Como Resolver Disputas Sobre Nomes de Domínio na Internet

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Como Resolver Disputas Sobre Nomes de Domínio na Internet"

Transcrição

1 Doutrina Internacional Como Resolver Disputas Sobre Nomes de Domínio na Internet LUIZ GUSTAVO MEIRA MOSER Advogado admitido na Ordem dos Advogados do Brasil. Atualmente, integra o departamento jurídico do Centro de Arbitragem e Mediação da Organização Mundial da Propriedade Intelectual (OMPI), em Genebra, Suíça. PAUL ERIC MASON 1 Advogado norte-americano, Árbitro e Mediador afiliado com Veirano Advogados no Rio de Janeiro, e painelista em mais de 50 disputas de nomes de domínio para a OMPI, desde 2000, envolvendo partes do Brasil, da Rússia, da Europa, da Ásia e da América Latina. RESUMO: O presente artigo trata do procedimento UDPR - Uniform Domain Name Dispute Resolution Policy, cujas regras e política foram aprovadas em O procedimento UDPR resolve conflitos entre nomes de domínio e violação de direitos marcários no espaço virtual. O artigo abrange os aspectos do Centro de Arbitragem e Mediação da OMPI - Organização Mundial da Propriedade Intelectual e o quadro no Brasil no sistema do Regulamento.br. ABSTRACT: The present article describes the UDRP - Uniform Domain Name Dispute Resolution Policy - the rules and procedures for which were approved in The UDRP procedure is the primary method used to resolve disputes between domain name registrants and trade or service mark holders on the internet. The article further touches on aspects of the Arbitration and Mediation Center of the World Intellectual Property Organization, and the scenario Brazil is facing with the new rules governing disputes over domain names containing the extension.br. SUMÁRIO: 1 Os nomes de domínio: conceito, natureza e limites; 2 O embate marcas x nomes de domínio; 3 Resolução de disputas - O procedimento UDRP; 3.1 As vantagens do procedimento UDRP; 3.2 Aspectos gerais; 3.3 Pressupostos; 4 O centro de resolução de disputas da Organização Mundial da Propriedade Intelectual (OMPI); 5 A situação atual do Brasil neste sistema: o Regulamento.br; Conclusão. 1 OS NOMES DE DOMINIO: CONCEITO, NATUREZA E LIMITES Em termos técnicos, o nome de domínio é o endereço associado ao sítio de rede eletrônica, constituído de um elemento identificador (palavra, expressão) e uma extensão, que pode ser um gtld 2: ".com", ".org", ".net", etc.; um cctld 3: ".br", ".ae", etc.); ou

2 outro tipo de extensão, como, por exemplo, ".info" para recursos de informação, ou extensões relacionadas às áreas de negócios específicos, tais como ".biz" para negócios de pequeno porte, ".mobi" para websites que podem ser acessos por meio de aparelhos portáteis, etc. 4

3 RBA Nº 33 - Jan-Mar/ DOUTRINA INTERNACIONAL 123 Sob uma perspectiva jurídico-econômica, o nome de domínio pode ser definido como o espaço virtual de exploração de bens imateriais em proveito da coletividade, por meio do qual os agentes econômicos engendram operações negociais, investem em produtos e serviços, atendimento e publicidade, com o fim ulterior de preservar a sua imagem no mercado, cultivar e adquirir clientela ou freguesia. Portanto, não há dúvida de que o nome de domínio representa ativo de elevado valor econômico para toda e qualquer empresa que rivaliza no mercado, por traduzir instrumento catalisador de publicidade, agregador de valor à imagem associada ao produto e serviço, cujos alcance e resultados dependem da atuação criativa de seus titulares. Daí que o nome de domínio, a par de sua índole patrimonial, presta-se a exibir a reputação e o culto à imagem de seu titular. Na verdade, o que o público reconhece melhor são os websites das empresas ou personalidades conhecidas. Porém, os nomes de domínio são as chaves aos websites, verdadeiros mecanismos identificadores que permitem a criação e localização dos últimos no vasto espaço virtual. Assim, podemos estimar um valor alto - até milhões de reais - aos nomes de domínio, como <oglobo.com>, <lionelmessi.com>, <cocacola.com>, etc. Por isso as disputas sobre nomes de domínio podem ter uma grande importância para empresas. Entretanto, o fascinante universo virtual, outrora pensado como terreno fértil a práticas reprováveis, tanto na corrida desenfreada pela clientela como no intento de macular a imagem de produtos e serviços alheios - e imune a sanções legais -, propugna, como veremos a seguir, a manutenção de um ambiente virtual saudável, onde impere a liberdade de expressão séria e responsável e a concorrência leal e honesta entre os competidores do mercado. 2 O EMBATE MARCAS X NOMES DE DOMINIO O terreno conflituoso entre o nome de domínio e uma marca

4 reclama o desenho de um comportamento - patrocinado por um operador econômico ou por terceiro despido de propósito comercial, diagnosticado no âmbito de publicidade de certo produto ou serviço - que contrarie a conduta a ser observada, seja no duelo pela clientela seja na liberdade de expressão, revelada por expedientes que ameacem a idoneidade do titular da marca e efetivamente, ou em potência, causem danos.

5 124 RBA Nº 33 - Jan-Mar/ DOUTRINA INTERNACIONAL Esses conflitos surgem justamente porque os sistemas de cadastramento dos nomes de domínio e os de registro de marcas nacionais são distintos e independentes. O primeiro é simplesmente baseado na prioridade da data de cadastramento ("First come, first served" em inglês). Por outro lado, os sistemas nacionais de outorgamento de direitos de marcas normalmente reúnem outros requisitos, a par do critério temporal. Por isso, uma empresa ou pessoa pode registrar uma marca no mesmo instante em que uma outra empresa ou pessoa pode cadastrar o nome de domínio correspondente. É isso que pode abrir a porta aos abusos, utilizando, para fins inapropriados, um nome de domínio na Internet que é similar ou igual a uma marca já registrada por outra empresa ou pessoa. Em outras palavras, o conflito tem lugar no momento em que um usuário do espaço virtual deixa de adquirir um determinado produto ou contratar serviço em detrimento ou não de outro, ludibriado por um nome de domínio igual ou semelhante ao da marca do produto ou serviço que originariamente desejava adquirir ou contratar, ou influenciado por comentários desairosos em relação ao bem buscado no mercado. Antes, contudo, há que se perquirir se existe relação de concorrência, para, no caso positivo, apurar se essa concorrência é leal. Para tanto, a concorrência tem de ser medida por força justamente de um critério de mercado. É ato de concorrência aquilo que pode persuadir a clientela. Essa clientela não deve ser materializada e reduzida a objeto, mas nem por isso o ato de concorrência deixa de ser um ato suscetível de influir sobre as opções no mercado e, portanto, de persuadir a clientela. Bem entendido, cumpre observar que o expediente repreensível deve ultrapassar os lindes da liberdade de concorrência.

6 Nesse diapasão, há casos paradigmáticos em que se revela insofismável a congruência de interesses entre o titular da marca e o detentor do registro do nome de domínio, seja porque rivalizam ou não no mesmo nicho comercial, e o nome de domínio reproduz na sua integralidade, ou em parte, a marca do reclamante, no explícito intento de valer-se de clientela alheia para transacionar produto ou serviço, beneficiando-se, por exemplo, de indevida comissão ou remuneração, ou valendo-se da clientela alheia para comercializar produtos próprios ou contrafeitos, ou mesmo adquirir dados pessoais dos usuários de Internet para o propósito de praticar ulteriores fraudes 5.

7 RBA Nº 33 - Jan-Mar/ DOUTRINA INTERNACIONAL 125 Some-se a isso os casos em que não há relação de concorrência, mas o nome de domínio reproduz termos indecorosos ou pejorativos em torno da marca, do produto ou do serviço, reproduzindo na integralidade ou em parte a marca do reclamante 6. À exceção de casos de evidente conflito, a bem da verdade, não há arquétipos para a apuração fiel da "confusão" entre o nome de domínio e a marca, restando apoiar-se na legislação aplicável e na vasta jurisprudência dos centros de resolução de disputas de nomes de domínio, como veremos a seguir. De um modo geral, caracteriza-se a confusão por meio de práticas destinadas a manipular os usuários da Internet por meio do nome de domínio, em detrimento do titular da marca visada, via exibição da marca individualizada do reclamante, com a supressão ou o acréscimo de consoantes, vogais ou vocábulos distintos. Nota-se a familiaridade entre o nome de domínio e o produto ou serviço do reclamante, o que desafia o usuário da Internet a associá-lo ao produto ou serviço comercializado de prestígio no mercado, aproveitando-se o titular do registro do nome de domínio de nicho negocial conquistado e consolidado pelo reclamante ao longo dos anos. Em uma palavra, o expediente deve colaborar para a desorientação do usuário da Internet, baseado em produto ou serviço existente e de concorrente ou não, com o qual objetive o titular do registro a assemelhação, a indução do público à veracidade da informação divulgada (a título exemplificativo, em casos de nomes de domínio criados no afã de macular a imagem de determinado produto ou serviço) ou ao consumo, pelo aproveitamento indevido, seja do nome seja da qualidade ou imagem de que desfrute no mercado o reclamante ou o próprio produto ou serviço. 3 RESOLUÇÃO DE DISPUTAS - O PROCEDIMENTO UDRP Diagnosticada a violação de direitos em torno de uma marca, é

8 possível antever uma miríade de questões jurídicas relativas a um futuro embate dessa natureza. Imaginemos, por exemplo, o titular do registro de um nome de domínio localizado no Brasil, a unidade de registro sediada nos Estados Unidos da Ámerica (contrato de registro celebrado em inglês) e a empresa reclamante localizada na Dinamarca. Certa de que houve a violação de seus direitos marcários, a reclamante decide ajuizar uma demanda em desfavor do titular do registro do nome de domínio. Os questionamentos de ordem técnico-jurídica começam a surgir: Qual é a natureza da demanda e a causa de pedir? E a extensão do pedido? Qual é jurisdição competente? E a lei aplicável? Como pode ser cumprida no Brasil uma sentença judicial estrangeira a respeito deste tipo de disputa?

9 126 RBA Nº 33 - Jan-Mar/ DOUTRINA INTERNACIONAL Incertezas essas que seguramente impactam na esfera patrimonial de um indivíduo ou operador econômico, traduzidas em custos de transação 7. No afã de criar um mecanismo para equacionar potenciais conflitos entre nomes de domínio e marcas, e desencorajar o "cybersquatting", ou seja, os registros abusivos de nomes de domínio reproduzindo marcas, baseado nas recomendações da Organização Mundial da Propriedade Intelectual (OMPI), criou-se a UDRP - Uniform Domain Name Dispute Resolution Policy ("A Política UDRP") e as Rules ("Regras UDRP"), aprovadas pela ICANN, em outubro de 1999 (e alteradas em 2009). A ICANN (Internet Corporation of Assigned Names and Numbers) é a entidade que regula a Internet, responsável por editar regras de atribuição e administração dos nomes de domínio, além de credenciar unidades de registro. As Regras UDRP, conforme veremos a seguir, limitam-se aos casos de má-fé, registro e uso abusivo do nome de domínio, e tem provado a sua popularidade entre os titulares de marcas. Até agosto de 2011, mais de casos UDRP foram distribuídos perante os Centros de resolução de disputas dessa natureza 8. Vale lembrar que já houve disputas sobre nomes de domínio importantes e bem conhecidos no Brasil. A título exemplificativo, citamos a disputa envolvendo o nome de domínio <corinthians.com>. O reclamante era o clube de futebol Corinthians de São Paulo e a reclamada uma pessoa física norte-americana que registrou o nome de domínio <corinthians.com> supostamente para divulgação de citações do livro bíblico Corinthians. A decisão do painel administrativo decidiu contra o reclamado e determinou a transferência do nome de domínio <corinthians.com> ao clube de futebol, porque, entre outros argumentos, o reclamado registrou o nome com a extensão ".com", o que configuraria indício de uso comercial e não religioso 9.

10

11 RBA Nº 33 - Jan-Mar/ DOUTRINA INTERNACIONAL 127 Outra disputa envolvendo um nome de domínio bem conhecido no Brasil surgiu em 2007 em torno do nome de domínio <gavea.com>, bastante conhecimento no Brasil, por cariocas e pessoas ligadas ao mundo financeiro. O reclamante era Gavea Investimentos, um fundo de investimentos famoso no País e no exterior. A reclamada, empresa sediada na Rússia, registrou o nome de domínio <gavea.com> antes de a reclamante adquirir direitos sobre a marca Gavea, e, portanto, o painel administrativo da OMPI entendeu não haver registro e uso do nome de domínio em má-fé, o que resultou na manutenção do nome de domínio com a reclamada As vantagens do procedimento UDRP De um modo geral, métodos privados de resolução de conflitos podem ser preferidos não só porque expeditos na prestação jurisdicional e conduzidos por regras previamente eleitas, mas também porque o expert é mais preparado para interpretar e solucionar a questão em disputa, desempenhando, no mais das vezes, a função de interlocutor entre as partes e o contrato. O procedimento UDRP é expedito, paperless, ou seja, eletrônico, com prazos definidos e estreitos (5 dias para curar eventual irregularidade formal diagnosticada na reclamação, 20 dias para a apresentação da defesa, 5 dias para a nomeação do painel administrativo após o recebimento da defesa ou decretação da revelia, e 14 dias para o envio da decisão a partir da nomeação do painel administrativo 11), de cognição sumária, sem recurso (ressalvada a possibilidade de as partes discutirem a disputa na Justiça comum), e a decisão é emanada por um especialista em matéria de propriedade intelectual, a quem é facultado o poder de decidir com base em regras e princípios sensíveis ao caso concreto 12. Quer dizer, uma decisão do painel UDRP é proferida, em média, em 60 (sessenta) dias, na hipótese de eleição de um único especialista, e 75 (setenta e cinco)

12 dias, na hipótese de um painel composto por três especialistas. Ademais, se a arbitragem disponibiliza instrumentos hábeis para o cumprimento dos termos pactuados, via sanções não legais, traduzidas no risco de banimento de comerciar e perda de contratos conexos, custos de oportunidade revelados, por exemplo, em "contratos por tabela" 13, o procedimento UDRP, por seu turno, confere publicidade à decisão emanada pelos centros de resolução de disputas 14, o que, de certa forma, torna as partes mais responsáveis por seus comportamentos antes, durante e após o procedimento, por internalizarem o custo do litígio. Prova disso é o índice de 23% de acordos alcançados nos casos distribuídos perante o Centro de Arbitragem e Mediação da OMPI até agosto de

13 128 RBA Nº 33 - Jan-Mar/ DOUTRINA INTERNACIONAL 3.2 Aspectos gerais O procedimento UDRP, de índole contratual (cláusula de adesão inserta nos contratos de registro), é obrigatório para todos os titulares de registro de gtlds, assim como as cctlds que tenham adotado as regras UDRP mutatis mutandis, e as cctlds que adotaram regulamentos similares inspirados nas Regras UDRP (Regulamento.br, por exemplo). Portanto, uma terceira parte pode desafiar o titular do registro de um determinado nome de domínio perante um provedor de serviço de resolução de disputas aprovado pela ICANN, tal como o Centro de Arbitragem e Mediação da OMPI 16. O campo de atuação das Regras UDRP é restrito à violação e ao uso de marcas por meio dos nomes de domínio, e os remédios jurídicos disponíveis aos reclamantes são dois: cancelamento ou transferência do nome de domínio. Portanto, não é possível pleitear danos de qualquer natureza e extensão. A peculiaridade do procedimento UDRP é que, embora inexista instância recursal, as partes preservam o direito de demandarem em juízo (parágrafo 4(k) das Regras UDRP), ou seja, o procedimento UDRP não exclui a apreciação da matéria por parte da Justiça comum, antes ou após o procedimento UDRP. Por essas duas razões (a impossibilidade de pleitar danos monetários e a possibilidade de apreciação do conflito de novo pela Justiça comum), o procedimento UDRP, em senso estrito, não é considerado arbitragem. A decisão é implementada por parte da unidade de registro, em 10 dias úteis após a decisão emanada pelo centro de resolução de disputas aprovado pela ICANN, a menos que o titular do registro do nome de domínio comprove ter distribuído uma demanda judicial em desfavor do reclamante, na jurisdição em que este optou por se submeter (via de regra, jurisdição da sede da unidade de registro ou domicílio do titular do registro).

14

15 RBA Nº 33 - Jan-Mar/ DOUTRINA INTERNACIONAL Pressupostos De acordo a Política UDRP, parágrafo 4(a), três elementos devem estar reunidos e comprovados para que o pedido de cancelamento ou transferência do nome de domínio em disputa seja acolhido. Estes elementos são os seguintes: (i) o nome de domínio deve ser idêntico ou semelhante, a ponto de causar confusão com a marca sobre a qual o reclamante detenha direitos; (ii) o reclamado não deve ter direitos ou interesses legítimos sobre o nome de domínio; e (iii) o nome de domínio deve ter sido registrado e estar sendo utilizado pelo reclamado em má-fé. Passemos ao exame do primeiro requisito. i) Identidade ou semelhança passível de confusão entre o nome de domínio em disputa e a marca do reclamante O requisito (i) reclama o preenchimento de duas condições associadas. Vejamos. Em primeiro lugar, o reclamante deve provar que tem direitos sobre a marca, por meio do respectivo registro (não necessariamente no local da violação ou domicílio do titular do registro do nome de domínio) ou direitos sobre marca não registrada (de facto trademark or unregistered trademark), desde que o sinal distintivo confira ao produto ou serviço um caráter singular no mercado 17. Em muitos casos, a empresa licenciada de uma marca, filial ou subsidiária, é reputada apta a demandar em nome do titular da marca violada 18. A segunda condição, por seu turno, exige que o nome de domínio seja idêntico ou similar, a ponto de causar confusão com a

16 marca de produto ou serviço - exame da comparação com o nome de domínio para determinar a probabilidade de confusão entre os usuários 19.

17 130 RBA Nº 33 - Jan-Mar/ DOUTRINA INTERNACIONAL Vale destacar que os nomes pessoais, os vocábulos descritivos e as indicações geográficas 20 podem conferir direitos ao reclamante, desde que tenham adquirido o que é comumente conhecido por "secondary meaning" como marca de produto ou serviço no mercado, por intermédio de prova efetiva do uso 21. Portanto, o fato de possuir um nome famoso, seja alguém conhecido no mercado que não o utiliza como identificador de seu negócio, ou, por exemplo, um líder religioso, ou mesmo alegações frívolas com relação ao uso do nome no mercado, são insuficientes para preencher esse requisito. Superado o primeiro requisito do parágrafo 4(c) da Política UDRP, passemos ao segundo requisito. (ii) Direitos ou interesses legítimos do reclamado sobre o nome de domínio em disputa O parágrafo 4(c) da Política UDRP contém uma lista não taxativa de circunstâncias mediante as quais o titular do registro do nome de domínio em disputa (reclamado) pode demonstrar direitos ou interesses legítimos em um nome de domínio, cabendo a este provar que: (a) antes de ser informado da disputa, usou ou preparou-se para usar o nome de domínio em conexão com o oferecimento de boa-fé de produtos ou serviços 22; ou ou (b) o reclamado seja conhecido pelo nome de domínio 23; (c) o reclamado esteja realizando uso legítimo e não comercial ou uso justificado (fair use 24) do nome de domínio sem intenção de ganho comercial, via desvio de consumidores ou violação à marca do reclamante.

18 RBA Nº 33 - Jan-Mar/ DOUTRINA INTERNACIONAL 131 De um modo geral, o segundo requisito da Política UDRP examina a prova do uso ou indicação concreta e factível de pretensão de uso do nome de domínio pelo reclamado, associada à atividade de boa-fé, cotejando-se o conteúdo do sítio de rede eletrônica vinculado ao nome de domínio em disputa e as evidências trazidas por ambas as partes. Embora o ônus da prova no procedimento UDRP recaia sobre o reclamante, as decisões têm reconhecido a impossibilidade da prova negativa com respeito ao segundo requisito. Portanto, uma vez apresentado pelo reclamante um caso prima facie de que o reclamado não tem direitos ou interesses legítimos sobre o nome de domínio em disputa, o ônus da prova é, via de regra, transferido ao reclamado. É importante destacar que as decisões UDRP têm entendido que o mero registro do nome de domínio - mesmo aquele em que compreendida uma palavra ou frase genérica - não confere, por si só, direitos ou interesses legítimos. Normalmente, nessas hipóteses, o nome de domínio deve ser genuinamente utilizado, ou pretendido assim o ser, associado ao seu significado embutido. (iii) Existência de má-fé no registro e no uso do nome de domínio em disputa por parte do reclamado O parágrafo 4(b) da Política UDRP estabelece que as seguintes circunstâncias em particular, sem prejuízo de outras, servem de prova de registro e uso de um nome de domínio em má-fé: (a) circunstâncias capazes de provar que o reclamado tenha registrado ou adquirido o nome de domínio com propósito preponderante de venda, aluguel ou para, de outra forma, transferi-lo para o reclamante titular da marca, ou, ainda, a um competidor do reclamante, em contrapartida a valores excedentes àqueles despendidos diretamente em relação ao nome de domínio em disputa; ou (b) o reclamado registrou o nome de domínio visando a

19 impedir o titular da marca de aplicá-la em um nome de domínio correspondente; ou (c) o reclamado tenha registrado o nome de domínio com propósito preponderante de interromper as atividades de um concorrente; ou (d) ao utilizar o nome de domínio 25, o reclamado tenha intencionalmente buscado atrair, para ganho comercial, usuários da Internet para o seu sítio de rede eletrônica ou para outra página eletrônica, criando a possibilidade de confusão com a marca do reclamante, ao fazer crer ser a fonte, o patrocinador, o associado ou o apoiador do sítio de rede eletrônica ou de algum produto ou serviço nela existente.

20 132 RBA Nº 33 - Jan-Mar/ DOUTRINA INTERNACIONAL 4 O CENTRO DE RESOLUÇÃO DE DISPUTAS DA ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA PROPRIEDADE INTELECTUAL (OMPI) O Centro de Arbitragem e Mediação da OMPI ("Centro da OMPI"), sediado em Genebra, Suíça, iniciou a administração de procedimentos UDRP em De dezembro de 1999 até 8 de agosto de , o Centro administrou mais de casos UDRP ou embasados nas Regras UDRP. Casos UDRP até agosto de 2011 envolveram partes de 163 países, dos quais 98 representaram os reclamantes, o que reflete a abrangência global do mecanismos de resolução de disputas. Dos casos distribuídos no Centro da OMPI até 8 de agosto de 2011, em que houve decisão (conforme destacado, aproximadamente uma quarta parte resolveu a disputa em momento prévio à nomeação do painel administrativo), 488 especialistas foram nomeados, originários de 57 países de todos os continentes. Hoje, o Centro da OMPI conta com 456 especialistas em matéria de nomes de domínio 27, mantidos com regular revisão à luz de necessidades operacionais, entre os quais alguns foram adicionados por conta de necessidades particulares ou se aposentaram ao longo dos últimos 12 anos 28. Como dados interessantes e sintomáticos em torno da pesquisa desenvolvida pelo Centro da OMPI, destacamos os principais reclamantes (Claimants), ramos de atividade e idiomas dos casos UDRP ao longo dos anos, além do percentual de êxito dos reclamantes. O líder de reclamações perante o Centro, por exemplo, são os Estados Unidos da América (34%), seguidos de França (11,94%) e Reino Unido (7,42%). O líder dos reclamados também conta com os Estados Unidos da América (28,86%), seguidos de China (12, 38%) e Reino Unido

21 (6,98%).

22 RBA Nº 33 - Jan-Mar/ DOUTRINA INTERNACIONAL 133 Entre os principais ramos de atividade, destacam-se o setor bancário, farmacêutico e de varejo. O êxito dos reclamantes no procedimento UDRP alcançou 86,1% até agosto de Entretanto, o índice de êxito é substancialmente reduzido nos casos em que há a eleição de um painel administrativo composto por 3 especialistas (57% de êxito). No que concerne ao idioma do procedimento, o Centro da OMPI administrou casos em 18 idiomas distintos e o ranking dos principais idiomas contempla: inglês (88,70%), espanhol (4,06%) e francês (2,83%). O português ocupa a 10ª posição no Centro da OMPI, representando 0,08% de incidência de casos. Embora o procedimento UDRP não opere baseado em precedentes, especialistas consideram desejável que as suas decisões acompanhem o entendimento de decisões anteriores versando sobre circunstâncias fáticas coincidentes. Isso assegura a previsibilidade e a segurança jurídica do procedimento UDRP para ambas as partes, além de contribuir para a evolução deste método de resolução de disputas. Pensando nisso, o Centro da OMPI organizou a WIPO Overview of WIPO Panel Views on Selected UDRP Questions ("WIPO Overview" 29), hoje em sua 2ª edição. A WIPO Overview atualiza e cataloga os principais posicionamentos dos especialistas em pontos-chave e candentes do procedimento UDRP, tanto de questões procedimentais quanto substantivas. Por fim, todas as decisões do Centro da OMPI são publicadas no endereço eletrônico: <http://www.wipo.int/amc/en/domains/search/> e podem ser acessadas, via pesquisa simples, utilizando-se os indexadores - nome das partes, assunto ou nome de domínio -, ou via pesquisa avançada, por meio de um índice de decisões por categorias específicas. 5 A SITUAÇÃO ATUAL DO BRASIL NESTE SISTEMA: O

23 REGULAMENTO.BR O Regulamento.br é o Regulamento do Sistema Administrativo de Conflitos de Internet Relativos a Nomes de Domínios sob ".br" - o Country Code Top Level Domain para Brasil, denominado SACI-Adm, aprovado pelo NIC.br 30. O Regulamento.br é incorporado mediante referência ao contrato de registro de seus nomes de domínio com o NIC.br, em que há previsão de um procedimento administrativo obrigatório, no caso de uma terceira parte apresentar reclamação relativa a um nome de domínio perante uma instituição credenciada pelo NIC.br, tal como o Centro de Arbitragem e Mediação da OMPI.

24 134 RBA Nº 33 - Jan-Mar/ DOUTRINA INTERNACIONAL Antes da criação do Regulamento.br, contudo, não se tem notícia de embates judiciais em torno de nomes de domínio, mas é possível afirmar, de uma maneira geral, que muitos potenciais conflitos não foram levados a cabo por conta de um verdadeiro hiato detectado na regulamentação da matéria no Brasil. Em sua essência, o Regulamento.br, inspirado na Política UDRP, dela se distingue por exigir, por exemplo, a prova do registro ou do uso do nome de domínio em má-fé. Logo, o requisito não é cumulativo (a prova do registro e o uso do nome de domínio em má-fé), tal qual vimos com relação à Política UDRP e como este requisito tem sido interpretado pelos painéis administrativos da OMPI. Outra diferença que se faz sentir diz respeito à hipótese de o reclamado optar por um painel administrativo composto por 3 (três) especialistas, opção em que o reclamante arcará com os honorários de um especialista e o reclamado arcará com honorários de dois especialistas. Ademais, o Regulamento.br incorpora a proteção a certos direitos protegidos no Brasil, visando a atender a necessidades particulares, incluindo, por exemplo, nomes empresariais. Também há distinção menos sensíveis, tais o termo inicial de prazo de contagem (dia útil subsequente à comunicação endereçada às partes e à unidade de registro) e o prazo para a implementação da decisão (15 dias úteis). Vale lembrar que o procedimento de disputas de nomes de domínio.br também é eletrônico. O Regulamento.br aplica-se a nomes de domínio registrados a partir de outubro de Até o presente momento, não há definição quanto à aplicação do regulamento para nomes de domínio.br registrados antes de outubro de 2010 ou renováveis após essa data, da mesma forma que não há possibilidade de aplicar o Regulamento.br para nomes de domínio criados antes da referida data, mas transferidos a terceiros após outubro de Portanto, aos titulares de direitos marcários violados nas

25 hipóteses acima elencadas restam duas alternativas: a via judicial ou o consentimento do titular do registro e do reclamante em se submeterem ao Regulamento.br. Observamos que essas duas alternativas não são excludentes entre si. Desde novembro de 2010, o Centro de Arbitragem e Mediação da OMPI oferece serviço de administração de disputas de nomes de domínio.br, de acordo com o Regulamento.br e as Regras do Centro de Arbitragem e Mediação da OMPI para o Regulamento.br 31.

26 RBA Nº 33 - Jan-Mar/ DOUTRINA INTERNACIONAL 135 CONCLUSÃO O procedimento UDRP tem sido largamente reconhecido como mecanismo de destacada segurança jurídica para os players do mercado e a todos aqueles que, de certa forma, interagem e exploram o espaço virtual, na medida em que atua na manutenção da liberdade de expressão séria e responsável e da concorrência leal e honesta entre os competidores do mercado. Isso porque, por um lado, os titulares de direitos marcários beneficiam-se de um método de resolução de disputas célere e menos oneroso, pelo qual experimentam alto índice de êxito, raramente desafiado em instância judicial. Por outro lado, os titulares de registro dos nomes de domínio, ao invés de serem demandados em juízo, e, a depender do caso, sujeitos à condenação em danos de natureza e montante variáveis - ao sabor da volatilidade das contingências -, beneficiam-se de um instrumento que lhes possibilita defender os seus direitos e, por exemplo, optar pela eleição de 3 especialistas para decidir o conflito, no qual as partes nominam e elencam os seus candidatos. Portanto, ambos desfrutam de um mecanismo de composição de conflito eficiente e expedito, cuja decisão é construída sob as premissas de uma massa crítica de mais de uma década de jurisprudência, além, é claro, de as partes preservarem a possibilidade da via judicial para os raros casos em que o mérito da disputa é discutido nessa esfera. Some-se a isso o fato de que o procedimento UDRP viceja uma vocação flexível, pois governado por regras adaptáveis e sensíveis às contingências do espaço virtual, sem índole legiferante, mas sim voltadas a conceitos moldáveis e subsumidos a partir do suporte fático do caso concreto, interpretados e aplicados por especialistas em propriedade intelectual do mundo inteiro, atentos às contingências e práticas do mercado.

DECISÃO DO PAINEL ADMINISTRATIVO 3A Composites USA, Inc. v. Fernando Terzian Caso No. DBR2015-0003

DECISÃO DO PAINEL ADMINISTRATIVO 3A Composites USA, Inc. v. Fernando Terzian Caso No. DBR2015-0003 ARBITRATION AND MEDIATION CENTER DECISÃO DO PAINEL ADMINISTRATIVO 3A Composites USA, Inc. v. Fernando Terzian Caso No. DBR2015-0003 1. As Partes A Reclamante é 3A Composites USA, Inc., de Statesville,

Leia mais

DECISÃO DO PAINEL ADMINISTRATIVO Petróleo Brasileiro S.A. - Petrobras v. Pricio Ricardo Pedrozo dos Santos Caso No. DBR2014-0004

DECISÃO DO PAINEL ADMINISTRATIVO Petróleo Brasileiro S.A. - Petrobras v. Pricio Ricardo Pedrozo dos Santos Caso No. DBR2014-0004 ARBITRATION AND MEDIATION CENTER DECISÃO DO PAINEL ADMINISTRATIVO Petróleo Brasileiro S.A. - Petrobras v. Pricio Ricardo Pedrozo dos Santos Caso No. DBR2014-0004 1. As Partes A Reclamante é Petróleo Brasileiro

Leia mais

DECISÃO DO PAINEL ADMINISTRATIVO Qualival Indústria Comércio e Manutenção Industrial Ltda. v. Tatiana Ferreira Marques Caso No.

DECISÃO DO PAINEL ADMINISTRATIVO Qualival Indústria Comércio e Manutenção Industrial Ltda. v. Tatiana Ferreira Marques Caso No. ARBITRATION AND MEDIATION CENTER DECISÃO DO PAINEL ADMINISTRATIVO Qualival Indústria Comércio e Manutenção Industrial Ltda. v. Tatiana Ferreira Marques Caso No. DBR2012-0010 1. As Partes A Reclamante é

Leia mais

Política Uniforme de Solução de Disputas Relativas a Nomes de Domínio

Política Uniforme de Solução de Disputas Relativas a Nomes de Domínio Política Uniforme de Solução de Disputas Relativas a Nomes de Domínio Política aprovada em 26 de agosto de 1999 Documentos de implementação aprovados em 24 de outubro de 1999 Versão em português da Organização

Leia mais

DECISÃO DO PAINEL ADMINISTRATIVO Amgen Inc. e Laboratório Químico Farmacêutico Bergamo Ltda. v. Thiago Rodrigues Cabral Caso No.

DECISÃO DO PAINEL ADMINISTRATIVO Amgen Inc. e Laboratório Químico Farmacêutico Bergamo Ltda. v. Thiago Rodrigues Cabral Caso No. ARBITRATION AND MEDIATION CENTER DECISÃO DO PAINEL ADMINISTRATIVO Amgen Inc. e Laboratório Químico Farmacêutico Bergamo Ltda. v. Thiago Rodrigues Cabral Caso No. DBR2012-0015 1. As Partes As Reclamantes

Leia mais

O Reclamado é Renato Lucas, de Marília, São Paulo, Brasil, representado por Rogério Fabrizzi Lucas.

O Reclamado é Renato Lucas, de Marília, São Paulo, Brasil, representado por Rogério Fabrizzi Lucas. ARBITRATION AND MEDIATION CENTER DECISÃO DO PAINEL ADMINISTRATIVO Volkswagen Aktiengesellschaft e Volkswagen do Brasil Indústria de Veículos Automotores Ltda. v. Renato Lucas Caso No. DBR2013-0015 1. As

Leia mais

CÂMARA DE SOLUÇÃO DE DISPUTAS RELATIVAS A NOMES DE DOMÍNIO (CASD-ND) CENTRO DE SOLUÇÃO DE DISPUTAS EM PROPRIEDADE INTELECTUAL (CSD-PI) DA ABPI

CÂMARA DE SOLUÇÃO DE DISPUTAS RELATIVAS A NOMES DE DOMÍNIO (CASD-ND) CENTRO DE SOLUÇÃO DE DISPUTAS EM PROPRIEDADE INTELECTUAL (CSD-PI) DA ABPI CÂMARA DE SOLUÇÃO DE DISPUTAS RELATIVAS A NOMES DE DOMÍNIO (CASD-ND) CENTRO DE SOLUÇÃO DE DISPUTAS EM PROPRIEDADE INTELECTUAL (CSD-PI) DA ABPI 3M COMPANY X OMAR QUADROS MOTTA PROCEDIMENTO N ND20157 DECISÃO

Leia mais

CÂMARA DE SOLUÇÃO DE DISPUTAS RELATIVAS A NOMES DE DOMÍNIO (CASD-ND) CENTRO DE SOLUÇÃO DE DISPUTAS EM PROPRIEDADE INTELECTUAL (CSD-PI) DA ABPI

CÂMARA DE SOLUÇÃO DE DISPUTAS RELATIVAS A NOMES DE DOMÍNIO (CASD-ND) CENTRO DE SOLUÇÃO DE DISPUTAS EM PROPRIEDADE INTELECTUAL (CSD-PI) DA ABPI CÂMARA DE SOLUÇÃO DE DISPUTAS RELATIVAS A NOMES DE DOMÍNIO (CASD-ND) CENTRO DE SOLUÇÃO DE DISPUTAS EM PROPRIEDADE INTELECTUAL (CSD-PI) DA ABPI TRANSPERFECT TRANSLATIONS INTERNATIONAL, INC. X HENRIQUE TRENTINI

Leia mais

DECISÃO DO PAINEL ADMINISTRATIVO Telefônica Brasil S.A. v. Luciano Simões Neto - ME Caso No. DBR2012-0014

DECISÃO DO PAINEL ADMINISTRATIVO Telefônica Brasil S.A. v. Luciano Simões Neto - ME Caso No. DBR2012-0014 ARBITRATION AND MEDIATION CENTER DECISÃO DO PAINEL ADMINISTRATIVO Telefônica Brasil S.A. v. Luciano Simões Neto - ME Caso No. DBR2012-0014 1. As Partes A Reclamante é Telefônica Brasil S.A., de São Paulo,

Leia mais

DECISÃO DO PAINEL ADMINISTRATIVO Solazyme Brasil Óleos Renováveis e Bioprodutos Ltda. v. Reinaldo Camargo Caso No. DBR2011-0003

DECISÃO DO PAINEL ADMINISTRATIVO Solazyme Brasil Óleos Renováveis e Bioprodutos Ltda. v. Reinaldo Camargo Caso No. DBR2011-0003 ARBITRATION AND MEDIATION CENTER DECISÃO DO PAINEL ADMINISTRATIVO Solazyme Brasil Óleos Renováveis e Bioprodutos Ltda. v. Reinaldo Camargo Caso No. DBR2011-0003 1. As Partes A Reclamante é Solazyme Brasil

Leia mais

DECISÃO DO PAINEL ADMINISTRATIVO Tumi Inc. v. Tumi Construções e Empreendimentos Ltda. Caso No. DBR2013-0014

DECISÃO DO PAINEL ADMINISTRATIVO Tumi Inc. v. Tumi Construções e Empreendimentos Ltda. Caso No. DBR2013-0014 ARBITRATION AND MEDIATION CENTER DECISÃO DO PAINEL ADMINISTRATIVO Tumi Inc. v. Tumi Construções e Empreendimentos Ltda. Caso No. DBR2013-0014 1. As Partes A Reclamante é Tumi Inc., de South Plainfield,

Leia mais

DECISÃO DO PAINEL ADMINISTRATIVO Lego System A/S v. Guilherme Tadeu Sacomori Caso No. DBR2014-0009

DECISÃO DO PAINEL ADMINISTRATIVO Lego System A/S v. Guilherme Tadeu Sacomori Caso No. DBR2014-0009 ARBITRATION AND MEDIATION CENTER DECISÃO DO PAINEL ADMINISTRATIVO Lego System A/S v. Guilherme Tadeu Sacomori Caso No. DBR2014-0009 1. As Partes A Reclamante é Lego System A/S, de Billund, Dinamarca, representada

Leia mais

LIVRARIA CULTURA S/A X MARIA LUZ GAMBARTE PROCEDIMENTO N ND201319 DECISÃO DE MÉRITO I. RELATÓRIO

LIVRARIA CULTURA S/A X MARIA LUZ GAMBARTE PROCEDIMENTO N ND201319 DECISÃO DE MÉRITO I. RELATÓRIO CÂMARA DE SOLUÇÃO DE DISPUTAS RELATIVAS A NOMES DE DOMÍNIO (CASD-ND) CENTRO DE SOLUÇÃO DE DISPUTAS, MEDIAÇÃO E ARBITRAGEM EM PROPRIEDADE INTELECTUAL (CSD-PI) DA ABPI 1. Das Partes LIVRARIA CULTURA S/A

Leia mais

PROCEDIMENTO DE RESOLUÇÃO DE DISPUTAS PÓS- DELEGAÇÃO DE MARCAS (PDDRP DE MARCAS) 4 DE JUNHO DE 2012

PROCEDIMENTO DE RESOLUÇÃO DE DISPUTAS PÓS- DELEGAÇÃO DE MARCAS (PDDRP DE MARCAS) 4 DE JUNHO DE 2012 PROCEDIMENTO DE RESOLUÇÃO DE DISPUTAS PÓS- DELEGAÇÃO DE MARCAS (PDDRP DE MARCAS) 4 DE JUNHO DE 2012 1. Partes da disputa As partes da disputa serão o titular da marca e o operador de registro do gtld.

Leia mais

DECISÃO DO PAINEL ADMINISTRATIVO Comuto v. IBT Comércio de Produtos Óticos e Correlatos Ltda. Caso No. DBR2014-0006

DECISÃO DO PAINEL ADMINISTRATIVO Comuto v. IBT Comércio de Produtos Óticos e Correlatos Ltda. Caso No. DBR2014-0006 ARBITRATION AND MEDIATION CENTER DECISÃO DO PAINEL ADMINISTRATIVO Comuto v. IBT Comércio de Produtos Óticos e Correlatos Ltda. Caso No. DBR2014-0006 1. As Partes A Reclamante é Comuto, de Paris, França,

Leia mais

DECISÃO DO PAINEL ADMINISTRATIVO Microsoft Informática Ltda., Microsoft Corporation v. Raphael Castro Cabrera Caso No.

DECISÃO DO PAINEL ADMINISTRATIVO Microsoft Informática Ltda., Microsoft Corporation v. Raphael Castro Cabrera Caso No. ARBITRATION AND MEDIATION CENTER DECISÃO DO PAINEL ADMINISTRATIVO Microsoft Informática Ltda., Microsoft Corporation v. Raphael Castro Cabrera Caso No. DBR2013-0010 1. As Partes A Reclamante é Microsoft

Leia mais

XXXII CONGRESSO DA ABPI NOMES DE DOMÍNIOS E O SISTEMA DE RESOLUÇÃO DE CONFLITOS-SACI-ADM

XXXII CONGRESSO DA ABPI NOMES DE DOMÍNIOS E O SISTEMA DE RESOLUÇÃO DE CONFLITOS-SACI-ADM XXXII CONGRESSO DA ABPI NOMES DE DOMÍNIOS E O SISTEMA DE RESOLUÇÃO DE CONFLITOS-SACI-ADM Em 1995, o Prof. Dr. Demi Getschko, pessoa que recebeu o.br da IANA, reunindo-se com os representantes do Ministério

Leia mais

CÂMARA DE SOLUÇÃO DE DISPUTAS RELATIVAS A NOMES DE DOMÍNIO (CASD-ND) CENTRO DE SOLUÇÃO DE DISPUTAS EM PROPRIEDADE INTELECTUAL (CSD-PI) DA ABPI

CÂMARA DE SOLUÇÃO DE DISPUTAS RELATIVAS A NOMES DE DOMÍNIO (CASD-ND) CENTRO DE SOLUÇÃO DE DISPUTAS EM PROPRIEDADE INTELECTUAL (CSD-PI) DA ABPI CÂMARA DE SOLUÇÃO DE DISPUTAS RELATIVAS A NOMES DE DOMÍNIO (CASD-ND) CENTRO DE SOLUÇÃO DE DISPUTAS EM PROPRIEDADE INTELECTUAL (CSD-PI) DA ABPI 3M COMPANY X RODRIGO DA SILVA PORTO PROCEDIMENTO N ND-20146

Leia mais

DECISÃO DO PAINEL ADMINISTRATIVO Telefônica Brasil S.A. v. PHD - CARTÃO UNIVERSITÁRIO, PHD Propaganda e Marketing Ltda. ME Caso No.

DECISÃO DO PAINEL ADMINISTRATIVO Telefônica Brasil S.A. v. PHD - CARTÃO UNIVERSITÁRIO, PHD Propaganda e Marketing Ltda. ME Caso No. ARBITRATION AND MEDIATION CENTER DECISÃO DO PAINEL ADMINISTRATIVO Telefônica Brasil S.A. v. PHD - CARTÃO UNIVERSITÁRIO, PHD Propaganda e Marketing Ltda. ME Caso No. DBR2013-0007 1. As Partes A Reclamante

Leia mais

DECISÃO DO PAINEL ADMINISTRATIVO Cole-Parmer Instrument Company v. Burrows Ltda - ME Caso No. DBR2012-0005

DECISÃO DO PAINEL ADMINISTRATIVO Cole-Parmer Instrument Company v. Burrows Ltda - ME Caso No. DBR2012-0005 ARBITRATION AND MEDIATION CENTER DECISÃO DO PAINEL ADMINISTRATIVO Cole-Parmer Instrument Company v. Burrows Ltda - ME Caso No. DBR2012-0005 1. As Partes A Reclamante é Cole-Parmer Instrument Company, de

Leia mais

Host e Soluções WEB CONTRATO PARA REGISTRO DE DOMÍNIO INFORMAÇÕES PRÉVIAS. ClÁUSULA I: OBJETO.

Host e Soluções WEB CONTRATO PARA REGISTRO DE DOMÍNIO INFORMAÇÕES PRÉVIAS. ClÁUSULA I: OBJETO. Host e Soluções WEB CONTRATO PARA REGISTRO DE DOMÍNIO INFORMAÇÕES PRÉVIAS A VALESITES Host e Soluções WEB, criada e de responsabilidade de CASSIO PEREIRA DAMACENA, CPF: 884.575.322-00, sediada no endereço

Leia mais

CONTRATO PARA REGISTRO DE DOMÍNIO

CONTRATO PARA REGISTRO DE DOMÍNIO CONTRATO PARA REGISTRO DE DOMÍNIO INFORMAÇÕES PRÉVIAS A ACM ATIVIDADES DE INTERNET LTDA, CNPJ 16.987.439/0001 90 com sede na cidade de Birigui, Estado de São Paulo, na Travessa Dom Pedro II, nº 19, Sala

Leia mais

Regulamento da Política Uniforme de Solução de Disputas Relativas a Nomes de Domínio

Regulamento da Política Uniforme de Solução de Disputas Relativas a Nomes de Domínio 1 Regulamento da Política Uniforme de Solução de Disputas Relativas a Nomes de Domínio Política aprovada em 26 de agosto de 1999 Documentos de implementação aprovados em 24 de outubro de 1999 Versão em

Leia mais

DECISÃO DO PAINEL ADMINISTRATIVO Citrix Systems, Inc. v. WebSIAlive Soluções, Tecnologia e Serviços Ltda. Caso No. DBR2013-0004

DECISÃO DO PAINEL ADMINISTRATIVO Citrix Systems, Inc. v. WebSIAlive Soluções, Tecnologia e Serviços Ltda. Caso No. DBR2013-0004 ARBITRATION AND MEDIATION CENTER DECISÃO DO PAINEL ADMINISTRATIVO Citrix Systems, Inc. v. WebSIAlive Soluções, Tecnologia e Serviços Ltda. Caso No. DBR2013-0004 1. As Partes A Reclamante é Citrix Systems,

Leia mais

Fundamentos do novo gtld Novas extensões de Internet

Fundamentos do novo gtld Novas extensões de Internet Fundamentos do novo gtld Novas extensões de Internet Pauta Visão geral sobre nomes de domínio, cronograma de gtld e o novo programa gtld Por que a ICANN está fazendo isso; impacto potencial desta iniciativa

Leia mais

Reclamação (Requerimento) significa uma solicitação submetida por um Reclamante de acordo com o Regulamento e com estas Regras.

Reclamação (Requerimento) significa uma solicitação submetida por um Reclamante de acordo com o Regulamento e com estas Regras. Regras do Centro de Arbitragem e Mediação da OMPI para o REGULAMENTO DO SISTEMA ADMINISTRATIVO DE CONFLITOS DE INTERNET RELATIVOS A NOMES DE DOMÍNIOS SOB ".BR" - DENOMINADO SACI-Adm ( Regras ) (Efetivo

Leia mais

DECISÃO DO PAINEL ADMINISTRATIVO Rhodia Services v. Emerson Fortunato Maia Caso No. DBR2011-0001

DECISÃO DO PAINEL ADMINISTRATIVO Rhodia Services v. Emerson Fortunato Maia Caso No. DBR2011-0001 ARBITRATION AND MEDIATION CENTER DECISÃO DO PAINEL ADMINISTRATIVO Rhodia Services v. Emerson Fortunato Maia Caso No. DBR2011-0001 1. As Partes O Reclamante é Rhodia Services, Aubervilliers, França, representado

Leia mais

Nomes de domínio: conceito

Nomes de domínio: conceito Nomes de domínio: conceito! nome indicativo de um sítio na Internet onde um website pode ser acedido! combinação única de letras ou nomes perceptíveis à linguagem humana 1 Nomes de domínio: a base técnica!

Leia mais

CÂMARA DE SOLUÇÃO DE DISPUTAS RELATIVAS A NOMES DE DOMÍNIO (CASD-ND) CENTRO DE SOLUÇÃO DE DISPUTAS EM PROPRIEDADE INTELECTUAL (CSD-PI) DA ABPI

CÂMARA DE SOLUÇÃO DE DISPUTAS RELATIVAS A NOMES DE DOMÍNIO (CASD-ND) CENTRO DE SOLUÇÃO DE DISPUTAS EM PROPRIEDADE INTELECTUAL (CSD-PI) DA ABPI CÂMARA DE SOLUÇÃO DE DISPUTAS RELATIVAS A NOMES DE DOMÍNIO (CASD-ND) CENTRO DE SOLUÇÃO DE DISPUTAS EM PROPRIEDADE INTELECTUAL (CSD-PI) DA ABPI ITATIAIA MÓVEIS X OLIVER FLORIAN HOGER PROCEDIMENTO N ND201335

Leia mais

CÂMARA DE SOLUÇÃO DE DISPUTAS RELATIVAS A NOMES DE DOMÍNIO (CASD-ND) CENTRO DE SOLUÇÃO DE DISPUTAS EM PROPRIEDADE INTELECTUAL (CSD-PI) DA ABPI

CÂMARA DE SOLUÇÃO DE DISPUTAS RELATIVAS A NOMES DE DOMÍNIO (CASD-ND) CENTRO DE SOLUÇÃO DE DISPUTAS EM PROPRIEDADE INTELECTUAL (CSD-PI) DA ABPI CÂMARA DE SOLUÇÃO DE DISPUTAS RELATIVAS A NOMES DE DOMÍNIO (CASD-ND) CENTRO DE SOLUÇÃO DE DISPUTAS EM PROPRIEDADE INTELECTUAL (CSD-PI) DA ABPI 1. Das Partes VRG LINHAS AÉREAS S.A. X SUPER MEGAS PROVEDOR

Leia mais

CÂMARA DE SOLUÇÃO DE DISPUTAS RELATIVAS A NOMES DE DOMÍNIO (CASD-ND) CENTRO DE SOLUÇÃO DE DISPUTAS EM PROPRIEDADE INTELECTUAL (CSD-PI) DA ABPI

CÂMARA DE SOLUÇÃO DE DISPUTAS RELATIVAS A NOMES DE DOMÍNIO (CASD-ND) CENTRO DE SOLUÇÃO DE DISPUTAS EM PROPRIEDADE INTELECTUAL (CSD-PI) DA ABPI CÂMARA DE SOLUÇÃO DE DISPUTAS RELATIVAS A NOMES DE DOMÍNIO (CASD-ND) CENTRO DE SOLUÇÃO DE DISPUTAS EM PROPRIEDADE INTELECTUAL (CSD-PI) DA ABPI NATURA COSMÉTICOS S/A. E INDÚSTRIA E COMÉRCIO DE COSMÉTICOS

Leia mais

PROCEDIMENTO INTERNACIONAL PARA RESOLUÇÃO DE DISPUTAS DE NOMES DE DOMÍNIO

PROCEDIMENTO INTERNACIONAL PARA RESOLUÇÃO DE DISPUTAS DE NOMES DE DOMÍNIO Marianna Furtado de Mendonça marianna@montaury.com.br PROCEDIMENTO INTERNACIONAL PARA RESOLUÇÃO DE DISPUTAS DE NOMES DE DOMÍNIO Marianna Furtado de Mendonça OMPI + ICANN = UDRP OMPI = Organização Mundial

Leia mais

Política de Resolução de Disputas Relativas aos Nomes de Domínio.co.ao e.it.ao

Política de Resolução de Disputas Relativas aos Nomes de Domínio.co.ao e.it.ao Política de Resolução de Disputas Relativas aos Nomes de Domínio.co.ao e.it.ao (Conforme aprovado pela DNS Angola na quarta-feira em 25 de março de 2009) 1. Objetivo. A presente Política de Resolução de

Leia mais

BOMBRIL MERCOSUL S/A X ALCIDES BORTOLI ANTUNES DECISÃO DE MÉRITO I. RELATÓRIO

BOMBRIL MERCOSUL S/A X ALCIDES BORTOLI ANTUNES DECISÃO DE MÉRITO I. RELATÓRIO CASD-ND DE SOLUÇÃO DE DISPUTAS RELATIVAS A NOMES DE DOMÍNIO (CASD-ND) CENTRO DE SOLUÇÃO DE DISPUTAS, MEDIAÇÃO E ARBITRAGEM EM PROPRIEDADE INTELECTUAL (CSD-PI) DA ABPI BOMBRIL MERCOSUL S/A X ALCIDES BORTOLI

Leia mais

LISTA DE ESPECIALISTAS DA OMPI DADOS BIOGRÁFICOS

LISTA DE ESPECIALISTAS DA OMPI DADOS BIOGRÁFICOS ARBITRATION AND MEDIATION CENTER LISTA DE ESPECIALISTAS DA OMPI DADOS BIOGRÁFICOS Rodrigo AZEVDO Rua Dom Pedro II, 1240, conj. 607. Porto Alegre, RS, Brasil. 90550-141 Data de Nascimento: 25/08/1974 Nacionalidade:

Leia mais

O QUE MUDA COM A CIVIL DA INTERNET

O QUE MUDA COM A CIVIL DA INTERNET Anexo Biblioteca Informa nº 2.301 O QUE MUDA COM A APROVAÇÃO DO MARCO CIVIL DA INTERNET Autores André Zonaro Giacchetta Ciro Torres Freitas Pamela Gabrielle Meneguetti Sócio e Associados da Área Contenciosa

Leia mais

BOMBRIL MERCOSUL S/A X ALCIDES BORTOLI ANTUNES DECISÃO DE MÉRITO I. RELATÓRIO

BOMBRIL MERCOSUL S/A X ALCIDES BORTOLI ANTUNES DECISÃO DE MÉRITO I. RELATÓRIO CASD-ND DE SOLUÇÃO DE DISPUTAS RELATIVAS A NOMES DE DOMÍNIO (CASD-ND) CENTRO DE SOLUÇÃO DE DISPUTAS, MEDIAÇÃO E ARBITRAGEM EM PROPRIEDADE INTELECTUAL (CSD-PI) DA ABPI BOMBRIL MERCOSUL S/A X ALCIDES BORTOLI

Leia mais

cctld/gtld - domínios em concorrência? Papel do ICANN Marta Moreira Dias marta.dias@dns.pt

cctld/gtld - domínios em concorrência? Papel do ICANN Marta Moreira Dias marta.dias@dns.pt cctld/gtld - domínios em concorrência? Papel do ICANN Marta Moreira Dias marta.dias@dns.pt AGENDA Visão geral sobre os nomes de domínio; Novos gtld s - o papel do ICANN: Quem? Quando? O quê? Como? Quanto?

Leia mais

ANDRÉ SANTOS ESTEVES X MEHANNA HAMAD MEHANNA PROCEDIMENTO N ND201315 DECISÃO HOMOLOGATÓRIA DE ACORDO I. RELATÓRIO

ANDRÉ SANTOS ESTEVES X MEHANNA HAMAD MEHANNA PROCEDIMENTO N ND201315 DECISÃO HOMOLOGATÓRIA DE ACORDO I. RELATÓRIO CÂMARA DE SOLUÇÃO DE DISPUTAS RELATIVAS A NOMES DE DOMÍNIO (CASD-ND) CENTRO DE SOLUÇÃO DE DISPUTAS, MEDIAÇÃO E ARBITRAGEM EM PROPRIEDADE INTELECTUAL (CSD-PI) DA ABPI ANDRÉ SANTOS ESTEVES X MEHANNA HAMAD

Leia mais

SENTENÇA. Processo nº: 1026847-91.2015.8.26.0100 Classe Assunto: Procedimento Ordinário - Rescisão do contrato e devolução do dinheiro

SENTENÇA. Processo nº: 1026847-91.2015.8.26.0100 Classe Assunto: Procedimento Ordinário - Rescisão do contrato e devolução do dinheiro fls. 375 SENTENÇA Processo nº: 1026847-91.2015.8.26.0100 Classe Assunto: Procedimento Ordinário - Rescisão do contrato e devolução do dinheiro Requerente: Luiz Eduardo Possagnolo Requerido: Gafisa Spe-127

Leia mais

O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE DOMÍNIOS

O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE DOMÍNIOS O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE DOMÍNIOS A POP3 reuniu aqui as principais orientações para registro, renovação e transferência de domínios, entre outras questões que possam ajudar você a entender como funcionam

Leia mais

CONTRATO PARA REGISTRO DE DOMÍNIO "MM DOMINIO"

CONTRATO PARA REGISTRO DE DOMÍNIO MM DOMINIO CONTRATO PARA REGISTRO DE DOMÍNIO "MM DOMINIO" Esse instrumento regula a prestação de serviços estabelecida entre MACHADO SERVIÇOS DIGITAIS LTDA-ME (pessoa jurídica de direito privado, inscrita no CNPJ

Leia mais

São Paulo - SP Av. Nove de Julho, 5.109 3º Andar (55 11) 3254 0050 www.porto.adv.br

São Paulo - SP Av. Nove de Julho, 5.109 3º Andar (55 11) 3254 0050 www.porto.adv.br São Paulo - SP Av. Nove de Julho, 5.109 3º Andar (55 11) 3254 0050 www.porto.adv.br 86º ENIC: 2014 Comissão de Obras Públicas - COP Lei Anticorrupção Lei nº 12.846, de 01/08/2013 PORTO ADVOGADOS www.porto.adv.br

Leia mais

CONTRATO DE REGISTRO DOMINIOS

CONTRATO DE REGISTRO DOMINIOS CONTRATO DE REGISTRO DOMINIOS I. PREÂMBULO De um lado, a empresa ORIONS SITES E HOST, com razão social denominada ORIONS Ltda, inscrita no CNPJ sob nº, estabelecida à rua Ítalo Cipro, 206, Beira Rio, Guaratinguetá,

Leia mais

Comitê de Controvérsias sobre Registro de Domínio Do Centro de Arbitragem e Mediação da Câmara de Comércio Brasil Canadá (CCRD- CAM/CCBC)

Comitê de Controvérsias sobre Registro de Domínio Do Centro de Arbitragem e Mediação da Câmara de Comércio Brasil Canadá (CCRD- CAM/CCBC) Comitê de Controvérsias sobre Registro de Domínio Do Centro de Arbitragem e Mediação da Câmara de Comércio Brasil Canadá (CCRD- CAM/CCBC) Procedimento nº 4.2012.040912.004 Decisão Administrativa 1. Nome

Leia mais

REGULAMENTO DO PROVEDOR DO CLIENTE DO BANCO COMERCIAL PORTUGUÊS,S.A. CAPÍTULO I Princípios Gerais

REGULAMENTO DO PROVEDOR DO CLIENTE DO BANCO COMERCIAL PORTUGUÊS,S.A. CAPÍTULO I Princípios Gerais REGULAMENTO DO PROVEDOR DO CLIENTE DO BANCO COMERCIAL PORTUGUÊS,S.A. CAPÍTULO I Princípios Gerais Artigo 1.º Funções 1. O Provedor do Cliente do Banco Comercial Português, SA (o Banco), tem por função

Leia mais

VALIDAÇÃO DE DADOS o cadastro de usuário só será validado, se todas as informações pessoais estiverem corretas;

VALIDAÇÃO DE DADOS o cadastro de usuário só será validado, se todas as informações pessoais estiverem corretas; Este Termo de Uso apresenta as "Condições Gerais" aplicáveis ao uso dos serviços oferecidos por Nome Fantasia: Acordo Certo, inscrito no CNPJ sob n.º 08.702.298/0001-93, com sede a Rua Sete de Abril, 97-6º

Leia mais

Sentença. 1. Relatório. Relatório dispensado (artigo 38 da Lei 9.099/95). 2. Fundamentação

Sentença. 1. Relatório. Relatório dispensado (artigo 38 da Lei 9.099/95). 2. Fundamentação Processo : 2013.01.1.151018-6 Classe : Procedimento do Juizado Especial Cível Assunto : Contratos de Consumo Requerente : CELSO VIEIRA DA ROCHA JUNIOR Requerido : EMPRESA EBAZAR Sentença 1. Relatório Relatório

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO II DOS MEDIADORES CAPÍTULO III DOS MEDIADORES JUDICIAIS CAPÍTULO IV DO PROCEDIMENTO DE MEDIAÇÃO

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO II DOS MEDIADORES CAPÍTULO III DOS MEDIADORES JUDICIAIS CAPÍTULO IV DO PROCEDIMENTO DE MEDIAÇÃO Projeto de Lei do Senado/Câmara n o de CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO II DOS MEDIADORES CAPÍTULO III DOS MEDIADORES JUDICIAIS CAPÍTULO IV DO PROCEDIMENTO DE MEDIAÇÃO Seção I - Da Mediação Judicial

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2011

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2011 Minuta PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2011 Altera a Lei nº 8.078, de 11 de setembro de 1990 (Código de Defesa do Consumidor), para dispor sobre o comércio eletrônico. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art.

Leia mais

O recurso à Arbitragem e as suas vantagens

O recurso à Arbitragem e as suas vantagens O recurso à Arbitragem e as suas vantagens Modo de resolução jurisdicional de controvérsias em que, com base na vontade das partes, a decisão é confiada a um terceiro. Para este efeito, considera-se terceiro

Leia mais

Protocolo de eficiência Arbitragem doméstica e internacional

Protocolo de eficiência Arbitragem doméstica e internacional Protocolo de eficiência Arbitragem doméstica e internacional Índice 1. INTRODUÇÃO 2. REUNIÃO INICIAL SOBRE GESTÃO DO CASO COM O CLIENTE 2.1 Estratégia processual 2.2 Negociações paralelas e eventual transação

Leia mais

O Dano Moral e o Direito Moral de Autor

O Dano Moral e o Direito Moral de Autor O Dano Moral e o Direito Moral de Autor Guilherme L. S. Neves Advogado especializado em Direito do Entretenimento Associado à Drummond e Neumayr Advocacia 11/05/2007 Introdução: Como é cediço, o direito

Leia mais

CONTRATO SOCIAL DA SOCIEDADE DE ADVOGADOS

CONTRATO SOCIAL DA SOCIEDADE DE ADVOGADOS CONTRATO SOCIAL DA SOCIEDADE DE ADVOGADOS -------------------------------- [Nota: os instrumentos de alteração contratual devem contem o número de registro da sociedade no CNPJ e o número de inscrição

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO Registro: 2013.0000450602 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 0112846-73.2008.8.26.0100, da Comarca de São Paulo, em que é apelante COMPANHIA MULLER DE BEBIDAS, são apelados

Leia mais

1. Política de Privacidade e Confidencialidade do PAG CENTERCOB

1. Política de Privacidade e Confidencialidade do PAG CENTERCOB 1. Política de Privacidade e Confidencialidade do PAG CENTERCOB Estas políticas de privacidade (as "Políticas de Privacidade") entrarão em vigor desde sua aceitação para os usuários do S.C.A Serviço de

Leia mais

TERMOS E CONDIÇÕES DE USO E POLÍTICA DE PRIVACIDADE DO SITE PELADEIRO.COM

TERMOS E CONDIÇÕES DE USO E POLÍTICA DE PRIVACIDADE DO SITE PELADEIRO.COM TERMOS E CONDIÇÕES DE USO E POLÍTICA DE PRIVACIDADE DO SITE PELADEIRO.COM O presente instrumento ( Instrumento ) apresenta os termos e condições gerais aplicáveis à (i) utilização dos serviços e produtos

Leia mais

O Acordo de Madrid relativo ao Registro. Internacional de Marcas e o Protocolo. referente a este Acordo: Objetivos,

O Acordo de Madrid relativo ao Registro. Internacional de Marcas e o Protocolo. referente a este Acordo: Objetivos, O Acordo de Madrid relativo ao Registro Internacional de Marcas e o Protocolo referente a este Acordo: Objetivos, Principais Características, Vantagens Publicação OMPI N 418 (P) ISBN 92-805-1313-7 2 Índice

Leia mais

Termos e Condições de Uso My Benefits

Termos e Condições de Uso My Benefits Termos e Condições de Uso My Benefits Este Termo de Uso apresenta as Condições Gerais aplicáveis ao uso do website e plataforma de descontos oferecida por PORTAL SUPER PUBLICO LTDA., inscrita no CNPJ sob

Leia mais

CONTRATO PADRÃO REGISTRO N.º 1611654 REGISTRO DE DOMÍNIO VERSÃO 2 /2007

CONTRATO PADRÃO REGISTRO N.º 1611654 REGISTRO DE DOMÍNIO VERSÃO 2 /2007 CONTRATO PADRÃO REGISTRO N.º 1611654 REGISTRO DE DOMÍNIO VERSÃO 2 /2007 CONTRATO DE REGISTRO E DE MANUTENÇÃO DE NOME DE DOMÍNIO DE PRIMEIRO NÍVEL - DPN.COM,.NET,.ORG,.INFO,.BIZ E.NAME E DOMÍNIO DE PRIMEIRO

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECLAMAÇÃO Nº 14.696 - RJ (2013/0339925-1) RELATORA : MINISTRA MARIA ISABEL GALLOTTI RECLAMANTE : BANCO BRADESCO FINANCIAMENTOS S/A ADVOGADO : JOSÉ ANTÔNIO MARTINS E OUTRO(S) RECLAMADO : TERCEIRA TURMA

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2013

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2013 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2013 Dispõe sobre a mediação extrajudicial. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Capítulo I Disposições Gerais Art. 1º Esta lei dispõe sobre mediação extrajudicial. Parágrafo único.

Leia mais

REGULAMENTO DO SERVIÇO DE PROVEDORIA DO CLIENTE

REGULAMENTO DO SERVIÇO DE PROVEDORIA DO CLIENTE REGULAMENTO DO SERVIÇO DE PROVEDORIA DO CLIENTE ARTIGO 1º SERVIÇO DE PROVEDORIA DO CLIENTE DE SEGUROS 1. O Serviço de Provedoria do Cliente de Seguros é criado por tempo indeterminado e visa a disponibilização

Leia mais

Anunciante(s): são as empresas que fazem Anúncios Publicitários.

Anunciante(s): são as empresas que fazem Anúncios Publicitários. Termos de Uso Este Termo de Uso tem por objetivo informar as responsabilidades, deveres e obrigações que todo Usuário assume ao acessar o Site. O Usuário deve ler com atenção os termos abaixo antes de

Leia mais

Guia para redação de cláusulas de resolução de disputas internacionais

Guia para redação de cláusulas de resolução de disputas internacionais Guia para redação de cláusulas de resolução de disputas internacionais Introdução O acesso mais freqüente à arbitragem, à mediação e a outras formas de solução de disputas alternativas ao contencioso judicial

Leia mais

TERMO DE ADESÃO PARA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE INTERMEDIAÇÃO

TERMO DE ADESÃO PARA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE INTERMEDIAÇÃO TERMO DE ADESÃO PARA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE INTERMEDIAÇÃO São partes deste Instrumento, VAIVOLTA.COM SERVIÇOS DE INTERNET SA, inscrita no CNPJ/MF sob o nº 15.529.518/0001-94, com sede na Rua Frei Caneca,

Leia mais

Código de Ética, Conduta e Relacionamento

Código de Ética, Conduta e Relacionamento As normas éticas possuem como pressuposto as normas morais. A ética estabelece normas de conduta as quais são destinadas a regular os atos humanos tendentes à consecução dos fins a que se propõe. O não

Leia mais

TERMOS E CONDIÇÕES DA AQUIPELAGO BUSINESS

TERMOS E CONDIÇÕES DA AQUIPELAGO BUSINESS TERMOS E CONDIÇÕES DA AQUIPELAGO BUSINESS Usando ARQUIPELAGOBUSINESS.COM (incluindo www.arquipelagobusiness.com e seus subdomínios relacionados, serviços e outros sites e ferramentas ligadas ao arquipelagobusinnes.com

Leia mais

Processo de arbitragem n.º 78/2015. Sentença

Processo de arbitragem n.º 78/2015. Sentença Processo de arbitragem n.º 78/2015 Demandante: A Demandada: B Árbitro único: Jorge Morais Carvalho Sentença I Processo 1. O processo correu os seus termos em conformidade com o Regulamento do Centro Nacional

Leia mais

PARECER TÉCNICO DE MARCA

PARECER TÉCNICO DE MARCA PARECER TÉCNICO DE MARCA INTRODUÇÃO O presente trabalho tem por objetivo debater tecnicamente a registrabilidade e a possibilidade de convivência entre as marcas MICROLINS x MICROMIX no mercado, bem como,

Leia mais

Termos e Condições de uso do sistema PAGUEVELOZ

Termos e Condições de uso do sistema PAGUEVELOZ Termos e Condições de uso do sistema PAGUEVELOZ Este documento constitui um contrato de adesão ("Contrato") entre o proponente ("USUÁRIO"), qualificado na ficha de cadastro online e a PAGUEVELOZ Serviços

Leia mais

0130935-08.2012.8.26.0100 - lauda 1

0130935-08.2012.8.26.0100 - lauda 1 fls. 1 SENTENÇA Processo Físico nº: 0130935-08.2012.8.26.0100 Classe Assunto: Procedimento Ordinário - Propriedade Intelectual / Industrial Requerente: Estok Comercio e Representações Ltda Requerido: Google

Leia mais

Repercussões do novo CPC para o Direito Contratual

Repercussões do novo CPC para o Direito Contratual Repercussões do novo CPC para o Direito Contratual O NOVO CPC E O DIREITO CONTRATUAL. PRINCIPIOLOGIA CONSTITUCIONAL. REPERCUSSÕES PARA OS CONTRATOS. Art. 1 o O processo civil será ordenado, disciplinado

Leia mais

DECISÃO DO PAINEL ADMINISTRATIVO Western Digital Technologies, Inc. v. Andreia Cristina Riveira G. Silva - ME Caso No.

DECISÃO DO PAINEL ADMINISTRATIVO Western Digital Technologies, Inc. v. Andreia Cristina Riveira G. Silva - ME Caso No. ARBITRATION AND MEDIATION CENTER DECISÃO DO PAINEL ADMINISTRATIVO Western Digital Technologies, Inc. v. Andreia Cristina Riveira G. Silva - ME Caso No. DBR2012-0001 1. As Partes A Reclamante é Western

Leia mais

ESTATUTOS DO CENTRO DE INFORMAÇÃO, MEDIAÇÃO E ARBITRAGEM DA ORDEM DOS NOTÁRIOS. Capítulo I. Disposições Gerais. Artigo 1.º

ESTATUTOS DO CENTRO DE INFORMAÇÃO, MEDIAÇÃO E ARBITRAGEM DA ORDEM DOS NOTÁRIOS. Capítulo I. Disposições Gerais. Artigo 1.º Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1.º Natureza, âmbito, objecto e sede 1. O Centro de Informação, Mediação e Arbitragem da Ordem dos Notários (adiante designado por Centro), é a instituição de arbitragem,

Leia mais

TERMOS GERAIS DE LICENÇA DE REVENDA LUNDY

TERMOS GERAIS DE LICENÇA DE REVENDA LUNDY TERMOS GERAIS DE LICENÇA DE REVENDA LUNDY Por este documento, denominado de TERMOS GERAIS DE LICENÇA DE REVENDA LUNDY, doravante referido simplesmente como TERMOS GERAIS, a LUNDY COMERCIAL LTDA., pessoa

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO RESOLUÇÃO CONJUNTA Nº 001, DE 24 DE NOVEMBRO DE 1999 (*) Vide alterações e inclusões no final do texto

Leia mais

CONTRATO DE COMPRA E VENDA E CREDENCIAMENTO DE PARTICIPANTE ATIVO.

CONTRATO DE COMPRA E VENDA E CREDENCIAMENTO DE PARTICIPANTE ATIVO. CONTRATO DE COMPRA E VENDA E CREDENCIAMENTO DE PARTICIPANTE ATIVO. De um lado, a empresa: CENTER CORP. GESTÃO E NEGÓCIOS LTDA; com Matriz situada a Rua Rio Grande do Sul 904/201 Poços de Caldas / MG. CEP

Leia mais

OUTUBRO 2009. Nomes de Domínios no Brasil e no Mundo. Ano 1 Número 1

OUTUBRO 2009. Nomes de Domínios no Brasil e no Mundo. Ano 1 Número 1 OUTUBRO 2009 Nomes de Domínios no Brasil e no Mundo Ano 1 Número 1 SUMÁRIO EXECUTIVO Informações sobre Nomes de Domínios no Brasil e no Mundo O Brasil possui a 8ª maior base de nomes de domínios entre

Leia mais

http://www.endeavorid.com/projects/tavares/newsletter200812/index_pt.html

http://www.endeavorid.com/projects/tavares/newsletter200812/index_pt.html Page 1 of 5 Editorial por Márcio Ney Tavares CONFIANÇA, ESPERANÇA, FELIZ NATAL E PRÓSPERO 2009!!! De repente surgiram os sinais da desordem econômica que vem se alastrando por todos os países, não apenas

Leia mais

Estes termos gerais de prestação são parte integrante do Contrato do Hotel celebrado entre um Meio de Hospedagem e o Euamohotelfazenda.com.br.

Estes termos gerais de prestação são parte integrante do Contrato do Hotel celebrado entre um Meio de Hospedagem e o Euamohotelfazenda.com.br. Eu Amo Hotel Fazenda LTDA v01 Estes termos gerais de prestação são parte integrante do Contrato do Hotel celebrado entre um Meio de Hospedagem e o Euamohotelfazenda.com.br. DEFINIÇÕES Além dos termos definidos

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo fls. 515 ACÓRDÃO Registro: 2015.0000960048 Vistos, relatados e discutidos estes autos de Agravo de Instrumento nº 2248161-04.2015.8.26.0000, da Comarca de Guarulhos, em que são agravantes DECOLAR.COM LTDA

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO PODER JUDICIÁRIO COMARCA DE VÁRZEA GRANDE 3ª VARA CÍVEL

ESTADO DE MATO GROSSO PODER JUDICIÁRIO COMARCA DE VÁRZEA GRANDE 3ª VARA CÍVEL 1 Autos n 764/2010 Código 255667 Vistos etc., COOPNOROESTE COOPERATIVA AGROPECUÁRIA DO NOROESTE DO LTDA. promove a presente ação ordinária de abstenção de uso de domínio c/c indenização por dano moral

Leia mais

CISG-Brasil.net entrevista LUCA CASTELLANI, consultor jurídico do Secretariado da UNCITRAL

CISG-Brasil.net entrevista LUCA CASTELLANI, consultor jurídico do Secretariado da UNCITRAL CISG-Brasil.net entrevista LUCA CASTELLANI, consultor jurídico do Secretariado da UNCITRAL Luca G. Castellani é Consultor Jurídico do Secretariado da Comissão das Nações Unidas para o Direito Mercantil

Leia mais

CONTRATO DE LICENÇA DE USUÁRIO FINAL

CONTRATO DE LICENÇA DE USUÁRIO FINAL CONTRATO DE LICENÇA DE USUÁRIO FINAL 1. Licença 1.1. Este aplicativo possibilita a você e aos demais usuários publicarem, visualizarem, listarem e compartilharem dicas, avaliações, resenhas e comentários

Leia mais

REGULAMENTO DE MEDIAÇÃO DO CENTRO DE INFORMAÇÃO, MEDIAÇÃO E ARBITRAGEM DA ORDEM DOS NOTÁRIOS

REGULAMENTO DE MEDIAÇÃO DO CENTRO DE INFORMAÇÃO, MEDIAÇÃO E ARBITRAGEM DA ORDEM DOS NOTÁRIOS Artigo 1.º Objecto e âmbito 1. Qualquer litígio sobre cujo objecto seja admitida transacção pode ser submetido pelas partes a Mediação, conduzida sob a égide do Centro de Arbitragem, Mediação e Peritagens

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1.º. Âmbito e objeto. Artigo 2.º. Candidatos

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1.º. Âmbito e objeto. Artigo 2.º. Candidatos REGULAMENTO DO PROGRAMA COMUNICAÇÃO E GESTÃO DE CIÊNCIA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Âmbito e objeto 1. O presente regulamento define as normas e os procedimentos de concurso para contratação

Leia mais

RESPONSABILIDADE CIVIL DOS OPERADORES DE NEGÓCIOS IMOBILIÁRIOS

RESPONSABILIDADE CIVIL DOS OPERADORES DE NEGÓCIOS IMOBILIÁRIOS RESPONSABILIDADE CIVIL DOS OPERADORES DE NEGÓCIOS IMOBILIÁRIOS Atividade de intermediação de negócios imobiliários relativos à compra e venda e locação Moira de Toledo Alkessuani Mercado Imobiliário Importância

Leia mais

Acelerar a resolução de litígios entre empresas e chamar arbitragens internacionais a Portugal são dois propósitos do novo quadro legal

Acelerar a resolução de litígios entre empresas e chamar arbitragens internacionais a Portugal são dois propósitos do novo quadro legal RESOLUÇÃO ALTERNATIVA DE LITÍGIOS Arbitragem voluntária tem nova lei a boleia da troika Acelerar a resolução de litígios entre empresas e chamar arbitragens internacionais a Portugal são dois propósitos

Leia mais

Política de Integridade

Política de Integridade Política de Integridade 1. INTRODUÇÃO Os procedimentos aqui descritos são complementares às diretrizes do Código de Conduta da empresa, e são norteados pelo compromisso assumido junto ao Pacto Empresarial

Leia mais

RESOLUÇÃO DE LITÍGIOS

RESOLUÇÃO DE LITÍGIOS EXCELÊNCIA NA RESOLUÇÃO DE LITÍGIOS PARA EMPRESAS DE TI INCUMPRIMENTO CONTRATUAL EM TI Com mais de 15 anos de experiência e uma equipa especializada de gestores de sinistros de empresas de Tecnologias

Leia mais

M1 DIRECTIVA DO CONSELHO de 10 de Setembro de 1984 relativa à publicidade enganosa e comparativa. (JO L 250 de 19.9.1984, p. 17)

M1 DIRECTIVA DO CONSELHO de 10 de Setembro de 1984 relativa à publicidade enganosa e comparativa. (JO L 250 de 19.9.1984, p. 17) 1984L0450 PT 12.06.2005 002.001 1 Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições B M1 DIRECTIVA DO CONSELHO de 10 de Setembro de 1984 relativa à publicidade enganosa

Leia mais

CÂMARA DE SOLUÇÃO DE DISPUTAS RELATIVAS A NOMES DE DOMÍNIO (CASD ND) CENTRO DE SOLUÇÃO DE DISPUTAS EM PROPRIEDADE INTELECTUAL (CSD PI) DA ABPI

CÂMARA DE SOLUÇÃO DE DISPUTAS RELATIVAS A NOMES DE DOMÍNIO (CASD ND) CENTRO DE SOLUÇÃO DE DISPUTAS EM PROPRIEDADE INTELECTUAL (CSD PI) DA ABPI CÂMARA DE SOLUÇÃO DE DISPUTAS RELATIVAS A NOMES DE DOMÍNIO (CASD ND) CENTRO DE SOLUÇÃO DE DISPUTAS EM PROPRIEDADE INTELECTUAL (CSD PI) DA ABPI 1. Das Partes: 1.1 Reclamantes: ALLIANZ SEGUROS S/A e ALLIANZ

Leia mais

CÂMARA DE SOLUÇÃO DE DISPUTAS RELATIVAS A NOMES DE DOMÍNIO (CASD ND) CENTRO DE SOLUÇÃO DE DISPUTAS EM PROPRIEDADE INTELECTUAL (CSD PI) DA ABPI

CÂMARA DE SOLUÇÃO DE DISPUTAS RELATIVAS A NOMES DE DOMÍNIO (CASD ND) CENTRO DE SOLUÇÃO DE DISPUTAS EM PROPRIEDADE INTELECTUAL (CSD PI) DA ABPI CÂMARA DE SOLUÇÃO DE DISPUTAS RELATIVAS A NOMES DE DOMÍNIO (CASD ND) CENTRO DE SOLUÇÃO DE DISPUTAS EM PROPRIEDADE INTELECTUAL (CSD PI) DA ABPI NATURA COSMÉTICOS S/A e IND.E COM.DE COSMÉTICOS NATURA LTDA

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo fls. 91 Registro: 2014.0000560120 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 4008523-94.2013.8.26.0577, da Comarca de São José dos Campos, em que é apelante ULYSSES PINTO NOGUEIRA,

Leia mais

TERMOS DE USO. Segue abaixo os termos que deverão ser aceitos para criação e ativação de sua Loja Virtual, Hospedagem ou Revenda.

TERMOS DE USO. Segue abaixo os termos que deverão ser aceitos para criação e ativação de sua Loja Virtual, Hospedagem ou Revenda. TERMOS DE USO Segue abaixo os termos que deverão ser aceitos para criação e ativação de sua Loja Virtual, Hospedagem ou Revenda. TERMOS E USOS: Estes Termos e Usos (doravante denominados Termos e Usos

Leia mais

Noções de Direito e Legislação da Informática FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Noções de Direito e Legislação da Informática FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO LUIZ GUILHERME JULIANO PIROZZELLI TULIO TSURUDA WISLIY LOPES Noções de Direito e Legislação da Informática GOIÂNIA JUNHO DE 2014 RELACIONAR

Leia mais

Orientações Jurídicas

Orientações Jurídicas São Paulo, 24 de outubro de 2014. OJ-GER/043/14 Orientações Jurídicas Resolução Normativa - RN nº 357, de 16 de outubro de 2014 Altera a Resolução Normativa - RN nº 48, de 19 de setembro de 2003, que dispõe,

Leia mais

Ações Possessórias. Grace Mussalem Calil 1 INTRODUÇÃO

Ações Possessórias. Grace Mussalem Calil 1 INTRODUÇÃO Ações Possessórias 131 INTRODUÇÃO Conceito: Grace Mussalem Calil 1 Há duas principais teorias sobre a posse: a Subjetiva de Savigny e a Objetiva de Ihering. Para Savigny, a posse é o poder físico sobre

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA DIRETRIZ SOBRE PRESENTES E ENTRETENIMENTO

CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA DIRETRIZ SOBRE PRESENTES E ENTRETENIMENTO CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA DIRETRIZ SOBRE PRESENTES E ENTRETENIMENTO MAGNA INTERNATIONAL INC. DIRETRIZ SOBRE PRESENTES E ENTRETENIMENTO Oferecer ou receber presentes e entretenimento é muitas vezes uma

Leia mais