesões por Esforços Repetitivos L E R SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Prevenção das Lesões por Esforços Repetitivos L E R O QUE SÃO AS LESÕES POR ESFORÇOS REPETITIVOS LER são doenças do trabalho provocadas pelo uso inadequado e excessivo do

Leia mais

PCMSO PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL NR 7

PCMSO PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL NR 7 PCMSO PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL NR 7 Esta norma estabelece a relação de obrigatoriedade para os empregadores e instituições que admitam empregados, da Elaboração de um Programa de

Leia mais

Renata Matsmoto. renatamatsmoto@gmail.com

Renata Matsmoto. renatamatsmoto@gmail.com Aplicação dos aspectos legais do Anexo II da NR 17 Trabalho em teleatendimento/ telemarketing Renata Matsmoto renatamatsmoto@gmail.com TELEATENDIMENTO TELEMARKETING Definição Serviços de comunicação à

Leia mais

III ENCONTRO DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DOS MUNICÍPIOS DA MICRORREGIÃO DO ALTO SAPUCAÍ PCMSO E SAÚDE DO SERVIDOR

III ENCONTRO DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DOS MUNICÍPIOS DA MICRORREGIÃO DO ALTO SAPUCAÍ PCMSO E SAÚDE DO SERVIDOR III ENCONTRO DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DOS MUNICÍPIOS DA MICRORREGIÃO DO ALTO SAPUCAÍ PCMSO E SAÚDE DO SERVIDOR Sônia Cristina Bittencourt de Paiva Consultora em Saúde Ocupacional e Ergonomia A RELAÇÃO

Leia mais

Prezados(as); A portaria está disponível na seguinte página: http://portal.mte.gov.br/legislacao/2014-1.htm. Atenciosamente CNI

Prezados(as); A portaria está disponível na seguinte página: http://portal.mte.gov.br/legislacao/2014-1.htm. Atenciosamente CNI Prezados(as); Informamos que foi publicada no DOU de hoje, seção 1, páginas 110 e 111 a Portaria MTE n.º 1.297, de 13 de agosto de 2014, que aprova o Anexo 1 - Vibração - da Norma Regulamentadora n.º 9

Leia mais

Ergonomia Corpo com Saúde e Harmonia

Ergonomia Corpo com Saúde e Harmonia Ergonomia Corpo com Saúde e Harmonia Dr. Leandro Gomes Pistori Fisioterapeuta CREFITO-3 / 47741-F Fone: (16) 3371-4121 Dr. Paulo Fernando C. Rossi Fisioterapeuta CREFITO-3 / 65294 F Fone: (16) 3307-6555

Leia mais

NR 17 - ERGONOMIA. Portaria 3.214, de 08 de junho de 1978 06/07

NR 17 - ERGONOMIA. Portaria 3.214, de 08 de junho de 1978 06/07 NR 17 - ERGONOMIA Portaria 3.214, de 08 de junho de 1978 06/07 Esta Norma Regulamentadora visa a estabelecer parâmetros que permitam a adaptação das condições de trabalho às características psicofisiológicas

Leia mais

PROJETO OLHAR BRASIL Dra. Lilia M.Contreiras Corrêa

PROJETO OLHAR BRASIL Dra. Lilia M.Contreiras Corrêa Dra. Lilia M.Contreiras Corrêa Assessora Técnica da Diretoria de Atenção Especializada Oftalmologia/SESAB Reconhecendo as dificuldades do acesso da população brasileira, não só à consulta oftalmológica,

Leia mais

NR 9 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS

NR 9 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS NR 9 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS Transcrito pela Nutri Safety * O SECRETÁRIO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO no uso de suas atribuições legais, e CONSIDERANDO o disposto nos artigos 155

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO CONSULTA PÚBLICA do ANEXO 8 da NR-15 PROPOSTA DE TEXTO NORMATIVO NR 15 - ATIVIDADES E OPERAÇÕES

Leia mais

ERGONOMIA NR-17 Ergonomia e Segurança do Trabalho

ERGONOMIA NR-17 Ergonomia e Segurança do Trabalho ERGONOMIA NR-17 Ergonomia e Segurança do Trabalho Prof. Mario S. Ferreira, Setembro, 2011 ERGONOMIA (CONFORTO & SEGURANÇA) PRODUTO-EQUIPAMENTO MÁQUINA COM QUALIDADE TAREFA-PROCESSO COM QUALIDADE ADEQUADO

Leia mais

NR 7 - Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional(107.000-2)

NR 7 - Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional(107.000-2) Página 1 de 6 NR 7 - Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional(107.000-2) 7.1. Do objeto. 7.1.1. Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece a obrigatoriedade de elaboração e implementação, por parte

Leia mais

SIMULADOS - Professor Flávio Nunes Segurança e Saúde no Trabalho

SIMULADOS - Professor Flávio Nunes Segurança e Saúde no Trabalho 1. Com base na CLT e com a Norma Regulamentadora 07 (PCMSO), julgue os itens a seguir. I. Quando na fase de reconhecimento dos riscos ambientais não for detectado risco específico, o controle médico poderá

Leia mais

Cartilha da Norma Regulamentadora de Checkout

Cartilha da Norma Regulamentadora de Checkout Cartilha da Norma Regulamentadora de Checkout Índice Apresentação... 3 Publicação... 4 Sobre a NR17... 5 17.2. Levantamento, transporte e descarga individual de materiais... 6 17.3. Mobiliário dos postos

Leia mais

Análise da Postura de Trabalho com Computador

Análise da Postura de Trabalho com Computador Artigo Revista Científica da UFPA, V. 7, Nº 01, 2009 Análise da Postura de Trabalho com Computador Shahine Paccola Gonçalves 1 Cinthia Dias Rocha 1 Paulo Torres Fenner 2 Resumo Este artigo trata sobre

Leia mais

Higiene do Trabalho. Higiene, Ergonomia e Segurança do Trabalho ERGONOMIA. Programa de Higiene do Trabalho GESTÃO DE PESSOAS. 3o bimestre / 2013

Higiene do Trabalho. Higiene, Ergonomia e Segurança do Trabalho ERGONOMIA. Programa de Higiene do Trabalho GESTÃO DE PESSOAS. 3o bimestre / 2013 GESTÃO DE PESSOAS CEFET-MG / DIVINÓPOLIS 3o bimestre / 2013 Prof. MSc. Antônio Guimarães Campos Higiene, Ergonomia e Segurança do Trabalho Higiene do Trabalho Conjunto de normas e procedimentos que visa

Leia mais

PCMSO (Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional).

PCMSO (Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional). PCMSO (Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional). PCMSO O PCMSOé definido e regulamentado pela Norma Regulamentadora nº 7, contida na Portaria 3214, de 8 de Junho de 1978, do Ministério do Trabalho

Leia mais

Sintomas da LER- DORT

Sintomas da LER- DORT LER-DORT A LER e DORT são as siglas para Lesões por Esforços Repetitivos e Distúrbios Osteo-musculares Relacionados ao Trabalho. Os termos LER/DORT são usados para determinar as afecções que podem lesar

Leia mais

O IMPACTO DO PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL NO AUMENTO DA FLEXIBILIDADE

O IMPACTO DO PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL NO AUMENTO DA FLEXIBILIDADE O IMPACTO DO PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL NO AUMENTO DA FLEXIBILIDADE UM ESTUDO QUANTO À APLICABILLIDADE DO PROGRAMA PARA COLETORES DE LIXO DO MUNICÍPIO DE NITERÓI ALESSANDRA ABREU LOUBACK, RAFAEL GRIFFO

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Trata-se de proposta de texto para revisão do Anexo 8 da Norma Regulamentadora n.º 15 (Atividades

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 22

PROVA ESPECÍFICA Cargo 22 13 PROVA ESPECÍFICA Cargo 22 QUESTÃO 31 Os Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho, obedecendo ao Quadro II da NR- 4, subitem 4.4, com redação dada pela Portaria nº

Leia mais

Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles, M.Sc.

Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles, M.Sc. Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Curso de Graduação em Engenharia de Produção ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles,

Leia mais

Biomecânica. A alavanca inter-resistente ou de 2º grau adequada para a realização de esforço físico, praticamente não existe no corpo humano.

Biomecânica. A alavanca inter-resistente ou de 2º grau adequada para a realização de esforço físico, praticamente não existe no corpo humano. Biomecânica Parte do conhecimento da Ergonomia aplicada ao trabalho origina-se no estudo da máquina humana. Os ossos, os músculos, ligamentos e tendões são os elementos dessa máquina que possibilitam realizar

Leia mais

TRABALHO SENTADO: RISCOS ERGONÔMICOS PARA PROFISSIONAIS DE BIBLIOTECAS, ARQUIVOS E MUSEUS

TRABALHO SENTADO: RISCOS ERGONÔMICOS PARA PROFISSIONAIS DE BIBLIOTECAS, ARQUIVOS E MUSEUS TRABALHO SENTADO: RISCOS ERGONÔMICOS PARA PROFISSIONAIS DE BIBLIOTECAS, ARQUIVOS E MUSEUS Johnson Brito de Lima (*); Gleice Araújo da Cruz (*) (*) CICRAD - Curso de Introdução à Conservação e Restauro

Leia mais

Norma Regulamentadora NR 17

Norma Regulamentadora NR 17 Norma Regulamentadora NR 17 17.1. Esta Norma Regulamentadora visa estabelecer parâmetros que permitam a adaptação das condições de trabalho às características psicofisiológicas dos trabalhadores, de modo

Leia mais

CERATOCONE. A palavra ceratocone se deriva de duas palavras gregas : karato que significa córnea e konos que significa cone.

CERATOCONE. A palavra ceratocone se deriva de duas palavras gregas : karato que significa córnea e konos que significa cone. Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira CERATOCONE QUE É CERATOCONE? O ceratocone, ou córnea cônica é uma desordem não inflamatória, na qual

Leia mais

Gestão Ergonômica e Programas de Ergonomia na Empresa

Gestão Ergonômica e Programas de Ergonomia na Empresa Gestão Ergonômica e Programas de Ergonomia na Empresa Ms. João Eduardo de Azevedo Vieira Fisioterapeuta (PUC-PR / 2000) Esp. Fisiologia do Exercício e do Desporto (IBPEX / 2001) Esp. Fisioterapia do Trabalho

Leia mais

PROGRAMAS (41) 35620280. medicinaocupacional@saudemais.med.br. http://www.saudemais.med.br

PROGRAMAS (41) 35620280. medicinaocupacional@saudemais.med.br. http://www.saudemais.med.br (41) 35620280 medicinaocupacional@saudemais.med.br http://www.saudemais.med.br Temos a satisfação de apresentar nossos serviços de Saúde Ocupacional. Oferecemos assessoria completa em segurança e medicina

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE MATO GROSSO

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE MATO GROSSO 1 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 PARECER CONSULTA CRM-MT Nº 13/2012 DATA DA ENTRADA: 12 de junho de 2012 INTERESSADO: Dr. MHM CRM-MT XXXX CONSELHEIRA CONSULTORA: Dra. Hildenete Monteiro Fortes ASSUNTO:

Leia mais

CIPA GESTÃO 2013/2014

CIPA GESTÃO 2013/2014 HOSPITAL SÃO PAULO-SPDM Mapa de Risco da Empresa: Questionário auxiliar para elaboração do Mapa de Riscos Mapa de Risco é uma representação gráfica de um conjunto de fatores presentes nos locais de trabalho,

Leia mais

Norma NR17 ANÁLISE ERGONÔMICA DO TRABALHO. Visão Geral. Prof. Dr. JOÃO GOMES FILHO. 2010

Norma NR17 ANÁLISE ERGONÔMICA DO TRABALHO. Visão Geral. Prof. Dr. JOÃO GOMES FILHO. 2010 Norma NR17 ANÁLISE ERGONÔMICA DO TRABALHO Visão Geral 1 Prof. Dr. JOÃO GOMES FILHO. 2010 NR 17 17.1 OBJETIVO CONDIÇÕES DE TRABALHO / PARÂMETROS BÁSICOS: Segurança: proteção / prevenção Conforto: saúde

Leia mais

Controle e Mapeamento de Doenças Ósteo-musculares. José Waldemir Panachão Médico do Trabalho Health Total - TRF3

Controle e Mapeamento de Doenças Ósteo-musculares. José Waldemir Panachão Médico do Trabalho Health Total - TRF3 Controle e Mapeamento de Doenças José Waldemir Panachão Médico do Trabalho Health Total - TRF3 O porque da realização do controle no TRF da 3ª região : 1. Procura espontânea dos Servidores 2. Processos

Leia mais

CHECK-LIST PARA AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES ERGONÔMICAS EM POSTOS DE TRABALHO INFORMATIZADOS

CHECK-LIST PARA AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES ERGONÔMICAS EM POSTOS DE TRABALHO INFORMATIZADOS 1 CHECK-LIST PARA AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES ERGONÔMICAS EM POSTOS DE TRABALHO INFORMATIZADOS Versão fevereiro 2007 (UA: 30/06/10) Autor: Hudson Couto Colaborador: Dr. Edivaldo Sanábio e Remi Lópes Antonio

Leia mais

Avaliação ocupacional da pessoa. Renata Pavão Moreira Médica do trabalho Reunião Científica APAMT - 25/10/2014

Avaliação ocupacional da pessoa. Renata Pavão Moreira Médica do trabalho Reunião Científica APAMT - 25/10/2014 Avaliação ocupacional da pessoa com deficiência -casos práticos Renata Pavão Moreira Médica do trabalho Reunião Científica APAMT - 25/10/2014 Papel do médico do trabalho Análise enquadramento Adaptações

Leia mais

Postura. As posturas prolongadas podem prejudicar os músculos e as articulações.

Postura. As posturas prolongadas podem prejudicar os músculos e as articulações. Postura A postura é, freqüentemente, determinada pela natureza da tarefa ou do posto de trabalho. Um porteiro de hotel tem uma postura estática, enquanto um carteiro passa a maior parte do tempo andando.

Leia mais

Transformar o trabalho ponos em trabalho ergon. Profa. Linda Nice Gama

Transformar o trabalho ponos em trabalho ergon. Profa. Linda Nice Gama Transformar o trabalho ponos em trabalho ergon Profa. Linda Nice Gama segurança, conforto, bem-estar e a eficácia das atividades humanas Ergonomia de Concepção: projeto posto, instrumento, máquina, sistemas

Leia mais

PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL - PCMSO

PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL - PCMSO 1 PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL - PCMSO PORTARIA Nº 3.214 DE 08/06/78 - NR7 (com redação dada pela Portaria nº 24 de 29/12/94 e Portaria nº 8 de 08/05/96) DO OBJETO A Norma Regulamentadora

Leia mais

O Dimensionamento do Centro de Produção

O Dimensionamento do Centro de Produção O Dimensionamento do Centro de Produção (posto de trabalho) ANTROPOMETRIA estudo e sistematização das medidas físicas do corpo humano. ANTROPOMETRIA ESTÁTICA - refere-se a medidas gerais de segmentos corporais,

Leia mais

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XIX Gestão da Prevenção. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao.

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XIX Gestão da Prevenção. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao. Guia Técnico Segurança e Higiene do Trabalho Volume XIX Gestão da Prevenção um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a expressa

Leia mais

CEGUEIRA E CATARATA. Perguntas e respostas

CEGUEIRA E CATARATA. Perguntas e respostas CEGUEIRA E CATARATA Perguntas e respostas Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira 14. O que torna a pessoa cega? Somado aos acidentes e defeitos

Leia mais

APOSENTADORIA ESPECIAL

APOSENTADORIA ESPECIAL FUNDAMENTO LEGAL Artigo 201, 1º, CF/88 Artigo 57 e 58 da Lei 8213/91 Artigo 64 a 70, do Decreto 3048/99 Artigo 246 a 299 da IN 77/2015 CONCEITO É o benefício previdenciário devido ao segurado que tenha

Leia mais

MEIO AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO

MEIO AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO MEIO AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO 6 CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM DIREITO AMBIENTAL INEAA MEIO AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO José Roberto Teixeira NOVEMBRO/2002 MEIO AMBIENTE, SAÚDE E

Leia mais

NR-35 TRABALHO EM ALTURA

NR-35 TRABALHO EM ALTURA 35.1. Objetivo e Campo de Aplicação NR-35 TRABALHO EM ALTURA Publicação D.O.U. Portaria SIT n.º 313, de 23 de março de 2012 27/03/12 35.1.1 Esta Norma estabelece os requisitos mínimos e as medidas de proteção

Leia mais

Sumario. 1 Introdução à Ergonomia... 2. 2 Conceito de Ergonomia... 3 3 NR 17... 7. 4 Equação de NIOSH... 28. 5 Transporte de cargas...

Sumario. 1 Introdução à Ergonomia... 2. 2 Conceito de Ergonomia... 3 3 NR 17... 7. 4 Equação de NIOSH... 28. 5 Transporte de cargas... Sumario 1 Introdução à Ergonomia........................... 2 2 Conceito de Ergonomia............................ 3 3 NR 17........................................... 7 Anexo I Trabalhos dos Operadores

Leia mais

ERGONOMIA Notas de Aula - Graduação

ERGONOMIA Notas de Aula - Graduação ERGONOMIA Notas de Aula - Graduação Análise Ergonômica do Trabalho - AET Ponto 02 Mario S. Ferreira Março, 2010 CONCEITUAÇÃO Análise Ergonômica do Trabalho Intervenção, no ambiente de trabalho, para estudo

Leia mais

ANEXO II DA NR-17 TRABALHO EM TELEATENDIMENTO/TELEMARKETING

ANEXO II DA NR-17 TRABALHO EM TELEATENDIMENTO/TELEMARKETING ANEXO II DA NR-17 Publicação D.O.U. Portaria SIT n.º 09, 30 de março de 2007 02/04/07 TRABALHO EM TELEATENDIMENTO/TELEMARKETING 1. O presente Anexo estabelece parâmetros mínimos para o trabalho em atividades

Leia mais

Projeto CAPAZ Básico Ametropias 1 Miopia e Hipermetropia

Projeto CAPAZ Básico Ametropias 1 Miopia e Hipermetropia 1 Introdução Ao assistir à aula, você teve acesso ao comportamento do olho humano, constatou quando há uma deficiência visual e como é possível corrigi-la. Vimos algumas peculiaridades, o que acontece

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional PCMSO

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional PCMSO Programa de Controle Médico de Saúde 29/10/2013 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3 4. Conclusão... 4 5. Informações Complementares...

Leia mais

Gestão do Risco Ergonômico 6º SENSE. Nadja de Sousa Ferreira, MD PhD Médica do Trabalho

Gestão do Risco Ergonômico 6º SENSE. Nadja de Sousa Ferreira, MD PhD Médica do Trabalho Gestão do Risco Ergonômico 6º SENSE Nadja de Sousa Ferreira, MD PhD Médica do Trabalho Objetivo Objetivo Apresentar os conceitos científicos sobre o Risco Ergonômico e sua relação com o corpo humano. Fazer

Leia mais

FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho. Módulo de Saúde Ocupacional AULA 3

FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho. Módulo de Saúde Ocupacional AULA 3 FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho Módulo de Saúde Ocupacional AULA 3 Competências a serem trabalhadas nesta aula Estabelecer os parâmetros e diretrizes necessários para garantir um padrão

Leia mais

Unidade II SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO / BENEFÍCIOS E ASSISTÊNCIA SOCIAL. Prof. Joaquim Ribeiro

Unidade II SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO / BENEFÍCIOS E ASSISTÊNCIA SOCIAL. Prof. Joaquim Ribeiro Unidade II SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO / BENEFÍCIOS E ASSISTÊNCIA SOCIAL Prof. Joaquim Ribeiro 6. Conceito e importância da Ergonomia Origem nas palavras gregas: ergon (trabalho) e nomos (regras). 6.

Leia mais

PPRA / NR 9 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS

PPRA / NR 9 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS PPRA / NR 9 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS SETEMBRO / 2005 SANTA MARIA - RS Avenida. Medianeira 1900, Centro Santa Maria/ RS, CEP 97060-002- Fone (55) 3027 8911 Sumário 1 INTRODUÇÃO... 3 2

Leia mais

A SECRETARIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO, no uso de suas atribuições legais, e

A SECRETARIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO, no uso de suas atribuições legais, e PORTARIA SSST Nº 11, de 13/10/1994 "Publica a minuta do Projeto de Reformulação da Norma Regulamentadora nº 9 - Riscos Ambientais com o seguinte título: Programa de Proteção a Riscos Ambientais". A SECRETARIA

Leia mais

SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO

SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO Conjunto de medidas educacionais, técnicas, médicas e psicológicas adotadas com o objetivo de prevenir acidentes. As causas de um acidente: a) condição insegura: Tal condição

Leia mais

NR 15 - ATIVIDADES E OPERAÇÕES INSALUBRES ANEXO N.º 3 - CALOR PROPOSTA DE TEXTO NORMATIVO

NR 15 - ATIVIDADES E OPERAÇÕES INSALUBRES ANEXO N.º 3 - CALOR PROPOSTA DE TEXTO NORMATIVO NR 15 - ATIVIDADES E OPERAÇÕES INSALUBRES ANEXO N.º 3 - CALOR PROPOSTA DE TEXTO NORMATIVO 1. Objetivos 1.1 Definir critérios para a caracterização e controle dos riscos à saúde dos trabalhadores decorrentes

Leia mais

APLICAÇÃO DOS CONCEITOS DE SEGURANÇA A SERVIÇOS DE INFORMÁTICA

APLICAÇÃO DOS CONCEITOS DE SEGURANÇA A SERVIÇOS DE INFORMÁTICA APLICAÇÃO DOS CONCEITOS DE SEGURANÇA A SERVIÇOS DE INFORMÁTICA Ana Carla da Silveira Lomba Osvaldo Luis Gonçalves Quelhas Gilson Brito Alves Lima ABSTRACT: The present work wants to stress, trough an application

Leia mais

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO)

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) Objeto, princípios e campo de aplicação 35.1 Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece princípios e requisitos para gestão da segurança

Leia mais

Visão Subnormal. Guia do Apresentador

Visão Subnormal. Guia do Apresentador Visão Subnormal Guia do Apresentador SLIDE 1 Introdução do apresentador. O propósito desta apresentação é oferecer informações sobre o que é a visão subnormal, o que pode ser feito sobre ela e onde se

Leia mais

Aula 03 Antropometria Prof. Mario S. Ferreira Junho, 2013

Aula 03 Antropometria Prof. Mario S. Ferreira Junho, 2013 Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Curso de Especialização em Arquitetura da Habitação de Interesse Social ERGONOMIA E ACESSIBILIDADE Aplicada à

Leia mais

Noções de Segurança e Higiene do Trabalho

Noções de Segurança e Higiene do Trabalho Noções de Segurança e Higiene do Trabalho Sinópse Generalidades. Antecedentes Históricos. Conceitos Básicos: - Acidente do Trabalho; - Atividades e Operações Insalúbres; - Riscos Ocupacionais; - Equipamentos

Leia mais

Associação Brasileira de Cinematografia, ABC Recomendação Técnica Arquitetura de Salas de Projeção Cinematográfica

Associação Brasileira de Cinematografia, ABC Recomendação Técnica Arquitetura de Salas de Projeção Cinematográfica Associação Brasileira de Cinematografia, ABC Recomendação Técnica Arquitetura de Salas de Projeção Cinematográfica 1 Escopo da Recomendação: Esta Recomendação Técnica é uma iniciativa conjunta da Associação

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO PORTARIA N.º 25, DE 29 DE DEZEMBRO DE 1994 (*) (DOU de 30/12/94 Seção 1 págs 21.280 a 21.282) (Republicada em 15/12/95 Seção

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Obrigatoriedade de capacitação e autorização para trabalhos em altura e com eletricidade

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Obrigatoriedade de capacitação e autorização para trabalhos em altura e com eletricidade Obrigatoriedade de capacitação e autorização para trabalhos em altura e com eletricidade 08/05/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação...

Leia mais

SENSOR DE FUMAÇA SEM FIO STK 916 SENSOR DE FUMAÇA SEM FIO STK

SENSOR DE FUMAÇA SEM FIO STK 916 SENSOR DE FUMAÇA SEM FIO STK SENSOR DE FUMAÇA SEM FIO STK 916 www.samtek.com.br Agradecemos a sua preferência por nossos produtos. Nossos produtos possuem vários certificados nacionais e internacionais sendo projetados de modo a oferecer

Leia mais

Portaria nº 339 de 08 de Maio de 2002.

Portaria nº 339 de 08 de Maio de 2002. Portaria nº 339 de 08 de Maio de 2002. O Secretário de Assistência à Saúde, no uso de suas atribuições legais, Considerando a Portaria GM/MS nº 866, de 09 de maio de 2002, que cria os mecanismos para organização

Leia mais

3 ORIGENS E CONCEITUAÇÃO DA ERGONOMIA

3 ORIGENS E CONCEITUAÇÃO DA ERGONOMIA De acordo com dados da Ergonomics Research Society, Inglaterra, a Ergonomia é o estudo do relacionamento entre o homem e o seu trabalho, equipamento e ambiente, e particularmente a aplicação dos conhecimentos

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS COLABORADORES ATRAVÉS DA BIOMECÂNICA OCUPACIONAL

AVALIAÇÃO DOS COLABORADORES ATRAVÉS DA BIOMECÂNICA OCUPACIONAL AVALIAÇÃO DOS COLABORADORES ATRAVÉS DA BIOMECÂNICA OCUPACIONAL Daniela da Maia José Marques de Carvalho Júnior Antonio Vinicius Soares 2010 INTRODUÇÃO É um laboratório especializado em análise biomecânica

Leia mais

Serviço Especializado de Segurança e Medicina do Trabalho

Serviço Especializado de Segurança e Medicina do Trabalho Serviço Especializado de Segurança e Medicina do Trabalho Sumário Abreviaturas...3 Resumo...4 Introdução...5 Cronograma dos processos...5 Análise crítica...8 Proposta de melhoria...9 Anexos...10 1 Abreviaturas

Leia mais

O empregador deve assegurar ao trabalhador condições de segurança e de saúde em todos os aspectos do seu trabalho.

O empregador deve assegurar ao trabalhador condições de segurança e de saúde em todos os aspectos do seu trabalho. Guia de Segurança do Operador PORTUGAL: Lei n.º 102/2009 de 10 de Setembro Regime Jurídico da Promoção da Segurança e Saúde no Trabalho O empregador deve assegurar ao trabalhador condições de segurança

Leia mais

NR 35 Trabalho em Altura

NR 35 Trabalho em Altura Professor Flávio Nunes NR 35 Trabalho em Altura CLT: Art.200 www.econcursando.com.br 1 35.1. Objetivo e Campo de Aplicação 35.1.1 Esta Norma estabelece os requisitos mínimos e as medidas de proteção para

Leia mais

NR-7 PCMSO PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL. Instituto Superior de Tecnologia de Paracambi

NR-7 PCMSO PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL. Instituto Superior de Tecnologia de Paracambi Instituto Superior de Tecnologia de Paracambi NR-7 PCMSO PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL Curso:Tecnólogo em Gestão Ambiental Professora: Raquel Simas Pereira Teixeira OBJETO: Estabelece

Leia mais

COMENTÁRIOS JURÍDICOS AO PCMSO E À EMISSÃO DE ATESTADO DE SAÚDE OCUPACIONAL AVULSO ASO AVULSO.

COMENTÁRIOS JURÍDICOS AO PCMSO E À EMISSÃO DE ATESTADO DE SAÚDE OCUPACIONAL AVULSO ASO AVULSO. COMENTÁRIOS JURÍDICOS AO PCMSO E À EMISSÃO DE ATESTADO DE SAÚDE OCUPACIONAL AVULSO ASO AVULSO. Eduardo Carvalho Abdalla Advogado, Especialista em Gestão Jurídica da Empresa Consultor de Saúde, Segurança

Leia mais

17.2. Levantamento, transporte e descarga individual de materiais.

17.2. Levantamento, transporte e descarga individual de materiais. Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira NR 17 - Ergonomia (117.000-7) 17.1. Esta Norma Regulamentadora visa a estabelecer parâmetros que permitam

Leia mais