Banco de Portugal. Fevereiro/Março de 1999 NOVA APRESENTAÇÃO DAS ESTATÍSTICAS DA BALANÇA DE PAGAMENTOS. Departamento de Estatística

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Banco de Portugal. Fevereiro/Março de 1999 NOVA APRESENTAÇÃO DAS ESTATÍSTICAS DA BALANÇA DE PAGAMENTOS. Departamento de Estatística"

Transcrição

1 Nova Apresentação das Estatísticas da Baança de Pagamentos Banco de Portuga Supemento ao Boetim Estatístico Fevereiro/Março de 1999 NOVA APRESENTAÇÃO DAS ESTATÍSTICAS DA BALANÇA DE PAGAMENTOS I - SUMÁRIO... 3 II - NOVA APRESENTAÇÃO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS... 5 III - BASE DE ELABORAÇÃO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS... 6 IV - PRINCIPAIS ALTERAÇÕES METODOLÓGICAS NO CONTEÚDO DE ALGUMAS DAS COMPONENTES DA BALANÇA DE PAGAMENTOS... 9 V - MELHORIAS DE QUALIDADE NA INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA PARA A BALANÇA DE PAGAMENTOS ANEXO I Baança de Pagamentos de 1998 Quadro comparativo dos resutados na metodoogia anterior e actua ANEXO II Quadros A.4.1 e A.4.4 do Boetim Estatístico ANEXO III Quadro A.4.5 do Boetim Estatístico ANEXO IV Tratamento estatístico dos activos de reserva Supementos ao Boetim Estatístico Departamento de Estatística Número 1 / 99 Banco de Portuga / Supemento n.º 1/99 ao Boetim Estatístico / Fevereiro/Março

2 Nova Apresentação das Estatísticas da Baança de Pagamentos NOVA APRESENTAÇÃO DAS ESTATÍSTICAS DA BALANÇA DE PAGAMENTOS I. SUMÁRIO Dando sequência ao processo de harmonização estatística tendo por base as recomendações metodoógicas internacionais (nomeadamente do Fundo Monetário Internaciona 1, do Banco Centra Europeu e do Eurostat) e em resposta aos compromissos assumidos por Portuga no quadro dos requisitos estatísticos do Sistema Europeu de Bancos Centrais (SEBC), a partir de Janeiro de 1999 as estatísticas da baança de pagamentos eaboradas e divugadas peo Banco de Portuga no seu Boetim Estatístico são objecto de significativas aterações: na apresentação (vide ponto II), na base de eaboração (vide ponto III), no conteúdo de agumas das suas componentes (vide ponto IV), e na cobertura e na quaidade da informação estatística (vide ponto V). Na nova apresentação, a baança de pagamentos comporta três principais componentes: baança corrente, baança de capita e baança financeira. Comparando com a apresentação anterior e tomando como referência o ano de 1998, verifica-se que a soma dos sados das baanças corrente e de capita é aproximadamente idêntica ao sado da anteriormente designada baança de transacções correntes 2 (Anexo I). A baança financeira integra um conjunto de rubricas anteriormente incuídas na baança de capitais não monetários, na variação da posição externa de curto prazo dos bancos e na variação das reservas oficiais íquidas, conceitos estes que deixam de ser utiizados. As baanças de capita e financeira vêm permitir um maior grau de integração e harmonização com a definição das contas externas (de acumuação, de capita e financeira) do Sistema de Contas Nacionais. As novas estatísticas da baança de pagamentos são eaboradas, excusivamente, numa base de transacções, deixando de se justificar, como já acontece na generaidade dos países da União Europeia, a divugação da baança de pagamentos numa base de iquidações. 1 Impementação das recomendações da 5ª edição do Manua da Baança de Pagamentos do FMI. 2 A divergência encontrada ao níve destes somatórios resuta, basicamente, das aterações metodoógicas introduzidas no tratamento conferido às transacções de derivados financeiros e de serviços de seguros (ver ponto IV.4). Banco de Portuga / Supemento n.º 1/99 ao Boetim Estatístico / Fevereiro/Março

3 Nova Apresentação das Estatísticas da Baança de Pagamentos A unidade monetária de referência é o Euro, com excepção dos quadros resumo apresentados no capítuo A e dos quadros com informação agregada no início de cada secção do capítuo C do Boetim Estatístico, os quais são pubicados em euros, em escudos e em dóares. Para aém da baança de pagamentos goba de Portuga, são apresentados os principais componentes das baanças de pagamentos com os países da Área do Euro e com os países da União Europeia 3. Os rendimentos registados na baança passam a incuir a componente de Lucros reinvestidos, estimada a partir dos Inquéritos do Banco de Portuga aos Investimentos Directos do Exterior em Portuga e de Portuga no Exterior. Os derivados financeiros, anteriormente incuídos na rubrica de investimento de carteira, passam a ser autonomizados na categoria Derivados financeiros da baança financeira. O conceito de reservas sofreu significativas aterações decorrentes da participação de Portuga na União Económica Monetária. Assim, apenas são considerados reservas os activos das Autoridades Monetárias que verifiquem simutaneamente duas condições: activos face a não residentes na Área do Euro e expressos em moedas de países fora da Área do Euro. Serão apresentadas, em fina de 1999 e pea primeira vez, estatísticas de Posição de Investimento Internaciona (PII), as quais consistem num baanço dos activos (disponibiidades) e passivos (responsabiidades) financeiros externos de uma economia, num determinado momento. Entretanto, continua a ser pubicado o quadro da Posição externa íquida. Apresenta-se, também pea primeira vez, informação reativa à baança de pagamentos tecnoógica portuguesa, que refecte as transacções com o exterior associadas a transferências de tecnoogia. A divugação nos novos modes inicia-se com a pubicação do Boetim Estatístico do mês de Fevereiro/Março de 1999 (dados reativos a Janeiro). 3 Esta informação será divugada a partir do Boetim Estatístico de Abri de Banco de Portuga / Supemento n.º 1/99 ao Boetim Estatístico / Fevereiro/Março 1999

4 Nova Apresentação das Estatísticas da Baança de Pagamentos II. NOVA APRESENTAÇÃO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS 1. A baança corrente A baança corrente compreende, essenciamente, as transacções entre residentes e não residentes associadas ao comércio internaciona de mercadorias e serviços e aos rendimentos do trabaho e de investimento. Incuem-se, também, nesta baança os vaores correspondentes a mudanças de propriedade sem contrapartida (transferências uniaterais) devidas a operações de natureza corrente (ver ponto IV.1). Exempos: (a) remessas de emigrantes e imigrantes; (b) transferências correntes com a União Europeia; (c) fuxos financeiros associados à cooperação entre Estados; (d) recebimento de pensões por emigrantes regressados definitivamente. Por grandes componentes, esta baança desagrega-se em: Mercadorias Serviços Rendimentos Transferências correntes Reativamente à baança de Janeiro de 1999 vide anexo II (Quadro A.4.1 inhas 2 a 5 e Quadro A.4.4 inhas 1 a 40). 2. A baança de capita A baança de capita compreende as transferências de capita e a aquisição/ /cedência de activos não produzidos não financeiros. As transferências de capita correspondem a mudanças de propriedade sem contrapartida, que se traduzem no aumento dos activos do país receptor ou na diminuição dos seus passivos (ver ponto IV.1). Exempos: (a) as transferências da União Europeia para financiamento de infraestruturas; (b) as transferências de património resutantes do regresso dos emigrantes; (c) o perdão de uma dívida de um país terceiro face a Portuga. A aquisição/cedência de activos não produzidos não financeiros abrange transacções sobre activos intangíveis, como patentes, icenças, copyrights, marcas, franchises e outros contratos transferíveis (ex. contratos de transferência de jogadores de futebo), e sobre activos tangíveis, nomeadamente a aquisição de terrenos por embaixadas. Reativamente à baança de Janeiro de 1999 vide anexo II (Quadro A.4.1 inha 6 e Quadro A.4.4 inhas 41 e 42). 3. A baança financeira A baança financeira compreende: (i) as transacções que envovam a mudança de tituaridade entre residentes e não residentes de activos e passivos financeiros e (ii) outras variações nos activos e passivos financeiros da economia, como a criação ou a extinção de activos ou passivos financeiros sobre o/ou do Resto do Mundo. Exempos do primeiro caso: (a) aquisição, por um investidor não residente, de uma empresa residente (Investimento directo do exterior em Portuga); (b) aquisição, por um residente, de obrigações do tesouro americano (Investimento de carteira de Portuga no exterior); (c) aquisição, peo Banco de Portuga, de títuos denominados em dóares americanos e emitidos fora da Área do Euro (Activos de reserva Activos cambiais - Títuos). Exempos do segundo caso: (a) concessão, por um banco residente, de um empréstimo a um não residente (Outro investimento - Activos Instituições Financeiras Monetárias Empréstimos); (b) constituição de um depósito num banco residente por parte de um não residente (Outro investimento Passivos - Instituições Financeiras Monetárias - Depósitos); (c) constituição por uma sociedade não financeira residente de um depósito num banco ocaizado num off-shore financeiro (que não o da Madeira ou o dos Açores, casos em que as entidades aí estabeecidas são consideradas residentes) (Outro investimento Activos - Outros sectores residentes - Depósitos). Por categorias funcionais, a baança financeira apresenta a seguinte desagregação: Investimento directo ; Investimento de carteira ; Outro investimento ; Derivados financeiros Activos de reserva. As aterações mais significativas, face à anterior apresentação da baança de Banco de Portuga / Supemento n.º 1/99 ao Boetim Estatístico / Fevereiro/Março

5 Nova Apresentação das Estatísticas da Baança de Pagamentos pagamentos, ocorrem nas três útimas categorias funcionais. Reativamente à baança de Janeiro de 1999 vide anexo II (Quadro A.4.1 inhas 7 a 36) e anexo III (Quadro A.4.5). 4. Os fuxos reativos a variações dos activos e passivos de curto prazo dos bancos, anteriormente refectidos na rubrica de Variação da posição externa de curto prazo dos bancos, são agora registados na baança financeira, na categoria de Outro investimento. Incuem-se, também, nesta categoria os fuxos reativos a créditos comerciais, estimados a partir do Inquérito Trimestra às Empresas não Financeiras, e as variações dos passivos das Autoridades Monetárias, bem como dos seus activos que não sejam considerados Activos de reserva (por exempo, apicações das Autoridades Monetárias, sob a forma de depósitos, no sistema bancário de quaquer outro país da Área do Euro). 5. Em Derivados financeiros são registadas, em termos íquidos, as transacções, entre residentes e não residentes, destes produtos financeiros. 6. Na categoria Activos de reserva registam- -se apenas os activos das Autoridades Monetárias considerados reservas. Trata-se, pois, de um conceito de reservas brutas que substitui a noção anterior de reservas oficiais íquidas, correspondente ao sado entre os activos e os passivos das Autoridades Monetárias. O conceito de reservas sofreu, ainda, significativas aterações, decorrentes da participação de Portuga na União Económica e Monetária e refectindo as recomendações do Banco Centra Europeu (BCE). Assim, apenas são considerados reservas os activos das Autoridades Monetárias que verifiquem, simutaneamente, duas condições: activos face a não residentes na Área do Euro e expressos em moedas de países fora da Área do Euro, havendo pois ugar a uma quebra de série a partir de Janeiro de As aterações havidas no tratamento das reservas, justificam uma apresentação comparativa mais competa. No anexo IV apresenta-se, com referência a Janeiro de 1999, o tratamento estatístico na metodoogia actua e na anterior. 7. Estatísticas de Posição de Investimento Internaciona (PII) No novo Boetim Estatístico serão apresentadas, a partir do III trimestre de 1999 e pea primeira vez, estatísticas de Posição de Investimento Internaciona (PII), as quais, com as estatísticas de baança de pagamentos, passam a constituir o conjunto de contas externas da economia. Entretanto, continua a ser pubicado o quadro da Posição externa íquida. As estatísticas de PII consistem num baanço dos activos (disponibiidades) e passivos (responsabiidades) financeiros externos de uma economia, num determinado momento. A PII no fina de um determinado período corresponde à PII no início do período, acrescida das (i) transacções financeiras (fuxos), (ii) das variações de preços e de taxas de câmbio e (iii) de outros ajustamentos, ocorridos no período considerado. III. BASE DE ELABORAÇÃO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS 1. As novas estatísticas da baança de pagamentos passaram a ser eaboradas apenas numa base de transacções, de forma a respeitar integramente as recomendações metodoógicas e os requisitos estatísticos definidos peos organismos internacionais. 2. A pubicação da baança de pagamentos numa base de iquidações, que agora deixa de se justificar, teve início, em 1993, com o objectivo de proporcionar um acompanhamento estatístico eficaz da nova situação criada com a iberaização tota das operações com o exterior e de conferir maior ceeridade à disponibiização de dados estatísticos neste domínio, face aos atrasos na pubicação das estatísticas do comércio internaciona decorrentes da introdução do sistema INTRASTAT (estatísticas do comércio intra- -comunitário de mercadorias). 3. Embora o Banco de Portuga tenha pubicado, desde sempre, estatísticas da baança de pagamentos numa base de transacções (a partir de 1993, em paraeo com a pubicação da baança de pagamentos numa base de iquidações), a sua disponibiização foi efectuada, nos útimos anos, ao fim de um 6 Banco de Portuga / Supemento n.º 1/99 ao Boetim Estatístico / Fevereiro/Março 1999

6 Nova Apresentação das Estatísticas da Baança de Pagamentos prazo mais diatado, peo facto de a mesma utiizar os dados do comércio internaciona compiados peo INE e estar dependente da respectiva pubicação. 4. Para corresponder aos requisitos estatísticos do SEBC e aos compromissos assumidos no âmbito do Specia Data Dissemination Standard (SDDS) do FMI e, de pubicação de estatísticas mensais/trimestrais da baança de pagamentos numa base de transacções num prazo de 6 semanas, foi essencia o facto do Instituto Naciona de Estatística (INE) ter, também de acordo com os requisitos do SDDS, passado a disponibiizar estimativas preiminares do comércio internaciona no prazo de 5 semanas. A primeira disponibiização, reativamente a Janeiro do corrente ano, foi efectuada em Março. Estas estimativas permitem ao Banco de Portuga a eaboração de uma primeira versão da baança de pagamentos numa base de transacções num prazo de 6 semanas. 5. Na baança de pagamentos numa base de transacções registam-se as transacções entre a economia e o exterior, no momento em que se constitui um direito sobre o vaor económico em causa, isto é, quando ocorre a criação, transformação, troca, transferência ou extinção de um vaor económico, envovendo a transferência de propriedade do bem e/ou dos activos financeiros/não produzidos, não financeiros, o fornecimento ou recebimento de serviços, trabaho ou capita. Assim, os fuxos registados na baança de pagamentos numa base de transacções refectem: o momento a partir do qua os recebimentos do exterior e os pagamentos ao exterior se tornam devidos; a existência de transacções que não impicam uma iquidação entre um residente e um não residente. 6. Na baança de pagamentos numa base de iquidações: (i) os fuxos apurados refectem o momento em que os mesmos são efectivamente pagos ou recebidos e (ii) apenas parciamente são registados movimentos que não impiquem um recebimento ou um pagamento entre um residente e um não residente. 7. As divergências, entre os fuxos apurados segundo as duas metodoogias, encontram-se refectidas na rubrica Erros e omissões da baança de pagamentos numa base de transacções, sendo mais significativas nas seguintes rubricas: mercadorias; serviços, designadamente, na rubrica de Viagens e turismo ; rendimentos de investimento, designadamente, de investimentos directo e de carteira. As principais razões para estas divergências decorrem da diferença de conceitos e de fontes de informação. Assim, para cada uma das componentes anteriores, destacam-se: Mercadorias - numa base de transacções Os vaores das exportações e das importações para o comércio intra- -União Europeia são apurados a partir da informação recohida directamente peo INE junto dos exportadores e importadores (sistema INTRASTAT); para o comércio extra-união Europeia, a informação de base, compiada peo INE, são as decarações efectuadas peas empresas junto das Afândegas. O momento de referência subjacente a estas estatísticas é o da transacção física das mercadorias. As importações na baança de pagamentos são vaorizadas a custos FOB (Free On Board) o que obriga a um ajustamento dos vaores CIF (Cost, Insurance, and Freight) disponibiizados peo INE. Para este ajustamento, estima- -se a margem CIF/FOB impícita e a repartição entre transportadoras e seguradoras residentes e não residentes. As parceas estimadas como reaizadas por transportadoras e seguradoras não residentes acrescem às importações de serviços de transportes e de seguros de mercadorias. Mercadorias - numa base de iquidações Os vaores das exportações e importações correspondem à informação sobre recebimentos e pagamentos reportada peo sistema bancário ou directamente peas empresas, quando Banco de Portuga / Supemento n.º 1/99 ao Boetim Estatístico / Fevereiro/Março

7 Nova Apresentação das Estatísticas da Baança de Pagamentos estas recorrem a sistemas de compensação ou utiizam contas bancárias no estrangeiro. Viagens e turismo numa base de transacções As receitas e despesas de viagens e turismo, embora se baseiem essenciamente na informação reativa às iquidações efectuadas peo sistema bancário, podem ser objecto de ajustamentos, justificados com base em indicadores reais (exempos: entradas de turistas e taxas de ocupação dos estabeecimentos hoteeiros) e de preços da actividade turística. Rendimentos de investimento - numa base de transacções A débito e a crédito da rubrica Rendimentos de investimento directo regista-se a componente de Lucros reinvestidos, estimada, mensamente, com base na informação obtida através dos Inquéritos do Banco de Portuga aos Investimentos Directos do Exterior em Portuga e de Portuga no Exterior. Este procedimento dá origem a registos de contrapartida na baança financeira nas rubricas de investimento directo. Os débitos da rubrica Rendimentos de investimento de carteira incuem, em cada mês, os juros devidos (accrua basis), cacuados utiizando informação sobre taxas de juro e stocks de títuos na posse de não residentes nesse mês. Situação idêntica ocorre, reativamente aos créditos, para os títuos emitidos por não residentes e na posse de residentes. Os dividendos são, iguamente, incuídos nos rendimentos de investimento, embora no mês do pagamento dos mesmos, não se apicando neste caso o princípio do accrua accounting. Se, num determinado período, o montante dos juros devidos não for igua ao montante dos juros pagos, a diferença é registada na baança financeira. Exempo: Juros devidos ao não residente peo período em que foi detentor do títuo - 600; Juros efectivamente pagos (através da movimentação da conta de um banco residente junto do seu correspondente no exterior) Neste caso ter-se-ia: Baança corrente Débito - Rendimentos de investimento de carteira = 600 Baança financeira Crédito - Investimento de carteira Passivos = 600 e, simutaneamente, Débito - Investimento de carteira Passivos = 1000 Crédito - Outro investimento Activos - Instituições Financeiras Monetárias - Depósitos = 1000 Este procedimento dá, pois, origem a correcções de contrapartida na baança financeira. Uma diferença positiva (negativa) entre o montante dos juros devidos e os efectivamente pagos traduz-se num aumento (redução) dos passivos/activos do país face ao exterior. A apicação deste princípio de contabiização significa que apenas são registados, numa base de transacções, os rendimentos devidos em função do período em que dado títuo foi detido. Desta forma, obvia-se a questão de sobre ou subestimação artificia destes rendimentos, numa óptica de iquidações, resutante de esta não evar em consideração as datas de aquisição/ /venda e de vencimento de juros de cada títuo. Rendimentos de investimento - numa base de iquidações A débito e a crédito da rubrica Rendimentos de investimento de carteira, em cada mês, registam-se, respectivamente, os juros e dividendos pagos e os juros e dividendos recebidos (cash basis). Retomando o exempo anterior, ter-se-ia: 8 Banco de Portuga / Supemento n.º 1/99 ao Boetim Estatístico / Fevereiro/Março 1999

8 Nova Apresentação das Estatísticas da Baança de Pagamentos Baança corrente Débito - Rendimentos de investimento de carteira = 1000 Crédito - Outro investimento Activos - Instituições Financeiras Monetárias - Depósitos = 1000 IV. PRINCIPAIS ALTERAÇÕES METODOLÓ- GICAS NO CONTEÚDO DE ALGUMAS DAS COMPONENTES DA BALANÇA DE PAGAMENTOS 1. Decomposição das transferências uniaterais entre transferências correntes 4 e de capita 5, sendo as primeiras registadas na baança corrente e as segundas na baança de capita. 2. Na atribuição de carácter púbico ou privado às transferências, passará a ser priviegiado o critério do sector instituciona do residente. Apenas as transacções que envovam o Estado português serão cassificadas como transferências púbicas. Assim, as transferências, que envovam outros residentes que não o Estado português, mesmo quando provenientes de instituições de outros Estados ou de Organizações Internacionais, passarão a ser registadas como transferências privadas. Anteriormente uma transferência uniatera que envovesse um Estado, português ou estrangeiro, era registada como uma transferência púbica. 3. Maior desagregação na cassificação das transacções internacionais de serviços, por exempo: serviços de transporte desdobrados por modos de transporte, e dentro destes, repartidos peas categorias de fretes, passagens e outros; direitos de utiização; serviços entre empresas afiiadas; serviços audiovisuais. 4 As transferências correntes não estão reacionadas ou condicionadas à aquisição ou cedência de activos fixos por parte de uma ou ambas as partes da transacção. Este tipo de transferências afecta directamente o níve de rendimento disponíve e o consumo de bens e serviços, isto é, reduz o rendimento e a capacidade de consumo da parte cedente da transferência e, simetricamente, aumenta os do receptor. 5 As transferências de capita envovem a aquisição ou a cedência de activos em resutado de uma ateração no stock de activos de uma ou ambas as partes da transacção. 4. Aterações de procedimentos no apuramento de determinados tipos de serviços, nomeadamente dos associados a contratos de seguros e de resseguros. Os prémios e as indemnizações eram registados na totaidade na baança de serviços. Com as novas recomendações metodoógicas, apenas a componente representativa do vaor acrescentado reativamente aos serviços associados aos seguros deverá ser registada na baança corrente, na rubrica de Serviços de seguros. Assim: a) nos casos de resseguros e de seguros em que a natureza do contrato não envova seguros de vida: o vaor dos prémios, deduzido da componente de serviço prestado pea seguradora, e o vaor das indemnizações são registados na rubrica Transferências correntes privadas da baança corrente; o vaor da componente de serviço prestado pea seguradora na rubrica Serviços de seguros da baança corrente; b) nos casos em que a natureza do contrato envova seguros de vida: o vaor dos prémios, deduzido da componente de serviço prestado pea seguradora, e o vaor das indemnizações são registados na rubrica Outro investimento Activos (Passivos) - Outros sectores residentes - Outros activos (Outros passivos) da baança financeira. o vaor da componente incorporada de serviço prestado pea seguradora na rubrica Serviços de seguros da baança corrente. 5. As operações de Comércio trianguar (Merchanting) efectuado em períodos distintos, anteriormente registadas na rubrica de Serviços de intermediação comercia, passam a ser incuídas na rubrica de Mercadorias. 6. Os rendimentos registados na baança de pagamentos passam a ter uma cobertura mais exaustiva. Com a informação obtida através dos Inquéritos do Banco de Portuga aos Investimentos Directos do Exterior em Banco de Portuga / Supemento n.º 1/99 ao Boetim Estatístico / Fevereiro/Março

9 Nova Apresentação das Estatísticas da Baança de Pagamentos Portuga e de Portuga no Exterior, estima-se a componente de Lucros reinvestidos. Os ucros do investimento directo do exterior em Portuga e aqui reinvestidos são registados a débito da rubrica Rendimentos de investimento directo De títuos de participação no capita Lucros reinvestidos da baança corrente e têm contrapartida no crédito da rubrica Investimento directo do exterior em Portuga Lucros reinvestidos da baança financeira. Por esta via, agrava-se, reativamente à situação anterior, o sado da baança corrente e mehora o sado do Investimento directo do exterior em Portuga. Um resutado de sentido inverso ocorre com os ucros do investimento directo de Portuga no exterior reinvestidos no estrangeiro. Verifica-se, ainda, uma recassificação dos rendimentos associados aos Activos de reserva. Na apresentação anterior das estatísticas de baança de pagamentos, os rendimentos subjacentes às apicações das reservas do Banco de Portuga, sob a forma de títuos estrangeiros, eram registados na rubrica Rendimentos de investimento de carteira sendo, agora, cassificados na de Rendimentos de outro investimento. 7. Na baança de capita incuem-se as transferências de capita e a aquisição e cedência de activos não produzidos não financeiros. Esta rubrica abrange: a compra e venda de activos intangíveis (por exempo: patentes, icenças, copyrights, marcas, franchises); as transacções sobre activos tangíveis (por exempo: aquisição de terrenos por embaixadas). As prestações reacionadas com o uso ou a utiização de activos intangíveis continuam a ser registadas na baança corrente, mas, de acordo com as novas recomendações metodoógicas, na baança de serviços, designadamente, na rubrica Direitos de utiização. Na anterior apresentação das estatísticas de baança de pagamentos, aqueas prestações eram registadas na baança de rendimentos, na rubrica Outros rendimentos. As transacções sobre activos tangíveis eram, anteriormente, registadas na rubrica de investimento directo da baança de capitais não monetários. V. MELHORIAS DE QUALIDADE NA INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA PARA A BALANÇA DE PAGAMENTOS 1. Fontes de informação para a eaboração da baança de pagamentos: O actua sistema estatístico de operações com o exterior, caracteriza-se, essenciamente, pea recoha de informação proveniente das seguintes fontes: Decarantes bancários: As Instituições Financeiras Monetárias (IFM), as quais são responsáveis pea comunicação das operações com o exterior, quer tenham sido efectuadas por conta própria ou de cientes. Decarantes directos: Sociedades Não Financeiras e Particuares, os quais são responsáveis pea comunicação das operações efectuadas com entidades não residentes, cuja iquidação seja reaizada sem intervenção de uma IFM residente, nomeadamente através de mecanismos de compensação ou da utiização de contas abertas no exterior (esta responsabiidade pode, contudo, ser deegada numa Instituição financeira monetária residente que preste este serviço ao seu ciente). Aguns destes decarantes assumem um estatuto de decarantes directos gerais, peo que reportam directamente ao Banco de Portuga todas as operações com o exterior. Outras fontes: Direcção-Gera do Tesouro, a qua reporta a informação reativa às operações com o exterior efectuadas peas Administrações Púbicas. Instituto Naciona de Estatística (INE), que comunica os vaores estatísticos gobais de Comércio Internaciona (Mercadorias). Banco de Portuga, reativamente à informação sobre as operações externas do Banco. 2. Novas fontes de informação para a eaboração da baança de pagamentos: Para satisfazer os requisitos no âmbito da eaboração de estatísticas de Posição de 10 Banco de Portuga / Supemento n.º 1/99 ao Boetim Estatístico / Fevereiro/Março 1999

10 Nova Apresentação das Estatísticas da Baança de Pagamentos Investimento Internaciona (PII), o Banco de Portuga ançou um conjunto de iniciativas de que se destacam: o Inquérito ao Investimento Directo do Exterior em Portuga; o Inquérito ao Investimento Directo de Portuga no Exterior; o Questionário ao Investimento de Carteira de Portuga no Exterior; o Questionário sobre créditos comerciais incuído no Inquérito Trimestra às Empresas não Financeiras ; e o Questionário sobre Derivados Financeiros. 3. O tratamento da informação recohida por via destas fontes adicionais, vem permitir a eaboração, e consequente apresentação, de estatísticas de posições, reativas a segmentos como o investimento directo e derivados financeiros, e mehorar a quaidade das estatísticas no domínio da baança de pagamentos. 4. Ao níve do investimento directo, através dos Inquéritos ao Investimento Directo, tornou-se possíve, por um ado, aferir a quaidade da informação sobre fuxos apurada para efeitos de estatísticas de baança de pagamentos peo actua sistema estatístico de operações com o exterior e, por outro, estimar a componente de Lucros reinvestidos, dando, assim, um quadro mais competo deste segmento do investimento directo. 5. A nova categoria de Outro investimento ficou enriquecida com a informação sobre créditos comerciais obtida a partir do Inquérito Trimestra às Empresas não Financeiras. 6. A informação reativa a Derivados financeiros é obtida junto das IFM através de um questionário concebido especificamente para o efeito 6. 6 Trata-se do Questionário sobre derivados financeiros transaccionados entre residentes e não residentes, através do qua se obtém informação sobre fuxos e posições. Banco de Portuga / Supemento n.º 1/99 ao Boetim Estatístico / Fevereiro/Março

11 Nova Apresentação das Estatísticas da Baança de Pagamentos ANEXO I Baança de Pagamentos de 1998 Quadro comparativo dos resutados na metodoogia anterior e actua Banco de Portuga / Supemento n.º 1/99 ao Boetim Estatístico / Fevereiro/Março

12 Nova Apresentação das Estatísticas da Baança de Pagamentos BALANÇA DE PAGAMENTOS PORTUGUESA Base transacções 1998 Fonte: Banco de Portuga Apresentação anterior Sado Nova apresentação 10 6 euros Sado Baança de transacções correntes Baança corrente Mercadorias f.o.b Mercadorias f.o.b Serviços Serviços Rendimentos -649 Rendimentos -527 Transferências uniaterais Transferências correntes Baança de capita Transferências de capita Aquis./cedência activos não prod. não financ. 13 Baança de capitais não monetários Baança financeira Investimento directo Investimento directo Investimento de carteira 135 Investimento de carteira 137 Créditos externos -125 Outro investimento Outras operações Derivados financeiros 101 Activos de reserva -478 Variação da pos. externa de c/p dos bancos Variação das reservas oficiais íquidas -557 Erros e omissões Erros e omissões Por memória: Baança corrente + Baança de capita a) a) Na nova apresentação da baança de pagamentos, o anterior sado da baança de transacções correntes ( mihões de euros) corresponde, aproximadamente, à soma dos sados das baanças corrente e de capita ( mihões de euros). A diferença (101 mihões de euros) resuta, basicamente, das aterações metodoógicas introduzidas no tratamento conferido às transacções de derivados financeiros e aos serviços de seguros. A informação anteriormente incuída na baança de capitais não monetários, na variação da posição externa de curto prazo dos bancos e na variação das reservas oficiais íquidas, é, agora, integrada na baança financeira. Banco de Portuga / Supemento n.º 1/99 ao Boetim Estatístico / Fevereiro/Março

13 Nova Apresentação das Estatísticas da Baança de Pagamentos BALANÇA DE PAGAMENTOS PORTUGUESA Base transacções 1998 Fonte: Banco de Portuga 10 9 escudos Apresentação anterior Nova apresentação Sado Sado Baança de transacções correntes -816 Baança corrente Mercadorias f.o.b Mercadorias f.o.b Serviços 309 Serviços 284 Rendimentos -130 Rendimentos -106 Transferências uniaterais Transferências correntes 726 Baança de capita 459 Transferências de capita 456 Aquis./cedência activos não prod. não financ. 3 Baança de capitais não monetários -512 Baança financeira Investimento directo -205 Investimento directo -205 Investimento de carteira 27 Investimento de carteira 27 Créditos externos -25 Outro investimento Outras operações -308 Derivados financeiros 20 Activos de reserva -96 Variação da pos. externa de c/p dos bancos Variação das reservas oficiais íquidas -112 Erros e omissões -261 Erros e omissões -261 Por memória: Baança corrente + Baança de capita a) -837 a) Na nova apresentação da baança de pagamentos, o anterior sado da baança de transacções correntes (-816 mihões de contos) corresponde, aproximadamente, à soma dos sados das baanças corrente e de capita (-837 mihões de contos). A diferença (21 mihões de contos) resuta, basicamente, das aterações metodoógicas introduzidas no tratamento conferido às transacções de derivados financeiros e de serviços de seguros. A informação anteriormente incuída na baança de capitais não monetários, na variação da posição externa de curto prazo dos bancos e na variação das reservas oficiais íquidas é, agora, integrada na baança financeira. 16 Banco de Portuga / Supemento n.º 1/99 ao Boetim Estatístico / Fevereiro/Março 1999

14 Nova Apresentação das Estatísticas da Baança de Pagamentos ANEXO II Quadros A.4.1 e A.4.4 do Boetim Estatístico Banco de Portuga / Supemento n.º 1/99 ao Boetim Estatístico / Fevereiro/Março

15 A.4.1 BALANÇA DE PAGAMENTOS BALANCE OF PAYMENTS Principais componentes Main items Fonte / Source: Banco de Portuga 10 3 euros JAN JAN - JAN JAN JAN - JAN Sado Sado Sado Sado Baança corrente... 2 Mercadorias (1)... 3 Serviços... 4 Rendimentos... 5 Transferências correntes... 6 Baança de capita... 7 Baança financeira (a)... 8 Investimento directo (2)... 9 de Portuga no exterior do exterior em Portuga Investimento de carteira Activos Tituos de participação no capita Obrigações (3) Instrumentos do mercado monetário Passivos Títuos de participação no capita Obrigações (3) Instrumentos do mercado monetário Outro investimento Activos Autoridades monetárias (4) Administrações púbicas (4) Instituições financeiras monetárias (4) de ongo prazo de curto prazo Outros sectores residentes Passivos Autoridades monetárias Administrações púbicas Instituições financeiras monetárias de ongo prazo de curto prazo Outros sectores residentes Derivados financeiros Activos de reserva (5) Erros e omissões Current account... 1 Goods (1)... 2 Services... 3 Income... 4 Current transfers Capita account... 6 Financia account (a)... 7 Direct investment (2)... 8 Portuguese investment abroad... 9 Foreign investment in Portuga Portfoio investment Assets Equity capita Bonds and notes (3) Money market instruments Liabiities Equity capita Bonds and notes (3) Money market instruments Other investment Assets Monetary authorities (4) Genera government (4) Monetary financia institutions (4) ong-term short-term Other sectors Liabiities Monetary authorities Genera government Monetary financia institutions ong-term short-term Other sectors Financia derivatives Reserve assets (5) Errors and omissions Baance Baance Baance Baance JAN JAN - JAN JAN JAN - JAN (1) Com base em estimativa mensa fornecida peo INE ajustada para vaores f.o.b. / Based on monthy figures estimated by INE, adjusted to f.o.b. vaues. (2) Incui investimento imobiiário. / Incudes rea estate investment. (3) Incui outros títuos da dívida de ongo prazo. / Incudes ong-term debt securities. (4) Sobre o conteúdo, ver notas no fim da pubicação. / For information on coverage see notes at the end of this pubication. (5) São considerados activos de reserva apenas os activos das autoridades monetárias face a não residentes da área do euro e denominados em moedas de países fora desta área, havendo ugar a uma quebra de série a partir de Janeiro de / Reserve assets incude ony monetary authorities caims on euro area non-residents denomimated in non-euro area currencies, thus impying a break in the series from January 1999 onwards. Banco de Portuga / Boetim Estatístico / Março 1999

16 A.4.1 BALANÇA DE PAGAMENTOS BALANCE OF PAYMENTS Principais componentes Main items Fonte / Source: Banco de Portuga JAN JAN - JAN JAN JAN - JAN 10 6 escudos Sado Sado Sado Sado Baança corrente... 2 Mercadorias (1)... 3 Serviços... 4 Rendimentos... 5 Transferências correntes... 6 Baança de capita... 7 Baança financeira (a)... 8 Investimento directo (2)... 9 de Portuga no exterior do exterior em Portuga Investimento de carteira Activos Tituos de participação no capita Obrigações (3) Instrumentos do mercado monetário Passivos Títuos de participação no capita Obrigações (3) Instrumentos do mercado monetário Outro investimento Activos Autoridades monetárias (4) Administrações púbicas (4) Instituições financeiras monetárias (4) de ongo prazo de curto prazo Outros sectores residentes Passivos Autoridades monetárias Administrações púbicas Instituições financeiras monetárias de ongo prazo de curto prazo Outros sectores residentes Derivados financeiros Activos de reserva (5) Erros e omissões Current account... 1 Goods (1)... 2 Services... 3 Income... 4 Current transfers Capita account... 6 Financia account (a)... 7 Direct investment (2)... 8 Portuguese investment abroad... 9 Foreign investment in Portuga Portfoio investment Assets Equity capita Bonds and notes (3) Money market instruments Liabiities Equity capita Bonds and notes (3) Money market instruments Other investment Assets Monetary authorities (4) Genera government (4) Monetary financia institutions (4) ong-term short-term Other sectors Liabiities Monetary authorities Genera government Monetary financia institutions ong-term short-term Other sectors Financia derivatives Reserve assets (5) Errors and omissions Baance Baance Baance Baance JAN JAN - JAN JAN JAN - JAN (1) Com base em estimativa mensa fornecida peo INE ajustada para vaores f.o.b. / Based on monthy figures estimated by INE, adjusted to f.o.b. vaues. (2) Incui investimento imobiiário. / Incudes rea estate investment. (3) Incui outros títuos da dívida de ongo prazo. / Incudes ong-term debt securities. (4) Sobre o conteúdo, ver notas no fim da pubicação. / For information on coverage see notes at the end of this pubication. (5) São considerados activos de reserva apenas os activos das autoridades monetárias face a não residentes da área do euro e denominados em moedas de países fora desta área, havendo ugar a uma quebra de série a partir de Janeiro de / Reserve assets incude ony monetary authorities caims on euro area non-residents denomimated in non-euro area currencies, thus impying a break in the series from January 1999 onwards. Banco de Portuga / Boetim Estatístico / Março 1999

17 A.4.4 BALANÇAS CORRENTE E DE CAPITAL CURRENT AND CAPITAL ACCOUNTS Principais componentes Main items Fonte / Source: Banco de Portuga JAN JAN - JAN JAN JAN - JAN Crédito Débito Sado Crédito Débito Sado Crédito Débito Sado Crédito Débito Sado 1 2 3= = = = euros 1 Baança corrente... 2 Bens, serviços e rendimentos... 3 Bens e serviços... 4 Mercadorias (1)... 5 Serviços... 6 Transportes... 7 Transportes marítimos... 8 Transportes aéreos... 9 Outros transportes Viagens e turismo Serviços de comunicação Serviços de construção Seguros Serviços financeiros Serviço de informação e informática 16 Direitos de utiização Outros serviços fornec.por empresas Comércio trianguar e outros ser- 18 viços de intermediação comercia 19 Serviços de auguer sem tripuação Serviços diversos técnico- 20 profissionais... Serviços de natureza pessoa, cutura 21 e recreativa Operações governamentais (n.i.n.r.).. 23 Rendimentos Rendimentos de trabaho Rendimentos de investimento Rendimentos de investimento directo.. 27 Rendimentos de tít.partic.no capita 28 dos quais: ucros reinvestidos Rendimentos de títuos de dívida Rendimentos de invest.de carteira Rendimentos de tít.partic.no capita 32 Rendimentos de títuos de dívida de obrigações (2) de instrumentos do merc.monetário 35 Rendimentos de outro investimento Transferências correntes Transferências púbicas das quais: com a UE Transferências privadas das quais: remessas de emigrantes.. 41 Baança de capita da qua: transferências de capita com a UE Current account... 1 Goods, services and income... 2 Goods and services... 3 Goods (1)... 4 Services Transport... 6 Sea transport... 7 Air transport... 8 Other transport... 9 Trave Communications services Constrution services Insurance services Financia services Computer and information services Royaties and icense fees Other business services 17 Merchanting and other trade-reated... services Operationa easing Misceaneous business, profes. and... technica services Persona, cutura and recreationa... services Government services (n.i.e.) Income Compensation of empoyees Investment income Direct investment income Income on equity of which: reinvested earnings Income on debt Portfoio investment income Income on equity Income on debt Bonds and notes (2) Money market instruments Other investment Current transfers Officia transfers of which: vis-à-vis EU Private transfers of which: emigrants remittances Capita account of which: capita transfers vis-à-vis EU = = = =10-11 Credit Debit Baance Credit Debit Baance Credit Debit Baance Credit Debit Baance JAN JAN - JAN JAN JAN - JAN (1) Com base em estimativa mensa fornecida peo INE ajustada para vaores f.o.b. / Based on monthy figures estimated by INE, adjusted to f.o.b. vaues. (2) Incui outros títuos da dívida de ongo prazo. / Incudes ong-term debt securities. Banco de Portuga / Boetim Estatístico / Março 1999

18 A.4.4 BALANÇAS CORRENTE E DE CAPITAL CURRENT AND CAPITAL ACCOUNTS Principais componentes Main items Fonte / Source: Banco de Portuga JAN JAN - JAN JAN JAN - JAN Crédito Débito Sado Crédito Débito Sado Crédito Débito Sado Crédito Débito Sado 1 2 3= = = = escudos 1 Baança corrente... 2 Bens, serviços e rendimentos... 3 Bens e serviços... 4 Mercadorias (1)... 5 Serviços... 6 Transportes... 7 Transportes marítimos... 8 Transportes aéreos... 9 Outros transportes Viagens e turismo Serviços de comunicação Serviços de construção Seguros Serviços financeiros Serviço de informação e informática 16 Direitos de utiização Outros serviços fornec.por empresas Comércio trianguar e outros ser- 18 viços de intermediação comercia. 19 Serviços de auguer sem tripuação Serviços diversos técnico- 20 profissionais... Serviços de natureza pessoa, cutura 21 e recreativa Operações governamentais (n.i.n.r.).. 23 Rendimentos Rendimentos de trabaho Rendimentos de investimento Rendimentos de investimento directo.. 27 Rendimentos de tít.partic.no capita. 28 dos quais: ucros reinvestidos Rendimentos de títuos de dívida 30 Rendimentos de invest.de carteira Rendimentos de tít.partic.no capita 32 Rendimentos de títuos de dívida de obrigações (2) de instrumentos do merc.monetário 35 Rendimentos de outro investimento.. 36 Transferências correntes Transferências púbicas das quais: com a UE Transferências privadas das quais: remessas de emigrantes. 41 Baança de capita da qua: Transferências de capita com a UE Current account... 1 Goods, services and income... 2 Goods and services... 3 Goods (1)... 4 Services... 5 Transport... 6 Sea transport... 7 Air transport... 8 Other transport... 9 Trave Communications services Constrution services Insurance services Financia services Computer and information services Royaties and icense fees Other business services Merchanting and other trade-reated services Operationa easing Misceaneous business, professiona and technica services Persona, cutura and recreationa services Government services (n.i.e.) Income Compensation of empoyees Investment income Direct investment income Income on equity of which: reinvested earnings Income on debt Portfoio investment income Income on equity Income on debt Bonds and notes (2) Money market instruments Other investment Current transfers Officia transfers of which: vis-à-vis EU Private transfers of which: emigrants remittances Capita account of which: capita transfers vis-à-vis EU = = = =10-11 Credit Debit Baance Credit Debit Baance Credit Debit Baance Credit Debit Baance JAN JAN - JAN JAN JAN -JAN (1) Com base em estimativa mensa fornecida peo INE ajustada para vaores f.o.b. / Based on monthy figures estimated by INE, adjusted to f.o.b. vaues. (2) Incui outros títuos da dívida de ongo prazo. / Incudes ong-term debt securities. Banco de Portuga / Boetim Estatístico / Março 1999

19 Nova Apresentação das Estatísticas da Baança de Pagamentos ANEXO III Quadro A.4.5 do Boetim Estatístico Banco de Portuga / Supemento n.º 1/99 ao Boetim Estatístico / Fevereiro/Março

20 A.4.5 BALANÇA FINANCEIRA FINANCIAL ACCOUNT Principais componentes Main items Fonte / Source: Banco de Portuga JAN JAN - JAN JAN JAN - JAN Crédito Débito Sado Crédito Débito Sado Crédito Débito Sado Crédito Débito Sado 1 2 3= = = = euros 1 Baança financeira (a)... 2 Investimento directo (1)... 3 de Portuga no exterior... 4 do exterior em Portuga... 5 Investimento de carteira... 6 Activos 7 Títuos de participação no capita... 8 Autoridades monetárias (2)... 9 Administrações púbicas (2) Instituições financeiras monetárias (2) Outros sectores residentes 12 Obrigações (3) Autoridades monetárias Administrações púbicas Instituições financeiras monetárias Outros sectores residentes Instrumentos do mercado monetário Autoridades monetárias Administrações púbicas Instituições financeiras monetárias 21 Outros sectores residentes Passivos Títuos de participação no capita Instituições financeiras monetárias Outros sectores residentes 26 Obrigações (3) Autoridades monetárias Administrações púbicas Instituições financeiras monetárias Outros sectores residentes Instrumentos do mercado monetário Autoridades monetárias Administrações púbicas Instituições financeiras monetárias 35 Outros sectores residentes Outro investimento Activos Autoridades monetárias Administrações púbicas Instituições financeiras monetárias Outros sectores residentes Passivos Autoridades monetárias Administrações púbicas Instituições financeiras monetárias Outros sectores residentes Derivados financeiros Autoridades monetárias Administrações púbicas Instituições financeiras monetárias Outros sectores residentes Activos de reserva (4) Ouro monetário Direitos de saque especiais Posição de reserva no FMI Activos cambiais (5) Numerário e depósitos Títuos Outros Outros activos Financia account (a)... 1 Direct investment (1)... 2 Portuguese investment abroad... 3 Foreign investment in Portuga... 4 Portfoio investment Assets... 6 Equity capita Monetary authorities (2)... 8 Genera government (2)... 9 Monetary financia institutions (2) Other sectors Bonds and notes (3) Monetary authorities Genera government Monetary financia institutions Other sectors Money market instruments Monetary authorities Genera government Monetary financia institutions Other sectors Liabiities Equity capita Monetary financia institutions Other sectors Bonds and notes (3) Monetary authorities Genera government Monetary financia institutions Other sectors Money market instruments Monetary authorities Genera government Monetary financia institutions Other sectors Other investment Assets Monetary authorities Genera government Monetary financia institutions Other sectors Liabiities Monetary authorities Genera government Monetary financia institutions Other sectors Financia derivatives Monetary authorities Genera government Monetary financia institutions Other sectors Reserve assets (4) Monetary god Specia drawing rights Reserve position in the IMF Foreign exchange (5) Currency and deposit Securities Other Other assets = = = =10-11 Credit Debit Baance Credit Debit Baance Credit Debit Baance Credit Debit Baance JAN JAN - JAN JAN JAN - JAN (1) Incui investimento imobiiário. / Incudes rea estate investment. (2) Sobre o conteúdo, ver notas no fim da pubicação. / For information on coverage see notes at the end of this pubication. (3) Incui outros títuos da dívida de ongo prazo. / Incudes ong-term debt securities. (4) São considerados activos de reserva apenas os activos das autoridades monetárias face a não residentes da área do euro e denominados em moedas de países fora desta área, havendo ugar a uma quebra de série a partir de Janeiro de / Reserve assets incude ony monetary authorities caims on euro area non-residents denomimated in non-euro area currencie, thus impying a break in the series from January 1999 onwards. (5) Activos sobre não residentes na área do euro em moedas de países fora da área do euro. / Assets on euro area non-residentes denominated in non-euro area currencies. Banco de Portuga / Boetim Estatístico / Março 1999

Balanço de Pagamentos

Balanço de Pagamentos Alicia Ruiz Olalde Balanço de Pagamentos No balanço de pagamentos, são registradas todas as transações econômicas que o país realiza com o resto do mundo, num determinado período de tempo. O Balanço de

Leia mais

VI. NOMENCLATURA DAS OPERAÇÕES CÓDIGOS. Movimento de regularização contabilística de descobertos em contas externas

VI. NOMENCLATURA DAS OPERAÇÕES CÓDIGOS. Movimento de regularização contabilística de descobertos em contas externas Anexo à Instrução nº 1/96 VI. NOMENCLATURA DAS OPERAÇÕES CÓDIGOS 0. CÓDIGOS ESPECIAIS CÓDIGOS Operação desconhecida abaixo do limiar Movimento de regularização contabilística de descobertos em contas externas

Leia mais

2.3. Balança de Pagamentos

2.3. Balança de Pagamentos Balança de Pagamentos (BP): Registo contabilístico (sistemático e equilibrado) dos valores das transações económicas entre agentes residentes e não residentes ocorridas durante um determinado período de

Leia mais

Contabilidade Social Carmen Feijó [et al.] 4ª edição

Contabilidade Social Carmen Feijó [et al.] 4ª edição Contabilidade Social Carmen Feijó [et al.] 4ª edição CAPÍTULO 5 BALANÇO DE PAGAMENTOS Professor Rodrigo Nobre Fernandez Pelotas 2015 2 Introdução O balanço de pagamentos é o registro contábil de todas

Leia mais

6 - Balanço de Pagamentos

6 - Balanço de Pagamentos Universidade Federal do Rio Grande do Sul Faculdade de Ciências Econômicas Departamento de Ciências Econômicas ECO-2215 - Contabilidade Social Balanço de Pagamentos Estrutura da apresentação 1) Definição

Leia mais

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011 RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011 I. BALANÇA DE PAGAMENTOS A estatística da Balança de Pagamentos regista as transacções económicas ocorridas, durante

Leia mais

Banco de Portugal divulga novas séries estatísticas

Banco de Portugal divulga novas séries estatísticas N.º 11 outubro 214 Banco de Portugal divulga novas séries estatísticas O Banco de Portugal publica hoje novas séries estatísticas nos seguintes domínios: Estatísticas de instituições financeiras não monetárias,

Leia mais

Manual de Instrução. Para o preenchimento do questionário sobre OPERAÇÕES E POSIÇÕES COM EXTERIOR EMPRESAS DE TRANSPORTE

Manual de Instrução. Para o preenchimento do questionário sobre OPERAÇÕES E POSIÇÕES COM EXTERIOR EMPRESAS DE TRANSPORTE Manual de Instrução Para o preenchimento do questionário sobre OPERAÇÕES E POSIÇÕES COM EXTERIOR EMPRESAS DE TRANSPORTE Direcção de Estatísticas Económicas e Financeiras DEEF 1.Introdução O Manual de Instrução

Leia mais

Aula 01. Balanço de Pagamentos

Aula 01. Balanço de Pagamentos 1. Conceito Aula 01 Balanço de Pagamentos O Balanço de Pagamentos (BP) é um registro sistemático das transações comerciais e financeiras de um país com Exterior, entre residentes e não residentes de um

Leia mais

VIII. NOMENCLATURA DAS OPERAÇÕES ÍNDICE TEMÁTICO

VIII. NOMENCLATURA DAS OPERAÇÕES ÍNDICE TEMÁTICO Anexo à Instrução nº 1/96 VIII. NOMENCLATURA DAS OPERAÇÕES ÍNDICE TEMÁTICO A Abatimentos e devoluções - Mercadorias Acções, compra/venda de (ver em Investimento) Aceitação/entrega de notas com movimentação

Leia mais

Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de Abril de 2011

Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de Abril de 2011 Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de Abril de 211 Banco de Portugal divulga Contas Nacionais Financeiras para 21 O Banco de Portugal divulga hoje no Boletim Estatístico e no BPstat Estatísticas

Leia mais

Administração das Reservas Internacionais

Administração das Reservas Internacionais Administração das Reservas Internacionais Banco Centra do Brasi Depin Depin 2 Objetivos das Reservas em Moeda Estrangeira Dar apoio à poítica monetária e cambia; Dar confiança ao mercado com reação à capacidade

Leia mais

Manual de Instrução. Para o preenchimento do questionário sobre OPERAÇÕES E POSIÇÕES COM EXTERIOR EMPRESAS DE INVESTIMENTO DIRETO

Manual de Instrução. Para o preenchimento do questionário sobre OPERAÇÕES E POSIÇÕES COM EXTERIOR EMPRESAS DE INVESTIMENTO DIRETO Manual de Instrução Para o preenchimento do questionário sobre OPERAÇÕES E POSIÇÕES COM EXTERIOR EMPRESAS DE INVESTIMENTO DIRETO Direcção de Estatísticas Económicas e Financeiras DEEF 1.Introdução O Manual

Leia mais

MACROECONOMIA I LEC201 Licenciatura em Economia 2007/08

MACROECONOMIA I LEC201 Licenciatura em Economia 2007/08 MACROECONOMIA I LEC201 Licenciatura em Economia 2007/08 CAP. 2 A MEDIÇÃO DA ACTIVIDADE ECONÓMICA --- EXERCÍCIOS 1. EXERCÍCIOS DAS AULAS 1.1. Contas Nacionais Considere o Quadro 1, com os principais agregados

Leia mais

NOTAS METODOLÓGICAS SOBRE AS ALTERAÇÕES NO BALANÇO DE PAGAMENTOS. Professor Rodrigo Nobre Fernandez

NOTAS METODOLÓGICAS SOBRE AS ALTERAÇÕES NO BALANÇO DE PAGAMENTOS. Professor Rodrigo Nobre Fernandez NOTAS METODOLÓGICAS SOBRE AS ALTERAÇÕES NO BALANÇO DE PAGAMENTOS Professor Rodrigo Nobre Fernandez Pelotas 2015 2 Introdução A partir de 2015, o Banco Central do Brasil divulga as estatísticas de setor

Leia mais

Balança de Pagamentos

Balança de Pagamentos Balança de Pagamentos Conceitos e Rubricas Definições Registo sistemático que se destina a medir as transacções económicas que se estabelecem entre os residentes (sectores internos) e os não residentes

Leia mais

Cod_estat A1010 A1020 A1030 A1040 A2010 A3010 A4010 A5010 A5020 B1110 B1120 B1130 B1140 B1211 B1212 B1213 B1214 B1221 B1222 B1223 B1224 B1230 B1240

Cod_estat A1010 A1020 A1030 A1040 A2010 A3010 A4010 A5010 A5020 B1110 B1120 B1130 B1140 B1211 B1212 B1213 B1214 B1221 B1222 B1223 B1224 B1230 B1240 Cod_estat A1010 A1020 A1030 A1040 A2010 A3010 A4010 A5010 A5020 B1110 B1120 B1130 B1140 B1211 B1212 B1213 B1214 B1221 B1222 B1223 B1224 B1230 B1240 B1310 B1320 B1330 B1340 B1410 B1420 B1430 B1440 B1510

Leia mais

------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------

------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------ ------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------ Fluxos empresariais: Tipos de fluxos Perspectiva Quadros demonstrativos contabilísticos Externos: Despesas Receitas

Leia mais

BALANÇO DE PAGAMENTOS. PAULANI, Leda Maria, BRAGA, Márcio Bobik. A Nova Contabilidade Social. São Paulo: Saraiva, 2000. (cap. 5).

BALANÇO DE PAGAMENTOS. PAULANI, Leda Maria, BRAGA, Márcio Bobik. A Nova Contabilidade Social. São Paulo: Saraiva, 2000. (cap. 5). 1 BALANÇO DE PAGAMENTOS Alexandre César Cunha Leite 1 REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA PAULANI, Leda Maria, BRAGA, Márcio Bobik. A Nova Contabilidade Social. São Paulo: Saraiva, 2000. (cap. 5). INTRODUÇÃO O estudo

Leia mais

Registo Contabilístico - Exemplos -

Registo Contabilístico - Exemplos - Registo Contabilístico - Exemplos - Exportação a pronto no valor de K1 u.m. DÉBITO CRÉDITO SALDO (1) BALANÇA DE BENS E SERVIÇOS MERCADORIAS (BALANÇA COMERCIAL) K1 K1 SERVIÇOS Transportes, viagens e turismo,

Leia mais

Papel das empresas no novo sistema das estatísticas externas. Carla Marques

Papel das empresas no novo sistema das estatísticas externas. Carla Marques Papel das empresas no P ld novo sistema das estatísticas externas Carla Marques ESQUEMA DA APRESENTAÇÃO I. Estatísticas externas Portuguesas II. Sistema das estatísticas externas e necessidade de reformulação

Leia mais

ANEXO A à. Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO. relativo ao Sistema europeu de contas nacionais e regionais na União Europeia

ANEXO A à. Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO. relativo ao Sistema europeu de contas nacionais e regionais na União Europeia PT PT PT COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 20.12.2010 COM(2010) 774 final Anexo A/Capítulo 08 ANEXO A à Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO relativo ao Sistema europeu de contas nacionais

Leia mais

ESTATÍSTICAS DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL

ESTATÍSTICAS DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL ESTATÍSTICAS DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL Notas metodológicas Suplemento ao Boletim Estatístico Outubro 2015 2 2 Estatísticas da Balança de Pagamentos e DA Posição

Leia mais

ÍNDICE. NOTAS EXPLICATIVAS Metodológica e Fontes Estatísticas.. 3 Conceitos...3 Sinais Convencionais... 6 Siglas e Abreviaturas...

ÍNDICE. NOTAS EXPLICATIVAS Metodológica e Fontes Estatísticas.. 3 Conceitos...3 Sinais Convencionais... 6 Siglas e Abreviaturas... ÍNDICE PREFÁCIO... 2 NOTAS EXPLICATIVAS Metodológica e Fontes Estatísticas.. 3 Conceitos...3 Sinais Convencionais... 6 Siglas e Abreviaturas... 6 ANÁLISE DE RESULTADOS Situação Global... 7 Conta Corrente...

Leia mais

BALANÇO DE PAGAMENTOS: desempenho brasileiro em 2010 RESUMO

BALANÇO DE PAGAMENTOS: desempenho brasileiro em 2010 RESUMO 78 BALANÇO DE PAGAMENTOS: desempenho brasileiro em 2010 Guilherme Fernandes de Souza RESUMO Com o objetivo de conhecer o desempenho brasileiro no que se refere ao Balanço de Pagamentos, esse artigo analisa

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Para evitar dupla contagem não são contabilizados os bens intermediários. Valor Agregado = VA = VBP Cons. Intermediário PN = ΣVA

Para evitar dupla contagem não são contabilizados os bens intermediários. Valor Agregado = VA = VBP Cons. Intermediário PN = ΣVA I - CONTAS NACIONAIS 1.1 Produto Agregado = Demanda Agregada = Renda Agregada (valor da produção) = (despesa com produto) = (W+L+J+A). 1.2 Renda Nacional: Somatório de todos os rendimento recebidos pelas

Leia mais

ASSUNTO: Plano de Contas (Caixa Central e Caixas de Crédito Agrícola Mútuo)

ASSUNTO: Plano de Contas (Caixa Central e Caixas de Crédito Agrícola Mútuo) Instruções do Banco de Portugal Instrução nº 118/96 ASSUNTO: Plano de Contas (Caixa Central e Caixas de Crédito Agrícola Mútuo) Tendo presente as alterações introduzidas no Código do Mercado de Valores

Leia mais

ABC da Gestão Financeira

ABC da Gestão Financeira ABC da Gestão Financeira As demonstrações financeiras são instrumentos contabilísticos que reflectem a situação económico-financeira da empresa, evidenciando quantitativamente os respectivos pontos fortes

Leia mais

Manual de Instrução. Para o preenchimento do questionário sobre OPERAÇÕES E POSIÇÕES COM EXTERIOR BANCOS COMERCIAIS

Manual de Instrução. Para o preenchimento do questionário sobre OPERAÇÕES E POSIÇÕES COM EXTERIOR BANCOS COMERCIAIS Manual de Instrução Para o preenchimento do questionário sobre OPERAÇÕES E POSIÇÕES COM EXTERIOR BANCOS COMERCIAIS Direcção de Estatísticas Económicas e Financeiras DEEF 1.Introdução O Manual de Instrução

Leia mais

Sem figuras nem imagens, Entrelinha 1,5. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Sem figuras nem imagens, Entrelinha 1,5. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Exame Nacional do Ensino Secundário Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 12 Páginas Sem figuras nem imagens, Entrelinha

Leia mais

Comunicação de Operações com o Exterior (COPE) formação online. Casos práticos

Comunicação de Operações com o Exterior (COPE) formação online. Casos práticos Casos práticos Comunicação de Operações com o Exterior (COPE) formação online O presente documento compreende a informação correspondente aos casos práticos da Comunicação de Operações com o Exterior (COPE)

Leia mais

Fonte / Source: Banco Central Europeu / European Central Bank. Depósitos com pré-aviso até 3 meses. equiparados até 2 anos (1)

Fonte / Source: Banco Central Europeu / European Central Bank. Depósitos com pré-aviso até 3 meses. equiparados até 2 anos (1) B.0.1 AGREGADOS MONETÁRIOS DA ÁREA DO EURO (a) EURO AREA MONETARY AGGREGATES (a) Saldos em fim de mês End-of-month figures Fonte / Source: Banco Central Europeu / European Central Bank M3 Circulação monetária

Leia mais

PLANO DE CONTAS PARA AS EMPRESAS DE SEGUROS

PLANO DE CONTAS PARA AS EMPRESAS DE SEGUROS PLANO DE CONTAS PARA AS EMPRESAS DE SEGUROS Índice 1. Introdução 2. Considerações sobre as opções tomadas 3. Disposições gerais 4. Quadro de contas 5. Lista e âmbito das contas 6. Tabelas 7. Contas individuais

Leia mais

Estatísticas das Finanças Públicas

Estatísticas das Finanças Públicas Departamento de Estatística Área de Contas Nacionais Financeiras e de Estatísticas de Títulos Estatísticas das Finanças Públicas Dezembro de 2009 ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 I CARACTERIZAÇÃO GERAL... 3 1. Versão/Data...

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique, de forma legível, a versão da prova.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique, de forma legível, a versão da prova. Exame Nacional do Ensino Secundário Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 8 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

NCRF 1 Estrutura e conteúdo das demonstrações financeiras

NCRF 1 Estrutura e conteúdo das demonstrações financeiras NCRF 1 Estrutura e conteúdo das demonstrações financeiras Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 1 - Apresentação de Demonstrações Financeiras,

Leia mais

Metodologia de compilação das contas nacionais

Metodologia de compilação das contas nacionais Metodologia de compilação das contas nacionais A referência metodológica das Contas Nacionais de Cabo Verde é o Sistema de Contas Nacionais (SCN) das Nações Unidas de 1968. O Produto Interno Bruto (PIB)

Leia mais

Objectivo 1 e 2. Âmbito 3. Considerações Gerais 4 e 5. Identificação das Demonstrações financeiras 6 a 8. Período de Relato 9.

Objectivo 1 e 2. Âmbito 3. Considerações Gerais 4 e 5. Identificação das Demonstrações financeiras 6 a 8. Período de Relato 9. ÍNDICE (parágrafos) Objectivo 1 e 2 Âmbito 3 Considerações Gerais 4 e 5 Identificação das Demonstrações financeiras 6 a 8 Período de Relato 9 Balanço 10 a 31 Demonstração dos Resultados 32 a 38 Demonstração

Leia mais

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros SUMÁRIO Produção de seguro directo No terceiro trimestre de, seguindo a tendência evidenciada ao longo do ano, assistiu-se a uma contracção na produção de seguro directo das empresas de seguros sob a supervisão

Leia mais

As mais importantes alterações introduzidas na nova apresentação do balanço de pagamentos são:

As mais importantes alterações introduzidas na nova apresentação do balanço de pagamentos são: Notas explicativas ao Balanço de Pagamentos compilado de acordo com as normas estabelecidas na quinta edição do Manual de Balanço de Pagamentos do FMI 1 A partir de janeiro de 2001, o Banco Central do

Leia mais

Módulo 6 A Interdependência das Economias Atuais

Módulo 6 A Interdependência das Economias Atuais Módulo 6 A Interdependência das Economias Atuais Comércio Internacional/Externo: Todas as transações efetuadas entre um país e os restantes países, isto é, entre unidades residentes e unidades não residentes

Leia mais

PLANO DE CONTAS EMPRESAS DE SEGUROS PARA AS. Aprovado pela Norma Regulamentar n.º 4/2007-R, de 27 de Abril

PLANO DE CONTAS EMPRESAS DE SEGUROS PARA AS. Aprovado pela Norma Regulamentar n.º 4/2007-R, de 27 de Abril PLANO DE CONTAS PARA AS EMPRESAS DE SEGUROS Aprovado pela Norma Regulamentar n.º 4/2007-R, de 27 de Abril Índice 1. Introdução 2. Considerações sobre as opções tomadas 3. Disposições gerais 4. Quadro de

Leia mais

INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO. Janeiro de 2014 RESULTADOS PARA PORTUGAL

INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO. Janeiro de 2014 RESULTADOS PARA PORTUGAL INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO Janeiro de 4 RESULTADOS PARA PORTUGAL I. Apreciação Geral De um modo geral, no último trimestre de 3, os critérios e condições de aprovação de crédito a

Leia mais

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DO INVESTIMENTO INTERNACIONAL ANO 2010. I. Balança de Pagamentos

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DO INVESTIMENTO INTERNACIONAL ANO 2010. I. Balança de Pagamentos RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DO INVESTIMENTO INTERNACIONAL ANO 2010 I. Balança de Pagamentos As contas externas mostram de forma resumida as relações económicas entre residentes e nãoresidentes

Leia mais

ANÁLISE DO DESEMPENHO DO SETOR EXTERNO BRASILEIRO NO SEGUNDO BIMESTRE DE 2013

ANÁLISE DO DESEMPENHO DO SETOR EXTERNO BRASILEIRO NO SEGUNDO BIMESTRE DE 2013 ANÁLISE DO DESEMPENHO DO SETOR EXTERNO BRASILEIRO NO SEGUNDO BIMESTRE DE 2013 QUIRINO, José Renato Dias 1 ; MEDEIROS 2, Rennan Kertlly de; RAMOS FILHO 3, Hélio S. RESUMO O estudo das relações econômicas

Leia mais

Introdução à Contabilidade 2014/2015. Financeira

Introdução à Contabilidade 2014/2015. Financeira Introdução à Contabilidade 2014/2015 Financeira 2 Sumário 1. O papel da contabilidade nas organizações. 2. A contabilidade externa vs a contabilidade interna. 3. Os diversos utilizadores da contabilidade.

Leia mais

O investimento em instrumentos financeiros tem sempre associado uma rendibilidade potencial e um risco implícito.

O investimento em instrumentos financeiros tem sempre associado uma rendibilidade potencial e um risco implícito. INFORMAÇÕES GERAIS. O investimento em instrumentos financeiros tem sempre associado uma rendibilidade potencial e um risco implícito. A rendibilidade é a taxa de rendimento gerado pelo investimento durante

Leia mais

Organização do Mercado de Capitais Português

Organização do Mercado de Capitais Português Instituto Superior de Economia e Gestão Organização do Mercado de Capitais Português Docente: Discentes : Prof. Dra. Raquel Gaspar Inês Santos João Encarnação Raquel Dias Ricardo Andrade Temas a abordar

Leia mais

ANEXO 1 À CIRCULAR Nº 06 /EES/2011

ANEXO 1 À CIRCULAR Nº 06 /EES/2011 ANEXO 1 À CIRCULAR Nº 06 /EES/2011 CÓDIGO 1 BENS 11 Mercadorias Gerais 111 Exportações / Importações de Mercadorias 11101 Açúcar de Cana ou de Beterraba no Estado Sólido 11102 Água Mineral Natural ou Artificial

Leia mais

Relatório Tipo Dezembro de 20XX

Relatório Tipo Dezembro de 20XX Relatório Tipo Dezembro de 20XX Alvim & Rocha Consultoria de Gestão, Lda. Tel.: 22 831 70 05; Fax: 22 833 12 34 Rua do Monte dos Burgos, 848 Email: mail@alvimrocha.com 4250-313 Porto www.alvimrocha.com

Leia mais

CENTRO SÓCIO - CULTURAL E DESPORTIVO SANDE S. CLEMENTE Rua N. Senhora da Saúde nº 91 -S. Clemente de Sande

CENTRO SÓCIO - CULTURAL E DESPORTIVO SANDE S. CLEMENTE Rua N. Senhora da Saúde nº 91 -S. Clemente de Sande CENTRO SÓCIO - CULTURAL E DESPORTIVO SANDE S. CLEMENTE Rua N. Senhora da Saúde nº 91 -S. Clemente de Sande NIPC :501971327 NISS :20007555241 NOTAS PERÍODOS 31-12-2014 31-12- ACTIVO Activo não corrente

Leia mais

Publicado no Diário da República, I série, nº 223, de 24 de Dezembro AVISO N.º 14/2014

Publicado no Diário da República, I série, nº 223, de 24 de Dezembro AVISO N.º 14/2014 Publicado no Diário da República, I série, nº 223, de 24 de Dezembro AVISO N.º 14/2014 ASSUNTO: OPERAÇÕES DE CAPITAIS - Importação de capitais associados ao investimento privado externo A Lei n.º 20/11

Leia mais

Contabilidade e Controlo de Gestão. 5. Elaboração do orçamento anual e sua articulação. Contabilidade e Controlo de Gestão. Gestão Turística -3º ano

Contabilidade e Controlo de Gestão. 5. Elaboração do orçamento anual e sua articulação. Contabilidade e Controlo de Gestão. Gestão Turística -3º ano Contabilidade e Controlo de Gestão Ano letivo 2013/2014 Gustavo Dias 5.º Semestre Orçamento anual: instrumento de planeamento a curto prazo que permitirá à empresa quantificar os seus objectivos em termos

Leia mais

COMISSÃO EUROPEIA Gabinete de Cooperação EuropeAid. América Latina Gestão financeira e contratual

COMISSÃO EUROPEIA Gabinete de Cooperação EuropeAid. América Latina Gestão financeira e contratual 1 Introdução ao sistema financeiro (custos elegíveis ) Custos directos elegíveis por natureza Custos não elegíveis Período de elegibilidade Repartição das despesas financeiras em conformidade com oanexo

Leia mais

Análise Financeira 2º semestre

Análise Financeira 2º semestre ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE VISEU DEPARTAMENTO DE GESTÃO Análise Financeira 2º semestre Caderno de exercícios CAP II Luís Fernandes Rodrigues António Manuel F Almeida CAPITULO II 2011 2012 Página

Leia mais

INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA

INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA UNIVERSIDADE DA MADEIRA Departamento de Gestão e Economia INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA 2º Semestre 2004/2005 1º CADERNO DE EXERCÍCIOS Introdução 1. INTRODUÇÃO 1. * A macroeconomia lida com: a) A Economia

Leia mais

Assim, integram a Categoria E os rendimentos de capitais, enumerados no artigo 5.º do CIRS.

Assim, integram a Categoria E os rendimentos de capitais, enumerados no artigo 5.º do CIRS. CATEGORIA E RENDIMENTOS DE CAPITAIS Definem-se rendimentos de capitais, todos os frutos e demais vantagens económicas, qualquer que seja a sua natureza ou denominação, pecuniários ou em espécie, procedentes,

Leia mais

Capítulo 10: GREMAUD, TONETO JR. E VASCONCELLOS (2002) Setor Externo

Capítulo 10: GREMAUD, TONETO JR. E VASCONCELLOS (2002) Setor Externo Capítulo 10: GREMAUD, TONETO JR. E VASCONCELLOS (2002) Setor Externo BALANÇO DE PAGAMENTOS: É o registro sistemático das transações entre residentes e não-residentes de um país durante determinado período

Leia mais

Enquadramento Página 1

Enquadramento Página 1 No âmbito do processo de adopção plena das Normas Internacionais de Contabilidade e de Relato Financeiro ("IAS/IFRS") e de modo a apoiar as instituições financeiras bancárias ("instituições") neste processo

Leia mais

Utilização das fontes de Comércio Exterior de Serviços nas Contas Nacionais. Julia Gontijo Vale Coordenação de Contas Nacionais - Dez 2009

Utilização das fontes de Comércio Exterior de Serviços nas Contas Nacionais. Julia Gontijo Vale Coordenação de Contas Nacionais - Dez 2009 Utilização das fontes de Comércio Exterior de Serviços nas Contas Nacionais Julia Gontijo Vale Coordenação de Contas Nacionais - Dez 2009 O Sistema de Contas Nacionais e a Conta do Resto do Mundo O Sistema

Leia mais

METODOLOGIA DE COMPILAÇÃO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS... 3 METODOLOGIA DE COMPILAÇÃO DA POSIÇÃO DO INVESTIMENTO INTERNACIONAL... 6 RELATÓRIO DA BALANÇA

METODOLOGIA DE COMPILAÇÃO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS... 3 METODOLOGIA DE COMPILAÇÃO DA POSIÇÃO DO INVESTIMENTO INTERNACIONAL... 6 RELATÓRIO DA BALANÇA Índice Página METODOLOGIA DE COMPILAÇÃO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS... 3 METODOLOGIA DE COMPILAÇÃO DA POSIÇÃO DO INVESTIMENTO INTERNACIONAL... 6 RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS DE 2013... 9 POSIÇÃO DO

Leia mais

CONTABILIDADE NACIONAL 1

CONTABILIDADE NACIONAL 1 CONTABILIDADE NACIONAL 1 Ópticas de cálculo do valor da produção O produto de um país pode ser obtido por três ópticas equivalentes: Óptica do Produto permite-nos conhecer o valor do produto por sector

Leia mais

REGULAMENTO (UE) 2015/1599 DO BANCO CENTRAL EUROPEU

REGULAMENTO (UE) 2015/1599 DO BANCO CENTRAL EUROPEU 24.9.2015 L 248/45 REGULAMENTO (UE) 2015/1599 DO BANCO CENTRAL EUROPEU que altera o Regulamento (UE) n. o de 10 de setembro de 2015 1333/2014 relativo às estatísticas de mercados monetários (BCE/2015/30)

Leia mais

Passivo Externo Líquido Versus Dívida Externa Líquida

Passivo Externo Líquido Versus Dívida Externa Líquida Passivo Externo Líquido Versus Dívida Externa Líquida Rubens Penha Cysne 27 de Maio de 2008 Recentemente, anunciou-se que o Brasil passou de devedor a credor internacional. Isto significa que sua Dívida

Leia mais

2. CONTABILIDADE NACIONAL

2. CONTABILIDADE NACIONAL 2. CONTABILIDADE NACIONAL 2.1. MEDIÇÃO DO PRODUTO 1. Uma boa contabilidade transforma dados em informação. Estudamos contabilidade nacional por duas razões. Em primeiro lugar, porque fornece a estrutura

Leia mais

Estatísticas de Operações e Posições com o Exterior

Estatísticas de Operações e Posições com o Exterior Estatísticas de Operações e Posições com o Exterior Apresentação do novo sistema de reporte de informação Março 2013 Esquema da Apresentação Área de Empresa Comunicação de Operações e posições com o exterior

Leia mais

Apontamentos de Contabilidade Nacional

Apontamentos de Contabilidade Nacional Apontamentos de Contabilidade Nacional Nuno Cancelo :: 31401 :: ISEL :: Semestre Verão :: Ano Lectivo 2009/2010 1/8 Índice Índices de Preços...3 Produto, Rendimento e Despesa...3 Produto...3 O Produto

Leia mais

POLÍTICA DE REVISÕES DAS ESTATÍSTICAS DO BANCO DE PORTUGAL

POLÍTICA DE REVISÕES DAS ESTATÍSTICAS DO BANCO DE PORTUGAL POLÍTICA DE REVISÕES DAS ESTATÍSTICAS DO BANCO DE PORTUGAL Departamento de Estatística do Banco de Portugal 2013 I INTRODUÇÃO Os principais referenciais sobre a qualidade estatística 1 identificam a importância

Leia mais

MACROECONOMIA (1º Ano Gestão, ano lectivo 2003/2004) Exercícios de Apoio ao Capítulo 7 (Relações Económicas Internacionais)

MACROECONOMIA (1º Ano Gestão, ano lectivo 2003/2004) Exercícios de Apoio ao Capítulo 7 (Relações Económicas Internacionais) 7.1. Considere a seguinte informação, relativa às componentes da Balança Corrente Portuguesa em 2002, em milhões de euros: Débito Mercadorias 29.028,1 41.607,4 Serviços, dos quais: 10.299,8 7.137,3 - viagens

Leia mais

IV - 2. LISTA E ÂMBITO DAS CONTAS CLASSE 8 PROVEITOS POR NATUREZA. As contas desta classe registam os proveitos correntes do exercício.

IV - 2. LISTA E ÂMBITO DAS CONTAS CLASSE 8 PROVEITOS POR NATUREZA. As contas desta classe registam os proveitos correntes do exercício. Anexo à Instrução nº 4/96 IV - 2. LISTA E ÂMBITO DAS CONTAS CLASSE 8 PROVEITOS POR NATUREZA As contas desta classe registam os proveitos correntes do exercício. 80 - JUROS E PROVEITOS EQUIPARADOS Proveitos

Leia mais

DOCUMENTOS DE GESTÃO FINANCEIRA Realizado por GESTLUZ - Consultores de Gestão

DOCUMENTOS DE GESTÃO FINANCEIRA Realizado por GESTLUZ - Consultores de Gestão DOCUMENTOS DE GESTÃO FINANCEIRA Realizado por GESTLUZ - Consultores de Gestão A Análise das Demonstrações Financeiras Este artigo pretende apoiar o jovem empreendedor, informando-o de como utilizar os

Leia mais

Contabilidade Financeira I

Contabilidade Financeira I Contabilidade Financeira I O sistema de informação contabilística Ponto da situação Visão global dos principais produtos ( outputs ) da contabilidade como sistema de informação: Balanço, Demonstração de

Leia mais

Contabilidade Financeira II 2008/2009

Contabilidade Financeira II 2008/2009 Contabilidade Financeira II 2008/2009 Capital Próprio CAPITAL PRÓPRIO Conceitos Gerais Aplicação de resultados Valor nominal, contabilístico e de mercado Demonstração das Alterações do C.P. Aumentos de

Leia mais

Perguntas frequentes (FAQs) sobre a conversão de BPM5 para BPM6

Perguntas frequentes (FAQs) sobre a conversão de BPM5 para BPM6 Perguntas frequentes (FAQs) sobre a conversão de BPM5 para BPM6 A partir de abril de 2015, o Banco Central do Brasil (BCB) passará a publicar as estatísticas de Balanço de Pagamentos (BP) e Posição Internacional

Leia mais

Logística Internacional

Logística Internacional Logística Internacional Aula 10 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos

Leia mais

LAKE FUND SGPS, SA. Demonstrações Financeiras Individuais. Exercício 2014

LAKE FUND SGPS, SA. Demonstrações Financeiras Individuais. Exercício 2014 Exercício 2014 Índice Demonstrações financeiras individuais para o exercício findo em Balanço Individual em 5 Demonstração dos Resultados Individuais em 6 Demonstração dos Fluxos de Caixa Individuais em...7

Leia mais

CONTABILIDADE. Docente: José Eduardo Gonçalves. Elementos Patrimoniais

CONTABILIDADE. Docente: José Eduardo Gonçalves. Elementos Patrimoniais CONTABILIDADE Docente: José Eduardo Gonçalves Ano: 2008/2009 Universidade da Madeira Elementos Patrimoniais Activo Recurso controlado pela entidade como resultado de acontecimentos passados e do qual se

Leia mais

Conceitos básicos de negociação em CFDs

Conceitos básicos de negociação em CFDs Conceitos básicos de negociação em CFDs N.º 808 10 20 20 ApoioCliente@GoBulling.com www.bancocarregosa.com/gobulling www.facebook.com/gobulling Advertências Específicas ao Investidor: Pode implicar a perda

Leia mais

DIRECTRIZ CONTABILÍSTICA N. o 14 DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

DIRECTRIZ CONTABILÍSTICA N. o 14 DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA DIRECTRIZ CONTABILÍSTICA N. o 14 DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA 1 Introdução: A adaptação do Plano Oficial de Contabilidade à Directiva n. o 78/660/CEE (4. a Directiva do Conselho, de 25-7-78), consubstanciada

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique, de forma legível, a versão da prova.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique, de forma legível, a versão da prova. Exame Nacional do Ensino Secundário Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/1.ª Fase 8 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

ANEXO RELATIVO AO ANO DE 2014

ANEXO RELATIVO AO ANO DE 2014 NOTA 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE: 1.1. Designação da entidade INSTITUTO PROFISSIONAL DO TERÇO 1.2. Sede PRAÇA MARQUÊS DO POMBAL, 103 4000 391 PORTO 1.3. NIPC 500836256 1.4. - Natureza da actividade CAE

Leia mais

Estatísticas do Setor Externo Adoção da 6ª Edição do Manual de Balanço de Pagamentos e Posição Internacional de Investimento (BPM6)

Estatísticas do Setor Externo Adoção da 6ª Edição do Manual de Balanço de Pagamentos e Posição Internacional de Investimento (BPM6) Estatísticas do Setor Externo Adoção da 6ª Edição do Manual de Balanço de Pagamentos e Posição Internacional de Investimento (BPM6) Novembro de 2014 1. Introdução A partir de abril de 2015, o Banco Central

Leia mais

Setor externo estatísticas do comércio exterior

Setor externo estatísticas do comércio exterior Setor externo estatísticas do comércio exterior O comércio é mutuamente benéfico. Duas pessoas não trocam bens e serviços a não ser que ambas esperem obter um benefício. No nosso dia a dia dependemos de

Leia mais

O processo de criação de moeda. 1. Conceitos básicos 31

O processo de criação de moeda. 1. Conceitos básicos 31 Índice LISTA DE SÍMBOLOS 17 PREFÁCIO 23 INTRODUÇÃO 25 Capítulo 1 O processo de criação de moeda 1. Conceitos básicos 31 1.1. Moeda e outros activos de uma economia 31 1.2. Sector monetário de uma economia

Leia mais

Finanças Internacionais

Finanças Internacionais Universidade dos Açores Departamento de Economia e Gestão Mestrado em Ciências Empresariais Finanças Internacionais Ponta Delgada, Abril de 2009 Fernando José Rangel da Silva Melo Sumário 1 Gestão Financeira

Leia mais

O MODELO IS/LM: ECONOMIA FECHADA GRANDE ECONOMIA ABERTA. Vitor Manuel Carvalho 1G202 Macroeconomia I Ano lectivo 2008/09

O MODELO IS/LM: ECONOMIA FECHADA GRANDE ECONOMIA ABERTA. Vitor Manuel Carvalho 1G202 Macroeconomia I Ano lectivo 2008/09 O MODELO IS/LM: ECONOMIA FECHADA OU GRANDE ECONOMIA ABERTA Vitor Manuel Carvalho 1G202 Macroeconomia I Ano lectivo 2008/09 O modelo IS/LM, na sua versão mais simples, descreve, formalizando analítica e

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 11.º/12.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 12 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

UFCD 6222 - Introdução ao código de contas e normas contabilísticas

UFCD 6222 - Introdução ao código de contas e normas contabilísticas UFCD 6222 - Introdução ao código de contas e normas contabilísticas C O M P I L A Ç Ã O D E M A T E R I A I S Conteúdo programático Código das contas Meios Financeiros Líquidos Contas a receber e a pagar

Leia mais

Banco de Portugal divulga estatísticas das contas financeiras das administrações públicas e da dívida pública

Banco de Portugal divulga estatísticas das contas financeiras das administrações públicas e da dívida pública N.º 7 Abril 2015 Banco de Portugal divulga estatísticas das contas financeiras das administrações públicas e da dívida pública Na edição de abril de 2015 do Boletim Estatístico são divulgadas as contas

Leia mais

Contabilidade Geral e Financeira. Enunciado da Prova

Contabilidade Geral e Financeira. Enunciado da Prova Governo da Região Administrativa Especial de Macau Comissão de Registo dos Auditores e dos Contabilistas Ano de 2014 (1.ª É poca) Prestação de provas para registo como auditor de contas 24 de Maio de 2014

Leia mais

2. Referencial contabilístico de preparação das demonstrações financeiras

2. Referencial contabilístico de preparação das demonstrações financeiras 1. Identificação da entidade EXERCÍCIO DE 2011 INTRODUÇÃO PLC - Corretores de Seguros, S.A é uma sociedade anonima. A Empresa foi constituida em 1999, tem sede na Av. Infante Santo nº 48 2º Esq. em Lisboa,

Leia mais

Avisos do Banco de Portugal. Aviso nº 8/2005

Avisos do Banco de Portugal. Aviso nº 8/2005 Avisos do Banco de Portugal Aviso nº 8/2005 Considerando a Directiva nº 98/31/CE, do Parlamento Europeu e do Conselho, de 22 de Junho, que alterou a Directiva nº 93/6/CE, de 15 de Março, relativa à adequação

Leia mais

ALVES RIBEIRO - INVESTIMENTOS FINANCEIROS, SGPS, S.A. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS INDIVIDUAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 (Montantes em Euros, excepto quando expressamente indicado) 1. NOTA INTRODUTÓRIA

Leia mais

Financiamento das PME. Evolução fiscal e regulatória. Carlos Loureiro. 28 de Novembro de 2014. 2014 Deloitte

Financiamento das PME. Evolução fiscal e regulatória. Carlos Loureiro. 28 de Novembro de 2014. 2014 Deloitte Financiamento das PME Evolução fiscal e regulatória Carlos Loureiro 28 de Novembro de 2014 1 Temas a discutir Abordagem da temática Financiamento bancário: Panaceia ou factor de restrição? As alternativas

Leia mais

RELATÓRIO & CONTAS Liquidação

RELATÓRIO & CONTAS Liquidação Fundo Especial de Investimento Aberto CAIXA FUNDO RENDIMENTO FIXO IV (em liquidação) RELATÓRIO & CONTAS Liquidação RELATÓRIO DE GESTÃO DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS RELATÓRIO DO AUDITOR EXTERNO CAIXAGEST Técnicas

Leia mais

Noções de Contabilidade

Noções de Contabilidade Noções de Contabilidade 1 1. Noção de Contabilidade A contabilidade é uma técnica utilizada para: registar toda a actividade de uma empresa (anotação sistemática e ordenada da qualidade e quantidade de

Leia mais

ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA

ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ANO : 2010 ÍNDICE 1 - Identificação da entidade 1.1 Dados de identificação 2 - Referencial contabilístico de preparação das demonstrações financeiras 2.1 Referencial

Leia mais

Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados consolidados

Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados consolidados ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS CONSOLIDADOS NOTA INTRODUTÓRIA A Lei nº 2/2007, de 15 de Janeiro (Lei das Finanças Locais), dispõe no seu Artigo 46.º o seguinte: «1 - Sem prejuízo dos documentos

Leia mais

Comunicação de Operações com o Exterior (COPE) Perguntas Frequentes - COPE

Comunicação de Operações com o Exterior (COPE) Perguntas Frequentes - COPE Perguntas Frequentes - COPE Comunicação de Operações com o Exterior (COPE) Departamento de Estatística Banco de Portugal +351 707 201 409 ddebp.reporte@bportugal.pt Versão Maio de 2013 Comunicação de Operações

Leia mais